A Travessia do Vale do Pati - De Capão à Andaraí

Troca de informações e relatos de trilhas e travessias na Região Nordeste do Brasil. Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe.


A Travessia do Vale do Pati - De Capão à Andaraí

Mensagem não lidapor edver carraro » 30 Jun 2011, 17:35

Travessia do Vale do Pati

Felizmente após longa espera, apliquei freio à rotina estafante e concretizei o tão sonhado trekking à grandiosa Chapada Diamantina, na excelente companhia de meu grande amigo Peter Tofte. Acertamos os detalhes por e-mail e telefone e planejamos um destino diferenciado para cinco dias, desde o Vale do Capão à Andaraí.

O Vale do Pati, esculpido em quartzito rosa e com encostas cobertas pela mata atlântica, foi um dos maiores produtores de café no século XX, juntamente com o Vale do Capão. Chegou a comportar mais de dois mil habitantes, centro comunitário, comércio, igreja, etc. O café que trouxe o apogeu ao vale, também foi o responsável pela decadência do mesmo, quando a política republicana da época resolveu erradicar a cultura para majorar os preços no mercado externo. Esse fato trouxe o êxodo à maioria de seus habitantes e por consequência, o vale recuperou suas matas ao longo do tempo, subtraídas na época para dar lugar ao café. Hoje é um dos destinos mais procurados no Brasil, em virtude dos inúmeros atrativos naturais; o trekking em especial!

Imagem

A programação e a ida até o Bomba

Minha chegada em Salvador estava programada para o dia 21 de junho e, junto com Peter, embarcaríamos para Palmeiras na noite da quarta-feira (dia 22), para darmos início ao trekking na quinta-feira (dia 23) pela manhã, feriado de Corpus Christi.

A idéia parecia boa, porém dias antes da partida, Peter alertou-me sobre os festejos de São João coincidentes com o feriado da quinta-feira. O fato poderia gerar algum desconforto, pois grande parte da população e turistas estaria em deslocamento para o interior, fazendo com que o movimento nas estradas aumentasse consideravelmente, podendo atrasar nosso ônibus e dificultar o transporte até o início da travessia. Particularmente, não tinha conhecimento da grandiosidade dos festejos de São João nas regiões Norte e Nordeste do país, pois aqui no Sul o mesmo não é tão difundido e comemorado e relutei em acreditar que nossa programação poderia ser afetada. Por via das dúvidas, mudamos nossa ida para a noite do dia 21, terça-feira e mantivemos a volta para a madrugada de segunda-feira, 27 de junho.

Após ser muito bem recebido por Peter e seus familiares e participar de uma saborosa janta de frios, Thaís – sua esposa – nos deixou na rodoviária por volta das 22h, afinal nosso ônibus partia às 22h45 para Palmeiras. A viagem foi longa, poucas paradas, porém cansativa. O cochilo era frequentemente interrompido por buracos na estrada, freadas bruscas e algumas vezes pela conversa de alguns passageiros inoportunos. O ar-condicionado soprava leve na tentativa de diminuir o abafamento no interior do veículo, mas piorava pouco a pouco meu estado físico. Ainda no Sul, passei algumas noites na barraca em temperaturas baixas para testar o desempenho de alguns equipamentos no frio e um surto de rinite alérgica atacou-me fortemente. Nariz entupido, garganta seca e irritada e forte dor de cabeça, foram alguns dos sintomas chatos que debilitaram um pouco minha saúde.

Aos poucos, a noite dava espaço à aurora e por volta de 7h chegamos em Palmeiras, cidade simples e pouco organizada, onde a maioria de seus moradores sobrevive com o turismo e o transporte aos mais variados destinos da Chapada Diamantina. Logo na descida do ônibus, fomos inquiridos por um morador, sobre a necessidade de carona. Confirmamos nossa ida para Capão e, logo após colocarmos as mochilas no bagageiro, nos instalamos no banco de trás de uma Volkswagen Kombi com outro casal. Estávamos em quatro espremidos no banco traseiro, quatro no banco dianteiro e um casal com o motorista, totalizando 10 pessoas a um custo de R$10,00 por passageiro. Aquele veículo precário e barulhento ia ganhando chão, subindo e descendo as ladeiras até o momento em que parou bruscamente no meio de uma subida. O motorista logo resolveu o defeito com umas pancadas na rebimbeta da parafusoca e em 40min chegávamos ao pacato vilarejo de Capão. Confesso que aquela pequena viagem foi engraçada; emocionante também, pois talhou passagem por entre belas paisagens.

Imagem

Imagem

Imagem

Capão, pequeno arraial preparado para as festividades de São João com seu clima agradável para a época e cercado de montanhas escarpadas, é o ponto inicial de muitos destinos para trekking na Chapada e de lá, acertamos carona em moto-táxi, também ao custo de R$10,00 por pessoa, por uma estrada tortuosa e esburacada de aproximados 6km até o Bomba, local de início de nossa travessia. Pensamos em percorrer o trecho a pé, porém achamos que nos atrasaríamos em virtude da grande distância que almejávamos cobrir no primeiro dia. Gatinha, piloto da minha moto, dirigia vagarosamente e com habilidade, desviando das protuberâncias e buracos do caminho, enquanto me contava sobre sua vida e sua família.

O Trekking
Ladeira do Bomba - Casa de Seu Wilson


Chegamos ao Bomba por volta de 8h15 – 30min de carona com a moto-táxi – e demos início ao trekking com uma sessão de fotos. A ladeira inicial foi vencida facilmente. Caminhávamos alternando mata, córregos e vegetação baixa e a cada metro galgado, mais descortinava-se a paisagem do Vale do Capão, com incríveis vistas do Morrão e de partes do Morro do Pai Inácio. O sol já conseguia transpor a densa camada das nuvens que pareciam trazer chuva e logo pudemos sentir o calor de seu banho dourado. Saboreamos um delicioso café às margens do Córrego da Galinha, reforçamos a proteção solar com fator 50, enchemos os cantis e demos continuidade à longa jornada entre vastos e suntuosos campos de altitude dos Gerais dos Vieira. O Morro Manoel Vitor, o Morro Branco e o Morro da Lapinha nos acompanham em boa parte do tempo, à esquerda de quem se dirige ao Pati e à direita, os morros dos Gerais do Rio Preto; a Serra do Esbarrancado. Paisagem exuberante! A idéia era subirmos o Quebra Bunda e a passos largos, pernoitar na Toca do Gavião para contemplarmos as belezas do Cachoeirão por cima e a imponência do Vale do Pati.

Imagem

Imagem

Imagem

Ao chegarmos no Córrego Açucena combinamos em almoçar no Rancho e em seguida, procuraríamos o caminho que transpunha metros ladeira acima em direção aos Gerais do Rio Preto. O almoço foi nutritivo e saboroso: pão sírio, queijos, salames, chocolates e cereais acompanhados por um delicioso suco de laranja. Geralmente quando conciliamos um trekking, optamos por reforçar as calorias com uma refeição principal à noite, para repor as energias gastas no dia. Durante a travessia, o lanche é mais prático: elimina o uso de panelas e fogareiro, poupa combustível, trabalho e satisfaz todas as nossas necessidades. Lembrando também que, pequenas refeições divididas antes do jantar são mais indicadas, pois o metabolismo não fica tão acelerado a ponto de interferir no seu desempenho e o tempo de parada é menor.

O mapa que Peter usava, trazia informações um pouco confusas. Para acessarmos a subida do Quebra Bunda, deveríamos atravessar o Córrego Açucena seguir em direção ao pé da montanha e subir pelos seus tortuosos e acentuados ziguezagues. Seguimos a indicação do mapa já que fazia oito anos que Peter não percorria o mesmo caminho e não conseguimos encontrar o início da trilha. Somente após retornarmos alguns metros, percebemos que não era necessário atravessar o córrego e sim, somente seguir à direita do mesmo para a continuidade do trekking. Enquanto vínhamos dos Gerais do Vieira, tentamos avistar a então subida, porém a mesma estava um pouco coberta pela vegetação; talvez em virtude do pouco movimento.

A ascensão foi pesada, minha rinite piorava e já andava com o auxílio de antibióticos para tentar amenizar os sintomas. Não conseguia controlar a respiração pelo nariz e a boca ficava cada passo mais seca, obrigando-me a saciar a secura com o líquido refrescante e límpido que portava no cantil. Durante as paradas, fotos para recordações daquele panorama deslumbrante e digno de horas de contemplação. Caminhar pelos Gerais do Rio Preto, igualmente ao dos Vieira, é uma atividade deliciosa; as montanhas perdem-se em meio a belíssimos campos rupestres, a trilha segue beirando as sinuosas bordas dos cânions e é visível a quilômetros de distância. Até então, nossos olhos alcançavam o início do Vale do Calixto, outro destino que pretendemos percorrer e só pudemos observar a magnitude do Vale do Pati, quando estávamos próximos do Muro de Pedras e da Rampa, que dá acesso à Ruinha. Na trilha encontramos dois mountain bikers que estavam fazendo a travessia desde a subida do Aleixo e iam até Capão. Imaginava com fariam para vencer a íngreme descida do Quebra Bunda. Deve ter sido emocionante!

Imagem

Imagem

Imagem

Ali, fui obrigado a parar para cuidar da distensão sofrida na virilha esquerda, quando subia o Quebra Bunda. A falta de alongamentos em virtude da cansativa rotina me proporcionaria dores e definiria um ritmo fraco de progresso nos dias vindouros. Essa distensão aliada à alergia obrigou-nos a mudar completamente os planos e a Toca do Gavião foi substituída pelo pernoite na casa de Seu Wilson. Em termos de distância, seria mais sensato andarmos até a Toca, mas se minha situação não melhorasse estaria um dia em atraso em relação à Andaraí, ponto final da nossa travessia. Logo à frente, encontramos dois fotógrafos carregados de equipamentos para captar as mais belas nuances dos vales ao pôr do sol. Quase chegando na bifurcação que leva à casa de Seu Wilson, encontramos pelo caminho três burros carregados de mantimentos que iam sendo tocados por dois nativos no lombo de suas mulas. Eles troteavam a passos largos ouvindo um rádio a pilhas e quando indagamos sobre o destino das provisões, nos informaram que desceriam para Ruinha e que a carga seria para a passagem do São João. Logo mais começamos a descer a íngreme trilha e outra equipe de carregadores passou por nós, dessa vez com destino à casa de Dona Raquel – mãe de Jaílson, caseiro da Prefeitura – muito mais carregada, com cinco burros e três nativos em suas mulas. É impressionante o trabalho que os moradores locais têm para dar um pouco de conforto e alimento aos visitantes que tanto esperam!

Imagem

Imagem

Imagem

O sol nos brindava com luxuosas imagens, pintando toda aquela paisagem, aqueles cumes de um ofuscante e reluzente dourado. Infelizmente, logo sumiu pelos vales escarpados, dando lugar a parcas estrelas no céu. Com toda aquela exuberância da natureza, percebi que minha alergia e a distensão da virilha eram insignificantes perante o espetáculo de cores. A descida até Seu Wilson foi grande e assim que chegamos fomos muito bem recebidos pela sua esposa Maria, sua filha Nara e sua prima de Guiné que estava de férias auxiliando a família. Logo perguntei se poderia saborear algumas laranjas, pois sentia a falta da vitamina C. Nara colheu uma bacia cheia e lavou-as em água fria. Montamos o acampamento em um patamar superior e em frente à casa, organizamos e separamos o jantar e enquanto Peter se encarregou de prepará-lo, aproveitei para tomar um agradável banho gelado. Confesso que naquela hora preferia um banho quente, mas as condições não permitiam. De qualquer forma, me senti melhor depois da ducha e voltei para a pequena cozinha de pau-a-pique para ajudar no preparo da janta, enquanto Peter tomava seu banho. Tínhamos chá e chocolate de entrada, carne sol com batatas e cebolas como refeição principal, acompanhada por um gostoso suco de laranja. Para o cozimento, utilizamos o fogareiro à benzina de Peter, pois tem um maior rendimento e poder calorífico em relação ao gás. Por segurança e para usar paralelamente quando necessário, trouxe meu fogareiro de titânio de 48g. Peter que me desculpe, mas a carne sol estava intragável! Não que a culpa fosse dele, mas tentamos remover a quantidade de sal e não obtivemos tanto sucesso. Em compensação, as batatas com cebola estavam deliciosas e após o jantar e a limpeza das louças, fomos descansar.

Imagem

Imagem

Imagem

Na ida para a barraca, avistei em meio a troncos próximos de minha tenda, uma enorme aranha-armadeira. A espécie do gênero Phoneutria e da família dos Ctenídeos é também conhecida como aranha-macaco ou aranha-de-bananeira e o nome "armadeira" vem da sua atitude invariável de ataque, apoiando-se nos dois pares de pernas traseiras, erguendo os dois dianteiros e os pedipalpos, abrindo as quelíceras e eriçando os espinhos. Acompanham o movimento do agressor e, procurando a defesa no ataque, são muito rápidas. São altamente agressivas e peçonhentas; produzem um veneno cujo componente neurotóxico é tão potente que apenas 0,006mg é suficiente para matar um rato e é considerada a aranha mais venenosa do mundo, devido à potência do seu veneno de ação neurotóxico e cardiotóxico.

Pelo tamanho deveria ser uma fêmea. Afugentamos o aracnídeo e fomos deitar. A noite estava boa para o descanso, com temperatura bem agradável e o céu coberto de estrelas. Infelizmente deixamos de conhecer a Toca do Gavião, onde pretendíamos pernoitar e o Cachoeirão por cima. Enchi meu inflável NeoAir, me enfiei no saco de dormir e caí no sono, na esperança de um amanhecer melhor e de preferência sem alergias. Uma leve chuva amenizou a temperatura da madrugada e transformou profundamente meu descanso.

Imagem

Imagem

Casa de Seu Wilson - Prefeitura

Ledo engano, quando acordei estava na mesma situação ou até pior do que o dia anterior, porém após a medicação comecei a sentir relativa melhora. Saboreamos um forte café com sopas, leite e ovomaltine, muslix, cereais e chá de maçã com bolo, chocolates e biscoitos. A programação do dia? Subir a Gruta do Morro da Lapinha e progredir com o trekking até a casa de Seu Eduardo para fazermos o Cachoeirão por baixo. Isso se minhas condições fossem favoráveis à empreitada.

No caminho para a subida, logo que deixamos a casa de Seu Wilson, encontramos um casal que vinha da Prefeitura, Paulo e Juliana que imediatamente nos alcançariam na subida para a gruta. A trilha foi relativamente fácil, puxada em virtude de meu estado físico e em 1h já estávamos contemplando o maravilhoso visual que se tem do topo. Após algumas fotos, Peter nos mostrou uma sala pequena que fica à esquerda da entrada principal da caverna e que utilizam para banho os que acampam lá no alto. Na ida Paulo quase pisou em uma peçonhenta jararaca! O cuidado nessas regiões de mata fechada e úmida deve ser redobrado, pois é habitat preferido de cobras, mas após o susto tiramos algumas fotos e ao mencionarmos da aranha que havia encontrado, Juliana confirmou que acordara no meio da noite com uma de mesma espécie entre o teto e o sobreteto de sua barraca.

Imagem

Imagem

Imagem

Adentramos nas profundezas daquele covil e aos poucos o breu nos envolvia; a cada passo dado o eco quebrava o silêncio e a calmaria daquela atmosfera sombria. Após cruzarmos o salão principal, passamos acocados por uma fenda de uns 60cm de altura e descemos a ladeira de pedras até o salão secundário, de onde atingiríamos a outra extremidade da gruta. Lugar aprazível de onde se tem uma infinita visão do Vale do Calixto, Gerais dos Vieira e do Rio Preto. Após algumas fotos, retornamos ao salão principal e em sentido contrário ao secundário, escalamos por algumas pedras em direção ao mirante. De lá do alto, uma exuberante visão em 360º de algumas das mais esplêndidas vistas da Chapada Diamantina, dignas de horas de enlevo em contemplação. Sentei na pedra e lá fiquei quase que em transe, por um bom tempo admirando aquela beleza da criação divina. Após saborear algumas barras de cereal, demos início ao retorno para a casa de Seu Wilson e em 40min já estávamos refrescando os pés no Rio Pati. Durante a descida, encontramos três pessoas que também contemplariam os altos do Morro da Lapinha.

Imagem

Imagem

Imagem

Já nas barracas, fizemos um rápido lanche, comi mais algumas laranjas colhidas por Nara, organizamos as tralhas e partimos daquele aprazível terreno. Nara nos cobrou somente os R$10,00 referentes ao pernoite do acampamento e as dúzias de laranjas nos foram presenteadas. Alguns passos após, outra cobra também jararaca, cruzou nosso caminho e ficou à beira da estrada chacoalhando o rabo e alertando sobre seu incômodo com nossa presença. A rinite já estava em complicação maior e mesmo com o auxílio de comprimidos, não conseguia progredir como gostaria. Conclusão: optamos por um pernoite na Prefeitura e chegando lá, igualmente à casa de Seu Wilson, fomos muito bem recebidos por Jaílson. Enquanto montávamos novo acampamento com uma incrível vista de toda a imponência do Morro da Lapinha que mais parecia um castelo com suas enormes torres, tomamos duas cocas não tão geladas, mas que desceram muito bem. Separamos a janta e Jaílson nos direcionou à cozinha com fogão à lenha, mesa, pia, enfim, um conforto merecido. Acendemos o fogo para o feijão, enquanto o fogareiro se concentrava em cozer o arroz. Durante o preparo da janta, Jaílson e seus filhos ficaram conosco, sentados ao redor do fogão e contando as histórias que fizeram parte de suas vidas e que cercavam seu cotidiano. Gente humilde, de grande coração e que deveriam servir de exemplo a muitos!

Imagem

Imagem

Imagem

Após outro banho frio e revigorante e uma deliciosa janta de arroz, feijão, salame e suco, deitei novamente com a esperança de melhoras no dia seguinte, afinal já havia atrapalhado os planos. Peter ficou um bom tempo na casa de Jaílson, curtindo a fogueira de São João, tomando algumas cervejas, ouvindo algumas histórias e na volta me acordou para ver como estava. Os comprimidos haviam me deixado um pouco zonzo e sonolento, por isso não lembro ao certo o que conversamos e acabei dormindo com a lanterna ligada. Passei uma boa noite de sono (não tão boa quanto a primeira) e me lembro de ter acordado com o movimento de Peter fora da barraca, enquanto urinava em virtude das cervejas que havia tomado. Nesse dia, não conseguimos atingir a casa de Seu Eduardo para pernoite e percorrer o Cachoeirão por baixo.

Imagem

Imagem

Prefeitura - Andaraí

Outro café bem reforçado; outra manhã com sintomas de alergia bem pronunciados; novo destino para Andaraí fora pensado. Infelizmente meu progresso não era o desejado, meus aliados à alergia estavam acabando e sentia que precisava de um bom chuveiro quente e uma boa cama para repouso. Demos início então à trilha que leva ao cimo da Serra do Ramalho, cruzando a ponte e seguindo à margem esquerda do Rio Pati, passando pela casa de Dona Linda. No caminho encontramos alguns trekkers que iam em direção à casa de Seu Wilson e embora pela época, Peter achou que o movimento não estava tão grande como havia imaginado. Talvez pelo fato de a maioria estar concentrada nas cidades festejando o São João. Caminho fácil, com pouca variação no perfil altimétrico e formosa paisagem até então darmos de cara com a famosa Ladeira do Império.

Imagem

Imagem

Imagem

Aos poucos começamos a galgar as pedras, num esforço de transpor a altitude que separa o Vale do Pati da descida à cidade de Andaraí. Impressionado, talvez seja a palavra que defina meu sentimento inicial à subida, pois todos falavam da dificuldade em se ganhar a ladeira, seja na subida, seja na descida e confesso que, meu desempenho foi muito melhor do que a elevação do Quebra Bunda. A cada passo dado, a cada metro ganho, a paisagem se mostrava mais e mais impressionante. Vistas de todo o Vale do Pati, das casas dos moradores, do rio cortando os imensos vales, do sol banhando a mata, eram paisagens que simplesmente arrebatavam o fôlego e arrancavam os famosos suspiros "Uau". A vontade de ficar sentado em qualquer pedra, admirando tudo aquilo era grande e muito grande, tal qual a de tirar várias fotos para tentar captar aquele momento único, mágico e cheio de vida. Em pouco tempo chegamos ao topo da Ladeira do Império e a parada para o lanche foi inevitável. Andar com Peter é assim, o peso de sua mochila é 60% comida e passa boa parte do tempo beliscando algo, incrível! Meu comportamento em trilhas é semelhante e minha fome também é das grandes, mas creio que em virtude da rinite, não estava lá com todo o apetite. Não bastasse a alergia e a distensão na virilha, senti a presença de bolhas em ambos os pés e estranhei, pois em quase quatro anos com a mesma bota, aquele fato era praticamente isolado e chato também. Gaze e fita silver tape deram jeito nas inquilinas indesejáveis; ao menos amenizaram o atrito, mas chegaria em Andaraí com os dedinhos extremamente doloridos.

Imagem

Imagem

Imagem

O astro-rei já estava em todo seu auge e castigava-nos com fortes raios, tornando o ambiente abafado. A descida foi iniciada, uma das mais longas de todo o trecho e talvez um dos trechos mais monótonos, sob meu ponto de vista, porém com sua beleza peculiar. Córregos cortavam a ladeira transversalmente e nos presenteavam com seu refrescante e avermelhado líquido. Durante a declinada, avistávamos ao longe a Cachoeira do Ramalho e alguns pontos alagados do Pantanal dos Marimbus, outra região admirável que pretendo desbravar em canoa. Não demorou muito para que os curativos das bolhas incomodassem e fui obrigado a fazer uma pequena parada para arrumá-los. Peter seguiu na frente à procura de uma sombra e água para refrescar-se um pouco, afinal estávamos submergidos em um ambiente tépido. Logo entramos numa trilha plana em areia que seguia entre vegetação baixa e que ia ladeada por grandes e esburacadas rochas, oferecendo pouca sombra e água. Não contive minha surpresa ao avistarmos lá ao longe, a cidade de Andaraí e mesmo daquela distância conseguíamos ouvir a mistura de músicas e fogos do São João. Fora a hora mais longa da travessia e já não aguentava mais descer tanta ladeira de pedra com forte sol no juízo, o que piorava ainda mais minha condição. Felizmente em boa parte do trekking, os sintomas foram aplacados pelas belas paisagens que havia vislumbrado até então e creio que pelo meu estado, consegui aguentar bem a situação e de certa forma disciplinar um pouco meu organismo em uma circunstância extrema. Novamente não conseguimos manter a programação de percorrer o Rio Pati até seu encontro com o Paraguaçu.

Imagem

Imagem

Imagem

Chegar em Andaraí foi um mistifório de sentimentos, de alegrias por ter findado em segurança uma excelente jornada; de tristezas por ter deixado para trás belezas dignas de imane contemplação; de satisfação por ter conseguido realizar a grande vontade de conhecer parte da majestosa Chapada Diamantina e sua formosura alegórica. Tão logo colocamos o pé na primeira pedra do pavimento do vilarejo, nos dirigimos diretamente para a Sorveteria Apollo, ponto de encontro de alguns trekkers e tragamos um saboroso refrigerante seguido por um álgido e refrescante sorvete caseiro. Conversando com a atendente, ficamos sabendo que ainda naquela noite havia ônibus com destino à Salvador e que partia às 21h. Sem desperdiçar tempo, Peter foi direto para a agência da Águia Branca com a idéia de trocar as passagens, porém o atendimento seria apenas das 20h até as 21h. Com isso, tínhamos um pequeno tempo para organizar algumas coisas e fomos direto para uma pousada no intuito de tomarmos um aprazível banho, assear toda aquela sujeira e antes mesmo das 20h jantaríamos. A idéia era pizza, mas os restaurantes estavam um pouco afastados, fazendo com que consumíssemos algum tempo no deslocamento. Um apetitoso prato feito ao valor de R$9,50 foi saboreado no restaurante Tá Lento: arroz, feijão, bife acebolado, purê de batatas e salada, acompanhado de suco natural de Umbu e refrigerante extremamente gelado.

Comemos bem e saímos em direção ao escritório da viação local. Trocamos a passagem sem maiores problemas, andamos até o ponto de partida do ônibus e aí é que pude perceber a empolgação do povo com os arranjos de São João: fogueiras e mais fogueiras espalhadas pelas ruelas da cidadezinha, iluminavam a escuridão daquele lusco-fusco sem estrelas e, juntamente com a música característica, criava uma atmosfera perfeita de descontração e confraternização; Andaraí estava em polvorosa. Ao chegarmos em Salvador às 5h da manhã de sábado, nossa marcha ao magnífico Vale do Pati findava. Ainda ficaria poucos dias na casa de meu grande amigo Peter, para conhecer um pouco a soberba e histórica Salvador.

Imagem

Nesses poucos dias, pude desfrutar os mais sublimes cenários de uma pequena fatia da altiva Chapada Diamantina em companhia de um verdadeiro trekker, amigo acima de tudo. Pude dividir e compartilhar excelentes momentos, sentimentos, boas gargalhadas, refrescantes goles d’água; e isso somente foi possível em virtude da humildade que se fez presente. Virtude essa que mostrou o sentimento exato da modéstia, da cordialidade, da prudência, do respeito, da simplicidade e do grande companheirismo de meu colega Peter e das pessoas que, de alguma forma, fizeram parte dessa prodigiosa aventura. Resumindo: trekking é isso, independente de onde for!

Abraço
Edy
Avatar do usuário
edver carraro
Editor Mochileiros.com
Editor Mochileiros.com
 
Mensagens: 510
Desde: 05 Jan 2008, 23:29
Localização: Veranópolis / Serra Gaúcha

Re: A Travessia do Vale do Paty - De Capão à Andaraí

Mensagem não lidapor peter tofte » 01 Jul 2011, 11:38

Edver:

Bom relato, excelentes fotos. Mostraram muito da beleza da Chapada. Gostei especialmente daquela foto da igrejinha no Capão.

Aos demais leitores mochileiros tirem ao menos 80% do que ele falou de mim, pois é bondade de amigo.

Uma pena que sua renite forte impediu de continuarmos mais dois dias na Chapada, indo para Andaraí pelo Paty-Paraguaçu, saindo no camping da Toca do Morcego, sem subir a Ladeira do Império.

A Toca do Gavião e o Cachoeirão por cima e por baixo também ficarão para outra vez.

Apesar da renite, inflamação da garganta, dor de cabeça, fisgada na virilha e dos calos nos pés (faltou algo na lista?), você se saiu muito bem, enfrentado a adversidade com disciplina e força de vontade. Espero não ter forçado demais no ritmo. Se as vezes forçava um pouco era para ter certeza de que chegaríamos no destino ainda com luz do dia.

Me surpreendeu ver o Paty quase “vazio” apesar do feriadão (Corpus Christi + São João). Acho que tradicionalmente as milhares de pessoas que vão para o interior da Bahia ficam nas cidades para curtir as festas e o forró. Sorte nossa!

Fico lhe devendo um jantar decente na trilha, pois realmente aquela carne de charque extremamente salgada estava intragável. Minha cozinheira havia me dito que achava que uma simples lavagem com água deveria tirar sal o suficiente. Na verdade a carne deveria ficar de molho de um dia para outro.

Foi muito bom ter feito este trekking com alguém experiente e excelente companhia. Vamos ver se em agosto vou para o RJ e você pode fazer a Peterê ou Serra Negra comigo. E Dientes de Navarino nos aguarde!

Abs, Peter
Avatar do usuário
peter tofte
Membro de Honra
Membro de Honra
 
Mensagens: 733
Desde: 19 Mai 2004, 17:06
Localização: salvador, BA, Brasil

Re: A Travessia do Vale do Paty - De Capão à Andaraí

Mensagem não lidapor Ram_Alen » 01 Jul 2011, 13:51

Belo relato Edver, e realmente, as fotos ficaram fantásticas! E o Paty tem um lugar todo em especial na minhas memórias.
Ah, ainda tenho vontade de fazer uma trilha com vocês, quem sabe lá em Isla Navarino...
::cool::
Avatar do usuário
Ram_Alen
Membro de Honra
Membro de Honra
 
Mensagens: 696
Desde: 31 Jan 2009, 21:20
Localização: Ceará/Maranhão

Re: A Travessia do Vale do Paty - De Capão à Andaraí

Mensagem não lidapor Kiki-SP » 03 Jul 2011, 12:41

Olá!

Só entrei mesmo aqui para marcar este tópico e lê-lo com calma quando tiver mais tempo.
Lindas fotos!

Beijo
Kiki-SP
 
Mensagens: 124
Desde: 06 Dez 2010, 23:45
Localização: Sao Paulo-Capital

Re: A Travessia do Vale do Pati - De Capão à Andaraí

Mensagem não lidapor edver carraro » 05 Jul 2011, 11:41

Peter
Agradeço o comentário!
Apesar da enorme lista de infortúnios, vejamos toda a situação pelo lado bom: é um excelente motivo para um novo trekking pela Chapada em sua companhia!

Seu ritmo de trekking é bom, semelhante ao que imponho nas travessias. Algumas vezes era difícil acompanhar em virtude da saúde fraca e da quantidade de fotos ::tchann::
Sorte que as batatas conseguiram compensar a carne de charque. Mas fique tranquilo, afinal não era a única opção de janta e tínhamos comida para 5 dias!
Mesmo assim, não deixou de ser uma situação engraçada e no trekking tem disso; deve ter.

Dientes que nos aguarde! Espero conseguirmos uma boa janela de tempo!

Ram
Obrigado amigo!
Sabia da exuberância da Chapada, mas não tinha conhecimento de tal. Quero voltar para explorar novas regiões!
Assim que surgir uma nova travessia, entramos em contato. Dientes é uma boa e como a região é um tanto quanto inóspita, quanto mais trekkers, melhor!

Kiki
Obrigado!
Modéstia a parte, creio ser uma boa leitura :mrgreen:

Abraços
Edy
Avatar do usuário
edver carraro
Editor Mochileiros.com
Editor Mochileiros.com
 
Mensagens: 510
Desde: 05 Jan 2008, 23:29
Localização: Veranópolis / Serra Gaúcha

Re: A Travessia do Vale do Pati - De Capão à Andaraí

Mensagem não lidapor Frida_ssa » 18 Jul 2011, 17:01

O Vale do Pati é lindo!! pena que eu não pude ir com vcs!!! as fotos estão muito bonitas!!

Parabéns Edver!!! abraços!!!!
Editado pela última vez por Frida_ssa em 19 Jul 2011, 14:29, em um total de 1 vez.
Fernanda Diogo - Colaboradora: Salvador, Litoral Norte, Recôncavo, Chapada Diamantina (Bahia).
Relatos: mochilao-cultural-em-salvador-bahia-por-frida-ssa-t54067.html
as-trilhas-do-vale-do-capao-t47621.html#p506912
Hospedagem no Vale do Capão: chapada-diamantina-hospedagem-t29279.html#p585630
Avatar do usuário
Frida_ssa
Colaborador
Colaborador
 
Mensagens: 1048
Desde: 08 Out 2009, 16:48
Localização: Salvador-Ba

Re: A Travessia do Vale do Pati - De Capão à Andaraí

Mensagem não lidapor Cacius » 18 Jul 2011, 21:23

Bela trip, hein, gringo? Parabéns pelo relato! Um dia tu chega no meu nível! ::lol4::
Avatar do usuário
Cacius
Editor Mochileiros.com
Editor Mochileiros.com
 
Mensagens: 916
Desde: 23 Set 2007, 02:15
Localização: RS

Re: A Travessia do Vale do Pati - De Capão à Andaraí

Mensagem não lidapor fhsantos » 08 Dez 2011, 22:25

Edver

Vou aproveitar o tópico para colocar alguns relatos e dicas do que fiz na travessia do vale do Pati, que fiz logo depois do feriado entre 16 e 20 de novembro.

Bom, fomos em 3 e um amigo meu de salvador já havia feito essa trilha muitas vezes, então fomos sem guia. O roteiro foi um pouco diferente do tradicional porque não fomos pela gerais do rio negro. Seguimos reto pelo vale e demos a volta no castelo pelo vale do rio do calixto. Na verdade depois descobrimos que essa chama trilha do calixto.

Primeira dica, se for de carro deixe-o em Palmeiras e não em Capão, é muito mais demorado e/ou caro pegar o carro de volta saindo de andaraí. Exemplo, pagamos um transfer de andarai palmeiras R$ 160,00, se fosse direto para capão (mais uns 20 km) ficaria em R$ 250,00 porque a estrada é de terra, e as vezes está muito ruim. Um lugar bom para deixar o carro é no hostel caminhos da chapada (75) 3332-2049. O estacionamento é fechado e as acomodações de primeira, pagamos R$ 30,00 com café da manhã e banho quente.

Voltando à trilha. Por esse percurso tivemos que dormir na toca do gaucho, não muito longe do final da subida vindo do capão e no início da gerais do vieria. Estava chovendo muito e optamos por parar. Do capão até a toca andamos umas 5 h. A toca é um ótimo abrigo, mas a água que passa logo atras é duvidosa, se for pernoitar lá pegue água antes.

Segunda dica: não vale muito a pena fazer a estrada capão-bombas a pé, gastamos 1:30 h sem muito o que ver. Eu pegaria um mototaxi, vimos vários indo e vindo na estrada.

Da toca fomos direto para a prefeitura, esse dia foi pesado porque se desce para o vale e a trilha estava muito úmida e escorregadia. Não tem uma vista panorâmica como deve ser a da serra do rio preto, mas a mata é muito preservada e passa pela cachoeira do Calixto, que é bem bonita. Demos sorte porque nos disseram que se chover muito fica impossível cruzar o rio perto da cachoeira. Por essa trilha não passamos pela descida do quebra bunda, nem pela igrejinha, saimos uns 40 min da prefeitura. Não pudemos subir o castelo porque choveu muito durante a noite e o rio que teriamos que atravessar estava intrasponível.

terceira dica: a prefeitura está toda reformada (não sei desde quando), mas é uma ótima opção para dormir. Tem dois fogões a lenha para cozinhar, dois banheiros, área de camping, 4 quartos para dormir, colchonetes para alugar e luz solar na casa. Quem mantem tudo é o jailsom que mora ao lado, banheiros limpos, filtros com água fresca e lenha cortada para o fogão. Se preferir pode ficar no alojamento da casa dele com cama e café da manhã. Se quiser pode encomendar janta ou comprar alguma coisa na vendinha dele. 10,00 o pernoite no camping e 22,00 no alojamento.

Da prefeitura andamos pouco até a casa do Seu Eduardo, na ponte siga reto, não cruze o rio. A casa do Seu eduardo é a melhor opção para quem vai fazer o cachoeirão por baixo. Lá tem uma casinha com 3 beliches e banheiro e uma vista linda. pagamos 20,00 por dia. A área de camping era 10,00. Mas como estava chovendo todo final de noite optamos pela casinha. Não sei se oferecem comida.

A ida ao cahoeirão por baixo é imperdível, conseguimos subir até o poço do cachoeirão, que fica do lado oposto ás várias cachoeiras que caem no fundo do vale.

No dia seguinte do seu eduardo direto para andaraí pela ladeira do império. Embora falem muito achei a subida muito agradável, a trilha é firme e a vista alucinante. Do final da subida até andaraí é uma descida interminável e menos interessante do que você já viu.

quarta dica: em andaraí fizemos o frete para palmeiras com o dono da pizzaria rio dos morcegos (75) 3335-2360. O cara é uma figura e ainda comemos uma bela pizza antes de seguirmos para Palmeiras. O cara é ponta firme, aceitou sair conosco as 21:00 (depois de mandarmos uma pizza família). Como estávamos sem todo o dinheiro para pagarmos os (160,00) ainda passamos a pizza e o frete no cartão de crédito na pizzaria.

Bom, a trilha é muito bonita. Pretendo voltar para faze-la novamente pelo rio negro, dessa vez passando pelo cachoeirão por cima e subindo ao castelo.

Abs
Editado pela última vez por fhsantos em 09 Dez 2011, 18:29, em um total de 1 vez.
Avatar do usuário
fhsantos
 
Mensagens: 156
Desde: 29 Jul 2008, 12:05

Re: A Travessia do Vale do Pati - De Capão à Andaraí

Mensagem não lidapor peter tofte » 09 Dez 2011, 12:57

Boas dicas!

Ratifico todas elas. A dica do mototáxi para o Capão é uma mão na roda!

A água do córrego atrás da Toca do Gaucho é boa mas colete mais acima (antes da água chegar na toca) e não junto a toca, pois não se sabe onde o pessoal resolve fazer as necessidades.

E o vale do Calixto, a trilha tá boa, bem marcada e fácil de seguir ou vc tem que usar muita navegação? Pretendo faze-la ano que vem.

Vc confirmou o que já havia ouvido: com chuva a trilha do Calixto é bem escorregadia.

Parabéns pelo trekking e pelas dicas.

Abraços, peter
Avatar do usuário
peter tofte
Membro de Honra
Membro de Honra
 
Mensagens: 733
Desde: 19 Mai 2004, 17:06
Localização: salvador, BA, Brasil

Re: A Travessia do Vale do Pati - De Capão à Andaraí

Mensagem não lidapor fhsantos » 09 Dez 2011, 18:22

Valeu Peter

A trilha do calixto é bem marcada, onde tem alguma possibilidade de errar é saindo da toca do gaucho até entrar no vale. Se quiser te passo o track-log que fiz.

Até pegamos um pouco dágua de manhã, bem depois da chuva, a toca do gaucho é meio que o ralo daquela parte, e a água estava muito barrenta, fora que lavou todos os banheiros dos arredores...

Abs Flávio
Avatar do usuário
fhsantos
 
Mensagens: 156
Desde: 29 Jul 2008, 12:05

Re: A Travessia do Vale do Pati - De Capão à Andaraí

Mensagem não lidapor Premota » 14 Fev 2012, 06:50

Olá, peter e Edver,

Parabéns pela caminhada. Perebi que vcs têm bom conhecimento de navegação.
Estou indo para a Chapada no começo de março, com minha namorada e tenho dúvidas sobre fazer a travessia do Paty com guia oou sozinho. Andei consultando um guia de lá e fiquei assustado com os valores cobrados (R$100 para ele + R$70 do pernoite) , por pessoa, por dia. Isto vai dar uns R$ 1.500,00 para duas pessoas.
Tenho algum conhecimento de trekking (Parque Nacional los Glaciares, Aparados da Serra, e tals), tenho quase todo o equipamento e pensei em me aventurar sozinho.
Qual a opinião e vcs?
Vcs tem algum tracklog da travessia?

abraço
Quem viaja, conhece melhor o lugar onde vive!
Minhas fotos e alguns vídeos: http://pauloremota.multiply.com/
Premota
 
Mensagens: 48
Desde: 11 Jan 2004, 14:26
Localização: Brasil

Re: A Travessia do Vale do Pati - De Capão à Andaraí

Mensagem não lidapor edver carraro » 18 Fev 2012, 13:20

Paulo,

A teoria somada com a prática, lhe dá boas noções sobre navegação! Quando se estuda o roteiro antes e a região para onde se vai, a lógica da navegação fica mais óbvia.

Para o Pati, você pode dispensar guia e fugir dos altos valores praticados. A trilha é bem demarcada e fácil e, com um simples mapa (pode-se encontrar em qualquer cidade da Chapada), você fará a travessia sem maiores problemas. Tenho um mapa digital muito bom e com escala boa para trekking do Vale do Pati, porém está em outro notebook. Assim que conseguir, posto aqui.

Se você preferir utilizar um tracklog, neste site tem alguns mapeamentos da Chapada: Clube dos aventureiros. Basta só você separar o desejado e transferir para o seu GPS.

Abraço,
Edver
Avatar do usuário
edver carraro
Editor Mochileiros.com
Editor Mochileiros.com
 
Mensagens: 510
Desde: 05 Jan 2008, 23:29
Localização: Veranópolis / Serra Gaúcha

Re: A Travessia do Vale do Pati - De Capão à Andaraí

Mensagem não lidapor peter tofte » 18 Fev 2012, 22:04

Paulo:

Compra o mapa topografico em Lençois e vai com um tracklog ou com alguns waypoints no GPS.

Basicamente acho necessario um waypoint para a subida do Quebra Bunda e outro para a primeira travessia do rio Paty. As trilhas são batidas. Nestes lugares que citei a gente pode pegar sem querer outro caminho.

Tão pedindo muito caro para guiar!

Abs, peter
Avatar do usuário
peter tofte
Membro de Honra
Membro de Honra
 
Mensagens: 733
Desde: 19 Mai 2004, 17:06
Localização: salvador, BA, Brasil

Re: A Travessia do Vale do Pati - De Capão à Andaraí

Mensagem não lidapor renato5129 » 23 Fev 2012, 12:38

Sua rinite deve ter piorado pela diferença de temperatura, em junho, largar o calorão do RS pra pegar a friaca da BA deve ser traumático. ::Cold:: ::lol4::
Seu relato ficou muito bom, e as fotos do caralho! Parabéns!
Tenho mta vontade de fazer esse trekking na Chapada Diamantina. Dizem que é um dos mais bonitos do Brasil. Estive lá em 2003 mas acabei não fazendo a travessia.
Relatos de viagem:
ucp.php?i=164
Avatar do usuário
renato5129
Colaborador
Colaborador
 
Mensagens: 294
Desde: 14 Out 2008, 14:43
Localização: Uruaçu - Goiás

Re: A Travessia do Vale do Pati - De Capão à Andaraí

Mensagem não lidapor carlos lannes » 26 Jul 2012, 17:57

Olá edver carraro,
Muito bom seu relato, já até imprimi, kkkk, estou indo agora dia 14 de agosto e pretendo fazer a trilha do Vale do Pati, se o amigo puder alem dessas informações que já descreveu, tiver mais alguma que julgue necessário para meu conhecimento ficaria muito agradecido, pois irei sem o auxílio de guia e GPS, somente com os relatos dos amigos e um mapa do local. Grande abraço e bons ventos!!!
Avatar do usuário
carlos lannes
 
Mensagens: 68
Desde: 02 Mar 2011, 16:21
Localização: Niterói-RJ

Próximo

Voltar para Trilhas & Travessias na Região Nordeste do Brasil



Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 0 visitantes