Relatos de Viagens nos países do Subcontinente Indiano: Índia, Bangladesh, Maldivas e Sri Lanka


#812659 por Oswaldo Bak
26 Fev 2013, 16:42
Agra e o Grandioso Taj Mahal

nosso blog: www.212dias.blogspot.com ou

http://www.facebook.com/212dias?ref=hl

A primeira impressão..
O Taj Mahal é patrimônio mundial da UNESCO e uma das sete maravilhas do mundo moderno segundo a organização suíça New Open World Corporation. E não é à toa. O mausoléu que mais parece um palácio é sem dúvida o ponto turístico mais famoso da Índia. Recebe cerca de 20 milhões de pessoas ao ano . Todas as manhãs o monumento, construído entre 1631 e 1653, fica lotado de turistas indianos e estrangeiros que vão assistir o nascer do sol, considerado o melhor horário para conhecer o lugar. A luz é outra, as cores também.

Nós chegamos lá às cinco e meia da manhã para comprovar e curtir esse momento mágico do dia, que torna o Taj Mahal ainda mais bonito e colorido. O sol nasce atrás dele e completa um cenário fascinante. Há uma névoa no ar e algo místico em torno do lugar. Os espelhos d’água refletem o sol e a imagem simétrica do mausoléu de mármore branco, provavelmente, o mais lindo do mundo. Os quatro jardins em forma de cruz produzem um efeito ainda maior de simetria. É um lugar especial, muito romântico, que mistura elementos das arquiteturas mughal (mongol), persa, otomana e indiana. Equilíbrio perfeito.

O Taj Mahal foi erguido por mais de 20 mil homens – entre operários, escultores, decoradores - em homenagem à terceira mulher do imperador Shah Jahan.
Mumtaz Mahal morreu durante o parto do décimo quarto filho do casal. Poucas horas antes da morte da amada, o imperador muçulmano prometeu que construiria o maior e mais imponente mausoléu do mundo em sua memória e que todos aqueles que passassem por lá teriam seus pecados perdoados. É mesmo um lugar sagrado. O Taj Mahal tem várias inscrições do Corão, o livro sagrado dos muçulmanos, e é cercado por duas mesquitas e quatro minaretes. Embora muitos elementos tenham sido roubados, o edifício mantém centenas de pedras semipreciosas esculpidas por dentro e por fora e é considerado uma das maiores provas de amor da história mundial. Lendas à parte, o fato é que Shah Jahan não curtiu muito tempo a obra de arte que erguera. Poucos anos depois do Taj Mahal ficar pronto, em 1666, o imperador adoeceu gravemente, faleceu e foi enterrado ao lado da mulher. As duas tumbas são cercadas e o acesso dos turistas é restrito. Certamente o mausoléu é muito mais bonito por fora. Por dentro é decepcionante. OTaj Mahal fecha às sextas-feiras e a entrada custa 750 rúpias, cerca de R$40,00.

Agra fica no estado de Uthar Pradesh e não vive apenas do Taj Mahal. Nós chegamos lá em 2 de agosto, dia do Rakhi, um festival nacional em que as mulheres presenteiam seus irmãos com uma pulseira colorida e eles, em troca, prometem amor e proteção eternos, além de outros presentes. A cidade estava em festa, famílias inteiras faziam piquenique e lotavam as margens do rio Yamuna, considerado sagrado pelos indianos. Nesse clima demos uma volta a pé pela cidade e conhecemos o Lala. Um motorista de tuk-tuk bike super simpático e solícito que nos levou para dar uma volta maior pelo centro antigo de Agra.

Ruas estreitas e muito comércio fazem da old town um lugar pitoresco, um belo exemplo do estilo de vida indiano. Dar uma volta por lá é essencial, afinal a Índia não se resume ao Taj Mahal. A tarde caía e Lala, com bom inglês, nos contava sobre a vida e o cotidiano na cidade mais turística do país. A Índia tem dessas surpresas. Pessoas muito especiais e interessantes, que sabem bastante da história e da cultura de seu povo e que compartilham o que sabem com muita generosidade.

O Imponente Forte de Agra

Agra sempre disputou o poder político da região com Delhi. Comparando os fortes das duas cidades, se o quesito for estilo e beleza, certamente o de Agra vence a disputa. O Red Fort fica a 2,5 Km do Taj Mahal e também é considerado patrimônio mundial pela UNESCO, um lugar imperdível.

O forte foi construído entre 1565 e 1573, numa época de disputa territorial entre hindus e muçulmanos, pelo Imperador Akbar, avô de Shah Jahan – o mesmo que construiu o Taj Mahal - e é um dos principais fortes da Índia. Dentro da cidade murada existem palácios lindíssimos em mármore branco, pátios, piscinas, pavilhões de reuniões e de audiências públicas, três mesquitas, um harém... Como na era medieval, trata-se de um microcosmo isolado por muros do resto da cidade.
No século seguinte, o forte se transformou na jaula de ouro de Shah Jahan, quando um de seus filhos reivindicou o poder, em função de sua doença, e o manteve prisioneiro durante seus últimos oito anos de vida. Segundo relatos, Shah Jahan passou o fim da vida observando de longe o mausoléu de sua amada, o Taj Mahal.

Conhecer o Taj Mahal foi uma experiência maravilhosa, repleta de história e extrema beleza. A prova de amor e todo o mito que criou-se em cima dele torna o lugar romântico, exótico e um real patrimônio da humanidade. Inesquecível!

De onde viemos: Jaipur, Índia ( de carro)
Para onde vamos: Kathmandu, Nepal (de avião)

AGRA, ÍNDIA
Hospedagem: 20 dólares/dia - Hotel Crystal Inn
Transporte: a pé, de carro e de tuktuk
Culinária : 3 dólares por prato -
Hospitalidade do povo local:
Pontos Turísticos:
Preços:
Clima Local (média 35 graus):
Fuso Horário: 09 horas a mais em relação ao Brasil
Distância Percorrida desde o último destino: 275 km
Distância Percorrida desde o ponto de Partida (Lisboa): 21.306 km

#837633 por Haialla
07 Mai 2013, 17:20
Estive em Agra há duas semanas e o taj mahal é realmente um deslumbre para os olhos. Mas a cidade em si consegue ser mais suja que Delhi. Cheirava tão mal!
Para completar a sua descrição do Taj Mahal, conta a lenda que após o términio da construção, Shah Jahan mandou cortar as mãos de todos os operários para que nunca mais construissem algo igual ou mais bonito que o Taj Mahal... :shock:


Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 2 visitantes