Troca de informações e relatos de trilhas e travessias na região sudeste do Brasil. Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.
#833591 por Renato37
27 Abr 2013, 11:22
Trilha feita em 25/04/2013.

Álbum com todas as fotos estão em:
https://picasaweb.google.com/1104304139 ... directlink

Eram 8:15h quando saltei do trem na estação de Rio Grande da serra (Linha 10 - CPTM), originalmente construída pelos ingleses no século XIX que tal como Paranapiacaba, estava envolvida no seu tradicional "fog" de inicio da manhã, qdo noto que, ainda faltavam 15 minutos até a partida do busão das 8:30h, aproveitei para dar um pulo na padaria Barcelona e comprar presunto para o pão sovado que trazia de casa, mas que esquecera de comprar presunto para o recheio.

Feito isso, fui para o ponto do busão e após o curto percurso com meia dúzia de passageiros no interior do veiculo, saltei no km 43, próximo a entrada da estradinha do etilenoduto a direita, portal que foi já palco de várias outras picadas feitas anteriormente. Após umas alongadas básicas, dei inicio a pernada propriamente dita as 8:50h. Durante a caminhada, notei que o sol estava rapidamente dissipando a névoa e os trechos de céu azul mostrara que o dia seria igualmente aproveitável e livre de qualquer vestígio de nuvem nas próximas horas.

A estradinha estava bem seca, mostrando que fazia mais de 1 semana pelo menos que não caíra uma gota sequer naquela região, coisa rara em se tratando de uma das regiões mais chuvosas do país, perdendo apenas para a Amazônia. Mas quase todo lugar tem seu período seco (ou menos chuvoso) e a serra de Paranapiacaba não seria diferente, mesmo sendo próximo a Sampa, muitas vezes aqui passa 1, 2 até 3 meses sem cair uma gota sequer, enquanto lá o efeito da orografia e a alta umidade da serra, provoca chuviscos e chuvas fracas, mas constantes, durante a passagem de qualquer frente fria, mesmo fracas e pelo oceano.

Imagem
Ainda no trecho inicial da estradinha de terra

A estrada + seca permitiu uma pernada mais tranquila até o inicio da trilha, exceto por 2 caminhões que passaram por mim durante o trecho inicial, me fazendo comer poeira. Adentrei a primeira bifurcação a esquerda, que leva a cachoeira do vale, trilha das torres, morro do careca e cachu escondida. Os trechos tradicionalmente enlameados e que ficam difícil de transpor, com o tempo seco, viram terra batida e as marcas de bota afundada na terra ficam duras como se tivessem sido cimentadas.

Ótimo para ter o prazer de pisar ali sem afundar o tênis na lama, além de agilizar o ritmo da pernada. O som dos caminhões carregando e descarregando algo em alguma obra ali perto, foram ficando para trás dando lugar ao silêncio da floresta, depois de passar por uma antena de transmissão de energia, a estradinha adentra de vez na floresta até que as 9:16h, cheguei ao encontro das 2 estradinhas de terra que vem lá do asfalto com o inicio oficial da trilha (bem no meio entre as 2) a direita.

Mas não deu nem 5 minutos na trilha da cachu do vale que logo chego no trecho onde a trilha cruza o rio vermelho. A partir dai, abandono a picada principal em favor da pequena e curta trilha a esquerda, que desce em poucos metros somente até a margem do rio vermelho. A partir de agora, já não tem mais trilha, a próxima hora será toda percorrida pelo leito pedregoso, porém calmo do rio vermelho, sabendo disso, antes de meter o pés na agua, aproveitei para trocar de roupa e colocar as roupas mais surradas, preservando a bota e calça secas para a volta.

E assim, as 9:30h saio da trilha e inicio a caminhada pelo trecho do rio vermelho. As águas do rio estavam + geladas do que normalmente já são, o que fez meus pés doerem um bocadinho no começo até acostumarem com a temperatura da agua. Tchibum em alguma piscina natural pelo visto estava totalmente fora de cogitação, pois a friaca do outono e o vento gelado da manhã, me fez supor que dificilmente faria calor durante a tarde, mas por via das dúvidas, sempre carrego comigo meu bermudão para banho.

Imagem
Rio vermelho visto da trilha da cachoeira do vale

Imagem
Trecho do Rio vermelho

Durante o percurso pelo leito do rio vermelho, cujas aguas seguiam calmas e rasinhas em direção ao topo da serra, dando voltas e contornando o trecho de planalto, notei que mesmo sem trilhas, havia marcas de botas recentes em suas margens além de um silêncio maior do que o normal, onde só se ouvia o barulho das aguas correndo calmamente em direção ao seu destino, o mar. É incrível como esse rio faz juz ao seu nome, pois a coloração vermelha bem forte se faz presente em todo o percurso do mesmo até o topo da cachu dos grampos, tornando-o único em toda região, pois não vira nenhum outro rio com uma coloração vermelha tão forte e intensa como a desse rio.

Durante o percurso, observei atentamente se não havia nenhuma picada brotando de suas margens, ora saindo temporariamente do rio para uma rápida espiada no meio da mata em busca de algum vestígio de picada, ora varando trecho de mato para vencer os trechos cujo rio ficava represado e tinha profundidade muito acima da cintura, como em um único, porém enorme trecho erodito que me fez até ficar um pouco tenso, por conta de uma pequena caverna que poderia ser a toca de algum felino, além de estar até meio escuro naquele trecho onde o rio fazia uma curva bem fechada. Nada demais, apenas fruto de uma mega erosão provocado por trombas d´agua. ::mmm:

Imagem
Prainhas fluviais

As 9:55h passei por uma área descampada a direira, onde cabe pelo menos umas 3 barracas pequenas. Sai do rio e dei uma espiada em busca de alguma picada que seguira na direção desejada. Notei restos de papel, garrafas de breja no chão e uma picada a esquerda. Pronto, imaginei que seria o fim do percurso lento pelo rio e que passaria a ser por trilha até o topo da cachu, o que aceleraria meus passos, diferentemente do que indo pelo rio.

Mero engano, a curta trilha voltava para o rio um pouco mais a frente e terminara ali mesmo, sem continuação na outra margem, o que me fez lembrar das marcas de botas em alguns trechos de prainhas fluviais do rio, que aqueles que vão até a cachu seguindo por esse caminho, o faz pelo leito do rio mesmo. Diferentemente das trilhas da cachu da fumaça e vale, não há trilha alguma que segue o rio vermelho desde a bifurcação da trilha da cachu do vale até a cachu dos grampos. E se houve no passado, fechou por completo, infelizmente.

Porém, a surpresa maior por não ter trilha ali seria descoberto lá no topo da cachu dos grampos. E das boas. Durante o percurso, passei por 2 pequenas, mas simpáticas cachus formadas pelo rio, que em dias de calor me deixaria tentado a dar um rápido tchibum, mas a insistência de são pedro em manter o "ar condicionado natural" ligado ao máximo, me fez mais uma vez, desistir da ideia, já que sequer estava suando, mesmo andando direto sem pausa para descanço desde o asfalto até aqui. Porém, pausa rápida para fotos em cada uma delas.

Imagem
Pequena queda + piscina natural do rio

Imagem

Imagem
2ºqueda, mais a frente....

As 10:10h passei por mais um trecho descampado a direita, com uma pequena trilha de acesso a ela. Já do outro lado do rio,notei um pequeno afluente e uma pequena e discreta picada adentrando mata adentro. Lembrei dela por ter percorrido a mesma de outra pernada anterior, de pelo menos uns 5 anos atrás. A trilha estava batida, porém meio fechada, com o mato tomando conta, entrei um pouco nela e a reconheci, mas voltei ao trecho do rio e fui dar uma espiada do outro lado, na área descampada, mas era só mais uma área de camping.

Após varar um trecho de mato em busca da continuação da suposta picada e nada encontrar, voltei para o rio e segui em frente. As 10:25h cheguei a outro descampado, agora a esquerda, bem maior e com traços recentes de uso, nesse havia um bilhete dentro de um saco plastico transparente preso em uma arvore pequena que dizia: "Atenção nóia da p***, limpe a sua imundisse e leve seu lixo de volta com você" + ou - isso, pois alguns trechos estavam meio ilegíveis....

Mas foi bom saber que tem gente que tem consciência, pelo menos esse descampado estava totalmente livre de qualquer vestígio de papel, vidro e outras porcarias. Ou o sujeito que deixou o bilhete recolheu e levou embora a sujeira, ou então os últimos que ali acamparam leram o bilhete e levaram o lixo de volta.

Imagem
Área descampada, próxima ao topo da cachu

Imagem
Recado para os porcos :D

Imagem
R.I.P.

Aproveitei para fazer meu 1º pit-stop desde que saltei do busão até ali para forrar o estômago e molhar a goela com mais um sucão gelado que sempre trago comigo numa garrafa térmica. Após o descanço, bati algumas fotos) e voltei para o rio, seguindo para a cachu. Mas para a minha surpresa, não deu nem 5 minutos e após virar uma curva, finalmente as 11:00h, chego ao topo da cachu dos grampos.

Nova pausa, dessa vez bem maior para fotos e explorar o entorno do topo e também para apreciar a bela visão das aguas do rio vermelho despencando serra abaixo, que lembra um pouco o da fumaça, pelo fato do topo tb ser um mirante, o rio chegar em nível pelo planalto e despencar serra abaixo em 2 grandes quedas....O mirante da cachoeira dos grampos permite uma visão bem parecida com o da fumaça, com destaque para o morro do careca que ficou bem + visível com o céu limpo e o céu bem azul.

Imagem
Vista do alto da cachoeira dos Grampos

Imagem
Parte da cachu, vista por baixo (até onde foi possível descer sem cordas)

Imagem
Morro do careca vista do topo da cachu

Imagem
Piscina natural do rio no topo da cachu

A principio, tentei desescalaminhar a borda esquerda da cachu com o objetivo de chegar até a base da mesma, para vê-la por baixo. Vi alguns grampos de rapel fincados na pedra em alguns trechos do topo, dai ao tentar descer pelas pedras, cheguei a um ponto intransponível sem cordas, então imaginei porque haviam pregado os suportes, descer sem corda ali ainda mais sozinho, seria de uma loucura e o risco que eu não estava nem um pouco afim de correr. E não havia trilha alguma nas 2 margens que descia.

Então, comecei a pensar em varar o mato ali até lá embaixo, mas ao adentrar a esquerda exatamente com essa finalidade, es que noto uma picada discreta subindo a pequena encosta e na curiosidade de ver o que é, dou de cara com uma trilha bem aberta e batida, com sinais que fora aberto faz pouco tempo. Na curiosidade de ver onde a dita cuja vai dar, abortei a descida pelo mato até a base da cachu dos grampos e fui explorar a dita picada que seguia sentido leste, na direção desejada. Minutos após entrar nessa picada, passei por um pequeno córrego e continuei pela mesma, seguindo sentido Sudeste.

Imagem
Piscina natural + Mirante + topo da cachu. Tudo em um lugar só.

Imagem
Gancho de rapel fincado na pedra.

Imagem
Baixada santista

A picada dá uma pequena volta a direita e depois a esquerda, es que noto que ela está contornando o morro que divide os vales e vai dar em algum outro trecho que ainda iria descobrir. Mas não dá nem 10 minutos de pernada, es que a mesma termina num descampado enorme, que eu reconheci na hora, por conta de outras pernadas anteriores. Na hora, pensei: Não acredito. Fizeram uma trilha de interligação entre os vales da fumaça e do rio vermelho.

Claro que fiquei radiante, pois cheguei a cogitar uma pequena ligação vara-mato com um amigo nesse mesmo dia, seguindo até ao topo da cachu dos grampos pelo rio vermelho e varando mato pelo alto do morro, até chegar no rio da cachu da fumaça, onde voltaríamos até o asfalto pela trilha. Já tinha feito 2 batevoltas entrando por um lado (cachu do vale) e voltando pela cachu da fumaça, mas descendo pelo rio do vale da morte até a trifurcação dos rios, onde os 3 rios (vale, vermelho e fumaça) se encontram e formam o rio da onça, que desce o vale da morte até encontrar com o rio Mogi lá embaixo, próximo a cubatão.

Imagem
Trecho da trilha de interligação direta: Cachu dos grampos <-> Tartaruguinha e fumaça!

Imagem
Cachu dos grampos visto do morro, no inicio da trilha de interligação....

Ainda no descampado, notei que abriram novas trilhas de acesso ao topo e a borda da cachu das tartaruguinhas, aproveitei para bater umas fotos ali e definido que voltaria por ali e não mais pelo rio vermelho, resolvi retornar pela trilha de interligação dali até chegar no rio da cachu dos grampos novamente. De volta a cachu, tentei (em vão), desescalaminhar pelas pedras mesmo, até onde era possível para bater fotos e ficar ali mais um pouco, afinal, não havia uma alma viva e dono absoluto do lugar, aproveitei que tinha muito tempo livre para curtir o local, mesmo sem tchibum, já que a friaca do outono além do vento frio se mantiveram presentes o dia todo, mesmo com o sol que brilhou a maior parte do dia.

Ainda no topo da cachu, as 13:40h, após um rápido cochilo, dou adeus a cachu dos grampos e inicio o retorno para o asfalto, dessa vez, utilizando a trilha de interligação. 10 minutos depois chego novamente a cachu das Tartaruguinhas onde fiz uma rápida pausa para + fotos, claro. Desci o rio pela trilha das tartaruguinhas, passando por outra cachoeira até que as 14:05 cheguei ao trecho do rio da cachu da fumaça, onde acessei a trilha de volta, mas não antes de dar uma rápida passada na velha cachoeira da fumaça.

Afinal, estava perto do topo e tinha mais de 3 horas de claridade disponível ainda. Assim como a dos Grampos, não havia uma alma viva no topo da cachu da fumaça e nem nas trilhas em volta, e após espiar o entorno em busca de alguma possível picada recém aberta, mas vendo que tava tudo igual, es que as 14:20h, inicio o retorno até o asfalto, já calculado para chegar com calma (sem precisar correr) para pegar o busão das 16:00hs.

Imagem
Descampado, próximo a cachu das tartaruguinhas e o final da trilha de interligação a direita.

Imagem
Cachoeira das tartaruguinhas

Imagem
Topo da cachu da fumaça

Imagem
Trecho de rio, próximo ao topo da cachoeira da fumaça

Durante a volta, notei que abriram uma trilha nova no trecho esquerdo do rio, na bifurcação entre o rio das tartaruguinhas com o da fumaça. Segui por ela e por estar bem batida e até seca, es que em menos de 10 minutos, já estava passando pela primeira cachoeira do rio. Antigamente, esse trecho até lá era feito somente pelo rio, provavelmente aquela picada nova e bem aberta foi aberto por agencias de ecoturismo, para que seus farofeiros clientes tenham mais "conforto" para chegar até a cachu (como o percurso pelo calmo e tranquilo trecho do rio da fumaça fosse tão ruim assim sem contar o trecho bem lá no começo, o pântano).

Bem ou mal, o retorno pela picada foi mais rápido e permitiu uma volta com tempo de percurso menor do que antigamente. As 14:38 cheguei ao mirante e aproveitei para fazer um rápido pit-stop para degustar mais algumas barras de cereais, detonar outra parte do sucão e adoçar a língua com o doce do cereal e biscoito. As 14:50h me mando dali e aproveitando o fato da trilha estar seca, a pernada de volta foi bem rápida.....

Durante o retorno, pouco antes de passar pelo rio das areias, es que as 15:05, noto uma bifurcação bem aberta do lado de uma clareira que já havia explorado anos atrás e que não dava em nada....porém, ao notar que estava mais aberta, es que resolvo dar uma rápida espiada nela. Adentrei e vi que estava bem mais aberta, com marcas de botas e que havia bastante sinais de movimento. Fui seguindo nela até que passei por 1, depois outro córrego pequeno e a picada se mantinha firme e forte, diferente da ultima vez que ela terminava no primeiro riachinho.

Segui por 5 minutos e ela adentrou a mata ainda mais fechada, depois para o meu espanto, ela dava umas 2 voltas e terminava nada mais, nada menos que....no mesmo lugar, em um corrego seco, pouca coisa acima do trecho do outro lado. Ao explorar uma suposta continuação da mesma ali, seguindo em frente, dei de cara com um barranco e a trilha novamente, por onde eu passara minutos antes. Na hora pensei: Que raio de trilha é essa que começa do nada e termina em lugar algum?

Poderia voltar por ali cortando caminho, mas curioso que sou ainda mais se a trilha for mto aberta e com marcas de movimento, resolvi voltar pelo mesmo caminho que vim, dando novamente a volta e vendo se não havia alguma bifurcação que por ventura poderia ter deixado passar, mas que nada...a trilha seguia assim mesmo, provavelmente era apenas trilha de caçador ou aquelas de parques estaduais de "interpretação da natureza". Ou seja: Estenderam ela, mas continua "não dando em nada". ::mmm:

Bem, valeu pelo trecho novo, pelo menos não ficou pendente e não precisarei ir de novo lá só para explorar essa bifurcação....

Ao retornar para a principal, segui rapidamente até o asfalto, onde cheguei as 15:58, bem em cima da hora do busão das 16:00hs que passou 10 minutos depois. Como gastei cerca de 25 minutos para explorar a bifurcação proximo ao rio das areias, por pouco não perco o busão das 16:00hs, tendo que esperar o das 17:00hs ou então andar por 6 km até a estação de trem em RGS. Mas tá valendo, a bifurcação poderia ter dado em alguma coisa interessante...Um detalhe que me chamou a atenção no trecho final da trilha da cachoeira da fumaça é que ela está, pouco a pouco, fechando em seu trecho que antes era bem mais mais aberto.

Em 2003, era uma estradinha de terra onde passava até carro e moto. Hoje, está resumido a uma trilha pequena desde o começo, com o mato crescendo em volta, embora o trecho após o pantano sentido cachoeira estar ainda mais aberto e bem batida. Se não passarem o facão ali, a trilha do trecho inicial estará totalmente fechada daqui a alguns anos, impossibitando qualquer volta por ela sem vara mato no trecho final (ou na ida).

De qualquer forma, a cachoeira dos Grampos mostra mais uma vez, um atrativo que só Paranapiacaba tem, antes escondido da maioria, e agora através da trilha de interligação, se tornou facilmente acessível sem a necessidade de vara mato ou mesmo seguir pelo leito do rio vermelho, sem trilha. Isso mostra o qto de cachus existem nessa região, uma próxima da outra.

Melhor que isso, só mesmo uma trilha interligando a cachu do vale com o dos grampos, passando pela escondida. Quem sabe nos próximos anos essa trilha não venha a existir? Mesmo 11 anos depois de ter posto os pés pela primeira vez (e de trem, qdo o mesmo ainda chegava até a vila inglesa) em Paranapiacaba, ainda me surpreende estar voltando lá para explorar trechos, cachus e mirantes novos que não tinha feito até o dias de hoje.
Editado pela última vez por Renato37 em 01 Abr 2015, 17:27, em um total de 1 vez.

#834264 por Jorge Soto
29 Abr 2013, 13:18
Renato37 escreveu:De qualquer forma, a cachoeira dos Grampos mostra mais uma vez, um atrativo que só Paranapiacaba tem, antes escondido da maioria, e agora através da trilha de interligação, se tornou facilmente acessivel sem a necessidade de vara mato ou mesmo seguir pelo leito do rio vermelho, sem trilha. Isso mostra o qto de cachus existem nessa região, uma próxima da outra. Melhor que isso, só mesmo uma trilha interligando a cachu do vale com o dos grampos, passando pela escondida. Quem sabe nos próximos anos essa trilha não venha a existir? Mesmo 11 anos depois de ter posto os pés pela primeira vez (e de trem, qdo o mesmo ainda chegava até a vila inglesa) em Paranapiacaba, ainda me surpreende estar voltando lá para explorar trechos,cachus e mirantes novos que não tinha feito até o dias de hoje.


Essa "trilha" entre a cachu grampos-vale não existe devido ao terreno terrivelmente acidentado.. eu já procurei de tds as formas. A única "interligação" é dando a volta por cima. Ou baixo mesmo. Mas o desafio de percorrer as 5 gdes quedas próximas dali num dia só já foi feito a algum tempo, sem gde necessidade de picada de intercecção. Basta apenas sair cedo e ter o mínimo de fôlego.
http://altamontanha.com/Aventura/3185/o ... des-quedas
Editado pela última vez por Jorge Soto em 30 Abr 2013, 08:56, em um total de 1 vez.
#834449 por Renato37
30 Abr 2013, 01:48
Sandro escreveu:Ótimo relato Renato.
A bastante tempo não ando pela região; muito bom ter atualizações do estado das velhas trilhas e de novos acessos.

Abraço. ::otemo::


Valeu Sandro. Ouvira dizer que no passado, a trilha de interligação estava fechada por desuso ou desconhecimento da maioria, mas qdo passei por lá,vi que estava bem aberta e com sinais que foi reaberta novamente. ::otemo::
#834481 por Jorge Soto
30 Abr 2013, 08:54
Em tempo: essa trilha de interligação nunca esteve fechada! O Nei, um amigo da Ecocultural viagens (SBC), q a manteve sempre roçada pois vira e mexe rapela a Cachu do Rio Vermelho, e depois leva a clientela pra Fumaça. Foi quem q colocou os grampos da tal "Cachu dos Grampos", inclusive. Como foi ele q colocou esse trem somente o próprio (e amigos) sabiam do acesso e suas condições. Até outras agencias desconhecem essa interligação.

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante