Córrego da Pedra Lisa... a pé!

Troca de informações e relatos de trilhas e travessias na região sudeste do Brasil. Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.


Córrego da Pedra Lisa... a pé!

Mensagem não lidapor Jorge Soto » 20 Mai 2011, 09:26

http://jorgebeer.multiply.com/photos/album/194/194

O CÓRREGO DA PEDRA LISA
A “Trilha da Pedra Lisa” já foi um dos gdes atrativos serranos da vila de Paranapiacaba. Considerada um dos caminhos mais antigos do Estado, com aproximadamente 500 anos, a picada fica entre a pitoresca vila inglesa e Cubatão e se insere no miolo do Pq Est. Serra do Mar. Contudo, a vereda atualmente está fechada aos reles mortais por “perigo de deslizamento”, embora contraditóriamente quem contrate monitor/guia na vila tenha livre acesso à mesma. A trilha é a mesma q depois ganha o nome de “ZigZag” e leva ao Poço das Moças, já no Rio Quilombo, onde tb deságua o córrego q despenca da Cachu da Pedra Lisa. Pois bem, a bate-volta da vez é subir o tal córrego até interceptar a trilha q lhe empresta o nome, programa radical efetuado por mta gente mais ousada até antes das proibições. E depois delas também.

Imagem

Nem mesmo o imprevisto de falta de gasolina bem no meio do Rodoanel nos demoveu da idéia do bate-volta daquele dia. Eu e o Nando havíamos deixado Sampa de madruga rumo a pitoresca vila inglesa qdo o carro nos deixou na mão no meio de nada e lugar nenhum, já no asfalto próximo de Mauá. Nada q o guincho do seguro não resolvesse, pois até nos deixar no posto de gasolina mais próximo já havíamos perdido quase td o tempo ganho por ter madrugado. O q importava mesmo era q a trip ainda estava de pé, mesmo com certo atraso.
Chegamos em Paranapiacaba por volta das 8hrs onde ainda tivemos tempo de tomar um café na Zilda, q recém abria seu famoso e tradicional boteco. O sol já estava no alto daquela manhã fria, onde a nebulosidade inicial depois daria lugar a um céu azul despido de td e qq nuvem. Mochilas de ataque nas costas, pusemo-nos a andar a passos rápidos rumo o portal do Pq Mun. das Nascentes, estrada acima. Após cruzar uma guarita (felizmente!) vazia veio a famosa subida pelos paralelepípedos da Estrada da Boa Vista, q um tempo depois abandonamos em favor da famosa e bem sinalizada “Trilha do Mirante”. O frescor da mata naquele inicio de manha abranda o calor gerado pelo corpo, q por sua vez se traduz na forma de algumas gotas de suor escorrendo pela ponta do nariz. Uma simpática vira-lata resolveu nos acompanhar a trip td, a quem passamos a chamar de Branquinha. Tentamos nos livrar dela, sem sucesso.

Imagem

As 8:40 emergimos no alto dos 1020m do amplo descampado do famoso Mirante, onde fizemos uma breve parada. A vista daqui é sempre espetacular e diga de nota: os contrafortes serranos opostos represavam a nebulosidade matinal predominante na Serra de Paranapiacaba; la embaixo, o Vale do Mogi q já foi percorrido de tds as formas imagináveis (e inimagináveis) corria sinuoso ate se perder em Cubatão, já na Baixada Santista. Mergulhamos então na mata em direção ao Poço das Moças, descendo a passos rápidos pela “Trilha do Zigzag”. Íngreme, úmida e escorregadia, esta picada faz jus ao nome alternando largos ziguezagues pela encosta e estreitas cristas com forte declividade, onde havia q se firmar na vegetação ao redor.
Dessa forma não demorou a alcançar a igualmente famosa Pedra Lisa, as 9:20, já na cota dos 580m. Aqui tentamos nos livrar outra vez da Branquinha, já prevendo q poderia nos dar problemas durante a subida de rio e consequentemente gerar atrasos. Não tivemos sucesso, a pulguenta não arredava pé da nossa cia e vinha sempre no nosso encalço qdo enxotada. Paciência. Eu, mais rude, totalmente insensível e visando somente o sucesso da trip dentro do prazo, disse pro meu colega q a cadela estava por conta e não seria ela q colocaria em xeque nosso cronograma. Mas o Nando, demonstrando mais sensibilidade com bichos q com gente, decidiu se responsabilizar pela bichinha. Aiaiai..

Imagem

A pernada tem continuidade em suaves ziguezagues pela encosta pra depois a declividade apertar forte no momento em q perdemos altitude por uma obvia crista, com mato caindo vertiginosamente de ambos os lados. Podemos ouvir claramente o som furioso de água correndo à nossa volta: do Córrego da Pedra Lisa à direita e o Rio Quilombo à esquerda, num fundo vale. Perdendo altitude rapidamente, o caminho não oferece nenhuma dificuldade a não ser alguma mata tombada da qual basta desviar, e alguns carrapichos q decidem se agarrar inconvenientemente ao cabelo.
Chegamos às margens do Poço das Moças as 10hrs, já na cota dos 100m de altitude, onde nos presenteamos com meia hora de descanso e lanche. A água esta fria demais pra um banho, razão pela qual apenas ficamos lagarteando ao sol sobre os enormes lajedos as margens do Rio Quilombo. A Branquinha não se faz de rogada e puxou um ronco num piscar de olhos. Mas q não durou mto tempo, diga-se de passagem. Se vem com a gente vai entrar no esquema do Capitão Nascimento e não vai ter moleza alguma, sem duvida! Ser um bichinho de estimação não lhe dá nenhum privilégio durante o perrengue, pelo menos não da minha parte.
Pois bem, retomamos a pernada as 10:30 avançando alguns metros rio abaixo por trilha, ate interceptar o córrego da Pedra Lisa, mais precisamente onde ele vem desaguar no Rio Quilombo como mais um dos seus tributários. Aqui tem alguns totens sobre lajotas de pedras q marcam propriamente dito o inicio da jornada, córrego acima. A pernada inicia pela mata da sua margem esquerda, onde aparentemente havia uma trilha q logo sumiu, nos forçando a saltar de pedra em pedra atraves de seu leito. Aqui eu fui pelo rio enqto o Nando e a cadelinha foram varando mato pela encosta. Este inicio de trip não tem muita dificuldade, pois o avanço em meio as enormes pedras desmoronadas do rio é relativamente facil, embora sempre haja o cuidado de resvalar no limo visguento depositado sobre elas. O declive é razoável, o q resulta em vários poços represados e cachus de porte médio durante o trajeto.

Imagem

Contudo, não demoram a surgir as gdes cachus, uma atrás da outra. Lajes bem inclinadas de onde agua despenca verticalmente e impossíveis de enfrentar diretamente nos forçam a desviar pra margem direita, onde a encosta na mata aparenta ser mais “escalaminhavel”. Aqui notamos q a Branquinha tem medo de água e se recusa a molhar os pés, ou melhor, as patas.. motivo pelo qual o Nando teve q carregá-la em tds as travessias do rio. Haja folga dessa pulguenta!
Com o Nando varando mato pela encosta e eu escalaminhando pedras no leito do rio, ganhamos um patamar acima da sequencia de cachus onde a declividade suavizou, na cota dos 250m. Ali tb encontramos vestígios de acampamento. Caçadores? Palmiteiros? Ou apenas jovens farofeiros? Não sei, apenas vimos q havia muito lixo depositado. O GPS do Nando acusa estarmos na cota dos 250m, a aproximadamente 70m de distância da trilha pela qual viemos horas atrás. Com o rio nivelado bastou avançar desimpedidamente, ora numa margem ora noutra. A declividade surgiu de forma imperceptível apenas qdo tivemos q avançar através de uma ilha onde o rio separou-se em dois braços, pra depois juntar-se novamente um pouco mais acima, na cota dos 330m.

Imagem

Mas td q é bom dura pouco pq não demorou pro terreno mostrar-se mais elevado e encachoeirado, e a pernada transcorreu no mesmo compasso, costurando ambas margens conforme dava. E o cachorro sendo levado no colo. Chegamos então ate a base de uma enorme queda, mais precisamente uma gde laje de onde escorria muita agua. Aqui notamos q um gde paredão rochoso impedia o acesso pela direita, razão pela qual fomos forcados invariavelmente a seguir pela esquerda, onde o acesso aos niveis superiores era mais tranquilo, atraves da mata e pedras desmoronadas. Por sorte, a rasgação de mato pela encosta íngreme era ate q bem fácil, sem gdes dificuldades e assim ganhamos fomos ganhando mais altitude ainda. Ao dar uma espiada atraves da vegetação rente o rio, qual minha surpresa ao ver q acompanhávamos um mega-tobogã de gdes proporções e assim atingimos o alto da tal cachu, já nos 400m de altitude. Por sua vez, a Branquinha parecia estar sentindo o tranco da subida pois era so parar um pouco q ela se jogava no chão, pronta pra dormir.
O terreno a partir daqui so tendeu a ficar cada vez mais íngreme e acidentado, nos forçando a subir sempre pela encosta á direita, onde o rio ao nosso lado sempre nos brindava com enormes cachus e belos poços rasos de agua cristalina. Enqto o Nando e a Branquinha subiam pelo q era uma crista ascendente, eu ganhava altitude atraves das pedras de um caminho dágua seco, sem perde-los de vista e vice-versa. Após bordejar uma enorme rocha pela direita, notamos q nos afastávamos demais do rio e daí rasgamos mato pra ir de encontro a ele. Foi onde eu tropecei num belíssimo mirante rochoso, onde podia avistar tds as cachus abaixo da gente como os verdejantes contrafortes serranos do outro lado do vale.

Imagem

A ascenção prosseguiu no mesmo compasso anterior, sempre pela íngreme encosta da mata, uma vez q o rio era uma sucessão de enormes lajotas encachoeiradas e pirambas semi-verticais. Foi ai q em meio a frestas na vegetação nos demos conta q já estavamos próximos do nosso destino, principalmente qdo vimos uma mega-cachoeira logo acima. Fomos de encontro ao rio e alcançamos o poço q td indicava ser a base da Cachu da Pedra Lisa, as 13:10, na cota dos 520m de altitude!! Agua despencava de uma altura enorme atraves de vários niveis lajotados quase verticais e impossiveis de serem escalados, não pelo menos sem ajuda de corda. Foi ao redor do tal poço raso e de águas geladas da cachu q nos presenteamos com um breve descanso. A Branquinha não se fez de rogada e puxou um ronco; o Nando não fez cerimônia e encarou um tchibum naquela friaca; e eu não me fiz de rogado e simplesmente fiquei ali, apenas contemplando o rio em seu trajeto serra abaixo, dono absoluto daquele mirante privilegiado.
Pois bem, o trecho final era impossível de ser vencido pelo rio, motivo pelo qual simplesmente fomos obrigou a seguir pela íngreme encosta à esquerda do mesmo, escalaminhando a mata num chão q parecia se esfarelar aos nossos pés. Davamos um passo e retrocedíamos dois. Eventualmente avistávamos o q parecia ser vestígios de uma trilha mas q logo desaparecia, nos forçando a novamente varar-mato espinhento no peito e do qual a calça do Nando saiu td em frangalhos.

Imagem

Foi então q as 13:30 desembocamos no alto dos 580m da Cachu da Pedra Lisa, onde comemoramos o sucesso da nossa ascenção do Córrego do mesmo nome. Após descansar um pouco retomamos o árduo caminho de volta pela trilha principal, retorno q nunca nos pareceu tão interminável como naquele dia. Era subida q não acabava e imediatamente ensopou nossas camisas de suor. Claro q nosso avanço foi na base do passo de lesma-com-preguiça, sem pressa alguma. A Branquinha ainda tinha energias pra se enfiar td elétrica no meio da mata atrás de passarinhos, pra depois aparecer do nada e nos pregar altos sustos.
Subitamente um espesso nevoeiro tomou conta do alto da serra, e portanto uma vez ao chegar no Mirante não teríamos visual nenhum. Foi então q tomamos outra trilha q evitava passar pelo mesmo, contornando o topo pra depois cair na famosa picada “Volta da Serra”, onde acompanhamos o córrego q abastace a Cachu Escondida. Não demorou a cairmos na trilha principal, e dali pra chegar estrada principal era pura questão de tempo. No caminho, fomos recolhendo o lixo q outros turistas menos responsáveis deixaram pelo trajeto.

Imagem

Finalizando, chegamos na vila de Paranapicaba as 15hrs q por sua vez estava imersa em seu habitual “fog” londrino. Nos despedimos da brava e valente Branquinha, q pareceu se engraçar com outro vira-lata da vila e preferimos não atrapalhar o clima q rolou entre os dois. Claro q antes de ir embora estacionamos no Largo dos Padeiros, onde mandamos ver doses de cambuci somadas a rodadas intermináveis de cerveja. Foi ali q conhecemos duas mochileiras canadenses q estavam hospedadas ali, e qual nossa surpresa q estavam no pais a apenas 2 dias e q a vila inglesa foi o primeiro destino da lista delas!!! Pois é, Paranapiacaba e ate o Bar da Zilda constam com destaque no “Lonely Planet”, atraindo gringos do mundo inteiro... e estranhamente tem gente daqui mesmo, do Brasil, q desdenha e pouco caso faz da nossa sempre maravilhosa Serra do Mar paulistana. Vai entender...

Atualmente a “Trilha da Pedra Lisa” passa por um projeto de restauração, pois é bem verdade q a vereda está repleto de atalhos (resultantes do uso inadequado dos visitantes) q somados à ação continua da água provocam a erosão e destruição do caminho original. Mas até q haja o manejo e melhora propriamente dita ainda deve levar um bom tempo, até pq agora não há nada visivelmente palpável na trilha a não ser sua proibição. Enqto o acesso estiver vetado, porém permitido a quem tiver guia/monitor, uma opção é subir o Córrego da Pedra Lisa a partir da baixada santista, ou tentar outras variantes deste trajeto. Pq agora essa parece ser a única forma de manter viva a lembrança de uma das gdes vedetes serranas de Paranapiacaba. E torcer pra q seu chão úmido torne em breve a ser novamente pisado sem qq ressalva ou impedimentos de qq espécie.

Imagem
"Cansado da mesmice? Ande fora dela..."
http://www.brasilvertical.com.br/antigo/l_trek.html
Imagem
Avatar do usuário
Jorge Soto
Membro de Honra
Membro de Honra
 
Mensagens: 984
Desde: 17 Out 2002, 14:56
Localização: Brasil

Voltar para Trilhas & Travessias na Região Sudeste do Brasil



Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 2 visitantes