Troca de informações e relatos de trilhas e travessias na região sudeste do Brasil. Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.
#599630 por Jorge Soto
13 Jun 2011, 10:09
http://jorgebeer.multiply.com/photos/al ... Itaguacira

TRAVESSIA PEDRA GRANDE - ITAGUACIRA
A Pedra Grande é um gigantesco e inconfundível bloco de granito encravado na Serra do Mar do distrito de Quatinga,
região de Mogi das Cruzes. De relativo fácil acesso e aproximadamente 1100m de altura, do seu cume é possível avistar
outro gde e imponente pico, situado a menos de 3km à nordeste. Pois este maciço atende pelo nome de Pico do Itaguacira
e, à diferença de sua ilustre vizinha, deste não se tem info ou know-how algum de acesso ao topo, 100m mais alto. No
entanto, ambas montanhas estão ligeiramente unidas por uma estreita e escarpada crista forrada de mata. Pronto, estava
lançado o desafio de unir estes cumes, resultando numa curta e perrengosa travessia pra andarilho nenhum botar defeito.

Imagem

Sempre acreditei q o Pico Itaguacira e Pedra Grande de Quatinga fossem a mesma montanha. Por situar-se na divisa de
Paranapiacaba e Mogi, ambas regiões reivindicam a “posse” da elegante montanha, recebendo assim denominações diferentes. Pois bem, estava errado. Foi graças à insistência do Carlos, q sobrepôs a carta da região com imagens precisas do Google Earth q chegamos a conclusão q eram picos diferentes, porém bem próximos! Sendo assim, nas duas ocasiões em q estive supostamente no Itaguacira na realidade estava com os pés sobre a Pda Gde! Essa constatação foi a gota dágua pra
realizar a união dos picos, algo q já cogitara desde a primeira vez q estivera na ilustre montanha, pois o Itaguacira é
visivelmente mais alto q a Pda Gde! Pra corrigir esta desfeita nos 2 relatos anteriores basta trocar apenas Itaguacira
por Pedra Grande; assim como em cia do Carlos resolvi finalmente fazer a travessia entre os dois picos avaliando as
possibilidades “in loco”, munidos apenas com meu conhecimento do local, uma carta e uma bússola.
Após um suculento pão-na-chapa da Padoca Barcelona, q nunca esteve tão delicioso, encontrei o Carlos em Rio Gde da Serra
naquela manhã fria de domingo pra logo embarcarmos no latão rumo Paranapiacaba, onde chegamos às 8:40. As brumas a mto
haviam se dispersado dando lugar a um sol radiante e um céu azul impar. Como nossa empreitada era incerta, apressamos
nosso passo afim de otimizar ao máximo a luz natural. Em tempo, a decisão de iniciar o acesso pela vila inglesa foi
puramente logístico.

Imagem

Assim, deixamos Paranapiacaba pra trás pra mergulhar no frescor da bucólica estrada do Taquarussú ate alcançar a vila do
mesmo nome as 9:30. Sempre descendo suavemente pela estrada de terra, serpenteamos um enorme reflorestamento de
eucaliptos ate dar no aberto, ignorando a bifurcação q dá pro Camping Simplão. Daqui já se tem um vislumbre da silhueta
do serrote q acolhe a Pda Gde, esta porém vista por “trás”. Sempre seguindo a passo ligeiro pela principal cruzando por
algumas chácara, onde latidos estridentes do “Sitio Cachoeira” quebram o silencio da jornada, as 10:15 topamos com o
famoso orelhão q serve como referência. Deixamos a estrada pra adentrar pela estreita estrada á direita, agora indo de
encontro ao miolo da Serra da Pda Gde, q agora exibe sim seu belo domo de granito reluzindo ao sol, a leste. Subindo e
descendo suavemente, nos deparamos com nova bifurcação com placa, onde tomamos á esquerda ignorando a q nos leva ao
Pesqueiro de Trutas Pedrinhas.
Visivelmente adentrando num vale q bordeja a encosta das montanhas, ganhamos altura de forma imperceptível um tempão ate deixar a estrada em favor de uma trilha de motos erodida, na qual nos poupamos de dar enorme volta pela esquerda. Mas às 11hrs topamos com a entrada da trilha da Pda Gde, sinalizada de forma discreta, ao lado da porteira de uma fazenda. Dali
não tem mais erro, pois basta tomar a picada, obvia e bem batida, q sobe uma crista ascendente de forma imperceptível
pra depois palmilhar em nível a encosta esquerda da montanha. Visivelmente bordejando a montanha, após passar um filete
dágua é q a subida aperta de vez e a piramba íngreme q se segue só é vencida mediante escalaminhada brava onde nos
firmando nos troncos ou qq apoio à mão, onde se ganha altura num piscar de olhos.

Imagem

Mas meia hora após entrar na trilha é q emergimos de fato no alto da Pedra Grande, com um forte vento frio soprando no
suor escorrendo pelo rosto, q nos obriga a trajar anorakes apesar do sol brilhar soberano no firmamento. Pausa
logicamente pra descanso e pra algum petisco, enqto apreciamos o belo visual q se descortina á nossa volta, do alto dos
quase 1140m daquele maciço granítico. Um vasto capinzal e alguns pequenos trechos lajotados dominam o topo, cuja vista
panorâmica é realmente soberba e permite um vislumbre geral em 360 graus, seja da Represa de Taiacupeba, das Cabeceiras
do Quilombo e de Cubatao, de td trecho feito desde Paranapiacaba, de Quatinga, etc..enfim, uma vista realmente
deslumbrante. Dali tb observamos claramente o selado de ligação q deve ser atingido, rumo sul, pra depois prosseguir
inipterruptamente pela crista, sentido o Pico Itaguacira, já a leste.
Após discutir a melhor tática de acesso e avaliar as demais possibilidade de fuga na carta, as 12:10 tomamos uma picada
q sai do topo e percorre a crista indo no sentido desejado, isto é, sentido sul, onde perdemos altitude as poucos. Eu já
havia percorrido esta crista noutra ocasião e sabia q dali havia condições de aceder o selado avistado, so não sabia se
havia trilha ate lá. Pois bem, aqui o trajeto é tranqüilo e desimpedido, com algumas brechas na vegetação q permitem
visualização da crista e selado q devemos atingir.

Imagem

Mas não dá nem meia hr q a vereda nos leva numa bifurcação em “T”, onde o sentido agora a tomar é obvio, o ramo da
esquerda, já q o da direita desce a serra sentido sudoeste e vai dar próximo do Camping Simplão. Mas após um bambuzal
logo minhas suspeitas de inexistência de trilha se confirmam pois não andamos nem 50m q a tal “trilha” some
definitivamente, nos obrigando a simplesmente descer a serra no vara-mato. Sem referencia, é aqui q a bússola tem papel
fundamental, sempre azimutando pro sul/sudeste. Por sorte o mato aqui não é espesso, bastando apenas ser contornado na
mesma medida q perdemos altitude.
Ao reparar q não havia mais o q descer e q o terreno estava nivelado, percebemos q já havíamos atingido o tão almejado
selado, por sinal encharcado e por onde corria um filete dágua. Dali foi só apontar a bussola pra nordeste ate ganhar a
encosta q viesse a surgir. Ai fomos varando-mato ate ganhar a encosta e subir sem gde declividade ou qq dificuldade a
mesma. Percebemos q estávamos na crista q nos levaria ao Itaguacira qdo nos vimos em nível, com mato caindo de ambos ao
lados.

Imagem

Uma vez na crista bastou só rumar sempre pra nordeste, sem sair da rota. A vegetação, formada por muita mata arbustiva
mas principalmente arvores de porte mediano, permite facil transito neste inicio de caminhada. Mas logo q surgem
voçorocas sucessivas de fina taquarinha q as coisas se complicam, uma vez q elas se agarram a qq saliência da mochila ou
em qq parte do corpo, como se fosse velcro. Em mais de uma ocasião desviamos da cristas pra andar pela encosta, onde a
abundancia destas maleditas taquarinhas era menor. Além delas havia muita mata caída, onde arvores tombadas formavam
verdadeiras clareiras na crista, as quais tb havia q desviar pelos flancos. E visu? Bem, nenhum, a não ser nas frestas
esparsas pela mata.
Assim fomos avançando pela abaulada crista na medida em q as condições se mostravam mais favoráveis pra caminhar, sempre de olho na bússola, subindo e descendo cocorutos com bastante freqüência. As vezes tínhamos a impressão de encontrar vestígios de uma precária trilha no alto, q logo desaparecia. Ate q após um gde bambuzal seguiu-se a subida derradeira ao alto do Itaguacira, ascenção esta ate bem facil. Até lá eu já estava td ralado pelas taquarinhas, q deixaram marcas tanto nos braços como pernas, alem de sujeira e mato por td canto do corpo.

Imagem

Pois bem, após cruzar uma espessa floresta de bambus secos, as 14hrs atingimos o alto dos 1.996m do topo do Pico
Itaguacira, pois já não havia mais pra onde subir, apenas descer. Nos chamou a atenção a mata bem alta, composta de
arvores enormes, onde um pica-pau fez questão de anunciar nossa tímida conquista. Pelas frestas da vegetação podíamos
avistar o monólito da Pedra Grande emoldurado do mais denso e espesso verde. Na verdade o topo do Itaguacira é meio q
decepcionante, pois à diferença de sua vizinha não possui nenhuma laje ou mirante rochoso, mas estávamos contentes por
concluir o desafio proposto. Por se situar no limite municipal imaginamos algum marco no topo, mas se ele existir deve
estar coberto de mato uma vez q não vimos nenhuma trilha de acesso ao cume ou algo q o valha. Ou seja, o Itaguacira deve
ser um pico q ninguém vai, algo corroborado pela inexistência de qq vestigio de lixo deixado por alguem.
Após breve descanso e goles do cantil, decidimos o q fazer. Sem qq trilha de acesso ao pico tínhamos q dar um jeito de
descer. Avaliamos rapidamente a carta e constatamos q seguindo pra nordeste a continuidade da crista nos levaria ate
próximo da estrada de Taiacupeba. Mas a opção mais pratica pra nós era rumar pra noroeste e cruzar com alguma estrada de
fazendinhas da região q fatalmente desembocariam em Quantinga, bem mais próxima q Taiaçupeba. E foi isso q fizemos,
começamos a descer a íngreme encosta no vara-mato, inicialmente com bastante facilidade bastando apenas se apoiar no
arvoredo ao redor onde perdemos altitude rapidamente. Mas não tardou pra ter de atravessar uma interminável encosta de
bambus secos onde o quebrantar dos mesmos diante nossa passagem forçada era o som reinante deste trecho. Passados os
bambus vieram os emaranhados de fino cipó, q repetiram o sufoco da travessia agoniante em meio das taquarinhas da
crista, e q me distanciou do Carlos.

Imagem

Sujos e ralados, as 15hrs desembocamos numa estrada calçada q coroou nossa navegação perfeita de forma impecável. Dali
bastou apenas acompanhar a estrada, q desceu cruzando por um enorme canil, onde a algazarra dos pulguentos (felizmente
presos) anunciou nossa presença. Um tempo depois nos vimos saindo do Sitio das Aguas e olhando por sobre o ombro,
dávamos adeus ao pico alcançado, sua crista soberba e à parede rochosa vertical da Pda Gde. O resto da andança é trivial
e sem maiores dificuldades.

Chegamos em Quatinga as 14hrs pra encostar num boteco e bebemorar a travessia com umas brejas geladas. O busão pra Mogi so tomamos meia hora depois, a tempo de chegar em Sampa inicio de noite. Contentes e conscientes do prazer proporcionado da missão cumprida e dos dois maiores cumes da região conquistados, fica ai a dica de mais um belo bate-volta adrenado. E q pra travessias legitimamente selvagens por cumes montanhosos não há necessidade de ir longe demais e mto menos da exigência da utilização do tal aparelhinho do GPS. Com pouca coisa e boa disposição é possível ter um domingão radical e aventureiro com conquistas genuínas e prazerosamente selvagens. E ai, que tal encarar a travessia por toda crista do
Itaguacira ate Taiacupeba?

Imagem

#599672 por Frida_ssa
13 Jun 2011, 11:31
Fala Jorjão!!!

Muito massa seu relato, meu rei!

Rapaz, eu tenho tudo contra "vara mato" ô meu Deus!!!!! mas às vezes não tem jeito !! rsrsrsrs

Abraços!

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 2 visitantes