De Manaus a Margarita-Venezuela de ônibus em Jul/2008.

Relatos de Viagens pela Venezuela


De Manaus a Margarita-Venezuela de ônibus em Jul/2008.

Mensagem não lidapor hana » 14 Jul 2008, 21:02

Relato de viagem à Ilha de Margarita, Venezuela, ocorrida no período de 30 de junho a 10 de julho. Os valores estão expressos em reais, lembrando que no período, o câmbio estava 1 real = 1,8 bolívar fuerte. Os preços dos táxis variaram entre 5 e 45 reais, sempre divididos por quatro pessoas.

Sou Hana, farmacêutica, 26 anos, moro em Manaus com meu lindo marido e três cachorras vira-lata. Num dia de ócio planejamos viajar com mais um casal de amigos, a Lyvian e o Jardel para Margarita - Venezuela. Compramos a passagem de ônibus pela Eucatur a 180 reais para 36 horas de viagem, que se desenrolou assim:

30/06 à 02/07/2008
Às 18:00h partimos da rodoviária de Manaus nas poltronas de 1 a 4 em ônibus leito e panorâmico com destino a Boa vista. O panorama que vimos foram milhares de buracos na estrada, tanto que a velocidade máxima alcançada foi de 40km/h. Faltando um pouco para chegar em Boa Vista, o ônibus pregou (leia-se: quebrou) e chegamos lá às 10 da manhã de 01/07 sem freio e sem embreagem. Um risco!
Logo após, tomamos outro ônibus da eucatur, de categoria inferior, mas bem confortável. Na fronteira com a Venezuela, carimbamos o passaporte na Polícia Federal e na Polícia Venezuelana. Uma dica: se for ficar lá dez dias, peça 20 dias de permissão, só para garantir. Então voltamos para Pacaraima (última cidade brasileira) para trocar reais por bolívares a um câmbio de 1,8. Minha irmã chegou a pegar câmbio de 2,4 em janeiro e me disseram que chega a 1 pra 1 no meio de julho. Seguimos viagem! A estrada é muito bonita, sem buracos e a paisagem é ímpar. Driblávamos a falta de banho com lenços umedecidos e tomávamos dramin para dar aquele soninho! No caminho, fomos parados umas quatro vezes nas Al Cabalas, espécie de posto militar, onde conferiam os passaportes.
Chegamos em Puerto La Cruz às 4h da manhã do dia 02/07. Da rodoviária, fui para o terminal do ferry pagando 5 reais pelo táxi. A passagem do ferry Express, cuja viagem dura duas horas e meia, saiu a 27 reais. Tinha outro a 12 reais que demorava 5 horas. Arreguei (leia-se: desisti)! Chegamos em Margarita às 10:30h. Fomos de táxi para o Hotel Blue Lion com quarto com duas camas de casal, chuveiro com água quente (difícil foi achar água morna), televisão (que só passava TNT em espanhol), ar condicionado (geladinho) e umas recepcionistas mal-amadas (25 reais por pessoa). A localização deste hotel é estratégica para quem não vai de carro, pois em frente ou próximo a ele passam muitas linhas de ônibus que te levam a qualquer parte da ilha por tarifas entre 0,50-2,00 reais. O hotel fica na Av. 4 de mayo em frente ao DIBB´S. Depois de acomodados, fomos ao shopping Sambil almoçar. A praça de alimentação oferece comidas bem variadas a preços ótimos. Me apaixonei pelo frango frito da KFC, multinacional que não tem em Manaus. Voltamos para o hotel e dormimos o sono dos justos!


03/07/2008
Acordei cedo pronta para ir ao Parque El água. Procurei café da manhã na rua, mas só achei as empanadas. É um salgado frito com bastante óleo. Comi, gostei, mas tinha que achar logo um café de verdade para os próximos dias. Fomos caminhando para o terminal de ônibus da linha el água, próximo à praça Simon Bolívar. O ônibus nos deixou na entrada do parque e ainda caminhamos 15 minutos numa estrada de barro. O ingresso custou 25 reais e o parque é legalzinho. Toboáguas, piscinas, hidromassagem... Não é nenhum beach park, mas vale a pena conhecer. Depois caminhei até o final da estrada e fiquei na praia Cardón, quase deserta, sem barracas nem cadeiras. Voltei para o ponto de ônibus, mas antes parei numa sorveteria graciosa de uma alemã. O ônibus nos deixou no centro onde pudemos constatar que as mercadorias em Margarita são baratas, mas nem tanto. Não sei se peguei uma época ruim, mas o fato é que, convertendo pro real, dá quase o mesmo, exceto alguns poucos itens. Como o código de ética mochileiro não permite andar com muitos embrulhos e bagulhos, desisti de gastar minha pobre “plata” com muamba caribenha. Mas a idéia da minha amiga Lyvian era diferente ehehehe! Já era tarde, então fomos mais uma vez para o shopping, jantar. Fomos no cassino dentro do shopping mas os quatros cabôcos (leia-se: matutos) não sabiam como operar as maquininhas ehehe! Voltamos para o hotel e dormimos. Vale ressaltar que Margarita tem uma vida noturna agitada, mas nós quatro somos do dia, então não poderemos ajudar nesse aspecto!!


04/07/2008
Pela janela do quarto do hotel, avistamos um comércio que parecia uma padaria, e era! Café com leite, pão, salgados e tudo o quanto estou acostumada a comer de manhã. O dono era muito gente boa, me deu uma aula de história do Amazonas, sabia o nome de muitas cidades do Brasil, e me deu dicas maravilhosas sobre Margarita. Figura! No dia anterior, tínhamos combinado de conhecer a praia Punta Arenas que em Manaus me recomendaram. Tomamos o ônibus da Linha La restinga e, depois de 1h e 15min dentro do ônibus, chegamos à praia Boca de Pozo, que um nativo muito gente boa que conhecemos dentro do ônibus nos recomendou. Quando vimos a praia, sinceramente achamos que ele tinha feito uma brincadeira de mau gosto com os brasileños. A praia quase não tinha faixa de areia, além de suja e com cheiro de peixe. Caímos na gargalhada! O meu marido defendeu o nativo brincalhão, dizendo que ele não tinha feito por mal, eu também achei que não. O que é bonito pra um pode não ser pro outro. Tomamos um táxi até a praia de punta arenas. A praia também não era muito diferente. Eu me justifiquei dizendo que a praia era famosa e recomendada, mas a essa altura, a Lyvian já estava perdendo o espírito esportivo ehehe. Para não perder a manhã, continuamos a viagem no mesmo táxi para o Museo Marino, que fica no caminho de volta (8 reais a entrada). O museu é muito legal, tem várias criaturas marinhas no aquário e um esqueleto de baleia. No museu, um cara nos ofereceu o Jeep Safári, que é uma volta pela ilha em veículo 4x4, parando em diversos pontos. Eu disse a ele que já tínhamos feito o passeio, só que de ônibus. Ele achou engraçado! Eu, nem tanto eheheh. Continuamos a viagem para a playa el água, do lado oposto da ilha. Quando se fala em ilha pensa-se em algo pequeno, tanto que a idéia que eu tinha era a de Fernando de Noronha, que dá pra percorrer de bicicleta. Nada disso, mais de 1 hora dentro do táxi vendo paisagens belíssimas e outras muito feias, curvas perigosas, e a esperança de não perder o resto do dia. A Lyvian já estava enjoada e tomou uns cinco comprimidos de dramin. Eu queria evitar a playa el água, pois tinham me dito que era muito lotada, mas que nada, tava meio vazia, linda, fiz até tranças rastafári! Caminhamos pela areia, subimos um monte e vimos a praia Parguito, que também é linda! Quando estava sentada na cadeira, um senhor, chamado José Davi, nos ofereceu um passeio à isla de Coche, que é uma ilha próxima a Margarita, famosa pelas águas calmas, por 90 reais por pessoa com traslado, almoço, bar livre, toalhas, cadeiras e tudo mais. Detalhe: tinha que dar 50% do valor para as reservas. Nem morta! O preço estava ótimo, mas eu não queria ser a brasileña otária que buscava o el dorado! Choramos, choramos e ele ficou de nos pegar no hotel no dia seguinte sem precisar dar o dinheiro da reserva. Ele disse que se furássemos, ele teria que pagar do seu próprio dinheiro 50% do valor, pois ficariam lugares vazios no barco. Eu entendo, mas a brasileña aqui é desconfiada. Fiquei lagarteando na praia e detectei a presença de alguns brasileiros. As brasileiras eram facilmente identificadas por seu fio dental eheheh. A sunga venezuelana é super engraçada, parece uma tanga! Outra dica: apesar de ser uma cidade praiana, ninguém anda só de biquíni ou saídas de banho curtas e transparentes pela rua ou no ônibus. Todos vestem bermudas, camisetas e outras roupas maiores. O meu shortinho de lycra ficou guardado na mochila ehehe.
De volta ao hotel para um bom banho e depois jantar no shopping. A essa altura, vocês já devem estar se perguntando: e o almoço??? Pois é, comida na praia é bem cara, então sempre levávamos frutas, batata pringles (lá é bem barata) e outras guloseimas para agüentar o dia. No jantar, aloprávamos! Só um parêntese: no dia anterior inventei de comer comida mexicana no sambil. Acho que tinha carne de urubu ali, pois meu marido e meus amigos provaram que me amam compartilhando comigo momentos olfativos inesquecíveis (se é que me entendem)! Já era bem tarde então voltamos para o hotel e descansamos.


05/07/2008
No horário combinado, o José Davi apareceu para nos buscar e abriu o sorriso quando nos viu no hall do hotel. Seguimos para apanhar outros clientes, que furaram!!! Ele voltou pro carro tristinho que só! No caminho falamos algumas piadas, pra ele ficar mais animadinho. O motorista do carro era super engraçado, uma figura. Ele nos deixou no barco, que era bem velho, na verdade caindo aos pedaços, para uma viagem de 40 minutos. No meio do caminho, olhando para os outros passageiros que eram nativos, comecei a achar que tínhamos caído num golpe, pois não via outros turistas ali. A desconfiança tomou conta de mim, fiquei com ódio do José Davi. Para completar o barco nos deixou numa parte da ilha que era tal qual a praia de Punta Arenas. Me senti a brasileña otária que buscava o el dorado. Fui tirar satisfação com o primeiro funcionário da pousada que vi, já querendo voltar pra playa el água e matar o José Davi. Meus amigos ainda tinham esperanças de ser tudo verdade, quando o funcionário da pousada falou: “Bem-vindo a pousada Oásis, vou lhes mostrar nossas instalações, vamos levar vocês à praia etc. etc...”. Tudo como José Davi havia prometido! Que vergonha... A praia era realmente linda, areia fininha, água calma, uma geleira com muito refrigerante... E três malas sem alça me tirando, me chamando de desesperada, desconfiada, agoniada e tudo mais. Me justifiquei, dizendo que tinha lido sobre muitos golpes no site dos mochileiros ehehehe!
Na praia fizemos snorkel por 17 reais, o almoço estava ótimo! Dica: fora a pepsi e coca-cola, existem refrigerantes coloridos! É bom provar para conhecer, mas todos são ralos, parecem estomazil! Na volta, passamos um pouco de medo no barco velho, pois o mar estava bem agitado. Dica: dá pra conhecer a isla de Coche e outras ilhas no melhor estilo farofa. É só ir ao porto Isleta e pegar o barco a 5 reais a passagem. Lá tem restaurante ou então você leva a comida.
Á noite, fomos ao Diverland, que é um parque de diversões com montanha russa, tirolesa e a casa do terror, que de tão precária saí de lá rolando de rir. Pra se ter uma idéia, tinha somente dois monstros com máscara da morte pra assustar e, entre uma apresentação e outra, eles vão lá fora tomar um ar. Muito legal! Combinamos de entrar e fingir que estávamos apavorados, com muito medo mesmo. Os monstros se sentiram!!! O mesmo não aconteceu com os outros turistas. Dava pra ver a cara de desapontamento com que eles saíam da casa do terror. Ô povinho sem espírito esportivo!
Vimos o show das focas que é muito engraçadinho e por mais 12 reais assistimos o show dos golfinhos. Agora vem a melhor parte: no meio da apresentação chamaram duas pessoas para uma brincadeira no palco. Eu fui! Um tinha que cantar e outro tinha que dançar. Dancei! Paguei o maior mico, mas venci o chico de Caracas e o prêmio era... nadar com os golfinhos!!! Foi muito legal, pra mim, a melhor parte da viagem. Eles ainda colocaram a música da Free Willy, aquela do Micheal Jackson. Eu já ia nadar com os golfinhos por 130 reais, mas depois desse presente, pra que gastar né? Voltamos pro hotel, cansados, e eu ensopada, com frio e cheirando a peixe, mas muito alegre!


06/07/2008
Acordamos e tomamos café num restaurante na 4 de mayo, que vendia um omelete delicioso! Pegamos o ônibus da linha El água e fomos à praia Parguito. Tínhamos um dinheiro sobrando então decidimos levar uma vida de quase rico. Alugamos cadeiras (8 reais duas cadeiras), pedimos suco de frutas, que por sinal era uma delícia, só a polpa (2,80 reais), alugamos prancha de surf (6 reais 1 hora e meia), massagem nas costas (30 reais), frescobol... Por falar em surf, nunca tinha surfado antes, fiquei olhando os surfistas na praia e comecei a imitá-los. Não é que deu certo? Não terminei o dia como profissional, mas me diverti bastante! Esta praia tinha ondas grandes, reduto de surfistas, quase nenhum restaurante e muitas bancas de empanadas. Provamos um prato chamado cachapa (3 reais) que é como uma panqueca feita de milho, recheada com banana e queijo coalho. Uma delícia! Passamos o dia inteiro ali. Por volta das 16h pegamos um táxi e fomos ao forte de Juan Griego, pois nos disseram que o pôr-do-sol era o mais bonito da ilha. E era mesmo! As fotos ficaram lindas, só tem um porém: próximo ao forte existe uma estação de tratamento de esgoto e de vez em quando o vento bate e o cheiro é quase insuportável. Ainda bem que foto não cheira ehehehe. Descemos o forte com intenção de pegar um ônibus de volta, mas não nos sentimos muito seguros, então tomamos um táxi. Foi a melhor decisão, pois a viagem foi bem longa. Ah, em Juan Griego há vários restaurantes a beira-mar, creio que vale a pena conhecer. De volta ao hotel, depois do banho, fomos ao sambil, pois eu queria comer pela última vez o frango da KFC!


07/07/2008
Último dia na ilha! A Lyvian queria muito sair às compras então separamos o dia para isso. Bem em frente ao hotel tomamos um ônibus para o mercado Conejero. No mercado vende desde confecções a eletroeletrônicos, mas atenção meninas: há muita Victoria Secret’s falsificada ali. Mesmo na embalagem original, dá a impressão de que os cosméticos foram diluídos. Os preços são os melhores de Margarita e são condizentes com a qualidade. Não resisti e comprei um edredom 100% algodão com jogo de lençol a 40 reais, que desbotou na primeira lavagem eheheh! Lá comprei também souveniers para meus amigos e parentes. Dica: Vale muito a pena pechinchar em Margarita. O primeiro preço nunca é o último.
Em toda a viagem conheci nativos super simpáticos e conversadores. O assunto do momento é a vitória da Venezuela sobre o Brasil de 2x0. Sabia que foi feriado no dia seguinte? Eles são loucos pelo nosso futebol! Outro aspecto interessante: eles gostam do Governo do Chávez, e os que não gostam, respeitam. Não tem essa de ridicularizar o presidente, por mais que seja da oposição. Achei exemplar. Vale ressaltar que deixamos de ir, por absoluta falta de tempo, a pontos turísticos interessantes como fortes, igrejas, castelos e outras praias. Eles vão ficar para próxima.
Depois do mercado voltei ao Sambil para comprar uma calculadora científica da Casio que estava a 16 reais. Essa compra valeu a pena! Voltamos para o hotel e descansamos, pois iríamos pegar o ferry boat (balsa) às 20h.
Pegamos um táxi para Punta de Piedras (17 reais), que é o porto de onde sai o Ferry. Chegando lá, não havia mais vagas para o Ferry das 20h, só às 23h, convencional e seguanda classe, por 12 reais. Foi o jeito! Daí pra frente, começou nossa jornada de volta para casa... Atenção: o relato daqui pra frente será muito forte. Leia somente se você tiver nervos de aço ehehehe!


08 a 10/07/2008
Chegamos a Puerto La Cruz de madrugada e esperamos até às 8h para seguir para rodoviária. Compramos a passagem até Boa Vista pela Eucatur (78 reais) e esperamos até às 15h para embarcar. Matei o tempo andando pelo centro da cidade e comendo arepa recheada que é um bolinho de trigo com recheio de carne, porco, frango... No horário certo embarcamos e depois de rodar 40km, o ônibus quebrou! Neste momento, vejo um venezuelano pegando sua mala e correndo pro outro lado da pista pra conseguir carona e voltar à rodoviária, achei estranho e só depois soubemos que aquele trecho é muito perigoso e que os assaltos eram freqüentes ali! O motorista parou um ônibus de uma empresa local e disse que deveríamos ir a Puerto Ordaz (quase na metade do caminho para Boa Vista) para tomar o ônibus reserva da Eucatur. Antes de embarcamos meu marido e o motorista arrombaram o bagageiro do ônibus, pois o mesmo estava sem ar. Partimos rumo a Puerto Ordaz mas não chegamos pois em El Tigre, duas cidade antes de Puerto Ordaz, a lanterna do ônibus queimou e o motorista ficou com medo de seguir viagem. Neste momento é que começou a dar capim na palheta (leia-se: começou a complicar) pois em El Tigre não havia guichê da Eucatur. Pegamos nosso bilhete com o motorista e pagamos do nosso escasso dinheiro uma passagem até Puerto Ordaz pela empresa venezuelana Expresso Ocidente (14 reais). O que eu queria mesmo era sair daquela rodoviária pois era visivelmente perigosa! Partimos para Puerto Ordaz na esperança de pegar o tal ônibus reserva. Chegando lá encontramos somente o velhinho que vendia café e dois cachorros vira-latas que latiram pra gente. Deu saudade das minhas! Me senti uma brasileña otária em busca do el dorado eheheh. Ficamos numa rodoviária escura, fria, sem água nem barrinhas de cereal até 2h da madrugada quando passou outro ônibus da Expresso Ocidente com destino a Santa Helena de Uairén (última cidade venezuelana). A esta altura já éramos nós quatro e mais um casal de brasileiros, todos na mesma zica. Choramos para o motorista, quase que literalmente e ele cobrou apenas 23 reais por uma viagem de mais de 10 horas. A partir daí relaxei um pouco e só pensava em pegar o gerente da Eucatur, amarrá-lo de cabeça para baixo, em cima de um formigueiro e passar mel karo na cara dele ehehe!
Chegamos em Santa Helena às 12:30h do dia 09, conversamos com um motorista da Eucatur e ele nos orientou a tomar um táxi até Pacaraima (primeira cidade brasileira) para recuperar o dinheiro da passagem. Quando penso que tudo está dando certo, percebo que os militares do Chávez tinham levado para ser revistado o colega que conhecemos no caminho.
Dica IMPORTANTE: na volta, os militares costumam revistar as bagagens, supostamente em busca de drogas, pois aquela é uma rota muito usada. Se viajarem em pares e estiver trazendo dinheiro na volta, dê para mulher carregar o dinheiro escondido no corpo, pois são poucas as policiais femininas no caminho. Use roupas simples, sem jóias, chapéu, acessórios arrojados, pois quanto mais pobre você parecer, melhor. Se o seu passaporte já estiver carimbado com entrada na Colômbia, certamente será suspeito. Os militares venezuelanos são famosos pela corrupção e eles sabem, só de olhar, quem traz dinheiro e quem não traz. Nós quatro estávamos quase sem dinheiro nenhum e não nos incomodaram, e levaram o outro colega pra revistar. O que encontraram? 3.800 dólares que ele guardava muito bem num cinto. O colega exigiu que eu e meu marido acompanhássemos a revista e começou a dizer que conhecia o juiz tal e o embaixador tal no Brasil (olha eu e meu dengo em mais uma zica). Os dois soldados disseram que aquele dinheiro deveria estar declarado e começaram a fazer a maior pressão psicológica com o cara. Depois de muito negociar, o colega pediu que saíssemos da sala de revista e depois ficamos sabendo que eles ficaram com 100 dólares e mais 100 bolívares, o que todos acharam um milagre, pois o usual seria ficar com tudo e deixar na mão do brasileño apenas 100 dólares para ele voltar pra casa. Depois desta catástrofe, pegamos um táxi (17 reais) para cruzar a fronteira. No caminho, a taxista nos contou sobre diversas situações que já aconteceram ali naquele posto. Fiquei estarrecida e dei graças a Deus por ser pobre e não ter comprado nada ehehehe!
Na fronteira carimbamos nosso passaporte, passamos a bagagem pelo raio-x e fomos a Pacaraima. Eu já estava toda armada, pronta pra quebrar o pau na Eucatur e para nossa surpresa, a atendente foi muito simpática, devolveu todo o dinheiro da passagem e ofereceu carona no ônibus das 16h até Boa Vista. Nesta hora o Jardel falou: “Eu agradeço, mas deixa eu ir de táxi mesmo. Vai que esse ônibus prega no meio do caminho!”. Todos caíram na gargalhada! Pegamos um táxi (15 reais por pessoa) até Boa Vista e a sensação de já estar no Brasil era maravilhosa! No Km 100 o motorista parou pra almoçarmos. Que delícia comer feijão, arroz, bife e farinha!!! O colega que foi revistado, estava tão aliviado e agradecido que pagou nosso almoço ehehe! Chegamos a Boa Vista por volta das 17h, tomei um belo banho e retornamos a Manaus no ônibus das 19:30h. Mesmo sem tomar dramin, dormi a viagem inteira!
Às 9:15h chegamos na rodoviária de Manaus. Me despedi do meu maridinho, da minha amiga e peguei um táxi pro trabalho pois já estava atrasada!

DICA: na volta para Manaus, é melhor pegar o ônibus da Expresso Ocidente de Puerto La Cruz até Santa Helena e depois um táxi até Pacaraima ou Boa Vista. Além de mais barato e confortável, a frota é maior. Se o ônibus quebra, logo atrás vem outro pra te buscar, ao contrário da Eucatur que só tem um ônibus por dia.
De verdade, eu amei ir a Margarita e até mesmo a aventura da volta, uma história pra contar aos nossos netos. O importante é que não perdemos a calma e fomos muito protegidos por Deus, pois passamos por muitos momentos de perigo iminente. Eu recomendo esta viagem!
Ah, só para ter idéia de quanto dinheiro trocar, eu e meu marido trocamos 1.000 reais para cada um. O dinheiro deu na medida, teria sobrado se eu não tivesse comprado nada. Lembre de levar reais para comprar sua passagem de volta em Pacaraima se vier de Eucatur e guarde alguns bolívares até a fronteira para qualquer eventualidade.
Avatar do usuário
hana
 
Mensagens: 16
Desde: 05 Jan 2008, 09:14

Re: De Manaus a Margarita-Venezuela de ônibus em Jul/2008.

Mensagem não lidapor oseas.nascimento » 15 Jul 2008, 21:20

Parabéns Hana pela sua aventura, também sou de Manaus e já fui 9 vezes pra Venezuela desde 2006 quando fui pela primeira vez, apesar de todos os contratempos sempre e legal as aventuras e esse site e muito importante pra quem tem vontade de conhecer novos lugares, culturas e viver novas experiências, foi aqui que eu pesquisei muito antes de viajar na primeira e na ultima vez que eu fui em dezembro de 2007, também deixei meus relatos aqui não sei se vc leu mais vai ai a dica "sai no meu carro de Manaus e conheci a Venezuela" e o segundo "Sai de Manaus e conheci o Peru", logico que em Margarita existe muitos lugares bonitos e alguns não tão agradaveis, mais sem duvida as praias mais bonitas da Venezuela estão no Parque nacional Morrocoy que fica a +/- 220Km de Caracas não tem comparação vc pode ver as fotos entrando no meu relato tem um endereço de um fotolog que é muito visitado, alias vc já vai pesquisando pra proxima pois eu também fui assim depois de uns 6 meses começa a dar aquela saudade de "La gran sabana" e das cachoeiras pelo caminho, não esquecendo de Merida cidade maravilhosa, Trujillo ciudad Jardim que é uma das minhas cidades preferidas, enfim estou com muita saudade de lá, Parabens por dividir com os mochileiros as suas aventuras um abraço.

oseás
Posso não viver o tanto de anos que quero, mais os que eu viver, vão ser intensamente.
Avatar do usuário
oseas.nascimento
Colaborador
Colaborador
 
Mensagens: 124
Desde: 29 Ago 2006, 03:57

Re: De Manaus a Margarita-Venezuela de ônibus em Jul/2008.

Mensagem não lidapor hana » 16 Jul 2008, 15:22

Poxa, agora deu pra perceber que só conheci a ponta do iceberg mesmo eheheh. Li os seus relatos antes de ir sim e me ajudaram muito. Tive vontade de conhecer Mérida, talvez seja a nossa próxima investida. Obrigada pelo post!
Avatar do usuário
hana
 
Mensagens: 16
Desde: 05 Jan 2008, 09:14

Re: De Manaus a Margarita-Venezuela de ônibus em Jul/2008.

Mensagem não lidapor dsamaz » 31 Jul 2008, 12:15

Parabéns pelo relato...

Essa dica final é legal: pegar ônibus independentes de PLC até St. Elena e depois pegar outro de BV até Manaus...

No começo eu vi logo a ***** q fizeram, contratando um bus direto de Manaus até PLC... Ainda mais da Eucatur he he he...

Na última q fiz, o ônibus da Eucatur pregou também, na volta de BV em Manaus (soltou a borracha da suspensão), já perto de Manaus 100km, em Presidente Figueiredo. Duas horas depois arrumaram outro bus...

Daniel
dsamaz
 
Mensagens: 17
Desde: 22 Nov 2006, 20:39

Re: De Manaus a Margarita-Venezuela de ônibus em Jul/2008.

Mensagem não lidapor hana » 08 Ago 2008, 23:47

Hoje percebo que muitas pessoas já ficaram no prego com a Eucatur. É urgente a necessidade de uma empresa para concorrer com eles, não acha? Abraço!
Avatar do usuário
hana
 
Mensagens: 16
Desde: 05 Jan 2008, 09:14

Re: De Manaus a Margarita-Venezuela de ônibus em Jul/2008.

Mensagem não lidapor aphito » 14 Ago 2008, 16:15

É possível alugar um carro em BV ou Manaus e ir para a Venezuela?
aphito
 
Mensagens: 1
Desde: 14 Ago 2008, 16:09

Re: De Manaus a Margarita-Venezuela de ônibus em Jul/2008.

Mensagem não lidapor hana » 15 Ago 2008, 09:25

É possível sim. Mas de verdade não tenho idéia de preço nem como funciona. Desistiu de ir no ônibus da Eucatur foi (risos)?
Avatar do usuário
hana
 
Mensagens: 16
Desde: 05 Jan 2008, 09:14

Re: De Manaus a Margarita-Venezuela de ônibus em Jul/2008.

Mensagem não lidapor Wash » 15 Ago 2008, 10:55

hana escreveu:É possível sim. Mas de verdade não tenho idéia de preço nem como funciona. Desistiu de ir no ônibus da Eucatur foi (risos)?


Hana e Aphito

Não tenho certeza como funciona na fronteira do Brasil com a Venezuela, mas se for a mesma que do Brasil com Argentina, Paraguai e Uruguai, se atravessa a fronteira sem problemas, mas se for parado em alguma blitz nos paises vizinhos tá feito a encrenca, porque é proibido circular por aqueles países com carros alugados em outro país(Brasil), ai você já imaginou se não for preso por "roubo", vai ter que morrer com algum para os policiais, o carro tem que estar no nome da pessoa, mas estas informações você pode confirmar em uma locadora, outra coisa se conseguirem, não esqueça da carteira de habilitação internacional.

Wash
Wash
 
Mensagens: 1
Desde: 10 Jun 2008, 10:31

Re: De Manaus a Margarita-Venezuela de ônibus em Jul/2008.

Mensagem não lidapor hana » 15 Ago 2008, 12:00

Existe um documento que você pega no Detran autorizando a circulação de carros brasileiros na Venezuela. A habilitação brasileira tb serve por lá tanto que muitos amigos meus saem de Manaus para Margarita no próprio carro. Mas se não quiser ir de carro, tem ônibus da Eucatur (risos).
Avatar do usuário
hana
 
Mensagens: 16
Desde: 05 Jan 2008, 09:14

Re: De Manaus a Margarita-Venezuela de ônibus em Jul/2008.

Mensagem não lidapor gezely » 14 Set 2008, 13:35

oi Hanna,mto interessante o seu relato,confesso ki entrei a fundo na sua historia que fikei até com um pouko de medo,eu sou de Manaus e moro na Holanda,meu marido é louco por uma aventura dessas eu tenho um pouko de medo,pois tenho um filho de 10 anos,temo só por ele,mais ele tb quer mto esse tipo de aventura,to indo pra Manaus em 07/2009 e vou pra Margarita de onibus tb.Espero q com suas dicas a minha viagem seja menos aventurosa e perigosa ,hehehehe.
gezely
 
Mensagens: 1
Desde: 14 Set 2008, 13:29

Re: De Manaus a Margarita-Venezuela de ônibus em Jul/2008.

Mensagem não lidapor axel2k » 16 Set 2008, 09:36

parabéns,

ja sonhei muito com esta viajem, umas amigas minha sairão de carro (corsa wind) de ji-parana-RO e fizeram esta viajem em inicio de 2004. quero muito ir de carro, pois queria levar minha filha de 2 ano, mas eu penso que de ônibus seria mais seguro, qual a sua opinião?

obrigado, e se não importar queria tirar umas duvidas.
Michel Silva
Prof. Sistemas de Informação - CEULJI / ULBRA
http://lattes.cnpq.br/5918581653525911
Avatar do usuário
axel2k
 
Mensagens: 18
Desde: 23 Ago 2005, 01:51
Localização: Brazil

Re: De Manaus a Margarita-Venezuela de ônibus em Jul/2008.

Mensagem não lidapor hana » 18 Set 2008, 12:27

Oi Alex,
Ir com uma criança é sempre mais complicado né? Penso que nesse caso seria melhor ir de carro pois vocês terão maior liberdade para parar na estrada... Porém, com a guarda nacional venezuela do jeito que está, provavelmente vão te pedir propina. Uma dica que meus amigos que vão de carro aprenderam é se fazer de doido e que não entendem uma palavra de espanhol. Os homi se infezam e desistem de te arrancar dinheiro ehehe. Tomara que funcione contigo!
Abraço.
Avatar do usuário
hana
 
Mensagens: 16
Desde: 05 Jan 2008, 09:14

Re: De Manaus a Margarita-Venezuela de ônibus em Jul/2008.

Mensagem não lidapor Gilson Fernandes » 20 Set 2008, 16:51

Eu e minha esposa e filha de 6 anos saímos de Manaus de carro (MONZA) para Venezuela, em maio de 2008 e foi uma viagem muito tranquila,só teve alguns probleminhas no carro quando chegamos em Roraima mas foi tudo resolvido sem dificuldades,fomos ao Parque Nacional Morrocoy e também à Punto Fijo.
Gilson Fernandes
 
Mensagens: 3
Desde: 17 Ago 2008, 01:46

Re: De Manaus a Margarita-Venezuela de ônibus em Jul/2008.

Mensagem não lidapor oseas.nascimento » 20 Set 2008, 21:29

Eu ja fui de carro pra venezuela 9 vezes e em todas levei a minha esposa e filha que tinha 6 anos na primeira vez que eu fui, nunca tive nenhum problema de pedirem propina o maximo que me pediram foi chocolate garoto "que eles adoram" e o preço por lá é caro, fora isso nenhum problema, mais deixo uma dica pra evitar problemas, hana o pensamento sempre é o contrario quando se chega numa alcabala ou posto de vistoria deve se parar devagar sempre com os vidros abertos e dizer sempre "Buenas tardes, Buenas noches ou Buenos dias, se pedirem pra abrir o porta malas sair rapido do carro não mostrar chateação, enfim tratar eles com respeito como se vc estivesse no Brasil, pois nenhum ignorante tem argumentos pra tratar mal uma pessoa educada certo!

Gilson não sei se foi vc que eu encontrei aqui em Manaus no DB da cidade nova, onde foram eu a esposa e minha filha e mostramos os mapas pra vcs, se foi vc vamos entrar em contato pra bater uma papo sobre a sua viagem, eu sinceramente não acreditava que vcs iam chegar longe com o monza rsssss.
Posso não viver o tanto de anos que quero, mais os que eu viver, vão ser intensamente.
Avatar do usuário
oseas.nascimento
Colaborador
Colaborador
 
Mensagens: 124
Desde: 29 Ago 2006, 03:57

Re: De Manaus a Margarita-Venezuela de ônibus em Jul/2008.

Mensagem não lidapor hana » 20 Set 2008, 21:36

É Oséas, todos merecem ser tratado com respeito, porém, depois do que vi acontecendo com os colegas que conheci durante a viagem, e qdo soube que meu amigo, bateu o carro na ilha, arcou com o prejuízo e ainda teve que pagar propina pros homi, vou é me fingir de doida na próxima vez que me abordarem mesmo. Já estou até ensaiando um ataque epilético convincente. Pois se os veneza querem "lechuga", do meu bolso não vão pegar nada! Ehehehe. Eu já tô doidinha pra voltar por lá!
Avatar do usuário
hana
 
Mensagens: 16
Desde: 05 Jan 2008, 09:14

Próximo

Voltar para Venezuela - Relatos de Viagem



Quem está online

Usuários navegando neste fórum: nicolasauler e 3 visitantes