Relatos de Viagens de Carro pelo Brasil, América do Sul, Estados Unidos, Europa e outros destinos do mundo.
#547564 por LuisD
25 Jan 2011, 21:38
Olá, pessoal.

É o meu primeiro post aqui e antes de mais nada gostaria de agradecer ao Mochileiros.com e aos usuários pela quantidade de informações úteis que pesquisei aqui para a nossa viagem.

Acabei de chegar de uma viagem de 3 semanas pelo norte da Argentina e Deserto de Atacama. Fomos de carro, eu, minha mulher e nossos dois filhos, de 8 e 6 anos. No total foram quase 8.000 kms rodados.

Imagem
Nosso roteiro

Levamos o guia "Argentina - Guia Do Turista Brasileiro" e o mapa Firestone Argentina (que inclui o Sul e Sudeste do Brasil, Paraguai, Uruguai e Chile também). Foram muito úteis e recomendo. Comprei ambos na loja virtual da Livraria Cultura.

Imagem
Mapas e guias que usamos

Levamos muitas músicas para ouvir, pois as horas de viagem são longas. Uma dica que dá um sabor especial ao cruzar os Andes: leve música andina. Se você não conhece muito disto, procure na internet pelos grupos Rumillajta, Savia Andina, Sukay, Inti Illimani (o CD Canto de los Pueblos Andinos).

A viagem foi sensacional, as paisagens são fantásticas, as estradas boas, o povo argentino e chileno muito hospitaleiros e os preços atraentes. Enfim, tudo correu bem. Nem a altitude acima de 4.000 m causou transtornos maiores para os meninos ou para nós.

Até fomos preparados para famosa polícia rodoviária argentina, mas parece que tivemos sorte ou que realmente as coisas mudaram nos últimos anos. Não tivemos problema algum. Fomos parados algumas vezes, mas os policiais foram bastante respeitosos e atenciosos.

Sobre a documentação e itens obrigatórios para o veículo, a documentação foi pedida em todas as paradas da polícia rodoviária e gendarmeria (polícia federal). Inclusive pediram a carta verde já na fronteira em Puerto Iguazu. Os demais itens obrigatórios (2 triângulos, cambão, primeiros-socorros, etc) nunca pediram.

As estradas estão bastante boas, na maior parte excelente. Até o trecho da rodovia que atravessa o Chaco, na província de Santiago del Estero, que era ruim pelos relatos que li, estava bem razoável, permitindo andar a 120 km/h com segurança.

Fomos num Palio Weekend 1.4, que se portou bem na altitude. Nas subidas mais fortes tinha que engatar uma terceira, mas nada de mais. A média de consumo foi de 14.3 km/l, com o carro cheio, farol e ar ligados, rádio e tocador de DVD boa parte do tempo ligado. Abasteci quase sempre com YPF Super XXI (estava a 4,20 pesos, R$ 1 = AR$ 2.3).

Muitos postos de gasolina aceitam cartão de crédito, basta procurar um pouco. Outra coisa, existem muitos postos no caminho, mesmo no Chaco. Não se anda 200 km sem cruzar com postos.

Levamos cartão de crédito e dólares, mas usamos somente uns US$ 600 de notas, o restante foi em cartão de crédito. Tem caixas eletrônicos dos bancos Macro e La Nacion Argentina em quase todas as cidades. Em Salta tem um Itaú perto da praça 9 de Julio.

Agora com o IOF em cartão de crédito em 6,38% vale a pena levar um cartão Visa Travel Money (ou o equivalente da MasterCard) e pagar as contas com ele. A taxa de câmbio é mais barata do que comprar dólares em espécie e o IOF é de 0,38%. A Confidence Câmbio emite este cartão, http://www.confidencecambio.com.br.

O roteiro foi sair do Brasil, ir direto para Puerto Iguazu, pois queríamos ir no lado argentino das cataratas. Ficamos no Residencial Amigos (AR$ 220 quádruplo, http://www.residencialamigos.com, info@residencialamigos.com), bastante básico mas com um proprietário muito simpático e atencioso. Se você ficar em Puerto Iguazu, tem opções melhores e recomendo procurar mais. No período que ficamos, Natal-Ano Novo, tudo estava reservado.

Imagem
Primeira fronteira. Divisa com a Argentina em Foz.

O lado argentino das cataratas é muito maior e mais interessante do que o brasileiro (passamos nele na volta). Reserve um dia todo para visitar a Garganta do Diabo, Passeio Superior, Passeio Inferior e Ilha San Martin. Leve lanches e água também.

Imagem
Garganta do Diabo, lado argentino das Cataratas.

Imagem
Vista das quedas do lado argentino.

Em Puerto Iguazu tem um centrinho na rua Córdoba com bons restaurantes e pizzarias.

O câmbio em Puerto Iguazu é desvantajoso, principalmente se você quiser trocar reais.

De Puerto Iguazu fomos até San Ignacio Mini, uma viagem curta (320 km) para visitar as ruínas jesuíticas. Valeu a visita. Ficamos num chalé no Hotel San Ignácio (AR$ 200 quádruplo sem café da manhã, hotelsanignacio@arnet.com.ar). Visitamos as ruínas durante o dia e a noite fomos ver o show de som e luz nas ruínas.

Imagem
Ruínas jesuíticas de San Ignacio Mini.

Em San Ignacio comi o pior bife da Argentina. Foi num dos restaurantes em frente a entrada das ruínas. Dito isto, os outros bifes argentinos foram de deixar saudades. Se ficar por lá, o melhor lugar para comer é no restaurante que fica no hotel San Ignacio.

De San Ignacio fomos até Pres. Roque Saenz Peña (560 km). A cidade de Saenz Peña não tem nada muito interessante, mas é bem cheia de vida para um lugar no meio do Chaco. Se você chegar cedo lá, dá para tomar um banho e massagens no Parque de Águas Termais. Ficamos no Hotel Presidente (AR$ 220 quádruplo, hotelpresidente.p.g@live.com), uma boa surpresa em termos de custo/benefício para o lugar e aceita cartões. Se precisar cambiar US$, o dono do hotel faz a uma taxa razoável.

Entre San Ignacio e Saenz Peña, paramos para almoçar em Resistencia. Foi um dos melhores almoços da viagem, comemos no Don Abel (http://parrilladonabel.com.ar). O prato individual de carne (dá para dois famintos) vem com muita guarnição e um naco enorme da melhor carne argentina. Se estiver perto de Resistencia pela hora do almoço, vale entrar na cidade. Fica na calle Juan D Peron.

De Saenz Peña encaramos o retão até Salta (660 km). Tem uns vilarejos no meio do caminho que dá para dormir se você REALMENTE precisar, falaram de hotéis simples em JV Gonzales (Hotel Colonial) e Pampa de los Guanacos (Hotel Mis Abuelos).

Em Salta ficamos no Hostel Yatasto (R$ 140, isso mesmo, reais, quádruplo, http://www.hostalyatasto.com.ar, hotelyatasto@yahoo.com), de um argentino (Hector) casado com uma brasileira de Natal (Maria José). Já tinha lido algumas boas recomendações aqui e em outros blogs, talvez por isto tenha ficado um pouco decepcionado com o lugar. O café da manhã foi o mais fraco da viagem, o Hector pouco simpático e o hostel fica trancado o tempo todo, o que atrapalha para entrar e sair. Bom, também tivemos que pagar um extra (20 pesos) para deixar o carro num estacionamento. Foi um único hotel que não tinha estacionamento.

Salta é uma cidade muito simpática, dormimos lá duas noites na ida e duas na volta. A praça 9 de Julio é bonita, as igrejas também, o Museu de Arqueologia de Alta Montanha vale a visita para ver as múmias de crianças incas e o passeio de teleférico também é interessante. Além disto, tem boa comida, o fantástico sorvete argentino, lojas com produtos regionais bonitos (procure a loja AlmAndina, http://www.almandina.com, com umas camisetas e produtos bem bacanas).

Imagem
Praça 9 de Julio, Salta.

Imagem
Teleférico para Cerro San Bernardo, Salta.

Fomos de carro pela Quebrada del Toro até as ruínas de Santa Rosa de Tastil. É uma estrada belíssima, na maior parte de asfalto, que vai acompanhando os trilhos do Tren de las Nubes (que por sinal não funciona mais).

Imagem
Quebrada del Toro.

Imagem
Quebrada del Toro.

De Salta existem dois caminhos para ir a Jujuy, o caminho que volta por Gal Guemes, mais longo e mais moderno, e o caminho de cornisa, que vai direto por uma estrada bonita, estreita e com muitas curvas. Fomos por ele na ida e volta. Lembra um pouco as estradas que vão para o litoral de SP, com muita floresta e curvas fechadas. Descobri depois que "camino de cornisa" quer dizer estrada a beira do penhasco. Sacou a ideia? ;-)

Imagem
Camino de cornisa entre Salta e Jujuy.

O roteiro do dia era sair de Salta e ir até Tilcara, parando em Purmamarca. A partir de Salta você sente a atmosfera andina, seja na geografia, seja nas pessoas. A vegetação em torno da estrada vai mudando rapidamente, saindo do verde exuberante perto de Jujuy para o semi-árido em Purmamarca.

Imagem
Purmamarca com Cerro Siete Colores ao fundo.

Purmamarca é um vilarejo muito bonito. O cenário com o Cerro Siete Colores ao fundo é realmente impactante. O lado ruim é que fica supervisitado no verão, tirando boa parte da atmosfera do local. Mesmo assim, é uma parada obrigatória na viagem. Não deixe de fazer o passeio 7 colores.

Imagem
Purmamarca.

De Purma rumamos a Tilcara pela mítica Quebrada de Humauaca. O visual também é de tirar o fôlego. Em Maimará tem a Paleta do Pintor (que fica mais bonita a tarde) e o cemitério com o atraente dizer "Visite Maimará". Lugar perfeito para uma propaganda turística. ;-)

Imagem
Maimará, na Quebrada de Humauaca.

Em Tilcara ficamos no Hotel Turístico de Tilcara (AR$ 300 quádruplo), que é bem grande, com bons quartos mas que já viveu dias melhores. Ainda assim é um bom lugar para ficar. Estão reformando uma ala do hotel, assim, deve estar melhor em breve.

Tilcara no verão é o paraíso dos mochileiros argentinos, principalmente das argentinas, o que é bem curioso. É uma mistura de Arraial d'Ajuda com São Tomé das Letras. O vilarejo é pequeno e simpático. No dia seguinte fomos ao Pucará de Tilcara e a cachoeira da Garganta do Diabo (mais uma). Tem dois caminhos para a cachoeira, de carro e a pé. Os dois tem vistas espetaculares.

Imagem
Pucará de Tilcara.

Imagem
Estrada para a Garganta del Diablo de Tilcara.

Imagem
Garganta del Diablo de Tilcara.

Tilcara tem uma história interessante, a seleção argentina foi se preparar lá para a altitude da Copa do México, em 1986. A seleção do técnico Carlos Bilardo fez a promessa que se ganhasse a copa voltaria lá para agradecer a Virgem de Copacabana del Abra de Punta Corral, padroeira da igreja. Bom, como sabemos a Argentina ganhou a copa, só que não voltou lá para pagar a promessa. Desde de 1986 a Argentina não vence uma copa do mundo. É a chamada Maldição de Tilcara.

Moral da história, você como brasileiro tem o dever patriótico de ir a igreja e relembrar a Virgem de Copacabana que os hermanos não pagaram a promessa. ;-)

Também fomos até Humauaca. Eu achei interessante. Mas precisaria ficar mais tempo lá para sentir o clima. Lá tinha também um mar de mochileiros(as) argentinos. Muita gente falou que Iruya (e a estrada até lá) é sensacional. Ficará para outra viagem.

Imagem
Pastor na Quebrada de Humauaca.

Imagem
Cidade de Humauaca.

De Tilcara rumamos a San Pedro de Atacama (450 km). A estrada que cruza os Andes, a Ruta 52, é estrada mais espetacular que já andei, com suas paisagens coloridas, salares, vulcões e com a subida da Cuesta de Lipan. Só a Ruta 52 já valeria a viagem.

Imagem
Curvas da Cuesta de Lipan. Ruta 52.

Imagem
Abra de Potrerillos, a 4170 de altitude.

A Cuesta de Lipan merece um destaque a parte, pois são curvas e mais curvas subindo até a Puna, com visuais incríveis. Encontramos várias pessoas subindo de bike. Haja disposição.

Imagem
Cicloturista encarando a Cuesta de Lipan.

Uma surpresa foi descobrir que a estrada fica bem plana e reta na Puna. Dá para andar a mais de 120 km/h tranquilamente. Cruzamos com várias llamas, vicunhas e burricos pelo caminho.

Imagem
Ruta 52 na puna argentina.

As Salinas Grandes são como uma miragem, uma grande área branca e plana com a estrada passando no meio. Ficamos algumas horas lá, com a molecada fazendo a festa no sal.

Imagem
Salinas Grandes.

Imagem
Salinas Grandes.

Imagem
Salinas Grandes.

Passamos por Susques e paramos num posto alguns quilômetros depois, pois o nosso mais novo estava "apunado", apesar de estarmos mascando folhas de coca. Neste posto tem oxigênio gratuito e tem um bom restaurante, comparado ao que existe no povoado de Susques.

O Paso de Jama agora tem um posto da YPF que é um verdadeiro oásis no meio da Puna: gasolina a preço normal, limpeza, comida quente, café expresso e dá para pagar tudo com cartão de crédito.

Imagem
Paso de Jama, divisa Argentina-Chile.

Entramos no Chile e já fomos parando nos salares para tirar fotos, ver os flamingos, vicunhas, zorros, etc. A chegada a San Pedro é quase um escorregador. Uma descida quase reta de uns 30 km onde se desce uns 2.000 metros. Lá em baixo fica San Pedro, em meio a uma eterna névoa de poeira.

Imagem
Salar de Quisquiro.

Imagem
Salar de Pujsa.

Imagem
Salar de Aguas Calientes.

Imagem
Vulcão Licancabur, chegando em San Pedro de Atacama.

San Pedro estava cheio de brasileiros e de outros turistas que iriam ver o Rally Dakar no dia seguinte. Estive em San Pedro em 1996 e o vilarejo cresceu muito desde então. Mesmo assim, ainda é um lugar especial.

Imagem
San Pedro de Atacama.

Imagem
Igreja de San Pedro de Atacama.

Imagem
Pastora de ovelhas em San Pedro.

A noite sanpedrina é bem animada, muitos bares e restaurantes com moçada e turistas. Como estávamos com os filhos, fomos dormir sempre cedo.

As estradas no Atacama são boas, mesmo as de terra ou rípio. O ponto ruim é a sinalização, que é bem precária. Passe no escritório da Sernatur e pegue um mapa gratuito ou compre um nos restaurantes/lojas. Ajudou bastante para nós.

Imagem
Estrada entre San Pedro e Toconao.

Ficamos no Hotel Chiloé (US$ 100 quádruplo, chiloe.residencial@gmail.com, marialow02@hotmail.com), um bom custo/benefício na inflacionada San Pedro. A dona, a Maria Low, é muito atenciosa. Minha câmera parou de funcionar na véspera do tour a El Tatio e ela me emprestou a câmera de sua filha para levar. O hotel tem um restaurante simples e aceita cartões também.

Fomos ver o Rally Dakar, que foi uma experiência bem diferente. Os meninos adoraram.

Imagem
Rally Dakar.

Imagem
Rally Dakar.

Fomos também ao Vale da Lua e da Morte, além do El Tatio e das lagunas altiplânicas e as lagunas Cejar.

Imagem
Licancabur visto do Vale da Lua.

Imagem
Vale da Lua.

Imagem
Vale da Morte.

Imagem
Geysers El Tatio.

Imagem
Geysers El Tatio.

Dá para ir de carro em todos os lugares. Só não recomendo ir a El Tatio, a estrada tem muita costela de vaca, você tem que sair de madrugada e é muito frio (-10C no verão). Encontramos uns brasileiros lá que foram de Troller e disseram que foi tranquilo. Fomos de van da agência Layana (CH$ 15.000 p.p., http://www.turismolayana.cl, boa) e iria assim novamente.

Se for à laguna Cejar, leve água para se limpar depois do banho, pois tem MUITO sal na água e depois que o corpo seca você fica pior do que um bacalhau. A sensação de boiar olhando para o vulcão Licancabur não tem preço, além do por-do-sol memorável.

Imagem
Laguna Cejar.

As lagunas altiplânicas Miscanti e Miñiques são imperdíveis. Estão a 130 km de San Pedro, sendo a maior a parte de asfalto. Aproveite para parar e comprar damascos frescos em Toconao.

Imagem
Laguna Miscanti.

Imagem
Laguna Miñiques.

De San Pedro voltamos diretamente a Salta. De Salta fomos a Cafayate (180 km). Apesar da pouca quilometragem, reserve umas 3 ou 4 horas para este trecho da Ruta 68. O visual da Quebrada de las Conchas é muito bonito e as paradas para fotos são muitas.

Imagem
Indo de Salta para Cafayate na Quebrada de las Conchas.

Imagem
Quebrada de las Conchas.

Imagem
Outra Garganta do Diabo, Quebrada de las Conchas.

Imagem
Quebrada de las Conchas.

Cafayate é uma cidadezinha bem simpática, com um cenário bonito ao redor. Fica a 1.600 m, com um clima agradável. A cidade tem mais de 25 vinícolas com excelentes vinhos e várias opções de coisas para se fazer. Não deixe de tomar o vinho Torrontes.

Imagem
Vinhedos em Cafayate.

Imagem
Vinícola em Cafayate.

Ficamos no Hotel Tinkunaku (US$ 100 quádruplo), que tem uma piscina (ótimo para o verão) e aceita cartão.

De Cafayate começaríamos a volta ao Brasil. Resolvemos voltar pelo caminho que passa por Tafi del Valle, Tucuman e Santiago del Estero. Foram 850 km até Saenz Peña.

Imagem
Tafi del Valle.

O trecho de Cafayate a Tafi é bonito e com bastante montanha (sobe até o Abra del Infernillo, a 3042 m). De Tafi tem uma descida absurda até Tucuman. Multiplique a serrinha de Ubatuba por 5 e é mais ou menos o que tem lá. O visual, nem precisa dizer, é fantástico. De Tucuman em diante é só plano. É impressionante como os Andes sobem do nada formando um paredão ao fundo de Tucuman.

Passamos por várias rutas, todas boas, até cair na Ruta 89, que iria até Avai Terai, próximo de Saenz Peña. Esta Ruta 89 foi a única estrada ruim que pegamos na Argentina, com um trecho de uns 30 km entre Taboada e Suncho Corral que a estrada é literalmente uma calçada de cimento que passa um carro por vez.

Imagem
Calçada, digo, Ruta 89.

Imagem
Ruta 89.

Depois de Suncho Corral a estrada volta ao normal. Mas este trecho da Ruta 89 não tem muita estrutura. Leve lanches se fizer este caminho. Em Quimili tem um posto YPF e só.

De Saenz Peña demos uma esticada até Foz (850 km). Em Foz ficamos no Hotel Paudimar Campestre (R$ 160 quádruplo, http://www.paudimar.com.br), com uma piscina que quebra o galho no calor e aquele clima de viajantes do mundo todo. Aceitar cartão e tem uma lanchonete.

No dia seguinte fomos conferir o lado brasileiro das cataratas. É preciso admitir que ficamos com um pedaço muito menor das quedas. Mas o parque é interessante e vale a visita, que dá para fazer em 3 horas. O Parque das Aves, ao lado, também vale.

Uma coisa que fizemos valeu muito a pena foi um voo de helicóptero sobre as cataratas. Não é barato, mas valeu cada centavo.

Imagem
Vôo de helicóptero sobre as Cataratas.

Imagem
Vôo de helicóptero sobre as Cataratas.

De Foz, foi mais uma última esticadona até nossa casa, mais de 1.000 km até Campinas.

Bom, a viagem foi sensacional, os meninos gostaram muito e o norte da Argentina deixou uma sensação de "preciso voltar aqui outras vezes". São muitos lugares que merecem uma viagem por lá.

Mais fotos aqui:
http://bit.ly/ukNaJ2

O roteiro foi:

Puerto Iguazu, 2 noites
San Ignacio, 1 noite
Pres Roque Sanz Peña, 1 noite
Salta, 2 noites
Tilcara, 2 noites
San Pedro, 4 noites
Salta, 2 noites
Cafayate, 3 noites
Pres Roque Sanz Peña, 1 noite
Foz do Iguaçu, 2 noites.

O câmbio estava:
R$ 1 = AR$ 2.3 (em Puerto Iguazu pagavam 2.1)
US$ 1 = AR$ 4 (ou 3.9 em alguns lugares)
US$ 1 = CH$ 470 (foi o melhor câmbio que consegui em San Pedro). O oficial era CH$ 480.

É isto aí, espero que o meu relato inspire e seja útil a quem está sonhando com a viagem.

Abraços.
Luis
Editado pela última vez por LuisD em 14 Jan 2012, 19:34, em um total de 39 vezes.

#547707 por msevangel
26 Jan 2011, 09:09
Olá LuisD, bacana seu relato, pelo visto foi bem agradavel este tempo ai na estrada com a crianças...
Se puder coloca ai uma ideia do total dos gastos nesta viagem e posta umas fotos tbm...abçs
#548082 por MariaEmilia
26 Jan 2011, 22:22
Nota 10 seu relato.

Parabéns por viajar com as crianças.

Peço permissão para colocar um link de seu relato no Fórum "Mochilando com as crianças"

::cool:: ::cool:: ::cool::

Maria Emilia
#548101 por LuisD
26 Jan 2011, 23:09
MariaEmilia escreveu:Nota 10 seu relato.

Parabéns por viajar com as crianças.

Peço permissão para colocar um link de seu relato no Fórum "Mochilando com as crianças"

Maria Emilia


Obrigado, Maria Emilia. Pode colocar o link, sim.

Abraço.
Luis
#548401 por robertcosta33
27 Jan 2011, 16:18
Olá LuisD,

Muito legal seu relato. Incrível! Um dia também vou para lá também. Mas fiquei com uma dúvida. Recentemente estive na Argentina, na região de Córdoba, e levei na viagem apenas REAIS, não levei DÓLARES. Para essa região que você foi, não seria mais interessante levar REAIS ao invés de DÓLARES? Claro, vai fazendo o câmbio de REAIS para PESOS à medida que for precisando. Tenho a impressão de que ao levar DÓLARES (dependendo a quantidade) há uma perda na hora de fazer o câmbio. Penso que cambiar diretamente REAIS para PESOS seja mais negócio que REAIS para DÓLARES para PESOS. Será que tem fundamento isso?

DEUS te abençoe e meus parabéns pela viagem.
#548433 por LuisD
27 Jan 2011, 16:59
Obrigado, Robert!

Pensei em levar reais. O que li foi que a taxa de câmbio para reais vai caindo a medida que se afasta da fronteira com o Brasil e que fica ainda pior nas pequenas cidades. Isto me fez decidir a levar dólares.

Concordo contigo que custa comprar dólares, até por isto tentei pagar o máximo com cartão de crédito (além de gerar milhas para outras viagens!). Mas este é um dos custos de viajar, faz parte do todo.

Abraço.
Luis
#554593 por Edu Gonzaga
13 Fev 2011, 13:02
Olá Luis

Fantástico seu relato. Fotografias maravilhosas. Parabéns,

Já fiz algumas viagens de longa distância com minha família (minha esposa e duas filhas, atualmente com 12 e 11 anos), tanto para o nordeste do Brasil como para o sul, incluindo Paraguai, Argentina e Uruguai.

Estamos preparando uma nova viagem para o Chile, passando para o Atacama (janeiro de 2012).

Gostaria que me tirasse uma dúvida. Você disse: "De Tilcara rumamos a San Pedro de Atacama (450 km)." No Googlemaps chega a 941 km... Não é uma distancia muito longa para um dia?

Valeu!

Edu
#554615 por AndreMarques
13 Fev 2011, 14:11
Edu Gonzaga escreveu:Olá Luis

Fantástico seu relato. Fotografias maravilhosas. Parabéns,

Já fiz algumas viagens de longa distância com minha família (minha esposa e duas filhas, atualmente com 12 e 11 anos), tanto para o nordeste do Brasil como para o sul, incluindo Paraguai, Argentina e Uruguai.

Estamos preparando uma nova viagem para o Chile, passando para o Atacama (janeiro de 2012).

Gostaria que me tirasse uma dúvida. Você disse: "De Tilcara rumamos a San Pedro de Atacama (450 km)." No Googlemaps chega a 941 km... Não é uma distancia muito longa para um dia?

Valeu!

Edu


Olá Edu Gonzaga

A respeito da distância o correto realmente é 450 km, pois no Google ele indica uma rota totalmente diferrente por uma estrada de chão indo mais ao Sul e o certo é fazer pela Ruta 52 como conta no próprio Google....

Como o Luis falou esse trecho é maravilhoso, também achei uma das estradas mais maravilhosas que passei....

abraços
#554619 por AndreMarques
13 Fev 2011, 14:16
Luis

Está de parabéns por compartilhar essa maravilhosa experência....é bom saber que o câmbio na Argentina está ótimo para nós.

Pena que não gostou muito do Hostel Yatasto, fiquei lá também e na época(Jan-2009) o Héctor foi super simpático, talvez ele estivesse muito ocupado, pois ele é guia turístico e cheio de afazeres, mas sua família a Maria e seus 2 filhos são uma simpatia só....agora o café-da-manhã na Arg é de praxe ser muito fraquinho mesmo, quase todos de categoria turística simples.

Abraços
#554670 por LuisD
13 Fev 2011, 18:25
Olá, Edu.

Edu Gonzaga escreveu:Estamos preparando uma nova viagem para o Chile, passando para o Atacama (janeiro de 2012).


Vá mesmo com a família. Além da diversão em si os meninos voltaram muito interessados em história, geografia, espanhol e outras coisas despertadas pela viagem. Além da sensação fantástica de apresentar lugares assim aos guris.

Edu Gonzaga escreveu:Gostaria que me tirasse uma dúvida. Você disse: "De Tilcara rumamos a San Pedro de Atacama (450 km)." No Googlemaps chega a 941 km... Não é uma distancia muito longa para um dia?


É um bug do GoogleMaps. Ele não faz a ligação da estrada argentina com a chilena no Paso de Jama, é por isto que traça uma volta enorme por outro Paso. Aliás, o GMaps tem vários outros bugs. Não dá para confiar cegamente nele. Mesmo assim, me ajudou bastante no planejamento da viagem.

Recomendo que vc compre o mapa Firestone Argentina. É excelente.
Editado pela última vez por LuisD em 13 Fev 2011, 18:38, em um total de 1 vez.
#554673 por LuisD
13 Fev 2011, 18:35
AndreMarques escreveu:Luis

Está de parabéns por compartilhar essa maravilhosa experiência....é bom saber que o câmbio na Argentina está ótimo para nós.

Pena que não gostou muito do Hostel Yatasto, fiquei lá também e na época(Jan-2009) o Héctor foi super simpático, talvez ele estivesse muito ocupado, pois ele é guia turístico e cheio de afazeres, mas sua família a Maria e seus 2 filhos são uma simpatia só....agora o café-da-manhã na Arg é de praxe ser muito fraquinho mesmo, quase todos de categoria turística simples.


Olá, André.

Obrigado pelos cumprimentos. Só retribui ao fórum as informações que tanto me ajudaram. Aliás, o seu relato foi um dos que usei como base.

Sobre o Yatasto, a sensação que fiquei é que eles estavam meio cansados com a rotina de ser dono de um hostel. O que é bem compreensível. Já o café da manhã ganhou o título de mais fraquinho da viagem. Quando era a Maria José que servia era até melhor, mas quando era o Hector era racionado mesmo.

Não que a experiência lá tenha sido frustante, mas acho que buscaria opções melhores numa próxima estada em Salta.


Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 15 visitantes