Relatos de Viagens por 2 ou mais países da América do Sul
#789403 por José Luiz Gonzalez
22 Dez 2012, 18:07
IntroduçãoFala galera!
Acabei de voltar de uma maravilhosa viagem de 1 mês pelo Chile, Argentina e Bolívia e vou tentar relatar essa viagem abaixo.
Acredito que o mais interessante será a parte sobre o Noroeste Argentino já que Santiago e Atacama já tá cheio de relatos por aqui... mas de toda forma tentarei falar um pouco de tudo!
Se alguém tiver alguma dúvida, sinta-se a vontade pra perguntar abaixo e evitem mensagens privadas ou e-mail já que a sua dúvida pode ser a mesma de outras pessoas aqui no fórum!


Roteiro18/11/2012 - São Paulo - Santiago
19/11/2012 - Santiago
20/11/2012 - Santiago
21/11/2012 - Santiago - Mendoza
22/11/2012 - Mendoza
23/11/2012 - Mendoza
24/11/2012 - Mendoza
25/11/2012 - Mendoza - San Agustin de Valle Fértil
26/11/2012 - San Agustin de Valle Fértil
27/11/2012 - San Agustin de Valle Fértil - La Rioja - Tucumán - Cafayate
28/11/2012 - Cafayate
29/11/2012 - Cafayate
30/11/2012 - Cafayate - Salta
01/12/2012 - Salta
02/12/2012 - Salta
03/12/2012 - Salta - Purmamarca
04/12/2012 - Purmamarca
05/12/2012 - Purmamarca
06/12/2012 - Purmamarca - San Pedro de Atacama
07/12/2012 - San Pedro de Atacama
08/12/2012 - San Pedro de Atacama
09/12/2012 - San Pedro de Atacama
10/12/2012 - San Pedro de Atacama - Salar de Uyuni
11/12/2012 - Salar de Uyuni
12/12/2012 - Salar de Uyuni
13/12/2012 - Salar de Uyuni - San Pedro de Atacama
14/12/2012 - San Pedro de Atacama
15/12/2012 - San Pedro de Atacama - São Paulo
Editado pela última vez por José Luiz Gonzalez em 06 Jan 2013, 18:45, em um total de 2 vezes.

#789404 por José Luiz Gonzalez
22 Dez 2012, 18:08
Santiago

Hospedagem

Fiquei hospedado no hostel Ventana Sur em um quarto coletivo com 6 camas.
A reserva foi feita pelo HostelBookers.

Preço da diária: 15 USD

Pontos Positivos:
  • Hostel fica num bairro muito tranquilo e bonito (Providência).
  • Apesar de não ter um café da manhã espetacular, foi o melhor da viagem (com cereais, queijo e até iogurte)
  • O staff Ivan é muito gente boa e faz você se sentir em casa e te ajuda com todas as dicas e informações necessárias!
Pontos Negativos:
  • Café da manhã só começa às 9h00!!!
  • Apesar de estar em um bairro legal, não fica tão perto dos pontos turísticos principais da cidade.
  • Não possui lockers no quarto (apenas pequenos lockers individuais na área comum para objetos menores).
Avaliação final: Eu recomendo mas não ficaria novamente pelo horário do café da manhã!

Passeios

18/11/2012 - Santiago

Após chegar ao hostel por volta das 13h através do transfer VIP, saí para conhecer a cidade. Comecei caminhando pelo bairro de Providencia em direção ao Parque de las Esculturas e depois voltei passeando pelos vários parques e áreas verdes que margeiam o Rio Mapocho pela Costanera Norte. Por fim, atravessei o Parque Florestal que estava lotado de gente (adorei como os moradores aproveitam o domingo para fazer atividades ao ar livre e tomam conta dos parques!) e fui até o Museu de Belas Artes que estava com entrada gratuita por ser domingo. Para terminar o dia, fui caminhando pelo bairro Lastarria até o Cerro Santa Lucia onde subi até o topo para apreciar a cidade ao entardecer antes de ir para o hostel.

Imagem
Imagem
Imagem

19/11/2012 - Santiago

Como o café da manhã só começava às 9h00, só sai às 10h da manhã para conhecer a cidade e fui em direção ao Cerro San Cristobal. No entanto, antes de chegar ao Cerro, passei em frente a uma das casas de Pablo Neruda (La Chascona) mas o mesmo se encontrava fechado por ser segunda e acabei não conhecendo. Fui finalmente para o Cerro e esperei o ônibus para subir até o ponto mais alto já que o bonde (funicular) estava em reforma. O Cerro San Cristobal na verdade se encontra numa grande área conhecida como Parque Metropolitano onde se encontra um zoológico, vários bosques, praças e trilhas. Na volta encontrei algumas brasileiras e decidimos descer a pé e depois fomos almoçar no bairro de Bellavista. Depois fui em direção ao centro de Santiago para conhecer em especial o Palacio de la Moneda e a Plaza de Armas.
Devido ao fato de sair tarde do hostel, acredito que não tenha aproveitado ao máximo esse dia. Fica como dica sair bem cedo do hostel e ir em direção a alguma vinícola (Undurraga ou Cousiño Macul) e depois fazer o roteiro que fiz.

Imagem
Imagem

20/11/2012 - Day-trip a Valparaíso e Viña del Mar

Nesse dia sai de Santiago e fui até a Rodoviária para pegar o ônibus para Valparaíso com o intuito de fazer um day-trip em Valpo e Viña. Acabei chegando a Valparaíso depois das 12h e cometi o erro de imaginar que lá estaria tão quente quanto Santiago e passei um baita frio pois estava apenas de bermuda e camiseta.
Como cheguei tarde e teria pouco tempo para conhecer as cidades e também estava frio para ficar na rua o tempo todo sem roupas para frio, acabei contratando um tour para conhecer ambas as cidades pela RodoTour.
O tour estava lotado de brasileiros e a gente conheceu diversos pontos de ambas as cidades como a Plaza Sotomayor, a La Sebastiana, subimos o Ascensor Artilleria em Valparaíso e o Relógio de Flores, o Museo Fonck, a Quinta Vergara e a Praia de La Reñaca em Viña del Mar.
Sinceramente, devido minha limitação de tempo e meu despreparo quanto ao clima, fez com que o tour valesse a pena. No entanto, numa próxima viagem eu jamais faria um day-trip para essas cidades e muito menos contrataria um tour. Viña e principalmente Valparaíso merecem no mínimo que se fique 1 a 2 noites na cidade para desbravá-las com calma.

Tour por Viña e Valpo pela RodoTour: 12.000 CLP
Ônibus Santiago-Valparaíso: 2.400 CLP (cada trajeto... preço pode variar um pouco dependendo do horário)

Imagem
Imagem


Dicas
  • Santiago foi uma cidade que me surpreendeu positivamente. Esperava encontrar uma cidade feia como São Paulo mas é uma cidade muito melhor. Dá pra se locomover pela cidade a pé sem problema, existem muitas áreas verdes, o metrô chega a muitos lugares e muita gente usa a cidade pra andar a pé e de bike no dia-a-dia... enfim, gostei do que vi e recomendo conhecê-la.
  • Não faça day-trip a Valparaíso/Viña del Mar. Essas cidades são grandes e merecem no mínimo 1 noite (2 dias) para serem bem conhecidas.
  • Mesmo que você não leve minha recomendação a sério e queira fazer um tour guiado de 1 dia em Valpo/Viña, a dica é contratar a excursão apenas em Valparaíso pois sairá mais barato que contratá-la em Santiago. E tenho certeza que se você se fizer de difícil, o preço do tour será ainda mais barato do que o que eu paguei!
  • Eu como santista, imaginei erradamente que a relação do clima entre Santiago e Valpo/Viña seria como Santos e Sampa. Apesar de Santiago assim como Sampa estar mais alto com relação ao litoral, o clima em Valpo e Viña é mais frio devido a uma corrente fria do pacífico chamada Corrente de Humboldt. Portanto, na dúvida, levem agasalhos para lá mesmo no verão.
  • Apesar de não ter feito, muitos me recomendaram fortemente fazer um free walking tour que ocorre todos os dias em Valparaíso. O único problema é que só é feito em inglês, mas dizem que é bem legal. Em Santiago também existe esse tour mas já ouvi pessoas falando bem e mal.
Editado pela última vez por José Luiz Gonzalez em 23 Dez 2012, 20:12, em um total de 5 vezes.
#789406 por José Luiz Gonzalez
22 Dez 2012, 18:08
Mendoza

Hospedagem

Fiquei hospedado no hostel Lagares em um quarto coletivo com 6 camas.
A reserva foi feita pelo HostelBookers.

Preço da diária: 50 ARS

Pontos Positivos:
  • Esse hostel é bem tranquilo para quem não quer festa (se quiser, busque a rede HI e/ou Campo Base em Mendoza).
  • O café da manhã não é espetacular mas tem o básico mais suco, cereal e até bolo.
  • Locker gigante nos quartos com chave e cadeado para todos. Cabia o mochilão e sobrava ainda muito espaço!
  • Um dos melhores preços que paguei por uma boa qualidade e ainda tem uma promoção que se ficar 4 noites ou mais, te dão o aluguel de 1 dia de bike em Maipu para conhecer as vinícolas.
Pontos Negativos:
  • Eu tenho um sono pesado e mesmo assim acordei algumas vezes durante a noite devido ao barulho de carros e ônibus passando na rua que fica de frente para a maioria dos quartos.
  • O hostel fica um pouco afastado do centrão de Mendoza (em torno de 15 a 20 minutos de caminhada até a Plaza Independencia)
  • Apesar das áreas comuns possuírem várias tomadas assim como os banheiros, o quarto de 6 camas possuía apenas 1 tomada!
Avaliação final: Eu recomendo! Mas se você tem o sono leve, melhor buscar outro ou levar um protetor de ouvidos.

Passeios

21/11/2012 - Mendoza

Nesse dia, saí bem cedo do Hostel de Santiago pois peguei o ônibus das 7h30 para Mendoza. Essa viagem de ônibus é linda e vale como um passeio e portanto deve ser feita durante o dia! Após umas 6 a 7 horas de viagem, cheguei a Mendoza e reservei esse dia para contratar os passeios na Youth Travel Argentina e depois saí para conhecer o Parque San Martín que é gigante. Como já era fim do dia, acabei visitando apenas 1 parte do Parque que foi a área em torno do lago e depois voltei pro hostel.

Ônibus CATA de Santiago para Mendoza: 16.000 CLP

Imagem
Imagem

22/11/2012 - Mendoza (Tour de Bike pelas vinícolas em Maipu)

Como fiquei 4 noites hospedado no hostel Lagares, ganhei o aluguel de 1 dia de bicicleta na região de Maipu onde se encontram diversas vinícolas. Esse passeio vale muito a pena ser feito de forma independente, bastando apenas pegar o ônibus desde o centro de Mendoza até a região de Maipu (é necessário comprar um cartão de ônibus que custava 3 pesos e carregá-lo com o preço das passagens ou ter o dinheiro em moedas para pagar a passagem!). Peça ao motorista para avisá-lo quando descer já que o trajeto demora pouco menos de 1h.
Ao descer do ônibus, fui diretamente com o voucher do hostel ao local onde aluga bicicleta que se chama Mr. Hugo. Além da bicicleta e do capacete, lá te darão um mapinha da região com as vinícolas e olivícolas principais da região além de várias informações. Ah, e caso aconteça algum problema na bicicleta, basta ligar para o Mr. Hugo que um carro te buscará como aconteceu com um casal espanhol que encontrei durante o passeio.
Durante o passeio, acabei fazendo o tour da Vinícola da Familia Di Tommaso que foi bem legal com direito a degustação de 4 vinhos (branco, malbec, cabernet sauvignon, doce). Depois fui a Olivícola Laur que infelizmente estava fechando para almoço mas o rapaz acabou aceitando fazer um prato para degustar os produtos da casa enquanto conhecía as oliveiras e talz... quando voltei, que maravilha!! Pão com azeite e pasta de azeitona verde e preta além de tomate seco, uvas passas e azeitonas para petiscar!! Confesso que não sou de beber, mas depois dessa visita não queria saber mais de vinícola e sim de olivícolas!! Que delícia que é essa tal de pasta de azeitona! Alguém me diz onde vende isso por aqui? rs
Depois acabei indo a vinícola Tempus Alba para apenas visitá-la mas sem fazer tour guiado ou degustação.
Depois fui a um local que no mapa dizia ser uma cervejaria (Beer Garden) e me animei em fazer um tour no local mas ao chegar percebi que era apenas um bar que vendia cervejas e fui embora em direção a um lugar chamado Historias y Sabores que dizia ter chocolates. Ao chegar no local, fiquei um pouco decepcionado também mas acabei topando a degustação de chocolate artesanal, doces e pasta de azeitona :D e um shot de licor antes de terminar o passeio e entregar a bike.
Um dado importante a ressaltar é que o passeio de bike é feito numa região asfaltada e que passa caminhões e carros a todo momento. Então, não vá com a ideia de passeio de bike em meio a campos floridos no interior onde só haverá você, sua bike e alguns animais pastando!

Aluguel Bike Mr. Hugo: grátis ficando 4 ou mais noites no Hostel Lagares
Tour Familia Di Tommaso: 25 ARS (paguei 20 pois tinha um papel que deram no Mr. Hugo que daria esse desconto)
Tour Olivicola Laur: 15 ARS
Degustação no Histórias y Sabores: 25 ARS
Ônibus Mendoza-Maipú: 2,70 ARS (cada trajeto)

Imagem
Imagem
Imagem

23/11/2012 - Mendoza (Tour Trekking, Rapel e Termas em Cacheuta)

Como já havia reservado anteriormente, esse dia foi para o passeio na região de Cacheuta que fica próximo a Mendoza. Acabei indo nesse dia pois foi a única possibilidade para mim já que esse passeio é oferecido apenas 3x por semana (segunda, quarta e sexta).
Por volta das 9h30 o micro ônibus da YTA chegou na frente do meu hostel e partimos em direção a Cacheuta onde primeiramente fizemos um trekking de 1h30/2h00 mais ou menos. Esse trekking foi uma subida relativamente forte na primeira metade e depois começou uma descida até iniciar a segunda etapa do passeio que foram 3 descidas por rapel. A primeira descida foi de 12m, a segunda de apenas 5m e a terceira foi de 42 metros!!! Nessa última descida eu queimei 2 dos meus dedos por não saber manejar a corda direito (isso que dá fazer rapel pela 1ª vez), mas no fim deu tudo certo.
Depois de toda essa aventura, fomos almoçar num local próximo as termas (almoço já incluso no tour) e depois disso fomos finalmente relaxar a tarde toda nas termas.
Aliás, foi a primeira vez que fui em termas então não sei se não estou acostumado, mas achei a água em certos pontos muuuito quente. As termas de Cacheuta possuem diversas piscinas de águas termais e quanto mais alta está localizada a piscina, mais quente é a água! Eu mal conseguia colocar os pés nas piscinas mais altas e elas estavam lotadas de gente (principalmente crianças)!! Não sei como conseguiam! Fiquei nas piscinas do meio que eram mais agradáveis! :D

Tour Trekking, Rapel e Termas na YTA: 260 ARS (incluído transporte, almoço e entrada nas termas)
Locker nas Termas: 20 ARS

Imagem
Imagem

24/11/2012 - Mendoza (Tour de Alta Montanha)

O último dia em Mendoza foi reservado para o passeio de dia inteiro de Alta Montanha também contratado na Youth Travel Argentina.
O micro-ônibus da YTA passou no hostel por volta das 8h e então partimos em direção ao Aconcagua pela mesma estrada que liga Mendoza a Santiago do Chile, portanto eu já conhecia a beleza do caminho.
São realizadas algumas paradas durante o passeio. A primeira é em uma cidade que parece um oásis no deserto chamada Uspallata onde se para em uma loja/mercado para ir ao banheiro e fazer compras, depois se para em um local no meio do nada para tirar fotos das montanhas, rio, trilhos de trem e talz e então continuamos até o Puente del Inca onde todos descem por uns 30 min mais ou menos para tirar fotos antes de ir para o Parque Aconcagua para realizar o trekking de 1h30/2h. No Parque Aconcagua se faz um trekking cujos principais pontos são a Laguna Espejo, o Mirante da Face Sul do Cerro Aconcagua e a Laguna de Horcones.
Depois disso é feito uma parada para o almoço próximo ao local onde se realiza a imigração Chile/Argentina que fica bem próximo a entrada do Parque Aconcagua. Depois começa o caminho de volta a Mendoza com uma parada rápida novamente em Uspallata apenas para quem deseja ir ao banheiro.

Tour Alta Montanha na YTA: 150 ARS
Entrada no Parque Aconcagua: 10 ARS


Imagem
Imagem
Imagem

Dicas
  • Ao contratar o passeio de Alta Montanha, informem-se quanto a possível entrada no Parque Aconcagua. Na minha opinião, o trekking no Aconcagua até o Mirante e a Laguna de Horcones é o ponto alto do passeio e muitas agências não fazem essa parte (por exemplo, a agência do Hostel Lagares cobra mais caro e nem entra no Parque, o que considero um pecado!)
  • Se forem contratar passeios no Youth Travel Argentina e principalmente se forem várias pessoas e/ou vários passeios, vale a pena dar uma chorada que eles diminuem o preço. Quando cheguei na agência me passaram o valor de 280 para o Trekking, Rapel e Termas e 175 para o Alta Montanha e no final ficou 260 e 150 cada um.
  • Mendoza é uma cidade muito bonita e que vale a pena gastar no mínimo 1/2 a 1 dia para conhecer a cidade. Além disso, existe uma infinidade de passeios possíveis de serem realizados pela região (visitar as vinicolas de Maipu, Lujan de Cuyo e Vale de Uco, passeio de alta montanha, rafting, cavalgadas, Cañon de Atuel, trekking no Aconcagua, etc...) e logo, acho um erro desconsiderar Mendoza em um roteiro de viagem ou deixar apenas 1 ou 2 dias nesse lugar maravilhoso.
Editado pela última vez por José Luiz Gonzalez em 24 Dez 2012, 13:48, em um total de 6 vezes.
#789407 por José Luiz Gonzalez
22 Dez 2012, 18:09
San Agustín del Valle Fértil

Hospedagem

Fiquei hospedado no hostel Valle de la Luna da rede Campo Base em um quarto coletivo com 8 camas.
A reserva foi feita pelo Hostel World.

Preço da diária: 55 ARS

Pontos Positivos:
  • O hostel sempre vai com van para a rodoviária para atrair mochileiros para levar ao hostel.
Pontos Negativos:
  • O hostel força a barra e manipula as pessoas pra contratar o tour para os Parques pelo hostel.
  • Poucos banheiros disponíveis (apenas 2 banheiros individuais para todo o hostel)
  • Internet (wifi) disponibilizada no hostel era sofrível (praticamente inexistente).
  • Cobram por late-checkout mesmo se vc não usar nada do hostel (deixar só as bagagens antes de ir embora)
  • Não existem lockers.
  • O quarto de 8 camas é extremamente apertado. Só os 4 beliches já ocupam quase todo o espaço livre do quarto.
Avaliação final: Eu não recomendo! Mas também não sei se existe outro hostel em Valle Fértil...

Passeios

25/11/2012 - Mendoza - San Juan - Valle Fértil

Esse dia foi destinado a locomoção basicamente.
Pela manhã eu ainda dei uma volta por Mendoza pelo Parque O´Higgings e pela Área Fundacional antes de pegar minhas coisas e ir para a Rodoviária onde pegaria o ônibus para San Juan às 11h00. Após 2 horas de viagem cheguei a rodoviária de San Juan por volta das 13h e tive que esperar em torno de 1h para pegar o ônibus para S. A. Valle Fértil que demorou mais umas 4 horas até chegar a Valle Fértil onde fui recepcionado junto com mais 5 mochileiros pelo hostel e fomos levados de van até o hostel.
Após fazer os procedimentos burocráticos de check-in e deixar o mochilão no quarto, todos foram ouvir o discurso de um dos caras do hostel a respeito dos passeios disponibilizados pelo local que são basicamente o Parque Talampaya, o Parque Ischigualasto e o Parque El Chiflón. Além disso, como era noite de lua cheia, eles também tentaram vender o passeio noturno ao Parque Ischigualasto que também é conhecido como Valle de la Luna.
A princípio, meu objetivo era ficar 2 dias inteiros em Valle Fértil e conhecer os 3 parques e ainda dar uma volta pra conhecer um pouco as atrações de Valle Fértil. No entanto, fui surpreendido com o fato de que segunda (dia 26) seria mais um dos feriados mágicos criados pela Kirchner na Argentina e portanto o ônibus que pegaria para La Rioja na madrugada do dia 28 não teria. Portanto, fui obrigado a reduzir 1 dia de estadia em Valle Fértil para pegar o busão da madrugada do dia 27.
Para informar, só tem busão Valle Fértil - La Rioja segunda, quarta e sexta, mas como segunda era feriado, naquela semana só teria busão na terça e na sexta!
Devido aos fatos acima, eu e um holandês queríamos apenas os passeios de meio-dia para os Parques Talampaya (manhã) e Ischigualasto (tarde)... no entanto, o cara do hostel tinha uma lábia absurda e convenceu as 4 alemãs que o passeio a Ischigualasto com lua cheia seria o melhor passeio da vida delas e por isso eu fui obrigado a fazê-lo também ou então esperar por umas 4 horas na sede do Parque já que não haveria gente suficiente pra o transfer me trazer de volta ao hostel. :x
Portanto, fechei o passeio Talampaya de manhã, Ischigualasto de tarde e Ischigualasto de noite com lua cheia!!! Dia loooooongo!!!

Ônibus Mendoza - San Juan: 75 ARS
Ônibus San Juan - Valle Fértil: 62 ARS

26/11/2012 - Valle Fértil (Talampaya e Ischigualasto)

  • P.N. Talampaya
Nesse dia saí às 8h00 em um carro com mais um holandês e um israelense para o primeiro passeio do dia: o Parque Nacional Talampaya. Geralmente o hostel só sai para esta excursão com 4 pessoas mas pelo que nos disseram, havia mais gente mas essas pessoas cancelaram no último momento a ida ao Parque e assim foram apenas 3 pessoas.
A viagem até o PN Talampaya demorou pouco menos de 2 horas e chegando lá o motorista nos indicou o caminho onde deveríamos pagar a entrada e contratar o passeio pois esse parque é privado e não permite que carros particulares percorram o parque. Portanto, fomos contratar o passeio oficial do PN Talampaya que faz o trajeto tradicional com 4 paradas e que dura em torno de 2h30. Antes disso, também tivemos um tempinho para percorrer uma trilha logo na entrada do Parque onde existem réplicas de dinossauros do período triássico (aliás, uma curiosidade é que tanto Talampaya quanto Ischigualasto são patrimônios da Humanidade pela UNESCO não por sua beleza em si mas na verdade por causa dos fósseis encontrados no local do Período Triássico).
Depois do passeio, tomamos o caminho de volta a Valle Fértil e cheguei por volta das 14h00, no que tive apenas tempo para colocar a bateria da camera para carregar para a 2ª etapa da viagem e para comer algo antes de ir para Ischigualasto.

Transfer ao P.N. Talampaya: 150 ARS
Entrada ao P.N. Talampaya: 40 ARS
Passeio Cañon de Talampaya tradicional: 130 ARS

Imagem
Imagem

  • P.N. Ischigualasto (Valle de la Luna)
Para o passeio ao PN Ischigualasto já havia 8 pessoas saindo desde o hostel e todas também fariam o passeio de lua cheia.
O transfer saiu do hostel às 15h00 e 1 hora depois já estava no Parque onde todos pagaram seu ingresso e esperamos por uns 30 minutos para juntar alguns poucos carros para começar a recorrer o Parque. Vale ressaltar que nesse Parque não é necessário pagar por um transporte privado dentro do Parque. A logística é: os carros esperam por um tempo até que é dada a permissão para visitar o Parque e um guia do próprio parque vai em um dos carros indicando o caminho e parando umas 5 vezes para dar explicações e para que todos conheçam os principais atrativos do local.
O percurso demora em torno de 3 horas e após finalizado tivemos que esperar 1h30 a 2h até que fosse feito o passeio de lua cheia. Esse passeio segue o mesmo esquema do anterior com a diferença que é feito à noite e que as paradas são um pouco diferentes (no passeio noturno é possível visitar lugares que não se pode atualmente no diurno).
Assim como eu já imaginava, não gostei do passeio e acho que a menos que vc goste muito de passeios noturnos ou que tenha uma grande paixão por tirar fotos noturnas, esse passeio não vale a pena. Não existe iluminação alguma no local a menos da lua cheia e da lanterna do guia e se vê muito mal a tudo e a todos. Além de tudo isso, tive a sorte de um grupo de espanhóis bêbados/drogados estarem fazendo o passeio no mesmo grupo e que tornaram o passeio ainda mais irritante e chato. E depois o staff do hostel dizia que isso era imperdível, que pessoas do mundo todo iam até lá apenas para fazer o passeio de lua cheia... sei sei...
Ao final, voltamos para o hostel e chegamos por volta das 01h30 da madrugada e ainda tive que esperar junto com meus companheiros de viagem por mais de 1h pelo ônibus que iria para La Rioja que sairía apenas às 03h00!
Curiosidade: acho que poucos aqui (ou seria ninguém?) gostam de música em espanhol como eu, mas um fator que enriqueceu ainda mais a visita ao Parque Ischigualasto foi ver um lugar onde foi gravado um dos clipes de uma das bandas mais famosas da Argentina chamada Miranda! O clipe da música Tu misterioso alguien.

Imagem
Imagem

Transfer ao P.N. Ischigualasto: 150 ARS
Entrada ao P.N. Ischigualasto: 130 ARS
Transfer ao P.N. Ischigualasto noturno: 150 ARS (paguei 100 ARS depois de chorar muito dizendo que não faria o passeio)
Entrada ao P.N. Ischigualasto (tour de lua cheia): 70 ARS
Guia do tour de lua cheia: 10 ARS

Dicas
  • Vale muito a pena conhecer esses Parques Nacionais Argentinos, no entanto, se você deseja visitá-los, não fique no Hostel Valle de la Luna. Infelizmente eu não pesquisei o tanto quanto gostaria, mas em lugar algum em toda viagem me senti tão enganado e roubado como nesse lugar! Acredito que a melhor opção para conhecer esses parques seria ir em grupo e alugar um carro ou então enviar mails para agências em Valle Fértil antes de chegar ao lugar para ter ideia de preços.
  • Outro problema para contratar excursões em Valle Fértil é que o lugar ainda não é tão turístico quanto outras cidades argentinas e portanto pode acontecer de você não conseguir fazer o passeio porque não há um mínimo de 4 pessoas, principalmente se você for lá em período que não seja a alta estação.
  • Não sei se é um passeio fácil de conseguir, mas conheci um alemão em Mendoza que fez os passeios a Talampaya e Ischigualasto desde a cidade de La Rioja e pagou praticamente o mesmo valor que paguei mesmo estando em um lugar mais distante dos parques. Se existe esse tour diariamente desde La Rioja, eu acho que iria pra La Rioja ao invés de Valle Fértil pois o preço seria idêntico mas pelo menos eu estaria em uma cidade com muito mais estrutura e sem problemas de transporte público como Valle Fértil.
  • Também ouvi falar que vale a pena tomar como base a cidade de Villa Unión. No entanto, não sei mais informações a respeito. Se alguém souber algo, comenta ae!
  • Apesar de ter feito o tour clássico, sei que existem diversas outras atividades como fazer trekking, andar de bike, e conhecer outras áreas do Parque Talampaya. Acredito que se tivesse tempo ou não ficasse refém das excursões, eu tentaria aproveitar melhor pelo menos o Talampaya.
Editado pela última vez por José Luiz Gonzalez em 06 Jan 2013, 18:56, em um total de 4 vezes.
#789408 por José Luiz Gonzalez
22 Dez 2012, 18:09
Cafayate

Hospedagem

Fiquei hospedado apenas 1 noite nesse hostel pois cheguei na cidade de madrugada sem reserva e foi o primeiro que encontrei.
Fiquei em um quarto coletivo com 12 camas pois era o único disponível!

Preço da diária: 40 ARS

Pontos Positivos:
  • Preço! Foi disparado o preço mais barato que encontrei em hostel durante a viagem e ainda incluía café da manhã.
  • Os staffs do hostel eram muito legais e passaram todas as informações e dicas mesmo eu ficando apenas 1 noite!
Pontos Negativos:
  • O banheiro do quarto era muito sujo e precisa de reforma urgente.
  • Tomei um puta susto ao acordar com algo arranhando minha perna. Quando olhei, tinha um gato na minha cama!
  • Não existem lockers no quarto.
Avaliação final: Eu não recomendo principalmente pela sujeira do banheiro. Mas se você quer economizar ao máximo, vá em frente! De repente um quarto com menos pessoas ou privativo seja bem melhor!


Fiquei hospedado 2 noites nesse hostel em um quarto duplo com banheiro privado (em Valle Fértil fiz amizade com um italiano que também viajava só e com o mesmo roteiro que eu, assim decidimos mudar de hostel e pegar algo melhor)

Preço da diária: 180 ARS pelo quarto duplo (90 ARS para cada pessoa)

Pontos Positivos:
  • Hostel com cara de pousada! Muito limpo, espaçoso e organizado.
  • O hostel possui uma área comum ajardinada que tem até algumas parreiras.
Pontos Negativos:
  • Pelo que observei, o preço in loco é menor que o cobrado em sites como HostelWorld e HostelBookers. De repente, vale a pena entrar em contato por mail para reservar ou então ir sem reserva (principalmente se não for alta estação)
  • Café da manhã poderia ser mais generoso na quantidade.
Avaliação final: Recomendo! Um dos melhores hostels da viagem (se não for o melhor)! Recomendo tanto para mochileiros sem frescuras (dormitório custava 50 ARS) como para àqueles que querem mais conforto!

Passeios

27/11/2012 - Valle Fértil - La Rioja - Tucumán - Cafayate

Esse dia foi destinado a locomoção basicamente.
Saí de Valle Fértil às 03h00 e após 4 horas de viagem cheguei a rodoviária de La Rioja.
Por volta das 8h00 saía o busão para San Miguel de Tucumán e como era 7h00 quando cheguei, aproveitei para tomar um café da manhã na própria rodoviária antes de partir para a segunda viagem do dia que levou mais umas 6 horas mais ou menos.
Cheguei em Tucumán pouco depois das 14h e infelizmente só havia ônibus para Cafayate às 19h. Menos mal que havia feito amizade com um italiano (que acabou se tornando companheiro de viagem até Purmamarca) e ficamos num restaurante na rodoviária de Tucumán batendo papo e comendo algo até o horário da viagem a Cafayate.
A viagem para Cafayate durou em torno de 5 horas e meia porque é daquelas viagens que o ônibus anda muito devagar e ainda por cima faz diversas paradas em cidadezinhas no meio do caminho. Cheguei em Cafayate já era meia-noite e meia e só deu tempo de buscar o primeiro albergue que encontrei, tomar banho e dormir!

Ônibus Valle Fértil - La Rioja: 52 ARS
Ônibus La Rioja - Tucumán: 155 ARS
Ônibus Tucumán - Cafayate: 118 ARS

28/11/2012 - Cafayate (Visita a Bodega e a Ruína de Quilmes)

Esse dia foi dedicado a visitar as Ruínas de Quilmes. No entanto, como isso não levaria o dia todo, aproveitei para dar uma volta por Cafayate e ir a pelo menos 1 vinícola.
Pela manhã fui a vinícola La Banda que me haviam recomendado no Hostel Backpackers. Essa bodega fica bem próxima a entrada da cidade e vale tomar cuidado pois nos inidicaram como Bodega La Banda mas o cartaz informativo na frente da Bodega indica como Bodega Vasija Secreta.
A todo momento existe tour guiado pela bodega com degustação ao fim do passeio e eles não cobram nada dos turistas pelo passeio! Vale muito a pena fazer pelo menos esse passeio para conhecer e degustar o tão famoso vinho torrontés da região.
Depois peguei o ônibus das 14h para ir a Ruínas de Quilmes e que levou em torno de 1h para chegar ao local. Na verdade, o ônibus te deixa no meio da estrada e desde lá vc terá que andar uns 5 km até chegar a entrada das Ruínas.
Após pagar a entrada nas Ruínas, caminha-se um pouco e então haverá alguns guias que se disponibilizam para fazer o caminho por mais ou menos 1h no local sem um preço fixo (aceitam apenas gorjetas).
Acredito que umas 2h é um tempo bem legal para andar por todas as ruínas, tirar fotos e fazer o passeio guiado!
Depois disso, voltei os 5 km até a estrada onde fiquei esperando o ônibus passar para voltar a Cafayate. Vale ressaltar que ao comprar a passagem em Cafayate me disseram que o busão passaria às 19h mas na verdade ele passou às 20h!!
Curiosidade: acho que poucos aqui (ou seria ninguém?) gostam de música espanhola como eu, mas um fator que enriqueceu ainda mais a visita a Ruína de Quilmes pra mim foi que aí foi gravado nesse mesmo ano o clipe da música Dia Cero do grupo espanhol La Oreja de Van Gogh.

Tour Bodega La Banda (=Vasija Secreta): grátis
Ônibus Cafayate - Quilmes: 23 ARS (cada trajeto)
Entrada Ruínas de Quilmes: 10 ARS
Guia Ruínas de Quilmes: 10 ARS (gorjeta, valor que desejar pagar!)

Imagem
Imagem
Imagem


29/11/2012 - Cafayate (Visita ao Rio Colorado e a Quebrada de Cafayate)

No dia anterior havia reservado o passeio a Quebrada de Cafayate (também conhecido como Quebrada de las Conchas) em uma agência que fica na praça principal e que acredito que é a mesma que vende o tour no hostel Backpackers também. No entanto, esse passeio era apenas às 14h30, então aproveitei a manhã para conhecer o Rio Colorado.
O Rio Colorado é um passeio famoso em Cafayate pois existem 7 cascatas/cachoeiras nele e para conhecê-las é preciso fazer uma trilha que leva praticamente todo o dia.
Infelizmente, eu saí do hostel imaginando que bastava chegar ao Rio Colorado e lá estariam as cascatas ou precisaria pegar uma trilha rápida para vê-las mas estava engando.
Primeiro porque do centro de Cafayate até chegar ao acesso do Rio Colorado já são pelo menos 1 hora de caminhada. Depois disso, existem vários guias nesse acesso que se dispõem a indicar o caminho para as cascatas mas como o caminho era longo e ainda teria que voltar para o passeio a Quebrada, acabei abortando essa trilha.
Vale também falar que no caminho para o Rio Colorado existe uma placa indicando um outro atrativo do local: a Cueva del Suri e Pinturas Rupestres. Ao ver isso, fiquei curioso e saí do caminho principal para conhecer esse lugar. Andando um pouco, um homem nos abordou e disse que era difícil chegar ao lugar sem um guia e que por um pequeno valor ele nos levaria até os pontos de interesse. Aceitamos e fizemos o recorrido que não deve ter levado 30 min por uma cueva que não tinha o menor interesse e a umas pinturas rupestres bem mais ou menos.
Bom, voltei pro centro da cidade e às 14h30 começou o passeio a Quebrada de Cafayate. Foi uma pena que os 2 dias que estive em Cafayate o céu esteve sempre muito nublado mas sem dúvida alguma esse passeio é um dos melhores passeio nesse roteiro que fiz (se tivesse sol e céu azul então, seria o melhor ou um top3 da viagem pelo menos).
O motorista é o guia também e ele percorre a estrada em direção a Salta e pára em alguns dos principais atrativos da Quebrada: La Punilla, Los Castillos, El Obelisco, La Yesera, El Sapo, El Anfiteatro e La Garganta del Diablo. Alguns pontos são paradas bem rápidas apenas para fotos como o Obelisco e o Sapo, enquanto nos outros a parada é um pouco mais longa (principalmente na La Punilla (uns 40 min) e La Yesera (uns 50 min), onde é feito uma caminhada pelo local). Chegamos em Cafayate pouco antes das 20h.

Tour a Quebrada de Cafayate: 80 ARS
Guia para Cueva del Suri/Pinturas Rupestres: 15 ARS

Imagem
Imagem
Imagem

Dicas
  • Muita gente conhece Cafayate e sua Quebrada a partir de uma excursão desde Salta. Eu acho isso válido se existe uma limitação de tempo no roteiro, no entanto acho que vale muito a pena dormir pelo menos 1 noite em Cafayate. A cidade é muito agradável e tem atrações para se gastar no mínimo 2 dias nela.
  • Em frente ao Hostel Rusty-K fica um restaurante chamado El Hornito que eu gostei muito. Ótimo preço e comida muito saborosa. As empanadas são muito boas e pelo menos a napolitana de frango com papas salteñas que comi estava deliciosa. Só não indico o lugar se você não suporta esperar muito pela comida.
  • Se possui o interesse de fazer a trilha pelo Rio Colorado, recomendo tentar ir de táxi (ou pelo menos de bike) até o começo da trilha pois são 5 km do centro de Cafayate até o local por um caminho (principalmente no começo) sem grandes atrativos. Reserve o dia todo para esse passeio ou saia bem cedo.
  • Não perca tempo visitando Cueva del Suri e pinturas rupestres.
  • Se desejar visitar outras bodegas além da Vasija Secreta (La Banda), nos indicaram também a Domingos Hnos, Nani, El Tránsito.
Editado pela última vez por José Luiz Gonzalez em 26 Dez 2012, 21:07, em um total de 4 vezes.
#789409 por José Luiz Gonzalez
22 Dez 2012, 18:10
Salta

Hospedagem

Fiquei hospedado 3 noites no hostel Salta por Siempre (também conhecido como Hostel in Salta) em um quarto com 6 camas.
Reserva feita pelo Hostel World.

Preço da diária: 60 ARS

Pontos Positivos:
  • Os staffs do hostel eram muito gente boa. Sempre dispostos a ajudar com qualquer coisa. Para citar um exemplo, a staff ficou um bom tempo ligando para agências perguntando sobre disponibilidade de passeios e preços e ainda conseguiu um bom desconto na agência que fechamos.
  • O café da manhã começava às 8h00 mas como os passeios saiam antes, bastava avisar isso na recepção que eles disponibilizavam café antes.
  • Lockers individuais e grandes em cada quarto.
Pontos Negativos:
  • A reserva que havia feito pelo Hostel World era de um quarto de 4 camas e eles nos colocaram num de 6 dizendo que haveria apenas 4 pessoas nele e que no outro dia iriam mudar a gente de quarto. Não cumpriram nenhuma das promessas e ainda pagamos pelo preço do quarto de 4 camas (tá, foi só 5 pesos a mais por noite, mas de toda forma, foi mais um erro!)
  • A janela do quarto ficava de frente para a rua principal e então sofremos do mesmo problema do hostel de Mendoza. Muito barulho de veículos durante a noite.

Avaliação final: Apesar do problema da reserva, eu recomendo! No geral, gostei muito do hostel e principalmente dos staffs! Ah, e eles tem um cão beagle como animal de estimação do hostel! :D

Passeios

30/11/2012 - Salta

Nesse dia peguei o ônibus às 8h00 em Cafayate e 4 horas mais tarde já me encontrava na rodoviária de Salta (conhecida também como "la linda").
Após me ajeitar no hostel, reservar os passeios para os próximos 2 dias e comer umas empanadas, saí com o objetivo de conhecer a cidade.
Salta é uma cidade que possui belíssimas igrejas, sendo que não se deve deixar de visitar pelo menos 3 delas: a Catedral Basílica de Salta, a Igreja de São Francisco e a Igreja de Nossa Senhora da Candelária. Vale a pena também visitar as 2 primeiras durante a noite pois possuem iluminação especial.
Outro passeio é visitar o Cerro San Bernardo indo em teleférico. Desde o teleférico e também ao chegar no Cerro San Bernardo, é possível ter uma vista geral de toda a cidade desde o alto além de poder caminhar pela área verde do local.
Por último, finalizei meu dia visitando o Museu de Arqueologia de Alta Montanha que é um museu bem pequeno mas que possui como grande atrativo a visita aos "Niños de Llullaillaco" que foram 3 múmias de crianças incas descobertas no topo do Vulcão Llullaillaco. As 3 múmias são conhecidas como "La Doncella", "La Niña del Rayo" e "El Niño" e por motivos de preservação, apenas 1 deles fica exposto a visitação a cada dia. No dia que visitei, vi a "La Niña del Rayo".

Ônibus Cafayate - Salta: 60 ARS
Teleférico (ida e volta) : 35 ARS
Museu de Arqueologia de Alta Montanha (MAAM): 40 ARS

Imagem
Imagem
Imagem

01/12/2012 - Salta (Tour a Cachi)

Esse dia foi reservado para o tour até o pueblo de Cachi.
A excursão começou a buscar os passageiros em suas hospedagens a partir das 7h00 e só voltou para Salta por volta das 17h.
Apesar da excursão ter como ponto final o pueblo de Cachi, são feitas diversas paradas ao longo do passeio como na Cuesta del Obispo, na Piedra del Molino e no Parque Nacional Los Cardones. Quando chega em Cachi é feita uma parada para almoço e para conhecer a cidade antes da volta para Salta.
Essa excursão tem como ponto mais alto a Piedra del Molino que está a 3457 metros s.n.m. Devido a essa mudança de altitude, o clima varia bastante, sendo que saí de Salta com uma chuva forte que caiu durante toda a madrugada, o céu continuou nublado e feio durante boa parte do caminho (principalmente até a Piedra del Molino) e depois o céu abriu e fez bastante sol no Parque Nacional Los Cardones e em Cachi que se encontra a 2280 metros s.n.m.

Tour a Cachi (Turismo La Posada): 190 ARS (considerando que paguei 380 pelas 2 excursões: Cachi e S.A. de los Cobres)

Imagem
Imagem
Imagem

02/12/2012 - Salta (Tour a San Antonio de los Cobres)

Esse dia foi dedicado ao segundo tour que contratei na agência Turismo La Posada: San Antonio de los Cobres.
Assim como na excursão a Cachi, o transfer começou a pegar as pessoas às 7h e voltou para Salta por volta das 17h.
O grande atrativo dessa excursão é que ele faz quase o mesmo trajeto que realiza o famoso Tren a las Nubes que liga Salta até o Chile. Infelizmente, só soube durante o passeio que ele não chegaria até o famoso viaduto La Polverilla porque dezembro é época das chuvas e alegaram que o trecho final fica intransitável devido ao rio que se forma. :cry:
Bom, independente disso, o passeio foi bem legal e assim como no passeio do dia anterior, esse também faz algumas paradas antes de chegar a San Antonio de los Cobres. Primeiro é feita uma parada numa cidadezinha próxima a Salta onde se encontra um trem que fazia o caminho do Tren a las Nubes, depois se para num local onde é possível ver um viaduto bastante fotogênico do Tren a las Nubes (o viaduto da foto abaixo), logo em seguida foi feita uma parada num local cheio de cactos que segundo o guia não era uma parada convencional do tour, depois foi feita outra parada num local onde se explica a forma que os trens fazem para ganhar altitude, depois outra parada para tirar fotos em um lugar da Quebrada del Toro até finalmente chegar ao micro povoado de Santa Rosa de Tastil.
Em Santa Rosa de Tastil foi feita uma parada na ida para conhecer o lugar e depois seguimos até o ponto mais alto do passeio chamado Abra Blanca que está a 4080 metros s.n.m, para então finalmente chegarmos ao destino final que era San Antonio de los Cobres. Lá ficamos umas 2 horas mais ou menos para almoçar e conhecer a cidade e então regressamos a Salta mas antes voltamos a parar em Santa Rosa de Tastil para conhecer as Ruinas de Tastil.

Tour a San Antonio de los Cobres (Turismo La Posada): 190 ARS (considerando que paguei 380 pelas 2 excursões: Cachi e S.A. de los Cobres)

Imagem
Imagem
Imagem

Dicas
  • Quando planejava a viagem, cheguei a pensar em ir a Cachi e a San Antonio de los Cobres de ônibus mas mudei de ideia ao saber que indo de ônibus deixaria de conhecer vários pontos no caminho e pelo que senti dos passeios, o ponto alto nunca foi o destino em si, mas todas as paradas que foram feitas ao longo do passeio!
  • Para quem desejar contratar passeios no Turismo La Posada, vale a pena chorar um desconto principalmente se fizer mais que um passeio. Na primeira informação, me passaram o valor de 230 ARS para Cachi e 290 ARS para S.A. de los Cobres (total de 520 ARS) e no final, me cobraram 380 ARS pelas 2 excursões!
  • Caso você não tenha tempo para dormir em Cafayate ou na Quebrada de Humahuaca, Salta é a melhor cidade para tomar como base para conhecer esses lugares. Claro que a excursão sairá mais cara que estando nessas cidades, mas a própria Turismo La Posada oferece passeios para conhecer a Quebrada de Cafayate e a Quebrada de Humahuaca.
  • Se tem alguém que queira trazer de lembrança os famosos doces de leite argentino, saibam que existe um produzido em Salta chamado Campo Quijano que é muito bom! ::otemo::
Editado pela última vez por José Luiz Gonzalez em 27 Dez 2012, 21:56, em um total de 7 vezes.
#789410 por José Luiz Gonzalez
22 Dez 2012, 18:10
Quebrada de Humahuaca

Hospedagem

Fiquei hospedado 3 noites em Purmamarca no hostal El Cardón em um quarto privado com 2 camas e banheiro privado.

Preço da diária: 160 ARS pelo quarto (80 ARS para cada pessoa)

Pontos Positivos:
  • Hostal muito limpo, tranquilo e confortável.
  • Ótima localização bem no centro de Purmamarca.
  • Ótima vista do Cerro de los 7 colores desde o alto do hostal.
  • Café da manhã como todos os lugares com a adição de suco de laranja natural! :D
Pontos Negativos:
  • Não existe internet no hostal (e só existe 1 lan house em toda a cidade!)
  • O local é muito tranquilo, mas dá pra ouvir as pessoas nos quartos adjacentes (foi cômico quando ouvimos certos gemidos femininos vindo de um dos quartos :P)

Avaliação final: Recomendo fortemente! Junto com o hostal de Cafayate, um dos melhores que fiquei em toda a viagem!

Passeios

03/12/2012 - Purmamarca (Tour a Salinas Grandes)

Nesse dia peguei o ônibus de Salta para Jujuy às 9h00 já que não existe ônibus direto de Salta para Purmamarca (existe apenas ônibus direto para Tilcara e Humahuaca por essas estarem na estrada que vai para La Quiaca na divisa com a Bolívia).
Cheguei perto das 11h na rodoviária de Jujuy (que é horrível) e tive a sorte que logo em seguida saia um ônibus para Purmamarca que demorou pouco mais de 1 hora para chegar.
Após acomodado no hostal El Cardón, saimos para dar um role pela cidade para buscar informação a respeito de Tour para ir a Salinas Grandes. Numa esquina já fui abordado por um homem que necessitava de mais 2 pessoas para fechar o carro para ir a Salinas e assim fechamos o passeio. Só pedimos um tempo para comprar água e umas empanadas e logo fomos para as Salinas.
Purmamarca é uma cidade que se encontra a 2324 metros s.n.m e no caminho a Salinas passaríamos pela Cuesta de Lipán que tem como ponto mais alto 4170 metros s.n.m e depois desceríamos até 3450 metros s.n.m onde se encontram as Salinas Grandes (e olha que Purmamarca está a apenas 60 km de distância das Salinas Grandes!)
Ficamos em torno de 1 hora percorrendo e tirando muitas fotos das salinas que apesar de não ser tão grande e famosa como a sua vizinha de Uyuni, rende belíssimas fotos também!
Ao voltar para Purmamarca, como ainda era cedo já que no verão escurece mais tarde, resolvemos dar uma volta de reconhecimento em volta do Cerro de los 7 colores que é a grande atração do lugar. Foi legal isso para ter uma ideia do caminho para que nos outros dias fizéssemos eles com mais calma e com um céu melhor já que nessa época é comum os dias amanhecerem com um céu limpo lindo e já no começo da tarde começa a surgir muitas nuvens.

Ônibus Salta-Jujuy: 52 ARS
Ônibus Jujuy-Purmamarca: 16 ARS
Tour (Remis) a Salinas Grandes: 70 ARS

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

04/12/2012 - Purmamarca (Day-trip a Tilcara)

Nesse dia acordei cedo e logo após o café da manhã saí para fazer uma das 2 trilhas de Purmamarca: a trilha do Cerro Morado.
O acesso a essa trilha se dá saindo da cidade e atravessando o Rio Purmamarca. Nesse ponto começa o caminho que sobe o Cerro Morado onde se pode obter uma vista perfeita e de todos os ângulos da cidade de Purmamarca com o Cerro de los 7 colores (primeira foto abaixo).
Gastei em torno de 2 horas para percorrer essa trilha, apreciar as maravilhosas vistas de lá de cima e tirar muitas fotos e então voltei para o centro de Purmamarca para tomar o ônibus em direção a Tilcara.
Demorei em torno de 45 min para chegar a Tilcara, "almocei" umas empanadas e fui no Posto de Informações Turísticas pegar um mapa e parti em direção a trilha que leva a Garganta del Diablo.
Existem 2 caminhos para chegar até a Garganta del Diablo, um que são uns 8 km e pode passar carros e um outro que é como um atalho que só é acessível para quem for a pé e que são de 4 a 5 km. Muitos vão de remis (táxi) até a Garganta del Diablo na ida para evitar o desgaste da caminhada em subida na ida e voltam caminhando em descida que é bem mais tranquilo.
Na entrada da Garganta del Diablo se paga uma taxa e te dão um mapa para conhecer o lugar que tem como principal atrativo uma queda d`água no fim da trilha que muitos aproveitam para se refrescar do longo caminho e do calor.
Na volta ainda aproveitei e fui conhecer o Pucará de Tilcara que são ruínas semelhantes a de Quilmes ou de Tastil que havia visitado antes mas que ao contrário das outras, o Pucará de Tilcara teve interferência, ou seja, quase tudo no Pucará foi reconstruído.
Ao ver que um temporal se aproximava rapidamente da cidade, terminei a visita ao Pucará e desisti da ideia de conhecer o Jardim Botânico de Altura e o Museu que estavam incluídos no preço do ingresso do Pucará e fui caminhando para a rodoviária para voltar a Purmamarca.

Ônibus Purmamarca-Tilcara: 5 ARS (cada trajeto)
Entrada no Pucara de Tilcara: 20 ARS (preço para latinos e vale também para o Jardim Botânico e o Museu)
Entrada na Garganta del Diablo: 5 ARS

Imagem
Imagem
Imagem

05/12/2012 - Purmamarca (Day-trip a Humahuaca)

Assim como no dia anterior, logo após o café da manhã saí para dar uma volta em Purmamarca mas dessa vez fiz o outro trekking: o Paseo de los Colorados.
Esse caminho possui apenas 3 km e ele basicamente dá a volta pela parte de trás do Cerro de los 7 colores (considerando que a frente seria a parte do Cerro que se vê desde a cidade).
No entanto, é tanta formação geológica absurdamente bela que apesar desse caminho ser curto eu demorei em torno de 1h30 para completá-lo (as 2 primeiras fotos abaixo foram tiradas durante o Paseo de los Colorados)
Depois fui ao local onde saem os ônibus para pegar o próximo ônibus com destino a Humahuaca. A viagem até Humahuaca demorou em torno de 1h30.
Como sempre, ao chegar em Humahuaca "almocei" umas empanadas e fui no Posto de Informação Turísticas pegar um mapa e decidi conhecer primeiramente um lugar chamado Peñas Blancas que fica uns 2 km do centro de Humahuaca onde existem umas montanhas e rochas em tons mais claros (principalmente branco). Além disso, também existe um pequeno altar da Virgem Maria no local e desde as Peñas Blancas é possível ter uma vista desde o alto de toda a cidade de Humahuaca.
Ao voltar para o centro de Humahuaca, visitei a praça central com sua igreja e muitas lojinhas e vendedores de artesanato e depois fui ao Monumento dos Heróis da Independência que se destaca na cidade.
Enfim, Humahuaca não tem muito mais que fazer além disso e depois só esperei o próximo ônibus a Purmamarca para encerrar meu passeio pela Quebrada de Humahuaca.

Ônibus Purmamarca-Humahuaca: 12 ARS (cada trajeto)

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Dicas
  • Durante o planejamento da viagem, uma das minhas grandes dúvidas era se eu tomaria como base a cidade de Tilcara ou Purmamarca. Agora eu aconselho fortemente ficar em Purmamarca. A vantagem de Tilcara é que é uma cidade maior, fica no meio do caminho entre Purmamarca e Humahuaca, possui mais opções de hospedagem e restaurantes e os preços são melhores que Purmamarca. No entanto, nada se compara a beleza dos Cerro de los 7 colores e de toda a cidade de Purmamarca. Purmamarca merece mais que um bate-volta na minha opinião!
  • Pelo que notei da região da Quebrada de Humahuaca, o clima no verão é assim: manhãs com céu azul e tardes com céu totalmente nublado. Portanto, se deseja tirar boas fotos, dê prioridade para conhecer os melhores lugares no período da manhã.
  • Humahuaca é uma cidade que tem poucos atrativos e que 3 horas são suficientes para conhecê-la totalmente. Caso tenha planejado 1 dia inteiro para Humahuaca, de repente vale a pena pesquisar e conhecer também um pueblo perto chamado Uquía que dizem ser interessante mas que não conheci. Outro lugar que muita gente vai é Iruya mas não sei se é possível fazer Iruya e Humahuaca no mesmo dia sem dormir em uma das cidades já que leva 3h30 para ir de uma cidade a outra (e os ônibus são quase carroças ambulantes! Haja coragem para encarar aquilo!).
  • Outro atrativo da Quebrada é a Paleta del Pintor em Maimará. Eu acabei apenas vendo essa formação montanhosa desde o ônibus quando fui a Tilcara e a Humahuaca. Acho que se tiver tempo ou muita vontade, até vale a pena parar na cidade para uma foto. Mas a cidade não deve ter muito mais que isso para ver.
  • Não sei como funciona nas outras cidades da Quebrada, mas as 3 vezes que jantei em Purmamarca, sempre havia música regional ao vivo, sendo que 1 dos restaurantes cobrou 20 ARS pelo couvert artístico e os outros 2 tinham apenas envelopes nas mesas para gorjetas voluntárias. Na terceira vez eu queria que me pagassem para aguentar aquela música, mas isso vai de cada um...
Editado pela última vez por José Luiz Gonzalez em 29 Dez 2012, 22:14, em um total de 4 vezes.
#789411 por José Luiz Gonzalez
22 Dez 2012, 18:11
San Pedro de Atacama

Hospedagem

Fiquei hospedado 6 noites em San Pedro no hostal Sonchek em um quarto com 6 camas.

Preço da diária: 8.000 CLP (apesar que aumentará para 8.500 CLP agora em 2013)

Pontos Positivos:
  • Ótima localização (fica na mesma rua da Igreja e a 1 quadra da Rua Caracoles que é a principal de San Pedro).
  • Hostal muito limpo, organizado e tranquilo. Fiquei bem impressionado com o local já que as hospedagens de San Pedro tem má fama.
  • Ótima relação custo benefício. Fica muito bem localizado e por um preço muito bom pela estrutura que oferece.
  • As 2 staffs que conheci eram muito simpáticas e solícitas a qualquer dúvida.
Pontos Negativos:
  • O hostal diz ter água quente 24h mas não é bem assim. A dica é tomar banho antes das 20h pois depois existe a chance da água estar fria.
  • O hostal tem 3 gatos que entram nos quartos se algum hóspede não tomar cuidado em fechar a porta.
  • Não está incluído café da manhã. No entanto, isso parece ser prática comum em quase todos os lugares de San Pedro e na realidade, nem faz tanta falta já que quase todas as excursões que acontecem pela manhã oferecem café da manhã.
  • Não possui lockers.

Avaliação final: Recomendo! Como sempre se fala mal das hospedagens de San Pedro, considero o Sonchek uma ótima opção e bem acima da média dos relatos que li sobre outros lugares em San Pedro.

Passeios

06/12/2012 - Purmamarca - San Pedro de Atacama

Esse dia foi dedicado basicamente a transporte.
Ainda quando estava em Salta, passei na rodoviária para me informar a respeito de ônibus para ir a San Pedro de Atacama e lá descobri que existem apenas 2 empresas que realizam esse percurso: Pullman e Geminis.
Fui nos guichês das 2 empresas para saber horários e preços. Uma coisa legal que ambas fazem é que é possível pegar o ônibus em Salta ou Jujuy ou ainda em Purmamarca. Dessa forma, não precisei pegar um ônibus e voltar para Salta ou Jujuy para ir a San Pedro, sem contar que a viagem se torna menos longa já que o ônibus sai de Salta às 7h00 e passa em Purmamarca por volta das 10h. O único problema quanto a Purmamarca é que não é possível comprar o bilhete na cidade (deve-se comprá-lo em Salta ou Jujuy já que Purmamarca não possui rodoviária). Outro fato que achei injusto é que independente de a origem ser Salta/Jujuy/Purmamarca, o preço da passagem é igual.
Acabei escolhendo a Pullman não sei bem porque já que ambas vão para San Pedro às quintas (lembro que a Pullman vai terça, quinta e domingo para San Pedro).
Na rodoviária de Salta me informaram que eu deveria estar às 9h45 na frente do Hotel Manantial del Silencio em Purmamarca que ali o ônibus iria parar. No horário combinado estava eu na frente do Hotel e nada do ônibus passar. Quando era umas 10h passou o ônibus da Geminis mas nada de aparecer o da Pullman... pois bem, quando já era umas 10h40 mais ou menos foi quando passou o ônibus!! Eu só estava tranquilo porque também havia um policial argentino esperando o mesmo ônibus e disse que era normal que o ônibus passasse por volta das 10h30!!! Portanto, já fica o aviso!
A viagem em si foi tranquila passando no começo pela mesma estrada que havia pegado dias antes para ir a Salinas Grandes e depois seguiu em direção ao Paso Jama para ir em direção ao Chile. Aliás, esse é outro caminho para se apreciar as belas paisagens da região.
A aduana argentina é bem perto da fronteira mas a aduana chilena fica apenas na própria cidade de San Pedro de Atacama. Aliás, ódio mortal da aduana chilena! Acho que nem USA é tão chato na imigração quanto o Chile!!
Enfim, cheguei a San Pedro por volta das 17h e fui ao Posto de Informações Turísticas pegar um mapa da cidade e também me deram um papel com uma lista de todas as hospedagens da cidade com preços e serviços oferecidos atualizados. Muito bom!!!
Fui em direção ao Hostal Sonchek que já havia lido boas recomendações e por sorte havia vaga nele! Aliás, fica a dica aqui de reservar com antecedência hospedagem em San Pedro já que vários dias havia placa na porta do Hostal Sonchek indicando que não havia mais vaga.
Depois de acomodado, saí para um reconhecimento inicial da cidade e buscar agências para fechar os passeios para os próximos dias.
A princípio, fui com a ideia de fechar os passeios na Atacama Connection devido as boas indicações aqui no fórum. No entanto, busquei e não encontrava a agência na cidade. Depois de muito procurar, voltei ao Posto de Informações Turísticas e perguntei a respeito da Atacama Connection e me disseram que não existia mais a agência em San Pedro! Não sei se isso é verdade ou não, mas depois disso acabei então fechando passeios para os próximos 3 dias pela Lickan Antay e depois fechei o passeio ao Salar do Uyuni que relatarei mais abaixo.

Ônibus Purmamarca - San Pedro de Atacama: 400 ARS

Imagem

07/12/2012 - San Pedro de Atacama (Tour aos Gêiseres del Tatio e Valle de la Luna)

Nesse dia acordei 3h30 para fazer a 1ª excursão do Atacama: os Gêiseres del Tatio. Como eu já vinha de uma viagem pelo Noroeste Argentino e já estava aclimatado com a altitude, não me preocupei com a ordem dos passeios, no entanto, se você viajar direto para o Atacama desde o Brasil, aconselho deixar esse passeio para o último dia.
O transfer passou no hostal por volta das 4h30 e partimos em direção ao Campo Geotérmico de El Tatio, chegando lá por volta das 6h00 com um frio intenso. Eu estava com todas as roupas que tinha trazido (segunda pele, calça e blusa de fleece mais um anorak, gorro, etc..) e ainda assim passei muuito frio lá... não quero nem imaginar como deve ser aquele lugar no inverno!
Após tomar o café da manhã num abrigo, partimos para conhecer os Gêiseres! Sinceramente, eu esperava jatos fortes de água para todos os lados mas no geral o que se vê é muita fumaça e alguma atividade mais forte em alguns gêiseres apenas. Mas de toda forma, é algo incrível de ser visto e que vale muito a pena apesar do frio! ::hãã2::
Ao final da visita, o transfer parte em direção de um poço de águas termais onde foi dada a opção de ficar nas termas ou visitar outros gêiseres que se encontram perto das termas. Mesmo tendo ido com a intenção de entrar nas termas apesar do frio, a curiosidade falou mais alto e fui conhecer os outros gêiseres. (Aliás, isso foi uma coisa que não gostei do guia por nos fazer escolher uma coisa ou outra já que daria tempo de fazer os 2!)
Terminada a visita aos Gêiseres, o transfer se encaminhou para um povoado chamado Machuca onde a principal atração era a igreja e uma ruínas para então voltarmos a cidade de San Pedro por volta das 12h30.
Após o almoço e um pequeno descanso, parti em direção a segunda excursão do dia às 16h: o Valle de la Luna.
Nesse tour, primeiramente se para no Valle de la Muerte onde é possível ter uma vista como se fosse do Planeta Marte (dizem que o certo seria Valle de Marte e no Muerte mas que houve um erro de tradução nos primórdios... rs).
Depois foi feita uma parada num lugar no meio da estrada onde existe uma formação geológica com um buraco profundo que não se vê seu fim e que dizem que foi por causa de um meteorito... se é verdade, não sei... rs
Depois fomos em direção ao Valle de la Luna onde foi feita uma caminhada numa região que parece uma caverna/gruta na qual todos tem que tomar cuidado com a cabeça e fazer malabarismo para atravessar certos obstáculos (principalmente pessoas altas como eu!). Foi bem legal essa caminhada!
Depois paramos para tirar foto num lugar conhecido como as 3 Marias para então finalmente irmos para as dunas onde apreciaríamos um pôr do sol espetacular.
Voltamos para San Pedro por volta das 20h45.

Tour aos Gêiseres de El Tatio: 14.000 CLP
Entrada aos Gêiseres de El Tatio: 5.000 CLP
Tour ao Valle de la Luna: 6.000 CLP
Entrada ao Valle de la Luna: 2.000 CLP

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

08/12/2012 - San Pedro de Atacama (Tour ao Salar de Tara)

Nesse dia o tour começou às 8h00 a buscar as pessoas em suas hospedagens para ir em direção ao Salar de Tara.
Desde o começo, o nosso guia e motorista chamado "Turco" nos alertava dos riscos de não conseguirmos voltar para San Pedro ao fim do dia devido ao tempo instável que ameaçava chegar a San Pedro e que nos últimos dias havia feito estragos na Bolívia deixando várias montanhas com seus picos nevados. O perigo era começar a nevar na estrada do Paso Jama e interditarem o local. Por sorte não ocorreu nenhum problema.
Nessa excursão foram feitas paradas na Laguna Diamante onde tomamos nosso café da manhã apreciando a bela paisagem, depois nos Monjes de la Pakana que são formações rochosas em formatos fálicos (tentei ser educado agora... rs) e posteriormente visitamos as Catedrales de Tara que também são várias formações geológicas impressionantes.
Ao final, almoçamos na frente das Catedrales e de uma Laguna cheia de flamingos no Salar de Tara.
Antes de voltar para San Pedro ainda fizemos uma parada em outro ponto turístico clássico do Salar de Tara.
Chegamos em San Pedro por volta das 16h e sinceramente não gostei muito do guia dessa excursão. Não passamos no Salar de Pujsa que estava escrito como uma parada do passeio, chegamos 1 hora antes do combinado a cidade de San Pedro, e o guia tava sempre falando que não podia fazer isso ou aquilo sendo que todas as pessoas das outras excursões faziam...

Tour ao Salar de Tara: 35.000 CLP

Imagem
Imagem
Imagem

09/12/2012 - San Pedro de Atacama (Tour as Lagunas Altiplanicas e a Laguna Cejar)

A manhã desse dia foi reservada para o passeio as Lagunas Altiplânicas que deveria buscar as pessoas entre 7h e 7h30 mas ao fim acabou atrasando porque parece que houve um problema em uma das rodas do veículo e ao final saímos somente por volta das 8h.
O primeiro destino desse passeio foi a visita a Laguna Chaxa no Salar do Atacama num lugar que é conhecido como Reserva Natural de los Flamencos. Ao chegar no local, foi dando um tempo de 30min aproximadamente para conhecer a Laguna com seus flamencos antes de voltar para o ponto inicial onde seria servido o café da manhã e o guia aproveitou para passar algumas informações a respeito do lugar.
Depois partimos em direção as Lagunas mas antes foi feita uma parada rápida na estrada para tirar fotos e uma rápida explicação a respeito do povoado de Socaire.
Depois dessa parada, seguimos para as Lagunas Altiplânicas onde descemos do transfer primeiramente para conhecer a Laguna Miscanti e então fizemos uma pequena caminhada no local antes de irmos para a Laguna Miñiques que fica quase ao lado da Miscanti. Ao todo devo ter ficado por volta de 1h nessas lagoas antes de voltar em direção a San Pedro mas no meio do caminho foi feita outra rápida parada no povoado de Toconao. Chegamos em San Pedro por volta das 14h.
Já o período da tarde foi reservado para o passeio a Laguna Cejar.
Às 16h cheguei na frente da agência para pegar o transfer e chegamos rapidamente a primeira parada que é a Laguna Salada Cejar. Nessa laguna é possível entrar na água e flutuar como acontece no famoso Mar Morto devido a alta concentração de sal na água. Após tirar muitas fotos no local, entrei na água fria e garanto que a sensação é muito boa apesar que se deve tomar cuidado para que a água não respingue no rosto (principalmente olhos e boca).
Um fato que não gostei dessa agência é que era uma das únicas que não levava água doce para borrifar nos turistas após sair da água. Menos mal que eu tinha levado um garrafão de 5l cheio de água doce desde San Pedro e isso me evitou que ficasse cheio de sal.
No entanto, se você não levou água, após essa primeira laguna é feita uma parada nos Ojos del Salar que são 2 buracos circulares cheios de água doce que se encontram no meio do Salar. A profundidade do buraco é grande então se você não sabe nadar, melhor nem entrar. Nesse local todos entram com o objetivo de tirar do corpo o sal que ficou da outra laguna já que a água aqui é ainda mais fria que na primeira laguna.
Ao final, nos encaminhamos para a Laguna Tebinquiche que é onde ficamos até o pôr do sol com direito a snack e pisco sour. Essa laguna é a mais incrível de todas, ela possui apenas uma fina camada de água em pleno salar e ao vê-la se tem a impressão de estar perto de um grande espelho d`água no meio do salar.
Chegamos em San Pedro por volta das 21h.

Tour as Lagunas Altiplânicas: 20.000 CLP
Entrada ao Salar de Atacama: 2.500 CLP
Entrada as Lagunas Altiplânicas: 2.500 CLP
Tour a Laguna Cejar: 10.000 CLP
Entrada a Laguna Cejar: 2.000 CLP

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

14/12/2012 - San Pedro de Atacama (Passeio de bike ao Pukara e a Garganta del Diablo e Tour Astronômico)

Nesse dia a intenção era fazer o famoso passeio de bike que o LeoRJ explicou muito bem aqui nesse tópico.
Na noite anterior eu já peguei a bicicleta na BBike que fica ao lado do Hostal Sonchek com a intenção de passar todo o dia com a bike.
Ao alugar a bike, o dono também me emprestou junto o capacete, uma lanterna, uma bomba para encher pneu e um mapa com todas as indicações dos caminhos.
Minha intenção inicial era sair bem cedo mas como sentia muito frio, acabei saindo somente por volta das 9h.
Primeiramente fiz o percurso de 3km em direção ao Pukara de Quitor e lá conheci 2 cariocas e 1 chileno e acabei me juntando a eles no passeio. Conhecemos as ruínas do Pukara por pouco menos de 1 hora e então seguimos em direção a Garganta del Diablo.
No caminho a Garganta del Diablo, tivemos que atravessar algumas vezes o Rio San Pedro sendo que uma das vezes o rio estava cheio a ponto de descer da bike (se eu fosse mais experiente talvez conseguiria atravessar o rio andando de bike mesmo!).
Nesse caminho vale ficar muito atento quanto a entrada para a Garganta já que a indicação se encontra num lugar escondido da rota principal. Estávamos nós 4 com mapas e mesmo assim passamos direto e só depois ao pedir informação a um motorista que passou que descobrimos que já havíamos passado. Dessa forma voltamos um pouco e então pegamos o caminho para a Garganta del Diablo (que na placa é indicado como Quebrada de Chulacao).
Assim como o LeoRJ já disse, o caminho na Garganta del Diablo é incrível... muito legal mesmo de caminhar ou andar de bike por lá... incrível que eu tenho algumas fotos de lá e nenhuma mostra como é o lugar realmente!! Vale muito a pena ir até lá! Ah, e existem pelo menos 2 pontos que é necessário descer da bike e levantá-la para continuar o caminho!
Depois de percorrer um bom tempo a Garganta del Diablo, decidimos voltar pelo mesmo caminho.
Paramos no Pukara de Quitor para descansar um pouco e para conhecer a Plaza Quitor e a Cueva del Diablo que não havíamos visto anteriormente e depois seguimos para San Pedro, chegando na cidade por volta das 12h30.
Após almoçar com o pessoal, reservar o passeio do Tour Astronômico e descansar um pouco, decidi voltar sozinho para o Pukara pela tarde para subir ao Mirante que não havia conhecido pela manhã.
Pelo que notei, pouquíssima gente que visita o Pukara de Quitor sobe ao Mirante e essa gente não sabe o que tá perdendo. Apesar de me indicarem 1 hora para subir e descer o mirante, eu levei em torno de 2 horas já que fui com bastante calma e tirando muitas fotos.
Depois disso acabei voltando para San Pedro já que o fim do dia me reservava mais um passeio: o Tour Astronômico.
Eu fiz o tour astromômico em espanhol que tinha saída desde a cidade de San Pedro às 23h e voltou somente por volta das 2h da manhã.
Esse passeio é quase uma aula prática de astronomia num lugar incrível. O lugar fica um pouco afastado do centro de San Pedro e assim não existe nenhuma iluminação artificial por perto e se vê o céu absurdamente estrelado. Eu nunca tinha visto em toda minha vida um céu daqueles (quer dizer, tinha visto sim uns dias antes quando fiz o passeio ao Salar de Uyuni). Nesse passeio a guia (ou seria professora?) explica sobre as estrelas, constelações, planetas, etc e o mais incrível é o raio laser que ela aponta pro céu... algo de outro mundo... :)
Depois ainda aparece o famoso francês com mais explicações e várias piadinhas antes de todos ficarem liberados para verem os 9 telescópios do local. Depois de ver os telescópios, todos são convidados para ir a um abrigo onde é servido chocolate quente para esquentar do frio da madrugada atacameña!
Infelizmente eu não tenho fotos desse passeio pois é necessária uma câmera profissional para tirar as fotos com longa exposição e tal. Mas quem tem consegue tirar fotos maravilhosas do céu.

Aluguel de bicicleta por 1 dia: 6.000 CLP
Entrada no Pukara de Quitor: 3.000 CLP
Tour Astronômico: 18.000 CLP

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

15/12/2012 - San Pedro de Atacama (Tour ao Valle del Arcoiris)

Como meu voo de volta saía apenas às 16h40, tive a ideia de fazer um passeio de meio-dia ao Valle del Arcoiris. No entanto, nunca imaginei que seria tão difícil fazê-lo.
Esse passeio não está na lista dos passeios regulares do Atacama, então ele não sai todos os dias (só sai se tem um grupo, mas como eu estava sozinho...)
Tanto no dia 13 quanto no dia 14 fui em diversas agências e nenhuma oferecia o tour para o dia 15... somente para o dia 16 ou dia 17, mas nada para o dia 15!
Lembro de cabeça de ter ido em agências como: Lickan Antay, Andes Expediciones, Turistour, Lapaya, Maxim, Desert Adventures, Colque Tours, entre muitas outras e nada. Quando já estava desistindo da ideia de fazer esse passeio, encontrei finalmente uma agência que faria o passeio: A Cumbres 6000 já tinha agendado o passeio para 2 pessoas e eu me inclui nesse passeio.
Uma ressalva que tive que fazer nesse passeio foi em pedir para chegar um pouco antes do horário já que a previsão era 14h em San Pedro mas eu tinha agendado o Transfer Licancabur para o aeroporto para 13h30 e a agência aceitou.
O carro passou pouco antes das 8h00 no hostal para me pegar e foi um motorista e uma guia além dos turistas.
Em nenhuma outra excursão que realizei a guia falava e explicava tanto quanto nessa excursão. Ela passou a viagem de ida toda falando a respeito da fauna e flora local (principalmente sobre as vicuñas!! Sei tudo das vicuñas depois desse passeio!! :)).
Bom, o caminho passava basicamente pela Cordilheira de Domeyco onde paramos 2 vezes (uma para ver guanacos e outra para ver a flora da região) e depois fomos diretamente para o Valle del Arcoiris onde ficamos pouco menos de 1h caminhando pelo local com formações geológicas com cores bem fortes e diferentes.
Depois começamos a regressar a San Pedro mas antes paramos num local onde existem vários petroglifos chamado Yerbas Buenas. Existem 3 trilhas onde se avistam os diversos petroglifos do local que em geral representam animais da região como llamas, vicuñas, flamencos, puma, etc.
Ao fim chegamos a San Pedro por volta das 13h e ainda deu tempo de almoçar antes de pegar o transfer ::otemo::.

Tour ao Valle del Arcoiris: 25.000 CLP
Entrada Petroglifos Yerbas Buenas: 2.000 CLP
Transfer San Pedro - Aeroporto Calama: 12.000 CLP

Imagem
Imagem
Imagem

Dicas
  • Acabei não fechando com esta empresa, mas muita gente na cidade e no próprio hostal onde fiquei recomendavam a agência Cosmo Andino como a melhor apesar de cobrar um pouco mais. Além dela, ouço muita gente falar bem também da Grado 10 com seu caminhão.
  • Sinceramente, não gostei no geral da agência Lickan Antay que fechei os passeios dos 3 primeiros dias. Primeiro que essa agência é apenas de vendas, ou seja, eles vendem o passeio mas quem opera o passeio são outras agências. Segundo porque não gostei de situações em certos passeios como o guia não levar água doce para borrifar nos turistas na Laguna Cejar, não gostei do atraso no passeio as Lagunas Altiplânicas sem compensação no horário, não gostei em ter chegado 1 hora antes do combinado no Salar de Tara, achei que o guia do Valle de la Luna deixou a desejar no quesito explicação (aliás, também senti isso no Salar de Tara), não gostei do guia do Geyseres del Tatio dizer que tinhamos que escolher visitar geyseres ou ir nas termas... enfim, foram pequenas coisas que somadas me fazem não aprovar a Lickan Antay
  • Ainda a respeito da Lickan Antay, apesar deles terem preços bons, eles usam uma estratégia de venda da seguinte forma: falam que dão 25% de desconto nos passeios para impressionar mas os preços de tabela são mais caros que qualquer outra agência. Típico papo pra vender! Cuidado! Sem contar que como essa agência tem fama no Brasil por causa do site Matraqueando, eles já vem com papo que brasileiro tem vantagem lá! Sei...
  • San Pedro tem restaurantes para todos os bolsos. Se você busca economia, a dica é o Restaurante Barros que oferece menus a 3.500 CLP (dez/2012). Uma opção ainda mais barata é o conhecido frango de padaria. Em San Pedro existem alguns lugares onde é possível comprar 1/4 de frango com fritas ou arroz por preços muito bons (em torno de 2.500 CLP).
  • O Hostal Sonchek é do mesmo dono de um dos restaurantes mais bem avaliados em San Pedro que é o Delícias del Carmen. Inclusive, se você se hospedar no Sonchek, é possível comer no Delícias del Carmen e deixar para pagar tudo somente na hora do check-out. Infelizmente o restaurante estava fechado para reforma justo na semana que estive em San Pedro e portanto não posso avaliá-lo.
Editado pela última vez por José Luiz Gonzalez em 06 Jan 2013, 11:49, em um total de 9 vezes.
#789412 por José Luiz Gonzalez
22 Dez 2012, 18:11
Salar de Uyuni

Agência

Após ler alguns relatos e recomendações, nem cheguei a pesquisar muito e fui direto na Cordillera Traveller fechar o pacote do passeio ao Salar de Uyuni com volta a San Pedro de Atacama (4 dias).

Eu acabei escolhendo essa agência pois há relatos bem negativos de outras agências como motoristas bêbados, instalações precárias, carros ruins, etc (principalmente a Colque Tours que parece unanimidade em San Pedro como a pior agência). No entanto, a Cordillera Traveller é bem mais cara que outras agências (em torno de até 100 reais mais caro!)
O que posso dizer após ter feito o passeio é que realmente tivemos um ótimo guia/motorista, nosso carro não deu qualquer problema durante toda a viagem (apesar que a volta deu problema como relatarei mais a frente), todas as hospedagens foram ótimas considerando o nível de hospedagens nessa região (e sempre ficamos em lugares onde apenas os turistas da Cordillera Traveller podiam ficar) e todas as refeições foram fartas e com comida boa na minha opinião (em momento algum senti fome durante toda a excursão).

Tour Salar do Uyuni com volta a San Pedro: 98.000 CLP (ou 200 dólares).
Entrada na Reserva Eduardo Abaroa: 150 Bolivianos
Entrada na Ilha Incahuasi: 30 bolivianos
Gorjeta pro motorista: 20 bolivianos (o pessoal decidiu deixar 100 bolivianos de gorjeta para cada motorista, como havia 5 em cada carro, cada um deu 20 bolivianos)

Passeios

10/12/2012 - 1º dia do Tour ao Salar de Uyuni

Por volta das 8h00 da manhã todos já se encontravam em frente ao escritório da Cordillera Traveller de onde partiria o transfer que nos levaria até a fronteira.
Primeiramente paramos na aduana chilena (eu já disse que odeio a Aduana do Chile né?) onde ficamos em torno de 3 horas (!!!) na fila para finalmente prosseguir viagem. Claro que tivemos azar (ou incompetência da Cordillera) em ser o último grupo em chegar na aduana entre todas as agências que iriam para a Bolívia, além do fato de que chegaram alguns ônibus de estudantes que estavam fazendo uma viagem de fim de ano de busão para o Brasil!!
Enfim, depois disso seguimos viagem em direção a fronteira onde se encontra no meio do nada a imigração boliviana. Felizmente na aduana boliviana tudo foi super rápido e em menos de 10 minutos todos já haviam recebido seu carimbo no passaporte.
Depois da imigração, tomamos um café da manhã oferecido pela Cordillera Traveller ali mesmo na fronteira (já estávamos mortos de fome depois de tanta espera no Chile!). Após o café, as 10 pessoas (4 suiços, 2 italianas, 1 francesa, 1 holandesa, 1 australiano e eu) foram divididas em 2 carros 4x4 que nos esperavam ali na fronteira para finalmente começar a viagem de verdade! Por sorte fiquei no carro com o guia/motorista que era mais experiente já que o outro guia/motorista estava fazendo esse passeio fazia pouco tempo.
A primeira parada do passeio foi nas Lagunas Blanca e Verde com a vista do Vulcão Licancabur. A Laguna Verde não me parecia tão verde como imaginava e ao questionar o guia, ele me disse que realmente não está tão verde essa Laguna porque ambas Lagunas se conectaram devido as chuvas e a água da Laguna Blanca acabou indo para a Laguna Verde, tornando-a menos Verde.
Depois de pouco menos de 1h nessas Lagunas, partimos em direção ao Deserto de Dali onde se encontram as Rocas de Salvador Dali. Lá fizemos uma parada bem rápida para fotos e partimos para as Termas de Polques com a Laguna Salada do Salar de Chalviri ao fundo. Como nenhuma das 10 pessoas quis entrar nas termas (afinal, além do frio que fazia no local, estávamos atrasado por causa da imigração chilena), ficamos pouco tempo ali e então seguimos adiante até o campo geotérmico Sol de Mañana.
Os gêiseres do Sol de Mañana são bem diferentes do El Tatio no Atacama já que não existe caminho demarcado para andar no local, ou seja, você chega realmente perto de todos os gêiseres do local e o incrível era que os gêiseres estavam ainda em atividade apesar de termos chegado por volta das 14h.
Após uns 20 minutos no Sol de Mañana, seguimos viagem até o local onde passaríamos a noite. Após todos pegarem suas mochilas e se acomodarem em seus quartos, foi servido um almoço e depois partimos ainda em direção a Laguna Colorada que era o último atrativo do dia.
Essa lagoa sem dúvida alguma foi o ponto alto da viagem (me arrisco a dizer que me impactou mais até que o próprio Salar de Uyuni). Por lá ficamos em torno de 1 hora conhecendo a lagoa que estava ainda por cima cheia de flamingos.
Depois voltamos para a nossa hospedagem onde ainda tivemos um "lanche da tarde" que era basicamente café ou chá com bolacha e logo depois às 19h foi servida a janta.
Alguns pontos importantes da hospedagem nesse 1º dia: não há água quente para tomar banho (ou seja, nada de banho), é o alojamento que fica mais alto (acho que ficava acima dos 4.500m s.n.m) então é a noite mais fria de todas, não existe energia para carregar bateria (o guia havia me dito que sim, mas ao chegar no lugar nos disseram que não tinha gasolina suficiente para ligar o gerador aquela noite).

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

11/12/2012 - 2º dia do Tour ao Salar de Uyuni

Nesse dia o passeio começou às 8h00 e o café da manhã foi servido às 7h00.
A primeira parada desse dia foi para visitar o Árbol de Piedra (Árvore de Pedra) que se encontra no Desierto de Siloli. Nesse local ficamos em torno de 20 minutos para tirar fotos e ir ao banheiro antes de seguir até um local onde foi feita uma parada no meio do Deserto de Siloli para tirar fotos das cadeias de montanhas ao redor.
Após isso, o passeio seguiu em direção as Lagunas Altiplânicas Bolivianas. A primeira parada foi na Laguna Honda e depois teve paradas também na Laguna Chiar Kota, na Laguna Hedionda e por fim na Laguna Cañapa onde também almoçamos.
Depois disso fomos em direção a última parada do dia que foi no Vulcão Ollagüe. Apesar do dia nublado, era possível ver de longe uma fumaça saindo do cume desse vulcão.
Após isso fizemos uma parada na frente de um mercadinho em San Juan e então fomos em direção a nossa hospedagem que foi em um Hotel de Sal da Cordillera Traveller. O lugar era muito diferente e organizado. O único inconveniente era que o chão era feito de sal em pó (parecia que se estava caminhando na areia de uma praia).
Nesse local havia ducha com água quente e era possível também pedir para carregar a bateria.
Um fato curioso é que todos os móveis eram feitos de sal como as mesas, cadeiras e camas. Ah, e nesse local os quartos eram menores (quartos para no máximo 3 pessoas, e havia inclusive quartos de casal). Foi uma experiência bem diferente passar uma noite e comer num local como esse!

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

12/12/2012 - 3º dia do Tour ao Salar de Uyuni

Nesse dia tivemos que acordar mais cedo já que sairíamos às 6h e ainda tinha o café da manhã pra tomar no Hotel de Sal antes de sair.
Na noite anterior nosso guia nos havia informado que sairíamos nesse horário e não antes pois havia muitas nuvens e por isso não seria interessante ver o nascer do sol.
Nesse dia havia uma preocupação geral se conseguiríamos ir a Isla Incahuasi ou não já que não é possível chegar até ela quando o Salar está muito alagado e como estávamos na época que começa a chover e havia chovido nos últimos tempos, poderia ser que a gente não conseguisse ir lá.
Por sorte apesar de haver alguns pontos com uma fina camada de água no Salar, era possível ir até a Isla Incahuasi (e ainda tive a sorte de ver em alguns pontos o famoso efeito de espelho que ocorre quando o Salar está alagado).
Ao chegar na Isla Incahuasi tivemos que pagar a entrada de 30 bolivianos para percorrer o local que é cheio de cactos que fazem um belo contraste com a imensidão do Salar de Uyuni. Ficamos nesse local por volta de 1 hora antes de seguir viagem.
Ao seguir viagem passamos por alguns pontos alagados mas apesar de pedirmos, o guia disse que não era para parar ali e foi parar pouco mais a frente em um local onde o Salar estava seco. Nesse local ficamos em torno de 1 hora para tirar as famosas fotos que brincam com a ausência de profundidade no Salar.
Depois disso voltamos pelo mesmo caminho e senti um pouco de inveja de um outro carro que se encontrava parado em um local alagado e todos estavam tirando fotos enquanto o nosso não quis parar. :(
Enfim, chegamos no Hotel de Sal onde havia muuuitos homens do exército boliviano. Devido a isso, só ficamos um tempinho ali e o carro parou um pouco mais longe pois nesse lugar almoçaríamos naquele dia.
Depois do almoço, seguimos para um lugar conhecido como Ojos de Sal e depois fomos pra um lugar onde se extrai o sal perto do povoado de Colchani onde foi feita outra parada para ver as barraquinhas que vendem todo tipo de artesanato boliviano (principalmente produtos feito com o sal do Salar).
Por fim, antes de chegar a Uyuni fizemos a última parada do Tour no Cemitério de Trens que se encontra próximo a cidade de Uyuni.
Chegamos a Uyuni por volta das 15h e tive que esperar junto com as 2 italianas e a francesa até às 17h30 pelo nosso transporte de volta para San Pedro já que não seria com o mesmo motorista.
Saimos com o motorista Johnny que tinha um carro que não estava tão bem cuidado quanto o do nosso guia Renan. No caminho de volta, não é feita nenhuma parada para turismo, mas tivemos que parar várias vezes porque o capô do carro abria com qualquer solavanco (e o caminho só tem solavanco!!).
Depois de parar quase 10 vezes, o Johnny cansou de parar e resolveu fazer alguma coisa pra impedir que o capô abrisse sempre. Só que nesse momento que ele estava fora do carro arrumando o capô, chegou uma tempestade de chuva/areia/raios/etc que deixou o Johnny com areia em todas as partes do corpo... ::lol4::
Depois desse contratempo, seguimos viagem até o abrigo onde passaríamos a noite em Villa Mar. Nesse local também jantamos antes de dormir. Ah, e nesse local existe ducha com água quente mas é necessário pagar 10 bolivianos.
Essa noite foi a mais fria para mim já que não havia tantos cobertores quanto nas outras hospedagens. Eu dormi com todas as roupas que possuía para conseguir me aquecer.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

13/12/2012 - 4º dia do Tour ao Salar de Uyuni (volta para San Pedro de Atacama)

Esse dia tivemos que acordar ainda no escuro já que nossa volta a San Pedro começou às 4h30!
Seguimos caminho tranquilos até o local onde dormimos a primeira noite próximo a Laguna Colorada onde fizemos uma parada já que nosso motorista também levava mantimentos para o abrigo.
Depois seguimos viagem mas pouco depois o carro simplesmente travou e não saía do lugar. Ficamos um bom tempo parado enquanto o Johnny tentava arrumar o carro mas no fim ele desistiu e a gente acabou indo em outro carro que fazia o transfer de Uyuni a San Pedro e que por sorte tinha 4 lugares sobrando.
Chegamos na fronteira onde havia um pessoal da Cordillera Traveller nos esperando e já cientes do problema que havia acontecido. Ao chegar lá nós tomamos café da manhã (estávamos famintos já que saímos cedo sem comer de Villa Mar) e depois entramos no micro ônibus que nos levaria até San Pedro onde tivemos que passar de novo pela aduana chilena (que dessa vez não demorou tanto!) antes de chegar a San Pedro.
Cheguei a San Pedro por volta das 13h e não fiz muita coisa nesse dia. Já tinha reserva feito no Hostal Sonchek onde havia ficado antes e depois disso apenas sai para almoçar e jantar, tentar reservar os passeios do Valle del Arcoiris e reservar a bike para o passeio do dia seguinte além de dar um rolê por San Pedro, tomar um belo banho e descansar.


Dicas
  • Eu fiz câmbio de pesos chilenos para bolivianos em um local cuja conversão era 80 pesos chilenos = 1 boliviano. Depois vi na internet que a conversão não foi boa mas por incrível que pareça era a melhor que havia no lugar. Pior mesmo era a Cordillera que fazia conversão de 90 pesos chilenos para 1 boliviano.
  • Não sei quanto a outras agências, mas pelo menos na Cordillera eu achei que a comida foi suficiente. Eu até levei desde San Pedro pães, frutas e chocolates comigo mas realmente não era necessário. A menos que você tenha realmente muita fome. Em momento algum tivemos que controlar o que comíamos!
  • Eu imaginava que esse passeio seria bem tenso mas não achei. Claro que no 1º dia não se toma banho, se fica o dia todo em um carro 4x4 balançando e ouvindo música típica boliviana, não há banheiros em quase nenhum lugar que se para, etc. Mas no geral achei bem tranquilo. Não sei se isso se deve ao fato da Cordillera Traveller ser uma boa empresa, mas tudo (as hospedagens, comidas, transporte, guia, etc) foi muito bom!
Editado pela última vez por José Luiz Gonzalez em 06 Jan 2013, 18:39, em um total de 2 vezes.
#796799 por Andrea C. Cabral
13 Jan 2013, 14:45
Luis,

Pesquisei no site da Catar e a passagem só de ida para Mendoza (saindo de Santiago) está por AR230, algo em torno de R$ 100,00. Pelo seu relato, ví que pagou algo como R$ 72,00. Será que o preço aumentou ou na hora da compra é possível achar um preço menor?
#796837 por José Luiz Gonzalez
13 Jan 2013, 16:48
Oi Andrea,

Pois é... como muitos já sabem, a inflação na Argentina está totalmente fora de controle e os preços de tudo por lá aumentam a todo momento e acredito que a virada de ano deve ter sido mais um momento para reajuste de preços!

Acho que realmente devem ter aumentado de 160 para 230 pesos...

Um outro fato também que li é que parecem que vão trabalhar na estrada que liga Mendoza a Santiago nesse 1º semestre de 2013 e por isso só terá ônibus Mendoza-Santiago de dia e no caminho contrário somente pela noite.
#802011 por Ari Rio
26 Jan 2013, 00:27
José Luiz, acabei de ver o Globo Repórter e após o fim do programa corri para o mochileiros.com para buscar mais informações sobre a região. Apesar de já ter ido ao Peru em 2011 (Lima, Cusco, Aguas Calientes, Matchu Picchu, Puno e Arequipa), não fui à Bolivia. Achei simplesmente fascinante viajar pelas cordilheiras. São paisagens deslumbrantes e com detalhes que nunca veríamos em qualquer outro lugar!

Vale aqui registrar um elogio ao seu relato de viagem! Nunca vi um relato tão detalhado e com dicas tão detalhadas e completas! Parabéns mesmo... coisa de profissional!

Obs: suas fotos são verdadeiros cartões postais... poderia dar a dica de qual é a sua máquina? Profissional, né?

Gde abraço

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 10 visitantes