Relatos de Viagens por 2 ou mais países da América do Sul
#1000390 por laisbarbalho
09 Set 2014, 12:04
Como nosso ônibus saía 6:30, combinamos 5:45 na recepção do hostel pra fechar a conta e ir pra rodoviária. De manhã alguém bateu na porta do nosso quarto, perguntando se já estávamos prontas, e avisando que já eram quase 6 da manhã ::ahhhh:: . Estava frio e foi uma correria pra arrumar tudo, no percurso ainda achamos um celular perdido no quarto. 6 e pouquinho estávamos na recepção e percebemos que ainda faltava muito gente, decidimos ir andando pra rodoviária pra segurar o ônibus enquanto o resto do pessoal terminava de se arrumar. Pouco a pouco as pessoas iam chegando, mas nada de chegar todo mundo, faltavam 2 e alguém disse que ele estava procurando o celular (que estava com a gente), volta alguém correndo pra avisar que tínhamos achado o celular, a mulher da cia de ônibus já estava ficando nervosa lá, já eram 6:30 ::putz:: . No fim ela falou "vocês vão ter que pegar o ônibus lá fora", quando estávamos saindo do terminal os meninos chegaram, ela levou a gente pra uma ruazinha estranha atrás do terminal (tava escuro ainda), pegamos o ônibus ali atrás, sem pagar a taxa de uso do terminal ::mmm:

Ônibus Potosi.JPG
Chegando em Potosí


A viagem até Potosí não é muito longa, mas dormi o trajeto inteiro (como em quase qualquer trajeto de ônibus, vocês vão perceber). Chegando lá deixamos nossas mochilas no guichê da empresa de ônibus (prepare-se pras cholas gritando passagens pra Uyuni o tempo todo... "Uyuni a las 11" é o que mais se ouve aos berros nesse terminal, chega a ser irritante). Houve certa desconfiança em deixar as mochilas lá, mas no fim nossa passagem já estava comprada com eles, resolvemos arriscar e largar tudo ali mesmo. ::mmm:

Pegamos um ônibus e fomos pra Plaza 10 de Noviembre (acho que era esse o nome, é a praça principal de cidade) atrás de agências pra fazer o passeio das Minas de Cerro Rico. Paramos na Silver Tours, fica na calle Quijarro, bem próxima a praça e fechamos com ela por 10 dólares por pessoa. Acabamos fechando lá o tour do Salar também, como chegaríamos em Uyuni de madrugada e queríamos sair pro Salar já no dia seguinte, fechamos tudo com ela. O hostel praquela noite em Uyuni + Tour de 3 dias no Salar + Transfer pro Atacama saiu a 124 dólares por pessoa.

Depois fomos almoçar rapidinho, pois 14h tínhamos que estar na agência pra fazer o passeio das Minas. Na mesma rua da agência (coisa de uma quadra depois) achamos um restaurante muito bom, o Santa Clara, um pouco caro pros padrões bolivianos, mas a comida era realmente muito boa!Paguei cerca de 60 bol pelo almoço. Voltamos pra agência, encontramos a outra menina que ia com a gente, entramos na van e fomos rumo a primeira parada, que era o local onde íamos trocar de roupa, eles entregam uma calça, uma jaqueta, as botas e o capacete com iluminação. O lugar onde fomos trocar de roupa tem um cheiro bem ruim, é muito abafado, e as roupas tem quilos de poeira, parece que nunca foram lavadas! ::xiu:: Paciência, colocamos por cima das nossas e fomos pra segunda parada, um local onde o guia explica sobre os costumes do mineiros e onde você compra os presentes pra eles. Tem várias opções, entre refrigerante, folha de coca, um tipo de alcool que eles bebem. Compramos os presentes e entramos na van em direção as minas. O trajeto não é longo, quando vamos chegando perto já dá pra ter uma idéia de como é o lugar, algumas crianças pela rua, acho que a maior parte dos mineiros mora ali por perto mesmo. No dia que fomos era feriado, estava bem vazio, mas mesmo assim tinha gente trabalhando. Não é o tipo de tour que todo mundo gosta de fazer, as minas são um pouco apertadas, pode ser um pouco claustrofóbico (acho que ficamos quase 2 horas lá dentro), e é uma realidade bem triste. Eu tinha muita vontade de conhecer, não me arrependo de ter ido.

DSCN1326.JPG
Colocando as roupas pro tour das Minas


Minas.JPG
Chegando nas Minas


Dentro Mina.JPG
Dentro da Mina


Na volta do tour paramos no mercado central pra comprarmos algumas coisas pra comer. Não ia dar tempo de jantar, porque tínhamos que pegar o ônibus pra Uyuni às 20:30, então só fizemos as compras de sancks e água pra levar pro Salar, incluindo algumas bebidas alcoolicas que estavam com o preço realmente muito bom ::hahaha::. Pegamos um taxi e voltamos pro terminal de buses, pegar nossas mochilas pra embarcar.

Quando chegamos na plataforma uma surpresa: o ônibus era muito trash ::lol4:: . Foi o ônibus mais trash do mochilão inteiro, e foi apelidado carinhosamente de "Priscila, a rainha do deserto". O pará-brisa estava colado com fita adesiva, o bagageiro era em cima do ônibus (e o medo de começar a chover e molhar tudo? Eles colocaram uma lona por cima, mas duvido que protegesse em caso de chuva forte), o ônibus tinha um cheiro ruim, era apertado.

Priscila.JPG
Nosso ônibus trash
Priscila.JPG (109.67 KiB) Exibido 1232 vezes


O trajeto durou cerca de 4 ou 5 horas, praticamente não consegui dormir, cada hora ficava mais frio e era realmente muito desconfortável. Chegamos em Uyuni 1 da manhã, assim que descemos do ônibus senti frio de verdade pela primeira vez, o vento estava congelando. Mesmo chegando essa hora tinha gente nos oferecendo hospedagem e tour para o Salar. Não sei como alguém conseguiria fechar alguma coisa aquela hora, naquele frio. Como nosso hostel (La Cabana) já estava reservado, pegamos a mochila e fomos tentar encontrar. Não era longe, quase 3 quadras, mas a caminhada foi tensa, todo mundo cansado, carregando peso e sentindo muito frio. Quando chegamos lá a felicidade, o local estava bem quentinho. Todo mundo louco pra tomar banho, mas água 'caliente' só no dia seguinte de 8 às 10 (eles usam botijões de gás pra aquecer a água e tem essas restrições). O wifi era pago a parte, 10 bol por pessoa. Fomos dormir porque no dia seguinte o carro da agência passaria cedo pra começar o tour.

Termometro.jpeg
Frio na chegada em Uyuni
Termometro.jpeg (104 KiB) Exibido 1049 vezes
Editado pela última vez por laisbarbalho em 11 Set 2014, 11:20, em um total de 1 vez.

#1000456 por Clovis Eduardo
09 Set 2014, 15:17
Eu também estou acompanhando quase que de hora em hora pra ver se ja atualizou. Com certeza deve estar dando muito trabalho pra fazer. Mas não pare, pois esta emocionante e vai ser de grande ajuda. Estou programando +- este roteiro para final de dezembro de 2014 a janeiro de 2015 e esta sendo de grande ajuda o seu roteiro. Parabéns e obrigado.
#1000514 por laisbarbalho
09 Set 2014, 18:11
ricardoruri escreveu:Acompanhando praticamente ao vivo :lol: ... querendo muito ler o restante sei que deve estar dando trabalho, mais estamos no aguardo do relato! esta perfeito... ::otemo::


Clovis Eduardo escreveu:Eu também estou acompanhando quase que de hora em hora pra ver se ja atualizou. Com certeza deve estar dando muito trabalho pra fazer. Mas não pare, pois esta emocionante e vai ser de grande ajuda. Estou programando +- este roteiro para final de dezembro de 2014 a janeiro de 2015 e esta sendo de grande ajuda o seu roteiro. Parabéns e obrigado.


Ricardo e Clovis, estou tentando escrever logo enquanto lembro dos detalhes, porque daqui a pouco começo a esquecer! ::lol4::

Que bom que estão gostando, até o fim do dia vou ver se consigo colocar mais um dia ::otemo::
#1000767 por matozo
10 Set 2014, 13:01
Opa, muito bacana e detalhado o relato.

Como sugestão pra quem for fazer o Salar, talvez pela quantidade de oferta valha a pena acordar cedo, tipo umas 8 da manhã do próximo dia da chegada em Uyuni, pra fechar os tours. Como os 4x4 saem a partir das 10, duas horas seria tempo suficiente pra pesquisar e fechar o pacote pelo deserto de sal.
#1000894 por laisbarbalho
10 Set 2014, 18:34
Acordei cedo, fui pra fila tomar banho (só tinham 3 chuveiros), tomar café (chá ou café e pão com manteiga) e arrumar as coisas pra sair, pois os carros já estavam esperando. Como éramos 11 pessoas (a Yanna estava num outro grupo de brasileiros que começou o tour no dia anterior, mas passou mal com a comida e acabou nos encontrando no outro dia pra fazer o tour com a gente), tínhamos combinado de ir 5 em um carro e 6 no outro, mas a agência deu uma bola fora e colocou mais 2 pessoas, acabou saindo um carro com 6 e outro com 7 (o que é um tanto desconfortável, pois os últimos bancos não são espaçosos, e você vai passar boa parte dos próximos 3 dias dentro do carro). Segundo o guia, seriam 850km percorridos durante todo o tour.

Conhecemos o nosso guia Quintin, e um casal de ingleses, Jason e Madeline, que foram no carro com a gente. As mochilas maiores vão todas em cima do 4x4, e não dá pra ficar pegando coisas nela durante o dia, então leve na mochila de ataque tudo o que você vai precisar (gorro, luva, cachecol... tudo!).
Compre e leve bastante água também, e um bom protetor labial é indispensável, acho que quase todo mundo terminou o tour com a boca destruída.

Tour Salar Carro.JPG
Nosso grupo pelos próximos 3 dias


Uma coisa importante, apesar de termos fechado com a Agência Silver Tours, quem nos atendeu foi a Cristal Tours (eles devem ter algum tipo de acordo), que foi muito boa!

A primeira parada é o famoso cemitério de trens. Fica bem perto da cidade, uns 15 ou 20 minutos de carro. Assim que você saí de Uyuni já começa a ver a imensidão branca. O cemitério de trens é um grande playgroud, o guia nos deu 20 minutos pra tirar foto e seguir viagem, dá pra subir nos trens, nos balanços, deitar nos trilhos. Essa parada rendeu umas fotos bem legais.

Trem 1.JPG
Fazendo bagunça em cima do trem


trem 2.jpg
Cemitério de Trens


A segunda parada foi já no povoado de Colchani, na parte onde acontece a extração de sal. É onde ficam os famosos montinhos de sal que o pessoal sobre pra tirar fotos. Aqui a gente começou a querer tirar umas fotos diferentes, lambendo o montinho de sal, plantando bananeira no montinho de sal, derrubando o amiguinho do montinho de sal... Até que alguém veio com a idéia de "ah, essas fotos estão legais, mas a gente precisa de algo mais legal... tá um frio da porra, vamos todo mundo tirar foto sem camisa!" Todo mundo correu pra tirar as várias camadas de blusas e casacos, parecíamos um bando de loucos sem camisa no meio do deserto. Um porto riquenho tirou a camisa e se juntou, e todo mundo olhava e tirava foto daqueles 'brasileiros malucos" hahahaha. Tava frio, mas foi divertido ;)

lambendo o sal.JPG
Lambendo o montinho de sal


sem camisa.JPG
Sem camisa!


Dali fomos pra uma outra parte do povoado, onde você pode comprar artesanatos, tem várias barraquinhas vendendo inclusive objetos feitos de sal (mas já tinham em avisado que aqui no Rio, por causa da umidade eles acabam derretendo ou se desfazendo, então não comprei nenhum), esse foi o lugar onde tomei a cerveja em temperatura ambiente mais gelada que eu já vi! Era só pegar direto da prateleira hahaha. Tomamos a Salta, uma cerveja argentina, foi aprovada por todo mundo, muito boa!

A terceira parada é num hotel de sal desativado e já é o lugar onde vamos almoçar. O guia diz pra gente ia explorando o lugar enquanto ele "prepara" a comida. Nesse lugar tem banheiro, é pago (acho que 10 bol), mas quem foi disse que a situação estava deprimente, era melhor não ir. Aqui dá pra sentir a imensidão do deserto, é lindo, um silêncio (mais ou menos né... somos brasileiros, estamos sempre fazendo barulho), nesse momento você já percebe que a viagem valeu a pena. Aqui dá pra tirar as fotos em perspectiva (que dão trabalho, acredite, você tem que deitar no chão pra foto sair boa), ao lado do hotel de sal tem a praça das bandeiras, num dos últimos relatos que li antes de viajar alguém comentou que a bandeira do Brasil estava muito feia e desbotada, e eu me comprometi a levar uma nova pra substituir, mas quando chegamos lá tinham 2 bandeiras bem novas, então acabei nem colocando a minha. É aqui também que tem aquele monumento do Dakar Bolívia, que rendem outras ótimas fotos.

Dakar.JPG
Dakar Bolivia


Passado um tempo nosso guia chamou pra almoçar. Na parte de trás do 4x4 eles improvisam uma mesa com a comida e os pratos, tinha arroz, frango, legumes (tudo frio, não tem jeito) e coca-cola. Cada um arrumou seu prato e sentamos no chão pra nossa primeira refeição no deserto ;) Achei a comida boa, a quantidade também, mas eu não como muito, quem come mais talvez ache que é pouco, é sempre interessante levar uns snacks pra comer nesses 3 dias.

Almoço salar.JPG
Almoço no chão do deserto


Depois do almoço tiramos mais algumas fotos e fomos cruzar o Salar até chegar a Isla Incahuasi, que é a ilha dos cactus gigantes. Essa parte do trajeto é a mais demorada, ficamos mais de uma hora dentro do carro, vendo aquela imensidão branca. Nessa ilha você paga 30 bol pra entrar, a menina da agência já tinha avisado isso. Aqui você tem banheiros usáveis (pros padrões bolivianos, isso é uma benção!). Tem uma trilha pra subir até o topo da ilha, e aqui eu senti pela primeira vez os efeitos da altitude, que falta de ar! Eu dava 10 passos e tinha que parar pra respirar... admito que nem me animei de ir até o topo, mas algum engraçadinho falou que tinha um lago lá em cima e subi só por causa disso (não, não tem lago nenhum)! Hahahaha Mas vale a pena, a vista é realmente de tirar o fôlego... você se sente pequeno no meio daquele deserto!

Ilha dos cacctus.jpg
Ilha dos cactus gigantes


Essa foi a última parada do dia, depois disso entramos no carro e passamos mais um bom tempo atravessando o deserto pra chegar no nosso alojamento, que é um hotel de sal. É bem interessante estar num lugar onde tudo é feito de sal (sim, teve gente que lambeu a parede!,) assim que chegamos fomos fazer o lanche da tarde, que era basicamente chá com biscoito. Aqui a gente fez uma tremenda confusão, cada dia disponibiliza um quarto pro seu carro, e cada um fica numa mesa também, porque cada dia é responsável por servir o seu grupo. Como nós éramos um grupo grande, acabamos sentando todo mundo na mesma mesa, e quando os ingleses chegaram já tínhamos feito a bagunça e não tinham mais xícaras limpas, nem água quente. Pedimos mais ao guia, demorou um pouco mais ele trouxe, mas como ninguém falou nada realmente não sabíamos que era tudo separado por grupo!

Ele falou o horário que serviria a janta, e avisou que o banho quente era pago a parte, 10 bol. Assim, era mais ou menos quente hahahaha. Mas depois de passar o dia no deserto de sal, parece que o sal vai grudando na sua pele, como se você tivesse tomado banho de mar, mas sem entrar na água! Eu só vi brasileiros se arriscando a tomar banho, os gringos olhavam até de cara estranha quando descobriam que íamos tomar banho num frio daqueles! Mas acredite, é melhor tomar banho, pq tá frio, mas o dia seguinte é pior! Segundo o guia nessa primeira noite fez entre -10 e -15.

Depois que anoitece, você começa a sentir frio como nunca sentiu! E o ar resseca muito a garganta e o nariz, por mais que você beba água, você tá num lugar feito de sal, parece que água nenhuma é suficiente!

Fomos jantar, teve uma sopa de entrada, que era ralinha mas estava bem boa, e ajuda a esquentar, e depois veio o prato principal, que eu não lembro mais o que era, mas tenho quase certeza que era frango! Sei que estava bom, achei a comida toda no geral muito boa!

Depois disso fomos nos reunir no quarto maior pra beber e esquentar! Quando fomos abrir a Amarula, cadê? Na pressa de sair esquecemos as duas garrafas no hostel em Uyuni!!! Tristeza geral, essa foi a maior tragédia da viagem hahahaha. O jeito foi beber tequila, o sal a gente já tinha, só faltava o limão. Bebemos por algum tempo e depois eu fui dormi, estava muito frio! O pessoal continuou bebendo por um bom tempo, em determinada parte da noite entrou até um cachorro no quarto...

Dormir não é a coisa mais fácil do mundo, meu nariz tava irritado por causa do frio, é um pouco ruim de respirar aquele ar gelado e salgado. Pra tentar esquentar um pouco, resolvemos dormir 3 pessoas na mesma cama (é, numa cama de SOLTEIRO). Foi apertado, mas pelo menos esquentou ;)

DSC_1087.JPG
Nosso alojamento


DSC_1081.JPG
Hotel de Sal - Quarto


DSC_1074.JPG
Hotel de Sal - Sala


P.S. Vou atualizar os dias que já postei com mais algumas informações e fotos que peguei com o resto d0 grupo
Editado pela última vez por laisbarbalho em 16 Set 2014, 15:24, em um total de 1 vez.
#1001102 por laisbarbalho
11 Set 2014, 11:23
matozo escreveu:Opa, muito bacana e detalhado o relato.

Como sugestão pra quem for fazer o Salar, talvez pela quantidade de oferta valha a pena acordar cedo, tipo umas 8 da manhã do próximo dia da chegada em Uyuni, pra fechar os tours. Como os 4x4 saem a partir das 10, duas horas seria tempo suficiente pra pesquisar e fechar o pacote pelo deserto de sal.


Com certeza é muito tranquilo fechar no dia de manhã, de repente consegue um preço até melhor, mas como éramos 11, queríamos 2 carros só pra gente, e íamos chegar de madrugada na cidade, foi ótimo fechar antes e ter o conforto do hostel já estar reservado ;)

Mas olha, mesmo acordando cedo, com todo o processo de um monte de gente tomar banho, tomar café, arrumar as coisas pra sair, ainda conseguimos nos atrasar! ::lol4::
Editado pela última vez por laisbarbalho em 11 Set 2014, 16:04, em um total de 1 vez.
#1002916 por laisbarbalho
16 Set 2014, 21:08
Depois de uma noite de sono não tão boa, acordamos cedo pra continuar nosso segundo dia pelo salar. Dá preguiça até de trocar de roupa de manhã, de tanto que é o frio! Tomamos café da manhã, tinha café, chá, pão, manteiga, geléia, doce de leite... achei o café bem bonzinho. O guia nos falou sobre os lugares que iríamos passar, colocamos as mochilas no carro e saímos. Uma coisa importante é que os guias não dirigem no salar durante a noite, por isso saem cedo e tem tempo em cada lugar que a gente para... se o pessoal atrasar de manhã pra sair, ou demorar muito em alguma das paradas, corre o risco de ter que pular algum lugar pra chegar no alojamento antes de escurecer.

Primeira parada foi no Pueblo San Judas (acho que o nome era esse), nesse povoado tinham algumas lojinhas, nosso guia explicou que se quiséssemos comprar alguma coisa esse era o único lugar, depois daqui seria só deserto mesmo e não teria como comprar mais nada. O povoado é bem pequeno, ficamos ali por um tempo e seguimos pra nossa segunda parada, o "volcán Ollagüe", que é um vulcão situado na fronteira da Bolívia com o Chile. Saímos do carro pra tirar algumas fotos e percebemos que estava bem mais frio do que no dia anterior, acredito que porque estávamos subindo cada vez mais, no segundo dia chegamos a quase 5 mil metro de altitude.

G1931705 2.JPG
Ollague


Nesse dia as distâncias percorridas são bem grandes entre uma parada e outra, mas as paisagens são deslumbrantes! Nossa segunda parada era a Laguna Cañapas, ficamos um bom tempo dentro do 4x4 indo pra lá, e nesse caminho eu comecei a sentir uma dor de estômago muito chata, e aí percebi que todos os remédios tinham ficado na cargueira, que estava em cima do carro. A Jess falou com nosso guia, e ele disse que assim que parássemos pra almoçar ele ia subir e pegar a mochila pra gente. Chegamos na Laguna, ele deu um tempo pra gente andar e tirar fotos enquanto ia arrumar o nosso almoço. Andei um pouco com o pessoal, tirei algumas fotos, a laguna é bem bonitinha =)

G2051775 2.JPG
Laguna Cañapa


O guia chamou, o almoço era macarrão colorido com alguma outra coisa (não lembro se carne ou frango), peguei só o macarrão e sentei no carro pra comer, porque do lado de fora estava gelado. Não consegui comer muita coisa, a dor estava piorando, depois que todo mundo almoçou ele subir pra pegar a mochila (não pegou antes porque senão podia cair areia em cima d anossa comida =P), tomei o remédio e fiquei deitada no carro até a próxima parada, que era a Laguna Hedionda. Nessa laguna ele deixa a gente bem pertinho da laguna e para o carro mais distante, num hotel com uma bandeira da Bolívia ENORME que tem lá, e diz pra gente ir andando. Desci do carro com o pessoal, e quando chegamos perto da laguna percebemos que ela fedia muito!!! Sério, o cheiro é horrível. Fui andando em direção ao hotel (andando não, me arrastando), mas a dor piorava cada vez mais. Quando chegamos no hotel tentei ir ao banheiro, mas só de entrar o cheiro era tão ruim que desisti, voltei pro carro.

Desse ponto em diante eu não lembro mais de muita coisa... Fui pra parte de trás do carro, deitei no colo da Jéssica, dormia entre uma parada e outra, a dor não melhorava, e eu não saí mais do carro. Passamos pela Laguna Dourada, Laguna Onda (ou Honda?), Deserto de Siñole, Montanha de Los Siete Colores, Arbol de Piedra e enfim chegamos a Laguna Colorada. Essa parte é uma reserva, e você paga 150 BOL pra entrar (que também tinha sido avisado quando fechamos o pacote). Aqui era onde iríamos passar a noite, entramos pra deixar nossas coisas, e o guia explicou o caminho pra irmos até a beira da Laguna, tinham umas plaquinhas indicando. Fomos andando até lá, mas é longe... é muito longe! E fazia frio, e ventava absurdamente. Aquele vento GELADO. No meio do caminho a gente desistiu. Tiramos umas fotos, fizemos um vídeo, e voltamos pro alojamento porque lá ia estar mais quentinho =)

G2241927 2.JPG
Laguna Colorada


Quando voltamos, percebemos uns caras meio estranhos olhando pra gente. Depois fomos descobrir que eram italianos, e eles eram extremamente irritantes. Qualquer mulher que passasse do lado deles, eles comiam com os olhos! E nossa mesa era bem da lado deles, eles não paravam de olhar!! Sentamos pra tomar o chá com biscoito, consegui comer alguma coisa e fui deitar. Não tinha escurecido ainda, mas já dava pra perceber que essa noite seria muito pior do que a outra, o frio já estava insuportável. Depois de dormir mais um pouco, comecei a me sentir melhor, parece que o remédio estava fazendo efeito. Nessa noite não tinha banho, não só por causa do frio, mas nesse lugar não tem chuveiro mesmo. O jeito foi improvisar com lencinhos umedecidos =). A Jéssica inconformada em ficar sem banho pediu ao Quintin se ele não podia consegui um balde de água quente, ele falou que ia tentar providenciar! A Yanna nesse dia chegou muito mal, ela passou mal durante o dia, tiveram que parar várias vezes pra ela vomitar, o guia deles tentou até chamar um médico, mas não tinha como ali aonde estávamos. Ele acabou fazendo um chá com umas misturas de ervas estranhas pra ela, e até hoje acho que foi isso que fez ela enfim começar a melhorar!!!

Ficamos batendo papo com o pessoal até a hora do jantar. Teve a tradicional sopa de entrada e depois uma macarronada, além de uma garrafa de vinho! A comida estava muito boa, o vinho foi bom pra começar a esquentar, mas não deu nem pro início...rs

Depois do jantar o Quintin conseguiu a bacia de água quente, e a Jess foi tomar seu "banho de gato". Botou o bíquini, pegou uma toalha e foi tomar banho no meio do quarto...rs. O Jason entrou no quarto, viu aquela cena e ficou vermelho... nunca vi uma pessoal tão tímida! hahahaha

O frio foi ficando cada vez mais cruel (segundo nosso guia, nessa noite fez ente -20 e -25), chamamos o Jason e a Madeline e fomos todos pro outro quarto fazer bagunça e beber tequila! Nos espalhamos pela cama, começamos a beber e contar histórias do tipo "a coisa mais doida que eu já fiz quando estava bêbado". Nem preciso que dizer que ouvimos ótimas histórias e a noite foi super divertida, né? Quanto mais a gente bebia, mais engraçada as coisas ficavam. Num determinado horário (tarde, muito tarde) resolvemos voltar pro nosso quarto, pq no outro dia tínhamos que sair antes das 5 da manhã. O Jason e a Mad continuaram lá bebendo, quando estávamos nos organizando pra dormir, ouvimos alguém de outro batendo na porta deles e berrando em inglês pra eles pararem o barulho porque tinha gente tentando dormir.. só sei que alguém respondeu gritando também, e a gente se acabou de rir no nosso quarto. O pessoal continuou bebendo e nós fomos dormir. Eu e a Jess pegamos a cama de casal, colocamos todos os cobertores possível, por cima jogamos o saco de dormir dela, que era de casal, eu estava com a roupa térmica, meia, luva, gorro, tudo! E ainda assim era impossível me mexer na cama de tanto frio. Demorei um pouco pra pegar no sono, porque a respiração fica bem pesada naquela altitude e com todo aquele peso em cima de você, mas no fim consegui.
#1003181 por laisbarbalho
17 Set 2014, 13:45
Clovis Eduardo escreveu:Estou indo no fim de dezembro/inicio de janeiro, do dia 29/12 a 19/01/2015.
Alguém sabe me dizer como são as temperaturas e o clima por la?
estou querendo fazer basicamente este mesmo roteiro.

Obrigado.


Clovis,

janeiro costuma ser época de chuva. é uma época bonita pra se visistar o salar, por conta do espelho d'água, mas não sei se a chuva pode atrapalhar caso você vá a MP.

Acredito que não seja tão frio como essa época que eu fui, mas mesmo assim é bom ir preparado, pq no deserto a noite faz frio em qualquer época do ano, mas durante o dia você vai pegar um clima mais ameno.

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 10 visitantes