Relatos de viagens pelos países do Sudeste Asiático: Tailândia, Vietnã, Timor-Leste, Singapura, Mianmar, Malásia, Laos, Indonésia, Filipinas, Brunei e Camboja
#1202788 por Pat Alves
14 Jul 2016, 22:44
Oi, gente!

Escolhi como destino de férias o Sudeste Asiático. A bem da verdade seria só a Tailândia mas aproveitei a proximidade e conheci mais 2 países vizinhos. É uma energia que eu senti nestes lugares foi tão boa, que o choque de realidade ao voltar ao trabalho foi duro hein! Só me resta é ficar pensando num jeito de voltar o quanto antes...

Eu não tive muito tempo para planejar a viagem para a Ásia. Tudo porque eu demorei a criar coragem para enfrentar as longas horas de voo e como eu ia sozinha, fiquei sim com um certo receio de ir para países cujos costumes são diferentes do nosso. Quando decidi que finalmente eu iria para lá, a louca aqui resolve ir para lá 4 dias depois de chegar de Cuba ::ahhhh:: Deu tudo certo, graças a Deus! Porém, não recomendo a ninguém fazer este desatino.

Na minha opinião, eu posso dizer que me surpreendi. As praias tailandesas são lindas. Fiquei boquiaberta quando pisei em Ko Phi Phi! Porém, eu gostei muito mais das cidades e dos templos budistas por onde passei e acho que foram o ponto alto da minha viagem. Esse choque de cultura me encantou. Muito.

Eu quero deixar as minhas impressões como dicas e não como um relato de viagem. Aqui no fórum tem excelentes relatos de viagem. Tentarei ser o mais objetiva possível (o que não significa que o texto vá ser curto). Eu anotei bastante coisa mas algumas lembranças vêm à tona e eu acabo reeditando o post. Confesso que está sendo difícil escrever sobre a viagem sem pensar em não voltar para lá ano que vem. Puxa, a Ásia me pegou! ::love::

1 - PLANEJANDO O ROTEIRO PARA O SUDESTE ASIÁTICO

1.1 - O ROTEIRO PLANEJADO
É tanto lugar para conhecer que é natural querermos conhecer tudo em menos tempo possível. Não façam isso! É uma experiência tão rica estar ali que eu acho que é necessário um de tempo para entender tudo. Tenha calma. Planeje sua viagem para que seja leve e prazerosa. Escolha um número possível de lugares para visitar e seja feliz.

Eu por exemplo, fiz inúmeros roteiros, cheguei a pensar em encaixar a Indonésia e o Vietnã na viagem mas no final das contas, decidi-me por Mianmar, Tailândia e Camboja.

Se é a sua primeira vez pelo Sudeste Asiático, eu recomendo muito começar pela Tailândia. Eu acho que é o país mais adequado para fazer a passagem para o Oriente, será mais fácil a adaptação pois o país é mais bem estruturado para o Turismo do que os demais. Eu acabei não seguindo o meu próprio conselho e fui para o Mianmar.

Como eu fui no mês de abril e o passeio de balão só era possível até o dia 15 de abril, planejei chegar em Bangkok, descansar e no dia seguinte partir para o Mianmar, onde ficaria por volta de uma semana. Depois, Bangkok, Siem Reap (Camboja) e depois mais de uma semana de praias.

Sempre tento nas minhas viagens em deixar o que eu imagino ser o melhor por último (eu gosto de praias). Também levo em consideração, em se tratando de viagens longas, relaxar nos últimos dias de viagem.

O roteiro planejado está na imagem a seguir:

01 roteiro planejado.png
Roteiro planejado da viagem. Bem diferente do realizado graças ao ThingYuan e um voo cancelado da Emirates.
01 roteiro planejado.png (76.21 KiB) Exibido 1556 vezes


Agora que já se passaram 3 meses, eu posso afirmar o que eu mudaria no roteiro:
    - Não viajaria no mês de abril, devido ao forte calor na região. Para quem sofre com o calor como eu, isto te limitará no seu planejamento ao longo do dia;
    - Começaria a viagem pela Tailândia em seguida o Camboja e por último o Mianmar. O motivo? adaptação gradativa aos costumes orientais;
    - Passaria mais dias em Ko Phi Phi;
    - Não iria para Koh Tao;
    - Não visitaria o Mianmar durante as festividades do ano novo budista;
    - Se tivesse mais dias, faria o stop-over nos Emirados Árabes, porque o voo desde o Brasil é cansativo.

Falarei mais sobre os erros e acertos da viagem ao longo do relato.

Há outras dicas que eu considero importante na hora de planejar seu roteiro:

    - Não subestime o jetlag: a viagem do Brasil para o Sudeste Asiático é longa, como todos já sabem. Existe algo chamado jetlag que as pessoas sabem o que é mas sempre esquecem de levar em consideração. Planeje ao menos um dia para descansar. Cada pessoa reage de um jeito mas eu só comecei a me adaptar ao horário no terceiro dia.

    - Não emende um voo seguido daquele que você veio do Brasil: Se o seu voo atrasar, você está em apuros. Viaje no dia seguinte. Você descansa e ainda tem umas horas como precaução para imprevistos. Agora, se você está chegando em Bangkok, é a sua primeira vez, eu sugiro já conhecer Bangkok para depois partir para outro destino. Era o que eu deveria ter feito.

    - Da mesma forma, esteja um dia antes na cidade de onde partirá o voo de volta para o Brasil: eu não fiz isso e fiquei rezando para tudo dar certo. Se o aeroporto de Koh Samui fechasse, eu ainda tinha algumas horas para tentar chegar em Bangkok por outro meio mas isso seria bem estressante. Então, se o seu voo de volta para o Brasil sair de Bangkok, esteja em Bangkok um dia antes.

    - Se gosta de comprar lembrancinhas, planeje estar em Bangkok no final de semana para ir ao Mercado Chatuchak: Bons preços, uma infinidade de artigos e metrô na "porta". É o melhor de todos. Nem se compara ao MBK Shopping.

1.2 - QUANDO IR
Se pretende ir para estes 3 países, tente ir entre novembro e fevereiro. Eu fui em abril e o calor é insuportável (eu moro no Rio de Janeiro). Em Railay Beach, fazia muito calor. A única ideia para aplacar o calor em uma praia, é entrar na água. Ledo engano. A gente pensava que ao entrar na água ia se refrescar mas até a água do mar estava quente! Em Siem Reap, os passeios aos templos tiveram que ser divididos em manhã até às 11:00 e à tarde, depois das 14:00 para que evitar ao máximo o sol.
Então, se você sofre com o calor, um conselho que dou de coração é evitar visitar estes países durante o mês de abril.

Somado a isso, tive que alterar o meu roteiro no Mianmar porque eu não havia lido sobre o que acontece no país durante as festividades de Ano Novo Budista. Mais conhecida pelos turistas como Water Festival, também acontecem no Laos (Bun Pi Mai), na Tailândia (Songrak) e no Camboja (Chol Chnam Thmey). Eu achava que era um simples feriado de ano novo mas no Mianmar a coisa é séria: os ônibus não circulam (somente trens e aviões) e muitas atrações ficam fechadas. Acabei mudando o roteiro e consequentemente, gastando mais dinheiro pois tive que comprar uma passagem aérea em cima da hora.
Se você quiser participar da festa, é melhor ficar por ali mesmo. Em Mandalay, são montados vários palcos ao redor do quarteirão do Royal Palace. No meu caso, preferi ir para Bangkok porque não queria entrar na brincadeira. Queria conhecer os lugares. Como na Tailândia, o rei reduziu os dias de festividade de 4 para 2 dias, foi pra lá que eu voltei.

O mais importante quando se trata de escolher quando ir é verificar o período de monções no sudeste asiático. Pesquise bastante para não se decepcionar ao chegar na praia ver um cenário que não tem nada a ver com paraíso.

1.3 - DOCUMENTOS EXIGIDOS
Passaporte. Dependendo do país que você escolher visitar, também a carteira internacional de vacinação e visto. Por falar em visto, saiba que há dois tipos de visto e algumas opções de solicitá-los, em se tratando de viagem a turismo.

TIPOS DE VISTO DE ACORDO CONFORME O NÚMERO DE ENTRADAS
(a) Visto de uma entrada: permissão para uma única viagem ao país. Por exemplo, o Camboja. Você pediu o visto de uma única entrada. Se sair do Camboja para ir a qualquer país e depois quiser voltar, você terá que pedir outro visto;
(b) Visto de múltiplas entradas: Como o próprio nome já diz, visto para mais de uma viagem ao país. Consequentemente, este tipo de visto é mais caro que o de uma única entrada.

TIPO DE VISTOS CONFORME A FORMA DE SOLICITAÇÃO
(a) E-visa ou visto eletrônico: visto solicitado pela internet. Exemplos: Mianmar e Camboja;
(b) Visa on arrival: visto solicitado na chegada ao país. Exemplos: Camboja e Laos;
(c) Solicitação de visto na Embaixada seja no Brasil: Sempre tem a opção de solicitar o visto pessoalmente ou pelos correios nas embaixadas em Brasília. Não se esqueça de telefonar antes para obter informações atualizadas. Algumas embaixadas não aceitam receber a documentação exigida pelos correios (Ex.: Mianmar) e você precisará contratar um despachante. Outras aceitam sem menores problemas (Ex.: Vietnã);
(d) Solicitação de visto na Embaixada no Exterior: boa opção para aqueles que ficarão no mínimo uns 3 dias úteis na cidade onde há a embaixada. Ex.: Embaixada do Mianmar em Bangkok. A quantidade de dias é o período normal entre solicitação e obtenção do visto. Esta opção é interessante no caso de precisar de visto de países que não tem representação diplomática no Brasil como o Camboja e o Laos.

Observações:
    * Fique de olho e mantenha-se sempre atualizado com relação a documentação exigida para a entrada nos países. Evite ser pego de surpresa.
    * A duração do visto depende do tipo (uma entrada ou múltiplas entradas) e do país;
    * Se colocar na ponta do lápis, os vistos são caros (custo/benefício), ainda mais quando comparado aos EUA. Então, planeje direitinho a melhor forma para não gastar dinheiro à toa.
    * A Tailândia não exige o visto mas exige a carteira internacional de vacinação (CIV). Não saia do Brasil sem ela.
    * Se você escolheu o visa on arrival, traga as fotos do Brasil.

COMO SOLICITAR OS VISTOS PARA O MIANMAR E O CAMBOJA
(a) Mianmar
Exige o visto de brasileiros. Você pode solicitá-lo pela internet (e-visa/visto eletrônico) pelo site [http://www.evisa.moip.gov.mm/] ou ir pessoalmente na Embaixada do Mianmar em Brasília [ http://www.myanmarbsb.org/ ]. Atenção: abaixe o volume antes de entrar no site da embaixada do Mianmar no Brasil!

Observações:
    * Para obter o visto é necessário dizer as datas de entrada e saída do país, em qual aeroporto você chegará e a reserva do hotel. Não adianta tirar o visto com um ano de antecedência. O visto para o Mianmar é válido por 90 dias a partir da data de emissão. A duração da viagem é de até 28 dias e é válida para uma única entrada no país (Explicando: Se for passar alguns dias por lá, ir para Tailândia e depois querer voltar para o Mianmar, sua entrada será recusada. Você terá que solicitar outro visto.)
    * Você pode solicitar o visto em Bangkok desde que tenha condições de pegar seu passaporte em 3 dias úteis após a solicitação. Não esqueça de levar fotos. Tire-as no Brasil.

(b) Camboja
Exige o visto de brasileiros. Você pode solicitar pela internet [ https://www.evisa.gov.kh/ ] ou na chegada ao país. Leve as fotos já do Brasil. O visto online te poupa alguns minutos na fila da Imigração.

Minha experiência:
Para ambos os países, tentei o e-visa. O processo é simples e rápido. Só não tive sorte ao solicitar o e-visa para o Mianmar. Por razões que a tecnologia desconhece, o meu cartão de crédito não foi aceito pelo sistema. Tentei inúmeras vezes com cartões diferentes mas não teve jeito. Tentei até com o cartão de crédito de amigos e não funcionou. O que eu fiz? Liguei para a Embaixada do Mianmar em Brasília. Eles não recebem o passaporte via Correios. Ou você vai pessoalmente ou contrata os serviços de um despachante. Eu fiz pela Rarotur e deu tudo certo. O custo de SEDEX, taxa da agência e do visto, saiu mais caro que o visto eletrônico mas no meu caso, não tinha muito o que fazer. Todo o processo durou uma semana, se não me falha a memória. Eu fiz a solicitação, faltando 5 semanas para a viagem. Eu entraria no Mianmar dia 8 de abril. O visto foi emitido dia 7 de março e a minha solicitação foi uma semana antes.

Havia a possibilidade de eu solicitar o visto na embaixada em Bangkok mas eu teria que ter ao menos uns 3 dias na capital tailandesa para o processo de solicitação e obtenção do visto. Eu não tinha este tempo porque ficaria apenas um dia em Bangkok no dia seguinte já estar no Mianmar. Então, realmente a minha única chance era a embaixada em Brasília. Eu já estava com todas as passagens aéreas compradas, hotel pago (foi o modo que eu encontrei para fugir do dólar galopante - mais de R$ 4!). Por estar como este roteiro fechadinho, não tive opção. Mas se eu tivesse tirado em Bangkok - minha primeira parada, teria sido mais barato.
Editado pela última vez por Pat Alves em 22 Jul 2016, 06:33, em um total de 7 vezes.

#1203010 por MarcosPereira
15 Jul 2016, 17:50
Oi, Pat!

Que bom ver seu relato, espero que continue.

Vc teria alguma dica para tirar a foto do e-visa de Myanmar nas medidas que eles exigem (3.8cm x 4.8cm)?

Ah, um detalhe: você sugeriu tirar o visto para Myanmar com muita antecedência, como 3 meses. Não pode ser com tanta antecedência assim, pois o visto é válido por apenas 90 dias. Então ele já estaria expirado qd a viagem começasse.

Dizem que o e-visa fica pronto em alguns dias e em alguns casos fica pronto no mesmo dia. Porém, como pode acontecer de dar problema no cartão, como foi o seu caso, talvez algumas semanas de antecedência seja o ideal.

Aguardando o desenrolar do relato.

Abs.
#1203052 por Pat Alves
15 Jul 2016, 20:37
1.4 - OS DESLOCAMENTOS DA VIAGEM
Para entender melhor os deslocamentos, sugiro pegar um mapa.

1.4.1 - DESLOCAMENTOS NA TAILÂNDIA
A Tailândia é muito bem preparada para o turismo. Não tem a menor importância se boa parte das pessoas que lidam com o turista não sabem falar inglês. Eles te põem um adesivo colorido, põe outro na sua bagagem e tudo dá certo. Sempre tem uma solução para chegar ao destino desejado. Ao comprar suas passagens de ferry para uma ilha tailandesa, tente reservar um dia antes, isto no caso de ir em baixa temporada.

De Bangkok para Railay Beach
O mais fácil é pegar um voo de Bangkok para Krabi. Na saída do portão de desembarque, você verá um guichê escrito Shuttle Bus. Não se preocupe, porque os atendentes vão ficar falando "Shuttle Bus! Shuttle Bus!". Diga a eles para onde você vai. Se for para Railay Beach, você tem que especificar ser quer descer em Railay East ou Railay West. Quem vai para Railay East desce no ponto do píer Ao Nam Mao. De Ao Nam Mao até Railay East, leva-se 8 minutos de barco. Quem vai para Railay West, desce em Ao Nang.

Atenção para aqueles que descerão em Railay West: Não existe píer. Você sai do long tail e acaba molhando os pés. Tem que carregar sua mala para que não fique molhada até chegar na areia. E dependendo da localização do hotel, vai ter que caminhar na areia com a mala. Descer em Railay West é bom para aqueles que ficarão hospedados na "cara do gol" como o Sand Sea Resort. Porém até para o pessoal que ficará hospedado lá, de East para West dá uns 10 minutos andando em terreno plano.

TH.02-De Krabi para Railay Beach.jpg
Chegando em Railay East
TH.02-De Krabi para Railay Beach.jpg (154.88 KiB) Exibido 1464 vezes


De Railay Beach para Ko Phi Phi
São duas horas de viagem em um ferry. As pessoas seguem num barco menor até o ferry que não tem como ficar ancorado em Railay East. As malas ficam em compartimento separado.

TH.02-Chegando e saindo de Railay e Phi Phi.jpg
Horário dos barcos e ferries em Railay Beach e Ko Phi Phi
TH.02-Chegando e saindo de Railay e Phi Phi.jpg (343.72 KiB) Exibido 1475 vezes


Das ilhas do Mar de Andaman para as ilhas do Golfo da Tailândia
Tenha em mente que você perderá um dia inteiro no percurso. Não planeje nada além do percurso neste dia. As agências vendem um tíquete chamado joint ticket que é um combo com o itinerário a seguir:
(a) Ferry de Ko Phi Phi (ou qualquer outra ilha do mar de Andaman) até o porto de Krabi;
(b) Van do porto de Krabi ao terminal de ônibus da companhia de ferry;
(c) Ônibus de Krabi ao píer de Donsak;
(d) Ferry de Donsak a Koh Tao.

Seatran.jpg
Rotas entre as ilhas do Mar de Andaman até as ilhas do Golfo da Tailândia. Imagem retirada do site da Seatran Discovery.
Seatran.jpg (108.94 KiB) Exibido 1496 vezes


Observações:
(a) Na saída do porto de Krabi, procure por uma pessoa segurando uma placa com o nome da companhia de ferry que fará o trajeto Krabi-ilha do Golfo da Tailândia (no meu caso, Koh Tao).
(b) Você e outros passageiros serão levados de van para o escritório da companhia de ferry. De lá um ônibus nos traz até o píer de onde sairão os barcos para as ilhas do Golfo da Tailândia;
(c) No meu caso, a companhia de ferry era a Lomprayah e a saída dos barcos para as ilhas do Golfo era no píer de Donsak;
(d) Koh Tao é a última parada do ferry. A primeira parada é em Ko Phangnan, meia hora depois em Koh Samui e por último, Koh Tao.

A outra companhia de ferries é a Seatran Discovery. Compre o ticket com antecedência de 24h (baixa temporada).

TH.04-O joint ticket.jpg
O combo vendido para o deslocamento entre as ilhas do mar de Andaman e as do golfo da Tailândia. O bilhete é dividido em 3 partes. Para cada trecho que irá completar, você destaca uma parte do bilhete e entrega ao cobrador do ônibus ou da embarcação.
TH.04-O joint ticket.jpg (53.97 KiB) Exibido 1464 vezes


Das Ilhas do Golfo da Tailândia para Bangkok
O modo mais rápido é chegar em Koh Samui e de lá pegar um voo da Bangkok Airways. Como ela é a única companhia que opera o trecho, a passagem não é nada barata. Como você está na Tailândia, sempre haverá opções para você chegar ao seu destino e que agrade a todos os bolsos. Algumas opções mais em conta: (a) voo para Bangkok a partir do aeroporto de Suratthani; (b)Voo para Bangkok a partir do aeroporto de Chumphon (operados pela Nok Air); (c) ônibus noturno de Suratthani até Bangkok.

Se você está vindo de outra ilha para pegar o voo em Koh Samui, saiba que dependendo da companhia e ainda do horário do ferry você pode parar em um píer diferente. O píer mais próximo do aeroporto é o Bangrak (15 minutos se o motorista for bem devagar). Quem deixa no Bangrak é a Seatran Discovery. À propósito, na página da companhia há vídeos interessantes sobre as três ilhas do Golfo da Tailândia.

Os nomes dos píeres em ...
... Koh Phi Phi: Ton Sai Pier
... Koh Tao: Mae Haad Pier
... Koh Samui: Nathon Pier, Maenan Pier e Bangrak Pìer.

TH.04-Chegando e saindo de Koh Tao.jpg
Chegando e saindo de Koh Tao e Suratthani
TH.04-Chegando e saindo de Koh Tao.jpg (342.58 KiB) Exibido 1475 vezes


Onde comprar os bilhetes dos ferries?
Nas diversas agências espalhadas em Phi Phi, em Railay e Koh Tao.

1.4.2 - DESLOCAMENTOS NO MIANMAR

De Mandalay para Bagan: ônibus/van (4h30min) ou avião;

De Bagan para Nyaung Shwe (redondezas do Lago Inle): ônibus noturno ou voo até Heho (1h15min) + táxi até Nyaung Shwe (45min).

De Nyaung Shwe para Yangon: ônibus noturno ou táxi até Heho (45min) + voo até Yangon (1h10min).

Obs.: Pelo menos até abril de 2016, não era possível comprar os voos internos no Mianmar sem o auxílio de uma agência de viagens.

Meus comentários
Eu percorri os trechos Mandalay-Bagan de microônibus e Bagan-Yangon de avião pela Golden Myanmar. Ambos foram agendados com o auxílio do staff do hotel em Mandalay. Não tenho reclamações. A parada do ônibus é um lugar com condições bem suspeitas de higiene. Os passageiros ocidentais nem se atreveram a comer nada. Já os chineses... Ao chegar em Bagan, os passageiros são separados de acordo com a região em que estarão hospedados e o transporte deixa cada um na porta do hotel. Apesar do atraso do voo da Golden Myanmar, não tenho nada a reclamar dos serviços da companhia. Curiosidades: (a) no aeroporto de Bagan, o wifi é liberado. (b) Havia apenas eu e mais um casal de americanos de passageiros na aeronave. Nunca peguei um voo tão vazio!

1.4.3 - DESLOCAMENTO TAILÂNDIA-CAMBOJA
Você pode ir via terrestre ou aéreo. Preferi o aéreo. Primeiro porque eu tinha pouco tempo e depois, para evitar as tentativas de extorsão na fronteira terrestre. Aliás, há vários depoimentos na internet sobre propinas na fronteira Tailândia-Camboja.

1.4.4 - COMPRA DE PASSAGENS AÉREAS PELA INTERNET
Para comprar as passagens aéreas com cartão de crédito, as companhias aéreas exigem que os mesmos sejam "verified by VISA" ou "securemastercode". Então, depois de preencher os dados e clicar em comprar, abre uma segunda página, do internet banking, onde você deve digitar a senha do seu cartão. No começo, o meu cartão estava sendo recusado e com isso não conseguia comprar a passagem. Tive que ligar várias vezes para o banco até achar uma atendente que entendesse o que é o Verified by VISA e conseguisse a liberação para eu fazer a compra. Então, se isso acontecer contigo, ligue para a administradora do cartão. O meu banco é o Santander.

Mesmo após a liberação, por razões que a tecnologia desconhece, eu não consegui comprar o trecho Bangkok - Krabi pela Thai Lion Air. Deixei para resolver isto em Bangkok. Antes que você pense que eu poderia ter pedido para um amigo ou familiar, saiba que algumas companhias aéreas podem exigir no momento do check-in que o dono do cartão de crédito utilizado na compra da passagem aérea esteja presente no local. Se esta pessoa, for seu companheiro de viagem, ótimo! No meu caso, como viajei sozinha, não tinha jeito. Acabei comprando a passagem em uma agência em Bangkok. Leia os regulamentos da companhia aérea para não entrar em apuros.

Baseado no que eu li por aí, não deixe de levar o cartão de crédito que usou para comprar as passagens. Mesmo que tenha expirado. Algumas companhias aéreas (leia as letras miúdas), podem exigir que você apresente o cartão. Não aconteceu comigo na viagem mas pelo sim pelo não, eu estava com ele na bolsa.

Franquia de bagagem
Existem boas companhias aéreas low cost como a Air Asia, a Nok, a Thai Lion e a nem tão barateira assim Bangkok Airways. Cuidado ao comprar as passagens porque há pegadinhas como a do limite de peso da bagagem. Na Air Asia, o limite é 7Kg. Então, quando você simula o trecho o valor da passagem que aparece é considerando que você vai levar 7 Kg. Se quiser levar mais peso, compre o adicional e terá direito a 20Kg de bagagem despachada. Na Nok Air, para as passagens promocionais, o limite é de 15Kg. Já na Bangkok Airways, o limite é 20Kg. Fique de olho nas regras e planeje-se. Sugiro levar aquelas balanças de mala.

Resumindo, o melhor meio de chegar nas cidades é o seu bolso que vai dizer. Se tem pouco tempo, logicamente o mais recomendável é que viaje de avião.

Meus comentários
A maior parte dos voos internos eu comprei pela Air Asia. Excelente companhia. Os trechos Koh Samui-Bangkok, fui de Bangkok Airways e Bangkok - Krabi, de Thai Lion. Apesar de ter lidos sobre a frequência de atrasos em voos de companhias asiáticas, eu não tive problemas.
Editado pela última vez por Pat Alves em 16 Jul 2016, 08:23, em um total de 4 vezes.
#1203053 por Pat Alves
15 Jul 2016, 20:39
Oi, Marcos!
Eu estou escrevendo o texto online, lendo e corrigindo. Desculpe o erro! Obrigada por ajudar. Já corrigi o texto, conferindo as datas no passaporte.
Quanto a foto, eu lembro que peguei uma que tirei para o visto americano. Coloquei em um editor de imagens que dava a medida em centímetros. O sistema aceitou sem problemas.

Um abraço!
#1203095 por Pat Alves
16 Jul 2016, 00:36
1.5 - QUANTOS DIAS FICAR. O QUE VER E FAZER. ONDE FICAR. COMO SE LOCOMOVER.

MANDALAY
Quanto dias ficar em Mandalay
2 dias inteiros. Um para conhecer as atrações na cidade e o dia seguinte, para conhecer os arredores.

O que conhecer em Mandalay
Royal Palace, Mandalay Hill (assitir ao por-do-sol), Kuthodaw Pagoda, Maha Myat Muni Pagoda, Shew Kyaung Monastery. As atrações nos arredores de Mandalay são: Amapura (U Bein Bridge, ME Nu Oka Kyaung, U MinThonze Pagota, Mingum Pagoda e Mingum Bell).

Como circular por Mandalay
Tem gente que aluga bicicleta. Outros, fazem contratam um taxista ou uma pessoa para te levar de moto até os lugares mais visitados.

MN.01 - Momentos em Mandalay.jpg
MN.01 - Momentos em Mandalay.jpg (160.44 KiB) Exibido 1396 vezes


Minhas impressões sobre Mandalay
Achei o trânsito de Mandalay bem caótico para uma amadora como eu andar de bicicleta pelas ruas (eu não sei andar de bicicleta direito :oops: ). Fui até as atrações de carro, até para fugir do calor. Almocei no restaurante Mingalabar (bom restaurante mas eu descobri que não sou fã da comida birmanesa) e apreciei o por-do-sol lá do Mandalay Hill. Eu acabei só conhecendo os templos de Mandalay no segundo dia na cidade. O dia que eu cheguei, eu ainda estava cansada da viagem e precisei deste dia, além do dia anterior em Bangkok, para acertar um pouco o relógio biológico. Então, acabei não conhecendo os arredores da cidade.


BAGAN
Quanto dias ficar em Bagan
2 dias inteiros. O suficiente para conhecer os templos mais famosos. Tire um dia para assistir o nascer ou o pôr-do-sol nos templos Shwe-sand-daw Paya e Buledi.

Onde ficar em Bagan
Os hotéis mais caros estão em Old Bagan. A maioria dos turistas fica e Nyang U. Eu acho uma boa localização estar na estrada principal entre Nyang U e Old Bagan. Como você usará a bicicleta elétrica para circular na cidade, não será imprescindível estar em Old Bagan.

Onde comer em Bagan
Weather Spoon's. Comida boa e barata. Bons sucos. Bom atendimento. O que é melhor: comer sem medo de passar mal. Eu havia anotado o ponto de referência mas eu perdi os papéis! É uma rua perpendicular a estrada principal. Além de Weather há outros restaurantes e foi por causa de um cartaz gigante com o nome de outro restaurante que achei o Weather.

MN.02 - Momentos em Bagan.jpg
MN.02 - Momentos em Bagan.jpg (141.17 KiB) Exibido 1396 vezes


Minhas impressões sobre Bagan
Eu fiquei 3 dias em Bagan mas se não fosse o forte calor, daria sim para conhecer os principais templos em dois dias. Todo mundo faz mais ou menos isso: pega o mapa oferecido pelo hotel ou no seu guia de viagem, aluga uma bicicleta elétrica e vai conhecer os templos mais famosos. Além disso, tem o passeio de balão $$$$ que eu acabei não fazendo. Não sei, achei que este mês o céu estava bem acinzentado e decidi economizar os 380 dólares. Por causa do ThingYuan, as festividades do Ano Novo budista no país, não conheci nem o lago Inle nem Yangon. Apesar disso, acredito que 7 dias é um bom número para conhecer o básico do Mianmar. Agora, eu não consegui me dar bem com a tal e-bike! Acabei alugando uma bicicleta comum mesmo. Como meu condicionamento físico não é dos melhores, isso acabou me limitando um pouco. Mas eu conheci as pagodas mais famosas. Para assistir o nascer e o pôr-do-sol, eu fui de charrete. A vontade mesmo era ir no caminhãozinho como os birmaneses fazem.

SIEM REAP
Quanto tempo ficar em Siem Reap
3 dias inteiros. Se gosta de visitar ruínas/templos, deixe dois dias para isso e mais um dia para Siem Reap. Se não for tão fã assim, acho que dois dias inteiros é um bom número.

O que fazer em Siem Reap
    - Visite os templos. Faça o tour guiado. Se não se sente seguro no inglês, faça o guiado em português com o Alex (bem elogiado por aqui e com toda a razão) ou negocie um Tuk tuk para transporte nos dois dias.
    - Passeio de quadriciclo pelos arredores de Siem Reap. Este passeio é melhor ainda se estiver no período de novembro a fevereiro, quando os campos de arroz não estão secos;
    - Bater perna na Pub Street à noite.
    - Assistir o circo Cambodia.
    - Aproveite a massagem cambojana (diferente da tailandesa) e os seus spas.
    - Mercados para comprar lembrancinhas.

KH.01-Momentos em Siem Reap.jpg
KH.01-Momentos em Siem Reap.jpg (113.42 KiB) Exibido 1396 vezes


Minhas impressões sobre Siem Reap
Gostei da cidade e dos cambojanos. Achei um grande acerto ter conhecido Angkor Wat em um passeio guiado. Uma grande surpresa foi assistir o Cambodia Circus. Fui sem grandes expectativas e me surpreendi. Aquilo é um espetáculo! Recomendo.

BANGKOK
Quanto dias ficar em Bangkok:
3 dias inteiros. Reserve um dia para conhecer os templos.

Onde ficar em Bangkok:
Na minha opinião, nos arredores da Khao San Road e também nos arredores de Siam Center. Eu fiquei nos arredores da Khao San Road, no Rambuttri Village, na rua Rambuttri. Bom, bonito, barato e tranquilo.

O que ver e fazer em Bangkok:
    - Visitar Grand Palace, Templo do Buda Esmeralda, Templo do Buda Reclinado e Templo do Amanhecer;
    - Fazer o passeio de barco pelo rio Chao Phraya;
    - Mercado do Trem
    - Mercado Chatuchak: uma área enorme para compras. Só funciona nos finais de semana. É o melhor lugar para comprar lembranças em Bangkok.
    - Arredores de Bangkok - conhecer mercado flutuante de Damnoen Saduak: É o mais tradicional e o mais famoso da Tailândia. Está a mais de 1h de Bangkok. Você pode ir por conta própria (mas saiba que ao chegar lá, terá que contratar um barco para passear pelos canais) ou por agência (com o barco incluso).
    - Arredores de Bangkok - ponte do rio Kwai;
    - Arredores de Bangkok - Tiger Temple;
    - Arredores de Bangkok - Ayutthaya;
    - Arredores de Bangkok - Erawan Park;

TH.01-Os arredores de Bangkok.jpg
TH.01-Os arredores de Bangkok.jpg (148.45 KiB) Exibido 1396 vezes


Minhas impressões sobre Bangkok
Dá para visitar os templos e o passeio de barco em um único dia. Se estiver próximo ao Khao San Road, você vai andando até o Gran Palace. Chegue cedo para evitar o forte calor e o grande número de grupos de excursão. É uma pena o Grand Palace fechar cedo. Leve sua garrafa de água. Nas barraquinhas próximo ao Grand Palace é o dobro do preço normal. Dentro do Gran Palace, você pode enchê-la. Use sapatos fáceis de tirar e colocar porque será uma das coisas que mais fará em um dia de visitação aos templos. Fique ligado no código de vestimenta. Sem dúvida, é a melhor atração de Bangkok. Tudo muito suntuoso e com riqueza de detalhes. O templo do Buda esmeralda (Wat Phra Kaew) está logo ali. Saia do Gran Palace e siga para o templo do Buda Reclinado (Wat Po). De lá, siga para o ponto onde você pega um barco para atravessar o rio Chao Phraya e visite o templo do Amanhecer (Wat Arum) que atualmente está em reforma. Na volta, você pode fazer o passeio turístico pelo rio. Eu não fiz, não achei algo imperdível.

Mercado flutuante de Damnoen Saduak: Eu fiz o passeio combinado com uma agência. Nosso grupo chegou às 09:00 mas tivemos quase duas horas livres para explorar a região. No fundo, uma boa desculpa para você gastar com compras nas barracas. Não deixe de subir na ponte sobre o canal. Ali é um bom ponto para tirar fotos. Se quiser comprar água ou lanche, há um 7Eleven próximo ao estacionamento dos ônibus. Mesmo tendo o passeio de barco a motor incluso, o meu grupo resolveu ir de barco a remo pelos canais e eu como não tinha mais nada para fazer, fui junto. O percurso durou 40 minutos e isso porque no meu barco, os turistas sempre pediam para parar em tudo quanto era barraca. Quando fomos fazer o passeio de barco a motor pelos canais, o trajeto foi completamente diferente. Não passamos pelas barracas. Eu fiquei sem saber se o trajeto era realmente esse ou se era porque todos nós já tínhamos passado pela barracas e por isso, o guia pediu para que não passasse por esta parte. De lá, fomos almoçar e seguimos para a ponte do rio Kwai.

Ponte do rio Kwai: Localiza-se na cidade de Kanchanaburi. Eu tinha assistido o filme na infância e quis conhecê-la. Paramos no cemitério de guerra e em seguida no museu. Bem simples, por sinal. Do museu para a ponte, só uma caminhada.

Ayutthaya: Poderia ter sido excelente mas não foi por causa do guia. Seu inglês era terrível. Eu estava achando que o problema era eu mas em conversa com algumas pessoas do grupo: duas garotas que viviam em Londres e com o alemão, me dei conta é que o problema era o guia. É o mesmo do passeio que o Fabiano Gauss fez. O lugar é incrível e eu fiquei sem saber dos detalhes. Se você gosta de história, das duas uma: não economize e contrate um passeio privado ou pesquise antes e vá até Auytthaya por conta própria. Estando lá, feche um tuk tuk para te levar aos locais. Por falar nos locais, parabenizo todas as pessoas que percorreram a região de bicicleta.

Eu diria que o Grand Palace, os templos e Auytthaya são as atrações imperdíveis de Bangkok e arredores.

RAILAY BEACH
Quanto dias ficar em Railay Beach
3 dias inteiros ou 2 dias inteiros + o dia de chegada se você chegar bem cedo no balneário. Tempo suficiente para conhecer as praias e fazer os passeios de barco mais conhecidos.

O que fazer em Railay Beach
    - Ir à praia de Railay;
    - Ir à praia de Phranang. Já que está lá, conhecer a Phranang Cave;
    - Conhecer praias próximas de caiaque;
    - Para quem gosta, tem o rock climbing;
    - Passeio de barco Four Island;
    - Passeio de barco Hong Island.

Onde ficar em Railay Beach
Railay West porém Railay é tão pequena que parece uma ilhota. Eu fiquei em Railay East - os hotéis deste lado são mais baratos - e não me arrependi. Em menos de 10 minutos você está em Railay West, onde está a praia.

TH.02-Momentos em Railay Beach.jpg
TH.02-Momentos em Railay Beach.jpg (109.64 KiB) Exibido 1428 vezes


Minhas impressões sobre Railay Beach
Um oásis de tranquilidade. Nem se compara as movimentadas Phi Phi e Koh Tao. É um ótimo lugar para descansar com boas praias e bons passeios. Fiquei dois dias, fiz os dois passeios de barco que tinha que fazer por ali (Four Islands e Hong Islands). Em ambos os dias, fui à praia de Railay e a praia de Phranang, que são ótimas. Voltaria fácil para Railay. Para quem gosta de badalação, Railay não é o seu número. Não há muito o que fazer à noite além de jantar. Alimentação e hospedagem por aqui são mais caras que nas outras ilhas. Uma forma de economizar é ficar hospedado em Ao Nang.

KO PHI PHI
Quanto dias ficar em Ko Phi Phi
3 dias inteiros, sendo um dia para Maya Bay.

O que fazer em Phi Phi
    - Bamboo Island;
    - Passeio "Maya Bay Sleep aboard";
    - Ir de long tail em várias praias como a Monkey Island, Mosquito Island, etc.

TH.03 - Passeios de barco em Ko Phi Phi.jpg
TH.03 - Passeios de barco em Ko Phi Phi.jpg (188.5 KiB) Exibido 1396 vezes


Dicas do passeio Maya bay sleepaboard : este passeio é ideal para aqueles que querem fugir da multidão de turistas à famosa "A Praia" e ter a sensação de exclusividade. Vamos à parte prática:
- Se estiver indo em alta temporada, é bom já pagar o passeio com relativa antecedência. Eu comprei o passeio uma semana antes e só tinha uma vaga para a data que eu queria!
- Recomendo ao menos ficar mais um dia em Phi Phi depois do passeio. Você precisa descansar, tomar um banho decente de água doce, etc.
- Não se preocupe com sua mala principal. Você a deixa no depósito da agência. Leve uma mochila com lenços umedecidos e outros itens de higiene pessoal, roupa extra, canga, etc.). Se não tiver snorkel, não se preocupe que eles emprestam.
- O passeio sai às 15:00 do cais e a chegada é às 11:00 no dia seguinte.

TH.03 - Momentos em Ko Phi Phi.jpg
TH.03 - Momentos em Ko Phi Phi.jpg (161.97 KiB) Exibido 1396 vezes


Minhas impressões sobre Ko Phi Phi
Assim que cheguei em Phi Phi, fiquei hiptonizada por aquele tom de azul. Eu gostei tanto de Phi Phi que eu me arrependi de ter escolhido ficar apenas uma noite. Eu não gosto de badalação, então para mim ir no mês de abril foi ótimo. Eu fiz o passeio Maya bay sleepaboard no dia que saí de Railay. Planejei conhecer alguma praia no dia seguinte ao passeio. Só que eu fiquei bastante cansada do sleepaboard e só quis saber de ficar no hotel dormindo. Então, a minha sugestão é reservar mais dias em Phi Phi. Façam os passeios, deixe o sleepaboard por último e um dia depois para descanso. Se você for aquela pessoa que gosta de praias, quanto estiver lá, me dará razão. Eu, com essa mania de reservar tudo, já tinha o meu hotel reservado em Koh Tao, então tive que seguir viagem mas foi com grande arrependimento.

Quanto ao sleepaboard, eu gostei muito do passeio. Julguem-me mas eu achei que o ponto alto não foi a beleza da praia mas sim nadar à noite para observar os plânctons fotoluminescentes. Sensacional! Foi a minha melhor experiência em viagens. Quanto ao passeio: a estrutura é boa, há brincadeiras que promovem a interação do grupo e a equipe do barco é muito gente boa. Sem falar na real sensação de ter a ilha só para aquele pequeno grupo. Chegamos à ilha quando a maioria das pessoas já foi embora. Na manhã seguinte, quando há poucos long-tails ainda na manhã seguinte, fomos embora.Realmente existe a sensação de exclusividade. Em uma próxima vez a PP e com amigos, contrataria um long tail particular e faria o passeio que vai a Maya Bay para ver o pôr-do-sol e nadar com os plânctons. Eu tenho dificuldades para dormir em barcos e só por isso, eu não faria o passeio novamente. Foi uma noite memorável para mim não só pela paisagem mas por ter tido a sorte de conhecer dois paulistas muito gente boa (Carol e Jéferson) que só engrandeceram a experiência.

Phi Phi foi o lugar onde mais ouvi pessoas falando o português. Tanto com o sotaque de Portugal quanto o do sotaque brasileiro.

KOH TAO
Quanto dias ficar em Ko Tao
3 dias inteiros onde um dia você reserva para conhecer Ko Nang Yuan.

O que fazer em Ko Tao
    - Passeio de barco volta a ilha (paradas em Shark Bay, Aow Leuk, Mango bay ).
    - Conhecer Koh Nang Yuan
    - Conhecer os mirantes da ilha.
    - Curso de mergulho
    - Snorkelling;

Como se locomover em Koh Tao
Seus dias serão mais proveitosos em Ko Tao se souber andar de moto ou se tiver disposição $$$ para ir de táxi e conhecer os mirantes e as praias mais interessantes.

TH.04-Em Koh Tao.jpg
TH.04-Em Koh Tao.jpg (170.12 KiB) Exibido 1428 vezes


Como ir para Ko Nang Yuan por conta própria
Vá de taxi boat. Procure pelo Lotus bar. Lá saem barcos em vários horários. Você paga a viagem (ida-e-volta) e combina o horário para te pegarem na volta.

Curso de mergulho
Eu não fiz o curso mas fotografei algumas placas por aí para quem tiver interessado tenha noção.
TH.04-Preços do mergulho.jpg
TH.04-Preços do mergulho.jpg (160.72 KiB) Exibido 1396 vezes


Onde ficar em Koh Tao
Sairee Beach - boa infraestrutura com lojas, restaurantes e diversas opções de hospedagem.

TH.04-Momentos em Koh Tao.jpg
TH.04-Momentos em Koh Tao.jpg (162.34 KiB) Exibido 1428 vezes


Minhas impressões sobre Koh Tao
A região próxima do píer de Mae Haad tem boa infraestrutura. Sairee beach é mais charmosa. Talvez estivesse saudosa de Koh Phi Phi ou talvez tenha criado muita expectativa ou talvez já estivesse no clima de ir embora para casa, mas dos balneários que visitei na Tailândia, Koh Tao foi o que menos gostei. Nem o passeio de barco salvou: tempo fechado e o snorkelling foi um pouco frustante: coral sem vida e pouca variedade de peixes. O melhor do passeio foi Koh Nang Yuan. Pena que o dia estava nublado. No último dia, peguei o taxi boat e voltei a Ko Nang Yuan, com o sol a pino. Uma delícia passar algumas horas por ali e apreciar a visão do mirante. À noitinha, caminhávamos pelas ruas de Sairee procurando um lugar legal para comer. Em um dos dias, curti a praia de Sairee.

ATENÇÃO:
- Quando eu falo dias inteiros, não conto com o dia da ida nem o dia da volta;
- É uma opinião pessoal, adequada ao meu estilo de viagem. Só coloquei aqui pois acho que pode ajudar quem está um pouco perdido;
Editado pela última vez por Pat Alves em 22 Jul 2016, 06:48, em um total de 4 vezes.
#1203096 por Pat Alves
16 Jul 2016, 00:37
QUAL MOEDA LEVAR?
Dólares ou euros, se os tiver.
- Na Tailândia, troque o suficiente no aeroporto para o táxi até o hotel. Depois troque seus dólares em uma das inúmeras casas de câmbio de Bangkok, por exemplo. Nos finais de semana você também encontra casas de câmbio abertas.
- No Camboja mais especificamente Siem Reap, use dólares. Nem pense em trocar pela moeda local (rhiel) nas casas de câmbio. É muito importante ter dólares trocados ( notas de um dólar, 10 dólares, etc). Na prática, o rhiel só é usado para substituir os centavos de dólares. Assim, se sua conta no restaurante custar USD 5, 50 e você der uma nota de USD 10,00. Seu troco será 5 dólares (USD 5) e 2.000 riel (2.000 KHR ). A cotação do riel frente ao dólar é 1USD = 4.000KHR.
- No Mianmar, use dólares. As notas tem que estar perfeitas. Você corre o risco de suas notas não serem aceitas. Não há diferença no câmbio do aeroporto com o da cidade. As casas de cÂmbio em Mandalay fecham durante o final de semana.

PLANO DE DADOS - TAILÂNDIA
Na chegada ao aeroporto de Bangkok, segui as dicas do Fabiano Gauss e comprei o cartão da True Move. Muito bom o plano de dados. Foi muito útil e melhor que muito wifi de hotel por qual passei. Há planos para uma semana ou duas. Pergunte no balcão.

IMPORTANTE: Se você não quiser contratar o plano de dados, seja sagaz. No wifi da sua hospedagem, salve offline os dados do hotel da próxima cidade, salve as suas reservas para ter acesso offline. No barco para Phi Phi, vi dois rapazes procurando um cibercafé/lanhouse para ver o endereço do hotel que eles iam ficar. Coisa que um simples cuidado básico já teria resolvido.

DRESS CODE, O CÓDIGO DE VESTIMENTA
Vocês já devem ter lido em vários relatos mas não custa reforçar. Não se consegue entrar nos templos vestindo qualquer tipo de roupa. Existem regras de comportamentos e de como se vestir para visitar os templos.
NÃO pode blusa de alcinha
NÃO pode short nem bermuda
NÃO pode ombro de fora
NÃO pode saia acima da altura dos joelhos.
Mulheres, não toquem nos monges.

Resumo da ópera:
- Alguns levam roupa adicional na mochila, já vi pessoas que usam aquelas calças compridas com zíper que viram bermudas, já vi mulheres com usam cangas por cima.
- Use sapatos confortáveis que sejam fáceis de tirar e colocar.
- Em Bangkok, você pode andar de meias mas no Mianmar não. Até as meias, você deve tirar.
Editado pela última vez por Pat Alves em 10 Set 2016, 11:23, em um total de 1 vez.
#1204188 por MarcosPereira
20 Jul 2016, 09:47
Tá muito bom o relato, Pat, sua organização é ótima. Fica bem fácil de ler.

Queria saber como foi a exigência do estado das notas de dólar em Myanmar. Foram mesmo muito perfeccionistas? Estou com umas com uma ligeira dobra no meio, pois todas as notas das casas de câmbio chegam dobradas. Você acha que dá problema? Como você fez?

Abs.
#1204667 por Pat Alves
21 Jul 2016, 20:20
Oi!
Eu tenho o hábito de dobrar as notas. Eis que um dia li o relato da Deia Franzói e ela falou sobre a casa de câmbio no Myanmar ser exigente. Eu peguei estas notas (que eram novas) e coloquei uns livros em cima delas. Foram estas que eu mostrei na casa casa de câmbio do aeroporto. Se não aceitassem, eu tinha outras na carteira já sem a marca da dobra. A atendente pegou-as, examinou-as, passou o dedo fazendo o gesto de raspar a nota. No fim aceitou, para o meu alívio.
#1206914 por MarcosPereira
30 Jul 2016, 11:23
Estou seguindo a dica da nota nos livros, aparentemente estão em perfeito estado agora.

Também tive problemas para tirar o e-visa e minha viagem quase melou por isso, pois já é no final da semana que vem. Embora você tivesse avisado, eu não tinha como tirar com antecedência o visto pela Embaixada porque não tinha certeza de que poderia viajar.

Tentei 6 cartões diferentes e nenhum deles funcionou, mesmo liberados para compras internacionais e com limite. Descobri que o problema era a falta da tecnologia "3D secure", que o Visa chama de "Verified by Visa" e o Master de "Master Secure". Essas tecnologias exigem confirmações adicionais de segurança, que variam de cartão para cartão. Muitos cartões brasileiros ainda não são preparados para aceitá-la.

Liguei para o BB, que me informou que meus cartões Saraiva e Petrobrás não possuem esta tecnologia e o único produto deles que tem é o Ourocard. E foi somente com um Ourocard esquecido na gaveta que consegui tirar o visto, já aos 48 do segundo tempo, quando estava praticamente desistindo. A verificação é bem simples, um SMS com um código enviado para o celular.

Um Santander aparentemente também funcionou, mas pediu um mundo de dados. Pelo Ourocard foi bem mais simples.
#1213979 por janes87
30 Ago 2016, 14:05
Pat, parabéns pelo relato, muito objetivo e possui todas as dicas que precisamos sem enrolação!
Você tocou nos pontos que eu tinha dúvida ao elaborar meu roteiro.
Tenho apenas 12 dias na Tailândia. Pensei em 2 dias inteiros em Bangkok, 2 dias inteiros em Krabi e 3dias inteiros em Phi Phi. Na volta irei pernoitar em Bangkok para ir embora da Tailândia.
Acho que não dá para incluir Chiang Mai e Koh Tao no roteiro.
Por que você não recomenda Koh Tao? Alguma razão especial?

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 0 visitantes