Troca de informações e relatos de trilhas e travessias na região sudeste do Brasil. Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.
#772359 por rafael_santiago
25 Out 2012, 13:02
Imagem
Serra do Brigadeiro na chegada a Bom Jesus do Madeira, com destaque para o Pico do Boné à esquerda

O Parque Estadual da Serra do Brigadeiro é um parque bem extenso no sentido norte-sul (cerca de 40km) e bem estreito no sentido leste-oeste (variando de 600m a 12km). Por isso, o acesso às suas montanhas se dá por diversas cidades e povoados. É administrado pelo governo estadual de Minas Gerais através do Instituto Estadual de Florestas (IEF) e possui sede, centro de visitantes, monitores, placas de acesso à sede desde a rodovia BR-116 e sinalização nas trilhas da sede mesmo com a obrigatoriedade do monitor. Por ser atravessado pela BR-482, onde está localizada a sede, tem duas portarias (portaria Araponga e portaria Pedra do Pato).

O parque ocupa terras de oito municípios mineiros: Fervedouro, Miradouro, Muriaé, Ervália, Araponga, Sericita, Pedra Bonita e Divino. Dos atrativos, eu planejei fazer a Trilha do Carvão e subir os picos do Boné, do Soares (o mais alto), do Itajuru e a Pedra do Pato. Para isso, escolhi os acessos pelas cidades de Fervedouro e Muriaé. Sem carro e com pouca informação sobre distâncias, não sabia ao certo o que conseguiria conhecer. Para tentar fazer a maior parte dos passeios planejados (exceto o Itajuru) resolvi me basear em Bom Jesus do Madeira, distrito de Fervedouro, e a dificuldade já começou no acesso a esse povoado. De Fervedouro a Bom Jesus do Madeira são 20km de estrada de terra e só há um ônibus por dia, que sai de Carangola (de seg a sex 15h30; sáb 11h; dom não há) e passa em Fervedouro 45 minutos depois. Cheguei depois do horário a Fervedouro e tive de dormir lá e esperar o ônibus do dia seguinte. Não recomendo dormir nessa cidade pois é feia e esquisita, atravessada pela BR-116, com apenas duas opções ruins de hotel na beira da rodovia.

Para passar o tempo, enquanto esperava o ônibus, fui conhecer Carangola e me surpreendi com o interessante museu municipal. O ônibus da empresa Novo Horizonte saiu às 15h30 e passou em Fervedouro às 16h15. Dali foram mais 50 minutos até Bom Jesus do Madeira, passando pelo povoado de São Pedro do Glória. Hospedei-me na Pousada Dona Eva e peguei algumas informações com o seu Jair, marido dela e funcionário do parque. Da sacada do quarto que ocupei podia ver o conjunto de montanhas da Serra do Brigadeiro (cujo nome original é Serra dos Arrepiados), com destaque para o Pico do Boné, bem fácil de identificar por seu formato, com o cume parecendo uma verruga.

1º DIA: TRILHAS DA SEDE DO PARQUE

As fotos estão em https://picasaweb.google.com/1165318991 ... edeMGSet12.

Imagem
Pico do Grama, junto à sede do parque

Por sugestão do seu Jair, fui conhecer a sede do parque, e uma carona caiu perfeitamente para eu não ter de subir os 9km de estrada de terra. Lá conheci o centro de visitantes, com uma bela maquete multimídia, e me interessei pelas trilhas curtas próximas. Uma monitora me acompanhou.

Deixando a sede, voltamos 187m pela estradinha (na verdade, a BR-482) e entramos às 9h53 numa trilha à direita que adentrou a mata (1328m de altitude). Em 8 minutos chegamos a uma bifurcação: à esquerda a Trilha do Pico do Grama e à direita a Trilha do Muriqui. Fomos para a esquerda e começamos a subir, saindo da mata e tendo o horizonte cada vez mais amplo. A subida é suave mas constante, aos ziguezagues, e às 10h51 atingimos o cume do Pico do Grama, com 1548m de altitude e uma torre com antenas. Descemos um pouco à frente até um mirante com vista para a sede. O visual é bem amplo, pena que a seca prolongada deixava no ar uma camada de poeira que turvava um pouco a paisagem. Descemos pelo mesmo caminho e às 11h50 pegamos a Trilha do Muriqui. Essas trilhas próximas à sede são curtas, contemplativas, usadas para educação ambiental. A monitora disse que os muriquis costumam passar por ali mas não tive a sorte de ver nenhum. Às 12h16 pegamos uma outra trilha que saía para a esquerda, a Trilha da Lajinha, com apenas 550m de extensão e terminando num conjunto de lajes que servem como mirante, inclusive para o Pico do Grama, às 12h39. Voltamos ao ponto onde deixamos a Trilha do Muriqui às 13h05 e terminamos o percurso pela Trilha do Encontro, alcançando a estrada às 13h22. Mais 7 minutos e estávamos de volta à sede. Esse circuito, começando e terminando na sede, totalizou 5,8km. Fomos em seguida visitar a antiga sede da Fazenda da Neblina, atual casa de hóspedes (mas não hospeda turistas), próxima a um lago. É uma bonita casa de fazenda em estilo colonial a apenas 480m da sede do parque. Para encerrar fui conhecer o Moinho do Zeca, um moinho de pedra movido a água, como ainda se usa na região para moer o milho e fazer fubá.

Para voltar ao Madeira (é como todos se referem a Bom Jesus do Madeira) a monitora contatou a portaria Araponga e disse ao vigia que pedisse ao próximo motorista que passasse naquela direção para dar carona a um visitante, e assim foi. Aguardei na sede e logo apareceu a minha carona, um morador muito gente boa e conversador. Cheguei à pousada pouco depois das 15h e a surpresa foi a chuva torrencial que caiu, com direito a raios, quebrando a estiagem dos últimos meses.

2º DIA: TRILHA DO CARVÃO E SUBIDA DO PICO DO BONÉ (COM UMA NOITE CHEIA DE EMOÇÃO)

As fotos estão em https://picasaweb.google.com/1165318991 ... oneMGSet12.

Imagem
Pedra do Pato vista da Trilha do Carvão

O Pico do Boné é o terceiro mais alto do parque e sua trilha de acesso mais conhecida começa na localidade do Estouro, onde ficam as pousadas/campings do seu Dico Simão e Vale das Luas. Para chegar ao Estouro a partir do Madeira existe a Trilha do Carvão, que atravessa o parque.

Com a chuvarada do dia anterior e a instabilidade do tempo, acabei saindo bem tarde da pousada, às 10h48. Coloquei na cargueira o suficiente para uma noite no Pico do Boné e deixei o excedente de peso guardado na pousada. Tomei o sentido da portaria do parque (oeste) mas na bifurcação depois da ponte fui para a direita, apesar de uma placa apontar o parque para a esquerda (essa placa aponta o caminho mais longo). Cerca de 1km depois da ponte, há uma estrada que sai à direita mas continuei em frente. Às 11h35 saí do caminho para tentar conhecer a Cachoeira do Piu mas o portão estava fechado com corda e resolvi deixar para outro dia. Voltei à estrada principal e às 11h44 avisto uma cachoeira grande à direita por entre as árvores, mas essa não é a do Piu, apenas está no mesmo Rio Preto. Segue-se uma subida forte e no alto, às 11h59, entro na porteira à direita, continuando por uma estradinha secundária que sobe pelo pasto até um reflorestamento e desce, passando por outra porteira. Na sequência, uma casa, outra porteira e às 12h30 a quarta e última porteira junto a uma casa com vários cachorros chatos. Alguns metros antes dessa casa cruzo a ponte sobre o Rio Preto, o da Cachoeira do Piu, e sem perceber irei acompanhá-lo a distância por toda a subida da Trilha do Carvão. A partir da casa dos cachorros a estradinha fica mais precária, atravessa um trecho de mata e termina num riacho. Em frente há um caminho para uma casa (a última que vi desse lado da serra) e à direita começa a Trilha do Carvão, sem nenhum tipo de sinalização. Eram 12h45 e já tinha caminhado 6,7km. De cara, uma bifurcação: fui para a esquerda mas acho que à direita também daria, não tenho certeza. Topei com uma placa de proibido caçar, sinal de que já estava dentro dos limites do parque.

O que se seguiu foi uma longa subida pela mata fechada que tentei fazer o mais rápido possível pois estava bem atrasado para subir o Boné. Às 13h33 encontro o primeiro riacho com água confiável e 6 minutos depois uma graciosa cachoeirinha. Mais à frente uma janela na mata alta permitiu ver bem longe a Pedra do Pato, bem próxima à sede do parque. Às 14h a trilha nivelou e vários pontos de água foram surgindo. Às 14h22 alcancei o atrativo mais pitoresco dessa travessia, os restos de uma grande carcaça de caminhão que jazem no meio da mata como prova cabal de que essa trilha foi um dia uma estrada, pela qual escoava o carvão produzido nas redondezas. Quando a trilha começa a descer, aparece uma bifurcação: fui para a direita mas aqui tanto faz. Às 15h05 começam a aparecer mais placas de proibido caçar, proibido moto e finalmente a placa oficial da Trilha do Carvão, próximo do último ponto de água. Saio do limite do parque quando a trilha entronca numa estrada de terra que continua descendo entre eucaliptos. Logo passo por antigos fornos de carvão e começam as lavouras de café. Desço até uma bifurcação na estrada e viro para a direita. Às 15h50 passo pela entrada do sítio do seu Dico Simão e subo mais 8 minutos para entrar na trilha do Pico do Boné (1190m de altitude aqui).

Muita gente começa a trilha na pousada/camping Vale das Luas pagando uma taxa de entrada. Eu acho um absurdo um particular cobrar para ingresso numa trilha que é pública, de um parque estadual, no máximo poderia cobrar pelo uso do estacionamento. Portanto, se concorda comigo, faça o que eu fiz: 340m depois da entrada do seu Dico, suba por uma trilha no barranco à direita, logo passando por um colchete. A trilha sobe entre as samambaias altas e é preciso tomar cuidado com a próxima cerca, com apenas um arame farpado quase invisível. Às 16h17 cruzei um córrego e após a curva para a esquerda há uma bifurcação: à esquerda o caminho que vem do Vale das Luas, à direita a subida para o Boné. Mais 4 minutos e deve-se seguir à esquerda na bifurcação seguinte. A placa oficial da Trilha do Pico do Boné que encontrei em seguida deve marcar o limite do parque, estava portanto entrando nele pela segunda vez nesse dia. Para o pernoite no pico, abasteci os cantis no bonito riacho alguns minutos depois (depois dele há somente mais um ponto de água). E dá-lhe subida! Às 17h03 um grande abrigo rochoso apropriado para bivaque e um pouco depois uma grande rocha cujo topo serve de ótimo mirante. A vegetação começou a se tornar mais baixa com a altitude e eu comecei a procurar um lugar onde pudesse colocar a barraca. A subida foi se acentuando e cheguei na parte de escalaminhada, mas sem nenhum perigo. O problema é que o tempo lá no alto estava ruim, com fortes ventos e muitas nuvens. Subi rapidamente sem a cargueira só para ver como era o cume, aonde cheguei às 17h45, e apesar do ótimo gramado era impossível dormir ali naquele vento e com tanto frio (altitude de 1856m). O visual de 360º estava totalmente prejudicado. Desci rapidamente e voltei à procura de um lugar mais abrigado do vento, mas acabei montando a barraca bem em cima da trilha por falta de um local melhor. Claro que ela ficou mal montada, restava torcer para não chover... mal sabia o que me esperava!

Dentro da barraca e abrigado do vento, jantei, li o material informativo que sempre levo, pesquisei caminhos no gps e finalmente caí nos braços de Morfeu. Lá pela meia-noite alguns pingos tamborilaram no sobreteto da barraca, mas não dei atenção. Porém eles insistiram e logo veio o aguaceiro. A pobre barraca mal montada não conseguiu cumprir a contento seu papel e fui obrigado a jogar a capa de chuva por cima de tudo, de mim e da mochila, para não ficarmos encharcados pois entrava água literalmente por todos os lados. Como se não bastasse, vieram os raios! Eu me mantive sobre o isolante de borracha (isso vale alguma coisa?) e comecei a contar o espaço entre o clarão do raio e o respectivo trovão (isso lembra alguma coisa?) e felizmente o intervalo era grande. A peleja durou mais de uma hora e o saldo foi uma poça na porta da barraca, local mais baixo, o que ensopou a ponta do saco de dormir. Mas sobrevivi! Mesmo com os pés nadando na poça fria, consegui dormir profundamente o resto da noite, sonhando com o astro-rei no dia seguinte...

Nesse dia caminhei 20,7km.

Distâncias por trecho:
de Bom Jesus do Madeira ao início da Trilha do Carvão: 6,7km
Trilha do Carvão: 7,5km
do fim da Trilha do Carvão ao povoado do Estouro e início da trilha do Pico do Boné: 2,5km
Trilha do Pico do Boné: 4km

Algumas altitudes:
Bom Jesus do Madeira: 870m
início da Trilha do Carvão: 991m
ponto mais alto da Trilha do Carvão: 1480m
fim da Trilha do Carvão: 1297m
povoado do Estouro: 1148m
início da trilha do Pico do Boné: 1190m
cume do Pico do Boné: 1856m

3º DIA: DESCIDA DO PICO DO BONÉ E VOLTA PELA TRILHA DO CARVÃO

Imagem
Vista do cume do Pico do Boné de manhã

Quando o dia amanheceu, fui conferir o rescaldo da tempestade noturna. Por sorte, um sol tímido deu as caras e botei as coisas para secar um pouco enquanto desmontava acampamento e fazia um segundo ataque ao cume, com o tempo um pouco melhor. A quantidade de nuvens ainda era grande mas tive paciência de esperar o céu limpar um pouco para tentar situar os outros picos da serra e os povoados próximos. Apesar do vento frio, permaneci mais de duas horas no cume e até que consegui registrar boas imagens. A Pedra do Pato apareceu a sudoeste e o Madeira a sudeste. Comecei a descer às 10h50 e às 12h44 estava de volta à estrada de terra, próximo ao Vale das Luas. Dessa vez fui conhecer o Remanso do seu Dico. Não cheguei a conhecer ele próprio mas conversei com seus filhos. Um deles me falou de uma certa trilha que sobe dali ao Pico do Soares, o mais alto do parque, mas não sabia nem onde começava. Me falaram também de uma trilha direta do Pico do Boné ao Madeira, mas sem detalhes também. Saí de lá às 13h40 e segui pelo mesmo caminho do dia anterior. Parei num pé de laranja carregado que encontrei e só entrei na Trilha do Carvão às 14h48. Passei pela carcaça do caminhão às 15h40 e terminei a trilha às 17h15, retomando a estradinha na mata. Encontrei o tempo muito ruim desse lado da serra, com uma garoa que logo virou chuva e me obrigou a vestir a capa. Pensei em me hospedar no Refúgio dos Galdinos já que tinha visto uma placa sinalizando o núcleo Galdinos quando retornei da sede do parque dois dias antes, e para isso peguei o caminho mais longo para voltar ao Madeira, pensando que o refúgio ficasse nele. Porém a placa não falava em distância e não havia a quem perguntar. Quando consegui alguém para me informar vi que estava completamente errado, o refúgio ficava 2,7km além do Madeira. Mas já não valia a pena voltar e assim fui na escuridão, com a minha lanterna, embaixo de chuva por uma estrada que parecia ter quilômetros a mais que a outra para chegar à pousada da Dona Eva só às 19h35. Numa hora dessa, nada como um banho quente para ressuscitar.

Nesse dia caminhei 23km.

4º DIA: REFÚGIO DOS GALDINOS E CACHOEIRA DO PIU

As fotos estão em https://picasaweb.google.com/1165318991 ... PiuMGSet12.

Imagem
Cachoeira 3 Quedas

O dia amanheceu cinzento novamente e ameaçou garoar, mas peguei a mochila e fui conhecer o Refúgio dos Galdinos, do seu Adão, irmão da Dona Eva, principal hospedagem do NTBC Galdinos (www.cepecmg.org.br/tbc/galdinos.php). Caminhei 2,4km por uma estradinha que margeia o Córrego da Madeira e cheguei primeiro à casa Memória dos Galdinos, mas deixei para visitar depois. Mais 300m e cheguei à casa do seu Adão e da Dona Maria, gente extremamente simpática. Conversamos um pouco na varanda da casa e ele me convidou para conhecer as trilhas e cachoeiras da sua propriedade. A área de camping é bem grande (ele tem quartos também), com o Poço Redondo nos fundos, de onde partem algumas trilhas. Atravessando o Córrego da Madeira entramos na mata em direção à Cachoeira 3 Quedas, com um exemplar de cedro-rosa de 300 anos no caminho. Voltamos até o riacho e percorremos a Trilha da Gameleira, curta, margeando o curso d'água até algumas enormes gameleiras. Cruzamos o córrego de volta e depois do Poço Redondo subimos por um reflorestamento até o Poço das Borboletas, Toca das Andorinhas e Poço das Antas, no limite de suas terras. Tudo muito bem organizado, sinalizado, com ponte sobre o riacho e área de camping com ducha, banheiros e quiosque, tudo feito com orientação e acompanhamento do Centro de Pesquisa e Promoção Cultural (Cepec) de Araponga.

Me despedi deles e voltei um pouco para conhecer a Memória dos Galdinos, mais uma casa da família, na verdade um casarão de 1909 que tem anexo um pequeno museu com peças antigas do sítio como pedra de moinho, canga de bois, ferros a carvão, etc. Há também engenho de cana movido a animal e torrador manual de café, algo que eu nunca tinha visto. Aceitei um cafezinho produzido ali mesmo, muito bom, pena que já vem com uma tonelada de açúcar.

Voltei os 2,4km até o Madeira e emendei com a visita à Cachoeira do Piu, continuando a caminhar na direção do parque. Ao deixar o povoado, segui à direita após a ponte e depois de alguns sobes e desces em 3,2km cheguei ao portão da cachoeira, aquele fechado com corda. Desamarrei-a e entrei, caminhando mais 560m até o fim da estradinha, onde há um bar (felizmente estava fechado, apesar de ser domingo). A cachoeira tem uma sucessão de quedas por grandes degraus rochosos em que é possível subir pela parte seca, à direita. Foi o que fiz e no alto encontrei outra cachoeira. Próximo uma placa: Cachoeira dos Nicotas. Curti algum tempo o lugar e voltei ao bar por uma trilha paralela ao rio que não tinha visto antes. No retorno, decidi descer um pouco pelo pasto e pelo mato para fotografar de cima a cachoeira próxima à estrada (não há uma trilha bem definida). Depois passei pelo portão com corda e caminhei tranquilamente os 3,2km de volta ao Madeira.

Nesse dia caminhei 16,4km.

Por fim, dos passeios que planejei, não subi a Pedra do Pato pois estavam trabalhando na manutenção da sua trilha e talvez precisasse de uma autorização do chefe do parque por estar muito próximo da sede. Não subi o Pico do Soares pois faltaram informações sobre as possíveis trilhas de acesso a ele. E deixei de subir o Pico do Itajuru (pelo distrito de Belisário) porque o tempo não estava bom.

Informações adicionais:

O site oficial do parque é www.ief.mg.gov.br/component/content/197?task=view.

Montanhas mais altas do parque segundo informações do site http://parquesdeminas.meioambiente.mg.g ... deiro.html:
1. Pico do Soares - 1985m
2. Pedra Campestre ou Pedra do Pato - 1908m
3. Pico do Boné - 1870m
4. Serra das Cabeças - 1853m
5. Pico do Matipó - 1852m
6. Pedra do Rochedo - 1798m
7. Pico da Ararica - 1792m
8. Pico do Cruzeiro - 1684m
9. Pedra do Cruzeiro - 1645m
10. Pico do Itajuru - 1585m
11. Pico do Grama - 1561m

Horários de ônibus
empresa Novo Horizonte (32-3728-3960 e 3721-1671)
. de Carangola para Bom Jesus do Madeira:
de seg a sex: 15h30
sáb: 11h
dom: não há
Tarifa de R$15,05
O ônibus passa em Fervedouro 45 minutos depois (a tarifa é R$7,65)
. de Bom Jesus do Madeira para Fervedouro e Carangola:
de seg a sáb: 7h
dom: não há

Hospedagem em Bom Jesus do Madeira:
1. Pousada Dona Eva - Rua B, 23 - (32)3742-4012, 8403-7271 e 8806-0683
R$30 com café e WC privativo

2. Pousada Brigadeiro - em frente à Dona Eva
(não perguntei o preço)

3. há opções de hospedagem rural como Refúgio dos Galdinos (2,7km depois do Madeira; o camping custa R$10) e Rancho do Tomaz (3km antes de chegar ao Madeira).

Hospedagem no Estouro, junto à trilha do Pico do Boné:
1. Pousada e Camping Sr Dico Simão
(31)9719-8767 - Sr Dico
(31)8338-4241 - Cláudio
(31)8364-9049 - Wanderlei

2. Vale das Luas (Vanderli)
(31) 9918-9069 e 9966-1616

Onde comer: nas pousadas, que também servem refeições.

Cartas topográficas:
Fervedouro:
http://biblioteca.ibge.gov.br/visualiza ... B-VI-1.jpg
Miradouro:
http://biblioteca.ibge.gov.br/visualiza ... B-VI-3.jpg
Ervália:
http://biblioteca.ibge.gov.br/visualiza ... -B-V-4.jpg

Rafael Santiago
setembro/2012
Editado pela última vez por rafael_santiago em 02 Dez 2013, 17:26, em um total de 1 vez.

#772794 por gvogetta
26 Out 2012, 19:02
Olá Rafael!


Tuas férias renderam, hein?! Cada lugar...

Muito bom o relato e as fotos (só achei que foi muito econômico nessa parte :mrgreen: ). O lugar eu não conhecia e pelas fotos e informações parece interessante para boas caminhadas.

Grande abraço!
#774280 por rafael_santiago
31 Out 2012, 15:33
Grande Getúlio!
Eu aproveitei muito as férias mesmo. Para mim, férias são sagradas e precisam ser curtidas todo minuto, sem perda de tempo. Na verdade, eu emendei os relatos das férias de junho com as de setembro e aí está saindo toda essa produção.
Estou com receio de colocar muitas fotos aqui no relato pois a página pode ficar pesada e demorada para carregar, como já vi acontecer aqui. Ainda não pesquisei como diminuir o tamanho delas.
Se prepare que tem mais relato de lugar desconhecido chegando aí!
Abraço.
#826014 por Luis Arau
06 Abr 2013, 13:31
Rafael, estou indo para o PE do Brigadeiro em abril. Como iremos de carro, ficaremos na pousada da dona Eva e faremos o Boné, o Grama e o Soares. Encontrei somente um relato do Soares. Sei que ela tem 7km e se inicia na fazendo do Brigadeiro ou outro acesso mais difícil na região de São Bento ou pela fazenda Pirraça. Você tem alguma outra informação sobre o Soares? Estou com a carta do IBGE. Abraço.
#826369 por rafael_santiago
07 Abr 2013, 19:46
Luis, as informações que eu obtive das pessoas lá é que a trilha do Pico do Soares a partir da Fazenda do Brigadeiro estaria bem fechada, sem uso. Sei de colegas que subiram pela Pousada Paraíso das Pedras, no povoado São Bento, mas todos com quem conversei ali no Madeira disseram que o dono foi embora e a pousada estaria fechada. Porém parece que o filho do antigo dono está tocando o negócio. Como ficava meio complicado ir até essa pousada sem carro, a 18km do Madeira e sem nenhuma linha de ônibus, não fui conferir. Mas parece que o acesso mais usado é esse mesmo.
Abraço.
#826744 por Luis Arau
08 Abr 2013, 19:39
Rafael, vou tentar por aí, já que irei de carro. Já plotei a carta do Fervedouro e vou dar uma fuçada.
Obrigado.
Olhando a carta, descobri a comunidade de São Bento e procurando pelo google a pousada está em funcionamento, mas, nada me impede de ficar na pousada da dona Eva no Madeira e me deslocar para São Bento. Vamos ver!
Abraço.
#966192 por rafael_santiago
02 Jun 2014, 15:57
Mateus, a Trilha do Carvão não prestei muita atenção se daria para fazer toda de bicicleta mas acho que sim. Ela não tem sinalização, teria que perguntar para os poucos moradores por perto. Para o Refúgio dos Galdinos e Cachoeira do Piu são estradinhas de terra e o pessoal do Madeira ensina o caminho. As trilhas da sede têm acompanhamento obrigatório de monitor e só podem ser feitas a pé. A do Pico do Boné é íngreme demais para levar a magrela.
Abs

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 0 visitantes