Relatos de Viagens em Portugal


#1130906 por debalves
17 Out 2015, 00:41
Olá amigos do Mochileiros.com!
Novamente, me sinto muito grata por todas as informações colhidas por aqui e por isso venho através deste tópico compartilhar meu relato de nossa viagem realizada neste mês (de 04 a 13 de Outubro de 2015) para Portugal (Lisboa e Porto, passando rapidamente por Sintra, Cascais e Santiago de Compostela). Foi a segunda viagem que realizamos por conta própria. ::otemo::
Acho que dessa vez foi ainda mais difícil, a fase do planejamento. Meu emprego passando por situação difícil, eu não tinha garantias que ia conseguir tirar férias no mês que eu solicitei, muitos problemas aparecendo ao mesmo tempo, roubando o tempo e a cabeça para pensar na viagem... Sem contar o euro subindo e subindo... Mas já tínhamos comprado as passagens, então, só nos sobrou cair de cabeça na viagem!
Vou tentar explicar rapidamente o porquê de Portugal: Meu avô nasceu em Portugal em um lugar que chama Régua e eu sempre quis conhecer o lugar de onde ele veio, embora já não tenhamos mais nenhum contato com a família que ficou lá, se por acaso ficou família lá. Meus bisavós vieram e trouxeram meu avô e o irmão dele ainda muito pequenos, meu avô tinha apenas 4 anos. No ano passado tínhamos planejado, inicialmente, viajar para Portugal e Espanha, mas como o orçamento ficou muito apertado e a vontade de conhecer a Espanha era maior, tivemos que cortar Portugal e este ficou na “fila de espera” como o próximo país a ser conhecido. Depois planejei viajar com a família e iríamos conhecer mais cidades e meu pai iria dirigindo... Mas também não conseguimos coincidir as férias de todo mundo e não deu certo. Como o orçamento esse ano foi ainda mais apertado, não deu para incluir outro país no planejamento e nem conhecer muitas cidades (ainda mais porque não dirigimos aqui no Brasil e o meio mais fácil de conhecer várias cidades seria por carro, o que todo mundo que eu tinha consultado, tinha me dito isso).
Compramos as passagens de avião pela TAP, pois pareciam a melhor opção em termos de preço e de conexão e compramos em abril. Também compramos passagens de trem de Lisboa para Porto pelo site Comboios Portugal (cp.pt)
Levamos duas malas médias para facilitar carregá-las (principalmente no metrô) e misturamos as nossas roupas nessas duas malas, para o caso de alguma sumir durante a viagem de avião.
Olhamos pela internet e o tempo lá estava nublado/chuvoso e fazendo em torno de 17°. Colocamos casacos quentinhos, já que não estamos muito acostumados com frio aqui no RJ e capa de chuva e guarda chuva, pois uma amiga que foi na mesma época no ano passado, disse que choveu em todos os dias da viagem dela (muito chato! ::bruuu:: ) e ela teve que comprar capa de chuva chinesa em preço de Euro, enquanto que era melhor comprar em Real.
O vôo da ida foi tranquilo, porém novamente tive dificuldade para dormir e cheguei me sentindo uma zumbi novamente. Embarcamos por volta de 17h e chegamos por volta de 6:40 lá. Antes da viagem, eu tinha lido em um blog (O viaje na viagem) sobre o Lisboa card e optamos por adquiri-lo. Assim que nos encontramos com nossas malas, no aeroporto de Lisboa, prontos para explorar a cidade, procuramos um quiosque dentro do aeroporto para comprar nossos Lisboa cards (Não é difícil de achar, pois o quiosque é cor de rosa) Compramos o de 72h. Esse Lisboa card custa em torno de 39 Euros e a princípio podemos achar meio caro, mas dá direito a andar em todos os transportes públicos “sem pagar” por 72h e dá descontos em vários locais turísticos também. Eles entregam um livreto explicando tudo ao adquirir o cartão. Também há Lisboa card com direito a menos horas e mais baratos, porém o melhor para nós foi esse mesmo.
Munidos com o cartão, nos dirigimos ao Metrô, traçamos a rota até o hotel e fomos em frente. Dessa vez o Rodrigo que escolheu os hotéis que ficaríamos. Em abril, na nossa busca, já tivemos algumas dificuldades, pois vários hotéis já se encontravam sem quartos disponíveis. O Rodrigo não ficou muito fã dos hostels e por isso quis escolher hotéis que fossem mais em conta, mesmo que mais afastados do “fervo” da cidade, porém sempre próximo de meios de transporte para se chegar rapidamente aos lugares que queríamos visitar.
Ficamos em um hotel chamado American Diamonds. Gostamos muito do hotel e do staff. Pertíssimo tinha a estação de metrô de Picoas. Ao vencer toda a burocracia da chegada no aeroporto + comprar o Lisboa Card + pegar o metrô e chegar no hotel, já era em torno de 9h e o hotel se disponibilizou a guardar nossas malas, nos deu um mapa e dicas para conhecer o Chiado e também chegar ao Castelo de São Jorge. Nos informaram como ir de metrô e como ir de ônibus (Autocarro).
Resolvemos ir de ônibus, mas infelizmente pegamos o ônibus indo para o lado errado ::putz:: (eu tinha estranhado, pois os pontos de referência citados pelo funcionário do hotel não apareciam nunca na paisagem) e só nos demos conta quando estávamos chegando perto do Aeroporto novamente. Descemos correndo e pegamos o metrô novamente, dessa vez direto para o Chiado. Perdemos quase 1h nessa brincadeira!
Ao chegar lá, visitamos o Largo do Chiado, com o café A Brasileira e a estátua de Fernando Pessoa. Depois fomos visitar a Praça Rossio (ou Dom Pedro IV) e a praça da Figueira logo em seguida (tudo muito perto). Andamos pela Rua Augusta e passamos pelo Elevador de Santa Justa (não subimos nesse momento, deixamos para mais tarde. Diga-se de passagem que a fila para subir estava imensa). Seguimos em direção a Praça do Comércio e ficamos um tempinho lá admirando tudo. Quando estávamos retornando para a Rua Augusta, começou a chover forte e nos protegemos em um toldo de uma loja chique. Nessa hora percebemos que deixamos as capas de chuva e os guarda chuvas nas malas. E a partir daí o tempo ficou chove e para, algumas vezes choviscando e outras chovendo mais forte. Resolvemos seguir e encontramos uma casa de pastéis de bacalhau (aqui eles são bolinhos, mas lá são pastéis), chamada Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau (com queijo de ovelha dentro). Uma delícia!
Pensamos que nos abrigando um pouco da chuva, quando saíssemos, poderíamos prosseguir, porém, quando saímos, voltou a chover forte e novamente nos abrigamos debaixo de outro toldo. Como era por volta de 12h, resolvemos procurar um lugar para almoçar, porém achamos restaurantes com preços próximos a 15 Euros no local, achamos caro e desistimos. Resolvemos voltar para o hotel, fazer o check in e almoçar por lá por perto. E assim o fizemos. Porém, depois de tudo, estávamos mortos de fome e já estava perto de 14h. Praticamente do lado do hotel tem um Pizza Hut e comemos lá mesmo (massa, e não pizza).
Voltamos de ônibus para o Chiado (dessa vez acertamos o lado) e continuamos nossa jornada. Entramos na fila do elevador de Santa Justa para aproveitar e subir para conhecer o convento do Carmo. A fila estava um pouco menor e ficamos felizes. Porém ela não andava e logo começou a chover de novo (desta vez estávamos com os guarda chuvas que pegamos nas malas de novo! Eba!). Logo veio um funcionário explicar que o elevador tinha encerrado o expediente devido ao mau tempo. ::grr:: Perguntei como eu poderia subir para ver o convento e ele me indicou a rua de subida (uma ladeira considerável), que subimos devagar. Depois uma amiga me perguntou o porquê de eu não ter subido pela escada, mas além de preferir subir ladeira a subir escada, sinceramente, não vimos nenhuma escada por ali... Como o Elevador se encontrava com uma parte tapada para manutenção, ficamos nos perguntando se a escada estaria ali, escondida.
Chegando lá em cima, visitamos o convento do Carmo que achei lindo, apesar de não ser uma atração que as pessoas comentem muito (e tivemos nosso primeiro desconto com o Lisboa Card). Ao sair do convento, perguntei como poderíamos ir ao Miradouro de São Pedro de Alcântara e a moça do quiosque da pracinha me informou algo do tipo “é logo ali”. Mas tinha muita ladeira, subimos e subimo e nada do miradouro. Por um momento me arrependi de ter ido para lá. A chuva recomeçou, ventou muito, a chuva apertou (e nós subindo) ::putz:: e depois parou de chover de novo. Até que chegamos no miradouro, que à primeira vista, parecia uma pracinha. A vista dele realmente é bonita... Mas foi então que recomeçou a chover e a chuva apertou e ficou tão forte que o guarda-chuva não foi o suficiente. Corremos para nos abrigar no toldo das mesinhas do quiosque lá em cima, mas nem isso foi suficiente. E ficamos todos lá: Os clientes do quiosque mais o pessoal que estava no local, todo mundo tentando se abrigar da chuva, em vão. Nossos pés molharam muuuuito e as meias ficaram ensopadas. ::Cold:: Rodrigo me pediu para pararmos as visitações (e o Castelo de São Jorge?! Como ficaria?!), mas tive que admitir que precisávamos de um banho quentinho. Nesse momento já era por volta de 17h. A chuva passou em mais ou menos 30 min. Tiramos algumas fotos da vista (embora tenha ficado um pouco com névoa) e ficamos pensando em como desceríamos as ladeiras depois daquela chuva toda... foi quando avistamos o ascensor da Glória e tinha um grupo imenso de ingleses querendo pegar ele (junto com o guia). Conseguimos ir na mesma viagem dos ingleses e foi aí que descobri que entrou água da chuva na minha bolsa e molhou o meu Lisboa Card (incrivelmente não molhou meu passaporte e depois disso sempre carregava ele dentro de um saco plástico). Por sorte, a condutora não viu que meu Lisboa card não passou. Mas descemos até a Praça dos restauradores e pegamos um ônibus de volta e tivemos que pagar passagem, pois o meu Lisboa Card não funcionou de jeito nenhum depois de molhado da chuva.
Voltamos para o hotel e tentamos em vão secar o Lisboa Card com o secador de cabelos (sei lá, nessas horas a gente tenta qualquer coisa!) ::hãã2:: e o Rodrigo foi sozinho (porque senão tínhamos que pagar minha passagem) até o aeroporto de novo (que era o quiosque mais perto), para ver o que poderia ser feito a respeito (e ficamos rezando para não ter que pagar os 39 Euros novamente por mais um Lisboa Card). Felizmente ele só teve que pagar 2 Euros pelo dano ao cartão e voltou para o hotel munido com os nossos Lisboa cards novamente. ::mmm:
Então procuramos no trip Advisor onde poderíamos comer uma boa comida portuguesa ali por perto e achamos um restaurante de nome Antonio. Mas resolvemos perguntar ao staff onde eles recomendavam. Nos recomendaram um restaurante “perto” (depois nós vimos que não era tão perto assim... andamos tanto!) chamado Colina. Fomos para lá e estava cheio, ficamos em uma mesinha no cantinho. Os preços estavam próximos do que tínhamos visto mais cedo, em torno de 15 euros cada prato. Pedi bacalhau com todos (ou seja, todos os legumes) e o Rodrigo pediu arroz com camarão. Estava uma delícia, realmente valeu à pena, apesar de estarmos gastando um pouco mais do que pensávamos em gastar, mas já estava tarde, estávamos cansados e acabamos ficando por ali mesmo. Em seguida, voltamos para o hotel para dormimos, pois no dia seguinte era dia de ir a Belém.

#1131226 por debalves
18 Out 2015, 20:03
Praça do Rossio ou Dom Pedro IV
20151005_072055.jpg
20151005_072055.jpg (192.92 KiB) Exibido 2226 vezes

DSCN2579.JPG
DSCN2579.JPG (671.86 KiB) Exibido 2226 vezes


Praça da Figueira
DSCN2571.JPG
DSCN2571.JPG (677.3 KiB) Exibido 2226 vezes


Praça do Comércio, com muito vento e tempo ruim.
DSCN2619.JPG
DSCN2619.JPG (670.16 KiB) Exibido 2226 vezes


Rio Tejo, um tanto revoltado nesse dia.
DSCN2641.JPG
DSCN2641.JPG (645.9 KiB) Exibido 2226 vezes

20151005_075656.jpg
20151005_075656.jpg (1.75 MiB) Exibido 2226 vezes


Convento do Carmo
DSCN2671.JPG
DSCN2671.JPG (682.61 KiB) Exibido 2226 vezes

20151005_122849.jpg
20151005_122849.jpg (269.9 KiB) Exibido 2226 vezes


Miradouro São Pedro de Alcântara, com chuva
DSCN2712.JPG
DSCN2712.JPG (712.82 KiB) Exibido 2226 vezes


Ascensor da Glória
DSCN2721.JPG
DSCN2721.JPG (687.87 KiB) Exibido 2226 vezes


Os deliciosos pastéis de bacalhau
20151005_082818.jpg
20151005_082818.jpg (262.69 KiB) Exibido 2226 vezes
#1131237 por debalves
18 Out 2015, 20:41
No dia seguinte acordamos cedo e o pessoal do hotel nos informou o ônibus que poderíamos pegar para ir a Belém, e assim o fizemos. Porém achei que o ônibus demorou um bocadinho e encheu muuuito. Estava principalmente cheio de turistas, em sua maioria franceses.
Descemos do ônibus pertíssimo do Mosteiro dos Jeronimos (por causa da obra de restauração, não consegui ver muita coisa que estava em volta do mosteiro)e foi o primeiro lugar que visitamos, com hordas de turistas saindo de seus ônibus de turismo e entrando no mosteiro. ::essa:: Visitamos somente a parte que não precisa pagar, pois já estávamos um pouco cansados de igrejas e claustros, tendo em vista que no ano passado visitamos muitas na Espanha. A igreja é realmente muito bonita, mas achei que as da Espanha eram mais cheias de pompa e riquezas.
Lá no fundo se encontram os túmulos de Vasco da Gama e Camões, bem interessante.
Saindo do Mosteiro, atravessamos a rua, andamos mais um pouquinho (Passando pelo Museu Coleção Berardo) e logo nos encontramos pertinho do Padrão dos Descobrimentos. Foi só atravessar a linha do trem por uma passagem subterrânea e estávamos lá, de cara com o monumento. ::otemo:: Após muitas fotos (e tentando tirar fotos com a Rosa dos ventos no chão, sempre cheia de turistas em cima), subimos (teve desconto com o Lisboa Card também) e fomos olhar a vista lá de cima e tirar foto da Rosa dos Ventos lá de cima também.
Descemos e andamos em direção à Torre de Belém. Chegando lá, a fila para entrar na Torre estava imensa e a enfrentamos, mas depois de uns 40 min, tendo andado somente alguns passos, desistimos. ::putz:: Só tiramos fotos do lado de fora. Nesse momento já passava de meio dia e voltamos para o Padrão dos Descobrimentos novamente, andando. Se eu falar que estava tão empolgada em visitar os monumentos que esqueci dos pastéis de Belém, alguém acredita?! E fiquei até preocupada: Já pensou se a gente volta sem ter experimentado?! ::prestessao::
Passamos por um restaurante perto do Padrão dos Descobrimentos que os pratos tinham o preço em torno de 10 Euros e resolvemos almoçar ali mesmo. Era um restaurante italiano, chamado Nosolo e pedi um macarrão com salmão que estava divino!
De barriga cheia, consultamos o mapa e vimos que os Pastéis de Belém e o Museu do Coche ficavam perto. Perguntamos no restaurante como chegar lá e confirmamos o caminho.
No meio do caminho passamos por um jardim, em frente ao mosteiro, tão lindinho e ficamos a admirar. Seguimos e praticamente do lado do Mosteiro tinha uma rua com a loja do toldo azul, dos famosos pastéis de Belém. Repito que não tinha visto antes por causa das obras... As ruas estavam até com tratores, escavadeiras e outras máquinas pesadas andando pra lá e pra cá! Não sabíamos como funcionava o esquema lá, só sabíamos que tinha a fila para pedir no balcão e os salões para comer sentados na mesinha. Entrei procurando por uma mesa vazia, sem sucesso, e fui entrando nos salões... Até que cheguei ao último, que era o maior, com uma fila ao lado. Foi quando o Rodrigo chegou a conclusão que tinha que entrar na fila para conseguir o lugar na mesa. ::dãã2:: Fiquei meio triste, pois a fila era considerável... Mas até que andou rápido e conseguimos um lugar. Pedimos 2 pastéis e 2 cafés. Realmente eles são muito saborosos, ainda mais colocando açúcar e canela por cima! Não lembro qual o valor, mas me lembro que não achei caro. ::otemo::
Antes de visitar Lisboa, vi que a cidade é cheia de museus... Vi que em Belém se encontra o Museu da eletricidade também... Mas não dava pra visitar todos, pois não tínhamos muito tempo disponível! E um que me chamou a atenção foi o Museu dos Coches, fiquei pensando que se tivéssemos tempo disponível, poderíamos ir lá.
Saímos de lá e seguimos para o Museu do Coche, que fica do lado do Museu da Presidência da República (enquanto você está andando na calçada, parece que esse Museu da Presidência não vai acabar nunca!). Vimos uma porção de pequenos restaurantes perto dos pastéis de Belém, que poderíamos ter almoçado lá também... Mas agora era tarde.
Entramos no Museu dos Coches e recebemos informação que aquele era o antigo e em frente tinha o novo. Visitamos o antigo e achamos tudo muito lindo, inclusive os tetos e as paredes, tudo decorado com pinturas. Os coches (Carruagens antigas), muito lindos também. Na parte de cima, pinturas retratando os portugueses importantes e da família Real. Fiquei encantada com tudo! ::otemo::
Saímos e era por volta de 17h. Não tínhamos pique para ir ao novo Museu dos Coches e eu queria muito conhecer o Oceanário de Lisboa. Nos informamos e vimos que poderíamos voltar para o Chiado com o bonde n° 15 (elétrico) e de lá, pegar o metrô para o Parque das Nações. Foi quando um brasileiro nos pediu informação de como chegar no Oceanário (ele também queria ir para lá) e não contente com a informação que demos (e tendo em vista que o bonde demorava bastante), ele se informou com outras pessoas, que indicaram um ônibus que ia para lá, o oceanário. Pegamos todos o mesmo ônibus e este (assim como a ida), demorou um bocadinho para chegar no destino e foi lotado... ::bruuu:: me senti uma sardinha em lata! Mas até que a uma certa hora ele esvaziou um pouco e conseguimos respirar!
Chegamos são e salvos próximo ao Oceanário, vimos uma fonte que parecia um vulcão e paramos para algumas fotos... Mas não nos demoramos muito, logo entramos, preocupados com o horário (era por volta de 18h)... Mas lá, nos informaram que o horário de entrada é até 19h, mas estando lá dentro, a visitação poderia ser feita até ás 20h. O oceanário é muito lindo e não me cansaria de ficar lá vendo tudo por horas e horas. ::otemo:: As atrações principais são os pinguins e as lontras. Ficamos até pertinho de 20h e saímos, passeando pela região. Os funcionários do Oceanário nos ajudaram informando como se chegava a estação do metrô. A essa hora já estava escuro e não conseguimos tirar fotos de algumas outras estruturas que ficam no meio do caminho, bem interessantes.
Ficamos passeando no Shopping Vasco da Gama, que fica perto e lanchamos pizza no Pizza Hut. Pedi uma pizza Ibérica, que estava bem gostosa! Voltamos bem cansados de metrô para o hotel.
No dia seguinte acordaríamos cedo para tentar ir a Sintra.
#1131246 por debalves
18 Out 2015, 21:02
Mosteiro dos Jeronimos em Belém
DSCN2770.JPG
DSCN2770.JPG (699.71 KiB) Exibido 2202 vezes

DSCN2778.JPG
DSCN2778.JPG (770.29 KiB) Exibido 2202 vezes

DSCN2787.JPG
DSCN2787.JPG (686.42 KiB) Exibido 2202 vezes


Padrão dos Descobrimentos
DSCN2811.JPG
DSCN2811.JPG (681.84 KiB) Exibido 2202 vezes

DSCN2845.JPG
DSCN2845.JPG (716.45 KiB) Exibido 2202 vezes

DSCN2831.JPG
DSCN2831.JPG (751.73 KiB) Exibido 2202 vezes


Torre de Belém
DSCN2860.JPG
DSCN2860.JPG (721.01 KiB) Exibido 2202 vezes


Pastéis de Belém
DSCN2880.JPG
DSCN2880.JPG (726.57 KiB) Exibido 2202 vezes


Museu dos Coches
DSCN2890.JPG
DSCN2890.JPG (759.25 KiB) Exibido 2202 vezes


Oceanário de Lisboa
DSCN2931.JPG
DSCN2931.JPG (711.14 KiB) Exibido 2202 vezes

DSCN2932.JPG
DSCN2932.JPG (682.43 KiB) Exibido 2202 vezes

DSCN2977.JPG
DSCN2977.JPG (724.05 KiB) Exibido 2202 vezes

DSCN3042.JPG
DSCN3042.JPG (722.56 KiB) Exibido 2202 vezes

DSCN3134.JPG
DSCN3134.JPG (715.81 KiB) Exibido 2202 vezes
#1131504 por debalves
19 Out 2015, 18:40
No dia seguinte pedimos informação de como pegar o trem para ir para Sintra e fomos até a Estação do Rossio, próximo a Praça dos Restauradores (e muito perto da Praça do Rossio também). O Lisboa Card vale para o trem e para atrações turísticas dessa cidade também, muito bom! ::otemo::
Pegamos o trem e em pouco tempo estávamos em Sintra, da janela dava pra avistar o Castelo dos Mouros, que emoção!
Seguimos o fluxo de pessoas que após as catracas de saída do trem, seguiram para a direita, andando pela calçada da rua lateral da estação, até, para a nossa surpresa, avistarmos o ponto de ônibus, que tinha um 434 parado e uma fila enorme de turistas pra entrar (Eu já tinha lido sobre pegar esse ônibus antes e não arriscamos subir à pé, pois a subida é castigante!). Eu achei que após a saída da estação do trem, teríamos que encontrar a cidade e não lembrava de ter lido na internet nenhuma informação sobre onde achar esse ônibus. Mas foi mais fácil do que eu estava imaginando, o ponto do ônibus estava na nossa cara! Os ônibus de Sintra não aceitam o Lisboa Card, essa é a parte chata. ::hein:
Nesse ponto existem o 435 (que pelo que eu entendi circula entre os pontos turísticos do “centro” da cidade) e o 434, que faz um circuito maior, indo até o Castelo dos Mouros e o Palácio da Pena (era o que queríamos). O preço é um pouco salgado (05 Euros a passagem), mas dá direito a ida e volta. O ônibus encheu bastante, e nós estávamos sentados. Mas subiu um senhor de idade e o Rodrigo cedeu seu lugar a ele. O Ônibus subiu algumas ladeiras em curva e chegou a primeira parada: O palácio de Sintra (e o centro da cidade). Desceram várias pessoas. O Rodrigo me chamou e nessa hora, e nós fizemos uma pequena confusão: Eu achei que ele estava me chamando para a gente sentar junto em algum banco lá na frente e ele achou que por eu levantar, era hora de descer do ônibus e quando ele desceu, eu achei que ele tinha visto algo que eu não tinha visto e que era hora de descer. ::putz:: Quando descemos, eu fiquei me xingando pois queríamos ir ao Palácio da Pena e não o de Sintra, naquele momento. Esperamos até o próximo 434 chegar, mostramos as passagens e contamos que descemos errado e o motorista nem ligou, falou para a gente entrar. Demos Graças a Deus por não termos de pagar novas passagens de novo. ::mmm:
Foi então que eu vi como o ônibus sobe bastante por aquelas vias sinuosas e íngremes, até chega ao castelo dos Mouros e um pouquinho mais acima, o Palácio da Pena. Compramos nossos tickets (eles vendem tickets combinados para essas duas atrações) e a atendente perguntou se queríamos pagar a passagem de 3 Euros para a subida de mini ônibus do portão à porta do Palácio e resolvemos subir à pé. Me arrependi um pouquinho pois a subida é bem íngreme, mas fiquei muito feliz quando conseguimos chegar lá em cima sem passar tanta vergonha quanto eu achei que poderia passar, após ter perdido meu fôlego no meio do caminho. ::bruuu::
Ao avistar o Palácio, foi tudo mágico! O Palácio é lindo e é difícil de acreditar como um palácio com tantos estilos diferentes conseguiu ficar tão bonito! Fiquei encantada! ::otemo:: Passamos bastante tempo lá dentro, conhecendo cada canto daquele lugar. Chegamos por volta de 10h e quando vimos, já passava de meio dia. Eu tinha lido relatos de algumas pessoas que conheceram numa mesma manhã o Palácio da Pena e o Castelo dos Mouros e fiquei pensando em como isso era possível! Resolvemos fazer um lanche (comemos uns sanduíches que estavam até bem gostosos) na cafeteria do palácio e seguir para o Castelo dos Mouros.
Descemos à pé mais um pouco e lá estava a entrada. Você tem que andar um bocadinho lá dentro até chegar de fato a parte da murada, que é a parte mais legal... ::otemo:: Mas também achei aquelas construções antigas muito interessantes, embora o sobe e desce de degraus (muitas das vezes sem um corrimão de ajuda e proteção), tenham me deixado com as pernas doendo e o coração acelerado. ::essa::
Terminamos nossa visita e saímos de lá por volta de 14:30 e bem em frente, do outro lado da calçada, tinha um ônibus parado (no sentido de quem sobe para o Palácio da Pena) com muita gente entrando. Perguntamos se era aquele ônibus que pegávamos mesmo para voltar para a cidade e o motorista falou que sim e furou os nossos tickets. Ao parar no Palácio da Pena, muita gente desceu e nós sentamos. Muita gente continuou no ônibus e o mesmo parou no último ponto lá de cima, e entrou muita gente para descer de volta para a cidade. O ônibus desceu lotado, por outras vias (por isso que tínhamos que pegar ele ali em frente ao Castelo dos Mouros mesmo).
Chegando na cidade, estávamos com fome e fomos fazer outro lanche. Procurávamos pelos famosos Travesseiros de Sintra (o doce famoso da região). Uma amiga me recomendou ir a uma cafeteria chamada Piriquita, mas a mesma se encontrava fechada (eles fecham uma vez na semana). Subimos mais um pouco e encontramos uma outra cafeteria que tinha, chamada Pastelaria Vila Velha, e pedimos. O doce é realmente muito gostoso, e é de massa folhada. Pedimos também queijadinha para acompanhar, que também estava uma delícia.
Continuamos a passear e conhecer um pouco aquele centro da cidade e depois rumamos para a Quinta da Regaleira, que é um pouco próximo do Palácio de Sintra, porém se anda um bocadinho. Eu tinha lido bastante sobre esse palácio e seus jardins e fiquei bastante curiosa sobre as “atrações” no jardim, em especial sobre o poço iniciático. A minha vontade era conhecer esse lugar, se tivéssemos tempo disponível. Fiquei muito feliz por poder ir lá. Passeamos conhecendo o jardim e quando encontramos o poço, entramos e descemos para conhecê-lo. E o mais interessante é que estando no fundo do poço não é necessário subir tudo de novo para alcançar a superfície, existem caminhos subterrâneos (um pouco mal iluminados, porém estão iluminados) cuja saída se encontra em outras atrações do jardim. Muito bacana! ::otemo::
Confesso que não tivemos energia para conhecer o palácio em si, só conhecemos os jardins e nos demos por satisfeitos. Traçamos o caminho de volta para o ônibus 434 e ficamos preocupados se poderíamos voltar até a estação de trem nele, já que os nossos tickets já tinham sido “furados” uma vez. Subimos no ônibus e o motorista furou os tickets pela segunda vez e levou o ônibus até a estação de trem novamente e pegamos o trem (com o Lisboa Card) de volta a Lisboa. Foi um passeio maravilhoso esse de Sintra, porém estávamos mortos de cansaço e dormimos no trem. ::putz:: Fomos acordados pelo fiscal dentro do trem verificando os cartões dos passageiros se estavam ok.
Voltamos para o hotel e decidimos por jantar no restaurante Antônio (que fica próximo ao Hotel e estava com boas resenhas no Trip Advisor) e não nos arrependemos. A comida estava gostosa (eu pedi Bacalhau de novo e o Rodrigo pediu lombo de porco) e o preço era ótimo: cada prato estava em torno de 8,90 Euros. Mais uma noite de descanso, pois no dia seguinte iríamos a Cascais.
#1131518 por debalves
19 Out 2015, 19:26
Na estação de trem de Sintra, a vista do Castelo dos Mouros
DSCN3142.JPG
DSCN3142.JPG (737.86 KiB) Exibido 2109 vezes


Primeiras impressões do Palácio da Pena
DSCN3154-1.jpg
DSCN3154-1.jpg (1.11 MiB) Exibido 2109 vezes


Encantados pelo Palácio da Pena
DSCN3198.JPG
DSCN3198.JPG (716.66 KiB) Exibido 2109 vezes

DSCN3349.JPG
DSCN3349.JPG (718.24 KiB) Exibido 2109 vezes

DSCN3389-1.jpg
DSCN3389-1.jpg (735.89 KiB) Exibido 2109 vezes


Caminho para o Castelo dos Mouros
DSCN3447.JPG
DSCN3447.JPG (782.78 KiB) Exibido 2109 vezes


Encantados pelo Castelo dos Mouros
DSCN3482-1.jpg
DSCN3482-1.jpg (852.37 KiB) Exibido 2109 vezes

DSCN3512-1.jpg
DSCN3512-1.jpg (1021.58 KiB) Exibido 2109 vezes

DSCN3531.JPG
DSCN3531.JPG (685.46 KiB) Exibido 2109 vezes


Quinta da Regaleira
DSCN3648.JPG
DSCN3648.JPG (718.91 KiB) Exibido 2109 vezes

DSCN3618-1.jpg
DSCN3618-1.jpg (1.17 MiB) Exibido 2109 vezes

DSCN3581-1.jpg
DSCN3581-1.jpg (763.58 KiB) Exibido 2109 vezes

DSCN3586-1.jpg
DSCN3586-1.jpg (906.7 KiB) Exibido 2109 vezes

DSCN3600.JPG
DSCN3600.JPG (777.92 KiB) Exibido 2109 vezes


Travesseiro e Queijadinhas
20151007_151949.jpg
20151007_151949.jpg (1.41 MiB) Exibido 2109 vezes
#1131721 por debalves
20 Out 2015, 14:09
E chegamos ao nosso último dia “útil” em Lisboa. Como ainda não tínhamos conhecido o Castelo de São Jorge, rumamos para lá em primeiro lugar. ::hãã2:: Chegamos de ônibus ao Chiado novamente e fomos subindo pelas ruas (ladeiras) que tinham os indicadores para onde ficava o Castelo. Chegando lá em cima, descobrimos alguns elevadores e escadas que poderiam nos levar ao mesmo lugar (Tá bem, essa parte foi um tanto mal planejada, eu deveria ter visto isso previamente). ::putz:: Mas a melhor parte de subir tudo à pé é gastar as calorias adquiridas com a gostosa comida – principalmente os doces- portuguesa! Hehehe! ::lol4::
Chegando ao castelo, compramos os tickets e fiquei surpresa com a entrada altamente informatizada (a gente que tem que passar o ticket no leitor, que libera a entrada e só tem uma funcionária fiscalizando tudo). ::hein:
A primeira coisa que fomos fazer foi ficar admirando a belíssima vista do lugar, estava um dia bonito, apesar do ventinho frio. ::otemo:: E fiquei admirando uma senhora idosa de andador que passou perto de mim, persistindo, mesmo com a calçada de pedra, irregular do jeito que era! ::hein:
Entramos e fomos conhecer a parte famosa do castelo. Na parte da frente do castelo se encontram vários pavões e achei aquilo tudo um tanto esdrúxulo. Entramos no Castelo, mas achei mais do mesmo, um tanto parecido com o castelo dos Mouros, mas em menor porte e menos divertido. Tinha uma fila imensa para ver a Câmara Obscura (que tem um sistema óptico de lentes e espelhos que permite ao visitante observar a cidade em tempo real e com 360°), que o Rodrigo até ficou interessado, mas devido a fila, desistimos. Vimos, por cima, um sítio arqueológico que tinha na lateral, mas só podia entrar no lugar com visita guiada e a próxima era só daqui a 2 horas. Eu queria entrar no museu, mas a hora já estava adiantada e fui convencida pelo Rodrigo que não teríamos tempo. Saímos do Castelo e descemos as ruelas até encontrar o Miradouro de Santa Luzia. O Rodrigo o achou um tanto “caindo aos pedaços”, devido aos azulejos faltando e o aspecto de pouca conservação. Também nos sentimos incomodados com as pessoas que ficavam circulando e tentando nos vender toda espécie de coisa. A vista é realmente bonita, mas também não ficamos muito tempo lá.
Descemos mais um pouco e achamos que estávamos indo para o caminho errado, perguntamos e continuamos descendo para a Sé de Lisboa. Tiramos uma foto com o Bonde passando na porta de igreja e depois entramos. Fiquei contente, pois na Espanha todas as igrejas se pagavam para entrar e nas igrejas de Portugal, somente se paga para entrar no claustro. Assim, eu conseguia ver pelo menos as igrejas por dentro e tentar imaginar como seria a vida das pessoas que viviam na cidade e frequentavam a igreja, em todas as épocas pelas quais essas construções passaram.
Saímos da igreja e voltamos para o Chiado. Procuramos um restaurante que fosse mais “escondido” dos turistas e portanto tivesse um preço mais em conta. Achamos um restaurante chamado A Campesina que tinha um preço em torno de 9 Euros cada prato e almoçamos lá mesmo. Comemos peixe e depois rumamos para o Cais do Sodré via ônibus (indicado pelo staff do hotel) para pegar o trem para Cascais.
Após uma pequena dificuldade para encontrar a estação de trem e qual o trem que poderíamos pegar, ::bruuu:: fizemos a viagem para Cascais utilizando o nosso Lisboa Card.
Chegando em Cascais, andamos um pouco e não foi difícil encontrar o caminho para a praia. Estava ventando bastante frio e por isso não fomos até o mar. Visitamos primeiramente a Praia da Rainha, que foi a que estava em frente, seguindo a rua em frente a saída da estação de trem. Depois andamos mais algumas ruas conhecendo o lugar e chegamos na Praia da Ribeira. Ficamos admirando as gaivotas e a praia e os cachorrinhos e seus donos, as construções, tudo.
Perguntei como chegar a Boca do Inferno, pois tinha lido sobre esse lugar e fiquei curiosa. O senhor do quiosque de picolé disse para eu continuar andando uns 20 min da direção que ele apontou. Nós caminhamos acho que mais de 20 min e nada de achar o lugar. ::bruuu:: Sempre que avistávamos um conjunto de pedras e o mar batendo nelas, a gente se perguntava se tinha chegado, mas ainda não era o lugar. Andamos bastante e finalmente chegamos (e valeu a pena). O lugar é muito bonito e dá pra ver a fenda que o mar fez na rocha por diversos ângulos diferentes. É muito bonito mesmo. ::otemo::
Quando decidimos voltar, já estava escurecendo e o Rodrigo estava sem o menor ânimo de voltar à pé, mesmo a calçada sendo ótima para se caminhar. Perguntamos em uma vendinha próxima onde poderíamos pegar um ônibus para voltar a cidade e o senhor que estava lá nos levou até o ponto de ônibus (que era pertinho) e disse que o único ônibus que passa ali iria nos levar até a cidade. Em pouco tempo não estávamos sozinhos no ponto, um grupo de 3 francesas se juntou a nós. Tivemos que pagar a passagem, pois o Lisboa Card não vale para os ônibus de Cascais e rapidinho chegamos de volta a estação de trem ::otemo:: (estão construindo um shopping perto e acho que o lugar vai ficar melhor ainda!) e pegamos o trem de volta a Lisboa.
Chegando de volta a Lisboa, o Rodrigo estava com vontade de comer hambúrguer artesanal por causa de uns anúncios que tinha visto em Sintra no dia anterior e foi procurar no Trip Advisor um lugar para a gente comer disso em Lisboa também. Achamos um lugar chamado Hamburgueria 21, que tinha que descer em outra estação do metrô e andar um pouquinho. Não é um local muito voltado aos turistas e valeu a pena, o hambúrguer estava uma delícia! ::otemo::
Estando em Lisboa não conseguimos assistir Fado. Só encontrávamos locais com preços que ficavam salgados para a gente (tipo mais de 50 Euros para cada pessoa) e como saíamos cedo, andávamos muito e voltávamos tarde, ficou difícil reservar vaga em algum lugar. Depois até descobrimos lugares mais em conta, mas também não fizemos reserva a tempo. Portanto resolvemos deixar essa missão para Porto ::essa:: (apesar de eu ter escutado que há uma certa “rivalidade” entre o Fado de Lisboa e o fado de Porto (assim como o samba do Rio e o samba de SP).
Descansamos para no dia seguinte acordar cedo e ir a Porto.
#1131835 por debalves
20 Out 2015, 22:48
Vista lá do alto do Castelo de São Jorge
DSCN3695.JPG
DSCN3695.JPG (707.8 KiB) Exibido 2052 vezes


Castelo de São Jorge
DSCN3725-1.jpg
DSCN3725-1.jpg (1.08 MiB) Exibido 2052 vezes

20151008_115024.jpg
20151008_115024.jpg (2.17 MiB) Exibido 2052 vezes

DSCN3780-1.jpg
DSCN3780-1.jpg (747.33 KiB) Exibido 2052 vezes

DSCN3787.JPG
DSCN3787.JPG (748.71 KiB) Exibido 2052 vezes


Sítio Arqueológico
DSCN3794.JPG
DSCN3794.JPG (751.34 KiB) Exibido 2052 vezes


Miradouro Santa Luzia
20151008_132914.jpg
20151008_132914.jpg (1.91 MiB) Exibido 2052 vezes


Sé de Lisboa
20151008_134938-1.jpg
20151008_134938-1.jpg (828.35 KiB) Exibido 2052 vezes


Cascais - Praia da Rainha
20151008_175405.jpg
20151008_175405.jpg (1.68 MiB) Exibido 2052 vezes


Cascais - Praia da Ribeira
DSCN3870.JPG
DSCN3870.JPG (724.35 KiB) Exibido 2052 vezes

DSCN3871.JPG
DSCN3871.JPG (709.97 KiB) Exibido 2052 vezes


O caminho para a Boca do Inferno
DSCN3924.JPG
DSCN3924.JPG (732.57 KiB) Exibido 2052 vezes

20151008_183810.jpg
20151008_183810.jpg (1.42 MiB) Exibido 2052 vezes


Boca do Inferno de um lado
DSCN3973.JPG
DSCN3973.JPG (733.14 KiB) Exibido 2052 vezes


Boca do inferno do outro lado
DSCN3947-1.jpg
DSCN3947-1.jpg (865.2 KiB) Exibido 2052 vezes

DSCN3945.JPG
DSCN3945.JPG (684.34 KiB) Exibido 2052 vezes
#1131860 por juliad
21 Out 2015, 00:47
caramba! estive em Portugal exatamente nesse período, mas fiz o caminho inverso...acompanhando também =)


Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 4 visitantes