Relatos de Viagens em Portugal


#1158644 por Marcus Bomfim
27 Jan 2016, 17:28
Em primeiro lugar gostaria de registrar aqui os agradecimentos aos colegas que me ajudaram direta ou indiretamente na montagem do meu roteiro para Portugal, seja respondendo minhas dúvidas ou simplesmente por terem feito relatos de sua viagem. Adoro escrever, mas mesmo que não gostasse, sentiria-me com o dever moral de dar um retorno que pode ajudar a algumas pessoas.

Considero importante também registrar que a narrativa que vou fazer é reflexo de todas as experiências até então vividas, das expectativas em relação a viagem, e das escolhas do que considero importante para destacar, não tendo, portanto, a pretensão de dizer a verdade sobre Portugal ou qualquer outra coisa. Trata-se apenas de mais um olhar, nada mais do que isso.

O relato não será curto, pois considero indispensável situar o contexto que explicita alguns atravessamentos que moldaram o olhar, as expectativas e as emoções vividas, assim, começo falando do planejamento.

1) O planejamento

Estava previsto para janeiro de 2016 um evento acadêmico na Universidade de Lisboa sobre o meu tema de pesquisa no doutorado: avaliação e aprendizagem. Mais ou menos em junho do ano passado, pesquisei o preço de passagens com vistas a participar do Congresso e me deparei com o valor de mais de 5 mil reais. Imediatamente desisti de participar. Em agosto, em Florianópolis participando de outro evento, estava conversando com um amigo sobre viagens e ele disse que a TAP estava com uma excelente promoção de dia dos pais para vôos a partir de janeiro. Fiquei animado com a possibilidade de participar do evento, e claro, cruzar o Atlântico pela primeira vez (minhas únicas experiências internacionais haviam sido uma ida ao Paraguai para ver um jogo do Fluminense pela Libertadores em 2011) e uma ida à Río Cuarto/Córdoba na Argentina também para participar de um Congresso).

Chegando em casa, fui procurar a tal promoção da TAP, mas infelizmente o período da promoção não abrangia o período do evento. No entanto, animei-me quando vi que em um período pouco posterior ao evento as passagens custariam menos de R$3800,00, ida e volta, para mim e minha esposa, e ainda parcelava em 5x sem juros no cartão. Sou um cara muito controlado com as minhas finanças, mas confesso que a animação foi tão grande que ignorei as contas e comprei as passagens.

A partir desse momento, era pesquisar, pesquisar e pesquisar, porque não tinha a mínima ideia de como seria a viagem e nem o quanto gastaria com ela (àquela altura, o Euro custava 3,76 reais e eu tinha esperança de cair, mas no dia da viagem ele estava sendo vendido a R$4,58).

Pesquisando hospedagens, decidi pele rede Ibis porque possui preços acessíveis, boa localização, bom relacionamento com os clientes e o mínimo indispensável de estrutura. Optei pelo Ibis José Malhoa pelo preço e por muito próximo a uma estação de metrô (em Portugal, chamam de métro). Conheci depois o AIRBNB e gostei da alternativa, mas fechei o hotel mesmo, pois minha esposa tinha (ou tem)receio em relação a esse tipo de hospedagem. O valor da hospedagem com o café-da-manhã ficava em €259, que pela cotação de agosto dava menos do que paguei para ficar seis dias sozinho em uma pousada em Florianópolis. Nem acreditei. Mas quando paguei, já em janeiro via cartão de crédito, o valor ficou em R$1160,32.

Não sabia o quanto levar de dinheiro, mas ouvindo o meu amigo que indicou a promoção e já visitou quase toda a Europa, ele disse que com €100 por dia eu conseguiria passar bem com a minha esposa. Li um relato aqui que falava em €125/dia incluindo criança. Comecei a ler relatos e pesquisar preços das coisas que queria visitar e decidi que queria levar €1000,00 para não passar sufoco. Li também que o ideal é ir comprando aos poucos para não ficar tão vulnerável às instabilidades do câmbio, ainda mais em período de crise econômica como a que estamos vivendo. Assim, comprei euros em três oportunidades e o valor médio pago por euro foi de R$4,26. Para ficar mais seguro, optei por levar €1100,0.

Assim, os custos ficaram da seguinte forma:
Passagens + taxas: R$4065,92
Hospedagem com café-da-manhã: R$1160,32
Euros: R$4684,9
Taxi do aeroporto para casa na volta: R$70,00
Total: 9981,14 (mas trouxe dinheiro de volta).

Obs.: Para não ter custos adicionais com celular/internet (plano para 7 dias com 50 min em ligações e internet ilimitada saia por 199,9 na vivo) decidimos que só usaríamos o wi-fi do hotel e de eventuais restaurantes.

2) Escolhendo locais a serem visitados

Na inocência de mochileiro de primeira viagem, achei que teria tempo suficiente para visitar o que quisesse em Lisboa, ir ao Porto , à Fátima e visitar uma vinícola. Ledo engano.

Depois de muito ler, pesquisar e avaliar alguns conselhos recebidos aqui, optei por um roteiro que incluía as principais atrações de Lisboa, Sintra e Fátima, e se sobrasse tempo e dinheiro, iria a Óbidos. Sobrou dinheiro, mas não sobrou tempo. Inclusive ainda restou algumas coisas a fazer em Lisboa e Sintra.

Essa questão tem muito a ver com o estilo de cada pessoa. Eu e minha esposa não gostamos de apenas olhar superficialmente a paisagem, os monumentos, etc., portanto, curtimos bastante cada coisa que escolhemos visitar. Decidimos também que não dá para ficar tão pouco tempo em um lugar tão rico em monumentos como em Portugal e certamente em toda a Europa. Assim, viagem à Europa agora só com pelo menos 15 dias.

3) Arrumando as malas

Em relação à mala propriamente dita, seguimos uma dica aqui mesmo do mochileiros.com de mesclar roupas de ambos nas duas malas, pois em caso de extravio de apenas uma, ninguém ficaria absolutamente prejudicado.

Na bagagem de mão, além de uma roupa íntima para cada, um casaco para mim (minha esposa já foi vestida com um), máquina fotográfica, bastão de selfie, protetores auriculares para eventual passageiro roncador (rsrsrs) e um livro (biografia do Tim Maia... o bicho era muiiito louco, rsrs) e uma revista (da wine), levamos também a pasta com a documentação, que a partir de pesquisas foi composta pelos seguintes itens:
- passaportes (originais e cópias);
- cópias de cartões de créditos devidamente liberados (mesmo sem pretender usar, liberei dois cartões para caso de emergência):
- recibo da hospedagem;
- recibo das passagens;
- cópia do Certificado de Schengen, adquirido gratuitamente junto à Mastercard por ter adquirido as passagens pelo cartão de crédito (não fosse isso, teria feito o seguro na touristcard).

Detalhe: na imigração, passamos juntos minha esposa e eu e não nos pediram absolutamente nada. Apenas perguntaram se estávamos chegando do Rio de janeiro.

4) Partindo para Lisboa

Nas duas semanas anteriores à viagem, vinha acompanhando sistematicamente a meteorologia em Lisboa. Estava feliz por não haver previsão de chuva para dia algum da viagem e a temperatura estar variando entre 8 e 18 graus. Chuva sempre atrapalha e o frio é um problema para minha esposa que é extremamente friorenta. Contudo, dois dias antes da viagem as previsões mudaram a passaram a prever chuva para o dia da nossa chegada, o dia seguinte e o dia do nosso retorno. Lamentei, mas não há o que se fazer a não ser se adaptar às circunstâncias.

A questão que mais gerava angústia era o voo. Minha esposa tem muito medo de altura e pavor de turbulências, por mais brandas que sejam, e seu coração disparava quando lembrava que ficaríamos horas sobre o Atlântico. falar em uma viagem de nove horas de duração lhe dava calafrios. Por todo esse contexto, a minha angústia era como ela se portaria, mas tudo saiu melhor do que eu esperava, graças a Deus. Ambos os vôos foram muito tranquilos, com pouquíssima turbulência e bem suave.

Em relação a voar com a TAP, havia lido relatos sobre o mau humos dos comissários e sobre a oferta de duas possibilidades de escolha de comida. Sobre a primeira questão, a experiência que tivemos não corroborou algumas informações obtidas, pois todos os comissários estavam sempre sorrindo e bastante solícitos. Quanto às refeições, não havia possibilidade de escolha, mas o que foi oferecido, tanto na ida como na volta, estava tudo muito bom.

Em ambos os vôos foram oferecidas duas refeições: um jantar e um café-da-manhã.

[img]
20160120_021007.jpg
[/img]

[img]
20160120_081912.jpg
[/img]

No jantar bebi dois copos do vinho tinto Esteva, produzido pela casa Ferreirinha. Muito bom! Esse foi apenas o primeiro dos muitos que bebi nessa viagem.

O ponto negativo para mim é o espaço. Esperava que fosse um pouco maior a largura da poltrona e o espaço para a da frente e a de trás. Tenho 1,78m e passar nove horas assim é desconfortável, mas... vida que segue.

Um detalhe me chamou atenção: a TAP dá nome aos seus aviões. O que nós viajamos até Lisboa chamava-se D. João II.

Após o café da manhã aumenta a ansiedade pela chegada pela primeira vez no Velho Mundo, que para nós tratava-se de um Novo Mundo. Eis a primeira imagem de Lisboa:

[img]
20160120_090247.jpg
[/img]
Anexos
20160120_090247.jpg
"Terra a vista!"
20160120_090247.jpg (1 MiB) Exibido 2451 vezes
20160120_081912.jpg
Café da manhã servido na ida
20160120_081912.jpg (1.17 MiB) Exibido 2451 vezes
20160120_021007.jpg
Refeição da ida
20160120_021007.jpg (1.32 MiB) Exibido 2451 vezes

#1159049 por Marcus Bomfim
28 Jan 2016, 21:09
O anexo 20160121_102711.jpg não se encontra mais disponível


Continuando...

Primeiro dia em Portugal: Lisboa

Após a rapidíssima passagem pela imigração, fomos pegar as bagagens e depois de ultrapassar o portão de desembarque fui atrás de mapas de Lisboa e Sintra e de saber onde comprar o cartão zapping para o transporte (serve para metrô, ônibus (que eles chamam de autocarro) e trens (que eles chamam de comboio). Com o cartão a passagem fica mais barata do que pagar na hora em cada transporte. Ônibus e metrô, com o cartão, custam €1,25. Considerando que eles ganham em euro, a passagem é muito mais barata que aqui. Se alguém for andar apenas de ônibus e metrô várias vezes no dia, vale a pena comprar o cartão de €6 que vale para todo o dia independente do número de viagens. Mas, detalhe: tem de ser um cartão por pessoa.

Aliás, em relação a achar algo caro ou barato, aprendi que não devemos ficar convertendo, pois o valor deve ser visto de acordo com a moeda daquele país, ou seja, como estava na Europa tenho que calcular a passagem a 1,25 e não multiplicar pelos R$4,26 que paguei em média pelos euros que levei. E tem um ditado que considero bastante válido para viagens à países com moedas muito mais valorizadas que a nossa: "Quem converte, não se diverte!".

Em um balcão de informações me informaram que eu podia comprar o cartão do transporte em qualquer estação de metrô. Vi a venda um caderno com mapas e informações sobre Lisboa e Sintra fui comprar. O atendente pediu para eu esperar, foi em uma salinha e voltou com vários mapas de Lisboa e Sintra e me deu. Falou para gastar o dinheiro com outras coisas. Primeiro choque cultural.

Havia visto aqui mesmo do Brasil as possibilidades de transporte do aeroporto para o hotel. Tinha o aerobus, que custaria €6,6, mas demoraria uns 30 minutos, e o táxi, que pelo que tinha visto, daria cerca de €8 mais as bagagens. Como estávamos doidos para chegar no hotel e depois conhecer a cidade, optamos pelo táxi.

Perguntei ao motorista quanto daria mais ou menos a viagem e ele disse que era pelo taxímetro. Insisti perguntando sobre uma previsão e ele disse "18 a 20 euros". Bem mais caro do que havia visto daqui. Falei que havia visto que o hotel não era tão longe, mas ele argumentou que era contra-mão. Fomos! A corrida deu €18,8.

Chegamos no hotel, paguei a taxa de turismo de €10, recebemos os vouchers com senhas para usar o wi-fi e fomos deixar as malas no quarto, nos comunicar com nossos pais que havíamos chegado bem, e partir para almoçar e conhecer Lisboa. Em nossos rostos, só sorrisos. A temperatura era de 14 graus e não chovia. Para mim, tranquilo. Para Regilane, muiiito frio.

Fomos para a estação de metrô Praça de Espanha, a mais próxima do hotel (3 minutos caminhando) e, surpresa... não havia cabine de informação, nem de venda de bilhetes e nem vigilantes. Perguntamos a um moço que passava como fazíamos para comprar o cartão zapping, e ele nos levou até a máquina onde se efetua a compra. Mostrou como fazia e assim compramos nossos dois bilhetes. O cartão custa €0,5 (eles não falam centavos, falam cêntimos) e carreguei €15 em cada cartão, totalizando €31. (Não queria colocar muito dinheiro, pois o roteiro poderia sofrer alterações e não queria perder grana, mas acho que em alguns dias teria valido mais a pena comprar o de €6 euros diários). Estávamos aptos a entrar no metrô. Mais um choque cultural! Tudo feito eletronicamente em uma máquina que aceita até moedas, dá troco, imprime o bilhete e um recibo. O detalhe é que acabáramos de aprender a usar a máquina e logo em seguida ensinamos duas senhoras a usar, pois elas não sabiam, e isso ocorreu mais uma vez depois com um rapaz que também não sabia mexer.

Chegamos na plataforma para esperar o metrô e lá havia um quadro informando em quanto tempo o próximo estaria chegando ali. Não levei fé que funcionava, mas quando mostrou quem em 20 segundos o metrô estaria ali começamos a ouvir o barulho e... lá estava pontualmente. Mais um choque cultural! Como sou um cara que me incomodo demais com atrasos, fiquei extremamente feliz em ver que existe lugar onde horário não é apenas referência, mas compromisso. Ainda assim, imaginei que isso só fosse possível no metrô porque não tem trânsito, que nada. Nos pontos de ônibus também tem e comprovei no dia seguinte.

[img]
20160121_102711.jpg
[/img]

Embarcamos e saltamos na estação Restauradores. Ao subir a escada demos de cara com a praça D. Pedro IV (para eles, pois para nós é o D. Pedro I). Linda praça! Começamos a olhar ao redor e ver como é bonito o Centro de Lisboa. Regilane dizia se sentir em um filme. Como estávamos com fome, deixamos para tirar fotos na volta e fomos procurar um lugar para começar nossa aventura gastronômica em Portugal. Descemos em direção ao Tejo, passamos em frente a linda estação de trens do Rossio e chegamos no nosso primeiro restaurante, chamado Café Gelo. E ali vimos como funciona a maioria dos restaurantes portugueses. Tem sempre o que eles chamam de menu, geralmente composto por uma entrada (sopa ou pão), um prato principal, uma bebida e uma sobremesa. Nesse, não tinha a entrada, mas um prato de bacalhau gratinado com espinafre + salada + suco + sobremesa saía por €6,95, e acreditem, o bacalhau dava para nós dois. Pedimos uma porção extra de batata frita e mais um suco e a conta ficou em €9,74. Inacreditável! Jamais conseguiria comer isso no Rio de Janeiro por menos de R$10. A fome e o deslumbramento eram tantos que nem tiramos foto, mas o prato estava bonito e muito gostoso. Detalhes importantes: nos restaurantes que possuem parte externa (esplanada), os preços são diferenciados, sendo mais barato comer na parte de dentro; e o melhor... NENHUM RESTAURANTE COBRA 10%. Que maravilha!

O garçom que nos atendeu era brasileiro e carioca, da Ilha do Governador. Foi muito gentil, conversou um pouco sobre como é viver em Portugal e disse que só volta ao Brasil de férias, pois para morar "não dá". Esse caso particular representa um consenso entre os brasileiros que tivemos contato lá.

Conforme havia lido por aqui no mochileiros, deixamo-nos "perder" pelas ruas de Lisboa indo na direção do Tejo. Na caminhada vimos uma pequena fila e lá estava o Elevador de Santa Justa. Por conta da fila e por querermos chegar logo às margens do Tejo, deixamos o elevador para depois. Seguimos em frente e chegamos à Praça do Comércio. Caiu a ficha de que estávamos em Portugal.

20160120_161315.jpg
Praça do Comércio (Terreiro do Paço) tendo a estátua de D. José e o Arco da Augusta ao fundo.
20160120_161315.jpg (272.87 KiB) Exibido 2280 vezes




Trata-se da porta de entrada de Lisboa. Linda e imponente. Ficamos ali admirando a paisagem, tirando algumas fotos, até que um coroa nos ofereceu maconha. Também já havia lido aqui que isso lá é normal. Disse não e vida que segue. Mais tarde, caminhando pela Rua Augusta, outro rapaz também me ofereceu. Depois desse, isso não ocorreu mais dia algum.

Fomos na beira do Tejo, caminhamos por ali, tiramos algumas fotos e decidimos entrar no Lisboa Story Centre. Trata-se de uma espécie de centro cultural que faz uma narrativa interativa da história de Lisboa. Cada visitante recebe um aparelho tradutor (pode ser usado em vários idiomas) com sensor que localiza em que parte você está e conta a história daquele tempo/espaço retratado em imagens e/ou réplicas. Como professor de História fiquei bastante empolgado e pensando em quão importante para o Rio de Janeiro seria ter um espaço desse. Recomendo demais esse passeio. O valor foi €8 por pessoa, em um combinado com o Arco da Augusta (na verdade, ganha-se um desconto para o elevador onde ao invés de pagar €5, paga €1,25).

DSC06566.JPG
Uma réplica...
DSC06566.JPG (2.2 MiB) Exibido 2280 vezes


Na saída, depois de cerca de uma hora lá dentro, deparamos com a Praça do Comércio iluminada. Que espetáculo de beleza!

20160120_181304.jpg
Praça do Comércio a noite!
20160120_181304.jpg (1.19 MiB) Exibido 2280 vezes


Saímos dali para ir ao restaurante Café à Brasileira, mas caminhando pela Rua Augusta avistamos o famoso Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau (eles chamam o bolinho de bacalhau de pastel de bacalhau). Decidimos entrar e deixar o outro restaurante para outro dia. Pedimos três bolinhos (2 para mim e 1 para Regilane) e duas taças de vinho branco da casa. O bolinho era recheado com queijo serra da estrela. Delicioso! Melhor bolinho de bacalhau que já comi na vida. Cada bolinho custava €3,5 e cada taça de vinho €1,5. Total da conta: €13,5.

20160120_182800.jpg
Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau. Show!
20160120_182800.jpg (1.23 MiB) Exibido 2280 vezes


O cansaço da viagem já se fazia sentir, estávamos satisfeitos em termos de alimentação e o dia seguinte previa ida a Belém para visitar o Mosteiro dos Jerônimos, o Padrão dos Descobrimentos, a Torre de Belém, o Museu dos Coches e a famosa casa dos Pastéis de Belém pela manhã, e o Castelo de São Jorge, o Elevador Santa Justa e algumas outras praças de Lisboa. Fomos caminhando na direção da estação Restauradores para pegar o metrô e paramos para encerrar a noite em um café. Regilane pediu um capuccino e eu um chocolate quente. Estavam muito bons e pagamos €3,95. Praticamente ao lado da estação encontra-se o belíssimo terminal rodoviário do Rossio (falamos Róssio e eles Rossío).

DSC06625.JPG
Estação do Rossio
DSC06625.JPG (2.35 MiB) Exibido 2280 vezes


Detalhe da estação Restauradores: nas paredes, há pinturas homenageando várias cidades do mundo. Ao lado de cidades como Roma, Londres e Paris, encontramos o nosso Rio de Janeiro.

20160122_195756.jpg
Pintura em homenagem ao Rio de Janeiro na estação Restauradores do metrô.
20160122_195756.jpg (1.1 MiB) Exibido 2280 vezes


Chegamos no hotel, compramos uma água de 1,5l e um suco de laranja em garrafinha por €4,1 e fomos dormir mortos de cansado, felizes pelo que já havíamos visto/vivido e ansiosos com tudo o que ainda teríamos pela frente.

Total de gastos do dia:

Táxi do aeroporto para o hotel: 18,8
Taxa de turismo no hotel: 10
Bilhetes zapping (transporte): 31
Almoço: 9,74
Lisboa Story Centre + Arco da Augusta: 16
Bolinhos de bacalhau: 13,5
Café/Chocolate: 3,95
Água + suco: 4,1

Total: €107,09.
Anexos
20160121_102711.jpg
Letreiro no ponto de ônibus. pena que a câmera não pega o marcador do horário.
20160121_102711.jpg (921.42 KiB) Exibido 2280 vezes
#1159338 por Marcus Bomfim
29 Jan 2016, 18:40
Continuando...

Segundo dia em Lisboa

Acordamos às 07:30 e da janela do quarto vimos muita neblina, chuva e noite. Na Europa, as noites no inverno são significativamente mais longas. Começa a clarear depois das 8h. Confesso que desanimei com o clima, principalmente por conta do que estava programado para aquele dia. Decidi alterar o planejamento e ir para um local que fosse fechado, assim, a escolha foi o Oceanário, que fica na parte modernizada da cidade, próximo à estação Oriente do metrô e ao shopping Vasco da Gama, que apesar do nome, é de primeira (rsrs).

Aqui mesmo do Brasil eu já havia, por meio do goggle maps, visto como seriam todos os deslocamentos, mas, para confirmar as informações, perguntava na portaria do hotel. Podem confiar no google! No hotel sugeriram pegar um ônibus para poder ver a cidade, pois de metrô isso não é possível. Aceitei a ideia e partimos. Antes de entrarmos na estação Praça de Espanha, comprei um guarda-chuva do modelo "familião" (guardem esse detalhe).Pegamos o metrô até a estação Marquês de Pombal e depois o ônibus 744 até a estação Oriente. A chuva não permitia ver belezas, mas não impediu de ver a organização. O trânsito não tem nada de caótico.

Chegando lá, vimos o Parque das Nações, que fica atrás do shopping e ao lado de uma arena. Lá estão as bandeiras de vários países do mundo que participaram da EXPO-98, inclusive a do Brasil.

DSC06635.JPG
Parque das Nações!
DSC06635.JPG (2.51 MiB) Exibido 2213 vezes


DSC06636.JPG
Regilane sob a bandeira do Brasil.
DSC06636.JPG (1.91 MiB) Exibido 2213 vezes


Queria andar no teleférico para ter mais uma bela vista do Tejo e de Lisboa, mas a neblina que ali estava me impediria de ter tal vista, assim, decidi acompanhar a Regilane que, com neblina ou sem neblina, com chuva ou com sol, não iria no teleférico pelo medo de altura.

DSC06632.JPG
Teleférico!
DSC06632.JPG (2.41 MiB) Exibido 2213 vezes


Fomos caminhando até a outra ponta onde encontra-se o Oceanário, o maior aquário da Europa. Pagamos €17 cada um para ver as exposições permanente e temporária. Comparado aos demais preços de ingressos, é caro, mas achamos que valeu a pena, e muito, principalmente a exposição permanente. O aquário é fantástico, e logo ao entrar sentimos cheiro de mar. Muito legal! Mas não é só a beleza e a diversidade das espécies que chama a atenção. O conceito de um só mar e o apelo a preservação me parecem indispensáveis. Tiramos várias fotos.

20160121_122304.jpg
Tubarão!
20160121_122304.jpg (1007.8 KiB) Exibido 2213 vezes


20160121_123142.jpg
20160121_123142.jpg (245.89 KiB) Exibido 2213 vezes


20160121_130607.jpg
Peixes coloridos!
20160121_130607.jpg (1.61 MiB) Exibido 2213 vezes


20160121_131239.jpg
20160121_131239.jpg (1.27 MiB) Exibido 2213 vezes


Demoramos bastante vendo a exposição permanente e antes de irmos para a temporária já estávamos com fome e paramos para almoçar no Restaurante do Tejo, que fica no mesmo prédio das exposições. O menu incluía sopa de vegetais e pão de entrada, prato principal (escolhemos salmão com molho de limão), batatas e salada, bebida e sobremesa por €9,8. Incluímos mais um pão, um suco e duas garrafinhas de água para poder levarmos, e nossa conta ficou em €14,2. Ficamos satisfeitos, mas o salmão estava tão espetacular que eu teria comido inteiro apenas ele.

Do almoço fomos para a exposição temporária "Florestas Submersas". Incomparavelmente menor, mas com algumas coisas interessantes.

Saindo de lá, demos uma passada no shopping (mulher não consegue se segurar, rsrs), pois Regilane queria comprar um gorro, pois o dela estava apertando muito. Não comprou o gorro, mas comprou um óculos escuros em uma loja portuguesa tipo C&A, a HM, se não me engano. Depois de rodar mais um pouco pelo shopping, decidimos voltar para o Centro de Lisboa e tentar fazer alguma coisa por ali, pois a chuva havia dado uma trégua. Indo pegar o metrô, vimos uma barraquinha que vendia objetos de decoração e comprei uma coruja para minha madrinha (ela coleciona corujas, e toda viagem que faço, levo uma para ela do local que eu estiver). Perguntei a Regilane sobre o guarda-chuva e... perdi! Voltei ao banheiro e às lojas que entrei com ela, mas não encontrei. Sou campeão mundial de perda de guarda-chuvas, vocês vão ver. Hehehehe.

Como a estação Oriente faz parte da linha vermelha do metrô, saltamos na estação São Sebastião para fazer baldeação e pegar a linha azul (a que nós sempre andávamos). Saltamos na estação Baixa-Chiado e logo ao lado está o famoso Café a Brasileira, local muito frequentado por Fernando pessoa, tanto que há uma estátua de bronze lá em sua homenagem.

20160121_173526.jpg
Café a Brasileira
20160121_173526.jpg (1.3 MiB) Exibido 2213 vezes


Pedi um sanduíche de queijo com fiambre e Regilane quis um pastel de nata e um suco de laranja (eles chamam de sumo). O objetivo de pedir o pastel de nata era ter parâmetro para comparar com o oficial de Belém. Total da conta: €6,9.

Quando saímos, estava havendo uma espécie de comício de campanha para um candidato a presidente, se não me engano Edgar Silva. Descobrimos que haveria eleições presidenciais no domingo. Achamos estranho, pois não havia galhardetes espalhados, ninguém distribuindo santinhos e outras coisas mais que são comuns ao período eleitoral no Brasil. No pequeno evento havia uma bandinha tocando marchinhas de músicas brasileiras.

Escolhemos uma rua para descer e seguimos, sempre na direção do Tejo. Chegando na Praça do Comércio provamos a tradicional bebida Ginginha (um licor bem forte), servida no copo de chocolate em duas doses por pessoa (Regilane só bebeu uma). Valor: €1,65 cada "dose dupla".

Como não estava chovendo, decidimos ir até a Sé de Lisboa. Subimos algumas ruas e chegamos. Muito bonita. Antes de ser Sé de Lisboa, fora uma capela muçulmana.

20160121_181015.jpg
Sé de Lisboa
20160121_181015.jpg (1.09 MiB) Exibido 2213 vezes


Como já estávamos ali, subimos mais um pouco para ver se achávamos o Wine Bar do Castelo (não havia anotado o endereço), mas não achamos. Cansados, resolvemos descer e procurar o restaurante Café Lisboa que eu havia escolhido após ler um relato de viagem aqui no Mochileiros. Depois de rodar um pouco achamos o escondido restaurante. Ambiente extremamente acolhedor, velas na mesa, som ambiente baixinho... show! Dois tipos de pães e duas pastas de couvert. Depois escolhemos dois croquetes de novilho com mostarda dijón de entrada e escolhemos pastel de Lisboa com arroz de grellos como prato principal. Cada um desses pratos estava espetacular, coroados pelo excelente vinho Porrais, da região do Douro.

20160121_194946.jpg
Pastel com recheio de novilho com arroz de grellos
20160121_194946.jpg (1.21 MiB) Exibido 2213 vezes


O que faz do lugar tão especial não é só o ambiente e a excelente gastronomia, mas o atendimento. Chegamos a ter três garçons ao nosso lado servindo e conversando com a gente. De política portuguesa a carnaval carioca e modos de viver aqui e lá. Além disso, nos deram dicas de restaurante em Sintra e locais para comprar os famosos travesseirinhos, principal doce da região. Descobrimos nessa conversa que os melhores vinhos portugueses ficam em Portugal, ou seja, não são feitos para exportação. Esse era muito bom!

20160121_193816.jpg
Vinho Porrais!
20160121_193816.jpg (1.23 MiB) Exibido 2213 vezes


Saímos de lá maravilhados. A conta foi de €40,5, mas já sabíamos que era um restaurante mais "burguesinho". Regilane ainda comprou o livro de receitas do chefe da rede. Pegamos o metrô para o hotel porque no dia seguinte era dia de ir a Sintra. Muita torcida para que não chovesse.

Gastos do dia:

Oceanário: 34
Almoço: 14,2
Café a brasileira: 6,9
Ginginha: 3,3
Jantar: 40,5

Total: €98,9.

Obs.: Não incluí os valores dos transportes por já ter carregado os cartões no primeiro dia. E as demais coisas foram por opção. assim, estou privilegiando na conta os custos com transporte, locais de visita e comida.
#1160238 por Marcus Bomfim
01 Fev 2016, 23:37
Continuando...

Terceiro dia: Sintra

Acordamos cedo e para nossa felicidade não chovia, contudo, a neblina era significativa. Havia feito previsão de custos com transporte até o fim da viagem e antes de embarcar para a estação Restauradores, recarreguei cada cartão com mais €10. Chegando lá fomos para a belíssima estação do Rossio esperar o trem que, já não mais para nossa surpresa, saiu no horário previsto.

20160122_102129.jpg
Esperando trem para Sintra!
20160122_102129.jpg (380.55 KiB) Exibido 2105 vezes


A viagem foi tranquila e em cerca de 40 minutos chegamos a Sintra.

DSC06704.JPG
Estação de Sintra!
DSC06704.JPG (2.08 MiB) Exibido 2105 vezes


A alguns metros da estação encontra-se o ponto de ônibus das linhas 434 e 435. Cada um deles faz um circuito relacionado a pontos de visita e funcionam no esquema sobe e desce em qualquer ponto dentro daquele circuito. No caso, o 434 era o que nos servia, pois ele faz o circuito da Pena e nosso planejamento previa visitarmos o Palácio da Pena e o Castelo dos Mouros. Depois teríamos de ir a pé (acho que era longe) ou pegar o 435 para visitar também a Quinta da Regaleira, mas infelizmente não deu tempo, apesar de ser por causas nobres. A passagem nesses ônibus custam €5 por pessoa.

Pegamos o ônibus e iniciamos a subida. A neblina era muito densa e chuviscava de vez em quando. Chegamos no Castelo e compramos o combinado Castelo + Palácio (€17,11 por pessoa). Fazia 7 graus, mas as subidas e descidas por ali davam sensação térmica superior, a ponto de acharmos que Lisboa com 14 era mais frio. Percorremos pelas muralhas, torres e demais áreas do Castelo e, apesar de ter a vista privilegiada da paisagem natural e do Palácio da Pena obstruída pela neblina, estava muito feliz por ver minha esposa enfrentando o medo e caminhando por lugares altos e estreitos que achei que ela não fosse topar. Acho que nesse ponto a neblina ajudou, pois diminuía a percepção da altura (rsrsrsrs).

Detalhe: é comum confundirmos castelos com palácios pensando tratar-se das mesmas coisas, mas não é assim, ao menos em Portugal. Os castelos eram fortificações e serviam essencialmente para defesa, enquanto os palácios serviam de residência para a família real e nobreza.

DSC06715.JPG
Muita neblina em Sintra!
DSC06715.JPG (2.14 MiB) Exibido 2105 vezes


20160122_123133.jpg
Castelo dos Mouros!
20160122_123133.jpg (1.07 MiB) Exibido 2105 vezes


Depois de rodar pelo Castelo dividimos um lanche (sanduíche de atum + suco de frutas vermelhas + água) que custou €7,1 e rumamos para o Palácio da Pena a pé.

20160122_133540.jpg
Indo para o Palácio da Pena
20160122_133540.jpg (361.76 KiB) Exibido 2105 vezes


Chegamos e nos espantamos com a beleza do Palácio, que mistura vários estilos arquitetônicos em harmonia. Mesmo com toda a neblina, estávamos felizes de ver aquele palácio e estar ali.

20160122_143146.jpg
No Palácio da Pena!
20160122_143146.jpg (252.55 KiB) Exibido 2105 vezes


Tiramos fotos lá fora e muitas fotos lá dentro. Regilane adora palácios e diz que se existe reencarnação, ela já viveu em palácios em vidas passadas, rsrsrs. Ficamos horas lá e quando saímos já eram quase 16h e nem havíamos almoçado. Ainda assim, ela fez questão de perder mais um tempo na lojinha que tem na saída do palácio.

Detalhe: na maioria dos lugares visitados, a saída é sempre por uma lojinha. E ainda dizem que portugueses são burros...

Quando finalmente saímos, pegamos o 434 e saltamos no Centro Histórico para almoçar e comprar os famosos travesseirinhos de Sintra, doce típico da região. Os garçons do Café Lisboa haviam indicado o Café Paris para almoçar, mas optamos por outro, pois o indicado era caro e já iríamos no Clube do Fado a noite, ou seja, para pagar caro ali, não teríamos tempo de aproveitar (reserva para 20h no Clube do Fado) e já sabíamos que iria pagar caro a noite. Àquela altura, já havíamos descartado, por falta de tempo, a visita a Quinta da Regaleira. Foi até bom, pois assim temos motivos para voltarmos a Sintra.

Fomos em um restaurante mais escondidinho e pedimos o menu que vinha com 6 sardinhas (inteiras), salada de alface com tomate, pão e duas taças de vinho branco. Sardinha maravilhosa e pagamos €16.

20160122_173300.jpg
Sardinhas!!!
20160122_173300.jpg (1.2 MiB) Exibido 2105 vezes


Depois de nos deliciarmos com as gigantes sardinhas, fomos atrás dos travesseiros e queijadas na famosa confeitaria Periquita. Compramos duas unidades de cada um dos doces e pagamos €4,4.

Detalhe: queijada é diferente do que aqui nós conhecemos como queijadinha, ao menos aqui no Rio. O que chamamos de queijadinha eles chamam de bolo de coco. Já estávamos atrasados para o fado e partimos para pegar o 434 e irmos para a estação.

Mais uma vez o trem saiu no horário previsto e fomos para o hotel trocar de roupa e partir para o Clube do Fado, que fica coladinho na Sé de Lisboa. Que espetáculo! Dizem que é a melhor casa de fado de Lisboa, e não duvido. Na parede há fotos dos músicos com famosos como caetano Veloso, Milton Nascimento, Maria Bethânia e Cristiano Ronaldo tiradas ali mesmo. Clima aconchegante, atendimento nota dez, cantores excelentes e comida maravilhosa. Os únicos "poréns" ficaram por conta do couvert, que mesmo não pedido foi colocado na mesa e veio na conta bem caro (€5 por pessoa e cobraram dois) e de terem pensado que o troco era caixinha, pois deu €87,5 e não retornaram com €2,5 do troco.

Destaca-se o excelente caldo verde que comemos de entrada, o bacalhau e vinho tinto da casa. Em relação ao fado, é um espetáculo a parte. Quando os artistas entram, as luzes do salão se apagam e focam apenas neles, os garçons se retiram e o show começa. Cantam quatro músicas e saem, no que as luzes principais se acendem e os garçons retornam para os pedidos. Naquele dia, foram quatro cantores diferentes que se apresentaram, sendo que um era um dos músicos que tocava.

20160122_233343.jpg
Clube do Fado!
20160122_233343.jpg (1.02 MiB) Exibido 2105 vezes


Estávamos muito cansados e, por isso, pedimos um táxi (€10) para o hotel e mudamos a programação do sábado que previa irmos a Fátima. Optamos por deixar para domingo e investir na Feira da Ladra e em Belém no sábado, além do Estádio da Luz para ver um jogo do Benfica. Que dia maravilhoso!

Total de gastos:

Recarga no cartão de passagem: 20
Ônibus em Sintra: 10
Castelo dos Mouros + Palácio da Pena: 34,22
Lanche: 7,1
Almoço: 16
Doces: 4,4
Clube do Fado: 90
Taxi: 10

Total de gastos: €191,72.
#1160383 por Marcus Bomfim
02 Fev 2016, 13:20
Continuando...

Fomos dormir no dia anterior torcendo para que a previsão de um pouco de sol se confirmasse. Como disse, desejávamos ir à Belém, Feira da Ladra (havia lido aqui que era domingo, mas é sábado) e jogo do Benfica. Conversando com a recepcionista do hotel, a Feira da Ladra subiu no telhado, pois foi dito por ela que o forte da feira é pela manhã, apesar de acabar apenas as 17h, e o jogo do Benfica era às 18:30, ou seja, sobraria pouco tempo para Belém, onde queríamos visitar o Mosteiro dos Jerônimos, o Padrão dos Descobrimentos, a Torre de Belém, o Museu dos Coches e, é claro, os Pastéis de Belém. Assim, pegamos o metrô para a Praça do Comércio (estação Terreiro do Paço) e lá pegamos o bonde 15 para Belém.

DSC06903.JPG
Bonde 15
DSC06903.JPG (1.78 MiB) Exibido 2061 vezes


No trajeto, o bonde encheu bastante quando parou na estação Cais do Sodré, e ali vimos pela primeira vez um problema social lusitano. Um cidadão entrou falando alto, estava desorientado e/ou drogado, comendo um sanduíche e perturbou um pouco a viagem, tentando inclusive quebrar o validador dos cartões. Algumas mulheres ficaram com medo, mas ele não tocou em ninguém. Saltou antes de chegarmos a Belém.

Chegando em Belém, saltamos no Mosteiro dos Jerônimos e iniciamos a belíssima jornada. Comprei um combinado Mosteiro + Torre de Belém por €12 por pessoa. Iniciamos pela igreja do Mosteiro, onde estão os túmulos com os restos mortais de Camões e Vasco da Gama e que possui uma arquitetura de tiras o fôlego. Aproveitei para fazer um videozinho zoando o vasco e os vascaínos.

DSC06974.JPG
Capela vista de cima
DSC06974.JPG (1.72 MiB) Exibido 2061 vezes


O tempo abriu e fazia calor. Vi portugueses comentando que tratava-se de um dia típico de verão. Visitamos as instalações do Mosteiro. Lindo!

20160123_111853.jpg
Em frente ao Mosteiro!
20160123_111853.jpg (342.91 KiB) Exibido 2061 vezes


20160123_120415.jpg
Dentro do Mosteiro!
20160123_120415.jpg (342.99 KiB) Exibido 2061 vezes


Gostei muito de uma parte que historiciza o Mosteiro desde sua fundação fazendo uma articulação com o que acontecia em Portugal e no resto do mundo. Show!

DSC06969.JPG
Museu do Mosteiro
DSC06969.JPG (1.96 MiB) Exibido 2061 vezes


Saindo de lá, atravessamos a rua e fomos para o Padrão dos Descobrimentos, um lindo monumento feito em homenagem aos "descobridores". Apesar de contestar o termo "descobridores", não há como não reconhecer a enorme coragem desses caras que há mais de 500 anos mergulharam em direção ao "além do horizonte". Acho que a coragem deles entrou por osmose na minha esposa que aceitou subir até o topo do monumento (€4 por pessoa), de onde tivemos, até então, a melhor vista de Lisboa, com o Tejo reluzente e a ponte 25 de abril ao fundo.

DSC07043.JPG
Padrão dos Descobrimentos!
DSC07043.JPG (1.57 MiB) Exibido 2061 vezes


DSC07050.JPG
Tejo com ponte ao fundo!
DSC07050.JPG (1.99 MiB) Exibido 2061 vezes


DSC07054.JPG
Torre de Belém vista do Padrão dos Descobrimentos!
DSC07054.JPG (2 MiB) Exibido 2061 vezes


DSC07058.JPG
Belém visto do alto, com praça, Mosteiro e estádio do Belenenses ao fundo.
DSC07058.JPG (2.42 MiB) Exibido 2061 vezes


Saindo do Padrão dos Descobrimentos em direção à Torre de Belém paramos e sentamos à beira do Tejo para contemplar a paisagem e deixar a ficha cair um pouco de tudo o que estávamos vivendo. Após alguns minutos, caminhamos até a Torre.

DSC07069.JPG
Chegando na Torre de Belém...
DSC07069.JPG (1.84 MiB) Exibido 2061 vezes


A vista é também muito bonita. Lá dentro, há apenas uma escada estreita por onde se sobe e se desce, o que gera um certo congestionamento se as pessoas não respeitarem os avisos luminosos que indicam momento de subir e momento de descer, além disso, torna a visita um pouco mais demorada. Já no meio da tarde e com fome, voltamos andando em direção ao Mosteiro para procurar algum lugar para almoçar. Regilane estava com bastante fome e eu preocupado com o horário do jogo. Àquela altura o Museu dos Coches também havia subido no telhado.

Por conta da fome dela e da minha pressa, pois ainda precisávamos ir na Pastelaria de Belém, não escolhemos muito e paramos bem ao lado do Mosteiro no restaurante Flor dos Jerônimos. Após solicitarmos dois pratos do dia que já não tinha mais, Regilane escolheu um omelete de fiambre, pois havíamos visto em outra mesa e estava bem bonito. Eis que a garçonete, brasileira, exclama: "Vêm do Brasil para comer ovo?". Independente de alguém concordar ou não com ela, não há como não reconhecer a infelicidade dela com tal comentário. Lamentável! O único "senão" com atendimento foi propiciado por uma brasileira. Lamentável (2)! Pedi o vinho da casa e foi o pior que bebi em Portugal. O prato demorou, mas chegou (isso porque era ovo, hein). Pedimos dois, pois ela havia dito que era pequeno, e era mesmo. A conta ficou em €20,6.

Saímos e andamos alguns metros até chegar nos Pastéis de Belém. A fila andava rápido e compramos quatro pastéis por €4,2. Não sou grande fã de doces, mas confesso que esses pastéis são muito bons e, como disseram, diferente de todos os outros pasteis de nata que havíamos comido até então.

20160123_164713.jpg
Deliciosos pastéis de Belém
20160123_164713.jpg (1.36 MiB) Exibido 2061 vezes


Pegamos o ônibus para a Praça do Comércio pois de lá iríamos pegar o metrô para a estação Colégio Militar/Luz para ir ao jogo. No caminho, alguém que estava no ônibus mostrou que do lado de fora um batedor de carteiras, já senhor, acabara de tungar uma moça. Eram duas moças com seus respectivos companheiros e não sei dizer se eram turistas, mas Regilane acha que sim. Correram atrás do cara e pegaram-no. Um segurou e o outro deu-lhe um soco na cara. Quando ele caiu, as mulheres começaram a bater nele e jogaram até cadeira de plástico de um bar. O ônibus andou e não vimos como a coisa terminou. Deve ser terrível viver num lugar onde há batedores de carteira (rsrsrs).

Saltando na estação da Luz, seguimos o fluxo, pois o metrô havia enchido de torcedores benfiquistas. De longe dava para ver a grandiosidade do estádio. Fomos para a fila e compramos o bilhete mais barato para não-sócios (€14 por pessoa), que era o setor lateral superior coca-cola.

20160123_182752.jpg
Ingresso para Benfica x Arouca pelo campeonato português!
20160123_182752.jpg (490.48 KiB) Exibido 2061 vezes


O estádio é lindo e estava com excelente público (mais de 51 mil pessoas). O Engenhão foi inspirado nesse estádio em termos de arquitetura, inclusive com os arcos e arquibancada ingrime. A grande diferença está atrás dos gols, pois no Estádio da Luz a arquibancada nesta parte é completa, enquanto no Engenhão há apenas o pavimento inferior. Chamou atenção que lá funciona a figura do animador de torcida, o que no Brasil nunca vi funcionar. Não estou dizendo que deveria, mas é legal ver todo o estádio em um só grito ao invés de torcidas organizadas disputando a música que deve ser cantada.

20160123_191841.jpg
Dentro do estádio...
20160123_191841.jpg (1.43 MiB) Exibido 2061 vezes


O Benfica venceu por 3 a 0. Por termos de levantar muito cedo para ir a Fátima no domingo, decidimos comer alguma coisa no hotel mesmo (baguetes de pizza de fiambre com cogumelos e vinho da casa, uma para cada) e gastamos €20.

Cansados, mas muito felizes com o excelente dia que tivemos.

Gastos:

Mosteiro + Torre: 24
Padrão: 8
Almoço: 20,6
Pasteis de Belém: 4,2
Ingressos para o jogo: 28
Lanche a noite: 20

Total: €104,8.
#1160745 por Marcus Bomfim
03 Fev 2016, 15:05
Continuando...

Domingo, 24/01, dia de Fátima. A previsão era de céu claro e temperatura na casa dos 17 graus. Nos programamos para ir no ônibus das 8h e voltar às 14h (a viagem dura hora e meia), pois queríamos aproveitar o bom tempo e ir no Castelo de São Jorge, em Lisboa. Tomamos café cedo e fomos caminhando até a estação rodoviária Sete Rios, de onde sai o ônibus para Fátima.

Detalhe: Ônibus é a melhor opção para ir à Fátima, deixando a poucos metros do santuário. O trem que sai do Rossio deixa muito longe de lá.

O ônibus para lá custa €20,6 por pessoa (ida e volta). Chegando em Fátima, diferentemente do esperado e apesar do sol, fazia frio (12 graus) por causa do vento. Pela primeira vez tirei as luvas da mochila. Fomos andando até a basílica. Tudo muito bonito. Não havia ainda muitas pessoas e era mais ou menos 9:30h. A fila da vela estava vazia, o que permitiu que Regilane pudesse entrar e acender uma.

DSC07076.JPG
Fátima!
DSC07076.JPG (2.36 MiB) Exibido 1988 vezes


Detalhe: ficam velas de vários tamanhos para serem adquiridas pelos fieis, mas não há ninguém vendendo. Ao lado dos potes com as velas tem um local para colocar o valor de cada uma delas que está ali descrito, e não vi ninguém pegando vela sem pagar.

DSC07081.JPG
Velário (existe esse nome? rsrs)
DSC07081.JPG (2.26 MiB) Exibido 1988 vezes


Depois que Regilane acendeu uma vela e fez sua oração, assistimos um pedaço do rosário na capela das aparições. Saímos e a acompanhei na lojinha (bastante tímida) para comprar lembrancinhas religiosas. Depois das compras fomos assistir uma missa na Capela da Santíssima Trindade, que era bastante grande e muito bonita, e já tinha bastante gente no Santuário. Não lembra as tradicionais igrejas católicas luxuosas em ouro, mas parece templos de igrejas evangélicas neo pentecostais. Caminhando em direção ao templo, vimos várias pessoas pagando promessas indo de joelhos até a capela das aparições. Estava cumprida nossa missão em Fátima.

DSC07097.JPG
Capela da Santíssima Trindade
DSC07097.JPG (2.07 MiB) Exibido 1988 vezes


Já era quase 13h, o nosso retorno era ás 14h e precisávamos almoçar. Fomos caminhando em direção a rodoviária e paramos em um pequeno restaurante onde pedimos o famoso prato "Francesinha" (pedimos dois e nos arrependemos, pois é muito grande) e uma 1/2 garrafa do vinho Monte Velho.

20160124_130457.jpg
Francesinha e vinho!
20160124_130457.jpg (1.22 MiB) Exibido 1988 vezes


Tudo maravilhoso e conta de €19,2. Completamos a caminhada e, pela primeira vez, nos deparamos com um atraso de 10 minutos na saída do ônibus, mas que não alterou o horário de chegada na estação Sete Rios, de onde pegamos o metrô até o Terreiro do Paço (Praça do Comércio) para irmos visitar o Castelo de São Jorge. Iríamos iniciar a subida até o castelo, mas Regilane queria andar de tuk-tuk. Veio uma moça que nos cobrou €15, mas achei caro porque era o mesmo preço que no dia anterior estavam oferecendo para levar em Belém. Ela fez por €10 e fomos no barulhento, mas estiloso, veículo até a entrada do Castelo.

20160124_161557.jpg
Tuk-Tuk
20160124_161557.jpg (1.25 MiB) Exibido 1988 vezes


Chegando lá compramos as entradas (€8,5 para cada) e entramos. Que encanto! Vista belíssima de Lisboa. Ficamos na dúvida de qual vista era mais bonita, a dali do Castelo ou a do Padrão dos Descobrimentos. Regilane achou a do castelo e eu estou em dúvida até agora. Acho que terei de voltar para poder decidir. rsrsrs.

DSC07112.JPG
Lisboa vista do castelo de São Jorge
DSC07112.JPG (1.85 MiB) Exibido 1988 vezes


DSC07115.JPG
Outra vista belíssima
DSC07115.JPG (2.35 MiB) Exibido 1988 vezes


Passeamos pelas torres e tiramos muitas fotos. Que lugar maravilhoso!

DSC07159.JPG
Por do sol visto do castelo de São Jorge!
DSC07159.JPG (2.02 MiB) Exibido 1988 vezes


DSC07149.JPG
Bandeira portuguesa no topo do Castelo
DSC07149.JPG (1.99 MiB) Exibido 1988 vezes


Finalizamos e fomos "expulsos" no pequeno museu que por meio de objetos ali encontrados constrói uma narrativa sobre o Castelo. Disse que fomos expulsos porque eles encerram as atividades as 18h aos domingos, e uma funcionária da lojinha disse que ainda iria votar.

Detalhe: Nem parecia dia de eleições. Não vimos ruas sujas cobertas por santinhos de candidatos, ninguém pedindo voto, ninguém balançando bandeiras, etc. Que inveja!

O dia que começou com Fátima estava maravilhoso e foi devidamente coroado no final com a visita ao Wine Bar do Castelo. Parada OBRIGATÓRIA para quem vai a Lisboa e é apaixonado pelo mundo dos vinhos ou quer aprender alguma coisa sobre. É uma casa bem pequena com apenas 6 mesas duplas disponíveis para os clientes e fica numa ruazinha ao lado da entrada do Castelo.

20160124_181105.jpg
Rua do Wine Bar
20160124_181105.jpg (1.16 MiB) Exibido 1988 vezes


Funciona da seguinte forma: você diz o que está acostumado a beber, ou o que quer provar e a faixa de preço que topa pagar por uma taça (há um menu com preços para ter noção). Daí o sommelier vem com três garrafas e explica as sugestões dele a partir da sua indicação. Você prova dos três e escolhe aquele que vai beber. Fantástico!!! Na conversa permeada por diversas trocas de experiências e muito aprendizado, terminamos provando quatro, ao invés de três. O sommelier era o mineiro Márcio, gente finíssima, com um conhecimento aprofundado sobre castas e vinícolas portuguesas e de outros terroirs.

20160124_190444.jpg
Três primeiros vinhos provados!
20160124_190444.jpg (1.22 MiB) Exibido 1988 vezes


Para acompanhar, pedimos uma tábua mista de frios que vinha com cinco tipos de queijo (todos maravilhosos), além de copa, salame e presunto parma de porco preto. Que delícia! E ainda pedimos um menu degustação de azeites (três tipos, mas depois ele serviu mais um) que vêm também com geleias de tomate, abóbora e ginja, além de pão, azeitonas e flor de sal. Que espetáculo! Estava feliz como um pinto no lixo! hehehe

20160124_202138.jpg
Tábua de frios e degustação de azeites.
20160124_202138.jpg (1.37 MiB) Exibido 1988 vezes


Depois de muito comer, aprender e beber, pedimos a conta. o Márcio veio e perguntou se havíamos acabado. Dissemos que sim e ele disse: "Vocês podem ter acabado, mas eu ainda não terminei meu trabalho. Esperem um pouco.", e lá veio ele com mais três vinhos, comumente utilizados para sobremesa, para experimentarmos.

20160124_213508.jpg
Vinhos de sobremesa
20160124_213508.jpg (1.26 MiB) Exibido 1988 vezes


Que paraíso! Provamos os três e gostamos mais do que tem meu sobrenome.

20160124_213535.jpg
Quinta do Bomfim!
20160124_213535.jpg (1.32 MiB) Exibido 1988 vezes


Continuamos bebendo e conversando sobre vinhos e sobre como é viver em Portugal tendo saído do Brasil para tentar a vida lá. Vimos como é difícil viver em nosso país e, como outros brasileiros que encontramos por lá, disse que só vem ao Brasil de férias, pois não volta mais para morar. Não podíamos deixar de tirar uma foto com o Márcio.

20160124_225349.jpg
O "cara" do Wine Bar do Castelo
20160124_225349.jpg (1.17 MiB) Exibido 1988 vezes


No geral, provamos sete vinhos (bebemos três taças inteiras), quatro azeites, três doces e comemos a tábua de frios e pão, além de bebermos água. A conta ficou em €57. Ficamos cerca de quatro horas no local. Que noite maravilhosa a nossa última em Lisboa. Fechamos com chave de ouro e já com saudades. Pegamos um táxi para o hotel que custou €7,7.

Total de gastos:

Ônibus para Fátima: 41,2
Almoço em Fátima: 19,2
TukTuk: 10
Castelo de São Jorge: 17
Wine Bar: 57
Táxi: 7,7

Total: €152,1
#1161054 por Marcus Bomfim
04 Fev 2016, 15:14
Continuando e finalizando...

25/01...último dia em Portugal. Havíamos consultado a previsão do tempo e o bom tempo do final de semana não se repetiria na segunda-feira. Como o nome diz, porém, poderia ser que errassem, assim, combinamos que em caso de tempo sem chuvas iríamos a Óbidos, pois o orçamento estava ligeiramente folgado. Infelizmente o tempo não colaborou e deixamos Óbidos para uma outra oportunidade.

Descemos para o café já nostálgicos com nossa primeira experiência europeia e depois subimos para arrumar as malas e fazer o check-out, mesmo o nosso vôo direto para o Rio sendo apenas a noite.

Detalhe: Quando fiz a reserva pela internet no hotel em que ficamos, havia a oferta de estender o horário da saída para 17h. Achei que era uma boa para poder ficar mais tranquilo e aproveitar o último dia, no entanto, conversando com uma amiga bastante experiente em viagens, ela me aconselhou a não pagar por isso e apenas pedir na recepção para deixar as malas em um bagageiro depois que fizesse o check-out. Assim fiz e deu tudo certo.

Ao arrumar as malas senti falta das minhas luvas e do meu gorro. Depois de muito procurar e recorrer às fotos cheguei a conclusão que esqueci no restaurante de Fátima. Minha esposa apenas exclamou: "Depois você não gosta quando eu digo que você é distraído." rsrsrs. Olhando pelo lado "positivo", ainda bem que apesar da chuva, não fazia frio e não senti falta deles. rsrsrsrs.

Finalizamos, provisoriamente, a arrumação das malas, fizemos check-out, deixamos as malas no bagageiro do hotel e partimos para o Centro para visitar o Elevador Santa Justa, tirar foto das praças dos Restauradores e da Figueira, e comprar lembrancinhas. Pegamos o metrô para a estação Restauradores e, na saída da estação, vi que precisava mesmo comprar outro guarda-chuva, pois o caidinho da Regilane não daria conta. Comprei com a ponta de plástico para não haver problemas no aeroporto.

Como no dia que visitamos o Lisboa Story Centre compramos um combinado com o Elevador Santa Justa, achei que não precisávamos pagar mais nada lá. No entanto, entendi errado, e o combinado dava direito apenas a pagar o valor de uma passagem normal do transporte com o próprio cartão. Isso fez com que tivéssemos que comprar outro cartão na hora de voltar para o hotel, pois havia feito os cálculos para o cartão zapping não considerando este gasto.

Quem não tinha esse combinado pagava €5. Na nossa opinião, NÃO VALE A PENA! Apesar da vista legal, não é a melhor de Lisboa e se pode chegar até lá pela Praça do Carmo. Além disso, a parte mais alta estava em obras, não sendo possível, portanto, acessá-la. Para não "perder a viagem", tiramos algumas fotos.

DSC07238.JPG
Castelo de São Jorge visto do Elevador Santa Justa!
DSC07238.JPG (2.14 MiB) Exibido 1939 vezes


DSC07244.JPG
Dentro do Elevador
DSC07244.JPG (1.76 MiB) Exibido 1939 vezes


Dali fomos caminhando pelo Chiado e resolvemos almoçar novamente no Café Lisboa, pois além da comida ser excelente, fomos muito bem atendidos e acolhidos e, como era de se esperar, a experiência positiva se repetiu. Dispensamos o couvert e pedimos de entrada duas portuguesinhas (uma espécie de bolinho de feijoada só que com massa semelhante a de pastel de forno, bem levinha). Uma delícia! De prato principal escolhemos o hiper recomendado Bacalhau a Brás com azeitonas explosivas. EXCELENTE!

20160125_125657.jpg
Bacalhau a Brás com azeitonas explosivas!
20160125_125657.jpg (983.35 KiB) Exibido 1939 vezes


As azeitonas são "de mentirinha". Trata-se de uma película bem sensível elaborada pelo chefe que quando é mordida rompe e libera o sumo de azeitona que tem dentro. Não gosto de azeitona, mas achei bem legal e criativa a ideia. Para harmonizar, bebemos uma garrafa do vinho verde Alvarinho. Muito bom! A fatura ficou em €37,5. Despedimos-nos dos receptivos garçons, que dentre algumas conversas disseram que o custo de vida no interior de Portugal é bem mais baixo do que em Lisboa (que para os padrões cariocas já estávamos achando bom), e fomos "nos perder" pela última vez pelas ruas de Lisboa, agora em busca de lembrancinhas e vinhos para trazer para o Brasil. No caminho paramos para a sobremesa: um excelente sorvete em uma sorveteria internacional.

20160125_142337.jpg
Sorveteria!
20160125_142337.jpg (766.12 KiB) Exibido 1939 vezes


Após o delicioso sorvete (€9 no total) fomos na direção da Rua Augusta e entramos numa lojinha de lembrancinhas. Quando perguntávamos o preço de alguma coisa, o atendente dizia que para brasileiros era X, e esse X, em alguns produtos, chegava a ser 75% mais barato do que para outros turistas, principalmente ingleses e americanos. Aproveitamos!!! Enquanto Regilane se perdia nas coisas para comprar, fiquei conversando com o caixa e ele disse que eles eram de Bangladesh e que estavam tentando ganhar a vida ali. Disse que o país dele é governado por uma mulher corrupta que leva todo o dinheiro para a Suíça e que o povo vive mal. Deve ser terrível viver em um país onde os políticos fazem isso. Heheheheheheheh. Rindo para não chorar!

Saímos dali e fomos na Garrafeira Nacional escolher os vinhos que traria. Depois de longo tempo escolhendo decidi por seis. Queria muito o Porrais, que experimentamos na primeira vez que fomos no Café Lisboa, mas não tinha. Dos que provei lá, consegui trazer o Quinta do Bomfim, que inclusive foi o mais caro dos seis trazidos. Os atendentes, super gentis, se comprometeram a embalar de forma adequada para ser despachada no avião e a entregar no hotel, pois nós ainda iríamos bater perna mais um pouco pelo Centro. E assim foi feito!

Fomos até a Praça do Comércio e na beira do Tejo pela última vez nessa viagem.

20160125_170226.jpg
Regilane dando tchau para o Tejo!
20160125_170226.jpg (248.01 KiB) Exibido 1939 vezes


Seguimos mais uma vez pela Augusta em direção às praças dos Restauradores e da Figueira. Paramos em uma confeitaria em frente a Casa Portuguesa do Pastel do Bacalhau chamada São Nicolau e ali fomos "sorteados" ao "comer mal em Portugal". Comer mal em Portugal é praticamente impossível, mas não comemos mal, e sim bebemos mal. Assim como no nosso primeiro dia em Lisboa, ela pediu um capuccino e eu um chocolate. Ambos vieram aguados e nenhum de nós dois conseguiu beber tudo. Pagamos €6 no total. Pelo menos havia wi-fi. rsrsrsrs.

Seguimos até a Praça dos Restauradores e da Figueira e tiramos algumas fotos.

DSC07246.JPG
Praça da Figueira!
DSC07246.JPG (1.95 MiB) Exibido 1939 vezes


DSC07252.JPG
Praça dos Restauradores, em homenagem àqueles que libertaram Portugal do domínio espanhol em 1640!
DSC07252.JPG (1.6 MiB) Exibido 1939 vezes


Dali partimos para o hotel. Como não havia mais saldo suficiente nos nossos cartões zapping, fizemos uma compra específica para aquela viagem (€2,9 no total). Chegamos no hotel e o vinho ainda não havia sido entregue. Enquanto Regilane arrumava as lembranças nas malas, liguei (€0,1)para a loja de vinhos e a atendente falou para eu não me preocupar, pois ainda estava dentro do prazo que eu havia dado para fazerem a entrega. Esqueci que lá não é como cá, onde horário geralmente não é respeitado. Fiquei envergonhado. Obviamente, o vinho chegou dentro do prazo.

Decidimos jantar no hotel mesmo e pedimos o também muito recomendado arroz de pato. Pedimos dois pratos, mas deveríamos ter pedido apenas um, pois além de vir bastante, Regilane já estava tensa por causa do voo e, por isso, com pouco apetite. Muito gostoso. Dividimos um chá gelado e a conta ficou em €22.

Após o jantar pedimos para a recepção chamar um táxi, e assim terminava nossa hospedagem no Ibis José Malhoa. Excelente experiência. Recomendo! Além do bom café da manhã, da boa cozinha (24h), da gentileza dos funcionários, da limpeza e da localização, fizeram algo a mais por nós: deixou-nos guardar as malas após o check-out, liberou internet também após o check-out e liberavam o acesso pela garagem para nós, mesmo sem carro, porque ficava mais perto do metrô do que a portaria.

O táxi até o aeroporto custou €9,1 e nos veio uma dúvida: o taxista que nos levou quando chegamos foi desonesto (deu €18,8) ou era contra-mão a ida? Pela diferença no valor, acho que ele era desonesto.

Fomos despachar a bagagem e avisei a funcionária da TAP que eu tinha dinheiro para receber do taxifree por conta da compra dos vinhos (tinha direito a €7 de restituição). Ela disse que após passar por ela, era só levar o vinho e a nota para que a atendente específica do taxifree conferisse e liberasse para o pagamento. Aproveitei e perguntei se o guarda-chuva poderia ir comigo na mão. Ela olhou e disse que por ter a ponta de plástico, poderia sim.

Passei telo taxifree e a moça nem abriu a caixa de vinho, perguntando apenas se ali estava tudo o que era objeto da nota. Respondi positivamente e ela carimbou a nota autorizando o pagamento que eu teria direito a ser restituído já no embarque. Despachei a caixa de vinho no setor de bagagens fora do padrão e fomos para o embarque. Entrei na fila para pegar meus €7 e o rapaz perguntou se eu queria em espécie ou no cartão de crédito. Pedi em espécie e ele me deu €4. Só depois disso me lembrei (já havia lido aqui no site) que o pagamento em espécie tem uma taxa de €3. Antes tivesse pedido no cartão de crédito...

Ao embarcar, a segurança não deixou eu entrar com o guarda-chuva. Argumentei que a ponta era de plástico e que a funcionária da TAP havia me garantido que passava. Não adiantou. Eles disseram que era de plástico, mas pontiagudo. Ou seja, comprei dois guarda-chuvas em Lisboa e voltei sem nenhum. rsrsrsrsrs. Resumindo, deixei de lembrança em Portugal: dois guarda-chuvas, um par de luvas e um gorro.

Demos uma olhada rápida no freeshopp e fomos para o portão de embarque, que com mais de uma hora e dez minutos antes do voo já estava com fila, a ponto do funcionário pedir que se sentassem. Era hora de dizer, até breve, Portugal, e até já, Rio.

A viagem de volta foi tranquila, como menos turbulência ainda do que na ida. Dormi praticamente a viagem inteira, sendo interrompido apenas pelo serviço de bordo (mais uma vez a comida estava muito boa. Até melhor do que na ida) e para ir ao banheiro, quando aproveitava para esticar as pernas (na volta os joelhos reclamaram um pouco, rsrsrs).

Viajar é maravilhoso, mas ter para onde voltar, também.

Total de gastos:

Almoço: 37,5
Sorvete: 9
Lanche: 6
Passagem: 2,9
Ligação: 0,1
Jantar: 22
Táxi: 9,1

Total: €86,6

Total gasto com alimentação, transporte e passeios para todos os dias: €741,21.

É possível diminuir esse custo comendo em locais mais em conta e mesmo assim de muito boa qualidade, e com transporte ficando hospedado no Bairro Alto ou Alfama, não precisando assim, pegar metrô para ir ao Centro, pois ali já está. Considerando que foram seis dias, saiu €123,53 a diária para o casal, excluindo a hospedagem. Valeu a experiência!

Obs.: Optei por não mencionar custos com lembrancinhas, vinhos trazidos, etc, porque são gastos opcionais e só foram feitos por conta da folga no orçamento.
Editado pela última vez por Marcus Bomfim em 04 Fev 2016, 15:43, em um total de 1 vez.
#1161058 por Marcus Bomfim
04 Fev 2016, 15:29
Impressões gerais de Portugal e dos portugueses...

Adoramos o país! Sensação de estranho familiar. Acredito que seja pela diferença cultural apesar do mesmo idioma. Considero exitosa a viagem quando damos resposta positiva a pergunta "Você voltaria aqui?", e esse é o nosso caso.

Voltaremos para visitar outras regiões de Portugal, principalmente o Porto, mas não sem deixar de passar em Lisboa para visitar o Museu dos Coches e a Coleção Berardo em Belém e voltar ao Wine Bar do Castelo, além de ir a Sintra com tempo bom e Óbidos.

Achamos os portugueses bem educados e solícitos, sempre respondendo com educação e cortesia a tudo que eram perguntados.

As ruas muito limpas, mesmo não tendo visto serviço de limpeza dia algum, ou seja, é limpo porque as pessoas se preocupam em não sujar. Simples assim! A única exceção a limpeza das ruas eram algumas guimbas de cigarro. Aliás, achamos que os portugueses fumam muito. Regilane atribuiu ao clima mais frio, mas parece que lá não há a pertinente perseguição ao fumante que há aqui. (Que me desculpem os fumantes!).

O trânsito não é barulhento e nem vimos engarrafamentos, e todos param quando o pedestre coloca o pé na faixa, independente do sinal estar aberto ou fechado.

Enfim, nossa primeira experiência na Europa foi maravilhosa e estamos muito felizes e nos programando para que tenha sido apenas a primeira de muitas.

Espero que o relato sirva para ajudar um pouquinho àqueles que estejam planejando visitar Lisboa e arredores, como muitos me ajudaram.

Obrigado à todos!
#1161072 por Juliana Champi
04 Fev 2016, 16:15
Ahhhh que delicia ver suas fotos e histórias... Portugal tudo de bom. E esse frio, que saudade.

Muito bom seu relato. E que bom que o dinheiro seu e sobrou... Acho que vc leu o meu relato, o de125 euros por dia com criança... Uma conhecida viajou final do ano passado e relatou preços altos, fiquei pensando se teria mudado tão rápido mas pelo visto ela não escolheu bem onde comer hahauauaha

Abs
#1161571 por Karis
07 Fev 2016, 14:07
Olá!!!!!

Que belo relato, parabéns!

Com relação ao transporte de Lisboa para Sintra, você comprou com antecedência?
É um trem comum?

Obrigada,

ótimas viagens,

Karis


Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 0 visitantes