Relatos de Viagens em Portugal
#1135052 por juliad
03 Nov 2015, 23:17
dia 03 - Peso da Regua

em meia hora, eu havia chegado em Peso da Regua. minha ideia era visitar o Museu do Douro, que conta a história da região. Confesso que quando soube do museu fiquei com o pé atrás de "ihhh, armadilha de turista". Não sou mineira, mas vocês já devem ter percebido a minha desconfiança excessiva em relação a roubadas de viagem, né?

Peso da Regua é o QG da região do Douro. É a cidade base para todo mundo e, por isso, conta com uma infra maior do que Pinhão.
A cidade é adorável e mais "urbana" do que Pinhão. Resolvi dar uma volta e logo vi uma placa do tal museu. Fui seguindo.

Foto 06-10-15 14 58 12.jpg
Foto 06-10-15 14 58 12.jpg (2.15 MiB) Exibido 1545 vezes

O caminho a beira-rio tem diversos restaurantes e lugares para relaxar e tirar uma foto e curtir o lugar.

Muitas pessoas falavam no TripAdvisor que o museu era completo e que contava com uma vista bonita da região. Fui nessa. Em menos de cinco minutos, cheguei na entrada do lugar. 5 euros para entrar, com direito a uma taça de Porto Ruby. Opa, tô dentro!

O museu é pequeno, mas muito interessante. Bem montado, estruturado, explicativo, moderno. Recomendo a todos. Foi muito legal ter lido sobre a história da região estando lá. Não vou dar nenhum spoiler porque acho que ter algumas infos in loco é muito mais válido.
Depois da visita (que durou cerca de uns 40 minutos, isso porque li tudo com calma, apreciei e tal...), ganhei a minha taça do Porto e curti a vista.

Foto 06-10-15 16 00 12.jpg
Foto 06-10-15 16 00 12.jpg (1.84 MiB) Exibido 1545 vezes

tomando o meu Porto com esta vista e curtindo meus últimos momentos no Douro. Lá embaixo fica o bar do museu, que estava fechado no dia.

Saí de lá e fiquei curtindo um pouco a cidade. Tinha uma meia hora até o próximo trem para o Porto. Como a frequência de trens era horária, achei melhor não bobear.

Foto 06-10-15 16 27 15.jpg
Foto 06-10-15 16 27 15.jpg (1.97 MiB) Exibido 1545 vezes

nas ruas de Peso da Regua

Foto 06-10-15 16 29 42.jpg
Foto 06-10-15 16 29 42.jpg (2.26 MiB) Exibido 1545 vezes

Esperando o trem chegar

Voltei para o Porto, num trem cheio de franceses escandalosos no vagão. Já falei que peguei bode deles? Estive na França duas vezes e fui muito bem recebida, mas todos os franceses que encontrei nessa viagem me cansaram pela arrogância.

Depois de duas horas curtindo a paisagem e a viagem de volta (e ignorando a francesada berrando asneiras no vagão...), cheguei à Estação São Bento, no Porto.
Como já disse aqui (e costumo dizer quando tô "ajudando" a galera aqui no forum), eu gosto de saber o que tem na cidade, mas não deixo roteiros fechados - acabo decidindo na hora, de acordo com a minha vontade. No trem eu me lembrei que alguém havia me dito (ou eu li, sabe deus) sobre um bar mudernete no Passeio de Clerigos. Vocês vão notar nesse relato que a única OBRIGACAO que eu me dei era ter um por do sol num lugar bacana.
Explicando: o Porto está passando por um processo de modernização/gentrificação/hipsterização. E, nesse processo, alguns lugares surgem. Um deles é o Jardim das Oliveiras. Criaram um jardim suspenso com oliveiras e, junto a ele, um bar muderno com vista para a torre de Clerigos.

Fui até lá, peguei um fino (chopp em português) por cerca de 1 euro e curti a cidade anoitecendo. Não tirei fotos, mas vocês podem conferir o lugar aqui:
http://www.oportoencanta.com/2013/11/as ... as-no.html

Comi um bacalhau com natas delícia por uns 4 euros na rua de trás. Procurei o nome de lá, mas não encontrei. Daí, fui perambular pela cidade.
O legal desta região central do Porto é que é difícil se perder: como você tem o rio lá embaixo, dá para se perder tranquilamente com parcimônia. E assim o fiz. Como já conhecia ALGUMA geografia local, andei para lá e para cá, perdidamente. Entrei em ruelas em que ouvia as crianças felizes que os pais voltavam do trabalho, senti o aroma de <3 sardinha <3 vindo do alto, ouvi pais dando broncas, vi gente simpática me cumprimentando, entrei em becos que davam para vistas SURPREENDENTES, fiquei de bituca vendo, do lado de fora, bares com fado.

parei numa vendinha e comprei um vinho verde por uns 2 euros. tinha um grupo de mochileiros alemães bebados na fila que esqueceram de pagar e fizeram a maior confusão. a portuguesada da fila ficou puta. O legal de estar em Portugal é que você participa destes pequenos eventos com os locais. Não interessa quantas linguas você fala (já ouvi muita gente dizer que Portugal é um destino facil porque a lingua é igual à nossa). Quando você escuta alguém reclamando na SUA LINGUA NATIVA, a experiência é muito mais intensa. O caboco da minha frente bradou um "ahhh mas vejas só!". A comunicação é imediata e o seu sentimento de empatia é muito maior.

curti um tempo sentada na Ribeira, vendo o movimento, atravessei a ponte para Vila Nova de Gaia, fui ao meu hostel tomar um banho e deixar gelar o meu vinho e daí fui curtir o meu vinho na beira do rio, do lado de Vila Nova de Gaia.
Conversei bastante com o pai do dono do hostel. Era um senhor português que dividiu inúmeras vivências comigo. Esse é um dos motivos para eu sempre escolher um hostel a um hotel: o contato direto com pessoas. Não é uma questão de u-huuuu balada apenas. Junto com dois amigos, ele toca a Real Companhia Velha (fundada por ninguém menos que Marques de Pombal) e me deu várias dicas de vinho. Falou sobre a crise em Portugal e fez alguns paralelos sobre a crise no Brasil.
segui meu planejamento e fui beber o meu vinho vendo o movimento de Vila. =)

#1135059 por juliad
03 Nov 2015, 23:41
dia 04

último dia no Porto, bora matar as pendências! depois de 3 dias na cidade, muitos vinhos e até uma master experiência no Douro, eu ainda não havia visitado uma adega...e olha que eu estava em Vila Nova de Gaia, lugar que os turistas vão, em sua maioria, unicamente, visitar adegas.
Na realidade, eu havia planejado a minha visita para o primeiro dia. Entrei na Taylors, na Calem, na Kopke e na Croft. Desisti porque as visitas eram em francês ou inglês. Sou fluente (não é pra tanto, mas me viro bem) nas duas linguas, mas julguei um absurdo não existir nenhuma visita em português.
...mas agora era meu último dia e eu não podia me dar ao luxo de esnobar assim. Fui para a Taylor's (que era a duas quadras do meu hostel) e, para a minha sorte, tinha uma visita em português.
Foi ótimo porque a visita contou apenas comigo e com um casal de brasileiros, que é residente no Porto. Como eles estão no ramo de exportação de vinho português para o Brasil, tudo foi muito mais interessante.
Por 5 euros conhecemos a história da adega e tivemos uma prova de 4 vinhos.
...e claro, esta vista:

Foto 07-10-15 09 30 51.jpg
Foto 07-10-15 09 30 51.jpg (2.45 MiB) Exibido 1533 vezes

mentira, essa vista é de graça. se quiser apenas caroçar no lugar, podes perfeitamente chegar nesse lugar e curtir o seu tempo.
com 4 taças de vinho do porto no organismo e apenas alguns pães no organismo, fui queimar o alcool até o metrô. tinha dois destinos certos no dia: casa da música e fundação Serralves, o museu de arte moderna.

...mas era o primeiro dia de sol que eu peguei na cidade. yay!
Foto 07-10-15 11 57 00.jpg
Foto 07-10-15 11 57 00.jpg (3.14 MiB) Exibido 1533 vezes

=)))

cheguei à Casa da Música. edifício lindo, mas só tinha visita guiada às 16h =(

no entanto, vi na bilheteria que existia um bilhete combinado: Casa da Musica + Serralves. opa, bora!
lembrei que li algo sobre um café na região com uma comidinha delícia. arrumei um wifi e comi por lá: quiche de alheira e suco de groselha. nham.
(continua...)
#1135874 por juliad
06 Nov 2015, 21:38
dia 4 - Porto

Teria a visita guiada para a Casa da Musica apenas 16h, então fui para o Serralves. O pessoal da cidade me falou que valia muito visitar e assim o fiz. Peguei um ônibus que andou dois pontos (me senti uma tonta...)

O Serralves é um museu de arte moderna que tem um prédio com algumas exposições e um jardim externo, enorme.
A exposição foi a que rolou na Bienal de São Paulo do ultimo ano. Como já conhecia, fui para os jardins.

Se pudesse definir o Serralves, diria que é uma espécie de Inhotim: um espaço arborizado que te faz esquecer onde está, com diversas instalações, jardins lindos e obras a céu aberto. Logo que percebi a distância entre tudo, me arrependi de não ter chegado mais cedo.
O lugar é super agradável. Dá para gastar umas duas horas lá, tranquilamente.

Foto 07-10-15 10 22 22.jpg
Foto 07-10-15 10 22 22.jpg (3.24 MiB) Exibido 1485 vezes

Foto 07-10-15 10 45 36.jpg
Foto 07-10-15 10 45 36.jpg (2.81 MiB) Exibido 1485 vezes

Foto 07-10-15 10 36 18.jpg
Foto 07-10-15 10 36 18.jpg (3.95 MiB) Exibido 1485 vezes


Infelizmente, tive de partir. Resolvi ir a pé e rapaz...não era tão rápido assim.
Uma nota sobre os ônibus de Portugal: diferente dos metrôs, eles atrasam. Todas as vezes que "dependi" deles para algo, contando com o horário do letreiro, me arrependi.

Cheguei à Casa da Música para fazer a visita guiada. Não é possível visita-la FORA dos horários estipulados por eles. Por isso, é legal se planejar.
A visita foi muito interessante. A Casa da Música é um espaço moderno. Sua arquitetura é diferente das casas de música tradicionais da Europa: para se ter idéia, você vê a orquestra com o fundo da cidade.
Essa foto aqui dá pra ver melhor:
http://media-cdn.tripadvisor.com/media/ ... musica.jpg
Como havia prometido para mim mesma voltar aos Jardins do Palacio de Cristal, eu o fiz. e agora com o maior solão =D
Tanto Serralves quanto o Palacio são jardins que estão numa parte mais alta e vão "caindo" até o Douro. isso significa subir tudo de novo.

Foto 07-10-15 10 36 18.jpg
Foto 07-10-15 10 36 18.jpg (3.95 MiB) Exibido 1485 vezes

Ali ao lado tem também o Museu Romântico. Não deu tempo de ir, mas pareceu interessante.
Fui andando na região e aproveitei a minha última noite na cidade.
Fica difícil sugerir roteiros da cidade. É cliche dizer isso, mas o legal de lá é se perder mesmo.
Um trecho que eu achei muito simpático é o que a Rua das Flores encontra o Largo São Domingos.

Fui arrumar minhas coisas para o dia seguinte. Comprei no Brasil o trecho Aveiro-Evora de comboio. Até Aveiro o plano seria pegar um comboio qualquer, porque a frequência é alta. Comentei com o pai do dono do hostel sobre o meu trajeto e perguntei qual estação em teria de ir: São Bento ou Campanhã. Para a minha sorte, o comboio para Aveiro passava a duas quadras do hostel, lá em Vila Nova de Gaia. Mão na roda!
Anexos
Foto 07-10-15 14 50 26.jpg
Foto 07-10-15 14 50 26.jpg (3.49 MiB) Exibido 1485 vezes
#1135882 por juliad
06 Nov 2015, 22:09
dia 05 - Porto/Aveiro/Evora

Quando comecei a aprofundar as minhas pesquisar sobre a minha viagem, fiquei muito interessada em Aveiro. Tentei bota-la de todas as formas no meu roteiro: até hostel por lá eu reservei. Depois, decidi que não iria e uma hora pensei "ah, se der tempo eu faço um bate e volta".
Daí um dia, vendo no site de comboios de portugal o itinerário entre Porto e Lisboa, vi que o Alfa Pendular (a versão tuga do TGV - o trem rapidão) fazia duas paradas apenas no trecho: Aveiro e Coimbra. Acendeu uma luz e decidi fazer um stopover.
Para quem não sabe: um stopover é quando você para em uma cidade que está no caminho do seu deslocamento. Na Europa isso é fácil de fazer, pois a frequência de trens é grande, tem muita coisa legal no caminho e...há bagageiros nas estações.
...mas não nas de Aveiro, como eu tinha descoberto nas minhas pesquisas. Mas quer saber? Dane-se! Vou arrastando a mala pela cidade, mas eu vou. Se for o caso, tento pagar uns euros para um hostel qualquer guardar. Fui com o endereço de um como garantia.
E assim o fiz. Comprei a saída de Aveiro 15h.

Cheguei na estação de comboios de Vila Nova de Gaia toda me sentindo local para comprar o ticket. E DAI QUE A MAQUINA SÓ ACEITAVA CARTAO DE CREDITO COMO PAGAMENTO. EITA! E AGORA, JOSE?
Minha sorte (?) era que tinha uma lojinha de docinhos e afins.

- ola, a máquina só aceita cartão de crédito. sabes como eu compro uma passagem para aveiro, sem cartão?
- ah pois. eu vendo!
- que ótimo! mê vê uma, então.
- 3 euros.
- tá aqui. ei, me diga algo...
- sim
- esta passagem é válida para todos os comboios?
- não, senhora! apenas para os de Aveiro.
- sim, isso eu sei! mas eu digo, eu posso pegar qualquer um?
- não, senhora! apenas os de Aveiro.
- tá, mas tem vários TIPOS de comboio: uns são mais caros que os outros. Por isso pergunto
- podes pegar os que dizem "Aveiro"
- obrigada.

Portugueses...
nota: fiquei com dúvida porque na Austria comprei um ticket (o Bayern Ticket) que dava direito a circular nos trens da região e fui expulsa de um, porque AQUELE tipo de trem não era válido. tenho trauma, poxa!

A viagem foi tranquila. Aveiro é uma cidade universitária, então tinham muitos jovens no trem, todos estudando. Um moço estudava mandarim, uma garota via um atlas de anatomia e um outro menino estava fazendo calculos diferenciais.
O caminho é muito bonito, a beira mar.

Logo que cheguei na estação, uma obra do artista Vhils
Foto 08-10-15 06 15 57.jpg
Foto 08-10-15 06 15 57.jpg (2.57 MiB) Exibido 1477 vezes


Não tinha muitos objetivos na cidade. Ficaria poucas horas, o que eu queria era comer ovos moles, ver o museu de art nouveau, passear na praça do peixe e bobear. No dia anterior vi que tudo isso era mega perto, então nem me preocupei.

Liguei o maps-me e vi que tinha uma caminhada de 1,5km até a tal praça.
...e lá fui com a malinha. Senhoras portuguesas passavam ao meu lado reclamando do TECTECTEC das rodas naquele chão de paralelepípedo. Vergonha...

Uma hora vi um posto de turismo. Achei uma boa ir lá para pegar algum mapa ou sei lá.
Falei para o funcionário que tinha poucas horas na cidade e, por isso, queria alguma sugestão legal.
"Primeiro, livre-se desta mala. Deixe aqui conosco e busque-a quando seu comboio partir"
<3PORTUGAL.AMOR.ETERNO.AMOR.VERDADEIRO <3

Sem mala e com algumas dicas, fui correndo comer os meus primeiros ovos moles
(continua)
#1135896 por juliad
06 Nov 2015, 23:57
dia 05 - Porto - Aveiro - Evora

Foto 08-10-15 07 29 48.jpg
Foto 08-10-15 07 29 48.jpg (3.12 MiB) Exibido 1460 vezes

o stopover tá pago!

Os ovos moles são doces típicos de Aveiro. É uma espécie de gemada dentro de uma "embalagem" de hóstia. essa embalagem existe em diferentes formatos, todos com temas marítimos. Tem conchas, cavalos marinhos, estrelas do mar...É uma delícia, não custa mais do que 0,50 euros e tem em qualquer padaria por lá. O legal é que em alguns lugares o pessoal recheia na hora <3

A cidade de Aveiro é agradabilíssima. Tive a sorte de pegar este dia lindo de sol, claro. Ela é cercada por canais que tem barcos que parecem gôndolas (chamam por lá de
Código: Selecionar todosmoliceiros
). Dá para fazer um passeio neles, dura uma hora. Achei bobagem faze-lo, pois não tinha tempo suficiente.
Diferente do Porto, ela é PLANA. Uma delícia de andar. Tem um esquema de pegar bike de graça, inclusive, que acabei não fazendo.

Foram poucas, mas ótimas e agrabilíssimas horas na cidade. Para quem tiver tempo, recomendo passar ao menos uma noite por lá: a cidade deve ser uma graça ao entardecer.

Algumas fotos:

Foto 08-10-15 07 52 15.jpg
Foto 08-10-15 07 52 15.jpg (2.72 MiB) Exibido 1460 vezes

Foto 08-10-15 09 40 55.jpg
Foto 08-10-15 09 40 55.jpg (2.87 MiB) Exibido 1460 vezes

Foto 08-10-15 06 59 42.jpg
Foto 08-10-15 06 59 42.jpg (3.16 MiB) Exibido 1460 vezes


O centro é bem compacto e super bonitinho. Tem lugares muito gostosos para comer - eu escolhi um bacalhau com vinho branco.
Foto 08-10-15 08 54 58.jpg
Foto 08-10-15 08 54 58.jpg (2.16 MiB) Exibido 1460 vezes


Recomendo também dar uma passada no Museu de Arte Nova (ou Art Nouveau, se preferir). A arquitetura é linda e no fundo tem um café super gostoso. Um lado do museu dá para o canal e a saída do café dá para a Praça do Peixe.
Comi mais uns 8798789789 ovos moles e, de coração quebrado, me despedi da cidade.

Fui para a estação de trem. Eu faria uma baldeação rápida em Lisboa e chegaria em Evora 18h30. Boura!
#1137296 por juliad
11 Nov 2015, 23:44
dia 05 - Aveiro - Evora

A estação de Aveiro é super moderna e o trem, assim como todos os outros que eu utilizei na viagem chegou no horário.

Foto 08-10-15 10 03 17.jpg
Foto 08-10-15 10 03 17.jpg (1.77 MiB) Exibido 1427 vezes

Estação de Trem Aveiro

O trem é a versão lusa do TGV: ele atinge velocidades de 250km/h, um arraso. Super moderno, tem poltronas confortáveis, serviço de bordo e wifi liberada. Super modernos, não devem nada aos trens alemães ou austríacos.
A única parada que ele fez até Lisboa foi em Coimbra. Tinham dois brasileiros na minha frente que falaram entre si que a Universidade de Coimbra conseguia ser vista do lado esquerdo do trem.
Deu um remorcinho não ter feito um stoppover lá também. A cidade parecia linda!

Em duas horas, cheguei na estação de Lisboa-Oriente, modernérrima.

Foto 08-10-15 12 44 17.jpg
Foto 08-10-15 12 44 17.jpg (3.02 MiB) Exibido 1427 vezes

Estação Lisboa-Oriente. Para quem tem receio de pegar trem na Europa, ta aí a prova de que não há segredos: tudo é super sinalizado.
Foi o meu primeiro contato com o <3 Tejo <3. Azul e enorme! Dá para vê-lo dessa plataforma aí da foto.

Segui nesse trem até Evora.
Quando fiz meu planejamento, vi muita gente comentando que o ideal era pegar ônibus para Evora, e não trem. Ignorei solemente todos estes conselhos, porque achei mais fácil "baldear" apenas em trens. Além disso, o conforto era maior. Não me arrependo - podem fazer de trem SIM.

O trem passou por Lisboa toda e, vista de cima subjulguei a cidade. "Gente, mas que pequenina. Não pode ser tão montanhosa, olha só isso, é tudo muito baixinho". Mal sabia eu...

O caminho para Evora é lindíssimo. As paisagens mudam rapidamente e daí você percebe que já está no Alentejo.

Foto 08-10-15 14 34 10.jpg
Foto 08-10-15 14 34 10.jpg (1.79 MiB) Exibido 1427 vezes

Diferente do Alfa Pendular (o trem espresso) que eu havia pegado de Aveiro para Lisboa, este era regional. Por isso, fazia várias paradas e era mais cheio/menos confortável. Mas nada de outro mundo.

Fun fact: no último dia que estava no Porto, contei para um português que estava no meu hostel que eu iria para Evora. "A cidade é linda. E o melhor: PLANA". Abri um sorrisão, porque o sobe e desce do Porto não é bolinho.

...daí que eu chego em Evora e desco na estação. Ok, mais uma estação de trem com azulejos lindos, mais uma cidade fofa. Já tô quase local me acostumando com as rotinas, haha. Até que a minha mala de rodinhas encontra o chão de paralelepípedos. Foi uma trepideira enorme. Cansativo pacas, depois de um dia puxado. "Mas que droga! Tá, deixa eu ligar o GPS e ver a distância até a cidade...OI Q 2 QUILOMETROS SOCORRRO"
Eu sabia que era uma pernada até a Praça Giraldo, ponto central da cidade. Mas esse chão inóspito não estava nos meus planos!
Foi um martírio. Só olhava para o chão procurando qualquer superfície LISA.
"Ok, Portugal definitivamente não é para iniciantes..."

O que salvava era o cenário, LINDO.
Deixa eu contar um pouco: Evora é uma cidade histórica que já teve invasão celta, moura e até foi um centro importante no império romano. A cidade é TOTALMENTE murada e, fora dela o que existe são campos e mais campos descampados com oliveiras. Cena linda de se ver. O dia estava caindo e a minha preocupação era estar em um lugar tranquilo para ver um por do sol lindo naquele cenário.

Finalmente a muralha apareceu e eu oficialmente ENTREI na cidade.
Fiquei tão maravilhada com aquela cidadezinha linda, toda branca e amarela com ruelas fofas que nem liguei mais para a mala (que continuava enfrentando um chão não liso), tampouco para o GPS. Evora lembra muito a nossa Ouro Preto, muito. A comparação é inevitável.

Foto 08-10-15 14 59 47.jpg
Foto 08-10-15 14 59 47.jpg (1.17 MiB) Exibido 1427 vezes

Foto 08-10-15 14 55 24 (1).jpg
Foto 08-10-15 14 55 24 (1).jpg (952.69 KiB) Exibido 1427 vezes


Não precisei de GPS para encontrar a Praça Giraldo. Lá estava tendo uma concentração de estudantes da Universidade para arrecadar alimentos para os refugiados.
Inclusive, existiam MUITOS estudantes pela cidade. As semelhantes com Ouro Preto não paravam!

Como já havia encontrado o epicentro da cidade e a noite já caia, dei-me ao luxo de me perder pela cidade. Andei aqui e acolá e dei de cara com....

Foto 08-10-15 15 10 17.jpg
Foto 08-10-15 15 10 17.jpg (2.05 MiB) Exibido 1427 vezes

Templo de Diana

Pois é, este é um templo romano DOC (hahaha). Sobreviveu a inúmeras coisas que a cidade passou e continua lá. De tirar o fôlego!
Elegi este lugar para eu curtir o por do sol. Tinha um quiosque que vendia cervejas, mas eles tinham acabado de encerrar. Pena. Decidi voltar lá no dia seguinte.
Na frente do Templo, tem um pequeno parque que dá em um mirante lindão. Sentei lá e vi o dia se encerrar.

Foto 08-10-15 15 12 08.jpg
Foto 08-10-15 15 12 08.jpg (1.7 MiB) Exibido 1427 vezes


Voltei ao mundo real e me lembrei que queria me livrar da mala. Daí me lembrei também que cometi um erro primário: não anotei o endereço do hostel no mapa. Que absurdo...
Fui na fé e conversei com dois policiais: eles não conheciam o tal hostel (depois descobri que ele era recém aberto). Viram a rua, se confundiram. Daí que um sujeito estava passando na rua e os policiais abordaram.
- Ei, Jose, sabes a Rua dos Manços?
- Ah sim, pois!
- Leves a menina até lá, faz favor!
- Claro. Venhas comigo!
Fiquei ressabiada, oras. Ele se ofereceu para carregar a minha mala e eu, capiau que fui, recusei. Depois de uns 200m ele disse :
- Não fiques preocupada. Sou policial, estou na minha folga hoje. Dá cá a mala.
Fomos conversando até o hostel. O José adorava viajar e tinha acabado de retornar da Indonesia. Me contou sobre Jacarta e Bali.

Pausa.
A gente sempre lê em relatos sobre como "as coisas simplesmente acontecem" quando a gente viaja sozinho. Sobre como as pessoas são boas e nos ajudam. Sobre o mundo não ser essa coisa ameaçadora toda.
Foi isso que eu vi com o José. Ele me deixou na porta do hostel e me desejou boa viagem. Assim como o José, muita gente me ajudou nesta viagem. Porque viajar sozinho tem muito de se permitir viver algumas coisas e ter um feeling para roubadas.

Deixei minhas malas no quarto, conheci os donos do hostel e resolvi partir para beber algo. No entanto, os donos me alertaram sobre como a cidade estava barulhenta e confusa naquele dia. Pediram desculpas pelo barulho e explicaram que os estudantes da cidade estavam aplicando trotes e bebendo com os bixos pela cidade.
- Ah, normal. Isso acontece no Brasil também, tô acostumada.
- Mas é muito!
- Não tem problema! Gente, tem Carnaval no Brasil. Aqui tá tranquilo,sério.
Perguntei que horas os bares/restaurantes fechavam, e eles me disseram que coisa de 21/22h. COMASSIM? ONDE EU FUI ME METER?

Saí desesperada para comprar uma garrafa de vinho. Tinham sim, muitos estudantes. E o mais curioso: os veteranos usam capas tipo Harry Potter. Aqui embaixo tem um exemplo:
http://www.ffguitarradas.pt/fotos/traje ... mbra-g.jpg
Pois é: a cidade estava cheia destes Batmans perambulando bêbados. Não sei como é de fato porque só presenciei o movimento deles em uma noite mas, pelo que eu vi, parecia muito mais ingênuo do que os trotes de Ouro Preto, por exemplo. A molecada nem tava tão bêbada, nem mexia com ninguém, não quebrava nada, não jogava nada no chão...Super disciplinada, diferente de turistas americanos em Barcelona ou uma galera em Londres.

Ok, missão vinho: achei uma vendinha com um senhor AMOLANDO FACAS EM CIMA DE UMA BICICLETA. Tem coisas que só Portugal pode proporciar para você <3
Comprei um vinho por uns 2 euros, que ele me garantiu ser ótimo.
(No dia seguinte ele me viu na rua e perguntou se eu havia gostado do vinho. Portugal melhor Portugal 3x)

Já estava desistindo de arrumar algum lugar para comer quando encontrei o Art Cafe. O lugar era mega delicinha, com música francesa de fundo e este visual. Ele fica num patio, dentro do Museu do Relógio, e sempre está aberto.

Foto 08-10-15 16 16 27.jpg
Foto 08-10-15 16 16 27.jpg (1.87 MiB) Exibido 1427 vezes


Eu sabia que a região tinha enchidos (frios) e queijos diferentes, então queria pedir uma tábua. No entanto, só tinha a opção de tabua mista para duas pessoas. Pedi para a garconete ver se era possível fazer uma tábua mista individual.
A moça voltou com uma tábua IMENSA e me disse:
- O patrão falou que tenxxx q' c'mer tud'!
- E TENXX MEEIXMM', o tal patrão berrou, ao fundo.

Fazer o que, né. Comi tudo porque ele mandou e porque tava uma delícia.

Voltei para o hostel feliz com aquela cidade encantadora. Abri minha garrafa de vinho na varanda e passei umas horas conversando com o dono, sobre a cidade, sobre Portugal, sobre os estudantes de lá, os hospedes malas e o povo francês esquisito.
Foi um dia e tanto. Evora já havia me encantado, e não fazia nem 5 horas que eu estava lá.
#1137302 por juliad
11 Nov 2015, 23:59
Dia 06 - Evora

O que me fez decidir pernoitar em Evora foi a visita à vinícula Cartuxa. Inicialmente, minha idéia era fazer um bate e volta na cidade a partir de Lisboa mas, lá pelas tantas eu conclui que isso seria corrido demais e me dei ao direito de "desperdiçar" dois dias de viagem na cidade. Confesso que não estava muito empolgada com este trecho, era mais uma pausa estratégica. No final, foi uma cidade que me surpreendeu MUITO e eu recomendo PARA TODOS.
Por isso eu sempre digo: planejem e se permitam sair do roteiro mais batidão. Pernoitar em cidades como Evora permite experiências que não são possíveis em grandes cidades ou centros turísticos.

De volta à vaca fria: no dia anterior, a Adega Cartuxa me enviou um email dizendo que não seria possível agendar uma visita para mim, pois estava tudo cheio. Foi um balde de água fria mas, brasileira que sou, não desisti.

Acordei cedo com um pouco de ressaca do vinho da noite anterior, mas fui bater perna. Como a cidade não tinha muitas atrações, meus objetivos eram apenas a Capela dos Ossos e a Adega Cartuxa.

Um pouco da cidade:
Foto 09-10-15 05 16 35.jpg
Foto 09-10-15 05 16 35.jpg (2.08 MiB) Exibido 1420 vezes


Foto 09-10-15 05 05 02.jpg
Foto 09-10-15 05 05 02.jpg (2.22 MiB) Exibido 1420 vezes

Pastel de Nata. Eu só ia pegar um café nesse lugar, mas o senhor me recomendou pegar um pastelzinho, pois não ia me arrepender. Voltei lá e elogiei o doce, porque aquilo era um arraso mesmo. O senhor me contou que era uma receita convental e não é sempre que as freiras fazem. Por isso, não queria que eu perdesse a chance. Portugal melhor Portugal ad infinitum.

Fui conhecer a tal Capela dos Ossos.

Foto 09-10-15 05 25 01.jpg
Foto 09-10-15 05 25 01.jpg (2.96 MiB) Exibido 1420 vezes

Basicamente, é isso aí que cês tão vendo. Um espaço para que as pessoas lembrem da sua mortalidade, construído inteiramente com ossos humanos. Você paga 3 euros e vê esse espaço bizarro. Mas cidade pequena, né, amores. A gente visita o que tem.
Curiosamente, foi o único lugar que eu trombei com brasileiros em Evora.
(continua)
#1139084 por juliad
18 Nov 2015, 22:18
Dia 06 - Evora

Segui caminhando com calma pela cidade, enquanto ela acordava. Aos poucos as ruas ganhavam movimento, as lojas abriam e o céu ficava mais azul.
Passei pelo parque que fica na saída sul da cidade. Lindíssimo, tem pavões soltos <3

Foto 09-10-15 05 33 30.jpg
Foto 09-10-15 05 33 30.jpg (3.17 MiB) Exibido 1357 vezes

Pavões lindos

A maior atração de Evora, ao meu ver, é a própria cidade. Deliciosa de se caminhar e impossível de se perder, dá pra se perder por aqui e acolá tranquilamente. E o mais bacana é que a cidade não é infestada de turistas: tudo corre numa calma deliciosa.
Fui andando até o Centro de Vinhos do Alentejo - vi no mapa que existia isso, e caminhei até lá na esperança de conseguir entrar na Cartuxa sem agendação prévia.
Perda de tempo: cheguei lá e conversei com a funcionária. Ela me disse que não haveria como conseguir um agendamento e que, sem carro, não existia outra vinícula que não a Cartuxa. Mas ela me deu a direção exata no mapa para eu chegar até lá.

No caminho, trombei com o aqueduto que abastecia a cidade na Idade Média. Ele é super longo, cruza a muralha e você não enxerga até onde vai.

Foto 09-10-15 07 10 47.jpg
Foto 09-10-15 07 10 47.jpg (2.93 MiB) Exibido 1357 vezes

A ideia era tirar uma foto do aqueduto, mas o bichinho aí roubou a cena...


Quando fiz as minhas pesquisas, vi que quase todo mundo tomava um taxi direto para a Cartuxa. No entanto, encontrei um blogueiro que falou ter ido a pé e que adorou a experiência, já que era uma distância pequena e você entrava numa zona rural. Empolgada com o relato dele e com as direções da moça do Vinhos do Alentejo, resolvi seguir.

Foto 09-10-15 07 17 57.jpg
Foto 09-10-15 07 17 57.jpg (2.7 MiB) Exibido 1357 vezes

Caminho para a Cartuxa.

Um pouco insegura, resolvi perguntar para um senhor na rua se eu estava perto. Ele me apontou uma casa, a uns 500m e disse que era lá. "pow, beleza!", pensei.
...pois que chego no lugar e encontro um prédio abandonado. COM CANTO GREGORIANO NO FUNDO.
Tinha um senhor dentro de um carro, quase dormindo. Fazer o que, né?

- Senhor? Por favor, aqui é a Adega Cartuxa?
- Ô menina, mas não! Aqui é o CONVENTO CARTUXA
- o_0
- Pois! A adega está a cousa de um kilometro daqui.
- E como eu faço para...
- ESPERE! ESPERE! CARLOOOOXXX! CARLOXXXXX!
- Errr...
- ESPERE, EU DISSE! CARLOXXXXXXXX ONDE ESTAS?

Eis que Carlos - um sujeito da roça com cara de simpático, mas um pouco puto com o seu amigo - surge.
- QUE ES? POR QUE ME AMOLAS?
- Deixaste a porteira de lá aberta?
- Ah pois, mas sim!
- Ótimo, a menina aqui vai cruzar. Menina, ouça. Vais a cruzar a quinta de Carlos aqui. Se fores por fora, vas a gastar muito tempo de caminhada, e está muito sol hoje! Cruzas a quinta, andas um pouco e verás as vinhas.
- Errr..

Fazer o que, né. Não iria fazer uma desfeita deste tamanho para o Carlos.
Eis que abro o portão de trombo com essas belezuras:

Foto 09-10-15 07 26 47.jpg
Foto 09-10-15 07 26 47.jpg (3.48 MiB) Exibido 1357 vezes

Ovelhas. Eu falei que o aqueduto era enorme. Ele passa, inclusive, pela Quinta do Carlos.

Daí que eu me encontro no meio do sitio, SEM NINGUEM PERTO e SEM QUALQUER VINHA AO MEU ALCANCE DE VISTA. Ah, claro: existiam também bois gigantes soltos, vacas, galinhas. Uma fofura.
De repente, o caminho se bifurca: de um lado o mosteiro, e do outro, o nada. Segui para o nada. E andei...

Foto 09-10-15 07 33 52.jpg
Foto 09-10-15 07 33 52.jpg (3.06 MiB) Exibido 1357 vezes

Portugal.Melhor.Portugal.5x
Opa, parecem vinhas.

Foto 09-10-15 07 34 22.jpg
Foto 09-10-15 07 34 22.jpg (3.48 MiB) Exibido 1357 vezes

Ah sim, são vinhas sim! =)

E lá estava a Adega e as Vinhas da Cartuxa =)
Tava na porta e não custava tentar a visita, né? A moça que me atendeu me informou que não tinha como, que estava lotado e que, de qualquer maneira, a única visita da manhã já havia iniciado. Me pediu desculpas e, como cortesia, me ofereceu uma taça de vinho.

Foto 09-10-15 07 49 47.jpg
Foto 09-10-15 07 49 47.jpg (2.01 MiB) Exibido 1357 vezes

Portugal.Melhor.Portugal.6x and counting

Curti minha taça de vinho observando as vinhas com calma. Desci e fiquei passeando por ali.
Tudo isso havia acontecido e ainda não era nem meio dia. Voltei pelo caminho tradicional e, sinceramente? Recomendo que quem a visite erre o caminho, igual a mim.

De volta à cidade murada...
(continua)
#1142047 por juliad
30 Nov 2015, 23:14
dia 06 - Evora

bom, curti o resto do meu dia andando para cima e para baixo na cidade. Como disse, Évora é uma cidade deliciosa de se passear, então, dá para curti-la com calma.

Dica: Portugal é o maior produtor mundial de cortiças (sim, o material de que são feitas as rolhas de vinho). A produção deles é tamanha que você encontra trocentos souvenirs que vão desde um porta-copos até biquinis (!!!). E, em Evora você encontra diversas coisas bacanas feitas com este material, por preços convidativos. Alias...
Dica 2: Portugal é um país que valoriza MUITO a produção artesanal. Você encontra com facilidade diversos produtinhos que não são aqueles imãs sem personalidade, Made in China. Aproveite, fuce! Tem muita coisa bacana...e eu sou o tipo de pessoa que não tem QUALQUER paciência em lojas de souvenirs.

Nesse dia, a galera da faculdade já não estava mais na cidade - como era sexta-feira, provavelmente os estudantes voltaram para as suas casas (com uma ressaca daquelas hahahah).
A cidade estava mais tranquila e, andando para lá e para cá, fui parar numa vernissage de uma artista local, por acaso. Passei o meu último dia em Evora conversando com estudantes, que me contaram diversas outras coisas incríveis sobre o local. Vivências que só se consegue ter viajando sozinha para uma cidade pequena.
#1142056 por juliad
30 Nov 2015, 23:35
dia 07 - Evora para Lisboa

Taí um dia em que tudo foi confuso. Talvez por ser meio de viagem e eu já estar cansada, talvez por já ter pego amor por alguns lugares e, provavelmente por eu já me sentir de certa maneira "safa" em Portugal.
Pelos meus planos, tudo seria simples: pegar um trem 9am para Lisboa, chegar lá 11am e daí visitar Alfama, tranquilamente.

Bom. Nada foi tão tranquilo assim.
A começar pela saída de Evora: nos dias anteriores, havia andado a cidade para cima e para baixo, e julguei conhecer sua geografia como uma alentejana da gema (isso existe???). Daí que fiz o meu checkout, escrevi uma review fofa no guestbook do hostel e, junto com a minha malinha, fui a pé para a estacão de trens.
Eu já disse que andar com mala de roda naquela cidade era um suplício? Sim. Eu já disse também que a estação era relativamente longe do meu hostel? Sim também. No entanto, me julguei espertona e resolvi "curtir os meus últimos momentos na cidade". Muita foto, muita sensação de "aiii, vou sentir saudades desse lugar mágico" e muitos suspiros.
....daí que olho para uma das inúmeras sinalizações de travessas da cidade e leio: RUA DO CANO. Pois. Pá. A Rua do Cano, como havia aprendido nas minhas andanças, era na direção NORTE da cidade, enquanto a estação de trem era na direção SUL. Olho para o relógio e só faltava MEIA HORA para o meu embarque. Ah, que legal. O nervoso me bateu e eu, mesmo tendo um senso de direção aguçado, vi que estava mais e mais perdida. Entrei em algumas lojinhas e o pessoal me falava "Ah poix, extaxx muito loinxxi da exxxt'ssão". Desespero.

Foto 09-10-15 06 19 42.jpg
Foto 09-10-15 06 19 42.jpg (1.46 MiB) Exibido 1281 vezes

Nem o dog alentejado me ajudou.

Era quase 8h50 (10 minutos para a partida) e lá estava eu, andando a esmo...e o pior, vendo a MURALHA NORTE da cidade. Me senti uma idiota de me perder num lugar tão pequeno e só queria ir embora daquela cidade naquela altura.
....foi quando surgiu UM TAXI. UM TAXI! Rá! O gajo me levou até a estação de trem e, no caminho, ainda ficou me dando bronca, dizendo que fui para direção errada. Bom, a bronca e a comodidade me custaram módicos 4 (four/vier/quatre) euros.

Feliz da Silva no trem e, em direção ao cidadão que era Lisboa, lá fui eu. Ah sim, vale dizer: existe uma richa bem forte do resto de Portugal com Lisboa - na verdade, é aquela velha richa de argentinos x buenos aires, franceses x paris. Geral do interior reclama que o povo é sem educação, sem paciência, etc.

Daí que entra a segunda parte do meu stress: sentei em uma cadeira aleatória e o um alemão sentou ao meu lado. O trem inteiro estava vazio, ninguém entrava/saia em nenhuma estação...mas o que importa? A poltrona do alemão era aquela e ele me espremia, sendo que eu estava com a mala no chão e os pés em cima dela (imaginem a cena...)
Lógico que a culpa era minha, mas fiquei constrangida em levantar dali e esperei dele, por estar no corredor, alguma atitude. Não teve: ele ficou lendo o Fernando Pessoa dele em inglês tranquilamente, enquanto eu ficava envergonhada e dolorida.
No meio da viagem criei coragem e fui para outra poltrona. Auf Wiedersehen, mein Kollege!

e então: Lisboa, finalmente!
#1142061 por juliad
01 Dez 2015, 00:28
dia 07 - Lisboa

Cheguei na Estação Oriente, que já havia conhecido gracas ao transbordo da ida. Para a minha surpresa, não via mais o Tejo da plataforma: tava uma chuva que só, daquelas capazes de derrubar o mundo.
Desanimei por um momento, mas não deixei este sentimento me tomar. Com a maior filosofia Poliana de ser, lembrei-me que ali era a região do Parque das Nações e, nos seus entornos, existia o famoso Oceanário de Lisboa.
Confesso que o Oceanário não estava entre as atrações que eu pretendia conhecer na cidade, principalmente pela distância do centro. Mas, estando ali, por que não aproveitar? E, com uma chuva daquelas, um ambiente fechado é a melhor opção, não é mesmo?

Dica: leia BASTANTE sobre o seu destino. Isso permitirá que você possa aproveitar passeios alternativos, otimizando o seu tempo.

Primeiro passo: deixar a mala em um bagageiro. Perguntei para uma funcionária e sim...havia bagageiros ali! YAY!
Agi como uma local e fui direto para a "salinha de lockers". É um processo totalmente automático, que não parecia requerer muito trabalho.
Daí vejo que a droga da máquina exige um depósito inicial e daí libera o seu acesso. Depois disso, rola um "taximetro". Se não me engano, era 0,50/hora, com depósito inicial de 3 euros.
Começa o stress: a máquina recusa as minhas moedas.
Chamo uma funcionária. Ela não acredita. "Mas se colocaxxx um euro, maxx é log'c' q' vaixx aceitar". Não aceita não, moça, vem ver. Mostro a moeda cair umas cinco vezes até que ela se convença que ela cai mesmo. Espantada, ela chama um outro cara. Ele argumenta igualmente: "Mas se colocaxxx um euro, maxx é log'c' q' vaixx aceitar". Daí ele coloca a moeda e: fluuuu, a moeda é computada. Morrendo de vergonha, brinquei que aquilo só aconteceu porque foi na frente dele. Ou ele não entendeu a brincadeira de brasileira que eu fiz, ou ele não teve paciência mesmo e se trancou em sua sala.
Bom, faltavam 2 euros para o depósito e...EU NÃO TINHA. Devia ser o sono, não é possível. Chamei a moça de novo e ela, já puta da vida, me mostrou a incrível...
MAQUINA DE TROCO
A máquina de troco é um negócio doido, gente. Você coloca uma nota grande, e ela devolve moedas trocadinhas. Europa, né, queridoxxx.
Encolhi minha cabeça, fiquei com mais vergonha ainda e finalmente FECHEI AQUELE BENDITO LOCKER.

Foto 10-10-15 06 44 17.jpg
Foto 10-10-15 06 44 17.jpg (2.12 MiB) Exibido 1265 vezes

Pra ninguém ser mongo igual eu: você escolhe o locker, coloca a grana e ele abre.

Foto 10-10-15 06 45 45.jpg
Foto 10-10-15 06 45 45.jpg (1.95 MiB) Exibido 1265 vezes

...daí ele imprime um comprovante. Com este código aí, você libera o seu locker. Antes disso, ele avisa quanta grana você deve.

Me sentindo mais brasileira do que nunca, fui comprar um guarda-chuva para enfrentar o caminho. Sim, acabei perdendo o que eu levei no Porto =/
Tentei negociar com um chinês no metrô, mas ele fez por 5 euros, não menos.

Tava uma chuva daquelas. Cruzei o shopping Vasco da Gama para chegar na orla do Tejo e, de lá, tentar descobrir pra que lado era o Oceanário.
A chuva era tanta que nem se enxergava o Tejo direito. Uma pena. Depois de vê-lo (me apaixonar perdidamente por ele nos dias que passei pela cidade), imaginei que aquele lugar deveria ser lindo em um dia de sol. Uma sugestão que faço: passem por lá e curtam o visual. O Parque das Nações é realmente uma região diferente da Lisboa tradicional que conhecemos. Um pouco fake, é verdade: tem algo de Puerto Madero meets Porto Maravilha mas, ainda assim com o seu encanto.

....eis que surge: O OCEANARIO. E junto dele, sua FILA, com crianças e mais crianças e mais turistas e mais AAAAA
Pois claro. Sábado de chuva em Lisboa. Até parece que só eu (que era recém chegada na cidade!) teria essa incrível idéia.
Foram duas horas na fila, boa parte dela embaixo de chuva. Comecei a questionar que raios eu fazia ali, já que eu nem curtia aquários. TREZE EUROS a entrada, veja. E o lugar estaria entupido! Que baita programa de índio...
No meio da fila, resolvi ler melhor sobre os ingressos e percebi que existiam duas opções: a exposição permanente (13 euros) e a permanente+temporária (17 euros). A temporária parecia ser interessante e na hora eu só escolhi essa opção porque me pareceu que estivesse VAZIA.
Minha experiência em museus me ensinou que turistas/galera com criança não vai em exposições temporárias. Segui meu instinto e isso fez toda a diferença na minha visita.

Sobre o Oceanário:

Visitem, gente. Sério. Eu não gosto deste tipo de atração e já estive em diversas atrações como esta em vários lugares do mundo. Mas o Oceanário de Lisboa é especial.
Alguns motivos:

1. O Oceanário de Lisboa está em Lisboa. Lisboa, a capital das grandes navegações. Lisboa, a capital de Portugal, um país que se orgulha de sua posição geográfica abençoada. Nenhum outro país poderia valorizar tanto os oceanos quanto Portugal.

2. A proposta.
Foto 10-10-15 08 01 44.jpg
Foto 10-10-15 08 01 44.jpg (1.8 MiB) Exibido 1265 vezes

O Oceanário de Lisboa não é uma atração tipo Disney. Foi criado na Expo-98 e tem como objetivo educar todos que visitam sobre a variedade e e a importância dos mares para nós. A renda deles é revertida para a preservação dos mares. Durante toda a visita, somos lembrados de como o mundo terrestre é um nada comparado ao maritmo. E tudo isso de uma maneira poética que só os portugueses sabem fazer.

3. A poesia
Por toda a visita, você encontra versos de uma poetisa portuguesa apaixonada pelos mares. É algo lindo de se ver. Os trechos de poemas estão juntos às variedades de fauna/flora.

4. A exposição temporária de Takashi Amano
Foto 10-10-15 07 52 50.jpg
Foto 10-10-15 07 52 50.jpg (3.07 MiB) Exibido 1265 vezes

É dificil descrever com palavras. Talvez este video mostre melhor: https://www.youtube.com/watch?v=gEnuV-1jmhk
Takashi Amano é um aquarista que criou uma "selva subaquatica" com os mínimos detalhes. O mais lindo disso é que a ideia é que ela se desenvolvesse por si só. Junto ao incrível paisagismo que ele criou - e a fauna/flora deram o seu jeito de deixaram tudo mais incrível, tem uma trilha sonora incrível. É um lugar para você relaxar por uma meia hora. Coisa de outro mundo. Foram os 4 euros mais bem empregados.
A parte triste da história é que Takashi morreu há alguns meses e não conseguiu ver o desenvolvimento de sua obra prima. Por isso, acho que quem puder, deve prestigiar.

5. A diversidade
Não é um aquário para-inglês-ver. Você percebe que tudo ali foi pensado nos mínimos detalhes e com muito amor. Ele é dividido em 4 alas: Indicio, Atlantico, Artico e Pacífico. Cada qual com suas diversidades. A cada ala nova você pensa que realmente, a variedade dos oceanos é tremenda.
Foto 10-10-15 08 32 10.jpg
Foto 10-10-15 08 32 10.jpg (1.06 MiB) Exibido 1265 vezes

Tem que ter foto desses bicho, né?

Em resumo: é uma visita linda e imperdível. O Oceanário é feito e cuidado com um primor e uma poesia e delicadeza que só Portugal seria capaz. Fiquei muitíssimo emocionada de ter tido a oportunidade de conhecê-lo. Voltaria sozinha, arrastaria meus amigos, faço textos e mais textos o defendendo.

Dicas: Visite a exposição temporária. Chegue cedo e não enfrente filas/lugar cheio igual eu. Se tiver crianças, confira algumas programações: eles tem programas que permitem que os pequenos passem a noite lá dentro, dormindo com as baleias <3

No próximo post, eu volto para a chuva e recupero a minha mala e vou para Lisboa-Downtown.
#1144267 por juliad
09 Dez 2015, 23:14
dia 07 - Lisboa

Cansada (mas maravilhada), retornei à Lisboa-Oriente para buscar minha mala. Peguei uma boa chuva no caminho e o caminho do Shopping Vasco da Gama estava caótico, com tapumes improvisados, goteiras, turistas europeus e suas capas e toda a bagunça que isso envolve.
Bora conhecer Lisboa de verdade agora? Sim, então bora pegar as malas! Cheguei à temida sala dos lockers e fui destravar o meu bagageiro.
Pausa.
Havia um grupo gigantesco de italianos lá dentro. Já disse que o lugar era pequeno e abafado, né? E vocês sabem que italianos são barulhentos e confusos e espaçosos, né? E, pelo que leram, já perceberam que eu estava ligeiramente traumatizada com aquela sala maldita, né?
Ah, pois. Digitei o meu código na maquininha, que avisou sobre o meu saldo devedor: 4 euros. Ok, sem erro. 1, 2, 3...opa, não tenho mais moeda aqui...mas tudo bem, temos a INCRIVEL MAQUINA DE TROCO AQUI ATRAS.
Viro e vou trocar dinheiro na máquina. Quando de repente, não mais do que de repente...UM DOS ITALIANOS RESOLVE USAR A MINHA MAQUINA! NO MEIO DA MINHA OPERACAO!
O infeliz estava brigando com a máquina, assim como eu estava há algumas horas...ok, entendo. O que me irritou foi: existiam uns 5 terminais para liberar bagageiros, e ele resolveu utilizar logo o meu...que estava EM USO.
Fiquei puta, troquei meu dinheiro e peguei o troco na máquina.

Fui tirar satisfação
- Parlas portugues? (meu italiano limita-se a isso)
- No, no, signora!
- YOU WERE USING MY MACHINE
- But...No problem!
- Yes, there is! I had already inserted 3 euros in there, and guess what? You just decided to interruped me. I just lost my money, because of you!
- But no problem, lady! No stress!
- Yes, because this aint your money, right?

O italiano e seus amigos sairam da frente, confusos. Porra, havia perdido 3 euros nessa imbecilidade. Daí que digito o meu código e...
A MAQUININHA FALA QUE EU SÓ DEVO 1 EURO.
Ou seja: a máquina computou o que eu havia depositado, mesmo com o italiano tendo interrompido a operação. Não perdi um tostão e me senti uma idiota. Daí percebi que a confusão dele é legítima e que, brasileira que sou, sempre duvido do sistema. Sem nenhum fundamento, porque vejam: por que raios a maquininha engoliria meu dinheiro sem computar?
Saí de lá com vergonha e fui para o meu hostel. Comprei o bilhete diário na estação, peguei o metro e desci em Cais do Sodré. Meu hostel era no andar de cima da estação.

Chegando na estação, já estava insegura e perguntei aonde era. Um funcionário me deu trocentas direções e me deixou mais confusa do que estava. Ignorei e segui adiante. O hostel estava ALI, menos de 10 metros dele.

Dica Portuguesa: atente-se às direções que os portugueses lhe darão. Eles são extremamente detalhistas e os lugares parecerão 10000 vezes mais longes do que realmente são. Para completar, eles são educados e super fofos. Percebi isso em toda a minha viagem. Já no final, não perguntava nada e me virava mais rapidamente sozinha.

A chuva não dava trégua. Só queria deixar a minha mala no hostel e seguir, mas, para a minha surpresa, o pessoal do hostel resolveu fazer um "tour" explicando o funcionamento de tudo para mim e para uma chinesa, antes de nos liberar o quarto. Acho que passamos uma meia hora ouvindo regras de funcionamento bem óbvias.

Mala no quarto, roupa seca no corpo: bora!
Perguntei na recepção onde eu deveria tomar o Electrico 28, o bonde mais famoso da cidade - que sobe até o Castelo de São Jorge e Alfama. Com o caminho anotado, bora encarar a chuva, incessante.

Impressões iniciais de Lisboa:
Foram ruins. Fui caminhando naquela baita chuva e vento, com saudade da calmaria de Evora. A cidade parecia grande, caótica, com tran-si-to, gente passando o farol vermelho, bagunça pra todo lado, malandros vendendo coisas. Fiquei triste e chateada, pensando que ficar ali tantos dias (seriam 5 ao todo) seria uma roubada. Pensei que todo aquele encanto que tanto li não existia e era fruto de alucinação coletiva e que, cidade grande por cidade grande, fico com São Paulo mesmo. Para completar, o pessoal do hostel me mandou ir para um lugar errado. Caramba, tem coisa mais turística do que o Bonde 28? Como eles podiam não saber isso?
(spoiler: me apaixonei por Lisboa depois e, definitivamente, é uma das minhas capitais européias favoritas).

Dica fundamental para qualquer viagem: se você sonha/cisma com uma cidade, reserve um tempo para ela, com calma. Existe a possibilidade (real) de rolar algum stress - seja pela chuva, seu mau-humor, cansaço, situação específica, não importa! Dê chance para os lugares! E, para essa chance existir, você precisa de um certo TEMPO e VIVENCIA por lá. Se eu ficasse apenas uma noite em Lisboa, provavelmente minha impressão seria péssima

Dica não menos importante: não insista em fazer uma atividade que tem tudo para ser roubada. Uma boa refeição, um tempo contemplativo em um lugar bonito, uma conversa agradável serão melhores opções - e experiências - do que querer ticar lugar no seu roteirinho. Você terá todo o tempo para visitar o que for, não precisa dessa pressa toda

Não segui essa segunda dica e fui caçar caminho pra Alfama. De bonde, lógico. Com inúmeros turistas parados no ponto, feito tontos, iguais a mim. Embaixo da chuva, sem cobertura. Depois de 40 minutos, eis que passa um bonde e para. Foi um empurra-empurra digno de Estação da Sé (daqui de São Paulo). Não consegui entrar e esperei mais 40 minutos.
Nessa altura, já tava puta. Havia cismado de subir para Alfama e, já que esperei tanto tempo para chegar lá, iria pegar o próximo bonde...que só passou depois de outros 40 minutos, lotado também. Passei meu bilhete diário que havia comprado mais cedo e me espremi entre os turistas lá de dentro - muito atenta, que fique claro, aos batedores de carteira. Dois dias depois, um deles resolveu me roubar neste mesmo bonde, mas isso é história para depois.

Foto 10-10-15 11 16 00.jpg
Foto 10-10-15 11 16 00.jpg (2.56 MiB) Exibido 1215 vezes

Esperando o bonde no ponto. Só existiam bondes como este, que VINHAM de Alfama, nenhum que IA.

Passei algumas horas passeando pela região de Alfama. No início me perdi - desci na Praça Martim Moniz e segui na direção Intendente - fui parar em uma vizinhança indiana/angolana. Depois, meio que encontrei o caminho, mas, talvez pelo cansaço, achei tudo normal e estava sem paciência.
Decidi voltar para a região do meu hostel, e peguei um metro para a Baixa-Chiado.

Foi aí que Lisboa se abriu para mim.
Dei de cara com a Praça Camões, lotada. Bondes para todos os lados. Pastelarias assando pasteis de nata. Gente de todos os tipos, indo e vindo. Uma iluminação linda. Esforcei a vista, e vi o <3 Tejo <3, logo abaixo. O sino dos bondes. O sotaque dos lisboetas, para cima e para baixo. A sensação de que por ali caminhava Fernando Pessoa. Entrei num supermercado para comprar um vinho e perguntei para a atendente até que horas as lojas ali ficavam abertas.
A moça, angolana, me respondeu com um sotaque deliciosamente africano:
"ah, pois. Não ha de se preocupar. Estás em Lisboa, vinho não faltaras para ti."
Saí de lá feliz com o meu vinho na mão e um sorriso enorme na cara. Lisboa havia, finalmente, me conquistado.

Dica das dicas: Lisboa é, definitamente, apaixonante

E esse era só o começo.

(esse post não tem muitas fotos, eu sei. foi um dia confuso, mas muito intenso)
#1151719 por juliad
07 Jan 2016, 20:03
Marcus, que bom que está gostando. Portugal é fascinante mesmo...tenho certeza que você irá adorar a sua viagem!
#1151734 por juliad
07 Jan 2016, 20:43
dia 08 - Lisboa (bate e volta para Óbidos)

Neste dia, eu havia planejado um bate e volta para Óbidos. Quando li sobre a cidade, fiquei apaixonada: pequena, charmosa, sem carros...Minha empolgação em conhecê-la era tamanha que meu roteiro inicial incluia uma noite nela. No entanto, larguei de mão esta ideia porque todos falavam que a cidade é minúscula e extremamente turística. Além disso, o acesso a ela era um pouco chatinho a partir do Porto, de onde eu viria.
Assim, resolvi que a faria como um bate e volta a partir de Lisboa.

Pois. Na noite anterior, consultei os horários de ônibus de Lisboa para lá, no site da rodotejo.pt. Dei um print no cel e fui dormir.
A página é esta:
http://www.rodotejo.pt/media/rapidas/horario_verde.pdf

Dica: é muito legal saber de antemão como ir para bate e voltas que você planeja. Muitas vezes, contar com a informação do pessoal da cidade é contar com a sorte.

...e, basicamente, isto que ocorreu. A informação da Rodotejo era de que a linha de ônibus sairia da estação Entrecampos. Minha ideia era pegar o ônibus das 6h30 (o próximo só sairia 9h). Peguei o metrô logo cedo e cheguei na Entrecampos.
A estação estava vazia, nenhuma viva alma. Nenhuma sinalização sobre ônibus, terminal de ônibus, NADA. Saí na rua procurando os ônibus parados, na esperança de que algum fosse para Óbidos, mas nada. Todos os ônibus eram de linhas dentro de Lisboa. Procurei placas, perguntei pras pessoas...até que um taxista me informou que ônibus para Óbidos partiam, na realidade, de outra estação - Campo Grande. Acabei acreditando nele, entrei no taxi e, quando vi...
LA ESTAVA O ONIBUS PARA OBIDOS, PARADINHO.
Deixei o taxista falando sozinho e embarquei, feliz da vida.
Uma hora de viagem depois (o ônibus estava VAZIO!), cheguei a Óbidos.

Foto 11-10-15 04 51 16.jpg
Foto 11-10-15 04 51 16.jpg (2.19 MiB) Exibido 1024 vezes

Cidade fofuxa

A vantagem de chegar em Óbidos tão cedo foi ver uma vila calma, sem ninguém na rua. Encontrei um único lugar aberto para um café. Aproveitei e conversei com a atendente, que me contou que a cidade, em questão de minutos, lotaria com hordas e mais hordas de turistas.
Resolvi aproveitar o pouco tempo que tinha a cidade só para mim para percorrê-la com calma, fazer fotos, etc.

Foto 11-10-15 04 51 32.jpg
Foto 11-10-15 04 51 32.jpg (2.44 MiB) Exibido 1012 vezes


Foto 11-10-15 08 23 49.jpg
Foto 11-10-15 08 23 49.jpg (1.95 MiB) Exibido 1012 vezes


Foto 11-10-15 04 58 45.jpg
Foto 11-10-15 04 58 45.jpg (2.53 MiB) Exibido 1012 vezes


Óbidos é uma cidade murada (aliás, você pode subir a muralha e percorrer a cidade - coisa que não fiz, porque tenho PAVOR de altura) e vive basicamente de turismo. Pelo que percebi, ninguém mora lá - todas as casas ou são pousadas ou lojas ou restaurantes. Você a percorre com toda calma do mundo em coisa de meia hora.
Confesso que fiquei um pouco decepcionada com esse cenário-quase-construído-para-turistas, principalmente quando MILHARES de pessoas chegaram em excursões, de BANDOS. Mas a cidade é adorável, e dá vontade de observar todas as casinhas e vistas e flores possíveis. É um cenário lindíssimo mesmo, tanto que acabei pegando o ônibus das 13h de volta, em vez do de meio dia.

Claro, não sem antes provar...

a ginginha de óbidos
Foto 11-10-15 06 19 51.jpg
Foto 11-10-15 06 19 51.jpg (2.76 MiB) Exibido 1024 vezes

(só consegui tirar essa foto na terceira ginginha que comprei, graças à chuva e minha falta de coordenação)

Óbidos é famosa por esta bebida, a ginginha. Trata-se de um licor a base de ginga, uma espécie de cereja. O plus-a-mais é que o licor é servido nessa canequinha fofa, feita de chocolate. nham.

Em Óbidos, você encontrará também muitas lojas vendendo chocolates artesanais. Também é tradição da cidade, que sedia anualmente, em abril (acho...), o festival do chocolate. Muita coisa gostosa, mas muito caro também - barras a partir de 10 euros =/

Curti mais um pouco a cidade, tirei trocentas fotos e despedi-me.
Quem puder ir, vá. O ônibus para lá é 8 euros/trecho e leva 1 hora, a partir da estação Entrecampos. Na cidade, você consegue visitar tudo com calma em menos de 3 horas.
Sugestão: Tente visitar a cidade num horário em que ela esteja mais "vazia" - ou pela manhã, como eu fiz, ou no final da tarde. Ela tem um clima agradabilíssimo, que é parcialmente quebrado com ondas e ondas de turistas doidos
Anexos
Foto 11-10-15 07 57 36.jpg
Foto 11-10-15 07 57 36.jpg (2.16 MiB) Exibido 1024 vezes
Foto 11-10-15 05 14 07.jpg
Foto 11-10-15 05 14 07.jpg (3.16 MiB) Exibido 1024 vezes

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 2 visitantes