Troca de informações e relatos de trilhas e travessias na região sudeste do Brasil. Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.
#456285 por davicaetano
18 Mar 2010, 00:45
Essa viagem começou, na verdade, há um tempo. Eu vou viajar a Campo Grande na semana santa, e pensei em ir para Bonito antes. Porém queria acampar. Para acampar precisava de uma barraca e digitei no google “barraca Nautika” e vim parar aqui no mochileiros.com. Nem sabia onde estava me metendo naquele momento. Pesquisei sobre Bonito e vi que não era o que eu estava procurando, pois todas as atrações exigem guias. Comecei a viajar pelos relatos de voces e vi alguns sobre Monte Verde. Perguntei para o Marcos SJC que me encorajou bastante a fazer.

Então tinha que comprar o equipamento. Comecei a comprar tudo há duas semanas: Mochila, barraca, saco de dormir, lanterna, fogareiro. No sábado de manhã respirei fundo, subi na moto e rumei para Monte Verde. Não sabia se tinha tudo que precisava, mas se não tivesse descobriria lá.

A viagem foi muito boa, com sol o tempo todo. Cheguei lá no sábado às 11:00 e quando entrei na trilha já era quase 12:00. Esqueci de trazer água e comprei uma garrafa no reataurante de uma senhora bem simpática. Eu achava que a mochila estava lotava e meio que pendurei a garrafa. Ainda na estrada para a trilha ela caiu no chão e então descorbi um bolso na mochila que devia servir exatamente pra isso. Inclusive tinha um de cada lado e achei que deveria ter comprado duas garrafas, mas era tarde demais.

Subi, conforme meu planejamento, em direção ao Platô. Logo no começo da trilha tinha uma saída que dava pra uma pequena pedra que dava pra ver bastante coisa, mas nem era tão alta. Eu pensei que aquilo era o Platô e disse “Nossa que vista legal”. Cruzei um riachinho ao continuar a subida e molhei o rosto: a água era muito gelada. Como estou com a barba grande a água ficou nela deixando uma sensação térmica ótima praquele calor. Subindo um pouco mais cheguei no Platô. Havia ali dois grupos. Eles me viram com a mochila enorme e falaram comigo, porém eu nem conseguia conversar direito hipnotizado pela paisagem. Lá embaixo havia dezenas de pequenas montanhas num desenho irregular. O sol deixava uma sombra em um dos lados, o que fazia de tudo mais belo. Sentei e tomei uns goles de água. Logo rumei para o Selado.

A trilha começou tranquila, com grama, uma poça de água. Propaganda enganosa. A vegetação começou a fehcar, a trilha a subir e a mochila pesa. Desde o começo da caminhada fui tentando ajustar a mochila para que não pesasse muito. Logo saquei que dependia do momento: tem vezes que vai mais peso na constas, outras nem tanto. Esse foi o primeiro grande aprendizado. Já estava avisado quanto às bifurcações por conta do relato do Augusto, caso contrário entraria em pânico. No caminho Ia encontrando vários turistas que confessavam que não tinham conseguido. Um casal me disse que chegaram há uns 100m do Pico, porém não acharam a trilha. Fiquei com medo mas continuei. A partir de certo ponto não havia mais ninguém.

Várias vezes chegava mnuma pedra e pensava que era o cume, mas quando olhava pro lado tinha algo maior e continuava. A água estava quase acabando e eu sabia que a única fonte nessa região ficava antes do Platô, mas segui em frente. A trilha ali era muito fechada e várias vezes parecia que acabava, sendo necessário abrir a mata com as mãos para enchergar o caminho. Após muito caminhar cheguei numa pedra bem grande que precisaria escalar. Deixei a mochila ali embaixo e subi. Quando cheguei tive a melhor visão da minha vida. Ali, por ser o ponto mais alto de Monte Verde possibilitava uma vista 360 graus. Não sabia o que fazer. Olhei para o lado e vi uma caixa de metal presa a rocha. Abri o vi o livro do cume. O vento chacoalhava os sentimentos dentro de mim, e não sabia se ria, chorava, gritava. A primeira coisa que veio na minha cabeça naquele momento deixei escrita no livro: "Senhor, concêda-me serenidade para aceitar as coisas que não posso modificar, coragem para modificar aquelas que posso, e sabedoria para reconhecer a diferença, Só Por Hoje".

Eu não queria mais descer. Olhei para o lado e vi uma pedra com uns 10 metros de altura a menos, plana o suficiente para montar a barraca. Mas, se quisesse fiacar, teria que voltar e buscar água. Após alguns instantes um pássaro deu um rasante próximo a minha cabeça e me assustei. Quando olhei para cima vi uns 200 pássaros que voavam em círculos e, ao piar de um deles, devam um rasante até próximo ao solo. Era uma cena linda. Eu não acreditava que aquilo tudo estava acontecendo comigo, ali. Resolvi voltar, buscar água e armar o acampamento. Segundo grande aprendizado: água nunca é demais.

Após pegar a água, no Platô fiz dois miojos e comi uma lata de atum. Rumei novamente para o Selado. Andei bem rápido, com medo que escurecesse. Eu não sabia qual era a capacidade da lanterna que levava, nunca tinha armado uma barraca na vida e sem luz tudo ficaria bem difícil, mas mantive a calma, que é a melhor companheira de uma viajante solitário.

Quando cheguei novamente ao Selado fui direto para a pedra lateral montar a barraca. Eu nunca tinha feito aquilo na vida. Quando coloquei as varetas nos buracos da parte interna e a barraca ficou de pé, senti um alívio. Coloquei o sobre-teto e amarrei bem. Fui procurar uma pedras na região e achei só duas. Como o vento estava fraco ali, imaginei que seriam suficiente. Então voltei para o Selado para admirar o por-do-sol. Os pássaros ainda davam seu show voando em círculos. Quando o líder dava o sinal mergulhavam com tudo, sem se importar. Alguns exageravam e desciam para além de onde eu podia ver. Eu me levantava para tentar enxergar torcendo "não morre não passarinho, volta aqui" e engolia seco. Alguns instantes depois ele subia, como se tivesse apenas pregando uma peça em mim, arrancando um sorriso do meu rosto.

A barraca ficou armada com a porta de frente para o sol que se punha. Deitei no saco de dormir olhando seu súltimos raios e pensando como seria a noite.

Algumas horas depois, deitado sobre a rocha, olhava para as estrelas. Eram muitas, nunca tinha visto tantas. Reconheci algumas constelações mas o frio me empurrou para dentro da barraca. Tentei dormir, mas aí percebi o primeiro impecilho de acampar sobre a rocha: eu tinha apenas um saco de dormir e o chão era realmente muito duro. Tinha que deitar e ir me adaptando em conformidade com a rocha para que nem um osso ficasse sobre uma saliência, mas cada vez que livrava uma parte da dor, outas tantas ficavam no seu lugar. Porém, o cansaço venceu e dormi como uma bebê até cerca de meia-noite, quando fui acordado pelo vento, realmente muito forte. Nem sei qual a velocidade que estava, mas não acho que seria exagerado se dissesse 50km/h. Fiquei com medo de sair e a barraca ser levada, mas naquelas condições não tinha outra escolha. Não dava pra desmontar a barraca no escuro e levar para outro lugar, tão pouco tentar levar armada, já que tinha uma pequena trilha logo na saída dessa rocha. Então tomei a decisão mais burra e mais sábia ao mesmo tempo: Não fazer nada e voltar a dormir. Acordei a cada hora até que às 4:00 decidi que esperaria o nascer do sol. Fui para fora da barraca comer um saco de pão integral de canela e passas ao lado da barraca para testar se ela voaria sem meu peso dentro. Parecia que sim. O frio me levou pra dentro denovo e voltei a dormir. Às 5:00 acordei denovo. Coloquei a cabeça pra fora com a lanterna e não via um metro a frente com a neblina que vinha do vale. Era bonito o vento ver o vento levando a nablina pela montanha, mas eu preferia que estivesse bem limpo. Dentro da barraca eu achava que em algum momento o sobre-teto ia ser levado. Era tanto vento que se de repente acordasse no Platô por conta do vendo não seria estranho. Apesar de tudo dentro do saco de dormir estava quente e era só deitar que dormia, para acordar com o vento logo depois. O tempo ficou tão feio que mentalmente disisti de ver o nascer do sol e pensei que se saísse dali vivo já seria ótimo, mas quando chegou começou a clarear o tempo melhorou e pude subir novamente no Selado para ver o nascer do sol.

Era realmente muito bonito e cada instante passado naquela noite valeu a pena. Sentei e reverenciei a paisagem olhando cidades do Vale do Paraíba distantes e pequeninas perto da imensidão daquela cena. Olhei pro livro do cume e pensei em escrever tudo o que via, mas não seria capaz. Aliás, era a natureza que escrevia em mim uma das páginas mais belas da minha vida.

Caí em si novamente e fui desarmar a barraca. O vento continuava forte e cada parte que ia desmontando levava para a grama ali ao lado para conseguir dobrar. Tudo estava meio molhado e mal consegui enrolar tudo e colocar na mochila para seguir viagem. Terceiro grande aprendizado: arme a barraca sobre a grama.

Segui para o Platô. Antes de pegar a trilha para o Chapéu do Bispo desci para pegar mais água e escontrei dois caras que também estavam acampando, porém no Platô. Conversamos um pouco e continuei meu caminho.

A ida para o Chapéu do Bispo foi tranquila. Deixei a mochila escondida sobre uma pedra e subi até seu topo. A subida é um pouco difícil, deve-se escalar, porém há alguns ferros presos na pedra que facilitam tudo. Lá em cima existem outros desses ferros que imagino sejam para prender cordas para escalada.

Cantinuei o caminho até a caixa d’água e depois de uma íngrime descida encontrei uma campinho bonito, com uma pequena mesa de pedras e umas árvores. Decidi armar a barraca ali para deixar secar e dobrar direito enquanto, às 9:30 almoçava. Como eu acordara às 4:00 meu corpo pensava que aquela era a hora do almoço. Preparei mais dois miojos e outra lata de atum, que foram mais que suficientes para uma refeição.

Ali vários turistas pergutavam para mim sobre a trilha para a Pedra Redonda, que mais tarde descobri ser a mais frequentada. Alguns muito simpáticos ficavam um tempo trocando idéia. Eu gosto de conversas assim. Eu até que gosto de gente, embora prefira estar sozinho.

Desarmei a barraca, sequei com uma toalha que levara a parte de baixo e dobrei tudo bonitinho. Uma garota que brincava de escola há alguns metros veio em minha direção, dizendo que eu deveria conversar com o pai dela que era dono do restaurante ali do lado. Aquele terreno era particular e eu deveria pagar para ficar acampado ali. Mas como se eu nem estava acampado, mas secando a barraca? Arrumando as coisas depressa pedi para que o pai dela viesse falar comigo, pois estava de saída, e segui a trilha, tentando voltar para onde as terras não tem cercas e as árvores demarcam os espaços de maneira torta.

Já subindo avistei um casal rumando para a trilha na minha frente na qual o rapaz fumava um cigarro. O cara ia subir fumando? Melhor nem perguntar. Segui procurando uma fonte de água que o Augusto indicara que existia por ali, pois minha água estava zerada. O caminho começou a ficar molhado e pensei que encontraria por ali, porém não achei nada e achei que seria mais pra frente. Caminhei mais e encotrei uma família de japoneses, que me disseram que eu tinha passado a água, que ela onde estava molhado e tinha um caninho. Voltei bastante e encontrei o caminho, porém não pude evitar a raiva que a burrise própria causa.

Subi até a Pedra Redonda e encontrei o casal do rapaz que fumava. Eles eram de Campinas. O rapaz tinha um binóculo que me emprestou e pude ver as cidades ao longe e os picos pelo qual tinha passado. Dali pude ver também a Pedra Partida, meu próximo destino. Era mais alto de onde eu estava, porém no caminho havia um vale, o que tornava as coisas mais difíceis. A Pedra Redonda é bem grande, mas em toda sua grandeza ocupada por turistas. Fiquei algum tempo e segui para meu último destino antes que a chuva chegasse ao seu.

A trilha começou com grande descenso, o que era mal sinal, pois haveria de subir novamente. A trilha era bastante íngrime e fechada, e em certas trechos os bambus tomavam conta. Não raro precisava me arrastar, e a mochila desxava cada movimento difícil. Particularmente achei essa trilha a mais difícil, opinião com que meus joelhos concordavam. Cada vez que via uma pedra pensava que tinha atingido o cume, mas me precipitara. Quando cheguei tive certeza: soltei a mochila e escalaminhei a última das cinco montanhas de Monte Verde, sentindo uma espécie de gratidão especial por ter cumprido o que havia determinado. Tirei a camiseta e deitei sobre ela na rocha: o sol lavava meu rosto em meio as nuvens que não queriam chover para estragar meu momento especial. Bebi água para comemorar e olhei ao redor. Observei cuidadosamente cada um dos picos que havia subido e pude ver meus passos neles. Aproveitei os últimos momentos e desci.

No caminho de volta já não era o mesmo. Quem tinha subido aquelas montanhas não era quem estava voltando. Eu tinha me perdido e me encontrado ali. Não era apenas o rosto suja, as mãos cortadas, a calça rasgada, muito menos a bota suja de barro. O caminhar sereno exibia que dali descera outro homem. Os joelhos quase dobravam em si, tremiam. Houve ainda uma última frase balbuciada para as árvores: Eu nasci pra isso!!!

(Desculpem os erros de portugues, não tenho corretor nesse Word)
----
Equipamentos:
Mochila Curtlo 75L
Barraca Falcon 2 Nautika
Saco de dormir Viper Nautika
Bota Quechua Forclaz 50

#456302 por ROTA da AVENTURA
18 Mar 2010, 08:18
aow !!!
a ai davi que legal einh!!! muito legal sua trip ainda bem que deu pra utilizar algumas dicas aqui do site!!!!
hehehe agora o bixinho te mordeu , não vai parar mais de caminhar hehehe!!!! que legal que conseguiu assinar o livro !!
no mais é isso sempre "tentar" planejar sua trip para evitar perrengues (mas sempre vai aparecer mais um perrengue) levar sempre um croqui ou relatos para não se perder muito e tentar levar o minimo de coisa possiveis na mochila ::mmm: ::mmm: (com o tempo vc vai vendo que muita coisa pode ser deixado em casa)!!
falow
bruno
#456361 por Marcos R. S.
18 Mar 2010, 12:30
Salve Salve Davi !!


O relato ficou muito bom, e quanto aos erros de portuguêis ::lol4:: , nem esqenta o importante é oq vc vivênciou nessa trip. E conseguiu passa-la para outros aventureiros..
O lugar é mesmo lindo,tipo as distâncias entre os Picos não saum taum distantes, mas nem por issu são faceis de ser vencidas.

Achei a melhor parte "Os joelhos quase dobravam em si, tremiam. Houve ainda uma última frase balbuciada para as árvores: Eu nasci pra isso!!!"

Sei q pra esses dias até Abril vc vai estar meio ocupado com as viagens, mas quando tiver um tempo da um tok pra ver se armamos algo "mochileiro".

Abraços ::otemo::

P.S.: Só pra saber o Marcos qual menciona no inicio do relato, sou eu??? ::hein:
Pq se for sou de Campos do Jordão-SP ::lol4:: ::lol4::



Marcos
#456438 por Augusto
18 Mar 2010, 16:00
Muito bom Davi.
Parabéns pelo relato.

Acho até que vc deu uma p. sorte. Tempo bom em pleno mês de Março?
Só ficou faltando mesmo as fotos. Ou vai dizer que não tirou nenhuma?

O topo do Pico do Selado aparece mesmo de repente, pois aquele trecho entre o Platô e o Selado é quase todo na mata fechada.
Mas que bom que conseguiu chegar sem problemas.
E que mancada não ter levado agua. Vc tinha passado ao lado do riacho lá perto do platô.

E aquele ponto de agua que tá na estrada em direção à base da Pedra Redonda é dificil mesmo de encontrar. Não foi burrice sua não.
O outro ponto de agua mais próximo dali é na descida p/ a Fazenda Santa Cruz, alguns mts depois que vc cruza aquela porteira, que tá ao lado da base da Pedra Redonda.

E pode marcar aí, da próxima vez vai ser a descida p/ S. Francisco Xavier hein.
E são duas opções. Uma pela Fazenda Monte Verde e a outra pela Santa Cruz.


Abcs
#456525 por Cacius
18 Mar 2010, 20:10
Belo relato, muito bom desempenho pra primeira trip. Agora, tá devendo as fotos, né? E tua bacia aposto que exige um isolante térmico.. hehehehe
#456548 por Cris*Negrabela
18 Mar 2010, 21:37
Show esse relato, Davi!!!
Eu tambem me "joguei nesse mundo" nessa mesma serra, mas por outros caminhos, nao consegui visitar os picos. Ainda estou me devendo um rolê como o que voce fez!
#457322 por whitman8
22 Mar 2010, 15:43
Show essa Trip Davi !!!

Então essa semana até semana que vem estou tirando ou uma fazer 10/10 LE ou a Ninja 10/10 250R, não sei ainda qual é a "menos inapropriada" para fazer trilhas, pois ambas são boas para estradas e urbano, mas para barro.... Será que uma dessas aguenta um trilha igual essa que o Davi pegou ?? Alguém dá uma dica ae ?

abração
#457333 por ROTA da AVENTURA
22 Mar 2010, 16:17
aow !! eai with hehehe!!!
bela motoca vc vai estar adquirindo , mas acho que a estrada que o david pegou é asfalto com buracos e trechos com terra!! essa motoca que vc esta vendo vai de boa sim sem problemas mas foi o que vc disse elas são bem urbanas !!! uqe nem de montes verde ate a cachoeira dos pretos é tudo estrada terra sua moto vai mas tera que ter mais cuidado pois as suspenções dela não são preparadas para pegar muito buracos !!
vc teria que ver qual vai ser a prioridade pra vc !!! no meu caso tenho uma xr250 tornado ela é uma otima motoca na terra e boa no asfalto e ela me atende super bem adoro pegar estradas de terra fim de semana( de preferencia sempre procuro estradas de terra) e tambem pego asfalto com ela e rodo todo dia com ela para o trabalho !!!!
Ja a Fazer/twister são bem legais mais se pegar um barrinho ja fica prejudicada ( ::grr:: entra barro entre o paralama e o pneu dianteiro e da uma travada na roda ::grr:: ) pra minha utilização não me serveria
::love:: adoro ir pro mato /estrada de terra ::love:: é so amarrar o mochilão atras e pau na maquina pode ter terra asfalto barro que vou com tudo hehehehe !!!! ::hahaha::
tomara que vc faça um otima aquisição e se divirta com a motoca sendo ela ON ou OFF e quando quiser vamos combinar de fazer alguma trip pela região !!! ::otemo::
falow
bruno sjc
#457451 por davicaetano
22 Mar 2010, 22:14
bruno sjc escreveu:aow !!!
a ai davi que legal einh!!! muito legal sua trip ainda bem que deu pra utilizar algumas dicas aqui do site!!!!
hehehe agora o bixinho te mordeu , não vai parar mais de caminhar hehehe!!!! que legal que conseguiu assinar o livro !!
no mais é isso sempre "tentar" planejar sua trip para evitar perrengues (mas sempre vai aparecer mais um perrengue) levar sempre um croqui ou relatos para não se perder muito e tentar levar o minimo de coisa possiveis na mochila ::mmm: ::mmm: (com o tempo vc vai vendo que muita coisa pode ser deixado em casa)!!
falow
bruno

Fala bruno. Então, mordeu mesmo. Não é que esse final de semana, mesmo com a motoca fazendo revisão peguei o busão e fui pro PP sozinho. Nem tá dando tempo de documentar tudo e ainda fazer as coisas da facul. Valeu pelo incentivo e pelas dicas antes da viagem. Abs.

Marcos R. S. escreveu:Sei q pra esses dias até Abril vc vai estar meio ocupado com as viagens, mas quando tiver um tempo da um tok pra ver se armamos algo "mochileiro".

Abraços ::otemo::

P.S.: Só pra saber o Marcos qual menciona no inicio do relato, sou eu??? ::hein:
Pq se for sou de Campos do Jordão-SP ::lol4:: ::lol4::
Marcos


Fala Marcos. Foi mal, eu sabia que tinha umas letras depois do seu nome e confundi. Vamos marcar uma viagem sim, cada lugar que vou encontro gente no caminho que me pergunta se não conheço tal lugar de não sei onde e fica mais um pra lista que só aumenta.

Augusto escreveu:Muito bom Davi.
Parabéns pelo relato.

Acho até que vc deu uma p. sorte. Tempo bom em pleno mês de Março?
Só ficou faltando mesmo as fotos. Ou vai dizer que não tirou nenhuma?

E pode marcar aí, da próxima vez vai ser a descida p/ S. Francisco Xavier hein.
E são duas opções. Uma pela Fazenda Monte Verde e a outra pela Santa Cruz.

Abcs


Puta sorte mesmo ter pego o dia limpo, cheguei em SP bronzeado. Ainda mais depois de ver a foto de piscina que o Léo postou no fórum de barraca Nautika.
Eu não tirei nenhuma foto. Não tenho máquina fotográfica e tenho uma filosofia maluca de não gostar de tirar fotos que ninguém entende.

Cacius escreveu:Belo relato, muito bom desempenho pra primeira trip. Agora, tá devendo as fotos, né? E tua bacia aposto que exige um isolante térmico.. hehehehe

Eu dormi como um bebê sobre a pedra. Talvez minha cama seja muito dura. Comprei um isolante de EVA pra viagem que fiz essa semana mas ficar andando com ele pra fora da mochila não foi muito prático e estou repensando as coisas.

negrabela escreveu:Show esse relato, Davi!!!
Eu tambem me "joguei nesse mundo" nessa mesma serra, mas por outros caminhos, nao consegui visitar os picos. Ainda estou me devendo um rolê como o que voce fez!

Vá lá, é muito bonito. Se precisar de companhia não esquece de chamar.

edubisan escreveu:Muito bom o relato!

Que delícia essa sensação de descoberta que uma caminhada proporciona...

A primeira vez a gente não esquece. Só quem esteve sabe...

whitman8 escreveu:Show essa Trip Davi !!!

Então essa semana até semana que vem estou tirando ou uma fazer 10/10 LE ou a Ninja 10/10 250R, não sei ainda qual é a "menos inapropriada" para fazer trilhas, pois ambas são boas para estradas e urbano, mas para barro.... Será que uma dessas aguenta um trilha igual essa que o Davi pegou ?? Alguém dá uma dica ae ?

abração

Eu sempre tive moto alta e nem sei o que é ter moto speed. Tive duas XTs 225 e agora uma TDM 225. Eu acho que paga-se pouco a mais e, pelo menos em São Paulo, tem lugar que é pior que estrada de terra. Se eu fosse pegar 0Km agora com certeza pegava a XRE 300cc da Honda.
#458044 por Cacius
24 Mar 2010, 20:08
davicaetano escreveu:Eu dormi como um bebê sobre a pedra. Talvez minha cama seja muito dura. Comprei um isolante de EVA pra viagem que fiz essa semana mas ficar andando com ele pra fora da mochila não foi muito prático e estou repensando as coisas.

Experimenta fazer um "charutão" com ele dentro da mochila.. mochila vazia, enrola ele pra "estufar" a mochila, e põe as coisas dentro dele na mochila...
#458348 por alanpetrillo
25 Mar 2010, 19:13
Show essa Viagem e mto bem relatada!!!

Estive em Monte Verde em Agosto/09, mas fiquei em pousada.

Sabado de manhã fui até a "PEDRA PARTIDA", deixando o carro na Caixa Dágua e subindo a pé, até o topo por volta de 1hora e meia, céu bem aberto, mto sol!

Sou afim de fazer a travessia de São Francisco do Xavier (SP) para Monte Verde (MG), como relato que a "ANABELA" fez em um outro tópico, achei bem interessante a trip!

Sexta de noite (SFX) ficamos numa pousada
Sabado saindo cedo até a porteira de uma fazenda (ir de TAXI) subir para divisa e chegar de tarde no centro da cidade, de noite acampar na base do morro!
Domingo cedo fazendo o caminho inverso e chegando na porteira da fazenda (taxi esperando com horario combinado).

Mais detalhes no tópico
travessia-sao-francisco-xavier-monte-verde-jan-09-t31656.html

Quem for até o centro de Monte Verde (bares e lojas) se preparem, pois as coisas são caras!

Alguém é afim de fazer a travessia em ABRIL/10 (feirado)??


Alan Petrillo - alanpetrillo@hotmail.com (MSN)
www.qzona.com.br
#458545 por Marcos R. S.
26 Mar 2010, 17:12
Salve Davi !!

Só pra que eu não esqça depois.
Em Maio/2010 (ou no finalzinho de Abril qm sabe?!) vamos atacar o ponto mais alto da "Serra Fina" a "Pedra da Mina" pelo Paiolinho (o nome se não me engano e Paiolzinho mas cada um fala de um jeito..rsrsrs). É caminhada de um find semana normal. Naquele esqma, vamos de noite na sexta-feira,acampamos da Fazenda e subimos pela manhã de sábado para aproveitarmos bem o passeio.
Vai amadurecendo a idéia por aew.
Depois da Páscoa vou abrir um tópico.

Abraços

Marcos
#458802 por alanpetrillo
27 Mar 2010, 22:35
Galera,

Vou deixar por aqui um pequeno vídeo q fiz quando fiz a trilha em Monte verde!

http://www.youtube.com/watch?v=Lf3jVnqa6zM

Grande abraço e no feirado de ABril estarei acampando la no topo, quem é afim ??

Alan Petrillo - alanpetrillo@hotmail.com (msn)
www.qzona.com.br

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 0 visitantes