Relatos de viagens pelos países do Sudeste Asiático: Tailândia, Vietnã, Timor-Leste, Singapura, Mianmar, Malásia, Laos, Indonésia, Filipinas, Brunei e Camboja

#1188597 por mcm
18 Mai 2016, 09:52
Esse foi um dia em trânsito.

Saímos às 6:30 para o aeroporto e chegamos lá cerca de 45 min depois, sem trânsito. Ou seja, é longe mesmo. Era uma manhã bem nublada, tendo caído até chuviscos no caminho. Coisa incomum na região (e na viagem!) nessa época do ano. O aeroporto de Sukhothai é da Bangkok Airways, e logo identificamos um esquema-patrão na sala de embarque: café da manhã buffet liberado! Opa, aqui estamos nós!

O avião é no mesmo estilo da Lao, viagem até Bangkok foi tranquila. Chegando lá, descobrimos que qualquer passageiro da Bangkok Airways tem direito a usar o lounge deles enquanto espera o voo. Opa! Esquema-patrão perdurando! Plantamos na sala, que para mim é vip, e ficamos comendo e bebendo enquanto esperávamos nosso voo para Krabi. Havia um doce de côco envolto numa folha que era divino. Comi muito daquilo! Um dia de comilança.

Imagem
Esquema patrão na Bangkok Airways!

Enfim, chegamos no horário em Krabi e já compramos nosso bilhete para Ao Nang. 150 THB num busão que vai enchendo enquanto der. As malas vão sendo largadas na parte da frente (sim, da frente!) do ônibus. E aí é que vejo como a galera viaja com malas grandes e pesadas! Em algumas delas eu acho que caberiam umas 6 bagagens minhas. Quero isso longe de mim! As nossas cabiam no nosso colo, se necessário fosse.

Descemos em Ao Nammao, de onde parte barcos para Railay Beach East, e lá tem porto. Assim que descemos, fomos direcionados a uma agência, onde compramos nossos bilhetes para Railay. Sai por 100 THB cada a passagem, e sai de hora em hora. Barcos partem a cada hora e meia. A moça da agência perguntou se não queríamos comprar logo a volta. Falei que iríamos para Koh Phi Phi, e então ela ofereceu por 450 THB o bilhete para lá, a partir de Railay. Falou que em Railay esse bilhete sairia por 650 THB. Conheço esse tipo de história, portanto recusei. Ela ainda me deu uma rwsposta meio atravessada do tipo “ok, então você paga 650 lá em Railay”. [em Railay paguei 400 THB pelo bilhete]

Enquanto esperávamos o barco, saí para tentar achar algumas cervas. Nada. Os mercadinhos da região pareciam bem arrasados. Como as atendentes eram todas muçulmanas, achei que era por isso que não tinha cerveja. Não fomos lá, mas seguramente Ao Nang é mais bacana para se esperar o barco, eheheh.


Railay Beach
Pegamos o barco das 16:30 e chegamos cerca de meia hora depois em Railay. Fomos para nosso hotel esquema patrão ladeira acima (mais uma vez estar de mochilas leves ajudou MUITO!), apenas para fazer checkin, largar as mochilas e sair. Alguma coisa do dia precisava ser curtida, e nesse dia seria o por do sol. Partimos direto para Railay West para assistir ao espetacular por do sol, o mais bonito que vimos na viagem até então.

O tempo em Railay estava bom, sem névoa, sem nuvens. Céu azul, sol. Por sol na plenitude novamente. Viva!

Imagem
Por do sol em Railey West

Tudo é mais caro em Railay, seguramente o lugar mais caro de toda a viagem. Perto da praia é mais caro ainda. Se você anda dois minutos para dentro, consegue preço mais baixo na cerveja, na água, etc. Mas é tudo beeem mais caro que Bangkok, por exemplo. Da ordem de duas vezes mais. Isso vale também para os preços das massagens (lá saía por 350-400 THB a hora). Em Railay, o lado oeste é mais caro que o lado leste. Até o câmbio em Railay é consideravelmente pior. Se encontramos na faixa de 34,5 a 35 THB por USD em toda a viagem, em Railay era 33 THB. Se é mais caro, vamos em frente! Muquiranar sim, pero sin deixar de curtir!

Nosso hotel esquema-patrão de Railay foi o mais em conta que encontrei via booking.com. Até tentei outros não listados no booking, mas eram mais caros (e/ou estavam cheios para os dois dias). E preferi ficar em Railay do que em Ao Nang ou Krabi. E o hotel, de fato, foi muito acima do que estávamos acostumados na viagem. Tinha até divisória para o box, ehhehehe. Piscina com vista do infinito – e visual lá do alto! Vista das janelas para a mata. Até abrimos exceção e fomos curtir um pouco do hotel. Ou melhor, da piscina do hotel! Mas no dia seguinte.

Imagem
Esquema patrão no hotel de Railay!

De noite fomos rodar pela região. Railay tem um quê de Ilha Grande, com aquela coisa de pé na areia, ausência de carros (até tem alguns, mas é para transportar as mega-bagagens que a galera leva para os hotéis mais refinados; além um ou outro carrinho de golfe e moto) e clima descoladão. Tem um pouco de Jericoacoara também (mas em Jeri agora tem muito barulho). Com a devida ressalva de que faz bastante tempo que não vou à Ilha Grande.

Imagem
Badalação praiana em Railay West

Na East Railay encontramos uma moça de lá, com quem fomos conversando na viagem de barco para Railay. Ela é agente de viagens e nos deu dicas da área enquanto estávamos no barco e ainda nos indicou o caminho para o hotel, quando desembarcamos. Foi bem simpática, sequer tentou nos vender qualquer coisa. Compramos com ela a passagem para Koh Phi Phi (só tem uma saída por dia, e de manhã) por 400 THB. Aquela mesma que a agência de Krabi dizia que custava 650 em Railay e que queria nos vender por 450...

Estávamos em dúvida sobre o passeio às Hong Islands (ir às Hong ou curtir Railay no único dia cheio que teríamos?) e nossa amiga, muito honestamente!, sugeriu não irmos, porque o mar estava com previsão de estar mais agitado no dia seguinte. Achei muito bacana a atitude dela.

O passeio às Hong Islands é algo que ficou faltando na viagem. Pelo que vi, saía por 1.300 THB por pessoa nos speed boat, ou 1.000 THB nos long tail. Sim, é caro. Railay é caro!
#1188599 por mcm
18 Mai 2016, 09:57
Para variar, acordamos cedo. Dessa vez para ver o sol nascer na East Railay. E é muito bonito! Passeamos um pouco, havia muito pouca gente. Voltamos para o hotel para tomar um café (o hotel disponibilizava os tais coffee facilities no quarto!) e logo saímos para curtir praia. Dia de relax! Fomos direto para Phra Nang, a melhor praia de lá.

No caminho até lá, há belas cavernas, inclusive com os tradicionais macacos que eventualmente lhe roubam comida. Mas vimos mais macacos no caminho para o nosso hotel (muitos!) do que por lá. Phra Nang é também a praia que tem um curioso templo numa caverna, logo na chegada da praia. Curioso porque é um templo repleto de objetos fálicos, digamos. Consta que o templo é dedicado a uma princesa do mar que protege os pescadores, mas já li também que é uma princesa da fertilidade. O que faz mais sentido. No fim das contas, para mim, o templo é um tanto bizarro. Curioso e divertido.

Imagem
A caminho de Phra Nang há cavernas bacanas

O barato de Phra Nang é na maré baixa. Exatamente como estava quando chegamos lá. Havia uma galera escalando as rochas logo na chegada, e um ou outro gato pingado na praia. Mais ninguém. Estacionamos por lá, em frente a uma enorme rocha que fica bem de frente para a praia – e onde se chega facilmente sem nadar com a maré baixa.

Imagem
Pranang Beach

Com o tempo, vão chegando as pessoas, os barcos, as excursões, a praia vai lotando. E a maré foi aumentando também, retirando o barato de poder ir praticamente caminhando até a rocha da frente.

Imagem
Em vez de quiosques de praia, barcos de praia suprem os banhistas com cervas e comidinhas

Uma coisa interessante que vimos por lá foi que havia mulçulmanos na praia. E curtindo! E as muçulmanas, todas vestidas, entrando na água, tirando selfies e nadando. Nunca tinha visto, achei bacana. Acho que eram da Indonésia.

Um ponto negativo é que, mesmo com ampla campanha de limpeza, Railay tem bastante lixo. Tipo Brasil.

Quando ficou muito cheio (de gente e de água), levantamos e seguimos para Railay West. O sol estava em cima naquela hora, muito calor. Então fomos passear costeando East Railay, até um hotel que fica num extremo de lá, chamado Garden alguma coisa. Um espetáculo, aliás. No caminho de volta, paramos num barzinho que havíamos visto na ida. Não tem nada de mais, apenas colchonetes e redes espalhadas de frente para o mar azul, eheheheh. Curtimos um momento relax por ali, com cervas (quentes!) para acompanhar.

Imagem
Railay West sob sol de meio-dia

Imagem
Imagem
Relax num barzinho de Railay East

Depois comemos alguma coisa guerreira na East e fomos curtir a piscina do hotel, com aquele vistão espetacular. E com galera treinando escalada num paredão que fica logo em frente ao hotel. Belo visual geral! Eu cheguei fazer curso e algumas escaladas nos anos 90, só que nunca peguei gosto pela coisa. Mas acho bonito ver a galera escalando.

Imagem
Macaquinhos no caminho do nosso hotel

E lá fomos novamente para Railay West curtir o pôr do sol. Como chegamos cedo, fui esticar até Tonsai, que fica ao lado, sendo acessível pelas pedras na maré baixa, ou por trilha ou por barco. Nesse dia o pôr do sol deu nuvem.

Imagem
Galera curtindo um pré-pôr-do-sol

Imagem
Mais um!

Depois aproveitamos o happy hour e ficamos experimentando uns drinks num barzinho da região. Tinha até caipirinha, mas era com vodka. Aí explicamos que, quando é com vodka, o nome da bebida deveria mudar, eheheh.

Jantamos num restaurante indiano de lá mesmo, quebramos a regra de comer somente comida tailandesa. Não foi grande coisa, mas atendeu ao desejo. Foi uma leve esbanjada de orçamento também. Naquela região -- a walking street, a rua que liga West ao East side -- rolam peqenos shows de pirotecnia. Vimos rapidamente.

Encerramos o dia no Last Bar, onde supostamente rolava shows de pirotecnia e lutas de boxe. Mas não rolava nada disso quando fomos, só um showzinho bem agradável. Na verdade o bar parecia meio caído. Pedimos uns buckets com a cachaça (ou uísque) local e ficamos curtindo. Ainda escapei e fui numa massagem por ali perto. Mais uma massagem muito boa!

Foi um dia de leseira em Railay. Muito bom. Se tivesse mais dias, faria passeios. Aliás, tivesse eu planejado melhor, teria ficado mais um dia por lá, e um a menos em Koh Phi Phi. Para fazer o passeio às Hong Islands.
#1188601 por mcm
18 Mai 2016, 10:07
Acordei cedo novamente, pra o nascer do sol. Katia preferiu ficar dormindo. Nascer do sol nesse dia foi ainda mais bonito. Ainda passei por Phra Nang (maré baixíssima, muito bacana! E já tinha gente escalando as rochas) e West Railay. Foi minha despedida de Railay.

Sol_Raylay.jpg
Sol nascendo em Railay Beach
Sol_Raylay.jpg (88.79 KiB) Exibido 562 vezes


Voltei para o hotel, tomamos um café, fizemos check-out e descemos para pegar o barco para Koh Phi Phi. Partimos da Railay West, entrando nos barcos com pé na areia. Atrasou uma meia hora, dividiu em vários barcos para chegar ao ferry. Maior galera no ferry.

Koh Phi Phi
Chegamos em PP no fim da manhã. Paga-se 20 THB para entrar na ilha. Eu tinha um mapinha e achamos facilmente nosso hotel. Guerreiro, mas por 1.000 THB ao dia! Com AC, quarto pequeno, banheiro de volta ao padrão tailandês. Lockers na entrada. Atendeu ao que esperávamos! Tinha lido que vários hotéis da ilha têm água meio salgada para tomar banho – e lá a água era boa, tinha nada de sal! Só o wifi que chegava muito mal ao quarto. Pelo preço pago, e considerando que PP é um lugar mais caro, achei muito bom.

E fomos passear, reconhecer o local. Cor do mar é diferente mesmo, lembrou San Andres e o Caribe. Ficamos rodando pelas ruelas e pelos litorais, basicamente as praias de Ton Sai e Loh Dalam Bay. Os preços ficam abaixo de Railay, mas acima de Bangkok e outras cidades. Mas a massagem, por exemplo, permanecia no padrão inflacionado de Railay. Demos um tempo na praia de Lo Dalam, mas não gostei muito da água. Grande paradoxo! Mesmo com aquela cor, havia um certo lodo no fundo que me desagradou. Gostei mais do canto esquerdo de Tom Sai, onde se parte para Long Beach. Mais calmo, a água naquela hora estava mais bonita, e a água não tinha o tal lodo. Foi onde estacionamos. Mais um dia de leseira e curtição das praias.

Imagem
Imagem
Imagem

Imagem
Por do sol em PP

De noite mantivemos nosso espírito de ficar rodando pela área. Rolam os bares/boites, com promoters meio que disputando os transeuntes. Como todos são abertos, pede-se reiteradamente para que não se leve bebidas de fora. Isso porque deve rolar de a galera comprar os baldinhos mais em conta na rua e levar para dentro dos bares/boites.

Imagem
Espetinhos e buckets de rua

Rodamos pela praia, onde rolam shows de pirotecnia (em escala bem maior do que em Railay), sobretudo no Slinky, que é tipo o “primeiro” bar que tem na praia (dependendo, claro, de onde você chega na praia...). Foi o lugar com os shows pirotécnicos mais bacanas que vimos.

Imagem
Slinky

Rodando na área de Ton Sai, vimos uma agência que propagandeava algo como “Be the first one there”. O cara dizia que ele levava barcos pequenos saindo antes de o sol nascer e chegava na Maya Bay bem cedo, quando ainda estava vazia. Ficava por lá umas 2hs e depois seguia um roteiro pelo resto da manhã. 600 THB por pessoa. Tínhamos visto alguns anúncios de barco privado a 3.000 THB por 6hs. Gostamos de ideia do “Be the first one there” a 1.200 THB para os dois e fechamos. Mas seria para dali a dois dias, não para o dia seguinte, que já estava lotado.

Encerramos nossa noite no Reggae Bar, onde a galera se voluntaria para lutar Muay Thai em troca de um baldinho (de bebida, que fique claro!, o famoso bucket). Aproveitamos uma promoção de 2x1 por 400 THB e curtimos o momento com nossos baldinhos. Chega a ser divertido, embora em alguns casos ocorram acidentes (algum soco que entra, algum nariz que leva um golpe e sangra, etc.). Todas as lutas tem um árbitro local e duram 3 rounds de 1 minuto cada. Sempre que o árbitro sente que há desnível na luta, ele imediatamente encerra e dá a vitória a um deles. Vimos várias lutas nesse dia, inclusive uma entre duas mulheres – que terminou empatada.

Imagem
Muay Thai no Reggae bar

Como voltamos tarde nesse dia, não rolou massagem.
#1189222 por mcm
20 Mai 2016, 08:27
Partimos para Long Beach de manhã. A trilha para lá é muito mais fácil do que eu previa e muito mais rápido do que eu tinha lido. Aquela foi a melhor praia de Koh Phi Phi, dentre as facilmente acessíveis.

Imagem
Barquinho no caminho para Long beach

Voltamos no começo da tarde para fecharmos algum pacote de snorkel sem Maya Bay. Achei que seria difícil, mas não. Diversas agências vendem um tour de snorkel que rola de tarde até o sol se por. Fechamos um por 500 THB por pessoa. Preço na mesma faixa dos passeios de barco em Paraty. Além disso tem a tal taxa para entrar nas ilhas, paga somente uma vez por dia, de 200 THB. O estranho é que, nas ilhas, está escrito que a taxa é de 400 THB. E você não paga para ninguém da ilha, mas sim para o barqueiro. Enfim, não questionei.

Imagem
Imagem
Imagem
Geral de PP

Nosso barco de snorkel tour saiu acho que umas 13hs de Tom Sai. Era um barco grande, e rolava água á vontade para a galera beber. Evidentemente o equipamento de snorkel também estava incluído. Antes disso compramos uma dry bag pequena por 270 THB, boa para usar em ambientes em que pode molhar.

Primeira parada em Monkey Island. Onde, evidentemente, o barato da galera é ver os macacos. Que, por sua vez, fazem a festa. Eventualmente roubando comida dos turistas. Triste mesmo é que há placas com letras garrafais (inclusive em inglês e chinês) pedindo para as pessoas não alimentarem os animais, e ainda informando sobre multa. Não adianta, a galera dá comida. Vi uma senhora inclusive dando um pacote fechado de alguma coisa para o bicho. É pena que seja assim. Então me mandei dali e fui buscar alguma área bacana para fazer snorkel. Katia ficou por lá vendo os macacos. Snorkel foi bom, mas na parada seguinte foi bem melhor.

Imagem
Imagem
Macacos em Monkey Island

Parada seguinte foi em Bamboo. Maior galera por lá, acho que chineses. Cheia mesmo, deve ser ponto de parada de excursões chinesas, não sei. Mas o barato de lá para mim não é a praia, e sim o snorkel, que foi muito bom! Ótima visibilidade e boa variedade de peixes, sobretudo na área onde há corais, mais afastada da praia. Curti bastante. As paradas eram geralmente de 1 hora, e fiquei quase o tempo todo de snorkel.

Imagem
Snorkel

A última parada foi no Sharkpoint já escurecendo, na faixa das 18hs. Ainda assim com belos corais e muitos peixes. Tem de saber achar os peixes, que habitualmente ficam sempre nos onde há corais. Nada de tubarões, apesar do nome. O barqueiro até falou que eles ficam numa tal direção lá e tal. Nadei até lá e não vi nada de tubarão.

Curtiríamos o pôr do sol, se houvesse. Bateu uma nuvem exatamente no poente, então voltamos para Tom Sai.

Estávamos de jejum, praticamente! Eu estava com desejo de comer um daqueles peixes que ficam expostos nos restaurantes. E assim fomos, escolhemos um e saboreamos um grelhado. Achei nada demais, não valeu a pena o custo adicional (à nossa média).

Nesse dia, no caminho para a praia vimos uma figura (um turista) caricaturalmente bêbada, cambaleando pelas ruas. Galera que cruzava com ele fazia a curva para passar longe. Retrato daquela coisa do europeu jovem que vai para lá encher a cara.

De noite ficamos rodando a praia de bucket nas mãos, vendo os shows pirotécnicos. O do Slinky é o melhor mesmo, mas chega uma hora em que fica todo mundo “brincando” de passar por debaixo do fogo, e aí não dá mais para os expectadores (nós!) assistirem, fica todo mundo muito concentrado na frente. Essa é a hora que rola a promoção para quem tirar a blusa (mulheres) ou a roupa (homens) e ganhar um bucket. Mas ninguém tirou nada enquanto estivemos por lá. Outra diversão de lá é o hangman. Você paga 200 THB para tentar ficar 90 segundos pendurado na barra. Se conseguir, leva uma garrafa de whisky. Se ficar 150 segundos, leva duas. Vimos vários tentarem, nenhum conseguiu. Quem tenta ganha uma latinha de cerveja como consolação. É divertido.

Fomos dormir mais cedo esse dia. Mas ainda consegui uma massagem na xepa, no fim do dia. Várias casas de massagem fecham às 22hs, algumas poucas permanecem abertas na área de Tom Sai. Na área da muvuca tem mais, mas essas ficam cheias (e tem outras suspeitíssimas também), e gosto da coisa mais calma.

Dia seguinte seria para madrugar novamente.
#1189224 por mcm
20 Mai 2016, 08:35
Acordamos às 5:30 e às 6:00 estávamos na lojinha, conforme combinado. A lojinha fica entre algumas casas de massagens, em Tom Sai. Acho que o nome era “PP all seasons”, não sei ao certo. Sei que a chamada era “be the first one there!” e que ficava 2 hs na Maya.

Nosso barco tinha 3 portuguesas muito divertidas, além de 2 argentinas e 2 britânicas. Vimos o sol nascer enquanto o barco rumava para Maya. E chegamos lá bem cedo, umas 7am. Tinha já uma meia dúzia de barcos por lá. Sol vai penetrando na baía e tudo vai ficando cada vez mais bonito, muito bacana de ver. Não achei muito bom de nadar na praia, apesar da cor belíssima. Talvez pela maré, estava muito raso naquela hora. Galera vai chegando com tempo (e vai saindo também), mas em nenhum momento a praia ficou superlotada como leio em outros relatos de tour.

Imagem
Imagem
Imagem
Maya, com o sol se impondo

Curtidas as duas horas na praia de Maya Bay – o barco para praticamente na praia, saímos e paramos na enteada da baía para fazer um snorkel. Muito bom também, havia bastante peixe. Infelizmente havia também gente jogando comida para eles.

Imagem
Esse fez pose pra mim

Depois fomos para outro lugar, acho que se chama Phi Ley Lagoon, também muito bonito. Seria uma parada para fotos, mas insistimos e descemos para nadar e curtir. Muito bonito mesmo!

Imagem
Imagem
Pileh Lagoon

Em seguida passamos pela tal caverna viking de passagem e, a seguir, paramos em outra praia com macacos. O mar estava bem agitado nesse dia, barco fazia altos movimentos. Mas nada de enjoar, era mais de dar medo em alguns e divertir outros. Uma excelente manhã!!

Chegamos de volta umas 10:40 e fomos rodar. Passamos no hotel para pegar nossas coisas e seguimos para o outro lado. Acabou que vimos a piscina do Ibiza liberada, iria rolar pool party de tarde. Então lá fomos curtir piscina grátis! E pool party!. E bebidas caras, claro! Cervas a 80 THB, drinks a 150, buckets a 400. Pool party é coisa que realmente nunca havíamos curtido, não faz parte da nossa “programação normal”. Noitadas, baladas, etc. não fazem parte da nossa programação normal, aliás. Ficamos por lá boa parte da tarde. Satisfeitos, fomos rodar novamente.

Imagem
Pool Party!

Fomos para uma praiazinha que curtimos no caminho de Tom Sai para Long Beach. Ficamos lá até o sol se por. Bom que dava pra comprar cerva no mercadinho e ficar tomando na praia. Melhor que isso só mesmo se a cerva fosse gelada.

Compramos nosso bilhete para Krabi. 250 THB cada um, mas vi até por 350. Vale pesquisar.

Imagem
Sábios conselhos de um bar de PP!

Fizemos uma bela janta nesse dia, no badalado Anna’s. Prato beeeem apimentado (nós que pedimos assim), muito bom. Fizemos logo massagem (pra não correr o risco de fechar, eheheh) e depois fomos curtir nossa última noite em PP. Rodamos a praia, mas o show no Slinky já tinha acabado. Terminamos revendo a galera lutar no Muay Thai mesmo. Fomos dormir um pouco mais cedo. Tínhamos acordado às 5 da manhã!

Imagem
Massage!
#1189228 por mcm
20 Mai 2016, 09:01
Acordamos mais tarde, umas 8, fizemos o check-out e saímos para tomar café, de tão relax que estava o dia. Não é hábito nosso parar para tomar café da manhã em viagem.

Depois seguimos para o Viewpoint. Fomos seguindo as placas, e acabamos indo pelo caminho mais longo. Nada das escadas que tanto li, foi pela longa estrada interna. Vimos várias motinhas na subida dessa estrada, aliás. Contraste com a suposta ausência de veículos motorizados na ilha.

Chegamos no Viewpoint 2 umas 10 da manhã. 30 THB por pessoa. Belo visual mesmo. Depois seguimos para o 3, onde funciona um restaurante/bar a preços surpreendentemente não caros! Aproveitamos para hidratar e curir o visual.

Imagem
Imagem
Viewpoints

Depois voltamos e descemos uma trilha que chegou na Rantee Beach. Não estava nos planos, apenas escolhemos uma das trilhas para descer. Trilha bem íngreme, mas tranquila de descer. Praia belíssima, ainda melhor que a de Long Beach! Estacionamos num bar do cantinho de lá e curtimos a praia. Pelo visto a galera só chega lá de barco mesmo. Dali a pouco chegaram vários, cheio de (mas não somente) chineses. Todos para o restaurante grande do meio. Deve ser parada para almoço dos tours.

Imagem
Imagem
Rantee Beach

Curtimos a praia até o começo da tarde, quando voltamos trilha acima. Passamos ainda no Viewpoint 1 e depois finalmente conhecemos a tal escadaria, só que descendo. Muito mais perto seguir por ela. Ainda rodamos um pouco, mas logo já era hora de pegar as mochilas e seguir para o porto e pegar o ferry para Krabi.

Chegamos em Krabi num porto que eu não esperava, mais afastado. Desconfiado, demorei nas negociações de transporte, o que até ajudou. Acabamos fechando um tuktuk por 50 THB cada para o centro. Demos um breve rolê pela área, mas eu já sabia que Krabi não tinha muito o que ver. Apenas esperaríamos a hora de ir para o aeroporto. Aproveitamos para jantar, e demos sorte. No restaurante de um italiano – embora fosse de comida tailandesa – comemos um peixe saboroso.

De noite, negociamos um taxi por 350 THB para o aeroporto. Chegando lá, nada de filha de check-in novamente: bastou imprimir bilhete de embarque na maquininha e partir para sala de espera. Nosso voo, que já era tarde da noite (uma excelente promoção!), ainda atrasou 1 hora.

Considerações gerais sobre Koh Phi Phi:
Foi o lugar onde mais ouvimos português na viagem. Foi o lugar onde mais ouvimos português de Portugal (fora de Portugal) nas ruas na vida!

Acho que o foco de Koh Phi Phi são os europeus. Salvo engano, não há praias semelhantes na Europa e arredores. Some a isso o baixo custo e a baladas e temos o produto. Mesmo assim, vi gente do mundo inteiro por lá, claro. Até mesmo da Indonésia.

E imaginar que tudo aquilo, ou quase, teve de ser reconstruído. Se compararmos com Teresópolis e Nova Friburgo, no Rio, que em 2011 sofreram desastres grandiosos, mas de menor proporção... Até o ano passado ainda havia coisas a reconstruir e famílias desabrigadas.

Koh Phi Phi é coloquialmente denominada PP, diversos hotéis tem esse PP no nome. É pela sonoridade do Phi Phi, muito parecida (ou igual) com PP em inglês. Outra coisa interessante é que você ouve eventualmente alguém gritando “pipi” pelas ruas. É para você sair da frente, porque o carrinho (geralmente transportando carga) vai passar!

Preços: Cerva longneck saía por 50, 60 no mercado. Na noite e bares (ou praias) mais afastados saía por 80, 100.



Bangkok
Chegamos quase 1 da manhã em Bangkok. Seguimos as setas do aeroporto para o taxi e foi tudo numa boa de novo. Deu 210 THB mais taxa de 50 THB, coisa do aeroporto. E o motorista não foi pela via expressa pedagiada (de noite não precisa), ou seja, gastamos ainda menos.

Mesmo tarde da noite, chegamos no nosso hotel, largamos as mochilas e fomos curtir a última noite da viagem. Na Khao San, claro! Pegamos nossos buckets de 200 THB e ficamos rodando pela rua mesmo, para cima e para baixo. E pelas ruas paralelas também. Peoplewatch total. Prostitutas, ladyboys, gás da risada, turista com menininha, pad thai de 30 THB, tinha de tudo. Às 3 da matina Katia foi dormir. Eu ainda descolei uma massagem-saideira de despedida!

Imagem
Xepa na madrugada!
Editado pela última vez por mcm em 24 Mai 2016, 17:19, em um total de 1 vez.
#1189832 por MarcosPereira
22 Mai 2016, 22:24
Rapaz, mais um ótimo relato! Por enquanto li apenas a parte de Bangkok, que coincide com a minha próxima viagem.

Tenho duas perguntas - algum motivo especial para contratar excursão para Ayutthaya? Imagino que você tenha pesquisado o jeito de ir por conta própria e viu algum problema, foi isso? Qual?

Outra coisa, você, assim como muitos, falou da massagem tailandesa, que é bem forte e deixa todo mundo dolorido. Mesmo assim, você fez várias vezes. Dói, mas no final você descansa bem? Ou você é masoquista mesmo? :lol:
#1190051 por mcm
23 Mai 2016, 16:55
Oi, Marcos. Obrigado!
A forma de ir para Ayutthaya variou muito na minha cabeça durante o planejamento. Eu gostaria de ter ido de trem (mesmo com n relatos sobre mega atrasos), de ter curtido de bicicleta e de voltar qdo esgotasse. Mas pesou a Katia não querer encarar a bicicleta como meio de explorar a região (e isso logo no 2o dia de viagem). Acabei me acomodando e optando pela praticidade do tour (que, salvo engano, sai mais em conta do que o esquema por conta própria + tuktuk por lá).

O lance das massagens é um tem a abordar qdo fechar esse relato (hoje ou amanhã!). Eu gosto muito e realmente queria fazer todos os dias. Mas passei a evitar as tais massagens locais, que eram mais potentes. Muito alongamento, ao que me pareceu. Onde quer que fosse, minha preferência era pela back, neck & shoulder, ou ainda pela foot massage (que era muito mais leg que foot).
#1190078 por MarcosPereira
23 Mai 2016, 18:27
Eu sou muito resistente à ideia de excursão, mas você falou algo de que não tinha me tocado. Achei que era só pegar o trem, mas tb tem que contratar tuk tuk, né? Aí não me agrada muito. Como são as distâncias dentro do local, parece ser tranquilo de bike?

Qual foi a agência que você usou? Recomenda?

Quanto à massagem, o que me preocupa é fazerem merda. Tenho uns problemas de coluna. Se literalmente torcerem, puxarem, aí é foda. Talvez eu fique só na foot massage, que acho que é o principal.
#1190223 por mcm
24 Mai 2016, 09:10
Em Ayutthaya vc necessariamente tem de descolar algum transporte local, pq os templos são dispersos. Do que eu li antecipadamente -- mas a memória já começa a falhar agora --, os tuktuks dedicados por 4-6 horas (tb não me lembro exatamente) saíam mais caro do que os tours para 2 pax. De bicicleta sai beeem mais em conta, e acho que seria bem mais bacana tb. Por outro lado, muita gente fala que o calor de lá é mortal para quem vai pedalar. Via de regra, eu achei o calor na Tailândia, em março, na mesma linha do calor de verão carioca. Ou seja, nada de novo (para mim).

Pedalar por lá eu acho (vendo da janela da van) que exige alguns cuidados, mas não vejo grandes problemas. Sukhothai, por exemplo, era MUITO mais tranquilo, havia muito menos carros. A agência foi a do próprio hotel. Eles seguramente se juntam para esses tours; eu não me preocuparia muito com agências, sinceramente. E, sendo a agência do próprio hotel, vc terá facilidade de reclamar em caso de algum problema.
#1190537 por mcm
25 Mai 2016, 10:11
Tendo dormido às 4 da manhã, achava que ia acordar tarde. Mas era último dia, não pode ficar dormindo! Teria 30 horas de voo para dormir mais tarde, eheheheh. Acordamos às 8, fizemos check-out e fomos curtir nosso último dia de viagem.

Fomos numa agência e descolamos nosso transporte para o aeroporto. Saiu por 130 cada um, último horário. 21hs. De taxi sairia uns 400, 500.

E então fomos passear e ver alguns templos que eu tinha listado. Fomos a pé até o primeiro deles, o Wat Indra Viharn, que tem um buda enorme. Muito bacana. Depois seguimos para o Wat Benchamabophit, conhecido como templo de mármore (marble temple), também muito bacana. No caminho até lá, além de ruas pouco interessantes (minha mania eterna de andar a pé e não pegar transporte!), havia uma mega-festa sendo preparada. Ou era algum tipo de mega-feira, sei lá. Ou alguma celebração que rolaria. Fotos diversas da rainha, lojas de tudo quanto era coisa. O Dusit ficava lá “perto”, o Vimanmek também, mas acabaram ficando para uma outra ocasião. Pegamos um taxi para Chinatown. Novamente foi tranquilo. Sentamos, dissemos nosso destino, e fomos de taxímetro. Saiu por 110 THB.

Imagem
Wat Indra Viharn, outro Budão

Imagem
O magnético Buda do Wat Benchamabophit

Imagem
Uma das várias fotos da Rainha que vimos nesse dia

Primeira coisa que vimos em Chinatown foi o belíssimo Wat Traimit (Templo do Buda Dourado). Depois ficamos rodando pela área. As áreas de mercado são praticamente como em qualquer Chinatown do mundo. Abarrotadas, caóticas, diversas, divertidas. Comidas exóticas, estranhíssimas, nem desconfio do que seja! Ainda rodamos por outros templos bem interessantes, sobretudo o Wat Mangkon Kamalawat, que é meio que um complexo de salas muito interessantes e com muita mistura. Era meio de tarde, derretíamos na rua. Decidimos voltar para a região da KS para comer e curtir o fim do dia. Só que os taxis não aceitavam nos levar se não fosse no tiro (200 THB, e eu sei que daria menos de 100), então fomos andando até o rio e pegamos o barco. Que nos custou meros 28 THB!

Imagem
Imagem
Templo em Chinatown

Imagem
Chinatown

Terminaríamos a viagem tal qual começamos: rodando pela KS e arredores. Fizemos nosso almojanta na Rambuttri – finalmente comi o prato que vem arroz dentro de um abacaxi!

Depois fomos fazer nosso souvenir da viagem, uma tatuagem. Era algo que tínhamos em mente para fazer algum dia da vida, mas acabou que gostamos da ideia de fazer em Bangkok. A ideia amadureceu na viagem e, após breves pesquisas na web fomos conferir a Bangkok Inc, que fica no final da KS, em frente a ela. Tatuamos ประเทศไทย

Foi uma coisa meio doida. Chegamos na loja, falamos o que queríamos e o cara disse “ok, é assim, assado e etc. Podemos marcar para amanhã?” “Não tem de ser agora, vamos voar de volta para casa daqui a pouco”. Ahahah, não façam isso! Mas deu tudo certo. Marcamos para dali a uma hora e deu tempo ainda para curtirmos nossos últimos momentos de viagem, de Tailândia, de Khao San, de tudo o mais. Com baldinhos nas mãos – até mesmo para detonar os THB restantes!

E então pegamos nossa van para o aeroporto para encarar a longa viagem de volta. Tailândia, Etiópia, São Paulo, Rio.

Fim de mais uma viagem explorando algum canto do planeta!
#1190541 por mcm
25 Mai 2016, 10:33
Massagem – Fiz quase todos os dias. Na verdade, não fiz em apenas 3 dias. E a meta era fazer todos os dias mesmo! Preços variavam bastante, em geral iam de 200 a 400 por uma hora de massagem, dependendo do lugar. Em Railay e PP eram 400, no outros lugares ficava na faixa menor. Qualidade variava, conforme lugar e massagista. Achei as massagens locais (thai massage, lao massage) mais pesadas, e prefiro as mais leves. Então passei a evitá-las. Basicamente fazia a back, neck and shoulder. Ou a foot massage (que é muito mais leg que foot). Como sempre fazia massagem de noite, geralmente eu dormia. Muito bom!

Calçados - Levei uma bota e chinelos. A bota revelou-se um trambolho. Usei apenas nos templos do Camboja e em Sukhothai. E nas viagens. Não precisava, tênis simples bastavam. Se tanto. De resto, chinelos mesmo, praticamente todos os dias e o dia inteiro. Os pés (e pernas) ficavam podres de encardidos no fim do dia, no entanto. Chinelos inclusive facilitam muito a vida para entrar nos templos, onde você precisa retirá-los.

Temperatura – Calor, muito calor. Suor. Derretimento. Março é mês quente, muito quente, na área. E a região é úmida. Ou seja, você sua, escorre. Em alguns lugares, derrete. O dia inteiro, enquanto houver sol. E geralmente tem sol o dia inteiro. Ainda assim, eu NÃO senti diferença para o verão carioca, por exemplo. É a mesma coisa, o mesmo sol escaldante, o mesmo suadouro. A diferença, talvez, é que no Rio nós ficamos no ar condicionado (no escritório, em casa, no restaurante), ou debaixo da barraca (ou na água) na praia. Lá nós ficávamos expostos ao sol diretamente. E viva o creme solar!

Comparando com a Índia, onde fomos na mesma época, eu diria que o calor é um pouco menos intenso (sim, isso mesmo!), mas, por ser mais úmido, é bem pior. Na Índia pegamos 40º ou mais por dias seguidos. Mas era mais seco, não derretíamos como na Tailândia e no Camboja. Ou como no Rio no verão.

Mosquitos – Onde? Levamos dois tubos de repelentes. Usamos uma ou outra vez somente. Um dos tubos voltou cheio, o outro voltou quase cheio. Mas li muita gente dizendo que passou problemas com mosquitos em diversas das regiões onde estivemos (templos do Camboja, Sukhothai, praias), então talvez tenhamos dado sorte. Ou os mosquitos locais não curtiram nosso sangue.

Templos, como visitar? -- Não há muitos problemas para os homens, no máximo não ir de camiseta ou shortinho (vimos homens de shortinho por lá, então a dica é válida...). As mulheres é que sofrem mais. Tem de cobrir os ombros, tem de cobrir as pernas, etc. Isso teoricamente. Vimos de tudo: lugares que não se dão mais ao trabalho de fiscalizar vestimentas. Lugares que exigem que as mulheres se cubram com lenços. E lugares que sequer permitem lenços: a mulher deve estar com camisa (e/ou calça) mesmo. Katia foi barrada em dois templos no Camboja por estar de camiseta (e não permitiram entrar com lenço cobrindo os braços). E vimos templos que não permitem a entrada de mulheres, na Tailândia.

Vimos também gente completamente sem noção: lembro-me de um grupo de meninas que foi no nosso tuk-tuk para o Doi Suthep em Chiang Mai. Uma delas estava com um shortinho daqueles de fazer brasileiro se entortar para trás para conferir a retaguarda. E assim foi, achando que iria entrar numa boa, daquele jeito (muito embora ela não chamasse qualquer atenção de não brasileiros!), no templo. Algum fiscal avisou que ela deveria colocar um lenço sobre as pernas.

Taxis em Bangkok – Usamos algumas vezes, e em todas elas com taxímetro. Nossa estratégia era não ficar negociando ou perguntando antes de entrar no carro. Entrávamos e falávamos o destino, naturalmente, assumindo que ligariam o taxímetro e iríamos em frente. Em três o ocasiões o taxista mandou o preço fechado. Respondemos que queríamos o taxímetro. Ele dizia algo como “ah, não, muito transito para lá agora”, e então saíamos do carro. Sem negociação. Para mim era ou taxímetro, ou tchau. Outra coisa que tinha lido era que o taxímetro não roda enquanto o carro está parado. Do que eu vi, roda sim. Não pegamos tuk-tuk em Bangkok.

Malandragens – Comparativamente à Índia (nosso destino de viagem em 2014 e basicamente minha única experiência anterior na Ásia), eu diria que o assédio e a encheção de saco são MUITO menores na Tailândia, Camboja e Laos. Via de regra um “não” já basta por lá – e isso não bastava na Índia. Claro, em Bangkok (sobretudo nos arredores da Khao San) tem um monte de malas e malandragens. Mas não insistem muito, basta você dizer não, ignorar e seguir seu rumo. Em Luang Prabang nos ofereceram drogas (!!) algumas vezes tarde da noite, mas também não insistiam. Tuktuks nos ofereciam passeios e tal, mas também não insistiam. Em geral fomos muito menos assediados do que na Índia (com a devida ressalva de que me refiro ao triângulo Nova Delhi-Jaipur-Agra e a Varanasi; em cidades como Amritsar e Dharamshala praticamente não havia assédio ou malandragens). Katia pesquisou fartamente as possibilidades de armadilhas antes desta viagem (eu tinha feito isso para a Índia), e posso dizer que a coisa lá é bem tranquila. Em Bangkok rola aquela mania de dizer que o templo tá fechado e blábláblá. Diga ok, não acredite e siga seu rumo.

Leituras de viagem -- Eu tinha um Lonely Planet da região desde 2012, o que me influenciou bastante na escolha do roteiro. O LP, aliás, restringia-se ao norte da Tailândia, sem as praias. Li também alguns blogs nacionais e estrangeiros de viagem, sobretudo para lugares menos badalados, como Sukhothai e Luang Prabang.

Além disso, li, e reli, diversos relatos excelentes daqui do mochileiros.com, seguramente uma das melhores fontes que usei para a viagem. Como não comentei em nenhum até a viagem, vale a pena destacá-los aqui. Não são necessariamente os melhores (isso vai de cada um), são os que mais me influenciaram para a viagem. Sem qualquer ordem.

TAILÂNDIA, MYANMAR, LAOS, VIETNAM E CAMBOJA EM 2 MESES (DICAS, FOTOS, VIDEOS, DAY BY DAY)
por pedroleo

TAILÂNDIA CAMBOJA E VIETNÃ - 18 DIAS - NOV/12 - 2 FELIPES (28a/27a) E TUDO QUE VOCÊ PRECISARÁ SABER
por zervelis

TAILANDIA (Out/2015) - Bangcoc > Chiang Mai > Railay > Ko Phi Phi > Bangcoc
por Paula Yassuda

Tailândia Passo a Passo - Bangkok, Koh Tao e Koh Phi Phi - 15 dias (Abr/15) - Gastos detalhados, Fotos e Mapas.
por chcosta

Sudeste Asiático - Nov/2015 - Tailândia - Camboja - Myanmar - Malásia - 27 dias
por tiagoturcatel

BANGKOK, CHIANG MAI, SIEM REAP, KOH RONG, YANGON, BAGAN, KRABI e PHIPHI em abril 2014: roteiro, fotos e gastos!
por Angie_Z

Tailândia e Bali aí vamos nós!!! Dez/2013 - 30 dias - fotos, dicas e custos!!
por Paulinhaly

Sanuk! Tailândia, Camboja e Vietnã em 35 dias
por samanthavasques

Tailandia, Laos, Camboja e Vietnam - 30 dias - Dez 2013 - Relato, fotos e dicas iradas!!
por Bruno Albuquerque

Diversos relatos por Just Journeys

2 semanas Laos + Bangkok (3 dias) - na terra dos milhões de elefantes
por natielima

Vietnam, Camboja e Tailândia - 29 dias virada 2013/14 COM FOTOS
por Tiagobri

Angkor Wat, Para se apaixonar - Relato detalhado, atualizado e ilustrado
por paulineaguiar2

Tailândia, Camboja, Vietnã e China em 36 dias (jun/jul 2014)
por felipezig

Relato: Incrível Tailândia - Bangkok, Ayutthaya, Koh Samui, Krabi (Ao Nang), Phi Phi Islands 15 dias
por F3rnanda



A todos vocês, e a todos que escrevem sobre suas viagens, meus parabéns e meu muito obrigado. Adoro ler, e relatos me influenciam bastante.

Câmbio -- Eu levei algumas notas antigas de USD 100 e penei para trocá-las. Via de regra não aceitam – mas consegui em alguns lugares. Portanto, evite notas antigas caso você não queira peregrinar por stands de câmbio nas cidades. Não tive problemas com manchas ou qualquer outra coisa nas notas. Um ou outro lugar recusou notas por conta disso.

Modo de viajar -- Andar. Nosso foco maior na viagem era conhecer o diferente. E conhecer templos, novos e antigos. Dispensamos algumas coisas habituais de outros turistas: elefantes, tigres, shoppings. Viajamos com mochila nas costas, bem leve, muito pouca bagagem. Tenho horror a malas e a carregar peso em viagem. Toda vez que viajo, acho que deveria ter levado menos coisas (e não foi diferente dessa vez). Não despachamos as mochilas em nenhum voo. E foram 13 voos na viagem (contando conexões e escalas).

Comida -- Eu não ligo muito para comida tailandesa e afins. Ao contrário da indiana (minha outra experiência asiática), que adoro. Mas Katia gosta muito da comida tailandesa. De um modo geral, comemos pratos típicos, vários deles na rua. Exceção ao Camboja, onde adorei o amok, um peixe cozido num molho de coco e curry, que procurei comer nos poucos dias em que estive lá. Salvo engano, não comemos pratos ocidentais. Era sempre pad thai, algum curry, algum arroz frito, etc. E nossa melhor experiência gastronômica foi em Luang Prabang, no restaurante Tamarind. Delicioso.

A nossa opção era, em regra, pelo melhor custo-benefício. Estabelecíamos uma faixa e tentávamos ficar dentro dela. Algumas vezes era marromeno, outras (em Chiang Mai!) o custo-benefício era excelente! Sensação de comer a 5 ou 6 reais era muito boa, ehehehe.

Via de regra os pratos chegavam à mesa bem rápido. Única exceção foi um restaurante de Koh Phi Phi, que demorou mais – ainda assim nada terrível. Importante saber que os pratos de uma mesma mesa NÃO chegam ao mesmo tempo. Em lugar algum!

Pimenta -- Geralmente os pratos não vem apimentados. Claro, se você pede um curry, ou uma spice salad, você não pode esperar que não venha com pimenta! Mas os restaurantes são para turistas (por isso os cardápios em inglês, geralmente com figuras ilustrativas de cada prato), mesmo servindo comida local. Eventualmente há indicação de pratos mais apimentados. O mais apimentado de que me lembro foi a papaya salad que comemos em Luang Prabang, no excelente Utopia Bar. Levou tempo para comer aquilo, regado a muita cerveja!

Chineses -- Essa é uma questão com a qual todo o mundo já tem de lidar. Com o crescimento forte e constante da China, e sua inserção na economia mundial (no topo da economia mundial), teremos mais e mais chineses viajando pelo mundo. Eu aposto que em algumas décadas teremos também milhões de indianos viajando pelo mundo. E aí? Como fazer com a superlotação em grandes pontos turísticos (ou mesmo em cidades)? Eu me lembro de ter passado dois dias e Londres em novembro de 2014 e achei a cidade MUITO cheia em ambos os dias. Desagradavelmente cheia. Não que eu queira o lugar “só para mim”, mas eu quero distância de longas filas, por exemplo. E acho que longas filas (a la Louvre) são o que teremos como constante dentro em breve. Como sanar isso, não sei. A tendência, via mercado, será elevar o preço dos ingressos – algo que já vem ocorrendo em escala mundial.

Khao San – É região conhecida, baladeira, noturna/notívaga, mochileira, tudo. Gostei muito de ficar lá e voltaria a ficar, se voltar a Bangkok (espero voltar!). Do que eu vi, a KS tem barulho em toda ela. Rambuttri, a paralela, tem barulho até a curva. Fica melhor quando atravessa a Rambuttri para o outro lado, em direção ao rio, que foi onde nos hospedamos logo que chegamos. Outra coisa boa da KS é que todo taxista entende para onde vc quer ir!

Filmes -- Tomb Raider? A praia? Se beber não case 2? Nada disso eu vi. Ou melhor, vi em (muitas) partes o SBNC2, mas mal lembro. E só vi porque tinha Bangkok no tema. Ah, sim, assisti a um sobre o tsunami, “O impossível”, mas que achei muito ruim. Sobre o tsunami, há um documentário chamado “Indo.doc” que eu ainda quero ver com som (o disponível na web está mudo). Mas vi Apocalipse Now, que tem o Camboja como fundo de pano, e é dos melhores filmes de todos os tempos. É também dos melhores que já vi na vida. E Killing Fields, mas que já não me lembro de mais nada.

Cooking classes -- Estão na moda. Acho que tinha cursos em todas as cidades. Praticamente todo restaurante mais badalado dá aulas de culinária por lá. Em todos os 3 países. E acho que em todas as cidades onde estivemos.

Bebidas – Cerveja quente, quase sempre. Singha, Leo e Chang são as cervas tailandesas mais comuns. Em regra, a Singha é melhor e a Chang pior, e os preços acompanham isso. Mas, quente, melhor é a mais fraca mesmo, a Chang. Beer Lao e Anchor seguiam a mesma linha, mas achei a Anchor a pior, e a mais barata! Meio dólar!!

Cerva grande ou long neck? Problema da cerva grande é que esquenta. Quer dizer, ela já vem numa temperatura abaixo da que (nós, cariocas) gostaríamos e, até beber tudo, já esquentou. Melhor a long neck mesmo.

Outra alternativa, mas que só tomávamos à noite, são os baldinhos, buckets. Geralmente uma mistura de bebidas. Álcool com energético ou com refri. Enfim, drinks, só que num balde cheio de gelo (amem!).

Havia vinhos, mas não tomamos. Os mais em conta que vi eram argentinos e chilenos. Ainda assim, caros.

Brasil? -- Ouvimos brasileiros em praticamente todos as cidades. Exceto Sukhothai, salvo engano. Principalmente em PP, que foi, aliás, foi o lugar onde mais ouvimos português de Portugal na vida, fora de Portugal.

Atravessando a rua -- Vá na fé. Olhe para os dois lados, lembre-se de que a mão é inglesa na Tailândia e “normal” (francesa) no Camboja e Laos. Onde houver sinal de trânsito significa apenas que alguns carros irão parar para que você atravesse, portanto fique de olho sempre. Motos geralmente não param nem mesmo em sinal vermelho. Tipo Brasil, não é tão diferente. O Lonely Planet sugeria que você atravesse devagar, de modo que permita os carros e motos se desviarem de você. Faz sentido e vimos pessoas fazendo isso, e também sinalizando para os veículos que estavam atravessando. Não vi motos ou carros buzinando para os pedestres, eles diminuíam e velocidade ou desviavam de você.
#1190879 por Sil_Santos
26 Mai 2016, 22:41
Mcm,

Seu relato ficou maravilhoso! Extremamente bem escrito e muito bem humorado! Ainda não terminei de ler, estou no dia 6, mas já estou bem empolgada!

O que quero saber de você é o seguinte: Quero muito fazer essa viagem. Meu plano é ir à Tailândia, Camboja, Vietnã e Laos, só 1 país a mais do que você. Ainda não consegui nenhuma companhia disposta a ir tão longe (hehehe!) e tô querendo ir sozinha mesmo! De acordo com as suas impressões, o que você acha dessa ideia? Já viajei sozinha e não tenho problemas quanto a isso, mas o meu receio é, além do fato de viajar sozinha, ser uma mulher viajando sozinha!
Você , em algum momento, se sentiu inseguro por lá? A sua companheira de viagem (não sei se é esposa e, me desculpe se há essa informação no relato - ainda não li tudo) faria essa viagem sozinha? Você se sentiria ok sabendo que ela está sozinha por lá, em termos de segurança?

Só quero ter uma ideia e decidir se insisto mais ou não na ideia de arrumar uma companhia para ir! ahahhaa. Desde agora, obrigada!!!
#1191813 por mcm
30 Mai 2016, 22:21
Oi, Sil. Obrigado! Espero que o relato inspire ainda mais!
Nos lugares em que estive, não vejo problemas em vc ir sozinha. Se vc já viajou sozinha antes, melhor ainda. Não me lembro de me sentir inseguro em lugar algum por lá. Mesmo em Luang Prabang tarde da noite, com as ruas bem vazias, eu achava tranquilo.

Acho que é libertador independer de companhia para viajar (falo por experiência própria, embora viaje com minha esposa há anos). Se vc já encara, precisa arrumar companhia para lá não! Até pq, vc seguramente encontrará pelo caminho outras pessoas viajando sozinhas (sobretudo se ficar em hostels).

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 0 visitantes