Troca de informações e relatos de trilhas e travessias na região sudeste do Brasil. Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.
#1018761 por Lucas Ramalho
05 Nov 2014, 15:23
Aproveitando o final do mês de outubro, nós decidimos realizar a famosa travessia entre Extrema-MG e Joanópolis-SP. Seria o batismo da Patrícia no mundo das trilhas e eu estava encarregado de guiá-la sã e salva por entre os perigos da floresta. Antes de mais nada somente recomendo esse percurso pra quem já tem experiência com trilhas já que não há placas indicando o caminho e é muito fácil se perder por lá. Além disso o clima é bastante instável e o que é aparentemente um lindo dia ensolarado pode virar uma poderosa tempestade.

Nós chegamos em Extrema-MG de carro às 10h da manhã. Estacionamos perto da rodoviária e deixamos o carro por lá. Após conseguirmos algumas informações do começo dela com os locais, colocamos o pé na estrada, ou melhor, na trilha. Da rodoviária até o começo dela são apenas 15 minutos. Basta perguntar onde é a trilha da pedra do sapo e as pessoas te indicarão o caminho. A única placa da trilha está justamente no começo dela e depois não há mais nada. Mais 20 minutos de caminhada e vocês devem chegar na biquinha, um pocinho com um cano no fundo por onde a água sai. Na verdade nós chegamos a um terreno cercado e então seguimos pela direita beirando a cerca e logo adiante foi possível ver a trilha principal. Ao descermos 30 segundos de volta pela trilha achamos a tal biquinha. Então voltamos e subimos em frente. Mais 15 minutos e nós chegamos ao que aparentemente era um reservatório de água, talvez fosse o bicão, talvez não. Não havia água por lá, apenas canos e caixas d’água quebradas. Seguimos então morro acima por uma trilha que aparece à direita desse “bicão”. A subida é bem íngrime e a Paty patinou um pouco hehe. A trilha vai fechando e não é a principal, mas nós seguimos por ela e em mais 20 minutos chegamos a um cruzamento de trilhas. Pela direita, uma trilha bem batida que era provavelmente a principal, pela esquerda talvez uma continuação de trilha, porém mais fechada e em frente a trilha que vai dar na torre da Embratel e no morro dos Cabritos. Se você veio pela principal, então deve subir à direita nesse cruzamento, e se pegou a alternativa, é só subir em frente. Nós ficamos em dúvida se estávamos certos, porém após minutos de indecisão, seguimos em frente. Em 20 minutos, chegamos a uma clareira com uma pedra enorme na frente. Traços de acampamentos recentes e fogueiras nos indicaram que aquele era o caminho certo. Subimos à direita e continuamos a trilha. Andamos por 20 minutos até nos depararmos com um regato de água entre duas pedras. Se você seguir em frente, irá em direção ao morro dos cabritos. Ao invés de seguir em frente, nós pegamos à direita antes desse córrego e logo em seguida à esquerda. A trilha é bem batida e é só continuar por ela. Ela vai subindo, porém tem uma leve descida já no final. Após quase 30 minutos avistamos à famosa torre da Embratel.

Comemoramos e comemos alguns morangos silvestres que nasciam por lá. Então contornarmos a torre e saímos na estrada das pousadas. Dali basta seguir pela estrada até o trevo e de lá subir por 30 min em direção à rampa de Voo Livre e Pedra do Cume ou Pico do Lopo. Porém uma tempestade estava se formando e nos pegou no meio da estrada. De repente um carro apareceu no meio da chuva e nos ofereceu carona até o topo. Nós fomos no porta-malas do corsinha, já que havia cinco pessoas dentro dele. Foi bem divertido. Em cinco minutos chegamos ao topo e a chuva gelada congelava a gente. Nos abrigamos atrás de uma pedra, porém a tempestade não passou. Eram 17h e tínhamos que procurar um lugar para acampar. 30 segundos antes do Pico do Lopo, uma entradinha do mesmo lado dele nos levou até uma clareira na qual colocamos a barraca. Já dentro da barraca ou do barraco hehe, nos secamos. Cozinhamos um macarrão integral com azeitonas, cenouras e tomates e dormimos. Estávamos super cansados e o dia seguinte seria longo. O som da chuva e da mata é maravilhoso e relaxa até os mortais mais estressados.
Dormimos 12 horas seguidas e acordamos com um lindo sol e uma vista encantadora. Após fotos, meditações, deslumbres, arrumamos as coisas e voltamos até o trevo. De lá seguimos em direção à Joanópolis. A estrada passa por várias pousadas. Após quase uma hora chegamos a uma bifurcação. Pegamos à direita seguindo uma seta azul e logo chegamos a uma casa. Não havia ninguém, apenas três cães e uma família de porcos com dois bebês lindos. Nós fomos até a lavanderia para pegar água e eles nos encurralaram lá dentro. A mãe e o pai não estavam muito felizes com a nossa presença e nós tivemos que espantá-los senão eles nos atacariam hehe. Saimos do terreno e seguimos pela trilha imediatamente à esquerda dela. Mais a frente a trilha vai afinando até chegar a um terreno pedregoso. Dessa vez um bode e uma cabra estavam protegendo o lugar. Era a entrada de outra pousada. A Paty pensou em voltar, mas eu conferi no GPS e para cortar caminho, nós teríamos que cruzar essa pousada e pegar a estrada do outro lado dela para seguir em frente. Porém o bode também não estava feliz com a nossa presença e veio em nossa direção para desespero da Paty. Nós pegamos os bastões de caminhada e ensaiamos uma possível luta. Eu recuei um pouco e eles pararam. Então nós os atraímos para fora da entrada da pousada para então conseguir cruzá-la. Porém eles não desistiram tão fácil e começaram a nos perseguir estrada abaixo. Nós batíamos os bastões nas pedras e gritávamos para tentar afugentá-los, a cena era bizarra hehe. Finalmente a cabra recuou, após alguns gritos de apavoro da Paty e logo em seguida o bode também. Chegamos então à entrada principal da pousada. Não havia ninguém nem mesmo cachorros para nossa alegria. Depois de porcos e bodes, nós estávamos preparados para tudo hehe. Chegamos até a outra entrada e de lá a uma estrada larga que seguia em frente. Após uma hora e meia de caminhada passando por diversas pousadas e uma tempestade chegamos até a rodovia. Missão quase cumprida, pegamos então uma carona e dois ônibus de volta à Extrema. Comemoramos o sucesso da trilha e o batismo da Paty na padaria do Gordo bebendo um delicioso café com leite e comendo um pãozinho de alho fantástico. Existem diversos caminhos do Pico do Lopo até Joanópolis, nós levamos apenas duas horas e meia até a rodovia e saímos a 7 kms da cidade. Pela estrada principal, leva-se mais tempo, porém não é preciso enfrentar animais pelo caminho.

Lucas Ramalho
Anexos
aSem título.jpg
Mapa grosseiro da travessi
aSem título.jpg (271.81 KiB) Exibido 508 vezes
20141102_124340.jpg
Gangue de porcos e cães que tivemos que enfrentar
20141102_124340.jpg (427.68 KiB) Exibido 508 vezes
20141102_085457.jpg
Eu e Patrícia no Pico do Lopo
20141102_085457.jpg (471.89 KiB) Exibido 508 vezes
20141102_085028.jpg
Pico do Lopo
20141102_084042.jpg
20141102_082808.jpg
Pico do Lopo
20141101_143413.jpg
Tempestade se formando na torre da Embratel


Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 2 visitantes