Troca de informações e relatos de trilhas e travessias na região sudeste do Brasil. Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.
#1055562 por Renato37
07 Fev 2015, 01:57
Travessia realizada entre dias 06 e 07/09/2014.

Álbum completo com todas as fotos da travessia estão em:
https://picasaweb.google.com/1104304139 ... directlink

Esse é um relato da primeira travessia que fiz no Parque Nacional do Itatiaia (PNI) em setembro de 2014, mas que permanecia nos meus planos há muitos anos. A ideia inicial era fazer as travessias do Parque antes das mais pesadas, como Marins x Itaguaré e Serra fina. Porém, acabei fazendo elas primeiro, e até outras e a do PNI acabaram ficando para depois.

Era minha primeira incursão nessa parte da Serra da Mantiqueira e ao contrário da maioria, que visita o parque apenas para conhecer os batidos picos da Agulhas negras e prateleiras e logo voltar, eu fui com o objetivo de fazer logo de cara uma das 3 travessias do parque + os picos que fosse possível conhecer pelo caminho.

Para essa empreitada, convidei várias pessoas, mas por questão de logística, disponibilidade de dias e a distancia, só 4 puderam ir: Aline, Letícia, Clóvis e o Rogério (que esteve comigo na Serra fina).
Escolhemos a Rebouças x Mauá por conta do número de atrativos pela qual a trilha passa e para conhecer melhor esse belo trecho do famoso e mais antigo parque nacional do país. Embora as outras 2 travessias reservam muitos outros atrativos que eu pretendo conferir in loco numa próxima incursão, escolher 1 das 3 era preciso.

Eram 16h40 de uma bela tarde de Sexta feira, qdo lá estava eu no metrô com minha cargueira, rumo a Estação Tamanduateí da linha 2 do metrô, local do encontro, onde iria encontrar os demais. O metrô já estava relativamente cheio, anunciando que o horário de pico estava apenas no inicio e em meio a milhares de trabalhadores cansados e retornando de mais um dia de trabalho, um "doido" com uma mochila tamanho família nas costas e ocupando espaço de 2 pessoas foi a deixa para atrair olhares curiosos das pessoas presentes no interior daquele vagão lotado.....

Provavelmente estavam se perguntando: como um cara magrinho como ele consegue ficar de pé com aquele chumbo nas costas? ::lol4::
Cheguei na estação de Tamanduateí por volta das 17h10, a Aline já se encontrava a minha espera e ficamos aguardando a Letícia que ainda não havia chegado. Assim que ela chegou, descemos até o ponto de saída em frente ao Shopping Central Plaza onde ficamos esperando o Clóvis chegar.

Não demorou muito e logo ele chegou, foi avisando que o Rogério iria atrasar, devido a um problema na linha de trem em que ele estava vindo. Combinamos de pega-lo na Estação Tatuapé, que já era caminho para a Marginal e a Ayrton Senna e ele só foi chegar quase 1 hora depois, as 18h30, por conta do atraso do trem e a lotação do rush no metrô. Com toda a trupe reunida e feitas as apresentações de praxe, pouco depois das 19h00, partimos em direção a Itamonte, cidade mineira no sul de Minas, próximo a divisa com SP, no alto da Serra da Mantiqueira.

A viagem foi tranquila e chegamos a cidade mineira de Itamonte já tarde da noite, por volta das 22h30. Fizemos uma parada para Jantar na cidade e logo nos dirigimos ao "refúgio", onde iriámos passar a primeira noite. O refúgio do Clóvis é uma rústica cabana que ele construiu em um terreno que comprou anos atrás. É muito boa e ainda fica em um dos morros mais altos da cidade a 1.300 metros de altitude (quase a mesma altitude da Pedra Grande de Atibaia) no meio da mata e sua construção lembra muito aquelas cabanas no meio do nada que a gente vê nos filmes americanos.

Imagem
Na cabana do Clóvis, na manhã seguinte

Já havia ficado nela em trips anteriores, qdo retornei a Pedra da Mina via Paiolinho para um batevolta treino. Como teríamos pouco tempo de sono nessa primeira noite, tratamos de ir dormir logo.

Combinamos com o resgate de nos levar até a entrada da parte alta do Parque no centro da cidade as 6h30. Para isso, combinamos de todos acordar as 4h, mas o pessoal só começou a levantar mesmo depois das 4h30, por conta do pouco tempo de sono da noite passada. A temperatura do lado de fora estava por volta dos 05ºC com uma bela lua e um céu bem limpo. Com um pouco de atraso, partimos as 5h50 em direção ao encontro com o resgate previamente combinado, que iria nos levar até a entrada do Parque e nos resgatar no final, na Vila de Maromba. E vamos que vamos!

1º dia - Do abrigo Rebouças ao Rancho caído.

Os primeiros raios de sol já coloriam a parte mais alta dos morros e uma fina camada de gelo cobria os vales, indicando que a temperatura na madrugada em alguns pontos de baixada, deve ter caído abaixo de 0ºC. De fato, ao passar por esses trechos, o frio era mais intenso e a névoa baixa chegou até a embaçar o vidro do carro. Chegamos no centro da cidade por volta das 6h20 com os primeiros raios de sol atingindo alguns pontos das ruas.

A temperatura do termômetro do carro do Clóvis marcava 04ºC e aquele inicio de manhã de sábado estava estupidamente gelado mesmo, o que deu uma ideia do que nos esperava na noite seguinte lá nas altitudes acima de 2.300 metros.

Após nosso resgate chegar, partimos em direção a Garganta do Registro, onde fica o acesso a estrada de terra que sobe até a parte alta do Parque. A sinuosa subida inicia-se na altitude de 1.660 metros e inicialmente segue em meio a floresta de mata atlântica, que logo dá lugar aos campos de altitude. A estrada estava bem esburacada, o que fez a Van do Amarildo andar em velocidade bem reduzida.

São 14 km de subida quase constante de estradinha até a entrada do Parque, passando pela entrada da antiga pousada Alsene (hoje desativada, pois foi embargada pela justiça por despejar esgoto sem nenhum tratamento em um riacho ao lado) e o acesso ao Pico da Pedra furada (Altitude: 2.580m), acessível por trilha e que fica fora dos limites do parque.

Imagem
Garganta do Registro

Imagem
Foto by caco

A subida levou em torno de 40 minutos e a medida que subia, a paisagem da mata ia mudando. Logo, as subidas mais íngremes terminam e a partir dai começa a aparecer as primeiras paisagens dos campos de altitude, sinalizando que já estávamos acima dos 2.000 metros de altitude. Aberturas em meio da mata, revelavam belíssimas vistas do vale do Paraíba totalmente tomada por um colchão de nuvens, o que deixou todos bem ansiosos. Tempo fechado mesmo, só lá embaixo, pois na serra, o astro-rei brilhava forte em um céu estupidamente limpo. A tediosa subida era compensado pelas belas vistas e as paisagens dos campos de altitude.

Imagem
Serra fina vista do trecho final da subida

Após muito chacoalhar, enfim, chegamos a entrada do Posto Marcão, na parte alta do Parque, na cota dos 2.450 metros de altitude por volta das 8h10. Tivemos um atraso na liberação de nossa entrada, porque o Clóvis descobriu na hora que esqueceu de trazer o formulário de autorização impresso (e que contem o nº de protocolo da reserva). Para piorar, estavam sem sinal lá. E agora, José? ::essa::

Enquanto esperava, aproveitei para tirar várias fotos do entorno, pois mesmo na entrada do parque, a vista estrada abaixo era de tirar o fôlego.
Ele resolveu ligar aqui em SP para obter o nº e entregar ao guarda do parque (Nisso, tivemos um atraso de quase 1 hora), mas ele conseguiu com um parente o número, entregou pro guarda e com isso, tivemos nossa entrada liberada.

Imagem
Eu no posto Marcão, entrada da parte alta do Parque

Imagem
Mapa com as principais trilhas e as travessias do Parque

De lá, era possível avistar toda cadeia montanhosa da Serra fina, além do Pico da Pedra Furada e parte do traçado sinuoso da estradinha de terra. Mas pudera, estávamos a mais de 2.400 metros de altitude!!!!

Imagem
Trecho final da estrada de terra com o Pico da Pedra furada bem ao fundo

Para compensar o atraso, nosso resgate nos poupou 3 km de pernada nos levando até o Abrigo Rebouças, um abrigo chalé que dispõe de quartos com cama, sala, banheiros e cozinha para o uso dos montanhistas durante sua estadia na montanha. Do lado de fora, um amplo descampado para umas 15 barracas estava a disposição para quem quiser acampar. O abrigo atualmente está passando por uma reforma, então pernoite ali só na área de camping.

O Abrigo Rebouças é como se fosse um "marco zero" do Parque, pois é a partir dali que partem diversas trilhas para vários atrativos do parque, como Pedra do Altar, Asa de Hermes, Prateleiras, Agulhas negras, Cachoeira do Aiuruoca, das Flores, Pedra do Sino, além das 3 clássicas travessias do Parque: Ruy Braga, Serra Negra e Rebouças x Mauá, entre outras....

Imagem
Abrigo Rebouças (Em Setembro de 2014 estava em reforma, não sei se já terminaram)

Imagem
Placa informativa do lado do abrigo com a altitude do local onde eu estava, e várias informações úteis...

Chegamos no abrigo por volta das 9h15 e após ajeitarmos as cargueiras, fizemos uma votação para ver se iríamos fazer um ataque até o Prateleiras ou iniciamos a trilha da travessia diretamente, sem ir até lá. Por conta do atraso da liberação de nossa entrada lá na portaria, e a Aline ser iniciante em travessia de montanha (e consequentemente tendo um ritmo menor que o dos demais), Ela, Letícia e Clóvis resolveram abortar o ataque até as Prateleiras e iniciar a trilha da travessia diretamente, indo na frente, enquanto que eu e o Rogério decidimos ir primeiro no Prateleiras.

Falei que poderiam seguir na frente sem nos esperar, embora disseram que iriam ficar um tempo lá no Abrigo e depois começariam a travessia.

Imagem
Pico das Agulhas negras, vista do abrigo Rebouças

Imagem
Entorno do Abrigo Rebouças

O Rogério estava decidido a ir até o Prateleiras e eu também, ainda mais por conta do belo dia de sol e o céu livre de qualquer vestígio de nuvens. Eu não estava disposto a abrir mão do Prateleiras de jeito algum, ainda mais por ser minha 1ºvez ali. Fui decidido que faria ali e se tivesse que chegar no Rancho caído a noite, não teria problema, já que estava munido de 2 boas lanternas.

Deixamos as cargueiras próximo do Abrigo e as 9h30, partimos em direção a base das Prateleiras, onde chegamos as 10h00. O Trecho inicial em direção a Prateleiras continua a direita, pela antiga BR-485, a rodovia federal mais alta do Brasil que foi desativada e hoje virou uma estrada de terra. Em alguns trechos, ainda há vestígios do asfalto, mostrando o absurdo e a irresponsabilidade de se construir uma rodovia em um lugar como esse.

Imagem
Seguindo pela antiga BR-485, foto by caco

Ao final dela, inicia-se a trilha que leva a Prateleiras, como também as Pedras da Tartaruga, Assentada e Maçã sendo que só no trecho final em direção a base da Prateleiras que tem uma leve subida, com um calçamento de pedras. Não havia ninguém lá e fomos donos absolutos do lugar. Ainda no trecho da BR-485 no caminho, passamos por um grupo relativamente grande de turistas, que pelo ritmo que iam, só iriam chegar lá qdo já estivéssemos voltando.

Imagem
Prateleiras vista da trilha

Imagem
Trilha com calçamento (esse trecho e também o calçamento é novo, pois o antigo foi fechado por conta da erosão)

O acesso ao cume do Prateleiras, de acordo com as normas de segurança do parque, só é permitido com guia ou se o grupo tiver equipamentos de escalada que são obrigatórios. Para quem não quer pagar guia (nem quer saber de ficar carregando equipamentos de escalada, que significa mais peso), exigidos pelo parque para ter acesso ao o cume do Prateleiras, existem boas opções de picos ao lado, onde se pode ter vistas ainda melhores que o do Prateleiras.

A direita da trilha principal, há uma trilha bem batida que sobe até o cume do morro do Couto, com altitude de 2.680 metros, mais alto que o Prateleiras. Pouco tempo atrás, li uma noticia no site do Parque que eles abriram uma nova trilha que interliga o morro do Couto com o prateleiras, numa caminhada pela crista que leva em torno de 1 hora. Já a esquerda, bem próximo a base, parte outra trilha que dá acesso as Pedras da Tartaruga, Maçã e Assentada, seguindo por mais 480 metros. Em todas elas, o acesso é livre e não é necessário guia, nem equipamentos obrigatórios de escalada.

Eu e o Rogério não trouxemos nada disso por conta que nosso objetivo era fazer a travessia. Então, nos limitamos a ir somente até a base e deixamos para explorar os demais picos e a trilha que segue até o Couto numa próxima oportunidade. Ainda mais porque eu tinha a intenção de subir até o cume da Pedra do Altar e Sino durante o caminho.

Imagem
Placa com informações básicas da trilha

Imagem
Passando pela bifurcação a Travessia Ruy Braga. Quem inicia essa travessia pela parte baixa do Parque em Itatiaia, termina exatamente nesse ponto


Imagem
algumas infos básicas da Travessia Ruy Braga

Mesmo na base do prateleiras (situado na cota dos 2.430 metros de altitude), a vista é de encher os olhos. De um lado, a estonteante visão do Vale do Paraíba a perder de vista. Do outro, a cadeia montanhosa da Serra fina em destaque, onde é possível avistar a Pedra da Mina (2.797m), Cupim do Boi (2.530m) e 3 estados (2.665m), além de várias vistas para outros picos da parte alta do Parque.

Imagem
Serra fina vista da base do Prateleiras

Imagem
Pedra da mina a esquerda e 3 estados a direita

Imagem

Após vários cliques, aproveitei a parada para fazer um lanche rápido, afim de forrar o estômago e ficamos um tempo ali. Só resolvemos descer, qdo avistamos um grupo grande de turistas se aproximando (aqueles mesmos que ultrapassamos na ida). As 10:30 já estávamos de volta a trilha e passamos batido pela bifurcação da trilha que leva as Pedra da Maçã, Assentada, Tartaruga e a Cachu das flores, que assim como o Couto, ficaram para uma outra ocasião.

Imagem
Cachu das flores

As 11:00h eu e o Rogério estávamos de volta ao Abrigo Rebouças, onde encontramos alguns montanhistas que iam fazer as travessias da Serra Negra e Ruy Braga e turistas de fim de semana que estavam acampados ali. Trocamos ideia rapidamente e após um breve pausa para coletar um pouco de água, pegamos as cargueiras e finalmente demos inicio as 11:10h, a travessia propriamente dito.

Imagem
Pico das Agulhas negras

Nesse trecho inicial, a trilha da travessia é a mesma que leva ao Agulhas negras. Passa pelo leito do Rio Campo Belo e passa a seguir em leve ascensão em direção ao Pico das Agulhas negras, com a mesma bem visível a frente o tempo todo, toda imponente. 15 minutos de caminhada desde o Rebouças, chego ao trecho onde fica a famosa ponte pênsil, onde eu e o Rogério paramos rapidamente para alguns cliques, é claro. Mais alguns minutos e chego a primeira bifurcação da trilha, onde uma placa sugere que o caminho é a esquerda.

Imagem
Chegando na Ponte pênsil

Imagem
A ponte

Imagem
1ºBifurcação - Travessia Serra negra e Rancho caído, virar à esquerda

Com isso, abandono a trilha principal (seguindo reto, vai para o Pico das Agulhas negras) em favor da trilha a esquerda. Mais 5 minutos e dou de cara com outra bifurcação onde há mais uma placa. Fiquei em dúvida nesse trecho e resolvi espiar a trilha a direita, até que caiu a ficha e parei para consultar o mapa para ver se estava no caminho correto. Foi ai que percebi que estava no caminho errado e que a trilha correta da travessia é virando a esquerda, na placa que indica o caminho para a Pedra do Altar e cachoeira do Aiuruoca.

Em frente, irá sair na Asa de Hermes sem passar pela Pedra do Altar. Portanto, se for sua primeira vez aqui e estiver fazendo as travessias Rebouças x Mauá ou a Serra Negra, muita atenção nas 2 bifurcações depois que passar pela ponte pênsil: O caminho correto é virar a esquerda nas 2, seguindo a placa que indica o caminho para a cachoeira do Aiuruoca e Pedra do Altar. Felizmente, andei apenas alguns poucos metros pela trilha da direita e logo voltei.

Imagem
2º bifurcação - Virar a esquerda novamente


As 11:45, após passar pelas 2 bifurcações, a trilha inicia uma subidão íngreme com vários trechos de cascalho em direção a base da Pedra do Altar, dando voltas em formato de "S" para diminuir o desnível da subida. Porém, olhando para cima, vejo que não será tão fácil assim, pois o sol já estava castigando e com isso, acabei parando algumas vezes para poupar energia e recuperar o fôlego. Felizmente, ela não dura muito e logo o terreno nivela, para o nosso alívio.

A partir dai, a trilha passa a contornar pela direita e logo em seguida dobra a esquerda, evitando um grande morro ao lado esquerdo. E olhando para trás, se via o paredão imponente do maciço das Agulhas negras em destaque.

Imagem
Trilha bem demarcada

Imagem
Atrás, o Maciço das agulhas negras

As 12:12, chego a bifurcação da trilha da travessia com a da Pedra do Altar, onde há uma placa que indica a mesma virando a direita. Seguindo reto na trilha principal, continua a travessia em direção a cachoeira do Aiuruoca. Resolvo virar na trilha a direita e ao passar por um monte de pedras logo a frente, escondo a cargueira e sigo só com a máquina digital para o ataque ao cume. A caminhada não dura nem 10 minutos e as 12:20, chego ao cume da Pedra do Altar, a 2.665 metros de altitude e ponto culminante da minha travessia.

Imagem
Chegando na bifurcação

Imagem
Trilha subindo à Pedra do Altar

Imagem
Vale do Rio Aiuruoca vista do topo da Pedra do Altar.

Nem preciso dizer que a vista do topo é literalmente FANTÁSTICA. Uma visão de 360 graus de toda a parte alta do Parque com o pico das prateleiras mais baixo, sendo possível ver parte do vale do Paraíba por cima dele, o abrigo Rebouças, a portaria do posto Marcão, os contrafortes serranos da Serra fina, além de praticamente todos os imponentes picos do Parque ao redor, como a Pedra preta, Sino, Asa de Hermes, couto, entre outros, além de todo o caminho da travessia por onde ainda iria passar.

É como se fosse uma torre de observação, pois a Pedra do Altar fica no centro da parte alta do parque. Uma visão em tanto e vale muito a pena conhecer!

Imagem
Agulhas negras vista do cume da Pedra do Altar

Imagem
Serra negra e bem ao fundo, Pico do Papagaio

Imagem
Bem ao fundo no centro, Prateleiras

Imagem
A esquerda: Pedra do Sino, a direita: Asa de Hermes

Olhando mais a leste, bem ao fundão, se avista o Pico do Papagaio. O vale do Rio Aiuruoca, assim como a parte alta da cachoeira e ovos da galinha também são vistas dali e parecem estar bem perto, mas ainda estão a pelo menos 2 horas de caminhada. Permaneci por um tempo ali e pouco antes das 13:00hs, desci de volta para a bifurcação da travessia, peguei a cargueira e voltei para a trilha principal, continuando a caminhada por trilha bem demarcada em direção as nascentes do Rio Aiuruoca.

Imagem
Descendo em direção ao vale do Rio Aiuruoca

A partir desse ponto, não há mais subidas e a trilha passa a contornar a pedra do altar, na direção do vale do Rio Aiuruoca, tendendo para direita e descendo discretamente. Água não é problema nessa travessia, já que segundo as infos que dispunha, há vários pontos de água pelo caminho e a trilha passa por várias delas, o que eu constatei de fato. Então, nem me preocupei em encher os cantis. Tanto é que fiz a travessia toda carregando apenas 1 litro de água e fui renovando a medida que ia acabando, economizando assim, no peso na cargueira.

Imagem
Campos de altitude

Após terminar o contorno da Pedra do Altar, cheguei ao vale das nascentes do Rio Aiuruoca, trecho esse que fica a cachoeira de mesmo nome e também a bifurcação onde as travessias da Serra Negra e Rebouças/Mauá se separam. As 13:30, paro em um ponto d´agua para descansar e recarregar os cantis, aproveitando uma sombra que havia ali. Nessa travessia, quase não há trechos de sombra, por isso um chapéu ou boné são indispensáveis se não quiser sofrer com o sol forte....Após o breve pit-stop, retomo a pernada e 15 minutos depois, as 13:45, mais de 2 horas de caminhada desde o Abrigo Rebouças (já descontado as paradas e a ida até a Pedra do Altar), chego na bifurcação onde as 2 travessias se separam.

Imagem

Nessa bifurcação, seguindo a esquerda, você está na travessia da Serra Negra. Indo pela direita, na Rebouças x Mauá, que passa pelo Rancho caído. Também estou próximo da cachoeira do Aiuruoca. Como meu destino era o Rancho caído, segui pela trilha a direita e após passar por um trecho de charco e o Rio Aiuruoca, encontro outra bifurcação com uma placa indicando a cachoeira a esquerda e a continuação da travessia a Direita.

Segui pela esquerda e cheguei na cachoeira as 13:50h, onde reencontrei os demais do meu grupo e mais 2 montanhistas, a qual cumprimentei cordialmente e trocamos algumas ideias. Se não me falha a memória, eles estavam fazendo a travessia da Serra Negra e iriam descer pela bifurcação a esquerda.

Aproveitei para fazer um pit stop ali para contemplar uma das cachoeiras mais altas do Brasil, afinal, a cachoeira do Aiuruoca fica a mais de 2.300 metros de altitude. E não é em qualquer lugar que se encontra uma cachoeira nessa altitude, embora na Travessia da Serra fina, há uma pequena cachoeira no Vale do Ruah, onde fica o Rio Verde que está numa altitude maior que o do Aiuruoca. Porém, a cachoeira do Aiuruoca é bem maior e ainda dispõe de uma bela piscina natural. Nem preciso dizer que a cachu foi palco para vários cliques e contemplação, é claro.

Imagem
Rio Aiuruoca

Na cachoeira, comentei com os demais sobre o visual muito louco do cume da Pedra do Altar. E nisso, o Rogério se arrependeu de não ter subido a Pedra e então decidiu esconder a cargueira e voltar até lá para ver o visual....que doido, mas para quem fez a travessia da Serra fina, aquilo não era nada perto do que ele iria deixar passar batido...E sem perder tempo se despediu da gente e se mandou, pois não queria deixar passar batido...Enquanto isso, Aline, Letícia e Clóvis me avisaram que iriam indo na frente e como eu tinha chegado a poucos minutos, decidi ficar descansando mais um pouco na cachoeira....depois os alcançaria....

Imagem
Cachoeira do Aiuruoca

Mas com o horário avançando (eram 14h) e sem saber qto tempo ainda iria gastar até o Rancho, retomar a pernada é preciso. As 14:15, descansado e revigorado, retomei a caminhada, agora em direção aos Ovos da Galinha. Visualizei os demais bem na frente e tratei de seguir em ritmo forte para alcança-los antes de chegarmos aos ovos....A trilha vai seguindo bem batida e em nível pelo belíssimo vale do Aiuruoca, com a face oposta da Pedra do Altar ficando para trás, pedra do Sino ao lado direito e logo a frente, o conjunto rochoso denominado Ovos da galinha no alto a minha frente.

Imagem
Pedra do Sino

Imagem
Ovos da galinha

A partir desse ponto, a caminhada fica bem mais suave e 20 minutos desde a cachoeira, chego nos ovos da Galinha, alcançando inclusive, os demais. E mais paradas para cliques, claro!

Um fato curioso nessa formação rochosa em formato de um dedo, é que ele parece saber exatamente a direção onde devemos seguir, que é exatamente aonde a trilha segue.....Desse ponto, há uma bifurcação que segue até a Pedra do sino, segundo li em outros relatos. Mas nem lembrei de procura-la e só me dei conta que esqueci disso qdo estava chegando no Rancho caído, infelizmente.

Imagem
Pessoal descendo

Também já li em outros relatos sobre uma trilha que sai do alto da Pedra do Altar e vai até a do Sino, o que seria bem interessante, já que corta um belo caminho e poderia ser uma alternativa para reduzir o tempo de caminhada e chegar em menos tempo ao Rancho caído. Mas assim como a Pedra do Sino, também não me lembrei de verificar qdo estava lá.... ::putz::

Imagem
Pedra do Sino a esquerda

As 15h00, os ventos de altitude já sopravam fortes e na sombra, o frio se fazia presente, anunciando que o fim da tarde estava próximo e a temperatura estava baixando. Já era hora de retomar a pernada, pois ainda tínhamos a subida de um pequeno morro e uma descidona meio pirambeira até o vale dos dinossauros. Por conta do ritmo diferente do grupo, acabei disparando na frente, enquanto que o Clóvis e a Letícia foram ficando para trás, pois estavam acompanhando o ritmo da Aline.

Depois que sai dos ovos da galinha, a trilha começa a subir um pequeno morro logo a frente até chegar ao topo, para então virar a esquerda e vai seguindo pelo alto de sua crista. Logo em seguida, inicia-se uma longa descida em largos zig-zags em direção ao vale dos dinossauros. Lá do alto do morro (que pela carta indicava altitude de 2.500 metros, sendo o ponto mais alto que se passa durante a travessia), se bem uma bela vista do vale dos dinossauros lá embaixo, além dos Picos do Maromba e Marombinha em destaque a frente.

Imagem
Caminhada pela crista

Imagem
Vale dos dinossauros

Também dá para ver o local onde fica o Rancho caído que parecia estar perto, mas ainda restava a descida e a travessia de 2 grandes vales até lá. Comecei a sinuosa descida e cerca de 40 minutos desde os ovos da galinha, termino a descida e agora novamente no plano, me vejo caminhando ao lado do misterioso e belíssimo vale dos dinossauros, com a face oposta do imponente Pico das Agulhas negras ao meu lado direito.

Imagem
Vale dos Dinossauros

Imagem
Face oposta do Pico das Agulhas negras

Aproveito para fazer uma pequena parada qdo passo ao lado de uma curiosa formação rochosa em formato de 2 seres pré históricos, na qual rendeu alguns cliques....No meio do silêncio absoluto daquele vale, ouço vozes e ao olhar para cima, em direção ao morro que desci, vejo o Clóvis, Aline e Letícia bem distantes, descendo....incrível como dava para ouvir eles conversando, por conta do eco proporcionado pelo vale. Voltei a caminhada e fui seguindo em frente por trilha bem demarcada, que vai seguindo ao lado do vale e depois virando a direita, contornando-o. Passei por uma pequena bifurcação, mas nem cheguei a entrar nela para ver para onde ia.

Imagem
Curiosas formações rochosas que dão o nome ao vale...

Imagem

As 16:05, passo por um descampado plano e protegido, onde encontro vestígios de acampamento recente e com espaço para pelo menos umas 4 barracas, que é uma boa opção para o caso de você estar chegando aqui no escuro. O problema é essa área não é o local de camping permitido pelo parque e ainda tem o problema de não haver água próxima (pelo menos eu não vi nenhuma). Tenho lá minhas dúvidas se há fiscalização nessa parte do parque a noite, ainda mais pela distancia da Portaria. Descontando as paradas e dependendo do ritmo, leva-se entre 3 a 4 horas de caminhada (só de ida) do Abrigo Rebouças até aqui.

Mais 20 minutos desde o descampado lá atrás, cheguei ao alto do morro, onde visualizei a última descida de vale e o local do Rancho lá embaixo a esquerda, numa pequena área de mata atlântica e algumas rochas. Comecei a íngreme descida e após atravessar 2 pequenos riachos, cheguei finalmente ao local denominado "Rancho caído" as 16:40, com pouco mais de 5 horas de caminhada desde o abrigo Rebouças só para constatar que não havia rancho algum ali.. ::mmm:

Imagem
Trecho final do primeiro dia.

Como não havia ninguém, pude escolher o melhor lugar para montar a barraca. A área de camping é bem plano e protegido, fica no interior da mata fechada e ainda no meio de um vale. Não poderia haver melhor proteção contra os fortes ventos. E de quebra, com um riacho passando bem ao lado...

Após montada a barraca, exploro o entorno para ver por onde seguia a trilha que iria percorrer no dia seguinte. Clóvis, Letícia e Aline chegaram meia hora depois de mim, mas nada do Rogério chegar. Ele só chegou qdo já estava escurecendo. Com toda a trupe reunida novamente, preparamos a janta e ficamos só apreciando a bela noite estrelada naquele belo vale em meio as montanhas, a 2.300 metros de altitude.

A temperatura já havia diminuído bastante após o pôr do sol e o inicio da noite estava bem gelado (estando abaixo de 05ºC), obrigando a todos a vestir jaquetas, toucas e cachicol.Tudo indicava que a madrugada seria bem gelada. Após a janta, entrei na barraca, me enfiei dentro do saco de dormir e logo peguei no sono. A noite foi tranquila e como vim bem preparado para isso, não tive problemas com o frio, mas foi difícil sair de dentro do saco de dormir de madrugada, qdo acordei com vontade de ir ao banheiro..... ::Cold::

Continua no post abaixo...

#1055563 por Renato37
07 Fev 2015, 01:59
2º dia - Do Rancho caído até a Cachoeira do Escorrega

O domingo amanheceu com um céu livre de qualquer vestígio de nuvens, a temperatura não estava tão baixa como na madrugada e com o sol, logo começou a subir. Acordei por volta das 6h30 e logo tratei de preparar meu café da manhã, enquanto que o Rogério já tinha tomado o seu e já estava começando a desmontar sua barraca. Os demais ainda estavam dormindo, mas logo acordaram com a nossa movimentação do lado de fora. Pouco depois das 7h00, eu também já estava desmontando minha barraca.

Imagem
Manhã do dia seguinte, no Rancho Caído

Como estávamos em um vale, nem me preocupei em ir ver o nascer do sol, já que não havia local alto e próximo que permitisse a bela visão do surgimento do astro-rei. Uma das alternativas poderia ser o trecho onde a trilha passa por um mirante, pouco antes de iniciar a descida do mata-cavalo. Só que eu nem fazia ideia se era perto ou longe, então nem fui procurar.

Imagem
Entorno do Rancho

Barraca desmontada e mochila nas costas, eu e o Rogério ficamos fazendo hora, até que o Clóvis disse que se a gente quisesse ir na frente, tudo bem, pois eles iriam ficar mais um tempo lá e começar a descida um pouco mais tarde. Então seguimos na frente, pois eu estava ansioso para conhecer o resto do percurso e o Rogério idem....Combinamos que esperaríamos lá na cachoeira do escorrega, local combinado com o nosso resgate.

Diferentemente do 1º dia, o 2º dia a caminhada é mais suave e também mais curta, sem grandes dificuldades, exceto pela descida do Mata-cavalo, pois é um complicador para quem tem problemas de Joelho.

As 7:45, iniciamos a caminhada trilha acima em direção a base do Pico da Marombinha, passando por alguns trechos de charco. Após esse trecho,a trilha nivela e começa a descer em direção a um trecho de mata mais fechada, mergulhando literalmente nela. Dentro da mata, passamos por um riachinho e a partir dai a trilha volta a subir novamente, saindo da mata fechada e passando a bordejar a encosta esquerda com o Pico da Marombinha a nossa direita e o Pico da Maromba atrás de nós.

Imagem
A trilha que se percorre no 1º dia, desce lá do alto desse morro a esquerda....

Durante o caminho, deu para ver a esquerda, alguns trechos por onde passamos no dia anterior e mais acima, a face oposta do Pico das Agulhas negras e Pedra do sino aparecendo pela última vez. A trilha a partir desse ponto começa uma discreta descida, qdo as 8:15, chegamos a um belo mirante na crista, onde foi possível ver todo o vale de Visconde de Mauá, com o Pico da Pedra Selada em destaque ao fundo. É um visual que impressiona.

Imagem
Trecho de caminhada pela crista

Imagem
No Mirante, antes de começar a descida do Mata-cavalo, com o Pico da Pedra Selada em destaque

Aqui também marca o inicio da descida pirambeira do Mata-cavalo. Antes de começar a descer, pausa para clics e constatar que a crista por onde a trilha passa é um senhor mirante e ótimo local para se apreciar o nascer do sol. E fica a apenas 20 minutos de caminhada do Rancho caído. Demos um tempo aqui para contemplação do visual e por volta das 8:45h, iniciamos a íngreme descida do mata-cavalo que de fato é uma pirambeira daquelas, por isso desço com bastante cautela. A descida lembra bastante o Deus me livre lá da Pedra da mina via Paiolinho.

Imagem
A ultima vista das Agulhas negras antes de começar a descida do mata-cavalo

Imagem
Inicio da descida do mata-cavalo

A trilha vai descendo em vários trechos em zig-zag e fica por um certo tempo assim. 30 minutos desde o mirante lá em cima e 1 hora desde o Rancho, entro definivamente na mata fechada, com os campos de altitude dando lugar a mata atlântica. Minutos depois que adentrei na mata, passo por uma bifurcação, onde uma discreta trilha a esquerda leva a um descampado que cabe umas 3 barracas...

Imagem
No descampado

Retorno para a trilha principal e continuo descendo, passando por um riacho que fica bem próximo ao descampado. Continuo seguindo trilha abaixo e cerca de 10 minutos depois, passo por uma bifurcação que segundo infos, deve ser a bifurcação onde a trilha da direita leva ao Vale das Cruzes e a da esquerda até a Cachoeira do Escorrega em Maromba, que é por onde eu sigo. A descida mais pirambeira havia terminado, mas não a trilha em si....

As 10:40, finalmente chego ao final da trilha que é marcada por uma casa do lado direito e a partir dai a caminhada passa a seguir pela estrada de terra que termina na cachoeira do Escorrega, onde chego pouco depois das 11h00. Havia bastante pessoas na cachoeira e logo vi a cargueira do Rogério encostada e ele só no tchibum na cachu. Deixei minha mochila junto com a dele, mas nem entrei na água....optei por ficar descansando um bom tempo aqui enquanto esperava os demais do grupo chegar.

Imagem
A casa a direita que marca o fim da trilha....

Imagem
Estradinha que desce e termina na cachoeira do Escorrega

Imagem
A trilha vem lá de cima, a mais de 2.200 metros de altitude

Imagem
Enfim, cachoeira do Escorrega, final da travessia ::otemo::

Clóvis, Aline e Letícia chegaram pouco antes das 13h00 e com toda a trupe reunida novamente, comemoramos a conclusão da travessia e ficamos aguardando o resgate chegar. Letícia e Aline aproveitaram para dar um tchibum na cachu, enquanto que o Clóvis, eu e o Rogério ficamos conversando.

Imagem

Assim que nosso resgate chegou, colocamos as cargueiras e partimos de volta a Itamonte, onde deixamos o carro e de lá, iniciamos a viagem de volta para Sampa, onde chegamos por volta das 23:00hs, devido aos congestionamentos típicos de fds, na volta pela Dutra, cansados, mas felizes.

----------

-> Opções de transporte e resgate:

- Taxista Marquinhos: (35) 9113-1214 (Itamonte) - Um dos + baratos
- Celso: (35) 3371-1291 - Recados no Hotel Serra Azul (Passa Quatro);
- Edson da Toyota: (35) 9963-4108 ou (35) 3371-1660 (Passa Quatro);
- Sr. Caetano: (35) 3771-1510 (Passa Quatro);
- Sr.Samuel: (35) 9113-1700 (Itamonte);
- Eliana da 4P4 Ecoturismo: (35) 3371-4263, 3371-3937, 3371-2268 (Passa Quatro);
- Taxistas Schmidt e Boni: (35) 3371-2013 e (35) 9962-4025 (Passa Quatro).
- Carlinhos: (35) 9109-1185
- Zezinho: (35) 9113-0745
- Maú: (35) 9216-4793 ou faz a travessia alpina.de asfalto a asfalto.
- Joaquim Siqueira 35 3371 2410, 35 9113 7643 ou jjssiqueira@bol.com.br

-> Site do PNI tem todas as informações sobre as caminhadas no Parque com os valores das taxas e demais informações que precisar saber.
http://www4.icmbio.gov.br/parna_itatiaia

- > Reservas dos abrigos e travessias do Parque:
http://www.icmbio.gov.br/parnaitatiaia/reservas.html

-> Ao Término da travessia, se não conseguir deixar o comprovante em Visconde de Mauá, é só enviar um e-mail para eles, através do endereço disponível no website.

-> Sinal de celular em geral é mais fácil conseguir nas cristas e altos dos picos....

-> Próximo do final dessa travessia existe a opção de finalizá-la em um local conhecido como Vale das Cruzes. É só seguir na bifurcação da direita, logo que estiver descendo da crista do Pico do Maromba.

- > Eu achei a travessia bem tranquila, sem grandes dificuldades....porém, o trajeto do primeiro dia é bem longo e embora a maior parte do trecho seja no plano ou com descidas, o percurso até o Rancho Caído tem pelo menos 14 km e leva-se em média de 4 a 5 horas em ritmo forte (passando direto pelos picos do Altar e cachoeira do aiuruoca) para completar o trajeto.

Se não quiser chegar no Rancho a noite, certifique-se de estar saindo do Abrigo Rebouças até no máximo 9h30. Assim, terá tempo para passar na Pedra do Altar, fazer uma longa parada na cachoeira do Aiuruoca, Ovos da Galinha e ainda chegar com sol no Rancho, sem correria.

-> Água não é problema nessa travessia, já que a trilha cruza com inúmeros riachos, do começo ao fim. O problema é o Sol, já que quase não tem áreas de sombra. Não deixe de levar um protetor solar e um chapéu ou boné, pois são itens que não pode faltar na sua mochila de jeito algum.

-> No Rancho Caído há espaço para pelo menos 12 barracas e outros pequenos descampados para 2 ou 3 barracas do lado de fora.

-> O acesso aos cumes dos picos da Prateleiras e Agulhas negras atualmente só é permitido com guia do parque ou com equipamentos de escalada próprios, que são obrigatórios. Porém, o acesso até a base, como no entorno de ambos os picos, continua livre. Alternativas boas ao Prateleiras e Agulhas negras é a Pedra do Sino que fica do lado do Agulhas e é apenas 100 metros mais baixo, e o Couto que é 150 metros mais alto que o Prateleiras. Em ambos, tem trilhas de acesso ao cume. A parte alta do Parque tem vários morros e picos diversos.

-> Algumas altitudes dos lugares por onde a trilha da travessia passa:

Posto Marcão: 2.450 metros
Abrigo Rebouças: 2.350 metros.
Pedra do Altar: 2.665 metros
Cachoeira do Aiuruoca: 2.360 metros
Ovos de Galinha: 2.400 metros
Rancho Caído: 2.300 metros
Cachoeira do Escorrega: 1.450 metros

-> A trilha é muito bem marcada e batida, com placas indicativas nas bifurcações mais importantes, além de varetas vermelhas e totens para orientar o caminho, não tendo problemas de navegação. Basta segui-las. Por ser uma travessia clássica, há vários tracklogs disponíveis por ai, embora ache-os desnecessários, se você já tiver experiência em trilhas e travessias de montanha. Eu mesmo, só andei com um mapa e bússola, pois não tenho gps.

-> A logística de resgate nessa travessia é meio complicado para quem vai fazer a travessia pela primeira vez e nunca esteve lá, que era o caso do meu grupo. Uma opção para reduzir o tempo de deslocamento na volta e também o valor do resgate, segundo dicas que peguei depois com quem já fez a travessia e pelo que vi, é ir de carro até o final da Travessia em Visconde de Mauá, deixando-o em um estacionamento 24 horas que tem ao lado da Cachoeira do Escorrega. Então, contratar um resgate local para levar até a entrada da parte alta do Parque. Assim, você não perde 2 horas do tempo de volta para casa, só para pegar o carro.

Uma opção ainda melhor (e que eu irei usar na próxima vez que for lá), caso for de carro, é seguir até Visconde de Mauá e de lá, pegar um resgate ou mesmo um circular até a entrada da Parte baixa do PNI em Itatiaia, que é praticamente do lado. Pode-se subir pela travessia Ruy Braga e descer pela Serra Negra ou Rancho caído, emendando 2 travessias em uma só. A travessia Ruy Braga passa do lado da Prateleiras e termina no Abrigo Rebouças, exatamente onde começa a trilha das outras 2 travessias. E é a única travessia que o Parque permite o percurso nos 2 sentidos.

A diferença é que você necessitará de 3 dias com 2 pernoites para perfazer tudo, mas poupará tempo e dinheiro de resgate não tendo que subir a serra toda até a Garganta do Registro e depois os 14km de estrada de terra até a entrada da Parte alta do Parque na ida. E de novo na volta, para pegar o carro.

É uma distancia bem longa, são pelo menos 110 km de Maromba até Itamonte ou o Posto Marcão, dependendo de onde você deixar o carro. Por isso não recomendo ir de carro e deixa-lo na parte alta do Parque ou nas cidades próximas do inicio da trilha de jeito algum. O tempo gasto para fazer a volta do final da travessia até o inicio, é de pelo menos 2 horas sem paradas. E foi por isso que eu acabei chegando muito tarde em SP do que estou acostumado. E para piorar, ainda peguei congestionamentos no trecho de Taubaté e depois entre Mogi das Cruzes e a capital. ::mmm:
#1056132 por Otávio Luiz
09 Fev 2015, 09:04
Muito legal Renato!!!
Estou querendo conhecer o PNI em setembro. Estou pensando em ir pelo posto Marcão, e conhecer a Asa de Hermes, Pedra do Altar e Sino, fazendo a travessia com um pernoiote na cachoeira do Aiuoroca. Acha que é possível? Pelo que vi no seu relato, daria pra dormir no Aiuoroca e sair em Maromba no dia seguinte, sem precisar pernoitar no Rancho Caído.
Mas tenho a possibilidade de passar duas noites, podendo esticar um pouco mais a caminhada.
AH! Parabéns pelo relato!!!!!
#1056304 por Renato37
09 Fev 2015, 15:00
Otávio Luiz escreveu:Muito legal Renato!!!
Estou querendo conhecer o PNI em setembro. Estou pensando em ir pelo posto Marcão, e conhecer a Asa de Hermes, Pedra do Altar e Sino, fazendo a travessia com um pernoiote na cachoeira do Aiuoroca. Acha que é possível? Pelo que vi no seu relato, daria pra dormir no Aiuoroca e sair em Maromba no dia seguinte, sem precisar pernoitar no Rancho Caído.
Mas tenho a possibilidade de passar duas noites, podendo esticar um pouco mais a caminhada.
AH! Parabéns pelo relato!!!!!


Valeu Otávio!

Então, entrando pelo Posto Marcão e fazendo a travessia, é possível passar pela Pedra do Altar, Sino e Asa de Hermes. Mas para passar nos 3 picos e ainda chegar no Rancho antes do anoitecer, você precisa chegar bem cedo na entrada do parque (se possível,antes das 7h00 já estar esperando na portaria), pois eles são meio lerdos para liberar o acesso e se vc chegar tarde como eu que só fui chegar lá depois das 8h00 (e ainda teve o problema do Clovis esquecer de trazer a autorização impressa e deles estarem sem sinal), ai vai entrar tarde, o que comprometerá a logística de passar pelos 3 picos e ainda fazer a travessia.

Mas chegando no posto bem cedo e iniciando a travessia antes das 8h00, dá tranquilo...só não pode ter gente lerda no teu grupo, como tinha no meu, .... ::mmm:

Só precisa ficar atento a alguns detalhes, assim que passar pela 1ºbifurcação:

Na 2º bifurcação, onde há a placa que indica "Pedra do Altar a esquerda e Hermes a direita", deve-se seguir a direita para conhecer primeiro a Hermes. Depois, voltar tudo e entrar a esquerda pela principal. A bifurcação para a Pedra do Altar está mais para frente e vc passará por ela. Então, não tem erro. Eu não fui nessa trilha...então, não faço ideia de qto tempo gasta até a Hermes.

Acampar na cachoeira do Aiuruoca não é permitido pelo parque, somente no Rancho caído, que fica a umas 2 horas de caminhada da cachoeira, embora haja um grande descampado pouco antes de chegar a bifurcação das 2 travessias...
Compensa mais você seguir em frente, fazendo uma parada na cachoeira, depois seguir até os Ovos da galinha e de lá, subir até o cume da Pedra do Sino, que está do lado. Há uma trilha que sai dos ovos e vai até o topo do Sino, só não lembrei de procurar....mas segundo li em relatos, ela está lá!

Uma boa referência de horário é estar passando pelo vale dos Dinossauros entre 15:00 e 16h00 no máximo...ai vc chegará no Rancho antes do por-do-sol.

Abs
#1056322 por Otávio Luiz
10 Ago 2015, 21:58
Pois é, como tenho a possibilidade de dormir duas noites no parque pensei se não seria melhor dormir na Cacu. do Auioroca e conecer AH, Sino, Altar... mas pelo visto é proibido.
Se for possível seria legal Sair de manhã do posto Marcão, passar na AH, Altar e dormir no Auioroca. Acordar, subir o Sino e partir pro Rancho Caído, finalizando a travessia no terceiro dia... será que rola?
#1158903 por BruninhaSil
28 Jan 2016, 12:42
Oi Renato,
Estou indo para o Parna Itatiaia agora no carnaval.
Pretendo fazer um circuito, mais ou menos como vc sugeriu. Vou descer da parte alta pela travessia Rebouças-Mauá e depois retornar pela Ruy Braga. O carro ficará no Posto do Marcão.
Sei que a travessia Rebouças-Mauá pode acabar na cachoeira do escorrega e que a Ruy Braga começa no Complexo Maromba.
Você saberia me dizer a distância entre estes dois pontos e qual a melhor forma de percorrê-la?

Obrigada!!!
Bruna
#1163165 por Renato37
13 Fev 2016, 19:05
BruninhaSil escreveu:Oi Renato,
Estou indo para o Parna Itatiaia agora no carnaval.
Pretendo fazer um circuito, mais ou menos como vc sugeriu. Vou descer da parte alta pela travessia Rebouças-Mauá e depois retornar pela Ruy Braga. O carro ficará no Posto do Marcão.
Sei que a travessia Rebouças-Mauá pode acabar na cachoeira do escorrega e que a Ruy Braga começa no Complexo Maromba.
Você saberia me dizer a distância entre estes dois pontos e qual a melhor forma de percorrê-la?

Obrigada!!!
Bruna


Olá Bruna, tudo bem? Desculpe pela enorme demora, estava sem acesso e por isso não pude responder a sua dúvida a tempo.

Bem, pelo que vi, você fez a travessia agora no carnaval, numa logistica até interessante que nem havia cogitado. A desvantagem pode ser deixar a subida para os 2 ultimos dias, qdo você já estará cansado da 1ºtravessia.

Espero que tenha encontrado a informação que buscava, a respeito da distancia. De qualquer forma, para efeitos de info, a distancia entre um e outro é proxima, pois Itatiaia (onde fica a entrada da parte baixa do parque e acesso a travessia Ruy braga) e Visconde de Maua são praticamente vizinhas (diferente de Itamonte, por exemplo). Pelo que me falaram, dá menos de 1 hora entre uma e outra.....

Se ler essa mensagem, conte como foi a experiência. Pegou muito frio a noite? Chuva?

Alias, travessia de montanha no verão acho muito arriscado por conta dos raios na crista e os temporais inesperados de verão, que podem te pegar desprevenidos no meio da travessia.

Espero que tenha dado tudo certo, pois o tempo ficou bom no carnaval, então acredito que a caminhada fora da temporada de montanha tenha sido tranquila. :)

abs!!
#1212718 por Sandro Rodrigues
24 Ago 2016, 16:21
Boa tarde galera.
Venho lendo os relatos e percebo que a logística pra chegar à portaria parece ser a parte mais complicada. Alguém sabe se por acaso o ônibus Rio de Janeiro X Itatiaia tem o ponto final próximo da portaria? Outra coisa: Os contatos de resgate que deixou também fazem esse transporte de Maromba pra portaria do parque, conforme a dica que deu? Caso o ônibus não deixe perto, essa pode ser uma excelente opção.
Desde já agradeço a ajuda.

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante