Troca de informações e relatos de trilhas e travessias na região sudeste do Brasil. Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.
#613457 por Kássio Massa
17 Jul 2011, 03:48
Olá mundo! xD
Novamente postando aqui mais um relato não tão recente, pois me cadastrei ha pouco tempo no Mochileiros. Foi minha primeira experiência como trilheiro iniciante - e por isso, rolaram algumas gafes - , em Paranapiacaba, na região da Serra do Mar paulista!
-----------------------------------------

http://rotamassa.blogspot.com/2011/06/p ... acaba.html

Trip realizada no dia 22 de Maio de 2011

Mora em Sampa? Está cansado da rotina frenética da city? Não se preocupe, pois não precisa ir tão longe! Paranapiacaba, a cerca de 40km da capital, encrostada no alto da Serra do Mar, é uma pequena vila, datada da segunda metade do séc. XVIII, construida pelos ingleses para abrigar os trabalhadores da antiga e extinta ferrovia São Paulo Railway, principal meio de ligação entre o litoral e o planalto paulista. A forte influência inglesa na vila pode ser vista em suas construções, que vão desde a estação ferroviária de Paranapiacaba e sua "Torre do Relógio"(uma réplica em menor escala da Big Ben, de Londres) até as moradias locais. Apesar de pacata, a vila é de fácil acesso, podendo-se chegar de carro, ônibus e até mesmo, trem metropolitano!

A trip da vez foi marcada bem cedo, pois como não conheciamos o lugar, corriamos o risco de perder muito tempo(e sim, perdemos xD) para achar as atrações locais. Para se chegar a Paranapiacaba, precisávamos pegar um trem com destino a Rio Grande da Serra e de lá, um ônibus que nos levaria, enfim, até a vila. O trem costuma sair da Estação da Luz, mas excepcionalmente nesse fim de semana, devido a obras de manutenção da via, tivemos que pegá-lo na Estação Brás. Após cerca de 1h, já estávamos no ponto, à espera do ônibus que nos levaria à Paranapiacaba! Conforme planejado, chegamos por volta das 10h30 e, como eramos novatos por alí, resolvemos primeiro ir ao centro da vila para conhecê-la e nos informar - com direito a uma invasão frustrada à estação, propriedade da MRS (empresa concessionária da ferrovia, atualmente)! uawwhauwh . O lugar é realmente cinematográfico, com suas construções tipicamente inglesas e uma bela(porém, abandonada -.-) estação ferroviária que divide vila em "parte alta" e "parte baixa", as quais são conectadas por uma passarela.

Imagem
Ladeira de acesso à parte baixa da vila

Imagem
Estação ferroviária de Paranapiacaba e sua "Torre do Relógio"

Imagem
Passarela de ligação entre a parte alta e a parte baixa

Imagem
Um retrato do descaso e abandono de nossas ferrovias

Imagem
Pátio ferroviário, propriedade da MRS Logística

Imagem
Momento para fotos xD


Quanto a obter informações... furada...fomos informados de que TODAS as trilhas por alí eram restritas a grupos com guias, e estes, são para quem tem grana (uma guia com quem conversei estava oferecendo uma trilha de apenas 30min de caminhada por R$15 por pessoa!). Frustrados, mas persistentes, começamos a nos embrenhar por entre moradores e possiveis "guias não credenciados", que poderiam nos cobrar um pouco menos, porém, não tivemos sucesso... Questionavamos se deveriamos terminar a trip alí mesmo ou continuar, pois já estava ficando um pouco tarde - 11h30.

Imagem
Sem rumo, e sem trilha... T_T

Imagem
Pelo menos encontramos uma manola!


Em uma última tentativa, decidimos ir ao mirante, de onde sai a principal trilha, a "picada Raiz da Serra", que desce a Serra do Mar e termina em Cubatão, e que, segundo fontes, não era restrita. Tentamos adentar a trilha, porém, logo na entrada, fomos surpreendidos por uma guarita onde haviam dois guardas que alegaram que a trilha em questão estava "fechada para manutenção", devido às chuvas intensas do verão e ao "aumento do número de cobras". Não duvidávamos de mais nada, a trip estava fadada a acabar alí mesmo! Ficamos algum tempo no mirante, antes de vazarmos de volta para a home... Pelo menos o visual era surreal, um presente entanto!

Imagem
Vista a partir do mirante do Vale do Rio Mogi. À esquerda, pode ser observar o sistema Cremalheira e a extinta Funicular. Ao fundo, é possível ver a cidade de Cubatão.

Imagem
Imagem
Na primeira foto, Gabriel, Ariel e Felipe(Finazzi). Na segunda foto, Ariel, eu e Felipe(Finazzi)


Fizemos tanta hora alí, que mal demos conta de quanto tempo tinha passado! De repente, vimos os seguranças INDO EMBORA!!! Ficamos meio receosos, mas logo em seguida, um grupo numeroso penetrou mata adentro. Não pensamos duas vezes e fomos logo em seguida - até nos enturmamos a eles! o/.

Entramos na trilha por volta das 13h30 e, ao contrário do que diziam os guardas, a trilha estava em bom estado, com apenas alguns deslizamentos que poderiam ser facilmente contornados. Também não havia nenhum animal estranho ou perigoso, apenas borrachudos que fizeram a festa durante toda a trilha - no Parque Estadual da Cantareira sim há cobras hawuawhuuawhuw! Essa trilha nos dava duas possibilidades, podendo se extender até Cubatão - 5h de caminhada - ou nos levar até o Poço Formoso, podendo este último ser percorrido em 1h20 de caminhada intensa, passando pelas três primeiras torres de alta tensão às quais a trilha percorre paralelamente. Como não tinhamos muito tempo e não estavamos preparados para ir tão longe, decidimos ir apenas até o Poço Formoso.

Imagem
Imagem
Trecho até a 1ª torre

Imagem
Imagem
Imagem
Trecho de trilha até a 3ª torre


O lugar, sem dúvidas, é fenomenal, com vários poções de água esverdeada e cristalina, com várias profundidades - em alguns lugares, era possível mergulhar (ou se afogar xD), noutros, sentar e relaxar! Não ficamos mais que 1h lá, pois já começava a escurecer e a esfriar - sim, a água também estava gelada!

Imagem
Imagem
Poço Formoso, com suas piscinas naturais!

Rumamos em direção à vila, a passos largos e apressados, pois além de tudo, a névoa começou a tomar conta da paisagem, o que poderia tornar - sem exageros - impossível o nosso retorno naquele dia! Ainda conseguimos puxar uma nova companheira de trilha!

Por fim, conseguimos retornar à vila e - depois de esperar 2 ônibus passarem, pois a fila de turistas estava enorme - pegamos o ônibus com destino a R. G. da Serra, onde pegariamos o trem com destino ao Brás > Home!

Imagem
[i] De volta à vila de Paranapiacaba, a neblina já estava intensa

Imagem
Nós em Rio Grande da Serra, indo para a estação da CPTM


Paranapiacaba realmente encanta por sua beleza arquitetônica e pela magestosa Serra do Mar, onde ela se encontra. Porém, meu apelo vai para a administração e política do Parque Estadual da Serra do Mar, que praticamente fechou o lugar para visitação, exigindo o acompanhamento de guias metedores de faca em suas trilhas - muitas delas com menos de 1km de extensão e que podem ser percorridas até mesmo por crianças ou por idosos - ao invés de permitir o acesso livre dos visitantes, investindo em programas de conscientização e em fiscalização interna no parque, a exemplo dos parques estaduais da Cantareira e do Jaraguá. O turismo da região tem potencial, porém, não se investe em tal como deveria. Quem vai e quer ter o mínimo de liberdade nas trilhas - com visão de preservação, é claro -, acaba tendo que apelar para as gambiarras e pela "clandestinidade". -.-


Detalhes da trip
Como chegar:
na Estação da Luz, embarque no trem com destino a Rio Grande da Serra (Linha 10 - Turquesa, da CPTM). Desça em Rio Grande da Serra, vá até o ponto de ônibus da EMTU, ao lado da estação e pegue o ônibus com destino a Paranapiacaba (este ônibus tem seu ponto final em frente ao estacionamento, na entrada da vila).
Preço: CPTM(Luz/Brás - R. G. da Serra) - R$2,90; EMTU(R. G. da Serra - Paranapiacaba) - R$2,80


Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante