Troca de informações e relatos de trilhas e travessias na região sudeste do Brasil. Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.
#574190 por Luis Arau
09 Abr 2011, 12:26
Este relato visa orientar as pessoas que queiram fazer a volta na Ilha Grande, mas não pretendem levar barracas, sacos de dormir, isolantes, etc...Basta levar algumas mudas de roupa e lanche de trilha, pois, planejando bem, dá para dar à volta na Ilha Grande dormindo em quartos e pousadas.

Bem, iniciamos a caminhada no Abraão às 09:00h sentido Bananal. Passamos pelo aqueduto em direção ao poço e daí direto para as praias.

Imagem

Imagem

Não entramos na feiticeira pois como era domingo, certamente lá encontraríamos várias escunas. Aliás, até dia de semana aparece alguma perdida. Acabou-se o sossego em Ilha Grande. Pelo menos do lado de dentro dela.
Bem, passamos por Iguaçu, Camiranga (que tinha um bando de gansos na areia e foi logo nos atacando. É bom tomar cuidado pois eles partem pra cima!) e outras tantas até chegar no Saco do Céu.



Imagem

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Ora dava um chuvisco bem rápido. Paramos para um lanche e rápido descanso. No Saco do Céu, existe uma trilha que corta um bom caminho até o Bananal. Nos informamos por lá com algumas pessoas sobre a tal trilha. Eles disseram que a trilha não está sendo muito utilizada e como nós queríamos caminhar pelas praias, decidimos não segui-la.
Fomos em frente com o tempo ainda nublado e ótimo para caminhar. Passamos por Guaxuma, Japariz e passamos correndo pela Freguesia pois tinham 3 escunas para perturbar nossa tranqüilidade. Entramos direto na Igreja e paramos uns 15 minutos para descanso. Seguimos direto até a enseada do Bananal.


Imagem
Imagem
Imagem

Imagem
Imagem

Quem bebe água de trilha, pode ficar tranqüilo, pois terá água sempre. Basta encher o cantil em quase todas, longe das moradias, claro! Chegamos às 16:30h. Como era domingo, tinha uma escuna já partindo cheio de turistas que ficaram em uma pousada durante o fim de semana. Bom, fomos procurar uma pousada para ficar e das 3 que estavam funcionando nenhuma poderia nos atender. Motivo: Como todas trabalham somente com reserva e elas tinham recebido grupos para o fim de semana, dispensaram os funcionários e nós ficamos a ver navios. Argumentei com o Preto, que é um dos donos de uma das pousadas, sobre a necessidade de pernoitar em algum lugar, haja visto que as outras estavam fechadas ou dispensado seus funcionários em razão dos trabalhos no fim de semana. Eles nos falou que em Matariz, que ficava uns 50 minutos dali, tinha uma pousada. Pedi que ele telefonasse, mas, ele não sabia o telefone. Na verdade, eles até poderiam nos atender, mas, não senti muita vontade por parte deles. Infelizmente, este fato ficou marcado no Bananal. As 3 pousadas são de parentes descendentes de japoneses. Depois ficamos sabendo que o clima lá no Bananal não está muito bom desde o dia do escorregamento que vitimou 38 pessoas. Eles não estão cuidando muito bem do local e estão bastante desanimados. Acabamos sendo indicados para ficar na casa da Cristina (24-99813250). Ela recebe pessoas para pernoite com café e jantar e foi muito gente boa. Nos cedeu o quarto dela para dormirmos e ela mesmo foi dormir no sofá da sala. Nota 11 para a Cristina. O jantar foi ótimo. Um excelente arroz, feijão salada e um peixe frito fresquinho. O café foi simples, mas, muito bom.


Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Saímos por volta de 08:15h com tempo ainda nublado o que é ótimo para caminhar. Passamos por várias praias como Matariz, Maguariqueçaba, Sítio Forte, Tapera (onde pernoitamos na semana anterior em um veleiro), praia do Longa e, finalmente, Araçatiba. Na enseada do Sítio Forte começou a chover e apertou um pouco. Esperamos uns 30 minutos até diminuir e chegamos em Araçatiba às 15:30h. Também tem muita água na trilha para os que não tem problemas em bebe-las. Logo na chegada está a pousada do Toni Montana. Muito boa, e com duas suítes de frente para o mar com sacada e rede o pernoite estava R$ 120,00 com café da manhã. O problema era que as duas estavam ocupadas. Como estava chovendo fraco, ficamos conversando com o Toni um tempão. Uma figuraça, gente boa, nos deixou à vontade para escolher outra. As mochilas e as botas ficaram na recepção e lá fomos nós atrás de outra de frente para o mar. Entramos na pousada Mar de Araçatiba, da Andréa e do Edinho, 24-99768651, 78343810, 33674014. Eles tem 7 suítes e uma delas (especial e muito aconchegante) fica bem no alto e de frente para o mar com sacadinha e rede, providencial depois de um banho. Esta era R$ 150,00, e as outras R$ 120,00, mas, como nós ficaremos 1 dia por aqui, eles fizeram por R$ 120,00. Voltamos para o Toni, pedimos desculpas por termos escolhido outro lugar e pegamos nosso equipo. Deixei no quarto e fui dar um mergulho pra tirar a zica da caminhada. A água estava fria, mas, depois desta etapa, era relaxante.
Após um banho quente aquela rede na varanda foi o relax total.
Como o Edinho é um ótimo cozinheiro, comemos uma moqueca de Xaréu por lá mesmo. R$ 50,00 dá para 3. Tem PF de R$ 18,00. As mesas ficam em um deck de frente para o mar com direito a luz de vela nas mesas. Uma delícia de lugar!
Noutro dia, o sol ameaçou sair, mas, ficou mesmo naquele mormaço forte.
Aproveitamos para ir até praia de Araçatibinha, Itaguaçu, onde tem uma grande pedra para subir e ficar mergulhando sem parar. Foi um sobe e mergulha à tarde inteira.
Depois fomos até o lagamar e a praia Vermelha. O lagamar é um cercado de pedras natural que forma uma piscina fantástica. Vale muito!
Não fomos até a gruta do Acaiá, pois já imaginava que sem sol, o efeito não aparece no fundo e não tem muita graça o que foi confirmado pelo Edinho e por outras pessoas. O bom mesmo é ir em dia de muito sol. Voltamos no fim de tarde para Araçatiba.
O café da manhã é excelente. Não deve nada aos bons hotéis do Abraão. Ponto para a Andréa e para o Edinho.


Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem


Noutro dia saímos de Araçatiba às 08:00h com muito sol e chegamos em Proveta às 09:30h. A subida é pesada, mas, tem um trecho quase plano que dá para desacelerar um pouco e logo vem a subida novamente. Também com muita água. É neste trecho que voce já pode ouvir os gritos dos Bugios. Provetá, (que tem uma população quase que totalmente evangélica) é uma praia muito bonita, e nós até tínhamos programado ficar aqui um dia, mas, como “quase todos” nos disseram para não ficar por aqui, por conta do pessoal “esquisito”, passamos direto atravessando a areia na maré baixa e subindo no final dela em direção ao Aventureiro. Em Provetá tem uma pousada chamada, Dos Meros. Deve ser boa. Agora, a população de Proveta tem consciência de que o turismo trás divisas e gera emprego, uma vez que as pescarias estão cada vez mais escassas. Tempos atrás, uma pessoa de biquíni tomando sol na praia, era “convidada” a se vestir, pelas mulheres do local. Hoje já não existe mais isto.
Eles estão precisando do turista. Não podem mais espantá-lo. Só não vale passar de biquíni em frente ao templo evangélico. A energia elétrica acaba aqui.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Bom, chegamos no Aventureiro às 11:15h, com muito sol. A subida é pesada, mas, como estávamos com pouco peso, foi moleza. A descida é que é um zigue-zague danado. Este trecho ao contrário me lembra a subida do Baepí, em Ilhabela.
Chegando lá, fomos direto no camping do Luis, pois me informaram que ele tem 1 quarto com chuveiro quente. Pois bem, ele tem, mas, estava ocupado. Ele serve café da manhã por item. Exemplo: café, tanto... leite, tanto... pão com manteiga, tanto... suco, tanto... queijo quente, tanto. Serve também o PF. PFF R$ 15,00 e PFR R$ 13,00. Pedimos indicação e lá fomos nós. Chegamos na Neneca e não gostamos. R$ 60,00 o casal sem banheiro dentro e sem café, mas, o chuveiro era quente. Tem uma pousada muito legal do lado esquerdo dela. É do Rafa. Pedimos para ver uma suíte (3 com chuveiro frio) e a mulher dele (com cara de sono) nos disse que não estava limpa.
Mesmo assim pedimos pra ver. Entramos e gostamos, mas, ela não foi clara. Ela nos disse que teria que limpar o quarto, e nos indicou para ir em outro lugar, dizendo que talvez, amanhã, tivesse que ir para Angra... Não entendi nada. Concluimos que ela não estava a fim de limpar nada.
Fomos até a Laís, esta sim, foi clara dizendo que não tinha mais mantimentos e que não poderia nos hospedar. Acabamos ficando no Ferreira em um quarto sem banheiro, mas, com chuveiro quente fora do quarto. O cara que estava tomando conta estava dormindo. Os quartos estavam todos sujos. A alegação foi que estava lotado e saíram ontem. Tá bom! Ele me disse que iria providenciar a limpeza e arrumação. Nos deu um outro quarto com chave para guardarmos nossas coisas e fomos para a praia. Um dos banheiros estava lastimável. O outro deu pro gasto. Depois de ficarmos explorando as praias do Demo e Aventureiro, voltamos pra tomar um banho quente de chuveiro a gás.
Jantamos o PRF do Luis que estava muito bom. Arroz, feijão, salada e peixe frito. Dormimos muito bem, e sem pernilongos. Como somos escolados pelo tempo de trilha, levamos um Raid na mochila para acabar com eles. Tomamos um café e seguimos para Parnaióca bem lentamente. Como estudamos nosso percurso, sabíamos que a baixamar (maré mais baixa) era para às 11:35h. Ou seja, iríamos caminhar pelas praias do Sul e do Leste com a maré bem baixa.


Imagem


Então, saímos às 09:00h do Aventureiro com a maré baixando bastante, o que facilitou a caminhada nas praias do Sul, travessia do mangue na ilhota do Leste e caminhada na praia do Leste. O céu estava sem nuvem alguma e o sol já torrando. Passamos pelo costão do Demo numa boa pois a maré estava bem baixa.


Imagem

O encontro da onda que volta com a onda que entra é fantástico.


Imagem


Atravessamos a praia do sul na areia dura pois a água estava longe. Chegamos na ilhota do Leste às 10:00h. E o melhor, sem ninguém por perto. Atravessamos o riacho com água pela cintura e com as mochilas na cabeça. É fundamental verificar a tábua de marés para fazer a travessia Aventureiro/Parnaióca, pois atravessar as praias pela areia fofa na preamar (maré cheia), deve ser um saco. E a travessia do rio pode complicar com a maré totalmente cheia.
Ficamos tomando banho de rio (sem jacarés) e curtindo o local umas 3,5h. Quem aprecia história, a ilha do Leste foi um cemitério indígena. Arqueólogos escavaram até 3 metros de profundidade o local e descobriram ossadas e ornamentos de 3.000 anos. Antes dos Tupinambás determinadas tribos ocuparam a região. Prestem atenção no canto da praia do Leste umas pedras grandes com incisões.



Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem


São pedras amolador-polidor. São marcas milenares de pescadores-coletores que afiavam lâminas de pedras (suas armas de caça e pesca) em sulcos previamente cavados em grandes pedras achatadas.

Saímos da ilha do Leste às 13:30h com a maré ainda mais baixa, o sol a pino, caminhando e curtindo muito aquela água já quase sem onda e de um verde claríssimo.
Chegamos no canto da praia do Leste às 14:00h.


Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Vejam as pedras amolador polidor.


Imagem
Imagem

Se vc for fazer o trecho Aventureiro/Parnaióca no final de semana, poderá encontrar fiscais, portanto esquematize para passar este trecho no meio da semana. Foi o que fizemos. Ficamos no canto do Leste até às 16:30h, pois sabíamos que até Parnaióca eram mais 40/50 minutos. Levar máscaras e snorkel valeu! Ficamos mergulhando no canto até dar a hora. Vimos vários badejos, garoupas, peixe-cofre amarelo, bodiões, parús, tartarugas e até um cavalo-marinho quase escondidos nas algas.

Era hora de ir embora. Os Bugios estão gritando bastante. Saímos às 16:30 em direção a Parnaióca. A trilha é bem próxima do canto. Como oficialmente é proibido fazer reste trecho, a trilha é bem fechada, mas, está batida e não tem bifurcações. Chegamos em Parnaióca às 17:10h. Como já tínhamos combinado com a Janete que ficaríamos por lá, fomos direto.

Passamos pelo Sílvio e falamos com o caseiro que toma conta do local. Ele cobra R$ 20,00 por pessoa para acampar. Passamos pela casa dos pais da Janete e logo ao lado está a bela casa da Janete. A Janete 24-99977160, tem 3 suítes na casa dela, 1 com chuveiro quente (R$ 90,00 o casal) e 2 com chuveiro frio (R$ 70,00). Café da manhã (R$ 6,00) e jantar (R$ 15,00) à parte. Depois da praia do Sul e do Leste, Parnaióca foi a que mais gostamos. É realmente uma praia belíssima e resolvemos ficar mais 1 dia. Mergulhamos no lado direito e esquerdo do costão. O direito tem peixes maiores. O esquerdo tem peixes menores e vimos 3 tartarugas. A água estava quente e com uma visibilidade excelente de 15 à 20 metros. Tem um belo rio logo na chegada e uma pequena cachoeira próximo da praia. Dá pra ir caminhando pelas pedras do rio ou por uma trilha. Tem outros locais interessantes, mas, a Janete não revela pra ninguém! Ela está certa. Parnaióca, no passado, já teve uma população de mais de mil habitantes. Hoje tem 6 (seis) habitantes. Parnaióca já teve fazendas de cana de açúcar, café, casas de farinha... Se andarem lá pro sertão, certamente encontrarão vestígios destes tempos ricos.
As terras da Janete foram de seu bisavô, portanto, ela tem mais é que lutar pela preservação do local. E ela tem travado duras batalhas com a especulação imobiliária. Como o local é Parque Estadual, não se pode construir nada, mas, grupos poderosos já tentaram artifícios. Brava Janete, esperamos e devemos contribuir, e colaborar com a sua luta para preservar este santuário.


Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem


Nossos corpos foram embora, mas, nossas almas ficaram!


Imagem


Bom, ficamos no paraíso mais um dia e saímos (neste lugar certamente voltaremos) às 09:00h em direção à Dois Rios. Quanto ao trecho que houve o escorregamento, ele fica próximo a Dois Rios. Vejam as fotos abaixo:





Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Dá para passar muito bem, mas, caso esteja chovendo forte, não aconselho, pois, aquilo ainda vai descer mais. A coisa está feia! E como não dá para saber como está chovendo na cabeceira, o melhor é nem sair de Parnaióca. Abaixo, outro pequeno escorregamento.



Imagem


Chegamos em Dois Rios às 11:15h, conhecemos o museu da prisão e fomos para a praia. No canto direito deságua um rio de água claríssima e gelada. A água do mar estava bem mais gelada que Parnaióca. Saímos de Dois Rios às 14:30h caminhando com um casal. Ela brasileira e ele alemão. Íamos pegar os atalhos, mas, como o papo estava bom, seguimos mesmo pelo estradão. Chegamos no Abraão às 16:45h.




Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

#574437 por Luis Arau
10 Abr 2011, 11:30
Augusto, eu (Luis) e minha mulher já temos muitos anos de estrada e, com a idade, algum conforto torna-se prioridade.
Não procuramos outra alternativa senão um bom lugar pra ficar. E um bom lugar tem um custo maior, além do que, por ser uma Ilha, tem seus custos ainda mais elevados. Acho que até encontraria lugares mais baratos, mas, não procuramos. E certamente tinha lugares mais caros. Não levantei os custos. Assim que os tiver repassarei para vc.
Abraços.
Editado pela última vez por Luis Arau em 27 Jun 2011, 22:15, em um total de 1 vez.
#574796 por Augusto
11 Abr 2011, 12:02
Foi mal aí Luis. ::putz:: ::putz:: ::putz:: ::putz:: ::putz:: ::putz:: ::putz:: ::putz::
Agora sabendo o seu nome, fica mais fácil.

O seu relato é uma boa opção p/ quem não quer levar uma mochila cargueira com barraca e tudo mais.
Ficou a impressão que no Bananal e em Aventureiro o pessoal não quer ganhar dinheiro. É isso?
Será que p/ eles é raro oferecer hospedagem nas pousadas p/ quem está fazendo a volta da ilha?


Abcs


Lu Arau escreveu:Augusto, eu (Luis) e minha mulher já temos muitos anos de estrada e, com a idade, algum conforto torna-se prioridade.
Não procuramos outra alternativa senão um bom lugar pra ficar. E um bom lugar tem um custo maior, além do que, por ser uma Ilha, tem seus custo ainda mais elevados. Acho que até encontraria lugares mais baratos, mas, não procuramos. E certamente tinha lugares mais caros. Não levantei os custos. Assim que os tiver repassarei para vc.
Abraços.
#575719 por Luis Arau
13 Abr 2011, 18:11
Augusto escreveu:Foi mal aí Luis. ::putz:: ::putz:: ::putz:: ::putz:: ::putz:: ::putz:: ::putz:: ::putz::
Agora sabendo o seu nome, fica mais fácil.

O seu relato é uma boa opção p/ quem não quer levar uma mochila cargueira com barraca e tudo mais.
Ficou a impressão que no Bananal e em Aventureiro o pessoal não quer ganhar dinheiro. É isso?
Será que p/ eles é raro oferecer hospedagem nas pousadas p/ quem está fazendo a volta da ilha?


Abcs


Lu Arau escreveu:Augusto, eu (Luis) e minha mulher já temos muitos anos de estrada e, com a idade, algum conforto torna-se prioridade.
Não procuramos outra alternativa senão um bom lugar pra ficar. E um bom lugar tem um custo maior, além do que, por ser uma Ilha, tem seus custo ainda mais elevados. Acho que até encontraria lugares mais baratos, mas, não procuramos. E certamente tinha lugares mais caros. Não levantei os custos. Assim que os tiver repassarei para vc.
Abraços.



Augusto, te enviei uma mensagem aos seus questionamentos.
#576047 por Gileal
14 Abr 2011, 15:20
Oi, Lu!
Bacana o seu relato! Belas fotos também.
Obrigada, viajei nas suas palavras... Muitas lembranças!
Curti tudo que vc escreveu. E ri muitos do "pega" dos gansos! Que bichos loucos! Quando passei estavam n'água.

Bom, fui tratada muito bem em todos os lugares que passei e baixavam o preço das coisas sem eu pedir. No Bananal, o assunto continua sendo o deslizamento, mas consegui inverter a conversa para "cobras" e escutei até uma lenda sobre elas. Um assunto melhorzinho, né. rsrsrs... Mas o clima lá, por conta disso, é meio pesado mesmo.
Em Araçatiba fiquei no Bené, numa suíte com banho quente por 20 reais e ainda fomos convidadas para jantar (macarronada com lula fresca recheada) nas casa de um casal gente boa.
Em Provetá fiquei no Mestre Ernani que fez a 20 reais o quarto e tinha um ótimo PF a 10 reais. Mas a Rosi, agente de saúde, ofereceu a casa dela para ficarmos como convidadas(eu que não quis incomodar). Em dois dias eu já conhecia o Provetá quase todo pelo nome; e essa impressão que fazem das pessoas por serem evangélicas, ficou quebrada prá mim. Pessoas boas, só um pouco retraídas, por não visar tanto o turismo. Nada que um bom papo não ajude. Fiz amizade até com a crianças e os adolescentes da escola. Em Aventureiro fiquei no camping da Neneca por 10 reais com banho quente e PF a 10 reais (Muito bom! Tido como o melhor feijão de aventureiro). Mas ela disse que fazia o quarto na baixa a 20 reais prá mim, que já era amiga. Na Parnaióca ficamos no camping do Sílvio a 15 reais (ele nos deu colchonetes e isolantes e disse que tinha barracas para nos ceder em uma próxima vez). Ganhamos PF com seis peixes Olho de cão que ele pescou. Também ganhamos duas garrafinhas de água mineral. O Srº Sílvio me contou muitas histórias (ele nasceu alí e sabe tudo da Parnaióca) e eu contei umas outras tantas prá ele. Foi incrível! A noite, muita gente do Aventureiro se reuniu na Neneca para papear. Escutei muitos "causos', histórias e lendas da Ilha e contei umas outras, é claro! rsrsrs... Não queriam deixar a gente ir embora do Aventureiro. Até ofereceram de nos levar de graça até a Parnaióca de barco se ficássemos mais um dia. Recusei, queria passar no bendito mangue. rsrsrs... Saí com o coração apertado, depois de levar duas meninas, que ficaram amigas, no cais para pegar o barco escola. Bom, meu custo foi baixíssimo e tive conforto o tempo todo. O que mais valeu prá mim nesse circuito foram as pessoas que conheci. Bons amigos que ficarão para sempre.

Beijos e mais uma vez, valeu pelo relato.
Gi
#576074 por Luis Arau
14 Abr 2011, 16:20
Gileal escreveu:Oi, Lu!
Bacana o seu relato! Belas fotos também.
Obrigada, viajei nas suas palavras... Muitas lembranças!
Curti tudo que vc escreveu. E ri muitos do "pega" dos gansos! Que bichos loucos! Quando passei estavam n'água.

Bom, fui tratada muito bem em todos os lugares que passei e baixavam o preço das coisas sem eu pedir. No Bananal, o assunto continua sendo o deslizamento, mas consegui inverter a conversa para "cobras" e escutei até uma lenda sobre elas. Um assunto melhorzinho, né. rsrsrs... Mas o clima lá, por conta disso, é meio pesado mesmo.
Em Araçatiba fiquei no Bené, numa suíte com banho quente por 20 reais e ainda fomos convidadas para jantar (macarronada com lula fresca recheada) nas casa de um casal gente boa.
Em Provetá fiquei no Mestre Ernani que fez a 20 reais o quarto e tinha um ótimo PF a 10 reais. Mas a Rosi, agente de saúde, ofereceu a casa dela para ficarmos como convidadas(eu que não quis incomodar). Em dois dias eu já conhecia o Provetá quase todo pelo nome; e essa impressão que fazem das pessoas por serem evangélicas, ficou quebrada prá mim. Pessoas boas, só um pouco retraídas, por não visar tanto o turismo. Nada que um bom papo não ajude. Fiz amizade até com a crianças e os adolescentes da escola. Em Aventureiro fiquei no camping da Neneca por 10 reais com banho quente e PF a 10 reais (Muito bom! Tido como o melhor feijão de aventureiro). Mas ela disse que fazia o quarto na baixa a 20 reais prá mim, que já era amiga. Na Parnaióca ficamos no camping do Sílvio a 15 reais (ele nos deu colchonetes e isolantes e disse que tinha barracas para nos ceder em uma próxima vez). Ganhamos PF com seis peixes Olho de cão que ele pescou. Também ganhamos duas garrafinhas de água mineral. O Srº Sílvio me contou muitas histórias (ele nasceu alí e sabe tudo da Parnaióca) e eu contei umas outras tantas prá ele. Foi incrível! A noite, muita gente do Aventureiro se reuniu na Neneca para papear. Escutei muitos "causos', histórias e lendas da Ilha e contei umas outras, é claro! rsrsrs... Não queriam deixar a gente ir embora do Aventureiro. Até ofereceram de nos levar de graça até a Parnaióca de barco se ficássemos mais um dia. Recusei, queria passar no bendito mangue. rsrsrs... Saí com o coração apertado, depois de levar duas meninas, que ficaram amigas, no cais para pegar o barco escola. Bom, meu custo foi baixíssimo e tive conforto o tempo todo. O que mais valeu prá mim nesse circuito foram as pessoas que conheci. Bons amigos que ficarão para sempre.

Beijos e mais uma vez, valeu pelo relato.
Gi



É Gi, nada como ser mulher para xavecar no preço. Dá próxima vez, falo pra minha mulher negociar.
Melhor, na próxima ela poderá se passar por uma contadora de histórias...
Brincadeirinha!!!
E sua irmã, zerou?
Podeter sido a cocada da Chapada Diamantina...
Bjos.
#610716 por deiafranzoi
08 Jul 2011, 15:50
Luis!
Simplesmente perfeito teu relato! E as fotos, meu Deus, que lindas!
Parabéns mesmo viu!
Chego em Ilha Grande dia 14/07 e vou usar teu relato como base para fazer a volta na ilha.
Vou sozinha, voce vê algum problema nisso?
Fazendo a volta como voce fez dá pra curtir bem cada lugar, ou voce fez alguma parte meio que correndo?

mais uma vez parabéns pelo relato!
Déia
#611273 por Luis Arau
10 Jul 2011, 19:45
Ola Deia,
Não vejo nehum problema em vc ir sozinha. Da pra ir tranquila!
Aconselho somente reservar pousada no Bananal, nas outras paradas não precisa.
Se vc tiver tempo, e o sol permitir, fique 1 dia relaxando em Araçatiba, 1 dia no Aventureiro e 2 dias em Parnaioca.
E vale sair bem cedinho do Aventureiro para curtir a travessia das praias do Sul e do Leste bem devagarinho...contemplando...
Se possivel faça esta parte da travessia na mare baixa (consulte a tabua de mares da Capitania dos Portos).
Nos ficamos 1 dia em cada praia destas relaxando e conhecendo os detalhes, nas outras foi somente para pernoitar, acordar e caminhar.
Curtir as praias no caminho sera dificil, pois foi o tempo todo pernando. Vc somente curtira nas paradas de 1 dia.
No Bananal não vale ficar (minha opinião).
A agua estara fria, portanto, nem leve mascara, a não ser que goste de agua bem gelada.
Desculpe a falta de acentuação e obrigado pelos elogios.
Luis.

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante