5 dias em Lima - OUTUBRO/2015

Relatos de viagem no Peru
Gláucia!
Mensagens: 92
Registrado em: 09 Mai 2011, 11:23

25 Mar 2016, 11:27  

O RELATO COMPLETO, COM FOTOS, VOCÊ ENCONTRA NO MEU BLOG:
http://viagensesouvenirs.blogspot.com.br/



Período: de 30/10 a 03/11/2015 (Feriado de Finados)
Mais uma vez conseguimos pagar as passagens aéreas e a hospedagem com pontos dos programas de fidelidade e a viagem saiu quase de graça!
Pegamos um voo direto da TAM em Guarulhos às 09:00 e chegamos a Lima antes das 12:00 (horário local), já que há um diferença de 3h a menos em relação ao Brasil.
Uma das minhas primeiras dúvidas ao iniciar a pesquisa sobre o Peru foi com relação ao dinheiro. Que moeda levar: reais, dólares ou soles?
Levei um pouquinho de tudo, mas agora sei que teria sido melhor trocar reais por soles apenas quando chegasse em Miraflores. Compare:

No aeroporto do Brasil --- para comprar 300 soles foram necessários 504 reais
No aeroporto do Peru --- para comprar 300 soles foram necessários 520 reais
Em Miraflores --- para comprar 300 soles foram necessários 412 reais

O problema é que eu precisava de dinheiro logo na chegada, já que teria de pagar o táxi entre o aeroporto e o hotel. E por falar em táxi, a minha opção foi pelo Taxi Green, cujo balcão está localizado logo após a porta do desembarque, no saguão do aeroporto. Na área das esteiras (ainda dentro da parte restrita aos passageiros) há várias empresas que também oferecem transporte aos hotéis, mas o valor cobrado até Miraflores é de 160 soles, enquanto que na Taxi Green o mesmo trajeto sai por 60 !!!
Ficamos hospedados no Ibis Larco Miraflores, que é um hotel bem localizado, distante apenas 2 quadras do Larcomar e 10 minutos de caminhada do Parque Kennedy, os pontos de maior concentração turística da região.
Os quartos são pequenos, mas bem ajeitadinhos, com guarda-roupas, cofre, TV, telefone, tomadas 220v (sem necessidade de adaptador), secador de cabelo, box de vidro (isso é importante para algumas pessoas!) e Wi-Fi gratuito. Também há computadores no lobby e os recepcionistas providenciam a impressão de bilhetes aéreos sem custos.
Chegamos em um horário perfeito para fazer o check-in e começar o passeio pela cidade. Seguimos em direção ao Parque Kennedy e nossa primeira parada foi no Dom Belisario, a famosa casa de pollos a la brasa. O frango é realmente delicioso e faz jus à fama que tem. Só de me lembrar já dá água na boca.
Em frente ao Dom Belisario está o Parque 7 de junio. Na verdade o Parque 7 de junio, o Parque Central de Miraflores e o Parque Kennedy formam um único conjunto, uma grande praça. Seguimos pela Avenida Arequipa rumo ao sítio arqueológico Huaca Pucllana e foram cerca de 20 minutos de caminhada bem agradável.

MUSEO DE SITIO HUACA PUCLLANA
Localização: Calle General Borgoño cuadra 8 s/nº
Horário: de quarta a segunda, das 09:00 às 17:00 (terça-feira fechado)
Preço: 12 soles

O serviço dos guias está incluído no valor do bilhete e o tour é realizado em grupos formados por ordem de chegada, em inglês ou espanhol, com duração de aproximadamente 45 minutos. Achei a visita muito interessante, pois o sítio arqueológico está bem preservado e foi preparado para que o turista possa ter uma boa noção de como vivia o povo Lima entre os anos 200 e 700 d.C.
Depois, seguimos para a região das feirinhas de artesanato, onde existem dois mercados muito famosos - Inka Plaza e Indian Market - mas posso afirmar que nenhum deles é uma boa opção para encontrar lembrancinhas baratas. Vai por mim: as lojas do centro da cidade, próximas à Plaza de Armas, vendem os mesmos produtos pela metade do preço!
Ao final da tarde voltamos para o hotel e nessa hora fomos apresentados à típica garoa limeña. Garoa? Pra mim era chuva mesmo!
É comum que os habitantes da cidade digam nosotros no conocemos la lluvia (nós não conhecemos a chuva), mas o fato é que todos os dias - o dia todo - é possível sentir um borrifo d´água no ar, às vezes bem fraco, outras vezes mais forte. Não chega a atrapalhar o passeio ... só as fotos :(
À noite saímos em direção ao Larcomar, um centro comercial a céu aberto com praça de alimentação, salas de cinema, pistas de boliche, lojas e restaurantes famosos. Uma coisa interessante é que não é possível ver o Larcomar desde a avenida, pois todo o complexo foi construído em um rochedo à beira do precipício. Eu adorei ::otemo::

31/10/15 - sábado

¡Buenos dias!
Acordamos cedo para el desayuno. O serviço de café da manhã do hotel está disponível desde às 04:30h em versão reduzida e a partir das 06:30h na versão completa. Há uma grande variedade de itens, como ovos mexidos, bolos, cereais, frutas, iogurtes, além de quitutes típicos peruanos. Eu achei excelente!
O valor (25 soles) pode estar ou não incluído nas diárias, de acordo com a vontade do cliente.
Este dia seria inteiramente dedicado aos city tours, então caminhamos até o Larcomar, de onde sai o ônibus turístico que faz um percurso de 5 horas pela cidade e passa por locais como Barranco, Centro Histórico e Miraflores.
A empresa responsável é a Turibus (http://www.turibusperu.com/) e a compra dos tickets deve ser feita no stand localizado no interior do centro comercial, próximo ao restaurante La Bonbonniere. Preço: 79 soles.
O primeiro veículo sai às 09:15, mas é aconselhável chegar cedo (a partir das 08:45), para comprar as passagens e garantir um bom lugar na parte superior do ônibus.
O ônibus segue direto para Barranco, onde é feita uma parada de cerca de 40 minutos, para que que todos possam tirar fotos, conhecer um pouco do bairro boêmio de Lima e atravessar el puente de los suspiros. O passeio é conduzido por uma guia bastante simpática, que faz questão de explicar cada detalhe do percurso.
Depois o ônibus retorna para o Larcomar a fim de pegar os passageiros que compraram o tour apenas para o Centro Histórico. Nessa hora eu tive certeza de que fizemos a coisa certa ao optarmos pelo tour completo com saída às 09:15, pois além de perderem um belo passeio por Barranco, estes passageiros não puderam escolher os melhores assentos na parte superior do veículo, que já estavam ocupados por nós. Além disso, quem escolhe a saída das 10:15 corre o risco de não conseguir tickets disponíveis, pois a procura é bem maior e o ônibus pode lotar rapidamente.
A parada é breve e logo o ônibus segue em direção ao Centro Histórico.
Em volta da Plaza Mayor (Plaza de Armas) estão a Catedral, o Arcebispado, o Palacio del Gobierno, a Municipalidad e outros prédios em estilo neocolonial espanhol pintados de amarelo. Ali a guia faz uma longa explanação sobre cada um deles e depois libera o grupo para as fotos.
O centro histórico de Lima é cheio de igrejas e conventos. Um dos mais antigos, bonitos e interessantes é o Convento de San Francisco, cuja entrada (7 soles) está incluída no valor do passeio.
Durante a visita o grupo é conduzido à Biblioteca, que conta com alguns volumes do primeiro dicionário publicado pela Real Academia da Língua Espanhola, a famosa Bíblia Régia, publicada entre 1571-1572 e mais de 6.000 rolos de pergaminho.
É obvio que num ambiente onde se guardam papéis com mais de 400 anos o cheiro forte de mofo toma conta do ar. Eu senti como se estivesse no filme "O Nome da Rosa" ... só faltava Sean Connery pra completar ...rsrsrs
Mas o que realmente rouba a cena é deixado para o fim da visita: as catacumbas, onde estima-se que foram sepultados cerca de 25 mil limeños!
Importante: como o local é pequeno e não ventilado, pessoas sensíveis podem se sentir desconfortáveis ou até enojadas. Se este for o seu caso, não se preocupe, você poderá aguardar pelo grupo do lado de fora.
O passeio pelo Centro Histórico acaba se estendendo até por volta das 13:30 e por isso é recomendável levar um lanche. Porém, tenha cautela com os líquidos, pois como o grupo deve permanecer unido durante todo o percurso, só há tempo para utilizar los baños uma única vez e isso acontece por volta das 12:00!
Na volta o ônibus percorre toda a orla (na parte superior das falésias), sendo possível admirar o mar, os jardins e os prédios residenciais de Miraflores.
Já passava das 14:00 quando retornamos ao Larcomar, ponto final do passeio. Há uma pequena praça de alimentação e alguns restaurantes renomados, como o Mangos e o Tanta (típicos representantes da alta gastronomia peruana), mas nós optamos por algo mais simples e barato. E já que a nossa prioridade são os passeios, almoçamos rápido e partimos em direção ao Parque del Amor.
A distância entre o Larcomar e o parque é de aproximadamente de 1 km, que pode ser percorrido tranquilamente a pé, em 15 minutos. Além dos lindos jardins, o passeio vale a pena pela vista que se tem do mar e das falésias.
Na volta, uma paradinha para fotos do Paddington ... ::love::
Este ursinho (que você vai ver em todo lugar) é um personagem clássico da literatura infantil do Reino Unido. Talvez muita gente saiba disso; no entanto, poucos sabem que ele nasceu no Peru! Seu criador, o inglês Michael Bond, deu-lhe vida em 1958 com o livro intitulado: “Um urso chamado Paddington”, cujas adaptações foram traduzidas para mais de 30 idiomas. O Urso Paddington se caracteriza por ser muito educado, ter um bom coração e ter sempre as melhores intenções, por isso se converteu no peruano mais querido por várias gerações de britânicos que cresceram lendo suas aventuras.
Retornamos ao hotel por volta das 17:00 a fim de nos prepararmos para mais um passeio: LIMA DE NOCHE Y CIRCUITO MÁGICO DEL AGUA.
Embora a Turisbus também realize este tour, preferimos fazê-lo com a Mirabus(http://www.mirabusperu.com), porque comparando a descrição do passeio feita pelas duas empresas, percebi que o da Mirabus oferecia a vantagem de ter 30 minutos a mais e um pequeno lanche no Sheraton Lima Hotel.
Atenção: este tour é feito de quarta a domingo às 19h00 (segunda e terça fechado) e é recomendável chegar cedo, pois a empresa trabalha com assentos numerados e se houver muita procura há o risco de você ter de sentar no piso inferior ou nem isso.
O ponto de embarque é na Avenida Diagonal (bem próximo à Calle de las Pizzas) e os tickets devem ser adquiridos em um stand localizado no Parque 7 de junio ou em frente à Starbuks.
Na época em que eu estive lá o Parque Central de Miraflores e o Parque Kennedy estavam em obras e talvez por isso houvesse esse stand em frente à Starbuks. Me deu a impressão de que era algo provisório. De qualquer forma, basta procurar pela cabine vermelha da Mirabus, que eles chamam de Caseta de Información Turística.
O passeio tem duração de aproximadamente 4 horas, custa 70 soles, inclui o ingresso ao Circuito Mágico del Agua, e como eu disse antes, um lanche no Sheraton Lima Hotel.
O itinerário percorrido até o centro é praticamente o mesmo feito de manhã (exceto Barranco), mas o foco é outro: a vida noturna limeña.
Na verdade tivemos muita sorte por estarmos em Lima durante o Feriado de Finados, porque para os peruanos este é um período de comemoração. Era sábado, 31 de outubro, Dia das Bruxas e pudemos ver de perto como eles celebram esta data. É uma festa! Adultos e crianças saem fantasiados pelas ruas, lotam praças e restaurantes (decorados com aranhas e morcegos - no clássico estilo Halloween), todos muito animados, cantando e dançando, num clima de total descontração. Parece que ninguém fica em casa ... rsrsrs
A primeira parada foi no famoso Circuito Mágico del Agua, localizado no Parque de la Reserva. Trata-se de um conjunto de 13 fontes ornamentais onde água, música, luz, imagens e efeitos de laser, em perfeita harmonia, são misturados num espetáculo lindo. E como a sorte estava ao nosso lado, aquela noite a apresentação foi especial, pois em 31 de outubro também se comemora o Dia da Música Criolla. Durante quase 30 minutos assistimos à um filme projetado numa tela de água, com muitos efeitos especiais, contando a história da música criolla no país.
Além disso, o parque tem algumas fontes interativas onde é possível "brincar" e se molhar pra valer. O espantoso é que eu estava morrendo de frio, vestindo 2 moletons, a temperatura estava em torno de 15 graus e, mesmo assim, havia uma multidão se divertindo na água!
Para quem estiver acompanhando o tour não é recomendável se molhar, pois obviamente não terá tempo de se secar, mas aqueles que forem por conta própria e quiserem embarcar na diversão, podem utilizar os vestiários do parque.
De volta ao ônibus, percorremos mais algumas ruas para ver o Centro Histórico e os edifícios iluminados e depois seguimos para a segunda (e última) parada: Sheraton Lima Hotel. Chegando ao hotel fomos conduzidos a um salão muito bem decorado, onde as mesas já estavam arrumadas para nos receber. O lanche era composto de 3 pequenos sanduíches, sendo possível escolher entre uma bebida quente (café, leite, chá) ou um suco de laranja. Foi simples, mas valeu a visita.
O tour acaba na Calle de las Pizzas (ideal para quem ainda quiser fazer um lanchinho). Não foi o nosso caso. Satisfeitos, preferimos voltar direto para o hotel, pois já era quase meia-noite e estávamos bastante cansados.

01/11/15 – domingo

Para o domingo escolhemos um passeio até o Santuario de Pachacamac e mais uma vez utilizamos os serviços da Mirabus (http://www.mirabusperu.com).
Atenção: este tour é feito de terça a domingo às 10:00 (segunda-feira fechado) e é recomendável reservar com pelo menos 1 dia de antecedência, pois a empresa trabalha com assentos numerados e um ônibus pequeno.
Eu fiz a reserva no sábado à noite, na hora em que comprei os tickets para o passeio noturno e percebi que já havia uma boa quantidade de passagens vendidas. O ponto de embarque é o mesmo (Calle de las Pizzas), custa 70 soles e dura aproximadamente 3 horas.
O santuário está localizado a 30 km de Lima e a viagem dura, normalmente, 45 minutos.
Primeiro o ônibus percorre todo o Circuito de Playas, desde Miraflores até Chorrillos, onde acessa a parte alta da cidade e atravessa uma área residencial extremamente pobre. Apesar da paisagem desanimadora, foi interessante perceber o contraste entre a região turística de Miraflores e os demais bairros da cidade. Na verdade, percebe-se que infelizmente Miraflores é a exceção!
Depois, o ônibus pega a estrada e desenvolve certa velocidade. Aqui vale um conselho: leve um casaco e gorro. Mesmo que não esteja muito frio durante o trajeto, você pode sentir necessidade de algo para se abrigar, pois o vento é cortante. Nessa hora muitas pessoas optam por seguir viagem na parte inferior do veículo, mas além não haver lugar para todos, perde-se a oportunidade de ver novas paisagens.
Como eu disse antes, o trajeto podia ser feito em 45 minutos, mas este não era um dia comum ... era Dia de los Muertos ... e havia um congestionamento gigante para acessar o cemitério, localizado no caminho do santuário. Contudo, o que a princípio parecia ser um problema, acabou se revelando uma boa surpresa. Foi muito curioso ver como o povo peruano lida com a questão da morte.
Eu sabia que alguns países da América Latina comemoram de forma diferente o Dia de Finados e que esta é uma das festas mais animadas do ano, mas não imaginava o quanto! Eles levam até balões !?
Segundo a crença popular, neste dia os mortos têm permissão divina para visitar parentes e amigos. Por isso, as pessoas vão ao cemitério ficar próximas dos que já partiram, festejando ao redor dos túmulos com comida, música e os doces preferidos dos mortos.
Ultrapassada a confusão de carros e pedestres, finalmente chegamos a Pachacamac.
Na entrada é possível comprar souvenirs e usar os banheiros, mas a parada é bem rápida e logo todos são convidados a embarcar rumo à área principal do santuário.
Depois de um pequeno tour panorâmico, quem tiver disposição* pode acompanhar o guia em uma caminhada ao redor do complexo arqueológico, a fim de conhecer mais detalhes sobre as pirâmides com rampas, as ruas, o templo pintado e o templo do Sol. Aliás, os grandiosos Templos do Sol e da Lua são conhecidos por serem as obras mais impressionantes do complexo, construído totalmente de argila.
(*) Pessoas de idade avançada ou com dificuldades de locomoção são aconselhadas a permanecer na base do templo, tendo em vista o terreno acidentado.
Durante todo o percurso, o guia vai falando sobre a história e as tradições locais. Assim aprendemos que as primeiras ocupações na área datam do ano 200 a.C., mas a construção do santuário teve início somente por volta de 1300 d.C. e que segundo a mitologia Inca, Pachacamac foi o deus do fogo e filho do sol, o criador do mundo e de todas as criaturas que nele habitam.
Quando chegamos de volta em Miraflores, já passava das 14:00 e aproveitamos para almoçar na famosa Calle de Las Pizzas, que na realidade não é uma rua e sim uma passagem de pedestres, com barzinhos e restaurantes de ambos os lados.
Este é um daqueles locais tipicamente turísticos, onde os garçons caçam os clientes na calçada, brigam uns com os outros e disputam efusivamente a sua atenção. Eu detesto isso!
Como os preços são praticamente os mesmos, escolhemos o Don Corleone, cujo atendente se mostrou mais simpático e disposto a agradar.
Pedimos 1 Pollo a la leña (papas + ensalada + gaseosa) = 52 soles (serve 2 pessoas)
Toda refeição dá direito a um refrigerante, mas como não bebemos refrigerante, o garçom nos preparou uma limonada. Estava deliciosa (era prendado o rapaz, kkk) !
Depois, retornamos ao hotel para descansar e saímos apenas ao final do dia para jantar e dar umas voltinhas pelo Larcomar.
Na verdade, eu estava sentido dor de cabeça desde o início da viagem e isso começou a me preocupar. Tomei quase todos os analgésicos que havia levado e mesmo assim a dor ia e voltava. Não precisei comprar remédios lá, mas eu tinha a informação de que é preciso ter receita médica até para os medicamentos mais simples. Por isso, fica a dica: leve uma farmacinha bem abastecida, pois nunca se sabe quais ou quantos remédios vai precisar.

02/11/15 - segunda-feira

Uma das vantagens do Ibis Larco Miraflores é que existe um balcão de táxis dentro do hotel, com preços fixos e não há necessidade de fazer reserva, basta solicitar o serviço e pagar diretamente ao motorista. Você pode encontrar a tabela com os preços para os principais destinos turísticos no quarto ou no lobby do hotel.
Como neste dia o nosso plano era caminhar pelo Centro Histórico, decidimos pegar um táxi até a Plaza San Martín e a partir dali iniciar o percurso. Valor da corrida: 21 soles.
Descemos na Plaza San Martín e fomos caminhando pelo Jirón de la Unión, que é um tradicional calçadão de comércio no centro de Lima, muito semelhante à Calle Florida (na Argentina) e Paseo Ahumada (no Chile).
Ah! Ao contrário do Brasil, dia 02 de novembro não é feriado no Peru e pudemos realizar todos os passeios programados, sem o prejuízo de encontrar lojas ou atrações fechadas.
Nossa primeira parada foi na Catedral de Lima, onde logo à direita de quem entra está uma das partes mais interessantes da visita: a cripta com os restos mortais do conquistador Francisco Pizarro.
Horário:
de segunda a sexta, das 09:00 às 17:00
sábado, das 10:00 às 13:00 (domingo fechada)
Preço: 10 soles

Não tínhamos muita expectativa com relação à Catedral, mas nos enganamos, pois o seu interior é riquíssimo em detalhes. Há um museu bem interessante e quem tiver a curiosidade de ler os panfletos que são distribuídos na entrada vai sair de lá com a certeza de que valeu a pena.
O que mais me chamou a atenção foi a cripta dos Arcebispos, onde estão os restos mortais de quase todos os padres da cidade.
Quando saímos da Catedral já havia muitas pessoas aguardando para ver a troca da guarda, que acontece todos os dias, ao meio-dia, no pátio do Palacio del Gobierno.
Como já era hora do almoço, decidimos procurar algum restaurante próximo à Plaza de Armas com opções de pratos típicos peruanos. Escolhemos "El Pacífico" (Pje. de José Olaya, 114) e pedimos ceviche e lomo a lo pobre. A casa oferece gratuitamente couvert, uma taça de pisco sour e sobremesa, mas acho que não fizemos uma boa escolha. O lomo a lo pobre estava muito duro e o ceviche super apimentado. Isso sem falar na sobremesa, que eu nem sei dizer do que era feita.
Depois, prosseguimos explorando a região e acabamos descobrindo que os souvenirs mais baratos de Lima estão nas lojas localizadas na Jirón Carabaya (uma rua ao lado do Palacio del Gobierno). Para vocês terem uma ideia da diferença de preços, as mesmas blusinhas que são vendidas por 30 soles no Inka Plaza ou Indian Market em Miraflores, custam apenas 15 soles nas lojas do centro!
Importante: nunca pague o preço da etiqueta. É comum que o comerciante reduza o valor da mercadoria e muitas vezes não é preciso nem pechinchar.
Após as compras, a minha intenção era conhecer o Parque La Muralla, que abriga os restos da antiga muralha da cidade, responsável pela sua proteção contra invasores piratas e contra a subida das águas do Rio Rimac. Eu soube que seria possível ver cerca de 300 metros da construção restaurada e um pequeno museu. Mas infelizmente o parque estava fechado por determinação da Vigilância Sanitária e não havia previsão de abrir. Que pena!
Outra informação que eu tinha por conta das minhas pesquisas, era de que da Plaza de Armas saem micro-ônibus de turismo que fazem um tour guiado no Centro Histórico e sobem até o topo do Cerro San Cristobal (de onde se pode observar toda a cidade de Lima). Contudo, estes passeios só ocorrem aos finais de semana e por isso não participei, mas de qualquer forma deixo aqui os contatos da empresa:

QUILLA TOURS - URBANITO (http://www.urbanito.com.pe/)
Endereço: Jirón Callao, 144
Preço: 5 Soles

Por volta das 15:00 demos uma passadinha rápida em Chinatown e chegamos à Plaza Bolívar, onde está o Museo del Congreso y de la Inquisición.
Horário: diariamente, das 09:00 às 17:00
Preço: grátis

A cada hora cheia tem início uma visita guiada com duração de aproximadamente 1 hora.
Quando chegamos à porta do museu já havia uma pequena fila, que rapidamente se estendeu. Fiquei surpresa com a quantidade de gente interessada!
O grupo é conduzido ao interior do edifício, onde o guia explica sobre a história do Senado, do Congresso Nacional Peruano e do Santo Ofício, o tribunal instituído pela Igreja Católica com o objetivo de investigar e julgar hereges e feiticeiros, acusados de crimes contra a fé católica.
Essa e outras dicas eu devo ao Arnóbio, lá do https://meusplanosdeviagem.wordpress.com/, que tem um relato super detalhado sobre Lima.
Pensa que acabou? Nada disso. Assim que saímos do Museo del Congreso y de la Inquisición, tomamos um táxi com destino ao Museo Larco.
Cabe aqui uma observação: os táxis em Lima não têm taxímetro e por isso o valor da corrida deve ser combinado com o motorista.
Nós tivemos a impressão de que quanto mais velho o veículo, mais barata é a corrida. Pegamos um carro bem zoado e o taxista pediu 10 soles para fazer o trajeto, que tem aproximadamente 8 km (25 minutos). Achamos barato!

MUSEU LARCO - http://www.museolarco.org/
Localização: Av. Bolívar 1515 - Pueblo Libre
Horário: diariamente, das 09:00 às 22:00
Preço: 30 soles
Maiores de 65 anos: 25 soles

Ao chegar, não estranhe os portões fechados, pois eles são abertos pelos seguranças somente quando chega um visitante.
O museu está localizado em uma casa de fazenda colonial toda decorada com flores e lá você vai encontrar galerias divididas em ordem cronológica, de modo a oferecer uma visão abrangente das culturas que existiram no Peru pré-colombiano. A galeria Oro y Plata, por exemplo, exibe a maior coleção de jóias usadas por vários governantes peruanos, sendo composta por coroas, brincos, anéis, máscaras, óculos e pedras semi-preciosas.
As culturas antigas do Peru representavam sua vida diária em cerâmica, tendo este museu uma curiosa coleção de figuras eróticas!
Para retornar ao hotel, a melhor solução é o táxi e isso não é difícil de encontrar, pois na porta do museu há vários carros aguardando. O taxista pediu 25 soles e nesse caso a distância era de 12 km (30 minutos). Aceitamos, porque sabíamos que era o mesmo valor cobrado pelos táxis do hotel quando fazem o caminho inverso, ou seja, desde o hotel até o museu.
À noite resolvemos voltar à Calle de las Pìzzas para comer adivinhem o quê? Pizza!
Gostamos tanto do atendimento no Don Corleone que fomos direto pra lá. Por sorte, fomos atendidos pelo mesmo garçom, que estava sempre disposto a ajudar. Antes de entrar eu perguntei se serviam pizza Marguerita e ele respondeu que sim. Disse que faziam o que a gente escolhesse. Podia ser de 1 sabor, 2 sabores,3 sabores ... Mas aí veio a parte engraçada, porque quando a gente sentou e pediu a pizza Marguerita, ele perguntou:
- O que é Marguerita?
Caramba! Não tinha como explicar, porque ele não conhecia a palavra manjericão. Foi quando meu marido apontou para uma foto no cardápio e ele entendeu, respondendo que aquilo era alfava. Pra ter certeza, ele foi até a geladeira, pegou umas folhas e deu pra gente cheirar ... e era manjericão mesmo ...rsrsrs.
Conclusão: A pizza ficou ótima!
No jantar, toda refeição dá direito a um refrigerante ou uma taça de vinho, mas como não bebemos refrigerante nem vinho, mais uma vez o garçom nos preparou "aquela" limonada.

03/11/15 - terça-feira

Dia de voltar para casa :(
Como nosso voo saía de Lima às 12:30, logo após o café descemos para fazer o check-in e pagamos a conta com os pontos do programa de fidelidade.
Importante: Se os seus programas de fidelidade forem Multiplus e Le Club Accorhotels, saiba que deve haver pelo menos 15 dias úteis entre a solicitação da transferência de pontos e a data da viagem. Este é o tempo que leva para os pontos Multiplus serem creditados no cartão Le Club Accorhotels do participante.
Depois, pedimos um táxi no balcão do hotel e seguimos para o aeroporto. Como eu disse antes, o preço é fixo e não há necessidade de fazer reserva, basta solicitar o serviço e pagar diretamente ao motorista (50 soles).
O percurso até o aeroporto tem cerca de 20 km e pode ser feito em 40 minutos.
O motorista era bem falante e nos contou várias coisas sobre a cidade. Achamos graça quando ele disse que para os limeños é tão raro ver uma estrela no céu, que quando isso acontece, eles agradecem a Deus e fazem um pedido. É sinal de muita sorte ... rsrsrs
Chegamos ao aeroporto com tempo suficiente para dar uma passadinha pelas lojas de souvenirs. Como de costume, as lojas dos aeroportos arrasam na qualidade, na variedade e, infelizmente, nos preços também. Estava tudo muito caro!
Por fim, o que posso dizer é que adorei a cidade e concluo que Lima tem um pouco de tudo: construções grandiosas, sítios arqueológicos, museus, parques cheios de gente e praças repletas de flores. Para mim, uma verdadeira surpresa.
Editado pela última vez por Gláucia! em 29 Mar 2016, 22:16, em um total de 6 vezes.

Avatar
filipelyrio
Colaborador
Colaborador
Mensagens: 662
Registrado em: 09 Mar 2010, 16:03
Localização: Salvador
Contato:

25 Mar 2016, 17:58  

Preciosas informações, vou aguardar o restante pois estou me programando.

Gláucia!
Mensagens: 92
Registrado em: 09 Mai 2011, 11:23

26 Mar 2016, 14:03  

Oi Filipe!
Que bom que o post vai ser útil para você. Fico feliz em saber.
Já consegui concluí-lo e vou colocar o que faltava junto do texto acima. Assim não perde a sequência e se você quiser copiar/colar fica mais fácil.
Ah! Achei curiosa a sua pergunta sobre a Suazilândia. Por coincidência eu conheço. Dei uma olhadinha no seu post e percebi que estivemos nos mesmos lugares: na fábrica de velas, na tribo (como batem forte no chão aqueles pés ... kkk). Foi uma das melhores partes da viagem!
Um abraço e obrigada pelo retorno positivo.
Valeu!

Avatar
filipelyrio
Colaborador
Colaborador
Mensagens: 662
Registrado em: 09 Mar 2010, 16:03
Localização: Salvador
Contato:

26 Mar 2016, 20:37  

Muito obrigado Gláucia,

estou programando minha viagem mas não sei ainda quando. Me diga uma coisa, foi só para Lima? Estou pensando em ir para os clássicos Lima, Cuzco e Machu Picchu, pois será minha primeira vez no Perú. Já foi para estes outros lugares ?

Quase certeza que ficarei no Íbis, pois gosto muito da rede. Penso em ficar até 4 noites em Lima.

Nossa, você conhece a Suazi, kkk geralmente o pessoal nem sabe onde fica, eu mesmo só sabia da existência pois morava em Angola na época. Só passei 2 dias na Suazilândia, mas gostei bastante. Acho que todo mundo passa pelos mesmo lugares kkkk

Viajante-bau
Mensagens: 2
Registrado em: 14 Set 2015, 18:07

26 Mar 2016, 22:32  

Tenho uma dúvida. Pretendo ir este ano pra Lima e quero ficar hospedado no IBIS. Você pagou o hotel antes ou no check in? E em qual moeda?

Obrigado!

Gláucia!
Mensagens: 92
Registrado em: 09 Mai 2011, 11:23

27 Mar 2016, 10:41  

Olá!
Eu não paguei o hotel com dinheiro. Como disse no relato, o pagamento foi feito integralmente com os pontos do programa de fidelidade da Multiplus.
Eu tinha pontos na Multiplus e com eles resgatei vouchers da Accor, na quantidade necessária para o pagamento das diárias. Esses vouchers devem ser impressos e levados para serem entregues apenas na hora do check-out, pois eles podem ser utilizados para quitar tanto as despesas das diárias, quanto de frigobar, lavanderia, telefone, restaurante do hotel, etc.
Espero ter esclarecido sua dúvida. Se precisar de mais alguma informação, pode perguntar.
Editado pela última vez por Gláucia! em 28 Mar 2016, 09:25, em um total de 1 vez.

Gláucia!
Mensagens: 92
Registrado em: 09 Mai 2011, 11:23

27 Mar 2016, 11:26  

Oi Filipe!
Eu só visitei Lima mesmo e infelizmente ainda não conheço Cuzco e Machu Picchu.
Masssssss ... como eu adoro pesquisar sobre viagens, já li muitos posts sobre estes destinos e posso lhe dizer que um dos mais informativos é o do Arnóbio:
https://meusplanosdeviagem.wordpress.co ... s-a-cusco/
Ele já esteve 2 vezes no Peru e é super detalhista. Dá pra extrair muita coisa e montar seu próprio roteiro. Porém, fique atento para as atualizações destas informações, pois ele esteve lá em 2013 e podem ter ocorrido mudanças.

Avatar
filipelyrio
Colaborador
Colaborador
Mensagens: 662
Registrado em: 09 Mar 2010, 16:03
Localização: Salvador
Contato:

28 Mar 2016, 22:25  

Obrigado mais uma vez, só mais uma coisa. Para fazer a reserva com milhas, você consegue pelo site mesmo? Ou precisa ligar? é que já passou do horário de atendimento da rede Accor e fiquei com dúvidas.

Gláucia!
Mensagens: 92
Registrado em: 09 Mai 2011, 11:23

29 Mar 2016, 09:39  

Fiz pelo site da Accor mesmo.
Eu tinha respondido para o "Viajante-bau", que me fez uma pergunta aí em cima, que era preciso garantir a reserva com cartão de crédito, mas depois fiquei na dúvida quanto a isto. Aí dei uma olhadinha lá no site e lembrei qual o caminho para fazer a reserva sem cartão de crédito:

1º) Entre no site principal da Accor http://www.accorhotels.com/pt-br/brasil/index.shtml
2º) Conecte-se (login)
3º) Ao fazer a reserva, não será exigido o número do cartão de crédito e aparecerá a mensagem "O valor a ser pago no hotel é de ..."

Na verdade, em momento algum o site se refere aos pontos ou vouchers. É apenas no hotel que eles serão entregues para quitar a conta. É uma reserva normal, como se você fosse pagar com dinheiro ou cartão, inclusive tem que apresentar o cartão no check-in como caução, mas na hora de pagar efetivamente você apresenta os vouchers.

Já tentei fazer reserva por telefone, mas desisti, pois a atendente não me passou os mesmos valores que eu havia conseguido online e que eram menores!

Avatar
filipelyrio
Colaborador
Colaborador
Mensagens: 662
Registrado em: 09 Mar 2010, 16:03
Localização: Salvador
Contato:

04 Abr 2016, 17:12  

Gláucia minha amiga, muito obrigado pela dica que enviou, porém não consegui responder no privado pois aparece uma mensagem dizendo que seu perfil não recebe mensagem privada ...rs...

Eu tinha visto no mesmo dia, porém não respondi pois estava de mudança e só agora tive tempo.



  •   Informação
  • Quem está online

    Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante