Ir para conteúdo

Mais curtidos da Semana


Conteúdo Popular

Mostrando conteúdo com a maior reputação desde 17-09-2019 em todas áreas

  1. 5 pontos
    Basicamente estes foram os gastos que antecederam a viagem. Em relação aos passeios pagos, eu basicamente faço questão de apenas um. Tive que comprar com antecedência por se esgotar muito rápido. Vou deixar uma imagem como dica, hahahaha. Custou £ 45.00 (R$ 255,90).
  2. 4 pontos
    Vim trazer o meu relato pessoal e algumas dicas para quem for a Cusco. Foram 8 dias inesquecíveis. Meu voo foi dia 27 de setembro, de Salvador na Bahia a Cusco foram 2 conexões (em Guarulhos e em Santiago do Chile), um total de 14 horas de viagem com conexões curtas (a maior foi 3 horas em SP, suficiente apenas para comer alguma coisa e seguir). Minhas passagens não incluíam bagagem, portanto viajei apenas com bagagem de mão, mas despachei ainda em Salvador pq não tinha espaço no avião (para meu alívio, a mala chegou sã e salva em Cusco). Cheguei em Cusco as 16h, peguei um taxi no aeroporto por 20 soles (o hotel chegou a pedir meus dados para o transfer, mas não confirmou e nem foi me buscar). Nesse primeiro momento fiquei no hotel Qolqampta, indico fortemente, local agradável, café da manhã ok, quarto confortável. A única desvantagem foi a localização, apesar de perto da plaza de armas, o prédio fica no topo de uma ladeira (tudo em Cusco é ladeira!), e num primeiro momento de aclimatação, seu corpo pode reclamar um pouco. Ainda no Brasil eu contratei a empresa Qorianka para fazer o passeio de Machu Picchu (o único que contratei antes de chegar la, dado a disponibilidade de ingressos). A noite Max da empresa estava me esperando para explicar como funcionaria o passeio mais aguardado da vida. Eu super indico a empresa. Preço ok, responsabilidade, compromisso, serviço de excelência. Foi ele que me indicou um lugar com melhor câmbio para comprar soles, os melhores lugares para comer, foram eles que compraram meu boleto turístico. Literalmente, fazem de tudo para nos sentirmos confortáveis e seguros. Acabei comprando os outros passeios com eles. Dia 28 - reservei o dia para me adaptar a Cusco, conheci o mercado San Blas, o Mercado São Pedro, comprei soles e orcei os outros passeios. Dica importante: usem protetor solar! O clima em Cusco no geral é frio, a noite e pela manhã é muito, muito frio (entre 5 e 10 graus), mas no decorrer do dia vai esquentando e o sol queima (estou bronzeada como se tivesse ido para alguma praia do nordeste). Fiz a cotação de preços dos passeios e a sensação que tive foi a seguinte: nos lugares confiáveis o preço parece ser tabelado. Descartei os mais baratos e os mais caros por motivos óbvios, e recorri à Qorianka. Como já tinha fechado MP com eles, pedi um desconto e funcionou. Primeiro vou descrever meu roteiro e a seguir passo minhas impressões e conselhos. Plaza de Armas Dia 29: contratei o passeio Vale Sagrado + MP, com a Qorianka incluia traslado do hotel + passeio pelo Vale Sagrado dos Incas (Pisac, Ollantaytambo) + trem voyager inca rail de ida e volta + ônibus de subida e descida a MP + ingresso de entrada da cidadela, com montanha machu pichu (que eu escolhi subir) + almoço do dia 29 + diária no povoado de águas calientes + traslado de volta Ollanta - Cusco. Sai as 8h do hotel fiz checkout (como ia ficar uma noite em aguas calientes, encerrei no qolqampta e reservei o hostel milhouse a partir do dia 30. a Qorianka cuidou de pegar minhas malas em um hotel e levar para o outro), passamos por pisac, almoçamos em um restaurante buffet muito bom, seguimos para ollantaytambo, e depois do city tuor peguei o trem para Aguas Calientes. São 1h30 de viagem, chegando no povoado já tinha um rapaz do hotel me aguardando com meu nome. Esse hotel terrazas de luna é um espetáculo à parte, muito confortável, o banheiro tem até banheira, o café da manha sensacional. A noite uma representante da Qorianka foi me encontrar para me explicar como funcionaria a subida a MP no dia seguinte. Ollantaytambo Dia 30: sai cedo do hotel, peguei o ônibus de subida a MP. Entrei na cidadela as 7h, fiz um tour guiado até 7h50, e subi a montanha (o ingresso da montanha era de 7h as 8h). A subida é, para dizer o mínimo, extenuante. São necessárias cerca de 3 horas para ir e voltar, a subida é íngreme e toda em escadarias. É cansativo, mas vale muito a pena. A vista panorâmica de MP é sensacional!!! Subi as 7h55 e as 10h50 estava de volta. Aquela história de que para descer todo santo ajuda é balela, sofri demais na descida, joelhos e tornozelos doeram bastante. Fiquei em MP até as 12h, peguei o ônibus as 12h30, cheguei em águas calientes, almocei e peguei minha mochila no hotel. Meu trem de retorno foi as 15h. Chegando em Ollantaytambo já tinha uma pessoa segurando meu nome em um cartaz, pronto para me levar de volta a Cusco. Chegando em Cusco me deixaram no hostel Milhouse, minha mala já estava lá. Fiz o checkin e aproveitei o bar e restaurante de la (maravilhosos, por sinal). Vista da cidadela de cima da montanha Machu Picchu Dia 1: reservei Laguna Humantay. O traslado da Qorianka foi me buscar pontualmente as 4h15 no hostel. O pacote inclui: traslado + café da manhã + guia + almoço. O trajeto é um pouco longo, mas como é cedo, aproveitei para dormir. Tomamos café num hostel de uma cidadezinha q fica no caminho e seguimos viagem. Percorremos cerca de 1h30 até o lugar que a van nos deixa e começamos a caminhada. Percorri o trajeto de ida em 1h45, sofri um pouco nesse trajeto. A subida até a laguna é em terreno acidentado e cerca de 80% subida, chegamos a mais de 4.000 metros de altitude, o que deixa o ar rarefeito e causa o temido mal da montanha. Quem quiser, ou não aguentar, pode fazer mais da metade desse trajeto a cavalo, eu percorri caminhando mesmo. Dentre as sensações está o cansaço extremo, a frequente falta de ar e a dor de cabeça, mas para mim, nada insuportável. Ao chegar no destino, vc esquece toda essa dor. É lindo demais. Lindo e muito, muito frio. Aproveite para tirar muitaas fotos em ângulos diferentes (a cor da água muda conforme a incidência da luz). Ficamos cerca de 30 minutos e retornamos. A descida foi mais tranquila, alguns trechos consegui correr um pouco em zig zag, oq ameniza um pouco o esforço do joelho. Chegamos na van, percorremos cerca de 1h30 e paramos para o almoço estilo buffet, depois retornamos a Cusco. Chegando por volta das 16h. Novamente, aproveitei o bar e restaurante do milhouse. Laguna Humantay Dia 2: Salineras de Maras e Moray. Esse passeio é de meio dia e incluia: traslado + guia. A van da Qorianka me pegou no hotel pontualmente as 8h. Passamos em Chinchero, onde vc vai ter a explicação completa de como os tecidos são produzidos, vai ser muito bem recebido com um chá delicioso, poder tirar belas fotos e fazer algumas comprinhas. Depois segue para Moray, um laboratório de experimentação agrícola lindissimo. O último ponto da viagem são as salineras, que custa 10 soles a entrada, e n está incluida no pacote, que também vai te render fotos maravilhosas. Chegamos em Cusco as 14h. Já em Cusco aproveitei o mercado São Pedro para fazer compras (considerei o melhor preço), tomei café numa lanchonete e fui dormir. Moray Dia 3: Montaña Colorida. O passeio da Qorianka incluia: traslado + guia + café da manhã + entradas + almoço. A van me pegou as 4h30 pontualmente. Seguimos viagem por cerca de 1h30 e paramos para tomar um belo café em estilo buffet. O guia nos passou as explicações gerais de como seria a subida, cuidados a tomar, dificuldades que poderíamos encontrar. Depois do café seguimos viagem por cerca de 1h e chegamos ao local q as vans ficam e começa a caminhada. A subida da Montaña é menos íngreme do que a da Laguna, mas a altitude é bem maior (chegamos a 5.200 metros no topo do deck para tirar as fotos), e por isso algumas pessoas sofrem muito mais. Eu me senti bem mais disposta. Realmente não senti nenhum desconforto, nem na subida nem na descida, mas fiz o trajeto no meu tempo (cerca de 3h entre subida e descida dos 8km total). Tem a opção de subir a cavalo, mas dispensei. existem 3 pontos q fornecem banheiros, ao custo de 1 soles. A vista é simplesmente fenomenal. A montanha é tudo aquilo que vemos nas fotos e mais um pouco. mas só conseguimos ficar no topo por cerca de 20 minutos devido ao frio. É realmente congelante. Algumas pessoas do grupo passaram mal na descida. Voltamos, paramos para almoçar no mesmo local do café, depois seguimos viagem. Chegamos em Cusco as 16h. Já em Cusco o meu corpo sentiu tudo que não tinha sentido nos outros dias. Tive o mal da montanha no último dia da viagem e passei muito mal o resto do dia. Montaña Dia 4: meu voo saiu as 10h. Max da Qorianka me deu de brinde o traslado até o aeroporto. Me pegaram as 8h em ponto no hostel, cheguei no aeroporto as 8h20. Meu voo de volta incluia 2 conexões (em Lima e em Guarulhos). Como a ida, a volta durou 14h de Cusco a Salvador. Cheguei na Bahia as 2h45. Gente, Machu Pichu é tudo que dizem, e mais um pouco. É maravilhoso. A sensação de subir a Montanha e ver a cidadela la de cima é indescritível. No fim das contas, considerei meu roteiro apertado, acredito que o ideal para não levar meu corpo à exaustão, deveria ter sido 10 dias (incluindo os 2 necessários para a ida e volta). A Qorianka foi sensacional. Indico fortemente! A logística toda funcionou perfeitamente, não tive nenhum imprevisto e eles estavam sempre disponíveis para me ajudar. Considerando que viajei sozinha, não ter qualquer preocupação com roteiros e imprevistos foi muito importante. Os 10 soles que a gente paga para entrar na salineras fica retido com a empresa que é responsável pela compra e beneficiamento do sal, nada desse valor é destinado às famílias responsáveis por retirar o sal (a elas cabe apenas o valor pago pelos sacos). Juro que se soubesse disso, não teria entrado. Eu acredito em um turismo que ajuda a fortalecer a população local, não uma empresa especifica. Comam em restaurantes peruanos, comprem dos peruanos. Os guias de Cusco são extremamente organizados e politizados, além de serem excelentes no que fazem. A comida peruana é muito boa. Os restaurantes tem o menu turistico: por 20 a 25 soles vc desfruta de uma refeição completa- entrada, prato principal, sobremesa e/ou bebida. Indico experimentar o ceviche peruano, a trucha, a sopa crioula (maravilhosa), a chicha morada, o pisco sour e o lomo saltado. Comprei vitamina C efervescente la em Cusco, e tomava 1 pela manha e 1 a noite. Considero que foi essencial para manter minha imunidade ok. O frio em Cusco é cruel. As mudanças de temperatura são drásticas. Para quem tem rinite, sinusite e amidalite, não ter sentido absolutamente nada, foi uma bênção. Estou à disposição para dúvidas. Esses relatos me ajudaram demais a montar a viagem perfeita!!
  3. 4 pontos
    E aí galera, meu relato de hoje vai ser sobre Aurora Boreal de um jeito que quase ninguém fala por aqui e em lugar nenhum, já que ta na época dela e não é tão fácil assim de ver igual td mundo acha. Eu vi na Islândia ano passado e vou contar meu relato. Primeiramente, pra ver essa coisa linda você depende de alguns fatores como: tempo, dinheiro e sorte. Nessa ordem. Tempo você precisa tanto do seu tempo e paciência pra esperar como o tempo meteorológico, pq se não estiver com as condições legais, pode ter a grana que quiser que não vai ver. Dinheiro, pq você pode escolher do jeito mais barato (igual eu escolhi por 70 euros) e sair em excursão com várias pessoas que vai pra um lugar que nem vai ta rolando, ou pode pegar um 4x4 (300 a 400 euros) que vai te levar lá onde ela ta rolando seja uma beira de estrada, seja na pqp da trilha com neve. Sorte, pq se vc tiver e vc estiver no lugar certo e na hora certa, ela vai ta la e as vezes não vai gastar nada. No meu caso eu não tinha tempo (pq fiquei uma semana), não tinha dinheiro e tive uma sorte nos acréscimos do segundo tempo, e aí que começa meu relato: Cheguei na Islândia em dezembro do ano passado (20180 e peguei a excursão mais barata (70 euros) pra ir atrás da aurora de busão com umas 30 pessoas onde eles saiam da capital Reikjavik as 20:00 e ficava até 2 da manha parando em beira de estrada procurando. O tempo tava ótimo, mas como o busão não podia entrar mais pro meio das trilhas, não deu pra ver tão bem, mesmo ela estando lá e dando pra ver muito fraquinha, que foi onde eu tirei essa primeira foto super bonita. As vezes ela ta la e vc não consegue ver, mas a camera sim. Detalhe que eu fui o único que conseguiu uma foto dessas pq eu quebrei os protocolos e sai andando no meio do nada enquanto a galera ficou dentro do busao com frio. O bom das agências é que se vc não vê a aurora, você pode continuar indo nos próximos até conseguir, é só mandar um email. E foi isso que fiz. Na segunda vez, ninguém viu nada. Tirei dois dias pra fazer um road trip pelo país (super recomendo) e nesse tempo td mundo da excursão viu a aurora. Remarquei pro meu último dia no país, ficamos até tarde atrás dela e nada. Já era quase 2 da manhã qdo estávamos indo embora já e o guia do busão deu um grito "ela chegou". O busão parou e quando descemos ela estava lá, toda linda. A parte ruim é que eu estava sozinho, todo mundo ficava passando na frente da minha câmera (isso que é foda de excursão) e não consegui uma foto boa. A parte legal é que eu desencanei de fotos e fiquei sentado lá só vendo ela dançando pelo céu. Por mais que nas fotos ela fique bem mais linda, ao vivo não tem explicação No final, deu tudo certo, e dei check na lista -> Aurora Boreal É isso, quem tiver dúvidas sobre esse role ou algo da Islândia eu tenho tdas as informações de agências e aluguel de carro. Me chama no insta que aqui chega como spam e eu nunca vejo ->@raonitoratti É isso.. espero que tenham gostado.
  4. 3 pontos
    Minha viagem foi em agosto de 2019, sozinha com apenas bagagem de mão... Em todas as cidades utilizei apenas transporte público, uma dica: em Paris, no aeroporto mesmo fazer o cartão navigo (é necessário levar uma foto 3x4), é um passe de metro que permite utilizar de forma ilimitada algumas linhas, incluindo de Paris a Versalhes e até a Disney Paris, que vale muito a pena, paguei 27,50 euros e não gastei mais com metro durante minha estadia em Paris (é importante saber que o cartão custa 5 euros e a recarga para semana 22,50 acho, e vale de segunda a domingo, não vale a pena carregar se for ficar poucos dias e chegar perto do FDS porque vai perder os créditos no domingo...Pra mim valeu porque cheguei na terça e fiquei até sábado)... Paris foi sensacional, era um sonho de criança e foi sim mais do que eu imaginava, é uma cidade linda, ainda mais pra quem ama história como eu... Fiz bastante amizade no hostel, olha que não falo inglês nem francês, só o básico hahahaha, mas me virei... Minha dica é visitar Montmartre a noite, amei ficar nesse bairro... De Paris fui até Faro de avião e peguei um trem até Lagos (indico comprarem a passagem de ônibus antecipadamente, tava mto calor e quase derreti no trem)... Lagos é lindaaa! A Ponta da Piedade é imperdível, praia do Camilo e Dona Ana também... Paisagens de cinema, porém a água é gelada demais e é bemm lotado... Segui até Sevilha de ônibus, me apaixonei pela cidade desde a chegada, que energia 😍 Fiquei em um Hostel bem no centro histórico, amei! Aproveitei bastante as noites, com muita Sangria e Tapas, a melhor parte da Espanha... Atravessei a ponte para assistir um show de Flamenco em um Tablado, bem menos turístico.. Fui até Córdoba de trem onde fiquei um dia, cidade muito histórica, linda! É imperdível atravessar a ponte ao anoitecer para ver acidade iluminada, espetacular!
  5. 3 pontos
    Sucede que Copenhagen era o destino final do ônibus e não uma parada no caminho, falha nossa. Cheguei em Nuremberg e comemorei pelo hostel ser porta com porta com a rodoviária. No entanto, ao entrar no quarto meia noite ja me bateu a vontade de ir embora. Luzes acesas e todo mundo acordado. O quarto parecia um MANGUE. E pra piorar não tinha locker debaixo da minha cama. Eu pedi pra me mudarem de quarto, mas no outro também não tinha. Ja tava decidido a vagar pelas ruas de Nuremberg atrás de um hostel com lockers, mas fui convencido a ficar esta noite e resolver amanhã. O hostel é descolado, muito bem localizado mas sem locker é complicado
  6. 3 pontos
    Realmente foi uma decisão difícil a ser tomada, tínhamos "gastado" boas calorias na "perdida". O sol tinha dado as caras, sinalizando que, apesar de ser inverno, ele seria muito forte, o que diminui o ritmo de caminhada. Troquei idéia com minha parceira, ela assegurou que dava para fazer, então de comum acordo, decidimos que iamos fazer. Respiramos um pouco e partimos num ritmo acelerado, apesar de levarmos comida pra 2 dias e muita roupa de frio extremo, NÃO QUERÍAMOS DORMIR NA MONTANHA, pois não tínhamos barraca e nem saco de dormir, pois a previsão do tempo para aquele período era de temperaturas negativas. Obs.: é super importante esse tipo de decisão ser tomada pelo casal ou grupo, não pode ser tomada unilateralmente, pois se der algo errado as responsabilidades serão divididas. Tivemos que acelerar o ritmo na subida, o que cobrou seu preço na descida, pois chegamos cansadissimos no final (sem sombra dúvida, foi o trekking mais difícil que fizemos até hoje). Esse bate/volta mostrou que tomamos a decisão acertada de deixar ele para o final da viagem, se tivéssemos feito no início da viagem, teríamos sérios problemas. CAPÍTULO 4: Na ida, só alegria! .....Depois de virarmos à esquerda, seguimos descendo no meio de uma mata, após poucos minutos(OLHA COMO ESTÁVAMOS PERTO, mas no resumo não tinha um rio) atravessamos pequeno riacho, mais 2 minutos atravessamos riacho mais largo, e chegamos num descampado (pequeno ) e viramos à direita (panela velha) 00:50hrs - 1685msnm.(aqui na panela velha tem um caminho seguindo mais à esquerda(inclusive colocaram galhos de árvores bloqueando essa trilha), cuidado, mas o caminho à direita e mais óbvio)). Começamos a subir em lugares com pedras soltas, até mirante do lado direito 01:20hrs - 1 895msnm +- 4km Sempre subindo, sem refresco até ponto de água do lado esquerdo, antes do "Deus me livre"(aqui tem uma pequena cachoeira com água bem gelada, PARECE QUE ÉO ÚLTIMO PONTO DE ÁGUA) 01:43hrs - 2030msnm - +- 4,43km Começa subida fortes em pedras e logo a seguir entra numa área de capim alto com pedras e charco. Depois começa a parte mais forte, o famoso "Deus me livre", subimos muitas pedras até o topo: 02:55hrs - 2455msnm Depois do "Deus me livre" entramos numa região de subidas e descidas em alguns morros e, depois de uma descida chegamos num bambuzal (parece que é área de camping). Começamos a forte subida do famoso "misericórdia", até que conseguimos subir sem grandes problemas, na verdade esperava que era muito pior essas duas subidas famosas (mas estávamos mais bem preparados do que pensávamos, mas a descida...) Até topo misericordia: 04:19hrs - 2645msnm Aí pensamos : "acabaram as subidas/descidas fortes" UFA, só alegria! , mas não, ainda tinha umas rebarbas, e o ataque ao cume da pedra da Mina. Até aqui foi "até" tranquilo". Mas a descida..... Até o topo da pedra da mina (no caderno) 05:12hrs - 2760msnm - 7,85 kms (segundo um relato) Tiramos algumas fotos, curtimos excepcional visual proporcionado(serra fina, pn do Itatiaia, MUITO SHOW), mas o vento forte/frio nos expulsaram do topo, sem contar que teríamos que retornar tudo de novo.....como foi doído viu... Na ida, após um certo tempo, encontramos muita gente voltando, isso amenizava um pouco, pois parávamos um pouco para conversar e divertir, obs.: como as pessoas na montanha são divertidas e procuram ajudar uns aos outros! Obs.: como era domingo, encontramos com muita gente durante o trekking(eles voltando e nós indo), tinha muitos paulistas, mineiros, cariocas, paranaenses e um paraibano (que encontrei novamente quando fizemos o pico o Capim Amarelo uns dias depois, como esse mundo é pequeno). Continua.... Início da trilha depois das "perdidas", notem que o sol já se fazia presente Algumas valas e pedras soltas que foi complicado, principalmente na descida Aqui começa as subidas fortes depois do último ponto de água, observem que o céu não tinha nenhuma nuvem. Esse é uma parte da subida "Deus me livre", não encontramos tantas dificuldades na subida, estávamos esperando coisa muito pior...mas a descida É aí mesmo, tem que desbravar o capim alto e encarar a subida Aqui começou subida em pedras Lindo visual do topo do "Deus me livre" Te apresento a subida "misericórdia" Agora era só subir a pedra da mina, mas não é "logo ali" Outro visual estonteante. . Mais outra subida Mais outra subida, já no ataque final Ainda falta um "cadinho" que visual viu Sem comentários Pico da mina, ao fundo pn do itatiaia parte alta - Mg No topo da PEDRA DA MINA, que pode ser chamada de pica da mina Outra singela homenagem ao MOCHILEIROS.COM Mais outra foto minha, mas a alegria era muita mesmo!
  7. 3 pontos
    Para melhor entendimento do roteiro que fiz, é preciso explicar que cheguei em Barcelona pelo mar, de navio, em uma terça-feira e ficamos hospedados em uma cidade vizinha a Barcelona, chamada Badalona há cerca de uma hora do centro, na casa de um familiar, o que nos fez economizar bastante. Fomos eu e minha namorada, com três malas ao total. Assim surgiu o primeiro problema, tínhamos bagagem, mas não valia a pena ir até a casa de meu primo, deixar as malas e voltar para o centro, perderíamos tempo demias. A solução que encontramos foi deixar as malas em um locker na Praça Catalunha. Dia 1 - Centro Atracamos no Porto de Barcelona por volta das 08h da manhã, mas só conseguimos de fato estar prontos para iniciar a viagem por volta das 12h (Nossas malas demoraram uma eternidade para aparecer na esteira). Assim que pegamos as malas, pegamos um taxi do Porto até a Praça Catalunha (cerca de 10 euros), deixamos nossas malas no Locker (pagamos cerca de 15 euros e podia ficar até as 20h salvo engano) e começamos o passeio pela Praça Catalunha, que é IMENSA, muito bonita e com pombos até umas horas (pense numa praga kk). Continuamos o passeio subindo a Avenida até a Casa Battló Gaudí, que na época estava em reforma, por isso sua aparência era diferente do que vimos nas fotos antes de irmos. Seguimos caminhada pela Avenida até a Casa Millá (tudo muito perto), esta sim estava linda como esperávamos. Praça Catalunha Casa Batlló Casa Mílla Após tirarmos algumas muitas fotos, demos meia volta e seguimos sentido Praça da Catalunha novamente. Onde se inicia a famosa La Rambla, um calçadão com vários bares no meio da rua e comércio a toda parte que vai desde a Praça Catalunha até o Monumento a Colón, uma estátua gigante, no meio de uma bela praça em homenagem ao descobridor Cristovão Colombo. Las Ramblas Monumento a Colón Depois das fotos, já estávamos morrendo de fome. Até tínhamos comidos umas frutinhas que levamos do navio na mochila durante o passeio, mas já não dava mais conta. Fomos pela La Rambla novamente procurar algum lugar bom e barato. (Importante: TUDO lá é mais caro que o normal e certamente não é o melhor possível, visto que é o ponto mais turístico da cidade. Estávamos ciente disto, mas não tínhamos o que fazer, pois nosso tour continuava pela área). Encontramos um bar que oferecia entrada, prato principal e uma bebida por 15 euros, achamos, em conta comparado aos outros. Dividimos o Menu e comemos uns "Nachos" com queijo (com aspas pois na verdade era Doritos), uma "Paella" tradicional (arroz com alçafrão) e tomamos uma cerveja (com certeza a melhor coisa do almoço. A paella era relativamente grande e deu pra dividir, então saiu 15 euros para os dois o almoço. Não foi dos melhores, mas pelo preço e local, foi a melhor opção. Após almoçar, só tínhamos mais um ponto, para ir, o Mercado La Boqueria, mas como havia tempo, decidimos sair andando pela La Rambla e percebemos as placas indicando uma Biblioteca da Catalunha, a maior bibioteca que vi na minha vida, era imensa, tentamos entrar, mas desistimos pela ignorância da atendente (pode entrar 0800), mas tiramos muitas fotos no hall de entrada e por fora kk. Voltamos para a Rambla no sentido do Mercado La Boqueria. Um mercadão muito grande, com muita variedade, muita coisa diferente, muitos frutos do mar, morangos gigantes. Vimos ouriço sendo descascado para ser refeição, lula e polvos bombados de grande, ostras muuuito grandes (como amante de ostra, tive que experimentar, pelo valor de 3 euros). Mercado La Boqueria Ostra gigante Depois do Mercado já eram por volta das 4h, voltamos a Praça Catalunha, pegamos nossas malas, paramos na Mc Donalds da praça para usar o Wifi e ver no Google Maps a melhor forma de chegar a casa do meu primo em Badalona (O metro é a melhor forma de se locomover em Barcelona, sem dúvidas). Compramos o T-10 por cerca de 10 euros que dá direito a 10 viagens nos transportes públicos de Barcelona (metro, bus e trem). OBS: O google Maps nos ajudou muito, nos guiamos por ele e sempre nos dava a melhor opção. Depois de uma hora no metro em hoário de pico, corre corre, cheio de mala grande, um ônibus, ter parado algumas descidas depois do que deveríamos e uma andadinha de leve com mala até umas horas, chegamos a casa de meu primo, onde comemos uma pizza com ele, tomamos um vinho, planejamos o dia seguinte e formos dormir, mortos de cansados. Dia 2 - Sagrada Família, Parc Guel, Bairro Gracia Acordamos por volta das 8h, tomamos um café da manhã reforçado e partimos. Desta vez sem malas!! kkk Da casa de meu primo até a estação de metro é uma caminhada de cerca de 10 minutos descendo, preferimos ir andando para se ambientar do que pegar um busão. Pegamos o metrô e descemos na estação Sagrada Família (como disse, o Metrô de BCN é fantástico). Tiramos muitas fotos da impressionante Igreja que nunca ficou pronta (previsão para 2022 salvo engano), mas não entramos pois as filas são enormes. Dizem que vale muito a pena, mas como tínhamos poucos dias na cidade e muita coisa a conhecer vimos apenas por fora. Por lá, achamos um wifi grátis e vimos no Maps como ir ao Parc Guell. La Sagrada Família O Parc Guell é gigante, em um morro muito alto com uma vista linda de toda a cidade de Barcelona. Para chegar, ao descer do metrô subimos eternamente por uma escada e depois ladeira até de fato chegar. Lá em cima é lindo, muito grande, cheio de árvores, muitos turistas, ambulantes e nativos fazendo e exercícios. Há uma parte paga no Parc, onde tem os famosos bancos de mármore coloridos, mas estavam em obras e assim apenas facilitou nossa escolha de não pagar. Tiramos muitas fotos, sentamos em banco com mesa e comemos umas frutinhas que levamos da casa de meu primo. Após descansar um pouco já era por volta das 13h, descemos o morro e pegamos o metrô para o bairro de Gracia. Bairro dos estudantes estrangeiros, muito bonito, aconchegante e, principalmente, boêmio. Por indicação de meu primo, que já havia morado por lá, após fazer um passeio pelas ruas e praças, fomos a um restaurante brasileiro delicioso naquele bairro. Pagamos cerca de 22 euros cada um, em um menu completo com bebida perfeito de baum. O nome do restaurante é Miriot, valeu muito a pena e o pessoal de lá é super gente boa. Parc Guel Entradas do Restaurante Miriot, no bairro de Gracia Um outro primo que também mora por Barcelona, marcou de nos encontrar no final da tarde em uma Casa de Jamóns, típico presunto de Barcelona, perto da Praça Catalunha. Fomos andando do Bairro Gracia até lá (cerca de 20 min) e como tínhamos tempo, na caminhada entramos em um Museu 0800 muito legal que estava com exposição sobre o futuro de Barcelona. Encontramos meu primo e fizemos um passeio pelo bairro Eixample, próximo a Praça Catalunha que tem uma estética peculiar (todos as esquinas são em formato de quinas). Já pelo início da noite, paramos em um bar de tapas e tomamos uma cerveja comendo os deliciosos Mexilhões no vapor (pense num troço gostoso). Ao fim, fizemos uma boa de uma caminhada até o Arco do Triunfo, que há noite fica lindo, encontramos o outro primo e pegamos um trem de lá mesmo em direção a Badalona. Ao descer do trem, fizemos aquela andadinha básica de 10min, mortos de cansados, com o frio já pegando, até em chegar em casa e capotarmos. Arco do Triunfo Dia 3 - Ciutadella, La Barceloneta e Mountjuic Começamos o terceiro dia exatamente de onde paramos o segundo. Depois de (claro) um belo café da manhã, pegamos o trem de Badalona até a estação do Arco do Triunfo, onde começamos o mais cansativo dos dias. O Arco do Triunfo fica na "entrada" do Parc de la Ciutadella. Bonito parque onde estão localizados várias estátuas, monumentos e até o Parlamento da Catalunha. Tiramos várias fotos por lá, curtimos o parque, caminhamos ao ar livre e partimos para La Barceloneta, a famosa praia de Barcelona. Para chegarmos lá, demos uma bela de uma caminhada (cerca de 20min). Sentamos em um banco de frente para o mar e comemos nossas frutinhas de lei, conversando besteira, vendo o povo surfar numa água gelada da gota e uma turma jogar um vôlei. Parc de La Ciutadella La Barceloneta Calle de La Barcelonetta Depois de uns 30min relaxando na beira da praia, fomos para a pizzaria NAP em Barceloneta mesmo. Pizza boa, grande e muito em conta. 6 euros a mais barata e 500ml de cerveja foi cerca de 3 euros. NAP Pizza em La Barceloneta Comemos bastante, cientes de que tínhamos muito a fazer ainda naquele dia. De barceloneta, pegamos um busão e descemos na Praça da Espanha (todo o deslocamento com a ajuda do Google Maps, óbvio kkk). Onde pegamos outro bus subindo em direção ao Castelo de Montjuic. Esta área foi construída para as Olimpíadas de 1992. Tendo vários pontos turísticos em sequencia. O ônibus para em cada uma delas (Fonte Mágica, Vila Olímpica, Estádio Olímpico, Jardim Botânico, Fundação Juan Miró e por fim, o Castelo). Tivemos que fazer escolhas tendo em vista o curto tempo (já eram umas 15h da tarde). Então descemos na Fundação Juan Miró e enquanto ela foi admirar as artes (cerca de 16 euros e dura mais ou menos 1h a visita) eu voltei andando até o estádio Olímpico. Nos encontramos após uma hora e pouca, pegamos o ônibus novamente e enfim subimos até o Castelo. Estádio Olímpico O famoso "Poema 3" na Fundação Juan Miró Nesta hora, fiz o maior erro da viagem e deixei minha mulé muito estressada kkk. Assim que chegamos no Castelo tiramos fotos no jardim da frente e na entrda principal e fomos em um caminhinho ao lado, momento em que tive a brilhante ideia de dar a VOLTA no Castelo andando por esse caminho. Não escutei as orientações dela e... andamos 30min e não chegamos a canto algum. (O castelo era imenso e não tinha fim, a curva nunca chegou). Dei a volta e depois de uma hora perdida chegamos no topo com o sol se pondo. Ai foi minha hora de me redimir "Ta vendo? Foi tudo planejado para vermos o pôr do sol daqui". Importante dizer que só fomos na parte 0800 mesmo, não vimos muita necessidade de ir na parte paga pois era apenas para poder subir um andar a cima na vista. O valor não valia a pena. No 0800 não se deixa de ver NADA. O Castelo é muito grande, muito lindo e tem uma puta vista para a cidade e principalmente para o porto de Barcelona. Ficou melhor ainda por termos a honra de ver o pôr do sol lá comendo umas batatinhas que compramos no mercado. Castelo de Mountjuic Pôr do Sol no Castelo Voltando para pegar o último ônibus descendo de volta a Praça da Espanha, minha mulher viu o teleférico e decidiu que no outro dia iria voltar ali para conhecer. Descemos de ônibus até a Fonte Mágica de Mountjuic e chegamos na hora certa para assistir o show da fonte, tudo, de fato, saiu como planejamos. Apesar da perda de tempo tentando dar a volta no Castelo kkk. O show da Fonte Mágica de Mountjuic é completamente INCRÍVEL e IMPERDÍVEL. Você tem que assitir. Dura uma hora e tem dias e horas certas para acontecer. Só buscar no google que acha. Quando estávamos lá, só acontecia de quinta à domingo, sempre às 20h. Assistimos o espetáculo bem na frente (batendo água da fonte na gente) e ficamos de queixo caído, foi lindo. O Castelo e esse show foram pontos muito altos de Barcelona. Show da Fonte Mágica de Mountjuic Após assistir grande parte do show, voltamos a praça da Espanha e fomos ao Shopping que tem lá. O Shopping tem estrutura antiga, era uma arena de touradas antigamente. Hoje em dia é um shopping, mas a fachada continua a mesma. Já estavam fechando tudo, só a praça de alimentação ficou aberta, para nossa sorte. Achei um restaurante que já tinha lido sobre e fomos lá. O nome é Gustos é há em outras localidades também. Dessa vez dividimos um arroz negro e tomamos uma sangria. Sensacional de gostoso e muito em conta, visto que o prato é grande e deu para dividir para nós 2. Arroz Negro com Sangria no Gustos BCN Ao fim, ainda tomamos uma cerveja em um barzinho na calçada da praça, para fechar o dia com chave de ouro. Por volta das 23h pegamos o metrô (que fechava as 00h e não sabíamos, ou seja, demos muita sorte) e uma hora depois, estávamos em Badalona. Ainda fizemos uma caminhada de 10min subindo ladeira, pois os ônibus de Badalona já haviam parado. Já estava muuuito frio também. Então pegamos um sufoco grande no fim desse dia. Dia 4 - Camp Nou, Teleférico, Bairro Gótico e Poblenou Neste dia, dormimos um pouco mais, devido ao intenso dia anterior. Só saímos de casa por volta das 10h da manhã. E os caminhos se dividiram. Eu queria muito ir ao Camp Nou e ela ao Teleférico de Mountjuic. Pegamos o metrô em Badalona e descemos em paradas diferentes. Fiz o tour que todo amante de futebol tem vontade de fazer um dia, entrei no campo onde Messi e Suarez fazem gols e desfrutem do bom Museu Interativo do club. Foi salgado o preço, mas valeu muito a pena. Me custou cerca de 30 euros, com a duração de 1h30min/2h. Camp Nou Enquanto isso ela, foi até a praça da Espanha, subiu de ônibus até o Castelo, e de lá desceu de Teleférico até Barceloneta (vista incrível). Teleférico de Mountjuic Nos encontramos na Praça Catalunha, almoçamos no 100 montaditos (muito ecônomico e gostoso. A cerveja é 1 euro) mais uma vez e fomos para o bairro Gótico, a única coisa que faltava no nosso cansativo roteiro. Chegamos a Catedral de Barcelona, tiramos algumas fotos e demos uma passeada em sua grande dimensão, mas o cansaço acumulado bateu. Vimos um Irish Pub e não pensamos duas vezes. Passamos a tarde tomando Guiness e descansando um pouco. No final da tarde, um de meus primos chegou por lá e fomos com ele conhecer o bairro gótico. Ainda bem que fomos, é muito lindo, ruas bem estreitinhas, muito charmoso. Passamos pela praça onde está localizado o Prédio da Presidência da Catalunha. O palácio da música é um 10, muito bonito por fora e por dentro. Catedral de Barcelona Bar irlândes Calles do Bairro Gótico Palácio da Musica da Catalunha Já à noite, demos uma senhora andada até o o bairro Poblenou (cerca de 30min). Onde encontramos o outro primo e fizemos um pubcrawl pelo bairro. Jantamos em um bar de tapas muito bom da região, onde comemos umas tapas (dentre elas o mexilhões ao vapor, é claro kkk) e tomamos um vinho. Já tarde, ainda fomos parando em alguns bares até chegarmos a casa de um deles. Quando nos despedimos e pegamos o metrô com o outro de volta a Badalona. Mexilhões ao vapor Tapas Dia 5 Praia de Badalona No útimo dia, depos de termos tomado algumas na sexta-feira. Dormimos mais novamente. Tomamos café por volta das 11h e fomos para a praia de Badalona mesmo com meus primos, sua esposas,a filhinha de cada um deles. Levamos comida e cerveja e ficamos na areia da praia de Badalona relaxando um pouco depois de dias corridos. Ainda passeamos pelas Calles centrais de Badalona, perto da praia e voltamos em casa por volta das 15h para nos arrumamos. Praia de Badalona Meu primo nos deixou no Aeroporto e partimos para Lisboa. O post ficou imenso, mas muitooooo detalhado. Espero ter ajudado quem ta se programando para ir a essa cidade fantástica. Para mim, na Europa, está pau a pau com Amsterdan. Com certeza não fui, até agora, em nenhuma melhor que elas. Qualquer dúvida é só falar!
  8. 3 pontos
    Lecco - Lago di Como (IT) onde moro o segundo è Porto, ali sempre tem um belo por do sol.
  9. 3 pontos
    Voltei gente, desculpem a demora rs 2º dia (05/05) - Salar de Uyuni Chegamos em Uyuni às 04h00, estava um frio, mas um frio da peste rsrs, e já tinha pessoas de agências na rua, ao pegar as malas no ônibus, Rafael e Eu notamos uma brasileira que não estava conseguindo pegar o mochilão dela pois havia perdido o ticket de "guarda-volumes", e logo falamos 'deu ruim pra ela', então vimos uma Sra oferendo passeios, mesmo sabendo das mais conhecidas, fomos com ela, afinal, estava um frio que não era possível ficar na rua até às 06h00, ela nos levou para um lugar quente, apresentou o passeio e valores, mas não fechamos nada, então ela nos dispensou hahahaha, então vimos outra pessoa e voltamos a ir para um lugar quente hahaha Quando estavamos chegando nesse lugar, chega quem? A Brasileira que quase ficou sem a mala haha, mulher de Brasília, chamada Fran, super viajava e gente boa, e como ela mesma disse, "vive perdendo as coisas" hahahaha Ok, entramos no local, era um restaurante chamado Breakfast Noñis, que tem com parceiro a empresa Betto Tours, conversamos com a Fran sobre essa agência, ela pegou indicação e nos indicou, perguntamos o preço e decidimos fechar. Então tomamos café da manhã simples (pão, manteiga, geleia, café e chá), conversando o dia foi amanhecendo, e fomos comprar coisas para os 3 dias no Salar de Uyuni e também cambiar dinheiro, infelizmente com a correria do primeiro dia, não consegui cambiar em Sucre, e lá o câmbio era bem melhor, sem dúvidas. A cidadezinha de Uyuni é bem simples, estava tendo feira no dia, e vende diversas coisas, papel higiênico, sabonete, tudo no meio da rua mesmo rs. Comprei água, pacote de bolacha clube social e um salgado na rua, então cambiei dinheiro, voltei para o restaurante e fechei o passeio (tudo incluso, tours de 3 dias, com café da manhã, almoço, janta, dormitório e transfer para Atacama) Partimos por volta das 10h00, e paramos em um hostel para pegar 3 pessoas, uma Holandesa (Danique), e um casal de Australianos (Jamie e sua esposa (esqueci o nome)), todos super gente boa! Eu não falo taaaanto inglês assim, mas deu pra dar boas risadas com eles. Partiuuuuu Uyuni A primeira parada e muito próxima (da pra ir a pé hahaha) é o cemitério de trens, é muito legal gente, coisa simples sabe, mas pelo menos eu não vejo um trem abandonado todo dia hahahaha, tiramos umas fotos e tals, abaixo comento de onde são as fotos, pois quando vai se conhecendo algumas pessoas, acabam que tirando de seus aparelhos e passando depois, mas vou mencionar do meu celular e também da minha SJCAM. Cemitério de trem, valeu a pena!! E alí o clima já é auto astral total, geral curtindo, porra é muito bom mesmo!!! Saudade! Foto da SJCAM: Foto da SJCAM: Foto da câmera da Fran (não lembro qual é, mas é show, e a mulher era bem fotogênica haha) Então, já eram umas 12h30 quando paramos para almoçar. Comemos carne (medo de comer e passar mal, mas estava aparentemente normal rs), alpaca, salada, banana e batata. E após o almoço o Rafael me pergunta: Gosta de whisky Kamilo? Eu: Whisky? Gosto muito hahahahahahah Ele tirou uma garrafa e começamos a beber hahahaha Mas ai fica uma dica, muitas pessoas gostam de beber e tals, e como a altitude é diferente lá, é bom tomar cuidado, mas vamos nessa hahaha Dali partimos realmente para o Uyuni, e é legal por que o carro está andando, e de repente você está em uma imensidão branca, é top demais, que coisa linda, o dia estava um espetáculo, céu azul e um deserto todo branco ao redor, EU ESTAVA NO SALAR DE UYUNI Então paramos no monumento da Bolívia, acho muito bonito, tiramos uma fotos e fomos andando até onde ficam as bandeiras, também super da hora... ali eu me via vendo fotos na internet, é tão bom ter o prazer e conquista de poder admirar certas coisas de perto, fico feliz por mim mesmo, de poder sair do país, ver paisagens, conhecer aventureiros, histórias, ser feliz! Espero que todos vocês possam sentir sensações assim em suas viagens! Foto da SJCAM: Saindo de lá, andamos um caminho e paramos bem no meio do deserto para tirar as famosas fotos clássicas rs, foi uma diversão só, pulando, de ponta cabeça, com dinossauro, em cima do 4x4, a Fran tirou até de biquini hahahahahah Foto da SJCAM: Seguimos viagem para a ilha dos cactos, esse passeio tem que ser paga a parte, mas vale muito a pena, além de ver os cactos bem de perto, eles são conhecidos por crescerem 1 cm por ano, e podem ter altura de 12 mts, é só fazer uma continha rs, e quando você visita essa ilha, pode-se ter uma visão show do Salar, bonito demais. Partimos para ver o pôr do sol e fechar o passeio do dia, e meus amigos, que pôr do sol, OH MY GOD! Como havia dito antes eu estava convicto que não iria pegar o deserto alagado, mas de repente, o carro entra em uma região de água, na hora eu pedi para descer, "Eu quero descer", "Deixa eu descer" hahahahahahah Gente, é sério, ver aquele lugar espelhado é foda demais, aquelas montanhas, o sol caindo, que luz, que vibe. Foto da SJCAM: Foto do meu celular (Moto G4): Então fomos para o hostel, era um hostel de sal, haha bem diferente. Pra variar eu estava com fome rs, antes de tomar banho, jantamos, sopa, frango, salada e batata. Ai fui para o banho, e gente que banho haha, quando eu falo o título do roteiro é porque realmente sou mochileiro pobre louco hahaha, a noite já tinha chego e com ela a baixa da temperatura, e o banho estava muito, mas muito gelado meeeesmo, e o melhor, era 30segs de água quente, e 1min de água fria então pense em um banho kkkkkkk, mas é normal, nesses mochilões não podem exigir ne, estamos ali para isso, é a vida, e isso que causa graça no role e o valor das coisas. Essa noite eu dormi bem, as cobertas que eles oferecem são suficientes, no entanto acordei algumas vezes, pois é tão frio, mas tão frio que só do rosto estar descoberto, você acorda rs, mas ok, vamos nessa... Gastos do dia: Cambiei R$ 800,00 - Cotação 1,55 bols Café da manhã - 15 bols Água (galão de 6lts) - 12 bols Salgado - 3 bols Pacote de clube social - 12 bols Passeio do Uyuni - 750 bols Entrada para ver os cactos - 30 bols Pessoal, ainda hoje posto o dia seguinte!
  10. 2 pontos
    Laguna de los Caballeros Início: Cuevas del Valle Final: Tornavacas Duração: 11 dias Maior altitude: 2394m em Pico La Covacha Menor altitude: 611m em Jarandilla de la Vera Dificuldade: média para quem está acostumado a longas travessias com mochila cargueira. Há grandes subidas e descidas quase todos os dias, com desníveis positivos (subidas) que chegam a 995m. A Serra de Gredos se estende no sentido leste-oeste cerca de 130km a oeste de Madri e está inserida nas comunidades autônomas de Castela e Leão e Extremadura (comunidades autônomas na Espanha são mais ou menos como estados no Brasil). Ela está dividida em Maciço Oriental, Maciço Central e Maciço Ocidental. Nesse trekking eu percorri de ponta a ponta o Maciço Central, que vai de Puerto del Pico a Tornavacas. Do 1º ao 9º dia eu caminhei dentro dos limites do Parque Regional de la Sierra de Gredos. O único problema dessa caminhada foi a época escolhida. Em final de junho e início de julho o calor chega próximo dos 40ºC, o que é bastante desgastante e inapropriado para o trekking. No início de junho há o risco de ainda haver bastante neve nos picos mais altos. Creio que a melhor época seja o outono (set, out), antes das neves do final do ano. É bom lembrar que o acampamento selvagem nos parques da Espanha é proibido, mas em todo o percurso eu montei a barraca no cair da noite (ou quase), desmontei logo cedo e não deixei nenhum vestígio do meu pernoite no local. Serra de Gredos 1º DIA - 25/06/19 - de Cuevas del Valle à crista da Serra de Gredos Duração: 4h (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 1839m na crista da Serra de Gredos Menor altitude: 844m em Cuevas del Valle Resumo: nesse dia encarei a subida inicial da Serra de Gredos a partir da cidade de Cuevas del Valle, com desnível de 995m desde essa cidade à crista da serra Na Estacion Sur em Madri tomei o ônibus da empresa Samar às 11h para a cidade de Cuevas Del Valle. Desci do ônibus às 13h52 e aproveitei que havia um restaurante a poucos metros para uma última refeição decente antes de entrar na trilha. Altitude de 844m. Iniciei a caminhada às 15h05 cruzando o asfalto da N-502 e depois a cidadezinha de Cuevas del Valle no sentido norte. Como era hora da siesta, o lugar estava completamente deserto. O calor ajudava a manter as pessoas dentro de casa, longe daquele sol forte. Há uma bica de água fresca num largo logo à entrada da cidade para abastecer os cantis já que não haverá muitas fontes nesse dia. Passei à direita da Capela de Nossa Senhora das Angústias e na bifurcação seguinte tomei a direita, subindo e seguindo a sinalização da GR 293 em direção a Puerto del Pico (para mais informações sobre as trilhas GR: es.wikipedia.org/wiki/Sendero_de_Gran_Recorrido). Esse caminho é chamado de Calzada Romana. Mas logo tive de fazer a primeira parada na sombra, por 30 minutos, pois o sol estava fritando. Continuando a subida, fui à direita na bifurcação e encontrei um cocho com água corrente, mas cheio de lama ao redor. Às 16h08 cruzei a N-502 e continuei subindo pelo calçamento de pedras da Calzada Romana. Parei mais três vezes na sombra. Às 17h34 cruzei mais uma vez a N-502 e 17 minutos depois parei na última água do dia para completar todos os cantis. O caminho faz um zigue-zague e já se avista Cuevas del Valle bem abaixo. Passo pelas ruínas do Portazgo (posto de pedágio do século 13) às 18h07 e 10 minutos depois termina a Calzada Romana junto à rodovia (altitude de 1371m). Esse lugar se chama Puerto del Pico (puerto em espanhol significa passo entre montanhas) e aqui entro nos limites do Parque Regional de la Sierra de Gredos. Puerto del Pico é o limite natural entre os maciços central e oriental da Serra de Gredos. Continuo por caminho paralelo à N-502 com a extremidade oriental do Maciço Central da Serra de Gredos à minha esquerda esperando para ser "escalada". Entrei no primeiro asfalto à esquerda e caminhei apenas 70m até um portão de ferro com mata-burro ao lado. Não cruzei o portão, entrei na trilha à esquerda antes dele às 18h25. Uns 170m depois entroncou uma outra trilha vindo da esquerda e a segui até encontrar uma cerca. Acompanhei a cerca subindo para a esquerda e ao final dela a trilha desapareceu por alguns metros. Segui os totens e a reencontrei. Já estava subindo a encosta da Serra de Gredos. Do outro lado de Puerto del Pico, a leste, avisto bem marcada a trilha de ascensão ao Pico Torozo, este já pertencente ao Maciço Oriental da Serra de Gredos. A subida pareceu ter fim aos 1622m, às 19h28, mas continuou. Procurei me manter à direita para chegar logo à crista. Novamente a subida pareceu ter fim aos 1749m, às 20h19, porém só atingi mesmo a crista da Serra de Gredos às 20h43, aos 1839m. Logo surgiu um aceiro vindo da direita e o tomei para a esquerda. Em 200m cheguei a uma estrada de terra bem no alto da serra (!?) e resolvi parar às 21h17 num lugar plano, abrigado do vento e sem tantas pedrinhas para montar a barraca. A primeira impressão da Serra de Gredos foi empolgante, com ampla visão em 360º. Há muitas formações rochosas de formatos curiosos, com grandes pedras equilibradas umas sobre as outras. Dali do alto também pude contemplar um belo pôr-do-sol às 21h45. Altitude de 1814m. Serra de Gredos 2º DIA - 26/06/19 - pela crista da Serra de Gredos até o Pico Peña del Mediodía Duração: 6h35 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 2221m em Peña del Mediodía Menor altitude: 1810m Resumo: caminhada para oeste pela crista da Serra de Gredos, porém quase não há trilha definida. Procurar o caminho (ou abrir caminho) entre as moitas de piorno foi cansativo. Do local onde acampei na crista podia avistar toda a paisagem dos vales ao norte da Serra de Gredos e a continuação da serra para oeste, meu destino nos próximos dias. Deixei o acampamento às 10h42 e voltei a caminhar pela estrada no sentido oeste, mas quando ela fez uma curva para a direita (norte) subi à esquerda sem trilha seguindo totens para me manter na crista da serra. Às 11h39 um amontoado de rochas com uma coluna no topo me chamou a atenção e subi para conferir o que havia ali. Trata-se do cume La Fría, onde foi instalado um vértice geodésico. A visão para oeste se amplia bastante. Na continuação, me deparei com um grupo de cabras montesas que imediatamente fugiu, porém um filhote ficou para trás, no alto de uma pedra, apavorado com a minha presença. Ele saiu bem na foto, rs. A encosta norte da serra nesse ponto tem várias estradas de terra e há mais em construção, o que tira todo o "clima" de montanha do lugar. Às 12h25 cruzei uma fileira de mourões sem cerca (ainda) e 32 minutos depois encontrei uma bica de água quase seca, apenas um fio escorria, mas consegui coletar mais abaixo e bebi o máximo que pude pois as fontes são muito raras nessa serra (essa foi a única água desse dia). Um marco de madeira fincado tem uma plaquinha "Senda Puerto del Arenal". Continuei às 13h55 e 190m depois cheguei a uma placa em que se lê: Puerto del Arenal - Ruta Navarredonda-Puerto del Arenal PR-AV 45 (mais informações sobre as trilhas PR em es.wikipedia.org/wiki/Peque%C3%B1o_Recorrido). Nesse ponto chega uma trilha que vem da localidade de El Arenal pela vertente sul da Serra de Gredos e que serve como rota de fuga ou início alternativo a esse trekking. Já vinha avistando El Arenal lá embaixo no vale desde o Pico La Fría. Às 16h11 outra placa: Puerto de La Cabrilla - PR-AV 44, que é outro caminho de El Arenal a Navarredonda de Gredos. A partir daqui a serra começa a se mostrar mais florida pois surgem os grandes campos de piorno, que dá flores amarelas em abundância. A dificuldade era abrir caminho entre os piornos já que não encontrava trilha definida e contínua. Às 20h05 alcanço a maior altitude do dia no Pico Peña del Mediodía, de 2221m, também com uma coluna e um vértice geodésico. A partir desse pico aparece uma trilha ininterrupta, antes só pedaços de trilhas. Continuando para oeste, 400m depois do pico desvio alguns metros à direita até um marco de granito para fotos. A partir do marco a trilha inicia uma longa descida a um outro "puerto". Desconfiei que seria difícil encontrar um lugar plano para a barraca, então procurei nas imediações do marco, onde o terreno era plano e as moitas de piorno me davam alguma proteção contra o vento. Altitude de 2211m. Cabra montesa e ao fundo os picos Almanzor e La Galana 3º DIA - 27/06/19 - do Pico Peña del Mediodía ao Refúgio Elola Duração: 8h30 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 2262m Menor altitude: 1948m na Laguna Grande Resumo: continuação pela crista da Serra de Gredos passando por dois refúgios em ruínas e descida ao Circo de Gredos, com a Laguna Grande e o Refúgio Elola Iniciei a caminhada do dia às 9h10, passei pelo marco de granito e comecei a descer ao Puerto del Peón. A decisão de acampar lá no alto se mostrou muito acertada pois encontrei um grupo enorme de jovens bivacando cerca de 300m antes do puerto. Como é proibido montar barraca eu teria no dia anterior que caminhar bem mais e me afastar deles para poder acampar. Às 9h42 passei pela placa que indica o Puerto del Peón, local que marca uma travessia no sentido sudeste-noroeste da Serra de Gredos e que provavelmente era o roteiro daquele grupo pois não os vi mais. Na continuação para sudoeste, a trilha cai por algum tempo para a vertente norte da serra e depois obriga a subir à crista outra vez. Cruzo mais campos de piornos floridos mas em seguida chego a uma região mais árida da serra, um local praticamente só de pedras, e ali, às 11h14, me deparo com as ruínas do Refúgio Los Pelaos, todo de pedras. Há bons espaços para pernoitar protegido do vento desde que você não se impressione com as paredes prestes a desabar. O local também é rota de uma travessia no sentido norte-sul da Serra de Gredos. Uma caminhada alternativa seria subir ao Pico La Mira, de 2343m (desnível de apenas 91m desde as ruínas), mas não encarei. O mais importante: tem água. Às 12h33 prossegui na trilha para oeste e 190m após as ruínas atinjo a maior altitude do dia, 2262m (alcançarei outra altitude igual ainda nesse dia). No horizonte a oeste já avisto uma cordilheira com os picos Almanzor, La Galana e o passo Portilla del Rey, pelo qual passarei entre a Laguna Grande e as 5 Lagunas. A trilha volta a cruzar o tapete amarelo de flores e a crista continua o seu sobe-e-desce. Caminho por alguns trechos com calçamento de pedras. Às 15h05 fui à esquerda (sudoeste) numa bifurcação seguindo os totens, sem trilha definida (à direita teria descido a um estacionamento chamado La Plataforma). Às 15h21 avistei a oeste o Refúgio del Rey, ainda bem distante. Desci e ao subir ao topo da colina seguinte visualizei a trilha à frente e abaixo. Desci novamente e a encontrei às 16h29. Com mais 8 minutos cheguei ao Puerto de Candeleda (com placas indicando ser a PR-AV 46), outra rota que cruza a serra de norte a sul. Parei para descansar e comer, e para meu espanto apareceu um outro louco solitário fazendo a travessia da serra com um enorme mochilão com não-sei-quantos litros de água. Conversamos um pouco e ele seguiu na frente. Às 17h22 continuei na direção oeste numa longa subida, percorrendo depois uma crista para o norte. Às 18h06 fui à direita numa bifurcação para ver de perto as ruínas do Refúgio del Rey. Ao lado fizeram um cercado com as pedras desabadas que serve como abrigo do vento para um bivaque. Perto do refúgio encontrei água quase parada mas 80m à frente (norte) havia uma ótima bica. Continuei para o norte por uma trilha larga às 18h55. Às 19h17 cheguei a uma cabeceira de vale com capim bem verde e bastante água, ao contrário da secura que vinha enfrentando até aqui. Seguindo os totens cruzei o riacho e subi por um caminho construído com pedras, passando por pequenas lagoas. Às 19h52 uma bonita visão para a esquerda (oeste) das montanhas pontiagudas próximas à Laguna Grande, meu destino nesse dia. Porém a laguna estava bem longe ainda e a descida direta para oeste não se mostrou animadora pela inclinação e ausência de trilha. O jeito foi continuar para o norte, dando uma volta bem grande, mas por trilha bem marcada e segura. Aqui atinjo também a maior altitude do dia, 2262m. Fui à esquerda na bifurcação e comecei a descer. Às 20h33 cheguei a uma bifurcação em T e continuei descendo para a esquerda. À direita se vai à Plataforma e esse é um caminho bastante usado para chegar ao Refúgio Elola. Passei por uma fonte de água e continuei no rumo sudoeste até as margens da Laguna Grande. Contornei toda sua margem leste e sul para enfim chegar ao Refúgio Elola às 21h36, quase no pôr do sol. Esse local é conhecido como Circo de Gredos. Este refúgio foi o único que encontrei guardado, ou seja, com guardas, que aliás estavam jantando e por sorte sobrou alguma janta para mim também. Dentro do refúgio deve-se usar apenas chinelos ou crocs, disponíveis em prateleiras na entrada. Há armários com chave. Os quartos são coletivos e têm beliches bem largas onde dormem muitas pessoas uma ao lado da outra, por sorte havia pouca gente e não precisei dormir espremido. A reserva costuma ser obrigatória mas pelo número pequeno de hóspedes não houve problema em não tê-la feito. O banheiro não tem vaso sanitário e sim uma peça de metal com buraco no chão, como no Nepal. Altitude de 1958m. Talvez o principal destino dos montanhistas que procuram esse refúgio seja o Pico Almanzor, o mais alto da Serra de Gredos, com 2591m.
  11. 2 pontos
    Achei da hora sua reflexão. A vida sendo um jogo impossível de se ganhar e nós sempre insatisfeitos - e preocupados. Sabe que foi isso que me motivou a viajar? Eu tenho um problema de visão e nos últimos anos perdi muita acuidade visual. Agora que estou estável quero aproveitar cada instante, estar nos lugares e ver a vida das pessoas, conversar, sentir tudo... e deixar o amanhã pra amanhã, pois o futuro é invencível... Comecei esse ano. Primeira viagem sozinho para Ubatuba em Abril, 4 dias. Mês que vem estarei pela Argentina por VINTE! Sozinho também, pois descobri em mim um grande companheiro! Grande abraço!
  12. 2 pontos
    Boa tarde @[email protected]_aurelio Eu também uso essas insulinas, vou fazer um mochilão ano que vem e minha maior preocupação é com a temperatura das insulinas. Gostaria de saber como foi sua experiência quanto a isso, você teve algum problema? Estava pensando em comprar as canetas de insulina, assim eu acho que iria me ajudar.
  13. 2 pontos
    Ótimo relato! Estou indo em janeiro com uma amiga e não somos religiosos, deu uma outra vista do que fazer!
  14. 2 pontos
    @Juliana Champi @luizh91 muitíssimo obrigado aos dois. Agradeço por mim e pelos 3 a mais que irão comigo hehe.
  15. 2 pontos
    Olá Gabriel.. O correto na hora do preenchimento é usar somente o obrigatório, ou seja, nome e sobrenome (primeiro e último). Nomes do meio só servem para dar problemas rs... Só é necessário um preenchimento mais completo quando ao fim do nome existe algum segmento familiar, como por exemplo Junior, Jr, Neto, Filho, etc.. e nesse caso você insere o sobrenome composto. No seu caso específico acredito que não terá problema nenhum, porque o que você adicionou na passagem foi o nome que não é de preenchimento obrigatório, porém, para evitar problemas leve também seu passaporte brasileiro e guarde na manga. Será uma arma para o caso de algum agente consular chato entrar em seu caminho rs Abração!
  16. 2 pontos
    Fazer uma trip de motorhome por toda europa.
  17. 2 pontos
    Em 1999, percorri o Caminho Francês de Santiago, partindo de San Jean em direção à Santiago de Compostela. Já naquela ocasião, eu ouvia falar que existiam 4 rotas sagradas do Cristianismo na Idade Média, que seriam o Caminho de Santiago, Jerusalém, Roma, e um quarto Caminho que eu nunca descobri qual era, num tempo em que a internet estava engatinhando e o acesso à informação era mais batalhada. Em 2018, decidido a refazer a peregrinação à Santiago de Compostela, comecei a investigar a respeito do Caminho do Norte, o qual fiz partindo de Irun (quase França) e percorrendo o norte da Espanha, novamente rumo à Santiago. E nessa pesquisa descobri acerca do caminho que faltava. Trata-se do Caminho Lebaniego, uma rota de peregrinação que possui seus anos jubilares desde 1512, e que tem como destino o Monastério de Santo Toríbio de Liébana, onde está depositado a Lignun Crucis, que reza a lenda, trata-se da maior parte ainda conservada da Cruz de Cristo, a qual foi confeccionada com o braço esquerdo da cruz original, e hoje é uma cruz menor acondicionada em um relicário de Ouro, prata e cristal. Esse caminho está situado no Parque Nacional Picos de Europa. Um lugar belíssimo, com várias outras trilhas e atrações aos caminhantes em busca de locais bucólicos. Porém em geral são trechos que exigem um certo preparo, pois o relevo é muito acidentado (vindo daí a beleza do local). O Caminho Lebaniego está localizado na Cantábria e é apenas uma das quatro rotas para chegar em San Toríbio. O interessante é que essas rotas podem ser conjugadas com o Caminho de Santiado, pois elas unem o Caminho do Norte ao Caminho Francês. Assim, em uma única viagem é possível fazer as duas peregrinações juntas. Em certos trechos inclusive encontramos juntas as setas amarelas (Caminho de Santiago) com as setas vermelhas (Caminho Lebaniego). O Caminho Lebaiego em si, constitue-se de 72 km, que unem San Vicente de La Barquera a Santo Toríbio de Liébana, podendo ser percorrido entre 3 a 5 dias. Eu particularmente sugiro partir de Santander, que é a cidade onde retiramos a Credencial do Peregrino, elevando assim em mais 76 km a viagem. Para quem pretende fazer o Caminho do Norte de Santiago, o trecho entre Santander e Muñorrodero já faz parte do Caminho, apenas se separando aqui no sentido sudoeste, podendo depois retornar ao Norte, ou seguir até o Francês. O Caminho Lebaniego conta com uma estrutura para os peregrinos, de albergues e rede wi-fi (que ao menos estava disponível no último ano santo). E para os amantes da culinária regional, não deixem de provar a truta e o Cocido Lebaniego.
  18. 2 pontos
    Olá Sílvio, quero te agradecer mais uma vez pelo relato e também pelo mapa que vc colocou aqui. Imagina que fazia ANOS que eu queria ir pra região e lendo o teu relato me dei conta que era tudo tão mais fácil do que eu imaginava. Estive agora em setembro em Porto Alegre visitando os parentes e aproveitei para pegar um ônibus para Tavares. Foi fenomenal! Como estava sozinha achei mais prudente ficar em pousada, encontrei uma bem pertinho do P.N Lagoa do Peixe (a 6km de onde a Talhamar chega "na faixa"). Seu mapinha foi super útil pra me situar. Deu tudo super certo e apesar de ter ficado apenas 2 noites lavei a alma caminhando pela Talhamar e depois pela beira mar até o Farol. A parte que eu mais gostei foi justamente dentro do P.N. e a quantidade de aves que se vê por ali. Recomendo a todos a visita ao Parque Nacional da Lagoa do Peixe, um paraíso entre o mar e a Lagoa dos Patos.
  19. 2 pontos
    @Niltonvrv se seu voo saindo do Brasil nao atrasar e tudo ocorrer dentro da normalidade teoricamente da tempo sim de pegar o segundo voo. Boa sorte!
  20. 2 pontos
    Pow os caras tavam passando fome velho aew nao tem que buscar outras alternativas,eu nao tenho experiencias de viajar para outros paises mais sou viajante faz sete anos só que eu viajava com dinheiro agora por mais que muitos achem ridiculo e bobo eu quero experimentar a sencacao de nao ter NADA a minha meta agora e viajar a america do sul estou quase perto da argentina ja e estou me virando muito bem consigo arumar dinheiro todos os dias e comer tomar banho nao passo necessidades alguma acho que o que incomoda nas pessoas é o fato de todo esse conforto desnecessario ser muito mais privilegiado do que sua propria liberdade e vontade de conhecer o mundo......eu nao esperava que minha viagem sem NADA fosse tao incrivel se todas pessoas pudessem sentir a gratidão e alegria que sinto agora cara é muito incrivel perdi a vergonha agora sou um OFICIAL VENDEDOR DE ADESIVOS
  21. 2 pontos
    valeu pela dica... o meu nick ficou com o endereço do email pq foi muito dificil entender este site quando houve a ultima mudança. So que esta mudança nao foi perfeita... note que encima do meu avatar o nome ja consta, mas na resposta o erro continua... Eita nois.....🙄 o site precisa contratar um profissional de informatica melhor...
  22. 2 pontos
    Cara, obrigadão, valeu pela humildade também irmão. Salam Aleikum.
  23. 2 pontos
    9º dia (12/05) Domingo, dia das mães, eu e minha mãe nunca tivemos problemas por passar essas datas longe um do outro, não era a primeira vez, mas mesmo assim fica aquele sentimento de querer estar perto né. Acordei às 04h00, e no Brasil eram 06h00, mandei mensagem para ela e como sempre estava de pé logo cedo, falamos um pouco, me arrumei e saí às 04h30. Andamos bastante de carro, até entrar no famoso Parque Nacional de Huascarán, paramos para tomar café, mas quem quiser pode levar seu próprio café e comer lá na parada e claro no percurso. Eu comi pão, ovo e chá. Como você viram até aqui eu ainda estou sem nenhuma mochila de ataque, então comprei 2 bananas e 500ml de água, isso para que? Para andar 14km, vão lendo... kkkkkkkkk O guia nos instruiu sobre o percurso, da parada lá em cima, e da volta, então seguimos, e todos sabemos né, trilha, tem de tudo, então era bom eu passar um protetor solar, mas nem comento mais nada, e me arrependo demais por não ter pedido para algum gringo apenas uma mão de protetor, pois já faria toda diferença... Comecei a trilha, que belas paisagens tem aquele lugar, sério gente, é incrível, minha mãezinha rsrs, durante a trilha tem sol, frio, sol de novo e mais frio, então é um tal de tira casaco, coloca casaco danado kkkkk Fotos da SJCAM Tirando que eu estava com minha humildes bananas e água na mão haha (tenso viu). Chega uma parte que são umas subidas, e sempre tem o lance da altitude mas até que foi tranquilo. Aos que querem fazer a laguna 69, devem saber da dificuldade que é andar todo esse trecho, realmente não é fácil, mas se preparem um pouco antes, pois faz diferença e vale a pena. Ao chegar no fim da trilha, hum... Sinceramente não tenho palavras para descrever, apenas vejam as fotos... Tirei algumas fotos, e depois fiquei ali sentado comi o que tinha, bebi um pouco de água e lá estava eu olhando aquela bela paisagem, e pessoal, não se preocupem tanto com fotos, parem para observar aquelas águas caindo, aquela camada imensa de gelo e tudo aquilo sabendo que você viu pela internet agora está no seu melhor retrato que são seus olhos. Antes de descer, eu passei a mão no rosto, e geeeente, e já sentia meu rosto queimado e todo seco, peguei um pouco de água e passei, mas noooossaaaaa, fui me protegendo todo na volta, que saudade do meu protetor, que saudade da minha mochila!! Voltei pela trilha, vendo a paisagem das minhas costas de início, sério que lugar show! Fiz a ida em 2:30 Volta 1:45 Cheguei no hostel umas 18h30, fui na venda comprar pão e miojo, comprei água também. E decidi ficar mais um dia em Huaraz. Pessoal, volto em breve! Novamente, obrigado por lerem e espero estar ajudando.
  24. 2 pontos
    Olá pessoas queridas, estou procurando uma companheira para planejamento de uma viagem de volta ao mundo em Um FUSCÃO 96 Itamar.. Já estou começando os preparativos pretendo ficar pelo menos 05 anos ou mais viajando e trabalhando. Durante a viagem podemos faze um Upgrade para uma Kombi. Sou músico, tecladista, pianista, compositor, produtor de vídeo, desenvolvedor web, e consultor de Marketing Digital. Maiores detalhes entre em contato.
  25. 2 pontos
    É que aqui no Sul, não sei se já conheces nosso litoral, só tem vida entre novembro / abril. O resto do ano só falta aquelas bolas de feno sendo arrastadas pelo vento. rsrsrss abraço,
  26. 1 ponto
  27. 1 ponto
    Olá, viajantes do meu Brasil! Acabei de comprar as passagens para 1ª primeira viagem para a Europa, dessa forma: São Paulo para Lisboa => com chegada dia 10/03 (Stopover de 5 noites) Lisboa para Madri => chegada dia 15/03 Madri para São Paulo => saída dia 26/03 Estou indo sozinha, por hora só tenho as passagens e a (enorme) expectativa! 😍 Abraços.
  28. 1 ponto
    Obrigado pelas Dicas, Juliana! Estava pesquisando em outros locais e descobri que o Uber funciona bem na região das vinícolas! Li seu relato e me ajudou muito na montagem do meu roteiro, obrigado mais uma vez!
  29. 1 ponto
    @rapensando Pela minha experiência, a questão do dólar vale mais a pena na hora do câmbio do que para negociação de passeios. Os passeios nas agências já são oferecidos em pesos, então geralmente os "pacotes" que eles costumam fazer são com valores em moeda local.
  30. 1 ponto
    A diferença de valor é pela tecnologia usada. Quechua tem um custo beneficio muito bom.. ainda mais se for a sua primeira mochila. Vá de Quechua!
  31. 1 ponto
    Nenhuma das duas! rsss Eu não achei nenhuma delas um destino legal, são só cidades iguais ou parecidas a centenas de outras mais baratas que você viu no resto da Europa. Montanhas e as paisagens de filme você não vai ver em Zurich e Genebra, mas sim nos Alpes, em Interlaken, Zermatt, Engelberg, Lucerna, Chamonix, St. Moritz, etc... Se vocês querem ver montanhas e os alpes, eu sugeria Chamonix, fica no meio do caminho entre Milão e Genebra, é bem mais perto de Milão, o que é muito importante devido ao pouco tempo que você tem. Uma outra opção, se vocês estiverem viajando durante a primavera/verão/começo do outono, eu recomendaria os lagos italianos ao norte de Milão (Lago Maggiore, Lago di Como, Lago di Garda, Lago d’Orta e Lago Lugano), é um lugar espetacular para visitar no verão, muito mais bonitos que os lagos suíços, e que caberia perfeitamente no pouco tempo livre de vocês.
  32. 1 ponto
    Em novembro, roteiro em planejamento, data em aberto!!!
  33. 1 ponto
    Belo relato! Uma das ultimas das grandes atrações turísticas do RS, da minha lista para conhecer. Mas como falado anteriormente, o acesso difícil intimida. Os guias e empresas estão cobrando alto para a visita ao Parque, aí fica esse dilema. A missão vai sempre sendo adiada, quem sabe esse ano vai... kkk
  34. 1 ponto
    O roteiro está excelente! Acho que vale atenção em dois pontos do roteiro, que são: O primeiro é a ascensão ao Villa Rica e as Termas Geométricas no mesmo dia. As agências vendem o pacote do Villa Rica + Termas e não me recordo de alguma dessas Termas ser as geométricas! E ao contratar os passeios separados pode não dar tempo.. a experiência que tive foi voltar do Villa Rica por volta das 17:30 (chegada a Pucon) e lembro que os últimos tour para as Geométricas saiam entre 15:00 e 16:00 horas. E o segundo é fazer Valparaiso e Vinã Del Mar por conta em um único dia.. (eu fiz com agência) e achei muito corrido.. então, talvez um pernoite em alguma das cidades seja necessário para aproveitar legal. Mas você tem uma margem legal de dias offs que dá para substituir e se adequar de acordo com o mochilão.
  35. 1 ponto
    Olá Mochileiros! Sempre me perguntam por que utilizo o bastão de caminhada e a resposta é bem simples, ele ajuda MUITO na fadiga, principalmente das pernas. Porém, algo que fica mais difícil de passar, é como escolher o bastão de caminhada, principalmente pelo fato de cada atividade pedir um bastão diferente. Mas, encontrei esse vídeo, e acho que pode ajudar quem precisa: Se alguém tiver mais informações sobre bastões, bora compartilhar com os amigos mochileiros por aqui!
  36. 1 ponto
    E graças ao seu post que deu up neste tópico eu tive a oportunidade de me matar de rir por alguns minutos, pensa num relato engraçado gente!
  37. 1 ponto
    @VANESSACMOURA qual vai ser seu itinerário Vanessa?
  38. 1 ponto
    Ta na minha lista pro ano que vem! Visitar um amigo em Nova Esperança do Sul e passar por todas essas cidades na volta
  39. 1 ponto
    Pessoalmente eu não curto muito Berlin, prefiro muito mais Munich, mas cada pessoa tem os seus interesses e gostos pessoais. Outra questão, a Alemanha "clichê", que quase todo mundo espera ver na primeira viagem a Alemanha você vê em Munich e não em Berlin, então tem que ver o que exatamente você quer ver na Alemanha. Berlin como ponto de entrada e saída muito provavelmente também vai fazer os preços das passagens subir significativamente. Na verdade, todas estas cidades tem passagens caras como ponto de entrada, a única que as vezes tem um preço aceitável como ponto de entrada de saída é Munich. Eu quando viajo a Europa costumo colocar alguma outra cidade grande da Europa ocidental como ponto de entrada e saída, como por exemplo Lisboa, Madrid, Barcelona, Paris, Roma, Milão, Amsterdam, etc, locais para onde costuma ser bem mais fácil achar passagens mais baratas do que as cidades do seu roteiro. Fico alguns dias na cidade de entrada, e depois pego um voo low-cost até o destino que eu queria visitar. Mas tem que simular direitinho todos os custos para ver se realmente vale a pena, e ver se o seu tempo disponível é suficiente para tudo.
  40. 1 ponto
    Oi gente, meu nome é Bruno ! Em dezembro to pretendendo dar um role bem roots, com pouca grana ou até sem kkk (no caminho iremos fazendo a grana) pela america do sul, to procurando companhia pra fechar no 10/10 com roteiros e tals, pois tenho medo de ir sozinho. Se quiserem me chamar no whatsApp para trocar uma idéia meu numero é. Sou de Porto-Alegre! +5551992128557
  41. 1 ponto
    Se não tem maturidade pra viajar não saia de casa - muito menos sem dinheiro e sem saber o que fazer. A realidade é dura. Não acredite em tudo que vê/lê na internet, filmes, etc. A realidade é MUITO dura - se fosse fácil e as oportunidades iguais e justas para todos não haveriam mendigos na rua e gente morrendo de fome pelo mundo afora. Comece aos poucos, viagens curtas e depois vai amadurecendo (em idade e em experiência de vida). Um passo de cada vez. Cada dia vejo mais gente com essas ideias de sair pelo mundo sendo que nunca saiu do próprio quarto.
  42. 1 ponto
    que top irmão parabéns, depois desse relatos me deu mas vontade de seguir em frente com meu projeto, quero muito fazer uma ciclo viagem pro chile bora, valeu meu irmão
  43. 1 ponto
    Claro, estarei com mais 3 mochileiros, te mando msg!
  44. 1 ponto
    @casal100 Junta alguém seria legal, mas sozinho também é muito bom, já fiz no meu estado e é muito louco ❤️. Obrigado pelo apoio 😍
  45. 1 ponto
    Bem, logo depois de sair da casa da humilde e doce senhora, seguimos nossa caminhada até Fortaleza. A verdade é que não tinhamos nem ideia de como seria ir pela praia, se em algum punto haveria um encontro de rio com o mar ou outras adversidades pelo caminho, não estavamos pensando muito sobre isso, a ideia principal era aproveitar, sem importar o que viria. Assim saímos caminhando pela praia, olhamos no mapa e mostrava 12 lindos Km de pura areia, mar e muitas dunas. Talvez estivamos próximo alguma avenida principal, mas as dunas eram tão altas que só arriscaríamos subir e buscar uma avenida se realmente não fosse possível chegar até a cidade seguinte. A praia era de areia brancas e a terra bem batida, haviam algumas marcas de pneus de carro e moto pelo chão, então talvez íamos conseguir uma carona.. Isso mesmo, na beira da praia!! Literalmente na areia. Foto 1 Mais ou menos 3km depois, ouvimos o barulho de uma moto se aproximando, era apenas uma moto e eramos duas. Cony já estava um pouco cansada, não pelo sol ou pela caminhada mas sim pela sua perna que começa a incomodar um pouco, então, fiz sinal com a mão para a pessoa que vinha na moto. Era um rapaz, ele parou e perguntou se estávamos bem, pedi para que ele levasse a Cony um pouco mais adiante e que eu iria andando, ele disse que não iria muito longe, que mais ou menos em 1km já sairia da praia sentindo a um povoado que vive, bom, era apenas 1km mas já era alguma coisa, ainda tinhamos 8km pela frente economizar algumas passadas sem dúvida ajuda bastante. Ele levou Cony pelos próximos 1km e voltou por mim, não esperava que ele voltaria. mas foi bom porque o sol tava do CarL*** kkkkkkkk. Foto 2 Seguimos caminhando, em poucas horas chegaríamos ao meio dia. Mesmo com muito protetor solar já sentia a pele arder e areia por toda a cara e o sabor do mar que não saia de nossas bocas. Sim, verdade uma caminhada dura mas é uma das coisas que temos que fazer uma vez na vida. aproveitar o sol, o mar e a areia, não ter pressa de chegar e sem se importar com o que próximo passo. Foto 3 Foto 4 Mas 5km caminhando, foi quando ouvimos outra vez o barulho de moto e a possibilidade de uma nova carona. Viramos para ver de onde vinha o som e vimos que eram dois motoqueiros, porém um deles levará uma caixa superrr grande no lugar do passageiro, então outra vez só tinha uma moto. Disse para Cony seguir com eles, porque a perna dela já doía bastante, ela não quis ir, não achava justo. O rapaz que levava a caixa grande me perguntou se queria ir sentada na caixa... Bom, na verdade já estavamos as duas super cansadas e o sol estava muito forte e ainda faltavam mais 3km, então subi na caixa e eles nos levaram até um grande encontro de rio com mar, era impossível a travesar caminhando. Havia um barco pequeno, bom, não era bem um barco, vou deixar uma foto aqui para vocês verem. kkkkkkkk WhatsApp Video 2019-07-18 at 18.39.49.mp4 Vídeo 1 Foto 5 Foto 6 Depois do encontro do rio com o mar já era conhecido como Mundaú-CE, a cidade vizinha. Caminhamos pelo povoado, paramos na praia para observar a paisagem e o mar. Dessa cidade tínhamos que conseguir uma carona direto para Fortaleza, pensávamos em ficar uma noite em Mundaú, mas a cidade era bem mais movimentada que a praia da Baleia e Jericoacoara. Saímos da praia e buscamos um mercadinho na pequena cidade, compramos atum e pão, comemos ai mesmo. Foi quando parou um senhor para conversar com o dono do mercadinho e ele disse que ia para Fortaleza, bom de uma vez falamos e perguntamos se ele poderia levar-nos, disse ele que sem problemas e assim terminamos nossa pequena viagem pelas praias do Ceará. Alguns dias depois ia para a Colômbia, viver umas das maiores experiencias da minha vida. Cheguei na Colômbia dia 15 de setembro de 2018 e hoje(18/07/2019) sigo por aqui, bom mais isso é outra história e vou contar para você logo logo... OBS> Desculpem por demorar tanto tempo para subir a 2 Part como havia prometido. Foto 7
  46. 1 ponto
    Olá, somos Mattheus e Laryssa e viajar é tudo para nós. Temos um blog no Instagram que se chama @estradasporai, quem puder e quiser seguir, lá tem muitos detalhes, preços, dicas sobre essa e outras viagens que fizemos. Quem vos relata é o Mattheus, motorista, fotógrafo etc.. haha Bom pessoal, sempre entrávamos aqui e viajávamos juntos nos relatos. Sempre esperando chegar nossa vez. E chegou. Fizemos uma viagem saindo do Rio de Janeiro, Sul do Brasil, entrando no Uruguai e indo até Buenos Aires. Foram 18 dias, tivemos muitas experiencias que vamos levar para as próximas, muitos erros etc, mas valeu a pena cada segundo. Planejamento com gastos Estávamos contando com 20 dias de viagem. Entao nosso planejamento inicial seria gastar em torno de R$6.000,00 com tudo, divididos igualmente entre hospedagens, combustível e alimentação. Estipulamos uma meta de R$100,00 por dia para alimentação, optamos por reservar a ida toda antes pelo AirBnb (bem em conta) e casas com opção de cozinha, para aproveitarmos e tentar economizar. Somente Punta Del Este não foi pelo AirBnb. Conseguimos ficar dentro do planejado! Corremos um pouquinho além da conta na volta, pois a vontade de chegar logo em casa era grande rsrs. Mas deu tudo certo. O veículo Nosso carro é um Sandero 1.6 8v 2012 com gnv. O gás ajudou muito a gente durante a viagem na economia, mesmo não tendo conseguido abastecer na Argentina. Utilizamos o app GNV Brasil para localizar os postos. Sempre mantive a manutenção em dia, então antes da viagem só antecipei uma preventiva e fiz uma selagem no cárter que estava vazando um pouco de óleo, pois o carro já estava com 135k kms rodados antes da viagem. Troca de óleo, filtros, limpeza do sistema de arrefecimento, alinhamento, balanceamento e pronto para estrada. A viagem Dia 1: RJ x Curitiba Antes de partir: Ansiedade a mil No dia 05 de julho acordamos cedo, nossa ideia era partir às 5h da manhã, não conseguimos, mas às 5:55 ja estávamos na estrada. Aproximadamente 820 kms até nosso primeiro destino. Como nosso cilindro de gnv é de 10m³, nós vamos parando para abastecer a cada 130 kms mais ou menos. Aí já dá para descansar e esticar um pouco as pernas. Muitos pedágios ao longo do caminho, o mais caro da viagem foi na Rod Pres Dutra, altura de Seropédica. R$14,40. Também adquirimos antes o "Sem parar", serviço que passa direto no pedágio para evitar filas, recomendo. Chegamos umas 18 hrs em Curitiba, nesse dia não almoçamos, levamos muito lanche e sanduíche no carro e deu para enganar o estômago. O apt fica bem localizado, na rua Conselheiro Laurindo Ramos, porém não tinha opçao de estacionamento. Deixamos o carro no prédio e o porteiro nos disse que no outro dia pela manha ficava um rapaz vendendo um ticket "Estar" que serve para fixar no parabrisa e vale até duas horas parado naquele local. Como já era 18h, nao tinha problema deixar o carro lá sem o "estar". Estávamos muito cansado, principalmente eu por ter dirigido quase 12 horas, entao só comemos um macarrão rápido e capotamos. Chegando em Curitiba A estrada
  47. 1 ponto
    Oie Boa noite.. estou afim de entrar em algum grupo de acampamento rs estou afim de novas aventuras.. visitar cachoeiras e contemplar a natureza
  48. 1 ponto
    Ola friends, Segue um relato de viajem que fiz recentemente pelas Américas. Na verdade o propósito foi trabalho mas como o sangue mochileiro corre nas veias acabei aproveitando a oportunidade e fazendo um pequeno tour por alguns países que ainda não conhecia. Enfim... A empresa pela qual trabalho está localizada (matriz) em Houston no Texas, Estados Unidos e conforme citado acima o propósito da mesma foi um trampo a ser feito la em Houston. Saí de São Paulo numa tarde de Sexta-feira final de Agosto voo direto até Houston e pago pela empresa claro, o que é melhor ainda rs rs. Em Houston cheguei bem cedinho e após toda a burocracia e demora para sair de um aeroporto americano me deparo com um verdadeiro forno ao ar livre quando cruzei o portão de saída para fora do aeroporto. 43 graus e sem praia, calor seco! Houston tem um clima terrível nessa época do ano (verão deles) e confesso que só senti a mesma sensação em Asunción, Paraguai uma vez em que lá estive também na época de verão (do nosso hemisfério nesse caso). Enfim, peguei um taxi ate o Hotel e nesse caso como eu estava pela empresa não tive muito o que me preocupar em termos de grana. Mas aí vai a dica caso alguem passe por lá mochilando. Houston não se usa praticamente nenhum transporte além de carro e muito menos se anda nas ruas (verdadeiras rodovias). Um taxista definiu muito bem essa relação com a seguinte frase "a man in Houston without a car is just like a man without his dick". Portanto carro é necessário e sem dúvida alugar sai mais barato alem de não ter que depender da boa vontade dos taxistas de lá que sempre atrasam ou até mesmo te largam esperando e não aparecem quando vc chama. Horrível o serviço de taxi por lá. Após check in no Residence Inn (do grupo marriot) fui para o rolê na cidade. Adivinha como? De carro, por motivos citados acima. Em pleno Sabado comecei pelo Downtown que mais parecia uma cidade fantasma ou cidade dos carros. Impressionante como não vi absolutamente ninguem caminhando pelas ruas. É o sistema americano sim, ja tinha visto isso em Chicago por exemplo, mas Houston e demasiadamente sem emoção. Visitei um tal de Aquarium downtown que tinha la algum interesse e percorri o centro. Tambem estive num estádio de football (que mais parecia um shopping center) e tentei achar algum ponto de interesse por lá. Porém sem sucesso. Um lugar bem, mais bem meia boca e que se depender de mim não voltaria mais para lá a não ser por força de trabalho (recomendo o mesmo para quem pensar em ir para lá caso esteja nos EUA). Vai perder tempo. Já no segundo dia saí de la e rodei pela grande Houston para visitar a Nasa, um passeio mais interessante que o dia anterior e tambem aproveitei para conhecer o Golfo do México. Esse foi o fim de semana em Houston e seguramente já foi muito pois o lugar não oferece praticamente nenhum atrativo e principalmente não tem emoção o que não combina com mochileiros. Vale destacar que os preços eu achei bem razoáveis e meio que pau a pau com São Paulo por exemplo, se bem que dolar deu uma subida agora mas na época há 2 meses atras estava baixo. Enfim, pouco posso dizer de Houston só me restou trampar a semana inteira e aguardar o fim se semana que certamente ja estava definido: "fora de Houston"! Durante essa semana, vale destacar que deu para ver bem a força mexicana e latina em geral por lá e ouso a dizer, se vc estiver por aquelas bandas e não falar ingles ou seu ingles for zuado, não ser preocupe pois o espanhol funciona bem nessa região do Texas. Enfim, chegou a nossa santa sexta-feira e era hora de fazer algo no fim de semana. A idéia original era New York mas um tal de furação Irene atingiu a costa americana inclusive New York o que me fez mudar de planos. Troquei York por Orleans e New Orleans, a cidade dos blues e do jazz, famosa infelizmente tambem por ter sido devastada há uns 6 anos pelo Katrina e conhecida também por ser a cidade dos negros americanos. Mas antes vamos encerrar a sessão Houston com o video abaixo que vcs poderão ter uma idéia de tudo o que foi relatado acima.
  49. 1 ponto
    Elloco, vc vai achar meu estranho mas qd fui para Bolivia tb tava sem grana p comprar o famoso saco de dormir, então o que fiz, peguei um cobretor de SOFT costurei as laterais deixando é claro a parte de cima para que eu possa entrar nele, e levei dois sacos de lixo daqueles pretos enortmes para que pudesse conservar melhor o calor além de ser impermeável, vesti um dos pés até a cintura e o outro cortei o fundo dele para que tampasse o resto, hehehehe a falta de dinheiro faz coisas né, não peguei nenhum frio abaixo de 0° portanto não sei qual será sua situação, mas me serviu muito alé de não fazer tanto volume na mochila. Espero ter ajudado.
  50. 1 ponto
    É... Viajar de carona requer uma boa dose de coragem e outra de paciência. Recentemente saí de Fortaleza em direção ao RS pegando carona. Foram 18 dias de viagem. * Mulher sozinha pegando carona é algo realmente complicado, mas acompanhada de outro homem (ideal), é tranquilo; * Postos fiscais até servem para se pedir carona, mas a Polícia Rodoviária complica tudo e até te impede de pedir carona na frente do posto. Em Pernambuco, por exemplo, não só não deixavam pegar carona perto do posto, como me vigiaram em alguns trechos; * Procurar sempre lombadas ou outras coisas que façam o veículo reduzir bastante a velocidade. Se o carinha estiver a milhão, não vai nem te perceber à beira da estrada; * Pedir carona no dedão até dá certo, mas precisa de mais paciência ainda. Procure sempre postos de gasolina, converse com frentistas. Se a carona seguinte for te deixar no meio da estrada, peça para ficar em algum posto, mesmo que isso signifique perder 50 km de carona; * A cara-de-pau é a ferramenta mais necessária. Se tiver vergonha, não tente viajar assim. Você precisa estar pronto para o que der e vier. Abraço! Don
Líderes está configurado para São Paulo/GMT-03:00


×
×
  • Criar Novo...