Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Mais curtidos da Semana


Conteúdo Popular

Mostrando conteúdo com a maior reputação desde 09-06-2019 em todas áreas

  1. 4 pontos
    Olá Em 25 de dezembro saímos novamente para mais uma aventura de carro. Dessa vez tentarei ser mais sucinto em meu relato, apenas para esclarecer, indicar e opinar sobre alguns pontos que podem vir a ser interessantes para algum colega mochileiro. O roteiro ficou assim: Dias Origem KM Tempo Destino 25/dez Santos/SP 977 13h06 Guarujá do Sul/SC 26/dez Guarujá do Sul/SC 658 Ruinas de San Ignacio 08h14 Corrientes/ARG 27/dez Corrientes/ARG 944 12h04 Tilcara/ARG 28/dez Tilcara/ARG 751 Serrania de Hornocal 11h01 Uyuni/BOL 29/dez Salar de Uyuni 30/dez 31/dez 01/jan Uyuni/BOL 539 07h20 La Paz/BOL 02/jan Mercado Las Brujas - Calle Jaen - Centro - Mirador 03/jan Monte Chacaltaya 04/jan La Paz/BOL 154 Ruinas de Tiawanaco 03h31 Copacabana/BOL 05/jan Copacabana/BOL 142 Isla del Sol 02h21 Puno/PER 06/jan Puno/PER 375 Isla de Taquiles 06h27 Tacna/PER 07/jan Tacna/PER 365 04h41 Iquique/CHI 08/jan Iquique/CHI 487 Humberstone 05h31 San Pedro Atacama/CHI 09/jan Tour Astronômico 10/jan San Pedro Atacama/CHI 509 Paso Sico - Lagunas 08h53 Salta/ARG 11/jan Salta/ARG 821 10h24 Resistência/ARG 12/jan Resistência/ARG 642 08h27 Foz de Iguaçu/PR 13/jan Foz de Iguaçu/PR 1056 Ciudad del Est 13h41 Santos/SP Foram 20 dias percorrendo cerca de 8400 km, passando por Argentina, Bolívia, Peru, Chile e uma passadinha no Paraguai. Vamos então aos pontos mais importantes: Fronteira de Dionísio Cerqueira / Bernardo de Irigoyen Prós: Menos veículos, cambistas na primeira esquina Contras: A estrada que leva a Guarujá do Sul e também à Dionísio é muito ruim em comparação à que nos levaria a Foz do Iguaçu. Eu planejei fazer a carta verde em solo argentino, porém tive que ir a pé, cerca de 200mts, até a seguradora após a fronteira. Ou seja, já façam a carta verde no Brasil. Paguei 100 reais por 30 dias. Bernardo de Irigoyen é uma cidade muito pequena e bem menos interessante do que Puerto Iguazu (Travessia de Foz). Ruínas de San Ignácio Local bem interessante de conhecer. Fica no caminho para Corrientes em uma cidadezinha às margens da estrada. São ruínas preservadas e ótimas para tirar boas fotos. Possuí também um museu no local e infraestrutura para turista. Em frente à entrada tem um bom restaurante para almoçar. Corrientes Em Corrientes tem uma ótima casa de câmbio, El Dorado – www.eldoradosa.com , com cotações bem melhores que da fronteira. Então sempre troco apenas o suficiente para chegar até Corrientes e comprar o restante dos pesos nessa casa. Necessário levar o passaporte ou a permissão de entrada para cadastro. Calle 9 de Julio, 996. Tilcara Uma pequena cidade, bem parecida com Purmamarca, com Hostels bem legais e vida noturna agitada com muitos turistas. Foi o mais perto que consegui chegar da fronteira boliviana até o anoitecer. No local apenas fizemos um passeio pela praça central, e aqui fica a dica: Ótimos preços para artesanatos e outros artigos. O lugar mais barato que encontrei até hoje para comprar presentes e lembranças andinas. Fronteira de La Quiaca / Villazon Local fácil de achar e tranquilo de atravessar. Deve descer do veículo e fazer os trâmites necessários. Logo após a travessia, na rua de frente a Migracione, irá encontrar diversas casas de câmbio, local para comprar chip de celular, e tudo mais em muitas lojas e tendas. Também tem bancos e mercados mais a frente, na própria Villazon. Nâo nos foi solicitado seguro para terceiros. (imagem obtida na internet.) Uyuni Bolívia realmente é um país diferente, um paraíso sob o caos. São paisagens magnificas por todo lado. Mas também muita pobreza nas cidades. Me surpreendeu infelizmente a grande quantidade de animais, principalmente cães, atropelados pelas beiras de estrada. Havia dois caminhos para Uyuni: o mais longo nos levaria até Potosí, o que até então era o único caminho asfaltado. E o caminho mais curto, direto de Tupiza à Uyuni. Escolhi o mais curto e acertei, pois encontramos apenas um pequeno trecho de ripío, em condições medianas, mas percorridas em pouco mais de 1 hr. O restante foi asfalto até Uyuni. Vale a pena fazer o caminho mais curto. Em Uyuni logo fomos buscar uma agência para contratarmos o tour de 3 dias para o dia seguinte. Pagamos 800 bolivianos na Esmeralda Tour. Nos hospedamos no Cilos Hotel. Barato, mas bem ruinzinho. Não recomendo. A cidade tem bastante comércio para comprar comida ou o que for necessário. Tour de Uyuni Fizemos o tour com dois brasileiros e uma italiana e, felizmente, todos se deram super bem. O guia/motorista Alfredo era um típico boliviano e conhecia muito bem como fazer o tour. Não tivemos muita sorte em relação ao clima. Todos os dias foram nublados e as vezes com um pouco de chuva. Os lugares visitados são fantásticos e por isso, apesar das horas que passamos apertados dentro do veículo, nem percebemos o tempo passar. Na primeira noite ficamos em um hotel de sal onde tivemos quarto privativo. O banho deve ser solicitado e pago junto a proprietária do local. Faça-o assim que chegar porque existe apenas um chuveiro para todos e se você quer um banheiro limpo... O jantar e o café da manhã são servidos pelo nosso guia e foram satisfatórios. Na segunda noite, de frente para laguna colorada, o quarto foi compartilhado com o restante da nossa equipe. Novamente o jantar e o café da manhã foram servidos pelo nosso guia. O banheiro é espaçoso, mas logo torna-se insalubre devido ao grande número de pessoas e nenhuma limpeza enquanto estivemos lá. Pela manhã estava impossível utilizar algo além da pia. Já o banho pode ser conseguido em uma outra casa nos fundos do hotel, pagando uma taxa. Nessa mesma casa também pode pagar para ter um pouco de WIfi. Enfim, os lugares visitados são fantásticos, com muitos vulcões, lagunas, flamingos, raposas, etc. O frio não estava tão intenso, variando entre 0° a 15°, com alguns poucos pontos nevados. Cemiterio de Trens Monumento Dakar Restaurante de Sal Restaurante de Sal Sal Salar de Uyuni Salar de Uyuni Hotel de Sal Vulcão Ollague Flamingos Chilenos Gato Feral Flamingo Chileno Viscachas Arbol de Piedra Zorrito Laguna Colorada Laguna Colorada Noite na Laguna Colorada Geiser Sol de La Mañana Geiser Sol de La Mañana Laguna Verde e Licancabur Termas de Polques Uyuni à La Paz Estradas excelentes nos levaram até La Paz. Não tivemos problemas com policia rodoviária em toda a Bolívia. Somente alguns pedágios. Alguns pedágios não têm cobrança se ainda tiver o ticket do pedágio anterior. Então guarde-os. Devido a altitude também pegamos um pouco de gelo e neve no caminho, mas nada que precisasse de correntes. A cidade de El Alto é bem confusa, mas o GPS nos levou direitinho para as descidas de La Paz, apesar do trânsito caótico. A descida para La Paz é algo muito diferente, inesquecível a visão da cidade entre as montanhas. La Paz Em La Paz nos hospedamos no Hotel Salas, bem próximo às agências. Não tinha garagem, mas conseguimos um estacionamento próximo para deixar o carro. Também levamos nossas roupas para uma lavanderia e aqui fica uma dica, anote cada peça de roupa deixada lá pois podem entregar faltando algumas. No nosso caso faltou no mínimo duas peças e veio uma peça íntima de alguém desconhecido...ou seja, descuido total. No primeiro dia saímos para conhecer a cidade e os bondes aéreos. E no segundo dia fomos ao passeio até o Monte Chacaltaya. O monte fica bem próximo e a estrada é bem ruim. Da para ir em seu próprio carro se for alto e com bons amortecedores. O lugar é realmente bem alto e a altitude traz seus sintomas. Após chegar à antiga estação de esqui, ainda tem uma subida íngreme até o topo e ali o sofrimento é maior pois falta ar, a cabeça parece querer ter um AVC, mas é recompensador o topo. Muita neve e uma vista incrível das várias montanhas e lagunas ao redor. Aproveita-se para descansar e tirar muitas fotos enquanto contempla a natureza. No último dia acordamos cedo e fomos comprar “lembrancinhas” para nós e para família. Conhecemos a tal de Mercado Las Brujas e adjacentes...encontramos bastante coisa, mas é um pouco caro. Em Villazon, uyuni, e principalmente em Tilcara, encontramos preços bem melhores. Tiawanaco Após as rápidas compras demos adeus a cidade de La Paz, subimos suas encostas até chegar a El Alto e dali partimos para visitar as ruínas de Tiawanaco. Foi tranquilo encontrar, mas ficamos surpresos com o valor da entrada, um pouco salgada demais pela estrutura que oferece, cerca de R$100,00 por pessoa. Mas visitamos o local e é bem interessante. São ruínas muito antigas e estão dispersas por uma área bem grande. Terá que andar bastante para ver tudo, mas é uma oportunidade única de ver algo tão antigo e preservado. Copacabana Após visitar as ruínas de Tiawanaco, seguimos direto para a cidade de Copacabana. Boas estradas nos levam até lá, com alguns pontos em reforma/pavimentação. Ao se aproximar do lago, começamos a serpentear pelas estradas altas da cidade de Tikina, com vista pro lago, até chegarmos à balsa. Lá não tem guichê ou coisa parecida, bastando se aproximar das balsar e perguntar para algum boliviano próximo onde poderíamos embarcar. Ao que parece, cada boliviano por ali tem sua própria balsa e a toca do jeito que lhe convêm. A subida e descida da balsa é um tanto desajeitada e improvisada, mas tudo correu bem e atravessamos sem precisar sair do carro. Após a balsa, mais alguns Km de estrada até chegar a Copacabana. A estrada é muito bonita e tem pontos com mirantes para estacionar e tirar fotos. Em Copacabana nos hospedamos no Hotel La Casa del Sol, de frente para o lago. O hotel tem estacionamento e um bom café da manhã. Mas o quarto estava muito ruim, com vazamento no banheiro, cheiro de mofo e chuveiro com água morna e utilizável apenas em horários pré-definidos. É o tal custo-benefício... A noite saímos para jantar e pode-se encontrar de tudo, comida e artigos, nas ruas ao redor da Plaza Sucre. Não fomos visitar o Cerro Calvário e a Basilica de N. Sra Copacabana, o que considero um erro. No dia seguinte apenas fomos fazer o passeio de um dia à Isla del Sol. Isla del Sol O passeio é barato e a barca que nos leva é confortável. O passeio pode ser contratado na beira do lago, ao lado da estátua do Leme de Barco. A ilha é muito bonita, mas sinceramente esperava mais. Ao chegar na Praia Sul da ilha – Yumani - nos deparamos com as estatuas de Manco e Mama e uma longa escadaria que termina em uma bifurcação para caminhos diferentes da ilha. Pelo caminho diversas tendas de artesanato e moradores locais em seus afazeres diários. A travessia Norte-Sul está bloqueada, então não tem muito o que fazer na ilha a não ser contemplar, tirar algumas fotos e voltar pro barco. Ah, não bebam a água da Fonte Inca da Juventude. Eu sabia do risco de contaminação, mas me atrevi e paguei o preço com forte enjoo e vômitos no dia seguinte... mas bebi Fronteira Bolivia / Peru Após passear pela Isla del Sol e almoçar, partimos em direção ao Peru. A fronteira é bem pertinho de Copacabana. A saída da Bolivia foi rápida, apenas devolvendo os permissos e uma olhadinha do fiscal para conferir o modelo e placa do veículo. Logo após a barreira policial temos a aduana peruana e ali tivemos problemas: Eles exigem o seguro SOAT para o veículo. Não poderia seguir viagem sem ele e só encontraria esse seguro em Yunguio, cerca de 5km a frente. Tive que fazer cara de coitado e prometer muito fazer o seguro para poder seguir com o veiculo, porque até então teria que ir andando ou de tuktuk até a cidade e voltar. O seguro conseguimos contratar em um banco comercial na praça principal da cidade de Yunguyo, por um valor bem barato. De lá, partimos para Puno, dando quase uma meia volta completa no Lago Titicaca. Puno / Isla Taquile Chegamos à Puno já de noite e entramos no primeiro hotel que encontramos. Demos sorte porque era barato, possuía estacionamento externo, café da manhã, ducha caliente e camas confortáveis. E para melhorar, o proprietário também agendava passeios e assim já fechamos para o dia seguinte o tour para Isla Taquile. Umas das vantagens de viajar de carro é a liberdade de escolhas e essa foi acertada. Nosso projeto indicava sair de Copacabana e ir direto até Tacna, no Peru, apenas para pernoitar e partir rumo ao Chile. Mas como estávamos um pouco decepcionados com a Isla del Sol, resolvemos mudar a direção e partimos para Puno. Seria um dia a mais de viagem e alguns gastos extras, mas quem ta na chuva.... Decisão acertada, pois o caminho até puno é muito bonito e a cidade apesar de ter um trânsito horrível, tem boa infraestrutura para turistas. Gostaria de ter tido mais tempo para conhecer seus pontos turísticos. O passeio para Isla Taquile é muito gostoso, bem organizado e interessante. Em uma das grandes ilhas de totora fomos recebidos pelo seu chefe e ali, reunidos em uma grande roda, acomodados em bancos de totora, o chefe nos apresenta a ilha, sua história e costumes. É muito interessante tudo que nos foi contado e não pretendo dar spoiler aqui né. Moquegua De Puno partimos para Tacna, mas devido ao mal-estar devido a “fonte da Juventude” só consegui chegar em Moquegua. O percurso com altitude de cerca de 5000m e muitas curvas foi demais para meu estomago infectado. O resultado disso foi várias paradas em locais inóspitos para vomitar ou apenas tentar brecar o enjoo. Ossos do ofício. Paramos em um hotelzinho de beira de estrada, muito bom por sinal e dormimos o máximo possível. Fronteira Peru / Chile De Moquegua partimos com destino ao Chile. A fronteira fica próxima à cidade de Arica. Uma fronteira bem movimentada por sinal. Estaciona-se o veículo em um grande estacionamento e parte-se para a migração. O Chile é um país bem rigoroso em suas fronteiras, mas essa foi a pior que conhecemos até agora. Antes de pegar a fila 01, é bom atentar-se a uma exigência deles: devemos apresentar uma ficha, não recordo o nome, que vendem na lanchonete do local, no prédio a esquerda. É melhor comprar essa ficha antes de entrar na fila, assim não enfrenta a fila duas vezes... Depois do guichê 1, vai para o 2 dar entrada no veículo e depois trazer o veículo para a fila de inspeção, onde todas as malas deverão ser levadas para outra fila onde passarão pelo scanner. O veículo é vistoriado, mais alguns carimbos e finalmente somos liberados para adentrar. Reserve de uma a duas horas para esses trâmites. Arica / Iquique Em Arica, por ser domingo, não encontrei casa de câmbio aberta. Precisava abastecer e pagar eventuais pedágios, comprar comida, etc. A solução foi ir ao aeroporto e lá sacar no caixa eletrônico. Havia guichê para cambiar, porém aceitavam apenas dólar e euros. Chegamos em Iquique no final de tarde. É uma cidade litorânea pequena, mas muito bonita, acolhedora e tranquila, cercada por dunas de areia de um lado e o oceano do outro. Tem uma bela orla e boa infraestrutura para o turista. Tem shopping, fast food, cassino, parques, feiras de artesanatos e todo tipo de comércio. Também possui diversas casas de câmbio, com ótimas cotações para o real. Humberstone Em nossa última viagem para o Atacama, demos o azar de vir à fábrica fantasma de Humberstone justamente em um feriado e assim batemos a cara na porta. Dessa vez conseguimos entrar e valeu a pena a insistência. O local fica a apenas 45km de Iquique e é incrível para quem curte fotografar e também conhecer um pouco da história. É um patrimônio mundial da humanidade pela Unesco e muito bem preservado pelos chilenos. Custa apenas 3 mil pesos e lá dentro encontrará tendas vendendo souvenirs e até mesmo alugando roupas da época para fotos. Lá poderão ver escolas, maquinários, mercados, açougues e moradias dos antigos funcionários da fábrica de salitre. Imperdível e fica na beira da rodovia que liga San Pedro à Iquique ou Árica. San Pedro de Atacama Outra visita a San Pedro. Sempre um prazer enorme rever a cidade e seu centrinho. Dessa vez apenas como ponto de pernoite em nosso retorno. Aproveitamos para fazer um passeio que não havíamos conseguido ainda, o tour astronômico. O contratamos para a mesma noite que chegamos. O tour iniciou as 21hs e em uma van com mais 7 pessoas partimos para um sitio um pouco afastado do centro. Não achei o local tão afastado assim das luzes artificiais da cidade. O guia tinha excelente conhecimento do mapa celeste e suas características. Nos ensinou bastante coisa. Vale a pena fazer o tour pelo conhecimento adquirido. Eles possuíam 4 telescópios manuais e um eletrônico. Por volta de 23hs o tour termina e a van nos leva de volta ao centro. Nos hospedamos no Hostel Rey Lagarto. Muito bom, recomendamos. Fronteira Chile / Argentina – Paso Sico Hora de dar tchau. Já conhecíamos bem o Paso Jama e dessa vez queríamos conhecer o Paso Sico. Péssima idéia... do lado chileno é tudo uma maravilha, com estradas perfeitas e zero trânsito. E ainda conhecemos, pelo caminho, as lagunas das Piedras Rojas e a maravilhosa Laguna Tuyajto. Valeria a distância percorrida se voltássemos a partir dessa laguna para atravessar por Paso Jama apenas por sua beleza. Mas seguimos em frente e logo terminou o Chile e terminou o asfalto. Veio a aduana e após rápidos trâmites seguimos em frente... A estrada de ripio vai piorando e piorando... não há nada no caminho caso aconteça algo. Se ainda houvesse belas paisagens pelo caminho, mas apenas montes de areia, cactos e pedras pelo caminho. São cerca de 170km nessa toada. O carro estremece e sofre com as pedras e buracos. No meio do caminho já havia um barulho enorme de lataria batendo na suspensão dianteira. Depois, já em Santos, na oficina para revisão, descobriram uma pedra de uns 7 cm presa na bandeja da suspensão...a culpada de todo barulho que eu já declarava ser amortecedor estourado... Enfim, é uma longa estrada ruim de terra, pedra e buraco, sem atrativos, para chegar a Salta. Paso Jama 10 x 0 Paso Sico. Salta / Corrientes / Foz do Iguaçu De Salta até chegar em casa não houve novidades. Aquela reta interminável da RN 16 até Corrientes e depois muitas curvas até chegar ao nosso país. Visitamos Ciudad del Est para comprar alguns eletrônicos e pernoitamos ainda em Guarapuava antes de ir para Santos. Resumo da Estória Fronteira de Foz do Iguaçu tem mais fila de veículos, porém tem melhor atendimento e estradas do que Dionisio Cerqueira. Vale a pena ir por Foz. Entrar na Bolivia pelo norte da Argentina realmente me pareceu mais seguro e rápido. As estradas são boas e não tivemos qualquer perturbação de policiais. Talvez por Corumbá não tivesse sido assim. O Tour de Uyuni é muito legal. Se você já conheceu todo Atacama, talvez não se impressione tanto com todos os pontos visitados, pois são mais vulcões, lagunas e montanhas. Mas o salar é imperdível. E a experiência como um todo é gratificante e inesquecível. São coisas a se fazer na vida. La Paz merece mais tempo, dinheiro e coragem. Tem muitas aventuras disponíveis. Como estava em família, não pude aproveitar tudo que gostaria, mas queria ter realizado ao menos o trekking pela estrada da morte e a subida ao Huayna Potosi. Mas o monte Chacaltaya é show e vale a visita. Ruínas de Tiawanaco é incrível pela antiguidade das peças e a história envolvida. Fica a critério de cada um. Como estava perto não quis perder a oportunidade. Lago Titicaca é incrível pelo tamanho e pela atmosfera esotérica que o cerca. Parece um lugar com uma energia diferente realmente. Talvez seja influência das estórias ou o marketing envolvido, mas é muito bom estar lá. Ao passar por Puno/Peru, conheçam as ilhas Uros e Taquile. É divertido e curioso. Se você curti fotografia tem o dever de conhecer Humberstone se estiver por perto. Se não for, vá mesmo assim porque é um lugar muito doido, lembra até mesmo um parque de diversões assombrado. O tour astronômico pode ser trocado por uma pesquisa no google e uma fugidinha para um local mais afastado para tirar as fotos com a Via Lactea ao fundo. Mas a explanação do profissional é bem interessante acerca das constelações. Os telescópios não fazem muita diferença na visualização das estrelas. Não é um passeio caro, vale a pena realizar se passar por San Pedro. Paso Sico nunca mais! Mesmo se tivesse um Troller. Sem atrativos ao contrário do Paso Jama. Agora é planejar a próxima !!
  2. 4 pontos
    @Vanessa Aline Olá, as coisas em La Paz acontecem e se fazem no centro da cidade, é o melhor local para se hospedar, pois fica perto das as agencias de turismo, terminal de ônibus, locais para compras, principais hotéis, etc. A verdadeira excelência do povo de La Paz é ali.Uns 99,9% das pessoas que vão a La Paz se hospedam por lá. Sobre questão de segurança, te garanto que não vai lhe acontecer nada, mas sempre é bom ficar de olho em seus itens pessoais em locais públicos. Tenha cuidado apenas com os efeitos da altitude nos primeiros dias, principalmente no primeiro dia, se alimente com alimentos mais leves, beba muita água e descanse. Tem pessoas que não seguiram bem as regras e passaram mal. Até mais.
  3. 4 pontos
    Resolvi escrever este relato pois não vi muitos parecidos. A minha viagem foi sozinho, sem alugar carro (mas alugando bicicleta e pegando caronas) e sem fechar nada com agências antes de ir, em abril de 2019. Essa parte é importante: não precisa fechar nada com agência antes. Pois bem, antes de ir, pedi orçamentos para várias agências que achara na internet e o que eles me mandaram me espantou, era tudo extremamente caro! Coisas como: Circuito das Cachoeiras por R$220 + R$180 do transporte; R$320 o trecho Cuiabá-Chapada (sendo que o ônibus urbano custa R$18), queriam cobrar até por passeio no parque que é de graça! Não tive coragem de reservar nada antes, até viajei desanimado para resolver tudo na cidade. Felizmente, tudo deu certo e saiu bem mais barato do que se tivesse fechado com agência. Chegando ao aeroporto, que fica em Várzea Grande, peguei Uber até a rodoviária de Cuiabá, R$25. Na rodo, peguei um bus urbano da CMT (tem da Rubi tbm) por R$18 até a Chapada dos Guimarães (este é o nome do município, não é só do parque ou da região). Os ônibus saem a cada 1:30h. O Parque Nacional da Chapada dos Guimarães fica antes da cidade com mesmo nome e desci lá, onde conheci três cachoeiras sem precisar de guia e sem pagar: Véu da Noiva (só mirante), dos Namorados e Cachoeirinha. A água estava barrenta, mas o poço era bom para banho e as quedas eram altas. Anda-se bem pouco para cada uma delas. Minha intenção era ir para cachoeira da Salgadeira, dali são 6km, mas achei arriscado andar pela estrada sem acostamento. Fiquei esperando o ônibus, pedi algumas caronas e quem acabou parando foi uma família que parou sem eu pedir, eles também estavam saindo do parque e haviam me visto lá. Pelo que percebi, pedir carona é comum lá, pois o parque fica a 12km da cidade. Fui pro hostel, onde me indicaram a guia Camila (65-996110587), entrei em contato com ela e com outras dos sites: http://www.chapadamt.com.br/guiasdeturismo.asp http://www.ecobooking.com.br/Relacao_guias_autorizados.php?XXtrE=v3vbnqw03mgj17ydlzef Isso foi bom, os preços direto com os guias eram MUITO mais baratos, inclusive se precisasse de transporte. Fiquei no Hostel Chapada, R$50 por noite, bem localizado, perto da praça. No dia seguinte, resolvi alugar uma bike na Bike e Cia, por R$30 o dia, para ir a cachoeira do Marimbondo e da Geladeira, que ficam próximas uma da outra e cerca de 15km, ida e volta, do centro. Pra ir foi tranquilo. Na cachoeira do Marimbondo, paga-se R$10 para entrar e anda bem pouco, uns 300 metros. Cachoeira larga, com um poço raso, mas gostosa. Fiquei 1h e fui pra da Geladeira, 1km dali, paga-se mais R$10 e anda uns 600m. É a cachoeira mais bonita que fui na chapada: água verde, queda gostosa, poço bom para banho. Fiquei um tempo. Pensei em ir até a Cachoeira Rica, mas descobri que, apesar do nome, não tem cachoeira! É só um vilarejo! Ainda bem que não fui, são uns 30km de lá. A volta foi um pouco cansativa mesmo nos pontos que não pareciam subida íngreme. Depois, ainda fui ao mirante Morro dos Ventos, tem uma bonita vista de campos e até uma cachoeira na lateral, entrada R$5. Rodei cerca de 20km de bike no total. Comi massa no Pomodori, muito boa (um pouco caro)! No 3º dia, peguei carona com um cara do hostel que havia alugado carro, aí baixou quinze reais no preço do passeio Circuito das Cachoeiras, no final, paguei R$85. Tinha agência cobrando R$220 pelo passeio mais R$180 pelo transporte! Transporte que era de apenas 12km! Este passeio, Circuito das Cachoeiras, ocorre no Parque Nacional (cuja entrada não é paga), mas só pode ser feita com guia. Consiste em 8km passando por várias cachoeiras (eles falam 7, mas acho que não...). A melhor é a última: das Andorinhas, super alta e bom poço pra banho. Vale a pena! Depois, ainda deu tempo de ir até a Salgadeira (R$15 por carro) de carona, esse lugar passou por uma demorada reforma e manipularam até a cachoeira concretando a parede dela. Comi pizza na Marguerita, muito boa, mas um pouco cara. Dia 4: no dia do Circuito das Cachoeiras, conheci um cara gente boa que também tinha alugado carro em Cuiabá. Aproveitei e fui junto com ele para a cachoeira da Martinha (R$10 o estacionamento). Neste caso, se não tivesse ido de carona, teria ido de ônibus urbano (o mesmo que sai de Cuiabá em direção a Campo Verde). Disseram que essa cachoeira é tipo um "piscinão de Ramos", farofada e tal, no dia que eu fui, sábado de manhã, estava bem vazio, mas parece quem muita gente faz churrasco lá, até porque é de graça. Cachoeira muito boa, grande, larga e super forte! Correnteza boa para boia-cross e para nadar. De lá, fomos para a cachoeira Jamacá (R$20 por pessoa), que no Glooglemaps aparece como Quilombo do Alemão. Esse alemão é o Mário, um naturalista que lutou pela demarcação do parque. A cachoeira é alta e forte com poço muito raso para nadar. Lugar bacana. Almoçamos, por volta das 14h, no restaurante Maná, comida bem simples, parece que o local nem abriu oficialmente. Esse dia terminou cedo. Jantei sozinho no Cavii, comi um ótimo hambúrguer com coalhada seca e pesto, entre outros. Domingo, último dia, fui até a bicicletaria e estava fechada. Resolvi ir a pé até a cachoeira gratuita do Nonhô (acho que é isso, se não, é Nhonhô), 5km, localizada próxima ao supermercado Pelé e a pastelaria Lhufas, entre a placa azul de "Bem-vindo" e um outdoor, a cerca está caída e tem uma trilha. Fui perguntando, perguntando e cheguei a trilha, desci até a cachoeira. É pequena e não muito alta, mas gostosa para se refrescar. Fiquei pouco tempo, pois queria ir até a cachoeira da Tartaruga. Na estrada, pedi carona e o segundo carro que passou parou prontamente. Ele passou pela bicicletaria, estava aberta (no domingo, ele abre quando liga pra ele), então resolvi descer. Mais R$30 pelo aluguel, andei 3,5km até a porteira do sítio (tem no Googlemaps), tive que passar a bike por cima e andar mais uns 3km. Obs: muitos guias me falaram que tem cachoeira em propriedade particular, mas pode pular a porteira, a cerca e ir tranquilamente, esta era uma delas. A cachoeira da Tartaruga fica quase no final da estrada de terra, quando começa o gramado, à direita. A cachoeira é alta, com pouco volume de água, poço bom para banho. Ainda deu tempo de comer no Trapiche Regionalíssimo, por kg, cerca de R$54, comida muito gostosa. Peguei bus para Cuiabá. De lá, peguei Uber para o aeroporto. A região tem muitas cachoeiras e muitas nem podem ser visitadas. Acredito também que algumas sejam pequenas e simples. Algumas que não precisam de guia e fiquei sem conhecer: do Segredo, da Bailarina, do Índio, Águas do Cerrados (trekking). Outros passeios que precisam de guia (mas não feche com agências antes, fale direto com os guias): São Jerônimo, Vale do Rio Claro, Cidade de Pedras, Águas do Cerrado, caverna Aroe-Jari. Se quiser ir para Nobres (bate e volta), aí tem que fechar com alguma agência, parece que custa R$250, ou se informar com guias.
  4. 3 pontos
    Fiz um bate e volta em Cunha, no interior de São Paulo. Levei quase 4 horas para chegar, e fui direto pra Pedra da Macela, na madrugada mesmo. Fiz a trilha bem rápido, pois não queria chegar lá em cima com o Sol já nascendo. A trilha é fácil, sem obstáculos, somente tem uma subida bem puxada, que faz qualquer um ter dor na panturrilha, mas nada que um tempinho parado não resolva. Dá entre quase 3km de subida! Chegando lá em cima, encontrei um lugar lotadíssimo, praticamente sem lugar para assistir o por do sol. Barracas, violões, cachorros passando frio, e pessoas tentando achar um lugar pra tirar uma foto e ver o nascer do Sol. Vídeo da viagem: A vista de lá é linda, e vale totalmente a subida. Além de que a noite as estrelas são um espetáculo a parte. Dá pra ver Angra dos Reis, Paraty, etc. Sofri a semana toda com medo do tempo não estar bom, mas estava perfeito para um nascer do Sol. Fiquei até 7:20 e desci. Fui tomar um café na cidade, e parti pra Cachoeira do Pimenta. A estrada é tranquila, e o carro chega até a cachoeira, que por sinal é linda! tem 3 quedas, e fazendo uma pequeno trilha de 1 minuto, você chega na mais bonita delas. Estava bem vazia, e deu pra aproveitar bem. Voltei pra cidade, almocei, e fui para o Lavandário de Cunha, uma plantação de Lavanda, Alecrim e outras coisas. Entrada: 10 reais por pessoa. A vista de lá é linda! O céu estava muito azul, e fiquei dando uma volta por lá, vendo as abelhas, as plantinhas, e pensando que moraria fácil num lugar como aquele. É um pouco corrido e cansativo, mas vale a pena fazer as 3 atrações no mesmo dia!
  5. 3 pontos
    Se puder, recomendo muito que faça esse trecho diurno A estrada entre Mendoza e Santiago é uma das mais bonitas da América do Sul
  6. 3 pontos
    Fiquei 2 dias nesse bairro, de Sopocachi, também pelo AIRBNB. Esse bairro é quase o centro.
  7. 3 pontos
    Uns 20 dias atrás fiquei num Airbnb no bairro de Sopocachi, na Av. 20 de Octubre. O bairro é ótimo, relativamente calmo (comparado com o centro), com muitas opções de restaurantes bons, teleférico perto, praças bonitas e fica a uns 20 minutos de caminhada pro centro. Como não tenho problema nenhum em caminhar (ao contrário, gosto muito), foi uma ótima opção pra mim.
  8. 3 pontos
    Vá sem medo. Na Bolívia, você sente a sensação de segurança. Fiquei hospedada no centro, é pertinho de tudo. Muito tranquilo o centro de La Paz.
  9. 3 pontos
    Fica no centro, acabei de voltar da Bolívia. O centro é tranquilo e está perto de tudo. O povo boliviano é muito hospitaleiro, então não terás problema algum, a não ser com a altitude, que podes resolver com o chá da folha de coca ou mascando a folha, deixando na boca mesmo. A segurança é MIL % melhor que em várias cidades no Brasil. Fui, gostei e amei, tanto que pretendo voltar. Os passeios eu acredito que você já tenha feito as pesquisas, caso ainda tenhas dúvidas, é só perguntar.
  10. 2 pontos
    A ideia original do Airbnb era muito boa, as pessoas poderem oferecer um quarto da sua casa para locação, complementar a sua renda e fazer amizades, ou então alugar a sua casa inteira enquanto você mesmo está de férias em outro local. Mas a ideia original acabou quase totalmente desvirtuada quando o pessoal do mercado imobiliário descobriu que podia usar a plataforma a seu favor como uma forma de evadir tributos. Agora virou um negócio puro e simples, onde o objetivo é conseguir o maior lucro possível, não importa a qual custo ou prejuízo que isto cause a sociedade. O Airbnb no geral não contribui em nada para a cidade, só enche a cidade de turistas que sujam tudo, sobre-carregam o sistema de transporte e segurança, que em sua maioria não gastam quase nada na cidade, não geram empregos nos hotéis, bares e restaurantes, ou seja, só explora a cidade, sem retribuir nada para a cidade por meio de tributos ou empregos. Ou seja, em termos de turismo, airbnb é um péssimo negócio para qualquer cidade turística, tanto que muitas cidades turísticas no mundo inteiro estão se mexendo e criando leis "anti-airbnb". Mas como o mundo está numa constante revolução, com as coisas mudando rapidamente, pode ser que a tendência de hospedagem no futuro próximo seja hospedagem no estilo airbnb mesmo, mas se isto vai se mostrar sustentável do modo atual a longo prazo, só saberemos daqui a 20 ou 30 anos, ai saberemos se foi a pior coisa que poderia ter surgido e "destruiu cidades" ou se as cidades conseguiram se adaptar a isto...
  11. 2 pontos
    Já fiquei em Airbnb algumas vezes e foi tudo ótimo. Mas lendo artigos e reportagens sobre o assunto eu acabei repensando. A gentrificação que esse tipo de negócio causa é surreal. Li que em Veneza até 2030 não existirá nenhum morador nativo morando, vai ser uma cidade basicamente de alugueis turísticos. Essa especulação eleva os alugueis a um nível que nenhuma pessoa consegue mais pagar para morar. É triste e predatório. Nas minhas próximas viagens creio que vou optar por hostels mesmo.
  12. 2 pontos
    A parte mais chata do Airbnb e similares é que muitas vezes o horário de check-in e check-out é bem restrito, o que pode complicar um monte a sua vida no dia da chegada ou da partida, então confira direitinho esta parte. Pessoalmente eu não uso Airbnb e similares para reservar hospedagem em grandes cidades, eu acho o modelo de negócio deles eticamente questionável e muito prejudicial a população de baixa renda da cidade, aqui onde eu resido na Alemanha, praticamente todos os moradores estão sendo afetados negativamente pelos efeitos negativos do Airbnb. Mas como cada um faz o que sua consciência permitir, faça o que achar melhor, eu só pediria para você dar uma lida na reportagem abaixo e desse uma refletida sobre o assunto: https://www.goethe.de/ins/br/pt/kul/mag/21251332.html
  13. 2 pontos
    Galera cheguei ontem de viagem e está tudo fresco em minha memória. Este post é direcionado a mochileiros mas aproveitem que tem dicas para todos. Meu objetivo é fazer um post completo, com muitas informações e indicar todos que me ajudaram. Utilizei esse site para ler muito relatos e fazer essa viagem mas quase tudo que postarei aprendi na estrada, estando na chapada. Eu parti no dia 01/06/2019 (bem recente) e contactei alguns guias locais para pegar dicas e o luan 061 99854-3912 GUIA de alto paraiso me ajudou bastante. O guia COLECI 061 99809-3603 me cedeu informações excelentes e eu pude começar a minha viagem. Ele me passou um numero de telefone de lotação( pessoal de cavalcante que trabalha levando pessoas e buscando em Brasília) Nildo 061 9962-6311, é o cara desse translado. Além da Pousada Sol onde paguei apenas 40,00 (quarto de solteiro individual com banheiro, tv, wi-fi e ventilador). Saí de Nova Friburgo em direção ao Rio de janeiro no sábado (1/6) e lá embarquei as 16:30 no ônibus da ÚTIL (252,00) que me levou para Brasília e cheguei às 10:20 (2/6). Esperei uns 20 minutos e o Dinei motorista do Nildo me buscou e logo em seguida pegou outras pessoas para levar a Cavalcante ( Paguei 80,00 e valeu muito a pena pq é longe e eu não consegui carona no gp do face por ser domingo). Essas lotações buscam as pessoas em qualquer lugar e deixa direto no local de hospedagem. Fui muito bem recebido na Pousada Sol 062 9634-6132. Estando em Cavalcante entrei em contato novamente com dois guias com quem eu ja havia conversado antes pelo zap para eu acertar meu roteiro por esse local conhecido como a cidade das cachoeiras. ZEZINHO 062 9689-4358 e TOTA 062 9673-0765. A orientação foi que no dia seguinte eu me dirigisse ao CAT (CENTRO DE TENDIMENTO AO TURISTA) pois alguns turistas passavam por lá para contratar guias e pegar orientações. Caso alguns desses tivessem vaga no carro e aceitassem que eu agrupasse, eu conseguiria dividir os gastos do passeio e somar com esse grupo. Porém cheguei as 07:00 (03/6) e aguardei até as 08:30, sem sucesso. Liguei para o ZEZINHO e ele aceitou me levar de moto até o território KALUNGA para conhecer as cachoeiras e assim começa meu primeiro dia desbravando por esse local. A cachoeira Santa Barbara está nesse território e fica a 27km da cidade de cavalcante (estrada de chão, não tão boa). Fiz esse trajeto na garupa da moto. Cabe ressaltar que a todo momento os guias me ofereceram moto e carro emprestados (algo que não seria comum na minha região) para eu chegar aos ponto turisticos e lá contratar outro guia. Não achei justo e conversei para que eles me conduzissem e assim eu pagasse a diaria de cada um deles. Dessa forma, ZEZINHO me conduziu e lá pude conhecer as 3 cachoeiras (Candaru, Sta Barbara e Capivara) normalmente os grupos fazem apenas duas, e eu consegui fazer as 3. Ele me cobrou 160,00 para as 3 cachoeiras (claro, que se eu estivesse em grupo, eu teria dividido esse valor) e apenas 20,00 de combustível para sua moto. Quebrou meu galho pois ja estava ficando tarde para eu conhecer aquele local. Conheci também o Mirante da Nova Aurora que fica nesse caminho e a 13 km de cavalcante. Aprendi que era nesse local que os escravos fugiam e seguiam através do rio para não deixarem rastros. Eles observavam a grande área e quando alguém estivesse por perto, eles se escondiam. Subiram o rio e assim se instalaram num local longe daqueles que os escravizavam. Voltei para a pousada no fim do dia e descansei para o próximo dia.
  14. 2 pontos
    Hostil...analfabetos...peixeira...é osso ver que em pleno 2019 o sertão ainda carregue tais estigmas. Quanta bobagem! O sertão nordestino é uma vasta e imensa região com atrativos os mais múltiplos possíveis, para todos os gostos, bolsos, dificuldade ou facilidade de acesso e turismo. Das rotas consolidadas o colega já citou aí acima a rota do cangaço e os cânions do São Francisco entre Alagoas, Sergipe e Bahia. Tem ainda perto Paulo Afonso/BA com vários atrativos legais. Em Pernambuco tem cidades muito legais e festivais culturais que vão muito além do forró como Pajeú, Arcoverde, Caruaru, Garanhuns, Serra Talhada e o belíssimo Parque Nacional da Serra do Catimbau (2a maior concentração de sitios arqueológicos do país). No Piauí tem a já famosa e belíssima Serra da Capivara, um dos maiores sítios arqueológicos do mundo e o maior do Brasil, com infraestrutura de dar inveja a parques estrangeiros. Além disso tem os parques nacionais de Sete Cidades e Serra das Confusões. No Rio Grande do Norte tem o Lajedo da Soledade em Apodi, pertinho de Mossoró. Na Paraíba tem o Lajedo do Pai Mateus, Boqueirão, Cabeceiras - a Roliúde Nordestina, cidade cenário de vários filmes e séries como Auto da Compadecida, Cinemas Aspirinas e Urubus, Onde os Fracos não tem Vez. Tem ainda Patos com o seu Vale dos Dinossauros, parque com vestígios de dinos. Em Ingá tem a misteriosa Pedra do Ingá. Em Monteiro tem festivais culturais e feiras literárias, onde nasceu a literatura de cordel. No Ceará tem a enorme cidade de Juazeiro do Norte com turismo além do religioso (padim ciço) e todo o entorno com cidades coloniais e a belíssima Chapada do Araripe e suas cachoeiras e sítios arqueológicos. Na Bahia tem as cidades e vilas da região de Canudos, com ecoturismo e turismo cultural forte. Sobradinho e seu imenso lago, Petrolina em Pernambuco e Juazeiro da Bahia. Morro do chapéu e a chapada Diamantina. Enfim..Tem um universo de coisas para todos os gostos. Mas esqueça a cena de faroeste que o colega aí acima colocou. O sertão é muito mais além ❤️ P.s. tem ainda o sertão de Minas que também é enorme e rico em natureza e cultura. Procure sobre o parque Nacional do grande sertão veredas.
  15. 2 pontos
    Olá mochileiros! Mais uma vez esse fórum me ajudou muito e minha viagem de 10 dias pelo Chile foi excelente, graças às ótimas dicas adquiridas por aqui. Nada mais justo que retribuir escrevendo meu relato, não é mesmo? Vou tentar detalhar o máximo possível todas as informações, pois é sempre bom ter novas atualizações sobre como andam as coisas em terras chilenas. A viagem foi realizada entre os dias 19/04/2019 e 28/04/2019 e fomos em duas pessoas, então alguns gastos serão colocados de forma individual e outros para duas pessoas. Primeiramente, gostaria de agradecer aos membros que responderam minhas dúvidas em alguns tópicos que criei pedindo ajuda, e alguns relatos que foram fundamentais para ajudar na montagem do meu roteiro.Em especial @filiperocha, @karinerribeiro e @Elder Walker, muito obrigado, seus respectivos relatos ajudaram muito. A viagem não foi a mais econômica, mas também não foi a mais cara. Estou de férias e não estava disposto a abrir mão de alguns confortos e apreciar uma boa comida típica (adoro experimentar a gastronomia local dos lugares), então seria possível sim fazer uma viagem mais barata. Uma breve introdução, eu marquei minhas férias em novembro do ano passado para abril deste ano e já comecei a pesquisar um destino para ir. Geografia e História são duas coisas que me fascinam desde criança e durante o Black Friday surgiu uma promoção de passagens para Santiago. Pensei: Por que não conhecer o país mais sísmico do mundo, poder ir a Cordilheira dos Andes e esticar até o Deserto de Atacama, que é geografia pura? Não deu outra: Comprei duas passagens, para mim e meu companheiro. A partir daí, começou o planejamento de roteiro, busca a hospedagens, leitura de relatos e uma ansiedade total para chegar logo o dia da viagem. Dividi a quantidade de dias de maneira justa e foi ótimo, pois conseguimos aproveitar bem os locais de maneira plena. Vamos aos detalhes! PASSAGENS Paguei R$ 645,00 em cada passagem com taxas para o trecho SP - SANTIAGO - ida e volta, no Black Friday (antes disso estava por volta de R$ 800,00), com a GOL. As passagens para Calama preferi comprar a parte, pois a opção múltiplos destinos encarecia muito o valor total. Os trechos entre Santiago e Calama sairam por R$ 225,00 ida e volta (tinha mais baratos, até por R$ 145,00, mas não atendia aos horários que eu queria) com a Latam, ou LAN CHILE. DICA: Compre as passagens para Calama diretamente no site da Sky Airlines Chile ou da LAN CHILE, pois são mais baratos que se compradas nos sites brasileiros das companhias. A única diferença é que o cartão de crédito usado na compra deve ser internacional obrigatoriamente e não é possível parcelar. O valor é à vista. DOCUMENTOS Muita gente tem dúvida sobre a entrada nos países somente com RG. Bom, não levei passaporte, fui apenas com RG e deu tudo certo, mas uma coisa é fato: a foto tem que estar reconhecível. Na imigração em Santiago perguntaram apenas o motivo da minha ida ao Chile e o local da hospedagem em Santiago. De resto, não houve qualquer problema com RG, peguei voo interno somente com ele e foi tranquilo. HOSPEDAGENS As hospedagens em Santiago são bem caras. Cotei alguns hostels e hotéis antes e os preços estavam além do que eu estava disposto a pagar para duas pessoas. Eis que surge a ideia de pesquisar no Airbnb e fechamos um apartamento no centro, próximo a maioria dos pontos turísticos, casas de cambio, restaurantes e mercados. Saiu R$ 607,00 para duas pessoas por cinco dias (R$ 60,00 a diária p/p). Apartamento confortável, com utensílios básicos de cozinha, recepção 24 horas. RECOMENDO pesquisar Airbnb antes de fechar hotel em Santiago. Em San Pedro de Atacama ficamos no Hostal Mamatierra (indicação do Filipe aqui no fórum): RECOMENDO, tão bom que parece até hotel. Café da manhã bem servido, camas confortáveis, staff atencioso, água disponível o dia todo (uma grande economia no deserto), chuveiros quentes, limpeza nota 10. Ressalto que hospedagem no Atacama, assim como tudo por lá, é caro devido a localização em uma região bem inóspita. Não lembro o valor total da hospedagem, mas não foi dos mais baratos. SEGURANÇA Li muito antes de ir sobre os famosos furtos em Santiago e os golpes de taxistas. Não usei taxi em nenhum momento justamente para prevenir. Sobre os furtos, em nenhum momento de senti inseguro em Santiago. Lógico que estive sempre de olho em meus pertences, mochila na frente, dinheiro e documentos na doleira, enfim, o negócio é não dar bobeira. Santiago é uma cidade grande e não ter acontecido comigo, não quer dizer que não ocorram casos de furtos. San Pedro de Atacama é um sossego total, andavámos tarde da noite pelas ruas e não vimos nada suspeito. TRANSFER PARA O SAN PEDRO Outro tópico que me deixou em dúvida. Li muitas reclamações sobre as empresas de transfer em relação ao cumprimento de horários. Várias pessoas se queixando que a empresa não passou no horário combinado no retorno a Calama, ou simplesmente passou antes, enfim, fiquei bastante preocupado porque meu voo de volta para Santiago no dia 28 era bem cedo (08:15) e depois do almoço já tinha meu voo de volta para o Brasil também (14:20). Acabei fechando aqui no Brasil com a Transfer Pampa e RECOMENDO. Cumpriram os horários com pontualidade e as vans eram confortáveis. O QUE LEVEI? Em uma viagem para o Chile deve-se levar um pouco de tudo, principalmente por conta do clima. No Atacama é tudo muito extremo e muda muito rápido, o frio de manhã e a noite é grande e durante a tarde o sol queima com facilidade. Em Santiago o clima estava fresco, com manhãs frias e tardes agradáveis. Resumindo, usei casaco todos os dias (mas repare que estou falando do clima especificamente de outono. Para o Atacama creio que sirva para o ano todo). 1 casaco grosso (usei muito) 1 blusa de moletom 1 jaqueta (tipo aquelas pretas de motoqueiro, bom para usar em final de tarde no Atacama) 1 fleece (SUPER ÚTIL no passeio dos geiseres e lagunas antiplânicas) 2 calças jeans 1 calça de moletom 2 calças de tactel (SUPER ÚTEIS nos passeios com muita areia, como o Valle de La Luna ou algum trajeto de bike) 7 camisetas, sendo 3 dry fit (boas no deserto, pois são frescas) 2 bermudas (uma jeans, que nem usei, e uma de tactel, que usei para pedalar) Meias e cuecas (quantidade vai de cada um) Luvas, cachecol, touca Protetor de rosto (ÚTIL, pegamos uma ventania no Valle de La Luna e isso que nos protegeu da areia) Boné Pasta para documentos Bolsinha de remédios (sempre levo de prevenção, usei eparema e neosaldina apenas) Sorine ou Rinosoro (necessário, tanto Santiago quanto o Atacama estavam bem secos) Protetor Labial e protetor solar (MUITO necessários, até agora minha boca está ferrada por causa da secura) Colirio (levei e nem usei. Leve apenas se tiver problema com olho seco) Itens de higiene pessoal Garrafinha de água de 1 L (no mínimo) Adaptador universal (importante, pois o carregador da minha câmera era com entrada diferente e tive que procurar um adaptador lá) Doleira Bota (comprei uma da timberland e super me atendeu). SEGURO VIAGEM Fiz por prevenção, mas felizmente não precisamos usar. Mondial, R$ 199,00 para duas pessoas. AGÊNCIAS PARA PASSEIOS Outro ponto que me preocupou bastante. Acho que todo mundo que faz uma viagem para um lugar mais distante não quer passar por perrengue em passeios, então pesquisei bem as agências para evitar qualquer tipo de estresse. Contratei passeios em 3 agências em Santiago e no Atacama e todas foram ótimas. Ressalto que no Atacama priorizamos os passeios mais clássicos, e foi um acerto, pois saímos bem satisfeitos com tudo. O Salar de Tara gostariamos de ter feito, mas a agência foi bem clara ao dizer que ele estava fechado e o passeio não estava sendo feito de forma completa. As lagunas que flutuam não eram prioridades, apenas se sobrasse tempo. Segue feedback: SANTIAGO - AGÊNCIA 321 CHILE: Fizemos com eles o passeio Cajon del Maipo/Embalse el Yeso e RECOMENDO. Preço justo, bom guia, picnic completo. ATACAMA - AGÊNCIA 123 ANDES: Fizemos todos os passeios no Atacama com eles. Havia pesquisado algumas antes, lido avaliações no Trip Advisor, mas essa foi a melhor que nos atendeu. RECOMENDO. Bons guias, vans novas, preço justo, pontualidade, café da manhã e almoço bons. ATACAMA - AGÊNCIA TIME TRAVEL ATACAMA: Fizemos o tour astronômico com eles. Cheguei a pesquisar a SPACE, mas não tinha mais vagas. No mais, RECOMENDO MUITO a Time Travel. Ótimo tour astronômico, pontuais, vou detalhar mais a frente. Mas adianto que foi sem dúvida uma das melhores experiências que já tive na vida. ROTEIRO Depois de muitos ajustes, assim ficou o roteiro final: 19/04/2019 - Chegada a Santiago e conhecimento da área 20/04/2019 - Centro de Santiago e Cerro San Cristóbal 21/04/2019 - Vinícola Undurraga 22/04/2019 - Cajon del Maipo/Embalse el Yeso 23/04/2019 - Valparaíso e Viña del Mar (se arrependimento matasse, tinha ido para o Atacama nesse dia) 24/04/2019 - Ida ao Atacama e agendar passeios 25/04/2019 - Lagunas Antiplanicas/mirador Piedras Rojas/Salar de Atacama 26/04/2019 - Geisers del Tatio, Valle de La Luna/La Muerte, Tour Astronômico 27/04/2019 - Pukará de Quitor, descanso a tarde. 28/04/2019 - Retorno ao Brasil Agora sim, vamos ao relato!!! (Juro que vou tentar escrever um tópico por dia kkkkkkkkkkk)
  16. 2 pontos
    Na manhã da 4° feira peguei a lotação novamente as 05:40 e fui para Alto Paraíso (Capital da Chapada dos Veadeiros) e me hospedei no Hostel Aventura que é um dos mais conceituados. fui muito bem recebido e orientado sobre os atrativos. Separei esse dia para conhecer Loquinhas, então deixei minha bagagem e segui para esse local. Andei cerca de 4km e ao chegar pude observar a estrutura para facilitar o acesso ao publico de todas as idades. a trilha é suspensa, feita de madeira e conduz até os poços formado por esse rio. na beirada do poço ainda há uma escada de madeira para que a pessoa possa entrar na água, é um local para ninguém colocar defeito. Paguei 35,00 para conhecer esse atrativo e a minha intenção era seguir na parte da tarde para a Cachoeira dos Cristais porém gostei tanto de Loquinhas que la permaneci o dia inteiro e depois voltei para o Hostel. existe oro circuito chamado de violeta e o local é para contemplação de banho, mas preferi o circuito Loquinhas. Galera, super indico o HOSTEL AVENTURA 062 3446164, beto é muito gente boa e o café da manhã do local é sensacional. O PREÇO era 49,00 mas me deram 10% de desconto por pagar em dinheiro. saiu a 44 reais a diaria.
  17. 2 pontos
  18. 2 pontos
    Olá! Estou indo para La Paz em julho. Gostaria de indicação de bairro pra ficar.😊 Fiz bastante leituras, tenho nomes de bairros, entretanto se alguém que conhece o local puder ajudar agradeço. 🙏 Gostaria de ficar em algum local bem localizado (que não fosse o centro, li que é mais sujo e movimento por lá...não sei se é isso tudo que falam). Alguma sugestão de hostel ou hotel? (limpo, localizado...valor depois olho se é viável) 😃😃 Obrigada!
  19. 2 pontos
    A minha viagem por alguns países do Sul da África iniciou por Johannesburgo, de lá fomos com carro alugado até Lesoto. Voltamos a Johanesburgo e pegamos um voo para Maun – na região do Delta Okavango- no Botswana. Após passarmos pelo Delta do Okavango, fomos ao Parque Chobe no norte do país. De lá cruzamos por terra para o Zimbabwe, na região da Victoria Falls. Após isso, cruzamos a Zambia, desde Livingstone, Lusaka até o Malaui. Chegando no Malaui ficamos na capital chamada Lilongwe e seguimos viagem com carro alugado até Cape Maclear (Monkey Bay)- região sul do Lake Malawi. Voltamos a Lilongwe para pegar um voo a Maputo no Moçambique. Depois cruzamos para a Suazilândia e finalmente voltamos para Johanesburgo finalizando a viagem. ----- Quando comecei a planejar minha viagem à África, pensei imediatamente em alugar um carro. Na minha última viagem à África, visitei a Namíbia e foi muito fácil dirigir por lá. 1) Se você está planejando viajar da África do Sul para o Botswana, eu recomendo fazer um vôo de 1:30 hrs com Botswana Air (de Joanesburgo para Maun) ao invés de dirigir 18 hrs. Você vai economizar muito tempo e o preco da passagem é praticamente igual ao aluguel do carro para 2 pessoas porém são praticamente 2 dias perdidos dirigindo. 2) Um aluguel de carro 4x4 custa aproximadamente US $ 1.300 por semana (incluso 2 taxas de fronteira (Lesoto e Botswana) + entrega do carro em um país diferente) 3)Tenha cuidado para não se confundir com os preços on-line (quando você fizer a pesquisa, ele mostrará somente o preço do aluguel do carro mas você precisa adicionar outros custos a ele). Você precisará pagar pelo aluguel do carro + taxa de devolução em local diferente da retirada + taxas de travessia de fronteira + taxa de contrato. O valor da taxa de devolução do carro em outro país é geralmente o dobro do preço da locação do carro 😖. 4) O melhor GPS para usar na Africa é o Here WeGo: muito simples, é necessario apenas baixar os mapas off-line e pronto, funciona muito bem. De backup baixei os mapas no Google mas não funcionou em alguns países. 5) Nem sempre as empresas sul-africanas têm os melhores preços, entao pesquise. 6) não é aconselhável andar à noite após as 18 hrs e dirigir carros também. A maioria não pára nos semáforos vermelhos. Na África do Sul é por causa de roubo, mas em Botsuana, por exemplo, é por causa dos animais na estrada. Johannesburg - Africa do Sul Chegamos em Johannesburgo e o staff do nosso hotel literalmente começou com o terror sobre a falta de segurança na cidade, que não era recomendado sair sozinho e muito menos após as 18 horas. Ir até o Soweto então sozinhos, nem pensar. Ficamos em um bairro considerado seguro, em Sandtown, bem na Mandela Square (Do aeroporto até Sandtown são 30 km). Não é recomendado ficar na região do centro. Tudo é muito espalhado pela cidade, e como seguiríamos viagem até o Lesoto, fazia sentido alugar um carro. Na verdade, o staff do hotel tinha razão quando falavam sobre a segurança, mas não é uma situação tão alarmante nos pontos turísticos. Acho que eles queriam mesmo é descolar uns $100 dólares de tour guiado. Como não temos esse perfil, fui a procura de um tour daqueles hop on hop off, que pelo menos iria nos levar a todos os pontos principais, e do ônibus teríamos uma ideia se podíamos descer ou não. Resumindo: pagamos 18 dólares (240 Rands) cada ticket e fomos em todos os pontos turísticos exceto Soweto. Há também a opção de ir ao Soweto e o ticket custa o dobro. Apesar de Johannesburgo ser a maior cidade da África do Sul e ser considerada uma cidade de "oportunidades" e expansão nos dias atuais, a grande maioria do comércio fecha entre 16:30 e 18:30 hrs (incluindo lojas e restaurantes dentro de grandes shoppings). Ou seja, precisa se organizar para poder jantar. No dia seguinte decidimos ir com o carro alugado até o Soweto e foi totalmente tranquilo. A rua da Casa do Nelson Mandela é bem turística, tem vários camelôs vendendo souvenirs e alguns cafés. Para estacionar também foi bem tranquilo e sempre aparece gente se oferecendo para cuidar do carro. Soweto é uma área que foi delimitada aos negros durante o Apartheid, portanto o bairro fica no subúrbio de Johannesburgo e é plano. Isso diferencia bastante das favelas que conhecemos no Brasil - as construções se misturam entre casas simples e barracos de metal. Lesoto Você sabia que dentro da África do Sul há 2 países? Um se chama Lesoto e o outro Suazilândia ou Essuatíne (o Rei mudou o nome do país recentemente). "Lesoto, uma país independente mas totalmente dependente da África do Sul" – essa foi a minha conclusão sobre o Lesoto. O solo é muito árido e pobre, além das altas temperaturas e falta de chuvas por longos períodos. A maior parte dos alimentos e outros bens são importados da África do Sul. O reino de Lesoto (ex Basutolândia) se auto-denomina como: "Lesotho, kingdom in the sky" e em Portugues, "Lesoto, O reino no céu". É o único país no mundo em que toda a sua superfície está a mais de 1.000 metros do nível do mar. Algumas nacionalidades possuem isenção de taxa de visto mas os brasileiros devem pagar 150 dolares por um single entry. É bem fácil solicitar o e-visa (http://evisalesotho.com/) Lesoto é relativamente pequeno, possui extensão de um pouco mais de 30.000 km2 e uma populacao de 2,1 milhões. Se você olhar o mapa do país verá que há aglomerações bem espalhadas, tornando difícil a locomoção de uma cidade a outra por transporte público. O comércio no geral fecha muito cedo (entre 17 e 18 hrs) então precisa se planejar. A noite as vias não possuem iluminação! Tem muitos barracos por toda a cidade e a população é muito pobre. Como chegar: 1) De Johannesburgo aluguei um carro. De ônibus é necessário ir até Bloemfontein e de lá pegar outro ônibus até Maseru (capital do Lesoto). Ou também há voos até a capital Maseru. 2) Pagamos 50 dólares x dia em um Toyota Yaris - é necessario pedir um documento que a locadora autoriza o carro entrar em Lesoto. 3) De Johannesburgo são 379 km - aprox 5 hrs. 4) Gasolina custa aprox 1 dolar por litro. 5) Não é necessário um 4x4 pois as estradas são até que OK, mesmo sendo secundárias. Muitas partes com buraco então é recomendável dirigir durante o dia. Algumas estradas de terra com muitas pedras, caso você opte por fazer um mini rally dentro do Lesoto (optamos por alguns quilômetros de rally pois gostamos de aventura 😂) Já imaginou sair de cobertor na rua ??? 😃 O traje tradicional no Lesoto é a manta Basotho, ou seja, um cobertor de lã. Os cobertores estão sempre presentes durante todas as estações, e é usado por homens e mulheres. O país vive da agricultura e criação de ovelhas, então é comum encontrar pessoas vestidas com um cobertor pelas ruas conduzindo ovelhas por exemplo. Delta Okavango - Botswana O Delta Okavango é acessível por via terrestre ou de aérea (você deve voar para Maun em Botswana). Maun é uma cidade bem pequena e há poucas opções de hotéis. Sua infraestrutura é completamente diferente de outros países africanos pois são muito limitados. Por exemplo: você precisa escolher suas refeições com antecedência para que eles possam prepará-las, incluindo café da manhã que na maioria dos hotéis não está incluso na diária. Não espere muito com relação culinária local pois as opções são limitadas. Para passeios você pode escolher entre: 1) Lancha 2) Voos panorâmicos de avião ou helicóptero (helicóptero parece ser a melhor opção porque eles abrem a porta e voam muito mais baixo, possibilitando tirar boas fotos e com a melhor vista) 3) Mokoro (pequenas canoas para 2 pessoas no máximo que cruza pelo rio Okavango). DICA : O passeio de Mokoro é vendido pelos hotéis por US $ 80 por pessoa, no entanto, há uma maneira muito mais barata e fácil de fazê-lo pela metade do preço, além do que, você vai dar o seu dinheiro para os locais em vez dos proprietários do hotel. Primeiro você precisa encontrar o Okavango Kopano Makoro Community Trust (OKMCT) que fica no mesmo pátio da Horizon Helicopters (você pode encontrar no Google Maps). A caminhada é aproximadamente 8 minutos do aeroporto - na mesma estrada! Então lá você vai pagar 68 pulas (usd 6,80) por pessoa para entrar no Boro Gate (há varias entradas para o Rio Okavango e esta é a mais próxima do centro da cidade de Maun). O Boro Gate é 1 h de distância do OKMCT, e é impossível ir sozinho pois você não vai encontrar o seu caminho até lá e não tem nos mapas / gps. Importante: OKMCT não tem transporte para o Boro Gate, mas você pode pedir para eles ajudarem a contratar um carro – no nosso caso, a pessoa que nos atendeu ligou para o marido fazer o transfer – não é necessário 4x4. Primeiramente ela nos passou o preco de um 4x4 de uma agencia de turismo local e era o dobro do preco. Eu disse que era muito caro e nós pagamos 50 dólares para ir e voltar, em carro normal, mas eu acho que você pode negociar mais e chegar nos 40 dólares. Uma vez que você chegar na comunidade do Rio Okavango, você vai pagar 200 pulas (usd 20) para o passeio de Mokoro e mais 25 pulas (usd 2,50) para cada assento (é um assento de plástico para colocar dentro do barco para que seja mais confortável) . Uma vez que o passeio começa você vai passar 1:30 h pelos canais do rio até chegar um local para o safari a pé, que leva tambem aprox 1 hora de caminhada e mais 1:30 h para voltar. Certifique-se de chegar cedo para que você tenha mais chances de ver os animais, traga protetor solar, repelente, muita água, comida e um chapéu (as canoas são abertas e é muito sol) Chobe Park - Botswana De Maun nós pegamos uma van na rodoviária para a cidade de Nata. São 295 km - 4:30 hrs, custa 80 pulas (usd por pessoa e partiu às 9 am / chegou às 1:30 pm. De Nata você precisa pegar outra van para Kasane, são mais 307 km, custa 84 pulas (usd 8,40) e são mais 3:30 h de carro. Partiu às 1:30 pm / chegou às 5 da tarde. De alguma forma eles foram organizados e assim que chegamos em Nata, havia outra van esperando para Kasane. No Botswana você não encontrará informações fáceis, parece que as pessoas não estão interessadas em ajudar ou elas simplesmente não se importam. Também é difícil encontrar informações on-line. Horários de ônibus também são impossíveis de encontrar, mesmo na "rodoviária", porque é apenas um posto de ônibus /van. Indo para Chobe Park você tem 3 opções: 1) Reserve um hotel na área de Savuti, onde os preços são muito altos - min Usd 400 por dia e você precisará pagar um vôo para chegar lá. A maioria das tarifas dos hotéis desta área inclui o voo. Savuti está localizada na área leste de Chobe, é savana, área alagada e não recomenda-se ir por conta e nem mesmo em 4x4. 2) Se não quiser voar e tiver tempo, é possível fazer um safari móvel. Você pode chegar em Maun e com o safari móvel seguir em direção ao Savuti fazendo safaris pelo caminho. 3) Opção mais em conta: Reserve um hotel perto de Kasane e visite a parte norte do Parque Chobe. Os preços dos hotéis variam e você pode escolher aquele que atenda às suas expectativas. Descobrimos o melhor hotel até agora com comida de qualidade, quartos incríveis e o nome é The Old House – fica em Kasane. Zimbabwe Do nosso hotel em Kasane (Botswana) usamos a companhia Wild Horizons para nos levar para a fronteira com o Zimbabwe (15 min de carro) para podermos emitir o visto Kaza Univisa (custo de 50 pp para ambos os países - Zimbábue e Zâmbia, e é válido por 1 mês). Depois disso, pegamos outra van já do lado do Zimbábue para ir a Victoria Falls. (Mais 60 km). O ticket para entrar na Victoria Falls do lado do Zimbabwe custa USD 30 pp. Uma das 7 maravilhas naturais do mundo, a Victoria Falls fica entre o Zimbabwe e a Zambia e ganhou este nome de David Livingstone, que foi o primeiro europeu a ve-las em 1855 e homenageou a rainha da época com o seu nome, Victoria. Victoria Falls é a maior queda d'agua do mundo com 1,7 km de extensão no cânion do Rio Zambezi. O volume de agua é de 1 milhao de litros x segundo e as quedas chegam a 128 metros. Zâmbia - Livingstone De Victoria Falls no Zimbábue você deve apenas caminhar até a fronteira para obter o seu carimbo de saída do país. Caminhar mais 1,5 km até à fronteira com a Zâmbia e obter o seu carimbo de entrada. A melhor taxa de câmbio é na fronteira, por isso não perca. Você pode pegar um táxi por 60 kwacha zambiano ou cerca de 6 dólares para o centro de Livingstone, que é cerca de 11 km da fronteira. A cidade em si não tem muito a oferecer, mas é muito mais barata que Vic Falls. Você pode visitar o mercado local para comprar souvenirs. A maior parte dos turistas visitam a Zâmbia para conhecer a Devils Pool ou a Angels Pool (dependendo da época, a Devils pool esta fechada devido ao volume de agua, então eles oferecem outra piscina natural que é a Angels Pool). Na Devils pool os turistas tiram a famosa foto bem na borda da catarata, em uma piscina natural que se forma antes da queda. A entrada para o parque é USD 105 pp 😮 !!!! E você precisa ter um guia. O passeio de Livingstone, ida e volta, fica por USD 125 pp. Outra opção de passeio é o The Elephant Café, que custa usd 185 pp para tomar um café da manhã ou almoço e interagir com os elefantes. Precisa reservar com antecedência pois servem um numero limitado de pessoas. Zâmbia - Lusaka De Livingstone para Lusaka de ônibus (melhor opção disponível) é cerca de 8 horas e custou usd 20 pp. O ônibus sai às 9 horas e chegar às 17:30 aprox. Tivemos a sorte de ter a/c no ônibus, mas eles param muitas vezes no caminho para deixar as pessoas em pequenas cidades ou na estrada. Lusaka tambem nao tem muito a oferecer. A Zambia em si é um pais com poucos atrativos e recentemente se conscientizaram com relacao a caça de animais. Portanto estao introduzindo novamente alguns animais aos parques nacionais. Malawi - Lilongwe Em 2005 foi considerado o país mais pobre do mundo e hoje está em 4o lugar no ranking com a ajuda do FMI, Banco Mundial e a melhora da economia local que é basicamente agricultura (apesar do clima seco e árido - pelo caminho muitas áreas de plantação de milho e tabaco). O Malawi foi devastado pelo virus da AIDS e tem mais de 1 milhão de crianças órfãs pela doença. Mais de 40% da população vive com menos de USD 1,20 por dia. Lilongwe é a capital do Malawi, eu fiquei extremamente assustada com a pobreza daqui. De Lusaka a Lilongwe (Malawi) são 12 horas de viagem de ônibus (parte às 6h - chega às 18h), custa usd 39 pp com o Kobs Bus Service. No caminho, eles oferecem um pacote de biscoitos e um 7up. O ônibus para em torno de 10 vezes no caminho. Os brasileiros pagam usd 75 pp pelo visto de turista - tentei obter o vistoa de trânsito que custa usd 50, mas não permitiram. Recomendacao de Hotel: Hotel Kiboko – naohá muitas opções e pelo o que pesquisei era o melhor custo beneficio. Malawi - Cape Maclear De Lilongwe para Cape Maclear foram 4 horas por causa do engarrafamento em Lilongwe além da rota do GPS, que nos levou por caminhos secundários, estradas esburacadas, areas rurais e cheias de buracos. Portanto evite a rota mais rapida no Malaui, prefira a mais longa que é por estradas mais conservadas. Cape Maclear está localizado na Baía dos Macacos, no sul do Lago Malawi. Uma boa dica é sempre ter água e algum lanche em seu carro, porque no caminho você raramente encontrará um lugar decente para comer. Não espere encontrar comida elaborada nessa regiao. Todos os alimentos sao frescos e preparados do zero, então em todo lugar que você for, sua refeição levará cerca de 45 minutos para ficar pronta. Opcoes bem simples, basicamente arroz, feijão, salada, macarrão, peixe, frango ou carne (vaca ou cabra – normalmente pedacos de musculo, nao encontramos nenhum que servisse filé, bife etc). Baobás No caminho encontramos muitos Baobás. O tronco dos baobás adota uma forma de garrafa durante a fase de maturidade, que em geral é estimada pelos 200 anos. Em boas condições estas árvores podem viver até aos 800 ou 1000 anos. A capacidade de armazenamento de água nos tecidos do tronco pode alcançar os 100.000 litros e esta reserva permite a árvore sobreviver às duras condições de seca. Moçambique Nós pegamos um vôo do Malawi - Lilongwe para Maputo. Porém não há vôos diretos e tivemos que fazer escala na África do Sul (Johannesburg) . Maputo é uma cidade grande, o país passou por guerra civil até pouco tempo atras e também nao é tão segura. Como todos os outros países, a recomendação é evitar algumas áreas e não andar depois das 6 da tarde. É possível visitar Maputo em 1 dia completo. Fizemos tudo a pé, fomos em todos os pontos turisticos, e pegamos um tuc tuc até o Marcado de Peixe, onde escolhemos camaroes, polvo e almeijas (vongole) por aprox 20 euros. La mesmo voce contrata um pessoa para cozinhar os frutos do mar. Fique atento ao negociar os precos pois eles querem extorquir o turista. No nosso caso negociamos por 500 miticais tudo e na hora da conta a pessoa veio com os valores totalmente fora !!! Nao pagamos e batemos o pé no preco que haviamos combinado. Apos almoco pegamos uma van local por 12 miticals e nos deixou em frente ao mercado de artesanato. Náo tivemos tempo de fazer a costa , mas vale a pena fazer o litoral. Tem uma barca para a Ilha da Ilhaca que sai proximo ao Forte. É apenas 1 horario na parte da manha e retorno no final da tarde. Suazilândia ou Essuatine De Maputo a Suazilândia (Manzini) tivemos que esperar 5 horas (das 8 da manhã até à 1 da tarde) só para ter a van cheia de passageiros. As vans só saem se tiverem cheias, caso contrario nao vale a pena para eles fazer esse percurso, que é longo. Pagamos 600 meticais por pessoa e a viagem durou uma eternidade, saímos às 13:00 e chegamos às 6 da tarde - fomos parados duas vezes para controle de bagagem. Tem muita gente da Suazilandia que vai a Maputo fazer compras de roupas para vender. Uma vez que estávamos em Manzini, no dia seguinte alugamos um carro na Avis Rent a Car no aeroporto King e nos dirigimos para a Festa da Amarula - oferecida pelo rei para a população. Na festa as mulheres se vestem com roupa tipica, dancam e a noite é oferecido uma bebida feita de amarula (eles chamam de Marula). Há outras festas realizadas pela familia real e é o modo de juntar a populacao local. Ps. De Manzini para o aeroporto, pegamos uma carona com alguns moradores, na caçamba da caminhonete por 55 km :) Dados interessantes sobre o país: 1. O atual rei da Suazilândia possui 15 mulheres e 60 filhos 2. O seu antecessor tinha 60 esposas e 200 filhos 3. A cada uma das mulheres ele deve garantir o sustento da casa e dar "presentes" a família. Normalmente o presente é entre 15 e 20 vacas. 4. A fruta não tem nada a ver com o creme de Amarula 5. 26% da população adulta tem HIV 6. Menor pais do hemisfério sul 7. É a 12ª menor expectativa de vida mundial, 58 anos
  20. 2 pontos
    Oi gente!! Estou indo para o Chile nas 2 primeiras semanas de julho. Seria bom ter alguma companhia. Se alguém tiver indo pra lá nesta época, me chama aqui!!
  21. 2 pontos
    Eu acho que já peguei esse vírus kkkkkkkkkk
  22. 2 pontos
    e ae vcs vão mesmo?? vcs são de onde?
  23. 2 pontos
    Comprei em promoção na moon trail americana. A zpacks é excelente eu tenho uma mochila deles a ArcBlast. A questão das barracas Zpacks e serem semi double wall ou seja condensam muito em nosso clima. Segundo ponto tem tido muita reclamação quanto à qualidade das costuras nos últimos meses. Eu eu ainda sou fã de double wall padrão.
  24. 2 pontos
    Certo... Sou mulher tambem, né. Rsrsrs vou entrar os 2 grupos.
  25. 2 pontos
    Esse grupo é somente para mulheres. A Fabi tb tem um de mochileiros solteiros bem legal. https://chat.whatsapp.com/Gl3DMouweEi3XYKWfGIvVX
  26. 2 pontos
    Gente, mulher solteira não precisa de grupinhos para viajar, moços!!! Inclusive no nosso grupo o que mais fazemos é nos encorajarmos a fazermos o que quisermos, acompanhadas ou não! Fazemos viagens sozinhas, com [email protected] e com o grupo! O importante é viajar!
  27. 2 pontos
    @Miriam Santos, gostaria se entrar no grupo... Posso?
  28. 2 pontos
    Cuidado, viajar é um vírus e quando se pega, não tem cura !!! A Bolívia continua sendo um país mais barato para um mochilão, aos brasileiros. Vá com fé.
  29. 2 pontos
    Estou acompanhando o Tópico, pois quero ir a Bolívia, será meu primeiro mochilão, nunca viajei nem a outro estado.
  30. 2 pontos
  31. 2 pontos
    Perdão, você já tinha me respondido.
  32. 2 pontos
    Não tem o que agradecer menina, você faria a mesma coisa por ela, se tivesse na situação que você estava. Acredito que deu para aproveitar os outros dias na Bolívia e Peru. Fostes a Ica ?
  33. 2 pontos
    Envia uma dúzia pra mim. Há, já estou de volta ao Brasil. Mais uma vez, agradeça a sua esposa, tudo que ela fez por mim. Obrigada de coração.
  34. 2 pontos
    Sim, época da safra de tangerina. Gostei muito do preço kkkkkkkkkk e da casca, muito fácil de tirar. As regionais amazônicas, são de casca fina, porém "gruda" nos gomos.
  35. 2 pontos
    @joshilton Certamente é época de safra,como aqui na Europa, cai laranja na cabeça e as ruas estão cheias de laranja,dizem que a qualidade é má,porém se fosse aí,pegavam tudo.kkkkk
  36. 2 pontos
    Olá! Voltei aqui para te agradecer! Segui sua recomendação e passei ótimos dias nesse hotel! Estou recomendado para todos os meus amigos e conhecidos. Obrigada
  37. 2 pontos
    @Miriam Santos tenho um grupo de Mochileiras, só mulheres que fazem viagens de todos os tipos.. se vc quiser entrar será muito bem vinda!! Lá a gente conversa de tudo relacionado a viagens, nos ajudamos, trocamos experiências tanto de viagem quanto de vida!! Segue o link https://chat.whatsapp.com/GFVFhr2jrtlHr5leS0A81a 🦋🌍♥️
  38. 2 pontos
    Forme um grupinho com outras mulheres solteiras que também estejam interessadas em viajar.
  39. 1 ponto
    COM 15 MIL É POSSÍVEL FAZER ESSE ROTEIRO SEM TANTO APERTO? Dia 01: Saída do Brasil Dia 02: Chegada em Madrid (geralmente um dia dia perdido, até você se livrar da imigração e ir pro centro achar o hotel) Dia 03: Madrid Dia 04: bate-volta a Toledo Dia 05: Madrid dia 06: avião para Barcelona Dia 07: Barcelona Dia 08: Barcelona Dia 09: avião pra Londres Dia 10: Londres Dia 11: Londres Dia 12: Londres Dia 13: Londres Dia 14: Trem para Paris no começo da noite Dia 15: Paris Dia 16: Paris Dia 17: Paris Dia 18:Paris Dia 19: viagem para Amsterdã. Dia 20: Amsterdam Dia 21: Amsterdam Dia 22: avião para Suíça Dia 23: Suíça Dia 24: Suíça Dia 25: avião para Milão Dia 26: Milão Dia 27: Milão Dia 28: Milão com bate e volta em Veneza Dia 29: Milão com bate volta em pisa Dia 30: voo para Roma Dia 31: Roma Dia 32: Roma Dia 33:Roma Dia 34: Roma
  40. 1 ponto
    Além do site da cata,tem também o da Andesmar Chile e da Turbus. Não precisa comprar por internet, leve em peso e chegue no terminal um tempo antes. Os dois países são inimigos há décadas,então se odeiam entre eles,é pouca gente vai de um para outro, sobretudo que há muito horário disponível.
  41. 1 ponto
    Então mano, A época que você vai é inverno na Patagônia. rs Tem que acompanhar a previsão do tempo enquanto estiver viajando! Você pode até reservar os campings e tudo mais, porém, por conta do tempo eles podem fechar as trilhas. E sim, tem que reservar os campings, seja os gratuitos ou os pagos! Em El Chaltén vai depender muito do que quer.. eu fiz tudo bate e volta. Mas senti falta de acampar por lá. E eu não sei te falar se tem como ir de Uyuni para Santa Cruz direto! Em 2012 quando fui a primeira vez para o deserto eu fiz a rota Santa Cruz x Sucre (de avião) x Potosi (bus) x Uyuni (bus). Sei que tem voo de Uyuni para La Paz. Dessa vez eu fiz Uyuni x La Paz de ônibus. Eu levei a metade em dinheiro na doleira e a outra no cartão da casa de cambio que era da bandeira mastercard! Já recomendo que bandeira seja de fato Visa.. em muitos lugares não aceitava o mastercard. E leve um cartão reserva.. em Cusco o caixa eletrônico engoliu meu cartão. rs
  42. 1 ponto
    Excelente relato e experiência! Estou querendo fazer essa travessia neste mês. Quero fazer sem guia seguindo o tracklog que vc sugeriu, mas estou com receio por estar viajando sozinho e não tenho experiência com o wikiloc. Acha que consigo encontrar gente no caminho (ou ainda em Canto do Atins) e me juntar a eles? Vale a pena passar duas noites nessas paradas e aproveitar as lagoas ao redor? Se sim, onde sugeriria? Tenho 6 dias para a travessia. inté
  43. 1 ponto
    Olá tudo bem? Melhor você fazer as perguntas de dúvidas por aqui, porque aí respondendo, todo mundo tem acesso e compartilhamos mais informações aos amigos do site. Abraços
  44. 1 ponto
    Oie. Estarei de 28/06 e 04/07 Tenho reservado Firellones e Cajon del Maipo só.
  45. 1 ponto
    @Marcelo Ferreira Freitas tudo bem? Ja tem as datas ja definidas? Tenho interesse nesse roteiro 👍 11 973810195 Abraço!
  46. 1 ponto
    Estou na mesma procura, depois de olhar muito cheguei aos seguintes modelos. DEUTER ZUGSPITZE 24: Tem medidas ideais pra mala de mão e segundo fabricante dá pra levar até 8 Kg. Deuter Transit 40: Maior e mais robusta, porém mais cara. Osprey Farpoint 40: Mesma faixa de preço da Transit 40 mas pelas análises que vi a Deuter é melhor. Estou pensando em comprar pela amazon.es e entregar no meu primeiro destino, onde tenho amigo residente. Sai um pouco mais em conta do que aqui.
  47. 1 ponto
    @gugscarv brother a primeira e principal coisa a se fazer é planejar, planejar e planejar bem por onde quer passar. Quanto mais voce souber melhor sera para evitar as furadas, saber o que fazer quando chegar em cada cidade, etc. Pedir indicaçao de cidades/países é bobagem, ninguem melhor do que vc mesmo pra decidir pra onde quer ir. Eu tenho planos de ir para o Alasca, mas baseado em que eu ti diria pra juntar as coisas ir se mandar pra lá? Nao faz sentido ninguem ti dizer pra onde ir, isso é voce que tem que definir. Faça uma estimativa de quanto voce conseguirá juntar ($$$) até a data da partida, baseado nisso voce montará seu roteiro, definindo quanto tempo poderá ficar e o que fazer em cada cidade. Se voce tem planos de ficar 1 ano na estrada, saia de casa com a grana pra isso ou ao menos mais proximo possivel para que o roteiro seja cumprido. Sair de casa achando que sua grana vai se multiplicar ou que será simples arrumar um trampo no caminho nao e tao facil assim. Ja fiz uma rtw e em muitos lugares o pessoal nao arruma um trampo pra quem nao tem visto pra tal. Em outros lugares onde fazem isso saiba que o trampo sera considerado um sub-emprego onde nem os locais querem daí vao ti jogar la. Em outros países a nossa moeda já vale bem mais que se vc converter vera que ira trabalhar um dia todo pra ganhar 20-30 reais. Nem tudo sao flores mundo a fora, voce ira encontrar muitas pessoas que vao querer ti ajudar e da mesma forma ira encontrar varias que vao querer ti passar a perna. Conforme os dias vao passando voce vai pegando a malacia da coisa. Esteja preparado para todo tipo de imprevisto e boa sorte!
  48. 1 ponto
    Oii gente! Nunca fiz nenhum tipo de mochilao, mas quero muito fazer um mochilao pela América do Sul. Não tenho nenhuma experiência, e tenho pouquissima grana. Não tenho roteiro definido, mas quero passar por Uruguai, Paraguai, Argentina e Chile. Não tenho data pra voltar. Sou de Minas Gerais e gostaria de dicas e companhia 😊
  49. 1 ponto
    Chama no whats man 11 951665070 to querendo tbm
  50. 1 ponto
    Aqui no mochileiros.com tem bastante informação sobre o Vale do Catimbau. Vi vários relatos sobre os atrativos, como localização, onde ficar, etc. Porém não vi muito sobre alguns atrativos específicos que existem no vale, especialmente, a "Grande Muralha". Tomei conhecimento deste lugar através de uma reportagem da Rede Globo Nordeste, feita pelo repórter Francisco José. Aqui no site, há um relato de 2011, que mostra algumas fotos do lugar e dá algumas dicas de como chegar. Sigam o link abaixo: Sou de Recife e já fiz excelentes trilhas aqui no Brasil e America do Sul. Contudo, me dei conta que trilhei muito pouco aqui na minha terra. Escolhi o a Trilha da Grande Muralha no Vale do Catimbau para me redimir, rsrss. Resolvi então pesquisar mais a respeito. Tudo o que achei foi o relato que citei acima. Como é antigo, tentei o contato com as agências e guias que achei no Google. As respostas que tive é que atualmente não seria possível visitar a Muralha, devido ao fato de que o local está dentro de uma reserva indígena. Não satisfeito, entrei no site do ICMBio. Como o vale é um PARNA, com certeza saberiam informar. E foi o que aconteceu. Através dos contatos informados no site do ICMBio, fui atendido e encaminhado ao Ronaldo, uma das lideranças do território Kapinawá (nome da reserva indígena onde se localiza a Grande Muralha). O Ronaldo é um dos professores da escola municipal que funciona dentro da reserva. E também é um guia qualificado que conhece bem a região. Durante o nosso contato, ele confirmou que de fato somente com o acompanhamento do pessoal da aldeia é permitido visitar a Muralha. Agendamos o serviço e no último dia 22/09 fui então finalmente ao Catimbau para fazer a trilha. Marcamos às 8:00 na entrada da vila do Catimbau. Lá o Ronaldo nos aguardava em sua moto e daí o seguimos até o mirante da Grande Muralha. Acertamos os detalhes finais e partimos. Saindo da vila do Catimbau, passando pela entrada da aldeia Kapinawá até o ponto onde começa a trilha, dirigimos em estradas de barro por volta de uma hora. Notem que a paisagem é bem seca, principalmente esta época do ano. Marcamos o encontro às 8:00, por que no mesmo dia saímos de Recife às 4:30. Não foi uma decisão muito sábia, uma vez que atrasamos um pouco e só começamos a trilha passando das 10:00. Para quem vem de Recife, o percurso dura em média 04 horas. Logo, devíamos ter saído após o café da manhã para chegar na hora do almoço, deixando a trilha mais para a parte da tarde, quando o sol já estivesse mais baixo. Fica a dica. Deixamos o carro na melhor sombra que achamos e fomos até o mirante da tão esperada Grande Muralha. O nosso guia Ronaldo nos explicou que a "Grande Muralha" na verdade se chama Serra do Barreiro. Faço questão de ressaltar isso, pois esse é o nome dado a muralha pelos nativos Kapinawás e é assim que a devemos chamar. Essa muralha da Serra do Barreiro é um extenso paredão de pedra que desponta do solo em formato de serrote. Na parte mais baixa do paredão, existem vários sítios arqueológicos ainda bem conservados. O lugar tem um aspecto selvagem e segundo o nosso guia Ronaldo, fomos um dos primeiros a conhecer a região como pessoas comuns. Apenas pesquisadores e antropólogos frequentam o local. A parte de baixo do paredão é cheia de pinturas rupestres. O mato alto da caatinga esconde as gravuras nas cavernas que se formam na base. Nosso guia ia desbravando com um facão o caminho fechado pela vegetação do sertão. Confesso que tenho uma grande satisfação em ter feito esta trilha, pois o aspecto do lugar indica que somente os nativos caminham por lá, dando a sensação de estar num local ainda não descoberto. Gosto de fazer caminhadas autônomas, mas a trilha guiada pelo Ronaldo e seu ajudante Almeida foi realmente bastante enriquecedora. As explicações sobre as pinturas rupestres foi sensacional. Algumas datam de até 4000 anos, segundo relato dos pesquisadores que já estiveram por lá. Pelo fato de serem descendentes dos povos que habitavam esta região a séculos, os guias tentam o tempo todo explicar nos mínimos detalhes todas as tradições e modo de vida dos seus antepassados. Realmente foi uma experiência única. A trilha não se resume a parte de baixo. Seguindo o paredão, após um ganho de elevação de aproximadamente 30 metros, que é a altura da muralha, é possível chegar ao topo. A vista é de tirar o fôlego. A imensidão da caatinga é uma imagem realmente bonita de se ver. Dá para ver bem toda a extensão da "Serra do Barreiro". Tive a certeza que escolhi bem essa trilha. Sem palavras. Para mim, foi de fato um grande privilégio ir a um dos lugares mais inacessíveis do vale. A trilha percorre paisagens belíssimas, tanto na parte de baixo quanto na parte de cima. Fiquei sem entender o porquê dos órgãos governamentais não estarem cuidando e divulgando este lugar. Algumas pinturas estão quase apagadas pela ação do tempo. Um lugar especial como este merece cuidados também especiais. Espero que de alguma forma a luta dos índios ganhe amparo do governo, e que as esferas competentes recebam os incentivos necessários para manter a região bem conservada. O Ronaldo nos contou que planeja montar um site para divulgar passeios na região da reserva e agendar com os turistas. Quem for ao Vale do Catimbau, não pode deixar de visitar a reserva Kapinawá na companhia dos guias indígenas, que inclusive são credenciados para acompanhar visitantes em todas as trilhas do Catimbau. Sobre a trilha, gravei o trajeto que fizemos no Wikiloc. Apesar de não ser uma trilha muito extensa, classifico que o percurso tem grau de dificuldade moderado, pois há vários trechos de areia fofa e plantas espinhosas por toda parte. Além disso, o calor é muito intenso. Logo, um mínimo de preparo físico e bons equipamentos são necessários (bota, calça de trilha, roupas anti-UV e proteções para cabeça e nuca contra o sol). também é importante estar bem alimentado e hidratado. Segue o tracklog: https://pt.wikiloc.com/trilhas-trekking/serra-do-barreiro-grande-muralha-catimbau-28897405 Encerrando a trilha, fomos para a pousada descansar. Ainda era dia, mas depois do sol forte o sono foi mais forte. À noite, fomos até o posto BR na entrada de Buíque às margens da BR-232 e jantamos. Na manhã seguinte, encontramos novamente o Ronaldo e fomos ver as opções das trilhas convencionais do vale. Aceitamos a sugestão dele e escolhemos a trilha do Cânion. Maravilhosa! Trilha curta, com poucos desníveis, e assim como a trilha do dia anterior, paisagens incríveis! Apesar de estarmos numa estação mais seca, ainda é possível ver muito verde. E essas formações rochosas? Só tem lá! O destaque foi a vista do primeiro mirante do Cânion: E no final da trilha, mais um sítio arqueológico impressionante: Para um bate e volta de final de semana, foi bastante proveitoso. A trilha do Cânion no domingo acabou super cedo. Ainda deu tempo de passar na pousada e tomar uma ducha para pegar a estrada de volta para Recife (com direito à parada para almoço regional nas churrascarias de Encruzilhada São João e compra do famoso queijo coalho da terra do queijo, Sanharó). Energias renovadas para início da semana. Para finalizar este relato, vamos às indicações: POUSADA: recomendo a pousada Santos. Serviço ótimo e barato, com excelente café da manhã. Diária por pessoa na faixa de R$ 75,00. Existem diversas pousadas também em Buíque, que é a cidade de entrada para o Vale do Catimbau, inclusive na própria vila do Catimbau tem pousadas domiciliares. Peça indicação aos guias (existe uma associação de condutores do vale, a ACONTURC). Para os interessados em camping, também há opções, porém sugiro recorrer ao Google e os guias locais. O nosso guia informou que pretende em breve organizar campings e pousadas domiciliares na reserva Kapinawá. Com certeza será uma ótima opção no futuro. COMIDA: Existem alguns restaurantes com boas avaliações no Tripadvisor em Buíque, porém não utilizei. Apesar de ser cidade pequena, dá para se alimentar legal. CONTATOS DE GUIAS: segue os contatos que tenho, utilizei e recomendo: - Para trilhas tradicionais do vale: ACONTURC - (87) 3816-3052 - [email protected] - Trilhas na reserva indígena: Ronaldo Kapinawá - (87) 98139-3015 - [email protected] (aqui apenas com autorização dele ou demais responsáveis pelas aldeias) GASTOS: - Combustível: entre R$ 250,00 e 300,00 para viagem de Recife até o vale e deslocamento entre os pontos de trilha. Rodamos aproximadamente 700 Km. - Alimentação: comi muito bem na pousada e restaurantes da região, gastando no máximo R$ 30,00 por refeição. - Serviços de guias: varia entre R$ 100,00 a 150,00 a diária, dependendo da trilha e quantidade de pessoas. Ideal é acertar diretamente com os profissionais. - Estadia: gastei R$ 75,00 numa das pousadas mais estruturadas de Buíque, logo, devem ter outras até mais em conta. - Resumo da brincadeira de final de semana: em torno de R$ 350,00 por pessoa. Não tive tempo de pesquisar outras opções, então, creio que dá para ser bem mais econômico que isto. Espero que tenham gostado deste relato. Tentei ser o mais informativo possível, para ajudar a divulgar esta região, que ao meu ver, apesar do enorme potencial, ainda é muito pouco visitada. Dedico também este texto em forma de agradecimento ao Professor Ronaldo, que além de nos ter dado uma aula sobre a cultura indígena ao vivo, usando os cenários da Catimbau como sala de aula, me presenteou com esta belíssima lança feita artesanalmente conforme as suas tradições: É isso ai pessoal. Visitem o Vale do Catimbau, um verdadeiro paraíso no sertão Pernambucano. Quem gosta de trilha, não pode deixar de conhecer. Eu, com certeza irei novamente. Abraço e boas trilhas!!
Líderes está configurado para São Paulo/GMT-03:00


×
×
  • Criar Novo...