Ir para conteúdo

Mais curtidos da Semana


Conteúdo Popular

Exibindo conteúdo com a maior reputação em 19-02-2018 em todas áreas

  1. 3 pontos
    Comprei as passagens em setembro/2017 e paguei R$2000,00 em SP-BUE; BUE-FTE; FTE-BUE-SP. Levei R$5000 para todos os gastos em 15 dias e voltei com R$800. DIA 01/01/2018 Saí de São Paulo bem cedo, num vôo da Copa muito tranquilo, mas sem nenhum entretenimento a bordo e com um bolo de laranja e uma barrinha de cereal como lanche. Não há suco disponível, apenas chá, café, água ou refrigerante. Chegando no Aeroparque em Buenos Aires, bem próximo ao desembarque internacional, esperei séculos na fila do Banco de La Nacion Argentina para trocar dinheiro. Nesse dia, a cotação era de R$1 = 5,7ARS. Troquei R$1000 achando que a cotação estava ótima, comprei o cartão SUBE por 25ARS, carreguei + 125ARS num quioste do open25hours (tem vários no aeroporto). No lado oposto do aeroporto, não lembro se desembarque ou embarque nacional, peguei o Arbus (arbus.com.ar) sentido centro. Custou 75ARS e foi pago com o cartão SUBE. Em menos de 25min o motorista avisou a parada do Obelisco e ali eu desci na avenida Corrientes e fui andando até o hostel. 06 Central Hostel (1375ARS por 6 noites) Hostel muito bem localizado, tem funcionários brasileiros e quartos e espaço de convivência amplos. Peca no wifi instável e no café da manhã super pobre. Recomendo pela localização que é excelente! Deixei tudo lá depois do check-in e saí sem rumo sentido Obelisco procurando um lugar para comer. Na Avenida Corrientes, 965 encontrei uma pizzaria que vendia combos de empanadas e comendo no balcão era mais barato. Paguei 75ARS em 2 empanadas + copo de refrigerante e ali perto comprei uma garrafa de 1,5L num quiosque open25h e paguei 45ARS. Vale a dica que a água da torneira é potável, só TEM sabor (no Chile é pior), o que é de se estranhar para nós. Decidi que faria diferente nessa viagem e fui andando perdida pela cidade sem nenhum destino. Passei pelo centro, Florida, Casa Rosada, Manzana de Las Luces, seguindo para San Telmo (e passando por uns lugares meio estranhos, mas felizmente policiados) e fui parar em Puerto Madero, que estava bem suja por conta da virada do ano. Decidi voltar para o hostel e dormir cedo porque tinha acordado de madrugada para o vôo. Gastos do dia: 25 pesos cartão sube 125 recarga (sendo 75 do arbus) 1375 hostel 06 central 75 empanadas + coca (corrientes 965) 45 pesos água 1,5L (open25h) Avenida 9 de Julio e entradinha da Corrientes ↑ Avenida 9 de julio ↑ Museu Fragatta Sarmiento em Puerto Madero ↑ Casa Rosada ↑ Dia 02/01/2018 Às 10h30, em frente ao Teatro Colón, saem grupos de Free Walking Tour para a Recoleta (http://www.buenosairesfreewalks.com/). Os guias ficam de camiseta laranja, não tem como errar. Começaram separando os grupos em espanhol e inglês e como tinha muita gente, foram 2 grupos só de inglês com umas 40 pessoas em cada. As paradas não são muitas, mas os guias explicam muito sobre a história da cidade, dos prédios e a cultura e o tour acabou sendo bem leve e menos cansativo do que eu imaginava só que mais longo também, finalizando no no cemitério da Recoleta (o meu acabou às 14:30, mas o previsto era 14h). A programação "Aline" era voltar para o centro e ir no City Center Tour da mesma empresa que começa às 15h. Como a caminhada de volta seria bem longa e eu estava com fome, desisti e fui andando sentido hostel. Descansei um pouco à tarde e à noite jantei no restaurante La Cabrera, indicação do taxista, porque o restaurante bem avaliado e escolhido antes estava fechado. Gastos do dia: 7ars 1maçã XXars tips free tour 139ars combo Mc Donalds 1300ars jantar para 2 no La cabrera Teatro Colon ↑ Dia 03/01/2018 Como o city tour do Centro no dia anterior não deu certo, decidi tentar com uma empresa diferente que tinha saída às 11h do Congresso Nacional (http://www.bafreetour.com/) com grupos apenas em inglês (antes passei na calle Lavalle que tem várias lojinhas de souvenirs). Foi um grupo menor com menos de 10 pessoas se não me engano, mas também muito leve. A guia era muito simpática, explicava super bem e de fato, deu dicas sobre a cidade e os portenhos. Depois do almoço que já era lanche da tarde (no mesmo restaurante do dia anterior - El Rey - Corrientes 965), fui para Puerto Madero novamente. Me apaixonei por esse contraste de novo e antigo da cidade e achei lindo o Parque de las Mujeres Argentinas. Gastos do dia: 199ars globo de neve (lavalle 969) 100ars por 2 bandeiras/patches para o mochilão 45ars sorvete XXars ba free tour 40ars água 500ml 60ars 2 pedaços pizza + refri (el rey) Congresso Nacional ↑ Obelisco ↑ Parque de las Mujeres em Puerto Madero ↑ Dia 04/01 O dia começou na caminhada até a livraria El Ateneo Gran Splendid e que coisa maravilhosa são livros dentro de um teatro! Fiquei apaixonada, nem um pouco envergonhada de tirar mil fotos e fazer vídeos porque tinham muitos turistas lá também. De lá, segui para a faculdade de direito de Buenos Aires, passei pela Floralis Generica e acabei no Museo Nacional de Bellas Artes (gratuito). Gastei umas 2horas andando ali dentro e quando bateu a fome, fui até o SanJuanino (Posadas 1515) almoçar (lanche da tarde já). Pedi uma empanada que estava deliciosa e depois uma massa, mas vi muitas pessoas que pediram apenas as empanadas, sem prato principal. À noite era dia de tango e decidi escolher um menos turístico, mais simples e optei pelo Centro Cultural Borges que fica dentro das Galerías Pacífico. Começou as 20h, com duração de 1h10, misturando o tango de 4 casais, performance de músicos e um cantor - tudo ao vivíssimo. Superou minhas expectativas! De volta ao centro (porque a Galería e a praça de alimentação fecham as 21h), jantamos no restaurante com melhor custo-benefício da viagem e porque quando eu gosto, gosto de verdade, repito muito mesmo e conto e levo todo mundo que encontro. Gastos do dia: 250ars almoço empanada + massa + Pepsi 430ars tango CC Borges 40ars pão de queijo Starbucks 147ars jantar pizza no El Rei El Ateneo ↑ Faculdade de direito de Buenos Aires ↑ Floralis Generica ↑ San Juanino Empanadas ↑ Dia 05/01 Planejamento de parques, dia incrível, ansiedade a mil e... chuva! Triste, mas estamos sujeitos a isso em qualquer viagem. O roteiro que eu deveria ter feito era esse, mas nada deu certo e junto com mais 2 brasileiros, fomos ao Malba (atente-se ao horário de abertura, porque, como nós, muitos turistas tiveram a mesma ideia e deram de cara com as portas ainda fechadas). Sobre o Museu: prefiro o Bellas Artes, mas tem quem ache incrível, então melhor ver com os próprios olhos. Saímos dali e fomos até o Il Quotidiano (Uber), restaurante de massas super aconchegante, com pratos muiiiito bons. De lá, pegamos o metrô para tentar a visita guiada do Congresso Nacional e chegando lá fomos informados que as visitas estavam suspensas até fevereiro por conta das férias. Não fez sentido algum porque a cidade estava cheia de turistas, mas enfim, eram férias dos portenhos também. Paciência, mais um negócio do roteiro que não deu para fazer. Fomos até a Calle Lavalle comprar o restante das minhas lembrancinhas e lá descobri a Bomboneria Royal Lavalle (número 951) com preços bem camaradas para alfajor (me empolguei um pouco). Das marcas que experimentei, os que mais gostei foram: Milka sabor Mousse; Negro (chocolate ao leite com recheio de doce de leite e coberto com castanhas); Jorgito da embalagem azul (chocolate branco por fora e recheio de doce de leite). À tarde/noite fomos na Florida e nas Galerías Pacífico novamente. Gastos do dia: 25ars uber 120ars Malba 18ars uber 209ars Il quotidiano 282ars alfajor 120ars 2 imãs geladeira 180ars 2 chaveiros mafalda 150ars 2 chaveiros 50ars lanche avulso mc donalds Brazucas no restaurante Il Quotidiano ↑ Dia 06/01 Impressões sobre Buenos Aires: maior do que eu pensava, mais limpa, mais bonita. A impressão que tive é de que tudo é muito grande - ruas, praças, parques e numa arquitetura linda de estilo europeu (minha sogra por ex não curtiu e achou tudo com cara de velho), com muito mais para ver do que eu tinha planejado. Fiquei 5 dias quase completos e me arrependo de não ter colocado mais 2 para ver tudo com mais calma ainda, voltar aos locais que não consegui por causa da chuva e fazer as visitas guiadas nos prédios que tinha programado. Não tive muito contato com os portenhos, mas o pouco que vi, mostraram-se bem educados, sempre simpáticos e ainda mais ao saber que eu era brasileira. Apesar de não ser o estilo de viagem que eu curto, gostei e voltaria com certeza! Esse dia foi praticamente perdido indo para El Chaltén. Saí do aeroparque às 12:50 e chegando no aeroporto de El Calafate, comprei o transfer Aeroporto FTE-Chalten e Chalten-Centro de Calafate com a empresa Las Lengas, que solicita a data de retorno, o hostel da saída e pede para confirmar um dia antes na rodoviária de El Chaltén sua partida. O transporte demorou aproximadamente 3h, com uma parada na La Leona, um hotel/restaurante/banheiro e mais duas paradas em miradores para o Fitz Roy. Cheguei já noite, deixei tudo no hostel e saí para jantar e tirar fotos no mochilão símbolo da cidadezinha. O mais impressionante foi jantar no Patagonicus com vista para as montanhas vendo o pôr-do-sol e as cores do céu depois das 22h. Incrível como os dias são longos! Gastos do dia: 110ars Uber para o Aeroparque 220ars Almoço no Hard Rock aeroparque 1300 Transfer FTE-Chalten e Chalten-calafate (las lengas) 2250ars Hostel La Luna Country 35ars kiwi e pêssego 40ars pão 120 Pizza no Patagonicus Chegando em El Chalten ↑ Parador La leona ↑ Uma das paradas que o motorista faz no caminho ↑ Mochila símbolo de El Chaltén ↑ Dia 07/01 Usei o aplicativo Windguru para a previsão do tempo porque é o mais recomendado para esse clima de montanha e o que mais acerta, pelo que eu ouvi dizer, fora que lá todo mundo usa esse. Havia previsão de chuva depois de meio-dia, então decidi acordar cedo e fazer a trilha para Laguna Torre porque tinha lido que eram só 14km e o sendero sai bem pertinho do hostel em que fiquei. Saí às 7h15 e em 2:30 cheguei na Laguna. A trilha não tem uma dificuldade alta e depois do km 5, vira praticamente uma reta só. Nos km 2, 7 e 8 você encontra pontos onde pode encher a garrafinha e no percurso vi 3 banheiros (recomendo fortemente que você fique apertado e não use, porque o cheiro é TENSO!). Chegando na Laguna (9km) e seguindo para o lado direito dela, a trilha continua por mais 3km (gastei 1h) até o Mirador Maestri, quando você chega bem mais perto do Glaciar. Essa continuação tem chão de pedrinhas soltas, uma desgraça que dificulta o percurso, mas a recompensa vale o esforço. Poucos viajantes continuam subindo até lá (encontrei apenas 2 voltando enquanto eu subia) e recomendo que você apenas faça isso se não houver ventos, porque é alto, em vários pontos estreito e fácil de escorregar. Qualquer ventinho que te desequilibre pode causar um acidente. Pausa para fotos, para contemplar aquela vista maravilhosa - SÓ PARA MIM, tempo fechando no Cerro Torre e decidi voltar. Enquanto voltava, o tempo fechou mesmo e começou a garoar um pouquinho. Essas mudanças são muito frequentes, então é importante ter um saquinho para proteger câmera, celular, passaporte e coisas de valor e um casaco de prefência impermeável. De volta ao hostel, depois de tomar banho e descansar um pouco, fui atrás de um mercado (achei 2 na cidadezinha), jantar e dormir. Gastos do dia: 55ars Frutas 84ars 3 iogurtes 270ars Jantar no La Estepa (+30ars gorjeta) Cerro Torre ao fundo ↑ Mirador para o Cerro Torre ↑ Laguna Torre ↑ Caminho para o Mirador Maestri: pirambeira de um lado e de outro também ↑ Vista do Mirador Maestri ↑ Dia 08/01 Previsão de chuva e ventos muito fortes, deixei de lado do plano de ir para Laguna de Los 3 e fui numa trilha mais de boas, sendo que cada trecho tem 3.5km. Saí umas 9h para o Chorrilo del Salto e tirando o vento forte que peguei na estrada aberta e dificultou muito a caminhada, a trilha é bem tranquila. Cachoeira linda só para olhar, com água congelante e queda muito forte para banhos. Depois do almoço, fui para outra trilha fácil que era Mirador de Los Condores (1km) e Las Aguilas (2km), que tem saída próxima da rodoviária. Começando pelo Mirador de Los Condores, a trilha é uma subida não muito íngreme que dá uma vista muito bonita para o cordão de Adela. Como ventava muito, acabei não continuando para Las Águilas mas me disseram que a vista de lá é ainda mais bonita, com alcance até o Lago Viedma. Gastos do dia: 300ars Almoço La Tapera Jantar no hostel (sobra do dia anterior) Caminhando contra o vento ↑ Chorrillo del Salto ↑ Vista de El Chaltén do Mirador de Los condores ↑ Dia 09/01 Com tempo favorável, reservei no dia anterior no próprio hostel o transfer para Hosteria Pilar, que me buscou às 8h e foi passando em outros hoteis pegando turistas. O percurso leva uns 30min, com uma parada num mirador para o Fitz Roy. Esse trajeto tem uma subida menos puxada que a trilha que sai direto da cidade e te possibilita ir e voltar por caminhos diferentes, com visões diferentes, com 10km em cada trecho. O caminho de ida é por bosques dentro da floresta que dão a sensação de filme, um cenário surreal, meio mágico, com pequenas subidas e descidas e o Fitz Roy te acompanhando do lado direito em boa parte do caminho. O brinde desse trajeto fica por conta do Glaciar Piedras Brancas - lindão lá no meio do nada. Depois ou um pouco antes do acampamento Poincenot, não me lembro bem, me deparei com umas 3 pequenas trilhas no caminho. Não reparei que uma delas tinha troncos pequenos colocados em cima e segui um pouco até perceber que tava estranho pois não havia ninguém na minha frente e nem atrás, então não pensei duas vezes e voltei. Não sei para onde elas iam, mas entravam mais na floresta, quando a trilha certa nesse ponto passava por um descampado. Minha dica então: sempre vá pela trilha mais batida e se encontrar pequenos troncos cruzados em alguma, essa não é a correta. Se estiver na dúvida, espere que algum turista vai chegar e você pode ir junto. O desespero começa mesmo no km 9 (levei umas 2h30 para chegar nesse ponto), quando você se depara com uma placa dizendo que falta 1km, com trilha de alta dificuldade desnível de 400m. Coma um alfajor, um gel de carboidrato ou qualquer coisa que dê energia e se tiver bastões de caminhada, não pense 2x e use muito! A subida é desgraçada, você começa achando que tá indo bem, aí os degraus de pedra começam a ficar cada vez maiores e mais molhados, você olha para cima achando que já andou bastante e vê umas formiguinhas se mexendo lá longe no alto. Nessa hora confesso que bateu o desespero, diminuí o ritmo, parei algumas vezes para respirar e apreciar a vista e uns 40min depois, cheguei na Laguna de los 3. Sério, nem todas as fotos da internet que eu tinha visto retratam o que é esse lugar! Pena que o Futz Roy tava meio tímido e encoberto durante todo o tempo que estive lá (e durante a trilha ele tava lindão todo se mostrando). Sentei, comi, quase chorei, continuei para o lado esquerdo e me deparei com a Laguna Sucia, do mesmo lindo tom de azul da sua vizinha maior. A volta foi punk, porque meus joelhos já podres (tenho condromalácia nos 2), resolveram que não era suficiente o problema que eu já tinha e me deram um novo no ligamento colateral lateral. Comecei a descida bem devagar, tentando não forçar muito (ilusão) e no final da descida (quase 1h depois, ou seja, mais tempo descendo que subindo esse trajeto), eu mal conseguia dobrar a perna esquerda. Continuei num ritmo tranquilo e dando graças a Deus que tudo virou uma reta quase infinita, passando por lugares lindíssimos. Depois de um determinado tempo você se depara com uma bifurcação que te dá a opção de contornar a Laguna Capri ou ir direto para Chaltén. Acredito que a distância seja a mesma, então vale a pena ir pela Laguna e ver uma paisagem linda e diferente. Nos últimos 3km mais ou menos, a reta dá lugar à descida (para o meu desespero e dor no joelho), mas nada muito íngreme. No último quilômetro temos o Mirador Rio de Las Vueltas com um visual lindíssimo que vale a parada. No final da trilha você chega no "finalzinho" do vilarejo, próximo a uma das ruas principais. Mortos de fome como estávamos (eu e mais um brasileiro), paramos no famoso restaurante Rancho Grande, com pratos bem servidos, wi-fi bom e preços bem razoáveis. Chegando no hostel, notei que meu joelho esquerdo estava muito inchado, então comecei a colocar gelo e tomar antiinflamatório torcendo para que não fosse nada sério. Gastos do dia: 150ars transfer hosteria el pilar 280ars almojanta no Rancho Grande No comecinho da trilha, perto da Hosteria Pilar ↑ Glaciar Piedras Brancas ↑ Laguna Capri vista de uma parte da trilha ↑ Finalzinho da trilha para Laguna de los 3 (quando vc acha que a subida acabou, percebe que ainda falta mais um tanto) ↑ Linda Laguna de los 3 e o Fitz Roy escondido ↑ Laguna Sucia ↑ Panorâmica da Laguna Sucia e de Los 3 ↑ Trilha de volta para EL Chalten ↑ Vista do Fitz Roy na trilha de volta (lembre de olhar para trás de vez em quando!) ↑ Laguna Capri ↑ Mirador Rio de las Vueltas ↑ Dia 10/01 O planejamento era fazer a trilha Lloma del Pliegue Tumbado, uma das mais bonitas segundo li e com aproximadamente 20km de percurso. Entretanto, nem tudo sai como planejado e ao acordar, meu joelho ainda doía muito, então decidi ficar de molho no hostel só tomando remédio e colocando gelo, já pensando em me poupar para o Big Ice que tinha reservado para fazer em Calafate. Saí apenas para almoçar, comprar frutas e alfajor. Gastos do dia: 140ars almoço (pizza) no Patagonicus 100ars 4 alfajor Milka 40ars Kiwi, banana e maçã Dia 11/01 Dia de terminar de arrumar o mochilão, fazer checkout e partir para El Calafate com o transfer que eu já tinha reservado quando cheguei no aeroporto na vinda. Logo de cara, percebe-se que El Calafate é uma cidade maior, mais bem estruturada para o turismo e com mais opções. Fiz checkin no Hostel Bla Guesthouse (recomendo pela qualidade do serviço, wifi e café-da-manhã muito bons, mas possuem poucos banheiros para a quantidade de quartos disponíveis) e fui para a avenida principal pagar pela reserva do Big Ice com a Hielo y Aventura (se você não possuir cartão de crédito ou não quiser pagar IOF, manda email para eles para reservar e pagar até 1 dia antes da data escolhida) e procurar as demais excursões que eu faria. Com o joelho ainda doendo muito e o esforço físico requerido para o Big Ice, achei melhor mudar a reserva e acabei pagando para o Mini Trekking. A única pergunta que fizeram foi porque da mudança e quando respondi, perguntaram se eu achava que estava bem o suficiente para o Mini. Na Chaltén Travel, na avenida principal, fechei o passeio Full Day para Torres del Paine e quase em frente, na própria agência da Estância Cristina, fechei o pacote Discovery. Jantei uma omelete gigante no Pietro's e depois tomei o famoso e delicioso sorvete de calafate (frutinha típica da Patagônia que parece uma blueberry) no Helados Tito. Sério, não vá embora sem experimentar o sorvete, porque a geleia não é tão boa quanto! Passei no Green Market, ao lado do Pietro's e comprei uma empanada para levar na excursão do dia seguinte. Eles tem sucos, empanadas, lanches naturais e várias opções de compra para levar aos passeios. Gastos do dia: 1412ars Hostel Bla Guesthouse 3300ars Mini trekking com Hielo y Aventura 2700ars Full day Torres del Paine com Chalten Travel 4280ars Estância Cristina Discovery 4x4 + 500ars pela entrada do Parque Nacional (cobram junto porque no local não há fiscais que recolham o dinheiro) 125ars Almojanta de omelete no Pietro's 35ars Empanada no Green Market 60ars Sorvete de calafate no Helados Tito Hostel Bla Guesthouse ↑ Dia 12/01 Dia de mini trekking no Perito Moreno! Se não me engano, eles pegam no hostel às 9h. Quase 1h de estrada até a entrada do parque nacional, onde todos os veículos param e o fiscal cobra a entrada de todos presentes no ônibus. Eu tinha lido muito que residentes do Mercosul pagam mais barato que demais estrangeiros, entretanto, isso não é mais válido e apenas argentinos tem desconto no valor. Quase 30min depois andando pelo parque vemos a imensidão de gelo que é o Perito Moreno em algumas curvas que o ônibus faz (para essa visão, sente do lado esquerdo do veículo). Quando chegamos às passarelas, uma guia nos explica o percurso e por quais deveríamos andar e ter melhor visão dos descolamentos de gelo e quais eram melhores para o tempo que tínhamos disponível. O tempo estava horrível, uma chuva grossa, muita gente abrigada na plataforma principal que tem uma pequena cobertura... mas como o clima na Patagônia é bem variável, pouco depois depois já tinha parado e um leve sol surgiu (que também não durou muito tempo). No período em que estava andando por lá e observando, vi um descolamento gigante (mas não estava com a câmera fácil para gravar) e muitos outros pequenos. Esse é o motivo porque tantos turistas esperam nas passarelas, mas é um pouco triste saber o porquê de tais rupturas acontecerem. Uma hora e meia depois, voltamos ao ônibus para ir até o porto de onde sai o barco que nos leva até a base para os trekkings. A navegação leva uns 15min e chegando lá, você encontra um abrigo com banheiros onde pode deixar seus pertences para levar apenas o essencial. Uma caminhada rápida de 5min nos leva às cabanas onde são colocados os grampones e separados os grupos por idioma (inglês ou espanhol). Daí começa o mini trekking de verdade: próximo às cabanas, já subimos no gelo onde a guia nos explica como andar, subir e descer e todas as demais recomendações. Nos informes da Hielo y Aventura, é explicado que o tempo caminhando no gelo é de 1h30, entretanto, nosso grupo ficou quase 2h, o que eu achei suficiente e nem um pouco arrependida de ter mudado do Big Ice, visto que dá trabalho caminhar com os grampones e requer um esforço dos joelhos (talvez você não sinta se não estiver com o joelho machucado, como eu estava). Durante todo o caminho, são 2 guias que dão suporte, se oferecem para tirar fotos, falam sobre os glaciares e o Perito Moreno e ao final, chegamos no famoso whisky com gelo diretamente do glaciar. Eu passei a bebida (não gosto), mas peguei uma trufa de chocolate regional que eles deram como surpresa. Um bônus: naquele mesmo dia mais cedo, uma caverna de gelo se abriu bem perto das cabanas dos grampones e nossa guia nos levou para ver. Que negócio incrível! Achei bem legal da parte dela porque já tinha passado do nosso horário e outros grupinhos do mini trekking não viram o que o meu viu. Considerações sobre o mini trekking: posso dizer apenas sobre aquilo que vivi, então aqui vai: achei o mini trekking excelente! Não fiquei com vontade de fazer o Big Ice e pelo que eu entendi e um colega brasileiro que fez me contou, a grande diferença entre os dois (além do preço, claro), é o tempo caminhando no gelo e as cavernas de gelo que se pode visitar no Big Ice. Como eu dei sorte e vi uma caverna de gelo no mini trekking, fiquei super satisfeita. Além disso, toda a estrutura e o respeito que os profissionais tem com o lugar fazem com que o preço tenha valido cada centava pago. Mais 15min de navegação de volta, quase 1h30 de ônibus e cheguei no hostel por volta das 19h. Jantei no restaurante San Pedro na avenida principal e não anotei quanto paguei, mas comi uma pizza (para variar). Comprei umas empanadas para deixar no hostel umas bolachas para levar para Torres del Paine no dia seguinte. Gastos do dia: 500ars Entrada no Parque Nacional 70ars Empanadas no Green Market 85ars Bolachas num quiosque Vista do ônibus ↑ Nas passarelas, setor azul se não me engano ↑ Observe o tamanho das pessoinhas lá embaixo perto da geleira ↑ Outro grupo lá embaixo começando o mini trekking ↑ Com os grampones nos pés (use calçado impermeável!) ↑ Toda felizinha passando frio ↑ Caverna de gelo ↑ Esperando o barco chegar para ir embora ↑ Dia 13/01 Às 5h30 da manhã a empresa Always Glaciar me pegou no hostel depois de um pequeno susto - meu nome não constava na lista e aparentemente não tinha mais lugar disponível. Os locais de parada podem ser vistos no site da Chalten Travel (http://www.chaltentravel.com/main.php) e mesmo sabendo que seria extremamente cansativo por conta do tempo dispendido no ônibus eu quis arriscar e minha opinião: não vale a pena! hahahaha As paisagens são incríveis mas o parque é imenso e de fato vale a pena perder muito mais que 1 dia por lá. Fiquei com vontade de ver mais e não recomendaria a excursão porque além dos fatores já citados, tem o clima também. Pegamos um vento absurdamente forte, não conseguimos fazer a trilha de 1h até o Mirador para os Cuernos del Paine e tivemos que voltar. Não recomendo essa empresa pois o guia que estava conosco simplesmente saiu andando sem olhar para trás enquanto todos os outros estavam sentados sem conseguir andar por causa do vento e um jovem senhor americano caiu e cortou o rosto nessa empreitada. Quando chegamos na van, o guia soltou um: "eu avisei" e foi isso! Achei muito desrespeito, sério! O almoço é o ponto alto da excursão (já incluso no preço): num restaurante lindo ao lado de um lago lindo com vista para os Cuernos, com entrada (filé de peixe empanado), prato principal (uma carne que não reconheci e purê de batata) e sobremesa (pudim de leite), além de vinho ou refrigerantes. Cheguei em Chaltén em torno de 21h (o retorno deveria ser às 23h se tivéssemos feito a pequena trilha até o mirador) e fui jantar no Pietro's novamente (porque tinha wifi, era próximo do hostel, preço bem ok e eu gostei da comida). Gastos do dia: 200ars Pizza no Pietro's Cerro Castillo ↑ Vista ainda de fora do parque ↑ Vicuñas ↑ Lago impossível de escrever o nome e Cuernos del Paine ↑ Cachoeira Salto Grande Pequena demonstração do vento patagônico (fiquei com medo de perder o celular e saiu isso aí) ↑ Dia 14/01 Não sei o que dizer sobre a Estância Cristina além de "VÁ!", SIMPLESMENTE VÁ! Uma das coisas mais incríveis que meus olhos viram até hoje foi esse lugar. Existem 3 tours diferentes e eu escolhi o 4x4 porque um era mais barato mas não via tudo e outro era mais caro e tinha um trekking de 14km, então meus joelhos decidiram por mim e escolhi o conforto do carro. O tour começa te buscando no hostel às 7h e você leva mais ou menos 1h (não lembro com certeza) para chegar no porto Punta Bandera, onde pega uma linda embarcação e navega por quase 3h pelo Lago Argentino, com muitas pausas para foto e icebergs pelo caminho. Depois de tanto tempo, parabéns! você praticamente chegou no fim do mundo (ou foi assim que me senti). A estância foi criada em 1914 pela família Masters, que veio da Inglaterra quando ouviu falar sobre um lugar inóspito onde praticamente davam terras de graça a quem se interessasse. Hoje, tudo que era da família faz parte do Parque Nacional Los Glaciares, visto que não sobraram herdeiros. O tour começou num pequeno museu onde o guia explica sobre a história da família e você pode ver itens originais usando tanto na casa principal como itens que eles utilizavam na criação das ovelhas e para retirada da lã. De lá, um pequeno passeio em torno da propriedade principal, mostrando detalhes da flora e construções da família. Depois tivemos 1h para o almoço (custa 800ars se você reservar no barco e acredito que 500ars se você comprar junto com a excursão), mas não se apavore: muita gente não compra o almoço (como eu que levei minhas empanadas e alfajor) e pode comer junto com todo o restante no restaurante, sem problemas. Pelo que eu lembro, era oferecido uma entrada, um prato principal e sobremesa, além de água diretamente do glaciar da propriedade (bebidas são cobradas a parte). A melhor parte então: o 4x4! São dois carros que fazem um percurso de mais ou menos 40min só ida e o guia vai explicando muito sobre a história, sobre a fauna e a flora. Quando você acha que viu tudo, chega-se no Mirador do Glaciar Upsala e meu Deus, quase chorei de tão bonito! Ele delimitava a parte norte da propriedade dos Masters e eu só conseguia pensar em como eles conseguiam fazer tudo que faziam há 100 anos atrás, sem a tecnologia que temos hoje e num lugar de clima tão difícil. Uns 40min depois de ficar só apreciando (dica: prendam os cabelos o máximo que puderem, porque o ventinho patagônico não dá trégua e tudo vira um bolo infinito de nós), voltamos no 4x4 e pegamos o barco de volta para Punta Bandera, que não faz paradas para foto e portanto leva umas 2h, além do ônibus do porto até Chaltén, chegando por volta das 18h, quando fui bater perna no centrinho, comprar as geleias que eu queria e tals. Não jantei, só comi uma empanada e tomei um sorvetinho para me despedir. Consideração sobre o passeio: vale cada mísero centavo. Desde a organização, até a distância percorrida, você vê que tudo é extremamente bem cuidado, bem feito e sente que vale tudo que pagou. Recomendo mil vezes e voltaria com certeza! PS: eles tem um hotel e pelo que pesquisei, as diárias custam em torno de 500 dólares (sonho meu!) Gastos do dia: 35ars Empanada no Green Market 60ars Sorvete no Helados Tito 160ars Por 2 geleias de calafate 96ars Por 3 alfajor Iceberg no Lago Argentino ↑ Iceberg diferentão no caminho (não lembro da explicação sobre a cor dele) ↑ Parte das hospedagens da Estância Cristina ↑ Pequena capelinha ↑ Moinho construído pela família Masters e rio de degelo dos glaciares ↑ Chegando no Mirador Upsala ↑ Glaciar Upsala (todo esse lago foi glaciar ainda em meados de 1950) ↑ Completamente apaixonada por esse lugar! ↑ Dia 15/01 Arrumei minhas malas e às 11h o transfer que reservei pelo próprio hostel passou para me pegar. Como fui a única passageira, o trajeto levou só uns 20min até o aeroporto. Fiz o ckeckin para o vôo que saia depois das 13h, almocei e fiquei esperando a hora de voltar para casa. Gastos do dia: 150ars transfer até o aeroporto 230ars almoço no aeroporto Sobre os hostels: Recomendo todos que eu fiquei, apesar dos pontos negativos já citados, todos tinham excelente localização e só isso já me conquista. Sobre comidas: Principalmente em Buenos Aires, existe opção para todos os gostos e bolsos. Eu comi a famosa carne argentina só uma vez porque de fato, não sou muito carnívora. As empanadas são outra coisa que você precisa comer pelo menos uma vez (e para isso, recomendo fortemente o restaurante San Juanino). Na região da Patagônia você tem que provar o cordeiro. Particularmente, achei a carne muito gordurosa e não gostei, mas valeu a experiência. Alfajor: Experimentei várias marcas e minhas preferidas foram Negro e Jorgito da embalagem azul marinho (super baratinho e me conquistou). Simplesmente esqueci de comprar doce de leite, mas tinham me recomendado a marca San Ignacio. Fim do meu relato e de mais um sonho realizado!
  2. 2 pontos
    Olá mochileiros e mochileiras ! Tudo bem com vocês ? Como estão os planos para a(s) próxima(s) viagem(s) ? Estes próximos posts são para quem está almejando uma viagem ao Peru, e para quem ainda não tem isso em vista, após conhecer esse pedacinho de mundo bem do nosso ladinho, vai querer passar na frente na lista de destinos! Estou aqui para compartilhar um pouquinho dessa experiência incrível que tive o prazer de me proporcionar nesse ano de 2017. O intuito é te ajudar! Da mesma forma que sempre recebo muita ajuda por essa galera sensacional desse grupo! Seja bem vindos à minha viagem ao Peru, em 18 dias, por 8 cidades, sozinha, de mochila nas costas, coragem, mente e coração abertos! Como tudo começou: Como todo mundo que passa por aqui, sou uma garota que ama viagens e viajar! Fiz algumas viagens fora do país a passeio e a trabalho no ano de 2014. Nos anos seguintes, 2015 e 2016 minha vida foi só trabalho, não tive tempo para planejar viagens internacionais, acabei optando por conhecer cantos do nosso Brasil (AMO!). Porém, é sempre bom esse contato com culturas diferentes, lugares diferentes, pessoas diferentes, então, estava faltando algo em mim, eu precisava "sair por ai". Depois dessas viagens que fiz, dentro de mim tinha que a próxima seria aqui na América do Sul, então no final de 2016 comecei a ler muito sobre isso. Passei por aqui muitas vezes, li muitos relatos. A princípio, estava lendo sobre fazer Peru, Chile e Bolívia na mesma viagem. Porém, como não teria mais que 20 dias, estaria sozinha e por sempre ter mais lugares no Peru que eu desejava visitar, acabei optando por somente Peru. Dica: Relato do Rodrigo (@rodrigoalcure) ! Muito bom! Preparativos: Como eu já sabia que seria uma viagem estilo mochilão, desde final de 2016 já comecei fazendo a lista das coisas que precisava comprar. Veja! Toalha de microfibra (Dechatlon) Bota para trecking (Bota Finisterre Vento) Mochila cargueira (Quechua Escape 50 litros) Mochila de ataque (A mochila Escape já vem com a de ataque) Power Bank (Asus) Óculos de sol polarizado (Speedo Voley) Roupa segunda pele (Dechatlon) Meias para trecking (Dechatlon) Blusa fleece (Dechatlon) Casaco corta vento (Dechatlon) Câmera (Troquei de celular, fiquei com a câmera do Zenfone 3, Asus) Como podem ver, a maioria das coisas adquiri na Dechatlon! Lá tem tudo e com um ótimo custo benefício. Os outros itens fora da Dechatlon foram alvo de muita pesquisa, com isso, após o uso, indico todos! Abaixo, outros itens importantes que adicionei na minha lista de coisas para levar: Capa de chuva Kit primeiros socorros (Com remédios essenciais, band-aid) Adaptador de tomadas Zip Lock Lenço umedecido Protetor solar Kit para sono (protetor auricular, tapa olho, suporte para pescoço) Cadeado Doleira Pinça Linha/agulha Álcool em gel Tesoura Fora isso, o básico, que seriam as roupas de frio (seguindo o protocolo de 3 camadas), cachecol, luvas, toucas. Dicas: Leve repelente! Eu não levei, porém, em Machu Picchu você vai precisar! Leve um relógio, pulseira, algo que te forneça o horário e seja de fácil acesso o tempo todo. Manter a pontualidade é de extrema importância! Eu utilizei a minha smart band o tempo todo "colada" em meu braço. A mochila cargueira da Escape não foi suficiente, pois era muito pequena. Precisei comprar outra mochila durante a viagem. Como fazer caber tudo na mochila? Leve somente o que você vai utilizar! Como por exemplo, não precisa do pote inteiro de shampoo, separe e leve em um recipiente o suficiente para o período que vai passar lá. Evite itens em vidros, pois pesa muito na mochila. Duas semanas antes da viagem eu já comecei a separar as coisas que iria levar em um canto. Isso te ajuda a não esquecer nada! Roteiro: O roteiro foi fruto de muitas pesquisas! É a junção de todos os lugares que me fizeram querer aproveitar para explorar dessa vez somente o Peru! Passarei por 8 cidades peruanas. Olhem só: Passagens: Comecei a busca por passagens por volta de 2 meses antes. Acompanhei por um bom tempo o vem e vai de preços. Com a ajuda do Google Flights, consegui acompanhar as promoções e peguei um bom preço e nas datas que eu precisava. Dica: No Google Flights é possível você cadastrar as datas, voos e horários que você quer acompanhar e ele te envia e-mails de notificação quando o voo aumenta ou diminui de valor. Muito, muito útil! Depois que conheci, não usei outro buscador. Acredito que já dei umas boas dicas nessa intro As próximas, vou passando conforme relato os dias. Bora pro Peru, partiu! ...Continuação nos próximos posts Beijos! Tabata Instagram: @tatablita
  3. 1 ponto
    Como moro relativamente perto de Bonito( 300 km) já estive lá algumas vezes. Esse tópico será um resumo com dicas das minhas idas até lá. DICAS IMPORTANTES: Bonito é uma cidade pequena mas charmosa, ponto de partida para todos os passeios que ficam nas fazendas próximas. Lembrando que os passeios tem limite diário de visitantes, portanto é bom reservar antes. Os preços são tabelados. Todos os passeios são realizados apenas com acompanhamento dos guias das agências. Os únicos lugares que não necessitam de guias são os balneários. O transporte nos passeios são cobrados a parte, se estiverem com carro próprio podem seguir o carro da agência e economizar nos transfer ! Pesquise os sites de compras coletivas de Campo Grande antes de ir, tem promoções com hospedagem e passeios incluídos com freqüência por preços ótimos, eu já usei desta estratégia e vale a pena. A água é incrivelmente gelada, preparem o psicológico ou pulem de uma vez nos rios, pq não importa a época do ano, a água está sempre gelada ! Mas se vc não souber nadar tenha cuidado, a incrível transparência da água engana muito, perde-se a noção da profundidade. Outra dica: se você tiver carteira de alberguista, fique no Hostel de lá ! É considerado um dos melhores do Brasil e como Bonito é considerado patrimônio histórico, se você ficar 4 dias hospedados lá ganha a 5ª diária ! Sem contar que tem desconto em vários passeios por lá tbm, como o recanto ecológico Rio da Prata, Abismo Anhumas (lindo! ), trem do pantanal e outros : http://www.hostel.org.br/descontos.html'>http://www.hostel.org.br/descontos.html" onclick="window.open(this.href);return false; Se não tiver a carteirinha pode fazer pelo site, custa 25,00 por pessoa e chega em 5 dias. A carteira familia custa 35,00 e vale pra familia toda. Caso sua viagem esteja muito próxima e não der tempo de fazer pelo site pode fazer na hora lá no hostel mesmo ! http://www.hostel.org.br/" onclick="window.open(this.href);return false; Na entrada da cidade tem um centro de atendimento ao turista que aluga câmeras aquáticas de 15,00 a 25,00 dependendo da capacidade de memória da máquina. Você pode bater fotos e filmar embaixo d’água sem correr o risco de estragar sua máquina digital, no final do dia as fotos são baixadas e gravadas em CD. Alguns balneários também alugam as máquinas mas por preços mais altos. Também é possível alugar nos balneários os coletes para boiar, máscara com snorkel para mergulho e ração para atrair os peixes e garantir boas fotos. O colete custa 5,00 para passar o dia todo, a máscara com snorkel 2,00 a hora e o saquinho de ração varia entre 1,00 e 2,00. Uma dica já bem manjada por qualquer mochileiro é procurar viajar na baixa temporada porque os preços são menores, Bonito não é exceção, é possível fazer flutuação no Rio Sucuri por 99,00 na baixa temporada e visitar a Gruta do Lago Azul por 45,00. Ambos os passeios duram uma manhã inteira e são acompanhados por guias, são feitos apenas por agências de turismo. Os passeios que incluem mergulho sempre são mais caros do que aqueles só com flutuação, e são sempre nos mesmos rios pra ver os mesmos peixes, então se a idéia é economizar evite os passeios de mergulho, faça apenas a flutuação. Dê preferência também aos passeios que não incluem almoço, pois encarecem bem o passeio, leve um lanche na mochila. Isso se você pretende economizar, é claro, porque os almoços nas fazendas são verdadeiros banquetes de comida regional, valem a pena. Verifique também se há necessidade de fechar um passeio pra passar o dia inteiro no mesmo lugar, na maioria dos passeios é possível comprar apenas meio período, que sai mais em conta. Bonito é pra quem curte natureza, gosta de ficar com o pé no chão e não tem problemas com água fria. COMO CHEGAR São 3 opções: alugar um carro, ir de ônibus ou de van No aeroporto há locadoras de carros. Quem voa pela TAM tem desconto de 50% no valor das diárias de locação na Empresa Unidas, paga só metade do preço ! :'> Lembrando que nos valores cobrados pelos passeios em Bonito não está incluido o transporte, são cobrados separadamente. Assim vc economiza no transfer dos passeios, pode seguir o carro da agência com seu carro locado e economizar um bom dinheirinho. De ônibus o valor da passagem é 59,00 pela viação cruzeiro do sul. Os horários são: 07:00, 9:00, 15:30 e 18:00 - todos os dias. A rodoviária fica bem distante do aeroporto, cerca de 15km. De táxi fica meio caro e de ônibus coletivo vc precisará pegar 3 ônibus ! O transporte coletivo em Campo Grande é bom, mas vc irá demorar cerca de 40 minutos porque precisará fazer integração entre as linhas nos terminais. A passagem custa 2,85. Em frente ao aeroporto pegar a linha Núcleo ou Jardim Carioca e descer no Terminal Julio de Castilhos, fazer integração na linha 085 e ir até o terminal morenão, lá vc pode pegar qualquer ônibus que vá pra rodoviária, são várias linhas. Lembrando que ao chegar em Bonito vc irá precisar de táxi para te levar até o hotel Outra opção mais prática são as vans que saem direto do aeroporto e te deixam na porta do hotel em Bonito :'> A empresa que faz o transfer é a Vanzella, cobram 60,00 por pessoa ( o mesmo preço do ônibus), e saem de Campo Grande todos os dias as 13:00 e 15:00, com capacidade para 14 pessoas. Conversei com o Valcir ( responsável pelas vans) e ele me disse que em alguns feriados tem horário extra de van as 23:30 por 80,00 por pessoa. Acima de 5 pessoas ele fecha o transporte pra Bonito com horários a combinar, é só ligar pra ele e negociar, digam que viram no site do mochileiros ! Eu disse a ele que iria indica-los aqui pois não há ônibus de noite que levem até Bonito. http://vanzellatransportes.com.br/" onclick="window.open(this.href);return false; 67\ 9217 - 3536 67\ 3255 – 3005 [email protected] A empresa aérea Azul, reconhecendo nosso potencial e acatando as insistentes reivindicações do governo, passa a oferecer voos diretos de São Paulo (Campinas) para Bonito todas as quintas-feiras e domingos. Os voos começam a valer a partir de 24 de março de 2013 Horário definido: 11h08 saída de Campinas / 12h20 chegada a Bonito; 12h48 saída de Bonito / 16h18 chegada a Campinas (Aeroporto de Viracopos). PASSEIOS Vou começar pelo Balneário Municipal : 7 kms do centro, entrada de 25,00, bem próximo ao centro da cidade, tem uma infra estrutura muito boa com quadra de areia, restaurante, guarda volumes, banheiros e de todos os balneários que visitei acredito que este tenha a maior concentração de peixes (piraputangas) no rio Formoso. O almoço custa 15,00 com direito a arroz, feijão, salada, batata frita e bife, peixe ou frango. Compensa almoçar lá do que levar um monte de coisas pra preparar a comida. Vista aérea do balneário Municipal Piraputangas Balneário do Sol: fica a 12km da cidade, entrada de 35,00, bem maior que o balneário municipal, também com ótima infra estrutura, com várias churrasqueiras, trampolim, tirolesa, xadrez gigante, piscina, pembolim, sinuca. Logo na entrada vemos vários animais : búfalo, lhamas, pôneis, araras, avestruz ... próximo ao rio há uma área com vários macaquinhos.... cuidado com eles, formam uma verdadeira gangue rsrs, não são agressivos, mas são bem malandrinhos e gostam de carregar os pertences dos mais “desavisados”. Nós sempre levamos frutas, maçãs ou bananas e picamos pra render mais, todos eles descem das árvores pra comer e o contato com eles é incrível, são umas graças. O rio que passa pelo balneário do sol também é o rio formoso, mas neste é possível ver além de piraputangas alguns dourados, e várias cachoeiras de pequeno porte. Lugar ideal para passar um dia inteiro. Balneário do sol Flagrante de um dourado comendo milho Cores incríveis na penagem das araras Espertinhos e apaixonantes Praia da figueira : fica a 14 km do centro, a entrada custa 35,00, mas confesso que não voltaria lá, o lugar é muito bonito mas não pode-se levar nada, nem comida nem bebida, tudo deve ser comprado dentro do balneário e os preços não agradaram muito .... além disso o lago possui uma areia suja e lodosa, até os peixes são meio gosmentos... na praia da figueira os peixes são pacus e eles são mais agressivos, parecem mortos de fome. Mas o lugar é muito bonito, tem bar molhado, uma figueira gigante com redário, um avião no meio do lago, pedalinho, tirolesa, um “bosque” com muitas borboletas, mas é um lugar pra descansar... não recomendo muito para tomar banho. Figueira com redário Pacús Cercada de borboletas Parece Lost Nós acampamos no albergue de Bonito, pagamos 22,00 com direito a café da manhã e podíamos utilizar toda a estrutura do albergue, incluindo piscina e internet. Para dormir nos quartos custa em média de 30,00 a 35,00, tem redário, lanchonete, área de convivência com Sky e várias revistas, quem não quiser comprar nada na lanchonete pode utilizar a cozinha do albergue para preparar as refeições. Eu recomendo, para quem não está procurando luxo e quer apenas dormir como era o nosso caso o albergue foi uma opção barata. É possível fazer os passeios pelo albergue também. _________________________________________________________________________________________________________________________ ABRIL 2012 Estive em Bonito novamente e resolvi emendar o relato no antigo que já estava aqui. Desta vez fomos levar um casal de amigos de SP pra fazer uns passeios,eles compraram um pacote muito bom nesses sites de compras coletivas que já indiquei aqui, o peixe urbano, 5 diárias pra casal, com café da manhã e um passeio incluído por 185,00 !!! Isso mesmo, o equivalente a 18,50 por pessoa a diária ! Portanto, reforço minha dica: sempre dêem uma pesquisa antes de vir pra Bonito, dá pra economizar bastante na hospedagem e aproveitar pra fazer mais passeios. Ficamos hospedados com eles na Pousada Mota, lugar simples mas bem charmosinho, com ótimo atendimento. Os quartos são pequenos, mas cabem direitinho no bolso de quem quer pagar pouco. Como iria ficar só um dia eu não comprei a promoção e pagamos 70,00 o casal, com café da manhã. A pousada fica a duas quadras da avenida principal,no centro, perto de tudo. Rua das Flores, 1066. [email protected] A pousada possui uma agência própria de turismo, é possivel reservar os passeios na recepção e parcelar no cartão junto com as diárias. Eles também alugam máquinas pra tirar fotos embaixo d'água, porém não gostei da qualidade das fotos, acho que a máquina estava desconfigurada, ficaram em tamanho pequeno e com muito brilho, mas só fomos ver isso na volta... recomendo alugar na entrada da cidade, no centro de atendimento ao turista, é mais barato e a qualidade é melhor. No sábado de manhã fomos conhecer a famosa gruta do lago azul. Estava na maior expectativa pra fazer o passeio ! É um passeio contemplativo e histórico que dura cerca de 1:30. Os preços são tabelados, pagamos 36,00 por pessoa ( na época) e fomos com veículo próprio, se vc precisar de transporte pela agência é cobrado a parte. Se estiver com um grupo de pessoas compensa alugar um carro e dividir com a galera e fazer mais de um passeio no dia. Fica a 20km do centro. A estrada é de chão mas é tranqüila, terra batida, sem buracos. O receptivo é bem simples, oferece bar e restaurante, sanitários e loja de souvenires. Os equipamentos necessários para a realização do passeio estão inclusos no valor. Fizemos uma curta trilha que chega até a entrada da gruta. A descida tem início por uma escadaria de pedra meio íngreme, e por ser escorregadia só é permitido fazer esse passeio de tênis, portanto leve um na mala ! Acredite se quiser, é por este "buraco" que começa a escadaria para a gruta Conforme vc vai descendo a gruta vai se revelando, é mágico...até o ar muda, é bem úmido, parece que ligaram o umidificador lá dentro. Os espeleotemas também formam paisagens incríveis. Apesar de escorregadia, não achei a descida difícil. Arrumem a configuração da máquina fotográfica, tirem o flash e aumentem o ISO , as fotos com flash não conseguem capturar o azul da água na distância em que ficamos... o ISO é para as fotos não ficarem muito escuras, mas não aumente demais para não ficarem esbranquiçadas. Caso vc não saiba mexer na configuração da máquina, peça para o guia, ele que nos passou essas dicas pra garantir boas fotos dentro da gruta. Nossa descida começa por aqui, fenda pela qual entramos Agora vamos ao que interessa: a água ! É muito anil naquela água!!!! É muito mais azul do que a gente imagina ou vê nas fotos, é inacreditável ! Eu sempre achava que rolava um photoshop nos cartões postais, mas é tudo de verdade !!! Uma pena não podermos tocar na água, porque dá uma vontade tremenda de pular lá dentro ! A gruta vai se revelando aos poucos... Perfeição !! Para quem gosta desse tipo de passeio contemplativo em grutas, Bonito ainda oferece outra opção: as grutas de São Miguel, esta é uma gruta seca de formação calcária. Localizada no Parque Ecológico Vale Anhumas, o passeio inicia com um vídeo de apresentação das Grutas de São Miguel e segue com uma emocionante caminhada pela copa das árvores do cerrado através de uma ponte pênsil de aprox. 200m e continua por mais 150m de trilha até chegar à entrada de uma das cavidades mais antigas deste planeta. Uma gruta seca com formações geológicas variadas, onde a natureza intocável mostra seus corais e ninhos de calcário. O receptivo possui bar e loja de souvenires. Uso obrigatório de tênis. Duração: 1h e meia. Distância: 18 km Preço por pessoa = R$ 45,00 Gruta de São Miguel Depois da Gruta fomos almoçar e a tarde fomos fazer um dos clássicos passeios de flutuação. Uma dica importante para quem quer fazer flutuação e economizar é fazer os passeios que não incluem as nascentes, pois esses costumam ser mais caros, cerca de 50,00 a mais do que aqueles que não incluem nascentes, e a transparência da água é a mesma. Tem alguns passeios que só mudam de nome e levam praticamente pros mesmos lugares, pra fazer as mesmas coisas e por preços mais baixos, as agências geralmente divulgam os mais caros, incluem almoço, fazem de tudo pra vc passar o dia todo em um lugar sendo que vc pode fazer o mesmo passeio e ficar só meio período, sem as refeições incluídas, dai o preço cai bastante. Por exemplo, ao invés de fazer o passeio "flutuação pelo rio sucuri" que custa uns 145,00 faça o barra do sucuri que custa 99,00. A única diferença é que o barra do sucuri não leva vc na nascente, mas vc vai fazer a flutuação no mesmo rio nos dois passeios. Nós fizemos o Barra do Sucuri e aproveitamos muito ! No receptivo a estrutura dispõe de banheiro, vestiário e lanchonete. Os objetos pessoais ficam no guarda volumes e colocamos as roupas de neoprene para fazer o passeio. Eu essa roupa de neoprene, foi a primeira vez que não passei frio nas águas geladas de Bonito. Recebemos um colete, que vai garantir que ninguém afunde e consiga flutuar tranquilamente. Recebemos a máscara e o snorkel para respirar embaixo d’água. A máscara é muito bacana porque ela aproxima as imagens, os peixes, funciona como um zoom dentro da água rsrs. A única parte meio chata é o procedimento pra não deixar a máscara embaçar... antes de entrar na água temos que cuspir nas lentes e espalhar a saliva, o guia explicou que existe algum elemento na nossa saliva ( que não lembro o que é) que não deixa embaçar as lentes. Claro que a máscara é enxaguada antes de colocar no rosto e todas são esterilizadas entre um passeio e outro. Mas é no mínimo engraçado ver todo mundo cuspindo nas máscaras.... Eu, particularmente, não gosto do snorkel, além de achar ruim e sufocante respirar com ele, sempre acabo me distraindo e acabo afundando mais a cabeça do que deveria, daí entra água pelo tubo e me afogo rsrs, sem contar que a gente fica feio pra caramba nas fotos com aquilo rsrs, eu prefiro fazer apnéia, tranco a respiração e pronto, achei bem mais tranqüilo fazer o passeio assim, só de máscara. Antes do passeio o guia te leva pra um píer na beira do rio pra fazer treinamento, como flutuar, as posições corretas, pois não é permitido encostar no fundo do rio ! Quando ouvi isso fiquei apreensiva, como não vou encostar no fundo do rio ?? Mas é bem tranqüilo... o colete não te deixa afundar e mesmo quem não sabe nadar consegue flutuar tranquilamente, o rio não tem correntezas fortes, não me pareceu muito fundo, é bem fácil. No píer pegamos um barco e remamos (bastante) até um ponto perto da nascente, só curtindo a paisagem, o rio sucuri é algo incrivelmente lindo ! Mais uma vez me surpreendi, é melhor do que nas fotos. Temos a sensação de estar voando, deslizando naquelas águas, você se desliga do mundo, pois não ouve nada do lado de fora, fica só naquele universo paralelo acompanhando os cardumes. Experiência inesquecível. Na volta, não deixe de parar na lanchonete do receptivo e tomar uma cachacinha artesanal que é servida como cortesia, é ótima pra aquecer o corpo depois de horas na água fria. Não deixe de alugar uma máquina pra bater fotos embaixo da água, vale a pena ! De noite fomos no restaurante Sale e Pepe comer peixe... achei o preço meio salgado pela quantidade servida, então recomendo pesquisarem melhor, há várias opções por lá... nossa conta ficou em 170,00, levamos um susto, quase fiquei lá lavando pratos . E nós só pedimos dois pratos (um por casal) e um espetinho de jacaré. Inclusive, nem do espetinho de jacaré eu gostei, parece frango, mas é mais duro e sem sabor.... Em frente ao restaurante tem uma sorveteria chamada delicias do cerrado, essa eu super recomendo !!! Tem picolés ótimos, de sabores inusitados, mas são praticamente a fruta no palito, muito saborosos! Na minha opinião o melhor é o Romeu e Julieta ( queijo com goiabada), mas não deixem de provar o picolé de amendoim, café, cagaita, tamarindo (pra quem gosta dos azedos), gengibre, melancia, jabuticaba, mamão papaia, pequi ( pra quem é do RS, este picolé de pequi tem sabor de butiá, fruta típica do sul). E os picolés são baratos, em torno de 1,70.Segue o link com todos os sabores http://www.deliciasdocerrado.com/?pag=produtos" onclick="window.open(this.href);return false;. __________________________________________________________________________________________________________________________ Olha eu aqui outra vez..... sei que o relato vai ficar imenso mas acho que tenho outras dicas bacanas pra passar. Vou passar uma relação de alguns dos passeios mais famosos de Bonito, que eu ainda não fiz mas que ouço muito falar, são muito bem recomendados: ILHA BONITA: Conheça a Ilha Bonita, a maior ilha de Bonito está aqui! Na Ilha Bonita, existe uma forma muito peculiar de se admirar os peixes. Uma sineta é tocada, perto da ponte, e os peixes se aproximam para receber o alimento... É um momento de rara beleza, onde se podem observar bem de perto os mais belos peixes, grandes, médios, pequenos... Duração: livre. Distância: 12 km Adulto: R$ 40,00 (AT e BT) Criança: R$ 30,00 (AT e BT) ILHA BONITA BONITO AVENTURA: O passeio tem início com uma caminhada de aprox. 1.800m pela mata ciliar do Rio Formoso, até o píer da Figueira, contemplando árvores centenárias, rica flora e fauna locais. A flutuação de aprox. 2.200m no leito do Rio Formoso, além da interação com diversos cardumes de peixes e vegetação subaquática, permite ao visitante fazer apnéia e nadar durante o percurso e as descidas pelas corredeiras dão um toque de emoção ao passeio. É uma flutuação diferente, onde o visitante sentirá toda a liberdade do rio como se fosse um peixe. O receptivo possui bar e restaurante, redário, sanitários e loja de souvenires. Distância: 6km – Duração: meio dia Flutuação com almoço R$ 100,00 (AT e BT) Flutuação sem almoço: R$ 80,00 (AT e BT) BONITO AVENTURA: PARQUE ECOLÓGICO RIO FORMOSO: O passeio tem início com uma caminhada de aprox. 2.200m pela mata ciliar do Rio Formoso até o Morro da Piúva, de onde se avista a Serra da Bodoquena. O retorno acontece por flutuação de aprox. 2.800m em águas cristalinas, passando por diversas corredeiras O receptivo possui sanitários, bar e restaurante em frente a uma lagoa de águas cristalinas com deck de acesso e o visitante ainda pode encerrar o dia com um agradável passeio opcional a cavalo. Os equipamentos para flutuação e o uso do deck da lagoa estão inclusos no valor. Duração: meio dia. Distância: 7 km Flutuação: Adulto R$ 75,00 Bóia Cross: Adulto R$ 60,00 Criança: R$ 55,00 (AT e BT) Cavalgada: R$ 62,00 (AT e BT) Almoço: R$ 20,00 PARQUE RIO FORMOSO: RECANTO ECOLÓGICO RIO DA PRATA: O passeio tem início com uma caminhada de aprox. 50 min. por uma trilha interpretativa através de uma linda e preservada floresta com rica flora, onde conviverá harmoniosamente com aves e outros animais silvestres. Ao mergulhar na nascente do Rio Olho D´água, um novo mundo estará diante de seus olhos. Você flutuará tranquilamente em um imenso aquário de águas cristalinas por aprox. 2.200m. A curiosa sensação que se tem é de estar voando em meio a animais e plantas subaquáticas. Após o passeio, existe a tentadora opção de saborear um delicioso almoço típico. A sede possui bar e restaurante, sanitários, redário e loja de souvenires. Foi considerado várias vezes o melhor passeio de Bonito por várias revistas famosas Duração: dia todo. Distância: 56 km. (crianças a partir de 08 anos) Flutuação Adulto e Criança com almoço: R$ 198,00 (AT) R$ 168,00 (BT) Opcionais: Almoço: R$ 36,00 Cavalgada: R$52,00 (AT e BT) RIO DA PRATA RIO SUCURI: Situado na Fazenda São Geraldo, o Rio Sucuri, considerado um dos rios de águas mais cristalinas no mundo oferece o passeio de flutuação, que tem início com uma caminhada de aprox. 500m na mata ciliar levando o visitante até as nascentes do rio, que ficaram mais conhecidas após filmagem para a novela Alma Gêmea. Durante a trilha o visitante pode apreciar a fauna e flora local e fazer paradas em mirantes para observação das nascentes. A flutuação de aprox. 1800m nas águas cristalinas do Rio Sucuri, permite ao visitante apreciar a beleza da flora subaquática e a interação com diversos cardumes de peixes. A fazenda tem um belo receptivo, com piscina, redário, bar e restaurante, sanitários (adaptados p/ cadeirantes), armários guarda-volumes e loja de souvenir. Duração: meio dia ou dia todo. Distância: 18 km. OBS: Crianças até 05 anos são consideradas FREE. Flutuação (meio período) Adulto: R$ 148,00 (AT) R$ 113,00 (BT) Criança R$ 125,00 (AT) R$ 100,00 (BT) (crianças de 06 a 11 anos) Opcionais: Almoço R$ 26,00 Nascente R$ 40,00 (AT e BT) Cavalgada/Bike R$ 48,00 (AT e BT) LAGOA MISTERIOSA: Uma lagoa de águas azuis que impressiona por sua incrível transparência e profundidade. Situada em Jardim, cidade próxima à Bonito, no Mato Grosso do Sul, a Lagoa Misteriosa fica no fundo de uma dolina, um tipo de formação geológica similar a um buraco com 75 metros de profundidade. Distância: 57 km. Flutuação: R$ 130,00 (AT e BT) (crianças somente a partir de 12 anos) AQUÁRIO NATURAL E TRILHA DOS ANIMAIS : Situado na Reserva Ecológica Baía Bonita, o passeio tem início com uma caminhada de aprox. 15 min. por uma trilha na mata ciliar, que leva até a nascente do Rio Baía Bonita, onde é realizada a flutuação de aprox. 800m rio abaixo. O visitante flutua na companhia de peixes e aprecia uma rica vegetação subaquática, que dá a sensação de estar num verdadeiro aquário. Todo o percurso tem o acompanhamento do barco de apoio. Para enriquecer ainda mais o passeio, existe a opção de conhecer a Trilha dos Animais, observando variedades de animais da região, Pantanal e Cerrado através de mirantes e passarelas por aprox. 2.000m. O receptivo conta com piscina, hidromassagem aquecida, bar e restaurante, sanitários, vestiários, armários guarda-volumes O projeto da “Trilha dos Animais” nasceu de uma crescente necessidade de o público brasileiro e estrangeiro conhecer mais a fauna do centro oeste do Brasil. É possível ver cervos do pantanal, antas, onças, lobo guará, jacarés e sucuri. Todos os animais que podem ser vistos durante o passeio vêm de projetos de recuperação, ou de zoológicos, nenhum deles foi retirado do estado selvagem. A idéia é que eles tenham uma vida quanto mais semelhante àquela que teriam em liberdade: os recintos fecham grandes áreas de serrado e mata, deixando livre a circulação para os animais silvestres que aqui vivem. Os visitantes passeiam em trilhas suspensas vendo os animais no próprio habitat. Duração: meio dia ou dia todo. Distância: 7 km. OPÇÕES DE PASSEIOS: Visitação ao Parque Ecológico: Visitação de aproximadamente 1h30. Inicia-se na recepção do Parque Ecológico percorrendo trilhas até a nascente Baía Bonita para contemplação e retornando pelo centro veterinário. Preço único: R$ 39,00 Flutuação na Nascente Baia Bonita - Visitação inicia com uma trilha até à nascente, passará por diferentes paisagens além da vegetação e fauna que se alteram a cada momento. Na nascente, o visitante terá a oportunidade de contemplar a beleza do Aquário Natural, cujas águas são consideradas uma das mais cristalinas do mundo. Início da flutuação no deck do Rio Baia Bonita, seguindo até o deck dos botes de apoio e retornando ao receptivo pela mesma trilha. Preço único: R$ 94,00 Opcional: Almoço varia de R$ 16,00 a R$ 40,00 AQUÁRIO NATURAL TRILHA DOS ANIMAIS RAPEL NO ABISMO ANHUMAS: O rapel de 72 metros que inicia por uma fenda na rocha, leva a uma caverna com magníficas formações e um lago de águas cristalinas do tamanho de um campo de futebol que atinge 80m de profundidade. A flutuação ou mergulho autônomo revelam a beleza subaquática do lugar que esconde cones de até 17m de altura e tem-se uma visibilidade de até 60m. Na parte seca existem vários salões e espeleotemas, de uma beleza inesquecível que a natureza esculpiu. Para o rapel existe um treinamento obrigatório no dia anterior, e para o mergulho autônomo é necessário credencial. Duração: meio dia. Distância: 22 km. Rapel c/ Flutuação R$ 575,00 (AT e BT) (crianças somente a partir de 12 anos) Rapel com mergulho R$ 805,00 ( AT e BT) BÓIA CROSS: Uma pequena caminhada de aprox. 300m em trilha leva até o ponto inicial do passeio, uma emocionante aventura nas corredeiras do Rio Formoso em bóias individuais, com acompanhamento de monitores, num percurso de aprox. 1.200m. O retorno é por trilha de aprox. 100m na mata ciliar que permite a observação da fauna e flora locais. Duração: 40m no rio. Distância: 6 km. Adulto: R$ 58,00 e R$ 50,00 (AT e BT) Criança R$ 50,00 e R$ 43,00 (AT e BT) (crianças somente a partir de 07 anos) BOTE NO RIO FORMOSO: Realizado em botes infláveis por um dos principais rios da região, num percurso de 6 Km, passando por três cachoeiras e duas corredeiras com uma parada para banho de aprox. 20 min. Durante o percurso tem-se a oportunidade de contemplar a fauna e flora às margens do rio até o desembarque na Ilha do Padre, onde o turista pode usufruir da infra-estrutura do local que possui vários decks e cachoeiras para banho, além de sanitários, vestiário, bar, lanchonete e restaurante. O passeio de bote é ideal para todas as idades. Duração: meio dia. Distância: 12 km. OBS: Crianças até 05 anos FREE. Adulto: R$ 77,00 (AT e BT) e Criança R$ 65,00 (AT e BT) CACHOEIRAS DO RIO DO PEIXE: Uma fascinante caminhada na Fazenda Água Viva, num dos cenários mais belos e paradisíacos da região. A primeira etapa do passeio tem percurso de aprox. 1.600m e passa por várias cachoeiras ornamentais, piscinas naturais e pequenas grutas submersas. No caminho observa-se uma fauna atraente com macacos, araras, tucanos, entre outros. Na sede da fazenda é oferecido um delicioso almoço sul-matogrossense e após um merecido descanso o passeio continua por mais um percurso de aprox. 800m que passa por mais 3 pontos de banho. Um delicioso lanche é servido no final da tarde acompanhado de “causos” contatos pelo proprietário da fazenda. O receptivo possui bar e restaurante, sanitários e redário. Duração: dia todo. Distância: 34 km. OBS: Crianças até 05 anos são consideradas FREE. Trilha e Cachoeiras c/ almoço Adulto: R$ 138,00 (AT) R$ 125,00 (BT) Criança: R$ 115,00 (AT) R$ 102,00 (BT) CACHOEIRAS RIO DO PEIXE ESTÂNCIA MIMOSA: O passeio tem início com uma caminhada por trilha de aprox. 3.500m pela mata ciliar do Rio Mimoso em meio a árvores centenárias e animais silvestres. São sete paradas para banho em cachoeiras com piscinas naturais, sendo que uma parte do percurso é percorrido com barco à remo. Diversos mirantes com visões panorâmicas da Serra da Bodoquena fazem da Estância Mimosa um dos passeios mais fascinantes da região. A casa sede da fazenda, onde é servido um delicioso almoço, mantém suas características originais. Após um merecido descanso no redário, ainda há a opção de encerrar o dia com um agradável passeio opcional à cavalo. O receptivo possui bar e restaurante, sanitários, redário e loja de souvenires. Duração: meio dia. Distância: 24 km. OBS: Crianças até 05 anos são consideradas FREE. (crianças de 6 a 11 anos) Trilha e Cachoeiras: Adulto: R$ 132,00 (AT) R$ 116,00 (BT) com almoço Criança: R$ 118,00 (AT) R$ 104,00 (BT) com almoço Opcionais: Almoço: R$ 25,00 Cavalgada: 52,00 (AT e BT) ESTÂNCIA MIMOSA PARQUE DAS CACHOEIRAS: O passeio começa com uma caminhada por trilha ecológica na mata ciliar do Rio Mimoso, observando os encantos da fauna e flora locais. Durante o percurso de aprox. 1.700m pode-se tomar banho e contemplar sete belíssimas cachoeiras formadas por tufas calcárias, cada uma com sua beleza e encanto, além de pequenas cavernas, piscinas naturais e carretilha. O Almoço é servido no receptivo da fazenda que possui bar e restaurante, sanitários e redário. O visitante ainda pode encerrar o dia com um agradável passeio opcional à cavalo. Duração: meio dia. Distância: 17 km. OBS: Crianças até 05 anos são consideradas FREE. Passeio Sem Refeição Adulto: R$ 95,00 (AT) R$ 80,00 (BT) Criança: R$70,00 (AT) R$ 60,00 (BT) Opcionais: Almoço R$ 30,00 (AT e BT) Adulto Almoço R$ 25,00 (AT e BT) Criança FAZENDA CEITA CORÊ: Na língua tupi-guarani “Terra de meus filhos”. A fazenda apresenta uma das sedes mais bonitas e tradicionais da região, com uma belíssima casa à beira de um lago de águas cristalinas, onde o visitante poderá fazer um passeio de barco para conhecer a nascente do Rio Chapena. Uma trilha de aprox. 1800m na mata ciliar do Rio Chapeninha leva o visitante à seis cachoeiras formadas por tufas calcárias e pequenas grutas, além de piscinas naturais e carretilha. O almoço típico de fazenda é servido na sede que possui bar e restaurante, sanitários, piscina, mesas p/ jogos, redário e loja de souvenires. Duração: dia todo. Distância: 36 km. OBS: Crianças até 05 anos são consideradas FREE. Trilha e cachoeiras c/ almoço Adulto: R$ 145,00 (AT) R$ 130,00 (BT) Criança: R$103,00 (AT) R$94,00 (BT) (crianças de 06 a 10 anos). PROJETO JIBÓIA: O Projeto Jibóia tem como principal objetivo a desmistificação das serpentes não peçonhentas, assim como um trabalho de educação ambiental com informações referentes às características, hábitos alimentares das serpentes e seu papel na natureza,. Duração: 2h. Distância: centro. (crianças de 5 a 11 anos) Adulto: R$35,00 (AT e BT) Criança: R$ 25,00 (AT e BT) _______________________________________________________________________________________________________________________________________ CIDADES BEM PRÓXIMAS DE BONITO Próximo a Bonito existem outras opções de passeios, como a cidade de Jardim ( 62km de Bonito), que tem um balneário municipal muito famoso, nas margens do Rio da Prata. Em Bonito os balneários são todos nas margens do Rio Formoso, que é o menos transparente dos rios de lá, para ver o Rio da Prata em Bonito somente pagando os passeios, em Jardim é possivel nadar nesse rio pagando o precinho de balneário. municipal. De Bonito também saem diversos passeios para o Pantanal , incluindo safáris fotográficos na estrada parque e visita nas fazendas. FAZENDA SAN FRANCISCO: Situada no Pantanal de Miranda a 170 km de Bonito, a fazenda oferece um passeio de 01 dia que é composto por um Safári Fotográfico em carro aberto pelas reservas florestais e campos de arroz irrigados, visita a invernadas de criação das raças Nelore e Montana Tropical, caminhada pela trilha suspensa do carandazal (700m.), localizada às margens do Rio Miranda onde há o encontro com o Corixo São Domingos, que após um delicioso almoço pantaneiro, acontece o Passeio de Chalana com pescaria artesanal de piranhas e observação de fauna e flora ribeirinha. A fazenda tem estrutura com bar e restaurante, piscina e redário. OBS: Crianças até 04 anos são consideradas FREE(crianças de 05 a 11 anos) Adulto: R$ 168,00 (AT e BT) Criança: R$ 121,00 (AT e BT) Focagem Noturna de carro R$ 132,00 Opcional: Café da manhã R$ 18,00 De Bonito também é possível dar uma esticada até Pedro Juan Caballero, no Paraguay (240km), e visitar o Shopping China, o maior shopping de importados da América e comprar de tudo por preço de banana, sem os impostos do Brasil. Um verdadeiro paraíso pra quem gosta de eletro eletrônicos, perfumes importados e uma infinidade de outras coisas. Dá pra ir e voltar no mesmo dia, são 2 horas de viagem pra ir e mais 2 horas pra voltar. Uma dica : saia bem cedo, esteja no Paraguay por volta de 8:00 da manhã, o Shopping China é imenso e vc não conseguirá ver tudo se chegar tarde. Vale muito a pena ir. Outra dica é visitar Bodoquena (82km), possui rios lindíssimos como os de Bonito, Cachoeiras e o famoso Buraco das Araras BOCA DA ONÇA ECOTOUR: O passeio é composto de uma caminhada por trilha pela mata preservada de aprox. 4km, passando por 11 cachoeiras cristalinas, inclusive a Cachoeira Boca da Onça, a mais alta do Estado com 156m de altura, pelo cênico Rio Salobra e por pontos de banho em piscinas naturais. Através da plataforma de rapel tem-se uma vista deslumbrante do Canyon do Rio Salobra e das pequenas grutas existentes no paredão. O almoço é servido no receptivo que oferece duas piscinas de água corrente com peixes típicos da região que nadam junto com o visitante, relaxante hidromassagem, ducha natural, além de bar e restaurante, sanitários (adaptados p/ cadeirantes), vestiários, salão de jogos, redário de loja de souvenires. Duração: dia todo. Distância: 55 km. Trilha e cachoeiras c/ almoço: Adulto: R$70,00 AT e R$ 150,00 BT / Criança de 06 a 11 anos: R$ 125,00 AT e R$110,00 BT Opcionais: Receptivo com almoço R$ 70,00 BT e R$ 80,00 AT Rapel: R$ 300,00 BT e R$ 350,00 AT Transporte: R$ 40,00 1 - Início da Trilha da Boca da Onça 2 - Piscinas da Cutia 3 - Garganta da Arara 4 - Cachoeira da Anta 5 - Cachoeira do Jabuti 6 - Buraco do Macaco 7 - Caverna do Morcego 8 - Cachoeira da Paca 9 - Cachoeira do Fantasma 10 - Cachoeira da Queixada 11 - Poço do Lontra 12 - Praia da Boca da Onça 13 - Poço da Pedra do Baú 14 - Cachoeira Boca da Onça 15 - Garganta da Boca da Onça Conta com excelente receptivo. Quatro quilômetros de caminhada por mata preservada em trilhas que proporcionam total segurança, passando por onze cachoeiras, dentre elas a deslumbrante Cachoeira Boca da Onça com 156 metros de queda livre – a mais alta do Mato Grosso do Sul. Relaxantes banhos em piscinas naturais translúcidas e no Rio Salobra, uns dos berçários dos peixes do Pantanal e considerado rio cênico protegido por lei, fazem parte desse passeio. No meio do trajeto está o quiosque – ponto de apoio - que dispõe de bar, banheiros e enfermaria. É uma agradável pausa para observar a mata e os paredões de calcário. A escadaria de 866 degraus construída ao longo do paredão de calcário, de onde a vista sobre o cânion do rio Salobra e sobre a área de descida do rapel são inesquecíveis. A Flutuação Cênica pelo Rio Salobra, um passeio de observação da fauna e da flora da Serra da Bodoquena onde o visitante percorre o Rio Salobra em um imenso canyon de rocha calcária com visuais exuberantes e locais inexplorados. Esse passeio consiste em uma caminhada e uma flutuação ao longo de 3 quilômetros, sendo a maior parte feita flutuando, com roupas e botas de neoprene, colete e sem o uso de máscara/snorkel. O visitante desce o rio passando por cinco quedas de água, finalizando o passeio na Cachoeira Boca da Onça. Piscinas naturais Buraco dos macacos Cachoeira do fantasma Cachoeira garganta da arara Córrego Azul Cachoeira Boca da Onça Vista aérea da Serra da Bodoquena Refúgio Canaã Cachoeira Boca da Onça RAPEL BOCA DA ONÇA: O passeio é composto de uma descida repleta de adrenalina em um paredão vertical de 90m de altura. A plataforma de rapel é uma estrutura de 34m de comprimento que se projeta no abismo, proporcionando uma vista deslumbrante do Canyon do Rio Salobra e das pequenas grutas existentes no paredão. Terminando o rapel, um banho na maior cachoeira do estado (a Boca da Onça, com seus 156m de altura) é indispensável. O receptivo possui bar e restaurante, sanitários (adaptados p/ cadeirantes), vestiários, duas piscinas com água corrente, ducha natural, salão de jogos e redário. O treinamento antecipado é obrigatório. Duração: dia todo. Distância: 55 km. Rapel R$ 350,00 AT e R$ 300,00 BT (crianças somente a partir de 11 anos) Almoço R$ 25,00 Transporte: R$ 40,00 BURACO DAS ARARAS: Em meio ao cerrado uma dolina (depressão formada por desabamento) enorme cratera totalmente em arenito com 120m de profundidade, 500m de diâmetro e sua beleza e exuberância, lugar onde diversos pássaros, principalmente as “Araras Vermelhas” adotaram como habitat natural. Em seu interior fauna e flora bem particulares, com ecossistema próprio e um grande lago habitado por jacarés da espécie papo amarelo. O receptivo possui bar e loja de souvenires, sanitários e área de convivência. O passeio é uma boa opção, antes ou depois para quem faz o passeio Rio da Prata ou quando estiver chegando ou saindo de Bonito. Duração: meio dia. Distância: 58 km. Adulto: R$ 45,00 (AT e BT) Criança:R$ 35,00 (AT e BT) DOLINA Quem quiser entrar em contato o telefone é 67/3255-1008 11/3231-2729 ou 11/3042-6815 Reservas on line: [email protected] MSN: [email protected] Se quiser fazer comprinhas, vc estará a 2 horas do Paraguay e do famoso Shopping China, considerado por anos consecutivos o maior e melhor shopping de importados das Américas, vc encontra produtos e marcas originais, eletrônicos, perfumes, bebidas, chocolates, roupas, calçados,tudo a preço de banana por lá, sem os impostos do Brasil, é fronteira seca com Ponta Porã, fica em Pedro Juan Caballero, super tranquilo de entrar e sair, só atravessar a rua e raramente tem fiscalização. Dá pra se sentir rico por um dia !! TABELA DE PREÇOS DE TODOS OS PASSEIOS ATUALIZADA 2014 Atrativo Valor Alta Valor Baixa ADT - ADULTO CHD- CRIANÇA Abismo Anhumas - Rapel & Flutuação ADT e CHD (crianças a partir de 12 anos) 575,00 575,00 Abismo Anhumas - Rapel & Mergulho (Bonito Scuba) (crianças a partir de 12 anos) 805,00 805,00 Arvorismo Hotel Cabanas Diurno ADT 95,00 85,00 Arvorismo Hotel Cabanas Diurno CHD 83,00 76,00 Arvorismo Hotel Cabanas Noturno ADT e CHD (criança a partir de 10 anos) 100,00 100,00 Balneário Municipal 30,00 25,00 Balneário do Sol - ADT 35,00 35,00 Balneário do Sol - CHD (crianças de 6 a 11 anos) 20,00 20,00 Balneário Ilha Bonita - ADT 40,00 40,00 Balneário Ilha Bonita - CHD (crianças de 6 a 11 anos) 30,00 30,00 Barra do Sucuri - Flutuação - ADT e CHD (a partir de 6 anos) 120,00 99,00 Boca da Onça Ecotour - receptivo e almoço ADT e CHD 80,00 70,00 Boca da Onça Ecotour - Trilha + Rapel ADT e CHD (crianças a partir de 11 anos) 350,00 300,00 Boca da Onça Ecotour - Trilhas e Cachoeiras ADT c/almoço 170,00 150,00 Boca da Onça Ecotour - Trilhas e Cachoeiras c/ almoço (CHD - 06 a 11 anos) 125,00 110,00 Boia Cross do Hotel Cabanas 58,00 50,00 Boia Cross do Hotel Cabanas - CHD (06 a 11 anos) 50,00 43,00 Bonito Aventura - Flutuação c/ almoço - ADT e CHD 100,00 100,00 Bonito Aventura - Flutuação s/ almoço - ADT e CHD 80,00 80,00 Bonito Aventura - Trilha Interpretativa 40,00 40,00 Buraco das Araras - ADT 45,00 45,00 Buraco das Araras - CHD (08 a 12 anos) 35,00 35,00 Cabanas Arvorismo 95,00 85,00 Cabanas Arvorismo - CHD (06 a 11 anos) 83,00 76,00 Cabanas Arvorismo - Noturno (a partir de 10 anos) 100,00 100,00 Ceita Corê - Trilha e Cachoeira c/ almoço ADT 145,00 130,00 Ceita Corê - Trilha e Cachoeira c/ almoço - CHD (06 a 11 anos) 103,00 94,00 Estância Mimosa Ecoturismo - Observação de Aves 78,00 78,00 Estância Mimosa Ecoturismo - Passeio a cavalo (crianças a partir de 6 anos) 52,00 52,00 Estância Mimosa Ecoturismo - Trilhas e Cachoeiras ADT c/ almoço 132,00 116,00 Estância Mimosa Ecoturismo - Trilhas e Cachoeiras (CHD) (crianças de 6 a 11 anos) 118,00 104,00 Fazenda San Franciso (Pantanal Sul) - Day Use 168,00 168,00 Fazenda San Franciso (Pantanal Sul) - Day Use (CHD) 121,00 121,00 Fazenda San Franciso (Pantanal Sul) - Focagem Noturna de Carro 132,00 132,00 Fazenda San Franciso (Pantanal Sul) - Passeio 1/2 Período com almoço 150,00 150,00 Fazenda San Franciso (Pantanal Sul) - Passeio 1/2 Período com almoço (CHD - 05 a 11 anos) 103,00 103,00 Gruta do Lago Azul ADT e CHD (crianças a partir de 5 anos) 60,00 45,00 Grutas de São Miguel ADT 45,00 45,00 Grutas de São Miguel CHD (crianças a partir de 5 anos) 36,00 36,00 Lagoa Misteriosa - Mergulho com cilindro ADT e CHD (crianças a partir de 10 anos) 292,00 292,00 Lagoa Misteriosa - Trilha, Contemplação e Flutuação (ADT e CHD) crianças a partir de 8 anos 130,00 130,00 Mergulho Rio Formoso Ygarapé Tour ADT e CHD (crianças a partir de 10 anos) 210,00 210,00 Parque das Cachoeiras - almoço ADT 30,00 30,00 Parque das Cachoeiras - almoço CHD (crianças de 6 a 10 anos) 25,00 25,00 Parque das Cachoeiras ADT - trilha c/cachoeira 95,00 80,00 Parque das Cachoeiras CHD - trilha c/cachoeira (crianças de 6 a 10 anos) 70,00 60,00 Parque Ecológico Rio Formoso - almoço 20,00 20,00 Parque Ecológico Rio Formoso - Flutuação ADT e CHD (crianças a partir de 7 anos) 75,00 75,00 Parque Ecológico Rio Formoso - Bóia Cross (ADT) 60,00 60,00 Parque Ecológico Rio Formoso - Bóia Cross (CHD) (crianças a partir de 7 anos) 55,00 55,00 Parque Ecológico Rio Formoso - Cavalgada ADT e CHD (crianças a partir de 7 anos) 65,00 65,00 Praia da Figueira 35,00 35,00 Praia da Figueira - CHD (06 a 12 anos) 25,00 25,00 Praia da Figueira - Caiaque/Pedalinho/Passeio de Barco 15,00 15,00 Praia da Figueira - Quadriciclo 40,00 40,00 Praia da Figueira almoço 25,00 25,00 Praia da Figueira almoço - CHD 12,00 12,00 Projeto Jiboia ADT 35,00 35,00 Projeto Jiboia CHD (06 a 11 anos) 25,00 25,00 Recanto Ecológico Rio da Prata - almoço 36,00 36,00 Recanto Ecológico Rio da Prata - Mergulho com Cilindro ADT e CHD (crianças a partir de 10 anos) 225,00 225,00 Recanto Ecológico Rio da Prata - Observação de Aves 78,00 78,00 Recanto Ecológico Rio da Prata - Passeio a Cavalo 52,00 52,00 Recanto Ecológico Rio da Prata - Trilha e Flutuação c/ almoço - ADT e CHD ( crianças a partir de 8 anos) 198,00 168,00 Nascente Azul - Flutuação c/ almoço - ADT 160,00 143,00 Nascente Azul - Flutuação c/ almoço - CHD 140,00 124,00 Nascente Azul - Lago da Capela c/ almoço - ADT 63,00 58,00 Nascente Azul - Lago da Capela c/ almoço - CHD 53,00 48,00 Nascente Rio Sucuri - almoço 28,00 28,00 Nascente Rio Sucuri - Cavalgada ou Bike 53,00 53,00 Nascente Rio Sucuri - Flutuação (ADT e CHD) 168,10 145,00 Nascente Rio Sucuri - Nascente 50,00 50,00 Taboa Fábrica de Encantos (crianças até 11 anos FREE) 25,00 25,00
  4. 1 ponto
    Ahhh Veneza... Desde que assisti o filme O Turista com o muso Johnny Depp, esse destino entrou para minha listinha de coisas para fazer antes de morrer... Porém, por ser uma cidade conhecida pelo romantismo, fui deixando de lado já que vivo viajando solo (tá difícil um mozão kkk). No entanto, esse ano a oportunidade irrecusável surgiu! Com meu intercâmbio em Malta (pertinho da Itália), era a hora de conhecer a cidade das gôndolas!! Vou contar então o que fiz em 2 dias por lá, conhecendo muitos pontos turísticos e também pontos não muito conhecidos! Vou falar sobre coisas que legais que você faz de graça e outras que vale a pena gastar um pouquinho! E no final, estou passando dicas para não voltar falido!! Primeiro conselho que dou é: Veneza é a cidade perfeita para se perder!! Bater perna e andar sem rumo... Entrar e sair de rua e aproveitar as surpresas do caminho! Vamos lá ao roteiro: 1º dia Para iniciar o roteiro, nada melhor que partir do coração da cidade.. Piazza San Marco Ela é a praça principal de Veneza e considerada como salão de visitas da cidade! Muito popular pelo seu tamanho e prédios em seu entorno! A praça é considerada como ponto mais visitado de Veneza, então dá para ter uma idéia da quantidade de gente por lá né... Ao interessante sobre a praça é que ela é o ponto mais baixo de Veneza e quando a maré está alta, ela fica alagada transformando totalmente o cenário. Eu não sou fã de lugares lotados, mas a praça em si é tão bonita que vale a pena!! E fiquei um bom tempo por lá. Já que estamos aqui, o que mais chama atenção na Piazza San Marco, sem sombra de dúvida, é a magnífica Basílica di San Marco!! Ela é realmente grandiosa, acho que nunca vi nada parecido!! Uma arquitetura belíssima, considerada uma obra-prima bizantina fora do território do Império do Oriente. Para se ter uma noção de sua grandiosidade, a basílica possui 4 mil metros quadrados de mosaicos. A entrada na basílica é grátis, mas quem quiser entrar no museu é preciso pagar 5 euros e com essa entrada você tem direito de subir até o terraço e apreciar a vista. Para visitar o tesouro são mais 3 euros e a pá de ouro mais 2 euros. Continuando pela praça, contemple a Torre do Relógio, ou Torre dell’Orologio. Ele mostra as horas, dia, fazes da lua e zodíaco. No alto dele existem duas estátuas, um senhor e um jovem que batem as horas no sino representando a passagem do tempo. Nesse também está a figura do leão de São Marcos, um dos símbolos de Veneza. Ainda na praça, do outro lado do relógio, visite mais uma atração icônica de Veneza, o Campanário di San Marco. Essa impressionante torre possui 98,5 metros de altura, e claro, é o edifício mais alto da cidade! No alto do Campanário tem uma pirâmide, mais uma vez composta pelo típico leão e no seu topo a figura do Arcanjo Gabriel. Fonte: www.brandpress.com.br A entrada custa 8 euros. Ainda no entorno da praça, siga para o Palácio Ducale. O imponente edifício gótico, também conhecido como Doge’s Palace ou simplesmente Palácio do duque, foi construído como castelo fortificado, depois acabou sendo utilizado como prisão e fortaleza, então como sede do governo de Veneza e por fim, hoje é um importante museu. Quem deseja conhecer mais sobre a historia de Veneza, a visita é uma boa pedida. Um fato interessante é que o famoso escritor Casanova foi prisioneiro do local em tempos antigos e conseguiu fugir pelo telhado. O ingresso custa 19 Euros. Depois da visita ao palácio, atravesse a famosa Ponte dos Suspiros, que ligava o palácio a uma antiga prisão. Desse fato saiu a lenda sobre o nome da ponte, que dizia que os prisioneiros davam seus últimos suspiros de liberdade quando passavam por ela. Já em frente ao Palácio, caminhe pela super movimentada avenida Riva degli Schiavoni e aproveite para tirar fotos nos pontos de estacionamento das gôndolas. Dali você também terá uma vista linda para a imponente Basílica de San Giorgio Maggiore. Essa é uma das vistas mais famosas de Veneza. Depois de passear e tirar fotos, siga em direção a Ponte Rialto. A mais famosa e movimentada ponte de Veneza e foi a primeira a ligar as duas margens do Canal Grande. Ela é linda, com muitos detalhes e uma vista linda! Possui duas rampas, onde em seu interior existem várias lojas. Atravesse ela para visitar o Campo San Giacometto, um antigo ponto comercial. E é lá também que fica a igreja mais antiga da cidade, a igreja de San Giacomo. Ela fica no coração de Rialto e possui um relógio solar. A visita no interior da igreja de San Giacomo é gratuita e achei a região bem agradável e tradicional. Dali volte para a direção do Grande Canal e passeie pela avenida Riva degli Vin. Essa margem e bem bonita e possui vários restaurantes e cafés italianos. O preço é salgadinho, como tudo ao redor do grande canal, mas com certeza vale a visita. * DICA: Durante todo esse caminho você vai passar pelo Grande Canal que é a maior via aquática de Veneza, mas também vai passar por lindos outros pequenos canais. Existem por volta de 150 canais cortando a cidade, cada um com seu charme e sua ponte. Vale muito a pena se perder entre eles. 2º dia Para o segundo dia reservei conhecer as partes menos turísticas de Veneza!! Iniciei meu dia no bairro mais genuíno da cidade o Cannaregio! O bairro é bem tradicional, onde você pode ver os costumes e cotidiano dos venezianos, sem muito movimento turístico! Passeie com calma, sentindo o clima! No bairro siga para o Gueto Judeu. Considerado o primeiro gueto hebraico da Europa, a região em um mergulho tradicional!! A região é linda e foi uma das coisas que mais gostei de fazer em Veneza. Por lá existem ainda restaurantes e lanchonetes que servem comidas e doces típicos judaicos. Um lugar no Gueto que gostei muito foi a praça Ghetto Nuovo, onde vi vários judeus bem tradicionais. As sinagogas do bairro foram construídas em meio aos prédios, sem alarde, sendo até difícil identificá-las. Depois do passeio, siga em direção ao bairro Castello e dedique um tempinho para conhecer o Campo Santi Apostoli. O lugar é lindo e super fotogênico!! Por lá você poderá visitar também a igreja Santi Apostoli, comer algum lanche em barraquinhas e tirar muitas fotos na ponte do canal da praça. Siga novamente para a ponte Rialto para atravessar o canal e seguir até a igreja Santa Maria dei Frari. Em frente a igreja, esta mais um belo campo de Veneza. Com uma ponte muito bonita! A igreja Santa Maria dei Frari é muito importante e abriga obras famosas, como uma escultura de madeira de São João Batista feita pelo famoso Donatello. O valor da entrada são 3 euros que ajudam na preservação da igreja. Esses foram os pontos que visitei, mas o que mais fiz em Veneza foi me perder e andar sem rumo. A cidade é linda e única... Cada cantinho aguarda uma surpresa! Dicas práticas para você economizar na sua viagem: Substitua o passeio de gôndola Muita gente vai a Veneza justamente para fazer o passeio de gôndola com todo seu misticismo romântico, porém, prepara o bolso. São 80 euros para mais ou menos 40 minutos de passeio pelos canais. Vale lembrar que esse valor é por gôndola. Mas para quem quer passear pelos canais, mas não quer gastar tanto, vale pegar um watertaxi para se locomover. Com isso você pode montar seu próprio city tour. Passeio panorâmico pelos canais fora da gôndola Mais uma dica é pegar a linha 1 do Vaporetto (transporte publico em Veneza) para fazer um passeio panorâmico pela cidade. A linha cruza as principais atrações da cidade. Lojas X barraquinhas Por Veneza você vai ficar maluco com tanta loja vendendo coisas lindas!! Desde souvenir até as famosas máscaras venezianas. Muitas lojas tradicionais vendem máscaras bem caras, mas se você não puder gastar muito e quiser trazer uma máscara de recordação, minha sugestão é comprar em alguma barraquinha de rua. Foi exatamente o que fiz, comprei a minha por 12 euros e ela é linda! Hospedagem Se não quiser falir se hospedando em Veneza, minha sugestão é ficar na região de Mestre ou Marghera. Eu fiquei no Camping Village Jolly em Marghera e valeu muito a pena!! Não se assuste com o nome camping, porque lá você vai ficar em uma casinha de madeira com banheiro e wifi! Além de ter uma linda e organizada estrutura, o camping oferece uma hospedagem barata, com restaurante e mercado dentro do local e ainda transporte de ônibus ida e volta para Veneza por 5 euros. Em 15 minutos eu chegava na estação de trem em Veneza, já pertinho da Piazzale Roma. Almoço e janta Veneza possui muiiiitos restaurantes caros, principalmente perto das atrações mais turísticas e entorno do Grande Canal. Para fugir disso, dê preferência aos restaurantes nas ruelas alternativas. Além de ter muitas opções de estabelecimentos que vendem pedaços de pizza, sanduíches e até kebabs.
  5. 1 ponto
    Galera, Boa tarde! Minha busca é por pessoas que estão interessadas em conhecer a sí mesmo, enfrentando as adversidades da natureza e compartilhando momentos únicos. Tenho intenção de formar um grupo de mochileiros sólido para agendar viagens e trilhas interessantes pelo Brasil e mais pra frente pra fora do país também. Moro em São Paulo - Capital. Aos interessados deixem mensagem aqui e vamos nos falando! Obrigada!!
  6. 1 ponto
    Boa noite galera! To indo p para a Colômbia com um amigo atrás de farra, principalmente! Pretendemos ir no dia 16/03/18 e voltar até o dia 28/03/18, no máximo (ta em cima da hr, to ligado!). Pensamos em cartagena e medellin. Alguém pra dar uma opinião ae? vlwww
  7. 1 ponto
    PESSOAL, QUEM JA EMBARCOU NESSE ROTEIRO PERU-BOLIVIA-CHILE, GOSTARIA DE UMAS DICAS. TO FAZENDO UMAS PESQUISAS AQUI E FICOU UMA DÚVIDA. PRETENDO COMEÇAR NO PERU E SEGUIR BOLIVIA - CHILE. PORÉM PARA QUEM FEZ CUSCO - LA PAZ - UYUNI COMO FOI ESSA ROTA ? QUAL MEIO DE TRANSPORTE USAR, PELO QUE VI, MUITA GENTE TIPO A MAIORIA FAZ ONIBUS , PORÉM , ESSE ÓNIBUS VAI DIRETO DE CUSCO P/ UYUNI OU TEM Q PEGAR CUSCO-LA PAZ E DEPOIS LA PAZ - UYUNI. E É VIAVEL JA ADQUIRIR ANTECIPADO O PACOTE COM AGÊNCIA P TRAVESSIA SALAR DE UYUNI?
  8. 1 ponto
    Mais um relato do clássico roteiro e eu resolvi compartilhar com vocês tudo ou boa parte do que foi vivido nesses 25 dias de viagem, para começar irei deixar meu roteiro para que vocês possam se basear no que for escrito. Roteiro: 02/out São Paulo - Santa Cruz - Sucre 03/out Sucre - Uyuni 04/out Salar de Uyuni 05/out Salar de Uyuni 06/out Salar de Uyuni - San Pedro de Atacama 07/out San Pedro de Atacama 08/out San Pedro de Atacama x Arica 09/out Arica x Tacna x Arequipa 10/out Arequipa 11/out Arequipa - Ica 12/out Ica - Huacachina 13/out Islas Ballestas + Paracas - Ica - Lima 14/out Lima x Huaraz 15/out Huaraz 16/out Huaraz x Lima 17/out Lima x Cusco 18/out Cusco 19/out Cusco 20/out Cusco 21/out Cusco 22/out Cusco - Copacabana 23/out Copacabana 24/out Isla x Copacabana - La Paz 25/out La Paz 26/out La Paz - Santa Cruz 27/out Santa Cruz de la Sierra - SP Esse foi o roteiro seguido por mim e por minha parceira de viagem (Katarine) que eu conheci graças ao mochileiros.com e foi uma pessoa parceira/irmã em toda a viagem e a quem eu sou muito grato por tudo o que ela fez antes, durante e depois da nossa viagem. Muito obrigado Ka . Gostaria de agradecer também a todas as pessoas que compartilharam suas viagens aqui, rodrigovix, Mary Telles, Barbara e muitos outros, obrigado mesmo . Preparativos: Antes de viajar comprei algumas roupas para frio que me faltavam e não vou colocar isso aqui no custo final da viagem pois é algo que a maioria pode ter. O que foi comprado antes foi: Passagens Ida x Volta São Paulo x Santa Cruz - Passagem de avião de Santa Cruz x Sucre pela amazonas - R$ 130,00 - Passagem de avião Lima x Cusco pelo site da Avianca Peruana o que nos rendeu um frio na barriga enorme antes da partida, aguardem os próximos capítulos USD 38,00 - Passagem La Paz x Santa Cruz pela Boa R$ 205,00. Comigo levei 930 dólares e 300 reais, não levei cartão de crédito pois estava sem e não foi necessário em momento nenhum da viagem inteira. O que levei na mochila: 7 camisetas 3 calças jeans 2 terceira pele 1 capa de chuva 1 corta vento 1 moleton 8 pares de meia 1 chinelo 3 bermudas 1 bota 1 capa de chuva do mochilão 1 Canon sx510hs 1 Go pro hero 3+ 1 protetor solar 1 óculos de sol Alguns remédios para dor e alergia. O mochilão que eu usei foi um da Quechua de 50 litros que eu havia comprado no ano passado e que serviu tranquilamente, levei uma mochila de ataque de 20 litros que foi de uma serventia tremenda. Também levei uma pequena de 10 litros que usa para carregar a câmera, protetor, óculos e doleira pois eu não estava afim de andar com ela na cintura e não tive problemas. Pronto todas as coisas que antecederam a viagem estão aqui, caso eu lembre de algo irei adicionar e aviso vocês. Próximo capítulo - A partida para um grande sonho.
  9. 1 ponto
    Retirado do meu blog: http://itinerant.com.br/ México era um país que sempre despertou minha cuiriosidade desde criança quando assistia ao Chaves. Além disso, ter sítios arqueológicos fascinantes, o mar do Caribe do lado, uma culinária super saborosa e um povo super feliz e simpático num mesmo lugar faz do México uma parada obrigatória pra qualquer tipo de viajante. Minha viagem pra lá aconteceu no período de de 21 de abril a 5 de maio de 2017. O clima estava perfeito, bem ameno e sem chover nenhum dia. Na Cidade do México, eu fiquei hospedado na casa de um amigo próximo à estação de metrô Hospital 20 de Noviembre. O fato de ficar próximo a uma estação de metrô facilitou bastante minha locomoção pela cidade. Então recomendo uma hospedagem próxima de alguma estação de metrô também. O primeiro ponto que visitei na Cidade do México foi o Zócalo, onde fica o Palácio Nacional, a Catedral Metropolitana e o Templo Mayor. Pra chegar lá é só pegar o metrô até a estação Zócalo. O interior da Catedral também é muito lindo: A praça do Zócalo é enorme, mas quando eu fui estava acontecendo um evento e quase toda a praça tinha sido isolada pra armação de um palco, etc. Mas a visita à catedral valeu muito a pena. Duas estações depois do Zócalo fica a Estação Bellas Artes que também é parada obrigatória. É lá que fica o Palácio de Bellas Artes, que além de ser bonito por fora, funciona também como museu de arte. Vale a pena comprar o ingresso com a taxa extra pra fotografia pra poder fotografar no interior também. Também é bom tirar um dia pra conhecer o Museo Nacional de Antropología próximo da Estação Auditorio. É uma boa aula de história principalmente se você for conhecer Teotihuacán e Chichén Itzá depois. Outros lugares que visitei na Cidade do México foram o Museo Frida Kahlo e o campus da Universidad Nacional Autónoma de México. Também assisti a uma partida de futebol no Estádio Azul a convite do meu amigo. Assim como no Brasil, os mexicanos também adoram futebol. Deu pra aprender uns palavrões em espanhol também: put***ssimo! kkk Como tinha uma outra amiga que morava na cidade de Querétaro, no norte da Cidade do México, tirei um dia pra visitar essa cidade também. Fui até lá de carro com meu amigo, mas também dá pra ir de ônibus da rodoviária da Cidade do México. É um pouco distante, cerca de 3 horas de carro. Mas é uma cidade interiorana bem agradável. Foi lá que comi a melhor comida mexicana. Ainda nos arredores da Cidade do México, é claro que não podia deixar de visitar as pirâmides de Teotihuacán. Pra lá também fui de carro. Mas assim como Querétaro, também dá pra ir de ônibus da rodoviária. O lugar é enorme. E vá preparado pra escalar a pirâmide porque a subida é de tirar o fôlego! Mas a vista lá de cima compensa muito! Dentro da área das pirâmides funciona também um museu contando um pouco da história dos povos que viviam ali. Vale a pena a visita. Também não deixe de visitar o restaurante La Gruta que fica ao lado do sítio arqueológico de Teotihuacán. É um restaurante construído dentro de uma caverna! A comida é excelente e também tem algumas apresentações artísticas. Outra dica é se você for comprar lembrancinhas, compre em Teotihuacán! Lá a variedade é grande e os preços são bons também (sempre negocie). Não deixe pra comprar em Cancún ou Chichén Itzá, por exemplo. Pois lá os preços são bem maiores e a variedade é menor também. De volta à Cidade do México, peguei um voo até Cancún pra segunda metade da minha viagem. Eu tinha planejado me hospedar em Playa del Carmen em vez da orla de Cancún, pois tinha lido que se você não tem dinheiro pra pagar um hotel localizado nas praias de Cancún, não valeria muito a pena. Já Playa del Carmen, eu tinha lido que é lugar mais pra mochileiros, com hospedagens mais baratas e acesso mais fácil à praia. E realmente não me arrependi. Fiquei em um albergue a 5 minutos da praia e da rodoviária. O nome do local é Hostel 3B Chic & Cheap. Como hostel, achei ele médio. Ele tem o básico. Mas de fato a localização é perfeita. Então se você quer só um lugar pra dormir, recomendo. Só achei chato o fato de eles reterem o nosso passaporte ou identidade com eles. Eles não querem a cópia, querem ficar com o original mesmo até o checkout. Fiquei preocupado em deixar com eles, mas no final recebi de volta sem problemas. Na Playa del Carmen, eu estava sozinho. então fiquei curtindo e relaxando na praia. Na praça principal, também ficam alguns artistas fazendo apresentações diversas: Dá pra pegar barco também dali e ir pra ilha de Cozumel que fica bem próximo, mas como iria pra Chichén Itzá ainda, não teria muito tempo pra ir lá. Mas fica a dica. O último ponto que visitei e também o mais esperado por mim foi Chichén Itzá. Fui até lá de ônibus da rodoviária de Playa del Carmen. Além da pirâmide de Chichén Itzá, considerada uma das Maravilhas do Mundo, o sítio arqueológico tem as ruínas de todo o polo urbano dessa cidade maia antiga. Dá pra passar o dia por lá. Mas sofri com o calor. O local fica no meio de uma selva e não tem muita sombra. Então levem bastante água e protetor solar também. Também não deixem de ir ao Cenote Sagrado que fica na área oeste da pirâmide. Depois de sair de lá com aquela sensação de satisfação, voltei pra Playa del Carmen pra minha última noite no México. Aproveitei minhas últimas horas num barzinho na praia escutando música ao vivo e tomando uma boa frozen margarita com chili. No dia seguinte, voltei ao aeroporto de Cancún pra ir de lá pra Cidade do México novamente e pegar o voo pra ir embora. Foi realmente uma ótima viagem! Reencontro com bons amigos, visitas a lugares fantásticos e comida e bebida excelentes! Acompanhem também relatos de outros destinos no meu blog: http://itinerant.com.br/
  10. 1 ponto
    Gente preciso de todas as dicas do universo para fazer a melhor viagem (sozinha) para a Argentina. Obs: preferência sempre por Hostel bem frequentados e centrais, mas tô indo pra pesquisar o país pois pretendo morar lá um tempinho. Me ajudem por favor!
  11. 1 ponto
    Olá galera mochileira, vou retribuir o aprendizado obtido aqui tentando passar um pouco do que foi essa trip e quem sabe também ajudar alguém. Fomos em 3 pessoas (eu, esposa e sobrinha) em um C3 Picasso 1.6. O carro, apesar de não ser 4x4, o que me fez falta (contarei mais adiante), se portou muito bem e tivemos pouquíssimos contratempos, fazendo uma boa média de 13,5 km/L. sempre na gasolina super ou 95. Falando em gasosa, os valores da gasolina nos postos foram na média: Brasil: entre R$ 3,90 e 4,30. Argentina: em torno de ARP 26,27 (R$ 3,67) Chile: em torno de CP 809,00 (R$ 4,30) Câmbio: Endereços: Corrientes/ARG: Av. 9 de Julio, 996 Calama/CHI: Calle Emilio Sotomayor, 2125 O dólar estava cerca de R$3,35 e o peso argentino R$0,20 em Puerto Iguazu e Ciudad del Est. Compramos apenas alguns pesos em Puerto Iguazu para almoçarmos e pagarmos os pedágios do caminho para Corrientes, onde já tinha selecionado uma agência de câmbio no centro da cidade. A decisão foi acertada, pois conseguimos melhores taxas e compramos peso argentino e dólar na seguinte cotação: Peso Argentino: ~R$ 0,14 ou ARP 7,15 por real. Dolar: R$ 3,245 ou USD 0,308 por real. O Peso chileno optamos por comprar em Calama, onde faríamos nosso primeiro pernoite. No centro de Calama, na praça da Igreja, tem uma boa casa de câmbio, com cotação superior a de San Pedro. Mas tive que trocar bastante dólar em San Pedro também, onde geralmente conseguíamos a cotação de CP 600,00 por dólar. Obs. Fizemos câmbio de reais apenas em Corrientes, trocando-os por dólares. A moeda estadunidense tem melhor aceitação e a troca de câmbio favorecia sempre. Documentos levados foram esses, sendo que apenas uma única vez nos solicitaram apenas a CRLV, nada mais. * RG * CNH * CRLV * Carta Verde * SOAPEX Agora um breve resumo: Dia 1. De Santos/SP até Foz do Iguaçu/PR Saímos por volta de 07h30 e chegamos quase 23h00 no hotel. Muitos pedágios, muito trânsito, vários acidentados no caminho, enfim, mais de 1000km em estradas brasileiras, sem novidade. Nos hospedamos sempre através do Booking.com e em Foz, ficamos no Salvatti Cataratas Hotel e pagamos R$135,00 o quarto triplo com café da manhã e garagem. Nenhuma maravilha, mas é bem localizado. Bom custo benefício. Dia 2. De Foz do Iguaçu/PR a Corrientes/ARG Saída: 09h00 Chegada: 20h00 A travessia foi bem demorada na fronteira argentina. Uma fila imensa de veículos que nos custou cerca de 1h30. Em Puerto Iguazu paramos para comprar chip de celular (Personal) para utilizarmos a internet, almoçarmos e fazermos um pouco de câmbio, o suficiente para chegarmos até corrientes. No caminho tem muitos bloqueios policiais, mas não fomos parados em nenhuma para solicitar documento, no máximo perguntavam para onde íamos e mandavam seguir adiante. Chegamos ao anoitecer em Corrientes e fomos direto para nossa hospedagem. Ficamos na Torre Costanera Norte. Recomendo fortemente. Fica em um edíficio com vista para o Rio Paraná, e é um apartamento muito agradável e confortável. Por não ser Hotel ou similar, não tem café da manhã, mas tem cozinha equipada. Pagamos 800 pesos no local. Dia 3. De Corrientes/ARG a Salta/ARG Saída: 08h00 Chegada: 20h00 Muito chão pela frente, realmente atravessar aquela reta de 500km é um chaco, com o perdão do trocadilho. Poucas cidades pelo caminho, alguns postos de gasolina, muitos insetos se espatifando na frente do veículo (uma capa é recomendável) e poucos veículos no caminho. No início do trajeto tivemos um pneu furado. E no meio do caminho, creio que no trecho esburacado após Monte Quemado, um dos pneus sofreu uma pancada e criou um galo, o que me obrigou a troca-lo mais adiante, visto que a malha de aço interna foi rompida. Foi difícil arrumar um local para almoçar, mas por volta de 14hs encontramos um local pitoresco, um pouco rústico, mas com boa comida e preço honesto. Não marquei o local, mas deve ficar próximo de Monte Quemado, logo na marginal de frente para pista e se chama Comedouro La Tranquera, vale a parada! Com muito cansaço e sono chegamos em Salta. Nos hospedamos novamente em um apartamento (Monoambiente Equipado e Calido). Com boa localização e certo conforto. Não possuía garagem, tivemos que estacionar em frente. Pagamos 820 pesos ao proprietário que nos aguardou no local. Dia 4. De Salta/ARG a Calama/CHI Saída: 08h30 Chegada: 23h00 Enfim atravessaríamos a cordilheira. Mas, não sabendo que teríamos tantas atrações no caminho, saímos com toda calma do mundo as 8h30. Um erro, já que o trajeto era longo, com muitos atrativos no caminho. Sugiro sair bem mais cedo. No caminho paramos para apreciar as costas de Purmamarca, as Salinas Grandes, Lhamas, cactos, mirantes de Jujuy em geral... Na fronteira chegamos por volta de 16h00, onde abastecemos, almoçamos alguns salgados da conveniência mesmo e fomos fazer os trâmites. Havia uma grande fila de veículos para entrar e outra maior ainda de pessoas dentro da aduana. Os policiais estavam meio estressadinhos, mas ajudavam a todos da melhor forma. Fomos apenas com RG e Documento do veículo. Por volta de 19h00 iniciamos a entrada no Chile. Achávamos que seria só descida...ledo engano...ainda havia muita subida pela frente. A dor de cabeça se fazia presente em todos, um pouco de tontura ao mínimo esforço e assim fomos subindo e subindo. O carro, carregado até o talo, não passava de 60km/h e em algumas subidas não passava dos 40km/h. As garrafas PET sendo amarrotadas como papel... e o sol que nos acompanhava começava a ir embora. E com o sol, vai-se o calor também. A temperatura começa a cair gradativamente de cerca de 17° as 17hs para cerca de 3° no ponto mais alto, a 4.820msnm, as 21h00. Daí em diante começou a descida, no breu total, nem podíamos ver as paisagens...mas enfim chegamos em San Pedro, porém nossa reserva era em Calama. Agora veja a situação: 10 da noite, sem almoçar e jantar, cabeça explodindo...procuramos hospedagem em San Pedro mesmo...mas nesse horário e nessa época do ano...nem a pau Juvenal....tivemos que seguir pista por mais 100km até Calama e procurar nosso abrigo previamente reservado. Em Calama ficamos em uma pousada meio estranha (Apartamentos Norte Grande), mas fomos bem atendidos. Possuía garagem pelo menos. Mas não oferecia café da manhã. Pagamos cerca de USD 35,00. Dia 5 – De Calama/CHI a Iquique/CHI Saída: 09h00 Chegada: 17h00 Como o trajeto nesse dia era mais curto, aproveitamos a manhã para ir ao Centro. Fizemos câmbio Dolar/Peso chileno na empresa AFEX, Calle Emilio Sotomayor 2125. Boa cotação, superior à de San Pedro. Compramos um chip de celular da Movistar. Fomos trocar o pneu danificado (calombo) em uma gomeria próxima ao Shopping, onde fomos depois almoçar antes de seguir viagem. De Calama à Iquique são dois caminhos, por deserto ou litoral. Então fomos conhecer a famosa Ruta 01 que nos levaria ao destino margeando a costa do Pacífico. Seguimos primeiramente até Tocopilla, uma pequena cidade litorânea onde acessamos a ruta 1. Realmente o caminho é sensacional. Uma pista simples espremida entre praias desertas, com suas areias pedregosas e cheias de conchas brancas trazidas pelo mar azul e serras de areia e pedra ao lado direito, muito altas e sem vegetação. Há diversos mirantes no trajeto e até mesmos as praias são acessíveis aos veículos. Vimos também diversas barracas de camping no caminho, parece ser comum acamparem na praia e passarem a noite com a família. Nada como termos segurança para tal hein? Após tantas praias desertas, ou quase, chegamos em Iquique, já nos deparando com trânsito intenso, porém organizado, com as praias cheias de jovens ouvindo música, praticando esportes ou passeando. A cidade não é muito grande, mas é bem cuidada, com bastante policiamento e comércio variado, para todos os gostos. Fizemos algumas compras em um hipermercado e fomos para o Hotel. Hotel Manuel Rodriguez Express, de excelente localização, a 1 quadra da praia, bem próxima da movimentada Praia de Cavancha. O hotel parece bem antigo, mas está em boas condições, com estacionamento externo em frente e café da manhã. Pagamos cerca de R$420,00 pelas duas diárias em quarto triplo. Dia 6. Iquique/CHI Dia de passear. Fomos conhecer a Plaza Arturo Prat, onde tem a Torre del Reloj e uma boa feira de artesanato. Muitos casarões antigos dão o tom de cidade antiga e preservada ao local. Passamos também frente ao Museu Corbeta Esmeralda, mas achamos meio pequeno e ninguém se interessou em entrar. Fica para a próxima rs. Fomos direto a praia caminhar um pouco pelo calçadão e conhecer o local. A noite fomos a pé até a praia próxima ao hotel, onde viramos o réveillon. Eles fazem, tal como nós, balsas com os fogos de artificio, e o foguetório durou cerca de 25 min, muito bonito por sinal. O que me chamou a atenção foi o costume local de soltar balões, geralmente pequenos e vermelhos, que iluminavam a noite vagando pelo céu. Imagina dezenas de balãozinhos vagando no céu da praia...realmente bacana. E bebida rolava no máximo um vinho ou espumante entre as famílias...nada de bêbado, gente vendendo cerveja, whisky e afins...tudo sendo festejado com alegria e segurança. Dia 7. Iquique/CHI a Toconao/CHI Saída: 09h00 Chegada: 18h00 Finalmente Atacama. Partimos em direção ao nosso grande objetivo, mas antes ainda paramos na cidade abandonada de Humberstone. Infelizmente estava fechada por ser dia 1, e assim tiramos apenas algumas fotos do lado externo. Vamos ter que voltar lá tb, parece ser muito interessante o local. Uma cidade abandonada no meio do deserto, com todas as casas, ruas e acessórios preservados. No caminho, antes de chegar a San Pedro, também já aproveitamos e conhecemos a Cordillera del Sal e Valle de La Muerte, o que já nos deu o gostinho do que teríamos pela frente. Locais sensacionais. A Cordillera tem um mirante bem amplo onde você pode descer até onde conseguir e tirar fotos realmente no meio das dunas e pedras. O Valle de La Muerte não fizemos o sandboard, apenas seguimos até o final da trilha, porém devido ao horário o vento estava forte demais, nos golpeando com areia e evitando que subíssemos até o mirante. Mas deu para ver o suficiente do local. Dali fomos direto para Toconao. O pequeno povoado de Toconao fica a cerca de 25 min de San Pedro ou 30km. Quando procurava quarto em San Pedro pelo Booking, encontrava pouca coisa devido a data, e o que encontrava estava caro demais ou eram apenas hostels com quarto e banheiro compartilhado, o que não serviria para uma família. Assim acabei pesquisando por algo nas proximidades e acabei por encontrar em Toconao exatamente o que eu procurava. A cidade fica perto de vários locais de visitação, possuía comércio próprio e até mesmo posto policial. Enfim, acabamos por selecionar o Hostal Altos del Lascar. Com quarto e banheiro privado, Wi-FI, cozinha coletiva, café da manhã e estacionamento. E ainda pudemos utilizar a máquina de lavar roupa e varal, o que nos foi muito útil. Até churrasqueira a disposição tinha. Por ali ficamos por 5 diárias pagando cerca de R$221,00 por dia ou US68,00 o quarto para até 4 pessoas (cama casal + beliche). Super recomendo! Dia 8 – Atacama Na parte da manhã fomos conhecer o centro de San Pedro e fazer câmbio na Calle Toconao, além de abastecer o veículo no escondido posto de San Pedro. Almoçamos em Toconao todos os dias no restaurante Chaxa I, boa comida, bom preço, bom atendimento e bem pertinho do Hostal. Geralmente comíamos os três com bebida por cerca de 10.000 pesos, cerca de R$50,00. Recomendo. A tarde fomos visitar as Lagunas Cejar, Piedra, Tebenquiche e Ojos del Salar. A estrada é por terra, mas dá para andar tranquilamente em boa velocidade. Lagunas Cejar e Piedra - A laguna Piedra estava meio seca e sem graça...já a laguna Cejar é bonita, mas creio que seja melhor para quem pretende entrar na água e ficar boiando ou apenas se refrescando. Pagamos cerca de R$75,00 por pessoa ou CP 15.000 p.p e não aproveitamos tanto. Há várias outras lagunas mais bonitas. Ojos del Salar – Muito legal de conhecer. Não mergulhamos também, mas é bem incomum e vale a pena conhecer. Laguna Tebenquiche – Uma laguna branca com muito sal em volta. Após o estacionamento há um trajeto bem comprido acompanhando a borda da laguna onde você pode tirar fotos. As montanhas espelhadas na laguna são formidáveis. Pagamos CP 3.000 p.p. Recomendo. Dia 9 – Atacama Hora de visitar as Lagunas Altiplânicas Miniques e Miscanti. Por sorte, Toconao está mais perto do que San Pedro e chegamos bem cedinho lá. Devido a altitude o frio vem com força, a cabeça dói, o carro sofre, mas chegamos e aproveitamos muito o lugar. Indescritível é o que podemos dizer das lagunas. O silêncio, a paisagem ao fundo e as lagunas em si, são de outro planeta. Pagamos CP 2000 p.p. Na descida esquecemos de ir visitar as Piedras Rojas...tão perto e perdemos esse passeio. Fica para a próxima também rs. Após as Lagunas fomos em direção a Toconao e no caminho, em Socaire, avistamos a estradinha que subiria para a Laguna Lejia. Entramos nela e começamos a subir uma estradinha bem ruim de terra e pedra...fomos até certo ponto apenas já que o carro não era 4x4 e o negócio estava piorando cada vez mais e não havia uma alma viva por perto...enfim, ficará para quando for fazer a subida do vulcão Lascar. Após isso fomos direto até a entrada que nos levaria à Laguna Chaxa, onde enfim pudemos ver e admirar os famosos Flamingos Chilenos. A Laguna fica à esquerda de quem está voltando para Toconao e leva uns bons quilômetros por estrada de terra, mas sem problemas. A laguna por si só já é muito bonita e fica ainda melhor com as dezenas de flamingos se alimentando por toda a laguna, bem pertinho de você as vezes. São animais lindos com certeza. Vale muito a visita. Pagamos cerca de CP 1500 p.p. Dia 10 – Atacama Nesse dia nos programamos para visitar Os Geisers del Tatio. Saímos as 4h30 e fomos em direção a San Pedro, onde pegamos a estrada que nos levaria até o ponto turístico. Nesse momento a temperatura estava em cerca de 14°, na altitude de Toconao (2400 msnm). E assim, após passar por San Pedro, fomos subindo e subindo...a estrada de terra batida começou a piorar conforme nos aproximávamos. E conforme subíamos a temperatura despencava. Se no início havia pouquíssimos carros subindo, de repente havia uma fila imensa de carros. Nosso carro de passeio, 1.6, naquela estrada cheia de costelas de vacas sofria e tínhamos que ir devagar enquanto a maioria de vans e caminhonetes passavam como se não houvesse amanhã. As costelas de vacas foram aumentando e chegou um momento em que parecia que andávamos sobre contínuas tartarugas (tachão) por diversos km. Até que, faltando poucos km, a uma altitude de mais de 4.000 msnm, com o termômetro anotando -8°, o câmbio do veículo simplesmente se desmanchou, travando em 4º marcha. Ou seja, tivemos que parar no cantinho, ligar o pisco alerta, colocar rapidamente os triângulos e torcer para ninguém passar por cima. Como não havia muito o que fazer, sem sinal de celular, e a galera passando correndo a caminho dos gêiseres, somente nos restou relaxar e esperar o sol nascer totalmente para aguardar o pessoal voltar e pedir auxílio. Cerca de 2 hrs depois começaram a aparecer alguns veículos retornando. A maioria sequer parava para perguntar e os que paravam geralmente tinham os veículos cheios de passageiros. Até que uma nobre alma argentina parou e nos ofereceu carona até San Pedro. Sr. Xavier e sua companheira foram simplesmente sensacionais. Somos muito agradecidos por ter conhecido esse Hermano. Ainda paramos em Machuca, porém ninguém conseguiu auxílio no local e tivemos que nos deslocar até San Pedro, onde fomos à oficina logo ali próximo da aduana. Depois de uma pequena espera de 5 hrs eles conseguiram uma camionete para fazer o resgate do veículo que passou o dia todo abandonado na estradinha de El Tatio. Com o carro na oficina, foi constatado que soltou uma peça do seletor de marcha...provavelmente soltou a alavanca do seletor ou o trambulador. Eles encaixaram, botaram uma abraçadeira para reforçar e pronto...voltou ao normal. Custo disso tudo: Resgate: CLP 90.000 Mão de Obra: CLP 20.000 Ou seja, saiu caro. Quase R$450,00 só pelo resgate. Ainda tentei locar uma camionete para fazer esse resgate, porém o aluguel sairia mais caro. Mas foi um susto, pois dependendo do defeito, por exemplo um defeito no disco ou platô, teria que ficar sem o veículo por uns 3 dias até chegar as peças de Calama. Demos sorte, a sorte de quem se arrisca! Nesse dia perdemos o dia inteiro resolvendo isso. Deu tempo apenas para correr até o centro de San Pedro e comprar um passeio para os Geisers para o dia seguinte. Conseguimos um valor bom, CLP 17.000 p.p . Dia 11 – Atacama Saímos as 4h30 de Toconao, dessa vez apenas para estacionar nosso guerreiro em São Pedro, no estacionamento municipal, onde a van da agência contratada já nos aguardava ao chegarmos. Após a van buscar a galera que nos acompanharia em seus hostels, colombianos e argentinos, partimos em direção, pela 3º vez, da estrada que nos levaria aos Geisers del Tatio. Dessa vez, a viagem foi tranquila, com uma van preparada para esse tipo de viagem. Chegamos com o céu começando a clarear, por volta de 6hs, com temperatura de -7° na portaria do parque. Pagamos mais CLP 10.000 p.p pela entrada e depois a van nos leva até o primeiro estacionamento, a partir de onde inicia-se o tour. O guia chama-se Celso, muito competente e paciente com todos. Recomendo. Apesar do frio de gelar a alma, o passeio é gostoso e interessante. Tem muita gente no local, atrapalha um pouco as fotos, mas com paciência consegue-se bons clicks. E realmente é incrível aquele espetáculo da natureza...surreal demais! O Segundo ponto é onde encontramos menos geisers, porém mais fortes e altos. Além disso tem a piscina de água termal, com vestiários e tudo mais. Não entramos, apenas observamos os gringos fazendo a festa. Devia estar muito bom...lá dentro. No estacionamento desse segundo ponto, o guia oferece o desayuno, com suco, pães, bolo, chá, ovos mexidos, geleia, etc. Muito bom o café da manhã sob o sol nascente do deserto, com gaivotas andinas passeando entre nós e a visão das montanhas e geisers...realmente incrível. Depois disso iniciamos o retorno. Durante o retorno ainda tem alguns pontos de exploração. Nesse caso, o primeiro foi a cidadela de Machuca, com algumas construções antigas e uma cantina, onde vende-se café, chá, empanadas, etc. Do lado de fora tem o churrasquinho de lhamo, por CLP 3.000. Muita fila para experimentar a iguaria, mas provamos e aprovamos. O próximo ponto foi ao lado da estrada, em alguns pontos há pequenos alagados beirando morros pedregosos, com muita vegetação rasteira e vários flamingos ou lhamas se alimentando. Em um ponto ainda tem um mirante com vista para um tipo de canyon profundo e que vai margeando a estrada por um trecho. Muito bonito tb. O último ponto do passeio é a parada em Guatin, no Vale dos Cactus. Fazemos a exploração dando a volta, seguindo o curso de um pequeno riacho. Local muito pitoresco, com cactos de até 10 metros e talvez centenas de anos de vida. Enfim, por volta de 13hs a van nos deixou no estacionamento de San Pedro. Se o perrengue do dia anterior nos trouxe prejuízo, ao menos fazendo o tour com a agência pudemos visitar outros pontos além dos geisers, que talvez, sozinhos, não encontraríamos. Voltamos correndo para Toconao para almoçar e descansar. A tarde teria mais Por volta de 17h00 partimos em direção ao Valle de La Luna. O primeiro passeio é nas Cavernas de Sal. As cavernas são legais por serem no deserto e tem uma vista de cima, mas em matéria de cavernas estamos bem servidos e essa não nos impressionou. Depois das cavernas, todos seguem direto para o estacionamento do Valle para assistir o famoso pôr do sol. O local realmente é muito show e o pôr do sol bonito. Tem gente pra c... mas deu pra pegar um lugarzinho na beira da morro com vista para as dunas e assistir esse gran finale. Dia 12 – De Toconao/CHI a Salta/ARG Saída: 09h00 Chegada: 20h00. Dia triste, dia de partida. Deixamos o acolhedor Hostel Altos del Lascar e fomos para San Pedro abastecer e pegar a estrada rumo a fronteira. Dessa vez, já que estava noite em nossa chegada, pudemos contemplar o Vulcão Licancabur nos acompanhando durante boa parte da subida da cordilheira. Haja espaço em disco para tanto foto, mas ele merece. E sempre que podíamos parávamos em algum ponto interessante, seja pequenas lagunas, lhamas no caminho, guanacos, etc. Ainda pensamos virar em Hito Cajon e ir visitar as Lagunas Branca e verde, porém, após pesquisar bem, pensamos ser arriscado demais ir em carro de passeio. Até agora não sei se é tão problemático assim. Seguimos em frente, dando adeus ao Chile, com uma até que rápida migração em Paso Jama. Na Argentina, paramos novamente no mirador de Jujuy, dessa vez apenas para comprar alguns souviniers. Também paramos em Purmamarca atrás de mais presentes e fazer um lanchinho. O local é bem interessante e vale uma visita mais duradoura, talvez até uma hospedagem no local. Chegamos em Salta já no ínicio da noite, depois de trocentas paradas durante o retorno. Nos hospedamos no Hotel Guemes. Bem ruim. Pagamos cerca de ARP 980.00. O prédio é muito antigo, então é como entrar em um túnel do tempo. Tudo é muito velho, com cara e cheiro de coisa velha. O café da manhã foi um pão duro com geléia e água, porque havia apenas chá, o que não tomávamos. Enfim, serviu para tomar banho e descansar. O ponto positivo é a localização, a poucos metros da praça 9 de julho. A noite, por ser sábado, pudemos ver como é movimentada e bonita a cidade de Salta. Muitos artistas de rua trabalhando e divertindo os turistas e o comércio bem diversificado. Passeamos, jantamos e fomos dormir, pois o dia seguinte seria longo através do chaco. Dia 13 – De Salta/ARG a Resistência/ARG Saída: 09h00 Chegada: 17h00 Apenas um dia de deslocamento, sem muitas novidades no caminho. Nesse dia pela primeira vez um policial nos parou e pediu documento do veículo. Apenas conferiu e mandou seguir, sem maiores problemas. Não solicitou a CNH e muito menos a Carta Verde. Chegamos ainda de dia no Hotel Diamante, em excelente localização. O custo foi de + - ARP 1100.00 e o problema foi pagar. Havia sobrado apenas dólares e eles não aceitavam. Mas apesar de ser domingo, com todas as casas de câmbio fechadas, tivemos a sorte de ter um Cassino bem perto e que fazia esse câmbio. Corremos até lá e trocamos dólar x peso em boa cotação e assim pudemos pagar o hotel. Acho que o nome do Cassino é Atrium. Para jantar busquei algumas pizzas ali perto, por ARP 350. Tem bastante comércio por perto e o hotel não é antigo, com um bom café da manhã. Recomendo! Dia 14 – De Resistência/ARG a Foz do Iguaçu/PR Saída: 09h00 Chegada: 17h00. Dia de dar adeus aos Hermanos argentinos e voltar para essa doida terra. Mais um dia tranquilo de estrada, sem muito movimento. Assim como na saída, não havia ninguém na aduana brasileira, apenas passamos... Nos hospedamos no Hotel Blue Star II. Hotel bom, limpo, com estacionamento descoberto e café da manhã padrão Brasil, com tudo que tem direito J Pagamos R$160,00 pelo quarto triplo. Recomendo. Dia 15 – Foz do Iguaçu/PR a Cascavel/PR Saída: 09h00 Chegada: 21h00 Dia de aproveitar a passagem por Foz e fazer os passeios clássicos: gastar dólares no Paraguai e visitar as Cataratas do Iguaçu. Depois de uma fila imensa para entrar em Ciudad del Est, conseguimos estacionar no shopping que existe logo na entrada, do lado esquerdo de quem ta chegando lá. Uns 40 min para fazer o retorno e estacionar lá, mas pelo menos você já fica na boca pra pegar a ponta quando for sair. Fizemos nossas comprinhas e fomos embora em direção ao Parque Iguaçu. Um bonito passeio também a ser feito. É tudo muito bem organizado e caro tb. Depois de tanto deserto, areia e umidade quase zero, agora foi o contrário: muita água, chuvisco, umidade altíssima, calor e floresta pra todo lado. Saímos de lá já quase 17h00 e para não dirigir muito tempo a noite, fomos até Cascavel. No caminho paramos para jantar no _____ . Surpreendeu a qualidade e o preço. Pagamos R$60,00 para um banquete (arroz, feijão preto, farofa, bife, fritas, ovo frito, macarrão, salada com tomate, suco de laranja e refrigerante). Depois de tanto lanche ou Pollo com papas...matamos a vontade da comida brasileira ali. Procurando hotel pelo celular, encontramos o Hotel Jóia. Era o melhor custo benefício que havia no momento, mas também não decepcionou. Um quarto bom, com estacionamento coberto, e ótimo café da manhã. Pagamos R$152,00 o quarto triplo. Dia 16 – Cascavel/PR a Santos/SP Saída: 10h00 Chegada: 23h00 Sem novidades. Muito trânsito, muito idiota fazendo cagada no trânsito, acidentados pelo caminho, dezenas de radares e pedágios caríssimos, postos policiais vazios, enfim, estávamos em casa novamente JJ Trajetos: Data Origem KM Tempo Destino 26/dez Dia 1 Santos/SP 1053 14h2 Foz de Iguaçu/PR 27/dez Dia 2 Foz de Iguaçu/PR 622 7h39 Corrientes/ARG 28/dez Dia 3 Corrientes/ARG 836 9h58 Salta/ARG 29/dez Dia 4 Salta/ARG 700 8h38 Calama/CHI 30/dez Dia 5 Calama/CHI 388 4h32 Iquique/CHI 31/dez Dia 6 Iquique/CHI 1/jan Dia 7 Iquique/CHI 524 5h57 Toconao/CHI 2/jan Dia 8 Atacama 3/jan Dia 9 Atacama 4/jan Dia 10 Atacama 5/jan Dia 11 Atacama 6/jan Dia 12 Toconao/CHI 554 7h27 Salta 7/jan Dia 13 Salta 821 10h16 Resistência/ARG 8/jan Dia 14 Resistência/ARG 642 8h20 Foz de Iguaçu/PR 9/jan Dia 15 Ciudad del Est/PGY e Cataratas De Iguaçu 9/jan Dia 15 Foz de Iguaçu/PR 139 1h53 Cascavel/PR 10/jan Dia 16 Cascavel/PR 916 12h7 Santos/SP Distância Percorrida: 8.333 km – Média 13km/L Hotel para 3 pessoas Combustivel: Nafta Super – 95 Data Hotel Combustivel Pedágios Alimentação Passeios Outros 26/dez R$135,00 R$380,00 R$121,30 R$64,90 R$8,00 R$709,20 27/dez R$111,89 R$167,83 R$8,39 R$84,00 R$32,00 R$404,11 28/dez R$111,89 R$177,62 R$6,29 R$48,95 R$55,63 R$400,39 29/dez R$113,58 R$139,86 R$0,70 R$25,17 R$279,31 30/dez R$210,15 R$159,61 R$5,32 R$216,56 R$259,47 R$851,11 31/dez R$210,15 R$70,49 R$175,57 R$456,21 01/jan R$221,29 R$138,33 R$8,25 R$82,41 R$47,88 R$498,16 02/jan R$221,29 R$154,29 R$111,83 R$271,33 R$21,28 R$780,03 03/jan R$221,29 R$112,79 R$119,44 R$87,78 R$90,44 R$631,75 04/jan R$221,29 R$114,39 R$591,62 R$927,29 05/jan R$221,29 R$39,10 R$446,90 R$10,64 R$717,94 06/jan R$136,36 R$148,97 R$53,85 R$111,89 R$451,07 07/jan R$125,87 R$194,41 R$4,90 R$67,83 R$393,01 08/jan R$160,00 R$251,75 R$10,49 R$50,69 R$19,30 R$492,23 09/jan R$152,00 R$100,00 R$27,00 R$107,77 R$159,80 R$546,57 10/jan R$250,00 R$94,70 R$39,00 R$30,00 R$413,70 R$2.573,34 R$2.375,45 R$287,34 R$1.296,39 R$1.013,71 R$1.405,84 R$8.952,06 Agradecemos aos administradores desse site por manter um fórum tão útil. Agora é planejar a próxima trip, provavelmente por Bolívia e Peru, ou talvez, quem sabe, dar uma passadinha também no Atacama para fazer os passeios que faltaram (Tour Astronômico, Vulcão Lascar, Piedras Rojas, Baltinache, Humberstone). Um abraço a todos ! André e Joyce
  12. 1 ponto
    Opa, @Dan Wollker! Mais um tópico alto nível. Parabéns pela organização, @Tabata FB. Já vou ficar aqui acompanhando.
  13. 1 ponto
    Pretendo ir em Julho, ainda não fechei minhas férias mas é o mais provável. Me add sim 31999775143. Obrigada
  14. 1 ponto
    Tbm quero acreditar que não seja necessária a apresentação por conta disto . Pois é, lá eles conferem e se vc não tiver o cartão pode até perder a passagem. Te vários blogs que falam a respeito.
  15. 1 ponto
    Olha em mercado acredito que sim, já fiquei lá pelo Airbnb e aí compramos os itens de café já calculado para toda a estadia e deu super certo. O jantar a gente costumava comprar diariamente pq minha tia tem essa nóia... por mim já comprava tudo pra semana inteira, desnecessário ficar indo todo dia no mercado. No almoço a gente comia "formula" (que é o nosso "combo"), mas o mais barato que achamos foi 16-17 euros. Se eu fosse você parava em algum supermercado e comia uma salada ou qualquer outra coisa (tem de tudo e por um preço bom. A salada era em torno de 3,50 euros e vinha com patê de frango, molho etc). Nossas compras ficaram um pouco mais caras por conta do jantar mesmo (a gente comia comida mesmo). Se você não for exigente é só fazer um macarrão ou então comer um lanche na janta hehehe
  16. 1 ponto
    Olá Thiago, eu moro na CdMx. acho bem distribuido seu roteiro na região sul do México, mas na região de Yucatán e Riviera Maia na verdade não é tão caro como muitos acham, é só evitar os resorts e passeios caros (nado com golfinhos, parques aquáticos, o Cocobongo) e a viagem sai bem em conta, então tem a opção de estender a estadia nessa região, priorizando Mérida e Playa del Carmen, que são mais em conta do que Cancun. Mas se você realmente tem interesse de ir para o norte ou o oeste do México tem várias opções de roteiro: 1. Desde Cancun voar para Guadalajara, ficar aí uns três ou quatro dias, logo ir de ônibus para Morelia, ficar mais dois dias e finalmente voltar à CdMx. 2. Desde Cancun voar para Monterrey, ficar aí uns três ou quatro dias, ficar dois ou três dias em alguma cidade que fica no caminho (Zacatecas, San Luis Potosí, etc) finalmente voltar à CdMx. 3. Desde Cancun voltar à CdMx e fazer o roteiro CdMx-Querétaro-San Miguel de Allende-Guanajuato-León-CdMx. 4. Desde Cancun voar para Monterrey, ficar três dias, logo voar para Guadalajara e ficar mais três dias, e logo voltar seja de ônibus ou avião à CdMx. Qualquier opção é viável, é só se organizar bem e vai ter um roteiro fantástico.
  17. 1 ponto
    Queria ser organizado assim! kkkkkkkk Achei o preço um pouco salgado... vou esperar mais um pouco para ver se baixa mais. Mas você mora no Recife ai realmente sai um pouco mais caro tb... Abraçoss
  18. 1 ponto
    Ai sim! Já comprou passagem? Estou esperando uma boa... esses dias surgiu Montevidéu - Bsas - Santiago a R$1400. Quase comprei!
  19. 1 ponto
    Fala brother! Pretendo Peru sim, Lima e Cusco! Mas o próximo destino por enquanto é Montevidéu, a não ser que pinte passagem barata para outro destino hehe Muito obrigado pelo retorno, abraçoss
  20. 1 ponto
    Bom dia @Fátima Cajado Creio que voce seja nova aqui fórum. Por aqui voce nao vai conseguir respostas para qual a sua colocação foi feita logo a cima. Isso seria "serviço" para uma agencia de turismo. Aqui somos viajantes independentes que trocam experiências vividas e assim podendo ajudar o próximo. Tire um tempo para pesquisar aqui no fórum pois irá encontrar bastante informação e com isso muitas das suas dúvidas podem ser esclarecidas. Caso tenha dúvidas pontuais volte aqui que provavelmente alguém conseguirá ti ajudar. No link a seguir voce irá encontrar vários relatos de viagens para Portugal e Espanha. Já é um norte para suas pesquisas --> https://www.mochileiros.com/search/?&type=forums_topic&tags=relato&nodes=300,311&search_and_or=or&sortby=newest
  21. 1 ponto
    Estou programando uma viagem de carro pela Bolívia e o Peru. Gostaria de algumas dicas de quem ja visitou, como: lugares imperdíveis, bons hostels, passeios, se há opções vegetarianas fáceis de encontrar, se as estradas são boas e bem sinalizadas (viagei pelo UR e AR de carro também e foi super tranquilo), e o que mais acharem válido citar! Meus principais pontos de interesse até então são: Bolívia: Salar de Uyuni Isla del Sol Tiwanaku Valle de La Luna com destino final no Peru, no Vale Sagrado dos Incas, pra um festival chamado ARKANA no começo de julho. Ainda não pesquisei muitos pontos no Peru, além dos mais conhecidos como Machu Picchu, etc, então estou completamente aberta a sugestões. Tenho disponibilidade de tempo de 3 a 4 meses, e estarei saindo de Natal/RN. Gostaria de saber se indicam conhecer também o norte do Chile. Fui a Santiago e adorei. Agradeço desde já!
  22. 1 ponto
    Boa noite, Pessoal Deixa eu tirar um dúvida com vcs. Estou indo para o Peru no fim de março, mas estou com dificuldade de comprar os ingressos de Machu Picchu no site oficial devido ao Visa Verified. Sera que eu encontro ingresso tranquilo em Cusco nesse periodo? Vou ter 5 dias livres em Cusco. Grata
  23. 1 ponto
    15/02- 2° dia do Uyuni Fala galera!!! Desculpa a demora, mas é que eu estive muito ocupada nesses últimos dias. Então, vamos lá. Nesse dia acordamos as 05h bem acabadas, e 05h30 descemos para desayunar. Tivemos aquele clássico café (na verdade era chá, devido as minhas péssimas experiências anteriores), com aquele pão meio esquisito. Mas eu já estava me acostumando com aquele café da manhã. Não me lembro muito dos detalhes desse dia, mas lembro que conhecemos muitas lagunas, inclusive, conhecemos uma laguna cor de rosa muito bonita e interessante, infelizmente a laguna não estava tão rosa. Pela primeira vez, tive a experiência do baño Inka (ninguém está livre haha) e não posso negar que é libertador haha, nosso guia parou em lugar com muitas pedras, onde podíamos finalmente fazer xixi sem pagar nada (todo mundo aproveitou a oportunidade). Conhecemos a pedra da taça, que é interessante. Depois conhecemos uma outra laguna, ainda mais bonita que a primeira, onde avistamos um monte de flamingos e a laguna tinha uma cor esmeralda, muitooo bonita. Fiquei um bom tempo admirando aquilo. Nesse momento o tempo começou a fechar e a ventar muito (mais que o normal), eu já estava me preparando psicologicamente pra uma chuva das braba. Paramos para comer em frente a essa incrível laguna, sentamos numa espécie de mesa de pedra e comemos uma refeição maravilhosa, acompanhados de um vento do caralho haha Comemos nossa comida com um pouco de pressa, afinal tinha começado a cair umas gotas do céu. Nesse momento, começou a chover pela primeira vez em muito tempo. E começamos a ver algo parecido com neve, mas segundo a Tcheca, era algo entre neve e água (estraga prazeres haha). Mas foi muito legal ver isso, até hoje acho que aquilo era neve sim. Entramos no carro e fizemos uma pequena parada em um lugar que tinha uma montanha enormeee, gigantesca, eu não lembro o nome, na verdade não estava nem no roteiro, mas o nosso guia tão simpático resolveu nos levar lá. Conhecemos também uma outra laguna cor de rosa, não estava tão rosa, mas era linda. Fomos para mais alguns lugares que não me recordo muito. Mas basicamente nesse dia ficamos mais tempo no carro que conhecendo lugares. Resolvemos colocar umas músicas brasileiras pra animar o povo, até que eles gostaram (eu acho). Por volta de 17h30 fomos para o nosso hotel, era um hotel mais simples que o do primeiro dia. Era um hotel bom, com muitas pessoas (além do nosso outro grupo), o que eu achei legal para interagir. Fomos nos limpar, tomando banho de gato haha obviamente. Depois fomos tomar um café, com o clássico chá e pão. Logo depois nós jantamos, e foi oferecido vinho para todos os grupos, aparentemente como cortesia da agencia. Bebemos o vinho com nosso grupo e pela primeira vez tivemos uma conversa que durou mais de 3 minutos, um recorde até aquele momento hahaha Não satisfeitas o outro grupo nos chamou para ir a um bar e topamos a ideia. Aparentemente tinha um bar perto do hotel, saímos naquele frio desgraçado, em plena escuridão. Andamos, andamos e nada desse bar, descobrimos depois que o bar estava fechado haha mas por sorte encontramos uma loja que venida algumas bebidas e eu acabei comprando uma cerveja. Voltamos pro Hotel com aquelas bebidas e ficamos jogando um jogo lá, acho que se chama “you’re lying”, foi muito divertido. Depois eu fui dormir porque eu estava acabada e no outro dia teríamos que acordar ainda mais cedo. *Eu não lembro se foi esse dia ou o anterior que pagamos pela entrada em uma reserva, pagamos Bs.150 e ele é obrigatório. GASTOS: Baño (fomos em dois): Bs.10 (vai ficando cada vez mais caro ) Cerveja: Bs.10 16/02- 3° dia Uyuni- Atacama (o melhor dia da viagem) Esse dia foi bem contraditório e vou explicar o porquê... Foi um dos melhores dias da viagem, mas aconteceu algo bem ruim também. Esse dia começou bem bosta e terminou maravilhosamente bem hahaha Acordamos 04h, tomamos o desayuno e saímos por volta de 04h30. Esse dia começa bem cedo porque é o dia dos geysers e precisa chegar cedo para vê-los. Chegamos aos geysers e já estava claro o dia, e estava muito muito frio, é importante que vocês se agasalhem bem, porque é o dia mais frio do Uyuni. Os geysers são muito foda! Eles tem uma força inacreditável, que só vendo. E faz um barulho absurdamente alto (sem contar que o cheiro de enxofre é bem forte). Bom, depois que conhecemos os geysers fomos para as termas. No carro eu estava decidida a entrar nas termas, mas quando cheguei lá, bateu aquele frio, que quase congelei haha daí eu comecei a cogitar a ideia de não entrar. A Carol e a Yolanda estavam decididas a ir. Chegamos lá e as termas eram bem quentinhas com direito a uma vista incrível. A Carol e a Yolanda foram pagar a entrada das termas e eu sentei para admirar a paisagem, foi quando pensei "mano, eu tô num lugar incrível, nunca entrei numa terma na minha vida e vou fazer cú doce só porque esta frio", a ideia de não fazer aquilo e me arrepender depois era inconcebível, foi quando decidi aproveitar o tempo que me restava para me trocar e ir. Dica: Gente, o esquema é nem fazer o que eu fiz, para pra pensar: você vai pra um lugar que você não tem a oportunidade de ir sempre, é um lugar foda. Então, foda-se se tá frio, se tá -10. Só entra, sem nem pensar. É melhor morrer de frio por um tempo, do que se arrepender depois, eu tenho certeza que se eu não tivesse entrado, ia me arrepender muito disso. Fui pagar a entrada das termas e na fila conheci um argentino muito gente boa chamado Ramiro, conversamos bastante, ele era muito legal. Ele me disse que ia pra Cusco passar o ano novo, então trocamos nossos números para nós encontrarmos lá. Eu não estava com muito tempo pra conversar então me despedi dele. Entrei nas termas e foi a melhor escolha que eu tomei naquele momento. Tinham duas termas, uma menor que era menos quente e tinha a maior. Resolvi ficar na menor porque tinha menos pessoas. Estava muito quentinha e é um ótimo lugar pra tirar fotos. Eu acabei ficando pouco tempo, afinal perdi um tempinho fazendo cú doce haha fiquei mais ou menos uns 15 minutos. Precisávamos nos trocar rápido para pegar o transfer pro Atacama. Nas termas conhecemos um grupo de brasileiros que estavam viajando juntos, na verdade já havíamos nos encontrado antes no Uyuni, era uma galera muito simpática e que encontramos várias vezes durante a viagem. Nos trocamos e fomos pro carro. Até esse momento, desde que saímos do hotel eu não tinha pego minha câmera (já viram que deu bosta né haha). Quando eu fui pegar minha câmera, ela não estava mais lá. Eu pensei que estava com alguma das meninas e elas disseram que não estava, começou a me dar um gelo. Eu revirei minhas coisas e nada de achar aquela câmera, gente, eu fiquei tão desesperada procurando que as pessoas no carro estavam começando a ficar desesperadas também hahaha eu pedi pro guia procurar no carro e nada de achar. Todo mundo ajudou a procurar, mas no final ninguém encontrou. A questão é que eu realmente não sei o que aconteceu, porque o carro ficou fechado em todos os momentos e aparentemente, ninguém do carro me roubou. Eu sabia que não. Eu tenho certeza que não deixei no hotel. Até hoje eu não sei o que aconteceu e provavelmente, nunca vou saber. Mas o que me dói é mais ter perdido as fotos que a câmera em si. Esse foi o único momento que eu deixei minha câmera no carro e simplesmente, sumiu. Gente, vou dar essa dica de coração: NUNCA deixe seus pertences mais importantes no carro, deixe sempre com você, não importa o quão seguro o carro ou pessoas sejam, sempre carregue com você, a merda só espera um descuido pra acontecer. Aprendam com meu erro. Fiquei muito triste com o acontecido. Mas eu não ia deixar aquilo estragar minha viagem e meu dia. Eu acho que eu só não sofri tanto com a perda, porque eu sou uma pessoa desapegada com as minhas coisas. Eu não me apego tanto a coisas materiais, tanto que eu sofri mais pelas fotos. Aquilo me doía sim, mas ia passar, eu sabia que ia. Ok, caiu umas lágrimas haha mas superei logo. Depois de todo o ocorrido, fizemos uma parada antes da fronteira. Era uma Laguna muito bonita, mas eu não está a com cabeça pra vê-la. Aquela era a última vez que veríamos o grupo do outro carro, porque todos ele iriam voltar para o Uyuni. EU odeio despedidas, me despedi do Marcos e do Edward, as pessoas que ficamos mais próximas. Infelizmente, não me despedi do casal, a Júlia e o Brown. Eu não estava muito com cabeça pra me despedir de todos e não estávamos com muito tempo também. Fomos embora e no carro me bateu um arrependimento de não ter dado um abraço neles pela última vez (eu achava que era a última vez). Fomos pro carro para finalmente atravessar a fronteira. Só nós íamos, os tchecos iam voltar pro Uyuni também. Chegamos lá e nos despedimos deles, até que eu fiquei triste de dizer tchau pra eles, estranhamente haha. Eles foram pra outro carro e nosso guia ficou com a gente. A imigração boliviana é bem precária, é tipo uma casinha de barro, no meio do nada. Zero estrutura. A fila da imigração estava enorme MAS ADIVINHEM, não pegamos fila porque já tínhamos o carimbo hahaha amei não pegar fila. Ficamos esperando o transfer pro Atacama e nos despedimos do nosso guia, gente não tenho palavras pra explicar o amor que eu tive por esse guia, vale a pena ir pra essa agência só pelo guia, que era um amorzinho, dei um último abraço nele que me apresentou o lugar mais emocionante eu pude conhecer na minha vida. Despedidas são dolorosas, mas fazem parte da aventura né. Enquanto estávamos esperando as pessoas chegarem para podermos partir, conhecemos o Paul, dos Estados unidos. As coisas a partir daí aconteceram de uma forma que ate hoje eu fico "só pode ser o destino". Ele é americano, mas estava morando na Argentina, conversamos bastante e logo tivemos aquele feeling sabe, de grandes amigos. Ele disse que ia encontrar os amigos dele em San Pedro e que não fazia ideia de onde eles estavam. Já no carro ficamos conversando durante a viagem toda e também conhecemos a Cláudia, uma brasileira. A viagem durou menos de uma hora, paramos para passar pela imigração. E vou contar pra vocês, a imigração do Chile nem se compara com a da Bolívia, é outra coisa, bem melhor. Você percebe a diferença quando você passa da Bolívia para o Chile, do nada as estradas passam de terra para asfalto, infelizmente a Bolívia é um país muito pobre e a desigualdade é muito perceptível nesse momento. Enfim, esqueci de falar que no trajeto vimos várias vicuñas, foi a primeira vez que vi. Voltando a imigração, não tinha muito fila, basicamente eram as pessoas do nosso carro. Na imigração chilena não pode passar com produtos vegetais ou animais, então nada de querer passar com uns chás hein haha se eu não me engano, paga multa. Ok, eles deram um papel (que é muito importante guardar, porque na imigração você devolve esse papel), passaporte carimbado, foi bem tranquila a imigração. Depois disso, voltamos pro carro, deu nem cinco minutos o carro já parou no meio do nada aparentemente haha estávamos já em San Pedro e não sabíamos muito pra onde ir, eu estava com o mapa da cidade mas não ajudou muito nesse momento. A Cláudia já tinha reservado um hostel, nós e o Paul estávamos atirados a sorte haha chamamos o Paul pra procurar um hostel com a gente e depois que ele encontrasse um lugar ele ligava para os amigos dele irem pra lá, o Paul não fazia ideia da onde que eles estavam. Resolvemos então ir pro hostel da Claudia pra ver se tinha quarto disponível. Pedimos informações e descobrimos que era só descer a rua haha enquanto caminhávamos, só ouço o Paul gritando "my frieeeeends" e uns dois garotos gritando também na maior alegria eles estavam muito felizes de se reencontrarem hahaha foi um momento muito engraçado, não posso negar que fiquei um pouco envergonhada deles estarem gritando tanto hahaha então, finalmente conhecemos o Martin e o Emil, da Dinamarca (abrasileiramos o nome deles e chamamos eles de Martinho e Emílio haha) todos nós já sentimos um feeling muito forte com eles. Resolvemos então procurar um hostel juntos, lá se foi 6 pessoas que acabaram de se conhecer procurar um lugar juntos. Só em um mochilão que acontece isso mesmo. Fomos pro hostel da Cláudia mas já estava Full, trocamos contato com a Cláudia e nos despedimos dela. Fomos pra outro hostel que tinha lugar pra 5, mas não queríamos abandonar ninguém. Fomos em vários e estava tudo cheio, o engraçado é que as pessoas falavam "não tem quarto pra 6, mas temos o matrimonial" daí eu falava "moça, a gente acabou de se conhecer" Depois de ir em um monte de lugar finalmente encontramos um hostel, se chama Matty, era um lugar ok, tinha cozinha e não tinha café da manhã (em San Pedro é difícil achar hostel com café da manhã, se tiver, você vai pagar bem caro). O engraçado era que tinha um último quarto, pra 6 pessoas! Não sei vocês, mas eu achei que foi o destino haha ok, esperamos o quarto ficar pronto, fui tomar um ducha, finalmenteeee, depois de quase três dias sem banho eu tava podre. Saímos pra trocar dinheiro e a cotação estava a um preço ok, fomos procurar um lugar pra comer, naquele sol desgraçado, os meninos foram fechar o passeio deles. Até então, eu não tinha visto que San Pedro era tão cara, o almoço estava bem uns 50 reais, só podia estar vendendo bife de ouro. Um outro detalhe importante, em San Pedro só tem brasileiro, e eu não tô brincando. Parecia o Brasil, eu me sentia no Brasil. Mais tarde um chileno me contou que alguns chamam a cidade de San Paulo de Atacama hahaha encontramos um brasileiro de uma agência e aproveitamos pra perguntar onde vendia comida boa e barata e ele logo nos indicou "Los carritos". Ele nos deu a indicação e fomos lá, descobrimos que é no mesmo lugar que a van tinha nos deixado, ou nos jogado. Como queiram. Lá na verdade, são vários pequenos restaurantes um do lado do outro. Quanto chegamos lá, já vimos a diferença de preços. Indico ir mais pro final, porque é mais barato. Encontramos um lugar, eu queria experimentar cheviche mas já tinha acabado, então pedi salada de entrada e Hamburguesa como prato principal, ele acompanha arroz, batata frita e salada, é bem farto. Comprei um refrigerante também. Eu gostei muito da comida, é bem completo e barato, compensa muito comer lá, o espaço apesar de pequeno, era bom. Depois de encher a pança, fomos fechar os passeios. Como não estávamos com muito dinheiro, ainda mais pra gastar em San Pedro que é cara, então só íamos fazer o passeio das termas com a agência e fazer o passeio de bike pra Garganta del Diablo por conta própria. Decidimos que queríamos deixar mais dinheiro pro Peru que para o Chile. PS.: Quando se viaja com pouco dinheiro como nós, é imprescindível delinear as coisas que você mais quer fazer. Queríamos conhecer mais do Peru, então deixamos mais tempo e mais dinheiro pro Peru. Porque senão, você acaba gastando muito dinheiro naquilo que não é tão importante. Então, fomos procurar uma agência, já tínhamos visto a média de preços e era tudo bem parecido e ofereciam as mesmas coisas. Fomos logo na agência (Domeiko Travel) que tinha o cara brasileiro que nos indicou o los carritos. Como estávamos em três pessoas, choramos bastante por um desconto e conseguimos, como o outro dia era domingo, então não ia abrir as termas, eu não sei se fecha domingo os passeios, mas no outro dia ia ser às eleições no Chile, por isso muitos passeios estariam fechados no domingo, deixamos então para a segunda e domingo faríamos o passeio de bike. Depois fomos no terminal de buses já comprar nossas passagens para Arica, queríamos deixar tudo pago de uma vez, se o dinheiro acabasse pelo menos estaria pago haha chegando lá, me assustei com os preços, TUDO LÁ É CARO, ok pesquisamos o melhor preço e compramos nossa passagem, teríamos que fazer a troca de ônibus em Calama, mas tudo bem, era mais barato. Voltamos pro hostel e pagamos a estadia (nesse hostel tem que pagar no dia do check-in). Encontramos os meninos no hostel e resolvemos jogar uno, como eu disse, uno uni as pessoas haha depois jogamos "you're lying" enquanto ouvíamos reggaeton, todo mundo gosta desse jogo. Ficamos tanto tempo jogando que esquecemos totalmente da hora, já estava anoitecendo e quase que nós esquecemos de comprar comida pra fazer a janta, decidimos que não íamos mais comer em restaurantes em San Pedro, o melhor era fazer a própria comida. Saímos correndo pra comprar as coisas antes da loja fechar, compramos macarrão, molho de tomate e inka cola (eu estava andando pra experimentar). Como dividimos o preço, então economizamos muito. Fizemos nosso macarrão (que devo ressaltar, ficou horriveeeeel hahaha), enquanto isso conhecemos um chileno muito legal, que está fazendo guacamole, ele ficou chocado ao saber que a gente come abacate como se fosse doce haha depois de pronto chamamos os meninos pra comer com a gente porque tinha muito. Já alertamos sobre o macarrão, mas eles arriscaram (corajosos). O Paul já olhou pra Guacamole e eu disse claramente que não era nossa e sim de um chileno que não estava mais na cozinha. Estou eu, linda e plena comendo aquele macarrão horrível, quando do nada olho pro prato dos três e vejo a guacamole. A Carol, Yolanda e eu tivemos uma crise de risos. Eu ri tanto que não me lembro qual foi a última vez ri tanto na vida. Os três não estavam entendendo nada da nossa gargalhada, eu disse "eso és de otro chico", e eles colocaram a guacamole de volta bem desesperados, eu acho que o Paul não me ouviu (eu espero). Me pergunto se o chileno percebeu depois, sinto que sim hahaha Experimentei a Inka cola e gostei, porém achei muito doce e enjoativo depois de um tempo, tanto que demoramos uns quatro dias pra acabar com ela. Depois desse episódio, os meninos nos chamaram para ir pra algum bar. A cidade tem um ar meio rústico, ela é simples e charmosa, tem uma estrutura boa pro turismo. Ela fica bem bonita a noite e é bem movimentada, principalmente a Caracoles, que é a rua principal da cidade. Tem barzinhos por todo canto, escolhemos um aleatório que estava tendo uma promoção de duas bebidas por $6.000. Vimos que tinha caipirinha lá, então falamos para os meninos experimentarem que eles iam gostar muito haha acabamos pegando também. Gente, eu não sei se era a caipirinha ou a altitude ou os dois, mas todo mundo ficou meio bêbado, com apenas um copo hahaha devo dizer que os meninos amaram a bebida, mas disseram que era muito forte hahaha eu disse que não era tão forte assim também. Fiquei só nas bebidas mesmo, não ia gastar dinheiro comprando comida né. A garçonete era brasileira e nos indicou umas bebidas também, ficamos lá altas horas e voltamos pro hostel, estava todo mundo acabado e bêbado, mas o Paul e o Emil ainda tinham pique pra ir pra festa. Fui dormir mesmo, o dia só tem 24 horas mas aconteceu tantas coisas nesse dia, furtaram minha câmera, vi os geysers, ja estava no Chile com pessoas super legais, já nem lembrava mais da minha câmera (só das fotos haha). Muita coisa. Mesmo que tenham roubado minha câmera e eu ter ficado muito triste com a perda, foi um dos melhores dias da viagem. Conheci essas pessoas incríveis e fiz amizades que pretendo levar por muito tempo. Devo dizer inclusive, que encontramos o Emil aqui em São Paulo (há duas semanas), apresentamos a cidade pra ele e foi muito legal reencontrar alguém que conheci na viagem. O Martin veio pro Brasil também, mas ainda estávamos viajando, em breve nos veremos (quem sabe). GASTOS: Trocamos $120 e deu $76.500 (Cotação: $1- $635) Almoço: $3.800 Refrigerante no almoço: $1.200 Passeio para as Termas de Puritama: $12.000 Macarrão e molho de tomate: $950 (dividido para três) Passagem para Arica: $15.000 Hostel (duas noites): $20.000 Caipirinha: $3.000 Bandeirinha dos países: $2.000 (passamos numa loja de Souvenirs e eu comprei a bandeira do Chile, Bolívia, Peru e Brasil)
  24. 1 ponto
    @Wesley_Justino muito obrigado pelos esclarecimentos, estou começando a pesquisar os preços dos destinos que pretendo ir. Abraços
  25. 1 ponto
    Salta não tem nada além do Museu de alta montaña que fica na praça principal e de um teleférico sem graça.Chamada de la linda pelos argentinos, roubou a beleza de Jujuy e Tucuman estes sim,lugares que tem a logo para mostrar como o Parque Los Cardones,Tafi del Valle Ruínas de Quilmes,Punamarca e Humauaca. Salta tem,sim,uma noite muito agitada tenho muita saudade da chacarera que muitas vezes dançou com as belas argentinas.
  26. 1 ponto
    @contmurillo Nesses sites vc encontra uma gama enormes de restaurantes que vendem comidas baratas em Paris https://www.lespetitestables.com/ e em Londres http://www.londoncheapeats.com/
  27. 1 ponto
    Pouca grana, pouco tempo e muitos desejos, esse é o perfil do Brasileiro e com certeza o meu também. Ano passado estive em Paris 5 noites, Londres 7 noites e Lisboa 2 noites, foi minha primeira viagem a Europa, cheio de expectativas e medos. Chegando lá te garanto, o medo desapareceu e as expectativas foram superadas. Não conheci Amsterdã mas pesquisei muito sobre ela, e de longe era a cidade com hospedagem mais cara. Nas outras duas não foram baratas também. Minha viagem foi de casal mas para não impactar no orçamento troquei hotel por hostel em quarto compartilhado sem pestanejar. Tenho o resto da vida pra ter intimidades em casa, nao seriam 14 dias que iriam me matar. A partir disso a viagem começou a se desenrolar. Em Paris eu quis me hospedar em uma região central e paguei cerca de 22 euros por noite por pessoa. Em Londres paguei cerca de 25 libras por noite mas haviam diversas hospedagens mais baratas de 14 a 20 libras. A dica aqui é pesquisar em todos os sites possíveis, os preços variam. Booking.com Hoteis.com Hostelworld.com e no site da própria hospedagem. O hoteis.com foi onde fechei Paris, em Londres fechei no hostelworld e em lisboa fechei pelo booking. Sempre olho o valor da hospedagem em moeda local a nao ser q va pagar antecipado, ai eu olho em reais. Comida em Paris, era meu maior medo, mas vc vai encontrar muita opçao mais em conta em torno de 9 a 12 euros em restaurantes geralmente de comida internacional (oriental, indiana, turca, italiana, etc) Procure por "10 euros food Paris", "cheap food london" e coisas parecidas no google que vc vai encher seu google maps com estrelinhas de restaurantes baratos. Outra opção é mercado, va ao mercado encha uma cesta com comidinhas, um bom vinho e faça piquenique nos parques. Ao menos uma noite vc deve fazer isso no gramado do trocadero na torre Eiffel. Em londres eu comprei o oister no meu hostel onde eu viajava a vontade de metro e onibus por 5 ou 6 libras ao dia. Em paris comprei ticket avulso. Meu gasto diario incluindo a hospedagem ficou na media de 60 euros por dia por pessoa e poderia ter sido ainda menor. Claro que vai do estilo de viagem e da sua expectativa da viagem. Esse é o meu ponto de vista Essas sao minhas dicas, qualquer coisa é so perguntar.
  28. 1 ponto
    Desculpa o palavreado ... mas seu relato foi muito fodaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa! Estou pegando as suas dicas, pois o seu roteiro tem algo em comum com a minha. Irei em maio/2018 e será meu primeiro mochilao! Parabéns !
  29. 1 ponto
    Sim estas restrições existem e são diferentes em cada locadora, e mesmo em uma mesma locadora as restrições são diferentes dependendo de qual país você retirar o carro. Por exemplo, na Hertz da Alemanha, pelo que lembro, não há restrições para circular na Rep. Tcheca, mas na Hertz da Itália, parece que já tem restrição... Mas na maioria da locadoras você pode contratar um seguro adicional, que lhe permite circular nestes países. Então você tem que verificar as restrições diretamente em cada uma das locadoras, pois em cada uma delas vai ser diferente. E se informar se é possível contratar um seguro adicional que lhe permita circular nestes países que você deseja visitar. O maior risco de você pegar um carro e ir para um país não autorizado sem contratar o seguro adicional, é que se você tiver um problema com o carro neste outro país, o seguro padrão da locadora não irá cobrir nada, e você terá que arcar com todos os custos. Alem disto, em alguns países, geralmente no leste Europeu, é preciso portar uma autorização do proprietário do carro, no caso a locadora, para cruzar a fronteira, sem esta autorização, você é multado e não cruza a fronteira...
  30. 1 ponto
    Fui para o Uruguai, Argentina e Chile em Março de 2017 e meu roteiro foi esse: SP - Punta del Este - Montevidéu - Colônia de Sacramento - Buenos Aires - Rosário - Salta - San Pedro de Atacama - Santiago. Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de Rosario LEGENDA UYU - Peso Uruguaio USD - Dólar Americano BRL - Real Brasileiro ARS - Peso Argentino ROUPAS Em março o clima é bem agradável sem muitas variações de temperatura. O começo da manhã e à noite as temperaturas caem um pouco então é bom sempre ter uma blusa na mochila de ataque. Não esqueça do protetor solar, boné e óculos de sol. CELULAR Levei meu celular mas não comprei nenhum chip local. Fiquei usando apenas o wi-fi que funcionou bem durante a maioria da viagem. DINHEIRO e CARTÃO Em espécie levei apenas DÓLARES AMERICANOS e trocava aos poucos por moeda local em casas de câmbio. Usei sem problemas o cartão VISA INTERNATIONAL do Banco do Brasil na maior parte da viagem. ACOMODAÇÃO Há quase 10 anos faço parte do Couch Surfing então quase sempre consigo me hospedar na casa de locais. Em Rosário fui hospedado pelo Pablo, um couchsurfer que mora no centro da cidade. CHEGANDO EM ROSÁRIO Peguei um ônibus na estação de Retiro (Buenos Aires) por volta das 9h30 e cheguei em Rosário por volta das 15h. Havia uma manifestação na entrada da cidade por isso o ônibus atrasou um pouco. O táxi da estação ao centro me custou ARS100. O QUE FAZER Rosário é a terceira maior cidade da Argentina (atrás apenas de Buenos Aires e Córdoba) mas no entanto não é muito turística. Na verdade eu só decidi passar por ela pois estava no caminho de Salta, cidade que visitei posteriormente. 1º dia: 15 de Março de 2017 (quarta-feira) Devido a uns desencontros com meu anfitrião só fui chegar à casa dele por volta das 18h. Bem perto dali havia um supermercado e fui até lá comprar pão e achocolatado para o café da manhã e umas cervejas Quilmes. Voltei, conversei um pouco com o Pablo e saí para o encontro semanal do Couch Surfing. Comprei um cartão de transporte (ARS30) e coloquei mais ARS30 de crédito nele. Peguei um ônibus na Calle 3 de Febrero e desci na Bv. Oroño. Caminhei umas 10 quadras até a Calle Suipacha, onde se encontra o bar “Gatufo”. Um bar bem pequeno, mas tinha umas cervejas artesanais muito boas. Bebi 3 “rubias” e 1 “negra”. Conversei bastantes com os couchsurfers locais (uns 15 no total). Na volta dividi um táxi com 5 pessoas e por ARS20 voltei pra casa. 2º dia: 16 de Março de 2017 (quinta-feira) Acordei por volta das 9h, tomei um café, conversei com o Pablo e sai para caminhar. Fui até a orla do Rio Paraná, que tem um passeio bonito e arborizado. Cheguei até o Monumento à Bandeira e paguei ARS15 para subir nele. De lá se tem uma vista belíssima vista da cidade e do rio. Ali do lado está a Pasaje Juramento e também bem próximo está a simpática Basílica Catedral Nossa Senhora do Rosário. Segui caminhando até o centro e encontrei o Centro Cultural Roberto Fontanarrosa. Estava tendo uma pequena exposição de um cartunista argentino chamado Andrés Cascioli. Suas incríveis caricaturas criticavam o governo argentino mesmo nos tempos de ditadura. Conversei com um solícito funcionário chamado Marcelo que me explicou qual ônibus pegar até o Parque de la Independência. O parque tem um lago com patos e é bem cuidado. Lá também se encontra o Museu Histórico Provincial de Rosario Dr. Julio Marc. No museu há uma sessão com objetos da América pré-colombiana, arte sacra e quadros dos heróis da América do Sul como San Martin e Simón Bolivar. Apesar de pequeno (dá pra ver tudo em 30min.) vale a visita. Ao lado do museu está o estádio do Newell's Old Boys. Não existem tours guiados pelo estádio, mas eu pedi para um funcionário e ele me deixou entrar para tirar umas fotos lá de dentro na arquibancada. Voltei caminhando para casa. Tomei um banho, conversei com o Pablo, descansei e fui dar uma volta pelo bairro. Encontrei um bar chamado Zodiako (Calle 3 de Febrero, 562). Até às 21h30 qualquer pint de cerveja saia pelo preço de ½ pint (de ARS70 por ARS42). Primeiro tomei uma Blond Ale, mas tinha muito gás e parecia cerveja de garrafa. Depois pedi uma Red Ale e uma Kolch que estavam muito boas. Ficou tudo por ARS130. Na volta pra casa encontrei na mesma rua um restaurante por kg para levar. Fiz um marmitex de arroz, bife à milanesa, lula, almôndegas e salada (ARS87) e levei pra comer em casa. Jantei, conversei mais um pouco com o Pablo e fui dormir. 3º dia: 17 de Março de 2017 (sexta) Acordei por volta das 8h30, tomei café e saí para caminhar mais uma vez pela cidade. Passei por um teatro e casa de show chamado Plataforma Lavardén, que tem uma belíssima escada em espiral. Vale a visita para quem ama (assim como eu) tirar foto de escadas em espiral. Segui caminhando até a Plaza de la Cooperación, onde era a casa natal de Ernesto “Che” Guevara. Não há mais vestígios da casa, apenas uma pequena praça com uma ilustração do rosto de Che Guevara. Sinceramente só vale ver se estiver passando por lá, caso contrário nem perca seu tempo. Caminhei mais umas 4 quadras até o Parque España, que também não tem muita coisa pra ver. Fui até o Planetário mas estava fechado. Voltei pra casa, arrumei minhas coisas, me despedi do Pablo e fui pegar o ônibus (115 Aeropuerto) até o aeroporto. Entrei no ônibus às 13h e ele cruza a cidade inteira. Fui chegar no aeroporto mais de 14h. Por volta das 16h estava decolando sentindo Salta. Anexo ao relato algumas fotos da minha passagem por Rosário. Espero ter ajudado.
  31. 1 ponto
    Na realidade, a partir de 4 de Abril, o Eurostar vai operar o trecho direto entre Londres e Amsterda, que torna a opção Londres->Ams->Paris viável também.
  32. 1 ponto
    @contmurillo Imagino que o aspecto fundamental de dicas que vocês esperam obter seja o econômico. Primeiramente, devo dizer que os países escolhidos por vocês, infelizmente, tem um custo salgado para os padrões brasileiros. Porém isso pode ser minimizado se seguirem algumas recomendações básicas. - Hospedagem . Em Paris, procurem primeiramente hostels bem localizados, dá pra fazer muita coisa a pé, então já é um custo a menos. Em Londres, por outro lado, em algum momento será necessário usar o sistema de transporte público, que apesar de excelente é caro. Não esqueça de comparar o preço dos hostels com quartos alugados e hoteis de modalidade econômica tipo o easyhotel, que as vezes saem bem em conta para quem tá a fim só de um lugar para dormir. - Alimentação. Esse item pode levar grande parte do seu orçamento. Em Paris, o que acho que sai mais em conta é passar em uma padaria ou supermercado e fazer seu próprio sanduíche. Restaurantes normalmente tem o esquema de servir três pratos (entrada, principal e sobremesa) , mas em alguns dele há menus turísticos que podem sair mais em conta tipo 15 euros. Menos do que isso é muuuito difícil. Em Londres não é muito diferente, mas eu acho mais opções de comida rápida em pubs, tipo pizzas e fish and chips nessa faixa de preço na hora do happy hour. Amsterdã compre sua comida no albert heijn (supermercado tem muita opção de comida pronta ou semi pronta) e leve para comer que sai mais em conta. - Passeios. Em Paris , só caminhar pelas praças, ruas, fazer picknicks já são excelentes opções. Além disso, fique de olho nos dias (e horas) que as atrações oferecem desconto ou mesmo acesso gratuito. Eu já entrei no museu d´orsay gratuitamente. Em Londres, então quase todo museu é regra ter um dia da semana que a entrada é gratuita. Fique de olho e economizará bastante. Além disso, tem o 2x1 que você comprar um ingresso e ganha outro. Amsterda a principal atração são os canais, não precisa gastar muito em passeios fechados se não quiserem, aluguem uma bike e vão curtir a cidade. No mais, recomendo fortemente que você dê uma olhada neste post que fiz sobre como economizar em Londres : https://avidadoviajante.blogspot.com.br/2015/12/inglaterra-londres-dicas-para.html Qualquer dúvida comenta aí para ver se podemos ajudar mais.
  33. 1 ponto
    Eu fui em novembro/2017. Fui para Arquipa, Paracas, Lima, Huaraz, Cuzco, Machu Picchu e Lago Titicaca. Também fiz Bolívia e Chile. Fui sozinha, primeiro mochilão e foi Maravilhoso!
  34. 1 ponto
    Dia 26: Un Adiós muy agradecido Acordamos por volta das 8:00, arrumamos tudo o que tinha para arrumar, tomamos banho e fomos tomar café, como sempre o café estava simples porém muito bom. Paguei o hostel 43 bols pela diária e quando a Ka ficou pronta chamamos um táxi e fomos para o aeroporto de Santa Cruz pois nosso voo era às 11:55. Chegamos no aeroporto perto das 10:00, fizemos todo o trâmite das bagagens e fomos no Subway comer (do mesmo jeito que se iniciou terminou rs), comemos um lanche + refri + papas por 60 bols já que tínhamos que gastar o dinheiro que havia sobrado, barriga cheia era hora de passar pela aduana e carimbar o passaporte pela última vez antes da volta para o Brasil, ficamos esperando nosso voo e um pouco depois do horário marcado embarcamos e logo decolamos, perto das 17:00 no horário de Brasília chegamos e foi o momento de dar tchau para minha parceira de viagem que virou uma amiga pra vida, foi difícil mas era o que tinha que ser feito, demos aquele até logo e claro que na minha viagem de volta ao mundo eu vou dar um pulo no Maranhão pra visitar a Kata <3. (Me perdoa KA <3, Aeroporto de GRU, São Paulo - Brasil 2017). Saldo do dia: Diária do hostel – 43 Bols Táxi – 30 Bols Almoço* - 60 Bols Total = 133 Bols / 19,13 USD.
  35. 1 ponto
    Dia 25: A mais alta estação de Ski do Mundo e um poço de gratidão. Acordamos por volta das 7:00 e fomos tomar café com algumas coisas que tínhamos comprado, compramos um café com leite no hostel por 4 bols, tomamos o café da manhã e ficamos esperando o pessoal do tour passar, perto das 9:00 eles passaram e nos levaram para onde seria o passeio, no meio do caminho a van para em uma vendinha para que todos comprem água ou qualquer tipo de snack pois não tem nada no Chacaltaya. Chegamos no Chacaltaya perto das 10:00, não é muito longe de La Paz até lá e o caminho é aquilo que vamos acostumando durante toda a viagem (precipícios e rua de cascalho), como fomos fora de temporada e no fim do inverno ainda existia bastante neve na montanha o que deixou tudo ainda mais lindo do que é, todo o percurso entre subida e descida demora perto de 2 horas, a altitude nesse ponto da viagem não era mais problemas para nós pois fizemos uma boa aclimatação durante toda nossa viagem então subimos bem rápido e sem cansar. A vista de lá de cima é uma coisa incrível, por um momento não tirei nenhuma foto não falei nada só apreciei tudo o que estava vendo, a felicidade do pessoal ao redor, aquela cordilheira que eu só escutava falar nas aulas de geografia, toda aquela neve espalhada por diversas montanhas e simplesmente aquele foi um dos lugares em que eu senti uma energia muito boa misturada de uma enorme gratidão. Pouco antes de iniciarmos a decida começou a nevar, nevaar, vários floquinhos de neve caindo e a paisagem ficando cada vez mais linda, tivemos que apressar um pouco a descida pois não era mais seguro ficar ali pois a neve poderia cobrir todo o caminho de descida e ninguém quer ficar no meio da cordilheira dos andes com a temperatura negativa, não é mesmo? (Montanha Chacaltaya , La Paz - Bolívia 2017). (Montanha Chacaltaya , La Paz - Bolívia 2017). (Neve na Montanha Chacaltaya , La Paz - Bolívia 2017). (Montanha Chacaltaya , La Paz - Bolívia 2017). (A altitude máxima da Montanha Chacaltaya , La Paz - Bolívia 2017). (Montanha Chacaltaya , La Paz - Bolívia 2017). (Montanha Chacaltaya , La Paz - Bolívia 2017). (A gratidão na face do ser - Chacaltaya, La Paz - Bolívia 2017). (A estação de Ski mais alta do mundo hoje desativada por conta da escassez de neve, La Paz - Bolívia 2017). Terminamos a descida e nitidamente dá pra perceber que tudo estava muito mais branco do que quando subimos, se eu posso dar uma dica para quem for fazer esse passeio eu diria para que usarem um tênis de trekking pois tênis de caminhada escorrega muito na superfície em que se pisa no Chacaltaya, falo isso pois uma brasileira que estava com a gente passou um perrengue para descer pois o tênis estava escorregando muito, voltamos para a cidade e próximo das 13:00 já estávamos no centro de La Paz e era hora de rever nossa amiga (Katharina). Ela demorou uns 15 minutos para chegar e quando chegou foi aquela festa padrão de quando não se vê um bom amigo por dias ou anos rsrs, no nosso caso dias são como anos rsrs, fomos comer na mesma pizzaria do dia anterior e pedíamos uma pizza gigante que serve umas 4 pessoas muito bem e custou só 45 Bols cada, depois ficamos dando uma volta na cidade e conversando, voltamos para o hostel perto das 16:00 pois nós tínhamos que arrumar nossas coisas pois iríamos para o aeroporto de La Paz pois tínhamos um voo às 20:50 para Santa Cruz de La Sierra o mesmo aeroporto que chegamos. (Eu, Katarine e Katharina a resolução não está tão boa mas o amor dessa fotos é o que vale <3, La Paz - Bolívia 2017). Tudo pronto era hora de ir para o aeroporto, pegamos um táxi por 70 bols devido ao trânsito da cidade, nosso voo atrasou um pouco e perto das 21:30 nós partimos para Santa Cruz, a viagem foi bem tranquila e quando terminamos de pegar as mochilas já era quase 23:00, negociamos um táxi por 60 bols até o nosso hostel (Casa Jamboo Hostel) estava um calor de 29 graus em Santa Cruz bem diferente do clima de La Paz. Chegamos no hostel quase à meia noite e fizemos check in (não foi possível absorver muita coisa do hostel porém é um hostel mais agitado do que todos os outros que pegamos), tomamos banho e deixamos as coisas quase prontas para o outro dia pois iríamos ficar muito pouco no hostel já que nosso voo para SP era perto das 12:00. Saldo do dia: Café da manhã – 4 Bols Diárias do hostel – 80 bols Almoço – 45 Bols Táxi La Paz – 35 Bols Táxi Santa Cruz – 30 Total = 194 Bols / 27,91 USD
  36. 1 ponto
    Dia 24: Um dia de andança pela Caótica La Paz. Acordamos às 9:00 e saímos para tomar café já que não havia incluso no hostel, tomamos o café no mercado Lanza em um lugar bem local por 5 bols cada, foi um pão com manteiga e um café com leite. Como o dia estava reservado para conhecermos melhor a cidade fomos andar pela Calle de las Brujas (diz a lenda que os artesanatos por lá são mais baratos), subimos e descemos algumas vezes até encontrar o melhor preço, gastei algo próximo a 60bols. Depois fomos dar uma volta pela Calle Sarganaga e fechamos o passeio do Chacaltaya por 90 bols com entrada inclusa mas não faríamos o Valle de La Luna pois iríamos ver a Katharina nossa amiga de Uyuni, San Pedro, Cusco e agora La Paz. Não é nada comum o pessoal fazer esse tipo de venda de apenas um dos pontos do Tour, então pesquisem em várias agências. Quando fomos comer já eram quase duas horas, fomos em uma pizzaria italiana (sim amamos pizzas) que fica na Sarganaga 345 Italian pizza eu acho que é o nome, saímos de lá quase 15:00 e a pizza é fantástica, gigante e custou 50 bols cada. * Em Lá paz assim como em Copa nós tínhamos mais dinheiro do que precisávamos para fazer tudo então decidimos nos dar algumas refeições melhores. Fomos andar no teleférico, tínhamos alguns boletos que os brasileiros do almoço nos deram em Copacabana mas é bem barato cada viagem, 1,50 bols cada. Fomos até o mirador da linha vermelha e ficamos lá fazendo algumas fotos e usando o wifi da estação que por sinal é muito bom. Esses teleféricos com certeza fazem a cidade andar melhor pois se tudo fosse terrestre acho que nada na cidade iria funcionar, perto das 17:00 retornamos para a cidade e fomos no mercado comprar alguma coisa para comer no dia seguinte no passeio do Chacaltaya já que não teríamos lanche. Compramos algumas coisas + água e deu menos de 20bols. (Estação de El Alto é a estação de teleférico mais alta do mundo, La Paz - Bolívia 2017). (A caótica La Paz vista de cima, La Paz - Bolívia 2017). (Estação de El Alto, La Paz - Bolívia 2017). (A caótica La Paz vista de cima com seus muito úteis teleféricos , La Paz - Bolívia 2017). (Novamente A Cordilheira dos Andes nos rodeando, La Paz - Bolívia 2017). Depois fomos procurar um lugar para jantar e acabamos comendo em um restaurante chamado Little Italy por 60 bols cada mas nesse jantar a Ka pagou a conta pois ela estava muito feliz que o celular dela tinha voltado a funcionar (não contei mas o telefone dela caiu na água em Pisac então ela ficou uma semana sem telefone), deixei ela pagar pois não queria cortar a vibe dela, depois voltamos para o hostel e já era perto das 21:30 (sim, nós ficamos mais de 12 horas na rua em La Paz uma cidade que não é muito bem vista quando falamos em questão de segurança, eu não tive problemas e não vi nada que me chamasse a atenção mas é claro que não dei brecha pro azar). Tomamos banho e fomos dormir pois o dia seguinte era dia de conhecer a estação de Ski mais alta do mundo e seria o lugar mais alto da viagem até então. Saldo do dia: Café da manhã – 5 Bols. Passeio para Chacaltaya + Entrada – 90 Bols. Lembranças – 60 Bols. Almoço – 50 Bols. Mercado – 20 Bols. Total = 225 Bols / 32,37 USD
  37. 1 ponto
    Dia 23: Navegando no lago mais alto do mundo e a bela Isla del Sol. Acordamos às 7:00 e começamos a arrumar nossas coisas pois iríamos para a Isla e deixaríamos nossas mochilas na agência em que compramos as passagens que é perto do porto e de onde pegaríamos o bus para La Paz. Às 7:30 fomos tomar café e às 8:00 já havíamos terminado, como eu precisava arrumar mais algumas coisas a Ka ficou se maquiando, terminei e esperei ela quando fomos ver já eram 8:15 e tínhamos que estar no barco esse horário, pedimos para que o dono do hostel chamasse um táxi e pagamos a diária 42bols cada (café da manhã estava incluso). O táxi chegou às 8:20 e já colocamos às mochilas dentro dele e pedimos para ele parar na oficina (é escritório) onde compramos as passagens, chegamos lá às 8:26 correndo, deixamos e saímos. Pegamos o táxi novamente e às 8:29 chegamos no porto e quase não embarcamos pois fomos os últimos a entrar no barco, queria ter um tempo para comemorar na frente do taxista que disse que a gente não iria conseguir, respeita a gente moço aqui é BR desistir jamais rsrs. O barco partiu exatamente às 8:30 então pessoal cuidado com atrasos em. (Copacabana vista do lago Titicaca, Copacabana - Bolívia 2017). (Quem tem habilidade tem né rsrs, Copacabana - Bolívia 2017). (Uma pequena isla com uma simpática árvore no caminho da Isla del Sol, Copacabana - Bolívia 2017). (La Cordilheira dos Andes, Copacabana - Bolívia 2017). (Isla de La Luna, Copacabana - Bolívia 2017). (Isla de La Luna, Copacabana - Bolívia 2017). (Isla de La Luna, Copacabana - Bolívia 2017). (Isla de La Luna, Copacabana - Bolívia 2017). Às 10:00 chegamos na Isla del Sol, no boleto que compramos há a oportunidade ir para a Isla de la Luna que é uma ilha que fica próximo mas com a velocidade que o barco vai termina ficando longe, como tínhamos tempo e não iriamos fazer muita coisa na Isla del Sol decidimos ir, o lugar é bonito mas não tem muito o que fazer então logo ficamos sem ter o que fazer por lá. Quando voltamos para a Isla do Sol foi nos oferecido um passeio com um guia local da Isla que custou 30 Bols (é opcional, acredito que vale bastante a pena saber um pouco da história do local pelo conhecimento de uma pessoa que nasceu, cresceu e vive por lá). O tour pela Isla demora cerca de 1:30’ e perto das 14:00 acabamos e fomos comer, comi uma omelete com arroz que deu 35 bols mais 5 bols da coca que a gente rachou com dois brasileiros que estavam procurando um lugar para comer no mesmo momento que a gente. Voltamos pro barco às 15;00 e às 16:20 já estávamos em Copacabana novamente, fomos a agência pegar nossas mochilas e voltamos para onde sairia o ônibus, o ônibus que nos levou era pequeno não era os que estávamos acostumados, às 17:20 partimos e nem lembro que horas chegamos em Laz Paz, só sei que estava um transito violento, pegamos um táxi que custou 25 Bols cada até o hostel e chegamos lá próximo das 22:00. Tomamos banho e fomos dormir pois o outro dia estaria reservado para conhecer La paz. * Nosso ônibus nos deixou bem de frente com um cemitério gigantesco (dá pra ver quando se anda pela linha roja dos teleféricos) e não na rodoviária de Laz Paz, então quando forem comprar suas passagens confirmem onde vocês vão parar e esse cemitério não era muito perto do nosso hostel por isso que o táxi custou bastante. * Eu troquei uma grana em Copacabana com a mulher da agência. * A Isla del Sol está rodeada pelo Lago Titicaca que é o maior lago suspenso do mundo com pontos superando os 3800 metros de altitude. Saldo do dia Diária do Hostel – 42 Bols Táxi – 6 Bols Guia da Isla – 30 Bols Almoço na Isla – 40 Bols Táxi em La Paz – 25 Bols Total = 143 Bols / 20,57 USD
  38. 1 ponto
    Dia 11 - Primeiro dia em Hanoi Acordamos bem cedo e às 7:20 nossa van passou para nos buscar rumo ao aeroporto. Tudo ocorreu sem problemas e às 8:50 embarcamos pela Lao Airline rumo ao Vietnã! A chegada e a imigração foram tranquilas, como já tínhamos nosso visto foi bem rápido. No aeroporto mesmo reservamos um serviço de táxi para o hotel, pagamos 36 dólares ida e volta (é bem longe da cidade). Chegamos perto das 11 no Oriental Central, um dos melhores hotéis da viagem. Muito bem organizado, atendimento impecável e localização excelente, no coração do Old Quarter. E bota coração nisso, de cara já vimos o que seria Hanói: muvuca, muvuca, muvuca e um pouco mais de muvuca. Muita moto, muito comércio, muita gente, muito turista e muita zona. No começo eu adorei tudo, mas confesso que ao final da estadia eu tava doido pra ir embora dali, a cidade me cansou um pouco. Ho Hoan Kiem - muito agradável Resolvemos dar uma volta de reconhecimento e fomos ao famoso Ho Hoan Kiem, o lago que fica ao lado do Old Quarter e é um dos principais cartões postais da cidade. É um lugar maravilhoso, voltamos muitas e muitas vezes nele apenar para caminhar e observar a vida vietnamita. Além do mais era um ótimo refúgio frente à insanidade do Old Quarter, então ajudava a relaxar. Almoçamos ali perto mesmo, num restaurante recomendado pelo Trip Advisor; como sempre a comida vietnamita é maravilhosa, sempre fui fã e sabia que comer não seria um problema lá. Pratos dos mais variados, com temperos espetaculares e muita criatividade na elaboração. Depois do almoço nossa ideia era rodar o Old Quarter para fechar o tour para Halong Bay, e passamos em umas 4 agências (são infinitas) até fechar um barco 4 estrelas por 95 dólares por pessoa (sem nenhuma taxa adicional, já ouvi gente falando que pagou coisas à parte) para dois dias depois, passeio 2D/1N. Feito isso, rodamos o resto do dia pelo quarteirão para conhecer mais ele e observar aquela loucura toda. Atravessar a rua mesmo, é uma diversão extra, eu adorava e minha mãe morria de medo. Mas não tem erro, se você vai eles param, se você exita por um segundo as motos já percebem e passam na frente.; o segredo então é olhar bem, estar atento, mas impor respeito, olhar na cara da moto vindo e dar um olhar de "eu que vou agora nessa p***" . No final sempre dá certo, não vi um único acidente. Final de tarde ao redor do lago No final do dia fomos tomar um café em frente ao lago, meu lugar favorito em Hanoi. Ficar caminhando ao redor dele era sensacional, fizemos no mínimo umas 8 vezes pois era muito próximo de onde estávamos. Depois voltamos pro hotel bastante exaustos, pois Hanoi tem uma energia pesada, apesar de uma cidade incrível. Jantamos no hotel mesmo, pedimos pra recepção e eles ligaram pra um delivery pizza pra nós. Acabamos indo dormir cedo, pois no dia seguinte seria mais bate perna. Dia 12 - Conhecendo a Hanoi menos turística Acordamos cedo, tomamos o excelente café da manhã do hotel, o primeiro no estilo buffet da viagem, comendo à vontade e com muita variedade. Pegamos nosso mapa, boné na cabeça, muito protetor solar e saímos no sol escaldante de Hanoi rumo ao Ho Tay, o maior lago de cidade e também o menos visitado. Isso fica nítido conforme se aproxima dele, poucos turistas e uma vida cada vez mais puramente vietnamita. O caminho até ele era de aproximadamente 2,5km, e fizemos em uma hora e meia parando bastante no caminho, inclusive entrando em uma micro viela que depois virava um bairro inteiro encravado no meio do concreto, muito doido. Ho Tay - o maior lago de Hanói Chegamos lá e a essa altura eu já não estava me sentindo muito bem. Dor de cabeça, indisposição, e não sei exatamente o motivo, acho que um somatório de coisas. Paramos em um café com ar condicionado para descansar e arejar a cabeça, e me ajudou um pouco. Depois seguimos para o lago e foi uma grande decepção, pois ele era feio e muito poluído, então decidimos nem ficar. Voltamos por outro caminho para passar em frente ao Palácio Presidencial e o Mausoléu de Ho Chi Mihn. Fomos por uma avenida larga e muito bonita, e conforme se vai chegando perto desses monumentos tudo fica mais luxuoso, a cidade pobre ganha uma nova cara. Longe de mim querer me engajar em debate político aqui, mas aquele luxo absurdo contrastando com uma pobreza marcante é algo típico dos governos socialistas (e muitos outros também), uma gastança desnecessária para satisfazer os luxos da elite política, enquanto pregam um discurso de igualdade acima dos crescimentos econômico e social. Muita hipocrisia. Mausoléu de Ho Chi Mihn Enfim, o Mausoléu é interessante, porém estava em obras nesse dia, então as fotos ficaram horríveis. A praça que separa ele do Palácio do Governo é enorme e cheia de seguranças, então dá um clima um pouco pesado, mas ela é bem cuidada e bonita. Não ficamos lá muito tempo, seguimos para o caminho de volta ao hotel, passando pela avenida das embaixadas e pelo museu das armas, no qual não tivemos interesse em entrar. Eu voltei a me sentir mal e aquilo estava me desanimando, o dia seguinte seria em Halong Bay, um dos mais aguardados, e eu estava ali lutando contra uma febre. Nessa hora pensamos em chamar um táxi, mas desistimos e caminhamos o resto do caminho, que não era tão pouco assim. Foi legal pois entramos por um outro lado do Old Quarter que não havíamos visto ainda, e tinha uma vibe menos turística em relação à área do nosso hotel, parecia bem mais real. Almoçamos em um restaurante próximo do hotel já bem tarde, se não me engano já eram quase 17h. Eu comi algo leve, sem carne, para me polpar e tentar estar bem pro dia seguinte, mas mesmo os pratos vegetarianos são maravilhosos, pois eles fazem coisas incríveis com os legumes e plantas. Como já estava escurecendo, voltamos pro lago e ficamos sentados em um banco apenas observando. Momento incrível, o dia havia sido cansativo e momentos como aquele me renovavam. Por conta da minha indisposição, fomos dormir bem cedo, e eu rezando para acordar bem.
  39. 1 ponto
    Pretendo ir tbm.. em março... estou procurando mochileiros ou turma.
  40. 1 ponto
    As fotos não estão à altura da beleza. Pensei em um rio Verde, de águas transparentes e com várias corredeiras. Uma cachoeira linda e água quente. Sensacional. Se puderem ir até Campo Novo dos Parecis, visite o Balneário Municipal. Mas como tudo na vida nada é de graça. Com a trepidação perdi a placa da moto. Pensem em uma situação: quatro horas da tarde, com uma placa na mão e 500km para percorrer até em casa. Mas todo viajante tem que ter resiliência. Nada está perdido. Com paciência encontrei uma oficina mecânica de motos, arrumei a placa e parti para Comodoro. Cansei menos que a ida, pois a euforia da aventura produziu muita Andrenalina. Na volta passei pelos rios mais lindos do Brasil. Transparentes, profundos e correntes.
  41. 1 ponto
    De nada!! 152 soles (ou reais porque é mais ou menos 1 por 1)... Uns 40 e poucos dólares
  42. 1 ponto
    Iradooo! Estou querendo ir na segunda quinzena de março. Quem quiser colar, só chamar. Irei fazer Buenos Aires e Santiago.
  43. 1 ponto
    Bah Breno, mandou muito bem nessa promo heheh as passagens pra lá estão cada vez mais baratas, o que é ótimo porque o país eh incrivel. Fui até Santiago de carro, saindo de Porto Alegre, foi insano. Curti o Museu dos Direitos Humanos (prédio muito bonito, lá dentro a coisa é bem pesada...) e o Templo de Bahai, bonito prédio e uma vista muito bacana da cidade, só fica um "pouco" fora da cidade. Dar uma esticada pra Valparaíso/Viña del Mar é uma opção de programa legal, Valparaíso eh bem pitoresca. Ficam a mais ou menos 2 hrs de carro de Santiago. Outro local fora de Santiago que todo mundo indica mas infelizmente não fui eh o Cajon del Maipo, pode dar uma pesquisada, parece top. Além disso, quem for pra Santiago pode seguir a lista do Breno sem medo que vai curtir bem a cidade.
  44. 1 ponto
    Fiquei uma semana, e só em Santiago
  45. 1 ponto
    Dia 1: A partida para um grande sonho Havia chegado o tão esperado momento de partir para o mochilão e estava mais que ansioso, acordei às 4:30 da manhã pois como em SP tem muito transito eu gostaria de sair um pouco mais cedo para respeitar aquelas duas horas de antecedência recomendadas pela companhia aérea, sai de casa já perto das 5 e minha ideia era gastar uma hora e meia de Congonhas até Guarulhos usando o translado da Gol. Cheguei no aeroporto e não tinha mais ônibus pois o último que havia saído fora às 5:30 então eu teria que esperar o próximo que seria só às 6:30, já começou bater um nervoso e eu comecei a fazer alguns cálculos pois meu voo era às 10:20 e eu não queria perder por nada . Peguei o bus das 6:30 mesmo e em menos de uma hora eu já estava em Guarulhos de onde eu iria decolar, fiz o meu check in e despachei o mochilão, uma coisa que eu gosto bastante da Gol pelo menos aqui no Brasil é que sempre eu precisei despachar o mochilão eles colocaram ele em um saco plastico grande que eu acho que é para não prender alça ou algo na esteira. Mochilão despachado a fome começou a apertar fui procurar um lugar para comer e como esse aeroporto é caro, como eu tinha sido burro e esquecido de levar um lanche tive que comprar um lanche no subway e um refri que saiu por R$ 25,00 , ai meu coração. De barriga cheia fui para área de embarque esperar meu voo, fiquei esperando a Ka chegar só que como ela vinha de Belém eu não sabia muito bem que horas ela chegaria pois ela faria a conexão e nós iríamos no mesmo voo para Santa Cruz, próximo das 10:00 eu embarquei e logo em seguida ela já entrou no avião também só que fomos em bancos separados, nosso avião partiu e no tempo programado chegamos em Santa Cruz e era hora de deixar o relógio uma hora para trás em relação ao Brasil e esperar no voo para sucre que só iria acontecer dentro de três hora e meia. Ficamos esperando o voo e como não tínhamos para onde ir e o centro da cidade é longe do aeroporto decidimos comer e novamente a opção mais barato foi subway (ele não tem barato do dia), pegamos um lanche de 60cm que não lembro do que era e como ele é cortado em dois rachamos e saiu por 30bols cada. Antes de comprar o subway nós trocamos 30 dólares por bolivianos a 6,85 pois em Sucre não tem casa de câmbio no aeroporto. Ficamos esperando o voo e já aproveitamos para bookar nosso hostel e o escolhido da vez foi o Mandrágora que ficava bem próximo a praça principal de sucre e nos custou 60 bolivianos, talvez tenha sido o hostel mais caro que pegamos excluindo os hostels do Atacama. No aeroporto tem WiFi de uma empresa que gere os aeroportos a Sabsa e até que funciona direitinho mas não é aquela maravilha toda. Como nosso voo havia sido antecipado nós logo embarcamos e em quarenta minutos já estávamos em Sucre cidade qual iríamos usar para uma aclimatação breve e também fazer ponte para Uyuni. (aeroporto de Sucre) Quando chegamo s no aeroporto de Sucre tentamos sair do aeroporto para pegar um táxi mais em conta só que o aeroporto fica no famoso meio do nada então não tem essa ideia de sair de lá e foi quando eu senhor nos chamou e disse que iria até o terminal de buses que era nosso destino por apenas 8 bolivianos em uma van compartilhada sendo que os taxistas já haviam oferecido corridas por 30 bols cada. Como a nossa vida é economia decidimos ir com o senhor, a Ka e eu toda hora nos perguntávamos será mesmo que ele vai deixar a gente no terminal ou vai deixar perto ????? Depois de andar muito mas muito mesmo nós chegamos ao terminal de buses onde compramos passagens para a noite seguinte em Uyuni pela 6 de octubre em um Bus cama que não seria cama (próximo capítulo) por 100 bolivianos. Passagens compradas era hora de ir para o hostel pegamos um táxi que custou 7,50 bols cada, chegamos no hostel fizemos check in arrumamos algumas coisas nos mochilões, tomamos um banho e saímos para jantar acabamos por comer uma lanchonete bem próxima do hostel, comemos cada um uma hamburguesa com papas e suco de durazno que até então não sabíamos o que era mas é PÊSSEGO não sei se era pela fome mas eu achei que estava muito boa a Ka já não gostou muito foram 20 bols cada, depois disso fomos para o hostel e eu dormi lindamente que só acordei no outro dia. Saldo do dia: Subway em Garulhos - R$ 25,00 Subway em Sucre - 30 bols Passagem para Uyuni - 100 bols Táxi - 7,50 bols Hamburguesa - 20 bols Total = 30,56 USD Vou deixar o resultado final em dólar para ficar mais fácil. Próximo capítulo: Sucre, conhecendo a cidade e a partida para Uyuni.
  46. 1 ponto
    Muito obrigado pelas dicas amigo @danconde! Tava quebrando a cabeça pra conseguir informações sobre a ida até San Matias e de lá pra Sta Cruz. Nenhum telefone nem post tinha as informações do seu. Suas dicas me garantiram a segurança de ficar mais um dia aqui em Cuiabá e conhecer a Chapada dos Guimarães.
  47. 1 ponto
    Fala galera, beleza? Acabei de voltar de Bonito e vou fazer logo o relato pra não esquecer nada. Começando pelos valores: Passagem: R$ 383,11 ( Existe a opção de parcelar em até 6 vezes. ) Passeios + Transfer aeroporto + Transporte: R$ 1.356 ( Existe a opção de parcelar em até 10 vezes pelo site da Bonitour. *Somente pelo site, na agência só fazem em 3. ) Bonito Hi Hostel: R$ 190 Gastos pessoais variam, mas a não ser que você cozinhe no Hostel, vc vai gastar ao menos R$ 50 por dia. O Hostel é muito bom, mas fica a uns 2.2km do centro, então vc vai precisar gastar as pernas. Em um dos dias eu desisti e peguei um Mototaxi. R$ 9 Com relação à Bonitour, só alegria. Fechei tudo com eles porque o site é muito bom e ele mesmo já monta seu roteiro, otimizando o transporte pra você pagar mais barato. Dia 1: Sai de casa 5h porque o voo saia 8, e 11h10 horario local( -1h ) eu estava em Campo Grande. Peguei a van das 11:30h e após uma parada para almoço, chegamos em Bonito às 16h10. A noite fui na bonitour pegar os vounchers e dei uma olhada na praça. Voltei pro hostel pois estava morto e teria que acordar às 5h novamente. Dia 2: Acordei cedo e a temperatura estava em 10 graus. ãã2::'> A Van da Bonitour chegou e fomos em direção às grutas. A de São Mateus é bem bonita, mas a que impressiona mesmo é a da lagoa azul. Ela não é tão azul quanto nas fotos, mas ainda assim impressiona pela profundidade da gruta e pela água. Lá dentro tem dois esqueletos, um do tigre dente de sabre e um da preguiça gigante. Combinei com um grupo de cariocas lá e chamamos um motorista pra nos levar no Abismo Anhumas só pra dar uma olhada. Não valeu a pena, pagamos R$ 25 e não dá pra ver quase nada. De tarde fui comer o pastel de Jacaré e apesar de ser bom, gostei mais do sabor "Pantaneiro II", que é uma mistura de banana, carne seca e queijo. A noite fiz o quadriciclo, muito foda também. Dia 3: Boca da Onça Ecotour A trilha começa com um café da manhã incluso e uma volta de caminhonete até o início da escadaria. Logo no começo você pode subir na plataforma do rapel e dar uma olhada lá de cima. são 90 metros de altura. De lá andamos até a Boca da Onça, que é a maior cachoeira do estado, e muito linda. Paramos novamente só no poço do lontra, e depois fomos caminhando e vendo várias cachoeiras pelo caminho. Realmente indispensável esse passeio. A água estava extremamente gelada, mas a maioria das pessoas entrou. Voltamos para o almoço, também incluso, e após alguns minutos fomos embora. A noite fui na praça comer. Dia 4: Parque Ecológico e Boia Cross Nesse parque você compra a Boia Cross ou cavalgada e ganha acesso completo no dia inteiro. Lá tem Tirolesa, Stand up e caiaque. Na boia Cross não tenho fotos pois eles cobram R$50 pra comprar o CD! hahah Mas o passeio é legal. Fiz amizade com o guia lá e com um família de mineiros. Zoamos bastante. "Carioca" se tornou meu nome nesse e no próximo dia. No fim do dia recebi uma indicação e fui na "Hamburgueria" que fica na rua do lado do Bradesco. Muito bom, hambúrgueres de 180g artesanais, recomendo. Dia 5: Ultimo e melhor dia! Começamos com a Lagoa Azul, que é uma coisa inexplicável. ela tem 60 metros de largura e você consegue ver quem está nadando do outro lado. O Azul é lindo demais. Além de ser legal saber que ninguém achou o fundo dela ainda. Após partimos pra Flutuação no Rio da Prata. Na trilha de 40min conheci 3 holandesas, um casal suiço que estava no meu hostel e duas paulistas. Nosso grupo foi zoação pura. De lá partimos pro buraco das Araras, vale a pena conhecer pra quem gosta. A guia foi contando várias histórias, algumas de terror sobre o lugar. A noite sai pra beber e assim acabou o dia e a viagem, já que no dia 6 foi só a volta pra casa. Comentários finais: Se você curte natureza, vá a Bonito o quanto antes. É uma coisa fora do normal. Já viajei várias vezes pra fora do BR e gostaria de ter ido em Bonito antes. Na cidade você é obrigado a usar as agências. O Valor dos passeios é igual em todas, mas vc deve comparar o valor dos transportes. E se estiver em duas pessoas ou mais, vale mais a pena alugar um carro. O horário que você recebe via SMS é a hora que a van começa a pegar a galera, então se vc estiver no Hi Hostel é normal atrasar uns 20 minutos ou mais por ser o "hotel" mais distante. Mas fique pronto na hora, porque se a van estiver vazia e ele for direto pro Hostel ele chegará mais rápido. O valor de tudo na cidade sobe bastante na alta temporada. Fique atento a isto. A média de valor das cervejas é de R$ 6, e as refeições, entre 20 e 30 para uma pessoa. Abraços.
  48. 1 ponto
    Passagens de avião costumam custar 3x ou 4x vezes mais caro 1 dia antes do que se comprar com 60 ou 90 dias de antecedências, e na alta-temporada(julho/agosto) frequente os voos estão lotados já semanas antes. Os preços dos barcos não costuma variar tanto, mas mesmo assim na hora costuma ser um pouquinho mais caro. Os barcos tem capacidade maior que os aviões, mas a quantidade de assentos não é ilimitada, não costumam lotar, mas se tiver azar de pegar um dia muito movimentado, existe sim a possibilidade de pegar os barcos lotados em alguns dias e não conseguir viajar, então é recomendável comprar pelo menos no dia anterior. Você vai estar viajando na alta-temporada, e as ilhas gregas não são tão grandes assim para que tenha uma grande oferta de hospedagem, corre sim o risco de pegar muitos locais lotados e sobrarem só os ruins ou muito caros. Eu recomendaria você reservar uma hospedagem antes de embarcar num barco para 5 ou 6 horas de viagem, para não chegar lá na ilha e descobrir que não tem um lugar onde dormir com preço que você esteja disposto a pagar, e depois ter que encarrar 5 ou 6 horas de barco de volta para o continente para achar um lugar onde dormir. Mas pessoalmente eu acho que a maior questão é financeira mesmo, se você não se importar e se o seu orçamento comportar pagar o dobro ou o triplo nas passagens e hospedagens durante a alta-temporada, dá sim para viajar sem reservas prévias.
  49. 1 ponto
    Que legal, é o primeiro relato que vejo sobre fazer Salkantay sem guia e mulas, na raça! Parabéns!!!
  50. 1 ponto
    16/09/2015 - Cumuruxatiba - Praias desertas de tirar o fôlego Iniciei minha viagem em São Mateus-ES com destino ao primeiro ponto de parada, Cumuruxatiba - BA. Já tinha ouvido falar do lugar por ser famoso por suas praias desertas e de águas quentes, mas ainda não conhecia. Pesquisando no site Trip Advisor já fiquei ansioso por conhecer algumas delas. Segui pela BR-101 em direção a Prado-BA. Passei por diversas cidades do extremo norte do ES e divisa com a Bahia até chegar em Prado. De início meus planos era ficar um tempo em Prado mas como estava na vibe da tranquilidade achei lá muito agitado, muito urbano e tava fugindo disso pelo menos nos primeiros dias da viagem. Abasteci em Prado pois não tinha certeza se existia posto de gasolina em Cumuru, mas na entrada de Cumuru tem um posto com o preço um pouco mais elevado. Na ida para Cumuru eu peguei o caminho pelo litoral onde é possível já ir curtindo o visual e quando fui embora de Cumuru fui por outra estrada que também da acesso a Cumuru. Na realidade eu nem sabia que existiam essas duas estradas (ambas de chão, que ligam Prado a Cumuru) fui saber só quando cheguei em Cumuru. Mas valeu a pena ir pelo litoral porque já da para ir conhecendo as praias mais afastadas da vila e decidir em qual vale a pena voltar para explorar melhor. A primeira praia que eu conheci foi a praia do farol... Da estrada da para ver a beleza daquela praia. Ela tem uma entrada com um bar e estacionamento para carro e um monte de coqueiros espalhados até quase na areia formando uma paisagem paradisíaca. Desci do carro para olhar mais de perto e tirar umas fotos. Seguindo a estrada um pouco mais acima tem um mirante com o farol que dá nome a praia. Parei no mirante onde é possível ter uma vista panorâmica do mar. Logo após vem as praias de Japara Grande e Japara mirim. Essas praias recebem o nome dos rios que desaguam nela. Aqui aconteceu um momento tenso na viagem. Para continuar na estrada tem que cruzar um ponte sobre os rios que dão o nome as praias, porém as pontes estavam um pouco submersas nos rios. Confesso que parei o carro antes e me perguntei será que passa? Tentei a sorte e passei de boas mas não sei se faria isso novamente hehehe. Essas duas praias são de acesso bem complicado mas vale a pena. Os rios desaguam no mar e tem de tudo um pouco: coqueiros, falésias, rio, mar e faixa extensa de areia.
Líderes está configurado para São Paulo/GMT-03:00


×
×
  • Criar Novo...