Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Mais curtidos da Semana


Conteúdo Popular

Mostrando conteúdo com a maior reputação desde 16-05-2018 em todas áreas

  1. 31 pontos
    Olá, pessoal. Acompanho o fórum há muitos anos, mas nunca havia feito nenhuma contribuição. Recentemente, em fevereiro e março deste ano, fiz um mochilão de 30 dias por Bolívia, Peru e Colômbia e gostaria de compartilhar com vocês um episódio bem lamentável que ocorreu comigo. Sei que a intenção aqui também é compartilhar as experiências positivas e relatos de viagem, algo que também pretendo fazer. Essa viagem foi incrível e a Bolívia é maravilhosa. Não quero com este post desestimular ninguém, muito menos generalizar todo um país. Apenas compartilho o que aconteceu comigo, para que outras pessoas possam se prevenir e encarar uma situação dessas com mais preparo e informação. Aliás, essa é a primeira vez que falo "publicamente" sobre isso, algo que apenas amigos próximos e familiares sabem. Pois bem, eu entrei na Bolívia em um voo, por Santa Cruz de la Sierra, onde fiquei apenas algumas horas até tomar um avião para Sucre. Prestem atenção nas informações que darei agora, elas serão importantes mais adiante. Quando desembarquei e fui passar pela imigração, entreguei meu passaporte à funcionária e informei quantos dias permaneceria no país, conforme ela me perguntou. Ela me entregou o passaporte carimbado e foi isso. No avião preenchi um cartão a Receita Federal boliviana, com informações básicas para entrar no país. Este papel eu tive que entregar na Aduana e lá ficou. Lembro de ter perguntado se eu deveria ficar com alguma cópia ou algo assim, mas me disseram que era aquilo mesmo e que eu poderia seguir. Bom, fui para Sucre e lá permaneci duas noites. É uma cidade incrível, muito segura e tranquila, com a possibilidade única de conhecer mais sobre a história da Bolívia através da visita guiada na Casa Libertad. De Sucre segui para Uyuni, onde passei duas noites: uma quando cheguei, para no dia seguinte partir ao tour de 3 dias pelo Salar e redondezas, e outra quando regressei, para descansar antes de seguir viagem até La Paz. O tour pelo Salar foi maravilhoso, uma experiência única e inesquecível. Nem mesmo os perrengues e as precariedades abalaram a sensação de estar diante de algo totalmente inspirador e novo. Pelo contrário, acho que perrengues e precariedades já eram esperados e até fazem parte deste tipo de roteiro. Fiz o tour com a Quéchua Connection, que prestou um serviço de primeira. O guia José foi atencioso do início ao fim. O grupo, composto por mim, 5 colombianos e um casal de búlgaros, também estabeleceu uma ótima relação. Viajávamos em dois carros: um transportava os colombianos e no outro iam eu, José, o motorista e o casal de búlgaros, Alex e Borianna. Estávamos retornando a Uyuni pela rodovia principal após três dias intensos de tour. Eis que a Polícia Nacional monta um bloqueio na estrada e para o nosso carro. Um policial nada simpático se apresenta e pergunta quem está no veículo, para onde íamos e o que estávamos fazendo. Enquanto isso outros policiais cercam o carro e observam atentamente o interior. Todos estavam com cara de poucos amigos e armas bem grandes nas mãos, tipo aquelas utilizadas pelos seguranças de carro-forte que abastecem os caixas eletrônicos. O motorista então informa que no veículo há dois bolivianos, dois búlgaros e um brasileiro. O policial encarregado pede a identidade dos bolivianos, observa e devolve a eles. Em seguida pede para verificar o passaporte e o visto dos búlgaros (sim, búlgaros precisam de visto para entrar na Bolívia). Os vistos foram examinados sem problemas. Quando chegou na minha vez, o policial me pediu passaporte, tarjeta andina e certificado de antecedentes criminais. Imediatamente gelei. Eu tinha apenas meu passaporte, com o qual tinha entrado no país. Não sou uma pessoa descuidada, tampouco essa era minha primeira viagem. Eu obviamente havia pesquisado muito antes de viajar e sabia quais documentos eram necessários para ingressar na Bolívia. Poderia sequer ter ingressado com meu passaporte, usando apenas a identidade. Enfim, estava com o passaporte e o certificado internacional de vacinação. Nunca, em momento algum, eu havia topado com qualquer informação sobre necessidade de uma tarjeta andina, muito menos de certificado de antecedentes criminais. Por isso, quando o policial fez aquele pedido eu sabia que algo ruim iria acontecer. Informei ao policial que possuía apenas o meu passaporte, mais do que o necessário para um brasileiro ingressar no país. Relatei exatamente como eu havia entrado na Bolívia e o processo na imigração do aeroporto de Santa Cruz e na aduana. O policial, que já não estava alegre, ficou furioso. Disse que brasileiros precisam de certificado de antecedentes criminais na Bolívia, que ele não tinha como saber se eu não era um criminoso, um traficante ou um terrorista. E disse que era inaceitável ter apenas um carimbo de entrada no país no meu passaporte, sem que fosse informado quantos dias eu poderia permanecer, pois assim eu poderia ficar morando ilegalmente na Bolívia se quisesse. Foi então que ele me mostrou que no carimbo de ingresso havia um campo onde estava escrito: "Admitido hasta ____ " e um espaço em branco, onde supostamente a funcionária da imigração deveria ter escrito até quando eu permaneceria no país. Ela não escreveu, apesar de ter feito essa pergunta e de eu ter lhe dado a resposta. Na hora, cercado por policiais irritados e fortemente armados, pareceu que eu havia cometido um crime gravíssimo. Mas depois percebi que foi uma imensa bobagem e explico isso em seguida. O policial também disse que eu deveria ter recebido a tarjeta andina em meu voo. Relatei a ele que tinham me dado apenas o documento que ficou com a aduana, o mesmo que eu havia perguntado se deveria levar comigo e que me disseram para deixar lá com eles. Por fim ele resolveu me aterrorizar (ainda mais). Disse que eu não voltaria a Uyuni, que eu deveria descer do carro e permanecer detido ali, no meio da estrada, e que eu sequer poderia retirar minha mochila do veículo. Disse ainda que eu seria levado a uma delegacia em Uyuni e então deportado ao Brasil. E me ameaçou ainda mais, falando que eu não iria gostar nada do que iria acontecer comigo. Fiquei apavorado, em pânico, mas procurei demonstrar o mínimo possível. Não chorei, não me desesperei e não gaguejei. Segui argumentando educadamente com ele, embora minha vontade fosse dizer o quão absurdo era o que ele estava fazendo.. Felizmente falo espanhol fluentemente, então me fiz entender sem dificuldade. O guia José, ao ouvir as ameaças do policial, saiu do veículo e foi falar com ele, colocando-se entre mim e o policial. Apresentou sua carteira de guia profissional e explicou que eu era apenas um turista. O policial então perguntou: "O senhor é advogado?", ao que José respondeu que não. Então o policial disse: "Então volte para o veículo e permaneça lá. Se o senhor me dirigir mais uma vez a palavra, será preso por obstrução do trabalho policial". Foi horrível, José ficou muito nervoso e voltou para o carro absolutamente calado. Nesse momento eu tive certeza que minha viagem de 30 dias encerraria ali, sem sequer ter completado uma semana. Pior ainda: imaginei que fossem me bater e me roubar, afinal eu estava com toda a grana na minha mochila. Foi então que o policial disse que iria falar com um superior pelo telefone. Após alguns minutos ele voltou e disse que "por hoje" iria deixar passar, mas ressaltou que a Polícia Nacional faz barreiras em todas as estradas e que se me visse novamente no país, eu seria imediatamente deportado. Foi horrível, seguimos a viagem atônitos, todos. José estava constrangido por seus compatriotas e explicou que infelizmente a Polícia Nacional costuma agir desta forma. Os búlgaros também relataram uma série de episódios de abuso policial em seu país. E eu estava apavorado, planejando chegar em La Paz no dia seguinte e ir direto para a Embaixada brasileira. Eis que alguns quilômetros depois havia uma NOVA barreira policial. Foi a cereja que faltava no bolo. Agora sim eu tinha total certeza de que seria deportado. O roteiro foi o mesmo. O policial pediu a identificação de todos, meu passaporte, meu certificado de antecedentes criminais e minha tarjeta andina. Repeti todas as explicações, esperando ser retirado do carro, mas incrivelmente este policial apenas concordou comigo e disse que eu deveria providenciar os documentos. Ele tinha outro alvo no veículo: o motorista. O motorista dirigia com segurança, mas o policial lhe passou um sermão totalmente desnecessário. Enfim, seguimos viagem. Quando cheguei em La Paz, fui até a Embaixada brasileira e relatei o que aconteceu. A funcionária que me atendeu sequer ficou surpresa. Disse que provavelmente o policial queria dinheiro. Mas em nenhum momento ele sequer mencionou algo parecido. Frases como "como podemos resolver isso?" ou indiretas semelhantes não foram ditas. Na hora obviamente eu pensei que iriam me cobrar algo, mas não o fizeram e eu é que não iria oferecer. A Embaixada reforçou que minha situação na Bolívia era absolutamente legal. Que tudo que eu precisava era do carimbo de entrada em meu passaporte, com isso poderia ficar até 90 dias no país (se não me engano era 90, mas já faz tempo e posso estar enganado, poderia ser 30 ou 60, tava tão nervoso que não lembro direito dessa informação). A funcionária disse que certificado de antecedentes criminais é algo exigido apenas para brasileiros que desejam residir na Bolívia, nunca para turistas. Ela recomendou que eu fosse à oficina de migraciones, no Centro de La Paz, para relatar o que houve e solicitar que escrevessem em meu passaporte a quantidade de dias que eu ficaria no país, lá onde dizia "Admitido hasta", no carimbo. Fui até o escritório de imigração, que estava absurdamente lotado e caótico. A muito custo consegui falar com um funcionário, que me atendeu muito mal, ouviu meu relato com uma cara de bunda e disse que não tinha nada de errado com minha situação no país e se recusou a escrever qualquer coisa no meu passaporte. Voltei à Embaixada e contei como havia sido atendido em migraciones, então me deram um número de emergência da embaixada e me orientaram que retornasse a migraciones e, caso se recusassem a atender meu pedido, eu deveria ligar para o número da Embaixada e passar o telefone ao funcionário. Esse número, aliás, é um plantão que estaria à disposição para o meu atendimento 24 horas por dia. Pois bem, voltei a migraciones e fui mais enfático no pedido. O funcionário ficou putaço e me encaminhou a um oficial, que ouviu meu relato com mais atenção e disse para eu ficar tranquilo, pois a Polícia Nacional sequer tem poder para deportar estrangeiros, algo que apenas eles poderiam fazer. E por fim, para coroar essa novela kafkiana, ele escreveu "30 días" no meu passaporte, ali no espaço em que dizia "Admitido hasta" e disse que caso eu fosse importunado pela polícia novamente, deveria dizer que falassem com o "Inspector Gonzalo Murillo" em migraciones. Eu não sabia se deveria rir ou permanecer sério. Se o problema todo era escrever "30 días" no meu passaporte, eu mesmo poderia ter escrito isso com uma caneta, já que o inspetor sequer assinou alguma coisa. (Aliás, no Peru escreveram 30 dias no carimbo de entrada e na Colômbia me deram 60 dias). Aproveitei também para perguntar sobre a tal tarjeta andina e me foi informado que quem ingressa na Bolívia de avião geralmente não recebe esse cartão, apenas quem vem de ônibus, mas que não seria um problema na hora de deixar o país. No fim, quando atravessei a fronteira da Bolívia para o Peru, o oficial de imigração pediu minha tarjeta andina. Eu disse que não tinha e ele me deu uma para preencher na hora, carimbou meu passaporte com o carimbo de saída e foi isso. Eu gostaria de poder dizer a todos os brasileiros que não levem seus certificados de antecedentes criminais ao entrar na Bolívia. Mas eu certamente levarei o meu a partir de agora. Mesmo sabendo, como eu já sabia naquele episódio, que não é algo necessário. Mesmo com toda a garantia dada pela Embaixada e pelo setor de imigração do país. A realidade concreta parece importar pouco diante da vontade de um grupo de policiais fortemente armados em uma estrada no meio do deserto. Nunca vou esquecer aqueles momentos de pânico. Me senti impotente, sem saber como denunciar tudo que aconteceu às autoridades competentes. Não havia identificação no uniforme dos policiais, eu sequer saberia apontar nomes. Também fiquei com muito medo de denunciar e acabei optando por seguir a viagem normalmente. Tudo que eu queria era distância de uma delegacia. Desculpem se este relato mais alarma do que ajuda efetivamente alguém. Mas se isso aconteceu comigo, sabe-se lá com quantos mais pode ter acontecido ou ainda pode vir a ocorrer. A única dica concreta que eu tenho para dar é: andem sempre com o número do plantão da Embaixada. Aqui neste link tem as informações sobre o contato de emergência consular para brasileiros na Bolívia: http://lapaz.itamaraty.gov.br/pt-br/emergencias.xml Agradeço a quem leu até aqui e reforço: a Bolívia é um destino de viagem incrível e insuperável. Mesmo este episódio terrível não estragou a satisfação que tive em conhecer o país e passar vários dias lá. Prometo em breve fazer um relato detalhado de toda a viagem. Abraços!
  2. 23 pontos
    Olá pessoal . Estou no meu terceiro mês da minha viagem de volta ao mundo. Enquanto escrevo esse texto ( dia 26/7) me encontro em Moscou e ainda tenho 9 meses a frente. Me perdoem se avistarem erros de português, estou escrevendo com o celular e às vezes é passível de erros . Antes de começar o meu relato é importante esclarecer alguns fatos sobre os custos: 1° os 20.000 reais engloba tudo! Passagens, hospedagens, passeios etc. 2° comprei o Euro á 3.9 foi a cerca de uns 7 meses atrás e o dólar á 3.2 ( quase a mesma época ) 3° Já comprei todas as passagens áreas ( sim TODAS sem exceção) e irei entrar em detalhes dos custos das mesmas há diante . 4° o cartão de crédito que eu uso é o cartão do banco Inter que tem a cotação dólar Comercial ( não o turismo) 5° faz 2 anos que iniciei o planejamento desta viagem por isso consegui bons preços devido estar sendo procurando a melhor época em cada lugar. 6° Alguns dias que meu vôo decola cedo eu durmo no aeroporto para economizar. Mas são raros os casos . 7° não despacho mala. Estou viajando somente com uma mochila de 35 litros e acredite é mais que o suficiente e estou fugindo de lugares frios. 8° existem certos dias do mês que as entradas em museus e etc são gratuitos portanto eu me programei com antecedência para poder aproveitar esses dias e irei explicar durante o relato sobre os mesmos. 9°Faço minhas reservas com a booking.com e tenho cadastro na Meliuz. Portanto sempre que faço uma reserva eu tenho 2 % de volta no site ( fica a dica) 10° minha meta é 3 euros por dia com alimentação na zona do euro. Eu cozinho sempre nos hostels e esse valor foi adequado para mim no primeiro mês que estive em Portugal, França, Espanha, Alemanha. Só tive que cortar o consumo de carne e substituir por ovos e queijos que são mais baratos . Fora da zona do euro minha meta é 2 euros por dia que estou conseguindo manter até o momento . 11 não gastei com seguro viagem . Eu tenho um cartão da Amex e não precisei pagar pelo mesmo pelos primeiros 90 dias na Europa . Depois desse período vou ficar sem o seguro e arcar com as consequências se adoecer na viagem. 12° foram raras as vezes que gastei dinheiro com água normalmente bebo a da torneira direto e/ou fervo antes . 13° raramente uso o transporte público faço quase tudo a pé nem que tenha que andar 30 km certos dias . Uso o transporte normalmente para entrar e sair do aeroporto e ir para a cidade, no mais não vejo necessidade para mim, sempre gostei de andar . Portanto vou listar quanto paguei nas passagens aéreas antes de começar o relato : ✓Belo Horizonte - São Paulo ( comprei com 6 meses de antecedência em uma promoção da Azul) 59.90 para o dia 24 de Abril ( quando minha viagem começou ) ✓ TAP São Paulo / Paris com 1 dia em Lisboa 1103 reais ( 7 meses de antecedência) ✓Transavia Paris para Barcelona 32 euros ( comprado com 3 meses de antecedência) para o dia 27/04. Comprei no cartão e deu 128.80 reais com IOF incluso. ✓Barcelona para Valência de ônibus Alsa 5 euros ( comprado com 3 meses de antecedência) para dia 5/5 paguei 20 reais ✓ bate e volta para Porto de Valência dia 7 a 9 de maio 10 euros o trecho com a RyanAir( comprado com 2 meses de antecedência) paguei 90 reais tudo no cartão ✓Valencia para Murcia no dia 11/05 6 euros com Alsa bus ( 2 meses de antecedência) na parte da manhã 24 reais ✓Murcia para Madri dia 11/05 5 euros com Alsa bus ( 2 meses de antecedência) 20 reais ✓Madri para Berlin no dia 15/05 por 13 euros com a RyanAir comprado com 4 meses de antecedência 52 reais ✓ ônibus Berlin para Wroclaw ( Polônia ) sim 4 reais . 4 zl com polskibus ( que hoje é da Flixbus) para o dia 18/05 ✓Wroclaw para Cracóvia 7 zl, 7 reais no cartão com a mesma empresa 28/05 ✓Cracóvia para zakopane 5zl, 5 reais no cartão com a mesma empresa 2 meses antecedência para o dia 5/06 ✓ zakopane para Cracóvia 5zl, 5 reais no cartão com a mesma empresa 2 meses antecedência 12/06 ✓ Cracóvia para Praga no dia 12/06 ônibus noturno 40zl cerca de 41 reais com a mesma empresa. ✓ Praga para Viena no dia 17/06 14 euros com a Flixbus. ( Existem opções de trem pelo mesmo preço se comprar com antecedência) 59 reais ✓Viena para Budapest 15 euros para dia 20/06 paguei 62 reais no cartão com a Flixbus ✓Budapest para Belgrado 20 euros com a Flixbus para o dia 27/06. Paguei 110 reais porque não comprei com muita antecedência e o Euro já estava mais alto ✓ Belgrado para Atenas para dia 06/07 com a Aegean Airlines por 35 euros ( comprei com 5 meses de antecedência) peguei 134 reais no cartão . ✓ Atenas para Istambul com a mesma empresa 40 euros e paguei 163 reais ( 5 meses de antecedência) para o dia 12 de julho. ✓ Istambul para Moscou 37 euros com a Pegasus (5 meses de antecedência) peguei 155 reais. ✓ Moscou para Tblisi 50 euros e paguei 210 reais com 3 meses de antecedência com a S7 Airlines ( existem opções mais baratas e acredito que paguei mais caro nessa passagem ) ✓ ônibus Tblisi para Batumi 30 Gel cada trecho ( ida dia 04 de agosto e volta dia 24 de agosto ) e sim quero ficar 20 dias na praia porque vai estar fazendo muito calor . Comorado com 1 mês de antecedência. 150 tudo no cartão . ✓ depois irei viajar para dentro da Armênia em 4 cidades diferentes . Uma amiga que mora lá me disse que os ônibus entre as cidades não custam mais que 2 euros então devo gastar uns 20 euros contando a passagem de ônibus de Tblisi a Yerevan. ✓ Gyumri para São Petersburgo com Pobeda 40 euros e paguei 203 com 4 meses de antecedência) ✓ São Petersburgo para Bangkok paguei 740 reais para o dia 7 de outubro com conexão de um dia em Novobrinsk ( 5 meses de antecedência) 12 mil rublos s7 Airlines E é agora na Ásia que tudo fica extremamente barato pois peguei uma promoção da AirAsia no dia 5 de março que tudo estava muito barato e não paguei mais de 22 dolars em nenhum trecho com exceção de Laos. Bangkok (dmk) to Luang Prabang (lpq) 17th October e volta Luang Prabang (lpq) to Bangkok (dmk) 26th October $93.23 Bangkok (dmk) to Chiang mai (cnx) 31th October $16.25 Chiang mai (cnx) to Pattaya (UTP) 14th november e volta Pattaya (UTP) to Chiang mai (cnx) 28th november $32.50 Chiang mai( cnx )to Bangkok (dmk) 7th december $16.25 Bangkok ( dmk) to Phuket (hkt) 12th december $19.56 Krabi to Kuala Lumpur 3th January $18.04 Kuala Lumpur (kul) to Denpasar Bali (DPS) 29th january $12.95 Denpasar Bali (DPS) to Singapore (sin) 26th february $21.95 Singapore (sin) to Cebu on 29th February $17.65 ( Essa foi comprada em outra promoção do dia 6 de junho) Total no cartão das compras do dia 05 de março =1,219 reais Cebu to Manila $17.78 133 reais com Cebu Pacific Manila para São Francisco 1223 reais com a edreams no dia 21 de março São Francisco para São Paulo no dia 25 de março 953,53reais somente volta com a Copa Airlines Total de passagens para a viagem 1,219+953,53+1223+133+740+150+203+210+155+163+134+110+62+59+41+10+7+4+52+20+24+90+110+129+1103+60= R$5946.74 Total passagens ( esse valor não engloba as passagens dentro da Armênia e os transportes públicos dentro das cidades ) E agora o Relato... Lisboa do dia 25 de Abril ao dia 26 Cheguei ao meio dia do horário de Lisboa. A imigração estava cheia e fiquei uns 30 minutos na fila. Quando chegou a minha vez o oficial me perguntou: Quantos dias iria ficar?80 dias . Profissão no Brasil? Day Trader Se pretendia trabalhar na Europa ? não Porque vou ficar tanto tempo? Estou em uma viagem de volta ao mundo qual é a verba para algo assim? Respondi que estava em uma viagem low budget e que queria gastar no máximo 40 mil ( menti haha) mas achei que se falasse a verdade ele duvidaria de mim. Ele perguntou qual seria minha passagem de saída e disse que da primeira vez seria para Belgrado e depois entraria novamente para a Atenas depois iria para Istambul e não voltaria mais para a área de Schengen. Ele foi muito gentil, sorriu e me deu meu passaporte e eu saí o mais rápido possível de lá . Peguei um metrô que me deixava a uns 20 minutos a pé do hostel ( Hostel Kab +1 ) foi um total de 10 euros a diária. Tomei um banho, enchi minha garrafa com água da torneira ( a moça que estava lá falou que bebia todo dia e eu resolvi arriscar ) e fui andar pela cidade. Já conhecia Lisboa de viagens passadas então dei preferências aos lugares que mais gostei. Comecei indo a pé para a Basílica da Estrela e ao parque Jardim da Estrela onde lá descansei por uns 30 minutos . Depois fui a pé para o Miradouro do Parque Eduardo VII. Era feriado na cidade (25 de abril ) e muitos(as) portugueses(as) nas ruas perto do parque manifestando sobre os direitos das mulheres. Fiquei pouco tempo lá fugindo dessa multidão e desci a Avenida Liberdade e fui para o Miradouro São Pedro de Alcântara. Fui para a região de Baixa-Chiado onde fica o Elevador Santa Justa e passei em um supermercado que chama Pingo Doce ( o mais barato de todos na minha opinião) e comprei 4 ovos, alface e batatas e uma barra de cereal . A esse ponto já estava com fome pois minha última refeição foi um café da manhã no avião da TAP . Tudo deu 2.10 euros. Fui andando para a Praça do Comércio e depois o Mercado da Ribeira. Fiquei lá por um tempo observando as pessoas e o movimento e fui logo para o hostel . Jantei, vi o jogo Bayer vs Real Madri pela Champions ganhei uma cerveja de um português, conversei com o pessoal da sala da TV e fui dormir Total gasto em Lisboa : 17 euros Dia 26 Paris Acordei de manhã e fui logo para o aeroporto peguei o metrô na Cais do Sodré, cheguei no aeroporto e embarquei para Paris com a TAP. O avião serviu um lanche ótimo e como sentei no fundo a fui contando da viagem para a aeromoça e ela meu deu mais um sanduíche e uma lata de coca para eu comer e beber depois. Na saída do aeroporto um casal de brasileiros que não falavam nada de francês ou inglês estava tendo problemas em pedir um taxi no aeroporto . Eu falei que estava indo para a região da Torre Eiffel e que poderia levá-los ao hotel que era caminho de onde ia só que eles tinham que ir de ônibus comigo haha. Eles não se importam pois tinham somente 2 malas no total e foram comigo . O casal se ofereceu para pagar meu ticket que custava 8 euros ( orlybus) mais o metrô até a torre 1.8 euros eu não queria aceitar mais ele insistiu e resolvi aceitar . Eu levei eles até o hotel e me despedi. E agradeci novamente pelo tickets. Fiquei 1 hora na região do trocadeiro e a torre. Comi meu sanduíche e fui para o aeroporto Orly de novo com destino a Barcelona . ( Também já conheço Paris só não queria ficar 8 horas no aeroporto esperando meu próximo vôo por isso fiquei somente na região da torre observando a paisagem) Total gasto em Paris 9.8 euros ( tickets de volta) Dia 26 á 05 de maio Barcelona Consegui um Airbnb por 360 todos esses dias .O host não tinha nenhum hóspede antes de mim por isso acho que o valor estava baixo. Foi realmente um achado pois os preços lá normalmente são de 180 euros para cima por todos esses dias em hostels na cidade. Eu fiquei na região perto do Camp Nou e era um pouco longe dos pontos mais turísticos de Barcelona . Mas mesmo assim fiz tudo a pé ( senti um pouco de dor no início pois andava o dia inteiro mas depois acho que meu pé acostumou ) o nome do host é Joe e Dunia e eu super recomendo o apartamento. Tudo muito limpo e cozinha bem equipada . Consegui me manter na meta de 3 euros por dia . Comprava macarrão, ovos, batata, pão , presunto e verduras da promoção para me alimentar . 2 vezes sai com um pessoal da Polônia que fiz amizade no apartamento e comi um Kebab por cerca de 2 euros e dividi uma pizza baratinha com o pessoal mas não extrapolei minha meta no final das contas. NoAirbnb Dunia preparou para mim uma paela com frutos do mar e achei uma delícia era a primeira vez que provava uma Paela e amei . Quanto aos passeios acredito que fui na maioria dos lugares mais conhecidos. Incluído Montserrat que paguei 35 euros com direto ao funicular. Total gasto em Barcelona 3 euros para sair do aeroporto 35 euros para ir a Montserrat 23 euros com comida e supermercado Segue as fotos ( se estiver dica de como colocar as fotos abaixo do texto me falem pois só vejo a opção de colocar no final do relato)
  3. 22 pontos
    Hoje ao acordar notei que tudo estava mais lindo, mais colorido, podia enxergar a alegria estampada em pequenos detalhes e afazeres. Não tinha como ser diferente afinal, não são todos os dias que fazemos aniversario, hoje dia 07/02/2018 faz exatamente 1 ano desde que sai do comodismo, do comum, da rotina estafante que vivemos, e continuamos, sabe por que ? por que temos a sensação de estar tudo bem, esta confortável, por que mudar algo que pensamos ser o melhor, afinal é seguro. Mas eu não, eu pensava diferente, não estava legal, não me completava, apenas me absorvia mais e mais, até que em certo ponto cansei de toda essa vida monótoma, e aqui estou completando 1 ano de viagem. Já contei minha historia aqui no grupo uma vez, mas vou contar uma segunda, pois sei que muitas pessoas mudaram sua forma de pensar e ver o mundo a partir do post que fiz. Sou christopher hoje com 23 anos, estou na cidade de Balneário Camboriú. Bom eu era normal como todos somos, o tipico jovem brasileiro, trabalho, casa, carro, relacionamento, amigos, festas etc. Mas certo dia algo mudou, não tinha mais aquela animação pra ir trabalhar, não tinha animação pra sair com os amigos, não tinha animação pra sair nem da cama se quer, apenas olhava tudo esvair de mim aos poucos, mais e mais, e cada vez mais era pisado pelo black dog, e me afundado em depressão, foi então que acabei saindo do emprego, pois não tinha animação pra ir, com o passar dos dias veio o termino do meu noivado, isso foi uma marretada para a angustia de um depressivo, logo as contas de fim de mês começaram a chegar, acabei vendendo meu carro para pagar-las e liquidar toda e qualquer divida que tinha. Então ali estava eu fechado em meu mundinho obscuro, cercado de pensamentos suicidas. Mas, surge aquela luzinha ao fim do túnel, então resolvo que eu tinha que sair dessa, minha vida não podia acabar ali naquela casa, sozinho, eu era mais que tudo aquilo, não era possível que vim ao mundo pra viver até os 22 anos e ser lembrado por amigos e familiares como o depressivo que se suicidou. Fui ao meu computador e resolvi terminar com tudo de uma vez, consultei o santo google ''Como sair de uma depressão'' eis que apareceu varias e varias coisas, abrangendo uma gama de assuntos sobre, mas algo me chamou muita atenção, ''viajar é o melhor anti-depressivo'' estava ali, era só absorver essa informação, mas poxa ''sou pobre, como vou viajar e conhecer o mundo ?'' consultei o google mas uma vez ''como viajar sem dinheiro'' advinha onde fui parar ? ''mochileiros.com'' me encantei com os relatos de viagens, pessoas que saíram meteram a cara com pouco e as vezes nada, então estava ali, era o que eu queria pra mim naquele momento, depois de me aprofundar nas teorias de viajeros, e aprender o ''básico'' sobre sobreviver na estrada, estava focado em sair, logo arrumei a bolsa que carregava meu antigo notebook, coloquei umas roupas, peguei minha carteira que tinha 170 reais e sai no outro dia logo cedo, as 7 horas da manhã do dia 7 de fevereiro peguei minha primeira carona de Cafelândia do Oeste para o mundo. e assim segui, conhecendo lugares incríveis, um mais lindo que o outro, conhecendo pessoas, pessoas essas que são como anjos para quem vive pela estrada, escuto muito dizerem que existe muita maldade no mundo que vivemos, mas acredite é minoria, a bondade é imensa quando você se permite mais. Bom, conheci o mar pela primeira vez no ano passado, quando sai de Cafelândia, sai com proposito único de realizar meus sonhos, e conhecer o mar era um deles, então fui ao litoral Catarinense, passei por lugares no Parana, São Paulo, uma beiradinha do Rio de Janeiro, Minas Gerais (estado que eu era encantado desde pequeno) Espirito Santo, e em cada lugar que ia, aprendia algo diferente que sempre me moldou a tornar-se um ser melhor, mais feliz, foi onde vi, que tudo de mal que vivi antes de meu renascimento, serviu apenas para mostrar que eu estava vivendo errado, e era necessário mudar minha forma de viver. para quem leu até aqui, muito obrigado, desculpa tomar tanto tempo, deixo para você uma frase para refletir ''Permita-se mais, não deixe para depois, o que pode ser feito agora, o depois pode não vir a existir''
  4. 19 pontos
    Sempre que falo que viajei 5 países na América do Sul com menos de 800 reais, acabo gerando aqueles olhares de dúvida, tipo, ou esse cara é louco ou mentiroso. Vou te mostrar que é possível você fazer o mesmo com um pouco de coragem e planejamento. Primeiro explicando um pouco do meu estilo de viajante, sempre gostei de viajar sozinho e durante mais de uma década estou explorando esse mundo, tendo dado uma volta ao mundo por terra sem utilizar avião, cruzado o oceano Atlântico em navio de carga, escalado dezenas de montanhas e explorado todos os extremos da América do Sul. Foram 5 expedições, 25 países, mais de 110 cidades visitadas em cerca de 408 dias na estrada. Mais de 70.000 km rodados por superfície, sendo 15.000 desses km rodados em mares e rios amazônicos. Quebrei bastante a cabeça até desenvolver essa fórmula para viajar gastando muito pouco. Assista o vídeo da expedição Extremos América do Sul onde gastei muito pouco para fazer Vou descrever nesse artigo os seguintes temas, espero que você consiga tomar coragem e partir finalmente para sua grande aventura: 1. Tripé dos gastos em uma viagem 2. Como ganhar dinheiro enquanto viaja 3. Vale a pena viajar a América do Sul? Quanto eu gastei realmente nas minhas viagens pela América do Sul? Eu fiz 3 expedições pela América do Sul em baixo orçamento, quero citar aqui 2 delas: Expedição poeira e Expedição Extremos América do Sul. Na expedição Poeira, eu consegui fazer 5 países em 22 dias, gastando 780 reais. Na expedição Extremos América do Sul, fiz 7 países em 150 dias, gastando 5.800 reais. Se você fizer a conta verá que nas duas expedições o meu gasto diário rodou em torno de 35 reais. Como fazer para gastar pouco assim? Vamos falar de algo que eu chamo de tripé dos gastos de viagem. Basicamente os custos de um mochilão se fixam em 3 pilares: Transporte, alimentação e hospedagem. Você conseguindo enxugar os custos nesse tripé, reduzirá muito o quanto você gastará na sua viagem. - Transporte Faça as contas, dependendo do vôo, um trecho de avião aqui pela América do Sul já gasta mais que eu gastei na viagem inteira. Esqueça avião se você deseja viajar com baixo orçamento, essa é a dica número 1. Essa é a parte do tripé que mais pesa, você precisará se esforçar para viajar gastando pouco com transporte, mas não é nada impossível e com um bom planejamento é possível viajar sem gastar nada. Basicamente nas minhas viagens eu uso bastante ônibus e pego carona. Carona você consegue arrumar hoje em dia via redes sociais, nos hostels e no clássico levantando o dedão na estrada. V80304-115248.mp4 Já peguei carona muitas vezes sem problema e já fiquei horas e horas na estrada tentando sem sucesso. Na Argentina foi super fácil e no Chile super difícil, é tudo uma questão de paciência e tentativas e erros. Acabei viajando com amigos dividindo o valor do aluguel de carro, na caçamba de caminhões, em carros chiques e em ônibus de turismo. - Alimentação Essa é a parte que eu me orgulho de dizer que gasto o mínimo possível, deve ser por isso que perdi 22 kilos em 150 dias de viagem. Para gastar pouco com alimentação não tem segredo: Comprar comida no mercado e cozinhar no hostel. No Chile a comida mesmo no mercado estava muito cara, só reduzir as expectativas e mandar ver: Sopinha de tomate com cenoura. Eu tenho a vantagem de acampar muito em minhas viagens, em 150 dias de viagem, passei quase 40 dias acampado e quando eu estou acampando é basicamente arroz branco com alguma proteína barata como ovo e um temperinho. Acaba-se gastando muito pouco, nesse vídeo abaixo fiquei 1 semana acampado e me alimentando de arroz com alguns itens que ia encontrando pela mochila e pelo caminho. V80321-120347.mp4 Minha receita mais barata e que mantém meu corpo funcionando o dia todo de forma saudável é: Frutas como banana e maçã no café da manhã e eu fazia 2 sanduíches com pão, tomate, abacate e ovo cozido. Eu gasto em torno de 8 reais por dia com alimentação ( Café da manhã, almoço e jantar ). Uma dica é procurar hostels que já tenha café da manhã, encontrei lugares que valia muito a pena se entupir de comida do hostel e depois passar o dia sem comprar nada para comer. Ainda vou dar mais uma dica para você se alimentar bem e ainda ganhar um dinheiro com isso, isso lá no tópico sobre como ganhar dinheiro na estrada. - Hospedagem Hoje em dia temos tantas opções de sites e aplicativos que ajudam com hospedagem que posso quase que te garantir que você vai conseguir ótimas opções de hospedagem barata. O grande aplicativo que uso é o Booking, já encontrei muita pechincha no aplicativo que jamais encontraria andando e buscando lugar no boca a boca ( Faço muito isso também ). Se o aplicativo só está mostrando locais caros, vale a pena buscar da forma tradicional, andando e perguntando. Poucas vezes eu chego em uma cidade com hospedagem garantida, somente quando sei que vou chegar de noite ou em locais mais perigosos onde é melhor eu garantir pelo menos minha primeira noite. Uma dica que sempre dou é olhar os comentários dos usuários, eu particularmente sempre vou no mais barato que aparecer. O problema de escolher só pelo dinheiro é que você acaba se deparando com quartos como esse abaixo, se te mostro o telhado tu corre kkkk Eu acampo muito, em campings e em locais selvagens, livres de cobrança. Coachsurfing é uma ótima pedida, eu fiz bons amigos nessa categoria de hospedagem. O ideal é ir criando um perfil nessas redes e se engajar, dificilmente vão te aceitar sem um perfil já trabalhado, tente hospedar pessoas na sua casa antes de ir viajar, isso deixará seu perfil perfeito. Outra categoria bem diferente de hospedagem é fazer trabalho voluntário. Você pode usar sites como Workaway e Worldpackers, eu usei o Workaway para trabalhar na Europa com cavalos no inverno e em projetos de bio-construção no Brasil. Na América do Sul tive diversas oportunidades que os próprios amigos de estrada vão te indicando, se você está aberto a essa possibilidade, de vez em quando rola até alimentação nesses trabalhos voluntários. Agora, como ganhar dinheiro enquanto viaja? Sempre me perguntam como eu consigo ficar 150 dias viajando pela América do Sul ou 197 dias viajando o mundo, sou rico?? Longe disso, não é necessário ser rico para cair no mundo, minhas contas me dizem que é mais caro viver em SP do que viajar o mundo. Existem muitas formas de ganhar dinheiro viajando e vou falar algumas aqui que eu vi rolar e achei bem honesta a forma que encontraram de continuar viajando. Uma das mais interessantes é cozinhar no hostel. Junte um grupo, arrecade um pouco de dinheiro de cada um, compre os ingredientes no mercado e cozinhe para todos. Vi isso em muitos hostels ao redor do mundo, viajantes ganhando dinheiro cozinhando para a galera. Imagine você ganhando 2 reais por cada integrante do grupo, normalmente são 10 a 15 pessoas envolvidas. Um amigo meu que está viajando há 6 anos o mundo de moto, costuma parar em casas que faltam manutenção e se oferece para pintar a casa em troca de hospedagem. Ele diz: Olha, você compra uma latinha de tinta e eu pinto tudo para você, em troca eu posso acampar aí no seu quintal? Opções não faltam, eu já ganhei uns trocados dando aula de capoeira na praça, já vi fazerem isso com Yoga e alongamento. Já vi tatuadores trocando tattoo por comida, hippies vendendo sua arte nas ruas, fazendo malabares, entenda uma coisa: Tudo é possível quando se tem ânimo para ir a luta e trabalhar seu sonho. Mas, e aí? Vale a pena mochilar pela América do Sul ? Sou totalmente suspeito para falar, sou completamente apaixonado por esse continente, tanto que estou partindo em breve para minha 4° expedição por aqui. Só digo uma coisa: Ruínas incas, montanhas, desertos, praias, um povo simpático e câmbio favorável - Onde mais você encontra isso no mundo? Fiz uma palestra falando somente sobre isso, porque eu amo tanto a América do Sul, se você está em dúvida se deve ir ou não, peço que assista minha palestra e tire suas próprias conclusões, em breve no meu canal no Youtube, siga o canal para acompanhar os novos vídeos que vou colocar. Canal Trabalhe seu Sonho --- Espero que essas informações tenham te ajudado de alguma forma e fique à vontade para perguntar qualquer coisa, será um prazer te ajudar nesses primeiros passos da sua jornada por esse continente que eu amo tanto. Grande abraço e bons ventos!!
  5. 18 pontos
    CAPÍTULOS POSTADOS: PAG 1: CAPÍTULO 1: 06-08/05/2018 - Santa Cruz, voo cancelado, Sucre fechada e planos indo pro ralo; PAG 1: CAPÍTULO 2: UYUI 09/05: Não rolou a foto espelhada, mas nosso primeiro dia foi incrível; PAG 2: CAPÍTULO 3: UYUNI: 2º dia - 10/05: Lagunas e mais lagunas; PAG 2: CAPÍTULO 4: UYUNI: 3º dia - 11/05: Geysers, -15º graus, banhos nas termas e despedida de Uyuni. PAG 2: CAPÍTULO 5: SPA: 1º DIA: 11/05: Perrengues que vem para o bem. PAG 2: CAPÍTULO 6: SPA: 2º DIA: 12/05: Caverna de Sal e o incrível pôr-do-sol do Valle de La Luna. PAG 3: CAPÍTULO 7: SPA: 3º DIA: 13/05: A exuberância do Salar de Tara PAG 3: CAPÍTULO 8: SPA: 4º e último DIA: 14/05: Altiplânicas e nossa despedida de San Pedro de Atacama. PAG 3: CAPÍTULO 9: SPA x AREQUIPA: 14-15/05: Viagem que não tem fim. PAG 3: CAPÍTULO 10: 16-17/05/2018: A incrível Arequipa, Valle del Coca e o voo dos Condores. PAG 3: CAPÍTULO 11: 18/05: Chegada em Ica, bate volta em Huacachina e ida para Cusco. PAG 4: CAPÍTULO 12: 19-20/05: Meta de vida alcançada: Conhecer Cusco. PAG 4: CAPÍTULO 13: 21/05: As cores incríveis da Humantay. PAG 5: CAPÍTULO 14: 22-23/05: Trilha da Hidrelétrica, Águas Calientes Subida a pé e a chegada em Machu Picchu. PAG 5: CAPÍTULO 15: 24-25/05: Manifestação em Cusco, passeio cancelado, Tudo sobre o Vale Sagrado, noitada no Wild Rover e despedida de Cusco. PAG 6: CAPÍTULO 16: 26.05: Puno e as Islas Flotantes de Los Uros. PAG 6: CAPÍTULO 17: 27-28/05: Copacabana e a energia singular das Islas del Sol e da Luna. PAG 6: CAPÍTULO 18: La Paz, Teleférico, o famoso Mercado das Bruxas, Chacaltaya e Valle de La Luna. Chacaltaya - La Paz - Bolívia Para qualquer mochileiro de primeira viagem, a grande dificuldade é escolher o destino, até começar a ler relatos e mais relatos sobre o roteiro basicão e que inúmeros viajantes fazem: Bolívia, Peru e Chile. Você começa a se apaixonar pelos lugares e histórias e já era: Tá lá você lendo tudo sobre: Atacama, Uyuni, MacchuPicchu e afins. Melhor ainda quando você encontra pessoas como o Rodrigo e Maryana (Dispensa apresentações) que te entrega um monte de coisa de mão beijada. A Maryana foi uma das grandes incentivadoras e é uma pessoa incrível e sempre disposta a ajudar. Sigam ela no Instagram: @vidamochileira. Obrigado Mary!!!! ❤️ Tentarei postar o mais rápido possível os relatos para que vocês consigam pegar as informações atuais e está planejando fazer essa trip. Todos os meus gastos foram convertidos em reais segundo a cotação atual de cada lugar, tendo em vista que cada pessoa consegue o dólar com um valor diferente. Um conselho que dou de antemão: Levem uma parte em dólar e outra em real. Percebi que em diversos lugares a cotação estava muito ruim e não valia a pena o real. Nessas horas o dólar salva, pois é sempre mais valorizado frente ao real. Algumas casas de cambio não aceitam real, então no sufoco, não fica na mão, desesperado.Vários passeios você também pode pagar com dólar na própria agência que fechar o passeio, REAL não! Inicialmente vou falar um pouco sobre os preparativos da viagem e depois vou postando sobre a experiência em cada lugar de pouco a pouco, os gastos e os passeios que escolhi fazer. Quem tiver interesse em seguir no instagram: @diegomoier > DECISÃO DE VIAJAR SOZINHO: Uma coisa é certa: Você nunca estará sozinho em uma viagem. Claro que o medo e a incerteza bate a todo momento, mas depois que você começa a panejar percebe que as coisas podem ser mais fáceis do que imagina. Inevitavelmente a vontade de desistir vem a todo momento e levar o plano até o final envolve persistência, coragem e determinação. Quando postei aqui no mochileiros dia 23 de janeiro 2018 o interesse em fazer essa trip, diversas pessoas me procuraram com o mesmo interesse e através de um dos membros: O Salgado, pude ingressar em um grupo de whatsApp e conhecer diversas pessoas que me ajudaram ali. Um salve especial para Ana, que ma ajudou pra caraio (@anacris_ms), Nath, Salgado e tantos outros que são ativos nos grupos e ajudam muito. Vou deixar alguns links de grupos que faço parte e que foram muito úteis antes e durante a viagem: Mochilão 2018: https://chat.whatsapp.com/A3esrzk2CyDJgu2jjJ9fbb TRIP BOLÍVIA, PERU E CHILE: https://chat.whatsapp.com/Bfq6ZSxxD9P5PmNMiKByce Trip Bolívia, Peru e Chile: https://chat.whatsapp.com/5hxFBEPWBzKBhe7WlISX4K Companhia para o Uyuni: https://chat.whatsapp.com/EszhFEPfvEkKtCmUExFqDZ Tem diversos outros grupos de outros destinos, mas deixarei apenas esses que são os principais para o mochilão que fiz. Através da postagem pude conhecer duas pessoas maravilhosas de SP: O Eri que faria apenas a Bolívia e a Angéllica que resolveu seguir até o final da viagem comigo. Um obrigado especial para essas duas pessoas que me aturaram. Mais para frente vocês irão vê-los em fotos comigo. Agradeço a companhia de cada um e com certeza foram essenciais para que se tornasse uma viagem inesquecível. No decorrer do relato vou falando de outras pessoas que se tornaram mega especiais e que já são parça do coração também. > VIAJAR PARA A AMÉRICA DO SUL: Uma coisa que precisa ficar bem clara quando você decide fazer esse roteiro: Você pode levar rios de dinheiro, não vai ter para onde fugir: Você vai respirar poeira horrores, vai passar um frio do cão, dormir em lugares não muito confortáveis, topar com comidas não muito simpáticas, pessoas simples, humildes, lugares sujos, assadura na pele por conta do frio, ou nariz ressecado, sol escaldante, etc. Para quem não está acostumado, desprenda-se do luxo e conforto da sua cama, tenha certeza que acima de uma viagem, é um aprendizado para a vida. Respeitar as pessoas, o seu espaço e costumes se torna uma obrigação. A HUMILDADE é uma das qualidades essenciais para essa viagem. > O QUE É PRECISO PARA VIAJAR PARA A AMÉRICA DO SUL: SEGURO VIAGEM: Coloquei como primeiro item da lista, não por ser uma obrigação, mas por ser algo essencial para a sua viagem. Fiz meu seguro viagem com a Alianz (Plano Básico): R$ 158.88. Site: www.Allianz.com.br / Telefones: 55 114331-5445 - 0800704 3840 Não precisei usar, pela glória, mas na minha primeira viagem para a Argentina, uma amiga deu dengue durante a viagem, precisou, não tinha e passou altos perrengues com hospital público, além de ser tudo muito caro lá fora. Nessa viagem também a Angéllica, que estava comigo deu infecção alimentar e precisou usar em San Pedro de Atacama. Ela pagou as despesas do bolso e vai pedir reembolso para a seguradora. Nunca sabemos quando vamos precisar, por isso é essencial precaver-se e fazer um seguro viagem para que possa ir com a cabeça tranquila. DOCUMENTAÇÃO e VISTO: Desde junho de 2008, os turistas dos países que compõem o Mercado Comum do Sul, podem apresentar apenas a cédula de identidade nas viagens realizadas nos locais que formam o bloco. Não é preciso levar passaporte nem visto de entrada. Os documentos de identidade devem ter fotografia atual, não podem ser plastificados e, caso gerem dúvidas, pode ser solicitado outro tipo de identificação, também com foto. Fonte: Ministério das Relações Exteriores Obs: Se você tem passaporte leva pois vai receber vários carimbos em diversos pontos turísticos pelos países. EMISSÃO DE PASSAPORTE: Para emitir seu passaporte deverá entrar no site: http://www.pf.gov.br/servicos-pf/passaporte/requerer-passaporte e seguir os passos descritos no próprio site. Ao concluir o pagamento da GRU, agende e compareça ao posto da PF escolhido, no dia e horário agendados (recomenda-se com 15 minutos de antecedência) munido da documentação original exigida , boleto GRU, comprovante de pagamento e comprovante de agendamento. Somente menores de 3 anos devem levar fotografia. Para todos os outros, a fotografia coletada no momento do atendimento. O passaporte será entregue pessoalmente a seu titular, no horário e local indicados no dia da solicitação, mediante apresentação de documento de identidade, conferência da impressão digital e assinatura do documento. CERTIFICADO INTERNACIONAL DE VACINA: quais países exigem? Acima de uma exigência da ANVISA, não se preocupe somente com a obrigação e sim com a sua saúde. Cada país vive uma realidade e se proteger é de extrema importância para que a viagem não se torne um pesadelo. A única obrigatória é a da Febre Amarela e o não cumprimento pode impedir que você entre no país. Portanto por mais que as pessoas em relatos e grupos falem que nunca pede na fronteira, FAÇA, SEM PENSAR DUAS VEZES. Como saber se a vacina é obrigatória para onde vou? Para a viagem que fiz entre os países: Bolívia, Peru e Chile, o único país que exigia era a Bolívia. Os demais era aconselhável. "A apresentação do certificado internacional de vacinação ou profilaxia (CIVP), documento que comprova a vacinação contra a febre amarela, é necessária somente se você vai viajar para países que exigem tal comprovação. A lista dos países com risco de transmissão da febre amarela e dos países que exigem a vacinação preventiva é publicada e atualizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e é sujeita a alterações periódicas. Embora haja, até o presente momento, 135 países que exigem o certificado do viajante, países como Estados Unidos, Reino Unido e Portugal não demandam o porte do CIVP. Se você não planeja viajar para países que exigem o certificado, não precisa solicitar a emissão do Certificado. É importante observar que, se sua viagem tem conexões em países que fazem a exigência, você também precisa do CIVP. Os Centros de Orientação para a Saúde do Viajante da Anvisa e serviços credenciados executam a emissão do Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia – CIVP e demais atividades de orientação aos viajantes sobre cuidados com a saúde. No entanto, os Centros da Anvisa apenas emitem o CIVP e não realizam a vacinação. A vacina pode ser encontrada em um posto de saúde público ou em serviços de vacinação privados credenciados. Após a vacinação, o viajante brasileiro poderá realizar o pré-cadastro no site da Anvisa e agilizar o processo de emissão do certificado quando este comparecer ao posto". Acesse o site da ANVISA: http://portal.anvisa.gov.br/rss/-/asset_publisher/Zk4q6UQCj9Pn/content/id/3339724 Lá você encontra todas as informações necessárias. Na minha cidade, tomei a vacina e no mesmo local já tinha um posto para emissão do certificado, onde eles mesmo agendaram e já emitiram. Foi bem rápido. IMPORTANTE: - Atentar-se se já tomou a vacina anteriormente. Se já, passe para o posto o local e data para que possam resgatar o registro da sua vacina e assim emitir o certificado; - A vacina não pode ser fracionada e sim a dose completa; - A vacina deve ser tomada no mínimo 10 dias antes da viagem. Não deixe para última hora, pois o certificado só poderá ser emitido apenas de esse prazo for respeitado. - Ao tomar a vacina informe que é para emissão do Certificado, pois no comprovante precisa constar a data e o lote da vacina. > PREPARATIVOS PRÉ-VIAGEM: Você vai precisar de muita organização, pois é um turbilhão de coisas que você precisa ver antes de sua viagem. Claro que algumas pessoas já viajaram, outras tem mais facilidades de organizar tudo. Vai de cada um. preparei uma lista das coisas que vi antes da viagem, porém por ser homem pode ficar faltando algumas coisas específicas para as mulheres. A ideia é acrescentar, portanto sempre faça o seu planejamento pessoal de acordo com a sua necessidade. 1 - Descobrir o clima de cada local na data que irá viajar; Assim você evitará levar coisas desnecessárias em sua mochila e não passará calor ou frio. 2 - Saber aproximadamente a cotação de cada país para a moeda que você tem disponível; Sabendo as cotações, poderá programar quanto deverá ter no mínimo para não passar sufoco e ficar sem grana tendo que pegar carona para chegar em casa (Quase tive que fazer isso!!! kkkk). 3 - Pontos turísticos de cada cidade que tem interesse em conhecer e valores aproximados de cada um; Nessa etapa você precisará ler muito, muito, mais muito. Pergunte nos grupos de whatsApp, leia relatos e mais relatos, mande e-mail para as agências e depois disso monte uma média (sempre para mais) dos valores de cada passeio e os custos envolvidos (Se tem alimentação no pacote, entrada dos pontos turísticos que são pagos a parte, tempo que leva, etc). 4 - Tempo que leva de deslocamento de cidade para cidade e qual tipo de transporte que vai te atender com o preço que você tem como pagar (Avião, ônibus, barco, a pé, jegue, etc.); Eu priorizei sempre andar de ônibus por conta do valor, mas vai de cada um e alguns preferem economizar tempo e pagar um avião. Procurando com antecedência pode encontrar uns valores promocionais. Sites indicados: https://www.rome2rio.com / http://www.cruzdelsur.com.pe / https://www.ticketsbolivia.com 5 - Tipos de hospedagem que quero ficar e preço aproximado; Eu preferi reservar hostel antecipadamente apenas em lugares que chegaria pela madrugada ou que a procura é maior, para não ter que ficar pela madrugada procurando hostel e não correr risco de ficar sem vaga no hostel que queria. Decida se você vai querer quarto privado, com ou sem banheiro compartilhado, localização desejada, etc. Eu novamente, pobre fufu que sou, preferi os mais em conta com pontuação e localização boa, porém em quarto compartilhado sempre. O Café da manhã incluído pode ser uma vantagem, ou não, pois alguns passeios (muitos deles) tem desayuno (Café da manhã para ales), ou saem muito cedo e não dá tempo você tomar o café da manhã no hostel. Ou seja vai pagar atoa pelo café. Verifique no hostel se tem diferença do valor com ou sem café. App/site indicado: Booking.com (Algumas hospedagens podem reservar sem cartão e sem taxa de cancelamento). Quase sempre, quando você reservar o hostel na hora, pagará menos do que reservar pelo booking por conta das taxas envolvidas. Aconteceu diversas vezes comigo. 6 - Aplicativos que podem ajudar na sua viagem; Tem diversos aplicativos que podem ajudar na sua viagem. Os que mais indico são: Booking e Navegação e mapas Offline (Maps, GPS e Navigation). Esse último você baixa o mapa do país quando tiver com internet e quando estiver offline pode navegar sem problemas, marcar favoritos, traçar rotas, achar hospedagens, hospitais, bares, etc. Vale muito a pena e me salvou diversas vezes. Vou deixar abaixo a imagem do app para quem tiver interesse em baixar. Detalhe: Funciona dentro do avião. Mostra qual a velocidade do avião. Se tem outros iguais, não sei, mas achei incrível e fácil de usar. Confesso que não sou muito antenado nessas paradas. kkkk 7 - índice de violência e assalto na cidade de destino; Qualquer lugar é perigoso, mas não custa dar uma sondada para ver o índice de assalto e violência no lugar. É sempre bom manter o alerta nos lugares mais perigosos. Uma coisa que sempre fazia quando estava andando pela cidade, era sondar com moradores locais, se aquele lugar era perigoso para andar a pé ou a noite. 8 - Prepare a sua saúde; Tendo em vista que você vai topar com todo tipo de pessoas, pegar temperaturas muito baixas em um dia e no outro muito altas, altitudes elevadas, climas secos, dormir em diversos lugares, comer na rua, é essencial preparar o seu sistema imunológico para aguentar tudo isso e não correr o riso de ficar doente. Eu comecei a tomar complexos vitamínicos, vitamina C e D 2 meses antes da viagem, além de reforçar minha alimentação. Uma consulta a um médico para ver como tá a sua imunidade é bastante válido também. > LEVAR DÓLAR ou REAL? Essa dúvida é frequente em diversos grupos e tópicos, então vamos lá: O Dólar sem sombra de dúvidas é mais valorizado que o real nos 3 países, mas o real é aceito na maioria das casas de câmbios pelas cidades, porém dificilmente outros lugares aceitam, tipo agências de turismo. Por experiência, para mim o melhor foi ter levado as duas moedas. Tudo vai depender da cotação para compra do dólar, se conseguir barato, vale muito a pena ir trocando de pouco a pouco. Algumas casas de câmbio não aceitam real, ou querem pagar muito pouco por ele. Nessa situação ter o dólar é uma escapatória para não levar prejuízo, por mais pequeno que seja. Centavos fazem toda a diferença em uma viagem quando somado o valor total. Diversos lugares aceitam o pagamento em dólar (Agências de turismo, restaurantes, hostel), então é só fazer uma conta rápida e ver o que vale mais a pena. Deixe o real para trocar em cidades que estejam pagando um valor melhor. Resumindo: - Leve Real e Dólar é uma boa pedida sempre (Se quiser levar tudo em dólar tudo bem também, só cuidado para não trocar muito caro aqui e levar prejuízo); - Dê preferência ao dólar em casos onde o prejuízo vai ser grande pagando/trocando por real; - Sempre procurem saber de alguém (grupos principalmente) quanto tá a cotação para as duas moedas na próxima parada, assim você consegue se preparar e trocar na cidade anterior, se compensar mais. - Se você for uma pessoa RIKKAAAA e tiver Euros ou Libras (Nem sei como é a nota), vai fundo, ahahahaa. > O QUE LEVAR PARA UMA VIAGEM DE 27 DIAS? Reforçando, a ideia da postagem é apenas auxiliar e acrescentar. Cada pessoa tem sua particularidade e necessidade, portanto sempre faça o planejamento de acordo com as suas necessidades. A ideia sempre vai ser eliminar coisas desnecessárias para que não fique uma mochila muito pesada, pois você vai ter que carregar ela nas suas costas por um bom tempo. rsrs Vou deixar uma lista do que eu levei, o que foi válido ou não: DOCUMENTOS: - RG / Passaporte; - CPF; - Cartões de embarque impressos; - Ingresso Macchu Picchu (Caso compre antes); - Cartão Internacional de Vacina (ANVISA); - Certificado do Seguro Viagem; - Nota fiscal de equipamento fotográfico; - Reservas de Hostel impresso; - Todos os documentos foram escaneados e enviados por e-mail também. ROUPAS - 8 cuecas - 8 pares de meia - 1 sandália havaiana - 2 tênis leves e confortáveis - Tente ver um que seu pé já está adaptado. (Não me arrependo de ter levado 2, pois 1 eu acabei com ele na trilha para Macchu Picchu e abriu todo. O outro me salvou); - 6 T-shirts de algodão - Dê preferência para as escuras. (Levaria menos, pois usei apenas a metade. Na maioria do tempo era roupa de frio); - 2 camisetas regatas; - 1 camisa flanelada; - 2 camisas abertas de botão (Que usei muito) - 1 casado corta vento impermeável; - 1 moletom de capuz (Usei bastante). - Uma calça segunda pele - Dê preferência a uma térmica (A minha não era, mas fiquei de bouas); - 1 Cachecol; - 1 Touca; - 2 Calças Jeans; - 1 Calça mais leve de linho (Usei muito); - 2 Bermudas - 1 Jeans e uma de tecido (Usei muito pouco); - Uma bandana (Usei muito para colocar no rosto para não respirar muita poeira e proteger do vento gelado); - Um cinto; - 1 Toalha de banho - Prefira as mais leves e de rápida secagem (Levei uma de casa mesmo surrada e foi de boa). ROUPAS que comprei durante a viagem; - 1 Luva (Em San Pedro de Atacama); - 1 casaco bonito fechado de lã (Cusco); - 1 Cachecol grande que era bem quente e bonito também (Cusco). O que não levei, mas que é bom pensar na possibilidade de incluir: - 1 bota impermeável; - 1 Camisa térmica; MEDICAMENTOS Qualquer medicamente usado foi baseado no meu organismo e nas minhas limitações. Cuidado com a automedicação e sempre consulte um médico para ver o que é viável para você levar. - Diamox (Salve para o Diamox, usei sempre e me fez muito bem); - Rinossoro (Tenho rinite e sinusite e me salvou); - Nasonex (Específico para mim que tenho problema com sinusite); - Doril enxaqueca (Me salvou 2 vezes); - Band-Aid (Me salvou também); - Luftal; - Histamin; - Dipirona; - Dramin; - Eno; - Sonrisal; - Esparadrapo e Gaze; - Imosec; - Epocler; - Ibuprofeno; - Torsilax; - Remédio para gripe; - Vitamina C para ir protegendo o sistema imunológico; - 1 vidro pequeno de alcool 70; - Algodão; - 1 Pomada Minancora (Sou viciado em Minancora. kkkk) OBJETOS - 1 Mochilão trilhas e rumos - 50L; - 1 Mochila de ataque; - 1 agenda de anotações; - 1 caneta; - 1 pochete (Comprei outra em cusco, pois sou pocheteiro); - 1 Money Belt (Doleira); - 1 bolsa para a Câmera; - 1 Câmera T6; - 1 Lente 18-55mm - 1 Carregador para câmera - 1 Cartão de memória 32; - 1 Celular; - 1 Carregador para celular; - 1 Carregador portátil; - 1 Lanterna; - 1 Capa de Chuva (Acho que isso deveria estar em roupa); - 1 par de óculos escuros; - 1 Fone de ouvido; - 1 Adaptador de tomada (Que comprei em Buenos Aires e foi bem útil); - 1 Extensão (Bem útil); - 2 cadeados; - 1 isqueiro (Fumante controlado, mas pode ser para colocar fogo no hostel caso algo meu sumisse também, brinks!!!!) PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL - 1 Shampoo; - 1 Sabonete; - 1 Hidratante Nivea (Essencial); - 1 Protetor solar; - 1 Desodorante; - 1 Rolo de papel Higiênico; - 1 Manteiga de cacau para boca; - 1 Protetor solar para a boca; - Fio Dental; - Repelente (Essencial, principalmente para trilhas); - 1 Pasta de Dente; - 2 Escovas de dente - Sempre gosto de ter uma reserva (Tenho medo de cair no vaso sanitário); Posso ter esquecido algo, mas vocês organizados que são, vão lembrar e incluir na lista de vocês. Claro que há muitas outras coisas no planejamento de uma viagem, mas tentei unir o máximo de informações possíveis para ajudar, caso tenham esquecido alguma dessas coisas. Planejei com bestante antecedência, li muitos relatos, pesquisei bastante, perguntei.. Isso tudo é essencial para te dar mais segurança ao chegar nos lugares. Durante toda a viagem você vai topar com pessoas ótimas e dispostas a ajudar (algumas nem tanto, mas faz parte). Se apegue as pessoas do bem, sejam abertos a novas amizades e ajude quando for necessário, quem quer que seja. Respeite as pessoas e lembre-se sempre de sorrir e ser educado. O universo nos devolve sempre que tentamos ser pessoas melhores e fazer o bem. Em breve começo a postar cada lugar que passei, o trajeto, os custos e perrengues e estou aberto para tirar qualquer dúvida que tenham. No mais, tenham todos um bom planejamento de viagem e em breve você estará desfrutando do que o mundão tem a nos oferecer. Tenha certeza que sua recompensa será enorme, portanto vai em frente e não desista dessa trip incrível. Bju pocês!!!!
  6. 17 pontos
    Olá mochileiras, sou Pernambucana, 28 anos, solteira e hetero. Procuro amigas para viajar pelo Brasil ou ate mesmo por Pernambuco, pelo nordeste... Enfim, procuro AMiGAS, gente do bem, sem frescuras, divertidas e que assim como eu goste de sair do lugar, fazer história, conhecer gente nova e se divertir muito. E se no meio de toda essa diversão e viagens, surgir uma amizade dessas pra vida, sabe? Aquelas que vc pode contar pra tudo. (Curtir um show, um barzinho, sair pra paquerar, ficar bebadas juntas, viajar ou até ficar em casa jogando conversa fora e quando preciso chorar juntas tbm) Vai ser muito massa! Tow numa fase meio F... de amigas, onde 80% estão comprometidas e os 20% são mais desanimadas do que cachorro quando perde o dono (rsrs). Então pensei... já viajei com tanta hente legal do mochileiros.com, porque não procurar amigas na pag.? (E aqui estou!) Agora é torcer pra esse post dar certo. E que no mínimo eu encontre boas companheiras de viagens. Zap: 81 9 9665-3192 Face: Morggana Natalia Insta: Morggana_nat Abraços!
  7. 16 pontos
    Saudações! Há pouco compartilhei um relato sobre como foi viajar e viver na BR nos últimos dois anos e meio conhecendo um pouquinho de cada uma das cinco regiões do Brasil de carona, a pé e de bike. O relato não aborda roteiros, preços ou dicas mas busca compartilhar outras dimensões e aprendizados que tive (e você pode entender ao que me refiro aqui: https://www.mochileiros.com/topic/66973-sobre-a-coragem/ ). Como venho assimilando as informações vividas nesse intervalo entre ciclos que se encerram e se iniciam - e como todos sabemos que "happyness is only real when shared" -, percebi que outros dois assuntos são recorrentes no curioso imaginário da arte de viajar ~por aí e resolvi compartilhá-los também buscando somar. No outro post, os aprendizados foram compartilhados a partir da óptica da coragem necessária para seguir o coração a despeito de quaisquer garantias ou certezas que um mochileiro enfrenta no início, e automaticamente me lembrei das muitas mentiras que também temos que encarar. Acredito que a maior mentira que a humanidade perpetua a si e ao coletivo - de maneira quase socialmente institucionalizada - é o "não tenho/deu tempo", que é a maneira politizada de dizermos que não-queremos-tanto-assim-fazer-algo-como-dizemos-que-queremos. Mas, uma vez tendo vencido este autoengano, me deparei com aquela que considero a segunda maior mentira do universo das viagens: "para viajar precisa de dinheiro". Criada num contexto de classe média baixa onde as viagens feitas não ultrapassaram os dedos de uma mão (e envolveram exclusivamente a visita a algum parente distante ou um bate e volta à praia mais próxima) cresci com a crença de que viagem é luxo e que precisa de dinheiro para isso. Ao me dispor a encarar esta máxima e colocar a sua veracidade em cheque, descobri que é balela: para viajar precisa ter vontade - e disposição, claro! Não estou pregando que o "certo" ou "errado" é viajar com dinheiro ou sem, até porque ele é apenas uma ferramenta. O que busco salientar é que ele não é obrigatório como cresci acreditando que era. Ao escolher viajar sem dinheiro precisamos das mesmas coisas que ao viajar com dinheiro (ou até mesmo se ficarmos parados!): precisamos comer, tomar banho, dormir em um lugar minimamente seguro, etc, a única diferença é que se faz necessário encontrar maneiras alternativas de suprir tais necessidades, e daí vai da disposição e criatividade de cada um. Como diz o ditado "quem quer arranja um jeito, quem não quer uma desculpa". Outra mentira na qual tropecei antes mesmo de colocar a mochila nas costas foi "é perigoso mulheres viajarem sozinhas". Tantas são as fobias e "-ismos" fortemente enraizados em nossa cultura que reproduzimos sem nem ao menos questionarmos as origens que eu mesma muito me admirei ao notar o sutil machismo que me habitava por acreditar nessa idéia. No entanto, após pensar um pouco, concluí que uma mulher viajar sozinha não é mais perigoso que uma mulher ir comprar pão, andar no transporte público ou ir para o trabalho. A sociedade é patriarcal e o assédio, infelizmente, encontra-se em todas as esferas sociais, logo é uma mentira acreditar que uma mulher viajando está mais susceptível à riscos do que qualquer outra mulher em qualquer outro lugar fazendo qualquer outra coisa. Outra ideia que tinha como verdadeira, e que descobri ser mentira muito rapidamente, é a de que "todo maluco de BR é paz e amor". Fui muito ingênua por acreditar nisso? Fui! Romantizava a vida na BR? Sim! Mas não levou muito tempo para que compreendesse que essa é uma inverdade por motivos lógicos! Hoje dou risada da magnitude de minha inocência por acreditar nesse estereótipo romantizado e assumo que compreender isso foi como levar um balde de água fria - necessário. Roubos, drogas, disputas e desonestidade são apenas alguns exemplos da realidade que não esperava conhecer entre os mais variados malucos de BR. Antes achava que todos eram "hippies saídos do Hair" ou "Cheech & Chong", embora estes existam em processo de avançada extinção... Rsrsrs sabe de nada, inocente... Mas de todas as mentiras, a que mais me pegou foi "só dá para viajar com equipamentos ~adequados (lê-se, caros)". Sonho em ter uma mochila da Deuter? Sonho. No entanto, consegui muito bem me virar, entre remendos e adaptações alternativas de baixo custo (a.k.a. gambiarra) com uma comprada na loja do chinês por R$80. É claro que poder ter um equipamento de qualidade implica diretamente na relação entre conforto e rendimento, mas nada que não possamos nos adaptar. Digo que foi um ponto que me pegou pois também passei pela situação inversa: investi em um equipamento de marca e me ferrei! Por muito tempo, após ter passado por uma experiência de chuva muito intensa com uma barraquinha dessas de supermercado sem ter nem ao menos uma lona (amadora, rsrs), juntei dinheiro decidida a investir na minipak. Como passaria a viajar de bicicleta, ela era leve e apresentava uma excelente coluna d'água pelo que a julguei perfeita. Porém, ao adquirí-la e usá-la realizei que não era funcional para mim pois sentia falta de ser autoportante, é muito chata de guardar, o teto é muito baixo para o cocoruto, é pequena para visitas (ou sou muito espaçosa...), o alumínio entorta fácil e a vareta com 3 meses de uso quebrou! Passei um bom tempo pensando em como uma simples lona custando 10x menos já resolveria meus problemas... Rsrsrs Dessa forma, aprendi que equipamento bom é o que temos pois atende às nossas necessidades e temos intimidade com ele. Mas ainda hei de comprar uma mochila da Deuter! Rsrs Outro tema recorrente aos mochileiros são os tais dos perrengues! Ouso até dizer que, aos que ainda sucumbem ao medo, eles interessam mais do que as viagens em si! Rsrsrs Os perrengues e dificuldades são tão relativos quanto possíveis, variando de viajante para viajante assim como em intensidade. Para alguns o maior pesadelo pode ser perder a reserva de hotel, para outros pode ser um pernilongo. Dentro do que me propus a viver, por saber e confiar que nada que realmente precisasse faltaria, também carregava a consciência de que assim como recebo posso ter tirado de mim, afinal o conceito de posse já não mais me acompanha. Dessa forma, por não carregar eletrônicos, documentos ou ítens de valor comercial reconheço que fica mais fácil não se preocupar com perrengues. Ou não. Ao menos era nisso que acreditava até tomar A MAIOR CHUVA dessa vida numa passagem pela Chapada Diamantina. Pelo meu característico amadorismo e excessivo despreocupar no começo da vida mochileira, nem lona carregava, logo, a barraquinha de R$50 do mercadinho só serviu para canalizar o fluxo d'água numa cachoeira central que molhou a.b.s.o.l.u.t.a.m.e.n.t.e. TUDO. Compreendo que qualquer adversidade que surja é passível de adaptação, no entanto ficar completamente molhado nos traz a pior sensação de impotência possível já que não se tem o que fazer... O perrengue de tomar uma chuva e ficar completamente molhado ainda se agrava pois a questão não é solucionada com o fim da chuva! Mochila, barraca, roupas e pertences permanecem molhados por dias e isso significa que também ficam mais pesados, fedorentos e com grande possibilidade de embolorarem, além do risco momentâneo de hipotermia. Certamente, nunca passei por perrengue tão intenso quanto ficar completamente molhada pela chuva. Por dias. Embora menos intensa quanto aos desdobramentos porém potencialmente problemática é a situação no outro extremo: ficar sem água. Houveram períodos em que levei bem a sério o Alex Supertramp e fui morar um tempo com minha barraquinha no meio do mato. O desafio principal está no fato de que não só o ser humano busca água como toda a natureza. Dessa forma, dividir a fonte com outros animais, fofos ou peçonhentos, é inevitável e saber a sua hora de usar a fonte e a hora deles é uma urgente sabedoria. Mas também houveram situações em que não havia uma fonte de água próxima e esse também se torna um desafio de captação, transporte, armazenamento e racionamento dessa água. Momentos como este reforçaram a consciência ecológica do desperdício-nosso-de-todo-dia com algo tão sagrado. Mas o perrengue mesmo é quando a água de beber acaba no meio do nada! A desidratação é um perigo silencioso e intenso pois o corpo buscará compensar a perda hídrica envolvendo todas as funções biológicas e então atividades simples como andar, falar e pensar se transformam em desafios homéricos. Saber calcular e administrar a relação distância x peso x sede é fundamental para evitar este perrengue. Além de ficar hipotérmica ou desidratada, os únicos perrengues que considero ter enfrentado derivam de um único fator: cansaço. Não me refiro ao cansaço físico pois este se resolve com uma ciesta, me refiro ao cansaço mental. Ter que retornar por caminhos já conhecidos, e que envolviam grandes centros urbanos, ou estar acompanhada de alguém com prioridades diferentes ou que só fazia reclamar são exemplos do que me causava o cansaço emocional. Então, mais de uma vez, a pressa por sair logo de uma dessas situações fez com que me colocasse no que chamo de vulnerabilidade desnecessária. Viajar exige uma pré disposição em se expor mas existem situações em que aceitamos nos submeter a uma exposição de alto risco sem real necessidade. Posso citar aquela carona que se aceita próximo do anoitecer pela pressa de chegar logo ou atravessar algum lugar, ou quando por preguiça de darmos uma volta maior mas que apresente menos riscos cruzamos trechos perigosos (estradas sem acostamento em trechos de serra, túneis ou viadutos), ou quando escolhemos parar em lugares sabidamente arriscados (como um leito de Rio ou cachoeira em época de chuvas, na praia aberta durante uma tempestade, sobre folhas secas ou chão batido certamente território de cupins ou formigas noturnas) ou quando aceitamos aquela carona cujo motorista apresenta nitidamente ao menos um pé na psicopatia - é raro, mas a energia que emanamos atraímos de volta). Felizmente aprendi rápido que o único remédio para o cansaço é descansar! Estes são exemplos da vulnerabilidade desnecessária que o cansaço mental atrai e transforma em verdadeiros perrengues. Sinto que as balelas e perrengues são intrínsecos a todos viajantes e, embora não pertençam ao lado glamouroso da viagem, são parte do alicerce. Que este compartilhar possa minimamente suprir a curiosidade dos que ainda buscam apoio na literatura assim como me confortam ao externizá-las, validando de certa forma as experiências que tive. Mas mais do que isso, que estas palavras sirvam de fermento ao questionamento. Não acredite no que falo. Duvide. Busque ter sua própria experiência. Dedico este compartilhar a todas e todos que têm ao menos um perrengue para contar pois acredito que este seja, no mais profundo, o seu propósito: transformar a história em estória... PRABHU AAP JAGO
  8. 16 pontos
    Sempre quis sair da bolha e explorar um mundo que ia além da minha janela. Assim, embarquei em rumo à uma aventura com a mochila nas costas e fui vagar por um país vizinho, afim de me deliciar com o que a vida prepara pra gente. Enquanto me planejava, era questionado diversas vezes do porquê de ir à Bolivia; porque não para outro país “melhor”; o que fazer num país que não havia nada ou até mesmo se não havia outro país mais bacana mesmo com a moeda mais desvalorizadaem relação à nossa. Hoje vejo com mais clareza o preconceito e o estereótipo que ronda sobre a Bolívia, porém, no fundo, nada disso me importava. Sem nada reservado nem comprado com antecedência, adquiri a passagem aodesconhecido. Então, o sentimento de liberdade descomunal reinou. É libertador sentar ao lado de pessoas que nunca se tenha visto e as ver te ajudar com todo amor e disposição, cuidar de você como se fosse da família e escutar sobre suas histórias, seus romances, suas dificuldades, suas dores e – principalmente – seus sonhos. Entender sua história e sobretudo, deixar as ignorâncias e preconceitos de lado com essas experiências, mostra como, independente do canto do mundo, todo ser humano é igual. Sempre há um trauma, uma dor, uma necessidade de ser amado e de buscar a felicidade, da maneira que te faz bem. Ver o humano que existe dentro de cada uma destas pessoas, me fez ter a noção exata do espaço que eu ocupo neste vasto mundo e perceber o que é necessário carregar no peito e o que se deve deixar pra lá. Olhar pra dentro das pessoas é aprender ao mesmo tempo, sobre o outro e sobre si mesmo. A Bolívia é o país mais pobre da América do Sul e já seria evidente pelos perrengues e principalmente pelos aprendizados. A singeleza estampada no rosto das pessoas, nas roupas e no modo de viver é um choque de realidade absurdo e o aspecto que torna esse país rico é sem duvidas, a simplicidade com que se leva a vida. As barracas de pano, as tendas de sanduiche no meio das ruas, a infraestrutura básica, pessoas comendo sentadas na calçada, os ônibus velhos sem cinto de segurança, os táxis e micros – que se parecem teletransportados dos anos 60 – caindo aos pedaços ou os rostos queimados devido às altitudes elevadas e à falta de condições para comprar protetor solar. Percebi como nesse país se leva as coisas da maneira que se pode levar, sem status exacerbados ou superficialidades desnecessárias; simplesmente de uma forma singela de garantir o básico da vida: a felicidade e o bem estar. Uma das sensações que mais me atinge quando bate a saudade desse país e gente que amo, é a insignificância e o anonimato. No nosso microcosmo cotidiano, nos afogamos num pires com frequência. Nos sentimos perseguidos por coisas que, muitas vezes, não possuem sentido ou sem nem saber o que realmente nos persegue. Viajar sozinho para outro país, com um idioma que eu não dominava, uma cultura completamente oposta e um preparo – quase nulo – de mochileiro de primeira viagem, me fez enxergar melhor esses incômodos e me proporcionou a autopercepção de ser só mais um cara vagando por aí, buscando ser feliz e realizar os sonhos do coração, como todos os outros 7 bilhões. Caminhar sem rumo no meio de um deserto onde só se vê vulcões de um lado e mais paisagens surreais do outro; absorver a beleza do céu refletido no Salar; perambular sem destino pelas vielas de Sucre e nas ruas de La Paz; interiorizar o silêncio das montanhas ou a laucura das buzinas desenfreadas de Santa Cruz, além de ficar em uma rodoviária com 27 pessoas por metro quadrado; tudo isso me trouxe uma noção exata do espaço que eu – e meus problemas diários – ocupam nesse mundão: basicamente zero. Nada melhor. Essa passagem pela Bolívia me conectou com a essência que se via aprisionada pela padronização de ideias e costumes. Essência essa de viver apenas com o que é essencial, sem se importar tanto com que pensam sobre nós, sabendo que a sua vida é apenas sua. A não carregar julgamentos, preconceitos ou ignorâncias nas costas, e entender que todos somos seres humanos buscando as mesmas coisas em todos os lugares do mundo. A ser mais simples, porque existem pessoas que nem isso possuem; e tentar levar a vida de uma forma mais leve e simplificada, procurando sempre a melhor versão de mim e ter empatia pelo próximo: pessoas como nós. E enxergar que o que há de mais precioso no mundo, é o que existe no coração de cada um. Ali eu soube como queria viajar e de que maneira caminhar. A Bolívia foi o começo de tudo. - se alguém quiser coloco detalhes de roteiro, custos ou dicas
  9. 16 pontos
    Há 2 anos, insatisfeita com a vida já aos 24 anos, me via sendo engolida pelas responsabilidades, pelo trabalho, pela falta do inglês e pelos estudos que patinavam e não saiam do lugar. E mesmo começando a estudar, via um longo caminho desanimador pela frente. Via os dias, as semanas e os meses passando e não aprendia, não vivia, não conhecia lugares e pessoas novas. Foi quando me dei conta que ainda só tinha 24 anos e poderia traçar uma vida completamente diferente da que eu estava traçando. Percebi que toda aquela pressão de ter uma boa formação, uma boa carreira e até mesmo uma orientação sexual diferente do que eu realmente tinha, nada mais era do que a vontade das outras pessoas na minha vida. Senti então que eu precisava sair daquele ciclo vicioso pra poder ser eu mesma. Comecei a ler sobre mochilões, viagens low cost, histórias que me encantaram e realmente ganharam meu coração. Fiquei um ano pesquisando todas as possibilidades sobre esse tipo de vida e essa vontade crescia cada vez mais dentro de mim. Ao mesmo tempo, sentia um medo gigantesco de entrar em uma porta completamente escura. Em abril do ano passado, sai do trabalho que me engolia dia a dia e aí tive que decidir entre colocar em prática aquela loucura que vivia crescendo na minha cabeça e que ninguém botava fé que eu faria ou procurar um outro emprego pra viver naquele padrão que todo mundo estava acostumado. Deixei uns meses passar, por pura falta de coragem, mas eu sabia que não poderia mais viver daquele jeito. Foi quando, com um frio enorme na barriga e com as mãos suando, decidi dar o primeiro passo e comprar a passagem de avião só de ida pro Uruguay para o dia 29 de Julho de 2017, onde começaria minha nova vida, sozinha, livre de qualquer rótulo, pra eu crescer e amadurecer da forma que quisesse. Sai do Brasil com um medo que não tinha tamanho, com uma ansiedade maior ainda, mas uma sede de vida muito maior que qualquer coisa que pudesse me impedir. Hoje faz 7 meses que eu sai e quando olho pra tudo que vivi nesse tempo eu digo com toda a certeza desse mundo que foi a melhor escolha que fiz na vida, por todas as experiências e aprendizado que têm me proporcionado. Eu cruzei cidades e países sem precisar gastar com hospedagem e transporte durante toda a viagem, pedindo carona e usando o Couchsurfing. Muito mais que uma economia, o valor real dessas experiências é perceber o quanto as pessoas podem ser boas e gentis sem "ganhar nada em troca". O nada se transforma em tudo, quando percebemos que em cada "sim" para uma carona ou uma estadia ganhamos momentos e memórias de lugares e pessoas que vão marcando nossa vida, assim como deixamos um pouquinho de nós em cada uma delas. Assim, cruzei de carona a Patagônia Argentina, a Patagônia Chilena e subi até o Atacama, onde estou vivendo há alguns meses pra reabastecer as reservas. Neste tempo, tive experiências incríveis como dirigir pela primeira vez um caminhão (carregado) em plena estrada, acampar na beira da estrada, tomar banho em posto de gasolina, me hospedar em um veleiro de graça durante 4 dias na última cidade do mundo e pilotar o mesmo (pela primeira vez na vida) no canal mais austral do mundo. Conheci o parque nacional Torres del Paine, onde por falta de experiência não consegui completar o circuito W e tive inflamação nos dois joelhos e aprendi que nem tudo dá certo como planejamos ou queremos. Fiquei em casas de famílias, de casais, de amigos, de parentes e conheci pessoas de diferentes classes sociais, crenças e estilos. Conheci um casal que me acolheu em sua casa como uma filha em um povoado de 3 mil habitantes, tomei Mate com meus amigos de estrada, aprendi a fazer macarrão artesanal, alfajor caseiro, pizza e empanadas. Passei um dia com as crianças carentes de Bahia Blanca e vi o quanto temos a dar e a receber. Ajudei a levantar paredes de madeira em um hostal em El Bolson, aprendi a fazer Adobe e reformar um hostal no deserto e tenho coleção de pores do sol presenciados. Trabalhei e continuo trabalhando por mais algumas semanas em uma agência de turismo em San pedro de Atacama, conheço gente todos os dias, erro e aprendo todos os dias e daqui um mês sigo minha viagem. Parece muito tempo pra alguns e pouco tempo para outros, mas ainda é só o começo da minha vida. https://www.instagram.com/jevalcazara
  10. 15 pontos
    Mais uma vez graças a esse site, minha trip rumo à Patagônia Argentina saiu e foi mais que perfeito. Gostaria de compartilhar minhas experiências e mostrar a vocês um pouco do que esse canto do planeta nos reserva. É simplesmente mágico. Antes de iniciar, informo que fui no verão e nisso há uma particularidade: os dias são mais longos, ou seja, temos luz até quase 20h30. 🌞✌️ E isso foi um grande diferencial para essa viagem ser aproveitada ao extremo. Mesmo sendo verão, não significa que pegamos dias extremamente quentes, portanto, como boa mochileira que se preze, usei e abusei das roupas em camadas. Tendo roupas de boa qualidade, é possível estar confortável, quente e ao mesmo tempo fresca para curtir a trip, e principalmente, leve. O que faz toda diferença de peso numa caminhada. Declathon é nosso templo!! 🙌 Itens do Mochilão: 3 fleeces; Jaqueta corta vento e à prova de água; 1 calça que vira bermuda e seca rápido; 2 calças segunda pele; 6 camisetas dry fit; 3 baby look de algodão; 8 pares de meias (diversificadas entre caminhadas leves e meias para lugares de neve); Bolsa de hidratação 2L; Toalha (daquelas que secam rápido); Higiene pessoal: sabonete, shampoo, condicionador, aerosol para pés, toalha umedecida e hidratante. Sugiro colocar na mala tb Bepantol (extremamente hidratante e não deixa a pele craquelar ou sagrar por conta dos ventos frios); Necessaire com itens de primeiros socorros: aí fica a critério de suas necessidades, na verdade, levei e não usei nada, com exceção do Dorflex e o gel para dores musculares (grandes amigos diários); Touca; Luva; Bota de trekking (a minha é da Timberland Chochorua GTX); Lanterna; Protetor para orelha de fleece (grata surpresa e aliado); Protetor auricular e venda para olhos; Óculos de sol; Carregador universal (pq as tomadas argentinas são diferentes das brasileiras); Câmeras e baterias reservas; Caderno para anotações e caneta; Bastão de caminhada (melhor parceiro da viagem).😍 Levei tb um arsenal de mix de frutas secas, barras de cereais e um fardinho de todinho para garantir os lanchinhos. Cronograma: Dia 1: São Paulo - Buenos Aires Dia 2: Buenos Aires - El Calafate Dia 3: El Calafate: Glaciar Perito Moreno + Minitrekking Dia 4: El Calafate - El Chaltén Dia 05: El Chaltén: Chorrillo del Salto (6km) + Mirador de Los Cóndores (2km) y de las Águilas (4km) = 10 km ida e volta Dia 06: El Chaltén: Laguna Capri (8km) ida e volta Dia 07: El Chaltén: Laguna Torre (18km) + Laguna Madre y Hija (8km) = 26km ida e volta Dia 08: El Chaltén: Laguna de los Tres (18km) ida e volta Dia 09: El Chaltén: Descanso Dia 10: El Chaltén: Loma del Pliegue Tumbado (24km) ida e volta Dia 11: El Chaltén - El Calafate Dia 12: El Calafate: Ríos de Hielo Dia 13: El Calafate - Torres del Paine (Chile) Full day Dia 14: El Calafate - São Paulo Apesar de ser Patagônia, o foco principal foi conhecer com tranquilidade as trilhas que El Chaltén pode oferecer. Enfim, bora começar esse relato que é o que interessa. Dia 1: São Paulo - Buenos Aires Para quem nunca foi para o aeroporto de Guarulhos de ônibus é bem tranquilo e econômico: sai um buso da estação Tatuapé direto para GRU por R$ 6,15 num trajeto de aproximadamente 50 min. Meu vôo para BA levou umas 2h30 e como o voô para El Calafate sairia no dia seguinte pela manhã, optei em ficar num hostel na capital para tomar um banho e esticar as pernocas. Me hospedei no 7030 hostel e curti. É bem localizado no bairro de Palermo e a 9km do aeroporto. Fiz esse trajeto de transporte público: comprei um cartão SUBE (equivalente ao nosso bilhete único de SP) e paguei ARG 25 pelo cartão + ARG 10 pelo trajeto. Lá eles cobram por trecho. Depois de uma caminhada por algumas quadras, finalmente cheguei. Fiquei feliz por estar movimentado com ruas e bares cheios às 23h. Admito que estava receosa em andar sozinha à noite num país desconhecido. Mas foi tranquilo. Dia 2: Buenos Aires - El Calafate - Batendo perna + Glaciarium: Logo cedo voltei ao Aeroparque e fui rumo à El Calafate para enfim a trip começar. Contratei com a empresa Vespatagonia o transfer de ida e volta http://www.vespatagonia.com.ar/ custou ARS 280 e foram muitos responsáveis com horários e prestação de serviço. Ficam dentro do próprio aeroporto no box 6. O hostel que fiquei foi o Bla. Está muito próximo da avenida principal e tudo pode ser feito à pé. Era bem limpo e organizado, mas o staff pouco informado e não muito prestativo. Aproveitei meu dia livre para conhecer o Glaciarum http://glaciarium.com/es/ que é um centro de interpretação de Glaciares. A entrada custou ARG 330 e o transporte é gratuito a partir do centro de informações turísticas. O lugar é bem tecnológico e mostra de forma dinâmica as transformações que a terra passou, como são criados os glaciares e icebergs, a importância desses gigantes no planeta e curisidades sobre seus exploradores, que nomeam as famosas cadeias de montanhas da região. Acho válida a visita, para poder olhar com olhos mais aguçados para o gigante que iria conhecer no dia seguinte. Dia 3: El Calafate - Perito Moreno + Minitrekking: Fechei esse passeio direto no hostel por ARG 3300 com minitrekking e chegando no parque foi necessário desembolsar mais ARG 500 para entrar no parque. É meus amigos, vir para essas bandas significa desembolsar muitas moedinhas, portanto, organizem-se! 😉 Uma van nos busca no hostel e nos leva para o Parque Nacional Los Glaciares onde a guia nos explica sobre sua importância, que foi criado em 1937 e quais as razões de manutenção de flora e fauna, fora a delimitação de limites com o vizinho Chile. Dá detalhes sobre o gigante Perito Moreno e tivemos tempo livre para passear pelas passarelas, comer algo e depois marcamos um ponto de encontro para irmos ao porto para fazer o minitrekking. O dia estava nublado e chuvoso, mas não tirou a magnitude e a felicidade de conhecer pessoalmente o famoso paredão azul que eu namorava por fotos há anos. A imponência desse gigante de gelo é incrível e só estando lá percebi que ele é extremamente móvel. A água que o circunda é de uma força descomunal e isso o faz se movimentar e não é raro presenciar os famosos desprendimentos. São estrondos que impõem respeito e merecerem toda a nossa atenção. No horário combinado, nosso buso saiu rumo ao porto para nos levar ao minitrekking e do barco foi possível enxergar o glaciar de outro ângulo. Por conta da força das águas, a gelereira é constantemente modificada e formam-se cavernas e túneis. Na véspera de nossa ida, tinha uma espécie de ponte de gelo formada pelos contantes desprendimentos, mas quando foi nosso dia de visita essa ponte tinha caído, por isso na foto acima tem esse imenso vão. Fomos recebidos pela empresa Hielo y Aventura que é única autorizada a operar no minitrekking. Eles dispõe de dois passeios: minitrekking e big ice. A diferença entre eles é o tempo e a distância de percurso. Como a diferença de preço era muito grande, optamos por fazer o minitrekking mesmo, mas sem arrependimentos. Foi lindo. O passeio dura 1h30 e antes de iniciar o guia explica sobre gelos e glaciares, mas eu estava bem antenada por conta da minha pré aula no Glaciarium 😅. Em seguida somos levados para colocar os grampones nas botas para que possamos ter uma melhor aderência no gelo. PS: Óculos de sol e luvas são obrigatórios! Depois das instruções de como andar usando os grampones com segurança e aproveitar melhor a caminhada, finalmente começa o passeio. Inicialmente é meio sujo porque muita gente passa por lá, mas depois nosso guia nos leva para partes mais altas, limpas, onde é possivel ver água cristalina (pode beber, é uma delícia) e por várias formações curiosas. Para finalizar o passeio, nos levam para uma gruta formada pela geleira onde é possível tomar água geladinha e cristalina e ver de perto a força dessa água que faz esse gigante ter a fama que tem. E o fechamento com chave de ouro é uma dose de whisky com gelo glaciar. Esse dia entrou pra história. É uma delíciar fazer "check" num lugar que estava na sua lista dos sonhos. Dia 4: El Calafate - El Chaltén Nosso buso rumo à capital nacional do trekking sairia no final da tarde, portanto, aproveitamos o dia para bater perna e conhecer um pouco El Calafate. Infelizmente Pedrão estava de torneirinha aberta e o tempo bem fechado, mas não desanimamos fotos fotografar as duas placas icônicas da cidade: Gosta de história? Passe na Intendência do Parque Nacional Los Glaciares. A entrada é gratuita: Está localizado no centro comercial, prédio construído em 1946, declarado Monumento Histórico Municipal. Você pode caminhar pela propriedade circundante, através de um caminho interpretativo, identificar a flora nativa, exótica ou introduzida. Também um caminho de interpretação histórica, amostras de máquinas antigas que foram usadas quando o Parque Nacional começou a operar, um evento que a transformou na instituição pioneira para o desenvolvimento da área. DICA DE OURO!! 🥇 Seguindo dicas de outros amigos que fiz nesse site e que estavam antes de mim, fiz as compras de provisões de comida para o período em El Chaltén em El Calafate por dois motivos: preço e variedade. Compramos pacotes de pães de forma para fazermos lanches nas trilhas, mais provisões para complementar nosso café da manhã e fazermos nosso jantar, já que é extremamente caro comer fora todos os dias. Infelizmente a Argentina está passando por uma recessão violenta e mesmo nosso dinheirinho valendo 6x mais, os preços são tão inflados que nossa conta saiu mais cara que num mercado em SP. Mas quem converte não se diverte, então vamos que vamos. Depois de bater mais perna e almoçar, retornamos ao hostel para os ajustes finais e esperar o horário de nosso buso. A viagem até El Chaltén durou aproximadamente 3h sem paradas. Nossa pousada nos próximos sete dias foi o hostel Cóndor de los Andes. El Chaltén é muito pequena no quesito ocupação humana, mas é nela que fica a maior parte do Parque Nacional e diferente de El Calafate não se paga para entrar em nenhuma das trilhas. Por conta de sua extensão é que recebeu o título de Capital Nacional do Trekking.😀 O hostel é limpo, bem climatizado, mas o café deles é bem ruinzinho, então usamos nossas compras complementares para nosso café como frutas, cereais e ovos para enriquecer nossa alimentação que seria meio prejudicada, pois sabíamos que iríamos gastar muita energia. P.S.: Sugiro colocarem na lista de comidas vindas do Brasil: cereais como aveia e linhaça (por estarmos acostumadas como nosso arroz e feijão de todos os dias, a comida dos vizinhos se baseia em carne e batata, portanto, muito seco para nós). Invistam em alimentos com fibras, é sucesso e água, muita água. Café solúvel (porque infelizmente o café de lá não tem muita cafeína). A variedade de frutas é limitada, mas dá pra se virar com o que tem por lá. Alimentação é uma das bases de sucesso de uma viagem como essa. Dia 05: El Chaltén: Chorrillo del Salto (6km) + Mirador de Los Cóndores (2km) y de las Águilas (4km) = 10 km ida e volta Nossa programação de trilhas de baseou em um formato progressivo. Iniciar com as trilhas mais tranquilas, fáceis e de pouca quilometragem para depois gradativamente aumentarmos o grau de dificuldade e exigência, e foi uma escolha bem acertada. Iniciamos com a cachoeira da região chamada Chorrillo del Salto. As trilhas são bem demarcadas e emplacadas, não tem como se perder ou se sentir insegura (no caso para nós mulheres que sempre temos que ter atenção redobrada em grandes cidades ou qualquer lugar). Essa cidade foi uma grata surpresa, pois em nenhum momento, andando pelas trilhas incríveis que vivenciei, senti minha segurança abalada. Portanto, MULHERADA, SE JOGA!!!💃🏽 É uma caminhada plana e tranquila e encontramos muitas pessoas da terceira idade pelo caminho. Aliás, isso é muito inspirador e estimulante. Muito bacana. Esse caminho é norteado pelo Río de las vueltas. São 3km do ponto inicial e como eu disse, bem tranquilo e sussa. A cachoeira é pequena, mas é um lugar bonito. Aproveitamos a vista para fazer nosso lanchinho. Animadas com a tranquilidade do percurso e que apesar de nublado, tínhamos aí mais tempo de luz, emendamos e fomos para a outra ponta do parque rumo às duas trilhas de nível fácil: Mirador de los Cóndores y de las Águilas. Sendo a qualidade de mirantes, o percurso era em forma de subida zigue e zague com vários pontos de paradas e para os cansados, bancos para descanso. No mirador de Los Cóndores vê-se El Chaltén em sua totalidade. E tivemos a sorte de ver um Cóndor dar show. É considerada a maior ave andina com envergadura de até 3m. Mesmo com o dia bem encoberto, a beleza de cadeia de montanhas que circunda a cidade é encantadora. Estava maravilhada com o pouco que pude ver, e torcia internamente para que os próximos dias fossem mais limpos. Esses caminhos foram nosso test drive com nossos bastões de caminhada que tiveram papel determinante para o sucesso da viagem. Já que infelizmente meus joelhos já não são tão 100%, mas esse bastão é salvador. Coloquem na lista de vocês, é um investimento mais que válido. Terminamos nossas contemplações e caminhadas bem no final da tarde, quase início de noite e foi sucesso. Dia 06: El Chaltén: Laguna Capri (8km) ida e volta O tempo infelizmente fechou de vez, mas não arruinou nossos planos de bater perna por aí. Tempo chuvoso, nublado e bem cinza. Frio, muito frio. Fomos conhecer a Laguna Capri. Durante minhas pesquisas vi fotos belíssimas desse local. Mas a neblina e o tempo fechado não nos deram essa sorte. De toda maneira, achei lindo. A vista de gelos glaciares, mesclado com o verde das árvores e o cinza das montanhas. A natureza é muito sábia. Referente ao clima isso era previsto, pois em todos os relatos nos diziam sobre essas oscilações. Fizemos uma caminhada tranquila, apesar do tempo gelado. Voltamos ao hostel para secar as roupas e ficar no quentinho. Pedrão, pregando uma peça fez questão de fechar a torneirinha e deixar o céu limpissimo. Mas aí estavamos no quentinho do hostel, bateu pregui de sair. Mas tínhamos a certeza de que o próximo dia seria mara! E foi!! Dia 07: El Chaltén: Laguna Torre (18km) + Laguna Madre y Hija (8km) = 26km ida e volta Como previsto no dia anterior, o clima estava melhorando e fomos rumo à Laguna Torre: Foi nosso primeiro longo trekking. O dia estava bem nublado, mas vimos melhoras no decorrer do dia. Essa trilha é muito bonita. Começa com uma subidinha para ver El Chaltén do alto e segue por uma reta sem fim. É um descampado margeado pelo rio e protegido pelas montanhas e seus picos nevados. Depois entra-se num bosque com árvores imensas e o rio sempre margeando. Portanto, se quiserem encher suas garrafinhas, é sucesso e água geladinha advinda dos glaciares garantida. Todas as trilhas que percorremos mostram a quantidade de km percorridos, então isso dá uma noção de espaço e tempo. Os dois km finais são de subida. Mas com nosso super bastão de caminhada, foi tranquilo. Antes de subir, se quiser, rola um banheiro. Subimos seguindo os demais grupos de pessoas que estavam por lá e antes de avistar o destino, a carinha das pessoas que lá já estavam eram de total felicidade e contemplação. Ao me virar para onde todos olhavam, tive certeza que tinham razão. É bonito. Apesar da montanha Cerro Torre estar encoberta, achei maravilhoso. Normalmente as pessoas emendam essa trilha com o Mirador Maestri que estava a 4km de lá. Mas por algum motivo minha amiga e eu não vimos placas que indicavam para lá e voltamos. No meio do retorno, o tempo abriu completamente e uma plaquinha nos chamou a atenção: Laguna Madre e Hija. Estávamos procurando por ela ontem, após a Laguna Capri, mas erramos alguma parte da trilha e voltamos para o ponto inicial. O tempo tb estava muito chatinho. Mas Pedrão como é nosso amigo, fechou torneirinha e nos proporcionou essa caminhada. Estávamos numa alegria e num pique master. Caminho reto e plano, mas para nossa alegria (SQN) vieram as subidas, que subidas!!! E diferente das outras trilhas essa não mostrava quantos km tinhamos percorrido, mas a panturrilha estava dizendo que foram muitos. Enfim, terminado o suplício das subidas sem fim, caminhamos por outra parte plana e mais fechada, de repente, abriu-se e vimos água! Todo o cansaço se foi. Era perfeito! Fizemos nossa parada para agradecimento e contemplação. Não sei precisar quanto tempo passamos por lá. Só olhando, admirando, sem pensar em nada e cumprimentando todos os viajantes que por lá passavam, já que era ponto de passagem para quem iria acampar e ficar próximo da Laguna de los tres. Voltamos muito felizes com esse dia produtivo e lindo. E finalmente pudemos ver a imponência de Cerro Torre pela primeira vez em sua totalidade. O parque nacional tem muitos moradores, fomos apresentados também a um pica pau. Esse dia foi memorável. Daqueles que nem dá vontade de ir embora. Mas lembramos que um longo trajeto de volta nos esperava, então partimos rumo à cidade. Dia 08: El Chaltén: Laguna de los Tres (18km) ida e volta Decididamente a trilha mais desafiadora de todas, e sem dúvida, uma das mais bonitas. O dia não poderia ser mais perfeito. Limpo, céu azul e o famoso mirador Fitz Roy na sua totalidade. O percurso foi bem lindo e tranquilo. Muitas montanhas, bosques, água, gente legal pelo caminho. . Cada lado que você olha, dá um encantamento sem fim. Até chegar o km final. Pensamos: 1h?! De boas!!! Mas era o senhor das subidas. Terreno íngrime e instável. Não conseguia ver o final, mas estava muito motivada a chegar logo. Foi quando vi uma parte mais plana e nevada e pensei: cheguei!!! Só que as pessoas que encontrava pelo caminho me diziam ao contrário. Mas incentivavam a continuar pq estava muito perto. 1h16 de subida depois e quase fôlego, entendi o que estava tão escondido: Finalmente a encontrei Laguna de Los Tres. Tão verde mesclada com o branco da neve. Linda!!!! Esforço que valeu a pena. Essa empreitada nos custou 9h. Sendo 5h de ida e 4h de volta. MIssão cumprida. Pela primeira vez pegamos o parque à noite, então deixem em suas mochilas uma lanterna pq ajudam nessas situações. Chegando no hostel, juntamos nossas últimas energias e fomos fazer nosso delicioso jantar regado a muita cerveja pq merecemos. Superamos totalmente nossas expectativas. Dia 09: El Chaltén: Descanso Depois da empreitada do dia anterior, decidimos tirar o dia de hoje para fazer absolutamente nada e dar ao corpo o descanso merecido. Coincidentemente o tempo virou e conhecemos os famosos ventos Patagônicos. Realmente são muito fortes e impossível fazer trilhas com eles porque desestabilizam qualquer pessoa. Dormimos até mais tarde, comemos com calma e ficamos só observando esse vento varrer tudo que vinha pelo caminho. Quando deu uma trégua, pela primeira vez fomos almoçar fora e nos demos de presente um bom churrasco e cerveja artesanal. Foi bem tranquilo e aproveitamos o dia livre para comprar nossas passagens de volta para El Calafate e fazer nossas últimas compras de mercado. Fizemos uma parada numa agência de viagens para tirar dúvidas e o dono muito prestativo nos brindou com uma boa conversa e aulas sobre diversos assuntos e tinha um programa mara que mostrava a quantidade de ventos da região e nos deu a boa notícia que o dia seguinte seria limpo, sem ventos e perfeito para um trekking e nos fez uma sugestão. Ansiosas para a chegada do dia seguinte e que a profecia do senhor da agência estivesse correta, fecharíamos El Chaltén em grande estilo. Esse day off foi essencial, necessário e produtivo. Dia 10: El Chaltén: Loma del Pliegue Tumbado (24km) ida e volta Corpo descansado e mega animada, corro para janela e tenho a seguinte visão: Era muito cedo e o sol já estava iluminando nossas queridas montanhas e a dúvida seguinte era: e os ventos?! Ficaram pra trás!! Portanto, seguindo a sugestão do dono da agência, fomos para a trilha de maior km da viagem: 24km ida e volta com uma visão 360º dos principais pontos de El Chaltén. É possível isso, produção? Vamos lá ver então com nossos próprios olhos. Antes de começar nossa empreitada, fizemos nossas provisões e alongamentos diários porque Laguna de los Tres tinha deixado nossas pernocas bem fadigadas. A entrada dessa trilha é a mesma dos miradores que fomos no primeiro dia, mas agora seguiríamos sentido contrário. Esse mirante tem uma altura de mais de 1400 metros, portanto, bora subir. Mas não há subidas íngremes pelo caminho. Aos poucos você El Chaltén se distanciando e se depara com um lindo bosque. Por conta do clima e dos ventos do dia anterior, esse bosque estava todo nevado. Muito legal. Terminado esse bosque vemos uma coisa maravilhosa e parecemos duas crianças: O mirante Loma del Pliegue Tumbado. Neve por todo canto e as montanhas em sua totalidade e céu perfeitamente limpo. Mas esse não é o fim do passeio. Afinal, a cereja do bolo é lá do alto. Tínhamos mais um tanto para caminhar. Nunca experimentamos neve na vida e foi tudo novidade e muito legal. Desse ponto até o final seriam 2km de caminhada. Os bastões foram grandes aliados, pois, apesar da neve fofa, haviam muitos pontos de gelo escorregadio e eles os deram firmeza para seguir a subida sem levar um capote, mas não nos livrou dos escorregões...rs. Esse foi o ligar que mais passei frio. Apesar da bota ser impermeável, ela não é feita pra neve, então, o frio entrava nos meu pés, isso me deixou meio desconfortável. Mas não desanimada. Corre que esquenta!! Finalmente chegamos: Que sensação, meus amigos!! Que beleza!! Vê-se a Laguna Torre de um ângulo lindo: Também é possível der o Lago Viedma: E o Río de la vueltas: Decididamente o lugar mais lindo de todas as trilhas que fizemos. Você olha pra todos os cantos e desacredita que chegou tão longe e não tem o que fazer senão agradecer, agradecer sempre pelas oportunidades que nos são dadas. Não sei por quanto tempo ficamos. Achamos um local abrigado do vento (que não era pouco), comemos e depois fizemos nosso caminho de volta com nossos melhores sorrisos: E na volta como passe de mágica, a neve tinha se desfeito. É impossível não ficar completamente apaixonada pelas montanhas que circundam o caminho. Tiramos muitas fotos, mas parece pouco. Elas são lindas demais. Não é à toa que essa cidade é a Capital Nacional do Trekking. Sabe receber muito bem viajantes de todas as partes do mundo com uma generosidade sem fim. Realmente um local que todo mochileiro se sente em casa e bem. Tudo isso foi possível por preparo no planejamento de roteiro e um preparo físico que nos foi cobrado e fizemos com louvor e não tivemos desistência em nenhuma das trilhas e nenhum acidente. Estávamos bem amparadas: Nossa última noite em El Chaltén foi nos esbaldar no happy hour com double beer e muitas empanadas para comemorar nosso feito. Cheers! Obrigada por nos proporcionar todas essas experiências, El Chaltén. ❤️ Dia 11: El Chaltén - El Calafate Deixamos com muita alegria El Chaltén para fazermos a parte final de nossa viagem. Retornamos a El Calafate e tivemos um final de dia tranquilo. Nossa última hospedagem foi o America Del Sur Hostel. Definitivamente o hostel mais bonito que fiquei. Tem um deck de madeira gracinha com vista para o lago argentino e é muito arborizado e tem o melhor café da manhã ever. A galera é muito animada e toda noite tem uma temática diferente: noite da pizza, noite do churrasco, ladies night, open bar, música boa, gente bonita. Nossa última noite livre foi de caminhar tranquilamente pela orla do lago e ver o pôr do sol e conversar com as pessoas que por lá estavam. Afinal, seria a última oportunidade de contemplação plena. Os dois dias seguintes seriam de uma maneira que nos desacostumamos, mas que iríamos fazer já que estávamos tão longe: passeios estilo turistão. Daqueles que você não faz esforço de nada a não ser de estar pronto para te pegarem e te levarem de volta. Vejamos como será. Dia 12: El Calafate: Ríos de Hielo Fechamos diretamente no hostel esse passeio que custa umas boas moedas: ARG 2400 + 500 de entrada para o parque. Nós brasileiros, nunca ousaríamos pagar isso num passeio aqui no Brasil, mas quando estamos longe, fazemos cada coisa. Esse passeio consiste num passeio de barco pelo braço direito do Lago Argentino e conhecer os maiores glaciares do Parque Nacional: Spegazzini e Upsala. Disseram que há anos atrás também contemplava Perito Moreno, mas como mudou de operadora, ele hoje está fora do roteiro. É um passeio que começa bem cedo. Por volta das 7h passam no hostel para pegar o pessoal e levar até o Porto Bandeira A embarcação tem dois andares climatizados e com bancos muito confortáveis. Lá tem cafeteria e lanchonete, mas como tudo é muito caro, sugiro levar seu lanchinho e ser feliz. Para que não quer se preocupar, é só sentar e ver o passeio, mas como somos curiosas, ficamos no frio do lado de fora para ver melhor esses gigantes. A primeira parada é no glaciar Upsala: Apesar o dia cinza, a cor azul é muito prediminante e sua altura impressiona: pode ultrapassar 100 metros de altura. Em seguida entramos no braço Spegazzini e conhecemos o glaciar de mesmo nome, prestem atenção na proporção barco x altura do glaciar: E por fim o glaciar Seco: Às 15h o passeio retorna ao Porto Bandeira. Dia 13: El Calafate - Torres del Paine (Chile) Full day Durante as pesquisas de roteiros para essa viagem, apareceu em um dos posts sobre o parque do país vizinho: Torres del Paine. Fiquei encantadíssma, mas lendo os relatos para se fazer alguns dos circuitos de lá eu precisaria dispor de pelo menos quatro dias. Como priorizamos El Chaltén, infelizmente nos sobrou fazer o full day que eles oferecerem. Se me perguntarem se gostei, não vou dizer que não. Mas por ser um passeio estritamentente de ônibus com aquelas paradas de 10 minutos para ver, tirar foto correndo e sair, eu achei ruim. Quando se pega gosto por fazer coisas dentro do seu tempo e à sua maneira, fica meio difícil voltar a se encaixar nesses moldes turísticos. Falando sobre esse full day, o passeio também foi fechado no hostel por ARG 2700 e a entrada no parque era em peso chileno (não aceitam dólares e nenhuma outra moeda). A entrada custa CPL 6000. Como é uma longa viagem, eles nos buscam no hostel cedo: 5h30. Para quem não tem peso chileno, não se preocupe: eles têm um ponto de parada antes do parque onde você pode trocar dinheiro pelo valor que eles querem 😫 Mas se você não tem o raio do dinheiro deles, de nada adianta, você não entra no parque. Mas que me senti assaltada, ah, isso me senti. Então fica outra dica: se forem fazer esse passeio já levem o peso chileno daqui. O câmbio certamente será melhor. O ônibus é bem estilo turístico mesmo com um guia falando num microfone que não dava pra entender direito por conta da interferência. Logo na entrada do parque é possível se avistar de longe e com bom zoom o maciço das famosas Torres del Paine: O primeiro ponto de parada foi de frente com o Lago Sarmiento: Corre que vocês têm 15 min para fotos!! Em seguida o ônibus sobe e para no mirante Torres del Paine: E também avistamos muitos Guanacos de boas na paisagem: Ai o guia disse que desceríamos e faríamos uma trilha. Olhinhos brilharam! Finalmente uma caminhada por algum lugar. Mas para nossa tristeza era um percurso de 15 min por um caminho plano, mas do nada veio uma ventania que não deixava ninguém em pé. Resultado: tivemos que ficar sentados para não sermos levados Com a mesma rapidez que a ventania chegou, ela se foi. E então pudemos ficar em pé novamente, nossa caminhada miou e o nosso guia logo nos indicou o local onde almoçaríamos (incluso no valor do passeio com entrada + prato principal + bebida + sobremesa). Muito bonita a vista até lá com margem com Lago Pehoé: Terminado o almoço era hora de voltar para El Calafate. Chegamos no hostel depois das 23h esgotadas. Por ser final de trip as energias já estavam quase no fim, mas foi uma experiência muito boa. Mas agora revendo essa história, creio que aproveitaria muito mais dedicando dias completos e conhecer melhor esse vizinho e suas belezas. O full day dá pinceladas, mas não nos dá a oportunidade de aproveitar nada, já que todo o tempo é cronometrado. Agora é dormir, porque voltamos para casa amanhã. Considerações finais: A Patagônia é um lugar mágico e mostra o que melhor que nós temos. Nossa força, generosidade, curiosidade, amizade e a capacidade diária de aprender e ensinar algo. E, acima de tudo, a troca com os demais viajantes. Portanto, espero ter colaborado um pouco para as pessoas que colocaram esse destino em sua lista de desejos, e, qualquer dúvida, estou à disposição. Tenho as planilhas de organização e custos, caso desejem para nortearem seus planejamentos.
  11. 15 pontos
    TORRES DEL PAINE 15 A 24 DE NOVEMBRO 2018 Vou fazer meu relato sobre o Circuito O de Torres Del Paine, na Patagônia Chilena. Foram 9 dias de trilha, sendo 8 de caminhada. Um total de 97 km, porque não fiz algumas partes, como o Mirador Britânico ou a ascensão a Base das Torres em si, por dois motivos, que vou explicar mais pra frente no relato. Eu não tinha nenhuma experiência com trilha, ou acampamento, ou viajar sozinha. Sempre fui sedentária, não sou de praticar esportes ou exercícios físicos. Então esse é um relato de uma pessoa que foi fazer o Circuito O, sem nenhuma experiência, com praticamente nenhum treino, só com a força de vontade. Se você sonha em fazer, mas tem medo ou não tem preparação, esse relato é pra você mesmo. DIA 1 HOSTEL – TORRES DEL PAINE GUARDERIA/CAMPAMENTO CENTRAL – CAMPAMENTO SERÓN Dificuldade: Média (considerada fácil para a maioria das pessoas) Distância: 13 km Saí do Hostel em que eu estava às 6h40 da manhã, com muita pressa e quase correndo, porque teria que andar 500m de pura subida (até com escadas na calçada), com minha mochila de 12.720kg e o ônibus saía da Rodoviária às 7h! Cheguei até com tempo de sobra, acho que acabei me desesperando tanto que fui mais rápido do que precisava, peguei o ônibus. Paguei 15.000 pesos chilenos, passagem de ida e volta, eu comprei as passagem dois dias antes, assim que cheguei em Puerto Natales, justamente porque sabia que o tempo seria curto, porém comprei pela Bus Sur que tem horário fixo de volta, ou seja, se eu comprei para o ônibus das 13h, não posso embarcar no ônibus das 19h e mais tarde acabei descobrindo que outras companhias dão a possibilidade de embarcar em qualquer ônibus desde que seja no mesmo dia da passagem compra, o que é uma idéia melhor, visto que imprevistos podem (E VÃO) acontecer. Embarcada no ônibus, a caminho de Torres Del Paine, a ansiedade estava a mil, no pensamento só o medo de não conseguir completar o circuito. A paisagem é maravilhosa, muito linda, com montanhas e pastos verdes, com ovelhas e guanacos que são tão fofos quanto parecem ser pelas fotos. Chegando ao Parque desci na portaria que ia começar a trilha, a Laguna Amarga. Eu já tinha compro o ingresso do Parque online, então fiquei em uma fila para fazer meu registro, apresentar o ingresso e meu documento, e pegar minha autorização e mapa para entrar. Com essa autorização, pude pegar um transfer que paguei 3.000 pesos até a entrada da trilha (é possível já ir andando desde a portaria laguna amarga, muita gente faz isso, mas eu queria evitar a fadiga) onde tem uma recepção. Tive que mostrar as reservas de acampamentos, e preencher uma ficha com alguns dados, incluindo numero de contato de emergência, só assim pude começar na trilha. Uma informação útil: é possível se conectar ao wifi nessa recepção, desde que você tenha uma conta PayPal ou cartão de crédito, você paga por hora ou minuto. Depois de todo esse processo, as 10h30min comecei oficialmente a trilha. Nos primeiros 15 minutos caminhando, já tinha uma subida (que eu considerei terrível), não deu tempo nem de esquentar o corpo e essa subida logo de cara. Comecei a subir pensando “o que eu to fazendo? Eu deveria voltar antes que seja tarde demais! Eu não vou conseguir, isso é loucura” com esses pensamentos negativos já vem as lagrimas, dois anos de planejamento, 2 anos sonhando com isso e eu já pensando em desistir antes do primeiro quilometro. Mas continuei andando, um passo na frente do outro, sempre pensando “mais um passo, só mais um passo” e parando a cada 10 minutos. Chegou a um ponto, que a subida não acabava eu parei e pensei “chega, vou voltar”, mas então olhei para trás, e p*ta merda, já tinha andando demais. Então eu continuei, o caminho é bonito, não é lindo de tirar seu fôlego, mas é bonito, tem muitas arvores, tem SIM um sobe e desce sem fim, e o dia estava meio chuvoso como era de se esperar para essa época do ano. Andei pra caramba, e quando eu pensava “to chegando” via uma placa de localização, falando que estava na metade, eu queria morrer quando isso acontecia. Então andei e andei, passei por uns vales, por subidas e descidas, todo mundo da trilha passou por mim, passei por algumas pessoas também, que passaram por mim novamente. Tem muitos rios pelo caminho, então não precisa se preocupar com carregar peso de água. Por fim, fica plaino e você começa a caminhar em um bosque, cheio de arvores e um caminho que parece acessível de carro. AH! Também vi cavalos selvagens nesse dia, eles ficam andando no caminho, tranquilamente, como se as pessoas sequer estivessem ali, simplesmente maravilhoso. Depois de andar muito, com nada maravilhosamente especial no dia (a não ser os cavalos, e o vento patagônico que te desafia), cheguei ao acampamento, as 16h30m. Gastei 6 horas para caminhar o que no mapa e na maioria dos relatos que li, são 4 horas. Mas cheguei, que alivio. O psicológico pesa muito, depois de montar minha barraca, entrei e chorei. Me senti isolada, sem saída, pensava “para eu ir embora e desistir, tenho que andar isso tudo de novo, o que eu vou fazer?” seguindo em frente, no segundo dia seriam 18km, se eu sofri pra 13, imagina pra 18! No Serón, tem banho quente, o que pulei porque estava exausta até pra isso (risos), tem um lugar para cozinhar, e não é permitido cozinhar fora dos lugares indicados. A salvação pro psicológico é encontrar pessoas para conversar quando se está no acampamento. E nesse quesito tive sorte, encontrei um grupo de brasileiros maravilhosos, que me incentivaram, e me deram uma força gigantesca psicologicamente, falando “relaxa, você vai conseguir, é só ir com calma”. Aquilo foi ouro de se ouvir, fiquei mais tranqüila e fui dormir, porque estava extremamente cansada e o dia seguinte seria longo, literalmente, já que na patagônia nessa época amanhece as 05h30min e escurece depois das 22h! Informação útil: no acampamento Serón também tem internet wifi, mesmo esquema do da recepção, pago por hora ou minutos; você faz check in, e eles meio que sabem que você vai passar lá, isso da uma sensação de segurança maravilhosa e segue por todo o percurso; eu montei minha barraca perto de uma lixeira, no outro dia vi que tinha um ratinho lá, por sorte ele não tentou invadir minha casa rsrs mas vale a atenção; a vista do Séron já é maravilhosa e SÓ FICA MELHOR A CADA DIA, SÉRIO! Vou continuar os relatos dos outros dias nos comentários. Pode demorar um tempo. Esse é meu primeiro relato, então não deve ser muito maravilhoso, mas eu quero mesmo é ajudar com informações que eu não encontrei quando estava me planejando. Qualquer dúvida que tiverem, informações que precisarem, sintam-se a vontade para me perguntar, será um prazer ajudar com o que eu puder.
  12. 14 pontos
    Oi, gente! Em meados de Abril eu embarquei pra Europa com meu mochilão e minha própria companhia por 29 dias, dos qual eu nunca imaginaria ser tão incrível. Sério, se ta em duvida se vai ou não, só vai, jamais, JAMAIS irá se arrepender. Quem quier acompanhar com mais dicas, fotos e stories corre la no instagram @monteseuroteiro Roteiro: Barcelona, 5 dias (12 a 17 de abril de 2018) Vienna, 5 dias (17 a 22 de abril de 2018) (Encaixado em Vienna, fui a um bate volta em Budapeste (dia 18/04), e amei tanto que voltei e fiquei 2 dias, 19 a 21 de abril) Praga, 4 dias (22 a 26 de abril de 2018) Berlin, 7 dias (26 de abril a 02 de maio de 2018) Amsterdam, 6 dias (03 a 09 de maio de 2018) Avião: Ida: Rio de Janeiro X Barcelona (Com conexão em Casablancas) - Pela Royal Air Maroc, R$1366. Voar pela Royal Air Maroc, ao contrario do que li em muitos relatos na internet, foi muito bom. O avião era novo, muita comida boa, eles davam kit tapa olho, lençol e travesseiro) e tambem tinha tv (mas todos os programas eram sem legenda em portugues) Volta: Amsterdam X Rio de Janeiro (Com conexão em Lisboa) - Pela TAP, R$999. Voar com a TAP foi bem bom tambem, mesma fartura de comidas, lençol e travesseiro mesmo no voo pela tarde. Minha experiência de conexão em Casablancas não foi das melhores. Eu não despachei mala em momento nenhum dessa viagem, fui com um Mochilão de 50l, não muito cheio, e uma mochila pequena preta. Saindo do avião já tem uma parte de perguntas-esteira-revista que não da nem pra respirar direito. Eles deixavam muita gente passar e vez ou outra mandava alguem pra passar os pertences na esteira e ir pra revista. Eu fui a escolhida, o cara não manjava nadinha de inglês e ficava repetindo "trabajo?" mesmo comigo falando minha profissão em ingles , bom...deixei minhas mochilas no scanner, peguei e dai me pediram pra ir pra trás de uma cortininha pra uma revista quase intima. Era com uma moça, claro, ela me apalpou inteira, tive que abrir doleira, tirar tudo, e verificou ate a haste do meu sutiã. AWKWARD demais. Depois você andava um pouquinho e dai sim, tinha a esteira, o detector de metal e o guarda para verificar passaporte e passagem, de novo! Dai de lá segui rumo ao meu portão de embarque pro Voo pra Barcelona.Em Barcelona por sua vez, na imigração, o moço não me respondeu nem o ''hello'' que dei, carimbou e me entregou o passaporte, ufa. Eu levei uma pastinha com TUDO que se tem direito. Reservas de hostels, voo, onibus, etc, não precisou, felizmente! mas sempre bom levar GASTOS DIÁRIOS: Barcelona, 5 dias - € 40/dia - €200 Vienna, 5 dias - €40/dia - €200 Budapeste - Como foi encaixado em Vienna, foi incluso no valor de lá por dia que fiquei, inclusive o valor do hostel (2 dias) Praga, 4 dias - €40/dia - €160 Berlin, 7 dias - €40/dia - €280 Amsterdam, 6 dias - €40/dia - €240 TOTAL: R$4750, euro a R$4,40 BARCELONA: Dia 12/04: Cheguei em Barcelona por volta das 19h, andei até o metro integrado com o aeroporto, comprei o Bilhete Único e fui em direção a minha segunda experiencia no Couchsurfing, a casa da Ester ficava ao lado da Basílica da Sagrada Família e de ótimo acesso a varios pontos. Acabei indo na loa Vodafone, comprar um chip de internet porque eu queria estar segura pra me locomover em algns pontos durante a viagem. Acabei comprando um de 6gb por $25 (e me serviu durante os 29 dias sim, na verdade, nos dias de AMS a velocidade tava reduzida porque tinha acabado mas mesmo assim nao deixou de funcionar um pouco). Me estabelecendo e conversando um pouco com a minha Couch, fui dar uma andada ao redor da Sagrada Família e logo voltei, pois estava bem cansada e ficamos comendo comida japonesa e bebendo vinho! Dia 13/04: No dia seguinte, fui novamente a Sagrada Familia, porque acho que nunca cansaria daquela vista, infelizmente eu não entrei por causa das filas grandes, mas se arrependimento matasse eu tava morta e enterrada (ainda volto pra entrar nessa lindeza) visitei o museu do Barcelona que fica ao lado e que vale muito a pena, principalmente se você for ou conhecer aquele parente doido por futebol. Acabei estiquei o caminho ao Parque Guell, onde eu já tinha comprado ingresso pela internet (€7). Antes, encontrei um restaurante onde paguei outros €7 euros pela comida (muita)+bebida (minha primeirissima cerveja na europa, eba). AH, importantissimo: Comprem o bilhete de metro T10, ele da direito a 10 viagens de metro e custa $10. Eu usei e abusei dele durante minha estadia. Algumas ruas que dão para o Park Guell tem escada rolante e tudo, o que foi ótimo! (trace o caminho de onde vc estiver até o park pelo google maps quando estiver com wifi e tire prints, ele te da o caminho certinho mesmo). O acesso pelo park é bem facil, e comprando antecipado você entra direto sem fila, e não tem necessidade de levar o comprovante impresso, pode ser no celular! E CUIDADO, o Park é alem da área paga. ele é muito maior e da pra ver mais coisa subindo cada vez mais, mas tem uma delimitação de onde é a área paga e se você sair, não tem como voltar. Então, minha dica, é olhar bastante aos arredores da parte paga do parque, e depois subir mais ainda além da limitação. Pra quem não quer pagar pra ver as artes de Gaudi de pertinho, da pra ir pra parte de graça e ter uma visão muito incrível e linda, mas não tão detalhada das artes. Area nao paga: Dia 14/04: Dia de Check-in no Hostel e conhecer os arredores do verdadeiro coração de Barcelona: a Las Ramblas. O Kabul Hostel Party fica MUITO bem centralizado, e inclusive se encontra na Plaça Reial, uma praça completamente rodeada por restaurantes(um pouco caros) mas que fica sempre cheio e com uma vibe muito gostosa! Fica bem próximo ao Metro Liceu e ao Mercado La Boqueria, o qual é incrivel pra pequenas a médias refeições de tudo quanto é tipo e gosto. O hostel é bem interativo, tem MUITAS atividades e é ideal se for sozinho. Os quartos são bons lockers que cabem o mochilão todo e bem limpo. Depois de bater muita perna e me perder nas ruas do Bairro Gótico (imperdivel), passei pela Catedral de Barcelona, algumas lojinhas e voltei ao Hostel. Conheci uma galera que tava hospedada por lá. Ficamos bebendo, jogando sinuca e nos aventuramos em uma balada e bar pelos arredores do Hostel. Tudo 10/10 e incrivel. Dia 15/04: O tempo já tinha aberto em Barcelona e o sol tava torrando!! Aproveitei pra dar uma volta na Barceloneta, pra quem não sabe, é a praia la de Barcelona. Fui andando pela beira do mar até chegar a praia, avistei um mercado, comprei um lanche, uma bebida e sentei na orla bem de boas, aproveitando o solzinho! Na beira da Barceloneta há vendedores de oculos e tenis (replicas), com precinho bem camarada, cerca de €20, me arrependi de não ter comprado um (ou vários). Aproveitei também a volta, visitei algumas lojas que eu queria, comi uma foccacia enorme + coca por €5 e terminei no hostel pra aproveitar os 30min de cervejinha gratis, porque não? hahah Acabei também, fazendo o Pub Crawl, que custou €12 (APROVEITEM PELO AMOR, foi o mais barato que paguei dentre os que eu fiz) e tinha direito a 3 shots em cada lugar que iriamos parar (2 bares+1 balada) Os bares ficavam num complexo enorme com muitas opções e a balada foi a Opium. Drinks caros, musica masomenos, mas tava lotaderrima e era segunda feira, então, valeu a experiencia. Dia 16 e 17/04 (manhã): Ultimo dia em Barcelona, dei umas voltas ao redor do bairro, andei muitissimo a procura de brechós e lojinhas e terminei a noite visitando o Arco do Triunfo, que é incrivel e lindo de ver, a noite ele tem uma iluminação especial e super vale a visita. De metro a partir do hostel eu cheguei rapidex, e com isso me restou só 1 passagem no bilhete T10. Lembra que eu comentei dele? O problema é que chegando la no aeroporto no dia 17 (super cedo, meu voo era as 9h) ele não é valido pra linha que permite você a sair da roleta pro aeroporto, então, você tem que acabar comprando um unitario só pra poder passar. VIENNA: Dia 17/04: Cheguei em Vienna de avião desde Barcelona, porque o trajeto é bem longo e de ônibus levaria 2 dias ou mais. Cheguei no hostel graças ao meu melhor amigo google maps que traçou minha rota bonitinha enquanto eu tava no Wifi e tirei print caso ficasse sem internet. A chegada do aeroporto até a estação de trem é bem curta e um pouco confusa. A estação é em uma capsula enorme mas sem nenhuma sinalização de que ali tem um trem passando...e ai, não tinha nenhum guarda, não vi nenhuma maquina de ticket e quando reparei ja tava na plataforma na cara do trem...achei estranho, subi as escadas de novo e vi uma maquina apenas, bem escondidinha aonde eu tinha que comprar o ticket pra embarcar. Custou cerca de €5, e me deixou na estação central de Vienna, que calhou de ser do lado do hostel.(não esqueçam de validar o ticket antes de entrar no trem, por sorte tinha um guardinha la embaixo com uma maquina de validação na mão e me ajudou, porem, nunca mais vi disso na viagem, não arrisquem de ir sem ticket também porque se a fiscalização pegar é multa altissima). Deixei minhas coisas e fui bater perna. Vi que estava do ladinho do Palacio Belvedere, e fui até lá. O palácio e seus jardins são incriveeeeeeis! De lá, fui andando pro Stadtpark, que é muito bonitinho e confortável pra sentar na grama e fazer um pic nic, ou só pensar na vida. De lá, você já da de cara com o centrão de Vienna, com as ruas largas e com prédios lindos e lojas de todos os estilos e preços. É maravilhoso se perder pelas ruas também, fuçar tudinho, até dar de cara com a Catedral de St. Stephen, que com certeza, você não vai esquecer quando encontrar. É magnifica demais. AH, e tem que OBVIO provar o Schnitzel. Como meu dia já estava quase no fim, e eu não tinha gastado quase nada dos €40 reservados pro dia, me dei de presente um prato incrível de Schinitzel+batata frita do restaurante WienerWald, no valor de €16 e que estava simplesmente incrível. BUDAPESTE: Dia 18/04: Meu primeiro dia em Budapeste, na verdade, foi um Bate e Volta ja programado desde Vienna. Eu já tinha comprado ida e volta numa promoção da Flixbus coisa de um mês antes.Paguei €10 ida e volta de ViennaXBudapesteXVienna. MAS como nem tudo são flores, acordei atrasada e acabei perdendo o ônibus por 10 minutos. Na europa é assim, eles são pontuais DEMAIS. Dai, fui no Guiche ver quando seria a próxima ida e tive que pagar mais €10. Ok, um pouco bolada e mais de 2h de espera pro próximo, resolvi comprar anyway. Mesmo tendo pouco tempo pra curtir por la, porque afinal a volta tava mantida e era as 17h. De Vienna pra BP são 3h. Cheguei por volta de 11/12h e acabei indo da estação ate o centro andando pelas ruas. Me arrependi novamente hahahah fiquei 1h andando até chegar na Deak Ferenc U (A estação central de BP), ja tava meio cansadinha mas nada me impediu de bater muita perna. Aliás, quando dei de cara com o Parlamento vi que tudo fez sentido. Eu agradeci demais por ter persistido e ido apesar dos pesares. Cada rua que eu entrava em me impressionava ainda mais, era doido de ser ver a grandeza da cidade. Dia 19/04: Resumindo? Na volta de Budapeste pra Vienna, aproveitei o wifi do onibus e acabei vendo que reservando hostel pros proximos dois dias entrava na minha média do que eu podia gastar por dia. Era €9 a diaria, €10 ida e €10 volta, então me sobraria €21 para gastar por dia. (Pois no meu planejamento, eu teria €40/dia) e DEU, até porque me sobrou uns florint do dia do Bate e Volta. Sendo assim, reservei pra mais dois dias e voltei na manha seguinte bem cedo porque eu realmente me apaixonei por Budapeste como nunca antes aconteceu. Assim que cheguei no hostel, deixei minhas coisas e segui pra comer alguma coisa e conhecer um pouquinho mais do que eu não tinha visto no dia anterior. Mas acabei finalizando o dia, claro, no Parlamento pra ver o por do sol por lá e o acender das luzes e caraca! acho que entrou pras cenas que meu cérebro não tem nem coragem de esquecer de tão lindo. Voltei pro hostel, e como ja tinha conhecido uns amigos e outros que conheci em Vienna também tinham chegado em Budapeste, fomos todos pro bar mais famoso de lá: O Szympla Kert. O espaço é todo diferente e incrível. É todo decorado de objetos que iriam (ou foram) pro lixo. Tem vários e vários ambientes e dois bares bem distribuídos pra você não precisar se deslocar tanto só pra pegar uma cerveja. Lá lota qualquer dia da semana e ah, não paga entrada, só o que consumir. O pint da cerveja (500ml) é por volta de 500-600 florint, coisa de €2. De lá, depois de conhecer mais um galera super doida e divertida, fomos pro Instint, uma balada que você também não pagava pra entrar (pq era quinta feira, não sei muito bem dos outros dias) e tava tocando uma musica bem boa que eu gosto muito e dai ficamos noite afora por lá e era do lado do hostel então foi bem de boas e volta. Dia 20: Depois de acordar meio pra la do que pra cá, me estabeleci, tomei um banho e fui conhecer o lado de Buda, o castelo e o bastião do pescador. Optei por ir andando, porque como eu ja disse, AMO bater perna e acho a melhor maneira de se locomover (e porque não era tão longe assim, já que o Hostel era bem central). Tava bastante sol e eu com bastante ressaca, então fiz tudo no meu tempo, revezando entre muita água e sorvete hahaha Chegando no pé do Castelo, optei por ir a pé, porque a subida não era tão grande assim, e não demorei mais que 15min pra subir. Porem, existe a opção da Funicular. Percorri o castelo todinho e de lá se tem muitas vistas incríveis do lado Peste. Pra quem não sabe, Budapeste é dividida em dois lados. O lado Peste é o comercial, onde tudo acontece. E o lado Buda, é do outro lado do Rio Danubio, onde tem castelo e tudo é mais medieval e menor, inclusive as ruas. Essa é a historia resumida, historicamente falando, tem que dar uma pesquisada hahaha Segui ao Bastião do Pescador e acabei não comprando o ticket pra subir e ter uma vista ''melhor'', achei salgado o valor, era por volta de €7 e ja tinha visto quase a mesma coisa, inclusive do lado tem umas escadinhas que se tem a mesmissima vista. Na volta pro hostel, aproveitei pra dar uma descansada porque afinal, era sabado e meu ultimo dia naquele lugar incrivel. Acabei decidindo (junto de um dos meu roommate por dois dias e do qual virei amiga hahah) sair e entrar em bares que achássemos legal, tomar uma cerveja e fazer isso o quanto pudêssemos hahahha fomos a lugares incríveis que eu nem imaginaria que existia se não visse e resolvesse entrar de doida. Dos que me lembro, fui ao Kuplung, um complexo parecido com o Szympla Kert e muito animado e o IAI, que era uma espaço tipo um galpão gigantesco, que acredito rolar uma festa diferente a cada dia. Dia 21/04: Acordei catando cavaco mega atrasada pro Check Out, mas pro meu alivio eles foram bem legais mesmo com meu atraso de 20min. Era dia de voltar a Vienna, fuen. Fui caminhando ao metro da Deak Ferenc U em direção a estação de ônibus de Nepliget. (Não esquece de fazer o trajeto no google maps, ele te da certinho o que fazer, se precisa de baldiação e tudo mais). Chegando em Vienna, voltei pro hostel, deixei as coisas e segui de metro pra ver um pouquinho do que me faltava. A prefeitura, e o Palácio de Hofburg. Voltei ao hostel já de noite, morta com farofa de cansaço e aproveitei pra dormir tudo o que eu ainda não tinha dormido durante esses dias, me dei de presente belas 12h de sono e acordei plena no dia seguinte pra ida a Praga. PRAGA: Dia 22: Cheguei em praga por volta das 13h, pela estação de ônibus de lá. Ela é bem próxima ao centro e já de cara é bom trocar um pequena quantidade na casa de cambio (o suficiente pra sua locomoção até a hospedagem) Como do lado do meu hostel, possuía uma estação de metro, optei pelo metro. Foi a compra de bilhete mais confusa que eu vi nos metros da europa hahahah eu fiquei bons muitos minutos analisando as milhões de opções de tickets que oferecem. optei, depois de muito esforço pelo ticket de 24 centavos de CZK que dava direito a uma locomoção de até 30min, como tava dando apenas 15min do meu trajeto, achei a melhor opção. (aham, isso mesmo, 24 centavos. Já de cara eu comecei a perceber como tudo era barato). Chegando no hostel e feito o Check in, segui pra conhecer um pouquinho da cidade e comer alguma coisa. O hostel era bem proximo da Charles Bridge e sendo assim, percorri ela todinha até o outro lado pra visitar tambem a John Lennon Wall, continuei caminhando, meio sem rumo e acabei em um pequeno festival com algumas barraquinhas e palco com banda tocando em um parque próximo de lá. Assim que acabou, voltei por uma outra ponte, caminhei a beira do rio ate a Dancing House, e de lá, voltei pro começo da Charles pra ver o por do sol! finalizei o dia no hostel mesmo, bebendo umas cervejas e descansando. Dia 23/04: Tinha deixado meu nome na recepção pro free walking tour que ia passar la no hostel pra me buscar e levar pro ponto de encontro as 10h. O tour foi feito com a The Good Prague Tours e claro, como o nome diz, foi gratuito. POREM, o lance dos free walking é exatamente você curtir a tour a ponto de dar uma gorjeta no final! eu dei 250 CZK, por volta de $10 porque foi tudo muito bom e explicado pelo guia. Foi percorrido toda a old town square e o bairro judeu. A noite, passei no mercado Bila (anotem esse nome, ele é simplesmente otimo com varias refeições prontas só pra esquentar e muito em conta) comprei uma salada, um frango empanado e uma barra enorme de milka que tava na promoção e tudo me custou 170 CZK, cerca de $7. A noite, acabei fechando tambem na recepção, o Pub Crawl com o the drunk monkeys. Eles passam por 2 bares e uma balada, porem, eu recomendo muitissimo que seja feito num fds de preferencia hahaha o primeiro bar era também um open bar de 2h de cerveja, shots e drinks num bar próprio deles com mesa de totó, coisas de beer poing e tudo mais. A galera que conheci lá fez valer o resto da noite, porque era segunda feira e né, segunda feira é um pouco parecida em qualquer lugar. Dia 24, 25 e 26/04: Aproveitei que não tinha nenhuma atividade pra manhã e dormi até um pouquinho mais tarde. E as 14h fui ao ponto de encontro pro tour do castelo + beer tour com direito a 3 cervejas, o pacote foi um combo do The Good Prague tours e custou 590 CZK, cerca de $23, o que é SUPER barato. Depois do ultimo bar da beer tour, o guia nos indicou um outro muito irado e todo subterraneo onde a cerveja era bizarramente barata e se pagava com duas moedinhas APENAS (45 centavos de CZK). ficamos lá por um bom tempo (sem o guia) hahaha e foi MEGA divertido! No dia 25, eu tive o dia todinho off e andei muito, visitei muita loja (comprei quase nada) e terminei o dia numa jata coletiva por $3 que o Hostel oferecia. No dia 26, eu acordei tranquilamente e fui rumo a estação, porque meu onibus pra Berlim era por volta das 10h da manhã. BERLIN: Dia 26/04: Cheguei em Berlin por volta das 16h, mas me perdi muito que bem durante 1h na estação de metro de lá. É GIGANTE, com muitas plataformas e direções, e até eu conseguir me achar, vi que estava indo pro lado errado hahahha e dai tive que voltar tudinho pra finalmente chegar no hostel, isso já era lá pras 18h (pra vocês verem o tanto de tempo que fiquei zanzando, sendo que o trajeto seria de 30min da rodoviaria até o Hostel. Enfim, estabelecida, o Hostel que eu fiquei foi o Heart Of Golden. Foi o que mais me surpreendeu e o que eu mais tava apreensiva. Na reserva, optei pelo "MegaDorm", que nada mais era descrito como um quarto com aproximadamente 20-25 beliches, assusta né? Mesmo assim arrisquei e que bom que o fiz. O quarto é literalmente uma casa hahaha é ENORME e na verdade as 20 e tantas beliches sao divididas em dois quartos dentro do comodo, que contem lockers menores internos no quarto e maiores externos na área social que possui uma mesona com cadeiras etc. Possui dois banheiros também. A parte social do hostel é bem boa, tem sinuca, bar, computador pra uso comum e etc. Não achei os staffs lá muito simpáticos mas ninguém me tratou mal. Dei umas voltas ao redor do hostel, que ficava muito bem localizado, acabei fazendo uma friend de quarto e saímos juntas pra jantar alguma coisa no restaurante Peter Pane, o preço é um pouco salgado mas o ambiente é incrivel e vale a pena. Dia 27/04 Pra minha mega surpresa, o amigo que fiz em Budapeste, estaria em Berlim exatamente nas datas que eu, e ele já tinha morado por 2 anos lá, então, resolvi ir com ele andar de bike por ai e explorar um pouco da cidade na visão local, acrescentando só uns pontos turísticos porque afinal, eu era a turista né? Passamos pelo Treptower Park (que é a coisa mais linda ever), pelo Muro de Berlim, por complexo Raw (onde tem varias daquelas baladas famosas em berlin que você só entra se o segurança for com a sua cara), por alguns complexos de comida, o Aeroporto abandonado (que muita gente vai pra andar de bike, patins, etc e finalizamos o dia no Görlitzer Park, bebendo algumas cervejas locais. Dia 28/04: Dia de conhecer a Alexanderplatz e suas muitas lojas maravilhosas, incluindo, a Primark, foi a primeira vez que fui na primark e quase endoideci, muita roupa barata e linda de morrer, anotem esse nome pra vida, ela tem varias filiais por toda a Europa. Dei uma passada na topshop que fica em frente só pra babar mesmo (pq é bem mais cara) e depois de muita andança, acabei num restaurante maravilhoso e não tão caro (por volta de $7-10). A noite, fui conhecer a noite de berlim e suas famossisimas baladas eletronicas icônicas e olha, é incrivel, mesmo se a vibe não for exatamente a sua, é uma experiencia muito foda de estar, algumas festas duram o fim de semana todo, e com pulseira você pode ficar indo e voltando a hora que bem entender. A maioria das boates por lá, não é permitido gravar, fotografar nem nada do tipo (em algumas ate botam um adesivo na câmera do seu celular, e se te pegarem com ela sem, você é expulso). Antes de ir eu achei muito doido isso, mas depois de estar lá eu entendi o quanto era legal aquela ação. As pessoas tão ali e se doam inteiramente ao lugar (alem das drogas que rolam e coisa e tal) é uma sensação muito confortavel. Nesse dia eu fui numa festa nos arredores da estação Schlesisches Tor, acho que fui quase todos os dias pros lados de lá, onde o underground e lugares locais são muito fortes. Dia 29/04: O dia amanheceu com um sol de DOER. Aproveitei pra ir ao MauerPark, onde nesse fim de semana (e acho que rola em vários outros) tava acontecendo uma mega feira de brechó, segunda mão, roupas novas, decoração, foodtrucks e muita gente fazendo música. O parque é gigante, não fica longe do centro (eu fui até lá pelos trams), e cheguei a comprar uma blusa muito comfort de manguinha por $2. Fiquei por lá a parte da manha e quase a tarde toda. Voltei ao Centro pra ver o por do sol no Brandeburg Tour e no Parlamento Alemão. Ali perto, fui até o Memorial pra vitimas do Holocausto (funciona um museu gratuito embaixo dele) e finalizei o dia andando até o hostel pra conhecer Berlim a noite. Dia 30/04 Depois de chegar no hostel quase as 6am, dei uma dormida muito rápida, e logo acordei, me arrumei, e fui conhecer a Catedral de Berlin, o Museu DDR e os arredores do Museum Square. O museu DDR foi em torno de $19 e é muitoooo incrivel. Conta a historia inteirinha da Alemanha desde muitos e muitos anos e ele é TODO interativo. Você toca e interage com quase todos os objetos lá. Tem varias gavetas e armarios pra puxar e abrir e saber uma história diferente. Além de musicas, vídeos, audios de rádio, telefone e até uma recriação de uma casa alemanha da decada de 70. A tour dura em media 2h se for bem apreciada. A noite, lá fui eu pra Schlesisches Tor pra uma mini tour bares (que só passei por dois) e um deles doi o Madame Claude, o ambiente é mucho doido, a entrada é uma coloboração do que você achar melhor (eu dei $3). O ambiente é todo virado de cabeça pra baixo, mega underground e no subsolo tem OpenMic, que nada mais é, pessoas aleatorias, com talento ou não, que tocam por 40min cada um. Quando eu cheguei lá embaixo tinha um menino muito do doido tocando uma guitarra de qualquer jeito, ele apertava, puxava, pressionava as cordas e eu fiquei fascinada com a doideira de tudo e o quanto as pessoas estavam simplesmente amando aquilo. 01/05: PRIMEIRO DE MAIO FERIADO! Olha, nem nos meus maiores planos eu imaginaria que estaria em Berlin pra essa data (sem querer e sem saber) sabe carnaval? é tipo isso lá nesse dia. Ruas fechadas, lotadas, com shows, festas (eletronicas claro), parques tomados de gente, muita intervenção cultural e bebida permitida nas ruas, dai vocês imaginam né? Foi uma surpresa muito boa e doida que eu não tenho nem como descrever, só sentindo pra saber. 02/05: No meu último dia, eu fui conhecer o Campo de concentração de Sachsenhausen, ele fica há 40min de Berlim, e pra chegar lá é preciso comprar o ticket ABC do metro, porque a estação de Oranienburg fica na região C. De lá, é cerca de 15min andando ou 10min de onibus. É um passeio pesado, triste e necessário. É você viajar no tempo, num passado muito recente e ver com seus próprios olhos tudo aquilo que estudou por alto no ensino médio. A entrada no Campo é gratuita e eu aconselho demais alugar um audio guia, que custa $3 e tem em Portugues. Eu deixei muitas e muitas lágrimas por lá. Aconselho tambem, a ir na parte da manhã, por o passeio ocupa facil uma tarde toda. AMSTERDAM: 03/05: Meu onibus de Berlim pra AMS foi no trajeto noturno, então, economizei uma diária nesse esquema. Cheguei em Amsterdam por volta de 12h e foi super tranquilo achar o trem, chegar na Centraal Station e pegar um Tram até proximo ao meu hostel (Amém google maps traçando rotas).As primeiras impressoes do hostel foram magnificas. Atendimento bom, espaços sociais incriveis, quartos espaçosos e banheiro privativo. Foi o segundo hostel que eu tive café da manha (fora Barcelona) então se acostumem, porque servir Café da manha nos hostels da Europa não é muito comum. Já que ele ficava bem pertinho do Rijikmuseum, eu fui dar uma volta nos arredores, tirar umas fotos e entrei tambem a exposição que tava rolando do Banksy, custou $12,50 e eu meio que me arrependi. Não achei a exposição lá essas coisas, mas tudo bem, vida que segue. Nesse mesmo dia, ia rolar o show de um cantor que eu sou maluca e que talvez nunca rolasse a chance de ver de novo, como os ingressos estavam sold out, eu fui monitorando pelo evento da facebook se alguem vendia e TCHAN, achei. Paguei, entrei e fui. Foi íncrivel, obvio. 04/05: Dia de bater perna for real pelo centrão e Amsterdam, o Mercado das Flores e muito mais. Nesse dia tambem, eu fui ao heineken Experience e foi uma experiencia e TANTO. O lugar é foda demais e vale a pena ser visitado, eu paguei pela internet no mesmo dia e tinha horario disponivel, custou $17. No fim do dia, o pessoal que chegou no meu quarto virou tudo amigo e saimos juntos pra ver um pouco da noite de lá. De fato, é tudo muito agitada e incrivel. A cidade em si é apaixonante tanto de dia quanto de noite. Dia 05/05: Dia de acordar com 0 ressaca (alias eu quase nao tive ressaca nessa viagem, viu? amém cerveja europeia). No dia 05 eu tomei um café a manha mega reforçado no hostel e segui rumo ao Winkel 53, aonde tem, quiça, a torta de maça mais famosa de amsterdam, e olha vale CADA centavo. Ela é meio grandinha e da pra dividir entre dois. Em seguida, fui ao Museu da Anne Frank, que era uma das atrações que eu mais queria ver em toda a viagem. Eu li o livro da anne na minha adolescência e me marcou demais. Eu comprei pela internet mais de um mês antes (porque é BEM concorrido e tem que ficar de olho MESMO) As vendas abrem um mes antes da data que você irá, e custa $10, tem horario marcado e a demanda é gigante. A tour dura por volta de 1:30h e é dificil não segurar o choro no final, eu mesma, não me aguentei depois que li uma das frases dela e que eu nem vou dizer pra não estragar o fim da sua tour tambem, mas pra mim, foi um baque muito pesado POREM, é tudo MARAVILHOSO, ainda mais se você tiver tido a experiencia que eu tive de ler o livro antes, parece que tudo faz sentido e que você entrou dentro dele. Tem audio guide incluso no valor, mas é com Portugues de Portugal. Logo depois eu sai e encontrei meus roomates e caimos, sem querer, num festival mara que tava rolando num parque próximo a Centraal Station. Com varios palcos, bandas, estilos de música e tudo que um festival realmente tem, e o melhor, de graça. Terminamos a noite, no meu ultimo e melhor pubcrawl ever! Custou $20, porem com direito a 4 bares/balada+1 balada principal e enorme. Em cada lugar você ganhava um shot na entrada e uma cerveja lá dentro, então acabou valendo super a pena. Dia 06/05: Amsterdam amanheceu num calor de FRITAR qualquer um. E eu e o pessoal decidimos ir ao Vondelpark fazer um pic nic, com direito a vinho, queijo, frutas e tudo mais. Passamos no mercao da rede Albert Heijn que é o mais famoso e AMS e tem em cada esquina e fizemos a compra de vaáárias coisas e no total de só $20, ou seja, menos de $7 pra cada uma, e compramos muita coisa, viu? Ficamos a tarde toda por lá e no fim do dia, voltamos ao hostel, nos arrumamos e marcamos de ir em um restaurante comer, conversar e se despedir, porque no dia seguinte só ia ficar eu e uma das meninas faria o check-out. Acabamos terminando a noite na Sugar Factory, onde aos domingos rola um jazz mega dançante e maravilhoso. Ficamos até de manha, e dai, aroveitamos que estavamos ao lado da Iamsterdam Sign e fomos correndo pra lá tirar as fotos, e olha QUE FOTOS. Dia 07 e 08/05: No dia 7, depois de uma bela manha de sono, sai pra andar e bater o restante final de pernas e visitar o que eu ainda queria visitar. Voltei na Primark e provei ser o que dizem, a melhor batata no cone de Amsterdam, e olha, é boa mesmooooo! Acabei provando no mesmo dia uma das melhores pizzas que ja comi na vida, e ainda é de uma rede de pizzarias rapidas que tem em muitas partes da cidade. No dia 08, fui ao um bate e volta no Keukenhof, o famoso Parque das Tulipas, que só fica aberto durante 8 semanas por ano, sempre na primavera. O onibus pra lá sai do Aeroporto de Amsterdam e a viagem dura cerca de 40min. O pacote do ingresso+onibus ida e volta sai por $25 no guiche la mesmo no aero. O parque é a coisa mais linda da vida, não perca a oportunidade de visitar se tiver por lá nessa época. Dia 09/05: A VOLTA! sem um pedaço de mim que foi substituído por outro maior e melhor. Eu sabia que essa viagem ia ser uma grande marco na minha vida, mas eu nunca imaginei que seria maior do que eu pensei. Todas as expectativas foram maiores que eu pensava e todo sufoco foi menor do que eu tinha medo de ser. Se eu pudesse dar um conselho pra todo mundo que ficava chocado quando eu disse que iria sozinha, seria: vai também, tu não sabe o quanto é gratificante. Tudo e + dicas vocês podem ver tanto pelo @monteseuroteiro quanto do meu pessoal @karinerribeiro, se tiver pegunta, manda aqui tambem ❤️ Espero que inspire um pouquinho no fundo ai da alma de vocês de quere se jogar nesse mundão.
  13. 14 pontos
    Uau... sempre gostei de ler e escrever mas 'em todos estes anos nessa indústria vital, essa é a primeira vez que isso me acontece' rsrs olho para a tela em branco mas as palavras não saem. Várias foram as vezes em que esta cena se repetiu nas últimas semanas e noto uma resistência interna em ordenar as palavras e externizá-las, permanecendo em silêncio degustando-as. Conheço bem essa resistência: é apego! Comumente remetemos o apego aos bens materiais mas quase sempre ignoramos que eles não passam de um símbolo. O real apego é sempre a ideia por trás do símbolo. Venho apegada à ideia da vida que vivi nos últimos dois anos e meio e soltar essa ideia é assumir que ela agora faz parte do passado. No entanto, o novo só vem quando soltamos o velho. E para isso se faz necessário ter coragem... As palavras que se seguem são um ato de coragem. CO.RA.GEM. substantivo feminino: 1.força ou energia moral diante do perigo; 2.sentimento de segurança para enfrentar situação de dificuldade moral; 3.atributo de quem tem determinação para realizar atividades que exigem firmeza. (Dicionário Michaelis) Ou, como uma irmã me ensinou um dia: do prefixo cor (coração) e do sufixo agem (do verbo agir): coragem é agir com o coração. E foi totalmente seguindo o meu coração que ao completar 26 anos em janeiro de 2015 escolhi ir viver as coisas nas quais acreditava. Contexto: na época uma angústia muito forte me acompanhava no dia a dia de faculdade, trabalho e nas pequenas efemeridades que caracterizam o cotidiano. No fundo, a angústia podia ser descrita como um sentimento de não pertencimento e até mesmo uma profunda incompreensão generalizada, não entendia o sentido de fazer as coisas que fazia pois enxergava uma sociedade doente e me apoiava em discursos de liberdade contra um "sistema opressor". No meu aniversário de 26 anos cansei de falar (lê-se: pregar) no facebook sobre as coisas nas quais acreditava e resolvi ir viver as coisas nas quais acreditava. Foi num ato repentino da mais profunda coragem num misto com a mais profunda inconsequência que parti. Com cinquenta e cinco reais no bolso, uma tampa de caixa de pizza escrito 'Alto Paraíso' e uma mochila extremamente pesada contendo 75% de inutilidades, fui para a BR. A única experiência que tinha era de ter pego carona com uma amiga até a cidade vizinha (interior de São Paulo, coisa de 100km de distância) poucas semanas antes, mas desde então sabia que se havia conseguido uma carona, conseguiria quantas precisasse. Afinal, muitos podem passar mas só preciso que 1 pare! E foi com essa confiança que, acompanhada de outra amiga que nunca havia viajado de carona, fui rumo a Chapada dos Veadeiros. Não olhei no Google, não tinha mapa, referências ou distâncias. Tudo o que sabia era que queria chegar na tal da Chapada e que pediria carona para isso. Há pouco tempo ouvi a seguinte frase sobre cair na estrada: "não tem como se preparar para isso". Essa é a mais pura verdade, e esse foi o primeiro grande aprendizado. Também é verdade que um único dia de BR te ensina muito mais do que toda a literatura que possa já ter lido, sobre todos os assuntos. Aprendi sobre política vendo a histórica desigualdade social na vida fora dos grandes centros urbanos e fora dos telejornais; aprendi sobre geografia percorrendo as estradas que cortam as paisagens entre serras e planaltos; aprendi sobre língua portuguesa e sobre licença poética nas placas pintadas à mão oferecendo os mais diversos trabalhos Brasil adentro; aprendi sobre matemática com os preços dos postos de combustível e suas lojas de [in]conveniência; aprendi sobre a biologia do corpo que, como um camelo, cobre distâncias incríveis sem uma única gota d'água; aprendi sobre a química da arte de cada estado em misturar água quente, pó de café e açúcar de maneira tão única (e gratuita!); e, sobretudo, aprendi a física envolvida no equilibrar de uma mochila nas costas de forma que ela (como um motor de Kombi que vem atrás) ainda assim te impulsione para frente. Sempre para frente. A BR é uma exigente professora muito dinâmica, com metodologia autodidata e tudo conta como matéria dada. E é justamente este nível de exigência da entrega total ao momento que nos permite absorver todo o seu conteúdo tão eficazmente. Afinal, não dá para estar na BR pensando no boleto que vai vencer ou na ração do gato. A BR te exige por inteiro. Mas essa exigência não é a toa, pois a todo aquele que se entregar plenamente, nada faltará. Nem a carona impossível do último raio de sol do dia, nem o alimento ora como cortesia, ora como oferta da natureza, nem o cantinho maroto para montar a barraca ou o banho, seja num rio, cachoeira ou nos oito minutos mais deliciosos de sua vida num chuveiro de posto de gasolina. Nada faltará! Esse foi o segundo grande aprendizado. Portanto, é um fato que a BR supre a todas as necessidades daquele que se entrega à ela, mas isso não quer dizer que nossas necessidades serão atendidas como gostaríamos ou quando gostaríamos, mas certamente sempre que realmente precisarmos. Aceitar essa falta de controle sobre as situações e ainda assim confiar que nada nos faltará é um desafio proporcional à magnitude do milagre de ser atendido. Porque a verdade é que nós não controlamos absolutamente nada. Abrir mão da ilusão de controle foi o terceiro grande aprendizado. Depois de aprender que não há como se preparar para isso, que são necessárias confiança e entrega e de ter aberto mão da ilusão de controle, algumas virtudes certamente já se apresentam desenvolvidas das quais destaco duas: a paciência e a gratidão. Estas duas virtudes são os maiores presentes que a BR me deu. A paciência de esperar o dia in-tei-ro por aquela carona naquela estrada de terra que não passa nem vento ou naquele trecho urbano em que milhares passam mas não param por medo. A gratidão de receber o dia chuvoso como se recebe o ensolarado, de ser grata pelo jejum assim como se agradece o banquete de coração ofertado. Tendo desenvolvido a duras penas a paciência e a gratidão, aprendi que a verdade é que tudo está em nossas mãos. Com paciência e gratidão criamos o que quisermos. Esse foi o quarto grande aprendizado. Esse é um dos mais belos paradoxos humanos: não temos o controle de nada e criamos tudo o que quisermos. As palavras nem ao menos tangenciam os processos dessas compreensões e permanecem assim no campo das inefabilidades. Mas afirmo: é real. No entanto, não acredite em mim. Duvide e tenha sua própria experiência. Além dos impulsos de buscar viver as coisas nas quais acreditava, também ansiava por ser maior do que meus medos. No angustiante período que antecedeu a partida, já havia compreendido que a crença em nossos medos é o que nos limita. Na época, havia feito uma lista com todos os meus medos dos mais esdrúxulos aos nunca antes pronunciados. Levei algo próximo de três meses para terminá-la, e esta lista finalizada lembrava em muito um pergaminho dado comprimento. Em seguida os analisei. Considerei medos-meus aqueles que havia tido uma experiência direta, real e empírica e considerei medos-não-meus aqueles adquiridos por indução social e inconscientemente reproduzidos. Fiz isso pois compreendia que poderia lidar com os meus medos e os demais devia apenas soltá-los, afinal não eram meus e gastava muita energia com eles... E de todo o pergaminho, a lista se reduziu a poucos ítens contados nos dedos das mãos. Esses eram os que me interessavam vencer, os demais , como disse, abandonei. Simples assim. Junte a angústia existencial gerada por uma sociedade de consumo com a vontade de vencer os medos limitantes e algumas sessões de 'into the wild' e você tem uma pessoa disposta a rasgar documentos, dinheiro, diplomas, desapegar-se de bens materiais e referências psicoemocionais, além de cometer um "socialcídio" nas redes sociais. Toda a viagem à Chapada dos Veadeiros durou entorno de duas semanas e, ao retornar, abri mão de todos os ítens acima citados. Quando voltei para a estrada possuía apenas o meu corpo, meus conhecimentos e uma mochila com algumas roupas e alguns poucos apegos que ainda permaneciam. Queria ver o mundo como ele era sem referências. Queria ver como eu era sem referências. Compreendia que o dinheiro era uma forma de energia mas não era a única e me propus a viver da troca de conhecimentos e da força braçal, bem como do voluntariado. Mas num bom e honesto português o que me motivou foi querer ver se o mundo era mesmo como o Datena falava que era, rsrsrs É com alegria e gratidão que posso afirmar que ele possui uma visão muito limitada (e triste) do que é o mundo... Nesse período de viagens de carona que se sucedeu com trocas e voluntariado, regado à paciência e gratidão, aprendi que quanto mais a gente se doa mais a gente recebe. Esse foi o quinto grande aprendizado. Também foi um período em que muitos valores morais e crenças caíram por terra. Descobri, como diria um professor que tive, que sou o extrato-do-pó-do-peido-da-pulga no universo! Rsrs E viajei, e viajei e viajei. Curiosamente, curtos foram os momentos em que viajei sozinha. Já viajei em dupla, em trio, com criança e em quarteto. Viajar bem acompanhada é delicioso! Comunhão, cumplicidade, respeito, reciprocidade, apoio e alguém que olhe sua mochila para ir ao banheiro! Rsrsrs No entanto, só quem já viajou mal acompanhado sabe o valor de se andar só. Uma vez li em algum lugar que a solidão só pode ser realmente sentida em meio a outras pessoas. Hoje compreendo isso. E foi ao escolher passar a viajar exclusivamente sozinha que compreendi a diferença entre solitude e solidão. A solitude é sobre estar só e não sentir solidão. A solidão é sobre estar acompanhado e se sentir só. Esse foi o sexto grande aprendizado. E ao aprender a apreciar a minha companhia e a ouvir tudo o que o silêncio tinha para me falar, a vida de caronas passou a ser incompatível com minhas novas necessidades introspectivas pois bem sabemos que o pegar caronas implica em conversar e interagir (além de responder várias vezes no dia as mesmas perguntas clássicas "de onde você é?", "para onde você está indo?", "você não tem medo?", "o que sua família acha disso?", Etc rsrsrs). As trocas me garantiam apenas o mínimo ao mesmo tempo em que recebia muitas doações, e foi quando passei a me sentir sustentada ao invés de me sustentar. Essa nunca foi a proposta. Concluí que estava na hora de ser autossuficiente, decidi investir em artesanatos e passar a viajar de bicicleta para ter mais independência. Viajar de bicicleta é outro universo...! Viajando de carona o mundo já é solícito, mas de bicicleta ele é escancarado! Minha bicicleta (Kali- A Negra) é dessas padrão, sem marca, aro 26 e 21 marchas onde os maiores investimentos que fiz foi instalar bar ends de deiz real, um selim mais largo e o bagageiro no qual amarrei dois baldes como alforges, com uma garrafa pet de paralama. Junte a cara de pau de uma bicicleta dessas circulando por aí como se fosse uma Specialized, o fato de eu ser mulher e estar viajando sozinha e você terá a trinca de ouro das portas abertas na sociedade. Tenho plena consciência da sociedade patriarcal em que vivemos e de como é nascer mulher em meio a isso, mas nunca havia experienciado isso de forma tão latente pois não se admiravam por ser uma pessoa viajando de bicicleta, mas por ser uma mulher sozinha, o que claramente indica a noção do inconsciente coletivo de que o mundo é sim um lugar hostil para mulheres, já que a mesma admiração não é comum aos homens viajantes solos. Também sinto que a hiperbólica solicitude que a bicicleta proporciona vem do próprio símbolo de liberdade atrelado à ela, afinal todos temos alguma memória afetiva de infância relacionada à sensação de liberdade com alguma bicicleta. Uma metáfora não-tão-metáfora-assim que a bicicleta me ensinou nos primeiros 10 minutos de viagem foi que não importa o peso que se carrega, mas sim como o equilibramos... E pedalei, e pedalei, e pedalei. Tomei chuva, me queimei no sol, atolei na lama, empurrei serra acima e senti a "mão de Deus no guidão" ladeira abaixo a 56km/h. Fui abordada diversas vezes pela própria curiosidade das pessoas, fui recebida e convidada à hospedagens e banquetes, ganhei dinheiro e presentes, orações, abraços cheios de ternura e querer bem e, por mais delicioso que tudo isso seja, estava looonge da intenção inicial de passar despercebida... Ao mesmo tempo isso ajudou com a venda de artesanatos (mandalas de papel com beija-flores, logo, Ciclobeijaflorismo) e pude experienciar o sucesso na autossuficiência plena com dinheiro suficiente para me hospedar em campings e realizar os desejos mais supérfluos de meu ego. É nesse ápice entre a plena autossuficiência profissional e a crescente necessidade de introspecção e silêncio não compatíveis com a imprevisível vida na BR que, com a Graça Divina, tive o maior dos aprendizados. Tudo o que fizera até então era em busca da liberdade, de acordo com os conceitos que possuía de liberdade. No entanto, em dado momento pude compreender que sempre fui livre. E pela primeira vez compreendi o que Renato Russo quis dizer quando afirmou que 'disciplina é liberdade'. Todos somos livres, sempre fomos e sempre seremos. Inclusive para nos prendermos ao que desejarmos. Esse foi o sétimo e maior aprendizado de todos nesses dois anos e meio de vida nômade. Faz aproximadamente quatro meses que parei de viajar e isso se deu por uma série de fatores, compreensões e necessidades do momento. Tudo o que materialmente ainda possuo é a bicicleta e os baldes alforges (tá, e documentos. Tenho todos novamente, rsrsrs), no entanto a bagagem que estes dois anos e meio me gerou eu ainda mal consigo mensurar (e nem tenho tal pretensão!). A proposta do momento é encerrar pendências diversas que a impulsividade de outrora deixou e, tendo renovado inclusive a CNH, dar início ao projeto da casa própria sobre rodas, afinal sou uma jovem senhora de quase 30 anos que busca alguns confortos que viver de mochila não oferece, rsrs. No entanto, como ou quando isso acontecerá não me pertence mas sei que assim como a estrada me chamou uma vez, quando houver de retornar não será diferente. Coração cigano só bate na poeira da estrada! E o que ficou disso tudo? O brilho dos primeiros raios de sol pela manhã refletidos na superfície de um rio; O aroma da primeira chuva que cai e toca a terra encerrando a seca. Uma verdadeira oração silenciosa de alívio e gratidão onde não se ouve nada além das gotas; A suculência da fruta madura saboreada direto do pé; O farfalhar das folhas com o vento no dossel; O toque da pele em cada rosto que se toca em um abraço ou das mãos que se apertam. E os sorrisos! Ah, os sorrisos... As donas Marias e os seus Zés... Esse foi meu relato de dois anos e meio de viagens conhecendo um pedacinho de cada uma das cinco regiões do Brasil, de carona, a pé e de bike com muito pouco ou nenhum dinheiro vivendo a base de trocas e voluntariado, posteriormente com a venda de artesanatos. Este relato não envolve descrição de lugares, roteiros, valores, dicas ou distâncias. Aliás, quando me perguntam sobre a maior distância que já percorri digo que foi entre querer viajar e colocar a mochila nas costas. Esta certamente foi a maior distância. Este relato apenas compartilha outros aspectos de um mochilão. E embora eu tenha dito que este é o meu relato, estou ciente de que também é ou pode ser o seu, afinal, Eu Sou o Outro Você. Dedico a todas e todos que abraçaram e abraçam o desconhecido, escolhendo ir além dos próprios medos. Agradeço a todos e todas que compartilham seus relatos de viagem. Agradeço a todas e todos que compartilham. Agradeço. Trilha sonora da escrita: *Quinteto Armorial - do Romance ao galope (1974) *Alceu Valença e Orquestra Ouro Preto PRABHU AAP JAGO
  14. 14 pontos
    Olá! Estou procurando companhia para um mochilão totalmente roots pela América do Sul em janeiro/2019. Pegar carona, acampar, couchsurfing, worldpackers, vender artesanato...são algumas das idéias! Sem data prevista para voltar! Estou em SP
  15. 13 pontos
    Olá, pessoal! Faz um tempinho que não deixo um relato por aki, mas gostaria de mais uma vez colaborar com vcs, desta vez falando sobre a minha primeira eurotrip!!! Isso aí, finalmente consegui conhecer a tão sonhada Europa e posso dizer que foi incrível demais!!! Quem já acompanhou alguns relatos meus por aki sabe que amo viajar mas sempre de forma super, mega, ultra econômica...rsrs... e desta vez não foi diferente Comecei a planejar minha viagem quase 1 ano antes e posso dizer sem sombra de dúvida que foi a melhor coisa que fiz na vida, pois viajar para o velho continente é caro, ao menos para nós pobres viajantes que não podemos estar sempre por lá, ainda mais com essa disparada do euro, né gente?! Eu escolhi muitas cidades e países para um tempo não muito longo, foram 28 dias, mas como eu disse anteriormente a gente tem que pensar que não é sempre que se vai a Europa...rsrs... sei que tem muita gente que adora criticar quem coloca várias cidades de uma vez em um roteiro, mas posso dizer que apesar de ser realmente cansativo eu não me arrependo de nada e digo, se vc acha que dá, se vc como eu não pode estar sempre viajando pra longe assim, vá... ouça seu coração, seu instinto e apenas vá! Daí tem aquela frase mas a Europa vai continuar lá, pra isso tudo assim? pq eu não tenho grana pra juntar o tempo todo né...rsrs...enfim, sem mais delongas vamos ao roteiro que ficou assim: Viajei no dia 30 de Maio e comprei minhas passagens 10 meses antes, exagero né? Que nada, sou dessas...rsrs! Paguei o valor de R$1.984,00 pela Tap com ida e volta por Salvador, apesar de morar no Rio, por lá saia mais barato e como eu tinha alguns pontos pela multiplus não gastei com valor da passagem interna Rio x Salvador. Então meu vôo foi Salvador x Paris x Salvador e o retorno foi no dia 27 de Junho! Também fiz um seguro viagem pela Allianz (30 dias) por R$245,34, pois consegui um desconto de 40% com um código do Melhores Destinos. Eu estava bem nervosa, pois sempre existe aquele frio na barriga devido a imigração, no caso seria por Lisboa, eu escolhi a Tap justamente por ter conexão la e como não falo inglês, somente o basicão...rsrs... achei melhor chegar por lá, mas foi bem tranquilo, muito mesmo! Eu viajei com mais 4 amigas que conheci aqui pelo mochileiros, eu coloquei aqui que iria viajar e gostaria de cia...então foi bem legal viajar com as meninas. Cheguei por lisboa com uma delas e o cara da imigração não perguntou nada, mas nada mesmo! Levamos uma pastinha com tudo caso ele pedisse e ele apenas pediu o passaporte e nos disse "podem entrar" eu nem acreditei...rsrs! Estava na Zoropa!!! Sobre os euros, bom eu coloquei uma média de 23€ para gastos com alimentação e lembrancinhas. Sei que muita gente vai falar, impossível, como assim só isso? Mas deu e até sobrou, acreditem! Claro que eu levei separado os valores para os transportes internos, ingressos e hospedagens que ainda faltavam pagar, mas a maioria das coisas eu já havia pago e isso me deu muita tranquilidade. Levei no total 1.050€ e também 100£ para 3 dias em Londres e também sobrou...rs! Uma dica sobre hospedagem é que pelo Booking vc consegue receber de volta R$50,00 no seu cartão após o check-out da hospedagem, basta que a reserva seja de no mínimo R$100,00. Não é desconto ou sorteio, é automático, vc realiza a reserva por este link e recebe o valor de volta no cartão que usou, eu recebi e deu tudo certo, fica como dica pra vcs, vale pra usar uma única vez ok! Clica neste link: https://www.booking.com/s/43_8/733e5f83 Meu roteiro completo foi: 31 a 04 Paris 05 a 07 Londres 08 Bruges e Bruxelas 09 Amsterdam 10 Fussen 11 Hallstatt 12 Veneza 13 Verona 14 Milão 15 a 16 Florença / Pisa / San Gigminano 17 a 18 Roma 19 a 21 Zakynthos 22 Atenas 23 Santorini 24 Roma (novamente) 25 Lugano 26 a 27 Lisboa e retorno ao Brasil Vou tentar passar pra vcs os valores e quanto custou este meu mochilão, falando nisso, eu viajei com uma mochila de 70l, que despachei, e uma mochila menor, essas pra note mesmo, pra levar no avião com minhas coisas pessoais e importantes. Os gastos são referentes ao dinheiro que levei, o que eu não incluir é pq já havia pago antecipadamente. Bom, como eu disse antes, fiz o planejamento bem antecipado e vcs verão que isso é muito importante pois me ajudou muito a não só economizar bastante, como também estudar as cidades e lugares que gostaria de conhecer e me sentir segura ao andar por lá. Dia 01 - Paris A imigração foi tranquila, os vôos não atrasaram e como eu tinha conexão de 3h em Lisboa, aproveitei para ir ao setor de desembarque para comprar um chip da Vodafone, pois havia lido sobre alguns e vi que este seria o melhor custo benefício e me atendeu super bem, não precisei gastar mais nada com internet e olha que eu usava muito o google maps!! O chip custou 10€ e possuia 3gb de intenet com rede sociais e whatsap ilimitados + 500min de ligações dentro da europa, mas não utilizei as ligações, aconselho vc a sair pra comprar se tiver um bom espaço de tempo, pois a fila na loja era bem grande!! Cheguei por volta das 18h em Paris, no aeroporto de Orly e encontrei as outras meninas no aeroporto e já aproveitamos para comprar Museum Pass de 4 dias, que custou 62€ e com ele poderíamos visitar todos os museus sem nos preocupar com filas ou em comprar outros ingressos, gostei muito e acho que vale demais pra economizar tempo e dinheiro. Do aeroporto pegamos o Orlybus, que custou 8,40€ e descemos no ponto final, na estação Defense Rousseau onde aproveitamos para fazer o cartão Navigo, para quem não sabe esse cartão vale muitooooo a pena e vou explicar como funciona: Ele vale de segunda a domingo e vc coloca uma carga de 22€ e gasta mais 5€ para pagar pelo cartão, vc pode utilizar no metrô, ônibus, tram e até no Orlybus, como no aeroporto de Orly não vende, pagamos pelo ônibus na nossa chegada, mas fizemos o cartão na primeira estação de metrô. Vc deve também levar uma foto para colar no cartão e escrever seu nome. Lembrando que vale de segunda a domingo e vc pode usar também para ir a Disney e ao palácio de Verssalles! Pra vc ter uma idéia, só o ticket de ida e volta pra Disney custa uns 15€ e pra Verssalles se não me engano uns 8€, então só de vc não se preocupar em pegar o metrô ou bus errado ou com o tempo de val do bilhete ou até a zona em que está, acho muito útil e econômico! Vc pode ficar com o cartão e pode recarregar em uma outra vez que estiver lá! Como era nosso primeiro dia nos enrolamos um pouco no metrô...kkk... mas chegamos no hostel!!! Fiz reserva pelo Airbnb e ele ficava uns 10min do metrô, mas tinha ponto de ônibus em frente que passava na porta do Louvre, por exemplo. Esse hostel foi muito barato, apenas 11,50€ a diária e era um apto com umas 14 camas, mas era espaçoso e limpo. Vc não podia ficar no quarto de 11h as 20h mas isso não foi problema pra gente, já que saíamos cedo e voltávamos tarde...rs! Lá perto tinha uma pizzaria onde comemos todos os dias, pois era barata e gostosa, tipo uma pizza grande custava uns 6€ e sempre comprávamos 2 ou 3 e rachávamos o valor, então por 5 pessoas saia bem em conta. No hostel não tinha café da manhã, e pra economizar comprávamos coisas no mercadinho pro dia seguinte e deu super certo! Neste primeiro dia não fizemos nada, tentamos ir a Torre, nos perdemos e voltamos pro hostel antes do metrô fechar....kkkk! Chegamos por volta de 01h da manhã e no dia seguinte tinhamos reservado pra ir a Disney!!! Gastos do dia: Chip Vodafone = 10€ Ônibus Orly = 8,30€ Museum Pass = 62€ Navigo Decouvert = 27,80€ Pizza + bebida / 4 = 3,90€ Água de 1,5L = 1€ Café da manhã / 4 = 1€ Total: 114€ Dia 02 - Paris Este dia reservamos para conhecer a Disneyland e já havíamos comprado nossos ingressos pelo site, custou 62€ 1 dia nos 2 Parques e valeu demais a pena!!! Aconselho a comprar antes, pois na hora é mais caro! Pra quem tem dúvidas, dá pra fazer 2 parques em 1 dia sim... é cansativo, mas dá!! E por favor, não deixem de ficar pra ver o show Illumination... é lindo demais! Dei uma passada na loja Disney e queria levar tudo...hahaha! Mas como eu tinha um orçamento a manter e ainda estava no início da viagem, comprei apenas 2 chaveiros e 1 Imã de geladeira...pois são coisas que gosto muito de colecionar! Esse dia foi mega cansativo, estávamos acabadas no final do dia e caiu uma chuva de nos deixar enxarcadas....rsrs... mas foi bem divertido e isso de maneira alguma nos desanimou. Na hora de ir embora acabamos seguindo a multidão errada e demoramos a encontrar o lugar pra pegar o trem de volta, quase perdemos o último, mas no final deu tudo certo e foi só risada depois dos perrengues...rs!! Na volta, já de madrugada passamos na nossa pizzaria e depois voltamos pro hostel mega cansadas, porém felizes! Gastos do dia: 2 Chaveiros Disney Paris = 11,98€ 1 Imã de geladeira = 5,99€ Pizza + bebida / 4 = 4,80€ Café da manhã / 4 = 1,30€ Total: 24,07€ Dia 03 - Paris Neste dia acordamos um pouco além do horário que gostaríamos, mas deu pra fazer muita coisa. Esse foi o dia reservado para conhecer alguns museus e pontos da cidade, além claro, da Torre Eiffel!!! Nossa primeira parada foi lá mesmo e foi bem emocionante vê-la de perto e a ficha finalmente cair...rs Bom, depois de tirar milhares de fotos da torre no trocádero, seguimos para conhecer o Museu Rodin, Museu d'Orsay, Museu dos Inválidos e Tumba de Napoleão (tudo usando o Museum Pass e sem fila), Ponte Alexandre III e também passamos em frente ao Petit Palais e Gran Palais. Depois seguimos em direção ao Arco do Triunfo, mas não subimos por estarmos extremamente cansadas...rs, mas ele é bem maior do que eu imaginava! Ficamos alí mesmo pela Champs Elysee e almoçamos no McDonald's, e foi bem baratinho... um trio por menos de 6€!! Depois voltamos pra Torre, pois haviamos comprado os ingressos pra subir perto do pôr do sol... e vale muito a pena comprar antecipado, pois as filas são enormes!! Ficamos até escurecer e no final do dia estávamos destruídas, mas contentes por ter feito muita coisa e o dia ter rendido bastante! Gastos do dia: 2 imãs de geladeira = 5€ 1 Trio McDonald's = 5,65€ Mercado = 6,15€ Café da manhã / 5 = 1,05€ Total: 17,80€ Dia 04 - Paris Acordamos cedo, pois este seria o dia de conhecer Verssalles!! Como estávamos lá no período de greve dos trens, esse foi o único dia q nos preocupamos mais, pois achamos q nem rodaria o RER mas ele estava passando, só que com intervalos maiores e esperamos uns 40min e isso nos atrasou um pouco, chegamos e a fila estava bem grande, mesmo com o ingresso vc pega fila pra revista e nós estávamos com o Museum Pass que também dá direito ao palácio!! Como eu havia dito, vale muitooo a pena! Para acesso aos Jardins, como era final de semana e estava no período de apresentação das Fontes, foi cobrado a parte e pagamos 9,50€ mas ainda bem q tinhamos comprado antecipadamente, pois estava com uma fila considerável e não precisamos passar por ela, apenas mostrar o ingresso (ufa!)! O Palácio estava entupido e foi impossível ver tudo com calma, a multidão ia nos levando, foi terrível e lá dentro é extremamente quente!! Não deu pra ver com calma, e acabou sendo bem desgastante... depois que passamos pelos jardins decidimos ir embora e na volta já tinha um trem na estação e não esperamos muito. É muito fácil ir e voltar por conta própria à Verssalles, bastar pegar o RER C e usamos em todos esses dias apenas nosso bilhete Navigo! Decidimos seguir para conhecer Momatre e foi uma escolha acertada, pois era domingo e o bairro estava lotado, animado e lá é bem diferente da outra Paris que tínhamos visto... eu amei esta parte boêmia da cidade, cada cantinho mais lindo do que outro!! Andamos pelas ruazinhas, compramos souvenirs (lá vc encontra os mais baratos) e subimos até a Sacre-Couer, ficamos um pouco na escadaria curtindo a vibe e as meninas compraram cervejas, estava bem quente...rs! Havíamos comprado um passeio de barco pelo Rio Sena, pagamos R$41,00 pela decolar e foi bem mais barato, pois lá estava custando 15€, e vc poderia agendar p dia e horário, então reservamos para o horário do pôr do sol e foi lindo, pois pudemos ver as luzes da Torre piscando mais uma vez, mas desta vez de outro ângulo. Esse é um passeio típico que vc deve fazer para ver paris de outra forma... Depois voltamos pro hostel mega cansadas, foi um dia bem cheio, assim como os outros! Gastos do dia: Lembrancinhas = 18€ Café da manhã 5 / = 1,60€ Água de 1,5L = 1€ Pizza + bebida / 3 = 2,10€ Total: 22,70€ Dia 05 - Paris Era nosso último dia na cidade, então acordamos um pouco mais tarde, arrumamos nossas coisas e deixamos guardadas no hostel pra depois só pegar tudo e seguir viagem! Neste dia já não poderíamos usar mais o Navigo, então compramos 3 bilhetes de metrô cada uma, pois precisariamos somente disto para o dia todo. Decidimos deixar esse dia pra conhecer o Louvre, não pegamos fila pra entrar pois já tinhamos o Museum Pass, mas pegamos uma fila na revista, mas foi rápida! Gente o Louvre é gigantesco, mas muitoooo mesmo e não dá pra ver quase nada, pq é muito lotado...rs! Consegui ver a Monalisa quase tendo que socar alguém e nunca vi lugar pra ter tanto oriental, é muitoooooo!!! Fui na ala egípcia, pois gosto muito e também na parte subterrânea do museu, mas estava já tão cansada q não demoramos muito por lá... almoçamos no McDonald's (sempre nos salvando...kkk) dentro do museu mesmo e depois seguimos, pois eu queria muito conhecer a Sainte-Chapelle, somente eu entrei pois as meninas estavam sem pique e me esperaram do lado de fora, a entrada também está inclusa no Museum Pass, mas não há fila especial para a revista, porém lá dentro vc entra direto! Os vitrais são muito bonitos, e vale a pena conhecer até pq ela é pequena... de lá fomos para a Notre-Dame e a fila estava pequena e era rápida, vc não paga pra entrar. Ficamos um tempo lá dentro só observando tudo... agradeci por estar lá e ter dado tudo certo! Ainda passamos em frente ao Panteon, depois voltamos pro hostel, tomamos banho, nos arrumamos e seguimos pra comer uma pizza antes de pegar o ônibus pra Londres! Deixamos 1h pra conseguir chegar na estação e chegamos lá faltando 15min pro ônibus sair... a estação ficava em um lugar muito estranho e deserto e chegamos já a noite, mas deu tudo certo! Seguimos viagem em um ônibus q não ia muito cheio e nos jogamos!! Hahaha! Gastos do dia: McDonald's = 5,95€ 3 Moedas comemorativas = 6€ 2 Tickets Metro = 2,80€ Sorvete = 2,50€ Total: 17,25€ Eu havia comprado a passagem de ônibus para Londres antecipadamente pela Ouibus e paguei 25€, tinha visto muitos comentários ruins sobre viajar de ônibus do pessoal dizendo que não valia a pena e tals, mas eu achei muito tranquilo, o ônibus não atrasou e chegou até antes na cidade. Como estava fazendo uma viagem mega econômica, decidi economizar na diária, pois dormiria no buzão e também no transporte, pois é bem mais barato do que trem e vc pode levar qualquer bagagem, diferente do avião que vc paga pra despachar. Fizemos a travessia pelo eurotunel e só descemos para fazer a imigração, que foi muito tranquila também, o fiscal da imigração era bem simpático, eu estava bem nervosa pois falaram que lá era muito chato, mas ele apenas perguntou quantos dias ficaria e se estava de férias e daí carimbou! Me apaixonei por Londres de cara!! Assim que amanheceu e chegamos na cidade, fiquei olhando admirada pela janela do ônibus... que cidade!! Parecia q eu estava em um filme...rs...foi mais impactante do que Paris, ao menos pra mim!! Dia 06 - Londres Assim que desembarcamos, na station bus próximo a estação Victoria, procuramos o local onde vendia o cartão Oyster Card! Na estação Victoria mesmo vc encontra um balcão com varios guichês e pode comprar por 5£ o cartão e inserir a quantidade de créditos. Funciona assim: com esse cartão vc terá um teto diário pra ser descontado, e quando chegar a esse teto ele para de descontar os valores mas vc continua utilizando pra ônibus, metrô etc. Se não me engano o valor do teto diário era 6,80£ e como só aceita múltiplos de 5£ gastamos 30£, pois ficaríamos apenas 3 dias na cidade e seria suficiente, 5 do cartão + 25 da recarga. Caso sobre algum valor vc pode pegar quando for embora e também pegar os 5£ de volta caso devolva o cartão. Valeeee muito a pena! Bom, feito isso seguimos para o hostel, ficamos no [email protected] The Green man, Paddington e o quarto misto com 9 camas sem café da manhã custou 12,80£ a diária! Eu, particulamente, gostei do hostel por ser barato, limpo, tranquilo e só não gostei por não ter cozinha, mas ficava ao lado de um mercado super barato e nos viramos muito bem por lá. Ele também fica ao lado de uma estação de metrô (literalmente) e a linha te leva pra todo lado, muito fácil! Esse hostel fica em cima de um Pub, mas é bem tranquilo! Chegamos no hostel muito cedo mas deixaram guardar as bagagens até dar o horário do checkin, e fomos logo ao mercado comprar coisas pois a fome estava tensa...rsrs! O mercado que tem do lado nos atendeu super bem, era tudo muito barato e aproveitamos pra comprar várias besteiras...kkkk!! Depois, tomamos banho, nos arrumamos e partimos pra desbravar a cidade, para este dia haviamos reservado a London Eye. Não havia fila, daria pra ter comprado na hora, mas pensando bem, eu só vi que não havia fila pra subir, para comprar não sei como estava, foi bem legal pois a cabine não foi muito cheia e deu pra cutir de vários ângulos bacanas. Muita gente tinha falado que não valeria a pena, mas eu achei o contrário, pois vc pode ter um visual muito lindo da cidade, ainda mais se estiver um dia de céu limpo! Valeu demais, amei! Neste dia também andamos pela cidade e passamos pelo Parlamento, Big Ben (que estava todo tapado com tapumes e foi frustrante...rsrs), esse dia foi mais dedicado a conhecer a cidade e andar sem muito rumo. Á noite seguimos para ver a Tower Bridge iluminada e ela é imensa e simplesmente linda e imponente! Depois seguimos para o hostel e capotamos!! Gastos do dia: Oyster Card (3 dias) = 30£ Mercado = 10,20£ Mercado / 5 = 1,50£ Total: 41,70£ Dia 07 - Londres Começamos cedo este dia, pois era dia de assistir a troca de guarda no palácio de Buckinham e era preciso chegar um pouco mais cedo. Amanheceu um dia lindo e eu que não esperava muito da Troca, achei muitoooo legal, até pq se vc está em Londres, melhor aproveitar tudo que tem por lá né gente? Fica muito cheio e pra pegar um bom lugar é bom ir ao menos 1h antes ou vc fica pra trás...rsrs! Achei lindo e diferente do que estamos acostumadas a ver em qualquer lugar, afinal é a guarda britânica...rs! A área em que o palácio fica também é muito bonita, cheia de flores e o clima estava bem agradável. De lá caminhamos até Tralfagar Square e pegamos o metrô para o museu de cera Madame Tussauds, pois já havíamos comprado os ingressos antecipadamente pelo site, ah, esse ingresso foi um combo junto com a London Eye e saiu bem mais barato comprando os dois juntos, valor de 40£, como estávamos com os ingressos não pegamos fila, entramos direto. Esse foi mais um lugar que muita gente falou que não valeria a pena, mas eu particulamente achei bem divertido e curti. Ficamos um bom tempo no museu de cera e depois seguimos em direção ao Rio Tâmisa para ver a Tower Bridge desta vem de dia e aproveitamos para andar pelos bairros próximos, foi bem bacana! Para este mesmo dia eu havia comprado ingresso para o musical O Fantasma da Ópera, pois eu achava que teria que assistir de qualquer jeito este musical, já que sou fã e foi espetacular assistir ao vivo, gente, sério, é incrível demais!! Senti uma grande emoção ao estar vivendo este momento... aconselho a quem quiser comprar ingressos para assistir a algum musical, ver com antecedência, pois a diferença de preço é enorme, por exemplo paguei apenas 26,80£ no ingressos que costumam ser 40£! Depois do espetáculo voltei pro hostel, comprei algumas coisa no mercado que ainda estava aberto e fui dormir, mas as meninas se animaram e sairam para conhecer a noite londrina, como não curto muito, fiquei pelo hostel, pois no dia seguinte seria o último nesta cidade que já havia me ganhado! Gastos do dia: Mercado 1,97£ Mercado 6£ Total: 7,97£ Dia 08 - Londres Era nosso último dia na cidade, mas confesso que poderia ficar muito, muitoooo mais! Acordamos cedo, arrumamos nossas coisas e deixamos guardadas no hostel, depois seguimos para conhecer alguns museus e outra parte da cidade, que também gostei bastante, aliás, não teve nada que não gostei por lá...rsrs... Bom, começamos pelo mercado pra tomar nosso café da manhã...hehe... depois partimos para o primeiro museu do dia e o que eu mais queria conhecer, o Museu de História Natural!!! Gente, em Londres não é preciso pagar para entrar nos museus, mas vc pode dar algum tipo de contribuição caso assim queira... claro que com a libra nas alturas eu não contribuímos nem com uma sequer...kkkkk!!! Mas voltando ao museu, ele é incrível, a própria arquitetura já impressiona do lado de fora, para um castelo ou algo assim tão imponente! Existem vários setores para conhecer, mas o de maior sucesso é dos nossos amigos Dinossauros, é muito legal!! Depois deste museu fomos ao Science Museum, ou Museu da Ciência que eu confesso esperava bem mais, me decepcionei um pouco, ele estava bem vazio mas valeu a pena conhecer de qualquer forma! Em seguida fomos em direção ao British Museum, que é o famoso Museu Britânico... ele é gigantescoooo e pra vc ver tudo com calma teria que passar muitas e muitas horas lá dentro! Passei pela ala egipcia, da qual gosto muito e outras, mas estava já meio cansada de museus, porém me surpreendi, pois quando vc olha por fora não dá muito por ele! Nossa saga dos museus acabaram e seguimos para o bairro de Camden Town, onde é tudo muito diferente e meio alternativo. Comprei todos os souvenirs lá, pois é a região mais barata para comprar e vc encontra de tudo, adorei a energia do lugar, foi um local que nos surpreendeu, passamos mais tempo lá do que imaginamos e acabou ficando muito tarde e acabou não dando pra conhecer Notting Hill, uma pena, mas ficará para uma próxima, pois Londres é uma cidade que desejo voltar com toda certeza! Quando decidimos voltar para o hostel acabamos pegando o metrô errado, em direção ao aeroporto e ainda bem que ficamos ligadas e deu tempo de voltar para o hostel. Tomamos banho, pegamos tudo e seguimos para o mercado para gastar nossas últimas libras, já que haviam sobrado e comprei mais besteiras e algumas coisas pra comer no ônibus que pegaríamos para Bruxelas, mas o perrengue veio depois... chegamos na estação no horário pretendido, mas foi uó pra encontrar a estação de ônibus certa, pois são várias, cada empresa de ônibus tem a sua estação e já estava quase dando o horário e nada de encontramos, teve uma hora que eu pensei em desistir pois estava com a mochila muito pesada e várias sacolas nas mãos. Faltavam 5 min pro ônibus sair quando finalmente encontramos e corremos como se não houvesse amanhã e minhas pernas já não me obedeciam mais, achei que já tínhamos perdido mas tinha uma fila ainda pra entrar, que sufoco!!! Uma coisa é certa, chegue no horário sempre, pois nenhum dos ônibus atrasaram e se vc demorar perde sim, pois eles não esperam! Olha gente, neste caso em especial, a viagem de ônibus foi péssima, e essa foi a única vez em que nem conseguimos descansar, pois além do ônibus estar cheio tinha um pessoal muito estranho bebendo, fumando e falando alto... o motorista teve que parar o ônibus várias vezes e reclamar com eles dizendo até que ia chamar a polícia e eles pouco ligavam, ficamos até meio assustadas, mas no final deu tudo certo e chegamos quebradas em Bruxelas...rsrs... o que seria de uma trip sem os perrengues né? Essa passagem de ônibus custou 17€ e também foi pela Ouibus! Optamos pelos ônibus tanto pela economia do valor da passagem, quanto economizar na diária em hostels, não precisar pagar para despachar bagagem além deles sempre te deixarem no centro da cidade e não distante como são os aeroportos. No próximo post falo sobre os outros destinos... Dia 09 - Bruges / Bruxelas Como eu havia dito antes, chegamos bem quebradas na cidade, pois a viagem de ônibus foi bem cansativa, mas posso afirmar que esta foi a única vez que nos sentimos assim, pois as outras viagens foram bem tranquilas e deu pra dormir no ônibus de boa. Mas isso pra quem não liga muito né, gente? O ônibus nos deixou na porta da estação Gare du Midi e chegamos bem cedo e como não teríamos hospedagem nesta cidade, decidimos deixar as bagagens guardadas na estação, mas antes esperamos o banheiro abrir para trocar de roupa, dar aquela melhorada no visú e poder realizar nosso roteiro no dia...rsrs... o engraçado que ficou todo mundo olhando pra gente, já que abrimos as bagagens e esparramos tudo por lá...rsrs!! Decidimos fazer um bate e volta à Bruges, pois mesmo sabendo que seria corrido, eu tinha muita vontade de conhecer esta cidade e não me arrependo, pois deu pra andar pela cidade, conhecer um pouco e na metade do dia seguir novamente para Bruxelas e conhecer um pouco da capital. Bruges é uma cidade fofa e encantadora, estava bem frio neste dia e sofremos um pouco, pois não imaginávamos que seria assim, mas isso foi só pela manhã, depois foi esquentando mais. Em Bruges, fomos caminhando da estação até o centrinho da cidade e na volta fizemos a mesma coisa, não gastamos com transporte por lá, pois é tudo muito perto. Também não entramos em nenhuma atração, pois nossa intenção era apenas andar pela cidade sem rumo e como chegamos bem cedinho, pegamos a cidade bem vazia e nos encantamos... achei os valores na cidade também bem baratos e aproveitamos para comprar os famosos chocolates belgas por lá, encontrei 6 caixas de trufas por 10€ e o problema foi que tinha que levá-los até o Brasil e já estava com vários chocolates que tinha comprado em Londres e minhas sacolas foram só aumentando e olha que era apenas o início da viagem....kkkkk!! Bom gente, o valor de ida e volta do trem de Bruxelas x Bruges foi 29,60€ pela Trainline, eu já havia comprado antecipadamente e foi só mostrar os bilhetes. Por volta de meio-dia voltamos para a estação e seguimos para Bruxelas. Gastos em Bruges: Chaveiro + imã = 6€ Armário p bagagem / 5 = 2,20€ Banheiro = 0,60€ Chocolates = 10€ Mercado = 2,68€ Total: 21,48€ Chegando em Bruxelas compramos 2 bilhetes de metrô e usamos 1 para ir e voltar ao Atomium, pois como o bilhete vale por um certo tempo deu pra usar o mesmo bilhete (tudo pela economia...hehe), lá só dá pra chegar de metrô e não é muito longe não, achei que fosse mais, olha que o negócio é grande mesmo gente, achei bem legal, mas não subimos, vimos apenas por fora. Na volta descemos na Grand Place, a famosa praça da cidade e ela realmente é muito bonita e estava bem cheia. Deu pra andar pela cidade com calma, parei pra experimentar a famosa batata frita belga, mas confesso que não gostei, só não sei se foi o lugar que comprei que era ruim mesmo...rsrs. Passamos em algumas lojas e comprei meus imãs e chaveiro, depois pegamos o metrô e seguimos para a estação pra pegar nossa bagagem e ainda ir para a outra estação da cidade, já que nosso ônibus para Amsterdam sairia da Gare de Bruxelles-Nord, mas como havia aquele limite de tempo deu pra usar o mesmo bilhete para ir até a outra estação. Por isso é sempre bom se informar sobre tudo, pois vc pode fazer pequenas economias que se tornarão grandes no final das contas... Gastos em Bruxelas: 2 Tickets Metrô = 4,20€ Batata + Coca = 7€ Água 1,5L = 0,65€ Chaveiro + imã = 4€ Total: 15,85€ Dia 10 - Amsterdam Chegamos em Amsterdam a noite, depois das 22h e o ônibus no deixou em uma estação de trem onde logo procuramos algum lugar para comprar o bilhete de metrô, mas vimos que lá o transporte é caro e valeria mais a pena comprar o bilhete de 24h, pois teríamos que utilizar também no dia seguinte para andar pela cidade e depois para ir embora e foi assim que fizemos, mas confesso que foi a máquina que mais tivemos dificuldade e só poderíamos comprar por ela, pois não havia bilheteria, apenas máquinas mas mesmo nos enrolando um pouco conseguimos...rsrs... Ficamos lá esperando o próximo trem com destino a Central Station e uma das meninas pediu para colocar minhas sacolas em cima da mala dela, pra eu não carregar peso e assim que o trem chegou corremos pra pegar e ela esqueceu as minhas sacolas na estação, assim que a porta fechou ela disse "Cris, suas sacolas ficaram lá..." quase chorei olhando pela janela as minhas sacolas...meus chocolates, minhas lembrancinhas de Paris e Londres, meu Deus, pensei já era... mas mesmo assim resolvi descer na próxima para e voltar pra tentar ver se ainda estariam lá.... o trem demorou a parar e quando vimos o próximo só viria em 10min, me pareceu uma eternidade!!!! Assim que o trem chegou olhei pro outro lado e as sacolas estavam lá...(Ufaaaa) falei pra elas ficarem de olho e se alguém pegasse gritassem pra deixar lá...kkkkk... corri muito!!! Mas quando cheguei vi que tinham revirado a bolsa toda, mas não levaram nada... não sei se alguém da segurança mexeu pra ver o que era, enfim... o importante que minhas coisas estavam a salvo e as meninas até se aliviaram, pois viram como eu estava tensa...kkkkkk!!!! Bom, chegando na estação central deu pra ir andando até o hotel, pois era perto. Eu e uma das meninas ficamos em um hotel, pois sairia mais em conta do que hostel, ficamos no XO Hotels City Centre em quarto Duplo privativo s/café e nos custou 50€ (25€ pra cada). Apesar de ter visto muita gente reclamando do hotel, eu gostei e achei melhor do que pensava, inclusive. Chegamos tão cansadas no hotel que capotamos, nem saímos lá a noite. No dia seguinte tinhamos um dia cheio! Acordamos um pouco mais tarde e arrumamos a bagagem, pois teríamos que deixar guardadas no hotel já que a noite partiriamos para Munique. Comemos algo e seguimos até a Museumplein, onde ficam os museus e também o famoso letreiro da cidade, utilizando nosso passe de 24h. Amsterdam foi uma cidade que também me encantou bastante, pois os canais e sua arquitetura são incríveis e a cidade tem uma energia maravilhosa, porém foi a cidade mais cara de toda a viagem! Gente, uma garrafa de água custava uns 3€ e eu me recusei a pagar, comprei refrigerante....kkkkkk!! O transporte lá também é ótimo, vc pode andar super de boa, pois é bem fácil, mas também é caro, se não me engano um bilhete simples era 2,90€... A cidade também é megaaaaa lotadaaaaa e cada ruazinha esta entupida de gente, nossa, não achei que fosse assim! Muitos jovens, foi a cidade com mais jovens de toda a viagem e todos querendo a mesma coisa né, diversão e experimentar as tais ervas...rs! Mas Amsterdam é bem mais que isso! Caminhamos por essa região da cidade, admirando os canais, os prédios e as ruas tão diferentes... tiramos diversas fotos no letreiro! Depois seguimos a pé mesmo até a Heineken Experience, mas perguntamos se haveria possibilidade de ir apenas até a loja, pois as meninas queriam comprar umas tulipas com nome gravado e tinha uma fila considerável pra entrar, o segurança foi bem simpático e permitiu!! Depois fomos até a Casa de Anne Frank, e já havíamos comprado nossos ingressos pelo site, antecipadamente, e aconselho a fazer isso caso queira visitar, pois é uma das atrações mais concorridas da cidade e os ingressos ficam disponíveis com 2 meses de antecedência e o valor é 9,50€, vc escolhe o dia e horário melhor pra vc. Vale muito a pena visitar a casa, pois vc conhece um pouco da história e de tudo que os judeus passaram, é meio desconfortável e vc até sente um pouco de angústia, o bacana é que eles tem áudio-guias em português e está incluso no valor do ingresso. Final da tarde passamos por outras regiões e passamos pela praça Dam, a mais famosa de Amsterdam, depois nos separamos e cada uma foi conhecer um pouco mais da cidade, parei pra comer e escolhi desta vez experimentar as batatas holandesas, já que há uma rixa com a Bélgica de quem tem a melhor batata frita e olha, posso afirmar que as holandesas são infinitamente melhores...rsrs! Um cone gigante com uma coca custou 6€, consegui comer apenas a metade pois era muito grande, é praticamente um almoço!!! Comprei algumas coisas no mercado, pois como viajaríamos novamente de ônibus, resolvi levar algumas coisas pra comer. Passamos no hotel, pegamos nossas coisas e seguimos para a estação de ônibus, mas chegando na estação de trem descobrimos que nosso passe não valeria para o trem que levaria a esta estação, pois é diferente e tivemos que comprar um outro, mas tudo bem! Chegando lá nos confundimos um pouco, mas encontramos de onde sairia nosso ônibus, ele demorou um pouco mas nada demais. Nossa próxima parada seria Munique, na Alemanha, e essa viagem de ônibus foi bem tranquila, o ônibus não estava tão cheio e deu pra dormir tranquilamente. Essa passagem de Amsterdam para Munique custou 35,90€ pela Flixbus e compramos todas antecipadamente! Gastos do dia: Hotel = 25€ Ticket 24h = 7,50€ Ticket Trem = 3,30€ Batata + Coca = 6€ Chaveiro + imã = 5€ Mercado = 5€ Coca = 2,25€ Total: 54,05€ Dia 11 - Munique / Füssen Chegamos pela manhã em Munique e a rodoviária é pequena e ao lado da estação de trem, então pegamos um trem para a estação central da cidade, pois de lá que pegaríamos o trem para outra cidade que iríamos e também poderíamos deixar nossas bagagens. Usamos o banheiro pra dar um trato no visual e trocar de roupa, se acostumem, pois na Europa quase todo banheiro vc paga pra usar, então tenha sempre moedas...rs! Tínhamos comprado um passe de trem chamado Bavaria-Ticket que servia pra andar de transporte público pela cidade, mas na verdade o compramos para visitar a cidade de Füssen, pois eu queria muito conhecer o Castelo de Neuschwanstein, que inspirou Walt Disney a criar o castelo da Cinderela!! Desde que vi uma foto do castelo coloquei na cabeça que conheceria, assim como a cidade que visitaria depois. Bom, para conhecer o interior do castelo vc precisa comprar o ingresso que custa 13€ e aconselho a comprar antecipadamente, pois na alta temporada as filas são grandes e vc pode não conseguir horário para a visita, com a taxa o ingresso saí por 14,80€ e acho que vale a pena! Vc paga o ingresso na hora que pegar, e não antes. No valor está incluso o áudio-guia em português e vc pode acompanhar a visita, mas não pode fotografar no interior do castelo. Usamos nosso Bavaria-Ticket para grupos de até 5 pessoas e sai mais em conta do que o valor por pessoa, mas mesmo que vc vá só também vale a pena, pois custa 23€ e vc pode usar o trem de ida e volta para qualquer cidade da Bavaria e também para visitar Salzburgo, na Áustria! Vc pode pegar os trens de qualquer horário, contanto que não seja os de alta velocidade (Avi), é uma economia bem bacana!! Com esse ticket vc também usa pra entrar no ônibus que leva da estação de Füssen até a cidade onde fica o castelo, é uma viagem de uns 10min apenas. Mesmo que vc não queira visitar o castelo, vale conhecer essa cidade pois é linda, tem um lago incrível e eu fiquei encantada, uma cidade de conto de fadas mesmo!! Para subir até o Castelo vc pode ir a pé, de charrete ou de ônibus, o bilhete de ida e volta custou 3€ (ônibus). A viagem de trem entre Munique e Füssen demorou umas 2h e por isso acho que vale muito o bate e volta! Voltamos, depois da visita e só as paisagens que vc vê pelo caminho já valem a viagem, são lindas! Comi no McDonald's da estação de Munique, demos uma volta por Munique mas bem rápido mesmo, antes de seguir viagem para Salzburg, pois fizemos reserva em hostel lá, já que no dia seguinte iríamos para outra cidadezinha que eu era louca pra conhecer, só que desta vez, na Áustria! Gente, olha a economia que conseguimos com esse passe: viajamos ida e volta pra Füssen, utilizamos trem, ônibus e metrô em Munique e ainda seguimos para a Áustria com o mesmo passe! É ou não perfeito?! Caso vc vá passar uns dias em Munique utilize este passe e aproveite para conhecer estas cidades próximas, também compensa Salzburgo pois a viagem dura menos de 2h ;)!! Cada uma de nós gastou 13€ com ele e foi uma das melhores economias da viagem. Vc pode comprar nas máquinas ou pelo site da DBahn, vale das 09h a meia noite, então pode usar por todo o dia!! Chegando em Salzburg, seguimos para o hostel já bem cansadas e eu só sai pra comprar uma água...rs! Gastos do dia: Sanduiche + coca = 5,40€ Banheiro = 1€ Armário p bagagem = 3,60€ Castelo Fussen = 14,80€ Ônibus para Castelo = 3€ (ida e volta) Imã do castelo = 3,50€ Coca = 1,84€ McDonald's = 4,58€ Água = 1,30€ Taxa Hostel 1,55€ Total: 40,57€ Dia 12 - Hallstatt Na noite anterior havíamos chegado bem cansadas, já que estávamos vindo de uma noite dormida no ônibus e de um bate e volta de outra cidade só queríamos um banho e apagar, melhor ainda foi chegar no hostel e a atendente conseguir nos encaixar em um quarto só pra gente, já que havíamos feito a reserva para quarto compartilhado, mas como estávamos juntas ela fez esse favor gigante...kkkkk... nem arrumamos nada e foi ótimo ter o quarto só pra nós!! Ficamos no hostel A&O Salzburg Hauptbahnhof e o valor da diária foi de apenas 11,40€ em quarto de 6 camas sem café da manhã, o hostel é ótimo, parece até hotel e adoramos, sem falar que ele fica quase do lado da estação central e isso ajudou muito! Caso fiquem neste hostel aconselho a realizar a reserva pelo próprio site deles, pois é bem mais barato, eu teria pago uns 10€ a mais pelo booking e já deu pra dar uma economizada né...rsrs... Eu havia planejado passar por Salzburg apenas pra fazer um bate e volta até a cidade de Hallstatt, pois desde que ouvi falar sobre esta cidade, fiquei completamente encantada! Vi que a melhor forma seria uma bate e volta por lá, de início eu iria fazer o trajeto ônibus + trem + barco pois todos dizem ser o mais econômico, mas como encontrei passagens de trem em promoção acabei decidindo ir de trem, já que seria menos complicado e mais barato...rs... comprando com 6 meses de antecedência as passagens custaram 9€ ida e 9€ volta pela OBB, os trens são extremamente confortáveis e muito bonitos!! Vc faz uma baldeação no meio do caminho e chegando na estação de Hallstatt vc pega um barco que custa 5€ pela ida e volta, mas esse passeio já vale pois vc fica lá babando pelo lugar... Gente, a cidade é realmente linda! O lago, as montanhas em volta... as casinhas, parece até um lugar cenográfico de tão perfeitinho!! A cidade é bem pequena, mas dá pra passar um dia lá só admirando e conhecendo o lugar, tem alguns restaurantes e lojinhas com preços bem acessíveis!! Como chegamos lá quase 11h aproveitamos pra dar uma volta enquanto as outras meninas não chegavam, pois acabamos não indo juntas por algumas terem comprado passagem para horários diferentes. Depois que elas chegaram paramos pra comer uma pizza e ficar admirando a cidade...rs... Em seguida fomos curtir e decidimos subir o teleférico que leva até o topo da montanha, a vista é incrível e vale a pena, esse passeio custou 16€ e a paisagem compensa tudo! Tem passeios com barquinhos lá também, ou vc pode conhecer a Mina de Sal que fica nessa montanha que subimos. Compramos umas lembrancinhas, andamos pela cidade sem pressa e foi um dia bem bacana! Chegamos lá com sol e na hora de ir embora começou a chuviscar um pouco. Procure ir para o ponto de retorno do barco uns 30 min antes, pois enche e verifique o horário de saída deles assim que vc chegar, pra não ter problemas e vc correr risco de perder o trem...rs! Pegamos o trem de volta e a única coisa chata foi que na hora da troca de trens pegamos um errado, pois estava na mesma plataforma e só nos demos conta quando entramos, explicamos ao fiscal e sorte que ele não cobrou multa, pois lá são bem rígidos com isso, pagamos apenas o valor do bilhete que foi de 8,90€, pois era um trem de outra cia, mas fazer oq né? O erro foi nosso...rs Bom, quando saímos pela manhã do hostel havíamos deixado nossa bagagem guardada e lá eles cobram, mas não nos cobraram pois os armários estavam com defeito e eles deixaram na recepção...deixaram a gente ficar por lá até dar horário do nosso próximo trem, que seria pela madrugada. Eu tinha planejado andar um pouco por Salzburg, mas estava tão cansada que nem sai do hostel, comprei umas coisas e fiquei por lá mesmo pra descansar e as meninas também não quiseram sair... ficamos batendo papo e rindo dos nossos micos até aquele dia...kkkk!!! Por volta da 01h da manhã saimos do hostel, mas achei a cidade bem tranquila e era pertinho pra gente ir caminhando, chegamos na estação e estava deserta...rs...nossa próxima parada seria a cidade de Veneza, na Itália, e seria a primeira vez que pegaríamos um trem noturno e já ouvi tantas histórias...não sabíamos como era... mas conto depois! Gastos do dia: Teleférico = 16€ Barco = 5€ Pizza + bebida = 12€ Imã = 3,70€ Sorvete = 1,70€ Trem errado (DB) = 8,90€ Mercado = 8,89€ Mercado / 2 = 2,60€ Total: 58,79€ Dia 13 - Veneza Foi nossa primeira vez em trem noturno e quando fizemos a compra do bilhete, escolhemos o mais barato, ou seja, eram assentos mesmo e não couchettes como costuma ter e são bem mais caros, lembram que nossa prioridade era a economia? Pois é, e com isso vem sacrifícios né...rs... mas as vezes vc arrisca e dá sorte e foi oque aconteceu conosco (Amém)!! Na compra dos bilhetes, que foi pela OBB e custou 29€ comprando antecipadamente, não tinha como escolher o vagão ou assento, apenas dizer se vc queria janela ou corredor mas era aleatório o número do assento e com isso os nossos foram td em lugares separados, eu fiquei em uma cabine lotada e não dava nem pra esticar as pernas...rs... masssss por sorte as meninas encontraram cabines vazias e conseguimos ficar juntas, 3 em uma cabine e 2 em outra e como o assento vira uma cama conseguimos até dormir (foi maraaaaaa)!!! O fiscal disse que não tinha problema ficar por alí, que beleza! Como sou meio neurótica, não dormi muito a vontade pq toda hora acordava achando que ia perder a parada ou pra vigiar a bagagem...rs... toda hora passavam uns caras estranhos pelos corredores olhando pra dentro das cabines e como a nossa estava sem cortinas na porta eu fiquei cismada (sabem como são brasileiros, né...rs), mas é sério gente, teve um que parou e ficou olhando pra gente dormindo, mas eu estava com um olho aberto...kkk... deu medo, lembrei dos filmes tipo "O Albergue" kkkkk!!! No trem não havia nenhum sistema de som pra avisar qual estação estávamos na hora que o trem parava e eu tive medo de colocar o celular pra despertar e não ouvir pelo barulho do trem...enfim, dormi mas não como queria, mas mesmo assim valeu a experiência e apesar de me sentir cansada, depois que lavei o rosto me senti nova de novo, afinal, estava na Itália, um país que sempre desejei conhecer!! Chegamos em Veneza pela manhã, na estação principal, Santa Lúcia e como havíamos feito uma reserva pelo site da Bagbnb, que indico, pagamos apenas 5€ para deixar a bagagem guardada próximo a estação, pois vi que lá dentro da estação era cobrado por hora e sairia mais caro. Essa empresa que falei existe em várias cidades da Europa e custa 5€ por dia pra guardar sua bagagem, fica a dica ;)!! Fomos ao banheiro nos arrumar antes, como sempre...rs... e depois foi só atravessar o "canale" pois já estávamos em Veneza!!! Não usamos nenhum tipo de transporte na cidade, existem os vaporetos que são como ônibus aquáticos, mas o bilhete é mega salgado, 7,50€, e não é diário não gente, isso um único bilhete pra uma viagem (aff)!!! Mas Veneza não é grande, dá pra fazer tudo a pé, a não ser que vá conhecer outras ilhas como Murano, Burano etc... como não faríamos isso e foi pra passar apenas 1 dia deu super certo pra gente!! Mas olha, quando vc chega na Itália percebe a diferença do restante da Europa, os italianos são, digamos, mais rudes.... mas é o jeito deles mesmo... nós levamos tantos esporros que apenas riamos de tudo...kkkk!!! Tipo, qnd vc entra em uma lojinha ficam te cercando e vendo se vc não vai roubar nada, se vc senta em algum lugar só pra descansar as pernas, tipo uma mureta ou algo mandam vc sair...rsrs... mas levávamos na boa, só ríamos das situações... eles também não tem paciência pra responder muita coisa, enfim... diferente dos outros países que havíamos passado onde sempre eram muito simpáticos e gentis, mas é o jeito deles, vc acostuma... lembrando que foi essa a nossa impressão tá, gente?! Achei Veneza uma cidade bem diferente, bonita e não achei fedida como as pessoas as vezes dizem, mas não foi uma cidade que me encantou, não sei se voltaria, porém não me arrependo de ter conhecido, pois sempre quis muito, mas não me ganhou como outras!! Achei legal mas nada de tão incrível e não é o fato falarem que é pra casal, nem achei isso, pois ela nem me pareceu romântica...rs... é tanta gente passando, muvuca nas pontes, muvuca de gôndolas nos canais e não sei onde isso é romântico, mas cada um com sua impressão...rsrs... Bom, mas uma coisa posso afirmar, foi em Veneza que comi a melhor pizza e tomei o melhor Gellato.. mamma mia!!! De todas cidades da Itália e da viagem, foi a pizza mais gostosa e por incrível que pareça, a mais barata!!! Um pedaço gigante, mas enormeee mesmo custou apenas 2,50€ mas era quase metade de uma pizza familia...kkkk... as lembrancinhas também eram bem baratas. Eu achei Veneza uma cidade barata, pois falam que é cara e tals e não tive essa impressão, acho que hospedagem sim é cara, por isso resolvemos nem pernoitar por lá... Em Veneza existem diversas pontes, igrejas, becos e vc pode até se perder, mas não se preocupe pois todas as placas te guiam para a Piazza de San Marco e o legal é ir conhecendo cada pedacinho da cidade! A praça é super lotada, assim como a Ponte Rialto e todo o comércio próximo dela... tente comprar lembrancinhas ou presentes perto da ponte, são baratinhos!! Ah, foi perto dela também que tomei o melhor Gellato da vida...hehehe! A Praça de São Marcos é linda, a Basílica é rica em detalhes, assim como o museu que fica ao lado, tem também a Torre do Campanário, ou seja, todos pontos mais importantes estão nesta praça e depois de conhecê-la vc pode tentar andar pelos becos mais tranquilos e longe da muvuca pra sentir Veneza de forma mais íntima... Foi um dia proveitoso e não foi corrido, pra nós 1 dia foi suficiente, se alguém tem dúvidas, dá sim pra curtir um pouco da cidade até pra quem pensa em fazer um bate e volta, vale a pena!! No final da tarde seguimos de volta a estação, pois pegaríamos o trem para Verona e já tinhamos nossa passagem comprada antecipadamente, como não sabíamos se nos perderíamos resolvemos voltar 1h antes pra estação pra não correr riscos...rs e demoramos uns 30min andando calmamente pelos becos de Veneza... pegamos nossas bagagens que tinhamos guardado, nos despedimos de uma das meninas que só fez o roteiro com a gente até alí e seguimos pra pegar nosso trem. Nossa passagem de Veneza x Verona custou 9,90€ pela Trenitalia e da próxima vez vou contar como foi conhecer Verona! Gastos do dia: Banheiro = 1€ Armario = 2,50€ Coca + água = 3€ Pizza = 2,50€ Imã + Chaveiro = 3€ Gellato = 3€ Coca = 2€ Total:17€ Dia 14 - Verona Chegamos em Verona no final da tarde e como estávamos extremamente cansadas resolvemos pegar um táxi, essa foi a primeira vez que utilizamos táxi na viagem, até pq não sairia tão caro e tudo que eu queria era um banho e descansar!!! Essa foi uma das poucas vezes que nem todas conseguiram ficar na mesma hospedagem, apenas eu e uma das meninas conseguimos vaga neste hostel... as outras 2 ficaram em lugares diferentes, pois nem conseguiram vaga no mesmo hostel uma da outra... por isso é sempre bom antecipar tudo!! Escolhemos o Protezione della Giovane, um hostel exclusivamente feminino e muito agradável, mas pra quem pretende voltar de madrugada não vale a pena, pois lá existe toque de recolher e as 23h as portas são fechadas e nem adianta insistir...rs...eles já avisam isso na chegada. Lá todo o dinheiro arrecadado com as hospedagens são convertidos para ajudar mulheres que precisam, achei bem legal! O quarto compartilhado com 5 camas custou 22€ e não inclui café da manhã, lembrando que só hospedam mulheres!! Esse hostel fica pertinho de tudo, da Casa de Giulieta, Piazza Brá, Arena de Verona e tudo mais... além de ser super limpo e bem espaçoso, mas se prepare pra muitas escadas, se tiver malas grandes dá um trabalhinho hein! Neste dia de chegada nem fizemos nada, estávamos um bagaço então reservamos nossas energias pro dia seguinte...rs! No dia seguinte acordamos cedo, arrumamos nossas bagagens e deixamos guardadas no hostel. Depois fomos em busca de um mercadinho pra comer algo e me surpreendi, de lavada foi a cidade mais barata de todas, mas muito barato mesmo... fiquei louca....kkkk!! Feita as comprinhas pra comer durante o dia seguimos para o Castelvecchio, fomos caminhando mesmo... todo o roteiro na cidade fizemos caminhando e não foi uma cidade que me deixou cansada, pelo contrário, eu me surpreendi com Verona e me encantei com as pessoas, a cidade, o clima e tudo mais, bem diferente de Veneza e da primeira imagem que tive da Itália... A cidade é antiga, mas tudo é bem conservado, as ruas são agradáveis e as pessoas são gentis. Bom, eu havia comprado antecipadamente o Verona Card, que custou 18€ e vale por 24h, existe também o de 48h mas não lembro qnt custa. Mas olha gente, esse é um passe que vale demais a pena, pois além de vc poder entrar em todas atrações e museus da cidade vc também tem direito ao transporte público ilimitado, então se vc se hospedar um pouco mais longe do centrinho, poderá utilizá-lo pra pegar ônibus sem gastar nada mais. Eu usei ele pra ir ao Castelvecchio, a Casa de Giulieta, a Torre de Lamberti e na Arena de Verona mas existem muitas outras atrações na cidade que vc também entra com ele e tudo sem pegar filas... bem bacana né?! Verona é uma cidade super charmosa e eu confesso que foi uma das minhas preferidas da Itália, depois conto sobre as outras que me conquistaram...rs.. Bom, eu não sabia que iria gostar tanto mas o Castelvecchio me surpreendeu, pois é muito legal já que vc visita o museu e depois pode percorrer todo o castelo e a cada instante descobre uma vista mais incrível do que outra, andar sobre os muros do castelo é muito legal... é algo bem diferente! De lá caminhamos até a Arena di Verona e ela parece um mini Coliseu, mas está muito bem conservada e se não me engano é mais antigo do que o parente mais famoso...rs... a Praça que fica em frente também é bonita e ótima pra dar uma relaxada ou apenas olhar o povo passando...rs! De lá seguimos a piazza brá onde é o melhor lugar pra vc comprar lembrancinhas e outras coisas, pois existem diversas barracas e também onde está a Torre de Lamberti, na qual vc pode subir pra ter uma bela visão do alto da cidade (Vc não paga pra subir com o VeronaCard de escadas, mas pra subir de elevador custa apenas 1€, claroooo que economizei minhas pernocas né...kkkk)! Depois de um tempo por lá caminhamos até a Casa de Giulieta e estava lotada, todo mundo querendo pegar nas "peitcholas" da estátua famosa...kkkkkk!!! Muitos apaixonados deixam suas cartinhas, ou cadeados por lá... vc pode ir só até o pátio onde não paga ou entrar pra conhecer a casa que possui um pequeno museu (daí vc paga), como eu tinha o VeronaCard não paguei e entrei pra conhecer e tirar fotinha na famosa sacada...rsrs!! No final do dia, depois de ter feito o dia render bastante, pegamos nossas coisas no hostel e passamos no mercado de novo (sabe-se lá quando ia ver outro tão barato...rs), comprei muitas coisas já pra ficar abastecida até a noite seguinte, não sou besta né! Pegamos um busão até a estação de trem e encontramos o restante das meninas, de lá seguiríamos viagem até Milão, que na verdade só quis conhecer por estar no caminho e pra conhecer uma das obras mais importantes que lá se encontra e muita gente nem sabe...rs... mas isso é assunto para o próximo post! Gastos do dia: Mercado = 8,57€ Elevador Torre de Lamberti = 1€ Imã + chaveiro = 4,50€ Hospedagem Verona = 22€ Taxi / 2 = 5,50€ Total:41,57 Dia 15 - Milão Chegamos em Milão por volta das 19h da noite, mas ainda estava bem claro, então decidimos ir andando até o hotel, ficamos no Guest House Brianza Room e o quarto duplo c/ banheiro compartilhado saiu por R$165,66 que já havíamos pago, e a taxa de turismo de 3€ por pessoa que pagamos na hora, e incluía café da manhã, como foi dividido por 2 pessoas não saiu caro, fiz a reserva pelo site da Expedia! Este hotel ficava uns 10min andando da estação Central e isso claro já ajudou bastante! As outras 2 meninas preferiram ficar com a gente e conseguimos ficar todas no mesmo quarto, pois haviam 4 camas. As meninas queriam muito sair pra jantar e conhecer a noite da cidade, pois tinham ouvido falar bem mas eu resolvi ficar no quarto e dormir, nem vi quando elas voltaram mas depois me disseram que não acharam nada demais...rs Pela manhã tomamos café, arrumamos nossas coisas e seguimos em direção ao metrô, onde compramos apenas 2 bilhetes para utilizar pelo dia todo e foram suficientes. Começamos o dia indo até a igreja Santa Maria delle Grazie, onde se localiza a obra mais famosa de Leonardo da Vinci, depois da Monalisa, a pintura da Última Ceia!! Um dos ingressos mais concorridos para compra é este e vc não consegue comprar na hora mas sim com 3 meses de antecedência, assim que liberam as vendas as vezes acabam no mesmo dia e por isso se vc quiser visitar deve ver com bastante tempo. Ele é difícil pela visita ser controlada e só entram 15 pessoas por vez e só podem ficar lá admirando a obra por 15 minutos apenas, esta pintura se encontra na parede no Cenáculo Viciano, que fica ao lado da igreja e se vc passar por Milão acho que deve aproveitar a oportunidade de ver ao vivo uma das obras mais importantes do mundo! O ingresso com a taxa custa 12€, e como fizemos a reserva antes já estava pago. Depois passamos pela igreja pra conhecer e de lá seguimos caminhando para o Castelo Sforzesco, que fica bem pertinho, demos uma volta por ele mas não visitamos o museu, pois era pago e decidimos não entrar. Em seguida fomos também andando até a Piazza del Duomo para ver a Catedral e ela é realmente impressionante, simplesmente fantástica e giganteeee...rsrs... gigante também estava a fila da revista pra entrar e não tivemos coragem de enfrentá-la... também não teríamos muito tempo, pois tinhamos que voltar pro hotel pegar as coisas e seguir pra estação de trem, mas ainda deu tempo de entrar na Galleria Vittorio Emanuele II, que é um luxo e linda demais!! Nosso trem partiria as 14:50, então só passamos metade do dia em Milão e até que deu pra aproveitar bastante! Pegamos o metrô e seguimos para o hotel pra pegar as bagagens e depois fomos caminhando para a estação central, chegando lá passei no McDonald's (sempre ele pra ajudar...kkk) e "almocei" por lá! Nossa próxima cidade italiana seria Florença e eu estava bem animada pra conhecer, pois de lá ainda aproveitaríamos pra fazer 2 bate-volta! Nosso bilhete pela, Trenitalia, custou 9,90€ e também já havíamos comprado antecipadamente. Próximo post, a cidade que respira arte: Florença! Gastos do dia: Taxa de Hospedagem = 3€ 2 Tickets metrô = 3€ 1 Gellato = 2,50€ Imã + Chaveiro = 5,40€ McDonald's = 7,90€ Total: 21,80€ Dia 16 - Florença Chegamos em Florença no final do dia, e como não foi pela estação principal compramos um bilhete de trem e descemos na estação seguinte. Todas nós ficamos em hostels diferentes, mas 2 meninas ficaram em hostels na mesma rua e achei a localização ótima, praticamente ao lado da estação e pertinho de tudo! Fiquei no Hotel Paola e o quarto feminino compartilhado com 8 camas custou 12,50€ a diária, sem café da manhã! O hostel era bem simples, ficava no último andar de um prédio de 3 andares sem elevador...rs... mas achei o preço ótimo, era limpo, tranquilo e muito bem localizado então valeu super a pena! Assim que chegamos saímos em busca de um mercado e compramos algumas coisas, levei tudo pro hostel e não saí mais neste dia, depois do banho capotei na cama e não vi mais nada... sempre dormia cedo pra tentar guardar energia, pois o cansaço estava batendo forte durante a viagem... No dia seguinte acordei cedo, pois havia agendado horário pra visitar alguns museus e seria um dia cheio, mas foi um dos melhores dias da viagem pois consegui fazer muita coisa e tudo no meu tempo, sem falar que amei Florença, é uma cidade realmente incrível e tem muita coisa pra ver e fazer!! Este foi um dia que fiz tudo sozinha, pois as meninas aproveitam pra fazer outras coisas e cada uma fez coisas diferentes... e elas não estavam afim de visitar museus ou igrejas...rs! Fui caminhando do hostel até a Galleria dell Accademia, onde se encontra o Davi, de Michelangelo, já que começaria por lá e olha aconselho fortemente a comprar o ingresso pelo site, pois as filas em todos os museus são bem grandes, mesmo que vc pague as taxas, vale a pena pois vc economiza muito tempo! O ingresso custou 12€ e vc agenda o dia e horário melhor pra vc, só trocar o voucher e entrar! Vale muito visitar o lugar, que é pequeno e a visita pode demorar no máximo 1h se vc quiser ver tudo, mas a grande estrela é o Davi!!! Gente, ele é imenso e cheio de detalhes que impressionam, fiquei um bom tempo admirando... como fui cedo não estava cheio e foi bom ter espaço. Ainda percorri outras salas do museu, depois de satisfeita fui em direção a igreja Santa Maria del Fiore também caminhando, pois é tudo bem pertinho!! Eu havia comprado o ingresso para subir a Duomo também pelo site, mas lembrando que para entrar na igreja não paga, porém caso vc queira subir até a Duomo pra ter uma vista 360° da cidade é preciso pagar, são mais de 460 degraus mas confesso que achei que seria pior, a subida cansa, mas não é nada assustador!!! Bom, esse ingresso dá direito a visitar outros lugares como o Museo dell'Opera del Duomo, Batistério de San Giovanni, Campanário de Giotto entre outros... o ingresso custou 18€ e vc pode usar por 3 dias (mas só entra uma vez em cada lugar). A vista que se tem do alto compensa toda a subida, pois é incrível ver toda a cidade! Depois ainda fui ao Batistério e também ao Museu do Duomo, este último confesso que me surpreendeu muito, é incrível e só ele já valeria o ingresso e nem é tão comentado o que é uma pena, mas talvez seja por ser novo... gente, não deixe de conhecer esse museu!! Lá estão as verdadeiras "portas do paraíso" e é tão rica em detalhes e confesso que fiquei perdida com tanta coisa fascinante... esse museu nem é muito cheio, dá pra ver tudo com calma e vc vai se surpreender, fica a dica!!! No meio da tarde eu havia marcado horário para a Galleria degli Uffizi, onde pelo site o ingresso custou 24€ e eu já tinha trocado o voucher antes quando fui no primeiro museu, ver o Davi... a Ufizzi estava lotada e algumas salas estavam entupidas de gente, como a sala do quadro Nascimento de Vênus, de Bocelli, que vale dizer que é fantástico né?! Além disso o bom que vc pode ver bem de pertinho e apreciar os detalhes... adorei também as pinturas de Michelangelo e Rafael!! A Galleria é enorme e possui diversas obras, dá pra ficar um bom tempo por lá!! Não deixe de conhecer também este que é um dos museus mais importantes do mundo!!! Depois do meu roteiro recheado de arte e cultura caminhei um pouco pela cidade, fui até a Ponte Vecchio e terminei o dia comprando alguns souvenirs e comendo um pedaço de pizza...rsrs... também passei no mercado pra comprar algumas coisas e segui pro hostel, pois estava cansada, porém muito feliz por ter conseguido fazer tanta coisa neste dia!!! No dia seguinte teria 2 bate e volta pra fazer então não dormi muito tarde, tomei banho e já deixei as coisas arrumadas, pois iria embora no dia seguinte, após os passeios! Gastos do dia: Ticket Trem = 1,20€ Mercado = 4,94€ Imãs + chaveiro = 3€ Mercado = 7,15€ Coca + Pedaço de pizza = 3,30€ Total: 19,59€ Dia 17 - San Gimignano / Pisa Neste dia eu e mais uma das meninas haviamos combinado de conhecer 2 cidades próximas. Meu hostel cobrava 10€ (absurdoooo) pra deixar a bagagem guardada mas como das meninas não cobrava nada, pedi que ela guardasse minha mochila lá e ela conseguiu...rs... passei em uma lachonete e comprei um pedaço de pizza pra comer no caminho até a estação... por volta das 08h já estávamos na estação rodoviária de Florença, que fica ao lado da estação central, parece mais uma garagem...rs.. A primeira cidade seria San Gimignano e eu já tinha comprado meu ticket, que custou 6,80€ pela empresa Tiemme Toscana, mas vc pode comprar na hora sem problemas. Não existe ônibus direto, vc precisa descer em Poggibonsi e lá fazer baldeação para outro ônibus, caso vc prefira também pode ir de trem e descer na estação de mesmo nome pra pegar esse ônibus, leva-se o mesmo tempo mas o trem é um pouco mais caro e vc precisa pagar pelo ônibus, sendo que indo de ônibus vc paga um único valor pelos 2!! Chegamos cedo, ainda não estava muito cheia e a cidade é linda! Típica cidadezinha medieval, um charme e é tudo encantador... a cidade é muito pequena e vc pode conhecer tudo em pouco mais de 1h! Ela é toda murada e a vista é para toda a Toscana e com visual incrível... Eu amei conhecer esse lugar, pois parece que voltamos no tempo! Lá vc também pode conhecer a sorveteria que já ganhou o prêmio de melhor sorvete do mundo, a Gelateria Dondoli, imperdível pra quem ama gellatos, como eu...hehehe Depois de andar, tomar sorvete e curtir o lugar, resolvemos seguir nosso roteiro e desta vez partir pra Pisa! Muita gente só faz o bate e volta pra Pisa, mas resolvi incluir esta cidade por ter lido sobre ela e me encantado. Pegamos o ônibus de volta pra estação e Poggibonsi e pegamos o trem pra Pisa, não há trem direto, tivemos q fazer uma baldeação e apesar de ter demorado um pouco deu tudo certo! Chegando em Pisa vc pode ir andando até a Torre ou pegar um ônibus, que custa 2€ ida e volta mas q vc precisa usar em até 1h e 30min, como estávamos cansadas resolvemos pegar o ônibus mesmo...kkkk... ele deixa em frente a entrada da cidade e vc já vê as barraquinhas, a muvuca e tudo mais... assim que vc atravessa a entrada vê a Torre ao longe, ela é maior do que eu pensava mas achei que seria mais inclinada....kkkkkkk! Ficamos lá fazendo mil poses para as fotos e depois paramos em uma sombra e tomamos sorvete, daí ficamos só observando o povo também pagando mico...rsrs... estava um dia muito, muito quente e ficamos um bom tempo lá a toa... depois fomos para segunda sessão de fotos....kkkk!!! Acabamos perdendo o prazo pra usar o bilhete do ônibus e tivemos que comprar outro na volta, mas antes dei uma passada no banheiro do McDonald's e até lá é cobrado pra entrar, é mole? Kkkkk!!! Nas barracas do lado de fora da cidade é tudo muito baratinho, se puder compre souvenirs por lá! Na estação comprei o bilhete de volta pra Florença, custou 8,40€, e chegando de volta a cidade passei no mercado pra comprar algumas coisas, pois chegaríamos umas 22h no nosso próximo destino e já seria um pouco tarde pra comprar algo. Eu adorei conhecer a Toscana, é um lugar que voltaria com toda certeza! Florença é uma cidade maravilhosa que vale muito a pena conhecer! Eu gostaria de ter feito mais coisas por lá, pois há muito oque ver, não deixem de reservar no mínimo 2 dias para Firenzi!!! Próximo post, a última cidade italiana!! Gastos do dia: Coca + Pedaço de pizza = 5,40€ 2 Sorvetes = 5,50€ Imã + Chaveiro = 5€ Sanduiche + Coca (máquina) = 3,60€ Sorvete = 2€ Banheiro = 0,50€ 2 Ticket Ônibus = 3,40€ Trem Trenitalia = 8,40€ Mercado 5,38€ Total: 39,18€ Dia 18 - Roma Chegamos em Roma já um pouco tarde, mas como sabíamos que os hostels eram perto, decidimos ir caminhando... Havíamos comprado nossas passagens pela Italo Treno e custou a bagatela de 9,90€ em trem rápido, a viagem durou um pouco mais de 1h30!!! Eu e mais uma das meninas ficamos no Locanda Hotello, e as outras em hostels diferentes por não ter mais vagas neste. Paguei 32€ para 3 diárias em quarto feminino com 5 camas e incluía um pequeno café da manhã na lanchonete que havia embaixo, que na verdade consistia em um croissant e um café ou suco, mas por ter pago bem barato achei ótimo, fiz a reserva pelo Hostelworld e já tinha pago uma parte! Em Roma também é necessário pagar uma taxa turística por noite em qualquer hospedagem e custava 3,50€ (carinho né?). Achei o prédio do hostel bem estranho, pois é muito antigo, mas o hostel era bem limpinho e arrumadinho, tinha uma pequena cozinha que vc podia utilizar e vários banheiros! Mas o melhor de tudo é que ficava em frente ao Termini, tanto que a vista da janela era pra ele...rs! Isso nos ajudou muito na hora de nos locomover, pois de lá tem transporte pra todo lado, gostei muito de me hospedar nesta região!!! No dia seguinte acordamos cedo e já tinhamos planejado começar o dia pelo Coliseu, compramos 2 bilhetes de metrô e confesso que achei o metrô de Roma muito simples por ter apenas 2 linhas, é muito fácil se locomover pela cidade! Esse bilhete vale por 100min e vc também pode utilizar para tram e ônibus, e usar a vontade por esse tempo, mas o metrô vc só pode utilizar por 1 vez! Bom, já tinhamos comprado nosso ingresso do Coliseu pela Internet e aconselho vc a fazer isso ou comprar o Romapass, só não achamos vantagem em comprá-lo pois sairia bem mais caro e não vi vantagem no transporte com ele já q vc faz muita coisa a pé na cidade, nosso ingresso custou 14€ pelo site e gastamos apenas 3€ com transporte, então faça as contas pra ver se vale a pena pra vc!! O Coliseu estava lotado e o dia estava muito quente, muito mesmo! Lembre-se de levar com vc uma garrafinha pra encher nas diversas fontes que há pela cidade, inclusive nas atrações turísticas! Mesmo com ingresso em mãos pegamos fila por causa da verificação de segurança e demorou um pouco, e como tem aqueles espertinhos cara de pau que adoram furar fila, demorava mais ainda... fiquem ligados!! Visitamos primeiro o andar de baixo e só depois subimos, mas é incrível estar alí dentro, vc sente algo diferente, ele é grandioso mesmo! Ficamos lá um bom tempo e resolvemos não entrar nos Fóruns, pois estava estupidamente lotado e acabamos indo almoçar em uma das ruas próximas, encontramos um restaurante muitooooo barato e que recomendo, chama-se Ciard e uma pizza grande + coca de 1L custava apenas 7€ e se vc quisesse só a pizza era 5,50€!! Pedimos 3 e rachamos o valor, então ficou super em conta!! Fica a dica De lá passamos em uma lojinha pra comprar souvenirs e depois seguimos caminhando até o Monumento Vittorio Emanuele, que realmente é imenso e me surpreendi! Na rua ao lado conseguimos ver os Fóruns e achei bem interessante, pois víamos de cima e deu pra ter uma ótima noção! Passamos em um mercadinho pra comprar algumas coisas e continuamos nosso passeio até a Piazza Navona, que achei linda e depois fomos até o Panteão, que é absurdamente imenso, aliás, tudo em Roma é muito grande e em cada esquina vc dá de cara com algo histórico... há muito o que ver por lá, é um museu a céu aberto e vc pode visitar muita coisa sem pagar nada! Bom, entramos no Panteão e depois de um tempo por alí seguimos para uma igreja que eu queria muito conhecer, pois ouvi falar muito bem, se chama San Inácio de Loyola, e olha é realmente maravilhosa, pois ela tem umas pinturas no teto em 3D incríveis e também o desenho que faz vc pensar que há uma cúpula e na verdade não é real... vale demais visitar essa igreja que fica bem pertinho do Panteão, confiram e não vão se arrepender!! Como era dia da estréia do Brasil na Copa, decidimos combinar todas de assistir em algum lugar e acabamos ficando em um Pub alí por perto mesmo e encontramos mais uma menina que conhecemos no hostel e outros brasileiros lá mesmo. O pessoal era bem animado e foi engraçado assistir ao jogo longe de casa...rs...no final foi 1x1 (aff!) E como estávamos com a camisa do Brasil ouvimos alguns zoarem e outros darem apoio....kkkkk!!! Depois seguimos para a Fontana de Trevi e ficamos por alí com o pessoal, umas meninas seguiram novamente pro barzinho e eu e outras voltamos pro hostel de metrô, foi um dia super cansativo mas bem divertido! Um pouco mais tarde bateu fome e descemos pra comer algo alí por perto, eu comi uma pizza e a minha amiga pediu macarrão, depois subimos e capotamos, pois o dia seguinte também seria cheio! Gastos do dia: 2 tickets do metrô = 3€ Pizza + Coca = 5,25€ Souvenirs = 5,25€ Sorvete = 2,50€ Mercado = 5,95€ Pub = 2€ Pizza = 6€ Hostel = 36€ Total: 79,20€ Dia 19 - Vaticano Neste dia fiz questão de acordar bem cedo, pois era o dia de conhecer o Vaticano e dizem que vc deve ir bem cedo pra não pegar a fila gigante que se forma pra entrar... compramos novamente apenas 2 bilhetes de metrô e por volta das 08h já estávamos no Vaticano! Assim que descemos na estação de metrô vimos uma banca com muitos souvenirs, terços e tudo com ótimo preço, é uma banca gigante e se puder compre lá, pois foi a mais barata que vi! Eu super aconselho vcs a irem o mais cedo possível, pois pegamos tudo vazio e foi ótimo visitar a Basílica sem tumulto, não pegar nenhuma fila pra entrar e aproveitar tudo com calma!! A Basílica é realmente enorme e rica em detalhes, impressiona bastante! Eu resolvi subir até a Cúpula, mas as meninas preferiram esperar... pra subir tudo de escada vc paga 8€ ou pode pagar 10€ e subir uma parte de elevador e depois mais de 300 degraus a pé, optei pela segunda opção...rs... afinal era uma diferença baixa, não havia fila pra comprar o ingresso, a subida vai acompanhando a cúpula e as paredes vão entortando, e quem sofre de claustrofobia não aconselho fazer essa subida, pois há janelas apenas em raros trechos e são minúsculas... a vista é para toda praça de São Pedro e vc consegue ver muita coisa lá de cima, acho que vale a pena ver a cidade do alto e ter essa visão fantástica!! Quando desci tinha uma fila já grande, então vá cedo!! Depois encontrei as meninas, tiramos algumas fotos da Praça e de lá seguimos a pé para o Museu do Vaticano, que fica pertinho! A fila estava imensa, muito surreal, mas ainda bem que tinhamos comprado nossos ingressos antecipadamente pelo site e custou 21€ (taxa de 4€ inclusa), esse ingresso inclui a Capela Sistina, tá gente? Olha, não sei explicar como estava o Museu, era algo insano de tão lotado... éramos levadas pelas pessoas, e olha que chegamos cedo, meu Deus! Todas nós nos sentimos muito mal, pois estava lotado e lá não tem ventilação direito, estava muito quente e era sufocante!! Não consegui ver nada direito, só queria sair de lá...rsrs! Infelizmente não pude aproveitar muito e fiquei bem chateada, deve ter sido azar de justo naquele dia estar tão lotado, acontece né?! Como estávamos nos sentindo péssimas, só queríamos logo chegar na Capela Sistina e parecia que nunca chegaria, sempre mais e mais corredores, escadas e salas... até que vimos a porta da capela (aleluia!!). Posso dizer a vcs que só esse lugar já vale o ingresso, é de cair o queixo mesmo... gente, é lindaaaa, maravilhosa, impressionante!!! Michelangelo estava realmente inspirado!!! Lá dentro não pode tirar fotos, mas tirei uma escondida...rsrs!! Se vc não é do tipo fã de museus, tudo bem, mas vá ao menos pra se deslumbrar com essa obra incrível, não deixe de conhecer a Capela Sistina!!! Saímos do museu e procuramos um lugar pra comer, decidimos por um restaurante em uma das ruas próximas e rachamos umas pizzas. Eu havia reservado horário para visitar a Necrópole do Vaticano, então me separei das meninas aqui e voltei para o Vaticano sozinha. Esse passeio é pouquíssimo divulgado e muito difícil de conseguir, mas se vc se antecipar muito conseguirá um encaixe! Ele consiste em poder conhecer a Necrópole que fica abaixo do Vaticano, e visitar o túmulo de São Pedro... é uma experiência muito incrível e mesmo que vc não seja católico ou religioso, é algo bem diferente, pois vc passa por lugares que pouquíssimas pessoas possuem acesso. Não é muito divulgado para continuar sendo algo mais restrito, a visita deve ser agendada com o envio de um email em italiano para o vaticano dizendo os dias que vc estará na cidade e que deseja realizá-lo, vc poderá informar também o idioma que prefere da visita guiada, escolhi português e consegui!! Dura umas 2h toda a visita e é muito interessante, caso tenha disponibilidade pra vc eles enviam um link pra que vc efetue o pagamento, que custa 13€! É proibido tirar fotos ou filmar lá embaixo.... Se alguém se interessar em fazer essa visita só me falar aki o email que envio mais detalhes de como fazer certinho e tudo mais ! Bom, depois dessa visita incrível, vc acaba encerrando o passeio no lugar onde existem os túmulos dos papas, que fica no andar abaixo da Basílica e pode entrar novamente na igreja, caso ainda não tenha ido. Quando terminei a visita, assim que sai mesmo começou a cair uma tempestade, era muita chuva mesmo!!! Parecia coisa de filme...rsrs... todo mundo correndo, ventania, trovões e todos entraram na Basílica pra se proteger, a chuva começou a entrar até lá e tinha muita gente apavorada e eu só admirando...sabia que estava segura...rs... foi algo bem surreal! Passada a tempestade o sol abriu novamente e resolvi voltar pro hostel, não queria arriscar de pegar outra chuva assim...rs! Antes dei uma passada no mercado e comprei algumas coisas pra jantar e fazer um lanche no aeroporto no dia seguinte! Depois arrumei tudo, pois sairia logo pela manhã e desta vez partiríamos para o lugar mais aguardado da nossa viagem, a Grécia!!! Gastos do dia: 2 tickets metrô = 3€ Coca = 2,50€ Souvenirs = 14€ Cúpula Basílica de São Pedro = 10€ Pizza + coca/3 = 6,66€ Mercado = 10,57€ Total: 46,73€ Dia 20 - Zakynthos Chegamos ao dia mais aguardado da viagem, finalmente conhecer as ilhas gregas...rs! Desculpa gente, mas quem não sonha em conhecer a Grécia? Eu nunca pensei que poderia ir, ainda mais em uma viagem que incluia várias outras cidades caras, como Paris, Londres e outras, mas com um bom planejamento tudo é possível sim! Bom, neste dia acordamos cedo pois agora não pegaríamos mais ônibus ou trens, onde as estações costumam ficar bem no centro e não há problemas pra chegar, aeroportos são sempre distantes e sendo assim, combinamos de nos encontrarmos na estação do Termini, pois nosso ônibus até o aeroporto sairia de lá! Antes, passamos em um hotel próximo pra deixar nossa bagagem guardada, foi a melhor coisa que fizemos pois viajamos super leves e sem as bagagens maiores, já que as meninas estavam com malas grandes e eu com uma mochila de 70l que já estava bem mais pesada, devido as comprinhas que vamos fazendo durante a viagem...rs! Usamos o serviço da Nannybag e super indico, 5 dias para guardarem a bagagem saiu por 24,70€ e com isso pudemos viajar tranquilas sem nos preocupar com os vôos lowcost, pois pra adicionar bagagem sai mais caro né?! Levei apenas a mochila básica com tudo que usaria na Grécia e foi ótimo! Nosso vôo sairia do aeroporto Fiumicino e compramos o bilhete pela Terravision que custou apenas 5€, pelo site! Recomendo demais, o ônibus foi pontual e chegamos tranquilamente no aeroporto, mas lembre-se de sempre sair com uma boa antecedência para o caso de ocorrer algum problema, né! Uma das meninas atrasou e não conseguiu pegar o mesmo bus que a gente, mas conseguiu pegar outro e chegar a tempo no aeroporto!!! Viajamos pela Vueling e a passagem Roma x Zakynthos custou 51€ com 8 meses de antecedência, isso mesmo, comprei 8 meses antes e foi um ótimo preço, além de o vôo ser direto e não precisar fazer conexão em Atenas!! Chegamos lá a tarde e já tinhamos reservado um carro pelo site da Greeka.com, que eu não conhecia mas que indico bastante por ter sido tudo super certo, o preço foi ótimo também, 51€ para 3 diárias (não por dia, mas o total das 3 diárias foi esse)!!! Como estávamos em 4 saiu super em conta rachar o valor, mesmo pagando mais 5€ cada uma pra adicionar o seguro do carro!! Gente, quem vai a Zakynthos super recomendo alugar carro, pois a ilha é muito grande e não dá pra fazer nada sem agência ou de táxi, pois tudo é longe e não há transporte público, somente no centrinho, na parte mais sul da ilha... Bom, chegando lá e pegando o carro resolvemos abastecer logo e depois seguimos para comprar algumas coisas no mercado, depois ligamos o gps do celular (bendito google maps!!), e seguimos em direção ao hotel, que ficava ao Norte da ilha! Nos hospedamos no Kozanos II, fiz a reserva pelo Hóteis.com e o preço total para 2 diárias foi de 66€ em quarto privativo para 3 pessoas, sem café da manhã, então a diária saiu a 11€ pra cada e já havíamos pago antecipadamente!!! O quarto era ótimo com tv, ar, frigobar, tudo novo e tinha uma mini cozinha, além do banheiro que era bem espaçoso e uma varandinha pra relaxar... o hotel possui piscina e fica a menos de 5min a pé da praia, sem falar de um mercadinho ótimo em frente! Gostamos de tudo e a moça que cuidava de tudo era um amor de pessoa!!! Uma das meninas não tinha conseguido fechar o mesmo quarto que nós, então reservou um só pra ela, mas acabamos ficando 2 em cada quarto, sem problemas!! Neste dia estávamos bem cansadas e acabamos apenas dando uma volta na praia pra conhecer e depois saímos pra comer, eu escolhi uma pizza e confesso que foi a pior pizza da vida...kkkk!!! Era muito estranho o sabor, nossa, me senti frustrada...rs.. mas a senhora do restaurante era tão boazinha que nem reclamei, falei q estava tudo muito gostoso....kkkkk!! Dormimos cedo neste dia e recarregamos as energias!! Gastos do dia: Taxa hotel = 0,50€ Gasolina / 4 = 2,50€ Aluguel carro = 8,25€ Mercado / 4 = 7,10€ Mercado = 8,47€ Pizza + coca = 5,50€ Total: 32,32€ Dia 21 - Zakynthos Acordamos cedo, preparamos uns sanduíches, água, bebidas, biscoitos e jogamos tudo no carro, pois passaríamos o dia conhecendo as praias e com gps ligado, seguimos em direção ao mirante da famosa praia do Naufrágio (Navagio Beach), estávamos mega empolgadas!!! Mas no meio da estrada percebemos que não havia nada...rs...só estrada mesmo e ficamos com medo do combustível não dar, então voltamos bastante pra procurar um posto e isso nos atrasou um pouco pela manhã, mas depois de abastecidas lá fomos nós de novo... aconselho bastante o uso do GPS, pois é tudo em grego nas placas e confunde um pouco...kkkk!!! Quando chegamos, noooossaaaa que visual, é realmente impressionante e muito alto também...kkkk! Estava com vários ônibus de passeios e tinha muita gente na plataforma tirando fotos e até com fila, mas não é alí que vc conseguirá o melhor ângulo, continue caminhando por uma trilha pela direita e tenha cuidado, pois tem muitas pedras e podem machucar os pés... lá na frente vc terá um visual incrível e de tirar o fôlego, e a cor do mar é surreal... um azul esplendoroso!!! Mas muito cuidado hein gente, pq é muito alto e confesso que eu fiquei apavorada, pois tenho medo de altura...rsrs... e não há nenhum tipo de corda, ou grade... nada, mas vale demais a pena, com toda certeza!!! Ficamos lá um bom tempo batendo muitas fotos, muitas messsmooo...hehehe...depois voltamos pro carro e seguimos em direção ao porto Vromi, o lugar mais perto até a praia de Navagio, pois a praia só é acessível através de barcos, mas a praia do porto é uma beleza a parte, confira na foto!!! Existem diversos barquinhos que fazem esse passeio, encontramos um que nos cobrou apenas 10€ por pessoa pelo passeio de 3h e não estava muito cheio, foi um excelente preço, já que costumam cobrar de 25 a 30€ por esse passeio, por isso aconselho a fazer o passeio saindo deste lugar, pois além de mais barato é mais rápido pra chegar na praia!!! Antes de chegar até Navagio, paramos nas Blues Caves e só de passar por lá já impressiona bastante a cor da água!!! Como o barco era pequeno ele conseguia entrar nas cavernas, diferente dos grandes que só conseguem te mostrar por fora... depois de um tempo por lá, seguimos para Navagio e ao nos aproximarmos já nos deslumbramos com a cor do mar... é lindo demais!!! A praia não estava muito cheia, ficamos por lá por 1h e deu pra aproveitar bastante! A água é gelada, igual as praias do Rio, então achei de boa, mas a maioria dos turistas não entravam na água, ficavam só tomando sol...rsrs... eu aproveitei bastante!! Fiz meu lanchinho na areia e foi perfeito, por isso aconselho a levar algo pra comer e beber, pois lá não tem nada!! Voltamos pro Porto e seguiríamos pra outra praia, mas nos perdemos, pois o gps nos levou pra uma estrada que nem tinha como o carro passar e nisso perdemos muito tempo e acabamos voltando pro hotel e passamos o resto do dia na piscina relaxando... Gastos do dia: Gasolina / 4 = 7,50€ Lembrancinhas = 3€ Mercado = 1,55€ Água = 0,50€ Passeio Navagio = 10€ Total: 22,55€ Dia 22 - Zakynthos Era nosso último dia na ilha, então fizemos o checkout e deixamos nossas coisas guardadas no hotel e como nosso vôo sairia somente a noite, decidimos conhecer as praias do sul da ilha... seguimos até a praia de Laganas, que estava bem cheia e é onde a maioria das pessoas se hospedam, pois há toda variedade de comércio, onde fica o agito e também de onde saem vários tipos de passeios, se vc não usar carro, aconselho a ficar nesta parte da ilha!! A praia não é bonita... a areia é escura e a praia é comum, mas alí vc encontra de tudo!!! Bom, pesquisamos muito pois os valores estavam bem altos para um passeio que consistia em visitar a ilha que ficava em frente a esta praia, a Marathonisi, mas finalmente encontramos um preço razoável e pagamos 12€ cada, todos estavam cobrando 20€ (absurdo)!!! O barco era com vidro embaixo e o condutor ainda conseguiu nos levar pra ver as tartarugas careta-careta que são gigantes e muito lindas!! Depois ele percorreu por algumas Caves parecidas com as que tem perto da Navagio e só depois desembarcamos na Marathonisi!!! Ficamos lá por umas 2h e a ilha é bem pequena, um lado estava lotado e o outro tinha bem menos pessoas... fiquei longe da muvuca, claro...rsrs!! Lá vc já encontra lugar pra comprar comida ou bebida, mas como levei minhas coisas não comprei nada e fiquei só curtindo o lugar, bem bonito também!!! Depois voltamos pra Laganas, mas ninguém quis ficar por lá e resolvemos voltar pro hotel pra descansar, como estávamos em final de viagem o cansaço pesava um pouco, pois era uma viagem bem intensa e sabe como é final de viagem, o corpo vai pedindo arrego...rs... chegando no hotel ficamos na piscina relaxando, tomando sorvete e comendo as coisas que sobraram do mercado...rs... A moça do hotel liberou um quarto pra gente usar pra tomar banho e nos arrumar antes de ir embora, isso ajudou muitooo!! Ela foi uma fofa!! Seguimos para o aeroporto, devolvemos o carro e aguardamos nosso vôo com destino a Atenas!!! O vôo Zakynthos x Atenas custou 41,47€ pela Olympic Air, e comprei com 6 meses de antecedência... vc também pode ir de balsa + ônibus e acho que custa uns 35€, se não me engano, como a diferença era mínima, optei pelo aéreo!! Chegando em Atenas, pegamos um ônibus que leva até o centro, pois pelo horário os táxis estavam bem salgados, esse ônibus custa 6€ e vale a pena, pois te deixa na praça syntagma que é o lugar mais central, de lá pegamos um táxi que cobrou 10€ pra nos levar até o hostel, então foi bem baratinho ;)!!! Gastos do dia: Cocas e água = 3,60€ Passeio Marathonisi = 12€ Mercado = 2,55€ Ônibus Aeroporto de Atenas = 6€ Táxi / 4 = 2,50€ Total: 26,65€ Dia 23 - Atenas Nos hospedamos no Sparta Team Hotel, o quarto duplo com banheiro compartilhado sem café da manhã custou 21€, então ficou 10,50€ pra cada uma, fiz a reserva pelo Hóteis.com e já havia pago antecipadamente. Mas não indico este lugar, pois fica em uma rua muito estranha, inclusive o taxista que nos levou disse pra tomarmos muito cuidado, pois alí era perigoso, de dia acho que não tinha problemas, mas a noite era assustador!! Apesar de ser perto da região central, o lugar era estranho mesmo e o hotel é muito ruim também! Vc pode encontrar lugares muito melhores na cidade, por pouca diferença de preço!! Pela manhã decidimos já levar nossas coisas pra não ter que voltar até o hotel, pois ficaríamos apenas 1 dia na cidade e a noite seguiríamos para o aeroporto novamente!!! Fomos caminhando do hotel até a Acrópole, era perto, o que matou foi a subida...rs...pois estava bem quente, mas ainda bem que pegamos o caminho mais curto, pois a subida pelo museu da Acrópole é mais puxada e é onde a maioria dos turistas sobem, foi oque disseram, e nós subimos pelo outro lado, fica a dica!!! Chegando lá não havia nenhuma fila para a compra de ingressos e pagamos 20€ para entrar, tente ir cedo pois a cidade é bem quente e não há sombra quando vc percorre as ruínas... Eu senti algo especial quando cheguei lá, pois é muita história alí, algo q não dá pra explicar... semprei sonhei em estar alí e demorou pra ficha cair...rsrs!! Eu estava pisando em um lugar emblemático, realmente algo que me fez acreditar que nossos sonhos podem sim se realizar!!! Caminhei sozinha e fiquei pensando em tudo, em como cheguei até lá... olhando aqueles monumentos fantásticos e só contemplando tudo aquilo... A Grécia, sem dúvidas, foi um país que me conquistou demais!!! Depois de percorrermos tudo e tirar muitas fotos, foi hora de descer pois neste dia seria o segundo jogo da seleção e queríamos assistir em algum lugar, então procuramos um restaurante legal e pedimos uma pizza e ficamos lá torcendo, foi bem legal e os gregos estavam torcendo com a gente...hehehe!!! No final do jogo pedimos a conta e vimos que estavam cobrando pela água, que eles haviam dito ser cortesia e questionamos, eles corrigiram e como desculpas ainda nos deram uma sobremesa!!! (Chato isso né?!) Kkkkk!!! Depois caminhamos pelas lojas e comprei várias lembrancinhas, vimos muita coisa e depois ficamos relaxando e fugindo do calor que estava insuportável!!! Acabamos desistindo de ir até o museu da Acrópole pq estávamos muito cansadas, mas teria dado tempo então se me perguntarem se 1 dia é suficiente para Atenas, eu digo que sim, pois não fizemos mais coisas por ter ficado assistindo jogo e ter passado tempo pelas lojas também!! Pegamos o metrô para ir até a praça syntagma e acabamos pegando a linha errada, vi que a direção era errada, descemos e perguntei a uma senhora q só falava grego, mas por incrível que pareça consegui entendê-la, até hj não sei como....kkkkkk.... entramos na linha certa e descemos na praça e estava lotada, pois rolava alguma manifestação pacífica, pegamos o ônibus até o aeroporto, onde ficamos fazendo hora... acabei "jantando" no McDonald's e depois pegamos nosso vôo. Paguei 35,57€ no vôo Atenas x Santorini pela Ryanair e comprei com 6 meses de antecedência, vc também tem a opção de ir de balsa, mas não sei o valor... chegamos depois da meia noite e por isso pegamos um táxi até o hotel, pagamos 25€, sendo que o hotel queria nos cobrar 40€ pelo transfer (É mole? aff!), ainda bem que não fechamos com eles!!! Gastos do dia: Acrópole = 20€ Pizza / 2 = 4,50€ Água = 0,50€ Coca = 1,40€ Lembrancinhas = 13€ Metrô = 1,40€ Ônibus para o Aeroporto = 6€ McDonald's = 6,80€ Total: 53,60€ Dia 24 - Santorini Nos hospedamos no Porto Castello, o quarto duplo sem café da manhã custou 41€ e como dividimos não ficou caro, fiz a reserva pelo Hóteis.com e paguei antecipadamente, haviam hosteis mais baratos na ilha, mas ficavam muito distantes e como só teríamos 1 dia na cidade, optamos pela localização pra ganhar tempo, sem falar que esse hotel tinha transfer gratuito para o centro e ficava ao lado da praia e também tinha piscina!! Por volta do meio-dia (ficamos até o limite do checkout...kkkk) pegamos o primeiro transfer para o centro já com nossas bagagens, pois não voltaríamos para o hotel e descemos próximo ao terminal de ônibus, de lá pegamos o ônibus até Oia, parte mais famosa da ilha e passamos todo o dia por lá, já chegamos procurando um lugar pra comer e decidimos por um restaurantezinho ao lado da estação de ônibus, optamos em experimentar o Pita Gyro e que negócio gostoso, nossa, muitoooo bom e super baratinho, pedi ainda uma porção de batata e um refri e tudo custou 6,80€ pra uma ilha como Santorini eu achei muito em conta!! Depois caminhamos pela cidade e seus becos, que lugar lindo!! Exatamente como eu imaginava, e a vista pra caldeira? Nossa, é uma pintura.... Santorini é de ficar babando!!! Sério, é muito linda!! E também muito cheia, um mar de gente passando o tempo todo!! Estava muito calor, sol a pino e muita gente procurando uma sombra. Ainda visitei a igreja da praça, minúscula, mas bem diferente!! Quando já estava entardecendo voltamos pro restaurante pra comer novamente, dessa vez eu quis só o Pita gyro, ainda tomamos um sorvete e pegamos o ônibus de volta para o centro da ilha, mas estávamos tristes pois não veríamos o pôr do sol, já que não daria tempo, pois tinhamos que pegar o vôo de volta pra Atenas, achávamos que só de Oia que era bonito, mas chegando no centro decidimos dar uma olhada subindo uma rua e pra nossa surpresa estava lindo demais!!! Tinham várias pessoas assistindo e rolava até uma comemoração com música e dança, foi bem legal, só depois que o sol se pôs que decidimos ir pro aeroporto! Quando chegamos na estação descobrimos que só teria ônibus pro aeroporto em 2h e não daria pra gente esperar, pois arriscaria perder o vôo, decidimos pegar um táxi, mas quem disse que passava algum? Nada, nenhum, zerooo!! Começamos a nos preocupar, a hora estava passando... até que resolvemos pedir informações e um português nos falou onde era o ponto de táxi e fomos pra lá, tinha um pessoal lá também esperando e nada de aparecer táxis... ficamos um bom tempo até aparecer um, mas havia se formado uma fila e depois de uns 3 táxis é que pudemos pegar o nosso, custou 20€ até o aeroporto. Chegamos no aeroporto e estava lotadooo, ele é minúsculo e as filas estavam dando voltas...surreal, uma bagunça!!! Vários vôos estavam atrasados e chegando cada vez mais pessoas, não tinha lugar pra todos sentarem, ficou todo mundo aglomerado, um calor danado, crianças chorando, pessoas reclamando... olha, foi horrível!!! Nosso vôo atrasou bastante e quando apareceu no portão de embarque foi um alívio, não aguentava mais... Comprei Santorini x Atenas pela Aegean Airlines e custou 19,55€ com 6 meses de antecedência!! Chegamos em Atenas apenas para passar a noite e depois pegaríamos um vôo pela manhã de volta a Roma. Nos hospedamos no Apartaments Tina, pagamos 21,25€ cada e incluía transfer de ida e volta para o aeroporto, além de um pequeno café da manhã, pequeno mesmo tá...kkkk... uma torrada, um café e um bolinho!! Acho que vale a pena para quem quer apenas dormir perto do aeroporto, era um quarto pra 4 pessoas confortável, com ar, tv, cozinha mas bem longe do centro... fiz a reserva pelo Booking.com!! Vale pra vc descansar e pq inclui transfer, assim economiza com transporte ! Chegamos super cansadas, então foi banho e capotar na cama, apaguei!!! Gastos do dia: Taxi / 4 = 6,25€ Água + coca = 2,50€ Ônibus ida e volta Oia = 3,60€ Souvenirs = 4€ Almoço = 6,80€ Sorvete = 5€ Táxi / 4 = 5€ Pita gyro + coca = 4€ Hospedagem em Atenas = 21,25€ Total: 58,40€ Dia 25 - Roma Acordamos cedo, pegamos o transfer do hotel, que já estava incluso, e seguimos para o aerorto de Atenas. Dessa vez chegaríamos pelo aeroporto de Ciampino, que fica mais próximo do centro de Roma! O vôo foi pela Ryanair e a passagem custou 29,50€ com 6 meses de antecedência. Chegando no aeroporto, mais uma vez usei o ônibus da Terravision que custou 5€ e eu já havia pago pelo site antecipadamente. Esse aeroporto é bem pequeno e muito fácil identificar onde ficam os ônibus. Estávamos de "pasagem" por Roma, já que a noite seguiríamos para Milão de trem, então aproveitamos para conhecer alguns lugares que ainda não havia passado. As meninas seguiram para ver lojas e eu aproveitei para ver alguns pontos e combinamos de nos encontrarmos no Termini no final do dia. Fui caminhando da estação até a Basílica de San Pietro In Vincoli, onde há o Moisés de Michelangelo e as Correntes de Pedro, essa igreja fica meio escondida, mas valeeee muito a pena conhecer, pois é uma das igrejas mais importantes de Roma!! Depois segui caminhando pela cidade e cheguei até a Fontana de Trevi, pois só tinha visto a noite, e ela estava lotada, mas deu pra tirar algumas fotos...rs... fiquei por lá um tempo!!! Continuei minha caminhada pela cidade e acabei parando na Basílica di Santa Maria degli Angeli e dei martiri, que me impressionou bastante, e até assisti a uma missa e uma apresentação de órgão, que é gigantesco!! Foi um momento de paz e reflexão... foi o momento de me despedir da cidade também, pois ela fica bem pertinho do Termini, na Piazza della Reppublica! Depois passei em um mercadinho, comprei algumas coisas e encontrei as meninas e fomos buscar nossa bagagem que havíamos deixado em um hotel antes de ir para Grécia, lá tinha banheiro e usamos para nos trocar e só então seguirmos para a estação onde pegaríamos o trem noturno para Milão!!! Nosso trem saiu de outra estação e não do Termini, foi o único momento que usei um bilhete de metrô neste dia, pois dá pra fazer muita coisa a pé na cidade, fica a dica!!! Gastos do dia: Mercado = 13,42€ Água = 1,50€ Total: 14,92€ Dia 26 - Lugano Muita gente deve estar perguntando, mas pra quê vc voltou pra Milão? Bom, na verdade, eu voltei pq tinha muita vontade de conhecer a cidade de Lugano, uma cidade Suíça que fica pertinho de Milão e o vôo de Milão para Paris estava bem mais em conta do que de outras cidades, já que eu voltaria por lá uni o útil ao agradável!!! Bom, paguei no trajeto Roma x Milão a bagatela de 7,90€ pela Trenitalia, e como o trem era noturno ainda economizei em hospedagem para este dia...rs... comprei essa passagem com 2 meses de antecedência pelo site! Já havia comprado a passagem de ônibus para Lugano e paguei 8€ pela Flixbus com 3 meses de antecedência, então foi bem vantajoso!! Chegamos em Milão totalmente quebradas e cansadas, pois além de estarmos no final da viagem, dormimos no trem, que não é a mesma coisa de dormir em uma cama confortavelmente...rs... as meninas pareciam bem desanimadas pra conhecer mais uma cidade e enfrentar mais 1h de ônibus e confesso que até eu estava...rs... pegamos o metrô até a estação que pegaríamos o ônibus e a viagem foi bem rápida mas chegando na cidade o ônibus nos deixou no meio do nada, no meio de uma estrada e nem tinhamos francos suíços pra pegar transporte, decidimos andar até um ponto de ônibus e tinha uma máquina pra comprar bilhetes que aceitava euros.... modernidade é outro nível né gente!!! Hahahaha!!! Estávamos na Suíça!!! Acabamos comprando o bilhete errado, mas o motorista viu que éramos brasileiras e viu que foi erro mesmo e não má vontade e ele era português e falou na nossa lingua que estava tudo bem, que era só pra prestarmos atenção na volta e até ficou batendo papo conosco e nos desejou um ótimo passeio pela cidade!! Descemos na estação central da cidade, trocamos alguns euros por francos suíços na casa de câmbio da estação e deixamos nossa bagagem nos armários de lá e fomos caminhando para o centro... Quando chegamos no centro todo o desânimo foi embora, ficamos de boca aberta com a cidade, com o clima, com as ruas, com o lago, com tudo! Ficamos completamente encantadas com Lugano, uma cidade linda e que impressiona... vale muito a pena fazer um bate-volta na cidade caso vc esteja por Milão, afinal, onde mais vc vai ver lindos cisnes nadando em um lago completamente cristalino? Sério, não deixem de conhecer!! Sem falar nos chocolates, nossa, comprei vários, já estava no final de viagem e foi perfeito....rsrs!!! As lojas aceitam euros, mas lhe devolvem o troco em francos, caso sobre... então veja se vale a pena, paguei algumas coisas em euros e utilizei o restante dos francos no mercadinho pra lanchar no caminho de volta... Ficamos sentadas comendo na beira do lago e foi uma paz tão grande, deu pra dar uma recarregada nas energias e foi uma cidade que nos surpreendeu muito, amamos Lugano!! A tarde voltamos para a estação pegar nossas coisas, e desta vez voltamos de trem, então foi bem mais fácil, porém o trem é bem mais caro que o ônibus, a passagem custou 24€ pela Trenitalia, ao qual eu já havia comprado pelo site, e nos deixou na milano central... ao lado desta estação ficam os ônibus para o aeroporto e vale a pena pelo valor, apenas 8€ pela Terravision, mas cuidado, pois existe mais de 1 aeroporto na cidade, então veja direitinho qual ônibus vc deve pegar, o nosso era o aeroporto de Malpensa e pegamos um bom transito devido a um acidente na estrada, ainda bem que saímos com bastante antecedência e deu tudo certo!!! Chegando no aeroporto pegamos o vôo de volta a Paris, o valor da passagem foi de 25,83€ pela Vueling, com 8 meses de antecedência e paguei mais 17€ para despachar minha bagagem, foi a única vez que paguei por bagagem em toda viagem, mas estava ok, pois estava indo para o último trecho da viagem e minha mochila estava bem grande e dobrou de peso desde o início da viagem...rsrss!!! Se vc voar de Milão a Paris não deixe de admirar o belo visual dos Alpes pela janela do avião.... é lindo demais!! Chegamos em Paris já bem tarde e como nosso vôo para Lisboa sairia bem cedinho, resolvemos não pagar hospedagem, pois gastaríamos com táxi também por ser muito cedo e decidimos passar a noite no aeroporto, nem sabiamos se poderia, pois o aeroporto de Orly fecha mas ficamos por lá e deu tudo certo, vimos muitas pessoas ficando por lá pra passar a noite também... tinha um mercadinho dentro do aeroporto e comprei algumas coisas pra passar a noite Gastos do dia: Metro = 1,50€ Ônibus = 1,80€ Chocolates e souvenirs Lugano = 30€ Armário = 4,50€ Mercado = 4€ Mercado aeroporto Orly = 7,92€ Total: 49,72€ Continua... Obs: Vou atualizando aos poucos, pois é muita informação, mas prometo tentar fazer isso semanalmente ou até menos. Não esqueçam da dica pelo Booking vc consegue receber de volta R$50,00 no seu cartão após o check-out da hospedagem, basta que a reserva seja de no mínimo R$100,00. Vc realiza a reserva por este link e recebe o valor de volta no cartão que usou, vale pra usar uma única vez ok! Clica neste link: https://www.booking.com/s/43_8/733e5f83 Postei um vídeo com algumas imagens dos locais que passei, então vcs podem ver o que vem por aí neste relato! Caso surjam dúvidas, podem me chamar no insta: @viajacris 😉
  16. 13 pontos
    Depois de 5 meses de planejamento, no primeiro dia do ano peguei um avião rumo à Patagônia! Eu deveria estar super feliz, mas ao invés disso eu estava triste e com um nó enorme na garganta. Foi minha primeira viagem sozinha. Desejei tanto essa viagem e no meu ímpeto de conhecer o mundo me esqueci que, na verdade, eu sou uma pessoa tímida. É uma luta brava ter que interagir com desconhecidos. Mas não tinha mais jeito. Bastaram 5 minutos de coragem insana. Fui. Ainda bem. A viagem durou 17 dias, que dividi - não proporcionalmente - entre a Patagônia Argentina e a Patagônia Chilena. Fiz o roteiro da seguinte forma: São Paulo ⇒ El Calafate ⇒ El Chaltén ⇒ Puerto Natales ⇒ Torres del Paine ⇒ Punta Arenas ⇒ Ushuaia ⇒ São Paulo. Cheguei em El Calafate pela manhã, peguei um transfer no aeroporto - que custou 180 pesos - deixei minha bagagem no hostel e fui conhecer a cidade. A cidade é pequena, a rua principal me lembrou Campos do Jordão, só que mais simples. Apesar disso, os preços são bem salgados por lá. Os mercados não tem tantas opções e os restaurantes, em grande variedade, também não tem preços muito convidativos. Li muito sobre cada um dos destinos e fui distribuindo os dias de acordo com os meus objetivos em cada um desses lugares. Na volta, almocei num restaurante chamado Rutini: sopa de abóbora, um filé a milanesa napolitano com fritas e uma Quilmes. Paguei 430 pesos. Algo em torno de 60 reais.Caminhei por aquelas ruas tranquilas até o Lago Argentino. Fiquei um bom tempo lá fotografando e sentindo o vento bater no rosto. Vi alguns flamingos de longe e também vi alguns canos de origem duvidosa desembocando no lago. Uma pena. Gastei mais 300 pesos no mercado comprando frutas, amendoim, suco, água, um pacote de pão, um pote de doce de leite e uma peça pequena de mortadela. Isso foi meu almoço, janta e lanche para os próximos dias. Em El Calafate meu principal - para não dizer único - objetivo era conhecer o Glaciar Perito Moreno, uma das maiores geleiras do mundo. Então comprei um passeio na própria recepção do hostel: Tour Alternativo Al Glaciar Perito Moreno. Esse passeio, além de levar ao parque, passa por um caminho "alternativo", vai por dentro da Estância Anita, atravessada pelo rio Mitre, a maior e mais importante da região. O tour é muito atrativo porque o ônibus vai parando na estrada, os turistas descem e tiram fotos à vontade e os guias vão contando histórias - muito interessantes, sobre a colonização da província - que você não saberia de outro modo. O tour custou 800 pesos e o ingresso do parque - pago somente em dinheiro, na entrada do parque - saiu por 500 pesos. Foi barato? Não. Valeu a pena? Muito! Esses passeios, e qualquer outro, são fáceis de encontrar. Há muitas opções de agências no centro da cidade. Se você for mais ansioso (a), também tem a opção de comprar antecipadamente, pela internet.Chegando no parque, a estrutura surpreende. São quilômetros de passarela, nos mais diferentes ângulos, para você apreciar o Glaciar Perito Moreno e toda a natureza daquele lugar fantástico. Foi uma das coisas mais incríveis que eu já vi na vida. Me faltam palavras para descrever. É majestoso. A natureza é maravilhosa. Fiz o passeio mais simples do parque: a pé, através das passarelas. Mas vale lembrar que existem passeios de barco e caminhadas em cima da geleira também. O que eu te digo sobre esse lugar: você precisa ver de perto. Não há foto ou vídeo capaz de reproduzir toda a sua grandiosidade. Os sons do gelo caindo, o sol refletindo naquela imensidão branca, os inúmeros tons de azul, os pássaros, o vento. Tudo. A natureza é perfeita. Cada pedacinho dela. Espero que esse relato tenha te deixado, no mínimo, curioso para ver com seus próprios olhos. Fico por aqui, mas logo eu volto para continuar contando a minha aventura pela Patagônia. O melhor ainda está por vir! Ah! E o que eu aprendi até aqui: encare seu medo. Até logo, aventureiro!
  17. 12 pontos
    Ola pessoal!!! Isso daqui é uma tentativa de fazer um guia completo sobre o Atacama, onde vou tentar detalhar tudo q da pra fazer e como fazer, segundo a experiencia de quem morou la por 6 meses e muito provavelmente vai voltar a viver la depois de setembro. Primeiro de tudo como chegar? Para quem esta sem meio de transporte propio: 1- Via aeroporto de Calama - Ha varias opçoes de transfer q custam em média 12.000 CLP ida e 20.000CLP ida e volta (por relatos q ouvi as melhores são Vivi tranfer e TransVIP) 2- Via Rodoviaria de Calama(ha mais de uma rodoviaria em calama, uam de cada empresa, coisa de loco) - Bus por entre 3.000 e 3.500 3- Via Tour pelo salar de Uyuni - O tour de 3 dias saindo da cidade de Uyuni na Bolivia custava cerca de 100USD. Chegando em San Pedro Clima De maio a Agosto faz um frio desgraçado. De Setembro a Abril faz um frio razoalvel pela noite e pela manha, mas clima agradavel durante o dia. A estaçao das chuvas é de entre fim da janeiro até começo de março e isso pode realmente estragar seu tour, esse ano os geyser del tatio ficaram inacessiveis por mais de uma semana, cuidado ao vir nessa epoca, vai muito da sorte Mal de Altitude, vende se remedio pra isso nas farmacias, tb ha a famosa folha de coca pra fazer cha e uma erva local chamada chachacoma tb pra fazer cha q ajuda combater esse mal q os sintomas em geral é dor de cabeça, dificuldade pra respirar e vomitos!!! San pedro esta ha 2.500m, nao é tao alto, mas mal de altura cada pessoa sente diferente. Hospedagem Não tem nenhum tipo de transporte publico em San Pedro, só taxi, então evite lugares muito afastado do centro. Onde é o Centro? Proximo da Igreja e da praça, evitar escolher lugares q fiquem a mais de 20 minutos de caminhada do centro. San Pedro tem hospedagem desde hostel bem simples na casa de 6.000 a 10.000 pela diaria, até hoteis 5 estrelas q custam centenas de dolares uma noite. De hostel q ouvi falar bem por turistas Pangea, o mais famoso dos hostel de San Pedro. Tatais, lascar, Atacama roots e Matty. Outro interessante é o Aji verde, tem uma boa area outside com arvores. Campings, tem muitos pela cidade q cobram um pouco mais barato q hostel e tb se pode fazer camping "selvagem", nao recomendo muito, mas muita gente faz, risco bem baixo de ser roubado, mas eu nao arriscaria. Alimentação Vc não vai encontrar nada por menos de 4.000 o menu(Uma sopa de entrada e um prato principal) e esse lugar de 4.000 se chama "los carritos", pergunte e qquer local vai saber te informar, fica perto do campo de futebol. Ha outros restaurantes na casa dos 5.000 a 6.000 como o Pica del Indio(se acostumem comer nas pica, pelo chile, pica significa restaurante bom e barato) Outro um pouco mais caro q eu curto é o Delicias de Carmen, sai uns 10.000 o prato. Bares NOTA: NÃO SE PODE BEBER NA RUA NO CHILE, SOB RISCO DE MULTA. Nota2: Pra consumir bebidas alcoolicas num bar tem q se comer algo. O unico bar q nao se necessita comer em San Pedro é o Chelacabur, mas la só vende cerveja, nada de destilados e la vende a melhoe piza de San pedro, nao é feita la eles pegam numa pizzaria na esquina. Outros bares, tem o Los gordos, Barros e Mal de Puna. Alem de Bares para beber ha uma opção pouco divulgada, chamada "los pimentos"ou "praitas", q são festas semi clandestinas( digo semi pq é proibido ter isso em atacama, mas a policia sabe da mesma, só q finge na ver), só perguntar no seu hostel, mas fica bem proximo ao mal de puna, na saida da cidade no meio de um terreno perto do rio, o pessoal leva uns alto falantes movidos a bateria de carro, lanternas e cooler e a festa roal até proximo do nascer do sol. (Dica, levem sua bebida, pq sai caro comprar la(Nota em san pedro só vende bebidas em lojas de bebidas, nao vende em mercado comum)). Artesanatos Infelizmente a grande maioria dos artesanatos, vendido la nao é feito a mao e sim bugigangas feitas industrialmente na bolivia e peru, com algumas varas excessoes, como os artesanatos q vendem do lado da rodoviaria e nos povoados de Socaire e Toconao. Mercados Não tem mercado grande la, só mini mercados, então os preço são meio caros, alias bem caros(pra quem chega de bus por calama e for ficar muitos dias e cozinhando no hostel, recomendo procurar um hipermercado de calama). Agencias de turismo Sim creio q é oq todos querem saber, acho q a parte mais dificil de dar dicas, mas vamos la. Tirando algumas exceções tanto pra boa quanto pra ruim, as agencias de San Pedro são quase a mesma coisa, fazem os tours pros mesmo lugares en vans, então o diferencial fica mais por conta de qualidade do veiculo e do café da manha e de certa forma do guia(mas ja ouvi reclamaçao sobre guias de agencias chamas de as melhores de SPA). Pra escolher funciona assim, agencias q tem o mesmo preço ou preço bem proximo( 10% pra cima ou pra baixo) vão oferecer o mesmo serviço. Excessão pra cima, são por coincidência as agencias focadas em brasileiros q é a Flavia Bia, Allyu e Araya, mas as mesmas tem o preço q nao cabe no orçamento da maioria das pessoas e coloquei os nomes na ordem da mais cara pra mais barata. Excessão pra baixo, Licanantay Turismo( Agencia do Jesus), é a mais barata de San Pedro, mas a qualidade é pessima, não to falando de algo ruim, to falando de pessimo mesmo, se tiver duvidas só ver os reviews do google e trip advisor. Do resto é tudo quase a mesma, nao vou ficar dando nomes, q nao ponho minha mão no fogo por nenhuma, usem o trip advisor e google pra ler review. E tb tem uma coisa q passa muito em San Pedro, é o "TRASPASSO", quando uma agencia nao tem passageiros o sufiente pra sair com um tour sem tomar prejuízo, elas vende esses pasajeiros pra outra agencia q ainda tem vaga(As 3 agencias brazucas q citei, na fazem isso, sem mesmo se for 2 pessoas, por isso sao tao caras), la vc acaba comprando gato por lebre as vezes. Outra fonte variaçao de preços é a quantidade de pessoas por auto, em geral são vans pra entre 12 ou 18 pessoas, as tb algumas agencias trabalham com buses pra 24 pax. Na boa, falo por experiencia propia como guia de turismo, tuor com mais 15 pessoas começa ficar ruim, sendo 18 o limite extremo pra um guia, mais q isso o tour fica uma merda. Então quando for comprar um tour, minha dica é perguntar se a agencia vai sair ou fazer traspasso e perguntar quanto o maximo de pax, nao vao com mais de 18, paguem 2.000 mais caro, mas peguem uma agencia q sai com menos passageiro. Tb perguntem se vai chofer + guia ou chofer/guia q é outro fator q muda a qualidade do tour, ja q eu dava muita informaçao com o auto em movimento quando trabalhei la e no caso de chofer/guia ele só passa informaçao com o auto parado, automaticamente vc tem menos informaçao. Atracões! Local pra se visitar é oq nao falta, da pra passar uma semana no Atacama e nao se conhece tudo. Vc pode fazer os tour no sistema corrido 2 tours por dia ou bem relaxado, lembrando q alguns locais ficam acima dos 4.000m e é aconselhavel aclimatação, pra nao se sentir mal. Em San Pedro ha atrações q só se chega em autos(particular ou agencia), outros pra ir bicicletas e algumas que até rola ir a pé. Ir a pé Free walking tour - Aquele famoso sistema de city tour q o pagamento é gorjeta no fim do tour no valor q vc acha q vale o tour(recomendo no minimo 5.000CLP), tem as 10am e 3pm, sai da praça san pedro, os guias usam camisetas vermelha e branca listrada. Os 2 tours sao distintos cada um tem foco em uma parte da história de san pedro, portanto se pode fazer os 2 se tiver tempo. Em bike Se aluga bikes em qquer lugar de san pedro com preços na casa de 3.000 meio dia e 6.000 dia inteiro Lembre de pros passeios de bike levar lanche e a agua. Vale da morte/marte(entrada 3.000) pode se ir só pra admirar a paisagem ou alugar um prancha de sand board e passar a tarde ou amanha deslizando nas dunas por la. Pukara de Quitor(entrada 2.000) - Ruinas de uma fortaleza indigena local(uma fortaleza licanantay, q é o onome dos indigenas daqui, tb conhecidos por atacamenos) q fica uns 10 minutos de bike(tb da pra ir a pé se tiver diposiçao), depois de pedala se prepare pra subir a pé pq é um morro e de la vc pode ver toda cidade. Vale de catarpe/Garganta do Diabo(entrada 2.000) (entre 2h e 5h no total)- Um vale verde no meio do deserto, onde vc tanto pode fazer a rota facil q é ir até a igreja passando pelo tambo de catarpe q era uma fortaleza inca(sim, os incas chegaram ao atacama tb) ou fazer as rotas mais dificeis q é garganta do diabo e a rota dos tuneis, onde tem varias subidas e decidas. Aldea de Tulor( entrada nao lembro, mas uns 2.000) - Essas ruinas de uma aldeia dos primeiros habitantes do atacama fica cerca de meia hora de pedalada de San Pedro. Pozo 3 - paga-se 5.000 pra ter acesso a piscinas de aguas termais no meio do deserto, fica uns 30 minutos de pedalada. Ojos del Salar( o tour de laguna cejar passa por aqui), se vc quer dar uns mergulhos sem gastar nada alem do aluguel da bike, se prepare pra pedalar pelo menso uns 45 minutos e vai encontar 2 piscinas naturais de agua gelada e salobra no meio do deserto. Em auto Pode se fazer em auto particular ou com agencias, no caso de fazer com auto partucular se perde toda explicaçao do guia, onde em alguns tour faz toda diferença. Tours de meio dia Vale da Lua - Preço: entre 13.000 e 17.000 - taxa de entrada 3.000 - periodo tarde Laguna Cejar( Lagoa de agua 3x mais salgada q o mar, onde se flutua) - Preço: entre 13.000 e 15.000 - taxa de entrada 17.000 periodo tarde Lagunas escondidas ( outra laguna de agua super salgada q an minha opniao é mais bonita q a cejar) Preço: entre 18.000 e 20.000 - taxa de entrada 5.000 periodo tarde Geyser del Tatio - entre 18.000 e 22.000 - taxa de entrada 10.000 - periodo manha(Nota: ir super agasalhado, faz media de -8 no verao e -15 no inverno) Vale do arco iris e Petogrifos de hebas buenas entre 22.000 e 25.000 - taxa de entrada 3.000 - periodo manha Tour astronomico entre 18.000 e 20.000 - taxa de entrada nao taxa de entrada - periodo noite Termas de puritama entre 12.000 e 15.000 - taxa de entrada 9.000(seg a sex parte da tarde) a 15.000(manha e fds e feriados) - periodo manha e tarde Lagunas Altiplanica - s/ Pedras Rojas entre 25.000 e 30.000 - taxa de entrada 5.500 - periodo manha Tours de dia inteiro Lagunas Altiplanica - c/ Mirante Pedras Rojas(nao chega nas pedras em si com era antes) entre 40.000 e 45.000 - taxa de entrada 5.500 Salar de Tara - entre 45.000 e 50.000 - taxa de entrada - Não tem Trekking Vale guatin/vale dos cactus com termino nas termas - entre 35.000 e 40.000(até menos se tiver um grupo de umas 6 pessoas) - taxa de entrada mesma das termas Cerro toco - 5.500m(mais facil q o lascar) - entre 65.000 e 70.000 (tb é possivel desconto pra grupos 6 pessoas, vai em 4x4 com essa capaciade, igual uyuni) Vulcão lascar - 5.500m - entre 85.000 e 90.000 - (tb é possivel desconto pra grupos 6 pessoas, vai em 4x4 com essa capaciade, igual uyuni) Tour ao Uyuni Os tour ao Uyuni tem de 3 dias(termino na bolivia) e 4 dias (regresso ao atacama 3 dias sai uns 100.000 4 dias uns 120.000 Pessoal tudo q coloquei aqui, foi fruto do conhecimento adquirido ao longos dos quase 6 meses q morei no atacama trabalhando com turismo e em hostel, espero q eu nao tenha esquecido de nada, qquer coisa eu edito e acrescento algo.
  18. 12 pontos
    Vejo muitos tópicos aqui do tipo "viajar sem dinheiro", "viajar pegando carona pra economizar", "como conseguir tal coisa de graça". Acho válido buscar formas de economizar na viagem. Tento salvar uma graninha sempre que possível, admito. Mas também temos que pensar: "o que eu posso dar em troca?". Pq senão fica uma via de mão única: só eu serei o beneficiado. Da mesma forma que tem muita gente que fica pegando dicas/informações nesse fórum mas não colabora com absolutamente nada. Pior: lê informações que vc postou e sequer posta um "obrigado". Eu estou sempre buscando ajuda aqui, mas por outro lado procuro sempre escrever relatos das minhas viagens e responder perguntas para ajudar outros mochileiros. Uma mão lava a outra. No caso do americano citado na matéria, ele fez isso para alertar sobre o desperdício de comida e não só pra "se dar bem e economizar". Pensem nisso. Boa viagem.
  19. 12 pontos
    Olá aventureiros e aventureiras. Vou fazer um relato do meu mochilão Peru e Bolívia, contar cronologicamente como fiz a trip e dar dicas atuais (2018). Por ser um relato detalhado, o post ficou um pouco extenso, então, em algumas partes, eu o fiz de uma forma mais dinâmica para facilitar o entendimento. Lembrando que vou abordar apenas o trajeto terrestre de Rio Branco (Acre) x Cusco (Peru) e de Cusco x Santa Cruz de la Sierra (Bolívia). Esse roteiro foi o que melhor compensou em custo x benefício segunda minhas pesquisas. O trajeto começou com o único voo que fiz. >Avião no aeroporto de Guarulhos-SP para Rio Branco-AC< 380 reais com taxas. + 40 reais para bagagem. / 6:45horas com escala em Brasília. Ao chegar em Rio Branco, eu precisava esperar um amigo que chegaria no próximo dia, então fui pegar minha mochila na hora do desembarque, mas ela havia sido deixada em São Paulo, e só chegaria no próximo dia. Foi um momento tenso para mim, mas tudo se resolveu, a empresa Latam pagou uma estadia com alimentação para mim em um hotel da cidade. Desse acontecido já pude tirei uma lição > tudo tem seu propósito, se acalme e mantenha suas emoções sob controle durante suas viagens! Passei o dia conhecendo a cidade de Rio Branco e no dia seguinte meu amigo e mochila chegaram. Realmente começamos a trip. ➡️ Na primeira etapa, o incrível trajeto é feito pela Estrada do Pacífico, que inicia no Brasil, em solo amazônico aos singelos 153 metros acima do nível do mar. Durante o percurso você verá a paisagem se transformar de florestas a montanhas surreais e geleiras, sentira o clima tropical dar lugar ao clima árido e frio dos Andes, chegará a 4.725 metros e irá parar em Cusco. Fomos de táxi para a rodoviária e pegamos um ônibus que ia para Assis Brasil, cidade que faz fronteira com Iñapari, no Peru. Chegando lá, caminhamos um pouco até a imigração e demos entrada no Peru, também passamos pela alfândega Brasil – Peru. Esse ponto de imigração é tranquilo, foi rápido e pouco rígido. >Táxi aeroporto de Rio Branco x Rodoviária< 50 reais por pessoa. Uma facada! >Ônibus da rodoviária de Rio Branco x Assis Brasil< 40 reais, passagem comprada na hora. Ao adentrarmos no Peru, ainda próximo a imigração, fizemos o câmbio do dinheiro e fomos de van para Puerto Maldonado. Onde iriamos tomar um ônibus direto para a mágica cidade de Cusco. Em relação à estrada, a parte brasileira é de qualidade mediana, há trechos com buracos e asfalto ruim. Já a parte Peruana é de ótima qualidade, um ''tapete'' de asfalto bem sinalizado. >Van Iñapari x Puerto Maldonado< 30 Soles Peruanos. / 4:30 horas de duração. ✔️ >O câmbio na fronteira foi o mais barato que achamos, na data 06/18 trocamos o Real por 0,80 céntimos (centavos)< Nesse momento já notamos a grande diferença de preços entre Brasil e Peru, ônibus e van foram baratos se comparados com os mesmos serviços no Brasil. Quando chegamos em Puerto Maldonado era noite e conseguimos as passagens para Cusco com facilidade. >Ônibus Puerto Maldonado x Cusco< 42 Soles Peruanos + 3 Soles de taxa do terminal. / 8:00 horas de duração. Depois de 3 dias e meio desde que havia chegado em Rio Branco, finalmente eu estava em Cusco (ou Cuzco). Essa cidade tocou minha alma. Cusco está a 3.400 metros acima do nível do mar e foi fundada no panorama da civilização ocidental em 1534, pois ela já existia há muitos anos, construída por mãos Incas. É uma cidade linda. Algumas ruas, casas e alguns estabelecimentos são feitos com pedras e a cidade é extremamente limpa, dificilmente você verá lixo nas ruas. Ainda hoje existem construções feitas pelos próprios Incas, pois essa era a capital da civilização. A energia lá é rica e acolhedora. Existem simbologias Incas e desenhos espalhados por todos os lados, é incrível! A população é bastante animada, são pessoas honestas, bondosas, simpáticas e muito carismáticas, sem falar na cultura vívida que eles preservam de seus antepassados. E para melhorar, há pessoas do mundo todo passando por lá. É realmente apaixonante. Ficamos 2 dias em Cusco, nos hospedando em hostels (a maioria de boa qualidade com média de 30 Soles Peruanos). A comida Peruana é muito gostosa, há bastante diversidade e Cusco tem todo tipo de restaurantes, para todos paladares e todos os ‘’ bolsos’’. Existem desde restaurantes caros até restaurantes de comida caseira, feitas nas garagens ou mesmo os ambulantes. Também há restaurantes de outras culturas. Nesses dois dias conhecemos a principal Plaza de Armas, algumas ruas, igrejas maravilhosas - há muita coisa em estilo Barroco. Também participamos das festas que estavam sendo feitas nas ruas, pois como fomos no mês de Junho, os Cusqueños estavam em época festiva. Nesta época acontecem as festas de Solstício de inverno, uma tradição secular dos Incas. É maravilhoso ver as comemorações nas ruas, com muita música, cores, danças, alegria e celebração. A segurança, organização e limpeza de Cusco são impecáveis! Uma dica, o meio do ano é o melhor período para conhecer a capital, por ser inverno, o gelo é preservado. A única coisa incômoda é que diversas pessoas te oferecem milhares de coisas na rua, desde chip para celular até artesanatos. Isso pode ser inconveniente porque na maioria das vezes você não precisa, ou não está afim de comprar nada no momento, e esses vendedores ambulantes sempre estão ali. Teve casos do ambulante passar mais de 3 vezes me oferecendo seu produto. Cusco me fez clarear a ideia de que a diversidade é a coisa mais bela do mundo. Sermos e nos sentirmos diferentes e ao mesmo tempo semelhantes, nos une em um pensamento evolutivo, um propósito enquanto espécie. Cusco me proporcionou uma sensação de paz que nenhum outro lugar pôde me proporcionar. A união e a simplicidade daquele povo os torna enormes! A partir desse momento, no início da minha jornada, decidi que iria viver de viagens. Saindo de Cusco, fomos direto para o Vale Sagrado, onde iriamos participar do Arkana Festival, um festival multicultural de música eletrônica, mais precisamente de Psytrance e Techno. Pegamos um micro ônibus no centro de Cusco que nos levou diretamente para Ollantaytambo, uma das províncias do Vale Sagrado (Sacred Valley of the Incas). Esse trajeto demorou em torno de 2 horas em uma estrada de tirar o fôlego, cheia de curvas, montanhas, penhascos e incríveis montanhas com gelo, as famosas Cordilheiras dos Andes. Chegando na bela Ollantaytambo eu me apaixonei novamente. É um lugar extremamente lindo, e de fato, é um vale. O vilarejo é cercado por montanhas enormes que proporcionam uma atmosfera única para as províncias do Vale Sagrado. Me senti em um enorme caldeirão divino! >micro ônibus Cusco x Ollantaytambo< 15 Soles Peruanos. / 2:00 horas / o micro ônibus não era dos mais confortáveis, mas o momento e a paisagem tomavam conta das emoções. Então nos hospedamos em outro hostel, uma hospedagem sensacional por sinal, deixo aqui até uma indicação para vocês. Em Ollantaytambo, busquem por ‘’Casa Quechua Camping e Hostel’’ aquele famoso bom e barato. Pagamos 25 Soles peruanos na diária. Fomos para o festival, que ficava a 2 quilômetros da cidade e ele nos tomou 3 dias. Para fazer esse trajeto, fomos a primeira vez a pé, e as outras vezes usamos os famosos ‘’Tuc-Tuc’’ que são motos adaptadas com uma estrutura em forma circular. Eram baratos também, pagamos cerca de 4 Soles peruanos. Machu Pichu O festival era localizado a 2 quilômetros de Machu Pichu e foi uma experiência intensa para mim, repleta de evolução espiritual. Depois do festival andamos um pouco pelo vilarejo de Ollantaytambo e no outro dia pela manhã fomos para Águas Calientes, o vilarejo de entrada para Machu Pichu. Nesse percurso optamos pela van da hidrelétrica, que é a opção mais barata. Seu trajeto leva em torno de 7 horas até a hidrelétrica e nos deixa em uma parte da linha ferroviária e é necessário andar cerca de 10 quilômetros até Águas Calientes. Para os aventureiros é uma ótima escolha, pois a paisagem é bela e extremamente diversificada. Também há um trem que sai de Cusco, passa por Ollantaytambo e outros locais e tem como destino Águas Calientes, porém é uma opção cara, cerca de 130 dólares. (não me lembro se é possível paga-lo em Soles Peruanos) Chegando em Águas Calientes me surpreendi um pouco devido aos altos preços, de tudo! Contudo o vilarejo é extremamente encantador, cheio de lindas construções, com luzes cintilantes durante a noite e, para variar, cercado por montanhas ‘’hermosas’’. Nos hospedamos no hostel escolhido e dormimos, para no próximo dia antes do sol nascer, irmos para Machu Pichu. Aqui a trip tomou um patamar maior de experiência. Machu Pichu é simplesmente indescritível, aquele típico lugar que só se compreende estando lá. É fato que é um dos passeios turísticos mais caros da América Latina, porém cada centavo vale a pena. A história e a energia dessa cidade Inca me renovaram, transcenderam a vida que eu havia vivido todos esses anos... diversos pensamentos maravilhosos adentraram minha mente e eu me senti vivo e realizado, afinal, estava vivendo um sonho de muitos anos! ✔️Dicas: Compre os bilhetes pela região de Cusco, pois pela internet o preço se eleva em quase 30%, exceto se você for na alta temporada entre Junho - Agosto; Acorde o mais cedo possível para estar preparado as 05:30 para o ônibus que leva de Aguas Calientes para Machu Pichu; Leve comidas, água e agasalhos, lá as coisas são caras; ✳️Van hidrelétrica< 65 - 70 Soles / 07:00 horas de duração ✳️Ônibus Águas Calientes x Machu Pichu< 50 Soles Peruanos só ida. ✳️Trem Águas Calientes x Cusco< não me lembro o preço exato, mas era algo em torno de 60-80 Dólares. Após a extraordinária experiência em Machu Pichu, voltamos de trem até Cusco e ficamos mais dois dias na bela cidade. Então aproveitamos para conhecer o lazer noturno, fomos em alguns bares e curtimos com nossos amigos brasileiros e de outras nacionalidades. Também fomos até as salineiras de Maras, uma cidade vizinha de Cusco. Deixamos de fazer muitos passeios como as montanhas coloridas, as lagunas, e diversos pontos do Vale Sagrado, como Machu Pichu Pueblo que é encantador. Tivemos que fazer isso pois tínhamos pouco dinheiro. Porém levo como aprendizado a paciência e esperança, porque certamente voltarei ao Peru, mais preparado e familiarizado. Estava chegando a hora de partirmos do Peru sentido Copacabana na Bolívia. Nesse ponto da viagem, percebi que ser mochileiro é muito mais do que só viajar! É diferente de ser turista, porque para o mochileiro não é uma questão de conhecer o lugar, e sim de viver e aprender o lugar... aprender costumes, crenças, pensamentos comuns de cada destino, é realmente se integrar na cultura dos destinos escolhidos. Mochilar é literalmente fazer a faculdade da vida. Tudo que se aprende e conhece devido à liberdade de fazer um mochilão não tem preço, mas tem muito valor. Indo para Bolívia Nesse momento eu me separei do meu amigo, e comecei uma nova jornada ‘’solamente’’. Para chegar até a Bolívia, peguei um ônibus no terminal terrestre de Cusco, que fica não muito afastado do centro da cidade, pude ir a pé do hostel. O passagem que escolhi iria fazer transferência em Puno, ainda no Peru, então trocamos de ônibus nessa cidade, para então seguir sentido Copacabana na Bolívia. Os ônibus foram baratos e eram de ótima qualidade, me senti super confortável. Para atravessar a fronteira foi tranquilo também. As pessoas descem do ônibus, passam na imigração e andam cerca de 200 metros para fazer a baixa na polícia federal da Bolívia, depois entram novamente no ônibus para ir até a cidade de Copacabana. Nesse percurso, de Cusco até Copacabana eu vi uma incrível massa de franceses, e já tinha encontrado muitos outros na viagem. Acho que os franceses estão adorando a América do Sul ✳️Cusco-PE x Copacabana-BO< 80 Soles + taxa de 1,50 soles do terminal. / em torno de 12-15 horas ✳️Copacabana tem hostels e alojamentos de vários preços, é bom dar uma olhada no maior número possível, pois por ser uma cidade bem pequena é possível economizar nas estadias. Chegando em Copacabana, adivinhem... me apaixonei mais uma vez! A cidade é pequena e bem simples, fora os estabelecimentos comerciais, as casas são na maioria feitas com blocos aparentes e bem humildes. Por ser rota turística entre Peru e Bolívia haviam dezenas de viajantes de distintas nacionalidades e alguns deles trabalhando em hotel ou hostel e também em restaurantes lá (muitos viajantes trabalham enquanto viajam). Copacabana é recheada de história, tanto pré-hispânicas quanto hispânicas. Há três grandes igrejas e muita arte cristã na cidade. Lá também estão localizadas as duas ilhas da Bolívia, Isla del Sol e Isla de la Luna, lugares onde nasceu a civilização Inca. Vale cada minuto de visitação às essas fantásticas ilhas, que até hoje são habitadas e preservam aspectos da cultura Inca, como os idiomas Aymara e Quechua. É possível se hospedar e passar noites na Isla del Sol. Fiquei dois dias em Copacabana e tive bastante contato com a população local, fiquei amigo do dono de um restaurante – o restaurante chama-se Km 21 – e também fiquei amigo dos agentes turísticos da região. Em Copacabana está localizado o lado Boliviano do lago Titicaca, o lago mais alto do mundo. Esse lago é encantador, na verdade, ele mais parece um mar devido a sua extensão. Uma curiosidade é que esse lago foi formado devido à água descongelada das Cordilheiras dos Andes. Outra curiosidade é que a Copacabana brasileira é uma ‘’filha’’ da Copacabana boliviana, sua nomeação tem influência desse lugar. Após Copacabana, direcionei minha trip para La Paz, a capital política da Bolívia, e também a maior cidade desse País. Para chegar em La Paz é fácil, muitos ônibus partem de Copacabana por preços variados e baratos. ✳️Copacabana x La Paz< 35 Bolivianos / 04:00 horas. ✔️Dicas: Deixe para fazer a maior parte do câmbio de dinheiro no centro de La Paz, onde está o Mercado de Las Brujas, lá é mais barato. Em La Paz me senti deslocado e ao mesmo tempo situado em ambiente conhecido. Essa cidade é uma loucura, muitos carros, muita gente transitando, diversos ambulantes pelas ruas, muito comércio, prédios e aquele clima de cidade grande. Me senti como em São Paulo, porém Boliviano (kkkkk). Nesse lugar as pessoas são bastante ocupadas, percebe-se que cada um fica ‘’na sua’’ e não há muita beleza, além das grandes construções hispânicas, igrejas, praças e museus, e o famoso Mercado de las Brujas que é o centro comercial turístico de La Paz. Nesse mercado se encontra de tudo, desde bares e agências de turismo até variadas lojas de artesanato e roupas. Tudo muito barato e de qualidade, vale a pena para aqueles que desejam fazer compras. Algo que desgostei na Bolívia é que eles não são tão preocupados com o meio ambiente, têm bastante lixo nas ruas e estradas – se comparado com o Peru – e também as pessoas não são muito simpáticas e hospitaleiras, mas isso é um assunto que não deve ser generalizado, pois me deparei com amáveis Bolivianos também. Mas para equilibrar, algo que amei foram as belezas naturais que esse país tem. As montanhas, penhascos, lugares secos e outros nevados. É uma mistura de vegetações, climas e relevos de tirar o fôlego. Nesse período, fui conhecer o Vale de la Luna, uma região com milhares de formações de rochas vulcânicas que desenham uma paisagem singular, diferente de tudo que já tinha visto antes. Também estive em Chacaltaya, a grande montanha nevada que tinham uma estação de sky, fechada há 15 anos. É um lugar lindo, extremamente frio e alto – 5380 metros acima do nível do mar. É possível e eu recomendo ir ao Vale de la Luna por conta. Outro passeio que marcou minha viagem foi o dia de tour por Tihuanacu – a cidade onde estão as ruínas da antiga civilização Tiwanaku que foram os precedentes dos Incas. É um passeio histórico-cultural muito rico e com diversos monumentos do passado. O passeio incluía transporte até a cidade, ingresso ao museu, guia durante o roteio e um almoço. Ainda em La Paz eu participei da atividade mais louca da viagem, um mountain bike na cordilheira dos andes, mais precisamente, na Death Road. Esse passeio foi insano, são 62km de descida nas cordilheiras, sendo 22 na estrada asfaltada, 8 com a van e mais 32 na estrada de terra, que é a verdadeira Death Road. Esse foi o atrativo mais caro que participei, muito bem investido. ✳️Passeio por conta Vale de la Luna< ônibus ida e volta 8 Bolivianos + 10 Bolivianos entrada ✳️Passeio por Chacaltaya< 120 Bolivianos ônibus, guia. Não incluía entrada ✳️Passeio por Tiwanaku< 210 Bolivianos ✳️Passeio death road< 450 Bolivianos No fim do período da viagem, eu estava saindo de La Paz para ir até Santa Cruz de la Sierra, a capital econômica da Bolívia, onde mais acontecem as inovações. Então peguei um ônibus em La paz que iria direto para Santa Cruz, comprei a passagem no Terminal terrestre de La Paz para uma viagem de 16 a 17 horas. É fácil encontrar passagens pelos terminais no dia da viagem. Ao chegar em Santa Cruz, me acomodei na casa da minha prima que está morando na cidade, e aproveitei para fazer uns passeios urbanos e conhecer a moderna cidade de Santa Cruz. A cidade é grande mas a modernização ainda predomina o centro, contudo se vê muitas construções em direção aos lugares mais afastados. Nessa cidade há muitos latino-americanos estudando em universidades, e também há presença de muitos brasileiros, inclusive nas atividades econômicas. Fiquei dois dias na cidade voltei ao Brasil. Foram 2 ônibus, um de Santa Cruz para Corumbá (cidade no Mato Grosso do Sul que faz fronteira com a Bolívia), e outro de Corumbá para São Paulo, os dois foram comprados horas antes da viagem nos terminais. A Bolívia é um país em desenvolvimento ascendente e têm muita diversidade gastronômica, cultural, musical e artística. Sua cultura, alimentação, vestimentas e alguns hábitos são semelhantes ao dos Peruanos, devido à ancestralidade Andina. São dois ótimos países para se conhecer, principalmente no que se refere à história das Américas. Se você gosta de aventura unida à natureza e muito alto astral, esses destinos são perfeitos. ✳️ônibus La Paz x St. Cruz< 80 Bolivianos + 2 bolivianos de taxa do terminal ✳️ônibus St. Cruz x Corumbá< 70 Bolivianos + 2 bolivianos de taxa do terminal ✳️ônibus Corumbá x São Paulo< 280 Reais. Esse foi o depoimento do meu primeiro mochilão, pela América latina, também o depoimento que marca a decisão de conhecer mais, compreender mais e buscar o infinito conhecimento que o mundo pode nos oferecer. Por ser meu primeiro relato postado na web, peço desculpas por possíveis erros, falta de informação ou dificuldades de entendimento. Espero que esse relato possa ser útil para os mochileiros de plantão que ainda não visitaram esses belos países.
  20. 12 pontos
    @D FABIANO Já eu sou o contrário, se começo a viver uma vida cheia de confortos eu já começo a me sentir molenga e fracote. Para mim só vale a pena uma vida de desafios, gosto de sentir a adrenalina do perigo e zona de conforto para mim é zona da morte. Infelizmente uma vida indoor para mim é um pesadelo, quem sabe na próxima vida eu não venha mais suave, gostando de vinhos franceses e férias em Dubai. Grande abraço!!
  21. 11 pontos
    Vários amigos e familiares nos indagavam sobre nossas travessias, segundo eles, tudo era muito repetitivo(as fotos eram parecidas, repetimos várias vezes os mesmos caminhos, até pela falta de outros. Até tem, mas caminho particular, não faremos mais). De certa forma eles têm razão, visto que a visão do picos e montanhas não tem comparação com fotos de estradas e, tem um detalhe mais importante: as principais atrações das cidades(tirando algumas) não estão dentro delas, mas nos arredores (cachoeiras, picos, morros. ..). Nesses 2 meses, caminhamos mais de 900 quilômetros é quase 10.000 kms de carro. Conhecemos pessoas maravilhosas por onde passamos, experimentamos emoções que nunca tivemos, comidas deliciosas, não tivemos nenhum problema mais sério, tudo muito tranquilo. O BRASIL É SIMPLESMENTE SENSACIONAL! E mais bonito visto de cima. Diante disso e, até para comemorar meus 60 anos de vida (ingressei na melhor idade), neste verão resolvemos fazer algo um pouco diferente : fomos conhecer e rever alguns parques nacionais /estaduais /municipais e privados, subir alguns picos/montanhas e alguns circuitos desses locais, região de cachoeiras, e Brumadinho(Inhotim), poderíamos estar no dia do rompimento da barragem, para nossa sorte desistimos em cima da hora. LOCAIS VISITADOS: Extrema - Mg (subida as base dos pico do lopo e do lobo) Munhoz - Mg(subida ao pico da antenas, caminhos) São Bento do Sapucaí - Sp(pedra do baú e roteiro) Marmelopolis -Mg(subida ao morro do careca, mirantes, pedra montada, roteiros e subida ao pico Marinzinho) Aiuruoca - Mg(subida ao pico do papagaio, matutu, cachoeiras) Visconde de Mauá-Rj - (subida a Pedra Selada) PN Ibitipoca - Mg (Janela do céu, pico, circuito das águas e grutas) São Tomé das Letras - Mg (cachoeiras e roteiros) Carrancas - Mg(cachoeiras e circuito serra de carrancas) Ouro Preto - Mg (centro histórico e subida ao pico do Itacolomi) Mariana-Mg: Bento Rodrigues, local destruído por outro rompimento de barragem da Vale. Serra do Cipó - Mg(todos circuitos dentro do parque e travessão) Conceição do Mato Dentro - Mg: cachoeira do Tabuleiro (base e mirante) Lapinha da Serra - Mg(subida aos picos da Lapinha e Breu, cachoeira Bicame e Lajeado, parte travessia Lapinha x Tabuleiro) Brumadinho - Mg(Inhotim) PN de Itatiaia - parte alta - Mg(base do pico das agulhas Negras e prateleiras, cachoeira Aiuruoca, circuito 5 lagos, subida ao pico do couto) Piquete - Sp(subida ao pico dos Marins) Infelizmente, por excesso de chuvas, não fizemos os picos do Itaguaré e da Mina( motivação da viagem). Entrou uma frente fria na semana que antecedeu o carnaval, tivemos que abortar por questão de segurança, pois não utilizamos guias e fazemos somente Bate/volta - fica para a próxima. As surpresas da viagem: Inhotim, Lapinha da Serra e Serra do Cipó. Pois não conhecia nenhuma delas. Algumas fotos Subida ao pico dos Marins - SP Pico do Itacolomi - Ouro Preto - Mg Cachoeira Bigame - Lapinha da Serra-Mg Subida para pico do Breu e Lapinha - Lapinha da Serra-Mg Vista desde o pico da Lapinha Cachoeira do espelho - travessão - Serra do Cipó -Mg A incrível JANELA DO CÉU flora exuberante
  22. 11 pontos
    Olá, viajantes 😊 Depois de ler tantos relatos, receber tanta ajuda e dicas do pessoal aqui no Mochileiros, nada mais justo que deixar uma contribuição sobre a minha experiência pela Patagônia. E também fico a disposição para ajudar no que estiver ao meu alcance! Espero que gostem 😉 Antes de iniciar o relato sobre a viagem, vou deixar algumas dicas importantes aqui: - O meu objetivo com essa viagem era realizar algumas trilhas. Caminhei muito (cerca de 250km) e tive bastante contato com a natureza. - Eu fiz a viagem sozinha. Para quem tem dúvidas só tenho uma coisa a dizer: vá sem medo. As pessoas de lá são muito simpáticas e estão sempre dispostas a ajudar. Fiz várias amizades durante as trilhas, nos ônibus, na rua, etc. 😂 - A fama de rolar caronas por lá é verdadeira. - Mesmo sendo verão, na Patagônia ainda é frio. - Os dias são longos, entre 4h00 e 5h00 o sol já está raiando e ele se põe depois das 22h. Dá pra fazer MUITA coisa. - Não deixe de fazer absolutamente nada por causa do mal tempo. O clima por lá muda bastante, então saia com chuva ou sol e esteja preparado para as mudanças. - Leve sempre na sua mochila de ataque uma jaqueta e calça que sejam impermeáveis e corta vento. - Em todos os lugares tem calefação, então use e abuse do sistema em camadas e leve pijama curto para dormir. - Faça cambio na Argentina. Minha conexão em Buenos Aires era de madrugada, então não consegui fazer cambio fora do aeroporto, e mesmo assim compensou muito mais que trocar no Brasil. Fiz no Banco Nación dentro do EZEIZA, acho que fica aberto 24hrs. No site deles dá pra acompanhar a cotação oficial (http://www.bna.com.ar). - Comprei todos os tickets de ônibus na Rodoviária de El Calafate. Também é possível comprar online. - Peguei um Chip para usar internet da empresa Movistar. Só precisa ir até a loja deles com um documento e solicitar o chip, depois ir até um kiosco e fazer uma recarga. A internet funcionou bem na Argentina, exceto El chaltén que lá nem o wifi funciona direito. - Tanto na argentina quanto no chile eles não dão sacolas nos mercados. - Achei os preços bem interessantes em Ushuaia, pra quem não sabe, é uma área livre de impostos. Vi perfumes, gopro, roupas de frio com preços bons. Meu cronograma foi o seguinte: 20/12 – Florianópolis – Buenos Aires 21/12 – Buenos Aires - Ushuaia 22/12 – Ushuaia – Laguna Esmeralda 23/12 – Ushuaia – Pinguineira, Canal Beagle e Glaciar Martial 24/12 – Ushuaia – El Calafate (avião) 25/12 – El Calafate – Dia Livre, volta de bike 26/12 – El Calafate – Perito Moreno e Minitrekking 27/12 – El Calafate – Puerto Natales - Chile (ônibus) 28/12 – Puerto Natales – Full Day Torres Del Paine 29/12 – Puerto Natales – Trekking até Base deTorres del Paine 30/12 – Puerto Natales – El Calafate – El Chalten (ônibus) 31/12 – El Chalten – Cerro Torre 01/01 – El Chalten – Chorrilo Del Salto 02/01 – El Chalten – Fitz Roy 03/01 – El Chalten – Laguna Electrica 04/01 – El Chalten – Loma Del Pliegue Tumbabo 05/01 – El Chalten – El Calafate (ônibus) 06/01- Chegada em Florianópolis Vou começar pelo dia 2, porque o primeiro se resumiu apenas em chegar até Buenos Aires 😂😂 21/12 BUENOS AIRES – USHUAIA Cheguei de madrugada no Aeroporto de Ezeiza, fiz o cambio e meu voo até Ushuaia saia do Aeroparque. A Aerolíneas disponibiliza de um transfer gratuito se você emitir um voucher no site deles. A empresa que presta esse serviço é a Manuel Tienda León, só procurar o guichê deles na parte externa do aeroporto. O voo de Buenos Aires até Ushuaia dura +/- 4 horas. Acordei quando estava perto de pousar e ao abrir a janela o céu estava azul, as montanhas com os picos nevados e diversos lagos. Desembarquei em Ushuaia às 8h10 e como não despachei mala, fui direto ver o transfer até o meu hostel, para não esperar muito optei pelo remis, é um trajeto rápido e custou ARS 300. No hostel, tomei café da manhã e fui tomar um banho para sair. E para minha surpresa ao sair do banho, chuva e muito vento (coisas da patagônia 😂). Nesse momento, ainda não entendendo como funcionava o clima por lá, fiquei esperando a chuva passar. Depois de um certo tempo sai na chuva mesmo. Estava com o dia livre e fui bater perna para conhecer a cidade, andei pela Avenida San Martin que é a rua de comércios em Ushuaia, muito simpática, com algumas construções coloridas, pelas calçadas apreciando o Canal Beagle, fui até a famosa placa. Hospedagem: Antártida Hostel. Localização é ótima, perto da Avenida San Martin, do porto e mercado. Estrutura de quartos, banheiros e cozinhas são boas e sempre estavam limpos. Staffs simpáticos, sempre dando dicas e conversando. Vista do avião Foto clássica na placa "fin del mundo" Canal Beagle 22/12 – USHUAIA – LAGUNA ESMERALDA Pedi no hostel informações sobre o transfer até o inicio da trilha para a Laguna Esmeralda, eles me venderam por ARS 450 ida e volta. A van passou no hostel as 10h, o dia estava nublado e sem chuva. A trilha de modo geral é bem tranquila e bonita. Você caminha por bosques, passa por rios, vales, paisagens bem diferentes. Durante todo o trajeto há “plaquinhas” azuis nas árvores indicando o caminho. Possui algumas subidas, não são muito longas e nem íngremes. Após mais ou menos 6km cheguei na Laguna Esmeralda e que lugar incrível, meu preferido de Ushuaia. A água realmente é verde esmeralda, mesmo com o dia nublado. Explorei alguns lugares mais altos, contornei a Laguna para vê-la vários ângulos. Logo mais começou uma ventania, coloquei todos os meus casacos, gorro, procurei um abrigo do vento e sentei pra comer para depois começar meu caminho de volta. Na volta o vento não deu trégua e eu podia ver a chuva se aproximando. Choveu um pouco e depois o céu ficou azul. Cheguei ao inicio da trilha perto das 14h para aguardar a van. No caminho de volta para o hostel o tempo virou de novo, choveu e ventou MUITO. Fiquei pensando se tivesse optado por voltar com a van das 17h kkkk Trilha com as plaquinhas azuis nas árvores, indicando o caminho. Empacotada de casacos depois que cheguei na Laguna Esmeralda 23/12 – USHUAIA – PINGUINEIRA, CANAL BEAGLE E GLACIAR MARTIAL Último dia em Ushuaia começou bem cedo, o dia estava lindo, céu azul, pouco vento. Às 7h30 o ônibus saia do Porto em direção a Estancia Harberton, para depois pegar um barco até a Isla Martillo, onde estão os pinguins. Fechei esse passeio com a Piratour por USD 179. No caminho até a Estancia paramos num local bonito, com um lago e do outro lado da estrada um vale, onde é possível observar como as árvores crescem tortas devido aos fortes ventos. Fomos divididos em 2 grupos para pegar o barco e ir até a ilha dos pinguins. Estava bem frio e com bastante vento. Ao descer na ilha a guia passa algumas instruções e durante todo o passeio explica sobre a ilha, pinguins, predadores, etc. Você não fica “solto” na ilha, precisa caminhar com o grupo. A ilha é realmente cheia de pinguins, estão por toda a parte e são uma gracinha, dá vontade de pegar um e botar embaixo do braço. Obs.: Não é permitido se aproximar dos pinguins, acho que são 3 mestros. E tome muito cuidado para não pisar nos ninhos. Minha dica é: fique na frente do grupo, um pouco afastado. No momento que estava conversando com a guia um pinguim se aproximou de mim e pude vê-lo de pertinho, até tirei uma selfie com ele. Depois vamos até o museu marítimo onde é realizada uma visita guiada em inglês e espanhol. O museu é muito interessante possui ossadas de mamíferos marinhos. O tour é realizado por biólogos, as explicações são riquíssimas, cheias de informações novas. Pra finalizar o passeio seguimos até um catamarã para uma navegação de 3 horas pelo Canal Beagle, até chegar ao porto de Ushuaia. Confesso que achei essa parte um porre e dormi boa parte do trajeto kkkk acordei para ver o Farol, que é lindo. Nesse momento estava chovendo e bem cinza, parecia filme de terror. Mais tarde passamos por uma ilha onde ficam vários leões marinhos, paramos ali por alguns minutos para observa-los. Eles dormem todos juntinhos, fazem barulhos, são folgados e desajeitados. Desembarcamos no porto de Ushuaia pelas 15h, almocei com uma família que conheci durante o passeio e as 19h30 combinamos de nos encontrar para subir o Glaciar Martial. Nessas horinhas já tinha parado de chover e o sol brilhava, no entanto um pouco antes de sair e encontrar meus novos amigos, o tempo virou completamente e inclusive choveu granizo (acho que nunca vou ver tempo tão louco como ushuaia). Após muita indecisão, criamos coragem e começamos a subir o Glaciar Martial, debaixo de chuva mesmo. Estava muito úmido, então a sensação térmica castigava. No meio da trilha já havia parado de chover e quando olhando para trás o céu estava limpo e no mar dava pra ver um lindo arco-íris. A subida é bem íngreme, senti a minha panturrilha queimar. Subimos até encontrar os pontos com gelo, tomamos a agua trincando e começamos a descida com vista para Ushuaia, o céu estava com cores lindas. Por isso eu vou reforçar mais uma vez: NÃO DEIXEM DE FAZER ABSOLUTAMENTE NADA NA PATAGÔNIA POR CAUSA DO TEMPO. Patagônia e suas surpresas 😍 Por enquanto é isso gente, conforme for sobrando um tempinho vou escrevendo e postando aqui!
  23. 11 pontos
    Destino: Deserto do Atacama. Vontade: dirigir por várias das estradas mais bonitas e inóspitas da nossa América do Sul. Além disso, a gente só sabia que ia passar pela fronteira por Dionísio Cerqueira e ir seguindo o caminho mais curto que o GPS nos deu até lá. Não reservamos hostel, muito menos passeios. A pesquisa sobre documentação do carro, itens obrigatórios, clima e alguns destinos foi suficiente. O resto, o destino deu conta: uma rota sem roteiro. Antes de atravessar a fronteira, decidimos dormir em Francisco Beltrão que fica a 470 km de Curitiba, só pra descansar. Atravessamos a fronteira entre Dionísio Cerqueira e Bernardo de Irigoyen pra fazer o câmbio de reais para pesos e a Carta Verde já no lado argentino. Só é necessário preencher uma ficha de imigração na aduana informando seus dados pessoais e destino. GUARDE ESSA FICHA! Não cobram nenhuma taxa e não revistam o carro. O câmbio paralelo vale muito mais a pena do que o câmbio das casas de câmbio. 1 real = 12 pesos – paralelo 1 real = 8,5 pesos – casas de câmbio Carta verde: só existem 2 opções: 15 ou 30 dias. Pagamos (em reais mesmo) 100 reais pra 30 dias. Pedem o documento do carro, do motorista e tiram uma foto do carro. Os postos de gasolina ali aceitam reais ou pesos (enchemos o tanque em reais, pois valeu mais a pena). As estradas são ótimas na Argentina, e os pedágios quase inexistentes são baratos. Foram 4 ao todo, o mais barato 10 pesos e o mais caro 60 pesos. Recomendo parar em Ituzaingó pra dormir e abastecer o porta-malas com macarrão e empanadas, pois os mercados e lanchonetes são bem baratos. Além disso, é uma cidadezinha quente e “praiana” no meio do continente. O Rio Paraná passa por lá dividindo a Argentina e o Paraguai, e é usado como praia, muitos gaúchos preferem ir pra lá no verão ao invés de subir pras praias de Santa Catarina. Depois de Ituzaingó a viagem realmente começou. Assim que saímos da RN 12 e entramos na reta infinita da RN 16 a cor da bandeira da Argentina começa a fazer sentido. Um céu de azul imenso onde não se consegue enxergar o fim daquela terra encharcada pelos Chacos, tudo ainda a 200m do nível do mar. Vários povoados, algumas cidades grandes, muitas fazendas e várias opções de postos de combustível, ainda. As estradas são lisas e pouco movimentadas. Tivemos que ultrapassar caminhões pouquíssimas vezes, o cuidado maior é com animais atravessando a pista. Ambulantes vendem morangos gigantes e suculentos na estrada por apenas 80 pesos o kg. Decidimos parar para dormir em Monte Quemado, ponto de parada quase obrigatória para os motoqueiros. Tem apenas um hotel na beira da estrada que serve almoço e jantar, mas preferimos cozinhar macarrão com nosso fogareiro portátil. Economizamos muitos pesos com isso. A única parte ruim e esburacada da estrada dura uns 20km na saída de Monte Quemado. A partir daqui, já é possível enxergar a silhueta das montanhas que escondem as tão esperadas curvas. Depois da ferradura do mapa, começa o trecho mais surreal da viagem. Entramos na RN 9 – sem dúvidas, a rodovia mais bonita do norte da Argentina - e só o que se vê são montanhas. Por todos os lados. Secas, rochosas, com cactos, nevadas, de pedras, coloridas, rachadas, de todos os tipos possíveis. Alpacas, Vicunhas, Lhamas e Guanacos atravessam a rodovia e uma paisagem totalmente diferente aparece a cada km. Foto nenhuma é capaz de registrar essa imensidão. San Salvador de Jujuy é uma cidade enorme e barata. Perto dali ficam Purmamarca, Tilcara e Humahuaca: os passeios turísticos oferecidos por eles. Fique esperto com o horário de funcionamento do comércio: tudo fecha antes das 13 e reabre depois das 17. Encha o tanque em San Salvador de Jujuy. Depois dali, não há sinal de celular e o próximo posto fica a 200 km, em Susques. Mas não conte com isso! Um posto que fica a 3896 m de altitude nem sempre tem combustível. Não confie em todos os postos que aparecem no gps. Meu gps mostrou um numa cidade a 20 km de Jujuy. Chegamos lá, e era um posto desativado. Decidimos voltar a Jujuy para encher o tanque e garantir a viagem, foi a melhor decisão que tomamos. Dali pra frente, quase não há civilização. Então, conte com o trecho Jujuy > Paso de Jama = 330 km. Não é necessário levar combustível extra. No hostel em Jujuy, fizemos o seguro de carro obrigatório para entrar no Chile: o Soapex. É feito pelo site mesmo, custou 12 dólares para 10 dias. Aqui, foi a primeira vez que reservamos um hostel, queríamos garantir pelo menos a primeira noite no Atacama pra decidir o que fazer nos outros dias. Encontramos 3 mineiros que estavam voltando do Atacama de moto. 1 deles, passou por algum objeto na pista e isso quebrou o cárter da moto, ele estava esperando o guincho pra voltar ao Brasil. (Não é preciso ir até Humahuaca pra ver montanhas coloridas, elas estão por toda parte. Essa é a estrada entre San Salvador de Jujuy e Purmamarca) Perguntamos a eles quanto tempo levaria nesse trecho Jujuy/ Atacama. Eles disseram que não faziam ideia, pois pararam tanto pra tirar foto de estrada, pedrinha verde, pedrinha amarela, plantinhas, nuvem, salares, curvas... que perderam as contas. E é fato, tambem não fazemos ideia de quanto tempo levamos. A cada km, a cada fim de curva, uma surpresa. Pra esse trecho, saia cedo e aproveite o dia todo. Tínhamos pensado em parar em Susques pra dormir, mas conversando com eles vimos que não valia a pena, é um vilarejo com pouquíssimos hotéis caros e faz muito, muito frio. Depois de 2.000m de altitude, pisar no acelerador não é a mesma coisa. O carro vai perder potência, a luz do motor vai acender, o aviso de neve na pista vai aparecer. Mas quem fizer essa viagem vai entender que andar acima de 60km/h não é necessário – e nem é possível com tantas curvas de 180 graus. Lagunas e montanhas de cores inexplicáveis por todo caminho. Atenção para a fronteira da Argentina com o Chile, o Paso de Jama: como fica a 4800m de altitude, às vezes fecha por condições meteorológicas. Conferir antes de sair nesse site: https://pasosfronterizos.com/paso-jama.php Ali em Jama, deixamos o carro estacionado e fomos fazer os trâmites aduaneiros. O frio, o vento e a altitude aceleram o coração e nos dão uma falta de ar repentina. Na aduana, pedem apenas nossas identidades, documento do carro, carteira de motorista do condutor e AQUELA FICHA que preenchemos na fronteira do Brasil com a Argentina. Isso acontece várias vezes em vários guichês diferentes. Carros particulares tem preferência na fila J (escapamos das filas enormes dos ônibus de turistas e do raio-x das malas). GUARDE TODOS OS PAPÉIS QUE A ADUANA TE ENTREGAR, eles serão devolvidos na volta. Depois, tivemos que parar o carro debaixo de uma parte coberta no meio da pista na saída da aduana, tirar tudo de dentro e colocar sobre uma mesa para o guarda abrir e apalpar todas as mochilas/sacolas/sacos de dormir e ver se não estávamos levando nada perecível – o controle deles é muito rígido com frutas e legumes, por isso levamos apenas macarrão, molho e enlatados para passar a fronteira. Se precisar, ali tem um posto de combustível, mas tocamos direto até o Atacama ainda com a gasolina de Jujuy. Depois de Jama, há uma declive imenso de uns 2500m de altitude durante 150 km até o Atacama, sempre vigiados pelo imponente vulcão Licancabur. Do lado direito, fica a Bolívia, e por todos os lados, cadeias de montanhas e vulcões. O vento forte dificulta a direção e quase tira o carro do chão quando carros passam do outro lado da pista. O ATACAMA O destino viajante veio a nosso favor mais uma vez. O hostel que havíamos reservado – Valle del Desierto - ficava retirado do centro da cidade (escolhemos assim pra ter um lugar seguro para deixar o carro, pois no centro é tudo muito apertado e não tem estacionamento) e era cuidado por um casal de brasileiros, o Gabriel e a Carol. Foi o melhor lugar que podíamos ter achado, com direito a churrasco brasileiro, fogueira nas noites mais frias e uma vista do Licancabur, que ficava em tons rosados todos os dias na hora do pôr do sol. Haviam várias kombis viajantes estacionadas e gente do mundo todo, pois era véspera do feriado das festas pátrias – do dia 14 ao dia 19 – e vários intercambistas de Santiago sobem para o deserto. Ficamos cerca de 10 dias ali, na primeira semana aproveitamos o sossego, nos últimos 2 dias os banhos que eram ótimos já começaram a ficar frios devido ao feriado (o hostel e a cidade ficaram lotados!). A cidade é bem pequena, e só há comércio voltado para o turismo. Há várias vendinhas, quitandas e sorveterias espalhadas pela cidade. Usamos várias, pois cozinhamos bastante no hostel. Nas vendinhas não há bebidas alcoólicas, pois elas só podem ser compradas em Botillerías por motivos de legislação. É seguro tomar água da torneira quando a cidade está vazia, quando está cheia, prefira água engarrafada. Como nem só de macarrão vive o viajante, comemos muitas empanadas, que são bem grandes, tem quase em todas as vendinhas e custam sempre cerca de 1500 pesos. Também tomamos muito chá de coca, que é um ótimo digestivo. Nem procure restaurantes, vá direto ao Los Carritos. A comida é MUITO boa e é o melhor custo benefício da cidade. Peça os nomes mais esquisitos e se surpreenda com o que vai vir. Pra quem está com fome: 2500 pesos. Pra quem está com muita fome: 3800 pesos. Tem opções vegetarianas também. Os sorvetes, a Chicha Cocida (que é uma bebida alcoólica) e o Mote com Huesilhos têm sabores muito diferentes de qualquer coisa que você já tenha comido. As pêras são mais suculentas, os cactos tem frutos e aquelas árvores com florzinhas amarelas deixam cair ao chão castanhas duras e doces. Guarde esses nomes e se surpreenda com os sabores: ayrampo, chañar, rica rica, algarrobo, pomelo rosado, llucuma. Como em setembro é o final do inverno, pegamos vários tipos de clima. O sol é a única certeza. Os narizes sangraram nos dias de 4% de umidade e nuvens apareceram no céu quando uma frente fria se aproximou. Nesses dias, já não era possível colocar shorts e camiseta durante o dia sem um corta-vento e as noites eram salvas pelas segundas peles e o saco de dormir usado sob as cobertas. Importante: leve pelo menos um conjunto de segunda pele, 1 par de meias de inverno e um saco de dormir simples, mesmo que seja no verão. Eles salvaram a minha vida. Durante algumas madrugadas, fizeram temperaturas negativas – mesmo não sendo típico da época do ano – e tive que dormir de segunda pele, dentro do saco de dormir, debaixo das cobertas do hostel! Quando esfriava assim durante a madrugada, dava pra perceber quando saíamos de manhã que os vulcões estavam mais brancos de neve que no dia anterior. Ir de carro traz liberdade, economia e a certeza de que é o caminho que faz a viagem valer a pena. Os passeios oferecidos pelas agências são bem caros e engessados. Como não tínhamos horário para sair e chegar, íamos pegando dicas com quem conversávamos pra decidir o próximo destino. San Pedro fica no centro do Atacama, e é impressionante como a paisagem muda ao redor, mesmo num raio de poucos quilômetros. (Onde está o Uno?) Sal encrustado em rochas que parecem lunares e dunas gigantescas brilhando ao pôr do sol no Valle de la Luna, lugares jamais pisados pelo homem no Valle de Marte, uma vista surreal de montanhas intercaladas por outras montanhas na Piedra del Coyote, uma estrada com vento salgado e quente que termina na Laguna Tebinquinche, onde a vida parece não existir, mas existe. De repente, numa estrada que corta uma laguna seca, duas crateras cheias de água não tão salgada assim formam os Ojos del Salar. A surpresa maior fica com Toconao, a cidade vizinha que abriga o Valle de Jere - desconhecido até mesmo por alguns moradores de San Pedro – um oásis em meio ao nada, que foi habitado por alguns dos povos que deram origem a bandeira Wiphala e deixaram suas marcas nas rochas. Esses são os destinos mais bonitos e de estradas mais alucinantes de até 3000 pesos por pessoa para serem visitados ao redor de San Pedro. Há quem prefira mergulhar literalmente nas atrações naturais desse lugar. Para esses, existe a laguna Cejar por exemplo, onde é possível boiar em suas águas mais salgadas do que as do mar morto, por um preço que é tão salgado quanto ela (apenas a entrada é 15.000 pesos). Dispensamos também o passeio das Lagunas Altiplânicas - que custaria uns 80.000 pesos sem incluir as entradas – pois no caminho passamos por lagunas por toda parte e em todas as altitudes. Ah, o céu: não é preciso andar mais do que 2 metros na rua – ou no quintal do hostel mesmo -para conseguir enxergar todas as constelações, planetas, galáxias, estrelas cadentes. Ele faz valer a pena boca e nariz ressecados da baixa umidade, do sal, do sol e do frio. No hostel, um hóspede tinha um telescópio. Conseguimos ver a Lua e vênus em questão de segundos. ___________________________________________________ Voltar pelo mesmo caminho da ida dá uma perspectiva totalmente diferente de todos os lugares que havíamos passado. Leve tudo que quiser, pois na fronteira por Jama do Chile pra Argentina não fazem revista no carro. Pegamos um clima tão diferente que a estrada parecia outra. Mais vento, mais neve. Tivemos o prazer de ver uma raposa chilena e um tatu atravessando a rua. Só ficamos devendo a Vizcacha, que com certeza passamos por várias, mas não conseguimos enxergar nenhuma. Na Argentina, há muita polícia rodoviária. Éramos parados em quase todas as saídas das cidades. Em uma das únicas duas vezes que pediram nossos documentos, demos carona a um policial – é bem normal pedirem carona nas estradas argentinas. Procuramos evitar por segurança, mas como era um policial, e íamos tocar direto até perto da fronteira, aceitamos. Na outra que fomos parados, estava acontecendo um protesto de caminhoneiros: o policial pediu pra verificar os 2 triângulos e o extintor. Não é mito, levem! Há muitos relatos de polícia corrupta na Argentina, mas é mais ao sul da RN 14 onde o país se aproxima com o Uruguai. Antes de ir, havia conversado com um amigo Argentino e evitamos a fronteira por Uruguaiana exatamente por causa disso. Como queríamos entrar mais ao sul do Brasil do que na ida, passamos por São Borja. Eles pedem apenas os documentos, não revistam o carro, e cobram uma taxa de 450 pesos ou 57 reais por pessoa. IR DE AVIÃO NÃO TERIA A MENOR GRAÇA. VÁ DE CARRO! Resumo de infos mais importantes: Dinheiro na Argentina - Trocar reais por pesos na fronteira com a Argentina vale bem mais a pena do que no Brasil; - Não troque dinheiro em Jujuy, a cotação é péssima; Dinheiro no Chile - Em San Pedro de Atacama a cotação de reais para chilenos é ótima (para setembro desse ano: 1 real = 150 pesos chilenos, sendo que em Santiago estavam pagando 1 real = 158 pesos chilenos); - Não tem como indicar uma casa de câmbio, tem uma rua só pra elas e todo dia os valores mudam. O jeito é sair perguntando de uma em uma e negociar; - Deixar para trocar reais para pesos argentinos (para gastar na volta) no Atacama não é uma boa opção, a cotação é bem ruim; Carro - Evite estacionar o carro perto das esquinas das ruas. Escapamos de um acidente que teria dado PT no carro por pouco. Como o hostel não tinha estacionamento, deixamos o carro parado na rua ao lado na vaga perto da esquina. Um motorista argentino foi fazer a curva e perdeu o controle, passou raspando por nós e bateu no carro estacionado do outro lado da rua, que ficou com o eixo dianteiro totalmente quebrado e teve que ser guinchado. - Os itens obrigatórios são: extintor de incêndio e 2 triângulos. Cambão rígido, mortalha e etc é MITO. - A gasolina tanto na Argentina quanto no Chile custa praticamente o mesmo que pagamos no Brasil, as vezes até um pouco mais caro. Mas como é bem mais pura que a daqui rende MUITO mais. Na Argentina, usamos sempre a Super e no Chile, sempre a 93. Essas são as mais baratas. Documentos - Identidade com menos de 10 anos de expedição ou passaporte, ou um ou outro, tanto faz - Se o carro estiver no nome do motorista, apenas o documento do carro. - Fizemos a PID (permissão internacional para dirigir), mas em nenhum momento foi solicitada - Carta Verde: seguro obrigatório para o carro na Argentina. Não foi solicitada em nenhum momento também, nem na aduana. - Soapex: seguro obrigatório para o carro no Chile. Não foi solicitada em nenhum momento também, nem na aduana. Água - É tirada de poços. Tomamos direto da torneira sem problemas, só recomendamos comprar engarrafada se a cidade estiver cheia – muita gente polui a água -. Custa cerca de 1800 pesos o garrafão de 6l. Carro: Fiat Uno 1.0 2016/2017 Km rodados: 5.500 270 litros de gasolina: R$1.300,00 Autonomia: 20km/l Pneus Furados: 0 Troca de óleo feita antes da viagem Gps usado: Sygic Pouso mais caro/barato: 600 pesos por pessoa (Argentina) / 250 pesos por pessoa (Argentina) Gasolina mais cara/barata: 862 pesos (Chile) / 38 pesos (Argentina) Frase mais dita: “Olha essa estrada!” Gasto: aproximadamente R$2200,00 por pessoa. Levamos apenas reais em dinheiro vivo. Usamos cartão de crédito Nubank apenas para reservar hostel e fazer o Soapex. Duração: 20 dias
  24. 11 pontos
    "No século XII, o geógrafo oficial do reino da Sicília, Al-Idrisi, traçou o mapa do mundo, o mundo que a Europa conhecia, com o sul na parte de cima e o norte na parte de baixo. Isso era habitual na cartografia daquele tempo. E assim, com o sul acima, desenhou o mapa sul-americano, oito séculos depois, o pintor uruguaio Joaquín Torres-García. “Nosso norte é o sul”, disse. “Para ir ao norte, nossos navios não sobem, descem.” Se o mundo está, como agora está, de pernas pro ar, não seria bom invertê-lo para que pudesse equilibrar-se em seus pés?" De pernas pro ar, Eduardo Galeano O nosso norte é o sul, Joaquín Torres-García Cheguei ontem pela madrugada em casa. Agora sentado na frente do computador sinto uma necessidade, quase insuportável, de contar sobre meu caminhar até o fim do mundo. Foram 50 dias de viagem e mais de 14.000km percorridos por terra. Entre ônibus e caronas percorremos o sul do Brasil e a Patagônia Argentina até Ushuaia, parando em muitos lugares nos dois países. O dinheiro era pouco, mas a vontade era muita. A necessidade que tenho de escrever deve-se as pessoas que de alguma forma nos ajudaram a realizar esta viagem ao extremo sul da América do Sul. Tanta gente boa pelo caminho. Tanta solidariedade. Tanta gratidão. Pela primeira vez, antes de uma mochilada, eu não estava completamente bem e seguro. Nos meses que antecederam a viagem estava escrevendo a dissertação do meu mestrado (isso, por si só, já era muita tensão) e nesse intervalo de tempo perdi meu pai, a mulher que aprendi a amar resolveu seguir sem minha companhia e quase antes de embarcar perdi minha vó. Como é de se imaginar, meu estado de espírito não era nada bom, na verdade era o pior possível. Com isso tinha muito medo de atrair coisas ruins pelo caminho, como por exemplo ser vítima de violência. Assim, resolvi mudar a ideia de mochilar sozinho e decidi ter uma companhia nessa viagem. Meu amigo/irmão Matheus embarcou comigo nessa jornada. Enfim, tenho como intuito neste relato contar a história dos lugares por onde passei, minhas histórias nesses mesmos lugares e, principalmente, falar sobre as muitas pessoas (leia-se anjos) que nos ajudaram nesta viagem. Quero contar de maneira honesta os acontecimentos e os sentimentos que me permearam nesses dias, e de alguma forma quero deixar esse texto como agradecimento a cada pessoa que tornou essa viagem algo possível. Agora vamos ao que interessa, bora comigo reconstruir essa viagem por meio de fotos e palavras! Parte 1 - De Rio Claro até Timbó: o mesmo início de outra vez Parte 2 - A Serra Catarinense vista por Urubici Parte 3 - O casal das ruínas de São Miguel das Missões Parte 4 - Do Brasil para a Argentina Parte 5 - Buenos Aires, la capital Parte 6 - O começo da Ruta 3 e o mar de Claromecó Parte 7 - Frustrações na estrada e a beleza de Puerto Madryn Parte 8 - O anjo do carro vermelho Parte 9 - Cruzando o Estreito de Magalhães com San Martin Parte 10 - Enfim, o fim do mundo Parte 11 - Algumas das belezas de Ushuaia Parte 12 - El Calafate, Glaciar Perito Moreno e Lago Argentino Parte 13 - O paraíso tem nome, El Chaltén Parte 14 - A janela do ônibus Parte 15 - O caminho de volta: Buenos Aires, São Miguel das Missões, Curitiba e Prainha Branca Parte 16 - Reflexões
  25. 11 pontos
    Olá galera, tudo bem? Busco amizades para fazer um mochilão pelo nordeste em 2019! Alguém interessado? Bora! Vamos fazer um grupo no whatsapp, assim já vamos criando roteiros... Me passem o whats que eu faço o grupo!! Sou de SP - Capital, bora dar uns roles por Sampa também!!
  26. 11 pontos
    Depois de exatos 7 dias explorando a Patagônia, finalmente chegou o dia mais esperado de toda a minha viagem: o primeiro dos 5 dias que eu passaria no Parque Nacional Torres del Paine. ✨ O planejamento de toda a minha viagem girou em torno desses dias, e eu explico o porquê: para você acampar no parque, obrigatoriamente, você precisa reservar uma vaga. O parque aceita um limite de pessoas acampando lá por dia, isso ajuda a preservar o meio ambiente, é turismo sustentável e responsável. Só que isso torna essas vagas disputadíssimas. Preste atenção: faça a sua reserva o quanto antes. Eu fiz a minha com 5 meses de antecedência e ainda passei um baita perrengue, o que rendeu pauta até para um post, que você pode conferir aqui: Tentando acampar em Torres del Paine: Vértice Patagônia e a angústia que te dá! Muito bem. Eu li muito sobre o parque, os campings e refúgios e os circuitos. E eu escolhi percorrer o Circuito W inverso, o que significa que eu iniciaria a minha jornada por Pudeto e terminaria em Laguna Amarga. Escolhi esse circuito inverso porque li muitos relatos de que esse seria o percurso mais leve, em relação a inclinação do terreno. Teoricamente as subidas seriam menos sacrificantes. Uhum, tá ok (hahaha). Passei 5 dias e 4 noites lá, que é a média de quem faz o circuito W. Mas tem quem faça em menos tempo. No primeiro dia, cheguei com o ônibus na Portaria de Laguna Amarga. Todo mundo desce do ônibus para se registrar no parque. Isso é obrigatório e é para sua própria segurança. Você preenche um formulário, paga o ingresso (somente em dinheiro) e ainda pode carimbar seu passaporte. Depois é encaminhado para uma sala, onde recebe orientações por vídeo. Quem inicia a travessia por Las Torres, começa a caminhada ali mesmo (também tem um serviço de transfer dentro do parque, que é pago, e te deixa numa estação rodoviária mais adiante no parque, próxima ao Hotel Las Torres, que é o início efetivo do circuito). Recomendo. Utilizei o serviço na volta. Quem inicia a travessia por Paine Grande, retorna para o ônibus. O ônibus te leva até o píer de Pudeto. Nesse ponto você pega um catamarã, que atravessa o lago Pehoe e te deixa no refugio Paine Grande, início do circuito. Os barcos tem horário e não são muito tolerantes com atrasos. No fim desse post tem um link para você acessar horários e valores atuais. Nesse dia, meu destino era o Refugio Grey. O planejado foi o seguinte: Dia 1: Chegada ao Parque Nacional Torres del Paine: início da trilha por Paine Grande até o Refugio Grey - 11 km de percurso; Dia 2: trilha do Refugio Grey até Camping Francés, passando pelo Valle del Francés, até mirador Británico - 31 km de percurso; Dia 3: trilha do Camping Francés até Camping Cuernos - 3 km de percurso; Dia 4: trilha do Camping Cuernos até Camping Chileno - 16,6 km de percurso; Dia 5: trilha do Camping Chileno até as Torres del Paine e retorno a Las Torres, onde pegaria o transfer até a portaria e lá, o ônibus para Puerto Natales - 13,8 km de percurso. Até aqui, te contei o que planejei. Mas claro, não saiu como o planejado. 😂 Dicas valiosas: ➼ Preste atenção nas orientações na entrada do parque. Não subestime a natureza. Quinze dias depois que deixei o parque, um rapaz morreu, e tudo indica que ele foi derrubado pela força do vento. Os ventos em Torres del Paine passam de 100 km/h. Eu senti isso na pele, foi desesperador. Não brinque com isso. ➼ Eles recomendam que você nunca faça as travessias sozinho. Eu fiz e havia muitas pessoas fazendo, tanto homens quanto mulheres. Mas se você tiver uma companhia, é mais seguro e provavelmente mais divertido. Você não corre nenhum risco dentro do parque além de sofrer com a força da natureza, mas isso basta, não é? ➼ Existem pumas dentro do parque. Não vi nenhum. Também não há relatos de acidentes com pumas. ➼ Existem áreas bem complicadas de atravessar. Pontos onde você tem que escalar pedras ou descer por elas, passagens dentro de rios, com uma correnteza considerável, áreas de penhasco e ventania forte. O vento é o seu maior inimigo. Se estiver ventando muito, pare de caminhar e encontre um ponto de apoio, algo em que se segurar. Não tente, de jeito nenhum, enfrentar a ventania. ➼ Leve dois bastões de trekking. Eles são de uma ajuda inestimável. Levei um só e me arrependi. ➼ Suas botas precisam ser impermeáveis. Como eu disse, você vai passar dentro de rios, obrigatoriamente. ➼ Não faça fogo fora das áreas permitidas. Além de você correr o risco de ser pego e expulso do parque, você pode causar um incêndio. Não seria a primeira vez. ➼ Respeite seu limite, não force seu corpo. Pare e descanse quantas vezes precisar. O dia é longo e escurece tarde (no verão). ➼ Leve todo o seu lixo com você. Não deixe nada para trás. ➼ Leve, pelo menos, duas garrafinhas de 500ml com você. Existem muitas fontes de água fresquinha e potável pelo caminho. Geladinha, delícia. Não passei sufoco. Bebi água como nunca. ➼ Beba água. Beba, beba, beba. Você precisa repor o que perde. ➼ Assim que você chegar ao parque, preste atenção no seu ônibus, anote a placa para você não se perder. São muitos ônibus chegando ao mesmo tempo. Os motoristas esperam todos se registrarem, então não se desespere. Muitas pessoas ali vão seguir a pé, então você vai notar que o ônibus que sai para Pudeto vai com poucas pessoas. No meu caso, eles juntaram a turma de vários ônibus em um só. ➼ Os horários dos ônibus e embarcações dentro do parque, bem como seus valores, você pode encontrar aqui. ➼ A embarcação em Pudeto e o transfer para Las Torres, são pagos - em dinheiro apenas - na hora. O ticket do catamaran é cobrado depois que você entra e todos estão acomodados. Quando fui, o barco encheu e pessoas ficaram de pé. O trajeto não é longo, mas... ➼ Coloco o link com o mapa de Torres del Paine aqui. Ai que saudade desse lugar! 💗 Tem muita história pela frente ainda! Te conto no próximo post! O que aprendi até aqui: "Tá com medo? Vai com medo mesmo!". Até logo, aventureiro!😊 Bruna.
  27. 11 pontos
    Depois de voltar de El Chaltén, passei mais uma noite em El Calafate, pois no dia seguinte eu iria de ônibus para Puerto Natales, no Chile. A cidadezinha funciona mais como uma espécie de "cidade dormitório". O objetivo dos turistas ali é o Parque Nacional Torres del Paine. A estrutura da cidade é voltada para o turismo de aventura, existem muitas lojas especializadas em produtos de camping, trekking e coisas do tipo.Puerto Natales é uma cidade pequena, as ruas são planas, o centrinho é super bonitinho e as lembrancinhas são caras. Rapaz, como são caras! 😱 Deixei El Calafate numa manhã de domingo e fui para Puerto Natales. Meu vizinho de banco de ônibus era um senhorzinho australiano, que falava um pouco de português. Quando o motorista pediu para ver os passaportes e esse senhor viu o meu passaporte brasileiro, ficou todo contente. Por algum motivo as pessoas sorriem quando descobrem que você é do Brasil. 😊 Me contou que uma vez por ano ele faz viagens assim. A esposa dela estava na Austrália, achou muito longe, mas ele veio conhecer as famosas Torres del Paine. Cheguei na cidade por voltas das 14h, peguei um táxi e fui para o hostel. Eu poderia ter ido caminhando da rodoviária até o hostel. Não é exatamente perto, mas a cidade é plana, fácil de andar e se localizar. Mas precisei pegar um táxi. Meu mochilão estava muito pesado e eu havia judiado muito dos meus pés amaciando as minhas botinhas para ir até o Fitz Roy, em El Chaltén, lembra? Os táxis lá cobram valores fixos, que variam de 2000 à 4000 pesos chilenos, se não me engano, dependendo o horário do dia. Os preços geralmente ficam fixados no para-brisa do carro. O taxista foi muito bacana, me mostrando a cidade ao longo do caminho (apesar dele ter tentado me dar um nó na hora de me devolver o troco). 🙈 Cheguei, deixei as coisas no hostel - dessa vez fiquei num quarto compartilhado feminino - e saí para andar na cidade. A cidade estava bem cheia, apesar do dia frio e chuvoso. E eu estava me sentindo profundamente melancólica e sozinha. Achei uma lanchonete e comi um hambúrguer. Andei um pouco na avenida costaneira que beira o Seno Ultima Esperanza. Entrei em algumas lojinhas. Voltei pro hostel. Eu resolvi reservar um dia inteiro lá para arrumar o mochilão com calma, comprar alguma comida que faltasse para o camping, o gás para o meu fogãozinho e descansar bem. Fiz isso no dia seguinte. Existem algumas coisas que você pode fazer estando em Puerto Natales: visitar a Cuevo del Milodon é uma delas, mas ficou para a próxima. Lá também tem um cassino, há quem goste. E os pontos turísticos clássicos, como o "Monumento la Mano", o "Monumento al Viento", a estátua do Milodon, as placas de tsunami... lugares onde você pode tirar uma foto pra guardar de recordação. Ainda nesse dia tive a felicidade de conhecer duas viajantes que, assim como eu, estavam viajando sozinhas pela primeira vez, buscando o mesmo que eu. Colombe - advogada belga - e Bárbara - italiana que trabalhava no comitê de esportes de Londres. Sabe quando você encontra com alguém e parece que são amigos de infância? Pois é. Fomos jantar juntas no restaurante do hostel e ficamos conversando sem ver a hora passar - ainda bem que eu já havia arrumado o mochilão para a aventura que se iniciaria no dia seguinte. A ansiedade não ia me deixar dormir de qualquer maneira! No dia seguinte acordei super cedo, tomei café (só por comer mesmo, porque a ansiedade não me deixava ter fome) e o rapaz do hostel chamou um táxi para mim, para eu ir até a rodoviária. Eu vou confessar: eu estava apavorada com a ideia de passar 4 noites acampando sozinha em Torres del Paine. A minha mochila parecia pesar uma tonelada e eu estava com uma baita machucado no calcanhar. Antes de sair eu conversei pelo telefone com "o meu alguém especial" e isso me deu forças. 💘 As minhas novas amigas iriam fazer passeios bate e volta lá no parque, e começariam pela ponta oposta do meu circuito, então eu iria sozinha. Eramos só nós, minha mochila e eu. A coragem não veio nesse dia, ficou dormindo. Mas eu estava acordada e não dava pra voltar atrás. Fui - apavorada - mas fui. Fui pra maior aventura da minha vida até aqui. E no próximo post, eu te conto porquê! O que eu aprendi até aqui: "tudo o que você precisa é de um minuto de coragem insana". Até a próxima, aventureiro! 😁
  28. 10 pontos
    Salve Salve Mochileiros! Segue o relato do mochilão realizado no Sudeste da Ásia em 2018 batizado de The Spice Boys and the Girl. 1º Dia: Partida - 04/11/18 - 19h05min - São Paulo x Madrid - Empresa AirChina - R$3.680,00 Partimos do Aeroporto de Guarulhos - GRU em São Paulo por volta das 19:30 do dia 04 de Novembro de 2018, fizemos um check-in tranquilo com a empresa AirChina e embarcamos para nossas primeiras 9 horas de vôo até Madrid na Espanha onde fizemos conexão. O vôo foi bem tranquilo, até conseguimos dormir, porém a comida do avião não é das melhores mas acabei comendo assim mesmo e já começava ali a sentir o cheiro e o gosto da Ásia hahahahah. Chegamos em Madrid na Espanha por volta das 5:00am e fizemos uma conexão de 3 horas, deu tempo de dar uma volta no Free Shop, banheiro, comer alguma coisa (caríssima), fazer os procedimentos burocráticos e embarcar novamente pois teríamos a China ainda pela frente. 2º Dia: Partida - 04/11/18 - 8h15min - Madrid x Pequim - Empresa AirChina Chegamos em Pequim ainda de madrugada com uma temperatura de 7º, quem se deu bem foi quem ficou com as cobertinhas que a empresa AirChina empresta para as pessoas no avião, pois não esperávamos passar tanto frio no aeroporto da China como passamos naquela conexão rss. Assim que descemos do avião caminhamos um longo caminho até os terminais eletrônicos onde se inicia os procedimentos burocráticos de conexão da China. Finalizamos depois de alguns minutos os procedimentos e dormimos um pouco em bancos do aeroporto sendo acordados e presenteados por um lindo nascer do sol no Aeroporto de Beijing. Procedimentos concluídos no Aeroporto de Beijing partimos para o nosso tão desejado e esperado destino final daquela cansativa viagem de aproximadamente 23 horas, a capital da Tailândia, a grandiosa Banguecoque. 3º Dia: Chegada - 06/11/18 - 15h15min - Pequim x Banguecoque - Tailândia (Taxi 1.000baht, Chip 600baht, Hostel 340baht) Chegamos por volta das 15:00 pelo horário local, fizemos os procedimentos de imigração, primeiro o health control depois na fila de imigração, carimbamos nossos passaportes, pegamos nossas mochilas e pronto, lá estávamos livres para explorar Banguecoque. Trocamos $100,00 dólares no aeroporto com um câmbio de $1,00 dólar = 31,60 baht, depois compramos um chip para o telefone por 600 baht com 6 Gigas por um período de 30 dias e chamamos um Graab, como se fosse o Uber no Brasil, onde pegamos na parte superior do Aeroporto Internacional Suvarnabhumi por 400 baht em torno de R$40,00 reais que nos levou em 30 minutos até o nosso hostel, o The Mixx Hostel. Ficamos hospedados na rua Ram Buttri que fica do lado da rua mais famosa de Banguecoque, a Kaoh San Road onde rola a grande noite da cidade, uma ótima opção para mochileiros. Muita comida típica e exótica boa e barata, cervejas baratas, diversos bares, baladas, artistas de rua, drogas, sexo e tudo que uma bela noite de Banguecoque pode te oferecer pra se divertir. Vale a pena conferir! Na hospedagem pagamos por dois dias 340 baht, ficamos em um quarto com quatro camas/beliche, ar condicionado, banheiro compartilhado e café da manhã incluso, o hostel é simples mas atende as necessidades com uma ótima localização. Conhecemos alguns templos na capital, alguns fomos a pé mesmo pois são muito próximos um do outro. Wat Pho (Buda reclinado), Wat Saket (Monte dourado) e Wat Arun (Templo do amanhecer). A cidade é bem frenética mas andar a pé pelas suas ruas foi uma bela escolha. caminhamos muito por essas ruas, muito das vezes sem um rumo certo, mas logo nos achávamos pelo google maps. A cada esquina que se vira na Tailândia você vê uma foto do rei. Embora o já tenha falecido, o povo Thai tem muito respeito pelo rei Bhumibol Adulyadej que morreu em Outubro de 2016 com 88 anos de idade após 70 anos no poder que hoje tem como rei o seu filho Maha Vajiralongkorn. A culinária asiática é muito exótica, a cada comida que você experimenta é uma surpresa de sabores. Experimentei o famoso prato típico de rua tailandesa Pad Thai, uma espécie de macarrão de arroz frito com frutos do mar ou carne de porco ou de frango, acompanhado de castanhas com pimenta que custa em média 100 Baths e se encontra em todo lugar da Tailândia, experimentei também o Thai Mango Sticky Rice, uma sobremesa tradicional tailandesa feita de arroz glutinoso, manga fresca e leite de coco, ambos baratos e deliciosos, mas existem uma infinidades de comidas para serem saboreadas na Tailândia. Ficamos 3 dias na capital Banguecoque e além de conhecer templos tentamos entrar na rotina das pessoas locais. No terceiro dia para chegar em um templo tivemos que pegar um transporte público BTS Skytrain no rio Chao Phraya. Passamos por alguns pontos e depois retornamos até chegar no templo Wat Arun. As passagens são muito baratas, pagamos por volta de 80 Baths tanto ida quanto volta, então vale muito mais a pena o tour por conta e ainda tivemos uma vista maravilhosa totalmente diferente da cidade vista pelo rio. Ficamos no templo Wat Arun até fechar por volta das 19:00pm, depois fomos de barco pelo rio Chao Phraya até o porto que da acesso ao grande mercado Asiatique, um maravilhoso complexo de lojas e restaurantes, um verdadeiro shopping ao céu aberto localizado às margens do rio Chao Phraya situado nas antigas docas de uma empresa que realizava comércio na região portuária no século passado. Em função da sua localização e história, seu layout é temático e apresenta uma decoração especial com tema inspirado no reinado do Rei Chulalongkorn (1868-1910) e na atividade marítima. Ficamos umas boas horas comendo, bebendo e curtindo o local, depois pegamos um táxi por 200 Baht para o hostel pois no outro dia logo de manhã tínhamos o nosso vôo para as belas praias da Tailândia. Assim que chegamos no hostel deixamos reservado nosso táxi para o aeroporto Don Mueang - DMK por 400 baht pois sairíamos bem cedo para o aeroporto. Acordamos por volta das 5:00am da manhã e o táxi já estava nos esperando na porta do hostel no horário combinado, após 30 minutos chegamos no aeroporto. Partiu praias... 6º Dia: Praia - 09/11/18 - 7h25min - Banguecoque x Krabi x Ao Nang - Empresa Air Asia - R$148,00 (((((Continua no próximo post))))) Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/
  29. 10 pontos
    ...ou as 5 coisas mais estúpidas que eu fiz em 5 dias na Nicaragua. porque dica do que fazer todo mundo dá. tudo é lindo nas fotos, nos textão. quero ver compartilhar as cagadas. só vou relembrar porque eu me prometo e tá escrito: NUNCA mais fazer umas cagadas dessas. (((até a proxima viagem))) 1. Naufragar de Kayak i love the smell of vai dar ruim in the morning. na minha última manhã em granada acordei cedo com siricutico e fui pro centro da cidade procurar um passeio pra ser o gran finale da estadia. já não bastava ter nadado em cratera de vulcão e cheirado enxofre do outro cuspindo lava, não. tinha que ter mais emoção, isso, tinha que ter mais aventura. tinha mesmo é que ter ficado quieta no meu canto mas... cheguei no centrinho e tava tudo fechado, a cidade só acorda 8h30. povo esperto esse povo da nicaragua, temos muito a aprender com eles. tudo aquilo que o sol toca, simba, é menos trouxa que você e só acorda as 8h30 da manhã bom, não vou esperar 1h sentada aqui no banco da praça né? volto pro hostel e arrumo as coisas, afinal, tenho que pegar um ônibus meio dia pra outra cidade. o universo sempre se comunica comigo. e eu devo falar aramaico. aproveitei o tempo ocioso pra conversar com a familia e tirar fotos da cidade vazia. tava tão vazia que rolou até um pau de selfie sem walk of shame. fechei um passeio de kayak pelas isletas e, como eu não sabia que ia andar de kayak quando acordei, tava com a minha sandalia que ocupa + espaço na mala, aquelas de gladiador romano. vocês acharem cafona é problema de vocês. na nicaragua faz sucesso. o motorista se ofereceu pra passar no meu hostel pra trocar. mas eu não queria fazer as outras 4 pessoas me esperarem. fora que minha malinha é organizada com o método tetris, se abrir tem que chamar esquadrão anti bomba pq pula roupa pelo quarto inteiro. então recusei. já que ia ficar dentro do kayak, não tinha pq me preocupar com sapato. (((nessa hora consigo mentalizar o universo, lá de longe, acenando negativamente em um facepalm))) o briefing antes de sairmos pro mar incluiu uma pergunta importantíssima de um alemão: "pq colete salva vidas? algum kayak já virou?" a resposta ficou marcada pra sempre em mim "apenas procedimento padrão de segurança pra não sermos multados. olha, posso te garantir, fizemos cerca de 600 tours e nunca aconteceu nada" tinhamos duas opções de kayak: duplo e individual. obviamente os 4 pegaram os duplos e eu sobrei ¯\_(ツ)_/¯ o kayak individual é bem mais punk que o duplo, ele é pesado e ruim de jogo, além de ser todo fechado. enquanto o duplo é aberto e de plastico (olha eu tentando dar desculpinha pra tentar justificar a cena rrrrrrridicula que vai se passar comigo alguns paragrafos abaixo) kayak nutella. duplo. molezinha. pra americano no spring break kayak raiz. individual. senhor com 35 anos de experiencia em alpinismo e sobrevivente de ataque de tubarão em moçambique além disso, começávamos o percurso na areia e pra chegar nas isletas, precisava passar a rebentação. isso ninguém te avisa antes de pegar seus dolares suadinhos. estava ventando. bastante. isso quer dizer que as ondas tavam boas. não pra nós,claramente. mas tinha gente surfando no lago. eu podia ter desistido nessa hora. mas não. a certeza que ia dar ruim eu já tinha, agora eu ia atrás da humilação REAL. e fui. o programa que acontece todos os dias nos mais de 600 tours é mais ou menos o seguinte: 9h - chegada na marina e briefing 9h15 - todo mundo com o kayak na areia rumo as isletas 9h50 - chegada as isletas 10h40 - visita ao forte 11h - retorno pra marina 11h30 - fim e agora uma imagem aérea de onde eu estava as 10:00 eu não conseguia, de jeito nenhum, quebrar as ondas e tava sendo jogada pras pedras. a cada estourada, entrava mais água no kayak (lembra que era fechadão? pois é). eu já tava com os braços e as pernas doloridas e o sol tava ardendo. tinha esquecido capa a prova dágua e meu celular tava em um ziplock de pão, agarrado no meu colete sendo submerso. olhei pro céu. alguém devia tá rindo de mim. lembrei dos mais de 3 mil kayaks que já tinham passado por ali e nunca tinham afundado, enquanto ia sentindo o meu ficando cada vez mais pesado, no nivel da água.tava a poucos minutos de virar estatística, podia sentir. eu ia mudar o curso da resposta pra pergunta do colete. parece triste, mas o pessoal do meu grupo que já tava no rio calmo, ria com respeito de mim e tentava gritar alguma coisa pra me ajudar. o guia, um nicaraguense de 19 anos, só falava frases de motivação tipo treinador de crossfit. as ondas vinham rasgando pra cima de mim. até que eu vi ela, e ela me viu. a onda veio e eu nem tentei lutar. o kayak virou, e eu, em câmera lenta com as duas perninhas arreganhadas pra cima, tentando segurar o celular com a boca tomei um caldo épico. se tivesse trilha sonora, seria a nona de beethoven (6:46 do video, mais precisamente), mas como não tinha, foi um grunhido sem graça e um "fuck i think i sank". o guia explodiu de rir. boiei até chegar o resgate. me trouxeram um novo kayak. um de criança. se fosse poesia terminaria com a foto do inicio do post como não é, termina com uma queimadura de sol de primeiro grau nas canelas com a silhueta da danada da sandalia de gladiador que eu não quis trocar amaldiçoados sejam os romanos. 2. Descer um vulcão a 75km/h... e quase morrer por isso Na lista das coisas que eu deixei nesse país, além de um pedaço do meu coração e da dignidade pós naufrágio de kayak, está um estão alguns tecos da minha perna e, surpreendentemente, nada além disso. A CNN colocou a descida do Cerro Negro na lista das 50 Coisas Mais Desafiadoras Que Você Pode Fazer Viajando. Está em segundo lugar, atrás apenas de pilotar um avião caça. Só pra entender, muito atrás, lá em oitavo lugar está pular de paraquedas no Everest.Achei bonito pra por no currículo. Fui. Depois de sobreviver a um rola que a minha cabeça quicou 7 vezes a 75km/h, olhando pro céu com medo de me mexer, ter fraturado alguma coisa (provavelmente tudo) e na tentativa de levantar, simplesmente me desmontar, decidi ficar afundadinha ali nas cinzas do vulcão por algum tempo agradecendo por estar viva. Será que eu tava viva mesmo??? Dos meus últimos momentos, lembrava de ter descido sem afobação, ganhando velocidade aos poucos até que sim, drummond, porra, tinha um caralho de uma pedra no meio do caminho. Que fez meu board voar. Interrompendo meu devaneio, surgiu uma cabeça entre o meu rosto e o sol: era o médico da cruz vermelha querendo falar comigo. Com aquela cara coberta de guerrilheiro, definitivamente não era São Pedro. Já que não tava no céu, resolvi levantar. O homem ficou assustado, como se tivesse vendo defunto ressuscitando. Queria saber se eu queria ajuda, falei que não uuuu ariana forte independente e logo me arrependi. Vi meu board a uns 5m ladeira acima e lembrei da regra suprema que o guia tinha frisado: "não importa o que aconteça, seu board é sua responsabilidade". No topo do vulcão é tranquilo andar, mas ali no meio a parada fica sinistra, a cada passo, a perna afunda até o joelho de pedra e cinza QUENTE. Num sol de 35º com um macacão de sarja de manga comprida do pescoço até o pé. tá feito o cozido de Mari al Bafo. no tutorial de make de hoje vamo ensinar a nunca arrastar a cara em cinza de vulcão Nessas horas lembrei da minha mãe falando pra eu não me meter em roubada que o seguro saúde não cobria. PQP mãe, eu sei que você avisou. Pra não dar o braço a torcer, apesar da vontade de ligar pra mamai e chorar, me prometi que só ia contar a história depois de ter ido embora de Leon. Quando cheguei no pé do vulcão tava geral incrédulo me cumprimentando, querendo saber se eu tava bem. Eu falava que sim, fingindo costume de aventureira, mas por dentro tava toda estrupiada. vocês tem apenas uma tentativa pra localizar o irlandês marrento Tinha um irlandês marrentinho que tava enchendo o saco desde o início do krl do tour que seria o mais rápido. O tempo dele tinha sido 72 km/h. Eu tava tão zureta que nem perguntei o meu. Na verdade, eu sentia que nem tinha ido tão rápido assim. Me falaram que fizeram um bolão porque acharam que eu tinha sido mais rápida. Hm, interessante... Perguntei. O cara com o velocímetro "You?" com o zoião e um sorrisão no rosto "Look - apontou pro tempo - 75, mas rapida" Senti aquele orgulho alheio. Só que era eu mesma. Krl como assim, tudo isso? E o pessoal que tava em volta ainda adicionou que os 75km foram graças a esse rola que me impediu de acelerar mais, porque ia passar de 80km/h tranquilo. imagina a merda que ia dar. #semfreio #quasesemfreio #cabeçaABS agora, papo sério: adrenalina é muito maneiro. me amarro, mas ser inconsequente não é legal. nós não somos intocáveis. não acontece só com os outros. E se serviu de alguma coisa essa história? Além de ter virado lenda na cidade por um dia e bio do tinder (é de cair o c da bunda o tanto de homem que prefere uma boa história no lugar de umas boas fotos) eu que antes não tinha medo de nada, comecei a ser mais consciente dos piriiigos que a gente se mete sem pensar duas vezes, o "só se vive uma vez". Agora até pra pular trampolim fico calculando onde que minha cabeça pode bater e dar ruim. Traumatico, não recomendo. cheia de bolha do remo do dia anterior, imagina como não ficou inflamadinho cheio de cinzas 😇 Apesar de tudo, a frase que encerra o artigo da CNN sobre o Cerro Negro consegue me levar de volta praquela boleia do caminhão na estrada rumo a Leon, a 5 mil km de casa, na selva, bebendo cerveja, cantando a todo pulmão as musicas do rádio com 30 estranhos que já tinham virado meus melhores amigos. sangrando, toda suja de terra e cinzas, eu só tinha a agradecer. "On the ride back to Leon I give silent thanks to the inspired people of the world: the ones whose minds run off on all manner of daring tangents, like the flanks of Cerro Negro. The ones who admire not just the aesthetics of the wilds, but the possibilities too. And most of all the ones who stare up at active volcanoes and think: "I wonder if I could ride my fridge down that?" e dá pra reclamar? 3. Fazer happy hour de rum... ...e conhecer a famigerada invalidez. na sexta, cheguei no hostel depois do vulcão e fui pesquisar sintomas de traumatismo craniano. Tinha que ir pra outra cidade no dia seguinte - san juan del sur - mais ""rústica"" fodida ainda, mas enjoada e com dor de cabeça, boa coisa essa viagem não ia dar. achei um artigo médico que descrevia o seguinte: Se a resposta for "sim" para alguma dessa questões, é necessário levar a vítima da batida ao pronto-atendimento. a minha era positiva pras perguntas 2 e 3. a 4 já veio de nascença. o pessoal tava preocupado, mas a real é que eu tinha duas opções: - passar a noite num hospital duvidoso na nicaragua e muito provavelmente voltar pra casa com diagnostico de virose. - aproveitar o happy hour e encher a a cara de cachaça pra esquecer a dor de cabeça. quantas doses de rum o corpo humano consegue aguentar? multiplica por 2. resumindo, ia rolar uma festa na praia las peñitas que foi cancelada, o gerente ficou maluco e resolveu compensar em león mesmo. 2 copos de rum com coca pelo preço de um. as vezes três copos, dependendo do humor do bar. (recomendações: fique o mais longe possivel de drinks que contenham as letras R U M, especialmente se do lado você encontrar essa formula matemática 2 X 1) como você tem que pegar todos os copos de uma vez, pra socializar pra não esquentar, muita gente te oferece o segundo. acabei ganhando alguns da carmelita*, minha amiga de quarto, outros muitos dos irlandeses malucos, algum por sobreviver ao capote, outro on the bar........... qualquer motivo era motivo. mas, se ainda faltava alguma desculpa: TOMA. lá pra algumas muitas da noite começou a final de rugby entre lions (da irlanda) e all blacks. É A FINAL DA COPA DO MUNDO ENTRE BRASIL E ARGENTINA. o hostel foi abaixo. eram cerca de 40 irlandeses. muitos litros de cerveja e rum foram misturados nesse intervalo de tempo e você não precisa ser professor de química pra saber que essa mistura heterogênea é mais danosa pro fígado e pra cabeça que ingerir ácido. não sei quem ganhou, mas lembro que nas comemorações, tinha uma menina pelada dançando em cima do balcão do bar. nada mais fazia sentido. resolvi deitar pra dormir. tava muito difícil sair da cadeira do balcão. era daquelas altas, sabe? nesse momento da noite, olhando pra baixo, parecia que eu tava a uns 2 metros do chão. blackout. evidências da noite anterior no rolo da câmera acordei 2 da tarde no dia seguinte, hora que o pessoal que foi descer o cerro negro no sábado tava voltando e fazendo festa. mal imaginam o que vai acontecer daqui umas horas. brace yourselves kids. tradição depois do vulcão é tomar um shot de pimenta. acordei no sábado com uma situação parecida com essa. pelo menos eu tava sem dor de cabeça, o que não fazia sentido nenhum. olhei pro lado e vi a carmelita na outra cama em estado de putrefação também. depois que eu fui dormir, ela emendou uma balada. evidências da noite anterior no instagram lembrando dos arrependimentos acontecimentos da noite com a carmelita, ela me fez reviver meus últimos momentos acordada da madrugada de sexta pra sábado.começava comigo tentando sair da cadeira. na primeira tentativa de levantar, o juan* um anjo que deus o abençoe e o tenha por me aguentar perguntou se eu precisava de ajuda. respondi queclaramente pfvr mim ajude não, conseguia me virar sozinha. na segunda, o gerente do hostel, o pablo*, pediu pro juan me acompanhar, porque eu já não sabia o que tava falando. pablo já tinha tomado pelo menos uns 20 copos de rum e tava se achando com moral. pablito ensinando irlandês beber na terceira eu decidi que ia, era meu momento, ia provar que tava certa caminhando sobriamente pra ir pro quarto. já tinha até ensaiado a cara de turn down for what. apoiei as duas palmas da mão nos cantos redondos do banco e fiz pressão pra dar equilíbrio pra tomar o impulso e sair. a pressão foi tanta que acabei fazendo peso na parte da frente do banco. se eu tivesse numa sala de primeira série, tinham gritado madeeeeeira. caí que nem bosta, de cara no chão. segurando os lados do banquinho com força. apaguei. a pancada deve ter sido exatamente do lado contrário da batida do vulcão pra equilibrar os chakras da cabeça. por isso que eu tava sem dor. pablo, juan e carmelita me ajudaram a ir pro quarto. ainda bem que eu não vou ver ninguém nunca mais. volta pra 2 da tarde de sábado porque eu e carmelita estamos famintas e precisamos procurar comida. primeira pessoa que encontro saindo do quarto, sentado lendo: juaniiito. "e aí bela adormecida, pensei que ia pra san juan hoje" EU TINHA ESQUECIDO DO KRL DA VIAGEM trajeto que eu tinha que fazer perguntei se eu ainda conseguia pegar um chicken bus a tempo. "esquece, 6h de até lá e vai ter que fazer baldeação sozinha a noite" bugou tudo. não sei direito o que aconteceu mas começamos a caminhar sem rumo pra achar comida e, por inércia, entramos na principal atração turística da cidade: A Catedral de Leon. eu tava sem celular. saí só com a roupa do corpo. tava num estado parecia que tinha tomado chá de fita cassete. triste, vendo scar matar mufasa num looping eterno. escorando em qualquer canto e pensando q q to fazendo com a minha vida na volta, experimentei a sensação de falência múltipla em vida: corpo, mente e bolso em estado irrecuperável. deitei no sofá e encarei o teto por tanto tempo, mas não vi passar. sabe quando a gente se irrita porque quer descansar e a cabeça não para de pensar? nesse momento eu não. eu só existia. eu o teto e mais nada. agora sei como vivem as amebas. a diferença é dentro do protoplasma delas você consegue encontrar o núcleo, dentro de mim, o cérebro tava boiando no rum. morri mas passo bem mal a pessoa que tá de ressaca, descalça, sem pentear o cabelo há 10 dias não quer guerra com ninguém * o nomes na história foram trocados pra preservar a integridade e dignidade de todos os envolvidos kkk menos a minha 4. Chegar em San Juan no domingo direto pro Sunday Funday... ...e quase perder a festa. por causa da lástima do item anterior, resolvi que ia pra san juan no domingo no shuttle do hostel - pra não ter nenhum problema com chicken bus e chegar a tempo. chicken bus são esses ônibus iradíssimos com tecnologia de primeira classe que garante que cinco corpos ocupem o mesmo lugar. sempre custam alguns centavos de dolar, e pelo que oferecem, posso te garantir que ainda tá caro minha ideia inicial era ficar no pachamama em san juan, onde começa o sunday funday ou no naked tiger, onde termina, mas obviamente eles tavam esgotados. os amigo do bigfoot, hostel que eu tava em leon, ficaram tudo compadecido com a minha situação e ligaram pro casa de olas, que é do lado do naked tiger, onde eles tinham ficado por duas semanas e acharam 10 x melhor. pelo menos lugar pra dormir e como chegar eu tinha agora. atualização: é mesmo 10 x melhor. tinha só um porém: o shuttle estava programado pra chegar as 3:30 em sjds.exatamente o mesmo horário que sai o ultimo carro pro sunday funday. já que o shuttle deixa na porta do hostel, é fazível né? antes de entrar no shuttle, o motorista pergunta a cidade e o hostel de destino de cada um. finalmente podia descansar antes do furacão em san juan. a viagem foi tranquila, fui vegetando. ressaca de 2 dias, já teve? já ouviu falar? paramos em todos esses lugares que fala aí no mapa de cima e eu não lembro de nada. só lembro do motorista encostando no meio da estrada e "NAKED TIGER, CASA DE OLAS" olhei pros lados, só mato. o motorista deve ter se confundido. continuei deitada fingindo que não era comigo. ele abriu a porta da van. "você! chegou! tem mala?" antes de achar que é tranquilo, lembre-se jove, olhe o tamaninho do ponto brancoque podia ser meu carro, pra comparação. depois entenda que o google maps da nicaragua tá em 2d ainda, essa estradinha que liga onde eu tava e o lugar que eu tinha que tá sobe uns 458 mil metros acima do mar. é um morrão, que no estado que eu tava, parecia o kilimanjaro pois é... tá vendo aquele asterisco ali embaixo de san juan del sur no roteiro do shuttle?"AT ANY HOSTEL*" eu era o asterisco. o motorista me explicou que como esses dois hostels estão fora de san juan e em cima de uma montanha com uma estradinha de terra, a van não passava. aquele era o lugar mais perto que ele conseguiria me deixar. já que não tinha alternativa, catei minha mochila e comecei a peregrinação morro acima. no pasa nada. literalmente nada passa nessa estrada. Deus me proteja. dava pra ouvir os grilinhos na mata. espero eu que sejam os grilos. depois de uns 10 min começo a ouvir um barulho de carro vindo. gelo. o barulho vai se aproximando e ficando muito mais alto. o carro para do meu lado. uma caminhonete com dois caras no banco da frente me oferece carona. já vi filmes de terror o suficiente pra saber onde isso ia acabar. recuso, fico em pânico e eles arrancam. um alívio. continuo subindo. nem sei quanto tempo se passa, e em alguns momentos da subida eu começo a duvidar que to no caminho certo. quando eu chego no meu limite do cansaço com a mochila nas costas, vejo o naked tiger. ALELUIA. procurando imagens da estradinha de terra pra escrever esse monte de bobagem, achei essa recomendação no site oficial do naked tiger. DO NOT WALK UP THE ROAD. kkkkk -rindo de nervoso cheguei finalmente no casa. estava estranhamente silencioso e só tinham três pessoas em volta da piscina. três hippies chapados. com cara de quem vai te dar um golpinho. a menina levanta e pergunta se eu quero fazer check in. ela explica que é voluntária no hostel. acho suspeito. falo que sim e que to atrasada pro sunday funday. ela muda de expressão na hora e começa a dizer pra eu deixar meu passaporte, meus cartões e minha mochila com ela e CORRER pro naked tiger porque eu não tenho mais tempo. eu entro num estado de pânico e não sei se devo confiar todas as minhas coisas nessa mina chapada. começo a tatear meus cartões e coloco na minha doleira pra levar comigo. ela se irrita a cada coisa que eu tento pegar e fica repetindo pra eu deixar com ela que ela vai cuidar. "YOU WONT NEED IT, GO". a tentação de não ir pro sunday funday e ficar no casa é grande apesar das suspeitas, deixei meu passaporte válido com ela, mas levei meu antigo comigo e todo meu dinheiro. fui pro naked tiger pagar o ticket. um dos donos do sunday funday tava lá, já travado. e aposto bastante que não tinha nem bebido ainda. ele falou que eu tinha muita sorte porque todos os carros já tinham saído, mas um voltou pra buscar uns israelenses e tava só me esperando agora. saí da recepção e vi a caminhonete que tinha passado por mim na estrada, com os dois caras no banco da frete. e os israelenses na caçamba. andei meia hora com peso nas costas a toa. agora eu precisava dos caras que poucos minutos antes me apavoraram sem intenção na estrada. eles só queriam ajudar. olhei pro céu. ri de nervoso. eles acabaram de salvar meu dia. irônica a vida. 5. Ficar sem dinheiro... ...e quase não conseguir voltar pra casa. precisei de um dia inteiro pra me recuperar do sunday funday. piscina do casa: dependendo do ângulo parece que você tá num barco em alto mar. não é exatamente o que o homem de ressaca procura, então fiquei nesse ângulo seguro aqui até que no casa, não é muito difícil a missão de caminhar de volta pro seu estado humano. o dono do lugar, um australiano que vive na nicaragua há uns 7 anos, parece o pai de todos. fred acorda cedo tomando umas pra ficar rindo da cara dos marmanjo jogado pelos cantos. conversa com todo mundo. todo mundo quer falar com ele. o cara tem muita história. e de quebra coleciona histórias de outros que passaram por lá. alguns highlander acordam 7 da manhã pra beber na piscina. na verdade, não sei nem se dormem. fui conferir minhas finanças na doleira. um susto. só sobraram 20 dolares e o hostel não aceita cartão. preciso ir pra cidade sacar dinheiro e comer. casa de olas, segunda, 7am. esse sujeito na piscina é um dos que passaram super bonder na mão e grudaram na latinha de cerveja. enquanto to me arrumando, alguém gira a roleta e ganha um drink. o fred avisa que vai fazer almoço pra todo mundo por conta da casa. SERIA UM SONHO??????? o café da manhã eu já tinha garantido, agora o almoço. Deus realmente abençoa os mochileiros depois de me entupir de comida, lá pras 3 da tarde desci pra cidade. parecia outra. o furacão insano de lotado do dia anterior, agora era uma silenciosa vila de pescador. ainda tem um ou outro gringo bêbado nas sarjetas. fico pensando no mal que o sunday funday causa pra quem mora lá. todo domingo a mesma história. vejo as lojinhas na rua e penso que talvez, no fim, seja bom. talvez eu esteja me enganando pra justificar. tem 3 caixas eletrônicos na cidade. vou que nem barata tonta de um pro outro. tão sem dinheiro. chamo um policial que tá sentado numa cadeira de plástico cochilando perto do banco. ele explica que é normal, as pessoas sacam muito dinheiro no domingo e geralmente segunda as máquinas ficam sem. memes brasileiro: maior produto de exportação. enzo já chegou na nicaragua me fodi. meu voo pro brasil é as 14h do dia seguinte saindo de managua e não apresento nenhuma condição de pegar chicken bus pra lá. alguns lugares oferecem shuttle por $25 pro aeroporto mas nenhum aceita cartão. fico desnorteada entrando de vendinha em vendinha perguntando, até que eu acho um surfshop de um francês, que cobra 10% pra passar cartão. a shuttle sai as 9:30 de san juan e a previsão de chegada é 13:00 no aeroporto internacional de managua. com a graça de Deus espero que dê tempo. não tenho outra opção. surfshop do francês amor que aceita cartão volto pro casa cabisbaixa e conto pro fred sobre os caixas eletrônicos. faltam $10 em dinheiro pra eu conseguir pagar minhas diárias. digo que posso transferir na hora via paypal, com juros. história do casa: and a lot of times a lot of guidance 😂 ele não quer. diz que eu sou a primeira brasileira que passa no casa e que eu era uma "menina boa" - vulgo não corri pelada em volta da piscina no dia anterior com as australianas - e me pede um favor em troca dos 10 dólares: que eu volte pra lá outra vez e traga mais amigos do brasil pra "pagar minha dívida". quando eu cheguei não entendi o social media free zone depois das 5:30. depois que vi o bicho pegando quando o sol baixa, fiz um ATA quase choro. agora que já passei por tanto nervoso pra conseguir o bendito do shuttle,não quero mais ir embora. outra regra que esqueceram de escrever nesse quadro é não se apegar. tem gente que vai passar 2 dias no casa, como eu, e fica dois meses. mas a maior regra de todas: não depender do krl do capitalismo eletrônico nas segundas. marx tava certo: ele vai te decepcionar. ---- é isso pessoal. se você tiver um pouquinho de noção que seja, não faça essas coisas todas aí quando chegar na nicaragua. se fizer, escreve uns post bem grandão pra gente dar risada de você... ...antes de ir pra lá e querer repetir mais uma vez as mesmas cagadas.
  30. 10 pontos
    Oiee! Voltei pra contar mais um pouquinho da minha trip! 24/12 – USHUAIA – EL CALAFATE Dia de me despedir de Ushuaia. Confesso que a primeira cidade me surpreendeu, não estava com as expectativas muito altas. Fiz o trajeto Ushuaia – El Calafate de avião, comprei todos os trechos juntos na opção multidestinos que a Aerolineas oferece. Meu voo saiu ainda de manhã, então não consegui fazer nada. Dividi o Remis até o aeroporto com dois meninos que estavam no hostel comigo e custou o mesmo preço da vinda ARS 300. O voo até El Calafate é curto, apenas 1h e a vista é de tirar o fôlego. Você pousa nas margens do Lago Argentino, o contraste da água azul com a vegetação seca é linda. A empresa mais tradicional que faz o transfer até o centro de El Calafate é a Vespatagonia e estava custando ARS 250 o trecho e o taxi por ARS 750. Estava com o dia livre, cheguei ao Hostel no início da tarde, arrumei as minhas coisas com calma. Os meninos que conheci em Ushuaia estavam no mesmo hostel que eu, então fomos atrás de algum lugar para almoçar, conhecemos um pouco da cidade e fomos ao mercado comprar algumas coisas para preparar nossa ceia de Natal. Mais tarde fui até a rodoviária comprar as passagens para Puerto Natales e El Chaltén, ela fica aberta até 21h ou 22h, não tenho certeza. Não consegui comprá-las, não lembro o motivo e fiquei de voltar no dia seguinte. Chegada em El Calafate Rua Principal 25/12 – EL CALAFATE – DIA LIVRE El Calafate é uma cidade muito simpática, fotogênica, organizada e limpa. O clima não é tão doido como Ushuaia. Meu objetivo era ficar lá somente para fazer o minitrekking no Perito Moreno, mas como não consegui vaga para o dia 25, precisei ficar um dia a mais e realizar o passeio no dia 26, dessa forma fiquei com o dia de Natal livre. Me dei ao luxo de enrolar na cama, tomar um café da manhã mais tarde e depois sair sem rumo pela cidade. Caminhei até a Laguna Nimez e tive a ideia de alugar uma bicicleta, voltei para rua principal, procurei na internet, perguntei em algumas lojas e nada. Muitos comércios estavam fechados e abririam mais tarde devido ao feriado de Natal. Já era meio-dia quando entrei em um kiosco, comprei alguns alfajores, sentei em uma mesinha fixa na rua em frente a uma sorveteria que tinha wi-fi e estava fechada. Fiquei ali matando um tempo, quando um senhor muito simpático pediu licença e sentou no banco ao meu lado. Começamos a conversar. Harry é suíço e tem cidadania argentina. Está rodando a Argentina desde abril/2018 e já havia feito 60.000 km sozinho em seu furgão. Conversa vai, conversa vem, Harry me convidou para dar uma volta pelo Lago Argentino, ele também tinha recém chegado em El Calafate e não conhecia nada. Sim, EU FUI! 😂 Me senti confortável e bem em fazer isso. Podem me chamar de louca ou o que for, mas foi muito legal. Conversamos bastante. Ele me contou que tocava em uma banda, mostrou as musicas que gosta de ouvir. Relatou várias das suas aventuras e viagens de moto pelo mundo. No meio da conversa descobri que ele estaria em El Chalten nos mesmos dias que eu. O Lago Argentino é surreal, nem acreditava no que estava vendo. O céu estava limpo e deixava a água ainda mais azul. Fomos para o lado esquerdo do lago, pegamos ruas de barro e as paisagens só ficavam mais encantadoras. Às 15h voltamos para nosso ponto de partida, trocamos contatos, batemos uma foto e retornei para o hostel. Lago Argentino. Juro que esse azul é real! Eu e o Harry Esse é o Harry, mostrando com o maior orgulho todo o caminho que ele já percorreu pela Argentina. O que está pintado de rosa ele já fez! Objetivo de vida 😍 Às 17h voltei para a rua principal em busca de uma bicicleta para alugar e finalmente encontrei. Anotem ai: Baft Travel, Rua 9 de julio, 57. O aluguel por 1 hora estava ARS 150 e 3 horas por ARS 300. Peguei uma bike e sai sem rumo, encontrei ruas lindas, cheias de árvores, campos com flores e depois fui até o Lago Argentino novamente, grande erro. O vento estava forte e foi difícil pedalar, viu?! Kkkkk Depois de devolver a bike, fui até o Mako, um barzinho que o pessoal do hostel havia indicado, bem gostoso por sinal. Tem mesinhas na área interna e externa, servem petiscos, chopes e cervejas, recomendo! Quanto tirei essa foto passava das 20h, o céu estava assim limpinho e com o maior solzão! Me perdi algumas vezes no horário por causa desses dias eternos 😂 Mais tarde passei na rodoviária para comprar os tickets para Puerto Natales e El Chaltén. Comprando ida e volta para El Chalten tinha um descontinho e saiu por ARS 1.500. Puerto Natales comprei a ida por ARS 950. A atendente não estava conseguindo emitir o ticket de volta, então deixei pra comprar depois. 26/12 – EL CALAFATE – PERITO MORENO E MINITREKKING Comprei o minitrekking diretamente com a Hielo&Aventura (http://www.hieloyaventura.com/HIELO2015/index-port.htm) essa é a empresa que detém os direitos desse tipo de passeio no Perito Moreno. Independente de qual empresa você comprar, fará com a equipe deles. Há dois tipos de passeios para andar sobre o Glaciar: o minitrekking que consiste em 1h30 de caminhada e o Big Ice com 3h de caminhada. Os preços atualizados estão no site deles. Também é possível escolher a opção com ou sem transfer. Se optar pele transfer, eles te buscam no local que você está hospedado. Me buscaram no horário combinado, o trajeto até o Parque Nacional Los Glaciares é de mais ou menos 1h30 à 2h. Na entrada do parque você precisa pagar o ingresso, são ARS 700 (este ingresso não está incluso no valor do passeio). Quando entramos no parque a guia começa a explicar sobre o parque, manutenção, flora e fauna e como as coisas funcionam por ali. Antes de realizar o minitrekking a guia explica algumas coisas sobre o Glaciar Perito Moreno e nos deixam livres por umas 2h para explorar as passarelas e comer algo. Elas são divididas por cores: amarelo, azul, vermelho e verde. Escolhi azul e amarelo para desfrutar o Perito Moreno. As passarelas vermelhas são viradas para o lado que iriamos mais tarde fazer o minitrekking e a verde no meio de uma floresta, não achei muito interessantes e preferi deixa-las de lado. O Perito Moreno é tudo isso que falam mesmo! É grande, lindo, majestoso! Nenhuma foto que eu colocar aqui vai conseguir demonstrar a imensidão desse gigante de gelo. Apesar do seu tamanho todo, ele está em constante movimento, causando estrondos que parecem trovoadas. Basta você ficar um tempinho parado que poderá presenciar algum desprendimento. É emocionante 😍 Passarela Azul Vista do Perido Moreno da passarela azul Encontrei o grupo no horário combinado, entramos no ônibus para ir até o local que sairia o barco. A navegação dura cerca de 25 minutos e nesse percurso vemos o glaciar por outro ângulo. Desembarcamos e dividiram o grupo em espanhol e inglês. Depois fomos direcionados para uma espécie de refúgio, onde há banheiro e espaço para deixar as mochilas. Antes de iniciar a caminhada o guia explica várias coisas sobre os glaciares em geral, não só sobre o Perito Moreno. Em seguida fomos encaminhados para prender os grampones nas botas. Esses grampones servem para ter mais firmeza ao andar sobre o gelo. Ao iniciar a caminhada o guia vai mostrando como usar os grampones e caminhar de forma correta sobre o gelo em diversas situações, subidas, descidas, etc. tudo para evitar algum tipo de acidente. No começo o gelo está sujo, mas conforme vamos avançando para partes mais altas, vai ficando limpinho e é possível ver “piscinas” que se formam com o derretimento do gelo, formações e paredes de gelo que me fizeram sentir em outro planeta. O cenário muda o tempo inteiro, não há uma trilha fixa a ser seguida. O passeio pode mudar de um dia para o outro devido às condições do glaciar. Depois de 1h30, as pernas já estavam cansadas e para finalizar o passeio é servido um whisky com gelo do glaciar. O whisky não é bom, mas vale a experiência. Dicas sobre o minitrekking: - O uso de luvas é obrigatório durante o passeio, se você não tiver, é só pedir para o guia; - Use óculos de sol e passe protetor solar, o gelo reflete muita claridade o tempo inteiro; - Leve comida. Só vi um restaurante dentro do parque, e nem preciso dizer que os preços devem ser absurdos. Levei algumas empanadas e uma maçã, como é frio não tem perigo de estragar; - Pode beber a água do glaciar. É geladinha e pura, uma delicia; - Obedeça seu guia! Não seja aquele cara chato que fica indo aonde não pode e atrasando o grupo kkkk - Façam esse passeio! É uma experiência única e totalmente diferente de tudo que já fiz na vida! Vale cada centavinho gasto, juro! De maneira geral a administração do parque funciona bem, tudo preservado e limpo. As passarelas estavam em excelentes condições. O passeio também cumpriu com o combinado, foram pontuais e sempre simpáticos. Hora de voltar para El Calafete. Vim dormindo o caminho inteiro, acordei apenas no centro da cidade. Antes de jantar fui até a rodoviária, pois precisava comprar o ticket de volta de Puerto Natales. Fui até a empresa que tinha comprado os outros tickets e para minha surpresa não haviam mais vagas. Pedi informação para atendente, que me indicou outras duas empresas que faziam esse trajeto. Na segunda empresa, para meu desespero, também não tinha.😨 Estava na fila da última empresa que poderia ter passagem, imaginando como faria um cartaz bem lindo para pedir carona de Puerto Natales até El Calafate 😂😂 Mas no fim deu tudo certo e comprei a passagem por ARS 1.000. Minha visão geral é que El Calafate não é uma cidade para quem busca aventura, os passeios são caros e você encontra um público mais velho. Mas vale a visita, como falei antes, a cidade é bonita e dá pra dar uma relaxada no meio da viagem. Hospedagem em El Calafate: Folk Hostel. Meu preferido da viagem. Tudo novinho, organizado, muito limpo e cheiroso. Os quartos são espaçosos e camas confortáveis. Cozinha espaçosa e bem equipada. Todos da equipe foram sempre muito queridos e simpáticos, pedi para deixar as minhas malas lá alguns dias depois da minha hospedagem e não houve problemas. Está há 400m da rodoviária e a poucos minutos do centro, pra mim não foi problema. Tem um café da manhã bem gostoso. Além de serem super amigos dos animais, sempre tinha algum cachorro dormindo pela área comum. Só ponto positivo para esse Hostel. ❤️🐶 Quarto compartilhado Área comum com sofás e balanços Meu cachorro durante os dias que fiquei em El Calafate Desculpa o tamanho dos relatos, eu falo demais hahahaha Qualquer coisa podem me perguntar 😉 Até mais😘
  31. 10 pontos
    Dia 1 - 05/09 - CGR x Santa Cruz x Sucre x Uyuni Finalmente o dia chegou, bate aquela ansiedade, mil coisas na cabeça, torcendo pra nao esquecer nada. acordei la pelas 4h e segui para o aeroporto. Meu voo saiu umas 6h da manhã, fez uma parada em Gurarulhos e depois seguimos para Santa Cruz. Eu não sei pq raios eu tinha pensado em ficar ficar em Santa Cruz e acabei comprando minha passagem para Sucre só para o dia 06, quando percebi que não seria tão interessante assim ficar em Santa Cruz resolvi tentar mudar minha passagem la no aeroporto para o mesmo dia. Para minha sorte deu tudo certo, paguei so uma diferença de uns 35 bolivianos e embarquei no aviao para Sucre algumas horas depois. Aeroporto de Santa Cruz E que visual essa viagem para Sucre, a paisagem é incrível, o aeroporto é pequeno, mas muito bonito, fica no meio de umas montanhas, tinha até uma pessoa para conferir as malas, achei bem organizado. Desembarquei la pelas 17h e precisava correr para pegar o busão para Uyuni a tempo, na verdade a minha preocupação era ainda ter vaga no ônibus para aquele dia. No aeroporto de Sucre tinha a opção de pegar um taxi, me ofereceram por 50 bolivianos, mas resolvi ir de van (microbus), por motivos de $$ .. acho que paguei uns 6 bol. O aeroporto é bem longinho, mas a paisagem é incrível. Quando chegamos na cidade o motorista fez uma parada e disse que todo mundo tinha que descer ali, eu não entendi muito bem, o lugar era meio estranho, percebi que tava um pouco perdida naquela hora rs. Vi que tinha um casal de bolivianos com malas e perguntei se eles estavam indo para o terminal de buses, eles disseram que sim.. daí acabamos rachando um taxi para o terminal. Eles iriam para Uyuni também e me ajudaram a comprar a passagem no terminal de Sucre, acho que paguei até mais barato por conta deles, foi 60 bolivianos e tinha só mais dois lugares para aquele dia. O ônibus sairia só as 20h entao resolvemos comer alguma coisa antes de embarcar, comi uma sopa de pollo por 10 bolivianos e ainda dividimos uma limonada por conta deles . Na hora de embarcar o ônibus não estava na plataforma, ele estava estacionado atras de outros ônibus, bem escondido..olha, ainda bem que não estava sozinha. O ônibus não era muito confortável, parou umas 307 vezes, mas ainda sim estava muito grata por tudo estar dando certo e eu finalmente iria conhecer o Salar de Uyuni. Dia 2 - 06/09 – Uyuni Chegamos em Uyuni umas 3h da manhã num frio do cão, lá não tem terminal, a parada é feita na rua mesmo. Assim que eu desci do ônibus uma moça veio me oferecer o tour, disse que iria me levar até a agencia dela, que eu poderia usar o banheiro e que lá era quentinho rs.. eu aceitei a mesma hora rs, mas calma, eu já tinha lido que eles fazem essa pratica, por isso aceitei, mas sempre de olho aberto claro. Essa era uma agencia familiar, a moça que falou comigo fazia as abordagens, o marido levava os turistas até a agencia e a filhinha deles dormia no carro, um trabalho puxado de domingo a domingo. Era um casal muito bacana, ligaram aquecedor, me deram a senha do wi-fi, tinha ate saco de dormir. Aproveitei pra ir no banheiro tomar um banho de gato com meus lencinhos, escovar os dentes, pq o dia iria ser longo. A agência se chama Cristal Tours, eu fui a primeira a chegar, mas logo depois chegou um casal de peruanos e tinha tbm mais um casal um alemão, Anton, e uma brasileira, Michele, que ja tinham fechado o tour no dia anterior. Assim que a agência abriu oficialmente perguntei sobre o tour e quanto era, já pronta pra pechinchar hahaha..mas quando me ofereceram o tour de 3 dias por 650 bol, fiquei tão emocionada que fechei na hora rsrs, agora só precisava pagar mesmo rs. Eu não consegui trocar dinheiro em Sucre, por conta do horario apertado, só tinha ainda alguns bolivianos que troquei no aeroporto. A casa de câmbio só abriu as 9h, troquei um pouco de grana pra pagar o tour e outras coisas até chegar em La Paz. Comprei água e uns salgadinhos para levar, comprei também uma touca e uma luva pra enfrentar aquele frio. No "centro de Uyuni" 😃 Voltei para a agência, paguei o tour e fiquei esperando o carro para irmos. Daí aconteceu algo que parece ser bem comum por lá a tal das trocas de agências, não iríamos com o carro da nossa agência, mas sim de outra, que no caso era a Quechua (maravilhosa por sinal). Antes de nos juntarmos com o restante do grupo, eles nos pediram para não comentar sobre valores, pq o valor que o pessoal tinha pago pelo tour da Quechua foi de 1300 bolivianos (sim, o dobro do preço). Depois dessa conversinha básica nos juntamos ao grupo, foram 2 carros, de um lado só os gringos e no outro só os Brazucas. Recomendo muito a Quechua, o tour foi sensacional, não tenho nada a reclamar pelo contrário, só tenho elogios, sem dúvidas foi um belo upgrade. Saímos de Uyuni por volta das 11h e a primeira parada foi no cemiterio de trens que é bem pertinho da cidade, a gente fica la um tempinho e depois passamos em Colchani uma cidadezinha onde vc pode comprar artesanato ou um pacotinho de sal extraído do Salar. Mais uns minutinhos e finalmente entramos no Salar, eu confesso que fiquei emocionada, não tem como descrever em palavras, esse lugar é único e realmente impressionante. Cementerio de trenes Seguimos naquela imensidão de sal e logo já temos uma nova parada, no primeiro hotel de sal que hoje está desativado. Ali pertinho tem o monumento Dakar e também a área que ficam as bandeiras, tínhamos um tempo pra tirar fotos e depois voltamos ao para o ponto de encontro para almoçar. Foi uma experiência incrível almoçar no meio do Salar, comemos carne de llama e ainda serviram uma torta de maçã maravilhosa pra gente. Monumento Dakar (ao fundo fica o Hotel de Sal) As bandeiras ficam ao lado do Hotel Pessoal almoçando dentro do Hotel de Sal Depois do almoço, tivemos outra surpresa bem legal que era andar de bike no salar, cada um pegou umaa bike e seguimos até o ponto de encontro, e foi demais viu, creio que só tinha nosso grupo fazendo isso, muita gente veio perguntar como fazia para alugar a bike, então foi um diferencial bem bacana no tour. Em seguida fizemos as famosas fotos de perspectiva, dá trabalho viu, tem toda uma ciência hahaha.. ficou irado! Olha, bike e altitude é foda viu hahaha mas recomendo! Pose de Yogi é a preferida rs A ideia aqui era parecer que eu estava fazendo uma cesta, mas essa mãozinha ficou esquisita rs Já quase no fim do dia, ainda conhecemos a Isla Incahuasi, a isla dos cactos gigantes. Eu já estava bem cansada e não tava a fim de subir, fiquei por la mesmo, tirei umas fotos e ficamos conversando até o pessoal voltar para vermos o sunset. Paramos em outro ponto para ver o por do sol, tiramos mais fotinhas e finalmente partimos para a nossa hospedagem. Só tinha nosso grupo nessa hospedagem e era muito boa, fiquei num quarto sozinha inclusive. Tínhamos que aproveitar para tomar banho e recarregar os celulares nesse dia, pois no outro não teríamos energia elétrica e nem banho 😃 Eu queria muito tomar um banho e descansar, mas antes disso ainda jantamos e fomos ver as estrelas. Nosso guia sabia muito de astronomia, foi muito legal ver a via láctea, os planetas e as contelações, parecia tudo tão perto, muito lindo mesmo. Sunset
  32. 10 pontos
    Depois de dois dias em El Calafate, tomei um ônibus rumo à El Chaltén: o paraíso do trekking! El Chaltén está dentro da reserva do Parque Nacional Los Glaciares. Em alta temporada é bem fácil ir de El Calafate à El Chaltén, e vice-versa. Há ônibus saindo de ambas rodoviárias todos os dias e em diferentes horários. Ainda assim, durante o planejamento, li em vários lugares que as passagens são bem concorridas, se deixadas para última hora. Comprei antecipadamente pela internet. Toda a minha viagem pela Patagônia, entre Chile e Argentina, foi feita de ônibus, e comprei todas as passagens antecipadamente. Não tive qualquer problema, mas atenção: leve o ticket impresso. (E claro, lembre-se: para entrar no Chile, é preciso passaporte). Ao final desse post, deixo o link para compra. Em algumas rodoviárias foi cobrada uma "taxa de embarque", na hora de embarcar. Eu não me recordo o valor exato, mas era irrisório. Chegando em El Chaltén, o ônibus pára obrigatoriamente no centro de visitantes. Funciona como um pequeno museu, um local de boas vindas e, o mais importante: um ponto de orientação. Os guias dão uma breve palestra, falam sobre as trilhas, a previsão do tempo, os melhores dias para visitar cada ponto e claro, a importância do turismo sustentável. São duas salas, além da recepção, uma para para cada idioma: inglês e espanhol. A cidade tem duas ruas. Sério. Mas isso não faz a menor diferença, afinal você está indo lá para fazer trilhas e ficar no meio da natureza, certo? Assim como El Calafate, em El Chaltén existe várias opções de hostel. Eu pesquisei bastante e optei por ficar numa Estância. E eu faço questão de falar dela aqui, porque eu fui muitíssimo bem acolhida naquele lugar. Fiquei na Estância La Quinta. O sr. Fred, umas das pessoas incríveis que conheci por lá, cuida da Estância e de seus hóspedes com a maior alegria. A hospedagem fica bem na entrada de El Chaltén, e se você tiver pique, você pode sim ir de um lado para o outro andando. A pé, dá uma meia hora caminhando, sem pressa. Mas, para todos os efeitos, eles tem serviço de transfer. Dentro da Estância você pode acessar algumas trilhas. A principal delas é uma trilha para o Lago Viedma. Foi nessa trilha que eu vi e comi o calafate - a fruta que dá nome à cidade vizinha - pela primeira vez. Acho que nunca dormi tão bem na minha vida. O silêncio só era interrompido pelo vento. O guia lá do centro de visitantes havia dito que seria perfeito para ir até o Fitz Roy no dia seguinte. E segundo ele, não é sempre que isso acontece. Fitz Roy é o ponto mais buscado em El Chaltén. E graças ao tempo firme, ensolarado e com poucas nuvens, no dia seguinte eu iria até lá descobrir o porquê. A trilha começa no fim da rua principal. Não tem como não encontrar. A partir da rodoviária você caminha uns 15 minutos, em linha reta, e encontra a sinalização do início da trilha. Sei que muitas pessoas talvez tenham receio de fazer trilhas sozinho. Aqui isso não é problema. Não tem como se perder, é muito bem sinalizado e na alta temporada você acaba encontrando pessoas pelo caminho na maior parte do tempo. Ainda assim, se você se sentir inseguro em algum trecho, pare por 5 minutos e aguarde alguém passar por você. Siga naquela direção (hahaha). Vai com fé! Alguns lembretes importantes: leve água. Existem pontos, durante a trilha, em que você pode abastecer sua garrafinha, mas no início da trilha água é escassa. Leve também um lanche. Ou dois (tudo depende da sua fome haha). Mas falando sério: leve alimentos de alto teor energético. Não leve peso desnecessário, se você não vai acampar em um dos campings de lá, não leve nada além do estritamente necessário para passar o dia bem. Filtro solar! Passe filtro solar! E o mais importante, não cometa o mesmo erro que eu cometi: nunca, JAMAIS, deixe para amaciar suas botas lá. Me dá até vergonha de admitir, mas eu ainda sou um ser humano sedentário. Nos meses anteriores à viagem, eu ia casualmente correr no parque, principalmente porque a cereja do meu bolo nessa viagem seria o Circuito W, em Torres del Paine, que vou relatar mais para frente. Nesse tipo de viagem eu deveria, no mínimo, ser o tipo de pessoa que faz caminhadas diárias. Mas não, eu não me preparei como deveria, nesse sentido. Isso não foi impeditivo, eu fui e fiz tudo o que eu queria, mas foi extenuante e esse sofrimento é completamente dispensável. Eu iniciei a trilha às 09:30h da manhã. A trilha para chegar à Laguna de Los Três, base do Fitz Roy, tem 10 km - há marcações ao longo da trilha - eu fui pelo caminho do mirante (Mirador Fitz Roy) e retornei pela Laguna Capri. O último quilômetro de trilha é uma subida totalmente íngreme, que eu apelidei carinhosamente de "meldelsquequeeutofazendoaqui!" (agora eu dou risada, mas na hora não foi tão engraçado hahaha), com vários pontos onde você escala pedras. Se você tiver aqueles bastões de trekking, leve com você. Não suba, em hipótese alguma, se o tempo tiver ruim. Primeiro porque você não verá nada, literalmente. E segundo: se você cair e morrer, essa viagem acaba. E nós não queremos isso, não é mesmo? Eu não queria te contar, mas depois de você escalar as pedras, você ainda tem um curto trecho a percorrer, para chegar à Laguna de Los Três. É importante para o seu psicológico, enquanto você se pendura nas pedras, pensar que já já você chega e o trecho vai ser reto e lisinho (hahaha). Mas enfim, tem mais um pedacinho e uma "subidinha", é um pouco escorregadio - terra solta, parece areia - e você precisa se apoiar para não cair. Um senhorzinho que viu que eu estava parada, pensando em como eu ia fazer para o tombo doer menos, parou e me estendeu a mão. Depois um outro rapaz fez o mesmo. Como eu amo a gentileza das pessoas! 💗 São 9 km para chegar aos pés dessa subida (eu cheguei aqui às 13h). A subida em si tem 1 km apenas e eu levei 1:40h para concluí-la e chegar à Laguna de Los Três e ver o Fitz Roy de pertinho. Pra descer todo santo ajuda e eu levei 1:15h. Fiz a trilha de volta, e cheguei à cidade às 19hs. O céu ainda estava azul. Eu cheguei na hospedagem um farrapo humano. Um farrapo humano feliz e orgulhoso. Dicas valiosas: ➼ Não deixe de passar pela Laguna Capri, é maravilhosa e vale totalmente a pena. ➼ Mesmo que o dia esteja ensolarado, lindo, quentinho e feliz, vá agasalhado. Eu li muito sobre isso e - graças a Deus - segui à risca. Caminhei um tempinho sem blusa, porque o tempo esquentou, mas logo precisava vestir novamente, porque o vento era super gelado. ➼ Leve luvas, touca e cachecol. Vá com uma camiseta de rápida absorção de suor e uma jaqueta corta vento (de preferência, daquelas forradas com fleece). Lá em cima, nos momentos que precisei tirar as luvas para fotografar, as mãos congelavam. A touca é importante por causa do vento. Se você não cuidar das suas orelhinhas, você vai ter dor de ouvido. Vai por mim. ➼ Passe filtro solar e não vire o camarão na neve. ➼ A idade não te impede de nada aqui. O que te impede de fazer coisas assim é o condicionamento físico. Então se prepare. Não precisa ser o frequentador mais assíduo da academia, mas faça caminhadas regulares, pelo menos (e não evite as subidas 😉). ➼ Carregue todo o seu lixo com você e obedeça a sinalização. Existem áreas em recuperação e estão sinalizadas. Não caminhe nessas áreas. ➼ Não faça barulho, não grite, se for ouvir música, coloque fones de ouvido. Você está de passagem, mas animais vivem ali. Não seja o sem noção da trilha. ➼ Se você precisar sair da trilha para coletar água, seja cuidadoso com o ambiente. ➼ Existe um banheiro no km 9 da trilha. Eu não sei qual é a condição lá dentro, mas.... Enfim, se não puder aguentar, faça as suas necessidades a pelo menos 200 passos da água. Jamais na água ou próximo a ela. ➼ E essa eu vou escrever por último pra você não esquecer: jamais deixe para amaciar suas botinhas (assassinas) em situações como essa. Seja - bem - mais esperto (a) que eu! No mais, divirta-se, você merece! Onde comprei minhas passagens no trecho El Calafate/El Chaltén: Link para acessar a Chaltén Travel. Link para acessar o Plataforma 10. O que eu levei de El Chaltén: a gentileza. Na rodoviária, na hospedaria, na trilha. O que eu aprendi aqui: leve o tempo que precisar levar. Pare quantas vezes for necessário. Mas não desista! Até logo, aventureiro!
  33. 10 pontos
    Estou nesse mesmo projeto, vou sair bem no começo de 2019 tb!! Sou do RJ, se quiser podemos trocar uma ideia e qm sabe não saímos todos juntos
  34. 9 pontos
    Campo Base do Everest Algumas dicas e orientações para planejar seu trekking solo no Nepal MELHOR ÉPOCA . Outubro e novembro são o pico da temporada de trekking no Nepal. As chuvas trazidas pelas monções terminam em setembro e o céu fica mais limpo nesse período seguinte. Porém espere por trilhas e lodges lotados nos trekkings do Everest e Annapurna, os mais populares. Em dezembro, já perto do inverno, é possível fazer caminhadas também mas é melhor escolher altitudes mais baixas como o trekking do campo base do Annapurna. . Março e abril são o segundo período mais procurado. A grande atração desses meses é caminhar pelas florestas de rododendros em época de floração, o que deve ser um lindo espetáculo. HOSPEDAGEM E ALIMENTAÇÃO DURANTE O TREKKING Não há nenhuma necessidade de levar barraca para a grande maioria dos trekkings no Nepal. Ao longo do caminho dezenas de lodges e guest houses oferecem hospedagem simples e alimentação completa (café da manhã, almoço e janta). Para os trilheiros independentes é usual negociar o preço do quarto desde que se façam as refeições (café da manhã e janta) no próprio lodge, que sempre tem refeitório. Na maioria das vezes o quarto acaba saindo de graça (dependendo da negociação) uma vez que a comida custa duas ou três vezes o preço pago nas cidades. E o preço aumenta junto com a altitude e a distância das cidades. Para mostrar a variação de preços das refeições em cada povoado ao longo dos trekkings vou colocar nos relatos, ao final de cada dia, o preço do dal bhat e do veg chowmein, dois pratos bastante pedidos. Como referência esses pratos em Kathmandu custam por volta de Rs 250 (US$2,17) e Rs 160 (US$1,39), respectivamente. Em quase todos os vilarejos os moradores têm um pedaço de terra para trabalhar e cultivar os legumes e verduras para seu consumo e para suprir a demanda do restaurante. A dieta deles é basicamente vegetariana, inclusive pela dificuldade de armazenamento de qualquer tipo de carne. E para o trilheiro é bastante recomendável seguir essa dieta pensando no seguinte: os legumes são sempre frescos, a carne não. E ninguém quer ter uma infecção intestinal ou uma diarréia num lugar tão distante. Todos os lodges têm um caderno onde são anotados (pelo dono ou pelo hóspede) os pedidos para o jantar e café da manhã. Para o jantar costumam pedir que se anote até as 17h para eles se organizarem. Para o café da manhã geralmente pedem que se escreva o pedido no dia anterior, principalmente se houver necessidade de tomar o café muito cedo. Mesmo havendo refeição em todas as vilas do caminho é preciso ter algum lanche de trilha para os dias em que se sobe alguma montanha mais demorada (como o Tsergo Ri) ou se atravessa um passo de montanha, algo que leva bastante tempo e onde a distância entre os vilarejos é grande. CUSTOS DURANTE O TREKKING Os custos durante as caminhadas dependem diretamente do que se consome nos lodges pois a comida é bastante cara em comparação com o preço pago nas cidades, ao passo que a hospedagem pode ser negociada. Se você for econômico e pedir veg chowmein no café da manhã (você acostuma...), veg fried rice no almoço e dal bhat na janta, o custo diário com comida vai ser de US$8 a US$20 (o preço aumenta com a distância). Se for possível negociar o quarto sem custo, o valor acima vai ser a sua despesa diária durante o trekking. Um café da manhã completo com pão, geléia, omelete e café/chá vai aumentar bastante essa despesa. No meu trekking de 23 dias de Shivalaya ao Campo Base do Everest e Gokyo o custo total, seguindo o menu econômico acima e sempre barganhando o preço do quarto, foi de US$345. A média foi de US$15 por dia. Lembrando que eu não contratei nenhum serviço de guia ou carregador. Nessa conta entram apenas alimentação e hospedagem, não entram as permissões e as passagens de ônibus e avião. HOSPEDAGEM EM KATHMANDU O bairro mais conveniente para se hospedar em Kathmandu é o Thamel pois concentra todos os serviços que um trilheiro necessita: hotéis para todos os bolsos e exigências, restaurantes variados, casas de câmbio, padarias, mercadinhos, livrarias, farmácias, lavanderias, agências de trekking, lojas de equipamentos e roupas técnicas, etc. Além disso muitos atrativos turísticos da cidade estão a curta distância a pé a partir do Thamel. Mas prepare-se para dividir as ruas estreitas e sem calçada com muitas motos e carros buzinando o tempo todo. Sim, o Thamel é uma ilha da fantasia para turistas, repleta de lojinhas de todo tipo, e para ter a experiência de uma Kathmandu mais real vai ser preciso caminhar fora dali. Isso é verdade, mas o Thamel não deixa de ser o bairro mais conveniente para as necessidades de um viajante. Rua no Thamel ROUPAS E FRIO A temperatura interna durante a noite medida pelo meu termômetro chegou à mínima de -8,6ºC. Isso foi dentro do quarto em Gorak Shep. Normalmente ela está entre -3ºC e 3ºC à noite e de manhã dentro do quarto. Por isso é preciso ter um saco de dormir sempre na mochila pois o cobertor do lodge pode não ser suficiente. Eu levei um saco Marmot Helium (temperatura limite -9ºC) e usei em algumas noites apenas. Os quartos costumam ter duas camas com um cobertor bem grosso parecido com um edredom em cada uma. Como eu dormia sozinho no quarto podia pegar o outro cobertor e não precisava usar o saco de dormir. Para vestir recomendável levar uma blusa grossa de fleece, uma jaqueta de pluma (a única blusa que realmente esquenta naquele frio todo) e uma jaqueta impermeável que serve como corta-vento durante as caminhadas. Para as pernas importante levar uma calça de fleece ou ceroula térmica pois com frio nas pernas não se consegue dormir. Uma calça impermeável serve como corta-vento e eu usei em vários dias mesmo caminhando sob o sol pois o vento é gelado. Uma faixa para o pescoço que possa ser esticada para a boca e nariz também é fundamental para não expor tanto a garganta ao vento frio. Mesmo com isso eu tive infecção na garganta, tive que ir ao médico em Kathmandu e tomar antibiótico por 3 dias. Os lodges costumam ter um aquecedor no refeitório e esse é o único lugar para se refugiar do frio. Mas ele fica aceso somente do início da noite até os últimos hóspedes saírem do refeitório. Não é aceso de manhã, quando faz muito frio também (entre -3ºC e 3ºC, como disse). Para acender o aquecedor se usa lenha onde há árvores e esterco de iaque onde não há. O QUE PODE SER COMPRADO EM KATHMANDU Kathmandu tem ótimas livrarias onde se pode comprar mapas e guias de todos os trekkings do Nepal. E tem dezenas de lojas de equipamentos e roupas técnicas onde se deve pesquisar os preços pois variam muito de uma loja para outra. Há lojas de marcas famosas como The North Face e Mountain Hardwear que vendem produtos originais. Nas outras mil lojas vale o preço e não necessariamente a qualidade. Mas pelo que já li nos relatos é possível encontrar bons produtos a preços bem atrativos. Na hora da compra vale pechinchar também, e comprar vários itens na mesma loja (ao invés de um item em várias lojas) ajuda na negociação do valor total. Muitos itens podem ser alugados também. MAPAS Nas livrarias há mapas para todos os trekkings do Nepal, porém eu e outras pessoas encontramos muitos erros na marcação das altitudes, o que atrapalha um pouco o planejamento. Para ser mais prático, uma idéia é fotografar o mapa todo com o celular para ter acesso rápido a ele durante a caminhada sem ter que ficar dobrando e desdobrando o original toda hora. Dal bhat ACLIMATAÇÃO O Mal Agudo da Montanha (em inglês AMS, Acute Mountain Sickness) é um problema muito sério que não deve ser ignorado. Durante a caminhada do Everest eu soube que um japonês morreu em Gorak Shep porque não queria descer mesmo se sentindo mal em consequência da altitude (matéria aqui). É preciso ficar atento aos sinais do corpo e a melhor solução sempre é descer. Aconteceu comigo também. Fiquei quatro noites praticamente sem dormir, apesar de não ter nenhum outro sintoma, e precisei baixar dos 5160m aos 3800m para poder dormir, me recuperar do cansaço e dar um tempo maior para o meu corpo se adaptar à altitude. O Mal Agudo da Montanha atinge tanto atletas e esportistas de condição física perfeita quanto trilheiros de primeira viagem. E pode atingir também trilheiros já acostumados a caminhar na altitude. O processo de aclimatação é condição necessária para todos. Os sintomas mais leves a partir dos 3000m de altitude são dor de cabeça, tontura, náusea, perda de apetite, falta de ar, cansaço, irritabilidade e dificuldade para dormir. Nesse caso o corpo está dando sinais que não devem ser ignorados e o melhor é parar de subir, subir mais devagar (dormindo mais noites na mesma altitude) ou descer se não houver melhora. Do contrário pode-se desenvolver os sintomas mais graves do AMS. Os sintomas mais graves são perda de coordenação enquanto caminha e falta de ar mesmo em repouso. O primeiro sintoma pode levar a um edema cerebral e o segundo a um edema pulmonar. Nesse caso é preciso descer imediatamente. As regras básicas para que o organismo se adapte gradativamente à altitude (leia-se: aclimatação) acima dos 3000m são: . não dormir 500m acima do local onde se dormiu na noite anterior . fazer caminhadas de bate-volta até uma altitude superior àquela em que vai dormir (walk high, sleep low) . de preferência dormir duas (ou mais) noites na mesma altitude e fazer caminhadas a pontos mais altos durante o dia . beber no mínimo 3 litros de água por dia Por fim, a polêmica do Diamox. Alguns médicos são contra o uso desse medicamento para reduzir os sintomas da altitude, mas no Nepal quase todo mundo tem na mochila e até o médico em Kathmandu me receitou na consulta que fiz (sem eu pedir). Mas mesmo usando Diamox deve-se seguir as regras de aclimatação acima para não desenvolver os sintomas mais graves do mal de altitude. Muita gente faz uso mas não posso falar dos efeitos e benefícios porque não tomei. Quando tive quatro noites de insônia não tinha Diamox para testar se resolveria o meu problema. O que é consenso entre os médicos no caso de insônia é não tomar remédios para dormir. Máscara para enfrentar a poluição e poeira de Kathmandu TRATAMENTO DA ÁGUA A água mineral é vendida no Nepal em garrafas de 1 litro ou menores. Essa água, que custa Rs20 ou Rs30 em Kathmandu, chega a custar Rs450 em Gokyo. Além desse preço absurdo, o grande problema é a acumulação de garrafas pet nos lixões dos vilarejos e ao longo das trilhas. Comprar água mineral é a pior das soluções para matar a sede. O que fazer? Tratar a água de torneira dos vilarejos ou a água dos riachos, ambas abundantes e de fácil acesso em todos os trekkings. Há várias maneiras: 1. ferver a água . vantagem: o gosto não é alterado, custo muito baixo . desvantagem: não é tão prático e rápido, a água demora a ferver e a esfriar para colocar nas garrafas pet; quanto maior a altitude, menor a temperatura de ebulição da água, por isso é preciso ferver por mais de 5 minutos em altitudes mais elevadas 2. filtro Sawyer ou LifeStraw . vantagem: o gosto não é alterado, muito mais prático que ferver . desvantagem: filtra bactérias e protozoários, mas os vírus passam; não pode ficar exposto a temperaturas muito baixas 3. pastilha de cloro (Clorin) ou dióxido de cloro (Micropur) . vantagem: muito mais prático que ferver . desvantagem: o gosto é horrível, demora de 30 minutos a 4 horas para purificar completamente dependendo do tipo de pastilha 4. Steripen . vantagem: método muito prático e rápido (leva apenas 90 segundos para purificar 1 litro de água), o gosto não é alterado . desvantagem: custo alto, a água deve ser cristalina, dependência de um aparelho eletrônico (que dá bastante problema segundo as críticas no site amazon.com) 5. pastilha de iodo: não acho esse método recomendável pois não é eficaz contra o protozoário Cryptosporidium, não pode ser usado por um longo período (mais que 6 semanas) e não pode ser usado por pessoas com problema de tireóide Minha experiência: eu não tenho Steripen, então usei os 3 primeiros métodos sempre combinando dois deles. Levei um fogareiro e comprei cartuchos de gás em Kathmandu. Toda noite eu filtrava a água, depois fervia e esperava esfriar durante a noite. Ou eu filtrava e usava a pastilha de dióxido de cloro (Micropur), mas isso apenas se eu não pudesse ferver pois o gosto final era de sabão. Levei um filtro Sawyer Squeeze e nos lodges onde a temperatura no quarto poderia ser abaixo de 0ºC eu dormia com ele junto ao corpo. Conheci trilheiros que estavam tratando a água apenas com filtro Sawyer ou LifeStraw e não tiveram problema. Geralmente as pessoas usavam apenas um dos métodos que mencionei. É possível também comprar água fervida nos lodges, mas o custo ainda é alto. Vaquinhas sagradas TELEFONIA E INTERNET Vou colocar em cada relato de trekking no Nepal o nome das operadoras de celular que funcionam na maioria dos vilarejos. As mais comuns são NCell (www.ncell.axiata.com), NTC/Namaste, Sky e Smart (www.smarttel.com.np). A NCell tem lojas próprias em Kathmandu onde se pode comprar o chip e fazer a carga pelos preços oficiais, bem mais baixos que nas lojas turísticas do Thamel. A loja que eu ia fica na Durbar Marg, mas há outra perto da Praça Durbar (segundo o site). Para comprar o chip é preciso levar passaporte, uma foto 3x4 e preencher um formulário na loja. Para fazer a recarga não necessita de nada disso. Eles mesmos configuram o celular, mas é bom conferir se o chip está funcionando antes de sair da loja. Eu paguei Rs 100 (US$ 0,87) pelo chip e Rs 355 (US$ 3,08) pelo pacote de 1,3 GB por 30 dias (há muitos outros pacotes). Para as outras operadoras não vi lojas próprias, mas segundo o site a Smart possui lojas (esta é uma operadora que funciona em pouquíssimos lugares). Muitos lodges e cafés ao longo dos trekkings têm wifi mas é sempre pago e vale a mesma regra: o preço sobe junto com a altitude e distância das cidades. Para recarregar as baterias, alguns poucos lodges têm tomada no quarto, na maioria deles é preciso pagar pela carga. Levar alguns power banks a mais é uma boa idéia para não gastar muito com recargas. Lembrando que o frio descarrega as baterias mais rápido do que o habitual, por isso eu costumava colocar o power bank dentro da blusa na hora de usá-lo para recarregar o celular. No trekking do Everest há dois serviços de cartão pré-pago que dão acesso ao wifi dos lodges em diversas vilas: 1. Everest Link (www.everestlink.com.np) - custa Rs 1999 (US$ 17,35) por 10GB em um período de 30 dias (há outros pacotes); segundo o site funciona nas principais localidades ao norte de Lukla, inclusive no Kala Pattar e no Campo Base do Everest 2. Nepal Airlink (www.nepalairlink.com.np) - custa Rs 1260 (US$ 10,94) por um período de 30 dias (há outros pacotes); o site estava fora do ar quando publiquei esse relato mas pelo que pude entender o Nepal Airlink funciona apenas no trekking Shivalaya-Lukla e só no trecho entre as vilas de Junbesi e Kharte, e também em Phaplu. Não cheguei a usar nenhum desses dois serviços porque não sabia da existência e já tinha comprado o chip da NCell. PERMISSÕES A seguintes permissões podem ser obtidas no Tourist Service Center, próximo ao Ratna Park, em Kathmandu: 1. TIMS card - levar passaporte, 2 fotos 3x4 e preencher um formulário (importante: segundo a funcionária desde 16/11/2018 é obrigatório ter seguro-viagem para obter o TIMS card e deve-se fornecer o número da apólice no formulário). Valor: Rs2000 (US$17,36). O TIMS card é necessário para todos os trekkings exceto para o Everest (desde outubro de 2017) e válido apenas para um trekking específico, ou seja, no meu caso tive de pagar o TIMS para Langtang e depois para o Annapurna, num total de Rs4000 (US$34,72). Para o Everest o TIMS card foi substituído em out/2017 por uma permissão local que pode ser obtida em Lukla ou Monjo (não em Kathmandu) pelo valor de Rs2000 (US$17,36) e sem foto. 2. permissão de entrada do Parque Nacional Langtang - levar somente passaporte. Valor: Rs3400 (US$29,51) 3. permissão ACAP para o Annapurna Conservation Area - levar passaporte, 2 fotos 3x4 e preencher um formulário. Valor: Rs3000 (US$26,04) 4. permissão de entrada do Parque Nacional Sagarmatha - eu obtive essa permissão em Monjo, durante o trekking do Everest, mas há um balcão no Tourist Service Center em Kathmandu que a emite. Pediram apenas passaporte, nenhuma foto.Valor: Rs3000 (US$26,04) 5. permissão de entrada do Gaurishankar Conservation Area - eu obtive essa permissão em Shivalaya, durante o trekking do Everest, mas há um balcão no Tourist Service Center em Kathmandu que a emite. Pediram apenas passaporte, nenhuma foto.Valor: Rs3000 (US$26,04) Horário do Tourist Service Center em Kathmandu: . balcão Annapurna, Manaslu e Gaurishankar: diário das 9 às 13h e das 14h às 15h . balcão Everest e Langtang: de domingo a sexta-feira das 9h às 14h . balcão TIMS card: não havia horário afixado Esses horários mudam frequentemente. Banheiro ao estilo "limpo" (os outros melhor não publicar) BANHEIROS AO ESTILO OCIDENTAL E ORIENTAL Durante todos os trekkings é mais comum encontrar o banheiro ao estilo oriental, quer dizer, uma peça de louça no chão com um buraco no meio e lugares para colocar os pés nas laterais. A descarga quase sempre é com um balde ou caneca que fica ao lado. Quando raramente se encontra um vaso sanitário, a descarga normalmente é com o balde ou caneca mesmo. Nos lodges de maior altitude é preciso ter cuidado com a água congelada de manhã no piso do banheiro e ao redor do buraco. Vale dizer que durante todos os trekkings o banheiro é sempre compartilhado, não existe banheiro privativo, e costuma haver apenas um ou dois para todos os hóspedes. Papel higiênico deve ser comprado e levado sempre na mochila pois os nepaleses não usam e não se encontra em nenhum banheiro. Prefira comprar nas cidades pois nos lodges é bem mais caro. BANHO É possível tomar banho de ducha em muitos lodges durante os trekkings. Se não houver ducha eles preparam um banho de balde. Em ambos os casos é preciso pagar à parte e o preço aumenta à medida que se distancia mais das cidades. A água da ducha pode ser aquecida a gás ou por energia solar. Se for a gás o banho é ótimo, com a água bem quentinha. Se for com energia solar a água fica morna ou quase fria no fim da tarde ou em dias de céu encoberto. VACINAS Nenhuma vacina é obrigatória para entrar no Nepal porém é bastante recomendável tomar/atualizar as vacinas de febre tifóide e hepatite A pois a transmissão dessas doenças se dá por água e alimentos contaminados. Nenhuma das duas está disponível na rede pública no Brasil, é preciso pagar em um clínica particular. Eu aproveitei para atualizar todas as outras vacinas recomendáveis: tétano, difteria, hepatite B, gripe, antirrábica e febre amarela. EMPRESAS AÉREAS QUE FAZEM O TRAJETO KATHMANDU-LUKLA PARA O TREKKING DO CAMPO BASE DO EVEREST Somente essas quatro companhias aéreas fazem o trajeto entre Kathmandu e Lukla: 1. Nepal Airlines: www.nepalairlines.com.np (clique em Domestic Flight) 2. Tara Air: www.yetiairlines.com 3. Sita Air: sitaair.com.np 4. Summit Air: www.summitair.com.np VIAJANDO DE ÔNIBUS NO NEPAL Os ônibus em que viajei no Nepal eram genericamente chamados de "local bus". Parece que há os tipos express, super express, mas não sei dizer a diferença. Todos eram muito lentos, apertados e sem banheiro. A dica que quero dar aqui é sempre pedir um assento no meio do ônibus. Os bancos do fundo pulam demais por conta das estradas de terra cheias de buracos e pedras. O último banco é muito mais desconfortável que qualquer outro - evite! Os bancos da frente não são muito convenientes porque é um entra-e-sai constante de pessoas, bagagens, sacos, etc. São feitas algumas paradas para banheiro durante as longas viagens, mas é bom não tomar muito líquido para não passar aperto. Em todas as viagens a mochila sempre ia comigo, o que era também um transtorno. Ônibus para Jiri e Shivalaya no terminal do Ratna Park PEDINDO INFORMAÇÃO DURANTE O TREKKING Não quero generalizar sobre esse assunto mas vou falar da minha experiência. Concluí que não é muito útil pedir informação aos nepaleses durante a caminhada. Ao necessitar de informação sobre o caminho o melhor é perguntar aos trilheiros, melhor ainda aos trilheiros independentes pois estes estudaram os mapas e sabem o nome das vilas de onde vieram e para onde estão indo. Trilheiros com guia muitas vezes não sabem nada também. Por que não perguntar aos nepaleses já que vivem ali? Em geral eles são bem confusos na explicação, alguns dão informação errada, muitos não entendem a pergunta e falam qualquer coisa. Geralmente eles sabem só o inglês necessário para falar sobre o quarto e a comida, ao serem questionados sobre as condições do caminho não entendem e não sabem explicar. Além disso, nepaleses têm a tendência de responder sim a tudo por cortesia (um não pode ser considerado indelicado), portanto não se deve perguntar: o caminho para a próxima vila é este? pois eles provavelmente vão responder sim. É melhor perguntar: qual é o caminho para a próxima vila? nesse caso eles não podem responder simplesmente sim. Depois confira a informação com outras pessoas, não confie na primeira informação que obtiver. CALENDÁRIO O Nepal usa um calendário diferente chamado Sambat. Neste ano de 2018 do calendário gregoriano eles estão no ano 2075. Em algumas situações eles podem usar a data do calendário Sambat em lugar do gregoriano. Comigo aconteceu de preencherem uma passagem de ônibus com essa data. NAMASTÊ O cumprimento habitual no Nepal é a palavra namastê. Questionei algumas pessoas sobre o significado dessa palavra e eles respondem que é somente um olá. Mas namastê tem um significado mais espiritual e literalmente quer dizer: Eu saúdo o divino dentro de você, Eu me curvo ao divino em você, O sagrado em mim reconhece o sagrado em você, O divino em mim se curva ao divino dentro de você, entre outros significados. RELATOS DO NEPAL PUBLICADOS AQUI NO MOCHILEIROS . Trekking Langtang-Gosainkund-Helambu (Nepal) - out/18 . Trekking do Campo Base do Everest desde Shivalaya em 3 partes: .. Trekking Shivalaya-Namche Bazar (Nepal) - out/18 .. Trekking Namche Bazar-Campo Base do Everest (Nepal) - nov/18 .. Trekking Pheriche-Lukla (Nepal) - nov/18 . Trekking do Campo Base do Annapurna e Poon Hill (Nepal) - dez/18 Rafael Santiago dezembro/2018 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  35. 9 pontos
    Há um tempo eu havia visto sobre a travessia da ferrovia do trigo, que é umas das travessias mais clássicas de Rio Grande do Sul e de cara fica fascinado, falei sobre ela a alguns amigos para ir comigo nessa grande aventura, poucos se mostraram interessados, então resolvi deixar para uma próxima oportunidade, então que um dia convidei meu amigo Jorge, que curtiu muito a ideia de ir, nesse mesmo tempo minha namorada Fernanda também iria, mas teve que desistir devido aos estudos, então eu e Jorge ficamos amadurecendo a ideia de irmos, até que mais dois amigos resolveram participar também, o Zé e o Franck. Então quando marcamos a data que seria no feriado de 7 de setembro, mais três amigos do Zé e do Jorge de Pato Branco embarcaram junto, o Cléber, o Randas e o Thomaz. Iríamos em dois carros, porém na véspera de ir, o Franck e o Thomaz tiveram que desistir devido a compromissos. Como estávamos em cinco, conseguiríamos ir em um carro só. Consegui contato com um hotel de Guaporé e reservei para nós 5, a maior preocupação era onde deixar o carro, pois iriámos de ônibus até muçum, e então subiríamos a ferrovia até retornar a Guaporé, o senhor do Hotel muito simpático falou que poderíamos deixar na garagem do Hotel, foi um alívio. Já liguei na rodoviária e peguei os horários de ônibus para nos organizar. Saímos de Coronel Vivida na quinta-feira, as 14:00hs no dia 06 de setembro, fomos a Pato Branco encontrar os piás e de lá continuamos com o carro de Cléber, que tinha espaço para colocar todas as mochilas cargueiras, foi uma viagem tranquila, paramos jantar em Casca/RS no Xis do Elvis, xis top. Chegamos no Hotel Rocenzi em Guaporé as 22:40, fomos bem recebidos. Como nosso ônibus saia as 7:30 com destino a Muçum, não daria tempo de tomarmos café no hotel, mas o tiozinho serviu o café da manhã mais cedo para que conseguíssemos comer antes de ir. Embarcamos no Ônibus e fomos de pé pois não tinha lugar para sentar, uma hora depois estávamos em Muçum. Começamos nos arrumar para dar início a caminhada quando Jorge deu conta de deixou o celular no ônibus, a próxima parada era em encantado a 7 km a frente, então Jorge pegou um taxi e foi atrás do ônibus, voltou meia hora depois com o celular na mão e com a boca nas orelhas. Caminhamos alguns quilômetros dentro de muçum até encontrar a escadaria que levaria a Ferrovia. Iniciamos a ferrovia do trigo era passada das 9:30, no começo era tudo muito fácil, todos estávamos descansados e aquecidos, logo de início já encontramos a estação ferroviária de muçum, que está abandonada. Andamos mais de uma hora até chegar no primeiro túnel. Como o sol estava quente foi um alívio, pois no túnel é muito fresco e gostoso de andar, os dormentes são mais conservados e alinhados, facilitando andar sobre eles, tem um bom espaço lá dentro, em caso de o trem vir é possível se proteger apenas ficando encostado na parede. Esse não tinha cheiro de mofo, então não era muito extenso. Logo mais à frente passamos pela primeira ponte, essa não era muito alta e sua estrutura não era vazada, então foi bem tranquilo. Já era 13:00 e a fome estava chegando, paramos para preparar o almoço em uma sombra próximo a um túnel. Foi nessa parada que percebi que minhas panturrilhas e meus pés estavam muito doloridos, devido aos pedregulhos da trilha e o peso da mochila, mas foi só começar a andar e aquecer o corpo que as dores diminuíram. Mais alguns quilômetros e aparece o primeiro viaduto vazado, chegou a dar um frio na barriga de ver ele lá de longe. Andar nessa ponte foi uma emoção muito grande, a vista é espetacular, nos primeiros passos na parte vazada já é alto, tem que andar se concentrando nos dormentes para não ficar tonto, mas logo vai se acostumando e fica menos tensa a passagem. Chegamos ao Viaduto 13 ou Viaduto do exército como também é conhecido, é o maior viaduto férreo das Americas, sendo o terceiro maior do mundo, com seus 143 metros de altura. Aqui o plano era descer até o camping que tem logo a baixo e ficar por lá, mas como chegamos cedo, era 15:30, não acampamos ali. Resolvemos continuar para aproveitar o tempo, passamos por um grupo de vinha de Guaporé que nos deram algumas informações, nos disseram que mais uns 8km teria um camping ao lado do viaduto pesseguinho, que ficava no meio da travessia, foi então que decidimos fazer em dois dias em vez de três e seguimos até lá. Logo a frente chegamos no túnel onde tem as aberturas em formas de arcos. Lugar muito propício para lindas fotos. Chegamos na Cachoeira que se chama garganta do diabo, esse túnel foi feito para desviar o fluxo do rio, onde ele passa por baixo dos trilhos. Enfim chegamos no viaduto pesseguinho com o sol já se pondo, mais uma ponte vazada para atravessar, acampamos na casa recanto da ferrovia, com uma ótima estrutura, chuveiro com banho quente, área para preparar as refeições. O zé queria chegar e comer todas as batatas fritas que tivessem, o Randas queria uma cerveja, mas estava cagado de fome também, a noite estava com um céu muito estrelado, após montar a barraca deitei e fiquei lá por uma meia hora relaxando. 2º dia, um amanhecer com muita serração, conseguimos descansar bem, as dores eram menores, o Cléber fez alguns calos na sola dos pés, mas conseguiu continuar a jornada mesmo com as dores. Andar na ponte com cerração dá mais medo, pois parece que está mais alto devido ao nevoeiro, uma sensação muito legal, ficamos por ali fazendo algumas fotos e seguimos com a caminhada, pois já era 9:30 e precisávamos chegar no fim da tarde em Guaporé. Nesse segundo dia, ainda tinha 24km para percorrer, no início da caminhada as dores eram grandes, mas foi só começar a caminhar que logo foi diminuindo, as paisagens eram muito lindas, com a serração ainda presente nos rendeu lindas fotos. Passamos por mais alguns túneis e pontes, e o tão esperado túnel de 2km, que foi uma meia hora para atravessa-lo, esse tinha cheiro de mofo, por ser longo. O cansaço e as dores já nos dominavam, não foi cansativa a caminhada, mas sim dolorida, caminhar sob dormentes e pedregulhos com uma mochila de uns 15 kilos acaba dificultando, começamos a fazer mais pausas, para relaxar, cada retorno de caminhada era um sacrifício, pois a musculatura esfriava e as dores voltavam, mas como eu sempre digo, quando mais difícil for, maior a sensação de conquista e prazer de ter conseguido concluir. Chegamos a Guaporé era passada das 17:00. Concluindo, andamos 50km de trilhos em dois dias, nunca havia feito nada igual, andar em terreno onde só tem pedras é totalmente diferente que andar em trilhas de mato, exige mais preparo e uma boa bota com solado mais firme, mas tive muitos aprendizados que levarei para minha vida, fiz grandes amizades, nos divertimos muito, registramos todos os momentos, por trás de todas essas fotos tem uma grande história. Até breve!
  36. 9 pontos
    Ressalto que; esse texto à seguir foi publicado por mim mesmo no grupo do Mochileiros.com no Facebook. E segue o baile; Para Vocês que buscam aplicativos úteis para sua viagem/mochilão roots, segue a lista; 🌎Worldpackers - App para encontrar o seu work exchange(trabalho voluntário) em hostels, guesthouse's, ong's, ecovilas(e muito mais) e em troca recebe acomodação, um lanche, lavanderia e as vezes até almoço, super indico! E aproveita que o Mochileiros.com tem um código de desconto super bacana, basta inserir a palavra mochileiros no campo Código Promocional. 🏄‍♂️Couchsurfing - Funciona de forma similar ao worldpackers, é basicamente "uma rede social que faz a conexão entre viajante/mochileiro que quer hospedagem grátis durante uma viagem," em troca geralmente o hospede fornece uma ajudinha básica ou somente uma troca de conhecimentos/idiomas, e o CS pode ser utilizado de forma gratuita,. 🗺️MAPS.ME - Maaaaaaano do Céu, esse salva vidas quando não se tem internet hahaha! É simplesmente um app que funciona como GPS, podendo fazer o download do mapa da localidade para o lugar onde queres visitar/conhecer e utilizar. Detalhe; funciona em tempo real. - Se curtiram esse textinho, comentem abaixo! Ou compartilhem suas experiências. **precisando de uma ajudinha ou dica? É só me chamar no instagram.com/LCoteOficial
  37. 9 pontos
    @Silnei As pessoas deixaram de serem membros de comunidades para se tornarem protagonistas de seus próprios blogs e perfis de rede social e muitos já perceberam que esse caminho abriu um buraco que não foi e não será tapado com essas ferramentas. Esse novo cenário criou meia dúzia de pseudo celebridades, cada um na sua área e uma multidão de "ninguéns solitários" sedentos por likes. Kkkkkkkk Tem gente que foi ali, e acha que sabe tudo de viagem, pior que tem gente que acompanha. Certa vez num relato que postei, um participante perguntou para mim, pq eu ainda continuava a postar, visto que ninguém participava dele(relato) aqui no site. Simples, não estamos aqui atrás de like, aqui é onde escrevemos nossas historias que irão ajudar alguém por ai. Um dia estava fazendo o Caminho dos anjos ao contrário, encontrei com um senhor fazendo o caminho normal, depois de um bate papo, ele disse que estava fazendo o caminho seguindo o meu relato que postei aqui(tirou as copias dele da bolsa e me mostrou), aquilo foi a prova para continuar.....vai ajudar alguém ali na frente com certeza. Silnei, vamos continuar com a mesma pegada, só tenho a te agradecer por diaponibilizar esse espaço para todos nós. ..segue o baile!
  38. 9 pontos
    Relato viagem Venezuela jul/2018 Quando estava planejando minha viagem para a Venezuela, busquei muitas informações na internet, inclusive aqui no site... Não havia relatos recentes... Tive muita dificuldade... Por isso prometi, aqui mesmo, que quando voltasse iria fazer um relato o mais detalhado possível... Vamos ao relato da viagem que fizemos (eu e minha esposa) pela Venezuela em julho de 2018... Somos da cidade Paraúna, interior de Goiás... Inicialmente planejei fazer essa viagem de carro, mas dois fatores me fizeram mudar os planos: o primeiro foi o tempo que levaria para chegar à Venezuela partindo de Goiás até a fronteira (cerca de 6 dias)... Contado ida e volta, ficaria quase metade de minhas férias somente no Brasil, isso não seria problema, para pessoas como eu que gostam de viajar de carro, seria maravilhoso, se não fosse o fato de que o único trecho que para nós seria novidade é a BR-319 (que eu ainda não percorri)... Outro fator que levei em consideração foi a questão do risco... Nos grupos de apoio, e nos relatos mais recente que consegui ver, muitas pessoas alertavam para o risco de deslocamentos dentro da Venezuela em veículos próprios... Então mudei a estratégia e resolvi que iríamos a uma viagem mista entre avião, ônibus, van, lotação, taxi etc... Assim a fizemos... Saímos de nossa cidade, de carro, na sexta-feira dia 29/06 rumo a Brasília, onde dormimos na casa de parentes, para tomarmos o avião no sábado dia 30/06 rumo a Manaus-AM... Embarcamos às 06:45h e chegamos a Manaus às 09:45h (ganhamos 1 h no fuso horário)... Fomos à rodoviária de Táxi, chegando a tempo para embarcar em um ônibus rumo a Boa Vista-RR às 10:00h... Chegamos a Boa Vista-RR às 21:00h, onde nos hospedamos em hotel para descansar e seguir viagem no outro dia... Levantamos um pouco tarde, em função do cansaço, a ponto de perdermos os ônibus que seguem todos pela manhã com destino a Pacaraima-RR (fronteira com a Venezuela)... Sendo assim o que nos restou foi pegar um táxi/lotação... Chegamos a Pacaraima onde nos esperava um amigo que mantínhamos contato pela internet... Amigo esse que conhecemos através de outro amigo em comum... Ficamos o restante do domingo entre as cidades de Pacaraima no Brasil e Santa Helena de Uairén na Venezuela, pesquisando horário de ônibus, fazendo câmbio de dinheiro e nos confraternizando com o amigo que acabamos de conhecer pessoalmente... Dormimos em um hotel em Santa Helena, pois nos haviam dito que seria mais barato... Mas não fiquei contente com minha escolha, pois Santa Helena está toda “balizada” com os preços do Brasil... Teria encontrado melhor custo benefício em Pacaraima, onde nos hospedamos na volta, em hotel com o mesmo preço, porém melhor... Na segunda-feira compramos as passagens bem cedo para CARACAS, pois apesar de o ônibus sair às 16:00h, a passagem tem que serem compras bem cedo para se conseguir vagas... Valores: Passagem avião Brasília-Manaus: R$ 346,00 por pessoa, ida e volta (compradas com antecedência) Táxi aeroporto de Manaus ao terminal rodoviário: R$ 40,00 Passagem de ônibus Manaus-Boa Vista: R$ 157,50 por pessoa Passagem táxi/lotação Boa Vista-Pacaraima: R$ 50,00 por pessoa (de ônibus sairia R$ 20,00 por pessoa) Hospedagem Boa Vista: R$ 100,00 para o casal (Hotel Farroupilha, em frente à rodoviária) Hospedagem Hotel em Santa Helena de Uiarén: R$ 70,00 para o casal (não lembro o nome, e nem vale a pena lembrar...kkk) *Local para se comer bem em Pacaraima-RR = Restaurante do Negão *Hospedagem com bom custo benefício em Pacaraima-RR = Hotel Mineiro (R$ 70,00 para o casal) Segunda-feira dia 02/07 fizemos os trâmites na migração... Primeiro dando saída do Brasil no posto da Polícia Federal, que está superlotado por venezuelanos, porém brasileiros tem prioridade... Depois, dando entrada na Venezuela na “migração” que fica em uma carreta estacionada no pátio (fácil reconhecer)... Almoçamos em Pacaraima, fizemos câmbio de moedas Real/Bolívares (trocamos R$ 200,00) na proporção de 1 x 160.000,00 Bolívares (fizemos com um taxista que nos transportou por duas vezes entre Pacaraima e Santa Helena... Trocamos tudo em notas de 100.000,00 Bolívares para fazer menos volume... (essa proporção é para troca em espécie)... Embarcamos às 17:00h (uma hora de atraso) rumo a Caracas, aonde chegamos no outro dia (terça-feira) às 16:00h (praticamente 24h de viagem)... As paradas para fiscalização durante esse trajeto foram muitas, tanto pela Guarda Nacional Bolivariana, quanto por outras polícias, e variaram entre simples entrada de um militar no ônibus verificando os bagageiros superiores e embaixo das poltronas... Outras vezes recolhendo os documentos de todos os passageiros e levando às Alcabalas (postos de fiscalização) para verificação... Mas algumas vezes, a fiscalização fica mais rigorosa e fazem todos os passageiros descerem do ônibus, pegarem todas as suas bagagens, que são revistadas uma a uma... Chegamos a Caracas pelo “Terminal Oriente”, tratamos de pegar um táxi rumo ao “Terminal Bandeira” de onde saem os ônibus rumo a cidade para onde iríamos a seguir (Barquisimeto)... Fomos direto a Barquisimeto, pois a esposa do nosso novo amigo venezuelano estava a nossa espera para nos auxiliar na sequência da viagem... Principalmente, deixamos Caracas para o volta, para que estivéssemos mais ambientados com o país, tendo em vista que, todos os relatos indicavam que a capital seria o lugar mais perigoso de toda a viagem... No Teminal Bandeiras, chegamos onde um micro ônibus estava já estacionado pronto para partir para Barquisimeto... Não sabíamos qual era o preço da passagem, dessa forma o motorista/cobrador conseguiu facilmente nos cobrar um preço mais alto... Chegamos a Barquisimeto às 22:00h... Sem querer incomodar nossa anfitriã, e com medo de gastar muitos Bolívares (em espécie), dormimos em uma espelunca por ali mesmo... Valores: Passagem Santa Helena de Uiarén-Caracas: 4.300.000,00 Bolívares cada Almoço na estrada: 5.000.000,00 (um prato com arroz, molho de frango, maionese e um refrigerante médio) Táxi Terminal Oriente ao Terminal Bandeira: 5.000.000,00 Bolívares Passagem ônibus Caracas-Barquisimeto: 900.000,00 Bolívares (esse é valor, pagamos mais por estarmos com poucos Bolívares e achamos melhor pagar em dólar) Hotel em Barquisimeto: 4.400.000,00 Bolívares Quarta-feira dia 04/07 – Aqui começa uma nova fase de nossa viagem... A esposa do nosso amigo nos busca no terminal de Barquisimeto e nos leva para sua casa, onde ficamos hospedados por dois dias... Ela nos empresta um cartão de débito de seu marido, um chip de celular com número local e internet... Através de um conhecido, faz câmbio de moeda e credita na conta que passamos a utilizar... Foram trocados 60 dólares americanos, que havíamos levado, por 210.000.000,00 bolívares... A partir daí, estávamos aptos a viajar pela Venezuela da forma que deve ser, podendo pagar nossos gastos com o cartão e fazendo um câmbio bem favorável... Fizeram as contas? Havíamos comprado dólares no Brasil em média a R$ 3,84... Então com esse câmbio que foi feito, significava que estávamos trocando R$ 1,00 por 913.830,00 bolívares... Bem diferente daquela primeira troca em Santa helena que foi 1 X 160.000,00... Vale alguns esclarecimentos às pessoas que não conhecem o funcionamento dessas operações bancária no comércio em geral da Venezuela. Há duas formas de pagamentos mais utilizadas: a primeira é através de um débito comum, como estamos acostumados no Brasil... No comércio de lá, é identificado o local onde se pode pagar dessa maneira, através de um cartaz que todos exibem, com os dizeres “hay punto”... Esse “punto” quer dizer que existe ali uma “maquininha” dessas de cartão que estamos tão acostumados... A outra forma de pagamento muito utilizada lá é a transferência bancária... Essa é utilizada quando, por algum motivo, a “maquininha” não está funcionando, ou a pessoa que está recebendo não a possui, exemplo: um taxista... Assim ele te passa a conta corrente dele, você faz uma transferência bancária através de um aplicativo de celular, no ato da transferência, você faz a “captura” da tela e passa para a pessoa via Watts app... Isso é tão comum para eles, como para nós é pegar uma nota de Real e passar para um comerciante... É como dizia minha mãe: “a necessidade faz o sapo pular”... No nosso caso essa operação de transferência, quando necessária, era feita pela nossa amiga/anfitriã... Ficamos por 2 dias em Barquisimeto... Visitamos os pontos turísticos da cidade, que por sinal são belíssimos... A Flor da Venezuela, O Manto da Virgem Divina Pastora, Catedral de Barquisimeto, o Obelisco e muitos outros (dá uma pesquisada na internet, vale à pena)... Ali nos deslocamos de carro com nossa anfitriã e uma amiga sua, super divertida que nos alegrou durante todo tempo... Gasolina não é problema: 1 Bolívar o litro, ou seja: nada... Na sexta-feira seguimos para Mérida... Primeiro pegamos um carro tipo lotação até Barinas, chegando lá, no terminal pegamos um ônibus que nos levou até Mérida, onde ficamos hospedados na Pousada Filadélfia, uma pousada indicada por moto-viajante amigo de nosso anfitrião de Barquisimeto... Pousada super simpática, um predinho com dois pavimentos, cuidado pela própria dona... Quartos amplos, duas cozinhas que podem ser utilizadas pelos hospedes, há serviços de lavagem de roupas, quarto com chuveiro quente, relativamente próxima a Praça Las Heroínas, de onde parte o teleférico de Mérida... Dormimos por três noites em Mérida... Andamos pela cidade, comemos nos restaurantes, compramos suprimentos para preparar os jantares na pousada, subimos a montanha pelo teleférico... Tínhamos muita vontade de conhecer o maior e mais alto teleférico do mundo... Foi um passeio maravilhoso, mas tivemos uma pequena frustração por conta dele não ter ido até a última estação... Foi alegado problema elétrico, por conta de fortes chuvas que teriam acorridas no topo da montanha, que danificou algo lá... Mas a visão é belíssima... Nas estações há cafés com vista panorâmica de tirar o fôlego... Valores: Passagem no carro/lotação Barquisimeto-Barinas: 6.000.000,00 bolívares (para o casal) Passagem de ônibus Barinas-Mérida: 1.000.000 bolívares cada Pousada em Mérida: 2.000.000,00 Bolívares a diária para o casal (pasmem...) Teleférico de Mérida: U$ 50,00 cada (isso mesmo! 50 dólares cada um) esse é o valor para estrangeiro, o valor... Para venezuelano, não me lembro direito, mas não chega a 1 dólar... Comida pela cidade: gira em torno de 5.000.000,00 bolívares por pessoa... De Mérida voltamos para Barquisimeto para uma pequena escala ates de seguir para Tucacas... Nossa anfitriã trocou mais 50 dólares em bolívares (dessa vez na proporção 1 X 3.200.000,00) creditados na conta e mais 20 dólares por Bolívares em espécie (dessa vez 1 X 1.000.000,00 bolívares)... Dormimos uma noite e seguimos no dia seguinte em um táxi que nossa anfitriã contratou (e pagou através de transferência)... Dessa feita, fomos com todo conforto... Táxi semi novo, ar condicionado, motorista conhecedor do país, estrada maravilhosa... Pista dupla, asfalto perfeito, canteiros centrais floridos e bem cuidados... Chegamos a Tucacas direto em um hotel que eu havia pesquisado na internet... Acertei na mosca... Bom hotel, predinho com 5 pavimentos, novo, elevador, quarto com ar condicionado (o que é imprescindível, devido ao calor que faz), restaurante/bar 360º no terraço, vista incrível... Ficamos hospedados por 3 noites, o hotel foi pago através de transferência bancária, pois as “maquininhas” estavam fora de serviço na cidade... Aliás, aqui começa nosso primeiro perrengue... A cidade toda estava sem o serviço das maquininhas... Como o dinheiro em espécie é muito difícil, você tem que segurar de todas as maneiras, pois se ficar sem, alguns serviços que só pode pagar em espécie, você não os terá... Resultado, como não tínhamos a possibilidade de fazer transferência o tempo todo, pois quem tinha o aplicativo e controlava a conta era nossa anfitriã, tínhamos que ficar ligando a todo momento, coisa que não era tão fácil assim, pois os telefones também não funcionam bem sempre... Mas para quem tem um traquejo em viagens, isso é fácil... Conversamos com o gerente de uma panificadora que é o “point” da cidade, deixamos uns dólares em garantia e fomos utilizando ao poucos durante nossa estadia na cidade... Essa panificadora por sinal, é um dos melhores comércios da cidade, servem comida, fazem uma pizza excepcional, que foi nosso jantar todos os dias.... A cidade de Tucacas é o portal de entrada ao Parque Nacional Morrocoy... E nosso hotel fica bem localizado: próximo ao portão de entrada do parque e há 200 metros das lanchas que levam aos Cayos... O Parque Nacional Morrocoy, é uma reserva muito grande que engloba boa parte do litoral caribenho da Venezuela entre as cidades de Tucacas e Chichiriviche, ainda muitas ilhas que são chamadas de Cayos... Você pode ir às praias do continente, como a que se tem acesso através da entrada do parque em Tucacas e ir de lancha aos Cayos... assim fizemos alternadamente durante os três dias que passamos lá... As praias do continente são lindas, mas os Cayos são imbatíveis (vou tentar colocar fotos aqui)... Por indicação de relatos na internet, fomos direto ao Cayo Sombrero, que penso ser o mais bonito de todos... A lancha leva em torno de 25 minutos para chegar ao Cayo Sombrero, partindo de Tucacas... Você marca a hora e eles vão te buscar... É bom levar quase tudo que você for consumir lá... As pessoas compram uma caixa de isopor e levam comidas, bebidas e água... (não precisa se envergonhar, isso é muito comum lá)... No osso caso, levamos apenas um lanche e um pouco de água, porém conseguimos comprar algumas coisas dos vendedores que levam... Inclusive pagando no débito... OBS. Não há água doce nos Cayos para tomar uma ducha depois do mar... No meu caso, usei aquelas camisas tipo segunda pele, com filtro solar para tomar banho e ficar o tempo todo... O sal não me incomodou... Para mim esse Mar do Caribe Venezuelano é o ponto alto do turismo na Venezuela... para quem puder ir, penso que Los Roques seria o “TOP”... Mas o Parque Morrocoy substitui com louvores... E a um custa mais baixo... Valores: Passagem de ônibus Mérida-Barinas: 1.000.000,00 Bolívares por pessoa Passagem de ônibus Barinas-Barquisimeto: 380.000,00 bolívares por pessoa Táxi Barquisimeto-Tucacas (194 km): 35.000.000,00 bolívares Hotel Mallorquina: 18.000.000,00 Bolívares diária para o casal Pizza pequena, porém suficiente para nós dois: 6.000.000,00 Bolívares (deliciosa) Lancha para Cayo Sombrero: 80.000.000,00 Bolívares, pode ser compartilhada, até 6 pessoas Sexta-feira 13/07 seguimos para Caracas... Novamente fomos de táxi... O mesmo taxi de Barquisemto... O motorista foi a Tucacas para nos pegar e levar até Caracas... Chegamos a Caracas, fomos direto a um hotel que havia “mapeado” pela internet no bairro de Altamira, porém estava lotado, estava acontecendo eventos na região que ocuparam todos os hotéis... Tivemos que esperar um quarto no único que iria desocupar... O Hotel Montserrat... Prédio antigo, fachada não atraente, mas o quarto que ficamos era legal... Quarto amplo, tipo flat... Dava para ficar umas 6 pessoas... Quarto de casal comum, não “vagou” nenhum... Ficamos em Caracas por três dias... O hotel fica bem em frente a Plaza Francia, onde estava acontecendo uma Feira Gastronômica com várias tendas e Food Trucks... Aí nos esbaldamos nas comidas, bebidas, música e gente bonita... No primeiro dia pegamos o Metrô, cuja estação fica na praça em frente, fomos até a estação mais próxima da Plaza Bolívar onde descemos e chegamos à pé... Conhecemos a praça e imediações, onde estão muitos prédios históricos... Pegamos o metrô e retornamos ao hotel... À noite ficamos próximos ao hotel, aproveitando a Feira Gastronômica... No outro dia, fomos ciceroneados por um novo amigo que nos foi indicado pelo nosso anfitrião na Venezuela... Com ele andamos por toda Caracas de carro, almoçamos juntamente com sua esposa e aproveitamos para ver a questão das passagens de volta para Santa Helena de Uairén, que estão bem difíceis... Tivemos que ir ao outro dia às 04:00h da manhã para comprar... Mesmo assim quando chegamos ao guichê, só conseguimos até uma cidade mais próxima... Até Santa Helena já havia se esgotado... Aproveitamos o resto do dia para andarmos mais por Caracas, onde fomos a Esfera de Caracas, obra do artista plástico Jesus Soto... Ao Centro Cultural PDVSA, um parque com área verde para descanso e eventos... Ao centro comercial Sambil, um enorme Shopping Center que pela quantidade de lojas, todas abertas, e a quantidade de pessoas circulando e consumindo, dá para duvidar que o país esteja em crise... Valores: Táxi Tucacas-Caracas (247 km): 50.000.000,00 Bolívares para o casal... Hotel Montserrat: 15.870.000,00 Bolívares a diária para o casal (isso porque ficamos em um quarto triplo, pois se fosse quarto casal comum seriam 9.500.000,00 Bolívares) Metrô de Caracas: de graça Comidas na Feira Gastronômica: Média 12.000.000,00 Bolívares para os dois com refrigerantes Seguimos de ônibus rumo Santa Helena de Uairén, porém com passagem até Las Claritas, pequena cidade 234 km antes de Santa Helena... De lá seguimos em uma lotação até o destino... Chegamos a Santa Helena onde permanecemos por mais dois dias, pois ainda faltava um passeio pela Gran Sabana... A bordo de uma camioneta (com motorista), fizemos um passeio de um dia, pelas lindas paisagens e cachoeiras da região... Fomos ao Salto Kama Meru, uma linda queda d’água... Quebrada de Jaspe, uma pequena cachoeira que tem como peculiaridade ser toda sobre a rocha de Jaspe... Comunidades indígenas onde se pode comprar artesanato... Nesses dias ficamos hospedados em Pacaraima, no Hotel Mineiro, ótimo custo-benefício... hotel simples, porém muito limpo e confortável... Fizemos os procedimentos de saída da Venezuela e entrada no Brasil... Seguimos para Manaus... Vou terminar o relato por Manaus, somente para servir como parâmetro de comparação.... Ficamos três dias na cidade revendo pontos turísticos que já conhecíamos e visitando novos, como a ponte sobre o Rio Negro... Hospedamos no hotel Íbis Budget em Manaus... Bom hotel... Valores: Passagem de ônibus Caracas-Las Claritas: 3.300.000,00 Bolívares por pessoa Lotação de Las Claritas-Santa Helena: 3.000.000,00 Bolívares por pessoa (se comprasse a passagem direta Caracas-Santa Helena sairia a 3.800.000,00 Bolívares por pessoa) Hotel Mineiro em Pacaraima-RR: R$ 70,00 a diária para o casal... Passeio pela Gran Sabana: R$ 100,00 para o casal Hotel Íbis Budget Manaus: R$ 136,00 a diária para o casal CONCLUSÃO: Uma viagem à Venezuela deve ser muito bem planejada... A insegurança tão propalada por todos na internet, é real... Felizmente não aconteceu nada conosco... Não sei se pelas sucessivas fiscalizações na estrada inclusive com revistas pessoais, ou se pelos insistentes alertas de todas as pessoas que convivemos... O fato é que se tem uma sensação de insegurança... Penso que para se concluir que há problemas com segurança, não necessariamente se deve ser vítima dela... O fato é que não presenciamos em nenhum momento uma situação de agressão, assalto ou coisa parecida... Preparei uma carteira “fake”... Uma carteira velha com documentos já sem validade e algum dinheiro venezuelano... De maneira que se fosse levada, não faria falta... Deixei sempre em um bolso mais à mostra... A mesma voltou intacta... Mesmo sabendo que o alvo preferido pelos assaltantes, hoje na Venezuela, são os celulares, uma vez que o dinheiro não tem valor e se usa muito o cartão, esse fato de a carteira não ter sido “batida” é um alento... Uma vez que dava para perceber que éramos turistas e poderíamos ter algum valor na carteira... Vocês notaram no relato que andamos de ônibus, metrô, à pé etc... Mas com isso não quero dizer que é totalmente seguro... Penso que para uma viagem como essa, onde se percorre o país por terra, andando em transportes públicos, você deve ter um pouco de experiência em viagens para países da nossa América do Sul, que são bem semelhantes... Buscar o máximo de informações possível e por último, ter apoio de pessoas lá na Venezuela, seja amigos, parentes, guias turísticos etc... Com relação ao que dizem sobre a falta de alimentos e outros produtos na Venezuela, posso dizer que não senti falta de quase nada. O máximo que posso dizer é que falta variedade e que os preços podem ser inacessíveis para os venezuelanos, mas para nós é o contrário, são até baratos... No mais gostaria de expressar o que a Venezuela representou para mim... Um país incrível, de pessoas incríveis... Belezas naturais incomparáveis... E olha que não fomos aos dois maiores atrativos turísticos da Venezuela, que são também dois dos maiores atrativos turísticos do mundo: Los Roques e Salto Angel...
  39. 9 pontos
    Olá pessoal do Mochileiros.com. Sempre que viajo, consigo dicas valiosas por aqui. Por isso, gostaria de retribuir e contar um pouco do roteiro que fiz no ano passado no Velho Mundo. Nesse post vou fazer um breve relato com os preços e as principais atrações de cada lugar. A vontade é postar várias fotos, mas não quero deixar o post mais gigante do que ele já está. Caso vocês queiram ver mais fotos ou entenderem mais a fundo os lugares que passei, vocês podem acessar o blog http://ontheroadwithmike.wordpress.com/. Também estou completamente a disposição para tirar qualquer dúvida! Explicação do roteiro: No ano passado, eu recebi um convite para participar de uma formatura em Moscou. Desde então, fiquei procurando passagens baratas. Eis que em um belo dia, encontrei um voo de ida e volta para Istambul por R$ 2300, pela Ethiopian. Não hesitei duas vezes, comprei e passei a organizar minha viagem a partir de lá. São Paulo - Istambul - Baku - Moscou - Kazan - Volgogrado - Moscou - Minsk - Kiev - Bucareste - Sofia - Atenas - Istambul Datas 23 de junho e 13 de julho, sendo: 24 - 26 - Istambul / 26 - 27 - Baku / 27 - 29 - Moscow / 29 - Kazan / 30 - Volgogrado / 01 - Moscow / 01 - 02 - Minsk / 02 - 05 - Kiev / 05 - 07 - Bucharest / 07 - 10 - Sofia / 10 - 12 - Atenas / 12 - 13 - Istambul Principais custos Transporte: Voo GRU - IST - GRU: R$ 2300,00 (Ethiopian) Voo Istambul - Moscow com escala de 20 horas em Baku - 92 dólares (Azerbaijan Airlines) Trem - Moscow - Kazan - 2700 rublos (Russian Railways) Voo - Kazan - Volgogrado - 5700 rublos (Aeroflot) Voo - Volgogrado - Moscow - 3550 rublos (Pobeda) Ônibus - Moscow - Minsk - 1500 rublos (Eurolines) Voo - Minsk - Kiev - 74 euros (Belavia) Voo - Kiev - Bucareste - 85 euros (Dniproavia) Voo - Bucareste - Sofia - 60 euros (Tarom) Voo - Sofia - Atenas - 20 euros (Ryanair) Voo - Atenas - Istambul - 71 euros (Aegean) Vários desses custos podem ser menores, caso você vá de ônibus ou de BlaBlaCar os preços podem ser menores. Como estava com dias contados, preferi fazer a grande maioria do preços por avião. Hospedagem: Couchsurfing - Com a exceção de Sofia e Atenas, onde não consegui Couchsurfing. Em Sofia paguei 15 euros por noite em Atenas 25. Gastos Diários: 30 euros diários (Alimentação, passeios e transporte na cidade) - Consegui manter em todas cidades, com exceção de Atenas. Vistos Para entrar no Azerbaijão é necessário tirar visto. O processo é simples e feito pela internet. Há um custo de 20 dólares. Nos outros países, não é preciso visto. Antes de viajar O alfabeto cirílico é sempre uma excelente ajuda na para desbravar a Rússia e os países da antiga URSS. Aproveite a oportunidade para aprender. Relato Aeroporto de Addis Ababa Post com mais detalhes: https://ontheroadwithmike.wordpress.com/2018/04/17/etopia-aeroporto-de-addis-abeba/ O Aeroporto de Addis Ababa é a porta de entrada para Etiópia e o principal hub da Ethiopian Airlines. Apesar dele estar sempre lotado e ser bastante confuso, é possível se organizar e esperar o voo com tranquilidade. Há espreguiçadeiras espalhadas pelo saguão e algumas opções de comida. O banheiro atrás da verificação de segurança da porta 14 também o mais limpo. Não hesiste de aproveitar as ótimas promoções da companhia. Istambul Post com mais detalhes: https://ontheroadwithmike.wordpress.com/2018/01/18/turquia-istambul/ Istambul é certamente uma das cidades mais mágicas do mundo. Encontrar a história em cada canto, viver uma cidade cosmopolita e provar uma culinária deliciosa. Fiquei quatro dias e não achei suficiente. Seguem os destaques: 1º dia - No primeiro dia eu foquei no Complexo de Museus Arqueológicos, na Hagia Sophia e no Topkapi Palace. Eu estava com mala, então dei preferência aos lugares próximos. 2º dia - No segundo dia eu fui conhecer a região da Sulamanye Mosque. É certamente a mais bonita da cidade. Perto de lá há cafés com vistas incríveis. Este era o dia do Ramadã e tive a oportunidade de jantar com amigos do Couchsurfing. 3º dia - Já no terceiro dia eu foquei no outro lado do rio. Conheci a região do Moda Park. Bairro cheio de cafés e lojas alternativas. Depois, através o rio e fui para a região do Dolmabahcce Palace. Incrível. 4º dia - No último dia concentrei na região dos bazares. Eles são lindos. Mas caso você queira comprar algo, minha sugestão é que você aproveite as lojas que ficam do lado de fora. Dicas: O transporte na cidade é bastante simples. Estive durante o ramadã e os preços eram ainda menores. De toda forma, abuse da caminhada. Vale super a pena. O ticket de museus é uma boa pedida. Caso você goste de museus, a economia é real. Você gasta o equivalente a 70 reais e consegue entrar em diversas atrações como o Complexo de Museus, Hagia Sophia e o Topkapi Palace. É possível se alimentar bem a preços módicos. Onde tiver bastante turco, entre. Geralmente é uma ótima dica. Do lado de fora do Grand Bazaar tem locais ótimos. Baku Post com mais detalhes: https://ontheroadwithmike.wordpress.com/2018/01/19/azerbaijao-baku/ Baku foi uma parada devido a um stopover em direção a Moscou. E não tenho dúvidas de que foi uma excelente decisão. A cidade é belíssima e com excelentes opções. Fiquei apenas um dia, mas certamente adoraria ter ficado outro. Organizei meu dia de forma a visitar as principais atrações da cidade. Há um Centro Antigo com um castelo secular, que combina com a nova fase do país. O resultado é uma cidade em crescimento, organizada e que está bastante focada em receber bem o turista. Seguem os destaques: Heydar Aliyev Centre - É um centro multiuso projetado pela Zaha Hadid. Simplesmente incrível. Dagustu Parque - Esse é um parque de origem soviética com vista para toda a cidade. Imperdível Como eu cheguei no meio da madrugada, achei melhor reservar um hostel. Fiquei no Coffee Inn e recomendo muito! Um dos melhores que já fiquei! Moscou Post com mais detalhes: https://ontheroadwithmike.wordpress.com/2018/01/20/russia-moscou-e-kazan/ Moscou é uma velha conhecida. Já tinha visitado a cidade em outra oportunidade. (Segue post aqui no Mochileiros) e resolvi retornar. Nesta vista foquei em lugares que não tinha ido da última vez. Seguem os destaques: Museu do Cosmonauta - Museu voltado para crianças, mas a arquitetura exterior é impressionante. De lá dá para ir caminhando para o Worker and Kolkhoz Woman. Imperdível também. Metrô - Na minha última visita eu não visitei várias estações. Quase perdi meu ônibus para Minsk dessa vez. Como participei da formatura da minha amiga, boa parte das atrações foi almoçar e jantar com a família e essas coisas a gente acaba não tirando foto ou compartilhando. De toda forma. ainda visitamos a Tetryakov Gallery, passeamos na Praça Vermelha, andamos pela universidade. Não dá para se cansar de Moscou. Kazan Post com mais detalhes: https://ontheroadwithmike.wordpress.com/2018/01/20/russia-moscou-e-kazan/ Kazan foi uma sugestão de uma amiga. A cidade tem bastante influência europeia e lembra em alguns momentos São Petersburgo. Há diversos lugares para visitar a e cidade é belíssima. Seguem os destaques: Bauman St - Uma das principais ruas da cidade concentra restaurantes, catedrais e leva para os principais locais da cidade. Dá para ir andando da estação de trem. De lá ainda dá para ir para o Kremlin (obrigatório). Park Pobedy - Pegando um tram, você chega ao Parque Pobedy, dedicado para a vitória russa na II Guerra. Lugar muito bonito e ótimo para relaxar. Dicas: Caminhar pela margem do rio também é uma atividade incrível. Artistas, lojinhas e ótimas vistas para a cidade. Volgogrado Post com mais detalhes: https://ontheroadwithmike.wordpress.com/2018/01/23/russia-volgogrado/ Volgogrado foi certamente a minha cidade favorita. ‘Stalingrado’ respira história e a Segunda Guerra Mundial em todos os cantos. A cidade é cheia de monumentos e estátuas que lembram o horror da guerra. Certamente quero voltar para a cidade. Recomendadíssimo. No roteiro, busquei conhecer os principais pontos da cidade. A dica é seguir o Tram da cidade e descer nas estações. Os highlights são o Museu da Guerra, a Lenin Square e o Motherland Monument. Emoção pura em todos lugares. A cidade ainda conta com restaurantes deliciosos e uma cidade ainda pouco explorada pelo turismo. Motherland Monument Lenin Square Minsk Post com mais detalhes: https://ontheroadwithmike.wordpress.com/2018/03/05/belarus-minsk/ A capital de Belarus é outra feliz surpresa na viagem. A parada foi originada devido a uma escala, uma vez que não há mais voos diretos entre Moscow e Kiev. Com isso, acabei ficando 1 dia completo na cidade. Tive uma sorte incrível de me hospedar com hosts incríveis do Couchsurfing. A cidade ainda tem bastante símbolos soviéticos e os laços culturais com a Rússia são muito presentes. Não deixe de visitar a Biblioteca Nacional e o Museu da II Guerra. National Library - Tem uma varanda ótima para observar a cidade Museu da II Guerra Kiev e Chernobyl Post com mais detalhes: https://ontheroadwithmike.wordpress.com/2018/03/10/ucrania-kiev-e-chernobyl/ Kiev é uma cidade que eu já queria visitar há bastante tempo. Quando eu descobri que eu poderia juntar com Chernobyl, ficou mais legal ainda. A parte mais interessante de tudo, é que a Ucrânia é muito barata. Eu queria viver dentro de uma loja do Puzata Hata. Uma rede de restaurantes deliciosa e muito barata. A cidade possui um complexo de igrejas incrível, um monumento da II Guerra que lembra muito o de Volgogrado e comida incrível (vou repetir várias vezes haha). Por aproximadamente 100 dólares, você visita o complexo de Chernobyl. Achei o valor bastante justo. Fiquei impressionado com o local, uma vez que achei que ele estaria mais preservado. Mas a cidade foi completamente saqueada. De toda forma, é uma experiência e tanto. Recomendo! Puzata Hata - Eles deveriam declarar Patrimônio Cultural da Ucrânia hahaha Usina de Chernobyl Kreshchatky Bucareste Post com mais detalhes: https://ontheroadwithmike.wordpress.com/2018/03/24/romenia-bucareste/ Bucareste é outra grande vontade que tinha de conhecer. No entanto, devo reconhecer que me decepcionei um pouco. Talvez por uma experiência não tão legal no Couchsurfing, mas na realidade acredito que 3 dias na cidade foram muitos. A cidade tem o segundo maior prédio administrativo do mundo (e isso é incrível), alguns parques e inclusive um Arco do Triunfo. No entanto, há muito tráfego e a cidade parece não ter uma identidade muito forte. De toda forma, conhecer é sempre incrível. Super recomendo almoçar no Kara CuBere. Maior cara de tourist trap, mas comida excelente e preço justo. Parlamento Herestrau Park Sofia Post com mais detalhes: https://ontheroadwithmike.wordpress.com/2018/04/16/bulgaria-sofia/ Sofia foi uma grande surpresa da viagem. Na realidade, eu não estava esperando tanto após Bucareste. Mas descobri um cidade viva, com uma história incrível e uma comida sensacional. A cidade tem grandes símbolos como a Alexander Nevsky Cathedral, mas também feirinhas, igrejas e um museu Soviético incrível. Uma das melhores experiências que tive na cidade foi um Walking Tour de comidas. Recomendadíssimo. Sofia vale muito a pena. Palácio de Cultura Alexander Nevsky Tour de comida em frente a um restaurante Iraquiano Atenas Post com mais detalhes: https://ontheroadwithmike.wordpress.com/2018/04/16/grecia-atenas/ Cidade conhecida por todos. Berço da cultura ocidental. Estava animadíssimo. Mas confesso, que também me decepcionou um pouco. A cidade é caríssima (meu budget foi pra Cochinchina) e não há tantas atrações para o tamanho da cidade. De toda forma, conhecer a Acrópole e comer queijo feta no café da manhã é maravilhoso. Eu certamente quero voltar para a Grécia e explorar as ilhas, mas certamente tendo mais grana. De toda forma, prepare o bolso e aproveite a beleza da cidade. Acrópole: Aos amantes das Olimpíadas, a cidade é um must Espero ter ajudado e inspirado vocês! Estou à disposição para quaisquer dúvidas! Abraços :)
  40. 9 pontos
    Dando continuidade à minha primeira caminhada (https://www.mochileiros.com/topic/55152-60-dias-a-pé-pelo-litoral-brasileiro/), me vi na mesma situação que a anterior (saí do emprego + férias da faculdade) e não pensei duas vezes antes de continuar de onde tinha parado. Parti em dezembro até a Paraíba, passei uns dias e logo depois do natal, fui pro Rio Grande do Norte onde dei continuidade de onde tinha parado. 1º DIA 26.12.2018, chegando na rodoviária da calorenta e ensolarada Natal, almocei bem baratinho por 8$ e peguei um coletivo com destino a Praia da Redinha. Chegando lá comprei água e uns lanches e parti pro mar pra dar uns mergulhos. Dessa praia temos uma bela vista da ponte Newton Navarro e de toda Capital potiguar, a água é verdinha e com aquela temperatura característica nordestina. Olhando a frente também é possível avistar o final da praia que já marca o início de Genipabu. Parti por volta das 15h com a maré baixinha e com trecho não muito vazio, com bastante casas. Rapidamente cheguei em Genipabu que é verdadeiro cartão postal, com dunas, maré baixa, algumas pedras e turistas por todo canto, hora de buggy hora de dromedário. Parti pra água pra dar mais uns mergulhos no mar calmo e depois subi a duna pra conhecer, esperei o sol se pôr e armei a rede no meio de uma moita. A noite foi sofrível com muito vento e com a falta de costume de dormir em rede e preparar comida nessas condições. Andei uns 8km. Genipabu-RN: 2º DIA Pra minha sorte a noite não choveu e assim que clareou levantei, comi alguma besteira e desci a duna pra começar a andança. Logo nos coqueiros dos restaurantes ao lado da duna consegui 2 cocos, os primeiros dessa viagem. Segui calmamente deixando Genipabu pra trás e uns 40 minutos depois surge a primeira barra pra atravessar, a do Rio Ceará-Mirim, que atravessei com água na cintura. Logo a frente próximo a Pitangui parei em umas das inúmeras casas abandonadas/vazias ou sei lá o que, e armei minha rede pra dar uma descansada. Minha ideia foi começar caminhando bem pouco pra tentar evitar as bolhas (funcionou!). Com as coxas assadas e os pés ardendo um pouco dei uma boa descansada (leia-se cochilada), enquanto os buggys passavam pra lá e pra cá. A orla de Pitangui é ligeiramente mais humilde, almocei um PF no restaurante da Maria por 10$ e segui, peguei mais 2 cocos antes de passar por uma lagoa com barracas vazias as margens da praia. Genipabu estava sempre a vista quando olhava pra trás, mais um pouco de caminhada vem Jacumã e mais belas praias surgem, um pouco mais a frente quase colado vem Muriú, cheguei já escurecendo e não achei um bom canto pra dormir, acabei armando a rede num quintal de uma casa que parecia vazia, ainda sem ritmo nenhum, apenas lanchei antes de dormir. Caminhei uns 18km. Sentido Jacumã-RN: 3º DIA Levantei cedinho e fui até a rua principal comprar meu café, depois de comer e chupar uns cajus que achei no caminho, parti na maré baixa e com mar agitado. Depois que acabam as casas vem uns 3km sem nada além de uma coqueiral bem ralo e uma faixa de areia bem extensa, ao fim da praia vem umas pedras e a barra do Rio Maxaranguape, que atravessei com água na coxa, do outro lado peguei a sombra de um quiosque vazio e descansei até o almoço. Única movimentação eram de poucas famílias se banhando no rio e pescadores trabalhando em seus barcos atracados. Almocei no mercado central por 10$ e voltei a descansar na orla que não tem nada de luxuosa. Da minha rede já conseguia avistar mais a frente a Árvore do Amor e o Farol de São Roque. Parti umas 15:30 com sol mais ameno e maré baixando, a esquerda a areia forma quase uma pequena falésia que esconde as casas por trás dela, uma dessas casas estava vazia e foi na varanda dela que armei minha rede pra dormir, antes ainda dei uma boa mergulhada, o dia foi bem tranquilo caminhando apenas uns 9km pra compensar o dia anterior. Sentido Maxaranguape-RN: 4º DIA No primeiro claro já levantei, comi e parti. Ao fim da praia vem uma falésia mais consistente e algumas pedras na areia, na praia seguinte a uns 200m vem a Árvore do Amor, que são duas gameleiras, árvore típica de lá, que parecem estar se abraçando. 300m depois vem o Farol de São Roque, que representa o ponto brasileiro mais próximo do continente africano. Ao fim da praia vem mais pedras e sempre um velho conhecido das praias, o lixo. Na praia seguinte já dá pra avistar a Praia de Caraúbas e mais distante Maracajaú. A caminhada segue tranquila com areia firme e maré baixa, as praias seguintes são muito bonitas, sempre com pedras, falésias e um formato bem curvado. Parei rapidamente em Caraúbas pra um lanche e continuei andando, um pouco a frente vem a Lagoa Peracabu, com muitas barracas e as típicas redes na água, que daqui pra frente são bem comuns. O trânsito de quadricículos e buggys é frenético entre a lagoa e Maracajaú. Ao final da praia surge um visual incrível com águas claríssimas e uma pequena lagoa formada pela maré. Cheguei em Maracajaú com a maré subindo e areia um pouco fofa, sem muita opção pra almoçar, acabei comendo um peixe por 18$ no restaurante Tereza Pança e descansei por lá o resto da tarde, alternando banhos de mar e chuveiro. Maracajaú não é muito grande, mas o que chamou mesmo atenção foi uma iguana gigante que circulava tranquilamente entre os moradores pela rua. Ao final das casas, encontrei uma abandonada parcialmente engolida pela areia e armei por lá minha rede, ainda consegui 3 cocos no coqueiral que tinha nos fundos, jantei e dormi muito bem aquela noite. Andei uns 14km. Maracajaú-RN: 5º DIA Saí cedo e comecei a andar aproveitando a sombra de uma imensa nuvem, mais a frente tem mais casas abandonadas boa pra um pernoite. A nuvem não durou muito e logo o sol brotou, com a maré ainda muito boa pra andar rapidamente alcançei o fim da praia, depois vem um retão de praia que ao final tem algumas pedras e uma bela vista do percurso que tem pela frente, daqui dá pra ver também a primeira grande sequência de parque eólico, que é bastante comum dali pra frente. A primeira praia é bem curvada, com bastante pescador puxando rede, depois de uma duna mediana começa Pititinga, descansei um pouco por lá e segui. Ao fim das casas, tem uma lagoa com algumas barracas, ainda vazia pelo horário, e uns coqueiros baixos espalhados, peguei 4 cocos e dei mais uma descansada. A praia dali pra frente é uma reta bem deserta, 3km a frente vem o Rio Tatu que tava bem rasinho sem problemas pra passar, um pouco mais a frente vem Zumbi, que já estava no clima de réveillon com suas ruas desordenadas. Almocei um frango na brasa com o melhor suco de graviola da viagem por 12$, depois fui mergulhar e descansar na praia que tinha muito quadricículo e a água com uma cor impecável. No fim da tarde fui até o final das casas e achei uma abandonada onde armei minha rede na varanda. O vento foi insano a noite toda e não consegui dormir muito bem, caminhei uns 13km nesse dia. Zumbi-RN: 6º DIA Pra compensar a noite mal dormida levantei um pouco mais tarde e a praia já tinha banhista caminhando. Amanheceu um pouco nublado, o que sempre ajuda na hora da caminhada, ainda na maré baixa logo cheguei no fim da praia onde tem muitas pedras e falésias, esse cenário segue praticamente até Rio do Fogo sempre com alguns catadores de marisco nas pedras. Faltando uns 2km pra chegar no centro um bugueiro me ofereceu uma carona até a cidade que gentilmente recusei, preferi ficar descansando embaixo de uma boa sombra de frente pro mar. Rio do Fogo tava com um trânsito insuportável de fim de ano, almocei um peixe num restaurante pela praia enquanto me molhava no mar e no chuveiro. Saí no fim da tarde com a maré alta, tive que ir descalço pra facilitar, peguei 2 cocos numa pequena duna antes de chegar em uma pequena vila, se não me engano se chama Perobinha de Touros. Mais à frente vem um hotel luxuoso com seguranças devidamente armados que me observavam enquanto andava. Mais pra frente achei 2 barracas de pescador onde armei a rede, porém devido aos fortes ventos, acabei inaugurando a barraca e dormindo nela, e foi como eu temia, muito abafado e quente. Realmente calor e corpo salgado não combinam com barraca de camping. Andei uns 10km. Sentido Rio do Fogo-RN: 7º DIA Acordei as 5h e me arrumei logo pra sair, a areia já estava bem durinha e a maré baixando. Caminhada bem tranquila e depois que passa por um imenso hotel em construção vem Carnaubinha, que é um lugar bem pequeno com a orla repleta de casas alugadas, algumas ainda em festa pela virada do ano. Quase colado em Carnaubinha vem Touros, que é bem maior e estava com a praia lotada do pessoal que passou a virada do ano ali. Fui até o centro comprar pão e estava saindo uma procissão da igreja, muita gente indo embora da festa e mais gente ainda já chegando pra aproveitar o feriado, achei uma sombra onde comi e descansei até o almoço. Almocei um frango na brasa por 10$ e vazei dali por volta das 14h, a praia entupida de gente me fazia lembrar Copacabana em dia de feriado, deixei toda a muvuca e lixo pra trás e segui andando embaixo do sol escaldante na maré alta, falei comigo mesmo que nunca mais andaria na maré daquele jeito. Apesar do trecho deserto sempre surgia alguma família pelo caminho, definitivamente era o dia mundial de ir à praia. Ao final da praia tem o Farol do Calcanhar, que tem esse nome por estar posicionado no “esquina” do Brasil, com 62m é o segundo maior farol de concreto do país e um dos maiores do mundo desse tipo, a partir daqui a caminhada deixa de seguir pro norte e passa a ser pro oeste. Logo a frente vem um restaurante e depois vem o marco do km0 da BR-101, chupei muito caju enquanto tirava foto das placas. Armei a rede numa espécie de coreto de um casarão abandonado onde assisti de camarote a lua cheia surgindo de dentro do mar. Dormi muito bem depois de andar 14km e compensei a noite mal dormida do dia anterior. km 0 BR-101-RN 8º DIA Acordei com o sol nascendo mas antes de sair ainda peguei 6 cajus pra completar o café e saí sem pressa esperando a maré melhorar. Uns 15 minutos dali tem um lugar chamado Cajueiro, que ainda estava amanhecendo, passei direto e uns 40 minutos depois vem uma bela praia que parece um lugarejo, mas é só uma praia de pescador, todas as cabanas existentes são pra guardar o material de pesca deles. Daqui pra frente começa um climão de deserto com solo mais avermelhado e com dunas realçam o cenário. Ao fim dessa praia começa uma sequência de falésias e pedras que só dá pra passar na maré baixa. Quando cheguei em São José uma família colombiana me ofereceu carona e aceitei, fui de carona de buggy até São Miguel do Gostoso, onde descansei numa sombra até a hora do almoço. São Miguel estava na ressaca do réveillon, na praia ainda estavam desmontando as estruturas da festa. A praia tem uma faixa de areia enorme, e na orla tem um banheiro público onde tomei uma bela ducha. Consegui almoçar por 12$ mas no geral lá é um lugar caro repleto de pousadas e restaurantes chiques. Deixei o local com o sol cozinhando e areia já ficando fofa. Ao chegar em um coqueiral baixinho bebi um coco e quando fui abri-lo arrebentei o dedo, pude então entender porque algumas pessoas chamam cortes feios de buceta. Mais a diante começa uma sequência de pedras diferente, elas se posicionam bem onde as ondas quebram te dando apenas duas opções: andar por cima delas ou por fora na areia fofa, elas se estendem por 1,5km. Mais à frente tem mais alguns coqueiros baixos, não me rendi e mesmo com o dedo arrebentado e com minha faca já quebrada, ainda bebi 3. Ao final vem a Praia de Tourinhos, pequena, bem curvada com água clarinha e muito mais bela que a vizinha famosa São Miguel, praia cheia e com algumas barracas, armei minha rede em um quiosque fechado. Nesse dia me desloquei 23km, sendo 8km de carona e 15km andados. Praia de Tourinhos-RN 9º DIA A noite foi bem clara com lua cheia e dormi muito bem, acordei cedo mas fiquei dando um tempo pra maré baixar, enquanto isso observava os turistas. Eles chegam tiram fotos, armam tripé, correm pra tirar uma foto sentado na areia como se tivessem contemplando o mar e voltam correndo pra ver como ficou a foto, porém não ficam sequer 10 segundos contemplando o mar de fato, ou então tiram fotos fazendo poses de yoga... não aguentei ficar assistindo aquilo e vazei dali. A 500m dali tem o Suspiro da Baleia, uma pedra que quando a onda bate jorra água pra cima como uma baleia, passei na maré inadequada e não vi nada acontecer. Essa primeira praia toda segue com a estradinha paralela, ao final dela começa um enorme parque eólico. Duas belas praias a frente vem uma pequena vilinha só com cabana de pescador, um pouco adiante mais uma sequência de pedras, que eu já tava aprendendo a andar sobre elas, com bastante cuidado, elas se estendem até a Praia do Marco. Tava difícil a caminhada pois foi a primeira manhã sem vento, mas por volta das 8h cheguei na Praia do Marco, uma belíssima praia de aguas claras e calmas, com algumas dunas e praticamente sem turismo. Aqui tem o primeiro marco do Brasil, e alguns estudiosos ainda defendem que o Brasil foi descoberto por lá, polêmicas à parte, descansei num restaurante até o almoço e comi um peixe cozido por 12$. A Tarde fui embora mas a calmaria do lugar dava até vontade de ficar por lá mais tmepo. Caminhar no sol da tarde é foda, dá muita sede, ainda mais naquele climão de deserto com mar. Com a maré baixa, algumas praias a frente cheguei em Enxu Queimado, que é muito pequena, típica vila pesqueira, fiquei pela praça descansando, a noite fiz um lanche no pequeno centro e armei a rede em um quiosque fechado. Andei 17km. Praia do Marco-RN 10º DIA Fiquei a manhã toda ainda em Enxu Queimado, almocei por 12$ uma carne de bode no que parece ser o único restaurante do lugar e parti depois do almoço com maré baixa. A primeira praia logo acaba e surge outra bem comprida, totalmente deserta que vai beirando o parque eólico. Pelo caminho no meio do nada tem umas barracas de pescador muito boas pra dormir, ao logo da praia não dá pra ver muito bem o que existe terra a dentro pois os morros de areia encobrem a vista. Lá pela terceira praia dá pra ver o imenso deserto que tem, ao fim da praia começam umas pedras que vão lentamente virando falésias. Na quarta praia resolvi parar armei minha rede numa pequena vegetação ao lado de um cata-vento, deixei a barraca armada caso chovesse, mas dormi na rede mesmo ao som das hélices girando, embaixo do céu estrelado. Esse trecho tem boas praias que são quase particulares, não tem banhista num raio de quilômetros, nessa tarde andei por 8km. Saindo de Enxu Queimado-RN: 11º DIA Parti não tão cedo esperando a maré baixar mais, as 2 primeiras praias são bem parecidas, são curtas e com muitas pedras que são vencidas facilmente. No início da terceira praia apenas uma casa de pescador e um mar lindo de cor verdinha, daqui já é possível avistar o farol bem distante. Mais adiante vem uns viveiros (eu acho) com cheiro terrível de esgoto, uma ou outra habitação pelo caminho e uma família vindo na direção contrária. Ao final da imensa praia tem o Farol de Santo Alberto e o início de mais uma bela praia, a Praia do Farol, que tem apenas uns restaurantes, pousadas e algumas famílias se banhando, depois vem uma bela duna e o centro de Caiçara do Norte, que é considerada a que tem o maior número de barcos pesqueiros do Brasil, em proporção ao tamanho do município, que deve ser verdade pois a praia é lotada de barcos e as ruas cheias de peixarias. Almocei por 12$ no restaurante da Maria, um dos poucos da cidade e fiquei o resto da tarde mergulhando e assistindo ao vai e vem das jangadas e barcos, embalados pelo vento furioso que veio de tarde. Jantei um espetinho de carne e dormi pelo centro mesmo, numa peixaria detonada pela maré. Andei 11km. Caiçara do Norte-RN: 12º DIA Como no dia anterior esperei pra sair depois do almoço pra pegar a maré boa, almocei no mesmo lugar e fui embora depois do almoço pra encarar o que seria um dos maiores trechos sem nada pelo caminho. Uma sequência de cabanas de pesca marca o final da cidade, a partir daí é só praia deserta, duna e muito vento. Vão surgindo dunas maiores e limpas, sem vegetação, e após uma longa praia voltam os cata-ventos do parque eólico. O vento em certos momentos me fazia andar torto, ele batia forte pelas costas e ficava o tempo todo balançando minha mochila. Tentei andar um trecho descalço pisando somente na lâmina d’água, mas não compensou, depois a sola do pé ficou pegando fogo e voltei pro chinelo pela areia seca. Nesse dia só passaram por mim dois vaqueiros que estavam seguindo pro interior das dunas pra buscar os bois que estavam pastando por lá. Vez ou outra passava alguma moto ou carro aproveitando a maré baixa, mas no geral é uma caminhada solitária pela praia deserta. Parei no que parece ser o meio do caminho, onde tem umas instalações do parque eólico, armei a rede nunca casa sem telhado e dormi sob o céu muito estrelado porém, sem lua. Andei 14km. Sentido Galinhos-RN: 13º DIA Apesar de não ter chovido a noite, acordei com a rede toda úmida do sereno, me arrumei rápido e parti já com a areia firme, e sem nenhum vento. Numa caminhada constante, em menos de uma hora, chego no final dos cata-ventos, e uns 50 minutos depois vem um lugar chamado Galos, lá tem poucas casas e uma bela praia. No final dessa praia vem Galinhos, um pouco maior e com outra praia bem bonita. Passei o resto d amanhã mergulhando nas águas claras e descansando na sombra, a essa hora o sol já estava castigando e a praia não parava de encher, afinal era um domingo ensolarado. Em Galinhos só se chega de balsa, carro 4x4 ou moto, sendo as duas últimas opções pela praia em maré baixa. É uma cidade pequena bem simpática, infelizmente devido seu isolamento é tudo bem caro, almocei a comida mais cara de toda viagem, uma frango parmegiana sem graça por 22$. Descansei o resto da tarde na praia onde ficava o vai e vem dos “uber-jegue” rsrs, boa parte da cidade não tem calçamento então existe esse serviço regulado de transporte de charrete, praticamente destinado a quem vem de fora a passeio. Jantei um espetinho que custou o olho da cara e dormi numa barraca uns 500m depois do centro em direção ao farol. Andei 12km. Galinhos-RN: 14º DIA Depois de Galinhos começa uma espécie de delta, com uma grande sequência de barras, que se estende até Porto do Mangue, aqui eu planejei meu primeiro trecho de transporte. Cheguei cedo pra pegar a balsa das 07:30, é preciso chegar cedo pra garantir uma senha de acesso, a balsa até Guamaré é gratuita, todos vão sentados, a viagem é lenta mas bem tranquilinha, chegando lá não me informei direito sobre os transportes até Macau e acabei indo nos carros alternativos que fazem lotada, paguei 15$ até Macau. Fiquei na rodoviária e de lá peguei um ônibus por 5$ até Pendências, lá eu me dirigi até a saída da cidade e fiquei esperando algum transporte ou carona. Carros de passeio passavam fingindo que nem me enxergavam, mas quando passou um caminhão caçamba, bastou eu acenar que o coroa parou na hora e me perguntou se queria carona, e assim fomos até Porto do Mangue, pelo caminho estradinha horrorosa, muita seca e muita carcaça de boi morto. Chegando na cidade, fui logo almoçar no único restaurante do mercado público, comida farta e barata. Descansei me abasteci de água e segui com o sol mais fraco, basta ir beirando a orla até o mangue e seguir margeando até o mar. A extensa faixa de areia é a maior de todas até aqui, tão grande que se perde de vista, alguns trechos repletos de conchinhas. Durante o percurso, apenas uma ou outra moto passava aproveitando a maré baixa e areia firme, da praia é possível ver as dunas do Parque de Dunas de Rosado, com suas dunas brancas e avermelhadas, resultado dos sedimentos que vem das falésias, no horizonte a frente tem mais parque eólico. Cheguei na pequena Rosado no fim da tarde, com a praia e barracas desertas, fiquei descansando e batendo papo com um pescador, e armei minha rede em uma dessas barracas vazias. Me desloquei 114km, sendo 5km de barco, 98km de estrada e 11km a pé. Orla de Porto do Mangue-RN: 15º DIA A noite foi terrível, acordei no meio da madrugada vomitando toda minha janta (miojo com sardinha era o que jantava na maioria das noites), levantei assim que clareou, o mesmo pescador do dia anterior já estava por lá, me despedi e segui. A estrada segue paralela à praia até Ponta do Mel, por coincidência, o velho que me deu carona de caminhão passou e deu uma buzinada. O sol seguia encoberto pelas nuvens e corria uma brisa agradável, pelo caminho só dunas e alguns casarões pelo caminho. No fim da primeira praia vem Pedra Grande, um lugarejo minúsculo, ao final da segunda praia surge um farol meio escondido, dali pra frente já é Ponta do Mel. Descansei o resto da manhã em um dos diversos bares da orla que estavam fechados, consegui achar um restaurante pra comer por 12$ com direito a suco da fruta e armei a rede pra descansar a tarde. O vento soprava quente, o sol tava rasgando e a terra avermelhada me fazia pensar que estava no meio de algum deserto. A praia seguinte é bem curvada, com mais dunas e cata-ventos, foram 10km de muito calor, maré baixa e pernas começando a ficar doloridas, ao final da praia vem um restaurante, muitas pedras, falésias e conchinhas. Tem uns bares abandonados na altura do cemitério, fiquei por lá e armei a rede logo cedo pra descansar mais. Andei 18km. Rosado-RN: 16º DIA Dormi bem demais, dei uma boa descansada, acordei sem pressa e fui embora. A primeira praia que surge é a principal do lugar, Cristóvão, somente com alguns barcos e pescadores na água, pela orla as casas são bem distantes, todas grandes e com varandas. A manhã toda foi de nuvens com o sol saindo de vez em quando e bem abafada, daqui já dá para ver todo o caminho restante até o Ceará. Ao fim da primeira praia tem umas pedras e uns 3km depois um pequeno lugarejo, e bem mais a frente vem Baixa Grande, outro lugar bem pequeno apenas com casas de veraneio que estavam 90% vazias, parecendo uma cidade fantasma. Seguindo a dica de um morador, fui por trás das casas pra passar pelo mangue e cruzar a barra com água na coxa, a praia depois dessa barra é típica de pescador também vazia. Depois de um trecho de praia deserta chega Upanema, a essa altura o sol já tinha saído por completo e castigava, eu estava seco de sede e parei num bar pra pedir um pouco de água e seguir até Areia Branca. Entrei em uma rua que dava acesso ao centro e um mototáxi me deu uma carona me fazendo poupar uns kms. Almocei numa churrascaria por 10$, matei minha fome e sede e como precisava lavar roupa, fiquei na Pousada Central por 50$. Andei 21km. Cristovão-RN: 17º DIA Lavei as roupas pela manhã, peguei a balsa e atravessei o Rio Mossoró ou Rio Apodi por 3$, a balsa deixa no município de Grossos a 4km da praia, estendi as roupas ainda molhadas e fiquei aguardando o sol pra secá-las. Com as roupas secas e com fome tentei uma carona até a barra do rio, mas foi uma tarefa difícil, quando você pede carona parece que ganha o super poder de ficar invisível, mas não desisti e consegui uma caroninha de carroça puxada por um burro rsrs. Foi desconfortável e lento mas cheguei na barra e matei minha fome com um PF de 15$. Chegando na praia ela estava com uma cor azulada muito bonita, com poucas crianças dali mesmo tomando banho. Passando as casas vem uma reta que se estende até Tibau, pelo caminho é comum avistar muitos grupos de cavalos andando livremente pela praia deserta e também alguns playboys de quadrículo. Cheguei em Tibau no fim da tarde, a praia estava lotada de turistas, todos uniformizados com suas ridículas blusas UV manga longa, que me olhavam meio torto ao cruzar a orla repleta de mansões. No final da praia fica a divisa de estados, mas a cidade continua do lado cearense, tomei uma bela ducha em um restaurante e armei a rede já no escuro numa varanda de uma casa vazia. Apesar da noite com muito vento, eu estava com muito ânimo por chegar no Ceará, esse dia andei 19km. Sentido Tibau-RN: 18º DIA Parti cedo de Tibau, demora um pouco até a praia ficar sem casas. Precisava chegar em São Luís-MA em até 25 dias, então estabeleci uma média de 18km por dia pra conseguir chegar a tempo. Depois que somem as casas não demora muito pra chegar em Tremembé, lugar minúsculo, com alguns restaurantes e poucas pousadas, lugar onde a tranquilidade reina. Parei na barraca do Juarez que ainda estava abrindo, dei uns mergulhos no mar quentinho e descansei até a hora do almoço. Fiquei batendo papo com o pessoal gente boa da barraca e ainda almocei uma moqueca de arraia que saiu de graça. Parti de tarde, com maré baixando e areia firme, surge mais um lugar bem pequeno chamado Quitéria, e o mar vai ficando com cara de manguezal, as casas se estendem até quase o final da praia. Chegando na barra tem um mangue enorme que afunda até o peito além do rio que não tem como passar, por sorte encontrei 3 biólogos que estudavam os passarinhos maçaricos do local, e me deram uma carona até o outro lado. Ainda percorri toda a Praia de Requenguela até o final das casas pra achar um local pra dormir, armei a rede numa cabana de pescador, muito vento a noite e uma chuva rápida que me fez trocar a rede de lugar. Andei 21km. Sol nascendo em Tibau-RN: 19º DIA Parti com o céu um pouco nublado e com a praia ainda cheia de algas, que estavam se estendendo desde Quitéria. Ao final da praia se acabam as casas e tem início uma sequência de falésias. A primeira praia é pequena e deserta, a segunda tem alguns casarões, é a bela praia de Picos, a terceira é Peroba, praia cercada pelas falésias e a mais bela da região, com alguns casarões e casas de pescador, depois vem a quarta praia, a Redonda, um pouco mais extensa e mais simples, com alguns restaurantes e chalés ao longo da orla. Descansei ali o resto da manhã, almocei um belo peixe e fiquei mergulhando na Barraca da Boneca. Parti a tarde na maré alta mas parei na sombra da falésia ao fim da praia pra descansar mais. Aqui as dunas e falésias alternam cores brancas e avermelhadas, a praia seguinte é bem pequena e ao final dela não há saída, tive que continuar por cima do morro, valeu a pena a subida pois a paisagem vista de lá é única. Mais a frente tem uma descida por uma duna gigante e muito íngreme que dá acesso a Ponta Grossa, que é uma praia bem reservada com alguns chalés. Uns metros adiante é preciso cruzar um mangue grande com um cheiro terrivelmente podre com água até a coxa, basta ir margeando as ondas que logo chega na praia seguinte. Parei logo numa cabana de pescador e armei minha rede por ali mesmo um pouco antes de Retiro Grande. Foram 17km andados. Peroba-CE ? Picos-CE ? não lembro... : 20º DIA Parti cedo, 1km a frente termina a praia, Retiro Grande fica acima das falésias. A praia seguinte é um cenário do paraíso, praia bem curvada, com apenas uma mansão, um belo mar e falésias a perder de vista. Uma manhã bem ensolarada porém com um vento fresco e areia boa pra caminhar. Uns kms a frente tem um pequeno lugarejo de pescador, depois vem Fontainha, também bem pequena com casas de pescador e algumas de veraneio, passei direto por ela. Às vezes eu me esquecia em que dia da semana estava, mas bastava ver o transito irresponsável e intenso de buggys e hilux que já entendia que era domingo. As falésias vão deixando o vermelho de lado e passam a ficar mais clarinhas e começam a surgir fontes de água doce, algumas delas infelizmente cheias de lixo. Chegando em Lagoa do Mato só tinha um restaurante na praia, acabei seguindo em frente só parei pra almoçar em Quixaba, que tava lotada, fui até o centro onde descansei e almocei uma “leve” panelada cearense (dobradinha). Só uns 30 minutos a frente fica Marjolândia, que estava igualmente lotada, andei mais e parei depois da praia numa cabana vazia, armei a rede, descansei o resto da tarde e fiquei ali mesmo pra dormir. Andei 21,5km. Partindo de Retiro Grande-CE: 21º DIA A tarde anterior teve um belo pôr do sol e o dia começou com um nascer do sol espetacular. Enquanto me arrumava para sair um pescador já chegou me oferecendo um burrinho (garrafa pequena) do elixir cearense, a famosa Ypioca, nem eram 6h e o cara já tava dando um talento na cachaça rsrs. Me despedi e segui a caminhada, bem perto dali tem um resort abandonado, meio cenário de filme de terror mas um bom local pra dormir. No fim dessa praia tem algumas pedras que marcam o início de Cano Quebrada. Com a praia ainda vazia, passei pelas falésias pintadas e subi a escadaria até o centro, providenciei meu café da manhã. O centro é todo turístico e voltado para o consumo, aquilo me deu arrepios e vazei o quanto antes. Não sei porque mas tinha nas minhas anotações que deveria contornar de Canoa Quebrada até Parajuru, talvez devido alguns rios e barras que teria pela frente, analisando hoje acho que me precipitei e acabei deixando de conhecer uns 25km do paraíso, enfim, fica pra uma próxima. Peguei uma típica Topic até Aracati por 3$ e depois outra de 6,50$ até Parajuru. Em plena segunda feira encontrei um mar azul com uma praia belíssima e vazia, que não deixa e desejar em nada a nenhum dos litorais famosos do nordeste, local ainda desconhecido do turismo da moda, que espero que continue assim, isso acabou me dando a impressão de que ali era um dos grandes achados da viagem. Parei em uma barraca onde fiquei o resto da manhã descansando na rede, e mergulhando nas piscinas formadas na maré baixa. Almocei uma carne de sol com um bom suco por 15$ e continuei a descansar. Parti umas 15h com a maré já subindo mas com areia ainda boa pra caminhar, o dia inteiro sem nenhuma nuvem no céu. Quando voltei a andar foi preciso desviar de duas casas onde as ondas já batiam nos muros, na praia seguinte tem diversas barracas de palha vazias pra dormir, muitas construções destruídas pela maré, muito lixo e um parque eólico que se estende pela praia sem fim, uns 6km tem umas barracas de pescadores vazias onde dormi, teve mais um belo pôr do sol e tive uma boa noite de sono. Me desloquei 53km sendo 40km de transporte e 13km andando. Parajuru-CE: 22º DIA Levantei cedo e parti enquanto chegavam os primeiros pescadores preparavam o material pra entrar no mar. A Prainha do Canto Verde é uma vila pesqueira bem pequena, passei direto por ela, a praia continua numa reta longa, com mar agitado e presença de lixo na areia. 8km a frente tem a Lagoa do Pequiri, com águas claras e barracas com rede na água, era terça e o lugar tava vazio, parei pra mergulhar e dar uma boa descansada. Logo 1km a frente se acaba a praia e começa outra com belas falésias brancas que vão até Barra do Sucatinga, lugar bonito demais, onde se formam piscinas na maré baixa, mas o lugar é mais conhecido mesmo por ter sido cenário das gravações da primeira versão do programa “No Limite”. Almocei peixe na barraca do Belarmino por 15$ e descansei enquanto já avistava no horizonte a Praia de Uruaú. A tarde antes de partir ainda roubei 4 cocos pelos quintais, a maré ainda não estava totalmente alta mas a areia já estava ruim pra caminhar. Em Uruaú só tem casarão e hotel, sequer tem barco de pescador por perto, passei direto, ao fim das casas tem uma lagoa que serve de parada para os passeios turísticos, lotada de farofa também passei direto. Ao final da praia começam as falésias e as bicas de água doce, em uma delas parei pra banhar e uma onda molhou a mochila e deu um banho na minha máquina fotográfica que quase me deixou na mão o resto da viagem. Parei na Praia do Diogo, na barraca Dodô do Mar, não demorou 15 minutos e o dono me chegou com 4 pastéis e uma garrafa de água geladinha, mostrando o quão gente fina é o cearense. Comprei uma cocacola e dormi na rede ali mesmo. Andei 22km. Sentido Morro Branco-CE: 23º DIA Parti cedinho, os mosquitos me perturbaram a noite mas deu pra dormir. Maré baixando, caminhada bem fácil e com uma brisa agradável, ao final da primeira praia foi preciso contornar umas casas devido as ondas. Mais a frente surgem várias bicas de água doce pelas falésias, em um momento é preciso ir andando bem devagar entre pedras que surgem na areia, depois dessas pedras já é o centro de Morro Branco, daqui até Barra Nova só tem casarão de luxo, muitas delas até vazias. Barra Nova é bem bonito, atravessei a extensa barra do Rio Choró sem problemas e descansei até o almoço, comi um farto PF de peixe e fui pra uma barraca as margens do rio pra descansar, não demorou muito e já encostou um pescador e o salva vidas local pra bater papo, aprendi mais sobre a relação lua x maré, e sobre kitesurf. Saí com a maré subindo e sol castigando, ao fim da praia tem a barra do Rio Malcozinhado, aqui já é a famosa Águas Belas do Ceará, rio e praias lotadas de banhista e kitesurf. Fiquei do outro lado e logo surgiu uma balsa que me atravessou de graça, o lugar é bem pequeno. Tomei uma ducha numa barraca e lanchei no centro a noite, voltei até as barracas onde armei minha rede as margens do rio. Andei 20km. Águas Belas-CE: 24º DIA Levantei cedo com o céu totalmente nublado e parti com a maré já baixando. Apenas 3km de Águas Belas já vem o centro de Caponga, com sua orla totalmente tomada por jangadas e pescadores. Depois de dar uma reforçada no café da manhã segui com um leve chuvisco caindo, é preciso contornar algumas casas parcialmente destruídas pelas ondas até sair numa praia que segue reto. Areia durinha clima fresco, logo vem a Praia do Balbino com alguns barcos, restaurantes fechados e poucas casas, a praia aqui tem algumas pedras que parecem lama, troncos e raízes pela areia, como se ali fosse um antigo mangue que vai até Batoque, a praia seguinte com cenário semelhante a anterior. Depois vem mais uma reta extensa e bem deserta até chegar em Barro Preto, nesse trecho uma vegetação com alguns lagos seguem junto a praia, que estava com mar agitado desde Caponga. Depois das primeiras casas de Barro Preto surgem algumas pedras e uma belíssima praia, no final dela tem uma duna que marca o início de Iguape. A essa altura o sol já tinha saído um pouco tímido e o mar estava com cor impecável, almocei um PF por 10$, armei a rede pela orla e fiquei o resto do dia descansando, dormi numa varanda das inúmeras casas abandonadas pela orla, dormi muito mal, caí 3 vezes após a corda que amarrava a rede se arrebentar, e acabei armando a barraca, na madrugada choveu algumas vezes. Caminhei 19,5km. "Caponga do Peixe-CE": 25º DIA Parti logo no amanhecer ainda um pouco nublado mas antes de sair do centro já dei de cara com um manguezal intransponível desaguando na praia, voltei até o centro e peguei um ônibus até Fortaleza por 7,50$, de lá peguei outro até Caucaia por 3,20$ onde fiquei até o almoço, um delicioso PF com churrasco de 10$. Depois do almoço peguei mais um ônibus de 2,50$ que me levou até Cumbuco, a essa altura o sol já brilhava forte. A praia é lotada de turista, hotéis e restaurantes, olhando pra trás da pra ver boa parte de Fortaleza e a frente, no fim da praia, o enorme Terminal Marítimo de Pecém. As águas de cumbuco estavam com tons de marrons e verde mais ao fundo, ao longo da praia só tem um coqueiral meio ralo, e no fim dela uma lagoinha com algumas barracas vazias. Passei pelo terminal, onde um pescador pegava um peixão jogando rede de mão, segui pela areia fofa e grossa até a orla de Pecém, que tava lotada de jogos de futebol, não me agradei do local pra dormi e continuei seguindo em frente. Depois que passa o centro, vem um pequeno manguezal e após ele muitas pousadas e casarões, já estava quase escurecendo, minhas costas estavam moídas de dor quando achei o que parecia ser uma pousada parcialmente engolida pela areia, armei minha rede nela ao lado de uma sinuca, as tomadas estavam até funcionando só faltou um chuveiro rsrs. Percorri 93km sendo 82km de ônibus e 11km andando. Cumbuco-CE: 26º DIA Dormi muito bem, parti sem pressa depois de carregar meus eletrônicos, com maré ainda um pouco alta, algumas nuvens com sol e pouco vento. Um bicho do pé que surgiu no meu dedão já começava a incomodar mas não comprometia a caminhada. Esse primeiro trecho não tem nada, só areia sem fim e mais um parque eólico que vai até Taíba. Surgem os primeiros casarões, e algumas ondas medianas bem disputadas pelos surfistas, mesmo ainda sendo bem cedo. Após contornar algumas pedras vem a belíssima praia do centro, com água na cor do paraíso, no centro tem um comércio bem barato onde tomei mais um café da manhã, voltei a praia e armei minha rede na sombra de uma casa fechada, onde rolava uma discreta boca de fumo. Descansei até a hora do almoço, comi uma galinha ensopada por 10$ e voltei a praia. Depois do centro vem mais 2 praias, uma mais bela que a outra com pedras formando pequenas piscinas, resumindo, Taíba é perfeita, é um lugar barato, com praias lindas porém bem menos agitada que outros destinos, e torço pra que continue assim. A frequência das casas vão diminuindo até na Lagoa da Barra, que tem algumas barracas boas pra pernoite todas vazias, na lagoa mesmo só havia a galera do kitesurf. Alguns rios que tinham em minhas anotações estavam tão ralos que nem localizei, pelo caminho de vez em quando surge um coqueiral, depois vem 2 casas isoladas, mais umas barracas de pescador, algumas peças metálicas gigantes vindas do terminal encalhadas na praia e muito chão depois vem o Bar do Kite, são uns restaurantes isolados na praia onde é o point do kitesurf, que tava lotada de gringo, parei pra uns mergulhos e uma chuveirada, andei mais um pouco e parei pra dormir numas barracas de pescador, a noite os mesmos surgiram pra alimentar os gatos com peixe e como sempre, me deixaram muito a vontade pra descansar e ainda insistiram pra que eu aceitasse um pouco do pescado deles. Andei 24km. Taíba-CE: 27º DIA Choveu algumas vezes na madrugada e amanheceu meio nublado, fui embora e logo a frente vem um terminal da Petrobrás com alguns restaurantes. Depois do píer, vem uma praia linda onde as ondas batem direto do paredão das dunas, as praias seguintes são uma mais bela que a outra, água esverdeada/azulada impecável. Segue nesse ritmo até a Praia do Farol, no centro, onde tomei um café enquanto descansava e observava todo o percurso dali pra gente. 9h da manhã e o sol ainda brigava pra sair, já havia chovido 2 vezes, cada chuva com menos de 1 minuto de duração, as 10h o sol saiu pra valer. Passei a manhã mergulhando e pegando as mangas que caíam na areia, tomei umas duchas nas bicas de água doce e almocei um PF de 10$. A tarde segui meio contrariado, pois Paracuru é um lugar digno de se passar 1 semana de férias somente ali. Saindo do centro vem outra sequência de praias lindas que vão até a barra do Rio Curu, que apesar da maré baixa não secou completamente formando 3 rios menores para atravessar com água no estomago. 2km a frente no meio do deserto de areia tem uma barraquinha de pescador com rede armada e tudo, dei uma parada pra descansar e botar a máquina pra secar novamente no sol. Decidi que ia andar 1h e descansar 10 minutos sempre, isso funcionou e amenizou as dores nas costas. Continuei pela praia deserta apenas com alguns coqueiros velhos até o final da praia, achei outra barraca de pescador já com rede, um balanço e até uma mesa improvisada, pernoitei ali mesmo depois de andar 17km. Paracuru-CE: 28º DIA Dormi muito bem, e parti pra Lagoinha logo cedo, logo ao fim da praia vem umas pedras e surgem as primeiras casas, nas pedras eu pude ver o mesmo Suspiro da Baleia que não consegui ver em Tourinhos, trata-se da onda batendo por baixo das pedras que faz com que jorre água por um buraco, fazendo um barulho e esguicho bem parecido com da baleia, minha câmera tava dando problema e não consegui registrar. Lagoinha é bem bonita, com uma bela praia cheia de bicas de água doce e muito casarão, além de um hotel gigantesco sendo construído. Seguindo em frente só tem kms de praia deserta e coqueiral ralo, parei em um deles pra descanso e o destino tratou de colocar justo ali um ganho de pegar coco e arranquei 1 pra beber. A frente vem o Rio Trairi, que atravessei com água na coxa, do outro lado tem algumas barracas mas todas fechadas, depois vem um pequeno lugar chamado Canabrava, e volta o deserto, pelo caminho apenas os jegues (contei mais de 25) pastando livremente. Depois vem Guajirú, lotada de mansões, hotéis e muita construção, a maré baixa deixava a praia com centenas de metros. Guajirú é lugar de barão, com tudo caro, mas consegui um PF por 15$ na rua de trás. Descansei o resto da tarde na rede que armei num restaurante fechado, fiquei o olhando o mar azulado enquanto bebia 3 cocos roubados de um quintal. No fim da tarde segui pra Flecheiras que fica a menos de 20 minutos, por lá as mansões se multiplicam e surgem os playboys com seus quadricículos. Dormi no 2º andar de uma casa abandonada na orla. Andei 22km. Guajiru-CE ? : 29º DIA Acordei quase as 7h com o tempo bem nublado, fui até o centro tomar um café. Na orla ficam as mansões e hotéis, nas rua paralelas vem as casas mais simples, comi na praça do centro junto com umas mangas que achei pelo caminho. O resto da manhã foi só chuva com raios, fiquei passando o tempo junto com o pessoal que aluga quadricículo na praia. Na hora de almoçar, tem que cruzar a rodovia, pois lá tem um centrinho onde turista não frequente, tudo com preço justo, comi um PF de 10$ mas um cara do quadricículo, o Rubens, fez questão de pagar meu almoço. Voltamos pra praia e fiquei no aguardo do sol pra poder dar uns mergulhos, como ele não saiu completamente fui assim mesmo, dei uma mergulhada nas piscinas naturais de Flecheiras e parti depois das 16h. Flecheiras vem ganhando fama de paraíso (e realmente é), e aumentando consideravelmente o turismo por lá, aos poucos vai deixando de ser uma vila pesqueira pra se tornar mais um destino da moda. Parti na maré baixa e com clima fresco, caminhada sem dificuldade até Emboaca, que é bem pequena, segui adiante sempre com a estrada paralela a praia, ambas vazias, apenas os jegues e eu. Vendo que não tinha nenhum lugar legal pra dormir embiquei pra dentro das dunas pra ver e avistei uma casa de longe que aprecia abandonada próximo a um coqueiral no meio das belas dunas e de um parque eólico, estava longe mas fui até lá e não deu outra, estava vazia e armei minha rede dentro dela. Dormi muito bem depois de andar apenas 9km. Flecheiras-CE: 30º DIA 24.01.2018, meu aniversário de 31 anos. Acordei cedo, não achei nenhum coco e fui embora. Praia boa pra caminha tempo fresco e maré baixa e em torno de 1h já estava em Mundaú. Na praça ao lado da rio peguei 1 coco e depois fui pro outro lado da duna dar uns mergulhos, chupar mais manga e descansar o corpo que tava bem dolorido. Mundaú é lindo demais, tem umas dunas bem grandes e o rio tem uma água verde incrível. Fiquei nesse ritmo o resto da manhã toda, enquanto os turistas faziam os típicos passeios de buggy. Almocei no centro e voltei, atravessei o rio na balsa por 2$ e continuei a descansar do outro lado. Parti na maré baixa e com a praia deserta, pelo caminho um pescador me ofereceu uma carona mas recusei. Cheguei em Baleia, outro belo lugar repleto de piscinas naturais e bons lugares pra pernoitar, mas acabei indo pra uma cabana de pescador meia boca. Durante a madrugada choveu 2 vezes e me molhei todo, essa foi a pior noite de todas. Andei 16km. Mundaú-CE: 31º DIA Levantei logo cedo pra arrumar as coisas molhadas, enquanto os barqueiros chegavam pra pegar os materiais na barraca, como de costume todos me deixaram bem à vontade pra ficar o quanto quisesse. Deixei a bela Baleia pra trás e parti com a maré subindo e o céu bem nublado, caminhada razoável com o corpo muito dolorido, pelo caminho apenas algum pescador ou outro e muitas jangadas entrando no mar, moradores circulando de moto também era comum. Pouco tempo depois chega Apiques, que se resume a uma fileira de casas com um cemitério no final, bem no meio da praia, dei uma descansada rápida e segui até o próximo lugarejo, os Caetanos de Cima, colado nele vem os Caetanos de Baixo, ambos bem calmos e vazios sem nada de comércio, com muito coqueiro baixo, porém com os donos de vigia rsrs, acabou que pedi informação pra um morador e o mesmo me convidou pra almoçar na sua própria casa, não recusei, comi um dos melhores peixes de todos, pescado na noite anterior, insisti com ele e paguei 15$ pelo almoço. Passei o resto do dia na rede da bodega dele descansando e tentando secar a máquina que devido a umidade deu pane novamente. O sol só ameaçou sair umas 14h, parti umas 15h, achei um coco seco que fui comendo pelo caminho até que em algum trecho de praia deserta um cara passou de quadricículo me ofereceu carona e aceitei, fui até onde começa a primeira casa de Icaraí, onde tem umas armadilhas de peixe parecidas com um cercado de madeira, dormi num barraco abandonado ao lado de uma mansão, dormi logo cedo exausto. Andei uns 20km e fui uns 5km de carona. Fiquei sem máquina esse dia. Lua cheia nascendo do mar, km 0 BR-101-RN: 32º DIA Parti sem pressa e com o céu um pouco melhor que o dia anterior, mesmo sem sol o mar aqui é absurdamente bonito, muito verdinho e com muito recifes e algumas piscinas. No centro de Icaraí a praia é bem curvada com muitos coqueiros, pousadas e mansões, caminhada fácil até chegar uma sequência de pedras no final da praia onde tem mais um cemitério a beira mar, mais um pouco adiante já começa Moitas, lugar pequeno demais com quase nada na orla, fiquei numa barraca na praia botando a máquina no sol, descansando e dando uns mergulhos, almocei o melhor peixe de toda a viagem, um verdadeiro banquete por 15$, com direito a típica “cambica” cearense, prato típico de lá. Fiquei boa parte da tarde descansando e mergulhando no mar verdinho até partir por volta das 15h. Depois de uns 800m do centro é preciso entrar nas trilhas até sair no local da travessia, basta seguir a marca dos pneus na areia, pelo caminho ainda roubei 2 cocos de um restaurante vazio. Pra atravessar um dos braços do enorme Rio Aracatiaçu, tem que pagar 5$ que só leva até o outro lado, então é preciso atravessar um longo trecho na lama do manguezal até sair num estradinha e ir direto. Pelo caminho ainda pulei uma cerca pra pegar umas frutas, saldo: 3 cocos, 3 cajus e 2 mangas. Depois de passar por alguns postes eólicos é só pegar a direita na bifurcação que sai em Morro dos Patos, outro lugar minúsculo com uma vista paradisíaca. Segui beirando o lago até sair na praia sempre com a presença dos jegues, no meio da praia deserta surgem 3 barracas de pescador vazias, dormi em uma delas depois de andar 20km. Morro dos Patos-CE: 33º DIA Levantei como de costume umas 5:30 com tudo ainda nublado e um leve chuvisco. Rapidamente cheguei em Torrões, onde atravessei outro braço do Rio Aracatiaçu com 2 pescadores que estavam chegando do mar, daqui eu resolvi logo fazer mais um contorno da sequência de barras que vinha adiante e acabei pegando um carro tipo pau de arara até Itarema por 5$, depois outro por 8$ até Acaraú, andei até o fim da cidade e peguei uma van por 3$ até Cruz, almocei no mercado popular por 8$, depois de não conseguir nenhuma carona, voltei pra rodoviária pra descansar e pegar o único ônibus pra Aranaú por 2$, que só sairia as 22h. Ao longo do dia muita chuva forte, dia totalmente perdido. Chegando em Aranaú fui direto até a praia onde dormi num restaurante fechado, dormi pouco, porém bem. Percorri 44km de transporte e 5km a pé. Fiquei sem máquina esse dia. Carona de charrete em Grossos-RN: 34º DIA Levantei cedo, comi e parti com céu tampado de nuvem mas sem nenhuma chuva. A primeira parte da praia é um mangue seco seguido de um parque eólico desativado, pois a água do mar já está encostando neles. Pela praia só alguns pescadores, o mar nessa manhã estava uma verdadeira piscina, com muito curral pra pegar peixe, e as jangadas já começam a dar lugar aos primeiros barcos com motor. Quando se acabam os cataventos começam alguns coqueiros e pequenas dunas, a praia continua com uma faixa de areia extensa e sempre dá pra avistar porcos e jegues circulando, a esquerda mais distante vão surgindo algumas dunas maiores. Muito chão depois se chega em Barrinha, que só tinha algumas barracas vazias, mais um chão a frente vem Preá, na primeira barraca que passei tava repleta de turista, escondi a mochila dei uma disfarçada e fui lá dentro nas piscinas tomar uma ducha no chuveiro. Era um dia de domingo e a praia estava insuportável, acabei almoçando um PF por 15$ e fui descansar na guarita do Parque Nacional, fiquei por lá até a polícia me convidar pra sair, fiquei o resto da tarde batendo papo com Reginaldo, um viajante pernambucano que vive em Preá a alguns anos, tomei 3 cocos na casa onde ele toma conta e no fim da tarde me dirigi até uma barraca na praia onde dormi. O trânsito irresponsável e legalizado dos carros, a maioria turístico, dão nojo e me deixaram uma má impressão do lugar. A rota Preá x Jericoacoara pela praia tem trânsito constante de veículos de deixar qualquer cidade grande com inveja. Andei 23km. Preá-CE: 35º DIA Depois de comer alguma coisa parti rumo a Jijoca de Jericocoara, pra isso é preciso embicar pra dentro do parque e seguir toda vida pra sudoeste que fatalmente vai sair na Lagoa do Paraíso. Boa parte do Parque Nacional é enorme pasto com algum gado e jegues pastando, pequenas lagoas secas e o resto é duna, depois de passar pelo limite das dunas é só seguir por dentro da vegetação que sai na lagoa, depois é só ir beirando uns 6km até chegar no centro de Jijoca, pelo caminho os funcionários já começavam a passar vassoura retirando pequenas algas pra limpar a água pros visitantes mais fresquinhos. No final da lagoa chupei muita manga e me informei sobre algum camping, descobri o Camping do Tião, talvez o mais famoso ou mesmo o único, paguei 20$ pela diária e fui direto lavar minhas roupas. Almocei um peixe de 20$ farto porém caro pro meu bolso, armei barraca e passei o resto da tarde chupando mais manga, tomando banho e deitando nas redes da lagoa que estava deserta em plena segunda feira, a noite fiz um lanche no centro e dormi todo quebrado no chão duro da barraca. Andei 12km. Lagoa do Paraíso, Jijoca-CE: 36º DIA Saí bem sem pressa lá pelas 9:30 em direção a Vila de Jericocoara, diferente dos dias anteriores o sol saiu pra valer, quando cheguei na altura das dunas o calor já judiava demais. Pra fazer o caminho da volta, chegando nas dunas basta seguir pra noroeste em direção aos morros mais alaranjados, lá onde fica a Pedra Furada. Durante o percurso muito sobe e desce cansativo e várias paradas pra descanso, chegando na praia tem mais 1 km até a Pedra, que pra variar estava cheia de turista em fila pra tirar foto. Com a maré enchendo é preciso contornar os paredões por cima até chegar no centro, almocei por 18$ pensando que estava pagando pouco mas na rua paralela à principal tem vários restaurantes a 10$, fiquei triste como se tivesse perdido dinheiro. O resto da tarde foi só mergulho no mar e chuveirada nos hotéis rsrs. No fim da tarde segui em frente, turistas e moradores já começavam a caminhada pra Duna do Pôr do Sol, sendo que os moradores estavam voltando do trabalho e seguiam até o povoado de Mangue Seco. Logo depois da duna vem uma lagoa cheia de kitesurf, e a praia aqui é bem curta e naturalmente uma divisa entre a lagoa e o mar, um cara voltava do trabalho de buggy e me deu uma carona até a altura de Mangue Seco, fiquei ali mesmo numa barraca quase engolida pela areia, mas com mesas e cadeiras de plástico, o dono surgiu e já foi mandando eu passar a noite nela. Assisti um pôr do sol particular e espetacular ao mesmo tempo que já nascia uma imensa lua cheia. Andei um 18mk e peguei 3km de buggy. Jericoacoara-CE: 37º DIA Levantei as 5:30, e parti depois de comer. Pra bela, sol tímido e céu limpo, pequenas dunas pela praia e paralelo a ela corre sempre um mangue. Até Guriú foram uns 5km, atravessei de carona na balsa e segui. Guriú é muito pequena, as ruas são de areia e mal tem comércio. Segui pela orla que tem um daqueles projetos de cavalo marinho e muita barraca, todas praticamente dentro do manguezal. Quando acaba o mangue voltam as pequenas dunas, pelo caminho somente algumas pessoas catando marisco nas pedras. Praia enorme na maré baixa, mar verdinho e sol rasgando com nuvens de vez em quando passando pra fazer uma sombra e aliviar por uns instantes. Quando surgem os primeiros coqueiros, já é Tatajuba, um lugar bem pequeno que se resume a calmaria do paraíso, descoberto apenas pela galera do kitesurf e gringos. É preciso atravessar a barra que parece um mangue com água/lama no joelho pra chegar nas barracas, almocei na orla um PF bem farto de galinha por apenas 10$. O resto da tarde passei deitado na rede do restaurante sentindo o vento e assistindo o movimento das marés. Quando parti, o sol já rasgava e o mar não formava onda nos primeiros kms, a água só vai subindo gradativamente conforme a maré vai enchendo, depois surgem dunas e vegetação, aqui as ondas já quebram nas dunas e é preciso fazer uns contornos por fora. Acabei achando um coqueiral de altura mediana e peguei 6 cocos, do lado tinha um quartinho com porquinhos e umas lacraias, acabei optando por armar a rede nela a ter que dormir na barraca. Antes ainda teve mais um pôr do sol fantástico simultâneo com lua cheia. Andei 26km. Lua cheia nascendo nos coqueiros, sentido Camocim-CE: 38º DIA Parti umas 6h entupido de água de coco, maré baixando, tempo nublado e sem vento. Com as ondas ainda batendo nas árvores, é preciso fazer alguns contornos por dentro do mangue. Quando acaba a vegetação vem uma enorme reta de praia deserta até a barra do Rio Coreaú. A travessia de balsa custou 3$, aqui as embarcações maiores do tipo traineira já são mais comum. Fui pela calçada de Camocim até chegar no Farol do Trapíá, lá começa a praia com uma faixa de areia absurdamente grande. Caminhada boa com sol já dando as caras e aquele climão de deserto dando sensação de estar em outro planeta, somente raros catadores de marisco apareciam. Ao final da primeira praia, começa mais uma e a terceira é Maceió, lugar que se resume a uma rua com coqueiros, dunas, praia, somente 1 mercadinho e muito lote a venda. Cheguei por volta de 12h na merda de fome e sede e almocei um PF de peixe por 10$. Dei uma chuveirada e armei minha rede num restaurante vazio na praia pra descansar. Quando parti, a paisagem volta a ficar deserta, o sol fritava e a maré já começava a subir lentamente sem formar ondas, mais a frente vem um lugar minúsculo chamado Barrinha, somente umas 10 casas e três restaurantes. Aqui a maré sobre de um jeito que forma uma baita lagoa e até mesmo uma ilha. Depois de Barrinha volta o deserto de areia sem fim, sem chance nenhuma de achar um bom lugar pra dormir, acabei armando a barraca ao lado de uma moita e passei uma noite sem muito desconforto. Andei 29km. Sentido Praia de Maceió-CE: 39º DIA Parti umas 6:30, céu nublado com sol saindo aos poucos maré baixando e areia boa pra caminhar. Logo começa um parque eólico e depois vem umas casinhas de pescador, colado nelas vem Xavier, vila ainda menor que Barrinha com apenas 1 casa que vendia alguns suprimentos, nem pra da chamar de mercadinho rs. Kms depois vem a Barra dos Remédios, que tem o título de a “5º praia deserta mais bela do Brasil”, depois de tanto andar por praias vazias essa fama não faz sentido nenhum pra mim, mas ainda assim é um belo lugar. Atravessei de balsa por 5$, parei numa barraca do outro lado pra dar uma descansada e esperar passar uma chuva passageira. O bicho do pé que doía no meu dedo sumiu por conta própria. Desde Jericoacoara é bem nítida a percepção de estar andando de leste para oeste numa linha reta perfeita. Mais adiante vem o vilarejo Praia Nova, com poucas casas desalinhadas e quase engolidas pela areia, muitos moradores já se mudaram de lá, em breve essa vila vai sumir, uma pena pois deu pra perceber que aqui a simplicidade e paz reinam. Vivem da pesca, só vão pescar quando precisam, no tempo livre famílias inteiras brincam tranquilamente pela praia, com crianças pequenas correndo a centenas de metros dos pais, não há celulares nem muro separando as casas, coisas que foram comuns um dia mas que precisei andar até aqui pra lembrar que ainda existem. Muita areia depois vem umas cabanas de pescador, as nuvens faziam sombra mas quando o sol vinha descontava. Somente 12h cheguei em Curimãs, lugar pequeno e bonito, almocei um PF de 10$ na barraca da Neide, que fica bem ao lado de um rio represado que forma um piscinão de água doce. Descansei de tarde e segui com sol mais fraco, depois de muita areia e uma chuva fina, cheguei em 2 barracas isoladas no meio da praia, o céu ficou preto de chuva e esfriou um pouco, dormi aqui mesmo depois de andar 28km. Praia Nova-CE: 40º DIA Dormi muito bem e acordei com o tempo ainda fechado sem previsão de melhora, andei pouco mais de 2km e cheguei em Bitupitá, o último lugar do Ceará, daqui é preciso faz um contorno pra vencer o delta dos rios Timonha e Ubatuba. Peguei uma van por 7$ até Barroquinha, daqui só consegui um ônibus pra Parnaíba as 15h, por 12$, cheguei já escurecendo e como não havia mais transporte pra Luís Correia, acabei dormindo num pulgueiro lotado de ciganos em frente a rodoviária por 30$. Fiquei sem máquina esse dia. Tatajuba-CE: 41º DIA Depois de comer tudo que tinha direito no café grátis, segui pra Luís Correia de Topic por 3$. Foi um domingo de praia vazia e tempo totalmente fechado, com chuva a todo momento, pela praia rolava um futebol, uma roda de capoeira, algumas excursões mas pouca gente mesmo dentro d’água, a orla é repleta de quiosques padronizados (preços baratos pra uma orla), casarões pra alugar e hotéis, a maioria vazio, porém é uma orla meio largada onde o lixo ainda tem presença forte, até garrafas de champanhe da virada do ano ainda tinham na areia. Depois de ir até a barra do Rio Parnaíba e ver que não ia conseguir barco barato pra atravessar, voltei até um restaurante vazio e passei o resto do domingo. Almocei um PF por 15$ e continuei na praia, dormi no restaurante da praia mesmo. Fiquei sem máquina esse dia. Em algum lugar sentido Morro dos Patos-CE: 42º DIA Acordei cedo e voltei pra Parnaíba, a ideia era pegar transporte até Pedra do Sal e talvez andar um pouco mais até a divisa do Maranhão, mas o tempo chuvoso dos 2 últimos dias me desanimaram e encerrei minha caminhada em 05.02.2018. Fiquei sem máquina esse dia. Pedra Furada-CE: Ainda continuei viajando, mas dessa vez me locomovendo de transporte. De Parnaíba parti até São Luís e de lá fui pra Santo Amaro do Maranhão onde passei o carnaval com a namorada, pra minha sorte foram todos os dias de muito sol e depois voltou a chover pra valer naquela região, tem sido um dos anos mais chuvosos e com lagoas cheias, o que não ocorreu nos anos anteriores. De São Luís peguei um trem de passageiros da Vale do Rio Doce e fui até o Pará visitar familiares, ainda voltaria ao Maranhão pra viajar mais uma semana mas tive que retornar ao RJ por motivos de força maior. A segunda caminhada foi tão boa quanto a primeira e menos sofrida, dessa vez eu fui ligeiramente mais equipado, com fogareiro a gás e barraca pra usar caso não tivesse lugar bom pra rede. Levei 2 cartuchos de gás e usei um + metade do outro, cozinhei minha janta uns 85% dos dias, sempre um miojo e depois que vomitei passei a usar mais arroz. Quanto a barraca continuo com a mesma impressão de que não combina com o calor da praia, mas foi útil quando precisei dela. Não tive bolhas dessa vez, comecei aumentando as distâncias andadas aos poucos e sempre parando pra descansar. Atravessei o litoral do nordeste no auge da zica e chicungunha em 2015 e passei pelo RN em plena crise da segurança pública e greve da polícia em 2018, mas nada disso me atrapalhou, essa parte do litoral brasileiro é linda demais, recomendo a quem tiver vontade de conhecer seja andando, de bike, ou qualquer outra coisa, que faça o quanto antes, pois as casas só aumentam e as praias diminuem. Boa caminhada a todos !
  41. 9 pontos
    Olá pessoal, venho aqui humildemente relatar minha experiência, a viagem que eu fiz para Portugal, do dia 25-12 a 02-01-19. Como fiz tudo de maneira bem econômica, pode servir de informação para alguém com planos parecidos. Resolvi fazer só Portugal, gosto de envolver com um país por vez, acho que a experiencia fica mais rica. A imigração foi supertranquila, perguntou qual era meu destino, quanto tempo eu iria ficar, onde eu iria ficar hospedado, e depois repetiu a pergunta até que dia eu iria ficar. Hospedagem: Resolvi ficar hospedado somente em Lisboa e fazer outras cidades no esquema de bate e volta. Fiquei em um hostel no bairro de Misericórdia, perto do centro. Transporte: O transporte coletivo, em Portugal funciona extremamente bem, é muito tranquilo andar de metro, ônibus, bonde e trem. 25-12 Cheguei pela manhã em lisboa, como era feriado, não tinha nada aberto. Minha ideia era comprar um Chip de dados no aeroporto, só que estava fechado a loja. Tinha que arrumar um transporte para o centro. Fui para o metro, fica bem na saída do aeroporto. Para usar o metro e necessário ter um cartão chamado, Viva Viagem. Em todos os metros tem uma maquina de autoatendimento onde é possível carregar o cartão e se você não tem um cartão é só solicitar o cartão na mesma maquina. Adquirido o cartão e só recarrega-lo toda vez que for usar o metro. O cartão custa 0,50 euros, e uma viagem do metro custa 1,45 euros. Eu achei que não ia conseguir. pois a maquina só aceitava moedas e notas de até 10 euros e eu só tinha notas de 50 euros. Resolvi tentar usar meu cartão Nubank e não é que deu certo, as maquinas aceitam cartão internacional. As estações de metro de lisboa são super bem sinalizadas e cheias de informação. Olhei o mapa e indicava que deveria pegar essa linha vermelha do aeroporto, descer na estação Alameda e tomar a linha verde, rumo ao centro da cidade. Quando fui mudar de linha no metro, vi uma lojinha de celular aberta e comprei o chip de estava querendo, 15 euros, 5 giga de dados de internet por até mês. Fui procurar o hostel . Os checkin's em portugal são bem tarde só depois das 15:00. Mas eles deixam você deixar suas coisas e voltar mais tarde. Larguei tudo no hostel e fui bater perna pela cidade. Estava bem cansado da viagem e fiquei mesmo só andando sem pressa, fui até a praça do comercio, fiquei ali andando pelas margens do Rio Tejo. Mas tarde eu fui para o Miradouro São pedro de alcantra, onde tinha músicos de rua, varias barracas de comida e bedida da boa. Fui dormir cedo. 26-12- City tour, Castelo de São Jorge, Museus A primeira coisa que sempre gosto de fazer quando a disponibilidade é um City Tour. Achei na internet um Free walking tour que começaria as 10:30. Antes do tour começar eu vi uma barraca de apoio ao turista e resolvi comprar um Lisboa Card. Esse cartão tem validade de 24, 48 ou 72 horas e dá acesso gratuito e vários museus, descontos, e acesso gratuito a todo transporte urbano de lisboa. Comprei o de 48 horas. Não consegui achar um tour em português, só em espanhol e inglês. Escolhi o em inglês, no ponto de encontro tinha vários brasileiros todos eles foram fazer o tour em espanhol. No meu só tinha japoneses e franceses. O tour foi bem bacana ficamos rodando pelo bairro alto e pelo baixo chiado. Muita informação local e histórica. Toda vez que o guia ia falar alguma coisa relacionada ao Brasil ele olhava pra mim e perguntava se estava certo a informação. O tour durou cerca de 2 horas e meia. No final você contribui se quiser com quanto quiser. Terminado o tour fui comer alguma coisa e começar a usar os benefícios do meu Lisboa Card. Fui ao Castelo de São Jorge (desconto entrada lisboa card). Vista maravilhosa da cidade. Depois fui ao museu teatro romano, museu militar e museu do azulejo. Todos museus gratuitos com o lisboa card. A noite, peguei o metro e fui visitar o Shopping Colombo, é gigante, dá até para se perder. Alguns dizem que é maior shopping da Europa. Acabei aproveitando a oportunidade para assistir o filme do Aquaman, era em IMAX, uma tecnologia que ainda não tinha experimentado. 27-12 - Belém Tirei o dia para ir a Belém, e não me arrependi é espetacular. Não há linhas de metro, então fui pegar o bondinho, chamado de elétrico, 15E, ele leva exatamente para lá. Desci ao lado do Mosteiro dos Jerônimos. Ainda eram 9:00 e resolvi começar provando dos famosos pasteis de belém, muito saborosos. Depois visitei o mosteiro, lugar muito bonito. Ao lado do mosteiro tem o Museu de arqueologia, ambos free com lisboacard. Desci então a praça ao lado do mosteiro para achar o monumento Padrão do descobrimento. Depois voltei um pouco caminhando até o museu dos Coches e o museu MAAT. Faltava a cereja do bolo, e para terminar fui visitar a magnifica torre de belém. 28-12 - Sintra Ir de Lisboa à Sintra é bem simples. É só pegar o trem que sai da estação Rossio. Dá para aproveitar o mesmo cartão do metro, desde que ele esteja vazio, então só comprar na maquina a passagem. Peguei o comboio das 09:00 e 09:40 eu já estava em Sintra. Tirei a parte da manhã para visitar a Quinta da Regaleira, um dos lugares que eu mais queria visitar nessa viagem, e realmente não me decepcionei. Tem ônibus, mas achei caro 5 euros, e caminhei por cerca de 20 minutos até a entrada do parque. O lugar é imenso, fiquei umas três horas explorando o lugar e não foi suficiente para ver tudo. Voltei para o centro da cidade, almocei e fui pegar o ônibus 434 circuito pena. Desci no Castelo dos Mouros e fui explora-lo. A grandeza das muralhas e a vista que se tem do alto do castelo é de tirar o folego. Depois fui ao parque da pena, o lugar é imenso e explorei mais o palácio, ponto principal do parque e fui a alguns jardins. Começou a descer uma nevoa que dificultava até a andar e decidi encerrar minha visita. Voltei para o centro da cidade, fiz um lanche e fui para estação de Sintra pegar o comboio de volta para Lisboa. Ficou a sensação que se a viagem já tivesse terminado teria valido a pena. Dia 29-01 - Évora Para ir à Évora existem duas possibilidades, de trem ou ônibus. Os valores são bem parecidos e o tempo de deslocamento também. Optei por ir de ônibus, pois, os trem tem poucos horários disponíveis, já ônibus tem muitos horários, flexibilizando a viagem. Os ônibus saem do terminal rodoviário Sete Rios, dá para chegar lá rapidamente de metro pegando a linha azul e descendo na estação Jardim Zoológico. Cheguei em Évora e fui caminhar até centro histórico. Apesar de ter muitos turistas, a cidade tem um ar de muita tranquilidade. Escolhi visitar primeiro o templo romano, então coloquei no gps do celular e fui. No caminho cai bem na praça do Giraldo um dos lugares mais importantes de cidade onde tem uma belíssima igreja e os principais restaurantes da cidade. Visitei o templo, tirei umas fotos, bem em frente ao templo tem um pracinha bem tranquila, vale uma parada para tomar um café. Bem perto dali está a catedral de Évora, muito bonita. Tem varias opções de entrada. Eu peguei a completa e fui visitar a igreja, o claustro e o telhado. O telhado se tem um bela vista da cidade, vale a pena perder uns minutos só contemplando os vales que se perdem a vista. Depois fui visitar a bizarra capela dos ossos. O lugar é pequeno, mas vale a visita para tirar umas fotos e conhecer a história do lugar. Além da entrada na capela o ingresso também da direito a acessar algumas exposições que tem nos pisos superiores do prédio ao lado. Tinha uma exposição de presépios bem bonita, devia ter uma centena deles, de diversos tipos e materiais. Voltei para a praça do Giraldo, comi um lanche, e percebi que estava meio cansado e então resolvi voltar para terminal de pegar as 17:00 o ônibus de volta para Lisboa. Dia 30-12 - Cascais e Cabo da Roca Muito simples ir a Cascais desde Lisboa, é só pegar o trem que sai em intervalos curtos na estação Cais de Sodré. Cheguei em Cascais e já percebi a diferença na arquitetura da cidade, grandes mansões e casas de praia. Sai da estação e fui em busca de ver as praias próximas, apesar de pequenas são lugares até charmosos e bonitos. Por incrível que pareça a temperatura ambiente era 10 graus e tinha gente tomando banho. Visitei algumas praias, fiquei um tempo contemplando a paisagem, depois fui caminhando até a boca do inferno, ponto turistico. Voltei para o centro para almoçar. A tarde fui pegar um ônibus que leva ao famoso Cabo da Roca, o ponto mais ocidental do continente europeu. A estação de ônibus fica bem perto da estação de trem, a linha é a 403, que faz a rota de Cascais até Sintra e para no Cabo da Roca. O lugar é fantástico, uma paisagem muito bonita e uma energia muito boa. Passei horas simplesmente sentado contemplando o oceano e as formações rochosas. 31-12 Lisboa - Parque das Nações, Oceanário, Estádio do Benfica, réveillon. Ultimo de dia do ano, resolvi conhecer o parque das nações, fácil de chegar pela linha vermelha do metro, descendo na estação oriente. Fui ao Shopping Vasco da Gama. Depois desci para visitar o Oceanário de Lisboa, sensacional fauna marinha. Fiquei dando umas voltas pela região. Depois fui para outra ponta da cidade conhecer o estádio do Benfica. Infelizmente o estádio não estava aberto para visitação e visitei só o museu. Para encerrar fui a noite para o show da virada na praça do comercio, onde acompanhei a belíssima queima de fogos. 01-01 - Almada Nesse dia eu não tinha programado nada para fazer, acordei por volta do 12:00 devido a noite de réveillon. Acordei bem disposto e resolvi visitar o mercado da ribeira, não tinha muita coisa aberta, mas a gastronomia estava e deu para almoçar um belo Bacalhau a Braz. Ao caminhar pela beira do Tejo pensei porque não ir até o outro lado rio e assim o fiz. Tem uma estação hidroviária que leva de barco até Casilhas em Almada, viagem rápida, menos de 15min. É muito bonito ver Lisboa na outra margem, fiquei ali sentado um bom tempo contemplando-a. Explorando o lugar vi que tinha uma linha de ônibus que levava até o Santuário do Cristo e resolvi conhecer o lugar. O Santuário é muito bonito e vale a pena ser visitado até mesmo se você não for religioso. O miradouro de lá da uma vista fantástica de lisboa e em especial da ponte 25 de abril. 02-01 Porto Era um grande dilema ir ou não fazer um bate e volta até a cidade do Porto. Eu já sabia que a cidade merecia vários dias de roteiro, tempo com o qual eu não tinha. Há vários dias antes eu fiquei pensando se valia o risco de fazer uma coisa corrida dessas, pois é uma viagem longa e com certeza o dia ia ser muito corrido. Acabei achando na internet um relato de um viajante que tinha feito um bate e volta lisboa-porto e gostei do roteiro ( https://www.umviajante.com.br/portugal/127-roteiro-do-porto-portugal-parte-um ). Praticamente eu fiz o mesmo roteiro do rapaz, só a diferença que eu cheguei mais cedo e fui primeiro no estádio do clube do Porto. Peguei o trem as 7h em Lisboa na estação Santa Apolônia e por volta de 10h eu estava no Porto. Usei metro também, o esquema do é bem parecido com de Lisboa, tem que adquirir um cartão, que nesse caso se chama Andante. Primeira parada foi no estadio do Dragão, casa do Clube do porto, o metro te deixa na porta do estádio, dei sorte cheguei bem na hora que iria começar a visita guiada pelo estádio. Muito bonito conhecemos tudo dentro da arena, sala de imprensa e vestiário, gramado e arquibancadas vips. Visitei também o museu que conta toda história do clube, bem bacana e interativo. Peguei o metro até a estação trindade e de lá em peguei a linha amarela que leva até Vila Vila Nova de Gaia. Desci na estação que logo depois da passagem sobre a famosa Ponte Luiz I, meu objetivo. Sensacional a vista!!!!! É esplendido o rio Douro e a Ribeira vista de cima da ponte. Voltei caminhando por cima da ponte até o lado do Porto e desci para a ribeira. Fiquei um tempo por ali contemplando e curtindo os músicos de rua. Resolvi me dar o luxo de almoçar por ali naquela vista maravilhosa das margens do Rio do Douro. Resolvi experimentar a famosa francesinha acompanhada do famoso vinho do porto. Ali perto da ponte tem um funicular que leva até a parte alta do centro histórico e desci perto da praça Batalha. De lá segui andando até a catedral da Sé, muita bonita. Depois visitei algumas praças que tem por perto e foi ver a torre dos Clérigos. Fui também conhecer a famosa livraria Lelo, também conhecida como livraria do Harry Potter. Estava meio tumultuada, muito lotada, mas o lugar é muito bacana e bonito. Também dei uma passada na estação são bento, onde tem belos azulejos, fui a praça da liberdade fiquei um tempo por lá. Esse trajeto foi perfeito para eu chegasse na estação trindade e pegar o metro de volta a estação de trem de campanha e as 19h eu estava voltando para Lisboa. Valeu a pena fazer o bate e volta, mas realmente a cidade do Porto merece mais tempo de visita, tem lugares fantásticos. Um dia eu volto quem sabe. E na manhã seguinte bem cedo, para minha tristeza, voltando para o Brasil. The end.
  42. 9 pontos
    Depois da minha viagem de férias do ano passado com minha esposa (na época namorada) decidi escrever um relato sobre nossa ida de carro até o Chile, percorrendo 9200km entre Uruguai, Argentina e Chile. Escrevendo esse relato vi o quanto era gostoso relembrar da viagem enquanto escrevia que na nossa viagem desse ano decidi também ir fazendo um rascunho dia a dia para poder escrever este relato depois. O relato pode ser visto aqui: https://www.mochileiros.com/topic/58802-são-paulo-para-bariloche-e-chile-de-carro-em-28-dias-9200km-uruguai-argentina-e-chile A decisão de ir para a África do Sul foi principalmente da minha esposa. Não que eu fosse contra, muito pelo contrário, mas nunca tinha pesquisado o que existia de interessante para conhecer lá (e tem muita coisa!). Algo que também ajudou na decisão foi o valor das passagens (muitas vezes aparece por R$ 1400 - 1700) e o fato do vôo ser direto se voar com a LATAM ou South African Airways (SAA). Começamos o planejamento acho que em janeiro desse ano (2018), as passagens foram compradas em março e depois disso fizemos as reservas de hotéis, carro, safári e vôos internos até mais ou menos um mês antes, quando o roteiro estava praticamente pronto. O intuito da viagem era principalmente fazer o tal do "safári", que é andar pelo Kruger National Park vendo os animais e depois completamos o resto do roteiro com dicas pesquisadas na internet. Nosso roteiro ficou assim: 30/05/2018 - Vôo de SP para Joanesburgo (Latam) 31/05/2018 - Chegada em Joanesburgo 01/06/2018 - Ida para Phalaborwa (cidade/portão que usamos para entrar no Kruger) 02/06/2018 - Passeio no Kruger 03/06/2018 - Passeio no Kruger 04/06/2018 - Passeio no Kruger 05/06/2018 - Passeio no Kruger 06/06/2018 - Passeio no Kruger 07/06/2018 - Kruger para Joanesburgo 08/06/2018 - Joanesburgo para Cape Town (avião pela Kulula), início da Garden Route 09/06/2018 - Garden Route (Cape Agulhas, Plettenberg Bay, Jeffrey's Bay, Mossel Bay) 10/06/2018 - Garden Route (Cape Agulhas, Plettenberg Bay, Jeffrey's Bay, Mossel Bay) 11/06/2018 - Garden Route (Cape Agulhas, Plettenberg Bay, Jeffrey's Bay, Mossel Bay) 12/06/2018 - Stellenbosch (vinícolas) 13/06/2018 - Stellenbosch (vinícolas) 14/06/2018 - Cape Town 15/06/2018 - Cape Town 16/06/2018 - Cape Town 17/06/2018 - Cape Town 18/06/2018 - Cape Town 19/06/2018 - Cape Town 20/06/2018 - Cape Town 21/06/2018 - Joanesburgo e volta para SP Vou escrever aqui alguns tópicos gerais e depois abaixo separo por cidade/região. Transporte Avião Duas companhias voam direto para Joanesburgo saindo do Brasil (Aeroporto de Guarulhos): LATAM e South African Airways (SAA). Pelo que pesquisei a LATAM tem (na época desde relato) um avião um pouco mais confortável (classe econômica com mais espaço) mas demora um pouco mais para chegar até lá já que devido ao modelo de avião usado precisam fazer um pequeno desvio na rota em relação aos vôos da SAA (SAA mais ou menos 08h de duração contra mais ou menos 09h30 da LATAM na ida. Na volta aumenta um pouco por causa dos ventos, 10h para SAA e 11h para LATAM). As passagens de ida e volta do Brasil (São Paulo) para África do Sul (Joanesburgo) foram compradas direto pelo site brasileiro da LATAM por R$1700 cada um. Dias antes da ida e da volta recebi um e-mail da LATAM oferecendo para fazer upgrade para a executiva através do sistema de leilão deles, onde você oferece um valor e se o seu lance for aceito você receberá o upgrade. Conseguimos o upgrade para classe executiva nos dois vôos, o que foi muito bom já que queríamos chegar em Joanesburgo descansados para fazer um passeio no dia e na volta também foi ótimo já que o voo é mais longo que a ida. Gosto de falar do valor porque existem muitas e muitas promoções para a África do Sul, então é sempre bom ficar de olho naqueles aplicativos que avisam sobre promoções. Também tem uma ferramenta que eu gosto muito que é o Google Flights / Google Vôos. Muita gente já deve conhecer, mas lá você coloca as cidades, datas, e ele mostra o valor na maioria das companhias aéreas, com opções de voo direto ou com conexão, filtros de valores, sugestão de datas com valores mais baixos e você também pode salvar o voo para ser notificado sempre que o preço alterar. Tento sempre evitar comprar por agências e usar quando possível o próprio site da empresa aérea: mais fácil de resolver qualquer tipo de problema já que não depende de terceiros e quase sempre mais barato (de vez em quando as agências tem uns preços imbatíveis). Carro alugado Em todas as nossas passagens por Joanesburgo estávamos com carro, então não tenho como falar sobre Uber, Gautrain etc. Assim como com os vôos, todos os aluguéis de carros foram reservados direto pelo site da empresa depois de comparação de preço entre as maiores (Hertz, Avis, Budget, Alamo). Logo que chegamos em Joanesburgo alugamos um Corolla Quest pela Hertz e depois na última estadia, do dia 20 para 21, alugamos um Etios pela Avis/Budget. O preço do Uber aeroporto-hotel seria mais ou menos o mesmo do carro então optamos pelo carro pela liberdade de ir onde quiser, quando quiser. Em Cape Town alugamos também um Corolla Quest pela Avis/Budget. Essa locação foi um pouco diferente, já que pegamos no aeroporto (chegamos lá de avião) mas devolvemos na unidade deles em Cape Town mesmo, fora do aeroporto, porque usamos o carro apenas para a Garden Route e em Cape Town ficamos a pé/Uber. Falando em Uber, usamos bastante em Cape Town e deu muito certo, é ótimo para complementar as caminhadas já que decidimos não usar carro lá. Tive um problema com a Hertz, onde o atendente colocou na locação um seguro mais caro do que a própria locação mesmo eu dizendo que não queria seguros adicionais. Depois de voltar ao Brasil mandei e-mail para eles, expliquei a situação e acabei conseguindo o reembolso do valor desse seguro. Fica a recomendação de sempre ler exatamente tudo o que está assinando, mesmo tendo fila atrás de você, etc. Na dúvida pergunte, tire foto, registre. Dirigir na Mão inglesa Como alguns sabem, a África do Sul usa a mão inglesa, então o volante fica do lado direito do carro e você dirige na pista da esquerda, sempre mantendo as faixas mais à esquerda (a direita é usada para ultrapassagens). Já tive uma experiência com mão inglesa na Tailândia então não foi tão traumático quanto a primeira vez, mas ainda assim nos primeiros dias eu estava acostumando, então sempre tirava fina dos carros à minha esquerda, acionava o limpador ao invés da seta, tentava entrar pela outra porta... mas isso passa. Incrivelmente não tive problemas com o câmbio manual. A única diferença é que obviamente você troca as marchas com a mão esquerda, mas os pedais e a posição das marchas é igual no Brasil. Toyota Etios Permissão para Dirigir (CNH Internacional) Em todos os sites que li e pesquisei diziam ser necessário usar a PID na África do Sul, então fiz todo o processo pelo site do Detran SP, paguei o valor de R$282,70 + taxa dos Correios e recebi a PID em casa. Ela vem traduzida em vários idiomas, refletindo os dados e categoria da sua CNH inclusive validade. Durante a locação dos carros eu sempre entregava ela com a brasileira mas sempre me devolviam ela e só usavam a brasileira. Talvez realmente seja necessário caso seja parado pela polícia por exemplo, mas na viagem acabei não usando para nada. Em todo caso, é melhor ter. ====================== Clima A África do Sul está no hemisfério sul assim como o Brasil então o clima de lá é bastante parecido com o nosso e nas mesmas épocas do ano. Sim, faz frio por lá! Enquanto estávamos no Kruger (mais ao norte do país) normalmente pegávamos algo em torno de 12 graus de manhã e de noite e 20, 23 graus durante o dia depois que o sol saía. Já em Cape Town e Garden Route esfriou mais ainda, ficando uns 8 graus de manhã e noite e frio durante o dia inteiro. ====================== Hospedagens Todas nossas reservas foram feitas pelo Booking, exceto Cape Town e Stellenbosch que fizemos pelo Airbnb e as estadias dentro do Kruger que obrigatoriamente são feitas pelo site do South Africa National Parks (SANParks) caso você não esteja ficando em nenhum lodge privado. Em todos os lugares que ficamos hospedados não tivemos nenhuma decepção, muito pelo contrário. Os lugares eram sempre ótimos, seja por causa do staff gentil, do quarto bom, do café da manhã completo ou uma mistura de todos. O único "problema" que tivemos foi em Agulhas, mas a culpa foi totalmente nossa. Reservamos sem prestar atenção no tipo de acomodação (veja mais no item Garden Route). Para reservar seja pelo Booking ou pelo Airbnb não tem muito segredo. Ler os reviews dos últimos meses, especialmente os negativos, ver se o lugar tem todos os itens que você precisa (ar condicionado, estacionamento, etc) e especialmente no caso do Airbnb, observar muito bem as fotos. Vá passando as fotos e na sua cabeça tentando juntar uma com a outra, fazendo uma planta mental do lugar e prestando atenção no tamanho dos cômodos, banheiro, cozinha. Uma vez nos hospedamos no Rio de Janeiro em um quarto hiper pequeno porque fomos enganados pelas fotos. Não tinha nada de errado, a descrição correspondia exatamente ao que encontramos, mas as fotos foram tão bem tiradas que parecia um lugar com vários cômodos. ====================== Febre Amarela e Malária A África do Sul está na lista dos países que pedem o certificado de vacina contra febre amarela. Apesar de não terem pedido para nós nem no checkin da LATAM e nem na chegada, é necessário. Além da vacina, que muita gente deve ter tomado no surto recente, precisa ter o certificado internacional emitido pela Anvisa e nesse caso só serve a dose integral e não fracionada. Como tomamos a vacina e fizemos o certificado alguns anos atrás para viajar para a Tailândia já não lembro bem o processo, mas com certeza é algo fácil de encontrar na internet. A malária é um grande problema na África em geral. Na África do Sul ela só está presente na região do Kruger e pelas nossas pesquisas o maior problema é no verão, quando tem mais mosquitos. Existem remédios e repelentes que podem minimizar o risco de contrair a malária. Os repelentes precisam ser a base de DEET ou licaridina com concentração acima de 30% para adultos e de até 10% para crianças. Tentamos comprar o repelente em uma farmácia antes de chegar no Kruger e os que encontramos não chegavam a 30%, não sei se talvez por termos ido no inverno eles não tem tantas opções assim. Acabamos comprando um em bastão mas chegando no parque vimos que realmente não tinha mosquito e então acabamos não usando o repelente todos os dias. ====================== Crise de água A região de Cape Town está passando por uma crise de água bastante forte. Apesar de não haver fiscalização (pelo menos para nós turistas, pelo que pude reparar) a regra é usar 50 litros de água por dia por pessoa. As recomendações que todos os lugares informam são as seguintes: - Usar a água do chuveiro apenas para se molhar antes de ensaboar e depois para tirar o sabão - Dar preferência ao alcool gel ao invés de lavar as mãos - Descarga na privada só para o que é sólido - Coletar água do chuveiro com balde enquanto a água não esquenta e reutilizar na privada por exemplo - Tomar água de garrafa (que vem de uma fonte diferente/longe da região) - Locadoras de veículos não estão lavando os carros O Dia 0 (quando as torneiras serão/seriam desligadas) estava programado para o primeiro semestre de 2018 e foi postergado para 2019 por enquanto, mas é importante economizar o máximo possível. ====================== Dinheiro A moeda usada na África do Sul é o rand (sigla ZAR). Na cotação comercial 1 real = 3,50 rand, mas claro que não é essa cotação que vamos conseguir fazendo o câmbio, é mais uma referência. Aqui no Brasil algumas casas de câmbio já vendem o rand mas não achei vantajoso comprar por aqui. Mesmo tendo que fazer duas conversões, valeu mais a pena trocar dólares aqui e chegando lá trocar por rands. A cotação fica em torno de 11 a 12 rands por dólar. Trocamos duas vezes, uma no aeroporto de Joanesburgo e uma no aeroporto de Cape Town. Talvez algumas casas de câmbio na cidade pagassem um pouco melhor, mas preferimos a comodidade de trocar direto no aeroporto. Usamos cartão de crédito algumas vezes também e quase não tivemos problema. É amplamente aceito e funcionou bem. ====================== Idioma Segundo a Wikipedia, a África do Sul tem 11 idiomas oficiais sendo um deles o inglês e os outros dialetos de regiões do país. Mesmo com tantos idiomas não tivemos nenhum problema para se comunicar. Todos com quem falamos (hotéis, guias, restaurantes, Uber) falavam muito bem o inglês. As placas de sinalização, outdoor, lojas também são todas em inglês. ====================== Chip de celular/Wi-fi Ainda no aeroporto em Joanesburgo compramos chip de celular na Vodacom. Vodacom fica logo depois do desembarque, quando pegamos as malas e saímos da área segura, à direita. Na Vodacom você compra o chip (se não me engano por 100 rand) e coloca créditos no valor do pacote que você deseja ativar. O próprio atendente fez todo o processo para mim. A princípio a gente ia pegar um pacote de 3GB mas na hora preferi pecar pelo excesso e comprar um de 5GB (400 rand) e foi uma ótima decisão já que no Kruger era raríssimo conseguir wifi. Deu pra usar sem miséria e acabamos a viagem com o pacote no limite, faltando uns 200MB pra acabar. Pelo site da Vodacom África do Sul (https://www.vodacom.co.za/) é possível consultar os planos e valores (procure pro Prepaid Data Plan) para ter uma ideia do quanto vai gastar com isso. Assim como no Brasil, wi-fi existe em hotéis, restaurantes maiores, shoppings e algumas atrações turísticas. Não é muito confiável depender do wi-fi apenas. ====================== Tomada Em toda a África do Sul o padrão de tomada que mais encontramos foi o chamado "padrão M" (veja foto abaixo) e em pouquíssimos lugares, aparentemente mais novos/reformados, o padrão N (o mesmo "padrão novo" do Brasil). Apesar de parecidos (pinos redondos lado a lado) o padrão M não é compatível com o N, sendo necessário o uso de um adaptador. Aquele adaptador de viagem universal comum não é compatível com o padrão M da África do Sul, ele não está naquele adaptador. É preciso comprar um específico para a África do Sul. A gente queria muito já sair do Brasil com o adaptador na mala, assim teríamos certeza que conseguiríamos carregar nossos celulares e câmera quando chegássemos lá mas no Mercado Livre só encontrei um específico para a África do Sul por mais de 100 reais. Na loja da Vodacom no aeroporto eles vendiam mas se não me engano custava 399 rands (mais de 100 reais). Deixei para ver isso depois e acabamos comprando no mercado Pick n' Pay um adaptador simples. Não me lembro quando custou mas não passou de uns 20 reais. Começamos a observar nos mercados e muitos deles vendiam o adaptador, bem como extensão e todo o tipo de acessório elétrico. Adaptador Padrão M das tomadas da África do Sul ====================== GPS Como faço em todas as viagens, antes de sair do Brasil baixei o Here Maps no celular e baixei os mapas da África do Sul nele, assim poderia usar o GPS offline na África do Sul sem necessidade de internet. Baixei também os mapas do Google Maps mas especificamente para download de mapas offline não gosto do esquema dele de ficar baixando pedaço por pedaço, parece que sempre vai ficar faltando alguma região. Chegando lá usei inúmeras vezes o Here Maps com mapas offline, mas já que tínhamos internet e pela comodidade de pesquisar o lugar no Google e já clicar para traçar a rota, acabamos usando o Google Maps online mesmo. Ambos funcionaram muito bem. ====================== Joanesburgo Hospedagem No total ficamos apenas três noites em Joanesburgo. Pra ser sincero não nos empolgamos tanto com os atrativos da cidade principalmente pelos inúmeros relatos de violência e insegurança por lá. Acabamos dormindo em Joanesburgo apenas o necessário (uma noite entre a chegada do Brasil e a ida pro Kruger, uma noite na volta do Kruger antes do voo para Cape Town e uma noite depois do voo para Cape Town antes da volta para o Brasil) e nesses dias fizemos as poucas coisas que queríamos. Como ficamos na cidade apenas no intervalo dos vôos achamos que seria uma boa ideia nos hospedar próximos ao aeroporto. Não tão próximo para fugir dos preços cobrados pelos hotéis que ficam dentro/em frente ao aeroporto mas próximo o suficiente para chegar no aeroporto em 15 minutos. Depois de ver pelo Booking várias propriedades, comentários etc etc decidimos ficar no Sleep Eezy Cottages, na cidade de Benoni (como se fosse uma "grande Joanesburgo"). Ótima escolha! Pousada muito aconchegante, bem decorada, com piscina (mas fomos no inverno) e os donos são muito gente boa - um casal de ingleses que está na África do Sul há 44 anos. O endereço é 8 Chaucer Road, Farrarmere, 1501 Benoni e pagamos 850 rands por noite com o café da manhã. Ao invés de orvalho, a mesa amanhecia congelada mesmo Refeições Como nosso tempo em Joanesburgo foi curto não comemos em muitos lugares mas vou deixar aqui os lugares que fomos mais por preciosismo meu mesmo e também para que tenham noção dos valores. Em Benoni (cidade do nosso hotel) jantamos no Del Forno, recomendado pelo dono do hotel e que vale escrever um parágrafo inteiro. Eles servem pizza e massas, fomos de pizza. A pizza era muito boa, e quando o dono viu que éramos brasileiros colocou uma moça que falava português (Portugal) para nos atender, nos deu uma limonada de cortesia e depois veio sentar na mesa para conversar com a gente. Ele também falava português, perguntou o que estávamos fazendo, qual era nossa programação. Explicamos que programamos poucos dias livres em Joanesburgo com medo da violência e ele disse que não era nada grave assim, disponibilizou o motorista dele (português) para nos levar ao centro algum dia, sem custo. Parece um pouco estranho sim, até ele mesmo comentou com a gente que entenderia se não quiséssemos, e acabou passando o telefone/Whatsapp dele para pedirmos ajuda em caso de qualquer problema que tivéssemos na África. Ele comentou que a violência em Joanesburgo não é muito diferente das grandes cidades do Brasil por exemplo. É só não dar bobeira com coisas a mostra, passar com cuidado no semáforo vermelho que fica em uma região suspeita etc. Pizza + sobremesa por 160 rands. Fizemos compras no mercado Pick n' Pay, que fica no mesmo centro comercial do restuarante acima (Farrarmere Shopping Centre). No primeiro dia almoçamos no restaurante do Maropeng - Cradle of Humankind antes da nossa visita ao museu. Dois pratos de massa + bebida por 140 rands. Na segunda passagem por lá, almoçamos no Wimpy do shopping Sandton City. Dois lanches + bebidas por 220 rands. O hambúrguer do Wimpy é idêntico ao hambúrguer congelado de caixinha tipo Sadia, Aurora ou similar. É gostoso, quebra o galho mas não é incrível não. Atrações Assim que chegamos do Brasil deixamos as malas no hotel e fomos para o Maropeng - Cradle of Humankind, que é reconhecido como o lugar onde toda a humanidade foi formada. O lugar estava a mais ou menos 80km de nós mas levamos em torno de 1h30min porque pegamos bastante trânsito, já que todo o caminho é feito pelas estradas na região de Joanesburgo. Chegamos cansados, com chuva e fome. Almoçamos por lá mesmo e depois do almoço fomos para o museu, que começa com algumas estatísticas de animais e espécies que viviam no mundo milhões de anos atrás. Tem também um pequeno passeio de barco em um mini rio passando pelos quatro elementos básicos para a vida e depois chegamos na exposição, com várias atividades interativas e esqueletos já encontrados. Queríamos também visitar as cavernas, que ficam próximas, mas com a chuva desistimos. Entrada do museu O museu é subterrâneo neste prédio Na segunda passagem por Joanesburgo decidimos ir passear no shopping Sandton City. Fica em Sandton, uma região comercial muito bonita e desenvolvida da cidade. O shopping é grande, com várias marcas locais, internacionais e opções de comida. É integrado com outro shopping no mesmo complexo e dá acesso à Nelson Mandela Square, que tem a famosa estátua do Nelson Mandela. Nelson Mandela Square E por fim, na nossa terceira passagem por lá, não é bem uma atração mas fomos no Atlas Mall, que é mais uma galeria com algumas lojas de roupas, farmácia, mercado, artesanato. É totalmente dispensável, só fomos lá porque queríamos comprar mais algumas coisas na farmácia e loja de bebidas antes de voltar para o Brasil e lá foi o lugar mais próximo do hotel em Benoni que encontramos. Falando em bebidas, algo curioso é que de bebidas alcoólicas os supermercados só vendem vinhos. Todo o resto, inclusive cerveja, só é vendido nos Liquor Shop. Normalmente as grandes redes de mercado tem uma Liquor Shop da mesma marca do mercado ao lado, mas é sempre uma loja separada, com caixa separado, talvez horário de funcionamento diferente etc. ====================== Kruger National Park No Kruger ficamos no total 5 dias e 4 noites. Não que tenha sido um exagero, mas depois de ter ido podemos dizer que 3 ou 4 dias já seriam suficientes para a maioria das pessoas. Ficamos tudo isso porque tínhamos dias disponíveis de férias e também como decidimos rodar o parque todo por conta própria com o carro alugado (self drive) estávamos com medo de ficar poucos dias e quase não ver nenhum animal, mas logo no primeiro dia esse medo foi embora. Com uma ou duas horas de parque já tínhamos visto impalas, zebras, girafas e elefantes. É muito fácil ver os animais, eles simplesmente aparecem (exceto felinos, rinoceronte etc que realmente é mais difícil). Assim como falei mais acima no item chip de celular/wi-fi, no Kruger praticamente não existe wi-fi. Só encontramos em Skukuza e apenas no restaurante - não tenham esperanças de que vai funcionar no chalé porque as acomodações não ficam tão perto assim do restaurante. Nosso chip de celular da Vodacom funcionou 100% do tempo nos restcamp e com ótima velocidade (3G/4G). Durante o dia ficávamos sem sinal no meio do parque, mas nos restcamp sempre funcionou muito bem. No dia 01 viajamos de Joanesburgo para Phalaborwa, a cidade que fica vizinha ao portão do Kruger de mesmo nome e onde entraríamos no parque no dia seguinte. Pagamos dois pedágios, de 59 e 88 rand. Nos dias 02 a 06 ficamos dentro do Kruger fazendo os self drive, nos hospedando e fazendo as refeições nos restcamp dentro do Kruger. Ficamos hospedados em três restcamp: Olifants, Satara e Skukuza. No último dia saímos do Kruger às 16:00 e fomos até a cidade de Nelspruit onde dormimos (pedágio de 67 rand). No dia 07 viajamos de Nelspruit de volta para Joanesburgo. Assim como na ida, pedágios de 88 e 59 rand. Geral (Portões, Camps, Self Drive, Game Drive, animais) Como você já deve saber se está planejando ir ao Kurger, ele é um parque nacional que ocupa cerca de 20.000 km² e faz fronteira com Moçambique. O parque foi criado no início do século XX para proteger a fauna da região. Ele tem vários portões de entrada localizados ao longo de toda sua extensão por onde os carros entram. Dentro do parque existem restcamps, que são complexos cercados com restaurante, posto de gasolina (a maioria deles), quartos e outras comodidades feitos para você se hospedar caso queira passar mais de um dia no parque sem ter que sair, dormir em uma cidade próxima e voltar. Os portões tem horário de funcionamento certo que depende da época do ano. Nesta época que fomos (junho) os portões ficam abertos entre 06:00 e 17:30. Não é permitido dirigir no parque fora desse horário. Os que tem reserva devem estar dentro dos seus restcamps antes do horário de fechamento e os que não tem reserva devem sair do parque também antes do fechamento dos portões sob risco de multa. Não é permitido em hipótese alguma sair do carro no Kruger, exceto em área permitida (restcamp, área de picnic/descanso e mirantes). Programe-se para ficar horas no carro sem poder ir no porta malas mexer na mala ou sair do carro para ir ao banheiro (ou ao mato :D). Mirante no Kruger A diária no parque custa 331 rand por adulto por dia (para estrangeiros), não importa se estão hospedados dentro do parque ou se irão apenas passar o dia. Mesmo estando hospedado é necessário pagar o valor da diária por todos os dias que estiver lá. O Wild Card permite entrada de graça em todos os parques SANParks por um ano ao custo de 2450 rand por pessoa (pacote International All Parks Cluster que é o único que estrangeiros podem comprar). Dependendo da quantidade de dias ou se irá visitar outros parques pode valer a pena. O site do próprio parque tem muitas informações úteis para quem visita, além de ser o local onde as reservas são feitas. Recomendo que explorem bastante o site: https://sanparks.org/parks/kruger/ Existem duas modalidades para conhecer o parque: Game Drives e Self Drive. Os Game Drive são passeios oferecidos pelo próprio Kruger ou Lodges privados naqueles carros típicos de safári com motorista/guia. Já o Self Drive, como o nome diz, é a possibilidade de dirigir no parque por conta própria, com seu próprio carro (que pode ser alugado, claro). Além disso, existem alguns passeios adicionais oferecidos pelo SANParks nos restcamp como morning walk (caminhada matutina) ou night drive (passeio noturno em carro de safári com motorista). Night Drive Night Drive Como gostamos de flexibilidade e liberdade de fazer as coisas por conta própria decidimos nos hospedar no Kruger e fazer o self drive todos os dias com nosso carro alugado. Como já falei antes, tínhamos medo de ver poucos animais mas logo esse medo foi embora, é muito fácil ver os animais e vimos muitos deles. Provavelmente estou esquecendo de algum, mas nos nossos dias no Kruger vimos impala (de longe é o que você mais irá ver no parque, segundo SANParks existem mais de 130 mil impalas no parque), elefante, girafa, zebra, macaco, kudu, gnu, warthog, pangolim, coelho, tartaruga, hipopótamo, búfalo, leopardo, hiena. Infelizmente nenhum leão (em compensação vimos leopardo) e nem rinoceronte, mas não ficamos chateados de jeito nenhum porque já não esperávamos ver muita coisa. Dirigir no parque também é muito fácil. Existem estradas de asfalto e terra, a velocidade máxima é de 50km/h no asfalto e 40km/h na terra mas provavelmente você não vai querer passar disso porque começa a ficar ruim de observar os animais no meio do mato. Em todas as intersecções de estradas existem placas dizendo o nome/número da estrada, para onde ela leva e a distância correspondente. Nos guiávamos durante o dia com o Google Maps, placas e mapa do parque em PDF com a identificação dos pontos principais e estradas. É importante ficar atento às distâncias e tempo sugerido, já que a velocidade média é baixa você demora muito tempo para percorrer pouca distância. O SANParks divulga uma tabela de distância e tempo entre camps e portões e é uma ótima forma de se planejar para não chegar tarde no camp. Mapa em PDF: http://www.krugerpark.co.za/dnl/kruger-park-map-pdf.pdf Distâncias: https://www.sanparks.org/parks/kruger/get_there/KNP_distances_beween_camps.pdf No início estávamos um pouco perdidos, sem saber por onde dirigir, onde ir. Na entrada do parque e em todos os camps vimos um mapa da região próxima com imãs grudados mostrando a localização onde os bichos mais populares (rinoceronte, elefante, leão, leopardo, búfalo...) foram vistos no dia anterior e no dia atual. Baseando-se nessas marcações decidimos por onde começaríamos a dirigir e depois disso foi um misto Google Maps, placas e mapa em PDF. Além do self drive decidimos fazer algum passeio guiado do SANParks e escolhemos fazer o night drive em Skukuza, já que para os visitantes não é permitido dirigir a noite. O passeio tem duração de duas horas e é feito em carro de safári com um motorista/guia. Ele dá uma lanterna de longo alcance pra cada lado do carro e diz que caso as pessoas vejam algum animal é pra gritar STOP que ele pára, volta e vê qual é o animal, explica etc. O guia também diz que depende muito da sorte, eles não sabem onde os animais estão, então é possível que não veja nenhum animal como também é possível que veja os Big Five em apenas uma noite. No nosso night drive vimos logo no começo uma leopardo fêmea sozinha pela estrada e mais um no final, um pangolim (aparenta ser um bicho raríssimo, a nossa motorista ficou pasma e não acreditava que tinha visto ele), um casal de hienas com um filhote recém nascido, um gato do mato, hipopótamos fora da água, zebras, impala. Alguns dos animais que vimos Impala Kudu Leopardo Hiena Hiena com filhote Pássaro lindo que estava por todas as partes. De acordo com o Google é um Greater blue-eared starling, Lamprotornis chalybaeus Não sei que bicho é esse Kudu e Impalas Impala As vezes você fica preso no trânsito... nesse ai ficamos uns 10 minutos esperando essa galera comer Impalas Kudu Gnu Esse foi uma baita história! No nosso último dia decidi entrar em uma estrada de terra e demos de frente com esse elefante vindo em sentido contrário. Esperei um pouco e ele continuou vindo pelo meio da estrada. Dei ré, esperei, ele veio, dei ré, esperei, ele veio [...] até que desistimos e fomos embora. Depois, conversando com o Lawrence dono da pousada em Joanesburgo ele disse que quando os elefantes ficam bravos eles abanam a orelha querendo dizer que está nos expulsando - considerando isso, esse aí estava BEM bravo Warthog (que não é Javali) Panorama Route A Panorama Route é um trecho da estrada R532 e a R534 com belas paisagens e pontos de parada/observação próximos a Graskop. Se você está dirigindo até o Kruger desde Joanesburgo é um pequeno desvio de caminho. Existem pessoas que separam um ou dois dias apenas para as atrações da Panorama Route mas como nosso foco era o Kruger, passamos apenas em algumas atrações na nossa ida. Passamos pelo Pinnacle (uma grande pedra em formato de abacaxi no meio de um vale), God's Window (mirante), Wonder View (mirante) e Bourke's Luck Potholes (pedras com buracos feitos pelas águas). A entrada no Wonder View é gratuita, Pinnacle e God's Window custam 15 rands por pessoa e Potholes 55 rands por pessoa. Refeições No dia da ida até Phalaborwa almoçamos na estrada. Encontramos pelo TripAdvisor um restaurante/cervejaria com boas recomendações em Sabie, chamado Sabie Brewing Co. Comemos um prato de fish and chips e um frango, com bebidas por 210 rand. No Kruger é um pouco mais complicado. Normalmente os restcamp tem apenas um restaurante e sem muitas opções (compreensível, já que ficam no meio do parque e imagino que o transporte de comida para lá seja difícil e caro). Jantamos todas as noites nos restaurantes dos camps que estávamos hospedados. Não gostamos muito do restaurante de Olifants e Satara (se chama Tindlovu, a carne não estava legal) mas gostamos muito da comida do restaurante de Skukuza (de uma rede chamada Cattle Baron que inclusive tem unidades fora do Kruger e em outros parques também). Para almoço sempre comprávamos algumas coisas na lojinha/minimercado do camp na noite anterior e fazíamos lanches para o dia seguinte, já que seria complicado ficar parando em restaurante porque não teríamos muita liberdade de andar pelo parque, sempre tendo que estar próximo a um camp. Em Nelspruit depois que saímos do parque, jantamos no Dros, sugestão do dono do hotel. Ambiente legal e cardápio muito bom, com várias opções. Pedimos um Sirloin de 400g com pão de alho + bebidas por 250 rand. Hospedagem Vou dividir por cidades já que na primeira e última noite dormimos fora do parque e o restante dormimos dentro do Kruger. Phalaborwa Escolhemos dormir em Phalaborwa na primeira noite por alguns motivos: 1) Planejamos entrar no Kruger pelo meio e dirigir até o sul, então o portão Phalaborwa pareceu um bom lugar já que fica mais centralizado no parque. 2)Seria um gasto a toa dormir dentro no Kruger (que custa mais caro do que uma pousadinha simples) já que sairíamos de Joanesburgo cedo, viajaríamos boa parte do dia e chegaríamos no Kruger já tarde. 3) Como queríamos parar em algumas atrações da Panorama Route poderíamos não ter tempo hábil de sair de Joanesburgo, passar pela Panorama Route e chegar a tempo de entrar no Kruger e dirigir até o camp antes do fechamento dos portões. Decidimos dormir no Normann Safari Bush Lodge, endereço Plot 41, Silonque, 1390 Phalaborwa (segue as coordenadas porque o endereço não é muito certo já que fica em uma estrada de terra: -23.891823, 31.116432). Pagamos 800 rands pelo quarto com café da manhã. O "quarto", que se chamava Kudu, na verdade eram dois quartos com cama de casal e um banheiro em comum. Mesmo colocando duas pessoas no Booking estavam, não sei porque, esperando que quatro pessoas fossem se hospedar. Quarto bem rústico mas com tudo que precisávamos: água quente, ar condicionado, frigobar e uma boa cama. A cama tinha mosquiteiro em volta (lembrava aquelas camas de rico, de princesa 😀) por causa dos mosquitos presentes na região, apesar de que no inverno não tivemos problema nenhum com eles. A pousada/hotel tem piscina e oferecia um ótimo café da manhã, muito caprichado com frutas, cereais, torradas, ovos, bacon etc. Nosso quarto Estrelas no hotel em Phalaborwa Kruger National Park Uma das partes mais difíceis do planejamento foi escolher onde ficar no Kruger. Com o nosso medo de não conseguirmos ver muitos animais, queríamos ficar em algum camp com maiores chances de ver algum animal. Lemos que o Lower Sabie era ótimo mas quando fomos reservar, tarde demais, estava esgotado. Decidimos ficar uma noite no Olifants, uma noite do Satara e duas noites no Skukuza. Fizemos esta "tática" porque iríamos entrar por Phalaborwa e sair por algum portão ao sul, então precisávamos sempre estar nos deslocando em direção ao sul. Seria ótimo ficar todos os dias em um só camp, evitaria abrir e fechar mala todo dia mas isso não te dá muita mobilidade pelo parque, já que as distâncias entre os camps são grandes e a média de velocidade baixa. Ficando em um só camp você não teria muitos lugares diferentes para passear durante os dias. Todas as reservas do Kruger foram feitas pelo site oficial do SANParks (https://www.sanparks.org/parks/kruger/) e todas as reservas tem que ser pagas no momento da reserva. Você pagará pelo quarto, pelo ingresso por dia/por pessoa e pelo site também já é possível agendar atividades (night drives, morning walk etc). No site você consegue ver os vários tipos de acomodação em cada camp (Bungalow, Guest House etc) e as comodidades (apenas geladeira, fogão, utensílios, cozinha completa...) e escolher o que melhor se adequa. Pagamos em torno de 1200 rands por noite/por quarto, varia um pouco de acordo com a categoria do quarto (eles tem vários códigos internos) e de acordo com o camp. Bungalow Por dentro do quarto (desculpem a bagunça!) Área de camping, trailer e motorhome no restcamp Skukuza Em todos os restcamp que ficamos a geladeira era protegida de alguma maneira, para os macacos não assaltarem. Nesse foi o mais extremo de todos: ficava dentro dessa gaiola, trancada com cadeado (e a chave ficava junto). Provavelmente os macacos aprenderam a abrir o trinco da gaiola e precisaram colocar os cadeados (ainda não aprenderam a abrir com a chave que fica junto) Nelspruit Assim como na chegada em Phalaborwa, não valia a pena dormirmos dentro do Kruger e sair no dia seguinte cedinho direto para Joanesburgo já que a hospedagem no Kruger é mais cara que uma pousadinha fora dele. Então no nosso último dia de parque rodamos o dia todo e lá pelas 16:00 saímos do parque pelo portão Malelane e dirigimos até Nelspruit, a maior cidade da região. O hotel foi escolhido apenas pela nota/comentários/valor no Booking, não tínhamos nenhuma preferência de localização. Fizemos uma ótima escolha, os quartos tinham aparência de ser bem novos, eram amplos, bonitos e limpos. Pagamos 650 rands (o mais barato da viagem). Endereço: 12 Republiek Cres, 1200 Nelspruit ====================== Garden Route Atrações/trajeto A tão esperada Garden Route! Mas para ser sincero, não achamos ela espetacular. É uma estrada bonita que leva para várias cidades do litoral, ponto. Sei que grande parte dessa nossa impressão foi por ter ido no inverno e com templo nublado então não conseguimos aproveitar muito das praias e também por termos passado antes pela Panorama Route na região do Kruger, que é uma estrada muito bonita. Saindo de Cape Town nossa primeira "parada" foi em Hout Bay. Passamos por uma estrada muito bonita até chegar lá e depois pegamos a Chapman's Peak Drive que nos levou de Hout Bay até o Cabo da Boa Esperança. Caminho de Cape Town para Hout Bay Hout Bay Mirante na Chapman's Peak Drive Chegando no Cabo da Boa Esperança aparentemente ele fica dentro de um parque nacional e o ingresso era de 147 rands por pessoa. Como nossa intenção era só tirar uma foto e ir embora acabamos nem entrando. Na volta passamos por Simon's Town, uma cidade de praia bem bonitinha onde fica a famosa Boulder's Beach com seus pinguins. Com o tempo nublado e a insegurança de deixar o carro alugado cheio de malas no estacionamento com um guardador decidimos não parar ali e seguir nosso caminho para destino final, a cidade de Agulhas, onde ficamos hospedados e onde se localiza o Cabo Agulhas, ponto mais ao sul do continente africano (pra mim muito mais interessante e relevante do que o turístico Cabo da Boa Esperança). Cabo Agulhas A cidade de Agulhas é bem pequena, vazia e o ponto mais ao sul não tem grandes atrativos, ainda mais com o tempo nublado e frio. Tiramos algumas fotos e seguimos para Knysna (paramos para almoço), Brenton on Sea - um bairro um pouco afastado de Knysna com uma praia muito bonita, e finalmente Plettenberg Bay onde dormimos. Mirante em Brenton on Sea No dia seguinte na ida até Jeffrey's Bay passamos por Nature's Valley mas com o tempo chuvoso não fomos até a praia. É uma vila bem tranquila com várias casas e chalés muito bonitos. Depois de um pedágio de 50 rand na N2 chegamos no Garden Route National Park, comumente chamado de Tsitsikamma que na verdade é o nome daquela região específica do parque. A entrada custou 218 rand por pessoa e lá no parque fizemos duas trilhas a pé de 1km cada e duração de 1h a 1h30: Mouth River Trail, que leva para a famosa Suspension Bridge e Loerie Trail que sobe toda a montanha na lateral da estrada interna e chega em um belo mirante com vista de todo o mar. A entrada da Loerie Trail fica na segunda lombada após a lojinha (parece um detalhe bobo mas não é tão perto do estacionamento como a Mouth River Trail e a chegada até ela não é sinalizada, então achei relevante colocar caso alguém que leia este relato decida ir). Trilha Mouth River Trilha Mouth River Trilha Mouth River Trilha Loerie O trecho entre Jeffrey's e Mossel Bay foi sem paradas e em Mossel Bay fomos no Museu do Bartolomeu Dias, o que foi uma grande decepção. O museu aparenta estar meio abandonado, vazio, poucos objetos interessantes e a entrada na réplica do navio estava fechada. Museu Bartolomeu Dias Réplica da caravela de Bartolomeu Dias. Em 1988 essa réplica foi levada navegando de Lisboa até Mossel Bay A caminho de Stellenbosh fizemos um (grande) desvio para conhecer as Cango Caves que ficam perto de Oudtshoorn. Eles oferecem dois tipos de passeio, um de 1h e outro mais avançado de 1h30 que precisa passar por algumas partes bem claustrofóbicas, eles inclusive tem uma réplica em tamanho real das passagens para as pessoas testarem. Fizemos o de 1h. O passeio é obrigatoriamente guiado, custa 120 rand por pessoa e sai de hora em hora, sem necessidade de agendamento. Não se tem registro de quando as cavernas foram descobertas mas comenta-se que um de seus salões foi descoberto em 1780 por um fazendeiro holandês. Nunca estivemos em uma caverna grande assim, então foi impressionante. Vários salões com belíssimas formações de estalactites, estalagmites e as duas unidas. Cango Caves Cango Caves Cango Caves Em Stellenbosch visitamos a vinícola Jordan Wine e fizemos o tour Cellar & Wine que incluía ver como é o processo de fabricação dos vinhos deles e uma degustação de seis vinhos, custando 150 rands por pessoa. Chegando lá aparentemente não tinha mais ninguém agendado e o tour foi feito só para nós dois. Gostamos de tudo! Os vinhos são muito bons (tanto é que trouxemos oito garrafas para casa 😮), o rapaz que nos acompanhou era muito simpático e explicou tudo muito bem. Aproveitamos para almoçar lá e também foi ótimo. Se você considera fazer alguma degustação e estiver dirigindo sugiro ficar pelo menos um dia completo em Stellenbosch (duas noites). Almoço na vinícola Parte da degustação Fabricação e envelhecimento dos vinhos Fabricação e envelhecimento dos vinhos Hospedagem Agulhas Ficamos no L'Agulhas Homestay. Foi muito estranho quando chegamos porque estava tudo apagado, era uma casa comum, sem nenhuma identificação nem nada. Uma menina (de 12, 14 anos) veio nos receber e em seguida veio a mãe dela, que nos levou para o quarto e mostrou o nosso banheiro. Apesar do quarto ter uma porta direto para a rua/quintal, ele ficava dentro da casa da família e dava acesso direto à casa deles. Foi aí que tudo fez sentido: na hora de reservar nem nos atentamos ao "homestay", achando que seria mais uma pousadinha. Nos perguntaram se pretendíamos tomar café da manhã em algum lugar e se ofereceram para preparar um café da manhã, que não estava incluso na diária. No fim das contas não tinha nada de errado, mas fica a lição mais uma vez de sempre observar o lugar que estamos reservando nos mínimos detalhes. L'Agulhas Homestay (700 rands) 4 Hoffman Street, 7287 Agulhas L'Agulhas Homestay Plettenberg Bay Ficamos no Anchorage Guest House, um belo lugar cuidado pelo dono e sua esposa, ambos já idosos. Foi realmente onde nos sentimos em casa, fomos muito bem recebidos, o café da manha era incrível. O lugar em si parece um grande chalézão, com alguns quartos privativos no térreo e dois no andar de cima. No térreo todos os quartos dão para uma grande sala com televisão, sofás e lareira onde também fica o espaço do café da manhã com uma grande mesa comum. O quarto era ótimo, grande, limpo, café da manhã farto e os donos eram ótimas pessoas. Anchorage Guest House (540 rands) 12 Entaa Drive, 6600 Plettenberg Bay Jeffrey's Bay Ficamos na JayBay House. Junto com Mossel Bay (abaixo), esse lugar parecia mais hotel e menos pousada em relação aos outros. O quarto também era muito bom, grande e o café da manhã foi excepcional, farto, no andar superior com vista para o mar. JayBay House (820 rands) 8 Verbena Circle, 6330 Jeffreys Bay JayBay House Mossel Bay Ficamos no Lavandula Manor. Acho que podemos considerar essa como a melhor estadia que tivemos na viagem. Não que qualquer outro lugar tenha sido ruim, muito pelo contrário, escolhemos muito bem todos as pousadas/hotéis e não tivemos problema com nenhum, mas o banheiro do nosso quarto era sensacional. Todo em mármore (posso estar falando besteira mas pelo menos era muito parecido) e grandioso: uma banheira imensa, duas pias e a área do chuveiro era também imensa. O quarto também era muito legal e confortável mas o ponto alto foi o banheiro. A chegada foi um pouco estranha, já que eles dividem a recepção com um consultório de dentista mas não tivemos nenhum problema. Lavandula Manor (850 rands) 121 Marsh Street, 6500 Mossel Bay Banheiro do quarto em Mossel Bay Stellenbosch Ficamos em uma casa reservada pelo Airbnb. Fácil acesso, entrada privativa separada da casa principal, quarto bem equipado e banheiro bom. Pagamos R$320 por duas diárias. Airbnb em Stellenbosch Airbnb em Stellenbosch Refeições Assim como na seção do Kruger e Joanesburgo, vou colocar aqui alguns dos lugares que comemos para que possam se basear em preço ou até mesmo ter como opção para sua viagem. Agulhas: Jantamos no Crafty Pig (184 Main Road), um misto de barzinho e restaurante. Eles tem pizzas, hambúrgueres e carnes. Era um dos poucos restaurantes da região, eles ficam todos próximos uns aos outros na avenida principal e tem uns três ou quatro por lá. Pedimos uma pizza, pão de alho, água e cerveja (Camelthorn Weiss, da Namíbia) por 150 rands. Knysna: Almoçamos no 34 South. Pedimos de entrada uma ostra crua e porção de seis ostras com queijo e alho (para provar, nunca tinha experimentado ostra) e um prato com arroz, batata, camarão, lula e salada. Estava ok, nem muito bom e nem muito ruim. Achei péssima a ostra pura, ainda na concha, mas a porção com queijo e alho estava gostosa, provavelmente mais por causa do tempero do que pela ostra. Total de 370 rands. Tsitsikamma: Almoçamos no restaurante do parque, Cattle Baron, o mesmo de Skukuza (Kruger). Pedimos um Garlic Sirloin com salada e a comida estava ótima, total 274 rands. Jeffrey's Bay: Nossa vontade era jantar no The Greek mas quando chegamos lá a cozinha já estava fechada (apesar de ser antes do horário divulgado) então jantamos pizza no Debonairs. Duas pizzas, bebida e sobremesa por 225 rands. Mossel Bay: Pelo TripAdvisor planejamos almoçar no Carola Ann mas chegando lá estava fechando (também era pra estar aberto de acordo com o horário). Procurando rapidamente no Google Maps e TripAdvisor encontramos o Kaai 4 Braai com muitos comentários bons, na orla do porto. Chegando lá não encontramos ele e ficamos conformados em ter que comer Fish and Chips que tinha por ali, mas em uma última tentativa encontrei uma entradinha que podia ser ele e era lá mesmo. O lugar é bem simples, chão de areia, você faz o pedido no balcão e espera na mesa. O dono muito atencioso fez questão de nos explicar o cardápio item a item e nos dar provas de ingredientes que não sabíamos o que era. Eles fazem um pão tradicional chamado roosterkoek feito no fogo e que acompanha todos os pratos. Eu pedi um roosterkoek com carne moída e minha esposa um peixe com salada. Os dois estavam ótimos! 140 rands + bebidas. Stellenbosch: Aproveitamos o passeio na vinícola para almoçar no restaurante deles (Jordan Wine). Pedimos dois pratos de massa que estavam muito bem feitos e apresentados por 220 rands. Cardápio Kaai 4 Braai Roosterkoek + Mince + Salad ====================== Cape Town Table Mountain Eu ia colocar a visita na Table Mountain como um item de "Atrações" logo abaixo mas merece uma parte inteira só para ela. A Table Mountain era o ponto alto (trocadilhos a parte) da nossa passagem por Cape Town. Estávamos muito animados para visitar, conhecer ela e se tudo desse certo, subir pela trilha até o topo e descer de teleférico. Não somos ativos, praticantes de trilhas, mas gostamos dessas coisas e achamos que seria legal. Ainda no Brasil compramos o ticket de descida do teleférico pelo site oficial (150 rands por pessoa) já que todos os lugares diziam que as filas para comprar no local são imensas. Talvez isso seja verdade no verão, e não duvidamos já que vimos vários bancos colocados na área destinada para a fila, mas o que encontramos lá foi um lugar praticamente fantasma, com pouquíssimos turistas e sem nenhuma fila para nada principalmente por conta do inverno, do tempo frio e nublado. Vale mencionar que o custo do ticket é para andar no teleférico e não para entrar na Table Mountain então quem sobe e/ou desce pela trilha não paga nada. Em condições de tempo adversas, leia-se muito vento, o teleférico fica fechado. Durante nossa estadia monitorávamos todos os dias o site oficial (https://www.tablemountain.net) e quase sempre o teleférico esteve fechado durante o dia todo. Finalmente no dia 19/junho, nosso último dia em Cape Town antes da volta para Joanesburgo no dia seguinte, o teleférico abriu de acordo com o site. Nos arrumamos, pegamos um Uber e fomos até o ponto de partida da trilha Platteklip Gorge (pode ser encontrado pelo Google Maps como Platteklip Gorge Starting Point, fica 1,5km depois da estação do teleférico). Existem várias trilhas na Table Mountain e a mais conhecida é a Platteklip Gorge. Em um site que encontrei a descrição de várias trilhas (http://www.adreamoverland.com/blog/as-trilhas-da-table-mountain-cape-town) comentam que essa é a mais chata/monótona e fácil, apesar de muito cansativa. Decidimos ir por ela mesma já que é a mais conhecida. A primeira metade dela é relativamente tranquila, com um misto de trechos quase planos e trechos com subidas. Depois da metade o bicho pega e é subida o tempo todo, muitas vezes precisando se apoiar com as mãos. O tempo estava nublado e no começo da trilha ainda era possível ver parte da cidade entre as nuvens. Depois de certo ponto, como estávamos subindo, acabamos cruzando a camada de nuvens e só enxergávamos poucos metros a frente. Depois de três horas de subida, frio (8 a 10 graus) e cansaço chegamos em um marco com um mapa das trilhas próximas que ficam lá em cima da montanha e indicando que a estação do teleférico estaria a 1km / 15 minutos de distância (agora já sem subidas). O problema é que não tinha nenhuma outra sinalização (placas, setas) e o tempo estava totalmente fechado. Fomos nos guiando pelo Google Maps até a estação, que com tempo aberto provavelmente seria ridículo de fácil de encontrar já que estávamos em uma grande pedra plana. Vale mencionar que como a placa informa, o tempo pode mudar durante a sua subida e o teleférico parar de funcionar, então sempre tenha tempo (e força!) para voltar pela trilha se necessário. Estávamos com bastante medo de chegar e o teleférico ter fechado mas felizmente conseguimos descer por ele (sem ver NADA por causa da neblina). Início da trilha Platteklip Gorge Ainda no começo com cara de felizes sem saber o que viria pela frente Cidade encoberta pelas nuvens Tempo fechando... ... e fechou. Um mirante no topo que deve ser belíssimo com tempo bom Descida com o tempo totalmente fechado, nessa foto estávamos dentro do teleférico já em movimento Atrações Chegamos em Cape Town com grandes expectativas quanto à cidade mas meio que nos decepcionamos. Provavelmente porque o tempo não estava legal, muito frio e chuva logo na nossa chegada, diferente daquelas fotos com sol paradisíaco que vemos na internet. Por conta disso não fizemos tantas coisas assim em Cape Town e acabamos aproveitando mais para descansar, ficando até mesmo um dia inteiro no Airbnb sem fazer absolutamente nada. City Sightseeing: Compramos, ainda no Brasil, tickets para um dia no City Sightseeing que é aquele ônibus vermelho que circula por rotas específicas da cidade e você pode descer/subir onde e quando quiser. Fizemos o passeio nele pelas duas rotas que ele oferece, ainda no primeiro dia pra termos uma noção dos principais pontos da cidade. Nós que sempre fomos contra esses passeios de turista e tal acabamos gostando bastante. Talvez estamos ficando velhos 😊 V&A Waterfront: De longe o lugar que mais fomos e gostamos durante nossa passagem pela cidade. Nada mais é do que a região do porto que aparenta ter sido reformada/renovada para atrair o público geral. Tem shopping, restaurantes bons, restaurantes simples, lojinhas de lembrança, roda gigante, aquário, museus. Levávamos cera de 20 minutos de caminhada entre o Airbnb e o Waterfront então passamos por lá praticamente todos os dias, principalmente para almoçar, comprar lembranças e passear no shopping. V&A Waterfront Food Market: Aqui é onde estão as comidinhas do lugar. É um grande galpão com vários quiosques/lojinhas, cada um vendendo um tipo diferente de comida. Hambúrguer, cerveja, comida natural, doces, café, smoothie, tinha de tudo. Existem mesas comunitárias dentro e fora (cuidado com as aves!) para comer as comidas compradas lá. Victoria Wharf Shopping Centre: Um shopping pra ninguém botar defeito! Muitas lojas, opções de comida e até um mercado (Pick n' Pay se não me engano) onde sempre comprávamos água e coisas para cozinhar na janta. Green Market Square: Mercado de rua, ao ar livre, com várias barraquinhas vendendo artesanato. Fomos nele durante o passeio com o ônibus mas não gostamos muito. Muitas das coisas que vimos lá existiam também para serem compradas nas lojinhas do Waterfront com a vantagem de que no Waterfront as coisas tinham preço e no Green Market eles davam o preço de acordo com sua cara de turista. Acabamos comprando uma tela que achamos bonita por metade do preço originalmente pedido, pra terem uma noção de como as coisas funcionam por lá. Old Biscuit Mill: Fomos em um dia de manhã com a intenção de passear, ver lojas e etc mas também não gostamos muito. É uma feirinha bem pequena e com itens bastante caros nas lojas. Nos pareceu um lugar moderninho, hipster. Tinha bastante opção de comida de barraquinha, cada uma de um país/parte do mundo. Cape Town Science Centre: Fomos andando para o Science Centre a partir do Old Biscuit Mill. É um museu de ciências, com atrações aparentemente feitas para crianças em época de escola, mostrando como funciona a física, fluídos, ilusão de ótica, corpo humano etc. Tudo era muito interativo, deixando o visitante resolver um problema ou algo do tipo para depois explicar porque tal coisa acontece. É simples, voltado para as crianças, mas gostamos bastante de lá já que gostamos dessas coisas interativas. Entrada de 65 rands por pessoa. Iziko Maritime Museum: Museu marítimo que fica no Waterfront. Eu não diria abandonado, mas é um lugar que é deixado para trás pelos turistas. Mostra a história da navegação, que é a base da formação de Cape Town. Tem MUITAS réplicas em uma escala grande de navios antigos, de guerra e de transporte geral (correio por exemplo) e conta a história de alguns desses navios, para o que eram usados e como foram afundados. Entrada de 20 rands por pessoa. Iziko Maritime Museum Árvores lutando contra o vento Hospedagem Ficamos em uma casa reservada pelo Airbnb. Assim como em Stellenbosch, fácil acesso, entrada privativa separada da casa principal, perto de restaurantes e 20 minutos do Waterfront, quarto bem equipado, cozinha com fogão, utensílios, máquina de lavar e secar. Pagamos R$1200 por seis noites. Airbnb em Cape Town Airbnb em Cape Town Refeições Cozinhamos em boa parte das vezes aproveitando a boa cozinha que tinha nosso Airbnb. No nosso primeiro dia almoçamos no Al Forno do shopping (que tá mais pra galeria) Cape Quarter já que era próximo de onde devolvemos o carro alugado. Por dois pratos de macarrão e sobremesa pagamos 290 rands. Almoçamos duas vezes no Food Market do Waterfront e as duas foram ótimas: Hungarian Bread (uma espécie de pão frito com a sua escolha de recheio por cima: parma, salmão, carne desfiada etc) +- 80 rands cada, e um hambúrguer que não me lembro o nome mas fica no segundo andar, por 160 rands. Um dia que estávamos com preguiça de fazer qualquer coisa almoçamos em um restaurante mexicano bem perto do Airbnb chamado El Burro. Pagamos 300 rands por dois pratos e bebidas. Hungarian Bread com salmão
  43. 9 pontos
    EXPEDIÇÃO 4x4 - Curitiba a Uyuni e Atacama via Jujuy e Paso Sico (15 dias em Novembro de 2018) Após ir de São Paulo a Fortaleza via Jalapão e Lençóis (relato aqui), foi vez de se inspirar neste blog e se aventurar de Toyota Bandeirante rumo a Bolivia, Chile e Argentina. Principais pontos: Argentina: Jujuy (Tilcara, Purmamarca, Humahuaca) e Cafayate. Bolívia: Salar do Uyuni e Chiguana, Deserto de Siloli, Reserva Eduardo Avaroa, Lagunas, Geiser Sol de la Mañana. Chile: San Pedro de Atacama e atrações Duração: 15 dias e 6.854 km, 700 L de diesel Veículo: Toyota Bandeirante 4x4 jipe curto, ano 2001, motor diesel 14B com Turbo (K16) e intercooler, pneus AT 32", jumelos conforto, A/C e DH, guincho Equipamentos: Pá, macaco hi-lift, esteira de desatolagem, 45L diesel adicionais em galões, bomba encher pneus, extenso kit de ferramentas e peças sobressalentes Viajantes: Gustavo e seus pais Eli e Joel (idades: 33, 60 e 62 anos, respectivamente) Navegação: Aplicativo “maps.me” com mapas offline e bookmarks previamente marcados Hospedagem: pousadas via booking.com, porém estávamos preparados para dormir no carro e de fato o fizemos 1 noite Fronteiras: Dionísio Cerqueira-SC (BRA) - Bernardo de Irigoyen (ARG); La Quicaca(ARG) - Villazón(BOL); Hito Cajon (BOL-CHI); Paso Sico (CHI-ARG) Obs: Viagem para 4x4 apenas, e requer pneus resistentes devido ao terreno e pedras. Usamos bastante creme labial e hidratante, protetor solar, e quantidade absurda de ÁGUA. Parte A – Curitiba a Jujuy (2.128 km em dois dias) Dois dias de bastante estrada. Saímos cedo para cruzar o Paraná e pegar a fronteira de Dionísio Cerqueira-SC, que é menos movimentada que a de Foz, além de encurtar caminho para nós. Os procedimentos foram rápidos e feitos de dentro do carro. Carta Verde foi solicitada duas vezes no processo, acho que mudou uma regra e não rola mais fazer o seguro após cruzar para a Argentina. Após entrar, pediram para estacionarmos o carro e irmos fazer mais um trâmite em outro prédio, foi tranquilo. Saímos com carimbo em uns pequenos papéis (boletas) que depois nos pediram várias vezes em hotéis e fronteira. Já na Argentina, sacamos uns pesos em um caixa automático e avançamos até Posadas onde dormimos em um lugar excepcional chamado Irová Apart Hotel. Cruzamos o retão do Chaco em uma pegada de 1.200km que surpreendentemente não foi tediosa. Pelo contrário, achamos a paisagem agradável e o dia foi gostoso, acumulamos centenas de insetos no parabrisa e encontramos dois passarinhos atropelados: preso um na grade dianteira, e outro no guincho. Passamos por dezenas de barreiras policiais. Quase todas as vezes nos perguntavam origem e destino, e frequentemente nos paravam para pedir documentos e olhar o carro. Porém correu tudo bem. Vimos uma cobra grande morta na estrada, e outra viva que fez menção de “morder” nosso pneu. Vimos um tucano, muitas maritacas, e infinitos passarinhos. Estrada é ótima (com exceção de pequeno trecho no fim) e pouco movimentada. Dormimos em um apartamento em San Salvador de Jujuy, que é bastante urbana, desviando Salta pois nosso objetivo era avançar rumo a Bolívia. Parte B – Jujuy (ARG) e passagem para Bolívia Fomos a Purmamarca logo cedo. Além de simpaticíssima, a cidade é cercada por morros coloridos que propiciam vistas incríveis. Essa foto abaixo requer subir um mirante a pé por uns 20 minutos, valeu a pena. Há uma praça central com artesanato, e bastante fluxo de turistas. De lá fomos a Tilcara, onde almoçamos no centrinho na companhia de cães sarnentos e uma geladíssima cerveja – uma das poucas da viagem. Conhecemos as ruínas de Pucará de Tilcara que foram medianamente interessantes. Seguimos para Humahuaca, onde dormimos, e fomos conhecer a serra de Hornocal onde está o mirante das 14 cores. Esta estrada é bem íngreme e leva a 4.350m, nos propiciando os primeiros episódios de Soroche – mal da altitude. Nós sentimos basicamente perda de fôlego, que era facilmente resolvida com pausa + respiração profunda. A Toyota sobreaqueceu na subida da serra, exigindo que parássemos duas vezes. Na segunda parada, percebemos que o sistema de arrefecimento estava bem vazio e com pouco aditivo, o que assustou bastante pois havíamos completado o radiador com água pela manhã do mesmo dia. Na volta, o posto YPF tinha os aditivos (refrigerantes) que precisávamos para o radiador já que eu só carregava um litro no carro. Acordamos no dia 4 e encaramos 481km até a cidade de Uyuni, parando apenas na Duna Huancar (lagoa e duna interessante para visitar) e na fronteira em La Quiaca / Villazón onde a burocracia foi rápida, apesar da confusão com as diversas “janelinhas” onde deveríamos passar (inclusive acho que pulamos uma). Aqui tem o detalhe de pegar a declaração juradae tratar como um filho. Fizemos fotocópias dela e tiramos fotos de todos os celulares. Já saindo da imigração, um policial parou e ficou fazendo firula, aí pediu o equivalente a uns 20 reais por um carimbo... fui embora fingindo que nem escutei. Trocamos uns dólares e seguimos para a cidade de Uyuni, que é bastante seca e sem graça porém é o último lugar (semi-)civilizado pelos próximos 3 dias da viagem. Visitamos o cemitério de trens (sem graça) e ficamos em um baita hotel legal (Cristales Joyas de Sal) – nosso parceiro durante as crises noturnas de Soroche. Falando nisso, compramos uma garrafinha de oxigênio e umas pílulas aqui, que acabamos não usando. Enchemos o tanque naquele preço bacana para estrangeiros (8,8 versus 3,4 para locais) e ficamos prontos com 65+20+25 litros de diesel (isso é muito importante pois não há mais infra até San Pedro de Atacama, e maioria dos carros locais é a gasolina então precisa mesmo se garantir. Parte C – Salar do Uyuni e Chiguana Se ir pra Bolívia sem muito planejamento nem experiência já era uma baita cag*ada, partir para o Salar do Uyuni em um jipe antigo próprio, sem guia nenhum, levando os pais sexagenários para passar 3 dias isolados, sem infra e incomunicáveis era realmente o ápice da irresponsabilidade! Tínhamos lido na internet o suficiente para saber que muita coisa poderia dar errado. Os relatos de perrengues homéricos e fatalidades são abundantes. Mas bah, o dia clareou e adentramos no Salar sem pensr muito, só com o frio na barriga. A euforia foi grande ao ser engolido por aquela imensidão branca! Chegamos nos monumentos (Dakar, Bandeiras, Palácio de Sal) cedo e já quebramos a regrinha de 10 fotos por dia que queríamos tentar respeitar como máximo. O solo estava bastante rígido como uma highway, e o track do GPS coincidia com marcações de pneus pelo trajeto. Paramos pra tirar fotos e vimos apenas um ou dois carros no horizonte durante toda a manhã. Dirigimos uns 65km rumo a ilha de Incahuasi (cactos gigantes), com a curiosidade de que a pequena ilha já era visível desde uns 25 km antes como se estivéssemos chegando! Visitar a ilha foi bem bacana, tanto pela infraestrutura impecável como pelo visual show do Salar, das demais ilhas, e dos antigos cactos gigantes. Muitas agências turísticas somente vem até aqui e retornam a Uyuni, porém nós seguiríamos por mais duas noites sem muita clareza do caminho então pegamos logo “a estrada” com a Toyotona, desta vez rumo extremo sul do Salar do Uyuni. Ao avistar “terra firme”, sentimos grande alívio de que a tenebrosa e incerta fase da viagem estava prestes a ser vencida. Chegamos a dizer que o Salar não era tão macabro e que “dá pra vir de fusca tranquilamente”... mas é claro que mordemos a língua e os últimos 200 metros tinham atoleiros profundos que freavam a Toyota muito melhor que seu próprio freio e exigiram alguma perícia no 4x4 para sairmos ilesos do outro lado. Agora sim, em terreno firme, achamos uma sombrinha de pedra e cozinhamos um strogonoff pra comemorar! Próxima parada seria a noite para dormir no alojamento da Laguna Hedionda, para onde íamos seguindo um track do Wikiloc que passava por dentro um outro extenso Salar (de Chiguana), paralelamente a um trilho de trem. De fato, precisávamos cruzar o trilho mas ele estava em um morro muito alto, até que achamos um ponto onde os locais ajeitaram o morro para poder passar de carro. Cruzamos o trilho e voltamos pro track do Wikiloc, porém o terreno já não estava tão rígido e a Toyota ia dando o melhor de si de atoleiro em atoleiro, até que entramos em um trecho onde o sal simplesmente quebrava e dava lugar a um lodo super mole que foi freando, freando, freando até que freou completamente nossa pesada Bandeirante. Atolamos! Bom, nem deu tempo de lembrar daqueles relatos macabros de viajantes que passaram 3 dias atolados e isolados, morrendo de frio nas noites do deserto... pegamos a pá e começamos a tirar os toletes de barro que bloqueavam nossos diferenciais, jumelos, sapatas, etc. Coletamos uns pedaços rígidos de areia e fomos colocando junto aos pneus, além de pequenas tábuas que carregávamos conosco. Tudo parecia ok, “vamos tentar sair?” mas o jipe apenas patinava as 4 rodas de uma vez sem se mexer sequer 1 cm. Já passava das 17hs e logo cairia a gélida noite. Não havia a menor possibilidade de encontrar alguém por ali, e a cidade mais próxima estava a dezenas de quilômetros, então o jeito era continuar trabalhando sem dar menor atenção ao Soroche que provavelmente nos tentava assolar. Enquanto Seu Joel retirava meia tonelada de barro de baixo da Band, Dona Eli rodou o perímetro a pé e encontrou uma carcaça de pneu estourado que serviria para calçar uma das rodas traseiras. Na outra roda, usaríamos nossa esteira de desatolagem. Para levantar a traseira e desenterrar o diferencial, usamos o macaco Hi-lift. Baixamos o macaco e a situação parecia melhor: com as rodas traseiras agora apoiadas, havia menos coisas presas no barro. O terreno a frente já começava a ficar mais rígido, então bastava vencer uns 2 metros de atoleiro. Porém pouco conseguimos avançar, ainda patinavam as 4 rodas repletas de barro. Repetimos a operação. O pouco progresso, no entanto, já permitia andar um pouco de ré para pegar embalo, avançando uns centímetros a cada iteração. O incansável trabalho com a pá continuava abrindo espaço para o jipe se movimentar para frente, até que as 18 hs nós conseguimos sair do buraco! Gritei um milhão de palavrões e xinguei muito “Cochabamba” (não sei da onde me surgiu essa palavra na hora) pra comemorar. Decidimos voltar para o outro lado do trilho e seguir no caminho mais seguro (e longo) que levaria a uma cidadezinha chamada Avaroa, e de lá iríamos no dia seguinte para as Lagunas. Ainda dirigimos pela parte traiçoeira novamente no caminho de volta, quaaaase atolando. Já que não dava mais pra chegar no alojamento em prazo razoável, pesquisei no maps.me e vi 4 hotéis perto de Alvaroa com boa avaliação. Chegamos lá as 19h15 e encontramos uma baita placa de "ADUANA": a bendita cidade com 4 hotéis ficava no Chile, aquilo era - inesperadamente - uma fronteira! Estávamos em um vilarejo Boliviano que basicamente só tinha os containers da imigração e aduana, mais nada. Era desolador pensar em passar a noite ali, resolvemos tentar a todo custo atravessar a fronteira apenas para dormir bem do outro lado e voltar na manhã seguinte. Bati no container e um oficial boliviano me confirmou que já estava tudo fechado. Chorei um pouco alegando que não tinha onde dormir, que ia fazer muito frio a noite, e que eu sabia que do outro lado haveria hotéis, e o oficial simpaticamente fez uma exceção e nos recebeu. Após cancelar nossa declaração juradae cancelar os papéis que ganhamos na fronteira de La Quiaca, ele carimbou os passaportes saindo da Bolivia e mandou seguir. Sucesso!! Quer dizer, mais ou menos. Andamos 3 km e nos deparamos com a imigração Chilena fechada. Bem fechada, aliás, pois lá já eram 20h30 no horário deles. Encontrei um moço da Interpol e outro chileno que disseram que não havia a menor possibilidade de entrarmos na cidade para dormir e que seríamos presos imediatamente se não retornássemos. Ou seja, ficamos largados entre os dois países em um verdadeiro limbo, no meio de uma noite que já estava esfriando muito rápido. Me arrependi profundamente de ter tentando cruzar para o Chile, pois agora estava sem declaração juradae ia ter que me explicar mil vezes pra conseguir retornar oficialmente para a Bolívia no outro dia, sendo que poderia simplesmente ter estacionado em qualquer lugar e dormido sem nada dessa loucura. Como não tinha nada a perder, voltei para os containers bolivianos tentar fazer imigração novamente no meio da noite. Me informaram que eu só ia poder voltar pra Bolívia depois de entrar no Chile, pois já tinha dado baixa da Bolívia. Só que no dia seguinte já não me adiantava nada entrar no Chile, pois o caminho continuava pela Bolívia. Sei lá qual foi o chororô que funcionou, mas o pessoal começou gentilmente a me ajudar... refizeram a declaração juradapra eu entrar de novo, mas só iam me dar quando eu apresentasse carimbo de entrada no passaporte. Isso era no outro container onde ninguém me atendia. Já estava muito frio e tarde, e algum dos caras da aduana foi gentil ao ponto de ir buscar o oficial de imigração no alojamento dele no meio da noite e convencer ele a fazer nossa papelada. Esse cara apareceu fora de controle querendo me matar, batendo na mesa e gritando loucamente comigo... mas acalmaram ele, – como num passe de mágica – desfizemos toda a cagada e voltamos a estaca zero! Eram umas 21hs quando voltei pro lado Boliviano, parei o carro atrás de uma mureta (pra parcialmente abrigar dos fortes ventos), e dormimos o três dentro da Toyota como se fosse o melhor hotel do mundo – e, naquela situação, era!!! Parte D – Lagunas, Deserto de Siloli, Reserva Andina Eduardo Avaroa Acordamos enrolados em todas nossas roupas, saco de dormir e cobertor de emergência. Temperatura era negativa, mas por alguma razão nós dávamos muita risada e fazíamos piada da situação. Bora seguir caminho, pois este dia era talvez o mais lindo da viagem: primeiro, as lindíssimas Lagunas Cañapa, Hedionda, Chiar Kkota, Honda. Então cruzar o deserto de Siloli por um trajeto espetacular, seguindo uns fios de água (as vezes congelados) com vistas de tirar o fôlego (ou seriam os 4.950 metros que atingimos nesse dia?), e chegar na esplêndida Laguna Colorada. Na Colorada, fizemos nosso almoço com uma vista indescritível e nos ajeitamos no pobríssimo alojamento. Para o banho, tínhamos que ficar pelados primeiro, aí gritar “listoooooo”para que o antipático senhor abrisse a água. Só o cup noodlesque cozinhamos no fogareiro salvou do frio que senti depois do banho gelado que o véio me concedeu!! Dia seguinte acordamos sem pressa e fomos conhecer os Geiser Sol de la Mañana, uma cena realmente de outro planeta: Toda água mineral que levamos para os 3 dias fora da civilização tinham acabado e estávamos usando pastilhas de Clorin para purificar o que íamos beber. Na rota para San Pedro de Atacama, ainda tomamos banho em piscina termal (Thermes de Polques) na laguna Chilviri e passamos pelas belas lagunas Blanca e Verde. Chegando a fronteira com o Chile, nova supresa: “a aduana boliviana foi embora naquela Hilux senhor, eles não voltam mais hoje. Você precisará ir a Pachaca a 70km (ou 170, não lembro) fazer documentação de saída do seu veículo então retornar aqui”. Esse foi o anti-climax total.. eram 13hs, já tínhamos usado nosso galão reserva de 25L, e aquelas estradas péssimas iam comer horas e horas. Decidimos ignorar o conselho e seguir para o próximo checkpoint boliviano, onde encontramos um casebre de imigração fechado para almoço. Como mágica, seu Joel enfiou a cara numa janela e viu alguém lá dentro que, muito gentilmente, nos atendeu e carimbou os passaportes. Partimos sem o processo aduaneiro, agora em rodovia extremamente bem asfaltada e sinalizada assim que o território virou chileno. No Chile, fomos tratados com muito profissionalismo nos procedimentos e verificaram bem o conteúdo das nossas bagagens (por segurança alimentar/agrícola). Pegamos então a descida incrível que vai do Hito Cajon até San Pedro do Atacama. Parte E – San Pedro de Atacama, Paso Sico, Cafayate-ARG Foi muito bom chegar em San Pedro do Atacama e comer uma boa refeição, tomar um bom banho, dormir em uma boa cama. Passamos 4 dias excelentes em SPA fazendo os passeios tradicionais que nem vou detalhar pois são bem documentados no site, mas reforço que gostamos muito das Lagunas Escondidas de Baltinache e achamos caríssimo o Geiser del Tatio (15000 pesos por pessoa). Por sina, preços no Atacama foram bem maiores que no restante da viagem. Nosso retorno para Argentina foi pelo Paso Sico onde as paisagens são absolutamente incríveis! No caminho, estão as lagunas Miñique e Miscanti, de tirar o fôlego. O trâmite aduaneiro costumava ser feito em SPA antes de pegar estrada, porém informaram que agora se faz tudo no próprio Paso Sico. Aduana integrada (CHI/ARG) onde fomos bem tratados. Falaram que só passam uns 4 carros por dia ali. Estrada no lado argentino estava muito pior porém igualmente linda e interessante. Chegamos em San Antonio de los Cobres para dormir (cidade de pior custo benefício da viagem), e no dia seguinte pegamos a Ruta 40 rumo a Cafayate para passar uns dias de qualidade relaxando por lá. A Ruta 40 neste trecho é inteirinha de costelas de vaca e despenhadeiros. Paisagens surpreendentes que nos faziam parar fotografar de 10 em 10 minutos, mas ao final do dia os 380km de costela de vaca já tinham acabado com nosso humor (e quebrado um amortecedor dianteiro). Demos carona para 3 locais no pouco espaço que tínhamos, foi divertido! Fizemos uma feijoada Vapsa em uma sombra de árvore, vimos senhoras locais pastoreando ovelhas, chegamos a maior altitude da viagem (4.992m) e começamos a ver paisagens verdes após muito tempo de secura. Por fim, chegamos em Cafayate que foi um oásis de conforto perfeito por duas noites para concluir esta aventura. Preços excelente de acomodação e alimentação, pratos deliciosos, vinícolas abundantes, e um estilo muito charmoso. . Visitamos a quebrada e ainda pegamos uma bela cena por cima das nuvens no caminho para Tafi del Vale. Fizemos a volta em três pernas: Cafayate – Resistência – Pato Branco – Curitiba. Fechamento Não tivemos nenhum problema de saúde nem mecânico, embora as condições do ambiente e da estrada sejam extremas, e por isso muito gratos. Mais fotos no instagram @botija4x4. Agradeço aos viajantes que deixam relatos inspiradores, em particular ao toyoteiro Guilherme Adolf cujas histórias foram o embrião dessas nossas expedições. Resumo dia-a-dia Origem Destino Kms Dia 1 Curitiba Posadas 923 Dia 2 Posadas San Salvador de Jujuy 1205 Dia 3 San Salvador de Jujuy Humahuaca 195 Dia 4 Humahuaca Uyuni 481 Dia 5 Uyuni Avaroa (não há alojamento) 272 Dia 6 Avaroa Laguna Colorada 165 Dia 7 Laguna Colorada San Pedro de Atacama 166 Dia 8 San Pedro de Atacama SPA 146 Dia 9 SPA SPA 212 Dia 10 SPA Santo Antônio de lós Cobres 381 Dia 11 Santo Antônio de lós Cobres Cafayate 312 Dia 12 Cafayate Cafayate 130 Dia 13 Cafayate Resistência 991 Dia 14 Resistência Pato Branco-PR 801 Dia 15 Pato Branco-PR Curitiba 475 Total 6854
  44. 9 pontos
    Não faz muito tempo que voltei de uma experiência de imersão cultural entre a Ásia e Europa. Jogar uma mochila nas costas mesmo sem companhia e pouca grana, passagem só de ida, com inglês ‘the book is on the table’, sem roteiro e seguro viagem por quase um ano realmente demanda certa… ousadia? Um desafio um tanto revigorante pra um marinheiro de primeira viagem eu diria. Num primeiro momento é bem provável que você ai – sentado na sua cadeira giratória capenga esteja saturado de fazer o mesmo trabalho e destruído pela rotina maçante – pense que essa seria uma ótima ideia para meter o pé na jaca de vez e dar aquela renovada na vida. Porque afinal de contas toda experiência de se lançar ao desconhecido são oportunidades valiosas de crescimento pessoal – como sempre dizem nossos colegas High Performances. Mas sabe, convenhamos que além de todo glamour nesse pacote também vêm grandes e novos questionamentos, crises e medos. A lista de conteúdos pra digerir especialmente no retorno é gigantesca! E, sim, recomendo. Com toda certeza essa é uma das boas alternativas pra dar aquela repaginada, mas, agora devo alertar aos futuros aventureiros sobre um fato que faz diferença e que ninguém havia me contado antes de eu me jogar nesse mundão: Coragem e planejamento financeiro não irão bastar. Roteiros compactos ou mega elaborados também não. Devorar os blogs, pedir ajuda aos influencers de viagem, estender a jornada por mais tempo, nada mas nada mesmo poderá lhe salvar da severa crise do retorno. Aspectos emocionais, familiares, sociais, profissionais, psicológicos, culturais tudo sofre impacto quando você volta pelo guichê da imigração brasileira e vai humildemente dar continuidade na vida que ficou pra trás, mas agora, de uma maneira diferente porque parece que tudo mudou – em você. Enquanto viajava ouvia relatos de mochileiros sobre a dificuldade de reconfigurar a nova vida depois de tudo que viveram. É como se o espaço para a “vida normal” fosse reduzido a ponto de não caber mais na bagagem do novo Eu. O que acontece é um processo interno de autoanálises e julgamentos, morte de ideais e renascimento de outros e por aí vai. E ao voltar, é como se tudo fosse estranho causando isolamento – entre outros sintomas – pela dificuldade de partilhar aprofundando tal complexidade com as pessoas. Me lembrei que em 2015 – ainda quando atuava no corporativo e nem imaginava um dia cruzar oceanos – encontrei um estudo chamado de “Os custos imprevistos da experiência extraordinária” conduzido por pesquisadores de Harvard, publicado na Psychological Science, o qual não me fez muito sentido na época por alegar que: “Diálogos e relacionamentos são notoriamente baseados a partir de experiências comuns – O estudo mostrou que as pessoas gostaram muito de ter experiências ‘superiores’ àquelas dos colegas, porém, essas experiências haviam estragado suas interações sociais subseqüentes deixando-as piores do que se tivessem uma experiência comum.” Surgem algumas barreiras quando, por exemplo, alguém que deu a volta ao mundo tenta relatar ao colega que até o momento não saiu do estado em que nasceu. O máximo que ele poderá humildemente responder é “nossa deve ter sido uma experiência incrível”. O que não significa desqualificar ou diminuir o valor do colega de forma arrogante e ainda desconsiderar as exceções, muito pelo contrário, neste caso eles apenas não encontraram um ponto comum de discussão e está tudo bem. Naquele tempo fiquei com a pulga atrás da orelha ao ler isso porque diante de uma situação dessa só conseguia enxergar uma ótima oportunidade de trocas, mesmo com tamanha diferença entre duas pessoas – O que mudou depois de presenciar este fenômeno acontecer na vida real. A pesquisa de Gus Cooney ilustra claramente um aspecto da crise de retorno enfrentada pelos viajantes que sentem dificuldade em discutir com aprofundamento suas aventuras, o que não traduz necessariamente a quantidade países visitados, mas qual deles trouxe um elemento de conflito interno, autodescoberta, desafio e lição de vida, por exemplo, por que é disso que eles também gostariam de falar. E é ai que o mochileiro em abstinência sente-se perdido. Hoje quando encontro os desabafos – principalmente pelos grupos do facebook e instagram – carregados de confusões, medos e inseguranças por terem vivido algo tão rico e ao mesmo tempo, perdidos sem saber como enfrentar esses novos obstáculos, me lembro dessa pesquisa e o quanto ela se tornou pertinente. A comprovação da pesquisa chegou através do meu experimento pessoal e, depois, pelos relatos dos próprios viajantes pelas redes. Então o que pode ser feito? Se prepare e se jogue de cabeça na viagem incrível de renovação, autoconhecimento e descobertas ao redor do mundo, no entanto, devo lembra-lo que ao voltar, você se sentirá um completo estranho no ninho então se prepare pra enfrentar essa fase também – tenha paciência. O processo de readaptação poderá ser naturalmente denso e doloroso, podendo chegar a manifestar sintomas de episódios depressivos nos primeiros meses e causar confusão de pensamentos e insegurança assim como qualquer fase de transição e reconfiguração de cenários. Peça ajuda Não ceda ao desejo de isolamento. Procure se conectar com quem passou pelo mesmo momento seja presencialmente ou pela internet. Busque acompanhamento psicológico de profissionais que possuem experiência pessoal no assunto, assim como, terapias integrativas. Lembre-se sempre da importância do autocuidado, compaixão com suas limitações, falhas e com a dos outros. Faça pequenas viagens e passeios em lugares novos para estimular a aquela sensação de descoberta e aventura novamente. Primeiros meses após o retorno Muita cautela ao tomar decisões determinantes como trocar de trabalho, terminar relacionamento, mudar de casa etc. Em muitos casos, haverá uma ansiedade e confusão muito grande para que seja ponderado prós e contras de maneira analítica e imparcial. E por último e não menos importante Nunca deixe de valorizar suas conquistas e vivências inesquecíveis, porque no fim das contas você jamais estará totalmente preparado para enfrentar o desconhecido; estamos todos no mesmo barco e continuar navegando e fazendo cuidados emergenciais é preciso. ************ Eaí, voltou de sabático, férias ou viagem a longo prazo e se deparou com esse #caos interno? Compartilhe aqui quais foram seus sintomas, seus desafios a sua historia e como tem se cuidado para que possamos criar mais conexões e tb ajudar quem está no mesmo barco!
  45. 9 pontos
    Dicas para encarar o Atacama Itens indispensáveis · Remédio para o umidificar o nariz · Anti-alérgico · Diamox - remédio que atenua os sintomas do mal da altitude. (Consulte um médico) · Protetor solar e labial · Colírio · Papel higiênico · Creme hidratante (pode parecer frescura, mas não é. Minha mão ficou muito seca e as juntas dos meus dedos sangravam por conta do frio e do clima seco) Roupas Indico que levem: · Gorro · Luvas (eu trouxe 2 pares de luvas. Uma de segunda pele e outra de lã) · Sunga/biquíni · Chinelo · Óculos de Sol (se for subir vulcões tragam modelos de óculos mais fechados, ou seja, que não deixem entrar raios solares pelos lados). · Segunda pele · Fleece · Corta vento · Casaco para frio intenso (eu trouxe um casaco de pluma de ganso. Esquenta muito e ocupa pouco espaço) · Calça que vira bermuda (você sai do albergue está frio. Logo depois está um calor infernal) · Meia para trilhas (se for aos Geysers e for fazer vulcões traga meias térmicas.) · Bota para trilhas (poucas são as pessoas de tênis) · Saco de dormir para frio intenso (temperatura de conforto 0 a 5 graus celsius, caso vá ao Uyuni). Por que levar óculos? O Atacama é a região do planeta com os maiores índices de radiação ultravioleta, ou seja, você tem que proteger seus olhos a todo o momento. Indico que não levem: · Calça jeans (bem desconfortável para o deserto) · Camiseta (vai deixar umas marcas bem estranhas com a exposição ao Sol. Lojas de roupas esportivas no Atacama Quem esqueceu de algum casaco ou está sentindo mais frio do que esperava, eu vi na rua Caracoles 4 lojas: · The North Face · Patagônia · RKF (a marca tem um pato como símbolo) · El Rincon del Viajero Achei as 4 lojas caras e com preços diferentes das mesmas lojas de Santiago. Eu só usaria para emergências. Em Santiago, eu fui no Mall do Sport. Havia várias lojas e equipamentos para trilhas e com preços bem mais baixos que o Brasil. Lá tem varias marcas especializadas para quem gosta de trekking (Thule, Salomon, Garmin, Columbia, Doite e muitas outras). A The North Face estava com promoção de 40% em toda a loja. Câmbio A maioria das agências de câmbio ficam na rua Toconao. O câmbio no Atacama é muito pior que em Santiago. Dessa forma, se passar pelo Centro de Santiago, faça o câmbio na rua Augustinas ou Moneda antes de vir ao Atacama. Voos Para chegar ao Atacama de avião, você terá que pegar um voo até a cidade de Calama. Eu fiz um voo Rio-Santiago pela Latam e depois um voo Santiago-Calama pela Sky, uma companhia aérea low cost. Tem gente que prefere vir de ônibus de Santiago até Calama. Deve ser a forma mais econômica, mas acho que perde-se muito tempo. Transfers De Calama ao Atacama existem vários transfers. Eu reservei com a Licancabur. Ela fica dentro do aeroporto. Paguei 20.000 pesos pela ida e volta. Agências para Atacama e Uyuni Eu li que existem mais de 70 agências de turismo no Atacama. Dessa forma, minha dica é NUNCA, JAMAIS reserve os passeios no Brasil, já que nas agências você pode barganhar. Se em algum blog, a pessoa falar que é recomendável reservar do Brasil, ela está mentindo e, provavelmente, ganhou para dizer que sem tal agência ela não teria conseguido fazer todos os passeios que ela queria, já que seria necessário fazer a reserva com antecedência. Em alguns blogs eu vi também uns brasileiros indicando uma agência de turismo de outra brasileira. Ocorre que no Atacama fiquei sabendo que essa agência oferece os pacotes de graça ou quase de graça para que os blogueiros mais conhecidos falem bem dela. Sendo assim, se você ler em algum blog que tal agência oferece “mimos” no deserto, tais como: massagens durante o passeio, roupão de banho depois que você sai das águas termais, check list em vídeo no whatsapp antes da viagem, entrega de chip internacional para você falar com a agência e etc, saiba que você está sendo mimado e terá um serviço diferente. No entanto, saiba que em alguns passeios você pagará mais que o DOBRO em relação ao valor das outras agências. Durante minha pesquisa sobre agências de turismo no Atacama, eu fiz uma lista de preços com umas 8 agências mais bem faladas. Assim, quando cheguei ao Atacama, fui procurar essas agências. No final, eu fechei com a Base Camp (rua Tocanao) e a Atacama Connection ( rua Tocopilla ou rua Toconao). Essas agências ofereciam passeios fora do pacote básico e que eu estava muito afim de fazer. Na Base Camp me atenderam muito bem. Eu consegui 20.000 pesos (R$ 120,00) de desconto no valor total dos meus passeios. Eu achei pouco, mas tudo bem. Passeios com a Base Camp · Vale da Lua e da Morte - 15.000 · Lagoa Cejar e olhos de Cejar - 17.000 · Lagoas Altiplânicas + Pedras Rojas - 45.000 · Salar de Tara - 50.000 · Geisers del Tatio - 20.000 · Cerro Toco - 65.000 · Tour Astronômico - 17.000 · Vulcão Lascar - 90.000 Na Atacama Connection também fui muito bem atendido. Inclusive tem uns brasileiros trabalhando lá. Como fiz menos passeios com eles, ganhei menos desconto. Passeios com Atacama Connection Trekkking Guatin + termas de Puritama: 35.000 pesos chilenos Lagoas escondidas de Baltinache - 17.000 Eu escolhi agências com preços médios, ou seja, descartei as mais baratas e as caras. Todos os passeios que fiz com ambas as agências foram excelentes. Os carros estavam em ótimo estado (fundamental para as estradas do Atacama), os guias eram atenciosos e cumpriam com o cronograma. Para subir o vulcão Sairecabur a Base Camp e a Atacama Connection não tinham grupo de pessoas para fazer o passeio. Sendo assim, me repassaram para a empresa Nortrek. Foi a melhor coisa que poderia ter acontecido. O guia Carlos tinha muito conhecimento de alta montanha. Recomendo a empresa. Paguei 100.000 pesos pelo passeio. Para ir ao Salar de Uyuni escolhi a Cordillera Traveller (rua Tocopila). Como ia voltar ao Atacama escolhi o passeio de 4 dias. Paguei 138.000 pesos pela viagem. A Cordillera Traveller e a Cruz Andina são as agências que os blogs, tripadvisor e os usuários do site do mochileiros.com mais recomendam para fazer a viagem ao Uyuni. A viagem não inclui entrada do parque (150 bolivianos), entrada da ilha de Incahuasi (30 bolivianos), água durante o passeio, wi-fi, lanchinhos (biscoitos e tal) e banhos. Sendo assim, troquei 60 dólares para a viagem. Para câmbio, vá a rua Toconao. 1 dólar custava 6 bolivianos. 110 pesos chilenos custavam 1 boliviano. Cabe lembrar que só tem wi-fi na primeira noite (10 bolivianos) e no almoço do terceiro dia (grátis). Isso pode variar dependendo dos albergues em que se dorme e onde a agência te levará para comer. Dica de ouro para planejar seus passeios Há passeios no Atacama de metade do dia e passeios de dia todo. Se você tiver pouco tempo, dá para mesclar uns passeios de manhã com passeios na parte da tarde. De qualquer forma, a dica que eu dou e muita gente não segue é: defina seus passeios em relação a altitude do local visitado. Eu comecei fazendo passeios com a altitude de 2.400 e depois fui aumentando a altitude gradativamente. Depois de estar bem aclimatado eu cheguei a quase 6.000 metros. Dessa forma, não faça os seguintes passeios logo de cara: · Geysers del Tatio ( você sai de San Pedro a 2.400 metros e depois de 1:20 está a 4.290 metros. Dessa forma, há uma grande mudança de altitude em pouco tempo. · Altiplânicas com pedras Rojas (o passeio passa dos 4.000 metros) · Salar de Tara (o passeio vai a quase 4.900) · Uyuni (a viagem conta com alguns pontos que passam dos 5.000 metros. Albergues no Atacama Assim como existem diversas agências de turismo, o Atacama conta com uma infinidade de albergues. Eu optei por me hospedar na rua Licancabur, pois a rua fica bem próximo a rua principal que é a Caracoles. (rua das agências, lojas e restaurantes. Eu fiquei no albergue Pangea Norte. Paguei uns R$ 65,00 por noite em um quarto coletivo de 4 pessoas. O albergue é bom. Os banheiros são bem limpos, tem água super quente, os atendentes são bacanas, wifi funciona bem, cozinha é bem equipada e tem papel higiênico no banheiro. Como ponto negativo eu cito que não há limpeza do quarto ou troca dos lençóis de cama enquanto você está hospedado. Mas não custa lembrar que estamos no deserto, não dá pra desperdiçar água. Também não há café da manhã. Ah, lembrei que tem uma mercearia (Armazen Vicente) há cerca de 200 metros do albergue. Lá eu comprava banana e galão de 6 litros de água. Um pouco mais à frente tem a Pastelaria Tackey com empanadas a 1.500 pesos e algumas tortas. Provem a empanada de Pino (carne, cebola e ovo). Em relação a outros albergues, eu escutei falarem bem do Campo Base Hostel, mas ele é um pouco afastado da Caracoles. Escutei falarem mal do Hostel Rural. Havia goteira no quarto, café da manhã racionado e wifi ruim. Comer Os restaurantes mais baratos ficam na rua Licancabur, perto do campo de futebol. Os restaurantes são chamados de “Los Carritos”. Os menus (entrada, prato principal e sobremesa) custam cerca de 4.000 pesos. Comi no Restaurante Tara, um restaurante que tem por ali. O menu custou 3.800 pesos. A comida é boa. Tomei sucos em outro restaurante quase ao lado, o Paso Turístico. Comi bastante na Picada del Índio (rua Tocopila). O menu custa 5.000 e a limonada é boa. O restaurante chega a ter fila na porta. Comi também na Aura Andina (rua Caracoles). Lá tinha boas empanadas e bom suco de maçã. O Empório Andino (rua Caracoles) também tem empanadas, sanduíches e tortas sensacionais. O Sol Inti (rua Tocopila) tem um super sanduíche, o Licancabur. Comi também o “lomo a lo pobre”. O prato é enorme. Da pra dividir com outra pessoa. Provem o suco de cenoura. É incrível!!! Me recomendaram ir ao El Huerto (rua Gustavo Le Paige). Comida boa e porção farta! Trabalha no estilo de menu. Da para dividir para 2 pessoas, dependendo da fome de cada um. O melhor restaurante que fui no Atacama foi o Baltinache (rua Domingo Atienza). Ele trabalha com o estilo menu usando ingredientes locais e da cultura indígena. O menu custa 17.500. Farmácias Eu vi poucas farmácias em San Pedro. Quando eu precisava de algo eu ia na Cruz Verde (rua Caracoles com Toconao). Se forem lá, procurem a Soledad. Ela manja das coisas. Posto de saúde Demora-se um pouco para ser atendido, mas precisando de algo vá ao centro de saúde familiar na rua Gustavo Le Paige (perto da praça). Funciona 24 horas e é de graça. Lembre-se que precisa de identidade ou passaporte para ser atendido. Dica: Quem tem hipertensão deve consultar seu médico antes de viajar para o Atacama e Uyuni. Passeios em que faz mais frio Eu fiz a maior parte dos passeios com um fleece e de bermuda, mas há alguns passeios em que senti bastante frio. Recomendo já sair do hotel com o fleece no corpo e levar, pelo menos, um corta vento na mochila. O passeio aos Geisers del Tatio foi o que senti mais frio. Na entrada do parque há uma estação metereológica, o guia disse que fazia - 8 graus. No inverno ele disse que fez um tour com temperatura de - 27 graus. Dessa forma, vá SUPER bem agasalhado (segunda pele, blusa, fleece, casaco para frio intenso, 2 luvas). A boa notícia é que depois o Sol aparece e a temperatura logo aumenta. Na viagem até o Uyuni também faz frio. Na maior parte do tempo um fleece e um corta vento bastam para o dia. No tour astronômico também faz frio. Leve fleece e casaco para frio intenso. Se for subir o cerro Toco você tem que ir SUPER agasalhado (segunda pele, blusa, fleece, casaco para frio intenso, 2 luvas). Se for subir o vulcão Lascar você tem que ir SUPER agasalhado (segunda pele, blusa, fleece, casaco para frio intenso, 2 luvas). Se for subir o vulcão Sairecabur você tem que ir SUPER agasalhado (segunda pele, blusa, fleece, casaco para frio intenso, 2 luvas). Para combater o mal da altitude Mascar folhas de coca ou fazer um chá com elas, ajuda bastante a amenizar os sintomas. Outra erva usada para combater o soroche é a chachacoma. Coloque uma colher da erva numa xícara de chá e despeje água quente. Você pode encontrá-las na feira de artesanato perto da praça de San Pedro. Beber bastante água e evitar bebidas alcoólicas também ajudam a prevenir o mal da altitude. Tour Astronômico A agência mais famosa para fazer o tour astronômico é a Space. Quando estive no Atacama a agência estava fechada em função excessiva luminosidade no céu. Assim, eu fiz o tour com a Atacama Star Trek. Eu não gostei muito do tour. Parecia que o telescópio utilizado não tinha muito alcance. Havia umas 12 pessoas para um único telescópio. Outros brasileiros que estavam no tour também não gostaram. Ocorre que antes de sair do Atacama, a Space reabriu. Sendo assim, consegui agendar o tour com eles. No início do passeio é um pouco massante. Ficamos 50 minutos em pé escutando a guia falar sobre estrelas, constelações, via láctia, entre outros. Somado a isso, a temperatura estava 15 graus celsius. Depois vem a parte boa. Eles têm vários telescópios (eu contei 9), já direcionados para a parte do céu a ser mostrada. Assim, a guia vai explicando e você já pode indo ver qualquer telescópio que quiser. Isso torna o passeio muito dinâmico! Por último, o grupo vai para um lugar fechado e um astrônomo esbanja conhecimento enquanto tomamos chocolate quente. O passeio demora cerca de 2:30 e vale muito a pena. Passeios que mais gostei Achei o tour as lagoas escondidas de Baltinache ótimo. A coloração de algumas lagoas impressiona. Achei o tour as lagunas altiplânicas com as pedras rojas bem bacana. O visual lá é incrível. Infelizmente, não podemos mais chegar perto de pedras rojas por conta daqueles brasileiros estupidos que foram fazer kite surf lá no ano passado. Não acredito como pode ter tanta gente sem noção por aí! Outro tour sensacional é o do Salar de Tara. O passeio dura o dia todo, o carro percorre varias estradas de terra bem ruins, mas a paisagem é incrível! O passeio as termas de Puritama fica ainda mais legal quando se chega lá por trilha. Dessa forma, fiz o trekking Guatin. O trekking passa por vários cactos gigantes e cruza um vale. Levamos 2:40 para fazer toda a trilha. Ela tem nível de dificuldade fácil. Imagina fazer uma trilha e ao final dela, relaxar em vários lagos de águas quentinhas. O trekking passa dos 3.000 de altitude e é uma boa forma de aclimatação também. A subida ao Cerro Toco é bem legal. Lá de cima podemos ver o vulcão Licancabur, o Juriques e a lagoa branca. Não sei ao certo quantos graus faziam, mas ventava muito. A ascensão até o topo demora entre 1:30 a 2:30. Depende muito do ritmo de grupo. A subida é muito mais fácil do que a do vulcão Lascar. Para fazer essa trilha é preciso estar muito bem aclimatado, pois chegamos a 5.600 metros. A subida ao vulcão Lascar é incrível. Eu peguei - 4 graus lá na cratera. A ascensão até a cratera demora de 2 a 4 horas. Depende do ritmo do grupo. Se houver neve, o guia disse que existem muitas variáveis, mas que a subida demora de 3 a 7 horas, mais ou menos. Não sou expert, mas diria que a trilha tem nível intermediário. Para fazê-la é necessário estar bem aclimatado, pois chegamos 5.500 metros de altitude. A subida ao vulcão ao vulcão Sairecabur é muito pesada. Só o início da trilha é demarcado. Depois seguimos por varias pedras grandes para chegar ao topo. A ascensão dura de 3 a 6 horas. A trilha é muito exigente e é difícil. Normalmente, quem vai fazer o vulcão Licancabur faz essa trilha para saber se possível enfrentar a montanha. O topo de Sairecabur está a 5.980 metros de altitude. Só recomendo essa trilha para quem tiver bom preparo físico, estiver muito bem aclimatado, já tiver feito o vulcão Lascar antes e já tiver o costume de fazer trilhas no Brasil. Essa trilha faz o subida ao Cerro Toco e ao vulcão Lascar parecerem passeios pelo bosque. Para finalizar, gostaria de dizer que essa foi uma das viagens mais incríveis que já fiz, não só pelos lugares que visitei, mas também pelas pessoas que vi e conheci pelo caminho. Vou sempre lembrar das fotos loucas do nosso grupo no Salar, das risadas durante o jogo de ping pong enquanto esperávamos revistarem nossas mochilas na Aduana Chilena, da Noelia que trabalhava no albergue e me pediu ajuda para organizar sua viagem de comemoração de 8 anos de casada, do Emerson, brasileiro gente boa que conheci no albergue, da Maria, brasileira que conheci na lagoa Cejar, do Kike, espanhol que disse que iria aprender português pra falar comigo (acho que meu espanhol não é tão bom assim) e do Max, Felix, Claire e Fergal que fizeram o Uyuni comigo. São tantos passeios, encontros pela rua, viagens em grupo que você acaba criando um laço com desconhecidos que possuem a mesma vontade de mochilar e conhecer novos lugares, assim como você. Por isso, tenho plena certeza que em algum momento encontrarei algum deles novamente. Bem, para quem leu essas dicas até o final, espero que pelo menos 1 delas sirva para tornar sua viagem ao Atacama e ao Uyuni mais cômoda e que assim, você aproveite ao máximo tudo o que a região tem a oferecer. Até a próxima!!!
  46. 9 pontos
    “no meio do caminho havia uma pedra E essa pedra era um quartzo rosa gigante Com um parque que vivia em cima dela” ~Parque nacional da chapada dos veadeiros Inicio o relato com essa frase, o que resume em grande parte a história e a cultura da região. E não é para menos! Passei uma semana maravilhosa desbravando alguns dos inúmeros lugares existentes nesse mundo repleto de boas vibes, misticismo e natureza. O objetivo do relato é passar informações atualizadas acerca do lugar para os futuros visitantes, e tentar descrever a experiência de outro ponto de vista, para diferenciar um pouco dos muitos relatos do mesmo local. Eu gosto de detalhar um pouco nos textos, então alerta de textão, ein (!) É importante ressaltar que, em outubro do ano passado, um grande incêndio criminoso assolou o lugar, repercutindo nas grandes mídias. Graças aos esforços dos moradores, brigadistas, e voluntários de diversos lugares, o fogo foi combatido, e o cerrado, um bioma forte, para dizer o mínimo, se recupera gradativamente como uma fênix surge das cinzas. Pensei que veria um cenário de certa forma seco e feio, mas me enganei, e ainda bem que me enganei. A flora do Cerrado é acostumada com incêndios, o ciclo de vida de algumas plantas e animais gira em torno disso. Ainda vemos marcas do incêndio de 2017. Para resumir as infos básicas, reservei 7 dias da minha vida apenas para conhecer o lugar (é o tempo mínimo, na minha honesta opinião, se vc quiser conhecer bem a chapada, e sempre vai ficar faltando lugar pra visitar, o que motiva mais ainda para uma próxima visita ), e sobrou mais um final de semana para conhecer Brasília (se der para emendar, emende porque Brasília é RICA em opções do que fazer), estipulei um gasto médio de R$ 1.500,00 (barato, comparado com outras chapadas, vai por mim), e aluguei um carro com mais 4 viajantes (dá para ir sem carro, mas vc fica sem poder ver muita coisa dependendo do seu tempo lá, fora o risco de perder vôo, ficar preso em cidade ou vila tal, enfim). Ah, optei pelo mês de maio, por ser o final das chuvas, ou seja, ainda veria o cerrado mais verde e com os cursos d'água volumosos, perfeito. Partiu? 1º dia: chegada à chapada A viagem mesmo iniciou no dia 5 (um sábado), depois de meses de expectativas e conversa com mais 4 pessoas com o mesmo objetivo em comum. Saímos pela manhã do sábado (a viagem leva entre 2 e 3 horas de BSB à chapada se não houverem imprevistos). Basicamente eu tinha elaborado um roteiro para essa trip, sabe como é, tentar “devorar” essa maravilha ao máximo, sem ficar perdido nem nada. Incrível que dos 5, só eu tinha isso graças a ele deu para curtir quase tudo, sem maiores imprevistos. Saímos, acho que umas 10 horas de Brasília, mas a viagem custou um pouco, tivemos que fazer compras, fora que paramos para almoçar no Rancho do Waldomiro, para provar a tão famosa matula. Comida caseira ok, com licores e umas cachaças de diversos sabores para degustação (e quem sabe compra). Ah, o Rancho agora conta com um camping, que te dá acesso a trilhas para subir o conhecido morro da baleia, era uma coisa que queria fazer, e muito, mas acabou não dando pela falta de tempo kkkk Paisagem apaixonante de um dos morros que cercam o rancho do Waldomiro. A priori era começar a aventura em São Jorge, e deixar Alto Paraíso por último. Iríamos para o quilombo kalunga conhecer a Santa Bárbara, no meio da semana, então logisticamente era melhor começar em SJ, depois Cavalcante x quilombo para retornar e ficar em Alto paraíso. Isso pouparia tempo e combustível. Mas foi um planejamento meu, vocês decidem o que é melhor para vcs . Enfim, atrasamos bastante, chegamos em São Jorge quase às 16:00 e descobri que muitos dos atrativos fecham as portas cedo (Raizama às 15:00, Morada do Sol às 16:00, Vale da Lua às 16:00 se não me engano), então meio que perdemos o dia para boa parte das atrações. Fica a dica: Tentem ir cedo para os banhos, fecham cedo para dar o tempo para as pessoas retornarem, já houveram muitos acidentes em alguns lugares, então esse controle é um pouco justificado. Mas há lugares que não fecham cedo! As termas do Éden e do Morro vermelho (basicamente clubinhos com piscinas de água quentinha) ficam abertas até a noite, então o grupo partiu para ter um pouco do sábado disponível. No meio da estrada, parada para tirar fotos em uma vista maravilhosa da região. Se na estrada já é bonito assim, imagina nos lugares, não? Quase qualquer foto rola com um plano de fundo desses Diga xis Passamos umas horas nas termas do morro vermelho (R$ 20,00, vc fica até de noite), e retornamos para São Jorge. Cara, a vila é um charme. Simples, com ruas de terra, basicamente tem uma grande rua principal, onde rola o “tudão” do dia e noite da pacata vila. Lembranças, mantimentos e um chopp gelado, td funciona ali. No sábado costuma ser BEM animado, pensei que estava rolando uma festa em particular mas não, simplesmente separam os sábados para os bares, o tal do forró, e a vila fica cheia de gente e carro circulando nas ruas (pode andar sem medo, é mais fácil uma dupla na moto te dar uma flor do que te assaltar). Gente alternativa aqui e ali, indígenas, hippies, desenhos estranhos em algumas casas, é uma vibe bem diferente da cidade grande. Típica noite na vila A rua principal Pista de pouso para OVNIS? O primeiro et da chapada a gente nunca esquece kkkkkkkkk vai se acostumando Fato que não vi em relato algum: a chapada costuma ser F R I A pela noite, e olha que estávamos no início da época seca. É tipo assim: sol de rachar o dia todo e noites frias da peste. Todo mundo andando agasalhado, vc se sente numa cidade sulista confesso que sofri no camping, levei pouquíssima roupa pro frio tbm. E como sou do norte, acostumado com a “quentura”, aí já viu Mas, há chuveiro elétrico em praticamente todo lugar. Leve roupas para o frio, caso vc não for acostumado(a). Lugar pra repousar não falta, eu e o Ricardo (um dos viajantes) escolhemos o camping Aracoara, Ambiente show de bola, vibe super positiva, e o dono é um cara mega humilde e gente boa, e guia também. Existem lugares para todos os bolsos, hostel, camp, até camping mais “gourmet” como o Ricardo falou , e do camp onde fiquei não tenho do que reclamar. 2º dia: compensando o dia anterior Estipulei dois dias para conhecer o parque Nacional da Chapada, e é o recomendado, no mínimo, pq as trilhas são longas, você vai querer ficar nos locais para banho por um bom tempo, fora as fotos, que você tira mais de 8000. Então, um dia para cada trilha é bom (existem 4 principais, saltos e corredeiras, cânions e carioquinhas, Seriema e travessia das 7 quedas.). A seriema pode até ser emendada com alguma outra, por ser a menor. Por ora, a única coisa cobrada no parque é o estacionamento (15 temeres), há boatos de que o parque será privatizado, aí vc já viu ne. Mas até então é 0800. E o parque é do lado de São Jorge, se vc está hospedado(a) na vila, poupe o combustível e faça um aquecimento indo a pé. Ah, o parque abre às 8:00 e fecha as portas às 12:00 ou até alcançar o limite diário de pessoas, que esqueci agora LOL Finalmente nessa delícia de lugar O domingo foi de Saltos e corredeiras. A trilha no cerrado é magnífica, te dá uma experiência maravilhosa de conhecimento, eu que estou acostumado com floresta amazônica, fiquei maravilhado com a flora do lugar (fauna também, mas dos mascotes do cerrado mesmo, só consegui ver 1, e no final da viagem). A trilha é autoguiada. Você praticamente só se perde se quiser Mimosa A imensidão desse espetáculo da natureza é de encher os olhos, sério O primeiro ponto é o salto de 120m. De lá vc tem uma vista TOP DOS TOP do vale x cânion da região, se vc tem um olho de águia, consegue até deduzir onde deve estar o mirante da janela. Essa cachoeira não é acessível, mas a visão por si só já é o suficiente. Chuchu beleza, um dos cartões postais da Chapada Logo em seguida vc chega no salto de 80m. Nesse sim vc pode nadar, a água é FRIA PACAS, mas não chega a ser a mais fria da chapada (!). Dá para passar umas boas horinhas aqui. Há limite de lugares para o nado, é bom respeitá-lo, ok? A maravilha de 80 mts. As cordas de segurança estão por um motivo ali, então seja consciente. Lugar perfeito para se concentrar na confecção de arte, n eh msm? Por fim, a trilha acaba nas corredeiras que alimentam as cachus, vc volta um pouco até a bifurcação na trilha principal. O acesso a este ponto se dá por uma trilha suspensa em madeira, isso é MUITO LEGAL para a acessibilidade de pessoas de idade, ou PNE’s (o parque tem até uma cadeira adaptada para se fazer a trilha, o que achei foda demais, sabe, fé na humanidade restaurada). Rumo às corredeiras E o passeio fica cada vez melhor! A água dança e renova a vida no meio das pedras Terminada a trilha, uma boa notícia: ainda havia tempo para conhecer mais um lugar. Decidimos conhecer o famoso vale da lua, que pelo que vc já deve estar careca de saber, tem a aparência de uma superfície lunar. Entrada 20 contos, vc dirige um pouco no ramal de acesso, mas a trilha da entrada é mega fácil e rápida. Eu não recomendaria ir a pé. De bike até pode rolar. Gravidade zero em solo lunar é bonito, mas cair ali é a última coisa que vc iria querer Show de bola. O Vale é lindo, misterioso, e também fatal para os desavisados. Os buracos e grutas submersas oferecem perigo de morte a quem cair ali. Muito cuidado, e se possível vá de bota, por oferecer maior estabilidade no passo. O vale não abre em caso de chuva, até pq é comum formarem trombas d’água em muitos locais (veja um vídeo de tromba d’água num youtube da vida pra vc ver que não é brincadeira). Água também super gelada, no final há um poço para nadar e tirar fotos show de bola. Engraçado que nesse dia dei de cara com mais um rapaz que conheci no mochileiros, mas pelo grupo já estar completo no carro, não deu para viajar junto. Eu nadando de boa e ele perguntando do nada se meu nome era tal, confesso que foi mega engraçado aliás, espero que sua estadia na chapada tenha sido ótima, amigo! Começa o toque de recolher às 17:15: e por sorte o sol estava começando a descer, ou seja, dava para dar um bate e volta no Jardim de Maytrea para ver o espetáculo da mãe-terra. Super obrigatório ver o pôr do sol ali. Atração 0800, é fácil achar, só ver o monte de carros parados no acostamento da estrada Alto Paraíso – São Jorge. Se lembra daquela primeira fase do primeiro donkey kong? Veio na cabeça, rs Massa, ne. Camping ae deve ser coisa de outro mundo O dia super rendeu, compensamos o que não podemos fazer no sábado, e com juros. E a noite ainda não tinha acabado. Fomos para a pizzaria Canela d´ema, na principal de São Jorge, não tem erro. Pizza ok, meio carinha, mas rachando pra um grupo fica de boa. A decoração é show, toda temática com os famosos alienígenas da chapada, bebidas variadas, e tem karaokê, ainda por cima! Todos beberam e foram roubar a cena cantando, mas como eu sou cantor de chuveiro, e não de barzinho, resolvi ir dormir cedo para o dia seguinte. E ae, amigo. Ets hoje, ets amanhã, ets sempre 3º dia: trilhas difíceis e final de tarde sussa. Nas segundas o parque da Chapada não abre, MAS é possível fazer a trilha do famoso mirante da janela, que te dá uma visão dos dois saltos do parque. É possível ir sem guia? Até é, mas é arriscado pq o caminho tem partes pedregosas que podem confundir, então pessoalmente sugiro que de primeira, contrate um guia. Vc decora o caminho, e das próximas vezes, show de bola. Contratamos o Rodrigo, do camping Aracoara (mais uma vez, super recomendo), e tratamos de sair cedo, para pegar pouco sol (pois é sol o dia todo, e essa é uma trilha de nível difícil). Ah, se vc vai com guia a entrada sai um pouco mais barata (15 reais), fora o valor do guia (geralmente em torno de 150 reais até 5 pessoas). Pegar estradinha de terra na traseira da Pick up não tem preço, me senti o rei do gado agora kkkkk O Rodrigo vai explicando de tudo um pouco: história da chapada, o lance dos ets, a geologia do lugar, histórias curiosas, um resumo da flora local... descendo um pouco chegamos na casa do guardião da trilha, um senhor humilde e gentil. Dá pra beber água para pegar um pique também. Encontramos uma cobrinha na trilha, mas fora isso, nenhuma surpresa. A parte fácil da trilha acaba quando chegamos nas proximidades da cachoeira do abismo. Ela já estava seca, e a água meio feinha, então seguimos. A caminhada é intensa, mas visões assim te enchem de determinação A caminhada exige um pouco, é um sobe e desce em pedras medonho, mas o esforço é recompensado com uma visão de reis do parque! Eu poderia passar o dia só sentado ali, contemplando toda aquela paisagem de cartão-postal e pensando em toda a minha vida =D Cara.....a gente estava ali ontem... A foto tradicional da janela, mas com uma pequena variação Como a chapada é magnífica, cara! Se a ida foi cansativa, a volta foi uma via sacra para algumas pessoas kkkkkkkkk o sol da tarde em cima da sua cabeça, mais o cansaço da vinda cobram seu preço na volta. Para quem não está condicionado(a) com trilhas, é possível ir, mas vc pode passar mal, então tente se condicionar um pouco com caminhadas antes de viajar. Ah sim. É possível ir ver o pôr do sol no mirante, o que deve ser uma coisa muito show. Fica para a próxima. Ainda havia tempo de visitar mais um lugar, então resolvemos conhecer a Morada do Sol. Na maioria dos relatos essa atração costuma ficar de fora, mas garanto que a visita vale. Paga 20 pila para entrar, chegue antes das 16:00 e fica de boa. Mas às 17:00 já precisa retornar, então se puder chegue às 15:00 no máximo. Tem uma trilha fácil em mata fechada no início, e consta de três ambientes: Morada do sol, um pequeno cânion para contemplação, apenas, e uma corredeira de águas calmas no final. Show de bola para descansar, nadar, tirar fotos. uma parte do cânion (vale das andorinhas) O final da trilha, bom para mergulhar e ser mordido por peixinhos A morada do sol propriamente dita. Super tranquila de nadar, mas pode haver tromba d'água na chuva Chegando a São Jorge, demos de cara com uma caravana de voluntários realizando o cursinho de brigadistas, particularmente isso deu um certo sentimento de esperança na humanidade, sabe..... de tempos em tempos o parque abre editais, então fica a dica, se puder ajudar, faça a sua parte, ok; A noite foi para descansar. Dia bem aproveitado. 4º dia: se despedindo de São Jorge =’( Como era terça, o parque estava aberto novamente! Então, partiu parque. Poderia ter rolado cachoeira do segredo por parte dos meus colegas, mas como eu já estava no parque adiantando a trilha, não tivemos como discutir juntos, talvez rolasse um desencontro e eu ficasse preocupado com eles, então o dia foi de parque mesmo. Cachoeira do segredo que me aguarde na próxima ida! Mais uma vez, atração 0800. A trilha dos cânions e Cariocas é a vermelha, e coincide com a trilha dos saltos por quase 2 km. Essa trilha é mais “plana” e fácil que a trilha dos saltos, porém é maior, vc anda, anda, e anda, e pensa que não vai chegar kkkkkk, mas só a paisagem de cerrado é o suficiente para vc se distrair e devorar o momento =) em uma parte vc tem a bifurcação, tanto nos cânions quanto nas cariocas vc pode se banhar, mas os cânions são mais para contemplação, aí vai de vc. O famoso chuveirinho do cerrado Os cânions são cercados por estruturas de pedra milenares, mais que milenares, datam de tempos pretéritos da terra, e dão mesmo a impressão de que pelo menos um vulcão poderia ter passado ali, não; lindo o lugar, só tome muito cuidado, pois há perigo de acidentes, e o parque não dispõe de serviço de resgate. Aprecie com cuidado Lindo Sim, eu usei bandana e óculos praticamente a viagem toda. Sol infinito, meus amigos! Depois teve as cariocas, que consiste de um paredão aquático muito bonito, espaço de sobra para nadar, muitos peixinhos te mordendo, e uma piscina acima, que dá um bom banho também. Dá para ficar um dia inteiro fácil ali. Visão de encher os olhos mesmo. Nessa cachu meu cel caiu num poço com água o coração quase sai pra fora, mas felizmente ele resiste um pouco à água, e ficou de boa kkkkk imagina queimar e perder umas 1500 fotos Magnífico tesouro do Parque Só de olhar da vontade de pular dentro e se molhar, não? Voltamos cedo para São Jorge, curioso que a vila fica bem pacata durante a semana, só abrem as lojas de lembrancinhas mesmo, e olha lá. O agito é aos sábados, feriados, e quando os colegas alternativos resolvem festejar algo (ali é uma mistura de culturas, tá ligado irmão?). Com isso, nossa estadia em São Jorge estava, por ora, encerrada. Triste, mas algo mais bonito estava nos esperando no dia seguinte. 5º dia: a menina dos olhos da chapada. Nesse dia, pegamos o rumo a Cavalcante x Quilombo dos Kalungas, no sertão do cerrado goiano. Objetivo: Santa Bárbara. Para isso, precisamos passar por Alto Paraíso, aproveitamos para reabastecer o vrum vrum pq a viagem custa. Saímos relativamente tarde, umas 9 horas, em alta temporada isso poderia nos custar um dia de espera, mas por sorte era dia de semana, e não estávamos em alta temporada, então foi tudo perfeito. Dica: na dúvida vá cedo. No caminho passamos pela entrada da cachoeira dos Cristais (que não visitamos), o jardim zen de pedras e o suposto paralelo 34 (que também não deu pra visitar), e o poço encantado (adivinha? não deu também kkk). Obs: você não para em Cavalcante, apesar de muita gente associar a cach. Santa Bárbara a Cavalcante. Isso é mito, ela é vizinha dos quilombolas, apesar de que há atrações próximas de Cavalcante, também. Passando da pequena cidade, você anda um pouco numa estrada de terra, meio complicado de chegar, mas com visões do cerrado e serras que compensam a viagem. Após umas 2 horas de carro, de alto paraíso, chegamos no pequeno engenho II, sede dos guias quilombolas. Nessa hora temos um choque cultural, vemos a realidade de um povo guerreiro, que vive de forma simples e aposta no turismo e venda de produtos para ganhar seu suado dinheiro, diante das dificuldades. Então aqui fica uma dica do tio, que com certeza já foi falado em outros relatos: contratem guias quilombolas direto da comunidade. Eles costumam ser mais baratos do que os guias de Cavalcante, e você está fomentando a economia do pequeno vilarejo, ajudando os habitantes. Sério. Aqui, confesso que você gasta um pouco, mas vale cada centavo: 30 reais para a associação responsável pelos passeios (mas vc pode fazer umas 3 cachoeiras de uma vez!), mais 100 trocados para o guia, e mais 10 para o pau de arara, caso seu carro não aguentar a estrada de terra para a Sta. Bárbara (mas até Uno caixinha vi na entrada, então se vc manja de volante e se garante, pode poupar esse cash). Os guias quilombolas contam diversas histórias, e no geral estão dispostos para tirar quaisquer dúvidas. Contratamos o Sr. Jesuíno, super gente boa, discutiu diversos assuntos, contou sobre seu ponto de vista do incêndio que assolou a região também. Ah, é possível encomendar um almoço para ser consumido na volta, comida caseira derivada da terra e trabalho dos próprios quilombolas. Nada de nutella, conservantes ou enlatados. 30 reais para comer à vontade. Tem coisa melhor? Até o posto militar tem um design rústico no engenho, simples e bonito. Mais trilha aberta Você já ouviu a expressão “um oásis no deserto”? pois é. Santa Bárbara é isso e muito mais, de longe a mais linda da chapada. De tão azul e cristalina, nem parece natural, mas com certeza dá de dez a zero em qualquer piscina criada pelo homem. Aproveite cada segundo, pois há um limite de tempo de uma hora no local, além do limite de visitantes. O motivo: causar o mínimo de impacto natural possível. O horário mais disputado é o do final da manhã, pois o sol bate bem em cima da água, realçando o efeito das cores. As fotos parecem pinturas feitas a dedo. É. A chapada e suas jóias. A Santa Barbarinha. Que cor de água é essa, cara? Obrigado a Deus, grande Mãe, Gaia, Iemanjá, Espaguete Voador, qualquer um que tiver criado isso merece meu agradecimento! As únicas fotos submersas que prestaram foram aqui. Pq será? Legendas para isso serão poucas para descrever essa maravilha Após Santa Bárbara, fomos para a cach. da capivara, que emendamos com o guia. Dá para fazer Sta. Bárbara, Capivara e Candaru no mesmo dia, com o guia, como chegamos meio tarde, ficaria meio corrido de fazer as 3 e aproveitar bem. Capivara tem uma piscina com borda infinita, um piscinão para banho mais embaixo, e um cânion imenso para contemplação em seguida. Show de bola também. Outro tesouro guardado pelos quilombolas Piscina em Dubai? Nah, eu dispenso Chegamos cansados, os demais colegas com fome, foram almoçar/jantar, enquanto que eu tratava de administrar a memória dos celulares. Levei 3 aparelhos, e ainda precisei comprar um cartão pra armazenar mais fotos e vídeos Voltamos ao anoitecer, a estrada é um breu. Vá com cuidado e sem pressa que você chega lá. É possível dormir em Cavalcante, ou ir de uma vez para Alto Paraíso. Fica a seu critério. Em Alto, ficamos todos no Jardim da Nova Era, hostel e camping bem estruturado, equipe organizada e disponível para tirar dúvidas. Seria nosso lar nos próximos dois dias. Com tempo sobrando, aproveitei para dar uma volta na cidade. Alto Paraíso é aquela cidade de interior com seu toque alternativo. A Av. Ary Valadão é a principal para o turista, uma mistura de sons, cores e cultura. Aparentemente às terças e quartas ela fica mais parada, enquanto que nos finais de semana ela começa a “bombar”. Noite parada, aproveitei para provar os pastéis da vendinha 1961, point tradicional de pastéis e comidas mais completas, costuma dar gente quase todo dia. Infelizmente não tinham sucos regionais na ocasião, mas isso não desanimou meu estômago Lanche a luz de velas, isso pede uma companhia, ne Sabe quando eu disse que faz frio na chapada? Pois é. Em Alto é ainda mais frio do que em São Jorge todo mundo agasalhado como se estivesse numa Nova Iorque de inverno, e eu de calça e camisa normais. Não chega a incomodar para sair de noite, mas para dormir sim. E olha que dormia de calça, camisa de manga e capuz, saco de dormir, e acordava de madrugada reclamando do bendito frio. Com isso eu pensava. “P%#*@, como que eu vou fazer a travessia da praia do cassino, ou subir o monte Roraima, Pico da Bandeira e afins no futuro, onde a temperatura é mais baixa ainda? Tou lascado bicho”. 6º dia: Ets em todo o lugar.....e a água mais gelada da chapada (na minha opinião) Alto Paraíso é uma cidade segura. Vc sai de madrugada para andar, sem maiores preocupações. Nos dias em que fiquei lá já levantava às 5 (sangue tem que correr ne), e ia conhecer um pouco da cidade. Podia virar uma rotina sair para caminhar ou correr todo dia nesse horário que por mim estava de boa. Temperatura na faixa dos 18,20 graus, ok. Nascer do sol bonito, procurava sempre um lugar bom para assistir o raiar do dia, até numa torre de um posto de gasolina abandonado subi Menino barrigudo me encarando Um amanhecer desses, bicho O que vc tá olhando? Como é de conhecimento geral, a chapada tem fama de energia mística, que possivelmente atrai seres de outros planetas pra cá. A cidade tem referências de Ets em todo o lugar, o que deixa a coisa toda mais divertida. O portal da cidade é uma nave espacial, po. Será que isso sairá do chão um dia? Para o dia, o combinado era loquinhas + Cristais. Eu sempre vi a Loquinhas como uma cachu secundária, sem muita coisa pra ver, passeio de umas horinhas. Como estava enganado também. Ela é fácil de chegar, de dentro da cidade, anda por um ramal ok, chega na entrada da fazenda e desembolsa 30 mangos. Parece caro, mas assim, o lugar de fato é estruturado, e as trilhas são suspensas, até mirante e local para descanso ou piquenique tem. E a loquinhas é uma das trilhas, A cachoeira mesmo é a das esmeraldas. vai por mim, rola O poço do sol, que de sol não tem nada, gelado que nem o cão isso aí O poço do sol é um bem conhecido nas fotos, e o último da trilha loquinhas, ele é semelhante à da Santa Bárbara no quesito cor da água, mas este é esverdeado ao invés de azul. E ele é tão lindo quanto G E L A D O! Saía da água com o corpo dormente, em nenhuma de São Jorge tinha acontecido isso *lerigo.....go....* Ah, que coisa boa As trilhas são compostas de pocinhos, alguns ok, alguns bem sem graça e alguns lindos e fundos para nadar. Além do poço do Sol, adorei o poço da xamã, da trilha loquinhas, o poço do Saci, da trilha violetas, e o tranquilitas, da trilha rubi. Achei o poço da Xamã o mais bonito do local, tbm. O magnífico poço da Xamã O poço do Saci. Será que foi o Saci que botou esses totens? Tranquilitas. O grupo ficou uma boa parte do dia aqui, cochilamos até, no poço tranquilitas (olha o nome também ne), decidimos que a Cristais não seria bem aproveitada no dia, então voltamos para o hostel e camp mais cedo. Com tempo de sobra, tratei de procurar aluguel de Bike. Eu perguntei no fórum, há uns tempos atrás, mas ninguém me respondeu, então cabe a mim a decência de dizer: HÁ ALUGUEL DE BIKE SIIIM!!! Tanto em São Jorge quanto em Alto. Aluguei uma no paraíso das bikes pq precisava pedalar na cidade, e curtir o pôr do sol na estrada de São Jorge (que aliás, possui uma ciclovia bacana). Já me sentia um só com o cerrado, um lobo-guará em formação, correndo pelos campos de gramíneas e arvoretas...melhor sensação do mundo, vai por mim. Estacionamento errado, chapa! Indo para o jardim. O ar esfria mas o sangue ferve de excitação Pôr do sol na estrada com a magrelinha Após isso, só restava dormir cedinho, e pensar no quanto a semana estava sendo bacana, com tanta coisa para conhecer. O dia seguinte tecnicamente seria o último dia de chapada, então a tristeza, saudade de casa, entre outras coisas, começavam a se misturar. Noite afogada em pensamentos, quase não dormi. 7º dia: Fechando com chave de ouro num cartão postal Nesse dia, ficou decidido que visitaríamos a badalada catarata dos couros. Ela é um pouco problemática, pois fica no meio do cerrado e de ramais de fazendas, assentamento de sem-terra, campos de milho e abdução, e outras coisas mais. Guia é uma boa para essa, mas eu fui no CAT e nada de aparecer guia na manhã. Então surge a nossa salvação: um casal de moças resolveu ir “na cara e na coragem” usando o Waze (obrigado desde já e sempre, casal do Waze, vcs são fodas demais ), me meti na conversa, perguntei se podíamos acompanhar elas, por elas tudo bem. Eu já sabia que a trilha estava no google maps, mas como vc anda por uma hora dentro de ramais e ramais em território desconhecido, um erro e vc para na casa do leatherface kkkkkkk então era melhor ir de guia. Mas como tempo é precioso... Conseguimos. Por uns instantes pensamos que estávamos perdidos, mas enfim chegamos. Eu vou deixar uma dica aqui, mas que seja nosso segredinho, senão a associação dos guias de Alto bate aqui em casa, ok? há pouquíssimas placas da cachoeira nos ramais, mas vc pode usar o rancho da dona Luzia como referência, há referências no caminho, se vc estiver indo ao rancho da Luzia vc está no caminho. Vimos uma Seriema no final, mas não deu pra tirar foto. No estacionamento tem umas banquinhas pra vc comprar água ou comida, e paga um valor simbólico pro guarda cuidar dos carros. Acho super justo uns 15 reais simbólicos. A trilha é fácil a média, você chega primeiro na cachoeira da muralha, que é linda e a melhor para o nado. Pode ser deixada por último, para vc andar menos. La muralha Show de bola pra nadar Para ir para couros, só seguir a trilha do lado esquerdo do rio, há lugares nas corredeiras para tirar boas fotos e nadar também. Lindo, mas o melhor estava por vir Eita poha Cheio de curvas e poços para o banho....mas aguenta coração ae Caraca! Não imaginava que a imponente Couros fosse tão grande! Você precisa descer um tantinho para chegar na base dela, e dependendo da época do ano, ficar na base dela é arriscado, realmente o lugar é perigoso, pq um passo em falso e vc é arrastado para os níveis inferiores, fraturas e afogamentos não devem ser difíceis ali, então tome muito cuidado. Se Choveu, melhor sair fora. aviso dado. Para vc ter uma idéia do tamanhinho da bichinha Nível inferior, rola um banho, mas com cuidado. Passamos um tempo em todos os lugares, e no final da tarde, retornamos, enfim, para Alto. Se vc for sem guia, é bom que memorize as referências dos ramais, há sempre uma porta, placa ou peculiaridade de uma bifurcação que pode te ajudar. Dá para se perder sim, então leve combustível suficiente para evitar perrengue. A noite de sexta se resumiu em afogar as mágoas (os lugares badalados estavam abertos), e andar mais pela cidade, há sempre algo novo para se ver. Percebi que o povo goiano gosta muito de açaí e caldos diversos. Bem legal isso. Caldo combina com o frio, também, ne... Ah sim, há muita opção vegan e alternativa de comidas, também. Enfim.....a Chapada dos Veadeiros é mágica, misteriosa, repleta de histórias, uma verdadeira aquarela da humanidade, com tantas culturas e caras diversas em um só ponto, é um lugar onde passaria meus anos finais de vida, com certeza. O globo repórter fez uma ou duas matérias sobre o lugar, mas sabe.....aquilo só te dá uma noção mega superficial do ato de estar chapado pela magia daquele ambiente sobre a grande placa de quartzo. E com certeza será local de férias em oportunidades futuras. =) Agora as infos básicas: Transporte: Como é sabido, de BSB para alto vc pode pegar um ônibus da Real Expresso, a viagem é demorada, diz que os bus costumam atrasar.....para são Jorge existem viações e transportes específicos, pelo que vi num ponto da vila. Mas a cultura da carona existe. No Face existem vários grupos. Só entrar e anunciar. Em alto Paraíso existe uma parada de ônibus perto da nave espacial da cidade, é o point de carona. Em são Jorge o point é numa parada de ônibus na entrada da vila. Mas a melhor opção sem dúvida é carro próprio. Hospedagem: isso não chega a ser um problema se vc não está indo em temporada alta, em casa esquina há um hostel ou camp, alguns ok, outros meia-boca, e outros de excelência, vai do seu gosto. Custos: olha, rachando em grupo vc gasta menos do que o esperado, mas de uma maneira geral essa chapada tem um ótimo custo-benefício. Levei R$ 1.500,00 em espécie, fora o cartão, e ainda sobrou, e olha que gastei loucamente em algumas besteiras. Sendo mais “Julius”, poderia ter gastado em torno de 1.200,00, e isso incluindo um final de semana em Brasília que fiz após a viagem! Levo dinheiro ou cartão? Leve ambos, em muito lugar de alto e São Jorge vc pode passar o cartão. Eu achei tudo bem seguro ali, então levar dinheiro em espécie (devidamente guardado) é super de boa. Posso confirmar que tem itaú e casa lotérica em alto paraíso e banco do brasil em cavalcante (mas não confie muito nos serviços). Não cheguei a ver caixa em São Jorge. melhor época: o mês de maio é uma transição entre a época úmida e seca, então chega a ser uma boa pois vc vai pegar cachus caudalosas e céu limpo. E ainda não será alta temporada. Por que não ir no verão: cachoeiras e poços mais secos, sol mais forte. Por que não ir no inverno; Atrações fechadas pelo risco de trombas d’água, água não tão cristalina. Lá pro meio do ano rola o tal encontro de culturas, então se vc é caça-festa, acho que vai encontrar a chapada bem animada. O que levar: além do básico pra viagem, recomendo roupa pro frio (para andar de noite e dormir), protetor solar e labial forte (estou com ferimentos nos lábios até agora em virtude da secura, e olha que usei protetor labial e me mantive hidratado), MUITA, muita água mesmo, e lanchinhos para as trilhas (vc vai passar o dia fora, dependendo do lugar, com os lanches certos vc nem chega a passar fome, comidinhas com fibras, sementes, sucos, frutas e sanduíches são uma boa). Quanto tempo ficar: olha, mesmo com uma semana, faltou conhecer muita coisa. Eu não fui na cristais, almécegas, raizama, que são bem conhecidas, entre outras, a chapada é IMENSA, opção não falta, para todos os bolsos, pra isso, faça uma pesquisa prévia a respeito do que lhe interessou. Tem canionismo, tirolesa, vôo de balão, a pessoa que vive em 220v (que nem eu) fica bugada com tanta alternativa Se não conheceu tudo, já reserve uma visita futura, quem sabe vc não vê os etzinhos... Ah, devo contratar uma agência? NÃO PRECISA! Essa chapada te dá uma liberdade que muitos lugares não dão, vc pode ir de boa para muitos lugares por conta própria. Aproveite. Então é isso, gente boa. Permita-se, e seja abduzido(a) também =)
  47. 9 pontos
    JOHANNESBURG – JOBURG, OU JOZI Dia 23/08/2018 (Quinta-feira): Chegada pela manhã, Bairro Sandton, feira de artesanato (Maude Street, 20, das 9h-16h), Nelson Mandela Square. Voamos de LATAM internacional pela primeira vez, um voo de pouco mais de 10 horas entre São Paulo – Joburg. Apesar da comida ser honesta, e de não termos maiores problemas com bagagens e etc, evitaria novos voos pela cia se possível. O espaço entre poltronas é ruim, o entretenimento é ruim (especialmente para crianças) e as facilidades são poucas e insuficientes. O valor cobrado é igual ou superior ao de grandes companhias e não corresponde ao que já experimentei na Swiss, Emirates, KLM e etc. Mas sem maiores problemas, voaria novamente se pegasse promoções. Chegamos em Joburg na manhã do dia 23 de agosto, no aeroporto internacional (O.R. Tambo), e acabamos perdendo bastante tempo entre trocar dinheiro (evite trocar no aeroporto, taxa ridícula de alta), comprar chip de internet e estas coisas. Chegamos no hostel por volta das 12hs e tb tivemos que esperar um pouco para o término da limpeza do quarto. UBER aeroporto – hostel: 153 Rands Como já disse antes, o hostel é legalzinho e muito barato. Ficamos numa espécie de quartão que se assemelhava a um apartamento, com 2 quartos, cozinha, banheiro, limpo e honesto, mas a internet era péssima e a localização idem, gastamos uma grana com UBER. Talvez valha mais a pena pagar um pouquinho mais e ficar melhor localizado, mas para poucos dias foi bem ok! Deixadas as malas decidimos começar nosso passeio pelo Bairro Sandton, onde fica o complexo Madela Square. UBER hostel – Sandton: 198 Rands O Bairro de Sandton é um bairro nobre, com hotéis, bares e restaurantes de luxo. O complexo Mandela Square, além do shopping, praça, tb tem diversos restaurantes e ambientes de negócio. A estátua do Mandela está no átrio desta praça (FOTO 2). Bem pra turista ver e bem diferente da Joburg que conheceríamos melhor no dia seguinte! Andamos por ali e acabamos comendo num restaurante que não lembro o nome. Depois fomos passear por uma feirinha que tem na rua Maude, em frente ao Mandela Square... como era nossa primeira feira, ficamos bem de boa, mas os preços lá eram bonzinhos e dá pra negociar. Voltamos pra curtir um happy hour num bar chamado “Bootlegger” (FOTO 3), que tinha promoção de 50% off em determinados horários. FOTO 2: Mandela Square! FOTO 3: Banho ainda não teve mas a gente já tá bebendo! Bootlegger. Voltamos pra casa no fim da tarde (UBER 210 Rands) e fomos pro mercado (Rede Pick and Pay, tem no país todo) pra comprar comidinhas de fazer em casa mesmo e vinhos, afinal, estávamos cansados e com horários bagunçados. A África do sul está no fuso GMT+2, ou seja, cinco horas a frente do Brasil. Olha que fofura este vinho (Tall Horse) com código de barra de girafinhas! (FOTO 4). Aliás, amantes do vinho, vcs estão no paraíso na África do Sul. Vinhos que aqui no Brasil custam 60 reais por exemplo, lá custa 15. Este (Tall Horse) era cerca de 10 reais e bem bom! FOTO 4 : vinhos da noite! Depois de comer congelados e tomar vinho em xícara, os viajantes foram dormir! Obs. Valores de UBER para 2 casais, valores de refeição para 1 casal Gastos do dia casal: (inclui metade da hospedagem que ficou de ser paga no local e chip de celular com plano de dados) – 1100 Rands + 280 UBER. Dia 24/08/2018 (Sexta-feira): Centro (Free Walking Tour), Apartheid Museum. Acordamos um pouquinho mais tarde e com calma e conforme decidido na noite anterior, nos dirigimos ao “City Perk Cafe” (UBER 96 Rands), de onde saem os tour do “Jozi Free Walking Tour”, aqueles passeios a pé guiados por voluntários onde você paga o que quiser, se quiser. O City Perk (FOTO 5) é um café que fica no centrão de Joburg, e lá tomamos um café reforçado (153 Rands) e aguardamos o início do free walking! FOTO 5: City Perk! O Jozi Free Walking Tour tem página no face e foi MUITO bom. Além de nós 4 só tinha mais um americano. A Sethu foi nossa guia e manjava muito do que estava falando. Ela é da etnia Xhosa que fala uma língua de mesmo nome sensacional, com “clics” na fala (click spoke). O rolê é de cerca de duas horas pelo centro e se aborda principalmente assuntos ligados ao Apartheid, Mandela e arquitetura, sensacional. FOTOS 6 a 10 FOTO 6: Nós e a Sethu! FOTO 7: Um pouco do Centro de Joburg! FOTO 8: Brutalit Archteture! História nas fachadas! FOTO 9: Mais um pouco do centro! FOTO 10: Sethu linda! O passeio pelo centro foi uma catarse, aprendemos muito! Eu era classificada como “branca” e meus companheiros como “coloreds”, e isso fazia diferença. Meu cabelo escorrido podia ser alvo de roubo (!!!!!!!!) e essa onda lisa nunca sai de moda por lá! Elas são aficionadas pelo liso, usam perucas e tudo! E poxa, aqueles cabelos trançados são sensacionais!!!!!! Eles estão agora acordando pra riqueza e beleza de sua cultura, mas as cicatrizes do Apartheid ainda são muito vivas! O centro é complexo como o centro de qualquer cidade de milhões de habitantes, nada diferente de São Paulo por exemplo... onde tb não se pode ostentar máquinas fotográficas e celulares... o que se fala além disso é preconceito e terrorismo! A-M-E-I! Pagamos 75 Rands cada casal pra Sethu (valia muito mais!) e voltamos pro City Perk pra almoçar (300 Rands por casal, FOTO 11) FOTO 11: Almoço em City Perk! Do centro seguimos para o Museu do Apartheid de UBER (65 Rands), onde ficamos a tarde toda. A entrada do Museu é 95 Rands por pessoa. O que falar deste Museu? É lindo, é triste, é um tapa na cara, e mostra o quão fundo pode chegar a ignorância do homem branco! É uma aula de história. As fotos podem ser feitas apenas na parte externa, embora haja gente idiota fotografando onde não pode. Não vou me alongar e nem ficar colocando muitas fotos, TEM QUE IR. FOTO 12 FOTO 12: Apartheid Museum! A gente ri antes de entrar, mas lá dentro quase chora! Saímos do Museu pq fomos expulsos, rs (fecha as cinco) e tentamos ir num mercado diferente do que tínhamos ido anteriormente, perto de casa. Fizemos merda no caminho de volta, pois nosso bairro de subúrbio não era muito amigável pra se andar a pé a noite. Tivemos que pegar vários UBER, andamos um pouco em uma rodovia com medo, e acabamos num mercado meio sinistro onde vieram nos alertar de que ali não era seguro. Mas no fim conseguimos comprar comida e voltar pra casa sãos e salvos. Gastos do dia casal: 800 Rands + 180 UBER Dia 25/08/2018 (Sábado): Neighbourgoods market (9h-15h), Hotel Carlton Centre, Soweto, Nelson’s Mandela House, Orlando Towers A gente sempre avaliava na véspera o que faríamos no dia seguinte, e mesmo já tendo uma lista pré-selecionada de coisas a fazer constantemente mudávamos os planos. Planos existem para serem alterados afinal! Neste dia resolvemos começar pelo Neighbourgoods Market (FOTO 13), que tb fica meio que no centro. Este lugar é meio que um mercado municipal, mas não é muito grande. São apenas dois pavimentos. Em um vende essencialmente comida, no outro além de comida tb tem artesanato e artigos diversos. FOTO 13: Neighbourgoods Market Comemos vários coisas, os meninos tomaram chops locais, eu experimentei vinho orgânico (FOTO 14) e apreciamos os artesanatos. Aqui tudo é MUITO caro, MUITOOO, e pra dizer que não comprei nada, tarada que sou por meias, comprei uma meia da bandeira da AS por quase 30 reais... coisa que a gente só faz quando tá viajando, kk. E tb uns potinhos de porcelana desenhados, mas estes não foram caros. Ah, a vista do terraço vale a pena! (FOTO 15) FOTO 14: mesas coletivas em Neighbourgoods Market FOTO 15: Vista do terraço em Neighbourgoods Market De lá resolvemos andar de novo pelo centro onde tínhamos passado com a Sethu no dia anterior e subir no “TOPO DA ÁFRICA”, que foi o prédio mais alto da África por muito tempo, hoje superado por um edifício no Quênia se não me engano. Trata-se do Carlton Centre, que como muitos prédios do centro de Joburg, está vazio (especulação imobiliária e diversos outros motivos explicam). Custou 30 Rands por pessoa. A gente sobe até o andar 50 de elevador e de lá tem aquelas vistas panorâmicas comuns nestes tipos de prédio (FOTO 16). Interessante é ver a antiguidade do prédio... achei que valeu! FOTO 16: vista do TOP OF AFRICA. Quando descemos estávamos no umbigo do centro, com feiras quilométricas e camelódromos! Andamos bastante por ali, passeamos pelo “Fashion District”, que é uma parte lotadésima do centro especializada na venda de roupas e acessórios... foi interessante, mas MUITO lotado. Nada turístico, só locais. Tipo uma 25 de março. Cansamos de andar e estávamos de bucho cheio ainda... vamos pro SOWETO sozinhos? Vamos. No dia anterior a gente tinha tentado combinar com um amigo da Sethu pra nos guiar no Soweto, mas ele não podia. Vimos algumas opções pela internet mas todas muito caras! Mas tem muito, de bike, a pé, enfim! Conversamos com gente no mercado (Neighbour) e nos disseram que era sussa ir sozinhos, então partimos. Eu já tinha lido que era seguro, queria guiado pra enriquecer nossa experiência, mas não rolou, vamos sozinhos mesmo. A ida de UBER foi 200 Rands, fomos direto pra casa do Mandela (60 Rands por pessoa). A casa é pequena e carregada de simbolismo, mas nada de outro mundo (FOTO 17). FOTO 17: Casa do Mandela. Ao redor da casa tem kilos de barraquinhas vendendo coisas e algumas pessoas insistentes tentando guiar, tentando vender, enche um pouco o saco. Paramos em um restaurante próximo pra tomar uma cerveja e não deu coragem de comer, MUITO caro. E a gente nem tava com fome. Compramos umas poucas bobeiras por perto, Gui quis uma camiseta do Mandela, que era cara (175 Rands), mas toda camiseta era cara na AS, e decidimos ir pra Orlando Towers, outro lugar turístico do Soweto. 42 Rands de UBER até lá. As Torres ficamos no meio do nada, numa rodovia, e são antigas usinas termelétricas, a principal fonte de energia no país. Se vc andar pelas estradas vai vê-las o tempo todo. Estas estão desativadas, atualmente estão pintadas com temas de patrocinadores, e em seu interior são praticados esportes de aventura, como quedas livres e saltos de bungee jump (entre as torres). Fiquei tentada, mas era tudo muito caro. Não se paga pra entrar, as fotos ficam legais e lá tb tem um bar-balada. Tentamos ficar no bar-balada, mas o som estava MUITO alto, a gente não conseguia entender os garçons e não achei que eles estavam animados em nos atender tb. Depois de algum tempo desistimos. FOTOS 18 a 21 FOTO 18: Orlando Towers! FOTO 19: Eu e a parça! FOTO 20: A trupe completa! FOTO 21: Uma das torres por dentro, queda livre na rede! Aliás, apesar da cordialidade do povo sul-africano, o atendimento de garçons e pessoas dos aeroportos é ruim em média. Enfim, queríamos ir num mercado... tem algum aqui perto, perguntamos pra alguém. Com alguma dificuldade nos indicaram o “BARA MALL”, shopping que ficava a 500m dali, onde se encontrava o SHOPRITE, mercado local. Fomos caminhando pq nenhum UBER ia aceitar uma corrida tão curta, mas o caminho foi bizarro... por meio de rodovias cheias de gente e lixo, um lugar ermo. Não senti medo, mas era esquisito. FOTO 22. O mercado foi um capítulo a parte... FOTO 22: caminho para o mercado - SOWETO. Apesar do Soweto conviver com muitos turistas hoje, os turistas não vão no mercado deles... era como se fôssemos ETs ali... tinha muita gente e a sensação era estranha... as pessoas pararam pra nos olhar, crianças nos apontavam e diziam, olha, ingleses!!!! Fiquei um pouco intimidada, não sabia o que pensar, se seria hostilizada... mas nada aconteceu além dos olhares incisivos de MUITA gente, sério, filas inteiras olhavam pra nós! Fizemos uma compra maior pq no dia seguinte partiríamos para o Kruger. Tb compramos bebidas no Liquor shop e estouramos o orçamento de 1000 Rands diários... total do dia 1400 Rands + 295 de UBER por casal. Sobre o Liquor Shop: Na África do Sul é proibido vender bebida alcoólica no mercado, exceto vinho que é considerado produto agrícola!!!! Sempre ao lado do mercado tem uma “Liquor Shop”, que vende cerveja, whisky, amarula (muitas marcas, muito barato), licores e etc. Ela pertence ao mesmo dono do mercado, mas tem nome e horário de funcionamento diferenciado. Ninguém sabe explicar o porquê disso... é lei e pronto. Dizem ser coisa dos países da coroa (britânica) e não há informações na internet. Simplesmente não pode. E mesmo o vinho do mercado, depois de determinado horário, é gradeado e há dificuldade pra comprar em alguns locais. Fomos pra casa arrumar as coisas, no dia seguinte partiríamos para o Kruger! RESUMO JOBURG A cidade é grande, caótica, as vezes suja, as vezes linda. Não entendi como funciona o transporte público direito, mas de toda a nossa viagem, foi onde eu vi a ÁFRICA! A população é majoritariamente negra e as marcas do Apartheid ainda pulsam. Tem gente que ainda te olha de cabeça baixa, que ainda acha que é menos. É um choque. Estão acordando ainda... para sua beleza e sua força. Eu já admirava Mandela, agora sou apaixonada infinito! Ele e outros tantos iguais a ele que foram ignorados pela grande mídia! Gostei muito de Joburg! Gostei de conhecer! Muita gente pula Joburg, faz dela apenas uma cidade de conexão... mas a cultura da África do Sul está aqui! É fato que se vc tiver pouco tempo, é de se pensar uma estadia aqui... mas para quem tem tempo, fique uns dias! A cidade é perigosa tanto quanto as nossas... aliás, lá não se tem a violência que temos no Rio de Janeiro por exemplo. Podem até bater sua carteira, mas não vão botar uma arma na sua cabeça! Então este papo de insegurança bizarra não é real... é só ficar atento como ficamos aqui! Não usei câmera, só celular... por exemplo, mas foi bem de boa. Johannesburg... Joanesburgo... Joburg... Jozi... Vá! CONTINUA...
  48. 9 pontos
    Salve, pessoal! Eis o relato resumido de 38 dias que passei mochilando em São Tomé e Príncipe, Gabão e Angola, incluindo um bom trecho de bicicleta nesse último. Isso ocorreu entre junho e julho desse ano. Quem quiser mais detalhes, pode conferir em meu blog de viagem Rediscovering the World. Preparativos Em agosto de 2017 surgiu a primeira de várias promoções no site Melhores Destinos para São Tomé e Príncipe (STP), o 10º país menos visitado no mundo naquele ano. Não perdi a oportunidade; logo comprei por 1690 reais a ida (02/06/18) e volta (09/07/18) saindo de Guarulhos pela TAAG. Nos meses seguintes tratei do planejamento. Fiz as reservas de São Tomé pelo Airbnb, pois além de estarem mais em conta, como o pagamento é antecipado eu não precisaria levar tanto dinheiro, já que não dá pra usar cartão de crédito em São Tomé e Príncipe (se precisar sacar, pode ir num hotel chique e pagar uma comissão). Desde 2015, brasileiros não precisam mais de visto para esse país, então foi uma burocracia e custo a menos. Como são 2 ilhas, precisei comprar os voos para a menor delas, Príncipe. Custaram 153 euros pela Africa's Connection, mas poderiam ter custado 102 pela STP Airways se eu tivesse tido sorte na escolha das datas. Outro país que visitaria durante esse tempo seria Gabão, pois há voos diretamente de STP, e o visto pode ser emitido pela internet previamente (85 euros), o que tentei no mês anterior junto com a compra das passagens aéreas (173 mil francos ~ 264 euros) pela Afrijet. Um dia antes da viagem o visto foi recusado sem motivos, então eu tive que fazê-lo no meio do caminho. Se fosse negado novamente, poderia ainda tentar na chegada. O último país a ser acrescentado foi Angola, pois tive sorte de um dos países mais fechados do mundo começar a processar pedidos de visto rapidamente pela internet (120 dólares) e sem necessidade de carta de indicação. Com sucesso, o emiti no mês anterior à partida, já que essa autorização deve começar a ser usada em até 30 dias de sua aprovação. As passagens desde STP até Luanda saíram por 345 dólares pela TAAG. Dia 1 Em 2 de junho de 2018, parti de Floripa a Guarulhos pela LATAM (129 reais), escapando por pouco da greve dos caminhoneiros. No fim da tarde, embarquei na estatal angolana para a longuíssima conexão em Luanda. O avião parecia novo, mas minha tela de vídeo não tava funcionando e a poltrona do lado não reclinava. Ao menos as refeições estavam boas. Dia 2 Dormi pouco no voo. Ao desembarcar no aeroporto, fui direto pra zona de conexão. O saguão melhorou um pouco em relação ao que vi há um ano, agora com ar e wi-fi, mas ainda não é o suficiente pra se passar 16h dentro dele esperando o voo seguinte! Só me restou dormir na cadeira e botar a leitura em dia no meu dispositivo Kindle, enquanto comia o que trouxe de casa, já que na cotação oficial o preço das refeições fica proibitivo. Dia 3 Assim que virou o dia eu desci em São Tomé, a maior das 2 ilhas do segundo menor país da África. Só que minha entrada não foi nada tranquila. Mochileiros não parecem ser bem-vindos por aqui. O dinheiro que eu tinha (600 euros) e as reservas feitas no Airbnb não foram suficientes pra comprovar que eu tinha vindo a turismo, então tive que me explicar pra uma carrada de gente diferente e ter a bagagem minuciosamente revirada num processo desgastante. O Maxime, francês que me hospedaria nas 3 primeiras noites, foi até chamado pra resolver minha situação. Depois que me livrei, ele me levou até sua casa, um lugar decente pra ficar. Dormi pouco novamente, sendo acordado por barulhos de crianças ao redor da casa. Tomei um café da manhã bem tardio e peguei um moto-táxi pra capital (15 dobras). Lá troquei um pouco de dinheiro, na cotação de 25 dobras por euro. Logo achei onde ficavam as vans amarelas que transportam a população local entre cidades de forma econômica. Rapidamente a que peguei encheu, e meia hora depois eu saltei na Lagoa Azul, pagando 20 dobras pelo transporte. Caminhei na praia vulcânica cercada por baobás, reparando nas poças de maré com corais, até subir um morrinho e ver porque possui esse nome. Havia poucas pessoas mais na praia quando larguei minhas coisas sem valor na areia (aqui já ocorreram furtos) e caí na água com o equipamento de snorkeling emprestado pelo Maxime. No mar, apenas peixes e corais simples, uma moreia, uma estrela e muitos trombetas. A única coisa mais interessante que vi foi o maior cardume que já presenciei. Deixei a praia e peguei uma van no mesmo sentido até Neves, por mais 10 mil. Dessa vez não fui espremido dentro, mas no compartimento de carga! Neves é uma antiga roça que foi tomada pela população quando se deu a libertação do país. É uma comunidade pobre. Lá eu comi num dos restaurantes mais famosos da ilha, pois servem as santolas, grandes caranguejos. São bons, mas dão um trabalho pra quebrar suas patas, e quem come que tem que o fazer. Custou 250 dobras. Ali também provei a única cerveja local, a razoável Rosema (20 dobras), produzida no mesmo vilarejo. Já com o sol baixando, peguei o transporte de volta, onde sofri assédio sexual - pena que a agressora era velha demais. Os sorridentes santomenses são muito simpáticos, no entanto, e o fato do idioma ser o mesmo ajuda muito na interação com eles. No caminho a pé até a hospedagem, parei no supermercado CKDO, o maior do país junto com o Continental no centro. Há apenas uma prateleira de produtos locais, pois quase tudo é importado. Entre o que é da terra, chocolate, cacau, café, chips de banana e fruta-pão, além da açucarinha. Esse é um doce feito com coco, mas que não apreciei muito. Nem um outro feito com banana. À noite troquei umas ideias com o Maxime e depois finalmente dormi. Dia 4 Para este dia acabei sendo convencido pelo Maxime a fazer um tour com ele em direção ao sul da ilha até o Ilhéu das Rolas, já que havia uma grande chance de eu não conseguir transporte para voltar de lá no fim do dia, caso fosse por conta própria. Paguei 60 euros por tudo, dividindo com sua amiga francesa Marielle. Primeira parada na Roça Água Izé. Ali vimos o hospital, a primeira das muitas ruínas do que restou das construções lusitanas abandonadas quando da independência do país em 1975. Todas as roças, fazendas com infraestrutura completa voltadas às maiores produções de São Tomé e Príncipe, como o cacau, foram entregues à população nativa, que sem instrução não soube como gerir. Como resultado, os prédios viraram algo como um cortiço e as plantações decaíram, então é quase tudo só na subsistência. Abaixo, paramos na Boca de Inferno, estrutura geológica no mar por onde as ondas violentas entram e fazem um show. Mais além, a estrada começa a piorar e a quantidade de veículos reduzir a quase nada, apesar de ser a única ligação ao sul da ilha. Enquanto ao redor da estrada só havia selva, eis que surgiu junto com uma plantação de palma (de onde se extrai uma bebida chamada de vinho) o fonólito Cão Grande. Este é um pico impressionante por seu destaque solitário na paisagem. Paramos na Praia Inhame, onde almoçamos na pousada chique que lá fica exclusiva. Lá mesmo tomamos um barquinho até o Ilhéu das Rolas. Achava que nessa ilhota havia apenas o resort da Pestana, mas há um vilarejo que já estava presente antes mesmo do hotel. O guia Pedro nos acompanhou, levando até o marco da Linha do Equador, onde há um monumento que marca o ponto exato onde a descarga muda de sentido horário pra anti-horário. Depois caminhamos até a Praia Café. A maré estava com uma correnteza fortíssima, o que infelizmente impossibilitou o snorkeling, que dizem ser bom ali. Com isso, ao final da tarde retornamos. No meio do caminho, policiais nos pararam para checagem. Não falaram nada sobre o motorista que estava sem cinto, mas implicaram porque eu estava sem camiseta, pode isso Arnaldo? A chegada foi à noite na capital. Depois do banho, fizemos uma degustação de vários licores artesanais com plantas típicas do país, como jaca, canela e até mesmo framboesa. Depois disso eu escrevi essas palavras meio alterado e fui dormir. Dia 5 Antes de tudo, fui à Embaixada do Gabão fazer meu visto de turista. Precisei apenas preencher uma folha, entregar meu passaporte, uma foto e 70 euros. Sem filas e sem incomodação. Visitei parte da capital pela manhã. Primeiro adentrei o Forte de São Sebastião (50 dobras). É um museu que através de artefatos conta um pouco a triste história da colonização portuguesa. Quase não há informações escritas, no entanto. De lá, segui pela orla da capital mais tranquila em que já estive. Há muitas construções do período colonial, mas a maioria está mal conservada, com exceção do imponente Palácio Presidencial e sua catedral vizinha. Almocei no recém-aberto restaurante Camões, onde comi um prato com búzios da terra (caramujos) por 120 dobras. Curti a ponto de repetir numa outra ocasião. Após, peguei minhas coisas e fui pro aeroporto, embarcando no voo para a Ilha de Príncipe com a Africa’s Connection, empresa banida de voar pra Europa devido à insegurança das aeronaves. Bom, mas a concorrente também está banida, e a viagem pelo mar não é mais segura que a de avião, então não tive escolha. Embarcamos num aviãozinho a hélice eu, coincidentemente outra brasileira com um português, e mais 2 turistas apenas. No final, tudo correu bem no voo de 40 minutos de duração. O que ocorreu melhor ainda foi que o casal estava indo para o mesmo caminho que eu, então consegui uma carona com eles de graça até a Roça Belo Monte, de onde peguei uma trilha na mata, ouvindo um monte de pássaros, até a Praia Boi, lugar em que estendi minha rede entre coqueiros e areia dourada. Achei que passaria a noite sozinho, mas a certa distância 2 jovens também pernoitaram pescando. Além disso, um número infinito de caranguejos também saiu da toca ao cair a noite. Os mosquitos incomodaram no começo, mas o repelente com icaridina que usei funcionou. Dormi ao som do mar, à luz de um farol e de milhares de estrelas. Dia 6 Não fui morto ou assaltado por humanos, mas os caranguejos malditos fizeram um estrago legal na camiseta que deixei fora secando. Deixei a Praia Boi e fui à seguinte, Praia Macaco. Aparência quase igual à anterior, exceto por um detalhe: há construções em ruínas de um antigo hotel abandonado que não resistiu ao baixo número de turistas. Subi o morro de novo até o Hotel Roça Belo Monte. No caminho, consegui fotografar os ariscos papagaios-cinza-africanos. Como não havia nenhum outro restaurante próximo, almocei nesse que é um dos resorts de luxo. Um prato simples saiu por salgados 15 euros. Admirei um pouco a beleza do hotel e logo mais desci até a praia particular, a Banana. Do mirante dá pra ter ideia do motivo do nome: a faixa de areia é no formato e na cor da fruta. A vista é espetacular. A melhor coisa ocorreu em sequência. Reencontrei o casal Mariana e Ricardo descansando num bangalô. Eles me deram um coco e me emprestaram o equipamento de snorkeling. Com isso, pude explorar o que dizem ser a melhor praia da ilha para esse fim. Entre as rochas à direita e uma praia de areia preta, há o que se ver. Além do interessante relevo submarino, alguns corais, esponjas e peixes pequenos e médios coloridos. Com a boa transparência da água, vi até mesmo uma tartaruga mais afastada. Coloquei um vídeo no meu canal do Youtube. Quando voltei à terra, fiquei sabendo que poderia passar a noite naquele bangalô na areia, com direito a uma ducha muito necessitada, segurança à noite e até mesmo um lanchinho na faixa! Não tinha como ficar melhor. Dia 7 Dormi mais tranquilo nessa noite. Ao acordar, deixei a praia e atravessei a Praia do Caju, onde as crianças corriam devido a uma atividade em comemoração ao Dia do Oceano. Na praia seguinte, a Burra, fica um vilarejo pesqueiro. Ali consegui um moto-táxi que por 50 dobras me deixou na capital, Santo Antônio. Fiquei na Santa Casa de Misericórdia, onde me hospedei. Um quarto simples com ventilador e banheiro compartilhado de chuveiro frio custa 300 dobras (ou 250 se dividir o quarto com outra pessoa), infinitamente menos que os hoteis luxuosos das praias e consideravelmente menos que as outras opções da cidade. Reserve com antecedência, pois há apenas 4 cômodos que lotaram assim que cheguei. Atravessei o Rio Papagaio onde os santomenses faziam suas tarefas diárias, até chegar ao Centro Cultural. Nesse momento só havia uma biblioteca por lá, com pouco livros escritos por autores de São Tomé e Príncipe. Li dois deles, por Olinda Bejo. Lá mesmo almocei um delicioso peixe grelhado com acompanhamentos por 100 dobras. O mercado que fica ao lado não tem quase nada além de peixes e algumas verduras. Continuando a caminhada, vasculhei cada rua do centro da pequena cidade, identificando algumas hospedagens, mini-mercados, restaurantes e demais comércios. Parte das construções é em estilo colonial e estão conservadas o suficiente para uma foto, como igrejas e o palácio do governo. Os demais edifícios governamentais (sempre casas, pois não há prédios de mais que 3 andares em Príncipe) ficam na orla da Baía de Santo Antônio e estão com aspecto decadente. Em busca de informações sobre a Reserva da Biosfera de Príncipe, que toma toda a metade sul da ilha, adentrei seu escritório. No entanto, seu material impresso é bem escasso. Mas aqui podes arrumar um guia, pelo menos. Eles são obrigatórios, ao custo de 25 euros para uma pessoa e mais 5 por adicional, além da taxa de 5 euros para ingresso no parque. Ao lado fica o banco, que em sua parte traseira possui uma biblioteca. Nela, há computadores com acesso à internet. Entre os livros, achei um interessante sobre a parte ambiental do país, o Paraíso do Atlântico - Carlos Espírito Santo. Como fechava às 5h, tive que deixar o ambiente refrigerado. Tomei um banho na Santa Casa antes que a água esfriasse e retornei ao centro para jantar. Parei no restaurante Fofokices, em que o prato do dia era 2 peixes chamados vadu, temperados e acompanhados por fruta-pão. O conjunto estava custando apenas 60 dobras. Como estava barato e eu comecei a conversar com um outro viajante sulafricano da mesa ao lado, resolvi tomar duas cervejas nacionais, por 30 dobras cada. Dia 8 Ao acordar, peguei uma carona de moto até o Hotel Bombom por 80 dobras. Na entrada, percorri um dos trilhos da Fundação Príncipe Trust, o da Ribeira Izé. Inicia-se atravessando um riacho e dali em diante é só mata, com algumas subidas, bastante lama e muitos mosquitos. Não está muito bem mantido. O final é uma travessia por uma árvore sobre a foz que chega à Praia Bombom. Eis outro dos resorts caros de Príncipe. Uma ponte liga à paisagem cênica do Ilhéu Bombom. Como o almoço em seu restaurante custava 30 euros, me contentei com uma barra de proteína que levei. Fiquei um tempinho usando o wi-fi liberado, antes de continuar por outra das trilhas, no próprio ilhéu. Essa caminhada é mais curta mas tão interessante, pois há algumas vistas, árvores enormes e até uma feição geológica submarina que espirra água. Passei através do hotel e peguei a moto para retornar. No que aparenta ser o mais completo “supermercado” da cidade, ainda muito aquém de qualquer estabelecimento brasileiro, comprei a coisa mais barata que achei para comer, já que estava com a grana a curta: um vidro de feijão cozido por 25 dobras. Depois disso, aguardei os 5 portugueses hospedados na Santa Casa para jantarmos fora. O problema de se andar em grupo é que tudo se desenvolve mais lentamente. Morto de fome, tive que aguardar 2 horas para eles se aprontarem. O resultado foi que os restaurantes já estavam sem comida, então só sobrou um com um frango de 150 dobras. Dia 9 De manhã fui até a entrada do Parque Nacional em Terreiro Velho na motoca (50 dobras). Chegando lá pensei que poderia entrar por conta própria, mas os guias estavam controlando a entrada, então tive que fazer um acerto, para me colocarem com um trio que havia recém iniciado a trilha. Até que foi bom, pois eles estavam mais interessados nos animais, mesmo os pequenos, do que na chegada, assim como eu. Um deles estava inclusive inventariando a fauna, e acredita que uma espécie de opinião (parente da aranha) minúsculo que eu achei possa ser uma espécie nova! Animados, seguimos morro acima, numa trilha tranquila, até avistarmos a Cascata Oque Pipi. Não havia muito volume na queda por se tratar do período seco, mas isso não tirou a beleza do cenário e a vontade de se jogar naquela água super refrescante. Meu tênis velho finalmente se desfez da parte da frente. Consegui grudar de volta com a cola para pneu de bicicleta que levei. No que sobrou de tarde, fiquei apenas conversando com uns nativos. Me reuni com os portugueses novamente para a janta, o que não foi uma tarefa fácil, pois muitos restaurantes estavam fechados, já que era domingo. Acabamos tendo uma refeição bem completa mas cara no Rosa Pão. O preço normal seria 250 dobras, mas como estávamos em um grupo maior e com voluntários de São Tomé, a Dona Rosa nos fez por 200. Comemos peixe, cabrito, lula, arroz, banana, obobó (feijão, farinha de mandioca e óleo de palma) e mousse de limão. Em seguida, tomamos uma gelada (25 dobras) com nossos novos colegas nativos Leo e Manoel num dos quiosques espalhados pela cidade. Dia 10 Voo de retorno a São Tomé pela Africa’s Connection. Paguei 30 dobras até o aeroporto. Tudo certo no céu. Ao desembarcar, recusei o taxista que queria me cobrar 10 euros (250 dobras) e optei por parar um motoqueiro na estrada, que ficou feliz em receber 25 dobras para me levar à Embaixada do Gabão. Lá eu fui ver se meu visto tinha sido aprovado ou rejeitado. E o resultado foi… aprovado! Para minha surpresa, no mesmo dia em que o solicitei, com direito a 15 dias de permanência (solicitei 8). Almocei novamente no lusitano Camões, dessa vez provando outro prato típico, a cachupa rica (carnes de segunda numa consistência pastosa com feijão, milho e temperos, acompanhada por farinha de mandioca), mais conhecida em Cabo Verde. Pra completar a comunidade portuguesa, o som ambiente era um funk carioca proibidão sem censura. Troquei uns dólares (cotação de 20 pra 1) e peguei um táxi compartilhado para Monte Café (25 dobras). Meia hora de subida depois, cheguei a um dos povoados mais elevados do país, a 700 metros de altitude. Boa parte fica dentro de uma antiga roça que produzia café, como aprendi no Museu do Café (3 euros). A visita guiada por uma das construções antigas lhe mostra através de máquinas, imagens e textos, como funcionava todo o processo do plantio ao grão pronto, por meio do trabalho semi-escravista. Ao final há uma prova da bebida. Já fazia décadas que eu não tomava uma gota de café, pois não gosto, mas abri uma exceção para esse. Peguei um da variedade Arábica, que é mais suave, mas mesmo assim foi difícil terminar uma xícara desse líquido amargo. Pelo visto, não vou provar outro café nunca mais. O resto do tempo foi passado conversando com os moradores locais, simpáticos como seus demais compatriotas, e avistando passarinhos e até mesmo uma cobra, chamada aqui de gita. Essa cruzou à minha frente como se desprezasse minha presença. À noite, a refeição mais cara da viagem, mas também a que me deixou com a barriga mais cheia, boa para que eu parasse de perder peso. Foi na Firma Efraim, produtora de café e cacau, também a hospedagem em que eu ficaria através do Airbnb. Liberei 250 dobras pra uma entrada de búzios da terra com pão, prato principal de uma montanha de feijão à moda da casa com arroz, e doces de maracujá e abacaxi de sobremesa. A respeito das instalações de hospedagem, há um bonito quarto cuja TV não funciona e um banheiro privado com água quente. Isso ao custo de uns 100 reais. Na hora em que fui dormir a eletricidade se foi e não voltou mais, o que é comum no povoado. Por isso há um gerador nessa casa. Dia 11 Depois do café da manhã, segui a trilha da Cascata do Vale do Rio D’Ouro. São 15 km de ida e volta pelo mesmo caminho, que se inicia em Monte Café, passa por uma estrada 4x4 na mata até o vilarejo rural de Novo Destino, e de lá vira para as quedas d'água. A ida foi uma descida bem tranquila. Passei por vários habitantes até o vilarejo. Vi e fotografei um tanto de bichos diferentes, principalmente invertebrados e aves. Ambos lados da trilha possuem uma faixa mista de cultivares, como banana e cacau, antes da mata fechada com árvores enormes surgir à vista. Cheguei na maior das cascatas sem ninguém por perto, e lá fiquei um tempo aproveitando a água gelada para um banho refrescante. A volta foi um pouco cansativa, pois a subida é um tanto íngreme e de vez em quando o sol equatorial saía por detrás das nuvens e castigava. O jantar dessa vez foi polvo, que eu adoro, acompanhada da erva lussua, banana, arroz com cúrcuma, bem como ceviche e escabeche de entrada. Fui pra cama estufado de novo. Dia 12 Tomei uma carona de moto até Bom Sucesso (70 dobras), onde fica a entrada do Parque Nacional Obô. Ali visitei seu jardim botânico. O passeio guiado que demonstra as espécies conservadas no jardim, entre orquídeas endêmicas, samambaias gigantes e outras flores e árvores de São Tomé e Príncipe funciona à base de doações. Em seguida, caminhei até a Lagoa Amélia, que na verdade é uma cratera vulcânica extinta. É recomendado fazer a trilha com guia, pois há bifurcações, a mata é meio fechada e há cobras-pretas, que são fatais. Mesmo assim, pedi permissão para ir por conta própria. O início é ladeado por plantios de hortaliças. Conforme a subida avança, o impacto humano diminui. Mas só vi passarinhos, um morcego e insetos, basicamente. Há trechos onde o tipo de formação vegetal muda, como mais para o final, quando há bambuzais. A uns 1450 metros de altitude fica o banhado da Lagoa Amélia. Não é muito grande, mas possui uma vegetação típica. Encharquei um pouco o calçado e voltei à sede do parque uma hora depois. Na entrada há um bar, onde pode ser que tenha almoço. No meu caso já havia acabado, então me contentei com os 3 sandubas de omelete com micocó, por apenas 10 dobras cada. Desci o caminho de alguns km de volta a Monte Café a pé, parando antes na bela Cascata São Nicolau. Mudei de hospedagem para outra anunciada no Airbnb, a casa de Brice, que fica próxima da anterior. Tem água quente e o quarto é espaçoso, além de ter internet, motivo principal da minha mudança. Dia 13 Meu tênis havia perdido a sola completamente na longa caminhada do dia anterior, mas consegui achar alguém no vilarejo que costurou na mesma hora. O custo foi tão ridículo (30 dobras pelos dois calçados) que até dei um pouco a mais. Regressei à cidade, troquei uns dólares, almocei novamente no Camões, comprei um salgado para mais tarde na Pastelaria Central (35 dobras) e fui até o aeroporto (20 dobras), onde aguardei pelo resto do dia. O avião turbo-hélice da Afrijet atrasou, então já era tarde quando descemos em Libreville, capital do Gabão. No desembarque a imigração foi tranquila, apenas algumas perguntas. Consegui sacar os francos na primeira tentativa (raridade) num dos caixas automáticos do aeroporto. Em seguida, consegui uma carona grátis de um santomense até o muito próximo Hotel Tropicana, onde eu havia feito reserva. Dia 14 Em frente à praia, por 25 mil francos (45 dólares) tive acesso a uma suíte com água quente e ar-condicionado. É um lugar movimentado. Pensei que o café da manhã estivesse incluído, de tão básico que foi, mas ele é pago à parte e custa 5 mil francos. Pior que isso só a internet, que é cobrada ao valor de 2 mil francos para 2 horas de acesso! Conclusão: esse país é caro demais, já que a moeda é atrelada ao euro. Paguei mais 2 mil francos para um táxi me deixar no centro da cidade, quase sem atrações e com pessoas antipáticas. Um fato curioso é que aqui os passageiros barganham o valor da carona, sejam turistas ou moradores. Ao entrar num dos dois conjuntos de lojas de artesanatos, descobri porque o centro estava quase parado: esse dia era Ramadã, feriado muçulmano, cuja presença em Libreville é marcante devido aos muitos imigrantes, pois a capital é mais desenvolvida e oferece melhores salários que seus vizinhos. Por 5 mil francos, comprei 2 máscaras pequenas da etnia Fang no único quiosque aberto. Segui para o escritório da SETRAG no centro, a companhia gabonesa de trem, já que li que o recomendado é comprar os bilhetes dois dias antes. Infelizmente não se pode mais comprar lá, então tive que pagar mais 2 mil francos pra outro táxi me deixar na própria estação de trem, que fica na cidade vizinha de Owendo. Lá levei mais de uma hora na fila para conseguir comprar os bilhetes para Lopé (15 mil cada trecho na segunda classe). Por que diabos não fazem a venda online? De volta ao centro, fui em busca de um lugar menos caro pra comer, já que os 2 restaurantes recomendados pelo Lonely Planet (La Pelisson e La Dolce Vita) estavam fechados a essa hora. Ao caminhar pela orla ao redor, parei pra tirar foto duma obra de arte que diz muito sobre Libreville, “L’esclave libéré”, pois a capital do Gabão foi fundada para receber os escravos libertos. Esse símbolo deveria ser um ponto turístico, mas não havia ninguém por ali, e só depois da foto eu descobri o porquê. Levei uma bronca de um dos militares que guardava o superfaturado palácio presidencial que fica logo atrás, pois não é permitido fazer qualquer registro, e ponto final! Bem que eu queria argumentar com o guarda, mas com uma arma praticamente apontada pra mim, segui adiante. Contudo, ainda consegui uma foto do seguinte prédio majestoso, da corte constitucional gabonesa. Enfim, decidi almoçar na zona dos hipermercados. Bem próximos do porto (Port Mole), o que explica o fato da maioria dos produtos nas prateleiras serem do exterior, principalmente França, já que Gabão era uma colônia desse país. Fiz um rancho de comida pra 3 dias por 16 mil francos no Géant CKdo, estabelecimento de boa qualidade. Depois voltei para o hotel. Como estava passando os jogos da Copa do Mundo de Futebol no bar, ali me sentei e os vi enquanto tomava uma gelada (1500 francos por 650 ml). Pretendia dar uma caminhada na praia entre as partidas, mas a maré alta, lixo e esgoto me fizeram desistir da ideia. Dia 15 Dei uma averiguada pela manhã no Instituto Francês, onde fica um prédio com biblioteca, exposições, cinema e apresentações, tudo relacionado ao idioma francês. De lá, eu e Massimo, um senhor italiano hospedado no mesmo hotel, dividimos um táxi, pagando 10 mil cada por 4 horas de condução. Pedimos para que nos levasse ao norte da capital, mais precisamente no Arboretum Raponda Walker. É uma floresta de restinga onde há algumas trilhas que podem ser percorridas sem o auxílio de guia, pois estão sinalizadas. Só vimos a vegetação diferente e invertebrados, mas ouvimos um ruído suspeito e depois descobrimos que há chimpanzés por lá! Depois da trilha, a decepção. Continuando para o norte, fomos ao recomendado balneário de Cap Estérias. Fiquem longe de lá! Primeiro porque num posto policial um agente corrupto nos cobrou 3 mil francos. Segundo porque a praia é feia e decadente. Só nos serviu para comer frutos do mar num dos restaurantes (4 a 6 mil o prato) e para saber que os pescadores podem levar turistas à Ilha Corisco pela bagatela de 150 mil francos (cerca de mil reais!) pela canoa, isso fora a propina que terá que ser paga na Embaixada da Guiné Equatorial para conseguir um visto pra lá… Ainda tive tempo de ver um jogo da Copa, antes da atividade seguinte. À noite, assistimos ao espetáculo de dança 007, apresentado por um grupo gabonês no Instituto Francês, por 10 mil francos. Até que foi proveitoso, mas eles não precisavam utilizar crianças que não tinham noção nenhuma de sincronia em metade do show de 2 horas. Antes de cada um retornar a seus devidos quartos, comemos espetinhos de gato quase em frente ao hotel, ao custo de 1500 francos cada um. Dia 16 Apenas fui ao aeroporto sacar mais grana pra poder usar em Lopé, já que lá não há caixas automáticos. Espero que as pessoas de lá sejam mais simpáticas, pois as maleducadas, malhumoradas e estressadas que moram na capital são o oposto dos santomenses. Almocei o resto dos sanduíches que montei da comida comprada no hipermercado. Depois rachei um táxi privado com Massimo (2,5 mil pra cada), que foi comigo à estação de trem. Ao contrário dele, não precisei despachar a bagagem. Para variar o trem atrasou o embarque, então já estava escurecendo quando entramos no trem Omnibus. Nenhum incômodo na estação e até mesmo a segunda classe é bem decente. O problema é que não apagam a luz e os assentos não reclinam, então não dá pra dormir. Dia 17 Na saída, o guia Ghislain, que eu e Massimo havíamos contactado previamente, estava a nossa espera. Dormimos num motel bem caído em frente à estação de trem, por 15 mil francos o quarto com ventilador e 20 com ar, só no Gabão pra pagar tanto por uma espelunca. Almoçamos no restaurante La Main D’Or, onde tivemos um prato de frango com arroz por 2 mil francos, bem mais em conta que na capital. À noite voltamos aqui para comermos peixe, a única opção. Conhecemos em seguida Nico, um espanhol que está atravessando a África de moto e fazendo um documentário. Depois, caminhamos pelo vilarejo até o Hotel Lopé, o mais chique. À beira do belo Rio Ogoué, é um lugar bem bacana. Eis que no seu entorno, onde fica a savana aberta, vimos dois grupos de elefantes! Meio escondidos e silenciosos, se afastaram lentamente quando nos viram. Marchamos para nossa hospedagem da vez, bem no meio dessa vegetação. Para tanto, tivemos que seguir numa rota pouco trilhada já no escuro. Até búfalos nós vimos no caminho. Dormimos no Lopé Lodge Chalet, uma casa só pra gente, aparentemente um lugar bom, mas onde o quarto fedia, havia ratos e nada de torneiras (aparentemente não há encanamento no vilarejo), então o banho foi com um balde de água fria. Dividimos um quarto por 15 mil no total. Dia 18 Ghislain da associação Mikongo Vision veio buscar nós 3 para quase 2 dias de imersão na floresta dentro do Parque Nacional Lopé, com foco no avistamento de gorilas, atividade sempre cara. Barganhamos usando a divulgação em nossos blog/documentário como ferramenta para chegarmos em 115 mil por pessoa. O preço normal seria 214 mil. Uma hora e meia numa estrada de terra comprometida, adentramos a base da Mikongo Vision, com cabanas cercadas por selva a perder de vista. Partimos para a caminhada na floresta fechada com 2 guias. No começo, vimos apenas invertebrados e marcas de elefantes, panteras e antílopes. Mais além, um pequeno grupo de colobos negros pairou no topo de árvores próximas a onde estávamos. Cruzamos um rio, onde me abasteci de água. Pouco depois, vimos o que mais almejamos, gorilas! Surpreendentemente, um macho (pelo claro) e uma fêmea adultos alimentavam-se de um fruto alaranjado (pintabesma) na copa de uma árvore, um dos poucos restantes na estação seca. Mas quando perceberam nossa presença, começou um escândalo que eu nunca havia presenciado. Ruídos amedrontadores, batidas no peito e até mesmo chegaram a jogar coisas em nossa direção. Quando o macho desceu da árvore, nos mandamos de lá antes que fôssemos atacados. De volta ao acampamento umas 4 horas depois do começo, tomei um banho no rio próximo e fiquei admirando outros macacos bochechudos e bigodudos que se alimentavam em árvores próximas a nossas cabanas. Pena que já estava escuro o suficiente pras fotos não ficarem boas. Enfim, jantamos a luz de velas. Prato da noite: frango com arroz. Com a fome que eu tava, devorei rapidamente. De sobremesa, fomos até o Rio, onde caminhamos com a água na altura do joelho para focalizar filhotes de crocodilo. Vimos 3 pelo reflexo de seus olhos na lanterna de cabeça, sendo que o guia capturou um deles para nos mostrar de perto. De bônus, encontramos alguns dos barulhentos sapos. Cada um de nós ficou com um projeto de chalé, dentro das quais foram postas barracas com colchão. Dia 19 Dormi legal, mas acordar 6 e meia pro café da manhã não foi tão interessante. Dessa vez, caminhamos por outra área florestada. Apesar disso, não tivemos sorte de ver mais gorilas. Mas já era o esperado, já que a chance de vê-los é em torno de 50%. O total trilhado foi de 6 h, sendo meia hora de descanso para uma refeição. Nesse tempo, avistamos colobos, pequenas aves, insetos e cogumelos interessantes. Por fim, visitamos uma pequena queda d'água, eu tomei um banho de rio, lanchamos e partimos. Ao chegarmos, tentamos localizar elefantes na savana ao redor do vilarejo usando o drone do Nico, mas os bichos não estavam lá. Do alto de um pequeno morro, apreciamos um pôr do sol belo. A noite foi passando junto com meus últimos momentos com as companhias, até que os trens finalmente chegassem. Dia 20 Nico continuou por mais um dia em Lopé, Massimo pegou o trem para Franceville, enquanto eu pro sentido inverso, Libreville. Com o trem atrasado, a chegada foi por volta das 9 e meia. O único lugar que visitei, fora os lugares para comer, foi o Museu Nacional das Artes e Tradições do Gabão. É um museu pequeno, com dezenas de máscaras, estátuas e instrumentos musicais mostrando os ritos e crenças de algumas das diversas tribos do país. Entrada de 2 mil francos ou 3 com guia. Esperei no Hotel Tropicana até o horário de fazer o check in no terminal separado da Afrijet, mas antes disso troquei francos por euros (cotação bem boa) e dólares (nem tanto) na livraria do outro terminal. Logo mais, retornei a São Tomé. Nessa noite dormi em uma nova hospedagem via Airbnb, a oeste do centro numa área popular. Mais uma vez, consegui uma carona gratuita com um santomense. Dia 21 Dormi bem no quarto. Antes de partir, conversei um bocado com a simpática dona da casa, Maria. Tomei coragem e vesti a camiseta da seleção brasileira de futebol, em pleno dia de jogo. Como esperado, enquanto caminhava pelas ruas as pessoas iam me parando, já que era o único brasileiro ou com a tal camisa nesse dia. Passei por dentro do Mercado Novo, junto aos táxis, onde se vendem produtos dos mais variados tipos, mas principalmente alimentícios, em barracas ou no chão. Depois fui até o restaurante Camões para usar internet. Lá mesmo vi o jogo. Ainda bem que o Brasil ganhou, caso contrário teria que arrumar um jeito de esconder a amarelinha. A seguir, fiz o tour na famosa fábrica de chocolate de Cláudio Corallo, reputado como um dos melhores (e mais caros) do mundo. São 100 dobras de entrada, mas a parte da consumação já compensa esse pequeno investimento. Provei um pedaço de 10 tipos diferentes, além de aprender sobre a história da firma e modo de produção. Retornei à casa e, já à noite, fui ao aeroporto, onde esperei o voo da madrugada para Luanda pela TAAG. Me incomodei com vendedores de artesanato insistentes e funcionários do aeroporto que queriam que eu enviasse bagagem por eles. Vê se pode? Dia 22 Cheguei em Angola ao nascer do sol. Fui o único a entrar no país pelo novo sistema de emissão de vistos online. Só tive que pagar os 120 dólares em papel. Foi preciso usar meus 3 cartões pra sacar dinheiro dos caixas automáticos, pois o máximo que liberam por vez é 25 mil kwanzas. O quanto isso vale em dólares é difícil precisar, pois a cotação muda constantemente e a diferença da oficial dos bancos pro paralelo dos kinguilas (como são chamados os cambistas das ruas) é grande.Estava nesse momento em torno de 200 kwanzas por dólar em um e 350 no outro. Comprei lá mesmo um chip de telefone local, pela primeira vez na vida. Paguei mil kwanzas pelo chip Unitel (mas encontrei por 300 posteriormente), e mais uma milhares para voz e dados. Ao deixar o terminal, a Paula e Pedro estavam chegando para me levar até seu lar anunciado no Airbnb. O preço é bem bom pelas facilidades, limpeza e localização, mas tem o inconveniente de ser no 9° andar de um edifício com os elevadores desativados. Tirei uma soneca logo. Depois, Paulino, um amigo de Pedro, me levou até o bairro Mártires, onde fiz o câmbio. Só que apenas as notas grandes de dólar e euro tiveram uma cotação próxima ao esperado. O lugar é meio assustador, não recomendo nem um pouco ir sozinho. Com a grana na mão, fiquei no hipermercado Kero, um gigante com tudo para se comprar menos barras de cereal. Aqui vasculhei entre as latas velhas à venda para comprar uma bicicleta chinesa por 50 mil kwanzas. Pela porcaria que ela é, não compensou muito, mas é o que tinha à pronta entrega. Pelo menos possui marchas. Fui testar a bendita na espetacular zona da Baía de Luanda, uma área de lazer à beira-mar com diversas atrações, edifícios bonitos e grandes, além de uma ciclovia. Ate mesmo uma competição internacional de crossfit ocorria ali. Bem diferente do que eu veria no resto do país. Tentei achar um lugar pra jantar, mas todos que adentrei eram caros, e a segurança das ruas à noite é bem baixa, então voltei pro apê e comi o que havia comprado no mercado. Antes de dormir, gravei o primeiro vídeo da série “Angola by bike”, a ser lançada em breve. Inscreva-se em meu canal do Youtube para ser notificado no lançamento. Pedalado no dia: 13 km. Dia 23 Pelas 9 e meia comecei a aventura. Pendurei a sacola no guidão e segui para o sul, sempre pelo litoral. O começo foi amedrontador, pois o trânsito nas vias principais que tomei era um tanto pesado, além de haver zonas de favela com pessoas suspeitas. Passada a metrópole, a única incomodação foi o sobe e desce dos morros, bem como um pneu furado logo no primeiro dia. Consegui remendar com o material que eu carregava e com o auxílio de uns angolanos que caminhavam a esmo. O Museu Nacional da Escravatura estava em reforma, apenas uma feira de artesanato operava por lá. Assim, apenas segui o rumo, contemplando a península de Mussulo, o Saco dos Flamingos e o relevo costeiro impressionante que surgiu com baobás, falésias e mar grosso. Destaque para a área erodida do miradouro da lua, atração turística aberta. Mais à frente, recarreguei de água não potável num posto de combustível em Barra Kwanza. Atravessei a ponte do rio de mesmo nome e entrei na província seguinte. A natureza começou a florir, pois até o momento só havia visto aves pequenas, mas ali já havia macacos. Um pouco adiante, planícies de inundação com aves maiores. E finalmente com o sol a se pôr, cheguei à portaria do Parque Nacional Quiçama, quase 82 km depois. O acampamento ao lado do Kissama Lodge, onde há restaurante e de onde começam os safáris, custa 6 mil kwanzas. Felizmente, cheguei tarde demais para ir até lá, já que fica a 35 km de terra da portaria. Por isso, os guardas me deixaram montar minha rede entre 2 baobás pequenos e usar seu balde de água pra um banho, sem pagar nada. O único problema foram os mosquitos incessantes, mesmo ao lado de fora do mosquiteiro da rede. O dia foi super cansativo, além de eu não ter comido quase nada por falta de tempo. Quando eu pensei que iria dormir, tive outro problema. O celular desligou por falta de bateria, e quando o religuei, eis que foi necessário inserir o PIN do chip, caso contrário nada de internet e telefone. Pra variar, eu havia jogado no lixo o cartão com o código, mas como isso foi no apê em Luanda que fiquei, depois de certo trabalho e ajuda de um dos guardas do Quiçama, deu pra resolver. Pedalado no dia: 82 km. Dia 24 Acordei cedo para tentar arranjar carona até o local de início do safári, no alojamento do parque, a 35 km dali. Nenhum turista entrou, mas consegui ir num carrinho que vem diariamente trazer água até ali. A entrada do parque custa 2500 kwanzas. Já o safári, 4000 por pessoa, mesmo que seja uma só, como no meu caso. Num caminhãozinho, partimos eu, o guia e o motora por trilhas de 4x4 na área confinada do parque. O Quiçama foi fundado na década de 50, mas sofreu demais durante a guerra civil angolana, quando ficou largado aos caçadores. Atualmente tem se recuperado, com a reprodução dos animais, quase todos importados. Na savana cheia de baobás e cactos arborescentes (na verdade, Euphorbia), tive sorte de ver quase tudo que havia por ali: girafas, gnus, elandes, olongos, zebras e até uma manada de elefantes à distância, numa área alagada. Duração de 1:30 a 2 horas. Havia encomendado um almoço no parque, pois apesar de caro, eu não havia feito uma refeição sequer desde a chegada na Angola, e não havia outra opção por perto. Ao menos foi um baita prato de corvina, barata e legumes, que me satisfez muito bem. Barganhando, paguei 3500 com uma água, sendo que o preço tabelado é 3800 seco. Como nenhum turista apareceu, combinei de pagar 2 mil kwanzas para o mesmo veículo que me trouxe da portaria me levar de volta. Já era 4 e meia quando peguei a estrada. Novamente muitas subidas, o que me fez pedalar na completa escuridão à chegada em Cabo Ledo. Parei num posto pra comprar algo e adentrei uma estrada de areia, por onde até uma cobra atravessou, para chegar na praia do Carpe Diem Resort Tropical. Só depois que descobri que era uma naja-cuspideira! Havia lido na internet que eles são bem hospitaleiros com “overlanders”, que são os viajantes que atravessam a África por terra. O que não contava é que além do espaço pra armar a rede e o banheiro pra tomar banho, ainda ganharia um jantar maravilhoso na faixa do gerente português Daniel! Ficamos conversando e tomando umas Cucas (cerveja nacional), enquanto assistíamos um jogo da Copa. Pedalado no dia: 39 km. Dia 25 Passei a noite muito bem, finalmente descansando. Meu corpo, porém, estava bastante desgastado. Como o gerente insistiu, decidi relaxar e passar outra noite ali. Nesse tempo, conheci um trio de argentinos e uma dupla de ítalo-ingleses que está a cruzar a África em veículos terrestres motorizados e também repousaram na área do resort. O espaço tem uma estrutura muito bacana, é limpo e estiloso. Em frente fica uma praia para surfistas, com formação de tubos. Já do outro lado, há uma vila de pescadores. Como o preço do almoço estava além do que eu podia pagar, fui com um dos grupos almoçar no vilarejo. O restaurante 120 na Braza é o único aparente nas redondezas. O prato de peixe e complementos saiu por 2500 e levou quase uma hora pra ficar pronto. De volta ao resort, fiz o único exercício do dia, uma caminhada solitária pela praia. Fui afortunado novamente com um jantar grátis, dessa vez espaguete, junto com os colegas argentinos que estão participando da série África 360 do canal OFF. Por fim, Daniel me levou para conhecer o novo hotel e camping que está sendo construído na vizinha Praia dos Surfistas. A vista do alto é espetacular. Acho que esse foi o primeiro dia na África em que eu não suei. Pedalado no dia: 0 km! Dia 26 Me despedi e pedalei até a agência da Macon, aparentemente a melhor empresa de ônibus do país. Há tantos veículos da cia nesse trecho diariamente que nem é preciso comprar antecipadamente. Paguei 2100 kwanzas, joguei minha magrela no compartimento de cargas e subi ao assento confortável e com ar condicionado. Um dos motivos que me fez trocar a pedalada desse trecho foi o que confirmei logo ao deixar Cabo Ledo: a estrada está uma porcaria. São muitos trechos em reparo pelos chineses, onde os veículos são obrigados a seguir por estrada de chão. Nota-se também uma grande quantidade de carcaças de carro nesse caminho. Mais de 3 horas de paisagens semi-áridas e alguns rios, o ônibus desceu um morro pela amarela cidade de Sumbe, capital da província de Kwanza Sul. A primeira vista não me agradou. Achei o barato Hotel Sumbe, onde por 5 mil (+2 pro café) lhe dá direito a uma suíte individual com ar, frigobar e tv. De contra, a água gelada no chuveiro, muitos mosquitos e limpeza inadequada do quarto. Pedalei ao redor da cidade, vendo pouca coisa de interesse. Ao menos a região central é mais desenvolvida que os arredores, ainda que haja muito lixo em certos pontos da praia. Comprei uma porção de comidas no supermercado da rede sulafricana Shoprite, com preços bem justos pela qualidade dele. Com o sol já baixando no horizonte, regressei ao hotel para ingerir esses alimentos, sobretudo uma quentinha de feijoada com legumes por 800 kwanzas, seguido por uma sidra e uma cerveja escura nacional; isso enquanto assistia ao jogo do Brasil na Copa do Mundo. Pedalado no dia: 13 km. Dia 27 Apesar dos mosquitos incomodarem, dormi bem. Com o tempo nublado e temperatura aceitável, subi na bina (gíria angolana pra bike) e pedalei morro acima até o desvio off road pras Grutas de Sassa. Amarrei a bike e desci a trilha a pé. Como o nome indica, é mais de uma cavidade natural, sendo que visitei duas delas. A que fica a leste é mais iluminada, tem uma vista pro Rio Cambongo abaixo e pra outros buracos no morro à frente. Investigava uma amontoada de fezes de morcego, quando mirei a lanterna de cabeça pra cima e vi uma infinidade de morcegos, que com minha luz abandonaram seu refúgio. Foi uma gritaria e revoada sem fim, e o pior é que enquanto fugiam eles me bombarbearam. Deixei essa e fui pra outra gruta um tempo depois. Uma família aparentemente mora do lado de fora, onde o rio passa, mas consegui passar sem ser percebido. Ao chegar na entrada, dessa que é provavelmente a principal caverna, fiquei de queixo caído: nunca vi uma tão alta quanto essa! Adentrei ela admirado. De formações espeleológicas, vi praticamente só estalactites, mas há várias no teto alto. Mas o que me interessou mais foi a fauna troglóbia, especializada em sobrevivência sem luz. Vi diferentes espécies de aranhas, baratas, centopeias, insetos não identificados e, pasmem, até mesmo sapos! Não sei como sobrevivem se não há água dentro. Passei horas fotografando antes de retornar. Já na cidade, apenas dei uma volta rápida na cidade, o suficiente pra me sentir incomodado com a cara que todos fazem ao me ver. Nunca viram um branco numa bicicleta antes? Voltei pro quarto do hotel pra dar uma limpa no meu equipamento e vestuário. Depois de tanto lavar a roupa na pia, a água já sai preta. Pedalado no dia: 29 km. Dia 28 Dia praticamente perdido. Fiz o check-out do hotel às 11, horário que me disseram que haveria ônibus da Macon até Lobito, meu destino seguinte. No entanto, já era 14 horas e nada do convencional aparecer. Com isso, tive que pagar um adicional pra ir no executivo (de 2400 pra 3100 kwanzas). Pode esquecer a consulta online dos horários, pois ela não serve pra nada. A estrada meio remendada passou por grandes extensões no interior sem presença humana, exceto por algumas plantações, Canjala e vilarejos bem rústicos. O sol estava à beira do horizonte quando o ônibus adentrou uma enorme favela árida. Para meu espanto, isso é Lobito. Pedi pro motorista me deixar o mais possível além do terminal da Macon, para eu escapar daquela zona temerosa. Desci ao nível do mar, peguei a bike e pedalei no escuro por alguns km em direção à península turística chamada Restinga. Ali a diferença na qualidade das construções e da infraestrutura é brutal. Pelo asfalto liso, atravessei até a ponta, chegando no Hotel Éden, o mais barato dali (7000 kwanzas o quarto de solteiro com café da manhã). A suíte, assim como a anterior, possui ar, tv e frigobar, mas é mais limpa. Como todas de solteiro estavam ocupadas, fiquei com um cama de casal por mil a mais. Caminhei até uma lanchonete próxima, a Take Away, pra jantar. Um massa com frango custou 2 mil, um preço justo. Foi a primeira refeição do dia. Como quase não havia luzes nas ruas, deixei o passeio pra manhã seguinte, me retirando pro hotel. Mais uma avaria na bike: o guidão se soltou. Me pergunto se alguma parte chegará intacta no final da viagem. Pedalado no dia: 8 km. Dia 29 O pequeno almoço foi suficiente. Pedalei pela Restinga, quase vazia naquela manhã de sábado. Passei por alguns bares e pelo barco Zaire, que o presidente da Angola utilizou para ir ao Congo lutar pela independência do país. Nas lagunas de Lobito, fiquei observando as aves. Vi garças, biguás, pernilongos, andorinhas e muitos pelicanos. Mas o melhor veio por último: flamingos! Ainda é possível encontrar as aves que são o símbolo da cidade, apesar de toda urbanização e poluição em torno dos corpos hídricos. As próximas dezenas de km foram quase uma reta só ao longo da rodovia e ferrovia até Benguela. Cheguei na referida cidade morrendo de fome, então só larguei minhas coisas na Nancy’s Guest House e almocei na Pensão NB logo atrás. Tive um prato delicioso de choco (parente da lula) por 2500 kwanzas e mini-cervejas Cuca por apenas 150 cada. Depois da refeição, dei um giro por Benguela, mais conhecida pela corrente marítima de mesmo nome, que traz águas frias e ricas em nutrientes para cá antes de retornar ao litoral brasileiro. Aqui há algumas obras arquitetônicas interessantes do período colonial, como a Igreja de Nossa Senhora de Pópulo. A cidade foi bastante importante no século 16, como entreposto de escravos. As ruas também são mais limpas e tranquilas que a média angolana, mas isso não impediu um certo número de pedintes de me incomodar. Comprei meu bilhete seguinte de busão, saquei dinheiro num dos caixas automáticos e segui à praia para ver o vermelho sol se pôr no oceano. À noite jantei no mesmo lugar, dessa vez na cia de Gerry, um senhor americano mais viajado que eu que recém havia aparecido na hospedaria. A respeito da Nancy’s Guest House, é tanto uma escola de inglês, gerenciada por uma senhora americana, quanto uma hospedagem de 6 mil kwanzas por quarto com banheiro privativo, ar condicionado e água quente. O ambiente é simpático. Pedalado no dia: 58 km. Dia 30 Pela manhã, eu, Gerry, o costa-riquenho Esteban e o funcionário Ari fomos na picape da Nancy conhecer as praias ao sul de Benguela. Primeira parada no mirante da Caotinha, onde fica uma indústria pesqueira chinesa. Na Baía Azul, enquanto um grupo de crianças jogava capoeira, arte trazida ao Brasil da Angola, tomamos um café no estiloso Rasgado’s Jazz Bar. O diferencial de lá são as pinturas dos grandes músicos do mundo, inclusive brasileiros. A praia quase vazia começou a ter gente enquanto caminhávamos em suas areias verde-amareladas de águas tranquilas, onde fui nadar em seguida. Não consegui ver nada por debaixo dela, nem mesmo os chocos pescados ali. Em seguida, fui até os paredões sedimentares expostos na lateral da praia. Conforme supus, encontrei fósseis por lá, mas muito mais do que poderia esperar! Eram tantas conchas e tubos transformados em rochas que eu poderia passar o dia inteiro escavando, caso tivesse as ferramentas necessárias. Ainda passamos de carro pela Baía Farta, uma mistura arenosa de construções novas vazias e lixo espalhado ao redor. Já estava quase saturado de sol quando voltamos a Benguela, atravessando as paisagens semi-desérticas, mas parando antes no complexo formado pelo Kero e Shoprite para comprarmos comida. Fiquem atentos na hora de pagar, pois o valor de mais de um produto estava mais caro que o anunciado. Já havia passado das 3 da tarde, então não havia tempo hábil para fazer outra coisa senão assistir os jogos da Copa. O primeiro do dia vimos numa praça central onde um telão foi colocado. Já o seguinte, foi no quarto do hotel mesmo. Pedalado no dia: 0 km! Dia 31 Com um pouco de atraso, tomei o ônibus até Lubango (5100 kwanzas), na serra angolana. O motorista sem noção botou música ruim no último volume e o ar condicionado no quente, então foi difícil relaxar na longa viagem. Se não levasse 4 dias de bicicleta, eu desembarcaria agora mesmo. Ainda bem que depois da primeira parada as questões foram resolvidas. As paisagens dessa viagem já apresentaram porte e densidade maior da vegetação que no litoral seco, conforme a altitude ia subindo. Às 15 h, horário em que o Brasil estava entrando em campo, o ônibus finalmente chegou na capital da província de Huíla, aos 1800 m acima do nível do mar. Corri pro quarto do hotel Amigo onde o assisti. O quarto mais barato é de 8500 kwanzas com café da manhã, água quente, ar condicionado e frigobar. Fiquei ainda com uma vista bacana do morro que contém a estátua do Cristo Rei (uma cópia do Cristo Redentor) e o letreiro da cidade (uma cópia de Hollywood). No intervalo entre os jogos eu caminhei no entorno, comprei uns sandes (sanduíches) de chouriço e jantei frango no restaurante do hotel (2700 kwanzas). Por um acaso conheci um dos responsáveis pelo hotel nesse momento, que me pagou uma N’gola, cerveja produzida aqui mesmo em Lubango. Pedalado no dia: 4 km! Dia 32 Foi preciso vontade pra sair da cama aconchegante no friozinho matinal. Mais vontade ainda se considerar o café da manhã insuficiente. Na bike, fui em direção à Fenda da Tundavala, só que na busca de um atalho eu peguei uma estrada de chão em reparos. A cada caminhão que passava ao lado, eu perdia um dia de vida por inalar tanta poeira. Sempre subindo, cheguei ao asfalto na altura da fábrica da N’gola. Mais além, uma vista do reservatório que fornece água à cidade. Ali mesmo, o piso mudou novamente, para calçamento. Um pouco adiante, passei o restaurante e o camping que ficam na cachoeira da Tundavala, uma queda de médio porte. Finalmente, 2 horas de pedalada subindo mais de 500 metros, cheguei à parte plana de rochas dispersas e vegetação rasteira que levam a uma das 7 maravilhas naturais da Angola. A Fenda da Tundavala, a 2250 metros de altitude, é uma falésia que divide o planalto central do país com a província de Namibe bem abaixo. A entrada é gratuita e há alguns mirantes por lá, mas nada a mais de estrutura. Comi meu sanduba de chouriço enquanto admirava a beleza singular deste local. A geologia e flora são diferentes do que eu já havia visto na Angola. Depois de muitas fotos eu desci facilmente. Isso até a parada no Shoprite para comprar comida. Quando saí de lá, notei que o pneu traseiro estava meio murcho. Logo percebi que ele havia furado novamente! Tive que empurrar a bicicleta pelos quilômetros restantes até o hotel… Além disso, acabei me queimando no sol e machuquei um pouco o traseiro, pois a bermuda de ciclismo não estava com o ajuste correto. A solução foi pedalar com a bermuda de praia e sem cueca por baixo. A baixa umidade do ar também já está fazendo efeito em minha pele, e não deve melhorar até eu pegar os voos de volta. Jantei (refeição de supermercado = refeição de restaurante / 2) e fiquei vendo TV até a hora de dormir, já que o sinal da Unitel não pegava aqui de jeito nenhum. Pedalado no dia: 45 km. Dia 33 Comi, remendei o pneu e fui conhecer o Museu Regional da Huíla. De entrada grátis, conta com salas temáticas e centenas de peças sobre a etnografia dos povos do sul do país. Continuando, subi o morro mais inclinado que encontrei até o mirante da cidade. Eis que enquanto procurava um lugar pra encostar a bicicleta, passei com o pneu sobre um galho com espinho, puts! Tive que descer tudo de novo até uma borracharia no meio da rua onde enchi meu pneu anteriormente, já que só com a bomba de mão não tava dando conta. Mas como há males que vêm para o bem, descobri o porquê: havia não somente um furo novo, mas 3! A câmara com 4 remendos ficou uma coisa horrenda, mas pelo menos funcionou. E os rapazes que deram um jeito não queriam nem cobrar pelo serviço, dá pra acreditar? E depois ainda tem gente que diz que não dá pra confiar no povo angolano… Aproveitei as ferramentas pra apertar o guidão e o freio, e bora empurrar a bike pra cima de novo. Um tempo depois, cheguei numa reta, no eucaliptal próximo à cidadezinha de Humpata. Ali descansei e bati um rango. Em sequência, comecei a mais descer que subir, enquanto passava por campos e cultivos. Quase no final da tarde, deixei a rodovia e cheguei na hospedaria e restaurante Miradouro da Leba, onde dormi no quarto mais básico até agora (só cama, luz à noite, chuveiro frio compartilhado) por 6 mil kwanzas com café. Antes disso, jantei churrasco, que na Angola é de galinha. Um pratão com batata e uma salada caprichada, graças ao dono do local, saiu por 2750. Mas antes de antes disso, tive nada menos que uma das mais belas vistas que já presenciei na vida toda. A hospedaria fica no melhor ponto de vista da Serra da Leba, uma Serra do Rio do Rastro melhorada. São falésias altíssimas, cachoeiras, terras verdes à distância, além da impressionante estrada em ziguezague. Ao pôr do sol o cenário ficou mais bonito ainda. Sob um céu estrelado, dormi satisfeito. Pedalado no dia: 47 km. Dia 34 Acordei cedo, tomei o mata-bicho (café da manhã) e, antes de partir, consegui vender a bike por 15 mil kwanzas, sendo que eu entregaria ela em Namibe. A descida na serra foi incrível. Asfalto liso, paisagem cênica e poucos veículos. Cheguei a 74 km/h e avancei rápido. No meio da descida, vi ainda um desajeitado camaleão verde no meio da pista. Reencontrei o jipe do grupo de gringos que eu havia visto dois dias antes, e eles me deram um bocado de água. Um pouco depois terminou a descida e iniciou uma subida leve. Com o calor do sol e tempo bem seco, vide os rios só com areia que passei, parei um pouco pra comer e descansar. Já estava quase na metade, quando o mal de sempre me afligiu: pneu furado! Dessa vez eu desisti, pois ao checar a câmara, constatei que havia várias fissuras nela, então teria que trocar por outra, o que não valeria o custo e tempo. Precisei esperar várias horas no lar de um nativo da etnia mucubal, que me cedeu um lugar. No fim da tarde, consegui uma carona pra mim e pra bike com João, um rapaz que conheci em Lubango e que me reconheceu na beira da estrada. Seguimos pelo deserto ao anoitecer. Fiquei na hospedagem 2 estrelas Pensão Nelsal, entreguei a bicicleta e me retirei. Dormi sobre molas num quarto duplo com banheiro compartilhado, ar, TV, água quente e frigobar. O normal seria 8500, mas eu chorei por um desconto de mil, já que meu dinheiro estava chegando ao final, assim como a pedalada, que infelizmente terminou antes do previsto. Aqui descobri porque os hotéis geralmente só possuem 3 canais simultâneos de TV: para economizar, apenas na recepção fica um decodificador para mudar entre as várias dezenas de canais assinados. Pedalado no dia: 61 km. Total: 400 km. Dia 35 Até que o café da manhã tava prestável. Depois dele me pus a caminhar ao redor de toda a região central. Namibe, agora chamada de Moçâmedes, que era seu nome na época da fundação, é agradável. As ruas são mais limpas, tranquilas e os edifícios bonitos, na comparação com os demais municípios angolanos. Há várias construções em arquitetura colonial preservados e coloridos como a estação ferroviária, ainda operante, e os prédios governamentais. Destaque também para a quantidade de policiais à vista. Mesmo para padrões angolanos é excessivo, o que me deixou intimidado para fotografar os prédios. Em relação à praia urbana, não é tão bonita e tem um bocadinho de lixo disperso. Há alguns quiosques e um parque de campismo bem caído, onde quase acabei indo dormir, por ter um custo menor (2 mil). Sobre a comida, nos restaurantes em média refeições custam entre 2 e 3 mil kwanzas. Como minha grana estava quase esgotada, optei por comprar uns salgados de peixe na rua (150 kwanzas) e marmitas de feijoada e macarronada no supermercado Shoprite (cerca de 600 cada). Há também um mercado público com vegetais à venda. O único museu (Museu Provincial do Namibe) está reabrindo, mas ainda possui apenas duas salas de artefatos e textos. Ao menos é gratuito. Numa das salas do mesmo prédio, encontrei souvenires para comprar, principalmente máscaras e estátuas, a partir de 500 pilas. Com boa parte da cidade mapeada, fui assistir os jogos da Copa. Dia 36 Já na manhã, liguei para meu chapa João, o que me deu carona no dia anterior, para irmos ao oásis da Lagoa dos Arcos. Paguei o combustível (2500 nas minhas contas) e fomos na picape 4x4 dele. A rodovia que corta o deserto está como nova, já que não chove por ali. Há umas feições interessantes no terreno, não apenas areia, nessa parte que está parcialmente protegida pela Reserva do Namibe. Sobre plantas, há grupos de herbáceas verdes e isolados arbustos ou árvores. Mas o mais impressionante são as Welwitschia mirabilis. Gimnosperma que existe exclusivamente neste deserto, o que cresce nessa planta são suas 2 únicas folhas e não o caule. Pode chegar até um milênio de vida. Na hora de deixar o asfalto, pegamos o caminho errado algumas vezes, pois as indicações e as estradas pela areia não são claras. Na primeira tentativa fomos parar num povoado no meio da areia, e na segunda num cultivo, ambos ao redor do oásis que ali fica. Precisamos pagar para entrar, pois há um bando que cuida da lagoa. O valor é negociável; No nosso caso, 500 por cabeça. Protegida por uma cadeia rochosa, no centro há uma lagoa que permite a vida ao redor: Passarinhos, patos e invertebrados, bem como plantas menores e até árvores como palmeiras. A atração que dá nome ao lugar é um conjunto de arcos nas rochas, cercado pelas águas. Vi até mesmo conchas fósseis infiltradas no relevo sedimentar. Um aracnídeo que estudei na biologia mas vi ali pela primeira vez na vida foi a diminuta aranha-camelo (Solifugae), que não é bem uma aranha. Retornamos, me despedi do moço e passei o resto do dia sem fazer muito. Dia 37 Antes do horário do check-out, caminhei na praia urbana, passando pelos naufrágios. O primeiro é composto apenas de umas máquinas aterradas, mas o segundo, do navio Independência de Cabo Verde, está com o exterior quase intacto. Achei que iria almoçar lagosta por 2 mil, mas o restaurante Django Mbazo não conseguiu uma pra cozinhar. Dessa forma, fui até o restaurante Ponto de Encontro, à beira da praia, para comer outro prato do mar: amêijoas (700 kwanzas) e caranguejo (600). Com o pãozinho extra, deu pra forrar o estômago gastando pouco. Com o resto do dinheiro, peguei uma moto até o Shoprite, onde comprei comida pras conexões intermináveis, e segui ao aeroporto (apenas 300 kwanzas de moto-táxi) que fica cercado pelo deserto. Na hora do check-in me incomodei, pois os funcionários insistiram que era proibido levar comida a bordo, restrição que não faz sentido e não está descrita para os passageiros em lugar algum! Pedi diversas vezes que me mostrassem onde constava essa proibição, mas no final acabei cedendo e despachei a sacola com as comidas e o resto. O primeiro vôo foi até Luanda. Ao chegar lá, me deparei com uma situação que não esperava: o terminal doméstico fica a certa distância do internacional, e é preciso ir pela rua até lá. Ainda bem que não era noite naquela hora. Esperei umas horas para o voo seguinte, até São Tomé. Dia 38 Algumas horas depois, na madrugada, retornei a Luanda. Por mais incoerente que isso possa parecer, foi mais barato comprar um voo à parte do que alterar o anterior, por isso tive que voltar pra capital angolana. Lá, tirei um cochilo no banco e depois passei o dia todo à espera do voo para o Brasil. Passei um pouco de fome, pois não tinha mais um centavo e meus cartões não foram aceitos. Na virada do dia o voo atrasado decolou, chegando na manhã seguinte. Eis o fim da proveitosa viagem! Curtiram as fotos? Então não deixem de conferir minha conta no Instagram, onde assim como em meu blog eu demonstro um pouco sobre cada um dos 92 países e territórios em que já estive, e o que mais vier. Até a próxima!
  49. 9 pontos
    Depois de alguns meses estou aqui de novo, sem destino. Desde outubro de 2017 até abril de 2018 estava em San Pedro de Atacama, trabalhando e com um quarto/casa fixo, que dividia com amigos que fiz durante esse tempo. Para quem não leu e quer saber o início do meu mochilão, a história está aqui https://www.mochileiros.com/topic/72717-recomecei-novos-caminhos-estao-me-levando-para-uma-nova-história/ Antes disso viajei por três meses com um menino que conheci em um grupo de mochileiros. Nos conhecemos em Buenos Aires e viajamos pela patagônia argentina e chilena até chegar em San Pedro de Atacama, onde nossa viagem juntos terminou, mas isso não vem ao caso. Viajar também é aprender a lidar com as pessoas e isto ficou como mais uma lição. Assim como em todo momento tem alguém lá em cima cuidando de mim e de toda a minha viagem, tratou logo de arrumar uma pessoa muito especial pra viajar comigo, minha melhor amiga de infância Fran, que chegou no Atacama em janeiro/2018. Não satisfeito com isso, colocou mais um rapaz que conhecemos em sua viagem turística em fevereiro, o Rodrigo. Ele voltou ao Brasil, largou tudo e em março já juntou sua mochila com a nossa. Por fim, dois dias antes de sair a Aline, uma brasileira que também estava vivendo por lá, decidiu seguir viagem com a gente. E não terminou aí, encontramos uma cachorrinha de alguns meses na rua e decidimos adotá-la e levá-la conosco mundo a fora. (os país da pequena terremoto) Nesta vida de mochila não existe nada programado mesmo, uma viagem que faria sozinha quase virou uma excursão, hahahaha. Saímos então do Chile em 4 brasileiros e uma cachorrinha, a Lola. Era a primeira vez que os três estavam saindo para mochilar, estavam empolgados e como eles diziam: “preparados para passar perrengues”, hahaha. A ideia inicial era nos dividirmos pra pegar carona, mas logo na primeira tivemos a sorte de pegar um ônibus vazio até Calama e pudemos ir todos juntos. Em Calama nos separamos e nos encontramos no final do dia em uma praia em Arica, armamos nossas Barracas na areia e dormimos por lá. Pegamos um ônibus para atravessar a fronteira com o Peru porque ouvimos ser bem complicado por ali, porém não adiantou muito porque o ônibus nos deixou na fronteira, devido aos trâmites para entrar com a Lola no país, mas não teve problema, perdemos alguns minutos ali felizes por ter dado certo. Nossa sorte foi que passou um caminhoneiro brasileiro e nos levou até Tacna, mais uma vez todos juntos. Estávamos viajando sem destino certo, sem saber o próximo passo e muito menos sem saber aonde iríamos terminar ao final de cada dia. De Tacna decidimos de última hora ir para uma praia, assim poderíamos acampar. Fomos parar em Boca del Río às 20h e encontramos uma cidade toda escura, com apenas poucas luzes amarelas em algumas ruas e sem iluminação nenhuma na orla. Não havia absolutamente ninguém na rua e estava parecendo um filme de terror. Caminhamos enquanto decidíamos o que fazer com a nossa coragem, pensávamos em acampar na praia e revezar de 2 em 2 para ficar acordado para nos proteger de algum possível serial killer, Hahaha. Depois de quase 20 minutos caminhando no escuro encontramos um homem e pedimos informações sobre um hostal e ele nos explicou que só tinha 2 hotéis na cidade que abria aos finais de semana, pois era quando havia turistas na cidade (infelizmente estávamos numa terça-feira). Assim ele nos ofereceu para dormir na sua casa, porém estava em construção, então o banho foi em água fria e dormimos em saco de dormir no chão. Mas nem reclamamos e agradecemos por ter aparecido uma alma caridosa naquela cena de filme de terror. Do jeito que acordamos já saímos para ver a praia, linda e vazia... mas como o cenário já estava completamente diferente, cogitamos até ficar mais um dia por lá. Encontramos um restaurante, almoçamos e decidimos seguir pra uma praia próxima, Ilo, onde acampamos de novo na praia. Ficamos por 4 dias em Ilo, vimos muitos leões marinhos e pelicanos. E foi lá onde senti algumas conseqüências da diferença de cultura. Nos lugares que passamos no Peru observamos uma falta de higiene bem grande com os alimentos, principalmente as carnes vermelhas que ficavam expostas no chão, sem refrigeração nenhuma, em meio a cachorros que passavam pelas ruas. Como vida de mochileiro não é fácil e a economia sempre vem primeiro, não era difícil imaginar que pegaria uma intoxicação alimentar. Fiquei com febre, diarréia e dores no corpo. Minha dignidade foi ficando em cada banheiro que passava pelo caminho, Hahahaha. Depois seguimos de ônibus para Arequipa, onde o Couchsurfing falhou mais uma vez, ficamos por 3 noites em um hostal que cobrava 8 soles por pessoa, era um pouco afastado da cidade, com um cheiro forte de tempero, mas com pessoas muito boas. Os tres dias que ficamos lá, conhecemos a cidade, a praça de armas, o calçadão, onde encontramos um brasileiro tocando e cantando, decidimos parar por lá e curtir um pouco com ele, foi ótimo. Ajudei uma senhora por 40 minutos mais ou menos a andar uma quadra e meia, fomos conversando, e nesse tempo ela me perguntou umas 3 vezes o que eu fazia por ali, contei sobre a viajem todas as vezes, e quando a deixei em uma doceira, ela disse pra eu seguir conhecendo o mundo mas sempre com muito cuidado, disse que o faria. Depois pegamos um ônibus para Puno, onde tínhamos um Couchsurfing para os 4, era um francês, fomos até seu restaurante e ele nos levou pra sua casa, nessa altura, ainda com intoxicação alimentar, me sentia muito fraca, estava há mais de 4 dias assim, Rodrigo e a Aline começaram a sentir sinais da intoxicação, pensávamos estar com sorte, porém estávamos errados, pra começar, também nao tinha água quente para um banho e para terminar, as 20:30h o couch me enviou uma mensagem dizendo que não podíamos dormir lá porque seu amigo chegaria de viagem e precisava de privacidade. Arrumamos nossas coisas e logo saímos sem rumo, com uma temperatura de +- 4ºC. Reservei o hostal mais barato que encontrei pela internet e seguimos sentido a ele. Enquanto os 3 me xingavam interna e externamente, subíamos uma longa rua íngreme, mas como tudo que acontece tem seu motivo, era um hostal súper arrumadinho, um quarto só pra gente (e no Couchsurfing íamos dormir nos sacos de dormir, no chão). Ficamos lá por uma noite e no dia seguinte conseguimos um Couchsurfing para todos, dessa vez podemos ficar 🙌🏽 porém estava super frio e não tinha banho quente, ou seja, pagávamos um lugar para tomar banho um dia sim e outro não (onde foi o nosso primeiro banho quente no Perú). Como a casa dele era 1 cômodo só, com uma cama de casal, ele nos deixou sozinhos e foi dormir em outro lugar, Rodrigo e Aline dormiam na cama, eu e a Fran no chão com os sacos de dormir. Andamos em pedalinhos e conhecemos as ilhas flutuantes, é bem legal como eles constroem as ilhas e as casas, porém acho muito teatro por ser turístico. Passamos bons dias por lá, cozinhando nossa própria comida pra se recuperar. Hahaha Seguimos para Cusco, onde mais uma pessoa muito especial se juntou a nós, a Paulinha, meu enrosco há quase 1 ano, Hahaha. Ficamos alguns dias em Cusco e neste tempo fizemos um bate e volta para Machu Picchu, dormindo somente uma noite em Águas Calientes. Optamos por fazer a trilha da hidrelétrica para Machu Picchu, então viajamos de van por 7 horas (por 50 sólis depois de muita pechincha) até o início da trilha e caminhamos 13 km pelos trilhos do trem. Todo mundo dizia ser uma trilha fácil por ser plana e que era feita em até 2h30, mas foi cansativo andar pelas pedras e a caminhada parecia não render. Uma das meninas se cansou bastante e precisamos parar várias vezes. Com isso escureceu e ficamos um pouco perdidas porque em determinado momento existe um túnel e não é possível andar nos trilhos. Andamos uns 20 minutos num breu total, rezando pra estar no rumo certo. Quando finalmente chegamos tínhamos a sensação de ter andado por 5 horas, mas foram só 3h30 mesmo, hahaha. O interessante é que na volta fizemos a trilha em 2 horas e foi super tranqüilo, talvez por estarmos descansadas. Dormimos em Águas Calientes e no outro dia saímos às 5h30 da manhã para subir as escadarias até Machu Picchu. Subimos eu, a Paulinha e a Fran; a Aline decidiu ir de ônibus por conta do cansaço e o Rodrigo já conhecia Machu Picchu e então decidiu fazer um outro trekking com a Lola. Mais uma vez subestimamos o caminho e subimos a escadaria em 2h30, 1 hora a mais do que disseram ser o tempo médio. Porém, estávamos embaixo de muita chuva e neblina e toda a roupa que estava na mochila ficou encharcada. A sorte é que quando chegamos à entrada do parque a chuva parou, logo o tempo se abriu e saiu um sol lindo. Depois de todo o esforço, a energia daquele lugar valeu a pena, foi mais um sonho realizado. Como estávamos com muita dor nas pernas e no pé, decidimos voltar pra Águas Calientes de ônibus, 12 dólares suados. Chegamos em Águas Calientes às 13h30 e tínhamos o transporte da Hidrelétrica as 15h, não estávamos em condições de andar mais 13 km, e por mais “fácil” que pareça ser, andar nas pedras cansa muito. Decidimos sabiamente ficar um dia a mais, assim poderia curtir um pouco da cidadezinha aconchegante de Águas Calientes. No dia seguinte chegamos em Cusco às 21h sem ter onde dormir, pois o dia a mais em Águas Calientes custou a perda da reserva em Cusco. Isso não foi problema, com internet e todos esses apps que resolvem nossa vida, reservamos um hostel rapidinho e acabamos descobrindo um lado da cidade bem bonito onde vimos pela primeira vez uma lhama bebê. Depois de alguns dias seguimos eu e Paulinha até Ica, para conhecer Huacachina. Foi uma experiência única, o lugar é uma delícia, pena não poder ficar um dia a mais. Tentamos pegar carona até Lima no dia seguinte para encontrar todos os outros porque não tínhamos muito tempo, já que tínhamos as passagens compradas para San Andres e a ideia era subir até Cartagena de carona. Em menos de 5 minutos um caminhão parou, mas logo que subimos percebi que não tinha sido uma boa idéia: o caminhoneiro fez uma “brincadeira” e disse que iríamos dormir com ele aquela noite. Ele foi a viagem toda fazendo esse tipo de comentário, e nós duas pensando qual seria a melhor saída para aquela situação. Foi a primeira vez que tirei meu canivete da mochila, fiquei realmente com medo. Mas não aconteceu nada, graças a Deus. O que fica é um sentimento muito ruim de revolta e indignação por viver em um mundo super machista, onde os homens se sentem no direito de desrespeitarem as mulheres e tratá-las como objeto ou até mesmo cometerem coisas mais graves que julgam “normais”. Infelizmente este fato acabou inibindo nossa ideia de continuar o trajeto de carona. Além disso, quando chegamos em Lima (sã e salvas, ufa!), nos demos conta de que não daria tempo de chegar em Cartagena por terra e teríamos que pegar um avião de última hora, pois ainda era preciso fazer os papéis da Lola para entrar na Colômbia e isso requer tempo, e claro, dinheiro. Paulinha tinha 20 dias de férias e nossa viagem terminaria em San Andrés na Colômbia. Todos nós nos encontramos em Lima, mas ficamos separados: Paulinha e eu ficamos em um Couchsurfing, em um bairro classe média baixa, Fran e Aline ficaram do outro lado do planeta com a Lola e Rodrigo ficou em um Couchsurfing em um bairro nobre da cidade. Estávamos todos no extremo da cidade, para nos encontrarmos demorava 2h no mínimo (o trânsito é caótico). Conseguimos nos reunir e pensar sobre o que fazer da vida, hahaha. Naquela altura todo mundo já estava sem dinheiro e por isso a Fran desistiu de ir pra Colômbia e decidiu ir pra Santiago para trabalhar; como ia ficar fixa em um país, ficou com a Lola. Rodrigo também desistiu e decidiu ficar mais um tempo no Peru e a Aline desistiu e voltou pro Brasil. 😞 Eu e Paulinha seguimos então para Cartagena, fizemos escala em Bogotá e dormimos no aeroporto. Passamos dois dias em Cartagena. Acabamos ficando só no centro histórico porque estávamos prestes a ir a San Andrés e decidimos poupar nosso dinheiro. Conhecemos a cidade amuralhada e alguns barzinhos por ali. Ficamos 7 dias em San Andrés, e acreditem, choveu todos os dias! O sol dava as caras em breves momentos e quando a gente começava a ficar animada, lá vinha a chuva de novo (foi triste!!!). Mesmo assim conseguimos aproveitar bastante, realmente lá é maravilhoso, praias lindas e um calor absurdo. O único ponto negativo (e muito, principalmente pra nós) é que nos sentíamos como carne fresca ambulante e os homens uns animais famintos. Todo o tempo cruzávamos com homens na rua que buzinavam, diminuíam a velocidade, faziam cantadas, e quase nos comiam com os olhos. Respirávamos fundo e tentávamos não ligar, mas confesso que meu humor muitas vezes foi abalado, Hahaha. Nos assustamos um pouco com os preços na Colômbia, porque pelo que pesquisamos as coisas eram extremamente baratas e demoramos um pouco pra encontrar restaurantes que não ficassem acima de 60.000 COP para duas pessoas (isto porque além dos 10% é cobrado um imposto e pra ajudar o real está desvalorizado). Com as taxas, os 60.000 viravam 70.000, que em reais se transformava em 90,00. Isto não é caro se for a turismo, mas como estávamos mochilando e com pouca grana, 45 reais por refeição pesava bastante. No terceiro dia encontramos restaurantes em conta, com comida simples, boa, bem servida e sem taxas (uhuuu). Comíamos bem e nossa conta dava 24.000 COP para as duas (aproximadamente 15 reais pra cada). De forma geral, conseguimos curtir bastante San Andrés e a vontade era de morar por lá mesmo. Agora chegou o dia da Paulinha ir embora, faz 2 horas que ela se foi e eu continuo aqui no aeroporto, com o coração apertado. Meu vôo é só amanhã, mas como estou com pouca grana, vou dormir por aqui hoje. Moral da história: a vida sempre está em constante mudança, mas pra quem é mochileiro e está solto no mundo, isso acontece de uma forma muito mais radical, hahaha. As coisas mudaram de maneira tão rápida, que há um mês saímos do Chile em 4 pessoas e uma cachorrinha rumo à Colômbia; em determinado momento éramos em 5 e a Lola e acabamos ficando em 2 pessoas. Hoje estou aqui, sozinha, com a mesma sensação de quando saí do Brasil, com um pouco de medo e insegurança, e ao mesmo tempo com uma ansiedade boa de saber que vem coisa nova pela frente, tendo a certeza de que o cara lá de cima sabe o que será de mim amanhã. https://www.instagram.com/jevalcazara
  50. 8 pontos
    Duração: 7 dias, passando a primeira e a última noite em Palmas. Veículos: Duster 1.6 (Movida), Renegade 1.8 (Unidas). 09 pessoas. Acesso aos atrativos sem carro 4x4: Ao fim do texto há uma lista dos atrativos visitados e especificações sobre o acesso. Época do Ano: Fim da estação chuvosa, início da estação seca. Caíram apenas algumas gotas de chuva durante a semana. Roteiro básico: Palmas – Ponte Alta – Mateiros – cidade de Rio da Conceição – Pindorama do Tocantins – Palmas. Foram percorridos cerca de 1200 km. Custo por pessoa: cerca de 800 reais + passagem aérea. O valor total da viagem foi contabilizado e dividido entre as 09 pessoas do grupo pelo aplicativo Tricount. Nesses 800 reais considera-se quase tudo o que foi gasto, inclusive passeios, camping, hostel, almoços, aluguel de carro e combustível. Domingo, 29/04. Palmas, Praça dos Girassóis, Praia da Graciosa, Hostel Aconchego. Aluguel de Veículos Alugamos a Duster pela Movida. Foi pago 926 reais pelos 7 dias; a Movida não oferece franquia reduzida, sendo que o valor é de 1800 reais e caso o dado ao veículo seja menor do que esse, paga-se o valor do concerto. Me ofereceram seguro contra terceiros, seguro contra pneu furado e vidros, porém não achei nenhum deles vantajoso. O outro veículo foi alugado na Unidas, lá eles oferecem o Renegade. Há uma vantagem: a franquia reduzida, que aumenta o valor do aluguel, porém a franquia fica por 500 reais. O valor total pago pelos 7 dias foi de 1400 reais. Mas porquê a busca pela franquia reduzida? Já prevíamos que as estradas de terra, pedra e areia fossem danificar esses veículos, especialmente o Renegade, que é mais baixo e que não possui um local feito pra que se amarre a corda ou cinta pra viabilizar o reboque. A Duster possui um ferro com um furo no meio, tanto na dianteira como na traseira que facilita muito o reboque. Porquê não alugar uma 4x4? É simples, em Palmas o valor da 4x4 era quase 5 vezes maior que o da Duster e do Renegade, por volta de 4.500 reais durante o mesmo período de uma semana. Conhecendo Palmas Cheguei em Palmas cerca de 06 horas antes do resto do grupo, aproveitei pra conhecer a cidade, apesar de não achar muita coisa pra se fazer por lá. Conheci o Palácio do Araguaia, de fato bem bonito. Próximo a ele ficam dois monumentos em homenagem a Luis Carlos Prestes e à Coluna Prestes. Após o passeio cultural, achei legal ir conhecer as praias que margeiam o Rio Tocantins. Elas em geral são cercadas por uma rede que impede a entrada das Piranhas (ainda bem hahaha). Conheci a Praia da Graciosa, é simpática, mas não é grande coisa; pude me refrescar enquanto esperava o resto do pessoal. A cidade de Palmas parece uma USP gigante, pra quem conhece a Cidade Universitária... São inúmeras rotatórias e avenidas. As avenidas se estendem por muitos quilômetros, não há trânsito, é uma cidade planejada. Hospedagem Ao fim da tarde, fui atrás de um lugar pra ficarmos a primeira noite em Palmas. O primeiro lugar que fui, adorei! É o Hostel Aconchego (foto 1). Fiz o percurso entre o Aeroporto e o Hostel em cerca de 25 a 30 minutos. O lugar é bem bonito e aconchegante (hahaha é verdade), há uma rede do lado de fora, cadeiras e mesinhas. Do lado de dentro é muito limpo e organizado. Pagamos por volta de 40 reais por pessoas, com direito a um ótimo café da manhã – com uma série de ingredientes locais, um suco de Cajá maravilhoso, goiabada... meu deus hahahaha – e as ótimas dicas e conversas com a Ariela, moça que nos recepcionou no Hostel. Gostamos tanto do local que passamos nossa última noite lá, novamente Foto 1: Em frente ao Hostel Aconchego, com a Ariela (a esquerda). Feira Local A nossa janta foi numa feira local, pra mim o melhor lugar de Palmas. Pudemos encontrar muita comida boa e barata, além de artesanato feito com o capim dourado – num preço muito mais em conta do que se encontra no Jalapão. Na feira há muitos tipos de caldos, um que é muito bom e local é o Caldo de Chambari (R$ 7,50) (foto 2). Nós gostamos também de um prato que chama Jantinha, onde vem MUITA carne picada, arroz e feijão tropeiro (R$ 10,00). Foto 2 Vale lembrar que passamos em um supermercado e garantimos mantimentos pra quase toda a viagem... muita água, miojo e pão! Hahahahah 30/04 Ponte Alta – Dunas do Jalapão (Antes de Mateiros), via TO-255. Passeios do Dia: Cachoeira do Lajeado. O café da manhã no Hostel começava as 07. Saímos um pouco tarde, por volta das 09 horas de Palmas, uma vez que paramos numa loja de pesca pra comprar fogareiro. Fomos em direção a Ponte Alta, lá abastecemos o carro e seguimos sentido Mateiros pela TO-255. Quando falo o nome das estradas, não é porque está indicado, mas só pra vocês acharem elas no Google haahha A ideia inicial era ir para a Cachoeira da Velha, a 30 km da estrada principal, e terminar o dia nas Dunas, a 6 km da estrada principal. Não sabemos se carro sem ser 4x4 chega a Cachoeira da Velha, por ser muito longe deixamos de ir. Em relação as dunas, os 6 km seriam feitos a pé, não fosse a pick up que nos ofereceu carona na caçamba. Há um camping em frente à entrada das Dunas, cuja diária é 25 reais por pessoa. Passamos a noite por lá. Eles servem almoço, deve ser em torno de 30 a 35 reais, porém ficamos com o nosso miojo... o moço disse que seria complicado fazer a janta, pois não havíamos avisado que iríamos jantar lá, e então ele teria que matar a galinha ainda... ok né De fato, o que fizemos foi ir a Cachoeira do Lajeado (Foto 3), chegamos lá com certa tranquilidade sem carro traçado, além do fato do caminho até ela ser curto. A cachoeira é mais legal do que as fotos que vimos pela internet, talvez as pessoas tenham ficado apenas nas primeiras quedas.... Há uma pequena trilha, que qualquer pessoa com básico preparo físico consegue fazer e chegar no poço da cachoeira, onde há a maior queda. Foto 3 Terminamos o dia na frente das dunas, porém chegamos após o anoitecer. Atolamos algumas vezes, a maioria delas bastava alguém empurrar pra desatolar. Em um dos casos, um guia que passou com turistas numa caminhonete 4x4 nos salvou! 😃 O camping em questão era o da Dona Benita (Foto 4). Senhora muito simpática, com uma ótima cachaça 51 com Jalapa, uma batata da região. Foto 4: A cachaça fez efeito Tempo de Viagem Palmas-Ponte Alta-Dunas Não consigo lembrar exatamente quanto tempo demoramos no percurso Palmas-Ponte Alta-Dunas, o que é certo é que curtimos uma cachoeira ótima (por cerca de 2 horas) no meio do caminho, e que saímos de Palmas as 09 horas da manhã e chegamos nas dunas por volta das 19 horas da noite. Condição das estradas A estrada de asfalto que liga Palmas a Ponte Alta é ruim. Por vezes é um tapete, do nada há tantos buracos que você tem que escolher o menor e passar por cima. Tem que ir de vagar. A estrada que liga Ponte Alta a Mateiros passa pelo acesso a Cachoeira da Velha, pela Cachoeira do Lajeado, e pelas dunas é a pior do Jalapão, complicadíssimo para carros não traçados. Apenas pra explicar o que torna essa estrada (TO-255) complicadíssima: Os carros atolam quando passam pela Areia (foto X), pelo menos na época seca o problema não é lama. Além disso há inúmeras pedras e verdadeiros blocos na pista. Em um dos trechos, há um morro, onde passar por ele é tão complicado que colocaram um pouco de asfalto nesse trecho; o problema é que há tantos blocos antes do asfalto, e um degrau tão grande entre o asfalto e a pista de “terra” que tivemos que fazer uma força tarefa pra melhorar a pista e os carros passarem (fotos 5 e 6). Foto 5 Foto 6: Haviam blocos de pedra muitos grandes logo antes de um pequeno trecho asfaltado, exatamente pelo relevo ser íngreme nessa porção da rodovia que liga Ponte Alta a Mateiros. 01/05 Ponte Alta – Mateiros, via TO-255. Passeios do dia: Mirante do Espírito Santo, Cachoeira do Formiga. Para ver o nascer do sol no Mirante do Espírito Santo, saindo das dunas, acordamos 03:30, desmontamos as barracas, e saímos do Camping as 04:00.. 04:20. Atolamos algumas vezes logo após a saída do camping hahahaha, chegamos rapidamente ao acesso da trilha. Sem carro 4x4 não vale a pena pegar essa acesso, mas sim estacionar na própria estrada principal e percorrê-lo a pé, é muito curto. Não sabíamos disso, fomos de carro e a Duster atolou (foto 7); o Renegade conseguiu voltar e ficou pela rodovia. Foto 7: Duster atolada no acesso à partir da estrada principal para a Trilha do Mirante do Espírito Santo. Abandonamos o carro (Foto 8 ) no acesso. A trilha é bem pesada, porém curta. É pesada pois é muito íngreme. Foto 8: O carro acima, na rodovia principal é o Renegade. No meio do caminho é a Duster, atolada. Na parte inferior da imagem, estão os carros das agências de turismo. Um moço nos salvou ao nos desatolar! 😃 Suponho que a tenha subido em cerca de 30 minutos, parei pra descansar algumas vezes. É importante levar lanterna. É possível demorar muito mais do que 30 minutos pra fazer essa subida, é necessário estar em boa forma. Foto 9: O nascer do sol é mais bonito pra quem tá atolado ahahahha não nos rendemos à mafia da 4x4 Foto 10: descida do Mirante do Espírito Santo Foto 11: Outra vista da mesma trilha... parece que a descida da Serra do Espírito Santo é mais bonita do que a vista do mirante em si... Lá em cima há a possibilidade de fazer uma outra trilha, de mais 3 km, onde se tem acesso a outra vista – das dunas e a erosão que dá origem às dunas. Não sabemos se é legal ou não, descemos rapidinho pra pedir ajuda a alguma caminhonete 4x4! Após desatolar, fomos rapidinho pra Mateiros, reabastecemos o tanque (gasolina por R$ 5,60, em Palmas é R$ 4,60). Fizemos breves reparos no parachoque, com enforca gato... pois descobrimos que alguns parafusos caíram, e um pedaço quebrou – isso nos custou ao fim da viagem R$ 500,00. Em Mateiros achamos uma Padaria, lá comemos demais, e gastamos de menos! O pão na chapa era 1 real, café 1 real... coisa assim... tinha suco de laranja, bolo, tudo muito ótimo! Partimos pra Cachoeira do Formiga, sentido São Felix, que fica mais a norte. A estrada (TO-247) que liga Mateiros a São Felix é, como quase todas, de terra. Seu estado é incomparavelmente melhor do que a que liga Mateiros a Ponte Alta. Na Cachoeira do Formiga o esquema é R$ 30,00 camping + cachoeira. Só a cachoeira fica por R$20,00. Acampamos por lá mesmo. Curtimos a Cachoeira o resto do dia... almoçamos por lá, mas isso não vale a pena: R$ 35 reais por pessoa, não veio tanta comida assim. O legal dessa cachoeira é que não há limite de tempo, nem de pessoas. Boa parte do tempo ficamos lá sem ninguém mais. Pudemos inclusive aproveita-la de noite, pois há uma luz no local! O camping é meio precário, mas foi tranquilo. Não tivemos coragem de usar o chuveiro com shampoo e sabonete, pois isso iria diretamente para um córrego. O som da cachoeira durante a noite é ótimo. Foto 12: Cachoeira do Formiga Foto 13: Cachoeira do Formiga Foto 14: Cachoeira do Formiga 02/05 Nascente(“fervedouro”) Buritizinho, Ceiça e Dunas. Acordamos ainda na Cachoeira do Formiga, desmontamos nossas barracas e partimos pro Buritizinho, posteriormente para o Ceiça e terminaríamos o dia nas dunas. O acesso aos dois fervedouros é tranquilo sem carro 4x4. O fervedouro do buritizinho é pequeno, a água é muito transparente. Vê-se ao fundo a água “ferver”. Paga-se R$ 15 ou 20,00... pudemos ficar lá um bom tempo, só tinha um casal fora o nosso grupo. Tem um rio bem legal lá também, a água é bem límpida. Minha opinião pessoal em relação aos “fervedouros” é que eles na verdade são nascentes, muitas vezes devem cavar pra que se faça essas piscinas – apenar de chamarem por fervedouros, na verdade a água não é quente, é apenas uma nascente. O do buritizinho é pequeno, mas dá pra nadar um pouco e rende boas fotos. Partimos pra nascente do Ceiça, é mais legal que o Buritizinho, porém bem mais cheia. R$ 20 reais, 15 minutos... Parte do grupo nadou lá, parte do grupo nadou no riozinho do lado de grátis ahahhaha Acho que vale muito a pena quando vazio! Almoçamos em Mateiros, num restaurante logo ao lado de um mercadinho! Foi bem barato... algo em torno de 15 reais, foi ótimo. Partimos pras dunas umas 15:00, chegamos ao final da tarde, nenhum atolamento no caminho ahahha. Fomos começar nossa jornada de 6 km pra ir a pé, 6 km pra voltar. Parte do nosso grupo conseguiu uma carona numa caminhonete de um guia muito simpático, o passeio na caçamba foi muito melhor do que dentro de qualquer carro... que visual (foto 15). Foto 15: Eunuco e Juru divando da caçamba... nem precisou descer pra tirar foto Pra voltar das dunas, os guardas do parque deram carona pra todo mundo! As dunas (foto 16) devem ser visitadas mais cedo, desde o começo da tarde até o final da tarde. Há uma série de lagoas ao fundo que podem ser visitadas, não tivemos tempo. Além do que, as próprias dunas já são muito impressionantes! Foto 16: Pinga divando nas dunas. Serra do Espírito Santo ao fundo. Descemos das dunas e pensamos se íamos dormir novamente no camping em frente. Decidimos ir pra Mateiros e acampar na pousada e camping Toinha. O preço foi R$ 20,00 por pessoa. 03/05 Serras Gerais: Viagem para Dianópolis e Rio da Conceição. Passeios: Lagoa da Serra Partindo de Mateiros, saímos pela TO-247 sentido Pedra da Baliza, já na fronteira com a Bahia. Ao chegar lá viramos a direita na BA-458 sentido Panambi. Passamos por um infinito latifúndio, monocultura: soja. Uma estrada não assinalada no mapa do Google, perfeitamente asfaltada, nos levou diretamente para Dianópolis. Em Dianópolis deve-se abastecer o carro, pois não há posto de gasolina em Rio da Conceição. Entre Dianópolis e Rio da Conceição é cerca de 30 minutos. De Rio da Conceição a Lagoa da Serra, mais 1 hora. Apesar de termos saído cerca de 08:00 da manhã de Mateiros, só chegamos na Lagoa da Serra 15:00. Uma grande confusão foi criada na internet, em vários lugares a Lagoa da Serra foi citada como sendo a mesma que a Lagoa Bonita. Deixo claro que são lugares diferentes. Vale-se ressaltar que a Lagoa Bonita está fechada. A Lagoa da Serra (Foto 17) fica na cidade de Rio da Conceição, seu acesso é possível sem carro 4x4, e em seu estacionamento vimos vários carros de passeio comuns. O lugar é muito bonito. A água é bem transparente, e a visão da serra é impressionante. Foto 17: Galerinha na Lagoa da Serra. O Stand-Up foi emprestado por uma moça muito legal, dona do Restaurante Quintal da Serra e de uma agência de turismo em Rio da Conceição. Ela aluga Stand Up, e acho que vale muito a pena! Foto 18: Capa de disco Por fim, apesar de não haver nenhuma placa em nenhum lugar, tivemos que pagar 20 reais por pessoa por ficar na Lagoa da Serra. Achamos um PF de 12 reais em Rio da Conceição, ótimo. Ao lado dele ficamos na Pousada Brandão, o dono chama Márcio e me deu várias dicas. Negociamos o valor por estarmos em 9... queríamos acampar exatamente pra abaixar o valor, ele nos fez um desconto e pagamos 35 reais ao invés de 40! 04/05 Viagem pra Pindorama do Tocantins, Passeios: Cachoeira da Fumaça e Lagoa do Japonês Partimos de Rio da Conceição por volta das 09 da manhã. Tomamos café da manhã numa padaria onde tudo era muito barato... café 1 real, pão na chapa 1,50... Após uma hora de viagem em estrada de chão, chegamos à Cachoeira da Fumaça (foto 19); pra achar o local exato perguntamos numa casa, antes de uma ponte. Não há placas. Foto 19: A cachoeira da Fumaça tem uma queda bem alta, muito forte. Não é possível nadar nela, apenas em partes do rio um pouco mais acima. É bem bonita, tem um arco-íris permanente. É uma parada rápida durante a viagem. Voltamos à estrada em direção a Pindorama, numa única bifurcação pegamos a esquerda, não há placa. Chegamos lá por volta das 14:30. Comemos um PF barato de 12 reais, partimos pra Lagoa do Japonês. O caminho entre Pindorama do Tocantins e a Lagoa do Japonês é relativamente bem sinalizado e simples. Todo mundo conhece, basta perguntar caso seja necessário. É um caminho de 30 km entre a cidade e a lagoa. A partir de certo momento a estrada passa por uma pequena serra, muito íngreme. Alguns córregos são cortados no meio do caminho, tanto a Duster quanto o Renegade desceram sem maiores dificuldades. Durante a descida me questionei se os carros subiriam, mas subiram tranquilamente. Inclusive no estacionamento da Lagoa do Japonês havia: HB-20, Civic, uma Mercedez esportiva. Não me perguntem como esses carros chegaram lá, eu não sei... ahahhaha Foto 20: Lagoa do Japonês Foto 21: Lagoa do Japonês Foto 22: Lagoa do Japonês Foto 23: Há uma caverna na Lagoa do Japonês Foto 24: Júlio dentro da Caverna; é possível entrar em partes que não estão submersas. Atrativos e Acessos sem 4x4 (não traçados): A ordem é de acordo com o nosso roteiro; Estrada Ponte Alta-Mateiros: Cachoeira do Lajeado Chegamos sem maiores problemas até a cachoeira, é um acesso a partir da rodovia principal. É sinalizado. Há um córrego que passa em terreno bem arenoso, fui andando antes do veículo para saber se afundava; não afundava. Na época das chuvas as condições de acesso podem mudar. Estrada Ponte Alta-Mateiros: Serra do Espírito Santo Não entre na estradinha de acesso à trilha sem veículo 4x4. Estacione na estrada principal que liga Ponte Alta a Mateiros e ande até o início da trilha, deve ser cerca de 300 metros. Estrada Mateiros São Felix: Cachoeira do Formiga Chega sem veículo 4x4 pois há uma parte da estrada mais recente, onde os veículos passam com tranquilidade. Não vá pelas partes onde há areia, é possível evita-las com tranquilidade. Estrada Mateiros São Felix: “Fervedouro” Buritizinho Veículos não traçados chegam tranquilamente. Estrada Mateiros São Felix: “Fervedouro” Ceiça Veículos não traçados chegam tranquilamente. Estrada Ponte Alta-Mateiros: Dunas Estacione na entrada da rodovia de acesso. Só chegam até as dunas veículos 4x4. Você pode dar a sorte de pegar carona em algum veículo 4x4 que passe pelo caminho. São cerca de 4 km para ir, 4 km para voltar. Na volta é quase certeza que os guardas do parque forneçam carona. Cidade Rio da Conceição: Lagoa da Serra Veículos não traçados chegam com tranquilidade, ao menos na época seca. Cidade Pindorama do Tocantins: Lagoa do Japonês Veículos não traçados chegam com tranquilidade. Porém é ideal que o veículo seja alto, é necessário cruzar alguns córregos no caminho. Vi um HB 20, um civic, e uma Mercedez esportiva no estacionamento do local, eu não sei como eles chegaram, mas sei que é possível. Estrada entre Pindorama do Tocantins e Ponte Alta: Pedra Furada Há uma estrada de acesso, sinalizada, para a pedra furada. Tem bastante areia e é preciso tomar cuidado para não atolar.
Líderes está configurado para São Paulo/GMT-03:00


×
×
  • Criar Novo...