Ir para conteúdo

Líderes

Conteúdo Popular

Exibindo conteúdo com a maior reputação em 19-05-2018 em todas áreas

  1. Sempre quis sair da bolha e explorar um mundo que ia além da minha janela. Assim, embarquei em rumo à uma aventura com a mochila nas costas e fui vagar por um país vizinho, afim de me deliciar com o que a vida prepara pra gente. Enquanto me planejava, era questionado diversas vezes do porquê de ir à Bolivia; porque não para outro país “melhor”; o que fazer num país que não havia nada ou até mesmo se não havia outro país mais bacana mesmo com a moeda mais desvalorizadaem relação à nossa. Hoje vejo com mais clareza o preconceito e o estereótipo que ronda sobre a Bolívia, porém, no fundo,
    3 pontos
  2. Olá, pessoal que frequenta o site “Mochileiros.com”. Depois de muita enrolação, segue aqui o meu relato de uma viagem de 16 dias pelo Marrocos, a partir da Espanha, de 31 de outubro a 15 de novembro de 2017. Fez parte de uma viagem maior que começou em 30 de agosto e em que percorri Portugal, Suíça, Itália, Londres, Paris, Madri, e que finalizei com o Marrocos. Por sua vez, essa viagem “maior” fez parte de um 2017 semi-sabático e que me trouxe muuuita realização. As informações que obtive neste site nessa e em praticamente todas minhas viagens recentes sempre foram muito relevantes. Então, est
    1 ponto
  3. Boa tarde, Me chamo Rodrigo Gasparini(30 anos) e resolvi fazer uma trip andando a pé sozinho a mais de um atrás. Me programei e consegui iniciar dia 25 de outubro de 2017. Coloquei meu mochilao de 23kg nas costas e bora bater perna. Foram 4 meses de puro amor e 1122km. Trocando energias mágicas com todos. Ganhando comida, lugar pra dormir de pessoas que nao conhecia. Como o dia que fui passando pela praia do espelho e me chamam pra um velório, onde era pura festa! Rolando feijoada e cerveja. O falecido era conhecido por ajudar pessoas que passavam por ali. Delirante. Com di
    1 ponto
  4. Salve galera, tudo tranquilo? Sou Adão, moro a 60km de Maceió, em São Miguel dos Campos.. ano passado mochilei durante 4 meses junto a um projeto de um irmão do Sul, numa kombizinha, onde se resumia em uma "feira de livros" (venda/troca/arrecadação/doação), aprendi bastante durante esse tempo, mas ainda me sentia preso por conta que tinha todo o processo de firmar parcerias, e acabava demorando cerca de 3 semanas em cada cidade. Em novembro voltei em casa e me acomodei até hoje, mas sinto a necessidade de voltar para a estrada, sem compromissos, em liberdade, saca? E de uma maneira roots, sem
    1 ponto
  5. @DanielleTanaka , como vai? Espero que esteja tudo bem com voce? A Loja Alta Montanha é uma das mais sérias e especializadas em montanhismo que conheco. Todos os dirigentes dela sao montanhistas muito experientes. O Pedro Halk é um dos mais experientes escaladores dos Andes do Mundo! Qualquer coisa me chama no whats q fica mais facil pra conversarmos. 5541 99247 3117. Abracos, Fabio Monroe.'.
    1 ponto
  6. DIA 13 – 29/09 - Valladolid Acordei umas 7h, tomei o café que eles deram (apenas razoável, mas de graça tá valendo) e já me mandei, pois queria chegar cedo em Chichen Itza antes que as excursões chegassem e lotassem o lugar. O local de onde saem as vans é quase ao lado do terminal de ônibus da ADO, na própria Calle 39, mas eu acabei passando direto e tive que voltar. Aproveitei e parei no terminal e comprei a passagem para Tulum, voltei e aguardei numa van, só tinha eu, duas alemãs e um casal. O tempo foi passando e nada da van sair e as duas alemãs foram lá falar com o motorista, ele di
    1 ponto
  7. Olá, nunca participei do couchsurfing mas já participei do Hospitality Club (um website bem parecido onde participei bastante entre 2003 e 2007) e atualmente sou anfitriã no Warmshowers, um site de hospitalidade para cicloturistas. Não sei como funciona o couchsurfing, mas no warmshowers a falta de referência não impede ninguém de pedir/conseguir acomodação. Já recebi várias pessoas que não tinham recomendação nem referências, nunca me estressei com isso. Recebo mais pedidos de acomodação no warmshowers do que tenho interesse/disposição de acolher na minha casa. O que me faz negar ac
    1 ponto
  8. DIA 12 – 28/09 - Mérida / Valladolid No México é muito comum ocorrerem blitz nas estradas, principalmente nas interestaduais, e o ônibus foi parado num desses, subiu uma policial e pediu os documentos, eu estava dormindo pesado e acordei meio zureta, quando fui abrir a doleira pra pegar o passaporte e percebi que o RG e o papel da imigração que estariam dentro dele não estavam, entrei em pânico imaginado se havia perdido em algum lugar. Dei o passaporte pra policial e quando ela pediu a “tarjeta da imigración”, pedi licença ao senhor do meu lado que se levantou, eu abaixei e comece
    1 ponto
  9. DIA 11 – 27/09 - San Cristobal de Las Casas / Palenque / Mérida Acordei às 3h, coloquei o que faltava na mochila e fiquei aguardando a van chegar às 4h, pelo menos havia parado a chuva. Ele chegou ás 4h30, me despedi de um dos funcionários que estava no outro hostel e estava acordado. Eu fui um dos últimos a entrar, depois de mim ele pegou mais um casal e partimos rumo a Ocosingo, onde tomaríamos o café da manhã. Estava bastante escuro e aproveitei pra cochilar um pouco, apesar de estar desconfortável, pois a mulher que subiu depois sentou na minha frente e reclinou bastante o banc
    1 ponto
  10. DIA 10 – 26/09 - San Cristobal de Las Casas O dia estava bem ensolarado e sai cedo pra visitar o povoado de Chamula, tem umas vans que vão pra lá, elas saem da esquina da Calle Honduras com a 16 de Septiembre de uma garagem, é só chegar e ir entrando, custa 18 pesos, eles esperam encher (ou pelo menos metade) e partem, a viagem dura mais ou menos 30 minutos, e o tempo começou a ficar estranho. A parada final da van é na praça principal da cidade (se bobear, a única), onde fica a igreja de San Juan Bautista. Na frente, há uma praça bem grande onde ficam várias barraquinhas de l
    1 ponto
  11. DIA 9 – 25/09 - San Cristobal de Las Casas A viagem seguia madrugada adentro quando umas 3h da manhã o ônibus parou na rodoviária de uma cidade chamada Santiago, aproveitei para comprar uma “Sabritas” (como eles chamam os salgadinhos da Elma Chips por lá) e uma coca e depois consegui pegar no sono rápido (o roncador acabou dando uma sossegada). Eram 6h45 o ônibus parou em Tuxtla Gutierrez (capital de Chiapas) e de lá seguiu morro acima até San Cristobal. Estava sol mas no caminho começou a chover e uma neblina forte tomou conta do caminho. Por volta das 8h paramos na rodoviári
    1 ponto
  12. SVALBARD - mais detalhes chegando em Longyearbyen, o principal povoamento de Svalbard depois de 42 horas de viagem. Este arquipélago situa-se entre 74 e 81 graus norte, bem próximo ao Polo Norte (90 graus). Estaremos chegando na entrada do verão de lá com temperatura entre -5 e 2 graus . Toda a chuva cai sob a forma de neve. Nesta época a partir de meados de Abril, o Sol nunca se põe durante 4 meses, circulando todo o horizonte sem nunca desaparecer. No inverno é a escuridão total por 4 meses. Esta é a terra do urso polar. Com aproximadamente 2.500 habitantes fixos, o número estimado de urso
    1 ponto
  13. @Jugoncalves27 Ficou uns 25 mil os dois, inclusive com as passagens.
    1 ponto
  14. 10-11: neste quarto dia de viagem programada, o roteiro informado pela organização foi esse: “Acampamento nas dunas de Erg Chebbi - Merzouga - Erfoud - Tinjdad - Gargantas do Todra - Boulmane - Kelaa Mgouna - Skoura - Ouarzazate. Nascer do sol no deserto, passeio de dromedário de volta ao transporte. Partida em direção às gargantas do Todra e passagem por Erfoud. Passagem por Boulmane do Dades e o Vale das Rosas. Passagem por Skoura pela Rota das 1000 kasbahs - jantar e dormida em Ouarzazate no Riad Dar Rita http://www.darrita.com/hotel-marrocos/.” Ou seja, muitos des
    1 ponto
  15. 09-11: Ida pro Erg Chebbi, o mítico passeio ao deserto do Saara. Roteiro: Ouarzazate – Agdz - Vale do Draa, o maior rio do Marrocos – Nkob - Tazzarine - Alnif - Rissani - Merzouga. O que eu não esperava era que a maioria das localidades citadas no roteiro seriam apenas avistadas ao longe. De fato, pelo tempo que dispúnhamos e a grande distância a ser percorrida, não daria mesmo para um detalhamento de cada lugar. Apenas em Rissani é que houve uma parada mais demorada para se visitar um mercado local, interessante para adentrar melhor no cotidiano do Marrocos profundo. De qualquer forma, não ha
    1 ponto
  16. 08-11: O roteiro deste dia foi o seguinte: Marraqueche - Talouet - Ait Benhaddou - Ouarzazate, passando pelo vale do Ounila, pelas montanhas do Alto Atlas e em uma cooperativa de fabricantes de óleo de argan, entre outros produtos locais. Já nesse trecho ficaram claríssimos o ponto alto e o ponto fraco do passeio. Como os irmãos organizadores Rita e João são portugueses, é com falantes da nossa língua que se viaja, no caso, 14 pessoas numa van, com 4 portugueses e os demais, brasileiros, mais o motorista e o guia marroquinos. E isso facilita a integração. Demos sorte pois a harmonia que
    1 ponto
  17. 05-11: Visita a Rabat. Fui parar na capital do Marrocos devido a um erro bisonho. Comprei uma passagem de trem pra visitar Meknes (22 dirhans), próxima a Fez. Mas, ali, temos duas estações de trem. Me sentindo na Suíça, deixei passar a primeira e esperei pela segunda, mais próxima da medina, isso segundo o google maps. Que passou sem que o trem parasse. E lá fui eu à procura do fiscal ou um funcionário que soubesse inglês ou espanhol e me esclarecesse pra onde o trem estava indo agora e como fazer pra voltar. Esclarecido tudo, mudei de planos. Fui à Rabat, capital do Marrocos (mais 80 dirhans)
    1 ponto
  18. Mauro, Vc acha importante alugar um carro em Bariloche! Estou indo em abril e ficarei 8 dias... fiquei na duvida se valeria a pena alugar um carro ou se os passeios podem ser feitos com tranquilidade sem um carro... Grato!
    1 ponto
Líderes está configurado para São Paulo/GMT-03:00
×
×
  • Criar Novo...