Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Mais curtidos da Semana


Conteúdo Popular

Mostrando conteúdo com a maior reputação desde 04-10-2018 em todas áreas

  1. 16 pontos
    Saudações! Há pouco compartilhei um relato sobre como foi viajar e viver na BR nos últimos dois anos e meio conhecendo um pouquinho de cada uma das cinco regiões do Brasil de carona, a pé e de bike. O relato não aborda roteiros, preços ou dicas mas busca compartilhar outras dimensões e aprendizados que tive (e você pode entender ao que me refiro aqui: https://www.mochileiros.com/topic/66973-sobre-a-coragem/ ). Como venho assimilando as informações vividas nesse intervalo entre ciclos que se encerram e se iniciam - e como todos sabemos que "happyness is only real when shared" -, percebi que outros dois assuntos são recorrentes no curioso imaginário da arte de viajar ~por aí e resolvi compartilhá-los também buscando somar. No outro post, os aprendizados foram compartilhados a partir da óptica da coragem necessária para seguir o coração a despeito de quaisquer garantias ou certezas que um mochileiro enfrenta no início, e automaticamente me lembrei das muitas mentiras que também temos que encarar. Acredito que a maior mentira que a humanidade perpetua a si e ao coletivo - de maneira quase socialmente institucionalizada - é o "não tenho/deu tempo", que é a maneira politizada de dizermos que não-queremos-tanto-assim-fazer-algo-como-dizemos-que-queremos. Mas, uma vez tendo vencido este autoengano, me deparei com aquela que considero a segunda maior mentira do universo das viagens: "para viajar precisa de dinheiro". Criada num contexto de classe média baixa onde as viagens feitas não ultrapassaram os dedos de uma mão (e envolveram exclusivamente a visita a algum parente distante ou um bate e volta à praia mais próxima) cresci com a crença de que viagem é luxo e que precisa de dinheiro para isso. Ao me dispor a encarar esta máxima e colocar a sua veracidade em cheque, descobri que é balela: para viajar precisa ter vontade - e disposição, claro! Não estou pregando que o "certo" ou "errado" é viajar com dinheiro ou sem, até porque ele é apenas uma ferramenta. O que busco salientar é que ele não é obrigatório como cresci acreditando que era. Ao escolher viajar sem dinheiro precisamos das mesmas coisas que ao viajar com dinheiro (ou até mesmo se ficarmos parados!): precisamos comer, tomar banho, dormir em um lugar minimamente seguro, etc, a única diferença é que se faz necessário encontrar maneiras alternativas de suprir tais necessidades, e daí vai da disposição e criatividade de cada um. Como diz o ditado "quem quer arranja um jeito, quem não quer uma desculpa". Outra mentira na qual tropecei antes mesmo de colocar a mochila nas costas foi "é perigoso mulheres viajarem sozinhas". Tantas são as fobias e "-ismos" fortemente enraizados em nossa cultura que reproduzimos sem nem ao menos questionarmos as origens que eu mesma muito me admirei ao notar o sutil machismo que me habitava por acreditar nessa idéia. No entanto, após pensar um pouco, concluí que uma mulher viajar sozinha não é mais perigoso que uma mulher ir comprar pão, andar no transporte público ou ir para o trabalho. A sociedade é patriarcal e o assédio, infelizmente, encontra-se em todas as esferas sociais, logo é uma mentira acreditar que uma mulher viajando está mais susceptível à riscos do que qualquer outra mulher em qualquer outro lugar fazendo qualquer outra coisa. Outra ideia que tinha como verdadeira, e que descobri ser mentira muito rapidamente, é a de que "todo maluco de BR é paz e amor". Fui muito ingênua por acreditar nisso? Fui! Romantizava a vida na BR? Sim! Mas não levou muito tempo para que compreendesse que essa é uma inverdade por motivos lógicos! Hoje dou risada da magnitude de minha inocência por acreditar nesse estereótipo romantizado e assumo que compreender isso foi como levar um balde de água fria - necessário. Roubos, drogas, disputas e desonestidade são apenas alguns exemplos da realidade que não esperava conhecer entre os mais variados malucos de BR. Antes achava que todos eram "hippies saídos do Hair" ou "Cheech & Chong", embora estes existam em processo de avançada extinção... Rsrsrs sabe de nada, inocente... Mas de todas as mentiras, a que mais me pegou foi "só dá para viajar com equipamentos ~adequados (lê-se, caros)". Sonho em ter uma mochila da Deuter? Sonho. No entanto, consegui muito bem me virar, entre remendos e adaptações alternativas de baixo custo (a.k.a. gambiarra) com uma comprada na loja do chinês por R$80. É claro que poder ter um equipamento de qualidade implica diretamente na relação entre conforto e rendimento, mas nada que não possamos nos adaptar. Digo que foi um ponto que me pegou pois também passei pela situação inversa: investi em um equipamento de marca e me ferrei! Por muito tempo, após ter passado por uma experiência de chuva muito intensa com uma barraquinha dessas de supermercado sem ter nem ao menos uma lona (amadora, rsrs), juntei dinheiro decidida a investir na minipak. Como passaria a viajar de bicicleta, ela era leve e apresentava uma excelente coluna d'água pelo que a julguei perfeita. Porém, ao adquirí-la e usá-la realizei que não era funcional para mim pois sentia falta de ser autoportante, é muito chata de guardar, o teto é muito baixo para o cocoruto, é pequena para visitas (ou sou muito espaçosa...), o alumínio entorta fácil e a vareta com 3 meses de uso quebrou! Passei um bom tempo pensando em como uma simples lona custando 10x menos já resolveria meus problemas... Rsrsrs Dessa forma, aprendi que equipamento bom é o que temos pois atende às nossas necessidades e temos intimidade com ele. Mas ainda hei de comprar uma mochila da Deuter! Rsrs Outro tema recorrente aos mochileiros são os tais dos perrengues! Ouso até dizer que, aos que ainda sucumbem ao medo, eles interessam mais do que as viagens em si! Rsrsrs Os perrengues e dificuldades são tão relativos quanto possíveis, variando de viajante para viajante assim como em intensidade. Para alguns o maior pesadelo pode ser perder a reserva de hotel, para outros pode ser um pernilongo. Dentro do que me propus a viver, por saber e confiar que nada que realmente precisasse faltaria, também carregava a consciência de que assim como recebo posso ter tirado de mim, afinal o conceito de posse já não mais me acompanha. Dessa forma, por não carregar eletrônicos, documentos ou ítens de valor comercial reconheço que fica mais fácil não se preocupar com perrengues. Ou não. Ao menos era nisso que acreditava até tomar A MAIOR CHUVA dessa vida numa passagem pela Chapada Diamantina. Pelo meu característico amadorismo e excessivo despreocupar no começo da vida mochileira, nem lona carregava, logo, a barraquinha de R$50 do mercadinho só serviu para canalizar o fluxo d'água numa cachoeira central que molhou a.b.s.o.l.u.t.a.m.e.n.t.e. TUDO. Compreendo que qualquer adversidade que surja é passível de adaptação, no entanto ficar completamente molhado nos traz a pior sensação de impotência possível já que não se tem o que fazer... O perrengue de tomar uma chuva e ficar completamente molhado ainda se agrava pois a questão não é solucionada com o fim da chuva! Mochila, barraca, roupas e pertences permanecem molhados por dias e isso significa que também ficam mais pesados, fedorentos e com grande possibilidade de embolorarem, além do risco momentâneo de hipotermia. Certamente, nunca passei por perrengue tão intenso quanto ficar completamente molhada pela chuva. Por dias. Embora menos intensa quanto aos desdobramentos porém potencialmente problemática é a situação no outro extremo: ficar sem água. Houveram períodos em que levei bem a sério o Alex Supertramp e fui morar um tempo com minha barraquinha no meio do mato. O desafio principal está no fato de que não só o ser humano busca água como toda a natureza. Dessa forma, dividir a fonte com outros animais, fofos ou peçonhentos, é inevitável e saber a sua hora de usar a fonte e a hora deles é uma urgente sabedoria. Mas também houveram situações em que não havia uma fonte de água próxima e esse também se torna um desafio de captação, transporte, armazenamento e racionamento dessa água. Momentos como este reforçaram a consciência ecológica do desperdício-nosso-de-todo-dia com algo tão sagrado. Mas o perrengue mesmo é quando a água de beber acaba no meio do nada! A desidratação é um perigo silencioso e intenso pois o corpo buscará compensar a perda hídrica envolvendo todas as funções biológicas e então atividades simples como andar, falar e pensar se transformam em desafios homéricos. Saber calcular e administrar a relação distância x peso x sede é fundamental para evitar este perrengue. Além de ficar hipotérmica ou desidratada, os únicos perrengues que considero ter enfrentado derivam de um único fator: cansaço. Não me refiro ao cansaço físico pois este se resolve com uma ciesta, me refiro ao cansaço mental. Ter que retornar por caminhos já conhecidos, e que envolviam grandes centros urbanos, ou estar acompanhada de alguém com prioridades diferentes ou que só fazia reclamar são exemplos do que me causava o cansaço emocional. Então, mais de uma vez, a pressa por sair logo de uma dessas situações fez com que me colocasse no que chamo de vulnerabilidade desnecessária. Viajar exige uma pré disposição em se expor mas existem situações em que aceitamos nos submeter a uma exposição de alto risco sem real necessidade. Posso citar aquela carona que se aceita próximo do anoitecer pela pressa de chegar logo ou atravessar algum lugar, ou quando por preguiça de darmos uma volta maior mas que apresente menos riscos cruzamos trechos perigosos (estradas sem acostamento em trechos de serra, túneis ou viadutos), ou quando escolhemos parar em lugares sabidamente arriscados (como um leito de Rio ou cachoeira em época de chuvas, na praia aberta durante uma tempestade, sobre folhas secas ou chão batido certamente território de cupins ou formigas noturnas) ou quando aceitamos aquela carona cujo motorista apresenta nitidamente ao menos um pé na psicopatia - é raro, mas a energia que emanamos atraímos de volta). Felizmente aprendi rápido que o único remédio para o cansaço é descansar! Estes são exemplos da vulnerabilidade desnecessária que o cansaço mental atrai e transforma em verdadeiros perrengues. Sinto que as balelas e perrengues são intrínsecos a todos viajantes e, embora não pertençam ao lado glamouroso da viagem, são parte do alicerce. Que este compartilhar possa minimamente suprir a curiosidade dos que ainda buscam apoio na literatura assim como me confortam ao externizá-las, validando de certa forma as experiências que tive. Mas mais do que isso, que estas palavras sirvam de fermento ao questionamento. Não acredite no que falo. Duvide. Busque ter sua própria experiência. Dedico este compartilhar a todas e todos que têm ao menos um perrengue para contar pois acredito que este seja, no mais profundo, o seu propósito: transformar a história em estória... PRABHU AAP JAGO
  2. 15 pontos
    TORRES DEL PAINE 15 A 24 DE NOVEMBRO 2018 Vou fazer meu relato sobre o Circuito O de Torres Del Paine, na Patagônia Chilena. Foram 9 dias de trilha, sendo 8 de caminhada. Um total de 97 km, porque não fiz algumas partes, como o Mirador Britânico ou a ascensão a Base das Torres em si, por dois motivos, que vou explicar mais pra frente no relato. Eu não tinha nenhuma experiência com trilha, ou acampamento, ou viajar sozinha. Sempre fui sedentária, não sou de praticar esportes ou exercícios físicos. Então esse é um relato de uma pessoa que foi fazer o Circuito O, sem nenhuma experiência, com praticamente nenhum treino, só com a força de vontade. Se você sonha em fazer, mas tem medo ou não tem preparação, esse relato é pra você mesmo. DIA 1 HOSTEL – TORRES DEL PAINE GUARDERIA/CAMPAMENTO CENTRAL – CAMPAMENTO SERÓN Dificuldade: Média (considerada fácil para a maioria das pessoas) Distância: 13 km Saí do Hostel em que eu estava às 6h40 da manhã, com muita pressa e quase correndo, porque teria que andar 500m de pura subida (até com escadas na calçada), com minha mochila de 12.720kg e o ônibus saía da Rodoviária às 7h! Cheguei até com tempo de sobra, acho que acabei me desesperando tanto que fui mais rápido do que precisava, peguei o ônibus. Paguei 15.000 pesos chilenos, passagem de ida e volta, eu comprei as passagem dois dias antes, assim que cheguei em Puerto Natales, justamente porque sabia que o tempo seria curto, porém comprei pela Bus Sur que tem horário fixo de volta, ou seja, se eu comprei para o ônibus das 13h, não posso embarcar no ônibus das 19h e mais tarde acabei descobrindo que outras companhias dão a possibilidade de embarcar em qualquer ônibus desde que seja no mesmo dia da passagem compra, o que é uma idéia melhor, visto que imprevistos podem (E VÃO) acontecer. Embarcada no ônibus, a caminho de Torres Del Paine, a ansiedade estava a mil, no pensamento só o medo de não conseguir completar o circuito. A paisagem é maravilhosa, muito linda, com montanhas e pastos verdes, com ovelhas e guanacos que são tão fofos quanto parecem ser pelas fotos. Chegando ao Parque desci na portaria que ia começar a trilha, a Laguna Amarga. Eu já tinha compro o ingresso do Parque online, então fiquei em uma fila para fazer meu registro, apresentar o ingresso e meu documento, e pegar minha autorização e mapa para entrar. Com essa autorização, pude pegar um transfer que paguei 3.000 pesos até a entrada da trilha (é possível já ir andando desde a portaria laguna amarga, muita gente faz isso, mas eu queria evitar a fadiga) onde tem uma recepção. Tive que mostrar as reservas de acampamentos, e preencher uma ficha com alguns dados, incluindo numero de contato de emergência, só assim pude começar na trilha. Uma informação útil: é possível se conectar ao wifi nessa recepção, desde que você tenha uma conta PayPal ou cartão de crédito, você paga por hora ou minuto. Depois de todo esse processo, as 10h30min comecei oficialmente a trilha. Nos primeiros 15 minutos caminhando, já tinha uma subida (que eu considerei terrível), não deu tempo nem de esquentar o corpo e essa subida logo de cara. Comecei a subir pensando “o que eu to fazendo? Eu deveria voltar antes que seja tarde demais! Eu não vou conseguir, isso é loucura” com esses pensamentos negativos já vem as lagrimas, dois anos de planejamento, 2 anos sonhando com isso e eu já pensando em desistir antes do primeiro quilometro. Mas continuei andando, um passo na frente do outro, sempre pensando “mais um passo, só mais um passo” e parando a cada 10 minutos. Chegou a um ponto, que a subida não acabava eu parei e pensei “chega, vou voltar”, mas então olhei para trás, e p*ta merda, já tinha andando demais. Então eu continuei, o caminho é bonito, não é lindo de tirar seu fôlego, mas é bonito, tem muitas arvores, tem SIM um sobe e desce sem fim, e o dia estava meio chuvoso como era de se esperar para essa época do ano. Andei pra caramba, e quando eu pensava “to chegando” via uma placa de localização, falando que estava na metade, eu queria morrer quando isso acontecia. Então andei e andei, passei por uns vales, por subidas e descidas, todo mundo da trilha passou por mim, passei por algumas pessoas também, que passaram por mim novamente. Tem muitos rios pelo caminho, então não precisa se preocupar com carregar peso de água. Por fim, fica plaino e você começa a caminhar em um bosque, cheio de arvores e um caminho que parece acessível de carro. AH! Também vi cavalos selvagens nesse dia, eles ficam andando no caminho, tranquilamente, como se as pessoas sequer estivessem ali, simplesmente maravilhoso. Depois de andar muito, com nada maravilhosamente especial no dia (a não ser os cavalos, e o vento patagônico que te desafia), cheguei ao acampamento, as 16h30m. Gastei 6 horas para caminhar o que no mapa e na maioria dos relatos que li, são 4 horas. Mas cheguei, que alivio. O psicológico pesa muito, depois de montar minha barraca, entrei e chorei. Me senti isolada, sem saída, pensava “para eu ir embora e desistir, tenho que andar isso tudo de novo, o que eu vou fazer?” seguindo em frente, no segundo dia seriam 18km, se eu sofri pra 13, imagina pra 18! No Serón, tem banho quente, o que pulei porque estava exausta até pra isso (risos), tem um lugar para cozinhar, e não é permitido cozinhar fora dos lugares indicados. A salvação pro psicológico é encontrar pessoas para conversar quando se está no acampamento. E nesse quesito tive sorte, encontrei um grupo de brasileiros maravilhosos, que me incentivaram, e me deram uma força gigantesca psicologicamente, falando “relaxa, você vai conseguir, é só ir com calma”. Aquilo foi ouro de se ouvir, fiquei mais tranqüila e fui dormir, porque estava extremamente cansada e o dia seguinte seria longo, literalmente, já que na patagônia nessa época amanhece as 05h30min e escurece depois das 22h! Informação útil: no acampamento Serón também tem internet wifi, mesmo esquema do da recepção, pago por hora ou minutos; você faz check in, e eles meio que sabem que você vai passar lá, isso da uma sensação de segurança maravilhosa e segue por todo o percurso; eu montei minha barraca perto de uma lixeira, no outro dia vi que tinha um ratinho lá, por sorte ele não tentou invadir minha casa rsrs mas vale a atenção; a vista do Séron já é maravilhosa e SÓ FICA MELHOR A CADA DIA, SÉRIO! Vou continuar os relatos dos outros dias nos comentários. Pode demorar um tempo. Esse é meu primeiro relato, então não deve ser muito maravilhoso, mas eu quero mesmo é ajudar com informações que eu não encontrei quando estava me planejando. Qualquer dúvida que tiverem, informações que precisarem, sintam-se a vontade para me perguntar, será um prazer ajudar com o que eu puder.
  3. 14 pontos
    Hoje ao acordar notei que tudo estava mais lindo, mais colorido, podia enxergar a alegria estampada em pequenos detalhes e afazeres. Não tinha como ser diferente afinal, não são todos os dias que fazemos aniversario, hoje dia 07/02/2018 faz exatamente 1 ano desde que sai do comodismo, do comum, da rotina estafante que vivemos, e continuamos, sabe por que ? por que temos a sensação de estar tudo bem, esta confortável, por que mudar algo que pensamos ser o melhor, afinal é seguro. Mas eu não, eu pensava diferente, não estava legal, não me completava, apenas me absorvia mais e mais, até que em certo ponto cansei de toda essa vida monótoma, e aqui estou completando 1 ano de viagem. Já contei minha historia aqui no grupo uma vez, mas vou contar uma segunda, pois sei que muitas pessoas mudaram sua forma de pensar e ver o mundo a partir do post que fiz. Sou christopher hoje com 23 anos, estou na cidade de Balneário Camboriú. Bom eu era normal como todos somos, o tipico jovem brasileiro, trabalho, casa, carro, relacionamento, amigos, festas etc. Mas certo dia algo mudou, não tinha mais aquela animação pra ir trabalhar, não tinha animação pra sair com os amigos, não tinha animação pra sair nem da cama se quer, apenas olhava tudo esvair de mim aos poucos, mais e mais, e cada vez mais era pisado pelo black dog, e me afundado em depressão, foi então que acabei saindo do emprego, pois não tinha animação pra ir, com o passar dos dias veio o termino do meu noivado, isso foi uma marretada para a angustia de um depressivo, logo as contas de fim de mês começaram a chegar, acabei vendendo meu carro para pagar-las e liquidar toda e qualquer divida que tinha. Então ali estava eu fechado em meu mundinho obscuro, cercado de pensamentos suicidas. Mas, surge aquela luzinha ao fim do túnel, então resolvo que eu tinha que sair dessa, minha vida não podia acabar ali naquela casa, sozinho, eu era mais que tudo aquilo, não era possível que vim ao mundo pra viver até os 22 anos e ser lembrado por amigos e familiares como o depressivo que se suicidou. Fui ao meu computador e resolvi terminar com tudo de uma vez, consultei o santo google ''Como sair de uma depressão'' eis que apareceu varias e varias coisas, abrangendo uma gama de assuntos sobre, mas algo me chamou muita atenção, ''viajar é o melhor anti-depressivo'' estava ali, era só absorver essa informação, mas poxa ''sou pobre, como vou viajar e conhecer o mundo ?'' consultei o google mas uma vez ''como viajar sem dinheiro'' advinha onde fui parar ? ''mochileiros.com'' me encantei com os relatos de viagens, pessoas que saíram meteram a cara com pouco e as vezes nada, então estava ali, era o que eu queria pra mim naquele momento, depois de me aprofundar nas teorias de viajeros, e aprender o ''básico'' sobre sobreviver na estrada, estava focado em sair, logo arrumei a bolsa que carregava meu antigo notebook, coloquei umas roupas, peguei minha carteira que tinha 170 reais e sai no outro dia logo cedo, as 7 horas da manhã do dia 7 de fevereiro peguei minha primeira carona de Cafelândia do Oeste para o mundo. e assim segui, conhecendo lugares incríveis, um mais lindo que o outro, conhecendo pessoas, pessoas essas que são como anjos para quem vive pela estrada, escuto muito dizerem que existe muita maldade no mundo que vivemos, mas acredite é minoria, a bondade é imensa quando você se permite mais. Bom, conheci o mar pela primeira vez no ano passado, quando sai de Cafelândia, sai com proposito único de realizar meus sonhos, e conhecer o mar era um deles, então fui ao litoral Catarinense, passei por lugares no Parana, São Paulo, uma beiradinha do Rio de Janeiro, Minas Gerais (estado que eu era encantado desde pequeno) Espirito Santo, e em cada lugar que ia, aprendia algo diferente que sempre me moldou a tornar-se um ser melhor, mais feliz, foi onde vi, que tudo de mal que vivi antes de meu renascimento, serviu apenas para mostrar que eu estava vivendo errado, e era necessário mudar minha forma de viver. para quem leu até aqui, muito obrigado, desculpa tomar tanto tempo, deixo para você uma frase para refletir ''Permita-se mais, não deixe para depois, o que pode ser feito agora, o depois pode não vir a existir''
  4. 14 pontos
    Uau... sempre gostei de ler e escrever mas 'em todos estes anos nessa indústria vital, essa é a primeira vez que isso me acontece' rsrs olho para a tela em branco mas as palavras não saem. Várias foram as vezes em que esta cena se repetiu nas últimas semanas e noto uma resistência interna em ordenar as palavras e externizá-las, permanecendo em silêncio degustando-as. Conheço bem essa resistência: é apego! Comumente remetemos o apego aos bens materiais mas quase sempre ignoramos que eles não passam de um símbolo. O real apego é sempre a ideia por trás do símbolo. Venho apegada à ideia da vida que vivi nos últimos dois anos e meio e soltar essa ideia é assumir que ela agora faz parte do passado. No entanto, o novo só vem quando soltamos o velho. E para isso se faz necessário ter coragem... As palavras que se seguem são um ato de coragem. CO.RA.GEM. substantivo feminino: 1.força ou energia moral diante do perigo; 2.sentimento de segurança para enfrentar situação de dificuldade moral; 3.atributo de quem tem determinação para realizar atividades que exigem firmeza. (Dicionário Michaelis) Ou, como uma irmã me ensinou um dia: do prefixo cor (coração) e do sufixo agem (do verbo agir): coragem é agir com o coração. E foi totalmente seguindo o meu coração que ao completar 26 anos em janeiro de 2015 escolhi ir viver as coisas nas quais acreditava. Contexto: na época uma angústia muito forte me acompanhava no dia a dia de faculdade, trabalho e nas pequenas efemeridades que caracterizam o cotidiano. No fundo, a angústia podia ser descrita como um sentimento de não pertencimento e até mesmo uma profunda incompreensão generalizada, não entendia o sentido de fazer as coisas que fazia pois enxergava uma sociedade doente e me apoiava em discursos de liberdade contra um "sistema opressor". No meu aniversário de 26 anos cansei de falar (lê-se: pregar) no facebook sobre as coisas nas quais acreditava e resolvi ir viver as coisas nas quais acreditava. Foi num ato repentino da mais profunda coragem num misto com a mais profunda inconsequência que parti. Com cinquenta e cinco reais no bolso, uma tampa de caixa de pizza escrito 'Alto Paraíso' e uma mochila extremamente pesada contendo 75% de inutilidades, fui para a BR. A única experiência que tinha era de ter pego carona com uma amiga até a cidade vizinha (interior de São Paulo, coisa de 100km de distância) poucas semanas antes, mas desde então sabia que se havia conseguido uma carona, conseguiria quantas precisasse. Afinal, muitos podem passar mas só preciso que 1 pare! E foi com essa confiança que, acompanhada de outra amiga que nunca havia viajado de carona, fui rumo a Chapada dos Veadeiros. Não olhei no Google, não tinha mapa, referências ou distâncias. Tudo o que sabia era que queria chegar na tal da Chapada e que pediria carona para isso. Há pouco tempo ouvi a seguinte frase sobre cair na estrada: "não tem como se preparar para isso". Essa é a mais pura verdade, e esse foi o primeiro grande aprendizado. Também é verdade que um único dia de BR te ensina muito mais do que toda a literatura que possa já ter lido, sobre todos os assuntos. Aprendi sobre política vendo a histórica desigualdade social na vida fora dos grandes centros urbanos e fora dos telejornais; aprendi sobre geografia percorrendo as estradas que cortam as paisagens entre serras e planaltos; aprendi sobre língua portuguesa e sobre licença poética nas placas pintadas à mão oferecendo os mais diversos trabalhos Brasil adentro; aprendi sobre matemática com os preços dos postos de combustível e suas lojas de [in]conveniência; aprendi sobre a biologia do corpo que, como um camelo, cobre distâncias incríveis sem uma única gota d'água; aprendi sobre a química da arte de cada estado em misturar água quente, pó de café e açúcar de maneira tão única (e gratuita!); e, sobretudo, aprendi a física envolvida no equilibrar de uma mochila nas costas de forma que ela (como um motor de Kombi que vem atrás) ainda assim te impulsione para frente. Sempre para frente. A BR é uma exigente professora muito dinâmica, com metodologia autodidata e tudo conta como matéria dada. E é justamente este nível de exigência da entrega total ao momento que nos permite absorver todo o seu conteúdo tão eficazmente. Afinal, não dá para estar na BR pensando no boleto que vai vencer ou na ração do gato. A BR te exige por inteiro. Mas essa exigência não é a toa, pois a todo aquele que se entregar plenamente, nada faltará. Nem a carona impossível do último raio de sol do dia, nem o alimento ora como cortesia, ora como oferta da natureza, nem o cantinho maroto para montar a barraca ou o banho, seja num rio, cachoeira ou nos oito minutos mais deliciosos de sua vida num chuveiro de posto de gasolina. Nada faltará! Esse foi o segundo grande aprendizado. Portanto, é um fato que a BR supre a todas as necessidades daquele que se entrega à ela, mas isso não quer dizer que nossas necessidades serão atendidas como gostaríamos ou quando gostaríamos, mas certamente sempre que realmente precisarmos. Aceitar essa falta de controle sobre as situações e ainda assim confiar que nada nos faltará é um desafio proporcional à magnitude do milagre de ser atendido. Porque a verdade é que nós não controlamos absolutamente nada. Abrir mão da ilusão de controle foi o terceiro grande aprendizado. Depois de aprender que não há como se preparar para isso, que são necessárias confiança e entrega e de ter aberto mão da ilusão de controle, algumas virtudes certamente já se apresentam desenvolvidas das quais destaco duas: a paciência e a gratidão. Estas duas virtudes são os maiores presentes que a BR me deu. A paciência de esperar o dia in-tei-ro por aquela carona naquela estrada de terra que não passa nem vento ou naquele trecho urbano em que milhares passam mas não param por medo. A gratidão de receber o dia chuvoso como se recebe o ensolarado, de ser grata pelo jejum assim como se agradece o banquete de coração ofertado. Tendo desenvolvido a duras penas a paciência e a gratidão, aprendi que a verdade é que tudo está em nossas mãos. Com paciência e gratidão criamos o que quisermos. Esse foi o quarto grande aprendizado. Esse é um dos mais belos paradoxos humanos: não temos o controle de nada e criamos tudo o que quisermos. As palavras nem ao menos tangenciam os processos dessas compreensões e permanecem assim no campo das inefabilidades. Mas afirmo: é real. No entanto, não acredite em mim. Duvide e tenha sua própria experiência. Além dos impulsos de buscar viver as coisas nas quais acreditava, também ansiava por ser maior do que meus medos. No angustiante período que antecedeu a partida, já havia compreendido que a crença em nossos medos é o que nos limita. Na época, havia feito uma lista com todos os meus medos dos mais esdrúxulos aos nunca antes pronunciados. Levei algo próximo de três meses para terminá-la, e esta lista finalizada lembrava em muito um pergaminho dado comprimento. Em seguida os analisei. Considerei medos-meus aqueles que havia tido uma experiência direta, real e empírica e considerei medos-não-meus aqueles adquiridos por indução social e inconscientemente reproduzidos. Fiz isso pois compreendia que poderia lidar com os meus medos e os demais devia apenas soltá-los, afinal não eram meus e gastava muita energia com eles... E de todo o pergaminho, a lista se reduziu a poucos ítens contados nos dedos das mãos. Esses eram os que me interessavam vencer, os demais , como disse, abandonei. Simples assim. Junte a angústia existencial gerada por uma sociedade de consumo com a vontade de vencer os medos limitantes e algumas sessões de 'into the wild' e você tem uma pessoa disposta a rasgar documentos, dinheiro, diplomas, desapegar-se de bens materiais e referências psicoemocionais, além de cometer um "socialcídio" nas redes sociais. Toda a viagem à Chapada dos Veadeiros durou entorno de duas semanas e, ao retornar, abri mão de todos os ítens acima citados. Quando voltei para a estrada possuía apenas o meu corpo, meus conhecimentos e uma mochila com algumas roupas e alguns poucos apegos que ainda permaneciam. Queria ver o mundo como ele era sem referências. Queria ver como eu era sem referências. Compreendia que o dinheiro era uma forma de energia mas não era a única e me propus a viver da troca de conhecimentos e da força braçal, bem como do voluntariado. Mas num bom e honesto português o que me motivou foi querer ver se o mundo era mesmo como o Datena falava que era, rsrsrs É com alegria e gratidão que posso afirmar que ele possui uma visão muito limitada (e triste) do que é o mundo... Nesse período de viagens de carona que se sucedeu com trocas e voluntariado, regado à paciência e gratidão, aprendi que quanto mais a gente se doa mais a gente recebe. Esse foi o quinto grande aprendizado. Também foi um período em que muitos valores morais e crenças caíram por terra. Descobri, como diria um professor que tive, que sou o extrato-do-pó-do-peido-da-pulga no universo! Rsrs E viajei, e viajei e viajei. Curiosamente, curtos foram os momentos em que viajei sozinha. Já viajei em dupla, em trio, com criança e em quarteto. Viajar bem acompanhada é delicioso! Comunhão, cumplicidade, respeito, reciprocidade, apoio e alguém que olhe sua mochila para ir ao banheiro! Rsrsrs No entanto, só quem já viajou mal acompanhado sabe o valor de se andar só. Uma vez li em algum lugar que a solidão só pode ser realmente sentida em meio a outras pessoas. Hoje compreendo isso. E foi ao escolher passar a viajar exclusivamente sozinha que compreendi a diferença entre solitude e solidão. A solitude é sobre estar só e não sentir solidão. A solidão é sobre estar acompanhado e se sentir só. Esse foi o sexto grande aprendizado. E ao aprender a apreciar a minha companhia e a ouvir tudo o que o silêncio tinha para me falar, a vida de caronas passou a ser incompatível com minhas novas necessidades introspectivas pois bem sabemos que o pegar caronas implica em conversar e interagir (além de responder várias vezes no dia as mesmas perguntas clássicas "de onde você é?", "para onde você está indo?", "você não tem medo?", "o que sua família acha disso?", Etc rsrsrs). As trocas me garantiam apenas o mínimo ao mesmo tempo em que recebia muitas doações, e foi quando passei a me sentir sustentada ao invés de me sustentar. Essa nunca foi a proposta. Concluí que estava na hora de ser autossuficiente, decidi investir em artesanatos e passar a viajar de bicicleta para ter mais independência. Viajar de bicicleta é outro universo...! Viajando de carona o mundo já é solícito, mas de bicicleta ele é escancarado! Minha bicicleta (Kali- A Negra) é dessas padrão, sem marca, aro 26 e 21 marchas onde os maiores investimentos que fiz foi instalar bar ends de deiz real, um selim mais largo e o bagageiro no qual amarrei dois baldes como alforges, com uma garrafa pet de paralama. Junte a cara de pau de uma bicicleta dessas circulando por aí como se fosse uma Specialized, o fato de eu ser mulher e estar viajando sozinha e você terá a trinca de ouro das portas abertas na sociedade. Tenho plena consciência da sociedade patriarcal em que vivemos e de como é nascer mulher em meio a isso, mas nunca havia experienciado isso de forma tão latente pois não se admiravam por ser uma pessoa viajando de bicicleta, mas por ser uma mulher sozinha, o que claramente indica a noção do inconsciente coletivo de que o mundo é sim um lugar hostil para mulheres, já que a mesma admiração não é comum aos homens viajantes solos. Também sinto que a hiperbólica solicitude que a bicicleta proporciona vem do próprio símbolo de liberdade atrelado à ela, afinal todos temos alguma memória afetiva de infância relacionada à sensação de liberdade com alguma bicicleta. Uma metáfora não-tão-metáfora-assim que a bicicleta me ensinou nos primeiros 10 minutos de viagem foi que não importa o peso que se carrega, mas sim como o equilibramos... E pedalei, e pedalei, e pedalei. Tomei chuva, me queimei no sol, atolei na lama, empurrei serra acima e senti a "mão de Deus no guidão" ladeira abaixo a 56km/h. Fui abordada diversas vezes pela própria curiosidade das pessoas, fui recebida e convidada à hospedagens e banquetes, ganhei dinheiro e presentes, orações, abraços cheios de ternura e querer bem e, por mais delicioso que tudo isso seja, estava looonge da intenção inicial de passar despercebida... Ao mesmo tempo isso ajudou com a venda de artesanatos (mandalas de papel com beija-flores, logo, Ciclobeijaflorismo) e pude experienciar o sucesso na autossuficiência plena com dinheiro suficiente para me hospedar em campings e realizar os desejos mais supérfluos de meu ego. É nesse ápice entre a plena autossuficiência profissional e a crescente necessidade de introspecção e silêncio não compatíveis com a imprevisível vida na BR que, com a Graça Divina, tive o maior dos aprendizados. Tudo o que fizera até então era em busca da liberdade, de acordo com os conceitos que possuía de liberdade. No entanto, em dado momento pude compreender que sempre fui livre. E pela primeira vez compreendi o que Renato Russo quis dizer quando afirmou que 'disciplina é liberdade'. Todos somos livres, sempre fomos e sempre seremos. Inclusive para nos prendermos ao que desejarmos. Esse foi o sétimo e maior aprendizado de todos nesses dois anos e meio de vida nômade. Faz aproximadamente quatro meses que parei de viajar e isso se deu por uma série de fatores, compreensões e necessidades do momento. Tudo o que materialmente ainda possuo é a bicicleta e os baldes alforges (tá, e documentos. Tenho todos novamente, rsrsrs), no entanto a bagagem que estes dois anos e meio me gerou eu ainda mal consigo mensurar (e nem tenho tal pretensão!). A proposta do momento é encerrar pendências diversas que a impulsividade de outrora deixou e, tendo renovado inclusive a CNH, dar início ao projeto da casa própria sobre rodas, afinal sou uma jovem senhora de quase 30 anos que busca alguns confortos que viver de mochila não oferece, rsrs. No entanto, como ou quando isso acontecerá não me pertence mas sei que assim como a estrada me chamou uma vez, quando houver de retornar não será diferente. Coração cigano só bate na poeira da estrada! E o que ficou disso tudo? O brilho dos primeiros raios de sol pela manhã refletidos na superfície de um rio; O aroma da primeira chuva que cai e toca a terra encerrando a seca. Uma verdadeira oração silenciosa de alívio e gratidão onde não se ouve nada além das gotas; A suculência da fruta madura saboreada direto do pé; O farfalhar das folhas com o vento no dossel; O toque da pele em cada rosto que se toca em um abraço ou das mãos que se apertam. E os sorrisos! Ah, os sorrisos... As donas Marias e os seus Zés... Esse foi meu relato de dois anos e meio de viagens conhecendo um pedacinho de cada uma das cinco regiões do Brasil, de carona, a pé e de bike com muito pouco ou nenhum dinheiro vivendo a base de trocas e voluntariado, posteriormente com a venda de artesanatos. Este relato não envolve descrição de lugares, roteiros, valores, dicas ou distâncias. Aliás, quando me perguntam sobre a maior distância que já percorri digo que foi entre querer viajar e colocar a mochila nas costas. Esta certamente foi a maior distância. Este relato apenas compartilha outros aspectos de um mochilão. E embora eu tenha dito que este é o meu relato, estou ciente de que também é ou pode ser o seu, afinal, Eu Sou o Outro Você. Dedico a todas e todos que abraçaram e abraçam o desconhecido, escolhendo ir além dos próprios medos. Agradeço a todos e todas que compartilham seus relatos de viagem. Agradeço a todas e todos que compartilham. Agradeço. Trilha sonora da escrita: *Quinteto Armorial - do Romance ao galope (1974) *Alceu Valença e Orquestra Ouro Preto PRABHU AAP JAGO
  5. 14 pontos
    Sempre que falo que viajei 5 países na América do Sul com menos de 800 reais, acabo gerando aqueles olhares de dúvida, tipo, ou esse cara é louco ou mentiroso. Vou te mostrar que é possível você fazer o mesmo com um pouco de coragem e planejamento. Primeiro explicando um pouco do meu estilo de viajante, sempre gostei de viajar sozinho e durante mais de uma década estou explorando esse mundo, tendo dado uma volta ao mundo por terra sem utilizar avião, cruzado o oceano Atlântico em navio de carga, escalado dezenas de montanhas e explorado todos os extremos da América do Sul. Foram 5 expedições, 25 países, mais de 110 cidades visitadas em cerca de 408 dias na estrada. Mais de 70.000 km rodados por superfície, sendo 15.000 desses km rodados em mares e rios amazônicos. Quebrei bastante a cabeça até desenvolver essa fórmula para viajar gastando muito pouco. Assista o vídeo da expedição Extremos América do Sul onde gastei muito pouco para fazer Vou descrever nesse artigo os seguintes temas, espero que você consiga tomar coragem e partir finalmente para sua grande aventura: 1. Tripé dos gastos em uma viagem 2. Como ganhar dinheiro enquanto viaja 3. Vale a pena viajar a América do Sul? Quanto eu gastei realmente nas minhas viagens pela América do Sul? Eu fiz 3 expedições pela América do Sul em baixo orçamento, quero citar aqui 2 delas: Expedição poeira e Expedição Extremos América do Sul. Na expedição Poeira, eu consegui fazer 5 países em 22 dias, gastando 780 reais. Na expedição Extremos América do Sul, fiz 7 países em 150 dias, gastando 5.800 reais. Se você fizer a conta verá que nas duas expedições o meu gasto diário rodou em torno de 35 reais. Como fazer para gastar pouco assim? Vamos falar de algo que eu chamo de tripé dos gastos de viagem. Basicamente os custos de um mochilão se fixam em 3 pilares: Transporte, alimentação e hospedagem. Você conseguindo enxugar os custos nesse tripé, reduzirá muito o quanto você gastará na sua viagem. - Transporte Faça as contas, dependendo do vôo, um trecho de avião aqui pela América do Sul já gasta mais que eu gastei na viagem inteira. Esqueça avião se você deseja viajar com baixo orçamento, essa é a dica número 1. Essa é a parte do tripé que mais pesa, você precisará se esforçar para viajar gastando pouco com transporte, mas não é nada impossível e com um bom planejamento é possível viajar sem gastar nada. Basicamente nas minhas viagens eu uso bastante ônibus e pego carona. Carona você consegue arrumar hoje em dia via redes sociais, nos hostels e no clássico levantando o dedão na estrada. V80304-115248.mp4 Já peguei carona muitas vezes sem problema e já fiquei horas e horas na estrada tentando sem sucesso. Na Argentina foi super fácil e no Chile super difícil, é tudo uma questão de paciência e tentativas e erros. Acabei viajando com amigos dividindo o valor do aluguel de carro, na caçamba de caminhões, em carros chiques e em ônibus de turismo. - Alimentação Essa é a parte que eu me orgulho de dizer que gasto o mínimo possível, deve ser por isso que perdi 22 kilos em 150 dias de viagem. Para gastar pouco com alimentação não tem segredo: Comprar comida no mercado e cozinhar no hostel. No Chile a comida mesmo no mercado estava muito cara, só reduzir as expectativas e mandar ver: Sopinha de tomate com cenoura. Eu tenho a vantagem de acampar muito em minhas viagens, em 150 dias de viagem, passei quase 40 dias acampado e quando eu estou acampando é basicamente arroz branco com alguma proteína barata como ovo e um temperinho. Acaba-se gastando muito pouco, nesse vídeo abaixo fiquei 1 semana acampado e me alimentando de arroz com alguns itens que ia encontrando pela mochila e pelo caminho. V80321-120347.mp4 Minha receita mais barata e que mantém meu corpo funcionando o dia todo de forma saudável é: Frutas como banana e maçã no café da manhã e eu fazia 2 sanduíches com pão, tomate, abacate e ovo cozido. Eu gasto em torno de 8 reais por dia com alimentação ( Café da manhã, almoço e jantar ). Uma dica é procurar hostels que já tenha café da manhã, encontrei lugares que valia muito a pena se entupir de comida do hostel e depois passar o dia sem comprar nada para comer. Ainda vou dar mais uma dica para você se alimentar bem e ainda ganhar um dinheiro com isso, isso lá no tópico sobre como ganhar dinheiro na estrada. - Hospedagem Hoje em dia temos tantas opções de sites e aplicativos que ajudam com hospedagem que posso quase que te garantir que você vai conseguir ótimas opções de hospedagem barata. O grande aplicativo que uso é o Booking, já encontrei muita pechincha no aplicativo que jamais encontraria andando e buscando lugar no boca a boca ( Faço muito isso também ). Se o aplicativo só está mostrando locais caros, vale a pena buscar da forma tradicional, andando e perguntando. Poucas vezes eu chego em uma cidade com hospedagem garantida, somente quando sei que vou chegar de noite ou em locais mais perigosos onde é melhor eu garantir pelo menos minha primeira noite. Uma dica que sempre dou é olhar os comentários dos usuários, eu particularmente sempre vou no mais barato que aparecer. O problema de escolher só pelo dinheiro é que você acaba se deparando com quartos como esse abaixo, se te mostro o telhado tu corre kkkk Eu acampo muito, em campings e em locais selvagens, livres de cobrança. Coachsurfing é uma ótima pedida, eu fiz bons amigos nessa categoria de hospedagem. O ideal é ir criando um perfil nessas redes e se engajar, dificilmente vão te aceitar sem um perfil já trabalhado, tente hospedar pessoas na sua casa antes de ir viajar, isso deixará seu perfil perfeito. Outra categoria bem diferente de hospedagem é fazer trabalho voluntário. Você pode usar sites como Workaway e Worldpackers, eu usei o Workaway para trabalhar na Europa com cavalos no inverno e em projetos de bio-construção no Brasil. Na América do Sul tive diversas oportunidades que os próprios amigos de estrada vão te indicando, se você está aberto a essa possibilidade, de vez em quando rola até alimentação nesses trabalhos voluntários. Agora, como ganhar dinheiro enquanto viaja? Sempre me perguntam como eu consigo ficar 150 dias viajando pela América do Sul ou 197 dias viajando o mundo, sou rico?? Longe disso, não é necessário ser rico para cair no mundo, minhas contas me dizem que é mais caro viver em SP do que viajar o mundo. Existem muitas formas de ganhar dinheiro viajando e vou falar algumas aqui que eu vi rolar e achei bem honesta a forma que encontraram de continuar viajando. Uma das mais interessantes é cozinhar no hostel. Junte um grupo, arrecade um pouco de dinheiro de cada um, compre os ingredientes no mercado e cozinhe para todos. Vi isso em muitos hostels ao redor do mundo, viajantes ganhando dinheiro cozinhando para a galera. Imagine você ganhando 2 reais por cada integrante do grupo, normalmente são 10 a 15 pessoas envolvidas. Um amigo meu que está viajando há 6 anos o mundo de moto, costuma parar em casas que faltam manutenção e se oferece para pintar a casa em troca de hospedagem. Ele diz: Olha, você compra uma latinha de tinta e eu pinto tudo para você, em troca eu posso acampar aí no seu quintal? Opções não faltam, eu já ganhei uns trocados dando aula de capoeira na praça, já vi fazerem isso com Yoga e alongamento. Já vi tatuadores trocando tattoo por comida, hippies vendendo sua arte nas ruas, fazendo malabares, entenda uma coisa: Tudo é possível quando se tem ânimo para ir a luta e trabalhar seu sonho. Mas, e aí? Vale a pena mochilar pela América do Sul ? Sou totalmente suspeito para falar, sou completamente apaixonado por esse continente, tanto que estou partindo em breve para minha 4° expedição por aqui. Só digo uma coisa: Ruínas incas, montanhas, desertos, praias, um povo simpático e câmbio favorável - Onde mais você encontra isso no mundo? Fiz uma palestra falando somente sobre isso, porque eu amo tanto a América do Sul, se você está em dúvida se deve ir ou não, peço que assista minha palestra e tire suas próprias conclusões, em breve no meu canal no Youtube, siga o canal para acompanhar os novos vídeos que vou colocar. Canal Trabalhe seu Sonho --- Espero que essas informações tenham te ajudado de alguma forma e fique à vontade para perguntar qualquer coisa, será um prazer te ajudar nesses primeiros passos da sua jornada por esse continente que eu amo tanto. Grande abraço e bons ventos!!
  6. 12 pontos
    Vejo muitos tópicos aqui do tipo "viajar sem dinheiro", "viajar pegando carona pra economizar", "como conseguir tal coisa de graça". Acho válido buscar formas de economizar na viagem. Tento salvar uma graninha sempre que possível, admito. Mas também temos que pensar: "o que eu posso dar em troca?". Pq senão fica uma via de mão única: só eu serei o beneficiado. Da mesma forma que tem muita gente que fica pegando dicas/informações nesse fórum mas não colabora com absolutamente nada. Pior: lê informações que vc postou e sequer posta um "obrigado". Eu estou sempre buscando ajuda aqui, mas por outro lado procuro sempre escrever relatos das minhas viagens e responder perguntas para ajudar outros mochileiros. Uma mão lava a outra. No caso do americano citado na matéria, ele fez isso para alertar sobre o desperdício de comida e não só pra "se dar bem e economizar". Pensem nisso. Boa viagem.
  7. 11 pontos
    Vários amigos e familiares nos indagavam sobre nossas travessias, segundo eles, tudo era muito repetitivo(as fotos eram parecidas, repetimos várias vezes os mesmos caminhos, até pela falta de outros. Até tem, mas caminho particular, não faremos mais). De certa forma eles têm razão, visto que a visão do picos e montanhas não tem comparação com fotos de estradas e, tem um detalhe mais importante: as principais atrações das cidades(tirando algumas) não estão dentro delas, mas nos arredores (cachoeiras, picos, morros. ..). Nesses 2 meses, caminhamos mais de 900 quilômetros é quase 10.000 kms de carro. Conhecemos pessoas maravilhosas por onde passamos, experimentamos emoções que nunca tivemos, comidas deliciosas, não tivemos nenhum problema mais sério, tudo muito tranquilo. O BRASIL É SIMPLESMENTE SENSACIONAL! E mais bonito visto de cima. Diante disso e, até para comemorar meus 60 anos de vida (ingressei na melhor idade), neste verão resolvemos fazer algo um pouco diferente : fomos conhecer e rever alguns parques nacionais /estaduais /municipais e privados, subir alguns picos/montanhas e alguns circuitos desses locais, região de cachoeiras, e Brumadinho(Inhotim), poderíamos estar no dia do rompimento da barragem, para nossa sorte desistimos em cima da hora. LOCAIS VISITADOS: Extrema - Mg (subida as base dos pico do lopo e do lobo) Munhoz - Mg(subida ao pico da antenas, caminhos) São Bento do Sapucaí - Sp(pedra do baú e roteiro) Marmelopolis -Mg(subida ao morro do careca, mirantes, pedra montada, roteiros e subida ao pico Marinzinho) Aiuruoca - Mg(subida ao pico do papagaio, matutu, cachoeiras) Visconde de Mauá-Rj - (subida a Pedra Selada) PN Ibitipoca - Mg (Janela do céu, pico, circuito das águas e grutas) São Tomé das Letras - Mg (cachoeiras e roteiros) Carrancas - Mg(cachoeiras e circuito serra de carrancas) Ouro Preto - Mg (centro histórico e subida ao pico do Itacolomi) Mariana-Mg: Bento Rodrigues, local destruído por outro rompimento de barragem da Vale. Serra do Cipó - Mg(todos circuitos dentro do parque e travessão) Conceição do Mato Dentro - Mg: cachoeira do Tabuleiro (base e mirante) Lapinha da Serra - Mg(subida aos picos da Lapinha e Breu, cachoeira Bicame e Lajeado, parte travessia Lapinha x Tabuleiro) Brumadinho - Mg(Inhotim) PN de Itatiaia - parte alta - Mg(base do pico das agulhas Negras e prateleiras, cachoeira Aiuruoca, circuito 5 lagos, subida ao pico do couto) Piquete - Sp(subida ao pico dos Marins) Infelizmente, por excesso de chuvas, não fizemos os picos do Itaguaré e da Mina( motivação da viagem). Entrou uma frente fria na semana que antecedeu o carnaval, tivemos que abortar por questão de segurança, pois não utilizamos guias e fazemos somente Bate/volta - fica para a próxima. As surpresas da viagem: Inhotim, Lapinha da Serra e Serra do Cipó. Pois não conhecia nenhuma delas. Algumas fotos Subida ao pico dos Marins - SP Pico do Itacolomi - Ouro Preto - Mg Cachoeira Bigame - Lapinha da Serra-Mg Subida para pico do Breu e Lapinha - Lapinha da Serra-Mg Vista desde o pico da Lapinha Cachoeira do espelho - travessão - Serra do Cipó -Mg A incrível JANELA DO CÉU flora exuberante
  8. 11 pontos
    Destino: Deserto do Atacama. Vontade: dirigir por várias das estradas mais bonitas e inóspitas da nossa América do Sul. Além disso, a gente só sabia que ia passar pela fronteira por Dionísio Cerqueira e ir seguindo o caminho mais curto que o GPS nos deu até lá. Não reservamos hostel, muito menos passeios. A pesquisa sobre documentação do carro, itens obrigatórios, clima e alguns destinos foi suficiente. O resto, o destino deu conta: uma rota sem roteiro. Antes de atravessar a fronteira, decidimos dormir em Francisco Beltrão que fica a 470 km de Curitiba, só pra descansar. Atravessamos a fronteira entre Dionísio Cerqueira e Bernardo de Irigoyen pra fazer o câmbio de reais para pesos e a Carta Verde já no lado argentino. Só é necessário preencher uma ficha de imigração na aduana informando seus dados pessoais e destino. GUARDE ESSA FICHA! Não cobram nenhuma taxa e não revistam o carro. O câmbio paralelo vale muito mais a pena do que o câmbio das casas de câmbio. 1 real = 12 pesos – paralelo 1 real = 8,5 pesos – casas de câmbio Carta verde: só existem 2 opções: 15 ou 30 dias. Pagamos (em reais mesmo) 100 reais pra 30 dias. Pedem o documento do carro, do motorista e tiram uma foto do carro. Os postos de gasolina ali aceitam reais ou pesos (enchemos o tanque em reais, pois valeu mais a pena). As estradas são ótimas na Argentina, e os pedágios quase inexistentes são baratos. Foram 4 ao todo, o mais barato 10 pesos e o mais caro 60 pesos. Recomendo parar em Ituzaingó pra dormir e abastecer o porta-malas com macarrão e empanadas, pois os mercados e lanchonetes são bem baratos. Além disso, é uma cidadezinha quente e “praiana” no meio do continente. O Rio Paraná passa por lá dividindo a Argentina e o Paraguai, e é usado como praia, muitos gaúchos preferem ir pra lá no verão ao invés de subir pras praias de Santa Catarina. Depois de Ituzaingó a viagem realmente começou. Assim que saímos da RN 12 e entramos na reta infinita da RN 16 a cor da bandeira da Argentina começa a fazer sentido. Um céu de azul imenso onde não se consegue enxergar o fim daquela terra encharcada pelos Chacos, tudo ainda a 200m do nível do mar. Vários povoados, algumas cidades grandes, muitas fazendas e várias opções de postos de combustível, ainda. As estradas são lisas e pouco movimentadas. Tivemos que ultrapassar caminhões pouquíssimas vezes, o cuidado maior é com animais atravessando a pista. Ambulantes vendem morangos gigantes e suculentos na estrada por apenas 80 pesos o kg. Decidimos parar para dormir em Monte Quemado, ponto de parada quase obrigatória para os motoqueiros. Tem apenas um hotel na beira da estrada que serve almoço e jantar, mas preferimos cozinhar macarrão com nosso fogareiro portátil. Economizamos muitos pesos com isso. A única parte ruim e esburacada da estrada dura uns 20km na saída de Monte Quemado. A partir daqui, já é possível enxergar a silhueta das montanhas que escondem as tão esperadas curvas. Depois da ferradura do mapa, começa o trecho mais surreal da viagem. Entramos na RN 9 – sem dúvidas, a rodovia mais bonita do norte da Argentina - e só o que se vê são montanhas. Por todos os lados. Secas, rochosas, com cactos, nevadas, de pedras, coloridas, rachadas, de todos os tipos possíveis. Alpacas, Vicunhas, Lhamas e Guanacos atravessam a rodovia e uma paisagem totalmente diferente aparece a cada km. Foto nenhuma é capaz de registrar essa imensidão. San Salvador de Jujuy é uma cidade enorme e barata. Perto dali ficam Purmamarca, Tilcara e Humahuaca: os passeios turísticos oferecidos por eles. Fique esperto com o horário de funcionamento do comércio: tudo fecha antes das 13 e reabre depois das 17. Encha o tanque em San Salvador de Jujuy. Depois dali, não há sinal de celular e o próximo posto fica a 200 km, em Susques. Mas não conte com isso! Um posto que fica a 3896 m de altitude nem sempre tem combustível. Não confie em todos os postos que aparecem no gps. Meu gps mostrou um numa cidade a 20 km de Jujuy. Chegamos lá, e era um posto desativado. Decidimos voltar a Jujuy para encher o tanque e garantir a viagem, foi a melhor decisão que tomamos. Dali pra frente, quase não há civilização. Então, conte com o trecho Jujuy > Paso de Jama = 330 km. Não é necessário levar combustível extra. No hostel em Jujuy, fizemos o seguro de carro obrigatório para entrar no Chile: o Soapex. É feito pelo site mesmo, custou 12 dólares para 10 dias. Aqui, foi a primeira vez que reservamos um hostel, queríamos garantir pelo menos a primeira noite no Atacama pra decidir o que fazer nos outros dias. Encontramos 3 mineiros que estavam voltando do Atacama de moto. 1 deles, passou por algum objeto na pista e isso quebrou o cárter da moto, ele estava esperando o guincho pra voltar ao Brasil. (Não é preciso ir até Humahuaca pra ver montanhas coloridas, elas estão por toda parte. Essa é a estrada entre San Salvador de Jujuy e Purmamarca) Perguntamos a eles quanto tempo levaria nesse trecho Jujuy/ Atacama. Eles disseram que não faziam ideia, pois pararam tanto pra tirar foto de estrada, pedrinha verde, pedrinha amarela, plantinhas, nuvem, salares, curvas... que perderam as contas. E é fato, tambem não fazemos ideia de quanto tempo levamos. A cada km, a cada fim de curva, uma surpresa. Pra esse trecho, saia cedo e aproveite o dia todo. Tínhamos pensado em parar em Susques pra dormir, mas conversando com eles vimos que não valia a pena, é um vilarejo com pouquíssimos hotéis caros e faz muito, muito frio. Depois de 2.000m de altitude, pisar no acelerador não é a mesma coisa. O carro vai perder potência, a luz do motor vai acender, o aviso de neve na pista vai aparecer. Mas quem fizer essa viagem vai entender que andar acima de 60km/h não é necessário – e nem é possível com tantas curvas de 180 graus. Lagunas e montanhas de cores inexplicáveis por todo caminho. Atenção para a fronteira da Argentina com o Chile, o Paso de Jama: como fica a 4800m de altitude, às vezes fecha por condições meteorológicas. Conferir antes de sair nesse site: https://pasosfronterizos.com/paso-jama.php Ali em Jama, deixamos o carro estacionado e fomos fazer os trâmites aduaneiros. O frio, o vento e a altitude aceleram o coração e nos dão uma falta de ar repentina. Na aduana, pedem apenas nossas identidades, documento do carro, carteira de motorista do condutor e AQUELA FICHA que preenchemos na fronteira do Brasil com a Argentina. Isso acontece várias vezes em vários guichês diferentes. Carros particulares tem preferência na fila J (escapamos das filas enormes dos ônibus de turistas e do raio-x das malas). GUARDE TODOS OS PAPÉIS QUE A ADUANA TE ENTREGAR, eles serão devolvidos na volta. Depois, tivemos que parar o carro debaixo de uma parte coberta no meio da pista na saída da aduana, tirar tudo de dentro e colocar sobre uma mesa para o guarda abrir e apalpar todas as mochilas/sacolas/sacos de dormir e ver se não estávamos levando nada perecível – o controle deles é muito rígido com frutas e legumes, por isso levamos apenas macarrão, molho e enlatados para passar a fronteira. Se precisar, ali tem um posto de combustível, mas tocamos direto até o Atacama ainda com a gasolina de Jujuy. Depois de Jama, há uma declive imenso de uns 2500m de altitude durante 150 km até o Atacama, sempre vigiados pelo imponente vulcão Licancabur. Do lado direito, fica a Bolívia, e por todos os lados, cadeias de montanhas e vulcões. O vento forte dificulta a direção e quase tira o carro do chão quando carros passam do outro lado da pista. O ATACAMA O destino viajante veio a nosso favor mais uma vez. O hostel que havíamos reservado – Valle del Desierto - ficava retirado do centro da cidade (escolhemos assim pra ter um lugar seguro para deixar o carro, pois no centro é tudo muito apertado e não tem estacionamento) e era cuidado por um casal de brasileiros, o Gabriel e a Carol. Foi o melhor lugar que podíamos ter achado, com direito a churrasco brasileiro, fogueira nas noites mais frias e uma vista do Licancabur, que ficava em tons rosados todos os dias na hora do pôr do sol. Haviam várias kombis viajantes estacionadas e gente do mundo todo, pois era véspera do feriado das festas pátrias – do dia 14 ao dia 19 – e vários intercambistas de Santiago sobem para o deserto. Ficamos cerca de 10 dias ali, na primeira semana aproveitamos o sossego, nos últimos 2 dias os banhos que eram ótimos já começaram a ficar frios devido ao feriado (o hostel e a cidade ficaram lotados!). A cidade é bem pequena, e só há comércio voltado para o turismo. Há várias vendinhas, quitandas e sorveterias espalhadas pela cidade. Usamos várias, pois cozinhamos bastante no hostel. Nas vendinhas não há bebidas alcoólicas, pois elas só podem ser compradas em Botillerías por motivos de legislação. É seguro tomar água da torneira quando a cidade está vazia, quando está cheia, prefira água engarrafada. Como nem só de macarrão vive o viajante, comemos muitas empanadas, que são bem grandes, tem quase em todas as vendinhas e custam sempre cerca de 1500 pesos. Também tomamos muito chá de coca, que é um ótimo digestivo. Nem procure restaurantes, vá direto ao Los Carritos. A comida é MUITO boa e é o melhor custo benefício da cidade. Peça os nomes mais esquisitos e se surpreenda com o que vai vir. Pra quem está com fome: 2500 pesos. Pra quem está com muita fome: 3800 pesos. Tem opções vegetarianas também. Os sorvetes, a Chicha Cocida (que é uma bebida alcoólica) e o Mote com Huesilhos têm sabores muito diferentes de qualquer coisa que você já tenha comido. As pêras são mais suculentas, os cactos tem frutos e aquelas árvores com florzinhas amarelas deixam cair ao chão castanhas duras e doces. Guarde esses nomes e se surpreenda com os sabores: ayrampo, chañar, rica rica, algarrobo, pomelo rosado, llucuma. Como em setembro é o final do inverno, pegamos vários tipos de clima. O sol é a única certeza. Os narizes sangraram nos dias de 4% de umidade e nuvens apareceram no céu quando uma frente fria se aproximou. Nesses dias, já não era possível colocar shorts e camiseta durante o dia sem um corta-vento e as noites eram salvas pelas segundas peles e o saco de dormir usado sob as cobertas. Importante: leve pelo menos um conjunto de segunda pele, 1 par de meias de inverno e um saco de dormir simples, mesmo que seja no verão. Eles salvaram a minha vida. Durante algumas madrugadas, fizeram temperaturas negativas – mesmo não sendo típico da época do ano – e tive que dormir de segunda pele, dentro do saco de dormir, debaixo das cobertas do hostel! Quando esfriava assim durante a madrugada, dava pra perceber quando saíamos de manhã que os vulcões estavam mais brancos de neve que no dia anterior. Ir de carro traz liberdade, economia e a certeza de que é o caminho que faz a viagem valer a pena. Os passeios oferecidos pelas agências são bem caros e engessados. Como não tínhamos horário para sair e chegar, íamos pegando dicas com quem conversávamos pra decidir o próximo destino. San Pedro fica no centro do Atacama, e é impressionante como a paisagem muda ao redor, mesmo num raio de poucos quilômetros. (Onde está o Uno?) Sal encrustado em rochas que parecem lunares e dunas gigantescas brilhando ao pôr do sol no Valle de la Luna, lugares jamais pisados pelo homem no Valle de Marte, uma vista surreal de montanhas intercaladas por outras montanhas na Piedra del Coyote, uma estrada com vento salgado e quente que termina na Laguna Tebinquinche, onde a vida parece não existir, mas existe. De repente, numa estrada que corta uma laguna seca, duas crateras cheias de água não tão salgada assim formam os Ojos del Salar. A surpresa maior fica com Toconao, a cidade vizinha que abriga o Valle de Jere - desconhecido até mesmo por alguns moradores de San Pedro – um oásis em meio ao nada, que foi habitado por alguns dos povos que deram origem a bandeira Wiphala e deixaram suas marcas nas rochas. Esses são os destinos mais bonitos e de estradas mais alucinantes de até 3000 pesos por pessoa para serem visitados ao redor de San Pedro. Há quem prefira mergulhar literalmente nas atrações naturais desse lugar. Para esses, existe a laguna Cejar por exemplo, onde é possível boiar em suas águas mais salgadas do que as do mar morto, por um preço que é tão salgado quanto ela (apenas a entrada é 15.000 pesos). Dispensamos também o passeio das Lagunas Altiplânicas - que custaria uns 80.000 pesos sem incluir as entradas – pois no caminho passamos por lagunas por toda parte e em todas as altitudes. Ah, o céu: não é preciso andar mais do que 2 metros na rua – ou no quintal do hostel mesmo -para conseguir enxergar todas as constelações, planetas, galáxias, estrelas cadentes. Ele faz valer a pena boca e nariz ressecados da baixa umidade, do sal, do sol e do frio. No hostel, um hóspede tinha um telescópio. Conseguimos ver a Lua e vênus em questão de segundos. ___________________________________________________ Voltar pelo mesmo caminho da ida dá uma perspectiva totalmente diferente de todos os lugares que havíamos passado. Leve tudo que quiser, pois na fronteira por Jama do Chile pra Argentina não fazem revista no carro. Pegamos um clima tão diferente que a estrada parecia outra. Mais vento, mais neve. Tivemos o prazer de ver uma raposa chilena e um tatu atravessando a rua. Só ficamos devendo a Vizcacha, que com certeza passamos por várias, mas não conseguimos enxergar nenhuma. Na Argentina, há muita polícia rodoviária. Éramos parados em quase todas as saídas das cidades. Em uma das únicas duas vezes que pediram nossos documentos, demos carona a um policial – é bem normal pedirem carona nas estradas argentinas. Procuramos evitar por segurança, mas como era um policial, e íamos tocar direto até perto da fronteira, aceitamos. Na outra que fomos parados, estava acontecendo um protesto de caminhoneiros: o policial pediu pra verificar os 2 triângulos e o extintor. Não é mito, levem! Há muitos relatos de polícia corrupta na Argentina, mas é mais ao sul da RN 14 onde o país se aproxima com o Uruguai. Antes de ir, havia conversado com um amigo Argentino e evitamos a fronteira por Uruguaiana exatamente por causa disso. Como queríamos entrar mais ao sul do Brasil do que na ida, passamos por São Borja. Eles pedem apenas os documentos, não revistam o carro, e cobram uma taxa de 450 pesos ou 57 reais por pessoa. IR DE AVIÃO NÃO TERIA A MENOR GRAÇA. VÁ DE CARRO! Resumo de infos mais importantes: Dinheiro na Argentina - Trocar reais por pesos na fronteira com a Argentina vale bem mais a pena do que no Brasil; - Não troque dinheiro em Jujuy, a cotação é péssima; Dinheiro no Chile - Em San Pedro de Atacama a cotação de reais para chilenos é ótima (para setembro desse ano: 1 real = 150 pesos chilenos, sendo que em Santiago estavam pagando 1 real = 158 pesos chilenos); - Não tem como indicar uma casa de câmbio, tem uma rua só pra elas e todo dia os valores mudam. O jeito é sair perguntando de uma em uma e negociar; - Deixar para trocar reais para pesos argentinos (para gastar na volta) no Atacama não é uma boa opção, a cotação é bem ruim; Carro - Evite estacionar o carro perto das esquinas das ruas. Escapamos de um acidente que teria dado PT no carro por pouco. Como o hostel não tinha estacionamento, deixamos o carro parado na rua ao lado na vaga perto da esquina. Um motorista argentino foi fazer a curva e perdeu o controle, passou raspando por nós e bateu no carro estacionado do outro lado da rua, que ficou com o eixo dianteiro totalmente quebrado e teve que ser guinchado. - Os itens obrigatórios são: extintor de incêndio e 2 triângulos. Cambão rígido, mortalha e etc é MITO. - A gasolina tanto na Argentina quanto no Chile custa praticamente o mesmo que pagamos no Brasil, as vezes até um pouco mais caro. Mas como é bem mais pura que a daqui rende MUITO mais. Na Argentina, usamos sempre a Super e no Chile, sempre a 93. Essas são as mais baratas. Documentos - Identidade com menos de 10 anos de expedição ou passaporte, ou um ou outro, tanto faz - Se o carro estiver no nome do motorista, apenas o documento do carro. - Fizemos a PID (permissão internacional para dirigir), mas em nenhum momento foi solicitada - Carta Verde: seguro obrigatório para o carro na Argentina. Não foi solicitada em nenhum momento também, nem na aduana. - Soapex: seguro obrigatório para o carro no Chile. Não foi solicitada em nenhum momento também, nem na aduana. Água - É tirada de poços. Tomamos direto da torneira sem problemas, só recomendamos comprar engarrafada se a cidade estiver cheia – muita gente polui a água -. Custa cerca de 1800 pesos o garrafão de 6l. Carro: Fiat Uno 1.0 2016/2017 Km rodados: 5.500 270 litros de gasolina: R$1.300,00 Autonomia: 20km/l Pneus Furados: 0 Troca de óleo feita antes da viagem Gps usado: Sygic Pouso mais caro/barato: 600 pesos por pessoa (Argentina) / 250 pesos por pessoa (Argentina) Gasolina mais cara/barata: 862 pesos (Chile) / 38 pesos (Argentina) Frase mais dita: “Olha essa estrada!” Gasto: aproximadamente R$2200,00 por pessoa. Levamos apenas reais em dinheiro vivo. Usamos cartão de crédito Nubank apenas para reservar hostel e fazer o Soapex. Duração: 20 dias
  9. 11 pontos
    "No século XII, o geógrafo oficial do reino da Sicília, Al-Idrisi, traçou o mapa do mundo, o mundo que a Europa conhecia, com o sul na parte de cima e o norte na parte de baixo. Isso era habitual na cartografia daquele tempo. E assim, com o sul acima, desenhou o mapa sul-americano, oito séculos depois, o pintor uruguaio Joaquín Torres-García. “Nosso norte é o sul”, disse. “Para ir ao norte, nossos navios não sobem, descem.” Se o mundo está, como agora está, de pernas pro ar, não seria bom invertê-lo para que pudesse equilibrar-se em seus pés?" De pernas pro ar, Eduardo Galeano O nosso norte é o sul, Joaquín Torres-García Cheguei ontem pela madrugada em casa. Agora sentado na frente do computador sinto uma necessidade, quase insuportável, de contar sobre meu caminhar até o fim do mundo. Foram 50 dias de viagem e mais de 14.000km percorridos por terra. Entre ônibus e caronas percorremos o sul do Brasil e a Patagônia Argentina até Ushuaia, parando em muitos lugares nos dois países. O dinheiro era pouco, mas a vontade era muita. A necessidade que tenho de escrever deve-se as pessoas que de alguma forma nos ajudaram a realizar esta viagem ao extremo sul da América do Sul. Tanta gente boa pelo caminho. Tanta solidariedade. Tanta gratidão. Pela primeira vez, antes de uma mochilada, eu não estava completamente bem e seguro. Nos meses que antecederam a viagem estava escrevendo a dissertação do meu mestrado (isso, por si só, já era muita tensão) e nesse intervalo de tempo perdi meu pai, a mulher que aprendi a amar resolveu seguir sem minha companhia e quase antes de embarcar perdi minha vó. Como é de se imaginar, meu estado de espírito não era nada bom, na verdade era o pior possível. Com isso tinha muito medo de atrair coisas ruins pelo caminho, como por exemplo ser vítima de violência. Assim, resolvi mudar a ideia de mochilar sozinho e decidi ter uma companhia nessa viagem. Meu amigo/irmão Matheus embarcou comigo nessa jornada. Enfim, tenho como intuito neste relato contar a história dos lugares por onde passei, minhas histórias nesses mesmos lugares e, principalmente, falar sobre as muitas pessoas (leia-se anjos) que nos ajudaram nesta viagem. Quero contar de maneira honesta os acontecimentos e os sentimentos que me permearam nesses dias, e de alguma forma quero deixar esse texto como agradecimento a cada pessoa que tornou essa viagem algo possível. Agora vamos ao que interessa, bora comigo reconstruir essa viagem por meio de fotos e palavras! Parte 1 - De Rio Claro até Timbó: o mesmo início de outra vez Parte 2 - A Serra Catarinense vista por Urubici Parte 3 - O casal das ruínas de São Miguel das Missões Parte 4 - Do Brasil para a Argentina Parte 5 - Buenos Aires, la capital Parte 6 - O começo da Ruta 3 e o mar de Claromecó Parte 7 - Frustrações na estrada e a beleza de Puerto Madryn Parte 8 - O anjo do carro vermelho Parte 9 - Cruzando o Estreito de Magalhães com San Martin Parte 10 - Enfim, o fim do mundo Parte 11 - Algumas das belezas de Ushuaia Parte 12 - El Calafate, Glaciar Perito Moreno e Lago Argentino Parte 13 - O paraíso tem nome, El Chaltén Parte 14 - A janela do ônibus Parte 15 - O caminho de volta: Buenos Aires, São Miguel das Missões, Curitiba e Prainha Branca Parte 16 - Reflexões
  10. 10 pontos
    Salve Salve Mochileiros! Segue o relato do mochilão realizado no Sudeste da Ásia em 2018 batizado de The Spice Boys and the Girl. 1º Dia: Partida - 04/11/18 - 19h05min - São Paulo x Madrid - Empresa AirChina - R$3.680,00 Partimos do Aeroporto de Guarulhos - GRU em São Paulo por volta das 19:30 do dia 04 de Novembro de 2018, fizemos um check-in tranquilo com a empresa AirChina e embarcamos para nossas primeiras 9 horas de vôo até Madrid na Espanha onde fizemos conexão. O vôo foi bem tranquilo, até conseguimos dormir, porém a comida do avião não é das melhores mas acabei comendo assim mesmo e já começava ali a sentir o cheiro e o gosto da Ásia hahahahah. Chegamos em Madrid na Espanha por volta das 5:00am e fizemos uma conexão de 3 horas, deu tempo de dar uma volta no Free Shop, banheiro, comer alguma coisa (caríssima), fazer os procedimentos burocráticos e embarcar novamente pois teríamos a China ainda pela frente. 2º Dia: Partida - 04/11/18 - 8h15min - Madrid x Pequim - Empresa AirChina Chegamos em Pequim ainda de madrugada com uma temperatura de 7º, quem se deu bem foi quem ficou com as cobertinhas que a empresa AirChina empresta para as pessoas no avião, pois não esperávamos passar tanto frio no aeroporto da China como passamos naquela conexão rss. Assim que descemos do avião caminhamos um longo caminho até os terminais eletrônicos onde se inicia os procedimentos burocráticos de conexão da China. Finalizamos depois de alguns minutos os procedimentos e dormimos um pouco em bancos do aeroporto sendo acordados e presenteados por um lindo nascer do sol no Aeroporto de Beijing. Procedimentos concluídos no Aeroporto de Beijing partimos para o nosso tão desejado e esperado destino final daquela cansativa viagem de aproximadamente 23 horas, a capital da Tailândia, a grandiosa Banguecoque. 3º Dia: Chegada - 06/11/18 - 15h15min - Pequim x Banguecoque - Tailândia (Taxi 1.000baht, Chip 600baht, Hostel 340baht) Chegamos por volta das 15:00 pelo horário local, fizemos os procedimentos de imigração, primeiro o health control depois na fila de imigração, carimbamos nossos passaportes, pegamos nossas mochilas e pronto, lá estávamos livres para explorar Banguecoque. Trocamos $100,00 dólares no aeroporto com um câmbio de $1,00 dólar = 31,60 baht, depois compramos um chip para o telefone por 600 baht com 6 Gigas por um período de 30 dias e chamamos um Graab, como se fosse o Uber no Brasil, onde pegamos na parte superior do Aeroporto Internacional Suvarnabhumi por 400 baht em torno de R$40,00 reais que nos levou em 30 minutos até o nosso hostel, o The Mixx Hostel. Ficamos hospedados na rua Ram Buttri que fica do lado da rua mais famosa de Banguecoque, a Kaoh San Road onde rola a grande noite da cidade, uma ótima opção para mochileiros. Muita comida típica e exótica boa e barata, cervejas baratas, diversos bares, baladas, artistas de rua, drogas, sexo e tudo que uma bela noite de Banguecoque pode te oferecer pra se divertir. Vale a pena conferir! Na hospedagem pagamos por dois dias 340 baht, ficamos em um quarto com quatro camas/beliche, ar condicionado, banheiro compartilhado e café da manhã incluso, o hostel é simples mas atende as necessidades com uma ótima localização. Conhecemos alguns templos na capital, alguns fomos a pé mesmo pois são muito próximos um do outro. Wat Pho (Buda reclinado), Wat Saket (Monte dourado) e Wat Arun (Templo do amanhecer). A cidade é bem frenética mas andar a pé pelas suas ruas foi uma bela escolha. caminhamos muito por essas ruas, muito das vezes sem um rumo certo, mas logo nos achávamos pelo google maps. A cada esquina que se vira na Tailândia você vê uma foto do rei. Embora o já tenha falecido, o povo Thai tem muito respeito pelo rei Bhumibol Adulyadej que morreu em Outubro de 2016 com 88 anos de idade após 70 anos no poder que hoje tem como rei o seu filho Maha Vajiralongkorn. A culinária asiática é muito exótica, a cada comida que você experimenta é uma surpresa de sabores. Experimentei o famoso prato típico de rua tailandesa Pad Thai, uma espécie de macarrão de arroz frito com frutos do mar ou carne de porco ou de frango, acompanhado de castanhas com pimenta que custa em média 100 Baths e se encontra em todo lugar da Tailândia, experimentei também o Thai Mango Sticky Rice, uma sobremesa tradicional tailandesa feita de arroz glutinoso, manga fresca e leite de coco, ambos baratos e deliciosos, mas existem uma infinidades de comidas para serem saboreadas na Tailândia. Ficamos 3 dias na capital Banguecoque e além de conhecer templos tentamos entrar na rotina das pessoas locais. No terceiro dia para chegar em um templo tivemos que pegar um transporte público BTS Skytrain no rio Chao Phraya. Passamos por alguns pontos e depois retornamos até chegar no templo Wat Arun. As passagens são muito baratas, pagamos por volta de 80 Baths tanto ida quanto volta, então vale muito mais a pena o tour por conta e ainda tivemos uma vista maravilhosa totalmente diferente da cidade vista pelo rio. Ficamos no templo Wat Arun até fechar por volta das 19:00pm, depois fomos de barco pelo rio Chao Phraya até o porto que da acesso ao grande mercado Asiatique, um maravilhoso complexo de lojas e restaurantes, um verdadeiro shopping ao céu aberto localizado às margens do rio Chao Phraya situado nas antigas docas de uma empresa que realizava comércio na região portuária no século passado. Em função da sua localização e história, seu layout é temático e apresenta uma decoração especial com tema inspirado no reinado do Rei Chulalongkorn (1868-1910) e na atividade marítima. Ficamos umas boas horas comendo, bebendo e curtindo o local, depois pegamos um táxi por 200 Baht para o hostel pois no outro dia logo de manhã tínhamos o nosso vôo para as belas praias da Tailândia. Assim que chegamos no hostel deixamos reservado nosso táxi para o aeroporto Don Mueang - DMK por 400 baht pois sairíamos bem cedo para o aeroporto. Acordamos por volta das 5:00am da manhã e o táxi já estava nos esperando na porta do hostel no horário combinado, após 30 minutos chegamos no aeroporto. Partiu praias... 6º Dia: Praia - 09/11/18 - 7h25min - Banguecoque x Krabi x Ao Nang - Empresa Air Asia - R$148,00 (((((Continua no próximo post))))) Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/
  11. 10 pontos
    ...ou as 5 coisas mais estúpidas que eu fiz em 5 dias na Nicaragua. porque dica do que fazer todo mundo dá. tudo é lindo nas fotos, nos textão. quero ver compartilhar as cagadas. só vou relembrar porque eu me prometo e tá escrito: NUNCA mais fazer umas cagadas dessas. (((até a proxima viagem))) 1. Naufragar de Kayak i love the smell of vai dar ruim in the morning. na minha última manhã em granada acordei cedo com siricutico e fui pro centro da cidade procurar um passeio pra ser o gran finale da estadia. já não bastava ter nadado em cratera de vulcão e cheirado enxofre do outro cuspindo lava, não. tinha que ter mais emoção, isso, tinha que ter mais aventura. tinha mesmo é que ter ficado quieta no meu canto mas... cheguei no centrinho e tava tudo fechado, a cidade só acorda 8h30. povo esperto esse povo da nicaragua, temos muito a aprender com eles. tudo aquilo que o sol toca, simba, é menos trouxa que você e só acorda as 8h30 da manhã bom, não vou esperar 1h sentada aqui no banco da praça né? volto pro hostel e arrumo as coisas, afinal, tenho que pegar um ônibus meio dia pra outra cidade. o universo sempre se comunica comigo. e eu devo falar aramaico. aproveitei o tempo ocioso pra conversar com a familia e tirar fotos da cidade vazia. tava tão vazia que rolou até um pau de selfie sem walk of shame. fechei um passeio de kayak pelas isletas e, como eu não sabia que ia andar de kayak quando acordei, tava com a minha sandalia que ocupa + espaço na mala, aquelas de gladiador romano. vocês acharem cafona é problema de vocês. na nicaragua faz sucesso. o motorista se ofereceu pra passar no meu hostel pra trocar. mas eu não queria fazer as outras 4 pessoas me esperarem. fora que minha malinha é organizada com o método tetris, se abrir tem que chamar esquadrão anti bomba pq pula roupa pelo quarto inteiro. então recusei. já que ia ficar dentro do kayak, não tinha pq me preocupar com sapato. (((nessa hora consigo mentalizar o universo, lá de longe, acenando negativamente em um facepalm))) o briefing antes de sairmos pro mar incluiu uma pergunta importantíssima de um alemão: "pq colete salva vidas? algum kayak já virou?" a resposta ficou marcada pra sempre em mim "apenas procedimento padrão de segurança pra não sermos multados. olha, posso te garantir, fizemos cerca de 600 tours e nunca aconteceu nada" tinhamos duas opções de kayak: duplo e individual. obviamente os 4 pegaram os duplos e eu sobrei ¯\_(ツ)_/¯ o kayak individual é bem mais punk que o duplo, ele é pesado e ruim de jogo, além de ser todo fechado. enquanto o duplo é aberto e de plastico (olha eu tentando dar desculpinha pra tentar justificar a cena rrrrrrridicula que vai se passar comigo alguns paragrafos abaixo) kayak nutella. duplo. molezinha. pra americano no spring break kayak raiz. individual. senhor com 35 anos de experiencia em alpinismo e sobrevivente de ataque de tubarão em moçambique além disso, começávamos o percurso na areia e pra chegar nas isletas, precisava passar a rebentação. isso ninguém te avisa antes de pegar seus dolares suadinhos. estava ventando. bastante. isso quer dizer que as ondas tavam boas. não pra nós,claramente. mas tinha gente surfando no lago. eu podia ter desistido nessa hora. mas não. a certeza que ia dar ruim eu já tinha, agora eu ia atrás da humilação REAL. e fui. o programa que acontece todos os dias nos mais de 600 tours é mais ou menos o seguinte: 9h - chegada na marina e briefing 9h15 - todo mundo com o kayak na areia rumo as isletas 9h50 - chegada as isletas 10h40 - visita ao forte 11h - retorno pra marina 11h30 - fim e agora uma imagem aérea de onde eu estava as 10:00 eu não conseguia, de jeito nenhum, quebrar as ondas e tava sendo jogada pras pedras. a cada estourada, entrava mais água no kayak (lembra que era fechadão? pois é). eu já tava com os braços e as pernas doloridas e o sol tava ardendo. tinha esquecido capa a prova dágua e meu celular tava em um ziplock de pão, agarrado no meu colete sendo submerso. olhei pro céu. alguém devia tá rindo de mim. lembrei dos mais de 3 mil kayaks que já tinham passado por ali e nunca tinham afundado, enquanto ia sentindo o meu ficando cada vez mais pesado, no nivel da água.tava a poucos minutos de virar estatística, podia sentir. eu ia mudar o curso da resposta pra pergunta do colete. parece triste, mas o pessoal do meu grupo que já tava no rio calmo, ria com respeito de mim e tentava gritar alguma coisa pra me ajudar. o guia, um nicaraguense de 19 anos, só falava frases de motivação tipo treinador de crossfit. as ondas vinham rasgando pra cima de mim. até que eu vi ela, e ela me viu. a onda veio e eu nem tentei lutar. o kayak virou, e eu, em câmera lenta com as duas perninhas arreganhadas pra cima, tentando segurar o celular com a boca tomei um caldo épico. se tivesse trilha sonora, seria a nona de beethoven (6:46 do video, mais precisamente), mas como não tinha, foi um grunhido sem graça e um "fuck i think i sank". o guia explodiu de rir. boiei até chegar o resgate. me trouxeram um novo kayak. um de criança. se fosse poesia terminaria com a foto do inicio do post como não é, termina com uma queimadura de sol de primeiro grau nas canelas com a silhueta da danada da sandalia de gladiador que eu não quis trocar amaldiçoados sejam os romanos. 2. Descer um vulcão a 75km/h... e quase morrer por isso Na lista das coisas que eu deixei nesse país, além de um pedaço do meu coração e da dignidade pós naufrágio de kayak, está um estão alguns tecos da minha perna e, surpreendentemente, nada além disso. A CNN colocou a descida do Cerro Negro na lista das 50 Coisas Mais Desafiadoras Que Você Pode Fazer Viajando. Está em segundo lugar, atrás apenas de pilotar um avião caça. Só pra entender, muito atrás, lá em oitavo lugar está pular de paraquedas no Everest.Achei bonito pra por no currículo. Fui. Depois de sobreviver a um rola que a minha cabeça quicou 7 vezes a 75km/h, olhando pro céu com medo de me mexer, ter fraturado alguma coisa (provavelmente tudo) e na tentativa de levantar, simplesmente me desmontar, decidi ficar afundadinha ali nas cinzas do vulcão por algum tempo agradecendo por estar viva. Será que eu tava viva mesmo??? Dos meus últimos momentos, lembrava de ter descido sem afobação, ganhando velocidade aos poucos até que sim, drummond, porra, tinha um caralho de uma pedra no meio do caminho. Que fez meu board voar. Interrompendo meu devaneio, surgiu uma cabeça entre o meu rosto e o sol: era o médico da cruz vermelha querendo falar comigo. Com aquela cara coberta de guerrilheiro, definitivamente não era São Pedro. Já que não tava no céu, resolvi levantar. O homem ficou assustado, como se tivesse vendo defunto ressuscitando. Queria saber se eu queria ajuda, falei que não uuuu ariana forte independente e logo me arrependi. Vi meu board a uns 5m ladeira acima e lembrei da regra suprema que o guia tinha frisado: "não importa o que aconteça, seu board é sua responsabilidade". No topo do vulcão é tranquilo andar, mas ali no meio a parada fica sinistra, a cada passo, a perna afunda até o joelho de pedra e cinza QUENTE. Num sol de 35º com um macacão de sarja de manga comprida do pescoço até o pé. tá feito o cozido de Mari al Bafo. no tutorial de make de hoje vamo ensinar a nunca arrastar a cara em cinza de vulcão Nessas horas lembrei da minha mãe falando pra eu não me meter em roubada que o seguro saúde não cobria. PQP mãe, eu sei que você avisou. Pra não dar o braço a torcer, apesar da vontade de ligar pra mamai e chorar, me prometi que só ia contar a história depois de ter ido embora de Leon. Quando cheguei no pé do vulcão tava geral incrédulo me cumprimentando, querendo saber se eu tava bem. Eu falava que sim, fingindo costume de aventureira, mas por dentro tava toda estrupiada. vocês tem apenas uma tentativa pra localizar o irlandês marrento Tinha um irlandês marrentinho que tava enchendo o saco desde o início do krl do tour que seria o mais rápido. O tempo dele tinha sido 72 km/h. Eu tava tão zureta que nem perguntei o meu. Na verdade, eu sentia que nem tinha ido tão rápido assim. Me falaram que fizeram um bolão porque acharam que eu tinha sido mais rápida. Hm, interessante... Perguntei. O cara com o velocímetro "You?" com o zoião e um sorrisão no rosto "Look - apontou pro tempo - 75, mas rapida" Senti aquele orgulho alheio. Só que era eu mesma. Krl como assim, tudo isso? E o pessoal que tava em volta ainda adicionou que os 75km foram graças a esse rola que me impediu de acelerar mais, porque ia passar de 80km/h tranquilo. imagina a merda que ia dar. #semfreio #quasesemfreio #cabeçaABS agora, papo sério: adrenalina é muito maneiro. me amarro, mas ser inconsequente não é legal. nós não somos intocáveis. não acontece só com os outros. E se serviu de alguma coisa essa história? Além de ter virado lenda na cidade por um dia e bio do tinder (é de cair o c da bunda o tanto de homem que prefere uma boa história no lugar de umas boas fotos) eu que antes não tinha medo de nada, comecei a ser mais consciente dos piriiigos que a gente se mete sem pensar duas vezes, o "só se vive uma vez". Agora até pra pular trampolim fico calculando onde que minha cabeça pode bater e dar ruim. Traumatico, não recomendo. cheia de bolha do remo do dia anterior, imagina como não ficou inflamadinho cheio de cinzas 😇 Apesar de tudo, a frase que encerra o artigo da CNN sobre o Cerro Negro consegue me levar de volta praquela boleia do caminhão na estrada rumo a Leon, a 5 mil km de casa, na selva, bebendo cerveja, cantando a todo pulmão as musicas do rádio com 30 estranhos que já tinham virado meus melhores amigos. sangrando, toda suja de terra e cinzas, eu só tinha a agradecer. "On the ride back to Leon I give silent thanks to the inspired people of the world: the ones whose minds run off on all manner of daring tangents, like the flanks of Cerro Negro. The ones who admire not just the aesthetics of the wilds, but the possibilities too. And most of all the ones who stare up at active volcanoes and think: "I wonder if I could ride my fridge down that?" e dá pra reclamar? 3. Fazer happy hour de rum... ...e conhecer a famigerada invalidez. na sexta, cheguei no hostel depois do vulcão e fui pesquisar sintomas de traumatismo craniano. Tinha que ir pra outra cidade no dia seguinte - san juan del sur - mais ""rústica"" fodida ainda, mas enjoada e com dor de cabeça, boa coisa essa viagem não ia dar. achei um artigo médico que descrevia o seguinte: Se a resposta for "sim" para alguma dessa questões, é necessário levar a vítima da batida ao pronto-atendimento. a minha era positiva pras perguntas 2 e 3. a 4 já veio de nascença. o pessoal tava preocupado, mas a real é que eu tinha duas opções: - passar a noite num hospital duvidoso na nicaragua e muito provavelmente voltar pra casa com diagnostico de virose. - aproveitar o happy hour e encher a a cara de cachaça pra esquecer a dor de cabeça. quantas doses de rum o corpo humano consegue aguentar? multiplica por 2. resumindo, ia rolar uma festa na praia las peñitas que foi cancelada, o gerente ficou maluco e resolveu compensar em león mesmo. 2 copos de rum com coca pelo preço de um. as vezes três copos, dependendo do humor do bar. (recomendações: fique o mais longe possivel de drinks que contenham as letras R U M, especialmente se do lado você encontrar essa formula matemática 2 X 1) como você tem que pegar todos os copos de uma vez, pra socializar pra não esquentar, muita gente te oferece o segundo. acabei ganhando alguns da carmelita*, minha amiga de quarto, outros muitos dos irlandeses malucos, algum por sobreviver ao capote, outro on the bar........... qualquer motivo era motivo. mas, se ainda faltava alguma desculpa: TOMA. lá pra algumas muitas da noite começou a final de rugby entre lions (da irlanda) e all blacks. É A FINAL DA COPA DO MUNDO ENTRE BRASIL E ARGENTINA. o hostel foi abaixo. eram cerca de 40 irlandeses. muitos litros de cerveja e rum foram misturados nesse intervalo de tempo e você não precisa ser professor de química pra saber que essa mistura heterogênea é mais danosa pro fígado e pra cabeça que ingerir ácido. não sei quem ganhou, mas lembro que nas comemorações, tinha uma menina pelada dançando em cima do balcão do bar. nada mais fazia sentido. resolvi deitar pra dormir. tava muito difícil sair da cadeira do balcão. era daquelas altas, sabe? nesse momento da noite, olhando pra baixo, parecia que eu tava a uns 2 metros do chão. blackout. evidências da noite anterior no rolo da câmera acordei 2 da tarde no dia seguinte, hora que o pessoal que foi descer o cerro negro no sábado tava voltando e fazendo festa. mal imaginam o que vai acontecer daqui umas horas. brace yourselves kids. tradição depois do vulcão é tomar um shot de pimenta. acordei no sábado com uma situação parecida com essa. pelo menos eu tava sem dor de cabeça, o que não fazia sentido nenhum. olhei pro lado e vi a carmelita na outra cama em estado de putrefação também. depois que eu fui dormir, ela emendou uma balada. evidências da noite anterior no instagram lembrando dos arrependimentos acontecimentos da noite com a carmelita, ela me fez reviver meus últimos momentos acordada da madrugada de sexta pra sábado.começava comigo tentando sair da cadeira. na primeira tentativa de levantar, o juan* um anjo que deus o abençoe e o tenha por me aguentar perguntou se eu precisava de ajuda. respondi queclaramente pfvr mim ajude não, conseguia me virar sozinha. na segunda, o gerente do hostel, o pablo*, pediu pro juan me acompanhar, porque eu já não sabia o que tava falando. pablo já tinha tomado pelo menos uns 20 copos de rum e tava se achando com moral. pablito ensinando irlandês beber na terceira eu decidi que ia, era meu momento, ia provar que tava certa caminhando sobriamente pra ir pro quarto. já tinha até ensaiado a cara de turn down for what. apoiei as duas palmas da mão nos cantos redondos do banco e fiz pressão pra dar equilíbrio pra tomar o impulso e sair. a pressão foi tanta que acabei fazendo peso na parte da frente do banco. se eu tivesse numa sala de primeira série, tinham gritado madeeeeeira. caí que nem bosta, de cara no chão. segurando os lados do banquinho com força. apaguei. a pancada deve ter sido exatamente do lado contrário da batida do vulcão pra equilibrar os chakras da cabeça. por isso que eu tava sem dor. pablo, juan e carmelita me ajudaram a ir pro quarto. ainda bem que eu não vou ver ninguém nunca mais. volta pra 2 da tarde de sábado porque eu e carmelita estamos famintas e precisamos procurar comida. primeira pessoa que encontro saindo do quarto, sentado lendo: juaniiito. "e aí bela adormecida, pensei que ia pra san juan hoje" EU TINHA ESQUECIDO DO KRL DA VIAGEM trajeto que eu tinha que fazer perguntei se eu ainda conseguia pegar um chicken bus a tempo. "esquece, 6h de até lá e vai ter que fazer baldeação sozinha a noite" bugou tudo. não sei direito o que aconteceu mas começamos a caminhar sem rumo pra achar comida e, por inércia, entramos na principal atração turística da cidade: A Catedral de Leon. eu tava sem celular. saí só com a roupa do corpo. tava num estado parecia que tinha tomado chá de fita cassete. triste, vendo scar matar mufasa num looping eterno. escorando em qualquer canto e pensando q q to fazendo com a minha vida na volta, experimentei a sensação de falência múltipla em vida: corpo, mente e bolso em estado irrecuperável. deitei no sofá e encarei o teto por tanto tempo, mas não vi passar. sabe quando a gente se irrita porque quer descansar e a cabeça não para de pensar? nesse momento eu não. eu só existia. eu o teto e mais nada. agora sei como vivem as amebas. a diferença é dentro do protoplasma delas você consegue encontrar o núcleo, dentro de mim, o cérebro tava boiando no rum. morri mas passo bem mal a pessoa que tá de ressaca, descalça, sem pentear o cabelo há 10 dias não quer guerra com ninguém * o nomes na história foram trocados pra preservar a integridade e dignidade de todos os envolvidos kkk menos a minha 4. Chegar em San Juan no domingo direto pro Sunday Funday... ...e quase perder a festa. por causa da lástima do item anterior, resolvi que ia pra san juan no domingo no shuttle do hostel - pra não ter nenhum problema com chicken bus e chegar a tempo. chicken bus são esses ônibus iradíssimos com tecnologia de primeira classe que garante que cinco corpos ocupem o mesmo lugar. sempre custam alguns centavos de dolar, e pelo que oferecem, posso te garantir que ainda tá caro minha ideia inicial era ficar no pachamama em san juan, onde começa o sunday funday ou no naked tiger, onde termina, mas obviamente eles tavam esgotados. os amigo do bigfoot, hostel que eu tava em leon, ficaram tudo compadecido com a minha situação e ligaram pro casa de olas, que é do lado do naked tiger, onde eles tinham ficado por duas semanas e acharam 10 x melhor. pelo menos lugar pra dormir e como chegar eu tinha agora. atualização: é mesmo 10 x melhor. tinha só um porém: o shuttle estava programado pra chegar as 3:30 em sjds.exatamente o mesmo horário que sai o ultimo carro pro sunday funday. já que o shuttle deixa na porta do hostel, é fazível né? antes de entrar no shuttle, o motorista pergunta a cidade e o hostel de destino de cada um. finalmente podia descansar antes do furacão em san juan. a viagem foi tranquila, fui vegetando. ressaca de 2 dias, já teve? já ouviu falar? paramos em todos esses lugares que fala aí no mapa de cima e eu não lembro de nada. só lembro do motorista encostando no meio da estrada e "NAKED TIGER, CASA DE OLAS" olhei pros lados, só mato. o motorista deve ter se confundido. continuei deitada fingindo que não era comigo. ele abriu a porta da van. "você! chegou! tem mala?" antes de achar que é tranquilo, lembre-se jove, olhe o tamaninho do ponto brancoque podia ser meu carro, pra comparação. depois entenda que o google maps da nicaragua tá em 2d ainda, essa estradinha que liga onde eu tava e o lugar que eu tinha que tá sobe uns 458 mil metros acima do mar. é um morrão, que no estado que eu tava, parecia o kilimanjaro pois é... tá vendo aquele asterisco ali embaixo de san juan del sur no roteiro do shuttle?"AT ANY HOSTEL*" eu era o asterisco. o motorista me explicou que como esses dois hostels estão fora de san juan e em cima de uma montanha com uma estradinha de terra, a van não passava. aquele era o lugar mais perto que ele conseguiria me deixar. já que não tinha alternativa, catei minha mochila e comecei a peregrinação morro acima. no pasa nada. literalmente nada passa nessa estrada. Deus me proteja. dava pra ouvir os grilinhos na mata. espero eu que sejam os grilos. depois de uns 10 min começo a ouvir um barulho de carro vindo. gelo. o barulho vai se aproximando e ficando muito mais alto. o carro para do meu lado. uma caminhonete com dois caras no banco da frente me oferece carona. já vi filmes de terror o suficiente pra saber onde isso ia acabar. recuso, fico em pânico e eles arrancam. um alívio. continuo subindo. nem sei quanto tempo se passa, e em alguns momentos da subida eu começo a duvidar que to no caminho certo. quando eu chego no meu limite do cansaço com a mochila nas costas, vejo o naked tiger. ALELUIA. procurando imagens da estradinha de terra pra escrever esse monte de bobagem, achei essa recomendação no site oficial do naked tiger. DO NOT WALK UP THE ROAD. kkkkk -rindo de nervoso cheguei finalmente no casa. estava estranhamente silencioso e só tinham três pessoas em volta da piscina. três hippies chapados. com cara de quem vai te dar um golpinho. a menina levanta e pergunta se eu quero fazer check in. ela explica que é voluntária no hostel. acho suspeito. falo que sim e que to atrasada pro sunday funday. ela muda de expressão na hora e começa a dizer pra eu deixar meu passaporte, meus cartões e minha mochila com ela e CORRER pro naked tiger porque eu não tenho mais tempo. eu entro num estado de pânico e não sei se devo confiar todas as minhas coisas nessa mina chapada. começo a tatear meus cartões e coloco na minha doleira pra levar comigo. ela se irrita a cada coisa que eu tento pegar e fica repetindo pra eu deixar com ela que ela vai cuidar. "YOU WONT NEED IT, GO". a tentação de não ir pro sunday funday e ficar no casa é grande apesar das suspeitas, deixei meu passaporte válido com ela, mas levei meu antigo comigo e todo meu dinheiro. fui pro naked tiger pagar o ticket. um dos donos do sunday funday tava lá, já travado. e aposto bastante que não tinha nem bebido ainda. ele falou que eu tinha muita sorte porque todos os carros já tinham saído, mas um voltou pra buscar uns israelenses e tava só me esperando agora. saí da recepção e vi a caminhonete que tinha passado por mim na estrada, com os dois caras no banco da frete. e os israelenses na caçamba. andei meia hora com peso nas costas a toa. agora eu precisava dos caras que poucos minutos antes me apavoraram sem intenção na estrada. eles só queriam ajudar. olhei pro céu. ri de nervoso. eles acabaram de salvar meu dia. irônica a vida. 5. Ficar sem dinheiro... ...e quase não conseguir voltar pra casa. precisei de um dia inteiro pra me recuperar do sunday funday. piscina do casa: dependendo do ângulo parece que você tá num barco em alto mar. não é exatamente o que o homem de ressaca procura, então fiquei nesse ângulo seguro aqui até que no casa, não é muito difícil a missão de caminhar de volta pro seu estado humano. o dono do lugar, um australiano que vive na nicaragua há uns 7 anos, parece o pai de todos. fred acorda cedo tomando umas pra ficar rindo da cara dos marmanjo jogado pelos cantos. conversa com todo mundo. todo mundo quer falar com ele. o cara tem muita história. e de quebra coleciona histórias de outros que passaram por lá. alguns highlander acordam 7 da manhã pra beber na piscina. na verdade, não sei nem se dormem. fui conferir minhas finanças na doleira. um susto. só sobraram 20 dolares e o hostel não aceita cartão. preciso ir pra cidade sacar dinheiro e comer. casa de olas, segunda, 7am. esse sujeito na piscina é um dos que passaram super bonder na mão e grudaram na latinha de cerveja. enquanto to me arrumando, alguém gira a roleta e ganha um drink. o fred avisa que vai fazer almoço pra todo mundo por conta da casa. SERIA UM SONHO??????? o café da manhã eu já tinha garantido, agora o almoço. Deus realmente abençoa os mochileiros depois de me entupir de comida, lá pras 3 da tarde desci pra cidade. parecia outra. o furacão insano de lotado do dia anterior, agora era uma silenciosa vila de pescador. ainda tem um ou outro gringo bêbado nas sarjetas. fico pensando no mal que o sunday funday causa pra quem mora lá. todo domingo a mesma história. vejo as lojinhas na rua e penso que talvez, no fim, seja bom. talvez eu esteja me enganando pra justificar. tem 3 caixas eletrônicos na cidade. vou que nem barata tonta de um pro outro. tão sem dinheiro. chamo um policial que tá sentado numa cadeira de plástico cochilando perto do banco. ele explica que é normal, as pessoas sacam muito dinheiro no domingo e geralmente segunda as máquinas ficam sem. memes brasileiro: maior produto de exportação. enzo já chegou na nicaragua me fodi. meu voo pro brasil é as 14h do dia seguinte saindo de managua e não apresento nenhuma condição de pegar chicken bus pra lá. alguns lugares oferecem shuttle por $25 pro aeroporto mas nenhum aceita cartão. fico desnorteada entrando de vendinha em vendinha perguntando, até que eu acho um surfshop de um francês, que cobra 10% pra passar cartão. a shuttle sai as 9:30 de san juan e a previsão de chegada é 13:00 no aeroporto internacional de managua. com a graça de Deus espero que dê tempo. não tenho outra opção. surfshop do francês amor que aceita cartão volto pro casa cabisbaixa e conto pro fred sobre os caixas eletrônicos. faltam $10 em dinheiro pra eu conseguir pagar minhas diárias. digo que posso transferir na hora via paypal, com juros. história do casa: and a lot of times a lot of guidance 😂 ele não quer. diz que eu sou a primeira brasileira que passa no casa e que eu era uma "menina boa" - vulgo não corri pelada em volta da piscina no dia anterior com as australianas - e me pede um favor em troca dos 10 dólares: que eu volte pra lá outra vez e traga mais amigos do brasil pra "pagar minha dívida". quando eu cheguei não entendi o social media free zone depois das 5:30. depois que vi o bicho pegando quando o sol baixa, fiz um ATA quase choro. agora que já passei por tanto nervoso pra conseguir o bendito do shuttle,não quero mais ir embora. outra regra que esqueceram de escrever nesse quadro é não se apegar. tem gente que vai passar 2 dias no casa, como eu, e fica dois meses. mas a maior regra de todas: não depender do krl do capitalismo eletrônico nas segundas. marx tava certo: ele vai te decepcionar. ---- é isso pessoal. se você tiver um pouquinho de noção que seja, não faça essas coisas todas aí quando chegar na nicaragua. se fizer, escreve uns post bem grandão pra gente dar risada de você... ...antes de ir pra lá e querer repetir mais uma vez as mesmas cagadas.
  12. 10 pontos
    Olá, viajantes 😊 Depois de ler tantos relatos, receber tanta ajuda e dicas do pessoal aqui no Mochileiros, nada mais justo que deixar uma contribuição sobre a minha experiência pela Patagônia. E também fico a disposição para ajudar no que estiver ao meu alcance! Espero que gostem 😉 Antes de iniciar o relato sobre a viagem, vou deixar algumas dicas importantes aqui: - O meu objetivo com essa viagem era realizar algumas trilhas. Caminhei muito (cerca de 250km) e tive bastante contato com a natureza. - Eu fiz a viagem sozinha. Para quem tem dúvidas só tenho uma coisa a dizer: vá sem medo. As pessoas de lá são muito simpáticas e estão sempre dispostas a ajudar. Fiz várias amizades durante as trilhas, nos ônibus, na rua, etc. 😂 - A fama de rolar caronas por lá é verdadeira. - Mesmo sendo verão, na Patagônia ainda é frio. - Os dias são longos, entre 4h00 e 5h00 o sol já está raiando e ele se põe depois das 22h. Dá pra fazer MUITA coisa. - Não deixe de fazer absolutamente nada por causa do mal tempo. O clima por lá muda bastante, então saia com chuva ou sol e esteja preparado para as mudanças. - Leve sempre na sua mochila de ataque uma jaqueta e calça que sejam impermeáveis e corta vento. - Em todos os lugares tem calefação, então use e abuse do sistema em camadas e leve pijama curto para dormir. - Faça cambio na Argentina. Minha conexão em Buenos Aires era de madrugada, então não consegui fazer cambio fora do aeroporto, e mesmo assim compensou muito mais que trocar no Brasil. Fiz no Banco Nación dentro do EZEIZA, acho que fica aberto 24hrs. No site deles dá pra acompanhar a cotação oficial (http://www.bna.com.ar). - Comprei todos os tickets de ônibus na Rodoviária de El Calafate. Também é possível comprar online. - Peguei um Chip para usar internet da empresa Movistar. Só precisa ir até a loja deles com um documento e solicitar o chip, depois ir até um kiosco e fazer uma recarga. A internet funcionou bem na Argentina, exceto El chaltén que lá nem o wifi funciona direito. - Tanto na argentina quanto no chile eles não dão sacolas nos mercados. - Achei os preços bem interessantes em Ushuaia, pra quem não sabe, é uma área livre de impostos. Vi perfumes, gopro, roupas de frio com preços bons. Meu cronograma foi o seguinte: 20/12 – Florianópolis – Buenos Aires 21/12 – Buenos Aires - Ushuaia 22/12 – Ushuaia – Laguna Esmeralda 23/12 – Ushuaia – Pinguineira, Canal Beagle e Glaciar Martial 24/12 – Ushuaia – El Calafate (avião) 25/12 – El Calafate – Dia Livre, volta de bike 26/12 – El Calafate – Perito Moreno e Minitrekking 27/12 – El Calafate – Puerto Natales - Chile (ônibus) 28/12 – Puerto Natales – Full Day Torres Del Paine 29/12 – Puerto Natales – Trekking até Base deTorres del Paine 30/12 – Puerto Natales – El Calafate – El Chalten (ônibus) 31/12 – El Chalten – Cerro Torre 01/01 – El Chalten – Chorrilo Del Salto 02/01 – El Chalten – Fitz Roy 03/01 – El Chalten – Laguna Electrica 04/01 – El Chalten – Loma Del Pliegue Tumbabo 05/01 – El Chalten – El Calafate (ônibus) 06/01- Chegada em Florianópolis Vou começar pelo dia 2, porque o primeiro se resumiu apenas em chegar até Buenos Aires 😂😂 21/12 BUENOS AIRES – USHUAIA Cheguei de madrugada no Aeroporto de Ezeiza, fiz o cambio e meu voo até Ushuaia saia do Aeroparque. A Aerolíneas disponibiliza de um transfer gratuito se você emitir um voucher no site deles. A empresa que presta esse serviço é a Manuel Tienda León, só procurar o guichê deles na parte externa do aeroporto. O voo de Buenos Aires até Ushuaia dura +/- 4 horas. Acordei quando estava perto de pousar e ao abrir a janela o céu estava azul, as montanhas com os picos nevados e diversos lagos. Desembarquei em Ushuaia às 8h10 e como não despachei mala, fui direto ver o transfer até o meu hostel, para não esperar muito optei pelo remis, é um trajeto rápido e custou ARS 300. No hostel, tomei café da manhã e fui tomar um banho para sair. E para minha surpresa ao sair do banho, chuva e muito vento (coisas da patagônia 😂). Nesse momento, ainda não entendendo como funcionava o clima por lá, fiquei esperando a chuva passar. Depois de um certo tempo sai na chuva mesmo. Estava com o dia livre e fui bater perna para conhecer a cidade, andei pela Avenida San Martin que é a rua de comércios em Ushuaia, muito simpática, com algumas construções coloridas, pelas calçadas apreciando o Canal Beagle, fui até a famosa placa. Hospedagem: Antártida Hostel. Localização é ótima, perto da Avenida San Martin, do porto e mercado. Estrutura de quartos, banheiros e cozinhas são boas e sempre estavam limpos. Staffs simpáticos, sempre dando dicas e conversando. Vista do avião Foto clássica na placa "fin del mundo" Canal Beagle 22/12 – USHUAIA – LAGUNA ESMERALDA Pedi no hostel informações sobre o transfer até o inicio da trilha para a Laguna Esmeralda, eles me venderam por ARS 450 ida e volta. A van passou no hostel as 10h, o dia estava nublado e sem chuva. A trilha de modo geral é bem tranquila e bonita. Você caminha por bosques, passa por rios, vales, paisagens bem diferentes. Durante todo o trajeto há “plaquinhas” azuis nas árvores indicando o caminho. Possui algumas subidas, não são muito longas e nem íngremes. Após mais ou menos 6km cheguei na Laguna Esmeralda e que lugar incrível, meu preferido de Ushuaia. A água realmente é verde esmeralda, mesmo com o dia nublado. Explorei alguns lugares mais altos, contornei a Laguna para vê-la vários ângulos. Logo mais começou uma ventania, coloquei todos os meus casacos, gorro, procurei um abrigo do vento e sentei pra comer para depois começar meu caminho de volta. Na volta o vento não deu trégua e eu podia ver a chuva se aproximando. Choveu um pouco e depois o céu ficou azul. Cheguei ao inicio da trilha perto das 14h para aguardar a van. No caminho de volta para o hostel o tempo virou de novo, choveu e ventou MUITO. Fiquei pensando se tivesse optado por voltar com a van das 17h kkkk Trilha com as plaquinhas azuis nas árvores, indicando o caminho. Empacotada de casacos depois que cheguei na Laguna Esmeralda 23/12 – USHUAIA – PINGUINEIRA, CANAL BEAGLE E GLACIAR MARTIAL Último dia em Ushuaia começou bem cedo, o dia estava lindo, céu azul, pouco vento. Às 7h30 o ônibus saia do Porto em direção a Estancia Harberton, para depois pegar um barco até a Isla Martillo, onde estão os pinguins. Fechei esse passeio com a Piratour por USD 179. No caminho até a Estancia paramos num local bonito, com um lago e do outro lado da estrada um vale, onde é possível observar como as árvores crescem tortas devido aos fortes ventos. Fomos divididos em 2 grupos para pegar o barco e ir até a ilha dos pinguins. Estava bem frio e com bastante vento. Ao descer na ilha a guia passa algumas instruções e durante todo o passeio explica sobre a ilha, pinguins, predadores, etc. Você não fica “solto” na ilha, precisa caminhar com o grupo. A ilha é realmente cheia de pinguins, estão por toda a parte e são uma gracinha, dá vontade de pegar um e botar embaixo do braço. Obs.: Não é permitido se aproximar dos pinguins, acho que são 3 mestros. E tome muito cuidado para não pisar nos ninhos. Minha dica é: fique na frente do grupo, um pouco afastado. No momento que estava conversando com a guia um pinguim se aproximou de mim e pude vê-lo de pertinho, até tirei uma selfie com ele. Depois vamos até o museu marítimo onde é realizada uma visita guiada em inglês e espanhol. O museu é muito interessante possui ossadas de mamíferos marinhos. O tour é realizado por biólogos, as explicações são riquíssimas, cheias de informações novas. Pra finalizar o passeio seguimos até um catamarã para uma navegação de 3 horas pelo Canal Beagle, até chegar ao porto de Ushuaia. Confesso que achei essa parte um porre e dormi boa parte do trajeto kkkk acordei para ver o Farol, que é lindo. Nesse momento estava chovendo e bem cinza, parecia filme de terror. Mais tarde passamos por uma ilha onde ficam vários leões marinhos, paramos ali por alguns minutos para observa-los. Eles dormem todos juntinhos, fazem barulhos, são folgados e desajeitados. Desembarcamos no porto de Ushuaia pelas 15h, almocei com uma família que conheci durante o passeio e as 19h30 combinamos de nos encontrar para subir o Glaciar Martial. Nessas horinhas já tinha parado de chover e o sol brilhava, no entanto um pouco antes de sair e encontrar meus novos amigos, o tempo virou completamente e inclusive choveu granizo (acho que nunca vou ver tempo tão louco como ushuaia). Após muita indecisão, criamos coragem e começamos a subir o Glaciar Martial, debaixo de chuva mesmo. Estava muito úmido, então a sensação térmica castigava. No meio da trilha já havia parado de chover e quando olhando para trás o céu estava limpo e no mar dava pra ver um lindo arco-íris. A subida é bem íngreme, senti a minha panturrilha queimar. Subimos até encontrar os pontos com gelo, tomamos a agua trincando e começamos a descida com vista para Ushuaia, o céu estava com cores lindas. Por isso eu vou reforçar mais uma vez: NÃO DEIXEM DE FAZER ABSOLUTAMENTE NADA NA PATAGÔNIA POR CAUSA DO TEMPO. Patagônia e suas surpresas 😍 Por enquanto é isso gente, conforme for sobrando um tempinho vou escrevendo e postando aqui!
  13. 10 pontos
    Olá galera, tudo bem? Busco amizades para fazer um mochilão pelo nordeste em 2019! Alguém interessado? Bora! Vamos fazer um grupo no whatsapp, assim já vamos criando roteiros... Me passem o whats que eu faço o grupo!! Sou de SP - Capital, bora dar uns roles por Sampa também!!
  14. 10 pontos
    Dia 1 - 05/09 - CGR x Santa Cruz x Sucre x Uyuni Finalmente o dia chegou, bate aquela ansiedade, mil coisas na cabeça, torcendo pra nao esquecer nada. acordei la pelas 4h e segui para o aeroporto. Meu voo saiu umas 6h da manhã, fez uma parada em Gurarulhos e depois seguimos para Santa Cruz. Eu não sei pq raios eu tinha pensado em ficar ficar em Santa Cruz e acabei comprando minha passagem para Sucre só para o dia 06, quando percebi que não seria tão interessante assim ficar em Santa Cruz resolvi tentar mudar minha passagem la no aeroporto para o mesmo dia. Para minha sorte deu tudo certo, paguei so uma diferença de uns 35 bolivianos e embarquei no aviao para Sucre algumas horas depois. Aeroporto de Santa Cruz E que visual essa viagem para Sucre, a paisagem é incrível, o aeroporto é pequeno, mas muito bonito, fica no meio de umas montanhas, tinha até uma pessoa para conferir as malas, achei bem organizado. Desembarquei la pelas 17h e precisava correr para pegar o busão para Uyuni a tempo, na verdade a minha preocupação era ainda ter vaga no ônibus para aquele dia. No aeroporto de Sucre tinha a opção de pegar um taxi, me ofereceram por 50 bolivianos, mas resolvi ir de van (microbus), por motivos de $$ .. acho que paguei uns 6 bol. O aeroporto é bem longinho, mas a paisagem é incrível. Quando chegamos na cidade o motorista fez uma parada e disse que todo mundo tinha que descer ali, eu não entendi muito bem, o lugar era meio estranho, percebi que tava um pouco perdida naquela hora rs. Vi que tinha um casal de bolivianos com malas e perguntei se eles estavam indo para o terminal de buses, eles disseram que sim.. daí acabamos rachando um taxi para o terminal. Eles iriam para Uyuni também e me ajudaram a comprar a passagem no terminal de Sucre, acho que paguei até mais barato por conta deles, foi 60 bolivianos e tinha só mais dois lugares para aquele dia. O ônibus sairia só as 20h entao resolvemos comer alguma coisa antes de embarcar, comi uma sopa de pollo por 10 bolivianos e ainda dividimos uma limonada por conta deles . Na hora de embarcar o ônibus não estava na plataforma, ele estava estacionado atras de outros ônibus, bem escondido..olha, ainda bem que não estava sozinha. O ônibus não era muito confortável, parou umas 307 vezes, mas ainda sim estava muito grata por tudo estar dando certo e eu finalmente iria conhecer o Salar de Uyuni. Dia 2 - 06/09 – Uyuni Chegamos em Uyuni umas 3h da manhã num frio do cão, lá não tem terminal, a parada é feita na rua mesmo. Assim que eu desci do ônibus uma moça veio me oferecer o tour, disse que iria me levar até a agencia dela, que eu poderia usar o banheiro e que lá era quentinho rs.. eu aceitei a mesma hora rs, mas calma, eu já tinha lido que eles fazem essa pratica, por isso aceitei, mas sempre de olho aberto claro. Essa era uma agencia familiar, a moça que falou comigo fazia as abordagens, o marido levava os turistas até a agencia e a filhinha deles dormia no carro, um trabalho puxado de domingo a domingo. Era um casal muito bacana, ligaram aquecedor, me deram a senha do wi-fi, tinha ate saco de dormir. Aproveitei pra ir no banheiro tomar um banho de gato com meus lencinhos, escovar os dentes, pq o dia iria ser longo. A agência se chama Cristal Tours, eu fui a primeira a chegar, mas logo depois chegou um casal de peruanos e tinha tbm mais um casal um alemão, Anton, e uma brasileira, Michele, que ja tinham fechado o tour no dia anterior. Assim que a agência abriu oficialmente perguntei sobre o tour e quanto era, já pronta pra pechinchar hahaha..mas quando me ofereceram o tour de 3 dias por 650 bol, fiquei tão emocionada que fechei na hora rsrs, agora só precisava pagar mesmo rs. Eu não consegui trocar dinheiro em Sucre, por conta do horario apertado, só tinha ainda alguns bolivianos que troquei no aeroporto. A casa de câmbio só abriu as 9h, troquei um pouco de grana pra pagar o tour e outras coisas até chegar em La Paz. Comprei água e uns salgadinhos para levar, comprei também uma touca e uma luva pra enfrentar aquele frio. No "centro de Uyuni" 😃 Voltei para a agência, paguei o tour e fiquei esperando o carro para irmos. Daí aconteceu algo que parece ser bem comum por lá a tal das trocas de agências, não iríamos com o carro da nossa agência, mas sim de outra, que no caso era a Quechua (maravilhosa por sinal). Antes de nos juntarmos com o restante do grupo, eles nos pediram para não comentar sobre valores, pq o valor que o pessoal tinha pago pelo tour da Quechua foi de 1300 bolivianos (sim, o dobro do preço). Depois dessa conversinha básica nos juntamos ao grupo, foram 2 carros, de um lado só os gringos e no outro só os Brazucas. Recomendo muito a Quechua, o tour foi sensacional, não tenho nada a reclamar pelo contrário, só tenho elogios, sem dúvidas foi um belo upgrade. Saímos de Uyuni por volta das 11h e a primeira parada foi no cemiterio de trens que é bem pertinho da cidade, a gente fica la um tempinho e depois passamos em Colchani uma cidadezinha onde vc pode comprar artesanato ou um pacotinho de sal extraído do Salar. Mais uns minutinhos e finalmente entramos no Salar, eu confesso que fiquei emocionada, não tem como descrever em palavras, esse lugar é único e realmente impressionante. Cementerio de trenes Seguimos naquela imensidão de sal e logo já temos uma nova parada, no primeiro hotel de sal que hoje está desativado. Ali pertinho tem o monumento Dakar e também a área que ficam as bandeiras, tínhamos um tempo pra tirar fotos e depois voltamos ao para o ponto de encontro para almoçar. Foi uma experiência incrível almoçar no meio do Salar, comemos carne de llama e ainda serviram uma torta de maçã maravilhosa pra gente. Monumento Dakar (ao fundo fica o Hotel de Sal) As bandeiras ficam ao lado do Hotel Pessoal almoçando dentro do Hotel de Sal Depois do almoço, tivemos outra surpresa bem legal que era andar de bike no salar, cada um pegou umaa bike e seguimos até o ponto de encontro, e foi demais viu, creio que só tinha nosso grupo fazendo isso, muita gente veio perguntar como fazia para alugar a bike, então foi um diferencial bem bacana no tour. Em seguida fizemos as famosas fotos de perspectiva, dá trabalho viu, tem toda uma ciência hahaha.. ficou irado! Olha, bike e altitude é foda viu hahaha mas recomendo! Pose de Yogi é a preferida rs A ideia aqui era parecer que eu estava fazendo uma cesta, mas essa mãozinha ficou esquisita rs Já quase no fim do dia, ainda conhecemos a Isla Incahuasi, a isla dos cactos gigantes. Eu já estava bem cansada e não tava a fim de subir, fiquei por la mesmo, tirei umas fotos e ficamos conversando até o pessoal voltar para vermos o sunset. Paramos em outro ponto para ver o por do sol, tiramos mais fotinhas e finalmente partimos para a nossa hospedagem. Só tinha nosso grupo nessa hospedagem e era muito boa, fiquei num quarto sozinha inclusive. Tínhamos que aproveitar para tomar banho e recarregar os celulares nesse dia, pois no outro não teríamos energia elétrica e nem banho 😃 Eu queria muito tomar um banho e descansar, mas antes disso ainda jantamos e fomos ver as estrelas. Nosso guia sabia muito de astronomia, foi muito legal ver a via láctea, os planetas e as contelações, parecia tudo tão perto, muito lindo mesmo. Sunset
  15. 9 pontos
    Olá, pessoal! Faz um tempinho que não deixo um relato por aki, mas gostaria de mais uma vez colaborar com vcs, desta vez falando sobre a minha primeira eurotrip!!! Isso aí, finalmente consegui conhecer a tão sonhada Europa e posso dizer que foi incrível demais!!! Quem já acompanhou alguns relatos meus por aki sabe que amo viajar mas sempre de forma super, mega, ultra econômica...rsrs... e desta vez não foi diferente Comecei a planejar minha viagem quase 1 ano antes e posso dizer sem sombra de dúvida que foi a melhor coisa que fiz na vida, pois viajar para o velho continente é caro, ao menos para nós pobres viajantes que não podemos estar sempre por lá, ainda mais com essa disparada do euro, né gente?! Eu escolhi muitas cidades e países para um tempo não muito longo, foram 28 dias, mas como eu disse anteriormente a gente tem que pensar que não é sempre que se vai a Europa...rsrs... sei que tem muita gente que adora criticar quem coloca várias cidades de uma vez em um roteiro, mas posso dizer que apesar de ser realmente cansativo eu não me arrependo de nada e digo, se vc acha que dá, se vc como eu não pode estar sempre viajando pra longe assim, vá... ouça seu coração, seu instinto e apenas vá! Daí tem aquela frase mas a Europa vai continuar lá, pra isso tudo assim? pq eu não tenho grana pra juntar o tempo todo né...rsrs...enfim, sem mais delongas vamos ao roteiro que ficou assim: Viajei no dia 30 de Maio e comprei minhas passagens 10 meses antes, exagero né? Que nada, sou dessas...rsrs! Paguei o valor de R$1.984,00 pela Tap com ida e volta por Salvador, apesar de morar no Rio, por lá saia mais barato e como eu tinha alguns pontos pela multiplus não gastei com valor da passagem interna Rio x Salvador. Então meu vôo foi Salvador x Paris x Salvador e o retorno foi no dia 27 de Junho! Também fiz um seguro viagem pela Allianz (30 dias) por R$245,34, pois consegui um desconto de 40% com um código do Melhores Destinos. Eu estava bem nervosa, pois sempre existe aquele frio na barriga devido a imigração, no caso seria por Lisboa, eu escolhi a Tap justamente por ter conexão la e como não falo inglês, somente o basicão...rsrs... achei melhor chegar por lá, mas foi bem tranquilo, muito mesmo! Eu viajei com mais 4 amigas que conheci aqui pelo mochileiros, eu coloquei aqui que iria viajar e gostaria de cia...então foi bem legal viajar com as meninas. Cheguei por lisboa com uma delas e o cara da imigração não perguntou nada, mas nada mesmo! Levamos uma pastinha com tudo caso ele pedisse e ele apenas pediu o passaporte e nos disse "podem entrar" eu nem acreditei...rsrs! Estava na Zoropa!!! Sobre os euros, bom eu coloquei uma média de 23€ para gastos com alimentação e lembrancinhas. Sei que muita gente vai falar, impossível, como assim só isso? Mas deu e até sobrou, acreditem! Claro que eu levei separado os valores para os transportes internos, ingressos e hospedagens que ainda faltavam pagar, mas a maioria das coisas eu já havia pago e isso me deu muita tranquilidade. Levei no total 1.050€ e também 100£ para 3 dias em Londres e também sobrou...rs! Uma dica sobre hospedagem é que pelo Booking vc consegue receber de volta R$50,00 no seu cartão após o check-out da hospedagem, basta que a reserva seja de no mínimo R$100,00. Não é desconto ou sorteio, é automático, vc realiza a reserva por este link e recebe o valor de volta no cartão que usou, eu recebi e deu tudo certo, fica como dica pra vcs, vale pra usar uma única vez ok! Clica neste link: https://www.booking.com/s/43_8/733e5f83 Meu roteiro completo foi: 31 a 04 Paris 05 a 07 Londres 08 Bruges e Bruxelas 09 Amsterdam 10 Fussen 11 Hallstatt 12 Veneza 13 Verona 14 Milão 15 a 16 Florença / Pisa / San Gigminano 17 a 18 Roma 19 a 21 Zakynthos 22 Atenas 23 Santorini 24 Roma (novamente) 25 Lugano 26 a 27 Lisboa e retorno ao Brasil Vou tentar passar pra vcs os valores e quanto custou este meu mochilão, falando nisso, eu viajei com uma mochila de 70l, que despachei, e uma mochila menor, essas pra note mesmo, pra levar no avião com minhas coisas pessoais e importantes. Os gastos são referentes ao dinheiro que levei, o que eu não incluir é pq já havia pago antecipadamente. Bom, como eu disse antes, fiz o planejamento bem antecipado e vcs verão que isso é muito importante pois me ajudou muito a não só economizar bastante, como também estudar as cidades e lugares que gostaria de conhecer e me sentir segura ao andar por lá. Dia 01 - Paris A imigração foi tranquila, os vôos não atrasaram e como eu tinha conexão de 3h em Lisboa, aproveitei para ir ao setor de desembarque para comprar um chip da Vodafone, pois havia lido sobre alguns e vi que este seria o melhor custo benefício e me atendeu super bem, não precisei gastar mais nada com internet e olha que eu usava muito o google maps!! O chip custou 10€ e possuia 3gb de intenet com rede sociais e whatsap ilimitados + 500min de ligações dentro da europa, mas não utilizei as ligações, aconselho vc a sair pra comprar se tiver um bom espaço de tempo, pois a fila na loja era bem grande!! Cheguei por volta das 18h em Paris, no aeroporto de Orly e encontrei as outras meninas no aeroporto e já aproveitamos para comprar Museum Pass de 4 dias, que custou 62€ e com ele poderíamos visitar todos os museus sem nos preocupar com filas ou em comprar outros ingressos, gostei muito e acho que vale demais pra economizar tempo e dinheiro. Do aeroporto pegamos o Orlybus, que custou 8,40€ e descemos no ponto final, na estação Defense Rousseau onde aproveitamos para fazer o cartão Navigo, para quem não sabe esse cartão vale muitooooo a pena e vou explicar como funciona: Ele vale de segunda a domingo e vc coloca uma carga de 22€ e gasta mais 5€ para pagar pelo cartão, vc pode utilizar no metrô, ônibus, tram e até no Orlybus, como no aeroporto de Orly não vende, pagamos pelo ônibus na nossa chegada, mas fizemos o cartão na primeira estação de metrô. Vc deve também levar uma foto para colar no cartão e escrever seu nome. Lembrando que vale de segunda a domingo e vc pode usar também para ir a Disney e ao palácio de Verssalles! Pra vc ter uma idéia, só o ticket de ida e volta pra Disney custa uns 15€ e pra Verssalles se não me engano uns 8€, então só de vc não se preocupar em pegar o metrô ou bus errado ou com o tempo de val do bilhete ou até a zona em que está, acho muito útil e econômico! Vc pode ficar com o cartão e pode recarregar em uma outra vez que estiver lá! Como era nosso primeiro dia nos enrolamos um pouco no metrô...kkk... mas chegamos no hostel!!! Fiz reserva pelo Airbnb e ele ficava uns 10min do metrô, mas tinha ponto de ônibus em frente que passava na porta do Louvre, por exemplo. Esse hostel foi muito barato, apenas 11,50€ a diária e era um apto com umas 14 camas, mas era espaçoso e limpo. Vc não podia ficar no quarto de 11h as 20h mas isso não foi problema pra gente, já que saíamos cedo e voltávamos tarde...rs! Lá perto tinha uma pizzaria onde comemos todos os dias, pois era barata e gostosa, tipo uma pizza grande custava uns 6€ e sempre comprávamos 2 ou 3 e rachávamos o valor, então por 5 pessoas saia bem em conta. No hostel não tinha café da manhã, e pra economizar comprávamos coisas no mercadinho pro dia seguinte e deu super certo! Neste primeiro dia não fizemos nada, tentamos ir a Torre, nos perdemos e voltamos pro hostel antes do metrô fechar....kkkk! Chegamos por volta de 01h da manhã e no dia seguinte tinhamos reservado pra ir a Disney!!! Gastos do dia: Chip Vodafone = 10€ Ônibus Orly = 8,30€ Museum Pass = 62€ Navigo Decouvert = 27,80€ Pizza + bebida / 4 = 3,90€ Água de 1,5L = 1€ Café da manhã / 4 = 1€ Total: 114€ Dia 02 - Paris Este dia reservamos para conhecer a Disneyland e já havíamos comprado nossos ingressos pelo site, custou 62€ 1 dia nos 2 Parques e valeu demais a pena!!! Aconselho a comprar antes, pois na hora é mais caro! Pra quem tem dúvidas, dá pra fazer 2 parques em 1 dia sim... é cansativo, mas dá!! E por favor, não deixem de ficar pra ver o show Illumination... é lindo demais! Dei uma passada na loja Disney e queria levar tudo...hahaha! Mas como eu tinha um orçamento a manter e ainda estava no início da viagem, comprei apenas 2 chaveiros e 1 Imã de geladeira...pois são coisas que gosto muito de colecionar! Esse dia foi mega cansativo, estávamos acabadas no final do dia e caiu uma chuva de nos deixar enxarcadas....rsrs... mas foi bem divertido e isso de maneira alguma nos desanimou. Na hora de ir embora acabamos seguindo a multidão errada e demoramos a encontrar o lugar pra pegar o trem de volta, quase perdemos o último, mas no final deu tudo certo e foi só risada depois dos perrengues...rs!! Na volta, já de madrugada passamos na nossa pizzaria e depois voltamos pro hostel mega cansadas, porém felizes! Gastos do dia: 2 Chaveiros Disney Paris = 11,98€ 1 Imã de geladeira = 5,99€ Pizza + bebida / 4 = 4,80€ Café da manhã / 4 = 1,30€ Total: 24,07€ Dia 03 - Paris Neste dia acordamos um pouco além do horário que gostaríamos, mas deu pra fazer muita coisa. Esse foi o dia reservado para conhecer alguns museus e pontos da cidade, além claro, da Torre Eiffel!!! Nossa primeira parada foi lá mesmo e foi bem emocionante vê-la de perto e a ficha finalmente cair...rs Bom, depois de tirar milhares de fotos da torre no trocádero, seguimos para conhecer o Museu Rodin, Museu d'Orsay, Museu dos Inválidos e Tumba de Napoleão (tudo usando o Museum Pass e sem fila), Ponte Alexandre III e também passamos em frente ao Petit Palais e Gran Palais. Depois seguimos em direção ao Arco do Triunfo, mas não subimos por estarmos extremamente cansadas...rs, mas ele é bem maior do que eu imaginava! Ficamos alí mesmo pela Champs Elysee e almoçamos no McDonald's, e foi bem baratinho... um trio por menos de 6€!! Depois voltamos pra Torre, pois haviamos comprado os ingressos pra subir perto do pôr do sol... e vale muito a pena comprar antecipado, pois as filas são enormes!! Ficamos até escurecer e no final do dia estávamos destruídas, mas contentes por ter feito muita coisa e o dia ter rendido bastante! Gastos do dia: 2 imãs de geladeira = 5€ 1 Trio McDonald's = 5,65€ Mercado = 6,15€ Café da manhã / 5 = 1,05€ Total: 17,80€ Dia 04 - Paris Acordamos cedo, pois este seria o dia de conhecer Verssalles!! Como estávamos lá no período de greve dos trens, esse foi o único dia q nos preocupamos mais, pois achamos q nem rodaria o RER mas ele estava passando, só que com intervalos maiores e esperamos uns 40min e isso nos atrasou um pouco, chegamos e a fila estava bem grande, mesmo com o ingresso vc pega fila pra revista e nós estávamos com o Museum Pass que também dá direito ao palácio!! Como eu havia dito, vale muitooo a pena! Para acesso aos Jardins, como era final de semana e estava no período de apresentação das Fontes, foi cobrado a parte e pagamos 9,50€ mas ainda bem q tinhamos comprado antecipadamente, pois estava com uma fila considerável e não precisamos passar por ela, apenas mostrar o ingresso (ufa!)! O Palácio estava entupido e foi impossível ver tudo com calma, a multidão ia nos levando, foi terrível e lá dentro é extremamente quente!! Não deu pra ver com calma, e acabou sendo bem desgastante... depois que passamos pelos jardins decidimos ir embora e na volta já tinha um trem na estação e não esperamos muito. É muito fácil ir e voltar por conta própria à Verssalles, bastar pegar o RER C e usamos em todos esses dias apenas nosso bilhete Navigo! Decidimos seguir para conhecer Momatre e foi uma escolha acertada, pois era domingo e o bairro estava lotado, animado e lá é bem diferente da outra Paris que tínhamos visto... eu amei esta parte boêmia da cidade, cada cantinho mais lindo do que outro!! Andamos pelas ruazinhas, compramos souvenirs (lá vc encontra os mais baratos) e subimos até a Sacre-Couer, ficamos um pouco na escadaria curtindo a vibe e as meninas compraram cervejas, estava bem quente...rs! Havíamos comprado um passeio de barco pelo Rio Sena, pagamos R$41,00 pela decolar e foi bem mais barato, pois lá estava custando 15€, e vc poderia agendar p dia e horário, então reservamos para o horário do pôr do sol e foi lindo, pois pudemos ver as luzes da Torre piscando mais uma vez, mas desta vez de outro ângulo. Esse é um passeio típico que vc deve fazer para ver paris de outra forma... Depois voltamos pro hostel mega cansadas, foi um dia bem cheio, assim como os outros! Gastos do dia: Lembrancinhas = 18€ Café da manhã 5 / = 1,60€ Água de 1,5L = 1€ Pizza + bebida / 3 = 2,10€ Total: 22,70€ Dia 05 - Paris Era nosso último dia na cidade, então acordamos um pouco mais tarde, arrumamos nossas coisas e deixamos guardadas no hostel pra depois só pegar tudo e seguir viagem! Neste dia já não poderíamos usar mais o Navigo, então compramos 3 bilhetes de metrô cada uma, pois precisariamos somente disto para o dia todo. Decidimos deixar esse dia pra conhecer o Louvre, não pegamos fila pra entrar pois já tinhamos o Museum Pass, mas pegamos uma fila na revista, mas foi rápida! Gente o Louvre é gigantesco, mas muitoooo mesmo e não dá pra ver quase nada, pq é muito lotado...rs! Consegui ver a Monalisa quase tendo que socar alguém e nunca vi lugar pra ter tanto oriental, é muitoooooo!!! Fui na ala egípcia, pois gosto muito e também na parte subterrânea do museu, mas estava já tão cansada q não demoramos muito por lá... almoçamos no McDonald's (sempre nos salvando...kkk) dentro do museu mesmo e depois seguimos, pois eu queria muito conhecer a Sainte-Chapelle, somente eu entrei pois as meninas estavam sem pique e me esperaram do lado de fora, a entrada também está inclusa no Museum Pass, mas não há fila especial para a revista, porém lá dentro vc entra direto! Os vitrais são muito bonitos, e vale a pena conhecer até pq ela é pequena... de lá fomos para a Notre-Dame e a fila estava pequena e era rápida, vc não paga pra entrar. Ficamos um tempo lá dentro só observando tudo... agradeci por estar lá e ter dado tudo certo! Ainda passamos em frente ao Panteon, depois voltamos pro hostel, tomamos banho, nos arrumamos e seguimos pra comer uma pizza antes de pegar o ônibus pra Londres! Deixamos 1h pra conseguir chegar na estação e chegamos lá faltando 15min pro ônibus sair... a estação ficava em um lugar muito estranho e deserto e chegamos já a noite, mas deu tudo certo! Seguimos viagem em um ônibus q não ia muito cheio e nos jogamos!! Hahaha! Gastos do dia: McDonald's = 5,95€ 3 Moedas comemorativas = 6€ 2 Tickets Metro = 2,80€ Sorvete = 2,50€ Total: 17,25€ Eu havia comprado a passagem de ônibus para Londres antecipadamente pela Ouibus e paguei 25€, tinha visto muitos comentários ruins sobre viajar de ônibus do pessoal dizendo que não valia a pena e tals, mas eu achei muito tranquilo, o ônibus não atrasou e chegou até antes na cidade. Como estava fazendo uma viagem mega econômica, decidi economizar na diária, pois dormiria no buzão e também no transporte, pois é bem mais barato do que trem e vc pode levar qualquer bagagem, diferente do avião que vc paga pra despachar. Fizemos a travessia pelo eurotunel e só descemos para fazer a imigração, que foi muito tranquila também, o fiscal da imigração era bem simpático, eu estava bem nervosa pois falaram que lá era muito chato, mas ele apenas perguntou quantos dias ficaria e se estava de férias e daí carimbou! Me apaixonei por Londres de cara!! Assim que amanheceu e chegamos na cidade, fiquei olhando admirada pela janela do ônibus... que cidade!! Parecia q eu estava em um filme...rs...foi mais impactante do que Paris, ao menos pra mim!! Dia 06 - Londres Assim que desembarcamos, na station bus próximo a estação Victoria, procuramos o local onde vendia o cartão Oyster Card! Na estação Victoria mesmo vc encontra um balcão com varios guichês e pode comprar por 5£ o cartão e inserir a quantidade de créditos. Funciona assim: com esse cartão vc terá um teto diário pra ser descontado, e quando chegar a esse teto ele para de descontar os valores mas vc continua utilizando pra ônibus, metrô etc. Se não me engano o valor do teto diário era 6,80£ e como só aceita múltiplos de 5£ gastamos 30£, pois ficaríamos apenas 3 dias na cidade e seria suficiente, 5 do cartão + 25 da recarga. Caso sobre algum valor vc pode pegar quando for embora e também pegar os 5£ de volta caso devolva o cartão. Valeeee muito a pena! Bom, feito isso seguimos para o hostel, ficamos no [email protected] The Green man, Paddington e o quarto misto com 9 camas sem café da manhã custou 12,80£ a diária! Eu, particulamente, gostei do hostel por ser barato, limpo, tranquilo e só não gostei por não ter cozinha, mas ficava ao lado de um mercado super barato e nos viramos muito bem por lá. Ele também fica ao lado de uma estação de metrô (literalmente) e a linha te leva pra todo lado, muito fácil! Esse hostel fica em cima de um Pub, mas é bem tranquilo! Chegamos no hostel muito cedo mas deixaram guardar as bagagens até dar o horário do checkin, e fomos logo ao mercado comprar coisas pois a fome estava tensa...rsrs! O mercado que tem do lado nos atendeu super bem, era tudo muito barato e aproveitamos pra comprar várias besteiras...kkkk!! Depois, tomamos banho, nos arrumamos e partimos pra desbravar a cidade, para este dia haviamos reservado a London Eye. Não havia fila, daria pra ter comprado na hora, mas pensando bem, eu só vi que não havia fila pra subir, para comprar não sei como estava, foi bem legal pois a cabine não foi muito cheia e deu pra cutir de vários ângulos bacanas. Muita gente tinha falado que não valeria a pena, mas eu achei o contrário, pois vc pode ter um visual muito lindo da cidade, ainda mais se estiver um dia de céu limpo! Valeu demais, amei! Neste dia também andamos pela cidade e passamos pelo Parlamento, Big Ben (que estava todo tapado com tapumes e foi frustrante...rsrs), esse dia foi mais dedicado a conhecer a cidade e andar sem muito rumo. Á noite seguimos para ver a Tower Bridge iluminada e ela é imensa e simplesmente linda e imponente! Depois seguimos para o hostel e capotamos!! Gastos do dia: Oyster Card (3 dias) = 30£ Mercado = 10,20£ Mercado / 5 = 1,50£ Total: 41,70£ Dia 07 - Londres Começamos cedo este dia, pois era dia de assistir a troca de guarda no palácio de Buckinham e era preciso chegar um pouco mais cedo. Amanheceu um dia lindo e eu que não esperava muito da Troca, achei muitoooo legal, até pq se vc está em Londres, melhor aproveitar tudo que tem por lá né gente? Fica muito cheio e pra pegar um bom lugar é bom ir ao menos 1h antes ou vc fica pra trás...rsrs! Achei lindo e diferente do que estamos acostumadas a ver em qualquer lugar, afinal é a guarda britânica...rs! A área em que o palácio fica também é muito bonita, cheia de flores e o clima estava bem agradável. De lá caminhamos até Tralfagar Square e pegamos o metrô para o museu de cera Madame Tussauds, pois já havíamos comprado os ingressos antecipadamente pelo site, ah, esse ingresso foi um combo junto com a London Eye e saiu bem mais barato comprando os dois juntos, valor de 40£, como estávamos com os ingressos não pegamos fila, entramos direto. Esse foi mais um lugar que muita gente falou que não valeria a pena, mas eu particulamente achei bem divertido e curti. Ficamos um bom tempo no museu de cera e depois seguimos em direção ao Rio Tâmisa para ver a Tower Bridge desta vem de dia e aproveitamos para andar pelos bairros próximos, foi bem bacana! Para este mesmo dia eu havia comprado ingresso para o musical O Fantasma da Ópera, pois eu achava que teria que assistir de qualquer jeito este musical, já que sou fã e foi espetacular assistir ao vivo, gente, sério, é incrível demais!! Senti uma grande emoção ao estar vivendo este momento... aconselho a quem quiser comprar ingressos para assistir a algum musical, ver com antecedência, pois a diferença de preço é enorme, por exemplo paguei apenas 26,80£ no ingressos que costumam ser 40£! Depois do espetáculo voltei pro hostel, comprei algumas coisa no mercado que ainda estava aberto e fui dormir, mas as meninas se animaram e sairam para conhecer a noite londrina, como não curto muito, fiquei pelo hostel, pois no dia seguinte seria o último nesta cidade que já havia me ganhado! Gastos do dia: Mercado 1,97£ Mercado 6£ Total: 7,97£ Dia 08 - Londres Era nosso último dia na cidade, mas confesso que poderia ficar muito, muitoooo mais! Acordamos cedo, arrumamos nossas coisas e deixamos guardadas no hostel, depois seguimos para conhecer alguns museus e outra parte da cidade, que também gostei bastante, aliás, não teve nada que não gostei por lá...rsrs... Bom, começamos pelo mercado pra tomar nosso café da manhã...hehe... depois partimos para o primeiro museu do dia e o que eu mais queria conhecer, o Museu de História Natural!!! Gente, em Londres não é preciso pagar para entrar nos museus, mas vc pode dar algum tipo de contribuição caso assim queira... claro que com a libra nas alturas eu não contribuímos nem com uma sequer...kkkkk!!! Mas voltando ao museu, ele é incrível, a própria arquitetura já impressiona do lado de fora, para um castelo ou algo assim tão imponente! Existem vários setores para conhecer, mas o de maior sucesso é dos nossos amigos Dinossauros, é muito legal!! Depois deste museu fomos ao Science Museum, ou Museu da Ciência que eu confesso esperava bem mais, me decepcionei um pouco, ele estava bem vazio mas valeu a pena conhecer de qualquer forma! Em seguida fomos em direção ao British Museum, que é o famoso Museu Britânico... ele é gigantescoooo e pra vc ver tudo com calma teria que passar muitas e muitas horas lá dentro! Passei pela ala egipcia, da qual gosto muito e outras, mas estava já meio cansada de museus, porém me surpreendi, pois quando vc olha por fora não dá muito por ele! Nossa saga dos museus acabaram e seguimos para o bairro de Camden Town, onde é tudo muito diferente e meio alternativo. Comprei todos os souvenirs lá, pois é a região mais barata para comprar e vc encontra de tudo, adorei a energia do lugar, foi um local que nos surpreendeu, passamos mais tempo lá do que imaginamos e acabou ficando muito tarde e acabou não dando pra conhecer Notting Hill, uma pena, mas ficará para uma próxima, pois Londres é uma cidade que desejo voltar com toda certeza! Quando decidimos voltar para o hostel acabamos pegando o metrô errado, em direção ao aeroporto e ainda bem que ficamos ligadas e deu tempo de voltar para o hostel. Tomamos banho, pegamos tudo e seguimos para o mercado para gastar nossas últimas libras, já que haviam sobrado e comprei mais besteiras e algumas coisas pra comer no ônibus que pegaríamos para Bruxelas, mas o perrengue veio depois... chegamos na estação no horário pretendido, mas foi uó pra encontrar a estação de ônibus certa, pois são várias, cada empresa de ônibus tem a sua estação e já estava quase dando o horário e nada de encontramos, teve uma hora que eu pensei em desistir pois estava com a mochila muito pesada e várias sacolas nas mãos. Faltavam 5 min pro ônibus sair quando finalmente encontramos e corremos como se não houvesse amanhã e minhas pernas já não me obedeciam mais, achei que já tínhamos perdido mas tinha uma fila ainda pra entrar, que sufoco!!! Uma coisa é certa, chegue no horário sempre, pois nenhum dos ônibus atrasaram e se vc demorar perde sim, pois eles não esperam! Olha gente, neste caso em especial, a viagem de ônibus foi péssima, e essa foi a única vez em que nem conseguimos descansar, pois além do ônibus estar cheio tinha um pessoal muito estranho bebendo, fumando e falando alto... o motorista teve que parar o ônibus várias vezes e reclamar com eles dizendo até que ia chamar a polícia e eles pouco ligavam, ficamos até meio assustadas, mas no final deu tudo certo e chegamos quebradas em Bruxelas...rsrs... o que seria de uma trip sem os perrengues né? Essa passagem de ônibus custou 17€ e também foi pela Ouibus! Optamos pelos ônibus tanto pela economia do valor da passagem, quanto economizar na diária em hostels, não precisar pagar para despachar bagagem além deles sempre te deixarem no centro da cidade e não distante como são os aeroportos. No próximo post falo sobre os outros destinos... Dia 09 - Bruges / Bruxelas Como eu havia dito antes, chegamos bem quebradas na cidade, pois a viagem de ônibus foi bem cansativa, mas posso afirmar que esta foi a única vez que nos sentimos assim, pois as outras viagens foram bem tranquilas e deu pra dormir no ônibus de boa. Mas isso pra quem não liga muito né, gente? O ônibus nos deixou na porta da estação Gare du Midi e chegamos bem cedo e como não teríamos hospedagem nesta cidade, decidimos deixar as bagagens guardadas na estação, mas antes esperamos o banheiro abrir para trocar de roupa, dar aquela melhorada no visú e poder realizar nosso roteiro no dia...rsrs... o engraçado que ficou todo mundo olhando pra gente, já que abrimos as bagagens e esparramos tudo por lá...rsrs!! Decidimos fazer um bate e volta à Bruges, pois mesmo sabendo que seria corrido, eu tinha muita vontade de conhecer esta cidade e não me arrependo, pois deu pra andar pela cidade, conhecer um pouco e na metade do dia seguir novamente para Bruxelas e conhecer um pouco da capital. Bruges é uma cidade fofa e encantadora, estava bem frio neste dia e sofremos um pouco, pois não imaginávamos que seria assim, mas isso foi só pela manhã, depois foi esquentando mais. Em Bruges, fomos caminhando da estação até o centrinho da cidade e na volta fizemos a mesma coisa, não gastamos com transporte por lá, pois é tudo muito perto. Também não entramos em nenhuma atração, pois nossa intenção era apenas andar pela cidade sem rumo e como chegamos bem cedinho, pegamos a cidade bem vazia e nos encantamos... achei os valores na cidade também bem baratos e aproveitamos para comprar os famosos chocolates belgas por lá, encontrei 6 caixas de trufas por 10€ e o problema foi que tinha que levá-los até o Brasil e já estava com vários chocolates que tinha comprado em Londres e minhas sacolas foram só aumentando e olha que era apenas o início da viagem....kkkkk!! Bom gente, o valor de ida e volta do trem de Bruxelas x Bruges foi 29,60€ pela Trainline, eu já havia comprado antecipadamente e foi só mostrar os bilhetes. Por volta de meio-dia voltamos para a estação e seguimos para Bruxelas. Gastos em Bruges: Chaveiro + imã = 6€ Armário p bagagem / 5 = 2,20€ Banheiro = 0,60€ Chocolates = 10€ Mercado = 2,68€ Total: 21,48€ Chegando em Bruxelas compramos 2 bilhetes de metrô e usamos 1 para ir e voltar ao Atomium, pois como o bilhete vale por um certo tempo deu pra usar o mesmo bilhete (tudo pela economia...hehe), lá só dá pra chegar de metrô e não é muito longe não, achei que fosse mais, olha que o negócio é grande mesmo gente, achei bem legal, mas não subimos, vimos apenas por fora. Na volta descemos na Grand Place, a famosa praça da cidade e ela realmente é muito bonita e estava bem cheia. Deu pra andar pela cidade com calma, parei pra experimentar a famosa batata frita belga, mas confesso que não gostei, só não sei se foi o lugar que comprei que era ruim mesmo...rsrs. Passamos em algumas lojas e comprei meus imãs e chaveiro, depois pegamos o metrô e seguimos para a estação pra pegar nossa bagagem e ainda ir para a outra estação da cidade, já que nosso ônibus para Amsterdam sairia da Gare de Bruxelles-Nord, mas como havia aquele limite de tempo deu pra usar o mesmo bilhete para ir até a outra estação. Por isso é sempre bom se informar sobre tudo, pois vc pode fazer pequenas economias que se tornarão grandes no final das contas... Gastos em Bruxelas: 2 Tickets Metrô = 4,20€ Batata + Coca = 7€ Água 1,5L = 0,65€ Chaveiro + imã = 4€ Total: 15,85€ Dia 10 - Amsterdam Chegamos em Amsterdam a noite, depois das 22h e o ônibus no deixou em uma estação de trem onde logo procuramos algum lugar para comprar o bilhete de metrô, mas vimos que lá o transporte é caro e valeria mais a pena comprar o bilhete de 24h, pois teríamos que utilizar também no dia seguinte para andar pela cidade e depois para ir embora e foi assim que fizemos, mas confesso que foi a máquina que mais tivemos dificuldade e só poderíamos comprar por ela, pois não havia bilheteria, apenas máquinas mas mesmo nos enrolando um pouco conseguimos...rsrs... Ficamos lá esperando o próximo trem com destino a Central Station e uma das meninas pediu para colocar minhas sacolas em cima da mala dela, pra eu não carregar peso e assim que o trem chegou corremos pra pegar e ela esqueceu as minhas sacolas na estação, assim que a porta fechou ela disse "Cris, suas sacolas ficaram lá..." quase chorei olhando pela janela as minhas sacolas...meus chocolates, minhas lembrancinhas de Paris e Londres, meu Deus, pensei já era... mas mesmo assim resolvi descer na próxima para e voltar pra tentar ver se ainda estariam lá.... o trem demorou a parar e quando vimos o próximo só viria em 10min, me pareceu uma eternidade!!!! Assim que o trem chegou olhei pro outro lado e as sacolas estavam lá...(Ufaaaa) falei pra elas ficarem de olho e se alguém pegasse gritassem pra deixar lá...kkkkk... corri muito!!! Mas quando cheguei vi que tinham revirado a bolsa toda, mas não levaram nada... não sei se alguém da segurança mexeu pra ver o que era, enfim... o importante que minhas coisas estavam a salvo e as meninas até se aliviaram, pois viram como eu estava tensa...kkkkkk!!!! Bom, chegando na estação central deu pra ir andando até o hotel, pois era perto. Eu e uma das meninas ficamos em um hotel, pois sairia mais em conta do que hostel, ficamos no XO Hotels City Centre em quarto Duplo privativo s/café e nos custou 50€ (25€ pra cada). Apesar de ter visto muita gente reclamando do hotel, eu gostei e achei melhor do que pensava, inclusive. Chegamos tão cansadas no hotel que capotamos, nem saímos lá a noite. No dia seguinte tinhamos um dia cheio! Acordamos um pouco mais tarde e arrumamos a bagagem, pois teríamos que deixar guardadas no hotel já que a noite partiriamos para Munique. Comemos algo e seguimos até a Museumplein, onde ficam os museus e também o famoso letreiro da cidade, utilizando nosso passe de 24h. Amsterdam foi uma cidade que também me encantou bastante, pois os canais e sua arquitetura são incríveis e a cidade tem uma energia maravilhosa, porém foi a cidade mais cara de toda a viagem! Gente, uma garrafa de água custava uns 3€ e eu me recusei a pagar, comprei refrigerante....kkkkkk!! O transporte lá também é ótimo, vc pode andar super de boa, pois é bem fácil, mas também é caro, se não me engano um bilhete simples era 2,90€... A cidade também é megaaaaa lotadaaaaa e cada ruazinha esta entupida de gente, nossa, não achei que fosse assim! Muitos jovens, foi a cidade com mais jovens de toda a viagem e todos querendo a mesma coisa né, diversão e experimentar as tais ervas...rs! Mas Amsterdam é bem mais que isso! Caminhamos por essa região da cidade, admirando os canais, os prédios e as ruas tão diferentes... tiramos diversas fotos no letreiro! Depois seguimos a pé mesmo até a Heineken Experience, mas perguntamos se haveria possibilidade de ir apenas até a loja, pois as meninas queriam comprar umas tulipas com nome gravado e tinha uma fila considerável pra entrar, o segurança foi bem simpático e permitiu!! Depois fomos até a Casa de Anne Frank, e já havíamos comprado nossos ingressos pelo site, antecipadamente, e aconselho a fazer isso caso queira visitar, pois é uma das atrações mais concorridas da cidade e os ingressos ficam disponíveis com 2 meses de antecedência e o valor é 9,50€, vc escolhe o dia e horário melhor pra vc. Vale muito a pena visitar a casa, pois vc conhece um pouco da história e de tudo que os judeus passaram, é meio desconfortável e vc até sente um pouco de angústia, o bacana é que eles tem áudio-guias em português e está incluso no valor do ingresso. Final da tarde passamos por outras regiões e passamos pela praça Dam, a mais famosa de Amsterdam, depois nos separamos e cada uma foi conhecer um pouco mais da cidade, parei pra comer e escolhi desta vez experimentar as batatas holandesas, já que há uma rixa com a Bélgica de quem tem a melhor batata frita e olha, posso afirmar que as holandesas são infinitamente melhores...rsrs! Um cone gigante com uma coca custou 6€, consegui comer apenas a metade pois era muito grande, é praticamente um almoço!!! Comprei algumas coisas no mercado, pois como viajaríamos novamente de ônibus, resolvi levar algumas coisas pra comer. Passamos no hotel, pegamos nossas coisas e seguimos para a estação de ônibus, mas chegando na estação de trem descobrimos que nosso passe não valeria para o trem que levaria a esta estação, pois é diferente e tivemos que comprar um outro, mas tudo bem! Chegando lá nos confundimos um pouco, mas encontramos de onde sairia nosso ônibus, ele demorou um pouco mas nada demais. Nossa próxima parada seria Munique, na Alemanha, e essa viagem de ônibus foi bem tranquila, o ônibus não estava tão cheio e deu pra dormir tranquilamente. Essa passagem de Amsterdam para Munique custou 35,90€ pela Flixbus e compramos todas antecipadamente! Gastos do dia: Hotel = 25€ Ticket 24h = 7,50€ Ticket Trem = 3,30€ Batata + Coca = 6€ Chaveiro + imã = 5€ Mercado = 5€ Coca = 2,25€ Total: 54,05€ Dia 11 - Munique / Füssen Chegamos pela manhã em Munique e a rodoviária é pequena e ao lado da estação de trem, então pegamos um trem para a estação central da cidade, pois de lá que pegaríamos o trem para outra cidade que iríamos e também poderíamos deixar nossas bagagens. Usamos o banheiro pra dar um trato no visual e trocar de roupa, se acostumem, pois na Europa quase todo banheiro vc paga pra usar, então tenha sempre moedas...rs! Tínhamos comprado um passe de trem chamado Bavaria-Ticket que servia pra andar de transporte público pela cidade, mas na verdade o compramos para visitar a cidade de Füssen, pois eu queria muito conhecer o Castelo de Neuschwanstein, que inspirou Walt Disney a criar o castelo da Cinderela!! Desde que vi uma foto do castelo coloquei na cabeça que conheceria, assim como a cidade que visitaria depois. Bom, para conhecer o interior do castelo vc precisa comprar o ingresso que custa 13€ e aconselho a comprar antecipadamente, pois na alta temporada as filas são grandes e vc pode não conseguir horário para a visita, com a taxa o ingresso saí por 14,80€ e acho que vale a pena! Vc paga o ingresso na hora que pegar, e não antes. No valor está incluso o áudio-guia em português e vc pode acompanhar a visita, mas não pode fotografar no interior do castelo. Usamos nosso Bavaria-Ticket para grupos de até 5 pessoas e sai mais em conta do que o valor por pessoa, mas mesmo que vc vá só também vale a pena, pois custa 23€ e vc pode usar o trem de ida e volta para qualquer cidade da Bavaria e também para visitar Salzburgo, na Áustria! Vc pode pegar os trens de qualquer horário, contanto que não seja os de alta velocidade (Avi), é uma economia bem bacana!! Com esse ticket vc também usa pra entrar no ônibus que leva da estação de Füssen até a cidade onde fica o castelo, é uma viagem de uns 10min apenas. Mesmo que vc não queira visitar o castelo, vale conhecer essa cidade pois é linda, tem um lago incrível e eu fiquei encantada, uma cidade de conto de fadas mesmo!! Para subir até o Castelo vc pode ir a pé, de charrete ou de ônibus, o bilhete de ida e volta custou 3€ (ônibus). A viagem de trem entre Munique e Füssen demorou umas 2h e por isso acho que vale muito o bate e volta! Voltamos, depois da visita e só as paisagens que vc vê pelo caminho já valem a viagem, são lindas! Comi no McDonald's da estação de Munique, demos uma volta por Munique mas bem rápido mesmo, antes de seguir viagem para Salzburg, pois fizemos reserva em hostel lá, já que no dia seguinte iríamos para outra cidadezinha que eu era louca pra conhecer, só que desta vez, na Áustria! Gente, olha a economia que conseguimos com esse passe: viajamos ida e volta pra Füssen, utilizamos trem, ônibus e metrô em Munique e ainda seguimos para a Áustria com o mesmo passe! É ou não perfeito?! Caso vc vá passar uns dias em Munique utilize este passe e aproveite para conhecer estas cidades próximas, também compensa Salzburgo pois a viagem dura menos de 2h ;)!! Cada uma de nós gastou 13€ com ele e foi uma das melhores economias da viagem. Vc pode comprar nas máquinas ou pelo site da DBahn, vale das 09h a meia noite, então pode usar por todo o dia!! Chegando em Salzburg, seguimos para o hostel já bem cansadas e eu só sai pra comprar uma água...rs! Gastos do dia: Sanduiche + coca = 5,40€ Banheiro = 1€ Armário p bagagem = 3,60€ Castelo Fussen = 14,80€ Ônibus para Castelo = 3€ (ida e volta) Imã do castelo = 3,50€ Coca = 1,84€ McDonald's = 4,58€ Água = 1,30€ Taxa Hostel 1,55€ Total: 40,57€ Dia 12 - Hallstatt Na noite anterior havíamos chegado bem cansadas, já que estávamos vindo de uma noite dormida no ônibus e de um bate e volta de outra cidade só queríamos um banho e apagar, melhor ainda foi chegar no hostel e a atendente conseguir nos encaixar em um quarto só pra gente, já que havíamos feito a reserva para quarto compartilhado, mas como estávamos juntas ela fez esse favor gigante...kkkkk... nem arrumamos nada e foi ótimo ter o quarto só pra nós!! Ficamos no hostel A&O Salzburg Hauptbahnhof e o valor da diária foi de apenas 11,40€ em quarto de 6 camas sem café da manhã, o hostel é ótimo, parece até hotel e adoramos, sem falar que ele fica quase do lado da estação central e isso ajudou muito! Caso fiquem neste hostel aconselho a realizar a reserva pelo próprio site deles, pois é bem mais barato, eu teria pago uns 10€ a mais pelo booking e já deu pra dar uma economizada né...rsrs... Eu havia planejado passar por Salzburg apenas pra fazer um bate e volta até a cidade de Hallstatt, pois desde que ouvi falar sobre esta cidade, fiquei completamente encantada! Vi que a melhor forma seria uma bate e volta por lá, de início eu iria fazer o trajeto ônibus + trem + barco pois todos dizem ser o mais econômico, mas como encontrei passagens de trem em promoção acabei decidindo ir de trem, já que seria menos complicado e mais barato...rs... comprando com 6 meses de antecedência as passagens custaram 9€ ida e 9€ volta pela OBB, os trens são extremamente confortáveis e muito bonitos!! Vc faz uma baldeação no meio do caminho e chegando na estação de Hallstatt vc pega um barco que custa 5€ pela ida e volta, mas esse passeio já vale pois vc fica lá babando pelo lugar... Gente, a cidade é realmente linda! O lago, as montanhas em volta... as casinhas, parece até um lugar cenográfico de tão perfeitinho!! A cidade é bem pequena, mas dá pra passar um dia lá só admirando e conhecendo o lugar, tem alguns restaurantes e lojinhas com preços bem acessíveis!! Como chegamos lá quase 11h aproveitamos pra dar uma volta enquanto as outras meninas não chegavam, pois acabamos não indo juntas por algumas terem comprado passagem para horários diferentes. Depois que elas chegaram paramos pra comer uma pizza e ficar admirando a cidade...rs... Em seguida fomos curtir e decidimos subir o teleférico que leva até o topo da montanha, a vista é incrível e vale a pena, esse passeio custou 16€ e a paisagem compensa tudo! Tem passeios com barquinhos lá também, ou vc pode conhecer a Mina de Sal que fica nessa montanha que subimos. Compramos umas lembrancinhas, andamos pela cidade sem pressa e foi um dia bem bacana! Chegamos lá com sol e na hora de ir embora começou a chuviscar um pouco. Procure ir para o ponto de retorno do barco uns 30 min antes, pois enche e verifique o horário de saída deles assim que vc chegar, pra não ter problemas e vc correr risco de perder o trem...rs! Pegamos o trem de volta e a única coisa chata foi que na hora da troca de trens pegamos um errado, pois estava na mesma plataforma e só nos demos conta quando entramos, explicamos ao fiscal e sorte que ele não cobrou multa, pois lá são bem rígidos com isso, pagamos apenas o valor do bilhete que foi de 8,90€, pois era um trem de outra cia, mas fazer oq né? O erro foi nosso...rs Bom, quando saímos pela manhã do hostel havíamos deixado nossa bagagem guardada e lá eles cobram, mas não nos cobraram pois os armários estavam com defeito e eles deixaram na recepção...deixaram a gente ficar por lá até dar horário do nosso próximo trem, que seria pela madrugada. Eu tinha planejado andar um pouco por Salzburg, mas estava tão cansada que nem sai do hostel, comprei umas coisas e fiquei por lá mesmo pra descansar e as meninas também não quiseram sair... ficamos batendo papo e rindo dos nossos micos até aquele dia...kkkk!!! Por volta da 01h da manhã saimos do hostel, mas achei a cidade bem tranquila e era pertinho pra gente ir caminhando, chegamos na estação e estava deserta...rs...nossa próxima parada seria a cidade de Veneza, na Itália, e seria a primeira vez que pegaríamos um trem noturno e já ouvi tantas histórias...não sabíamos como era... mas conto depois! Gastos do dia: Teleférico = 16€ Barco = 5€ Pizza + bebida = 12€ Imã = 3,70€ Sorvete = 1,70€ Trem errado (DB) = 8,90€ Mercado = 8,89€ Mercado / 2 = 2,60€ Total: 58,79€ Dia 13 - Veneza Foi nossa primeira vez em trem noturno e quando fizemos a compra do bilhete, escolhemos o mais barato, ou seja, eram assentos mesmo e não couchettes como costuma ter e são bem mais caros, lembram que nossa prioridade era a economia? Pois é, e com isso vem sacrifícios né...rs... mas as vezes vc arrisca e dá sorte e foi oque aconteceu conosco (Amém)!! Na compra dos bilhetes, que foi pela OBB e custou 29€ comprando antecipadamente, não tinha como escolher o vagão ou assento, apenas dizer se vc queria janela ou corredor mas era aleatório o número do assento e com isso os nossos foram td em lugares separados, eu fiquei em uma cabine lotada e não dava nem pra esticar as pernas...rs... masssss por sorte as meninas encontraram cabines vazias e conseguimos ficar juntas, 3 em uma cabine e 2 em outra e como o assento vira uma cama conseguimos até dormir (foi maraaaaaa)!!! O fiscal disse que não tinha problema ficar por alí, que beleza! Como sou meio neurótica, não dormi muito a vontade pq toda hora acordava achando que ia perder a parada ou pra vigiar a bagagem...rs... toda hora passavam uns caras estranhos pelos corredores olhando pra dentro das cabines e como a nossa estava sem cortinas na porta eu fiquei cismada (sabem como são brasileiros, né...rs), mas é sério gente, teve um que parou e ficou olhando pra gente dormindo, mas eu estava com um olho aberto...kkk... deu medo, lembrei dos filmes tipo "O Albergue" kkkkk!!! No trem não havia nenhum sistema de som pra avisar qual estação estávamos na hora que o trem parava e eu tive medo de colocar o celular pra despertar e não ouvir pelo barulho do trem...enfim, dormi mas não como queria, mas mesmo assim valeu a experiência e apesar de me sentir cansada, depois que lavei o rosto me senti nova de novo, afinal, estava na Itália, um país que sempre desejei conhecer!! Chegamos em Veneza pela manhã, na estação principal, Santa Lúcia e como havíamos feito uma reserva pelo site da Bagbnb, que indico, pagamos apenas 5€ para deixar a bagagem guardada próximo a estação, pois vi que lá dentro da estação era cobrado por hora e sairia mais caro. Essa empresa que falei existe em várias cidades da Europa e custa 5€ por dia pra guardar sua bagagem, fica a dica ;)!! Fomos ao banheiro nos arrumar antes, como sempre...rs... e depois foi só atravessar o "canale" pois já estávamos em Veneza!!! Não usamos nenhum tipo de transporte na cidade, existem os vaporetos que são como ônibus aquáticos, mas o bilhete é mega salgado, 7,50€, e não é diário não gente, isso um único bilhete pra uma viagem (aff)!!! Mas Veneza não é grande, dá pra fazer tudo a pé, a não ser que vá conhecer outras ilhas como Murano, Burano etc... como não faríamos isso e foi pra passar apenas 1 dia deu super certo pra gente!! Mas olha, quando vc chega na Itália percebe a diferença do restante da Europa, os italianos são, digamos, mais rudes.... mas é o jeito deles mesmo... nós levamos tantos esporros que apenas riamos de tudo...kkkk!!! Tipo, qnd vc entra em uma lojinha ficam te cercando e vendo se vc não vai roubar nada, se vc senta em algum lugar só pra descansar as pernas, tipo uma mureta ou algo mandam vc sair...rsrs... mas levávamos na boa, só ríamos das situações... eles também não tem paciência pra responder muita coisa, enfim... diferente dos outros países que havíamos passado onde sempre eram muito simpáticos e gentis, mas é o jeito deles, vc acostuma... lembrando que foi essa a nossa impressão tá, gente?! Achei Veneza uma cidade bem diferente, bonita e não achei fedida como as pessoas as vezes dizem, mas não foi uma cidade que me encantou, não sei se voltaria, porém não me arrependo de ter conhecido, pois sempre quis muito, mas não me ganhou como outras!! Achei legal mas nada de tão incrível e não é o fato falarem que é pra casal, nem achei isso, pois ela nem me pareceu romântica...rs... é tanta gente passando, muvuca nas pontes, muvuca de gôndolas nos canais e não sei onde isso é romântico, mas cada um com sua impressão...rsrs... Bom, mas uma coisa posso afirmar, foi em Veneza que comi a melhor pizza e tomei o melhor Gellato.. mamma mia!!! De todas cidades da Itália e da viagem, foi a pizza mais gostosa e por incrível que pareça, a mais barata!!! Um pedaço gigante, mas enormeee mesmo custou apenas 2,50€ mas era quase metade de uma pizza familia...kkkk... as lembrancinhas também eram bem baratas. Eu achei Veneza uma cidade barata, pois falam que é cara e tals e não tive essa impressão, acho que hospedagem sim é cara, por isso resolvemos nem pernoitar por lá... Em Veneza existem diversas pontes, igrejas, becos e vc pode até se perder, mas não se preocupe pois todas as placas te guiam para a Piazza de San Marco e o legal é ir conhecendo cada pedacinho da cidade! A praça é super lotada, assim como a Ponte Rialto e todo o comércio próximo dela... tente comprar lembrancinhas ou presentes perto da ponte, são baratinhos!! Ah, foi perto dela também que tomei o melhor Gellato da vida...hehehe! A Praça de São Marcos é linda, a Basílica é rica em detalhes, assim como o museu que fica ao lado, tem também a Torre do Campanário, ou seja, todos pontos mais importantes estão nesta praça e depois de conhecê-la vc pode tentar andar pelos becos mais tranquilos e longe da muvuca pra sentir Veneza de forma mais íntima... Foi um dia proveitoso e não foi corrido, pra nós 1 dia foi suficiente, se alguém tem dúvidas, dá sim pra curtir um pouco da cidade até pra quem pensa em fazer um bate e volta, vale a pena!! No final da tarde seguimos de volta a estação, pois pegaríamos o trem para Verona e já tinhamos nossa passagem comprada antecipadamente, como não sabíamos se nos perderíamos resolvemos voltar 1h antes pra estação pra não correr riscos...rs e demoramos uns 30min andando calmamente pelos becos de Veneza... pegamos nossas bagagens que tinhamos guardado, nos despedimos de uma das meninas que só fez o roteiro com a gente até alí e seguimos pra pegar nosso trem. Nossa passagem de Veneza x Verona custou 9,90€ pela Trenitalia e da próxima vez vou contar como foi conhecer Verona! Gastos do dia: Banheiro = 1€ Armario = 2,50€ Coca + água = 3€ Pizza = 2,50€ Imã + Chaveiro = 3€ Gellato = 3€ Coca = 2€ Total:17€ Dia 14 - Verona Chegamos em Verona no final da tarde e como estávamos extremamente cansadas resolvemos pegar um táxi, essa foi a primeira vez que utilizamos táxi na viagem, até pq não sairia tão caro e tudo que eu queria era um banho e descansar!!! Essa foi uma das poucas vezes que nem todas conseguiram ficar na mesma hospedagem, apenas eu e uma das meninas conseguimos vaga neste hostel... as outras 2 ficaram em lugares diferentes, pois nem conseguiram vaga no mesmo hostel uma da outra... por isso é sempre bom antecipar tudo!! Escolhemos o Protezione della Giovane, um hostel exclusivamente feminino e muito agradável, mas pra quem pretende voltar de madrugada não vale a pena, pois lá existe toque de recolher e as 23h as portas são fechadas e nem adianta insistir...rs...eles já avisam isso na chegada. Lá todo o dinheiro arrecadado com as hospedagens são convertidos para ajudar mulheres que precisam, achei bem legal! O quarto compartilhado com 5 camas custou 22€ e não inclui café da manhã, lembrando que só hospedam mulheres!! Esse hostel fica pertinho de tudo, da Casa de Giulieta, Piazza Brá, Arena de Verona e tudo mais... além de ser super limpo e bem espaçoso, mas se prepare pra muitas escadas, se tiver malas grandes dá um trabalhinho hein! Neste dia de chegada nem fizemos nada, estávamos um bagaço então reservamos nossas energias pro dia seguinte...rs! No dia seguinte acordamos cedo, arrumamos nossas bagagens e deixamos guardadas no hostel. Depois fomos em busca de um mercadinho pra comer algo e me surpreendi, de lavada foi a cidade mais barata de todas, mas muito barato mesmo... fiquei louca....kkkk!! Feita as comprinhas pra comer durante o dia seguimos para o Castelvecchio, fomos caminhando mesmo... todo o roteiro na cidade fizemos caminhando e não foi uma cidade que me deixou cansada, pelo contrário, eu me surpreendi com Verona e me encantei com as pessoas, a cidade, o clima e tudo mais, bem diferente de Veneza e da primeira imagem que tive da Itália... A cidade é antiga, mas tudo é bem conservado, as ruas são agradáveis e as pessoas são gentis. Bom, eu havia comprado antecipadamente o Verona Card, que custou 18€ e vale por 24h, existe também o de 48h mas não lembro qnt custa. Mas olha gente, esse é um passe que vale demais a pena, pois além de vc poder entrar em todas atrações e museus da cidade vc também tem direito ao transporte público ilimitado, então se vc se hospedar um pouco mais longe do centrinho, poderá utilizá-lo pra pegar ônibus sem gastar nada mais. Eu usei ele pra ir ao Castelvecchio, a Casa de Giulieta, a Torre de Lamberti e na Arena de Verona mas existem muitas outras atrações na cidade que vc também entra com ele e tudo sem pegar filas... bem bacana né?! Verona é uma cidade super charmosa e eu confesso que foi uma das minhas preferidas da Itália, depois conto sobre as outras que me conquistaram...rs.. Bom, eu não sabia que iria gostar tanto mas o Castelvecchio me surpreendeu, pois é muito legal já que vc visita o museu e depois pode percorrer todo o castelo e a cada instante descobre uma vista mais incrível do que outra, andar sobre os muros do castelo é muito legal... é algo bem diferente! De lá caminhamos até a Arena di Verona e ela parece um mini Coliseu, mas está muito bem conservada e se não me engano é mais antigo do que o parente mais famoso...rs... a Praça que fica em frente também é bonita e ótima pra dar uma relaxada ou apenas olhar o povo passando...rs! De lá seguimos a piazza brá onde é o melhor lugar pra vc comprar lembrancinhas e outras coisas, pois existem diversas barracas e também onde está a Torre de Lamberti, na qual vc pode subir pra ter uma bela visão do alto da cidade (Vc não paga pra subir com o VeronaCard de escadas, mas pra subir de elevador custa apenas 1€, claroooo que economizei minhas pernocas né...kkkk)! Depois de um tempo por lá caminhamos até a Casa de Giulieta e estava lotada, todo mundo querendo pegar nas "peitcholas" da estátua famosa...kkkkkk!!! Muitos apaixonados deixam suas cartinhas, ou cadeados por lá... vc pode ir só até o pátio onde não paga ou entrar pra conhecer a casa que possui um pequeno museu (daí vc paga), como eu tinha o VeronaCard não paguei e entrei pra conhecer e tirar fotinha na famosa sacada...rsrs!! No final do dia, depois de ter feito o dia render bastante, pegamos nossas coisas no hostel e passamos no mercado de novo (sabe-se lá quando ia ver outro tão barato...rs), comprei muitas coisas já pra ficar abastecida até a noite seguinte, não sou besta né! Pegamos um busão até a estação de trem e encontramos o restante das meninas, de lá seguiríamos viagem até Milão, que na verdade só quis conhecer por estar no caminho e pra conhecer uma das obras mais importantes que lá se encontra e muita gente nem sabe...rs... mas isso é assunto para o próximo post! Gastos do dia: Mercado = 8,57€ Elevador Torre de Lamberti = 1€ Imã + chaveiro = 4,50€ Hospedagem Verona = 22€ Taxi / 2 = 5,50€ Total:41,57 Dia 15 - Milão Chegamos em Milão por volta das 19h da noite, mas ainda estava bem claro, então decidimos ir andando até o hotel, ficamos no Guest House Brianza Room e o quarto duplo c/ banheiro compartilhado saiu por R$165,66 que já havíamos pago, e a taxa de turismo de 3€ por pessoa que pagamos na hora, e incluía café da manhã, como foi dividido por 2 pessoas não saiu caro, fiz a reserva pelo site da Expedia! Este hotel ficava uns 10min andando da estação Central e isso claro já ajudou bastante! As outras 2 meninas preferiram ficar com a gente e conseguimos ficar todas no mesmo quarto, pois haviam 4 camas. As meninas queriam muito sair pra jantar e conhecer a noite da cidade, pois tinham ouvido falar bem mas eu resolvi ficar no quarto e dormir, nem vi quando elas voltaram mas depois me disseram que não acharam nada demais...rs Pela manhã tomamos café, arrumamos nossas coisas e seguimos em direção ao metrô, onde compramos apenas 2 bilhetes para utilizar pelo dia todo e foram suficientes. Começamos o dia indo até a igreja Santa Maria delle Grazie, onde se localiza a obra mais famosa de Leonardo da Vinci, depois da Monalisa, a pintura da Última Ceia!! Um dos ingressos mais concorridos para compra é este e vc não consegue comprar na hora mas sim com 3 meses de antecedência, assim que liberam as vendas as vezes acabam no mesmo dia e por isso se vc quiser visitar deve ver com bastante tempo. Ele é difícil pela visita ser controlada e só entram 15 pessoas por vez e só podem ficar lá admirando a obra por 15 minutos apenas, esta pintura se encontra na parede no Cenáculo Viciano, que fica ao lado da igreja e se vc passar por Milão acho que deve aproveitar a oportunidade de ver ao vivo uma das obras mais importantes do mundo! O ingresso com a taxa custa 12€, e como fizemos a reserva antes já estava pago. Depois passamos pela igreja pra conhecer e de lá seguimos caminhando para o Castelo Sforzesco, que fica bem pertinho, demos uma volta por ele mas não visitamos o museu, pois era pago e decidimos não entrar. Em seguida fomos também andando até a Piazza del Duomo para ver a Catedral e ela é realmente impressionante, simplesmente fantástica e giganteeee...rsrs... gigante também estava a fila da revista pra entrar e não tivemos coragem de enfrentá-la... também não teríamos muito tempo, pois tinhamos que voltar pro hotel pegar as coisas e seguir pra estação de trem, mas ainda deu tempo de entrar na Galleria Vittorio Emanuele II, que é um luxo e linda demais!! Nosso trem partiria as 14:50, então só passamos metade do dia em Milão e até que deu pra aproveitar bastante! Pegamos o metrô e seguimos para o hotel pra pegar as bagagens e depois fomos caminhando para a estação central, chegando lá passei no McDonald's (sempre ele pra ajudar...kkk) e "almocei" por lá! Nossa próxima cidade italiana seria Florença e eu estava bem animada pra conhecer, pois de lá ainda aproveitaríamos pra fazer 2 bate-volta! Nosso bilhete pela, Trenitalia, custou 9,90€ e também já havíamos comprado antecipadamente. Próximo post, a cidade que respira arte: Florença! Gastos do dia: Taxa de Hospedagem = 3€ 2 Tickets metrô = 3€ 1 Gellato = 2,50€ Imã + Chaveiro = 5,40€ McDonald's = 7,90€ Total: 21,80€ Dia 16 - Florença Chegamos em Florença no final do dia, e como não foi pela estação principal compramos um bilhete de trem e descemos na estação seguinte. Todas nós ficamos em hostels diferentes, mas 2 meninas ficaram em hostels na mesma rua e achei a localização ótima, praticamente ao lado da estação e pertinho de tudo! Fiquei no Hotel Paola e o quarto feminino compartilhado com 8 camas custou 12,50€ a diária, sem café da manhã! O hostel era bem simples, ficava no último andar de um prédio de 3 andares sem elevador...rs... mas achei o preço ótimo, era limpo, tranquilo e muito bem localizado então valeu super a pena! Assim que chegamos saímos em busca de um mercado e compramos algumas coisas, levei tudo pro hostel e não saí mais neste dia, depois do banho capotei na cama e não vi mais nada... sempre dormia cedo pra tentar guardar energia, pois o cansaço estava batendo forte durante a viagem... No dia seguinte acordei cedo, pois havia agendado horário pra visitar alguns museus e seria um dia cheio, mas foi um dos melhores dias da viagem pois consegui fazer muita coisa e tudo no meu tempo, sem falar que amei Florença, é uma cidade realmente incrível e tem muita coisa pra ver e fazer!! Este foi um dia que fiz tudo sozinha, pois as meninas aproveitam pra fazer outras coisas e cada uma fez coisas diferentes... e elas não estavam afim de visitar museus ou igrejas...rs! Fui caminhando do hostel até a Galleria dell Accademia, onde se encontra o Davi, de Michelangelo, já que começaria por lá e olha aconselho fortemente a comprar o ingresso pelo site, pois as filas em todos os museus são bem grandes, mesmo que vc pague as taxas, vale a pena pois vc economiza muito tempo! O ingresso custou 12€ e vc agenda o dia e horário melhor pra vc, só trocar o voucher e entrar! Vale muito visitar o lugar, que é pequeno e a visita pode demorar no máximo 1h se vc quiser ver tudo, mas a grande estrela é o Davi!!! Gente, ele é imenso e cheio de detalhes que impressionam, fiquei um bom tempo admirando... como fui cedo não estava cheio e foi bom ter espaço. Ainda percorri outras salas do museu, depois de satisfeita fui em direção a igreja Santa Maria del Fiore também caminhando, pois é tudo bem pertinho!! Eu havia comprado o ingresso para subir a Duomo também pelo site, mas lembrando que para entrar na igreja não paga, porém caso vc queira subir até a Duomo pra ter uma vista 360° da cidade é preciso pagar, são mais de 460 degraus mas confesso que achei que seria pior, a subida cansa, mas não é nada assustador!!! Bom, esse ingresso dá direito a visitar outros lugares como o Museo dell'Opera del Duomo, Batistério de San Giovanni, Campanário de Giotto entre outros... o ingresso custou 18€ e vc pode usar por 3 dias (mas só entra uma vez em cada lugar). A vista que se tem do alto compensa toda a subida, pois é incrível ver toda a cidade! Depois ainda fui ao Batistério e também ao Museu do Duomo, este último confesso que me surpreendeu muito, é incrível e só ele já valeria o ingresso e nem é tão comentado o que é uma pena, mas talvez seja por ser novo... gente, não deixe de conhecer esse museu!! Lá estão as verdadeiras "portas do paraíso" e é tão rica em detalhes e confesso que fiquei perdida com tanta coisa fascinante... esse museu nem é muito cheio, dá pra ver tudo com calma e vc vai se surpreender, fica a dica!!! No meio da tarde eu havia marcado horário para a Galleria degli Uffizi, onde pelo site o ingresso custou 24€ e eu já tinha trocado o voucher antes quando fui no primeiro museu, ver o Davi... a Ufizzi estava lotada e algumas salas estavam entupidas de gente, como a sala do quadro Nascimento de Vênus, de Bocelli, que vale dizer que é fantástico né?! Além disso o bom que vc pode ver bem de pertinho e apreciar os detalhes... adorei também as pinturas de Michelangelo e Rafael!! A Galleria é enorme e possui diversas obras, dá pra ficar um bom tempo por lá!! Não deixe de conhecer também este que é um dos museus mais importantes do mundo!!! Depois do meu roteiro recheado de arte e cultura caminhei um pouco pela cidade, fui até a Ponte Vecchio e terminei o dia comprando alguns souvenirs e comendo um pedaço de pizza...rsrs... também passei no mercado pra comprar algumas coisas e segui pro hostel, pois estava cansada, porém muito feliz por ter conseguido fazer tanta coisa neste dia!!! No dia seguinte teria 2 bate e volta pra fazer então não dormi muito tarde, tomei banho e já deixei as coisas arrumadas, pois iria embora no dia seguinte, após os passeios! Gastos do dia: Ticket Trem = 1,20€ Mercado = 4,94€ Imãs + chaveiro = 3€ Mercado = 7,15€ Coca + Pedaço de pizza = 3,30€ Total: 19,59€ Dia 17 - San Gimignano / Pisa Neste dia eu e mais uma das meninas haviamos combinado de conhecer 2 cidades próximas. Meu hostel cobrava 10€ (absurdoooo) pra deixar a bagagem guardada mas como das meninas não cobrava nada, pedi que ela guardasse minha mochila lá e ela conseguiu...rs... passei em uma lachonete e comprei um pedaço de pizza pra comer no caminho até a estação... por volta das 08h já estávamos na estação rodoviária de Florença, que fica ao lado da estação central, parece mais uma garagem...rs.. A primeira cidade seria San Gimignano e eu já tinha comprado meu ticket, que custou 6,80€ pela empresa Tiemme Toscana, mas vc pode comprar na hora sem problemas. Não existe ônibus direto, vc precisa descer em Poggibonsi e lá fazer baldeação para outro ônibus, caso vc prefira também pode ir de trem e descer na estação de mesmo nome pra pegar esse ônibus, leva-se o mesmo tempo mas o trem é um pouco mais caro e vc precisa pagar pelo ônibus, sendo que indo de ônibus vc paga um único valor pelos 2!! Chegamos cedo, ainda não estava muito cheia e a cidade é linda! Típica cidadezinha medieval, um charme e é tudo encantador... a cidade é muito pequena e vc pode conhecer tudo em pouco mais de 1h! Ela é toda murada e a vista é para toda a Toscana e com visual incrível... Eu amei conhecer esse lugar, pois parece que voltamos no tempo! Lá vc também pode conhecer a sorveteria que já ganhou o prêmio de melhor sorvete do mundo, a Gelateria Dondoli, imperdível pra quem ama gellatos, como eu...hehehe Depois de andar, tomar sorvete e curtir o lugar, resolvemos seguir nosso roteiro e desta vez partir pra Pisa! Muita gente só faz o bate e volta pra Pisa, mas resolvi incluir esta cidade por ter lido sobre ela e me encantado. Pegamos o ônibus de volta pra estação e Poggibonsi e pegamos o trem pra Pisa, não há trem direto, tivemos q fazer uma baldeação e apesar de ter demorado um pouco deu tudo certo! Chegando em Pisa vc pode ir andando até a Torre ou pegar um ônibus, que custa 2€ ida e volta mas q vc precisa usar em até 1h e 30min, como estávamos cansadas resolvemos pegar o ônibus mesmo...kkkk... ele deixa em frente a entrada da cidade e vc já vê as barraquinhas, a muvuca e tudo mais... assim que vc atravessa a entrada vê a Torre ao longe, ela é maior do que eu pensava mas achei que seria mais inclinada....kkkkkkk! Ficamos lá fazendo mil poses para as fotos e depois paramos em uma sombra e tomamos sorvete, daí ficamos só observando o povo também pagando mico...rsrs... estava um dia muito, muito quente e ficamos um bom tempo lá a toa... depois fomos para segunda sessão de fotos....kkkk!!! Acabamos perdendo o prazo pra usar o bilhete do ônibus e tivemos que comprar outro na volta, mas antes dei uma passada no banheiro do McDonald's e até lá é cobrado pra entrar, é mole? Kkkkk!!! Nas barracas do lado de fora da cidade é tudo muito baratinho, se puder compre souvenirs por lá! Na estação comprei o bilhete de volta pra Florença, custou 8,40€, e chegando de volta a cidade passei no mercado pra comprar algumas coisas, pois chegaríamos umas 22h no nosso próximo destino e já seria um pouco tarde pra comprar algo. Eu adorei conhecer a Toscana, é um lugar que voltaria com toda certeza! Florença é uma cidade maravilhosa que vale muito a pena conhecer! Eu gostaria de ter feito mais coisas por lá, pois há muito oque ver, não deixem de reservar no mínimo 2 dias para Firenzi!!! Próximo post, a última cidade italiana!! Gastos do dia: Coca + Pedaço de pizza = 5,40€ 2 Sorvetes = 5,50€ Imã + Chaveiro = 5€ Sanduiche + Coca (máquina) = 3,60€ Sorvete = 2€ Banheiro = 0,50€ 2 Ticket Ônibus = 3,40€ Trem Trenitalia = 8,40€ Mercado 5,38€ Total: 39,18€ Dia 18 - Roma Chegamos em Roma já um pouco tarde, mas como sabíamos que os hostels eram perto, decidimos ir caminhando... Havíamos comprado nossas passagens pela Italo Treno e custou a bagatela de 9,90€ em trem rápido, a viagem durou um pouco mais de 1h30!!! Eu e mais uma das meninas ficamos no Locanda Hotello, e as outras em hostels diferentes por não ter mais vagas neste. Paguei 32€ para 3 diárias em quarto feminino com 5 camas e incluía um pequeno café da manhã na lanchonete que havia embaixo, que na verdade consistia em um croissant e um café ou suco, mas por ter pago bem barato achei ótimo, fiz a reserva pelo Hostelworld e já tinha pago uma parte! Em Roma também é necessário pagar uma taxa turística por noite em qualquer hospedagem e custava 3,50€ (carinho né?). Achei o prédio do hostel bem estranho, pois é muito antigo, mas o hostel era bem limpinho e arrumadinho, tinha uma pequena cozinha que vc podia utilizar e vários banheiros! Mas o melhor de tudo é que ficava em frente ao Termini, tanto que a vista da janela era pra ele...rs! Isso nos ajudou muito na hora de nos locomover, pois de lá tem transporte pra todo lado, gostei muito de me hospedar nesta região!!! No dia seguinte acordamos cedo e já tinhamos planejado começar o dia pelo Coliseu, compramos 2 bilhetes de metrô e confesso que achei o metrô de Roma muito simples por ter apenas 2 linhas, é muito fácil se locomover pela cidade! Esse bilhete vale por 100min e vc também pode utilizar para tram e ônibus, e usar a vontade por esse tempo, mas o metrô vc só pode utilizar por 1 vez! Bom, já tinhamos comprado nosso ingresso do Coliseu pela Internet e aconselho vc a fazer isso ou comprar o Romapass, só não achamos vantagem em comprá-lo pois sairia bem mais caro e não vi vantagem no transporte com ele já q vc faz muita coisa a pé na cidade, nosso ingresso custou 14€ pelo site e gastamos apenas 3€ com transporte, então faça as contas pra ver se vale a pena pra vc!! O Coliseu estava lotado e o dia estava muito quente, muito mesmo! Lembre-se de levar com vc uma garrafinha pra encher nas diversas fontes que há pela cidade, inclusive nas atrações turísticas! Mesmo com ingresso em mãos pegamos fila por causa da verificação de segurança e demorou um pouco, e como tem aqueles espertinhos cara de pau que adoram furar fila, demorava mais ainda... fiquem ligados!! Visitamos primeiro o andar de baixo e só depois subimos, mas é incrível estar alí dentro, vc sente algo diferente, ele é grandioso mesmo! Ficamos lá um bom tempo e resolvemos não entrar nos Fóruns, pois estava estupidamente lotado e acabamos indo almoçar em uma das ruas próximas, encontramos um restaurante muitooooo barato e que recomendo, chama-se Ciard e uma pizza grande + coca de 1L custava apenas 7€ e se vc quisesse só a pizza era 5,50€!! Pedimos 3 e rachamos o valor, então ficou super em conta!! Fica a dica De lá passamos em uma lojinha pra comprar souvenirs e depois seguimos caminhando até o Monumento Vittorio Emanuele, que realmente é imenso e me surpreendi! Na rua ao lado conseguimos ver os Fóruns e achei bem interessante, pois víamos de cima e deu pra ter uma ótima noção! Passamos em um mercadinho pra comprar algumas coisas e continuamos nosso passeio até a Piazza Navona, que achei linda e depois fomos até o Panteão, que é absurdamente imenso, aliás, tudo em Roma é muito grande e em cada esquina vc dá de cara com algo histórico... há muito o que ver por lá, é um museu a céu aberto e vc pode visitar muita coisa sem pagar nada! Bom, entramos no Panteão e depois de um tempo por alí seguimos para uma igreja que eu queria muito conhecer, pois ouvi falar muito bem, se chama San Inácio de Loyola, e olha é realmente maravilhosa, pois ela tem umas pinturas no teto em 3D incríveis e também o desenho que faz vc pensar que há uma cúpula e na verdade não é real... vale demais visitar essa igreja que fica bem pertinho do Panteão, confiram e não vão se arrepender!! Como era dia da estréia do Brasil na Copa, decidimos combinar todas de assistir em algum lugar e acabamos ficando em um Pub alí por perto mesmo e encontramos mais uma menina que conhecemos no hostel e outros brasileiros lá mesmo. O pessoal era bem animado e foi engraçado assistir ao jogo longe de casa...rs...no final foi 1x1 (aff!) E como estávamos com a camisa do Brasil ouvimos alguns zoarem e outros darem apoio....kkkkk!!! Depois seguimos para a Fontana de Trevi e ficamos por alí com o pessoal, umas meninas seguiram novamente pro barzinho e eu e outras voltamos pro hostel de metrô, foi um dia super cansativo mas bem divertido! Um pouco mais tarde bateu fome e descemos pra comer algo alí por perto, eu comi uma pizza e a minha amiga pediu macarrão, depois subimos e capotamos, pois o dia seguinte também seria cheio! Gastos do dia: 2 tickets do metrô = 3€ Pizza + Coca = 5,25€ Souvenirs = 5,25€ Sorvete = 2,50€ Mercado = 5,95€ Pub = 2€ Pizza = 6€ Hostel = 36€ Total: 79,20€ Dia 19 - Vaticano Neste dia fiz questão de acordar bem cedo, pois era o dia de conhecer o Vaticano e dizem que vc deve ir bem cedo pra não pegar a fila gigante que se forma pra entrar... compramos novamente apenas 2 bilhetes de metrô e por volta das 08h já estávamos no Vaticano! Assim que descemos na estação de metrô vimos uma banca com muitos souvenirs, terços e tudo com ótimo preço, é uma banca gigante e se puder compre lá, pois foi a mais barata que vi! Eu super aconselho vcs a irem o mais cedo possível, pois pegamos tudo vazio e foi ótimo visitar a Basílica sem tumulto, não pegar nenhuma fila pra entrar e aproveitar tudo com calma!! A Basílica é realmente enorme e rica em detalhes, impressiona bastante! Eu resolvi subir até a Cúpula, mas as meninas preferiram esperar... pra subir tudo de escada vc paga 8€ ou pode pagar 10€ e subir uma parte de elevador e depois mais de 300 degraus a pé, optei pela segunda opção...rs... afinal era uma diferença baixa, não havia fila pra comprar o ingresso, a subida vai acompanhando a cúpula e as paredes vão entortando, e quem sofre de claustrofobia não aconselho fazer essa subida, pois há janelas apenas em raros trechos e são minúsculas... a vista é para toda praça de São Pedro e vc consegue ver muita coisa lá de cima, acho que vale a pena ver a cidade do alto e ter essa visão fantástica!! Quando desci tinha uma fila já grande, então vá cedo!! Depois encontrei as meninas, tiramos algumas fotos da Praça e de lá seguimos a pé para o Museu do Vaticano, que fica pertinho! A fila estava imensa, muito surreal, mas ainda bem que tinhamos comprado nossos ingressos antecipadamente pelo site e custou 21€ (taxa de 4€ inclusa), esse ingresso inclui a Capela Sistina, tá gente? Olha, não sei explicar como estava o Museu, era algo insano de tão lotado... éramos levadas pelas pessoas, e olha que chegamos cedo, meu Deus! Todas nós nos sentimos muito mal, pois estava lotado e lá não tem ventilação direito, estava muito quente e era sufocante!! Não consegui ver nada direito, só queria sair de lá...rsrs! Infelizmente não pude aproveitar muito e fiquei bem chateada, deve ter sido azar de justo naquele dia estar tão lotado, acontece né?! Como estávamos nos sentindo péssimas, só queríamos logo chegar na Capela Sistina e parecia que nunca chegaria, sempre mais e mais corredores, escadas e salas... até que vimos a porta da capela (aleluia!!). Posso dizer a vcs que só esse lugar já vale o ingresso, é de cair o queixo mesmo... gente, é lindaaaa, maravilhosa, impressionante!!! Michelangelo estava realmente inspirado!!! Lá dentro não pode tirar fotos, mas tirei uma escondida...rsrs!! Se vc não é do tipo fã de museus, tudo bem, mas vá ao menos pra se deslumbrar com essa obra incrível, não deixe de conhecer a Capela Sistina!!! Saímos do museu e procuramos um lugar pra comer, decidimos por um restaurante em uma das ruas próximas e rachamos umas pizzas. Eu havia reservado horário para visitar a Necrópole do Vaticano, então me separei das meninas aqui e voltei para o Vaticano sozinha. Esse passeio é pouquíssimo divulgado e muito difícil de conseguir, mas se vc se antecipar muito conseguirá um encaixe! Ele consiste em poder conhecer a Necrópole que fica abaixo do Vaticano, e visitar o túmulo de São Pedro... é uma experiência muito incrível e mesmo que vc não seja católico ou religioso, é algo bem diferente, pois vc passa por lugares que pouquíssimas pessoas possuem acesso. Não é muito divulgado para continuar sendo algo mais restrito, a visita deve ser agendada com o envio de um email em italiano para o vaticano dizendo os dias que vc estará na cidade e que deseja realizá-lo, vc poderá informar também o idioma que prefere da visita guiada, escolhi português e consegui!! Dura umas 2h toda a visita e é muito interessante, caso tenha disponibilidade pra vc eles enviam um link pra que vc efetue o pagamento, que custa 13€! É proibido tirar fotos ou filmar lá embaixo.... Se alguém se interessar em fazer essa visita só me falar aki o email que envio mais detalhes de como fazer certinho e tudo mais ! Bom, depois dessa visita incrível, vc acaba encerrando o passeio no lugar onde existem os túmulos dos papas, que fica no andar abaixo da Basílica e pode entrar novamente na igreja, caso ainda não tenha ido. Quando terminei a visita, assim que sai mesmo começou a cair uma tempestade, era muita chuva mesmo!!! Parecia coisa de filme...rsrs... todo mundo correndo, ventania, trovões e todos entraram na Basílica pra se proteger, a chuva começou a entrar até lá e tinha muita gente apavorada e eu só admirando...sabia que estava segura...rs... foi algo bem surreal! Passada a tempestade o sol abriu novamente e resolvi voltar pro hostel, não queria arriscar de pegar outra chuva assim...rs! Antes dei uma passada no mercado e comprei algumas coisas pra jantar e fazer um lanche no aeroporto no dia seguinte! Depois arrumei tudo, pois sairia logo pela manhã e desta vez partiríamos para o lugar mais aguardado da nossa viagem, a Grécia!!! Gastos do dia: 2 tickets metrô = 3€ Coca = 2,50€ Souvenirs = 14€ Cúpula Basílica de São Pedro = 10€ Pizza + coca/3 = 6,66€ Mercado = 10,57€ Total: 46,73€ Dia 20 - Zakynthos Chegamos ao dia mais aguardado da viagem, finalmente conhecer as ilhas gregas...rs! Desculpa gente, mas quem não sonha em conhecer a Grécia? Eu nunca pensei que poderia ir, ainda mais em uma viagem que incluia várias outras cidades caras, como Paris, Londres e outras, mas com um bom planejamento tudo é possível sim! Bom, neste dia acordamos cedo pois agora não pegaríamos mais ônibus ou trens, onde as estações costumam ficar bem no centro e não há problemas pra chegar, aeroportos são sempre distantes e sendo assim, combinamos de nos encontrarmos na estação do Termini, pois nosso ônibus até o aeroporto sairia de lá! Antes, passamos em um hotel próximo pra deixar nossa bagagem guardada, foi a melhor coisa que fizemos pois viajamos super leves e sem as bagagens maiores, já que as meninas estavam com malas grandes e eu com uma mochila de 70l que já estava bem mais pesada, devido as comprinhas que vamos fazendo durante a viagem...rs! Usamos o serviço da Nannybag e super indico, 5 dias para guardarem a bagagem saiu por 24,70€ e com isso pudemos viajar tranquilas sem nos preocupar com os vôos lowcost, pois pra adicionar bagagem sai mais caro né?! Levei apenas a mochila básica com tudo que usaria na Grécia e foi ótimo! Nosso vôo sairia do aeroporto Fiumicino e compramos o bilhete pela Terravision que custou apenas 5€, pelo site! Recomendo demais, o ônibus foi pontual e chegamos tranquilamente no aeroporto, mas lembre-se de sempre sair com uma boa antecedência para o caso de ocorrer algum problema, né! Uma das meninas atrasou e não conseguiu pegar o mesmo bus que a gente, mas conseguiu pegar outro e chegar a tempo no aeroporto!!! Viajamos pela Vueling e a passagem Roma x Zakynthos custou 51€ com 8 meses de antecedência, isso mesmo, comprei 8 meses antes e foi um ótimo preço, além de o vôo ser direto e não precisar fazer conexão em Atenas!! Chegamos lá a tarde e já tinhamos reservado um carro pelo site da Greeka.com, que eu não conhecia mas que indico bastante por ter sido tudo super certo, o preço foi ótimo também, 51€ para 3 diárias (não por dia, mas o total das 3 diárias foi esse)!!! Como estávamos em 4 saiu super em conta rachar o valor, mesmo pagando mais 5€ cada uma pra adicionar o seguro do carro!! Gente, quem vai a Zakynthos super recomendo alugar carro, pois a ilha é muito grande e não dá pra fazer nada sem agência ou de táxi, pois tudo é longe e não há transporte público, somente no centrinho, na parte mais sul da ilha... Bom, chegando lá e pegando o carro resolvemos abastecer logo e depois seguimos para comprar algumas coisas no mercado, depois ligamos o gps do celular (bendito google maps!!), e seguimos em direção ao hotel, que ficava ao Norte da ilha! Nos hospedamos no Kozanos II, fiz a reserva pelo Hóteis.com e o preço total para 2 diárias foi de 66€ em quarto privativo para 3 pessoas, sem café da manhã, então a diária saiu a 11€ pra cada e já havíamos pago antecipadamente!!! O quarto era ótimo com tv, ar, frigobar, tudo novo e tinha uma mini cozinha, além do banheiro que era bem espaçoso e uma varandinha pra relaxar... o hotel possui piscina e fica a menos de 5min a pé da praia, sem falar de um mercadinho ótimo em frente! Gostamos de tudo e a moça que cuidava de tudo era um amor de pessoa!!! Uma das meninas não tinha conseguido fechar o mesmo quarto que nós, então reservou um só pra ela, mas acabamos ficando 2 em cada quarto, sem problemas!! Neste dia estávamos bem cansadas e acabamos apenas dando uma volta na praia pra conhecer e depois saímos pra comer, eu escolhi uma pizza e confesso que foi a pior pizza da vida...kkkk!!! Era muito estranho o sabor, nossa, me senti frustrada...rs.. mas a senhora do restaurante era tão boazinha que nem reclamei, falei q estava tudo muito gostoso....kkkkk!! Dormimos cedo neste dia e recarregamos as energias!! Gastos do dia: Taxa hotel = 0,50€ Gasolina / 4 = 2,50€ Aluguel carro = 8,25€ Mercado / 4 = 7,10€ Mercado = 8,47€ Pizza + coca = 5,50€ Total: 32,32€ Dia 21 - Zakynthos Acordamos cedo, preparamos uns sanduíches, água, bebidas, biscoitos e jogamos tudo no carro, pois passaríamos o dia conhecendo as praias e com gps ligado, seguimos em direção ao mirante da famosa praia do Naufrágio (Navagio Beach), estávamos mega empolgadas!!! Mas no meio da estrada percebemos que não havia nada...rs...só estrada mesmo e ficamos com medo do combustível não dar, então voltamos bastante pra procurar um posto e isso nos atrasou um pouco pela manhã, mas depois de abastecidas lá fomos nós de novo... aconselho bastante o uso do GPS, pois é tudo em grego nas placas e confunde um pouco...kkkk!!! Quando chegamos, noooossaaaa que visual, é realmente impressionante e muito alto também...kkkk! Estava com vários ônibus de passeios e tinha muita gente na plataforma tirando fotos e até com fila, mas não é alí que vc conseguirá o melhor ângulo, continue caminhando por uma trilha pela direita e tenha cuidado, pois tem muitas pedras e podem machucar os pés... lá na frente vc terá um visual incrível e de tirar o fôlego, e a cor do mar é surreal... um azul esplendoroso!!! Mas muito cuidado hein gente, pq é muito alto e confesso que eu fiquei apavorada, pois tenho medo de altura...rsrs... e não há nenhum tipo de corda, ou grade... nada, mas vale demais a pena, com toda certeza!!! Ficamos lá um bom tempo batendo muitas fotos, muitas messsmooo...hehehe...depois voltamos pro carro e seguimos em direção ao porto Vromi, o lugar mais perto até a praia de Navagio, pois a praia só é acessível através de barcos, mas a praia do porto é uma beleza a parte, confira na foto!!! Existem diversos barquinhos que fazem esse passeio, encontramos um que nos cobrou apenas 10€ por pessoa pelo passeio de 3h e não estava muito cheio, foi um excelente preço, já que costumam cobrar de 25 a 30€ por esse passeio, por isso aconselho a fazer o passeio saindo deste lugar, pois além de mais barato é mais rápido pra chegar na praia!!! Antes de chegar até Navagio, paramos nas Blues Caves e só de passar por lá já impressiona bastante a cor da água!!! Como o barco era pequeno ele conseguia entrar nas cavernas, diferente dos grandes que só conseguem te mostrar por fora... depois de um tempo por lá, seguimos para Navagio e ao nos aproximarmos já nos deslumbramos com a cor do mar... é lindo demais!!! A praia não estava muito cheia, ficamos por lá por 1h e deu pra aproveitar bastante! A água é gelada, igual as praias do Rio, então achei de boa, mas a maioria dos turistas não entravam na água, ficavam só tomando sol...rsrs... eu aproveitei bastante!! Fiz meu lanchinho na areia e foi perfeito, por isso aconselho a levar algo pra comer e beber, pois lá não tem nada!! Voltamos pro Porto e seguiríamos pra outra praia, mas nos perdemos, pois o gps nos levou pra uma estrada que nem tinha como o carro passar e nisso perdemos muito tempo e acabamos voltando pro hotel e passamos o resto do dia na piscina relaxando... Gastos do dia: Gasolina / 4 = 7,50€ Lembrancinhas = 3€ Mercado = 1,55€ Água = 0,50€ Passeio Navagio = 10€ Total: 22,55€ Dia 22 - Zakynthos Era nosso último dia na ilha, então fizemos o checkout e deixamos nossas coisas guardadas no hotel e como nosso vôo sairia somente a noite, decidimos conhecer as praias do sul da ilha... seguimos até a praia de Laganas, que estava bem cheia e é onde a maioria das pessoas se hospedam, pois há toda variedade de comércio, onde fica o agito e também de onde saem vários tipos de passeios, se vc não usar carro, aconselho a ficar nesta parte da ilha!! A praia não é bonita... a areia é escura e a praia é comum, mas alí vc encontra de tudo!!! Bom, pesquisamos muito pois os valores estavam bem altos para um passeio que consistia em visitar a ilha que ficava em frente a esta praia, a Marathonisi, mas finalmente encontramos um preço razoável e pagamos 12€ cada, todos estavam cobrando 20€ (absurdo)!!! O barco era com vidro embaixo e o condutor ainda conseguiu nos levar pra ver as tartarugas careta-careta que são gigantes e muito lindas!! Depois ele percorreu por algumas Caves parecidas com as que tem perto da Navagio e só depois desembarcamos na Marathonisi!!! Ficamos lá por umas 2h e a ilha é bem pequena, um lado estava lotado e o outro tinha bem menos pessoas... fiquei longe da muvuca, claro...rsrs!! Lá vc já encontra lugar pra comprar comida ou bebida, mas como levei minhas coisas não comprei nada e fiquei só curtindo o lugar, bem bonito também!!! Depois voltamos pra Laganas, mas ninguém quis ficar por lá e resolvemos voltar pro hotel pra descansar, como estávamos em final de viagem o cansaço pesava um pouco, pois era uma viagem bem intensa e sabe como é final de viagem, o corpo vai pedindo arrego...rs... chegando no hotel ficamos na piscina relaxando, tomando sorvete e comendo as coisas que sobraram do mercado...rs... A moça do hotel liberou um quarto pra gente usar pra tomar banho e nos arrumar antes de ir embora, isso ajudou muitooo!! Ela foi uma fofa!! Seguimos para o aeroporto, devolvemos o carro e aguardamos nosso vôo com destino a Atenas!!! O vôo Zakynthos x Atenas custou 41,47€ pela Olympic Air, e comprei com 6 meses de antecedência... vc também pode ir de balsa + ônibus e acho que custa uns 35€, se não me engano, como a diferença era mínima, optei pelo aéreo!! Chegando em Atenas, pegamos um ônibus que leva até o centro, pois pelo horário os táxis estavam bem salgados, esse ônibus custa 6€ e vale a pena, pois te deixa na praça syntagma que é o lugar mais central, de lá pegamos um táxi que cobrou 10€ pra nos levar até o hostel, então foi bem baratinho ;)!!! Gastos do dia: Cocas e água = 3,60€ Passeio Marathonisi = 12€ Mercado = 2,55€ Ônibus Aeroporto de Atenas = 6€ Táxi / 4 = 2,50€ Total: 26,65€ Dia 23 - Atenas Nos hospedamos no Sparta Team Hotel, o quarto duplo com banheiro compartilhado sem café da manhã custou 21€, então ficou 10,50€ pra cada uma, fiz a reserva pelo Hóteis.com e já havia pago antecipadamente. Mas não indico este lugar, pois fica em uma rua muito estranha, inclusive o taxista que nos levou disse pra tomarmos muito cuidado, pois alí era perigoso, de dia acho que não tinha problemas, mas a noite era assustador!! Apesar de ser perto da região central, o lugar era estranho mesmo e o hotel é muito ruim também! Vc pode encontrar lugares muito melhores na cidade, por pouca diferença de preço!! Pela manhã decidimos já levar nossas coisas pra não ter que voltar até o hotel, pois ficaríamos apenas 1 dia na cidade e a noite seguiríamos para o aeroporto novamente!!! Fomos caminhando do hotel até a Acrópole, era perto, o que matou foi a subida...rs...pois estava bem quente, mas ainda bem que pegamos o caminho mais curto, pois a subida pelo museu da Acrópole é mais puxada e é onde a maioria dos turistas sobem, foi oque disseram, e nós subimos pelo outro lado, fica a dica!!! Chegando lá não havia nenhuma fila para a compra de ingressos e pagamos 20€ para entrar, tente ir cedo pois a cidade é bem quente e não há sombra quando vc percorre as ruínas... Eu senti algo especial quando cheguei lá, pois é muita história alí, algo q não dá pra explicar... semprei sonhei em estar alí e demorou pra ficha cair...rsrs!! Eu estava pisando em um lugar emblemático, realmente algo que me fez acreditar que nossos sonhos podem sim se realizar!!! Caminhei sozinha e fiquei pensando em tudo, em como cheguei até lá... olhando aqueles monumentos fantásticos e só contemplando tudo aquilo... A Grécia, sem dúvidas, foi um país que me conquistou demais!!! Depois de percorrermos tudo e tirar muitas fotos, foi hora de descer pois neste dia seria o segundo jogo da seleção e queríamos assistir em algum lugar, então procuramos um restaurante legal e pedimos uma pizza e ficamos lá torcendo, foi bem legal e os gregos estavam torcendo com a gente...hehehe!!! No final do jogo pedimos a conta e vimos que estavam cobrando pela água, que eles haviam dito ser cortesia e questionamos, eles corrigiram e como desculpas ainda nos deram uma sobremesa!!! (Chato isso né?!) Kkkkk!!! Depois caminhamos pelas lojas e comprei várias lembrancinhas, vimos muita coisa e depois ficamos relaxando e fugindo do calor que estava insuportável!!! Acabamos desistindo de ir até o museu da Acrópole pq estávamos muito cansadas, mas teria dado tempo então se me perguntarem se 1 dia é suficiente para Atenas, eu digo que sim, pois não fizemos mais coisas por ter ficado assistindo jogo e ter passado tempo pelas lojas também!! Pegamos o metrô para ir até a praça syntagma e acabamos pegando a linha errada, vi que a direção era errada, descemos e perguntei a uma senhora q só falava grego, mas por incrível que pareça consegui entendê-la, até hj não sei como....kkkkkk.... entramos na linha certa e descemos na praça e estava lotada, pois rolava alguma manifestação pacífica, pegamos o ônibus até o aeroporto, onde ficamos fazendo hora... acabei "jantando" no McDonald's e depois pegamos nosso vôo. Paguei 35,57€ no vôo Atenas x Santorini pela Ryanair e comprei com 6 meses de antecedência, vc também tem a opção de ir de balsa, mas não sei o valor... chegamos depois da meia noite e por isso pegamos um táxi até o hotel, pagamos 25€, sendo que o hotel queria nos cobrar 40€ pelo transfer (É mole? aff!), ainda bem que não fechamos com eles!!! Gastos do dia: Acrópole = 20€ Pizza / 2 = 4,50€ Água = 0,50€ Coca = 1,40€ Lembrancinhas = 13€ Metrô = 1,40€ Ônibus para o Aeroporto = 6€ McDonald's = 6,80€ Total: 53,60€ Dia 24 - Santorini Nos hospedamos no Porto Castello, o quarto duplo sem café da manhã custou 41€ e como dividimos não ficou caro, fiz a reserva pelo Hóteis.com e paguei antecipadamente, haviam hosteis mais baratos na ilha, mas ficavam muito distantes e como só teríamos 1 dia na cidade, optamos pela localização pra ganhar tempo, sem falar que esse hotel tinha transfer gratuito para o centro e ficava ao lado da praia e também tinha piscina!! Por volta do meio-dia (ficamos até o limite do checkout...kkkk) pegamos o primeiro transfer para o centro já com nossas bagagens, pois não voltaríamos para o hotel e descemos próximo ao terminal de ônibus, de lá pegamos o ônibus até Oia, parte mais famosa da ilha e passamos todo o dia por lá, já chegamos procurando um lugar pra comer e decidimos por um restaurantezinho ao lado da estação de ônibus, optamos em experimentar o Pita Gyro e que negócio gostoso, nossa, muitoooo bom e super baratinho, pedi ainda uma porção de batata e um refri e tudo custou 6,80€ pra uma ilha como Santorini eu achei muito em conta!! Depois caminhamos pela cidade e seus becos, que lugar lindo!! Exatamente como eu imaginava, e a vista pra caldeira? Nossa, é uma pintura.... Santorini é de ficar babando!!! Sério, é muito linda!! E também muito cheia, um mar de gente passando o tempo todo!! Estava muito calor, sol a pino e muita gente procurando uma sombra. Ainda visitei a igreja da praça, minúscula, mas bem diferente!! Quando já estava entardecendo voltamos pro restaurante pra comer novamente, dessa vez eu quis só o Pita gyro, ainda tomamos um sorvete e pegamos o ônibus de volta para o centro da ilha, mas estávamos tristes pois não veríamos o pôr do sol, já que não daria tempo, pois tinhamos que pegar o vôo de volta pra Atenas, achávamos que só de Oia que era bonito, mas chegando no centro decidimos dar uma olhada subindo uma rua e pra nossa surpresa estava lindo demais!!! Tinham várias pessoas assistindo e rolava até uma comemoração com música e dança, foi bem legal, só depois que o sol se pôs que decidimos ir pro aeroporto! Quando chegamos na estação descobrimos que só teria ônibus pro aeroporto em 2h e não daria pra gente esperar, pois arriscaria perder o vôo, decidimos pegar um táxi, mas quem disse que passava algum? Nada, nenhum, zerooo!! Começamos a nos preocupar, a hora estava passando... até que resolvemos pedir informações e um português nos falou onde era o ponto de táxi e fomos pra lá, tinha um pessoal lá também esperando e nada de aparecer táxis... ficamos um bom tempo até aparecer um, mas havia se formado uma fila e depois de uns 3 táxis é que pudemos pegar o nosso, custou 20€ até o aeroporto. Chegamos no aeroporto e estava lotadooo, ele é minúsculo e as filas estavam dando voltas...surreal, uma bagunça!!! Vários vôos estavam atrasados e chegando cada vez mais pessoas, não tinha lugar pra todos sentarem, ficou todo mundo aglomerado, um calor danado, crianças chorando, pessoas reclamando... olha, foi horrível!!! Nosso vôo atrasou bastante e quando apareceu no portão de embarque foi um alívio, não aguentava mais... Comprei Santorini x Atenas pela Aegean Airlines e custou 19,55€ com 6 meses de antecedência!! Chegamos em Atenas apenas para passar a noite e depois pegaríamos um vôo pela manhã de volta a Roma. Nos hospedamos no Apartaments Tina, pagamos 21,25€ cada e incluía transfer de ida e volta para o aeroporto, além de um pequeno café da manhã, pequeno mesmo tá...kkkk... uma torrada, um café e um bolinho!! Acho que vale a pena para quem quer apenas dormir perto do aeroporto, era um quarto pra 4 pessoas confortável, com ar, tv, cozinha mas bem longe do centro... fiz a reserva pelo Booking.com!! Vale pra vc descansar e pq inclui transfer, assim economiza com transporte ! Chegamos super cansadas, então foi banho e capotar na cama, apaguei!!! Gastos do dia: Taxi / 4 = 6,25€ Água + coca = 2,50€ Ônibus ida e volta Oia = 3,60€ Souvenirs = 4€ Almoço = 6,80€ Sorvete = 5€ Táxi / 4 = 5€ Pita gyro + coca = 4€ Hospedagem em Atenas = 21,25€ Total: 58,40€ Dia 25 - Roma Acordamos cedo, pegamos o transfer do hotel, que já estava incluso, e seguimos para o aerorto de Atenas. Dessa vez chegaríamos pelo aeroporto de Ciampino, que fica mais próximo do centro de Roma! O vôo foi pela Ryanair e a passagem custou 29,50€ com 6 meses de antecedência. Chegando no aeroporto, mais uma vez usei o ônibus da Terravision que custou 5€ e eu já havia pago pelo site antecipadamente. Esse aeroporto é bem pequeno e muito fácil identificar onde ficam os ônibus. Estávamos de "pasagem" por Roma, já que a noite seguiríamos para Milão de trem, então aproveitamos para conhecer alguns lugares que ainda não havia passado. As meninas seguiram para ver lojas e eu aproveitei para ver alguns pontos e combinamos de nos encontrarmos no Termini no final do dia. Fui caminhando da estação até a Basílica de San Pietro In Vincoli, onde há o Moisés de Michelangelo e as Correntes de Pedro, essa igreja fica meio escondida, mas valeeee muito a pena conhecer, pois é uma das igrejas mais importantes de Roma!! Depois segui caminhando pela cidade e cheguei até a Fontana de Trevi, pois só tinha visto a noite, e ela estava lotada, mas deu pra tirar algumas fotos...rs... fiquei por lá um tempo!!! Continuei minha caminhada pela cidade e acabei parando na Basílica di Santa Maria degli Angeli e dei martiri, que me impressionou bastante, e até assisti a uma missa e uma apresentação de órgão, que é gigantesco!! Foi um momento de paz e reflexão... foi o momento de me despedir da cidade também, pois ela fica bem pertinho do Termini, na Piazza della Reppublica! Depois passei em um mercadinho, comprei algumas coisas e encontrei as meninas e fomos buscar nossa bagagem que havíamos deixado em um hotel antes de ir para Grécia, lá tinha banheiro e usamos para nos trocar e só então seguirmos para a estação onde pegaríamos o trem noturno para Milão!!! Nosso trem saiu de outra estação e não do Termini, foi o único momento que usei um bilhete de metrô neste dia, pois dá pra fazer muita coisa a pé na cidade, fica a dica!!! Gastos do dia: Mercado = 13,42€ Água = 1,50€ Total: 14,92€ Dia 26 - Lugano Muita gente deve estar perguntando, mas pra quê vc voltou pra Milão? Bom, na verdade, eu voltei pq tinha muita vontade de conhecer a cidade de Lugano, uma cidade Suíça que fica pertinho de Milão e o vôo de Milão para Paris estava bem mais em conta do que de outras cidades, já que eu voltaria por lá uni o útil ao agradável!!! Bom, paguei no trajeto Roma x Milão a bagatela de 7,90€ pela Trenitalia, e como o trem era noturno ainda economizei em hospedagem para este dia...rs... comprei essa passagem com 2 meses de antecedência pelo site! Já havia comprado a passagem de ônibus para Lugano e paguei 8€ pela Flixbus com 3 meses de antecedência, então foi bem vantajoso!! Chegamos em Milão totalmente quebradas e cansadas, pois além de estarmos no final da viagem, dormimos no trem, que não é a mesma coisa de dormir em uma cama confortavelmente...rs... as meninas pareciam bem desanimadas pra conhecer mais uma cidade e enfrentar mais 1h de ônibus e confesso que até eu estava...rs... pegamos o metrô até a estação que pegaríamos o ônibus e a viagem foi bem rápida mas chegando na cidade o ônibus nos deixou no meio do nada, no meio de uma estrada e nem tinhamos francos suíços pra pegar transporte, decidimos andar até um ponto de ônibus e tinha uma máquina pra comprar bilhetes que aceitava euros.... modernidade é outro nível né gente!!! Hahahaha!!! Estávamos na Suíça!!! Acabamos comprando o bilhete errado, mas o motorista viu que éramos brasileiras e viu que foi erro mesmo e não má vontade e ele era português e falou na nossa lingua que estava tudo bem, que era só pra prestarmos atenção na volta e até ficou batendo papo conosco e nos desejou um ótimo passeio pela cidade!! Descemos na estação central da cidade, trocamos alguns euros por francos suíços na casa de câmbio da estação e deixamos nossa bagagem nos armários de lá e fomos caminhando para o centro... Quando chegamos no centro todo o desânimo foi embora, ficamos de boca aberta com a cidade, com o clima, com as ruas, com o lago, com tudo! Ficamos completamente encantadas com Lugano, uma cidade linda e que impressiona... vale muito a pena fazer um bate-volta na cidade caso vc esteja por Milão, afinal, onde mais vc vai ver lindos cisnes nadando em um lago completamente cristalino? Sério, não deixem de conhecer!! Sem falar nos chocolates, nossa, comprei vários, já estava no final de viagem e foi perfeito....rsrs!!! As lojas aceitam euros, mas lhe devolvem o troco em francos, caso sobre... então veja se vale a pena, paguei algumas coisas em euros e utilizei o restante dos francos no mercadinho pra lanchar no caminho de volta... Ficamos sentadas comendo na beira do lago e foi uma paz tão grande, deu pra dar uma recarregada nas energias e foi uma cidade que nos surpreendeu muito, amamos Lugano!! A tarde voltamos para a estação pegar nossas coisas, e desta vez voltamos de trem, então foi bem mais fácil, porém o trem é bem mais caro que o ônibus, a passagem custou 24€ pela Trenitalia, ao qual eu já havia comprado pelo site, e nos deixou na milano central... ao lado desta estação ficam os ônibus para o aeroporto e vale a pena pelo valor, apenas 8€ pela Terravision, mas cuidado, pois existe mais de 1 aeroporto na cidade, então veja direitinho qual ônibus vc deve pegar, o nosso era o aeroporto de Malpensa e pegamos um bom transito devido a um acidente na estrada, ainda bem que saímos com bastante antecedência e deu tudo certo!!! Chegando no aeroporto pegamos o vôo de volta a Paris, o valor da passagem foi de 25,83€ pela Vueling, com 8 meses de antecedência e paguei mais 17€ para despachar minha bagagem, foi a única vez que paguei por bagagem em toda viagem, mas estava ok, pois estava indo para o último trecho da viagem e minha mochila estava bem grande e dobrou de peso desde o início da viagem...rsrss!!! Se vc voar de Milão a Paris não deixe de admirar o belo visual dos Alpes pela janela do avião.... é lindo demais!! Chegamos em Paris já bem tarde e como nosso vôo para Lisboa sairia bem cedinho, resolvemos não pagar hospedagem, pois gastaríamos com táxi também por ser muito cedo e decidimos passar a noite no aeroporto, nem sabiamos se poderia, pois o aeroporto de Orly fecha mas ficamos por lá e deu tudo certo, vimos muitas pessoas ficando por lá pra passar a noite também... tinha um mercadinho dentro do aeroporto e comprei algumas coisas pra passar a noite Gastos do dia: Metro = 1,50€ Ônibus = 1,80€ Chocolates e souvenirs Lugano = 30€ Armário = 4,50€ Mercado = 4€ Mercado aeroporto Orly = 7,92€ Total: 49,72€ Continua... Obs: Vou atualizando aos poucos, pois é muita informação, mas prometo tentar fazer isso semanalmente ou até menos. Não esqueçam da dica pelo Booking vc consegue receber de volta R$50,00 no seu cartão após o check-out da hospedagem, basta que a reserva seja de no mínimo R$100,00. Vc realiza a reserva por este link e recebe o valor de volta no cartão que usou, vale pra usar uma única vez ok! Clica neste link: https://www.booking.com/s/43_8/733e5f83 Postei um vídeo com algumas imagens dos locais que passei, então vcs podem ver o que vem por aí neste relato! Caso surjam dúvidas, podem me chamar no insta: @viajacris 😉
  16. 9 pontos
    Campo Base do Everest Algumas dicas e orientações para planejar seu trekking solo no Nepal MELHOR ÉPOCA . Outubro e novembro são o pico da temporada de trekking no Nepal. As chuvas trazidas pelas monções terminam em setembro e o céu fica mais limpo nesse período seguinte. Porém espere por trilhas e lodges lotados nos trekkings do Everest e Annapurna, os mais populares. Em dezembro, já perto do inverno, é possível fazer caminhadas também mas é melhor escolher altitudes mais baixas como o trekking do campo base do Annapurna. . Março e abril são o segundo período mais procurado. A grande atração desses meses é caminhar pelas florestas de rododendros em época de floração, o que deve ser um lindo espetáculo. HOSPEDAGEM E ALIMENTAÇÃO DURANTE O TREKKING Não há nenhuma necessidade de levar barraca para a grande maioria dos trekkings no Nepal. Ao longo do caminho dezenas de lodges e guest houses oferecem hospedagem simples e alimentação completa (café da manhã, almoço e janta). Para os trilheiros independentes é usual negociar o preço do quarto desde que se façam as refeições (café da manhã e janta) no próprio lodge, que sempre tem refeitório. Na maioria das vezes o quarto acaba saindo de graça (dependendo da negociação) uma vez que a comida custa duas ou três vezes o preço pago nas cidades. E o preço aumenta junto com a altitude e a distância das cidades. Para mostrar a variação de preços das refeições em cada povoado ao longo dos trekkings vou colocar nos relatos, ao final de cada dia, o preço do dal bhat e do veg chowmein, dois pratos bastante pedidos. Como referência esses pratos em Kathmandu custam por volta de Rs 250 (US$2,17) e Rs 160 (US$1,39), respectivamente. Em quase todos os vilarejos os moradores têm um pedaço de terra para trabalhar e cultivar os legumes e verduras para seu consumo e para suprir a demanda do restaurante. A dieta deles é basicamente vegetariana, inclusive pela dificuldade de armazenamento de qualquer tipo de carne. E para o trilheiro é bastante recomendável seguir essa dieta pensando no seguinte: os legumes são sempre frescos, a carne não. E ninguém quer ter uma infecção intestinal ou uma diarréia num lugar tão distante. Todos os lodges têm um caderno onde são anotados (pelo dono ou pelo hóspede) os pedidos para o jantar e café da manhã. Para o jantar costumam pedir que se anote até as 17h para eles se organizarem. Para o café da manhã geralmente pedem que se escreva o pedido no dia anterior, principalmente se houver necessidade de tomar o café muito cedo. Mesmo havendo refeição em todas as vilas do caminho é preciso ter algum lanche de trilha para os dias em que se sobe alguma montanha mais demorada (como o Tsergo Ri) ou se atravessa um passo de montanha, algo que leva bastante tempo e onde a distância entre os vilarejos é grande. CUSTOS DURANTE O TREKKING Os custos durante as caminhadas dependem diretamente do que se consome nos lodges pois a comida é bastante cara em comparação com o preço pago nas cidades, ao passo que a hospedagem pode ser negociada. Se você for econômico e pedir veg chowmein no café da manhã (você acostuma...), veg fried rice no almoço e dal bhat na janta, o custo diário com comida vai ser de US$8 a US$20 (o preço aumenta com a distância). Se for possível negociar o quarto sem custo, o valor acima vai ser a sua despesa diária durante o trekking. Um café da manhã completo com pão, geléia, omelete e café/chá vai aumentar bastante essa despesa. No meu trekking de 23 dias de Shivalaya ao Campo Base do Everest e Gokyo o custo total, seguindo o menu econômico acima e sempre barganhando o preço do quarto, foi de US$345. A média foi de US$15 por dia. Lembrando que eu não contratei nenhum serviço de guia ou carregador. Nessa conta entram apenas alimentação e hospedagem, não entram as permissões e as passagens de ônibus e avião. HOSPEDAGEM EM KATHMANDU O bairro mais conveniente para se hospedar em Kathmandu é o Thamel pois concentra todos os serviços que um trilheiro necessita: hotéis para todos os bolsos e exigências, restaurantes variados, casas de câmbio, padarias, mercadinhos, livrarias, farmácias, lavanderias, agências de trekking, lojas de equipamentos e roupas técnicas, etc. Além disso muitos atrativos turísticos da cidade estão a curta distância a pé a partir do Thamel. Mas prepare-se para dividir as ruas estreitas e sem calçada com muitas motos e carros buzinando o tempo todo. Sim, o Thamel é uma ilha da fantasia para turistas, repleta de lojinhas de todo tipo, e para ter a experiência de uma Kathmandu mais real vai ser preciso caminhar fora dali. Isso é verdade, mas o Thamel não deixa de ser o bairro mais conveniente para as necessidades de um viajante. Rua no Thamel ROUPAS E FRIO A temperatura interna durante a noite medida pelo meu termômetro chegou à mínima de -8,6ºC. Isso foi dentro do quarto em Gorak Shep. Normalmente ela está entre -3ºC e 3ºC à noite e de manhã dentro do quarto. Por isso é preciso ter um saco de dormir sempre na mochila pois o cobertor do lodge pode não ser suficiente. Eu levei um saco Marmot Helium (temperatura limite -9ºC) e usei em algumas noites apenas. Os quartos costumam ter duas camas com um cobertor bem grosso parecido com um edredom em cada uma. Como eu dormia sozinho no quarto podia pegar o outro cobertor e não precisava usar o saco de dormir. Para vestir recomendável levar uma blusa grossa de fleece, uma jaqueta de pluma (a única blusa que realmente esquenta naquele frio todo) e uma jaqueta impermeável que serve como corta-vento durante as caminhadas. Para as pernas importante levar uma calça de fleece ou ceroula térmica pois com frio nas pernas não se consegue dormir. Uma calça impermeável serve como corta-vento e eu usei em vários dias mesmo caminhando sob o sol pois o vento é gelado. Uma faixa para o pescoço que possa ser esticada para a boca e nariz também é fundamental para não expor tanto a garganta ao vento frio. Mesmo com isso eu tive infecção na garganta, tive que ir ao médico em Kathmandu e tomar antibiótico por 3 dias. Os lodges costumam ter um aquecedor no refeitório e esse é o único lugar para se refugiar do frio. Mas ele fica aceso somente do início da noite até os últimos hóspedes saírem do refeitório. Não é aceso de manhã, quando faz muito frio também (entre -3ºC e 3ºC, como disse). Para acender o aquecedor se usa lenha onde há árvores e esterco de iaque onde não há. O QUE PODE SER COMPRADO EM KATHMANDU Kathmandu tem ótimas livrarias onde se pode comprar mapas e guias de todos os trekkings do Nepal. E tem dezenas de lojas de equipamentos e roupas técnicas onde se deve pesquisar os preços pois variam muito de uma loja para outra. Há lojas de marcas famosas como The North Face e Mountain Hardwear que vendem produtos originais. Nas outras mil lojas vale o preço e não necessariamente a qualidade. Mas pelo que já li nos relatos é possível encontrar bons produtos a preços bem atrativos. Na hora da compra vale pechinchar também, e comprar vários itens na mesma loja (ao invés de um item em várias lojas) ajuda na negociação do valor total. Muitos itens podem ser alugados também. MAPAS Nas livrarias há mapas para todos os trekkings do Nepal, porém eu e outras pessoas encontramos muitos erros na marcação das altitudes, o que atrapalha um pouco o planejamento. Para ser mais prático, uma idéia é fotografar o mapa todo com o celular para ter acesso rápido a ele durante a caminhada sem ter que ficar dobrando e desdobrando o original toda hora. Dal bhat ACLIMATAÇÃO O Mal Agudo da Montanha (em inglês AMS, Acute Mountain Sickness) é um problema muito sério que não deve ser ignorado. Durante a caminhada do Everest eu soube que um japonês morreu em Gorak Shep porque não queria descer mesmo se sentindo mal em consequência da altitude (matéria aqui). É preciso ficar atento aos sinais do corpo e a melhor solução sempre é descer. Aconteceu comigo também. Fiquei quatro noites praticamente sem dormir, apesar de não ter nenhum outro sintoma, e precisei baixar dos 5160m aos 3800m para poder dormir, me recuperar do cansaço e dar um tempo maior para o meu corpo se adaptar à altitude. O Mal Agudo da Montanha atinge tanto atletas e esportistas de condição física perfeita quanto trilheiros de primeira viagem. E pode atingir também trilheiros já acostumados a caminhar na altitude. O processo de aclimatação é condição necessária para todos. Os sintomas mais leves a partir dos 3000m de altitude são dor de cabeça, tontura, náusea, perda de apetite, falta de ar, cansaço, irritabilidade e dificuldade para dormir. Nesse caso o corpo está dando sinais que não devem ser ignorados e o melhor é parar de subir, subir mais devagar (dormindo mais noites na mesma altitude) ou descer se não houver melhora. Do contrário pode-se desenvolver os sintomas mais graves do AMS. Os sintomas mais graves são perda de coordenação enquanto caminha e falta de ar mesmo em repouso. O primeiro sintoma pode levar a um edema cerebral e o segundo a um edema pulmonar. Nesse caso é preciso descer imediatamente. As regras básicas para que o organismo se adapte gradativamente à altitude (leia-se: aclimatação) acima dos 3000m são: . não dormir 500m acima do local onde se dormiu na noite anterior . fazer caminhadas de bate-volta até uma altitude superior àquela em que vai dormir (walk high, sleep low) . de preferência dormir duas (ou mais) noites na mesma altitude e fazer caminhadas a pontos mais altos durante o dia . beber no mínimo 3 litros de água por dia Por fim, a polêmica do Diamox. Alguns médicos são contra o uso desse medicamento para reduzir os sintomas da altitude, mas no Nepal quase todo mundo tem na mochila e até o médico em Kathmandu me receitou na consulta que fiz (sem eu pedir). Mas mesmo usando Diamox deve-se seguir as regras de aclimatação acima para não desenvolver os sintomas mais graves do mal de altitude. Muita gente faz uso mas não posso falar dos efeitos e benefícios porque não tomei. Quando tive quatro noites de insônia não tinha Diamox para testar se resolveria o meu problema. O que é consenso entre os médicos no caso de insônia é não tomar remédios para dormir. Máscara para enfrentar a poluição e poeira de Kathmandu TRATAMENTO DA ÁGUA A água mineral é vendida no Nepal em garrafas de 1 litro ou menores. Essa água, que custa Rs20 ou Rs30 em Kathmandu, chega a custar Rs450 em Gokyo. Além desse preço absurdo, o grande problema é a acumulação de garrafas pet nos lixões dos vilarejos e ao longo das trilhas. Comprar água mineral é a pior das soluções para matar a sede. O que fazer? Tratar a água de torneira dos vilarejos ou a água dos riachos, ambas abundantes e de fácil acesso em todos os trekkings. Há várias maneiras: 1. ferver a água . vantagem: o gosto não é alterado, custo muito baixo . desvantagem: não é tão prático e rápido, a água demora a ferver e a esfriar para colocar nas garrafas pet; quanto maior a altitude, menor a temperatura de ebulição da água, por isso é preciso ferver por mais de 5 minutos em altitudes mais elevadas 2. filtro Sawyer ou LifeStraw . vantagem: o gosto não é alterado, muito mais prático que ferver . desvantagem: filtra bactérias e protozoários, mas os vírus passam; não pode ficar exposto a temperaturas muito baixas 3. pastilha de cloro (Clorin) ou dióxido de cloro (Micropur) . vantagem: muito mais prático que ferver . desvantagem: o gosto é horrível, demora de 30 minutos a 4 horas para purificar completamente dependendo do tipo de pastilha 4. Steripen . vantagem: método muito prático e rápido (leva apenas 90 segundos para purificar 1 litro de água), o gosto não é alterado . desvantagem: custo alto, a água deve ser cristalina, dependência de um aparelho eletrônico (que dá bastante problema segundo as críticas no site amazon.com) 5. pastilha de iodo: não acho esse método recomendável pois não é eficaz contra o protozoário Cryptosporidium, não pode ser usado por um longo período (mais que 6 semanas) e não pode ser usado por pessoas com problema de tireóide Minha experiência: eu não tenho Steripen, então usei os 3 primeiros métodos sempre combinando dois deles. Levei um fogareiro e comprei cartuchos de gás em Kathmandu. Toda noite eu filtrava a água, depois fervia e esperava esfriar durante a noite. Ou eu filtrava e usava a pastilha de dióxido de cloro (Micropur), mas isso apenas se eu não pudesse ferver pois o gosto final era de sabão. Levei um filtro Sawyer Squeeze e nos lodges onde a temperatura no quarto poderia ser abaixo de 0ºC eu dormia com ele junto ao corpo. Conheci trilheiros que estavam tratando a água apenas com filtro Sawyer ou LifeStraw e não tiveram problema. Geralmente as pessoas usavam apenas um dos métodos que mencionei. É possível também comprar água fervida nos lodges, mas o custo ainda é alto. Vaquinhas sagradas TELEFONIA E INTERNET Vou colocar em cada relato de trekking no Nepal o nome das operadoras de celular que funcionam na maioria dos vilarejos. As mais comuns são NCell (www.ncell.axiata.com), NTC/Namaste, Sky e Smart (www.smarttel.com.np). A NCell tem lojas próprias em Kathmandu onde se pode comprar o chip e fazer a carga pelos preços oficiais, bem mais baixos que nas lojas turísticas do Thamel. A loja que eu ia fica na Durbar Marg, mas há outra perto da Praça Durbar (segundo o site). Para comprar o chip é preciso levar passaporte, uma foto 3x4 e preencher um formulário na loja. Para fazer a recarga não necessita de nada disso. Eles mesmos configuram o celular, mas é bom conferir se o chip está funcionando antes de sair da loja. Eu paguei Rs 100 (US$ 0,87) pelo chip e Rs 355 (US$ 3,08) pelo pacote de 1,3 GB por 30 dias (há muitos outros pacotes). Para as outras operadoras não vi lojas próprias, mas segundo o site a Smart possui lojas (esta é uma operadora que funciona em pouquíssimos lugares). Muitos lodges e cafés ao longo dos trekkings têm wifi mas é sempre pago e vale a mesma regra: o preço sobe junto com a altitude e distância das cidades. Para recarregar as baterias, alguns poucos lodges têm tomada no quarto, na maioria deles é preciso pagar pela carga. Levar alguns power banks a mais é uma boa idéia para não gastar muito com recargas. Lembrando que o frio descarrega as baterias mais rápido do que o habitual, por isso eu costumava colocar o power bank dentro da blusa na hora de usá-lo para recarregar o celular. No trekking do Everest há dois serviços de cartão pré-pago que dão acesso ao wifi dos lodges em diversas vilas: 1. Everest Link (www.everestlink.com.np) - custa Rs 1999 (US$ 17,35) por 10GB em um período de 30 dias (há outros pacotes); segundo o site funciona nas principais localidades ao norte de Lukla, inclusive no Kala Pattar e no Campo Base do Everest 2. Nepal Airlink (www.nepalairlink.com.np) - custa Rs 1260 (US$ 10,94) por um período de 30 dias (há outros pacotes); o site estava fora do ar quando publiquei esse relato mas pelo que pude entender o Nepal Airlink funciona apenas no trekking Shivalaya-Lukla e só no trecho entre as vilas de Junbesi e Kharte, e também em Phaplu. Não cheguei a usar nenhum desses dois serviços porque não sabia da existência e já tinha comprado o chip da NCell. PERMISSÕES A seguintes permissões podem ser obtidas no Tourist Service Center, próximo ao Ratna Park, em Kathmandu: 1. TIMS card - levar passaporte, 2 fotos 3x4 e preencher um formulário (importante: segundo a funcionária desde 16/11/2018 é obrigatório ter seguro-viagem para obter o TIMS card e deve-se fornecer o número da apólice no formulário). Valor: Rs2000 (US$17,36). O TIMS card é necessário para todos os trekkings exceto para o Everest (desde outubro de 2017) e válido apenas para um trekking específico, ou seja, no meu caso tive de pagar o TIMS para Langtang e depois para o Annapurna, num total de Rs4000 (US$34,72). Para o Everest o TIMS card foi substituído em out/2017 por uma permissão local que pode ser obtida em Lukla ou Monjo (não em Kathmandu) pelo valor de Rs2000 (US$17,36) e sem foto. 2. permissão de entrada do Parque Nacional Langtang - levar somente passaporte. Valor: Rs3400 (US$29,51) 3. permissão ACAP para o Annapurna Conservation Area - levar passaporte, 2 fotos 3x4 e preencher um formulário. Valor: Rs3000 (US$26,04) 4. permissão de entrada do Parque Nacional Sagarmatha - eu obtive essa permissão em Monjo, durante o trekking do Everest, mas há um balcão no Tourist Service Center em Kathmandu que a emite. Pediram apenas passaporte, nenhuma foto.Valor: Rs3000 (US$26,04) 5. permissão de entrada do Gaurishankar Conservation Area - eu obtive essa permissão em Shivalaya, durante o trekking do Everest, mas há um balcão no Tourist Service Center em Kathmandu que a emite. Pediram apenas passaporte, nenhuma foto.Valor: Rs3000 (US$26,04) Horário do Tourist Service Center em Kathmandu: . balcão Annapurna, Manaslu e Gaurishankar: diário das 9 às 13h e das 14h às 15h . balcão Everest e Langtang: de domingo a sexta-feira das 9h às 14h . balcão TIMS card: não havia horário afixado Esses horários mudam frequentemente. Banheiro ao estilo "limpo" (os outros melhor não publicar) BANHEIROS AO ESTILO OCIDENTAL E ORIENTAL Durante todos os trekkings é mais comum encontrar o banheiro ao estilo oriental, quer dizer, uma peça de louça no chão com um buraco no meio e lugares para colocar os pés nas laterais. A descarga quase sempre é com um balde ou caneca que fica ao lado. Quando raramente se encontra um vaso sanitário, a descarga normalmente é com o balde ou caneca mesmo. Nos lodges de maior altitude é preciso ter cuidado com a água congelada de manhã no piso do banheiro e ao redor do buraco. Vale dizer que durante todos os trekkings o banheiro é sempre compartilhado, não existe banheiro privativo, e costuma haver apenas um ou dois para todos os hóspedes. Papel higiênico deve ser comprado e levado sempre na mochila pois os nepaleses não usam e não se encontra em nenhum banheiro. Prefira comprar nas cidades pois nos lodges é bem mais caro. BANHO É possível tomar banho de ducha em muitos lodges durante os trekkings. Se não houver ducha eles preparam um banho de balde. Em ambos os casos é preciso pagar à parte e o preço aumenta à medida que se distancia mais das cidades. A água da ducha pode ser aquecida a gás ou por energia solar. Se for a gás o banho é ótimo, com a água bem quentinha. Se for com energia solar a água fica morna ou quase fria no fim da tarde ou em dias de céu encoberto. VACINAS Nenhuma vacina é obrigatória para entrar no Nepal porém é bastante recomendável tomar/atualizar as vacinas de febre tifóide e hepatite A pois a transmissão dessas doenças se dá por água e alimentos contaminados. Nenhuma das duas está disponível na rede pública no Brasil, é preciso pagar em um clínica particular. Eu aproveitei para atualizar todas as outras vacinas recomendáveis: tétano, difteria, hepatite B, gripe, antirrábica e febre amarela. EMPRESAS AÉREAS QUE FAZEM O TRAJETO KATHMANDU-LUKLA PARA O TREKKING DO CAMPO BASE DO EVEREST Somente essas quatro companhias aéreas fazem o trajeto entre Kathmandu e Lukla: 1. Nepal Airlines: www.nepalairlines.com.np (clique em Domestic Flight) 2. Tara Air: www.yetiairlines.com 3. Sita Air: sitaair.com.np 4. Summit Air: www.summitair.com.np VIAJANDO DE ÔNIBUS NO NEPAL Os ônibus em que viajei no Nepal eram genericamente chamados de "local bus". Parece que há os tipos express, super express, mas não sei dizer a diferença. Todos eram muito lentos, apertados e sem banheiro. A dica que quero dar aqui é sempre pedir um assento no meio do ônibus. Os bancos do fundo pulam demais por conta das estradas de terra cheias de buracos e pedras. O último banco é muito mais desconfortável que qualquer outro - evite! Os bancos da frente não são muito convenientes porque é um entra-e-sai constante de pessoas, bagagens, sacos, etc. São feitas algumas paradas para banheiro durante as longas viagens, mas é bom não tomar muito líquido para não passar aperto. Em todas as viagens a mochila sempre ia comigo, o que era também um transtorno. Ônibus para Jiri e Shivalaya no terminal do Ratna Park PEDINDO INFORMAÇÃO DURANTE O TREKKING Não quero generalizar sobre esse assunto mas vou falar da minha experiência. Concluí que não é muito útil pedir informação aos nepaleses durante a caminhada. Ao necessitar de informação sobre o caminho o melhor é perguntar aos trilheiros, melhor ainda aos trilheiros independentes pois estes estudaram os mapas e sabem o nome das vilas de onde vieram e para onde estão indo. Trilheiros com guia muitas vezes não sabem nada também. Por que não perguntar aos nepaleses já que vivem ali? Em geral eles são bem confusos na explicação, alguns dão informação errada, muitos não entendem a pergunta e falam qualquer coisa. Geralmente eles sabem só o inglês necessário para falar sobre o quarto e a comida, ao serem questionados sobre as condições do caminho não entendem e não sabem explicar. Além disso, nepaleses têm a tendência de responder sim a tudo por cortesia (um não pode ser considerado indelicado), portanto não se deve perguntar: o caminho para a próxima vila é este? pois eles provavelmente vão responder sim. É melhor perguntar: qual é o caminho para a próxima vila? nesse caso eles não podem responder simplesmente sim. Depois confira a informação com outras pessoas, não confie na primeira informação que obtiver. CALENDÁRIO O Nepal usa um calendário diferente chamado Sambat. Neste ano de 2018 do calendário gregoriano eles estão no ano 2075. Em algumas situações eles podem usar a data do calendário Sambat em lugar do gregoriano. Comigo aconteceu de preencherem uma passagem de ônibus com essa data. NAMASTÊ O cumprimento habitual no Nepal é a palavra namastê. Questionei algumas pessoas sobre o significado dessa palavra e eles respondem que é somente um olá. Mas namastê tem um significado mais espiritual e literalmente quer dizer: Eu saúdo o divino dentro de você, Eu me curvo ao divino em você, O sagrado em mim reconhece o sagrado em você, O divino em mim se curva ao divino dentro de você, entre outros significados. RELATOS DO NEPAL PUBLICADOS AQUI NO MOCHILEIROS . Trekking Langtang-Gosainkund-Helambu (Nepal) - out/18 . Trekking do Campo Base do Everest desde Shivalaya em 3 partes: .. Trekking Shivalaya-Namche Bazar (Nepal) - out/18 .. Trekking Namche Bazar-Campo Base do Everest (Nepal) - nov/18 .. Trekking Pheriche-Lukla (Nepal) - nov/18 . Trekking do Campo Base do Annapurna e Poon Hill (Nepal) - dez/18 Rafael Santiago dezembro/2018 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  17. 9 pontos
    Há um tempo eu havia visto sobre a travessia da ferrovia do trigo, que é umas das travessias mais clássicas de Rio Grande do Sul e de cara fica fascinado, falei sobre ela a alguns amigos para ir comigo nessa grande aventura, poucos se mostraram interessados, então resolvi deixar para uma próxima oportunidade, então que um dia convidei meu amigo Jorge, que curtiu muito a ideia de ir, nesse mesmo tempo minha namorada Fernanda também iria, mas teve que desistir devido aos estudos, então eu e Jorge ficamos amadurecendo a ideia de irmos, até que mais dois amigos resolveram participar também, o Zé e o Franck. Então quando marcamos a data que seria no feriado de 7 de setembro, mais três amigos do Zé e do Jorge de Pato Branco embarcaram junto, o Cléber, o Randas e o Thomaz. Iríamos em dois carros, porém na véspera de ir, o Franck e o Thomaz tiveram que desistir devido a compromissos. Como estávamos em cinco, conseguiríamos ir em um carro só. Consegui contato com um hotel de Guaporé e reservei para nós 5, a maior preocupação era onde deixar o carro, pois iriámos de ônibus até muçum, e então subiríamos a ferrovia até retornar a Guaporé, o senhor do Hotel muito simpático falou que poderíamos deixar na garagem do Hotel, foi um alívio. Já liguei na rodoviária e peguei os horários de ônibus para nos organizar. Saímos de Coronel Vivida na quinta-feira, as 14:00hs no dia 06 de setembro, fomos a Pato Branco encontrar os piás e de lá continuamos com o carro de Cléber, que tinha espaço para colocar todas as mochilas cargueiras, foi uma viagem tranquila, paramos jantar em Casca/RS no Xis do Elvis, xis top. Chegamos no Hotel Rocenzi em Guaporé as 22:40, fomos bem recebidos. Como nosso ônibus saia as 7:30 com destino a Muçum, não daria tempo de tomarmos café no hotel, mas o tiozinho serviu o café da manhã mais cedo para que conseguíssemos comer antes de ir. Embarcamos no Ônibus e fomos de pé pois não tinha lugar para sentar, uma hora depois estávamos em Muçum. Começamos nos arrumar para dar início a caminhada quando Jorge deu conta de deixou o celular no ônibus, a próxima parada era em encantado a 7 km a frente, então Jorge pegou um taxi e foi atrás do ônibus, voltou meia hora depois com o celular na mão e com a boca nas orelhas. Caminhamos alguns quilômetros dentro de muçum até encontrar a escadaria que levaria a Ferrovia. Iniciamos a ferrovia do trigo era passada das 9:30, no começo era tudo muito fácil, todos estávamos descansados e aquecidos, logo de início já encontramos a estação ferroviária de muçum, que está abandonada. Andamos mais de uma hora até chegar no primeiro túnel. Como o sol estava quente foi um alívio, pois no túnel é muito fresco e gostoso de andar, os dormentes são mais conservados e alinhados, facilitando andar sobre eles, tem um bom espaço lá dentro, em caso de o trem vir é possível se proteger apenas ficando encostado na parede. Esse não tinha cheiro de mofo, então não era muito extenso. Logo mais à frente passamos pela primeira ponte, essa não era muito alta e sua estrutura não era vazada, então foi bem tranquilo. Já era 13:00 e a fome estava chegando, paramos para preparar o almoço em uma sombra próximo a um túnel. Foi nessa parada que percebi que minhas panturrilhas e meus pés estavam muito doloridos, devido aos pedregulhos da trilha e o peso da mochila, mas foi só começar a andar e aquecer o corpo que as dores diminuíram. Mais alguns quilômetros e aparece o primeiro viaduto vazado, chegou a dar um frio na barriga de ver ele lá de longe. Andar nessa ponte foi uma emoção muito grande, a vista é espetacular, nos primeiros passos na parte vazada já é alto, tem que andar se concentrando nos dormentes para não ficar tonto, mas logo vai se acostumando e fica menos tensa a passagem. Chegamos ao Viaduto 13 ou Viaduto do exército como também é conhecido, é o maior viaduto férreo das Americas, sendo o terceiro maior do mundo, com seus 143 metros de altura. Aqui o plano era descer até o camping que tem logo a baixo e ficar por lá, mas como chegamos cedo, era 15:30, não acampamos ali. Resolvemos continuar para aproveitar o tempo, passamos por um grupo de vinha de Guaporé que nos deram algumas informações, nos disseram que mais uns 8km teria um camping ao lado do viaduto pesseguinho, que ficava no meio da travessia, foi então que decidimos fazer em dois dias em vez de três e seguimos até lá. Logo a frente chegamos no túnel onde tem as aberturas em formas de arcos. Lugar muito propício para lindas fotos. Chegamos na Cachoeira que se chama garganta do diabo, esse túnel foi feito para desviar o fluxo do rio, onde ele passa por baixo dos trilhos. Enfim chegamos no viaduto pesseguinho com o sol já se pondo, mais uma ponte vazada para atravessar, acampamos na casa recanto da ferrovia, com uma ótima estrutura, chuveiro com banho quente, área para preparar as refeições. O zé queria chegar e comer todas as batatas fritas que tivessem, o Randas queria uma cerveja, mas estava cagado de fome também, a noite estava com um céu muito estrelado, após montar a barraca deitei e fiquei lá por uma meia hora relaxando. 2º dia, um amanhecer com muita serração, conseguimos descansar bem, as dores eram menores, o Cléber fez alguns calos na sola dos pés, mas conseguiu continuar a jornada mesmo com as dores. Andar na ponte com cerração dá mais medo, pois parece que está mais alto devido ao nevoeiro, uma sensação muito legal, ficamos por ali fazendo algumas fotos e seguimos com a caminhada, pois já era 9:30 e precisávamos chegar no fim da tarde em Guaporé. Nesse segundo dia, ainda tinha 24km para percorrer, no início da caminhada as dores eram grandes, mas foi só começar a caminhar que logo foi diminuindo, as paisagens eram muito lindas, com a serração ainda presente nos rendeu lindas fotos. Passamos por mais alguns túneis e pontes, e o tão esperado túnel de 2km, que foi uma meia hora para atravessa-lo, esse tinha cheiro de mofo, por ser longo. O cansaço e as dores já nos dominavam, não foi cansativa a caminhada, mas sim dolorida, caminhar sob dormentes e pedregulhos com uma mochila de uns 15 kilos acaba dificultando, começamos a fazer mais pausas, para relaxar, cada retorno de caminhada era um sacrifício, pois a musculatura esfriava e as dores voltavam, mas como eu sempre digo, quando mais difícil for, maior a sensação de conquista e prazer de ter conseguido concluir. Chegamos a Guaporé era passada das 17:00. Concluindo, andamos 50km de trilhos em dois dias, nunca havia feito nada igual, andar em terreno onde só tem pedras é totalmente diferente que andar em trilhas de mato, exige mais preparo e uma boa bota com solado mais firme, mas tive muitos aprendizados que levarei para minha vida, fiz grandes amizades, nos divertimos muito, registramos todos os momentos, por trás de todas essas fotos tem uma grande história. Até breve!
  18. 9 pontos
    Ressalto que; esse texto à seguir foi publicado por mim mesmo no grupo do Mochileiros.com no Facebook. E segue o baile; Para Vocês que buscam aplicativos úteis para sua viagem/mochilão roots, segue a lista; 🌎Worldpackers - App para encontrar o seu work exchange(trabalho voluntário) em hostels, guesthouse's, ong's, ecovilas(e muito mais) e em troca recebe acomodação, um lanche, lavanderia e as vezes até almoço, super indico! E aproveita que o Mochileiros.com tem um código de desconto super bacana, basta inserir a palavra mochileiros no campo Código Promocional. 🏄‍♂️Couchsurfing - Funciona de forma similar ao worldpackers, é basicamente "uma rede social que faz a conexão entre viajante/mochileiro que quer hospedagem grátis durante uma viagem," em troca geralmente o hospede fornece uma ajudinha básica ou somente uma troca de conhecimentos/idiomas, e o CS pode ser utilizado de forma gratuita,. 🗺️MAPS.ME - Maaaaaaano do Céu, esse salva vidas quando não se tem internet hahaha! É simplesmente um app que funciona como GPS, podendo fazer o download do mapa da localidade para o lugar onde queres visitar/conhecer e utilizar. Detalhe; funciona em tempo real. - Se curtiram esse textinho, comentem abaixo! Ou compartilhem suas experiências. **precisando de uma ajudinha ou dica? É só me chamar no instagram.com/LCoteOficial
  19. 9 pontos
    @Silnei As pessoas deixaram de serem membros de comunidades para se tornarem protagonistas de seus próprios blogs e perfis de rede social e muitos já perceberam que esse caminho abriu um buraco que não foi e não será tapado com essas ferramentas. Esse novo cenário criou meia dúzia de pseudo celebridades, cada um na sua área e uma multidão de "ninguéns solitários" sedentos por likes. Kkkkkkkk Tem gente que foi ali, e acha que sabe tudo de viagem, pior que tem gente que acompanha. Certa vez num relato que postei, um participante perguntou para mim, pq eu ainda continuava a postar, visto que ninguém participava dele(relato) aqui no site. Simples, não estamos aqui atrás de like, aqui é onde escrevemos nossas historias que irão ajudar alguém por ai. Um dia estava fazendo o Caminho dos anjos ao contrário, encontrei com um senhor fazendo o caminho normal, depois de um bate papo, ele disse que estava fazendo o caminho seguindo o meu relato que postei aqui(tirou as copias dele da bolsa e me mostrou), aquilo foi a prova para continuar.....vai ajudar alguém ali na frente com certeza. Silnei, vamos continuar com a mesma pegada, só tenho a te agradecer por diaponibilizar esse espaço para todos nós. ..segue o baile!
  20. 9 pontos
    Oiee! Voltei pra contar mais um pouquinho da minha trip! 24/12 – USHUAIA – EL CALAFATE Dia de me despedir de Ushuaia. Confesso que a primeira cidade me surpreendeu, não estava com as expectativas muito altas. Fiz o trajeto Ushuaia – El Calafate de avião, comprei todos os trechos juntos na opção multidestinos que a Aerolineas oferece. Meu voo saiu ainda de manhã, então não consegui fazer nada. Dividi o Remis até o aeroporto com dois meninos que estavam no hostel comigo e custou o mesmo preço da vinda ARS 300. O voo até El Calafate é curto, apenas 1h e a vista é de tirar o fôlego. Você pousa nas margens do Lago Argentino, o contraste da água azul com a vegetação seca é linda. A empresa mais tradicional que faz o transfer até o centro de El Calafate é a Vespatagonia e estava custando ARS 250 o trecho e o taxi por ARS 750. Estava com o dia livre, cheguei ao Hostel no início da tarde, arrumei as minhas coisas com calma. Os meninos que conheci em Ushuaia estavam no mesmo hostel que eu, então fomos atrás de algum lugar para almoçar, conhecemos um pouco da cidade e fomos ao mercado comprar algumas coisas para preparar nossa ceia de Natal. Mais tarde fui até a rodoviária comprar as passagens para Puerto Natales e El Chaltén, ela fica aberta até 21h ou 22h, não tenho certeza. Não consegui comprá-las, não lembro o motivo e fiquei de voltar no dia seguinte. Chegada em El Calafate Rua Principal 25/12 – EL CALAFATE – DIA LIVRE El Calafate é uma cidade muito simpática, fotogênica, organizada e limpa. O clima não é tão doido como Ushuaia. Meu objetivo era ficar lá somente para fazer o minitrekking no Perito Moreno, mas como não consegui vaga para o dia 25, precisei ficar um dia a mais e realizar o passeio no dia 26, dessa forma fiquei com o dia de Natal livre. Me dei ao luxo de enrolar na cama, tomar um café da manhã mais tarde e depois sair sem rumo pela cidade. Caminhei até a Laguna Nimez e tive a ideia de alugar uma bicicleta, voltei para rua principal, procurei na internet, perguntei em algumas lojas e nada. Muitos comércios estavam fechados e abririam mais tarde devido ao feriado de Natal. Já era meio-dia quando entrei em um kiosco, comprei alguns alfajores, sentei em uma mesinha fixa na rua em frente a uma sorveteria que tinha wi-fi e estava fechada. Fiquei ali matando um tempo, quando um senhor muito simpático pediu licença e sentou no banco ao meu lado. Começamos a conversar. Harry é suíço e tem cidadania argentina. Está rodando a Argentina desde abril/2018 e já havia feito 60.000 km sozinho em seu furgão. Conversa vai, conversa vem, Harry me convidou para dar uma volta pelo Lago Argentino, ele também tinha recém chegado em El Calafate e não conhecia nada. Sim, EU FUI! 😂 Me senti confortável e bem em fazer isso. Podem me chamar de louca ou o que for, mas foi muito legal. Conversamos bastante. Ele me contou que tocava em uma banda, mostrou as musicas que gosta de ouvir. Relatou várias das suas aventuras e viagens de moto pelo mundo. No meio da conversa descobri que ele estaria em El Chalten nos mesmos dias que eu. O Lago Argentino é surreal, nem acreditava no que estava vendo. O céu estava limpo e deixava a água ainda mais azul. Fomos para o lado esquerdo do lago, pegamos ruas de barro e as paisagens só ficavam mais encantadoras. Às 15h voltamos para nosso ponto de partida, trocamos contatos, batemos uma foto e retornei para o hostel. Lago Argentino. Juro que esse azul é real! Eu e o Harry Esse é o Harry, mostrando com o maior orgulho todo o caminho que ele já percorreu pela Argentina. O que está pintado de rosa ele já fez! Objetivo de vida 😍 Às 17h voltei para a rua principal em busca de uma bicicleta para alugar e finalmente encontrei. Anotem ai: Baft Travel, Rua 9 de julio, 57. O aluguel por 1 hora estava ARS 150 e 3 horas por ARS 300. Peguei uma bike e sai sem rumo, encontrei ruas lindas, cheias de árvores, campos com flores e depois fui até o Lago Argentino novamente, grande erro. O vento estava forte e foi difícil pedalar, viu?! Kkkkk Depois de devolver a bike, fui até o Mako, um barzinho que o pessoal do hostel havia indicado, bem gostoso por sinal. Tem mesinhas na área interna e externa, servem petiscos, chopes e cervejas, recomendo! Quanto tirei essa foto passava das 20h, o céu estava assim limpinho e com o maior solzão! Me perdi algumas vezes no horário por causa desses dias eternos 😂 Mais tarde passei na rodoviária para comprar os tickets para Puerto Natales e El Chaltén. Comprando ida e volta para El Chalten tinha um descontinho e saiu por ARS 1.500. Puerto Natales comprei a ida por ARS 950. A atendente não estava conseguindo emitir o ticket de volta, então deixei pra comprar depois. 26/12 – EL CALAFATE – PERITO MORENO E MINITREKKING Comprei o minitrekking diretamente com a Hielo&Aventura (http://www.hieloyaventura.com/HIELO2015/index-port.htm) essa é a empresa que detém os direitos desse tipo de passeio no Perito Moreno. Independente de qual empresa você comprar, fará com a equipe deles. Há dois tipos de passeios para andar sobre o Glaciar: o minitrekking que consiste em 1h30 de caminhada e o Big Ice com 3h de caminhada. Os preços atualizados estão no site deles. Também é possível escolher a opção com ou sem transfer. Se optar pele transfer, eles te buscam no local que você está hospedado. Me buscaram no horário combinado, o trajeto até o Parque Nacional Los Glaciares é de mais ou menos 1h30 à 2h. Na entrada do parque você precisa pagar o ingresso, são ARS 700 (este ingresso não está incluso no valor do passeio). Quando entramos no parque a guia começa a explicar sobre o parque, manutenção, flora e fauna e como as coisas funcionam por ali. Antes de realizar o minitrekking a guia explica algumas coisas sobre o Glaciar Perito Moreno e nos deixam livres por umas 2h para explorar as passarelas e comer algo. Elas são divididas por cores: amarelo, azul, vermelho e verde. Escolhi azul e amarelo para desfrutar o Perito Moreno. As passarelas vermelhas são viradas para o lado que iriamos mais tarde fazer o minitrekking e a verde no meio de uma floresta, não achei muito interessantes e preferi deixa-las de lado. O Perito Moreno é tudo isso que falam mesmo! É grande, lindo, majestoso! Nenhuma foto que eu colocar aqui vai conseguir demonstrar a imensidão desse gigante de gelo. Apesar do seu tamanho todo, ele está em constante movimento, causando estrondos que parecem trovoadas. Basta você ficar um tempinho parado que poderá presenciar algum desprendimento. É emocionante 😍 Passarela Azul Vista do Perido Moreno da passarela azul Encontrei o grupo no horário combinado, entramos no ônibus para ir até o local que sairia o barco. A navegação dura cerca de 25 minutos e nesse percurso vemos o glaciar por outro ângulo. Desembarcamos e dividiram o grupo em espanhol e inglês. Depois fomos direcionados para uma espécie de refúgio, onde há banheiro e espaço para deixar as mochilas. Antes de iniciar a caminhada o guia explica várias coisas sobre os glaciares em geral, não só sobre o Perito Moreno. Em seguida fomos encaminhados para prender os grampones nas botas. Esses grampones servem para ter mais firmeza ao andar sobre o gelo. Ao iniciar a caminhada o guia vai mostrando como usar os grampones e caminhar de forma correta sobre o gelo em diversas situações, subidas, descidas, etc. tudo para evitar algum tipo de acidente. No começo o gelo está sujo, mas conforme vamos avançando para partes mais altas, vai ficando limpinho e é possível ver “piscinas” que se formam com o derretimento do gelo, formações e paredes de gelo que me fizeram sentir em outro planeta. O cenário muda o tempo inteiro, não há uma trilha fixa a ser seguida. O passeio pode mudar de um dia para o outro devido às condições do glaciar. Depois de 1h30, as pernas já estavam cansadas e para finalizar o passeio é servido um whisky com gelo do glaciar. O whisky não é bom, mas vale a experiência. Dicas sobre o minitrekking: - O uso de luvas é obrigatório durante o passeio, se você não tiver, é só pedir para o guia; - Use óculos de sol e passe protetor solar, o gelo reflete muita claridade o tempo inteiro; - Leve comida. Só vi um restaurante dentro do parque, e nem preciso dizer que os preços devem ser absurdos. Levei algumas empanadas e uma maçã, como é frio não tem perigo de estragar; - Pode beber a água do glaciar. É geladinha e pura, uma delicia; - Obedeça seu guia! Não seja aquele cara chato que fica indo aonde não pode e atrasando o grupo kkkk - Façam esse passeio! É uma experiência única e totalmente diferente de tudo que já fiz na vida! Vale cada centavinho gasto, juro! De maneira geral a administração do parque funciona bem, tudo preservado e limpo. As passarelas estavam em excelentes condições. O passeio também cumpriu com o combinado, foram pontuais e sempre simpáticos. Hora de voltar para El Calafete. Vim dormindo o caminho inteiro, acordei apenas no centro da cidade. Antes de jantar fui até a rodoviária, pois precisava comprar o ticket de volta de Puerto Natales. Fui até a empresa que tinha comprado os outros tickets e para minha surpresa não haviam mais vagas. Pedi informação para atendente, que me indicou outras duas empresas que faziam esse trajeto. Na segunda empresa, para meu desespero, também não tinha.😨 Estava na fila da última empresa que poderia ter passagem, imaginando como faria um cartaz bem lindo para pedir carona de Puerto Natales até El Calafate 😂😂 Mas no fim deu tudo certo e comprei a passagem por ARS 1.000. Minha visão geral é que El Calafate não é uma cidade para quem busca aventura, os passeios são caros e você encontra um público mais velho. Mas vale a visita, como falei antes, a cidade é bonita e dá pra dar uma relaxada no meio da viagem. Hospedagem em El Calafate: Folk Hostel. Meu preferido da viagem. Tudo novinho, organizado, muito limpo e cheiroso. Os quartos são espaçosos e camas confortáveis. Cozinha espaçosa e bem equipada. Todos da equipe foram sempre muito queridos e simpáticos, pedi para deixar as minhas malas lá alguns dias depois da minha hospedagem e não houve problemas. Está há 400m da rodoviária e a poucos minutos do centro, pra mim não foi problema. Tem um café da manhã bem gostoso. Além de serem super amigos dos animais, sempre tinha algum cachorro dormindo pela área comum. Só ponto positivo para esse Hostel. ❤️🐶 Quarto compartilhado Área comum com sofás e balanços Meu cachorro durante os dias que fiquei em El Calafate Desculpa o tamanho dos relatos, eu falo demais hahahaha Qualquer coisa podem me perguntar 😉 Até mais😘
  21. 9 pontos
    Olá pessoal, venho aqui humildemente relatar minha experiência, a viagem que eu fiz para Portugal, do dia 25-12 a 02-01-19. Como fiz tudo de maneira bem econômica, pode servir de informação para alguém com planos parecidos. Resolvi fazer só Portugal, gosto de envolver com um país por vez, acho que a experiencia fica mais rica. A imigração foi supertranquila, perguntou qual era meu destino, quanto tempo eu iria ficar, onde eu iria ficar hospedado, e depois repetiu a pergunta até que dia eu iria ficar. Hospedagem: Resolvi ficar hospedado somente em Lisboa e fazer outras cidades no esquema de bate e volta. Fiquei em um hostel no bairro de Misericórdia, perto do centro. Transporte: O transporte coletivo, em Portugal funciona extremamente bem, é muito tranquilo andar de metro, ônibus, bonde e trem. 25-12 Cheguei pela manhã em lisboa, como era feriado, não tinha nada aberto. Minha ideia era comprar um Chip de dados no aeroporto, só que estava fechado a loja. Tinha que arrumar um transporte para o centro. Fui para o metro, fica bem na saída do aeroporto. Para usar o metro e necessário ter um cartão chamado, Viva Viagem. Em todos os metros tem uma maquina de autoatendimento onde é possível carregar o cartão e se você não tem um cartão é só solicitar o cartão na mesma maquina. Adquirido o cartão e só recarrega-lo toda vez que for usar o metro. O cartão custa 0,50 euros, e uma viagem do metro custa 1,45 euros. Eu achei que não ia conseguir. pois a maquina só aceitava moedas e notas de até 10 euros e eu só tinha notas de 50 euros. Resolvi tentar usar meu cartão Nubank e não é que deu certo, as maquinas aceitam cartão internacional. As estações de metro de lisboa são super bem sinalizadas e cheias de informação. Olhei o mapa e indicava que deveria pegar essa linha vermelha do aeroporto, descer na estação Alameda e tomar a linha verde, rumo ao centro da cidade. Quando fui mudar de linha no metro, vi uma lojinha de celular aberta e comprei o chip de estava querendo, 15 euros, 5 giga de dados de internet por até mês. Fui procurar o hostel . Os checkin's em portugal são bem tarde só depois das 15:00. Mas eles deixam você deixar suas coisas e voltar mais tarde. Larguei tudo no hostel e fui bater perna pela cidade. Estava bem cansado da viagem e fiquei mesmo só andando sem pressa, fui até a praça do comercio, fiquei ali andando pelas margens do Rio Tejo. Mas tarde eu fui para o Miradouro São pedro de alcantra, onde tinha músicos de rua, varias barracas de comida e bedida da boa. Fui dormir cedo. 26-12- City tour, Castelo de São Jorge, Museus A primeira coisa que sempre gosto de fazer quando a disponibilidade é um City Tour. Achei na internet um Free walking tour que começaria as 10:30. Antes do tour começar eu vi uma barraca de apoio ao turista e resolvi comprar um Lisboa Card. Esse cartão tem validade de 24, 48 ou 72 horas e dá acesso gratuito e vários museus, descontos, e acesso gratuito a todo transporte urbano de lisboa. Comprei o de 48 horas. Não consegui achar um tour em português, só em espanhol e inglês. Escolhi o em inglês, no ponto de encontro tinha vários brasileiros todos eles foram fazer o tour em espanhol. No meu só tinha japoneses e franceses. O tour foi bem bacana ficamos rodando pelo bairro alto e pelo baixo chiado. Muita informação local e histórica. Toda vez que o guia ia falar alguma coisa relacionada ao Brasil ele olhava pra mim e perguntava se estava certo a informação. O tour durou cerca de 2 horas e meia. No final você contribui se quiser com quanto quiser. Terminado o tour fui comer alguma coisa e começar a usar os benefícios do meu Lisboa Card. Fui ao Castelo de São Jorge (desconto entrada lisboa card). Vista maravilhosa da cidade. Depois fui ao museu teatro romano, museu militar e museu do azulejo. Todos museus gratuitos com o lisboa card. A noite, peguei o metro e fui visitar o Shopping Colombo, é gigante, dá até para se perder. Alguns dizem que é maior shopping da Europa. Acabei aproveitando a oportunidade para assistir o filme do Aquaman, era em IMAX, uma tecnologia que ainda não tinha experimentado. 27-12 - Belém Tirei o dia para ir a Belém, e não me arrependi é espetacular. Não há linhas de metro, então fui pegar o bondinho, chamado de elétrico, 15E, ele leva exatamente para lá. Desci ao lado do Mosteiro dos Jerônimos. Ainda eram 9:00 e resolvi começar provando dos famosos pasteis de belém, muito saborosos. Depois visitei o mosteiro, lugar muito bonito. Ao lado do mosteiro tem o Museu de arqueologia, ambos free com lisboacard. Desci então a praça ao lado do mosteiro para achar o monumento Padrão do descobrimento. Depois voltei um pouco caminhando até o museu dos Coches e o museu MAAT. Faltava a cereja do bolo, e para terminar fui visitar a magnifica torre de belém. 28-12 - Sintra Ir de Lisboa à Sintra é bem simples. É só pegar o trem que sai da estação Rossio. Dá para aproveitar o mesmo cartão do metro, desde que ele esteja vazio, então só comprar na maquina a passagem. Peguei o comboio das 09:00 e 09:40 eu já estava em Sintra. Tirei a parte da manhã para visitar a Quinta da Regaleira, um dos lugares que eu mais queria visitar nessa viagem, e realmente não me decepcionei. Tem ônibus, mas achei caro 5 euros, e caminhei por cerca de 20 minutos até a entrada do parque. O lugar é imenso, fiquei umas três horas explorando o lugar e não foi suficiente para ver tudo. Voltei para o centro da cidade, almocei e fui pegar o ônibus 434 circuito pena. Desci no Castelo dos Mouros e fui explora-lo. A grandeza das muralhas e a vista que se tem do alto do castelo é de tirar o folego. Depois fui ao parque da pena, o lugar é imenso e explorei mais o palácio, ponto principal do parque e fui a alguns jardins. Começou a descer uma nevoa que dificultava até a andar e decidi encerrar minha visita. Voltei para o centro da cidade, fiz um lanche e fui para estação de Sintra pegar o comboio de volta para Lisboa. Ficou a sensação que se a viagem já tivesse terminado teria valido a pena. Dia 29-01 - Évora Para ir à Évora existem duas possibilidades, de trem ou ônibus. Os valores são bem parecidos e o tempo de deslocamento também. Optei por ir de ônibus, pois, os trem tem poucos horários disponíveis, já ônibus tem muitos horários, flexibilizando a viagem. Os ônibus saem do terminal rodoviário Sete Rios, dá para chegar lá rapidamente de metro pegando a linha azul e descendo na estação Jardim Zoológico. Cheguei em Évora e fui caminhar até centro histórico. Apesar de ter muitos turistas, a cidade tem um ar de muita tranquilidade. Escolhi visitar primeiro o templo romano, então coloquei no gps do celular e fui. No caminho cai bem na praça do Giraldo um dos lugares mais importantes de cidade onde tem uma belíssima igreja e os principais restaurantes da cidade. Visitei o templo, tirei umas fotos, bem em frente ao templo tem um pracinha bem tranquila, vale uma parada para tomar um café. Bem perto dali está a catedral de Évora, muito bonita. Tem varias opções de entrada. Eu peguei a completa e fui visitar a igreja, o claustro e o telhado. O telhado se tem um bela vista da cidade, vale a pena perder uns minutos só contemplando os vales que se perdem a vista. Depois fui visitar a bizarra capela dos ossos. O lugar é pequeno, mas vale a visita para tirar umas fotos e conhecer a história do lugar. Além da entrada na capela o ingresso também da direito a acessar algumas exposições que tem nos pisos superiores do prédio ao lado. Tinha uma exposição de presépios bem bonita, devia ter uma centena deles, de diversos tipos e materiais. Voltei para a praça do Giraldo, comi um lanche, e percebi que estava meio cansado e então resolvi voltar para terminal de pegar as 17:00 o ônibus de volta para Lisboa. Dia 30-12 - Cascais e Cabo da Roca Muito simples ir a Cascais desde Lisboa, é só pegar o trem que sai em intervalos curtos na estação Cais de Sodré. Cheguei em Cascais e já percebi a diferença na arquitetura da cidade, grandes mansões e casas de praia. Sai da estação e fui em busca de ver as praias próximas, apesar de pequenas são lugares até charmosos e bonitos. Por incrível que pareça a temperatura ambiente era 10 graus e tinha gente tomando banho. Visitei algumas praias, fiquei um tempo contemplando a paisagem, depois fui caminhando até a boca do inferno, ponto turistico. Voltei para o centro para almoçar. A tarde fui pegar um ônibus que leva ao famoso Cabo da Roca, o ponto mais ocidental do continente europeu. A estação de ônibus fica bem perto da estação de trem, a linha é a 403, que faz a rota de Cascais até Sintra e para no Cabo da Roca. O lugar é fantástico, uma paisagem muito bonita e uma energia muito boa. Passei horas simplesmente sentado contemplando o oceano e as formações rochosas. 31-12 Lisboa - Parque das Nações, Oceanário, Estádio do Benfica, réveillon. Ultimo de dia do ano, resolvi conhecer o parque das nações, fácil de chegar pela linha vermelha do metro, descendo na estação oriente. Fui ao Shopping Vasco da Gama. Depois desci para visitar o Oceanário de Lisboa, sensacional fauna marinha. Fiquei dando umas voltas pela região. Depois fui para outra ponta da cidade conhecer o estádio do Benfica. Infelizmente o estádio não estava aberto para visitação e visitei só o museu. Para encerrar fui a noite para o show da virada na praça do comercio, onde acompanhei a belíssima queima de fogos. 01-01 - Almada Nesse dia eu não tinha programado nada para fazer, acordei por volta do 12:00 devido a noite de réveillon. Acordei bem disposto e resolvi visitar o mercado da ribeira, não tinha muita coisa aberta, mas a gastronomia estava e deu para almoçar um belo Bacalhau a Braz. Ao caminhar pela beira do Tejo pensei porque não ir até o outro lado rio e assim o fiz. Tem uma estação hidroviária que leva de barco até Casilhas em Almada, viagem rápida, menos de 15min. É muito bonito ver Lisboa na outra margem, fiquei ali sentado um bom tempo contemplando-a. Explorando o lugar vi que tinha uma linha de ônibus que levava até o Santuário do Cristo e resolvi conhecer o lugar. O Santuário é muito bonito e vale a pena ser visitado até mesmo se você não for religioso. O miradouro de lá da uma vista fantástica de lisboa e em especial da ponte 25 de abril. 02-01 Porto Era um grande dilema ir ou não fazer um bate e volta até a cidade do Porto. Eu já sabia que a cidade merecia vários dias de roteiro, tempo com o qual eu não tinha. Há vários dias antes eu fiquei pensando se valia o risco de fazer uma coisa corrida dessas, pois é uma viagem longa e com certeza o dia ia ser muito corrido. Acabei achando na internet um relato de um viajante que tinha feito um bate e volta lisboa-porto e gostei do roteiro ( https://www.umviajante.com.br/portugal/127-roteiro-do-porto-portugal-parte-um ). Praticamente eu fiz o mesmo roteiro do rapaz, só a diferença que eu cheguei mais cedo e fui primeiro no estádio do clube do Porto. Peguei o trem as 7h em Lisboa na estação Santa Apolônia e por volta de 10h eu estava no Porto. Usei metro também, o esquema do é bem parecido com de Lisboa, tem que adquirir um cartão, que nesse caso se chama Andante. Primeira parada foi no estadio do Dragão, casa do Clube do porto, o metro te deixa na porta do estádio, dei sorte cheguei bem na hora que iria começar a visita guiada pelo estádio. Muito bonito conhecemos tudo dentro da arena, sala de imprensa e vestiário, gramado e arquibancadas vips. Visitei também o museu que conta toda história do clube, bem bacana e interativo. Peguei o metro até a estação trindade e de lá em peguei a linha amarela que leva até Vila Vila Nova de Gaia. Desci na estação que logo depois da passagem sobre a famosa Ponte Luiz I, meu objetivo. Sensacional a vista!!!!! É esplendido o rio Douro e a Ribeira vista de cima da ponte. Voltei caminhando por cima da ponte até o lado do Porto e desci para a ribeira. Fiquei um tempo por ali contemplando e curtindo os músicos de rua. Resolvi me dar o luxo de almoçar por ali naquela vista maravilhosa das margens do Rio do Douro. Resolvi experimentar a famosa francesinha acompanhada do famoso vinho do porto. Ali perto da ponte tem um funicular que leva até a parte alta do centro histórico e desci perto da praça Batalha. De lá segui andando até a catedral da Sé, muita bonita. Depois visitei algumas praças que tem por perto e foi ver a torre dos Clérigos. Fui também conhecer a famosa livraria Lelo, também conhecida como livraria do Harry Potter. Estava meio tumultuada, muito lotada, mas o lugar é muito bacana e bonito. Também dei uma passada na estação são bento, onde tem belos azulejos, fui a praça da liberdade fiquei um tempo por lá. Esse trajeto foi perfeito para eu chegasse na estação trindade e pegar o metro de volta a estação de trem de campanha e as 19h eu estava voltando para Lisboa. Valeu a pena fazer o bate e volta, mas realmente a cidade do Porto merece mais tempo de visita, tem lugares fantásticos. Um dia eu volto quem sabe. E na manhã seguinte bem cedo, para minha tristeza, voltando para o Brasil. The end.
  22. 9 pontos
    EXPEDIÇÃO 4x4 - Curitiba a Uyuni e Atacama via Jujuy e Paso Sico (15 dias em Novembro de 2018) Após ir de São Paulo a Fortaleza via Jalapão e Lençóis (relato aqui), foi vez de se inspirar neste blog e se aventurar de Toyota Bandeirante rumo a Bolivia, Chile e Argentina. Principais pontos: Argentina: Jujuy (Tilcara, Purmamarca, Humahuaca) e Cafayate. Bolívia: Salar do Uyuni e Chiguana, Deserto de Siloli, Reserva Eduardo Avaroa, Lagunas, Geiser Sol de la Mañana. Chile: San Pedro de Atacama e atrações Duração: 15 dias e 6.854 km, 700 L de diesel Veículo: Toyota Bandeirante 4x4 jipe curto, ano 2001, motor diesel 14B com Turbo (K16) e intercooler, pneus AT 32", jumelos conforto, A/C e DH, guincho Equipamentos: Pá, macaco hi-lift, esteira de desatolagem, 45L diesel adicionais em galões, bomba encher pneus, extenso kit de ferramentas e peças sobressalentes Viajantes: Gustavo e seus pais Eli e Joel (idades: 33, 60 e 62 anos, respectivamente) Navegação: Aplicativo “maps.me” com mapas offline e bookmarks previamente marcados Hospedagem: pousadas via booking.com, porém estávamos preparados para dormir no carro e de fato o fizemos 1 noite Fronteiras: Dionísio Cerqueira-SC (BRA) - Bernardo de Irigoyen (ARG); La Quicaca(ARG) - Villazón(BOL); Hito Cajon (BOL-CHI); Paso Sico (CHI-ARG) Obs: Viagem para 4x4 apenas, e requer pneus resistentes devido ao terreno e pedras. Usamos bastante creme labial e hidratante, protetor solar, e quantidade absurda de ÁGUA. Parte A – Curitiba a Jujuy (2.128 km em dois dias) Dois dias de bastante estrada. Saímos cedo para cruzar o Paraná e pegar a fronteira de Dionísio Cerqueira-SC, que é menos movimentada que a de Foz, além de encurtar caminho para nós. Os procedimentos foram rápidos e feitos de dentro do carro. Carta Verde foi solicitada duas vezes no processo, acho que mudou uma regra e não rola mais fazer o seguro após cruzar para a Argentina. Após entrar, pediram para estacionarmos o carro e irmos fazer mais um trâmite em outro prédio, foi tranquilo. Saímos com carimbo em uns pequenos papéis (boletas) que depois nos pediram várias vezes em hotéis e fronteira. Já na Argentina, sacamos uns pesos em um caixa automático e avançamos até Posadas onde dormimos em um lugar excepcional chamado Irová Apart Hotel. Cruzamos o retão do Chaco em uma pegada de 1.200km que surpreendentemente não foi tediosa. Pelo contrário, achamos a paisagem agradável e o dia foi gostoso, acumulamos centenas de insetos no parabrisa e encontramos dois passarinhos atropelados: preso um na grade dianteira, e outro no guincho. Passamos por dezenas de barreiras policiais. Quase todas as vezes nos perguntavam origem e destino, e frequentemente nos paravam para pedir documentos e olhar o carro. Porém correu tudo bem. Vimos uma cobra grande morta na estrada, e outra viva que fez menção de “morder” nosso pneu. Vimos um tucano, muitas maritacas, e infinitos passarinhos. Estrada é ótima (com exceção de pequeno trecho no fim) e pouco movimentada. Dormimos em um apartamento em San Salvador de Jujuy, que é bastante urbana, desviando Salta pois nosso objetivo era avançar rumo a Bolívia. Parte B – Jujuy (ARG) e passagem para Bolívia Fomos a Purmamarca logo cedo. Além de simpaticíssima, a cidade é cercada por morros coloridos que propiciam vistas incríveis. Essa foto abaixo requer subir um mirante a pé por uns 20 minutos, valeu a pena. Há uma praça central com artesanato, e bastante fluxo de turistas. De lá fomos a Tilcara, onde almoçamos no centrinho na companhia de cães sarnentos e uma geladíssima cerveja – uma das poucas da viagem. Conhecemos as ruínas de Pucará de Tilcara que foram medianamente interessantes. Seguimos para Humahuaca, onde dormimos, e fomos conhecer a serra de Hornocal onde está o mirante das 14 cores. Esta estrada é bem íngreme e leva a 4.350m, nos propiciando os primeiros episódios de Soroche – mal da altitude. Nós sentimos basicamente perda de fôlego, que era facilmente resolvida com pausa + respiração profunda. A Toyota sobreaqueceu na subida da serra, exigindo que parássemos duas vezes. Na segunda parada, percebemos que o sistema de arrefecimento estava bem vazio e com pouco aditivo, o que assustou bastante pois havíamos completado o radiador com água pela manhã do mesmo dia. Na volta, o posto YPF tinha os aditivos (refrigerantes) que precisávamos para o radiador já que eu só carregava um litro no carro. Acordamos no dia 4 e encaramos 481km até a cidade de Uyuni, parando apenas na Duna Huancar (lagoa e duna interessante para visitar) e na fronteira em La Quiaca / Villazón onde a burocracia foi rápida, apesar da confusão com as diversas “janelinhas” onde deveríamos passar (inclusive acho que pulamos uma). Aqui tem o detalhe de pegar a declaração juradae tratar como um filho. Fizemos fotocópias dela e tiramos fotos de todos os celulares. Já saindo da imigração, um policial parou e ficou fazendo firula, aí pediu o equivalente a uns 20 reais por um carimbo... fui embora fingindo que nem escutei. Trocamos uns dólares e seguimos para a cidade de Uyuni, que é bastante seca e sem graça porém é o último lugar (semi-)civilizado pelos próximos 3 dias da viagem. Visitamos o cemitério de trens (sem graça) e ficamos em um baita hotel legal (Cristales Joyas de Sal) – nosso parceiro durante as crises noturnas de Soroche. Falando nisso, compramos uma garrafinha de oxigênio e umas pílulas aqui, que acabamos não usando. Enchemos o tanque naquele preço bacana para estrangeiros (8,8 versus 3,4 para locais) e ficamos prontos com 65+20+25 litros de diesel (isso é muito importante pois não há mais infra até San Pedro de Atacama, e maioria dos carros locais é a gasolina então precisa mesmo se garantir. Parte C – Salar do Uyuni e Chiguana Se ir pra Bolívia sem muito planejamento nem experiência já era uma baita cag*ada, partir para o Salar do Uyuni em um jipe antigo próprio, sem guia nenhum, levando os pais sexagenários para passar 3 dias isolados, sem infra e incomunicáveis era realmente o ápice da irresponsabilidade! Tínhamos lido na internet o suficiente para saber que muita coisa poderia dar errado. Os relatos de perrengues homéricos e fatalidades são abundantes. Mas bah, o dia clareou e adentramos no Salar sem pensr muito, só com o frio na barriga. A euforia foi grande ao ser engolido por aquela imensidão branca! Chegamos nos monumentos (Dakar, Bandeiras, Palácio de Sal) cedo e já quebramos a regrinha de 10 fotos por dia que queríamos tentar respeitar como máximo. O solo estava bastante rígido como uma highway, e o track do GPS coincidia com marcações de pneus pelo trajeto. Paramos pra tirar fotos e vimos apenas um ou dois carros no horizonte durante toda a manhã. Dirigimos uns 65km rumo a ilha de Incahuasi (cactos gigantes), com a curiosidade de que a pequena ilha já era visível desde uns 25 km antes como se estivéssemos chegando! Visitar a ilha foi bem bacana, tanto pela infraestrutura impecável como pelo visual show do Salar, das demais ilhas, e dos antigos cactos gigantes. Muitas agências turísticas somente vem até aqui e retornam a Uyuni, porém nós seguiríamos por mais duas noites sem muita clareza do caminho então pegamos logo “a estrada” com a Toyotona, desta vez rumo extremo sul do Salar do Uyuni. Ao avistar “terra firme”, sentimos grande alívio de que a tenebrosa e incerta fase da viagem estava prestes a ser vencida. Chegamos a dizer que o Salar não era tão macabro e que “dá pra vir de fusca tranquilamente”... mas é claro que mordemos a língua e os últimos 200 metros tinham atoleiros profundos que freavam a Toyota muito melhor que seu próprio freio e exigiram alguma perícia no 4x4 para sairmos ilesos do outro lado. Agora sim, em terreno firme, achamos uma sombrinha de pedra e cozinhamos um strogonoff pra comemorar! Próxima parada seria a noite para dormir no alojamento da Laguna Hedionda, para onde íamos seguindo um track do Wikiloc que passava por dentro um outro extenso Salar (de Chiguana), paralelamente a um trilho de trem. De fato, precisávamos cruzar o trilho mas ele estava em um morro muito alto, até que achamos um ponto onde os locais ajeitaram o morro para poder passar de carro. Cruzamos o trilho e voltamos pro track do Wikiloc, porém o terreno já não estava tão rígido e a Toyota ia dando o melhor de si de atoleiro em atoleiro, até que entramos em um trecho onde o sal simplesmente quebrava e dava lugar a um lodo super mole que foi freando, freando, freando até que freou completamente nossa pesada Bandeirante. Atolamos! Bom, nem deu tempo de lembrar daqueles relatos macabros de viajantes que passaram 3 dias atolados e isolados, morrendo de frio nas noites do deserto... pegamos a pá e começamos a tirar os toletes de barro que bloqueavam nossos diferenciais, jumelos, sapatas, etc. Coletamos uns pedaços rígidos de areia e fomos colocando junto aos pneus, além de pequenas tábuas que carregávamos conosco. Tudo parecia ok, “vamos tentar sair?” mas o jipe apenas patinava as 4 rodas de uma vez sem se mexer sequer 1 cm. Já passava das 17hs e logo cairia a gélida noite. Não havia a menor possibilidade de encontrar alguém por ali, e a cidade mais próxima estava a dezenas de quilômetros, então o jeito era continuar trabalhando sem dar menor atenção ao Soroche que provavelmente nos tentava assolar. Enquanto Seu Joel retirava meia tonelada de barro de baixo da Band, Dona Eli rodou o perímetro a pé e encontrou uma carcaça de pneu estourado que serviria para calçar uma das rodas traseiras. Na outra roda, usaríamos nossa esteira de desatolagem. Para levantar a traseira e desenterrar o diferencial, usamos o macaco Hi-lift. Baixamos o macaco e a situação parecia melhor: com as rodas traseiras agora apoiadas, havia menos coisas presas no barro. O terreno a frente já começava a ficar mais rígido, então bastava vencer uns 2 metros de atoleiro. Porém pouco conseguimos avançar, ainda patinavam as 4 rodas repletas de barro. Repetimos a operação. O pouco progresso, no entanto, já permitia andar um pouco de ré para pegar embalo, avançando uns centímetros a cada iteração. O incansável trabalho com a pá continuava abrindo espaço para o jipe se movimentar para frente, até que as 18 hs nós conseguimos sair do buraco! Gritei um milhão de palavrões e xinguei muito “Cochabamba” (não sei da onde me surgiu essa palavra na hora) pra comemorar. Decidimos voltar para o outro lado do trilho e seguir no caminho mais seguro (e longo) que levaria a uma cidadezinha chamada Avaroa, e de lá iríamos no dia seguinte para as Lagunas. Ainda dirigimos pela parte traiçoeira novamente no caminho de volta, quaaaase atolando. Já que não dava mais pra chegar no alojamento em prazo razoável, pesquisei no maps.me e vi 4 hotéis perto de Alvaroa com boa avaliação. Chegamos lá as 19h15 e encontramos uma baita placa de "ADUANA": a bendita cidade com 4 hotéis ficava no Chile, aquilo era - inesperadamente - uma fronteira! Estávamos em um vilarejo Boliviano que basicamente só tinha os containers da imigração e aduana, mais nada. Era desolador pensar em passar a noite ali, resolvemos tentar a todo custo atravessar a fronteira apenas para dormir bem do outro lado e voltar na manhã seguinte. Bati no container e um oficial boliviano me confirmou que já estava tudo fechado. Chorei um pouco alegando que não tinha onde dormir, que ia fazer muito frio a noite, e que eu sabia que do outro lado haveria hotéis, e o oficial simpaticamente fez uma exceção e nos recebeu. Após cancelar nossa declaração juradae cancelar os papéis que ganhamos na fronteira de La Quiaca, ele carimbou os passaportes saindo da Bolivia e mandou seguir. Sucesso!! Quer dizer, mais ou menos. Andamos 3 km e nos deparamos com a imigração Chilena fechada. Bem fechada, aliás, pois lá já eram 20h30 no horário deles. Encontrei um moço da Interpol e outro chileno que disseram que não havia a menor possibilidade de entrarmos na cidade para dormir e que seríamos presos imediatamente se não retornássemos. Ou seja, ficamos largados entre os dois países em um verdadeiro limbo, no meio de uma noite que já estava esfriando muito rápido. Me arrependi profundamente de ter tentando cruzar para o Chile, pois agora estava sem declaração juradae ia ter que me explicar mil vezes pra conseguir retornar oficialmente para a Bolívia no outro dia, sendo que poderia simplesmente ter estacionado em qualquer lugar e dormido sem nada dessa loucura. Como não tinha nada a perder, voltei para os containers bolivianos tentar fazer imigração novamente no meio da noite. Me informaram que eu só ia poder voltar pra Bolívia depois de entrar no Chile, pois já tinha dado baixa da Bolívia. Só que no dia seguinte já não me adiantava nada entrar no Chile, pois o caminho continuava pela Bolívia. Sei lá qual foi o chororô que funcionou, mas o pessoal começou gentilmente a me ajudar... refizeram a declaração juradapra eu entrar de novo, mas só iam me dar quando eu apresentasse carimbo de entrada no passaporte. Isso era no outro container onde ninguém me atendia. Já estava muito frio e tarde, e algum dos caras da aduana foi gentil ao ponto de ir buscar o oficial de imigração no alojamento dele no meio da noite e convencer ele a fazer nossa papelada. Esse cara apareceu fora de controle querendo me matar, batendo na mesa e gritando loucamente comigo... mas acalmaram ele, – como num passe de mágica – desfizemos toda a cagada e voltamos a estaca zero! Eram umas 21hs quando voltei pro lado Boliviano, parei o carro atrás de uma mureta (pra parcialmente abrigar dos fortes ventos), e dormimos o três dentro da Toyota como se fosse o melhor hotel do mundo – e, naquela situação, era!!! Parte D – Lagunas, Deserto de Siloli, Reserva Andina Eduardo Avaroa Acordamos enrolados em todas nossas roupas, saco de dormir e cobertor de emergência. Temperatura era negativa, mas por alguma razão nós dávamos muita risada e fazíamos piada da situação. Bora seguir caminho, pois este dia era talvez o mais lindo da viagem: primeiro, as lindíssimas Lagunas Cañapa, Hedionda, Chiar Kkota, Honda. Então cruzar o deserto de Siloli por um trajeto espetacular, seguindo uns fios de água (as vezes congelados) com vistas de tirar o fôlego (ou seriam os 4.950 metros que atingimos nesse dia?), e chegar na esplêndida Laguna Colorada. Na Colorada, fizemos nosso almoço com uma vista indescritível e nos ajeitamos no pobríssimo alojamento. Para o banho, tínhamos que ficar pelados primeiro, aí gritar “listoooooo”para que o antipático senhor abrisse a água. Só o cup noodlesque cozinhamos no fogareiro salvou do frio que senti depois do banho gelado que o véio me concedeu!! Dia seguinte acordamos sem pressa e fomos conhecer os Geiser Sol de la Mañana, uma cena realmente de outro planeta: Toda água mineral que levamos para os 3 dias fora da civilização tinham acabado e estávamos usando pastilhas de Clorin para purificar o que íamos beber. Na rota para San Pedro de Atacama, ainda tomamos banho em piscina termal (Thermes de Polques) na laguna Chilviri e passamos pelas belas lagunas Blanca e Verde. Chegando a fronteira com o Chile, nova supresa: “a aduana boliviana foi embora naquela Hilux senhor, eles não voltam mais hoje. Você precisará ir a Pachaca a 70km (ou 170, não lembro) fazer documentação de saída do seu veículo então retornar aqui”. Esse foi o anti-climax total.. eram 13hs, já tínhamos usado nosso galão reserva de 25L, e aquelas estradas péssimas iam comer horas e horas. Decidimos ignorar o conselho e seguir para o próximo checkpoint boliviano, onde encontramos um casebre de imigração fechado para almoço. Como mágica, seu Joel enfiou a cara numa janela e viu alguém lá dentro que, muito gentilmente, nos atendeu e carimbou os passaportes. Partimos sem o processo aduaneiro, agora em rodovia extremamente bem asfaltada e sinalizada assim que o território virou chileno. No Chile, fomos tratados com muito profissionalismo nos procedimentos e verificaram bem o conteúdo das nossas bagagens (por segurança alimentar/agrícola). Pegamos então a descida incrível que vai do Hito Cajon até San Pedro do Atacama. Parte E – San Pedro de Atacama, Paso Sico, Cafayate-ARG Foi muito bom chegar em San Pedro do Atacama e comer uma boa refeição, tomar um bom banho, dormir em uma boa cama. Passamos 4 dias excelentes em SPA fazendo os passeios tradicionais que nem vou detalhar pois são bem documentados no site, mas reforço que gostamos muito das Lagunas Escondidas de Baltinache e achamos caríssimo o Geiser del Tatio (15000 pesos por pessoa). Por sina, preços no Atacama foram bem maiores que no restante da viagem. Nosso retorno para Argentina foi pelo Paso Sico onde as paisagens são absolutamente incríveis! No caminho, estão as lagunas Miñique e Miscanti, de tirar o fôlego. O trâmite aduaneiro costumava ser feito em SPA antes de pegar estrada, porém informaram que agora se faz tudo no próprio Paso Sico. Aduana integrada (CHI/ARG) onde fomos bem tratados. Falaram que só passam uns 4 carros por dia ali. Estrada no lado argentino estava muito pior porém igualmente linda e interessante. Chegamos em San Antonio de los Cobres para dormir (cidade de pior custo benefício da viagem), e no dia seguinte pegamos a Ruta 40 rumo a Cafayate para passar uns dias de qualidade relaxando por lá. A Ruta 40 neste trecho é inteirinha de costelas de vaca e despenhadeiros. Paisagens surpreendentes que nos faziam parar fotografar de 10 em 10 minutos, mas ao final do dia os 380km de costela de vaca já tinham acabado com nosso humor (e quebrado um amortecedor dianteiro). Demos carona para 3 locais no pouco espaço que tínhamos, foi divertido! Fizemos uma feijoada Vapsa em uma sombra de árvore, vimos senhoras locais pastoreando ovelhas, chegamos a maior altitude da viagem (4.992m) e começamos a ver paisagens verdes após muito tempo de secura. Por fim, chegamos em Cafayate que foi um oásis de conforto perfeito por duas noites para concluir esta aventura. Preços excelente de acomodação e alimentação, pratos deliciosos, vinícolas abundantes, e um estilo muito charmoso. . Visitamos a quebrada e ainda pegamos uma bela cena por cima das nuvens no caminho para Tafi del Vale. Fizemos a volta em três pernas: Cafayate – Resistência – Pato Branco – Curitiba. Fechamento Não tivemos nenhum problema de saúde nem mecânico, embora as condições do ambiente e da estrada sejam extremas, e por isso muito gratos. Mais fotos no instagram @botija4x4. Agradeço aos viajantes que deixam relatos inspiradores, em particular ao toyoteiro Guilherme Adolf cujas histórias foram o embrião dessas nossas expedições. Resumo dia-a-dia Origem Destino Kms Dia 1 Curitiba Posadas 923 Dia 2 Posadas San Salvador de Jujuy 1205 Dia 3 San Salvador de Jujuy Humahuaca 195 Dia 4 Humahuaca Uyuni 481 Dia 5 Uyuni Avaroa (não há alojamento) 272 Dia 6 Avaroa Laguna Colorada 165 Dia 7 Laguna Colorada San Pedro de Atacama 166 Dia 8 San Pedro de Atacama SPA 146 Dia 9 SPA SPA 212 Dia 10 SPA Santo Antônio de lós Cobres 381 Dia 11 Santo Antônio de lós Cobres Cafayate 312 Dia 12 Cafayate Cafayate 130 Dia 13 Cafayate Resistência 991 Dia 14 Resistência Pato Branco-PR 801 Dia 15 Pato Branco-PR Curitiba 475 Total 6854
  23. 9 pontos
    Há 2 anos, insatisfeita com a vida já aos 24 anos, me via sendo engolida pelas responsabilidades, pelo trabalho, pela falta do inglês e pelos estudos que patinavam e não saiam do lugar. E mesmo começando a estudar, via um longo caminho desanimador pela frente. Via os dias, as semanas e os meses passando e não aprendia, não vivia, não conhecia lugares e pessoas novas. Foi quando me dei conta que ainda só tinha 24 anos e poderia traçar uma vida completamente diferente da que eu estava traçando. Percebi que toda aquela pressão de ter uma boa formação, uma boa carreira e até mesmo uma orientação sexual diferente do que eu realmente tinha, nada mais era do que a vontade das outras pessoas na minha vida. Senti então que eu precisava sair daquele ciclo vicioso pra poder ser eu mesma. Comecei a ler sobre mochilões, viagens low cost, histórias que me encantaram e realmente ganharam meu coração. Fiquei um ano pesquisando todas as possibilidades sobre esse tipo de vida e essa vontade crescia cada vez mais dentro de mim. Ao mesmo tempo, sentia um medo gigantesco de entrar em uma porta completamente escura. Em abril do ano passado, sai do trabalho que me engolia dia a dia e aí tive que decidir entre colocar em prática aquela loucura que vivia crescendo na minha cabeça e que ninguém botava fé que eu faria ou procurar um outro emprego pra viver naquele padrão que todo mundo estava acostumado. Deixei uns meses passar, por pura falta de coragem, mas eu sabia que não poderia mais viver daquele jeito. Foi quando, com um frio enorme na barriga e com as mãos suando, decidi dar o primeiro passo e comprar a passagem de avião só de ida pro Uruguay para o dia 29 de Julho de 2017, onde começaria minha nova vida, sozinha, livre de qualquer rótulo, pra eu crescer e amadurecer da forma que quisesse. Sai do Brasil com um medo que não tinha tamanho, com uma ansiedade maior ainda, mas uma sede de vida muito maior que qualquer coisa que pudesse me impedir. Hoje faz 7 meses que eu sai e quando olho pra tudo que vivi nesse tempo eu digo com toda a certeza desse mundo que foi a melhor escolha que fiz na vida, por todas as experiências e aprendizado que têm me proporcionado. Eu cruzei cidades e países sem precisar gastar com hospedagem e transporte durante toda a viagem, pedindo carona e usando o Couchsurfing. Muito mais que uma economia, o valor real dessas experiências é perceber o quanto as pessoas podem ser boas e gentis sem "ganhar nada em troca". O nada se transforma em tudo, quando percebemos que em cada "sim" para uma carona ou uma estadia ganhamos momentos e memórias de lugares e pessoas que vão marcando nossa vida, assim como deixamos um pouquinho de nós em cada uma delas. Assim, cruzei de carona a Patagônia Argentina, a Patagônia Chilena e subi até o Atacama, onde estou vivendo há alguns meses pra reabastecer as reservas. Neste tempo, tive experiências incríveis como dirigir pela primeira vez um caminhão (carregado) em plena estrada, acampar na beira da estrada, tomar banho em posto de gasolina, me hospedar em um veleiro de graça durante 4 dias na última cidade do mundo e pilotar o mesmo (pela primeira vez na vida) no canal mais austral do mundo. Conheci o parque nacional Torres del Paine, onde por falta de experiência não consegui completar o circuito W e tive inflamação nos dois joelhos e aprendi que nem tudo dá certo como planejamos ou queremos. Fiquei em casas de famílias, de casais, de amigos, de parentes e conheci pessoas de diferentes classes sociais, crenças e estilos. Conheci um casal que me acolheu em sua casa como uma filha em um povoado de 3 mil habitantes, tomei Mate com meus amigos de estrada, aprendi a fazer macarrão artesanal, alfajor caseiro, pizza e empanadas. Passei um dia com as crianças carentes de Bahia Blanca e vi o quanto temos a dar e a receber. Ajudei a levantar paredes de madeira em um hostal em El Bolson, aprendi a fazer Adobe e reformar um hostal no deserto e tenho coleção de pores do sol presenciados. Trabalhei e continuo trabalhando por mais algumas semanas em uma agência de turismo em San pedro de Atacama, conheço gente todos os dias, erro e aprendo todos os dias e daqui um mês sigo minha viagem. Parece muito tempo pra alguns e pouco tempo para outros, mas ainda é só o começo da minha vida. https://www.instagram.com/jevalcazara
  24. 9 pontos
    Não faz muito tempo que voltei de uma experiência de imersão cultural entre a Ásia e Europa. Jogar uma mochila nas costas mesmo sem companhia e pouca grana, passagem só de ida, com inglês ‘the book is on the table’, sem roteiro e seguro viagem por quase um ano realmente demanda certa… ousadia? Um desafio um tanto revigorante pra um marinheiro de primeira viagem eu diria. Num primeiro momento é bem provável que você ai – sentado na sua cadeira giratória capenga esteja saturado de fazer o mesmo trabalho e destruído pela rotina maçante – pense que essa seria uma ótima ideia para meter o pé na jaca de vez e dar aquela renovada na vida. Porque afinal de contas toda experiência de se lançar ao desconhecido são oportunidades valiosas de crescimento pessoal – como sempre dizem nossos colegas High Performances. Mas sabe, convenhamos que além de todo glamour nesse pacote também vêm grandes e novos questionamentos, crises e medos. A lista de conteúdos pra digerir especialmente no retorno é gigantesca! E, sim, recomendo. Com toda certeza essa é uma das boas alternativas pra dar aquela repaginada, mas, agora devo alertar aos futuros aventureiros sobre um fato que faz diferença e que ninguém havia me contado antes de eu me jogar nesse mundão: Coragem e planejamento financeiro não irão bastar. Roteiros compactos ou mega elaborados também não. Devorar os blogs, pedir ajuda aos influencers de viagem, estender a jornada por mais tempo, nada mas nada mesmo poderá lhe salvar da severa crise do retorno. Aspectos emocionais, familiares, sociais, profissionais, psicológicos, culturais tudo sofre impacto quando você volta pelo guichê da imigração brasileira e vai humildemente dar continuidade na vida que ficou pra trás, mas agora, de uma maneira diferente porque parece que tudo mudou – em você. Enquanto viajava ouvia relatos de mochileiros sobre a dificuldade de reconfigurar a nova vida depois de tudo que viveram. É como se o espaço para a “vida normal” fosse reduzido a ponto de não caber mais na bagagem do novo Eu. O que acontece é um processo interno de autoanálises e julgamentos, morte de ideais e renascimento de outros e por aí vai. E ao voltar, é como se tudo fosse estranho causando isolamento – entre outros sintomas – pela dificuldade de partilhar aprofundando tal complexidade com as pessoas. Me lembrei que em 2015 – ainda quando atuava no corporativo e nem imaginava um dia cruzar oceanos – encontrei um estudo chamado de “Os custos imprevistos da experiência extraordinária” conduzido por pesquisadores de Harvard, publicado na Psychological Science, o qual não me fez muito sentido na época por alegar que: “Diálogos e relacionamentos são notoriamente baseados a partir de experiências comuns – O estudo mostrou que as pessoas gostaram muito de ter experiências ‘superiores’ àquelas dos colegas, porém, essas experiências haviam estragado suas interações sociais subseqüentes deixando-as piores do que se tivessem uma experiência comum.” Surgem algumas barreiras quando, por exemplo, alguém que deu a volta ao mundo tenta relatar ao colega que até o momento não saiu do estado em que nasceu. O máximo que ele poderá humildemente responder é “nossa deve ter sido uma experiência incrível”. O que não significa desqualificar ou diminuir o valor do colega de forma arrogante e ainda desconsiderar as exceções, muito pelo contrário, neste caso eles apenas não encontraram um ponto comum de discussão e está tudo bem. Naquele tempo fiquei com a pulga atrás da orelha ao ler isso porque diante de uma situação dessa só conseguia enxergar uma ótima oportunidade de trocas, mesmo com tamanha diferença entre duas pessoas – O que mudou depois de presenciar este fenômeno acontecer na vida real. A pesquisa de Gus Cooney ilustra claramente um aspecto da crise de retorno enfrentada pelos viajantes que sentem dificuldade em discutir com aprofundamento suas aventuras, o que não traduz necessariamente a quantidade países visitados, mas qual deles trouxe um elemento de conflito interno, autodescoberta, desafio e lição de vida, por exemplo, por que é disso que eles também gostariam de falar. E é ai que o mochileiro em abstinência sente-se perdido. Hoje quando encontro os desabafos – principalmente pelos grupos do facebook e instagram – carregados de confusões, medos e inseguranças por terem vivido algo tão rico e ao mesmo tempo, perdidos sem saber como enfrentar esses novos obstáculos, me lembro dessa pesquisa e o quanto ela se tornou pertinente. A comprovação da pesquisa chegou através do meu experimento pessoal e, depois, pelos relatos dos próprios viajantes pelas redes. Então o que pode ser feito? Se prepare e se jogue de cabeça na viagem incrível de renovação, autoconhecimento e descobertas ao redor do mundo, no entanto, devo lembra-lo que ao voltar, você se sentirá um completo estranho no ninho então se prepare pra enfrentar essa fase também – tenha paciência. O processo de readaptação poderá ser naturalmente denso e doloroso, podendo chegar a manifestar sintomas de episódios depressivos nos primeiros meses e causar confusão de pensamentos e insegurança assim como qualquer fase de transição e reconfiguração de cenários. Peça ajuda Não ceda ao desejo de isolamento. Procure se conectar com quem passou pelo mesmo momento seja presencialmente ou pela internet. Busque acompanhamento psicológico de profissionais que possuem experiência pessoal no assunto, assim como, terapias integrativas. Lembre-se sempre da importância do autocuidado, compaixão com suas limitações, falhas e com a dos outros. Faça pequenas viagens e passeios em lugares novos para estimular a aquela sensação de descoberta e aventura novamente. Primeiros meses após o retorno Muita cautela ao tomar decisões determinantes como trocar de trabalho, terminar relacionamento, mudar de casa etc. Em muitos casos, haverá uma ansiedade e confusão muito grande para que seja ponderado prós e contras de maneira analítica e imparcial. E por último e não menos importante Nunca deixe de valorizar suas conquistas e vivências inesquecíveis, porque no fim das contas você jamais estará totalmente preparado para enfrentar o desconhecido; estamos todos no mesmo barco e continuar navegando e fazendo cuidados emergenciais é preciso. ************ Eaí, voltou de sabático, férias ou viagem a longo prazo e se deparou com esse #caos interno? Compartilhe aqui quais foram seus sintomas, seus desafios a sua historia e como tem se cuidado para que possamos criar mais conexões e tb ajudar quem está no mesmo barco!
  25. 9 pontos
    Dicas para encarar o Atacama Itens indispensáveis · Remédio para o umidificar o nariz · Anti-alérgico · Diamox - remédio que atenua os sintomas do mal da altitude. (Consulte um médico) · Protetor solar e labial · Colírio · Papel higiênico · Creme hidratante (pode parecer frescura, mas não é. Minha mão ficou muito seca e as juntas dos meus dedos sangravam por conta do frio e do clima seco) Roupas Indico que levem: · Gorro · Luvas (eu trouxe 2 pares de luvas. Uma de segunda pele e outra de lã) · Sunga/biquíni · Chinelo · Óculos de Sol (se for subir vulcões tragam modelos de óculos mais fechados, ou seja, que não deixem entrar raios solares pelos lados). · Segunda pele · Fleece · Corta vento · Casaco para frio intenso (eu trouxe um casaco de pluma de ganso. Esquenta muito e ocupa pouco espaço) · Calça que vira bermuda (você sai do albergue está frio. Logo depois está um calor infernal) · Meia para trilhas (se for aos Geysers e for fazer vulcões traga meias térmicas.) · Bota para trilhas (poucas são as pessoas de tênis) · Saco de dormir para frio intenso (temperatura de conforto 0 a 5 graus celsius, caso vá ao Uyuni). Por que levar óculos? O Atacama é a região do planeta com os maiores índices de radiação ultravioleta, ou seja, você tem que proteger seus olhos a todo o momento. Indico que não levem: · Calça jeans (bem desconfortável para o deserto) · Camiseta (vai deixar umas marcas bem estranhas com a exposição ao Sol. Lojas de roupas esportivas no Atacama Quem esqueceu de algum casaco ou está sentindo mais frio do que esperava, eu vi na rua Caracoles 4 lojas: · The North Face · Patagônia · RKF (a marca tem um pato como símbolo) · El Rincon del Viajero Achei as 4 lojas caras e com preços diferentes das mesmas lojas de Santiago. Eu só usaria para emergências. Em Santiago, eu fui no Mall do Sport. Havia várias lojas e equipamentos para trilhas e com preços bem mais baixos que o Brasil. Lá tem varias marcas especializadas para quem gosta de trekking (Thule, Salomon, Garmin, Columbia, Doite e muitas outras). A The North Face estava com promoção de 40% em toda a loja. Câmbio A maioria das agências de câmbio ficam na rua Toconao. O câmbio no Atacama é muito pior que em Santiago. Dessa forma, se passar pelo Centro de Santiago, faça o câmbio na rua Augustinas ou Moneda antes de vir ao Atacama. Voos Para chegar ao Atacama de avião, você terá que pegar um voo até a cidade de Calama. Eu fiz um voo Rio-Santiago pela Latam e depois um voo Santiago-Calama pela Sky, uma companhia aérea low cost. Tem gente que prefere vir de ônibus de Santiago até Calama. Deve ser a forma mais econômica, mas acho que perde-se muito tempo. Transfers De Calama ao Atacama existem vários transfers. Eu reservei com a Licancabur. Ela fica dentro do aeroporto. Paguei 20.000 pesos pela ida e volta. Agências para Atacama e Uyuni Eu li que existem mais de 70 agências de turismo no Atacama. Dessa forma, minha dica é NUNCA, JAMAIS reserve os passeios no Brasil, já que nas agências você pode barganhar. Se em algum blog, a pessoa falar que é recomendável reservar do Brasil, ela está mentindo e, provavelmente, ganhou para dizer que sem tal agência ela não teria conseguido fazer todos os passeios que ela queria, já que seria necessário fazer a reserva com antecedência. Em alguns blogs eu vi também uns brasileiros indicando uma agência de turismo de outra brasileira. Ocorre que no Atacama fiquei sabendo que essa agência oferece os pacotes de graça ou quase de graça para que os blogueiros mais conhecidos falem bem dela. Sendo assim, se você ler em algum blog que tal agência oferece “mimos” no deserto, tais como: massagens durante o passeio, roupão de banho depois que você sai das águas termais, check list em vídeo no whatsapp antes da viagem, entrega de chip internacional para você falar com a agência e etc, saiba que você está sendo mimado e terá um serviço diferente. No entanto, saiba que em alguns passeios você pagará mais que o DOBRO em relação ao valor das outras agências. Durante minha pesquisa sobre agências de turismo no Atacama, eu fiz uma lista de preços com umas 8 agências mais bem faladas. Assim, quando cheguei ao Atacama, fui procurar essas agências. No final, eu fechei com a Base Camp (rua Tocanao) e a Atacama Connection ( rua Tocopilla ou rua Toconao). Essas agências ofereciam passeios fora do pacote básico e que eu estava muito afim de fazer. Na Base Camp me atenderam muito bem. Eu consegui 20.000 pesos (R$ 120,00) de desconto no valor total dos meus passeios. Eu achei pouco, mas tudo bem. Passeios com a Base Camp · Vale da Lua e da Morte - 15.000 · Lagoa Cejar e olhos de Cejar - 17.000 · Lagoas Altiplânicas + Pedras Rojas - 45.000 · Salar de Tara - 50.000 · Geisers del Tatio - 20.000 · Cerro Toco - 65.000 · Tour Astronômico - 17.000 · Vulcão Lascar - 90.000 Na Atacama Connection também fui muito bem atendido. Inclusive tem uns brasileiros trabalhando lá. Como fiz menos passeios com eles, ganhei menos desconto. Passeios com Atacama Connection Trekkking Guatin + termas de Puritama: 35.000 pesos chilenos Lagoas escondidas de Baltinache - 17.000 Eu escolhi agências com preços médios, ou seja, descartei as mais baratas e as caras. Todos os passeios que fiz com ambas as agências foram excelentes. Os carros estavam em ótimo estado (fundamental para as estradas do Atacama), os guias eram atenciosos e cumpriam com o cronograma. Para subir o vulcão Sairecabur a Base Camp e a Atacama Connection não tinham grupo de pessoas para fazer o passeio. Sendo assim, me repassaram para a empresa Nortrek. Foi a melhor coisa que poderia ter acontecido. O guia Carlos tinha muito conhecimento de alta montanha. Recomendo a empresa. Paguei 100.000 pesos pelo passeio. Para ir ao Salar de Uyuni escolhi a Cordillera Traveller (rua Tocopila). Como ia voltar ao Atacama escolhi o passeio de 4 dias. Paguei 138.000 pesos pela viagem. A Cordillera Traveller e a Cruz Andina são as agências que os blogs, tripadvisor e os usuários do site do mochileiros.com mais recomendam para fazer a viagem ao Uyuni. A viagem não inclui entrada do parque (150 bolivianos), entrada da ilha de Incahuasi (30 bolivianos), água durante o passeio, wi-fi, lanchinhos (biscoitos e tal) e banhos. Sendo assim, troquei 60 dólares para a viagem. Para câmbio, vá a rua Toconao. 1 dólar custava 6 bolivianos. 110 pesos chilenos custavam 1 boliviano. Cabe lembrar que só tem wi-fi na primeira noite (10 bolivianos) e no almoço do terceiro dia (grátis). Isso pode variar dependendo dos albergues em que se dorme e onde a agência te levará para comer. Dica de ouro para planejar seus passeios Há passeios no Atacama de metade do dia e passeios de dia todo. Se você tiver pouco tempo, dá para mesclar uns passeios de manhã com passeios na parte da tarde. De qualquer forma, a dica que eu dou e muita gente não segue é: defina seus passeios em relação a altitude do local visitado. Eu comecei fazendo passeios com a altitude de 2.400 e depois fui aumentando a altitude gradativamente. Depois de estar bem aclimatado eu cheguei a quase 6.000 metros. Dessa forma, não faça os seguintes passeios logo de cara: · Geysers del Tatio ( você sai de San Pedro a 2.400 metros e depois de 1:20 está a 4.290 metros. Dessa forma, há uma grande mudança de altitude em pouco tempo. · Altiplânicas com pedras Rojas (o passeio passa dos 4.000 metros) · Salar de Tara (o passeio vai a quase 4.900) · Uyuni (a viagem conta com alguns pontos que passam dos 5.000 metros. Albergues no Atacama Assim como existem diversas agências de turismo, o Atacama conta com uma infinidade de albergues. Eu optei por me hospedar na rua Licancabur, pois a rua fica bem próximo a rua principal que é a Caracoles. (rua das agências, lojas e restaurantes. Eu fiquei no albergue Pangea Norte. Paguei uns R$ 65,00 por noite em um quarto coletivo de 4 pessoas. O albergue é bom. Os banheiros são bem limpos, tem água super quente, os atendentes são bacanas, wifi funciona bem, cozinha é bem equipada e tem papel higiênico no banheiro. Como ponto negativo eu cito que não há limpeza do quarto ou troca dos lençóis de cama enquanto você está hospedado. Mas não custa lembrar que estamos no deserto, não dá pra desperdiçar água. Também não há café da manhã. Ah, lembrei que tem uma mercearia (Armazen Vicente) há cerca de 200 metros do albergue. Lá eu comprava banana e galão de 6 litros de água. Um pouco mais à frente tem a Pastelaria Tackey com empanadas a 1.500 pesos e algumas tortas. Provem a empanada de Pino (carne, cebola e ovo). Em relação a outros albergues, eu escutei falarem bem do Campo Base Hostel, mas ele é um pouco afastado da Caracoles. Escutei falarem mal do Hostel Rural. Havia goteira no quarto, café da manhã racionado e wifi ruim. Comer Os restaurantes mais baratos ficam na rua Licancabur, perto do campo de futebol. Os restaurantes são chamados de “Los Carritos”. Os menus (entrada, prato principal e sobremesa) custam cerca de 4.000 pesos. Comi no Restaurante Tara, um restaurante que tem por ali. O menu custou 3.800 pesos. A comida é boa. Tomei sucos em outro restaurante quase ao lado, o Paso Turístico. Comi bastante na Picada del Índio (rua Tocopila). O menu custa 5.000 e a limonada é boa. O restaurante chega a ter fila na porta. Comi também na Aura Andina (rua Caracoles). Lá tinha boas empanadas e bom suco de maçã. O Empório Andino (rua Caracoles) também tem empanadas, sanduíches e tortas sensacionais. O Sol Inti (rua Tocopila) tem um super sanduíche, o Licancabur. Comi também o “lomo a lo pobre”. O prato é enorme. Da pra dividir com outra pessoa. Provem o suco de cenoura. É incrível!!! Me recomendaram ir ao El Huerto (rua Gustavo Le Paige). Comida boa e porção farta! Trabalha no estilo de menu. Da para dividir para 2 pessoas, dependendo da fome de cada um. O melhor restaurante que fui no Atacama foi o Baltinache (rua Domingo Atienza). Ele trabalha com o estilo menu usando ingredientes locais e da cultura indígena. O menu custa 17.500. Farmácias Eu vi poucas farmácias em San Pedro. Quando eu precisava de algo eu ia na Cruz Verde (rua Caracoles com Toconao). Se forem lá, procurem a Soledad. Ela manja das coisas. Posto de saúde Demora-se um pouco para ser atendido, mas precisando de algo vá ao centro de saúde familiar na rua Gustavo Le Paige (perto da praça). Funciona 24 horas e é de graça. Lembre-se que precisa de identidade ou passaporte para ser atendido. Dica: Quem tem hipertensão deve consultar seu médico antes de viajar para o Atacama e Uyuni. Passeios em que faz mais frio Eu fiz a maior parte dos passeios com um fleece e de bermuda, mas há alguns passeios em que senti bastante frio. Recomendo já sair do hotel com o fleece no corpo e levar, pelo menos, um corta vento na mochila. O passeio aos Geisers del Tatio foi o que senti mais frio. Na entrada do parque há uma estação metereológica, o guia disse que fazia - 8 graus. No inverno ele disse que fez um tour com temperatura de - 27 graus. Dessa forma, vá SUPER bem agasalhado (segunda pele, blusa, fleece, casaco para frio intenso, 2 luvas). A boa notícia é que depois o Sol aparece e a temperatura logo aumenta. Na viagem até o Uyuni também faz frio. Na maior parte do tempo um fleece e um corta vento bastam para o dia. No tour astronômico também faz frio. Leve fleece e casaco para frio intenso. Se for subir o cerro Toco você tem que ir SUPER agasalhado (segunda pele, blusa, fleece, casaco para frio intenso, 2 luvas). Se for subir o vulcão Lascar você tem que ir SUPER agasalhado (segunda pele, blusa, fleece, casaco para frio intenso, 2 luvas). Se for subir o vulcão Sairecabur você tem que ir SUPER agasalhado (segunda pele, blusa, fleece, casaco para frio intenso, 2 luvas). Para combater o mal da altitude Mascar folhas de coca ou fazer um chá com elas, ajuda bastante a amenizar os sintomas. Outra erva usada para combater o soroche é a chachacoma. Coloque uma colher da erva numa xícara de chá e despeje água quente. Você pode encontrá-las na feira de artesanato perto da praça de San Pedro. Beber bastante água e evitar bebidas alcoólicas também ajudam a prevenir o mal da altitude. Tour Astronômico A agência mais famosa para fazer o tour astronômico é a Space. Quando estive no Atacama a agência estava fechada em função excessiva luminosidade no céu. Assim, eu fiz o tour com a Atacama Star Trek. Eu não gostei muito do tour. Parecia que o telescópio utilizado não tinha muito alcance. Havia umas 12 pessoas para um único telescópio. Outros brasileiros que estavam no tour também não gostaram. Ocorre que antes de sair do Atacama, a Space reabriu. Sendo assim, consegui agendar o tour com eles. No início do passeio é um pouco massante. Ficamos 50 minutos em pé escutando a guia falar sobre estrelas, constelações, via láctia, entre outros. Somado a isso, a temperatura estava 15 graus celsius. Depois vem a parte boa. Eles têm vários telescópios (eu contei 9), já direcionados para a parte do céu a ser mostrada. Assim, a guia vai explicando e você já pode indo ver qualquer telescópio que quiser. Isso torna o passeio muito dinâmico! Por último, o grupo vai para um lugar fechado e um astrônomo esbanja conhecimento enquanto tomamos chocolate quente. O passeio demora cerca de 2:30 e vale muito a pena. Passeios que mais gostei Achei o tour as lagoas escondidas de Baltinache ótimo. A coloração de algumas lagoas impressiona. Achei o tour as lagunas altiplânicas com as pedras rojas bem bacana. O visual lá é incrível. Infelizmente, não podemos mais chegar perto de pedras rojas por conta daqueles brasileiros estupidos que foram fazer kite surf lá no ano passado. Não acredito como pode ter tanta gente sem noção por aí! Outro tour sensacional é o do Salar de Tara. O passeio dura o dia todo, o carro percorre varias estradas de terra bem ruins, mas a paisagem é incrível! O passeio as termas de Puritama fica ainda mais legal quando se chega lá por trilha. Dessa forma, fiz o trekking Guatin. O trekking passa por vários cactos gigantes e cruza um vale. Levamos 2:40 para fazer toda a trilha. Ela tem nível de dificuldade fácil. Imagina fazer uma trilha e ao final dela, relaxar em vários lagos de águas quentinhas. O trekking passa dos 3.000 de altitude e é uma boa forma de aclimatação também. A subida ao Cerro Toco é bem legal. Lá de cima podemos ver o vulcão Licancabur, o Juriques e a lagoa branca. Não sei ao certo quantos graus faziam, mas ventava muito. A ascensão até o topo demora entre 1:30 a 2:30. Depende muito do ritmo de grupo. A subida é muito mais fácil do que a do vulcão Lascar. Para fazer essa trilha é preciso estar muito bem aclimatado, pois chegamos a 5.600 metros. A subida ao vulcão Lascar é incrível. Eu peguei - 4 graus lá na cratera. A ascensão até a cratera demora de 2 a 4 horas. Depende do ritmo do grupo. Se houver neve, o guia disse que existem muitas variáveis, mas que a subida demora de 3 a 7 horas, mais ou menos. Não sou expert, mas diria que a trilha tem nível intermediário. Para fazê-la é necessário estar bem aclimatado, pois chegamos 5.500 metros de altitude. A subida ao vulcão ao vulcão Sairecabur é muito pesada. Só o início da trilha é demarcado. Depois seguimos por varias pedras grandes para chegar ao topo. A ascensão dura de 3 a 6 horas. A trilha é muito exigente e é difícil. Normalmente, quem vai fazer o vulcão Licancabur faz essa trilha para saber se possível enfrentar a montanha. O topo de Sairecabur está a 5.980 metros de altitude. Só recomendo essa trilha para quem tiver bom preparo físico, estiver muito bem aclimatado, já tiver feito o vulcão Lascar antes e já tiver o costume de fazer trilhas no Brasil. Essa trilha faz o subida ao Cerro Toco e ao vulcão Lascar parecerem passeios pelo bosque. Para finalizar, gostaria de dizer que essa foi uma das viagens mais incríveis que já fiz, não só pelos lugares que visitei, mas também pelas pessoas que vi e conheci pelo caminho. Vou sempre lembrar das fotos loucas do nosso grupo no Salar, das risadas durante o jogo de ping pong enquanto esperávamos revistarem nossas mochilas na Aduana Chilena, da Noelia que trabalhava no albergue e me pediu ajuda para organizar sua viagem de comemoração de 8 anos de casada, do Emerson, brasileiro gente boa que conheci no albergue, da Maria, brasileira que conheci na lagoa Cejar, do Kike, espanhol que disse que iria aprender português pra falar comigo (acho que meu espanhol não é tão bom assim) e do Max, Felix, Claire e Fergal que fizeram o Uyuni comigo. São tantos passeios, encontros pela rua, viagens em grupo que você acaba criando um laço com desconhecidos que possuem a mesma vontade de mochilar e conhecer novos lugares, assim como você. Por isso, tenho plena certeza que em algum momento encontrarei algum deles novamente. Bem, para quem leu essas dicas até o final, espero que pelo menos 1 delas sirva para tornar sua viagem ao Atacama e ao Uyuni mais cômoda e que assim, você aproveite ao máximo tudo o que a região tem a oferecer. Até a próxima!!!
  26. 9 pontos
    @D FABIANO Já eu sou o contrário, se começo a viver uma vida cheia de confortos eu já começo a me sentir molenga e fracote. Para mim só vale a pena uma vida de desafios, gosto de sentir a adrenalina do perigo e zona de conforto para mim é zona da morte. Infelizmente uma vida indoor para mim é um pesadelo, quem sabe na próxima vida eu não venha mais suave, gostando de vinhos franceses e férias em Dubai. Grande abraço!!
  27. 8 pontos
    Tudo começou numa linda manhã de sol do dia 29 de setembro de 1986... Nasci 👶! E no meu DNA veio escrito o seguinte código genético EBC (confesso que, biologicamente falando, não sei se faz sentido, achava as aulas de biologia enfadonhas). Para quem não sabe, EBC, é como o Acampamento Base do Everest é conhecido pelos íntimos. Que ainda não é meu caso, mas em breve será. Diferente de todos os relatos de viagem que fiz até o momento, resolvi começar esse previamente, 33 dias antes da partida pra ser precisa. Pq? Quando descobrir conto! Mas suponha que seja a ansiedade, talvez seja uma forma de já está viajando e de acalentar a alma. Imaginava que essa viagem só fosse ocorrer após 2020, contudo, viagens sempre são um ótimo incentivo para entrar em forma, seja para se exibir nas belas praias da Tailândia ou para não passar vergonha durante um trekking pelo Himaláia. E eu precisava urgentemente entrar em forma, não que eu não tivesse uma forma definida, mas barril não é minha predileta. Então dei uma antecipada nos planos. Em janeiro de 2018 dei o ponta pé inicial (clichêzona 🙄), comecei com os treinos e em paralelo as buscas superficiais. Encontrei logo de cara o site da agência Morgado Expedições, engoli as dicas e informações contidas nele com a ferocidade de papagaio. Contudo o preço desanimava! Sabia que seria a melhor opção para mim, já que Morgado é um guia renomado, além disso, o público alvo da agência são os brasileiros, o que facilitaria muito minha vida já que não falo inglês. Ehhh pessoal, não falo nem entendo. Mas isso nunca me impediu de viajar, na verdade isso torna a viagem até mais interessante (para os outros rs não para mim, que se acabam de rir com algumas situações inusitadas que acabei relatado nas redes sociais). Melhor época do ano? 🔆 Confesso que me baseei nas datas do Morgado. Meu plano era, passear serelepe e pimpona pelas ruas de Carmandu, me esbarrar “acidentalmente” no grupo de brasileiros conduzido por ele. Mostrar toda minha simpatia e ser convidada a me juntar ao grupo por um preço acessível ao meu bolso. Mas para aqueles que não se baseiam em algo tão louco, informo que a primavera (março e abril) e o outono (outubro e novembro) são as melhores escolhas, já que a visibilidade é boa e a temperatura tb (na medida do possível, podendo chegar a -12°C). Compra das passagens ✈️ Gosto de comprar as passagens aéreas logo, isso me dá a sensação de inalterabilidade. Claro que sei que isso não passa de uma sensação, são vários os fatores envolvidos que podem jogar nossos planos no lixo. Percebi que os vôos direto para Catmandu estavam absurdamente caros, então coloquei alguns alertas de preço no Google Flight tanto para Catmandu quanto para Delhi. Esperei pacientemente uma oportunidade e ela surgiu em junho. O preço não era perfeito, mas não quis arriscar esperar mais. Ainda era possível fazer um stopover nos Emirados Árabes Unidos. Não pensei duas vezes, comprei! Aproveitei a deixa e comprei as passagens de ida e volta Delhi x Catmandu e Salvador x Guarulhos. Alguns custos: Passagens Salvador x GRU (ida e volta + bagagens): 684,72 BRL Passagens Emirates GRU x Dubai x Delhi (ida e volta): 4.136,79 BRL Passagem Jet Airway Delhi x Catmandu: 74 USD Passagem Nepal Airline Catmandu Delhi: 348,29 BRL Mala 🎒 Gosto de arrumar as malas, é tipo um hobby. Então comecei bem cedo dessa vez. Peguei a lista disponível no site da Morgado Expedições através desse link https://www.morgadoexpedicoes.com.br/trek-ao-everest/lista-de-equipamentos e usei como base para as compras. Boa parte das coisas eu já havia adquirido durante o trekking do Monte Roraima na Venezuela, reduzindo um pouco meu custo com as compras. Dei um pouco mais de atenção para as botas e não economizei com elas. Por sorte, achei um anúncio no Mercado Livre, cujo vendedor tinha o último par de uma bota Salomon, no modelo e tamanho que eu precisava e com o preço 20% abaixo das lojas brasileiras especializadas em produtos para trekking. Comprei com bastante antecedência, para poder amaciá-las. Aqui vão algumas fotos das malas já prontas, kkkkkkk já estão assim a mais de 5 meses, vou fazendo simulações de como arrumar e do que é possível retirar ou colocar. Dividi em 4 categorias: Vestuário: - 3 calças de trekking (Decathlon) - 1 Calça de moleton para dormir(Centauro) - 2 calças segunda pele (Decathlon) - 1 bermuda (Decathlon) - casaco pele de ganso (Decathlon) - 1 casaco moleton (made in China) - 2 casacos fleece (Decathlon) - 2 blusas segunda pele (Decathlon) - 5 blusas dry fit - 9 calcinhas - 1 par de botas impermeáveis (Mercado Livre) - 2 bandanas tubulares (Decathlon) - 1 Gorro (Decathlon) - 3 pares de luvas de diferentes materiais (Decathlon) - 6 pares de meias ( Decathlon, Pé na Trilha) - 5 Tops *Além do que pode ser visto na foto, levarei: sandália, chinelo, tênis, par de bastões de caminhada e cachecol. Percebam que não existe nenhum casado pesado na lista, isso pq a empresa que contratei fornecerá tanto o casaco quanto o saco de dormir apropriados para essa atividade. Higiene: - 1 necessaire - lenços umedecidos (também conhecidos como duchas) - lenços de papel - 40 pastilhas de Clorin (para purificar a água durante a trilha) - sabonete líquido - hidratante - shampoo - condicionador - cotonete e algodão - repelente - protetor solar - desodorante - enxágue bucal - creme dental - micropore (para minimizar as bolhas nos pés) - creme de pentear - escova de dente - pente - sabonete - suvacador - espelho - álcool - perfume *Além do que pode ser visto na foto, levarei: minâncora (para o chulé) Variedade: - 2 garrafas de 1 litro cada - caderninho e caneta para anotações - kindle - carregador portátil de 20.000mA - passaporte - adaptador universal de tomada - benjamim - balança - lente - pasta com documentos (reservas de vôos, agências, hospedagem, visto, seguro, contratos, etc) - bastão Gopro - fone de ouvido - 2 carregadores - óculos - cadeado - Gopro - relógio - lanterna de cabeça - acessório gopro - cabos - pilhas extras para lanterna - estojo para eletrônicos - pochete - saco impermeável - tapa olhos - kit costura - almofada inflável de pescoço - kit de primeiros socorros - mochila Curtlo de 63 litros (porter) - mochila Nautika de 40l (ataque) -mochila Curtlo de 17l (passeios) Esqueci de apresentar o mocinho aí do lado. Esse é o Grelhado, meu fiel companheiro de viagens. obs.: A quarta categoria está ainda em construção, será a de medicamentos. Na segunda semana do mês de fevereiro marcarei uma consulta médica para ver o que de fato levarei. Vistos 📜 Nepal: o visto de turista para o Nepal pode ser obtido no momento da chegada no aeroporto internacional de Catmandu. Bastando para isso o passaporte com validade mínima de 6 meses e pelo menos uma página em branco. Pagamento da taxa que varia de acordo com o tempo de permanência no país e permite entradas múltiplas. Preenchimento de formulário específico. Além de 1 foto 3x4. Índia: permite que o visto seja tirado eletronicamente (e-visa). Basta entrar nesse site https://indianvisaonline.gov.in/ e seguir as instruções desse outro aqui https://casalwanderlust.com.br/como-solicitar-o-visto-para-a-india-atraves-da-internet-passo-a-passo/ , escrito pela Camila e que está bastante didático! Já reserve uma foto com fundo branco e uma cópia do passaporte em PDF. Emirados Árabes Unidos: Desde 2018 não há mais exigência de visto de turista para brasileiros. Alguns Custos: Visto Nepal: 15 dias / 25 USD – 30 dias / 40 USD – 90 dias / 100 USD Visto Índia: 60 dias / 82 USD Seguro 👮‍♂️ Não estamos falando de qq viagem de “fundo de quintal” né galera? Logo, o seguro precisa estar à altura da façanha. Lendo bastante, percebi que a melhor opção nesse caso seria fazer o seguro da world Nomads, na modalidade Explorer que cobre resgate de helicóptero. Infelizmente só aceitam pagamento a vista! Alguns Custos: Seguro viagem (33 dias): 640 BRL Certificado Internacional de vacinação 📜 Alguns países exigem de seus visitantes um certificado internacional que comprove a vacinação contra a febre amarela. É o caso do Nepal e da Índia. Facílimo a obtenção. Basta se dirigir a uma unidade da Anvisa, após tomar a vacina e preencher um pré cadastro no site https://viajante.anvisa.gov.br , levando consigo a cartão nacional de vacinação e documento pessoal. Ahh, a boa notícia é que isso pode ser feito online também. Dá uma googlada pra saber mais!
  28. 8 pontos
    Da ultima vez que postei no mohileiros consegui fazer um grupo 20 meninas que não se conheciam e fomos todas pra São Tomé das Letras-MG. E a viagen foi muuuuuuito legal. Será que consigo um novo grupo de meninas assim? 🙏🏼 Pra comecar vamos fazer um grupo de whatsapp? Eu preciso muiiito de meninas dispostas a pegar as malas e viajar nesses feriadinhos. Minhas amigas não ligam muito pra viagens e as outras estão casadas. Eu tô ficando loucaa de não ter companhia pra viajar. Viajar com meninos é legal, mas eles tem uma vibe diferente de nós, ai prefiro me aventurar com meninas loucas light que nem eu. Tenho receio de viajar sozinha na America do sul e no Brasil. E não ta tendo dinheiro pra Europa/EUA por isso to aqui hahaha Eu sou do Rio de Janeiro, mas não tem problema se outras meninas forem de outros estados. Pra tudo se dá um jeito haha ahhh sou sagitariana ( louca por viagens ) haha.
  29. 8 pontos
    Só um comentário, "filhadaputagem" é o pessoal embarcar com malas e mochilas enormes, fora do padrão, ocupar todo o espaço e depois os últimos passageiros se f.. por que não tem mais espaço dentro do avião. Ai começa toda a confusão, demora para os passageiros se acomodarem, tem tirar bagagens do avião e despachar no porão, o que por sua vez só causa mais confusão, brigas e atrasos. Então antes de chamar de "filhadaputagem", parem de pensar no seu próprio umbigo, atitudes como estas, tentar ficar burlando as regras, só prejudicam todos os demais passageiros, que estão viajando com a sua mala/mochila dentro dos limites e que querem que o seu voo saia na hora sem que seja atrasado por que meia-duzia de "f.d.p." resolveu levar uma mochilas enormes dentro do avião e está atrapalhando um monte de gente com a sua mochila enorme e fora dos limites permitidos.
  30. 8 pontos
    Olá amigos da comunidade Mochileiros.com. Aqui é o Thiago e a Priscila. Nós moramos na cidade de Blumenau-SC. Em dezembro de 2018 fizemos nossa viagem de carro até San Pedro de Atacama no Chile. A comunidade mochileiros.com nos ajudou bastante, pois no site conseguimos várias dicas e conhecemos outras pessoas que também nos ajudaram com informações. Por esse motivo queremos compartilhar nossa experiência. E quem sabe poder ajudar ou até mesmo encorajar outras pessoas a saírem do sofá e encarar essa aventura. Para realizar esta viagem primeiro nós fizemos algumas pesquisas, como por exemplo: documentos necessários, seguros obrigatórios, melhor roteiro, condição das estradas, hotéis, pontos turísticos, custo com passeios, custo com alimentação, custo com gasolina, custo com pedágios, melhor câmbio, o que levar na bagagem, etc. Juntamos todas essas informações numa planilha e então começamos a trabalhar nela. Então no mês de Setembro/2018 começamos a fazer as contas e preparar tudo o que precisava para viajar. Nessa primeira parte vamos tentar abordar o máximo de informações com relação ao roteiro, situação das estradas, GPS, câmbio, aduanas, seguros, itens obrigatórios, pedágios e combustível. Na segunda parte vamos falar um pouco sobre San Pedro de Atacama e sobre os nossos passeios. Então vamos ao que interessa: Nessa viagem foram 04 pessoas: Eu (Thiago), minha esposa Priscila, meu Pai e a namorada do pai. Saída de Blumenau: 22/12/2018. Chegada em San Pedro de Atacama: 25/12/2018. Saída de San Pedro de Atacama: 31/12/2018. Chegada em Blumenau: 03/01/2019. Carro utilizado: Peugeot 207, ano 2012. Motor 1.4, c/ 04 portas. Roteiro/Condição das estradas/Pedágios: Dia 01 - Blumenau - SC x São Borja - RS. Total: 860 Km. Esse caminho é o mais curto, porém tem muitos trechos com pista ruim (buracos, desníveis, etc.), além disso tem muitos radares e lombadas eletrônicas. O motorista tem que ficar atento. Pedágios: Nenhum. Dia 02 - São Borja-RS x Presidência Roque Sáenz Peña - Argentina. Total: 620 Km. As estradas são boas, pelo menos são melhores que do que as do Brasil. Pedágio 01: logo que passa a Aduana, já tem um guichê de pedágio. Valor pago em moeda brasileira: R$ 50 para veículos de passeio. (na volta ao Brasil, o valor é R$ 65) Pedágio 02: RN-12 aprox. no Km 1262. Valor: 50 Pesos Argentinos. Pedágio 03: RN-16 aprox. no Km 05. Valor: 40 Pesos Argentinos. Pedágio 04: RN-16 aprox. no Km 60. Valor: 65 Pesos Argentinos. Dia 03 - Presidência Roque Sáenz Peña (Argentina) x Salta (Argentina). Total: 630 Km. As estradas também são muito boas. Observação: na RN-16, entre os KM 410 e 481 a estrada é "horrível". Tem muitos buracos. Buracos gigantes. Você vai perder tempo desviando deles. Pedágios: RN-09 chegando na cidade de Salta. Valor: 25 Pesos Argentinos. Dia 04 - Salta (Argentina) x San Pedro de Atacama (Chile). Total: 580 Km. As estradas também são muito boas. Observação: Nós usamos o caminho Paso de Jama, que é melhor, pois é todo asfaltado até San Pedro de Atacama. Pedágios: Nenhum. *Na volta pra casa fizemos o mesmo trajeto. Hospedagem: Dia 01 - Dormimos na casa de parentes. Não tivemos gastos com hospedagem nesse dia. Dia 02 - Ficamos hospedados no hotel de campo El Rebenque, que fica na cidade de Presidência Roque Sáenz Peña (Argentina). Dia 03 - Ficamos hospedados no hotel Pachá, que fica na cidade de Salta (Argentina). Dia 04 - Ficamos hospedados no hostal Casa Lascar, que fica em San Pedro de Atacama (Chile). Aqui dormimos dia 25, 26, 27, 28, 29 e 30 de dezembro/2018. *Na volta pra casa ficamos nos mesmos hotéis. Câmbio: Peso Argentino: nós trocamos todo o dinheiro brasileiro por Peso Argentino na aduana, que fica logo depois da Ponte internacional, saindo de São Borja-RS. Valeu muito a pena trocar o dinheiro na aduana, pois pagamos 0,10 por cada Peso Argentino. Já em Blumenau a melhor taxa que encontramos foi 0,15. Comparação de preços Blumenau x Aduana Argentina: R$ 1 Mil reais trocados em Blumenau valem: 6.666 Pesos Argentinos (sendo: 1000 / 0,15) R$ 1 Mil reais trocados na Aduana valem: 10.000 Pesos Argentinos (sendo: 1000 / 0,10) Peso Chileno: nós trocamos R$ 1 Mil (reais) em Pesos Chilenos aqui em Blumenau, para ter um pouco de dinheiro na chegada à San Pedro de Atacama. O restante do dinheiro brasileiro nós trocamos em San Pedro de Atacama. Trocar o dinheiro em San Pedro valeu muito a pena, pois recebemos 170 Pesos Chilenos por cada R$ 1,00 (Real). Já em Blumenau a melhor taxa que encontramos foi de 154 pesos Chilenos por cada R$ 1,00 (Real). Comparação de preços Blumenau x San Pedro de Atacama: R$ 1 Mil reais trocados em Blumenau valem: 154.000 Pesos Chilenos (sendo: 1000 x 154) R$ 1 Mil reais trocados em San Pedro de Atacama valem: 170.000 Pesos Chilenos (sendo: 1000 x 170) *Compare antes de trocar seu dinheiro. Combustível / Postos de abastecimento: Na Argentina tem dois tipos de gasolina: a Super (comum) e a Infinia (aditivada). Infinia: variava de 45 a 48 pesos. Super: variava de 41 a 44 pesos. *Abastecemos com gasolina Infinia nos Postos YPF. *No Chile não abastecemos, por isso não informamos os tipos e preços que existem. Na Argentina tem muitos postos de abastecimento durante o trajeto. O último posto fica bem próximo da Aduana, no Paso Jama (divisa entre Argentina e Chile). Depois da Aduana não tem mais posto durante o caminho. Vai ter um posto somente em San Pedro Atacama (distância entre Aduana e San Pedro Atacama: 160 KM aprox.) GPS: Nós utilizamos dois aplicativos de geolocalização: o Google Maps e o Maps.me. Levamos dois Smartphones, em um deles usamos o Maps.me e no outro com Google Maps. Antes de sair nós fazíamos os trajetos pela rede WiFi e depois saíamos para a estrada. Os dois aplicativos funcionaram muito bem no modo off-line. Dica: o aplicativo Maps.me funciona totalmente no modo off-line. Para isso é necessário baixar os mapas off-line da região que você vai passar. Exemplo: nós baixamos todos os mapas da Argentina, do Chile e também dos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Seguros obrigatórios para seu carro: Na Argentina: seguro Carta Verde. Você pode fazer em qualquer corretora de seguros. Ele cobre danos a terceiros em caso de acidentes. Nós fizemos o seguro com a Porto Seguro, com a cobertura de até 15 dias. Custo: R$ 125. Débito em conta corrente. No Chile: seguro SOAPEX. Você pode fazer este seguro com a HDI do chile. Só digitar no Google "HDI Chile". Ele cobre danos a terceiros em caso de acidentes. Nós fizemos o seguro direto no site da HDI Chile, com a cobertura de até 10 dias. Custo: R$ 40. Pagamento somente no cartão de crédito. *Veja se o seu cartão está liberado para realizar esta compra. Observação: em nenhum momento a polícia ou aduana nos cobrou esses documentos. Seguros para você: Nós optamos por não fazer nenhum seguro de vida ou de acidente. Mas as empresas de seguro oferecem inúmeras modalidades. Avalie a que melhor se enquadra com seu bolso. Itens obrigatórios para o carro: Na Argentina: Vários blogs e pessoas nos disseram que teríamos que levar um monte de coisas no carro. Então nós entramos em contato com o departamento de trânsito da Argentina e também com o consulado Argentino no Brasil que fica em Florianópolis. Segundo eles, os itens obrigatórios são: - 01 Extintor de incêndio (exceto em motos); - 02 triângulos de segurança; - Além dos demais exigidos no Brasil (pneu estepe, chave de rodas e macaco). E tem também os itens recomendados: (notem que são recomendados, não obrigatórios) - Kit de primeiros socorros; Portanto, não é obrigatório levar o tal do "cambão", que muitos blogs informam ser obrigatórios. No Chile: Considerar todos os itens obrigatórios citados acima. E no Chile todos os motoristas são obrigados a ter no carro um "colete refletivo". Caso o motorista precise sair do carro para alguma manutenção ou emergência ele precisa estar vestindo o colete. Isso é LEI NACIONAL. Na dúvida leve um colete também. Observação: Na Argentina fomos parados diversas vezes pela polícia. Em quase todas as cidades que passamos ao longo do caminho a polícia nos parava para solicitar algum documento. Algumas vezes eles pediam os documentos de identidade e do carro. Em outras eles faziam o teste de bafômetro. Mas em nenhum momento a polícia precisou revistar o nosso carro. No Chile não fomos abordados. Aduana Brasil x Argentina: Muito tranquilo. O atendente solicita os documentos do carro e identidades. Preenche um formulário no computador. Por último entrega um recibo (parecido com um cupom fiscal de mercado). Este recibo precisa ser bem guardado, pois ele será útil na Aduana Argentina x Chile. Não tem custo. Aduana Argentina x Chile: chato/demorado (pode ter fila e os atendentes são malas) A Aduana que nós passamos foi no Paso Jama. Tem 06 guichês. É necessário preencher um formulário em espanhol. Nesse formulário tem uma parte que fala se você está levando algum alimento que é "proibido". Após passar em todos os guichês eles entregam um recibo (parecido com um cupom fiscal de mercado). Este recibo precisa ser bem guardado, pois ele será útil na Aduana Chile x Argentina. Comidas não podem passar. Exemplo: frutas, verduras, carnes, lanches, etc. Tudo que é animal ou vegetal fica na Aduana. Alimentos processados passam. Alegação deles é que pode haver alimentos contaminados ou pragas. Se no formulário estiver a opção NÃO, mas na hora de revistarem o carro eles encontrarem alguma coisa, você leva uma multa. Após sair dos guichês vem um fiscal da vigilância sanitária e inspeciona o carro. Só depois de inspecionar o carro você está livre para seguir viagem. Não tem custo. *Na volta pra casa é necessário fazer tudo de novo, porém a vigilância sanitária não revistou o carro dessa vez. Espero que tenham gostado dessa primeira parte. Se tiverem algum comentário ou dúvidas por favor nos retorne. Um abraço.
  31. 8 pontos
    PREPARAÇÃO: Passamos o natal com nossos filhos em São Paulo, capital, no dia 31.12.2018 partimos e ficamos em São José dos Campos-SP, descemos as 21 horas para ver a queima de fogos em Caraguatatuba, praia do litoral norte de São Paulo. Retornamos ao hotel em SJC e dormimos, no outro dia cedo rumamos para São Bento do Sapucaí-SP, e fizemos 2 roteiros (até a base da pedra do baú e pelo bairro do Quilombo subindo a serra e descemos até o distrito de Bocaina, retornando daí para SBS). Ficamos na Pousada Casabranca (ótimo custo/beneficio) $60 por pessoa com café da manhã (disponibilizou antes do horário) Recomendo. Foram +- 45 kms de caminhada nos dois dias. Queima de fogos em Caraguatatuba, 31.12.2019 Início da jornada de preparação Lindo amanhecer e visual pedra do baú Idem Começando caminho via bairro do Quilombo, pedra do baú por outro ângulo Terminando forte subida Mirante de São Bento do Sapucaí Outra subida forte em meio a muito verde Tínhamos dentista(o mesmo que nos atendeu no ano passado), marcado em Extrema-Mg, dia 09.01 em Extrema (um dente quebrou), ficamos lá fazendo os principais roteiros, (pedra do Lobo guara (como o sol estava muito forte só fomos até a última subida), rampa de asa delta, caminho das pedras......), foram cinco dias de caminhada +-100 kms. Como viajamos sem programação, depois que fomos atendidos pelo dentista, resolvemos nos preparar melhor na cidade de Munhoz (queríamos ficar em Pedra Bela-Sp, para subir até a rampa da tirolesa) mas na pousada não tinha ninguém e nem atendiam o telefone. Mirante rampa asa delta Extrema -mg
  32. 8 pontos
    Salve, colegas mochileiros! Esse relato é o resumo de uma viagem econômica bem recente ao Oriente Médio. Quem quiser mais informações, poderá conferir em meu blog Rediscovering the World Dia 1 Em 6 de novembro de 2018 parti à tarde de Floripa ao Rio-Galeão pela Gol. Lá encontrei meu colega Mailton, que havia conhecido pelo fórum Mochileiros, e com quem viajaria junto. Usando meu cartão de crédito Smiles Platinum, pudemos aguardar o voo na sala VIP da Gol, comendo e bebendo à vontade. À noite, embarcamos com a TAP até Porto, onde faríamos uma conexão gratuita de quase 2 dias. Cada trecho do voo custou uns 850 reais, comprando com meses de antecedência. À bordo, o avião meio velho não reclinava quase nada, então foi difícil conseguir umas horas de sono. Dia 2 A janta foi boa, o café da manhã nem tanto. Descemos em Portugal de manhã cedo, passando tranquilamente pela imigração. Deixando o terminal, pegamos o metrô até a nossa hospedagem. O valor varia com a distância, mas fica em torno de 2 euros + 60 centavos pelo cartão recarregável que pode ser usado ainda nos bondes e ônibus. Ao chegarmos no estiloso albergue Rivoli Cinema Hostel, deixamos as mochilas e ainda pudemos aproveitar o café da manhã de graça, antes de sairmos para conhecer a cidade histórica que é patrimônio da UNESCO. A pé, vagamos pelos caminhos de pedra, adentrando construções antigas e importantes, como a Câmara Municipal do Porto. Passamos por diversas edificações, incluindo igrejas e a estação de trem de Bragança, que apresentam os famosos azulejos azuis portugueses em suas paredes. Em seguida, contornamos a Sé do Porto, onde a vista ao interior da cidade é bonita, para então chegar à fascinante Ponte Luís I. Do alto dela se pode admirar o que se eleva às margens do Rio Douro, sendo construções clássicas (ainda que parte delas lembre um pouco uma favela). Mais alto ainda, do outro lado da ponte, fica o Mosteiro da Serra do Pilar, com a vista sobre toda a região. Para isso não se paga, somente se quiser vê-lo de dentro (2 euros). Descemos tudo até a beira do rio. Diversos barcos ficam por lá, alguns para passeios turísticos e outros carregando barris de vinho. Tentamos achar um lugar para almoçar, mas estava meio caro nos restaurantes e até no Mercado Municipal da Beira-Rio, com diversas opções. Ficamos com o rodízio de pizza da Pizza Hut, por 11 euros. Só que saímos de lá meio arrependidos, pois ainda que tenhamos enchido nossas panças, a qualidade da comida deixou a desejar. Atravessamos à outra margem, mais interessante do ponto de vista arquitetônico. Nesse lado, andamos um tanto seguindo o rio, passando em frente a alguns museus. A certo ponto, pegamos um ônibus até a foz do rio, onde fica uma praia e um forte. Descemos lá a fim de ver o espetáculo das ondas atingindo com força total o molhe e o Farol de Felgueiras que lá se encontra. Ficamos até o sol se pôr e levamos um banho das ondas grandes. Caminhamos em direção norte por um calçadão com vários corredores e ciclistas, até um supermercado, onde jantamos uns salgados baratos. Para não dizer que não comi nada local, um deles era de bacalhau. Logo mais, voltamos de metrô até a hospedagem. Pagamos os 15 euros e nos retiramos, bastante cansados pela falta de sono da noite anterior. Dia 3 Tomamos um belo dum café da manhã no albergue. Depois disso, caminhamos sob chuva pela Rua Santa Catarina, onde fica o comércio. Pegamos algo para comer no caminho, indo de metrô até a última estação no norte, Póvoa de Varzim. Ao passar por um aqueduto, cerca de uma hora depois chegamos. A primeira parada na cidadezinha foi a Praça de Almada, que é a central. Depois de umas fotos, vimos a Igreja Matriz, também bonita. Em sequência, entramos no Museu Municipal de Etnografia e História da Póvoa de Varzim. A entrada normal é de apenas 1 euro, mas naquele dia não pagamos nada. Há uma dezena de salas retratando a arqueologia e a história da região, bem como os costumes mais recentes dos povoanos (gentílico de Póvoa de Varzim).. Por fim, adentramos na Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição, que mantém apenas a estrutura externa, do alto da qual se pode ver a bela orla da cidade. Compramos uns doces numa pastelaria (pastelarias não vendem pastéis em Portugal) e aguardamos o metrô para regressar e chegar no aeroporto. Com um pouco de atraso, decolamos na TAP ao aeroporto de Malpensa em Milão, um voo de 2 horas sem nem telas de vídeo. Na chegada, esperamos o transfer incluído da hospedagem em que ficamos (Bosco Gadda Bed & Breakfast - 49 euros o quarto duplo), bem próxima desse aeroporto. O quarto e o banheiro são impecáveis, e o local, no meio do mato, silencioso. Dia 4 Tomamos um café razoável e voltamos ao terminal aéreo, dessa vez para voar a Atenas com a Aegean (57 euros até a Turquia). Ganhamos um lanche a bordo. Ficamos esperando por 4 horas no aeroporto até o voo seguinte à Turquia. Há um pequeno museu gratuito com as descobertas arqueológicas na área do aeroporto. Comprei uma pasta de húmus e pão num mercado grego para almoçar. Fui espremido por um turco obeso no turboélice até Istambul, já à noite. No aeroporto Atatürk, compramos o cartão de transporte Istanbulkart (6 liras turcas ~ 4 reais), que serve pros dois, carregamos ele (só dinheiro é aceito) e o usamos no metrô (2,6 liras independentemente da distância + 1,85 a cada mudança de linha). Assim, chegarmos um tempo depois na Koçak Pansiyon. Foi lá onde dormimos, a 18 euros por um quarto razoável pra dois sem café. Dia 5 Pegamos o metrô até a estação Yenisahra. Na saída, fizemos um lanche na confeitaria Nuga. Comi um salgado com queijo e um smoothie por 16 liras, que puderam ser pagos com cartão de crédito. Em frente, tomamos o ônibus Havabus (14 liras), que parte a cada meia hora até o outro aeroporto (Sabiha Gökçen). Nada mal esse caminho. De lá, voamos a Diyarbakir com a cia de baixo custo turca Pegasus Airlines. O aeroporto de Diyarbakir é novinho, assim como uma parte da cidade por onde passamos no táxi superfaturado de 40 liras até a cidade velha. Descemos no portão Urfa e atravessamos as muralhas parcialmente erodidas da parte histórica. Caminhamos pela rua principal, cheia de comércios, aos olhos de todos que passavam pelos únicos turistas. Almoçamos no Mesopotamya, um café com música ao vivo. Um pratão de frango com molho apimentado, acompanhado de vegetais verdes e pães, custou 25 liras pra cada + 5 de couvert. Depois da substancial refeição, desviamos por uma das vielas, mas não achamos uma ideia muito boa, pois os becos são um pouco sinistros. Ao pôr do sol, entramos na mesquita Ulu Cami, a principal. É bonita por dentro e não se paga para conhecer. A presença da polícia nas ruas é marcante. De vez em quando se vê algum portando uma arma de guerra ou um veículo blindado. Por fim, subimos as muralhas da Fortaleza de Diyarbakir. Patrimônio da UNESCO, está preservada, ao contrário da zona a sua volta, que mais parece que foi atingida por um míssil. À noite, as muralhas, o jardim interno e a mesquita ficam iluminados, incrementando o visual. O museu já estava fechado, mas descobri que o complexo começou a ser erguido pelos romanos, passando a outras civilizações até os otomanos. Pegamos um táxi até a rodoviária (Otogar) por 28 liras. Organizada, bastou recolher nossos bilhetes comprados na internet, e aguardar até às 20h para a saída a Erbil, no Iraque. O custo foi de 150 liras num ônibus VIP, com tela de vídeo, tomada e líquidos. Só que faltou banheiro, espaço e inclinação maior nos assentos - não que esses últimos itens façam diferença, já que é impossível dormir. Dia 6 As paradas, inclusive policiais, foram várias. À 1 da manhã, jantamos uma refeição de 25 liras num restaurante bem na fronteira com a Síria, um lugar bom pra relaxar, só que não. Se não bastasse isso, o motorista guiou o ônibus dali até chegar no Iraque pela contramão, visto a fila quilométrica de caminhões que bloqueava a via correta. Deixamos a Turquia pela fronteira de Ibrahim Khalil. Nessa hora, entramos na sala onde conseguiríamos o visto para o Curdistão (que é diferente do iraquiano) ou não. Os oficiais nos fizeram algumas perguntas, olharam algumas listas atrás de informações, e a tensão ficou no ar… Mas felizmente nos deram um visto para 30 dias! Felizes com o sucesso, seguimos o resto do caminho, conseguindo dormir praticamente nada até a chegada a Erbil, com o sol já de pé. Isso foi às 7 da matina, ou seja, a viagem durou nada menos que 11 horas! Compramos a passagem de retorno (25 dólares) no terminal e vagamos que nem uns zumbis por quase 6 km até o hotel de Erbil. Nesse caminho não vimos absolutamente nada de interessante. Mas nos chamou a atenção a quantidade de câmeras de segurança e guardas armados com fuzil, o lixo jogado em qualquer lugar, bem como a alta proporção de fumantes, que praticam o ato até mesmo em lugares fechados. Conseguimos aproveitar ainda o exótico café da manhã do hotel Altin Saray, onde fizemos check-in. Teoricamente é 4 estrelas, mas de forma alguma eu o consideraria com mais de 3, visto seu estado de conservação e amenidades. Ao menos possui wi-fi. A diária custou 50 dólares, dividido em 2. Com o sol já quente, deixamos o quarto para nos aventuramos nos arredores. Trocamos dólares na cotação padrão (1200 dinares iraquianos por dólar) em uma das bancas na rua - Erbil é segura o suficiente para isso e os curdos são honestos. Depois, prosseguimos à cidadela, patrimônio da UNESCO que fica em um monte no meio da cidade. Apesar de ter uma história antiquíssima, com habitação contínua por cerca de 6 mil anos, as muralhas e demais construções em barro estão decadentes, e a restauração está deixando tudo muito artificial com itens modernos. Não se paga nada a entrar, somente os museus internos. Fomos nos 2 que estavam abertos: o têxtil (mil dinares) e o de geologia (1500 dinares). Fora isso, há uma mesquita e a vista dos 2 lados dos portões, mas a maior parte da estrutura interna está inacessível. Descemos do outro lado e um pouco depois achamos um lugar pro almoço. Com 8000 dinares cada, recebemos uma infinidade de comida no restaurante Ranya. O principal era o kebab, mas os acompanhamentos foram excessivos. Que nem bolas, rolamos até a parada seguinte, a majestosa mesquita de Jalil Khayat. Pegamos umas paradas no Carrefour do shopping ao lado, e em meio ao trânsito caótico, voltamos. Enquanto o Mailton foi pro hotel descansar, eu fui na cidadela assistir o sol se pôr e o chafariz da praça se elevar. Acabei fazendo amizade lá com um curdo e um árabe, que me pagaram um chá enquanto conversávamos. Depois disso me retirei ao hotel e desmaiei. Dia 7 O conforto do quarto estava bom, pois dormimos em torno de 12 horas! Depois do café, saímos a caminhar. Primeira parada: Erbil Civilization Museum. É um museu gratuito, com 3 salas, onde ficam diversos artefatos das civilizações que viveram no Curdistão no passado, principalmente os povos da Mesopotâmia. Enquanto vagávamos em direção aos parques, fomos repreendidos por tirar fotos que não deveríamos, uma paranóia só. Entramos em 4 parques, todos eles quase vazios, com a maioria das lanchonetes fechadas e dos chafarizes desligados. Aqui é tão seco que a água evapora dos lagos artificiais de uma hora pra outra. O primeiro parque foi o Gilkand, cujo destaque é uma cascata artificial. Depois, o Shanadar, que tem um mirante. Também é cruzado por um teleférico (que não estava ligado) até o seguinte, Minare Park. Seu nome é devido a um minarete antigo que se encontra dentro dele. Almoçamos em seguida no Supass, lanchonete onde comi um prato de saladas e tal por 3 mil dinares. Me deu uma zica no estômago, mas não tive onde me aliviar, pois nem ali e nem os parques eu poderia usar o banheiro, a não ser que fizesse de cócoras e limpasse o traseiro só com água - costume local que eu fiz questão em não aderir. O último parque (Sami Abdulrahman) é o maior deles, mas igualmente vazio e desprovido de grandes atrações. Nem os jardins são muito bonitos. De lá, tomamos um táxi ao Syriac Heritage Museum por 5 mil contos. Só que ao chegarmos lá, tivemos o desapontamento dele estar fechado. Não obstante, fomos ao sítio arqueológico vizinho de Qasra Knoll, onde foram achadas evidências de uma ocupação fortificada desde o tempo dos assírios. Apesar disso, não há controle e proteção alguma; os buracos das escavações estão cheios de lixo, como a maior parte de Erbil. Com uma procura básica, conseguimos até mesmo encontrar uns pedaços de cerâmica encravados na terra. Com o sol descendo, voltamos ao centro, mais precisamente no Bazar, o mercadão coberto. Provamos uns doces gostosos enquanto atravessamos os becos que vendem vários artigos, mas quase nada de souvenires. Ainda assim, levamos pedaços de tapetes curdos por 5 mil. Tiramos umas fotos da iluminação noturna ao redor e voltamos ao hotel. Dia 8 Tentamos alugar um carro, mas de última hora estava caro demais, então fomos até o terminal de ônibus. Lá, logo conseguimos um táxi compartilhado até Shaqlawa, ao preço de 20 mil dinares pelo carro ou 5 mil por passageiro. O veículo seguiu para as montanhas, passando pela pequena fortificação Khanzad, alguns vilarejos e checkpoints, até chegar em nosso destino uma hora depois. Descemos do veículo ao pés do santuário cristão e muçulmano Raban Boya, que fica quase no alto de um morro. No começo há um cemitério, depois alguns mirantes. Mas nada além, só pedra e lixo. Cruzamos por uma única pessoa até chegarmos na escadaria final, que atravessa um portal no paredão rochoso. Só que dentro dele, onde deveria haver o tal santuário, não há absolutamente nada. Para não perdermos a viagem, decidimos escalar ao topo do morro, só que nessa parte não há trilha, é realmente necessário escalar entre as rochas e árvores do vale. Foi duro e perigoso, mas poucas horas depois chegamos a um ponto 400 metros acima, onde encontramos vestígios de armas de guerra. Nessa hora, apreciamos um pouco a vista e decidimos descer, já que não queríamos virar alvo do Estado Islâmico. Continuamos descendo entre as ruas da cidade, com algumas belas moradias, por sinal, até acharmos um restaurante. Pedimos arroz e frango, mas como quase ninguém fala inglês nesse país, recebemos tudo quanto é vegetal menos arroz, além do frango. A refeição custou apenas 5 mil dinares para cada um. Por fim, chegamos ao movimentado centro. Entre as diversas lojas de guloseimas disponíveis, provamos crepes, milkshakes e sorvetes, incluindo o sabor romã, que é a fruta mais típica da região. Preços entre 1000 e 2500 dinares. No centro mesmo dividimos um táxi para voltar a Erbil, mas dessa vez tivemos que esperar um pouco. Na chegada, perambulei pela rua para, entre uma dezena de carrinhos de comida de rua, encontrar uns sanduíches de mil dinares para guardar para a janta. Dia 9 Partimos às 9 e meia na mesma companhia, mas num ônibus pior dessa vez, e vazio. Minha poltrona não reclinava, o ar não funcionava, nem o wi-fi e a tela de vídeo idem. E dá pra acreditar que o motorista foi fumando dentro do ônibus enquanto dirigia? No trajeto todo, da janela só se viu paisagens semi-desérticas monótonas. O que não foi monótono foi o interrogatório pesado que nos fizeram na entrada da Turquia, achando que éramos terroristas. Por muito pouco não nos negaram a entrada… Novamente a jornada durou 11 horas. Pegamos um táxi na chegada até o portão norte da cidade velha, onde ficamos no hotel Kaya. Um quarto decente pra 2 com café custou 15 euros no total. Ficamos vendo um pouco de TV na Al Jazeera e dormimos em seguida. Dia 10 O café do hotel foi um pouco fraco, mas pelo preço não deu pra reclamar. Caminhamos ao redor de toda a muralha da cidade antiga de Diyarbakir. Ao sul ficam os jardins de Hevsel, também incluídos no Patrimônio da Humanidade. Com a volta completa, paramos no museu da fortaleza. A entrada é de 6 liras, mas nos deixaram entrar de graça. Há algumas construções modernas que abrigam em seu interior peças e informações históricas e arqueológicas de períodos antigos desde os povos da Idade da Pedra da região da Anatólia. Há também um castelo e uma mesquita em ruínas. Bacana. Almoçamos numa das muitas lanchonetes de kebab, pagando 5 liras num sanduba desses. Depois negociamos a ida ao aeroporto por 30 liras no total. Lá aguardamos o voo de retorno a Istambul pela Pegasus. Com um bocado de horas até o embarque do voo seguinte a Teerã, passamos o tempo no shopping Viaport Outlet que fica próximo do aeroporto Sabiha Gökçen (20 liras de táxi). Quase virando o dia, embarcamos mais uma vez com a Pegasus, até a capital do Irã. Dia 11 O voo foi uma droga. Além das poltronas não reclinarem absolutamente nada (como em todos os voos da Pegasus), a descida foi de uma turbulência tremenda. Ao desembarcar, precisamos comprar o seguro de saúde (14 euros ou 16 dólares) e pagar pela emissão do visto (80 euros ou 92 dólares), cujo formulário havia sido preenchido e pré-aprovado no sistema de eVisa. Enfim, consegui entrar no meu país/território de número 100! Comemoração sem álcool, já que no Irã é totalmente proibido. A troca de dinheiro foi outra saga. No guichê de câmbio na área de retirada de bagagem a cotação era baixa, então fomos recomendados a trocar no câmbio da área externa no andar acima. No caminho, fomos interceptados por cambistas que tentaram nos enganar, dizendo que a cotação da tal casa de câmbio era pior, o que não era verdade, pois conseguimos 110 mil rials (ou 11 mil tomans, mais usado no comércio) por cada dólar, muito melhor que a cotação oficial de 42 mil! Essa cotação atualizada diariamente pode ser conferida no site Bonbast. Certifique-se de estar levando dinheiro suficiente, pois no momento não são aceitos cartões de crédito internacionais nem pra pagamento e nem pra saque. Como o metrô só abriria às 6 e 50, e a distância até a cidade é longa, negociamos com um táxi para nos levar por 10 dólares até o terminal doméstico de Mehrabad, já dentro de Teerã, onde voamos com a Mahan Air até Shiraz, no Sul do Irã. Pagamos 260 reais cada para comprar a passagem pela internet. O voo foi num BAE-146, mesma aeronave que vitimou o time da Chapecoense. Há um baita espaço interno nesse avião antigo. Também serviram um lanche e uma revista. Ao pousar com sucesso, não foi dessa vez que usamos metrô, pois ele fecha no dia sagrado do islã (sexta-feira). Um táxi (200 mil rials) nos deixou no hotel Niayesh, onde nos hospedamos por míseros 5 dólares a cama com café. É bem organizado e limpo. Almoçamos no próprio restaurante do albergue, num tapete no chão. Escolhi o prato típico “kalam polo” com arroz, repolho e temperos e um suco. A comida deu 220 mil, ou seja, apenas 2 dólares. Caminhamos em seguida pelas atrações ao redor, sob chuva moderada. Primeira visita foi guiada gratuitamente no santuário Islâmico Shah Cheragh. É um espaço grande preenchido por pátios, mesquita e uma sala que contém o túmulo do homenageado pelo conjunto. A decoração de todo conjunto é bela e interessante como as demais iranianas, mas a sala do túmulo é especial, pois é toda preenchida por micro espelhos. Visitamos depois o Naranjestan, que contém um jardim de laranjeiras, o casario antigo de Zinat Al-Moluk e um museu de antiguidades arqueológicas persas. Vale o investimento de 200 mil. Algumas das atrações estavam fechadas, então seguimos pra última do dia, a Cidadela de Karim Khan. As muralhas restauradas e iluminadas à noite em uma área agradável de Shiraz são impressionantes. O seu interior, ao custo de 200 mil rials, nem tanto. Jantamos frango com arroz numa lanchonete por somente 160 mil e voltamos para o hotel. No primeiro dia já me senti bem seguro, ainda que a presença policial e militar fosse menor que no Iraque. As pessoas olham bastante pro alemão aqui e até cumprimentam, pedem foto e fazem perguntas, mas é mais por curiosidade mesmo, e não interesse. Dia 12 Às 7 tomamos o café, que nos surpreendeu pela qualidade, pois meia hora depois começamos um tour pelas cidades antigas do Império Persa. Reservando com a própria hospedagem e executado pela agência Key2Persia, custou 30 euros com transporte, um bom guia, entradas, lanche e refeição. Sessenta quilômetros separam Shiraz de Persépolis, a principal capital dos persas durante o período Aquemênida. Ela está em ruínas principalmente devido à invasão de Alexandre. São 200 mil rials de entrada para se ver portais, colunas, pavilhões e murais adornados dos palácios que compunham a cidade da auge do Império Persa, quando era formado por 28 povos da Líbia à Índia. Além disso há um museu e as tumbas dos imperadores Artaxerxes II e III, que ficam num morro de onde se vê toda a capital. Em seguida, visitamos a necrópole próxima, chamada Naqsh-e Rostam. Por mais 200 mil se vê o exterior das impressionantes tumbas dos demais imperadores persas, entalhadas na montanha. Abaixo delas ficam murais em alto-relevo do período Sassânida e o “cubo” do zoroastrismo, religião oficial que foi a primeira monoteísta no mundo. Almoçamos no restaurante e hospedagem tradicional Ojag Seyyed. A decoração é autêntica e os diversos pratos típicos deliciosos. À tarde, paramos em Pasárgada, a capital anterior. Aqui já não há tanto para se ver como em Persépolis, e as ruínas estão mais espalhadas. A principal é o mausoléu de Ciro, o Grande, mas também há palácios menores. Na entrada ficam lojas com souvenires. Comprei uma estátua do homem alado representante do zoroastrismo por 200 mil rials. Tomamos um chá ali perto e voltamos com o sol se pondo atrás das montanhas áridas da região de Fars. Descemos direto no Vakil Bazar, mercadão coberto. A exemplo do Irã em geral, os preços aqui são bem baratos. Compramos alguns tapetes pequenos estilosos em torno de 150 mil cada. Se tivéssemos espaço suficiente eu levaria pra casa toda. Tomei um gostoso suco natural de romã (100 mil), antes de voltarmos pro hotel para jantar. Comi um tal de “tahchin” de frango por 220 mil. Dia 13 A noite foi bem dormida nesse quarto bacana. O café bem aproveitado sem pressa. Em sequência, fomos à mesquita rosada (Nasir Al-Mulk), assim nomeada devido à refração da luz solar sobre vitrais coloridos num salão interior. Esse efeito só ocorre pela manhã, e quanto mais cedo melhor - tanto pela intensidade quanto pela lotação. Tiramos uma fotos e seguimos de táxi (150 mil) ao portal Qoran Gate, na saída de Shiraz. Ele estava em reforma, mas ainda deu pra ver algo. Além disso, subimos as escadarias do morro ao lado para termos a vista da cidade inteira. Ao descer, passamos pelo Jahan Nama Garden, que não vale nem o tempo e nem o dinheiro. Caminhamos em frente ao mausoléu de Hafez, também nada de mais pra turistas. Poderíamos voltar de metrô, mas o táxi é tão barato que quase não compensa. Almoço típico no hostel e check-out, visitamos o Eram Garden antes da partida. É um jardim botânico que faz parte de um patrimônio da UNESCO. Não obstante, é pouco interessante. Vi alguns passarinhos no jardim; praticamente a única fauna nativa até então. Passando mais tempo no trânsito, percebemos como ele é frenético e, ao contrário do Curdistão Iraquiano, os carros aqui são bem velhos. Na rodoviária pegamos um ônibus espaçoso até Yazd. Compramos antecipadamente pela internet por quase 10 euros, mas poderíamos ter deixado para comprar na hora por menos da metade do preço. Seis horas depois, descemos na rodoviária da outra cidade, onde seguimos pela noite num táxi possivelmente clandestino (200 mil) até o Dalan-e Behesht (4 euros a diária com café). No check-in já aproveitei para usar a máquina de lavar roupa de graça, enquanto jantei uma baita refeição de apenas 155 mil. O quarto ficou só pra gente novamente. Por 6 euros por pessoa, não é tão bonito quanto o outro. Dia 14 O café da manhã foi fraco. De barriga não totalmente cheia, caminhamos pela cidade de adobe (barro+palha). Todo a parte antiga, com alguns milhares de anos, é feita desse material, o que lhe rendeu o título de Patrimônio da Humanidade. Descobrimos o que parece ser um cemitério abandonado ou bombardeado. Chamado Imam Zadeh Jafar Fateh, num pavilhão no meio da cidade velha estavam mausoléus caindo aos pedaços, com lápides espalhadas a esmo. De volta à rua, comprovamos a hospitalidade iraniana ao ganharmos laranjas ao passarmos em frente a uma fruteira. Um pouco além, conhecemos uma construção típica de Yazd, o reservatório de água Rostam-e Giv, que é uma semiesfera com quatro torres exteriores com aberturas que servem para refrigerar o ambiente, e realmente funcionam. Logo depois fica o templo de fogo da religião Zoroastrismo (Zoroastrian Fire Temple), cuja entrada custa 150 mil rials. Há uma estrutura que mostra um pouco sobre essa religião e que contém o fogo sagrado, que segundo contam, é mantido aceso há milhares de anos. Pegamos um táxi até uma das bordas da cidade, onde ficam dois dos montes funerários chamados de Tower of Silence (150 mil). Os seguidores da tal religião sepultavam os defuntos de uma forma diferente, levando-os ao topo de um morro e colocando eles numa vala aberta para, com o uso de ácidos e aves saprófagas, decompor os corpos. Com o comércio quase todo fechado no começo da tarde, tivemos que caminhar um tanto para acharmos um que servia kebab azerbaijani por 250 mil. Descobrimos que a cidade praticamente para das 13 às 17 horas. Visitamos brevemente a praça do Amir Chakhmag Complex, antes de vagarmos por quase meia hora até outro do conjunto de jardins tombados pela UNESCO. Esse se chama Dowlat Abad Garden, sendo que paga-se 150 mil pra entrar, mas também não nos convenceu. Tirando uma pequena mata seca, há um canal de água com fontes em frente à maior torre de vento de Yazd. Uma coisa boa desse município é que há bebedouros espalhados pela cidade, imprescindível com a baixa umidade do ar que faz. Com o sol sumindo e o comércio reabrindo, tomamos na praça anterior sorvetes deliciosos. Estava tão barato (40 mil) que peguei 5 bolas. As mesquitas são iluminadas à noite. Passamos por algumas delas até que eu entrei na Jameh Mosque (80 mil), enquanto Mailton voltou ao hotel. Na saída, fui abordado por um grupo de estudantes iranianos que queriam praticar o inglês. Foi bacana o papo. Terminei o city tour pelos becos sem problema algum de segurança, até achar novamente o Dalan-e Behesht. Por fim, jantamos o mesmo da noite passada. Dia 15 No check-out paguei em euros, pois a cotação estava ainda melhor que antes (1450 rials). Em seguida, negociamos no hotel um tour privado pras cidades vizinhas por 15 euros no total. Só foi deixarmos Yazd que o deserto árido e montanhoso tomou conta da paisagem o dia todo. A primeira parada foi em Kharanagh. Aqui ficava um vilarejo de adobe até uns 50 anos atrás, quando todos deixaram o local devido à falta de recursos. Hoje em dia pode ser visitado de forma completa, inclusive escalando pulando sobre os telhados que estão se desmanchando. A vista das construções arruinadas é de outro mundo. Não se paga nada aqui. Já no caravansarai em frente, 50 mil. É uma das mil unidades desse tipo espalhadas pelo país que foram construídas há centenas de anos para abrigar os viajantes e seus animais. Nas retas intermináveis ao ponto seguinte, o motorista chegou a insanos 170 km/h. Chak Chak (100 mil) é outro local sagrado do zoroastrismo, onde os seguidores se refugiavam dos árabes. Fica escondido entre montanhas ferrosas, e seu nome é devido ao gotejamento de água que há nesse local e que propicia a vida. Há vários mirantes, mas o melhor é um monte que fica de frente ao complexo, mas fora da rota. O final foi em Meybod, uma cidade antiga. Entrei no Narein Castle (150 mil), fortificação de adobe, e vi de fora a torre onde se coletava fezes de pombo e o salão onde se mantinha o gelo sem eletricidade. Finalmente, entramos no caravansarai, que não se paga, onde ficam lojas e museus. Almoçamos bem ali por 180 mil, incluindo um buffet de saladas. Experimentei uma cerveja local (somente sem álcool); entre os ingredientes inusitados, ácido ascórbico, ácido lático e água carbonatada. Ao invés de voltarmos a Yazd para pegar o ônibus a Isfahan, nosso motorista achou melhor tentarmos dali mesmo. Acontece que ônibus após ônibus estavam todos cheios, e a noite foi chegando. Até que por 250 mil conseguimos um lugar nada usual. Não havia mais assentos disponíveis, então ficamos na escada. Até que não foi tão ruim, considerando que outros dois coitados tiveram que ficar no bagageiro! Viemos conversando com um grupo de estudantes iranianas no trajeto de 2 horas. Ao descer no terminal de Soffeh, pegamos um táxi ao Annie Hostel, um albergue de verdade. Ficamos num dormitório coletivo por 5 euros, sendo que a limpeza dos ambientes não é o ponto forte. Pedimos um rango vegetariano de tele-entrega para comer antes de dormir. Dia 16 O café de 1 euro foi pão chato em metro com um molho branco que o Mailton comeu e um marrom de lentilha que eu escolhi. Decidimos não repetir no dia seguinte. A longa caminhada pela metrópole de Isfahan começou por palácios e praças bonitas. Pagamos 150 mil no Hasht Behesht, um palácio pequeno com teto de ouro, mas com as pinturas das paredes necessitando seriamente de restauração. Atravessando o agradável Rajayi Park, entramos no museu do palácio Chehelsotoon (200 mil). A construção aqui é alta, com piscinas de água, e com quadros bonitos no interior, mas os andaimes do exterior estragam a paisagem. Bagh Homayoun foi o restaurante típico onde almoçamos. Por 300 mangos pedi o prato iraniano chamado “dizi”, que é uma mistura doida de carne, batata e vários vegetais num molho. Gostei. A grande praça de Naqsh-e Jahan é frequentada pela população local, mas também é turística, então fomos abordados continuamente. Entramos em uma de suas alas laterais e só saímos quilômetros depois. Os corredores são um bazar infinito! Vimos a luz do dia novamente na grande mesquita de Isfahan (Jameh Mosque). Por 200 mil, visitamos seu interior, de arquitetura interessante. Em seguida, estreamos o metrô. Assim como as demais cidades grandes do Irã, Isfahan possui um moderno sistema de trem subterrâneo. Nos deixaram usar de graça. Descemos numa estação ao sul da cidade, uma área bacana. Resolvemos entrar na confeitaria Amooghannad, que descobrimos ter doces bonitos, bons e muito baratos. Por menos de 1 dólar comi 8 deles - fora as amostras grátis que nos ofereceram. Perdemos a visita às igrejas próximas por já estar no pôr do sol, mas nem nos importamos. Seguimos ao ponto turístico seguinte, melhor visto à noite. É a ponte Si-O-Se-Pol, com diversos arcos, que atravessa um leito de rio largo absolutamente seco! Passamos mais um tempo à toa no movimentado centro, comendo, até voltar ao albergue, onde conhecemos uma chinesa. Dia 17 Esse dia foi intenso. Eu, Mailton e a chinesa pegamos um ônibus de manhã até o terminal de Soffeh (10 mil rials, ou 5 mil se comprar um cartão de 50 mil), de onde caminhamos até a entrada do Soffeh Park. Aos pés da montanha de mesmo nome, pegamos o teleférico até o alto, ao custo de 300 mil pela ida e volta. É possível subir a pé também, por um caminho que passa por um zoológico mixuruca. A estação de teleférico fica a 2040 metros de altitude, enquanto que o topo da montanha está 200 metros acima. A partir dali não há um caminho fácil para seguir ao cume, pois é preciso escalar rochas sem proteção alguma. Por isso, os dois decidiram ficar por lá, enquanto eu fui sozinho. O trajeto é apenas de pedras e solo, nenhum animal ou árvore. Só que a vista lá de cima compensa, pois é possível ver de longe em 360 graus. Além de toda cidade de Isfahan, vislumbra-se montanhas e desertos. Fiquei um pouco no topo, onde tomei um chá com iranianos. Um caminho lateral leva até as ruínas de uma fortificação antiga e algumas cavernas. Como eu precisaria pegar um ônibus para Teerã às 16 horas, comecei a descida às 13:45h. Cheguei à estação 5 minutos depois que ela havia fechado (14h), mas ainda me deixaram descer. Lá em baixo, corri até a estação de ônibus de Soffeh, onde penei pra achar o ônibus certo até retornar ao albergue e pegar minha mochila. Cheguei no Annie Hostel esbaforido, onde reencontrei Mailton. Por sugestão dos anfitriões, pegamos um táxi de aplicativo tipo Uber que saiu por 50 mil, dividido entre nós dois. Enfim, paramos no terminal de Kaveh, trocamos os bilhetes e subimos no ônibus quase no minuto em que ele estava partindo! A viagem, que incluiu um lanche, durou 6 horas com a parada, até a chegada ao terminal sul de ônibus. Só que nós perdemos o ponto e só conseguimos descer no terminal norte. Quando entramos na estação de metrô, o último vagão do dia estava chegando. Pura emoção! Nao precisamos pagar de novo. Descemos algumas estações depois e dormimos no Seven Hostel. Há um banheiro com chuveiro em cada quarto compartilhado de 2 beliches. Dia 18 O café da manhã vem num pacote fechado e é suficiente. Do terraço dá para se ver a montanha nevada ao fundo. Mailton foi pra montanha, então sozinho eu peguei o metrô, que custa 10 mil, independente da distância ou troca de linha, até um dos parques que visitaria no dia. As estações de metrô são decoradas e limpas, ao contrário de certos países desenvolvidos. Desci no ponto do parque Chitgar. Tinha escolhido atravessá-lo em direção ao jardim botânico, uma longa caminhada, pois pensei que escaparia da muvuca da cidade grande, mas acontece que nos finais de semana e feriados os parques lotam, e aqui não foi diferente. Carros com som alto, piqueniques com fogueiras e muitos olhares tiraram minha paz. Só vale a pena passar por aqui se você alugar uma bike pra usar os caminhos designados a elas. Uma dezena de quilômetros depois, almocei uma vitamina doida (180 mil) e prossegui ao National Botanical Garden of Iran. A entrada custa 120 mil, e aqui também estava bem movimentado. Em cerca de 150 hectares (metade das quais com acesso restrito), há uma dezena de jardins de diferentes temáticas, com elementos paisagísticos e espécies das regiões. Só que no outono poucas flores estão coloridas, então não foi tão interessante assim. Voltei de metrô até a estação do albergue, para procurar um lugar para comer de verdade. O melhor que achei foi um self-service de falafel (bolinho frito de grão-de-bico e especiarias), onde comi uma baguete com isso e cheia de salada e mais uma samosa por apenas 85 mil rials! O resto da noite passei no Seven Hostel. Mailton voltou da montanha com uma clavícula quebrada, devido a uma queda no snowboard. Por isso teve que ficar usando um imobilizador e restringir o movimento pelo resto da viagem, que azar! Dia 19 Acordei empolgado pra esquiar na montanha. Tomei o café, peguei uma hora de metrô até a estação final Tajrish e arranjei um táxi compartilhado (20 mil) até a entrada do parque. Subi os 1,5 km finais até o teleférico, só pra descobrir que hoje o parque estava excepcionalmente fechado devido a um feriado! Que balde de água fria na minha animação.. Pra não perder a viagem, desci até o complexo de palácios e museus Saad Abad. Num baita terreno florestado ficam antigas residências importantes, transformadas agora em museus de diversos tipos. A entrada em cada um deles é 80 mil, e nos jardins e porção exterior do complexo é 150 mil. Na praça Tajrish fica também um pequeno bazar e uma mesquita que eu visitei. Voltei de metrô até Park-e Shahr, onde ficam 2 dos principais pontos turísticos: Palácio de Golestão e Museu Nacional do Irã. O museu custa 300 mil e conta através de vestígios a história do Irã durante a antiguidade, dos povos pre-históricos ao fim do Império Persa com a conquista dos árabes. Há um material interessante, mas pra quem viu na prática, parte disso perde a importância. O palácio já estava fechado quando passei na frente, mas acabei reencontrando um chileno que eu havia conhecido em Yazd e que, como descobri ali, é um famoso cinegrafista (Jorge Said). À noite, repeti o rango e fiquei de boa. Dia 20 Mais uma frustração quando fiquei sabendo que a estação de esqui estava fechada devido ao mau tempo. Aqui se foram minhas chances de esquiar num dos lugares mais baratos do mundo (1,5 milhões de rials). Com isso, só me restou dar um giro aleatório pela cidade sob chuva e frio. Acabei descobrindo junto ao parque Taleghani, que tem uma ponte bacana sobre a floresta e a rodovia, que há um museu militar (Holy Defence Museum - 250 mil). Não cheguei a entrar nele, mas na área aberta ao público há a maior coleção que já vi de veículos militares, como tanques, aeronaves e mísseis. Depois disso, passei debaixo da enorme Torre Azadi. Assim como nos demais dias em Teerã, não consegui achar comida decente para almoçar. Retornei ao albergue e esperei o tempo passar até pegarmos o confuso metrô no começo da noite para o aeroporto distante, por 75 mil rials. Ali acabou nosso dinheiro. Dia 21 Tivemos que virar a noite para aguardar o voo seguinte a Istambul pela Pegasus às 4 da madrugada. Ainda bem que o fundo estava meio vazio, pois assim consegui uma fileira pra deitar no avião. Ao desembarcar, pegamos o ônibus Havabus (14 liras) e o metrô para chegarmos ao centro em Sultanahmet, onde nos reencontramos com Jorge Said. Ele nos pagou um café da manhã em agradecimento a uma tarefa que fiz pra ele. Nesse dia caminhamos um bocado por essa região. Vimos algumas mesquitas esplêndidas no exterior, como a Mesquita Azul, Hagia Sophia e Suleymaniye. Os interiores não foram legais, pois o dessa última não era tão bonito, da anterior teria que pagar absurdas 90 liras pra ver e da primeira estava em reforma. A praça onde ficam as duas mesquitas principais é bem turística. Possui ainda alguns monumentos da época do Império Bizantino, e a muralha que cercava a cidade. O Grande Bazar também é outro atrativo. Cheio de opções para todos os gostos, só é preciso negociar bem para conseguir um souvenir bacana. Ainda mais pra quem acabou de voltar do baratíssimo Irã. Depois de uma espreitada no movimentado Estreito de Bósforo, comemos e retornamos ao aeroporto. O último voo da Pegasus foi para o Líbano. Sem problemas, entramos no novo país, pegamos libras libanesas (400 por real), retiramos o carro alugado na Budget (59 dólares com desconto, para 4 diárias) e seguimos a Beirute, que estava com o trânsito tranquilo àquela hora da noite. Ficamos hospedados num apartamento simples pelo Airbnb, fora do centro, mas na zona portuária, portanto meio barulhento. Dia 22 Recuperamos o sono perdido. Ainda pela manhã, fizemos um rancho no supermercado Co-op logo após deixar Beirute. A comida aqui não é nada barata. Seguimos pelo litoral rumo ao sul num dia ensolarado e quente, passando por muitas plantações. A primeira parada foi na cidade de Sidão. Foi fundada pela civilização marítima Fenícia, mas sobraram poucas ruínas para contar a história. A cidade velha agora é um pequeno labirinto usado no comércio e moradias. Uma das ruínas que possui um pavilhão interno estava sendo palco de um evento político em defesa da Palestina. Com minha cara de gringo, achei melhor não permanecer. Já o pequeno castelo marítimo vale a foto gratuita de longe, mas não chegamos a pagar as 4 mil libras libanesas para vê-lo de perto. Mais ao sul, passado um posto de controle militar, estacionamos em Tiro, outra cidade bíblica. Aqui ficam ruínas consideradas como Patrimônio da Humanidade. Uma parte dela fica à beira-mar e pode ser vista de fora ou pagando entrada. Outra fica cercada a um quilômetro dali, mas no lado oposto da bilheteria há um buraco na cerca por onde entramos. Há colunas, arcos e arquibancadas de um antigo hipódromo romano. Fomos em seguida pelo interior, subindo as colinas libanesas. Em Qana fica uma gruta sagrada para os cristãos. Há uma estrutura para o turismo, mas quando chegamos à portaria não havia ninguém. Novamente, passamos por um buraco na grade. Na borda de um vale cheio de rochas, há uma pedra com corpos esculpidos e uma pequena gruta com uma cruz e uma imagem santa. Nada além disso. Tentamos continuar pelo interior, mas a poucos quilômetros da fronteira com Israel fomos barrados e tivemos que retornar. Como o sol já estava se pondo, voltamos a Beirute e ao hotel. Percepções do dia: depois do árabe, o inglês e o francês são igualmente compreensíveis; há muitos guardas armados e cartazes com incentivo à luta armada; o trânsito é meio caótico e os motoristas impacientes. Dia 23 Através de incontáveis postos de checagem militar, subimos a serra até o Vale de Beqaa, onde predominam plantações e ruínas. Fomos atrás da segunda opção. Para entrar no patrimônio da cidadela de Anjar, fundada por árabes no século 8, pagamos 6 mil libras, ainda que poderíamos ter entrado de graça pelo lado oposto do portão. As ruínas daqui se resumem a paredes, colunas, arcos, mosaicos e outros elementos rasteiros. De mais legal, vi uma aranha buraqueira e um camaleão. Na entrada de Balbeque, algumas dezenas de km adiante, paramos para almoçar. Pedimos esfirras, mas para nossa desilusão, vieram apenas trouxinhas minúsculas de carne, ao custo de 1 real e pouco por cada. O sítio arqueológico de Balbeque tem uma entrada nada barata (15 mil), mas que vale a pena. É um dos mais completos que já vi. Foram erguidos templos para os deuses romanos Júpiter, Baco e Vênus, sendo que o de Baco está bastante preservado. Também há outras estruturas religiosas e defensivas que foram sendo construídas conforme a cidade passava de mãos entre cristãos e muçulmanos. Um pequeno museu completa o todo. Ao sair, tomamos um sorvete bom e barato (500 libras por bola) na frente, e seguimos estrada ao escurecer do céu. Quando já estava preto, atravessamos a nebulosa montanha coberta de neve. Dormimos no Vale de Qadisha, no vilarejo de Bcharré, na hospedagem Tiger House. Pagamos 15 dólares cada por um quarto compartilhado sem café. Foi legal que conhecemos outros viajantes, mas o lugar não disponibiliza cozinha e fede, pois a dona fuma na sala de estar dos hóspedes. Dia 24 Acordamos cedo, pegamos o carro e entramos num dos vilarejos nos penhascos, onde subimos numa laje para admirar o visual do vale. Essa região é dominada por cristãos, então há igrejas e cruzes por todos os lados. Em seguida, conhecemos a floresta protegida de cedros-do-Líbano (Cedrus libani), espécie de pinheiro ameaçada que é bem bonita. A entrada é mediante doação. Ao redor, há um bocado de quiosques vendendo souvenires de cedro. Atravessando estradas pelo meio das montanhas, nós dois e mais o indiano Rishal chegamos numa maravilha da natureza. Por 4 mil cada, acessamos um lugar onde fica uma comprida cachoeira que atravessa um sumidouro em uma rocha parcialmente perfurada, como nunca vi antes. Lá encontramos outros colegas da hospedagem, com quem fomos juntos ao mirante da cruz de Jesus. Subimos e apreciamos a paisagem. Depois nos separamos e paramos pra comer num restaurante no caminho ao litoral. Gastamos 6 mil cada por um tipo de sanduíche típico. Enquanto o sol se punha, bem cedo como de praxe, descemos a serra até Biblos. Apesar de já estar escuro, vimos de fora a iluminada cidade velha (patrimônio da UNESCO e uma das mais antigas do mundo). A região portuária pareceu ser bem agradável. Enchemos o tanque (1240 libras por litro) do carrinho e pegamos a rodovia movimentada em ambos sentidos próxima da capital, onde ficamos novamente no apê do Airbnb. Dia 25 Reservamos o dia para conhecer Amã. Há barricadas militares por todos os lados, o que dificulta o acesso. Para estacionar, em alguns momentos conseguimos nas ruas de graça, enquanto em outros precisamos pagar no parquímetro (250 libras por 15 minutos). Existem prédios religiosos por todos os lados, mas por incrível que pareça, as igrejas estão em maior número. Há um bocado de prédios bem modernos também, principalmente ao redor da marina de Zaitunay Bay. Ainda, ruínas romanas estão concentradas numa área, mas não bem cuidadas. No litoral, há uma praia e uma dupla de rochas que se elevam no mar e são chamadas de Raouche. Conhecemos também o museu nacional (5 mil). Em três andares, é uma rica coleção de peças arqueológicas dos períodos de ocupação do Líbano desde a pré-história, passando pelos fenícios, gregos, romanos e otomanos. É interessante. Almocei em dois lugares diferentes, pois no primeiro deles (Zaatar W Zeit) a comida estava meio cara e insuficiente. Já no segundo (The Hunger Game, o ponto baixo foi a demora no atendimento. Sem muito mais o que fazer, demos uma volta pelos vilarejos no interior, até chegar no decorado castelo de Moussa. De lá, com o sol se esvaindo, retornamos à rodovia do litoral, onde paramos em uma das diversas casas especializadas em doçuras. Comi sorvetes deliciosos (1000 por bola) e tomei um suco natural (3000 por meio litro). Nosso voo demoraria a sair, mas como já era noite, retornamos o carro e esperamos no aeroporto. O voo curtíssimo nos levou de Cyprus Airways até Lárnaca, no Chipre, por 48 euros. Retiramos o carro alugado (56 dólares pra 3 diárias) e seguimos pro hotel Mariandy, onde dormimos num quarto para 2 por 30 euros. Como eu descobriria no dia seguinte, meu leito provavelmente estava infestado de percevejos de cama. Dia 26 Como perdemos um dia no Chipre devido à falência da Cia aérea Cobalt, tivemos que correr para conhecer o país em apenas 2 dias. Tomamos o bom café da manhã do hotel e partimos. A ilha de Chipre tem influência e é dividida entre 3 grupos. Os britânicos ocupam algumas bases militares e os territórios de Acrotiri e Deceleia, além de repassarem um dos idiomas, o padrão de tomada e o sentido de condução veicular. Os turcos invadiram quase metade da porção superior da ilha e lá usam sua moeda e idioma. Já os gregos, esses colonizaram no passado e deixaram sua marca na maior parte cultural, como no idioma principal do Chipre. Depois de atravessar as bases militares, entramos na praia mais badalada da ilha, a Nissi. Só que nessa época de quase inverno o litoral do Chipre fica abandonado, com pouca gente e a maioria dos estabelecimentos fechados, então a praia estava meio morta. Mesmo assim, é bem bonita. Mais adiante, paramos em um arco de calcário sobre o mar. Junto dali, havia uma exposição ao ar livre de estátuas de vários tipos e artistas de diversos países. A praia seguinte conhecida foi Fig Tree Bay. Dizem que ela é uma das mais bonitas do mundo, mas, além de ter a Bandeira Azul, não achamos nada de especial nela. Perdemos tempo no trânsito bloqueado por uma maratona e pela impossibilidade de cruzar a fronteira para o Chipre do Norte (turco) de carro, já que teríamos que pagar um seguro extra de 20 euros. A linha de fronteira ao longo da rodovia foi toda desocupada à força, então mais parecem vilarejos fantasmas. Meu almoço foi num restaurante típico (Avra) na turística Agia Napa. Paguei 8 euros por um frango com batata, salada grega e pita com tzatziki, saindo de lá estufado. Vimos um baita pôr do sol nas 4 e meia da tarde sobre o promontório do Parque Nacional Cabo Grego, que protege uma área de restinga endêmica. Peguei a rodovia pela noite até a capital Nicósia, dividida ao meio entre o Chipre e o Chipre do Norte. Estacionamos o carro antes da fronteira e a atravessamos a pé. Ao contrário da parte do sul, aqui as ruas são meio escuras e abandonadas. Há alguns prédios antigos a serem visitados, como mesquitas, museus, moradias e ruínas venezianas. Por 5 liras eu comprei uma cerveja turca num mercadinho, que surpreendentemente aceitou cartão de crédito, e vaguei com o Mailton pelas ruas. Cerca de uma hora depois, jantamos e retornamos. Passamos a noite na Lima Sol House, um projeto de albergue que precisa de umas melhorias. Pagamos 27 euros por um quarto duplo. Dia 27 Pela manhã, caminhamos através da cidade velha até a orla. Lá fica um calçadão e uma marina, num ambiente atrativo. Atravessamos um mercado de rua, mas que não vendia souvenires. Havia apenas uma loja aberta aquela hora para tanto. Com o carro, passamos pelo castelo Kolossi e depois por Acrotiri, outra área britânica com um conjunto sinistro de antenas ligadas por redes. Dentro dessa área fica uma laguna salina, com seu ecossistema típico que inclui flamingos. Em seguida, entramos no sítio arqueológico de Kourion (4,5 euros). Com vista privilegiada pro Mar Mediterrâneo, ficam ruínas greco-romanas que incluem casas, santuário, praça, teatro e banhos. É interessante e bastante visitada. Dali, subimos para as montanhas Troodos. No pé delas, almoçamos na Kouris Tavern. Queria experimentar o típico “meze”, que consiste em duas dezenas de pequenos pratos diferentes, mas como precisa de pelo menos 2 pessoas e o meu colega não gosta de comer nada diferente, fiquei só na vontade. Num ziguezague interminável, chegamos ao topo da floresta de pinheiros e visitamos algumas das igrejas antigas que são patrimônios da UNESCO: Archangelos Michail, Panagia tou Moutoulla, Agios Ioannis Lambadistis. De pedra e madeira no exterior, possuem belas pinturas em seu interior, num estilo diferente do que se vê em igrejas modernas. Na última delas, que é um mosteiro, compramos uma garrafinha de vinho licoroso (3 euros) produzido localmente. Quando retornamos já era noite completa, e o GPS nos mandou por umas estradas bem sinistras. Com a cia de um nevoeiro, o caminho foi emocionante. Passamos o dia tentando achar um lugar para imprimir os cartões de embarque da Ryanair, pois senão teríamos que pagar uma taxa bem desagradável no aeroporto. O problema é que não havia lugar nenhum aberto no domingo pra isso. Foi só ao chegar em Pafos, que conseguimos num mercadinho por 50 centavos a folha. Ficamos no Panklitos Apartments, num apê completo de 22 euros por 2. Pena que não pudemos aproveitar muito, já que teríamos um voo cedíssimo. Dia 28 Morrendo de sono e com o tanque completamente vazio, fomos ao aeroporto da cidade, embarcando no voo até a Jordânia por apenas 18 euros! Na imigração nem precisamos abrir a boca, só mostramos o Jordan Pass (70 dinares jordanianos = 370 reais) que o visto foi concedido. Alugamos um carro na Green Motion, com um preço exclusivo pela Easyrentcars que custou 17 euros pra 2 dias! O Kia Picanto parece ser o carro mais popular do Oriente Médio, pois foi a terceira vez que ficamos com um. Primeiro visitamos o sítio arqueológico de Madaba (3 dinares pra quem não tem o Jordan Pass). Aqui foi descoberta uma antiga cidade bizantina, rica em mosaicos. Mas além disso, não há muito o que ver. Seguimos pela infinita rodovia do deserto. São 300 km até Wadi Rum, com nada mais que areia e pedra em praticamente todo trecho. Até que isso não seria um problema, só que a estrada está toda em obras, com limite de 60 km/h nessas partes, e com vários radares fixos e da polícia! Resumindo, levei um tempão pra guiar o carro até o patrimônio da Humanidade de Wadi Rum (5 dinares sem o Jordan Pass), onde chegamos no vilarejo ao pôr do sol. Um tempo depois, a empresa Bedouin Traditions, com quem havíamos reservado, nos levou de caminhonete sobre as areias até o acampamento isolado. À noite nos serviram em uma tenda um buffet livre de comidas típicas que estava muito bom! Fazia tempo que não comia algo decente assim. Depois da janta, houve cantoria, instrumentação e dança com o pessoal. A maioria se retirou em seguida para suas cabanas individuais, mas eu fui explorar o deserto. Não achei escorpiões, apenas insetos, mas aproveitei bem o céu estrelado. Vi um meteorito cair bem próximo dali. Também consegui fotografar a galáxia de Andrômeda. Enfim, dei uma averiguada no banheiro e fui repousar solo. A limpeza não é o forte do estabelecimento, mas pelo menos há cama coberta, luz e banheiro ocidental. Dia 29 O café da manhã também estava incluso no pacote, mas não cheguei a provar tudo. Depois dele, esperamos pelo passeio de veículo na cia de mais gente pelas belas formações geológicas do vale desértico elevado de Wadi Rum. Foram quase 2 horas entre um cânion, uma duna e uma nascente. Todas as atividades e comidas nos custaram 35 dinares cada. Ao deixarmos o vilarejo, pegamos um almoço bom num posto Total (3 dinares cada quentinha) para devorarmos na estrada. Enquanto um dirigia, o outro comia. A rota até Petra é bem mais interessante que a outra, pois aqui a paisagem é variada e a estrada em melhor condição. Com o Jordan Pass, não precisamos pagar a tarifa absurda de 50 dinares para entrar numa das maravilhas do mundo moderno. Tivemos 4 horas para explorar a área das ruínas. Foi o suficiente, mas se quiséssemos ver tudo, um dia inteiro seria necessário. Petra é a capital do povo árabe nabateano, fundada no século II a.C, escavada no arenito de um vale. Apesar de ter sofrido terremotos, a fachada dos templos e tumbas é estonteante. Há uma certa variedade nas obras, o que vai se notando conforme se desce os 4 km até o final da parte principal. Há uma porção de vistas interessantes das montanhas rosadas. Fomos e voltamos a pé, mas quem quiser pode pagar por veículos a tração animal. Com o sol se pondo, dirigi até a reserva de Dana, onde ficamos à noite. Por 8 dinares cada, ficamos com quartos individuais no hotel de pedra e exageradamente decorado que se chama Dana Tower. Ponto negativo pro chuveiro, wi-fi e barulho. Dia 30 Levantamos cedo para chegarmos ao Mar Morto antes de devolvermos o carro. A estrada por esse lado é mais cênica e verde. Chegamos a uns 400 metros abaixo do nível do mar lá! De volta ao aeroporto, pegamos o ônibus de 3,5 dinares que nos largou na estação norte de ônibus de Amã, Tababour. Lá dividimos um táxi até o hotel no centro, que saiu por 11 dinares no taxímetro. Almocei no Sara Seafood Restaurant. Pedi um risoto de frutos do mar que saiu por 8,8 dinares. Mas o almoço estava delicioso e foi tão volumoso que saí de lá passando mal de tanto comer. Segui pra cidadela, que custa 3 dinares pra quem não porta o passe. Fica num monte de onde se vê todo o centro. Há um pequeno museu com artefatos e bastante história. Fora isso, as ruínas romanas e árabes das ocupações anteriores. Saí de lá quando fechou no pôr do sol. Depois só dei uma volta pelo centro, usei meu último dinar pra comprar comida pra noite e fiquei no hotel, que foi o Nobel (7 dinares). Até o momento não tinha do que reclamar. Dia 31 Fomos de táxi até a fronteira de King Hussein Bridge (25 dinares por 2). Chegando lá, tivemos que pagar uma taxa de saída de 20 dinares. Depois disso, tivemos que dar mais 7 pro ônibus Jett que atravessa os 5 km até a entrada de Israel. O responsável pela hospedagem anterior nos assegurou que o táxi nos levaria, o que não foi verdade. E não é permitido ir a pé. Teria saído mais barato se fôssemos de ônibus ou Uber. Depois de um interrogatório leve na imigração, pagamos 42 shekels + 5 por bagagem para ir de “sherut” (van) até Jerusalém, tendo que esperar o veículo encher para sair. Eles aceitam moedas estrangeiras no pagamento, mas a cotação não é das melhores, assim como a casa de câmbio na saída da imigração. O shekel vale o mesmo que o real. A van atravessa a Palestina até a entrada em Jerusalém, controlada por Israel. O ponto final, onde descemos, é o Damascus Gate. Almoçamos ali um prato de comida por 25 shekels no restaurante Amir, mas como não tínhamos o dinheiro, o vendedor nos passou a perna na conversão. Fizemos o câmbio ao lado, mas ainda assim a cotação não foi como a oficial que, como descobrimos depois, é oferecida dentro da velha cidade murada. Lá dentro é como um labirinto. Há comércio de alimentos, souvenires e outros bens por todos os lados. Em toda parte há algum tipo de edificação, templo ou monumento religioso, tanto cristão, quanto judaico e Islâmico. Entramos na prisão de Jesus, no jardim Getsêmani onde foi capturado, no Monte das Oliveiras onde ficam infinitos túmulos, no Muro das Lamentações e no Santo Sepulcro. Na parte muçulmana onde fica a Cúpula da Rocha, não nos deixaram entrar. Estava uma chuva danada que alagou tudo. Retornamos ao albergue Hebron Youth Hostel para o jantar grátis. Já a diária, essa foi de 41 shekels por cama. Lá conversei com o pessoal, que incluiu o manauara judeu Alan. Dia 32 Arranjamos alguma comida perto pro café da manhã e seguimos de ônibus (6 shekel) para Ramallah, capital cultural da Palestina. Como era sexta-feira, o dia sagrado dos muçulmanos, só conseguimos o ônibus n° 274 que para no check-point de Qadisha. Ficamos surpresos com o muro de concreto que impede os palestinos de se locomoverem como querem em sua própria terra. De lá, tomamos uma van até o centro da cidade (3,5 shekels). Estava um tempo horroroso e todo o comércio fechado quando chegamos. Felizmente, o Museu do Arafat (5 shekels) não. Moderno, conta a história trágica da Palestina desde a instituição de Israel e relaciona os fatos com o principal, Yasser Arafat, envenenado pelos judeus em 2004. A construção fica bem onde jaz a morada e local de trabalho final de Arafat, bem como seu mausoléu. Ao sair, seguimos pela avenida principal, organizada como o resto da cidade em geral, muito diferente de Gaza. Num mercadinho dessa via, comprei barras grandes de Milka, meu chocolate preferido, por 9 shekels cada, preço melhor que do país de origem. Como aceitava cartão de crédito, almoçamos alguns salgados no descolado Zeit ou Zaatar, que tocou umas músicas brazucas pra gente. De sobremesa, fomos às sorveterias. Mailton foi na primeira que apareceu e pagou caro, enquanto eu tomei um cremoso na Baladna ao custo de 4 bolinhas por 8 shekels. Depois, adentramos a casa histórica de Dar Zahran. De graça, ali fica uma galeria de arte e o dono gosta de conversar. Com o sol se pondo, voltamos ao muro e ao check-point. Acabamos nos perdendo a princípio, devido a informações desencontradas, mas passamos de volta a Israel. Enquanto meu amigo foi quase xingado ao retornar, na minha vez a agente de imigração até flertou comigo! Voltamos no mesmo ônibus, ingerimos o jantar grátis do albergue e ficamos conversando com Alan até a hora de tentar dormir, ao som de altos roncos. Dia 33 Ainda chovendo, nós 3 subimos o Monte das Oliveiras, passando os simplórios cemitérios judeus. Lá de cima, tivemos a melhor vista da cidade velha de Jerusalém, com seus múltiplos templos religiosos, claramente destacando-se a dourada Cúpula da Rocha. Perto do mirante, também visitamos a Tumba dos Profetas (5 shekels). Descemos e atravessamos até o quarteirão judeu, limpo e pouco movimentado, já que era dia de descanso para eles. Vimos lá a Sinagoga de Hurva. Em seguida, almoçamos. Os árabes nos meteram a faca na refeição de carne e salada. Nos despedimos de Alan e pegamos uma van árabe até Tel Aviv, por 35 shekels. Queria ter pego o ônibus que custa metade, mas como era sábado, nada que seja judeu funciona de dia. Uma hora depois chegamos na cidade moderna. Caminhamos 2 km, nos quais praticamente só vimos pedestres e comerciantes africanos, até que chegamos no Florentine Backpackers Hostel. Foi nesse agitado albergue que dormimos, por 76 pilas a cama com café. Saí pra jantar nas redondezas, usando meus últimos 27 shekels numa satisfatória refeição de pão, batata, salada e húmus. Dia 34 Pela manhã, tomamos um trem (13,5 shekels) até o aeroporto, onde voaríamos de easyJet para Milão-Malpensa. No entanto, a informação da estação de trem estava incorreta e o processo de emigração ridiculamente longo, então acabamos perdendo o voo! Tivemos que comprar um voo da Turkish com conexão em Istambul por absurdos 280 dólares, para que pudéssemos pegar a conexão seguinte. Só que esse voo atrasou, e na hora de transferir para o voo a Milão, tivemos que correr para não perdê-lo. Ao menos os voos da Turkish foram de qualidade. Ao desembarcar, fomos levados ao Aer Malpensa Hotel, onde mal pudemos passar a noite. Se desse pra cancelar o pagamento de 41 euros por 2, eu dormiria no aeroporto mesmo. Dia 35 Acordamos às 5 para pegar o voo da TAP a Porto, com conexão em Lisboa. Passei o dia no Mar Shopping, fazendo compras - principalmente na enorme loja Decathlon que fica ali. Por um acaso, o metrô estava em greve nesse dia, mas só me afetou pelo trânsito que o ônibus (n° 601) pegou em direção ao centro na hora do rush. Pernoitamos novamente no Rivoli Cinema Hostel. Dia 36 De metrô, segui ao aeroporto. Tive um voo com a TAP para Rio-Galeão, que lá chegou no final da tarde. Fui de frescão até Botafogo (17 reais), onde me encontrei com meus ex-colegas de trabalho num bar. Depois, dormi na casa de um deles. Finalmente, na manhã seguinte voei de Azul até Floripa e cheguei em casa!
  33. 8 pontos
    Há cerca de um ano atrás, ao ver uma foto do Parque Nacional Torres del Paine, disse ao meu filho de 21 anos: “Meu Deus, precisamos conhecer este lugar!”. Desde então, passei a pesquisar tudo sobre o Parque e sobre a Patagônia Chilena e Argentina: principais locais a serem visitados, parques, cidades, atrações. Foi a partir daí que comecei a fazer o roteiro dessa que, sem dúvida alguma, foram as melhores férias da minha vida! Em primeiro lugar: para fazer nossa primeira viagem de mochilão, precisávamos de roupas e equipamentos que não tínhamos, então, bora pra Decatlon. Abaixo, nossas principais compras: - Duas Mochilas Quechua Scape 50 l e 70 l (Simplesmente maravilhosas e práticas! Cabe o mundo lá dentro!) - Duas jaquetas 3x1 da Quechua - Que já vem com uma jaqueta de fleece por baixo da jaqueta impermeável (Não sei o que seria de nós sem ela! Usamos direto e nos protegeu bem da chuva e do frio cortante.) - 1 calça de trekking pro filhote (eu usei sempre minhas duas leggings pretas) - 2 blusas segunda-pele para cada um de nós - 1 blusa fechada de fleece pra mim - 2 Camisetas dry-fit para cada um (Comprem! Fiz um dos trekkings com uma blusa básica de algodão por baixo e ela ficou encharcada de suor) - Pescoceira (Comprem! Comprei uma pro meu filho e tentei fazer trekking de cachecol mas é horrível. A pescoceira é bem mais prática, protege do frio e não sai voando com o vento patagônico) -Toucas básicas - Bastões de Trekking (um para para cada um e agradecemos a Deus todos os dias o fato de temos investido nisso. Não sei o que seria da minha vida sem os bastões para me dar apoio nos momentos mais difíceis. Eles foram meus melhores amigos nesta caminhada – depois do meu filho, claro! - Duas Garrafas de água de 1 l (Ótimas! Nunca bebi tanta água na vida quanto nos trekkings que fizemos! Detalhe, como elas eram de um material parecido com alumínio ou metal, mantinham a água que pegávamos nos riachos bem fresca!) - Botas de trekking impermeáveis da Quechua (Comprem!!! Não deixaram nossos pés molhados ao pisar nos riachos – e creiam, vocês pisarão em muitos - e nem suados e são bem confortáveis – mas usamos algumas vezes antes da viagem para ir se acomodando aos nossos pés.) - Meias de trekking (Parece um gasto desnecessário mas realmente, não deixam nossos pés suados, mesmo andando kms e kms de distância) - Luvas próprias para trekking (Confortáveis e práticas) A viagem: fomos dia 30 de dezembro de 2018 e retornamos a São Paulo dia 18 de janeiro de 2019. Roteiro: São Paulo – Ushuaia (de avião, com escala de 14h em Buenos Aires) ; de Ushuaia a Punta Arenas (10h de ônibus); de Punta Arenas a Puerto Natales (3h de ônibus); de Puerto Natales a El Calafate (3h de ônibus) e de El Calafate a El Chalten (2h de ônibus) – esse trajeto foi feito no mesmo dia com algumas horas de espera em El Calafate antes de pegar o ônibus para El Chalten); de El Chalten para El Calafate (2h de ônibus); de El Calafate para Buenos Aires (3h30 de avião); de Buenos Aires para São Paulo (2h30 de avião). Paguei R$ 3700,00 para duas pessoas em todos os trajetos de avião, pela Aerolíneas Argentinas. As passagens eu comprei pelo site Busbud antes de viajar, todas pelo cartão de crédito e a que paguei mais cara foi de Ushuaia para Punta Arenas, cerca de R$ 240,00 cada. Dia 30/12/2018 – domingo Saímos do Aeroporto Internacional de Guarulhos as 10h e chegamos a Buenos Aires por volta do meio dia. Como era domingo, tivemos que trocar reais por peso no Banco de La Nación do Aeroporto a 9,20 pesos por real. (Péssima cotação, embora em todas as cidades da Patagônia Argentina por onde passei, o peso estava apenas 9. Ou seja: se sua escala em Buenos Aires for longa e for dia de semana, vá até a Rua Sarmiento, no centro de Buenos Aires. Lá a cotação esta 10,20 por real. - Como nossa escala era longa, pegamos um táxi até o hotel onde ficaríamos hospedados no final da aventura patagônica e deixamos nossas mochilas guardadas lá, enquanto aproveitamos o dia para mostrarmos Buenos Aires para um rapaz do Brasil que também estava numa escala longa em B.A. Como já conhecemos a cidade, o levamos nos principais locais turísticos do centro pra ele conhecer. A noite, quase meia noite, seguimos de volta para o Aeroparque para pegar nosso avião, que só sairia para Ushuaia as 4h. Juro que tentei dormir no chão do aeroporto enquanto esperava mas não consegui...Já meu filho, dormiu e sonhou com os anjos enquanto eu ficava ali, cansada mas ansiosa demais com a viagem para conseguir sequer cochilar. 31/12/2018 – segunda-feira Ùltimo dia do ano e às 8h00 da manhã, desembarcamos em Ushuaia. Do aeroporto ao hotel, que foi um trajeto bem rápido, já deu para ficarmos de olhos arregalados com a beleza daquele lugar. Montanhas e mais montanhas com seus picos nevados, apesar do verão e um frio que...nossa! Deixamos nossas coisas no hotel e partimos para fazer compras de belisquetes, laches e bebidas para levarmos nos passeios e para nossa “ceia” de reveillon.Gastamos 100 reais no mercado de Ushuaia, que tinha longas filas e preços bem maiores do que os daqui. Depois de deixarmos nossas compras no hotel, partimos para marcarmos nossos passeios por Ushuaia. Agendamos o passeio pelo Canal de Beagle até a Pinguinera (mas sem passeio com os pinguins) por R$ 380,00, nós dois, para o dia seguinte às 16h. Tivemos um desconto por pagarmos em dinheiro. Como estávamos cansados da viagem, tiramos o dia para conhecermos a pequena e acolhedora cidade de Ushuaia. Neste mesmo dia, à tarde, visitamos o Museu do Presídio e Museu Marítimo. Para quem gosta de museus como eu e meu filho, é uma boa pedida. Á noite, abrimos nossa garrafa de vinho no quarto de hotel e ficamos olhando pela janela para ver se fariam festa no Reveillon. Doce ilusão! O máximo que ouvimos da “comemoração”, foram uma meia dúzia de buzinas de carro e uma buzina bem mais alta que cremos ser do navio que estava ancorado no porto. Meia noite e lá estávamos nós brindando e vendo as festas de reveillon pela internet. Estranho mas, ao mesmo tempo, um modo diferente de comemorarmos a chegada do novo ano. 01/01/2019 Começamos o dia indo ao Glaciar Martial. Pegamos um táxi por volta das 9h, até o começo da trilha e chegamos lá rapidamente. No caminho já nos encantamos com a beleza das montanhas com picos nevados. Grandes e lindas. Devido ao meu sedentarismo e kgs a mais, nos primeiros cem metros de trilha já fiquei ofegante mas segui em frente. Ainda bem! Depois de um tempo subindo, começou a nevar. Gente, pense numa mulher feliz, que ficou feito uma criança ao ganhar um baita presente. Fiquei eufórica! Era a primeira vez que víamos neve e fiquei encantada. Continuamos a subir o Glaciar e a neve ia aumentando. Eu até achei a subida um pouco difícil mas mal sabia eu o que me aguardava na minha viagem à Patagônia. rs. Valeu muito a pena! Foi lindo e o primeiro trekking da vida a gente nunca esquece. Voltamos para o hotel por volta das 13h. Almoçamos, demos uma descansada e partimos para nossa segunda aventura do dia. As 16h pegamos o barco para conhecermos o Canal de Beagle. Que passeio mais lindo! Cada paisagem linda! Vimos comoranes, leões marinhos e os encantadores pinguins...o Farol Les Eclairs, as montanhas ao redor...o frio nunca antes sentido da vida! rs. Realmente, um passeio imperdível e emocionante. Voltamos ao porto às 20h. 02/01/2019 No nosso último dia em Ushuaia, pegamos uma van no Porto, R$ 45,00 por pessoa (ida e volta) e fomos até a Laguna Esmeralda. Levamos duas horas pra chegar naquele cenário de sonho e quase o mesmo tempo pra voltar. O percurso é puxado em algumas partes mas é cada paisagem que vale a pena cada passo dado. Tem alguns lugares do caminho que são bem “encardidos”. Na volta, ao atravessar um dos lamaçais, o tronco onde eu estava passando virou e cai de costas, afundando minhas pernas no lamaçal. Bendidas roupas impermeáveis. Apesar da sujeira, foi bem fácil limpar o estrago depois. Muito cuidado e atenção nesses lugares. Terminei o trekking cansada, ferida em meu orgulho (quando caí, tinham vários gringos por perto vendo o meu tombo cinematográfico. rs) mas profundamente feliz por presenciar tanta beleza! Que lugar!!! No final da tarde voltamos ao hotel e preparamos nossas coisas para viajarmos no dia seguinte. 03/01/2019 Dia de pegar o bus rumo a Punta Arenas. O começo do percurso é lindo, repleto de belas paisagens. Depois de algumas horas, começamos a viajar no meio do nada e é um longo percurso no meio deste nada. Tirando as paradas nas fronteiras (saída da Argentina e entrada no Chile), o ônibus não para em lugar nenhum. Portanto, viagem preparados com lanches e bebidas. Eles servem um suco com bolachas mas não é suficiente para matar nossa fome. Na hora de atravessarmos o Estreito de Magalhães, somos obrigados a descer do ônibus e ficarmos na balsa. Fomos ao ar livre e quase congelamos a alma. Um frio cortante mas, o lado bom: conseguimos ver uma pequena baleia brincando na àgua e foi emocionante. Após a travessia, voltamos para o ônibus e seguimos nossa viagem no ônibus. Apesar da previsão de 12 horas de viagem, levamos umas 10h30 para chegarmos. Ficamos na pousada Tragaluz, que mais parecia uma casa de bonecas. Que lugarzinho lindo...e caro. Ao pagarmos com cartão, o calor aumenta consideravelmente. Dali pra frente, decidi pagar minhas estadias em dinheiro para fugir das taxas do cartão. Como era meu aniversário, saímos pra comer uma pizza no centro da cidade. Foi um dia cansativo pela longa viagem e, neste dia, dormimos cedo. 04/01/19 Saimos cedo para conhecermos a cidade. Fomos ao Museu Regional de Magallanes e no Museu Marítimo. Passeios interessantes para quem curte museus...mas o que eu gostei, mesmo, foi da orla. Dava pra ver vários pássaros, cenários interessantes,belos monumentos, praças…Fomos ao mirante da cidade onde tivemos uma linda vida de Punta Arenas. A cidade é graciosa mas em um dia, conseguimos conhecer absolutamente tudo de interessante que existe por lá. Vale a pena conhecer apenas se você não tiver outra coisa pra você. Se eu voltasse pra lá, agora, não me hospedaria em Punta Arenas. Achei muito caro pra pouca coisa, apesar da graciosidade do lugar. 05/01/19 Partimos para Puerto Natales logo cedo, Confesso que minha ansiedade estava a mil pois era exatamente lá perto que estava o motivo da minha ida à Patagônia: o Parque Nacional Torres del Paine. Ficamos hospedados no Hostel El Sendero. Lugar super simples, bacana, acolhedor e o Juan, responsável pelo lugar é super querido. Lá mesmo fechamos o full day a Torres del Paine no dia seguinte. Saímos para conhecer a cidade, trocar $ e almoçar. Lá tem uma pizzaria chamada Pizzaria de Napoli e eles servem a melhor pizza que comi na vida! Bem pertinho dela, tem um pequeno comércio que troca reais por pesos. Cotação 1500 pesos por real. Cotação ruim mas em toda a cidade estava este valor. Achamos a cidadezinha pequena, gelada e bem acolhedora. Fomos conhecer a orla e quase fomos carregados pelo vento patagônico. Estava frio...frio...extremamente frio...mas valeu a pena o passeio e as fotos que tiramos. Depois fomos ao mercado comprar as coisas para fazer nossos lanches para levarmos ao passeio do dia seguinte. 06/01/19 Full day ao Parque Nacional Torres del Paine. Gente, nada do que eu havia visto em fotos e vídeos me prepararam para a beleza absurda deste lugar! As montanhas, as lagoas, o céu azul, as nuvens em formatos diferentes, os guanacos, lebres, emas...Que maravilha é aquilo! Confesso que quase chorei ao ver tudo aquilo. Eu havia sonhado muito em estar ali e a realidade era ainda melhor...muito melhor. Quando fomos até o lago Grey, começou a chover e fizemos o trajeto embaixo de uma chuva bem gelada, mas valeu muito o passeio. Antes de voltarmos a Puerto Natales, fomos conhecer a Cueva do Milodon. A caverna é bacana mas o que mais gostei de lá foi o cenário do lado de fora. Simplesmente lindo! Tirei tantas fotos...mas tantas! rs. Dizem que o full day ao Parque Torres del Paine não vale à pena mas vale sim e muito. Principalmente, para quem quer levar crianças ou idosos ao Parque. É seguro e não é cansativo. Muito bom para quem não tem experiência em acampamentos e longos trekkings. 07/01/19 Eu e meu filho pegamos um ônibus na rodoviária e partimos para Torres del Paine novamente. Desta vez, faríamos o ataque ás Torres. Dica: no dia anterior, ao pagarmos a entrada do parque (cerca de R$ 120,00 reais, carimbamos o bilhete da entrada e o usamos para entrar no parque no dia seguinte sem pagar. Se você carimbar a entrada, parece que você tem mais dois dias pra voltar lá sem pagar uma nova entrada). Chegamos a portaria laguna Amarga, onde um outro ônibus nos levou para o começo da trilha, próximo ao Hotel Las Torres. Começamos o trajeto encantados com a vista e com os caminhos. Depois, quando começou a subida rumo ao Vale do Ascêncio, descobrimos que a subida era “a subida”. Rs. Eu parei muito no caminho e bebia muita água. Nunca deixem suas garrafas vazias. Creiam: vocês vão precisar. Achei o trajeto lindo até o Camping Chileno. Aliás, o local do camping é encantador. Me arrependi imensamente não ter reservado um pernoite lá. Aconselho imensamente que passem uma noite lá pra que a ida ás Torres não se torne uma doce tortura, como foi pra mim. O caminho é lindo, repleto de bosques, riachos...Um sonho...Mas eu já estava extremamente cansada e sofrendo com dores nas pernas durante o trajeto. Quando chegamos na famosa e temida subida às Torres, ao olhar para cima e ver pessoas lááá em cima como se fossem formiguinhas, ao ver o quanto faltava a té chegar às Torres, me desesperei e pensei em desistir, aí meu filho disse: “Vc sonhou tanto com isso e vai desistir taõ perto? Vamos que você consegue!” - Gente...subi. Consegui chegar lá e chorei de alegria por ter conseguido e por ver tamanha beleza. Ao chegar à base das Torres, valeu a pena as dores nas pernas, o caminho difícil, íngreme e perigoso.O lugar é simplesmente sensacional! Como tínhamos que pegar o ônibus às 19h perto do Hotel para irmos até a entrada da laguna Amarga e pegarmos o ônibus de volta a Puerto Natales e como eu levei 5h10 para chegar na base das Torres, ficamos lá por uns 15min e começamos a volta. Gente...não pensem que a descida é mais fácil que a subida. Pra descer é bem mais complicado, muitas vezes eu sentava nas pedras para conseguir descer. Minhas pernas já não se aguentavam e demoramos muito a voltar. Ao conseguimos chegar perto do Hotel Las Torres, só haviamos eu, meu filho, e um casal que havia subido a montanha com sua filhinha de 5 anos nas costas. Éramos os últimos a chegar lá e o ônibus que levava á portaria já havia partido. Estávamos mais de meia hora atrasados. Resumo da ópera: pagamos uma van do hotel par anos levar até a portaria da Laguna Amarga onde, graças a Deus, todos os ônibus estavam atrasados. Ufa! Conseguimos pegar nosso ônibus e voltarmos para Puerto Natales. Minhas pernas doíam infinitamente mas a sensação de superação por ter conseguido chegar lá e por ter presenciado tamanha beleza, fazia com que minha dor diminuísse e um misto de orgulho e sensação de sonho realizado tomou conta de mim. Que dia, meus amigos! Que dia! Jamais vou esquecer. Juro!!! 08/01/2019 Pegamos o ônibus logo cedo rumo a El Calafate. Passamos pela fronteira e ficamos cerca de uma hora numa fila que não andava, para darmos entrada na Argentina. Essas fronteiras são bem cansativas, principalmente em alta temporada quando a quantidade de turistas é grande. Chegamos lá perto da hora do almoço e compramos a passagem para o mesmo dia, às 18h, rumo a El Chalten. Fomos até uma casa de câmbio em El Calafate trocar pesos, almoçamos e fizemos hora até embarcarmos rumo á nossa próxima aventura. Chegamos em El Chalten por volta das 20h e fomos direto para nossa pousada Nunataks, que fica bem ao lado do início da Senda do Fitz Roy. Ôh pousadinha gostosa! As meninas super receptivas e atenciosas. Fizeram com que nos sentíssemos em casa! Recomendo demais este lugar e, com certeza, voltando pra El Chalten, me hospedarei lá novamente. Como ainda estávamos muito cansados da noite anterior, dormimos cedo. 09/01/2019 O dia amanheceu lindo, com céu azul apesar do vento gelado. Saímos para os Miradores Los Condores e Las Águilas, que ficam próximos a entrada da cidade e que não são trekkings tão puxados assim. Qualquer um pode fazer e vale a pena. As paisagens são de sonho e o lindo e mágico Fitz Roy pode ser visto em quase todo o trajeto. Se o Parque Torres del paine me deixou encantada, o Fitz Roy me fascinou. Já na estrada rumo a El Chalten, quando começamos a enxergar as montanhas, é de arrepiar! É tanta beleza, tanta grandiosidade que não dá pra explicar. Já a cidadezinha de El Chalten, é um encanto. Minúscula, linda e hospitaleira, com certeza, é um lugar onde eu queria viver. Ah, lá não pega 3g de jeito nenhum! Portanto, pegue um hostel ou hotel com wi-fi para poder postar as fotos incríveis que, com certeza , vocês vão querer compartilhar nas redes sociais. Ah, comer em El Chalten é bem carinho, viu?! Mas descobrimos um lugar, perto de nossa pousada com uma comida ótima e preço justo: o Rancho Grande. Foi lá que comemos o melhor chorizo da nossa viagem. 10/01/2019 O dia que escolhemos para fazer o trekking ao Fitz Roy amanheceu nublado, com um vento extremamente gelado e forte. Conforme havíamos nos informado, decidimos pegar um táxi até a Hosteria el Pilar para começarmos nossa caminhada. Creiam: vale muito a pena pagar um táxi ou van para iniciar o trekking ali. Você evita uma subida extremamente íngreme de dois kms, que é a forma de se chegar ao Fotz Roy pela cidade. Começamos nosso trajeto sozinhos. Demoramos muito a começar a encontrar com mochileiros que vinham no caminho contrário. Quando chegamos ao Mirador Piedras Blancas, ficamos encantados com o cenário. Parecia um quadro pintado à mão. Decidimos fazer o trajeto pelo mirador e voltar pela Laguna Capri. Andamos uns 8km até chegarmos no camping Poincinot. O Treking é puxado mas nada comparado a Torres del Paine. No camping só tem um banheiro e daqueles com um buraco no chão. Pensa no malabarismo para poder fazer um pipi ali. rs. Só por Deus! Haviam alguma ṕessoas ali que, como nós, queriam subir no Fitz Roy mas, devido ao mau tempo, chuva e um vento extremamente fortes, pessoas experientes que ali estavam alertavam do perigo de subir na Laguna de Los Três. Com dor no coração, decidimos não subir e partimos com a certeza de que voltaremos lá em breve para concluirmos nossa aventura. Mas o passeio valeu muito a pena. Cada cenário!!! Sempre com o Fitz Roy ali, majestoso, abençoando nossa caminhada. Ô coisa linda que são essas montanhas, meu povo!!!Voltamos á El Chalten pela Laguna Capri. Gente...a volta foi puxada, viu?! Foram mais oito kms até a cidade e a gordinha aqui sofreu. A descida até a cidade é longa e cansativa, apesar da linda vista do Rio de Las Vueltas. Vocês se lembram daquele vento forte que decidiu aparecer este dia? Pois é. Ele chegou a nos empurrar na descida. Definitivamente, este negócio de vento patagônico é bem perigoso. Não o subestime. Durante a descida, vi muitas pessoas subindo aqueles dois kms que eu falei no início do post deste dia. Muitas dessas pessoas com enormes mochilas nas costas. Decididamente, não sei como conseguiam. Achei uma loucura e extremamente puxado. Como disse, e repito: iniciem seu trekkling pela Hosteria El Pilar. Vocês vão agradecer. 11/01/2019 Dia de partirmos para El Calafate. Confesso que parti com uma baita dor no coração! Me apaixonei por El Chalten num grau que vocês não tem idéia. Queria ter ficado ali por muito mais tempo. De preferência, a vida toda. rs. Ah, um dia antes de ir para El Calafate, recebi um e-mail do Hostel Bla Guesthouse porque, segundo eles, havia tido um vazamento e precisavam consertá-lo, não sendo possível ficarmos hospedados lá. Pensem numa pessoa que ficou brava, pois tive que entrar no Booking,Com e resercar outro lugar aos 47min do segundo tempo. Obviamente não tinham mais hospedagens boas e baratas disponíveis e reservei estadia no Hotel Upsala. Ótima localização, café da manhã justo mas um hotel extremamente antiquado. Não que eu ligue para luxo mas não foi um lugar que me senti bem. Tinha banheira, chuveiro bacana (que só esquentava quando queria) e cama e cobertas bem antigas. Parecia que estávamos numa casa de fazenda bem antiga. Os muitos corredores me faziam sentir no filme O Iluminado do Stephan King. Apesar disso, os senhores que nos atenderam foram extremamente gentis. Saíamos para conhecer El Calafate e fecharmos nosso mini-trekking na Hielo y Aventura para o dia seguinte. Doce ilusão. Até o dia 14 não tinham mais vagas para o mini-trekking, ou seja: sempre reservem seus passeios antes de ir, principalmente, se vocês forem ficar poucos dias em El Calafate. Fomos à empresa de Turismo Criollo (a mesma com as quais fizemos nosso passeio em Ushuaia) e fechamos a navegação e passeio no Perito Moreno. O passeio ficou uns R$ 240 para nós dois. 12/01/19 Dia de Perito Moreno! A paisagem pelo caminho já é um espetáculo a parte. Quando a própria geleira, que grandiosidade! Que coisa linda!!! Impossível definir em palavras a beleza que nós vimos ali. O parque é lindo, aquelas passarelas intermináveis nos levam a diversos cenários para fotos divinas! Vale muito a pena conhecer o Parque Los Glaciares! A navegação de cerca de uma hora nos leva mais próximos às paredes de gelo, onde vez ou outra se desprendiam blocos que caiam no lago e faziam um barulho imenso. Era um oh pra cá...um oh pra lá...Todos encantados com a visão de algo tão incrível. Apenas vão! Vale á pena conhecer um dos maiores e mais belos glaciares do mundo! 13/01/19 a 18/01/19 Dia de darmos adeus a nossa aventura patagônica e partir para 5 dias em Buenos Aires, onde, além de descansarmos, conheceríamos lugares que não havíamos conhecido em nossa última viagem para lá. Ficamos em Buenos Aires de 13/01 a 18/01 de 2019, quando voltamos para Guarulhos e terminamos a viagem mais incrível de nossas vidas. Jamais esquecerei a magia da Patagônia, a beleza sem igual daquele lugar e toda minha superação em andar 16...18 km por dia, subindo e descendo montanhas, dando fim ao meu sedentarismo de longos anos. Voltei pra casa 4kg mais magra e com uma sensação maravilhosa de sonhos realizados. A única dor no peito, é a saudade que já sinto daquele lugar. Não deixem de conhecer a Patagônia. É um passeio caro, é, mas com jeitinho, uma boa pesquisa e força de vontade, vocês também podem sentir a alegria que senti em fazer esta viagem tão incrível! Desculpem o longo depoimento mas sempre li vários depoimentos super bacanas neste site e foram eles que me inspiraram e me deram dicas super úteis para que esta minha viagem fosse perfeita.
  34. 8 pontos
    Da ultima vez que postei no mohileiros consegui fazer um grupo 20 meninas que não se conheciam e fomos todas pra São Tomé das Letras-MG. E a viagem foi muuuuuuito legal. Será que consigo um novo grupo de meninas assim? 🙏🏼 Vamos montar um grupo de whatsapp? Eu preciso muiiito de meninas dispostas a pegar as malas e viajar nesses feriadinhos. Minhas amigas não ligam muito pra viagens e as outras estão casadas. Eu tô ficando loucaa de não ter companhia pra viajar. Viajar com meninos é legal, mas eles tem uma vibe diferente de nós, ai prefiro me aventurar com meninas loucas light que nem eu. Tenho receio de viajar sozinha na America do sul e no Brasil. E não ta tendo dinheiro pra Europa/EUA por isso to aqui hahaha Eu sou do Rio de Janeiro, mas não tem problema se outras meninas forem de outros estados. Pra tudo se dá um jeito haha ahhh sou sagitariana ( louca por viagens ) haha.
  35. 8 pontos
    Bom dia!! Faz 3 dias que pedi conta dos meus 2 empregos (sim, quase um Julius da vida haha) com a determinação de pegar a estrada e conhecer esse mundão de Deus!!Amo meus empregos, amo meus chefes, a equipe de trabalho e amo mais ainda minha familia e meus dogs!!! Pretendo quitar as minhas continhas e tal, guardar minha mobilia na casa dos papis e comprar algumas coisinhas para a viajem. Será minha primeira experiência, e só o que escuto das pessoas ao meu redor é que é loucura e todo aquele discurso que vcs devem imaginar!! No momento sem fazer idéia do que comprar para onde ir e como fazer (Mas estou começando a pesquisar) Pretendo ir ou no começo de dezembro ou no incio de Janeiro. Sou candanga, moro em Brasília, tenho 32 anos amo rock e outras cositas más haha e estou disposta a ir para qualquer lugar, assim meio sem rumo mesmo da forma mais alternativa possível!! Com a mais sincera e louca vontade de conhecer as cidades, pessoas e suas culturas!! A principio penso em viajar só, tenho essa necessidade de descobrimento pessoal no momento! Mas estou aberta a quem queira partilhar e me acompanhar na trajetória! Quem puder me dar uma ajudinha com as dicas básicas, agradeço desde já!!
  36. 8 pontos
    PARTE 1 BUENOS AIRES 1º dia Confesso que, por subestimá-la, não reservei tantos dias na cidade, e que arrependimento! Ficaria 4 dias fácil. Estava achando que era a mesma coisa que São Paulo, uma cidade grande e só. Saí do Brasil preparada para aguentar a grosseria dos argentinos, taxistas desonestos, comida sem sal, enfim, seria apenas a porta de entrada para a Patagônia. Fico feliz em dizer que a cidade me surpreendeu muito positivamente, em todos os aspectos possíveis. Pessoas, gastronomia, arquitetura, lugares para visitar, transporte, tudo foi incrível. Como chegamos de madrugada no Ezeiza, contratamos aqui do Brasil um transfer para nos levar ao apartamento, com uma parada no mesmo bairro para pegar as chaves. O serviço foi muito útil e eles ainda trocaram R$100,00 por ARS 9. Nossa ideia era ter esse dinheiro trocado para tomar café, comprar o SUBE e o chip, já que estávamos hospedados em Palermo e as casas de câmbio ficam no centro. Na primeira manhã tomamos café em uma padaria francesa próxima ao apto chamada Boûlan. Muito linda, comida gostosíssima. Uma medialuna bem recheada era ARS 75, Sanduíches gigantes de parma e salmão por ARS200, muitos tipos de pães, chá, café, suco... Próximo também tinha uma lanchonete chamada Delicity que tinha empanadas maravilhosas por ARS 35 e medialunas por ARS 20. Achei Palermo com um clima maravilhoso de bairro rico, primeiro mundo, sabe? Ruas limpas e seguras Andamos algumas quadras para os Bosques de Palermo e a expressão “a grama do vizinho sempre é mais verde” nunca foi tão literal. Ao chegar no Rosedal fomos surpreendidos por uma grama verdíssima, bem cuidada e milhares de rosas que você podia sentir o cheiro de longe. Eu amo flores, quis ir na primavera justamente para ver todas desabrochadas e foi a melhor escolha que fiz. Me senti em um quadro renascentista, poderia ficar horas naquele lugar, que foi o meu favorito de Buenos Aires. Depois, fomos andando até o planetário, que infelizmente ainda estava fechado e com uma turma de estudantes em fila esperando para entrar. Tem uns meteoritos do lado de fora e me pareceu ser bem interessante. O prédio também é bem bonito, principalmente à noite. Foi por lá que tivemos a primeira experiência com a água da Argentina que é HORRÍVEL. Gosto de soro e parece que não mata a sede. A única água que parece com a nossa foi a da marca KIN. Gravem esse nome. Fomos andando despreocupados até achar uma estação de metrô onde compramos o SUBE por ARS 65, carregamos e fomos para Recoleta. Descemos na estação da universidade de direito, que é um edifício monumental, e fomos ver a Floralis Generica. Depois, fomos andando rumo aos parques. Passamos pelo Museu de Belas Artes (estava de graça no dia), paramos no Starbucks do Shopping Buenos Aires Design para usar o wifi, infelizmente o Centro Cultural Recoleta estava em obras. Não fomos ao cemitério, pois, particularmente, não me interessa esse tipo de visita. Recoleta, assim como Palermo, é ótima de andar. Bairro rico, seguro, cheio de cultura, restaurantes e museus. Visitado Recoleta, fomos ao centro para trocar dinheiro. O metrô, como todos, é autoexplicativo e te leva para todos os lugares. Descemos na estação Florida e já demos de cara com a famosa rua. Me lembrou o centrão de qualquer cidade, entulhado de gente, muita informação, gente querendo te vender passeios, cambiar, e se você der papo pra alguém ficam insistindo por muito tempo. Fomos direto para a Mais Brazucas, trocamos o dinheiro e fomos atrás de uma claro para comprar o chip. Como estava apenas com a identidade, nos direcionaram para uma loja na Av. 9 de Julio, próxima ao Obelisco. O chip custou ARS 140 e o plano de 2GB com Whatsapp liberado custou cerca de ARS 120. Chip instalado, fomos ao Kentucky fazer um lanche. Combo de 2 empanadas grandonas + chope por ARS 117. É um bom lugar para refeições boas e baratas, além de ser muito bem decorado. Como o Obelisco estava logo à frente fomos lá tirar umas fotos e depois voltamos ao apartamento. Descansamos e descemos para Palermo Soho para jantar. Tem muitos restaurantes nessa área e escolhemos o Club de la Milanesa, que recomendo fortemente! A conta está nas imagens e esse foi o parâmetro para todas as refeições que fizemos, inclusive na patagônia. O La Cabrera fica ao lado, infelizmente não comemos lá, mas parece ser uma boa opção também. Café da manhã na Boulain. Em torno de 150 pesos o croissant recheado + chá Cerveja e empanadas super baratas no Kentucky. Esse é o da Av. 9 de Julio, linda vista para o Obelisco. Esse lancho saiu por volta de 150 pesos no Carrefour Express.
  37. 7 pontos
    Salve Mochileiros, Estou aqui para descrever, relatar, contar, sei lá 😁um pouco ou tudo da minha experiência que tive nessa viagem incrível quem sabe até poder ajudar algumas pessoas que pensam em fazer essa trip. Estava relutante, com muitas duvidas se eu deveria escrever esse relato, mas no final acho que vale a pena contar um pouco das experiências que tive e quem sabe incentivar alguém a começar. Antes de iniciar, tenho apenas que repetir uma coisa que praticamente a maioria das pessoas que finaliza essa trip diz que é: TODO MUNDO TEM QUE FAZER UMA VIAGEM DESSA , , porque é muito foda, você conhece tanta gente, uns lugares de tirar o fôlego, vê umas coisa maluca que as pessoas chamam acho eu de choque cultural, são tantas sensações que senti nessa viagem, todo dia eu estava feliz, a única parte triste foi a despedida, porque o resto foi foda. Então vamos iniciar esse relato cambada!! Esse mochilão teve inicio no dia 01/04/2019. Roteiro Santa cruz de La Sierra Sucre Uyuni San Pedro De Atacama Arica Tacna Arequipa Ica Huacachina Paracas Lima Huaraz Cusco Copacabana La Paz Santa cruz de La Sierra Gastos Nessa vou ter que pedir desculpas para vocês, acho que não vou conseguir dar muitos detalhes, sei que eu gastei 4885 reais pois comprei as passagens aéreas antecipados tudo por 840 e uma passagem de ônibus de Sucre a Uyuni por 45 reais , o que sobrou foi apenas 4000 reais a qual levei comigo no meu Money Belt do começo ao fim da viagem, mas falo para vocês só sei que quando estava no ultimo dia la em Santa Cruz de La sierra eu estava muito pobre, muito mesmo, para vocês terem uma noção tive que pechinchar até comida de 15 BOL(consegui por 10) mas não se preocupe ainda lembro os preços dos tours, vou dar algumas dicas de comer barato e acomodação barata também. OBS: Se eu perdesse o Money belt ou fosse roubado estava muito ferrado, pois não levei nenhum cartão de credito ou debito hahahahah (maluco de BR hahahahah ) Desabafo: Estava com esse mochilão na cabeça dês de 2016, planejando fazer sozinho mesmo(uma coisa quase praticamente impossível de fazer), li apenas alguns relatos como o mais famoso do rodrigovix e da maryana teles , arrumei minha mochila com poucas coisas mesmo e fui, melhor decisão que já tomei em toda a minha vida. Dês de moleque sempre quis largar tudo e viajar o mundo todo, sem data de volta, porem necessitava e necessito de experiência, por conta disso planejei esse mochilão clássico para confirmar se conseguia me virar e ver com meus próprios olhos se era verdade mesmo se tinha como viajar o mundo com pouco dinheiro ou quase nada e depois que terminei, pelas pessoas que conheci e experiências que vivi posso dizer que é possível. Preparativos: Como eu disse anteriormente, comprei antecipadamente apenas as passagens aéreas e a passagem de ônibus(essa de Uyuni se não planeja fica em sucre recomendo comprar com antecedência). São Paulo a Santa Cruz de la Sierra – R$ 680 Santa Cruz de la Sierra a Sucre – R$ 160 Ônibus de Sucre a Uyuni - R$ 45 No meu mochilão não foi muita coisa apenas: 7 camisetas 2 shorts 8 cuecas 8 meias 2 calças jeans 1 calça de trekking 1 calça térmica 1 fleece (furtada) 1 jaqueta corta vento 1 blusa termina 1 chinelo 1 calça velha (para dormir) 1 camiseta velha (para dormir) 1 bastão de trekking (furtado, merecido, pois nem usei, totalmente desnecessário) Mochila de ataque foi apenas: Pasta de documentos Carregador de celular 2 Power bank Dicas: Vai no relato da @Maryana teles pois de começo nada mudou, seguro é importante(não usei mesmo comendo nas boca de porco) , carteira de vacina é importante mas eles nunca pedem, mas bom levar nunca se sabe e de resto tranqüilo. Inicio do Relato 01/04 - Guarulhos x Santa Cruz de La Sierra x Sucre Episodio 1 – O primeiro choque cultural a gente nunca esquece. Chegou o grande dia, coração a mil, ansiedade tomando conta, sai até cedo de casa, cheguei no aeroporto as 19h30, já estava lá pronto para embarcar , porem meu voo saia só as 00:05 ou seja ficaria por quase 5 horas coçando, nesse período de tempo conheci dois amigos um casal super gente fina e humilde demais que iriam iniciar sua jornada também Felipe e Fernanda. Mal sabia eu que essas desgraças iriam me acompanhar praticamente até metade do caminho hahahah Obs: Vocês perceberam que estamos com a mesma mochila e o rodrigovix também tem a mesma mochila e se duvidar até você tem essa mochila, sabe por que isso? Porque nos é pobre e essa é a mochila mais barata da decathlon. Chegamos em Santa Cruz as 3h00 da manhã, ficamos lá coçando no tédio e esperando nosso voo para Sucre que sairia as 9h00 Nesse período de tempo novamente conhecemos um brasileiro muito louco, sabe porque louco? ele foi de ônibus até sucre ou seja 13 horas em um ônibus pelas estradas mais perigosas da Bolívia (ele morreu hahahha mentira) e ainda fez o salkantay (4 dias caminhando) muito louco esse cara! Passaram algum tempo e a gente precisava realizar o cambio, para pagar ônibus e comida la em sucre então combinamos em trocar 50 reais cada um porem na hora do cambio aconteceu uma coisa que eu achei engraçada e preciso compartilhar com vocês e isso ainda aconteceu comigo(tinha que ser) vou contar. Estava lá eu indo trocar o dinheiro, porem não tinha ninguém para me atender , então resolvi esperar, nessa hora veio um cara parecia aquele índio do pica pau, veio falando espanhol com mandarim e um pouco de Frances que eu não entendi quase nada mas pelo pouco que entendi, vou tentar descrever essa conversa(estávamos tentando falar em espanhol): Gringo: Você cambio? Eu: Sim, quantos está o cambio? Gringo: Dólar! Eu: Não só tenho real, 50 quero trocar!Quanto cambio? Gringo pegou a carteira e sacou 50 dólares para me dar porem eu disse: Eu: não, quero BOL Gringo: Você fala inglês? Eu: Sim Gringo: Cambia para mim? Eu: Cambia você para mim? Gringo: você faz cambio? Eu: não e você? Gringo: também não, desculpa! Foi essa confusão 😂😂foi uma situação engraçada, mas depois disso fui trocar o dinheiro, quando à mulher chegou acabei trocando meio que obrigado 100 reais em uma cotação horrível pois ela não aceitava menos que 100 e não tinha nenhuma outra casa de cambio aberta. Enfim chegou o horário do voo e partiu Sucre Chegamos no aeroporto de Sucre as 11h00 da manhã , um aeroporto bem minúsculo. Assim que chegamos ao aeroporto perguntamos o preço do táxi 60 BOL muito caro! Vimos uma van, pechinchamos e conseguimos por 10 BOL para levar ate o terminal de bus essa van cheio de boliviano e apenas nos três de brasileiros e lá vamos nós. Uma dica para quem quer economizar: NUNCA VÁ DE TÁXI SEMPRE ESCOLHA O MEIO DE TRASPORTE PUBLICO (A não ser que não tenha transporte publico), alem de economizar uma baita de uma grana você terá uma imersão cultural maior. Enfim chegamos vivos ao terminal de ônibus. Nosso ônibus para Uyuni sairia apenas as 20h00 então íamos precisa comer, decidimos ir ao lugar mais barato, encontramos um restaurante local que estava cobrando 10 Bol com sopa e prato principal muito barato porem.. Confessar uma coisa para vocês foi uma das piores sopas que já comi em toda a minha vida, descobri que a culinária não é um ponto forte dos bolivianos, terminamos de comer e fomos andando mesmo até o centro e praça principal para cambiamos dinheiro e conhecer um pouco da cidade. Trânsito na Bolívia é uma loucuraaaaa!!!! Cambiamos 550 reais em uma cotação boa para pagar o tour do Uyuni e comprar alguma coisa para comer, em seguida fomos para a praça principal Depois fomos a uma praça cheia de pombo, tinha mais pombo que Osasco (quem já foi sabe que Osasco tem bastante pombo) o engraçado é que as pessoas alimentavam o pombo, tinha gente vendendo comida para alimentar os pombos tinham as crianças que abraçavam o pombo e juro que eu vi uma criança beijando a merda do pombo, outro choque cultural que tive, provavelmente se eu ficasse mais um dia naquela cidade eu ia ter mais choques culturais 😂, mas não, vai por mim, aquilo já estava bom hahaha queria chegar logo em Uyuni. Depois fomos para um mercadinho comprar umas coisas para levar no Uyuni e comer no caminho (não compramos nada, pois estava tudo caro para os nosso padrões ). Nesse mercadinho eu acabei vendo uma coisa que não queria, então, vou contar, dentro desse mercadinho tinha uma lan house onde tinha uns adolescentes, acreditem em mim eles estavam juro, assistindo filmes pornográficos como se tivesse assistindo Peppa Pig, dentro do mercadinho manooo foi ai que pensei, temos que ir embora logo dessa cidade já vi coisa demais por um dia, porem não tinha como, pois estava cedo e ainda a gente tinha que ir no mercado central comprar as coisas para não morrer de fome e lá fomos nós, chegando nesse mercado e mano me surpreendi muito, tão limpinho segue as imagens: Esses frangos estavam expostos ali acho eu uma semana, mas enfim compramos as coisas e partimos para o mirador da cidade, fomos andando novamente (esqueci de falar que o meio mais econômico de transporte são as pernas), andamos por uns 40 minutos até chegar no mirador, cheio de subida, resumindo cheguei lá em cima morto. Seguimos para o terminal de buses, fomos de ônibus publico e mano louco eu nunca tinha visto coisa parecida eu estou acostumado, como moro em São Paulo a andar com ônibus grande e tem sinal de parada, ponto de ônibus, lá não tem essas coisas não, totalmente diferente, vocês tem que saber onde vai descer, tem que falar para o motorista ”vou descer aqui” ele só ”para” e você desce, ônibus minúsculo, muito louco paguei 1 BOL. Chegamos no terminal faltando umas duas horas para o ônibus partir, tivemos que esperar, mas antes meus amigos foram em um restaurante jantar, eu não jantei por vários motivos primeiro estava sem fome, a sopa me traumatizo, não queria gastar , ansiedade e queria apenas entrar no ônibus para dormir (dois dias sem dormir é osso)😂😂😂 enfim entramos no ônibus e partimos para Uyuni onde eu tive um dos melhores momentos da minha vida, conheci umas pessoas incríveis e minha primeira paixão de viagem. O próximo capitulo será: A primeira paixão de viagem a gente nunca esquece.
  38. 7 pontos
    alguem planejando viajar em 2019, sem data de volta, usando barraca, estilo roots, porem com dinheiro pra emergencias....
  39. 7 pontos
    PARTE 1: UM NADA BREVE ENSAIO SOBRE UMA VIAGEM. Passado quase 1 mês de meu retorno ao Brasil meu coração se acostuma com a saudade e anseia pelo próximo destino... Afinal, viajar é isso: se tornar um pouco do lugar visitado e deixar um pouco de você lá, não é mesmo? Começo falando bem rapidamente de mim: até pouco tempo atrás, viagem não era algo que eu considerava nem tangível nem desejável (acho que faltava peças em meu cérebro) mas desde que encontrei minha metade da laranja, sinto um enorme desejo de desfrutar desse mundão de meu Deus com ela. Começamos em Campos do Jordão, fomos para Salvador, Arraial do Cabo, voltamos para Salvador (é bom demais lá <3) e outras viagens "pequenas" aqui e ali, mas sem nunca deixar as terras tupiniquins. Dito isso, apresento aqui os 3 personagens principais dessa história: este que voz fala, Marcos (ja previamente apresentado). Mozão, Juliana. E nosso primeiro destino internacional: Bolívia. Essa viagem era para ter saído em 2017, mas alguns problema$ a adiaram para 2018, ou seja, tivemos ai quase 2 anos de pesquisas, planejamentos e preparação. A primeira coisa foi definir onde ir: fazer o clássico, Chile - Bolívia - Peru? Escolher apenas um desses países? Escolher outro país? O que levamos em conta foi que, para nós, 30 dias (inicialmente eram 30 dias) era pouco tempo para mais de um país, para dizermos que de fato conhecemos um país, assim optamos por apenas um por viagem. A equação Barato x Uyuni x Huayna Potosi (já adianto que este não rolou, mais a frente direi o porquê) teve como resultado: vamos para a Bolívia \o/. Nosso roteiro foi esse: SANTA CRUZ DE LA SIERRA X SUCRE SUCRE X POTOSÍ POTOSÍ X UYUNI UYUNI X LA PAZ LA PAZ X COPACABANA (ISLA DEL SOL) COPACABANA X LA PAZ X COCHABAMBA COCHABAMBA X TORO TORO TORO TORO X COCHABAMBA X SANTA CRUZ DE LA SIERRA Deixamos o solo tupiniquim no dia 14/12/2018, em voo da Gol. Dentro da Bolívia todo o trajeto entre cidades foi feito de ônibus. Neste relato tentarei ser o mais detalhista possível em relação a agencias, como chegar, preços, etc.e sintam-se a vontade para me perguntar qualquer coisa, diversos relatos me ajudaram muito e se eu puder minimamente retribuir esta ajuda, já ficarei muito feliz. Dicas iniciais (para antes da Bolívia): Ir de ônibus, trem da morte ou qualquer outro meio terrestre tende a ser muito mais barato, com certeza é uma experiencia unica, mas é muito mais demorado. Motivo esse que nos fez optar por ir pelo ar. Ainda sim, ressalto que durante os meses que procurei passagens áreas, encontrei preços que ficavam mais em conta que ônibus, porém eram datas bem fora do que teríamos disponíveis. Só para terem uma noção da diferença: como moro em Jundiaí - SP, minha partida é da cidade de São Paulo, de lá eu pagaria R$350,00 o trecho (ou seja R$700,00 total) de ônibus saindo do tietê, numa viagem de 36 horas que se findaria em Santa Cruz de la Sierra. De avião, paguei R$1053,00 ida e volta em um voo de aproximadamente 3 horas de duração. Percebi também que o processo de entrada na Bolívia é muito mais rápido pelo aeroporto. Acredito ser sabido por todos (menos por Jon Snow, esse não sabe nada) que não é necessário Passaporte para visitar países da América do Sul, somente um RG em boas condições e dentro de um prazo aceitável (que agora me fugiu a mente se é 5 ou 10 anos da data de expedição) já é o suficiente, porém ouçam o tio aqui: se tiver passaporte, leva, se não tiver, faça. è muito menos burocrático o uso do passaporte, se for abordado por um policial só o carimbinho de entrada nele já resolve. Não que você vá ter problemas se for só com RG, mas o passaporte facilita a vida lá. Se você não tem ainda, pense que é melhor fazer agora do que esperar a taxa subir (e ela sempre sobe), ou não ter tempo para tirar (já pensou precisar do passaporte para viajar e encarar uma greve ou tempo de emissão de 3, 4 meses? Isso pode ser possível, então é melhor prevenir que remediar. Ah, CNH não conta como documento, é RG ou passaporte). A Bolívia exige a carteira internacional de vacinação de febre amarela, facilmente obtida caso você seja vacinado (se precisar de ajuda é só chamar) mas em nenhum momento alguem lá dentro pediu para ver a minha. Ainda sim, é melhor ter e não precisar do que precisar e ter que cry over spilt milk (escola de idiomas Mamonas Assasinas). Seguro viagem não é obrigatório, mas se você precisar de médico lá e não ter seguro, prepara o bolso. Vi relatos de pessoas que deixaram 10 mil trumps lá só com medico. Não feche passeios e/ou hostels aqui, não compensa. Lá as ofertas são muito maiores e consequentemente há maior margem para tentar barganhar um desconto, fora que há hostels que você não vai achar nos aplicativos e sites. Se quiser, de uma olhada (usei muito o booking, hostelworld e airbnb) para ter uma ideia de quais hostels procurar ou onde procurar por eles. A lingua não é um problema: Falo inglês e tenho um espanhol nivel duolingo (iniciado 2 meses antes da viagem). Levei também um livro de bolso de conversação em espanhol mas usei 2 vezes no máximo. Acontece que o povo Boliviano é solícito, seja educado e fale devagar, com mimica se necessário, que você se fará entender. Em ultimo caso tem o Google tradutor que pode ser usado até off, então não se preocupe com isso. Ah, entender eles é bem tranquilo até, é mais difícil para eles nos entenderem, mas como eu disse, é possível. Dicas iniciais (inside Bolivia): Não coma nada da rua: talvez pareça ríspido, eu li e ouvi muito isso, e ainda sim me arrisquei, porém só não como duas coisas: pedra quando esta sem sal e urubu quando voa. Ou seja, saiba seus limites. Se seu estomago for nível rambo e quiser encarar, só vai. Mas não é aconselhável. Não beba água da torneira: pelo motivo já citado, a água da torneira pode ser prejudicial. Conhecemos um casal brasileiro que se mudou para Cochabamba e tomaram a agua da torneira. Ganharam uma semana de cama severamente doentes. Uma saída barata é a água de saquinho, custa 0,50 BOBs um saquinho de 500ml. A altitude pode ser um grande problema, então não a subestime. Se aclimatar corretamente, um cházinho de coca, soroche pills, folha de coca mascada, tudo isso ajuda, mas não extrapole seus limites pois nada disso é milagroso. O que levar? Isso é relativo, então posso dizer o que eu levei: 3 calças (duas seriam o suficiente, porém acabei me sujando bastante no Uyuni). 7 camisas (um baita exagero). 1 calça de pijama (ok). 2 camisas e um shorts de pijama (ok). 4 camisas de manga comprida (exagero) 1 Segunda pele (ok). 1 blusa de moleton (não usei, mas mozão usou). 1 casaco que não sei nem como chamar, mas é daqueles que é quase um iglu, protege mais do frio que meu quarto (o tamanho dele na mala foi algo triste, mas lá eu usei bastante) 9 cuecas e 1 sunga (usei todas mas acho que dava para levar menos) 5 pares de meia (exagero) 2 pares de tenis e 1 par de chinelo (ok) 1 toalha fast dry comprada na Decatlhon (quem sabe rola um patrocínio??) Escova de dentes Creme dental Creme de pentear cabelo Alguns rolos de papel higienico (não lembro quantidade, mas como descumpri a regra de não comer nada da rua, todos os rolos foram muito úteis) 6 pacotes de leninhos umedecidos (3 comigo e 3 com mozão, mas foi exagero também) Kit de primeiros socorros (remédio para dor muscular, remédio para estomago, diamox, sal de fruta, ibrupofeno, dipirona, band-aid) Celular, carregador e carregador portátil. Doleira Mochila de ataque de 10L (não chegou nenhuma proposta de patrocínio então não haverá divulgação dessa vez u.u) Cartão de crédito para emergências (não usei) Desodorante Sabonete Jogos (A quem interessar possa: Coup, The resistance e baralho). Touca 1 par de Luva 1 óculos de Sol Manteiga de Cacau Cadeados Acredito que só, mas posso ter esquecido de alguma coisa. Tudo foi dentro de uma mochila de carga de 42L (que é maior que muitas de 50L), e de uma mochila de 35L. Ambas foram comigo dentro do avião, não houve despacho. E assim encerro a introdução. Na próxima vez que voltar a escrever já falarei sobre o inicio da viagem, e para você que ma acompanhou até aqui, deixo algumas fotos de aperitivo \o/ Até logo (espero)
  40. 7 pontos
    Queridos mochileiros. É com grande alegria que faço esse relato, pois ele se refere a um dos trekkings que eu mais desejava na vida: Torres del Paine. A minha viagem ao Chile, foi exclusivamente para fazer o Circuito O (deveria ter reservado mais dias para ir a Cafalate e El Chaltén...) e mais dois dias de intervalo em Punta Arenas e Puerto Natales. Em todos os relatos eu falo sobre a facilidade e aprendizado de se viajar sozinho. Mas essa foi minha primeira viagem fora do Brasil sozinha, e estou ainda meio sem palavras para conseguir expressar aqui o que significa. Eu não quero dizer que em alguns momentos realmente não possa se sentir sozinho, isso acontece. Mas eu posso dizer que em 90 % do tempo está cercado de pessoas muito abertas para conversar e trocar ideias. Bom, a primeira coisa que precisa para fazer o Circuito O sem stress é a organização. Pois se pretende vir entre Dezembro e Fevereiro, é alta temporada (bom tempo), e os campings e refúgios ficam cheios. No Circuito O, quase todos os lugares em que você fica tem duas opções para dormir: Camping (com sua própria barraca, ou alugada) ou Refúgio (cama quentinha para quando sentir que merece). Coisas importantes: * Imprimir suas reservas, * Ter comida suficiente. * Um bom saco de dormir e uma barraca com boa camada para chuva. * Uma bota que seja sua amiga. * Como eu estava sozinha, e tendo que levar todo o peso (cerca de 14 kg), eu optei por comprar algumas refeições. Nos refugios'campings, eles fazem almoco-cafe-janta (sim, é caro), mas depois de um dia de muitos kms isso vale ouro. Aqui vai o meu roteiro em Torres Del Paine: 1 dia: peguei um ônibus em Puerto Natales as 07:15 para Torres del Paine (chegamos umas 09:45 na entrada principal). Na primeira portaria você precisa assistir um video sobre as normas do parque, mostrar seu ticket de entrada (ou comprar), é melhor já comprar no site da CONAF e levar o comprovante. Recebe o mapa do parque, e pode pegar um tranfer (3.000 pesos) até o cientro de bien venida (sao 07 km você pode ir caminhando também, eu fui de transfer porque nessa primeira parte não tem nada de mais e você vai precisar de mais energia em outros dias, acredite). No transfer já é possível ver algumas montanhas. Depois de tudo isso, iniciei os primeiros kms do circuito. Camping Serón. Nesse primeiro dia a vista das montanhas ainda é bem restrita, porem passa por florestas e rios com água cristalina. A cor é como se fosse um azul royal, lindo. O terreno em si é tranquilo. Como cheguei cedo no parque e logo comecei a travessia, eu não encontrei ninguém no caminho, tipo nem uma pessoa nos primeiros kms. Ai teve um misto de satisfação com preocupação haha. Mas logo aparecem alguns (poucos). Nesse camping nao há refúgios, quando cheguei era umas 14:00 ainda, normalmente os check in s{ao as 14:30. Começou a chover e ventar um pouco quando estava arrumando minha barraca (chamam carpa aqui). Foi uma noite difícil pois choveu muito e fez frio (cerca de 5 graus). Nesse primeiro dia, eu passei muito frio, no outro dia as montanhas aparecerem branquinhas, nevou. 2 dia: essa caminhada você já começa a ficar mais perto das montanhas, chegando no refúgio Dickson a vista é fantástica. Fiquei em refúgio, porque algo me disse que quando fui fazer a reserva, fiquei muito feliz pois chovia e estava uns 2 graus. 3 dia:ida até los perros, nesse lugar que você começa a sentir os ventos fortes. Nesse camping não tem refúgio , e só tem banho gelado! O camping fica do lado do rio e abaixo da montanha, tem como ser ruim isso? 4 dia: foi o dia mais cansativo, porque precisamos passar pelo Paso John Garden, que é uma montanha de gelo. É fantaaastico. Nesse dia tem que sair cedo tipo 6 da manhã, porque no Paso o tempo muda muito e depois das 11 da manhã o pessoal fala que tem um tipo de chuva e vento que não se pode passar, muito perigoso. Até o topo do Paso demora umas 4 horas. E depois a descida mais 4. Eu fui direto ao camping Grey, então foi bem cansativo, mas todo o caminho é maravilhoso. Nesse dia tem a visão do glaciar. 5 dia: indo para o camping paine grande, contato com a civilização. Aqui você pode se dar ao luxo de uma comida diferente, tem várias pessoas, que chegam aqui e ficam apenas para fazer a trilha até o mirador britânico. 6 dia: aqui você encontra muitas pessoas no caminho também, ida até o Francés, o Mirador Británico fica no caminho. Você pode deixar a mochila no Italiano e subir mais leve. 7 dia: ida até o Central. 8 dia: trilha base de las torres. A trilha em si é linda, muitos rios e pontes. Você passa pelo acampamento chileno e depois desse ponto a trilha fica mais pesada, porque ganha elevação muito rápido. Resumo : 1. Cientro de bienvenida p/ Seron: 13 km, 4 horas. 2. Seron p/ Dickson: 18 km, 6 horas. 3. Dickson p/ los perros: 12 km, 4.5 horas. 4. Los perros p/ Grey: 15 km, 11 horas. 5. Grey p/ Paine grande : 11 km, 3.5 horas. 6. Paine grande p/ Francés : 9.5km, 3,5 horas. 7. Francés p/ Central : 15 km, 6,5 horas 8. Central p/ ida e volta base das torres: 20 km, 7 horas Total de 114 km apx, considerando que essa distância distribuída em 8 dias, não é nada de outro mundo. As trilhas são suuper bem demarcadas, então mesmo se estiver sozinho não vai se perder não. Com certeza a Patagônia é o lugar mais fantástico que já estive, porque a energia das montanhas e a conexão com a natureza é algo que não se consegue assim tão fácil. Em Punta Arenas cidade vizinha de Puerto Natales, você pode fazer um passeio com empresa especializada e chegar até a Ilha Magdalena e Marta, onde tem os pinguins e Lobos marinhos, é obrigatório pra quem passa por aqui. Depois de 3 dias de volta, ainda não consegui voltar, é como se eu ainda estivesse lá. Meu corpo e minha alma ficaram conectados as montanhas de Torres del Paine.
  41. 7 pontos
    Hola! Mochileiros do meu BR, hoje estou aqui para compartilhar com vocês como foi minha experiência na Patagônia Chilena fazendo a trilha do circuito W Invertido ficando em refúgios e com o pacote full board, no período de 01-03 a 06-03 CARNAVALLLL. FUI SOZINHA e com um puta friozinho na barriga, apesar de não ser a primeira viagem sola, esta possuía características especiais como: SE AUTO DESAFIAR caminhando por 72 K’S realizando uma reflexão da minha vida. Para resumir a SAGA especialmente para as MOCHILEIRAS que ainda possuem alguma dúvida sobre fazer este trajeto ou não: - AMIGAAAA pega essa dúvida coloca dentro da mochila e vá assim mesmo. É super possível, fazer o Circuito W com um bom planejamento, pouco tempo e mochila nas costas. P.S Aqui não vou colocar planilha de gastos, tipos de roupas, como funciona o parque, pois dentro deste fórum existem vários relatos compartilhando tais informações. Irei me atentar a fatos que foram determinantes para a realização deste sonho. PREPARACIÓN - Comecei a planejar a viagem em outubro de 2018, iniciei treinos mais intensos e de resistência na academia, li e reli vários relatos, blogs, para montar meu roteiro. Como eu sabia que teria pouco tempo dentro do Parque (4 dias) eu não poderia ERRAR de forma alguma em meu planejamento, entretanto, escorreguei em alguns pontos e vou discuti-los abaixo com vocês. 1. Cuidado ao reservar os refúgios, pois achei os sites das operadoras (Vértice Patagônia e Fantástico Sur) um pouco confusos e acabei reservando para o primeiro dia a área de acampar e não o refúgio propriamente dito. Só chegando lá, fui descobrir o que tinha acontecido, a sorte é que na recepção pedi se havia cama disponível e consegui fazer um Upgrade para o refúgio pagando no Cartão de Crédito a diferença. 2. Eu fiz o Circuito W invertido começando por Pudeto, porém, se teu lance principal for admirar as Torres del Paine, sugiro iniciar por elas. Digo isto pq como eu subi no último dia até o mirador das torres, meu horário estava bem apertado e não pude ficar lá por muito tempo, outro fator é que se o tempo estiver nublado você não terá a chance de optar por ficar mais um dia caso queira admirar as torres. 3. Prepare-se muito bem para fazer todo o trajeto, invista em calçados e roupas apropriadas para a ocasião. Digo isto, porque de roupa eu estava muito bem preparada, porém, de calçado levei apenas uma butina que uso para trabalhar e me ferrei pois acabou machucando meu pé. Então teste antes teu calçado em alguma trilha ou caminhada que seja mais que 4 horas. EMPEZAMOS EL VIAJE!!! Saí de Foz do Iguaçu de Ônibus até Assunção empresa (SOL DE PARAGUAY) e lá peguei um voo até Santiago e de Santiago a Punta Arenas. O Ônibus foi tranquilo com duração +- 6 hrs de viagem e tinha até serviço de bordo. Muita gente quando eu estava montando o roteiro disse que era loucura sair de Assunção, porém, uma amiga minha (THANKS JENNI) me disse que era tranquilo e que dava para fazer de boa o trajeto entre Brasil e Paraguai de Ônibus, fui com a opinião dela e deu certo. Só aí economizei 1.650,00 reais, pois quando comprei a passagem de Assunção a Punta Arenas estava 1500 reais e saindo de SP ou RJ estava em torno de 3600,00 devido ser feriado de carnaval e alta temporada em Torres del Paine. Segue então todo o roteiro do circuito W invertido. Incluindo horários, as estadias em refúgio com o pacote Full Board (alimentação completa: café- da -manhã, lanche para a trilha e jantar) os KM’s percorridos diariamente e algumas fotos da jornada. Aqui alguns links que foram essenciais para este roteiro: http://www.parquetorresdelpaine.cl/upload/images/MaptrekkingPNTP2017.jpg https://www.mochileiros.com/topic/63115-torres-del-paine-novas-regras-em-2017-circuito-w-5-dias-1-relato/ https://borala.blog.br/torres-del-paine-circuito-w-patagonia-chile/ http://escolhoviajar.com/trekkingcircuito-do-w-em-torres-del-paine-da-para-uma-mulher-fazer-sozinha/ http://escolhoviajar.com/torres-del-paine-perguntas-e-respostas/ https://www.fantasticosur.com/blog/useful-information/6135/the-ultimate-torres-del-paine-travel-guide-part-5-lodging/ http://www.verticepatagonia.cl/destino/1/mapa#nav A realização desta viagem só foi possível com uma organização de roteiro com os horários bem cronometrados srsrrssr foi muita pesquisa e perguntei a várias pessoas a medida que a viagem foi ocorrendo para que os horários se encaixassem e deu tudo certinhoooo 😃 Fiquem atentos porque o último ônibus que sai de Puerto Natales para Punta Arenas é as 21 hrs. Se você decidir pegar o último ônibus que sai as 19:45 da Laguna Amarga não dá tempo de pegar o último ônibus até Punta Arenas, então programe-se para sair do parque por volta das 14:45. A experiência é transcendental então por favor, farei um pedido: Vá!!!!! Se permita sentir a garra, coragem e resiliência que existe em você. A Patagônia realmente me ofertou a oportunidade de reconexão comigo mesma e acredito fortemente que ela fará o mesmo por você. Grande Abraço e se ficar alguma dúvida quanto ao que fazer e como fazer no circuito W invertido me inscrevam aqui ou no Instagram: @ayza_camargos. Gratidão!!!
  42. 7 pontos
    Namastê, galera! Segue abaixo minha contribuição ao grupo que tanto me ajudou nessa trip. Peguei muitas informações aqui. Acho bacana postar a viagem para incentivar as pessoas a se jogarem nesse mundão, porém, acho mais importante ainda compartilhar informações úteis para ajudar outros mochileiros que queiram conhecer o mesmo destino. Viajei sozinha e pelo modo mais econômico, de trem. Vou começar falando do Nepal, país que respira esporte de aventura. Amei. Fiquei apenas três dias, mas deu para conhecer toda Kathmandu e cidades próximas como Bhaktapur. O Nepal ainda sofre com o terremoto de 2015, é notório, mas seu povo leva tudo com um baita sorrisão no rosto. O povo nepalês é simples e muito feliz. Interessante o contraste físico entre o povo da India e do Nepal. India, o que falar do meu principal destino? Pessoal, há vários modos e roteiros de conhecer a India. Tem gente que vai para um Asham e fica lá por dias, meses... meditando, praticando yoga... Há quem queira conhecer só Délhi e Agra (cidade do Taj Mahal), outros só o Rajastão, e tem aqueles que fazem um “mix” dos três, o meu caso. Conheci seis cidades: Delhi, Jodhpur e Jaipur (Rajastão), Agra, Varanasi e Rishikesh. Pra quem for fazer esse tipo, a rota é essa. Tive muita dificuldade em organizar a rota. Não sabia se tinha que voltar a Delhi para ir a Varanasi ou Agra... Fiz todos os trechos de trem. Quem tiver grana e pouco tempo pode fazer de avião. Confesso que o meu maior receio nessa viagem eram os trens. Tive medo de enjoar, de como seria lá dentro, dos homens... (li e assisti sobre tudo por 4 meses antes do embarque). Bem, na minha primeira rota de 12h (peguei o máximo de trens noturnos pra poupar tempo) só tinha eu de mulher no trem. Claaaaaro que passou todo tipo de loucura na minha cabeça, mas eu pedi a todos os deuses hindus e brasileiros que me protegessem. Peguei meu livro, comprei um masala chai, sentei na “cama” e fiquei lá até todos dormirem. Depois que eu ouvi os roncos é que eu deitei, mas não dormi. Eles dão roupa de cama limpinha. Vem ensacada, apesar de barata a viagem, vc está na primeira classe e é tudo organizado, dentro do possível. Gente, depois desse dia os deuses ouviram minhas preces e só compartilhei a cabine com famílias. Aprendi a dormir que foi uma beleza, ou foi o cansaço mesmo. Andava de 12k a 15km por dia. Sim, qlq lugar que eu vou eu ando muuuito. Quero conhecer tudo. Vi poucos turistas pelas ruas, só nos principais monumentos, mas a maioria em excursão. Aliás, agora essas agências estão chamando de “expedição”, acho que é só pra encarecer mesmo. Bem, o que eu achei da India? A India é um país muuuito pessoal pra cada um. Houve dias em que eu amava e queria mais um tempo na cidade, como Rishikesh e Jodhpur, em outros, eu queria entrar no próximo voo para o Brasil. Ela é tudo de diferente que eu já conheci na vida. Ela tem cheiro. Já viu um país que tem um cheiro constante? Uma mistura de incenso com tempero que você sente o tempo todo. É incrível isso. É meio mágico até. O que dizer do trânsito? A coisa mais surreal que eu já vi e vivi na vida, e olha que eu já vi muita coisa. Me sinto uma sobrevivente daquele transito. rs. Nunca rezei tanto. É louco. Não é real, mas é, entende?!. O mais incrível é que eu não vi um acidente. Só existe uma palavra que eu possa definir a India: INTENSIDADE! Tudo é muito. Muitas cores, cheiros, fé, gente, bicho, barulho, calor, poluição, bicicleta, homem... Olha, a India não transforma ninguém. Acredite. Mas você volta de lá com um sentimento de gratidão pela vida que você tem tão grande que quem sabe é essa a transformação que a gente tanto busca. Bem, fiz um relato curtinho para colocar as informações ‘’técnicas” sobre a viagem. Dicas e curiosidades: · Mulherada que quer fazer a trip solo... é possível ir sozinha, sim, desde que não seja o seu primeiro mochilão. Tem que ter uma certa malandragem que a prática da “mochila” nos da. Eu sou muito independente e solta, aguento os perrengues, mas a India é diferente. Tem que trabalhar a firmeza e o carão. Lembrando que é uma cultura dominada pelos homens. Mulher lá não tem vez. Não tem voz. · Usar roupas discretas. Nada que marque o corpo ou mostre partes dele. NUNCA bermuda. Saia longa, pantalona, saruel, lenços. Eu usei camiseta pq estava muito quente, mas sempre cheia de lenços por cima. O assédio é imenso e vai por mim: quanto mais tampada você tiver será melhor pra você. Óculos escuros tb são uma mão na roda, me ajudaram demais. · Ainda assim, não adianta, todas serão paradas o tempo todo para fotos (olhem o videozinho rs). Tiram fotos nossa até sem a gente deixar, escondido, sabe!? Confesso que com famílias eu até tirava e aproveitava pra fazer com o meu celular tb, mas quando eram vários caras sozinhos eu dizia não. Eles adoram postar no facebook, e só Shiva sabe com qual legenda. Rs · Para homens sozinhos é super de boa. Não tem perrengue, mas não levem bermuda. Não vi ninguém usando, nem turistas. · NUNCA, em hipótese alguma, façam o que eu fiz: Cheguei às 2h da manhã e até passar por tudo já eram 3 e pouca e decidi ir para o hostel, estava morta de cansada. Negociei um tuc tuc q foi bem mais em conta, mas pensei q fosse morrer. Tudo na India parece uma favela perigosa (estou acostumada aqui no Rio) e logo no meu primeiro tuc tuc ele quis me dar um golpe. Negociei antes o valor e quando chegamos ele queria mais. Gritei e comecei e balançar os braços, ele olhou espantado e foi embora. Eu devia ter feito como nos relatos que li: “Chegou de madruga? Fica no aeroporto até amanhecer”. Confesso que não vale a sensação de morte que eu passei. · Água: só beber mineral LACRADA! Percebi que algumas gringas escovavam os dentes com água mineral tb, mas eu não esquentei, escovei com água da bica mesmo e pasmem: NÃO tive uma dor de barriga. Levei uma farmáciaaa! Mas podem separar um dia no roteiro pra ela. Qse 100% tem. rs · Levem barras de cereal, proteína e o que puder. Eu fiquei os 7 primeiros dias só na barrinha, banana e tangerina. Não conseguia comer. Perdi 3 kgs em toda viagem. O nível de limpeza é muito baixo e eu demorei muito pra entrar no “clima”, mas depois que entrei... foi sucesso! A comida é muito boa e megaaa apimentada. Até o que não é, é. · Comam o BigMac do Mac Donald de lá. É o único lugar no mundo onde a receita foi alterada. Ele é vegetariano. Uma delíciaaaa! · Os homens andam de mãos dadas o tempo todo, fazem carinho uns nos outros, mas não são gays. Não há contato físico entre homens e mulheres. · As mulheres casadas usam barriga de fora. Os sares são abertos na lateral. · O povo é bem solícito. Muuuitos me ajudaram. · Não deixem de beber Lassi e Masala chai. · Na India são falados mais de 20 idiomas, mas os principais são: Hindi e inglês. Mas a maioria só Hindi. Baixem o google tradutor. Ajuda demais!!! · Internet pré paga (cartão SIM): Ótima e barata: Demora dois dias para cadastrar. Precisa de uma foto 3x4. Paguei o equivalente a 13 reais para usar por um mês. Não gastei todo o plano de dados pq eu qse não acessava redes sociais (você não terá tempo acredite!). Usei muuuuito o google maps e o site dos trens. · Baixem o mapa off-line das cidades que forem. Gente, vcs vão precisar demais para não se perderem e não serem roubados pelos taxistas, tuc tucs e riquixás (bikes). · Em Delhi o Uber funciona maravilhosamente bem e é super barato. Ex: Numa corrida de 1h paguei 15 reais. · Metrô muito bem sinalizado. 2 reais. Usei os dois. Tanto o antigo, qto aquele que é descrito como um dos mais modernos do mundo. · Viagem no outono. Melhor época de outubro a janeiro. Estava calor, mas não tão forte. O que mata é a poluição q faz parecer mais quente. Temperaturas entre 33/36 graus durante o dia e frio à noite. Nunca viagem na época das monções (de junho ao finalzinho de setembro). Muita chuva. Alagamentos. · Negociem o preço do transporte antes. Faça ele escrever num papel o valor. Se depois ele te cobrar a mais mostre o papel e feche a cara. Da certo. · Não senti perigo em andar nas ruas. Teve dias que andei até às 11h da noite. Eles são muito religiosos e não roubam. O que acontece é o crime de oportunidade. Aumentam o valor das coisas, do transporte, não te dão o troco. Te colocam uma pinta na testa e pedem dinheiro pra Ganesha... Olha, o dinheiro é tão pouco, mas tão pouco, que às vezes eu sabia q estava sendo extorquida, mas deixava. Juro. Não fez falta. · Deixem para comprar lembrancinhas em Rishikesh. Só lá tem coisas bonitas e bem baratas. Em Jaipur tem muita roupa colorida. Nas outras cidades não achei nada de bonito pra comprar. · Livro, levem. Salva muito nos trens, conexões... · Não deixem de ir ao templo Sikhi. O de Delhi é a coisa mais linda. Eles servem mais de 10 mil refeições por dia e de graça. Os turistas tb podem comer e até ajudar a preparar. Baita experiência. Eu só conheci a cozinha, pois qdo cheguei às 17h, já tinha acabado o almoço. · Fuso horário: 8h30 a mais que o horário de Brasília. Amanhece e escurece no mesmo horário que aqui. Estou colocando este tipo de detalhe, pois alguém pode querer saber... eu quis. rs. Ps: Na Argentina às 21h tá claro. · Levem pouca roupa. Em todos os hostels tem torneira no chuveiro para lavar e varal no terraço pra secar. · Viajei com uma cargueira de 65 litros. Na ida me fizeram despachar, mas na volta não precisei... vai entender. . Namastê é o cumprimento de chegada em qualquer lugar, não importa o horário. . Não esqueçam de levar papel higiênico, álcool em gel e filtro solar. . Desconstruam toda nossa cultura e embarquem de coração aberto que a viagem será insana e muito abençoada. Se joguem! Vistos, trens, estadias e valores Visto India: 80 dólares – valido para 60 dias. Só pode entrar no pais com ele uma vez, duas, quando for em trânsito, como foi o meu caso voltando do Nepal. Ele é feito de forma online. Faz uploud da foto e da página principal do passaporte, paga a taxa com cartão de crédito e em 2 dias, sendo aprovado, vai para o e-mail. Tem que levar impresso. Link do site: https://indianvisaonline.gov.in/evisa/tvoa.html Visto Nepal: 25 dólares - valido por 15 dias. Ele é feito e pago no aeroporto de Kathmandu. Obrigatório levar uma foto 3x4 ou 5x7. Trens: Os bilhetes dos trens têm que ser comprados com uma certa antecedência para pegar lugares seguros. Comprar sempre as primeiras classes. Confesso que eu achei muito difícil comprar pelo site, tentei de tudo. Até um cara no site mochileiros.com me deu o celular dele, de lá, para cadastrar e não deu certo. Vi que q muitos tinham o mesmo problema. Eu qse desisti da viagem por isso, foi aí que apareceu uma menina que tinha acabado de voltar de lá e disse que havia comprado os ticktes com o Raj. Gente, esse cara é um amor e muuuito profissional. Me ajudou a montar a rota certa e comprou todos os meus ticketes. Fora que em todas as datas de embarque ele me mandava whatsapp e email. Ele cobra 17% do valor total. Você deposita tudo pelo PaYpal. Paguei 76 reais pelo serviço e o valor total dos trens ficou em 457,00 (todas as cidades), mas pagaria 200 só pela paciência que ele teve comigo. Foram mais de 40 e-mails. rs Ahhh! Tem dois sites maravilhosos em que você monitora o trem em tempo real. Vc sabe a estação em que ele está, se está no horário, se está atrasado... Sim, os trens são um capítulo à parte. São organismo vivos. Dos oito que eu peguei, seis atrasaram e muito. Segue o link da página do Raj no facebook. Resolve tudo por email, Skype e whatsapp: https://web.facebook.com/trainticketplease/ Site para monitorar os trens: https://runningstatus.in/ https://www.railyatri.in/live-train-status Estadia: India: Fiquei em todos os hostels da rede “Moustache”. Ameiiiii! Todos MARAVILHOSOS! Stafs fofos. Só o de Agra que eu não gostei muito, mas passei apenas algumas horas. Só fiquei nele pq está a 1km do Taj Mahal (dá pra ir andando) e eu queria entrar no amanhecer. Em todos os hostels eu fiquei em quarto compartilhado feminino (4 camas), só o de Jodhpur que eu fiquei em quarto misto (4 camas). Foi super de boa. A média dos valores das diárias estão entre 15 a 20 reais. Dica: Reservem faltando 2 dias. Eu reservei pelo booking com um mês de antecedência, mas qdo chegava na véspera eu olhava para ver se o qto estava cheio e pah: valor bem mais baixo. Em todos eu cancelei e reservei de novo. Nepal: Reservei um “hostel”, mas quando cheguei lá era uma casa com pai, mãe, avó, crianças, cachorro, hóspedes... ainda bem que tinha reservado um quarto privativo...rs adorei a experiência, mas confesso que era longe do Centro. Andava 20 minutos e passava por muitos lugares destruídos pelo terremoto. Fiquem na localidade de Thamel. É no Centro. Tirando os voos, gastei em média com alimentação, estadia, entrada nos templos e monumentos, transporte e lembrancinhas, 90,00 por dia. Lembrando que eu peguei a alta do dólar, setembro. Agora seria bem menos. Valores para vocês terem uma base de como a India é barata. Água de 1l = 1 real 1kg de banana = 2 reais BigMac = 9 reais Almoço com refrigerante num lugar bacana = 10 reais Cinema (Sim, em Jaipur tem o maior cinema da Ásia, vale a visita (Raj Mandir) = 8 reais Taj Mahal = 30 reais Calça Saruel = 10 reais Masala Chai = 1 real Lassi = 2 reais Corrida de tuc tuc (40 minutos)= 15,00 Voo Rio x Delhi (dois dias entre voo e conexão): Voei British Airways, mas comprei pelo site Ibéria. Nunca comprem direto no site da British, pois o pagamento é em dólar, já no site da Ibéria é em real. Paguei 4.300 com 50 dias de antecedência. Depois desse período monitorei e vi que só aumentou. Logo, foquem nesse tempo máximo para compra. Voo Delhi x Kathmandu (1h30): Voei Jet Airways. Valor 800,00 - comprei com 10 dias de antecedência - na véspera do embarque estava mais barato. Comprei pelo skyscanner q me jogou pro site. · Todos os voos eu monitorei valores pelo skyscanner Seguro viagem: Fiz pela plataforma do Real Seguros (Affinity). Valor total: 138,00. Fotos: Celular Samsung G7 App de fotos: Snapsseed Galera, acho que é isso. Não sei se esqueci de algo, mas caso queiram tirar alguma dúvida sobre roteiro, rota, podem perguntar ou me mandar um email que ajudo na boa. E-mail: [email protected] Namastê e ótimas viagens! 🌏🍃🌱
  43. 7 pontos
    Fala mochileiros! Cheguei recentemente de um passeio no chamado "caribe brasileiro" (nome mais do que merecido, diga-se de passagem), ou Alter do Chão, para quem não conhece, e, como me surpreendi com a experiência que tive lá (principalmente em relação a gastos, uma vez que destinos exclusivamente turísticos acabam sendo por vezes temidos pelos custos de viagem), nada mais justo do que compartilhar. Então, partiu!!! Alter do chão lá de cima, com a ponta do cururu bem definida. Acreditem, caminhei boa parte disso aí de praia A época escolhida foi a segunda semana de novembro, logo após o agito derivado do tradicional Sírio de Nazaré em outubro. As passagens deram uma aliviada, e consegui pegar uma ida e volta de 400 mangos (com barco, de Manaus, você gasta quase esse mesmo valor de ida e volta, só com passagem, e fica de um dia e meio a quase três dias nos rios dos trechos, enquanto que o vôo dura nem uma hora). Fato rápido: as praias do norte costumam estar mais bonitas na segunda metade do ano em virtude da seca, mas, diferentemente do Amazonas, que seca demais e não fica tão bacana no ponto mais baixo, certos rios do Pará secam menos e mantêm sua beleza natural em virtude da proximidade geográfica com o oceano. E com o belo rio Tapajós não foi diferente. A propósito, Santarém tem seu próprio encontro das águas, assim como Manaus, só que é Tapajós e Amazonas, ao invés do Rio Negro e Solimões (não a dupla sertaneja) da minha terrinha Bando de copião, pegaram o encontro das águas amazonense e fizeram uma versão deles kkkkkkkkk é brincadeira, mas é igualmente impressionante e belo Estamos em um período de calor intenso, então acreditei que iria encontrar um sol de rachar cuca no Pará, mas como a vida é uma caixinha de surpresas, houve uma grande frente fria e transição de massas de ar e pressão atmosféricas (aqueles papos de previsão do tempo, não vou entrar em detalhes) que preencheu a maior parte do país com chuvas e temporais. Os cariocas sentiram isso na pele, infelizmente, e em outros estados o estrago foi menor. Mas exatamente nessa semana pegaria umas chuvas no Pará. Pois bem, vida que segue.... Cheguei no aeroporto de STR no domingo (4), após deixar Manaus embaixo de um toró, por sorte as nuvens de chuva estavam mais no Amazonas, e no Pará ainda tinha um pouco de sol. Mais perdido que cego em tiroteio, tratei de procurar um jeito de me deslocar para Alter. Tinha apenas 5 dias disponíveis para conhecer os lugares, uma estadia boa, a meu ver, para conhecer as principais atrações, mas dessa vez não fiz um roteiro rígido para ser seguido. Conhecia uns lugares e simplesmente iria na cara e na coragem pq acredito que as viagens ficam mais interessantes assim, e é bom você saber lidar com imprevistos. Levei apenas 500 bonoros para essa viagem, e acreditem, deu e sobrou. Fato do aeroporto de STR: os taxistas chegam em cima de você que nem urubus numa carcaça, e os preços deles não são muito convidativos (50 pila para ir ao centro de Santarém, 100 a 120 para ir para Alter). Mas fica a dica do tio: esperem passar o bus para Santarém, pois tem uma linha que faz essa integração, ou rachem o táxi com alguém, que com certeza vai ter gente afim. De santarém tem ônibus para alter, mega fácil de pegar, e barato, vale esperar um pouquinho. Mas como não sabia desse fato, resolvi rachar o táxi com uma família que iria direto para alter Pessoalmente acho massa ter uma ciclovia entre a cidade e a vila turística, em Manaus não temos isso O táxi rachado me custou apenas 34 reais, o que foi uma boiada e tanto! Desci perto da famosa ilha do amor, já na orla da vila. O "centro" é ali mesmo, e você não vai se afastar muito dali, a não ser para os passeios para os lugares distantes. Tem pousada pra dedéu, hotéis, e redários com camping, que era o que eu estava procurando (eu prefiro acampar e ter o desconforto e privacidade da minha barraquinha ). Não lembro de ter visto hostel, mas creio que tenha sim. Não andei muito e logo de frente pra ilha achei um camping com redário, rústico, bem localizado, além dos donos serem bem receptivos, e com um preço MEGA em conta, considerando a sua localização. Altas vibes naquele lugar (estilo roots, espere encontrar hippies e pessoal alternativo, se você tem algum preconceito com esse tipo de gente, não recomendo o camp, mas não achei nem um pouco ruim). Le acampamento base. Fui muito bem tratado aqui. Honestamente pensei que só ia chegar no domingo com tempo de achar um lugar para ficar, mas estava no meio da tarde, e não queria perder o dia, então conheci a dona, fechei as diárias, e tratei de dar um rolê pelo lugar. A vila até parece meio feinha com o rio seco, mas vai por mim, lá na frente é a coisa mais linda de se ver. Detalhe para a conhecida serra da piroca A vila é tranquila, mesmo nos fins de semana, confesso que achei bem vazia de gente, e desconheço a alta temporada de lá, apesar de ter chutado o mês de outubro. O lugar é cheio de moradores e visitantes latinos, no camp mesmo haviam argentinos e chilenas de passagem. O cajueiro parece ser o capim de lá, de tanto que tem, existem ruas onde você passa e sente o cheiro gostoso, de tanto caju (e cajuí) que tem no chão. Curiosamente não encontrei nenhuma bebida específica feita dele na vila. Se eu tivesse vontade de comer caju, era só olhar para uma árvore e colher. Caju hoje, caju amanhã, caju sempre Andando pela praia da ilha do amor (que na seca pode ter seu curso d'água atravessado a pé, só tomar cuidado pq dizem que tem arraia lá), decidi ir a pé para a conhecida ponta do cururu. Quando os rios secam, faixas de areia são descobertas pela água e ficam em contato com a parte mais funda e bonita do rio, em Alter há várias pontas, sendo as do cururu, pedras e muretá as mais conhecidas. Na cheia não dá para chegar nelas a pé, ou simplesmente nem dá pra acessar (por já não existirem!), sendo obrigatório pagar barqueiro para levar lá. Li que os valores não são dos melhores para quem está só, fora que eu não estava afim de fazer um passeio regrado com hora para ir e voltar, e como você deve ter visto na foto lá de cima, tinha uma mega praia formada em todas as margens da região, então resolvi botar as panturrilhas para trabalhar e ir a pé. Partiu ponta do Cururu A "andada" leva mais ou menos 1 hora e 20 minutos, de alter até chegar lá, e você fica com aquela ansiedade de estar vendo o horizonte, e não chegar perto dele, mas deu para me distrair com os achados da praia. Corais, peixes mortos e muitos mexilhões se faziam presentes na margem (de noite é possível achar caranguejos). Ah, nas praias também é possível achar MUITOS sapinhos, eles são um símbolo da vila, e representados na cultura local por esculturas e amuletos com o nome de muiraquitã (embora não seja o nome certo pro sapo em si, apesar de tentarem te convencer do oposto). Sapo na areia, embaixo de sol, durante o dia nunca tinha visto, isso me encantou. Eu desconheço o gênero e espécie, mas lá parece haver pelo menos 3 ou 4 espécies de diferentes cores e tamanhos, até sapinho de meio centímetro achei Chegando na ponta, senti na pele o porquê de chamarem aquele lugar de caribe brasileiro. Nossa, que praia sensacional!!!!! Água semelhante à do mar (transparente e azul-esverdeada), agitada, e areia branquinha. Agradeci à Deus e à minha mãe por estar naquele momento e naquele lugar tão únicos, e com o sentimento de conquista de mais um lugar paradisíaco de nosso Brasil Recadinho básico pra mandar pra patroa em casa É vontade de ficar aqui e não sair mais, difícil imaginar uma paisagem dessas que não é no litoral A minha foto favorita dessa viagem. Depois das altas fotos, um bom banho Engraçado que só eu tinha vindo a pé, todos os demais presentes estavam nos seus barcos de passeio ou particulares, fiquei pensando no quanto que devo ser louco para fazer essas proezas, mas sem crise!! Dizem que pôr do sol é perfeito nessa ponta, mas infelizmente, em virtude desse clima de nublado e chuvas, o céu não ficou legal para o crepúsculo em nenhum dia da minha estadia. Fica para a próxima. Uma história engraçada: não ajustei meu relógio para o fuso horário do Pará, e por isso saí bem tarde da praia, achando que ainda era uma hora mais cedo os demais barcos indo embora e eu sobrando na praia, e com mais de uma hora de caminhada no breu total. Mas como uma pessoa precavida vale por duas, tinha levado minha lanterna na bolsinha, então o "passeio noturno" foi mais divertido que frustrante. Adorei achar caranguejos na margem, nesse processo. Que que foi, maninho, tá olhando o q? Já me vu.... Apesar da caminhada ter sido ótima, andar na areia dá uma fadiga aos músculos do pé, batata da perna, calcanhar, etc., e cheguei em alter pedindo um torsilax para não amanhecer com as patas doendo. Armei a barraca, fui procurar o que jantar e depois, dormir. 2o. dia: Tsunamis aéreos e a tentativa de subir a careca A segunda iniciou com temporais, com direito a raios de minuto a minuto, e eu, desde a madrugada dormindo com aquele barulho gostoso de chuva batendo na barraquinha. Como a chuva estava forte durante a manhã toda, não tinha como procurar uma panificadora e comprar itens pro café, o povo do camp estava todo em off nas suas redes tbm então o jeito era me acomodar na barraca, e planejar o que fazer pro dia, caso o temporal não parasse mais. Teve uma hora que precisei sair para improvisar uma "vala" pra água acumulada vazar, ou minha casinha provisória seria inundada Depois de meio-dia, a chuva finalmente deu uma trégua, e estava na hora de andar na vila e procurar algo para comer. A falta de paciência para cozinhar algo na cozinha do camp me fez apelar para o bom e velho PF, que veio numa quantidade generosa, me fazendo dividir ela com o Robervaldo (um vendedor de arte e viajante que conheci lá, gente boa, inteligente e bom de papo, com esse deu pra conversar até sobre política sem haver atritos). Como o sol estava ainda tímido, mas querendo aparecer, achei que o melhor seria ir para algum lugar próximo da vila, então resolvi subir a piroca, literalmente March!!!!!! Esse lugar é diferenciado Sim, é isso que você leu. Um ponto conhecido de alter, que está em praticamente todas as fotos turísticas e artísticas é a chamada serra da piroca (que está mais para morro a meu ver, mas vai da sua interpretação). A etimologia do nome é justa: significa algo como "vegetação rala" ou "careca", que tem a ver com a vegetação do alto do morro e o nosso falo masculino A trilha é sussa, vc leva uns 40 minutos andando até chegar ao topo. Infelizmente, nesse dia, não deu pra chegar no topo, topo mesmo, por causa de insetos, não precisa ser biólogo(a) para saber que depois de grandes chuvas certos insetos como cupins e formigas saem para namorar aos montes na mata e no céu. Pois bem! Tinha uma espécie de "muquitinho" que resolveu fazer uma verdadeira suruba galáctica bem no alto da piroca (!), não é exagero amigos, o bicho é do tamanho de um mosquito, mas eram enxames de enxames, tantos, que dava pra ouvir alto e claro o barulho das asas deles da base do morro, e o céu escurecia um pouco lá no topo. Mosquito grudando no meu corpo suado, batendo nos olhos e ouvidos obviamente incomodava bastante, além de eu não saber se eram bichos nocivos de alguma forma, então me vi obrigado a descer. A trilha é super de boa e demarcada na subida, mas não recomendaria para pessoas de idade e com problemas cardíacos ou de locomoção O máximo que deu pra subir. Ahlá a vila, o lago verde e a ilha do amor no fundo Como ainda haviam umas três horas de luz do dia, resolvi ficar no lago verde de bubuia, curtindo o final da tarde. Ele é bem raso por tipo, um quarto de quilômetro na seca, então pra criança brincar é mais de boa, e a água é igualmente gostosa. Tem aluguel de caiaque também. Fiquei brincando de caiaque por uma hora, e depois apenas boiando na água Até aqui e ainda está bem raso Com tempo de sobra, em comparação com o dia anterior, resolvi andar e conhecer a vila de noite. Achei o lugar relativamente tranquilo e seguro (apesar de não ter visto policiamento, o que sugere que não é bom ficar dando sopa nas ruas até tarde da noite). Além da orla para passear existe a praça central, onde tem wifi gratuito (quando está pegando), várias lojas de lembrancinhas e uma praça de alimentação. Em algumas ruas próximas há restaurantes, lanches e moradores que fazem refeições prontas a um valor ok. Particularmente não sou um "gourmet", então não fiz questão de provar as especiarias locais (até pq já provei a maniçoba num festival paraense de Manaus, uma vez, e não gostei muito, fiquei com receio de gastar muito num prato que não me agradasse), então comprar um prato do bom e velho vatapá já estava de bom tamanho 😀 10 pila num pratão desse vale cada mordida!!! 3o. Dia: Ponta do Muretá e mais caminhadas na praia Segundo dia consecutivo em que amanhece com as altas tempestades, não tinha muito a ser feito a não ser aguardar na barraquinha a chuva passar, e dormir ao som da chuva. De madrugada, um visitante inesperado no meu quartinho: Mas ein??????? Bom, tinha conhecido a ponta do cururu, a ilha do amor, morro da piroca e lago verde, hoje poderia ser uma nova atração. Como tinha visto anteriormente no "gugrou maps", a ponta do muretá fica próxima da vila (em termos pq é mais uma hora de caminhada na praia), então não vi o motivo de não fazer essa atividade. Estava decidido. Dessa vez o povo do camp se juntou pra fazer um frango guisado MA-RA-VI-LHO-SO (Parabéns ao Robervaldo, nível master chef já ). De tarde dei mais um rolê na vila, a procura de lembrancinhas para levar para casa, e após isso segui rumo à ponta. Não é complicado, só seguir a margem do rio pela cidade, não pela ilha do amor. A ponta do Muretá é curiosa pq ela tem um lago atrás que tem um formato triangular, assim como a ponta. Fonte: google maps, 2018 A caminhada foi sussa, tirando o esforço óbvio nas pernas e pés por andar na areia, mas o segredo é ficar mais perto da água onde a areia é mais firme. A ponta do Muretá também é linda!!!! Com ondas batendo o tempo todo, e dessa vez, sem sinal de vida, salvo pelos barcos de passeio que passavam (mas não paravam) e botos que brincavam perto da praia (sim, vi botos na superfície, mas era difícil registrar os danados). A praia era só para mim naquela tarde 🤩 Por essa tarde, declaro a ponta do Muretá território Stanlístico! Detalhe: no horizonte é a serra da piroca e mais à direita da imagem fica a ponta do cururu Praise the Sun! O pôr do sol também ficou impedido pelas nuvens, mas foi melhor do que no cururu. Lindo demais, uma pena que tinha que voltar logo para a vila antes que anoitecesse. Só a nível de curiosidade, os gastos foram mínimos nesses dias: tirando as diárias do camping, só gastei um pouco com comida, leite-achocolatado-pão-queijo-presunto-ovo para café + lanche, e as lembrancinhas nesse dia, estava bem alimentado e com um espaço seguro para acampar, que pra mim era o principal. Poderia ter gastado mais, poderia, se eu quisesse fazer os passeios, mas optei por não fazer, pelo medo de chover e o passeio não valer a pena (fora que sempre gosto de fazer as coisas de forma mais independente). 4o. Dia: despedida de Alter do chão Esse seria meu último dia na vila, até porque queria conhecer Santarém um pouquinho. Me recomendaram ficar em Alter pq valia mais a pena e tal, mas acabei seguindo meu coração das cartas. O dia seria para visitar lugares previamente visitados. Sei muito bem que deixei de visitar a ponta das pedras, que meio mundo diz ser o lugar mais bonito da região. Os valores dos barcos não estavam justos, a meu ver (prefiro não informar), e a praia infelizmente é bem isolada, sendo necessário um transporte próprio para chegar lá, se não for contratando barqueiro. A pé, pelas praias, até é possível, mas levaria o dia inteiro, fora o cansaço, então penso que essa atração serviria para me motivar mais ainda a retornar (pensando seriamente em trazer a mãe aqui em 2020). Esse foi o primeiro dia em que não amanheceu chovendo, pelo contrário, fez até um solzinho forte que duraria o dia todo, então com esse tempo bonito, imaginei que daria para chegar ao topo do morro sem me deparar com os insetinhos (descobri que as chilenas que estavam acampando foram lá de noite, e chegaram no topo sem problemas, me arrependo de não ter pensado em fazer essa trilha noturna ) Tomei um café reforçado, pois só iria retornar no meio da tarde à vila, então comecei o dia na trilha do morro. E dessa vez deu tudo certo, apesar de lá haver um outro inseto chatinho (que lembra uma abelha sem ferrão), deu para ficar lá em cima por um bom tempo, e tirar altas fotos para matar os amigos de inveja. Melhor vista. Reconhece aquela ponta ali? Agora posso dizer pra família e amigos: subi a piroca, minha gente!!! Após terminada essa trilha, como eu tinha gostado bastante da ponta do cururu, e como eu tinha chegado lá no final da tarde de domingo, imaginei como estaria bonita em plena quarta ensolarada. E acertei em cheio! As águas estavam bem agitadas, e com uma cor maravilhosa aquele local digno de cartão-postal havaiano. E a melhor parte: novamente estava com a ponta só para mim Que água transparente é essa, cara? O calor não faz muito bem pros anuros, então o jeito é procurar uma sombrinha, ne Ah, o paraíso Perfeição base montada, passei umas horinhas brincando na areia, nadando, ou simplesmente boiando nas ondas, e era uma felicidade sem fim! Um cabra de quase 30 com a alma de 10 brincando na praia, mas como alegria de pobre dura pouco, a fome estava batendo, e precisava retornar para a vila. Umas 13:00 me despedi daquele cantinho do céu e tratei de retornar. Recadinho para o povo que iria assistir o pôr do sol, antes de ir embora 🤭🤭🤭 Almoço devorado, era hora de enfim me despedir do pessoal do camp., agradecer à anfitriã pela hospitalidade, e pegar o rumo à Santarém. Existe uma única linha que faz a integração Santarém-Alter, que passa pelas paradas de ônibus sinalizadas nas ruas. Então é só ir, comprar um chopão geladinho (vc sabe o que é chopão?), e esperar, pq se não me engano é de meia em meia hora que passa. Ah o Rober na breja se depedindo de mim. Obrigado a todos presentes nesses dias! Cheguei em Santarém no final da tarde, no centro, e fiquei perambulando pela famosa orla, procurando possíveis lugares para pernoitar (enfim, dormir numa cama!! 😭😭😭), até que encontrei o hotel alvorada. Uma casa no melhor estilo do início do século passado,um pouco rústica, comparando com o padrão de hotel e pousada atual, porém receptiva e com um ótimo custo-benefício (paguei nem 100 reais por duas diárias, isso com café e wifi incluso), com vista pro rio, e ainda localizada no centro da cidade. Definitivamente acertei em cheio e recomendo, se você está numa estadia em Santarém, e não faz questão de muito luxo, ou quer uma experiência de vivência do homem do norte autêntica, e uma ótima localização. Le orla com a área recreativa A cultura do sapo presente também em STR. Com isso, só restava arrumar as coisas, tomar um banho merecido, e dormir. 5o. Dia: conhecendo um pouquinho de Santarém O dia foi resumido a simplesmente conhecer alguns dos principais pontos da cidade. A mãe estava sempre mandando mensagens para eu tomar cuidado com isso e aquilo, mas confesso que dificilmente me senti inseguro em alter e STR. A cidade é razoavelmente policiada, e a impressão que tive é de que a criminalidade lá é pequena, comparando com Belém e outras regiões do estado. Além do mais, a cidade tem vários pontos em comum com Manaus, então, de certa forma me senti familiarizado ao andar por ali Alguns pontos que você precisa saber se quiser conhecer a cidade: * Santarém, como já disse, tem um centro comercial colado com a orla, onde a maioria dos ônibus passa (incluindo o ônibus para alter). Se você se hospedar no centro, tem um retorno garantido. * No centro, a melhor referência de parada de ônibus é a praça Barão de Santarém (também chamada de praça São Sebastião). Lá tem museu e uma catedral, também. * O encontro das águas pode ser visto do início da Orla, nessa data que fui estava em reforma, mas, diferente de Manaus, onde você precisa pegar uma balsa ou um barco particular para ver a atração, o encontro dos Rios Amazonas e Tapajós é mais de boa para ver e registrar. * Uber não existe lá. Mas particularmente não vi como um problema, uma vez que a cultura de mototáxi é forte, e passam muitos ônibus nas avenidas principais da cidade. * A orla é bem movimentada de noite, porque tem uma parte da praia que é destinada para o lazer, atividades físicas, fora o calçadão, onde as pessoas comem e fazem caminhada. Super de boa. * Há um zoológico legal para visitar, mas que é de difícil acesso, é altamente recomendado você ter transporte próprio para chegar nele. * Há Wifi gratuito nas principais praças da cidade, é só se registrar e usar, se estiver disponível. Pela tranquilidade das pessoas usando, deu a entender que o receio de assaltos era mínimo. * O parque da cidade fica próximo do centro, dá para ir até a pé, mas vai de cada um. * O melhor horário para visitar a Orla, a meu ver, é do fim da tarde até umas 21 ou 22 horas, pelo fluxo de pessoas. Na área do conhecido bar do mascotinho tem uns restaurantes, pizzarias e bares bacanas. * Existem umas praias bacanas próximas do aeroporto de STR, mas que necessitam de transporte próprio (ou money para o taxi) para chegar lá, numa delas fica a badalada casa do Saulo, pela correria e ausência de transporte, acabei não indo também para esses lugares. O primeiro ponto que fui conhecer foi o parque municipal, gosto de espaços naturais para o convívio e prática de exercícios e ações sociais, fui me orientando pelo localizador + google maps, vi que dava para ir andando, e logo cheguei ali. A pista de cross para quem curte uma bike marota. Uma coisa que achei muito legal do parque é a preocupação com a educação, ali existem inúmeros avisos de conscientização, e uma pegada forte para o cuidado com o meio ambiente, com foco no reaproveitamento de pneus, os mesmos foram utilizados para a trilha de mountain bike, e confecção de animais e plantas de pneus. Simplesmente show de bola! Viveiro de quelônios, de plantas, e até um minhocário foram pontos interessantes de se ver. O parque pega pesado (num bom sentido) na pegada ecológica, além de ser bem arrumado. Parabéns! Idéias que viram inciativas que embelezam o lugar Espaço saúde para caminhadas e trilhas Depois do passeio, o próximo ponto de interesse era o Zoológico da UNAMA. Este fica praticamente na zona rural da cidade, foi meio tenso o mototáxi me deixando numa rua de terra e me dando as direções mas o maps estava indicando que era ali mesmo, e os moradores confirmaram a direção. O zoológico estava passando por uma reforma e ampliação, nessa semana em que estava indo, mas deu pra curtir. É cobrado um valor simbólico de entrada, e um valor adicional para visitar o "berçário" dos peixes-boi, segundo o rapaz que estava me atendendo era uma taxa para ajudar na compra de material para fazer o leite "manipulado" dos filhotes, pessoalmente pagar os R$ 3,00 de entrada mais os R$ 3,00 de manutenção dos viveiros dos peixes-boi vale MUITO a pena, pelo prazer de colaborar para o desenvolvimento de um espaço de lazer e conhecimento. Que gutyyyyy 🤩 As araras-vermelhas estavam livres no espaço, eu não sei se podia fazer algo além de tirar foto com elas (até porque uma delas quase rouba minha bandana e belisca minha orelha ), mas achei isso legal, pois promove uma interação maior com os visitantes, além de dar uma liberdade maior para os animais (só as araras, no caso). De resto, haviam algumas gaiolas com espécies nativas, algumas vistas no Pará e não no Amazonas, acho sempre válido conhecer elementos da nossa fauna. Infelizmente não haviam tantos animais, comparando com outros zoológicos que visitei, mas gostei bastante do espaço (trilha no meio da mata), e como já disse, o zoo está em expansão, então provavelmente no ano que vem já existirão mais espécies em exibição. Era o animal mais próximo dessa visita Saí do Zoo na hora do almoço, então peguei dois ônibus em direção ao Shopping da cidade (acho que o único), mas não cheguei a ver nenhum restaurante bacana, então fiquei por pouco tempo lá. Creio que era melhor ter ido de tarde, até para assistir um filminho, mas sem crise!!! Retornei para a pousada no meio da tarde, descansei um pouco, e de noite, fui dar mais uma volta na orla, para beliscar uma besteira ou outra, e curtir a vibe noturna da cidade. No dia seguinte seria apenas para dar uma voltinha no centro comercial, ver se tinha algo que valia a pena comprar, e pegar o vôo para Manaus, então não entrarei em detalhes. Então é isso. A viagem foi extremamente prazerosa, feita na base dos improvisos, em alguns aspectos, mas valeu cada segundo aproveitado. E ao contrário do que um ou outro pode achar ou pregar, não é um destino caro. Alter é um lugar para todos os bolsos, penso que se a pessoa consegue fazer contatos, ou se dedica um pouquinho a pesquisar sobre os lugares, ela se programa tranquilamente, e honestamente, isso nem é necessário. A corrente da boa vibe do lugar por si só te carrega sem maiores problemas. Só seguir a onda =D Agora às informações básicas, como de praxe em meus relatos: Melhor época para ir: semelhante ao Amazonas, Pará possui um período de cheia (que é mais evidente nos primeiros meses do ano e vai até o mês de Junho, mais ou menos, as águas estarão mais cheias, chuvas se farão mais frequentes), e um período de seca (de junho a novembro, onde chove bem menos e os rios dão uma secada, mas como disse, as praias ficam melhores nesse período, peguei chuva nessa semana por puro azar mesmo). Acredito que entre Agosto e novembro seja a melhor época, se você quiser evitar o movimento do final de ano. Em alter existe a famosa festa do Çairé, um grande e importante festival da região, que vale a visitada pela importância cultural. custos: cara, levei R$ 500,00 e gastei aproximadamente R$ 390,00, e pude ficar super de boa lá. Tomava café, almoçava, lanchava, jantava e/ou comia besteira quase todo dia, acampei em 3 dias e fiquei hospedado em um quarto próprio de hotel em 2, pude comprar lembrancinhas, e se quisesse teria comprado mais. O que realmente dói no bolso do visitante são os passeios de barco ou o transporte alugado, pois muitas atrações são de difícil acesso por terra, ou estão um pouco longe, ou mesmo em outras vilas. Penso que você vai gastar mais em alter mesmo. O que fazer lá: Só a vila de alter por si só possui a ilha do amor e as praias próximas como referência (atrações 0800), a trilha para a serra da piroca, o lago verde e suas adjacências. As pontas, como mostrei, podem ser acessadas por terra, mas somente durante a seca, e exige um esforcinho, então o melhor jeito de chegar nelas é de barco. Há passeios com preços variados. Existem atrações ainda mais distantes como a FLONA (que pessoalmente não me interessa por eu já ter muito contato com a floresta amazônica), a tal cidade das casinhas dos americanos, etc. Em Santerém também tem muitos lugares interessantes, mas que vão exigir pesquisa e um transporte próprio. De principal, o centro, o parque, o zoológico e algumas praias que ficam lá nas proximidades do aeroporto. Dinheiro ou cartão: leve ambos, porque há sinal de cartão em alter, e alguns bancos. Como me senti seguro andando na vila e na cidade, para mim bastou levar o dinheiro muito bem escondido e uma parte na carteira, de uso imediato. O cartão de crédito sequer foi utilizado. Transporte: recapitulando, em Santarém existem ônibus que circulam pela cidade quase toda, uma linha que vai para o aeroporto, e uma linha comum que vai para alter. A menos que você realmente não goste de ônibus, existem pontos de táxi e mototáxi em alguns lugares da cidade. O mototaxi é mais frequente. Em alter não vi taxi de nenhum tipo, então basicamente você se desloca por barco para certos lugares. Hospedagem: Tanto em Alter quanto em Santarém, lugar para ficar não falta, e tem para todos os bolsos. Pessoalmente não gostei dos preços dos estabelecimentos ofertados pelo booking, então penso que vale a pena andar um pouco e encontrar um lugarzinho bom e barato. Sejam felizes, e curtam bastante a vibe paraense! =D
  44. 7 pontos
    Parte 10 - Enfim, o fim do mundo "É preciso sair da ilha para ver a ilha. Não nos vemos se não saímos de nós." O conto da ilha desconhecida, José Saramago A Terra do Fogo é uma ilha localizada no extremo sul da América do Sul. A população total da ilha é menor que 300 mil habitantes (contando tanto a parte chilena quanto argentina). O clima na ilha é bastante instável e por estar localizada muito próxima da Antártida é de se imaginar que o frio é dominante na ilha. Então, por que um lugar que é tão frio se chama Terra do Fogo? Voltamos ao passado novamente. Antes do contato com os europeus, a América era inteiramente populada de norte ao sul. Isso não era diferente na Terra do Fogo. Existiram alguns povos que viveram por lá e todos eles faziam fogueiras permanentes para sobreviver ao frio intenso da região. Assim, navegadores europeus que margeavam a ilha avistavam uma infinidade de fogueiras. Consequentemente, a ilha foi batizada de Terra do Fogo. A principal atividade econômica da Terra do Fogo (parte argentina) é a extração de gás natural e petróleo, mas há também diversas empresas de eletrônicos, principalmente em Rio Grande, que conseguem competir no mercado nacional graças a incentivos fiscais. Hoje o turismo é parte importante da economia local, principalmente para as cidades de Ushuaia (Argentina) e Puerto Williams (Chile). A ansiedade de chegar em Ushuaia era muito grande. Nem consideramos o convite do Desiz de passar mais tempo em Rio Grande. Queríamos estar em Ushuaia. Acordamos cedo e nos despedimos do Desiz. Saímos caminhando rumo a saída da cidade. Desiz tinha nos informado para pegar um ônibus circular que nos deixaria a uns 15 km de Rio Grande num posto da YPF, bem na união das duas pistas que leva-se a Ushuaia. Então, era o melhor lugar a se pedir carona. Fomos até um ponto de ônibus e esperamos. Quando parou o ônibus, o Matheus conversou com o motorista e explicou aonde queríamos chegar. Enfim, a conversa foi desencontrada, pois o motorista nos deixou na entrada da cidade. O dia tinha começado mal. Voltamos a caminhar. Caminhamos e caminhamos. A ideia de começar a caronar cedo tinha ido pro espaço. Nisso um carro parou, o motorista veio conversar conosco. Ele já viveu uma vida de mochileiro também e se solidarizou com a nossa caminhada. Falou para entrarmos no carro e disse que nos levaria até o posto da YPF. O nome dele é Javier e trabalha como engenheiro de petróleo na cidade. O tempo com o Javier foi bem curto, mas muito agradável. Chegamos no posto da YPF, nos despedimos do Javier e ele já acelerando o carro disse sua última palavra para nós: "Suerte". Ficamos na saída do posto da YPF (pra variar!). O fluxo de carros estava bem baixo. A aposta dessa vez era que um caminhão seria o nosso salvador, pois na Argentina não havíamos conseguido até então uma carona de caminhão. Quando chegamos na pista eu tinha a certeza que essa carona seria a mais fácil de todas, pois agora todos veículos que passavam por ali, certamente, iriam para Ushuaia. Então, era só esperar. Foto 10.1 - Matheus se esforçando em segurar a plaquinha no vento de Rio Grande Na teoria não tinha como dar errado pedir carona ali. Porém, a prática sempre vem colocar à prova a teoria. Os carros e caminhões que passavam nem esboçavam uma carona para nós. E assim foi, erguíamos o dedão da esperança a todo carro que passava, mas sem nenhum sucesso. O pior que dessa vez estava tão frio e ventava tanto que nossa abordagem se resumia em segurar a plaquinha e erguer o dedão. Rio Grande é conhecida como a cidade dos ventos. Nos meus dias de Patagônia a única coisa que não faltou foram ventos fortes a todo momento. Entretanto, nada se compara aos ventos de Comodoro Rivadavia, Rio Gallegos e Rio Grande. Ficar no relento nesses lugares é uma prova de resistência. O vento chega a machucar. Neste dia em Rio Grande era tão forte o vento, que você tinha que fazer força para ficar parado. Não estava nada gostoso ficar ali esperando. Para melhorar começou a chover depois de algum tempo. O mais difícil nos ventos patagônicos é mijar ao ar livre. É preciso conhecer um pouco de física para realizar um simples ato (risos). Se você não analisar a direção do vento, a chance de tomar um banho nada higiênico é grande. O problema fica mais difícil porque o líquido viaja por muitos metros antes de espatifar-se pelo chão. Então, é importante analisar todo o entorno antes de realizar o ato, senão você pode fazer cosplay de São Pedro e criar uma chuva passageira. Ficamos umas quatro horas pedindo caronas. Não estávamos mais aguentando ficar no relento. Estava muito frio e o vento era insuportável. A chuva fina que caía mais parecia uma tempestade somada ao vento. Um pingo de chuva que acertava o rosto era como uma pedrada. Decidimos que não valia a pena ficar mais tempo naquela situação. Assim, começamos a caminhar no sentido contrário, ou seja, de volta para Rio Grande. Continuávamos a pedir caronas para os carros que passavam por nós, mas sempre caminhando. Como de costume para todo carro que refugava a parada, nós cumprimentávamos e desejávamos boa viagem. Em um desses casos, minutos depois o carro retornou e o motorista veio falar comigo. Ele disse que podia nos levar até Tolhuin. Eu nem sabia da existência dessa cidade, mas o motorista disse que ficava no meio do caminho entre Rio Grande e Ushuaia. Então, entramos no carro. Conhecer o Beto foi o último grande presente da busca pelo fim do mundo. No começo da carona ele falava um espanhol incompreensível para mim e com o passar do tempo, a confiança dele em nós foi aumentando e o seu falar foi se transformando. Creio que ele estava nervoso com nossa presença, era a primeira vez que dava carona e não sabia o que iria encontrar. Beto é um nativo da Terra do Fogo, nasceu e mora em Toulhin. Ele trampa para a prefeitura da cidade, atendendo as ocorrências que acontecem na Ruta 3. O início da viagem foi tranquila e sem muitas conversas. O Beto parou no posto da YPF, comprou água quente e mate. Ainda parados no posto, ele preparou o mate. Agora em movimento compartilhávamos o mate e as conversas, timidamente, começaram a surgir. Fomos parados por uma fiscalização policial, tinha alguma coisa errada com o carro do Beto. O policial estava dando o maior sermão nele, ele se explicava dizendo que era o primeiro carro dele e que não sabia dessas coisas. Enfim, o policial nos deixou prosseguir viagem. Eu perguntei pro Beto quantas vezes ele tinha usado aquela desculpa, ele caiu na risada. Depois disso, tudo ficou mais fácil entre nós três. Foto 10.2 - Beto no volante e eu com a garrafa térmica Foto 10.3 - La ruta Foto 10.4 - Quase o fim da Ruta 3 Foto 10.5 - Não chove não! Foto 10.6 - O trajeto A chuva estava intermitente, aparecia e desaparecia. A música dentro do carro era boa demais, mas eu não conhecia nenhuma. De repente, o Beto parou o carro no meio da pista e desligou o som. Fiquei sem entender. Ele saiu do carro e foi até uma cruz que estava na beira da pista. Ajoelhou-se e começou a rezar. Depois de alguns minutos, voltou para o carro e sem falar nada acelerou o carro. Percorremos alguns quilômetros em silêncio. Beto quebrou o silêncio e nos explicou o porquê daquilo. Anos antes, seu tio estava dirigindo sentido Rio Grande quando teve uma parada cardíaca. Assim, o carro capotou e seu tio não resistiu aos ferimentos. Ele tinha muito apreço pelo tio, disse que era como um pai. Agora, toda vez que passa por ali, ele reza em memória do tio. Confesso, que foi uma cena bem bonita de presenciar. Foto 10.7 - A chuva que cai Foto 10.8 - As montanhas começam a aparecer Já viajei bastante por ai e das coisas que mais gosto de ver é a transição de vegetação pelo caminho. Nesse sentido essa viagem é bizarra, pois não há uma transição do deserto patagônico para a região verde. O que acontece é que num segundo você está no deserto e no outro está numa região completamente verde e cheia de montanhas em volta. Isso me chamou muita atenção. É como se houvesse um corte, de um lado é deserto e do outro floresta. Foto 10.9 - Chegando perto de Tolhuin Foto 10.10 - O entorno Foto 10.11 - O verde que surge após o deserto Chegamos em Tolhuin, a viagem tinha sido bem boa. Muita conversa e mate. Devia ser umas duas da tarde, o horário que o Beto entra no serviço é as cinco. Ele resolveu não parar em Tolhuin, perguntou se queríamos conhecer um mirante da cidade. Como de praxe, dissemos "Buera". Entramos num parque com estrada de terra. O entorno é lindo demais, demais mesmo. A boa música no carro do Beto continuava. Acho que a música alternava entre Reggaeton e Cumbia. Chegamos. Depois, fomos caminhando até o mirante. O céu estava carregado de nuvens, o que deixou o cenário meio melancólico, mas belo do mesmo jeito. Foto 10.12 - Sobe, sobe Foto 10.13 - O verde de Tolhuin e o lago Fagnano ao fundo Foto 10.14 - Lago Fagnano Foto 10.15 - Beto e Matheus Foto 10.16 - O verde Foto 10.17 - Matheus no mirante Foto 10.18 - Beto tirou uma foto do Matheus, mas também flagrou eu tirando uma foto Foto 10.19 - O registro oficial, Matheus, Beto e Diego Depois retornamos a Tolhuin. Beto nos levou as margens do encantador Lago Fagnano. Estava frio, mas o vento ali já era mais agradável e, consequentemente, suportável. Ficamos um bom tempo naquele canto, conversando e dando risadas. A timidez inicial do Beto, não existia mais, ele nos contava histórias e mais histórias. Dessas histórias a que eu mais me lembro é em relação aos cachorros da ilha. Ele disse que existem muitos cachorros na região de Tolhuin, a população não comportou todos eles e muitos viraram de rua. Na busca por comida esses cachorros foram afastando-se da cidade e nas florestas, como no livro do Jack London o Chamado Selvagem, foram tornando-se selvagens. Hoje eles são um "problema" para a cidade, pois invadem criação de ovelhas e matam boa parte do rebanho para se alimentarem, além de ter registros de ataque a humanos também. Foto 10.20 - As margens do Lago Fagnano Foto 10.21 - As ondas do lago Foto 10.22 - Beto e o celular Foto 10.23 - Matheus e o lago Foto 10.24 - O entorno Foto 10.25 - Matheus e o Beto Foto 10.26 - Das fotos que eu mais gostei Fomos até a padaria de Tolhuin, que é considerada, pelo próprio dono, a padaria mais famoso do mundo. Na entrada vê-se o tamanho da fama da padaria, fotos de diversas celebridades que passaram por ali. A padoca é bem bonita e cheia de doces. Cada um comeu um churros, que estava mais do que bom. Já era quase cinco horas, o Beto tinha que trabalhar. Assim, ele nos deixou na Ruta 3, aonde tentaríamos a sorte novamente. Agradecemos muito ao Beto por ter nos dado a oportunidade de conhecermos sua cidade. Matheus presenteou-o com a sua última fitinha do Senhor do Bonfim. O Beto é outro cara que chamo de irmão. Não tenho palavras (como sempre!) para agradecer o que ele fez por nós nesta viagem. Ele nos salvou quando já tínhamos desistido de pedir caronas, íamos seguir de ônibus. Depois, em pouco mais de uma hora de viagem ele se sentiu confortável em mostrar toda a gentileza de sua pessoa. Nos levou a lugares que nunca conheceríamos se ele não tivesse surgido em nosso caminho. Nos contou histórias que eu nunca haveria de ouvir. Ele foi o primeiro nativo da Terra do Fogo que conheci. O que fica é a lembrança da sua generosidade fora do comum. Por isso, o que me resta é dizer muito obrigado ao Beto. Espero que ele esteja agora do jeito que mais gosta, em cima de um cavalo cavalgando pelas pradarias patagônicas. Menos de cinco minutos na estrada e conseguimos uma carona até Ushuaia. Era a carona mais rápida da nossa história. Uma caminhonete do hospital de Tolhuin passou por nós e erguemos o dedo. A caminhonete avançou mais uns cem metros e parou. Corri para falar com o motorista, antes de eu chegar ele já fez sinal que era para irmos juntos. Voltei e peguei minha mochila, junto com o Matheus segui correndo. A única coisa que me lembro de falar foi "Caralho, man! Conseguimos.". A felicidade em nós era visível. A busca pelo fim do mundo estava prestes a terminar. Foto 10.27 - Lugar que pedimos carona em Tolhuin (Ushuaia tava tão perto) Entramos na caminhonete. Conhecemos os dois funcionários do hospital: José e Rodrigo. Eles estavam a trabalho e não saiam do rádio amador, por isso quase não conversamos com eles. Aproveitei para dar uma cochilada e ver o belíssimo caminho até Ushuaia. Foto 10.28 - O caminho para Ushuaia [1] Foto 10.29 - O caminho para Ushuaia [2] Dentro da caminhonete pensei muito sobre caronar e elaborei minha teoria final sobre o assunto. Pensemos naquelas experiências científicas (leia-se experiências toscas) com ratos, choques e queijos. Onde o rato na busca pelo queijo passa por um caminho onde ele toma diversos choques. O caminho é sofrido para o rato. Porém, a experiência final, a de comer o queijo, é tão boa que ele esquece o caminho árduo pelo qual passou e com isso, faz ele começar tudo de novo, sempre. Acho que caronar é exatamente isso. Sem querer romantizar nada, ficar na beira de estrada não é nada legal, ainda mais em condições naturais extremas. Porém, quando você consegue uma carona, parece que todo o processo de espera é esquecido pela vitória da ocasião. Assim, horas ou dias depois de dizer que nunca mais faria aquilo, está você se contradizendo e voltando na margem da pista somente com a memória das caronas bem sucedidas. Foto 10.30 - O caminho para Ushuaia [3] Foto 10.31 - O caminho para Ushuaia [4] Foto 10.32 - O caminho para Ushuaia [5] Foto 10.33 - O caminho para Ushuaia [6] Foto 10.34 - O caminho para Ushuaia [7] Chegamos em Ushuaia era um pouco mais de seis da tarde. Paramos bem na entrada da cidade. Nos despedimos do Jose e do Rodrigo. Seguimos caminhando em direção ao centro. O tempo estava meio esquisito, parecia que a qualquer momento começaria um temporal. Fomos em direção a orla. Só queria chegar logo naquela placa que diz "Ushuaia fin del mundo". Não estávamos mais pedindo caronas, mas um carro parou. O motorista era o gente boa do César que disse que nos levaria até o local. Entramos no carro, ele todo orgulhoso de sua cidade nos deu várias dicas do que fazer sem gastar dinheiro. Anotei tudo. Falamos de futebol e do seu time, o Rosário Central, que havia acabado de ser campeão da Copa da Argentina. Chegamos próximo ao nosso destino, com um aperto de mão nos despedimos do César. Foto 10.35 - Eu caminhando em busca da placa de fim do mundo Foto 10.36 - Caminhando se chega Creio que caminhamos mais uns duzentos metros até avistar a placa que é o simbolo de que havíamos concluído o nosso objetivo de chegar até o fim do mundo. Os passos foram lentos. O cansaço dos dias era evidente nas nossas caras. Quando eu avistei a borda da placa, fui tomado por uma sensação de dever cumprido. Apesar, de não haver obrigação nenhuma de estar ali. Depois de distribuir centenas de abraços ao longo da viagem, pela primeira vez abracei o Matheus e agradeci por ele ter topado estar ali comigo nessa viagem maluca. Foto 10.37 - O fim do mundo Foto 10.38 - Matheus, no fim do mundo Foto 10.39 - Eu, e o fim do mundo Quando decidi que o objetivo principal da viagem seria chegar no "fim do mundo", não tinha um motivo específico de querer chegar lá. Na Patagônia tinha dezenas de lugares que eu tinha mais vontade de conhecer primeiro que Ushuaia. Acho o que me levou a decidir pelo lugar foi o sex appeal de ser a cidade mais austral do mundo. Assim, seria o lugar mais longe que chegaríamos rumando ao sul. No meu inconsciente essa deve ter sido a motivação. Enfim, eu sei que é clichê, mas o que vale num destino é o caminho que se percorre. Então utilizando a seguinte frase do Saramago "Quero encontrar a ilha desconhecida, quero saber quem sou eu quando nela estiver." parafraseio-a para "Quero encontrar o fim do mundo, quero saber que sou eu quando nele estiver.". Esse foi o espírito da viagem que nos propomos a fazer. O Diego que chegou no fim do mundo, foi um cara bastante diferente do que saiu de casa um mês antes. Um cara, novamente, esperançoso com as pessoas, cheio de gratidão, com novas histórias pra contar, sorridente e mais dono do seu próprio destino. Por fim, agora me permito a falar do Matheus. Quando a insegurança bateu e decidi que precisava de uma companhia para percorrer este caminho, sabia que a única pessoa que toparia algo do tipo era o Matheus. Ele estava numa vida diferente e nova em Piracanga. Porém, estável. Só o fato dele dar uma pausa nessa nova vida para seguir comigo, significou muito para mim. Depois, veio os dias na estrada. No início eu era uma bomba relógio, não sabia como eu iria digerir tudo o que havia acontecido comigo nos dias que antecederam a viagem. Assim, respeitando as nossas diferenças fomos indo. Tudo foi fluindo da melhor maneira possível. Ele sempre com sua positividade, nunca desanimou ou me deixou desanimar nas horas e horas de espera na estrada, até mesmo com as incertezas da viagem. Com certeza, a minha melhor decisão foi chamar meu irmão Matheus para que juntos chegássemos ao fim do mundo. Poder compartilhar com ele tudo o que aconteceu e assim, ter a chance de conhecer outra visão e percepção dos acontecimentos, também foi incrível. Bom, falei e falei, mas o que eu quero dizer é mais simples e honesto. Quero agradecer ao Matheus por ter encarado essa viagem comigo, muito obrigado por estar presente quando mais precisei. Muito obrigado de verdade e de coração. Tamo junto. Foto 10.40 - Enfim, o fim do mundo O abrir de uma porta é o simbolismo desta etapa da viagem. Portas se abriram a todo momento. Algumas portas eram de casas, que se abriam para que pudéssemos dormir seguramente e ainda tivemos a chance de conhecer novas famílias e, de algum modo, fazer parte destas famílias por alguns dias. Outras portas eram de carros/caminhões, que surgiam para nos salvar de horas e horas de espera para que assim, chegássemos mais perto do nosso destino. Quantas histórias surgiram destas portas abertas. Como o destino foi bom conosco, colocou em nosso caminho as melhores pessoas de cada lugar. Como não ficar feliz com tudo isso? Queria que naquele momento da chegada ao fim do mundo, surgisse um portal ali, e desse portal saísse todas essas pessoas que nos ajudaram pelo caminho. Assim, poderíamos compartilhar com todos aquele momento, pois sem essas pessoas nada disso seria possível. Depois, sairíamos para tomar umas cervejas. Leandro, Capitão, José, Brunê, Mel, Rose, Pini, Leandra, Ailton, Karine, Mário, Wagner, Guilherme, Jadir, Mathias, Silvina, Carlota, Carlos, Ana, German, Micaela, Carlos, Luciana, Facu, Cynthia, José, Juan Carlos, Rosio, Martin, Desiz, Javier, Beto, José, Rodrigo e César, obrigado por confiar em nós e fazer do nosso destino algo palpável. Muito obrigado a cada um de vocês. Espero reencontrá-los. Um beijo na alma e muita vida em suas vidas. Bom, chegamos ao fim do mundo. Agora é hora de explorar o sul da Patagônia Argentina com mais calma..
  45. 7 pontos
    Parte 7 - Frustrações na estrada e a beleza de Puerto Madryn "A viagem não começa quando se percorrem distâncias, mas quando se atravessam as nossas fronteiras interiores. A viagem acontece quando acordamos fora do corpo, longe do último lugar onde podemos ter casa." O Outro Pé da Sereia, Mia Couto Fomos para a saída do posto da YPF em Tres Arroyos na Ruta 3. Ficamos com o dedão erguido por pouco mais de uma hora. Até que escutamos alguém gritando, olhamos para trás e tinha um carro parado, uma moça quase saindo pela janela fazia sinal para irmos com eles. Pegamos nossas coisas e saímos correndo rapidamente com medo que o carro partisse sem nós. Entramos no carro e conhecemos o German e a Micaela, pai e filha. O Matheus logo se ofereceu para preparar o mate. Olhei do lado e ele tinha derrubado um monte de erva no carro, era a primeira vez que preparava mate numa carona. Depois que a cuia passeou por todos nós e recebemos a aprovação do mate, a conversa começou. Foto 7.1 - Mochilas em Tres Arroyos Os dois estavam indo pra Bahia Blanca, a Micaela tinha acabado de se formar em bioquímica e estava indo buscar seu diploma. Mal começou a conversa e a pergunta já veio "Brasil, como puede eligir Bolsonaro?". Demos risada, afinal todo mundo perguntava isso. A conversa prosseguiu e descobrimos que o German é educador físico. Ele faz todo tipo de esportes e é torcedor do River Plate. O assunto girou em torno de futebol por um tempo. A Mica é torcedora do San Lorenzo. Depois falamos o que fazíamos da vida e explicamos a nossa viagem, German ficou bastante curioso com a inteligência artificial. A Micaela nos contou sobre a sua viagem caronando pela Patagônia antes de entrar na faculdade. Falaram dos planos de conhecer o Brasil, em especifico Balneário Camboriú (Balneário faz muito sucesso na Argentina). German gosta de subir montanhas e no final de ano ia subir um vulcão perto da divisa com o Chile. Foto 7.2 - German, Matheus, Micaela e Eu O German sempre buzinava quando passava na frente de uma mini estátua cercada de aparatos e bandeiras vermelhas na estrada. Como a curiosidade é grande perguntei o porquê daquilo. Ele contou que a estátua se referia ao Gauchito Gil, esse gaúcho é tipo um santo protetor (ou companheiro) de quem está dirigindo na estrada. A adoração é visível, em todos os lugares a beira pista tem esses santuários e todos os motoristas buzinam ao ver a imagem de Gauchito Gil na estrada. Foto 7.3 - Gauchito Gil (Foto tirada em Rio Gallegos, coloquei aqui só pra ilustrar) Depois de quase três horas de viagem e de boas conversas, chegamos em Bahia Blanca. A Micaela desceu do carro para ir em busca do seu diploma. Só deu tempo de falar tchau. Nós seguimos com o German que foi mais avante na cidade para facilitar nossa vida. Demos um abraço bem forte no German e o Matheus presenteou-o com duas fitinhas do Senhor do Bonfim. Nos despedimos do German e seguimos caminhando até a Ruta 3 novamente. Caminhamos por mais de uma hora para chegar numa bifurcação que diziam que era o melhor caminho para pedir carona. Era um ótimo lugar, pois tem um posto da Axion gigante e tinha centenas de caminhões parados ali. Tinha certeza que seria fácil prosseguir dali. A ideia era seguir adiante, não importava qual cidade iríamos ser deixados, desde que fosse caminho para o sul. Assim, fomos primeiro conversar com os caminhoneiros parados. Recebemos um monte de não. Uns diziam que o caminhão era rastreado. Outros diziam que iam no sentido contrário, mas minutos depois seguiam rumo ao sul. As conversas só renderam com os caminhoneiros que realmente seguiriam sentido Buenos Aires. Fizemos amizade com um caminhoneiro que a mulher dele é brasileira. Depois fomos para a pista, havia umas três pessoas que também tentavam seguir pro sul. Ficamos um pouco ali, mas como fizemos fila a nossa chance era pequena. Voltamos para o posto e tentamos a abordagem direta novamente. O curioso que tinha um caminhoneiro maratonista no posto, ele saiu do caminhão de shortinho e tênis de corrida e ficava correndo em círculos no posto. Não entendi bem porque ele andava em círculos, ele poderia seguir pela pista e depois voltar, mas ele rodava como dentro de um autorama. Era engraçada essa cena. Continuamos com as abordagens e não obtivemos sucesso. Logo começou uma chuva bem forte, o que nos forçou a continuar por ali dentro do posto. A chuva prosseguiu por toda a tarde. Já era quase noite e resolvemos desistir das caronas e prosseguir de ônibus. Nesse ponto é importante fazer algumas reflexões. Eu acredito muito em energia, dessas que você sente ao estar do lado de uma pessoa. Quando fomos para a pista pedir carona, tinha um cara lá pedindo carona também. Conversei um pouco com ele e senti que ele transmitia uma energia muito ruim. Não quis ficar perto dele e por isso abortamos pedir carona na pista, pois ele meio que seguia a gente. Quando a chuva veio com força ele se abrigou dentro do posto também, mais uma vez conversei com ele e dessa vez me senti pior ainda ao lado dele. O Matheus disse que sentiu o mesmo. Não gosto de fazer diferença com ninguém, mas aquele cara me passava algo muito ruim. Eu e o Matheus tínhamos combinado que dormiríamos ali mesmo no posto naquele dia. Tinha um monte de caroneiro ali, ninguém conseguiu sucesso naquela tarde e já estava pra escurecer. Assim, as chances de prosseguir com carona eram mínimas. Não quis dormir no mesmo lugar que aquele cara e decidimos ir para rodoviária e seguir de ônibus noturno para Puerto Madryn. O pouco de dinheiro que tínhamos nos tornou conservadores naquele momento. Esse nosso conservadorismo fez ficarmos frustados no caminho até a rodoviária. Talvez tenha sido a maior frustração da viagem, pois sabíamos que dali uma hora a carona ia surgir. Era questão de tempo apenas. Mas nessa hora resolvemos deixar a racionalidade de lado e ouvir o coração. Coração que dizia pra sairmos correndo dali. Chegamos na rodoviária e tivemos sorte, pois compramos a passagem para Puerto Madryn com outro super desconto. Depois fui no mercado comprar uns pães para comermos de janta. Voltei e sentamos para comer num lugar isolado da rodoviária. Uns cachorros gigantes vieram conosco. Dava uma dó comer em volta dos pidões. Cada mordida que eu dava eles avançavam um pouco mais em minha direção. Pareciam esfomeados. Então, joguei pão para eles, mas se mostraram frescos por não ter quase recheio e não comeram (risos). Foto 7.4 - Dois dos famintos Foto 7.5 - Moço dá um pedaço O ônibus chegou já era quase uma hora da manhã. Subimos no ônibus e segundos depois de me sentar na poltrona já estava dormindo. Acordei era noite ainda. Olhei o céu pela janela e o céu estava estrelado demais. Que maravilha. Paramos em Viedma para mais passageiros entrar. Agora oficialmente estávamos na Patagônia. A viagem prosseguiu. Depois de passarmos por Las Grutas o dia já se anunciava. O busão acelerava e agora só ia no sentido sul. Pela janela via guanacos correndo pela paisagem. Eram muitos guanacos. No meio da manhã o ônibus estacionou na rodoviária de Puerto Madryn. Enfim, pisei com meus próprios pés na tão esperada Patagônia. Foto 7.6 - A Ruta 3 pela janela frontal do ônibus A Argentina é um país dividido em vinte e três províncias (semelhante aos estados brasileiros) e mais a cidade autônoma de Buenos Aires. Cinco dessas províncias estão localizadas na Patagônia e são elas: Rio Negro, Néuquen, Chubut, Santa Cruz, Tierra del Fuego. O território patagônico corresponde a metade do território argentino. Quando passamos por Viedma e Las Grutas cortávamos a província de Rio Negro, ao cruzar para Puerto Madryn ingressamos na província de Chubut. A Patagônia tem esse nome por causa do Fernão de Magalhães. Como se sabe Fernão de Magalhães foi o homem que planejou circum-navegar o globo terrestre. Essa viagem foi a primeira circum-navegação da história da humanidade. Porém, Fernão morreu antes de terminar essa façanha, faleceu nas Filipinas. Entretanto, foi o primeiro homem a navegar pela Patagônia e posteriormente pelo Estreito de Magalhães. Quando atracou na Patagônia (ainda não tinha esse nome a região) pela primeira vez, avistou os ameríndios da região e pensou que fossem gigantes (pois a média européia naquela época era de 155 cm e os ameríndios da patagônia mediam mais de 180 cm). Ao escrever essa experiência para a coroa espanhola, descreveu aqueles seres como patagão, ou seja, aqueles que tem pés grandes. E assim, foi que a região foi batizada como Patagônia, a terra dos gigantes ou a terra do pé grande. A rodoviária de Puerto Madryn é muito bonita e organizada. Estava um calor do cão. Ficamos sentados um pouco nos bancos, planejando os próximos passos. Precisávamos de internet e o wifi da rodoviária estava fora do ar. Caminhamos até o shopping. Antes caminhamos pela orla da cidade. Que mar maravilhoso, uma das colorações mais bonitas que já vi. Chegamos no shopping e conseguimos acessar a internet e mandar mensagem para o Carlos avisando que havíamos chegado. O Carlos estava pelo centro e falou que já passava pra nos buscar. Cinco minutos depois ele parou com o carro na frente do shopping. Entramos no carro e logo começamos a conversar. Ele nos levou para o mirante da cidade, bem bonito por sinal. Depois nos levou para a casa dele. Ele teria que trabalhar pela tarde. Foto 7.7 - O mirante Foto 7.8 - As bandeiras Encontramos o Carlos pelo couchsurfing, fazia alguns dias que estávamos em contato com ele. Não sabíamos o dia exato que iriamos chegar, mas por sermos brasileiros ele sempre foi muito solicito. Não tínhamos 3g no celular, então depois que saímos de Claromecó não conseguimos mais falar com o Carlos. Ele sabia que podíamos chegar a qualquer momento. Nisso ele hospedou uma francesa sob a condição se nós chegássemos ela teria que procurar outro lugar pra ficar. Só fui saber disso depois. A francesa partiu para um hostel e nós chegamos. Ao menos ela ficou na casa do Carlos por alguns dias. Carlos é professor de inglês do ensino público. Ele é um cara que já morou em tudo que é lugar da Argentina, desde do extremo sul da argentina (Ushuaia) até o norte, na realidade ele é do norte argentino. Ele é o cara mais apaixonado pelo Brasil que já conheci. Os programas televisivos que assiste são brasileiros, as músicas que ouve são brasileiras, as comidas que mais gosta são do Brasil. Ele fala muito bem português e o motivo principal de ter nos aceitado em sua casa era pra treinar o seu português. Pela tarde fomos caminhar pela orla. Levamos nossa térmica e ficamos boa parte da tarde mateando a beira mar. Depois fomos até o cais, onde os cruzeiros atracam. Tava rolando um protesto com algum desses navios, mas eu não entendi o porquê do protesto, queria ter compreendido aquela situação. Depois fomos até o Museu Oceanográfico. O museu é todo organizadinho e cheio de boas informações da rica fauna marítima de Puerto Madryn. A cidade é o principal ponto de estudo da baleia franca no mundo, pois nessa região é onde ocorre o acasalamento desses mamíferos, em consequência disso a baleia franca é o grande símbolo da região. Uma coisa que me chamou atenção nesse museu é que dizia que o aumento de lixo, aumentou o número de gaivotas cocineras por ali e com o aumento dessas gaivotas começou a diminuir o número de baleias francas. Fiquei uns minutos tentando adivinhar o porquê disso. Não achava uma relação entre gaivotas e baleias. Desisti de encontrar as resposta por mim mesmo e li a explicação. O motivo era que as gaivotas atacavam as baleias causando ferimentos que infeccionam e levam essas baleias ao óbito. Nunca iria imaginar isso. Diziam que quando era poucas as gaivotas elas bicavam as baleias mortas somente, para retirar algum nutriente, mas com o excesso da população de gaivotas elas começaram a atacar as vivas também. Achei bizarra essa situação, nem na minha imaginação fértil iria supor que uma população de gaivotas colocaria em risco a sobrevivência das baleais franca na Terra. Foto 7.9 - O lado B de Puerto Madryn Foto 7.10 - A orla de Puerto Madryn Foto 7.11 - Eu e o mar Foto 7.12 - A visão do cais Depois fomos olhar os preços dos rolês mais famosos de Puerto Madryn. Tudo caro demais. Acho que o lugar mais caro da Patagônia. Os dois passeios mais famosos são Península Valdés e Punta Tombo. Peninsula Valdés é uma reserva ambiental onde a fauna é riquíssima e concentra todo os tipos de animais da região, além de ser o principal ponto de observação das baleias francas. Punta Tombo é um local que abriga uma gigantesca colônia de Pinguins de Magalhães, onde vivem mais de um milhão de pinguins em determinada época. Por agências não havia chance de nós conhecermos nenhum dos dois lugares. O interessante de Puerto Madryn é que tem bandeiras do País de Gales por todo o canto da cidade. A cidade foi colonizada e fundada por galeses, assim como as cidades vizinhas Trelew e Rawson. Voltamos para a casa do Carlos já era noite. Carlos apresentou sua playlist de música só com músicas brasileiras. Tocou desde É o Tchan até IZA. Ele prefere as músicas mais animadas. Ivete Sangalo quase sempre aparecia na lista. Enquanto a música rolava, eu e o Matheus começamos a preparar a lentilha para a janta. Carlos ficava meio tímido em falar português, mesmo sabendo a palavra que usar ele nos perguntava antes para ver se tava certo. Sempre tava certo. Ele conhece gírias que nem eu conheço. A lentilha ficou pronta. Carlos comeu conosco e elogiou bastante a comida. E tava muito boa mesmo. Comemos muito nessa noite. Depois falamos com o Carlos sobre os altos preços das agências. Ele nos aconselhou a tentar a sorte por carona. Decidimos ir até a entrada da Península Valdés no dia seguinte e ficar ali esperando uma carona. A península é gigantesca e só tem como fazer de carro, pois de um ponto para outro tem mais de cem quilômetros. Para chegar na Península Valdés é necessário ir até Puerto Pyramides uma cidadela distante cem quilômetros de Puerto Madryn. Ainda era noite quando caminhamos rumo a rodoviária. Seis horas da manhã e já estávamos partindo para Puerto Pyramides. Dormi boa parte do trajeto. Uma hora o guarda me acordou para eu pagar o valor da entrada, por estar adentrando numa reserva ambiental. Seguimos até o ponto final em Puerto Pyramides. Caminhamos até a orla e água tinha uma cor lindíssima. Conseguia ser mais bonita que de Puerto Madryn. Depois ficamos sabendo que teríamos que voltar muitos quilômetros para a bifurcação que leva na Península Valdés. Caminhamos de volta. O sol estava muito quente. Não havia nuvens no céu. Continuamos a caminhada. Erguíamos o dedão da esperança pra quem passava de carro. Depois de caminhar por mais de meia hora a Luciana parou seu carro. Ela achava que estávamos indo para Puerto Madryn, explicamos que queria irmos pra entrada da península. Ela é muito simpática. Depois de alguns minutos nos deixou na bifurcação. Despedimos-nos da Luciana e fomos tentar a sorte ali, na esperança que alguém se solidarizasse conosco e assim, teríamos a oportunidade de conhecer a Península Valdés. Foto 7.13 - O início do dia em Puerto Pyramides Foto 7.14 - Caminhando no sentido contrário de Puerto Pyramides Ficamos postados na frente da placa que indica o início da península. O calor estava insuportável, mas o vento estava muito forte. Assim, não dava para tirar o corta vento. Os carros que passavam por ali eram poucos. Alguns carros até paravam para conversar, mas nada de sucesso. O misto de calor e vento tava infernal. Para amenizar a espera, ficávamos imaginando qual seria o carro que pararia para nós. Eu tinha certeza que seria um carro vermelho. Todo carro vermelho que passava eu ia com mais gana pedir carona, mas nada. Com o tempo aquela famosa frase "O não você já tem, só falta a humilhação" fez valer. Tentávamos de todas as formas (nem todas, risos) chamar a atenção dos motoristas para conseguir uma carona. Foto 7.15 - A cara da derrota O passeio na península é demorado, precisa de no mínimo umas seis horas. Já era quase meio dia e o fluxo de carros ali já não existia mais. Decidimos ir pra orla Puerto Pyramides e aproveitar o resto do dia na praia. Quando estávamos saindo avistamos um motorhome vindo em nossa direção. Tentamos uma última vez. Para nossa surpresa eles pararam. Antes de falarmos algo, o motorista perguntou se queríamos seguir com eles. Não me contive de felicidade naquele momento. Agora pela primeira vez viajaria em um motorhome. Foto 7.16 - A serenidade no olhar de quem viajaria de motorhome pela primeira vez O casal dono do motorhome é o Facu e a Cynthia. Facu é argentino e a Cynthia alemã, se conheceram em Santigado do Chile enquanto a Cynthia tirava seu tempo sabático e viajava o mundo, e Facu trabalhava por lá. Depois disso ela voltou algumas vezes para Argentina para rever o Facu. Quando o dinheiro acabou foi a vez do Facu ir pra Alemanha ver a Cynthia. Depois disso nunca mais se separaram. Eles já viveram em diversos países por quase todos os continentes. A forma deles viajar é trabalhar por um tempo, ajuntar dinheiro e depois viver outro tempo viajando. Agora estavam iniciando uma viagem de motorhome (recém comprado) que sairiam da Patagônia e terminaria na Península de Yucatán, no México. Tem um terceiro integrante nessa casa ambulante, é o Chihuahua Seymour. Eu e o Matheus estávamos animados de estar ali. Facu e Cynthia são gente boa demais. O Facu estava dirigindo bem devagarinho, pois era a primeira vez que o motorhome era posto num terreno daquele. Assim, fomos devagarinho e conversando. O cenário em volta pouco mudava. Vegetação rasteira por todos os lados. De vez em quando avistávamos alguns guanacos no caminho. Quando isso acontecia a Cynthia ficava toda animada. Depois paramos, pois o Facu queria testar seu drone. Acho que não pode drone ali, mas mesmo assim o Facu ergueu voo. Foto 7.17 - Facu e Cynthia Foto 7.18 - O caminho Foto 7.19 - O olhar, do gente boa, do Seymour Foto 7.20 - Eu fazendo amizade com o Seymour e a Cynthia Foto 7.21 - Facu levantando voo Foto 7.22 - A foto aérea Foto 7.23 - Matheus e o motorhome Foto 7.24 - Hahahaha Foto 7.25 - Viagem que segue A viagem continuou. Lembro de uma cena bacana demais. Estávamos todos quietos e a Cynthia começou gritar para o Facu parar. No primeiro momento achei que tinha acontecido algo, mas logo que saímos a Cyhthia apontou para um montão de aves (parecido com avestruz) correndo. Subimos em cima do motorhome para ver melhor. Aquele momento me lembrou aquele cena de Jurassic Park que os dinossauros correm pelo parque. Foi demais aquilo. Foto 7.26 - Facu, Eu, Matheus e Cynthia (Eu e o Matheus parecemos dois cachorrinhos, horrível a foto) Depois de mais de uma hora de viagem chegamos a Punta Delgada. A entrada fica do lado de um restaurante. Quando começamos caminhar com o Seymour, veio uns guardas falar que não era permitido cachorros. Foi uma choradeira até permitirem a entrada do Seymour na condição que ele sempre estaria no colo de alguém. Fomos até o mirante. Aquele mar é magnífico. Hoje olho para as fotos daquele lugar e de forma alguma as imagens conseguem descrever a beleza que tenho guardada nos olhos. Colocando o óculos de sol do Facu o cenário ficava mais encantador ainda, tudo ficava fluorescente. Foto 7.27 - O caminho Foto 7.28 - Punta Delgada Depois seguimos viagem. No interior do motorhome não tinha ventilação e toda areia que entrava no carro ficava alojada por ali, então viajávamos num poeirão. Vimos mais um monte de guanacos pelo caminho. Pouco tempo depois chegamos na Punta Cantor. Saímos para conhecer o lugar. Fiquei junto com o Seymour e ficamos bem amigos, algo que surpreendeu a Cynthia, pois ele era bem grudado com ela. Não tivemos sorte em relação as baleias, não conseguimos ver nenhuma. Por dezembro elas seguem para a Antártida e começam a voltar para Puerto Madryn entre junho e julho. Foto 7.29 - Punta Cantor Continuamos a viagem e uns cinco minutos depois chegamos em uma Pinguinera. A Cynthia estava maluca para ver pela primeira vez os pinguins, na verdade acho que todos nós estávamos. Conseguimos chegar bem pertinho deles, era possível ver eles dentro das tocas. O jeito de caminhar do Pinguim de Magalhães é bem engraçado e ver aquilo ao vivo é demais. Lembro que um pinguim chegou pertinho de um grupo de turistas e todos os turistas ficaram se derretendo por ele, o pinguim se agachou, virou a bunda pra cima e deu um cagão que mais parecia um tiro. Dei muita risada. A sensação de estar ali naquela natureza intocada, vendo a vida selvagem em seu esplendor é de encher os olhos. Eu era só risos e sorrisos ali. Foto 7.30 - A Pinguinera Foto 7.31 - Pinguins ao fundo e a natureza do lugar Foto 7.32 - Outra visão do lugar Foto 7.33 - O pinguim Foto 7.34 - A chegada do pinguim Foto 7.35 - Matheus na Pinguinera Foto 7.36 - A pose do pinguim Ficamos por ali perto e comemos. Tava quente demais, a sorte que eles tinham muita água gelada, pois a nossa água já tinha acabado fazia um tempo. Esse dia estava lindo, não havia nem sinal de nuvens no céu. Eu procurava nuvens e não encontrava, dos céus mais bonitos que já vi na vida. Descansamos um pouco e antes de partimos de volta para Puerto Pyramides tiramos a foto oficial do grupo. Foto 7.37 - Seymour, o motorista Foto 7.38 - Eu, Seymour, Facu, Cynthia e Matheus A volta foi tranquila. Facu nos disse que só costuma dar carona para pessoas que não têm cara de maluco, mas que no nosso caso abriu uma exceção (risos). Chegamos em Puerto Pyramides e era hora de se despedir desse trio que nos proporcionou um dia fora de série. Já nos referíamos um ao outro como irmão ou hermano. E foi com um "Gracias, hermano!" que abri os braços para dar um forte abraço no Facu. Ele ainda disse "Viajero ayuda viajero, siempre!". Depois fui dar o forte abraço na Cynthia. Por fim, fui me despedir do meu parceirinho Seymour. Facu e Cynthia iriam ajeitar suas coisas, pois partiriam no outro dia cedo para Esquel e depois Bariloche. Nós seguimos para aproveitar um pouco da praia de Puerto Pyramides. Foto 7.39 - Puerto Pyramides Foto 7.40 - A praia Foto 7.41 - O mar Foto 7.42 - Puerto Pyramides de frente Foto 7.43 - Belezura de lugar Voltamos para Puerto Madryn e os efeitos do sol já era visível em nossas peles. Não havíamos passado protetor solar. O Matheus estava rosa. Descobri que a exposição solar na Patagônia é muito mais danosa do que em outros lugares. A Patagônia está localizada sob um grande buraco na camada de ozônio. Assim, quase não existe proteção natural contra raios ultra violetas. Os índices de pessoas com câncer de pele na Patagônia Argentina é muito maior do que nas outras partes do país. Nesse dia nunca vou me esquecer do presente que o Carlos me deu. Pela noite queria sair até a orla para fugir da iluminação e assim conseguir ver as estrelas na Patagônia. Carlos olhou meio cético dessa minha ideia. Ele tinha planejado sair com uns amigos nessa noite. Por diversas vezes ele disse que levaria nós de carro até a praia, não queria que ele mudasse seus planos pra seguir uma ideia boba minha. Enfim, acabamos cedendo e entramos no carro do Carlos. Visitamos toda a orla de Puerto Madryn e para minha surpresa a orla é mais iluminada que o interior da cidade, ai entendi o ceticismo do Carlos. Foi bem legal ver a orla e observar que toda a cidade vai para lá nas noites de calor. Já era onze horas da noite e tinha centenas de rodas de mate por toda praia, famílias inteiras reunidas, crianças brincando, muita conversa e risadas por todos os cantos. Foi bonito de se ver aquilo. A população aproveitando a cidade. No carro o som que nos acompanhava era do Queen. Depois o Carlos seguiu pela rodovia, cada vez mais o escuro ficava mais escuro. Tocava Radio Ga Ga e aumentamos o som no máximo. Não fazia ideia para onde estávamos indo, mas a energia do momento estava boa demais. Mais alguns minutos cortando o escuro de carro e o Carlos parou o carro no meio do nada. Não entendi direito o porquê daquilo. Ai ele me disse para sair. Quando sai nada entendi, não via nada. Até que eu olhei pro céu. Tinha até me esquecido das estrelas. Que belezura de cena. O céu tava tão tão povoado. O Carlos ainda teve a sensibilidade de desligar o som do carro. Fiquei por alguns minutos ali de cabeça pra cima olhando o céu estrelado. Tão bonito tudo aquilo. Dei um abraço no Carlos como forma de agradecimento e voltamos pro carro. O Queen voltou a tocar no rádio e o volume foi no máximo. Agora enquanto avançávamos na pista as luzes de Puerto Madryn ficavam mais intensas. Voltamos pra casa. Carlos se arrumou e ainda deu tempo de encontrar seus amigos. Fui dormir felizão. Na manhã seguinte o Carlos comprou faturas para comermos de café da amanhã. Faturas são como os nossos pães doces, mas com uma variedade maior e vem tudo misturado os sabores. Fizemos café que havíamos trazido do Brasil para complementar o desayuno. Ele nos contou que quando morava num apartamento a beira mar ali em Puerto Madryn, na estação das baleias era possível escutar o esguichar das baleias por toda a noite. Deve ser demais vivenciar aquilo. O dia estava muito quente e decidimos passar a tarde na praia. Fomos pro mercado comprar umas cervejas, gelo e uns salgadinhos. Seguimos para uma praia fora da cidade, a preferida do Carlos. Chegamos e tive uma surpresa em ver que a praia toda era de pedras e pra completar tinha um navio naufragado na nossa frente. Primeira vez que estava num lugar como aquele. Foto 7.44 - Eu, Matheus e o Carlos (nunca imaginei que tiraria uma foto no supermercado rsrs) Foto 7.45 - O caminho da praia Foto 7.46 - O caminho da praia [2] Colocamos nossas cadeiras de praia no lugar. Havia muita gente. O legal é que cada pessoa se protegia de um jeito. Muitas pessoas levavam barracas pra se proteger do sol e do vento. Outros ficavam dentro das cabines das caminhonetes. O sol castigava, devia estar uns quarenta graus. Nunca imaginei que estaria sentado numa cadeira de praia num sol tipico brasileiro no meio da Patagônia. Ai fui pro mar, molhei os pés e congelei. Desisti da ideia do mar e voltei a sentar. Pouco tempo depois o Matheus foi pra água, com mais coragem ele mergulhou naquele mar glacial. Meio segundo depois ele se levantou e saiu correndo do mar. Não parava de tremer. Dizia que doía até os ossos. Eu só dava risada com aquela cena e me senti o espertão em abortar o mergulho. Foto 7.47 - A chegada na praia Foto 7.48 - A praia e o náufrago Foto 7.49 - Nós e a praia Horas depois chegou uma família amiga do Carlos. Um casal com três crianças. Eles trouxeram uma bebida bem boa, era tipo uma ice de limão e vodka muito comum na Argentina, mas não me recordo o nome. Com gelo ficava melhor ainda. Ficamos ali trocando ideia por muito tempo e a temperatura cada vez ficava mais quente. De repente o tempo mudou completamente. Uma tempestade de areia começou. O vento era forte demais. Juntamos nossas coisas e nos protegemos no carro. A tempestade durou uma hora mais ou menos. Naquela hora fiquei feliz que aquela praia era de pedras, pois nas praias de areia no centro de Puerto Madryn aquela tempestade deve ter sido terrível. Seguimos de volta. Paramos no topo de um morro onde avistamos toda a praia por ângulo diferente. Chegamos na casa do Carlos e ficamos de bobeira pelo resto da noite. Foto 7.50 - Matheus e a praia de pedras Foto 7.51 - A praia Conversamos com o Facu uns dias depois e descobrimos que eles estavam na estrada no momento daquela tempestade. O motorhome saiu da pista. Eles ficaram bem assustados com a situação e decidiram que aquele carro não estava preparado para os ventos da patagônia. Abortaram a ida para Esquel e Bariloche, estavam retornando para Buenos Aires. De lá começariam a subida para o México. Fiquei triste em saber disso. Facu e a Cynthia estavam animados com a Patagônia e deve ter sido difícil para eles tomarem essa decisão. Porém, a viagem tem que continuar. Era uma segunda-feira, acordamos e comemos o resto das faturas. Fizemos as plaquinhas de papelão para os nossos próximos destinos. Tomamos mate e café. Terminamos de arrumar as mochilas. Carlos nos deu uma carona até o posto YPF na saída de Puerto Madryn. Demos um abraço forte no Carlos e mais uma vez eramos nós e a estrada. Recordar este trecho da viagem é muito bom para mim. Tanta coisa aconteceu nesse intervalo de poucos dias. Primeiro tivemos a oportunidade de conhecer e viajar com o German e a Mica. Quanta gratidão por isso. Em seguida, assumimos os riscos (mesmo que imaginários) e não bancamos os cabeçudos, deixamos a viagem flexível e mais uma vez mudamos os planos. Adentrar a Patagônia para mim era pagar uma dívida com o passado. Muitas vezes tinha planejado e me imaginado ali, mas agora realmente pude colocar os meus pés na terra dos ventos. E que bom que foi nesse momento. Conhecer o Carlos e seu coração gigantesco foi demais. Não tenho palavras para agradecer tudo o que ele fez por nós e por ter sido nossa companhia em nossos dias em Puerto Madryn. Depois no 45 minutos do segundo tempo na Península Valdés apareceu o trio Cynthia, Facu e Seymour. Tento não ser repetitivo, mas quanta gratidão por tudo isso. Pela primeira vez (sei que digo isso toda hora!) me desconectei de todo o passado recente e fui só presente. Presente no presente. Esses dias foi um presente do presente. Na pista novamente eu compreendi o que estava escancarado desde o início, as pessoas que estavam surgindo no caminho eram as melhores de cada lugar. E tinha que ser assim, quebrando a cara num momento para ser presenteado com o melhor depois. German, Mica, Carlos, Cynthia e Facu muito obrigado por tudo, um beijo na alma de cada um de vocês. Para o pequeno Seymour desejo uma vida cheia de carinho em forma de cafunés.
  46. 7 pontos
    Parte 4 - Do Brasil para a Argentina "Oh! Oh! Seu Moço! Do Disco Voador Me leve com você Pra onde você for Oh! Oh! Seu moço! Mas não me deixe aqui Enquanto eu sei que tem Tanta estrela por aí" S.O.S, Raul Seixas Logo que chegamos no posto já fomos sondar os caminhoneiros que haviam pernoitado por ali. Vinte minutos depois fui conversar com um caminhoneiro que estava escovando os dentes em frente ao seu caminhão. Me apresentei e expliquei rapidamente a viagem. Quando ele começou a falar só vi um monte de pasta de dente voando na minha direção. Tentei desviar. Porém, fui derrotado e como prêmio recebi uma enxurrada de saliva misturada com creme dental no rosto. O sangue subiu, mas quando eu ouvi o caminhoneiro dizer "Estou partindo agora, se quiser ir tem que ser já" engoli o orgulho e abri um sorriso, e respondi "Bora". Corri chamar o Matheus. Ajeitamos nossas coisas na cabine e partimos rumo a Itaqui. Foto 4.1 - Os arredores do posto Foto 4.2 - O caminhão vermelho no fundo foi o que viajamos O início da viagem foi esquisito demais. Wagner, o caminhoneiro, fazia diversas perguntas que mais se parecia com uma entrevista de um sequestro. "Vocês tem dinheiro ai?", "Alguém de suas famílias sabem que vocês estão aqui agora?", "Precisa ter muito dinheiro pra viajar assim!", "Vocês sabem que tem muito louco pela estrada!", "Já sofreram algum tipo de violência com um caminhoneiro?". Essas foram algumas das frases que me lembro, mas foram meia hora desse tipo de conversa. O Matheus ficou mudo, não dizia nada. Por alguns segundos pensei em pular do caminhão (risos). Aos poucos fui tentando levar a conversa pra outro rumo. Até que começou a tocar Raul Seixas. Caralho! Tinha até esquecido do quanto eu gostava de ouvir aquelas músicas. Comecei a cantar. O Wagner também começou a cantar. O som da música foi para as alturas. A cara carrancuda do Wagner começou a esboçar os primeiros sorrisos. Quando começou tocar S.O.S. e troquei o trecho "Oh! Oh! Seu Moço! Do disco voador me leve com você pra onde você for" por "Oh! Oh! Seu Moço! Do caminhão me leve com você pra onde você for" ele deu risada e nesse momento as conversas tomaram um rumo diferente. E assim, começamos a conhecer as teorias de Wagner. Foto 4.3 - O caminho A primeira teoria ele nos explicou quando tocava Cowboy Fora da Lei, no trecho que diz "Oh, coitado, foi tão cedo. Deus me livre, eu tenho medo. Morrer dependurado numa cruz" o Wagner logo emendou "Foi brincar com o Homem e logo morreu, claro que tem ligação!". Depois começamos falar de política (assunto perigoso quando se é caroneiro!) e ele começou a introduzir sua frase típica, pra qualquer político ele sempre dava mesma resposta: "O Lula aquele Zé Buceta! Nem sabe que eu existo, vou ter que continuar trabalhando do mesmo jeito.", "O Bolsonaro aquele Zé Buceta! Nem sabe que eu existo, vou ter que continuar trabalhando do mesmo jeito.". Depois foi a vez do futebol, e ele era assertivo na sua frase: "Jogadores de futebol são tudo Zé Buceta! Nem sabem que eu existo, pra que vou torcer se vou ter que continuar trabalhando do mesmo jeito." (risos). A sua opinião de mundo se resumia nisso "Zé Buceta! Nem sabe que existo, vou ter que continuar trabalhando do mesmo jeito", confesso que é uma boa visão de mundo, mas tornava o Wagner previsível até então. Foto 4.4 - Mais um pouco do caminho Quando começou tocar Quando Acabar o Maluco Sou Eu, o Wagner começou se autodenominar como maluco, mas logo fez uma mea culpa falando que era o único da família assim. E assim, começamos a conhecer o Wagner de verdade. Disse que tinha muitos irmãos e que a maioria era estudado e falava com orgulho de um irmão que morava e trabalhava na Alemanha. Depois, contou a história de sua mãe e como ele sentia ter perdido ela tão cedo. Falou da sua esposa e da sua filhinha. Disse que jogou futebol e foi da base do Santos junto com o Robinho. Seu pai era da aeronáutica e por agora ele estava tirando brevê de voo, mas logo emendou com a seguinte frase "Aqueles Zé Buceta cobram caro demais por aula! Ai tenho que trabalhar muito mais". Disse também que quase não parava na sua casa e que estava trabalhando muito, emendando uma carga na outra. E nos contou de quando era caminhoneiro em outra empresa e viajava pela Argentina rumo a Terra do Fogo. Ele não gostava de argentinos de jeito nenhum, não entendi o porque, mas toda vez que ele falava de argentinos ele se referia como aqueles Zé Buceta (risos). Quando acabou as músicas do Raulzito, começou a tocar Astronauta de Mármore do Nenhum de Nós e nesse momento ele disse "Vocês não tem fome não, sobe ali e pega um pacote de bolacha pra nós comermos.". Foto 4.5 - O carro vermelho no caminho Comemos. A distração do Wagner é buzinar pra pessoas distraídas na pista. Ele dava risada com isso e eu também. Nos cagamos de dar risada quando o Wagner disse "Olha que vaca rica!" ao vermos uma vaca sozinha num pasto imenso. Agora nós três eramos bons amigos e as conversas rolavam naturalmente. A partir daqui o tom das conversas foi mais para as brincadeiras e risadas, e a música acompanhou, nesse momento começou tocar só música de balada. Wagner deixou o volume no máximo. Tocou até Harlem Shake e seu "Con los terroristas". Foi engraçada e perplexa toda aquela situação. Confesso, que estava curtindo aquela balada ambulante pela qual viajávamos. Ai o caminhão parou, ele nos disse que ali deixaria nós. Era a entrada de Itaqui (cidade distante 100km de Uruguaiana). Ele seguiria para a Camil carregar o caminhão com arroz. E assim, nos despedimos dessa figura que é o Wagner e voltamos para a rodovia. Wagner foi um cara que lembraríamos por toda a viagem. Seu jeito esquisito no início deu lugar a um cara gente boa demais. A sua maneira ele é um cara de coração grande. Tanto que para mim a música tema dessa viagem é S.O.S. do Raul Seixas, toda vez que eu tinha uma chance eu colocava essa música durante a viagem. Creio que seu jeito esquisito de início foi uma defesa natural por dar carona para dois caras, ele estava em desvantagem naquela situação. Se nos sentimos em perigo por um momento, ele também deve ter se sentido em perigo também, apesar de nossas caras de bobos (risos). Gosto de gente como o Wagner, de fala fácil, sem papas na língua e que sai do comum e fala o que pensa (mesmo que isso resuma o resto do mundo em Zé Buceta). Depois seguimos caminhando pela rodovia. Toda vez que um veículo passava por nós erguíamos o dedão da esperança. E assim fomos até chegar num posto rodoviário. O movimento de caminhões e carros era baixo. Sondamos os caminhoneiros parados, mas a maioria iria carregar o caminhão de arroz ali perto. Tava quente demais. O Matheus deu uma olhada no BlaBlaCar e tinha um carro saindo por aquela hora para Uruguaiana. Era baratinho, acho que estava dez reais e resolvemos seguir de BlaBlaCar. Uns minutos depois do meio dia o Guilherme parou no posto rodoviário e seguimos viagem com ele. Foto 4.6 - A saída do posto Fiquei na parte de trás esmagado pelos mochilões. Matheus dessa vez tomou a dianteira das conversas. Eu pouco conversei e só ouvia a conversa dos dois. Guilherme é um ex militar que agora é vendedor da Convex. Estava se acostumando com essa nova vida. Tinha descoberto o BlaBlaCar no dia anterior, que sorte a nossa. E seguia para Uruguaiana para tentar fazer algumas vendas e fechar melhor o mês de novembro. Geralmente, eu não falava sobre o meu mestrado, mas nesse dia com o Guilherme eu descobri que falar o que eu fazia criava uma confiança entre a pessoa que nos dava carona, além de criar uma curiosidade e deixar a pessoa meio sem entender porque viajava daquele jeito. Enfim, fiz mestrado em inteligência artificial. Guilherme ficou bastante curioso conosco e sua conversa com o Matheus fluía bem. O caminho ao redor não muda nada de São Miguel das Missões até Uruguaiana. Muitos silos e plantações de arroz pelo caminho. Guilherme falou bastante sobre sua vida no exército. Ele é um cara articulado e fala muito bem, acho que a profissão de vendedor tem tudo haver com ele. Falou das suas muitas viagens e missões como militar. O curioso que ele se autodenominava ex milico, sempre achei que milico era um termo pejorativo pra militar. Ele é viajante também e está preparando uma viagem de moto até Ushuaia. Estava com saudades da mulher e da filha e depois de Uruguaiana seguiria direto pra sua cidade rever as duas. Atravessamos uma ponte com sinaleiro, onde só da pra passar carros por apenas um sentido por vez. Depois disso nos aproximamos de Uruguaiana. A viagem foi bem legal, o Guilherme é um cara gente boa demais. Ele nos deixou próximo a casa de câmbio e nos explicou por onde teríamos que seguir para atravessar a fronteira. Demos um abraço de despedida no Guilherme e seguimos nosso caminho. Foto 4.7 - A tal ponte Cambiamos parte do nosso dinheiro. A ideia era levar todo o dinheiro em espécie para melhor controlar ele e saber o momento de voltar. Assim, com uma parte em pesos argentinos e outra em reais, para cambiar no futuro, seguimos para a fronteira. Estávamos com fome e no meio do caminho paramos pra comer um lanche. Aproveitamos e compramos um adaptador universal para carregar os celulares na Argentina. Ficamos sabendo que não se pode cruzar a pé a ponte que une Brasil e Argentina. Quando eu conversava com o tiozinho do lanche para pegar mais informações das maneiras possíveis de atravessar a fronteira, um senhor veio falar comigo. Seu nome é Jadir e se ofereceu para nos levar até a aduana argentina. Colocamos as mochilas na caçamba e entramos na sua caminhonete. O trecho não durou dez minutos, mas deu pra conversar bastante com o Jadir. Ele é representante de produtos hospitalares e ficou bastante preocupado com a nossa viagem, dizia que a Argentina era um país muito perigoso atualmente. A conversa foi boa e ele no final parecia nosso pai, cheio de conselhos sobre segurança e ainda deixou seu cartão comigo caso precisássemos de algo por aquele dia ou no futuro. Que satisfação conhecer o Jadir, que ao ver nós com uma necessidade não hesitou em nos ajudar. Demos um tempo na aduana antes de cruzar a fronteira, pois ainda tínhamos internet no celular. Cruzar a fronteira foi bem tranquilo. Enfim, estávamos na Argentina. Agora caminhavamos por Paso de los Libres e assim, seguimos para a rodoviária da cidade. A cidade parece mais um bairro. Ouvimos dizer que a cidade é violenta, não sei ao certo, mas a cidade é bem pobre. Chegamos na rodoviária e todos guichês estavam fechados. Esperamos mais um pouco e logo os guichês começaram a abrir. Pesquisamos os preços dos ônibus para Buenos Aires. Na Argentina tem-se desconto pagando em dinheiro e somado que naquele final de semana começaria o G20 na capital (e ninguém queria estar na sitiada Buenos Aires), conseguimos um desconto de quase 50% no valor da passagem. Ficamos horas e horas na rodoviária da diferente Paso de los Libres. Com o passar das horas já estava acostumado com o espanhol. No meio da noite chegou o nosso ônibus. Agora a viagem seguiria para Buenos Aires. Esse dia foi um bom dia. Conseguimos duas caronas e uma carona por BlaBlaCar, além de pagar bem baratinho para chegar até Buenos Aires. Percorremos muitos quilômetros em companhia de diferentes pessoas e de muita conversa. Estar na Argentina era simbólico para nós, pois parecia que só agora a busca pelo fim do mundo tinha começado. Nesse momento o frio na barriga começou a me dominar. Agradeço de coração ao Wagner, Guilherme e Jadir pelas caronas. E como falei muito do Raulzito nessa parte, queria terminar com um pedaço de sua música Por Quem os Sinos Dobram (nome tirado do livro de mesmo nome do Ernest Hemingway): "Nunca se vence uma guerra lutando sozinho Cê sabe que a gente precisa entrar em contato Com toda essa força contida e que vive guardada O eco de suas palavras não repercutem em nada É sempre mais fácil achar que a culpa é do outro Evita o aperto de mão de um possível aliado, é Convence as paredes do quarto, e dorme tranqüilo Sabendo no fundo do peito que não era nada daquilo Coragem, coragem, se o que você quer é aquilo que pensa e faz Coragem, coragem, eu sei que você pode mais" Por quem os sinos sobram, Raul Seixas
  47. 7 pontos
    Parte 3 - O casal das ruínas de São Miguel das Missões “Pretender-se que a vida dos homens seja sempre dirigida pela razão é destruir toda a possibilidade de vida.” Guerra e Paz, Leon Tolstoi Quando ainda estávamos em Urubici decidimos cruzar a fronteira entre Brasil/Argentina por Uruguaiana. Com isso quis passar por São Miguel das Missões. Eu já conhecia a cidade (e curto demais esse lugar), mas o Matheus não conhecia ainda. Assim, quis colocar uma cidade histórica no roteiro e de alguma forma presentear o meu amigo que parou sua vida na Bahia para me acompanhar nessa aventura aleatória até o fim do mundo. O problema que eu não tinha nenhum contato em São Miguel, somente em cidades vizinhas das quais não queria parar por agora. Tentei couchsurfing e nada. Resolvi entrar em contato com uma das pessoas cadastradas pelo facebook. Mandei uma mensagem explicando nossa viagem e pedindo um quintal no qual poderíamos acampar. Recebi uma resposta com o nome de um casal que poderiam nos receber. Entrei em contato com o casal e o inesperado aconteceu, eles iriam nos abrigar na nossa estadia por São Miguel. Confesso que fiquei com receio de usar essa tática do facebook e a pessoa me entender errado. Em contrapartida, fiquei mais feliz da conta com essa inesperada hospedagem. Chegamos em Lages pelo meio da tarde. A rodoviária é bem organizada e espaçosa. Um bom lugar para se dormir. Iriamos pegar um ônibus de madrugada para Vacaria. Então, passaria meu aniversário dentro da rodoviária de Lages. Sai caminhar pela cidade, enquanto o Matheus cuidava das mochilas. Lages impressionou pela quantidade de pessoas bonitas. Quando eu voltei o Matheus estava sendo interrogado pelo chefe de segurança da rodoviária. Queriam saber quem eram nós e o que era aqueles isolantes térmicos que carregávamos, depois que viram que tínhamos passagens deram uma sossegada. Logo, eu fiquei cuidando das mochilas, enquanto era a vez do Matheus caminhar pela cidade. Fiquei deitado num canto da rodoviária e por todo aquele tempo um segurança não tirava os olhos de mim. Achei engraçada essa higienização dentro da rodoviária e assim tirar baderneiros, indigentes ou pessoas que perturbem a "paz" da rodoviária, só deixar quem for embarcar. Não vou entrar no mérito se é certo ou errado. O que chamou a atenção foi um acampamento indígena Kaingang (acho que eram Kaingang, mas podem ser Xokleng) na parte de fora da rodoviária. A cidade faz um grande esforço para manter a ordem num espaço público como a rodoviária, mas fecha os olhos para um problema real como a dos indígenas que vivem no relento na fria Lages. Assim, preferem sitiar a rodoviária para que os índios não perambulem ou durmam por lá do que realmente resolver o problema. Já vi esse tipo de situação em diversas cidades do oeste de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Não sou muito fã de fazer aniversário. Pra mim estar ali aguardando na rodoviária e esquecer que fazia aniversário era o ideal. Quando a noite chegou o frio veio junto. As duas da madrugada seguimos para Vacaria. Chegamos era quatro horas da manhã. Na hora que sai do ônibus senti o maior frio da minha vida. Chegava a doer. A rodoviária de Vacaria estava fechada e não estava com a vestimenta mais adequada. Que frio da porra. Já não conseguia mais raciocinar. Até que achamos um hotel/bar que estava aberto e fomos até lá para nos abrigar. Pedimos um café e ficamos sentados tremendo. Permanecemos no local até quase oito horas da manhã. Depois fomos para a rodoviária e pegamos o ônibus para Santo Ângelo. A viagem foi tranquila. Pela janela ou eu via pastos ou eu via plantações de arroz. No fim da tarde chegamos em Santo Ângelo e seguimos para São Miguel das Missões. São Miguel das Missões é uma cidadela de quase dez mil habitantes. A cidade teve origem nas reduções jesuíticas presentes na região pelo século XVII conhecidas como os sete povos das missões. Os setes povos das missões são São Borja, São Nicolau, São Miguel, São Lourenço, São João, São Luiz Gonzaga e Santo Ângelo. Esses setes povos são o berço da colonização do Rio Grande do Sul. São Miguel das Missões abriga o sítio arqueológico de São Miguel do Arcanjo, que é um patrimônio mundial declarado pela UNESCO, que acomoda as ruínas das reduções jesuíticas daquela época. Chegamos em São Miguel já era mais de sete horas da noite. Caminhamos rumo a casa da Karine e do Mário. Passamos pelas ruínas. A casa deles ficam muito perto da entrada das ruínas. Batemos na casa e o quarteto de cachorros veio nos recepcionar. Todos latiam. Logo a Karine chegou com seu sorriso característico. Sentamos pra conversar e nos conhecer. O quarteto peludo foi apresentado, são três shitzus (Marley, Maia e Zeca) e a poodle Laica. Gostei de todos, mas o Zeca é um cachorrinho especial, ele é amoroso, companheiro, farrista, engraçadinho e quando você está sentado ao bater palmas ele pula no seu colo e fica só no chamego. A conversa com a Karine foi bem boa. Ela contou sobre a sua história e explicamos melhor nossa viagem. O tempo estava meio chuvoso e a previsão era que para o dia seguinte seria chuva o dia todo. A Karine disse para aproveitarmos e já ir assistir o espetáculo Som e Luz nesse mesmo dia. Então, fomos. O espetáculo Som e Luz é algo realmente diferente, é uma belezura de espetáculo. Todos os dias pela noite é contada a história das missões jesuíticas na região com apenas luzes apontadas nas ruínas e com narração da Fernanda Montenegro. Tudo isso ao ar livre. Saber um pouco mais sobre a relação de dominação dos jesuítas com o povo guarani e depois a resistência guarani com os colonizadores é de encher os olhos. É a verdadeira história do nosso país contada de uma forma magistral e bela. Gosto demais da forma que é contada, alçando verdadeiros heróis da nossa história como o índio Sepe Tiaraju, o líder da resistência guarani. Vou copiar aqui o trecho que explico melhor o motivo da guerra, esse texto fiz no outro mochilão que passei por São Miguel. "A ruína na verdade é o sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo (patrimônio mundial da UNESCO), na época das missões jesuítas foram instauradas várias "comunidades" onde viviam os evangelizadores (jesuítas) com os ameríndios, que nesse caso foram os Guaranis, com propósito de impor a crença cristã e os costumes de vida do europeu. Vale a pena dizer que nessa época esse território era espanhol, e depois de dezenas de anos vivendo em "harmonia" (jesuítas e guaranis), os espanhóis queriam restaurar o domínio de Colônia do Sacramento e assim "trocaram" a região das missões por Colônia com os portugueses, assim as comunidades teriam que ser esvaziadas. Os guaranis não aceitaram sair de onde, agora, eram suas terras. Guerra-pós-guerra os portugueses dizimaram os guaranis da região e reassumiram a "ordem", mas não sem antes criar um herói entre os guaranis, Sepé Tiaraju, líder da resistência guarani. As guerras também foram às responsáveis por deixar em ruína o lugar." Caminhando por quase todo o Brasil, Uruguai e um pouco de Venezuela em seis meses de estrada, Diego Minatel Foto 3.1 - O espetáculo Som e Luz no sítio arqueológico São Miguel de Arcanjo Voltamos já era quase onze horas da noite. Conhecemos o Mário, marido da Karine, e o filho do casal, o João que tinham acabado de voltar do futebol. Nessa noite a pacata São Miguel teve um capítulo que tirou a tranquilidade da cidade. Enquanto eu, Matheus, Karine e Mário conversávamos pela noite, os vizinhos do lado bebiam mais além da conta e ficaram badernando a noite toda. O problema que um deles saiu de carro bêbado e atropelou uma senhora e saiu sem prestar socorros. No outro dia só se ouviu falar sobre esse acontecimento pela cidade. Acordamos cedo (já virou redundante escrever isso). Dormimos no ateliê do Mário. Mário e Karine são artesões e boa parte dos artesanatos vendidos nas lojinhas que ficam em frente da entrada do sítio arqueológico são feitos por eles. O Mário ainda trabalha como segurança nas ruínas pelas noites. Ou seja, eles tem uma relação direta com as ruínas, mas isso é história pra depois. Nesse dia, ao acordar o Marião já veio com sua térmica do Internacional e com a cuia de chimarrão. Fizemos uma roda de mate ao som de música gaúcha. Gosto de música gaúcha. Ficamos ali conversando mais um pouco e se conhecendo melhor. Acho interessante a função social do chimarrão. As pessoas se reúnem em volta dele e aproveitam para colocar a conversa em dia. Enquanto tem água na térmica a conversa continua. E a roda de chimarrão é feita várias vezes ao dia. Gosto de chimarrão, mas gosto mais de estar numa roda de chimarrão jogando conversa fora. E foi numa dessas rodas de chimarrão com o Mário que ele se mostrou um cara todo participativo na vida da cidade. Ele é treinador de futebol de salão da garotada da cidade e também na comunidade indígena. Ainda é presidente de associação de turismo de São Miguel. Acompanha o grupo de dança do centro de tradições. Eu e o Matheus brincávamos com ele dizendo que ele seria o próximo prefeito da cidade, mas de verdade, seria uma boa. Depois fomos para as ruínas. A entrada custa quatorze reais. Não vou falar muito sobre as ruínas, vou deixar as imagens falarem por si. É uma belezura de lugar. A energia que o lugar transmite é demais. Apesar do passado relacionado as missões jesuíticas, as ruínas de São Miguel das Missões também é um símbolo da resistência guarani contra os colonizadores. E isso que me encanta. Afinal, máximo respeito aos guaranis. Foto 3.2 - As Ruínas de São Miguel das Missões ou Sítio Arqueológico de São Miguel de Arcanjo Foto 3.3 - Que belezura Foto 3.4 - Tentando o enquadramento perfeito Foto 3.5 - Sou a resistência, todo respeito ao povo guarani Foto 3.6 - A vista do interior Foto 3.7 - A minha foto favorita Foto 3.8 - Matheus e as ruínas Foto 3.9 - A porta Foto 3.10 - O fundo Foto 3.11 - O topo Foto 3.12 - Outro ângulo Foto 3.13 - Minha cara amassada e a beleza das ruínas Não fomos os primeiros viajantes que a Karine e o Mário hospedaram. Por incrível que pareça eles hospedaram por duas oportunidades pessoas que também estavam viajando para Ushuaia. Nessas duas ocasiões eram casais que viajavam de Kombi. Porém, foram situações diferentes de hospedagem. No nosso caso fomos cara de pau ao extremo entrando em contato no facebook. Com esse pessoal de Kombi a Karine conheceu pela cidade enquanto os mesmos turistavam e assim, trouxe-os para casa. Karine tem um coração gigantesco. O curioso é que essas duas viagens de Kombi tiveram problemas mecânicos no meio da viagem, com isso os viajantes tiveram que desistir de Ushuaia e voltar pra casa ou mudar o rumo da viagem. Confesso que fiquei com um pouco de medo desse histórico da Karine (risos). Brincávamos que tiraríamos essa zica dela. Depois de voltar das ruínas almoçamos com a Karine. Conversamos mais um pouco com ela. Sempre bom conversar com a Karine. Um tempo depois caminhamos para conhecer a fonte missioneira. Fomos caminhando devagarzinho. Chegamos na fonte e ficamos trocando ideia por bastante tempo. Quando estávamos voltando veio um temporal. Tomamos muita chuva. Encontrávamos abrigo, secávamos e quando achávamos que dava pra seguir, chuva novamente. E foi assim, tomamos chuva umas quatro vezes. Nesse dia a Karine nos contou a história dela e do Mário. Quando ela era estudante do ensino médio em Constantina/RS veio numa excursão escolar conhecer as ruínas em São Miguel das Missões. Nessa viagem ela conheceu alguns meninos da cidade de São Miguel e um deles, chamado Lucas, se encantou por ela e ficou todo o dia pentelhando ela. Eles acabaram se beijando e trocando telefones. Por meses trocaram cartas, mas depois veio um hiato de mais de um ano. Num dia o Lucas ligou para Karine convicto que queria voltar a vê-la. Ele viajou até Constantina e conheceu toda sua família. Assim, os dois foram estreitando as relações. Em um dia foi a vez da Karine ir visitar o Lucas em São Miguel. Nesse dia ela descobriu que ele não se chamava Lucas, e sim Mário (risos). Mário quando era moleque aproveitava o fluxo de turistas nas ruínas para paquerar as gurias de outras cidades, e sua tática em conjunto com os amigos era trocar de nome ao se apresentar pras gurias, e Lucas foi o usado com a Karine. Ele só não imaginou que se apaixonaria naquele dia. E depois continuou com a mentira para não se passar por mentiroso (risos). No fim, ele se explicou para a Karine e se acertaram de vez. E estão juntos a quase vinte anos e são o casal símbolo das ruínas de São Miguel. Foto 3.14 - Karine e Mário, o casal das Missões (foto que peguei no facebook da Karine) E o mais curioso de tudo é que naquele dia faziam exatos vinte anos que os dois se conheceram. Eles iam sair numa noite romântica, mas no inicio da noite o Mário nos chamou pra tomar umas cervejas. Fiquei meio encabulado a principio. No fim, eles decidiram passar essa noite conosco. Que honra a nossa. Na frente da casa tomamos umas brejas, e eu não parava de rir com o Mário contando a sua versão da história do Lucas. O Mário é um cara gente boa demais. Depois saímos de carro, ao som de Raça Negra e do desafinado coral dentro do carro conhecemos um pouco mais do interior da cidade. Raça Negra une os povos (risos). Foi bom demais esse momento. Depois voltamos e comemos umas pizzas pra comemorar. No final do jantar, eu e o Matheus agradecemos a Karine e ao Mário por aqueles dias mais que especiais. Na verdade, não há palavras para agradecer tudo que eles fizeram por nós, mas tentamos. Terminamos o dia assistindo o final do jogo do Atlético Parananense contra o Fluminense pela semifinal da sulamericana. Antes de dormir eu e o Matheus conversamos sobre como tudo aquilo tinha sido bom demais. Estávamos atraindo coisas melhores que imaginávamos e tínhamos certeza que no dia seguinte as caronas aconteceriam. Foto 3.15 - João, Mário, Laica (no chão), Karine, Zeca (escondido entre a Karine e o Matheus), Matheus, Marley, Maia e eu. Antes das sete da manhã saímos de São Miguel das Missões. O Mário nos deixou no posto que fica no trevo que dá acesso a cidade (mais ou menos 15km). Nos despedimos pela última vez do Marião e agora outra vez iriamos tentar seguir nosso caminho por meio de caronas. Nunca imaginaria que voltaria para São Miguel tão cedo. Três anos depois estava eu lá, novamente. Da outra vez foi só uma visita, já dessa vez vivi um pouquinho a cidade e tive o prazer de conhecer o casal que as ruínas uniu. Karine e Mário, não consigo traduzir em palavras o que vocês significaram para mim nessa viagem ou o quanto gosto de cada um de vocês. Nada do que eu falar vai equiparar o quão bom vocês foram, o que eu tenho que fazer é aprender com o exemplo de vocês e tentar ser um cara melhor daqui pra frente. Muito obrigado por tudo, de coração.
  48. 7 pontos
    Olá Galera! Vou relatar minha viagem pra Santiago em forma de retribuição a este site que me ajudou muito. Viajei entre os dias 02/10/18 e 09/10/18. Passagens: R$ 750,00 (com cupom de desconto de R$ 50,00) pela Avianca, voo sem atrasos e a refeição foi nota 10! Hospedagem: Hostel La Chimba R$ 350,00 pelo site booking (pagos no check-in), Hostel fica no bairro Bella Vista, os quartos são bem simples e o café da manhã também, ponto positivo para localização e para o clima do Hostel que é super animado. Seguro-viagem: R$ 75,00 escolhi no site comparaonline Refeições A maioria dos dias almocei empanadas aprox. 1500 pesos (que são maravilhosas), nos outros dias almocei nos restaurantes: Centurion Resto-bar, endereço: Ernesto Pinto Lagarrigue 257, em frente ao La Chimba Restaurante simples com comida boa, paguei no menu do dia 4.000 pesos, entrada, prato principal e um suco (tang) La Picolla Italia, endereço: Hermanos Amunátegui 371 Restaurante de massas com preços acessíveis e comida excelente, aproximadamente 5.000 pesos no prato e eles ainda servem uns pãezinhos de entrada na faixa. Passeios Vou destacar os que mais me marcaram: Sky Constanera 15000 pesos Ver o pôr-do-sol do Sky é imperdível, fiquei encantada com a beleza da cidade e com as cores do céu. Pode ver o pôr-do-sol do Cerro de San Cristobal também, mas do Sky foi melhor 😊 Embalse El Yeso com piquenique Agência Morande 25000 pesos O melhor passeio sem dúvida, nenhuma foto faz jus a este lugar. Valle Nevado Agência Morande 15000 pesos Locação de roupas 10000 pesos Dei muita sorte de ter neve ainda em outubro e foi incrível ver neve pela primeira vez, a roupa aluguei em uma loja em Santiago, bem mais barato que alugar no local que a agência nos leva. Val Paraíso e Vina Del Mar Guia de Turismo na estação Pajaritos 15000 pesos (bate e volta) As duas cidades merecem mais que um bate e volta, são cheias de histórias e cada rua de Val Paraíso é de encher os olhos. Museu da Memória e dos Direitos Humanos Gratuito nos domingos Museu sobre a ditadura no Chile, incrível a quantidade de monumentos e memorias sobre a ditadura que existe pelo Chile inteiro, lá da pra sentir um pouco o que eles sentem sobre essa época do país. Vida noturna Pubclawl 10000 pesos Rolê com 1 hora de cerveja e entrada com shots em três baladas no bairro Bella Vista, foi muito animado e fizemos vários amigos. O bairro Bella Vista tem inúmeros barzinhos e baladas, tem pra todos os gostos e preços. Dicas: experimento a bebida Terremoto, o Pisco, o Mote, as empanadas, visite o bairro Paris-Londres, ande de teleférico no Cerro de San Cristóbal e compre muitos chocolates e vinhos no Mercado Jumbo. Se precisarem de qualquer dica é só mandar mensagem
  49. 7 pontos
    @FranciscoJR Eu comecei a escrever aqui nos mochileiros, mas acabei me ocupando com outras coisas e parei. Mas tenho minhas planilhas de planejamento. Se quiser eu mando para você. Qual seu email?
  50. 7 pontos
    1 - Preparativos gerais / Roteiro O interesse pela viagem começou no final de 2017, comecei a pesquisar os preços de passagens aéreas para a Europa no mês de Novembro, ainda sem saber quando exatamente estaria de férias (pior coisa possível para quem pretende viajar). Conhecia somente os EUA e havia decidido que estava na hora de atravessar o Oceano rumo ao velho mundo. Também tinha uma missão: realizar um sonho da minha mãe (48 anos) de visitar a Itália. Com essas premissas, acionei as buscas por passagens aéreas nos sites que creio a maioria já conheçam, mas que não custa nada mencionar, segue abaixo: https://www.kayak.com.br/ https://www.skyscanner.com.br/ http://www.melhoresdestinos.com.br/ Eu sempre miro antes de mais nada em garantir as passagens pelo fato destas representarem até 50% do custo de uma viagem. Somente depois que já comprei é que me preocupo com o restante do planejamento. Pesquisa vai, pesquisa vem, nesse meio tempo finalmente tenho confirmação de que teria 20 dias de férias em Março/2018, então acelerei o motor para comprar a melhor passagem. Eis que me encontro diante de 3 boas ofertas na última semana de Novembro: 1 - Viajar de Alitalia em um vôo direto GRU - FCO por aproximadamente R$ 2.500,00 2 - Viajar de KLM em dois vôos GRU - AMS / AMS - FCO por aproximadamente R$ 2.500,00 (com tempo de conexão apertado) 3 - Viajar de Swiss em dois vôos GRU - ZRH / ZRH - FCO por aproximadamente R$ 2.150,00 (com tempo de conexão folgado) Legenda: GRU - Aeroporto de Guarulhos / AMS - Aeroporto de Amsterdã (Schiphol) / ZRH - Aeroporto de Zurique / FCO - Aeroporto de Roma (Fiumicino) De cara já descartei a Alitalia, devido à péssima situação institucional e financeira em que a empresa se encontra, pois corre sério risco de falir dentro de dois meses (entenda o caso aqui) quando acaba o dinheiro que o governo italiano despejou na empresa para garantir as suas operações (a cia aéra está praticamente insolvente desde 2017), além do que há péssimos relatos espalhados pelo Facebook da empresa e no Reclame Aqui no que concerne ao tratamento com a bagagem (muitos extravios e danos, incluindo um estrago violento em um violino do século 17). Logo sobraram duas boas opções, KLM e Swiss, duas cias nas quais sempre quis voar...porém por questões financeiras e de logística (evitar contratempos na conexão) optei por comprar a passagem com a Swiss, criando assim mais uma atração, que seria uma bate e volta bem rápido a Zurique, para matar um pouco das mais de 6 horas de tempo de conexão no vôo de volta. Segue abaixo a tela de confirmação do preço para duas passagens ida e volta, que ficou no total em R$ 4.296,98. Estavam definidas então as partes iniciais e finais da viagem que seriam da seguinte forma: Saída em GRU dia 07/03 às 19:20, chegada em ZRH às 10:35 da manhã do dia seguinte (horário local), partida de ZRH às 12:30 e chegada em FCO às 14:05. Na volta saída de FCO as 14:50 do dia 21, chegada em ZRH às 16:25 e então 6 horas depois, partida de ZRH às 22:40 para chegada em GRU às 06:40 do dia 22. O restante do roteiro ficou definido da seguinte forma: 08 a 13/03 - Roma (com bate e volta à Tivoli) 13 e 14/03 - Florença (onde montaríamos base para explorar a Toscana) 15/03 - Siena 16/03 - Montepulciano 17/03 - San Gimignano 18/03 - Pisa (onde montaríamos base para explorar as Cinque-Terre) 19/03 - Cinque Terre 20 e 21/03 - Roma (chegando na cidade um dia antes do retorno, para evitar problemas com eventuais atrasos de trem). Importante saber que como estava indo com a minha mãe, tive que ter alguns diferenciais na viagem, embora ela tenha entendido que o espírito da viagem seria a de um mochilão e realmente se esforçou bastante para agir como uma mochileira rsrs. Ao final dessa série de posts, prometo que anexarei uma planilha com os gastos da viagem, os detalhes dos trens, cia aérea, hospedagens e alimentação em si apresento na sequência dos posts... SEGURO-VIAGEM: Fechei com a Mondial Travel Assistance, aproveitando uma promoção que vi no Melhores Destinos, por R$ 300,40 para duas pessoas, contra R$ 458,69 da Porto Seguro. Como felizmente não tivemos nenhum problema de ordem médica durante a viagem não sei dizer se na prática o seguro é bom ou não. O que sei é que tive uma dor de cabeça com essa empresa as vésperas da partida, que explico nesse post aqui ->https://www.mochileiros.com/topic/72946-apólice-de-seguro-viagem-emitida-em-português/ Para quem leu e ficou curioso com o desfecho, saibam que na imigração não me foi pedido nenhum documento sequer. COMPRA DE EUROS (Edit): Já estava esquecendo de falar sobre a compra dos euros para a viagem. Estimei o gasto total por volta de 1.400 euros + 100 francos suíços, então deixei para comprar tudo de uma só vez (você consegue preços melhores quanto maior for o valor a comprar). VALOR MÍNIMO EM EUROS (Edit): Eu tinha dúvidas sobre o quanto em dinheiro teria que ser levado (cada país decide qual é o valor mínimo). Nesse ponto o site "brasil na itália" foi extremamente prestativo (https://www.brasilnaitalia.net/2014/10/quanto-dinheiro-levar-para-entrar-na-italia-e-outras-duvidas-comuns.html) pois foi lá que descobri que o governo italiano tem uma "diretiva" que impõe para viagens entre 11 a 20 dias o valor mínimo de 22,21 euros por pessoa, em uma viagem com 2 ou mais pessoas. Nessa página a qual deixei o link existe outro link para baixar essa normativa e levar na viagem como eu fiz, para apresentar ao oficial de imigração caso dê algum problema. Retornando ao assunto da compra de euros, foi a última coisa que fiz antes da viagem, e para isso sempre uso o site abaixo: https://www.melhorcambio.com/ Basicamente o que esse site faz é pegar uma oferta que você faz para comprar uma certa quantia de uma moeda pagando um certo valor (isso mesmo, você quem fala o quanto quer pagar, embora o site informa quais serão suas chances de ter a oferta aceita mediante o valor colocado), e repassa às casas de câmbio e correspondentes para checar se um deles aceita a tua proposta. E posso dizer por experiência própria que a cotação que se consegue via internet é em média de 5% a 10% mais barato do que em lojas físicas...dando o meu exemplo, consegui cotação por esse site para compra de 1.400 euros (papel-moeda) a uma taxa final de R$ 4,17 (IOF incluso). Na casa de câmbio Cotação, me ofertaram R$ 4,24 e na Get Money R$ 4,30. Isso tudo no mesmo dia. Nunca mais compro em lojas físicas, pois é muita diferença...Ah, e se por acaso alguém tiver dúvida da integridade das empresas envolvidas no site que mencionei, pode consultar no site do Banco Central se a mesma é cadastrada e habilitada a operar câmbio (http://www.bcb.gov.br/rex/IAMC/Port/correspondentes/correspondentes.asp). E se mesmo assim estiver inseguro com relação à esse site, aqui vai uma dica: vá numa loja física e diga que fez a cotação a X reais pelo site e que vai comprar de lá, é quase certo que eles vão igualar para você, com o objetivo de não perder a compra. Bom gente, vou finalizando por aqui, à noite continuo escrevendo as próximas seções...nesse meio tempo se tiverem dúvidas/sugestões podem comentar.
Líderes está configurado para São Paulo/GMT-03:00


×
×
  • Criar Novo...