Ir para conteúdo

Mais curtidos da Semana


Conteúdo Popular

Exibindo conteúdo com a maior reputação em 08-10-2018 em todas áreas

  1. 2 pontos
    Já estive por 3 vezes em Salvador, nunca tive nenhum problema em relação a segurança. Já me hospedei no Pelourinho e na Barra, 100% tranquilo. É só ter cuidado que temos que ter em qualquer cidade grande. Na última vez inclusive levei meu filho de 3 anos, fomos inclusive ao Mercado São Joaquim, região que muitos dizem perigosa por pequenos furtos de celulares e carteira. Pode ir que a diversão é certa, os baianos recebem os visitantes muito bem. Até mais.
  2. 2 pontos
    @Rogerio K C ah, mas isso acho muito relativo... se fizer a mesma busca em SP e RJ, estamos ferrados na mesma proporção. Fora que a estadia de um turista é muito diferente da de um morador, né
  3. 1 ponto
    Antes de mais nada, sobre mim e minha esposa, tenho 59 e minha esposa 55 anos, frequentamos academia e caminhamos diariamente. Buscamos destinos que tenham contato com a natureza envolvido, colecionar experiências e conhecer pessoas com sua cultura. Um ponto fundamental que buscamos é segurança, logo, destinos que sejam bastante seguros. No Panamá, com exceção de San Blas que não é necessário, em todas as ilhas tinham policiais bem alertas. Em Cartagena também pode ficar bem tranquilo e andar à noite. Fiz esta viagem com minha esposa entre os dias 22/02 a 16/03/2018, ou seja, 23 dias. O caribe é um destino muito atraente com uma variedade de ilhas e de culturas, porém a dificuldade é de caber no bolso. Já tinha conhecido San Andrés e Providência, então procurava outro destino que não fosse à falência. Então encontrei no Panamá, Bocas del Toro e San Blás. Também desejava conhecer Cartagena. Então, fiz uma pesquisa de voos multidestinos que valeu muito a pena. Acrescentar Cartagena custou, pelo que lembro, apenas uns 100 a 150 reais a mais. O Panamá não é um destino de massa e também tem muito mais do que o Canal. É também o que chamam “hub de las Américas”, ou seja, é um lugar que permite a ligação ou conexão fácil com todas as três Américas e Caribe, e inclusive é saída de vários cruzeiros pelo Caribe. Mas além do óbvio Canal, também tem muito turismo de contato com a natureza. Nós passeamos bastante na capital Panamá City e também fomos à Bocas del Toro e San Blás. O Panamá é um destino um pouco caro para nós brasileiros mas economizando dá para encarar. O dólar oficial na época estava em torno de R$ 3,30. Bocas del Toro também é pouco conhecida pelos brasileiros, é um arquipélago com várias praias e também muito procurada para mergulho e surf. A natureza é preservadíssima. Sugiro pesquise em imagens no Google para San Blás e Bocas del Toro e tenho certeza que ficará de boca aberta e vão entrar na sua lista de desejos. Tanto San Blás como Bocas del Toro são muito frequentadas por europeus e americanos. Para quem nunca ouviu falar em San Blás, também um arquipélago com mais de 360 ilhas paradisíacas que parecem aquelas de desenhos animados com náufragos, tudo aquilo que imaginamos só haver na Polinésia Francesa. É uma região autônoma (como um país) administrada pelos índios Kuna Ayala. Muitas listas de viagem colocam como um dos destinos mais fantásticos do mundo, e eu também. Tinha visto um ótimo relato no Mochileiros anos atrás, mas tinha um pouco de receio de ser um pouco programa de índio, no caso, literalmente. Porém, não se preocupe com isso. Apesar de ter certa dificuldade de acesso, porque tem que ir de veículos 4x4 a viagem é dura e demorada, além de pegar uma lancha até a ilha desejada. Os índios só permitem 4x4. É um pouco cansativo, depois só alegria e paisagens que são tão lindas que até parecem falsas. Nós desfrutamos até do caminho até lá, foi a mais pura aventura. San Blás, como chegar: Para mais informações veja o que diz no blog da Lala Rebelo, que é uma especialista em Panamá, escreve para a revista Viagem & Turismo e residia na época no Panamá. https://lalarebelo.com/country-cat/caribe/panama-caribe/. O site Melhores Destinos também tem ótimos guias para San Blás e Bocas del Toro. Também neste blog encontrará ótimas informações http://www.daninoce.com.br/viagem/san-blas-kuna-yala/o-que-voce-precisa-saber-antes-de-ir-a-san-blas/. Alguns hostéis também organizam os pacotes para San Blás. Você vai ter que usar uma agência. Pode se hospedar com sua barraca ou em cabanas muito básicas mesmo. É para quem não tem frescura. Tínhamos visto no blog da Lala Rebelo a opção de se hospedar em um veleiro e conhecer várias ilhas. Então, foi o que fizemos. Acreditamos que viajar é também colecionar experiências e que essa nós tínhamos que ter. Foi caro e valeu cada dólar. Fizemos a reserva pelo site http://www.sailinglifeexperience.com/home/ que é tipo um “Booking” de veleiros e é bem seguro. Reservamos pagando 5% do valor fazendo uma remessa pelo Pay Pal. A proprietária do site, Marina, nos colocou em contato com o proprietário do veleiro pelo WhatsApp e combinamos tudo. O transporte terrestre de SUV 4x4 e de lancha até o veleiro foi organizado pelo capitão. Chegando ao porto, não se preocupe com a confusão, é bem caótico mesmo. Mas dá tudo certo. O motorista te coloca em contato com o índio responsável para te levar até o veleiro. Ou se for o caso, para as cabanas da ilha escolhida por você. Todos se comunicam via WhatsApp o tempo todo. Ah, escolhemos o veleiro Lycka, recomendado pela Lala, que agora foi vendido para outro casal. Ah, com a Marina pode escrever em português que ela gosta de praticar. No veleiro a comida e bebida estão incluídos no preço. Para chegar até a sua ilha ou barco você pagará: -Transporte em SUV 4x4 - US$50 por pessoa -Taxa de entrada no território Kuna Ayala US$20 por pessoa -Taxa do porto US$2 por pessoa -Lancha até a ilha desejada ou veleiro US$35, por pessoa por trecho (depende da distância do porto até a ilha) Combine com seu hotel de deixar parte da bagagem e leve apenas o mínimo como o que couber em uma mochila de ataque ou bagagem de mão e se não for impermeável (a prova de respingos) ponha na hora da lancha em um saco de lixo. Você vai sair do hotel em torno das 5 da manhã. Então, leve um lanche e evite tomar leite, pois pode dar enjoo. A estrada é muito sinuosa e li sobre tomar Dramin antes e pensei que era bobagem, mas não. Nós não precisamos, mas tínhamos. Alguém em seu transporte provavelmente vai vomitar. As curvas e o sobe/desce são terríveis. O trecho de lancha, dependendo das condições do mar também pode ser com bastante emoção. No nosso caso foi. Sabe aqueles saltos que os caras fazem com jet-skis, é coisa fraquinha perto do nosso traslado de lancha. Mas foi bem legal, nem minha esposa sentiu medo. Nosso itinerário foi o seguinte: -São Paulo –22/02 Viajar as 12:00 (meio-dia) para Panamá City -Panamá City – dia 23 a 24/02 (Viajar à noite para Bocas) -Bocas del Toro – dia 25/02 a 04/03 (Viajar às 6 da manhão para Panamá City) -Panamá City – dia 05/03 a 06/03 Viajar pela madrugada para San Blás -San Blas – dia 06/03 a 09/03 -Panamá City – dia 09/03 a 11/03 (Viajar as 7:25 para Cartagena) -Cartagena – dia 11/03 a 16/03 -São Paulo – dia 16/03 a 17/03 Panama City, o que fazer: -Albrook Mall – Shopping gigantesco. Você vai ter que passar por lá mesmo. Então aproveite. -Calçada Amador – andar de bicicleta. A vista parece com Miami ou Dubai. -Calle Uruguay – Bares, restaurantes e vida noturna -Canal do Panamá – É uma obra fantástica que mudou os rumos do mundo. Há uma segunda passagem mais moderna para navios maiores ao lado da turística que todos veem. Não deixe de ver o filme explicativo que é bem legal. -Casco Viejo –Catedral, o Palácio Presidencial (só é possível ver de fora e um pouco distante), Plaza de la Independencia, Teatro Nacional, Paseo de las Bovedas, Plaza Francia, Iglesia de San José, Plaza Bolívar, Ruínas da Companhia de Jesus, Teatro Nacional e o Convento Santo Domingo. -Cerro Ancon – morro com 200m de altura com vista da cidade e do canal -Cinta Costera – Calçadão a beira- mar -Ponte Las Americas – Mirante -Bio Museu – Não deixe de ir Dicas do Panamá -Se você tem alguma frescura San Blás e Bocas del Toro, então não vai ser a sua praia. -Procurei descrever como fomos e a logística. Mais informações sobre o Panamá veja no blog da Lala Rebelo. -Uso o site: https://www.numbeo.com/cost-of-living/ para ter uma estimativa de gastos. E é bem preciso. -Não se esqueça do Certificado Internacional de Vacinação para a febre amarela. -A moeda oficial do Panamá é o Balboa, mas o que é usado mesmo é o dólar. Então, não se preocupe em trocar. -Táxi Aeroporto Panamá. O valor é de US$30 até o hotel ou outros da zona costeira -Uber Aeroporto Panamá: Uber X: US$ 10-18; Uber XL US$ 14-22 (fiz um orçamento on-line) e dizem funcionar muito bem. -Os táxis não tem taxímetro, então pergunte no hotel para ter uma referência, quanto custa do ponto A ao B. Mas são bem baratos e vale pechinchar. -Compre um cartão (tarjeta) para o ônibus e outra para o metrô. As do metrô você compra em uma máquina. É bem simples, mas tem que pedir ajuda. E coloque uma pequena recarga. As do ônibus vendem na estação rodoviária que é junto ao shopping Albrook Mall. Você vai ter que ir lá mesmo, para comprar a passagem para viajar à noite para Bocas del Toro. Os ônibus saem entre 19:30 e 20:00h. Mas tem que comprar a passagem antecipada. Vá depois das 14:00 horas, dizem que antes não vendem. Não se preocupe, não é longe da zona hoteleira. Aproveite para dar uma volta no Albrook Mall que é enorme. Na rodoviária você vai comprar além da passagem, o táxi até o cais e o barco para Bocas Town, é tudo junto mesmo. Isso dá em torno de US$ 30. -O Albrook Mall é um shopping para todas as classes sociais e tem de tudo. Desde dentista até armas, de lojas populares até as de grifes caríssimas como Prada, etc. Tem duas enormes praças de alimentação e com preços que dão para pagar. São quase da metade de um campo de futebol cada. Localize-se pelos bichos em cada corredor, como o do pinguim, da girafa, do urso, etc. São estátuas enormes dos bichos, é bem prático para se guiar. -Você vai precisar da tarjeta do ônibus para acessar a plataforma dos ônibus na rodoviária para Bocas del Toro. E só vai saber disso na hora do embarque, então compre para evitar stress e aproveite para andar de ônibus que são muito envidraçados (vidros enormes). -Supermercado Riba Smith, bem próximo do hotel Ojos del Río (550m). Para comprar frutas e lanches. -Canal do Panamá- ingresso US$15. Táxi US$$10. Ônibus US$0,50. Os ônibus custam $0,25, mas tem que passar o cartão na entrada e na saída. O mesmo no metrô. -Compras no Panamá. Verificar se o preço inclui o imposto de 6% -Táxi do Hotel Ojos del Río Casco Viejo US$ 2 (ida) $5 na volta sim todos os taxistas pedem mais na volta, pechinche. -Escolhemos o Hotel Ojos del Río no Booking por estar localizado perto de uma estação do metrô e valeu a pena. -Jantar no Hotel Ojos del Río US$ $ 8. Massa caseira à bolonhesa, uma delícia. -Para ir ao canal do Panamá, compre um cartão para usar nos ônibus e metrô. Entre na estação de metrô mais próxima e compre o cartão nas máquinas automáticas, carregue-o com alguns dólares. Apanhe o metro para a estação Albrook (US$ 0,35). Tanto nos ônibus quanto o metrô tem-se que passar o cartão na entrada e na saída. É estranho. Do outro lado da avenida fica o terminal de autocarros de Albrook. Atravesse a passagem superior e chegará facilmente ao terminal. Atravesse o hall do terminal e, do outro lado, caminhe para a direita. É provável que veja uma fila com muita gente à espera dos ônibus que param lá ao fundo. O ônibus que precisa pegar diz Miraflores. O destino final é o em frente ao Centro de Visitas do Canal do Panamá (US$ 0,25) é bem fácil. Gostamos dos ônibus porque eles têm uma ótima vista panorâmica. -Para voltar de Bocas del Toro compre a passagem no mesmo lugar onde desembarcou. Outros lugares também vendem, porém na hora de embarcar está sujeito à confusão, nós vimos acontecer. Umas meninas tiveram que comprar outra passagem entre choro e falta de lugar. -Em Bocas del Toro procure se hospedar em Bocas Town, pois é onde tudo acontece e cada travessia para outras ilhas custa US$ 2. Então, faça as contas. O que fazer em Bocas Del Toro: -Bahia de los Delfines -Cayo Coral -Cayo Zapatilla. Estes costumam ser um pacote. -Bocas Del Drago -Playa Estrella (evitar sábado e domingo porque fica muito cheia) Na Isla Colón. Ir de ônibus (16 km) descer em Bocas del Drago e caminhar no sentido de volta pela praia. Comida cara. -Isla Carenero. Tem aluguel de caiaques. -Isla de los Pájaros. Linda, mas de difícil acesso, depende das condições do mar. -Paki Point (ou Playa Paunch) praia de surf. -Playa Bluff. Na Isla Colón. Ir de ônibus, a playa Paunch é na metade do caminho. Lindas playas para surf. -Isla Bastimentos. Red Frog Beach (surf) Ir de barco. E Praias: Playa Larga, Playa Polo, Playa Wizzard, Turtle Beach, e Cayman Beach. Cartagena -Castillo de San Felipe -Plaza San Domingo (Point à noite) -Palacio de la Inquisición -Museu del Oro Zenú -Museu das Esmeraldas -Museu Naval -Torre del Reloj -Los Zapatos Viejos -Convento de Santa Cruz de La Popa -Iglezia de San Pedro Claver -Iglezia de San Domingo -Plaza de San Pedro Claver (Point à noite) -Avenida San Martin o Carretera 2 (Bocagrande) -Café Havana (bar, música e agito) -La Vitrola (Restaurante, bar e agito) -Café del Mar -La Cocina de Pepina (comida típica e barata) fica no Getsemani -Playa Blanca (nós não fomos decidimos curtir mais da cidade) -Islas del Rosário – Também não fomos Dicas de Cartagena -Táxi Aeroporto Cartagena – COP 10.000–15.000 -Trocar alguns dólares por COP ao chegar ao Aeroporto de Cartagena e depois dentro da Cidade Amuralhada pode pesquisar em várias casas de câmbio. Passando pela Torre do Relógio é a segunda rua à direita. -Aproveite para comprar livros usados em espanhol e inglês nos inúmeros “sebos” junto da praça antes da Torre do Relógio. -Ficamos no bairro Getsemani no Hotel Boutique Casa Isabel. Recomendo, pois fomos super mimados. Tudo é bem perto, tem vários lugares mais econômicos e é cheio de mochileiros. Dentro da Cidade Amuralhada os hotéis em geral são mais caros. ORÇAMENTO (dólares) US$ PANAMÁ -San Blás: 1.142 (total) Taxa dique: 4 Taxa Kuna: 40 Lycka: 918 (+170 já pagos como sinal) Total 1088 Jipe: 100 Lancha: 80 -Hotéis Panamá: 600 -Compras Panamá: 250 -Ônibus p/ Bocas 120 -Ingressos e Passeios Panamá: 100 -Táxi Panamá: 120 -Alimentação Panamá: 780 Panamá total: 3.112 CARTAGENA -Hotel Cartagena: 325 (pago) -Alimentação Cartagena: 170 -Táxi Cartagena: 20 -Passeios Cartagena: 50 Cartagena total: 565 Total geral: 3.677 Os preços em Cartagena foram convertidos para dólares, mas tem que trocar por pesos colombianos (COP) e como era pouco (o hotel já estava pago), eu troquei tudo no aeroporto mesmo. Abaixo as fotos em sequência: -Canal do Panamá -Bio Museu -Calzada Amador -Bocas del Toro – Playa Estrella -San Blás – vista do veleiro -Vista do veleiro, também -Cartagena. Torre del Reloj à noite -Cartagena. Ruas
  4. 1 ponto
    Olá pessoal . Estou no meu terceiro mês da minha viagem de volta ao mundo. Enquanto escrevo esse texto ( dia 26/7) me encontro em Moscou e ainda tenho 9 meses a frente. Me perdoem se avistarem erros de português, estou escrevendo com o celular e às vezes é passível de erros . Antes de começar o meu relato é importante esclarecer alguns fatos sobre os custos: 1° os 20.000 reais engloba tudo! Passagens, hospedagens, passeios etc. 2° comprei o Euro á 3.9 foi a cerca de uns 7 meses atrás e o dólar á 3.2 ( quase a mesma época ) 3° Já comprei todas as passagens áreas ( sim TODAS sem exceção) e irei entrar em detalhes dos custos das mesmas há diante . 4° o cartão de crédito que eu uso é o cartão do banco Inter que tem a cotação dólar Comercial ( não o turismo) 5° faz 2 anos que iniciei o planejamento desta viagem por isso consegui bons preços devido estar sendo procurando a melhor época em cada lugar. 6° Alguns dias que meu vôo decola cedo eu durmo no aeroporto para economizar. Mas são raros os casos . 7° não despacho mala. Estou viajando somente com uma mochila de 35 litros e acredite é mais que o suficiente e estou fugindo de lugares frios. 8° existem certos dias do mês que as entradas em museus e etc são gratuitos portanto eu me programei com antecedência para poder aproveitar esses dias e irei explicar durante o relato sobre os mesmos. 9°Faço minhas reservas com a booking.com e tenho cadastro na Meliuz. Portanto sempre que faço uma reserva eu tenho 2 % de volta no site ( fica a dica) 10° minha meta é 3 euros por dia com alimentação na zona do euro. Eu cozinho sempre nos hostels e esse valor foi adequado para mim no primeiro mês que estive em Portugal, França, Espanha, Alemanha. Só tive que cortar o consumo de carne e substituir por ovos e queijos que são mais baratos . Fora da zona do euro minha meta é 2 euros por dia que estou conseguindo manter até o momento . 11 não gastei com seguro viagem . Eu tenho um cartão da Amex e não precisei pagar pelo mesmo pelos primeiros 90 dias na Europa . Depois desse período vou ficar sem o seguro e arcar com as consequências se adoecer na viagem. 12° foram raras as vezes que gastei dinheiro com água normalmente bebo a da torneira direto e/ou fervo antes . 13° raramente uso o transporte público faço quase tudo a pé nem que tenha que andar 30 km certos dias . Uso o transporte normalmente para entrar e sair do aeroporto e ir para a cidade, no mais não vejo necessidade para mim, sempre gostei de andar . Portanto vou listar quanto paguei nas passagens aéreas antes de começar o relato : ✓Belo Horizonte - São Paulo ( comprei com 6 meses de antecedência em uma promoção da Azul) 59.90 para o dia 24 de Abril ( quando minha viagem começou ) ✓ TAP São Paulo / Paris com 1 dia em Lisboa 1103 reais ( 7 meses de antecedência) ✓Transavia Paris para Barcelona 32 euros ( comprado com 3 meses de antecedência) para o dia 27/04. Comprei no cartão e deu 128.80 reais com IOF incluso. ✓Barcelona para Valência de ônibus Alsa 5 euros ( comprado com 3 meses de antecedência) para dia 5/5 paguei 20 reais ✓ bate e volta para Porto de Valência dia 7 a 9 de maio 10 euros o trecho com a RyanAir( comprado com 2 meses de antecedência) paguei 90 reais tudo no cartão ✓Valencia para Murcia no dia 11/05 6 euros com Alsa bus ( 2 meses de antecedência) na parte da manhã 24 reais ✓Murcia para Madri dia 11/05 5 euros com Alsa bus ( 2 meses de antecedência) 20 reais ✓Madri para Berlin no dia 15/05 por 13 euros com a RyanAir comprado com 4 meses de antecedência 52 reais ✓ ônibus Berlin para Wroclaw ( Polônia ) sim 4 reais . 4 zl com polskibus ( que hoje é da Flixbus) para o dia 18/05 ✓Wroclaw para Cracóvia 7 zl, 7 reais no cartão com a mesma empresa 28/05 ✓Cracóvia para zakopane 5zl, 5 reais no cartão com a mesma empresa 2 meses antecedência para o dia 5/06 ✓ zakopane para Cracóvia 5zl, 5 reais no cartão com a mesma empresa 2 meses antecedência 12/06 ✓ Cracóvia para Praga no dia 12/06 ônibus noturno 40zl cerca de 41 reais com a mesma empresa. ✓ Praga para Viena no dia 17/06 14 euros com a Flixbus. ( Existem opções de trem pelo mesmo preço se comprar com antecedência) 59 reais ✓Viena para Budapest 15 euros para dia 20/06 paguei 62 reais no cartão com a Flixbus ✓Budapest para Belgrado 20 euros com a Flixbus para o dia 27/06. Paguei 110 reais porque não comprei com muita antecedência e o Euro já estava mais alto ✓ Belgrado para Atenas para dia 06/07 com a Aegean Airlines por 35 euros ( comprei com 5 meses de antecedência) peguei 134 reais no cartão . ✓ Atenas para Istambul com a mesma empresa 40 euros e paguei 163 reais ( 5 meses de antecedência) para o dia 12 de julho. ✓ Istambul para Moscou 37 euros com a Pegasus (5 meses de antecedência) peguei 155 reais. ✓ Moscou para Tblisi 50 euros e paguei 210 reais com 3 meses de antecedência com a S7 Airlines ( existem opções mais baratas e acredito que paguei mais caro nessa passagem ) ✓ ônibus Tblisi para Batumi 30 Gel cada trecho ( ida dia 04 de agosto e volta dia 24 de agosto ) e sim quero ficar 20 dias na praia porque vai estar fazendo muito calor . Comorado com 1 mês de antecedência. 150 tudo no cartão . ✓ depois irei viajar para dentro da Armênia em 4 cidades diferentes . Uma amiga que mora lá me disse que os ônibus entre as cidades não custam mais que 2 euros então devo gastar uns 20 euros contando a passagem de ônibus de Tblisi a Yerevan. ✓ Gyumri para São Petersburgo com Pobeda 40 euros e paguei 203 com 4 meses de antecedência) ✓ São Petersburgo para Bangkok paguei 740 reais para o dia 7 de outubro com conexão de um dia em Novobrinsk ( 5 meses de antecedência) 12 mil rublos s7 Airlines E é agora na Ásia que tudo fica extremamente barato pois peguei uma promoção da AirAsia no dia 5 de março que tudo estava muito barato e não paguei mais de 22 dolars em nenhum trecho com exceção de Laos. Bangkok (dmk) to Luang Prabang (lpq) 17th October e volta Luang Prabang (lpq) to Bangkok (dmk) 26th October $93.23 Bangkok (dmk) to Chiang mai (cnx) 31th October $16.25 Chiang mai (cnx) to Pattaya (UTP) 14th november e volta Pattaya (UTP) to Chiang mai (cnx) 28th november $32.50 Chiang mai( cnx )to Bangkok (dmk) 7th december $16.25 Bangkok ( dmk) to Phuket (hkt) 12th december $19.56 Krabi to Kuala Lumpur 3th January $18.04 Kuala Lumpur (kul) to Denpasar Bali (DPS) 29th january $12.95 Denpasar Bali (DPS) to Singapore (sin) 26th february $21.95 Singapore (sin) to Cebu on 29th February $17.65 ( Essa foi comprada em outra promoção do dia 6 de junho) Total no cartão das compras do dia 05 de março =1,219 reais Cebu to Manila $17.78 133 reais com Cebu Pacific Manila para São Francisco 1223 reais com a edreams no dia 21 de março São Francisco para São Paulo no dia 25 de março 953,53reais somente volta com a Copa Airlines Total de passagens para a viagem 1,219+953,53+1223+133+740+150+203+210+155+163+134+110+62+59+41+10+7+4+52+20+24+90+110+129+1103+60= R$5946.74 Total passagens ( esse valor não engloba as passagens dentro da Armênia e os transportes públicos dentro das cidades ) E agora o Relato... Lisboa do dia 25 de Abril ao dia 26 Cheguei ao meio dia do horário de Lisboa. A imigração estava cheia e fiquei uns 30 minutos na fila. Quando chegou a minha vez o oficial me perguntou: Quantos dias iria ficar?80 dias . Profissão no Brasil? Day Trader Se pretendia trabalhar na Europa ? não Porque vou ficar tanto tempo? Estou em uma viagem de volta ao mundo qual é a verba para algo assim? Respondi que estava em uma viagem low budget e que queria gastar no máximo 40 mil ( menti haha) mas achei que se falasse a verdade ele duvidaria de mim. Ele perguntou qual seria minha passagem de saída e disse que da primeira vez seria para Belgrado e depois entraria novamente para a Atenas depois iria para Istambul e não voltaria mais para a área de Schengen. Ele foi muito gentil, sorriu e me deu meu passaporte e eu saí o mais rápido possível de lá . Peguei um metrô que me deixava a uns 20 minutos a pé do hostel ( Hostel Kab +1 ) foi um total de 10 euros a diária. Tomei um banho, enchi minha garrafa com água da torneira ( a moça que estava lá falou que bebia todo dia e eu resolvi arriscar ) e fui andar pela cidade. Já conhecia Lisboa de viagens passadas então dei preferências aos lugares que mais gostei. Comecei indo a pé para a Basílica da Estrela e ao parque Jardim da Estrela onde lá descansei por uns 30 minutos . Depois fui a pé para o Miradouro do Parque Eduardo VII. Era feriado na cidade (25 de abril ) e muitos(as) portugueses(as) nas ruas perto do parque manifestando sobre os direitos das mulheres. Fiquei pouco tempo lá fugindo dessa multidão e desci a Avenida Liberdade e fui para o Miradouro São Pedro de Alcântara. Fui para a região de Baixa-Chiado onde fica o Elevador Santa Justa e passei em um supermercado que chama Pingo Doce ( o mais barato de todos na minha opinião) e comprei 4 ovos, alface e batatas e uma barra de cereal . A esse ponto já estava com fome pois minha última refeição foi um café da manhã no avião da TAP . Tudo deu 2.10 euros. Fui andando para a Praça do Comércio e depois o Mercado da Ribeira. Fiquei lá por um tempo observando as pessoas e o movimento e fui logo para o hostel . Jantei, vi o jogo Bayer vs Real Madri pela Champions ganhei uma cerveja de um português, conversei com o pessoal da sala da TV e fui dormir Total gasto em Lisboa : 17 euros Dia 26 Paris Acordei de manhã e fui logo para o aeroporto peguei o metrô na Cais do Sodré, cheguei no aeroporto e embarquei para Paris com a TAP. O avião serviu um lanche ótimo e como sentei no fundo a fui contando da viagem para a aeromoça e ela meu deu mais um sanduíche e uma lata de coca para eu comer e beber depois. Na saída do aeroporto um casal de brasileiros que não falavam nada de francês ou inglês estava tendo problemas em pedir um taxi no aeroporto . Eu falei que estava indo para a região da Torre Eiffel e que poderia levá-los ao hotel que era caminho de onde ia só que eles tinham que ir de ônibus comigo haha. Eles não se importam pois tinham somente 2 malas no total e foram comigo . O casal se ofereceu para pagar meu ticket que custava 8 euros ( orlybus) mais o metrô até a torre 1.8 euros eu não queria aceitar mais ele insistiu e resolvi aceitar . Eu levei eles até o hotel e me despedi. E agradeci novamente pelo tickets. Fiquei 1 hora na região do trocadeiro e a torre. Comi meu sanduíche e fui para o aeroporto Orly de novo com destino a Barcelona . ( Também já conheço Paris só não queria ficar 8 horas no aeroporto esperando meu próximo vôo por isso fiquei somente na região da torre observando a paisagem) Total gasto em Paris 9.8 euros ( tickets de volta) Dia 26 á 05 de maio Barcelona Consegui um Airbnb por 360 todos esses dias .O host não tinha nenhum hóspede antes de mim por isso acho que o valor estava baixo. Foi realmente um achado pois os preços lá normalmente são de 180 euros para cima por todos esses dias em hostels na cidade. Eu fiquei na região perto do Camp Nou e era um pouco longe dos pontos mais turísticos de Barcelona . Mas mesmo assim fiz tudo a pé ( senti um pouco de dor no início pois andava o dia inteiro mas depois acho que meu pé acostumou ) o nome do host é Joe e Dunia e eu super recomendo o apartamento. Tudo muito limpo e cozinha bem equipada . Consegui me manter na meta de 3 euros por dia . Comprava macarrão, ovos, batata, pão , presunto e verduras da promoção para me alimentar . 2 vezes sai com um pessoal da Polônia que fiz amizade no apartamento e comi um Kebab por cerca de 2 euros e dividi uma pizza baratinha com o pessoal mas não extrapolei minha meta no final das contas. NoAirbnb Dunia preparou para mim uma paela com frutos do mar e achei uma delícia era a primeira vez que provava uma Paela e amei . Quanto aos passeios acredito que fui na maioria dos lugares mais conhecidos. Incluído Montserrat que paguei 35 euros com direto ao funicular. Total gasto em Barcelona 3 euros para sair do aeroporto 35 euros para ir a Montserrat 23 euros com comida e supermercado Segue as fotos ( se estiver dica de como colocar as fotos abaixo do texto me falem pois só vejo a opção de colocar no final do relato)
  5. 1 ponto
    [t1]AVIÃO[/t1] [t3]CHEGANDO DE AVIÃO - VOOS INTERNACIONAIS[/t3] Diversas empresas operam do Brasil para o Canadá, desde a nacional Air Canada até as americanas (que geralmente não tem voos diretos, somente com conexões nos EUA). AIR CANADA: http://www.aircanada.com.br'>http://www.aircanada.com.br tel. 1 888 247 2262 (Canadá) tel. (11) 3254-6600 (São Paulo) tel. (21) 2220-5343 (Rio de Janeiro) AMERICAN AIRLINES: http://www.aa.com.br tel. 300 789-7778 tel. (11) 4502-4000 (São Paulo) DELTA: http://www.delta.com tel. 4003-2121 tel. 0800 881 2121 UNITED AIRLINES: http://www.united.com.br [t3]CIRCULANDO DE AVIÃO - VOOS DOMÉSTICOS[/t3] Em função das grandes distâncias, ir de uma cidade à outra de avião é uma opção bem razoável, e o Canadá tem uma malha aérea bem completa. Além disso, o avião chega ao norte do país, por exemplo, região em que a rede rodoviária e ferroviária é deficiente ou inexistente. Empresas domésticas: AIR CANADÁ: http://www.aircanada.com ou http://www.flytango.com http://www.4321zip.com http://www.flyjazz.ca AIR NORTH (Yukon): http://www.flyairnorth.com tel. (867) 668 2228 AIR TRANSAT (Montreal): http://www.airtransat.com BEARSKIN AIRLINES (Thunder Bay, Ontário): http://www.bearskinairlines.com FIRST AIR (Ottawa, para o norte remoto): http://www.firstair.ca WEST JET (Calgary, Alberta): http://www.westjet.com PORTER AIRLINES (Toronto): http://www.flyporter.com [t1]TREM[/t1] [t3]VIAJANDO DE TREM PELO CANADÁ[/t3] A rede ferroviária no país é administrada pela Via Rail. Apesar da redução de várias linhas na década de 1980, ainda circulam cerca de 500 trens por semana, cobrindo uma área de aproximadamente 13.000 km. Além da Via Rail, nas cidades maiores existem empresas locais, como a BC Rail em Vancouver. Linhas especiais: A Algoma Central Railway, em Ontário, cruza belas paisagens de junho a outubro. (S.Ste. Marie - Agawa Canyon) A Ontario Northland Railway, opera com carga e passageiros. O polar bear express opera uma linha de verão para os que desejam contato com a natureza do norte do país. A Rocky Mountaineer Rail Tours, liga Vancouver a Calgary, passando por Banff ou Jasper, proporcionando a vista de lindas paisagens nas montanhas rochosas. mais informações: VIA RAIL: http://www.viarail.ca ALGOMA CENTRAL RAILWAY: toll-free 1 800 242 9287 ONTARIO NORTHLAND RAILWAY: tel 1 800 461 8558 ROCKY MOUNTAINEER RAILTOURS: http://www.rockymountaineer.com [t1]CARRO[/t1] [t3]CIRCULANDO PELO CANADÁ DE CARRO - ALUGUEL DE AUTOMÓVEL[/t3] A exigência de cartão de crédito internacional é pressuposto para a locação. Convém ter uma PID - permissão internacional para dirigir, apesar de que em algumas cidades exigem somente a CNH brasileira e o cartão de crédito internacional para se alugar um carro por até 3 meses. Além disso, é preciso, junto com o valor do aluguel, calcular o valor do seguro, exigência legal do país. Para se ter autonomia e liberdade ou explorar regiões mais afastadas, alugar um carro parece boa idéia, ainda mais com a bem conservada malha rodoviária canadense. Os inconvenientes são a dificuldade de dirigir na neve (para aqueles sem experiência) e o alto preço do combustível no país. Nas grandes cidades e aeroportos as maiores locadoras estão presentes. HERTZ: http://www.hertz.com.br AVIS: http://www.avis.com.br NATIONAL: http://www.nationalcar.ca tel. 800 387 4747 Bons mapas, para planejamento de itinerários, conforto e segurança, pode ser obtido nos automóveis clubes. CANADIAN AUTOMOBILE ASSOCIATION: tel. (613) 247 0117 AMERICAN AUTOMOBILE ASSOCIATION: tel. (407) 444 7000 EMERGÊNCIA NAS ESTRADAS 1-800-222-help.
  6. 1 ponto
    Olá galerinha tudo bem com vocês?? Espero que sim Bom.. eu estou começando a planejar meu primeiro mochilão e não tenho muita ideia de por onde começar ... então se vocês puderem me ajudar com dicas, informações e criticas eu ficaria muito agradecido A ideia é passar cerca de 20 a 25 dias na Bolívia, Chile e Peru em Janeiro de 2019... O roteiro que eu estou pensando é o seguinte: Belo Horizonte---> Santa cruz Santa Cruz---> Uyuni Uyuni---> San Pedro San Pedro---( Arica-->Tacna)---> Arequipa Arequipa---> Ica Ica---(Lima)---> Huaraz Huaraz---(Lima)---> Cusco Cusco---( Águas calientes ----> Machu Picchu)---> Puno Puno---> Copacabana Copacabana---> La Paz La Paz---> Santa Cruz Santa Cruz---> Belo Horizonte Minhas duvidas são sobre o que fazer em cada cidade, questão de passeios com ou sem agencia, onde e quanto tempo ficar e quanto mais ou menos ficaria uma viagem dessa (economizando mas sem exageros)... Eu tenho lido alguns relatos aqui mas é muita coisa incrível que o povo conta que dá vontade de fazer tudo Bom é isso, no mais já agradeço a quem se disponibilizar a me ajudar.... forte abraçoo
  7. 1 ponto
    Salve, salve galera mochileira... na terceira semana de julho fiz um mochilão entre Belém (PA) e Barreirinha (MA). Consegui uma promoção da GOL e fiz o Trecho RJ X Belém e São Luis X RJ. Eu comprei as passagens e iniciei o planejamento sozinho, porém uma mochileira Elizabeth me encontrou pelo facebook e então começamos a montar a viagem juntos, ambos somos do RJ. Como aqui a gente sempre pega super dicas e muitas informações sempre válidas e atualizadas, estou fazendo minha parte e contribuindo um pouquinho para o acervo do site. Meu roteiro foi o seguinte: 1º dia - 16/07 – Segunda - RJ X Belém 2º dia - 17/07 – Terça - Belém 3º dia - 18/07 – Quarta - Belém X São Luís X Barreirinhas 4º dia - 19/07 – Quinta - Barreirinhas 5º dia - 20/07 – Sexta - Barreirinhas 6º - 21/07 – Sábado - Barreirinhas 7º dia - 22/07 – Domingo - Barreirinhas X São Luís 8º dia - 23/07 – Segunda - São Luís X RJ
  8. 1 ponto
    Travessia da Serra Fina Full em 3 dias. Subimos, de ataque, aos cumes das montanhas próximas. Relato com fotos e tempos gastos, para ajudar quem quiser a fazer a pernada! Abraço! Travessia da Serra Fina Full - 3 dias.pdf
  9. 1 ponto
    ok... vou querer sim, vou separar as fotos e envio valeu mesmo!
  10. 1 ponto
    Travessia da Serra Fina Full – 3 dias Sabe aquela sensação de que “faltou algo”? Então... havíamos concluído uma grande travessia, que intitulamos de Travessia da Serra Fina Full, acrescendo à travessia tradicional o cume de todas as montanhas próximas. Subimos, de ataque, o Tartarugão, o Ruah Menor (ou Ruah Leste – conforme relato de um montanhista que nos precedeu ali), os Camelos 1, 2, 3 e 4, o São Joao Batista (ou do avião), o Cabeça de Touro...mas não ascendemos ao cume do Ruah Maior (ou Ruah Norte – conforme o relato desse mesmo montanhista precursor). Ou seja, faltara algo. Na incursão anterior, cogitamos entre o subir ou não aquela montanha pelo horário em que começaríamos a ascensão, pois sendo inverno e passando pouco das 15h, seríamos obrigados a descer a noite, com visibilidade quase zero pela neblina que ameaçava formar, por uma região desconhecida, sem trilha e com a temperatura abaixo de 0C. A prudência prevaleceu e não fomos. Terminamos a travessia, mas o não acumear do Ruah Maior nos ficou atravessado... então, quando o Douglas propôs no grupo, que retornássemos à SF e repetíssemos o feito, dessa vez, com o Ruah Maior, não lembramos do cansaço, da fome ou do frio... topamos na hora. A questão agora não era “se”, mas “quando”. Temporada de montanha findando, os compromissos profissionais de cada um conduziram para a única data viável para 2018 ainda: aproveitar o feriado do Dia da Independência, 7/9, que cairia numa sexta. Sairíamos de SP assim que possível, para iniciar a subida à noite e aproveitar o enregelante frescor noturno para caminharmos mais leves, poupando peso e pernas. Só que isso nos traria outro desafio: o feriado cairia na sexta, de forma que teríamos apenas 3 dias nas montanhas: sexta, sábado e domingo. Daríamos conta?!? Procuramos nos lembrar da caminhada anterior, das sobras de tempo, das dificuldades, do cansaço.... Acreditávamos que sim, mas sabíamos bem como subir montanha no papel, na fala, difere da realidade... o somar dos infindáveis passos, o perseverar, independente da falta de folego... balançávamos entre o tentar ou não, quando notamos que seria Lua Nova. Se na travessia anterior a Lua Cheia tudo iluminava, ao ponto de trilharmos com as lanternas apagadas nos trechos de crista... dessa vez teríamos o mar de estrelas por testemunhas do feito. Foi o que bastou para nos decidirmos. Já éramos conhecedores das incríveis fotos da via láctea a partir da PM, e sabíamos, também que as fotos não faziam jus a real beleza que veríamos. Ao grupo original (Douglas, Marinaldo, Rodrigo e Rogério) somaram-se alguns amigos que acreditávamos darem conta da empreitada: Leonardo, Adilson, Zagaia. Compromissos familiares, complicações de saúde prejudicaram a participação do Adilson e do Rodrigo. Sob recomendação do Zagaia, passamos a contar com a Areli, que apesar de nunca ter feito trilha de montanha aqui, tinha na bagagem larga experiência em ambientes frios e estava treinando para uma corrida de aventura de 300 km. Não nego que a qualificação do grupo me intimidava... todos em excelente forma física e eu apegado ao meu sedentarismo... ante os insistentes (e pertinentes) alertas do Marinaldo quanto ao esforço físico que nos esperava, deixei minha habitual inércia e me obriguei a duas semanas de academia, com frequência quase perfeita. A posteriori, posso dizer que foi isso que evitou um constrangedor pedido de resgate, por total exaustão física. Nos encontramos nas catracas do metro Barra Funda às 15h, demos cabo do primeiro desafio dessa jornada, acomodando 5 cargueiras, uma dama e 4 marmanjos num (modelo do carro?) e partimos para Passa Quatro. Na estrada, o Leo nos informou de que o conserto da Kombi ainda se arrastava. Procuramos otimizar os tempos previstos e concluímos que iniciar a trilha após as 23h colocaria em risco o êxito do primeiro dia. Então, se o Léo não conseguisse estar em Passa Quatro a tempo de partirmos para a Toca do Lobo até as 22h30, partiríamos sem ele; com a possibilidade dele nos alcançar pelo Paiolinho e seguirmos juntos. Com o avançar das horas, ficou claro que o Léo não poderia nos acompanhar, pelo menos nesse primeiro momento, de forma que acordamos com a Patrícia (que faria nosso resgate) que iríamos direto para a casa dela e partiríamos assim que possível. Primeiro dia A Patrícia nos deixou perto da Toca do Lobo, pouco antes das 23h e, rapidamente, nos equipamos e nos colocamos a caminhar. Mochilas leves, a maioria com um litro de agua apenas, em pouco tempo chegamos à Toca do Lobo onde fizemos a primeira foto, ajustamos as cargueiras e iniciamos a travessia, pouco após as 23h. Subimos a passo as encostas que nos levariam ao Cruzeiro e, ao pé do Quartzito fiz o primeiro reabastecimento de água, completando meu inventário para 1 litro. Enquanto eu buscava água (e tirava minha primeira foto dessa travessia, uma “flor de maio”, avistada ainda em botão na travessia da SF com meu filho, há pouco mais de um mês, se mostrava agora perdendo o viço em consonância com o findar da temporada). Os amigos aguardavam, lanchando e curtindo o visual na brisa gélida da crista e assim que retornei, recomeçamos a ascensão. Em pouco tempo, caminhávamos pelo encantador Passo dos Anjos, onde a SF revela a origem do seu nome...mesmo sob as luzes da lanternas, não deixa de impressionar como a crista se estreita naquela parte...aproveitávamos os trechos de ascensão mais suave para retomar o folego, já que nossa intenção era prosseguir sem paradas até o alto do Capim Amarelo. Subíamos pouco ansiosos, confiantes do planejamento e validando a estratégia de caminhar à noite e minimizar o peso nas cargueiras. Encontramos um pedaço de bastão de caminhada e passamos a levá-lo conosco, certos que em pouco tempo encontraríamos seu dono. De fato, não tardou, e num dos pontos de acampamento dos falsos cumes do CA, encontramos dois colegas montanhistas acampados há pouco, ainda com chocolate quente nas panelas... restituímos a parte perdida, conversamos um pouco, tomamos uns goles de chocolate quente e retornamos a caminhada. Pouco depois das 2h alcançamos o cume do CA. Fizemos uma breve parada, substituímos o livro de cume, que já não apresentava espaços em branco e após a devida preparação do livro, identificando o nome do cume, sua localização, data, responsáveis pela guarda, etc, registramos a composição do grupo, objetivo e horário de partida, descansamos alguns minutos, procurando não perturbar muito aos montanhistas acampados ali e retomamos a caminhada, buscando assegurar a descida do CA pela trilha correta, bem à esquerda. Sem grandes dificuldades, descemos o CA, notando ao passar pelo Maracanã que havia pelo menos mais sete barracas armadas.... de fato, o último feriado dessa temporada prometia que a SF estaria lotada de caminhantes... não nos afetava, já que estaríamos quase que todo o tempo fora da trilha mais batida. Havia uma remota possibilidade de termos algum contratempo com a lotação da serra, no acampamento do primeiro dia, no Vale do Ruah. Para essa eventualidade, cogitávamos acampar aos pés do Ruah Leste, o que exigiria atravessar o capim à noite. No Maracanã, nos abastecemos com o suficiente para a caminhada até o Rio claro, na base da Pedra da Mina. Flor na encosta do Quartzito Foto: Rogério Alexandre Cristais de gelo Melano: Foto: Rogério Alexandre De forma geral, partimos com pelo menos dois litros, sabedores que, com o nascer do Sol, o consumo de água aumentaria. Com poucas paradas, em breve estávamos começando a longa ascensão do Melano, um dos desafios propostos quanto à regularidade da caminhada, já que queríamos apreciar a alvorada em sua crista, de forma a permitir registrarmos o nascer do sol com a lua minguante ainda visível no céu. Caminhávamos compenetrados, procurando aproveitar os trechos planos para trocarmos ideias e retomarmos o folego. Talvez pela adrenalina do desafio, a caminhada transcorreu rápida e alcançamos a crista do Melano perto das 5h30, passando sobre diversas poças de agua congeladas nas encostas. Fizemos uma parada para um rápido lanche e retomamos a caminhada, agora em passo mais tranquilo, apreciando o dia que nascia. Nascer do Sol e Lua Minguante visto na crista do Melano. Silhueta da PM contra o sol nascente. Fotos: Douglas Garcia Tocamos em frente pelo sobe e desce da crista do Melano, ganhando altitude devagar, na diferença entre as subidas e descidas infindáveis desse trecho. Aproveitávamos para apresentar para a Areli, as montanhas que havíamos passado desde o início da caminhada, as montanhas que subiríamos antes de acamparmos, nominá-las, fazer comentários e contar causos de pernadas anteriores por aquelas plagas. Isso nos distraia, e, quase sem perceber, alcançamos a base da cachoeira vermelha, às 8h. Preparamos as mochilas de ataque com material para emergência, lanches e água, guardamos as cargueiras nas moitas, atravessamos a cachoeira vermelha, buscando a trilha que começa bem próxima da sua queda. Fomos ganhando altitude aos poucos, pelo ombro do Tartaruguinha, quase que sem nenhum vara-mato e em pouco tempo estávamos aos pés do Tartarugão. Seguimos a mesma técnica da vez anterior, avançando meio que em paralelo, para minimizar a possibilidade de um acidente com as pedras soltas, que são abundantes nessa face da montanha. Com as inevitáveis paradas para descansar, levamos cerca de meia hora para alcançar o cume da primeira montanha fora-da-rota da travessia planejada. Fizemos uma pausa, contemplando a paisagem, retomando o folego e lanchado. Verificamos que haviam poucos registros no livro de cume, uma incursão de um colega de montanha, desbravador de ambos os Ruah Norte e Leste. Registramos os nomes do grupo, algumas impressões da caminhada e das nossas intenções, horário de partida e destino, acrescemos dois saches de mel no kit perrengue deixado antes, guardamos tudo no tubo de cume e partimos para explorar parte dos ombros do Tartarugão, avaliando possíveis alternativas para uma travessia a partir da face sul da PM, subindo a partir do Vale do Paraíba. Essa avaliação acabou por consumir um tempo precioso pois descemos o Tartarugão em direção a PM e na face sudeste bem à direita de quem está de frente para a PM encontramos um ponto de agua corrente, onde nos hidratamos. Por outro lado, essa investigação nos causou considerável transtorno para retornar, pois os trechos de lajes na base são intercalados com trechos de vegetação o que exigia varar o mato, com considerável dispêndio de energia e tempo. Procurando manter a altitude, fomos costeando as encostas do Tartarugão e do Tartaruguinha, buscando a direção da Cachoeira Vermelha, onde chegamos às 12h. Pedra da Mina vistas do Tartarugão. Foto: Marinaldo Bruno Contemplando o Vale do Rio Claro. Foto: Douglas Garcia Retomamos as mochilas e seguimos para a PM, passando pelo Rio Claro, onde nos hidratamos e coletamos água apenas para a subida da pedra, uma vez que acampando no Ruah, teríamos fartura de água. Apreciando o visual, fomos ganhando altitude e, perto das 13h estávamos a 2978m, no cume da PM. Encontramos o Rafael preparando o acampamento para um grupo que o Cainã, ambos guias na SF e amigos de outras caminhadas, que fizeram a gentileza de cuidar das nossas cargueiras enquanto descíamos em direção ao acampamento da base da PM, no sentido do Paiolinho, por onde atacaríamos o Ruah Norte. Sabe aquela história de barraca voando? Então, por pouco não conseguem alcançar uma delas a tempo, rs... Do acampamento base, fizemos uso do tradicional trepa-pedra para descermos a encosta da área de acampamento na base da PM em direção ao Ruah, na sua extremidade NO. Atravessando o vale pelas lajes de pedra, cruzamos com um pequeno curso de água, avaliamos a direção pela qual faríamos o vara-mato da subida e tocamos para cima, com o Douglas abrindo a passagem e os demais procurando facilitar a volta, quase consolidando uma trilha... mas a verdade é que a passagem de 5 pessoas por ali, sem outros que a repitam, talvez não seja perceptível na próxima temporada. Sob sucessivos alertas de “caminho errado” e “voltem” dos companheiros de montanha que chegavam na PM via Paiolinho, com pouco mais de 40 minutos de vara mato, para total deleite da Areli, alcançamos o cume. Sob congratulações mútuas, entre respirações ofegantes, apreciamos por uns minutos o visual que se descortinava... ângulos incomuns da travessia, detalhes de ambas as faces da PM e das montanhas ao redor enchiam nossos olhos. O sentimento de respeito, ante a enormidade do que propúnhamos fazer, grassava em nosso peito, dividindo espaço com a sensação de superação e ineditismo. Verificamos no livro de cume, colocado pelo Douglas pouco mais de um mês antes, a ausência de outros registros, acrescemos ao “kit perrengue” um cobertor de emergência e dois saches de mel. Tomamos o último lanche do dia, descansamos um pouco e lembrando que ainda precisaríamos de duas horas para estarmos com o acampamento montado, iniciamos a descida do Ruah Norte procurando refazer o caminho trilhado na subida. Pegamos um pouco de água no pequeno curso que escorre na passagem e voltamos sob os nossos passos até a parede quase vertical do acampamento base. Usando a já consolidada estratégia de ataque em rotas paralelas fomos tocando para cima até atingir a área de acampamento na base da PM, onde nos reagrupamos antes de subir a PM, na rota tradicional de quem chega pelo Paiolinho. Havíamos cogitado descer a PM com as cargueiras, para depois cortar pela trilha que ouvimos existir na encosta da PM, ligando a área do acampamento base com o Ruah, mas abandonamos essa ideia pela segura, ainda que mais cansativa, opção de descer e subir a PM de ataque, pelo caminho já conhecido. Subimos em passos largos, recuperamos as mochilas e seguimos para o vale do Ruah, onde acamparíamos. Iniciamos a segunda descida da PM com o sol buscando o horizonte, e pouco antes do anoitecer, estávamos com as barracas prontas para a noite. Como cuidados adicionais, ante a afamada geladeira que o Ruah se transforma à noite, colhemos porções de palha para colocarmos sob as barracas, dando preferência para as folhas mais secas, que por conterem menos água são mais eficazes como isolamento térmico. Cedi meu cobertor de emergência ao Marinaldo, que, apesar da minha insistência não aceitou ficar com o saco de bivaque de emergência. Fizemos a primeira refeição quente, conforme o cardápio que escolhemos e que nos foi fornecido, abaixo do preço de custo, pela Livre Adventure Tour. Agradecemos muito pelo apoio, todas as refeições juntas não somavam 2 kg, o que contribui significativamente na redução de peso das cargueiras. Optei pelo espaguete com frango e legumes, porção individual, e que pelas menos de 85g de peso que faziam na mochila constituiu uma excelente refeição, após hidratado com os 240g de água quente recomendados. O processo de liofilização, preserva muito da textura dos alimentos, assim como do sabor e do seu valor nutricional. É sempre recomendável, para quem inicia no uso desse tipo de alimento, planejar com alguma folga, para verificar como se adapta aos tamanhos das porções, principalmente naquelas que servem duas porções. Cansados pela pernada do dia, alteramos os planos de vermos o sol nascer no cume do Ruah Leste, optando por estendermos um pouco o repouso e nos recuperarmos para o segundo dia, que prometia ser tão exaustivo quanto o que se findava. A temperatura caiu rapidamente, meu relógio marcando 8C pouco mais de uma hora após o pôr do sol, e todos se recolheram às barracas, não saindo para nada, após o jantar. Ante a previsão de 2C para a PM, esperava dormir bem tranquilo com o que levava de equipamento: saco de dormir para -4C, meias de trekking, segunda pele leve para as pernas e duas mais fortes para o tronco, luvas e gorro. Por praticidade e cansaço adormeci com ambas as segundas-peles, luvas e gorro... imaginava que acabaria por acordar de madrugada com calor, mas aí já teria recuperado um pouco das forças... e estava tão agradável daquele jeito, usando quase toda roupa que tinha disponível... dois isolantes, um de espuma e outro inflável acresciam conforto e luxo ao necessário. A camada de palha sob a barraca fazia as vezes de colchão e mesmo fora dos isolantes, o contato com o piso da barraca era agradável. Segundo dia Realmente dormi muito bem, acordando apenas às 5:00 como de hábito, quando na montanha ou muito ansioso com algo. As surpresas começaram ao constatar a condensação congelada dentro da barraca, por sobre minha cabeça... pequenas estalactites de gelo pendiam do teto da barraca... curioso, fui verificar a temperatura em meu relógio, que apontava -6C. Isso dentro da barraca... lá fora estaria ainda mais frio! Fiquei no saco de dormir, curtindo o ineditismo do Ruah... Pouco depois, ouvia-se o alarido normal de quando se desmonta acampamento, ainda às escuras e um pessoal acampado próximo de nos informou que o termômetro levado por eles havia marcado -9,6C às 23h e outro pessoal falar em -11,7C. Meus dedos do pé doíam de frio e, vencendo a preguiça com algum receio, saí do saco de dormir para verificar o estado em que eles se encontravam. As pontas dos dedos estavam muito avermelhadas, e temi que estivessem queimados de frio... fiz uma massagem vigorosa em ambos os pês e mesmo a cor não normalizando, senti-me um pouco melhor. Como não sairíamos em seguida e não curto ficar à toa na cama, vesti calca, calcei botas, coloquei o saco de dormir dentro de um estanque e sai da barraca para caminhar e ver o sol terminar de nascer. A esperança de que, caminhando os dedos parassem de gritar de frio não se concretizou, mas a beleza do sol nascendo entre o Ruah Leste e a PM compensava o desconforto. Pouco depois, o sol incidia sobre a encosta da PM e, após despir a segunda pele das pernas, peguei a mochila de ataque, preparada na véspera e avisei aos amigos que iria esperá-los tomando um pouco de sol. Subi um pouco e fiquei admirando o vale do Ruah, branco pelo gelo que cobria o capim ainda que as moitas superassem a altura de um homem. No ano anterior, em minha primeira travessia ele estava ainda mais branco, com o gelo no capim subindo as encostas. Talvez seja isso que encante tanto na natureza, nas montanhas... tudo está lá, nada mudou... mesmo assim, a experiência sempre é inédita, a vista sempre é outra. A viagem não é apenas pelo exterior, mas trilha-se para dentro também... para a alma. Agrupamos e partimos, às 6h30 para o ataque ao Ruah Leste, que com 2640m de altitude faz o limite leste do Vale do Ruah e fica à direita de quem, na travessia caminha em busca do Cupim de Boi. As mochilas de ataque continham além dos kits de perrengue, de primeiros socorros, água e lanches, os materiais que usaríamos nos livros de cume que iríamos passar antes de retornar ao acampamento: o próprio Ruah Leste, os Camelos 1, 2, 3 e 4, o do Avião e o São João Batista. Alcançamos o primeiro cume do dia às 8h10, fizemos uma parada para café da manhã com as frutas liofilizadas, chocolates, queijos e guloseimas trazidas, curtindo os diferentes ângulos das montanhas da Serra Fina. Verificamos não haver registros no livro de cume desde nossa incursão anterior, apontando que, mesmo tão próximo a concorridíssima trilha da travessia, ainda há montanhas tranquilas, bastando ter a disposição de ousar um pouco mais e fugir do convencional. Acrescemos alguns itens (mel e cobertor de emergência) ao tubo de cume, considerando que possam ser de grande valia para algum colega num eventual perrengue explorando os arredores da trilha tradicional. Pouco depois, 8h20 iniciamos a descida em direção ao Ruah, onde um vara-mato nos aguardava, mirando alguma laje que abreviasse o sofrimento. Pouco antes das 9h, passamos pela lata de sardinha deixada por algum excursionista pioneiro, dessa vez não confabulamos entre leva-la ou não... o estado de corrosão apontava algo muito antigo e estando colocada sobre uma parte mais elevada da laje, ela claramente tinha a intenção de marcar um ponto de passagem, e na caminhada anterior já havíamos deliberado mantê-la ali, pelo menos enquanto seus restos fossem reconhecíveis. Curiosos com a história que havia ali, condensada naquelas poucas gramas de folha de flandres, subimos buscando o colo entre o Pico do Avião e o primeiro dos camelos. A partir dali, viramos em direção norte e tocamos para cima, chegando aos 2550m de altitude do cume em pouco mais de 30 minutos de caminhada. Mantendo a mesma direção, descemos em direção ao colo entre os Camelos 1 e 2, atravessamos com cautela pela maior exposição do trecho e tocamos para o cume do Camelo 2, quase tão alto quanto o anterior. A diferença de altitude entre os dois não ultrapassa 20 m. Nesse cume, havíamos deixado, na incursão anterior um tubo de cume, cujo o único registro era o da nossa passagem, na travessia full anterior. Da esquerda para a direita: Três Estados, Cupim de Boi e Cabeça de Touro, vistos a partir do Camelos 2. Foto: Douglas Garcia Ali registramos nossa passagem, acrescemos o mel ao material de emergência deixado anteriormente, retomamos um pouco o folego e partimos para o Camelos 3, alcançando às 10h15 os 2480m de altitude do seu cume. Para o Camelos 4, o caminho começa pela lateral direita descendo a encosta íngreme e seguindo o vara-mato desbravado na passagem anterior, à esquerda. Apesar de já haver palmilhado a passagem, ainda havia o receio de buracos e fendas e, paradoxalmente, exatamente no momento em que eu alertava a Areli e o Zagaia da possibilidade de haver buracos escondidos na vegetação e da necessidade de cautela, encontrei um deles e sumi, diante dos olhos dos dois, quase como em um passe de mágica... enquanto caía, esperava que a vegetação me freasse a queda, como isso não aconteceu, tratei de agarrar o que tinha à mão, e, às custas de dois cortes maiores nas luvas (de couro, grossas) que não se aprofundaram muito nas mãos, freei minha descida e me vi de ponta cabeça a uns 4 m abaixo dos pês do pessoal. Gritei informando estar tudo bem, e procurei me firmar antes de escalar a encosta, usando a vegetação como apoio. Nesse momento meu receio era que os tufos de capim e os poucos bambus que me via aqui e ali, não suportassem mais peso que apenas o meu e cedessem, caso alguém buscasse me ajudar ou caísse também. Refeitos do choque do susto, retomamos a caminhada com mais cuidado, uma vez que os trechos seguintes são de exposição bem maior e uma errada como a de poucos minutos antes, quase certo de que teria consequências graves. Passamos pelas partes de exposição com bastante zelo, procurando não dedicar mais que um olhar de relance à paisagem por mais espetacular que fosse. Da mesma forma que na vez anterior subimos pela direita de forma a evitar ter que dar um “salto de fé” para cima. Com maior cautela, alcançamos o totem que erguemos na vez anterior, às 11h20, fizemos uma parada maior, registramos a passagem pelo livro de cume, aproveitando para revestir duas pedras maiores com parte de um cobertor de emergência danificado. Acrescentamos os saches de mel ao material de emergência, descansamos um bocado e partimos explorar os arredores... a crista dos camelos tem um quinto cume, cerca de 30 metros inferior em altitude ao Camelo 4. Aproveitamos bem o tempo observando o PNI, o Cupim de Boi, o Três Estados e curtindo a pausa maior, fizemos um lanche mais substancial apreciando o que havíamos caminhado e o que ainda o faríamos antes de dar o dia por encerrado. CT visto do 5 Camelo. Foto: Marinaldo Bruno Retornando dos Camelos “Toca para cima”. Foto: Douglas Discutimos as alternativas para acampamento entre a base do CT e o bosque na descida do Cupim de Boi. A expectava de descer a encosta do Cupim, à noite e com cargueiras era um pouco apreensiva e concordamos, que se, encontrássemos um lugar, por pequeno e ruim que fosse, acamparíamos no bambuzal e partiríamos de madrugada para ver o sol nascer instalados no alto do CT. Aproveitamos o horário pouco avançado e esticamos até o próximo cume da crista, que seria o “Camelos 5” e curtimos um pouco o visual da SF a partir dali, com vistas inéditas para nós. Iniciamos o retorno com o sol brilhando forte, o que consumia nossas reservas de água, e eu aproveitei todos os filetes de água que encontramos para me hidratar, por fraco que fosse o correr de água, em quase todos consegui uns goles. Já na subida do Morro do Avião, encontramos uma poça maior, onde eu, a Areli e o Zagaia nos fartamos de beber. Continuamos a subir, buscando o cume do pico do Avião, alcançado pouco antes das 14h. Estávamos dentro do planejado, então fomos até os destroços do avião monomotor na encosta antes de retornamos ao acampamento e arrumarmos as cargueiras para o restante da pernada do dia. Seria o trecho que faríamos com o inventário de água totalmente ocupado, pois não teríamos agua até o final da tarde do dia seguinte. Com as cargueiras arrumadas, partimos para nos abastecer de água na cachoeira que o Rio Verde faz, na parte em que o vale se estreita entre o Ruah Norte e Ruah Leste. Procuramos nos hidratar bastante considerando a previsão de mais um dia sem nuvens, sem disponibilidade de termos acesso a outro ponto de água antes das 17h, já na saída da trilha. Ficamos quase meia hora na pequena queda, alguns de nós aproveitando para tomar um rápido banho nas frescas águas. Eu, levando em conta que o sol já ameaçava deixar o vale, optei por postergar mais uma vez meu banho naquelas águas. Nesse ponto, nos abastecemos de toda água possível nas mochilas e no corpo, buscando a melhor condição para a pernada final. Caprichamos nos ajustes das cargueiras, que agora fariam valer sua capacidade de transferir a maior parte do esforço para os quadris. Com 4l de água, minha mochila pesava pouco mais de 14kg, e, com os benefícios da observação à posteriori, devo dizer que 4l eram “pouco”. Imaginava terminar o último dia com água contada, carregando o mínimo de peso e administrando o consumo. Houve quem pegasse 6l e nenhum de nós imaginava esbanjar o precioso líquido. Com os últimos raios de sol se perdendo atrás da PM, deixamos o Ruah para a derradeira caminhada do dia, com destino ao bosque de bambus à direita do Cupim de Boi. Com as mochilas em seu peso máximo dessa travessia, caminhávamos de forma tranquila, procurando preservar o fôlego e as forças para o dia seguinte. Pouco antes das 21h estávamos no bosque, com as barracas montadas, nos preparando para dormir algumas horas, já que o planejado era partirmos antes das 4h para acompanharmos o nascer do sol a partir do cume do CT. Tranquilizamos o pessoal de outro grupo que já estava ali, e que havia se dividido ao longo do dia. Parte dos montanhistas desse grupo tinha chegado ao ponto em que acampamos na véspera, no Ruah, aos pés da PM e ficara no aguardo de alguns retardatários. Estimamos que eles tardariam no máximo duas horas, porém, com o cansaço e a progressão à noite pouco confortável, eles optaram por armar acampamento antes do Cupim, numa área de acampamento alternativa. A expectativa de um visual inédito nos inebriava, e com o cansaço do segundo dia apoiando, rapidamente adormecemos. Decidi não cozinhar e poupar água para o dia seguinte, decisão que se mostraria bastante oportuna. Apesar de não estar com fome, já que passara o dia com diversos petiscos, me obriguei a comer pelo menos uma barrinha de cereais; ou melhor, tentei me obrigar... o sono e o cansaço venceram e adormeci com a barrinha na mão... rs... a noite foi muito agradável e dormi direto, sem interrupções, depois que desisti de utilizar o isolante inflável... o saco de dormir teimava em escorregar de sobre ele, mesmo ante a suave inclinação em que minha barraca fora montada. Felizmente, era uma questão de luxo, de forma que apenas coloquei o isolante inflável de lado e adormeci sobre o bom e velho isolante “casca de ovo”. Terceiro dia Confirmando a fama de ser um dos melhores lugares para pernoite na travessia, a temperatura amena no bosque e o abrigado do vento, possibilitaram uma noite de sono espetacular. Acordei 3h30, revisei a arrumação da mochila de ataque feita na véspera e sai da barraca para esticar as pernas enquanto os amigos faziam os últimos preparativos. Por mais que procurasse, não consegui encontrar o estojo com os óculos, e como não queria colocar a lente de contato ainda, para dar um período maior de descanso para as pupilas, coloquei o estojo de lentes na mochila de ataque, junto com soro e um pequeno espelho de sinalização, revisei a mochila, verificando se os itens críticos estavam lá e me preparei para iniciar a caminhada. Partimos no horário previsto, subindo rapidamente o Cupim e virando à esquerda, para alcançar seu cume e voltar a descê-lo, agora agarrando nas pedras e na vegetação. A descida naquele trecho é bastante íngreme, e após alguns minutos tensos, alcançamos a grande rocha que serve de totem natural para os que atravessam o colo entre as duas montanhas. Não deixamos de notar o quanto o caminho estava batido, pela passagem de sucessivos montanhistas. A montanha do começo do ano, nesse aspecto diferia demais daquela que alcançávamos de forma tão desimpedida. Na minha primeira incursão naquela montanha, ainda no início da temporada de montanhas de 2018, foi necessário dispender um tempo considerável para avaliar por onde passaríamos e quais pontos de referência teríamos ao estar no colo e depois varando o mato que apresentava, apenas aqui e ali, marcas de já ter sido desbravado anteriormente. Eu caminhava em passo mais lento que os demais, já que a minha visão era bastante limitada. Quando o Zagaia comentou ter visto água próximo à trilha, lembrei-me de que, no vara-mato do começo do ano, eu havia visto uma pequena lagoa, à esquerda da trilha. Com a trilha mais aberta, avançamos mais rápido do que havíamos planejado, e seguindo a velha estratégia de ataques paralelos, visando minimizar o risco de uma pedrada amiga, alcançamos o cume 6h30, a tempo de ver o nascer do sol na direção do Agulhas Negras. Fizemos uma pausa para um lanche à guisa de café da manhã. Aproveitei a parada mais longa para colocar, sem pressa, a lente de contato... com 5,25º de miopia, garanto que os contornos das montanhas mudam sensivelmente. Um arrepio me passou pela espinha, lembrando da descida do Cupim, tateando cada passo no que o colega da frente fazia, quase que às cegas. Curtimos bastante o cume, exploramos rapidamente duas de suas cristas, passando pelos destroços do bimotor e instalamos um novo tubo de cume num pico mais afastado à 2580m de altitude, após os destroços do avião. Junto com esse livro de cume, colocamos um kit perrengue minimalista, haja vista que ali não se pode contar com a chegada providencial de outro montanhista para lhe “safar a onça”. Nascer do sol a partir do Cabeça de Touro Sombra do CT na Pedra da Mina Fotos: Marinaldo Bruno Após estudar brevemente com o Marinaldo, a crista sudeste do CT, eu e o Douglas encontramos com o Zagaia e Areli que retornavam para o cume vindo da parte onde estão os destroços do avião. Combinamos de iniciar a descida do CT no mais tardar às 8h e nos apressamos com a instalação do tubo complementar, buscando iniciar a descida com o restante do grupo ou pouco atrás. Com o cansaço da subida, parte do grupo iniciou a descida pouco antes de nós, porém como desciam mais devagar nos aproximamos deles rapidamente. Novamente, utilizamos a estratégia de descer em linhas paralelas, cuidando para que alguma rocha eventualmente deslocada não atingisse ninguém abaixo. Com isso, em pouco tempo estávamos à margem do colo entre o Cupim de Boi e o Cabeça de Touro. Marinaldo, Areli e Zagaia, já estavam no colo, buscando a lagoa vista a partir da trilha de ida. A questão é que não encontraram o caminho da ida e estavam varando mato, na busca das referências: peladona e peladinha. Confiando na impressão e no que lembrava da ida, esquecendo que a fizera quase que às cegas, busquei a trilha que havíamos passado pouco antes com a intenção de coletar um pouco de água na lagoa que existe ali. Com a informação de que o pessoal que havia descido antes não estava voltando por ela, supus que a trilha estaria mais para a esquerda e fui no vara-mato buscando interceptar a trilha. Acontece que, por causa da pouca visão na ida ou não, a trilha estava à minha direita. Quase que certamente a trilha estava ali, entre a minha posição e a posição dos 3 (Marinaldo, Areli e Zagaia). Como segui à direita, conforme varava o mato, me afastava cada vez mais da trilha correta e o vara-mato ficava cada vez pior. Sem perceber eu descia, por entre as moitas de capim que, superavam os três metros de altura. Em pouco tempo, do chão eu não conseguia mais nenhuma referência visual, e apesar de estar com GPS ainda queria fazer a navegação visual. Para conseguir ver por sobre o capim e me orientar, escolhi duas moitas próximas e tratei de “escalar” elas até ter um panorama do entorno. Do alto das moitas, tudo que eu via era capim, o CT e o Cupim, de forma que ajustei o rumo para a encosta do Cupim, pois sabia que costeando a base havia grandes lajes de pedra que fariam o avançar menos custoso. Gritei “oi” buscando que a resposta indicasse a posição dos outros e não logrei escutar nenhuma resposta... apesar de saber que estavam lá, foi muito inquietante... Procurei avançar por cima das moitas, e por certo tempo se desenhou como solução ... Posso dizer que “nadei” no capim, ali... pois apesar de todo o esforço parecia que eu não avançava “nada”.... encontrei uma rocha que se destacava no mar de capim e tentei galgá-la num pulo, mas o capim sobre o qual eu me equilibrava cedeu quando dei impulso, me fazendo errar o pulo e acertar a borda da pedra com a canela esquerda... a dor excruciante me fez crer que havia me machucado, mas naquele momento, eu só queria saber de sair dali... dei a volta na pedra, por sob o capim e encontrei um lado que me permitiu galgá-la com êxito. De sobre ela, gritei novamente o “oi” e ouvi a resposta do Douglas perguntando onde eu estava, levantei os bastões e escutei um “estou vendo” muito alvissareiro. Pedi que levantasse as mãos, já que ele não estava com bastões e vi um movimento no capim ... acertamos de irmos um em direção ao outro para depois retornamos pelo caminho que ele abria em minha direção...ainda que o vara-mato ali não fosse tão ruim quanto o que eu havia passado pouco antes, o avanço era muito moroso. Para efeito de comparação, no caminho que percorri através do capim consumi 32 minutos enquanto na ida, atravessamos o mesmo colo em 8 minutos. Estar na trilha, só com o tradicional e cansativo “toca pra cima” da íngreme subida do Cupim de Boi, foi um grande alivio, rs... Com calma e fôlego, parando algumas vezes para que o Douglas apreciasse as Amarilis que cresciam em um jardim escondido,, numa quantidade que ainda não havíamos visto pela SF. Numa das pausas para recuperar o folego, ele comentou que elas seriam o tema provável de seu trabalho de conclusão de curso... identificar habitat, mecanismos de dispersão, a exigência do frio intenso para quebrar a dormência da gema, etc. Achei muito legal, e continuamos a debater o que poderia ser estudado, eu sempre procurando que fosse algo de cunho prático, talvez alguma aplicação fitoterápica. Chegamos ao acampamento no bosque às 10h e rapidamente começamos a arrumar nossas cargueiras para a última pernada do dia. Uma vez que eu, para poupar água e por falta de apetite, não utilizara minha segunda refeição liofilizada, a cedi para o Zagaia e para Areli. Partimos para a última pernada da travessia, às 11h, com o sol rachando tudo e a todos. Alcançamos o cume do Três Estados pouco antes das 12h30, ficamos cerca de 10 minutos recuperando o folego e descansando na deliciosa sombra dos arbustos que insistem em sobreviver ali, apesar de todos os maus tratos que montanhistas menos afeitos à política de minimizar o impacto na natureza lhes impõem. Aproveitei para fazer uma cata dos lixos escondidos em algumas moitas de capim, à exemplo do que encontrara quando ali estive, atravessando a SF com meu filho, pouco mais de um mês antes. Sem muito procurar, acresci à minha bagagem, uma lata de sardinha, uma embalagem de macarrão instantâneo e outras duas de barrinha de cereais. Antes de partir, registramos a passagem no livro de cume, batemos um pouco de papo com um colega de montanha que chegara pouco depois e que iria esperar o resto do grupo em que estava. O sol não dava trégua e como a descida do Três Estados é toda à descoberto, desci procurando poupar a agua, respondendo com monossílabos e procurando manter a respiração controlada. Levamos pouco mais de uma hora para atingir o cume do Bandeirante.... ainda que progredíssemos bem, o sol abrasador fazia parecer que levávamos várias horas ao invés de minutos entre cada cume. No meu caso, a sede era uma presença constante, dominada com curtos goles de água a cada parada para recuperar o folego ou apreciar a paisagem. No Alto dos Ivos, fizemos nova parada e contatamos a Patrícia para programar nosso resgate. Consideramos que levaríamos cerca de 4 horas, a partir dali, para alcançarmos a estrada, colocamos uma margem de segurança de cerca de meia hora, de forma a permitir que andássemos sem pressa e agendamos o resgate para as 19h. Nesse momento eu tinha pouco mais de 1l de água. As poucas nuvens que surgiam no horizonte não bastavam para nos proteger do sol. Decidi que consumiria toda (ou quase) toda a minha agua no trecho mais exposto ao sol, deixando uma eventual sede para o trecho de trilha que percorre a floresta. Dessa forma, considerei levar três horas até o próximo ponto de água, imponto como meta, tomar 300 ml por hora, 5ml por minuto ou 75 ml a cada 15 minutos. Como resultado, o tempo não passava, mas a sede ficou bem administrada, permitindo chegar próximo do ponto de água com cerca de 300 ml que, já sob o abrigo das árvores, tomei em generosos goles. Eu e o Marinaldo seguíamos um pouco à frente, chegando no ponto de água com alguma vantagem em relação aos amigos e, após esperar o grupo que nos precedia se reabastecer, preparamos uma limonada que caiu perfeita: doce e gelada. Dali, segui em frente com a Areli, enquanto os outros procuravam se recuperar e matar a sede com a escassa vazão de água que se apresentava. Fomos perdendo altitude de forma lenta e contínua pela estradinha até o Sitio do Pierre e depois até a estrada, onde chegamos 18h30. Aproveitamos o embalo e subimos um pouco pela estada para tomar sorvete caseiro. Cada um escolheu a parte do gramado que mais lhe agradava e procurou relaxar enquanto esperávamos o resgate, rememorando a caminhada, as paisagens, petiscando o delicioso biscoito de polvilho, avaliando os estragos nos pés e as dores nas pernas. A Travessia da Serra Fina Full, foi a concretização de um sonho antigo... inserir livros e caixas de cumes em alguns dos principais cumes no entorno da PM.... onde, após várias tentativas, mapeando e explorando, avançando a partir dos relatos dos montanhistas percursores, conseguimos realizar. Nesse processo cumulativo de aprendizado e desenvolvimento, percebemos o quanto alguns trechos demandam maior cuidado, até por estarem longe de tudo e de todos, sem sinal de celular ou a passagem ocasional de outro montanhista por diversos dias. Na esperança de apoiar algum irmão de montanha que se veja numa fria nessas partes da SF, tomamos a iniciativa de acrescer aos livros de cume, um material básico para “safar a onça”. Se você que lê essas linhas, precisar utilizar esse material, pedimos que nos avise para que possamos planejar a reposição. Claro que, pelas dificuldades logísticas, consideramos o uso “kits perrengue” na necessidade, não para conforto. Cabe a cada montanhista, novato ou experiente, preservar e cuidar da Mantiqueira, Amantikir para os índios, nascente de inúmeros rios que suportam a vida nas cidades, nas vilas e nas fazendas ao seu redor e ainda mais, a muitos quilômetros de distância. Com certeza, a Serra da Mantiqueira, em sua imponência, é um dos fatores determinantes para o clima que experimentamos no Sudeste. Se você que lê essas linhas, já for montanhista experiente, vá preparado, pois em alguns dos picos fora da rota tradicional, você poderá entrar numa grande “fria” se não tomar as devidas cautelas. Esteja sempre com alguém experiente também, evite se aventurar solo ou considere na preparação eventuais imprevistos. Não descuide do “e se”... há trechos em que não são necessários três erros para um acidente mais grave. Como registrei acima, fizemos parte da caminhada à noite, mas ainda que estivéssemos voltando sobre nossos passos em vários locais, evitamos os trechos menos frequentados à noite, por perder algumas paisagens e pelo risco de algumas passagens. Enquanto escrevo essas linhas, relatando a travessia da SF Full em 3 dias, comentam comigo que há montanhistas que pretendem fazê-la em 2 dias... me perguntam o que acho, e depois de refletir um pouco me vem a resposta: amigo, a montanha não é minha nem sua, ela é de todos que a amam e cuidam, seja do sitiante que planta ao pé da serra, ou do turista "modinha" que posta no Instagram, ela é uma obra de Deus seja você materialista ou espiritualista. Você que lê essas toscas e mal traçadas linhas, saiba: se estiver na montanha e precisar, um bom montanhista vai ajudá-lo no que puder, apenas por estar lá e poder. Vejo isso naqueles irmãos de montanha, que buscam ajudar e orientar desconhecidos, nos guias que, pesados, sobem rindo aquelas encostas que tantos outros se arrastam chorando... e ainda encontram forças para apoiar as equipes de resgate daqueles menos afortunados, seja por que motivo for e independente de sua forma de pensar ou ver a vida... Forte abraço! Nos vemos por essas trilhas desse mundão de Deus!
  11. 1 ponto
    Salve! Já vi este modelo de colchão casal inflável Guepardo sim (em loja). Partindo da premissa de que o peso e volume não será problema para seu perfil de uso, é um bom produto. Os "gomos" transversais dele o tornam bem confortável se comparado a outros modelos similares. O único detalhe dele que não gostei foi o cheiro forte do material (que já percebi em outras marcas também). Não posso opinar sobre a durabilidade dele, mas acredito que seja equivalente à dos concorrentes no mesmo segmento. Saudações,
  12. 1 ponto
    Não.. a regra não é essa... se procurar encontra links para elas... já exaustivamente discutidas neste site. Só respondi neste tópico porque a 2a parte da 1a resposta que te deram está errada. E ele adora responder errado sobre imigração na europa... toda vez! Se vc ficar menos de 90 dias a cada 180 dias, não tem que se preocupar. Pode entrar e sair quantas vezes quiser. Só tem que ter dinheiro e motivo (e passagem e seguro e hospedagem).. O que tentei te explicar é como vc vai ter ficado mais de 90 dias fora quando entrar em dezembro, não tem que se preocupar em fazer contas. Pode ficar até 90 dias.
  13. 1 ponto
    Removi Santiago da rota pois não fazia sentido realmente (embora nosso voo de volta em teoria tem conexão por lá, então seria possível ainda conhecer algo). Achei esse site e montei o que seria o roteiro https://www.rome2rio.com/pt/trip/nnbsmekp @RicardoRM @lobo_solitário Achei a mesma coisa quando os caras foram soltando as ideias mas como todos ficaram animados resolvi pegar umas dicas aqui com vocês @Elder Walker Encontramos como Valle de la Luna fica no Parque Ischigualasto (https://www.dicasdaargentina.com.br/2016/06/valle-de-la-luna-na-argentina.html) perdão pelo vacilo @Silnei Vou dar uma olhada na Tag Obrigado pelas dicas pessoal vou postando aqui
  14. 1 ponto
    Não gosto desse estilo, é particular. Eu preferiria em 16 dias escolher 03 cidades para fazer de base e conhecia outras próximas no esquema bate e volta... Por exemplo: Você fica 02 noites em Milão e no 3º dia você vai para Turim ... Geralmente o check in abre as 14:00... você perde um precioso tempo para esperar ou vai ter que deixar malas em guarda volume de estações ou salas de bagagem dos hoteis/hosteis... o que não deixa de ser um transtorno. O primeiro dia em cada cidade envolve todo um processo de adaptação... Tem a questão do arruma e desarruma mala... dos deslocamentos hospedagem-estações / estações-hospedagem carregando mala ou mochila... é complicado a cada 02 ou 03 dias trocar de cidade... com 10 dias estará cansada dessa rotina... Pouco tempo em Roma!
  15. 1 ponto
    Bom tenho conhecimento de causa porque vivo na cidade. O problema aqui é o mesmo do Rio de Janeiro, São Paulo, Recife... Tem violência, tem! Assalto a carro, a caixa eletrônico, estabelecimentos comerciais... mas onde não tem isso no Brasil? Me indica o paraíso que vou morar la! Os locais turísticos no geral são mais seguros... tem policiamento ... Por exemplo o boêmio bairro do Rio Vermelho, não canso de chegar lá meia noite de UBER e sair 05 da manha! O Pelourinho é seguro de dia e quando tem festas a noite... Recomendo a noite usar UBER. Rola assalto a ônibus coletivo, portanto pegar ônibus sem estar portando muito dinheiro e objetos caros. O metro é seguro. Se for curtir praia, principalmente nos finais de semana, recomendo ir para o Litoral Norte... começando em Villas do Atlântico e subindo a Linha Verde (Ba-099) até Praia do Forte (região Metropolitana de Salvador), precisara de um carro.
  16. 1 ponto
    Esquece esse negócio de mulher viajar sozinha é perigoso. Tudo é muito perigoso se você for atrás do perigo, aí acha mesmo! Tome os mesmos cuidados que tem quando vai a uma cidade grande, só isso. Só tome muito cuidado com uma coisa: apaixonar pela Bahia e ficar por lá mesmo! Lá é demais.
  17. 1 ponto
  18. 1 ponto
    1... errado, ficou 19. O dia de chegada conta (não é diferença entre dias) 2... errado, 25jan. Eles consideram 1 mes = 30 dias. 3... sim. quando entrar dia 29/12, com as informações acima, pode ser autorizada até "Possible stay until 28/03/19" 4... para nós, sim, zera (mas não podemos ficar mais de 90 dias em uma mesma viagem... tem que sair). Na dúvida use esta calculadora do site oficial (brasileiros possuem outra regra, que em algumas situações permite ficar mais tempo): https://ec.europa.eu/home-affairs/content/visa-calculator_en Obviamente, se for ficar muito tempo tem que ter dinheiro e bons motivos, para não ser mandada de volta logo na chegada.
  19. 1 ponto
    AGULHA DO DIABO “Agora não adianta chamar por santo nenhum, quem mandou se meter no Caldeirão do Inferno. Pendurados no meio da Unha da Agulha do Diabo, a gente só pensa em não cair e tenta grudar as costas naquela chaminé diabólica, tentando evoluir centímetro a centímetro, mas a gente sabe que o próprio dono da montanha está lá, sentado logo acima com seu rabo a balançar, como a nos atrair para uma armadilha. Não quero olhar para baixo, mas a curiosidade é maior que o meu bom senso e quando faço isso, o mundo parece dar uma rodopiada e é nessa hora que penso em gritar um “valei-me Nossa Senhora”, mas me contenho a minha insignificância diante daquele colosso de pedra, porque cada um é responsável por exorcizar seus demônios interiores e sigo determinado, sabendo que eu mesmo terei que chutar o traseiro do cão se quiser conquistar aquela montanha. ” Não por acaso que a AGULHA DO DIABO foi escolhida mundialmente entre as 15 montanhas mais bonitas e mais desejadas para se escalar em todo o planeta. Um gigante rochoso tocando o céu no meio selvagem do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, no estado do Rio de Janeiro, a meio caminho entre Teresópolis e Petrópolis, mas por incrível que pareça, mesmo estando no parque por meia dúzia de vezes para a travessia famosa e para escalar o Dedo de Deus, eu jamais consegui por meus olhos nessa formação rochosa e quando os meninos levantaram a possibilidade de escala-la , aceitei o convite sem nem pensar se teria ou não condições de ir ao cume com os meus toscos e rudes conhecimentos do esporte. Havíamos combinado então que, quando o inverno desse as caras, a gente partiria para o Rio, mas a ansiedade de alguns do grupo fez com que antecipassem a tentativa da escalada para maio, data em que eu estava às voltas com uma Expedição Selvagem previamente programada na Serra do Mar Paulista, então fui deixado para trás. Nessa ocasião o grupo que tentou escalar a Agulha cometeu alguns erros de logística, extrapolaram o tempo e dos 7 integrantes, 5 ficaram pelo caminho e somente 2 foram ao cume e assim mesmo tiveram que subir quase ao anoitecer. Diante desse meio fracasso, o Alexandre Alves retomou o projeto antigo que havíamos traçado e para aproveitar um feriado Paulista, resolvemos montar uma equipe 100 % caipira, a mesma equipe que havia conquistado o Dedo de Deus (1.692 m), os mesmo que haviam se juntado um dia para aprender a escalar por conta própria. A equipe inicial seria formada por mim, pelo Alexandre e pelo Vinícius e de última hora surgiu o Dema, mas o Alexandre estava meio com um pé atrás com ele porque fazia muito tempo que o professor não aparecia para treinar e poderia pôr em risco nossa segurança por estar desatualizado quanto aos procedimentos, mas no final, a amizade acabou por falar mais alto que a nossa segurança e essa tomada de decisão seria fundamental para o sucesso daquela “expedição” rumo ao cume daquela diabólica agulha. Foram acaloradas as discussões sobre qual estratégia usar, alguns achavam que fazer um bate e volta apenas com mochila de ataque seria o ideal, já outros discordavam veementemente e insistiam que deveríamos subir com cargueira para estarmos seguros, se desse alguma merda, já que a pedra ficava num fim de mundo escondida no meio de um vale sinistro e potencialmente perigoso, além do mais , se houvesse um fracasso no primeiro dia, poderíamos acampar e tentar num segundo dia, coisa que seria impossível se estivéssemos apenas com mochilinha de ataque, sem os equipos para acamparmos. No fim, nos convencemos de que subir com as cargueiras seria a melhor estratégia e essa tomada de decisão foi a responsável por um dos integrantes, além de nós quatro, picar a mula da escalada, alegando que a gente era doido de enfrentar aquela subida do satanás com mochilas nas costas. Paciência, perdemos um experiente escalador, mas a equipe puro-sangue se manteve e se era para “se lascar” todo naquela montanha, que fosse então com um grupo acostumado a se meter em encrencas e a fazer isso com alegria. Foi então que numa tarde ensolarada de um sábado, que o Vinícius apanhou o Alexandre na rodoviária de Sumaré-SP e passou na minha casa para que eu e o Dema nos juntássemos a eles e partíssemos para Teresópolis-RJ, onde lá chegamos umas sete horas depois, já no início da madrugada de domingo, onde nos refugiámos num posto de gasolina aos pés do Escalavrado(1.410 m) e passamos a noite lá até esperar pela abertura do Parque nacional às seis da manhã. Com o ingresso do parque já comprado antecipadamente e impressos e as devidadas autorizações assinadas, não tivemos dificuldade de acesso e antes das sete da manhã, já havíamos estacionados o veículo o mais próximo possível da barragem e adentramos na trilha histórica que faz parte da Travessia Petrópolis x Teresópolis ou usada para quem quer ir apenas até o cume do parque, na Pedra do Sino (2.275) ou mesmo visitar trocentas outras montanhas de belezas ímpar. No início a subida parece ser bem suave, muito porque estamos todos animados e cheios de energia. O caminho vai se enfiando por dentro da floresta, cruzando algumas pontinhas e menos de uma hora depois chega a uma grande gruta ou toca, onde é possível bivacar com um certo conforto. Não demora muito e damos de cara com a Cachoeira Véu de Noivas, completamente seca, mas já não é grande coisa com água, pelo menos não, se compararmos com as maravilhas que estamos acostumados na Serra do Mar de São Paulo, mas também não viemos aqui atrás de quedas d’água e tocamos para cima, um passo de cada vez, numa subida enfadonha. Eu já havia subido e descido aquela trilha nas duas vezes que estive nas travessias de Petrópolis para Teresópolis e ao contrário e as duas vezes havia odiado aquela parte do caminho, mas pensando bem, acho que odiei pouco, não sei se era pela minha tenra idade com muita mais energia que agora ou porque naquela época tudo me parecia novidade em matéria de trilha, o certo é que aquele zig-zag infernal vai dando nos nervos e só faz aumentar nossa ansiedade de chegar logo na tal Cota 2.000, de onde parte a trilha mais em nível para acessar o tal Caminho das Orquídeas. Quando as curvas acabam, damos de cara com o grande descampado, chegamos ao ABRIGO 3, mas não passa mesmo de um gramado convidando-nos para um descanso, porque abrigo nem existe mais mesmo. Aqui a trilha vai dar uma guinada para a esquerda e vai dar uma nivelada, passar por um mirante também à esquerda. É preciso ficar esperto porque quando o altímetro bater uns 2.000 de altitude e mais ou menos 7,2 km desde a barragem, no início da trilha, precisamos nos atentar para uma saída à esquerda, quase imperceptível. É mesmo uma trilha meio sem vergonha e não há nenhuma placa, nenhuma identificação dizendo ser esse o caminho que vai nos levar para o Mirante do Inferno, ou por negligência do Parque Nacional (grande novidade!) ou por sacanagem de guias e agências que retiram as placas para que ninguém chegue sem seus serviços. Pegando essa bifurcação mencionada, adentramos na direção do tal Caminho das Orquídeas ou talvez seja um atalha para ele. Vamos descendo, agora numa trilha bem mais fechada, quase uma picada e logo que tropeçamos numa bifurcação, pegamos para direita e seguiremos reto até que o mundo se abre à nossa frente num MIRANTE espetacular, com um vale profundo e mais à frente já podemos deslumbrar uma minúscula parte da ponta da Agulha a nos convidar para uma aventura inesquecível. Desse mirante é possível ver também parte do Dedo de Deus e o que é mais interessante é que não é possível ver a Agulha do topo do Dedo e nem ver o Dedo do topo da Agulha, como se Deus e o Diabo nunca pudesse se confrontar. (Dedo de Deus visto do mirante) De cima do mirante às vistas para outras montanhas do parque são deslumbrantes, mas não é hora de perder tempo, o relógio anda e precisamos nos apressar. Nossa jornada é descendo pela laje de pedra e se enfiando nas canaletas floresta à dentro, desescalando até atingirmos o fundo do vale onde um brejo tem que ser pulado para não empapar os nossos tênis. Logo temos água boa vinda de um pequeno córrego e então chegando a mais uma bifurcação e seguimos para a direita contornando uma pedra e não demora muito, às 10:30 desembocamos no ACAMPAMENTO PAQUEQUER, que não passa de um lugar mais aberto no meio da trilha, às margens da nascente do riachinho de mesmo nome, hora de parar para um breve descanso, mais um gole de água e traçar uma estratégia. (Paquequer) Numa breve reunião, decidimos esconder nossas cargueiras ali nos arredores do acampamento e seguir apenas com os equipos de escalada e com uma mochilinha de ataque. Portanto, pulando o riacho, interceptamos o estirão final que vai subir sem dó em direção ao mirante e logo que chegamos mais ao alto, beirando uma grande pedra do lado esquerdo, interceptamos a tal saída que vai nos levar para a Agulha, mas antes de para lá partirmos, seguimos em frente e menos de dez minutos depois chegamos à beira do GRANDE ABISMO DO MIRANTE DO INFERNO. (Mirante do Inferno) Aquilo era inacreditável! Eu já havia dito que achava o Dedo de Deus a montanha mais espetacular do Brasil, mas diante daquela visão eu estava confuso, perdi a referência, meio que perdi o chão. O Dema e o Vinícius também pareciam encantados com aquele gigante de pedra. Dali era possível contemplar outras montanhas : São João, São Pedro(2.160), Verruga do Frade(1.920), Pedra da Cruz(1.980), Capuchinho do Frade, Santo Antonio e tudo beirava à santidade, mas era ela a grande atração do lugar, enfiada no meio do Caldeirão do Inferno, a AGULHA DO DIABO parecia nos convidar para uma grande aventura e a gente estava em êxtase e não havia mais como fugir, a gente poderia ficar por ali mesmo e nos entregarmos as coisas do céu, mas o desafio é que nos move, porque o montanhista de aventura nunca vai se contentar com o calmo e o sereno, ele quer é ver a desgraça de perto, ele quer o caos, quer a tormenta e foi com esse pensamento que a gente largou tudo para trás , voltamos a descer por uns cinco minutos e adentramos de vez à direita na trilha rumo ao nosso desafio. Esse caminho em forma de picada vai seguindo quase que em nível, mas logo faz uma curva para direita e se enfia numa garganta montanha à baixo, numa sequência de gretas e fendas potencialmente perigosas. Vez por outra surge à nossa frente assombrando a nossa alma a silhueta da AGULHA e numa dessas aparições acabei ficando para trás para tentar sacar uma foto e perdendo o equilíbrio, escorreguei de um patamar e enfiei meu pé numa laca de pedra e virei o tornozelo que veio a inchar instantaneamente. Nessa hora pensei que minha jornada naquela montanha havia acabado, mas mesmo assim gritei para que o grupo me esperasse e aguardasse uns minutinhos até que a dor diminuísse um pouco. Tentei ser forte e demostrar calma, não queria de jeito nenhum dar chance para que alguém pudesse me mandar voltar para o acampamento para eu não atrapalhar a escalada, muito porque eu mesmo já teria feito isso se sentisse que daria problema. (Agulha vista de dentro do Cadeirão do Inferno) Continuamos seguindo até nos vermos quase no fundo do vale, onde um pequeno riacho seco descia da direita e é justamente nesse amontoado de pedras que nosso caminho segue e segue subindo para valer, nos fazendo escalar rochas escorregadia e íngremes. Vou me arrastando como posso, mesmo com muita dor, me agarro na minha vontade de não desistir, pelo menos até chegarmos ao início da via. Logo à frente somos barrados por uma gruta, uns amontoados de matacões gigantes. Estamos na GRUTA DA GELADEIRA e não há outro caminho possível se não o de passar por dentro dela e sair pelo teto, por um buraco tão estreito que mais parece que você está saindo do útero da sua mãe. Escalado esse trecho apertado e úmido logo damos de cara com um pequeno platô que poderia servir até para um bivac numa emergência e mais acima, quase ao meio dia, nos deparamos com a linha de escalada propriamente dita, hora de calçar as sapatilhas, fazer o sinal da cruz e enfrentar de vez essas forças do além. (Gruta da Geladeira) Acima das nossas cabeças o gigante rochoso se elevava num espigão assombroso, rodeados por paredes escuras e colossais. Havia chegado a hora de desafiar o guardião do Caldeirão do Inferno e todas as discussões acaloradas vividas meses antes de estarmos ali, agora teriam que nos mostrar que serviu para alguma coisa. É bom lembrar que dos 4 integrantes daquela empreitada, apenas o Alexandre e o Vinícius poderiam ser considerados como escaladores de verdade, porque eu e o Dema não passávamos de meros bons montanhistas trepadores de paredes, mesmo assim, aquele grupo heterogêneo não deixava de ser formado por escaladores ainda com muito à aprender. Em um primeiro momento havia se decidido que formaríamos duas duplas para a escalada, sendo a primeira composta pelo Alexandre e o Dema e a outra pelo Vinícius e por mim, sendo que o Alexandre e o Vinícius subiriam guiando a corda e eu e o Dema faríamos o "segue"(manobras realizadas com a corda para dar segurança ao companheiro), mas num ato de desapego, de última hora, o Vinícius abriu mão de guiar e foi decidido que apenas o Alexandre seria o responsável por levar a nossa corda e essa atitude foi mesmo muito sensata, porque nos faria ganhar tempo precioso e isso também faria toda a diferença na conclusão daquela escalada. (acima croqui da escalada) Traçado a estratégia, a primeira enfiada (lance) já começa encrencada. Parece fácil, mas é uma rampa lisa e sem agarras e já no começo o Alexandre dá uma sambada até que resolve colocar um camalot (pequeno equipamento que ao ser enfiado numa fenda, por exemplo, trava e se pode pendurar a corda para dar segurança ao escalador, numa explicação bem tosca, rsrsrsr ) numa fenda para dar uma estabilizada no psico. Depois é preciso se entalar numa fenda e se espremer até ganhar o alto e subir por outra rampa até uma paredinha que dá acesso a parada junto a um platô. O Dema zueiro que é, já inventa de nem colocar as sapatilhas nesse trecho, apanha sua mochilinha e também a do Alexandre e se agarra à corda e depois se lascou todo para conseguir passar pela fenda lateral e não deu outra, ficou entalado, o tonto, rsrsrsrsr. O Vinícius foi outro que deu uma sapateada nessa rampa e eu, sem molejo para dança nenhum, não fiz mais bonito que ninguém, também rebolei pra subir ali, mas me agarrei no que deu até me juntar aos amigos do platô. (Primeiro lance) O segundo lance nada mais é que uma passagem seguindo em frente, praticamente caminhando ao lado de uma parede com vegetação. É um lance fácil, mas para mim que era o último, achei um pouco exposto e passei com cuidado, mas ao tentar descer no final do corredor de pedra, fiquei sem saída e com medo de pular até atingir a parte mais abaixo, antes de ganhar uma parede final. O problema é que você não pode seguir o seu instinto e querer perder altura logo, é preciso ir até o final da parede caminhando, onde tem várias agarras de pé e de mão para se descer em segurança e uma vez no chão é só fazer a travessia para direita quase numa escalaminhada tranquila e ir subindo até a parada em nível. (segundo Lance) A enfiada seguinte, a terceira, é um pouco mais técnica por ser mais inclinada. Começa com uma fenda em forma de diedro, do qual é necessário subir em oposição. A gente enfia as mãos dentro da fenda e começa a puxá-la até ganhar altura, mas alguns não estavam nem aí e subiram com os pés na fenda e as costas na parede abaulada da direita porque na escalada clássica a única regra é não ficar lá embaixo moscando e atrapalhando o andamento da empreitada. Depois dessa fenda, desse diedro, a parede empina de vez e é preciso ir achando as agarraras certas até poder se pendurar numa fenda horizontal, uma verdadeira salvação para quem já está despencando parede à baixo. Uma vez travado nessa fenda, onde você já está rindo à toa, aí você percebe que não há mão para ficar em pé e colocar os pés dentro da fenda para ir caminhando para esquerda e tem que colar o corpo na parede e ir levantando de vagar, raspando seu nariz na pedra até se estabilizar, pelo menos foi isso que aconteceu comigo, e logo em seguida subir e ganhar a parada. (terceiro Lance) Quando me estabilizei na parada, clipando minha solteira (pedaço de fita preso ao corpo com um gancho na ponta, afff Maria, que explicação furreca !), o Alexandre e o Dema já haviam partido para a quarta enfiada. Esse lance é muito esquisito porque se faz todo praticamente caminhando ao lado de um abismo, junto à uma parede que se estende por uns 15 metros. Dali de onde estávamos eu e o Vinícius, já era possível avistar a imponência da CHAMINÉ DA UNHA, uma laca de pedra descolada da Agulha do Diabo, uma visão assombrosa e é melhor nem ficar pensando muito e apenas nos concentrar nos problemas presentes, deixemos o futuro para depois. Essa próxima enfiada é fácil, mas com uma grande exposição para quem guia e para quem vem por último na cordada e eu passo por ali com todo cuidado, primeiro me agarrando como posso para descer um pouco mais à baixo, depois seguindo lentamente, caminhando quase numa trilha de pedra até me grudar de vez ao chegar na parada com 2 “P” e é bom marcar bem esse lugar porque será aqui o penúltimo rapel para quando voltar. (quarto Lance) Até ali, a escalada estava fluindo numa perfeição espantosa, tudo afinado e alinhado. A subida seguia sempre a mesma linha, com o Alexandre guiando a corda, precedido pelo Dema e o Vinícius, tendo eu como o último homem a fechar a corda. Ganhávamos terreno rapidamente e cada vez mais íamos subindo, nos elevando metro a metro e foi nesse quinto lance que a gente começou a tomar ciência de que estávamos chegando perto dos enfrentamentos maiores. Aliás, esse lance não passa de mera caminhada, que vai se enfiando numa trilhazinha e subindo numa escalaminhada fácil, vira totalmente para a direita e sobe até uma espécie de gruta, que também não passa de um amontoado de pedras. Passa ao lado do Pico do Diabinhoque é uma formação rochosa belíssima e já te joga de frente para as “Chaminés em L “, hora de juntar a equipe novamente, tomar fôlego, beber um gole d’água e se preparar para ganhar altura de vez. Essa tal “Chaminé L”, que marca a sexta enfiada, é muito parecida com a chaminé do Dedo de Deus, com paredes largas e com boa aderência, a subida é bem no final dela, onde a parede se fecha, e sobre o teto despenca uma rocha entalada em formato de estalactites, aquelas formações que pendem dos tetos das cavernas. É preciso subir até essa formação, que não fica a mais de uns 4 metros de altura e alcançando-a, saindo para a direita, mas isso é tão óbvio porque não existe mesmo outro caminho. O Alexandre se pendura nessa parede, se agarra na estalactite, passa pelo buraco apertado e some das nossas vistas. Lá de baixo, eu o Vinícius e o Dema não conseguimos ver nada do que se passa depois disso e mal escutamos a voz do Alexandre que parte sozinho para essa passagem para a direita. O tempo vai passando e o “nosso guia” pouco dá sinal de vida, vez ou outra ouvimos sua voz sussurrando alguma coisa e acaba demorando para descobrirmos que a corda havia enroscado. Diante daquele imbróglio todo, resolvemos mandar o Dema atrás dele e para isso foi preciso que ele escalasse em livre, ou seja, sem nenhuma segurança, foi um risco, mas era o que tinha para o momento, mesmo porque era uma subida muito tranquila e não achamos que seria um risco tão grande. Uma vez que o Dema se juntou ao Alexandre, depois de algum tempo, a corda foi liberada e logo foi o Vinícius que se esgueirou parede acima e ganhou o alto, sumindo das minhas vistas e para o nosso azar, a corda voltou a enroscar novamente. O Vinícius teve que mudar novamente a instalação da corda para liberar a minha subida. Encostei as costas na parede esquerda da chaminé e finquei os dois pés na outra parede, mas logo notei que poderia fazer diferente: Meti o pé esquerdo no fundo da chaminé onde ela se eleva até o buraco de saída, junto à pedra entalada, e fui alternando os movimentos, como se subisse num batente de porta, mas agora com o pé esquerdo na parede do fundo e o direto na parede lateral. Não sei se esse estilo foi o melhor, só sei que rapidinho eu me agarrei na estalactite e me elevei para dentro do buraco e ressurgi para um outro mundo. Depois virei para a direita, que é o único caminho onde fica plano e é necessário encostar as mãos do lado direito e dar um pulinho maroto de menos de um metro, um pulo tranquilo, mas a prova de qualquer erro ou então é cair no vazio e virar carne moída de tanto que vai ralar nas paredes da chaminé. O Vinícius foi fazendo meu "segue" até que eu me juntei a ele onde uma paredinha final de uns três metros precisa ser escalada usando uma fita em um grande “P” para poder se elevar, agarrar em um arbusto e se jogar definitivamente para cima de um grande platô, cheio de árvores, onde de tão grande, poderia servir até para se montar um abrigo provisório. Nesse GRANDE PLATÕ foi instalada uma placa para homenagear os conquistadores de 1941, mas a importância daquele lugar vai muito mais além, ali naquele marco geográfico da escalada é o lugar onde vai se separar os homens dos meninos, é ali que se define quem vai ao cume ou quem definitivamente vai abraçar o fracasso , botar o rabo entre as pernas e bater em retirada, seja por incompetência técnica ou por incompetência na hora de montar a logística, fazendo com que ao se chegar aqui, já tenha extrapolado o tempo hábil para se ir ao topo. Essa pode ser considerada a anti-sala do inferno, é aqui que o diabo faz a sua triagem, separando os caras que tem ou não as condições de enfrentar o seu desafio derradeiro, uma vez tomada a decisão de seguir em frente, você acabou de colocar seu nome na roleta russa, ou é tudo ou é nada. O Alexandre fracassou aqui da outra vez, portanto agora para ele é tudo novidade e havia chegado a hora de enfrentar o tal CAVALINHO, uma passagem alardeada por muitos como sendo a parte mais complicada da escalada, é o sétimo lance, uma passagem por fora da montanha, uma fenda lateral que vai dar acesso a entrada da Unha do Diabo. A partir de agora todos as mochilas devem ficar ali no platô, todos devem esvaziar as suas mentes, sua bexiga e tudo mais que faça o sujeito entrar leve porque uma vez dentro da chaminé, até respirar será difícil. O Alexandre procura não perder tempo e quando vejo , ele já havia sumido das minhas vistas e quando chego à beira do abismo, só consigo ver parte do Dema já dentro da fenda , gemendo para conseguir se jogar para dentro da chaminé. (Cavalinho) Quando chega a vez do Vinícius, auxilio fazendo uma espécie de segundo "segue". Ele se apoia na costura na entrada da fenda fixada logo acima, enfia a perna esquerda e parte do corpo na grande rachadura e se pendura no vazio até se arrastar para a entrada da chaminé e com muita dificuldade consegue se jogar para dentro. Assim que o Vinícius se acomoda entre as paredes da Unha, dá o start para que eu comece a escalar. O problema de fechar a corda é ter que fazer alguns lances tão expostos quanto quem faz a guiada e aqui no Cavalinho é pior ainda, porque se houver uma queda, além do escalador despencar no vazio fazendo um pendulo monstro, ainda vai arrastar o cara que está dando "segui" de dentro da unha, porque mal é possível se mexer lá dentro. Me aproximo do abismo com muito cuidado e já me agarro à costura para manter o equilíbrio. Muitos escaladores dão a dica para se entrar nessa fenda deitado com a barriga para cima, ou seja, enfiando a perna direita e ir se arrastando de costas até chegar na entrada da chaminé e já entrar virado para o lado certo, mas para mim é uma grande bobagem, coisa de gente barriguda mesmo. Portanto, seguro firme na costura e enfio a perna esquerda dentro da fenda que num primeiro momento me deixa com metade do corpo pendendo no vazio e para contraria as dicas dos velhos escaladores, já me ponho a olhar para o abismo de uns 200 metros, mas para quem já esteve pendurado no lance da Maria Cebola no Dedo de Deus, aquilo nem causa vertigem. Colo o corpo à pedra e vou avançando fenda acima porque na realidade não é uma reta e sim uma diagonal e é necessário fazer força para se avançar. Ganho meio metro de terreno e o meu corpo já escorre para dentro da fenda e me entalo dentro do buraco. Que beleza! Aquilo foi mole, uma vez dentro do fundo da fenda só faço avançar lentamente e já caio direto no interior da GRANDE CHAMINÉ DA UNHA DO DIABO, para mim aquele cavalo não passou de um pônei. Claro, caí do lado errado, com as costas viradas para a Unha, quando o certo é estar com as costas na parede da Agulha, mas basta um contorcionismo indiano e já me junto aos meus companheiros, tentando buscar um melhor posicionamento num lugar tão estreito que mal se consegue virar o pescoço e quem sofre de claustrofobia, deve pensar muito antes de encarar esse desafio. Continuando com a analogia, uma vez dentro da Unha, você agora está no terreno do tinhoso, agora não tem mais volta. Naquele lugar frio e úmido, espremido feito uma mortadela no pão de forma, é preciso ter sangue frio para seguir em frente, no caso, seguir definitivamente para cima. Aquele colosso de pedra que marca o oitavo lance dessa escalada incrível, vai com certeza marcar a vida de qualquer homem metido a escalador e eu acho que não há ninguém que não saia dali transformado, pelo menos não se o cara for alguém chegado recentemente ao esporte ou até mesmo velhos escaladores, o certo é que ninguém sai indiferente. O Alexandre foi quem veio tocando toda nossa escalada até então, coube a ele a responsabilidade de abrir caminho guiando a nossa corda, fazendo desenrolar as encrencas que iam surgindo pela frente, e sem que ninguém se apresentasse para enfrentar o demônio de frente, coube também a ele arrombar as portas do inferno e dar início aos trabalhos de escalada da temida chaminé da Unha. O primeiro grande problema é conseguir sair do chão nessa chaminé, já é difícil até respirar lá dentro de tão apertada, imagina conseguir espaço para se elevar e se grudar às paredes, ainda mais para o Alexandre com estatura alta. A ralação inicial é de dar dó do coitado, mas ninguém disse que seria fácil. Aos poucos ele foi progredindo e quanto mais se sobe, melhor fica, porque a parede vai abrindo aos poucos. Logo ele chegou à primeira proteção da chaminé e estacionou numa grande fenda que serve como um patamar de descanso, o primeiro demônio havia sido vencido, mas uma legião de outros demônios estava à espreita, só esperando para o contragolpe final. (chaminé da Unha ) Lá embaixo, estacionados no fundo da Chaminé da Unha, Eu, o Dema e o Vinícius, não conseguíamos ver nada do que estava acontecendo com o Alexandre, porque como eu disse, o lugar é estreito e sobe em curva. O Alexandre fez de tudo, mas parecia mesmo que esse era um demônio que ele não estava a fim de encarar guiando. Também pudera, sua condição psicológica já deveria estar em frangalhos somada ao excesso de gasto energético ao qual tinha passado para trazer nossa corda guiando até o momento. Ele resmungava ao longe, como se tentasse levar os capetas guardadores de chaminé na conversa, mas não teve jeito e não houve reza e nem oração que fizesse com que deixassem o nosso amigo passar, seria preciso chamar alguém tão ruim quanto aqueles filhotes de satanás. Ainda lá embaixo, passando frio e apreensivos quanto ao rumo daquela “expedição”, três escaladores quase que brigavam para não ir, ou ao menos, não ser o primeiro a tentar salvar aquela escalada, já que o nosso principal guerreiro já estava meio fora de combate grudado na parede mais acima. Nessa luta do bem contra o mal, cada um se defende como pode e eu já usei minha arma principal, que é a de persuasão e logo tentei convencer que o DEMA era o cara perfeito para aquele enfrentamento, olha só que ironia, o mesmo cara que saiu desacreditado porque estava há muito tempo afastado da escalada. Mas o Dema foi o cara que se apresentou primeiro mesmo, parecia ser o cara mais confiante naquele momento e eu e o Vinícius torcíamos muito para que desse certo, senão teríamos que sair da nossa zona de conforto, que nem era tão confortável assim, e nós mesmo tentarmos fazer aquilo que a gente sabia que teríamos que fazer. Assim foi feito, com as nossas bênçãos, o Dema grudou naquela parede e subiu até onde estava o Alexandre e daí para a frente mal ouvíamos a conversa entre os dois, somente quando o Dema gritava para que os demônios que o atormentava fosse saindo do seu caminho é que ouvíamos a sua voz. O Alexandre auxiliava ele, mas ali não é a técnica que prevalece, é a força interior é a vontade de não cair e de permanecer grudado à parede, a vontade de chegar ao final da chaminé, e só o Dema poderia narrar esse sentimento, o certo é que quando ele gritou:" cheguei", o ecoo da sua voz chegou ao nossos ouvidos lá embaixo e houve um misto de felicidade e satisfação, era a certeza de que havíamos dado um grande passo para que aquela escalada terminasse com sucesso. Chegando na Ponta da Chaminé da Unha, o Dema puxou o Alexandre, fazendo o "segue" dele e quando esperávamos que seria a nossa vez de nos juntarmos aos dois, o próprio Alexandre pediu que esperássemos porque não havia mais lugar lá encima e que primeiro faria a proteção para que o Dema fosse ao cume e nos esperasse lá, era mais do que justo. Quando o Vinícius partiu de vez, foi que me vi só naquele mundo hostil, encravado no meio de um vale selvagem, quase no cume de uma das formações rochosas mais espetaculares do todo o planeta. O Vinícius chegou ao topo da unha, não sei como, não sei de que maneira, não sei que tipo de enfrentamentos teve nesse seu martírio, só sei que quando ele gritou que o "segue" já estava pronto e que eu poderia subir, não deu nem tempo de fazer o sinal da cruz porque a ansiedade era tanta que eu já estava a uns dois metros do chão, totalmente inebriado pelo aquele momento mágico. No começo a subida parece impossível, mas pensando bem, mesmo apertado e quase que usando os dentes para conseguir ganhar altura no início, é muito melhor do que o que estava por vir. Logo chego à primeira proteção, onde consigo encaixar os pés e tomar fôlego, tiro a corda da costura e ao olhar para cima ainda me dou conta que faltam uns 15 ou 20 metros de chaminé, Jesus! Naquela Chaminé dos infernos pouco importa se você está guiando ou se está indo de "segue", ali os seus demônios interiores vão te colocar à prova. Quando meus pés deixaram aquele ultimo patamar e virei com as costas agora para pedra da unha, foi como se todos os demônios pulassem para cima dos meus ombros. Milímetro a milímetro fui vendo aquela parede passar diante dos meus olhos e o demônio da dor foi o primeiro a tentar me derrubar pelo tornozelo, já bastante inchado pela torção na trilha de acesso. Me concentrei o máximo que pude, as pernas tremiam e a cada metro ganho, mais infeliz eu ficava porque via o chão cada vez mais distante. “Não quero cair, não vou cair, sai pra lá cão dos infernos, cadê o fim disso meu Deus do céu? ‘ Minha cabeça parece girar, não quero olhar pra baixo, mas é o instinto ou é a tentação do além que me força a fazer isso. A cada metro subido, a chaminé vai ficando mais larga e mais difícil de se sustentar, já perdi a concentração, mas continuo mirando somente a costura que está acima da minha cabeça, não quero nem saber, vou me agarrar nela quando lá chegar, mas quando lá chego, ela já ficou para baixo dos meus olhos e nem serve mais para nada mesmo, só faço seguir adiante confiando que o Vinícius ainda vai estar lá para me receber e não o chifrudo guardião do lugar. Na hora que minhas duas mãos tocam a aresta afiada do topo da CHAMINÉ DA AGULHA DO DIABO e prendo minha solteira nos cabos de aços que vão levar ao estirão final, mentalmente dou uma banana para aquele diabólico abismo em forma de chaminé. “ Não foi dessa vez que vocês nos venceram, seus desgraçados! Sentei-me ali na ponta da Agulha na companhia do Vinícius, já que o Alexandre também havia partido para o cume. Aliás, a visão do estirão final até o cume é algo impressionante, uma ponta de pedra lisa e que se não fosse a instalação de um potente cabo de aço, seria impossível ir ao cume dessa montanha. O tempo está perfeito, mal ventava nesse dia, lá encima muito mais quente que dentro daquela chaminé. Tomei folego, apreciei a paisagem ao redor e quando a “segui” vindo dos meninos do cume ficou pronta, me grudei aos cabos de aço e clipei minha solteira para o derradeiro lance antes da conquista final. (subida final) Esse é o nono lance, o que antecede o cume, e olhando para ele você acha que vai ser uma moleza e que vai passar com os pés nas costas. Eu também achei e me lasquei bonito, porque entrei nele todo displicente, somente pensando no topo e por isso mesmo fui com tanta sede ao pote que levei um escorregão e dei um tranco nos braços. Aquela pedra é extremamente lisa, é preciso procurar as aderências certas e botar uma força descomunal, além de ter que ir passando a sua solteira de um lado para o outro até que finalmente consigo avistar o Dema e o Alexandre junto à caixa do livro de cume. Estava definitivamente vencido os 2050 metros da AGULHA DO DIABO e quando lá cheguei, já não havia mais nenhum diabo para chutar a bunda, os meninos já haviam feito o serviço sujo e quando o Vinícius se juntou a nós, foram calorosos os abraços de comemoração, havíamos conquistado o PENHASCO FANTASMA, como era conhecida essa montanha nos seus primórdios. O topo é minúsculo, mas muito maior do que havia sido alardeado por outros escaladores, tanto que depois ouvimos uma história de que alguém havia acampado no cume com uma barraquinha e se o topo não é lá grande coisa, a paisagem ao redor é grandiosa. Para muitos estar no cume daquela montanha lendária poderia ser somente mais uma escalada, mas para nós era mesmo uma grande honra, como eu havia dito, não somos pertencentes as comunidades de escaladores tradicionais, somos mais um grupo de amigos do interior Paulista que um dia ousou se juntar para aprender os rudimentos da escalada e olha só aonde fomos parar. Aquilo era incrível, quanta montanha linda ao nosso redor, quantos abismos colossais, que paisagem fenomenal ! ( Cume) Já passava das cinco da tarde e era preciso parar de sonhar e voltar ao mundo dos homens, muito porque, subir é só a metade do caminho e já é sabido que a maioria dos acidentes acontecem nas descidas. Assinamos o livro de cume e já demos início ao primeiro rapel que num primeiro momento vai nos devolver até o topo da unha. A descida do cume da Agulha do Diabo até topo da chaminé da unha é um dos piores rapeis que eu já enfrente na vida. É necessário descer a pedra lisa, atrelando a solteira ao cabo de aço porque é muito grande a chance de se escorregar e fazer um pendulo que vai rodopiar no vazio. A gente vai descendo e a força da gravidade vai te jogando para fora da pedra, te empurrando, como se quisesse te chutar para fora da montanha. Uma vez no topo da unha da chaminé, o segundo rapel não é por dentro dela e sim por fora, uma descida não muito melhor que anterior e só não é pior porque alguém serve como anjo lá embaixo, guiando a corda para fora dos abismos até que se chegue em segurança no platô da unha, juntamente enfrente de onde está a placa homenageando os conquistadores. Quando desclipo a corda e me achego ao próximo rapel, o terceiro em questão, nem encontro mais o Alexandre e o Dema, que já desceram com a outra corda e já vão se encaminhado e adiantando o caminho. Nesse terceiro rapel vamos descer direto do platô da unha até a entrada inicial das chaminés em “L”, bem de frente para o pico do Diabinho, o que vai nos fazer cortar todo o caminho. Quando o Vinícius fecha a descida, ajudo ele enrolar a corda e juntos já pegamos a trilha, passamos novamente por dentro da caverninha e descemos até onde termina a quarta enfiada, aquele lance que você caminha beirando a parede rochosa. Nesse ponto encontramos dois “P” e nele já vemos a corda instalada que vai se enfiar por dentro de um mato e esse será o quarto e penúltimo rapel. Ao chegarmos ao patamar mais abaixo, agora sob a luz das nossas lanternas, finalizamos o último rapel, o quinto e descemos todos em segurança aos pés da Agulha do Diabo, perfazendo assim quase sete horas de escalada entre subir e descer. ( Pico do Diabinho) Conquistada aquela montanha, agora era preciso sair vivo daquele buraco. Sem muitas delongas já estávamos de volta à Gruta da Geladeira, mas ao invés de nos enfiarmos no buraco no teto e voltarmos para útero da nossa mãe, aproveitamos um “P” instalado encima da gruta e improvisamos um rapel até o chão e sem perder tempo fomos descendo aquele vale de pedra no escuro, escorregando nos patamares rochosos até chegar na curva que vai nos levar de volta para cima. É uma subida de matar mula, coisa que nem nos demos conta quando estávamos descendo, talvez pela ansiedade da escalada, mas agora é um tormento. Aquilo é praticamente outra escalada e a canseira e o sono vão tomando conta da gente e quando saímos desse racho da montanha e nos vimos na parte plana, foi como se tirássemos uma tonelada das nossas costas. O Alexandre ia à frente porque conhecia mais a trilha e sem que nos descemos conta, pegamos uma bifurcação errada. Gritei para o Alexandre que estávamos confusos e ele murmurou algo sem sentido e eu acabei indo parar numa falsa trilha, descendo em um mato alto e me perdendo e aí tive que varar um capim no peito e subir trepando um barranco íngreme e enquanto fazia isso, ia fazendo elogios à mãe do Alexandre por não ter nos esperado naquele trecho. Interceptamos a trilha da descida final e logo caímos morto novamente no Acampamento Paquequer. Ao chegarmos ao Paquequer, o Alexandre já foi dizendo que não ia acampar ali de jeito nenhum, que ali era muito úmido e que ia passar um frio do cão. Eu por mim teria desmaiado por ali mesmo, mas como o Vinícius e o Dema também não quiseram enfrentar a “tirania” do Alexandre, pouco me importei e quando eles levantaram a bola de fazer uma janta quente antes de partirmos para talvez acamparmos no gramado do Abrigo 3, eu já estava com o fogareiro ligado tostando o bacon. Já era bem tarde quando partimos e deixamos aquele vale para trás. Escalamos as rampas de pedra até o mirante, nos embrenhamos na mata morro acima até saírmos de vez na trilha principal que desce da Pedra do Sino e nos pomos a caminhar mais rapidamente, agora com a visão deslumbrante das luzes de Teresópolis no vale. Ao chegarmos no Abrigo 3, um infeliz dos infernos teve a ideia de querer continuar a caminha a fim de bivacarmos na grande toca que fica há mais ou menos uma hora do final da caminhada. Nessa hora eu já não tinha mais vontade de dar opinião nenhuma, eu era só um zumbi tomado pela vontade de ver o fim daquela aventura terminar em algum lugar que pudesse esticar o esqueleto. Caímos de vez novamente naquele zig-zag irritante e uma hora depois, ao pararmos para tomar um folego, já havíamos tocado o foda-se e decidido não dormir em mais nenhuma toca, iríamos sair do parque seja lá que hora fosse. A madrugada já ia alta e a gente ainda estava presos naquela trilha e pior, até os caras novinhos não faziam outra coisa senão a de amaldiçoar aquele caminho. Teve uma hora que o grupo se dispersou. Minha lanterna já não clareava mais nada e eu mal enxerguei quando a tal gruta passou ao meu lado. Eu já nem caminhava mais, meu pé já parecendo uma bola, apenas fazia com que eu me arrastasse em transe e não demorou muito para o Alexandre me ultrapassar e me por na condição de fiofó de tropa. Pensei em parar, sentar, deitar um pouco para aliviar os pés e as dores nas costas por causa da mochila, mas não estava querendo passar atestado de molenga, tinha uma reputação a zelar e quando ouvi o barulho de água me animei um pouco e tirei forças para desembocar de vez no asfalto da barragem, já dentro da sede do Parque Nacional da Serra dos Orgãos e sem perder tempo já descemos pelo asfalto até onde havíamos deixado o carro estacionado. Passamos pela portaria do Parque, demos baixa na nossa saída e ganhamos a estrada e voltamos novamente ao posto de gasolina aos pés do Escalavrado, chegando depois das 2 da manhã, 20 horas depois de termos partido daquele mesmo ponto. Ninguém queria saber de nada e eu muito menos, tanto que quando me deitei em um lugar qualquer naquele posto de gasolina, já ameacei de morte o primeiro cara que inventasse de me acordar antes das oito da manhã. Quando o dia amanheceu e o sol ameaçou nos despejar, pegamos nosso caminho e voltamos para a nossa aldeia , perdido num canto esquecido do interior Paulista. Na semana que antecedeu a escalada, a maioria teve insônia e a ansiedade tomou conta de praticamente todo mundo. Naquele momento cada qual travava uma batalha ferrenha, era uma guerra silenciosa contra os seus próprios demônios interiores. Parece ter ficado claro que todos os tais demônios narrados nesse relato, nada tem a ver com personagens malignos, tirados de qualquer religião, é tão somente a materialização dos nossos medos, das nossas angustias, das nossas frustrações. Temos medo do fracasso, medo de não dar conta da empreitada que nos propusemos a realizar, medo de falhar e por consequência, nos quebrar, mas quando esses medos são domados, esses demônios exorcizados, aí a gente cerra os punhos e comemora a vitória, aí a gente volta para casa feliz, porque a luta valeu a pena, descobre que não vencemos só uma montanha, mas vencemos a nós mesmos. E aquela AGULHA nem era tão do Diabo assim, haja vista que nos fez voltar para casa com um belo sorriso no rosto, nos fez voltar para casa muito mais satisfeitos, porque juntamos um grupo de velhos amigos num só objetivo: Escalar uma das mais incríveis montanhas do mundo e celebrar a vida. Divanei Goes de Paula - julho/2018 NOTA IMPORTANTE: Esse relato foi escrito de uma forma simples para que as pessoas que não são ligadas a escalada possam enterder, muito porque, eu mesmo sou apenas um montanhista que aprendeu os rudimentos da escalada para poder ir ao cume de montanhas como a Agulha do Diabo e o Dedo de Deus, portanto, se você é escalador profissional ou graduado, leve isso em consideração antes de tecer elogios a minha mãezinha (rsrsrrsr) . Abraços a todos.
  20. 1 ponto
    Ora eu não vi nada de relato estilo "esnobação" aqui.... vi você se virando com o aplicativo e indo visitar muitas coisas grátis que se não desconfio muito até cobram em pacotes de passeios... muito bom o relato isso sim! Parabéns!
  21. 1 ponto
    Preciso relatar a minha experiência pelo Peru como forma de gratidão a esse site! Pois, aqui peguei muitas dicas. Meu roteiro foi Lima/Ica/Huacachina/Arequipa/Cusco/Machu Picchu. Comprei minha passagem pela latam através da CVC pois, estava mais barato do que na operadora. O trajeto foi Salvador/Cusco ida e volta por R$ 1.700,00. Porém, achei melhor na ida descer em Lima para depois descer a Cusco de ônibus e poder conhecer Huacachina e Arequipa. Para viajar entre essas cidades comprei as passagens na internet pelo sote da cruz del sur, recomendo! Tem muitas passagens promocionais (as passagens tipo: insuperable). 1. Dia - Lima Cheguei dia 21/09 pela manhã por volta das 11h e peguei um transfer do aeroporto até Miraflores. A empresa e a Quick Lhama, eles são muito pontuais e dal tolerância de apenas 5 a 10 minutos. Eles ficam no estacionamento do aeroporto atras de um hotel que fica em frente a saida de desembarque. São pontuais, rápidos e muito barato. Apenas 15 soles até Miraflores. No aeroporto só troquei 50 soles apenas para pegar o transfer pois a cotação no aeroporto tava de 0,68 soles por 1 real. Fiquei hospedada no Kokopelli hostel e eles deixam bem perto de lá, da para ir caminhando. Assim que cheguei comprei logo um chip da claro por 5 soles mais 30 soles pela internet de 3gb. Total 35 soles. A claro e bem cheia, atendimento devagar, mas valeu a pena. Pois, tive internet liberada pelos 11 dias e a claro pega em praticamente todo lugar! Até em Machu Picchu pega perfeitamente! Depois troquei mais dinheiro por 0,73pen/1real. Melhor cotação disponível 😢. A tarde fui passear pela orla de Miraflores, visual incrível! Bairro mais charmoso de Lima e o único que eu conheci. Mas, amei! Tinha passeio de parapente por R$ 260 por dez minutos. Mas, nao consegui fazer porque ja estava no final do dia. Mas, pros corajosos vale a pena porque a vista é linda demais!!! Lá conheci também o shopping larcomar que fica na beira do barranco e é a céu aberto. Depois peguei um taxi por 20 soles ate o parque da Reserva para ver o Circuito das Águas e é uma das coisas mais lindas!! Apenas 4 soles a entrada. Legal ir no fim do dia para ve as fontes no por do sol e aguardar e esperar anoitecer e ver tambem as fontes iluminadas. São lindas do mesmo jeito. E a tarde tem bem menos gente então da para tirar fotos melhores, sem ninguém por tras! A noite estava tão cansada que fui descansar pois no outro dia as 6:30h eu pegaria o ônibus para Ica/Huacachina. P.S.: minhas companheiras de Trip conheci em alguns grupos de WhatsApp de viagem e foi perfeito! Nos demos muito bem. 2. Dia - Ica/Huacachina peguei o ônibus da cruz del sur em Lima as 6:30h na javier prado e cheguei em Ica umas 10:30h. Chegando em Ica peguei um tuc tuc por 5 soles ate Huacachina, o trajeto e de uns dez minutos. Em Huacachina fiquei no hostel Bananas Adventure (Top!) fica na beira do oasis, é lindo e tem piscina. Paguei a diaria de 92 soles num quarto compartilhado com 6 mulheres e banheiro privativo. A diária inclui o direito a um passeio que pode ser um passeio a uma vinícola, passeio de bugue/snowboarding e tem outro que esqueci. Escolhi o passeio de bugue no final do dia. O lugar é incrível!!! Passei a tarde só contenplando o oasis. Almocei nun restaurante chamado oasis, comi um arroz com mariscos divino!! Depois fiquei num restaurante bem na beira do lago e fiquei a tarde tomando uma cusquena e aproveitando a tarde. Fim do dia fui para o passeio de bugue, muito massa!! E fiz snowboarding que foi radical!! A ultima descida é tensa, mas é muito bom. Curtir muito o dia e a boite fui pegar um ônibus ate Arequipa. 3. Dia - Arequipa Neste dia cheguei as 11h da manhã em Arequipa, fiquei no Hotel Jerusalen e adorei! Fui muito bem atendida! A tarde fui conhecer a plaza de armas a pé e os arredores. Conheci o Museu Andino onde fica a “múmia” Juanita. A visita foi guiada e ao final vc fazia uma contribuição ao guia. O Museo e muito interessante pois tem peças que foram encontradas com a Juanita. E ao final, depois de conhecer toda história é incrível conhecer a Juanita que fica numa câmara fria de vidro. Depois fui até o Monastério Santa Catalina, tudo com o Google Maps, muito fácil se localizar entre eles e ficam tudo perto da plaza de armas. O Monastério paguei 20 soles para a guia, a visita foi individual. E valeu a pena porque conheci toda história de cada canto no Monastério. A história é bem interessante. Faz você se sentir e imaginar a seculo atrás. No final do dia fui ate um Mirante para ver os vulcões e tirar fotos. Fui de taxi. Ele aguardou para tirar as fotos e no caminho de volta ate a plaza de armas parou em alguns pontos p tirar foto tambem. Fechei o vale del coca para o outro dia com a Colonial Tour. E gostei bastante! 4. Dia - Vale del Coca - Arequipa Me buscaram no hotel as 4h da manhã. Tava um frio!!! Mas, no ônibus eles deram cobertas para cada um. Umas 7h da manhã paramos para tomar café da manhã. E logo após fomos para o canyon. O lugar é demais! Esse é o segundo maior canyon do mundo. O visual nao existe de tão lindo e é possível apreciar o vôo dos condor que e a ave com maior envergadura do mundo. Ficamos em torno de 45 minutos no mirante do canyon e na volta fomos parando em alguns outros mirantes, uma cidadezinha. E depois paramos para almoçar que estava incluído no pacote do passeio. No retorno paramos para ver muitas lhamas, alpaca e vincuña que tinha no caminho e chegamos em Arequipa a noite. Ah, na volta depois do almoço paramos nas thermas para conhecer e teve um tempo para quem quisesse tomar banho. O lugar também é maravilhoso, água cristalina e quentinha. Valeu muito a pena o passeio!
  22. 1 ponto
    @Lais C Obrigada pela mensagem!! Acabei de te enviar, veja se chegou :)
  23. 1 ponto
  24. 1 ponto
    Oiii!!! Procuro amigas para mochilão em novembro. me adicionem no whats por favor <3 53 991382435
  25. 1 ponto
    SVALBARD - mais detalhes chegando em Longyearbyen, o principal povoamento de Svalbard depois de 42 horas de viagem. Este arquipélago situa-se entre 74 e 81 graus norte, bem próximo ao Polo Norte (90 graus). Estaremos chegando na entrada do verão de lá com temperatura entre -5 e 2 graus . Toda a chuva cai sob a forma de neve. Nesta época a partir de meados de Abril, o Sol nunca se põe durante 4 meses, circulando todo o horizonte sem nunca desaparecer. No inverno é a escuridão total por 4 meses. Esta é a terra do urso polar. Com aproximadamente 2.500 habitantes fixos, o número estimado de ursos é de 3.500. Svalbard foi o ponto escolhido para a conquista do Polo Norte em 1926 por Roald Amundsen que partindo de lá foi o primeiro a sobrevoar o polo. A cidade é pequena , sugiro tres dias de estadia, mas com muitos passeios de aventura. Andar de snowmobile no topo da geleira, dirigir um dogsled, ir de navio a uma cidade abandonada, visitar uma mina de carvão etc... Mas sempre com um guia armado, para afastar urso polar. Fizemos os tours com a empresa Better Moments que recomendo. Portanto fora os passeios você fica dentro dos limites da vila. Sugiro ficar num hostel com cozinha comunitaria, pois os preços no restaurante são bem caros . Ficamos no Gjestehuset 102. Viajei em maio, mas não recomendo os passeios foram prejudicados pelo degelo e falta de turista para formar grupo mínimo
  26. 1 ponto
    Se estes números ao lado das cidades forem a quantidade de dias em cada cidade, sinto muito mas a sua viagem será uma m. Você iria gastar uma fortuna com passagens, alimentação e hospedagem, mas não ver absolutamente nada em mais da metade dos locais. Pois você não estala os dedos e num passe de mágica aparece na cidade seguinte, toda vez que você troca de cidade você perde na melhor das hipóteses metade de um dia, contando desde o momento em que começa a fazer as malas na cidade A, até o momento em que finalmente larga ela no quarto do hostel da cidade B. E isto se os horários ajudarem, se os horários dos trens/ônibus/aviões que você conseguir comprar não ajudarem muito, facilmente você perde praticamente o dia todo em função de ir de uma cidade para a outra. Alem disto, janeiro é inverno por lá, vai estar super frio, chove bastante, há risco de pegar neve em alguns locais, e os dias são bem curtos, as 16:00 já está completamente escuro na maioria destas cidades, e depois que escurece o frio aperta e fica complicado de ficar na rua. Ficando pulando de cidade em cidade a cada 1 dia, já pensou na possibilidade de que alguns destes dias podem ser chuvosos? Se pegar um dia com neve, ou um dia chuvoso, nem precisa chover torrencialmente, uma garroa fina num dia com temperatura de 5ºC já é o suficiente para estragar o dia, pois num dia destes você não vai vontade de colocar o nariz para fora do hostel... E se criar coragem para sair, depois de 30 ou 40 minutos na rua, você já estará molhado e congelado até os ossos, e morrendo de vontade de voltar ao hostel ou ao menos entrar num lugar quente, abrigado do frio, vento, chuva ou neve.... E como você só tem 1 dia, ou melhor metade de um dia, em um monte de locais, se pegar um dia destes você terá gasto um monte de dinheiro com passagens para ir até lá, com hostel, comida, mas não vai conseguir ver e fazer absolutamente nada na cidade. Para quem viaja no inverno e para que um dia de chuva, frio, neve e vento gelado não estrague tudo, é recomendável passar pelo menos uns 3 ou 4 dias em cada local, pois ai aumentam muito as suas chances de você pegar pelo menos 1 ou 2 dias de tempo bom, em que você consiga fazer algo na rua. Viajando no inverno , também é recomendável ter alguns programas em locais fechados como museus, castelos, palácios, galerias de arte, igrejas, etc na manga, para você sacar naqueles dias frios e chuvosos que com certeza você vai pegar. Então se esta planilha realmente for o esboço do seu roteiro, eu sugeriria a você rever isto completamente este roteiro, pois do jeito que está, e viajando no inverno, a sua viagem será uma m., um grande desperdício de dinheiro, sem que você consiga aproveitar nada. Eu começaria cortando a quantidade de cidades pelo menos pela metade, para que fique minimamente viável, e mesmo assim pessoalmente eu ainda acharia que ficaria meio corrido demais.
  27. 1 ponto
    @Ronaaaldo , fiz uma simulação ida e volta pela Air France e apareceram os valores separados para cada trecho. Eu já tinha visto isso no site da TAP, mas agora com a Air France foi novidade. Simulei SAO-Paris (todos) -SAO e deu R$4326 nas classes tarifárias mais baratas (ida 22/12, volta 05/01). Simulando só a volta, deu R$7256. Já que você vai ter que comprar o bilhete de volta separado, provavelmente vai ser pela, Turkish, TAP ou Azul (simulando CDG-SAO em 05/01). A Turkish está aparecendo com bilhetes a R$2000 no Skyscanner. Mas é bom simular no site da própria empresa. Já vi casos em que ela era de longe a mais barateira nos Kayak e Skyscanner da vida, mas na hora de partir para a compra o preço aumentava sabe-se lá como. Nas minhas simulações, não faz muita diferença voltar a partir de CDG ou de AMS. Exceto se a promoção da Turkish for verdadeira...
  28. 1 ponto
    A Patagônia é um destino super popular não somente entre os brasileiros, mas entre turistas do mundo inteiro. Paisagens incríveis em um dos lugares mais isolados do mundo, proporcionam uma experiência única que não pode ser encontrada em nenhum outro lugar do planeta. Os meses mais procurados pelos viajantes é durante o nosso verão, ou seja, de dezembro até inicio de abril. Nessa época as temperaturas não são tão congelantes como no inverno, todas as atrações estão disponíveis e dificilmente você terá problemas na estrada por causa de nevadas. Durante o inverno muitos hostels, restaurantes e agências de turismos fecham as portas devido a baixa procura, limitando as opções dos turistas. Organizar um roteiro pela Patagônia pode parecer um pouco complicado a primeira vista, muitas cidades, dois países envolvidos (Argentina e Chile), distâncias que parecem curtas mas que podem levar horas de viagem e surpresas no orçamento caso você não se planeje direito. Por isso resolvi escrever esse post para te orientar na hora de montar seu itinerário por esse lugar fantástico. Em relação as passagens e transporte entre as cidades, eu apenas comprei uma bilhete aéreo de ida de São Paulo até Ushuaia (escala em Buenos Aires) e volta de Buenos Aires para São Paulo. Todos os outros trajetos eu fiz de ônibus, e ia comprando as passagens conforme chegava em cada cidade. Caso você não tenha muito tempo para ficar viajando de ônibus, você pode pesquisar a passagem aérea de múltiplos- destinos, muitas vezes o valor acaba compensando. Ushuaia-Torres del Paine- El Calafate- El Chatén Pegue um voo de Buenos Aires até Ushuaia e comece a descobrir a Patagônia pela cidade mais austral do mundo, quer dizer, pelo menos para os argentinos, que defendem essa fama com todas as forças. Pergunte a um chileno se isso é verdade e você escutará um sonoro NÃOO como resposta. A situação é a seguinte, a pequena cidade chilena de Puerto Willians está de fato localizada mais ao sul do que Ushuaia, porém, a maioria dos argentinos alegam que Puerto Willians trata-se apenas de um porto, e com uma população tão pequena que não pode ser considerada uma cidade. Discussões a parte, reserve quatro ou cinco dias inteiros para conhecer a gelada, porém encantadora Ushuaia. Afinal você não veio tão longe para passar apenas duas noites, certo?! A cidade pode ser percorrida a pé. Reserve um dia para conhece-la, passando pelas praças e parques, museus, e organizando/reservando os passeios dos próximos dias caso você ainda não tenha feito isso. Há muitas, mas muitas agências de turismo que oferecem diversos passeios pela região de Ushuaia. Pesquise bastante antes de fechar negócio. Alguns dos passeios que fiz e recomendo são: Glaciar Martial, Parque Nacional Tierra del Fuego, Isla Martillo (Pinguinera) e passeio pelo Canal Beagle. Você não precisa fazer todos esses, ou se achar pouco, há muitos outros que você pode incluir no roteiro, tudo depende do seu tempo e orçamento disponível. Hora de atravessar a fronteira e ir até um dos parques mais bonitos do Chile, o Parque Nacional Torres del Paine. Para ir até o parque, é interessante você ter como base a cidade de Puerto Natales. De Ushuaia há ônibus que fazem esse trajeto, porém não diariamente. Caso não coincida com o dia que você quer, uma opção é ir primeiro até Punta Arenas (Chile) e de lá para Puerto Natales. Independente de qual for sua opção, esteja ciente que gastará praticamente todo o dia no trajeto. Dica Importante: Compre sua passagem para Puerto Natales/Punta Arenas assim que chegar em Ushuaia ou com uma antecedência de pelo menos três dias. Você pode conhecer Torres del Paine em um passeio de um único dia, saindo bem cedo de Puerto Natales e retornando quase a noite. Nesse caso, será necessário ir com alguma agência de turismo, pois além de incluírem o transporte de ida e volta até o parque, você conhecerá o lugar basicamente de dentro de uma van, parando apenas nos “principais pontos de interesse” para uma pequena caminhada e fotos. A outra opção e que é muito mais interessante na minha opinião é o trekking. Nesse sistema você pode ir por conta própria, sem contratar nenhuma agência. Os circuitos mais tradicionais é o W, que dura quatro dias; e o circuito O, também conhecido como circuito completo. Nesse segundo você conhecerá praticamente todo o parque, e precisará de sete a dez dias. Caso você não tenha todos os equipamentos necessários para trilha e acampamento, em Puerto Natales há muitas lojas que alugam esses itens como saco de dormir, isolante térmico, barraca entre outros. Depois de conhecer esse lugar incrível no Chile, voltaremos para a Argentina, rumo a El Calafate. A viagem desde Puerto Natales até El Calafate é bem tranquila e dura mais ou menos seis horas. Reserve dois ou três dias inteiros para essa cidade. A grande atração que você não pode deixar de conhecer é o Parque Nacional los Glaciares, onde fica o grande e imponente Glaciar Perito Moreno. Essa incrível geleira é considerada uma das reservas de água doce mais importantes do mundo. Outros lugares legais para se conhecer em El Calafate é o Glaciarium (bar e museu de gelo) e a Laguna Nimez. A última cidade do roteiro foi a que eu mais gostei na Patagônia, El Chaltén. O pequeno povoado localizado dentro de um parque nacional possui em torno de 600 habitantes e está apenas a três horas de El Calafate. A pequena cidade é considerada a capital mundial do trekking devido as inúmeras opções disponíveis. E o melhor é que a grande maioria é de graça, você não precisa pagar nem um centavo para faze-las. A maioria das trilhas você pode fazer em um dia, ou seja, sair bem cedo de El Chaltén e retornar no fim do dia. As mais procuradas são: as que levam até o Cerro Fitz Roy e Cerro Torre. Reserve pelo menos três dias inteiros para El Chaltén. Texto publicado originalmente no meu blog (http://www.voltologo.net/dica-de-roteiro-pela-patagonia/)
  29. 1 ponto
    A ideia pra essa trilha eu colhi aqui mesmo lendo os relatos com fotos de jararacas e caninanas que assustaram minha noiva que quase nos fizeram desistir. Mas eu disse “Relaxa! Muitas pessoas vão lá e só vi estes dois relatos de encontro com cobras, não vai acontecer com a gente”. Nunca acontece com a gente. Até acontecer. Essa trilha tem inicio no final da Rua Morro da Cruz, da pra ir de carro até a entrada. Quem estiver de ônibus vai enfrentar uma caminhada de 1 km morro (íngreme) acima a partir da av. principal (a rua que tem que subir fica ao lado de uma igreja Assembleia de Deus). Na entrada encontramos uma senhora que era a monitora responsável pelo local. Bem simpática, pediu pra gente preencher alguns formulários (onde na volta a gente deixa nossas impressões sobre a trilha), deu algumas dicas (levar água, lanche, repelente e tal). Disse que o dia estava movimentado, mais de 50 pessoas já tinham começado, o que ajudaria a afastar as cobras do caminho (mentira!). Começamos às 10h25 nossa jornada de 3,7 km de subida. O inicio é uma região sem floresta, só mato, que ao contrário das fotos antigas que havia visto, estava MUITO grande e fechado (inclusive perigoso pois dificultava a visualização de animais). Saca só (sim, isso é a trilha): Depois de 15 minutos de caminhada no matagal, você vai encontrar um pequeno mirante de madeira, com bancos pra sentar e uma boa vista. Mais um pouco de caminhada e encontramos o primeiro animal peçonhento e perigoso no meio deste matagal. Tentei cutucar ela pra longe com um pedaço de madeira mas ela entrou em posição de ataque igual caranguejo. Depois de um pequeno esforço consegui arremessa-la pro canto da trilha e passar pulando por ela. Outros 15 minutos de caminhada e finalmente chega a floresta. A trilha é bem demarcada, não tem como se perder, ta bem cuidada, com degraus por todo o caminho e escadas para os trechos mais difíceis. Alcançamos a plaquinha que indica 2km as 11h40 e a dos 3km as 12h30, num total de 2 horas desde o inicio. Ritmo forte que cobrou seu preço na volta.... Abaixo o famoso bambuzal que tem que passar quase rastejando. Chegando no topo você encontra uma placona e outra plaquinha indicando a altitude de 1048 metros e tem dois caminhos a seguir: À esquerda, onde tem uma escadinha (antigamente era só uma cordinha) você vai para o verdadeiro pico. À direita (ou frente, não lembro bem) sai no falso pico. Fomos no falso primeiro. Chegamos lá as 12h55 – Total da subida em 2h30 – ridiculamente cansados. 3,7 km não é uma grande coisa, mas quando você em consideração o percurso inteiro é subindo degraus, a coisa muda... Trocentas fotos depois, fomos para o verdadeiro pico, onde após uns 30 min de descanso e mais um zilhão de fotos, começamos a descidas as 14h00 Na descida as pernas já estavam bambas e fraquejando, a atenção com a trilha já não estava muito alta e após uma pequena curva eu quase piso em uma jararaca. Minha noiva gritou na hora exata, de forma que eu joguei todo o peso do meu corpo pro lado oposto da cobra, cai no matagal e a cobra foi pro outro lado. Um passeio até então divertido (e cansativo) podia ter um final triste. Então, fica a dica: Não confiem na sorte, esta trilha tem muita cobra (veja como ela fica super camuflada), muito animal peçonhento, usem perneira ou qualquer coisa que te proteja. Não vale a pena se arriscar. Chegamos no final da trilha as 15h30. Num total de 1h30 de descida. Vou aproveitar e deixar uma dica de lugar bom e barato pra comer. Indo rumo à balsa, tem um supermercado Frade (Av Princesa Isabel, 1.126) que serve refeições de arroz, salada e uma panqueca enorme por R$ 8,50 com bebidas a preço de mercado mesmo. Além disso tem um subway ali perto;) No mais, levem água, lanche e tentem subir devagar, com mais paradas. A gente subiu rápido demais e ficamos acabados depois. De ponto negativo nesta trilha, tirando os perigos, é que não existem muitas atrações no caminho. De interessante e legal mesmo só o pico. Outros relatos que podem ajudar: caminhada-ao-topo-dos-picos-do-baepi-e-do-sao-sebastiao-ilh-t30955.html pico-do-baepi-ilhabela-sp-o-verdadeiro-topo-t93585.html Acho que é só, qualquer dúvida é só perguntar.
  30. 1 ponto
    Olá pessoal, sou novo aqui também, e esta é minha primeira aventura pela América do Sul. Fiz uma viagem de carro na Nova Zelândia, mas lá tudo parece mais fácil. Pretendo ir de Porto Alegre para Ushuaia de carro, sendo que preciso esta lá dia 5 e 6 de abril pois tenho um evento. Gostaria de saber se alguém sabe me informar como é o acesso até lá para ir de carro nesta época do ano, e uma média de gastos total e de combustível, pois fiquei sabendo que são poucos postos ao longo do caminho. Parabéns pra todos vocês que já fizeram essa trip, realmente viajar é a melhor coisa do mundo. Abraço a todos e estão convidados a partir comigo!!
  31. 1 ponto
    Achei este site legal aqui no Brasil e eles foram muito prestativos em me auxiliar com meus trens no Canada. Viajei para Toronto, Ottawa, Quebec, Montreal, Jasper e Vancouver. Segue aqui a dica: http://canadadetrem.com.br/
  32. 1 ponto
    [t1]ÔNIBUS[/t1] [t3]CIRCULANDO PELO CANADÁ DE ÔNIBUS[/t3] Este talvez seja o meio mais barato de se conhecer o país. Grande parte das linhas da região oeste é administrada pela Greyhound Canadá, entre elas o famoso roteiro da Trans Canada Highway, que atravessa o país ligando Toronto a Vancouver. De maneira geral, os ônibus são confortáveis, e as empresas confiáveis e pontuais. Há também esquemas de descontos e passes (Rout-Pass, Canada Coach Pass Plus, etc), alguns dando até direito a acomodação. Alguns passes também são integrados com os trens da Via Rail. informação: ônibus de empresas diferentes saem de uma mesma rodoviária. Nas cidades principais, há 2 opções de embarque: na rodoviária mais central e outra numa região mais afastada. Opte pela central, pois os ônibus chegam à outra rodoviária com os assentos quase cheios. GREYHOUND CANADA: www.greyhound.ca tel. 1 800 661 8747 Outras empresas: BREWSTER TRANSPORTATION: www.brewster.ca tel. 1 877 791 5500 GREAT CANADIAN HOLIDAYS: para tours no leste tel. (519) 896 8687 ou 1 800 461 8687
Líderes está configurado para São Paulo/GMT-03:00


×
×
  • Criar Novo...