Ir para conteúdo

Mais curtidos da Semana


Conteúdo Popular

Exibindo conteúdo com a maior reputação em 11-12-2018 em todas áreas

  1. 1 ponto
    Quero dividir minha experiência na chapada Diamantina (08 a 18/05/18). Tivemos a oportunidade de conhecer o guia Jussemar na associação de guias em Lençóis. É o melhor lugar para procurar passeios com valores acessíveis e segurança garantida. (É a melhor opção pois a associação é feita de guias locais credenciados na embratur e esses possuem Comunicação interna para suporte de resgate de acordo com cada situação. Já que as agências de turismo contam apenas com Samu ou bombeiros e esses podem demorar muito). O guia Jussemar fez diferença nos levando ao roteiro 1, cheio de conhecimentos sobre fauna e flora, geografia, formações rochosas, personalidades locais e muitas outras curiosidades. Isso determinou que chamassemos o mesmo para nós guiar à cachoeira do buracão, que fica no extremo sul da chapada. Ele possui carro próprio, fala inglês, tem especialização em segurança, tem habilitação tipo E. Um profissional de exemplo que somou muito nos passeios. Flexível com horários, indica melhores lugares para fotos e o mais importante, é um guia feliz! Deixo aqui meu registro positivo do profissional e indico para todos que forem visitar a chapada Diamantina. O lugar é incrível, supera todas as expectativas, renova a alma e te faz sentir mais vivo. Boas trilhas! Abraço mochileiros!
  2. 1 ponto
    Oi, gente! Em meados de Abril eu embarquei pra Europa com meu mochilão e minha própria companhia por 29 dias, dos qual eu nunca imaginaria ser tão incrível. Sério, se ta em duvida se vai ou não, só vai, jamais, JAMAIS irá se arrepender. Quem quier acompanhar com mais dicas, fotos e stories corre la no instagram @monteseuroteiro Roteiro: Barcelona, 5 dias (12 a 17 de abril de 2018) Vienna, 5 dias (17 a 22 de abril de 2018) (Encaixado em Vienna, fui a um bate volta em Budapeste (dia 18/04), e amei tanto que voltei e fiquei 2 dias, 19 a 21 de abril) Praga, 4 dias (22 a 26 de abril de 2018) Berlin, 7 dias (26 de abril a 02 de maio de 2018) Amsterdam, 6 dias (03 a 09 de maio de 2018) Avião: Ida: Rio de Janeiro X Barcelona (Com conexão em Casablancas) - Pela Royal Air Maroc, R$1366. Voar pela Royal Air Maroc, ao contrario do que li em muitos relatos na internet, foi muito bom. O avião era novo, muita comida boa, eles davam kit tapa olho, lençol e travesseiro) e tambem tinha tv (mas todos os programas eram sem legenda em portugues) Volta: Amsterdam X Rio de Janeiro (Com conexão em Lisboa) - Pela TAP, R$999. Voar com a TAP foi bem bom tambem, mesma fartura de comidas, lençol e travesseiro mesmo no voo pela tarde. Minha experiência de conexão em Casablancas não foi das melhores. Eu não despachei mala em momento nenhum dessa viagem, fui com um Mochilão de 50l, não muito cheio, e uma mochila pequena preta. Saindo do avião já tem uma parte de perguntas-esteira-revista que não da nem pra respirar direito. Eles deixavam muita gente passar e vez ou outra mandava alguem pra passar os pertences na esteira e ir pra revista. Eu fui a escolhida, o cara não manjava nadinha de inglês e ficava repetindo "trabajo?" mesmo comigo falando minha profissão em ingles , bom...deixei minhas mochilas no scanner, peguei e dai me pediram pra ir pra trás de uma cortininha pra uma revista quase intima. Era com uma moça, claro, ela me apalpou inteira, tive que abrir doleira, tirar tudo, e verificou ate a haste do meu sutiã. AWKWARD demais. Depois você andava um pouquinho e dai sim, tinha a esteira, o detector de metal e o guarda para verificar passaporte e passagem, de novo! Dai de lá segui rumo ao meu portão de embarque pro Voo pra Barcelona.Em Barcelona por sua vez, na imigração, o moço não me respondeu nem o ''hello'' que dei, carimbou e me entregou o passaporte, ufa. Eu levei uma pastinha com TUDO que se tem direito. Reservas de hostels, voo, onibus, etc, não precisou, felizmente! mas sempre bom levar GASTOS DIÁRIOS: Barcelona, 5 dias - € 40/dia - €200 Vienna, 5 dias - €40/dia - €200 Budapeste - Como foi encaixado em Vienna, foi incluso no valor de lá por dia que fiquei, inclusive o valor do hostel (2 dias) Praga, 4 dias - €40/dia - €160 Berlin, 7 dias - €40/dia - €280 Amsterdam, 6 dias - €40/dia - €240 TOTAL: R$4750, euro a R$4,40 BARCELONA: Dia 12/04: Cheguei em Barcelona por volta das 19h, andei até o metro integrado com o aeroporto, comprei o Bilhete Único e fui em direção a minha segunda experiencia no Couchsurfing, a casa da Ester ficava ao lado da Basílica da Sagrada Família e de ótimo acesso a varios pontos. Acabei indo na loa Vodafone, comprar um chip de internet porque eu queria estar segura pra me locomover em algns pontos durante a viagem. Acabei comprando um de 6gb por $25 (e me serviu durante os 29 dias sim, na verdade, nos dias de AMS a velocidade tava reduzida porque tinha acabado mas mesmo assim nao deixou de funcionar um pouco). Me estabelecendo e conversando um pouco com a minha Couch, fui dar uma andada ao redor da Sagrada Família e logo voltei, pois estava bem cansada e ficamos comendo comida japonesa e bebendo vinho! Dia 13/04: No dia seguinte, fui novamente a Sagrada Familia, porque acho que nunca cansaria daquela vista, infelizmente eu não entrei por causa das filas grandes, mas se arrependimento matasse eu tava morta e enterrada (ainda volto pra entrar nessa lindeza) visitei o museu do Barcelona que fica ao lado e que vale muito a pena, principalmente se você for ou conhecer aquele parente doido por futebol. Acabei estiquei o caminho ao Parque Guell, onde eu já tinha comprado ingresso pela internet (€7). Antes, encontrei um restaurante onde paguei outros €7 euros pela comida (muita)+bebida (minha primeirissima cerveja na europa, eba). AH, importantissimo: Comprem o bilhete de metro T10, ele da direito a 10 viagens de metro e custa $10. Eu usei e abusei dele durante minha estadia. Algumas ruas que dão para o Park Guell tem escada rolante e tudo, o que foi ótimo! (trace o caminho de onde vc estiver até o park pelo google maps quando estiver com wifi e tire prints, ele te da o caminho certinho mesmo). O acesso pelo park é bem facil, e comprando antecipado você entra direto sem fila, e não tem necessidade de levar o comprovante impresso, pode ser no celular! E CUIDADO, o Park é alem da área paga. ele é muito maior e da pra ver mais coisa subindo cada vez mais, mas tem uma delimitação de onde é a área paga e se você sair, não tem como voltar. Então, minha dica, é olhar bastante aos arredores da parte paga do parque, e depois subir mais ainda além da limitação. Pra quem não quer pagar pra ver as artes de Gaudi de pertinho, da pra ir pra parte de graça e ter uma visão muito incrível e linda, mas não tão detalhada das artes. Area nao paga: Dia 14/04: Dia de Check-in no Hostel e conhecer os arredores do verdadeiro coração de Barcelona: a Las Ramblas. O Kabul Hostel Party fica MUITO bem centralizado, e inclusive se encontra na Plaça Reial, uma praça completamente rodeada por restaurantes(um pouco caros) mas que fica sempre cheio e com uma vibe muito gostosa! Fica bem próximo ao Metro Liceu e ao Mercado La Boqueria, o qual é incrivel pra pequenas a médias refeições de tudo quanto é tipo e gosto. O hostel é bem interativo, tem MUITAS atividades e é ideal se for sozinho. Os quartos são bons lockers que cabem o mochilão todo e bem limpo. Depois de bater muita perna e me perder nas ruas do Bairro Gótico (imperdivel), passei pela Catedral de Barcelona, algumas lojinhas e voltei ao Hostel. Conheci uma galera que tava hospedada por lá. Ficamos bebendo, jogando sinuca e nos aventuramos em uma balada e bar pelos arredores do Hostel. Tudo 10/10 e incrivel. Dia 15/04: O tempo já tinha aberto em Barcelona e o sol tava torrando!! Aproveitei pra dar uma volta na Barceloneta, pra quem não sabe, é a praia la de Barcelona. Fui andando pela beira do mar até chegar a praia, avistei um mercado, comprei um lanche, uma bebida e sentei na orla bem de boas, aproveitando o solzinho! Na beira da Barceloneta há vendedores de oculos e tenis (replicas), com precinho bem camarada, cerca de €20, me arrependi de não ter comprado um (ou vários). Aproveitei também a volta, visitei algumas lojas que eu queria, comi uma foccacia enorme + coca por €5 e terminei no hostel pra aproveitar os 30min de cervejinha gratis, porque não? hahah Acabei também, fazendo o Pub Crawl, que custou €12 (APROVEITEM PELO AMOR, foi o mais barato que paguei dentre os que eu fiz) e tinha direito a 3 shots em cada lugar que iriamos parar (2 bares+1 balada) Os bares ficavam num complexo enorme com muitas opções e a balada foi a Opium. Drinks caros, musica masomenos, mas tava lotaderrima e era segunda feira, então, valeu a experiencia. Dia 16 e 17/04 (manhã): Ultimo dia em Barcelona, dei umas voltas ao redor do bairro, andei muitissimo a procura de brechós e lojinhas e terminei a noite visitando o Arco do Triunfo, que é incrivel e lindo de ver, a noite ele tem uma iluminação especial e super vale a visita. De metro a partir do hostel eu cheguei rapidex, e com isso me restou só 1 passagem no bilhete T10. Lembra que eu comentei dele? O problema é que chegando la no aeroporto no dia 17 (super cedo, meu voo era as 9h) ele não é valido pra linha que permite você a sair da roleta pro aeroporto, então, você tem que acabar comprando um unitario só pra poder passar. VIENNA: Dia 17/04: Cheguei em Vienna de avião desde Barcelona, porque o trajeto é bem longo e de ônibus levaria 2 dias ou mais. Cheguei no hostel graças ao meu melhor amigo google maps que traçou minha rota bonitinha enquanto eu tava no Wifi e tirei print caso ficasse sem internet. A chegada do aeroporto até a estação de trem é bem curta e um pouco confusa. A estação é em uma capsula enorme mas sem nenhuma sinalização de que ali tem um trem passando...e ai, não tinha nenhum guarda, não vi nenhuma maquina de ticket e quando reparei ja tava na plataforma na cara do trem...achei estranho, subi as escadas de novo e vi uma maquina apenas, bem escondidinha aonde eu tinha que comprar o ticket pra embarcar. Custou cerca de €5, e me deixou na estação central de Vienna, que calhou de ser do lado do hostel.(não esqueçam de validar o ticket antes de entrar no trem, por sorte tinha um guardinha la embaixo com uma maquina de validação na mão e me ajudou, porem, nunca mais vi disso na viagem, não arrisquem de ir sem ticket também porque se a fiscalização pegar é multa altissima). Deixei minhas coisas e fui bater perna. Vi que estava do ladinho do Palacio Belvedere, e fui até lá. O palácio e seus jardins são incriveeeeeeis! De lá, fui andando pro Stadtpark, que é muito bonitinho e confortável pra sentar na grama e fazer um pic nic, ou só pensar na vida. De lá, você já da de cara com o centrão de Vienna, com as ruas largas e com prédios lindos e lojas de todos os estilos e preços. É maravilhoso se perder pelas ruas também, fuçar tudinho, até dar de cara com a Catedral de St. Stephen, que com certeza, você não vai esquecer quando encontrar. É magnifica demais. AH, e tem que OBVIO provar o Schnitzel. Como meu dia já estava quase no fim, e eu não tinha gastado quase nada dos €40 reservados pro dia, me dei de presente um prato incrível de Schinitzel+batata frita do restaurante WienerWald, no valor de €16 e que estava simplesmente incrível. BUDAPESTE: Dia 18/04: Meu primeiro dia em Budapeste, na verdade, foi um Bate e Volta ja programado desde Vienna. Eu já tinha comprado ida e volta numa promoção da Flixbus coisa de um mês antes.Paguei €10 ida e volta de ViennaXBudapesteXVienna. MAS como nem tudo são flores, acordei atrasada e acabei perdendo o ônibus por 10 minutos. Na europa é assim, eles são pontuais DEMAIS. Dai, fui no Guiche ver quando seria a próxima ida e tive que pagar mais €10. Ok, um pouco bolada e mais de 2h de espera pro próximo, resolvi comprar anyway. Mesmo tendo pouco tempo pra curtir por la, porque afinal a volta tava mantida e era as 17h. De Vienna pra BP são 3h. Cheguei por volta de 11/12h e acabei indo da estação ate o centro andando pelas ruas. Me arrependi novamente hahahah fiquei 1h andando até chegar na Deak Ferenc U (A estação central de BP), ja tava meio cansadinha mas nada me impediu de bater muita perna. Aliás, quando dei de cara com o Parlamento vi que tudo fez sentido. Eu agradeci demais por ter persistido e ido apesar dos pesares. Cada rua que eu entrava em me impressionava ainda mais, era doido de ser ver a grandeza da cidade. Dia 19/04: Resumindo? Na volta de Budapeste pra Vienna, aproveitei o wifi do onibus e acabei vendo que reservando hostel pros proximos dois dias entrava na minha média do que eu podia gastar por dia. Era €9 a diaria, €10 ida e €10 volta, então me sobraria €21 para gastar por dia. (Pois no meu planejamento, eu teria €40/dia) e DEU, até porque me sobrou uns florint do dia do Bate e Volta. Sendo assim, reservei pra mais dois dias e voltei na manha seguinte bem cedo porque eu realmente me apaixonei por Budapeste como nunca antes aconteceu. Assim que cheguei no hostel, deixei minhas coisas e segui pra comer alguma coisa e conhecer um pouquinho mais do que eu não tinha visto no dia anterior. Mas acabei finalizando o dia, claro, no Parlamento pra ver o por do sol por lá e o acender das luzes e caraca! acho que entrou pras cenas que meu cérebro não tem nem coragem de esquecer de tão lindo. Voltei pro hostel, e como ja tinha conhecido uns amigos e outros que conheci em Vienna também tinham chegado em Budapeste, fomos todos pro bar mais famoso de lá: O Szympla Kert. O espaço é todo diferente e incrível. É todo decorado de objetos que iriam (ou foram) pro lixo. Tem vários e vários ambientes e dois bares bem distribuídos pra você não precisar se deslocar tanto só pra pegar uma cerveja. Lá lota qualquer dia da semana e ah, não paga entrada, só o que consumir. O pint da cerveja (500ml) é por volta de 500-600 florint, coisa de €2. De lá, depois de conhecer mais um galera super doida e divertida, fomos pro Instint, uma balada que você também não pagava pra entrar (pq era quinta feira, não sei muito bem dos outros dias) e tava tocando uma musica bem boa que eu gosto muito e dai ficamos noite afora por lá e era do lado do hostel então foi bem de boas e volta. Dia 20: Depois de acordar meio pra la do que pra cá, me estabeleci, tomei um banho e fui conhecer o lado de Buda, o castelo e o bastião do pescador. Optei por ir andando, porque como eu ja disse, AMO bater perna e acho a melhor maneira de se locomover (e porque não era tão longe assim, já que o Hostel era bem central). Tava bastante sol e eu com bastante ressaca, então fiz tudo no meu tempo, revezando entre muita água e sorvete hahaha Chegando no pé do Castelo, optei por ir a pé, porque a subida não era tão grande assim, e não demorei mais que 15min pra subir. Porem, existe a opção da Funicular. Percorri o castelo todinho e de lá se tem muitas vistas incríveis do lado Peste. Pra quem não sabe, Budapeste é dividida em dois lados. O lado Peste é o comercial, onde tudo acontece. E o lado Buda, é do outro lado do Rio Danubio, onde tem castelo e tudo é mais medieval e menor, inclusive as ruas. Essa é a historia resumida, historicamente falando, tem que dar uma pesquisada hahaha Segui ao Bastião do Pescador e acabei não comprando o ticket pra subir e ter uma vista ''melhor'', achei salgado o valor, era por volta de €7 e ja tinha visto quase a mesma coisa, inclusive do lado tem umas escadinhas que se tem a mesmissima vista. Na volta pro hostel, aproveitei pra dar uma descansada porque afinal, era sabado e meu ultimo dia naquele lugar incrivel. Acabei decidindo (junto de um dos meu roommate por dois dias e do qual virei amiga hahah) sair e entrar em bares que achássemos legal, tomar uma cerveja e fazer isso o quanto pudêssemos hahahha fomos a lugares incríveis que eu nem imaginaria que existia se não visse e resolvesse entrar de doida. Dos que me lembro, fui ao Kuplung, um complexo parecido com o Szympla Kert e muito animado e o IAI, que era uma espaço tipo um galpão gigantesco, que acredito rolar uma festa diferente a cada dia. Dia 21/04: Acordei catando cavaco mega atrasada pro Check Out, mas pro meu alivio eles foram bem legais mesmo com meu atraso de 20min. Era dia de voltar a Vienna, fuen. Fui caminhando ao metro da Deak Ferenc U em direção a estação de ônibus de Nepliget. (Não esquece de fazer o trajeto no google maps, ele te da certinho o que fazer, se precisa de baldiação e tudo mais). Chegando em Vienna, voltei pro hostel, deixei as coisas e segui de metro pra ver um pouquinho do que me faltava. A prefeitura, e o Palácio de Hofburg. Voltei ao hostel já de noite, morta com farofa de cansaço e aproveitei pra dormir tudo o que eu ainda não tinha dormido durante esses dias, me dei de presente belas 12h de sono e acordei plena no dia seguinte pra ida a Praga. PRAGA: Dia 22: Cheguei em praga por volta das 13h, pela estação de ônibus de lá. Ela é bem próxima ao centro e já de cara é bom trocar um pequena quantidade na casa de cambio (o suficiente pra sua locomoção até a hospedagem) Como do lado do meu hostel, possuía uma estação de metro, optei pelo metro. Foi a compra de bilhete mais confusa que eu vi nos metros da europa hahahah eu fiquei bons muitos minutos analisando as milhões de opções de tickets que oferecem. optei, depois de muito esforço pelo ticket de 24 centavos de CZK que dava direito a uma locomoção de até 30min, como tava dando apenas 15min do meu trajeto, achei a melhor opção. (aham, isso mesmo, 24 centavos. Já de cara eu comecei a perceber como tudo era barato). Chegando no hostel e feito o Check in, segui pra conhecer um pouquinho da cidade e comer alguma coisa. O hostel era bem proximo da Charles Bridge e sendo assim, percorri ela todinha até o outro lado pra visitar tambem a John Lennon Wall, continuei caminhando, meio sem rumo e acabei em um pequeno festival com algumas barraquinhas e palco com banda tocando em um parque próximo de lá. Assim que acabou, voltei por uma outra ponte, caminhei a beira do rio ate a Dancing House, e de lá, voltei pro começo da Charles pra ver o por do sol! finalizei o dia no hostel mesmo, bebendo umas cervejas e descansando. Dia 23/04: Tinha deixado meu nome na recepção pro free walking tour que ia passar la no hostel pra me buscar e levar pro ponto de encontro as 10h. O tour foi feito com a The Good Prague Tours e claro, como o nome diz, foi gratuito. POREM, o lance dos free walking é exatamente você curtir a tour a ponto de dar uma gorjeta no final! eu dei 250 CZK, por volta de $10 porque foi tudo muito bom e explicado pelo guia. Foi percorrido toda a old town square e o bairro judeu. A noite, passei no mercado Bila (anotem esse nome, ele é simplesmente otimo com varias refeições prontas só pra esquentar e muito em conta) comprei uma salada, um frango empanado e uma barra enorme de milka que tava na promoção e tudo me custou 170 CZK, cerca de $7. A noite, acabei fechando tambem na recepção, o Pub Crawl com o the drunk monkeys. Eles passam por 2 bares e uma balada, porem, eu recomendo muitissimo que seja feito num fds de preferencia hahaha o primeiro bar era também um open bar de 2h de cerveja, shots e drinks num bar próprio deles com mesa de totó, coisas de beer poing e tudo mais. A galera que conheci lá fez valer o resto da noite, porque era segunda feira e né, segunda feira é um pouco parecida em qualquer lugar. Dia 24, 25 e 26/04: Aproveitei que não tinha nenhuma atividade pra manhã e dormi até um pouquinho mais tarde. E as 14h fui ao ponto de encontro pro tour do castelo + beer tour com direito a 3 cervejas, o pacote foi um combo do The Good Prague tours e custou 590 CZK, cerca de $23, o que é SUPER barato. Depois do ultimo bar da beer tour, o guia nos indicou um outro muito irado e todo subterraneo onde a cerveja era bizarramente barata e se pagava com duas moedinhas APENAS (45 centavos de CZK). ficamos lá por um bom tempo (sem o guia) hahaha e foi MEGA divertido! No dia 25, eu tive o dia todinho off e andei muito, visitei muita loja (comprei quase nada) e terminei o dia numa jata coletiva por $3 que o Hostel oferecia. No dia 26, eu acordei tranquilamente e fui rumo a estação, porque meu onibus pra Berlim era por volta das 10h da manhã. BERLIN: Dia 26/04: Cheguei em Berlin por volta das 16h, mas me perdi muito que bem durante 1h na estação de metro de lá. É GIGANTE, com muitas plataformas e direções, e até eu conseguir me achar, vi que estava indo pro lado errado hahahha e dai tive que voltar tudinho pra finalmente chegar no hostel, isso já era lá pras 18h (pra vocês verem o tanto de tempo que fiquei zanzando, sendo que o trajeto seria de 30min da rodoviaria até o Hostel. Enfim, estabelecida, o Hostel que eu fiquei foi o Heart Of Golden. Foi o que mais me surpreendeu e o que eu mais tava apreensiva. Na reserva, optei pelo "MegaDorm", que nada mais era descrito como um quarto com aproximadamente 20-25 beliches, assusta né? Mesmo assim arrisquei e que bom que o fiz. O quarto é literalmente uma casa hahaha é ENORME e na verdade as 20 e tantas beliches sao divididas em dois quartos dentro do comodo, que contem lockers menores internos no quarto e maiores externos na área social que possui uma mesona com cadeiras etc. Possui dois banheiros também. A parte social do hostel é bem boa, tem sinuca, bar, computador pra uso comum e etc. Não achei os staffs lá muito simpáticos mas ninguém me tratou mal. Dei umas voltas ao redor do hostel, que ficava muito bem localizado, acabei fazendo uma friend de quarto e saímos juntas pra jantar alguma coisa no restaurante Peter Pane, o preço é um pouco salgado mas o ambiente é incrivel e vale a pena. Dia 27/04 Pra minha mega surpresa, o amigo que fiz em Budapeste, estaria em Berlim exatamente nas datas que eu, e ele já tinha morado por 2 anos lá, então, resolvi ir com ele andar de bike por ai e explorar um pouco da cidade na visão local, acrescentando só uns pontos turísticos porque afinal, eu era a turista né? Passamos pelo Treptower Park (que é a coisa mais linda ever), pelo Muro de Berlim, por complexo Raw (onde tem varias daquelas baladas famosas em berlin que você só entra se o segurança for com a sua cara), por alguns complexos de comida, o Aeroporto abandonado (que muita gente vai pra andar de bike, patins, etc e finalizamos o dia no Görlitzer Park, bebendo algumas cervejas locais. Dia 28/04: Dia de conhecer a Alexanderplatz e suas muitas lojas maravilhosas, incluindo, a Primark, foi a primeira vez que fui na primark e quase endoideci, muita roupa barata e linda de morrer, anotem esse nome pra vida, ela tem varias filiais por toda a Europa. Dei uma passada na topshop que fica em frente só pra babar mesmo (pq é bem mais cara) e depois de muita andança, acabei num restaurante maravilhoso e não tão caro (por volta de $7-10). A noite, fui conhecer a noite de berlim e suas famossisimas baladas eletronicas icônicas e olha, é incrivel, mesmo se a vibe não for exatamente a sua, é uma experiencia muito foda de estar, algumas festas duram o fim de semana todo, e com pulseira você pode ficar indo e voltando a hora que bem entender. A maioria das boates por lá, não é permitido gravar, fotografar nem nada do tipo (em algumas ate botam um adesivo na câmera do seu celular, e se te pegarem com ela sem, você é expulso). Antes de ir eu achei muito doido isso, mas depois de estar lá eu entendi o quanto era legal aquela ação. As pessoas tão ali e se doam inteiramente ao lugar (alem das drogas que rolam e coisa e tal) é uma sensação muito confortavel. Nesse dia eu fui numa festa nos arredores da estação Schlesisches Tor, acho que fui quase todos os dias pros lados de lá, onde o underground e lugares locais são muito fortes. Dia 29/04: O dia amanheceu com um sol de DOER. Aproveitei pra ir ao MauerPark, onde nesse fim de semana (e acho que rola em vários outros) tava acontecendo uma mega feira de brechó, segunda mão, roupas novas, decoração, foodtrucks e muita gente fazendo música. O parque é gigante, não fica longe do centro (eu fui até lá pelos trams), e cheguei a comprar uma blusa muito comfort de manguinha por $2. Fiquei por lá a parte da manha e quase a tarde toda. Voltei ao Centro pra ver o por do sol no Brandeburg Tour e no Parlamento Alemão. Ali perto, fui até o Memorial pra vitimas do Holocausto (funciona um museu gratuito embaixo dele) e finalizei o dia andando até o hostel pra conhecer Berlim a noite. Dia 30/04 Depois de chegar no hostel quase as 6am, dei uma dormida muito rápida, e logo acordei, me arrumei, e fui conhecer a Catedral de Berlin, o Museu DDR e os arredores do Museum Square. O museu DDR foi em torno de $19 e é muitoooo incrivel. Conta a historia inteirinha da Alemanha desde muitos e muitos anos e ele é TODO interativo. Você toca e interage com quase todos os objetos lá. Tem varias gavetas e armarios pra puxar e abrir e saber uma história diferente. Além de musicas, vídeos, audios de rádio, telefone e até uma recriação de uma casa alemanha da decada de 70. A tour dura em media 2h se for bem apreciada. A noite, lá fui eu pra Schlesisches Tor pra uma mini tour bares (que só passei por dois) e um deles doi o Madame Claude, o ambiente é mucho doido, a entrada é uma coloboração do que você achar melhor (eu dei $3). O ambiente é todo virado de cabeça pra baixo, mega underground e no subsolo tem OpenMic, que nada mais é, pessoas aleatorias, com talento ou não, que tocam por 40min cada um. Quando eu cheguei lá embaixo tinha um menino muito do doido tocando uma guitarra de qualquer jeito, ele apertava, puxava, pressionava as cordas e eu fiquei fascinada com a doideira de tudo e o quanto as pessoas estavam simplesmente amando aquilo. 01/05: PRIMEIRO DE MAIO FERIADO! Olha, nem nos meus maiores planos eu imaginaria que estaria em Berlin pra essa data (sem querer e sem saber) sabe carnaval? é tipo isso lá nesse dia. Ruas fechadas, lotadas, com shows, festas (eletronicas claro), parques tomados de gente, muita intervenção cultural e bebida permitida nas ruas, dai vocês imaginam né? Foi uma surpresa muito boa e doida que eu não tenho nem como descrever, só sentindo pra saber. 02/05: No meu último dia, eu fui conhecer o Campo de concentração de Sachsenhausen, ele fica há 40min de Berlim, e pra chegar lá é preciso comprar o ticket ABC do metro, porque a estação de Oranienburg fica na região C. De lá, é cerca de 15min andando ou 10min de onibus. É um passeio pesado, triste e necessário. É você viajar no tempo, num passado muito recente e ver com seus próprios olhos tudo aquilo que estudou por alto no ensino médio. A entrada no Campo é gratuita e eu aconselho demais alugar um audio guia, que custa $3 e tem em Portugues. Eu deixei muitas e muitas lágrimas por lá. Aconselho tambem, a ir na parte da manhã, por o passeio ocupa facil uma tarde toda. AMSTERDAM: 03/05: Meu onibus de Berlim pra AMS foi no trajeto noturno, então, economizei uma diária nesse esquema. Cheguei em Amsterdam por volta de 12h e foi super tranquilo achar o trem, chegar na Centraal Station e pegar um Tram até proximo ao meu hostel (Amém google maps traçando rotas).As primeiras impressoes do hostel foram magnificas. Atendimento bom, espaços sociais incriveis, quartos espaçosos e banheiro privativo. Foi o segundo hostel que eu tive café da manha (fora Barcelona) então se acostumem, porque servir Café da manha nos hostels da Europa não é muito comum. Já que ele ficava bem pertinho do Rijikmuseum, eu fui dar uma volta nos arredores, tirar umas fotos e entrei tambem a exposição que tava rolando do Banksy, custou $12,50 e eu meio que me arrependi. Não achei a exposição lá essas coisas, mas tudo bem, vida que segue. Nesse mesmo dia, ia rolar o show de um cantor que eu sou maluca e que talvez nunca rolasse a chance de ver de novo, como os ingressos estavam sold out, eu fui monitorando pelo evento da facebook se alguem vendia e TCHAN, achei. Paguei, entrei e fui. Foi íncrivel, obvio. 04/05: Dia de bater perna for real pelo centrão e Amsterdam, o Mercado das Flores e muito mais. Nesse dia tambem, eu fui ao heineken Experience e foi uma experiencia e TANTO. O lugar é foda demais e vale a pena ser visitado, eu paguei pela internet no mesmo dia e tinha horario disponivel, custou $17. No fim do dia, o pessoal que chegou no meu quarto virou tudo amigo e saimos juntos pra ver um pouco da noite de lá. De fato, é tudo muito agitada e incrivel. A cidade em si é apaixonante tanto de dia quanto de noite. Dia 05/05: Dia de acordar com 0 ressaca (alias eu quase nao tive ressaca nessa viagem, viu? amém cerveja europeia). No dia 05 eu tomei um café a manha mega reforçado no hostel e segui rumo ao Winkel 53, aonde tem, quiça, a torta de maça mais famosa de amsterdam, e olha vale CADA centavo. Ela é meio grandinha e da pra dividir entre dois. Em seguida, fui ao Museu da Anne Frank, que era uma das atrações que eu mais queria ver em toda a viagem. Eu li o livro da anne na minha adolescência e me marcou demais. Eu comprei pela internet mais de um mês antes (porque é BEM concorrido e tem que ficar de olho MESMO) As vendas abrem um mes antes da data que você irá, e custa $10, tem horario marcado e a demanda é gigante. A tour dura por volta de 1:30h e é dificil não segurar o choro no final, eu mesma, não me aguentei depois que li uma das frases dela e que eu nem vou dizer pra não estragar o fim da sua tour tambem, mas pra mim, foi um baque muito pesado POREM, é tudo MARAVILHOSO, ainda mais se você tiver tido a experiencia que eu tive de ler o livro antes, parece que tudo faz sentido e que você entrou dentro dele. Tem audio guide incluso no valor, mas é com Portugues de Portugal. Logo depois eu sai e encontrei meus roomates e caimos, sem querer, num festival mara que tava rolando num parque próximo a Centraal Station. Com varios palcos, bandas, estilos de música e tudo que um festival realmente tem, e o melhor, de graça. Terminamos a noite, no meu ultimo e melhor pubcrawl ever! Custou $20, porem com direito a 4 bares/balada+1 balada principal e enorme. Em cada lugar você ganhava um shot na entrada e uma cerveja lá dentro, então acabou valendo super a pena. Dia 06/05: Amsterdam amanheceu num calor de FRITAR qualquer um. E eu e o pessoal decidimos ir ao Vondelpark fazer um pic nic, com direito a vinho, queijo, frutas e tudo mais. Passamos no mercao da rede Albert Heijn que é o mais famoso e AMS e tem em cada esquina e fizemos a compra de vaáárias coisas e no total de só $20, ou seja, menos de $7 pra cada uma, e compramos muita coisa, viu? Ficamos a tarde toda por lá e no fim do dia, voltamos ao hostel, nos arrumamos e marcamos de ir em um restaurante comer, conversar e se despedir, porque no dia seguinte só ia ficar eu e uma das meninas faria o check-out. Acabamos terminando a noite na Sugar Factory, onde aos domingos rola um jazz mega dançante e maravilhoso. Ficamos até de manha, e dai, aroveitamos que estavamos ao lado da Iamsterdam Sign e fomos correndo pra lá tirar as fotos, e olha QUE FOTOS. Dia 07 e 08/05: No dia 7, depois de uma bela manha de sono, sai pra andar e bater o restante final de pernas e visitar o que eu ainda queria visitar. Voltei na Primark e provei ser o que dizem, a melhor batata no cone de Amsterdam, e olha, é boa mesmooooo! Acabei provando no mesmo dia uma das melhores pizzas que ja comi na vida, e ainda é de uma rede de pizzarias rapidas que tem em muitas partes da cidade. No dia 08, fui ao um bate e volta no Keukenhof, o famoso Parque das Tulipas, que só fica aberto durante 8 semanas por ano, sempre na primavera. O onibus pra lá sai do Aeroporto de Amsterdam e a viagem dura cerca de 40min. O pacote do ingresso+onibus ida e volta sai por $25 no guiche la mesmo no aero. O parque é a coisa mais linda da vida, não perca a oportunidade de visitar se tiver por lá nessa época. Dia 09/05: A VOLTA! sem um pedaço de mim que foi substituído por outro maior e melhor. Eu sabia que essa viagem ia ser uma grande marco na minha vida, mas eu nunca imaginei que seria maior do que eu pensei. Todas as expectativas foram maiores que eu pensava e todo sufoco foi menor do que eu tinha medo de ser. Se eu pudesse dar um conselho pra todo mundo que ficava chocado quando eu disse que iria sozinha, seria: vai também, tu não sabe o quanto é gratificante. Tudo e + dicas vocês podem ver tanto pelo @monteseuroteiro quanto do meu pessoal @karinerribeiro, se tiver pegunta, manda aqui tambem ❤️ Espero que inspire um pouquinho no fundo ai da alma de vocês de quere se jogar nesse mundão.
  3. 1 ponto
    @Leo Castro shooow!! Trip, trilha, montanha, cachu, praia
  4. 1 ponto
    Alguém poderia ajudar com algumas dicas de montagem das barracas não auto portantes? Li em alguns lugares que caso seja um chão duro que não dê pra usar os esquepes, pode-se usar pedras ou qualquer outra coisa pra firmar. Inclusive li num tópico da barraca Nepal sobre usar um anzol como gancho. Mas fiquei com dúvida sobre esse peso a utilizar, se seria necessário algo muito pesado, levando-se em consideração ventos um pouco mais fortes que os normais, mas nada de ventania. Procurei em outros tópicos dicas assim mas não achei nenhum específico. obrigado desde já
  5. 1 ponto
    @FABIOLA ZUCKERT Opaaa... Interiorrrrr.... sao josé dos loucos 😂😂 oce é 012 tb ?? rs
  6. 1 ponto
    @Rose Tirole Creio que não precisa tanta antecedência, mas é sempre bom..rs. Nós não reservamos antecipado. Chegamos lá em Parnaíba e só na pousada pegamos alguns contatos. Ele foi o primeiro que retornou e demos muita sorte.
  7. 1 ponto
    Bom dia !! Gostaria de participar tb !! 12 992358455 Valeuu !! 👍
  8. 1 ponto
    Queria ter grana so pra viver viajando e conhecer cada canto do mundo haha Por mais que digamos alguns lugares existem muitos outro que ainda nem temos conhecimento. Mas alguns que ainda quero conhecer sao: Islândia / Noruega (Aurora Boreal) - Bora Bora - Maldivas - Geleiras no Canadá - Cordilheira do Himalaia e por ai vai..
  9. 1 ponto
    Acordamos bem cedo, fomos até a rodovia e pegamos carona até São Bento do Sapucaí-SP, onde começamos a caminhar. 10° dia - 01.08.2018 - Quarta-feira Saída de São Bento do Sapucaí- SP e chegada a GONÇALVES-MG +-22 kms em aprox. 05:15hrs Acumulado: 250 kms 1° trecho: SB do Sapucaí x Mirante: +- 04:00hrs - 1560msnm Uns 4 quilômetros de reta depois somente subida forte, tem dois caminhos, hoje fizemos o caminho dos Venâncios, lindíssimo visual de montanha. Alguns trechos com calçamento. Até o mirante o sol deu as caras. 2° trecho - Mirante x Gonçalves. +- 01:15hrs - +-6 kms Depois do mirante pegamos estrada de terra descendo até igreja do lado esquerdo, seguimos reto, antes do entrocamento para Monte Verde começou a chover (deixamos nossas capas de chuva no carro em Águas da Prata). No entrocamento pegamos carona com um senhor, que nos levou até a porta da pousada. Comemos um comercial $18 dr contra-filet na entrada da cidade, retornamos à pousada e dormimos a tarde. Hoje choveu muito e fez frio. Hospedagem: Pousada Arco-iris, praça matriz, camas ótimas, tv aberta, wifi, banheiro privado, limpo (apartamento). Preço: $75 por pessoa com café da manhã. RECOMENDO Tempo encoberto na região que íamos passar Visual no meio da subida Atravessamos pinguela num caminho alternativo, mais à frente retornamos à estrada Visuais de tirar o fôlego Entrando na região de Gonçalves Parte da descida até Gonçalves Logo após a chuva apertou e tivemos que pegar carona
  10. 1 ponto
  11. 1 ponto
    Há 2 anos, insatisfeita com a vida já aos 24 anos, me via sendo engolida pelas responsabilidades, pelo trabalho, pela falta do inglês e pelos estudos que patinavam e não saiam do lugar. E mesmo começando a estudar, via um longo caminho desanimador pela frente. Via os dias, as semanas e os meses passando e não aprendia, não vivia, não conhecia lugares e pessoas novas. Foi quando me dei conta que ainda só tinha 24 anos e poderia traçar uma vida completamente diferente da que eu estava traçando. Percebi que toda aquela pressão de ter uma boa formação, uma boa carreira e até mesmo uma orientação sexual diferente do que eu realmente tinha, nada mais era do que a vontade das outras pessoas na minha vida. Senti então que eu precisava sair daquele ciclo vicioso pra poder ser eu mesma. Comecei a ler sobre mochilões, viagens low cost, histórias que me encantaram e realmente ganharam meu coração. Fiquei um ano pesquisando todas as possibilidades sobre esse tipo de vida e essa vontade crescia cada vez mais dentro de mim. Ao mesmo tempo, sentia um medo gigantesco de entrar em uma porta completamente escura. Em abril do ano passado, sai do trabalho que me engolia dia a dia e aí tive que decidir entre colocar em prática aquela loucura que vivia crescendo na minha cabeça e que ninguém botava fé que eu faria ou procurar um outro emprego pra viver naquele padrão que todo mundo estava acostumado. Deixei uns meses passar, por pura falta de coragem, mas eu sabia que não poderia mais viver daquele jeito. Foi quando, com um frio enorme na barriga e com as mãos suando, decidi dar o primeiro passo e comprar a passagem de avião só de ida pro Uruguay para o dia 29 de Julho de 2017, onde começaria minha nova vida, sozinha, livre de qualquer rótulo, pra eu crescer e amadurecer da forma que quisesse. Sai do Brasil com um medo que não tinha tamanho, com uma ansiedade maior ainda, mas uma sede de vida muito maior que qualquer coisa que pudesse me impedir. Hoje faz 7 meses que eu sai e quando olho pra tudo que vivi nesse tempo eu digo com toda a certeza desse mundo que foi a melhor escolha que fiz na vida, por todas as experiências e aprendizado que têm me proporcionado. Eu cruzei cidades e países sem precisar gastar com hospedagem e transporte durante toda a viagem, pedindo carona e usando o Couchsurfing. Muito mais que uma economia, o valor real dessas experiências é perceber o quanto as pessoas podem ser boas e gentis sem "ganhar nada em troca". O nada se transforma em tudo, quando percebemos que em cada "sim" para uma carona ou uma estadia ganhamos momentos e memórias de lugares e pessoas que vão marcando nossa vida, assim como deixamos um pouquinho de nós em cada uma delas. Assim, cruzei de carona a Patagônia Argentina, a Patagônia Chilena e subi até o Atacama, onde estou vivendo há alguns meses pra reabastecer as reservas. Neste tempo, tive experiências incríveis como dirigir pela primeira vez um caminhão (carregado) em plena estrada, acampar na beira da estrada, tomar banho em posto de gasolina, me hospedar em um veleiro de graça durante 4 dias na última cidade do mundo e pilotar o mesmo (pela primeira vez na vida) no canal mais austral do mundo. Conheci o parque nacional Torres del Paine, onde por falta de experiência não consegui completar o circuito W e tive inflamação nos dois joelhos e aprendi que nem tudo dá certo como planejamos ou queremos. Fiquei em casas de famílias, de casais, de amigos, de parentes e conheci pessoas de diferentes classes sociais, crenças e estilos. Conheci um casal que me acolheu em sua casa como uma filha em um povoado de 3 mil habitantes, tomei Mate com meus amigos de estrada, aprendi a fazer macarrão artesanal, alfajor caseiro, pizza e empanadas. Passei um dia com as crianças carentes de Bahia Blanca e vi o quanto temos a dar e a receber. Ajudei a levantar paredes de madeira em um hostal em El Bolson, aprendi a fazer Adobe e reformar um hostal no deserto e tenho coleção de pores do sol presenciados. Trabalhei e continuo trabalhando por mais algumas semanas em uma agência de turismo em San pedro de Atacama, conheço gente todos os dias, erro e aprendo todos os dias e daqui um mês sigo minha viagem. Parece muito tempo pra alguns e pouco tempo para outros, mas ainda é só o começo da minha vida. https://www.instagram.com/jevalcazara
  12. 1 ponto
    Planejamos fazer até A Pousada Barão Montês, próximo de Campos do Jordão-SP, daqui atravessaríamos o complexo da Pedra do Baú através duma trilha até São Bento do Sapucaí-SP. Mas choveu muito, resolvi (minha parceira não estava disposta e não foi) conhecer o Bauzinho de carona, pois a trilha é um pouco complicada. 9° dia - 30.07.2018 - Segunda-feira Saída de Paraisopolis e chegada a Pousada Barão Montês - SP +-41 kms em aprox. 09:20hrs(*) Acumulado: 228 kms (*) tempo efetivo de caminhada, paramos cerca de uma hora para comer doce em Cantagalo, na praça de Luminosa e comer omelete restaurante depois da pousada da dona Inês (subida da luminosa). 1° trecho: Paraisopolis x Bairro Cantagalo +- 16 kms em aprox. 03:40hrs Trecho bem tranquilo até bifurcação para São Bento do Sapucaí, depois início de subida forte. 2° trecho: Bairro Cantagalo x Luminosa. +-6 Kms em aprox. 01:45hrs Paramos na pousada do Jucemar em Cantagalo para comer o excepcional doce de figo em calda, infelizmente não tinha, comemos doce de cidra. Esse trecho se resume a uma reta, uma subida média até divisa e uma fortíssima descida. 3° trecho: Luminosa a Pousada Barão Montês-campista, Campos do Jordão-SP. +-18 kms em aprox. .Até dona Inês +- 01 hora, 1130msnm. (Uma pequena reta depois começa a subida). .Até restaurante +- 00:45hrs - .1400msnm (somente subida forte), comemos ótimo omelete com salada $10 cada. RECOMENDO. Serve truta, leitão, frango caipira, bifes..de $18 a $35 por pessoa o prato. .Até divisa Minas Gerais x São Paulo: +-1 horas - 1720msnm. Trecho mais difícil da subida da Luminosa. 2 subidas fortes, começa uma descida leve, aí a gente pensa: pronto agora começa a descida...ledo engano, é quando começa a subida mais forte de todas, sorte que ela é curta. Então reserve um pouco de energia para ela. .até asfalto: +-00:45hrs - 1685msnm. Trecho com algumas subidas e descidas leves, dentro de um bosque. .Asfalto x Pousada Barão Montês: +-1 hora - +-1720msnm, trecho bem tranquilo. No início descida até entrada da pesca na motanha, depois subidas médias com curvas fechadas. Depois reta e descida até pousada. Hospedagem: Pousada Barão Montês, camas boas, wifi, quarto/banheiro compartilhado, aquecedor, não pega celular. Preço: $65 por pessoa com café da manhã. Tem restaurante com ótima comida a $20 por pessoa. Sem nenhuma nuvem no céu Trecho de subida antes do bairro do Cantagalo Antes da descida para Luminosa Ao fundo trecho de subida forte, a famosa "subida da Luminosa" Iniciando a subida da Luminosa, antes da pousada da dona Inês Subida forte, à direita pequena cachoeira Lindo visual de montanha Lindíssimo visual com destaque para a pacata Luminosa Uma pequena descida e mais à frente subidas fortes Chegando ao topo e a Campos do Jordão-SP Trecho de asfalto Chegando à pousada Barão Montês Lindo visual da pedra do baú e de toda região. LINDO ISSO AQUI!
  13. 1 ponto
    @NeideBen Parabéns por ter feito o caminho sozinha 👍 Está tendo muito opção de hospedagem? realmente o povo Goiano é muito hospitaleiro! Uma participante informou que pode hospedar no posto do parque no pico dos Pirineus, você ficou lá? Você poderia postar um relato aqui para curtimos, será uma grande ajuda aos próximos peregrinos, suas informações atualizadas.
  14. 1 ponto
    @Guardian voce tem preferencia sobre o que fazer (praias, parques,etc..)? Caso ainda nao tenha uma preferencia procure mais informaçoes sobre Caldas Novas, no sul de Goiás,á é uma cidade de agua termal e tem muitos clubes bons de agua quente. Do lado da cidade de Caldas tem o complexo do Hot Park onde vc pode ficar hospedado ou apenas passar o dia no clube que tem piscinas de agua quente, piscina de onda, muitos brinquedos e inúmeras coisas pra se fazer. Pra se chegar la voce pode pegar um voo até Goiânia e seguir de carro ou onibus (de carro +/- umas 2:30hs de viagem, de onibus umas 4hs), ou entao pegar um voo até Caldas Novas, a Azul faz esse trajeto até Caldas.
  15. 1 ponto
    5° dia - 26.07.2018 - Quinta-feira Saída de Borda da Mata e chegada a Tócos do Moji - MG +-18 kms em aprox. 08 horas(estávamos acompanhando uma peregrina com problema físico) Acumulado: 123 kms O hotel deixou café da manhã no nosso apartamento na noite anterior. Saímos pouco depois das 05 da manhã. Acompanhamos uma peregrina que estava com problema no joelho, íamos na frente e aguardávamos ela chegar, com isso perdemos muito tempo. Trecho com subidas e descidas fortes e longas. Tempo frio no amanhecer e muito calor à tarde. Comemos Self-service à vontade por $16 por pessoa à vontade. Tócos do Moji: cidade pequena, com algumas pousadas familiares, tem posto do Bradesco e bb. Bom comércio. Hospedagem: pousada São Geraldo, próxima a praça central, camas ótimas, tv aberta, wifi, ventilador, banheiro privado, limpissimo. Preço $35 por pessoa sem café da manhã. RECOMENDO. 6° dia - 27.07.2018 - Sexta-feira Saída de Tócos do Moji e chegada a Estiva - Mg +-22 kms em aprox. 04:50hrs Acumulado: 145 kms A pousada não oferece café da manhã, comemos as frutas que compramos no dia anterior e saímos, passamos na padaria e tomamos um cafezinho. Dia bem frio no início da manhã, tempo aberto com muito sol. Trecho com subidas e descidas fortes e longas. Lindíssimo visual de montanha. À noite ficamos curtindo o eclipse da lua Chegamos e já fomos no restaurante na praça matriz e comemos Self-service a $35,90 o kg. Estiva: cidade pequena, tem uma pousada boa e outra mais simples no centro da cidade. Tem outra pousada rural a alguns quilômetros. Comércio bom. Hospedagem: Pousada Poka, praça matriz, camas ótimas, tv aberta, wifi, ventilador, banheiro privado, limpo. Preço $55 por pessoa sem café da manhã. RECOMENDO Subida depois de Borda da Mata Grandes árvores Amanhecendo depois de Tócos do Moji, subida forte Plantação de eucaliptos Lindo visual de montanha Descemos aquela montanha Terminando subida forte e longa Chegando em Estiva Leiteiro pelo caminho Que visual!
  16. 1 ponto
    @Fábio Collares Oyarzábal muito obrigada por essa mensageeeem!! Olha, não tem experiencia melhor, né?! O tanto de gente do bem que passa pela nossa estrada, é absurdo... quanta coisa a gente aprende. Vale muuuuuuito em qualquer idade.. mas tem que preparar o psicológico pra perrengue, se não, não aguenta. Hahahahahaha beijao e grandes jornadas pra você também amigo viajante 😉
  17. 1 ponto
    Oi Livia... hahaha é um crescimento e tanto. Você passa por situações que jamais passaria se estivesse em casa e isso é muito bom pra expandir seus horizontes. Mas pra isso você tem que estar preparada psicologicamente pra passar frio, fome, não ter um lugar bom pra dormir, “falsos amigos”, e situações de perigo também.. na Argentina e no Chile eu não tive problema, mas também estava viajando com um menino... já no Peru estava viajando com a minha namorada e teve uma situação sim... o camioneiro dizia que a gente ia dormir com ele e outras coisas.. mas Graças a Deus não aconteceu nada e decidimos continuar nossa viagem de ônibus até a Colômbia.. mas tenho amigas que viajam entre Argentina e Chile sozinhas e nunca aconteceu nada... tem que estar preparada pra tudo né... mas vale muito a pena.. você se fortalece. Vai na Fé que o tanto de gente do bem que você encontra, não tem recompensa melhor 🤗🤗🤗
  18. 1 ponto
    Oi Jéssica! Que legal a sua história! Que desbravamento hein? hahahahaha autodesbravamento. Muito bacana mesmo! Queria saber das suas experiência se você sabia falar espanhol e se houve situações de alerta pelo fato de ser mulher, entende? Estou criando coragem para fazer uma viagem sozinha 😃
  19. 1 ponto
    Os primeiros 9 dias foram feitos pelo Caminho da fé. Como têm vários relatos deste caminho, farei um pequeno resumo do trecho. 1° dia - 22.07.2018 - Domingo Saída de Águas da Prata e chegada em Andradas - Mg +-32 kms em aprox. 08 horas Trecho com subidas e descidas fortes. Trecho com alguns pontos de água. Sinalização boa. Andradas: pequena cidade, com boa estrutura para receber os peregrinos. Estão montando outra pousada familiar na entrada da cidade. Tem todos os bancos. Hospedagem: Pousada pastre, centro, reformado, camas ótimas, roupas de cama branquissimas, tv compartilhada, banheiro privado. Preço: $60 por pessoa com café da manhã(servem a hora que programar). RECOMENDO. 2° dia - 23.07.2018 - Segunda-feira Saída de Andradas e chegada pousada dona Sônia em Tanguá - Mg +-28 kms em aprox 09 horas (acompanhamos outros peregrinos) Acumulado: 60 kms Trecho com muitas subidas e descidas fortes. Sinalização deficientes(algumas setas apagadas). Alguns pontos de água. Lindo visual de montanha. Taguá: pequeno distrito, tem somente a pousada da dona Sônia. Não tem agência bancária e nem caixa eletrônico. Hospedagem: Pousada Dona Sônia, Tanguá, camas ótimas, banheiro compartilhado, limpo. Preço: $65 por pessoa com café da manhã e almoço ou jantar. RECOMENDO. Amanhecendo e já enfrentando as subidas Nosso filho fez alguns trechos conosco. Chegando a Andradas-Mg (ao fundo a serra dos Lima) Linda vista de Andradas-Mg da serra dos Lima
  20. 1 ponto
    Oi gente! Estou aqui para agregar mais umas dicas sobre o Reino Unido. Fiz uma viagem entre Julho e Agosto desse ano e tenho uma dica ou outra para dividir. Em um mês eu consegui montar um roteiro que se mostrou bem completo para o que eu estava buscando. O que eu buscava? Lugares onde eu entrasse em contato com a cultura, povo e história. Mas também queria paisagens naturais de tirar o fôlego e animação. Depois de definir as cidades que eu gostaria de visitar, tentando uma mescla entre capitais e cidades menores, o meu roteiro foi esse: 5 dias em Dublin (Irlanda) 4 dias em Galway (Irlanda) 3 dias em Inverness (Escócia) 4 dias em Edinburgh (Escócia) 1 semana em Londres PS: Os dias nem sempre eram passados inteiros na cidades, considerando as viagens de trem e avião até cada uma das cidades. Depois de definidos os destinos o segundo passo é acomodação. Depois de uma pesquisa intensa decidi optar por albergues, pois vi que tinham alguns muito bem avaliados. No site http://www.hostelworld.com é possivel encontrar várias opções confiáveis e o site é bem fácil de navegar e concluir as reservas. Bem mesmo! DICA: Ler os comentários das pessoas que estiveram hospedadas no albergue! Eu devo ter lido uns 200 comentários e pude, assim, escolher com base no que eles são mesmo. Todos os albergues que eu fiquei eram bem fiéis aos seus respectivos comentários e para todos eu voltaria! Mas claro que reservar com antecedência é sempre bom, pois eles lotam rápido nessa época do ano. Eu reservei tudo com dois meses de antecedência. Depois de definidas as acomodações, transporte! Dublin-Galway:trem Galway-Edinburgh:avião Edinburgh-Inverness:trem Inverness-Edinburgh:trem Edinburgh-Londres:avião As passagnes de trem se compradas com antecedência são MUITO mais baratas! Uma diferença de mais de 50%! Cada país tem as suas principais companhias e elas são respectivos sites. Neles é bem simples reservar as passagens e com a vantagem de escolher os lugares, já que são com antecedência. Decidi viajar de trem pois eles passam por lugares lindos (principalmente na Escócia) e são super limpos e sem balanços...E realmente compensa mais do que onibus se você comprar antes. DICA: usar um cartão de crédito ou débito que você vá levar com você. Porque se as máquinas de tiraram as passagens estiverem com qualquer problema é preciso ter em mãos o cartão com que a compra foi efetivada para retirá-las na bilheteria. De preferência também é bom que ele esteja no seu nome caso peçam identificação... Entre os países viajei de avião, pois é bem mais rápido e barato se reservado com antecedência. Tão barato que você pode chegar a pagar apenas as taxas de embarque e da companhia...no site http://www.edreams.com encontrei uma grande variedade de preços e datas. DICA: as companhias mais baratas são a Ryanair e a Easyjet. Muito baratas mesmo, com preços menores que 5 pounds. Porém elas tem uma política de bagagem bem restrita e eles não abrem exceção! Exemplo: Só pode levar uma bagagem de mão e é só uma mesmo! Eles não deixam você embarcar se você não der um jeito de enfiar sua bolsa na mochila (meu caso..). Bom esses são os principais pontos e agora vou falar de forma bem resumida por que escolhi cada cidade. Dublin: Como capital ela representa. Seu povo é animado e super educado. A noite é agitada todos os dias da semana e por mais que tudo feche relativamente cedo para nós brasileiros, ela também começa mais cedo. Os pubs na região do centro são os melhores. A cada esquina você ouve o som ao vivo de clássicos do rock e da música irlandesa. A cerveja vem em pints e são deliciosas. O ambiente num pub é sempre o mesmo. Animado, cantoria, cerveja e a conversa existe mas não tira o foco da música. A cidade é linda com igrejas, catedrais, castelos e parques maravilhoso. Mas admito que a cultura e o povo foram o que me fizeram me apaixonar pelo lugar, mais do que sua arquitetura. E sim, pode se fazer TUDO a pé lá! Galway: Típica cidade irlandesa. Uma fiel representação do que é a Irlanda. Ou ao menos essas foram as descrições dos irlandeses com que eu conversei...Mas irlandeses à parte eu tenho de admitir que fui para lá porque ela é um ponto central para conhecer aquela região da Irlanda. Nela se encontram nada mais nada menos do que os Cliffs of Moher. Uma incrivel extensão de penhascos no litoral irlandês. A vista é algo de tirar o fôlego!! Lá também está Connemara, uma região linda e sim, aqui está um gostinho da Iralnda que vemos em filmes e lemos em livros. Campos verdes, castelos escondidos por montanhas e adornados por belos lagos. Mas claro que a cidade é também muito gostosa. Bem pequena, charmosa e cheia de pubs ela também é muito aconchegante e animada. Inverness: Ponto central das Highlands (região norte da Escócia). Excelente para quem quer visitar os arredores. A cidade em si é charmosissima! Ela se encontra no norte do Loch Ness. Ela é uma mistura do medieval com o gótico com o romântico. De lá você pode ir até a central de turismo e pegar uma excursão diária para os vários castelos famosos na região ou para a Isle of Skye, uma ilha de muitas belezas naturais e também, castelos. Eu escolhi passear com a excursão para a Isle os skye, pois com ela eu poderia ver tudo que queria. Desde os infinitos lagos entre montanhas com a incessante neblina que torna tudo ainda mais mágico à castelos super bem conservados. E para os fans de rock DICA: A Boleskine House, ex-casa de Aleister Crowley e Jimmy Page fica na beira do Loch Ness e faz parte da atração! Em Inverness também está um dos pubs que o Jimmy Page frequentava quando estava por lá...Chama Johnny Foxes. Edinburgh: Capital da Escócia e de uma beleza preciosa! Ao contrário de Dublin, pela qual me apaixonei pelo povo e atmosfera, em Edinburgh é possível se apaixonar só de andar pelas suas ruas. Tudo lá é grande, bem conservado e lindo, muito muito lindo. London: Bom para essa eu não tenho nem comentários. Sim, uma semana é o minimo para sequer começar a vê-la e senti-la. Ela é um antro de culturas do mundo todo mas que ao mesmo tempo conseguiu manter a sua própria identidade intacta. Ela guarda em suas paisagens sua trajetória pela história do mundo. Aqui estão alguns dos sites que eu usei. Qualquer dúvida mais detalhada é só perguntar, sei o quão dificil é escolher para onde ir diante de infindaveis opções e o quão bem vinda é uma ajudinha. Espero não ter tornado a leitura muito enfadonha. Boa viagem para todos! Transporte: http://www.scotrail.co.uk/ (trens na escocia) http://www.irishrail.ie/ (trens na Irlanda) http://www.edreams.com (vôos baratos) http://www.aerarann.com/ (companhia de aviação da Irlanda para destinos mais especificos entre os países que não são as capitais) Hospedagem: http://www.hostelworld.com
  21. 1 ponto
    11° dia - 24.06.2018 - Domingo Saída do distrito de Calcilândia e chegada a Goiás-Go +- 37 kms em aprox. 8:40hrs Acumulado: 314 kms O Francisco deixou um ótimo café da manhã pronto para nós. Acordamos pouco depois das 3 da manhã, saímos antes das 4 com um céu estrelado. Pegamos rua dentro do distrito e seguimos direção fábrica de cal. Pegamos estrada de terra à esquerda, seguimos um tempo até primeira entrocamento e viramos à direita. Atravessamos um pequeno riacho e logo a seguir foi uma sequência de curvas. ..atravessando algumas porteiras chegamos num entrocamento com uma árvore no meio dela, viramos à esquerda, pouco tempo depois noutra bifurcação viramos à esquerda, seguimos até uma fazenda e atravessamos uma porteira perto do curral, entramos numa estradinha de terra com árvores dos dois lados. Chegamos numa linda pousada do lado direito, mais à frente tivemos que atravessar outro riacho, esse mais largo e fundo. Tem que ter atenção mais à frente, tem que virar à esquerda e adentrar numa estrada dentro dum pasto. Chegamos num porteira de madeira na descida e seguimos reto, aqui tem olhar bem onde está o próximo marco, tem que seguir reto (vai chega numa trilha mais demarcada, o marco de início desta trilha está apagada). Mais à frente chegamos num marco com uma seta sinalizando virar à direita, mas andamos um pouco e não vimos mais marcos, retornamos ao marco e vimos um colchete no canto...portanto tem que seguir reto atravessando esse colchete e um riacho a seguir. Pegamos uma subida forte, chegamos numa árvore grande e seguimos reto até uma estrada de terra e viramos à direita, mais à frente tem um entrocamento, tem que seguir reto numa estrada dentro dum pasto com capim bem alto, chegando numa porteira de madeira e seguimos reto. Mais à frente pegamos estrada dentro dum pasto, chegamos num marco inserido numa árvore à esquerda sugerindo seguir um caminho à esquerda, mas o correto é seguir sempre nesta estradinha (ela não tem muitos marcos) até chegar numa porteira de madeira continua na estradinha dentro do pasto sempre reto até chegar numa porteira de madeira, continua reto sempre descendo, rente à cerca do lado direito, até chegar em uma chacara, tivemos que pular duas porteira, uma de ferro e outra de madeira pois estavam amarradas com arame. Logo à frente outra porteira, atravessamos um pequeno riacho. Depois seguir sempre na estrada de terra, começa uma subida até chegar numa porteira e logo a seguir uma estrada de terra viramos à direita, seguindo sempre reto, passamos em Ouro Fina (antiga cidade do tempo da extração do ouro, hoje tem somente ruínas de uma igreja), após 10 kms quilômetros chegamos na igreja do ferrero, neste local tem somente a igreja e uma residência em frente, onde pedimos água gelada. Mais alguns quilômetros chegamos numa rodovia asfaltada e viramos à esquerda e no primeiro trevo viramos à direita e a direita de novo, sentido um parque com um rio. Comemos um excelente Self-service à vontade perto do museu da Cora Coralina por $16 por pessoa à vontade. Goiás: Linda cidade histórica toda restaurada, boa estrutura turística e bom comércio. Hospedagem: Pousada do Sol, próxima a praça do coreto, fone: 62 3371-1717 (www.pousadadosol.net.br), camas ótimas, tv aberta, wifi, ventilador, banheiro privado. Preço: $55 por pessoa com café da manhã( não serve antes das 07 horas). RECOMENDO Obs.: Tem ônibus pra Goiânia às 07:50hrs, dá tempo de tomar café da manhã e ir à pé até a rodoviária Linda pousada(outra de opção de hospedagem, o problema é o alto preço) Atravessando o primeiro riacho Lindo amanhecer Neste trecho erramos e seguimos à direita, o certo é atravessar colchete à esquerda) Uma subida básica Atravessando capinzal Atravessando pasto Outro riacho Trecho sem sombra Trecho de asfalto, já próximo da cidade Lindo casarão no centro histórico da cidade de Goiás Tudo muito bem conservado e limpo Aqui termina o caminho Cora Coralina, no museu Forte subida (foto fora de ordem )
  22. 1 ponto
    @Davi Sotti Oi, davi!! Ai que bom, espero que ajude sim. Eu tenho uma planilha geralzona com tudo detalhado sobre onde me hospedei, quanto gastei com transportes internos, roteiro e tudo mais. Me diz seu email que eu te mando uma copia pra ti. Os gastos de 40eur foi pra tudo fora hospedagem e transporte de uma cidade pra outra, sendo entao, so pra alimentacao+compras+metros/trams+balada+bebidas. E levei sempre euro. Troquei de euro pras moedas locais no lugar quando chegava. Pode perguntar oq quiser hahaha bjs
  23. 1 ponto
    5° dia - 17.06.2018 - Domingo Saída do distrito de Jaranapolis e chegada a São Francisco de Goiás - GO +-30 kms em aprox. 06:40hrs Acumulado: 141 kms Acordamos antes das 04 da manhã, tomamos café da manhã. Entramos numa rodovia asfaltada sentido Radiolandia(distrito de Pirinópolis), andamos +- 5 kms até entrar numa estrada de terra à direita. Andamos vários quilômetros sempre reto(não entrar em nenhum lugar), depois de 03:30hrs de caminhada total chegamos num entrocamento e viramos à esquerda, logo a seguir tem umas casas do lado direito e mais à frente uma ponte sobre um riacho. Aqui a sinalização está perfeita. Passamos por várias porteiras, sempre seguindo os marcos. Muito gado de corte e vi uma criação de ovinos, poucas plantações de milho e mandioca. Chegamos na hora do almoço, como era a estréia do Brasil na copa, só tinha um restaurante funcionando. Fui no hospital consultar, é que desde ontem os insetos me picaram o corpo todo(esqueci de usar repelente e fiquei muito próximo de cachorros, tenho um imã pra pulgas..rs). Almoçamos Self-service à vontade por $15 por pessoa à vontade próximo a rodoviária. Dormi à tarde toda, depois que tomei medicação para as picadas. São Francisco de Goiás: cidade pequena, tem 3 pousadas (uma a 2 kms da cidade), tem boa estrutura de comércio. Hospedagem: Hotel Maria Rita fones: (62) 3305-7887 e 99235-5664, o mais próximo do início do próximo trecho. Camas boas, tv aberta bem pequena, banheiro privado, bem simples. Preço: $50 por pessoa com café da manhã. Muito quente, grandes criações de gado Verde exuberante Chegada a São Francisco de Goiás
  24. 1 ponto
    2° dia - 14.06.2018 - Quinta-feira Saída de Cocalzinho de Goiás e chegada a Pirenópolis - Go +- 35 kms em aprox. 09:30hrs Acumulado: 63 kms 1° trecho: Cocalzinho de Goiás a Posto Parque estadual do Pico dos Pireneus - Go +-11 kms em aprox. 02:05hrs Saímos 04:30 da manhã, tempo frio sem previsão de chuva para o dia. Descemos a rodovia asfaltada em direção ao parque, saindo da cidade entramos na estrada de terra depois de +- 1 hora, viramos à esquerda e começou uma subida média até o posto do parque. Com lindo visual de montanha. 2° trecho: Posto P.N do Pico dos Pireneus e chegada a Pirenópolis - Go +- 24 Kms em aprox. 07:30hrs Retornamos uns 15 minutos no trecho que fizemos ontem (sentido salto do Corumbá), vimos um marco à direita e entramos numa trilha. Começa um show de visual de pedras e lindas flores do cerrado. Trecho muito bem sinalizado, passamos dentro de 3 rios para esfriar os pés. Chegamos numa estrada de terra e viramos à direita, seguimos nela por uns 30 minutos, viramos à esquerda e logo à frente atravessamos uma ponte de madeira, pegamos uma pequena subida e logo viramos à esquerda depois de uma casa do lado esquerdo, subida bem íngreme numa trilha, até o topo, sempre seguindo ao lado de uma cerca de arame, com lindo visual de montanha. Quando ver 2 postes da cerca pintada de preto e amarela, vire à esquerda atravessando a cerca. Depois de algum tempo chegamos noutra cerca e atravessamos, chegamos numa estradinha de terra e viramos à direita, logo a frente atravessamos porteira e começou outra trilha, com bastante sombra. Atravessamos mais 2 porteiras de madeira seguimos reto subido, mais à frente entramos à esquerda noutra estradinha de terra , poucos metros adiante entramos à direita e uns 30 metros viramos à esquerda numa trilha mais a frente entramos à esquerda numa estradinha de terra, continuamos descendo, uns 200 metros entramos novamente à esquerda logo a frente atravessamos um riacho e continuamos do outro lado do rio subindo sempre depois é vira a direita depois esquerda e novamente à direita numa grama. Chegamos ao Rio das Almas e atravessamos, depois pegamos outra subida forte, e outra estradinha até o hotel Mandala, lindo. Entramos à direita numa estrada de terra e seguimos até estrada asfaltada, viramos à esquerda e a 20 metros novamente à direita numa estrada de terra até um camping ($50 por pessoa ao dia), viramos à esquerda e seguimos numa estrada de terra até uma pedreira, viramos à esquerda e seguimos, à frente entramos à esquerda e atravessamos ponte pencil sobre o rio das almas, caminhamos numa trilha com bastante sombra, atravessamos uma pinguela e continuamos sempre a beira do Rio das Almas até ao centro de Pirenópolis. Da ponte pencil até entrada da cidade +- 1 hora de caminhada. Almoçamos Self-service à vontade por $20 por pessoa. Caminhamos mais 1 kms até pousada, num forte calor. Pirenópolis: Cidade histórica bem preservada. Ótima estrutura hoteleira e apoio ao turista. Bom comércio. Hospedagem: Pousada Zoe, (62)99340-8578 / 3331-3471, camas ótimas, tv aberta, wifi, ar condicionado, frigobar, banheiro privado, limpissimo. Preço $55 por pessoa com ótimo café da manhã. RECOMENDO Lindo amanhecer Chegando ao posto do parque Viramos à direita e pegamos essa trilha, mais à frente descida com muita pedra e com lindo visual Visual deslumbrante de toda região Exuberante flora Atravessando riacho Trilha bem demarcada e sinalizada. Ao fundo vista da cidade de Pirenópolis. Ainda faltavam muitos quilômetros. Ponte pencil sobre o Rio das Almas
  25. 1 ponto
    Parabééééns!!! Estou exatamente nessa vida há 3 anos e meio e vivi exatamente as mesmas coisas (óbvio que cada um de um jeito), as mesmas sensações antes, durante e aprendi mais do que nas duas faculdades que fiz, em qualquer emprego que tive...Foi a melhor escolha da vida, é VIDA. E comecei aos 37 anos e não foi tarde. Nunca é tarde. Se eu tivesse escolhido fazer aos 70, teria sido perfeito de qualquer forma. Que lindo que tu conseguiste fazer antes... Parabéns de novo!!! Em setembro começo o mesmo roteiro que tu fez (estou em casa dando uma visitada), mas nunca mais me imagino naquela vida padrão. Os valores aqui dentro cresceram, o que importa mudou e o mundo é só um motivo para aprender, conhecer gentes e amar a todos, sem diferença! Grande beijo e gigantes jornadas pra ti!
  26. 1 ponto
    Muuuuito legal Jéssica... É de se admirar toda essa coragem e determinação. Esse mundão é lindo demais. Vá em busca de seu sonho e seja feliz à sua maneira. Ah, e continue contando aqui, pq queremos saber (e conhecer um pouco) sobre seus caminhos, lugares por onde passou, como faz para angariar fundos, etc. Parabéns!
  27. 1 ponto
    O mundo precisa de pessoas com atitude e coragem para assumir os próprios quereres. Você está literalmente neste caminho. Sei de onde você vem mas sei que é impossível prever até onde você pode chegar. Os jovens precisam de exemplos para encarar essa grande aventura que é o viver em um mundo real. Temos que sair das tocas, temos que desatar os laços que nos prendem à nossa zona de conforto e seguir em frente. Não é fácil, mas pelo caminho vamos encontrar pessoas, gente pela qual vale a pena acreditar.Te desejo uma vida nova a cada km percorrido e que você saiba por na mochila todo o aprendizado que está encontrando por este novo caminho.
  28. 1 ponto
  29. 1 ponto
  30. 1 ponto
    Admiro sua coragem e te desejo toda as energias boas deste universo <3 Um dia quem sabe tomo coragem também
  31. 1 ponto
  32. 1 ponto
    Tenho vontade de fazer o mesmo. Mas me falta coragem devido às pressões que sofro. Mas que história. Parabéns
  33. 1 ponto
    Portugal é um país que aprendi gostar. Não era aquele país dos meus sonhos de criança como França e Egito, eu tinha muitos preconceitos como muitos brasileiros ainda tem devido à nossa colonização, ao que é ensinado nas escolas e principalmente à falta de conhecimento. Depois que, ainda aqui no Brasil, comecei a mergulhar um pouco na sua cultura e história foi que me surgiu uma vontade (ainda pequena) de conhecer este país. Em 2008 pisei por lá a primeira vez e depois disso outras 4 vezes. É um dos países que eu escolheria para morar se fosse possível no momento. Adoro sua cultura, história, paisagens e sim... até seu povo. Este não é um relato de viagem, mas sim um apanhado geral do pouquinho que conheço de Portugal. Deixei de fazer os relatos no calor da viagem e por isso acabei perdendo as anotações dos valores gastos, dos horários, das ideias...mas não perdi as memória, emoções e principalmente...as fotografias. Escrevo aqui não como uma ajuda prática, que muitos buscam no fórum. Escrevo mais como um "apelo" a mais para que conheçam Portugal. Lisboa, Porto, Mafra, Fátima, Tomar, Óbidos, Ericeira, Sintra, Cascais, Estoril, Vila Franca de Xira serão algumas das cidades que "visitaremos" com algumas fotos. Espero que gostem. Vamos começar por Lisboa? Claro, a maior cidade de Portugal, e na minha opinião uma das melhores cidades para turismo na Europa. Digo isso um pouco por experiência própria e muito baseado em pesquisas anuais sobre turismo. Sim, Lisboa (e Portugal) como um todo é frequentemente citada como destino nota máxima, digamos assim. Boa infraestrutura para os visitantes, transporte público eficiente, belas paisagens, arquitetura preservada, clima ameno e por ai vai.
  34. 1 ponto
    Passei um bom tempo longe deste post, na verdade me esqueci de acrescentar a visita que fiz a Mafra, mais especificamente ao Palácio Nacional de Mafra ou Convento de Mafra. Trata-se de um dos grandes monumentos de Portugal, que teve sua pedra fundamental colocada a 300 anos! "Mandado construir no século XVIII pelo Rei D. João V em cumprimento de um voto para obter sucessão do seu casamento com D. Maria Ana de Áustria ou a cura de uma doença de que sofria, o Palácio Nacional de Mafra é o mais importante monumento do barroco em Portugal. Construído em pedra lioz da região, o edifício ocupa uma área de perto de quatro hectares (37.790 m2), compreendendo 1200 divisões, mais de 4700 portas e janelas, 156 escadarias e 29 pátios e saguões. Tal magnificência só foi possível devido ao ouro do Brasil, que permitiu ao Monarca por em prática uma política mecenática e de reforço da autoridade régia." Seu interior é rico em obras de arte e mobílias. Abaixo a igreja do palácio. Sem dúvidas o maior "tesouro" de Mafra é sua biblioteca, considerada uma das mais bonitas do mundo. Infelizmente não encontrei nenhuma fotografia nos meus arquivos, mas para ilustrar tem esta do site http://www.palaciomafra.pt
  35. 1 ponto
    Hoje minhas memórias vão para Ericeira, linda cidade a uns 40 km de Lisboa e 20 km de Sintra. A cidade é uma daquelas à beira de um penhasco, com a maioria das casas pintadas de branco com detalhes em azul. Muito agradável. É uma cidade famosa pelo surf, imagino que no verão fique lotada, pois é um lugar muito agradável, com pôr-do-sol espetacular. Em Ericeira uma boa visita é a Aldeia Típica de José Franco. É como se fosse um museu em miniatura sobre o Portugal típico, com várias casinhas decoradas tradicionalmente e com bonecos e vários utensílios feitos pelo tal José Franco. Infelizmente perdi várias fotos de lá só sobraram poucas e já era noite.
  36. 1 ponto
    Outro bom lugar para visitar em Sintra é a Quinta da Regaleira. Lugar muito bonito, cheiro de simbolismo ligado à Maçonaria, aos Templários e à Rosa-Cruz. São vários túneis, muitas grutas e lá fica o famoso Poço Iniciático. De lá eu recomendo muito ir conhecer o Cabo da Roca, simplesmente um dos lugares mais bonitos que já visitei. Dei uma tremenda sorte pois no dia fez sol. Como escreveu Camões: "Aqui ... onde a terra se acaba e o mar começa..."
  37. 1 ponto
    Voltando ao centro, um ótimo lugar para conhecer é o Chiado, ali a vida noturna é intensa juntamente com o Bairro Alto e Alfama (na colina oposta) e vai até altas horas. Durante o dia é uma caminhada agradável, apesar das ladeira. Por lá ficam a famosa cafeteria A Brasileira com a estátua de Fernando Pessoa e também varias lojas de marcas famosas. Um shopping pequeno, porém agradável é o Armazéns do Chiado, existe uma loja da Fnac entre outras. Continuando pelo centro, é uma boa atravessar o Rossio e ir conhecer a Rua Augusta. São vários quarteirões apenas para pedestres, terminando em um bonito arco. Finalmente chega-se ao Terreiro do Paço, ou Praça do Comércio. Na época que fui estava em reforma (já concluída). Como este dia estava quente em Lisboa eu merecia....
  38. 1 ponto
    Vamos agora relembrar um pouco da região de Belém. Lá se encontra o Padrão do Descobrimento, a Torre de Belém, o Mosteiro dos Jerônimos, etc. Construído para relembrar as glórias e conquistas marítimas de Portugal é um belo monumento. Pode-se subir ao topo, mas não foi o meu caso. Mesmo do chão vale a visita. Bem em frente fica o famoso Mosteiro dos Jerônimos. Onde estão as pessoas na foto abaixo existe um mapa-múndi mostrando as "descobertas" portuguesas. A alguns metros dali fica o maior cartão postal de Lisboa, a Torre de Belém que data de 1519 ! Atravessando a rua, a uma curta caminha chega-se ao Mosteiro: O interior é muito bonito e lá ficam os túmulos de Camões e Vasco da Gama.
  39. 1 ponto
    Ahh, que legal estas fotos, rever paisagens que eu tanto adorei tb!! Minha história de amor com Portugal é bem parecida com a sua. Eu quero viajar boa parte do mundo, mas Portugal a princípio não era prioridade... acabei indo, e acabei adorando! Nas minhas viagens eu tento aproveitar o lugar como um teste pra morar nele, isso tira o foco do turismo apenas e me ajuda a viver cada lugar... no fim faço a pergunta: "eu moraria aqui?" Tem lugares que a gente acha lindo, o máximo (como Istambul), mas eu só respondi sim pra três cidades até hoje, e duas são em Portugal! (Lisboa e Porto) A comida, a paisagem, a cultura, a história, tudo isso me pegou forte... tb quero fazer como vc e voltar, nem que seja esticando conexão! Vc já foi pro sul? Algarve? É outra vibe, mas é lindo demais!!! Pra mim ainda falta muita coisa (só conheci Porto, Lisboa, Sintra e o Algarve)... mas um dia eu volto.
  40. 1 ponto
    Já no Castelo de São Jorge esta é a vista da cidade... Tem muita gente que se decepciona... mas este é interior do Castelo de São Jorge. Só ruínas, afinal possivelmente a cidade surgiu aí neste ponto por volta do século XII a.c. !
  41. 1 ponto
    Thiago Gentil , Com relação a Nepal " aguentar o tranco " não posso te confirmar com certeza absoluta ..pois dpende do tranco ( neve ..ventos , etc ) . Fiz a escolha pela Nepal baseado em alguns pontos . Uma barraca para 3 estações , resistente a chuva ( sobreteto 3000 e piso 6000 ) , relativamente leve ( menos de 2 kg ) , com espaço interno que comporte duas pessoas de 1,80 m ( eu e meu irmão ) com duas portas , boa area de ventilação e avanço adequado para manter equipos . Sabedor de seus pontos negativos ( apenas uma vareta e não ser autoportante ) , não pensei em utilizá-la em climas extremos - pois aí , caberia uma de 4 estações cujo custo elevaria . Acredito ter feito a escolha certa . Em el Chalten , os camps estão em uma área relativamente protegida de ventos fortes ( saber escolher o bom local para armá-la ) e o solo não ser rochoso - facilita a fixação com os espeques de alumínio . Um ponto que acho importante foi a condensação que aconteceu numa noite muito fria ( negativa ) . Acredito que geramos muito calor e com pouca ventilação ( a "saia " presa por pedras cria-se um efeito estufa ) . Fica a dica ...prender a saia da Nepal e usar um bom saco de dormir . Não pegamos chuva e nem vento forte . Outros detalhes ....te informo . abraço !
  42. 1 ponto
    Só um relato: na madrugada de 23 para 24 de julho último, eu e um amigo (eu de Nepal, ele de MiniPack) acampamos em 27.50.909'S 49.18.453'O, a 1650m, no Campo dos Padres, em um platô totalmente desprotegido. Sabe aquele acampamento montado no final do dia, já escurecendo, e no meio da cerração? Pois é. Quando acordamos que vimos o quanto estávamos expostos. Bem, durante a noite ventou MUITO. Tenho os dados da estação do INMET no Morro da Igreja, que é mais alto, eu sei, mas acho um bom referencial. Pois bem, as rajadas no MI chegaram a 113,4 km/h. Vejam, vou falar pela NEPAL, que é a minha: tranquilo!!! O vento parecia chutar a barraca. Nós ainda improvisamos uma cozinha com uma maldita lona preta que fez barulho a noite inteira e dificultou MUITO o sono, mas em termos de confiabilidade, sustentação, foi como acampar na praia em uma agradável noite de verão. Posso estar sendo muito otimista, mas não acho que ventos (até mesmo os patagônicos) sejam problema para a NEPAL. A bichinha, mesmo "desabrigada", mostrou-se muito valente. Abraços, Mioto.
  43. 1 ponto
    Olá JJM! Note que quando me referi ao fato da Nepal aguentar as condições típicas da Patagônia (leia-se ventos fortes) eu disse "abrigada". Aliás, que fique a ressalva: não há barraca totalmente indestrutível frente a vento e totslmente exposta, seja na Patagônia ou não. A Nepal, insisto, montada corretamente (fixados seguramente todos os cordins) e em local abrigado suportará ventos fortes mas não fará milagres se a coisa "enfeiar". Abraço!
  44. 1 ponto
    Olá pessoal,dentro de alguns dias faremos o relato de nossa viagem a El Chalten e Paine,mas posso adiantar que vi barracas Azteq resistitrem bravamente a 2 noites de temporal fortíssimo no Poincenot.Montagem correta ,estabilização e boa ancoragem são fundamentais sempre.Uma barraca de U$1000,mal posicionada,mal ancorada vai te trazer tanta dor de cabeça quanto uma de U$ 50.Vê-se tantas situações atipicas nos acampamentos que custa a acreditar que barracas tipo Mor com lona preta de Mst não saiam voando.Porque?Estavam muito bem amarrdas.Então vá de Azteq sem medo,sabendo que é uma Azteq. Abraço Claudio
  45. 1 ponto
    Nepal aguenta TDP fácil... Usei a minha lá e em lugares muito piores... O único lugar que não arrisquei foi os Dientes de Navarino, onde usei a minha Manaslu Discovery (modificadas segundo as dicas do forum mochileiros), e te digo que me arrependi! A Nepal teria aguentado sim, a minha impressão da Manaslu foi a pior possível (Usei 6 dias e vou vender). Já dei varias dicas de montagem da NEPAL (vide posts antigos, para não repetir informações), e o importante é vc montar na aerodinâmica correta da barraca com o vento. Não é necessário pontos adicionais de suportação, o máximo que fiz foi comprar uns 4 "specs" adicionais para terrenos "fofos" ou para ventos fortes. Já peguei ventos fortes, neve, chuva, calor e tempestade de areia com ela, e tudo tranquilo. Ótimo espaço para 2 com material, e sim tem o inconveniente de não ser autoportante (é fato vc montar e descobrir que 2 ou 3 "specs" não entram, então ou desmonta tudo e muda ou faz adaptações como o uso de "9", já explicado anteriormente). A Nepal sempre chama atenção por onde passei (Principalmente EUA e Chile) pelo peso e rapidez de montagem quando a dupla já está craque (Hoje eu e minha esposa já a dobramos de forma mais compacta que a nova na embalagem!!!). A minha Nepal é de 2004, sem saias. Voltei da ultima viagem de 15 dias (GR-20 - Córsega), onde se comportou muito bem após a minha revisão de muitos kms (Reforcei o piso com uretano, selei novamente as costuras, lubrifiquei zíperes com silicone spray e dei banho impermeabilizante na cobertura). Na Europa um barraca da Quechua (T2 Ultralight Pro) me chamou muita atenção por ser bem parecida com a NEPAL (Formato, não ser autoportante, mas com 1 porta apenas), mas com uma possibilidade boa para aumentar a ventilação em dias quentes muito interessante (é uma rabetinha que pode ficar aberta com um pedaço de vareta ou fechada em clima ruim - veja o video de montagem). Vide site: http://tente.quechua.com/en/tent/r-11,a-35,tente-t2-ultralight-pro.html
  46. 1 ponto
    O anzol serve pra engatar em raizes, caules, pedras, etc... em lugares em que não é possível enfiar/enterrar o espeque. Como as barracas da Aztec não são auto-portáveis é extremamente nescessário esticá-la toda, senão ela não fica em pé.
  47. 1 ponto
    Acho uma boa Gabriel. Nada é tão bom que não possa ser melhorado. :'> Eu faria mais dois pontos de fixação, a +/- 1m de altura nas extremidades da barraca, em cima da vareta. E por dentro, no mesmo lugar, um velcro ou cordinha pra amarrar na vareta. Assim o cordelete não estaria fixado apenas no sobreteto, mas também na vareta. Não esqueça de costurar um pedaço de nylon p/ dar mais resistência, e impermeabilizar as costuras.
  48. 1 ponto
    Camila... É uma boa Pedida... A minha Já Rodou Peru, Torres Del Paine, Fitz roy, Canyon Lands.... Peguei desde Neve a Deserto...Peguei Vento e Muita Chuva e não tem o que reclamar... Depois de quase 7 anos eu fiz uma manutenção, preventiva diga-se de passagem... Basicamente reforcei o piso com impermebilizante, Re-seleia as costuras (A azteq já vem com costura selada e até que duram bem mas como tendemos a estica-la pode ser necessário um reparo, o primeiro foi feito agora) e dei um banho de NIKWAX. Barraca ótima para 2 pessoas e mochilas grandes. Os "avances" são ótimos para deixar o material e botas, principalmente quando molhados. Eu uso um Footprint dobrado para auxiliar a montagem e forrar os "avances". Para dias quentes e sem risco de chuva eu usava sem o teto... Voltei dos Dientes de Navarino, onde levei uma Manaslu Discovery...e para ser sincero senti muita falta da minhas AZTEQ fosse em espaço ou em impermeabilização...só foi útil mesmo em ser auto-portante...mas este será outro "post"...
  49. 1 ponto
    grato pelas informacoes estou postando algumas informacoes sobre a barraca azteq ( mini pack ) sao informacoes direta da parte tecnica da azteq, pois foram respondidas algumas perguntas feitas por mim. a barraca e projetada para suportar rajadas de vento de acordo com informação do site, mas quanto de vento ela suporta? ( km/ h ) NÃO TEMOS ESTA INFORMAÇÃO, MAS AGUENTA OS VENTOS EXISTENTES NA AMÉRICA DO SUL caso ela seja montada na direção contraria do vento ( vento batendo na porta) o quanto ela suportara ? ELE NÃO DEVE SER MONTADA CONTRA O VENTO qual o desempenho da barraca em temperaturas negativas ? ELA TEM UM BOM NÍVEL DE PROTEÇÃO MAS O MAIS IMPORTANTE E A QUALIDADE DA ROUPA E DO SACO DE DORMIR como a barraca se comporta em ambiente que esteja nevando ? ESTÁVEL, DESDE QUE MONTADA CORRETAMENTE O que vc precisa saber é que é uma barraca 3 estações, ou seja, perfeita para as condições extremas encontradas no Brasil. Não é uma barraca que vá aturar uma (ex) tempestade de vento e neve, pois não é desenhada para isso. Para as condições encontradas aqui, sua barraca está mais do que preparada... apenas tome o cuidado de armar de forma que “fure” o vento que estiver enfrentando.
  50. 1 ponto
    Oi pessoal! Mari, ja vou providenciar meu guarda-chuva... rsrsrsr essas dicas que seu amigo deu sao otimas mesmo. Confirmam o que eu ja tinha pesquisado: - que é melhor comprar o ticket do metro do que pagar por utilização. Eu pretendo comprar o oyster pra 7 dias. - que pra economizar devemos comer na rua, fazer uns lanches rapidos, mas q tb existem restaurantes baratos. Eu tenho uma relacao que pode servir pra voceê tb, eu particularmente ainda nao pesquisei todas: Pret a Manger: Uma rede que tem sanduíches naturais baratos. Stock Pot; Hot: Rest. Japonês perto do metrô de Holborn mark and spencer food: la vc acha varios sucos naturais e sanduiches baratos Nando´s (veja o site, vale a pena, é tipo o Galeto´s e os preços sao bons); JD Wetherspoon – para café http://www.jdwetherspoon.co.uk/ Incognico: A melhor relação custo-benefício da cidade é o almoço do Incognico (117 Shaftsbury Avenue, tel. 020-7312-2490), em que você experimenta a comida do badalado chef Nico Landenis por inacreditáveis US$ 18. Belgo: O ambiente mais divertido de Londres é o da rede moderninha Belgo, especializada no trio mexilhões-batata frita-cerveja belga; no Belgo Centraal (50 Earlham St., tel. 020-7813-2233), você pode almoçar a US$ 8 e jantar a US$ 22. Fish! Borough Mkt. Outra rede de restaurantes "pop", a Fish! (um dos endereços: Cathedral St., Borough Market, tel. 020-7836-3236) prepara o peixe que você escolher com o molho e os acompanhamentos que você preferir, a partir de US$ 15 Wasabi: eh uma rede de comida japonesa,uma delicia.Com £4 vc faz uma refeicao bacana. - que nao podemos esquecer de levar nossos remedios, especialmente: pra dor de cabeça, resfriado, dor na coluna, enjoo, antialergico. - ahhhhh descobri uma loja maravilhosa com preços excelentes! http://www.newlook.com/. Fica na oxford circus e é uma das lojas que pretendo visitar pra comprar roupa de frio qdo estiver por la. Tem tb a Sports Direct e a Lilly Whites que vendem roupas esportivas a preços baixos. Vc ja sabe em que hotel vai ficar? Este fim de semana reservei o hotel q vou ficar em Dublin. Falta ainda reservar o que vou ficar em londres na volta de dublin. Alguma dica? Agora falta pouco mais de um mês pra ir...
Líderes está configurado para São Paulo/GMT-03:00


×
×
  • Criar Novo...