Ir para conteúdo

Mais curtidos da Semana


Conteúdo Popular

Exibindo conteúdo com a maior reputação em 31-12-2018 em todas áreas

  1. 2 pontos
    Observei que há poucos relatos sobre o Marrocos de carro e eu estava em débito quanto a contar a história desta viagem, então resolvi escrever agora. E também pela gratidão ao povo marroquino pela hospitalidade, gentileza e simpatia. Escolhemos viajar em março por ser o fim do inverno e porque gostaríamos de ver neve. As temperaturas oscilaram entre 2º e 13ºC, com exceção do Sahara onde foi de 16° a 22°C. Ah, e é um destino muito seguro e bastante econômico, que são palavras mágicas para mim. O Marrocos por todo o exotismo povoa minha mente há décadas, então quando soube que tinha surgido uma empresa aérea que fazia voos diretos e em 9 horas, achei que era a hora. A cotação do dólar e euro começou a subir sem parar, isso sempre ocorre quando estou prestes a viajar, e só faltavam as passagens. Decidimos minha esposa e eu, que tinha que ser naquele momento. Por sorte durante a viagem o dólar e euro baixaram e a Royal Air Marroc devolveu-me a diferença, que foram uns R$ 800, nas duas passagens. Um probleminha era que os idiomas oficiais eram o francês, árabe e berbere. Meu inglês é capenga, mas soube que dava para se virar bem com o espanhol, então com a cara e coragem, nós fomos. Tratei de escolher apenas hospedagens nas quais falassem espanhol (tem lá embaixo no Booking). A aventura começou ao entrar no avião com a tripulação falando francês, alguns homens usando roupas típicas, todas as mulheres usando lenço (hijab) e músicas árabes de fundo, me parecia que só tinha nós dois de brasileiros. O voo atrasou uma hora e meia, devido a um temporal em Guarulhos. E ao chegarmos a Casablanca vimos o quanto é rigorosa a imigração, sendo nós e outro casal separado para a revista, mas deu tudo certo e nem perguntaram sobre o chimarrão e cinco quilos de erva-mate que levávamos. Incluímos neste roteiro as quatro cidades imperiais que são Marrakech, Fez, Meknes e Rabat. E acrescentamos Chefchaouen, Ifrane, Ouarzazate, Merzouga, Tinghir e Casablanca todas de grande importância turística. Coloquei abaixo com as fotos um mapa de nosso roteiro. Visão geral sobre turismo no Marrocos O Marrocos é um país de enormes contrastes. O país tem praias, montanhas, neve, deserto, cidades históricas e culturais. A cada 50 km a paisagem muda totalmente. Nas cidades grandes convive a mistura de modernidade e tradição. Não é todo lugar que se pode almoçar em um restaurante fundado em 1150 ou dormir em um hotel do ano 1348. E por falar em neve, as Montanhas Atlas têm neves eternas, ou seja, neves permanentes no topo, lindas. É um país seguro e de pessoas alegres, amáveis e que respeitam o turista. A polícia é muito educada e eficiente. São muito tolerantes e respeitadores quanto a outras religiões. Não há problemas para que mulheres viajem sozinhas, claro que devem se cobrir mais e não usar roupas muito justas por respeito a seus costumes. Também não precisam usar o lenço (hijab). Podem até ouvir uma cantada, tipo “quer casar comigo?” ou “quero casar com uma garota brasileira” e não se admire se em português. Todas suas fotos parecerão profissionais, porque além dos cenários incríveis a iluminação é perfeita. Por isso que Ouarzazate é chamada de Hollywood do Marrocos. Ocorrem muitas filmagens e não só de filmes com a temática árabe ou com deserto, mas até com temas europeus ou chineses por exemplo. Você vai ouvir muito as palavras: -Medina – É a cidade antiga que fica dentro das muralhas, ou seja, uma fortificação. Os portões das medinas são chamados de Bab, por exemplo, em Meknes tem a Bab El Mansour. -Souk, zoco, (espanhol), souq (inglês) – que se refere à zona comercial ou bazar dentro da medina. Há o souk dos couros, dos frutos secos, das joias, dos calçados, etc. -Riad – São mansões ou palacetes tradicionais sem janelas para o exterior, as salas e quartos abertos para o pátio interno ajardinado que muitas vezes tem árvores e fonte para refrescar. Abrigavam famílias numerosas e endinheiradas, hoje é uma palavra para hospedagem, ou seja, é um pequeno hotel sempre com decoração típica. Hospedagem que recomendo e é quase obrigatória, pela experiência, em Chefchaouen, Fes e Marrakech entre as cidades deste roteiro. -Kasbah – são palácios fortificados. Normalmente são de adobe (mistura de terra e palha) é um tipo de arquitetura muito comum no Marrocos. Tanto que, entre Ouarzazate e Thingir é chamado de Vale dos Mil Kasbahs. Alguns atualmente servem como hotéis. -Ksar – é uma cidadela fortificada e pode conter vários kasbahs. O mais famoso é o Ksar Ait Bem Haddou em Ouarzazate. -Bérbere – são os habitantes originais do Marrocos e de seus vizinhos Argélia, Mali, Tunísia antes da chegada dos árabes no ano 681. São diversos grupos ou tribos e sua cultura é muito forte e influente no dia a dia. Não confundir com índios, como li alguém citar. Tem uma cultura com escrita bem antiga derivada dos fenícios. Tiveram também influencia grega e romana. O grupo mais conhecido pelo cinema são os touaregs. -Djellaba - é o traje típico masculino. -Kaftan – é o vestido típico feminino. Assim como os trajes masculinos, tem para o inverno, o verão, para o dia a dia e para festas. Aliás, as mulheres vão ficar encantadas com a beleza dos mais festivos em exposição nas lojas. -Hijab – é o lenço feminino. Não é obrigatório. Também chamado nas lojas de pashmina. É uma boa opção de presente. Bem baratos e de boa qualidade. Baboucha ou babouche – São chinelos típicos. Tem para homens e para mulheres. São muito decorativos. Outra boa opção para presente. Também são bem baratos. -Dirham – É a moeda (abreviação MAD), que vale 10 a 11 por um Euro. Euros também circulam muito bem no comércio e hotéis. Bem fácil de converter, até de cabeça, para reais. Por exemplo, 200 MAD. Tire um zero e multiplique por 10 ou 11 (como preferir), o resultado é 20 Euros. -Hamman – É o conhecido banho turco. É um ritual de banho, esfoliação e massagem. Nós fizemos os dois juntos em Marrakech em nosso riad. Adoramos! Creio ser uma experiência obrigatória. E a moça que fez tinha mãos de fada, nada daquela coisa bruta que se vê em filmes. Coloquei os hotéis que ficamos para referência de preços (ver no Booking) e de localização, que no caso das cidades grandes também incluía o problema de chegar de carro. Isso porque dirigir dentro das medinas como em Marrakech e Fez é um problema. Todos tinham nota acima de 8 na época. Muitas atrações são livres ou muito baratas. Apenas mais caros foram os ingressos com guia na Mesquita Hassan em Casablanca e o Jardim Marjorelle em Marrakech. Mas valem todos os centavos. Estes não se comparam aos valores na Europa, são muito menores. Se for comprar algo mais caro tenha uma noção de preços antes de entrar em uma negociação. É uma experiência marcante que pode levar horas. Nós compramos um lindo casaco de couro de camelo para minha esposa. O preço começou em umas três vezes mais, saímos, voltamos umas duas vezes e novas discussões de valores. Então soube quanto era a faixa de preços lá no riad e também com outro vendedor e no final quando já estávamos quase brigando fechamos em 80 Euros, ficamos amigos, nos abraçamos e conversamos. Para mais informações veja no site:http://www.marrocos.com/ A culinária Mundialmente famosa e exótica com muitos temperos, mas nada que desagrade a maioria dos paladares (ah..., tem o cominho) e há também muitos pratos vegetarianos. Não tem esquisitices. Não estranhamos e gostamos muito. É bem variada e os mais populares são: -Cuscuz – Que é feito com sêmola um tipo de trigo duro. Quem gosta do cuscuz paulista vai gostar porque é semelhante, mas melhor. -Tajine – Costuma ser alguma carne bovina, cordeiro, frango, peixe. É como uma carne de panela muito macia. São cozidos lentamente em uma panela de barro com o mesmo nome. -Mechui – Cordeiro assado lentamente e muito macio. -Sopas – As mais comuns são a harira e baissa de habas (favas). Tomávamos todos os dias e muitíssimo barata. -Paella – Espanhola. Servida no litoral. Como em Rabat. -Pastella ou pastilla – É um prato bastante exótico com uma carne como frango ou pombo com ameixas, amêndoas e mel, cobertos por uma fina massa folhada e cobertos com açúcar de confeiteiro. Mistura salgado e doce. É bem gostoso e bonito. -Pinchito – são espetinhos. Semelhantes aos que conhecemos. -Kebab – são espetinhos de carne moída. Bem conhecidos por aqui. -Amlou – é conhecida como a “Nutella marroquina”. É deliciosa, mas não achamos semelhança, é bem fluída, não pastosa. Confeccionada com amêndoas, mel e óleo de argan. Todos os pratos são acompanhados com pão à vontade. Nas cidades maiores há também várias opções de comida internacional, de mexicana a tailandesa. Muitas vezes, como estávamos em dois, um pedia um cuscuz e outro um tajine e cada um comia um pouco de cada. Em todos os lugares são pratos muito fartos. Só em Marrakech são um pouco menores, mas nunca faltou comida. Todos os cardápios são pelo menos em francês, inglês e espanhol e tem foto da comida, além da descrição. Não deixe de entrar em uma pâtisserie (confeitaria) para fazer um lanche e ficará encantado com a variedade de doces. São de um sabor delicado e não muito doces. Usam mel, amêndoas, gergelim. E não deixe de tomar o suco ou batido de amêndoas, que é fantástico, vem quase copo de liquidificador. Mesmo assim foi um para cada. Vai se esbaldar comendo tâmaras e tem uma grande variedade. Procurei comprar embaladas. São deliciosas. Azeitonas, eu nem imaginava que havia tantas variedades. Servem até no café da manhã. E na maioria das vezes antes de qualquer refeição já colocam na mesa pão e azeitonas. Como é dirigir no Marrocos Dirigir no Marrocos é fácil e uma experiência incrível que te faz sentir na pele os lugares por onde passa, viajando no teu ritmo e desfrutando do trajeto, não só dos destinos. Nosso roteiro deu uns 2000 km, mas rodamos um total de 3600 km. Alugamos o carro pela internet pelo site https://www.economycarrentals.com que apresentou os melhores preços (até a metade de outros) e não tinha taxas extras. A locadora foi a Europcar, e escolhemos um i30, na falta nos ofereceram como upgrade o Qaskay que é uma SUV do porte do Jeep Compass. Um detalhe maravilhoso que era a diesel, o que fez a diferença, porque fez 22,5 km/l. Pagamos pela diferença R$ 120 (convertidos). Então, lá escolha o diesel. Uma coisa que não entendi é que no ticket da máquina de cartão apresentou a palavra débito, apesar de ter escolhido o crédito. E no fim das contas saiu mesmo no crédito na fatura do cartão. Não entenderia mesmo em português, muito menos em francês. Mas na próxima vez lá, já sei e tudo bem. Portanto, não se preocupem com isso. Se quiseres saber o preço dos combustíveis lá para planejamento veja em https://www.globalpetrolprices.com/gasoline_prices/ que mostra a média dos valores praticados em todos os países. Evite dirigir nas grandes cidades que pode ser confuso e também para não perder a vaga do estacionamento, que em geral é na rua com “flanelinhas” licenciados, custou 2 Euros por noite em todos os lugares. Pode ficar tranquilo que ninguém mexe. Não vá deixar coisas de valor à vista, é claro. Nestas use táxis que são baratos. As placas de sinalização são em árabe e alfabeto ocidental. Verá algumas em bérbere nas autoestradas (escrita que lembra a dos fenícios). Não é necessária a PID (Permissão Internacional para Dirigir). As estradas são de ótima pavimentação e poucas têm pedágios sendo a maioria baratos (foram valores como 6, 8 ou13 MAD, ou seja, 1 Euro), a exceção é a que vai de Marrakech à Casablanca. A polícia é bastante simpática, então também seja. Não ultrapasse os limites de velocidade que com 90% de chances você trará como “souvenir” uma multa. Têm radares em todas as estradas inclusive as mais desertas. Minha principal atenção foi com a placa Ralentir (desacelere) que é uma pegadinha no sentido literal mesmo. Leia neste post https://www.tempodeviajar.com/como-escapar-gendarmerie-royale-marrocos/ lá tem todas as informações necessárias para dirigir com tranquilidade no Marrocos. Chefchaouen nos mapas pode aparecer El Aiún. Por sinal, no Google mostra no menú a opção El Aiún, Chefchaouen, Marrocos. É esta mesmo. SAINDO DE CASABLANCA Total: 2000 km 1º Dia 05/3- Chegada a Casablanca Chegada ao hotel no final da tarde, por conta dos atrasos. Então, o previsto para fazer não deu certo e ficaram várias atrações para outra viagem. Pernoite em Casablanca – Le Trianon Luxury Hotel & SPA. Escolhi pela nota no Booking na época superior à 8 e pela localização perto de várias atrações e junto ao Twin Center que é uma referência. O custo-benefício dos hotéis em Casablanca é baixo. Neste mesmo, o café da manhã era a parte e custava 7 Euros por pessoa. Tomamos café em uma lanchonete. 2º Dia 06/3- Casablanca – Rabat – 85 km – 1:00 h - Mausoléu de Mohammed V - Torre Hassan - Kasbah dos Oudaias. É uma fortaleza cheia de residências ainda usadas atualmente. Não é necessário guia, mas se quiser combine, inclusive se entrar em uma casa vão querer te cobrar a parte, então trate antes. - Jardim Andaluz - Chellah (antiga necrópole que foi construída fora das muralhas pelos Merenidas no século XIII, que abriga as ruínas da antiga cidade romana). Hoje é um bonito jardim que dá vontade de passar uma tarde. É cheio de cegonhas e seus ninhos. - Palácio Real. Não pode tirar fotos. Almoçamos na praia junto ao Kasbah dos Oudaias 180 MAD (para dois) Pernoite em Rabat – Riad Meftaha 3º Dia 07/3- Rabat – Chefchaouen – 250 km – 3:35 h Chefchaouen é imperdível! Conhecida como “cidade azul”, é uma das cidades mais coloridas do mundo, muito fotogênica e autêntica. Você se sente voltando mil anos no tempo. Parece que todos os moradores usam roupas tradicionais, até os meninos usam a jelaba e com capuz parecem magos de um filme de Harry Potter. Quem gosta de gatos vai adorar, porque são muitos pelas ruas e todos bem tratados, estes tendo sido até objeto de um estudo de universidade. São muitas as opções para refeições e também bem econômicas, na praça é uma pechincha. Pernoite em Chefchaouen – Dar Zambra. Este hotel fica dentro da medina, bem no alto, então tem que contratar carregadores (combine antes) ou terá que subir pelas ruelas e escadas com tudo nas costas. Todas as atrações na cidade estão listadas abaixo. 4º Dia 08/3- Chefchaouen -Cidade antiga e medina. Exige muito das pernas para percorrer os labirintos de ruelas e escadarias. É o que mais se faz lá, olhar, descobrir e encantar-se. -Castelo central -Mesquita com minarete octogonal -Lavanderia pública Rass Elma Pernoite em Chefchaouen – Dar Zambra 5º Dia 09/3 –Chefchaouen – Volubilis 165 km– Méknes Total: 200 km – Volubilis – Méknes 34,3 Km 44 min. Volubilis - Volubilis (imensas ruínas romanas datando de 28 A.C). Nós paramos junto a uma cerca e avistamos de longe. Não tivemos tempo para visitar. Meknes Meknes é uma cidade surpreendentemente linda. Quando estávamos chegando a gente começou a ficar de boca aberta. Os roteiros turísticos não lhe dão a devida importância, mas é uma das cidades que o guia Lonely Planet recomenda para a visita em 2019. Nós moraríamos lá, se pudéssemos. - "Tour des remparts", circuito das muralhas, que passa pelas diversas portas ("babs") da cidade; fizemos com uma carruagem. A cidade antiga é cercada por três conjuntos de muralhas, sendo uma dentro da outra e a externa com 12 metros de largura. - Mausoléu de Moulay Ismail (construtor da fortaleza, que teve 500 mulheres e 800 filhos!), uma das poucas mesquitas que podem ser visitadas, exibindo trabalhos decorativos riquíssimos; - Bab El Mansour - Medersa Bou Inania - Palácio Real, com seus fantásticos estábulos, com capacidade para 12.000 cavalos e respectivos cavaleiros, os silos, com capacidade de armazenagem de 2 anos, o reservatório com uma "nouria" (monjolo), apto a alimentar de água tanto o palácio, quanto a "medina", além dos jardins suspensos com oliveiras. Uma obra de engenharia militar. Um guarda se ofereceu por um pequeno valor nos servir de guia. - Ville Nouvelle (cidade nova), onde estão localizados os hotéis e restaurantes, mais parecendo um "mercado persa". Quanto ao artesanato, seu forte são os "damasquinados": semelhantes aos trabalhos encontrados em Toledo (Espanha), só que elaborados com ferro e prata. Pernoite em Meknes – Riad Yacout, este fica dentro da muralha, uma localização privilegiada e perto de tudo. O riad era lindo e com uma decoração muito autêntica. O ano de fundação era por volta de 1750 se não me engano. 6º Dia 10/3 - Méknes – Fez 64 km Fez é uma das cidades mais antigas do Marrocos, sua fundação foi 789. É misteriosa e cultural, é maior medina que não entram carros do mundo. Percorrer suas ruas e ruelas é a principal atração. E ficará impressionado com a qualidade dos objetos de couro, com as cerâmicas, dos ladrilhos, com as portas, bem, a lista é longa. Porque você vai se surpreender a todo o momento. Precisaríamos ter ficado mais uns dois dias pelo menos. - Bab Boujloud – o portão azul, principal entrada para a Medina - Medersa Bou Inania (medersa ou madrassa) - Dar-el-Makhzen (Palácio Real) - Bairro judeu Fez Mellah - Santuário de Moulay Idriss I - Padaria comunitária. São bem comuns até hoje. As pessoas levam o seu pão para assar lá. - Medina - Jardin Jnan Sbil - Palacio Glaoui - Al-Karaouine University – Foi fundada em 859 por Fatima Al-Fihri e é a mais antiga universidade ainda em funcionamento contínuo do mundo de acordo com a UNESCO. Mas não se pode entrar, pena. - Museu de Artes e Ofícios de Madeira de Nejarine - Tombeaux merinides (Tumbas dos Merenitas)- Vista da cidade - Quartier tanneurs – quarteirão de tingimento de couros -Borj Nord (Museu das Armas) Fortaleza no alto de uma colina -Dar-el-Makhzen (Palácio Real) Observação: Serviço Oficial de Guias em Fez é tabelado: Meio- dia: 200 MAD inclui apenas visita a medina. Nós contratamos um guia que foi chamado pelo gerente de nosso riad para otimizar o tempo, então nosso tour começou por volta das onze horas até lá pelas quatro e meia da tarde. Foi meio corrido e com muita informação. Depois ande sem guia, então vai se perder e se achar entre as 10.000 ruelas (isso mesmo) que compõem esta medina. Nós tínhamos como referência a Bab Boujloud, o portão azul, já que nosso riad ficou próximo. No outro dia era sexta-feira e no Marrocos que é muçulmano, equivale ao domingo. Então, dentro da medina a maioria do comércio estava fechado. Utilizamos o serviço de um guia para conhecer a parte fora da medina. Ele foi com uma van, e este sim foi maravilhoso, com muitas explicações inclusive sobre sua religião. Esta hospedagem merece uma referência especial, já que nunca na vida fomos tão bem acolhidos em um hotel quando lá. O gerente nos colocou sob os cuidados do Hassan, e tudo que precisamos, ele nos auxiliou. Levou o carro que estava com pneu furado para conserto, conseguiu os guias, a compra de remédio para tosse (gripei) e um monte de coisas. Este riad é um palácio literalmente e nos deram uma suíte enorme que tinha até sala com sofás e o ambiente finamente decorado. Daria para passar um dia só fotografando os detalhes de tudo. Este riad foi construído em 1373. Bem antigo, mas reformado e belíssimo. Pernoite em Fez – Riad Al Makan – creio que melhor localização é impossível. 7º Dia 11/3 – Fez Pernoite em Fez – Riad Al Makan 8º Dia 12/3 - Fez – Ifrane 72 km Ifrane é chamada de “Suíça Marroquina” e os tours normalmente só fazem uma passagem de umas horas, ela é mais “ocidental”, mas a natureza em volta é belíssima. Mas nós queríamos ver neve, por isso resolvemos ficar um pouco e ter um tempo para descansar. Fizemos até bonecos de neve e interagimos bastante com as pessoas. -Estação de esqui. -Bosques de cedro com os macacos de Gibraltar, são a mesma espécie e bem mansos. Podemos nos aproximar sem que agridam. Entramos em uma estrada ao lado do hotel e ao longo do percurso víamos as pessoas fazendo pic-nic. -Nascentes de água -Parque das Cascatas de Vitel -Termas Naturais de Ras El Ma Pernoite em Ifrane – Hôtel Relais El Maa, sem café da manhã. Tinha uma lanchonete junto, mas comemos todas as refeições em um restaurante a poucas quadras. 9º Dia 13/3 – Ifrane Pernoite em Ifrane - Hôtel Relais El Maa 10º Dia 14/3 - Ifrane – Merzouga 400 km – tempo estimado de viagem 6:00h Atenção ao tempo de viagem, que pode ser maior dependendo das paradas. Leve água e coisas para comer, porque não dará tempo para almoço se você quiser chegar até às quatro da tarde para ir de dromedário ao acampamento no deserto. Este horário tinha sido combinado por e-mail com nosso riad, e a finalidade é estar no acampamento ao por do sol. Foi o trecho mais longo que dirigimos e é demorado por conta das várias cidadezinhas que passamos. Muitas gostaríamos de ter parado um pouquinho. O passeio com dromedários até o acampamento no deserto foi uma experiência e tanto. Levamos em torno de uma hora e meia de dromedário. O jantar foi preparado no acampamento e o desjejum quando retornamos ao riad. Creio não ser necessário falar o quanto isso foi emocionante. Ah, e era nosso aniversário de 24 anos de casamento. Pernoite em Merzouga no deserto em uma tenda 11º Dia 15/3– Merzouga -Tour das dunas (visita a aldeia Khamlia, Minas Mfiss e oásis Tissardmine. Preço 500 MAD por pessoa (+- R$ 200,x2), achamos meio caro, mas cômodo pois tínhamos combinado tudo antes por e-mail. Foi em torno de quatro horas. Visitamos: -Aldeia e oásis de Hassilabied, aldeia e oásis de Merzouga, músicos Gnawa na aldeia de Khamlia, Dunas de Iqri, aldeia de Tisserdmine, nas dunas, visitar o Depôt Nomade (loja de tapetes e museu), planalto negro de cobalto vulcânico da Hamada du Ghir. Passa pelos caminhos de uma antiga rota do Paris Dakar, também verá nômades acampados junto às dunas. À tarde fomos à Rissani para ver o mercado. Andamos por dentro de um kasbah que tinha várias famílias morando. Faltou conhecer o centro de Merzouga. Pernoite em Merzouga - Kasbah Azalay Merzouga. Esta hospedagem tem uma linda vista para o deserto e você vai querer ver o sol nascer. O traslado até o acampamento, o acampamento e jantar no deserto foram organizados por eles e combinado por e-mail. Creio que todos os hotéis ou riads também façam. 12º Dia 16/3 – Merzouga – Tinghir - Boumalne Dades 252 km Em Tinghir (ou Tinerhir), dê uma parada obrigatória e contemple a cidade oásis. -Gargantas do Dadés. É um desfiladeiro incrível e que vai render umas fotos impressionantes. Não deixe de dirigir até o alto. -A Garganta de Todra, é outro desfiladeiro, com paredes com mais de 200m de altura. -Vale das Rosas em Kelaat-M’Gouna, Jbel Saghro, La Vallée Des Figues, Vale das rochas Dedos de Macaco, Vale dos Pássaros. Para chegar nas Gargantas de Dadés: Em Boumalne pegar a R 704. E para ir à Garganta de Todra pegar a R 703 e andar uns 17 km. -Kelaat M’Gouna – Entrada para o Vale das Rosas. Aproveite para olhar as lojinhas e comprar uns perfumes, que são de excelente qualidade e com essências locais (influência francesa), são lembrancinhas boas e baratas. Pernoite em Boumalne Dades – Maison D’Hotes Restaurant Chez L’Habitant Amazigh 13º Dia 17/3 - Boulmane – Skoura – Ouarzazate Este trajeto é conhecido como o Vale dos Mil Kasbahs” e realmente são muitos. - Em Skoura com Kasbah Amerhidil e Sidi El Mati. Ouarzazate é uma maravilhosa cidade com vários atrativos onde dá para sentir o dia a dia das pessoas e também pode servir de base para visitar os arredores até 100 km. É conhecida como a “Hollywood do Marrocos” devido à produção de filmes. Em Ouarzazate: - Kasbah Tifoultoute - Kasbah Taourirt - Kasbah des Cigognes - Ksar de Ait Ben Haddou. Impressionante. É uma cidade fortificada fundada em 757 e ainda vivem lá algumas famílias. Lá foram feitos muitos filmes como Lawrence da Arábia, O Gladiador, A múmia, Alexandre, etc. Fica a 30 km da cidade em direção de Marrakech. Indo pela N9 e depois pegar P1506 e andar uns 9 km. Nós preferimos ir e voltar para Ouarzazate. - Museu do Cinema - Estúdios de Cinema Atlas. Não foi possível entrar porque estava acontecendo uma filmagem. - Estúdios de Cinema CLA. Vá, só se tiver tempo. Eram objetos de cenários bem velhos, mas rendem boas fotos. - Bairro típico de Taourirt - Bairro típico de Tassoumaat, - Oásis Fint. Passamos umas horas e é muito relaxante estar entre as tamareiras. -Museu do cinema. Fica junto ao Kasbah Taourit. Aproveite para entrar nas lojinhas em volta. Lá encontrará peças incríveis, inclusive antiguidades. Pernoite em Ouarzazate – Hotel Dar Rita. Ela, a Rita é portuguesa e tem um excelente site com informações sobre o Marrocos: http://www.darrita.com/hotel-marrocos/. Mais informações também com: http://www.joaoleitao.com/viagens/marrocos/ (é irmão da Rita) 14º Dia 18/3 – Ouarzazate Pernoite em Ouarzazate - Hotel Dar Rita 15º Dia 19/3 - Ouarzazate – Marrakech 196 km O tempo de viagem de Ouarzazate à Marrakech é em torno de 4 a 5 horas, mas depende das paradas. Uma coisa que eu tinha muita vontade era de cruzar as Montanhas Atlas, e foi realmente fantástico com cenários de indescritível beleza. Todas as atrações de Marrakech custam em torno de 10 MAD (1 Euro). É melhor usar táxis para se locomover para fora da medina e negocie antes. Nós fomos ao Jardim Marjorelle de Tuk tuk. Não se hospede muito longe da praça, pois ela será sua referência para tudo. - Jemaa el Fna. De dia é uma coisa, e à noite se transforma numa mistura de magia com luzes, cores e aromas. Falta-me talento literário para descrever melhor o que se sente e vê. É a principal praça de Marrakech e uma das mais famosas do mundo e é onde a vida pública acontece. É bem movimentada durante o dia, mas ao cair da noite é quando tudo acontece. Parece que toda a população e turistas vão para lá e é impossível não sorrir o tempo todo ao ver todo mundo tão alegre e se divertindo, comendo, assistindo os vários espetáculos que estão acontecendo (como encantadores de cobras, malabaristas, etc). Nas ruas da medina chega a acontecer congestionamento de gente a pé. Sério, eu vi, então já esteja por lá ao entardecer e fique até lá pelas nove da noite quando o movimento diminui. E a gente tem que ter cuidado são com as motos tipo “mobiletes” que andam a toda entre as pessoas dentro da medina. - Mesquita Koutoubia com minarete de 70 m. - Tumbas Saadianas - Palácio Real - Palácio Bahia que é lindo - Palacio El Badi em ruínas, pois foi saqueado para construir Méknes - Medersa Ben Youssef - Museu Dar si Said – Museu de artes de Marrakech (vale mais pela arquitetura) - Museu de Marrakech - Qoubba Almorávida – fica perto da Medersa Bem Yousef - Jardim Majorelle (entrada 20 MAD + 15 para o Museu Berbere). Superou todas as expectativas. Não dá para deixar de ir. Está junto a uma casa que pertenceu a Yves Sain Lawrent e é inspirado nos jardins islâmicos, tem uma coleção de cactos e palmeiras de todo o mundo, tudo com descrição. Lá vimos, do Brasil buriti e butiá. Reserve umas três horas pelo menos, porque é enorme e cheio de coisas para ver. Imperdível também é o Museu Bérbere, e isso que não sou muito de museus. - Gueliz e Ville Nouvelle (parte mais moderna, tem até um Carrefour (onde dá para comprar bebidas alcoólicas) - Cyber Park. Fica bem próximo da entrada da medina. É bonito, mas vá se tiver tempo ou na volta do Jardim Marjorelle se quiser dar uma parada. - Muralha da Medina. Ver os portões Bab Agnou (mais importante) e Babe Rob além de Bab Debbagh, que dá acesso aos curtumes, e também no Bab Aghmat. - Souk do Ouro, souk das frutas, Souk Semmarine (sandálias, babouches, jóias, puffs), Souk Ableuh (especiairias, azeitonas), Souk Kchacha (frutos secos), souk dos instrumentos musicais, Souk do tapetes, Souk Mouassine, Souk El Khemis, Souk Siyyaghin (jóias, ouro), Souk Smata (babouches, cintos). - Maison de la Photographie Pernoite em Marrakech – Riad El Wiam 16º Dia 20/3 – Marrakech Pernoite em Marrakech – Riad El Wiam 17º Dia 21/3 – Pernoite em Marrakech – Riad El Wiam 18º Dia 22/3 - Marrakech – Casablanca 242 km Tempo estimado 3:30h Gastamos a manhã neste trecho, que é uma autopista, com pedágio caro. Fizemos check-in adiantado no hotel em Casablanca. Deixamos o carro estacionado na frente do hotel e à tarde pegamos um táxi para ir ao Morocco Mall. Este é o maior shopping center da África e nosso objetivo foi ver um aquário gigante no qual tem um elevador que passa por dentro. É maravilhosa a sensação que “lembra um mergulho”. Se paga uma pequena taxa e pode fotografar, mas sem usar flash. Nem vimos lojas, porque eram só daquelas grifes bem esnobes como Chanel, Louis Vuitton e Cartier. Depois demos uma caminhada pela Boulevard de la Corniche, que é uma avenida na beira-mar. Voltamos para o hotel. Casablanca é uma cidade muito bonita que tem a mistura de arquitetura do tempo da colonização francesa e a modernidade. O trajeto do aeroporto ao hotel, os arredores do hotel, o percurso até a Mesquita e ao Morocco Mall foi o que vimos e nos deixou uma ótima impressão e desejo de quando retornar ver o que faltou. Pernoite em Casablanca – Le Trianon Luxury Hotel & SPA. 19º Dia 23/3 – Casablanca Entregar o carro no aeroporto. Retorno – Partida 12:20h Vídeo do Youtube sobre as experiências no Marrocos: https://www.youtube.com/watch?time_continue=178&v=awQEEEWLYq0 Nossos custos (2 pessoas) foram 2116 Euros assim discriminados: -Almoço e jantar – 630 -Lanches - 112 -Hotéis/riads - 876 (alguns mais simples outros bem legais, mas todos muito bons) Atrações - 50 Aluguel do Carro - 265 (para todo o período) Diesel - 183 Para ter uma ideia dos custos de um destino uso o https://www.numbeo.com/cost-of-living/ pode conferir que é bem aproximado e em média gastei sempre um pouco menos. Frases úteis em Francês, expressões francesas do dia-a-dia que ajudam a parecer mais simpático. Sim = Oui Não = Non Obrigado = Merci Salut = Oi / Tchau Ça va = Tudo bem (pode ser pergunta ou resposta) Bom dia = Bonjour (usado o dia inteiro) Boa tarde = Bonsoir (aos finais de tarde) Boa noite = Bonne Nuit Adeus = Au revoir Palavras em árabe Saudações: -As-salam alaykom = “que a paz esteja com você”, pronúncia: assalam-aleicûm -Responda a esta saudação padrão com "Wa Alykom As-salam, pronúncia aleicûm-assalam,= que a paz esteja com você também, pronúncia: aleicûm-assalam -Salam = Oi! – cumprimento informal - Shukran = Obrigado -Agradecendo o chá de menta: antes de beber, olhando nos olhos do anfitrião dizer: bi saha Foram nossas experiências mais incríveis: -Visitar os mercados e souks sentindo suas cores e aromas -Passar a noite em um acampamento no deserto do Sahara -Ir até o acampamento de dromedário -Percorrer a gigantesca medina de Fez -Conhecer Chefchaouen, a cidade azul -Andar e se encantar à noite pela Praça Jemaa el Fna em Marrakech -Dirigir. Subindo para as Montanhas Riff, passando por lugares indescritíveis como a Garganta Dades, ir ao deserto, se emocionar ao chegar em cidades como Méknes e tantos outros lugares -Cruzar as Montanhas Atlas e ver neves eternas, vales e vilarejos -Maravilhar-se com os vales verdejantes no deserto e o aproveitamento de toda terra fértil. -Conhecer as pessoas, com um pouco de sua cultura e religião e ter a oportunidade de interagir com elas. Fizemos amigos lá. Levamos as melhores lembranças.
  2. 1 ponto
    Faz um bom tempo que desejava ir ao Jalapão, mas me faltavam informações e também certo preconceito que tenho sobre destinos ecológicos ou de aventura, que é sobre explorarem o turista e não ter certeza de que iria realmente gostar. O fato de que é um destino fantástico e que deixou aquela sensação de quero mais. Só não é para quem tem frescura. E o que vi em todas as atrações eram adultos eufóricos, como crianças e adolescentes. Esta viagem aconteceu no início de agosto de 2018. Foram quatro dias no destino. Não contei o tempo em Palmas, mas creio que cinco seria melhor. Observei que poucas pessoas fazem por conta própria. Descrevo como nós fizemos e outras opões para quem não se atrever dirigir. Fizemos com uma pick-up 4x4, Nissan Frontier, alugada em Palmas e fomos entre quatro pessoas. Vejam que o motorista nunca tinha dirigido uma camionete, muito menos 4x4, que é necessário, pois as estradas são muito ruins mesmo e provavelmente as piores em que já andei e tenho longa experiência em estradas de terra. Não experimentem fazer com um veículo menor como Jeep Renegade ou Fiat Toro mesmo 4x4 porque vai danificar alguma coisa muito menos com 4x2 que até vi, porém não tem como acessar todas as atrações. Tem que ser um veículo mais robusto. Outro ponto positivo do veículo foi o controle de tração e de estabilidade. As estradas são brutas. Lá vendem camisetas com uma frase bastante original: “Jalapão terra bruta”. Como o aluguel de uma camionete é bastante caro fica mais em conta se dividir em mais pessoas. Devido à disponibilidade da pick-up só a pegamos no final da tarde e tivemos que fazer o primeiro percurso até Ponte Alta do Tocantins à noite. Evitem isso, pode ter animais na pista. O percurso do Jalapão é feito em semicírculo o que torna bastante prático. Fizemos em sentido anti-horário. Hospedagens Ponte Alta do Tocantins – Águas do Jalapão (R$ 170 casal por noite) – duas noites. Esta tem restaurante (R$ 35, mas tem que reservar a refeição). Mateiros – Pousada Monte Videl (R$ 150) – uma noite. Jantamos no restaurante do Bob ou Tempero Nosso (R$ 30), é só perguntar que é bem conhecido e o melhor, dizem. O Bob é o mesmo da operadora Jalabob (abaixo). São Félix do Tocantins – Pousada Cachoeiras do Jalapão (R$ 170) – uma noite. Também tem restaurante (R$ 35). Pode encomendar quando chegar ao final da tarde. A comida é simples mas farta e gostosa tipo self-service. Estas pousadas tinham um excelente café da manhã. Os valores das hospedagens foram negociados. Eles pediam um pouco mais. Primeiro dia Saindo de Ponte Alta do Tocantins em torno de 8 da manhã. - Lagoa do Japonês. As águas são cristalinas com pedras no fundo, refletem cores lindíssimas. Ótima para mergulho. Para segurança use sapatilhas de mergulho (tem para alugar no local). Almoço as 13:30h no restaurante da dona Minervina (falaram que era melhor), que é um pouco antes à direita é em sua própria casa muito simples. Tem que deixar reservado inclusive o horário e ela é precisa. A comida é bem gostosa e tudo bem limpinho. Lá na lagoa também tem refeições. -Pedra furada. A maioria fica para o por do sol. Vi até araras azuis (azul escuro, mais raras) lá. Retorno para Ponte Alta. Segundo dia Saindo de Ponte Alta em torno de 8 da manhã, levamos toda a bagagem (embalada) a hospedagem foi em Mateiros. Coma bastante no café da manhã, porque este dia vai ser bem pesado. Também leve o que comer porque provavelmente não irá almoçar. Também foram muitas horas andando de carro. -Canion Sussuapara -Cachoeira da Velha. Não deixe de ir. Alguns guias dizem que não vale a pena que é só para tirar foto. O fato é que eles evitam a estrada que é bem ruim e longa (29 km para ir 29 para voltar) mas é realmente impressionante. Depois vá para a praia que se forma rio abaixo e se refresque um pouco. Também tem um rafting bem emocionante. -Dunas. Todos vão para assistir o por do sol. Lembre-se que tem que chegar lá até as 17:00 horas, depois não entra. Cuidado com as abelhas. Para prevenir evite usar perfumes, roupas amarela, laranja e branca estas cores são atrativo. Terceiro dia Saímos de Mateiros às 8 da manhã. -Fervedouro do Ceiça -Fervedouro do Rio Sono -Fervedouro Buritis -Comunidade Mumbuca. Não achamos interessante. É mais fácil encontrar souvenires em Ponte Alta. -Cachoeira da Formiga. É muito bela. Pernoite em São Félix do Tocantins. Quarto dia Saímos em torno das 8 horas para os fervedouros. Se não forem os primeiros no Bela Vista corra para o Alecrim para não esperar. -Fervedouro Bela Vista -Fervedouro Alecrim Veja o vídeo no YouTube: Os fervedouros são tão impressionantes que parecem falsos, como em filme de fantasia da sessão da tarde. As cores são fantásticas. Nós fomos em cinco fervedouros, mas tem muito mais. E as águas em todas as atrações são de uma transparência incrível. -Cachoeira das Araras onde tem restaurante. A cachoeira achamos que não vale a pena. Encomendar o almoço ainda na pousada. -Serra da Catedral só uma parada para fotos. Saímos rumo a Palmas onde será o pernoite. Lembre-se que o tempo de viagem até Palmas (da cachoeira) são em torno de 5 horas. Cuidado o Google Maps errou na distância e tempo para menos. Dicas -Se alugar uma pick-up, embale toda bagagem em sacos de lixo daqueles bem fortes. Pois tem uma poeira e ficam rolando na caçamba. -Baixar mapas no Google Mapas para uso off-line. Já que tem internet somente dentro das cidades. Usei também o Here. -Levar máscara de mergulho ou óculos de natação. -Levar lanches, frutas, barra de cereais,etc e água. Em Ponte Alta dá para comprar alguma coisa para comer. -Levar uma boa quantidade de dinheiro em espécie pois são poucos lugares que aceitam cartão. -Para calcular as diárias de locação lembre-se do tempo de viagem até Ponte Alta do Tocantins que é em torno de duas horas e o retorno a partir da cachoeira das Araras em São Félix é em torno de 5 a 5 horas e meia. -Deixe pelo menos um dia inteiro para conhecer Palmas. E quando usar o navegador digite uma referência como o seu hotel ou Palácio Araguaia é bem mais fácil do que os endereço que são semelhantes aos de Brasília. Ou seja, digite onde quer ir e não o endereço. Para quem não quer dirigir Canela de ema Ecoturismo - (63) 99976-1968; email: [email protected] 40º no Cerrado - https://www.40grausnocerrado.com.br Deserto do Jalapão - http://www.desertodojalapao.com.br/home Jalabob Turismo - https://www.jalabobturismo.com/ Recomendo estes acima porque conheci as pessoas que foram com eles, todos muito contentes, e os guias que inclusive nos ajudaram com sugestões no roteiro e até permitiram que os seguíssemos. A Jalabob também tem a opção de camping e na ocasião ele levava um grupo assim. Todos eram bem flexíveis nos horários e nas atrações. A seguir as fotos: -Mapa -Lagoa do Japonês -Dunas -Pedra furada
  3. 1 ponto
    Olá pessoal, Acabei de chegar de uma viagem que fiz a Costa Rica. Fui participar de um congresso internacional e depois fui passear um pouco pelo país. Fui na baixa temporada (Junho/julho) e fiquei 16 dias no total. Como achei poucos relatos aqui no Mochileiros, achei que seria uma boa fazer uma contribuição! Optei por escrever um relato detalhado para vcs terem a exata idéia de como foi a experiência e de quanto eu gastei com base no que comi, onde fiquei hospedado, etc. Por fim gostaria de agradecer todas as pessoas que me ajudaram respondendo minhas perguntas ou postando seus relatos. Valeu! Roteiro: Dia 1: (21/06/13) – Rio de Janeiro - San Jose Dia 2: (22/06/13) – San Jose (vulcão Poás) Dia 3: (23/06/13) – San Jose (vulcão Irazu) Dia 4: (24/06/13) – San Jose (Congresso) Dia 5: (25/06/13) – San Jose (Congresso) Dia 6: (26/06/13) – San Jose (Congresso) Dia 7: (27/06/13) – San Jose - Rafting - La Fortuna Dia 8: (28/06/13) – La Fortuna (Cerro Chato e cascata do rio Fortuna) Dia 9: (29/06/13) – La Fortuna (Rio Celeste) Dia 10: (30/06/13) – La Fortuna – Monteverde Dia 11: (01/07/13) – Monteverde (Canopy) Dia 12: (02/07/13) – Monteverde (Reserva de Monteverde) Dia 13: (03/07/13) – Monteverde – Manuel Antonio Dia 14: (04/07/13) – Manuel Antonio (Manuel Antonio National Park) Dia 15: (05/07/13) – Manuel Antonio – San Jose Dia 16: (06/07/13) – San Jose – Rio de Janeiro [media]https://maps.google.com.br/maps?saddr=San+Jos%C3%A9,+Costa+Rica&daddr=La+Fortuna,+Alajuela,+Costa+Rica+to:Monteverde,+Costa+Rica+to:parque+Manuel+Antonio+National+Park,+Quepos,+Puntarenas,+Costa+Rica+to:San+Jos%C3%A9,+Costa+Rica&hl=pt&ie=UTF8&ll=9.976966,-84.498596&spn=1.647312,2.705383&sll=9.976816,-84.499436&sspn=1.647312,2.705383&geocode=FYXgkgAdDRj--inFFQ3FQuOgjzE26ENkKayO_w%3BFfq5nwAdh3T0-imZ6WAGiQygjzHmLFfSe6jjaQ%3BFdTxnAAdycXx-inJ3b6-ChmgjzEn2DobP6lVZg%3BFbRQjwAd5Cv8-iGGSlzOOWHmlSlL9ambnHGhjzGGSlzOOWHmlQ%3BFYXgkgAdDRj--inFFQ3FQuOgjzE26ENkKayO_w&oq=san+&mra=ls&t=m&z=9[/media] Considerações gerais: Vacina: Atenção pessoal! Os brasileiros precisam apresentar o cartão internacional de vacina contra a febre amarela ao chegar no país! Para consegui-lo vc deve tomar a vacina no mínimo 10 dias antes da viagem e depois levar seu cartão de vacina no escritório da ANVISA no aeroporto mesmo e retirar seu cartão internacional. Teve muitos brasileiros que iriam para o congresso, mas foram barrados no check-in, pois não tinham tomado a vacina. Teve uma mulher que foi deportada, pois não cobraram o cartão no check-in e só foram cobrar na Costa Rica e ela não tinha. Portanto fiquem ligados! Hospedagem: Não reservei nenhum hostel aqui no Brasil (exceto o de San Jose) e foi tranquilo! Ainda mais porque viajei na baixa temporada. Mas se vc pretende ficar em hostels da rede The Costa Rica Hostel Network (http://www.costaricahostelnetwork.com/) eu recomendo reservar antes, pois vive cheio. Essa rede de hostels é a melhor que já fiquei na vida! Provavelmente eles possuem um dos melhores hostels do mundo! Agora, uma visão geral dos hostels que passei na CR: São mal estruturados! Na verdade grande parte deles parece que, anteriormente, eram uma casa e que resolveram fazer um hostel! Mas tbm não procurei muito, fechava com o primeiro barato que encontrava. Até na Bolívia encontrei hostels melhores. O café da manhã tbm não é grandes coisas. Trasporte: O trasporte na CR é precário, especialmente se vc quer se deslocar de um lugar para outro que não seja San Jose. Por exemplo: Para ir de La Fortuna para Monteverde vc precisa fazer baldeação em Tilaran, o que te tomará tempo. Agora, se vc vai para San Jose ou sai de San Jose para algum lugar, é tranquilo. Além disto, não tem ônibus a noite, ou seja, vc vai ter que gastar tempo durante o dia para se descolar. Uma dica importante se vc esta de carro: NUNCA confie no Google Maps para calcular o tempo de um lugar ao outro. As estradas são péssimas, não tem acostamento nem pista dupla. E para chegar a alguns lugares percorre-se kilometros em uma estrada de chão que, na época das chuvas, ficam terríveis. Uma alternativa para fugir destes problemas e fechar um shuttle que sai muito mais caro do que ir por conta, mas pelo menos é mais rápido. Neste site (http://thebusschedule.com/EN/cr/ ) e neste (http://www.visitcostarica.com/ict/paginas/leyes/pdf/itinerariobuses_es.pdf) vc encontra os horários de ônibus. Outra dica: Se vc for pegar um taxi, peca pra o motorista ligar o taxímetro! Sai mto mais barato do que preço combinado! Dinheiro: Preparem o bolso! A CR é um país muito caro. Pelo que andei lendo é um dos mais caros da América Central. A moeda da Costa Rica e o Cólon. Mas a melhor coisa é levar dólares. Eu levei tudo em dinheiro vivo e um cartão de credito (que só e aceito em alguns lugares). O dolar eles aceitam em todos os lugares (a cotação é de 1 dólar = 500 colones), mas e sempre bom ter alguns colones trocados para pegar um onibus por exemplo. Dica: Se vc pegar um voo da Copa Airlines vc fará uma escala no Panamá. O Free Shopping deles é excelente! Achei os preços muito bons. Passeios: Não vi muita diferença nas empresas que fazem os passeios. No geral me pareceu que todas são muito boas. Acho que é porque 90% dos turistas na CR são americanos então eles tem que manter a alta qualidade. Comida: Eu particularmente nao gostei da comida. Simplesmente pq eles usam coentro em quase tudo. E eu odeio coentro. Sempre perguntava se tal prato tinha a tal erva (“colantro”). Tirando isso achei a comida sem tempero... Nao sei, mas estou acostumado com a comida mineira bem temperada e senti falta disso. Roupa: Fui na estação das chuvas e senti calor, podem levar muita roupa fresca em qualquer época do ano. Acho que 1 blusa de frio e 1 calça jeans já bastam. Recomendo levar uma bota de trekking pra fazer as trilhas, pois tem muito barro. Uma capa de chuva tbm é muito importante. Surf: Não passei por nenhuma cidade famosa pelo surf, mas pelo que ouvi falar, algumas das principais são Puerto Viejo, Jacó e Montezuma. Povo: Gostei muito dos costa-riquenhos. São simpáticos, estão sempre dispostos a dar informação e a conversar. O lema deles é “Pura vida”! Quanto aos turistas, prepare-se para encontrar muitos americanos! Eles simplesmente dominam o turismo na CR. Segurança: De maneira geral me senti seguro em todos os lugares que passei, exceto San Jose. Fui abordado 3 vezes por mendigos na capital, o que me deixou apreensivo. Algumas pessoas que estavam no Congresso que participei foram assaltadas a mão armada. No hostel me recomendaram a não andar sozinho a noite pela cidade. Mas o esquema é não dar mole, pois violência tem no Brasil, na França e na Costa Rica também! Seguro viagem: Fechei com a Porto Seguro (http://www.portoseguro.com.br/seguros/seguro-viagem) e paguei R$78. Fiz o cadastro online e paguei com o cartão. Mesmo que vc ache que não vá precisar eu recomendo fortemente fazer um seguro em todas as viagens internacionais! Biodiversidade: Apesar de muita gente dizer que o Brasil se parece com a Costa Rica nesse quesito eu digo que é diferente! A riqueza de especies na Costa Rica é maior! Vc anda um pouco na trilha da mata e já vê muitos animais em pouco tempo. Em Manuel Antonio por exemplo tem uma quantidade enorme de lagartos de todos os tamanhos. Mas atenção: Sempre que possível, contrate um guia para ajudar a encontrar os animais. Eles tem os olhos treinados para isto, e além do mais, eles carregam um telescópio para vc enxergar os animais de longe. E por fim a dica mais valiosa de todas: Comunique-se! Peça informação no hostel, converse com outras pessoas, faça amizades, pergunte quais passeios valem a pena (e quais não valem)... Enfim, troque ideias! Eu garanto que a sua viagem vai ser diferente (e para melhor!). Agora vamos ao relato em si... Dia 1 (21/06/13): Chegada a San José Sai do RJ pegando o voo da Copa Airlines com conexão no Panamá. Paguei R$2.400,00 na passagem... Caríssima! Comprei com 2 semanas de antecedência, mas pelo que vi o valor não muda muito se vc comprar com meses de antecedência. O serviço da Copa foi mto bom, comida boa e os voos saíram no horário previsto (tanto na ida quanto na volta). Chegando ao aeroporto de San Jose peguei um taxi e segui direto para o Hostel Aldea que já havia feito reserva (http://www.aldeahostelcostarica.com/). Mas não precisa ir de taxi, ir de ônibus é super de boa... Dei mole! Mas se vc quer ir de taxi, saia do aeroporto e pegue um na rua e peça para ligarem o taxímetro que sai bem mais barato! O taxista foi muito simpático e inclusive me perguntou como estavam as manifestações no Brasil. Fiz o check-in em um quarto privado pra poder descansar melhor. Minha primeira impressão da cidade: Muito parecida com algumas cidades brasileiras. Uma coisa interessante: Quanto o sinal do pedestre esta quase fechando, comeca a soar o pio de um pássaro. Na primeira vez fiquei olhando para cima tentando achar a ave! Hahaha. Fui caminhando ate o Mercado Central. Um lugar bem legal que tem de tudo. Muitas lanchonetes, açougues e artesanato. Tomei um sorvete na famosa Sorveteria Lolo Mora que existe desde 1901 e atualmente e comandada pela 4ª geração da mesma família! Tem apenas 1 sabor de sorvete: Baunilha com canela. Como nada me agradou no Mercado Central fui comer em uma rede de fast food tipo KFC. Passei no supermercado da rede “Pali” e descobri que eles se cobram 10 colones por sacola plástica que vc quiser levar! Achei justo! Saindo do supermercado um mendigo veio me abordando para pedir dinheiro... E detalhe: falando inglês! Hahaha. Como diria minha vó: A necessidade faz o sapo pular! Descansei mais um pouco e no final da tarde fui no Subway. Gastos do dia: - 20 dólares de taxi - 30 dólares de diária no hostel (quarto privado com banheiro) - 1.750 colones em imã de geladeira - 1.200 colones no sorvete de creme com canela - 3.000 colones no frango com batata frita - 3.100 colones no supermercado (água, suco, chocolate e biscoito) - 2.900 colones no Subway Total em dólares: US$ 74 Dia 2 (22/06/13): Vulcão Poás Acordei pagando mico! Achei que a diferenca de horário para o Brasil fosse de 2 horas, e na verdade são 3! Acordei para tomar o café achando que fosse 7h e eram 6h! Hahaha. Voltei e dormi mais um pouco. Um aviso: Os cafés da manhã nos hostels da CR são muito francos! Nesse hostel foi café, biscoito doce e banana. Conversei na recepção e consegui continuar no quarto privado pelo valor de 25 dolares (5 dólares a menos). Segui para a estacao da compahia TUASA para pegar o onibus ate Alajuela (onibus de San Jose para Alajela tem todo minuto!). Chegando em Alajuela, desci uma quadra e já estava em outro terminal onde as 9:15 (Acho que existe apenas este horário durante o dia) peguei o onibus ate o Vulcão Poás. No caminho o onibus faz uma parada de 15 minutos em uma lanchonete que vende salgados, bebidas e frutas. Lembre-se de sentar do lado esquerdo do onibus, pois a vista é melhor (ve-se plantações de morangos e café) Cheguei no Parque já era umas 10:30. O Parque e bem estruturado, tem um pequeno museu, banheiros estacionamento e lanchonete. Extrangeiros pagam 10 dólares a entrada. Para chegar até a cratera tem que andar alguns minutinhos. No inicio do trajeto aconteceu uma cena engracada: Estava andando na beira da mata e de repente começo a ouvir um barulho estranho... Parecia um chocalho de uma cobra, ou o coachar de um sapo, ai pensei: Oba! Vou ver meu primeiro animal na CR... pois bem, adentrei um pouco na vegetação para conseguir avistar o animal e para minha surpresa, era uma TORNEIRA que de vez em quando fazia barulhos estranhos... kkkkkkkkkkkkkk. Fiquei de longe espiando as pessoas que passavam e todas achavam que eram um tipo de animal! Bem, a cratera do Poás é legal mas não e anda de exorbitante. Acho que seria legal se fosse uma escalada de verdade, gastando horas para chegar até a cratera, passando um pouco de perrengue... Ai eu iria gostar mais! Toda hora surge uma nuvem para cobrir a cratera, mas que some em poucos minutos. Venta bastante então leve um casaco. Dependendo da direção do vento, a fumarola que sai de dentro do vulcao com cheiro de enxofre (ovo podre) pode ir em direcao ao mirante, mas nada que atrapalhe. Depois de ficar alguns minutos e bater muitas fotos decidi ir ate o mirante da Laguna Botos. Segui um caminho demarcado no meio da floresta ate chegar a Laguna. Durante o percurso tinha um casal de americanos com um guia que tbm era fotografo particular. Um pássaro marrom sem graça cruzou a trilha e eles: Oh My God! Hahaha. A Laguna Botos não tem nada de especial, mas dizem que ela tem um verde muto bonito qnt faz sol, mas este dia estava nublado. No mirante da Laguna tinha muitos esquilos sem vergonha. Eles ficam loucos querendo comida e são capazes de comer na sua mão! Dps disso desci de volta a entrada do parque e gastei o resto do tempo na lanchonete e no museu. O onibus parte as 14:30 em direção a Alajuela. Chegando lá, vc deve pegar o ônibus para San Jose fazendo o caminho inverso. Bom, minha opnião sobre o passeio: Faça se vc for por conta. Definitivamente não compensa pegar tour! De transporte, gastei 3.390 colones (aproximadamente 7 dólares para ir e voltar) sabe quanto é o tour fechando com agencia? 92 DÓLARES!!! Mas com a agência, além do vulcão, eles te levam para uma plantação de café e para a La Paz Waterfall que tbm tem um pequeno borboletário e ranário, mas como iria para La Fortuna e Monteverde, veria várias cachoeiras, sapos e borboletas, então pra mim não valeria a pena! No final do passeio conheci 2 brasileiros. O Tom e o Luiz. Chegando em San Jose fomos jantar no restaurante do Hostel Casa Colon. O lugar parece bem com um hotel... Gostei! Jantei muito bem por 3.700 colones. Gasto do dia: - 25 dolares de diária no hostel (quarto privado com banheiro) - 530 colones de ônibus San Jose – Alajuela - 1.165 colones de ônibus Alajuela – Poás - 800 colones em uma empanada - 10 dólares de entrada no vulcão - 1.000 colones em uma lata de suco - 1.165 colones de ônibus Poás – Alajuela - 530 colones no ônibus Alajuela – San Jose - 3.700 colones no jantar (arroz, feijao, carne e salada) Total em dólares: US$ 43 Dia 3 (23/06/13): Vulcão Irazu Acordei as 7h, tomei cafe da manha e fui pegar o onibus para o vulcão Irazu. Mais uma vez compensou mto mais ir por conta do que fechar por agencias que pediam aproximadamente 50 dólares. O onibus partiu às 8h do ponto em frente ao Grand Hotel Costa Rica (próximo ao ministério da Fazenda, é só perguntar que todo mundo sabe onde fica!) indo direto para o vulcão, mas antes ele pega alguns passageiros na cidade de Cartago. No caminho, quase chegando no vulcão começou a chuviscar. Pagamos a entrada de 10 dolares e entramos no parque. Assim que cheguei fui direto para a cafeteria comprar um poncho de plástico vagabundo (saco de supermercado era mais resistente que aquilo) caríssimo! Segui em direção a cratera, mas ela estava encoberta de nuvens fazia um frio descomunal!!! Ventava MUITO! Não me lembro de ter sentido tanto frio assim, sério! Pra piorar fui de bermuda, minhas pernas congelaram, meu nariz começou a escorrer, me deu dor de ouvido e dps dor de cabeça... Corri pra tomar um chocolate quente. Quando faltava meia hora para o onibus partir o sol saiu e as nuvens foram embora, corri para ver a cratera. Realmente ela impressiona pelo tamanho, mas o lago esverdeado que existe no fundo estava seco! Achei o vulcão Poás mais bonito. Se tiver de escolher apenas 1 passeio escolha o Poás! O onibus de volta para San Jose saiu as 12:30. Chegando em San Jose fui de Subway mesmo. Voltei pro hostel e dormi. Gastos do dia: - 4.550 colones no ônibus ida e volta de San Jose – Irazu – San José - 1.600 colones em compras de biscoito e chocolates - 10 dolares de entrada no parque - 1.515 colones em uma capa de chuva de plástico - 1.825 colones em um chocolate quente e um muffin - 1.000 colones em um adaptador de tomadas. Obs.: Na CR as tomadas são diferentes do Brasil, então leve adaptadores. - 7 dólares no Subway - 25 dólares na diária no hostel (quarto privado com banheiro) Total em dólares: US$ 63 Dia 4, 5 e 6 dedicados ao congresso, mas aconteceu uma coisa que vale comentar: Bem, quando cheguei no hostel voltando do congresso mega cansado, passei na recepção e me informaram que eu não poderia usar o vaso pq tinha ocorrido uma infiltração, fiquei meio puto pq eu paguei um quarto privado para ter esse tipo de conforto, mas deixei passar pq no dia seguinte ia apresentar meu trabalho e não queria aborrecimentos. Quando cheguei no quarto reparei q meus sapatos e o lençol na cama estavam em lugarem diferentes... Fui pegar um chocolate que tinha comprado e ele simplesmente tinha sumido! Conferi o resto das coisas para ver se todas estavam no lugar e nada além do chocolate tinha desaparecido. Desci na recepção e reclamei! Ganhei um jantar no restaurante do hostel. O que eu acho queaconteceu foi o seguinte: Os trabalhadores que entraram no quarto para consertar o vaso pegaram o chocolate... Tenho certeza disto! Tudo bem que era apenas uma barrinha de chocolate de 500 colones mas peraê, ne? Pois bem, ganhei uma pizza e ice tea por conta disto e economizei 3.500 colones! Então fiquem atentos: ALDEA HOSTEL DE JEITO NENHUM!!! Dia 7 (27/06/13): Rafting no rio Pacuare (classe III & IV) Bom, dps que terminou o congresso fui fazer o rafting pelo rio Pacuare por 99 dólares. Fechei com a Exploradores Outdoor (fazer reserva com alguns dias de antecedência). Eles passaram no hostel para me pegar as 6:10. Durante o percurso o guia foi explicando os comandos a serem feitos durante o rafting. Paramos em um lugar especial da empresa e nos serviram o café da manhã... Tinha o famoso Gallo Pinto, mas desisti de experimentar pq logo senti o cheiro de coentro que eu detesto! Fomos para o rio. Não lembro no nome do guia do nosso bote mas o apelido era Teddy Bear. O nosso bote era: Eu, o americano Noah, as nepalesas que moram nos EUA: Jeny, Ota e Sony, e uma costa riquenha. Entramos no bote e treinamos um pouco. O guia me colocou junto com Noah de “capitães” do bote, aqueles que ficam na frente. Pois bem, comecamos o rafting e logo o guia me tirou do posto e colocou a costa riquenha que ja tinha feito rafting antes... Realmente eu não estava dando conta dos comandos. No inicio é um pouco confuso, mas dps fica tranquilo. Mas vou confessar: Ser o capitão não e uma boa! Requer mais atenção! Se vc fica atrás, vc só copia os movimentos do capitão! Hahaha. Fica a dica! Com 5 minutos dps do inicio, Ota, a única que não sabia nadar, caiu na água... hahaha...Tadinha! Durante o percurso vc vai passando por várias cachoeiras sendo que uma delas quase cai dentro do bote certa hora! Incrível! Na parte final passamos no meio de um cânion bem legal com uma ponte abandonada... Parecia cenário de algum filme de aventura! O guia deixa vc cair na agua 2 vezes durante o percurso. Ficar boiando na água refrescante e deixar a correnteza te levar não tem preço! Recomendo muito esse passeio. Dps voltamos para o mesmo lugar onde tomamos café da manhã para almoçarmos. O almoço foi um burrito. Durante o percurso um guia vai tirando fotos que dps é vendido um CD por 25 dólares. Como as nepalesas ja tinha hostel em La fortuna, decidi ir para o hostel delas e aproveitamos e compramos o CD juntos que foi dividido por 4, então saiu 6 dólares para cada! No msm local onde almoçamos pegamos a van da empresa direto para La Fortuna (já incluso nos 99 dólares). Esse esquema de transfer e bem legal: Vc pode sair de determinadas cidades, fazer o rafting e dps ir pra outra cidade... as opções são: San Jose, Puerto Viejo ou La fortuna. Qualquer dúvida entre em contato com a empresa e se informe mais sobre esse esquema(http://www.exploradoresoutdoors.com/pacuare-rafting.html). Chegando em La fortuna fomos direto para o Arenal Backpackers (http://www.arenalbackpackersresort.com/). Nunca vi uma estrutura como esta para um hostel! Mais parecia um resort: piscina, quartos com ar condicionado, um barzinho bem legal, banheiro amplo e com água quente (atá as 22h). Nota 10 com louvor! Recomendo reservar com alguns dias de antecedência. A noite tomamos uma cerveja e comemos no hostel msm: um macarão que estava muito bom. Acabei conhecendo o Vincent, um americano que assim como eu gosta de trekking! Decidimos fazer a caminhada até o Cerro Chato Volcano no dia seguinte. Gastos do dia: - 99 dólares no rafting no rio Pacuare - 6 dólares no CD de fotos - 15 dólares na diária do hostel (quarto compartilhado com 8 camas e banheiro) - 10 dólares no macarrão e uma cerveja Total em dólares: US$ 130 Dia 8 (28/06/13): Cerro Chato Volcano e Cascata do rio Fortuna Acordamos as 7h passamos no supermercado antes para comprar algumas coisas para a caminhada. Recomendo levar uma garrafa de agua de 2L para a caminhada, pois faz muito calor e a caminhada é pesada. Para chegar no Cerro Chato vc deve seguir o msm caminho em direção a cascata do rio Fortuna. A caminhada até lá é de aproximadamente 1h. Nós fomos a pé, mas se preferir dá pra pegar um taxi. Chegando lá vc tem a opção ou de ir na cascata ou subir o Cerro Chato. Cada um custa 10 dolares a entrada. Se vc não esta com água o suficiente, esta é a chance de comprar! Seguimos para o Cerro Chato. A caminhada é beeem puxada... No inicio é tranquilo, mas qnd entra na mata, é subida que não acaba mais! Demoramos 2h para chegar no lago (isso pq paramos muito pouco) e 1h30 para descer. O lago é bem bonito, nada mto especial, mas só de saber que aquilo é a cratera de um vulcao extinto acho que vale a pena! E o interessante e q dps de alguns poucos passos em direção a água, fica fundo muito rápido, ou seja, é uma cratera mesmo! Antes de chegar no lago tem um pequeno mirante de onde se vê o vulcão Arenal, mas vc tem que ter sorte para pegá-lo sem nuvens, e nós tivemos! Descemos até a entrada do parque e eu fui para a catarata do rio Fortuna e o Vincent foi pra casa, pois já tinha ido no dia anterior. Mais 10 dolares para entrar e lá fui eu. Para chegar até a queda vc tem que descer algumas escadas, nada de mais. A catarata e simplesmente linda! Perfeita! Pode-se nadar, mas nao dá para se aproximar mto da queda, pois a força que a água cai é tão violenta que cria uma corrente que te impede de chegar perto. Uma dica: leve uma sandália ou algo antiderrapante... Tem muitoo lodo nas pedras e vc pode se machucar facilmente. Eu mesmo fui descalço e quase cai vária vezes. Durante o caminho de volta comecei a me sentir fraco e minha garganta comecou a querer doer... Acho que juntou o cansaco com a falta de comida (até entao so tinha comido alguns nachos e uma garrafinha de iogurte durante todo o dia!) e minha imunidade estava ficando baixa. Passei em uma vendinha e comprei um isotônico. Voltei pro hostel morto de cansado. Descansei um pouco e ao invés de comer algo que preste fui comer no Burger King que tinha promoção do hamburger chamado “Tica”... Carne, tomate e uma especie de nacho com pasta de feijao! Hahaha... Mas estava gostoso. Passei no Luigi’s Hotel para fechar com eles o tour pelo Rio Celeste no dia seguinte. Eles ligaram para todas as compahias de turismo e nehuma iria fazer o tour no dia seguinte, pois eles precisam de no minimo 2 pessoas. Nesse meio tempo um cara me abordou e disse que se eu não conseguisse, que ele me ensinaria a chegar lá sozinho, que seria mais barato, mas que se eu fosse com um guia seria melhor. Logo dps a moça me disse que havia conseguido. Eu iria sozinho com um guia por 85 dolares. Fechei com eles! A noite fizemos uma pool party particular com o pessoal do quarto que rendeu até as 23h! Gastos do dia: - 5.000 colones em compras - 15 dólares de diária no hostel (quarto compartilhado com 8 camas e banheiro) - 2.450 colones no Burger King - 10 dólares na entrada do rio Fortuna - 10 dolares na entrada do Cerro Chato Total em dólares: US$ 50 Dia 9 (29/06/13): Rio Celeste Acordei cedo e fui para o Luigi’s Hotel esperar o guia passar para me pegar as 8h como combinado. As 8:25 chega o guia. Era uma francesa de nome Caroline que morava a 6 anos na CR. Até ai tudo bem. Fui para o carro e reparei que era um carro comum e não de turismo. E mais: o filho dela de 3 anos estava la!! Seguimos em direção ao rio. Paramos em uma cidadezinha onde tomamos café (eu paguei o meu) e continuamos viagem. Ela parou algumas vezes no caminho para perguntar qual a direção e as 10:30 chegamos no parque. Iniciamos a caminhada nós 3: Eu, ela e o seu filho. Durante o trajeto ela não disse absolutamente nada a respeito do Parque ou da floresta ou dos animais, apenas conversava com o filho. Fomos primeiro na parte onde o rio “comum” se transforma em celeste. Nessa parte ela me explicou muito mais ou menos como ocorria a reação química. Dps fomos em direção a cascata, mas o filho dela reclamou do cansaco e eu fui sozinho enquanto ela me esperava. Chegamos aproximadamente as 16:00 em La Fortuna. Ela me deixou no hostel e eu senti que ela estava esperando uma gorjeta. Se ela falasse alguma coisa eu ja tinha a resposta pronta!! Ela não era uma guia de verdade e não me deu atenção nenhuma! O que conteceu foi que, como a moça do Luigui’s Hotel não achou nenhuma agencia, ela ligou pra essa mulher e ofereceu uma grana para ela me levar. Tenho certeza disto! Mas apesar de tudo, valeu a pena... A cor da água é inacreditável!! Quanto mais fundo o rio mais azul fica. A cascata, aahh a cascata.... Fenomenal! Tem uma placa dizendo que não se pode nadar mas não ia perder a oportunidade. Dica: Depois eu percebi que dá pra fazer o passeio por conta sim!! Se vc estiver um grupo e fechar um taxi sai bem mais barato. E a trilha é bem demarcada e não é necessário guia. Chegando no hostel já não estava me sentindo mto bem. Fechei o shuttle para Monteverde para o dia seguinte as 8:30 por 22 dólares no hostel mesmo. Comi 2 burritos com batata frita e fui dormir. Gastos do dia: - 85 dólares no passeio pelo rio Celeste - 1.500 colones em uma garrafa de 2L de água - 15 dólares de diária no hostel (quarto compartilhado com 8 camas e banheiro) - 1.340 colones em compras (Biscoitos, banana e suco) - 2.000 colones em 2 burritos com batatas fritas Total em dólares: US$ 110 Dia 10 (30/06/13): La Fortuna - Monteverde Acordei mal. Minha cabeca estava pesada e doendo um pouco. Acho que estava ficando desidratado. Tomei café da manha no hostel msm enquanto esperava o shuttle. O esquema do shuttle foi o seguinte: Van – Barco – Van. Nesse esquema vc atravessa o Lago Arenal e corta caminho . Se fosse fazer por conta teria que ir para Tilaran e de lá para Monteverde, demoraria umas 2-3h a mais. Como não estava me sentindo muito bem, valeu o investimento! A van me deixou no centro de Monteverde que é uma cidade bem pequena. Fui para a Pensão Santa Elena (http://www.pensionsantaelena.com/). Peguei um quarto privado com banho compartido e café da manha por 14 dólares a diária. O hostel é bem legal, os unicos problemas são: Não tinha tomada no meu quarto e as paredes eram muito finas e feitas de madeira, então dava pra ouvir tudo o que falavam na recepção, além da música que ficava tocando o dia todo. Mas o hostel tem cozinha e os banheiros compartilhados são limpos. Recomendo se vc quer apenas um lugar para dormir, pois durante o dia era impossível dormir (pelo menos no meu quarto). Passei o dia de molho. Fui no restaurante Tico y Rico e comi uma espécie de arroz de forno com frango, batata frita e salada... Tomei vergonha na cara e resolvi gastar dinheiro com comida de verdade. Passei na farmácia e comprei vitamina C e paracetamol. Aproveitei e fechei o Canopy para o dia seguinte na Xtremo (http://monteverdeextremo.com/) as 10:30. Estava na dúvida de fazia o Canopy em La Fortuna ou em Monteverde. Conversei com o recepcionista do hostel em La Fortuna e ele me disse que o melhor canopy da Costa Rica é em Monteverde, então fica a dica! A noite comi um hambúrguer em frente o hostel e fui dormir. Gastos do dia: - 22 dólares de shuttle para Monteverde (Van-Barco-Van) - 14 dólares na diária do hostel (quarto privado com banheiro compartilhado) - 1.300 colones em Paracetamol e vitamina C - 3.500 colones no almoço no Tico y Rico - 5 dólares de compras (frutas, biscoitos e isotônico) - 4 dólares de lavanderia - 1.500 colones no hambúrguer Total em dólares: US$ 58 Dia 11 (01/07/13): Monteverde (Canopy) Acordei bem melhor, tomei café e fiquei na recepcão esperando a van passar. Quem eu encontro? Ariel, uma americana que estava no msm quarto que eu em La Fortuna e que tbm estava hospedada no Santa Elena. Ela animou de fazer o passeio comigo e fomos juntos,mas antes a van passou pra pegar algumas pessoas e quem entra na van? Saly! Tbm americana que tbm estava no msm quarto que eu em La Fortuna. Agora éramos 3! Esse passeio consiste em 3 etapas: O canopy em si, o Tarzan Swing e o Superman. Vou explicar por partes: 1) Canopy: É aquilo que todo mundo conhece conhece. Vc vai passando de um ponto a outro pendurado pelos cabos, não tem mta emoção, vc tem a opção de frear se quiser. Mas em algumas partes é beeeem alto. 2) Tarzan Swing – O MELHOR!!!! MUITO BOM MESMO! Vc fica numa plataforma e pula e fica balançando. 3) Superman: Por fim vc chega no alto de uma montanha onde dá pra ver o Oceano Pacífico!!! Lembrando que Monteverde fica no interior do país!! Te penduram pelo tronco e pelos pés e vc vai de braços abertos e fica aproximadamente 1 minuto “voando” por cima das árvores a uma altura mto grande. Muito bom tbm, mas dá um pouco de medo! kkkkkkk Recomendo muito fazer esse passeio, a Xtremo foi excelente! Pontual, atenciosos e total segurança nos equipamentos. Nota 10! Uma uma dica para quem tem GoPro: Levem a sua com o acessório de fixar no capacete, pois eles tem capacetes para encaixá-la! No final dá para comprar um CD com as fotos que eles tiraram de vc por 10 dólares. Dividi com a Ariel o CD com as fotos, assim ficou 5 dólares para cada. Voltamos e resolvemos almoçar no restaurante do lado do hostel chamado Morphos. Comi um “casado” de arroz, feijão, carne (estava mto suculenta e macia), salada e banana. Paguei 14 dolares... Caro! Mas pelo menos o bife estava bom e era grande. Voltei para o hostel e consegui descansar um pouco. As 18h fui ao ranário que fica a 10 min do centro de Monteverde. No mesmo lugar, além do ranario, funciona um borboletário (que só vale a pena se estiver sol, pois só assim as borboletas ficam mais ativas) e um insetario. Paguei 17 dolares para ver os sapos e os insetos com guia. O esquema de ver os sapos é o seguinte: A maioria das espécies fica mais ativa durante a noite, então as chances de vc vê-las são maiores. Já as espécies venenosas (que são as mais coloridas) são de hábito diurno, então eles deixam vc fazer 2 visitas com apenas 1 bilhete. Mas se vc tiver tempo apenas para 1 visita faça a noite. Fica a dica. O ranário vale a pena! Só desse jeito para vc ver os sapos coloridos da Costa Rica (ou se vc tiver mta sorte de ver na natureza). No final dei 2 dólares de gorjeta para o guia. Já o tour pelo insetário eu não gostei mto... Achei meio infantil. As crianças devem adorar. A maioria dos animais estão fixados. Os vivos são: Um lagarto, um bicho-pau, uma tarântula, um besouro e um escorpião. Tbm dei 2 dolares de gorjeta para a guia. Não sou acostumado a dar gorjetas, mas gosto de valorizar esse tipo guia. Voltando para o hostel no meio do caminho eu escorreguei numa vala no passeio e raspei o joelho no meio-fio. Esfolou um pouco e ficou ardendo durante alguns dias. Passei na lanchonete em frente ao hostel e comi um hambúrguer (o mesmo do dia anterior). Gastos do dia: - 45 dólares no Canopy (incluía: Canopy, Tarzan Swing e Superman) - 14 dolares no almoço - 17 dólares no ranário e insetario - 4 dólares de gorjetas - 1.500 colones no hambúrguer – 1.500 colones em compras (biscoito, água e frutas) - 14 dólares na diária do hostel (quarto privado com banheiro compartilhado) Total em dólares: US$ 100 Dia 12 (02/07/13): Monteverde (Reserva de Monteverde e Night Tour na Reserva Santa Maria) Acordei as 5:30. Fui à padaria tomar um café e as 6:15 peguei o onibus público (em frente a padaria mesmo) para a reserva de Monteverde. Em 20 minutos estava na reserva. Paguei 9 dólares de entrada e fechei um guia por 15 dólares (na verdade eram 17 dólares, mas chorei e ele fez por 15) por 2 horas e meia. Começamos as 7:30. No início ele falava mto sobre as plantas e poucos sobre animais. Mas depois comecei a ver alguns bichos legais. Eu aconselho fortemente a contratar um guia... 15 dolares é mta coisa, mas os olhos deles estão treinados para achar os animais, além disto, um guia fala para o outro quando encontra alguma coisa. Se vc fizer por conta não vai ver nem a metade dos animais. Fizemos a caminhada até uma cascata e voltamos, sempre parando o quanto for preciso para tirar fotos. O tour terminou as 10:30. Segui para uma lanchonete onde eles colocam bebedouros para os beijaflores... Haviam dezenas deles! De várias espécies. E eles estão acostumados com a presença dos humanos, ou seja, dava para tirar fotos bem de perto. As 11:00 Peguei o onibus de volta para Monteverde (mas acho que poderia ter ficado mais e aproveitado para fazer algumas trilhas pela reserva... Dei mole!) e parei em frente ao ranario que havia ido na noite anterior. Aproveitei para ver as espécies venenosas que são mais ativas durante o dia. Almocei na lanchonete em frente ao hostel e decidi fazer o Night Tour na Reserva Santa Maria. O hostel agendou pra mim e as 17:30 a van passou para me pegar. Escolhi o guia em espanhol ja que só tinha 2 pessoas, enquanto que o guia em ingles tinham dezenas, fica a dica: Se puder escolher escolha o guia em espanhol que tem menos pessoas. No total são 2 horas de tour. Na primeira hora de tour vimos a serpente verde venenosa (beeem de longe), bicho-pau, 2 pássaros grandes muito bonitos e um bicho-folha. Na segunda vimos algumas formigas, um porco espinho e tarântulas! Sinceramente eu esperava mais. Principalmente os bichos preguiça... Mas pelo que vi esse passeio é sorte. Recomendo fazê-lo se vc estiver folgado de grana. E a noite adivinhem onde fui comer? Sim, o hambúrguer na lanchonete em frente ao hostel! Hahaha. Na verdade ele nem era tão gostoso assim, mas é pq era uma opção barata e perto do hostel. Gastos do dia: - 1.500 colones no cafe da manha (bolo e café com leite) - 1.200 colones em passagem ida e volta para a reserva de Monteverde (600 cada uma) - 9 dólares na entrada para Monteverde (com carteirinha de estudante) - 15 dólares no guia - 2.800 colones no almoço (frango grelhado com batata frita e salada) - 4 dólares em ima de geladeira - 1.500 colones em compras - 20 dólares no Night tour - 1.500 colones no hambúrger - 14 dólares na diária do hostel (quarto privado com banheiro compartilhado) Total em dólares: US$ 79 Dia 13 (03/07/13): Monteverde - Manuel Antonio Acordei as 5h, arrumei minhas coisas, tomei um café na padaria e fui para o centro comercial de Monteverde de onde partiu o ônibus as 6h com destino a Puntarenas. Cheguei em Puntarenas as 9h, esperei até o proximo onibus as 11h para Quepos. Aqui dá pra ver claramente a falha no trasporte na Costa Rica. Tem um ônibus para Quepos que sai as 9h (justamente no horáio que cheguei). Custava mudar o horario para 15 minutos mais tarde? Assim os turistas não teriam que ficar mofando 2h na rodoviária. Mas fazer o que, né? As 14h cheguei em Quepos e dps peguei mais um ônibus de 15 minutos (esse onibus tem toda hora) até Manuel Antonio finalmente! Ao todo foram 8h para chegar em Manuel Antonio, mas achei que compensou pegar o transporte público. O shutle estava 46 dolares! Fazendo por conta saiu por 7 dólares ou seja, economizei 39 dólares! Excelente! Fiz o check-in no Backpackers Manuel Antonio (http://www.backpackersmanuelantonio.com/index.php/en/) em um quarto compartilhado por 12 dólares a diária. Não gostei do hostel. Não senti um clima legal, sei lá. E pra piorar os quartos eram muito quentes e as pareces não iam até o teto, ou seja, dava pra ouvir o que se falava no quarto do lado! Almocei no restaurante em cima do hostel chamado El Tipico e finalmente comi algo gostoso: um “casado” de frango que vinha arroz, feijão (com pouquíssimo coentro... Aee!) frango grelhado, salada e um omelete de vagem. Descansei um pouco e peguei o ônibus para a principal praia de Manuel Antonio chamada Playa Espadilla Norte (que fica fora do parque e é de graça). Gostei da praia, mas o ruim é a quantidade de turistas. Existem vária coisas para se fazer: aulas de surfing, banana, paraglider (puxado pelo barco), snorkeling, etc. Caminhei um pouco eu peguei o ônibus de volta para o hostel. E assim terminou o dia. Gastos do dia: - 1.000 colones no café da manhã - 1.500 colones na passagem Monteverde – Puntarenas - 1.850 colones na passagem Puntarenas – Quepos - 280 colones na passagem Quepos – Manuel Antonio - 12 dólares na diária do hotel (quarto compartilhado com 8 camas e banheiro compartilhado) - 560 colones de passagem de ida e volta para a Praia de Manuel Antonio (280 colones cada) - 2.300 colones em compras - 3.800 colones em almoço Total em dólares: US$ 45 Dia 14 (04/07/13): Manuel Antonio National Park Acordei às 6h, passei no restaurante em cima do hostel para tomar café. Como pretendia ficar o dia todo sem almoço resolvi encarar o gallo pinto e gostei. Nada de muito especial, mas só de não ter o coentro já estava bom. Peguei o ônibus e às 7h (a hora que o parque abre) eu já estava na porta. Lembre-se que o parque não abre na segunda-feira e sempre é bom chegar na hora que abre, pois depois fica lotado de turistas. Paguei 10 dolares de entrada e não fechei com o guia e acho que foi uma boa. Queria liberdade de ir para onde quiser e consegui ver todos os animais que queria. Minha impressão sobre o parque: Foi a maior surpresa da viagem! Simplesmente não esperava aquela beleza, na verdade não tem nada de exepcional, mas acho que subestimei. Não pensava ver tantos animais. A vegetação encontrando com o mar é sensacional! Só tinha um problema: estava calor demais!!! O parque tem 3 praias: Playa Espadilla Sur, Playa Manuel Antonio e Playa Puerto Escondido. Em 1 dia dá para conhecer todas. A que eu mais gostei foi a Playa Manuel Antonio, e entre ela e a Espadilla Sur tem uma pequena trilha com alguns mirantes que valem a pena. Em alguns pontos do parque existem banheiros com duchas de água doce grátis. Tome muito cuidado com os guaxinins, pois eles mexem nas mochilas para procurar comida! Voltei para o hostel às 14h e pouco tempo depois começou a cair uma chuva descomunal que se estendeu ate altas horas da noite! Gastos do dia: - 12 dólares de diária (quarto compartilhado com 8 camas e banheiro compartilhado) - 3.500 colones no café da manhã (gallo pinto com suco) - 560 colones no ônibus de ida e volta para a praia (280 colones cada passagem) - 10 dólares na entrada do parque - 2.000 colones em compras - 5.500 colones no burrito com suco Total em dólares: US$ 45 Dia 15 (05/07/13): Manuel Antonio – San Jose Acordei às 6h e peguei o ônibus até a rodoviária de Quepos para comprar minha passagem para San Jose. Me recomendaram comprar antes pra não correr o risco. Depois disto fui para a Playa Espadilla Norte e andei um pouco por lá. Voltei pro hostel, almocei e às 13h peguei o ônibus direto para San Jose. Cheguei as 16:30 e peguei um taxi para o hostel Aldea de novo. Apesar do que aconteceu comigo e de não recomendar o hostel eu tive que voltar, pois deixei algumas coisas que não queria ficar carregando na viagem. A noite fui à Pizzaria do hostel. Gastos do dia: - 4.465 colones na passagem de Manuel Antonio para San Jose - 550 colones no café da manha - 280 colones no ônibus de Manuel Antonio para a praia - 1.000 colones no sorvete - 280 colones no ônibus de volta para o hostel - 4.800 colones no almoço com suco - 1.800 colones de taxi da rodoviária até o hostel - 13 dolares de diaria no hostel (quarto compartilhado com 8 camas e banheiro) - 4.000 colones em uma pizza e suco Total em dólares: US$ 47 Dia 16 (06/07/13): San José - Brasil Dia de voltar para o Brasil. Mas como meu voo era só a tarde aproveitei para ir ao Teatro Nacional e dps no Mercado Municipal para comprar os últimos presentes, mas não achei nada que me agradasse. Como tinha visto uma loja de suvenires chamada La Campesina do lado do Hotel Wyndham Herradura onde aconteceu o congresso, peguei o ônibus no terminal Tuasa e fui até a loja. São 2 andares com todo os tipos de suvenires. Achei o que queria! Almocei e voltei pro hostel para arrumar as coisas. Peguei o onibus direto para Alajuela que me deixou em frente ao aeroporto, assim e conomizei uns bons dólares! E uma última facada: Paga-se 29 dólares de taxa para deixar o país! Gastos do dia: - 15 dólares de suvenires - 530 colones de ônibus para ir até a loja de souvenir - 3.500 colones no almoço - 530 colones de ônibus para ir até o aeroporto - 29 dólares de taxa no aeroporto Total em dólares: US$ 53 E foi isso... Espero que tenham gostado do relato e me desculpem se fui muito detalhista! rs O melhor e o pior: O lugar mais bonito: Rio Celeste. A natureza nesse lugar é privilegiada. Aquele azul do rio e aquela cascata são para ficar na memória. O lugar mais feio: San Jose. Não gaste seu tempo na cidade. Não tem nenhum atrativo a não ser os vulcões. Se for perder um dia aqui vá até o vulcão Poás. A maior surpresa: Manuel Antonio e Canopy Ouvi dizer que a praia de Manuel tinha muito turista que isto e aquilo, o que reduziu minhas expectativas. Quando cheguei e vi aquele mar esverdeado e de água quente, a floresta encontrando o oceano, aquela quantidade de animais... Fiquei surpreso. Voltaria em Manuel Antonio com certeza! Já o canopy eu achava que seria apenas aquilo de ficar indo de um lugar pra outro no meio da floresta, mas o Trazan Swing e o Superman são demais! Muita adrenalina! Altamente recomendáveis! Um must do: Rafting no rio Pacuare Já sabia que esse passeio ia ser fantástico! E todas as expectativas foram atendidas. As cachoeiras, os cânios, a mata preservada... Todos os cenários são incrivelmente belos! Um passeio que te coloca dentro da natureza da Costa Rica. Vale cada centavo gasto! Considerações finais: Meus gastos gerais foram: - R$70,00: Ida e volta de ônibus da minha cidade até o Rio de Janeiro - R$2.400,00: Passagens aéreas - R$78,00: Seguro viagem (plano básico) - US$897,00 ou R$2.036,19 (com o dólar a R$2,27): Soma dos gastos com hospedagem, alimentação e passeios. Lembrando que exclui os gastos referentes aos 3 dias que fiquei no congresso Assim, o total da viagem ficou em R$4.584,19 Recomendo muito um mochilão pelo país, mas acrescentaria mais países no roteiro. Ainda mais com o preço caríssimo das passagens acho que compensa conhecer mais lugares, como por exemplo um país que possua Caribe de águas azuis (por exemplo, San Blás no Panamá) já que a parte caribenha da CR não é tão bonita. De uma maneira geral a CR me surpreendeu. Esperava encontrar algo bem parecido com o Brasil, mas descobri um país com identidade própria e extremamente rico em biodiversidade. Se vc gosta de natureza e de aventura é um prato cheio! “PURA VIDA!”
  4. 1 ponto
    O que ver na Escócia Para quem só tem tempo para uma cidade grande, entre Edinburgo e Glasgow eu ficaria com Edinburgo, é mais charmosa. Tem também cidades menores que valem a pena, por exemplo Stirling. Pra quem gosta de sair mesmo da rota turística e visitar lugares onde o diabo perdeu as botas (meu caso): gostei muito no noroeste da Escócia (Scourie, Durness, etc). Para os mais energéticos tem uma trilha de quase 160km que sai do norte de Glasgow e vai até Fort William: West Highland way - depois em Fort William dá ainda para subir a maior montanha do Reino Unido: Ben Nevis, 1300m de altura. Muito impressionante já que está ao nível do mar. Dizem que a vista lá de cima é belíssima, mas nas duas vezes que eu subi a vista estava escondida atrás das nuvens. De Fort William dá pra pegar um trem até Mallaig, passando pelo famoso Viaduto de Glenfinnan, aquele com diversos arcos que foi usado no filme do Harry Potter. De Maillag dá pra se ir pra Ilha de Skye, mais montanhas, litoral muito bonito, enfim... beleza é que não falta, podia ficar horas escrevendo... realmente gosto muito da Escócia. Tentem incluir alguma coisa fora da rota bonita porém extremamente batida: Edinburgo - Inverness - Lago Ness; tenho certeza que não vão se arrepender. Sobre Inverness: tem trem e ônibus direto de Edinburgo. Indo por Glasgow tem que trocar (acho que em Perth). De Inverness para o lago Ness deve ter ônibus, não sei pois quando eu fui peguei uma carona e pra falar a verdade não curti muito nem a cidade de Inverness, nem o lago, estava muito lotado de turistas de excursão (dessas que chegam em ônibus), pra mim perdeu todo o charme. Talvez quem consiga visitar quando está mais tranquilo aproveite mais. O que mais gosto na Escócia é a sensação de espaço e vazio (baixa densidade populacional) pelo interior do país, de chegar num castelo abandonado, como por exemplo Kilchurn no lago Lochawe e não encontrar ninguém ali, só um grupo de ovelhinhas, esse tipo de coisa. Certamente quem gosta de agito iria odiar. Mais informações: http://www.undiscoveredscotland.co.uk tem MUITA informação turistica, dá pra viajar lendo tudo aquilo. Digita esses nomes que eu mencionei, cada um tem uma página própria com fotos e informações. Por exemplo sobre Kilchurn: http://www.undiscoveredscotland.co.uk/lochawe/kilchurncastle/ Informações sobre West Highland Way: http://www.west-highland-way.co.uk/ subida do Ben Nevis: http://ben-nevis.com/index.php Caminhada circular passando pelo Viaduto de Glenfinnan: http://www.walkhighlands.co.uk/fortwilliam/glenfinnan.shtml LINKS UTEIS DE TRANSPORTE: http://www.nationalrail.co.uk (trem) http://www.travelinescotland.com (para pesquisar como se locomover pelo interior, de trem ou onibus, ir na sessão "plan your journey") Editei en 2017 para atualizar os links
  5. 1 ponto
    Fala galera, Acabei de criar meu primeiro roteiro de mochilão pela amarica do sul e gostaria de compartilhar com vocês, e assim vocês deixarem suas sugestões, opiniões, etc ... (Vai me ajudar muitoooo 🙏 ) Meu modelo de trip vai ser aquele que todo mundo mais ama (Estilo roots kkk") Gastando quase nada e curtindo o máximo. Viajando sozinho, sem horário, sem data de volta, me locomovendo de caronas e ônibus, acampando e fazendo voluntariado por acomodações em hostels , trabalhando em lugares para ajuntar dinheiro e seguir em frente. Pretendo iniciar esse sonho a partir do mês fevereiro de 2019, com um valor de R$ 2000,00 ( Utilizar só em caso de extrema necessidade). No meu roteio gostaria de conhecer tudo que tenho direito e um pouco mais. Esse é apenas um roteiro de base, sei que não vou seguir esse roteiro de ponta a ponta, pois muita coisa pode acontecer e eu não quero me preocupa com a direção, mas sim com os momentos que cada lugar pode me proporcionar. Deixa a vida me leva 🎵 Gostaria muito da ajuda de vocês ! Na imagem abaixo, anexei o meu roteiro: Alguém já fez algo parecido dessa trip ? Como foi ? Sugestão: Melhor começa por Peru e vim descendo ou por Uruguai e ir subindo ? Devo fazer o cambio aqui no brasil e leva um pouco dá moeda local ou fazer a troca quando chega nos destino ? Algum lugar para mim acrescentar no meu roteiro ou tirar ? Algo essencial que não pode falta na minha mochila ? 45 litros é suficiente ? Dica: Qual tipo de roupa devo leva pra ocupa pouco espaço e enfrenta o frio ? Alguém afim de cair nessa aventura ? 😎 Sei que não existe um manual exato com passo a passo para um mochilão, pois cada experiência é única e diferente, mas não custa nada pergunta ne Obrigado deste já !
  6. 1 ponto
    @Vini_Borgis brother, pra esse tipo de viagem o planejamento será cansativo porem ao mesmo tempo é o que vai ti dar o norte de tudo. Tirei meu ano sabático e voltei dele há pouco tempo e o que posso ti adiantar baseado nas minhas experiencias são: - Seu roteiro vai mudar inumeras vezes até chegar no planejamento "ideal" - Comece a planejar por continentes / países separados e depois vai interligando-os, como se trata de uma viagem longa vc nao precisá viajar correndo e com isso pode andar mais devagar, gastando pouco. - Num primeiro momento quando se fala numa volta ao mundo a gnt quer visitar cada canto do mundo e numa primeira passada no roteiro vc vai ver la no final que sua grana poderá nao ser suficiente pra tudo que vc quer. Entao quando tiver fazendo o roteiro defina quais sao os lugares que vc quer muito conhecer daquelas que vc tem vontade porem nao "morrerá" se precisar corta-lo. - Cada pessoa tem suas prioridade e seus desejos porem eu priorizei começar a viagem pela oceania > Asia e vir sentido ao Brasil pois no final da viagem quando a grana ja tivesse mais curta eu ja estaria mais perto de casa. Entao se eu precisasse cortar algum destino no final da viagem nao seria tao ruim pois de certa forma seria mais barato voltar num país aqui na america do sul do que voltar na Tailandia por exemplo. - Planeje bem e veja o minimo de grana que vc precisará pra completar seu roteiro, nao saia de casa ja pensando que vai arrumar um trampo pelo caminho pq as coisas sao tao simples assim. Em muitos países se vc nao tiver um visto que ti permita trabalhar o empregador nao vai querer correr o risco de ter problemas com as autoridades por causa de pessoas como vc. Em outros países da Asia vc pode ate conseguir alguma coisa mas a moeda deles vale bem menos que a nossa e no final das contas sera que vai valer mesmo a pena um subemprego pra ganhar tao pouco? - Na Asia seu dinheiro rende muito, la tudo é bem barato, entao é legal passar um bom tempo viajando por la. Na oceania e na Europa seu dinheiro voa, mesmo economizando muito vc tranquilamente vai gastar 3x - 4x por dia o que gastava na Asia. - Pra visitar todos esses destinos pretendido em torno de 18 meses vc precisara de muita grana. Talvez pra vc esse nao seja um problema mas por alto, chutando, no minimo uns 70k Boa sorte
  7. 1 ponto
    Garotas, tenho uma novidade de fim de ano. Vou dia 5 de fevereiro, ainda não sei que dia pegarei o beco, talvez espere eles me expulsarem E vocês, alguma novidade? Feliz ano novo
  8. 1 ponto
    @D FABIANO Segue os meus cálculos retirados da planilha com valores atualizados: Alimentação 868,00 € Ingressos 1.121,41 € Outros (lembrancinhas) 129,03 € Deslocamentos 233,85 € TOTAL 2.352,29 € MÉDIA/DIA (POR PESSOA) 58,81 € RESERVA/EXTRA 647,71 € * Considerei na média 20 dias, sendo 2 días em voos e hospedagens pagas. Considerei em média 12 euros por refeição (almoço e/ou jantar na Espanha e Itália). Em Lisboa, ficarei em apto (AirBnB) e reservei 100 € para alimentação. Sua dica esta anotadíssima, Pingo Doce, já estou com o endereço no mapa.
  9. 1 ponto
    @Sozinho no mundo eu absorvi o que vc está querendo dizer: não se sente interessado ainda por nenhum curso! De coração, fiz uma faculdade que eu não gostaria e se eu pudesse voltar atrás eu não teria feito, o dinheiro que eu investi numa faculdade infeliz eu poderia justamente ter saído pelo mundão muito antes! Só que na minha opinião, esquece esse lance de São Paulo, o custo de vida lá é muito alto, praticamente impossível vc ir sem emprego certo e ainda conseguir guardar dinheiro, é um tiro no pé! Se vc tem essa vontade de sair mochilando por todos os estados do Brasil, acho legal vc pensar em algo contínuo, um dom que vc tenha, uma forma de virar dinheiro viajando.. pq vc precisa se alimentar, precisa de lugar pra dormir e precisa de transporte, muitos meios hoje ajudam muito nisso, mas tudo com planejamento e força de vontade não há como dar errado, se planeje e siga seu coração! Experimente isso por um ano da sua vida, se tudo der certo, continue, se não der, volte e estude, vc só vai saber se tentar
  10. 1 ponto
    DIA 01: CHEGADA A ISTAMBUL E VISITA A HAGIA SOPHIA Eu cheguei a Istambul de aviao e o processo de visto foi super rápido. Nao me pediram e nem me perguntaram nada. Do aeroporto, que é bem pequeno, eu peguei um metrô e um VLT para chegar até a parte central da cidade e onde estao a maioria das atracoes, que é o bairro de Sultanahmet, a parte mais antiga de Istambul. É na praca de Sultanahmet onde estao as coisas mais importantes pra se visitar em Istambul: Hagia Sophia, Blue Mosque, Basílica Cisterna e o Palácio dos sultoes. Há um passe dos museus que custa 125 liras turcas, mas eu resolvi comprar os tickets separados porque o que eu queria visitar iria sair por 105 liras turcas. HAGIA SOPHIA A entrada custou 45 liras turcas. Esse museu foi criado no ano 404 como uma catedral pelo filho do Imperador Constantino. Em 1453 o Império Bizantino caiu e foi tomado pelo Império Otomano. O sultao, ao ver a catedral, ordenou que seus soldados parassem de saqueá-la e ordenou que essa catedral fosse transformada em uma mesquita. Hoje em dia ela é um museu. Dentro dá pra ver elementos do período bizantino e do período muculmano. Ela é fantástica e é bom chegar cedo, porque lá pras 11h da manha já está uma fila gigantesca. A Blue Mosque fica alí em frente, mas eu decidi deixar pra visitá-la em outro dia. Fui caminhando até o Grande Baazar, que é um mercado gigante do período otomano que era utilizado pra comercializar os produtos da Rota da Seda. Ainda hoje funciona como um mercado, mas é algo bem pra turista ver, entao é melhor deixar pra fazer suas compras em outro canto. Mesmo assim vale a pena a visita. Lá vendem de tudo: do penico até a bomba atômica. E o melhor lugar pra trocar dinheiro que eu encontrei foi logo ao lado do Grande Baazar, entao fica a dica disso também. De lá eu fui andando até a Mesquita Suleymaniye, que é uma das maiores do país. Ela fica localizada num morro que dá uma bela vista para o Estreito de Bósforo, que divide a Europa e a Ásia. Pra entrar em qualquer mesquita se deve retirar os calcados e nao é permitido a visita durante as horas de culto. E esse foi o primeiro dia em Istambul. Espero que gostem. Vocês também podem ver tudo isso no meu canal do Youtube (aproveitem e se inscrevam):
  11. 1 ponto
    Em janeiro de 2017 fiz 2.600 km com meu filho na garupa Demos a volta no Rio Grande sou parceiro para uma trip nesse estilo
  12. 1 ponto
    E m caminhadas anteriores pela Serra Fina (SF), ralando pelo Paiolinho ou suando pela Toca do Lobo, com frequência vinha à mente uma ideia meio masoquista, e visionária: por que não fazer uma caminhada que somasse a tradicional travessia Toca do Lobo/Sitio do Pierre com ataques aos Picos de maior destaque no entorno? Seria uma forma de ver essas montanhas de ângulos diferentes... Conhecer mais da SF, deixar pegadas em sítios históricos, observar a geologia e a vegetação em pontos menos afeitos à maioria dos caminhantes... Ou seja: uma chance de se arrastar a montanhas menos frequentadas, mais ermas e não menos belas que as da rota tradicional. Toca do Lobo – Quartizito-Capim Amarelo-Melano-PM-Cupim de Boi-Três Estados- Alto dos Ivos- Sitio do Pierre. Essa ideia, com certeza passou pela cabeça de muitos outros montanhistas, e aos poucos o plano foi se desenhando: faríamos a Travessia em um feriado, na temporada de montanha (nada de dar muita margem ao clima inóspito daquelas plagas) e nos condicionamos a fazê-la no prazo normal da travessia clássica: 4 (quatro) dias, com 3 (três) noites na serra. Em conversas anteriores, alguns já haviam se pronunciado pelo interesse na empreitada, com as restrições de compromissos profissionais, médicos, familiares, etc., o grupo tinha 4 (quatro) integrantes com agenda disponível para o feriado de 31/05/2018: Eu, que vos escrevo (Rogério Alexandre), o Rodrigo Oliveira, o Douglas Garcia, e o Marinaldo Bruno. E eis que surge a Greve dos Caminhoneiros, que com reivindicações justas, nos levou a um ponto de inflexão: manter a data ou postergar? Pesadas as opções, adotou-se a contingência de irmos de ônibus e compramos passagens para P4. Com as datas de retorno disponíveis, o Rodrigo não poderia participar. Ficamos no aguardo, na torcida pelo melhor desenlace da greve dos caminhoneiros e o retorno ao abastecimento de combustíveis nos postos, condição que se impunha para a participação do Rodrigo na empreitada. Na manhã de quarta, veio a boa notícia: carro abastecido! Corremos com últimos preparativos: lanches, verificar bateria do GPS, cancelar as passagens e retirar qualquer grama a mais das cargueiras, etc. Nesse dia, na ânsia de aproveitar ao máximo a folga e fazer uma reserva de energia, abusei um pouco da alimentação: sanduiche de mortadela, milho verde com manteiga, almoço de mãe, ceviche de pescada e lula. Esse abuso teria consequências no meu desempenho na pernada, rs. Escrito por Rogério Alexandre com revisão do restante do time, uma pequena noção e, que palavra nenhuma explicaria, o que foi essa aventura! Primeiro dia: C hegamos em Passa Quatro às 20h30 e depois de procurar um pouco, encontramos a casa da Patrícia, onde guardamos o carro, separamos o que ficaria para uso na volta a SP, colocamos as cargueiras na Pajero dela e pegamos estrada, às 21h de quarta (véspera do feriado), para o ponto próximo da Toca do Lobo. Vestimos as cargueiras, nossas companheiras de relação amor e ódio pelos próximos 4 (quatro) dias, fizemos os últimos ajustes e nos colocamos a andar pela antiga estradinha que leva a Toca do Lobo. Ali fizemos as primeiras fotos, à luz das lanternas, nos hidratamos e nos abastecemos da água necessária para alcançar o Quartizito, onde faríamos a primeira recarga maior de água. Nesse trecho, bastou-nos um litro por cabeça, já que faríamos a ascensão mais leves e na madrugada, o que ajuda em muito no menor consumo de água. Como planejado, pontualmente às 22h, partimos em busca do primeiro cume da travessia: Cume do Cruzeiro. A subida começa relativamente íngreme, nos alertando para o que nos esperava. Vamos em passo normal, poupando forças para a longa jornada. Em pouco tempo saímos da mata e começamos a curtir mais a caminhada, apreciando a beleza da Serra, os contornos da crista que iríamos subir, que iluminados pela lua cheia, pareciam nos desafiar. Para o Rogério a caminhada tinha uma complicação adicional: para não utilizar a lente de contato por um período longo demais, decidiu utilizar óculos durante a noite, e só colocar a lente com o dia já claro. Até aí nada demais, se a joça dos óculos não teimasse em ficar embaçando a cada pouco, fazendo com que, ele alternasse em caminhar sob uma “neblina” particular, que só ele via, tateando com os pés em algumas passagens ou parar a cada pouco para limpar a lente dos óculos. Era trabalho de Sísifo: bastava desembaçar para o processo de enevoar recomeçar, principalmente nas partes menos expostas à gélida brisa noturna. Apesar de aborrecer um pouco, ainda surgiria uma dificuldade para se somar com essa, e que faria com que ele deixasse de “puxar” o grupo e passasse a ser o “cerra fila”, decorrente da sua gula durante a preparação para a travessia. Voltamos a essa questão mais adiante. Alcançamos a crista e seguimos subindo buscando o Quartizito e seu ponto de água, tementes quanto à disponibilidade, pois da presença de água ali possuíamos apenas relatos, já que sempre passamos naquele trecho já abastecidos de água. Os temores se mostraram infundados, e depois de descer uma pirambeira, pudemos completar o abastecimento para a caminhada até a base da PM, onde sabíamos encontrar água para o primeiro pernoite, na nascente do Rio Claro. Subimos o Quartizito, no escorregar clássico da montanha que parece se desmanchar em pedriscos aos nossos pés e, à meia noite alcançamos seu cume e iniciamos a descida para o ombro por onde faríamos a longa subida do Capim Amarelo, ansiosos pelos trechos com cordas que noticiam a proximidade do cume. Um detalhe sobre a subida do Capim Amarelo merece registro: esse trecho é um dos que, para os que o percorrem pela primeira vez, testa a determinação do montanhista. A cada falso cume, têm-se que redobrar a disposição, diante da descoberta de que o almejado cume ainda não chegou; são vários os falsos cumes, então, haja determinação para não esmorecer. Sabedores disso, vamos subindo procurando não pensar muito nisso, curtindo a pernada, o visual da Serra Fina ao luar ajudando a dispensar os pensamentos. Alcançamos o terceiro cume da nossa travessia às 2h30min da madrugada. Fizemos uma pausa maior para recuperar o folego, registramos a passagem no livro de cume e, tentando não perturbar os colegas que descansavam acampados ao lado do livro, comemoramos a primeira etapa. Partimos para a descida do Capim Amarelo, pouco antes das 3h da madrugada, atentos para não desviar da trilha correta, que segue bem à esquerda. Nesse trecho, há uma trilha muito marcada, porém errada, pouco à direita da trilha correta, que termina em uma grota, e que expõe os muitos que a tomam, ao desgaste do retornar trepando por raízes e pedras, no mínimo. A necessidade de se escalaminhar para corrigir a descida errada explica que ela esteja mais clara do que a trilha correta, já que, com o erro, você desce e sobe ela, como já o fiz noutra pernada. Mais tarde ficaríamos sabendo que um ou dois “ponteiros”, supondo sermos de empresa concorrente, na ânsia de nos alcançar, acabaram por cair nessa grota. Felizmente, nada de mais grave ocorreu, visto que, pouco além da grota, há um precipício de uns 30 (trinta) metros, no mínimo. Na descida, o Rogério encontrou um isolante perdido, certamente subtraído pelos bambus que insistem em retirar qualquer objeto que esteja fora da mochila (em sua travessia anterior - Casa de Pedra-Tijuco Preto-PM-Paiolinho- acontecera com ele... A estrutura de sua barraca ficou pelo caminho, e o colocava numa situação nada agradável... Felizmente, um montanhista amigo encontrou e o livrou de um belo perrengue). Agora seria sua vez de retornar ao Universo a boa energia. Não pensou duas vezes, e passou a levar o isolante nas mãos, para prendê-lo na cargueira quando alcançássemos o Maracanã, onde faríamos uma breve parada, se o dono não estivesse por ali mesmo. No Maracanã, haviam duas barracas e apesar do avançado da hora, 4h30min, achamos por bem, perguntar se o dono do isolante perdido estava ali... Foi um reencontro emocionante, rsrs... Nada como uma madrugada gélida para curar mágoas. Nesse momento as tripas do Rogério começaram a alardear que ele havia sido, no mínimo, ousado demais em comer de tudo um pouco durante o dia. O desconforto se avolumava e a necessidade de encontrar um ponto afastado da trilha para cavar uma fossa emergencial se fazia cada vez mais urgente. Seria sua sina pelos próximos quilômetros, deixar a pazinha, o papel e o lenço de fácil acesso. Ele procurava levar com bom humor a desagradável questão, considerando, que pelo menos, precisava carregar menos peso, a cada fuga para alijar parte da carga que ele carregava e que seu corpo não curtia. No plano, sem mochila, e com as facilidades da vida moderna, a questão já é delicada... Imagine subindo montanha, meio que às cegas, com cargueira de 15 (quinze) kg, a atenção que se dispensava para os sinais do seu corpo, tornara o caso tragicômico. Tocamos em frente, e pouco depois do nascer do sol estávamos andando na crista do Melano, no sobe e desce típico de crista de serra, perdendo altitude até alcançar a Cachoeira Vermelha às 9h da matina. Animados com o rápido progresso até ali, guardamos as cargueiras e partimos para o ataque ao Pico do Tartarugão, passando pela crista do Tartaruguinha. Não encontramos muitas referências para atravessar os trechos de capim, então fomos no bom e velho vara-mato até a base e subimos em ziguezague em duas duplas, para reduzir a chance de uma pedra solta acertar alguém. Alcançamos o cume do Pico do Tartarugão às 10h30min. Fizemos uma breve pausa para a manutenção do tubo de cume, fazer os devidos registros no livro, fotos e caminhadas pelo topo da montanha e começamos a descida, retomando as cargueiras na Cachoeira Vermelha e partindo para reabastecer o inventário de água no Rio Claro, ao pé da Pedra da Mina (PM). Aproveitamos para nos fartar de água e tocamos para a última subida do dia, chegando no alto da PM às 13h30min... O cume estava estranhamente vazio para um feriado prolongado, talvez consequência da crise no abastecimento de combustíveis. Escolhemos os melhores lugares, substituímos o livro de cume por um novo e, também deixando um reserva, uma vez que o anterior, iniciado em 03/02/2018 estava completo, registrando nosso progresso no novo livro, preparamos a primeira refeição da trilha e ficamos curtindo o visual. Conforme entardecia, esfriava e se formava a costumeira neblina na região, começamos a ficar um pouco apreensivos com o Adilson Cypriano que subia com outro grupo pelo Paiolinho e que não havia chegado ainda, chegando a considerar descer até a base da pedra, pelo caminho de quem vem pelo Paiolinho para verificar se estavam acampados na base, mas o cansaço e a confiança na capacidade do nosso amigo nos levaram a abandonar a ideia. Foram diversos gritos de “Adiiiiiiiilsoonnnnnnnnn” que marcaram o fim de tarde na Pedra da Mina, todos sem resposta perceptível. Conjecturamos sobre a pertinência de algum tipo de sinal sonoro com apitos, que permitisse a comunicação em distância maiores e ficamos de buscar possíveis códigos. Nos recolhemos cedo, para recuperar as forças para a pernada do dia seguinte, que prometia ser ainda mais pesada. Segundo dia: N a madrugada, descobrimos que o grupo do Adilson havia chegado pouco após o anoitecer e acampado próximo de nós. Apesar de ser uma rota muito mais curta que a pernada que havíamos feito desde a Toca do Lobo, a subida da PM, via Paiolinho é bastante exigente devido às subidas do Deus-Me-Livre e da Misericórdia, bastante íngremes e que tem que ser vencidas com as cargueiras carregadas. Felizes e aliviados com o reencontro, fizemos planos de atacar o Ruah Maior com ele, na tardinha do segundo dia, marcando encontro no alto do Pico do Avião, 15h. Levantamos cedo, 5h da madrugada e ficamos curtindo a alvorada e o nascer do sol, enquanto preparávamos as mochilas de ataque para as investidas do dia. Apesar de ser de ataque, as mochilas não estavam particularmente leves, pois, além da água e do mínimo para um eventual perrengue (casacos, kit de 1º socorros, lanches e petiscos para o dia), levamos os tubos de cume para serem instalados nos picos dos Camelos e os cadernos para reposição dos livros de cume, caso necessário. Um pouco tarde, mas refeitos do cansaço da véspera e tendo curtido o nascer do sol com calma, às 7h40min começamos a descida da PM pela rota da travessia tradicional, porém nosso primeiro destino era o Ruah Menor, de forma que, na bifurcação para a subida ao Pico do Avião, deixamos a trilha e passamos a seguir pela encosta, através das lajes de pedra e curtos vara-matos até alcançar o ponto onde nos parecia mais viável atravessar o Vale do Ruah para iniciar a subida. Nesse ponto é justo o registro de que, trilhávamos, se não nas exatas pegadas, no rumo aproximado que os amigos montanhistas Adilson Cypriano, Douglas Garcia e João Siqueira haviam desbravado em pernadas anteriores, quando em (29/07/2017) instalaram o Tubo de Cume no alto do Ruah Menor (ou Ruah Leste). Bom, uma ressalva é que na Serra Fina, “desbravado” não quer dizer “manso”, então tivemos nossa cota de vara-mato para alcançar a base do Ruah Menor e mesmo na subida, o que nos consumiu quase uma hora para avançarmos poucos metros. Chegamos ao cume às 9h30min, fizemos os registros devidos, observando que, desde a instalação no ano anterior, nenhum outro montanhista anotou sua passagem por aquelas plagas, algumas fotos de um ângulo diferente da PM e dos arredores, estudamos um pouco os próximos passos enquanto lanchávamos e começamos a descida, agora buscando nos aproximar do colo entre o Pico do Avião e o Primeiro dos Camelos. Nova seção de vara-mato; porém o estudo feito a partir do Ruah Menor se mostrou bastante preciso, e em “pouco” tempo estávamos escalaminhando as lajes de pedra do Pico de Avião, tendo passado pela famosa lata de sardinha deixada por alguém para marcar o caminho. O avançado estado de corrosão da lata indica que deve estar lá há pelo menos um par de anos, talvez mais. Quando alcançamos o colo entre os Picos do Avião e Camelos 1 (um), passamos a descer para buscar o acesso ao Camelos 1 (um), que por ter poucos trechos de vara-mato foi alcançado com relativa facilidade. A partir daí bastou “tocar para cima” até o Cume, alcançado às 11h. Nesse Cume não paramos para descansar, preferimos tocar para o Camelo 2 (dois), para recuperar um pouco do tempo dispendido nos vara-matos pelo Vale do Ruah. Entre lajes de pedra e escalaminhadas, progredíamos rapidamente e, pouco antes do meio dia, já estávamos descansando no cume do Camelos 2 (dois). Sob doação do Douglas, instalamos o primeiro dos Tubos de Cume que transportávamos, com material para “safar a onça” de um montanhista num perrengue naquela região onde quase ninguém vai (vela, fosforo, cobertor de emergência, coordenadas de latitude e longitude para solicitação de resgate), ideia e patrocínio do Douglas Garcia. Se alguém um dia precisar, já sabe a quem agradecer! Numa outra pernada o Rogério disse que vai acrescer uns saches de mel. Fizemos um breve registro no livro, algumas fotos e partimos para o Pico dos Camelos 3 (três), não muito distante, mas que exige mais técnica em algumas passagens à descoberto, com precipícios de ambos os lados... Nesse ponto a SF se afina ainda mais, rs, e é difícil não sentir um frio na base da espinha ao pensar no “e se”... Por outro lado, a vista da Crista do Pico Cupim de Boi, das montanhas do Parque Nacional do Itatiaia, do Vale das Cruzes e dos outros vales ainda sem nome ali é estonteante e vale todo o esforço. Alcançamos o Camelos 3 (três) e procuramos avaliar a viabilidade de alcançar o Pico dos Camelos 4 (quatro), terra que, até onde sabemos, ninguém pisara. Rapidamente entendemos o porquê: uma borda abrupta com penhascos a perder de vista de um lado e uma quiçaça quase intransponível do outro lado, coroando outros penhascos... Bom, como escrito anteriormente, “quase intransponível” e não “intransponível” descemos por esse lado, palmilhando cada passo com extremo cuidado, em busca de possíveis gretas escondidas pelo matagal que poderiam resultar num acidente grave ou mesmo fatal. Basta dizer que todos palmilhávamos a mesma passagem com igual cuidado, do primeiro ao último, considerando que a “racha fatal” poderia estar de olho em qualquer um, de campana, escondida sob moitas de capim navalha e bambus. Tomou tempo. Assustou. Custou sangue e suor. Mas atravessamos a quiçaça e retornamos às lajes de pedra, duas dezenas de metros abaixo da borda abrupta do Camelos 3 (três). Estávamos na parte menos conhecida de toda a nossa empreitada, trepando pedras e escalaminhando em busca do cume do Camelos 4 (quatro). Alcançamos o cume às 12h30min. Fizemos um breve descanso, depois nos veio à cabeça estabelecer um totem ali, que fosse visível da travessia tradicional, nos mirantes do Pico Cupim de Boi e também do Pico do Cabeça de Touro... Então enquanto descansávamos as pernas, exercitávamos (mais) os braços carregando pedras... Fizemos uma divisão de tarefas para minimizarmos o tempo e começarmos o retorno: um preparava o tubo de cume, fazia os devidos registros, com outro “kit perrengue” patrocinado pelo Douglas, outro fotografava (todos os créditos ao Rodrigo Oliveira nesse aspecto), outro trazia as pedras finais para o totem. Resolvi fazer 4 (quatro) círculos na encosta menos inclinada para ajudar na visualização do totem, raspando com uma pedra e removendo parte da rocha já intemporizada e escurecida pelo sol, revelando a rocha clara (gnais?) que forma aquele espigão (muito provavelmente, um batólito, formado à quilômetros de profundidade, que a erosão diferencial acabou por expor). Iniciamos o regresso, buscando manter o acordado de nos encontrarmos com o Adilson às 15h no Pico do Avião. Agora com o caminho já trilhado uma vez, porém sem descuidar, voltávamos mais rápido, parando para admirar a paisagem e retomar o folego de quanto em quanto, sempre em lugares mais amplos e antes das passagens mais arriscadas. Nesse ritmo, pouco antes das 15h (14h56min) estávamos no Cume do Pico do Avião, sozinhos... O grupo do Adilson se atrasara um pouco em relação ao previsto. Fizemos a abertura do tubo do Cume do Pico do Avião instalado em (21/07/2017), por doação do Douglas Garcia, e parceria com Adilson Cypriano, João Siqueira, Rodrigo Oliveira, Leo Muniz e Gabriel Aszalos, onde percebemos que um montanhista distraído deixou a tampa entreaberta e com os efeitos climáticos prejudicou a conservação do livro, o qual ficou todo encharcado, sendo contabilizado, 43 (quarenta e três) assinaturas desde sua inauguração. Realizamos sua manutenção e substituímos o livro de cume, realizando os registros. Em uma próxima oportunidade após a secagem, o Douglas irá levar cópia do primeiro livro e deixar no tubo de cume para consulta. Tiramos fotos, esticamos as pernas e descansamos um pouco, ponderando as opções. A possibilidade de varar mato para ir e voltar ao Pico Ruah Maior, provavelmente também varar mato montanha acima e montanha abaixo, o tempo frio, ventando forte e a névoa que começava a se formar desaconselhavam a empreitada. A lembrança do montanhista francês falecido no Pico dos MARINS e a dos dois montanhistas socorridos com hipotermia na semana anterior no Parque Nacional do Itatiaia contribuíam para a indecisão. O atraso do nosso colega foi a gota d’agua para adiarmos essa parte da empreitada. Enquanto curtíamos o frio e o fim de tarde no Cume do Pico do Avião, pensávamos no que fazer em seguida, o grupo do Adilson chegou e acabamos por dividir novamente as tarefas: enquanto o Rogério e o Marinaldo foram até os destroços do Avião (Monomotor PT-KMB, que saiu do Campo de Marte, SP, com destino a Juiz de Fora, MG, colidindo em 05/01/2000 na encosta Sul do Pico do Avião (São João Batista), vitimando 05 (cinco) ocupantes) o Douglas e o Rodrigo que já o conheceram em incursões anteriores iriam buscar água no Rio Verde, no Vale do Ruah. Nos encontraríamos no começo da subida da PM para retornar ao acampamento e descansar, de forma que a primeira dupla ao chegar deveria esperar a outra para dividir a carga na subida da PM. A caminhada até o local da queda foi rápida e após descer cerca de 100 (cem) metros de altitude em relação ao Pico, observamos os destroços, em grande parte ainda preservados devido aos materiais empregados e ao clima da Serra. Para não deixar os colegas esperando, uma vez que imaginamos que eles precisariam de uma hora para chegar no ponto de encontro, começamos a caminhada ao ponto de encontro às 15h50min, visando chegar na bifurcação das trilhas antes da dupla que havia ido buscar água. Chegamos lá em pouco mais de 40 (quarenta) minutos de caminhada pelas lajes da encosta do Pico do Avião. Aguardamos até as 17h20min pelo retorno dos amigos, que haviam se atrasado ajudando outros montanhistas que estavam perdidos no Vale do Ruah a retomar a trilha correta. Novamente reunidos, nos empenhamos em chegar ao Cume da PM antes do final da tarde, o que conseguimos apenas em parte, vimos os últimos raios de sol quando estávamos no último trecho da subida. Tratamos de preparar o jantar e nos recolhemos para as barracas, na esperança de que o descanso noturno nos trouxesse de volta às melhores condições. Meio engano: mesmo com a boa noite de sono, no outro dia o cansaço das sucessivas provações começava a se firmar e os músculos reclamavam aos novos esforços. Educados, reclamavam, mas atendiam aos comandos de “marche!”, “ande!” e “suba!” que recebiam. Terceiro dia: A cordamos cedo, ainda antes do sol nascer desmontamos as barracas e preparamos as mochilas, a pernada do dia seria longa, com o ataque ao Pico do Cabeça de Touro e havia alguma ansiedade com a solução que daríamos ao problema de acampar nessa noite, uma que a SF estava coalhada de grupos guiados ou autônomos que seguiam pela rota tradicional da travessia e que acampariam no Pico dos Três Estados e imediações, uma vez que a área de acampamento no cume dele é pequena e não comportaria tantas barracas. Consideramos bivacar próximo ao Cume, o que foi descartado pelo fato de não dispormos de equipamento para essa opção sem passar perrengue e ainda não estávamos precisando disso. Cogitamos passar direto pelo Cume e acampar mais para frente, mas a ideia de ver o sol nascer no último dia da travessia, no ponto de divisa dos Três Estados era por demais tentadora para ser ignorada sem uma longa análise. Acrescentamos um novo livro de Cume na PM, em somatória com aquele que colocamos na véspera, em parte surpresos com a quantidade de gente que registrara a presença desde que o iniciamos, em parte aborrecidos com o descaso que faz com que alguns pulem páginas ou grandes espaços em branco antes de registrarem a presença. Não há regramento, de forma que é aberto e livre o que e como registrar, desde data/nome/origem e destino, até os sentimentos experimentados, sonhos, promessas, enfim... Tudo. Mas nos entristeceu um pouco a atitude de alguns colegas de montanhas: de um dia para o outro, metade de um livro de Cume havia sido "preenchido"... Será que supõem que os livros de cume são de geração espontânea? Será que não podem aquilatar o trabalho que dá para manter esses registros nesses lugares inóspitos. Enquanto alguns desses supostos montanhistas se arrastam montanha acima, seja carregando todo o equipamento ou com apoio de terceiros no transporte, outros, de forma abnegada, o fazem com mais do que o material para si: trazem livros para reposição, tubos e caixas de cume montanha acima, para que todos possamos fazer registro dessa singular experiência que é alcançar alguns dos pontos mais altos do País. Iniciamos a descida da PM, agora no sentido da travessia tradicional, comentando a questão do lixo que alguns montanhistas deixam para trás, muitas vezes por descuido ou falta da educação adequada, outras pela situação de perrengue extremo em que se encontram. Ficava para trás, na Pedra da Mina, quase que junto ao livro de cume, os restos de uma barraca, certamente como consequência de uma situação de perrengue dessas, haja visto que pouco tempo antes, o fim de semana tinha coincidido com uma chegada de frente fria, com ventos de mais de 60 (sessenta) km por hora e muita chuva. Pode parecer pouco, mas combinado com a temperatura “normal” no cume da Pedra da Mina nessa época, inferior a 10°C, faz com que a sensação térmica seja abaixo de 0°. A julgar pela barraca, dificilmente os colegas estavam com os demais equipamentos adequados para a noite que passaram, ou melhor sofreram. Alguns montanhistas disseram que fariam uma subida para recolher lixo e que desceriam os restos da barraca. O Rogério pegou uma garrafa de 1,5 litros para levar embora; mesmo porque havia perdido outra de 500 ml cheia d’água, na pernada do dia anterior e por mais que procurasse, nem sinal. Acabou que combinamos de acampar no primeiro ponto que fosse adequado pouco antes ou após o Pico Cupim de Boi e retornarmos para o ataque ao Pico do Cabeça de Touro. Dessa forma, nosso abrigo já estaria garantido e, mesmo que a volta ao acampamento ocorresse durante a noite, teríamos condições para algumas horas de sono bem abrigados. Com essa intenção em mente, aproveitamos o nascer do sol na PM e pouco depois das 7h partíamos em direção ao Vale do Ruah, último ponto de abastecimento de água para a caminhada que ainda faríamos. Dessa vez, procuramos nos hidratar ao máximo, e levar todos os litros possíveis, pois sabíamos que a subida do Cabeça de Touro, com o sol à pino seria desgastante e consumiria bastante água. Passamos pelos grupos que acamparam no Vale do Ruah e seguimos em passo forte pelos sobe-e-desce dos morros que fazem caminho até a base do Pico do Cupim de Boi. Enquanto caminhávamos, todos os mirantes eram motivo de apertarmos os olhos na tentativa de distinguir nosso totem no Camelos 4 (quatro), desde a parte do Vale das Cruzes até o Cume do Pico Cupim de Boi, que alcançamos pouco depois das 11h. Na passagem pela crista do Pico do Cupim de Boi, observamos e avaliamos as opções de acampamento que haviam, mas nenhuma se mostrou muito convidativa para abrigar 3 (três) barracas, de forma que seguimos o sugerido pelo Douglas e descemos a encosta do Pico do Cupim de Boi, em direção ao Pico do Três Estados até um bosque de bambus no colo entre as montanhas, ali escolhemos os melhores lugares e rapidamente montamos acampamento e organizamos as coisas nas mochilas de ataque para o retorno ao Cume do Pico do Cupim de Boi, e em seguida, ao próprio Pico do Cabeça de Touro. Nesse momento o Rodrigo, permaneceu na dúvida se seguiria com o grupo ao ataque ao CT, por estar sentindo uma indisposição somada pelo esforço da empreitada, mas como diz o provérbio chinês: “Há três coisas que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida”... Bastou uma troca de palavras com o Douglas, que o convenceu a nos acompanhar. Pouco antes das 12h partimos para o último ataque da travessia, com 2 (dois) litros de água para cada um, lanches e guloseimas, material de primeiros socorros, lanternas e os kits de perrengue para caso algo falhasse. Enquanto buscávamos o melhor ponto para descer a encosta do Pico do Cupim de Boi até o vale formado entre ele e o Pico do Cabeça de Touro, pudemos orientar muitos montanhistas que nos vendo seguir em frente após a bifurcação da trilha da travessia, seguiam nossos passos e acabariam em apuros para voltar com as cargueiras se insistissem no caminho que fazíamos. O que ocorre, é que naquele ponto a trilha da travessia faz uma curva à esquerda que 90º e passa a descer a encosta do Pico do Cupim de Boi em ziguezague e, sendo um trecho de laje de pedra, é fácil ao montanhista desatento passar direto por essa curva e gastar algum tempo tentando entender porque a trilha que vinha tão nítida “some” de uma hora para outra. Encontrado o ponto certo, começamos a descida, tomando cuidado com as pedras soltas. O Douglas seguia na frente, seguido pelo Rodrigo e pelo Rogério e o Marinaldo fechava a fila. Bastou descermos alguns metros para termos uma desagradável surpresa: enormes formigas soldados ameaçavam fazer o Rodrigo despencar montanha abaixo. Após alguns momentos tensos, com a ajuda do Douglas, conseguiu livrar-se dos raivosos insetos. Sabedores da nova complicação, todos adotaram uma tática: não parar onde fosse visualizado um formigueiro ou em quiçaças, assim, esperávamos que houvesse mais espaço entre os colegas que iam à frente e passávamos os trechos mais delicados com rapidez, o que nos livrou de maiores tormentos com as doloridas mordidas. Em condições normais, seria pouco mais que um inconveniente a presença desses insetos, porém ali, entre pedras soltas e um precipício de dezenas de metros às costas, era uma situação realmente delicada. De pedra em pedra, alcançamos a Peladona e dali miramos a peladinha e começamos a descer pela vegetação da encosta, pelo caminho que há pouco mais de um mês, Douglas, Adilson e o Rogério haviam aberto na base do vara-mato no peito. Como a gente sempre busca melhorar algo, testamos virar para direita e buscar uma laje de pedra para facilitar o avanço até o totem natural que existe no selado entre as duas montanhas. Depois de algumas fotos com a curiosa formação geológica começamos a escalaminhar a encosta do Pico do Cabeça de Touro, alcançando o Cume, todos juntos, às 13h20min. Fizemos as honras de praxe, descobrindo que o Cume havia recebido a visita de outra turma de montanhistas entre nossa passagem anterior e a presente. Mesmo assim, o livro de Cume do Pico do Cabeça de Touro tem menos de 40 (quarenta) assinaturas diferentes, desde 1992! Indício da dificuldade de acesso? Seria em razão do menor interesse dos montanhistas pelos cumes menos acessíveis da SF? ou pelo fato de montanhistas em alguma visita, não encontrar o livro? Ficam as perguntas. Procuramos com bastante afinco nosso totem no Camelos 4 (quatro), mas ficamos sem conseguir um registro fotográfico claro dele, mas sabemos que ele está lá aguardando a visita de novos montanhistas. Combinamos de começar a descida às 15h e, enquanto o Rogério fazia um abrigo de pedra para fugir do sol escaldante, os demais (Douglas, Marinaldo e Rodrigo) foram até os destroços de uma outra Aeronave que se chocou contra o Pico do Cabeça de Touro, um Embraer XC-95 Bandeirante, Prefixo FAB-2315, que vitimou 08 (oito) ocupantes, tinha partido da Base Aérea de SJC – CTA – SP, para retornar ao mesmo local. Assim, foi descoberto em pernadas anteriores, outro avião em um local de mais difícil acesso. Após tirar fotos e caminhar por muitos destroços espalhados pela montanha, seguiram pela crista do CT até o seu extremo para curtir o visual do ponto mais próximo do Parque Nacional de Itatiaia. Na incursão anterior, em (22/04/2018) a ideia era aferir com pelo menos dois aparelhos de GPS diferentes a altitude do Pico do CT. Encontramos 2633 metros de forma coerente entre os dois aparelhos. Ao nos afastarmos do Pico, o valor decrescia de forma coerente e nossos relógios apontavam pequena divergência, inferior a 5 (cinco) metros com os valores observados pelos GPS. Pouco depois das 15h, começamos a descida, e com a experiência acumulada, em pouco mais de 20min estávamos caminhando pelas lajes de pedra em busca do melhor ponto para atravessar o capim navalha que cresce no selado entre as duas montanhas. E como cresce! Há lugares que as touceiras suplantam a altura de um homem com as mãos para cima... E pensar, que vistos lá de cima, parece longos trechos gramados. Uma observação empírica: quanto mais água disponível mais o capim cresce e, mais ele entrelaça as folhas com as touceiras vizinhas. Da base do Pico do Cupim de Boi nesse selado bastou aplicar o “toca para cima” de tudo quanto é jeito que em pouco tempo estávamos novamente na Crista do Pico do Cupim de Boi. O Douglas e o Marinaldo optaram por ficar para ver o sol se pôr, enquanto o Rogério e o Rodrigo desceram até o bosque para jantar e dormir. Porém eles não esperavam que o bosque estivesse daquele jeito. Parecia que estavam na Praça da Sé em SP, na hora do rush... Não havia um caminho livre, todos os cantos e passagens estavam tomados por barracas... Com “com licença” e “desculpe” foram se esgueirando até suas barracas para tentar dormir em meio ao burburinho de dezenas de pessoas que estavam em diversos grupos se espremendo no bosque. Apesar de não haver mais caminho livre, ainda haviam grupos de amigos chegando e com alguma paciência e bastante colaboração entre desconhecidos, todos conseguiam se acomodar. O Rogério ajudou alguns montanhistas a instalar a barraca e foi dormir, com uma facilidade incrível (o barulho eufórico era intenso), mas havia um motivo essa sua facilidade: levantaríamos às três da madrugada para partir às quatro e chegar no Cume do Pico do Três Estados a tempo de ver o sol nascer. Quarto dia: O Douglas acordou todo o grupo às duas da madrugada com uma mudança de planos: havia muita gente combinando partir para o Pico do Três Estados às quatro da manhã, era grande a chance de ocorrer um “congestionamento” na trilha o que poderia arruinar nossa ideia de curtir o nascer do sol e já começar a descer para o Sítio do Pierre. Foi providencial a mudança de planos, pois teríamos a comprovação desse temido congestionamento ao longo do dia nas trilhas. Em meia hora, Rogério estava pronto com a mochila pronta e foi fazer hora, enquanto o Douglas preparava o café da manhã com uma crepioca (ovo com tapioca, queijo provolone e sal de ervas). Diga-se de passagem, muito boa! O Rodrigo estava pálido, consequência das fortes cólicas intestinais que prejudicaram seu sono e o atormentava, mesmo após seguidas idas às moitas mais distantes do equipamento. Ainda assim, o planejado foi mantido, considerando que, caso fosse algo mais grave que uma “mera” indisposição intestinal, o quanto antes alcançássemos a civilização, melhor seria. Com a cargueira vestida, o apertar da barrigueira lhe deu um conforto temporário e seu rosto adquiriu uma coloração rosa-pálida que ainda denotava seu sofrimento. O Rogério se ofereceu para levar sua cargueira por um tempo, para reduzir seu martírio, mas ele valentemente, não aceitou. Talvez adepto da filosofia que prega que “cargueira é como consciência, cada um leva a sua”... Para desconfortos intestinais e preocupações em geral, nada melhor que um bom ”toca para cima”, de forma que terminamos de preparar as coisas para a pernada do dia. Partimos 3h20min pelos labirintos formados pelas barracas e logo começamos a encontrar outros madrugadores nas trilhas, mas que ainda não estavam com todos os apetrechos guardados. De forma que éramos o primeiro grupo a subir a encosta do Pico Três Estados e podíamos ditar nosso ritmo, apertando o passo em certos momentos e aliviando em outros para descansar e apreciar a paisagem sob o luar parcialmente amortecido pelas nuvens. Em alguns pontos, quando já estávamos próximo ao primeiro Cume do dia, podíamos divisar as luzes dos acampamentos entre as folhagens dos bosques abaixo. A imagem lembrava as fotografias noturnas de acampamentos de garimpeiros, isolados na escuridão da floresta. Não deixava de ser poético, o contraste entre a tranquilidade da escuridão e a agitação das luzes das turmas em preparação para o último dia de caminhada. Alcançamos o Cume do Pico do Três Estados às 5h manhã, assinamos o livro de cume e escolhemos um bom lugar para apreciar o nascer do sol, abrigado do vento frio da madrugada. Procuramos um local para que o Rodrigo pudesse bivacar, estendemos um isolante na laje de pedra para deixa-lo confortável enquanto ele buscava se acertar com o intestino rebelde. Enquanto esperávamos, rememorávamos acontecimentos e impressões dos últimos três dias. Conforme amanhecia, as nuvens que amorteciam o brilho da lua se tornavam mais visíveis e traziam dúvidas sobre aquele nascer do sol tão esperado. Pouco antes do romper da aurora, o sol tingiu de sangue o horizonte com o perfil das montanhas do PN de Itatiaia ao fundo. Fizemos fotos de perfil contra a vermelhidão do amanhecer ... Foram breves momentos, antes das nuvens se fecharem e ocultarem inteiramente o sol, mas valeram todo o esforço. Como combinamos, começamos a descida do Pico do Três Estados pouco após as 7h pela trilha da direita, bastante íngreme e progredíamos com velocidade, porém acabou que na “pressa” em começar a descida, deixamos o Douglas para trás, e como ele não se manifestou logo no início, descemos quase que toda a encosta antes do Marinaldo nos alertar sobre a ausência do Douglas. Aguardamos um pouco, chamamos algumas vezes por ele e ante a ausência de resposta, só nos restou tocar montanha acima, voltando sobre nossos passos na busca do amigo retardatário... Alcançamos o Cume do Pico do Três Estados e nada dele, procura daqui, procura dali e nada... Mistério... Supondo que ele tivesse optado pelo caminho da esquerda, começamos a descer novamente, chamando por ele e... Ouvimos ao longe “frannnnnnnngoooooo”, quase que um grito de guerra do nosso amigo. Numa mistura de alivio e zanga, apertamos o passo, mas sem responder a ele e ao pé da descida nos reencontramos. Feitas as acusações mútuas de praxe e vencida a zanga, fizemos as pazes e retomamos a pernada, caminhando em direção ao Cume do Pico do Bandeirante, alcançado em pouco mais de uma hora de caminhada, em passo tranquilo. Na verdade, a partir do Pico do Três Estados, não seria muito preciso dizer que estávamos “trilhando”, seria mais justo dizer que passeávamos, curtindo a trilha, as montanhas, o cheiro da mata. Acho que nesse ponto, mesmo o Rodrigo também curtia, ainda que sofrendo com a cólica. Supondo que tivesse alguma relação com a economia de água, procurei fazer com que bebesse a cada pouco. Não havia mais pressa, não havia mais “ataques”, era uma questão de manter o foco, para evitar acidentes e caminhar pelo ombro do Pico dos Três Estados e subindo pelo Pico do Bandeirante, penúltimo Cume da travessia. A partir do Cume do Pico do Bandeirante, seguimos no tradicional sobe-e-desce da SF, perdendo altura de forma consistente, enquanto buscávamos o sopé do Pico do Alto dos Ivos, derradeiro Pico da Travessia. Da base dele até o cume, são cerca de 130 metros de altura, menos de metade da diferença de cota observada na Pedra da Mina ou no Pico do Cabeça de Touro, mas com o cansaço somado dos dias anteriores, não deixa de ser uma visão ameaçadora para os que estão se arrastando na travessia. Para nós, marcava o início do fim da nossa aventura pela Serra Fina. A partir desse cume, alcançado às 9h20min, a trilha seria de descida quase que constante até alcançar o Sitio do Pierre. Como havíamos sido conservadores com o consumo de água, tínhamos agora água abundante e fazíamos uso dela com muito gosto. Caminhando sem pressa, procurando distrair o Rodrigo das cólicas, fizemos os últimos quilômetros caçando morangos silvestres, framboesas, azuizinhos do cerrado, e amoras silvestres, chegamos ao ponto de resgate às 13h30min, com considerável margem para o horário marcado das 15h. O Douglas e o Marinaldo chegaram pouco depois, o Douglas mancando um pouco devido aos calos que o atormentavam desde a descida do Pico dos Três Estados. Aproveitamos para comprar alguns produtos de um produtor local, pouco acima do local do resgate. Queijo, mel, doce de leite, goiabada cascão... Tudo provado e aprovado. Fizemos a tradicional foto de fim da travessia, nos parabenizamos mutuamente e ficamos curtindo a sensação de superação e orgulho pelo sucesso da empreitada, inédita ao nosso conhecimento em vários sentidos, realizando a Travessia Serra Fina em 4 (quatro) dias subindo todos os Picos da Travessia Tradicional, mais os Picos do Tartarugão, Ruah Menor, Camelos 1 (um), Camelos 2 (dois), Camelos 3 (três), Camelos 4 (quatro), Avião, e o colossal Cabeça de Touro (que está inteiramente no território do Estado de São Paulo, sendo o mais alto do Estado), onde a batizamos de Travessia Serra Fina Full (TSFF).
Líderes está configurado para São Paulo/GMT-03:00


×
×
  • Criar Novo...