Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Mais curtidos da Semana


Conteúdo Popular

Exibindo conteúdo com a maior reputação em 04-01-2019 em todas áreas

  1. 1 ponto
    Pessoal, boa tarde ! Alguém interessado em passar o carnaval na Chapada dos Veadeiros?
  2. 1 ponto
    Bom, vamos lá, me inspirei em 3 roteiros para fazer o meu, acho que esse roteiro já quase um classico para se fazer a patagonia em poucos dias, não optei pelo circuito W por uma questão economica já que eu precisaria ou comprar ou alugar os equipamentos de camping e achei um pouco caro, ate mesmo o aluguel das diarias nos campings. Não me arrependo, acharia um pouco puxado fazer El chalten + o circuito W. Fica para uma proxima apenas o circuito + ushuaia. Os 3 roteiros que usei de inspiração: https://www.mochileiros.com/topic/80519-uma-pitada-de-argentina-com-torres-del-paine-no-chile-novembro-de-2018/ @Thay Cavalcante https://www.mochileiros.com/topic/68775-trilhas-na-patagônia-argentina-10-dias-sozinho-em-el-calafate-e-el-chaltén/ @victoralex https://www.mochileiros.com/topic/75972-patagônia-el-calafate-el-chaltén-torres-del-paine-março-2018-14-dias/ @kely.alves Meu Roteiro: 05/12/2018 quarta-feira El Calafate Laguna Nimez + City Tour (3h) (12 km) Cheguei em El calafate as 9am, meu check in era apenas 4pm , deixei minhas coisas no hostel (Bla GuestHouse) Fui fazer o passeio na Laguna Nimez, um circuito de 1.30h com custo de 300$Arg, é um circuito plano e tranquilo, nele você observa a fauna de aves locais com pequenas lagoas pelo caminho, consegui ver alguns flamingos, na metade do circuito vc chega ao lago argentino com uma vista incrível, o lago é muito bonito, de fundo as montanhas e seus picos nevados. Voltei para o hostel e esperei dar o horário de check in. Depois de organizar minhas coisas no hostel, fui para o city tour por conta própria. A guia que estava no transfer do aeroporto para o hostel já havia indicado alguns lugares, falarei deles no final. A cidade é pequena e você consegue andar ela toda em poucas horas. Baixem o App maps.me, acho que foi o app que eu mais usei em toda viagem, nele você consegue baixar todas as informações no mapa da cidade e usar offline. Algumas fotos da cidade, casas e Laguna Nimez. Vizinhança Laguna Nimez Lago Argentino 06/12/2018 quinta-feira El Calafate Perito Moreno - Big Ice (7h) (12km) Ok, optei pelo BigIce por alguns relatos de pessoas que fizeram o minitrekking e se arrependeram de não ter feito o BigIce, ou que queriam voltar para fazer. Se você já esta lendo sobre essa viagem a algum tempo já deve saber que esse passeio (Big Ice e também o minitrekking) é fechado somente com essa companhia (Hielo y Aventura), você pode optar pelo transfer até a entrada do parque com eles mesmo ou pode ir por conta própria, a entrada no parque é de 700$Arg, se não quiser fazer um desses dois passeios, pode entrar no parque ir até o mirador do glaciar tirar algumas fotos que ainda vale a pena. Sobre o trekking, a Hielo y Aventura, oferece um guia desde o transfer do hostel até o parque, a guia falou um pouco da importância dos glaciares, algumas curiosidades depois nos deixou livres por 1 hora no mirador, que tem um caminho bem extenso, depois do mirador fomos para o porto, de lá pegamos uma embarcação até o glaciar em si, a turma que eu fiquei era toda do Big Ice, quem optar pelo minitrekking fara o mesmo caminho até então, mas o passeio é bem mais curto, não sei o que fazem depois. No Big Ice a trilha para entrada ao glaciar é outra, mais ao fundo, cerca de uma hora contornando o glaciar pela montanha, até então entrar de fato na trilha de gelo, peguei um dia com céu um pouco nublado, as vezes abria e conseguia umas boas fotos, mas é muito raro conseguir um dia de sol, já que o glaciar precisa de no mínimo 300 dias de neve ao ano para aumentar seu tamanho, então dias de chuva são importante. A paisagem é incrível, quem gosta de aventura e trekking opte por este passeio se estiver apto a gastar um pouco mais, vale a pena. São 4 horas de trekking no gelo, duas indo ao centro dele e duas voltando, os guias são legais e contam boas histórias e curiosidades. A volta ao barco é mais receptiva com whisky, bombons e um souvenir (chaveiro). Chegando ao Perito Moreno Vista do Mirador Entrando na trilha Já no glaciar Vista do lago Argentino voltando para calafate 07/12/2018 sexta-feira El Calafate / El Chalten - Translado (3h) + Laguna Capri (3.30h) (8km) + Mirador Fitz Roy + Mirador Rio de las vueltas (12km total) Acordei cedo, o transfer para el chalten estava marcado para as 7am, porém chegou apenas as 8am, são 3 horas até el chalten, sentei do lado esquerdo do micro-ônibus, a paisagem é bonita, a estrada é famosa (Ruta 40) por suas paisagens e pontos de parada para fotos, chegando a Chalten somos recepcionados pelo gigante Fitz Roy, numa estrada reta que encarava de frente a montanha, intimidador e lindo ao mesmo tempo, quem estava na primeira fileira do micro-ônibus conseguiu boas fotos. Já em Chalten, cidadezinha pequena, acho que em 40minutos você anda nela inteira, da rodoviária ao hostel, a cidade se ligava de ponta a ponta, em 15minutos estava no hostel, um dos melhores que já fiquei, serviço e limpeza excelente (Rancho Grande), tem um restaurante na recepção e uns taps (torneiras) com chops num pequeno bar. Deixei minhas coisas no quarto, preparei a mochila de ataque e fui em direção a trilha de Fitz Roy, que no caminho ficava a Laguna Capri. Ah! Detalhe importante que estava esquecendo, na entrada da cidade tem um centro de informações turísticas, parada indispensável já que lá os guias tanto em espanhol como em inglês, nos explicando sobre todas as trilhas, a importância de levar comida, pegar o seu lixo, encher sua garrafa de agua, passar protetor solar, e nos alertar sobre a previsão do tempo nos próximos dias, nos meus dois primeiros dias sofri com o sol e me queimei bastante, o céu estava literalmente aberto, decidi aproveitar esses dois dias para fazer a principal montanha que é o Fitz Roy. Voltando ao caminho a Laguna Capri, percebi que os relatos lidos na internet foram otimistas em relação a preparação física, não sou um cara sedentário, faço yoga, as vezes corro e prefiro metro do que carro, não estou gordo nem magro, mas as subidas realmente eram puxadas e cansativas, mas pelo caminho você era motivado pelas pessoas que estavam voltando ou por alguns casais de “idosos” (vi muitas pessoas que chutaria ter uns 50/60 anos) que subiam com tanta vontade quanto eu, claro mais devagar, mas subiam! Então se preparem para subidas intensas e íngremes, mas com recompensas incríveis, quanto mais difícil, melhor. Depois do primeiro Km, temos um mirador chamado Rio de las vueltas, aonde vemos um lindo vale com nuvens que pareciam ter sido desenhadas por algum artista e jogadas ao vento, aquela paisagem deu um gás para o resto da trilha. Chegando a Laguna capri depois de 4km de subida, foi incrível, acho que uma das paisagens mais bonitas que eu já vi em toda minha vida, estava sol, quente, a lagoa estava quieta, cristalina e sua agua pedindo para ser tomada, ao fundo antes que o azul do céu, o “monstro” Fitz Roy, encoberto por neve que combinava com as poucas nuvens que passavam por ele. Na pequena orla de pedras, haviam algumas pessoas deitadas, algumas tomando banho de sol e outras comendo seus lanches, deitei ali por no mínimo uma hora e só pude agradecer por estar ali. Na volta passei no mercado e comprei frios e pães para o trekking do dia seguinte que levaria o dia todo, e um macarrão para fazer naquela noite. Parada pela Ruta 40 Chegando a Chalten Centro de informaçoes turisticas do parque nacional Entrando na cidade Entrando na trilha ao Fitz Roy Orla 08/12/2018 sábado El Chalten Laguna de los Tres (8h) (24km) Os cafés da manha tanto em calafate quanto em chalten, são bem modestos, tem o essencial: café, leite, torrada, manteiga/requeijão/ e algumas geleias e frutas. Pela comodidade e acho que até pensando na economia que já teria por não almoçar na cidade e estar em trilhas, optei por hostels que ofereciam café da manha, assim sairia para o trekking bem alimentado e durante o dia comeria os mistos que preparei para a caminhada. Nesse dia tomei café com as espanholas: Blanca, Marina, Raquel e Cris. A conversa fluía fácil e por isso o caminho até a Laguna de los três, foi agradável e divertido, não poderia estar em melhor companhia. Foram 11km para ir e 11km para voltar, o começo e o final são as piores partes por serem mais íngremes, mas como disse, quanto mais difícil, melhor! Quando chegamos, entendemos o porque tantas pessoas vão até lá e o tamanho e magnitude da montanha, por fotos é impossível ter noção de seu tamanho, é lindo e valeu todo esforço. Quanto chegamos no hostel, estávamos exaustos, antes da ducha tomamos um litrao de Quilmes e comemos uma empanada. As meninas me contaram sobre uma tradição espanhola em que uma pessoa ou um grupo de pessoas, deixam uma cerveja paga para o próximo grupo de espanhóis que pararem no bar com um bilhete, esse bilhete pode ser muito pessoal ou contar dicas sobre a cidade ou apenas conselhos, no dia anterior quando elas chegaram no hostel receberam a cerveja de uma mulher que escreveria sobre o quanto foi magico ela estar em El chalten, e ver o nascer do sol na montanha. Havia mais coisas no bilhete, coisas mais bonitas e profundas mas não me lembro agora, ajudei elas a escreverem o bilhete que elas deixaram para os próximos espanhóis que ali parassem, tomamos algumas outras e depois descansamos... Recomendações: Encha sua garrafa de agua no começo da trilha, passe protetor solar, leva protetor labial, evite pesos desnecessários, se o tempo estiver aberto, não leve capa de chuva e blusas extras, você vai suar bastante no caminho, o pico é muito frio e vale a pena levar luva porque quando a gente para a gente esfria um pouco, mas o sol esquenta. Cuidado na volta pois a última parte o terreno é de pedrinhas, e na descida escorregam, um kit de primeiros socorros é valido e o bastão de trekking é essencial. Levei aquelas pastilhas de vitamina C e tomei todos os dias, acredito que ajudou bastante na resistência e recuperação muscular. Mirador rio de las vueltas 09/12/2018 domingo El Chalten Descanso Tirei esse dia para descanso, procurem comer proteínas para recuperação dos músculos e remédios como dorflex (relaxante muscular antes de durmir) 10/12/2018 segunda-feira El Chalten Laguna Torre + Mirador Maestri (7h) (24km) Depois de um dia de descanso, e um bom café da manha, estava pronto para mais um trekking de dia inteiro, dessa vez sozinho, as espanholas estava indo para Bariloche continuar seu mochilao, então sai do hostel as 10am., coloquei um fone de ouvido, as melhores playlists estavam prontas para serem ouvidas e segui rumo a Laguna Torre, que continuaria em torno dela para alcançar o mirador Maestri. Como já havia me alertado a guia do primeiro dia em chalten no centro turístico, o tempo fechou e ventava muito com alguns pontos de chuva, então a mochila estava mais pesada, estava com calça e jaqueta impermeável e também muita vontade, essa trilha é mais tranquila e menos íngreme. Foram 11 km para ir e 11 para voltar, quando cheguei na laguna, não me surpreendi muito talvez porque o dia não estava bonito, ainda assim valeu toda subida, o lugar é incrível, ventava muito e as vezes eu precisava abaixar ou me esconder atrás de grandes pedras para não ser empurrado pelo vento. Tive a sorte de ver um falcão das montanhas, logo que cheguei na lagoa, acho que ele ficava por ali na esperança de conseguir uns restos de lanches ou que alguém o alimentasse (não aconselhável, perigo de perder um dedo) ahahhaha, a ave é linda, de asas fechadas tem o tamanho de um pinguin, mas quando pulava e abria suas asas, era gigante, ele planava com o vento forte não saindo do lugar apenas brincando de voar sem bater as asas. Depois de tirar algumas fotos, comer um lanche, e assistir a um louco entrar naquela agua gelada (vacilei e não registrei o momento), segui em direção ao mirador maestri, que o caminho contorna a lagoa torre, chegando perto do Glaciar Grande. Nesse dia me arrependi de não ter levado as luvas, esfriou muito e o vento esfriava ainda mais. Se a ida foi recompensadora com sua paisagem, a volta foi ainda mais com uma bela cerveja e uma boa conversa com duas brasileiras que tinham acabado de chegar ao hostel. Falconeo Cerro Torre, é nao tive sorte Mirador Maestri Voltando para o hostel 11/12/2018 terça-feira El Chalten Loma del Pliegue Tumbado (8h) (22km) Essa foi uma das trilhas mais difíceis na minha opinião, não sei se talvez por eu já estar um pouco fadigado ou se foi porque eu li em algum relato que essa era a trilha mais tranquila e segui a ela com isso na cabeça. Praticamente a ida toda é de subida, atravessando bosques e algumas planícies cheias de flores, com o lago viedma a sua esquerda e fitz roy a sua direita, conforme vc vai subindo vai percebendo o tamanho da beleza daquele lugar, patagônia argentina realmente é linda, fria mas linda. No "final” da trilha tem um mirador panorâmico aonde conseguimos ver Cerro Torre e Glaciar Grande, junto de Fitz Roy mais a direita, mais ao fundo vemos outros picos rochosos cobertos de neve, a visão como um todo, mais uma vez, incrível, talvez por conseguir ver todos os lugares aonde eu tinha conseguido chegar nos dias anteriores tão de cima e de longe, foi legal, me senti orgulhoso. Nesse dia o tempo não estava tão fechado, o sol saia as vezes. Coloquei o final entre aspas, porque o final da trilha mesmo é um pouco mais adiante, a subida mais íngreme de todas as trilhas que fiz na patagônia, confesso que pensei duas vezes antes de subi-la, mas fui, quase morri no caminho, parei varias vezes, acho que foi uma distância de 500m entre o mirador e o pico mais alto da trilha que pareceram 3km, incrível mais uma vez a quantidade de pessoas mais de idade que vi subindo aquilo, me perguntei como, já que eu estava com o coração batendo na boca. Enfim, foi o final mais recompensador, a visão 360º, lago viedma, cerro torre, fitz roy e el chalten. Ali eu finalizava com grande estilo El chalten. Ao fundo, Cerro Torre, Mirador Maestri e Fitz Roy Lago Viedma O Final 12/12/2018 quarta-feira El Chalten Descanso Mais um dia de descanso depois de duas trilhas bem pesadas um total de 50km de trekking em dois dias. Aproveitei para conhecer alguns restaurantes que eu queria e comprar um mate. 13/12/2018 quinta-feira El Chalten / El Calafate / Puerto Natales Translado (3h) (5.30h) Ainda não sei ao certo se errei no roteiro ou não, mas Calafate fica no meio do caminho de qualquer jeito indo para Chalten primeiro ou depois, iria precisar voltar para calafate para pegar o avião de volta a Buenos Aires. Esse dia passei dentro do ônibus, exceto pelas 3 horas que fiquei em Calafate esperando o ônibus das 16.30 em direção a Puerto Natales, que chegaria as 22horas no Chile. Nessas 3 horas, fiquei eu um bar/cafeteria que fica em frente a rodoviária, encontrei no tripadvisor, lá falava que havia algumas comidas brasileiras, e depois de não aguentar mais comer misto, hambúrguer e empanadas fui conferir o local. Conheci a Lara, uma brasileira que estava em calafate, sozinha, a um ano e havia largado seu emprego por uma louca paixão argentina que não deu muito certo, apenas o romance, porque o resto havia dado, ela conseguiu se libertar do sistema e foi atrás de seus sonhos, abriu esse barzinho depois de lutar com a máfia machista de donos de bares que havia na cidade, tentaram processa-la para que ela não pudesse abrir seu bar, ela chegou a conversar com o prefeito para no final conseguir. O lugar é muito aconchegante e Lara parecia levar uma vida muito mais tranquila e feliz da que deixou em são Paulo, trabalhava como diretora de arte da Rede Globo e vivia em função disso. Na argentina, já havia feito a Ruta 40 inteira, e me deu boas dicas de lugares para conhecer na patagônia, também pedi uma sugestão do cardápio (que continha bolinhos de feijoada, coxinha e outras opções vegetarianas), ela sugeriu o nachos, que vinha com “tipo um molho de feijoado” ao invés do tradicional caguamole, estava muito bom que até pedi outro. As 3 horas passaram voando e quase perdi o ônibus, fui o ultimo a subir. Em Puerto Natales, fui direto comprar a passagem de ônibus para o parque nacional Torres Del Paine que sairia na manha seguinte as 7, se atrasasse mais 20minutos ficaria sem ela, Li relatos de algumas companhias que esperam o ônibus lotar para entar sair da rodoviária em direção ao parque, então comprei pela empresa “maria jose” que saiu exatamente as 7. Como eu iria fazer a trilha inteira em apenas um dia, precisava de o máximo tempo possível, estava com medo de ser muito longe e não tempo suficiente de chegar ao mirador base torre. Depois disso, tive tempo apenas de arrumar minhas coisas no hostel e ir no única mercadinho de esqueina que encontrei para comprar 5 paes, presunto e manteiga, que seria minha refeição no dia seguinte a caminho das Torres. O Hostel era muito receptivo, conheci pessoas da korea, Inglaterra, italia, mas tive pouco tempo para conversas, já que cheguei, durmi, fui ao parque, voltei (22horas) e no dia seguinte fui embora as 7am 14/12/2018 sexta-feira Puerto Natales Torres Del Payne (9h) (26km) Ok, nesse dia confesso que estava com um pouco de medo, porque com todas pessoas que eu conversava e eu falava que iria fazer as Torres em um dia, se assustavam. Mas eu estava disposto e pronto, sem café da manhã, apenas com uma xícara de café instantâneo Nestle, peguei o ônibus em direção ao parque nacional torres del paine. Foram duas horas até chegar na entrada do parque, aonde várias pessoas de vários ônibus desciam e faziam uma fila gigante para pagar a entrada no parque, tentei ser rápido, logo paguei e vi que de lá as pessoas estavam indo em direção a outro ônibus ou mini van para ir para alguma lugar sentido as torres dentro do parque, eu não queria nem tinha mais dinheiro para gastar e ter esse luxo, haviam me restado exatos 3mil pesos chilenos no bolso, resolvi guarda-los. Perguntei a guia qual era a direção para o mirador das Torres, ela disse pegue a estrada a direita, aonde as vans e ônibus estão indo. Não quis nem perguntar quanto eram esses transfer para chegar até a então de fato entrada do parque e dos campings. Foram 1h.30 de caminhada até a recepção do parque e dos campings, no caminho encontrei algumas pessoas que também estavam apé mas descendo e não subindo, acho que de todos os ônibus eu fui o único a fazer o caminho a pé, acho que foram 3km, no caminho parei para tomar meu café, na minha mochila de ataque levava uma térmica com café, 4 pães com presunto e manteiga, algumas bolachas, minha garrafa de agua de 0.8l, minha calça de motoboy impermeável e minha jaqueta de chuva. De volta a real entrada do parque, mostrei meu ingresso que havia pago na “pré-entrada” (Laguna amarga), perguntei ao rapaz como estava a previsão do tempo e ele me mostrou no celular um monte de numero e cores diferentes, só entendi que quanto mais o dia passava mais a percentagem de nuvens durante o dia, perguntei se era possível fazer tudo naquele dia, e quantos km teria pela frente, ele me respondeu 18 no total, então sim, totalmente possível. Segui mais tranquilo, porém um pouco triste pelo tempo fechado e um pouco chuvoso. Achei que de todas as trilhas que fiz, essa foi a mais bonita, o começo foi igual a todas, subida difícil, cheia de pedras, depois entramos num vale, contornando a montanha beirando o pequeno riacho que desce as aguas das Torres, no caminho é possível se dar ao encontro com pequenos grupos de cavalos que descem ou sobem em direção aos acampamentos. Depois do vale entramos no bosque aonde vamos subindo e subindo e subindo eternamente, passei por alguns acampamentos e um pequeno “refugio” com bar, logo depois do chileno. Foi a trilha mais lotada que eu fiz, o final é incrível o tanto de gente que sobre devagar a parte mais íngreme, enfim chegando no mirador, quando se ve as torres de perto, de novo, por fotos impossível ter noção do tamanho e magnitude, a cor da lagoa é verde clara, um pouco transparente, que também pedia para ser tomada, estava um pouco lotado, foi difícil achar um espaço vazio para tirar fotos e tomar meu café e comer meu pão apreciando a incrível montanha e fazendo outro pedido a ela. Infelizmente meu tempo era curto, cheguei ao mirador as 14.30 e havia começado a trilha as 9.30, o ônibus de volta saia as 19, então apreciei um pouco e desci feliz, orgulhoso e realizado. A volta estava ensolarada, e as paisagens mais bonitas o tempo estava nublado apenas em cima das torres, infelizmente. Posso dizer que quem pega o dia sem nuvens e chega ao pico, realmente tem muita sorte, é muito lindo. Na volta, eu tive um pouco da sorte que não tive com o tempo, vi dois pica-paus brincando nas arvores, passei a viagem toda querendo encontra-los, adoro aves e pássaros e de tirar fotos deles, eles são grandes e rápido, estavam brincando, cantando e as vezes davam umas bicadas nos troncos, consegui registrar o momento, um pouco longe, mas foi mais uma vez – Incrivel. A palavra que descreve essa viagem. De volta a recepção do parque, descobri que o transfer para Laguna amarga de onde os ônibus saiam de volta a Puerto Natales eram exatos 3mil pesos, só o que eu tinha. Cheguei la por volta das 18, o ônibus sai a as 19. Não sentia minhas pernas, ainda havia um lanche e um pouco de café na mochila, sentei no chão, tirei o tênis, me alonguei um pouco e de longe mais uma vez apreciei a vista e descansei um pouco enquanto esperava o ônibus. Cheguei em Puerto Natales e estava louco para tomar uma cerveja e experimentar um hambúrguer que o Oliver, recepcionista do hostel havia indicado, tomei uma ducha e fui tentar ter esses pequenos prazeres depois de mais um dia de 22km percorridos. Infelizmente a hamburgueria não aceitava cartão e eu não tinha mais pesos, apenas uma nota de 100 dolares que eu não queria fazer cambio no chile. Andei mais um pouco, estava com tanta fome e sede que parei no primeiro restaurante de esquina que tinham algumas pessoas dentro, acho que a fome me deixou cego, mesmo o restaurante não parecendo ser nada chique, pedi duas cervejas e um cordeiro ao palo, a conta deu 150R$, quando eu vi já estava feito. Mas resolvi aceitar como presente de toda viagem, esses caras patagonicos realmente sabem como assar uma carne e fazer uma cerveja, estava muito bom. Os trekkings estavam feitos, no dia seguinte voltava para calafate as 7am para um dia de descanso e então voltar a SP o Caminho (subida) As Torres A volta Namorico de pica pau patagonicos 15/12/2018 sábado Puerto Natales / El Calafate Translado (5h) Dia de translado, tchau Chile, oi de novo argentina. Fiquei em hostel muito bom, nesses dois dias antes de ir embora, chamado Folk. Aproveitei para descansar e organizar as fotos e começar a escrever o relato. Tinha uns pesos sobrando e resolvi gastar com cerveja no ultimo dia, as dicas de lugares vou passar no final. Tchau Puerto Natales 16/12/2018 domingo El Calafate Descanso No último dia no hostel conheci Rafael um brasileiro de BH que era policial e iria fazer perito moreno e o circuito W no chile, dei algumas dicas a ele, trocamos algumas historias de viagens tomando um bom mate antes do almoço Passei o dia dando role na cidade, conhecendo lojas e tomando algumas boas cervejas. Um brinde a patagônia e suas histórias incríveis. 17/12/2018 segunda-feira El Calafate / São Paulo Voo para Buenos aires / São Paulo Obs: O que eu levaria que não levei: Binoculos, mochila de ataque mais leve. O que eu levei que não levaria: Tomada universal, meia supergrossa para neve O que eu levei e recomendo levar: Powerbank, protetor labial, vitamina C, bastão de trekking, botas impermeaveis, gorro e oculos. Lugares que recomendo: El Calafate - La Zorra (Pub), Acuarela Artesanal Icecream (Sorveteria). El Chalten - El Parador (Restaurante), Rancho Grande (Hostel e Restaurante) e Es La Vida (Barzinho da rodoviaria) Puerto Natales - GreyDog BurguerShop (Hamburgueria e Chopes) Se tiverem duvidas, podem me mandar mensagens. Até a proxima, abs!
  3. 1 ponto
    Olá! Planejo ir para Frankfurt (10/02), inicialmente, e conhecer algumas cidades próximas como: Colonia, Dusseldorf, Bremen e Hamburgo. Na sequencia, seguirei para Copenhagen - Dinamarca. Quero dar um pulo na Suécia também. Retornarei para Berlim e finalizarei minha jornada, (28/02). Se alguém estiver por lá neste período, podermos nos encontrar e desbravar as cidades e pontos turísticos. Chama ae: (62) 98129-4570
  4. 1 ponto
    Olá galera Estou procurando companhia para viajar no carnaval.
  5. 1 ponto
    Hey galerinha, depois de quase 9 meses meu roteiro nasceu Durante o próximo mês vou compartilhar por aqui meu roteiro pela América do Sul ( Bolívia, Chile, Peru) de forma detalhada e no instagram em um formato mais compacto. Quem quiser me seguir no instagram e já pegar algumas dicas, fiquem a vontade vocês me acham lá como @Mochilaetc . Link: Mochilaetc Está com viagem marcada e ainda tem alguma dúvida ? Pode me mandar mensagem que tento ajudar Antes de começar, gostaria de agradecer a Maryana Teles do Vida Mochileira por todas as dicas e por ter me inspirado a escrever esse roteiro o mais detalhado possível. IMPORTANTE !!! - TODAS AS INFORMAÇÕES ESTÃO COTADAS COM O GASTO PARA 2 PESSOAS ! - Em anexo está o roteiro inicial (com a previsão de gastos) Bora lá Nosso estilo de viagem: Nossa intenção seria gastar em média R$ 12.000,00 (os dois) em 32 dias de viagem, não é o estilo de viagem mais econômico, mas também não seria o mais luxuoso. Optamos por fazer o roteiro e deixar um valor estipulado, dentro desse valor ao longo dos dias fomos escolhendo nossas prioridades. Nosso mochilão, acabou sendo uma viagem de férias em casal e nossa intenção era curtir do nosso jeito e no nosso tempo. Nada de passar perrengue, mas também nada de esbanjar. Hospedagem: Todas as hospedagens foram em quartos de casal (motivos: gosto de dormir em paz, segurança, conforto), não fechamos nenhuma hospedagem com antecedência. No roteiro, anotamos algumas dicas e a média de preço, e quando chegávamos no local procurávamos o melhor custo x benefício. *O único local que achamos que vale a pena reservar com antecedência é o Atacama. * Hotel / Hostel / Hostel badalado / ECÔNOMICO ? Tudo vai depender do seu estilo de viagem. - Viagem romântica: Existem boas opções de hotel em todas as cidades (PRINCIPALMENTE NO ATACAMA), - Hostel custo x benefício: Conforto, silêncio, café da manhã, quarto privativo (é possível achar ótimos preços, em geral nossa média de diária pra casal variou entre R$ 50,00 à R$ 120,00) * Se gosta de silêncio, fuja dos hostels mais badalados. - VIVA LA VIDA LOCA: Quer curtir noite e dia, como se não houvesse amanhã ? Procure os hostels mais conceituados ! A rede Wild Rover é uma ótima opção e existe em quase todas as cidades. Porém não costumam oferecer quartos privativos. Obs: nem sempre vai ser a opção mais barata. - Econômico: Para economizar o máximo possível, fique sempre atento as promoções relâmpagos do Booking, em todos os locais cheguei a achar diárias na faixa de R$ 20,00 (por pessoa), sinceramente acho que nem sempre é a melhor opção. Alimentação: Variou entre bons restaurantes, pf, podrão da rodoviária . A realidade foi que na maioria dos dias comemos PIZZA (minha comida preferida). "Cachaça" : Foi uma coisa que não abrimos mão. Pisco, singani, cerveja, vinho... todo dia era uma novidade alcoólica (trabalhamos com bar, então é tudo em nome do trabalho rs). Passeios: Só fechamos com agência os passeios necessários, a maioria fizemos por conta própria. Os que fechamos super valeu o preço. - Uyuni: Fechamos com a Esmeralda Tour, indicação da @Maryana Teles, anotamos algumas opções de agências bem avaliadas e no dia fizemos aquela busca pra saber qual seria o melhor custo x benefício. - Atacama: Fechamos com a FuieGosteiTrips, agência de brasileiros (Carla e Renato ), indico de olhos fechados. Amamos tanto o atendimento e as dicas, que esse casal querido acabaram virando nossos amigos. A equipe da FuieGostei é enorme e conta com vários "agentes", eles montam o roteiro de acordo com o seu orçamento e estilo de viagem, tem opções para todos os gostos e bolsos. Sem contar que de brinde ganhamos ótimas dicas. Obs 1: Eles atendem São Pedro do Atacama, Santiago do Chile, Uyuni. Obs 2: Pra quem prefere fechar os passeios com antecedência, tem a opção de solicita o orçamento com antecedência. Obs 3: Também foi indicação da Mary Telles - La Paz: Downhill - Estrada da Morte - Xtreme Downhill (uma das agências mais bem avaliadas e por incrível que pareça uma das mais baratas) a única coisa ruim são as fotos (não levamos equipamento para filmar com a nossa GoPro, então não conseguimos bons registros desse dia [email protected]), mas mesmo assim vale muito a pena fechar com essa agência / Chalcataya e Valle de La Luna - Buho's Tour - a única agência que não indico, nosso passeio saiu super atrasado e acabou atrapalhando o roteiro. Pré Viagem: Companhia: Mozão ( Bernardo) Roupas e itens de viagem: Compramos o necessário na Decatlhon Passagem: Milhas Smiles 2x Total: 77.000,00 ( passagem + bagagem despachada) + R$ 500,0 tx Seguro Viagem: Seguro viagem Mondial Br x 2 Total: R$ 300,00 Documentos necessários: RG + Certificado Internacional de Vacinação - CIVP Dolar ou Real ? Levamos os dois (mas teria sido mais vantagem levar tudo em Dólar) USD: 3.000,00 ( $1,00 = R$ 3,30) + R$ 1800,00 (Acabei sacando dinheiro em La Paz - Bs 1800,00 = R$ 2.000,00) Total gasto em real R$ 13.700,00 O que reservamos com antecedência ? Compramos o ticket para Machu Picchu + Montaña Picchu Obs: 1: Melhor opção é comprar com antecedência, principalmente se você pretende visitar alguma das montanhas do parque Obs2: Comprar ingresso para o 1° horário. Como programei o meu roteiro ? Escolhi o mês de março pois a ideia principal seria comemorar meu aniversário viajando (11/03), pesquisei bastante sobre condições climáticas já que março é conhecido com mês das chuvas. Queria pegar o salar alagado, mas fiquei com medo de pegar chuva durante o resto da viagem. A escolha de datas deu super certo, pegamos o salar MUITO alagado e pegamos pouquíssima chuva durante os 32 dias. Fora isso, montei meu roteiro baseado em fase da lua, dia de semana. *Atacama é lindo de todos os jeitos, mas a melhor opção pra quem gosta de observar o céu é chegar em SPA em época de lua nova / Em Pisac existe uma feirinha local em determinados dias da semana / Visite Isla del Sol com lua cheia - é SURREAL de tão lindo. Obs: Tudo isso está no roteiro que anexei. Apps : - Google Maps : existem outros apps de mapa online (a real é que em todos os lugares arrumamos um mapa de papel) - Booking e HostelWolrd: Não reservamos nenhum hostel com antecedência, mas o app nos ajudou bastante comparar preços e descobrir opções de hostel. Normalmente abríamos a plataforma, procurávamos as hospedagem que mais agradavam e anotávamos os preços. Depois disso íamos até o local e verificávamos se era melhor fechar no local ou pela plataforma Só fechamos uma hospedagem pelo app do Booking. - Rome2Rio: Tipo um Movit, um app que te diz a média de preços de transportes. Ao longo da viagem anotamos as melhores companhias, mas todas as passagem compramos direto nas rodoviárias. - Transporte: - Rio da Janeiro > Santa Cruz de La Sierra : AVIÃO (nem se quer cogitamos a hipótese de nos aventurarmos de ônibus) a única passagem que compramos com antecedência. - Santa Cruz de La Sierra > Sucre: Nossa primeira opção seria ir de avião, pesquisamos preço, tempo de viagem, condições de estrada e acabamos achando que não seria uma boa economia. Porém com medo de voo atrasar ou cancelar, deixamos pra comprar a passagem no aeroporto de VVR. - Sucre > Uyuni: Ônibus "semi leito" -não vá contando com isso- . Era a única opção, lemos muitos relatos sobre a estrada e condições dos ônibus, não é uma maravilha.. mas da pra chegar vivo. - Uyuni > SPA: 4x4, a maioria das agências usam o mesmo modelo de carro (os carros das agências do Atacam são mais novos) - SPA > Arica: Ônibus semi leito, um dos melhores deslocamentos. - Arica > Tacna: Taxi é a melhor forma de atravessar a fronteira. - Tacna > Arequipa: Ônibus "semi leito", a viagem foi super tranquila (essa viagem foi durante a tarde) - Arequipa > Cusco: Ônibus caindo aos pedaços, tinha uma goteira, poltrona quebrada, motorista dirigindo feito um louco. (não recomendo rs) - Cusco > Ollantaytambo: Van local (opção mais barata) - Ollantaytambo > Hidroelétrica Santa Maria: Ônibus (esse ônibus sai de Cusco e é um transporte oficial), bem confortável e deixa bem no "pé" da trilha. Se você gosta de aventura, vá sentado do lado do motorista rs. - Cusco > Copacabana: Ônibus semi leito, ok. - Copacabana > La Paz: Ônibus, ok. - La Paz> Santa Cruz de La Sierra: Ônibus leito, o melhor ônibus da viagem. * OBS: Se sua viagem for durante a noite, não economize, opte pela melhor cia terrestre e por bancos confortáveis. Perdemos um dia em Cusco, pois cheguei na cidade me sentindo péssima, depois de ter passado a noite toda acordada (foi a viagem mais tensa da minha vida rs) *OBS 2: Quando o ônibus tem 2 andares, a melhor opção é ir na primeira fileira, da pra apoiar o pé na janela (mas se por algum acaso acontecer algum acidente..rs) Dicas: - Voos RJ - Se o seu voo é na parte da manhã, a melhor opção é o Galeão. - Sempre chegue com antecedência. Conte com trânsito e outros imprevistos. - Se atente para regras de bagagem de mão da cia aérea escolhida. - Verifique sempre se suas bagagens são despachadas direto ou se você precisa despachar novamente entre uma conexão e outra.No meu caso na ida não foi necessário, mas na volta precisei despachar novamente e mudar de terminal. - Documentos exigidos, parece bobeira mas eu vi uma moça quase sendo barrada por conta do estado da carteira de identidade. Se você pretende viajar para algum país da América do Sul, pode viajar apenas com identidade, alguns como no caso da Bolívia, também pedem certificado internacional de vacina contra febre amarela. - Conte com surpresas desagradáveis da CIA aérea rs. Uma semana antes da minha viagem meu voo foi alterado, não consegui voar na data que planejei. - Verifique condições climáticas e notícias do seu destino. MOCHILA ! Documentos & outros (foi tudo na mochila de attack) - Passagem ou número de localizador - Identidade Carol - Identidade Bê - Comprovante + Certificado Vacina Internacional Carol - Comprovante+ Certificado Vacina Internacional Bê - Mini roteiro impresso - Caderno anotações - Livro - Uno - Pasta - Doleira Carol - Doleira Bê *Baixar filmes/musicas/jogos BOLSINHA DA HERMIONE ! Remédios - Vitamina C (tomamos todos os dias) - Remédio garganta (minha garganta vive ferrada) - Spray garganta - Remédio cólica - Diamox (não usamos) - Vicky (não usamos) - Band-aid - Cataflan - Pomada tattoo (usamos muito) - Paracetamol (não usamos, mas é bom levar) Cuidados Rosto - Sabonete rosto - Hidratante rosto - Esfoliante - Lenço rosto - Escova de dente Carol - Escova de dente Bê - Pasta de dente - Fio dental Make - Rímel - Batom nude - Gloss labial - Protetor/base * O QUE ESTA NESSA RELAÇÃO FOI DIVIDO ENTRE OS DOIS MOCHILÕES !!! * LEMBRANDO QUE ALGUNS ITENS FORAM NA MOCHILA DE ATTACK !!! Cuidados Corpo - Sabonete - Hidratante - Repelente - Álcool em gel - Hidratante mãos - Barbeador bê - Gilete Carol - Desodorante Carol - Perfume Carol - Desodorante Be - Perfume Be Cuidados Cabelo - Pente - Prendedor (muitos) - Shampoo neutro - Condicionador - Ampola hidratante (o cabelo vira palha no Uyuni) - óleo reparador Cuidados Geral - Lixa - Algodão - Cotonete - Cortador - Pinça - Palito - Absorvente - Lenço umidecido - Lenço de papel MOCHILA DE ATTACK ! Carol - Celular - Documentos (Identidades, comprovantes, caderno de anotação..) - Livro - 01 Muda de roupa (legging,segunda pele, calcinha,meia) - Manta - Fom (preso do lado de fora) - Anorak+fleece - Necessaire (hidratante mão, protetor rosto, corpo, boca, bepantol, dorflex, diomax, dramin, neosaldina, colírio, neosoro,lenço umidecido) * foram os remédios mais uteis, de resto usei muito pouco. - Óculos (sol e grau) - Acessórios (cordões, pulseiras e anéis) - Encharpe Roupa Aeroporto - Blusão Jeans, t-shirt, legging, tenis keds - Doleira Bê - Celular - Eletrônicos (GoPro, carregador portátil, fones, adaptador fone, benjamim,hd externo, lanternas,carreadores celular) - 01 Muda de roupa (calça 2-1, segunda pele, cueca, meia) - 01 Encharpe - 01 Anorak - 01 Luva - 01 Gorro - Snack's - Óculos de sol Roupa Aeroporto - Fleece, t-shirt, calça jeans, bota impermeável MOCHILÃO BERNARDO ! Blusas 01 Blusa segunda pele 01 Blusa xadrez 02 Blusas manga longa 04 T-shirts Calças 02 Calças segunda pele 01 Bermuda cargo preta 02 Bermuda tactel *Acessórios (alguns foram na mochila de attack e outros no mochilão) 02 Baterias extras (MUITO ÚTIL) 01 Carregador GoPro 01 Bastão X Acessórios GoPro 01 Lente celular (não usamos) 02 Cartões de memoria extra 01 Canivete 02 Isqueiros Underwear 01 Toalha secagem rápida 01 Canga 01 Roupa de dormir 01 Sunga 08 cuecas 04 meias Sapatos 01 Chinelo * LEMBRANDO DA ROUPA DE VIAGEM E ROUPA EXTRA MOCHILA ATTACK NÃO ESTÃO NESSA RELAÇÃO !!! MOCHILÃO CAROL ! Blusas 01 Segunda pele pretas 01 Blusa manga longa 05 Blusas sem manga 04 T-shirts Calças 01 Meia calça grossa 01 Leggings 01 Short Jeans 01 Calça moletom * LEMBRANDO DA ROUPA DE VIAGEM E ROUPA EXTRA MOCHILA ATTACK NÃO ESTÃO NESSA RELAÇÃO !!! Underwear 01 Toalha secagem rápida 01 Canga 01 Pijama 04 Meias 01 Echarpe 01 Maio 01 Biquíni 01 Top 04 Sutiãs 08 Calcinhas 01 Cinto Sapatos 01 Bota impermeável 01 Chinelo Mochila Etc - Bolívia, Chile, Peru.docx
  6. 1 ponto
    1º dia – Passeio no calçadão conhecendo a Praia de Ponta Verde e Praia de Pajuçara + Passeio de barco às piscinas naturais da Praia de Pajuçara. Valor: R$30,00. 2º dia – Praia do Francês +Barra de São Miguel + Praia do Gunga. Passeio bate-volta realizado por agência. Valor: R$25,00. Passeio de quadriciclo até as falésias e lagoa. Valor: R$50,00. Total: R$75,00. 3º dia – Maragogi e piscinas naturais do centro de Maragogi. Passeio bate e volta realizado por agência. Valor: R$40,00 transporte + R$80,00 catamarã para as piscinas naturais + R$120,00 mergulho com cilindro e fotos subaquáticas. Total: R$240,00. 4º dia – São Miguel dos Milagres + Praia do Patacho + Praia de Lajes. Passeio bate-volta realizado por agência. Valor: R$45,00. Passeio de buggy para conhecer a Praia do Patacho, Praia de Lajes e Mirante. Valor: R$50,00. Total: R$95,00. 5º dia – Praia do Francês. Fui para o Centro de Uber (R$7,00 reais da Praia de Ponta Verde), conheci o centro de Maceió, fui até a praça da faculdade e peguei uma van no valor de R$4,75 para Praia do Francês. Total: R$11,75. 6º dia – Praia de Ponta Verde e Praia de Pajuçara. *Como fui no Verão acredito que os valores estavam bem mais salgados. Em baixa temporada deve ser mais em conta.Quando foi realizada: Janeiro de 2018Quantidade de pessoas: 1 pessoaDuração: 6 DiasGastos total com Transporte: R$ 451,75 (passagem avião ida e volta de Belo Horizonte-Maceió + uber + ônibus)Gastos com Comidas: +/- R$ 300,00Gastos com Hospedagens: R$ 360,00Custo total: +/- R$ 1.111,75 Gastronomia: Chiclete de Camarão em Maceió é perfeito, num restaurante chamado Parmegiano! Sensacional. Hospedagem: R$60,00 a diária com café da manhã. Porém não indico o Hostel que fiquei e não conheço nenhum outro bom para indicar. Maceió é bem fraco de Hostel, mas nada que estrague a viagem. *Quanto a Maragogi, um amigo que conheci na viagem ficou em um Hostel chamado PRAIAS e disse que é excelente. Compartilho este roteiro pois tive muita dificuldade de encontrar roteiros e valores para Maceió. Espero ajudar. Qualquer dúvida é só chamar aqui ou no Instagram: @tatidosantos
  7. 1 ponto
    Depois de algumas torrões de sol e algumas bolhas nos pés, sobrevivi para compartilhar (e tentar atualizar) informações sobre a nossa trip (marido e eu) nas férias. Bora lá: foram 14 dias de viagem pelas seguintes cidades: Los Angeles: 3 dias Las vegas: 2 dias Willian - Grand canyon: 02 dias Page: 1 1/2 dia Monument Valley: 1 dia Moab : 1 dia Salina: só pernoite Las vegas: 1/2 periodo compras + 1 noite Los angeles: 1/2 periodo compras + 1 noite. Total gasto: 20 mil para o casal para os 15 dias de viagem. (é minha gente o dolar tá custando qse um rim). Segue a planilhinha em anexo. Mochilão grand Canyon sem presentes.xlsm WhatsApp Video 2018-10-12 at 13.27.37.mp4
  8. 1 ponto
    fechado man, qlq coisa .. 81 991439973 abraz
  9. 1 ponto
    @kinho johnson Mas o Carnaval começa dia 1 de março...
  10. 1 ponto
    Oi Bruna, tudo bem? Primeiramente, obrigado pelo relato! Suas palavras me motivaram e muito. Agora pouco estava falando com uma amiga sobre a vontade de ir para Patagônia, e contei a ela sobre o receio que estou de ir e fazer as trilhas sozinhos. Ai simplesmente vim aqui no fórum e encontrei o seu relato. rs Preciso dizer mais nada né? haha Agora no final de Janeiro vou mochilar com passagem só de IDA, a ideia inicial era ir para Santiago e subir até o Norte do Peru.. Mas, estou mudando de ideia e colocando meu sonho no roteiro. rsrs Ai fica naquela.. economizar ou só se vive uma vez! Tenho algumas dúvidas.. será que pode me ajudar? Não tenho intenção de descer até o Ushuaia e sim subir o Chile sentido Puerto Mont, Pucon ou até mesmo conhecer outros parques Nacionais no trajeto. Nessa situação, você acha melhor pegar o voô para iniciar a trip para Puerto Natales ou El Calafate? E quais são as trilhas bate e volta que você recomenta dentro do parque TDP? Além das Torres. rsrs Muito obrigado, E bom final de ano.. que 2019 seja tão incrível quanto seu mochilão.
  11. 1 ponto
    @Rafael_Salvador É o que disse,América espanhola é espanhol e pronto. Perfeita colocação.
  12. 1 ponto
    @poiuy Você que mora na Alemanha, nunca pegou um táxi ou UBER em Berlin que não fala nada de Inglês? Então eu dei muito azar! Praga... Budapeste ... é muito comum se bater com pessoas que não falam um bom Inglês... e duas pessoas que não falam um bom Inglês juntas a coisa não vai fluir. Agora dá para ir na cara e na coragem, da! Vai na mímica até onde der. Você senta para pedir um bife e a garçonete vai perguntar o ponto da carne... os acompanhamentos... o molho ... e ai? Faz como? Agora você pode ir naquele restaurante turistão e apontar a fotografia do cardápio e o cara te trazer qualquer coisa para você comer ... reza e pede a Deus sorte. Você vai visitar um museu e não vai saber o que esta vendo porque não consegue ler as explicações? Vai fazer um walking tour sem entender outro idioma? Vai pegar um site seeing sem compreender as explicações dadas no áudio guide? São questões... O que esta querendo se dizer aqui é que esta estoria de Ingles UNIVERSAL é falácia e também que não vai ser facilidade pura como muitos querem afirmar! É perrengue! Já encontrei Brasileiro na Europa que tinha dois dias sem beber água e só comia Mc'Donalds porque não conseguia se comunicar... Por outro lado você não pode se limitar a viajar somente se conhecer a língua local... se não a pessoa terá que ser um poliglota! Haaa o cara vai para Grécia e tem que falar Grego????? Impossível. Tem lugares que um Inglês razoável resolve, tem lugares que mesmo com o Inglês você passa aperto! Agora um nivel básico de Ingles não resolve muito... mas MUITA gente vai assim!
  13. 1 ponto
    @Thais Sobral então Thais vou pra Lima praticamente duas vezes ao ano, eu me hospedo en Surco que fica próximo ao metrô e perto de Miraflores bairro badalado por turistas. Vc tem que já colocar na cabeça que tudo em Lima é mais barato que aqui no Brasil então vc já sai no lucro, andar de uber lá é muito barato se for de ônibus então mais ainda. Conheço varios lugares bonitos para valer q sua viagem qualquer coisa entre em contato comigo que vou ter o maior prazer de te passar ok. Grande abraço facebook warlley backflipper
  14. 1 ponto
    Quero ir para Cuba em final de abril. Se alguém estiver interesse chama ai.
  15. 1 ponto
    Olá! Depois de pouco mais de três anos juntanto dinheiro, acho que o meu mochilão, finalmente, vai sair no papel no ano que vem, porém tenho muitas dúvidas e espero que vocês possam me ajudar. A minha meta é realizar o mochilão com 10000 reais, sendo que consegui juntar uma quantidade considerável de pontos (70 mil) no Multiplos, então eu acho que pelo menos a passagem de ida estará garantida. Pretendo fazer um mochilão de 30 a 45 dias, mas eu estou com muita dúvida sobre quais países e a quantidade países que devo passar. Sei que não posso ser muito ambiciosa e querer ir em muitos lugares, porque não conseguiria aproveitar a localização. Os países que tenho certeza que quero passar são: França, Itália, Holanda e se possível Grécia. Há tantos lugares que eu gostária de ir. Islândia, Alemanhã, Noruega, Belgica, Republica Tcheca, Inglaterra, Espanha... Enfim o que não falta são lugares incríveis para visitar. Gostaria de pedir sugestão de quem já tem experiência de roteiros, países e cidades que vocês acham que uma pessoa que nunca foi a Europa deve visitar.  Qual seria o tempo de antecedencia ideal que vocês recomendam para comprar as passagens de avião? Já estou dando uma pesquisada nos preços usando Skyscanner. Também gostaria de perguntar se vocês acham que compensa "flexibilizar" a volta, dependendo da viagem. Por exemplo, caso eu perceba que ainda tenho dinheiro sobrando e decida extender a viagem por mais alguns dias, logo compraria a passagem de volta em cima da hora. Além disso, existe pacotes de transportes ou atrações turisticas que possam me ajudar a economizar na Europa? Vale a pena usar cards como o Paris Visite? Sobre o que eu pesquisei sobre transporte, acredito que não seja muito lucrativo andar de trem ou ônibus na maior parte do tempo, mas sim usar voos de companhias low cost. O que vocês acham de apps de carona como Blablacar? Confesso que tenho muito medo de usar algo assim. Sinceramente, qualquer dica que vocês possam me dar para economizar será bem vinda. Não vou gastar muito, ou comprar as famosas "lembrancinhas". Ficarei em hostel e tentarei cozinhar minha própria comida no hostel (pelo menos o café da manhã e a janta), 60 a 70 euros por dia é suficiente contando acomodação, transporte, atrações turísticas, etc? Outra coisa que gostaria de perguntar é sobre a questão de câmbio e dinheiro. Como vocês recomendam fazer transações financeiras no exterior? Existe algum cartão próprio para viajantes? Qual a opção mais lucrativa para isso?  Ao pesquisar sobre a questão de visto, vi que a maior dos países europeus não pedem visto para brasileiros. Portanto devo apenas tirar o passaporte e comprar as passagens? Me desculpa a ignorância, mas nunca viajei para o exterior.  A Europa obriga que os turistas possuam seguro de viagem. Vocês tem alguma recomendação de seguro com um bom custo-benefício? Fiquei meio chocada com os preços, achei bem salgado. Muito obrigada a todos! Sei que são muitas perguntas, mas fico muito grata com qualquer ajuda possível, sério. Nicole.
  16. 1 ponto
    Olá mochileiros.... E então gente linda, meu nome é Sonia, sou nordestina e tiro ferias em fevereiro 2019. Estou pensando em um tur pela america do sul e/ou pelo nosso Brasil lindo e Procuro companhia para se aventurar comigo.... Segue me zap 087988239232
  17. 1 ponto
    Nos relatos de viagens tem todas dicas que você precisa. Para economizar comece não se hospedando em hostels badalados, almoçando em restaurantes que ofereçam menu do dia ( seria como um prato executivo ou pf ), existem várias maneiras de economizar em uma viagem. Até mais.
  18. 1 ponto
    Antes tarde do que nunca resolvi me debruçar para escrever meu relato aqui no fórum. Este é o principal instrumento para o planejamento dos meus mochilões. Como gratidão só posso compartilhar a minha experiência. A Colômbia tem sido muito procurada pelos brasileiros ultimamente. Graças a Deus a quantidade de relatos aqui é enoooorme! E mais uma vez quero encorajar as pessoas a viajarem sozinhas, em especial, a mulherada! Vá... Vá porque a vida é muito curta para ficar esperando alguém para fazer alguma coisa por você. O mundo é legal, vai por mim. E a maior arma contra a insegurança é o planejamento e o estudo. Tanto aqui no fórum, quanto no grupo do face, como na internet inteira, a quantidade de material para subsidiar viagens para qualquer lugar do mundo é enorme. Então não espere ter dinheiro, companhia e tempo ideais para fazer seu sonho de viajar acontecer... Condições ideais geralmente não existem. Apenas VÁ. Se estiver com medo também vá assim mesmo. O medo é real, mas a satisfação de conseguir completar a sua saga é impagável. Pois bem, essa viagem para a Colômbia foi concebida em cima da hora (não sou de fazer isso, mas como macaca velha no ramo, me permiti). Fiquei esperando meu namorado decidir se poderia ou não viajar comigo nas férias. Enquanto isso namorava (relacionamento aberto rs) uma passagem a um preço muito bom para a Colômbia (pela copa airlines). Quando ele resolveu que não poderia ir, comprei a passagem só para mim. PS 1 - O preço se manteve o mesmo durante todo o tempo e comprei a passagem 20 dias antes de viajar. PS 2 - O consentimento e o apoio que meu namorado me dá para que eu viaje só me faz amá-lo cada vez mais. Comprei ida e volta, Brasília - Cartagena, por 1200 mangos. Escolhi conexões longas no Panamá, na ida e na volta, propositalmente para dar um rolé por lá. Para efeitos de organização, escrevi sobre minha parada no Panamá no tópico do próprio país, porque tive MUITA dificuldade de achar como circular no Panamá de forma econômica DE VERDADE, principalmente em como sair do aeroporto (e não tentem me convencer que pagar 100 dólares para um taxista circular com você pela cidade é o modo econômico, porque viajei com 700 dólares, então 100 dólares representava parcela significativa do meu orçamento). Para ler mais sobre, o link é: https://www.mochileiros.com/topic/66761-conexão-no-panamá-aproveitando-o-tempo/ Passado isso, escolhi as cidades que gostaria de ir com base em um globo repórter da Colômbia que passou este ano e por curiosidade de conhecer alguns lugares, por exemplo Medellin. Selecionadas Cartagena, Bogotá, Medellin e San Andrés, hora de resolver como viajar dentro do país na maior barateza possível. Quando é assim, faço um super rascunho com as cidades, mudando-as de ordem, e faço a cotação das passagens para cada conjunto de cidade em ordens diferentes (ficou meio confuso, né, mas é tipo raciocínio lógico para pessoas de humanas, escrevendo todas as sequências de cidades possíveis no papel...) o que der o total mais barato é a minha escolha. A passagem de avião de Bogotá para Medellin estava muito cara e optei fazer esse trecho de busão. Ficou assim: Cartagena: 3 dias Cartegena - Bogotá - Wingo - 73.000 COP (sem bagagem despachada, bagagem de mão inclusa - 1 volume de até 10 Kg e 1 volume de 6 Kg) - Distribui minhas coisas em uma mochila de 60L não muito cheia e uma de 18 L cheia e foi sossegado. Bogotá - 3 dias Bogotá - Medellin - Expreso bolivariano - 65.000 COP Empresa topíssima, foi recomendada pela staff do hostel. Dá pra comprar por outras empresas por menos. Inclui sala vip na rodoviária com água, TV, wifi e tomadas pra carregar o telefone. O ônibus tinha TV individual, tomada para dividir com o vizinho e era confortável. 10 horas de viagem, conforme o prometido. Medellin - 2 dias (o planejado era 3, mas tive um problemão que me comeu 1 dia) Medellin - San Andrés - Avianca (inicialmente) 140.000 COP com bagagem despachada. Meu BO foi aqui... Os pilotos da avianca entraram em greve e meu voo foi remarcado para o dia em que voltaria para o Brasil. Fui ao aeroporto, dei um show e consegui uma passagem pela Viva Colômbia. Nessa, perdi 1 dia em Medellin. San Andrés - 5 dias San Andrés - Cartagena - Wingo - 68.000 COP Cartagena e San Andrés parecem o inferno de tão quente. Medellin tem clima ameno e Bogotá é fria. Então precisei levar roupa de verão e inverno e consegui fazer isso muito bem, obrigada, em 8Kg de bagagem, propositalmente despachada em Brasília para que eu pudesse passear pelo Panamá sem gastar com guarda volumes (5 dólares dá um lanche, gente!) Já tinha o cartão da vacinação de febre amarela e ele foi solicitado tanto no Panamá, quanto na Colômbia. Na verdade, no check in em Brasília já me pediram ele. Creio que não seja possível embarcar sem ele (a empresa não quer ter problemas com ingresso negado de passageiros).
  19. 1 ponto
    Dia 07 - Grand Canyon Destinamos o dia todo para o Grand Canyon e valeu a pena. Saindo de Willians para o portão de entrada do parque foram 85 km passando pela cidadezinha de Tusayan (cidade base do Grand Canyon porém com hospedagens de deixar um rim). Dica: vá na velocidade certa mesmo que pareça parado pois vi uns apressadinhos sendo parado pela polícia. Na entrada do parque vc paga por veículo e ganha 2 mapinhas. Vá ate os locais de estacionamento deixe o veículo e siga para o centro de visitantes pois bem ao lado deste é que saí os ônibus (azul e laranja) explico: O parque é dividido entre area central (azul) braço esquerdo (vermelho) e braço direito (laranja) segue mapinha: o azul é a parte onde fica os hoteis, restaurantes, centro do visitante e serve mais para te levar até os pontos de início do lado vermelho e do lado laranja. Começamos pegando o ônibus azul e indo até o ponto final dele para então pegar o ônibus do lado vermelho. Pagando o ônibus vermelho fomos até o final da linha dele (hermits) e lá descemos. Cadarço amarrado e óculos na cara começamos a nossa trilha e andamos por entre e todos o mirantes. Foram 15 km de trilha que valeu cada passo pois vc não tem só aquela visão do mirante com milhões de turistas fotografando e saindo nas suas fotos. Você tem vários pontos lindos e locais com árvores e até mesinhas para descansar e fazer um lanche. Amei e faria esses 15 km de novo pois mesmo estando calor, ventava e refrescava sem falar q sentar e comer um paozinho com aquele visual é sensacional. Fazendo a trilha você acaba voltando ao ponto onde se pega o ônibus azul (centro). Lá tem torneiras para abastecer as garrafinhas de água, banheiros, e amigos inusitados (sim fiz amizade com um esquilo interesseiro que queria meu pão) e assim voltar ao ponto onde ele se encontra com ônibus da linha laranja (braço direito) Como já havíamos andado por 4 horas (3h de movimentos e 1h para fotos e alimentação), olha o caminho pelo app strava https://www.strava.com/activities/1831241700 , resolvemos que o outro lado seria feito de ônibus com parada só nos mirantes pois a trilha era de mais ou menos uns 8km. Assim fizemos e não nos decepcionamos pois o visual é incrível também. Sinceramente os dois lados merecem ser visitados pois são igualmente lindos. São belezas diferentes e iguais. sei lá. Inexplicável. Indico: protetor solar (não esqueça de passar na panturilha tá - morri), óculos, água, um sanduíche e um docinho. E lógico máquina fotográfica com bateria full. Resumindo: andamos o dia todo no parque e saindo ao por do sol com direito a ver alces pela rodovia toda (então vá devagar pq os carros vão parando na rodovia mesmo ta). Ahh não deu tempo de ir no museu la dentro. Voltamos para Willians, tomamos banho , saimos para jantar e lavamos as roupas na lavanderia do hotel. (U$ 6, para lavar e secar) Gastos do dia: Alimentação: U$ 41 (casal) lavanderia: U$ 6 Parque: U$ 35 (por carro)
  20. 1 ponto
    Dia 06 - Dia da Rodovia. O dia foi destino a curtir os 400km que vai de Vegas até Willians . Escolhemos Willians pela proximidade do Grand Canyon e pelo preço visto que Tusayan era preços de resort..rsrs. 1ª parada - Represa Hoover Dam . Fica super perto de Vegas (50km) e sabe aquelas represas que a gente vê nos filmes do X-man, que se rompe e tal , então é essa aqui! Vamos à logística: no caminho para os estacionamentos da represa vai ter um memorial PAREEEE , porque atrás do memorial tem uma trilhinha que vai na ponte da rodovia e de lá se tem um visual da barragem. Continuando depois dessa paradinha vá ate os estacionamentos e existe o pago e gratuito sendo que a diferença é que o gratuito vc anda tipo uns 700 mt a mais pra chegar na represa, não esqueça de levar uma garrafinha de água pois terá bebedouro de água (coisa sagrada no deserto). tem a opção de pagar pra ir no mirante principal mas achei bobeira pois de tds os lugares ela é fotogênica. 2ª parada: Dollan Springs. (+80km) Cidadezinha no meio da nada com cerca de 2 mil habitantes mas que tem aquelas caixas de correios enfileiradas na beira da rodovia. Já que era um desvio de 5 km valeu a pena pela foto. 3ª parada: Chloride Ghost Town: (+ 30km) uma pequena cidade que antigamente abrigava minas de prata, ouro, zinco e turquesa, por onde passava a linha do trem.É minuscula mas é lindinha pois tem coisas muito antigas , vc vai conhecer a agência dos correios mais antiga do Arizona, ainda em funcionamento e o melhor todos os locais são abertos e não pagos. Vale a pena a passadinha. 4ª parada: Kingman(+35km) nessa cidade está o entroncamento que vc escolhe ir pela rodovia de transito rápido e dupla oooooouuu a Famosa Rota 66. Almoçamos no Denny´s (tipo um Girrafas compratos por 10 doletas) e partiu Rota 66. 5º destino: Rota 66: é a primeira rodovia americana que cruzou os EUA de leste a oeste. A rodovia é simples porém bem cuidada, a velocidade é mais baixa pra curtir o caminho mesmo e tem pouquíssimos carros circulando. Tem as plaquinhas da Rota66 porém não tem aqueles logos pintados no chão. 6º destino: Seligman: só passamos mas pra quem não sabe é a cidade do Relâmpago McQueen, protagonista do filme Carros, da Pixar! logo depois de passar por Seligman a rota 66 vai meio que se fundir com a rodovia nova mas ela continua existindo. 7ª parada: Willians. Sabe aquele momento que vc está triste porque acabou a rota 66 então , aqui em Willians a sua alegria vai voltar poiissss um dos restaurantes mais antigos da Rota está nessa acolhedora cidade. Adorei Willians, moraria lá tranquilamente. Cidade limpa, pequena, com lojinhas, restaurantes à espera dos turistas que querem um descanso antes ou após o Grand Canyon. Hospedagem: Motel 6 Williams West - Grand Canyon -185US. O motel que para nós é hotel fica bem no começo da avenida da cidade que tem 1,2 km. Tem supermercado a 1 quadra do hotel. Tem lavanderia (6 dolares para sabão, lavar e secar) . Check in feito banho tomado fomos andando para jantar pela city. Repetindo: cidadezinha carismática. Alimentação: Cruiser's Route 66 Cafe. Comemos aqueles lanches que para nós seria os Gourmets muito saboroso. Paramos no supermercado e compramos comidinhas para o café e para o parque do dia seguinte e voltamos para o hotel. Ahh já aviso que tem um restaurante bem antigão (70 anos) na city e que faz parte dos famosões da Rota 66. É o Rod´s Steak House. Gastos do dia: Alimentação : 68 dolares (casal) Hospedagem: 185 dolares (casal)
  21. 1 ponto
    5º dia - Las vegas Passeios: Passamos a manhã toda na freemont strett. Minha gente, minha vó diria que aquilo é a perdição, stripers em plena luz do dia na rua preparadas para cobrar fotos abraçadinhas contigo. . Enfim, andamos aquelas 5 quadras umas 4 vezes, entramos nas lojinhas, casinos, e já almoçamos por lá. Período da Tarde: lojas best buy e walmart - achar um relógio Garmin para o marido. Tardezinha: Tirolesa, tirolesa, uhuu. ops que medo. Voltamos para a freemont pq tinhamos horário marcado para descer a tirolesa slotzilla. Compramos pelo site do tripierge http://tripierge.com/las-vegas/atividades/ e o atendimento do Sergio foi show de bola mandando os vouchers por e-mail. Foi rapidão, chegamos lá na bilheteria da slotizilla e apresentamos o voucher e bora subir de elevador. Minha Nossa Senhora das Alturas te juro que vi Jesus lá mas ele só respondeu " ainda não tá no teu dia minha filha ". Eu tenho pânico de altura e toda vez me meto nessas loucuras e só penso: "eu me odeio, só pode, eu to pagando pra sentir medo, não sou certa das idéias" . Mas fuiiii, nem grito saiu , agarrei aquele colete como se não houvesse amanhã e no meio do caminha comecei a relaxar e curtir o povo, as luzes e tudo mais. Indico muito ir as 20h pq daí ta tudo iluminado e fica muito lindo. Ahh não pode ir de gopro tá. A gente tinha levado o suporte de abraçadeira de mão e não deixaram viu. Noite/madrugada: Carro deixado no hotel, solicitamos um Uber e fomos para a strip (realmente em Vegas a vida é noturna), jantamos fast food e andamos por td q é hotel (bellagio, Venetian, Cesars, ) e vi que existe pobre, rico, milionário e o ser que nunca pediu o preço das coisas. Voltamos para o hotel as 2 da madrugada andando a avenida toda a pé. Super seguro e tranquilo viu. Gastos do dia: Almoço Freemont: 28 Supermercado:21U$ Jantar: 27U$ Slotizilla: 248 Reais. Estacionamento: 26U$ (manha 6U$ e a noite 20) Uber: 8,8U$
  22. 1 ponto
    3º Dia - Studios da Universal...iupiiii. Dicas sagradas: 1 não encha a pança no café pra não dar vexame no brinquedos tááááá. 2 baixe o app da Universal pq vc consegue se localizar no mapa e também consegue ver o tempo das filas e ainda colocar lembretes de ir para os brinquedos em determinado tempo. 3 Só almoce depois de ter ido nos brinquedinhos mais violentos. 4 A parte de baixo (mais louca) abre só as 11h. Filas: Fomos de carro por volta das 9h e o estacionamento custou U$ 25 e as entradas na hora custou U$ 129. Não pegamos fila em lugar nenhum (estacionamento e nem bilheteria) Então começamos pela parte de cima com Simpsons, Studio Tour (demora 45min), e só desses 2 já deu o horário para descer para a parte baixa do parque. Não deixe de ir no transformers e na Mumia na parte baixa e depois dessa torturinha suba para os outros Harry Porter, Minions, Efeitos especiais, Animals Actors, etc pq depois dos transformers e mumia seu estomago não sera mais o mesmo. Enfim o parque fecha as 18h porem algumas atrações o ultimo horário é as 17h depois disso td começa a fechar. Voltamos mortos e esgualepados de tanto andar , ser virado, ser jogado, chacoalhados,mas valeu muito a pena. Libere seu lado criança !!! Saindo de lá jantamos num fast food e passamos no mercado para comprar comidinhas para a viagem do dia seguinte. Dia todo na rodovia pra ir parando e ver td. Gastos do dia: Estacionamento universal: U$ 25 Ticket parque: U$ 129 por pessoa. Almoço+janta +mercado: U$ 176
  23. 1 ponto
    2º Dia - Los Angeles Passeios: Calçada da Fama, Teatro Dolbi, Teatro Chines, Observatório Grifith, Beverly Hills, Bairro das casas dos famosos. O Hotel era 2 quadras da calçada da fama resolvemos começar por ela, bem cedinho, até para evitar os milhões de turistas. Na calçada da fama são umas 2 mil estrelas (dos artistas honrados pela câmara do comércio) mas os mais conhecidões estão em frente ao teatro chinês e ao Dolbi (local da entrega do Oscar). Mas a estrela do Chuck Norris eu sofri para achar (umas 2 quadras a esquerda do teatro chines). Te digo que quando mais vai ficando tarde mais pés irão sair do seu lado na foto com as estrelas . Depois pegamos o carro e fomos no Observatório Griffith, o caminho é bem lindo e o estacionamento la em cima é pago numas maquininhas que só aceitam cartão de crédito, da pra subir e ainda entrar em um dos globinhos que tem o telescópio e de lá tb já da pra ver o letreiro de hollywood e tb toda Los Angeles. Pra quem é esportista já aviso que tem segmento do Strava porém não se preocupe com isso e curta o visual. Ahh para aqueles fotógrafos de plantão o melhor é ir de manha pq a tarde o sol fica contra a luz para fotos na frente do observatório. De volta com o carro fomos sentido Beverly Hills passando pela loja Amoeba (maior loja de disco dos EUA), e na Rodeo Dr (Beverly) me senti naquele filme das Patricinhas de Beverly Hills. Pasmem, mas ali naquele hotel 4 seasons (aquele do filme Uma linda mulher) tinha umas menininhas todas vestidas e arrumadas no puro glamour e riqueza em plena luz do diaaaaa. me senti a mochileira mais mendiga do mundo mas olhei minha mochila e td que ela ja fez comigo e me senti RICAAAA (de vivências né).rsrs. Ahh se for pela manha a foto ali no letreiro de Beverly ficará meio contra a luz. Depois de ver todas aquelas lojas lindas, chiques, glamourosas, sem nenhum preço na vitrine, e com gente saindo das lojas com sacolas. Achei melhor guardar o meu rico dindin (pra trocar minha Gopro - 350 doletas na loja REI) e revolvemos ir para o Bairro com as casas dos famosos e me frustrei pq a gente só vê aqueles muros altos, fechados e td trancado . Confesso que ficou faltando ir no letreiro de Hollywood. Gastos do dia: Estacionamento: 6 Grifith + 1 Beverly: U$ 7 Alimentação: U$ 60 Presentinhos: U$ 27
  24. 1 ponto
    Olá amigos do Mochileiros, no começo do ano - janeiro de 2017 - resolvi fazer uma viagem solo pro Vale do Pati na Chapada Diamantina, no último dia, conversando com um casal que também usou o fórum pra se preparar, resolvi que faria um relato pra postar aqui, seria uma forma de agradecer pelas muitas informações que tirei deste fórum pra passar uma semana incrível. Como já existem outros posts muito bons explicando as trilhas pro vale, eu vou falar bem pouco desta parte, neste relato vou focar na minha percepção sobre a aventura, o que senti e o que achei de toda a experiência... Ainda assim vou colocar algumas informações sobre preços, fotos e algumas dicas de roteiro pra quem pretende conhecer. Então vamos lá, pra começar você pode estar se perguntando o motivo do "desregulado" no título. Isso surgiu de uma brincadeira durante uma conversa logo no primeiro dia, numa pausa para descanso minha falta de preparo entrou em pauta. Após constatar que eu estava com praticamente nenhum equipamento apropriado pra trekking, vim sozinho, com nada mais que um mapa pra me orientar, sem experiência e preparo físico pra um desafio deste tamanho, o guia de um grupo olhou pra mim e falou: "Meu irmãozinho, tu tá todo desregulado". Além de engraçado, achei o termo perfeito pra me definir nessa viagem he-he. Quero deixar claro que meu intuito aqui não é incentivar ninguém a ser irresponsável. Minha intenção com este relato é mostrar que quase todas as desculpas que você possa encontrar não passam disso mesmo, são só desculpas esfarrapadas que encontramos pra nos conformar e não sair da inércia diante de uma tarefa ou sonho difícil de realizar. Se você está afim de conhecer este lugar incrível e tem encontrado dificuldades, cola aqui que eu vou te mostrar que com um pouquinho de coragem, um pouquinho de conhecimento, um pouquinho de dinheiro e muita atitude positiva você pode não só conhecer, mas também aproveitar, curtir e sair muito satisfeito do Vale do Pati. Minha passagem pelo vale durou 7 dias, fui embora quando achei que tinha feito tudo o que queria fazer. Se o primeiro mandamento do mochileiro desregulado é ter atitude positiva, o segundo é viajar com tempo. Não consigo me imaginar realmente desfrutando a viagem se estivesse com o prazo definido e apertado, também por isso nem me preocupei em procurar um guia, prezo muito pela liberdade de mudar os planos, pela flexibilidade. Além do mais, nem tinha grana pra pensar em contratar um mesmo... Comecei e terminei a jornada no povoado Bomba na Vila do Capão, não vou entrar em detalhes nesta parte porque embora seja simples é muito diferente pra cada um, preços e prazos vão variar bastante dependendo de onde você mora. Se não estiver de carro você só precisará pegar um ônibus pra cidade de Palmeiras e pegar uma van pro Capão (R$ 15,00), as vans saem da rodoviária mesmo, é só perguntar os horários lá que todo mundo sabe. Quando chegar na vila pegue um moto táxi pro Bomba (R$ 15,00) e o motoqueiro te deixará bem no início da trilha. Aqui a aventura começa de verdade, o primeiro trecho já é uma subida complicada para os despreparados, com muito peso ou com mochilas impróprias. Poucos minutos depois já conheci a primeira figura da viajem, um colombiano que ficou zuando minha camisa da Argentina, me disse que morou por lá um ano e que não gostou tanto do povo argentino, elogiou bastante o Brasil e falou que brasileiros e colombianos são irmãos. Me disse ainda que havia morado no Vale do Pati durante 2 meses e que a trilha é linda. Depois de mais de uma hora, já no final da subida, encontrei um pessoal descansando e pegando água num córrego, entre eles, um goiano -que já estava há um mês viajando de carona pelo Brasil- e duas argentinas que faziam a trilha também sem guia me convidaram pra juntar-me a eles. Passando do córrego a trilha vai entrar nos Gerais do Vieira, é um trecho bem tranquilo, o terreno é plano e você verá morros e serras até não querer mais, aqui é só se atentar pra pegar o caminho que segue à direita, beirando a Serra do Candombá. Pela esquerda é o caminho que vai entrar no Vale do Pati pela Cachoeira do Calixto -que foi o caminho que peguei pra voltar. Seguindo a trilha da direita, após andar por algumas horas a gente passa por alguns "córregozinhos", num deles -segundo ou terceiro se não me engano- vai ter uma trilha saindo pra direita, indo reto na direção da serra, essa é a trilha mais tradicional e que leva à famosa subida do quebra-bunda, passando direto no córrego dá pra perceber a trilha desviando um pouco pra esquerda e em poucos minutos uma bifurcação bem evidente, pegando à esquerda nessa bifurcação, rapidinho você chegará no Rancho dos Vaqueiros, um ponto de apoio que todos usam pra se refrescar, descansar e pegar água, à direita é a trilha das mulas, um dos caminhos pra chegar no Pati. Geralmente a galera fica alguns minutos descansando e comendo no rancho e logo segue pro Pati, acho que uma opção bem válida é acampar ali mesmo. Tem um bom poço de água gelada, árvores frutíferas, lugar pra cozinhar... Eu já estava bem cansado e preferi ficar acampado no rancho saindo cedo no outro dia rumo ao vale, assim dá pra chegar antes de 11:00 e evitar o sol forte no coco. Além do mais, é um lugar bem agradável pra acampar, uma salvação pra quem estiver sem pernas pra andar mais 3 ou 4 horas, pra mim foi uma experiência muito diferente, acampei sozinho lá, o último grupo que passou foi embora umas 16:00, daí em diante fiquei só com meus pensamentos e o kobo pra aproveitar uma leitura em paz. O guia do último grupo me disse pra tomar cuidado que aquele era um território de onça, não foi muito bom ele plantar essa ideia na minha mente, no começo da noite fiquei meio apreensivo e podia jurar que ouvi uma rugindo he-he. Depois que peguei no sono a noite foi bem tranquila, acordei cedo, comi e deixei o território dos felinos pra trás haha. Saindo do rancho a gente volta pro córregozinho pra pegar a trilha que segue pro quebra-bunda, existe ainda a possibilidade de pegar a trilha das mulas que é mais curta e mais fácil, porém, pelo visual menos atraente acho que é uma das menos utilizadas. Por falta de pernas foi essa a trilha que peguei, você entra nela pegando a direita naquela bifurcação poucos minutos antes do rancho. Achei o caminho bem tranquilo, a trilha é bem marcada e tem ótimas referências pra se orientar, caso escolha este caminho basta se certificar que a serra do candombá está a sua direita e que o morro branco está bem na sua frente. Seguindo assim, pode ir na fé que uma hora você chega no Pati. Chegando no vale, tem algumas casas de nativos pra se hospedar, banhar, comer... O preço é praticamento o mesmo pra todas e a estrutura pra falar a verdade é muito boa, há opções de cama (R$ 35,00), isolante (R$ 25,00) e camping (R$ 20,00), tem ainda a diária completa com jantar, hospedagem e café da manhã (R$ 110,00). Todas as casas em que fiquei possuem pequenos mercadinhos onde se encontra uma boa variedade de produtos. O jantar (R$ 40,00) estava ótimo em todas as casas e os pães (R$ 1,00) são maravilhosos. Fiquei bastante impressionado ao ver tanta coisa boa num lugar onde tudo que chega vai de mula. A primeira casa que fiquei foi a igrejinha, é a que fica mais próxima pra quem vem do Capão pela trilha das mulas ou pra quem desce a rampa - caminho usado por quem vem do Capão pelos gerais do rio preto ou de Guiné. Na igrejinha tirei um dia de descanso, foi onde reencontrei um grupo que conheci no rancho, comi um escondidinho de soja no jantar que estava ótimo, curti um som da hora que tocaram à noite e conheci um casal de mineiros dos quais me despedi algumas vezes durante a viagem e incrivelmente acabava reencontrando depois, foi assim até no dia de ir embora kkk. Essas felizes coincidências que às vezes acontecem deixam a experiência ainda mais gratificante. No dia seguinte levantei acampamento e segui para a cachoeira dos funis, que na verdade é um complexo de cachoeiras, a gente passa por várias quedas d'água de vários tamanhos até chegar na principal. Fica há uns 40 minutos de caminhada da igrejinha e chegando no rio o caminho fica muito divertido, precisa passar pelo leito, por rochas, trechos íngremes, subir e descer árvores... Aproveitei que estava um dia de pouco movimento e passei a manhã de boa na cachoeira, o barulho constante da água caindo me enche de paz, é perfeito pra ler, pensar, escrever e refletir, deve ser muito bom pra meditar também. À tarde segui pra casa do Agnaldo, é uma casa mais simples que a igrejinha mas igualmente aconchegante, inclusive foi a que mais gostei, o rio Pati passa bem na frente, a Dona Patrícia é muito gente boa e uma ótima cozinheira, o Mingau que é gato da casa é extremamente folgado, Agnaldo e Seu Miguel contam muitas histórias ao redor da fogueira durante a noite, além de tudo isso, é a casa que fica mais perto do morro do castelo, uma das atrações obrigatórias pra quem visita o Vale do Pati. Tudo isso me fez tomar a feliz decisão de ficar dois dias nessa casa, lugar onde passei ótimos momentos, conheci algumas pessoas, reencontrei as argentinas e o goiano que me acompanharam até o rancho no primeiro dia, também reencontrei meus amigos de minas, de quebra ainda tive a oportunidade de curtir o "forró da lua cheia", como foi carinhosamente apelidado o forró que teve lá perto, na casa de Raquel, que é mãe do Agnaldo. Até pensei em não ir e passar a noite descansando já que iria pro castelo no dia seguinte, mas aí pensei: Quantas vezes na vida a gente tem a chance de estar no Vale do Pati no mesmo dia em que duas bandas passavam por lá e resolveram se juntar pra fazer um som? Tudo iluminado pela lua cheia que saía lentamente de trás do morro do castelo? Com pessoas de várias partes do Brasil e até de outro país? Mesmo não sendo um fã de forró, não tinha como deixar essa passar... O dia seguinte começou nublado e com temperatura bem amena, clima perfeito pra subir o morro do castelo, a trilha começa bem perto da casa do Seu Agnaldo e é basicamente subida, pode subir sem dó que uma hora você vai parar na entrada de uma gruta, ela é bem curta, mas é preciso levar uma lanterna para atravessá-la. Saindo da gruta tem mais um pouco de subida, mas agora precisa meio que escalar umas rochas grandes, nada complicado, parte bem divertida até. Em poucos minutos cheguei no mirante, a paisagem é realmente muito bonita, destaque pra visão da cachoeira do calixto, lá de cima também dá pra ter uma boa noção da topografia do vale. Também imagino que assistir o pôr do sol dali seja incrível. Passei a manhã no morro e à tarde fiquei de boa na casa de Seu Agnaldo, relaxei bastante na água gelada do rio e fiquei descansado pro dia seguinte. O próximo dia foi o que saí da casa de Agnaldo rumo à prefeitura, que é cuidada pelo Jaílson, irmão do Agnaldo. Lá encontrei novamente o casal de minas que conheci na igrejinha. O principal destaque da prefeitura é a visão do morro do castelo de frente, impressionante! Tem um poço bem perto também, que aliás é um banho muito bom, água geladinha... Cheguei na prefeitura de manhã e à tarde fiquei no poço da árvore, como sugeri antes, é um lugar bem agradável. O Jaílson é muito hospitaleiro, no fim da tarde ficamos prosando na varanda com a vista do castelo no horizonte e à noite quase morri de tanto comer, a comida estava boa demais. Antes de dormir ainda passei alguns minutos olhando pro céu estrelado, como não há poluição luminosa lá as estrelas estavam bem destacadas, principalmente a constelação de orion. Belíssimo céu noturno, pena eu não ter uma câmera com qualidade para fotos de paisagens assim, dessa vez ficou registrado apenas na mente mesmo. No dia seguinte levantei cedo e segui pra cachoeira do calixto, só de pensar que quase desisti de passar por lá pra voltar pelo Guiné me dá calafrios. Se for no Pati não deixe de passar um dia nesta cachoeira, se precisar, adapte o roteiro, se estiver muito cansado fique descansando o quanto for preciso pra ir, pra mim foi o ponto mais alto da viagem, vale muito a pena. O plano inicial era passar o dia curtindo a cachoeira e no final da tarde seguir pro córrego do sebo, uma hora de caminhada adiante. Ainda bem que mudei de ideia lá, além da cachoeira imponente e do clima super agradável de mata atlântica, contemplei o que pra mim foi a vista mais incrível da viagem... Um pouco depois do pôr do sol, antes de ficar completamente escuro os vagalumes começam seu show. Lembro perfeitamente do momento, lá estava eu, sentado tomando um leite quente com café e atrás de mim tinha o barulho constante de água caindo da cachoeira, à frente dava pra ver o contorno dos morros, as estrelas começavam a aparecer e à esquerda vi um show de luzes verdes piscando, tinha bem pouca claridade, então só dava pra ver os contornos das árvores altas e as luzes piscando. Me veio à mente imagens de histórias encantadas, me lembrou uma daquelas florestas escuras, com elfos, fadas e outros seres imaginários que vemos em produções cinematográficas por aí... Após uma noite um pouco desconfortável - quando fui armar minha barraca os melhores locais já estavam ocupados - saí assim que acordei rumo ao Capão novamente, confesso que fiquei preocupado, pois o sofrimento que passei uma semana antes ao fazer um caminho tão grande ainda estava bem fresco na memória. Bom, não havia tempo pra deixar a insegurança tomar conta de mim, ainda mais ali perto do final. Além do mais, ninguém poderia fazer o caminho por mim mesmo, eu teria que encarar de qualquer jeito. Coincidentemente a camisa do último dia acabou sendo a mesma do primeiro, e lá fui eu, um maluco com a camisa da Argentina pegando sozinho um caminho completamente desconhecido, nos primeiros minutos encontrei um grupo bem alto astral chegando na cachoeira, conversamos um pouco e segui adiante. Pouco mais a frente passei pelo córrego do sebo e falei com um pessoal que estava acampado lá. Depois disso, acho que fiz o maior percurso sozinho de toda a viagem, não vi mais ninguém até chegar na toca do gaúcho onde parei pra almoçar. Neste trecho tive bastante tempo pra refletir sobre toda a minha aventura, pensei nas pessoas que conheci, nas coisas que aprendi, nos perrengues que passei... Também me surpreendi com meu desempenho físico neste último dia, cheguei no Capão e ainda tinha energia pra bastante coisa, incrível como nosso corpo se adapta rapidamente. No fim, o saldo foi super positivo, fiquei muitíssimo satisfeito porque conheci ótimas pessoas, aprendi a me virar em situações adversas, a reconhecer meus limites e principalmente a lidar com eles. Depois de tudo isso, sinto que posso realizar muitas coisas que eu nem imaginava ser capaz, descobri que tenho a capacidade de me manter calmo mesmo quando seria perfeitamente normal perder a cabeça e que é possível curtir uma viagem dessas sozinho. Sempre quis visitar o Pati, mas sempre esbarrava na falta de gente pra ir junto, por n motivos sempre dava uma zica pra alguém, quando apareceu essa oportunidade resolvi ir sozinho mesmo e ver no que dava... Fui muito feliz nessa escolha, pois saí bem satisfeito e senti que fiz tudo o que queria fazer, que não deixei nada inacabado... Trouxe comigo só boas memórias, a saudade e a certeza que um dia voltarei ao Vale do Pati pra mais uma grande aventura, pra mais um tempo curtindo paz absoluta e paisagens maravilhosas... PS: Ainda reencontrei o casal de Minas que conheci lá no começo, entraram na mesma van que eu no dia de ir embora, nem se fosse combinado tinha acontecido isso kkkkk.
  25. 1 ponto
    Oi Adriano! Primeira coisa é pensar nos gastos que você pode quitar antes mesmo da viagem acontecer. Tente comprar e pagar com antecedência o seguro viagem, as passagens aéreas, de trem e/ou ônibus bem como a reserva de hotel, aí vc viaja sem se preocupar com essas despesas. De Nova York para Philadelfia, por exemplo, você pode gastar U$39,00 em um trecho de trem ou U$5,00 (isso mesmo, 5 dólares) em uma passagem de ônibus. E podem ser compradas com mais de 3 meses de antecedência pela internet http://www.amtrak.com - passagens de trem // us.megabus.com - passagens de ônibus. NY possui opções de hostel também, ta certo que menos em conta do que hostels em outras cidades, mas mesmo assim mais em conta do que um hotel 3 estrelas. Consulte o hostel através de email ou pelo site se tem como pagar com antecedência, ainda aqui no Brasil. Caso negativo, reserve o dinheiro da hospedagem para pagar lá (cash ou limite no cartão). NY tem muitos pontos turísticos e passeios que são de graça, como a Times Square, Central Park, passeio pela beira do Hudson. Passeios muito bons que você pode fazer a pé e levar apenas o dinheiro da alimentação. Para os outros pontos turísticos você pode comprar o New York City Pass que lhe dará acesso as atrações pagas com um bom desconto e ainda prioridade na fila. Vale muito a pena e você também pode comprar com antecedência no site http://pt.citypass.com/new-york. Para alimetação, se ficar hospedado em hostel, você pode fazer compras em um supermercado e guardar na geladeira do hostel para ir consumindo à medida que tiver necessidade. É mais barato do que comer todos os dias em restaurantes. Pegue um hostel com café da manhã, eles não tem um bom café da manhã mas você pode comprar um queijo/presunto e incrementar seu café. Além disso, Nova York tem uma série de fast foods que você gastará U$7,00 a U$10,00 se estiver na rua entre um passeio e outro.
Líderes está configurado para São Paulo/GMT-02:00
×