Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Mais curtidos da Semana


Conteúdo Popular

Exibindo conteúdo com a maior reputação em 31-05-2019 em todas áreas

  1. 2 pontos
    Olá pessoal. Acabei de voltar de um mochilão no nordeste, de ônibus e sozinha. Como há poucas informações sobre transportes e rolês sem sem agência, vou me ater às informações técnicas. Além disso, como ninguém fala sobre as vilas, falarei um pouco delas. Infos gerais _Data: 27/11/2018 a 28/12/2018 (32 dias e 31 noites) _Início: Salvador - BA _Fim: Natal - RN _Gastos com hospedagem (hostels, pousadinhas baratas ou airbnb): R$1624 (em média 52,5/noite) _Gastos com transporte intermunicipal: R$478 _Gastos gerais (sem passeios): R$1507 (em média 47/dia) Comentários gerais _Foi super tranquilo chegar nos lugares e fazer passeios por conta, embora as informações te direcionem pro contrário. _Só tive que pegar uma lotação entre Itanhi e Pontal (caminho para Mangue Seco). O resto tudo de ônibus ou van. _Alagoas foi o melhor lugar para viajar, pois eles possuem sistema de transporte complementar (vans) regulamentado. Os horários podem ser verificados no site: http://www.arsal.al.gov.br/servicos/transporte/quadro-de-horarios _Não peguei carona (só de barco em Mangue Seco). _Em relação a abusos, sofri apenas 1 explícito, em Mangue Seco. Tive mais 2 casos em que tive que ficar alerta, em Maragogi e em Tambaba. Explicarei depois. Dicas gerais _Se for pegar lotação (carros que param no meio da estrada para oferecer transporte/uber/carona): anote/fotografe a placa, na frente do motorista. Mande para alguém ou pelo menos finja que está combinando de encontrar alguém. Não passei nenhum perrengue em relação a isso, mas melhor se prevenir! _Se for viajar sozinho e não quiser gastar muito com comida: carregue uns 2 tapewares médios. Os PFs são muito grandes, e as vezes caros, então eu sempre pedia, comia um pouco e guardava o resto para os outros dias. Ou também quando fazia comida no hostel, fazia a mais e guardava pra depois. _Se sofrer algum tipo de assédio, fale que sua família está esperando logo ali. Não deixe claro que está sozinha. _Preferi usar calças e camisetas largas e confortáveis nos trajetos, tanto para não chamar a atenção, quanto para não grudar a perna no banco e para não machucar o ombro com a mochila. Linha Verde - BA (Praia do Forte e Imbassaí) _Transporte Salvador - Praia do Forte há ônibus da Linha Verde (LIS) saindo da rodoviária de Salvador, e passando pelo aeroporto. No aeroporto um passa 9h40 (mas não passa sempre) e outro às 13h40. Esses ônibus fazem sentido Sauípe, e param na maioria das entradas das cidades do caminho (mas não entram em todas). Acho que custa uns R$10 (não tenho certeza). há também vans da Linha Branca, que passam toda hora na frente do Shopping Salvador Norte. Custa R$8,40. Demora ~1h até a praia. (Para chegar ao ponto, é necessário pegar um ônibus convencional no aeroporto, por R$3,70, descer na frente do Shopping e atravessar a passarela. Nesse ponto também passam ônibus da LIS, em mais horários). os ônibus e as vans entram na Praia do Forte e param bem pertinho da rua principal. _Transporte Praia do Forte - Imbassaí pegar as mesmas vans ou ônibus que saem de Salvador e passam perto da rua principal de Praia do Forte quase toda hora. A van custa R$3 e demora ~0h30. eles não entram na cidade, param na estrada perto de um ponto de mototáxi, que custa R$5 até a vila. Eu acharia longe para ir a pé de mochila, mas é possível. _Transporte Imbassaí - Sauípe ou Conde (não fui) as vans que saem de Salvador em geral tem destino final em Sauípe, com as quais é possível fazer quase toda a Linha Verde. há apenas um ônibus (LIS) que vai para Itanhi, e passa na estrada de Imbassaí às 12h45. Entra em Sauípe e em Conde (o que peguei não foi até a praia de Conde, apenas até a vila, mas quando pedem ele vai até a praia). No restante das cidades só para na estrada. _Infos Praia do Forte Hostel Praia do Forte (Hi hostel) muito bom, com café ótimo, e dá entrada grátis ao Projeto Tamar. R$72/noite. vilazinha bem charmosa. Rua principal com muitas lojas chiques, mas também tem vida local, e algumas coisas não caras. Na rua ao lado já tem botecos e coisas mais simples. Dá pra passar horas caminhando ou sentando na rua, e super seguro. Há uns condomínios e hotel toscos que impedem o acesso a praia, mas pelo menos não são visualmente ofensivos. é possível fazer todas as praias a pé. para ir ao castelo, compensa alugar uma bike na vila (R$5/ 30 min). Tem ciclovia em todo o trajeto. _Infos Imbassaí Eco Hostel Imbassaí é legal, mas achei longe da cidade. Tem que passar por estrada de terra escura, com cobras e sapos, e por uma estrada meio erma, cheia de muros. Não dá pra ficar indo e voltando da cidade toda hora. Mas é perto de uma prainha do rio bem gostosinha. R$50/noite. vilazinha meio capenga de dia. A noite tem um pouco mais de vida na pracinha e na orla, mas não foi minha vila favorita. não gostei da praia, pois mar é bravo, não tem sombra e precisa ficar em bares. Mas orla do rio é bem bonita. restaurante Zôião, na beira do rio, é mara. Mangue Seco - BA e Pontal - SE _Transporte Imbassaí - Mangue Seco Imbassaí - Itanhi: ônibus LIS passa na estrada de Imbassaí às 12h45. Custa R$28,30. Demora 3h30. Itanhi - Indiaroba: van Coobase passa na estrada de Itanhi às 16h20. Custa R$5 (não peguei). Indiaroba - Pontal: há algumas vans, mas dizem que não passa aos domingos, e é necessário pegar táxi. (não peguei) quando eu estava na estrada de Itanhi passou uma lotação (carro particular) para Indiaroba por R$5. Peguei e comentei que estava indo para Pontal, e ele acabou me levando até lá por R$30. Demorou uns 0h30. Pontal - Mangue seco: há infinitos tipos e valores de barco. Aparentemente tem um de linha que custa uns R$15, mas não sei os horários. Sempre vão tentar te vender as lanchas caras (até R$130). Maaas tem várias famílias que fazem o trajeto todo dia (para trabalhar nos restaurantes) e dão carona de canoa R$0. _Transporte Mangue Seco - Aracaju Opção 1 - Mangue Seco - Pontal - Aracaju: há vans da Cooperbase que saem de Pontal e vão direto para Aracaju, pelo litoral, entrando em todas as cidades. Passam na Igreja de Pontal às 13h25 (parece que tem um às 5h30. e parece que as voltas de Aju - Pontal são às 9h e 17h. não tenho certeza!). Custa R$17. Tem opções para as 2 rodoviárias de Aju. Opção 2 - Mangue Seco - Ponta do Saco - Aracaju: é possível pegar a mesma van saindo da Ponta do Saco (deve passar umas 14h). Mas de Mangue para Pontal é necessário pegar lancha particular, e deve ser caro. Pelo que vi no caminho, não tem nada de interessante em Ponta do Saco, então acho que não vale a pena. (não fui) Opção 3 - Mangue Seco - Coqueirinho - Estância: há uma van para Estância que sai do vilarejo de Coqueirinho às 5h30. Para chegar em coqueirinhos é possível pegar o trator dos trabalhadores, que sai de Mangue no fim da tarde. Aparentemente há uma pousada em Coqueirinhos, mas ninguém soube informar. De Estância devem ter vários horários para Aju. (não fui) Opção 4 - Mangue Seco - Pontal - Estância: há vans da Cooperbase saindo de Pontal em alguns horários pela manhã. O último é 12h30. De Estância devem ter vários horários para Aju. (não fui) _Infos Pontal só tem a Pousada do Givaldo. Estava bem largada, e ele me cobrou R$60 sem café. Ele vai te dizer que só tem ônibus para Aracaju as 5h (pois assim vc terá que passar a noite lá), mas não é verdade! cheguei a noite em Pontal e não quis arriscar achar um barco para Mangue Seco, acabei pernoitando na cidade, mas se tiver como atravessar, não compensa ficar lá. vila é simplizinha e tem seu charme. Se resume em uma rua com vista linda para o rio e Mangue Seco, uma mercearia e uma igreja; e outra rua de casas. Pouca gente na rua. Na 'ponte' (cais) tem uns botecos e restaurantes, mas em geral só homens. Não tem caixa eletrônico. _Infos Mangue Seco Pousada Chão de Areia, na frente do rio, moças fofíssimas, super limpa, café ótimo. R$70/noite. vila muito charmosa, bem simples, com chão de areia e calçadão na frente do rio com golfinhos. eles vão tentar te vender passeio de buggy, mas é super tranquilo atravessar as dunas a pé. Com chapéu e protetor, claro. as infos dizem que não vale a pena pernoitar lá, mas eu adorei, e tem várias pousadinhas e hostel (estava fechado quando fui). Os restaurantes não são baratos, mas tem algumas opções de tapioca e pastel. Não tem caixa eletrônico e não vendem frutas no mercado. CUIDADO COM ASSÉDIO: fui bater perna pro lado do mangue, segui uma estradinha depois do Hotel Village Mangue Seco, com umas casinhas autoconstruídas, depois não tinha mais nada (era a estrada pra onde ficavam os quiosques antigamente). Quando percebi, um moleque que morava numa das casas (+-15 anos) começou a me seguir e a dizer coisas, eu não dei bola, e ele começou a gritar e se masturbar. Voltei rápido e falei que meus pais estavam me esperando. Aracaju - SE _Infos Aracaju: Aju Hostel (Hi hostel) muito bom, café sucessudo, quartos confortáveis e piscina. Perto da orla de atalaia e do terminal de ônibus. R$55/noite. Hóspedes do hostel tem acesso gratuito ao Projeto Tamar. possível fazer tudo de ônibus, tem bastante infos pelo App Moovit. tem um 'ônibus do forró' que sai às sextas (acho que 14h) da frente do Projeto Tamar, e faz o roteiro turístico, com paradas, e por R$0. Volta para o ponto de saída. (não peguei) tem 2 rodoviárias, uma no centro (antiga) e outra já na saída (nova). Em geral a nova tem mais opções para quem quer ir para São Cristóvão, Laranjeiras, e outros. (não fui) Penedo - AL e Piaçabuçu - SE (foz do Rio São Francisco) _Transporte Aracaju - Penedo: Opção 1 - Aracaju - Neópolis - Penedo: tem vans da Coopertalse para Neópolis saindo da Rodoviária Nova quase de hora em hora. Custa R$19, demora 3h. A van para no cais de onde saem barcos para Penedo R$3,5, demora 0h30. Ps: Se estiver com horário apertado e for de ônibus para a rodoviária, pode parar no ponto logo antes da rodo (fica do outro lado da pista, antes de ele fazer o retorno), pois a van passa lá também. Opção 2 - Aracaju - Penedo: tem ônibus da Águia Branca às 14h50, saindo da Rod. Nova. Não sei quanto custa e demora bem mais. _Transporte Penedo - Piaçabuçu: saem muitas vans ('transporte complementar') para Piaçabuçu. Em geral entram nas vilazinhas do caminho, bem simpáticas. Em Penedo as vans saem da rodoviária, mas param em alguns pontos do centro e da via principal (acho que Av. Getúlio Vargas).Custa R$4, demora 1h. _Transporte Penedo - Maceió: vans saem quase de hora em hora da rodoviária, entre 5h e 16h15. É possível pega-la de outros pontos da cidade, mas pode não conseguir ir sentado. O trajeto é pelo litoral, mas entra apenas em Piaçabuçu. Custa R$30, demora 3h30. _Transporte Penedo - Piranhas: meu plano inicial era ir margeando o rio São Francisco, mas não tem caminho direto. Teria que pegar uma van de Penedo para Arapiraca (tem muitos horários), e de lá outra para Piranhas. Como não tinha certeza dos horários de Arapiraca para Piranhas, preferi não arriscar, e fui via Maceió (com passadinha em Maragogi). _Infos Penedo Pousada do Lucena foi a mais barata que encontrei. É ainda no centro histórico, mas achei longinho dos principais pontos (pois a rua era meio vazia), então não dava pra ficar indo e voltando toda hora. A pousada é bem simples, não muito limpa, mas o cara é muito simpático e muito disposto a ajudar, fazendo várias comidas no café, disponibilizando frutas, sucos e pães ao longo do dia. Também usei a cozinha, como se estivesse num hostel, ele me deu inclusive ingredientes para usar. R$50/noite. a parte histórica é muito bem conservada, mas meio vazia durante o dia, e a prainha bem agitada. A noite fica bastante gente nas praças. Tem opções baratas de comida (R$12/kg). Depois do centro histórico a cidade é grande e normal. Não me empolguei de ficar lá. _Infos Piaçabuçu embora as fontes turísticas digam que não há hospedagem na cidade, eu vi uma na beira do rio, Pousada Santiago, mas não sei quanto custa. a orla é bonitinha, com restaurantes e botecos. Mas fora isso a cidade não tem nenhum charme, e não tive vontade de passar nenhum tempo lá. Não tinha nenhum movimento turístico na segunda-feira. Ruas asfaltadas, cheias e sem sombra. o passeio para a Foz custa entre R$70 e R$100. Eu não ia fazer, e nesse dia também não vi nenhum barco saindo. é possível pegar barco local até Brejo Grande - SE. O caminho é bem bonito (mas não tem nada de dunas, nada a vez com o passeio da Foz), e para em 3 cais, 2 deles bem bucólicos, e outro num restaurante, mas com uma micro prainha sombreada. O barco sai se tiver no mínimo 2 passageiros. Custa R$5 cada perna. Maragogi - AL _Transporte Maceió - Maragogi Opção 1 - Maceió - Maragogi: há vans saindo da rodoviária de Maceió às 5h30, 7h40, 11h20, 13h25, 16h30, 18h20. Custa R$22 e demora 3h30. Essa van vai pelo litoral só até certo ponto, e de lá sobe para Porto Calvo. Para a volta há vans saindo de Maragogi às 4h50, 5h50, 9h20, 12h, 14h40, 17h. Opção 2 - Maceió - Porto Calvo - Maragogi: há vans toda hora de Maceió para Porto Calvo e de lá para Maragogi. Custaria R$17 + R$7, mas se conversar eles fazem R$22 e te embarcam em Porto Calvo já na próxima van para Maragogi. Custa R$24 e demora 3h30. _Infos Maragogi Hostel da Praia bem simples, mas muito barato, pessoal muitíssimo simpático, café bom e à beira mar. R$35/noite. a vila é meio bagunçada fora da orla, e não tem charme, mas é super tranquilo caminhar por lá, tem comércios baratos, feiras, etc. Na orla estão todas as pousadas, lojas, restaurantes turísticos, mas também tem coisas bem baratas (self service por R$12). falam que não é possível ir da cidade para Antunes a pé, mas achei super viável. Demorou um pouco, mas o caminho é lindo. Necessário estar com maré baixa, pois tem uns pontos que não tem passagem, e tem um rio no caminho. tem várias vans saindo do centro que vão para as praias (Antunes, Xaréu...), custa R$3 e passa sempre. CUIDADO COM ASSEDIO, meninas: estava indo pra estrada, pela saída de Xaréu, pegar a van, não tinha mais ninguém por perto. Um cara de bike tinha acabado de passar de bike, e quando me viu sozinha, começou a voltar. Por sorte a van surgiu e ele 'desvoltou'. Então acho melhor pegar a van saindo de Antunes, que é mais movimentado, e não a noite. Piranhas - AL e Canindé - SE (Cânions do Xingó) _Transporte Maceió - Piranhas as informações dizem que há vans da rodoviária de Maceió para Piranhas às 11h30 e 12h40. Achei estranho, e no dia que fui (sábado) disseram que só tem o horário das 12h, e que de domingo não tem. É necessário, portanto, ligar para o Ricardo para combinar (82) 99986-6262. Custa R$49 e demora 5h30. Ela sai com destino 'Xingó'. em Piranhas a van deixa na porta do lugar em que você for ficar!!!! a van vai até Canindé - SE também, de onde saem os passeios para os Cânions. é possível também pegar a van para Delmiro Gouveia, descer no posto da entrada de Piranhas, e de lá pegar outra van ou mototaxi. _Transporte Aracaju - Canindé tem vans da Coopertalse de Aju para Canindé, mas não sei quanto custa e se vai para Piranhas também. _Transporte Piranhas - Recife Piranhas - Delmiro Gouveia: van sai de hora em hora, a partir das 6h até as 17h. Custa R$10 e demora 1h30. A van sai da rodoviária umas 6h30, mas ela passa de porta em porta buscando antes, necessário ligar para agendar (não tenho o número, pedir na hospedagem). Tem que pedir para entrar na rodoviária de Delmiro, que é bem na entrada da cidade. Delmiro Couveia - Recife: tem ônibus da viação Progresso às 7h50, 22h e 22h30 (leito). Custa R$99 e demora 7h. Esses ônibus saem de Paulo Afonso 1h antes, mas é mais longe de Piranhas. Eu fui de manhã, achando que a estrada seria mara, toda cheio de sertão, mas na verdade não tinha nada demais, então acho que compensa ir no da madrugada. _Infos Piranhas o hostel que vi era meio longe do centro, e bem caro (R$105/noite). preferi ficar num Airbnb (Aconchego Ramon e Alê), melhor lugar! Também longe do centro, mas perto dos mirantes, com quintal fofo, pessoas fofas, que estavam de férias e me levaram pros passeios, me mostraram coisas (pois além dos passeios turisticos, é bem dificil arranjar coisa pra fazer, necessário tem pessoas locais junto). R$65/noite, sem café. o centro histórico é muito bonito, mas não tem movimento nem serviço nenhum durante o dia, porque todo mundo sai para passeio. A prainha do centro é bem cheia de locais no fim de semana, e tem alguns restaurantes. não dá pra chegar na cidade histórica a pé (eu adoro andar a pé, mas é uma estrada sem acostamento e sem calçada). Então é necessário pegar mototáxi R$4. Tem sempre e dá pra chamar também. só tem caixa eletrônico na parte alta, e da caixa econômica. _Infos Canindé/ Cânions os passeios para os cânions saem de Canindé. Tem um que sai do Karranca's (R$110) e outro mais barato (R$90), mas este sai da praia da Dulce, e o táxi ia cobrar R$80 até lá. Para o Karrankas também é necessário pegar mototaxi, mas não sei quanto dá pois fui de carona. dei uma volta por Canindé (de carro com o pessoal da casa), mas não tinha nenhum charme. Tem serviços (bancos, lotéricas, etc), prainhas e botecos. vale tbm passar pelo mirante da hidrelétrica. possível também fazer visitas guiadas. um morador disse que é possível ir até a beira dos cânions de carro, mas não tenho certeza. João Pessoa e Conde/Jacumã - PB (Praias de Tambaba e Coqueiro) _Jacumã é um distrito do município de Conde. É onde ficam as praias. A sede de Conde não é no litoral. _Transporte Recife - Jacumã Recife-Conde: necessário pegar e pagar o ônibus até João Pessoa, que sai sempre, e custa R$44 e demora 2h30. Conde-Jacumã: dá para pedir para descer na entrada de Conde, mas é no meio da rodovia, e de lá entrar na outra estrada e pegar um ônibus (que sai de JP e vai para Jacumã). Os onibus de JP-Jacumã passam de hora em hora, já era noite, e preferi não arriscar, então dei uma passada em JP. Durante o dia ou acompanhado acho que é tranquilo. _Transporte João Pessoa - Jacumã tem um ônibus metropolitano 5301 que sai de trás da rodoviária de JP. Ele também passa pela lagoa e pela praça Evandro Neiva. Custa R$7,50 e dura 1h30. Desce no centro de Jacumã (perto da Praia do Amor). tem também um ônibus que sai do shopping Mangabeira. Este vai pela orla, mas eu só soube depois, e não peguei. para voltar para JP, no ponto do ônibus de Jacumã tem umas lotações, mas preferi não pegar. _Infos Jacumã/Tambaba Hostel Ruanda's bem simples, mas simpático e barato (pois todo o resto que vi era bem caro). Donos muito simpáticos. Achei longinho do centro, pois a rua é escura e deserta, mas é perto do maceiózinho. R$40/noite, sem café. Tem um tal de Pousada do Inglês, que é hostel, perto da praia do amor, mas não sei como é. o centrinho da cidade é fofo, mas o resto se resume a uma rodovia com pouco iluminada e meio erma. a praia do amor fica no centro, tem também uma prainha fofa com um maceiózinho, perto da cidade. O resto é tudo longe e necessário pegar mototáxi. é possível ir para Tambaba a pé, é bem longe e quente, mas o caminho é lindo. No dia que fui não tinha ninguém no caminho. Chegando na beira de tambaba parece que não tem saída, mas é só achar uma entradinha para uma micro trilha! voltei de Tambaba de mototáxi. O ideal é combinar antes, pois lá não tem sinal e eles não fazem ponto lá, mas consegui achar um. Cobram R$12. é possível ir e voltar de Tambaba também com um ônibus que vai as 6h e volta as 17h. CUIDADO COM ASSEDIO, meninas: em Tambaba, na praia de nudismo, a galera é bem tranquila, mas tem um funcionário do restaurante que ficou me cercando, me espiando e forçando para falar comigo. Me deu bebida, mas não convém aceitar, e fui embora antes de esvaziar e escurecer. _Infos João Pessoa fiquei aleatoreamente no Hostel Parahyba, numa casa muito linda, no Bessa. É perto da praia, mas muito ruim de serviços a noite (as 20h só consegui uma barraquinha de cachorro quente). Tem a praça do caju, com feira, mas não consegui chegar lá. Ruas desertas residenciais. R$40/noite. o ônibus 513 (e acho que o 510 também) é a alegria dos viajantes. Passa pelo Bessa e por Manaíra (onde ficam os hostels), pela parte turística (tambau, mercados), pela lagoa, pelo centro e pela rodoviária! Custa R$3,55. tentei descer do ônibus na lagoa e visitar o centro histórico de mochilão, mas as coisas são longe e tumultuadas, não consegui chegar. Tibau do Sul/Pipa - RN _Pipa é um distrito do município de Tibau do Sul. _Transporte João Pessoa - Pipa JP - Goianinha: necessário pegar e pagar ônibus da Viação Progresso para Natal. Custa R$35 e demora 2h até Goianinha. Outras empresas fazem também. São poucos horários. Goianinha - Pipa: descer em Goianinha, no meio da estrada. De lá, andar um tanto até a igreja (tem que ir pedindo informações sobre a van). Pegar a van para Pipa. Custa R$4,50 e demora 0h40. _Transporte Pipa - Natal Opção 1: Transfer Pipa - PontaNegra/Aeroporto: normalmente custa R$70, mas peguei promoção por R$35. Necessário agendar. São poucos horários (8h, 12h,18h e 22h). Demorou 2h30 até Ponta Negra e 3h30 até aeroporto. Pega na porta da hospedagem e deixa na porta da hospedagem ou do aeroporto. Pra quem não conhece Natal e vai pro aeroporto, a van é legal pois passa por toda a Ponta Negra, pelas dunas e por toda a orla! Opção 2: Pipa - Rodoviária de Natal: Tem alguns horários de vans de Pipa para a rodoviária de Natal, mas de lá tem que pegar outros ônibus para ir pra Ponta Negra ou para o Aeroporto. Deve custar uns R$15, não tenho certeza. Opção 3: Pipa - Goianinha - Natal: tem vans toda hora para Goianinha. Lá tem que andar até a estrada e pegar algum ônibus que esteja indo para Natal, ou alguma lotação. (não peguei) _Infos Pipa, Sibaúma e Tibau Hostel do Céu, muito bom, café maravilhoso, perto de tudo, piscina e lindo jardim. R$45/noite. a vila de Pipa é bem simpática, mas bem turística. Muitos comércios, vários preços de restaurantes (self service por R$16). Da pra ficar sassaricando com celular na mão, sem medo. aluguei uma bike (R$40) e fui para Sibaúma. Lá tem um rio, mas pouco charme nas construções, mas o caminho é lindo, dá pra ir pela praia (na maré baixa) e voltar pelas falésias. aconselho ir ao Santuário Ecológico. Ninguém fala dele, mas são trilhas muito bem cuidadas, com vistas maravilhosas para as praias e golfinhos, bem tranquilo, sem muvuca. Entrada custa R$15. Dá pra ir a pé ou de van (R$3). o parapente é maravilhoso, passa pelas falésias. É caro (R$200), mas vale a pena. A tenda fica perto do mirante de Cacimbinhas. vale a pena pegar van (R$3) para ir para Tibau. Vilazinha charmosinha e bem calma, com praia calma, sombra e piscinas naturais (à direita), rio e bares à esquerda, com por do sol maravilhoso. peguei uma balsa da praia do giz para o outro lado (dunas e caminho para Natal), mas não tinha nada, só vale pelo micro passeio no rio (R$8 cada trecho). Foi isso. Boas viagens.
  2. 2 pontos
    @Juliana Champi boa pergunta! Veja esse blog, fizeram seguro com uma agência Australiana, vê se tá atual http://viajandodecarro.com.br/seguro-viagem-a-nossa-indicacao-para-viagens-de-carro/
  3. 1 ponto
    Utilizo há anos esse site para pesquisar roteiros, dicas, custos e, finalmente, venho aqui dar minha contribuição. Trata-se de um relato de uma viagem de um jovem casal apaixonado em lua de mel, que teve de enfrentar uma cotação de R$ 4,50 a R$ 5,00. Que fase! Com muito planejamento e foco conseguimos fazer uma bela viagem de 23 dias na primavera européia. Roteiro: Paris - 5 dias (26/04 - 01/05) Praga - 3 dias (01 - 04/05) Viena - 2 dias (04 - 06/05) Budapeste - 3 dias (06 - 09/05) Nápoles - 1 dia (09 - 10/05) Sorrento - 2 dias (10 - 12/05) Ilha de Capri - 1 dia (12 - 13/05) Maiori - 1 dia (13 - 14/05) Roma - 5 dias (14 - 19/05) Primeira dica: Sempre que pensar no número de dias que quer ficar num lugar acrescente mais 1, porque o dia que você chega e sai da cidade fica bastante comprometido com os deslocamentos. E às vezes algum imprevisto também pode "atrasar" seu roteiro, como um dia inteiro de chuva no dia que tinha planejado várias coisas ao ar livre. Nesse roteiro recomendaria acrescentar pelo menos mais 1 dia em Paris, Praga e Budapeste. E mais 1 em Capri se você estiver com dinheiro sobrando ou pegar um câmbio melhor, rs. Segunda dica: A primavera européia nada tem a ver com a nossa! Pegamos bastante frio, especialmente em Paris e no Leste Europeu. Importante colocar na mala uma blusa e calça térmicas e um casaco mais quentinho. Nesse lugares eu saía normalmente com uma camisa de manga curta, blusa térmica (manga comprida), uma blusa mais grossa de manga comprida, casaco e cachecol. Ah, e calça térmica por baixo da calça jeans. Paris Hospedagem: Ficamos num apartamento ótimo em Montmartre pelo Airbnb, bem equipado, com uma vista incrível da Torre Eiffel e metrô em frente (estação Pigalle). Apesar de ouvir muita gente dizer que este é um bairro mais perigoso em Paris, tenho que discordar. Havia bastante movimento nessa rua até tarde, bem iluminado, farto comércio e restaurantes na região. Adorei! Valor da diária c/ taxas: € 114 (casal). Link: https://www.airbnb.com.br/rooms/882192?guests=1&adults=1&sl_alternate_dates_exclusion=true&source_impression_id=p3_1559085549_zGi%2BIA2ncnTDvdEE&check_in=&check_out=&children=0&infants=0 Saindo do aeroporto Charles de Gaulle: pegamos um trem (€ 10,30 p/ pessoa) até a estação Gare du Nord e de lá pegamos o metrô até a estação Pigalle. Transporte: Compramos o combo de 10 tickets de metrô por R$ 14,90. Vale a pena porque paga mais barato no valor unitário da passagem. No total compramos 30 tickets para os 5 dias. Gastos casal - 5 dias: Alimentação: €425 - €85/dia (contando mercado, restaurante, lanches...) Atrações turísticas: €233 - €47/dia Transporte: €147 - €30/dia Paris é uma cidade bem cara. A gente comia no máximo 1 vez por dia em restaurante, almoço ou janta, e ainda assim gastamos bastante com alimentação. Pra economizar, vale a pena ir ao mercado caso tenha cozinha no seu ap. Queijos e vinhos são uma boa pedida. Compramos um ótimo vinho por menos de €5! Dia 1 Chegamos antes do horário de check-in. Então, deixamos as malas no apartamento e fomos explorar as principais atrações do bairro: Muro Je t'aime, Sacré-Coeur e Place du Tertre Muro J t'aime Sacre Croeur Vista da Sacre Croeur Almoço: Na verdade foi um lanche. Comemos baguetes num quiosque que tinha no caminho pra Sacre Croeur: 2 baguetes e 1 coca - €12,30 Seguimos para o Trocadero pra aproveitar que o dia ainda estava claro e bonito e ver a torre mais de pertinho. Lá comemos nosso primeiro crepe de rua parisiense (eu amo!) - €3,50 cada. Depois de curtirmos um pouco caminhamos beirando o rio Sena e fomos até a Champs-Élysées e o Arco do Triunfo. Depois dessa bela caminhada voltamos pro ap pra tomar um belo banho e sairmos para o nosso primeiro jantar romântico da viagem. Tracadero Trocadero Champs-Élysées Arco do Triunfo Jantar: Restaurante Bouillon pigalle - foi um achado porque jantar em Paris sem gastar uma fortuna é uma missão difícil e o restaurante ficava praticamente do lado do nosso apartamento. 2 entradas, 2 pratos principais, 1 sobremesa, e uma jarra de vinho da casa saíram por 50 euros, incluindo uma pequena gorjeta. E não é um menu não, vc escolhe seus pratos individualmente. Foi um ótimo custo-benefício! Recomendo a sopa de cebola de entrada e o profiterole de sobremesa. Os pratos principais estavam bons, mas nada que chamasse a atenção. Os parisienses também curtem o local, então é bom chegar cedo porque já começa a ter fila antes das 20h e eles não fazem reserva. E pra finalizar uma foto da sacada do nosso apartamento com uma bela vista da Torre Eiffel. Era incrível acordar e dormir com essa vista!
  4. 1 ponto
    Oi pessoal. Procurei aqui no site e não encontrei nenhum relato atual próximo da viagem que fiz, então vou postar aqui pra ajudar alguém. Fui para Recife, saindo de Goiania no carnaval do ano passado com minha namorada, aparentemente o vôo deu overbook e nos ofereceram $200 cada para pegarmos o próximo vôo. Lógico que aceitamos e tava com esses dois vouchers guardados e nem pretendia viajt4ar, mas depois parei pra pensar: "porque vou desperdiçar o tu te rttrirut utilização 5r $400 ?!?" Entrei no site da Azul e achei as passagens baratas pra Natal, em vôo direto. Dessa vez viajei sozinho. Saí de Goiania no sábado (02/02) as 22:05, chegando em Natal 23:30 (horário local, sem horário de verão). Saí da área de desembarque e ja encontrei a empresa de transfer (Vip Transfer), me cobraram $40 pra deixar no hostel que aluguei na Ponta Negra (Republika Hostel - $35). O hostel é legal, cpm boa localização, ambiente agradável, quartos bons mas os donos (ou seria funcionários ?) não parecem estar tão abertos aos hóspedes... Cheguei no hostel mais ou menos 2 da manhã e fui dormir. Dia 1 - Era domingo, movimento da cidade que já é fraco estava ainda mais fraco. Saí pra conhecer a praia de Ponta Negra (menos de 10 minutos a pé do hostel), fui até o morro do careca e almocei ali por perto mesmo. Tem várias opções de restaurantes e os preços são bons (preços normais de capital, nada a mais por ser um lugar que atrai muitos turistas). A tarde resolvi ir pra Praia do Cotovelo e pra Pirangi. Perguntei pro pessoal da cidade e facilmente consegui ir de ônibus. Pirangi é onde falam do "maior cajueiro do mundo", mas acho um programa muito "pega turista" (8 reais de entrada, sendo que você já consegue ver o cajueiro do lado de fora da cerca...) As duas praias são legais, mas de ônibus reserve pelo menos umas 4 horas pra curtir as duas. Dia 2 - Acordei e fui fazer o trajeto das "praias de cidade". Na avenida Roberto Freire mesmo, na Ponta Negra, peguei o ônibus Costeira (56), que me deu inveja do motorista: de um lado o Parque das Dunas, reserva ambiental bem preservada, e do outro lado o mar! Depois de uns 20 minutos desça na praia Areia Preta (o ônibus sobe para o "centro") e vá andando... Areia Preta, Praia dos Artistas, Praia do Meio e Praia do Forte. Todas essas com piscinas naturais bem legais, próprias pra banho e com vista muito legal. Estavam relativamente vazias, mas talvez porque era segundona... As vezes era meio tenso o "clima", com alguns locais mau encarados, mas siga com cara de que não é turista que vai dar certo... Enfim cheguei ao Forte dos 3 reis magos, umas 3 da tarde. A maré já estava começando a encher ao redor do Forte. Me surpreendeu que não exista nenhuma linha de ônibus que vá diretamente ao forte. O máximo que existe é linhas que vão até a praia do meio e depois você tem que andar uns bons 20 minutos até o forte... Cheguei nele e estava fechado para reformas. em qualquer lugar do mundo um Forte militar com mais de 400 anos seria uma das atrações principais de uma cidade, mas aparentemente não no Brasil.... Acabei indo pra praia da Redinha (que fica do outro lado da bonita ponte), mas me arrependi... A maré já estava alta, e o mar naquela região me parece perigoso. Tentei também ir ao aquario, mas achei o preço de $33 reais proibitivo pela pouca estrutura wur vi no exterior (me corrija se estiver errado). Dia 3 - Agora faltava Genipabu. Perguntei pro pessoal do hostel se há a possibilidade de ir até lá de transporte público. Me atenderam com muita má vontade, dizendo que é muito difícil, perigoso, que devia pegar o tour de Buggy ($120!!!!!). Talvez falaram isso porque ganha algum com o tour, né ? Perguntei pras pessoas nos comércios próximos e com a ajuda dp Google e pegando dois ônibus cheguei em Genipabu gastando $7,30! Você simplesmente desce no "ponto final" chamado Terminal Santa Rita. Os ônibus que param nesse terminal não passam em Ponta Negra, apenas no centro de Natal. Então, basta pegar um ônibus pro centro e depois pra Genipabu! Gastei uma hora com o trajeto (de Buggy seria meia hora). É realmente lindo, as dunas, o mar, o caminho que você faz até chegar lá! Só me arrependi de ter ido tarde (cheguei la já era meio dia) e de não ter ido pra Redinha nesse mesmo dia (é caminho!) Se você não tem o sonho de andar nas dunas de buggy, não gaste $120! Pra mim é totalmente dispensável como "experiência". As comidas achei até em conta, já que o local é isolado (paguei $30 em um prato executivo com camarão, batata frita, feijão, farofa e salada). A dica é que esses pratos executivos não tão no cardápio (eles tentam te vender as porções primeiro, etc.) Faça cara de pobre e pergunta quanto ficaria um prato executivo 😂 Dia 4 - Acordei e fiz check-out! Peguei um ônibus direto pra rodoviária de natal (66) e de lá peguei o ônibus pra Pipa. A dica é chegar cedo, porque o trajeto de menos de 80km demora mais de 2:30 pra ser feito! Como sempre me atrasei e cheguei em Natal 13 horas. Fiz o check-in no Lagarto na Banana ($40 a diária) e que diferença! Toda a galera do hostel é muito boa onda e me trataram como se me conhecem desde sempre! O hostel é muito lindo, os quartos são ótimos, banheiros ótimos e ainda tem yoga todos os dias incluso no preço! Ah, e todo dia rola um jantar vegetariano maravilhoso, $15 só Cheguei e estava chovendo. Mas até me organizar já estava com sol novamente! Ainda deu tempo de ir na Praia de Pipa, que fica no centro, pertinho. A cidade é linda, parece uma maquete de tão legal! Muitos turistas, de todo lugar do mundo! No hostel até brincávamos que tava com saudade de falar português 😂 Dia 5 - Acordei pra conhecer todas as praias! Esse era o dia hehehe O hostel fica próximo ao Chapadão. De lá dá pra descer pra Praia das Minas. Parece uma praia deserta! Talvez por ser longe, talvez pelo mar bravo! Fique atento a tábua das mares para descer a pé da Praia das Minas para a Praia do Amor. Sensacional o visual desse lugar! Da Praia do Amor você já vai ver a Praia da Pipa. Depois desça pra Baía dos Golfinhos. Dizem que (quase) todos os dias dá pra ver golfinhos lá, mas não consegui ver hoje! Todas as praias valem a pena, mesmo diferentes entre si! Dia 6 - Acordei e fui com alguns colegas do hostel para Tibau do Sul. É bem tranquilo, só sendo necessário pegar uma van em Pipa, custando 3 reais. Em Tibau do Sul há uma lagoa bem legal (esqueci o nome), que deságua no mar. Visual bem legal. Oferecem passeio de lancha na lagoa, mas não pagamos os 30 reais. Fomos para o outro lado de balsa, que custa apenas 4 reais. O outro lado é bem mais vazio e praticamente sem ambulantes e barracas. Ideal para nada no mar (bem tranquilo) sem ser incomodado! Na noite desse dia já fui para o Aeroporto de Natal! A Surpresa é que o transfer para o aeroporto saindo de Pipa é até mais barato que o transfer da chegada, para a cidade. Gostei bastante do RN! Voltarei com certeza a Pipa (e talvez a Natal)!
  5. 1 ponto
    É possível viajar sem dinheiro? Pelo Óbvio, diria que sim. Porém, nem todos, querem ter a experiência de sair de casa, e passar necessidades básicas. Agora pense bem, não seria melhor, viajar fazendo grana? Ir só com a passagem de ida, e fazer grana durante sua viagem, e tornar seu mochilão um pacote de experiências boas!? Vou resumir as principais dicas para que você se jogue na estrada, e que a situação financeira não seja empecilho. Fiz um mochilão de 6 meses durante a alta temporada de 2018, no Nordeste. Agora , 05/2019 estou programando a próxima viagem, porém dessa vez, bastante maduro. Vamos as dicas!! 1° Faça o cadastro em plataformas de troca de hospedagem por trabalho, pois a econômica em hospedagem e a quantidade de pessoas que você irá conhecer, cara, é sensacional. 2° Escolha um local com grande fluxo de turistas, veja a estação de alta temporada e aplique as datas. (Não precisa ser com tanta antecedência). Mas, não demore muito. Locais com grandes fluxos de turismo, tem demanda de empregos em comércio local, e vendas autônomas, como está na próxima dica. 3° Descubra habilidades de coisas que você pode fazer (Brigadeiro, artesanato, música), e que vai te render uma grana. 4° Se você tiver na intenção de fazer voluntariado e trabalhar como free Lancer em bares ou restaurantes, tem que combinar os horários antes de fechar as datas no Hostel que você irá voluntáriar. Obs: A minha dica é você vender algo na rua. Pois se não você vai trabalhar, trabalhar e não aproveita a viagem. 5° Em hostel, não aceite trabalhar mais de 6 horas diárias. Pois se torna exploração. 6° Economize na comida. É possível comer bem, gastando pouco. Frutas, verduras, goma de tapioca, ovos, macarrão, arroz e feijão, alimentam super bem, e rendem muito. Além de ser muito barato. 7° Para quem quer mudar de Estado, o voluntariado é uma mão na roda. É uma oportunidade para você fazer contato, espalhar currículos e ver se aquele local realmente é para você. 8° Não espere o medo passar para decidir sair. Vença seus medos, se jogue! Lembre, a lei da atração é real. Então, pense positivo, seja produtivo, faça o seu melhor em tudo. Pois assim, as portas se abrem. Obs: Fazendo isso, nunca me faltou nada em todos os lugares que fui. Não faltou comida e não faltou trabalho.
  6. 1 ponto
    @Juliana Champi Fez bem em fazer o seguro por aqui. Nada melhor do que viajar com tudo resolvido. Só alegria. Vc fez o seguro aéreo?
  7. 1 ponto
    Juliana Quando viajo sempre contrato o seguro saúde pela Porto Seguro e no site deles dá para incluir os dois países sem problema, ou ainda, se quiser fazer a opção do seguro mundo 120 bronze, que lhe dará uma cobertura maior e mais abrangente.
  8. 1 ponto
    @Juliana Champi fui em Janeiro para o Uruguai e Argentina e fiz o seguro viagem pela Assist Card. Ja fiz em outras viagens pela Mondial, Porto Seguros e Allianz
  9. 1 ponto
    Oi, Juliana. Foi ótima! Fomos em março sim e deu tudo certo! Ainda não escrevi o relato pois estou num momento bastante agitado aqui com troca de emprego e de cidade, mas pretendo contar tudo certinho depois num relato bacana. De qualquer forma, apenas para antecipar e compartilhar com quem for pesquisar pelo seu tópico, ficou assim: chegamos em Joanesburgo num vôo pela manhã, pegamos o carro e já partimos para Graskop, sem nem entrar em Joanesburgo. No dia seguinte, saímos de Graskop e passamos em praticamente todas as paradas da Panorama Route e depois pernoitamos em Hoedspruit. De lá, pegamos o Orpen Gate e fizemos no self-drive até o Skukuza, onde ficamos 2 noites e fizemos alguns dos drives com o próprio parque. Depois saímos pelo Malelane Gate e fomos até Joanesburgo, pernoitamos perto do aeroporto e no dia seguinte pegamos um vôo para Cape Town, onde ficamos num Air BnB por 4 noites (ótimo, por sinal!). Fizemos o básico lá pela cidade e deu vontade de morar lá! haha! Depois partimos para a Garden Route, pegando um desvio bem bacana pela região de Gordons Bay, numa estrada belíssima. Pernoitamos em Mossel Bay, passamos por Knysna e pernoitamos também em Plett. Bay. Fomos até a Bloukrans Bridge mas o tempo estava ruim e não rolou bungee-jump! Voltamos e pernoitamos em Swellendam, muito acolhedora! De lá, pegamos uma estradinha fantástica também até Franschhoek e pernoitamos 1 noite, mas também gostaria de morar lá! haha! Coisa mais linda a cidade! Pra nós, nem se compara com a vizinha Stellenbosh. Visitamos algumas vinícolas nos 2 dias que ficamos e fomos direto para o aeroporto no final do segundo dia, onde pegamos o voo de volta para Joanesburgo e depois para o Brasil. Para o nooooosso gosto, gostaríamos de ficar mais tempo no Kruger (minha namorada não queria muitos dias porque tinha medo e porque achava que não teria tanta graça, no final ela já parecia uma "spotter" tentando achar os bichos e querendo ficar muitos dias a mais por lá), mais tempo em Cape Town e mais tempo em Franschhoek. A Garden Route realmente não tem nada de mais na estrada, bem sem graça. Tem cidades legais pelo caminho, mas aí é necessário bastante tempo para fazer as trilhas etc, que são o que tem de bonito, ou as atividades de ação que também atraem bastante gente. A passagem mais tranquila pela Panorama Route valeu MUITO a pena, ficamos realmente maravilhados pelo cânion e pelas paisagens de lá. Todo o caminho para fazer "a volta" nele é legal. Enfim, em resumo são estes os altos e baixos, mas depois posto mais detalhadamente... Abraço e obrigado mais uma vez pelas dicas!
  10. 1 ponto
    Não esqueça de quando resolver essa parada dar umas dicas de como foi o desenrolar dos acontecimentos.
  11. 1 ponto
    @Juliana Champi Que pena que é caro. Olha eu fiz uns 150.000kms na América do Sul, foram uns 8 anos de viagem....nunca fiz seguro saúde, e olhe que na época já tinha passado dos 50, nunca precisei de hospital(pelo menos não lembro). A questão é que o os imprevistos acontecem. ...vc estará num país com altas altitudes, e não sabe como é o atendimento médico público deles. No último caso faça só da argentina, e na Argentina vc decide se faz ou não, uma pena que serão poucos dias no Chile. ...... Achei os seguros na argentina bem mais barato do que aqui (carta verde), pesquise aí se eles vendem seguro saúde para estrangeiro e com extensao para o Chile. Ou mesmo pesquise se as seguradoras chilenas fazem esse seguro para estrangeiro.
  12. 1 ponto
    @Lucas Porto dê uma lida nos relatos de viagem, irá encontrar bastante informaçao sobre os mais variados roteiros e com isso terá um norte pra criar o seu. https://www.mochileiros.com/forum/631-europa/ Quando for comprar as passagens, veja a possibilidade de comprar um bilhete multi destinos, com isso voce chega na Europa pode uma cidade e volta para o Brasil por outra, com isso economiza tempo e dinheiro nao tendo que voltar para o aeroporto de origem.
  13. 1 ponto
    @Bete Pandini o único trecho que era intransitável, entre Barreirinhas e Paulino Neves, parece ter sido entregue recentemente. O restante é tranquilo para qualquer carro. http://www.ma.gov.br/agenciadenoticias/desenvolvimento/com-nova-estrada-rota-das-emocoes-fica-3-horas-mais-rapida
  14. 1 ponto
    Olá, tenhonum medo danado desse mal da altitude. Programei de ficar 1 dia inteiro em Sucre pra me acostumar, mas queria também já comprar os chás e folhas, o que você recomenda comprar? Eu consigo achar isso tudo já em Sucre? Devo chegar em sucre no dia 3 a tarde e ir pra Uyuni no dia 4 a noite (chegando dia 5). Espero que seja suficiente 😅
  15. 1 ponto
    Olá Érica tudo bem? Só confirmando que o trecho entre Barreirinhas e Paulinho Neves está mesmo finalizado. http://www.ma.gov.br/agenciadenoticias/desenvolvimento/com-nova-estrada-rota-das-emocoes-fica-3-horas-mais-rapida
  16. 1 ponto
    @JoãoPaulo1259 Olá, quando eu fui a forma mais fácil que eu encontrei foi fazer uma pesquisa na praça das armas em cusco. Lá você encontra várias opções e pode escolher uma agência mais barata!
  17. 1 ponto
    O único trajeto que fiz compatível com o seu roteiro foi justamente o que você está com dificuldades entre Cracóvia e Budapeste. Pesquisei horários e valores tudo pelo Go Euro. Eles mudaram de nome, agora é Omio: https://www.omio.com.br/ Acabei comprando todos os trajetos que fiz com a Flixbus. O ônibus é bem confortável. Se você me permitir dar um pitaco no seu roteiro, eu colocaria Berlim no fim, e ainda daria para encaixar Praga no roteiro se tiver tempo e dinheiro. Sugiro fazer Varsóvia - Cracóvia - Budapeste - Viena - Praga - Berlim, nesta ordem ou invertida. O seu roteiro está bem parecido com o mochilão que fiz ano passado, só não fui para Varsóvia e Viena. Se quiser dar uma lida, vou deixar meu relato para ajudar você nas escolhas - https://www.mochileiros.com/topic/84017-mochilão-europa-central-18-dias/?tab=comments#comment-773943
  18. 1 ponto
    Santa Cruz > Sucre !!! U$ 24,61 U$ 24,61 dólares. Não esqueça de levar mantimentos durante as viagens: Bolachas, frutas, chocolates, enfim ... Em Sucre, tem vários passeios a fazer e um deles, uma visita ao Parque Cretácico, mantida pela fábrica de cimento francesa, a empresa que descobriu as pegadas.
  19. 1 ponto
    @Bete Pandini Asfaltada até Barreirinha,depois só 4x4,o caminho é por dunas de areia da praia.
  20. 1 ponto
    Olá, estarei em Arraial do Cabo nesse fim de semana. Alguém, estará por lá. Quero ir na praia do Pontal.
  21. 1 ponto
    Olá bom dia meus amigos, no momento estamos viajando em 3 para o Mercosul, precisamos de mais um para formar duplas, o trio até agora tem dois homens e uma mulher, queremos dar preferência para uma mulher mas se vc for homem e também quiser vim será bem vindo, vamos viajar todo Mercosul e depois Europa, somos Mochileiros Roots e queremos aproveitar o melhor disso, se vc quiser fazer parte entre em contato CMG pelo WhatsApp 031991739887
  22. 1 ponto
    @Táàuan Moura além do que ja foi comentado de que sao muitos países pra poucos dias, lembre-se que nos dias de deslocamento voce praticamente nao fará nada de útil, é considerado uma dia "perdido". Imprevistos tambem podem ocorrer a qualquer hora e fazendo uma viagem corrida assim, qualquer contra tempo irá impactar toda a sua viagem pra frente. Viajar correndo nao presta, voce nao descansa, literalmente tem que fazer as coisas correndo, nao dá tempo de ver nem as principais coisas de cada lugar e no final da viagem voce verá que so gastou grana pra ficar "conhecendo" estradas e/ou aeroportos, mal conseguirá saber falar o que foi bom ou ruim de cada lugar. Pode ter certeza, com menos países a visitar com certeza voce conhecerá mais lugares e fará uma trip mais proveitosa.
  23. 1 ponto
    25 dias, para 5 países são cinco dias pra cada país. Todas as distâncias são grandes, então mesmo de avião, gastando uma boa grana, pode descontar 1 dia para cada deslocamento. Sobram 4 dias em cada país. Com isso você vai conhecer uma cidade por país, qualquer coisa mais que isso é loucura. Se o seu objetivo é conhecer só as capitas e dinheiro não é um problema pode ir que vai dar. Caso contrário fico no coro da galera que 5 países em 25 dias não dá!
  24. 1 ponto
    Algumas sugestões de leitura para você se inspirar e decidir o que fazer nestes 10 dias: https://www.google.com/search?ei=1wnqXKOtNtey5OUPteGV-AI&q=roteiro+10+dias+portugal
  25. 1 ponto
    DIA 3 - 20/04 - Dia 1 PADI Open Water - Utila Dive Center - Teoria pra sorte de quem tá lendo, esse dia é bem curto. 😂 acordamos as 6h da manhã na exata posição que tínhamos apagado na noite anterior. nem um centímetro a mais ou a menos. a janela do quarto é fechada com uma cortininha bem vagabunda que seria equivalente ao papel higiênico folha única que minha vó gostava de comprar. ô ódio! por isso, todos os dias acordávamos junto com o sol nesse quarto do mango inn. aproveitando a deixa, vou comentar minhas impressões sobre o lugar. primeiro, as expectativas eu tinha pesquisado bastante antes de fechar o curso com o udc, e um dos motivos que me levou a isso era que em todos os lugares que eu lia, eram só elogios ao mango inn resort convenhamos que resort eles tão forçando beeeeeem a barra, lugar que os estudantes do udc se hospedam de graça em dormitórios compartilhados de no max 4 pessoas. a localização a maior parte dos elogios era justamente sobre a localização. por não ser na rua principal, teoricamente daria pra dormir tranquilo, longe da bagunça. teoricamente porque apesar de não ficar na zuera da rua principal, tem um restaurante/bar que fica aberto até 2h da manhã e toooooodo dia rolava um furdúncio. nosso quarto era bem na boca do bar. outra coisa que não é positiva pra não dizer que é uma merda é que quando você esquece qualquer coisa, perde pelo menos 20 min pra ir até lá pegar, não é prático de novo, é uma merda. o quarto a cama é confortável e tem ventilador que dá conta do recado. nossos companheiros de quarto eram um sueco e um canadense que estavam no curso de divemaster. o sueco era bem na dele e o canadense conversava com a gente. tem cofre no quarto (levem cadeado) mas não me senti insegura em nenhum momento e acabamos deixando camera/celular pra fora do cofre várias vezes e não aconteceu nada. antes de chegar lá, li que pagando $16 dolares por dia você poderia se mudar pra um quarto privado. os gauchos que estavam com a gente fizeram isso mas tiveram que pagar não $16 mas $40 (!) por dia. já falei que a cortina era só decorativa, o quarto fica completamente claro a partir das 6h da manhã. o nosso quarto (esse da porta debaixo) tinha um problema com a fechadura. no primeiro dia foi só chato, nos seguintes ficou insuportável. tivemos que chamar a recepcionista, que não conseguiu, aí chamou o zelador, que ficou uns 10 min intercalando com o thomas, até que um dos dois conseguiu. eu já ficava agoniada voltando da aula cansada porque sabia que se a porta tivesse trancada, ia ser aquele auê pra conseguir entrar. os banheiros não fui nenhuma vez no banheiro que não tivesse uma moça limpando lá. eles tem bastante cuidado com isso mas, apesar do cuidado, o banheiro tava SEMPRE entupido ou sem tampa e um chuveiro tava sempre estragado. mensagem pro thomas de demonstração diária de amor por esse hotel que conheço bem e ja odeio pakas o restaurante tinha lido que aquele restaurante tinha a melhor pizza de roatan, já tava animada pra chegar lá e dar aquela arrastada. custa 400 lempiras a pizza. vinte dolares! passamos. voltando a programação normal terminamos de assistir o 3o vídeo do curso tomando café da manhã (doritos com coca, férias né gente ¯\_(ツ)_/¯) e fomos pro udc. conhecemos nossa sala (eu, thomas, os gauchos, uma canadense e uma havaiana) e nossos intrutores (cali e constantin). meu erro épico lá pra 100a questão, os neurônios já tavam operando no modo avião estava chovendo e passamos o dia fazendo provinhas do padi numa sala. a parte mais legal foiquando o cali ensinou a montar todas as partes do equipamento e fez a gente repetir duas vezes sozinhos pra ver nossa evolução. terminamos com um um recado: se continuasse chovendo amanhã, teríamos que fazer nossa primeira aula prática confinada na piscina do mango inn. ah pronto, era só o que faltava! se fosse pra fazer em piscina, me avisava que eu fazia o curso aqui em belford roxo.
  26. 1 ponto
    DIA 2 - 19/04 - VOO BOG - SAL - RTB + Ferry Utila + Inicio Curso de Mergulho depois de todas as desventuras, já tinha desistido das férias, queria pegar o primeiro voo de volta pro brasil e passar 7 dias dormindo. isso que é vida. banhozinho quente, passar produto na cara, estourar uma pipoquinha, colocar aquela série lixo e assistir com a toalha na cabeça, checando o celular a cada 5 minutos. meu devaneio foi interrompido por um sacolejo do tipo RECEEEBA. bati com a cabeça na janela. era o avião chegando em el salvador. agora eu tinha motivos pra me animar. a imagem que eu tinha de el salvador era mais ou menos assim a realidade é que aquele lugar parece o quintal do snoop dogg. a massa de nuvem concretada em cima do aeroporto é tão grossa que só pode ser ali o lugar que sustenta o Céu. tirei diploma de phd em turbulência depois de voo. as notícias não pareciam muito animadoras e chegavam em avalanche. nosso voo dividiu o portão com outro a caminho de cancun. muitos adolescentes americanos se estapeando na fila. parecia o retrato das férias no inferno. o alívio veio quando nos dividimos dentro do finger e o grupo que apelidei de saudades-nenhuma-da-época-que-eu-era-idiota foi pra um lado e nós pro outro. dentro do voo a paz reinava, mesmo em uma situação delicada com muitas crianças em volta de nós: no banco da frente, dos lados e atrás. fiz amizade com o menino da nossa frente pela frestinha da poltrona. se não pode vence-los, junte-se a eles. eu particularmente amo crianças e tenho uma espécie de magnetismo que funciona bem com a classe mas foi nesse voo que eu tive a certeza de que elas são muito mais educadas que adolescentes. espero ter condições de mandar meus filhos adolescentes pra algum intercâmbio bem longe quando chegar a hora kkk. aterrissamos em roatan num dos voos mais cinematográficos que eu já fiz, sem nenhum incidente infantil e eu me despedi do meu melhor amigo salvadorenho com o coração na boca de alegria por finalmente ter chegado (ou quase). thomas metaleiro fazendo mala pras férias na praia a imigração do aeroporto de roatan é tão simpática que parece recepção de hotel 5 estrelas. os agentes com sorrisão no rosto desejando boa viagem, senti que vinha coisa boa por aí. fechamos um taxi pro porto do ferry por $5 cada. dava pra ter negociado e chegado nos $3 que o agente da imigração nos contou que era o preço certo, mas estávamos tão exaustos, que só concordamos e entramos no carro. nos meus áureos tempos mochilão-perrengue eu teria feito esse percurso a pé e teria mais história pra contar, mas de umas viagens pra cá tenho me nuttelizado e optado pelo mais garantido. utilidade: os preços (dá $33 dolares) e horários do ferry a recepção do utila dream tem ar condicionado, aceita cartão e todo mundo é simpaticíssimo. o cara que guardou nossa mala se ofereceu pra nos levar em um lugar pra almoçar. a gente se ilude muito quando tá tudo bom demais e esquece que a vida é aquele ditado né: dias de luta, dias de luta de novo. não foi culpa dele, mas fomos pegos no famoso almoço-cilada. ele deve estar acostumado com padrão europeu/americano e achar aquele lugar ok. escolhemos o mais barato do cardápio: um sanduíche triste de frango com fritas por 13 dolares + uma coca por mais 2. 15 DOLARES, CINQUENTA REAIS por uma refeição nível excursão da escola quando o pai não tá olhando. mas a maior surpresa nem foi essa. na hora de pagar a conta, nos cobraram 25% de taxas VINTE E CINCO PORCENTO. disseram que era 10% de serviço, mais 15% de imposto. dica valiosíssima de honduras: pergunte sempre quanto é a taxa antes de sentar, porque cada restaurante inventa o seu e o mais engraçado é que até o imposto muda. fizeram curso de administração ali em brasília, com certeza. voltamos pra recepção as 13h e ouvi um: "escuta, você não tava no nosso voo de el salvador?" em sonoro e bom português. era um casal de gauchos que estavam indo pra utila sem saber que curso fazer. passei pra eles o whatsapp do udc (lembra que o atendimento deles era o melhor?) e ali mesmo eles já fecharam o curso. as 13h30 começa o embarque e achamos estranho que ninguém ficava no deck lado de fora. podia ser pelo calor lá fora? podia. mas a balsa de são sebastião também é quente pra kct e amontoa de gente pra fora dos carros pra tomar um arzinho. ficamos do lado de dentro também e confesso que não esperava que o esquema fosse tão chic. tomadas e tvs por todos os lados, ar condicionado estalando e tudo novinho. dica: leve casaco pro ferry, aquele mesmo de bogotá sabe? lá pros 20 min de viagem, resolvemos sair pra ver a paisagem. mais uma dica: não faça isso. por que? descubra nos vídeos. o percurso demora 40 min e a escola (udc) vai pegar na chegada do ferry com carro, plaquinha e tudo, mas não se acostume, eles só fazem isso pra te impressionar. depois do primeiro dia você tem que camelar sozinho do mango inn até lá sozinho (vou falar mais sobre isso no proximo episódio). no primeiro momento tivemos que preencher o formulário medico com a mentira mais contada de todos os tempos em formulários e nos disseram que uma das pessoas da turma precisaria de um medico pra liberar, por isso só começaríamos de verdade as 8h da manhã seguinte. tiramos a foto pra nossa carteirinha (SIM. depois de 40h sem dormir. mas não se preocupe, porque a carteirinha vale só pela vida inteira) e nos deram tablet - tem que deixar um documento lá pra retirar, eu deixei cartão de credito - com os vídeos das aulas. são 5 vídeos, os 3 primeiros, que deveríamos assistir pras aulas do dia seguinte tem duração de 1h e os dois últimos são mais curtos. voltamos pro mango inn, e o tempo estava bem nublado, perfeito pra assistir os benditos dos vídeos. pensei que fosse ser bem chato, mas a real é que são até interessantes. jantamos doritos e lembro que até a hora do meu blackout total, vimos 2 completos. ali mesmo, num quarto compartilhado, dividindo uma cama de beliche com um tablet tocando alto em cima do meu peito, inteira coberta de doritos, tive a melhor noite de sono da minha vida.
  27. 1 ponto
    Cade o pessoal pra uma viagem roots pelos litorais da América do Sul e mais lugares que surgirem, sem data pra voltar, com pouca grana utilizando apenas para emergências, e passando por vários destinos para conhecer bem o trajeto! Pretendo trabalhar pelas caminhadas para alimentação , ou lugares para dormir, ou acampando mesmo, deixando o caminho se fazer apenas seguindo em frente!
  28. 1 ponto
    Chegou a ler os relatos de viagem? Tem muita coisa que com certeza ti ajudará a criar seu próprio roteiro.
  29. 1 ponto
    @marcello.roots olha que legal.....Po mas Skype não tenho....tem what's não?!
  30. 1 ponto
    @mcmforest lá há dezenas de agencias, dizer que uma ou outra tem um preço melhor é bobagem. Voce precisa chegar e bater de porta em porta negociando o preço.
  31. 1 ponto
    Legal seu relato aqui do RN! Quando puder voltar acrescente Galinhos (uma península que só chega lá de barco e tem uma vibe bem rústica) e São Miguel do Gostoso. Ambas são no litoral norte do estado. E Pipa é sempre bom voltar hehe
  32. 1 ponto
    @Diego Brumatte Qual o seu itinerário antes de Uyuni? Voce tem várias opçoes para chegar até lá. Quando fiz essa trip me baseei no mapa abaixo. O tour de tres dias no salar é o mais completo, voce verá o cemitério de trens, o salar propriamente dito, o ilha de cactus gigantes, arvore de pedra, e as várias lagoas, geyseres e no final voce segue para o Atacama e quem nao vai volta para Uyuni. Sobre o cambio seria melhor realiza-lo antes de chegar em Uyuni, em alguma cidade maior pois durante o passeio nao é possivel fazer cambio e em Uyuni a cidade é bem pequena, pode até haver alguma casa de cambio porem a cotaçao deve ser ruim.
  33. 1 ponto
    Opa.. Tô querendo ir nessa época aí.. coloquem o número que crio o grupo.
  34. 1 ponto
    Salar de Uyuni Ir ao Atacama e não fazer o Uyuni é o mesmo que ir a Roma e não ir ao Vaticano. (batida essa frase, hein???) Dizem que para fazer o Uyuni você deve ser forte, já que são 4 dias de perrengues. Eu não acredito nisso. Fortes são as pessoas que eu vi cruzando o Uyuni de bicicleta, caminhando ou a família que cruzava o Atacama de bicicleta com 2 crianças que aparentavam ter menos de 10 anos de idade. Dessa forma, eu repito, para fazer o Uyuni não precisa ser forte, basta não ser fresco e querer sair de sua zona de conforto. Escolhi fazer a rota normal ou clássica para a viagem ao Uyuni. A rota normal passa por mais lagoas que a rota alternativa. O único problema da rota normal é que no primeiro dia você passa dos 5.000 metros de altitude. Além disso, você dorme em um refúgio a 4.200 metros de altitude. Dormir nessa altitude não é nada fácil. Se você for do Atacama para o Uyuni sem retornar para o Chile, a viagem dura 3 dias. Caso você opte por retornar ao Atacama a viagem dura 4 dias. Desmistificando o Uyuni 1- Só devemos levar uma pequena mochila para o Uyuni, pois as malas são todas sujas pela areia do deserto ? ERRADO O motorista encapa as bagagens muito bem com uma lona. Não vi areia na minha mochila cargueira ou na mala dos outros. Para evitar danificação (cargueiras são caras pra cacete) ou sujeira eu uso a traveler bag da Curtlo. Ela ainda vem com um sistema que permite a colocação de cadeados. Assim, ela serve de locker também. 2 - A comida nos albergues é ruim? ERRADO A comida é simples, mas não é ruim. Comi frango com legumes, macarrão com molho de tomate, arroz com atum, frango com batata frita, arroz, salada, bife e quinoa. Existe menu vegetariano também. 3 - Os motoristas são mal educados? DEPENDE Os bolivianos não são tão receptivos como os brasileiros ou os chilenos, mas isso não quer dizer que eles são rudes. O motorista não tem como ficar de papo e guiar pelos caminhos do deserto. Lembrei que quando chegamos ao Salar foi o simpático motorista, o Samuel que propôs as melhores fotos. 4 - A viagem é perigosa? Só um pouquinho. A gente não fica cruzando muito com outros carros. A estrada é bem ruim em alguns pontos. Se for só um pneu furado tem o reserva, mas se for algo mais grave é necessário o resgate. Estranho é que por 2 dias eu não tive sinal de celular. O motorista disse que existem algumas áreas sem cobertura de celular no deserto, mas que os motoristas são de tudo um pouco e podem consertar algo simples. Ele não mencionou possuir um telefone via satélite. 5 - A roupa de cama dos albergues fede? As minhas não Eu não visitei todos os abrigos, mas cheirei minhas roupas de cama. Elas não cheiravam a amaciantes, mas também não fediam. 6 - É necessário levar saco de dormir? Eu levaria Na primeira noite a temperatura pode chegar a -15 graus. Então o saco de dormir é mais que recomendável. Eu levei o meu do Brasil. Quem não tem saco de dormir pode alugar por 20 bolivianos, mas não é garantido ter sacos para todo mundo se houver muitas pessoas no refúgio. Na nossa primeira noite, eu coloquei o saco de dormir, mas senti calor, devido ao fato de o refúgio já ter 3 cobertores grossos. Além disso, acho q a temperatura durante a noite não foi tão baixa assim. 7 - Vale mais a pena comprar coisas e presentes no povoado do Uyuni do que no Atacama? CERTO A feira de artesanato de San Pedro de Atacama tem preços baratos, mas a feira de artesanato do povoado de Uyuni tem preços mais baratos ainda. Eu comprei um casaco para minha avó por 60 pesos bolivianos (10 dólares) e um cachecol de “alpaca” para minha namorada por 30 pesos bolivianos (5 dólares). Ah, lembrem. Vocês devem negociar o preço.
  35. 1 ponto
    Nesse quesito da hospedagem x vida noturna da cidade concordo. Se vc for com agências então creio que está de boa em Alto, então.
Líderes está configurado para São Paulo/GMT-03:00


×
×
  • Criar Novo...