Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Mais curtidos da Semana


Conteúdo Popular

Exibindo conteúdo com a maior reputação em 09-06-2019 em todas áreas

  1. 2 pontos
  2. 2 pontos
    Perdão, você já tinha me respondido.
  3. 2 pontos
    Não tem o que agradecer menina, você faria a mesma coisa por ela, se tivesse na situação que você estava. Acredito que deu para aproveitar os outros dias na Bolívia e Peru. Fostes a Ica ?
  4. 2 pontos
    Envia uma dúzia pra mim. Há, já estou de volta ao Brasil. Mais uma vez, agradeça a sua esposa, tudo que ela fez por mim. Obrigada de coração.
  5. 2 pontos
    Sim, época da safra de tangerina. Gostei muito do preço kkkkkkkkkk e da casca, muito fácil de tirar. As regionais amazônicas, são de casca fina, porém "gruda" nos gomos.
  6. 2 pontos
    @joshilton Certamente é época de safra,como aqui na Europa, cai laranja na cabeça e as ruas estão cheias de laranja,dizem que a qualidade é má,porém se fosse aí,pegavam tudo.kkkkk
  7. 2 pontos
    Olá! Voltei aqui para te agradecer! Segui sua recomendação e passei ótimos dias nesse hotel! Estou recomendado para todos os meus amigos e conhecidos. Obrigada
  8. 2 pontos
    @Miriam Santos tenho um grupo de Mochileiras, só mulheres que fazem viagens de todos os tipos.. se vc quiser entrar será muito bem vinda!! Lá a gente conversa de tudo relacionado a viagens, nos ajudamos, trocamos experiências tanto de viagem quanto de vida!! Segue o link https://chat.whatsapp.com/GFVFhr2jrtlHr5leS0A81a 🦋🌍♥️
  9. 1 ponto
    Boa tarde,podem me fornecer dicas e se possível roteiros para uma mulher viajar sozinha? Desde já agradeço.
  10. 1 ponto
    Oi gente! Vou estar na Itália do dia 07 a 20/08, passando por Roma, Costa Amalfitana, Toscana, Cinque Terre, depois França. Alguém vai estar lá, ou afim de ir ? [emoji6]
  11. 1 ponto
    ~~ Em Santiago existem bares e baladas de todos os tipos e gostos, não tem como fazer uma listinha que agrade todos, mas farei uma listinha com lugares que fui para conhecer, algum deles pode te agradar... Se quiser saber mais me manda uma mensagem que posso te ajudar! +56949727331 [mention=394502]perdidosnatrip[/mention] =) ~~ Tem tantos países e histórias nessa foto que dá vontade de voltar no tempo ~~ Vamos lá ! No BellaVista você encontra de tudo um pouco, eu particularmente não sou a fã numero um de lá, devido a grande quantidade de bêbados e vendedores pelas ruas, mas o maior fluxo de pessoas está por lá, porque querendo ou não, é o ponto mais divulgado e conhecido da vida noturna ! [emoji6] Se quer Reggaeton no BellaVista, na rua PioNono, você encontra lugares como Campus Central, Espacio Harvard, Oxford, Bora Bora, são baladas/bares de fácil acesso e muita gente sempre, e nas ruas ali por perto você encontra a Ex Fabrica, Club Chocolate são mais difíceis de entrar, mas são melhores também... E claro tem o Club57, sou um pouco suspeita de falar de lá, porque sempre vou lá levar hospedes, eu amo aquele lugar, as musicas que são bem variadas entre reggaeton, eletrônica, funk, cumbia, anos 80, tem duas barras e a área vip excelente com mesas e sofás, com ela tudo lá fica melhor ! E trabalhei um tempo com eles, então caso queira ir, e não pagar entrada, me chamaa [emoji5] Mas se quer outros tipos de Discos no BellaVista tem também, vá ao Jammin-Club se quer Reggae e Dancehall; conheça o Micro Club se quer curtir uma Musica Eletrônica; se é mulher e solteira, conheça o Club Burbujas; se é homem e solteiro, conheça o Diosas; se quer dançar/aprender Salsa, conheça o Maestra Vida.... Agora o melhor está nas baladas Gay Friendly, se quer dançar todo tipo de musica que existe e com gente que saiba dançar, conheça ao menos uma... Por ali, temos Hangar, Soda , Club Príncipe e a Bunker – essa é uma coisa incrível , não vou muito porque é grande e lotada, mas não perca a oportunidade de ir na Bunker em uma quarta-feira, a maior festa de estrangeiros em Santiago, acontece lá e nesse dia... E por favor, se for, me convide ! Em outros bairros, você também encontra discos/bares excelentes que agradam todo tipo de pessoas. Em Providencia temos : o Club Subterraneo, a Fausto, Jazz Corner, Ex Oz, EsquinadoSamba (BR) e a/o Mito Urbano que assim como a 57, tem um espaço diferenciado no meu coração porque toda semana passava por lá ... Por outros bairros de Santiago, temos o Club Caleido, La Batuta, Teatro Caupolican, Club Matta em Ñuñoa, a Blondie e o Club Hipico na Alameda, Club Femme em Vitacura... E chegando a parte alta de Santiago, se estiver próximo a ela ou quiser conhecer, entre Vitacura e Las Condes acontece o melhor After Office - minha opinião, e temos lugares excelentes, como o Club Amanda, Sala Gente, Sala Omnium, Club Eve, MosaiCafé, e claro que a calle Isidora 3000 não ficaria de fora da minha lista, lá esta o primeiro hotel W da América do Sul, além de lindo com vista para a cordilheira, tem o Red20ne, o W Lounge e a famosa baladinha Whiskey Blue ! Se você leu até aqui e gostou do assunto da um LIKE ^^ Se quer outras dicas me chama +56949727331 ou segue no insta[mention=394502]perdidosnatrip[/mention] [emoji4] Ficarei feliz em saber que tem alguém por ai que está curtindo e sendo ajudado pelos meus relatos [emoji4] Um beijinho e BoaViagem [emoji14] .
  12. 1 ponto
    Oi gente!! Estou indo para o Chile nas 2 primeiras semanas de julho. Seria bom ter alguma companhia. Se alguém tiver indo pra lá nesta época, me chama aqui!!
  13. 1 ponto
    Introdução Planejei uma viagem de carro saindo de São Paulo, capital, com destino ao Ushuaia, saindo do Brasil por Foz do Iguaçu, porém, para evitar a Ruta 14 com medo dos policiais corruptos, entraria no Brasil novamente em São Borja/RS para chegar em Uruguaiana/RS e assim descer até Gualeguaychu pelo Uruguai. Em seguida seguir para o lado oeste e descer a Ruta 40, entrar em Torres del Paine no Chile e continuar descendo até o Ushuaia. Na bagagem: barraca Quechua Arpenaz 4.1 Fresh & Black, duas cadeiras de praia, um fogareiro Nautika ceramik, uma mesa portátil, colchão inflável de casal, um saco de dormir, um cobertor, tapete em EVA (aqueles de montar) e manta térmica para forrar o chão da barraca. Além de utensílios de cozinha, um cooler, grelha para churrasco e uma caixa de mantimentos básicos como macarrão, miojo e alguns temperos. A barraca é grande, espaçosa e bem simples de montar (são apenas 3 varetas assim como qualquer outra). No quarto cabe o colchão de casal e sobra espaço para mais um de solteiro, como não era o caso, era usado para guardar as mochilas. O fogareiro acho que foi a melhor aquisição que fiz. Achei muito bom e a lata de gás durou por uns 3 dias com a gente. Fomos com 12 latas pra lá, porque eu não sabia o quanto rendia. Sobrou bastante e de qualquer forma, a gente encontrava facilmente em supermercados por lá. Fomos em 2 pessoas, com um Peugeot 208 1.5, suspensão esportiva (mais baixa que a original), rodas aro 17 com pneus 215/45 e insulfilm g20 em todo o carro, inclusive parabrisa. (Só mencionei isso pelo fato de ainda haver dúvidas quanto ao tipo de carro que consegue fazer esse tipo de viagem). Comprei o chip da EasySIM4U para conseguir sinal de internet no celular (somente dentro das cidades tinha sinal). O caminho todo me guiei pelo Google Maps, meu carro tem a central multimídia com Android, então bastava eu compartilhar a internet do celular e tudo certo (pelo menos quando tinha sinal). Para procurar hotéis usei o Booking.com (consegui pegar bons descontos com o Genius) e para campings usei o iOverlander. Apesar de ajudar muito, o iOverlander é um pouco desatualizado, infelizmente a colaboração não é tanta no aplicativo. Existem muitas outras opções de campings no caminho que a gente acaba encontrando só depois de ter dado entrada em algum. No total foram 14.730km em 28 dias de estrada, sem nenhum perrengue ou problemas maiores. Obs: - O tempo de viagem relatado é o total do tempo do momento em que saímos de um hotel/camping até chegarmos no próximo destino. Contando as paradas na estrada. - Os gastos coloquei na moeda local, pois fica mais fácil caso alguém precise consultar em outro momento para ter uma noção melhor de custos. - A viagem inteira abasteci com gasolina/nafta super. Se quiserem me acompanhar no instagram: @fore.jpg
  14. 1 ponto
    Aproveitei o final de semana e comprei esse carregador/bateria para minhas travessias. Paguei $100, numa loja de produtos eletrônicos, tem mais barato na internet, mas precisava testar antes de viajar. Ainda vou comprar o carregador solar (segundo informação de quem já teve um, ele estraga muito fácil, por isso vou levar os 2), e não consegui nas lojas que fui. Performance: Carreguei ele e consegui dar 3 cargas e meia no meu celular. Coloquei ele para carregar novamente e daqui uns 5 dias farei o mesmo teste (quero ver se ele segura carga nesses dias parados). Tem.3 saídas. O único probleminha que pesa 200 gramas.
  15. 1 ponto
    @Breno Maia Não há nada por mar,lembre se que Cuba é perseguido pelo Norte .O que o Império poderia fazer se visse um barco vindo de seu vizinho inimigo?
  16. 1 ponto
    @luizh91 obrigado pela contribuição no post. A galera está comentando isso mesmo. Alta temporada. Pensei que pesquisando com antecedência, conseguirá preços mais em conta. Mas fazer o que. Terei que pagar o preço pois minhas férias é em Janeiro.
  17. 1 ponto
    @Nani84 perfeito entendi. Mas mesmo ñ indo pra Ushuaia as passagens pra El Calafate ñ estão baratas. O negócio é aceitar e ñ desistir de pesquisar as promoções. Boa sorte pra nós.
  18. 1 ponto
    @Juliana Champi valeu pela dica. Vou instalar o app Melhores Destinos. grato pela contribuição.
  19. 1 ponto
    Sou Vitória ES e vou sair da Carro em direção ao Sul do País quero passar nas principais cidades turísticas . Venha e podemos montar esse roteiro juntos .
  20. 1 ponto
    Esse grupo é somente para mulheres. A Fabi tb tem um de mochileiros solteiros bem legal. https://chat.whatsapp.com/Gl3DMouweEi3XYKWfGIvVX
  21. 1 ponto
    Gente, mulher solteira não precisa de grupinhos para viajar, moços!!! Inclusive no nosso grupo o que mais fazemos é nos encorajarmos a fazermos o que quisermos, acompanhadas ou não! Fazemos viagens sozinhas, com [email protected] e com o grupo! O importante é viajar!
  22. 1 ponto
    Você já tem o meu zap, pode me add no novo grupo
  23. 1 ponto
    É um espetáculo mesmo. ainda não retornei, pois preciso conhecer novas 'paradas", mas um dia voltarei.Grato pela lembrança.
  24. 1 ponto
    Olha, eu estou acompanhando a uns 6 meses passagens de Belo Horizonte para El Calafate para janeiro e elas realmente são caras. O mais barato que chegou até agora foi 1900, e pela média do Skyscanner é isso mesmo. A sua com multiplos destinos creio que não seja diferente disso tb não. Tô esperando uma promoção cair do céu até lá...haha Só tome cuidado em comprar passagens separadas, tipo pegar super promoção pra Buenos Aires achando que comprando o trecho interno ficará mais barato. Já vi gente aqui no mochileiros que se ferrou, pq a passagem avulsa de Buenos para o interior são bem caras tb, passam dos mil reais. Então tem que ser muito bem feito e pesquisado antes pra vc não acabar pagando mais do que comprando junto.
  25. 1 ponto
    O problema maior é questão de dinheiro, não sei quanto você tem reservado para isso, mas viajar internamente não é muito barato, que, por mais que encontre passagem de avião a um bom preço, tem todo o custo de estadia e alimentação a onde for. Se vai pra França, por exemplo, precisa ir ao aeroporto mais perto, que acredito que é de Veneza (porque de trem pra Franca custa mais de 100 euros uma passagem e umas 10h de viagem). Tem a hospedagem, que se for ir de Íbis, custa uns 70-80 euros a noite, mais alimentação que vai de 20 a 50 euros por pessoa, então uma viagem de 3 dias, por exemplo, vai sair mais ou menos 500 euros a dividir em dois para 3 dias apenas. O que dá pra fazer para reduzir esse custo é se hospedar em hostel ( a um custo de 25 euros média) para dormir em quarto compartilhado, mas não sei se é do teu estilo. Pra Áustria a mesma coisa, ou até mais caro, pois Viena é uma das cidades mais caras que tem. Então tudo vai depender do seu orçamento. Eslovênia tem vantagem de ser mais perto para ti, e ao menos o custo interno também é mais em conta. Eu sou da opinião que viagem tem que ser a um lugar que realmente queira ir, que recomendaria então o sul da França, porém não sei se vai caber no seu orçamento. Então com segunda opção seria Eslovênia, e acredito que dê pra estender a Croácia. Outra opção é visitar a região norte/nordeste da Itália, que tem muitas cidades bonitas, como Verona, Pádua, Ferrara, Modena, Bologna, etc.
  26. 1 ponto
    Beleza pessoa?!?!?! Na segunda quinzena de julho (15 a 30/07), estou me organizando para ir com a minha namorada para o litoral do Alagoas, gostaríamos de companhia e ainda não temos roteiro definido. PS: aceitamos sugestões de outros destinos no nordeste, exceto Bahia.
  27. 1 ponto
    @marceloespanha muito obrigada pelo feedback. Sempre uma alegria ver que meu relato ajuda outros viajantes. Planilha enviada.
  28. 1 ponto
    Em novembro de 2017 tive a oportunidade visitar a Europa (Portugal, Espanha e França), decidi que em novembro de 2018 retornaria à Europa e assim o fiz, passando por Portugal, Itália e Grécia. A minha primeira parada seria Roma, na Itália. Teria na cidade apenas três dias, mas foram suficientes para conhecer a parte histórica desta cidade incrível. Eu cheguei em Roma pelo aeroporto FCO (Fiumicino), este aeroporto fica bem afastado da cidade e a melhor opção para chegar ou sair dele é de trem. Ao sair do desembarque siga as placas que vão te direcionar para a estação de trem que fica dentro do terminal, é muito simples. Ao chegar na estação você poderá compra o bilhete de primeira ou segunda classe, o que difere um do outro é o preço e também o tempo de viagem. Os trens de segunda classe fazem várias paradas intermediárias e, em alguns casos, você precisa fazer conexões com o metrô, não é uma opção muito viável pois pode demorar muito e ele custa cerca de 8 Euros. O trem direto para estacãoo Termini é o Leonardo Express, ele custa 14 Euros e sai do terminal FCO e vai direto para estação Termini, no centro de Roma. Ao chegar na estação termini eu peguei o metrô, que também para na estação e fui para o hostel. Na verdade andei apenas uma estação, mas como estava cansado e ainda não conhecia a cidade optei por pegar o metrô. Eu me hospedei no hostel des artistes, que na verdade é um hotel mas disponibiliza alguns quartos compartilhados. O hotel é muito bom, bem localizado pois é perto da estação Castro Pretório do metrô e da pra ir a pé para a Estação Termini, em frente ao hotel há um PUB administrado por Brasileiros, eles são sensacionais e sempre nos dão dicas de passeios. Além de ter uma comida e bebida muito boa. No primeiro dia eu fui visitar o ponto mais importante e famoso de Roma, o Coliseu e o Fórum Romano. Para chegar é bem simples, você pega o Metrô e desce na estação Colosseo, você estará em frente ao Coliseu. O metrô de roma é fácil de andar mas não atende todas as regiões da cidade, mas para os principais pontos turísticos da pra ir com ele, ainda que você tenha que andar um pouco a pé. Ao chegar no Coliseu você vai encontrar muitos vendedores e agências de turismo vendendo ingressos para entrada, não aceite! Aprecie a vista de fora do coliseu que é linda e entre somente depois. As agências cobram, em média, 30 euros para entrada, mas você pode ir direto na bilheteria e comprar ingressos por 11 euros, portanto, espere na fila um pouquinho e economize alguns euros. Este ingresso é válido para entrada no coliseu e fórum romano, que fica ao lado. Este local é bem próximo a saída da estação do metrô Colosseo Depois de dar uma volta completa no Coliseu fui para a bilheteria para comprar os ingressos, como eu disse no início a fila é grande e demorada, mas vale à pena para economizar alguns euros. Foto dentro do Coliseu. Uma sensação mágica estar neste lugar e poder imaginar quantas coisas aconteceram aqui. Após dar uma volta completa dentro do Coliseu fui para o Forum Romano, que fica ao lago e você tem acesso com o mesmo ingresso que compra para entrar no Coliseu. O lugar é fantástico e pra quem curte história é uma oportunidade e tanto de voltar no tempo: Após a visita ao Coliseu e Forum Romano andei pelas ruas da região que é muito linda. Para este passeio é interessante reservar um dia inteiro, você perde algum tempo nas filas mas pode apreciar com calma a paisagem e as estruturas do lugar. No segundo dia eu me programei para ir ao Vaticano. Apesar de não ser católico a visita é obrigatória, o lugar é lindo e é uma verdadeira emoção estar ali. Para chegar ao Vaticano você pode pegar o Metrô e descer na estação Otaviano ´´San Pietro´´, esta é a mais próxima e você vai precisar andar um pouquinho. Para entrar no Vaticano você precisa passar por uma inspeção de segurança, como nos aeroportos. Este processo é super comum nos principais pontos turísticos da Europa, mas é bem tranquilo. Ao entrar no Vaticano estava tendo uma celebração e o Papa Francisco estava falando, inclusive mandou uma mensagem aos brasileiros que estavam no local. É bem interessante a visita ao local, tudo é muito grande e muito bonito! Visão da Praça São Pedro: Próximo ao local está o Museu do Vaticano, que dizem ser um dos mais incríveis do mundo. Fui até a porta mas estava impossível de entrar, as filas eram quilométricas e eu perderia muito tempo para conhecê-lo. Decidi almoçar no Vaticano e depois seguir explorando as ruas de roma. Decidi ir até a Fontana Di Trevi, local muito famoso e muito lindo. Para chegar até lá você deve pegar o metrô e descer na estação Barberini, mas esta estação de metrô não é tão próxima, você precisa andar uns 10 ou 15 minutos para chegar no local e ele fica bem escondido. Apesar de compreender um pouco do que os Italianos falam podemos confundir um pouco por causa do falso cognato, neste momento foi o que senti mais dificuldade pois não encontrei ninguém que pudesse me ajudar em inglês. Ninguém falava! Fui andando até chegar ao local. A visão da fontana de trevi é linda, mas muito difícil de tirar uma foto legal pois o local fica lotado! Muitos turistas! Mesmo assim consegui apreciar o lugar e tirar algumas fotos. Após conhecer a região fui comer algo e descansar, no dia seguinte eu decidi que iria para Pisa. Pisa é uma cidade muito agradável, entretanto não tem muita coisa pra se ver no lugar, apenas a famosa torre inclinada. Para chegar na cidade a melhor opção é o trem. Os trens de Roma para Pisa saem durante todo o dia, você pode pegar os trens de alta velocidade e chegar na cidade em aproximadamente 3h. As passagens custam cerca de 60 Euros ida e volta, comprando com antecedência no site da trenitalia você pode conseguir preços melhores. O trajeto é lindo e a paisagem encanta! Para chegar até a torre de pisa você vai precisar andar um pouco, mas é uma caminhada muito agradável por uma cidade bem tranquila. Siga direto a rua da estação, atravesse a ponte, vire à esquerda e depois a segunda à direita, siga em frente e você chegará a torre. O local é lindo, muito agradável a visão da torre é mágica. Ela é realmente muito inclinada. O mais difícil é você consegui um ângulo legal para tirar a famosa foto segurando a torre, mas eu consegui! Passei a tarde toda na cidade, andando, conhecendo e curtindo a tranquilidade do lugar. No mesmo dia eu voltei para Roma, também de trem. No dia seguinte acordei bem cedo pois teria que dar continuidade na minha viagem, precisaria chegar cedo ao aeroporto pois iria pra Grécia no dia seguinte. O trajeto até o aeroporto é o mesmo que informei no início do relato, seguindo para a estação Termini e lá pegando o trem Leonardo Express para o aeroporto. Peguei um voo da Alitália e a viagem entre Roma e Atenas dura aproximadamente 1h40min, é bem pertinho. A Grécia encanta! A paisagem é espetacular e o povo é um dos mais gentis que tive a oportunidade de conhecer, eles são incríveis. Como o Grego é um idioma muito diferente e falado somente na Grécia e no Chipre, praticamente todas as pessoas que conheci ou conversei falavam Inglês, alguns falavam até o espanhol muito bem. Portanto, a comunicação é fácil. O aeroporto de Atenas é relativamente pequeno se comparado aos demais aeroportos da Europa, mas ele é bem estruturado e tem fácil acesso. Apesar de ficar afastado da cidade o metrô atende o aeroporto e o ticket para quem chega ou sai do aeroporto custa 10 euros. Peguei o metrô e fui até a estação Monastiraki, no centro de Atenas, o trajeto dura uns 40 minutos. Fiquei hospedado no Bedbox hostel, que fica a dois quarteirões da estação Monastiraki, muito fácil de chegar. A região é a melhor pra você se hospedar, você consegue ir à pé a todos os pontos turísticos. Após chegar no hostel deixei as minhas coisas e fui comer algo. Com o mapa que peguei no aeroporto ficou fácil desbravar a cidade, minha primeira parada foi o Templo de Zeus Olímpico. Na bilheteria você pode comprar o ingresso somente para aquela atração por 8 euros, ou um ingresso de 30 euros que te da direito a entrar em todo o sítio arqueológico da cidade durante cinco dias, obviamente comprei este último pois tinha interesse em conhecer tudo. Fui a pé mesmo para as ruínas do templo de Zeus Olímpico, e a vista realmente encanta pois as ruínas são imponentes. Outro local interessante e de visita obrigatória na cidade é a Praça Syntagma, é uma das principais praças da cidade e fica ao lado do templo de Zeus. Na praça fica o palácio do governo e lá acontece a troca da guarda helênica de hora em hora, a troca é um dos rituais mais legais que já vi e enquanto eu estive na cidade devo ter ido à praça umas cinco vezes ver a troca. Vale muito à pena acompanhar: No segundo dia pela cidade eu fui visitar a Acrópole. Lá você pode ver ruínas incríveis e ter a oportunidade de mergulhar na história e em tudo o que aconteceu na região a mais de dois mil anos. Do hostel onde eu me hospedei dava pra ir à pé. Com o mesmo ingresso que eu comprei no dia anterior eu pude entrar nas ruínas da biblioteca de Adriano, que fica um pouco abaixo da Acrópole atrás da Praça Monastiraki. Vale à pena a visita por ser um local histórico, mas o ponto alto é a acrópole. Ao entrar na Acrópole o primeiro ponto que você irá encontrar é o Teatro de Dionísio, este foi o mais importante teatro da Grécia antiga e é incrível imaginar tudo o que se passou por aqui. Existem muitas ruínas e muitas histórias pra contar e viver na Acrópole de Atenas, é impossível descrever a sensação de estar no lugar e de colocar todas as fotos aqui. Andei muito pela região que, apesar de grande, estava lotada de turistas. Descendo do alto da acrópole você encontrará a Ágora de Atenas, outro local incrível e é a única que ainda está com todas as colunas intactas. Observando ela da pra imaginar a magnitude de outras ruínas, que hoje estão bem mais deterioradas do que a Ágora. No meu terceiro dia pela cidade choveu durante toda a manhã e eu aproveitei para descansar, eu tinha andado muito nos últimos dias e estava realmente muito cansado. À noite eu andei pela cidade, mas o dia foi basicamente de descanso. No meu quarto e último dia eu decidi ir até o Estádio Panatenaico, ele é enorme e foi todos construído em mármore branco, a visita custa 5 euros e você tem a oportunidade de conhecer o estádio onde ocorreram os primeiros jogos olímpicos da era moderna. Dentro do estádio também há um museu com objetos e fotos de tudo o que aconteceu no local. Após a visita ao estádio fui até a parte litorânea da cidade, no meu último dia foi o único que teve um pouquinho de sol e aproveitei para conhecer o mar mediterrâneo. Para chegar até a parte litorânea é só pegar o metrô e descer na estação Piraeus, que fica próximo a zona portuária da cidade. Próximo a estação terá alguns bondes elétricos, tipo VLT, que complementam o trajeto. É necessário pedir informações a alguém pois os letreiros dos bondes estão todos em Grego, não há informações em inglês e isso dificulta um pouco. Foi uma oportunidade e tanto conhecer a região litorânea da cidade, pude aproveitar pra ficar um tempo olhando para o mar, refletindo e agradecendo a Deus pela oportunidade de estar ali. A vista é linda, mas a maior parte das praias são particulares e, apesar do sol, estava um pouco frio. Não arriscaria entrar no mar que devia estar gelado! Este foi meu ultimo dia na cidade e eu voltei para o hostel após almoçar, decidi descansar um pouco pois de madrugada iria para Portugal. Eu já havia passado por Portugal no ano anterior, mas decidi passar de novo pois gostei muito e não conheci tudo da região. Chegando em Lisboa eu me hospedei no hostel NCL Hostel, fica em frente a estação Avenida do metrô. Sair do aeroporto de Lisboa é fácil, o metrô para dentro do terminal e te leva a praticamente todos os locais. No meu primeiro dia em Lisboa eu decidi ir a Cascais, a cidade fica a cerca de 30 minutos de Lisboa e você tem que pegar um Comboio que te levará direto a cidade. O bilhete de ida e volta custa 5,50 euros. A cidade encanta pois é muito tranquila, mas o mar é muito agitado e perigoso, é lindo para observar, mas não arriscaria entrar. Até porque estava muito frio. Passei o dia na cidade e almocei por lá, no retorno o comboio passou em frente a torre de Belém e eu desci para conhecer a região e tirar algumas fotos. É um ponto bem conhecido da região e vale muito à pena a visita. No dia seguinte fui visitar Évora. A cidade fica a cerca de duas horas de Lisboa e você pode ir de trem, eles saem da estação Oriente e o bilhete custa cerca de 22 Euros ida e volta. Évora é uma cidade bem pacata, lá existe a famosa capela dos ossos. As paredes são revestidas com ossos de pessoas que foram enterradas ali, é um pouco assustador o lugar mas a visita vale à pena. Retornei para Lisboa e no dia seguinte resolvi andar pela cidade. Lisboa é uma das cidades mais lindas que conheço, é muito limpa e organizada e infinitamente mais barata do que muitas outras cidades que conheço pela Europa como Paris e Roma. Não há dificuldades com o idioma e a comida é muito parecida com a nossa, o que é um alívio para pessoas que, assim como eu, não gostam de se aventurar na gastronomia local. Fiz um passeio de barco pelo Rio Tejo, um passeio de 30 minutos em um barco que parecia uma caravela antiga, é bem legal pois da pra se ter uma panorama geral da cidade. Enfim, visitar a Europa é certeza de muita história e cultura. Mesmo com o câmbio não muito favorável é possível conhecer vários países sem gastar muito dinheiro. Afinal, como dizem por ai, viajar é a única coisa que gastamos dinheiro e nos deixa mais rico. Espero ter contribuído para esclarecer dúvidas e inspirar pessoas a fazer o mesmo: colocar a mochila nas costas e sair pelo mundo, um pouco sem rumo, com desejo de se encontrar, se perder e se aventurar em lugares desconhecidos. Boa viagem à todos!
  29. 1 ponto
    Sim muita coisa fecha nos meses de férias, mas é nas cidades do interior. No litoral e praias do sul, onde vai estar bombando, cheio de turistas do norte da Europa, vai estar tudo aberto e funcionando a 110%. Mas não pense que será fácil achar emprego lá, mesmo com as praias bombando e lotadas de turistas. A Itália, Grécia e países do leste europeu estão em crise faz anos, e está cheio de desempregado tentando uma vaga de emprego temporário nas praias. Outro detalhe, mesmo que consiga um emprego, as vezes o salário não é suficiente para você viver lá com o mínimo de dignidade, pois como está cheio de turistas, os preços das moradias e hospedagens costuma estar lá nas alturas, e muitas vezes o que você ganha como lavador de pratos num restaurante, mal dá para pagar uma acomodação caso você não consiga um esquema de dividir casa com alguém.
  30. 1 ponto
    Boa noite! Procuro companhia para o Peru..fora da alta temporada. Início de agosto ou novembro.
  31. 1 ponto
    @Marcelo Ferreira Freitas tudo bem? Ja tem as datas ja definidas? Tenho interesse nesse roteiro 👍 11 973810195 Abraço!
  32. 1 ponto
    Procure hostels! É bom porque você conhece outras pessoas e pode dividir os passeios. Eu já viajei aqui no Brasil pra vários lugares sozinha, Natal, Maceió, Fortaleza, Jericoacoara, Salvador, Morro de São Paulo, Chapada dos Veadeiros. Só deixar tudo certinho, tentar ficar em lugar mais centralizado. E os passeios variam de acordo com o lugar - você pode fazer tours por agências, ou se juntar com o pessoal do hostel pra dividir algum tour, depende da sorte do povo que você conhece, e geralmente em hostel tanto os donos/funcionários quanto os hóspedes são bem amigáveis e dispostos pra ajudar. Pra sair hoje em dia na maioria das cidades capitais tem uber, então a parte de rolês noturnos também fica facilitada. Vale conferir antes de sair né. Únicos problemas que tive era eventualmente ter um colega que roncasse no quarto ou uma vez que tinha pessoal sem noção conversando na porta do quarto Mas isso é válido tanto pra mulheres quanto pra homens, e tanto pra viagens como no dia-a-dia: cuidado com os pertences, sempre de olho na bolsa, evitar ir em lugares vazios à noite (e alguns também de dia, tipo Maceió o-o) e dar muita bandeira de turista em lugares um pouco estranhos e tal.
  33. 1 ponto
    Forme um grupinho com outras mulheres solteiras que também estejam interessadas em viajar.
  34. 1 ponto
    @ffabioh Aguardando ansiosamente o relato!
  35. 1 ponto
    Oi meninas! Estou com disponibilidade de viajar em agosto e quero muito ir pra Colômbia. Estou vendo agora as passagens. Irei sozinha, mas gostaria muito de ter companhia.
  36. 1 ponto
    Olá! Alguém estará por estes destinos em Agosto? Minha viagem está assim 8-11 em Amsterdã 12 - 18 Munique 19-22 Budapeste Qlq coisa me adicionem no whatsapp:21987290844 😘😘
  37. 1 ponto
    Oi pessoal, tudo bem? Eu pretendo ir entre 05 ou 06 de Julho, e voltar do Peru no dia 13/07. Alguém planeja as mesmas datas? Se sim, me chamem! Anderson Palczuk (15) 99810-7420
  38. 1 ponto
    @[email protected] tb estarei por la entre setembro e outubro. Que dia vc chega?
  39. 1 ponto
    Hey, vamo lá! Me chamo Lucas, tenho 24 anos e moro em Barra Mansa/Rj. To fazendo um mochilão até o Rio Grande do Sul. Cheguei até Ubatuba, amanhã vou Pra São Sebastião e pretendo ficar um pouco em Ilhabela também. Se alguém quiser me acompanhar até o Sul, bora! É meu primeiro mochilão e to fazendo totalmente roots!
  40. 1 ponto
    Olá! Também estou com a mesma ideia
  41. 1 ponto
    @João Da Mata João, está rolando algum grupo?
  42. 1 ponto
    Hoje ao acordar notei que tudo estava mais lindo, mais colorido, podia enxergar a alegria estampada em pequenos detalhes e afazeres. Não tinha como ser diferente afinal, não são todos os dias que fazemos aniversario, hoje dia 07/02/2018 faz exatamente 1 ano desde que sai do comodismo, do comum, da rotina estafante que vivemos, e continuamos, sabe por que ? por que temos a sensação de estar tudo bem, esta confortável, por que mudar algo que pensamos ser o melhor, afinal é seguro. Mas eu não, eu pensava diferente, não estava legal, não me completava, apenas me absorvia mais e mais, até que em certo ponto cansei de toda essa vida monótoma, e aqui estou completando 1 ano de viagem. Já contei minha historia aqui no grupo uma vez, mas vou contar uma segunda, pois sei que muitas pessoas mudaram sua forma de pensar e ver o mundo a partir do post que fiz. Sou christopher hoje com 23 anos, estou na cidade de Balneário Camboriú. Bom eu era normal como todos somos, o tipico jovem brasileiro, trabalho, casa, carro, relacionamento, amigos, festas etc. Mas certo dia algo mudou, não tinha mais aquela animação pra ir trabalhar, não tinha animação pra sair com os amigos, não tinha animação pra sair nem da cama se quer, apenas olhava tudo esvair de mim aos poucos, mais e mais, e cada vez mais era pisado pelo black dog, e me afundado em depressão, foi então que acabei saindo do emprego, pois não tinha animação pra ir, com o passar dos dias veio o termino do meu noivado, isso foi uma marretada para a angustia de um depressivo, logo as contas de fim de mês começaram a chegar, acabei vendendo meu carro para pagar-las e liquidar toda e qualquer divida que tinha. Então ali estava eu fechado em meu mundinho obscuro, cercado de pensamentos suicidas. Mas, surge aquela luzinha ao fim do túnel, então resolvo que eu tinha que sair dessa, minha vida não podia acabar ali naquela casa, sozinho, eu era mais que tudo aquilo, não era possível que vim ao mundo pra viver até os 22 anos e ser lembrado por amigos e familiares como o depressivo que se suicidou. Fui ao meu computador e resolvi terminar com tudo de uma vez, consultei o santo google ''Como sair de uma depressão'' eis que apareceu varias e varias coisas, abrangendo uma gama de assuntos sobre, mas algo me chamou muita atenção, ''viajar é o melhor anti-depressivo'' estava ali, era só absorver essa informação, mas poxa ''sou pobre, como vou viajar e conhecer o mundo ?'' consultei o google mas uma vez ''como viajar sem dinheiro'' advinha onde fui parar ? ''mochileiros.com'' me encantei com os relatos de viagens, pessoas que saíram meteram a cara com pouco e as vezes nada, então estava ali, era o que eu queria pra mim naquele momento, depois de me aprofundar nas teorias de viajeros, e aprender o ''básico'' sobre sobreviver na estrada, estava focado em sair, logo arrumei a bolsa que carregava meu antigo notebook, coloquei umas roupas, peguei minha carteira que tinha 170 reais e sai no outro dia logo cedo, as 7 horas da manhã do dia 7 de fevereiro peguei minha primeira carona de Cafelândia do Oeste para o mundo. e assim segui, conhecendo lugares incríveis, um mais lindo que o outro, conhecendo pessoas, pessoas essas que são como anjos para quem vive pela estrada, escuto muito dizerem que existe muita maldade no mundo que vivemos, mas acredite é minoria, a bondade é imensa quando você se permite mais. Bom, conheci o mar pela primeira vez no ano passado, quando sai de Cafelândia, sai com proposito único de realizar meus sonhos, e conhecer o mar era um deles, então fui ao litoral Catarinense, passei por lugares no Parana, São Paulo, uma beiradinha do Rio de Janeiro, Minas Gerais (estado que eu era encantado desde pequeno) Espirito Santo, e em cada lugar que ia, aprendia algo diferente que sempre me moldou a tornar-se um ser melhor, mais feliz, foi onde vi, que tudo de mal que vivi antes de meu renascimento, serviu apenas para mostrar que eu estava vivendo errado, e era necessário mudar minha forma de viver. para quem leu até aqui, muito obrigado, desculpa tomar tanto tempo, deixo para você uma frase para refletir ''Permita-se mais, não deixe para depois, o que pode ser feito agora, o depois pode não vir a existir''
  43. 1 ponto
    Boa tarde Tb pretendo ir em junho ou julho pra Santiago se estiverem afim marcamos roteiro galera toda, sou de Minas Gerais, Belo Horizonte.
  44. 1 ponto
    Saudações! Há pouco compartilhei um relato sobre como foi viajar e viver na BR nos últimos dois anos e meio conhecendo um pouquinho de cada uma das cinco regiões do Brasil de carona, a pé e de bike. O relato não aborda roteiros, preços ou dicas mas busca compartilhar outras dimensões e aprendizados que tive (e você pode entender ao que me refiro aqui: https://www.mochileiros.com/topic/66973-sobre-a-coragem/ ). Como venho assimilando as informações vividas nesse intervalo entre ciclos que se encerram e se iniciam - e como todos sabemos que "happyness is only real when shared" -, percebi que outros dois assuntos são recorrentes no curioso imaginário da arte de viajar ~por aí e resolvi compartilhá-los também buscando somar. No outro post, os aprendizados foram compartilhados a partir da óptica da coragem necessária para seguir o coração a despeito de quaisquer garantias ou certezas que um mochileiro enfrenta no início, e automaticamente me lembrei das muitas mentiras que também temos que encarar. Acredito que a maior mentira que a humanidade perpetua a si e ao coletivo - de maneira quase socialmente institucionalizada - é o "não tenho/deu tempo", que é a maneira politizada de dizermos que não-queremos-tanto-assim-fazer-algo-como-dizemos-que-queremos. Mas, uma vez tendo vencido este autoengano, me deparei com aquela que considero a segunda maior mentira do universo das viagens: "para viajar precisa de dinheiro". Criada num contexto de classe média baixa onde as viagens feitas não ultrapassaram os dedos de uma mão (e envolveram exclusivamente a visita a algum parente distante ou um bate e volta à praia mais próxima) cresci com a crença de que viagem é luxo e que precisa de dinheiro para isso. Ao me dispor a encarar esta máxima e colocar a sua veracidade em cheque, descobri que é balela: para viajar precisa ter vontade - e disposição, claro! Não estou pregando que o "certo" ou "errado" é viajar com dinheiro ou sem, até porque ele é apenas uma ferramenta. O que busco salientar é que ele não é obrigatório como cresci acreditando que era. Ao escolher viajar sem dinheiro precisamos das mesmas coisas que ao viajar com dinheiro (ou até mesmo se ficarmos parados!): precisamos comer, tomar banho, dormir em um lugar minimamente seguro, etc, a única diferença é que se faz necessário encontrar maneiras alternativas de suprir tais necessidades, e daí vai da disposição e criatividade de cada um. Como diz o ditado "quem quer arranja um jeito, quem não quer uma desculpa". Outra mentira na qual tropecei antes mesmo de colocar a mochila nas costas foi "é perigoso mulheres viajarem sozinhas". Tantas são as fobias e "-ismos" fortemente enraizados em nossa cultura que reproduzimos sem nem ao menos questionarmos as origens que eu mesma muito me admirei ao notar o sutil machismo que me habitava por acreditar nessa idéia. No entanto, após pensar um pouco, concluí que uma mulher viajar sozinha não é mais perigoso que uma mulher ir comprar pão, andar no transporte público ou ir para o trabalho. A sociedade é patriarcal e o assédio, infelizmente, encontra-se em todas as esferas sociais, logo é uma mentira acreditar que uma mulher viajando está mais susceptível à riscos do que qualquer outra mulher em qualquer outro lugar fazendo qualquer outra coisa. Outra ideia que tinha como verdadeira, e que descobri ser mentira muito rapidamente, é a de que "todo maluco de BR é paz e amor". Fui muito ingênua por acreditar nisso? Fui! Romantizava a vida na BR? Sim! Mas não levou muito tempo para que compreendesse que essa é uma inverdade por motivos lógicos! Hoje dou risada da magnitude de minha inocência por acreditar nesse estereótipo romantizado e assumo que compreender isso foi como levar um balde de água fria - necessário. Roubos, drogas, disputas e desonestidade são apenas alguns exemplos da realidade que não esperava conhecer entre os mais variados malucos de BR. Antes achava que todos eram "hippies saídos do Hair" ou "Cheech & Chong", embora estes existam em processo de avançada extinção... Rsrsrs sabe de nada, inocente... Mas de todas as mentiras, a que mais me pegou foi "só dá para viajar com equipamentos ~adequados (lê-se, caros)". Sonho em ter uma mochila da Deuter? Sonho. No entanto, consegui muito bem me virar, entre remendos e adaptações alternativas de baixo custo (a.k.a. gambiarra) com uma comprada na loja do chinês por R$80. É claro que poder ter um equipamento de qualidade implica diretamente na relação entre conforto e rendimento, mas nada que não possamos nos adaptar. Digo que foi um ponto que me pegou pois também passei pela situação inversa: investi em um equipamento de marca e me ferrei! Por muito tempo, após ter passado por uma experiência de chuva muito intensa com uma barraquinha dessas de supermercado sem ter nem ao menos uma lona (amadora, rsrs), juntei dinheiro decidida a investir na minipak. Como passaria a viajar de bicicleta, ela era leve e apresentava uma excelente coluna d'água pelo que a julguei perfeita. Porém, ao adquirí-la e usá-la realizei que não era funcional para mim pois sentia falta de ser autoportante, é muito chata de guardar, o teto é muito baixo para o cocoruto, é pequena para visitas (ou sou muito espaçosa...), o alumínio entorta fácil e a vareta com 3 meses de uso quebrou! Passei um bom tempo pensando em como uma simples lona custando 10x menos já resolveria meus problemas... Rsrsrs Dessa forma, aprendi que equipamento bom é o que temos pois atende às nossas necessidades e temos intimidade com ele. Mas ainda hei de comprar uma mochila da Deuter! Rsrs Outro tema recorrente aos mochileiros são os tais dos perrengues! Ouso até dizer que, aos que ainda sucumbem ao medo, eles interessam mais do que as viagens em si! Rsrsrs Os perrengues e dificuldades são tão relativos quanto possíveis, variando de viajante para viajante assim como em intensidade. Para alguns o maior pesadelo pode ser perder a reserva de hotel, para outros pode ser um pernilongo. Dentro do que me propus a viver, por saber e confiar que nada que realmente precisasse faltaria, também carregava a consciência de que assim como recebo posso ter tirado de mim, afinal o conceito de posse já não mais me acompanha. Dessa forma, por não carregar eletrônicos, documentos ou ítens de valor comercial reconheço que fica mais fácil não se preocupar com perrengues. Ou não. Ao menos era nisso que acreditava até tomar A MAIOR CHUVA dessa vida numa passagem pela Chapada Diamantina. Pelo meu característico amadorismo e excessivo despreocupar no começo da vida mochileira, nem lona carregava, logo, a barraquinha de R$50 do mercadinho só serviu para canalizar o fluxo d'água numa cachoeira central que molhou a.b.s.o.l.u.t.a.m.e.n.t.e. TUDO. Compreendo que qualquer adversidade que surja é passível de adaptação, no entanto ficar completamente molhado nos traz a pior sensação de impotência possível já que não se tem o que fazer... O perrengue de tomar uma chuva e ficar completamente molhado ainda se agrava pois a questão não é solucionada com o fim da chuva! Mochila, barraca, roupas e pertences permanecem molhados por dias e isso significa que também ficam mais pesados, fedorentos e com grande possibilidade de embolorarem, além do risco momentâneo de hipotermia. Certamente, nunca passei por perrengue tão intenso quanto ficar completamente molhada pela chuva. Por dias. Embora menos intensa quanto aos desdobramentos porém potencialmente problemática é a situação no outro extremo: ficar sem água. Houveram períodos em que levei bem a sério o Alex Supertramp e fui morar um tempo com minha barraquinha no meio do mato. O desafio principal está no fato de que não só o ser humano busca água como toda a natureza. Dessa forma, dividir a fonte com outros animais, fofos ou peçonhentos, é inevitável e saber a sua hora de usar a fonte e a hora deles é uma urgente sabedoria. Mas também houveram situações em que não havia uma fonte de água próxima e esse também se torna um desafio de captação, transporte, armazenamento e racionamento dessa água. Momentos como este reforçaram a consciência ecológica do desperdício-nosso-de-todo-dia com algo tão sagrado. Mas o perrengue mesmo é quando a água de beber acaba no meio do nada! A desidratação é um perigo silencioso e intenso pois o corpo buscará compensar a perda hídrica envolvendo todas as funções biológicas e então atividades simples como andar, falar e pensar se transformam em desafios homéricos. Saber calcular e administrar a relação distância x peso x sede é fundamental para evitar este perrengue. Além de ficar hipotérmica ou desidratada, os únicos perrengues que considero ter enfrentado derivam de um único fator: cansaço. Não me refiro ao cansaço físico pois este se resolve com uma ciesta, me refiro ao cansaço mental. Ter que retornar por caminhos já conhecidos, e que envolviam grandes centros urbanos, ou estar acompanhada de alguém com prioridades diferentes ou que só fazia reclamar são exemplos do que me causava o cansaço emocional. Então, mais de uma vez, a pressa por sair logo de uma dessas situações fez com que me colocasse no que chamo de vulnerabilidade desnecessária. Viajar exige uma pré disposição em se expor mas existem situações em que aceitamos nos submeter a uma exposição de alto risco sem real necessidade. Posso citar aquela carona que se aceita próximo do anoitecer pela pressa de chegar logo ou atravessar algum lugar, ou quando por preguiça de darmos uma volta maior mas que apresente menos riscos cruzamos trechos perigosos (estradas sem acostamento em trechos de serra, túneis ou viadutos), ou quando escolhemos parar em lugares sabidamente arriscados (como um leito de Rio ou cachoeira em época de chuvas, na praia aberta durante uma tempestade, sobre folhas secas ou chão batido certamente território de cupins ou formigas noturnas) ou quando aceitamos aquela carona cujo motorista apresenta nitidamente ao menos um pé na psicopatia - é raro, mas a energia que emanamos atraímos de volta). Felizmente aprendi rápido que o único remédio para o cansaço é descansar! Estes são exemplos da vulnerabilidade desnecessária que o cansaço mental atrai e transforma em verdadeiros perrengues. Sinto que as balelas e perrengues são intrínsecos a todos viajantes e, embora não pertençam ao lado glamouroso da viagem, são parte do alicerce. Que este compartilhar possa minimamente suprir a curiosidade dos que ainda buscam apoio na literatura assim como me confortam ao externizá-las, validando de certa forma as experiências que tive. Mas mais do que isso, que estas palavras sirvam de fermento ao questionamento. Não acredite no que falo. Duvide. Busque ter sua própria experiência. Dedico este compartilhar a todas e todos que têm ao menos um perrengue para contar pois acredito que este seja, no mais profundo, o seu propósito: transformar a história em estória... PRABHU AAP JAGO
  45. 1 ponto
    Fiquei nesse hotel fazenda, acredito que uns 5 ano's atrás, na época era muito bom, gostei muito, e nele eu voltaria. https://www.hotelflorestanegra.com.br/
  46. 1 ponto
    @ViOzzetti olá! Recomendo o Hotel Fazenda M1 que fica em Águas de Lindóia. Já fui em duas ocasiões e em ambas a estadia foi excelente. Todas as refeições inclusas, boa área de lazer, atividades variadas, boas acomodações e fácil acesso. Segue site: https://www.hotelfazenda.com/
  47. 1 ponto
    Farei um roteiro parecido em novembro também. 😃 Viajo final de outubro e começo por Londres, mas ainda sem roteiro definido.
  48. 1 ponto
    Conclusão Foi a melhor aventura que já fiz na minha vida. Sempre gostei de viajar de carro, pois dá uma sensação de liberdade de você ir para os lugares que você quiser, a hora que você quiser. E nessa ainda tive a sensação de chegar no Ushuaia, literalmente Fim do Mundo! A pergunta que eu mais ouvia: "você vai com um Peugeot? tá maluco...", pois bem, cheguei lá e voltei! hahahaha. Como vocês puderam ver, não tive problema nenhum com o carro, exceto um amassado no escapamento e um rolamento ruim (que na verdade foi por tempo de uso mesmo). Mas tenho que fazer alguns adendos. Como puderam ver no relato, esse roteiro de viagem foi bem corrido para nós. Ficávamos praticamente o dia todo na estrada. No começo eu ainda tava empolgado com a ideia de acordar muito cedo e pegar a estrada para ainda conseguir aproveitar o dia na cidade seguinte, mas o cansaço vai batendo e na verdade eu fui vendo que nem valia a pena fazer isso. Era melhor aproveitar no nosso ritmo que acabava ficando menos cansativo. Infelizmente deixamos de visitar muitos lugares por questões de tempo também. Daria pra visitar mais? Daria. Mas daí também exige uma certa saúde pra viver mais intensamente esses 28 dias. Fizemos essa viagem com um custo baixo-médio. Economizamos muito em comida, pois quase não comemos em restaurantes. E em hospedagem também. Se você for com um motorhome, camper ou tiver barraca de teto para carro, você não precisa gastar nada com hospedagem se não quiser. Há muitos pontos para esse tipo de acomodação em lugares públicos e seguros. Nosso maior custo da viagem foi com combustível.
  49. 1 ponto
    Olá, pessoal! Recentemente fiz uma viagem pelo Brasil. Moro em Fortaleza, mas sou gaúcho. Como muitos sabem, a BR 116 começa em Fortaleza mesmo, Ceará, e termina em Jaguarão, Rio Grande do Sul, já na divisa com Uruguai. A idéia inicial era percorrer todos os quase 4500 quilômetros da BR pegando carona na estrada. Pois bem. Estudante de jornalismo quase formado, aproveitei a oportunidade da viagem para escrever um livro sobre o percurso, suas belezas e dificuldades. Ele ainda está sendo escrito em detalhes. Foram 18 dias na estrada, pegando carona, conversando com pessoas, conhecendo algumas cidades. Passei por Minas maravilhado com tantas belezas naturais. O mesmo aconteceu em Teresópolis, RJ. Foram tantas as histórias! Só para citar uma, peguei carona com uma ambulância, lá em Feira de Santana. O carinha era da região da Chapada da Diamantina e havia parado no posto na vinda de Salvador, onde deixou uma criança no hospital. Conversamos e acertamos uma carona até outro posto mais seguro e mais perto. Foram 80 quilômetros de intensa emoção. A ambulância com a sirene ligada e tudo e o carinha rodando a mais de 140 por hora, ultrapassando os caminhões de dois em três de uma vez só. As carretas pareciam estar paradas no acostamento (risos). A crise financeira afetou todos os setores, sobretudo os transportes (caminhoneiros). Cheguei em SP e a confusão tava formada. Aproximadamente 2 mil caminhões esperavam por carga lá e, sendo assim, eu também não conseguia mais continuar a viagem. Ainda fiquei 3 dias e nada de ajuda. A partir de SP, continuei a aventura de ônibus mesmo, mas não sem antes passar sufoco em Curitiba. Fiquei três dias e duas noites lá, tentando continuar a viagem de carona e nada, num frio medonho. Chegar no final da viagem foi emocionante! Espero que tenham gostado. Alguém já fez uma aventura similar? Abraço! Don
  50. 1 ponto
    E aí, Roberta, conseguiu viajar? Pode divulgar aqui o roteiro que definiu? Estou indo em setembro e também vou ficar 14 dias. Imagino que você ainda esteja em viagem... quando voltar, nos conte como foi! Abs
Líderes está configurado para São Paulo/GMT-03:00


×
×
  • Criar Novo...