Ir para conteúdo

Mais curtidos da Semana


Conteúdo Popular

Exibindo conteúdo com a maior reputação em 06-11-2019 em todas áreas

  1. 2 pontos
    No exterior, El Chalten, na patagonia argentina, é cheia de trilhas de 01 dia ou mais, todas bem sinalizadas, e que vc pode fazer sozinho, com vistas muito bonitas. E tem vários níveis de dificuldades também, mas nenhuma delas é técnica. Algumas são longas, outras nem tanto. A do Fitz Roy tem 22 km ida e volta, é uma das mais bonitas. A parte final é puxada - 3 km até chegar ao fim, mas não há dificuldade. Exige apenas esforço e podem ser cansativas.
  2. 2 pontos
    Caraca bro dhr mano pow to na Argentina agora estou em posadas lugar lindo incrivel a sensação de viajar quando voce esta enjoado de tudo e só sair com seus trampinho e ir pra estrada e recupera suas inspiraçoes, mano de verdade queria que todos sentissem a alegria que estou sentindo esses ultimos dias boa viagem bro NOS ENCONTRAMOS EM UM DESSES DIAS PARALELOS NO UNIVERSO
  3. 1 ponto
    Boa tarde, MOCHILEIROS! Estamos em duas MOCHILEIRAS, com roteiro já fechado pra Índia de 15 dias iniciando em NOVA DELI dia 09.04.2020, incluindo as.cidades do Rajastão , Agra, Kajuraro e Varanasi (roteiro e custos anexos) finalizando dia 23.04 em DELI. Essa cotação inclui guia em espanhol e transporte terreatre para até 4 pessoas com pagamento de 25% via pay pal. A hospedagem, tickets de trem e aéreo interno serão por nossa conta na India. Para o NEPAL, roteiro de 4 a 5 dias (VOO DELI- KATMANDU) por conta , incluindo Katmandu (2d) e as cidades imperiais de BHAKTAPUR e PATAN, talvez alguma.cidade base no himalaia, mas sem teeking. As passagem BRASIL -ROMA (EM ABERTO) E ROMA-DELI dia (20.000 milhas smiles) DIA 08.04 com chegada 09.04 em deli E A VOLTA 28.04 DELI - ROMA (20.000 milhas smiles) e ROMA - BRASIL (pela TAP). Obs* Preferencialmente optamos por viajantes frequentes em mochilao. Quem tiver interesse chama no WhatsApp 81 992430163 Janine ou Ana 14 997153050 @Paulinha Rissato
  4. 1 ponto
    To dentro!! essa viagem era para acontecer em 2019, mas houve desistência de outras viajantes diante disso mudamos a data para Abril 2020. Esse guia que estamos reservando é recomendado pelos mochileiros.com, é Indicação de outros mochileiros (fala em espanhol). Bora gente conhecer a Índia
  5. 1 ponto
    Bem-vindo Welligton. O mochileiros funciona de forma colaborativa.. você posta sua dúvida e alguém pode se dispor a responder. Da mesma forma para relatos.. você pode relatar sua experiência com outros usuários e também pode ler sobre o que deseja. Na aba superior do site, você encontra a navegação... como você está indo para França, você pode fazer o seguinte. Clique em Relatos de Viagem > Europa > França https://www.mochileiros.com/forum/595-frança-relatos-de-viagem/ Cada tópico que você vai ver.. é alguém relatando experiências vividas nesse local. Quando você voltar da sua viagem, você pode relatar sua experiência.. dessa forma ajudando um próximo viajante com informações atualizadas.
  6. 1 ponto
    Cara, Março esta frio o que dificulta os passeios gratuitos pelas ruas. Teria que fazer mais passeios "indoor"... e em Paris nada é de graça. Uma dica que eu recomendo é o museum pass. Recomendo o D'Orsay como já foi dito acima e Museu de Rodin também. Paris tem muita coisa para ver e fazer... Fora do convencional tem o Marais e suas galerias de arte, Saint Martin, Promenade e a região de Bastille, a região de Saint Sulpice, os Mercados que são muito interessantes... Procura no google "Marche Paris" http://www.cityguideparis.fr/top-10-marches-paris.html Agora ir com "família" .... significa um belo custo no orçamento. Fica muito ligado onde vai se hospedar cara... a cidade tem regiões não recomendadas: Da uma olhada nesse videos e se curtir inscreva-se em meu canal => https://youtu.be/Ze-HzRIVxZk https://youtu.be/5DQ8YTDdCRY
  7. 1 ponto
    Meu primeiro mochilão pela Europa foi no longínquo ano de 2004 (mesma época em que entrei aqui no fórum). Acredito que a frase acima já lhe permita imaginar como minha viagem foi bastante diferente, levando em conta o quanto o mundo evoluiu em 15 anos. Sem mais delongas, vou citar abaixo 10 itens/coisas que levei em meu primeiro mochilão e que hoje poderia dispensar. As imagens são meramente ilustrativas. 1. Câmera Fotográfica Eu sei exatamente o que você está pensando: em 2004 câmeras digitais já eram (quase) populares. Sim, já eram. Inclusive levei uma delas comigo (daquelas fininhas point and shoot). O problema é que minha câmera digital usava pilhas palitos que se desgastavam rapidamente. Além disso, meu irmão tinha uma câmera analógica semiprofissional da Canon e eu a levei acreditando que as fotos ficariam muito melhores do que na outra. A Canon era pesada, com uma lente grande...e não era fácil de guardar em uma mochila. 2. Carregador de pilhas Mais barato do que comprar pilhas todos os dias para a minha câmera, eu comprei um carregador com 4 pilhas recarregáveis. 3. MP3 Player Nada como ouvir uma boa música enquanto você espera o trem chegar...ou antes de dormir, depois de andar quase uma maratona para conhecer o maior número de pontos turísticos na cidade que se visita. Aliás, cabe salientar que meu mp3 player também usava pilhas palito. 4. Despertador/relógio Levei dois relógios de pulso (um com o fuso do Brasil e o outro com o fuso local), mas descobri alguns dias antes da viagem que ambos tinham o som do alarme muito baixo (e eu o sono muito pesado). Diante deste problema, corri para uma loja de 1,99 e comprei um despertador (só pra garantir...sabe como é...). 5. Lanterna Quando você dorme em um quarto com 8 ou 10 pessoas que você não conhece, é sempre bom ter uma lanterna pra encontrar o caminho do banheiro ou algum item perdido na sua mochila bagunçada. 6. Dicionário Como já tinha certo conhecimento da língua inglesa, levei comigo um dicionário português/francês, pois passaria por 3 países francófonos. 7. Diário de viagem Para guardar boas lembranças, além de registrar informações importantes (que depois compartilhei aqui no fórum), levei um caderno ou diário de viagem. Tenho ele guardado até hoje. 8. Guia de viagem / mapas em papel /outros tantos papéis Levei um livro/guia de Amsterdã que emprestei de um amigo, além de várias páginas impressas com dicas que encontrei na rede (como ir da estação de trem/aeroporto até o hostel, principais pontos turísticos, onde comer gastando pouco, etc). Lembrando que o mochileiros.com tinha apenas 2 anos na época e a internet ainda não dipunha de tantas informações compartilhadas entre viajantes. Além disso, me utilizei de vários mapas em papel que ganhei ou comprei pelo caminho. Sem falar, é claro, nos tickets de trem/ônibus/avião que eu precisava guardar em minha mochila. Enfim...muitos papéis. 9. Roupas em excesso / Peso em excesso Ainda que o mochilão tenha ocorrido no inverno, calculo que levei quase o dobro de roupas que eu efetivamente usei. Lavei algumas peças nos hostels e outras nem cheguei a usar. Isso impactou principalmente no peso de minha mochila (e em dores nas costas). 10. Kit de costura Pensei muito se incluía ou não este item na lista, pois ele efetivamente salvou a minha vida (metaforicamente, é claro). Em razão do citado excesso de peso em minha mochila, somado ao fato desta não ser de uma qualidade muito boa, sofri um acidente quando aguardava meu trem na estação de Bonn, na Alemanha. Minha mochila simplesmente rasgou o fundo, despejando minhas coisas diante de uma plateia de alemães incrédulos com a cena. Embora inicialmente desesperado, vi o kit de costura no chão e o usei para costurar minha mochila. Entretanto, não foi tão fácil assim. As linhas do meu kit eram de má qualidade e quebravam quando eu tentava costurar um material tão duro quanto a mochila. Diante de tal infortúnio, não tive dúvidas: costurei com algo muito mais resistente, fio dental. A mochila ficou feia, mas aguentou o resto da viagem sem problemas. Pensando melhor...talvez seja bom manter o kit de costuras... Enfim, esta é a minha lista. É fácil perceber que o smartphone substituiu a maioria destes itens que citei, dentre outros que acabei não citando aqui (talvez em uma parte 2). E você? O que não levaria no seu próximo mochilão?
  8. 1 ponto
    Sim, só tenha cuidado em não estourar o tempo, em viagens longas como estas o pessoal costuma se perder na contagem dos dias e depois se ferra e toma uma multa bem salgada da imigração por errou a conta em 1 ou 2 dias. Você só tem que conseguir justificar e provar ao agente de imigração como que você vai pagar por uma viagem tão longa sem trabalhar, e muito provavelmente o agente também vai querer saber o que você pretende fazer todo este tempo lá, 6 meses só "turistando", sem fazer nada alem de passear no Reino Unido, não costuma ser uma história que eles costumam acreditar. Então para uma viagem tão longa, é muito importante você saber justificar a viagem, e provar que terá como se sustentar lá, pois a maioria das pessoas que é barada no Reino Unido e Europa tem exatamente este perfil de viagem, ou seja, viagem de longa duração sem saber justificar o motivo e duração da viagem e como vai se sustentar neste tempo.
  9. 1 ponto
    Possível é, mas não será fácil, pois você teria que fazer 2 ou 3 trocas de ônibus pelo caminho. Como o colega acima falou, os horários e rotas nunca combinam, e uma viagem como esta, que você faz em 1h de carro, leva 5 ou 6 horas de ônibus, pois faz uma volta enorme, ou então fica um tempão esperando conexões em algum canto. E isto vai acontecer em vários outros locais das Dolomitas, e na maioria dos lagos, até tem como chegar lá de ônibus, mas quase sempre é fazendo uma volta enorme, ou então tendo que fazer conexão de ônibus em algum lugar, e dificilmente os horários encaixam e uma viagem que leva 45 ou 50 minutos de carro, vira uma viagem de 3 ou 4 horas de ônibus.
  10. 1 ponto
    Oi Marcéli, Fiz uma passagem rápida de 3 dias nas Dolomitas agora em junho/2019 e acabei alugando carro no aeroporto de Veneza porque o transporte público te restringe muito nessa região (tanto quanto a opções de rota como quanto a horários). Mas existem sim algumas opções de transporte público. Do aeroporto de Veneza saem alguns ônibus diariamente para Cortina D'Ampezzo. Acesse o site da FlixBus https://www.flixbus.com que lá você encontra os horários e preços. Em abril é bem provável que existam lagos congelados, mas depende dos lagos! Não é raro encontrar lagos congelados em junho, imagina em abril que até neva na região às vezes! Eu sei que também existem ônibus que te leva de Cortina para alguns locais próximos da região mas sempre é complicado combinar rotas e horários. Quando pesquisei, só encontrei informação da DolomitiBus https://dolomitibus.it Quando estive, eu fiz a trilha para o Lago di Sorapis e passei de carro por Auronzo di Cadore, Paso Giau e Lago di Landro... queria ter conhecido muitos outros lugares mas tive muito azar com o clima (choveu praticamente 80% dos 3 dias que estive lá), então acabei não conhecendo o Lago di Braies nem fiz a caminhada de Tre Cime di Lavaredo que tanto queria... Mas as Dolomitas é um lugar espetacular que sem dúvida voltarei! Aproveite bastante!
  11. 1 ponto
    @Andre Mailson Melo de Oliveira dê uma lida tambem nos relatos de viagem, irá encontrar muitas dicas diferentes: https://www.mochileiros.com/forum/595-frança-relatos-de-viagem/
  12. 1 ponto
    E ae André .. passei 9 dias em Paris .. e posso dizer que os passeios essenciais que estão fora dos destinos óbvios são: os Invalides (onde esta o museu de armas que para mim foi sensacional, e outros lugares mais conhecidos como a tumba de Napoleão), o Museu Rodin (com esculturas impressionantes - praticamente ao lado os Invalides), o Museu du Quai Branly (museu de artes das civilizações asiáticas, africanas, da oceania, etc - pra mim foi mais legal que o Louvre kkk), o Museu D`Orsay proximo ao Louvre, e as igrejas de Sacre Couer e Madeleine, dos dias que fiquei em Paris utilizei 1 para fazer um bate e volta até o Mont Saint Michel (que foi a melhor parte da viagem). Espero ter ajudado .. se precisar de alguma dica ou informação que possa ajudar pode me contatar .. Abçs!
  13. 1 ponto
    Nesta questão é bem complicado lhe ajudar, pois depende muito do perfil de vocês, e cada pessoa tem gostos e interesses diferentes, o que eu achgar super legal, você pode achar a maior chatice do mundo, e vice versão, o que você achar legal, os seus pais ou filhos podem achar chato, e vice-versa... Então o ideal é você entrar no google e pesquisar por "Roteiro Paris 5 dias", vão aparecer literalmente centenas de roteiros bem completos e detalhados, leia pelo menos uma meia-duzia deles, e vá anotando os passeios que você acha que podem agradar a vocês, pois você é o único que conhece a sua família, e a única pessoa que vai saber do que eles gostam e não gostam. E se tiver alguma duvida específica a respeito de algum passeio, pode perguntar aqui, se alguém souber, vai lhe ajudar. Pessoalmente eu não gosto muito de viajar em março, ainda é muito frio, ainda há chance de pegar -2ºC e o frio pode atrapalhar um pouco alguns passeios, pessoalmente eu gosto de viajar em Maio, ainda é baixa temporada, mas no geral já costuma ser mais quente do que em março, em maio você já costuma pegar mais dias com temperaturas na casa dos 20ºC. Dê uma olhada na média de temperatura dos últimos anos e a tempera que efetivamente fez este ano para você ter uma noção do que esperar: https://www.accuweather.com/pt/fr/paris/623/march-weather/623?year=2018
  14. 1 ponto
    certeza que lá .. rotatividade desses passeios sao imensos Eu pretendo ir e fechar lá
  15. 1 ponto
    estou no paraguay faz três semanas e decidi que queria fazer esta viagem para conhecer todos os paises da america do sul , o motivo dessa viagem é que todos nós procuramos por algo sabe!!! E eu estou procurando a liberdade a alegria do verdadeiro viver agradecer por cada segundo de vida e não desperdiça-los com as ansiedades e preocupações que a vida nos presenteia por esse estilo de vida regrado de CONFORTO e insatisfações causadas pelo Anseio de sempre querer mais,eu queria experimentar a sensação de não ter nada compreende!!!e olha durante esse curto período de tempo descobri que tenho TUDO fazemos da vida um jogo que não se pode vencer DETERMINAMOS tudo que a vida tem que ser,criamos esses objetivos como uma tentativa de "Vitória social" para que as pessoas nos vejam bem e não enxergue essa desmotivação diária que todo ser humano sente e que ela é vista como um CRIME perante a todos nós, buscamos estar felizes e cheios de emoção a todo instante porque algo na nossa cabeça nos diz que a vida é somente FLORES enquanto negarmos nossaCONSCIÊNCIA insatisfeita de tudo que buscamos talvez nunca encontremos oque nos torna realmente felizes e preenchidos por completo eu ainda não encontrei e tambem não sei o endereço se alguem souber me AVISA porque estou viajando o mundo agora para encontra-la MUITOS JA TENTARAM ME CONVENCER QUE AQUI EU NÃO ACHE NADA,MAIS SERÁ QUE EXISTE ALGUM LUGAR DETERMINADO PARA ESSA SITUAÇÃO???????somente minha opinião me sigam lá no instagram vou tentar postar algun tópicos de algum dia interessante só queria filosofar um pouco kkkkk https://www.instagram.com/mochileirodasamericas/
  16. 1 ponto
    Para os principais, é difícil ficar sem vaga. O único que tem uma capacidade mais limitada é a Trilha Inca, não sei se você vai fazer, mas de qualquer forma o verão não é a alta temporada lá (pois é temporada de chuvas), de modo que você não deve ter muito problema. Eu quando fui reservei antes e por isso terminei pagando bem mais caro que se o tivesse feito lá. Principalmente na Bolívia, vale muito a pena negociar e pechinchar bastante, em passeios como de Uyuni se insistir bastante pode ter uma variação de quase 50% entre o preço mais alto e o mais barato que possas conseguir.
  17. 1 ponto
    estou montando uma vans para morar dentro dela .procuro companhia femenina que goste de viajar passar perrengue que goste de reggae e etc... Gostando disso já é um bom começo.
  18. 1 ponto
    E ai mochileiro(a)s, de boa? então, dia 20 jan to chegando na Chapada Diamantina 🏞️ pra fazer o Vale do Pati (5 dias) e conhecer outros atrativos. fico na chapada até dia 29 jan. dia 30 to descendo pra Caraíva/BA (meu sossego de lugar 🏝️ ) e fico até 08 fev. se alguém animar, "cola ai pai" (como dizem na Bahia). vai ser MAAAAAAASSA.
  19. 1 ponto
    Ola, estou procurando companhia p/ o msm roteiro porem, para Março...caso tenha interesse,responde aqui!
  20. 1 ponto
    Oi, tenho interesse em ir em março pras Filipinas.
  21. 1 ponto
    Boa tarde! Estou pensando em ir começo/meio de março de 2020 também para Filipinas, caso alguém esteja pensando em ir para lá neste período, me avisem!!
  22. 1 ponto
    Torres del Paine Foi chorando que eu comecei o trekking. Sim, chorando literalmente. Ao chegar no camping Central, montei a barraca, e ao pegar a mochila pra iniciar a trilha começou um daqueles ventos que te carregam se você não senta ou se deita no chão. A barraca quebrou em dois lugares diferentes e não ficava mais em pé, e o pessoal do parque não tinha ferramentas pra ajudar no reparo, nem a silver tape deu conta. A chuva não dava trégua e o vento menos ainda. É o momento que você tem que decidir se vai voltar atrás porque tá no meio do nada na Patagônia Austral, com chuva, e sem ter onde se abrigar ou dormir, ou se você vai até o fim pra poder ver de perto as Torres del Paine com seus próprios olhos ao invés de só imaginar o frio que faz lá em cima. Como minha mãe fala “se vira”. É considerada uma trilha de alta dificuldade, foram 20km pra ir e voltar, levei 9 horas de caminhada no total. Saí chorando e subi xingando até quem não merecia. O que dói é o psicólogo, várias vezes pensei em voltar por julgar que não iria dar conta do resto. Mas aí você se lembra de subir a Lion's Head só com um pão na barriga, dos degraus pro Tesouro de Petra, e de atravessar o Saara em uma van que não explodiu (não é preconceito, é uma realidade possível), e até mesmo da vez que resolvi fazer trilha de 9km de All Star, e então percebi que daria conta sim. Quando chegou na base das Torres eu só conseguia pensar e pegar meu chocolate e comer (como diz minha irmã, o mundo é dos semi-gordos), o frio era tanto que não consegui tirar nenhuma foto decente da paisagem (sim é incrível, vale apena todo o esforço) muito menos consegui tirar uma foto boa minha pra cantar vitória pra quem achou que eu não iria conseguir. O tempo lá muda em questão de segundos, não dá pra pensar muito...Hora de voltar. Olho pro lado depois de levantar da escorregada que dei nas pedras e provavelmente dei mau jeito no joelho, e tudo que vejo é do mais vibrante verde que já vi. O medo de olhar pro lado esquerdo e perceber que a próxima queda pode ser a última não se dispersa, nem mesmo o medo de estar sozinha na trilha pra chegar ao acampando Central que antes parecia o mais conveniente, agora é só o mais distante, ainda faltam 8km. A lanterna dentro da mochila que já está inteiramente molhada corre o risco de não funcionar. Apesar do horário de verão e da ciência de que só escurece por volta de 21h30 ou 22 horas da noite não ameniza a neblina que chega cada vez mais perto e a hora que vai passando mais rápida a cada passo. Ao contrário da ida, na volta quase não encontrei pessoas na trilha, um pai que acompanhava a filha com o joelho machucado e apoiada em um galho, andava devagar torcendo pra filha não piorar e pra chegaram logo ao acampamento Chileno. Três chinesas tentam caminhar no mesmo ritmo pra que nenhuma fique pra trás. O senhor de bolsa atravessada no peito que vez ou outra para pra observar a paisagem, mas é o rio com águas bravas que mais o impressionam, ali ele fica alguns minutos, do outro lado da ponte mais alguns. O casal com uma roupa de impermeabilidade e qualidade muito boa, impressionante, estavam secos àquela altura, devia ter perguntado que marca era aquela. A família de japoneses, a filha mais velha puxa a turma, - falta muito pra chegar no acampamento chileno? - Falta, mas é só metade do caminho subida e a outra metade descida. - uhuuuuuu "palavras em japonês". A família responde com "uhuuuuuu" e continua a subida íngreme onde não se vê o horizonte. - be careful! A trilha de volta vai ficando complicada, vai se formando uma trilha de água, um mini rio, até o momento que não dá mais pra andar com as botas pra fora da água, elas já estavam encharcadas mesmo. Começo a tentar ver vantagem no spray impermeabilizante que teve a durabilidade de umas três horas e meia na ida. O joelho já não dobra, entre água e pedras a descida é interminável, começo a lembrar de ter passado por aquele lugar no caminho de ida, aqui foi onde passaram as crianças, aqui onde ventou tanto que tive que sentar, aqui onde comecei a acompanhar o ritmo das chilenas que estavam confusas sobre de onde elas eram. Ali é só atravessar a ponte que passa sob o rio. Merda. Tem água passando quase em cima da ponte, corre. E a chuva ainda não deu um minuto de trégua, só mais essa subida e consigo avistar as casinhas, só mais um km e consigo avistar a "rua" que dá pro camping. - Moço, ainda falta muito pro camping Central? Segue a rua até o final e vai pela diagonal na esquerda. Chuva que não para, agora o medo é chegar e ver que a barraca desmontou ou não aguentou tanta água assim como aconteceu com toda a minha roupa, sapatos, e mochila, mas a barraca número 8 azul turquesa estava de pé, e dentro dela tudo seco. O primeiro impulso foi tirar toda a roupa molhada, e colocar as últimas roupas secas, nessa ordem, depois soprar pra encher o isolante térmico, com que fôlego meu deus? E por cima tacar o saco de dormir, pra já ir esquentando as pernas. O cansaço é tão inexplicável que não consegui abrir uma lata de atum pra tacar no pão e comer, só consegui terminar o chocolate já aberto e devorar um kiwi, assim teria um saco plástico pra salvar o celular do dilúvio que estava por vir no dia seguinte. A volta foi cantando, o que doía era o joelho, pelo frio ou pelo impacto, eu não sei. A trilha já tinha virado um mini rio pois a chuva não parou em nenhum momento e o joelho já não dobrava. O casaco, a calça e as botas que eram impermeáveis estavam encharcados, mais peso pra carregar. Mas cheguei no acampamento, aluguei uma barraca que troquei pelo meu rim, e capotei depois de comer um kiwi, porque nesse ponto da vida eu já poderia me considerar fitness. Total de tombos: 2 Água: 2L Comida: duas bananas, um chocolate, bolachas de chocolate com menta, um kiwi, e um danone. O que mais tinha na mochila: luvas, gorro, celular, máquina fotográfica, documentos e dinheiro, uma capa de chuva e mais um casaco. O que molhou: tudo, tudo, tudo. Mesmo o que era impermeável. Lição de moral: não adianta nada planejar as coisas.
  23. 1 ponto
    Cara, que vontade de embarcar amanhã pro Japão. Conheço Abu Dhabi, então não me animo mais com EAU, mas o Japão... Sensacional o relato.
  24. 1 ponto
    Demais seu relato, Juliana! Vou ao Egito em setembro, e vou ficar 2 dias em Dubai na ida. Como é pouco tempo, terei que escolher as atrações certas para usar bem meus dias lá. A princípio a programação é a seguinte: 28/09 - Chegada em Dubai às 22:00; 29/09 - Burj Khalifa pela manhã e Safari Tour pela tarde, se der tempo Dubai Marina pela noite; 30/09 - Jumeirah Beach pela manhã, Dubai Mall ou Batutta Mall pela tarde e Medinat Jumeirah no fim de tarde. Voo para o Cairo às 21:50. O que você acha a princípio?
  25. 1 ponto
    Bom, sempre tentei organizar minhas férias da melhor maneira possível e ao decidir ir para o Monte Roraima não seria diferente. Tudo decidido, passagem comprada, guia ok...na semana seguinte a crise explode na Venezuela...vou fazer o que: vou igual!!! pra começar que me organizei para chegar em Santa Elena do Uairen no dia 10 e minha subida ao Roraima seria dia 12. Teria um dia livre pra fazer algum passeio por lá. Do dia em que decidi ir para o Monte Roraima até antes de embarcar, conversei bastante com o meu guia, ele me deu todas as dicas possíveis e impossíveis. Os pagamentos tinham sido feitos através de depósitos para o Javier (guia) da empresa Waykyky Tours. No momento em que eu estava pronta para sair de casa e iniciar as minhas férias, o meu guia me manda uma mensagem dizendo que “tivemos” um imprevisto. As outras 3 pessoas que subiriam junto comigo, cancelaram a subida por motivos de saúde. Ele me deu a opção de subir sozinha com ele e um carregador ou tentaria me encaixar em outro grupo que subiria um dia antes do qual eu tinha agendado. Como já tinha me organizado concordei em subir com o outro grupo no dia 11. Cheguei em Boa Vista 01:50. O aeroporto é pequeno, só tem um Bob´s que fecha as 2/3 da manhã. De madrugada estava eu e o pessoal da limpeza lá, não tinha mais ninguém. Fiquei esperando no aeroporto até as 7h da manhã. Peguei um taxi até a rodoviária, como não estava com paciência de ficar buscando preço mais barato, eu paguei 50 reais de taxi. Só havia UM taxi na frente do aeroporto. Cheguei na rodoviária. Gente a rodoviária estava muito suja. Os venezuelanos estavam acampando ali na frente e faziam da rodoviária o lugar de tomar banho/banheiro. Meu guia (Javier da Waykyky Extreme Tours) estava em Boa Vista neste dia, e nos encontramos ali na rodoviária. Fomos “juntos” para Pacaraima, porém ele estava em outros ônibus. Meu ônibus era as 7:30 e atrasou quase 1h, mas pelo o que entendi isso é normal. Eu era a única brasileira dentro do ônibus, os outros eram todos Venezuelanos. O trajeto demora em torno de 3h 30min (220km), no meio do caminho ele para para lanche. Me indicaram comer a tal “Paçoca”, era muito barato, mas quando vi a quantidade de comida...desisti e acabei comendo um pão de queijo recheado com carne seca. Lá pelo meio dia cheguei em Pacaraima, meu guia estava lá me esperando. Ele ligou para virem nos buscar e fomos em direção a Santa Elena do Uairen. Antes disso, parei na Aduana para pegar toda documentação necessária. Para quem vai ir só até o Monte Roraima não precisa carimbar passaporte. Santa Elena fica uns 15 km de Pacaraima, é super rapidinho. Chegando lá, fiquei na pousada Los Pinos (50 reais, quarto individual com ventilador, tem piscina). Almoçamos em um restaurante bem simples que tem próximo a pousada, a comida era muito boa e em conta (em torno de R$12 o prato com arroz, feijão, bife, batata frita e salada). Uma das meninas que subiria junto no grupo estava nessa pousada também. A tarde ficamos aproveitando a piscina e organizando nossa mochila para o dia seguinte. No final do dia fomos até um outro local para pegarmos as instruções do trekking. O local fica em frente ao antigo hostel Backpackers. Meu novo guia seria o Roman e seus carregadores: Arnold, Omar, Jose, Rene e Manuel. Meu novo grupo era formado por dois australianos (John e Ben), duas brasileiras (Alana e Ana) e eu. Orientação ok, no dia seguinte sairíamos para a nossa indiada. Mass...como estávamos na Venezuela, e nossos parceiros de trekking (guias) nos convidaram para ir em uma festa que estava acontecendo em uma comunidade indígena perto da cidade, aceitamos e lá fomos nós e os guias... Comemos empanadas com uma pimenta(com formiga) feita somente pelos índios dessa região, tomamos Maltin e outras duas bebidas indígenas (a base de mandioca) extremamente fortes. Voltei para a pousada, organizei as minhas coisas pois no outro dia o combinado era de eles nos buscarem as 9h. No dia seguinte, acordei e fui tomar café em uma padaria (a única praticamente nesse lado da cidade). Gastei R$ 7 em um sanduiche de presunto e queijo e uma xícara de café preto. Trekking ao Monte Roraima 11/10/18 - 1º dia : Saímos de Santa Elena as 10:30, são uns 100km até a comunidade de Paratepuy. Boa parte é asfaltada, mas quando entra na estrada de chão fomos literalmente “sacolejando”. Chegamos na comunidade 12:45. Tivemos 1h para o almoço. Serviram 2 sanduiches de presunto e queijo, suco de laranja (artificial) e banana. Ali é o último ponto que tem banheiro, então se quiser aproveitar... Passe bastante protetor solar, use camiseta de manga longa, o que achar melhor para se proteger do sol.... O início da caminhada foi as 14h. No início tem uma subida que eles chamam de “La Prueba” hahaha quem passa dela consegue subir o Monte Roraima, achei que ia ficar por ali mesmo, ela é bem íngreme e naquela hora o sol estava maltratando a gente. Há água durante o caminho, a cada 1h30 você tem como encher a garrafinha. Fizemos umas duas paradas, uma logo após o final da subida “La Prueba” e a outra foi lá pelas 16h para lanche, um pouco antes de chegarmos no acampamento Rio Tek. Chegamos no Rio Tek as 18:30, já estava escuro. Foram 16km em 4:30min de caminhada. Na hora em que chegamos no acampamento, os carregadores começaram a montar nossas barracas e a fazer nossa janta. Nós fomos nos organizar e tomar banho no Rio. Já estava noite, descemos até o Rio com as lanternas. Foi estranho ter que tomar banho ali no escuro pois não sabíamos como era o rio, a água inicialmente estava gelada, mas depois comparado aos outros banhos durante o trekking, aquela água estava maraaaavilhosa! Eu levei um sabonete biodegradável, lavei os cabelos e o corpo com ele todos os dias. Dica de ouro: tome banho e lá embaixo na beira do rio já coloque uma calça e uma blusa de manga longa, porque na hora que você subir os puri-puri vão te comer vivo ahahhahahahaha. Eu fiz isso conforme um amigo que já tinha ido pra lá me orientou, e deu beeem certinho. A janta foi macarrão com molho e carne moída. As 20:30 já estávamos dentro da barraca, prontos para dormir. Neste dia não estava frio, eu fiquei tranquila com uma blusa dryfit de manga longa. 12/10/18 - 2º dia: dormi muito mal, quando foi 2h da manhã eu perdi o sono e fiquei entediada até 4:30 da manhã quando decidi levantar. La pelas 5:30 o sol nasceu, lindo em tons de roxo, rosa, laranja e amarelo...7h café da manhã, tinha umas rosquinhas fritas, café preto e omelete. As 7:35 saímos. Sabe o Rio Tek que tomamos banho? Você atravessa ele logo na saída do acampamento, por isso já deixe separado um par de meias para você molhar neste dia. Atravessamos o Rio Tek e logo mais a frente o Rio Kukenam. Neste dia tem muita subida (uns 7km), alias só subida, sol, sol, sol escaldante, vegetação rasteira e o vento que é bom? Naaaaaaaadaaa. O almoço é no meio da subida, em um local onde tem uma árvore. Lá pelas 11:30 serviram 2 fatias de pão; salada de atum, milho, repolho, pepino, cenoura e batata e uma maçã de sobremesa. As 13:30 chegamos no 2º acampamento, na base da montanha. Prepare-se para o banho neste dia. Gente, foi a água mais gelada de todo o trekking. Sério, literalmente dói até os ossos, amortece tudo! Mas fui na cara e na coragem e lavei até o cabelos ahahahha. Depois de dar aquela renovada, ficamos conversando e logo após descansamos um pouco. Choveu bastante neste dia. A chuva parou na hora da janta, serviram arroz, galinha com molho vermelho, cenoura, batata e suco. Neste dia minha lombar sentiu bastante. Tomei Miosan para dormir e até então eu queria subir a La Rampa com a cargueira. Neste dia estava mais frio, fiquei com uma blusa dryfit e um fleece por cima. 13/10/18 - 3º dia: A saída estava marcada para as 7:30. O café foi arepas com queijo ralado e geléia de morango. Como acordei com dor, decidi pegar um carregador para subir a La Rampa. O valor foi R$ 50. Foram 5km em 5horas de subida. Só subida, subida e subida. Ali você passa pelo tão famoso Paso das Lágrimas, um local um pouco perigoso por conta dos cascalhos e pedras soltas que ficam embaixo de uma cachoeira semipermanente, é bem liso, todo cuidado é pouco. E quando você olha....o topo já está ali, depois de quase 5h chega até dar um ânimo para ir mais rápido. Ao chegar no topo ganhamos bombom e balas..:) As 13:30 chegamos ao Hotel índio e almoçamos hambúrguer (pão, ovo, tomate, queijo, pepino e maionese). Ficamos por lá, tem uma área para tomar banho, bem tranquilo. A janta deste dia foi sopa (banana, abobrinha, cenoura, batata e frango), tinha banana na sopa? Sim..mas sabe que não era ruim não? Essa noite estava bem fria, coloquei “toda a minha roupa”. Estávamos no topo, lá não estava chovendo mas, dava pra enxergar os raios longe dali. Geeeente de madrugada quando precisava ir no “banheiro” era o drama kkkkk, lá em cima é muito escuro! E as vezes eles montam a barraquinha do banheiro em um local meio ruim, então dizem que se precisar fazer o número 1 a noite, vá ali perto mesmo com a lanterna ligada e na hora de fazer desligue para ninguém ver hahahahahah....Aquela escuridão, é muito estranho! 14/10/18 – 4º dia: Quase não consegui dormir, levantei as 7h, tomei café (panquecas com geléia de morango) e as 8:30 saímos em direção ao Hotel Quati. Foram 13km em 5h. É neste dia que você passa pelo Ponto Tríplice (Venezuela, Guina e Brasil). O dia foi bem cansativo, é um sobe e desce nas rochas, e sol o tempo inteiro, não tem vento. O Hotel Quati fica dentro de uma caverna e é deslumbrante! Ao lado, tem um riacho em que você toma banho, e pertinho dali tem um mirante muito bonito onde você consegue ver a “selva” da Guiana e também o Roraiminha. O almoço foi massa com molho de tomate e carne moída. Neste dia jantamos super cedo lá pelas 18h, o cardápio foi arroz com carne e molho. Dormimos em três na barraca, pois até então estávamos dormindo em duas e a outra menina sozinha na barraca porém, ela passou bastante frio lá no Hotel Índio e eu também quase congelei lá. Claro que nesta noite não passamos frio, mas também não conseguíamos nos mexer dentro da barraca hahaha. 15/10/18 – 5º dia: levantei as 6:30, tomei café (empanadas com queijo), caminhamos até o Lago Gladys, ida e volta deve dar uns 10km. Durante o trajeto o tempo fechou diversas vezes. E ao olhar para os lados você pensa: Meu deus! Onde eu tô? Tô perdida! Se me largassem lá e falassem...volta sozinha, eu não sei o que faria! É tudo igual, rocha, pedra, rocha e assim vai! É literalmente outro mundo. Fomos até o abismo....estava bem fechado ficamos uns 30min esperando e nada...fomos no Gladys, andamos mais um pouco e nada do tempo abrir! Na montanha é isso mesmo, faz parte! Na volta tomamos banho no Rio de Ouro, a água tava gelada mas na cara e na coragem foi de boa haahhaahah. Almoçamos por ali mesmo, tinha arroz, calabresa, verduras e melão de sobremesa. Chegamos de volta ao Hotel Quati as 16h. A janta foi massa com carne e vegetais. 16/10/18 – 6º dia: Levantei as 6:00, tomei café (panqueca com queijo). Saímos as 7:30 e chegamos ao Hotel Vasillo as 12:30. Tinha começado a chover, e enquanto nós descansávamos na barraca os meninos faziam o almoço (arroz, ovo frito, salada de batata, cenoura, milho, ervilha e maionese). Ficamos a tarde inteira literalmente descansando, estava chovendo e bateu uma preguiça gigante de sair de lá. As 18h jantamos, estava bem escuro. 19:30 fui dormir, estava muito frio. 17/10/18 – 7º dia: Acordei as 5:30, o café foi aveia com leite e sucrilhos. No meu caso eles fizeram aveia com água pois sou intolerante a lactose. É importante você informar isso na hora que contrata o trekking ok? Qualquer alergia, problema de saúde...eles precisam saber! Neste dia saímos do acampamento as 7:30, seriam pelo menos 8h de caminhada pois desceríamos a La Rampa, atravessaríamos os dois rios e chegaríamos até o acampamento base. Chegamos no segundo acampamento (base da montanha as 10h), e as 11h estávamos almoçando (arroz, salada de ervilha, pepino, tomate, cenoura, batata, milho, repolho, atum com maionese). As 11:30 estávamos saindo novamente. Na descida todo cuidado é pouco, foi nesse dia que caí e “ralei” minha perna. No meio do caminho vimos uma cobra. Chegamos ao acampamento base as 15:45. Bom, seria a nossa última noite ali, a última noite dormindo na barraca... A janta demorou um pouco mais para ficar pronta e enquanto isso ficamos conversando e dando muita risada com os meninos da equipe. O tempo estava fechado neste dia, e como estávamos na base da montanha não poderíamos sair dali sem saber como era a chuva do Roraima. Gente choveu...choveu muito que eu achei que “já eras” tudo que tinha dentro da barraca. Estávamos no local onde se fazia as refeições e não deu tempo nem de pensar, quando começou vento, chuva, raio, não tinha como sair dali, alagou , minha roupa ficou molhada, os pés sujos de barro. A nossa barraca molhou um pouco, a água entrou pelo “respiro”. A sorte que tinha deixado a capa de chuva da mochila em cima dela, e protegeu bastante. Minhas botas estavam dentro de um saco plástico. O que molhou um pouco mais foi a toalha de banho e o saco de dormir. Comemos dentro do local onde os guias estavam preparando a comida. Depois fomos dormir e continuou a chuva. Como era a última noite...a roupa ficou molhada. Não tinha o que fazer. Bom, no café da manhã sempre tem algo do tipo: arepas,empanadas, panquecas, omelete suco, café, chá, leite com nescau, frutas como abacaxi, melão, tangerina. Eles servem um lanche da tarde que pode ser pipoca, uma bolachinha salgada, com chá, leite com nescau enfim... 18/10/18 – 8º dia: Acordei as 5:30, o café seria servido as 6:10 e saímos as 6:50. Como choveu muito na noite anterior o caminhado estava uma lama só. A bota em alguns momentos afundava e ficava bem pesada. No último dia parece que você não chega nunca no povoado de Paratepuy, é cada subida que você pensa: é a última, opa, tem mais uma e depois tem outra e assim vai. Chegamos lá era 11h, nosso motorista querido estava esperando nosso grupo com uma caixa de Polarcita. Foi a melhor cerveja que tomei na minha vida hahahahhaha. Fomos almoçar no povoado de São Franscisco, fizemos umas comprinhas por ali. Tem artesanato e a famosa pimenta com formiga. A tarde chegamos em Santa Elena. A noite fomos comer uma pizza num local ao lado do Mijo (esqueci o nome da pizzaria, mas é grudada nesse bar). 19/10/18: Bom, meu plano era na olta do Monte fazer a Gran Sabana, porém a Venezuela estava em crise. O litro da gasolina chegou a R$15 e todos os passeios foram cancelados. Fiquei ali por Santa Elena mesmo, dei uma volta na cidade pra olhar as lojinhas, porque não tem nada pra fazer ali não. Voltei pra pousada e fiquei vendo TV. Fomos jantar no Mijo´s, comi hambúrguer R$12 e tomei um suco R$7. 20/10/18: Como meu planos não deram certo, eu fui fazer um rapel com o pessoal da Waykyky Tours. A noite fomos na pizzaria ao lado do Mijo´s, comi uma lasanha por R$17 e suco R$ 5 21/10/18: Dia de voltar para casaaaaaaa....Ai vem todo aquele fluxo, taxi até Pacaraima, bus até Boa Vista, Voo até SP – POA, Bus até Passo Fundo.. Missão cumprida!! Trajeto de Ida: Ônibus: Passo Fundo – Porto Alegre Voo: Porto Alegre – Boa Vista Ônibus: Boa Vista – Pacaraima Carro: Pacaraima – Santa Elena do Uairen Pousadas que fiquei em Santa Elena do Uairen: Los Pinos – R$ 50,00 quarto individual, com chuveiro com água quente e ventilador. Não tem café da manhã Lucrecia – R$ 50,00 quarto duplo (R$ 25 por pessoa) com chuveiro com água quente e ar condicionado. Tem piscina mas não entrei. Tem filtro de água disponível aos hóspedes. Não tem café da manhã. Pousada Nativa (ao lado do mercado Nativa) – R$ 40,00 quarto duplo (R$20 por pessoa), com chuveiro com água GELADA e ventilador. Não tem café da manhã. Pense bem antes de subir o Monte Roraima, eu gosto dessas indiadas e em alguns momentos poderia ter sido melhor. Por exemplo: meu isolante era desses comuns, eu sentia todo o frio da pedra no meu corpo. Peguei um saco de dormir da Waykyky, para temperatura de 10 graus porque o meu era pra frio de -5 e era muito pesado. Talvez se tivesse levado o meu não teria passado tanto frio. Subi com uma cargueira de uns 10/11kg, mas se você me pedir tinha tudo que precisava dentro da mochila. Levei um carregador portátil de 500g que a bateria durou os 8 dias e ainda carregou outro celular e go pro. Leve bobagens para comer, tem hora que dá uma vontade de comer qualquer coisa que não tem lá em cima ahhahahaha, faça um estoquezinho de barrinha, chocolate, amendoim, bolachinha e tal....eu levei uma boa porção de castanha de caju e do pará, nozes, damasco dentro de um saquinho fechado e as formigas atacaram e eu fiquei quase uma hora limpando pra tirar as bichinhas hahahahahahaha. Sobre as roupas: leve uma roupa só para dormir, você não pode pensar em molhar esta roupa. Não economize nas meias, caminhar com meia molhada e fedendo a carniça ninguém merece né? Coitado do coleguinha que depois tem que ficar sentindo o cheiro da tua bota podre de fedida... quando chegar nos acampamentos, lave a tua roupa, não se preocupa pq ela vai secar tá? Tome banho, não seja fresco, tá lá no Roraima e vai fazer mimimi? Toma banho gelado mesmoooo! Sintaaa na pele o que é estar lá! Tome água, bastante água sem Clorin como eu fiz! Deus é Pai e eu não tive nenhum piriri durante os 8 dias. Se liberte, ninguém que está lá tá ligando para o teu cabelo, a tua roupa, a tua unha...a busca é por outra coisa! Aproveite o tempo na montanha para refletir. Fique sozinho, acorde cedo, veja o sol nascer, durma mais tarde, fique lá fora da barraca sentindo o vento, olhando aquele céu maravilhoso. Converse, sorria, demonstre carinho e agradeça, agradeça muito aos teus guias..pois eles levam tudo o que é necessário pra você durante esses 8 dias, não pense que eles levam 30kg nas costas porque gostam....fazem porque precisam! Valorize teu guia! Valorize teus carregadores! Eles merecem. Fica aqui meu registro destes dias que levarei pra sempre na minha memória. Obrigada ao povo Venezuelano por me receber tão bem! Contato do pessoal que eu fui: https://www.facebook.com/Waykyky.Extreme.Tours/ https://www.facebook.com/javiersagitar?fref=search&__tn__=%2Cd%2CP-R&eid=ARAh8isHMXqALQu3oGx6xabmaIoUKf7X-4zzXHEmt-3mz_qtv2he3qyBvXrvz0IBoeUwHMOqy0_sOwC2 https://www.facebook.com/denisson.marin Se alguém quiser o contato no Whats é só me pedir! Espero ter ajudadoo!!! Qualquer coisa que precisarem é só gritar..
  26. 1 ponto
    Observei que há poucos relatos sobre o Marrocos de carro e eu estava em débito quanto a contar a história desta viagem, então resolvi escrever agora. E também pela gratidão ao povo marroquino pela hospitalidade, gentileza e simpatia. Escolhemos viajar em março por ser o fim do inverno e porque gostaríamos de ver neve. As temperaturas oscilaram entre 2º e 13ºC, com exceção do Sahara onde foi de 16° a 22°C. Ah, e é um destino muito seguro e bastante econômico, que são palavras mágicas para mim. O Marrocos por todo o exotismo povoa minha mente há décadas, então quando soube que tinha surgido uma empresa aérea que fazia voos diretos e em 9 horas, achei que era a hora. A cotação do dólar e euro começou a subir sem parar, isso sempre ocorre quando estou prestes a viajar, e só faltavam as passagens. Decidimos minha esposa e eu, que tinha que ser naquele momento. Por sorte durante a viagem o dólar e euro baixaram e a Royal Air Marroc devolveu-me a diferença, que foram uns R$ 800, nas duas passagens. Um probleminha era que os idiomas oficiais eram o francês, árabe e berbere. Meu inglês é capenga, mas soube que dava para se virar bem com o espanhol, então com a cara e coragem, nós fomos. Tratei de escolher apenas hospedagens nas quais falassem espanhol (tem lá embaixo no Booking). A aventura começou ao entrar no avião com a tripulação falando francês, alguns homens usando roupas típicas, todas as mulheres usando lenço (hijab) e músicas árabes de fundo, me parecia que só tinha nós dois de brasileiros. O voo atrasou uma hora e meia, devido a um temporal em Guarulhos. E ao chegarmos a Casablanca vimos o quanto é rigorosa a imigração, sendo nós e outro casal separado para a revista, mas deu tudo certo e nem perguntaram sobre o chimarrão e cinco quilos de erva-mate que levávamos. Incluímos neste roteiro as quatro cidades imperiais que são Marrakech, Fez, Meknes e Rabat. E acrescentamos Chefchaouen, Ifrane, Ouarzazate, Merzouga, Tinghir e Casablanca todas de grande importância turística. Coloquei abaixo com as fotos um mapa de nosso roteiro. Visão geral sobre turismo no Marrocos O Marrocos é um país de enormes contrastes. O país tem praias, montanhas, neve, deserto, cidades históricas e culturais. A cada 50 km a paisagem muda totalmente. Nas cidades grandes convive a mistura de modernidade e tradição. Não é todo lugar que se pode almoçar em um restaurante fundado em 1150 ou dormir em um hotel do ano 1348. E por falar em neve, as Montanhas Atlas têm neves eternas, ou seja, neves permanentes no topo, lindas. É um país seguro e de pessoas alegres, amáveis e que respeitam o turista. A polícia é muito educada e eficiente. São muito tolerantes e respeitadores quanto a outras religiões. Não há problemas para que mulheres viajem sozinhas, claro que devem se cobrir mais e não usar roupas muito justas por respeito a seus costumes. Também não precisam usar o lenço (hijab). Podem até ouvir uma cantada, tipo “quer casar comigo?” ou “quero casar com uma garota brasileira” e não se admire se em português. Todas suas fotos parecerão profissionais, porque além dos cenários incríveis a iluminação é perfeita. Por isso que Ouarzazate é chamada de Hollywood do Marrocos. Ocorrem muitas filmagens e não só de filmes com a temática árabe ou com deserto, mas até com temas europeus ou chineses por exemplo. Você vai ouvir muito as palavras: -Medina – É a cidade antiga que fica dentro das muralhas, ou seja, uma fortificação. Os portões das medinas são chamados de Bab, por exemplo, em Meknes tem a Bab El Mansour. -Souk, zoco, (espanhol), souq (inglês) – que se refere à zona comercial ou bazar dentro da medina. Há o souk dos couros, dos frutos secos, das joias, dos calçados, etc. -Riad – São mansões ou palacetes tradicionais sem janelas para o exterior, as salas e quartos abertos para o pátio interno ajardinado que muitas vezes tem árvores e fonte para refrescar. Abrigavam famílias numerosas e endinheiradas, hoje é uma palavra para hospedagem, ou seja, é um pequeno hotel sempre com decoração típica. Hospedagem que recomendo e é quase obrigatória, pela experiência, em Chefchaouen, Fes e Marrakech entre as cidades deste roteiro. -Kasbah – são palácios fortificados. Normalmente são de adobe (mistura de terra e palha) é um tipo de arquitetura muito comum no Marrocos. Tanto que, entre Ouarzazate e Thingir é chamado de Vale dos Mil Kasbahs. Alguns atualmente servem como hotéis. -Ksar – é uma cidadela fortificada e pode conter vários kasbahs. O mais famoso é o Ksar Ait Bem Haddou em Ouarzazate. -Bérbere – são os habitantes originais do Marrocos e de seus vizinhos Argélia, Mali, Tunísia antes da chegada dos árabes no ano 681. São diversos grupos ou tribos e sua cultura é muito forte e influente no dia a dia. Não confundir com índios, como li alguém citar. Tem uma cultura com escrita bem antiga derivada dos fenícios. Tiveram também influencia grega e romana. O grupo mais conhecido pelo cinema são os touaregs. -Djellaba - é o traje típico masculino. -Kaftan – é o vestido típico feminino. Assim como os trajes masculinos, tem para o inverno, o verão, para o dia a dia e para festas. Aliás, as mulheres vão ficar encantadas com a beleza dos mais festivos em exposição nas lojas. -Hijab – é o lenço feminino. Não é obrigatório. Também chamado nas lojas de pashmina. É uma boa opção de presente. Bem baratos e de boa qualidade. Baboucha ou babouche – São chinelos típicos. Tem para homens e para mulheres. São muito decorativos. Outra boa opção para presente. Também são bem baratos. -Dirham – É a moeda (abreviação MAD), que vale 10 a 11 por um Euro. Euros também circulam muito bem no comércio e hotéis. Bem fácil de converter, até de cabeça, para reais. Por exemplo, 200 MAD. Tire um zero e multiplique por 10 ou 11 (como preferir), o resultado é 20 Euros. -Hamman – É o conhecido banho turco. É um ritual de banho, esfoliação e massagem. Nós fizemos os dois juntos em Marrakech em nosso riad. Adoramos! Creio ser uma experiência obrigatória. E a moça que fez tinha mãos de fada, nada daquela coisa bruta que se vê em filmes. Coloquei os hotéis que ficamos para referência de preços (ver no Booking) e de localização, que no caso das cidades grandes também incluía o problema de chegar de carro. Isso porque dirigir dentro das medinas como em Marrakech e Fez é um problema. Todos tinham nota acima de 8 na época. Muitas atrações são livres ou muito baratas. Apenas mais caros foram os ingressos com guia na Mesquita Hassan em Casablanca e o Jardim Marjorelle em Marrakech. Mas valem todos os centavos. Estes não se comparam aos valores na Europa, são muito menores. Se for comprar algo mais caro tenha uma noção de preços antes de entrar em uma negociação. É uma experiência marcante que pode levar horas. Nós compramos um lindo casaco de couro de camelo para minha esposa. O preço começou em umas três vezes mais, saímos, voltamos umas duas vezes e novas discussões de valores. Então soube quanto era a faixa de preços lá no riad e também com outro vendedor e no final quando já estávamos quase brigando fechamos em 80 Euros, ficamos amigos, nos abraçamos e conversamos. Para mais informações veja no site:http://www.marrocos.com/ A culinária Mundialmente famosa e exótica com muitos temperos, mas nada que desagrade a maioria dos paladares (ah..., tem o cominho) e há também muitos pratos vegetarianos. Não tem esquisitices. Não estranhamos e gostamos muito. É bem variada e os mais populares são: -Cuscuz – Que é feito com sêmola um tipo de trigo duro. Quem gosta do cuscuz paulista vai gostar porque é semelhante, mas melhor. -Tajine – Costuma ser alguma carne bovina, cordeiro, frango, peixe. É como uma carne de panela muito macia. São cozidos lentamente em uma panela de barro com o mesmo nome. -Mechui – Cordeiro assado lentamente e muito macio. -Sopas – As mais comuns são a harira e baissa de habas (favas). Tomávamos todos os dias e muitíssimo barata. -Paella – Espanhola. Servida no litoral. Como em Rabat. -Pastella ou pastilla – É um prato bastante exótico com uma carne como frango ou pombo com ameixas, amêndoas e mel, cobertos por uma fina massa folhada e cobertos com açúcar de confeiteiro. Mistura salgado e doce. É bem gostoso e bonito. -Pinchito – são espetinhos. Semelhantes aos que conhecemos. -Kebab – são espetinhos de carne moída. Bem conhecidos por aqui. -Amlou – é conhecida como a “Nutella marroquina”. É deliciosa, mas não achamos semelhança, é bem fluída, não pastosa. Confeccionada com amêndoas, mel e óleo de argan. Todos os pratos são acompanhados com pão à vontade. Nas cidades maiores há também várias opções de comida internacional, de mexicana a tailandesa. Muitas vezes, como estávamos em dois, um pedia um cuscuz e outro um tajine e cada um comia um pouco de cada. Em todos os lugares são pratos muito fartos. Só em Marrakech são um pouco menores, mas nunca faltou comida. Todos os cardápios são pelo menos em francês, inglês e espanhol e tem foto da comida, além da descrição. Não deixe de entrar em uma pâtisserie (confeitaria) para fazer um lanche e ficará encantado com a variedade de doces. São de um sabor delicado e não muito doces. Usam mel, amêndoas, gergelim. E não deixe de tomar o suco ou batido de amêndoas, que é fantástico, vem quase copo de liquidificador. Mesmo assim foi um para cada. Vai se esbaldar comendo tâmaras e tem uma grande variedade. Procurei comprar embaladas. São deliciosas. Azeitonas, eu nem imaginava que havia tantas variedades. Servem até no café da manhã. E na maioria das vezes antes de qualquer refeição já colocam na mesa pão e azeitonas. Como é dirigir no Marrocos Dirigir no Marrocos é fácil e uma experiência incrível que te faz sentir na pele os lugares por onde passa, viajando no teu ritmo e desfrutando do trajeto, não só dos destinos. Nosso roteiro deu uns 2000 km, mas rodamos um total de 3600 km. Alugamos o carro pela internet pelo site https://www.economycarrentals.com que apresentou os melhores preços (até a metade de outros) e não tinha taxas extras. A locadora foi a Europcar, e escolhemos um i30, na falta nos ofereceram como upgrade o Qaskay que é uma SUV do porte do Jeep Compass. Um detalhe maravilhoso que era a diesel, o que fez a diferença, porque fez 22,5 km/l. Pagamos pela diferença R$ 120 (convertidos). Então, lá escolha o diesel. Uma coisa que não entendi é que no ticket da máquina de cartão apresentou a palavra débito, apesar de ter escolhido o crédito. E no fim das contas saiu mesmo no crédito na fatura do cartão. Não entenderia mesmo em português, muito menos em francês. Mas na próxima vez lá, já sei e tudo bem. Portanto, não se preocupem com isso. Se quiseres saber o preço dos combustíveis lá para planejamento veja em https://www.globalpetrolprices.com/gasoline_prices/ que mostra a média dos valores praticados em todos os países. Evite dirigir nas grandes cidades que pode ser confuso e também para não perder a vaga do estacionamento, que em geral é na rua com “flanelinhas” licenciados, custou 2 Euros por noite em todos os lugares. Pode ficar tranquilo que ninguém mexe. Não vá deixar coisas de valor à vista, é claro. Nestas use táxis que são baratos. As placas de sinalização são em árabe e alfabeto ocidental. Verá algumas em bérbere nas autoestradas (escrita que lembra a dos fenícios). Não é necessária a PID (Permissão Internacional para Dirigir). As estradas são de ótima pavimentação e poucas têm pedágios sendo a maioria baratos (foram valores como 6, 8 ou13 MAD, ou seja, 1 Euro), a exceção é a que vai de Marrakech à Casablanca. A polícia é bastante simpática, então também seja. Não ultrapasse os limites de velocidade que com 90% de chances você trará como “souvenir” uma multa. Têm radares em todas as estradas inclusive as mais desertas. Minha principal atenção foi com a placa Ralentir (desacelere) que é uma pegadinha no sentido literal mesmo. Leia neste post https://www.tempodeviajar.com/como-escapar-gendarmerie-royale-marrocos/ lá tem todas as informações necessárias para dirigir com tranquilidade no Marrocos. Chefchaouen nos mapas pode aparecer El Aiún. Por sinal, no Google mostra no menú a opção El Aiún, Chefchaouen, Marrocos. É esta mesmo. SAINDO DE CASABLANCA Total: 2000 km 1º Dia 05/3- Chegada a Casablanca Chegada ao hotel no final da tarde, por conta dos atrasos. Então, o previsto para fazer não deu certo e ficaram várias atrações para outra viagem. Pernoite em Casablanca – Le Trianon Luxury Hotel & SPA. Escolhi pela nota no Booking na época superior à 8 e pela localização perto de várias atrações e junto ao Twin Center que é uma referência. O custo-benefício dos hotéis em Casablanca é baixo. Neste mesmo, o café da manhã era a parte e custava 7 Euros por pessoa. Tomamos café em uma lanchonete. 2º Dia 06/3- Casablanca – Rabat – 85 km – 1:00 h - Mausoléu de Mohammed V - Torre Hassan - Kasbah dos Oudaias. É uma fortaleza cheia de residências ainda usadas atualmente. Não é necessário guia, mas se quiser combine, inclusive se entrar em uma casa vão querer te cobrar a parte, então trate antes. - Jardim Andaluz - Chellah (antiga necrópole que foi construída fora das muralhas pelos Merenidas no século XIII, que abriga as ruínas da antiga cidade romana). Hoje é um bonito jardim que dá vontade de passar uma tarde. É cheio de cegonhas e seus ninhos. - Palácio Real. Não pode tirar fotos. Almoçamos na praia junto ao Kasbah dos Oudaias 180 MAD (para dois) Pernoite em Rabat – Riad Meftaha 3º Dia 07/3- Rabat – Chefchaouen – 250 km – 3:35 h Chefchaouen é imperdível! Conhecida como “cidade azul”, é uma das cidades mais coloridas do mundo, muito fotogênica e autêntica. Você se sente voltando mil anos no tempo. Parece que todos os moradores usam roupas tradicionais, até os meninos usam a jelaba e com capuz parecem magos de um filme de Harry Potter. Quem gosta de gatos vai adorar, porque são muitos pelas ruas e todos bem tratados, estes tendo sido até objeto de um estudo de universidade. São muitas as opções para refeições e também bem econômicas, na praça é uma pechincha. Pernoite em Chefchaouen – Dar Zambra. Este hotel fica dentro da medina, bem no alto, então tem que contratar carregadores (combine antes) ou terá que subir pelas ruelas e escadas com tudo nas costas. Todas as atrações na cidade estão listadas abaixo. 4º Dia 08/3- Chefchaouen -Cidade antiga e medina. Exige muito das pernas para percorrer os labirintos de ruelas e escadarias. É o que mais se faz lá, olhar, descobrir e encantar-se. -Castelo central -Mesquita com minarete octogonal -Lavanderia pública Rass Elma Pernoite em Chefchaouen – Dar Zambra 5º Dia 09/3 –Chefchaouen – Volubilis 165 km– Méknes Total: 200 km – Volubilis – Méknes 34,3 Km 44 min. Volubilis - Volubilis (imensas ruínas romanas datando de 28 A.C). Nós paramos junto a uma cerca e avistamos de longe. Não tivemos tempo para visitar. Meknes Meknes é uma cidade surpreendentemente linda. Quando estávamos chegando a gente começou a ficar de boca aberta. Os roteiros turísticos não lhe dão a devida importância, mas é uma das cidades que o guia Lonely Planet recomenda para a visita em 2019. Nós moraríamos lá, se pudéssemos. - "Tour des remparts", circuito das muralhas, que passa pelas diversas portas ("babs") da cidade; fizemos com uma carruagem. A cidade antiga é cercada por três conjuntos de muralhas, sendo uma dentro da outra e a externa com 12 metros de largura. - Mausoléu de Moulay Ismail (construtor da fortaleza, que teve 500 mulheres e 800 filhos!), uma das poucas mesquitas que podem ser visitadas, exibindo trabalhos decorativos riquíssimos; - Bab El Mansour - Medersa Bou Inania - Palácio Real, com seus fantásticos estábulos, com capacidade para 12.000 cavalos e respectivos cavaleiros, os silos, com capacidade de armazenagem de 2 anos, o reservatório com uma "nouria" (monjolo), apto a alimentar de água tanto o palácio, quanto a "medina", além dos jardins suspensos com oliveiras. Uma obra de engenharia militar. Um guarda se ofereceu por um pequeno valor nos servir de guia. - Ville Nouvelle (cidade nova), onde estão localizados os hotéis e restaurantes, mais parecendo um "mercado persa". Quanto ao artesanato, seu forte são os "damasquinados": semelhantes aos trabalhos encontrados em Toledo (Espanha), só que elaborados com ferro e prata. Pernoite em Meknes – Riad Yacout, este fica dentro da muralha, uma localização privilegiada e perto de tudo. O riad era lindo e com uma decoração muito autêntica. O ano de fundação era por volta de 1750 se não me engano. 6º Dia 10/3 - Méknes – Fez 64 km Fez é uma das cidades mais antigas do Marrocos, sua fundação foi 789. É misteriosa e cultural, é maior medina que não entram carros do mundo. Percorrer suas ruas e ruelas é a principal atração. E ficará impressionado com a qualidade dos objetos de couro, com as cerâmicas, dos ladrilhos, com as portas, bem, a lista é longa. Porque você vai se surpreender a todo o momento. Precisaríamos ter ficado mais uns dois dias pelo menos. - Bab Boujloud – o portão azul, principal entrada para a Medina - Medersa Bou Inania (medersa ou madrassa) - Dar-el-Makhzen (Palácio Real) - Bairro judeu Fez Mellah - Santuário de Moulay Idriss I - Padaria comunitária. São bem comuns até hoje. As pessoas levam o seu pão para assar lá. - Medina - Jardin Jnan Sbil - Palacio Glaoui - Al-Karaouine University – Foi fundada em 859 por Fatima Al-Fihri e é a mais antiga universidade ainda em funcionamento contínuo do mundo de acordo com a UNESCO. Mas não se pode entrar, pena. - Museu de Artes e Ofícios de Madeira de Nejarine - Tombeaux merinides (Tumbas dos Merenitas)- Vista da cidade - Quartier tanneurs – quarteirão de tingimento de couros -Borj Nord (Museu das Armas) Fortaleza no alto de uma colina -Dar-el-Makhzen (Palácio Real) Observação: Serviço Oficial de Guias em Fez é tabelado: Meio- dia: 200 MAD inclui apenas visita a medina. Nós contratamos um guia que foi chamado pelo gerente de nosso riad para otimizar o tempo, então nosso tour começou por volta das onze horas até lá pelas quatro e meia da tarde. Foi meio corrido e com muita informação. Depois ande sem guia, então vai se perder e se achar entre as 10.000 ruelas (isso mesmo) que compõem esta medina. Nós tínhamos como referência a Bab Boujloud, o portão azul, já que nosso riad ficou próximo. No outro dia era sexta-feira e no Marrocos que é muçulmano, equivale ao domingo. Então, dentro da medina a maioria do comércio estava fechado. Utilizamos o serviço de um guia para conhecer a parte fora da medina. Ele foi com uma van, e este sim foi maravilhoso, com muitas explicações inclusive sobre sua religião. Esta hospedagem merece uma referência especial, já que nunca na vida fomos tão bem acolhidos em um hotel quando lá. O gerente nos colocou sob os cuidados do Hassan, e tudo que precisamos, ele nos auxiliou. Levou o carro que estava com pneu furado para conserto, conseguiu os guias, a compra de remédio para tosse (gripei) e um monte de coisas. Este riad é um palácio literalmente e nos deram uma suíte enorme que tinha até sala com sofás e o ambiente finamente decorado. Daria para passar um dia só fotografando os detalhes de tudo. Este riad foi construído em 1373. Bem antigo, mas reformado e belíssimo. Pernoite em Fez – Riad Al Makan – creio que melhor localização é impossível. 7º Dia 11/3 – Fez Pernoite em Fez – Riad Al Makan 8º Dia 12/3 - Fez – Ifrane 72 km Ifrane é chamada de “Suíça Marroquina” e os tours normalmente só fazem uma passagem de umas horas, ela é mais “ocidental”, mas a natureza em volta é belíssima. Mas nós queríamos ver neve, por isso resolvemos ficar um pouco e ter um tempo para descansar. Fizemos até bonecos de neve e interagimos bastante com as pessoas. -Estação de esqui. -Bosques de cedro com os macacos de Gibraltar, são a mesma espécie e bem mansos. Podemos nos aproximar sem que agridam. Entramos em uma estrada ao lado do hotel e ao longo do percurso víamos as pessoas fazendo pic-nic. -Nascentes de água -Parque das Cascatas de Vitel -Termas Naturais de Ras El Ma Pernoite em Ifrane – Hôtel Relais El Maa, sem café da manhã. Tinha uma lanchonete junto, mas comemos todas as refeições em um restaurante a poucas quadras. 9º Dia 13/3 – Ifrane Pernoite em Ifrane - Hôtel Relais El Maa 10º Dia 14/3 - Ifrane – Merzouga 400 km – tempo estimado de viagem 6:00h Atenção ao tempo de viagem, que pode ser maior dependendo das paradas. Leve água e coisas para comer, porque não dará tempo para almoço se você quiser chegar até às quatro da tarde para ir de dromedário ao acampamento no deserto. Este horário tinha sido combinado por e-mail com nosso riad, e a finalidade é estar no acampamento ao por do sol. Foi o trecho mais longo que dirigimos e é demorado por conta das várias cidadezinhas que passamos. Muitas gostaríamos de ter parado um pouquinho. O passeio com dromedários até o acampamento no deserto foi uma experiência e tanto. Levamos em torno de uma hora e meia de dromedário. O jantar foi preparado no acampamento e o desjejum quando retornamos ao riad. Creio não ser necessário falar o quanto isso foi emocionante. Ah, e era nosso aniversário de 24 anos de casamento. Pernoite em Merzouga no deserto em uma tenda 11º Dia 15/3– Merzouga -Tour das dunas (visita a aldeia Khamlia, Minas Mfiss e oásis Tissardmine. Preço 500 MAD por pessoa (+- R$ 200,x2), achamos meio caro, mas cômodo pois tínhamos combinado tudo antes por e-mail. Foi em torno de quatro horas. Visitamos: -Aldeia e oásis de Hassilabied, aldeia e oásis de Merzouga, músicos Gnawa na aldeia de Khamlia, Dunas de Iqri, aldeia de Tisserdmine, nas dunas, visitar o Depôt Nomade (loja de tapetes e museu), planalto negro de cobalto vulcânico da Hamada du Ghir. Passa pelos caminhos de uma antiga rota do Paris Dakar, também verá nômades acampados junto às dunas. À tarde fomos à Rissani para ver o mercado. Andamos por dentro de um kasbah que tinha várias famílias morando. Faltou conhecer o centro de Merzouga. Pernoite em Merzouga - Kasbah Azalay Merzouga. Esta hospedagem tem uma linda vista para o deserto e você vai querer ver o sol nascer. O traslado até o acampamento, o acampamento e jantar no deserto foram organizados por eles e combinado por e-mail. Creio que todos os hotéis ou riads também façam. 12º Dia 16/3 – Merzouga – Tinghir - Boumalne Dades 252 km Em Tinghir (ou Tinerhir), dê uma parada obrigatória e contemple a cidade oásis. -Gargantas do Dadés. É um desfiladeiro incrível e que vai render umas fotos impressionantes. Não deixe de dirigir até o alto. -A Garganta de Todra, é outro desfiladeiro, com paredes com mais de 200m de altura. -Vale das Rosas em Kelaat-M’Gouna, Jbel Saghro, La Vallée Des Figues, Vale das rochas Dedos de Macaco, Vale dos Pássaros. Para chegar nas Gargantas de Dadés: Em Boumalne pegar a R 704. E para ir à Garganta de Todra pegar a R 703 e andar uns 17 km. -Kelaat M’Gouna – Entrada para o Vale das Rosas. Aproveite para olhar as lojinhas e comprar uns perfumes, que são de excelente qualidade e com essências locais (influência francesa), são lembrancinhas boas e baratas. Pernoite em Boumalne Dades – Maison D’Hotes Restaurant Chez L’Habitant Amazigh 13º Dia 17/3 - Boulmane – Skoura – Ouarzazate Este trajeto é conhecido como o Vale dos Mil Kasbahs” e realmente são muitos. - Em Skoura com Kasbah Amerhidil e Sidi El Mati. Ouarzazate é uma maravilhosa cidade com vários atrativos onde dá para sentir o dia a dia das pessoas e também pode servir de base para visitar os arredores até 100 km. É conhecida como a “Hollywood do Marrocos” devido à produção de filmes. Em Ouarzazate: - Kasbah Tifoultoute - Kasbah Taourirt - Kasbah des Cigognes - Ksar de Ait Ben Haddou. Impressionante. É uma cidade fortificada fundada em 757 e ainda vivem lá algumas famílias. Lá foram feitos muitos filmes como Lawrence da Arábia, O Gladiador, A múmia, Alexandre, etc. Fica a 30 km da cidade em direção de Marrakech. Indo pela N9 e depois pegar P1506 e andar uns 9 km. Nós preferimos ir e voltar para Ouarzazate. - Museu do Cinema - Estúdios de Cinema Atlas. Não foi possível entrar porque estava acontecendo uma filmagem. - Estúdios de Cinema CLA. Vá, só se tiver tempo. Eram objetos de cenários bem velhos, mas rendem boas fotos. - Bairro típico de Taourirt - Bairro típico de Tassoumaat, - Oásis Fint. Passamos umas horas e é muito relaxante estar entre as tamareiras. -Museu do cinema. Fica junto ao Kasbah Taourit. Aproveite para entrar nas lojinhas em volta. Lá encontrará peças incríveis, inclusive antiguidades. Pernoite em Ouarzazate – Hotel Dar Rita. Ela, a Rita é portuguesa e tem um excelente site com informações sobre o Marrocos: http://www.darrita.com/hotel-marrocos/. Mais informações também com: http://www.joaoleitao.com/viagens/marrocos/ (é irmão da Rita) 14º Dia 18/3 – Ouarzazate Pernoite em Ouarzazate - Hotel Dar Rita 15º Dia 19/3 - Ouarzazate – Marrakech 196 km O tempo de viagem de Ouarzazate à Marrakech é em torno de 4 a 5 horas, mas depende das paradas. Uma coisa que eu tinha muita vontade era de cruzar as Montanhas Atlas, e foi realmente fantástico com cenários de indescritível beleza. Todas as atrações de Marrakech custam em torno de 10 MAD (1 Euro). É melhor usar táxis para se locomover para fora da medina e negocie antes. Nós fomos ao Jardim Marjorelle de Tuk tuk. Não se hospede muito longe da praça, pois ela será sua referência para tudo. - Jemaa el Fna. De dia é uma coisa, e à noite se transforma numa mistura de magia com luzes, cores e aromas. Falta-me talento literário para descrever melhor o que se sente e vê. É a principal praça de Marrakech e uma das mais famosas do mundo e é onde a vida pública acontece. É bem movimentada durante o dia, mas ao cair da noite é quando tudo acontece. Parece que toda a população e turistas vão para lá e é impossível não sorrir o tempo todo ao ver todo mundo tão alegre e se divertindo, comendo, assistindo os vários espetáculos que estão acontecendo (como encantadores de cobras, malabaristas, etc). Nas ruas da medina chega a acontecer congestionamento de gente a pé. Sério, eu vi, então já esteja por lá ao entardecer e fique até lá pelas nove da noite quando o movimento diminui. E a gente tem que ter cuidado são com as motos tipo “mobiletes” que andam a toda entre as pessoas dentro da medina. - Mesquita Koutoubia com minarete de 70 m. - Tumbas Saadianas - Palácio Real - Palácio Bahia que é lindo - Palacio El Badi em ruínas, pois foi saqueado para construir Méknes - Medersa Ben Youssef - Museu Dar si Said – Museu de artes de Marrakech (vale mais pela arquitetura) - Museu de Marrakech - Qoubba Almorávida – fica perto da Medersa Bem Yousef - Jardim Majorelle (entrada 20 MAD + 15 para o Museu Berbere). Superou todas as expectativas. Não dá para deixar de ir. Está junto a uma casa que pertenceu a Yves Sain Lawrent e é inspirado nos jardins islâmicos, tem uma coleção de cactos e palmeiras de todo o mundo, tudo com descrição. Lá vimos, do Brasil buriti e butiá. Reserve umas três horas pelo menos, porque é enorme e cheio de coisas para ver. Imperdível também é o Museu Bérbere, e isso que não sou muito de museus. - Gueliz e Ville Nouvelle (parte mais moderna, tem até um Carrefour (onde dá para comprar bebidas alcoólicas) - Cyber Park. Fica bem próximo da entrada da medina. É bonito, mas vá se tiver tempo ou na volta do Jardim Marjorelle se quiser dar uma parada. - Muralha da Medina. Ver os portões Bab Agnou (mais importante) e Babe Rob além de Bab Debbagh, que dá acesso aos curtumes, e também no Bab Aghmat. - Souk do Ouro, souk das frutas, Souk Semmarine (sandálias, babouches, jóias, puffs), Souk Ableuh (especiairias, azeitonas), Souk Kchacha (frutos secos), souk dos instrumentos musicais, Souk do tapetes, Souk Mouassine, Souk El Khemis, Souk Siyyaghin (jóias, ouro), Souk Smata (babouches, cintos). - Maison de la Photographie Pernoite em Marrakech – Riad El Wiam 16º Dia 20/3 – Marrakech Pernoite em Marrakech – Riad El Wiam 17º Dia 21/3 – Pernoite em Marrakech – Riad El Wiam 18º Dia 22/3 - Marrakech – Casablanca 242 km Tempo estimado 3:30h Gastamos a manhã neste trecho, que é uma autopista, com pedágio caro. Fizemos check-in adiantado no hotel em Casablanca. Deixamos o carro estacionado na frente do hotel e à tarde pegamos um táxi para ir ao Morocco Mall. Este é o maior shopping center da África e nosso objetivo foi ver um aquário gigante no qual tem um elevador que passa por dentro. É maravilhosa a sensação que “lembra um mergulho”. Se paga uma pequena taxa e pode fotografar, mas sem usar flash. Nem vimos lojas, porque eram só daquelas grifes bem esnobes como Chanel, Louis Vuitton e Cartier. Depois demos uma caminhada pela Boulevard de la Corniche, que é uma avenida na beira-mar. Voltamos para o hotel. Casablanca é uma cidade muito bonita que tem a mistura de arquitetura do tempo da colonização francesa e a modernidade. O trajeto do aeroporto ao hotel, os arredores do hotel, o percurso até a Mesquita e ao Morocco Mall foi o que vimos e nos deixou uma ótima impressão e desejo de quando retornar ver o que faltou. Pernoite em Casablanca – Le Trianon Luxury Hotel & SPA. 19º Dia 23/3 – Casablanca Entregar o carro no aeroporto. Retorno – Partida 12:20h Vídeo do Youtube sobre as experiências no Marrocos: https://www.youtube.com/watch?time_continue=178&v=awQEEEWLYq0 Nossos custos (2 pessoas) foram 2116 Euros assim discriminados: -Almoço e jantar – 630 -Lanches - 112 -Hotéis/riads - 876 (alguns mais simples outros bem legais, mas todos muito bons) Atrações - 50 Aluguel do Carro - 265 (para todo o período) Diesel - 183 Para ter uma ideia dos custos de um destino uso o https://www.numbeo.com/cost-of-living/ pode conferir que é bem aproximado e em média gastei sempre um pouco menos. Frases úteis em Francês, expressões francesas do dia-a-dia que ajudam a parecer mais simpático. Sim = Oui Não = Non Obrigado = Merci Salut = Oi / Tchau Ça va = Tudo bem (pode ser pergunta ou resposta) Bom dia = Bonjour (usado o dia inteiro) Boa tarde = Bonsoir (aos finais de tarde) Boa noite = Bonne Nuit Adeus = Au revoir Palavras em árabe Saudações: -As-salam alaykom = “que a paz esteja com você”, pronúncia: assalam-aleicûm -Responda a esta saudação padrão com "Wa Alykom As-salam, pronúncia aleicûm-assalam,= que a paz esteja com você também, pronúncia: aleicûm-assalam -Salam = Oi! – cumprimento informal - Shukran = Obrigado -Agradecendo o chá de menta: antes de beber, olhando nos olhos do anfitrião dizer: bi saha Foram nossas experiências mais incríveis: -Visitar os mercados e souks sentindo suas cores e aromas -Passar a noite em um acampamento no deserto do Sahara -Ir até o acampamento de dromedário -Percorrer a gigantesca medina de Fez -Conhecer Chefchaouen, a cidade azul -Andar e se encantar à noite pela Praça Jemaa el Fna em Marrakech -Dirigir. Subindo para as Montanhas Riff, passando por lugares indescritíveis como a Garganta Dades, ir ao deserto, se emocionar ao chegar em cidades como Méknes e tantos outros lugares -Cruzar as Montanhas Atlas e ver neves eternas, vales e vilarejos -Maravilhar-se com os vales verdejantes no deserto e o aproveitamento de toda terra fértil. -Conhecer as pessoas, com um pouco de sua cultura e religião e ter a oportunidade de interagir com elas. Fizemos amigos lá. Levamos as melhores lembranças.
  27. 1 ponto
    Olá, pessoal que frequenta o site “Mochileiros.com”. Depois de muita enrolação, segue aqui o meu relato de uma viagem de 16 dias pelo Marrocos, a partir da Espanha, de 31 de outubro a 15 de novembro de 2017. Fez parte de uma viagem maior que começou em 30 de agosto e em que percorri Portugal, Suíça, Itália, Londres, Paris, Madri, e que finalizei com o Marrocos. Por sua vez, essa viagem “maior” fez parte de um 2017 semi-sabático e que me trouxe muuuita realização. As informações que obtive neste site nessa e em praticamente todas minhas viagens recentes sempre foram muito relevantes. Então, está aqui minha retribuição. Precisando, é só entrar em contato que tenho o maior prazer em ajudar a esclarecer qualquer dúvida. Vamos lá: 30-10: Da estação Sur de autobus de Madrid (bem próxima ao metrô Mendes Alvaro, uns dois minutos a pé) pra Tânger, no Marrocos (passagem comprada pela Internet da “InterBus” dois dias antes – três trechos, de ônibus entre Madrid/Algeciras, das 22:00 às 6:00, e depois, saindo literalmente ao lado de onde o ônibus anterior te deixa, para o trecho Algeciras/Tarifa, das 7:00 às 7:35 - e travessia do Estreito de Gibraltar, a partir das 8:00, tudo por uns € 65,00 – no detalhamento da passagem, só a travessia do estreito consome € 38,00). O trecho intermediário não estava explícito na passagem, o que me preocupou um pouco, mas deu tudo certo. Detalhe: é bom ficar de olho nesta passagem pra quem pretende fazer esse trecho de ônibus, pois, ao contrário do Brasil, não é tão comum se viajar de ônibus pela Europa, ou seja, as passagens podem se esgotar, a depender do trecho em questão. Então, é bom compra-la o quanto antes. Teria sido possível um preço melhor se tivesse comprado ainda antes, mas tinha dúvidas quanto a permanecer ou não mais dias na Espanha (acabei ficando um pouco mais do que o previsto, pois Madri mereceu, êta cidade incrível). 31-10: Uma dúvida que me consumiu nesta viagem foi quanto ao tempo necessário pra aduana, imaginava que poderia não ser suficiente. Mas, na verdade, a “aduana” Espanha-Marrocos é feita na própria embarcação e até que foi rápido. Me pareceu que a embarcação só parte depois que a aduana encerra seus trabalhos. Ou seja, sem estresse. Chegando a Tânger, consegui uma carona até a rodoviária ao ajudar uma senhora com suas malas. Como teria 16 dias no Marrocos e estava ansioso para chegar em Chefchaouen, abri mão de conhecer Tânger, que me pareceu uma cidade super interessante e de boa infraestrutura urbana, para os padrões de uma país emergente. Fica pra próxima viagem. Por 35 dirhans (a moeda marroquina) o equivalente a três euros, comprei uma passagem pra Chefchaouen. Pra se ter uma base, taxistas se ofereciam pra fazer o trajeto por 60 euros. Cada euro vale 11 dirhans. Façam as contas e vejam de quanto seriam as perdas. Foi uma viagem de pouco mais de 100 km feitos em quase três horas. Mas valeu imensamente pela economia. Além de que, te dá uma noção da realidade marroquina e passa por Tetuão, uma das mais importantes do norte do Marrocos. Chegando em Chefchaouen, neguei todo o assédio de taxistas e quem mais fosse que oferecia serviços e hotel, pra conseguir chegar sozinho às proximidades da medina (cidade velha), a menos de 1,5 km, e procurar um hotel. Achei o Hotel Zerktouni (bem simples), na Rua Zerktouni, 9 (tel 0539882694). Assim como a maioria dos hotéis locais, alguém sempre fala espanhol ou algo parecido, então dá pra se virar numa boa. 100 dirhans por uma diária. Viva o Marrocos I. Deixei minhas coisas e fui pra medina, a menos de 100 metros do hotel. Pra quem não sabe, medina é o que corresponderia ao centro histórico de uma cidade marroquina, cercado por muralhas. Nela, funcionam mercados, feiras, casas de artesãos, barbearias, mesquitas, lares, restaurantes, ambulantes e todo tipo de comércio tradicional. Geralmente, são muito interessantes e tentadores para “ocidentais”. E bem fáceis de se perder, é sempre bom estar acompanhado por um mapa ou ter algum ponto de referência, como um cartão do hotel ou uma mesquita mais famosa (sempre há inúmeras, pra todo lado). E é um lugar privilegiado para se entrar em contato com o que há de mais tradicional no país, e, ao contrário do que se vê mundo afora, ou seja, muita coisa fake, aqui tudo me pareceu autêntico. Por exemplo, as pessoas vestem o que realmente corresponde aos seus hábitos. Mas é perceptível que, fora da medina, diminui consideravelmente o número de pessoas com indumentária tradicional, e o comércio vende de tudo que se venderia no Brasil, por exemplo. Andei um pouco ao léu, fiz uma refeição (delicioso tajine de frango ao molho de limão com batatas fritas e suco de laranja natural por 47 dirhans, pouco mais de 4 euros, no restaurante Assaada, bem próximo à porta “Bab El Aín” da medina). Viva o Marrocos II. Quem viaja pra cá vai sempre encontrar essa opção de alimento, que é o Tajine, uma modalidade de preparo, servido quentinho em uma espécie de prato de barro coberto por uma tampa também de barro que conserva o calor por um certo tempo. Tem de vários tipos. Continuei andando pela medina, tirei fotos de casinhas e cenários azuis – o forte de Chefchaouen - e fui parar na mesquita espanhola, como eles chamam uma certa construção já fora da cidade mas bem próximo dela, a uns cinco minutos de caminhada após atravessar a porta Bab Onsar, e o rio Ras El Maa, e indo um pouco além, até alcançar a tal mesquita, pequenina e que nunca chegou a ser usada, que dá pra uma bela vista panorâmica dos arredores. Voltei, me perdi, me reencontrei geograficamente, belisquei “docinhos-mara”, comprei pão caseiro e queijo. Show de bola. Daí você volta pro hotel e dá de cara com gente ali ajoelhada fazendo orações, sem falar das mesquitas que, cinco vezes ao dia, anunciam as preces em alto e bom som. Benvindo ao Marrocos. Obs: Chefchaouen se mostrou um bom lugar para trocar euros por dirhans. Aqui encontrei quem me desse 10,80 dirhans por euro, o que é praticamente a cotação que aparece na net como câmbio oficial. Não sei como seria em Tânger, pois não tive a oportunidade de explorá-la, tão grande era minha vontade de conhecer Chefchaouen. OBS: na verdade, depois de 16 dias no Marrocos, verifiquei que as casas de câmbio praticam valores muuuito parecidos, todas nessa faixa. Foto: Chefchauen (significa algo como “olhe as montanhas”) vista da “casbá”, ou seja, a parte fortificada da medina. Esta cidade se tornou minha maior paixão no Marrocos. Chama atenção pela maioria das casas adotarem uma coloração azul. A origem disso é incerta, mas parece estar ligado a tradições judaicas, seus primeiros habitantes. Mas há também quem diga que essa cor espanta mosquitos. 01-11: Acordei tarde, me distrai com a internet, mensagens, facebook. Ontem, zanzando por aqui encontrei outro hotel mais barato, mais limpinho e dentro da medina (Hotel Abi Khancha, em frente à mesquita de mesmo nome, Avenue Assaida Alhorra, 57, por 60 dirhans a diária, tel. +212539986879, +212602246223 e +212626878426, [email protected]) e lá fui eu trocar de hospedagem. Fiquei tão entusiasmado com o dia anterior que resolvi abdicar das trilhas que pretendia fazer nos arredores em prol de mais uma procura pelos melhores ângulos da cidade azul. E valeu a pena, pois ela não decepciona. É única mesmo. Além do entusiasmo com a cidade, incrível, tem o fato de se estar mergulhando na rotina local, com tudo o que ela contém e ainda mais na cidade velha (a medina), com aquele “trupé” de mulas, motos, corredores estreitos, pórticos, pequenas praças e feiras, o colorido dos produtos à venda expostos nos muros e nas lojas, os habitantes locais entrando e saindo das mesquitas (numerosas, em todo lugar tem uma), enfim, a realidade marroquina em gênero, número e grau, com toda sua intensidade em odores, cores e afetos, é notório que esse país não quer que você fique indiferente a ele. Encantador e envolvente. E assim foi o dia, entre mercados de rua com produtos ultracoloridos, comidinhas e bebidinhas curiosas (tipo suco de tâmara, muito doce mas tem lá seu valor gastronômico, por 12 dirhans). Mandei pro papo também um tajine de carne com ovo (30 dirhans) e um cuscuz de carne de cordeiro com legumes (35 dirhans), mais suco de laranja (a laranja daqui tem um “tchan” – 12 dirhans – na Espanha é quase sempre extremamente ácida). No caso do cuscuz, é praticamente o que se come em Pernambuco e diferente do baiano, ou seja, feito com farinha de milho mas comido seco, com a carne e os legumes por cima. Muito bom! Foto: sucessão de construções coloridas na medina, com o onipresente azul. É tudo assim grudadinho uma casa na outra, dando pra corredores estreitos pra circulação (carros não entram). E muitas parreiras nos telhados. Às vezes, formam um verdadeiro túnel com seu emaranhado. Pra quem puder, procurem ficar hospedados dentro da medina para se ter uma noção melhor do que há de mais tradicional por aqui. Foto: ruelas estreitas com produtos à venda nos muros. Fotos: dois dos recantos mais charmosos da medina em Chefchauen.
Líderes está configurado para São Paulo/GMT-03:00


×
×
  • Criar Novo...