Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Diogo Rodrigues

Membros
  • Total de itens

    134
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

33 Excelente

1 Seguidor

Sobre Diogo Rodrigues

  • Data de Nascimento 28-06-1987

Outras informações

  • Meus Relatos de viagem
    www.youtube.com/umacameraviagens
  • Tópicos que recomendo
    SP
  • Meu Blog
  • Localização
    Rua Tiradentes 1837, São Bernardo do Campo, São Paulo, 09781220, Brasil

Últimos Visitantes

522 visualizações
  1. Visitei a Cachoeira do Jamil, em São Paulo (capital). Ela está em uma propriedade particular, e é cobrada uma taxa de 25 reais para o acesso. Pode-se também acampar, pagando 50 reais. Vídeo da viagem: Saí de São Bernardo, e segui as orientações que os proprietários me passaram por whatsapp. Segui até a Marginal Pinheiros, e de lá coloquei no GPS “Cachoeira do Jamil”, pois se colocasse direto daqui, ele iria indicar um caminho muito mais difícil. Você anda muito, pega trânsito, muito farol, e bairros residenciais. Depois entra na estrada de terra, e o mais indicado é ir pela 2ª opção de estrada, que está melhor para o carro. Aí você atravessa trilho de trem, uma subida cheia de pedras que foi difícil fazer o carro 1.0 passar, mas descendo todo mundo do carro, e deixando ele mais leve, subiu. Na entrada o próprio Jamil te dá um “termo de responsabilidade” (um caderno que você assina seu nome, e explica que é perigoso entrar na água em alguns lugares, e fala da correnteza. Já ouvi relato de mortes ali. Chegamos bem cedo, e ela estava praticamente vazia, e tive uma surpresa com o tamanho de uma queda. O que também impressiona é como a paisagem da cachoeira parece ter saído de algum outro país, como Canadá ou Estados Unidos, pois o entorno da cachoeira é repleta de Pinheiros. A trilha dura uns 20 minutos, e indo até o final dela, chega-se a uma prainha, que é uma parte que o rio fica mais calmo, e tem um espaço maior para nadar. Ali realmente parece uma praia, pois tem uma faixa de areia para ficar. Na minha opinião, a trilha sendo curta, e com as “regras” dos proprietários, a cachoeira só é legal de ser visitada enquanto está vazia, pois depois chegou muita gente com churrasqueira, e uma família levou uma caixa de som enorme, fazendo um barulho que me deu vontade de ir embora. A trilha e a cachoeira são bem limpas. Existem avisos de levar seu lixo em todo lugar, mas quando ela fica lotada, o lixo começa a aparecer. Como lá só pode ser visitado em fim de semanas, provavelmente durante a semana eles fazem uma limpeza. Dá para chegar de transporte público, mas você vai andar bastante. Viajar me fez perceber que todo local tem seus atrativos, inclusive com natureza. E São Paulo tem vários assim.
  2. Diogo Rodrigues

    Prainha Branca - Guarujá

    Em alguns feriados pessoal acampa na areia, mas quase sempre acordam com a barraca rasgada hahaha
  3. Diogo Rodrigues

    Praia em São Paulo para acampar

    Acampar na praia em geral é proibido no Brasil. Recomendo acampar em um camping para ver como é, existem vários lugares que os preços são bem baixos. Na Prainha Branca existem camping de uns 30 reais a diária:
  4. Diogo Rodrigues

    Pedra da Macela - Cunha/Paraty

    Que dahora!
  5. Diogo Rodrigues

    Trilhas e viagens de fim de semana em São Paulo.

    Opa, tô interessado!
  6. Diogo Rodrigues

    Trilhas Interior de São Paulo

    Faz a trilha do Pico do Lopo, em Extrema! É autoguiada e bem tranquila!
  7. Diogo Rodrigues

    Como planejar um mochilão?

    Muito se discute qual a diferença entre uma viagem comum e um mochilão. Opiniões a parte, vou detalhar aqui como eu planejo minhas viagens e mochilões. Lembrando que este é meu modo, e que obviamente varia de pessoa para pessoa. DESTINO Os destinos das minhas viagens aparecem em minha vida das mais diversas formas: vejo fotos ou vídeos na internet, leio sobre iniciativas locais, e assim vai. Geralmente eu escolho um ponto turístico que quero muito ir, então pesquiso sobre a cidade/estado/país, vejo outros pontos turísticos próximos, cidades próximas, e então monto uma lista de lugares a visitar que julgo os com melhor custo benefício. Exemplo: Se meu sonho é conhecer o Cristo Redentor no Rio de Janeiro, ele pode ser meu ponto de partida. Então vejo outros pontos turísticos de lá, como o Pão de Açúcar, Pedra do Telégrafo, Parque da Laje, Museu do Futuro, Mirante Dona Marta, e assim vai. De um ponto de interesse, eu pesquisei coisas próximas, e montei a base do que vou visitar. PASSAGEM Sabendo para onde quero ir, pesquiso sobre como vou para o destino. Caso tenha possibilidade e disponibilidade (tempo), eu pesquiso primeiro passagens de ônibus, e verifico se a economia é suficiente para justificar o tempo que iria gastar na viagem. Por exemplo: ir de ônibus para a Bahia leva tanto tempo, que compensa mais ir de avião. Sem contar que o ônibus para lá nem é tão barato assim, e é possível encontrar boas promoções de passagens aéreas. E as vezes nossas folgas são tão curtas, que perder um dia e meio em um ônibus, pode sacrificar vários passeios no local. Eu pesquiso primeiro em algum site que compara preços, como o Decolar. Achando a passagem que quero, vou diretamente no site da companhia e compro lá mesmo. Assim, evito as taxas que esse site de site cobra. Caso eu tenha disponibilidade de dias, sempre verifico se não fica mais barata ir um dia antes do planejado, ou voltar um dia depois. As vezes essa mudança gera uma economia de centenas de reais. Nessa tabela podemos ver um exemplo do que falei. Indo sábado, dia 02 de março de 2019, e voltando na terça, dia 05, você pagaria 1567 reais. Já indo dia 4 e voltando dia 8, o valor cai para 812 reais! Em 2017 fui para uma comunidade alternativa na Bahia chamada Piracanga, e com essa técnica paguei 400 reais na passagem de ida e volta! HOSPEDAGEM Com o destino escolhido, e a passagem comprada, agora vou atrás de um lugar para ficar, de acordo com a grana que tenho, e com a experiência que desejo ter. Eu gosto muito de natureza, e tento integrar minha hospedagem com ela. Pesquiso no AirBnb cabanas de madeira, casas em meio a floresta, casas na árvore, etc. Também me agrada muito ficar em Hostels (albergues), pois a integração com outras pessoas é enorme! Você conhece outras realidade, países, pessoas, culturas, além de treinar sua inglês, espanhol... E os preços dos hostels costumam ser bem atrativos, deixando a viagem mais barata, podendo-se até fazer passeios a mais, pois você gastou menos com hospedagem. Recentemente fiquei nesta casa na árvore, pelo AirBnb. Ela tinha café da manhã, uma vista linda, e dividi a casa com os moradores. Conversamos sobre vários assuntos, conheci a vida deles, eles a minha, e tive uma interação maior com pessoas e com o local, pois os locais sempre dão dicas do que visitar da região. Em hostels eu costumo ligar ou mandar e-mail diretamente para eles, pois qualquer taxa que eles paguem para o site de reserva pode virar uma economia. Quando fui para o Chile, pesquisei um hostel que era uma casa de madeira em meio a uma vegetação, e fiquei encantado. Liguei para lá sem falar nada de espanhol, e depois de alguns minutos, já estava com a reserva feita. As pessoas são bem solícitas, e tentam de toda forma ajudar quem precisa. Exemplo do Booking, site onde você pode pesquisar pela data e destino, e receber indicações de hospedagem: Uma experiência no AirBnb: COMPILANDO AS INFORMAÇÕES Agora você já tem um destino, um local para dormir, e sabe como vai chegar até lá, mas ainda falta muita coisa! Chegando no aeroporto, como você vai até o local de hospedagem? Alguns hostels, pousadas, ou hotéis, possuem convênio com serviços de transfer, que te buscam no aeroporto ou rodoviária. Caso você queira um serviço desse (mais caro que um ônibus ou metrô), deve conversar com o estabelecimento, e contratá-lo. Eu busco sempre uma alternativa mais barata, já peguei carona, fui de taxi, uber, ônibus comum, fui a pé, mas em uma determinada situação, eu precisava estar no aeroporto 6 da manhã. Contratei então o transfer, uma van que passou em diversos hotéis e pousadas, pegando as pessoas para deixá-las no aeroporto. O próximo passo é separar as atividade por dia! Essa ordem de atividades deve ser feita com um critério muito simples: distâncias. Se na parte da manhã você vai em uma praia, que ao lado dela exista um lugar que você quer almoçar, marque para a tarde algo próximo. E deixe para o próximo dia algo que fique mais distante de lá. Assim você economiza o tempo e dinheiro do deslocamento. No próximo dia faça o mesmo, em outra região. Tudo pode ser consultado pelo Google Maps, assim você mede as distâncias, e faz mais por menos. Exemplo de roteiro em São Paulo: Dia 1 - Café de manhã no Hostel, caminhada no Parque Trianon e avenida Paulista, almoço na Rua Augusta, a tarde vai até o Beco do Batman, suco em algum local próximo, e depois Praça do por do Sol. Dia 2 - Café da manhã no Hostel, museu da imigração na parte da manhã, almoço do Mercado Municipal, e depois atravessar a rua para visitar o Museu Catavento. E assim vai o restante dos dias. Atrações próximas criam a possibilidade de ver mais coisas em sua viagem! ECONOMIA Algumas formas de economia nas viagens: No caso de AirBnb e Hostel, pelo menos algumas vezes durante a viagem, eu cozinho minha própria comida. Isso gera uma economia de dinheiro, e depois posso gastá-lo com outros passeios, comer em algum lugar mais caro, ou mesmo viabilizar a própria viagem, pois em alguns casos eu já fui planejando cozinhar, ou então eu não poderia ter viajado. Compre os ingredientes no mercado e use a cozinha comunitária. Geralmente eles já possuem sal, óleo, e outras coisas básicas. TRANSPORTE DURANTE A VIAGEM Para ir de uma atração a outra, caso não seja possível ir a pé, você terá que pegar um transporte. Em alguns países existem cartões que você pode recarregar e pegar ônibus e metrô. Em cidades maiores o Uber está presente, e se torna uma opção barata, mas atenção para as cidades que o serviço é proibido, e pegá-lo mesmo assim pode complicar sua viagem, caso seja pego. Cartão de Santiago - Chile. PREVISÃO DO TEMPO Embora seja algo que não podemos planejar, podemos usá-la a nosso favor para minimizar os transtornos que uma chuva pode causar. Por exemplo: No dia 1 você vai a um museu, e nesse dia a previsão é de Sol. No dia 4 você vai fazer uma trilha, mas a previsão é de chuva. Você pode inverter os passeios, e assim aproveitar os dois! Exemplo de roteiro visual: Dicas gerais: Verificar feriados locais, pois pode ter muita coisa fechadas nessas datas. Buscar cardápios de restaurantes na internet, isso pode poupar tempo e dinheiro, pois se for mais caro do que você deseja, você nem vai. Baixar aplicativos que podem ajudar a sua viagem: previsão do tempo, uber, bla bla car, app da companhia aérea (fazer checkin antecipado), etc. Caso seja um país de outra religião diferente da sua, verificar se você não vai desrespeitar costumes. Por exemplo, na Tailândia você não pode ter uma tatuagem de uma cabeça de Buda. Verifique se a cotação para trocar o dinheiro é melhor no destino. Trocar no Brasil quase sempre não é vantajoso. Verifique sem o país pede alguma vacina, como febre amarela. A maioria das vacinas precisa ser tomada alguns dias antes da viagem, e se você esquecer e tomá-la no dia anterior, ainda assim não poderá embarcar. Para países do Mercosul você pode viajar somente com RG recente. Não vale CNH, somente o RG. Agora é hora de fazer se roteiro e viajar! Good trip! *Eu fiz esse post originalmente para o meu blog de viagens, mas postei aqui porque ele pode ajudar muito mais pessoas do que o meu blog consegue alcançar*
  8. Diogo Rodrigues

    Camping

    Camping Raio de Sol! O contato: https://www.facebook.com/profile.php?id=100005492583245 Fiquei lá e gostei!
  9. Diogo Rodrigues

    Uma Câmera na Mão e o Pé na Estrada! - Canal do Youtube

    Camping em Juquitiba.
  10. Diogo Rodrigues

    PRAINHA BRANCA - GUARUJÁ - SP

    Um ano depois, mas existem campings por 20 reais com você levando sua barraca. Quem quiser ver, minha experiência na Prainha Branca:
  11. No final de 2016 eu fui conhecer uma praia chamada Praia do Santiago, em São Sebastião - SP. Amo praia, e tenho um canal no YouTube de viagens, então estava com alguns equipamentos de filmagem e foto no dia. Fiz algumas imagens com o drone, e entrei no mar com um amigo para aproveitar e também fazer umas fotos embaixo da água. Fizemos algumas fotos, mas queríamos uma que fosse em um local mais fundo, então fomos até o limite de onde conseguíamos tocar o chão de forma tranquila. Mergulhamos e fizemos as fotos. Então começou um dos momentos mais angustiantes da minha vida. Começamos a voltar para a areia, mas entramos em uma área que estava com uma correnteza muito forte, e puxa demais para o mar. As ondas vinham, eu e meu amigo nadávamos e tentávamos pegar carona nelas, mas logo em seguida éramos puxado o dobro para o fundo. Nadei por 2 minutos, tentando a todo custo voltar. Quem nada sabe o quanto cansa isso, e eu não sou preparado para essas situações, apenas sei nada o básico. Eu cansei, cansei muito, já não tinha braços. Então pela primeira vez na vida eu pensei que iria estar em uma situação que poderia não ter volta. Os braços já faziam menos força, e eu tentava raciocinar, mas o desespero já tomava conta. Então eu olhei pro lado, e vi a alguns metros várias pedras. Como elas estava para o lado, e um pouco atrás, eu conseguiria nadar até elas. Gritei para o meu amigo para irmos até lá, e fomos. Subi na pedra e me machuquei nas pernas, ralei canela, joelho e braços. Mas consegui subir na pedra, mesmo escorregadia. O meu amigo chegou logo em seguida. Descansamos, e pulamos para uma pedra na frente, e assim por diante. Até que, exaustos, chegamos na areia. Eu já passei alguns perrengues na vida, já estava em um carro que capotou. Mas essa vez, foi a que estive mais próximo de perceber que a vida é frágil demais, e que qualquer vacilo, já era. Fica de lição, aprendizado, história, e tatuagem das coordenadas do local que quase tirou minha vida, e da pedra que a salvou. 23° 48' 33" S 45° 32' 42" W Não coloquei no vídeo a parte que quase me afogo, mas foi isso o que vimos no dia:
  12. Diogo Rodrigues

    Onde praticar acampamento selvagem em SP?

    Tem um camping quase selvagem que fui. Se alguém se interessar, coloquei o relato aqui no fórum:
  13. Oi Pessoal! Dia 09/12/2018 fiz uma trilha no Parque Estadual Carlos Botelho, na cidade de Sete Barras, interior de São Paulo. O parque possui algumas trilhas, porém eu fiz a da Cachoeira do Ribeirão Branco. Ela tem 10 km, e é no geral plana, sem subidas difíceis. Nível fácil, basta ter disposição pra andar. As trilhas só podem ser feita com guia, porém na entrada do parque existem alguns lugares para banho no rio, e para isso só é necessário pagar a entrada do parque. A trilha é fácil, e cruza-se o rio duas vezes, mas sem maiores dificuldades. A cachoeira é linda, não tão alta, mas tem um poço bom para banho. A água é muito limpa! Aqui um vídeo que fiz da trilha: Em anexo também estão as fotos. Encontrei alguns cogumelos amarelos enormes! Poucos pássaros, poucos insetos também, um sapo, e nada de macacos. A trilha é bonita, e boa para contemplação. Existia uma Figueira no parque mais mais de MIL ANOS! Porém ela estava infestada de cupins, e na última tempestade não aguento e caiu. O parque decidiu deixar o que resto da árvore no local, para preservar sua e memória. Sete Barras fica a mais ou menos 4 horas de SP, perto do PETAR. A cidade tem esse nome porque os portugueses pegavam algumas pessoas para recolher o ouro, e entregar a eles, para então seguir até Portugal. A lenda diz que algumas pessoas pegaram 7 barras de ouro e enterraram na cidade, para depois voltar a buscar. Nunca voltaram, e até hoje ninguém achou esse ouro. Trilha boa e bonita, vale a pena! Valeu!
  14. Diogo Rodrigues

    Caverna do Diabo e Cachoeira de Meu Deus - Fotos e Vídeo

    @Damarens Santos Eu fiz pelo Desviantes, o site que agrupa destinos de viagens. Tenho um canal de viagens no youtube e procuro testar alguns serviços de agências de viagens de aventura. Eu gostei!
  15. Diogo Rodrigues

    Caverna do Diabo e Cachoeira de Meu Deus - Fotos e Vídeo

    @Damarens Santos Com guia! Fiz a trilha que passa por muitas cachoeiras, e pelo que sei, essa trilha só pode ser feita com guia. E na caverna, vale a pena pegar um pra explicar, eu que gosto de natureza e de como as coisas se formam, aprendi bastante.
×