Ir para conteúdo

Alzanira

Membros
  • Total de itens

    4
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Bio

  • Ocupação
    Dentista
  1. Acabei de chegar de Havana. Algumas coisas mudaram. Encontrei muitas pessoas explorando turistas. Portanto não aceite nada na rua. Não compre nada de pessoas na rua. Nem charuto, nem rum, nem mulher, etc. Cumprimente e siga em frente. Outra informação é que Letícia Loyola mudou de Santa Clara para Habana Vieja. Está num prédio antigo, na calle Cuba, 611, entre Luz e Santa Clara, em frente ao Convento Santa Clara. O telefone é: (07)864 1614. E o celular de Yerdlin é 05293 7244. Está alugando 2 quartos. O conforto e o carinho são os mesmos. Quartos com tv, frigobar, banho privado, ar condicionado, água quente, música, linda vista para o capitólio. Perto dos mais famosos pontos turísticos de Havana. Da varanda se ver o pôr-do sol. E não posso deixar de falar do melhor café do mundo, feito por Maykel, genro de Letícia. O filho de Letícia passou para a universidade de Belas artes. Então ela resolveu mudar para Havana por causa do estudo do dele. É um menino talentoso e lindo. Se você vai a Havana, já tem onde se hospedar. E tenho certeza que vai gostar muito dessa família que é simplesmente espetacular. Um abraço, Alzanira
  2. Olá. Acabei de chegar de Mochima. É um lugar paradisíaco. Ninguém deve morrer sem conhecê-lo. Para chegar lá, deve-se ir pra Cumaná ou Porto La Cruz. Eu acho melhor cumaná, por ser uma cidade histórica, tranquila, limpa e com muitas possibilidades de visita aos pontos turísticos. Fiquei na pousada São Francisco, perto do forte. De manhã corria para ver o sol nascer e à tarde subia para ver o Pôr do sol. Um táxi para Mochima custa 100 bolívares, equivalente a 40,00. O passeio de lancha até os golfinhos custa 350 bolívares. A volta custa 50 bolívares. De ônibus, custa 7 bolívares. Não se paga pra entrar. Paga apenas o passeio e a alimentação. Eu achei tudo muito barato porque o dinheiro deles vale 4 vezes menos que o nosso. Maiores informações [email protected] Abraços
  3. Olá, fui a Cuba em 2010 e estou indo novamente dia 30 de junho de 2011. Vou ficar na casa de Dania e Carlos. é uma casa colonial de frente para o mar, a 100 metros do malecom e de tudo de bom que há em Havana. Já fiquei hospedada lá e gostei muito. O endereço é calle 19, nº 9, entre N e O, bem próxima do Hotel Nacional. O telefone de lá é 53-7 8328754. Ao lado, mora a Dina, senhora que ia comprar pra mim, em peso cubano, frutas, pão, charutos, etc. Em Trinidad, recomendo a casa do senhor Gimenez. Ele é físico nuclear e engenheiro mecânico e vive se virando com o aluguel de 2 quartos na casa dele.Custa 25 cuc e fica perto de tudo: praça, estação de ônibus, casa da música. A casa é estilo colonial, confortável, limpa e a mãe dele viveu antes da revolução. Chama-se Délia. Leve algumas coisas para dar de presente, pois todos irão pedir. Leve caneta, sabonete, chocolate, etc. O endereço do Sr. Gimenez é calle Camilo Cienfuegos, Nº 213, esquina com Francisco Cadahia e José Marti. O telefone é 041 994140. Em Santa Clara, que é a cidade mais limpa e mais calma, onde está o memorial, monumento e mausoleo do Che, recomendo Hostal La Terraza, Sra. Letícia Loyola. A casa é independente, enorme, limpa confortável, comida gostosa, tv, geladeira, cerveja baratinha, e um bom papo.Eles são muito simpáticos. Serão meus amigos para sempre! De lá, vc pode conhecer um paraíso descoberto recentemente. Cayo Santa Maria, por apenas 80 cuc. Pelo pacote turístico, este é passeio é o mais caro. Para ir lá, é só falar com Yerdlin, ou Mayke e vc pode convidá-los para ir junto. Eles irão com todo prazer. O endereço é calle Juan Bruno Zayas, Nº155A, entre Marti e Julio Jover, telefone (42) 229821, e-mail [email protected] O melhor morrito da ilha é Letícia que faz. Em Vinhales, vc pode ficar na casa de Margarita e Paquito, um casal maravilhoso que nos acolheu mesmo sem ficar hospedado. Ficamos poucas horas em Vinhales. calle Adela Azcuy Nº 8 A, ou na casa de Eliana e Armando calle Salvador Cisnero , o telefone é (53) 52 78 85 50 cel. Res. 048 69 55 92. Pessoas atenciosas e habitação agradável. Por favor, se vc se hospedar num desses lugares, diga que foi zazá que indicou. A pronûncia lá é Sassa. Por favor, não percam o show das foquinhas, no aquario nacional. É melhor que dos gofinhos. Qualquer dúvida, procurem Madylim, no Hotel Sanit John, a moça que faz os pacotes. Ela tem jeitinho brasileiro pra tudo. O telefone dela é 052 72 32 55. Um abraço e boa viagem!
  4. Sou professora, moro em Manaus e tinha um grande sonho: conhecer Cuba. Dia 05 de julho de 2010, desembarquei em Havana. Levei comigo apenas os relatos de pessoas que já tinham visitado a Ilha. Porém, como sabia que ia chegar à noite, reservei hotel para os dois dias que pretendia ficar lá. Pois eu queria aproveitar a estada e conhecer várias cidades. Mas dois dias não foram suficientes para conhecer Havana. Comprei a passagem bem antes de viajar e reservei um dia para o Panamá. Pois também sonhava conhecer o canal. Cheguei ao Panamá à noite e segui direto para Havana. Na volta, ficaria um dia e uma noite, conheceria o canal e faria as compras. Cheguei a Havana uma da manhã, passei pela imigração, peguei meu visto, que não é no passaporte, é separado para não atrapalhar a entrada de quem pretende ir aos Estados Unidos. Troquei dinheiro, 450 euros por 496 cuc. Seriam 499. Não aconselho trocar muito dinheiro no aeroporto, pois como estava sonolenta, cansada e com um braço engessado, faltaram 3 cuc. Eles sempre fazem isso. Contam rápido, e quando a gente vai conferir, está faltando. Então é interessante trocar apenas para o táxi e para o café no outro dia. Se for para casa particular, apenas o da diária. E no outro dia troca-se em uma Cadeca. É mais seguro porque entra apenas uma pessoa e se pode conferir com calma. Nunca troque dinheiro com pessoas na rua. Sempre em uma casa de câmbio. Se for sacar com cartão de débito ou de crédito, o melhor local é o Hotel Nacional. Inclusive lá também há internet. É um hotel 5 estrelas. Lindo! Fica perto do Malecón, próximo ao bairro Vedado, um bairro nobre onde moram cubanos ricos. [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110321113753.jpg 500 375 Legenda da Foto]Hotel Nacional.[/picturethis] Tomei um táxi para o hotel Saint John, na Calle O, esquina com 23 e 25, B. Vedado. O telefone de lá é (0)7 8333740. Um hotel muito bom. Da minha janela tinha uma vista de toda Havana Velha, inclusive do Capitólio. Os funcionários são maravilhosos e o café da manhã é excelente. O hotel é bem localizado. Dele ia a pé para as principais ruas de Havana. No dia seguinte, um bicitáxi se ofereceu para andar comigo e me mostrar Havana Moderna. [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110323115654.jpg 500 375 Legenda da Foto]Israel conduzindo o bicitáxi[/picturethis] Foi um passeio de 4 horas que me custou 10 cuc. Ele me levou para almoçar num restaurante, próximo a uma ponte que divide o bairro de Vedado. Eu estava com muita vontade de provar a cerveja cubana. Então durante o passeio comprei uma Bucanero, uma cerveja forte e deliciosa. O sol quente e o mar azul deixaram-na mais gostosa ainda. Era segunda-feira, mas eu queria dançar. Deitei pra descansar um pouquinho e dormi. Acordei às quatro da manhã, desci pra recepção do hotel e perguntei onde tinha uma festa. O rapaz disse que havia festa em vários lugares, mas que àquela hora já estavam acabando. Voltei pra tentar dormir. Os brasileiros são festeiros, mas os cubanos são mais ainda. Em cada cidade há uma casa da música. Há cavalheiros para dançar ou pra ensinar as damas. Nesse primeiro dia, eu gastei 20 de táxi do aeroporto para o hotel, 2 com água, 10 do bicitáxi, 6 de almoço, 1 da cerveja e 5 de internet. Então tive uma base de quanto ia poder gastar por dia. Em cada hotel há uma moça ou um rapaz que fazem os pacotes turísticos. Eu, com a minha mania de pedir descontos e com a visão capitalista, ia de hotel em hotel tentando encontrar pacotes mais baratos. Só depois de vários dias percebi que todos eram iguais. Não há concorrência. No segundo dia, fui para Havana Velha. Fiquei encantada! É o maior complexo arquitetônico do século XVIII. Preservado, revitalizado, encantador. Cada prédio mais lindo que o outro. Ruas inteiras de prédios com arquitetura original. Passei o dia tirando fotos dos prédios, dos carros, do capitólio, das praças, dos monumentos. Eu estava em estado de êxtase! [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110323120054.jpg 500 375 Legenda da Foto]Capitólio em Havana[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110323120154.jpg 500 375 Legenda da Foto]Catedral de Havana[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110323120251.jpg 500 375 Legenda da Foto]Gran Teatro de Havana[/picturethis] Ficava pensando no quanto as cidades perderam sua riqueza arquitetônica. Em Manaus restaram poucos prédios antigos. Fui a pé e voltei a pé. À noite, estava exausta, mas fui para o Malecón. Lá, a gente pode sentar e sentir os pingos das ondas do mar nas costas. [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110323120616.jpg 500 375 Legenda da Foto]Malecón, meu lugar predileto em Havana.[/picturethis] Na quarta-feira, deixei o hotel Saint John e fui para uma casa particular, indicada por Madylin (recepcionista do hotel), casa da Dania e Carlos, uma casa antiga, porém confortável, próxima ao prédio da TV cubana, Malecón e Hotel Nacional, por 30 cuc a diária. Fiquei feliz, pois no hotel a diária seria 57 cuc. Ao lado dessa casa mora um pintor que se veste de Che enquanto pinta. Mora também um médico ortopedista e a família da Dina. Pessoas queridas que se tornaram amigas. Na minha última noite em Havana peguei todas as coisas que estavam no frigobar e fui assistir à novela Favorita com eles. Era Dina que fazia compras pra mim. Pois os turistas compram em cuc e os cubanos compram em peso. Um cuc vale, 24 pesos. Os cubanos compram frutas, pizza, sorvete, pão, tudo em peso. Por isso troquei alguns euros por pesos para comprar cafezinho, charuto, mojitos (drink típico da ilha), frutas etc. Na quinta, fui para Trinidad. Madylin me indicou a casa do Sr. Gimenez. Uma casa colonial, confortável, que fica na Rua Camilo Cienfuegos, Número 213, esquina com Francisco Cadahia e José Marti, o telefone é 041 99-4140. Foi emocionante chegar à estação e ver um monte de gente oferecendo suas casas particulares. E entre aquele monte de gente estava o senhor Gimenez com o meu nome na placa. Aqui o café da manhã custou 4 cuc e o almoço 8 cuc. A mãe dele, dona Délia, lembra-se de como era antes da revolução. Ela me disse que com trinta pesos era possível ir almoçar em Miami. Foi muito bom conversar com ela e saber detalhes de antes e depois da revolução. À noite, fui para casa da música. Vários grupos se apresentaram. O que me chamou mais atenção foi um grupo folclórico com roupas muito coloridas e uma batida africana. Mesmo com o braço quebrado, arrisquei uns passos de salsa. A próxima cidade que visitei foi Santa Clara. O rapaz da agência me indicou a casa de Letícia. Foi a melhor casa que fiquei. Uma casa enorme, com terraço, cozinha, geladeira, duas camas de casal, televisão e muito carinho e simpatia. Fui para ficar só um dia e fiquei 3. Santa Clara é a cidade onde Che está enterrado. Há memorial, monumento e mausoléu de Che. Aqui conheci Yerdlin, a filha da dona, moça muito simpática, e Maykel, esposo da Yerdlin. Eles me levaram para última ilha que foi descoberta recentemente. Chama-se Cayo Santa Maria. Um paraíso! Uma praia deserta com muitos peixes coloridos. Para chegar a esse paraíso, tem que contratar um taxista. Custa,no mínimo, 80 cuc. Mas vale a pena. Eles levaram um equipamento de mergulho e eu pude mergulhar e ver as coisas lindas do fundo do mar. Nessa casa, o café custa 3 cuc, o almoço 7 cuc, a cerveja 1,5. Em Havana, eles não indicam Santa Clara, mas é uma cidade linda e tranquila. Vale a pena ficar pelo menos 2 dias em Santa Clara. Para ir a Cayo Santa Maria, o acesso é por uma estrada em mar aberto. É simplesmente impressionante! Essa casa particular onde me hospedei e recomendo fica na Rua Juan Bruno Zayas, 155A, entre Marti e Julio Jovier. Telefone 42 229821, celular 0152937244 e o e-mail para reserva é [email protected] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110325030818.jpg 500 375 Legenda da Foto]Jantar em Hostal La Terraza, casa de Letícia Loyola, em Santa Clara[/picturethis] De Santa Clara retornei pra Havana e precisei sacar mais 112 cuc. Com isso eu gastei 550 euros durante 16 dias em Cuba. A última cidade que visitei foi Viñles. Lá, eu indico a casa de Margarida e Paquito, pessoas maravilhosas. Há quarto com banheiro privado, água quente, geladeira, ar condicionado e café, almoço e janta. Fica na rua Adela Azcuy, nº 8. Eles ainda não tinham telefone, mas estavam prestes a instalar. Se alguém for e se hospedar nessa casa, por favor, mande-me o número do telefone deles. Há outra residência particular em Viñales que eles pediram para eu divulgar. Fica na rua Salvador Cisneros, o telefone é (53) 52788550 e também (048) 595592. Estou indo para Havana novamente no dia 30 de junho de 2011 e volto dia 10 de julho. Já estou separando roupas, calçados, cremes, bijouterias e muitos presentes para os amigos que fiz na ilha de Fidel. Dessa vez vou com mais 3 amigos. Há fotos no meu Orkut. Dessa vez, vou trazer mais rum, mais charuto e mais café.
×
×
  • Criar Novo...