Ir para conteúdo

senhorthiago

Colaboradores
  • Total de itens

    109
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

1 Neutra

Sobre senhorthiago

  • Data de Nascimento 02-07-1988
  1. Lady, A mídia sempre gosta de dar uma valorizada a mais na situação, e infelizmente temos a mania de associar oriente médio com terrorismo, perigo e coisas do gênero, e não é bem assim que funciona. Apesar sim do oriente médio ter seus problemas, eu não senti que foi na mesma magnitude que a mídia e desinformados por aí relatam. O país saiu de uma guerra com Israel em 2006, então ainda existe aquele sentimento por lá que esse conflito pode voltar, então as pessoas ficam ressabiadas e as autoridades mais atentas(digamos assim), com isso nos deparamos com pessoas armadas, postos de fiscalização e coisas do gênero. Durante o meu período eu não me senti acuado ou com receio em nenhum momento. Não tive a oportunidade de conhecer mulheres viajantes durante minha jornada, para lhe dar um posicionamento mais detalhado da visão feminina por lá. Dando apenas uma opinião pessoal, eu acho que se você pesquisar bem, com bastante cuidado, e tomar as precauções básicas você não vai encontrar problemas. Pode acontecer de você ouvir cantadas, e libaneses te chamando pra sair e coisas do gênero, mas creio que nada que acarretará em problemas, apenas situações incomodas mesmo. No mais, no que puder ajudar estou a disposição
  2. Durante minha estadia em Havana as únicas noticias que eu tinha era de Cuba, fiquei durante uma semana incomunicável e sem acesso a nada.Pra mim a internet não existiu mesmo !!!! Acredito que você pode encontrar algo, mas não será muito fácil e nem de qualidade boa !!! Boa viagem !!!! Abraço
  3. Daniel Mesmo as passagens estando caras, creio que de avião sairá mais barato, por que saindo de Floripa você deverá fazer muitas baldeações para chegar de ônibus na Bolivia, fora o tempo que você vai gastar. Geralmente ônibus que vão para Bolívia saem do Mato Grosso.
  4. Obrigado Perio, Os gastos diários estavam na faixa de: (R$) Hospedagem - R$ 50,00 (peguei quarto individual mesmo, em um hotel com boa localização mas não muito bom) Alimentação - R$ 50,00 (10 café, 15 almoço, 15 jantar e 10 lanches e afins) Táxi - R$ 20,00 Isso em Beirute, que você roda relativamente pouco por que os pontos de interesse são próximos e não gasta grandes deslocamentos) Pacotes - Esses variam de acordo com a época do ano, mas eles custam na faixa de R$ 120,00 à 170,00, com tudo incluso, e o dia inteiro Onde eu estava que é uma rua(bairro) que se chama gemmayzeh que fica a maior concentração de boates, bares e afins (inclusive tinha um bar que fazia divisa com meu hotel, dificultando o sono dos hospedes) são inúmeras opções e são bem movimentados. Bebida alcoólica vendem normalmente, preço de Brasil. A cerveja típica de lá chama Almaza, achei regular!!! Além da bebida típica do local que chama Arak, forte demais, eu não achei gostoso não. O Arak seria algo próximo da nossa cachaça (apesar do gosto diferente). Típico do local, forte, ou vc curte muito ou detesta. Lá tem praias sim, porem a maioria das partes boas, fazem partes de condomínios particulares, e são proibidas de entrar. Tem algumas outras porém não fui nelas e não posso comentar a qualidade.
  5. O meu roteiro foi o seguinte: Bh - Lima (avião) Lima - Cuzco (avião) Cuzco - Aguas Calientes/Macchu (ônibus, com passeios fechados em uma agência turística em Cuzco, onde já eram inclusos hospedagem, passeio pro macchu) Cuzco - Puno (ônibus) Puno - Copacabana (barco) Copacabana - La Paz (ônibus) La Paz - Uyuni (ônibus, viagem de 19 horas) Uyuni - San Pedro de Atacama (carro, passeio no Salar do Uyuni fechado em agência na própria cidade, com o combinado do destino final ser San Pedro) San Pedro - Calama (ônibus) Calama - BH (avião) Hospedagens nos locais: Lima http://www.flyingdogperu.com/ A localização excelente, porém atendimento ruim. Cuzco http://www.flyingdogperu.com/ Hostel da mesma rede, muito bom, com atendimento bom, quartos bons, nada a queixar. Puno Não lembro o nome, mas era uma bosta!!!! Então nem indico Copacabana Lá nos ficamos na ilha de uros e isla del sol, não existem pousadas especificas nesse local La Paz http://wildroverhostels.com/ Simplesmente ótimo, localização excelente, ótimo staff, e com festas ótimas, um dos melhores albergues que já me hospedei na vida Uyuni Hospedagem por conta da agência, se tratavam de casas no meio do deserto San Pedro do Atacama http://www.hostalhara.cl/ Simples e bom, nada mais a acrescentar Lembrando que fui nesses destinos tem 5 anos, então muitas coisas podem ter mudado. Precisando de mais ajuda estou a disposição. Abs
  6. Parabéns Mike, Que jornada espetacular! Estou acompanhando por aqui e também pelo facebook. Seu relato e suas dicas são preciosas para todos os viajantes que pretendem conhecer inúmeros países, inclusive suas dicas me ajudaram bastante para minha viagem ao Líbano, agradeço mais uma vez. Que sua RTW continue sendo sensacional. E continuarei aqui acompanhando isso tudo e absorvendo as ótimas dicas, e os bons relatos.
  7. Eu sempre levei dólares em minhas viagens independente do local (tirando Europa e Cuba, onde levei euros em ambos os casos). Porém na Argentina já faz um bom tempo que não vou, então não sei como está a situação por lá, devido a desvalorização do peso argentino com o alto número de visitantes brasileiros, pode ser que seja melhor levar real direto. No caso o uruguai, por exemplo: Aqui em BH por exemplo você consegue trocar da seguinte maneira: R$ 2,53 = U$$ 1,00 Trocando R$ 100,00 reais, você teria aproximadamente U$$ 40 . Nessa casa de câmbio em Montevideu(link no fim do tópico), eles estão vendendo 1 U$$ = 23,80 pesos uruguaios Com seus U$$ 40,00, você ficaria com aproximadamente 952 pesos uruguaios. Agora vamos ver no caso do real. R$ 1,00 = 9,00 pesos uruguaios, com os R$ 100,00, ficaríamos 900 pesos uruguaios. Isso no caso do Uruguai, que eu fui tem 1 ano, e a situação não se alterou muito. No caso da Argentina, creio que vale a pesquisa devido ao que eu falei lá em cima. Na última vez que eu fui lá(fazem uns 5 anos) valia mais a pena trocar reais por dólares no brasil, seguido de dólares por pesos argentinos. http://www.cambio18.com/
  8. 25 dias é bastante tempo e você pode conhecer muitas coisas nessa região, inclusive se posso te aconselhar acho interessante você ir no deserto do Atacama também. De uma forma resumida posso te indicar o seguinte: 11 dias na Bolívia Santa Cruz - 1 dia La Paz - 3 dias Uyuni - 5 dias Copacabana - 2 dias 3 dias no Chile Deserto do Atacama - 3 dias 9 dias no Peru Lima - 2 dias Cuzco - 4 dias Puno - 1 dia Aguas Calientes (Machhu Picchu) - 2 dias Isso aí daria 23 dias, e vc conheceria muito lugar bacana. E ainda ficaria 2 dias de sobra pra qualquer outro local que possa te interessar. E esse roteiro você pode fazer ele quase todo de ônibus. Se você tiver interesse posso te mandar hosteis que eu fiquei hospedado, e os meios de transportes mais convenientes. A grana eu levaria um pouco mais, por que caso você levasse 1000 reais você teria que gastar 40 reais por dia, pensando em 25 dias. Eu acho muito pouco contando com transporte e hospedagem, isso é uma opinião. Mesmo com os custos na região sendo bastante reduzidos.
  9. Na America do Sul em geral não só no uruguai, eu sempre levei dólares, além de serem aceitos muitas vezes a concorrência pela troca do dinheiro é maior, sendo assim abaixando o seu preço de compra. O Real não é tão procurado quanto o dólar, sendo assim o seu preço acaba sendo mais alto, devido a procura mais baixa. Nas 3 vezes que eu fui no Uruguai eu levei dólar, troquei um valor mínimo no aeroporto e sem seguida realizei as trocas em casas de cambio espalhadas por todo centro de montevideu, em Punta, Colonia, Maldonado e demais cidades existem casas de câmbio
  10. Olá Barbara, Os locais ideais para acampar próximos a BH, são os locais próximos as cachoeiras. Serra do Cipó, Tabuleiro, São Thomé das Letras, Carrancas, são boas opções para acampar. Tem alguns locais que cobram para você ficar na área, e existem locais que basta você ter uma barraca e acampar em qualquer lugar.
  11. Olá Vinicius, Na Bolívia e no peru tem muitas coisas boas para se fazer. Para se montar um roteiro, você precisa ter as seguintes informações: 1 - Quanto você pretende gastar 2 - Quanto tempo de viagem Sabendo seus gastos e tempo que que ficará viajando você consegue montar um roteiro sem dificuldades nessa região andina
  12. Olá amigos, Faço aqui mais um relato com intuito de ajudar meus nobres amigos mochileiros. Dessa vez fui para o Líbano, conhecer esse pequeno país que tem tanta história. Infelizmente não só o Líbano, mas grande parte dos países do oriente médio são visto com descaso pelas pessoas. Quando anunciei para alguns poucos amigos o meu destino, todos disseram. "Vai lá pra levar bomba", "vai lá pra ver mulher de burca", "Vai lá tomar tiro". E comentários infelizes do tipo. Mal eles sabem que o Líbano e grande parte dos demais países do oriente médio não são perigosos, ou que a cada esquina encontrarei um terrorista ou homem bomba. O país tem sim os seus problemas internos, e uma rixa com o vizinho Israel. Mas está muito longe de ser aquilo que as pessoas pensam. Antes de mais nada já alerto aos interessados em conhecer esse país, que caso você tenha o carimbo de Israel em seu passaporte, você está terminantemente proibido de ingressar no país. Dada as considerações iniciais, vamos iniciar o relato: 1º dia - Longa viagem e parada em Dubai A viagem era bem longa até a capital libanesa Beirute. Iniciando por um voo: Bh - São Paulo (com escala de 5 horas) São Paulo - Dubai (com escala de 9 horas) Dubai - Beirute Viajei pela excelente Emirates. De SP até Dubai são 14h de viagem. Cheguei em Dubai. Me utilizei do Dubai connect, para os que não conhecem se trata de uma gentileza da Emirates que dá para os passageiros que ficam por mais de 8 h em escala no aeroporto de Dubai: visto para 1 dia no país, hospedagem, alimentação e transporte. Repetindo tudo de graça. Procurem saber, vale a pena se você fizer uma parada em Dubai. 2º dia - Chegada em Beirute / problemas no aeroporto Cheguei na capital libanesa por volta das 9:00, em um dia bonito e ensolarado, nessa época do ano faz calor por lá. Brasileiros não necessitam de visto para ingressar no país, apenas o passaporte basta. Não tive problemas na imigração, apenas uma revista minuciosa por parte da policia imigratória nos carimbos do passaporte, além de perguntas básicas. Peguei minha bagagem sem maiores problemas e me encaminhava para fora do aeroporto, quando fui parado para fazer a revisão de bagagem. Aí meus problemas começaram. Antes de mais nada, o homem que me parou para a revista não falava nada de inglês, e bem, eu não falo árabe, ai foi uma beleza , ele falando árabe e eu não entendendo merda nenhuma. Até que chegou um funcionário do aeroporto que começou a traduzir o que o homem me solicitava. A revista foi extremamente exagerada. A minha bagagem pequena, com pouquíssima coisa, foi virada e revirada, chegaram até a folhear páginas de livro, olhar dentro de meias, cheirar minha bagagem e tudo mais de estranho que os senhores imaginarem. Não satisfeitos me levaram para uma salinha que tinham dois policias (julgando pelo tipo), que começaram a me fazer inúmeras perguntas, do tipo, se eu portava drogas, se eu era usuário, por qual razão eu escolhi o Líbano para visitar. Por fim resolveram ligar para o meu hotel para saber se minha hospedagem era "verdadeira" , por sorte o pessoal do hotel atendeu e confirmou que eu estava com reserva por lá. Imaginem se por qualquer motivo a policia não conseguisse entrar em contato com o hotel ? Eu estaria numa situação bem complicada. Resolvido o problema, me pediram desculpas disseram "Welcome do Lebanon" e me liberaram, essa bagunça toda me custo 1:30 dentro do aeroporto. Já tive o prazer de conhecer inúmeros países e aeroportos, nunca passei uma situação parecida com isso em nenhum local. Saí de lá e peguei um taxi rumo ao aeroporto, era 12:00 e o transito já estava caótico, pequena amostra do que seria o trafego de Beirute. Motoristas agressivos, direção perigosa, desrespeito a sinalização. Era uma maluquice só. Cheguei vivo ao meu hotel. Fui tapeado no preço da corrida pelo taxista, mas no momento só queria me deitar um pouco. Fiquei num hotel chamado Port View, apesar da boa localização na Gemmayzeh street eu não recomendo o mesmo. Custo beneficio não muito bom, e dividindo parede com ele fica um pub que funciona todo dia até de madrugada , eu estava no quinto andar e era incomodado pelo barulho. Descansado, fui conhecer o centro histórico de Beirute, Old Town como chamam. Bastante agradável, bonito o local, com construções bem trabalhadas, bons bares e restaurantes. Passei o dia e a noite por lá. Observação importante: Não fotografe em hipótese alguma, policiais e militares. Você só vai arranjar problemas se fizer isso. E eles estão por todos os lados com armamentos pesados. Me senti um pouco incomodado com isso. 2º dia - Conhecendo Beirute e programando a visita as cidades vizinhas Acordei cedo e fui conhecer mais um pouco da capital libanesa. E meus amigos, acreditem se quiserem. Beirute tem uma população de 1,8 milhões, e não existe transporte publico na cidade. Nem metro, nem ônibus, nem bonde, nem nada. Infelizmente tive que me utilizar dos taxis ou gran taxis. A diferença entre eles é a seguinte. O taxi, é o normal mesmo. O gran taxi você divide o taxi com as pessoas. Ele não é muito bom não por que o motorista não leva os passageiros em ordem, ele leva de acordo com a vontade dele. A única vantagem é que ele é mais barato mesmo. Fui na rodoviaria que era próxima ao meu hotel para saber sobre transportes para as outras cidades Libanesas: Byblos, Jounieh, Tiro e etc. Não sei ao certo se estava tendo algum protesto ou greve, mas era o mais absoluto caos que eu já vi na vida, desisti de tentar algo alí, pela primera vez na vida em uma viagem eu desisti de algo. Procurei a saída que não faz muito o meu perfil, mas alí era o que me restava: Tours com empresas de turismo. Não sou fã disso, por que normalmente essas empresas te limitam a fazer um roteiro pré determinado. Mas não me restou alternativas. Fechei os pacotes com a empresa Nakhal,(http://www.nakhal.com/lebanon.aspx?pageid=119#&panel1-1) que é a maior e mais bem indicada do Líbano. Os mesmos possuíam tours por todas as cidades famosas do Líbano, escolhi aqueles me agradavam mais, e no terceiro dia iniciaria minha jornada fora de Beirute. Não gostei muito da capital, admito aqui. Achei muito caótica, não achei os locais muito simpáticos, e a dificuldade para conseguir fazer as coisas é muito grande. Mesmo tendo locais bonitos, não foi uma cidade que me encantou tanto. 3º dia - Beiteddine e Deir El Kamar A vantagem dos tours é a comodidade. Fui pego na porta do meu hotel e parti juntamente com outras pessoas em uma van rumo ao palácio de Beiteddine. Muito bonito o local, extremamente conservado e com muita história. De lá seguimos para Deir El Kamar, que nada mais é que uma típica vila libanesa, com coisas locais, como mercados e afins, porém é um local extremamente agradável e bonito. Eu gostei muito apesar da simplicidade. Voltei a tarde p/ Beirute e rodei mais um pouco a cidade. Quando olhei no mapa, vi que já tinha visto tudo que podia ver de interessante no local. 4º dia - Baalbeck, Anjar e Ksara Esse seria o ponto alto da viagem, Baalbeck patrimônio da humanidade, conta com as maiores colunas romanas ainda de pé, um sitio histórico reconhecido pela Unesco como um dos patrimônios romanos mais importantes existentes. Além dele conheceríamos a bela Anjar que também é um sitio arqueológico. Inicialmente fomos para Anjar, bonito o local, com uma historia interessante e ruínas muito bem preservadas. Tanto Anjar quanto Baalbeck, ficam no vale de Beka. Vale a pena a visita. Não explicarei aqui o cunho histórico de cada local, para não deixar o relato muito longo, basta que cada um dê uma pesquisada antes. porém abaixo colocarei as fotos para vocês terem a dimensão de cada local. De lá partimos para Baalbeck, realmente é difícil explicar a beleza do local, e sua preservação. Fantastico é a palavra que define esse posto, as 6 colunas romanas e o teatro são indescritíveis. Para quem for visitar o Líbano, local mais que obrigatório. Ksara se trata de uma vinícola que produz o melhor vinho libanês. Bonito o local, porém não foi muito do meu interesse pois não gosto de vinhos. Faz-se uma visita ao local e depois tem uma degustação com diferentes tipos de vinhos. Observação importante: Se for viajar na época de julho/agosto, leve protetor solar, chapéu, boné e coisas do tipo. O calor por lá é muito forte. 5º dia - Floresta dos cedros de Deus, Becharet e Kozhaya Conhece a bandeira do Líbano? Aquela arvore no meio da bandeira que é o cedro, símbolo do país. Arvores que costumam viver por muito tempo, tem uma madeira de extrema qualidade e estão em extinção. Nesse parque tem uma que já tem mais de 3.000 anos de vida. Fica um pouco longe de Beirute, umas 3 horas de viagem. E se resume a um parque com os cedros que ainda não foram derrubados. O parque é agradável porém esperava que ele fosse maior, ele é relativamente pequeno. Cedros de todos os tipos e tamanhos estão por lá. De lá fomos para a casa/museu do maior poeta do Líbano Gibran Khalil Gibran, honestamente? Nada de legal(na minha opinião). Por fim fomos pra Kozhaya, que é onde tem um monastério da época otomana, muito bonito o local, fica a uns 2000 m de altitude. Valeu a pena a visita. Conhecido os locais voltamos a Beirute 6º dia - Byblos e volta pra casa Cidade turística mais famosa do Líbano. Existe a mais de 7.000 anos, indestrutível segundo os locais, lá preservam umas das ruínas arqueologia mais belas e conservadas do mundo. Para lá eu não fui com a Nakhal, eu combinei um valor com um motorista para que me levasse, aguardasse, e me deixasse de volta em meu hotel, por um um preço amigo. Sendo assim segui para a cidade histórica as 5:30 da matina pois de tarde ia embora para o Brasil. Isso era um domingo. Eu tive um privilegio que pouca ou nenhuma pessoa do mundo vai ter. Eu conheci as ruinas de Byblos sozinho, sem nenhuma alma viva no local. Apenas eu a a história do local e sua belezas. Como eu cheguei lá muito cedo o sitio ainda não estava aberto, o bilheteiro do local extremamente simpático, e amante do Brasil me deixou entrar de graça no local, com a condição que eu teria que sair de lá antes do posto abrir (a abertura se dava as 8:00), eu tinha em torno de 2 horas pra conhecer o local, que costuma ser sempre muito cheio e concorrido. Bem, nem sei o que dizer, foi maravilhoso, o local transborda história, e sua conservação é fantástica. Visita mais que obrigatória. Voltei para Beirute, descansei um pouco e fui para o aeroporto. Quanta burocracia por lá, para resumir minha volta. Considerações finais Antes de mais nada, fica aqui o parebens para a culinaria libanesa. Comida de qualidade, muito bem preparada, pronta para agradar todos os tipos de paladares, sensacional. Finalizada minha viagem. Voltei vivo da terra do Hezbollah, não fui atingido por nenhuma bomba, vi pouquíssimas mulheres de burca da cabeça aos pés. Preconceito e ideias erradas fazem pessoas desistirem de viajar, pesquisem antes sobre o local de seu interesse e viajem sem medo amigos mochileiros. O mundo é o nosso quintal. Por fim, tamanho não é documento, um país minúsculo que mal podemos ver no mapa tem inúmeras atrações, cidades históricas, e bonitos locais para nos mostrar. Mesmo não apreciando muito a capital e tenho alguns problemas, eu gostei da viagem e conheci muitos locais maravilhosos e pessoas bacanas, foi uma viagem proveitosa. Espero ter ajudado todos que tenham interesse de conhecer esse local, e me coloco a disposição para ajudar com qualquer duvida. Então é isso meus amigos mochileiros, nos vemos pelo mundo. Obs: Amanhã faço upload das fotos
  13. Antes de mais nada obrigado pelos elogios hyggorh, fico feliz de saber que estou ajudando amigos viajantes. E antes de esclarecer suas duvidas, os meus dois companheiros de viagem também fizeram sua primeira viagem internacional para o Japão. Algumas pessoas julgam, dizendo "Nossa!!!! Você não foi nem pra Argentina e já vai pro Japão..." Bem pra essas pessoas eu até guardo meus comentários. Você fez muito bem em escolher o Japão como seu destino, o país é simplesmente fantástico. Agora com relação as duas duvidas. - Os gastos são muito pessoais, mas o que já posso lhe adiantar é que o Japão não é um país barato. Mesmo você sendo mão de vaca alguns gastos são indispensáveis. Hospedagem, transporte e alimentação. Eu fiquei por lá 9 dias , meus gastos diários deviam ser na faixa de uns 200 reais. Em um resumo bem resumido, seria algo do tipo. Hospedagem - 80 Transportes (Apenas metrô) - 25 Alimentação - 60 Diversos (entradas para museu, souvenirs e inutilidades diversas) - 30 Em relação ao albergue, eu aconselho o mesmo, achei ele muito bom mesmo, o pessoal de lá é fantástico, ele fica pertinho do Ueno Park e é uma área mais silenciosa, ele fica um pouco escondido, um pouco difícil achar na primeira vez, mas depois não tem erro. Procure por Toco heritage hostel também no facebook, lá tem umas fotos boas do local. - Mesmo esquema são variáveis, eu não fui em tantos passeios que demandavam gastos, o museu nacional de Tokyo, se não engano era algo em torno de uns 40 a 50 reais fazendo a conversão de dinheiro. Os demais locais que fui não eram necessários pagamento de entrada. Se você fizer uma pesquisa na internet dos pontos que lhe interessam é possível achar o preço de entrada dos mesmos. - Tente ir em NIkko, fica 3 horas de Tokyo, patrimônio da Unesco, e um local que aparenta ser maravilhoso. Dê uma olhada e veja se vale a pena de acordo com o seu gosto pessoal. - Eu uso o skyscanner (parecido com o decolar, porém melhor na minha opinião), apenas com o intuito de pesquisa mesmo, por que são simples e fáceis e fazem uma filtragem de tudo que é companhia aérea, pra compra a passagem eu compro direto no site da cia aérea, no meu caso foi na United. - Em relação a conexão eu realmente não escolho o lugar, compro a passagem mais barata, no caso dos Eua, como eu já tinha o visto, apenas facilitou o meu processo, em Abu Dabhi creio que você faria o voo pela Etihad correto ? Boa empresa. E realmente, para conexões mais rápidas não é necessário visto. Já fiz conexão em Dubai, o processo é similar. Espero ter te ajudado, qualquer coisa estou a disposição Abraço
  14. Posso ajudar sim, porém em Cuba fui somente na capital Havana. Não cheguei a ir em outra cidade
×
×
  • Criar Novo...