Ir para conteúdo

lucas duffort

Membros
  • Total de itens

    59
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

2 Neutra
  1. Sim e possivel alugar um carro em Cusco e chegar na hidroelectrica ponto mais proximo acessivel a macchu picchu. nao foi facil achar relatos ou informaçoes a respeito desta possibilidade, e olha que procurei em portugues, espanhol e ingles, mas mesmo assim decidi encarar a aventura que mesmo em cusco ouvi dos locais que seria impossivel, senti que todo mundo quer vender o pacote de bus ou van ate a hidroelectrica, e ate dificil achar carro para locaçao por aquelas bandas, pelo que recomendo reservar com antecedencia, mas vamos aos fatos. DIA 23 MAIO pegamos o carro um kia ceratto por 60 dolares a diaria e partimos rumo a pisac, apos passeio pela cidade continuamos o caminho dessa vez em direçao a Ollantaytambo, como estavamos atrasados e nao sabiamos ao certo o que nos esperava nem paramos aqui, ate aqui a estrada era boa, pista simples, bastante curvas, paisagens lindas. pra frente começa a piorar cada vez mais a estrada, coloque no google maps este trajeto e vcs verao como e a estrada, e muuuuuita curva, so cotovelo, montanhas cobertas de neve, acerraçao, enfim velocidade limitadissima, mas o pior mesmo esta por vir, de santa maria, passando por santa teresa, ate a hidro e uma loucura, estrada de chao bordeando precipicios altissimos e em muitos trechos com pista pra um veiculo apenas, sendo que tem que tocar buzina nas curvas e torcer pra nao vir ninguem de frente pois ter que dar re naquelas condiçoes exige experiencia e sangue frio no volante, quedas de agua passando pela estrada com grande força, pontes precarias que parecem ser da epoca dos incas!, enfim adrenalina a mil. apos muitas paradas para fotos e videos chegamos na hidro as 18;30, ja noite! mas vivos hehe, e o desafio continuava, deixamos o carro bem na frente da guarita da hidro e ofereci uns soles pro guarda para cuidar do nosso carro que estava com as malas dentro, esqueci de falar mas estavamos em 3 amigos, preparamos as mochilas e partiu fazer trilha a noite. celular na mao e lanterna que compramos na hora mesmo 12 soles, no começo da trilha tem varias bancas vendendo agua, frutas, cervejas, chocolates, enfim tudo o necessario porem muito caro, compramos o minimo necessario, se informamos se seria possivel realizala de noite e ante a afirmativa dos locais mesmo com muitas duvidas e inseguranças não tínhamos escolha a não ser partir, pois tínhamos ingressos para huayna picchu as 7 da manha. O começo da trilha é seguindo a linha do trem ate o final, algo como 10 minutos de caminhada e a partir de ai, a pior parte, mais 10 ou 20 minutos via trilha dentro da mata em busca do outro trilho de trem, finalmente saímos do mato e encontramos o trilho o qual seguiríamos pelas próximas 2 horas. as lanternas foram indispensaveis na jornada mesmo contando com lua cheia, pois são varias pontes onde tem que passar pelos trilhos. finalmente avistamos as luzes da cidade e a felicidade foi grande, chegando la fomos abordados por uma moça que nos ofereceu quarto privativo por 25 soles por cbç, hotel inka wasi, barato e com cama confortavel e chuveiro bom, sem cafe. Foram 2 hrs e 20 minutos de caminhada rápida e constante, em terreno praticamente plano, tendo um leve ganho de altitude. acordamos ás 6 hrs e decidimos economizar nos 12 dólares cobrados por trecho para subir de águas a macchu via bus e encaramos a subida a pé, via escadarias, pesado, foram em ritmo bem acelerado 45 minutos de subida íngreme, esqueci de falar que já as 6:00 da manha, horário que partimos a fila para pegar o ônibus já era quilométrica, porem andava rápido pois sai ônibus de 5 em 5 minutos. Entramos em macchu e atravessamos as ruínas ate a entrada ao setor exclusivo para quem tem o ingresso a huayna, lembrando que os horários são restritos e não são toleradas entradas fora dos horários adquiridos. Levamos 1 hora para atingir o topo, e preciso ter em conta que praticamos esportes e estamos acostumados a fazer trilhas, a subida e cansativa e realmente não e para qualquer um, e necessário bastante força de vontade para não desistir no caminho, vi varias pessoas que infelizmente iam ficando pelo caminho, assim como vi cenas incríveis de pais carregando crianças de colo e chegando la, são 1300 metros de subida. O cume e a gloria, lembrei de todo o esforço que realizamos para estar la naquele momento e foi muito emocionante, tiramos muitas fotos, mas sinceramente as melhores são do outro lado, da porta do sol em macchu. Para quem quer subir o huayna deve saber que o ingresso deve ser comprado com antecedência minima de 90 dias. Curtimos a energia e a vista do topo e por recomendação de um monitor do parque decidimos aumentar o trajeto (ou sofrimento) por mais 2 horas de caminhada ate a gran caverna, que furada! 2 horas sacrificantes por uma merda de uma caverna, ok na real a caverna deve ser massa, mas por segurança ela foi fechada e só da pra ver a entrada, tipo nada a ver, não façam essa bobagem, só pensava naquele sacana que disse valer muito a pena ir na caverna, realmente a trilha e muito visual, com trechos que tem que usar cabos e escadas de troncos que faziam as pernas tremer de costas ao abismo, mas no conjunto da obra foi exagero, ainda tínhamos todo macchu para recorrer. Descendo a macchu se dirigimos a entrada novamente e combinamos com um guia em espanhol que estava juntando um grupo, 20 soles por pessoa, um tour de 2 horas explicando a cidade e como era a vida daquele povo. Apos isto se separamos para curtirmos bem a vontade as ruínas, ate umas 15 horas pos pic nic com frutas e bebida que levamos pois la e absurdo de caro, e um descanso com aquela vista maravilhosa e tradicional desde a porta do sol o melhor lugar para o retrato famoso. Outra coisa e não esquecer de carimbar o passaporte com o selo de macchu picchu, ao lado do guarda roupa, logo na entrada do parque. Apesar do cansaço acumulado (1 hora de aguas a macchu, 4 hrs circuito huayna, caverna,macchu, 2 hrs guia macchu, total 7 hrs) resolvemos economizar mais 12 dólares e descemos a pé, bem mais fácil que a subida, por isso se quiser economizar na descida e comprar a subida pode ser uma boa. Foram mais 50 minutos de descida e mais 20 ate aguas caliente. Nesse dia só deu mais pra jantar e dormir cedo, doendo o corpo inteiro, mas com a alma regozijada. No outro dia acordamos as 7 da manha e partimos a pé rumo á hidro desta vez de dia apreciando o belo caminho que tinha passado desapercebido na vinda a noite. e que caminho, sempre costeando o rio e com huayna e macchu o tempo todo a nossa esquerda. foram 2:30 de caminhada e muitas fotos ate a hidro, carro intato, almoçamos e tomamos umas cervas num restaurante onde tinha um grupo grande de gringos comendo, 12 soles, entrada, principal e sobremesa, depois disso pé na estrada para mais 6 horas e mais muitas fotos e videos maravilhosos pelo caminho, janta e passeio em ollanta e devolução do carro para no outro dia voltar para casa ja cedo. Em cusco ficamos no pariwana hostel o qual recomendo, top, quarto para 10 pessoas 42 soles com cafe, excelente localização a 2 quadras da praça de armas e camas e chuveiros excelentes, enfim e possível sim, e barato tbm, foram 3 diarias de 60 dólares, mais 115 soles de gasolina. E isso, ta ae mais um jeito de explorar essa joia do nosso continente, qq dúvida tentarei ajudar, vlw!
  2. Em primeiro lugar sinto muito ter passado uma situação ruim na sua estadia na africa do Sul, mas acho q na raiva seu título extrapolou a realidade dos fatos, foi furtada no hotel, ok, mas dae a por "todo cuidado e pouco" ja e demais, queria eu no Brasil me sentir tão seguro como me sinto aqui. Faça um comentário negativo sobre o hotel, que alias e onde estou hospedado neste momento e e mais do q ótimo, obvio q apartar do seu relato me ajudou e nao utilizei o cofre, mas nao manche a reputação de um país que atende o turista como nenhum outro, abraço.
  3. Opa!, nem acabou minha viagem ainda e estou aqui p passar a quem tiver interesse, algumas impressões q estou tendo na minha visita. Estou na africa desde dia 21 de julho, chegamos em vôo direto sp- johannesburg de 8 Hrs. Nem saímos do aeroporto e pegamos outro vôo para port elizabeth de uma hora, onde começou nossa trip. Alugamos um carro ja no aeroporto e pegamos a estrada para jefreys bay, onde ja deu p notar que as estradas e infra estrutura do país e bem melhor q no Brasil. A única dificuldade fica por conta da direção em mão inglesa, o q um cambio automático ajuda um pouco, e gps e claro.nao se esqueça q e obrigatória apresentação de carteira internacional, feita no DETRAN, demora 30 dias e custa uns 150. Ja nos primeiros kms vimos os primeiros babuínos na estrada e seria uma recorrente ao longo dos dias. Chegando em jefreys fomos direto para nossa "pousada", supertubes guest House, umas casas de frente p praia, mais especificamente frente a mais famosa direita do mundo. Nao podíamos ter feito melhor escolha, um luxo, no final se conseguir coloco fotos, atendimento maravilhoso, o que seria uma constante em toda nossa viagem. O wct tinha acabado um dia antes, e nossa "casa" tinha sido ocupada nada mais nada menos q pelo campeão do evento, australiano mick faning, encontramos ainda o brasileiro Filipe toledo e kolohe andino, 2 top ten mundiais q tiraram fotos conosco. Estava rolando altas ondas mas estávamos um pouco cansados e nao caímos nesse dia, ( esqueci de falar q a equipe era minha esposa, filho de 18 e filha 16. Amanheceu um dia lindo e acordamos ja com as pranchas e roupas de borracha cedidas pela pousada e pra Agua. Oceano indico nao tem Agua tão gelada assim, mas p quem e de santa Catarina foi um choque, e a presença quase q constante dos grandes tubarões branco mais bancadas de pedras amedrontam qq um. Em jefrey bay fica a fabrica da bilabong, mvca,QuickSilver, enfim paraíso pras compras. Nao falei ainda mais essas horas nos ja estávamos de cara de como as coisas são baratas p nos brasileiros, 1 real da 4,5 rands, uma janta no mais fino restaurante com bebidas e sobremesas 150 reais p todos. E volto a frisar o atendimento pq e algo q realmente conquista o turista, conheço alguns países mundo afora e posso dizer q como aqui nao tem igual, desde o a ao z todo mundo e simpático, atencioso, amável, exceção para qdo éramos atendidos por brancos, dae o nível baixa bastante, no momento, após conhecer a história do povo Sul africano mais de perto sinto enorme desprezo e raiva pelo q o "homem branco" fez neste pais, fazem 20 anos q terminou este capitulo horroroso chamado apartheid, mas as consequências ainda estão em claras evidencias, a diferencia social entre brancos e negros e incrível, mesmo p nos brasileiros, fora aqui em cape town q vi alguns poucos negros com alguma condição, quase na totalidade vivem em favelas ( town ship) nas aforas das cidades e são muiiitos, em momento ou lugar algum vi um negro patrao, mas sempre funcionário,com praticamente nenhuma chance de conseguir uma vida melhor. ja os brancos dispõe de uma excelente qualidade de vida, belissimos campos de golfe, otimos restaurantes. Outra coisa e a segurança, em nenhum momento nos sentimos inseguros, são rarissimas ocorrências de furto ou roubos apesar da extrema pobreza q os negros vivem. Após 3 dias magníficos, rumamos para knysna ja na gardem route, aqui estabelecemos nosso qg para fazer algumas atividades nas redondezas, fomos no maior bungee jump do mundo sobre ponte mas faltou coragem, visitamos o knysna elephant park onde andamos de elefante, os alimentamos e aprendemos mais sobre estes gigantes. Visitamos tbm o monkey land, santuário dos macacos q ficam livres pela reserva a qual se vai caminhando e observando as carias espécies inclusive do Brasil. Tem um waterfront no centrinho o qual era nosso destino a noite e tinha o marios um restaurante italiano ótimo e barato, além de vários mais. Levantamos acampamento rumo a stellenbosch principal região de vinhos da africa do Sul bem pertinho de cape town 50 km. A região e extremamente bonita assim como a estrada que passa por lugares incríveis como pletemberg bay, mossel bay, sempre acompanhados por uma cadeia de montanhas como cenário. São mais de 350 vinicolas so em stellenbosch então nao posso ajudar muito, mas a q mais gostamos foi delaire state wines, azara, rust en vert, e dae em diante era muito vinho p cbç q agora nao lembro mais. Todas oferecem degustação por preços irrisórios tipo 40 rands( 10 pila) pra experimentar os vinhos, tomei alguns que custavam 500 reais aqui a garrafa, imagina no Brasil, e ainda me dando ao luxo de saborear e cuspir o vinho en vez de tomar, senão vc vai parar ja na primeira vinícola, aqui recomendo escolher um hotel dentro de alguma vinícola, o visual das montanhas e parreiras e o máximo. O centrinho e legal p um passeio tbm, ou vc pode tbm vir a partir de Ct pois e meia hr so. CAPE TOWN, wow, q coisa linda, sempre achei q o rio era o máximo, mas cape consegue ser mais legal, banhada por 2 oceanos, toda cercada por montanha belíssimas, sem favelas ( tem umas enormes mas bem isoladas das cidades), total segurança, poderia morar aqui e ser muito feliz, ficamos no cape royale um 5 estrelas pelo preço que ficaria num 2 ou 3 estrelas no max no rio, tivemos azar do teleférico p table mountain ficar fechado por 10 dias para manutenção anual, e decidimos subir o lions heads, wow again, e foi maravilhoso, pouco mais baixo q o table, mais com um cume em forma de cume mesmo onde se tem uma vista incrível em 360 graus de toda cape town. Infelizmente minha esposa e filho nao conseguiram chegar no topo, até eu q me considero aventureiro confesso q em momentos fiquei com medo, a coisa vai ficando alta e mais alta e a trilha mais fina e mais fina, eles começaram a sentir muita vertigem e passar mau apesar de eu falar p nao olhar p baixo e nem p atras, em determinado momento o negocio ficou muito punk, o trecho final e muito íngreme necessitando escalar mesmo, ainda com ajuda de correntes e ganchos, a pior parte e uma escalada com tipo uma escada de ferrinhos na pedra de uns 5 metros de costas para o precipício em q qualquer vacilo e mortal, infelizmente nao vinos a placa onde alertava pra fazer outro caminho mais seguro, um pouquinho mais longo mais sem essas dificuldades, atingir o cume deu aquela sensação misturada de risos, lagrimas, euforia...tenho certeza q nunca mais na vida vou esquecer esse feeling. Visitamos o cabo da boa esperança e cape point, são do ladinho um do outro, cape point muito mais belo, visitamos tbm boulders beach e seus pingüins e simons town, o destaque e a estrada chapmans peak uma das mais belas e impressionantes que ja recorri, voltamos mais 3 vezes ainda a este percurso, o por do sol visto daqui tbm será inesquecível. Visitamos algumas praias de surf mas nao caímos, ainda bem. Pois numa q visitamos q pensamos em cair, ( muizemberg) no outro dia teve um ataque de Tubarao a um surfista qestava entre a vida e a morte, e nem tudo e perfeito. Cont.
  4. Acabei voltando para firenze em 2013 e repeti o hostel, de novo o migue que a net nao funcionava, propaganda enganosa, nao funciona ha anos, e os colchoes sao absurdamente finos, nao recomendo mais este hostel nao
  5. Cara usa o trip advisor que e a melhor ferramenta, abraço
  6. cara deve ser bem interesante, mas nao sei nada a respeito nao.
  7. Precisa sim, sem o batismo so snorkel O cassino ate q vale, da pra ir de ônibus desde a zona hoteleira , bem fácil
  8. fiz alguma coisa errado, o relato completo esta na mensagem abaixo
  9. achei poucas informaçoes a respeito desta bela ilha do caribe, pelo que me disponibilizo para ajudar quem esta pensando em viajar para la. barbados e a ilha mais oriental do caribe e tem voo direto de 5:30 hrs de sao paulo pela gol. a ilha foi colonizada pelos ingleses, entao o seu idioma e o ingles. 90% dos seus habitantes sao negros, 6% asiaticos e somente 4% de brancos. dos 90% de negros quase a metade e de rastafari, em certo ponto achei que estava na jamaica hehe. apesar de seu idh (indice de desenvolvimento humano) ser um dos melhores do mundo (todas as casas tem agua potavel, esgoto, luz, acesso a saude publica e educaçao) o povo leva uma vida muito simples, mas que nao deve ser confundido com pobreza. os carros sao bem antigos e as casas tods no mesmo estilo, de madera e bem simples mesmo. a temperatura nunca baixa de 27 graus mesmo a noite, de dia passa dos 30 frouxo. e a temporada de chuvas vai de junho a outubro, mais pegamos somente 1 dia de chuva outra particularidade e a mao inglesa, confesso que foi muito dificil no começo se adaptar a dirigir do lado esquerdo e passar a marcha com a mao esquerda, FIQUE ATENTO! o povo no geral e muito receptivo e disposto a prestar ajuda se precisar. nao sei se foi a epoca (15 a 23 de junho) mais a ilha estava bem vacia, e como sao inumeras belas praias, en nenhum momento dividimos as praias com hordas de turistas, pelo contrario era comun ficarmos sozinhos naquelas praias paradisiacas, o que aumentava ainda mais a percepçao dos lugares. por nao ter pontos elevados na ilha, toda ela e habitada o que faz que a populaçao fique esparsada pelo territorio e nao tem praticamente cidades, a sua capital bridgestown e a parte antiga da ilha, aonde fica o porto dos transatlanticos e e ocupada pela unica parte comercial da ilha com variados duty free, mas nada de residencias. o curioso e o preço dos restaurantes, achei fora da realidade do custo das coisas na ilha, mesmo em lugares simples a conta era carissima mesmo. O lado oeste da ilha e sem duvida o mais bonito, pois e banhado pelo mar do caribe. ja o lado leste banhado pelo atlantico e mais parecido com o nosso litoral e e onde rolam altas ondas para pratica do surf e windsurf, segundo kelly slater e a 3 melhor onda do planeta, atençao para as correntes. a infra estrutura para o turismo e pouca, neste sentido a ilha ainda esta bem virgem, mais foi este ponto que nos agradou muito, pois ja estivemos em cancun, playa del carmen, aruba, lugares lindos do caribe, mas que sao extremamente (americanizados), entao aqui foi a primeira vez que se sentimos realmente numa ilha caribenha original! a moeda e o dolar barbariense que vale quase que igual ao real. ( 1 dolar =2 barbadienses) o hotel que escolhemos foi o radisson aquatic na praia de peeble beach, muito bom mas e bem salgado, na areia da praia e com um deque pra dentro do mar aonde funciona o cafe e o restaurante. alugamos um jeep pequeno (jimmy) e rodamos toda a ilha que nao e tao grande, em 3 horas sem parar da pra rodar ela. ATRAÇOES QUE VISITAMOS NATURAL WILD RESERVE: reserva no norte da ilha aonde os animais ficam totalmente livres. foi uma experiencia maravilhosa vc ver macacos aos montes pulando nas arvores e com filhotes no colo, brincando e tudo mais, e convivendo com um monte de outros animais todos soltos amigavelmente. a dica e visitar perto das 14 hrs que e a hora da comida, e incrivel como todos os animais começam a se juntar ja esperando, foi bem legal HARRISONS CAVE: bom este aqui para quem nunca entrou em cavernas e bem interesante. apos assistir uns videos sobe num trem e anda por aproximadamente 1 hora dentro da maior caverna que ja entrei. visuais maravilhosos cheios de estalacnite e estalactite brotando do teto e do chao, em certos pontos os saloes eram enormes e altissimos, bem interessante, mais poderia ser mais barato, acho que foi algo como 35 us por pessoa CALABAZA SAILING TOUR: um belo de um veleiro bem prive, no maximo 12 pessoas, passeio de 6 horas com tudo incluso, cafe da manha, almoço, bebidas todas, veleja pelo lado oeste e faz 2 paradas estrategicas, a primeira e num navio afundado cheio de corais em volta e uma vida marinha riquissima, agua muito transparente (arrume uma go pro que vai valer a pena) e uma segunda parada para nadar com as tartarugas. em certo ponto tinha mais de 10 enormes nadando junto com a gente, e logico que as malandras sao atraidas pela comidinha facil que o guia traz consigo, mas rendeu fotos muito legais, elas deixavam ate passar a mao nelas e nao tinham nenhum tipo de medo de nos. o fato de ter poucas pessoas a bordo, proporcionou uma bela confraternizaçao com os outros turistas, muita troca de informaçoes no meio de muitas banks ( cerveja local) e alguns copos de mount gay rum, rum local e dos mais famosos do mundo. nao e barato tbm 100 us mas foi aprovadissimo, a tripulacao muito simpatica e prestativa. vc nao pode perder tbm na sexta a noite a festa no mercado de peixes em oistin, lota mesmo, para a rua muito som caribenho e os tipos mais engraçados que ja vi. por ter muitos rastas na ilha, maconha aqui e que nem mato e eles chegam oferecendo em toda esquina. qto as praias sao tantas que nao vou entrar em detalhes, vc vai acabar passando por todas elas ja que todas tem acesso ao publico, nao existindo praias privadas. CONCLUSAO: so o fato de ter voo direto, em pouco mais de 5 hrs vc esta no caribe e um ponto muito favoravel. como e uma rota relativamente nova da gol, e a ilha ser quase que desconhecida no brasil, a procura e baixa o que faz que se consiga bons preços geralmente. a cor do mar e de chocar, mesmo com o passar dos dias nao deixava de me impresionar com aquele azul caribe. enfim, nos passamos 1 semana maravilhosa, e isso ae, espero que sirva pra alguem, abraços!
  10. Desembarquei do tram em plena praça do leidsplein, um dos points mais agitados de amsterdam, um grupo de hip hop, realmente bom faziam seu showzinho por la. fiquei no stay okay vondelpark e achei otimo, moderno, infraestrutura completa, localizaçao otima, lockers relativamente grandes, chuveiro, box e lavabo separado. cafe otimo, wifi free. fica praticamente dentro do parque. bem proximo a ele tem o flying pig uptown, bom tbm, ce estiver procurando bagunça pode ser uma boa escolha, ja que o stay okay e um pouco mais frio e tranquilo, mas otimo pra quem quer bagunçar na rua e dormir no sossego. fiz o free tour aqui e achei otimo, faz toda a diferença vc ter um guia pela cidade contando coisas que vc nunca iria saber, alem de ser mais uma oportunidadde para fazer amigos. fiz tbm o tour dos coffes, que visita os mais famosos coffes e a cannabis college e conta a historia da legalizaçao da maconha na holanda, bem legal alem de pegar as melhores dicas... os preços variam bastante e nem sempre os mais famosos tem o melhor produto, mais sim o maior preço, entao se ligue. os preços variam de de 6 a 12 euros por grama, e as spacecakes (bolo de maconha) de 3 a 7 euros, fiz tbm o tour do red ligth e achei muito interesante, cada tour desses foi 12 euros e o free todo mundo dava 5 euros. aqui os banheiros publicos sao uma atraçao, nao deixe de tirar umas fotos bem legais. fui no heineken experience, no local paguei 17 euros, mas depois achei as agencias vendendo por 15 euros achei legal, vc ganha 3 chopps com a entrada. fui no rijksmuseum, muito bom, varios rembrandt famosos e as melhores obras da historia da holanda, 14 euros aqui fiquei com o gostinho de quero mais, nao consegui fazer os arredores de ams, nem o keukenhoff, nem o van gogh, e varias outras coisas, fiquei 2 dias e meio mas ficaria mais 2 numa boa! em relaçao a italia aqui as coisas sao mais caras, principalmente as comidas, abusei do burguer king do leidsplein, 3 euros o menu completo! domingo de manha rumei para paris, peguei o thalys na estaçao central e como tinha comprado com antecedencia consegui a primeira classe pelo mesmo preço da segunda. muito show este trem, apesar de ser so 3 horas e meia servirao cafe e almoço, com vinho e tudo o mais cheguei em paris no estilo.
  11. brigadao pela dica MCDT, infelizmente nao sabia disso antes e nao tinha habilitado o compartilhar fotos no icloud, pelo menos recuperei os contatos, vlw. marcela, estou com o marcos, vc vai ver que a pior parte da viagem e ter que mudar de cidade, vc perde tempo e vc vai fazer isso o tempo todo, diminui as cidades e aumenta os dias! e isso mesmo marcos, o risco de ser assaltado a mao armada e minimo, o risco e o furto mesmo, tem que ficar 100% atento.
  12. oiii, voltei, peço desculpas pela propaganda enganosa hehe, nao consegui mesmo dar sequencia as postagens ao vivo, mas enfim, estou de volta e vou passar as dicas das demas cidades. entao, a ultima noite de roma era sabado e caimos na noite num club perto de uma piramide, bombou a festa ate altas hrs, acho que o nome era clube A. mas va preparado pois cada drink ou cerveja e 10 euros. la pelas 9 da manha fui para a termini e comprei o trem para firenze. nao tenha medo de usar as maquinas para comprar as passagens, e muito facil e vc pode pesquizar todos os horarios e tipos de trens. acabei comprando o rapido e me arrependi, pois custou 45 euros e levou algo como 1:30 hrs e tinha um regional que levava 4 mas era 17 euros, e como eu estava quase virado nao teria vindo mau dormir no trem. enfim, cheguei em firenze e depois de 4 dias de sol e calor em roma, aqui chovia e fazia 9 graus, congelante e eu ainda de resaca. fiquei no florence plus, bom moderno, mas nao tao acochegante quanto o alessandros. mas recomendo na boa, tinha ate piscina, sauna, bares etc.so o wifi free que prometia nao funcionou nenhum dia. no outro dia como era segunda feira e a maioria das atraçoes ficava fechada, fui ate a estaçao de trem e comprei a passagem para poggibonsi por 6 euros para fazer a conexao para san geminiano. o interior da toscana e demais, aquela paisagem aquele cheiro... meu deus que gostoso. depois de 1 hora estava la. na porta da estaçao ja tinha placa de parada do onibus que faria o resto do trajeto. 2 euros e mais 20 minutos de estrada. bom amei san geminiano, a cidade parou no tempo la pelos 1400, toda murada, aquelas torres, tudo em pedra, nossa demais. tomei muito vinho e sorvetes e comi varios paninis com aquele presunto e queijos maravilhosos. subi na torre por 6 euros e tive uma das mais belas vistas de toda a minha vida, maravilhoso. fiz tbm uma caminha ao redor da cidade pelas muralhas enfim, fiquei o dia todo por aqui e AMEI. na volta eis que acontece o lado negro da viagem. chegando em firenze, conferi meus pertences e me dirigi a porta para desembarcar do trem, 1 minuto depois conferi de novo e ... eu iphone nao estava mais!!!! fiquei desesperado sem entender, fui na policia e tal, mas nao ligarao muito, o cara so falou que e muito comun e tal, e que nao podia fazer nada. bom alem do custo do iphone o que estava me matando era que nao tinha levado maquina fotografica e todas as fotos estavam no telefone. bom.. a depre foi grande e me fez perder praticamente 1 dia inteiro, ate que toquei o fodasse, comprei uma maquina de fotos e bola pra frente. este fato ofuscou a beleza de firenze, e acabou com o roteiro que tinha planejado, a pesar de ter ficado um dia a mais do planejado, nao consegui fazer o uffizi, nem nenhum outro museu. aqui so fiz a torre de giotto por 6 euros, bela vista. igreja santa maria novella 4 euros( depois das igrejas de roma nenhuma mais surpreende), e piazzale michelangelo, free e a melhor vista de firenze. fiz a catedral, o duomo, enfim no ultimo dia ja nem lembrava o acontecido e tava tirando muitas fotos legais. ao total foram 3 noites aqui. veneza era o unico lugar que nao tinha hospedagem reservada, e foi muito bom pois acabei tirando um dia aqui para colocar em firenze e nao me arrependi. desta vez optei pelo trem regional ( 16 euros, 4 hrs com conexao, contra o direto de 45) o ruim era o horario (4:30 da manha). em veneza acabei optando por ficar em mestre, no colombos ou columbos hostel. baratinho bem localizado, com wifi, supriu as necesidades. 20 euros. na esquina passava o onibus que levava 10 minutos ate a piazza roma em veneza. aqui mais uma vez fazia muito frio e nao parava de chover. a cidade e bem pequena, mas cheias de escadas entao se atente com as malas se vc optar por ficar na ilha, vi muitas pessoas com dificuldades para se locomover com as malas. aqui acabei comprando a entrada para o palazzo ducale,meio carinho 16 ou 18 euros, mais dava direito a mais 3 museus na ilha. bem legal fui na catedral, legal tbm, e no mais paseei nas ruazinhas e pontes. a verdade e que nao curti tanto assim esta cidade, nao por ela nao ser bonita, e por que tem tanto mais tanto turista que vc mau consegue apreciar, as vielas sao muito esteitas e so o que se ve e gente e mais gente. vc tem que brigar pelo seu lugar ao sol, se quiser tirar fotos na ponte entao... so pra ter uma ideia tinha 6 transatlanticos ancorados! enfim aqui 1 dia me pareceu suficiente. no outro dia voltei para mais fotos e la pelas 4 da tarde peguei o onibus na piazza roma rumo a treviso aeroporto a 1 hora de veneza 7 euros. voei para amsterdam de transavia, 39 euros mais 10 da mochila. achei meio confuso a conxao de schipol com a cidade, mas como sempre dava sorte e achava umas almas boas dispostas a ajudar, peguei trem ate a estaçao central e tram ate leidsplein, pertinho do hostel que tinha reservado. sei que e feio, mas nao paguei nem o trem nem o tram, simplesmente nao tinha controle e tava perdidao, so fui entrando e ... continua..
×
×
  • Criar Novo...