Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

sérgio - graxaim

Membros
  • Total de itens

    57
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

2 Neutra

Sobre sérgio - graxaim

  • Data de Nascimento 23-01-1976

Outras informações

  • Ocupação
    Guia de Turismo Regional/SC
    Proprietário da Graxaim Ecoturismo e Ecohostel.
  • Localização
    Rod. SC 110, km 371,8, Urubici, Santa Catarina, 88650000, Brasil

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. boa noite Sergio

    gostaria de fazer a travessia do campo dos padre. T em alguma agenda ? 

    1. sérgio - graxaim

      sérgio - graxaim

       Olá Ideraldo, bom dia.

      Realizamos estas travessias somente entre os meses de abril e setembro, pois nos meses mais quentes o risco de temporais severos, cerração e acidente com animais peçonhentos aumenta muito.

      Para o próximo ano ainda não estamos com nossa programação definida. Caso tenha interesse em fechar uma data, o mínimo para agendamento são de três pessoas.

      Qualquer dúvida, nosso email é o [email protected]

      Uma ótima semana.

  2. Parabéns pela travessia e pelo relato. Só gostaria de alertar que entre a fazenda do Cânion das Laranjeiras e o Cânion do Funil, existem mais duas propriedades, as quais os proprietários também cobram uma taxa de visitação. Aconselho a todos que forem fazer esta travessia entrar em contato com todos os proprietários para evitar incomodação com os capatazes destas fazendas. No mais é estar preparado para molhar os pés e se deslumbrar com as paisagens.
  3. Olá Juliane. Sou proprietário de uma agência de ecoturismo em Urubici e posso lhe ajudar. A divisão está ótima para os dois dias, desde que vocÊ tenha interesse em apenas conhecer os principais e mais comuns pontos turísticos da cidade. Caso deseje fazer alguma caminhada mais longa, aí o tempo já fica curto. Mas vou me ater ao seu roteiro. 1.O Morro do Campestre encontra-se temporariamente fechado para visitação. Esta foi uma decisão do proprietário e que a prefeitura está tentando reverter. Pode ser que até a sua vinda esta visitação já esteja normalizada. 2. A cascata do Avencal pode ser visitada tanto pela parte de cima como pela parte de baixo. O acesso pela parte de baixo fica logo na saída da cidade para quem segue no sentido a São Joaquim. Após o final da estrada são aproximadamente uns 20 minutos até a base da cascata. Retornando para a rodovia e seguindo para a parte de cima da cascata, vocÊs passarão nas Inscrições Rupestres. Este é um sítio arquiológico com inscriçõe santigas feitas em um paredão de pedra pelos indígenas que habitaram a região entre 2.500 e 600 anos atrás. O acesso é bem tranquilo, contudo a placa de informações a respeoto do local foi vandalizada e ão tem qualquer tipo de informação a respeito do local. Seguindo pela estrada após aproxiamdamente 5 km há o acesso a parte de cima da cascata. É uma propriedade particular que cobra R$ 5,00 por pessoa. Conta com banheiros, duas tirolesas e mirantes para avistar a cascata. 3. A Caverna do Rio dos Bugres também é uma propeiedade particular e eles cobram R$ 3,00 por pessoa. Se não tiver umalanterna eles emprestam. 4. Antes de sair da cidade para os passeios, vocês deverão passar na sede do Parque Nacional para pegar a autorização para subir até o topo do Morro da Igreja. Esta autorização não tem custo mas são somente 200 veículos por dia que são liberados. 5. Logo na subida ao Morro da Igreja, vocês passarão pelo acesso à cascata Véu de Noiva. Aconselho irem primeiro no mirante do MI e na volta passarem na cascata. Esta também é uma propriedade particular e cobram R$ 5,00 por pessoa para visitação. Tem restaurante para o almoço, banheiros e lojas de artesanato. 6. O trecho final da estrada que leva até a Serra do Corvo Branco é de terra e está um pouco mal cuidada, mas indo com calma não há problema. Só aconselho a irem somente até o mirante da serra, pois a descida está parcialmente interditada e muito ruim para carros baixos. Todos este lugares são possíveis de se visitar sem o acompanhamento de um guia. Mas caso opte por contratar um, nossa agência se chama Graxaim Ecoturismo e o nosso site é http://www.graxaim.com
  4. Urubici é a cidade com mais pontos turísticos para serem visitados, mas Bom Jardim da Serra também merece ao menos um dia inteiro para conhecer suas paisagens. Como sugestão, você poderia se hospedar em Urubici, visitar os principais pontos turísticos como por exemplo o Morro da Igreja e Pedra Furada, Cascatas do Avencal e Véu de Noiva, Grutas, sítios arqueológicos com paleotocas e inscrições rupestres, Morro do Campestre, etc. No dia seguinte você pode ir para Bom Jardim visitar as cachoeiras do Salto do Passo Velho e Salto do Pelotas e da Barrinha, o Parque Eólico, Cânion da Ronda cuja caminhada é de 500 metros, e o mirante da Serra do Rio do Rastro. No dia seguinte você desce a serra conhecendo o monumento aos tropeiros e a nascente do rio do Rastro e segue viagem. Se você preferir, pode nos mandar um email [email protected] com mais detalhes de datas e chegadas, que montamos um roteiro mais detalhado, indicando os passeios aonde é aconselhável pegar um guia e os que podem fazer por conta mesmo.
  5. Olá Farsdag. Sou de Urubici e responderei em azul suas dúvidas abaixo: Qualquer dúvida entre em contato conosco. Tenho certeza que você adorará nossa região.
  6. O bloqueio foi feito antes da subida para a garganta pelo lado de Urubici. A informação que temos é que só é permitida a passagem dos caminhões e máquinas que estão trabalhando na obra. Mas até mesmo para chegar em comunidades que estão localizadas antes deste bloqueio, é preciso muito cuidado, especialmente nos dias de chuva, pois até veículos 4x4 estão ficando atolados.
  7. Atenção a todos que pretendem visitar a Serra Catarinense nos próximos meses. A Serra do Corvo Branco que está localizada em Urubici, será interditada no próximo dia 14 de outubro. Esta interdição será por causa das obras de pavimentação e se estenderão pelos próximos 12 meses. Segue abaixo o link como comunicado: - http://saojoaquimonline.com.br/2014/10/06/serra-do-corvo-branco-ficara-fechada-por-um-ano/
  8. Tenho um liner "Thermolite REACTOR plus" da SeaToSummit que o fabricante diz aumentar em 11 graus centígrados o isolamento do SD. Uso ele com um SD de pluma conforto zero grau. Este conjunto dentro do saco estanque fica com exatos 1,0 kg e bastante compacto. Posso garantir que o liner faz milagres, um dos melhores equipamentos que já comprei. Com este conjunto tenho uma gama bem grande de temperaturas que posso encarar durante a noite. Já usei só o SD, só o liner ou os dois juntos.
  9. Então, como prometido aí vai o parecer da FORCLAZ 700. Neste último feriado guiei uma travessia no Campo dos Padres - Santa Catarina - região de campos naturais bastante isolado e com previsão de temperaturas abaixo de zero. Esta travessia somou aproximadamente 50 km de muitas subidas, lama, campos de turfeiras (alagados) travessias de rios (rasos) e muito gelo. Em todos os dias a bota se mostrou extremamente eficiente em matéria de proteção, tração, conforto, impermeabilidade. Valeu cada centavo No primeiro dia, devido a enorme quantidade de lama, água e 8 horas de subida, a camada impermeável/respirável saturou e nas últimas duas e piores horas da caminhada perdeu a capacidade de respirar deixando meus pés um pouco umidos de suor. Como precisava dar um descanso para os pés, logo que montei a barraca já tirei as botas deixando elas no avanço para passarem a noite por ali mesmo, do jeito que estavam mesmo. Em uma madrugada que registrou -2° dentro da barraca e uns -8°C fora, não foi de espantar que elas amanheceram completamente congeladas, duras feito uma pedra. Deixei no sol enquanto tomava o café da manhã e depois de arrumar tudo elas já estavam prontas para o uso. Meias limpas e lá fomos nós para o segundo dia da travessia, a subida até o Morro da Boa Vista, ponto mais alto de SC com 1.827 metros de altitude. Logo o primeiro desafio foi atravessar um rio raso, mas que superava a altura da bota. Como também uso polainas impermeáveis da Quechua, passei ileso no primeiro desafio. Depois de uns 16 km de muito campo alagado e lama, a única água que entrou foi pela parte de cima após pisar em um buraco escondido, que mesmo com a polaina acabou entrandoum pouco de água, mas que nem chegou a sola do calcanhar. Chegando ao acampamento fiquei com as botas devido ao frio que fazia, e mesmo molhadas por fora mantiveram o meu pé seco e aquecido. No terceiro e último dia, muita lama, pedras e descidas. Se comportou como no dia anterior, mantendo meus pés secos e dando muita estabilidade ao tornozelo. Conclusão final: Não é uma bota para usar no dia-a-dia, pois é robusta demais, mas para um uso intenso em trilhas com mochila pesada, pedras, lama e água, valeu cada centavo pago. Super recomendo esta bota para quem está em busca de uma bota robusta e confiável.
  10. Comprei na Decathlon de Floripa uma FORCLAZ 700. Fui para comprar uma 500 e como não tinha o meu número vi este outro modelo achei mais interessante. Ainda está em pré-teste de uso urbano e uma trilhinha leve para testar tração e torção. Passou com louvor. mas o teste da impermeabilidade ainda não rolou. Aqui na Serra Catarinense temos muitos campos de altitude e trilhas com pedras, portanto uma bota de couro é a minha preferência. Ah, além disso o vendedor disse que ela tem um sistema de proteção térmica, que aqui no inverno é uma coisa muito boa. Daqui a um mês estarei guiando uma travessia de 52 km e pretendo ir com ela, aí passo minha impressão.
  11. Vindo de Tubarão, suba pela Serra do Corvo Branco. (Tubarão - Braço do Norte - Grão Pará - Aiurê - Serra do Corvo Branco) Já que subirás pela Serra do Corvo Branco, obrigatoriamente terá que passar em frente ao acesso do camping Terras do Sul, que fica na localidade de São Pedro - Furna do Rio do Bispo. Você precisará antes de subir ao Morro da Igreja, vir na cidade para pegar a autorização de acesso na sede do ICMBio. As inscrições rupestres, ficam na saída da cidade rumo a Bom Jardim da Serra e São Joaquim, portanto pode ser visitado no dia que estiveres deixando a cidade. Ah, a estrada de Aiurê até a Serra do Corvo Branco está em obras, caso esteja chovendo é um mal caminho para carros baixos, mas se estiver com algum 4x4 vai ser só alegria. Nossa agência fica na avenida principal de Urubici, em frente a central de informações turísticas. Se quiser aparecer para um mate, é só chegar lá. Em qual data estarás por aqui?
  12. A situação do cânion permanece a mesma. São propriedades particulares e para ter acesso a elas é preciso autorização dos proprietários.
  13. Olá Enrico. Tenho uma agência de ecoturismo em Urubici e vou te passar uma sugestão de roteiro: Venha de Balneário Camboriú via BR 282 (BR 101 até Floripa - Segue no sentido norte-sul até o município de Palhoça e pegue o acesso à BR 282 que segue no sentido leste oeste). Acredito que seja a opção mais rápida de chegar a Urubici vindo de BC. Chegando em Urubci, siga até a sede do PN para pegar a autorização de subida ao Morro da Igreja. O portão abre a partir das 8:30 da manhã. No acesso ao Morro da Igreja, você já aproveita para visitar a Gruta Nsa. Sra. de Lourdes e a cascata Véu de Noiva. Depois de visitar o Morro da Igreja e os demais pontos sugeridos, siga em direção à Serra do Corvo Branco. Voltando de lá, há uma opção de camping bem bacana, chama Terras do Sul (tem perfil no facebook), e termine o seu dia por lá. No segundo dia, siga em direção a Bom Jardim da Serra, que é aonde se encontra o cânion das Laranjeiras. No caminho, você passa pelas inscrições Rupestres na saída da cidade e também pela cachoeira do Avencal, a maior aberta a visitação. De Urubici até o cânion, são aproximadamente 85 km. Se sair cedinho daqui, fazer as visitações e chegar no cânion até umas 10 da manhã, acredito que vai dar tempo de seguir para Cambará com luz natural ainda. Qualquer dúvida é só perguntar ou aparecer aqui na agência. Abraços.
  14. Como guia de turismo devidamente registrado no Ministério do Turismo e também como condutor de visitantes do Parque Nacional de São Joaquim, concordo planamente com o que o Getúlio disse. Mas não só com isso, como também com a importância que há na vinda destes montanhistas experientes para a nossa região. Desde este evento ocorrido ano passado, muita ideia já troquei com estas pessoas a respeito de trajetos e informações técnicas, que me ajudam em muito no serviço que eu presto. Também já passei muito do que eu sei para que novas expedições aconteçam. A vinda destes grupos ajuda muito na divulgação do nosso destino turístico como um todo. Várias travessias realizei com pessoas que viram o relato e quiseram conhecer esta região, mas por não terem o preparo e o conhecimento necessário, contrataram os nossos serviços para faze-lo. E outra coisa muito importante também,é que não basta querer fazer esta travessia sozinho, tem que conseguir a autorização por parte do ICMBio, que para tanto analisa se o interessado tem ou não condições para isto. No início a obrigatoriedade da contratação do condutor foi boa para coibir o acesso sem controle, mas agora com a publicação da portaria o acesso está liberado para todos, desde que respeitem esta regra oficial. Estamos a disposição.
  15. Olá Marcosdip, Vou me ater a parte da Serra Catarinense que a que eu conheço melhor. Além de guia tenho uma agência de ecoturismo em Urubici. http://www.graxaim.com Já que você pretende fazer este passeio por estradas alternativas, sugiro pernoitar em Floripa ou região, para no outro dia vir para a Serra pelo seguinte percurso: Floripa - Santo Amaro da Imperatriz - Águas Mornas (estes dois últimos via BR 282) - em Águas Mornas após passar o posto de combustíveis Serra Mar pegar a esquerda em um trevo e seguir no sentido a São Bonifacio (até aí só asfalto). De São Bonifacio seguir até Rio Forntuna é estrada de terra, depois pega sentido Grão Pará e de Grão Pará sobe a Serra do Corvo Branco até Urubici. Bastante estrada de terra. Em Urubici a trilha para a Pedra Furada dura em média 5 horas e sempre realizamos com no mínimo duas pessoas. Durante a trilha você já conhece o cânion e todo o visual do Morro da Igreja. Voltando da trilha já pode conhecer a cascata Véu de Noiva. Pode também, caso sua pick-up seja 4x4, fazer a Serra dos Bitus, que é um caminho alternativo para o Véu de Noiva, possível só com 4x4. O Cânion Espraiado é uma caminhada que dura em média 9 horas e que pode chegar até 30 km a pé. É bacana mas toma um dia todo para conhecer. O Campo dos Padres também só vai em 4x4, mas não aconselho a ir só o seu carro. Fazemos este passeio também a pé, mas aí são 3 dias de caminhada. O Morro do Campestre é super tranquilo para se visitar, e lá do topo pode se ver um dos mais belos por-do-sol da região. De Urubici até Bom Jardim da Serra, há uma estrada antiga muito legal de conhecer. Ela margea os limites do Parque Nacional de São Joaquim e passa por áreas de campos naturais de altitude, matas de araucárias e vales. Chegando em Bom Jardim podemos lhe indicar também um guia que o levará até o Cânion da Laranjeiras e outros passeios interessantes. De Bom Jardim da Serra você pode seguir direto para São José dos Ausentes ou se preferir ir até São Joaquim para conhecer e de lá pegar outra estrada que também leva a Ausentes Qualquer dúvida entre em contato. Abs.
×
×
  • Criar Novo...