Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Viagens da Leticia

Membros
  • Total de itens

    119
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    2

Viagens da Leticia venceu a última vez em Dezembro 24 2017

recebeu vários likes pelo conteúdo postado!

Reputação

25 Excelente

Outras informações

  • Lugares que já visitei
    Europa: Paris, Londres, Bruxelas, Bruges, Amsterdam, Berlim, Potzdam, Praga, Viena, Budapeste, Barcelona, Madri, Toledo
    América do Sul: Santiago, Val Paraiso, Vina del Mar, São Pedro de Atacama, Salar de Uyuni, Buenos Aires, Ushuaia, El Calafate, el Chalten, Lima, Paracas, Ica, Arequipa, Canion Del Colca, Puno, Cusco, Machu Pichu, Bogotá, Medellin, Cartagena, San Andres.
    Brasil: Lençóis Maranhenses, Jericoacoara, Fortaleza, Flecheiras, Canoa Quebrada, Natal, Pipa, João Pessoa, Recife, Olinda, Porto de Galinhas, Maragogi, Salvador, Praia do Forte, Morro de SP, Ilha de Boipeba, Barra Grande, Chapada Diamantina, Brasília, Chapada dos Guimarães, Curitiba, Florianópolis, Garopaba, Imbituba
  • Próximo Destino
    Sudeste Asiático
  • Meus Relatos de viagem
    instagram: @viagensdaleticia
    http://viagensdaleticia.tumblr.com
    https://www.facebook.com/viagensdaleticia
    https://www.mochileiros.com/cuba-19-dias-pela-ilha-abril-2017-t143079.html
    https://www.mochileiros.com/05-dias-em-alter-do-chao-carnaval-2017-t141247.html
    http://www.mochileiros.com/mais-do-mexico-12-dias-viajando-de-carro-da-cidade-do-mexico-a-zihuatanejo-out-2016-t135493.html
    http://www.mochileiros.com/25-dias-pelo-mexico-maio-jun-2016-t131872.html
    http://www.mochileiros.com/40-dias-pela-america-do-sul-patagonia-peru-e-colombia-set-out-2015-sozinha-t119916.html
    http://www.mochileiros.com/salar-de-uyuni-san-pedro-de-atacama-e-santiago-abril-2014-t95300.html
    http://www.mochileiros.com/europa-32-dias-set-out-2010-t49094.html
  • Meu Blog

Últimos Visitantes

382 visualizações
  1. Viagens da Leticia

    Tocantins: Cantão, Ilha do Bananal e Jalapão - out/2018

    ILHA DO BANANAL A ilha do Bananal é uma imensa ilha fluvial, no rio Javaés. Nela, vivem algumas comunidades indígenas, e eu visitei a comunidade Boto Velho, dos índios javaés, onde vivem cerca de 30 famílias. Foi interessante esse contato bem real com os índios, e também encontrei o pessoal da FUNAI no local. Na sequência, almoço e retorno a Palmas.
  2. Viagens da Leticia

    Tocantins: Cantão, Ilha do Bananal e Jalapão - out/2018

    LAGOA DA CONFUSÃO Depois do almoço saída de Caseara rumo a cidade de Lagoa da Confusão (super produtora de melancia). O trajeto não é tão tranquilo, a situação das estrada é bem ruim. E pra ajudar teve bastante chuva. Cheguei à pousada por volta das 17h (pousada Praia Alta) e não consegui fazer o passeio de barco na lagoa, por causa da chuva. Além disso, não tinha eletricidade. A pousada era bastante interessante, com jacarés que eram vistos pela varanda, criação de tartarugas e cabeças de animais e peixes pra serem admiradas. Depois do jantar a luz de lanterna, e um pouco de leitura também a luz de lanterna, finalmente a energia chegou. Ainda bem, porque o lugar era bem quente e seria difícil dormir sem ar condicionado. No dia seguinte logo depois do café da manhã, segui pra um "safari" por entre as imensas lavouras de soja. Vi muitos animais e revoadas de aves maravilhosas. A tarde consegui fazer o passeio de barco pela lagoa.
  3. Viagens da Leticia

    Tocantins: Cantão, Ilha do Bananal e Jalapão - out/2018

    CANTÃO (Parque Estadual do Cantão) O roteiro começa com o trajeto de carro de cerca de 3h de Palmas até Caseara (uma cidade bem pequena). Fiquei hospedada numa pousada simpática (pousada Sonho Meu), de fundo pro rio. A tarde teve passeio de barco pelo rio, com a figura mais divertida do Araguaia, o barqueiro Seu Peninha, pra observar aves e conhecer as lindas prais do Araguaia, com direito a um delicioso banho de rio no final, na água quentinha, lógico. No dia seguinte logo cedo saí para passeio no Rio do Coco e também no Araguaia, pra observar mais bichos. Depois uma parada no parque propriamente dito, para fazer uma pequena trilha e conhecer mais um pouquinho da vegetação, de forma mais direta.
  4. Foi num blog de viagens que eu li sobre o Parque Estadual do Cantão e Ilha do Bananal (3 dias). E como eu tinha uns dias além dos pacotes do Jalapão, porque todos só fazem passeios de 4 dias (bem que eu insisti pra ser de outra forma, mas não consegui nada, pois viajava sozinha e isso tem seu preço), resolvi estender o passeio pra esse outro lado do Tocantins, o Rio Araguaia. Esse roteiro é super tranquilo, praticamente só de contemplação da paisagem e observação dos animais, sem praticamente nenhum esforço físico. Como o principal tópico de uma viagem esses lados é o transporte, não tive alternativa senão fechar tudo com uma agência. Eu não tenho o hábito de fazer viagens super programadas e ainda mais planejada por agência, mas não tive alternativa dessa vez. Fechei com uma agência de São Paulo (eu devo ter pago muito mais caro por isso, mas é melhor nem pensar sobre preços agora), que redirecionou o serviço pra agências locais de Palmas. O roteiro Jalapão 360° (4 dias) também é super tranquilo, o maior teste de resistência é aguentar o sacolejar dentro do carro. O único esforço físico foi pra subir as dunas, mas hiper tranquilo também. Veja fotos no instagram: @viagensdaleticia curta a página: https://www.facebook.com/viagensdaleticia e veja mais informações em: http://viagensdaleticia.tumblr.com
  5. Um pouquinho mais sobre esse lugar magnífico: http://viagensdaleticia.tumblr.com/post/178525482929/uma-j%C3%B3ia-um-tesouro-serra-da-capivara-pinturas Não é tão simples chegar à Serra da Capivara. Mas existem algumas opções. Tive bastante dificuldade pra encontrar informações. Agora, faria algumas coisas diferentes, de uma forma que o tempo pudesse ser melhor aproveitado. Mas toda experiência é válida. A Serra da Capivara é uma beleza natural maravilhosa, dá pra fazer trilhas, subir montanhas, ou visitar de maneira calma e andando pouco. Tem até acesso para cadeirante em alguns sítios. O tesouro arqueológico é interessantíssimo. O Brasil e o mundo precisam conhecer essa maravilha pra que tenhamos mais incentivos de pesquisa e preservação dessa riqueza. A cidade de São Raimundo é grande na região. A rede hoteleira é pouco explorada e pouco desenvolvida. Mas dá pra se hospedar com um mínimo de conforto e curtir bastante os passeios durante o dia. A cidade base para visitar o Parque Nacional da Serra da Capivara é São Raimundo Nonato, no sudeste do Piauí. A cidade tem aeroporto, porém atualmente só opera voos privados. Nenhuma companhia aérea está fazendo voos pra lá ainda. O aeroporto mais próximo então é o de Petrolina, em Pernambuco. A distância entre as duas cidades é cerca de 250Km. Chegada a Petrolina na madrugada de domingo pra segunda. Tive que dormir em Petrolina pois só achei transporte pra São Raimundo durante o dia. Tinha 4 contatos na mão, porém todos eram da mesma pessoa. O ônibus sai da rodoviária por volta das 11h da manhã. Acabei optando pelo transfer, que me pegou no hotel às 14h. O transfer do Neto opera de Petrolina pra São Raimundo de 2a., 4a. e 6a. as 14h e demora 6h o trajeto. O caminho inverso também opera nos mesmos dias, mas com saída as 6h da manhã. Perdi o dia todo viajando, um dia inteiro perdido apenas para deslocamento. Cheguei a São Raimundo por volta das 20h, depois de longo trajeto ouvindo sertanejo e Wesley Safadão o tempo todo, com diversas paradas, muitos animais na pista e uma menininha passando mal no banco logo atrás. Fiquei hospedada no Hotel Real, bem no centro da cidade. Tinha agendado com a guia Eliete para me guiar na visita ao parque. Não é possível visitar o parque sem guia. Li ótimas referências dela na internet, entrei em contato com pessoas que fizeram passeio com ela, e acabei fechando com ela. O valor do serviço de guia é meio tabelado - R$ 150/dia e como eu não tinha transporte, ela fechou por R$ 350/dia, sendo mais R$ 200/diária do carro dela. Porém ela teve um contratempo na segunda-feira e acabou me direcionando para outro guia, o Isomar. O Isomar é técnico de conservação do parque, já trabalhou na conservação de pinturas rupestres lá no parque e, apaixonado pelo trabalho, me contou toda a história das pinturas, da criação do parque, da cultura da região e um monte de outras informações. Ou seja, foi ótimo. Adorei o serviço do guia, além dele ser super gente boa. Então eu visitei o parque 4 dias, 3a. 4a, 5a, e 6a. O problema foi que o meu voo saía de Petrolina no sábado às 13h. E como chegar de São Raimundo a Petrolina no sábado? Não chega! O ônibus sai de São Raimundo às 11h e leva umas 5h até Petrolina. O transfer do Neto saía na 6a. às 6h da manhã. Ou seja, eu perderia mais um dia de passeio. Um táxi particular custa cerca de R$ 700 (totalmente fora das minhas possibilidades). Acabei achando duas cariocas no meu hotel que já tinham um táxi contratado no pacote que fizeram, e deixariam São Raimundo na 6a a tarde. Então foi minha única saída, viajar com elas. Porém sacrifiquei metade da 6a feira pra isso e tive que dormir mais uma noite em Petrolina. Meu destino seguinte era Palmas, mas quem disse que eu consegui informações de como chegar a Palmas de ônibus? Não consegui. Acabei fazendo uma rolê bem grande - São Raimundo (táxi)-Petrolina-Salvador-Brasília (avião) - Palmas (ônibus). E foi só quando cheguei a Rodoviária de Brasília que descobri que existe ônibus de Floriano (cidade vizinha de São Raimundo) até Palmas. Tudo bem que a viagem duraria 25h de ônibus, mas pelo menos eu teria aproveitado mais dois dias de passeio na Serra da Capivara e quiçá Serra das Confusões. Fica a dica: o trajeto de Floriano a Palmas é feito pela viação Real Maia. O que eu faria diferente: considerando os dias de transfer, vale a pena reservar uma semana pro passeio, pra perder esses 2 dias de deslocamento entre Petrolina e São Raimundo, e ainda aproveitar 3 ou 4 dias na Serra da Capivara e 1 dia na Serra das Confusões. contatos: guia Isomar: (89) 81123988 (89) 81383829 guia Eliete: (89) 81261435 transporte: voo direto da GOL de São Paulo a Petrolina (PE). Pernoite em Petrolina (voo de madrugada). De Petrolina a São Raimundo Nonato (PI) transfer do Neto hospedagem: Petrolina - Hotel Costa do Rio e Orla Guest House (ambos na costa, de frente pro Rio São Francisco). São Raimundo Nonato: Hotel Real Um pouquinho mais sobre esse lugar magnífico: http://viagensdaleticia.tumblr.com/post/178525482929/uma-j%C3%B3ia-um-tesouro-serra-da-capivara-pinturas veja fotos no meu instagram: @viagensdaleticia e na minha página do facebook: @viagensdaleticia
  6. Viagens da Leticia

    viagens da Leticia

    relatos, imagens e histórias de alguns destinos mundo afora e Brasil adentro http://viagensdaleticia.tumblr.com http://facebook.com/viagensdaleticia instagram: @viagensdaleticia
  7. Viagens da Leticia

    SERRA DA CAPIVARA - PIAUÍ - 2017

    Olá! Você tem o contato (nome, telefone, site, ...) desse alberque que fica dentro do parque nacional?
  8. Viagens da Leticia

    Laos, Camboja, Vietnã e Tailândia - 31 dias - out/nov/2017

    FRANKFURT - 07 horas na ida e 13 horas na volta A questão mais importante no meu roteiro em relação a Frankfurt foi a temperatura. Era novembro, e a temperatura beirava os 5 graus. Só que toda a minha mala foi feita pra 30 graus. Então apelei pras segunda-pele, resgatei a primeira camada da Patagônia, e por cima vesti a única blusa que eu tinha. Na ida foi bem tranquilo, porque não estava tão gelado. Mas na volta, se eu não tivesse os casacos que fiz em Hoi An teria congelado. Na segunda parada, cheguei super cedo. Quase oito da manhã, ainda estava amanhecendo. Era frio de verdade. Ainda tive que comprar uma luva, gorro e cachecol porque não tinha a mínima condição de andar pela cidade sem luva. Pra ajudar, estava chovendo. Sair do aeroporto foi bem fácil. Achei um blog que explicava tudo, inclusive como comprar o bilhete de trem, com valores atualizados. Foi super fácil. Nas horas que tive, passeei pela área central,vi os monumentos principais, vi o mercado de natal, comi curry wurst, tomei chocolate quente, comi sanduíche com aqueles pães alemães cheios de grãos que eu adoro, e tomei cerveja. Visitei a casa de Goethe, o mercado central (depois de Chatuchak Market, o mercado de Frankfurt parece uma piada) e fui ao supermercado comprar todos os chocolates "alemães" que eu adoro, bem baratinho. Frankfurt é uma cidade grande, não vi nenhum atrativo incrível, mas é uma cidade legal. Valeu a rápida visita. Gostaria de ter visto alguns museus, mas acabou não rolando. Passar algumas horas no aeroporto também não é um problema, porque tem de tudo por lá. Demorei bastante foi na fila da imigração. Bem bem cheio. Pode falar o que for, mas eu adorei passar algumas horas no mundo civilizado. Preciso passar mais tempo na Alemanha qualquer hora!
  9. Viagens da Leticia

    Laos, Camboja, Vietnã e Tailândia - 31 dias - out/nov/2017

    BANGKOK - 01 noite Meu hostel era bem localizado, bem estruturado, mas meio impessoal. Não tinha café da manhã incluído, então eu saí pra comer algo nos arredores. Era domingo, as ruas estavam um pouco menos agitadas, parecia ter bastante gente passeando naquela parte da cidade, cheia de shoppings e bem em frente ao estádio. Eu queria visitar o Chatuchak market, e era fácil chegar de metrô. Era a mesma estação em que eu tinha descido de ônibus na noite anterior. Então fui facilmente pra lá. O mercado fica ao lado de um parque, então já eram duas atividades para uma parte do dia. Estava um calor imenso e eu não tinha ideia do tamanho daquele mercado. Fiquei impressionada. Imagine um lugar que vende absolutamente tudo. Tudo o que vc pensar é vendido naquele lugar. Passei muitas horas lá com vontade de comprar muita coisa, mas não comprei praticamente nada, porque não tinha como carregar. Me diverti bastante vendo as comidas, tomei sorvete de coco, frozen de manga, tudo o mais gelado possível pra conter o calor, mas acabei não fazendo uma refeição de fato, por causa do calor. Também dei uma caminhada pelo parque, que estava bastante cheio e voltei pra região onde eu estava hospedada. Me vendi aos prazeres do ar condicionado e fui almoçar no shopping - Siam Square. Enfim eu provei a combinação de ervas Tom Yan Style, mas não foi numa sopa, fo com noodles, e o sabor é delicioso. Também não podia faltar spring rolls na minha última refeição pelo Sudeste Asiático. Depois passeei por um mercado hipster na área aberta do shopping e fiquei assistindo o cair da tarde. As cores do céu estavam fantásticas. Voltei pro hostel, tomei um banho, gastei o resto do meu dinheiro num sorvete e segui para o aeroporto, para iniciar a saga da volta pro Brasil. O trem para o aeroporto era super lotado, e eu tive que ficar com a mochila pesada no trajeto que durava quase uma hora. Isso foi bem cansativo, mas super tranquilo de chegar. Nada como ter o metrô ou algum tipo de VLT bem à mão pra chegar ao aeroporto. Lud B - Siam - boas instalações, bem limpo, super bem localizado, na boca do metrô. Staff bastante profissional, bem impessoal.
  10. Viagens da Leticia

    Laos, Camboja, Vietnã e Tailândia - 31 dias - out/nov/2017

    RAILAY - KRABI - BANGKOK Dia de deixar a ilha! Amanheceu meio nublado, tomei café da manhã e fui à praia bem cedo. Fiquei por Railay West umas 2 horas. Daí voltei pro hotel, arrumei o que faltava, fiz check-out e fui almoçar. Enquanto eu almoçava começou a chover muito. Meu barco era ás 14h30. E a chuva não parou. Foi bem ruim voltar debaixo de chuva, porque o barco tem só uma cobertura bem pequena, então chove por todos os lados. Apesar do trajeto ser bem curto, menos de meia hora, fiquei bem molhada. Peguei um shuttle pro aeroporto e cheguei bem em tempo. O aeroporto de Krabi foi uma das piores experiências que tive na viagem. Uma bagunça generalizada, tipo rodoviária em véspera de natal. Não tinha informação nenhuma sobre os vôos, que estavam todos atrasados por causa da chuva, e era bem difícil conseguir uma poltrona para aguardar. Estava bem bem cheio. Mas foi tudo bem, sem maiores desconfortos, além do frio que eu sentia porque minha roupa e meus pés estavam bem molhados o dia todo. O retorno a Bangkok No aeroporto, segui todas as orientações de como chegar ao hostel. Queria pegar um táxi, mas o táxi era por senha. E tinha cerca de 70 pessoas na minha frente, então desisti. Segui tudo pelo transporte público. Peguei um ônibus até a estação de metrô. No ônibus, perguntei pra uma menina se estava no caminho certo e onde descia, e ela foi um anjo. Existem pessoas boas e às vezes elas aparecem pelo caminho. A menina me ajudou em tudo, me esperou comprar o bilhete de metrô, embarcou comigo na plataforma e desceu quase junto comigo no meu destino. Então foi bem fácil. Dessa vez escolhi um hostel que fosse fácil de chegar de transporte público, pra não ter maiores perrengues carregando 15 quilos nas costas. E isso deu super certo. O hostel era bem em frente a uma estação de metrô. Foi outra visão da cidade chegar à noite e nessa região: muuuuitos luminosos, muitas vias expressas se cruzando, muitas construções gigantes, dessas que engolem a gente. Era a Bangkok tecnológica.
  11. Viagens da Leticia

    Laos, Camboja, Vietnã e Tailândia - 31 dias - out/nov/2017

    PHI PHI ISLAND Eis o grande dia: o dia de conhecer Maya Bay! Eu me preparei tanto psicologicamente para a quantidade absurda de gente que ia enfrentar nesse lugar, que quando aconteceu, eu nem achei que tinha tanta gente assim. Em algum momento da viagem eu quase comprei aquele passeio que passava a noite no barco pra amanhecer em Maya Bay e ver a tão falada praia vazia. Mas acabei desistindo na página de pagar, já com os dados do cartão digitados. Vi que o "passar a noite no barco" era meio cheio de álcool, cheio de farra, acomodação inexistente, além do preço ser bem alto. Nada contra farra nem contra se embebedar, mas fiquei imaginando vários europeus de 22 anos gritando e ficando loucos só porque estavam na Tailândia, e definitivamente, eu não estava nessa pegada naquele momento. Acabei me conformando em fazer um tour regular, que sairia tarde do hotel e chegaria na praia super lotada de gente e de barcos. Estive esperando na entrada do hotel, conforme foi explicado pelo cara que me vendeu o tour, uns 15 minutos antes da hora marcada. Esperei quase uma hora. De repente uma das minas da recepção mandou eu seguir a outra que ela ia me levar pro barco. O povo do tour esqueceu de mim. Então eu fui seguindo a mina do hotel, que andava muito muito rápido, até a praia Railay West, de onde saía o barco. Fui a última a entrar no barco, então tive que ir lá na frente, na parte descoberta, com mais 2 casais de americanos. Isso não parecia um problema, pq eu poderia tirar fotos e apreciar o lindo mar. O passeio era feito com 30 pessoas, num barco rápido, já que Phi Phi é longe. Mas o barco é rápido mesmo. Muito rápido. Vc tem que se segurar forte e ficar sentada, senão voa pra fora do barco. Na ida foi tranquilo, mas a volta, quando o mar já estava bem agitado, tinha que segurar com força, dava uma certa emoção nos altos e baixos das ondas. Não tenho problemas com barcos (tipo enjôo, náuseas e dor de cabeça) e nem tenho medo, então foi tudo bem. Mas quem não se dá muito bem, deve ver outro meio de transporte, porque o barco pula bastante. A primeira parada foi em Bamboo Island, por cerca de 1h. O lugar é incrível, mas tem um milhão de pessoas. Já dá pra imaginar como seria o resto do passeio. Praia fantástica, sempre super cheia. Depois passamos por paisagens maravilhosas e enfim, chegamos à Maya Bay, onde também se estaciona por cerca de 1h. Eu imaginava bem pior, então foi até positiva a minha visão da praia. Depois era a parada pro almoço, que acontecia num hotel em Phi Phi propriamente dita. O almoço era ok, e depois dava tempo de passear pela praia mais central dali. A última parada foi em Monkey Islands. Sinceramente, essa foi a que mais gostei. Os macacos roubam as coisas das pessoas, ficam andando e todo mundo mexe com eles, mas além disso, tem uma flutuação com snorkel, e essa foi a melhor de todas. Vi muitos peixes coloridos, de cores bem diferentes do que tem por aqui. Foi bem legal. Claro que esse não é o jeito ideal de conhecer Phi Phi, todas as praias são maravilhosas e gostaria de ter passado um dia inteiro em cada uma, em vez de uma hora. Infelizmente não consegui dormir em Phi Phi para conhecer a também tão falada vida noturna do lugar e as baladas. Mas fica mais esse motivo para voltar. Na volta do passeio, parei em Railay West de volta, e aproveitei pra ficar na praia até o por do sol. A noite também voltei lá pra ver se tinha alguma movimentação, mas é bem tranquilo. Acabei jantando num bar ali da praia, a comida era muito boa, e voltei meio cedo para arrumar toda minha muamba pra deixar a ilha no dia seguinte.
  12. Viagens da Leticia

    Laos, Camboja, Vietnã e Tailândia - 31 dias - out/nov/2017

    FIVE ISLANDS TOUR O tour do dia seguinte era por Five Islands. Seguia o mesmo esquema do dia anterior, com aquele almoço montado na praia, com peixe, molho agridoce apimentado, frango cozido, arroz e legumes refogados com cogumelos. A comida é simples mas boa. Também servem bastante fruta durante o passeio todo, melancia e abacaxi, e água. Este passeio tinha algumas paradas para snorkel. E terminava na praia dos pintos. E o guia tentou dar um golpe no grupo, querendo deixar a gente por lá, e cada um chegar ao seu destino caminhando. Mas ninguém concordou, obviamente. O guia ficou por lá e voltamos só com o barqueiro. Na volta, peguei minhas coisas no hotel, negociei com um barqueiro pra me levar direto pra Railay East. Mas ele foi bem sacana. Como eu não tinha dinheiro trocado, ele deu perdido no meu troco. Esse transporte acabou ficando bem caro, mas eu já estava tão cansada que nem liguei. Achei que indo de barco direto pra esse lado eu ia andar menos, mas os barcos param todos no pier flutuante e o meu hotel era o último. Tive que andar bastante do mesmo jeito. Esse hotel não era legal como o de Ton Sai. Era meio velho e as paredes eram bem coloridas. Mas era o que tinha disponível dentro do meu orçamento naquele fim de viagem. No hotel tinha uma agência, e acabei fechando por lá mesmo o passeio pra Phi Phi Island no dia seguinte.
  13. Viagens da Leticia

    Laos, Camboja, Vietnã e Tailândia - 31 dias - out/nov/2017

    HONG ISLAND TOUR No dia seguinte, fiz o passeio para Hong Island, que durava o dia todo, praticamente, e parava em várias praias e também em Hong Lagoon, que é maravilhosa. São todas lindas e a mais linda é Hong Island, sem dúvida. Pena que uma chuvinha vinha se aproximando e a parada nela durou só 20 minutos. A volta foi um tanto emocionante, porque choveu bem forte e eu entendi porquê é importante ter uma bolsa estanque para esse tipo de passeio. Como chovia muito, eu fiquei desesperada por causa da minha câmera. Mas foi tudo bem, a mochila só molhou por fora. Meio gelado e molhado o retorno, mas o por do sol ainda conseguiu ser lindo neste dia, depois da chuva. O barco era um long tail, a guia era ótima, e não tinha muita gente. Só um casal de portugueses e uma mãe americana com seus dois filhos (eles eram da Califórnia, acostumados a uma vida bem seca, e vibraram com a "tempestade" que pegamos). A noite jantei no vilarejo um delicioso green curry e recebi a triste notícia que ia ter que mudar de hotel, porque minha reserva não poderia ser estendida mais dois dias. Então lá fui eu buscar outro hotel. Não encontrei nada em Ton Sae, então acabei optando por Railay East.
  14. Viagens da Leticia

    Laos, Camboja, Vietnã e Tailândia - 31 dias - out/nov/2017

    TOM SAI BEACH Depois de um dia inteiro em trânsito e uma noite sem dormir, eu estava um bagaço, então permaneci ali na pequena Ton Sai. Tentei cruzar para Railay pela trilha, mas acabei me perdendo. Como estava cansada, voltei pra praia e fiquei por lá mesmo. Acabei comendo no bar do meu hotel, porque podia pagar com cartão de crédito e eu quase não tinha mais dinheiro. Mas só a comida - spring rolls pra variar! As bebidas tinham que ser pagas em dinheiro. Eu não contava que não haveria um caixa eletrônico nessa parte da viagem, então rolava meio que um desespero por conta de dinheiro. Acabei trocando uns dólares e também alguns euros pra pagar os passeios, mas a cotação era bem ruim. A tarde a maré seca, a paisagem fica bem diferente, e é possível atravessar a pé pela própria praia para Railay West. Mas eu não fiz isso. Acabei dormindo na praia em Ton Sai mesmo. A noite fui ver o que acontecia ali pelos arredores. Tem alguns bares com música e luzes bem coloridas, alguns restaurantes, algumas barraquinhas. No geral é bem tranquilo. Só para ficar meio de boa mesmo. Comi um pad thai reconfortante e depois fui desfrutar de uma ótima noite de sono na minha cama linda.
×