Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Roberta Vilas Boas

Membros
  • Total de itens

    11
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre Roberta Vilas Boas

  • Data de Nascimento 06-09-1985
  1. Roberta Vilas Boas

    Dúvidas sobre Patagônia

    Olá Pessoal! Tive que adiantar minhas férias para setembro e estou correndo pra preparar minha viagem. A ideia é ir pra Patagônia, mas são só 15 dias e eu pensei em fazer Ushuaia, ir de avião para El Calafate, depois ir pra El Chalten e apenas Torres del Paine no Chile. Estou com algumas dúvidas antes de fechar o roteiro e queria ver se alguém consegue me ajudar: 1 - Em Torres del Paine, há passeios mais indicados pra quem, digamos, não está com o fôlego muito bom para exercícios ou é melhor fazer aquele que vai com a van, em um único dia? 2 - Dá pra fechar os passeios nas próprias cidades ou vocês fecharam com alguém antes? Se fecharam antes, podem me indicar alguém? (normalmente eu fecho passeios no hostel, quando chego na cidade, mas não queria arriscar chegar no lugar e falarem que não tem como ir em cima da hora) 3 - Do Ushuaia pra El Calafate eu vou de avião, mas nas outras cidades pretendia ir de ônibus. Como não conheço nada dessa região, em setembro corro o risco de perder a viagem por que a estrada ficou enterditada com neve? é isso. Obrigada!
  2. Roberta Vilas Boas

    Roteiro para um mês na Itália

    Nossa Marcos, obrigada pelas super dicas! Já tinham me falado pra não fazer bate volta pra cidades como GEnova, Pisa, ou Verona, mas parar no meio do caminho mesmo. O único porém é que eu não sei se isso fica viável pra quem não pretende alugar carro lá. Fico meio com o pé atrás de parar nessas cidades e não ter onde deixar a mochila e poder andar tranquilamente sem todo aquele peso nas costas. Gostei da sua sugestão de começar por Veneza e realmente faz mais sentido. Não havia pensado na hipótese de buscar voos para Veneza. Muuito obrigada pela ajuda!
  3. Roberta Vilas Boas

    Roteiro para um mês na Itália

    Oi pessoal! Vou tirar férias em outubro e pretendo passar um mês inteiro na Itália. Já dei uma pesquisada e elaborei um rascunho de um roteiro, mas ainda há coisas sobre as quais tenho dúvidas como quanto tempo dedicar para a Costa Amalfitana. Enfim, segue abaixo um resumo desse meu roteiro e dicas são sempre muito bem-vindas. Dia 1- Milão Dia 2- Genova (bate-volta) Dia 3 - Turin (bate-volta) Dia 4- Milão (fim do dia vai para Venezia) Dia 5 -Veneza Dia 6-Verona (bate-volta) Dia 7-Veneza (fim do dia vai para Firenze) Dia 8- Florença Dia 9-Bologna (bate volta) Dia 10- Florença / Pisa (bate-volta) Dia 11-Perugia(bate volta) e se der tempo, mais de Florença Dia 12-Florença/Siena (bate volta) - parte pra Roma Dia 13-Roma Dia 14-Roma Dia 15-Roma Dia 16-Roma Dia 17-Roma (um desses dias será reservado ao Vaticano) Dia 18-Nápoles Dia 19-Nápoles/Pompéi - partida para Sorrento Dia 20-Sorrento/Capri Dia 21- Sorrento/Amalfi Dia 22-Amalfi-Parte paa Solerno Dia 23-Solerno - parte para Siracusa (essa parte acima é realmente um rascunho. Chutei os dias para cada local, e é provável que elimine uma dessas cidades) Dia 24-Siracusa Dia 25-Siracusa - parte para Palermo Dia 26-Palermo Dia 27-Palermo - parte para Cagliari Dia 28-Cagliari Dia 29-Cagliari Dia 30-Retorno a São Paulo Bom, ainda tem 500 outros lugares da Itália que eu gostaria de conhecer, mas como o tempo não é o suficiente, selecionei esses destinos. Minhas principais dúvidas são sobre o tempo em Milão, e se Turin é uma cidade que realmente vale a pena reservar um dia, além do tempo que tenho que reservar pra Costa Amalfitana. Se alguém souber me indicar hostels, onde compro passagens (trem e ônibus), também seria legal! Obrigada pessoal!
  4. Roberta Vilas Boas

    relato Relato: 31 dias no Peru, Bolívia, Chile e Argentina

    Oi gente! Vamos por partes hehe Rafitche: eu peguei chuva em Cusco sim, mas nada de mais. No dia que eu fui pras ruínas de Saqsawoman começou a chover bem no meio do passeio e todo mundo saiu correndo pra van que estava levando a gente, pra não se molhar, mas nada que assustasse. Era uma chuva normal. Quando eu fui pra MP também choveu, bem na hora que a gente estava lá nas ruínas, mas também foi uma chuva normal, nada que já fizesse a gente ficar com medo. Acho que o que aconteceu ano passado foi fora do normal mesmo, como a gente já viu acontecer aqui no Brasil. A única coisa que eu posso recomendar é: leve capa de chuva. Eu estava com um guarda-chuva desses pequeninhos mas não foi nada prático. Acho que todo mundo ficou com um pouco de trauma depois que aquela galera ficou presa lá em MP, mas em toda a história do lugar, isso aconteceu o que? uma vez? Vai sem medo hehehe Lisandra, o Nikko é peruano mesmo e trabalha com turismo lá em Cusco. Ele buscou a gente na rodoviária quando chegamos lá, nos levou até o hostel e nos deu várias dicas dos passeios e da cidade. Mas os passeios mesmo não foi ele que nos levou. Ele até buscava a gente no hostel, levava a gente pra praça e nos deixava na van que ia levar pros lugares. Pelo que entendi, ele terceiriza os tours. A gente contrata ele, e ele contrata as empresas pra fazer o passeio com a gente. Eu fechei com ele com base nas recomendações que vi aqui e na comunidade Machu Pìcchu do Orkut (ninguém mais usa orkut mas ele ainda existe e os depoimentos estão lá hehehe). não foi nenhum amigo de confiança que me indicou, foram os depoimentos que eu vi. E não me arrependi não. Ele tratou a gente muito bem, deu as dicas e os passeios foram incríveis. Bom, mais dúvidas, é só perguntar!
  5. Bom, gente, já faz quase um mês que eu voltei de viagem e agora finalmente consegui parar aqui para compartilhar a minha expericência, que eu espero que ajude quem está planejando uma viagem. Foram 31 dias no total, comecei no dia 27 de março e voltei no dia 26 de abril. No Peru, eu fui com uma amiga, mas depois ela voltou para o Brasil e eu segui sozinha para a Bolívia, Chile e Argentina. A primeira coisa que eu posso dizer é que foi super sossegado viajar sozinha. Isso era uma das coisas que me preocupava antes da viagem, por todas as bobagens que a gente escuta (principalmente sobre Bolívia), mas eu não tive problema algum em nenhum país por estar sozinha. O meu roteiro no Peru foi Lima, Nazca, Arequipa e Cusco. Na Bolívia eu visitei Copacabana, La Paz e Uyuni, enquanto no Chile, eu passei por San Pedro de Atacama, Santiago, Valparaíso e Viña del Mar. Na Argentina meu roteiro foi mais curtinho, apenas em Mendoza e Cordoba. No último dia eu fui pra Buenos Aires, mas apenas pra pegar o avião de volta pra São Paulo. Como já conheço a capital argentina decide passar meu tempo em outros locais que não conhecia. Não tenho como colocar fotos aqui, pois estou em um computador diferente do qual salvei as imagens, mas tem algumas nesse link aqui: ttp://www.flickr.com/photos/rmvb As passagens (São Paulo-Lima e Buenos Aires-São Paulo) eu comprei pela TAM e paguei R$ 824. Peço desculpas por não ter todos os gastos anotados, mas eu não consigo ser muito disciplinada. No começo da minha viagem fui anotando todos os meus gastos, mas quando cheguei no Chile, desencanei disso. O que garanto é que levei R$ 3000 no Visa Travel Money e R$ 500 em espécie (já em dólares comprados aqui no Brasil). E foi o suficiente pra mim. Não precisei de mais dinheiro e nem usei o cartão de crédito que eu levei. As reservas de hostels eu fiz todas pelo hostelworld.com e a maioria foi baseada em indicações que eu vi aqui no Mochileiros. Começando por Lima, ficamos dois dias por lá, no hostel Kokopelli, que fica no bairro de Miraflores. O hostel é bem legal e a galera lá é muito atenciosa, derão várias dicas legais pra gente de onde comer e ir. Eu recomendo esse hostel. No primeiro dia conhecemos Miraflores, que é um bairro super bonitinho, e no segundo fomos ao centro da cidade, que também é bonito, apesar do trânsito caótico e da buzinação dos carros, normal numa cidade grande né? A minha opinião é de que dois dias são suficientes. Meu único problema foi o fato de que eu tinha calculado pegar um ônibus para Nazca de noite, chegando lá pela manhã (são 7 horas de viagem). Porém, o último ônibus saia as 14h, então ficou meio corrido conhecer o centro de Lima, uma pena. Enfim, de tarde pegamos o ônibus para Nazca, da Cruz del Sur. Costuma ser mais carinho e é bem voltado para turistas, mas eu achei o serviço da Cruz del Sur, e usei essa empresa nos outros trechos de viagem no Peru. Chegamos em Nazca no fim do dia e já fechamos o passeio para ver as linhas de Nazca no dia seguinte. Fechamos com o hostel no qual ficamos, o Pirwa, que é bem legal também. Tem um ambiente mais de pousada, e o Fernando, que administra o hostel é bem atencioso, inclusive levou a gente de carro até o local do passeio. Se alguém for ficar nesse hostel, eu aviso que na entrada está escrito Hostel Camiluz, o que me deixou beeem desconfiada no começo, achando que o taxista tinha nos levado pro albergue errado, pra que a gente ficasse num local de algum amigo dele. Bom, sei lá, eu fiquei desconfiada mas no fim das contas deu tudo certo e eu vi que era realmente o hostel que eu tinha reservado. Bom, o passeio em Nazca é muuuuuito bom e vale muito a pena apesar de ser carinho (pagamos US$ 110, o passeio mais caro da viagem). São aproximadamente 30 minutos de voo, em um aviãozinho pequeno, no qual vão cinco pessoas. Eu recomendo que ninguém tome café da manhã antes do voo, porque ele balança bastante, e o piloto faz diversas curvas pra que as pessaos possam ver os desenhos. A minha amiga acabou passando mal e vomitou (apesar disso ela adorou o passeio e faria tudo de novo hehehe, não se assustem). Isso foi de manhã, pela tarde fomos visitar o cemitério com múmias dos nazcas, o povo da região, que foi muito interessante também, ver as técnicas de mumificação. Também fechamos o passeio no hostel, e demos sorte de ir com um cara que conhecia bastante da história e nos falou muito da cidade e do povo de lá. No outro dia, compramos a passagem para Arequipa saindo de noite, para chegar lá na manhã seguinte e ficamos curtindo uma preguiça em Nazca. A cidade em si é bem pequena e não tem muita coisa pra fazer, fomos em um museu, demos uma volta pela cidade, e depois ficamos papeando e curtindo uma cerveja. No dia 31 de março, chegamos a Arequipa, onde ficamos no hostel Sol de Oro (também gostei bastante de lá e recomendo). Está bem pertinho da Plaza de armas de Arequipa. No total, foram três dias lá, sendo o primeiro conhecendo a cidade, e os outros dois no Cañon del Colca. Ficar apenas um dia em Arequipa pode parecer pouco, mas eu achei suficiente. A cidade é pequena, mas linda e vale muuuito a pena passar por lá. O passeio no Cañon del Colca nós fechamos com uma agência na rodoviária mesmo, logo quando chegamos. Isso pode ser meio arriscado, mas na hora não pensamos nisso, e no fim das contas deu tudo certo. Eu não anotei e não lembro do nome da agência, mas era uma que ficava bem na frente do gruichê da Cruz del Sur. Pagamos 70 soles pelo passeio e lembro que no hostel eles também tinham uma agência, mas era 90 soles. EScolhemos fazer o de dois dias e uma noite, no qual a gente vai numa van. Pra quem está em melhor condições físicas, tem um passeio de trilha, de três dias e duas noites. Gente, o Cañon del Colca vale muito a pena. É um cenário maravilhoso, a motanha toda verde, sendo cortada pelo rio. Não dá pra descrever, tem que ir!! hahhaha No segundo dia no Cañon del Colca chegamos ao mirador de condores. Já ouvi histórias de gente que não viu nenhum condor lá, mas nós demos muita sorte. Vimos vários, porém um pouco distantes. Quando já estávamos indo embora, dois deles começaram a voar muuuito baixo. Acho que eles ficaram a uns três metros das nossas cabeças, foi absolutamente lindo!! No fim do dia voltamos para Arequipa, pro hostel onde estávamos. Tomamos banho e pegamos nossas mochilas (as grandes a gente deixou no albergue e só levamos as pequenas pro Cañon del Colca), e de noite, pegamos o ônibus para Cusco. Em Cusco, o Nikko nos esperava na rodoviária. ´Foi com ele que eu fechei os passeios em Cusco, já que vi diversas recomendações aqui no site Mochileiros. O e-mail dele é esse: [email protected] Fechei com ele o passeio nos Parques arqueológicos no primeiro dia, no Valle Sagrado no segundo dia, e Machu Picchu no terceiro. Saiu US$ 250, com traslado da rodoviária até o albergue e depois do albergue até a rodoviária (ou aeroporto). Aqui fiquei no hostel Pirwa também, mas pra falar a verdade não curti muito. O hostel é enorme, mas eles não infraestrutura pra o tanto de gente que eles recebem. Meu maior problema foi a água quente, na hora de tomar banho. Se você vai tomar banho depois das 21h, quando metade do hostel já tomou, você fica sem água quente. E isso acontece porque nos passeios do Valle Sagrado e Machu Picchu você volta tarde pra Cusco. Ah, sobre a altitude, em Arequipa eu cheguei a sentir um pouco de falta de ar, mas em Cusco isso mais intenso. Mas segundo o próprio Nikko, Cusco é uma cidade com muita energia, e mesmos pessoas que chegam de La Paz, que está mais alta, acabam sentindo a altitude ali. Nada que um chá de coca não resolva. Nós também compramos caramelos de coca e a minha amiga chegou a comprar um remédio que eles vendem nas farmácias. Mas como eu odeio remédios e evito ao máximo tomá-los, eu não comprei. Bom, os passeios foram todos maravilhosos, e a cidade de Cusco também é uma atração a parte. Deixamos o quarto dia lá só pra aproveitar a cidade e visitar os diversos museus. Logo no primeiro dia comrpamos um boleto turístico que eu recomendo a todos comprar, pq já inclui a entrada em diversos desses museus. Pra Machu Picchu, decidimos não fazer a trilha e ir em trem, primeiro porque eu realmente acho que tem que estar com um bom preparo físico pq vc vai precisar de muito fôlego lá, e segundo, a minha amiga tem problema no joelho, então pulamos a trilha. Bom, no dia 6 de abril, quando ficamos em Cusco, eu me separei da minha amiga. Ela pegou o avião de volta pra Lima no dia 7, e de lá, teve um voo de volta pra São Paulo. Já eu peguei um ônibus para Copacabana, da empresa Turista, que o Nikko havia comprado pra mim. Na rodoviária, o ônibus ia pra La Paz, mas a informação que me deram é que ele parava em Copacabana. Mas na verdade, ele parou no meio da estrada ainda no Peru, e falou que quem ia pra Copacabana tinha que descer alí. Estava apenas eu, um coreano, um austríaco e uma americana, todo mundo olhando pra cara um do outro com um imenso ponto de interrogação na testa. Mas aí o motorista explicou que tinhamos que trocar de "carro". Foi aí que pegamos uma van dessas bem velhas, e que ia parando em todo canto da estrada pra pegar mais gente. Apesar disso, a viagem foi sossegada. A mulher da van parou em um local pra que trocássemos dinheiro (que não era falso, é sempre bom verficar a nota que vc recebe). Aqui eu ressalto que não tem caixa eletrônico em Copacabana, então é bom já tirar um dinheiro no Peru mesmo. Em Copacabana eu fiquei no Hotel La Cupula: http://www.hotelcupula.com/. Eu tb vi essa recomendação aqui no Mochileiros, e pra reservar eu mandei um e-mail direto pra eles, já que não estão cadastrados no hostelworld. Eu gostei bastante do lugar. Como eu não planejava ficar muito tempo em Copacabana e nem fazer o passeio em toda Ilha do Sol (só fiz o sul da ilha) preferi ficar na cidade mesmo, e não na ilha do sol. Tem essa possibilidade, mas aí eu já não sei de nenhum hostel pra indicar. O passeio eu fechei logo que cheguei, com o próprio hotel, e foi muito barato: 15 bolivianos. Eu não sei a cotação exata da moeda, mas só pra se ter uma ideia, eu fui trocar 30 dólares antes de chegar na Bolívia, que me renderam 200 bolivianos. No dia seguinte, logo pela manhã eu peguei um ônibus pra La Paz. Tem diversos que saem da avenida principal de Copacabana. Mas tem um mais turístico que sai por volta de 13h30. Como eu não queria esperar, e chegar no começo da tarde em La Paz pra já conhecer alguma coisa, eu peguei um que saía de manhã. Como tem vários, eu procurei um ônibus que me parecesse estar em boas condições, e apesar de não ter cinto de segurança (eu sou meio paranóica com isso), deu tudo certo. O õnibus não parava no terminal de La Paz, mas eu já imagina isso, e ainda em Copacabana perguntei se eles paravam no centro da cidade, pelo menos. Mas uma alemã desavisada ficou realmente brava com isso, e até saiu dando soco no ônibus. Então, se vocês realmente querem que o ônibus pare no terminal, perguntem antes. Em La Paz, fiquei no hostel Loki, que também é enorme, mas tinha água quente. Ainda assim, eu descobri nessa viagem que prefiro os hostels menores e mais aconchegantes. Se vocês não se importam com isso, o Loki é uma boa opção. E pra quem curte festa, eles tem um bar com festa todos os dias. Lá eles também tem uma agência de viagens, a Kanoo Tours, que foi com quem eu fechei o passeio no SAlar de Uyuni. Eu lembro que deu mais de 1000 bolivianos, mas quando eu perguntei quanto isso dava em dólares, eram apenas US$ 150, pra três dias de viagem, com refeições inclusa e também com as hospedagens das duas noites inclusas. Pelo que eu entendi, a Kanoo na verdade contrata a agência Tunupa para o passeio. Lá em Uyuni eu tive que procurar essa agência, que me falaram ser uma das melhores. Eu tenho o email deles aqui: [email protected] e o site deles é http://www.salardeuyuni-bolivia.com. Talvez fique ainda mais barato fechando com a empresa direto. Bom, voltando a La Paz, eu fiquei dois dias lá, mas porque minha vontade maior era conhecer Uyuni, por isso, decidi ficar pouco tempo por lá. No meu primeiro dia, teve protestos de mineiros. Quando eu cheguei na cidade, o protesto já tinha acabado e só se via policiais na rua, mas ainda assim, a história que me contaram é que protestos na Bolívia não são de "brincadeira", e que é melhor se afastar dessas coisas. Tava andando pela cidade, e vi novas movimentações de protestos e decidi voltar pro albergue. DEpois fui saber que tinha rolado conflitos e até explosão de dinamite. Mas meu segundo dia lá foi mais sossegado. Consegui andar pela cidade e conhecer museus. Adorei o mercados das bruxas e o museo de folclore. Só achei o trânsito da cidade muito caótico, mas muito mesmo, pior que o de São Paulo. No fim do dia, fui pegar o ônibus pra Uyuni. Aqui vale um parênteses sobre as estradas na Bolívia, que eram uma das minhas preocupações (como eu falei, eu sou paranóica com isso). Os trechos que eu peguei não são ruins e não me deram medo não. De Copacabana para La Paz não é nenhuma Autoban, mas nada que me fizesse ir rezando pra não morrer (pq o que as pessoas me falavam antes da viagem me dava essa impressão). Já de La Paz para Uyuni também não é perigoso, mas a partir de um momento, vira estrada de terra (reta, sem muitas curvas nem nada disso) e o ônibus treme muito. Eu tomei dois dramins pra dormir na viagem e ainda assim não consegui dormir, de tanto que o ônibus tremia. Meu tênis, que tinha tirado pra dormir, foi parar uns dois bancos na minha frente no fim da viagem. A outra opção que tem, é pegar ônibus até Oruro e de lá pegar o trem até Uyuni. Mas não tem trem todo dia, então eu não tive como fugir desse treme-treme. De volta a Uyuni, eu decidi fechar o passei ainda em La Paz, pra garantir. Mas vi sim diversas agências em Uyuni e quem tem um espírito mais aventureiro, pode tentar fechar lá. Eu fiz o passeio com um casal de ingleses, outro casal canadense e uma holandesa, e era uma turma muito legal, o que resultou numa viagem muito divertida. Como eu disse, a viagem foi em abril e eu peguei muuuuito frio lá, então levem casacos quentinhos . No terceiro dia, acordamos Às 04h30 da manhã pra ver os geisers e depois na piscina térmica, que eu não tive coragem de entrar pq devia estar uns 10 graus negativos, eu mal tinha coragem de sair do carro pra tirar foto, qto mais ficar só de biquini pra entrar na água (mesmo que fosse quente) hehehehe Ainda pela manhã, o motorista nos deixou na fronteira com o Chile, e já tinha uma outra empresa contratada pela própria Tunupa, para levar a gente até San Pedro. Cheguei lá por volta das 13h, e fiquei no hostel chamado Candelaria, que eu também gostei muito. Ele fica um pouco mais afastado do centro da cidade (uns 10 minutos de caminhada), mas é um lugar muito gostoso. Lá me recomendaram duas agências pra fechar os passeios, e eu fiquei com uma chamada Deserts. Mas lá no centro de San Pedro tem várias, só acho bom pegar uma recomendação mesmo, pra não correr nenhum risco de perder dinheiro. No primeiro dia, acabe~i não fazendo nada, pois passei mal. Não sei se foi a mudança de temperatura (depois do friozão na Bolívia, peguei calor em San Pedro) ou se era cansaço. Fiquei só dormindo no hostel. No dia seguinte fui ao Vale de la Luna (lindo!!) e no outro fui as Lagunas Cejar. O segundo passeio é legal, mas ainda assim não me encantou tanto. Achei as LAgunas Miniques e Mistiques (nessas você não nada, só na Cejar) mais interessante, com um visual mais bonito. No dia 16 de abril, peguei o ônibus cedo para SAntiago. São 24 horas de viagem, mas eu achei sossegado, e o visual do deserto do atacama deixa tudo mais fácil. No Chile, as viagens que eu fiz foram pela Tour Bus, que apesar de passar o mesmo filme todas as vezes (um filme louco de um bebê com asas hahahaha), é muito boa. Cheguei em Santiago num domingo de manhã e me hospedei no hostel Princesa Insolente, que é muito bom. Está perto de metrô, é bem localizado e os funcionários também são super simpáticos. fui dar uma volta pela cidade, mas como era domingo, não consegui entrar nas igrejas por exemplo, porque tinham missas de hora em hora e ficavam lotadas. Outra coisa que eu estranhei é que não tinha ninguém nas ruas, só turistas, e nem encontrei restaurantes abertos. No fim das contas fui comer no McDolnadls, e pedi um McPollo, já que eu sempre como o McChicken aqui no Brasil, mas pra estragar meu apetite tinha um creme de abacate no meio do sanduíche hehehehe Mas enfim, eu gostei bastante da cidade e recomendo muito o Museo Precolombiano que é absolutamente demais. Tem peças índigenas de diversos países latino-americanos, é muito lindo. No meu segundo dia em Santiago fui no Cerro Santalucia, e no Cerro San Cristóbal. Ambos são bonitos, mas o segundo é mais alto, e de lá é realmente possível ver toda Santiago. No primeiro é possível subir a pé, mas no segundo tem uma espécie de "elevador". Aliás, o LA Chascona (a casa de Pablo Neruda transformada em Museo) está pertinho da entrada pro Cerro San Cristobal. No terceiro dia eu fiz um bate e volta para Valparaíso e no quarto eu fiz o mesmo para Viña del Mar. Pra falar a verdade, gostei mais de Viña del Mar que Valparaíso, mas as duas cidades valeram a pena a visita. Em Valparaíso acho que o museo La Sebastiana (outra casa de Pablo Neruda, onde ele passava o reveillon) é parada obrigatória. Em Vinã del Mar, a parada obrigatória pra mim, foi o mirador de aves, na praia. Já no meio quinto dia, eu fiquei por Santiago, e pela tarde peguei um ônibus para Mendoza. Era quinta-feira santa, então ainda peguei trânsito na estrada e uma fila enorme na fronteira com a Argentina. Lá, eu fiquei no Hostel Lao, que é muito bom também, mas é preciso reservar com antecedencia nesse caso. O hostel é mto bem avaliado no HostelWorld e está sempre cheio, não dá pra chegar lá e pedir uma cama que eles vão acabar te mandando pra outro hostel. Bom, lá fiquei só dois dias também, e foi suficiente para fazer o que eu queria. No primeiro dia, fiz um passeio para degustação de vinhos. Você aluga uma bicicleta, eles te dão um mapa com a localização de quatro adegas. Bom, quando eu conto isso pras pessoas elas já imaginam que eu estava andando de bicicleta bêbada, mas o tanto que eles dão de vinho em cada lugar, não é o suficiente pra deixar ninguém bêbado. Fazia muitos anos que eu não andava de bicicleta, e eu vi que realmente, ninguém esquece como fazer isso hahaa, mas ainda assim, eu demorei um pouco pra controlar o guidão. Parecia aquelas crianças que acabaram de aprender a andar de bicicleta sem rodinha Ahh, procurem se informar sobre qto cada adega cobra pela degustação. Como eu disse, nessa etapa da viagem eu já não estava anotando gastos, mas só o aluguel da bicicleta era 35 pesos. A primeira adega era grátis, mas a segunda era 10 pesos, a terceira era algo em torno de 15 e a quarta era 25 pesos. Eu fiz o passeio com duas americanas e um casal (ela colombiana e o cara equatoriano) que eu conheci no hostel e que eram todos super simpáticos. Mas nosso almoço foi meio carinho: 50 pesos cada, pq comemos em uma das adegas. O bom é que assim, não pagamos a degustação hehehe Meu segundo dia em Mendonza eu andei pela cidade mesmo, que também é bem bonita e vale a pena ser visitada. E Na noite desse dia, eu peguei o ônibus para Cordoba (pela Andesmar). Em Cordoba eu também fiquei dois dias, mas acabei ficando só na cidade. Ia fazer um passeio mas acabei não acordando a tempo de pegar o ônibus. A cidade é bonita, mas não me encantou tanto como Mendonza. Lá eu fiquei no Hostel Baluch, que também é bem legal. Eles tem um terraço onde eles costumam fazer alguns eventos, como churrasco ou servir comidas típicas da Argentina. Lá eles também tem um livro com diversos passeios possíveis de serem feitos lá, e eles dão a opção de contratar uma agência (cômodo, mas mais caro), ou te explicam como fazer por conta própria. Vale a pena ficar lá por mais de dois dias, mas como as férias já estavam acabando eu tive que pegar o ônibus pra Buenos Aires na noite do segundo dia, chegando lá de manhã. Na terça-feira, 26 de abril, eu voltei pra São Paulo, e no dia 27 já tava de novo no chicote hehehe, e já querendo planejar minhas férias de 2012. Bom, é isso, espero que tenha ajudado quem está preparando a sua viagem, assim como os diversos relatos que eu vi me ajudaram a planejar a minha viagem.
  6. Roberta Vilas Boas

    Mochilão, Peru, Bolívia, Chile e Argentina - Roteiro

    ah, já estava esquecendo: alguém tem dica de hostel em Copacabana? não to conseguindo achar um legal
  7. Roberta Vilas Boas

    Mochilão, Peru, Bolívia, Chile e Argentina - Roteiro

    Gente, vou ressuscitar esse tópico pq eu to com mais uma dúvida e queria saber se alguém pode me ajudar. TRem de Cusco para Puno é apenas no site http://www.perurail.com? Tava afim de pegar esse trem, até mesmo porque me falaram que as paisagens no caminho são maravilhosas, mas pelo site só vi passagens por US$ 220, e to achando meio carinho. mesmo optando pelas passagens mais baratas, eles dão esse valor. Bom, se alguém sober um outro site que eu possa ver isso, ou se lá no Peru mesmo eu encontro as passagens mais baratas, me avisa. CAso contrário, vou pegar onibus mesmo Valeu!
  8. Roberta Vilas Boas

    Mochilão, Peru, Bolívia, Chile e Argentina - Roteiro

    bom, também dei uma olhada e até agora não vi nada sobre trem de Lima pra Uyuni, só de Cusco para Puno, e de lá, segue de ônibus pra Bolívia. Liebman, você sabe mais ou menos quanto tempo se leva de Santiago para Isla Negra? Nem tinha pensado em ir, mas até fiquei com vontade agora hehe Bom, obrigada galera!
  9. Roberta Vilas Boas

    Mochilão, Peru, Bolívia, Chile e Argentina - Roteiro

    nossa, super obrigada pelas dicas!! Tb pensei em ir de ônibus para Santiago, só queria economizar tempo indo de avião, afinal vi que são 20 horas de viagem no ônibus. Mas também depende da grana né? hehe Vou dar uma olhada nisso tb! Valeu!!
  10. Roberta Vilas Boas

    Mochilão, Peru, Bolívia, Chile e Argentina - Roteiro

    OlÁ a todos! Decidi fazer um mochilão pela América do Sul nas minhas férias, começando no fim de março, de 27/03 a 26/04. No começo não inclui a Bolívia, mas depois de conversas com diversas pessoas resolvi incluir, e também decidi colocar meu roteiro aqui, pra que vocês dêem alguma dica hehehe Ainda é só um esboço. A única coisa que já fiz foi comprar as passagens (São Paulo-Lima e Buenos Aires-São Paulo). Ando com dúvidas sobre a facilidade de encontrar passagens de ônibus e tb de avião de uma cidade para outra. E também sobre os passeios (do Cañon del Colca, Valle Sagrado, Ilha do Sol, Salar e os passeios em San Pedro). Quem já foi, encontrou desponiblidade de passagens de ônibus/avião, e também para os passeios no momento em que chegou nas cidades, ou já reservou tudo aqui do Brasil? Caso tenham reservado daqui, poderiam indicar as empresas? Bom, é isso. Segue o meu roteiro ROTEIRO 1 27/03 – Chega em Lima de manhã. À tarde, city tour 28/03 – Lima: City Tour, à noite, parte para Nazca 29/03 – Nazca: City Tour e passeio Linhas de Nazca 30/03 – Parte para Arequipa 31/03 – Arequipa: City Tour 01/04 – Arequipa: Cañon Del Colca 02/04 – Arequipa: Cañon Del Colca 03/04 – De Arequipa, parte para Cusco. Se conseguir pegar avião e chegar ainda pela manhã, já faço o city tour em Cusco nesse dia 04/04 – Cusco: Valle Sagrado (daqui, não sei se volto e passo a noite em Cusco, para no dia seguinte pegar o trem até Águas Calientes, ou se do Vale Sagrado, já pego o trem para Águas Calientes, e passo a noite por lá) 05/04 – Cusco: Machu Picchu 06/04 – Cusco: City Tour, e partida para Puno 07/04 – De Puno para Copacabana: conheço a Ilha do Sol 08/04 – Copacabana; parte para La Paz 09/04 – La Paz; parte para Uyuni (ver disponibilidade de ônibus) 10/04 – Salar 11/04 – Salar 12/04 – Salar 13/04 – San Pedro: City tour (período da tarde: Valle de La Luna e Valle de La muerte) 14/04 – San Pedro: Lagunas Altiplânicas (Laguna Miñiques e Laguna Miscantil) 15/04 – San Pedro: Salar de Tara – a noite ir para Calama e pegar avião para Santiago 16/04 – Santiago 17/04 – Santiago 18/04 – Santiago 19/04 – Valparaíso 20/04 – Viña Del Mar – volta pra Santiago e pego ônibus para Mendonza 21/04 – Mendonza 22/04 – Mendonza 23/04 – Córdoba 24/05 – Córdoba e à noite parte para Rosário 25/04 – Rosário 26/04 – Pela manhã parte para Buenos Aires, e de lá, de volta para São Paulo
  11. Olá! Bom, eu quero fazer um mochilão pela América do Sul, de 30 dias, passando pelo Peru (Lima, Cuzco e Machiu Pichu, Nazca e Arequipa), Chile (San Pedro de Atacama, Santiago, Valparaíso e Viña del Mar) e Argentina (Mendonza, Cordoba e Rosário), em abril de 2011. Já pesquisei várias coisas mas a minha dúvida é sobre como ir do Peru para o Chile. Gostaria de saber se alguém já fez essa viagem, pelo menos a parte de ir do Peru para o Chile, e sabe me dizer se há ônibus frequentemente. Pelo que vi até agora, de Arequipa teria que ir para Tacna, e daí, para o Chile, mas ainda não tenho certeza se isso é viável. Bom, espero que alguém possa me ajudar. E se alguém tiver alguma outra dica sobre esse roteiro também seria legal! hehe Valeu!
×