Ir para conteúdo

Filipe Salese

Colaboradores
  • Total de itens

    229
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que Filipe Salese postou

  1. Escavando e Atualizando meu post de 2013. 😁 Infelizmente meu companheiro se foi. A rosca do Spark espanou, vou tentar dar um jeito. Mas estou de olho em um MSR ou Jetboil. Fogareiro é bom e valente, durou mts anos. Não sei se a qualidade de hoje em dia é a mesma. Um amigo tem.um Jetcook da Azteq que já está criando pontos de ferrugem próximo ao acendedor, nem 1 ano de uso completou. Na dúvida ainda sobre qual substituir.
  2. Fala pessoal, estou tentando fazer as reservas pelo site da Conaf, mas sempre da erro. Alguém já conseguiu? Tô tentando pra Outubro. Agora o.site está fora do ar. Alguém mais com esse problema? Filipe Salese
  3. Boa noite amigos, vou mandar um breve relato com dados atualizados da Travessia da Joatinga. Na vdd meia travessia.[emoji1] Fizemos nesse feriado de 7 de setembro. Chegamos Na Vila Oratória por volta das 7.30 da manhã. Deixamos o carro no "estacionamento" que nada mais é que uma rua a céu aberto onde alguns rapazes da região tomam conta. Eles cobram r$20 por dia. Iniciamos a trilha sentido praia do Sono, Antigos, Antiguinhos e por fim Ponta Negra. Primeira subida forte, após praia do Sono. Praia Galheta Trecho da Ponte [emoji1] Praia Galheta Chegada a Praia Ponta Negra Fizemos o percurso em 4h40m, tranquilo, com parada para fotos, lanches e uma cochiladinha na praia de Antigos [emoji23] De Laranjeiras a Ponta Negra 8.63km Chegando em Ponta Negra, nos hospedamos no Camping da Branca. Camping r$20 Quarto simples r$50 Almoço r$20 Café manhã r$10 Almoçamos, curtimos un pouco a praia e fomos descansar. No próximo dia deixamos a cargueira descansar, mochila de ataque nas costas e partimos em direção a Cachoeira do Saco Bravo. O caminho total ida e volta da 7.7km, geralmente 2h pra ir e 2 pra voltar. Depende lógico do preparo e ritmo do grupo. A trilha é simples, tem algumas bifurcações, mas nada muito complicado, qualquer pessoa com um mínimo de noção em navegação tira de letra. Um GPS ajuda mt, se n tiver experiência, contrate um guia na praia. Mais seguro e correto. Fiz o caminho com um Garmin e sem novidades. Mirante da Cachoeira do Saco Bravo. Cachu Saco Bravo. Voltamos a Ponta Negra e resolvemos arrumar as coisas para partir. Acabamos ficando mais un dia, pois a entrada no condomínio se da apenas até as 17.30, após isso os barcos levam até a praia do Sono, porém dependendo das condições do mar, eles não levam, por segurança. Para nossa falta de sorte o mar estava agitado e acabamos ficando por lá mais um dia. No outro dia cedo acordamos e pegamos o barco até Laranjeiras. O barco deixa no portinho e de lá uma van te leva até a entrada do condomínio. Mais uns 15 min de caminhada e chegamos no início da Trilha onde deixamos o veículo. Barco p Praia Sono 30 Barco p Laranjeiras 40 Na volta demos uma parada em Paraty e depois voltamos pra SP. Qualquer dúvida aí só chamar...Estamos as ordens. Abraços e boas trips Filipe Salese [emoji41]
  4. Boa noite senhores. relembrando alguns velhos tópicos, "podem me dar a pá de ouro" [emoji23] voltei aqui apenas para alertar sobre as Barracas Quechua. Adquiri minha T2 em 2008, já utilizei ela em camping com estrutura, camping selvagem, já fiz Itatiaia, PP, Serra Fina, PetroXtere, campings em praia, entre outros campings por aí... só faltou testar ela na fila de algum show do Justin Bieber, Ketty Perry, etc... ainda não tive oportunidade [emoji1] Enfim O que quero ressaltar é que a barraca vai fazer 10 anos e ainda está intacta. Sem infiltração, sem rasgos, sem detalhes. Achei ótimo o CxB por se tratar de uma " barraquinha" de míseros 150 reais. As coisas mudam muito e pode ser que hj a qualidade não seja tanta quanto antes. Mas vale o feedback Abraços e boas trips [emoji41]
  5. Parabéns, ótimo relato atualizado. E que bela viagem hein [emoji122] [emoji122] [emoji122] [emoji122] [emoji122] e as fotos? Estão de parabéns. .Muito bom msm. Iremos para a Ilha em Janeiro 2018, ansiosos pra chegar a data. Fechamos passagens, mas ainda estamos vendo as hospedagens. Acho a iremos ficar em Hotel comum, não Resort. A idéia é conhecer bem a ilha e interagir bastante com a cultura e principalmente a culinária da região. Quanto ao transporte, o que acham? Melhor opção é Taxi e aluguel de moto/carro de Golf?
  6. Boa noite. Fechamos viagen p San Andres 31.01 a 07.02 Vamos em um grupo de 4 pessoas. Passagens em mãos já [emoji1] [emoji1] [emoji1] [emoji1]
  7. Olá amigo boa noite, vc está aí do lado, toca pra Chapada dos Veadeiros. Estive aí no começo desse ano, lugar fantástico..saímos de SP. Precisar de dicas é só chamar Abraços
  8. Estamos ainda na dúvida se faremos Serra da Canastra ou vamos pra Paraty. Fecharam algo pela região?
  9. Estamos indo para Travessia da Joatinga nesse feriado, divisa SP RJ... Se quer algo mais tranquilo, tem diversas trilhas q se faz em 1 dia. Pico Lopo Extrema, Pedra Grande Atibaia, Pedra do Baú São Bento Sapucaí ou até Itatiaia ou Marins. Tudo é válido, só n pode deixar esse feriado passar. Abraços e boa viagem.
  10. Olá boa noite, estou pensando em fazer Jalapão agora final do ano, Saída msm data que vocês. Pretendo ir com meu próprio carro. Como está os preparativos da viagem? Conseguiu algum valor com o guia? Será que consigo me virar sozinho por lá? Abraços
  11. Boa noitr amigo, procura a Deuter Act Lite, é uma linha mais leve, tenho uma a mais de 5 anos e está inteira...já fiz PetroXtere, Serra fina, entre outras travessias no estilo e até hoje só alegria. Abraços e boa sorte na compra [emoji41]
  12. Olá amigo, parabéns pelo relato..E parabéns pelas fotos, ótimas. Vi qie vcs foram de 4x4, um 4x4 sem lift e pneus mud daria conta da viagem ? Ou precisa de Um preparo maior ? Obrigado
  13. Muito ótimas as dicas. Vou passar o reveillon em arraial do cabo do dia 28 a 4...a idéia é ir de camping, não reservei nada ainda. Vou de 4x4, alguma praia diferente que chegou apenas veículos 4x4? Vlwww
  14. Opa, tenho interesse na trip e tô pensando em ir xô dia 28 a 6.01 Alguém fechou algo já ?
  15. Deuter, TNF, Curtlo, independente da marca estará bem servido, apenas atente aos modelos, existem diversos e cada um específico p uma atividade. ..entra no site e pesquise pelo modelo q mais se enquadra no seu estilo de viagem, eu utilizo uma Deuter Act Lite Pro, é uma linha mais leve e dedicada ao montanhismo, travessias, trilhas e afins, porém utilizo ela em viagens por cidades, viagem de avião, ônibus, carro, etc...
  16. Parabéns amigo, ótimo relato ..muito bem detalhado...estou pensa do em fazer esta pernada agora em janeiro.. Parabéns TB pelas fotos. Abs
  17. Show brother..ótimo relato e as fotos do blog ficaram show..tu tem valores sobre a trip?? Entrada no parque, diárias camping, almoço, etc
  18. Da uma olhada nas Salomon. Tem uns modelo MT top, tenho uma GTX sky wings 2...para o uso em trilhas é perfeita, fiz umas travessias como Petrópolis Teresópolis e serra fina c ela..MT boa
  19. Ola amigo, quanto aos nomes das ruas ficarei devendo, por se tratar de uma estrada de manutenção para os dutos da Petrobras não tem mta placa nem sinalização, o caminho é único, bastando permanecer na principal, n tem mta novidade. Nesse link aqui tem o trageto que gravei, na época foi feito com Endomondo ent desconsidere os dados de altimetria, mas o resto está perfeito, bati ponto a ponto. http://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=4901698 ABraços e bom Pedal
  20. Simples assim, Estrada da Petreobras, saindo de Mogi e DESCENDO para Caragua, #sóquenão A brincadeira é um pouco mais forte do que se pensa, antes de descer temos que encarar a serra, são aproximadamente 1,876 m total de ascensão e 2,608 m down. medidos com garmin Edge Geralmente o pessoal reuni um grupo e fazem essa trilha com apoio de Van, pois é um local muito isolado, onde tem um baixíssimo fluxo de carros, nos 70km de trilha cruzamos apenas com 2 veículos ao longo dela. A estrada possuí bastante Pedras Soltas o que torna a Trilha mais agressiva e perigosa, estar bem treinado e com a bike muito bem revisada é a chave para se tirar o máximo proveito desse Cross Country. Saímos de São Miguel Paulista as 4:00am pegamos o Trem sentido Calmon Viana, descendo então em Mogi. ps: era pra descer em Estudantes, mais descemos uma antes, "sim, somos cabaços" rs Aumentou pouca coisa o role, mais nada de outro mundo. Seguimos sentido Salesópolis, era algo em torno de 50km até o inicio da trilha, asfalto, um na roda do outro, velocidade constante de 30 a 35km/h e pau no gato sem massagem. Ainda faltava pouco para iniciar a brincadeira Entrada Salesópolis. Passando por Salesópolis, segue-se então sentido Santa Branca, aproximadamente mais uns 9km e logo se ve a plca indicando Estrada Petrobras. É exatamente ai onde o asfalto termina e começa a trilha. Logo de cara tem uma piramba monstruosa, para mostrar que a brincadeira não vai ser fácil. Depois de ter subido muitoooo, avistamos essa placa, quando vc chegar nela, se prepare, ai vai começar de verdade as subidas. Muita Pedra Solta E umas valinhas . Ai estamos a exatos 1200m acima do nível do mar. E mais Pedra Solta Cachoeira da velha, um pouco antes de chegar na Petrobras. Cachueira da Velha Após passa a Petrobras o terreno melhora muito, menos pedra solta e menos valas, mais as subidas continuam.. O fim da trilha da ali na Fazenda Serra Mar, de lá temos mais um trecho de asfalto por dentro de caraguá até a rodoviaria, aproximadamente uns 15km, não estou lembrado, mais é tranquilo, só reta. Pegamos o Bus pro Tietê e na sequencia o trem pra São Miguel. E assim termina esse nosso role, que foi muito show. As dicas que dou é, esteja muito bem preparado fisicamente, pois é uma pegada forte e vai exigir o seu máximo. Esteja com a bike em perfeitas condições, muito bem revisada e alinhada, a trilha inteira não tem sinal de cell, apenas na metade do caminho encontramos uma fazenda, abastecemos com água e seguimos, ainda tem mais 2 bicas de água no meio da trilha, basta andar com atenção que é facil encontrar, todas do lado direito. Muito cuidado, principalmente nas descidas com pedras soltas, um tombo ali não é muito gostoso. Geralmente o pessoal faz essa trilha com Van de apoio, se acha que não esta preparado e quiser se aventurar, contrate uma Van e faça o role, junte uma galera e curta o local, realmente é um lugar muito show e o passeio é fantástico. A compania que vai pedalar ao seu lado vai influenciar muito. Eu aconselho ir com pessoas que vc conheça a passada, para não dar muita diferença. Sabemos que um cara muito lento, as vezes atrapalha um pouco o ritmo e um cara muito rápido deixa todos pra traz, então faça o role com um grupo legal, que pedale de preferencia no mesmo nível. Se precisarem, aqui tem o tracklog http://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=4901698 No mais é isso pessoal, abraços e bons pedais..
  21. Já que o sono não vem, vamos mandar o relatinho de nossa ultima trip, foi feita semana passada, o Caminho da fé, partindo de Águas da Prata x Aparecida. Na verdade esse caminho tem varias saídas, Tambaú, Cravinhos, Mococa, São João da Boa Vista, São Carlos e outros ai, resolvemos fazer o tradicional e partir de Águas da Prata, assim rodaríamos a km certa para dar o tempo que tínhamos livres, 5 dias. Eu e meu parceirasso Nilton, estavamos planejando uma Cicloviagem a tempos, a principio seria a Estrada Real, mas não tava rolando tempo suficiente para fazer os 1800km dessa blz, então pensamos em fazer metade dela, mas acabou não rolando na época, eis que conseguimos uns dias e acabamos marcando o Caminho da Fé Antes de partir, tínhamos em mente o seguinte, independente da KM, se iriamos conseguir terminar ou não o importante era curtir a viagem e aproveitar ao máximo cada cidadezinha que passaríamos, sem correr, sem se esgotar, sem ficar no limite. Tudo acertado peguei o bus na no Tiete as 0:30 da Segunda, chegando em Águas da Prata as 4:00, esse bus passa por outras cidades, faz varias paradas no meio da madrugada, o que não deixou eu ter uma boa noite de sono.. Outro detalhe importante é que ao chegar em Águas da Prata o motorista simplesmente deu uma encostada e partiu, não avisou nem nada, eu como não sabia se era ali mesmo resolvi ir perguntar, e ele falou: Acabamos de sair de Águas da Prata, como tinha acabado de sair da rodoviária ele foi mt gente boa e voltou para me deixar na rodoviária mesmo.. Nilton já estava na cidade e foi me recepcionar na Rodoviária, "isso sim é parceria" ele havia ficado em uma pousada próxima a rodoviaria, diária de 35k + café manhã, nessa pousada pegamos as credenciais com referencias das pousadas, cidades, etc.. 1º Dia - Aguas da Prata x Ouro Fino Mapa da Credencial Relação de Pousadas Relação de Pousadas Acertamos os ultimos detalhes na bike e partimos, a ideia era percorrer o quanto aguentar, mas como disse, sem se esgotar tanto, acabamos fazendo no 1º dia até Ouro Fino, foi uma pernada boa. Saímos cedinho e pegamos a friaca da manhã e o Sol nascendo 1º dia Águas da Prata - Ouro Fino Umas vaquinha no pasto Passamos por muitas cidadezinhas pelo caminho, isso é muito bom, pois não tinhamos que carregar tanta água, nem comida, andando assim mais leve e conseguindo parar para abaster a cada 20, 30km, as vezes até menos, isso ajudou muito. No caminho encontramos com um grupo de 18 Bikers e vários Peregrinos fazendo o caminho, grupos diversos espalhados de 10, 5, 2 e alguns Solo.. Pessoal mt gente boa que encontramos pelo caminho E assim termina o primeiro dia. Chegamos em Ouro Fino umas 18:20, já era noite, foi o único dia da trip que usamos as lanternas Chegando na cidade ligamos para as pousadas para ver qual teria vaga e assim não ficar rodando por ela, apesar de serem próximas umas das outras, já estávamos bem cansados e queríamos ir direto para a certa, acabamos ficando no Hotel Caiçara a 30k + Café da manhã. A noite fomos almoçar em um restaurante próximo a cidade, Self Service + Carne por 11k 2º Dia - Ouro Fino x Tocos do Mogi Acordamos umas 8am e fomos tomar o café, na sequencia resolvi passar na bicicletária para dar uma olhada na bike, numa das descidas o freio traseiro começou a fazer mt barulho, resolvi trocar as pastilhas, acabei pagando 50k cada jogo + troca, preço normal aqui em SP sai a 45k nada muito fora do comum, aproveitei e peguei um Óleo legal que achei para a corrente, Finish Line - Wax Lubrificant, ótimo para o tipo de terreno q estavamos enfrentando, 40k 120ml, aqui em sp custa 37k. Voltamos uns 2km para fazer umas fotos no Menino da Porteira e encontramos com o grupo de 18bikers que saiu de Águas da Prata conosco no dia anterior, porém ficaram em Barra. Toda vez que eu viajava pelas estradas de Ouro Fino .... Algumas fotinhas e partimos Passamos por Borda da Mata, era feriado na cidade, tudo lotado e fechado ao mesmo tempo, rs nossa ideia seria ir para Tocos do Mogi, se conseguisse esticar até Estiva melhor ainda, mas não rolou, as subidas eram muitas e nesse dia conseguimos ir apenas até Tocos. Esse dia foi pesado, a partir desse dia é só paulada no gato sem massagem, é serra atras de serra. Tocos do Mogi, cidadezinha muito show com pessoas muito acolhedoras, chegamos eram 15:40 + ou - fomos para a pousada do peregrino o valor se não me engano foi 15k e 20k com TV, acabamos pagando 15 com TV, os preços estão um pouco fora da referencia, pois é antigo e todas pousadas tiveram um pequeno aumento de R$2 a R$5. Não deixe de ir na Pastelaria da cidade, a massa é muito boa e o pastel alem de pequeno é muito recheado e vale e muito os R$1,50 gastos A noite fomos jantar no restaurante próximo a pousada, R$8 self service + carne Fomos descansar sabendo que ao próximo dia seria puxado, mais serras pela frente a a altimetria só subindo. 3º Dia - Tocos do Mogi x Paraisópolis A próxima cidade seria Estiva, famosa pela plantação de morangos, foi o dia inteiro passando por fazendas de plantações de morangos e degustando dessa maravilha, como sabem as pessoas são muito receptivas, é só vc encostar que eles já mandam entrar nas plantações e provar uns moranguinhos.. - O quanto pudessemo comer Disse o lavrador Quebra Canela Tiozinho com um Carro de Boi em Consolação, ele tinha falado algo de ter viajado o brasil inteiro..só não sei se foi com os Bois..rs Faltando alguns km para chegar em Paraisópolis percebo que não estava entrando a ultima marcha, desde o começo da trip já estava achando a relação pesada na subida, mesmo na mais leve, mas como estava carregado, nao tinha reparado esse detalhe, olhando mais a fundo o problema percebo que o cabo do cambio traseiro estava se partindo, tendo sobrado apenas 2 "fiozinhos" do mesmo, pensei, vai ferrar mesmo e vou ficar apenas com a pesada, vou embora e vamos ver no que vai dar..Quando faltava apenas 6km para chegar em Paraisópolis o cabo resolve estourar, tranquilo, fiquei com a mais pesada, mas o resto era só reta e descida, com algumas subidas leves que deu para encarar no embalo, algumas foi empurrando, assim que entramos na cidade, procurei a bicicletaria mais proxima, um sujeito muito gente boa nos atendeu e fez a troca do cabo do cambio, R$2,00 se foce na "quebrada" aqui de casa tenho certeza que iria morrer uns 10k com a troca Pegamos algumas referencias com o caboclo e enquanto ele trocava o cabo, fomos ligando para as pousadas e acabamos ficando no Hotel Central, por 35k diária + café da manhã. O dono da bicicletaria nos informou que tinha um restaurante que servia janta, mas que havia um quiosque na praça em frente ao nosso hotel, onde serviam uns lanches cabulosos, gigantescos e baratos.. como precisavamos de uma boa alimentação muito bem balanceada, fomo para o restaurante, chegando lá não curtimos muito, nada contra, mas a comida dos outros parecia muito mais"saborosas" decidimos ir experimentar o lanche.. Logo de cara já pedi o X-Bacon, tava precisando de um pouco de gordura extra..rs ainda pedi para acrescentar ovo, um pouquinho de proteina para balancear a dieta O mestre Nilton pediu o X-Tudo, quando ele começou a fechar o lanche do Nilton não acreditei, era giganteeee Deu trabalho, eu pensei, vou pedir um X-Bacon, depois peço outro X-Calabresa, a fome era grande.. Mau conseguimos comer o nosso lanche...kkkkk realmente o lanche do brother da praça é muito bom, muito bem feito e saboroso, não é por nada não, mas na minha opinião o melhor lanche que já comi na minha vida..da baile em muita Hamburgueria de burgusinho espalhado aqui pela capital, que cobram um absurdo e o lanche nem sempre enche a barriga.. O lanche saiu a 7k X-Bacon+Ovo e 11k X-Tudo cabulosomasterblastermotherfucker do mestre Nilton.. Estomagos forrados, voltamos para o Hotel, que ficava a uns 300m do quiosque, assistimos um pouco de TV, mas para nossa sorte o controle estava sem pilha...e a preguiça para mudar de canal... kkkkkkk Todo castigo pra Corno é pouco.. Descanso em Paraisópolis 4º Dia - Paraisópolis x Campos do Jordão Acordamos cedo, tomamos o super café da manhã do hotel e partimos rumo a Campos do Jordão, saberiamos que seria mais um dia forte e exalstivo, devido a grande altimetria, mas vou lhe contar, na minha opinião foi a mais bela parte da viagem, na verdade cada dia tem seu toque especial, com seus atrativos naturais e belezas unicas, mas esse dia nos chamou a atenção a pequenina cidade de Luminosa, que fica em um vale, entre montanhas, um charme de cidade, não tem como explicar a sensação, nem com imagens, mas segue algumas dessa beleza.. 4º Dia Paraisopolis x Campos do Jordão Chegando em Luminosa Manifique Apesar da simplecidade e qualidade de uma foto de celular, essa merece.. Capa de Revista.. Chegando em Luminosa Passamos pela cidade, paramos um pouco e seguimos caminho, sabendo que o resto era só subida e das bravas, após sair de Luminosa uns 4km subindo tem a Pousada da Dna Ines, onde paramos e resolvemos almoçar, 10k almoço com direito a sobremesa, suquinho natural e um cafézinho Pessoal muito gente boa, gostei deles, depois posto uma foto que fico na DSLR do mestre Nilton, a diária lá é 25k a 30k com direito a café da manhã e o visual da pousada é o melhor, principalmente no nascer do sol, as nuvens embaixo de nós, aquela sensação boa que sentimos na montanha ao amanhecer que todo bom montanhista conhece.. NÃO ficamos nessa pousada, sei do visual da manhã pois nela tem muitas fotos no mural e já havia visto outras pela internet. Continuamos nosso caminho e sobe, sobe sobe sobe sobe sobe.. No meio da Subida, um visu show Chega-se na divisa de estados SP-MG, ali as subidas param um pouco, mas continuam com uma inclinação menor, mas segue assim até o bairro Campista de Campos do Jordão Em Campos do Jordão, ficamos na pousada da Bianca, uma super recepção com janta, café da manha e um delicioso vinho a 53k adorei o estilo dessa pousada, nos lembra muito os Albergues da Europa, lá conhecemos um casal de peregrinos que estavam fazendo o caminho a pé, muito gente boa, bebemos e rimos muito a noite toda, junto com a Bianca Dna da Pousada, adorei esse dia, ainda sobrou um tempo para o Nilton dar umas arranhadas na viola que tinha lá.. 5º Dia - Campos do Jordão x Aparecida 5º e ultimo dia da trip, seria a descida para Aparecida, esse dia saberiamos que era light, pois seria 28km de descida e o resto no plano, completando assim 75km, acordamos cedo, tomamos o belo café da manhã e partimos. Vista Chinesa - Campos do Jordão Chegamos em Pindamonhagaba rapidinho, de pinda para aparecida eis que temos a nossa primeira baixa do Nilton, um pneus furado. Trocado rapidamente, seguimos viagem. Divisa Enfim chegamos no nosso tão esperado destino Catedral de Aparecida, entramos para pegar nossa credencial fizemos umas fotos e partimos para o rodoviariaa. Pegamos o Bus para SP as 13 em ponto, chegando na cidade grande estava garoando. Tudo bem, nosso caminho inteiro foi tão maravilho e regado de um belíssimo sol que nem nos importamos com a frente fria e chuvosa que chegava em São Paulo naquela Sexta - Feira. Roupas + Equipamentos - Bagageiro ferro simples para pouco peso - 2 Bermuda Bike c/ Forro - 2 Camiseta Bike - 1 Segunda Pele Fina - 1 Segunda Pele Média - Corta Vento - Pernito - 3 meias - 3 cuecas - Sapatilha - Havaiannas - calça/bermuda compacta - Chave Corrente - Câmera de Ar - Remendos - Cola - Pincel - Oleo para relação - GPS - Smartphone - Pilhas Extras - Lanterna Bike - Caramanhola 580ML - Streaer 3L, utilizado muito pouco - Mochila SpeedLite Deuter 20L - Barra Cereal, Bolacha integral, Amendoim Então fica assim, essa foi nossa CicloTrip pelo Caminho da Fé.. Qualquer dúvida estou aqui para ajudar, se precisarem tenho o tracklog Abraços e Boas Trips
  22. Essa trip foi realizada a ± 2 meses atras, por falta de tempo e preguissa, só agora to soltando o relato dela. Como não pode faltar, todo ano fazemos uma visita ao Itatiaia, dessa vez marcamos nossa trip para o mês de Abril, a ideia era fazer algumas montanhas diferentes, ideia essa do nosso grande mestre Jonas. A principio seria Pedra Furada, Morro Massena e Couto. Dependendo da dificuldade e ritmo da galera poderíamos mandar outras ou parar na 2º Tudo combinado saímos de SP as 22, chegando em Itatiaia na Madrugada, HeadLamps na cabeça e já iniciamos o ataque a primeira montanha que seria a Pedra Furada. A entrada se dá a alguns km antes da portaria do parque. Acabou sendo fácil e chegamos no cume tranquilamente, resolvemos aguardar o nascer do sol, ficamos firme e forte, meio que num Bivak no pelo, sem nada, apenas com a roupa do corpo e um encostado no outro para esquentar.. NAscer do sol na Pedra Furada NAscer do Sol na Pedra Furada Magnifique Descida da Pedra Furada Assim que o Sol raiou, iniciamos a descida rapidamente pois ainda havia outras montanhas para zerarmos e já tocamos para a próxima, que seria o Morro Massena, essa fica ao lado da entrada do Parque, essa ainda esta sem uma trilha definitiva demarcada, então encontramos um caminho, meio que aberto e as vezes fechado mas deu pra tocar pra cima. Uma parte da galera no Cume do MAssena O visu do Massena é show Passamos um tempo no Massena e já iniciamos a descida, rumo ao Couto, esse já é bem demarcado e conhecido e a trilha é tranquila e a entrada fica próxima a entrada do parque. No caminho passamos por mais um "piquinho" que seria o Pico da Antena, na verdade é asfaltado até seu topo, resolvemos subir para estender o trekking, visto que até agora não estava tão hard assim o role. Rumo ao Couto https://fbcdn-sphotos-d-a.akamaihd.net/hphotos-ak-frc1/q74/s720x720/484663_444370832326093_1911663937_n.jpg' alt='484663_444370832326093_1911663937_n.jpg'> Coutexxx Assim que fizemos cume, ficamos um tempo lá em cima apreciando a vista e iniciamos a descida, chegando no local onde guarda os carros, dali ainda precisávamos ir até o local de camping, quem conhece sabe que ainda havia uma caminhadinha, tudo bem que é no reto, mas não deixa de ser uma caminhada e dessa vez iriamos com as Cargueiras, sendo que haviamos feito todos esse picos anteriores com atacão. Chegamos na área de camping já era umas 4PM começamos a montar as barracas e um parte da galera resolveu ir fazer um "trekkinzinho" até a Asa de Hermes, eu acabei indo junto, mas parei na base do Agulhas e voltei com mais 2 amigos..nessa hora eu já estava até tonto de fome e só o "suco" de tanto andar...rsrs Chegamos novamente no camping e preparei aquela bela comida de montanhista, composta em Atum e Feijoada, ambos enlatados...rsrs Acabamos dormindo cedo, já estava virado desde Sexta, ainda pra completar uma maldita gripe me acompanhava desde o inicio da trip e me sentia muito exausto e preocupado com o dia seguinte, não sabia se iria acordar disposto para encarar a pedra Assentada, não sabia como era a pernada. Enfim acabei acordando zerado na manhã seguinte e partimos logo cedo para a Pedra Assentada, essa fica no caminho do Prateleiras, passando ele pelo lado esquerdo, seguimos um tracklog de um parceiro do Jonas que havia nos disponibilizado, o acesso a essa montanha não foi fácil, de todas foi a mais complicada, no sentido navegação, é uma bela escalaminhada e o GPS não ajudava tanto, apenas indicava que deveriamos subir, mas como a taxa de erro varia de 3 a 10 metros, complicou um pouco nesse trecho. Enfim subimos, voltamos, erramos, concertamos, aprendemos e encontramos o caminho, haviam poucos totem, mas o que encontramos seguimos e acabamos finalmente no Cume da Pedra Assentada. Na verdade não foi BEMMM no cume, pois para fazer cume desse pico é necessário fazer um rapel de uns 10 metros e uma escalada de uns 20, a escalada é tranquila até a base, mas ainda sobra mais um trecho, esse ultimo é um pouco exposto, e ninguém quis guiar, tenho certeza que do grupo pelo menos uns 4 conseguiriam subir tranquilamente esse trexo, mas como estavamos num grupod e 12 e sabíamos que a maioria nao iria subir, acabamos deixando de lado e nos contentamos com o "SEmi-Cume" da pedra Assentada. Noixxx só o suco a caminho da Assentada Esse trechinho era meio complicado, um pouco exposto, mas nada que muita concentração e cuidado não seja necessário para ultrapassar. Rumo ao Cume Ai ja tinhamos achado o caminho certo.. Esse é o trechinho que falei do Rapel + Escalada Escaladinha light, facil e tranquilo, nada que um pouco de conhecimento de resolva. CUMEEEEEE #sqn rsrs, da pra perceber nessa foto que o cume verdadeiro é nessa pedrinha "assentada" ai, o problema é como falei, faltou vontade...rs na vdd era um pouquinho exposto e não havia proteção... Rapelzexxx manolooo..essa fico no estilo comercial Malborro ...kkkkkkk Sidnei no comando, Parceirasso No Cume da Assentada "semi" Iniciamos a descida e partimos para o Camping, já era tarde de domingo e no dia seguinte todos iriam pegar no batente, ainda na base do Prateleiras paramos para fazer umas fotinhas do "Bonitão" Eu posando pra foto e Prateleiras ao Fundo Proximo ao Prateleiras. Partimos para o camping, ainda teve uns 3 que foram para fazer o cume Prateleiras, agente desceu direto e resolvemos dar uma passada na Cachoeira ali para uns Jumps Pensa na friaca Champs.. Juuuuumppppp Da Cachu, partimos para o camping, desmontamos tudo e preparamos um lanche, aguardamos o resto do pessoal voltar do Prateleiras e tocamos para casa, chegamos nos carros já era noite, paramos ali na baixada da serra em uma quitanda que vende uns Queijo, Milho, Doces e uma Pimentinha divina..vale a pena passar lá, os preços são legais e o pessoal é mt atencioso e fmz.. Assim que possível mando o videozinho da trip.. A preguissa mataaaaaaa e a falta de tempo tb Boas trips
  23. Show JKB, estou planejando essa viagem para o Jalapão, não pra agora, mais pra frente, gostaria de um contato seu para ter mais dicas sobre a trip, a ideia é ir de 4x4. Abraços
  24. Muito interessante essa sua colocação amigo, sempre guardei meu sacos de dormir no de transporte mesmo, muito bem comprimido ...por enquanto não percebi nada de diferente, tive sacos desde os simples Quechua, nautica e alguns sem marca, até Deuter, Marmot e The North Face. todos vieram com apenas um saco de armazenagem e sempre deixei eles guardados nesses sacos. Dei uma pesquisada rápida e encontrei essas dicas da T&R: Neste Dicas de Uso, compilamos algumas dicas valiosas para você cuidar de seu saco de dormir e tê-lo útil e em pleno funcionamento por muito mais tempo: • Escolha com cuidado o lugar que irá colocar sua barraca e, conseqüentemente, seu saco de dormir. Lugares baixos podem ser verdadeiros bolsões de ar frio. Por outro lado, lugares altos e cumeadas costumam estar muito expostos aos ventos. Se possível, procure um lugar que seja protegido do vento. • Nunca guarde seu saco de dormir comprimido na embalagem, pois isto fará com que as fibras “se acomodem” e não voltem a se expandir. Este processo de expansão da fibra, enchendo-a de ar, é o que proporciona a eficácia do enchimento, já que o ar é o melhor isolante que existe. Alguns modelos possuem pendurador e você pode deixá-lo no cabide. Outra boa forma de guardá-lo é dentro de um enorme saco de algodão, longe da poeira e sem comprimi-lo, mas esta alternativa pode exigir um espaço físico que você não tem. Veja o video abaixo: • Se você tem espaço embaixo da cama e não o está usando, uma boa solução é guardar o saco de dormir ali. Guarde-o dentro de um protetor de colchão (você pode mandar fazer, em algodão), para não pegar poeira, e deixe-o devidamente esticado debaixo de sua cama. • Não o transporte fora da mochila. O lugar do saco de dormir é no fundo da mesma, envolvido em um saco plástico para não correr o risco de molhar na chuva. • De manhã, se o tempo estiver bom, coloque o saco de dormir virado do lado avesso no sol, em cima da barraca ou nas pedras em volta do acampamento, enquanto toma café da manhã ou começa a arrumar suas coisas – cuidado para ele não voar! E deixe-o secar um pouco da condensação de seu corpo durante a noite… Mas cuidado para não deixá-lo eternamente no sol, que também é prejudicial para o náilon… • Ao guardá-lo no saco, soque-o lá dentro. Embrulhar com cuidado é prejudicial às fibras, que criarão uma espécie de “memória”, se acostumando com determinada posição. Empurrá-lo desordenadamente para dentro do saco é a melhor forma de guardá-lo. • O saco de compressão existe para diminuir o volume original do seu saco de dormir já comprimido dentro do saco externo. No entanto, não abuse de seu uso, usando-o apenas na hora de guardá-lo na mochila e diminuindo o “fator memória” nas fibras. • Um saco de dormir não é nada sem um isolante térmico (ref. 0400; 0450 e 6300). A função do isolante é regularizar o terreno e isolar da umidade do solo, oferecendo conforto e aumentando a performance do saco de dormir. Guarde o isolante, sempre, dentro de um saco, mesmo que ele seja transportado fora da mochila. Assim, manterá o saco de dormir e o isolante limpos e secos. • Se você usar o seu saco de dormir envolto por um cobertor de alumínio de emergência (ref. 8235), seu isolamento térmico melhora em até 5 o C. O cobertor de emergência é um acessório útil e de baixo custo que não deve faltar dentro das mochilas… • Beber e comer interfere no sono. Portanto, não esqueça de comer e beber ANTES de ir para a cama. Uma comida ou bebida quente irá aquecê-lo mais do que comidas frias. • Lembre-se que manter a temperatura corporal é mais fácil do que se deixar esfriar e, depois, ter de se reaquecer. • Caminhar em volta do acampamento ou fazer um pouco de alongamento antes de dormir pode ajudá-lo a começar a noite aquecido. • Se você é muito friorento e tem dificuldade em se aquecer na hora de dormir mesmo em casa, invista em um saco de dormir mais quente que o indicado para as suas necessidades. • Tenha roupas extras confortáveis e secas para vestir durante a noite. E deixe a roupa úmida usada durante o dia para ser colocada apenas no dia seguinte. Lembre-se de não levar roupas apertadas, que possam restringir a circulação. • Alguns acessórios como gorros, luvas e meias quentes podem fazer uma tremenda diferença mesmo em noites de verão. E são fundamentais em noites de inverno. • Sacos de dormir molhados não funcionam direito. Para ter certeza de que terá uma cama seca no fim do dia, envolva-o em um saco de lixo sem furo algum e coloque-o no fundo da mochila. • Ao chegar em casa, ponha todo o seu material para secar – principalmente seu saco de dormir… • NUNCA lave seu saco de dormir a seco! Não jogue fora as instruções de cuidado que a Trilhas & Rumos preparou para você. Leia sempre e siga-as. Atenção: Não nos responsabilizamos pela utilização destas dicas e por danos causados em materiais fabricados por nós ou por outros. A utilização dessas informações, bem como a maneira como as interpreta, são de responsabilidade total do usuário. Considere-as como diretrizes e sugestões, não como normas. E, em caso de dúvidas, consulte-nos ou discuta-as com pessoas de sua confiança. Lembramos ainda que a impermeabilização de produtos como anoraks, calças, barracas etc. pode ser afetada por qualquer método de lavagem utilizado, exigindo uma reimpermeabilização de manutenção não coberta por Garantia, resultado de desgaste normal do produto. Link T&R http://www.trilhaserumos.com.br/canada/arquivos/cuidados-saco-dormir Retirando meus sacos de dormir do saco de transporte em 3, 2, 1
×
×
  • Criar Novo...