Ir para conteúdo

Luka Izzo

Membros de Honra
  • Total de itens

    1.477
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    11

Respostas postados por Luka Izzo


  1. Em 18/11/2011 em 11:17, Gustavo X disse:

    Olá, pessoal.

     

    Estive na região da fronteira entre Zambia (cidade de Livingstone) e Zimbabwe (cidade de Victoria Falls) em outubro passado e trago algumas informações sobre vistos e formalidades de entrada e saída para compartilhar com todos.

     

    Cheguei na região sob um calor de mais de 40 graus tendo partido da África do Sul. Desembarquei em Livingstone e fui enfrentar a fila da imigração no minúsculo aeroporto desta cidade da Zambia. Por sorte, a fila para quem precisava do visto era menor do que a de quem não precisava, então demorei uns 30 minutos até conseguir ser atendido. Para entrar na Zambia, brasileiros precisam apresentar passaporte válido e o certificado internacional de vacinação de febre amarela, além de pagar a taxa do visto, que no meu caso foi de US$ 80,00, pois adquiri o visto de múltiplas entradas. Se você não for sair e voltar para a Zambia no período em que for visitar a região, a taxa para o visto de uma única entrada é mais baixa. IMPORTANTE: não é necessário levar foto, o que antes era exigido.

     

    Saí de Livingstone e parti para Victoria Falls, no Zimbabwe, após fazer um passeio do lado da Zambia do parque nacional das Victoria Falls. Fui a pé mesmo, passei na imigração da Zambia para sair do país e após atravessar a ponte que liga os dois países na região caminhei por mais uns 15 minutos até chegar a imigração do Zimbabwe. A taxa para o visto de entrada única é de US$ 30,00 e você precisa ter uma página em branco no passaporte, pelo menos, além do certificado de vacinação da febre amarela. Mais uma vez, não é necessário foto nenhuma. Seu passaporte receberá o visto que ocupa a página inteira do passaporte, por isso a necessidade de uma estar em branco.

     

    Depois de visitar o lado do Zimbabwe das Victoria Falls, retornei à Zambia, onde estava hospedado. Passei mais uma vez pela imigração do Zimbabwe para sair do país e de novo pela da Zambia, para entrar novamente. No dia em que deixei a Zambia para retornar à África do Sul, paguei uma taxa de saída no próprio aeroporto que não me lembro ao certo de quanto foi, acredito que US$ 30,00, ou um pouco menos. Enfrentei uma grande fila no aeroporto, pois além de ser pequeno e possuir apenas UM raio-x, os voos que saem da cidade para outros destinos na África e na própria Zambia decolam num período de tempo bem próximo. Como em quase todos os lugares do mundo, a saída é bem mais tranquila que a entrada e os pontos negativos da saída de Livingstone são destacados pela precariedade do aeroporto e dos serviços nele oferecidos.

     

    Espero poder contribuir com estas informações e se tiver deixado passar alguma coisa atualizo o post outra hora. Sintam-se à vontade para fazer perguntas, ajudarei no que eu puder.

     

    Abraços e boa viagem a todos!

    Olá Gustavo. 

    Parabéns pelo relato, que com certeza pode ajudar muitos colegas que incluíram essa imigração na rota.

    Passei por Zâmbia e Zimbabue por terra recentemente, cortei de Leste a Oeste (Namíbia ao Quênia, passando por todas as fronteiras terrestres).   

    Vou ajudar os colegas com uma informação complementar sobre essa fronteira (Zâmbia x Zimbabue).  O turista quando faz a imigração terrestre acaba 'sendo obrigado' a fazer o câmbio e quando você chega na fronteira acaba sendo surpreendido por uma enxurrada de 'cambistas' que certamente vão te enrolar. Eu fui enrolado porque não tive saída, já que fiz tudo por terra e precisaria da moeda corrente no país. O que sugiro é pegar realmente o necessário para sua estada (taxis, ônibus, etc).  Quando estive em Victória Falls choveu e o bungee jump na ponte (Victoria Falls Bridge ) estava fechado.  Era uma das atrações que eu mais queria conhecer e acabei não conhecendo, apesar do preço salgado do salto (160 dólares).  Um dia ainda volto! rs... 

     

     

     

     

     

    • Obrigad@! 1

  2.  A questão nem é a capacidade da mochila e sim a quantidade de coisas que você coloca dentro. Mochilas não possuem dimensões fixas, pois são maleáveis, dobráveis e amassáveis rsss....  Sendo assim, você aperta aqui e aperta ali e uma cargueira grande acaba ficando pequena.  Já viajei com uma de 90 litros e entrou como bagagem de mão. O segredo é: na hora do embarque tirar as roupas mais grossas (blusas e até calças) e vestir no corpo. Mesmo que você se transforme momentaneamente em um robocop. Depois no avião você volta na mochila novamente.  É uma técnica de mochileiros econômicos (sou um assumido) para driblar os medidores de bagagens e economizar. 

    abçs 

     

    • Gostei! 2
    • kkkkkkk 1

  3. Olá Karlla.
    O valor vai depender do tempo de permanência na Bolívia, já que a multa é baseada nas diárias de permanência ilegal.  O valor exato eu não vou conseguir responder, porque o valor não consta no Portal Consular, mas já li um relato de uma garota que também transcorreu na mesma infração na Bolívia e foi submetida a uma multa de R$ 300 reais por dia. Já as pessoas que ficam além do prazo estabelecido, a multa é bem menor. Nesse caso é cobrada, na saída, uma multa de vinte bolivianos (cerca de 3 dólares) por dia de atraso. 
     Abçs. 

    =============================================

    Controle Fronteiriço na Bolívia (PORTAL CONSULAR):

    É obrigação do estrangeiro, em viagem terrestre entre o Brasil e a Bolívia, registrar sua saída e entrada tanto na Polícia Federal no Brasil, quanto na Polícia migratória boliviana.

    O horário de funcionamento do controle fronteiriço boliviano é de 8h00 a 20h00,em Cobija; de 8h00 a 18h00, com plantão 24h, em Guayaramerín; de 8h00 a 18h00, em Puerto Quijarro; e de 8h00 a 18h00, em Puerto Suárez. Em todos os casos, funcionam sem interrupção, todos os dias, inclusive sábados, domingos e feriados. Os horários e os dias de atendimento dos controles policiais brasileiros podem diferir desses. Justificativas de que o controle de fronteira estava fechado não são aceitas pelas autoridades bolivianas, que apontam que as unidades de migração funcionam diariamente. Caso o viajante encontre o posto de fronteira fechado, deverá aguardar o momento que referido posto volte a abrir para realizar os trâmites migratórios e registrar sua passagem.

    As autoridades bolivianas apontam que, ao sair do território boliviano sem o devido registro, a pessoa continua registrada como permanecendo nesse país. Por outro lado, ao entrar no território boliviano sem submeter-se aos trâmites migratórios, o brasileiro que não possui carimbo de entrada boliviano é multado por invasão de fronteira. Aplica-se multa diária para cada dia de permanência no país. Ao não registrar as saídas e entradas no território boliviano, o brasileiro corre o risco de pagar pesadas multas e perder o visto na Bolívia (quando for o caso). Nesses casos, o interessado deve procurar a unidade da Direção Geral de Migração (DIGEMIG) para regularizar a situação. Além disso, caso o cidadão brasileiro não possua nem carimbo de entrada, na Bolívia, nem de saída do Brasil, não poderá regularizar sua situação junto à DIGEMIG e deverá procurar posto de fronteira entre o Brasil e a Bolívia para registrar sua saída do território brasileiro e entrada na Bolívia.

     


  4. Tamo Junto brother!!  
    Veja certinho essa parada aí. Realmente é muito estranha essa parada de ter que ficar em barracas se o parque oferece uma estrutura muito legal para os montanhistas.  Não pelo fato de sermos 'nutellas' e ficar 'chorando' o fato de ter que dormir em barracas, muito pelo contrário, já que com a gente não tem problema nenhum de ficar em barracas. Mas nesse caso você vai pagar uma grana preta para usar o parque e chega na hora e não vai poder usufruir das benfeitorias? No mínimo muito estranho né rs....   abração! 

    • Gostei! 1
    • Vou acompanhar! 1

  5. 1 hora atrás, Pedro Quilici disse:

    Olá bom dia,

     

    Estou planejando ir ao Pico do Marins esse fim de semana 02/10.

    Pelo fato de o tempo na regiao estar meio chuvoso, gostaria de ver a previsao de lá antes de ir. Há algum site ou portal de monitoramento climatico das montanhas ali da regiao?

    Olá Pedro. 

    Normalmente utilizamos os serviços tradicionais de previsão mesmo, como o ClimaTempo, que na minha opinião é um dos melhores.

    Joga na pesquisa a cidade de Piquete/SP e bons ventos!!! Abração!


  6. A trilha é demarcada e você caminha durante o dia todo até chegar nos refúgios do parque. Todos possuem alojamento, banheiro e refeitório. 

    Uns são grandes, como o Kibo Hut (que antecede o ataque ao cume) e outros são menores, como o Mandara Hut (das fotos abaixo).

    Não vi ninguém de barraca na época que fui. Era todo mundo usando os refúgios!   

         2.jpg

    1.jpg

    • Gostei! 1
    • Obrigad@! 1

  7. Pois bem.... as agências da Tanzânia fazem parte de uma associação governamental e por isso usam toda estrutura do parque.

    Acredito que as brasileiras ficam fora desse esquema e por isso precisam levar barracas para hospedar os clientes. Isso deve acontecer com expedições de outros países, que da mesma forma não fazem parte das agências da Tanzânia que normalmente fazem a expedição.  Já vi muitas fotos de barracas no Kilimanjaro, mas nenhuma delas deve ser de agência credenciada pelo Parque.  E por não ter coincidido com expedições 'forasteiras' eu não vi barraca nenhuma lá durante a minha expedição.  E além de fazer a gente dormir em barracas, as agências brazucas ainda cobram muito mais caro que as agências locais! Tô fora de barracas, que além de mais frias ainda tem o peso pra carregar. Tô fora de pagar mais caro... tô fora de agências brasileiras nessas expedições em outros países!!!! Experiência própria.... não  compensa!  Na verdade eu prefiro fazer por conta própria, livre de guias. Mas como no caso do Kilimanjaro é impossível, tive que contratar uma!! Abçs. 

     

    • Gostei! 2

  8. Então Fábio..... 

    Perfeito. A rota Machame é muito legal (7 dias). Por falta de tempo eu fiz a mais rápida (rota Marangu de 5 dias), porém, ambas as rotas pelo lado Sul. 

    A montanha fica localizada no Parque Nacional do Kilimanjaro e toda expedição é administrada pelo governo da Tanzânia, bem por isso tem toda uma estrutura e obrigatoriedade de guias. Por qualquer que seja a rota escolhida, é impossível passar pela portaria sem estar devidamente agendado e acompanhado de guias credenciados. Não sei como é a rota Machame, mas acredito que seja com infraestrutura parecida, bem porque acredito que o trecho inicial deve até ser o mesmo. Mas pela rota Marangu você passa pela portaria, faz o registro com a sua assinatura e também a do guia que vai te acompanhar, com reserva previamente reservada pela agência contratada.  Por longas trilhas você caminha até as paradas, chamados refúgios, onde existem banheiros coletivos na área externa e vários chalezinhos de madeira, que acomodam de 2 a quatro pessoas.  (Não existem barracas na escalada ao Kilimanjaro).  No último refúgio existe um grande galpão, com acomodação (beliches) para mais de 200 pessoas juntas. Também existem casas maiores onde é fornecida a alimentação (espécies de restaurantes).

    Todas as manhãs os guias levam para o chalé uma bacia com água quente e um sabonete, onde você faz a higiene pessoal (lava o rosto, escova os dentes) de forma mais confortável. Eles também fazem chás e até servem a alimentação pra você, porém, ao final tem por tradição você dar uma 'gorjeta' pra eles. A quantidade de guias vai depender do número de pessoas que fizerem parte de seu grupo. Acredite, eu fui sozinho com o guia, pois não tinha grupo formado para a data que eu cheguei.  Neste caso, os chalés são compartilhados com outras pessoas, de outros grupos, que também estão sozinhos, para conciliar o espaço.   

    Preços: Pesquisei bastante várias agências e encontrei uma grande diferença. Alguns chegam a cobrar 1.800 dólares/pessoa, mas como já dito aqui você encontra também na faixa de mil (que foi o que eu paguei) a mil e cem dólares. Menos que isso eu não encontrei. 

    Documentário: como sempre faço em minhas expedições, filmei o passo-a-passo dessa trilha, mas por infelicidade do destino meu HD caiu e travou. Enviei direto para a Seagate, nos Estados Unidos, para tentar recuperar os dados. Eu só tenho esse finalzinho do cume, que antecipei em homenagem aos colegas do mochileiros.com.  Espero em breve poder postar esse documentário completo. 

    Abração!! 

     

    • Gostei! 3

  9. Agora, lobo_solitário disse:

    @Luka Izzo q video top bro, com certeza deve ser uma sensação ímpar estar la em cima. Parabéns!

    É show heim Lobo. 
    Entre as mais altas montanhas, o Kilimanjaro é a mais fácil de subir.

    Problema é que é um lugar onde você fica condicionado à contratação de empresa/guias. Não tem jeito de subir por conta própria e aí eles enfiam a faca na gente rs.

    A rota mais curta que é de 5 dias não fica menos de 1.100 dólares. Já vi agências cobrando $1.500 e até bem mais que isso. Caríssimo (pro meu bolso) rsss...  

    Mas é mesmo uma experiência fantástica!!!   Abraços brother!!!  

    • Gostei! 1

  10. Olá Fábio.

    Seu equipamento vai atender bem às suas necessidades. 

    Não sei qual a rota você vai fazer, porém, seja em qualquer delas, os pernoites acontecem sempre em refúgios, que na verdade são espécies de 'chalés' com calafetação que já seguram bem o frio.

    O meu saco de dormir também é -5º e não passei frio em nenhum momento no interior dos refúgios.  

    Abraços e bons ventos!!!! 

     

     

     

     

    • Obrigad@! 1

  11. O que acontece é eles não carimbarem o Passaporte, mas ao ser recolhida a Permisso, automaticamente já é registrada a saída. 

    Do contrário você nem deixaria o país, pois significaria que um 'intruso' teria passado sem fornecer a documentação.  

    Esse fato deixa os viajantes de cabelo em pé, porém, oficialmente está tudo ok na alfândega.   


  12. 11 horas atrás, leonardo.ribeiro1 disse:

    Olá pessoal, tudo bem? Vi o site aqui e achei muito interessante.

    Estou programando minha primeira viagem internacional para os EUA em 2021, mas estou adiantando os docs desde já. Nesta quarta-feira, dia 30, estou autorizado à ir na sede da PF aqui da cidade para retirar meu passaporte já confeccionado. Porém, eles pedem para o titular do passaporte estar presente com um documento original com foto (neste caso, meu RG, pois não tenho carteira de motorista). E é aí que começa minha dúvida!

    Na última sexta, eu fui roubado. Levaram minha carteira com todos meus docs (incluindo meu RG). No dia anterior, fui à PF confirmar os dados e começar a confecção do passaporte.
    Após o roubo, abri um B.O e por consequencia, cancelaram meu RG (pelo menos disseram que cancelaram, né). Como não possuía nada de valor na carteira, fiquei de voltar ao local para dar uma olhada, ver se não a encontrava largada por aí. Dito e feito! Horas depois, voltei lá e ela estava na primeira esquina por onde o marginal passou depois de me abordar.

    Agora, estou com medo por 2 motivos:

    1. Poderei ir nesta quarta (30) retirar meu passaporte, apresentando meu RG teoricamente "cancelado"? Explicando que meu documento foi recuperado etc? Ou serei impedido?
    2. Tem algum problema em ter um passaporte confeccionado com um número de RG (não sei se isso consta no passaporte) e o visto contar com outro número? Porque eu certamente irei ter de fazer um novo RG. Irei no Poupa-Tempo na quinta, inclusive, fazer isso...


    Perdão pelo textão gente, é uma história bem cabeluda. To feliz por ter encontrado tudo, mas triste  porque meu RG não serve pra mais nada, eu acho..

    Os colegas que me antecederam estão corretos. Você não terá nenhum problema.

    Leve também o Boletim de Ocorrências, mas não há necessidade de relatar o ocorrido. Você apenas vai apresentar o RG para a atendente, registrar suas digitais (biometria) e retirar do documento. 

    Abração!!!  

     


  13. Oi Sandra. Caracas heimm? Triste isso. 
    Essa sua situação (financeira) é bem complicada, porque passagem 'só de ida' quase sempre é bem mais cara que 'ida e volta', quando você pode aproveitar as promoções. 

    Você não relatou, mas pelo espaço da pergunta você está em Portugal, é isso?  Portugal é um país "vizinho" do Brasil. Não tem jeito de pular de país em país, a não ser que você queira fazer uma volta no Globo.  

    A única sugestão que pode viabilizar uma forma mais econômica para o seu retorno é você pesquisar Madrid (Barajas) x Brasil, que é o menor valor deste eixo na atualidade. Aí você pega um trem até a Espanha ou um voo lowcoast promocional. Estes dias estava 5 euros esse trecho sem bagagem (muito barato). Mas indico você pesquisar 'ida e volta' e quando chegar no Brasil aborte o retorno. Assim o valor será bem mais baixo que se você pesquisar somente 'ida', como acredito que você vem fazendo. Só ida fica o dobro de ida e volta promocional. Dá uma acompanhada nos blogs Melhores Destinos, Passagens Imperdíveis e outros e escolha uma data com preço mais em conta para você voltar ao Brasil. Abraços e boa sorte!  

     

     


  14. Concordo com o lobo_solitário ....   a Ryanair é uma Lowcost bem tradicional, que às vezes tem precinhos incríveis, porém, se você tiver que remarcar, reagendar, adiar ou mesmo levar bagagem, o preço vai dobrar, triplicar e dependendo da situação até multiplicar por 10... 20...  Eu particularmente gosto da Ryanair, porque sou viajante 'mão-de-vaca' e busco sempre o melhor preço. Mas vou já sabendo que nesse trecho não vou ter mala a ser despachada, não vou querer marcar assento ou coisas do gênero. 

    Sobre o trecho Madrid / Porto: fiz esse percurso de trem (566 km) e na época achei que valeu a pena. 


     

    • Gostei! 1

  15. 3 minutos atrás, F M disse:

    Explicação perfeita!

     

    Exato. E não tem lugar certo no passaporte. Algumas vezes fica no nome, outras no sobrenome. Esqueça-os ao viajar.

    Boa viagem!

    Pois é..... já pensou se o escocês com o nome mais longo do mundo decide colocar tudo no bilhete? KKKKKKKK 

    Barnaby Marmaduke Aloysius Benjy Cobweb Dartagnan Egbert Felix Gaspar Humbert Ignatius Jayden Kasper Leroy Maximilian Neddy Obiajulu Pepin Quilliam Rosencrantz Sexton Teddy Upwood Vivatma Wayland Xylon Yardley Zachary Usansky.

    • kkkkkkk 1

  16. 12 minutos atrás, Zetha disse:


    Valeu pelos vídeos e dicas, coragem comer o escorpião vivo, assisti tudo kkk.
    IMG_5861.JPG
    Pesquisei de Pequim até muralha da 3.23 ida e 3.23 volta é tudo isso mesmo!?

     

    Aí depende de qual seção da Muralha você fez o cálculo, pois são 22 mil quilômetros de muralha rs...  
    A mais próxima de Pequim fica em Badaling, a 80 km do centro de Pequim. Se você for de trem vai levar cerca de 1h30.  De ônibus, por conta do trânsito, um pouquinho mais que isso. Não mais que 2 horas.  

     


     


  17.  Quanto à dificuldade de comunicação na China... segue acima um vídeo meu para te dar uma aninada, pois eu também tenho inglês básico e isso nunca foi e nunca será obstáculo para viajar o mundo!!! Divirta-se! rs

    • Gostei! 1
×
×
  • Criar Novo...