Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

carolvmk

Membros
  • Total de itens

    5
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que carolvmk postou

  1. Oi, Elisa!! Deve ser bem cansativo viajar com os dois pequenos, mas imagino que seria mesmo bem difícil deixá-los!! Olha só, de repente em um desses dias vc poderia fazer o tour "New York Sightseens". São esses ônibus turismo de dois andares, passam por toda a cidade (inclusive pela Ponte do Brooklyn - e passeiam pelo bairro -, pelo Píer 17, por todo o Central Park, Harlem, Financial District). Vc pode descer onde quiser e subir novamente quantas vezes quiser, e crianças costumam gostar de andar no segundo andar desses ônibus, né? Acho que daria para conhecer algumas partes da cidade que não estão no seu roteiro e ainda dar uma descansada... Caso vc se interesse, eu reservei através desse link: http://www.newyorksightseeing.com/ (essa é uma das empresas, mas há várias que fazem esse tipo de passeio). Ah, na minha opinião, não vale a pena gastar um tempinho com Chinatown. É um bairro bem feio e sem graça! Abraços e boa viagem!
  2. Obrigada! Com certeza me informarei melhor da próxima vez... Abraços!
  3. Oi!! Bom, equívoco mesmo quanto à estação do ano... De qq maneira, não estava nem perto de estar "frio"... o carro sem ar foi bastante sofrível! Quanto ao aeroporto ser perto da Ponta Negra, talvez eu não tenha dado a entender bem isso com "não é muito longe"... Mas é isso, realmente não é longe e o caminho é bonito. Acredito que tenha faltado mesmo um pouco de planejamento. Mas, ainda assim, todos os programas que fizemos foram por conta de dicas. Como eu disse, foi a nossa impressão da cidade. Talvez devamos dar uma segunda chance um dia... Ah, e vi a obra da ponte, vai ser bem grande mesmo, né? Uma pena termos ido enquanto ela ainda não está pronta.
  4. Poucas viagens na minha vida foram tão decepcionantes como essa. Mas, antes de começar a relatar a minha experiência, vale relembrar que são opiniões/impressões pessoais (embora algumas coisas sejam fatos incontestáveis)... Ficamos em Manaus uma semana em março/2010. Apesar de ser verão e a região ser famosa por ser úmida e quente, não foi algo tão horrível como imaginei que seria. Quente, sim. Úmido, sim. Mas suportável! Ficamos num hotel na Ponta Negra, o bairro mais bonito (dos que conhecemos) da cidade. O hotel é o Tropical Manaus, que pertencia a Varig. Vou me abster de fazer comentários sobre o hotel aqui, se alguém se interessar em saber mais, fique à vontade para me mandar uma MP! Bom, chegamos na cidade por volta de uma da tarde. Eu havia reservado um carro pela internet em uma das locadoras do aeroporto, mas quando chegamos lá, tinha dado algum problema com a reserva e eles não tinham o carro disponível. Começamos a procurar nas outras locadoras (deve ter umas 6 ou 7) e nenhuma tinha o que procurávamos - um carro acessível com ar (sim, não queríamos gastar muito), e nem carros básicos, sem ar mesmo. Acabamos tendo que esperar umas 3 horas no aeroporto, até que uma das locadoras recebeu um carro (sem ar!!) e conseguimos alugar. Detalhe: a praça de alimentação (se é que se pode chamar assim) do aeroporto é muito ruim!! Ok, conseguimos sair do aeroporto e ir para o hotel. O aeroporto não é muito longe da Ponta Negra e o caminho é bonito. A Ponta negra é um bairro à beira do Rio Negro, com uma avenida bonita, cheia de prédios e condomínios luxuosos. No calçadão há alguns restaurantes (com boas opções de peixes a preços acessíveis – acho que pagamos por uma boa janta 20 reais cada um), áreas de lazer, barraquinhas de coco. Mais para a “ponta” da Ponta Negra, onde fica o Tropical Manaus, o nível dos bares cai um pouquinho. Nessa parte tem uns barzinhos que ficam bem na beira do rio, passamos por ali de noite e era bem deprimente... Feios, sujos e mal freqüentados. Deixamos as coisas no hotel – que também fica na beira do rio e tem uma vista linda do pôr do sol – e resolvemos sair de carro para conhecer a cidade. Saímos em direção ao centro, meio sem rumo certo. Em seguida percebemos que tinha sido uma péssima idéia! O trânsito na cidade é um caos!!! Pior do que um caos! E isso que nem saímos bem na hora do pior movimento (embora tenhamos enfrentado o trânsito das seis da tarde por lá também). Peço desculpas aos manauenses (ou manauaras) se faço alguma generalização indevida, mas os motoristas lá são extremamente mal educados! O trânsito já é confuso, caótico, e as pessoas fazem de tudo para tornar a situação pior. Sem contar que em diversos locais a sinalização é deficiente. Bom, foi só o tempo de chegar no centro (e põe tempo nisso! Levamos quase duas horas!) e retornar ao hotel. Até porque a essa altura já tinha anoitecido e não me pareceu muito seguro ficar andando por lá. [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110331175831.JPG 500 375 Legenda da Foto]Chegando no centro...[/picturethis] No dia seguinte, pela manhã, resolvemos “enfrentar” novamente o caos! Fomos até o centro. Dessa vez foi um pouquinho menos pior... Cabe um comentário: depois que se sai da Ponta Negra, dificilmente se passa por algum lugar bonito naquela cidade. Mais tarde descobrimos um outro bairro, onde tem uns shoppings, que até são legais, mas no geral a cidade é bem feia. E suja. Chegamos ao centro e estacionamos bem em frente à praça onde fica o Teatro Amazonas. A praça é bem bonita e o Teatro é como um oásis no centro. Parece deslocado ali. É realmente muito bonito!! Fizemos a visita guiada (10 reais), vale a pena para conhecer o interior e ouvir um pouco da história do lugar. Após, fomos dar uma caminhada pelo centro. Até tem um ou outro local bonito, mas, no geral, não é legal! Chegamos a ir até o Mercado Municipal, mas que foi decepcionante como o resto da cidade, caótico, confuso e sujo. [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110331180304.JPG 500 375 Legenda da Foto]Teatro Amazonas [/picturethis] Na praça do Teatro havia vários guias oferecendo os tradicionais passeios por preços bem inferiores aos cobrados pela agência de turismo do nosso hotel (lá os preços são para turistas estrangeiros – aliás, tem bastante americanos e japoneses passeando naquela cidade). Combinamos de fazer o passeio do Encontro das Águas no dia seguinte. Na manhã seguinte, nos encontramos com o guia na mesma praça. Tinha mais um rapaz que faria o passeio junto. O guia nos levou até o porto e lá nos “entregou” para o condutor de uma lancha, que é quem efetivamente faria o passeio conosco. Bom, em relação ao passeio do hotel, o da lancha foi mais legal porque nos permitiu colocar a mão na água no encontro dos rios Negro e Solimões (o passeio do hotel era em um barco grande). E foi realmente muito legal! Dá para ver bem a linha divisória dos dois rios (quês e prolonga por quilômetros e quilômetros), sentir a diferença de temperatura, a diferença de velocidades. Após vermos o encontro, passeamos um pouco pelo rio e passamos por cidadezinhas flutuantes. Depois fomos almoçar em um restaurante flutuante (tinha uns quatro tipos de peixes, a comida era boa mesmo – 20 reais por pessoa), com umas lojinhas de artesanato. Tinha um caminho por sobre os igarapés que chegava num mirante para o rio, numa parte onde era cheia de jacarés. Lá nesse mirante tinha uns 10 indiozinhos, esperando os turistas para cantar e ganhar algum dinheirinho. Todos uma gracinha! Mas não era muito legal ver que passavam o dia lá “trabalhando”. Enfim, estávamos lá tirando foto com os índios quando o rapaz que estava junto na nossa lancha deixou cair a máquina fotográfica dentro do rio (no meio dos jacarés!!). Não é que um índio (pai de uma das crianças que estavam ali) desceu no rio, mergulhou e encontrou a máquina?? Foi incrível!! [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110331180645.jpg 500 375 Legenda da Foto]Encontro das Águas[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110331180926.jpg 500 375 Legenda da Foto][/picturethis] Saindo dali, passamos por uma casinha bem humilde com uns índios com uns bichos para tirarmos fotos (cobra e bicho preguiça). Isso é proibido, os passeios “oficiais” não param ali, mas a nossa lancha parou. Foi uma das partes mais legais! O bicho preguiça é muito fofo!! E dá para enrolar uma cobra no pescoço!! Eu não arrisquei, mas meu marido sim... e continua vivo! Ah, não deixem de observar ao sair do porto a altura que a água atingiu na época das cheias em cada ano (tem pintado na parede). É inacreditável! Resumindo todo o passeio: é bonito o encontro das águas. Mas o resto é tudo muito artificial, tudo montado para os turistas! Perde totalmente a graça e não tem nada a ver com a Amazônia que eu tinha vontade de conhecer. Ainda sobre isso: o guia nos ofereceu um passeio para passar a noite na selva (250 reais por pessoa). Nós tínhamos muita vontade de ter feito e estávamos considerando fazer isso no dia seguinte, mas depois de termos nos decepcionado um pouco com a artificialidade de algumas coisas, resolvemos dar uma olhada na internet e vimos que muitas pessoas falavam coisas parecidas desse passeio de selva (algo como a aldeia indígena em que se passa a noite não representar em nada aldeias de verdade, enfim, coisas do gênero). Friso que não fizemos esse passeio, talvez seja legal e eu esteja falando uma grande bobagem. Mas todas as outras coisas que vi lá não me levam a pensar assim. Então, como tínhamos lido alguma coisa na internet também (aqui no Mochileiros!), no dia seguinte pegamos o carro e fomos até Presidente Figueiredo para visitar umas cavernas. Não é muito longe de Manaus (uns 100km eu acho). Lá tem um centro para visitantes onde ficam os guias (a maioria dos locais só pode ir com guias, ou pelo menos é o que eles dizem...). Conversamos com eles e escolhemos uma caverna que ficava relativamente próxima, e incluía umas duas horas de caminhada na mata. A guia que nos acompanhou era bem camarada e sabia bastante sobre o local. Foi a parte mais legal da nossa viagem. No meio da caminhada começou a chover, mas quase nem sentíamos devido às grandes folhas das árvores. Vimos alguns bichos no caminho, mas nenhum muito “exótico”. E a caverna é muito linda!! Só é permitido avançar 100 metros dentro dela (a guia explicou a razão, mas agora não lembro), mas ainda assim valeu a pena. A parte ruim é que o teto da caverna é absolutamente coberto por morcegos!! No geral eles ficam ali paradinhos, apenas um ou outro ficam “passeando”, mas dá um medinho...  Well, passeio recomendado!! Pagamos 50 reais para a guia. No dia seguinte, resolvemos dar mais umas voltas de carro e conhecer um pouco mais da cidade. Mas não adianta, a impressão que tivemos se manteve: a cidade é feia e suja! Encontramos o bairro dos shoppings que até é legalzinho. Aliás, tem um shopping lá que é muito legal, tem uma parte de floresta preservada no meio da praça de alimentação. Realmente muito bonito. E, para coroar a nossa viagem, no último dia resolvemos ir nadar com os botos, na cidade de Novo Airão. Para chegar em Novo Airão é necessário atravessar o rio de balsa e depois percorrer mais uns 200km. Era um sábado. Chegamos na fila da balsa pouco depois das 7 da manhã. E só conseguimos atravessar às 10 horas!!!! Ficamos 3 horas naquela fila!!! Um absurdo, um caos, um horror! Na balsa percebemos um dos motivos pelo qual a cidade é suja: as pessoas (e não foi apenas uma ou duas, foram várias!!) comiam ou bebiam e as embalagens iam direto para o rio. Assim, sem dor nenhuma, sem vergonha nenhuma. Era uma atitude que parecia bastante corriqueira e natural. Estou com lixo na mão, o que eu faço? Atiro no rio, óbvio!!! Triste de se ver... Chegamos do outro lado do rio. Um pouco de estrada de chão, depois uma estrada razoavelmente asfaltada. Cheio de pequenas cidades, todas bem pobres. Tínhamos deixado para abastecer o veículo daquele lado do rio. Acontece que começamos a andar naquela estrada e percebemos que não víamos nem placa de postos. Quando começamos a ficar mesmo preocupados, paramos em uma dessas pequenas cidades e perguntamos por um posto. O sujeito disse que ali não tinha, mas se andássemos mais umas quadras para dentro na cidade encontraríamos o seu Fulano que vendia gasolina... A explicação para chegar lá foi tão complicada que nem quisemos tentar. Ele disse que mais uns 30 quilômetros à frente devia ter um posto. Seguimos 30, 40, 50 quilômetros e nada! Nessa hora começamos a ficar realmente muito preocupados, pois teríamos que fazer todo o caminho de volta e não sabíamos se tínhamos gasolina suficiente. E não tinha nada por perto onde pudéssemos parar e perguntar! Então, voltamos!! Pois é, quase 5 horas perdidas e não chegamos nem perto de nadar com os botos!! E assim, muito frustrados, voltamos para Porto Alegre... Bom, repito: trata-se de opinião. Li muitos relatos aqui de pessoas que adoraram Manaus. E também tem coisas que nem tentamos fazer como, por exemplo, ir em alguma festa à noite por lá. De repente isso seja legal... O máximo que fizemos foi ver um show (no hotel mesmo) das danças típicas do norte. Mas também não foi muito legal... Era isso! Qualquer dúvida, estou à disposição!!
  5. Já estão completando dois anos dessa viagem e só agora estou postando aqui! Sabe como é, a gente vai deixando para depois, para depois... E agora, planejando a nossa próxima viagem aos EUA (adoramos aquilo lá!!), aproveitamos muitas dicas daqui e nada mais justo do que colaborar um pouquinho também, né? Fomos para Nova York em maio/2009 e ficamos uma semana lá. Eu estava preocupadíssima achando que em uma semana não daria para ver muita coisa, mas é só se programar direitinho – e ter muito pique – que dá para conhecer muita coisa! Bom, saímos de Porto Alegre para Guarulhos (ainda tenho esperança de que um dia o nosso aeroporto internacional seja internacional mesmo!!) e de lá para o aeroporto de Newark, em Nova Jersey. Era mais barata a passagem para lá do que para o aeroporto JFK. Claro, não tem o glamour de entrar pela primeira vez na cidade pela ponte do Brooklyn, mas valeu a pena pela diferença de preço. Do aeroporto ao hotel reservamos um shuttle pela internet. Na época saiu US$ 18,00 por pessoa (se não me engano era o SuperShuttle). É uma van com mais umas 10 pessoas que deixa na porta do hotel escolhido. Demora um pouquinho mais do que o táxi, sai do aeroporto em horários determinados, mas o preço é bem mais em conta do que pegar um dos “amarelinhos”. Hotel: desde que descobrimos esses sites de opiniões sobre hotéis nunca mais nos metemos em frias (antes disso embarcávamos em cada furada...). O nosso favorito é o http://www.tripadvisor.com.br, mas existem vários! Well, os hotéis em Nova York são muito caros!! Os mais em conta ficam em locais mais afastados (ficam do final do Central Park em direção ao Harlem, longe do centro, do Financial District, Soho, enfim, das partes mais legais -na minha opinião - de Manhatan). Depois de muito procurar, encontramos um com um preço um pouco (pouquinho) mais em conta, super bem conceituado no TripAdvisor e com uma localização muito boa. É o The Pod. O hotel é muito legal mesmo, com uma decoração “descolada”, tudo novinho, limpo e com bom atendimento. Ele tem um estilo meio self service, não tem café da manhã incluído na diária e os quartos são pequenos, embora com móveis novos e confortáveis. Para quem conhece a rede Formule 1, ele lembra um pouquinho, embora seja mais novo e mais bonitinho. O público é bem variado, embora predominem jovens. Fica perto da Times Square (pelo menos eu acho 8 quadras perto!). Ficamos em quarto duplo, com banheiro privativo, mas também há a opção de quartos coletivos com banheiros compartilhados. Em Manhatan é muito fácil se localizar. Os nomes das ruas são números seguidos de East ou West. Eu e meu marido adoramos caminhar, então fazíamos praticamente tudo a pé! Só pegamos táxi para voltar de um shopping (falo mais sobre isso depois). Chegávamos a andar mais de 200 quadras por dia. E é a melhor maneira de se conhecer a cidade! Ah, antes que eu me esqueça: como a grana era curta, pesquisamos bastante na internet e descobrimos um site muito bom, que foi de grande valia: http://www.maosdevaca.com É de um casal que mora lá e dá diversas dicas de passeios baratos, descontos, enfim, muitas dicas úteis!! Ok, vamos ao que interessa (finalmente!!). Chegamos lá numa sexta de manhã bem cedo. O check in no hotel era só às duas da tarde, então deixamos as malas por lá e fomos dar uma caminhada. É bem como em filmes mesmo, aqueles prédios de três andares, com a escadinha pequena na frente, os arranha-céus por toda a parte, uma loucura!! Muito lindo! Nessa caminhadinha despretensiosa passamos pela 5th Avenue, pela Saint Patrick´s Cathedral, pela Grand Central Station... Mas o mais emocionante foi chegar a Times Square!! Nem tínhamos nos dado conta de que já estávamos perto. Quando percebemos, chegamos naquela confusão de cores, outdoors, multidão, lojas, teatros! Sem explicação!! Para mim é o lugar mais legal de Nova York! Eu sei que muita gente acha aquilo lá “turístico” demais, artificial demais, mas eu adorei! Vc fica tonto de olhar tanta coisa, tanta opção de lazer, tantas lojas, tanta gente! E isso que era dia ainda, nem tinha a beleza de todas as luzes! Bom, refeitos do êxtase, vimos que já eram quase duas horas e voltamos para o hotel. Outra surpresa agradável quando entramos no quarto (como falei lá em cima, era todo novinho, arrumadinho – e pequeninho!). Foi só o tempo de deixar malas, mudar de roupa e sair para caminhar de novo. Dessa vez fomos para o outro lado, em direção à 1st Avenue, onde chegamos num mirante no rio Hudson. A vista é bem bonita! [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110324160636.JPG 500 375 Times Square] E de noite fica ainda mais bonito! [/picturethis] Em seguida fomos para o Empire State Building (não podia faltar!!). Tudo isso a pé! Não chega a ser exatamente perto, mas tem tanta coisa para se ver no caminho que a caminhada não cansa! Pagamos US$ 15,00 para subir. O elevador leva até o 80º andar, depois tem que pegar outro até o 86º, mas a fila estava grande para esse segundo elevador, então fomos de escada mesmo! Sem palavras para a vista (se eu continuar a ficar “sem palavras” assim, não vou conseguir continuar o relato!! rsrs)! Dá para ver toda a ilha, o Brooklyn, o Queens, enfim, muita coisa!! E é muito alto mesmo! Tem aqueles binóculos gigantes (que aparecem nos filmes, os que são presos no chão e giram), é só colocar umas moedinhas. E, para quem quiser pagar mais 15 dólares, dá para subir mais uns andares em outro elevador (não lembro até que andar ia, mas não sei se era até o último – o 102º). Nós não fomos, achamos que não valia a pena, porque ali no 86º já se via tudo e era lindo! [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110324162525.JPG 375 500Vista] [b:6n1h5xrb]Vista do Empire State Building[/b][/picturethis] Nessa noite (ainda no primeiro dia!!) fomos na Times Square. É ainda mais bonita, movimentada e cheia de coisas para fazer do que durante o dia. Ah, e lá se encontram inúmeras lojinhas de lembranças de Nova York (são muitas mesmo, os preços pouco variam de uma para outra). E diversas outras lojas muito legais, como a da Hersheys, M&M´s e Toys R Us. Quanto aos shows, tem teatros por toda a parte (Broadway). Os ingressos podem ser comprados pela internet (e retirados na bilheteria) ou comprados na própria bilheteria. Também tem a opção de comprar nos guichês da Tkts (tem uma na Times e um perto do Píer 17). Eles vendem ingressos para espetáculos do dia com descontos. Dizem que tem descontos maravilhosos, mas nós não achamos nada que valesse a pena enfrentar a fila quilométrica (que se forma horas antes do guichê abrir). Acho que o que vale mais a pena é, antes de viajar, se informar dos shows que estarão passando no período e comprar o ingresso pela internet. Até porque, como são inúmeras opções de espetáculos, vale a pena dar uma olhada na opinião alheia para escolher os melhores. Eu ia falar disso depois, mas, já que entrei no assunto dos shows... Nós fomos em dois off-Broadway e em um na Broadway. Os off foram um show de mágica com humor (bem legalzinho) e o Stomp! Esse é maravilhoso!!! É aquele grupo que faz som e coreografias com diversos objetos (latas de lixo, caixas de fósforo, vassouras...). Acho que tinha uma propaganda da Dolby Digital que era com eles. Recomendo muito, muito, muito! Fomos em um dia de tarde. O preço é bem em conta e dá para comprar o ingresso na hora. Na Broadway nós assistimos ao Fantasma da Ópera (clássico). É bom, mas acho que eu fui com muita expectativa, então não daria nota 10. Mas vale a pena! Certo, voltando ao roteiro! No segundo dia (sábado), nós fomos visitar um outlet (são esses shoppings enormes com lojas de todas as marcas a preços módicos!). Tem um meio longinho, o Woodbury, tem um shuttle para lá que custa 40 dólares por pessoa. E tem um outro em Nova Jersey. Fizemos uma indiada para chegar lá (dicas do site Mãos de Vaca), mas foi legal e deu para economizar um pouquinho... Esse shopping de Nova Jersey (se não me engano o nome é Jersey´s Garden) fica pertinho da loja Ikea (Tok & Stok), e essa loja oferece ônibus gratuito partindo do Port Authority (rodoviária de Manhatan que fica no centro). Pegamos o tal ônibus (consultar horários no site) e fomos até a Ikea. De lá, fomos caminhando até o shopping. Deve dar um quilômetro, só que são ruas sem calçadas próprias para pedestres, então não foi a coisa mais agradável do mundo. Mas deu para chegar no shopping. Passamos o dia lá, são muitas lojas (Nike, Adidas, Reebok, Victoria´s Secret, Tommy, Gap, Levi´s, etc, etc, etc e etc!!) com preços maravilhosos!!! Fizemos muitas compras e... perdemos o horário do último bus do Ikea de volta para Manhatan! Tudo bem, teria sido difícil voltar para a loja carregando todas aquelas compras mesmo... Aí acabamos pegando um táxi no shopping até o aeroporto de Newark (que fica pertinho) e de lá pegamos o mesmo shuttle de quando chegamos para voltar para o nosso hotel. A economia que pretendíamos fazer ficou um pouquinho prejudicada, mas mesmo assim não deu os 80 dólares que teríamos pago até o Woodbury. Nessa noite estávamos podres de cansaço, então foi só um lanchinho (fast food, obviamente) e cama! No dia seguinte, domingo, fizemos um passeio de ônibus turismo por toda a cidade. É o New York Sightseens. Uma amiga me indicou e compramos os tickets pela internet, aqui no Brasil ainda. Tem várias opções de passeio, nós compramos para 3 passeios diferentes: um que ia para o Harlem (uptown), um que ia para o Brooklyn e outro das “luzes da cidade”, que vai até o Brooklyn à noite para podermos ver a ilha iluminada. Todos os passeios partem do centro. Bom, de manhã fomos conhecer o Harlem, passando por todo o Central Park. Ah, todos os passeios com guia, claro (em inglês, mas eles falam um “inglês para turistas”, pausado). Muito bonito! Depois, com o mesmo bus, fomos até o Financial District (outro lado da cidade). Esqueci de comentar, é daquele tipo de passeio que vc pode descer em qualquer uma das paradas do ônibus e pegar o próximo. E o ingresso vale por 2 dias! Bom, descemos no Pier 17, que é um lugar fantástico! Tem lojinhas, restaurantes, movimento, bandas tocando, muito legal mesmo! É ali perto que tem o Staten Island Ferry, mas falo sobre isso depois. No Píer 17 pegamos a linha turismo para o Brooklyn. Se o Brooklyn é mesmo um pouco perigoso como a gente costuma ouvir falar, eles disfarçam direitinho! É como uma cidade, bem bonita e bem tranquila! Não chegamos a descer e caminhar por lá, mas deu para ver bastante coisa no ônibus. Na volta, descemos na última parada do Brooklyn e atravessamos a Brooklyn Bridge a pé. Muito bonito, a vista é linda! Ah, um “adendo”: é costume nos Eua dar gorjeta para tudo! Tudo mesmo! Nessa linha turismo, o pessoal sempre descia e deixava algum dinheiro para o guia. Nós, desabituados com isso (e achando que já tínhamos pago o suficiente pelo tour), não deixávamos nada...  Aí nesse tour do Brooklyn o guia fez um pequeno discurso sobre as tips (gorjetas), dizendo que lá era costume, e que ele sabia que tinha muita gente que vinha de barbarian countries onde não se tinha esse hábito, mas que devíamos nos acostumar com isso. E completou dizendo que se fosse para deixar um dólar ou menos, então que nem déssemos nada, pois seria quase como uma ofensa! Bom, ficamos tão indignados com isso que nos sentimos mais “livres” para não dar gorjeta nesses ônibus mesmo! Well, voltando... Depois de atravessar a ponte e voltar para Manhatan, aproveitamos mais um pouquinho no Pier 17 e voltamos para o centro (ainda com a Linha Turismo). De noite fizemos o passeio das luzes da cidade. Lindo!!! A vista de Manhatan toda iluminada é fabulosa! [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110324162218.JPG 500 375 Bus]Ônibus de Turismo (New York Sightseens)[/picturethis] No outro dia, segunda, era feriado em Nova York. E escolhemos (sem nos dar conta) justo esse dia para conhecermos melhor o Financial District (onde fica a Wall Street). Não vimos o vai e vem de executivos, o movimento por lá nesse dia era de turistas mesmo. Mas ainda assim foi legal. Passamos pelo Memorial do World Trade Center. Mas não tinha nada para ser visto, por enquanto é só um canteiro de obras escondido por tapumes azuis. Apesar de ser feriado, as lojas, claro, estavam todas abertas. Lá no Financial tem a Century 21, uma loja de departamentos que tem de tudo (tudo mesmo!!), é enorme. Os preços são muito bons! Excelente para quem tem que trazer lembrancinha para toda a família, como é o meu caso... Mais uma dica do Mãos de Vaca: é lá perto do Financial District que saem barcos que vão até a Estátua da Liberdade. Passeios pagos, claro. Só que desde 11 de setembro já não dá mais para subir na Estátua (antes dava para subir em algum lugar, não sei onde). Então descer na ilha da estátua ou apenas passar perto da ilha não faz assim taaaanta diferença! Então nós, doutrinados pelo site Mãos de Vaca, não pagamos nenhum barquinho para ir até lá! Do Staten Island Ferry sai um barco (gratuito!!) que vai até Staten Island e passa perto da ilhazinha da Estátua. Dá para ver de perto e tirar boas fotos. Assim que ele chega em Staten Island é só descer do barco, ir até a outra porta, subir novamente e voltar para Manhatan!! Muita gente faz isso, acreditem!! Nessa noite fomos assistir ao espetáculo de mágica e comédia que comentei antes. Bem divertido!! Terça-feira. Dia de conhecer o Central Park e o Metropolitan! O Central Park é maravilhoso! Enorme! Lindo! E cheio de esquilinhos nas árvores! E o Metropolitan fica mais ou menos no meio dele. Eu não sou uma grande apreciadora de artes, confesso. Mas não dá para ir a Nova York e não visitar o Metropolitan! É muito, muito, muito grande!! Tem muita coisa, alas só de pintura (de todos os artistas possíveis e imagináveis), alas de esculturas, alas de história, enfim, uma loucura! Dá para passar um dia inteiro lá e não se consegue ver tudo! Como eu disse, não sou (e nem meu marido) grande apreciadora de artes, então vimos o principal (o que já nos tomou quase o dia inteiro) e fomos embora. Ah, outro dica do Mãos de Vaca: o ingresso tem o preço sugerido de US$ 20,00. Mas cada um pode chegar lá e pagar o que quiser! Sério!! Na hora eu fiquei até com um pouco de vergonha, mas cheguei no balcão, dei US$ 5,00 e o atendente agiu com a maior naturalidade (talvez no fundinho da mente dele ele estivesse pensando: “brasileiros”... mas não disse nada!). [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110331183629.JPG 500 375 Legenda da Foto]É cheio deles no Central Park!![/picturethis] De noite assistimos ao Fantasma da Ópera! Como falei antes, muito bom! O problema foi mesmo o meu excesso de expectativa... Na quarta nós fomos conhecer o Soho e Greenwich Village. São os bairros mais “boêmios”. Cheios de artistas, galerias de artes, bares, lojas. São legais. Diz que a vida noturna por lá é muito boa, mas não saímos de noite nenhuma vez. Hoje nos arrependemos um pouquinho, mas chegávamos no hotel tão cansados de andar o dia inteiro que dava um desânimo... E também a “noite” não é o nosso programa favorito! Nesse dia conhecemos também Chinatown. Não vale a pena! É feio, parece até perigoso! À tarde assistimos o Stomp. Não quero me tornar repetitiva, mas é muito bom mesmo!!! Aproveitando o gancho dos shows, nós não fomos assistir lá ao Blue Man e nem o Cirque du Soleil. Nos arrependemos bastante, até porque os preços não eram dos mais caros. Estamos indo para a Califórnia agora em abril e os preços lá para esses espetáculos são o dobro de Nova York! Na quinta passeamos de novo pelo Central Park, 5th Avenue e Times Square. As lojas da Fifth Avenue são um espetáculo, vale a pena entrar só para olhar! Tem de tudo, todas as marcas, também tem a loja da Apple, uma loja da Disney, uma de “fabricar” ursinhos (Build’a Bear), Best Buy (excelente para comprar eletrônicos, preços ótimos) e muitas outras. Na sexta, nosso último dia (snif, snif), fomos conhecer o Museum of Natural History. Também é enorme, assim como o Metropolitan. Eu gostei mais do Metropolitan, mas também não dá para perder o MNH. Dá para ficar o dia inteirinho, mas só tínhamos uma manhã (tínhamos que fazer o check out no hotel ao meio-dia) e nossas pernas já não nos obedeciam mais... rsrs Ah, lá tem o mesmo esquema do ingresso, dá para pagar o valor que quiser. Depois disso, voltamos para o hotel e ficamos aguardando o nosso shuttle. Reservamos o mesmo da ida. Nos pegaram no hotel no horário marcado e chegamos com tempo de sobre ao aeroporto. E... bye, bye New York!! Da próxima vez, pretendemos ir no inverno para poder patinar no gelo. E de preferência perto do Natal, deve ser lindo ver tudo decorado!!! Bom, era isso! Espero que o relato seja de ajuda para alguém! E, quaisquer dúvidas, estou à disposição!!
×
×
  • Criar Novo...