Ir para conteúdo

Tadeu Pereira

Colaboradores
  • Total de itens

    209
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    2

Tudo que Tadeu Pereira postou

  1. 9º Dia: La Paz - 03/01/2019 - Chacaltaya e Valle de La Luna - Ingel Travel Agency - Bs$70,00 - Entrada Chacaltaya Bs$15,00 - Entrada Valle de la Luna Bs$15,00 - Teleférico Bs$3,00 Fechamos com a agência de turismo Ingel Travel Agency por Bs$70,00 bolivianos para fazer o passeio duplo que é a subida ao Chacaltaya até a antiga estação de esqui desativada desde 2002 por causa do aquecimento global localizada em um dos picos da Cordilheira dos Andes de 5.421m de altitude vizinho do imponente Huayna Potosi a cerca de 30 km da cidade de La Paz. O acesso à estação é feito por uma estrada bem íngreme e estreita que fizemos de micro-ônibus e ainda para se chegar ao topo é necessário vencer um caminho a pé de aproximadamente 200 metros construído na década de 1930. No Chacaltaya está a estação de esqui de maior altitude no mundo, a 5.395m e seu cume a 5.420m em relação ao nível do mar. Seu cume para se ter uma ideia da altura, ele é mais alto que o acampamento base do Everest que fica a 5.364m. O outro passeio seria o Valle de la Luna que fica em uma pequena cidade chamada Mallasa situada a 10 km de La Paz e consiste em um vale com uma formação rochosa de arenito, cinza vulcânica e argila parecido com o solo lunar que foi esculpido pela ação da chuva e dos ventos a milhares de anos. O ônibus passou no hostel por volta das 8:30am, conhecemos nosso grupo e após uns 20 minutos fizemos a primeira parada em um mercadinho para comprar algo para comer e água. Após esta rápida parada seguimos por uma estrada de terra que em alguns trechos passava por pequenos córregos e riachos e lindas paisagens de enormes campos verdes cheio de lhamas e alpacas. Como o dia estava bastante fechado não conseguimos ver o Huayna Potosi. O dia que estava fechado mas ainda com visibilidade logo que íamos aproximando e subindo o Chacaltaya foi se fechando chegando até a nevar forte por alguns minutos. A guia nos disse que não nevava assim a um tempo já e que estávamos sendo privilegiados por aquele momento. O ônibus continuou a subida até que o motorista parou dizendo que não teria mais condições de subir pois as condições da estrada com a neve estavam muito perigosas. Então a guia nos disse que faltava pouco para chegar até ao prédio da estação e que podíamos ir caminhando a pé. Caminhamos pela estrada por alguns minutos com uma forte nevasca impossibilitando a visibilidade ao nosso redor. Caminhamos por alguns bons minutos mas com o mal da altitude e o tempo ruim não foi possível chegar até o prédio da estação de esqui e nem no seu cume. Ficamos contemplando a nevasca que deixou todo Chacaltaya branco com sua neve mostrando uma paisagem fantástica e fazendo jus ao seu nome Chacaltaya que significa caminho gelado hehehehehe. Após algumas horas começamos nossa descida tenebrosa pelo Chacaltaya. Algumas pessoas com medo de altura resolveram descer uma parte do caminho a pé. A descida foi tranquila e seguimos rumo a La Paz e depois sem paradas sentido ao Valle de la Luna. O ônibus nos deixou na portaria do Valle de la Luna onde compramos os ingressos por Bs$15,00 bolivianos e fizemos uma visita guiada pois estava muito escorregadio o local por causa da chuva. Fizemos o caminho mais curto mas ainda sm vimos belas paisagens e um belo solo lunar hehehe. Fizemos uma caminhada bacana de aproximadamente 40 minutos e apesar das péssimas condições do tempo conseguimos fazer um bom tour pelo valle. Ao longo do caminho observamos algumas espécies de lagartos, plantas e de cactos, entre eles o cacto San Pedro de Wachuma, utilizado pelos povos andinos em rituais de cura, adivinhação e fins religiosos com suas propriedades alucinógenas. Mas o que impressiona mesmo é a paisagem tanto do Valle quanto a sua volta, é impressionante! Retornamos para La Paz por volta das 15:00pm e aproveitamos e fomos andar em algumas linhas de teleférico que não tinha conhecido ainda para ver a cidade de La Paz de cima. Vale muito a pena pois a passagem é somente Bs$3,00 bolivianos. Após o tour aéreo por La Paz fomos comer algumas comidas de rua e depois retornamos ao nosso hostel para organizar as mochilas para partir para Santa Cruz de la Sierra logo de manhã. 10º Dia: Santa Cruz de la Sierra - 04/01/2019 - Parque Urbano (((((Continua no próximo post)))) Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/ (...)
  2. @Ana Claudia PC Oi Ana Claudia... que bom que leu o relato... Então nos bares da Ilha rola sim algumas festas porém sem nenhuma grande estrutura saca. Quando eu fui não aconteceu o famoso lual mas muitos bares estavam oferecendo ceias de final de ano com bebidas inclusa e talz, porém eu optei em ficar no hostel mesmo, mas algumas pessoas que foram nestas festas dos bares disseram que foram muito animadas e divertidas. Ocorreu uma pequena queima de fogos organizada pelos bares e muita música. Então acredito que foi sim bastante movimentada e divertido. Mas o famoso lual não aconteceu, uma pena prq muitos estavam esperando o famoso lual de final de ano. Mas recomendo muito a Isla, valeu muito a pena. Gratidão!
  3. 8º Dia: La Paz - 02/01/2019 - Isla Del Sol x Copacabana x La Paz - Pub - Passagem Isla x Copacabana Bs$30,00 - Passagem Copacabana x La Paz Bs$40,00 - Hostel Maya Inn Bs$360,00 Acordamos cedo, arrumamos nossas mochilas, tomamos um bom café da manhã, fizemos o check-out e fomos para o porto da ilha pegar o barco para Copacabana. Descemos a escadaria pré-colombiana e suas centenas de degraus e chegamos no pier de onde saem os barcos para Copacabana e logo que chegamos ja encontramos um senhor vendendo as passagens para Copacabana. Compramos para o horário das 10:00am e chegada às 11:30am e pagamos Bs$30,00 Bolivianos. Já em Copacabana compramos em uma agência de turismo as passagens para La Paz por Bs$40,00 Bolivianos para às 14:00pm. Aproveitamos o tempo e almoçamos em um restaurante de frente para o Lago Titicaca na Avenida Costanera chamado Totora. Barriga cheia pé na areia e logo saímos e fomos em busca do nosso ônibus que estava na rua de cima do Restaurante Totora. Embarcamos e fizemos uma longa viagem até La Paz em um ônibus muito pitoresco. Além dos passageiros estavam cachorros, gatos, crianças correndo pelo corredor e até alguns pintinhos hauahuahua. Isso é Bolívia! Bora pra La Paz com os animaizinhos ahuhauhua. Chegamos por volta de 17:30pm em La Paz, descemos no cemitério e caminhamos a pé até a rua Sagarnaga onde estava o nosso hostel. Reservamos pelo booking.com o Hostal Maya Inn que fica na mesma rua do hostel York B&B que ficamos anteriormente porém neste pagamos um pouco mais caro na diária que ficou por BS$180,00 Bolivianos o quarto privado, com café da manhã, banheiro privativo e tv. Ficamos por duas noites neste hostel. Fizemos o check-in, tomamos um merecido banho quente, o primeiro do ano rsss, descansamos um pouco e resolvemos fechar o dia jantando e experimentando algumas cervejas locais no The English Pub que fica na Avenida Illampu bem perto do nosso hostel. Após a diversidade alcoólica hauahua retornamos ao hostel para descansar um pouco pois tínhamos reservado o passeio do Chacaltaya e Valle de la Luna para às 8:00am da manhã no dia seguinte e precisávamos acordar bem cedo. 9º Dia: La Paz - 03/01/2019 - Chacaltaya e Valle de La Luna (((((Continua no próximo post)))) Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/ (...)
  4. 23º Dia: Chiang Rai - 26/11/18 - Chiang Rai - White Templo - Long Neck Village e Tribo Akha - Golden Triangle (Tailândia, Laos e Myanmar) - Passeio R$80,00 - White Temple ฿50,00 Baht - Long Neck Village ฿300,00 Baht Acordamos bem cedo, tomamos café da manhã e aguardamos nosso ônibus que chegou por volta das 7:30am para nos levar ao passeio para conhecer as fontes termais, o White Temple, o Golden Triangle ( tríplice fronteira entre os 3 países - Tailândia, Laos e Myanmar), fizemos uma navegação pelo rio Mekong e atravessamos até Dao Son, um vilarejo do Laos, e ainda visitamos as tribos Akha, e Karen Long Neck. O passeio é um pouco cansativo pois é longo e ficamos um bom tempo viajando até estes lugares. Vimos muitos campos de arroz pelo caminho, mata nativa e alguns vilarejos. O passeio teve o custo de R$80,00 reais por pessoa e fechamos no próprio hostel mesmo. Após uma hora e meia chegamos na nossa primeira parada em um restaurante onde tem as hotsprings, fontes termais com águas quentes saindo da terra e que contém um cheiro forte de enxofre ou ovo podre porém muitos pessoas usam essas águas para cozinhar ovos e comercializar para os turistas. Ficamos por alguns minutos e logo seguimos para o próximo destino, o White Temple ou Wat Rong Khun onde pagamos na entrada ฿50,00 Baht mas se não quiser pagar pode tirar fotos do lado de fora. Este templo é impressionante pela construção cheia de detalhes de elementos das tradições budistas e hindus que se misturam com inúmeras referências à cultura pop ocidental causando um resultando hipnotizante e divertido! Como todo templo famoso na Tailândia não foge a regra, estão todos sempre lotados de turistas e neste não foi diferente hahaha. Ficamos por volta de uma hora no Templo Branco e depois seguimos para a tribo Long Neck Village, a tribo das mulheres girafas e para a tribo Akha. O nome da tribo das mulheres girafas pode até parecer engraçado e talz, mas a realidade deste povo trata - se de um assentamento de refugiados. São originários do Myanmar, a antiga Birmânia. Por serem tão perseguidos por questões étnicas que muitos deles resolveram abandonar seus lares e fugir para outros lugares. Existem aproximadamente 40 mil pessoas da tribo e parte deste povo estão em pequenos pedaços de terra distribuídos pela Tailândia. Como são refugiados somente alguns homens podem sair dali e o restante não podem sair para trabalhar, estudar ou passear. Vendo que o povo tão peculiar continha um alto potencial turístico o governo da Tailândia "liberou" para que houvesse visita turística paga (ao governo) para entrarem na tribo que conseguem sobreviver na maior parte com venda de seus artesanatos. Uma via de mão dupla vista como exploração por uns e oportunidade por outros. Eu me senti ajudando uma pessoa comprando seu artesanato para sustentar sua família mas por outro lado acabei financiando um turismo que não concordo. Sentimento dividido, complexo e inevitável. Ficamos por uma hora nas tribos e depois seguimos para o nosso último destino, a tríplice fronteira ou Golden Triangle, que é a tríplice fronteira entre Tailândia, Laos e Myanmar. Com a junção dos rios Ruak e Mae Kong separando os paises da Tailândia, Laos e Myanmar forma - se o Triângulo de Ouro. De barco fizemos a travessia pelo famoso rio Mae Khong até o porto de Donsao em uma feirinha muito pitoresca no Laos e passamos também pelo Myanmar. Em Donsao existe uma grande feirinha com diversas lembranças pra turistas, e experimentamos uma cachaça de arroz curtida em diversos animais como cobras, tartarugas, lagartos, aranhas e escorpiões. Ficamos pouco tempo no Laos e logo retornamos a um mirante de onde se vê a tríplice fronteira dividida pelos rios e logo retornamos para Chiang Mai numa cansativa e longa viagem de volta. O passeio valeu a pena, mas mesmo assim não recomendo pois é longo o caminho e muito cansativo viajar tantas horas para ficar pouco tempo nos lugares. Nos ficamos mais tempo dentro da van do que nos lugares que visitamos, então pensem bem antes de comprar este passeio. Retornamos ao nosso hostel por volta das 21:00 e já deixamos nossas mochilas prontas pois no dia seguinte partiríamos bem cedo para a cidade de Pai nas montanhas do norte da Tailândia. 24º Dia: Pai - 27/11/18 - Chiang Mai x Pai ((((Continua no próximo post)))) Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/ (...)
  5. @Ariany Esteves Oi Ariany... q bom que leu o relato... Então, eu me perdi algumas vezes nessa trilha, então não aconselho ir sozinha. Vá no mínimo com mais alguém, será mais seguro. Só não deixe de ir, prq é fantástica!
  6. @Claudia Castro Vá para isla del sol que fica no lago Titicaca e se embarca na cidade de Copacabana.
  7. @Wemesson Carvalho Pretendo mochilar pelo maranhão no final do ano... quero passar a virada em Alter do Chão no Pará conhece? Mas quero passar por Barreirinhas no maranhão antes... bora?
  8. @joao alexandre Salve salve João... vo escrever o restante ... ta meio corrido a vida mas em breve consigo sentar e escrever o restante do relato... gratidão!
  9. Tadeu Pereira

    Arembepe

    @May Oliveira Ola... tu conseguiu acampar na aldeia? pode me passar algumas informações? vlw
  10. 22º Dia: Chiang Mai - 25/11/18 - Chiang Mai - Dumbo Elephant Spa - ฿2200,00 Baht Acordamos por volta das 7:00am, tomamos um bom café da manhã, arrumamos nossas mochilas e aguardamos até que o transporte do tour nos buscasse em nosso hostel. A van chegou no horário combinado, por volta das 8:30am e depois de pegar mais algumas pessoas que também estavam no tour pela cidade de Chiang Mai, nós partimos em um grupo de 15 pessoas para o santuário dos elefantes. O Dumbo Elephant Spa é um santuário de elefantes situado na zona rural da cidade de Chiang Mai onde os elefantes não são treinados para serem montados pelos turistas, não são usados objetos cortantes ou pontiagudos nos animais e também não são acorrentados, os animais ficam soltos na floresta. O santuário apoia o TURISMO ECO e procura apenas conectar turistas à vida selvagem, apoiando e contribuindo para a reabilitação de elefantes tailandeses. Estes foram os principais motivos pelo qual escolhemos o santuário Dumbo Elephant Spa. Na cidade de Chiang Mai encontramos diversas agências com preços até mais acessíveis, porém em muitos deles os animais não são tratados como animais e sim como uma forma cruel de ganhar dinheiro. Fizemos a reserva pela internet com dois dias dias de antecedência pelo próprio site do santuário (www.dumboelephantspa.com) pelo valor de ฿2200,00 baht onde optamos em ficar o dia todo interagindo, alimentando, brincando na lama, dando banhando na cachoeira e caminhando na floresta com os elefantes. O tour ainda conta com um excelente almoço, água e frutas e um carisma fantástico das pessoas que moram no local. Assim que chagamos fomos recepcionados pelo pessoal que vive e mora no santuário, nos passaram algumas dicas e regras e nos forneceu água e um café da manhã pra começar as atividades. Também nos foi dado uma camiseta especial para identificação e não agredir visualmente os animais. Começamos nossas atividades alimentando os animais com bananas. Nos ensinaram como fazer ele abrir sua boca com um comando de voz e assim podíamos colocar o alimento direto na sua boca. Foi bem legal essa parte e ainda era só o começo! Assim que acostumamos com os bichos passamos para o lado de dentro das cercas e ficamos lado a lado interagindo com os grandões. Foi bem emocionante! Barriga cheia pé na areia! Após o banquete de bananas, fomos dar uma volta com os elefantes pela floresta, onde eles iam, nós íamos atrás. Ficamos por um bom tempo andando atrás deles pelo meio do mato e quando o sol começou a esquentar por volta do meio dia, fomos para uma lagoa de lama refrescar os elefantes. Foi uma brincadeira bem bacana, onde sujamos todos os elefantes e a nós mesmo numa enorme poça de lama onde os animais adoram se sujar jogando lama pra todo lado. Retornamos com os animais todos sujos de lama e depois da foto rss nos dirigimos para uma linda cachoeira onde todos se banharam juntos! Foi sensacional! Ficamos por um bom tempo banhando nas águas geladas das montanhas e logo após nos reunimos para nos secar e retornar a Chiang Mai pelas inúmeras curvas da estrada que leva até a cidade passando pelas montanhas. Fizemos uma longa e animada despedida com direito até a um baseado na folha de bananeira e música do Ventania (Cogumelos Azuis) que deixaram os nativo bastante animados hauhauhauha. Foi inesquecível! Retornamos para Chiang Mai por volta das 17:30pm e ficamos o resto do dia andando pela cidade. Aproveitamos e reservamos no próprio hostel o nosso tour pelo White Temple, o Templo Branco que fica na cidade de Chiang Rai, depois fomos a tribo Long Neck Village, a tribo das mulheres girafas e finalizamos no Golden Triangle, o Triangulo Dourado que designa a confluência do Rio Ruak e do Rio Mekong, uma vez que o termo vem sendo apropriado pelo turismo tailandês para descrever a tríplice fronteira entre Tailândia, Laos e Myanmar. 23º Dia: Chiang Rai - 26/11/18 - Chiang Rai - White Templo - Long Neck Village e Tribo Akha - Golden Triangle (Tailândia, Laos e Myanmar) ((((Continua no próximo post)))) Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/
  11. 21º Dia: Chiang Mai - 24/11/18 - Chiang Mai - Templo Wat Chedi Luang, Wat Ho Tham e Wat Sukmin. Depois da fantástica noite anterior participando dos Festivais Yee Peng e Loy Krathong tiramos este dia para conhecer alguns templos de Chiang Mai. Começamos pelo templo Wat Chedi Luang. Templo budista localizado no centro histórico de Chiang Mai. O espaço agora ocupado pelo templo era originalmente composto por três outros templos: Wat Chedi Luang, Wat Ho Tham e Wat Sukmin. O local é um complexo grande com diversos outros templos para visitação. Ficamos por algumas horas contemplando esse lugar, porém neste dia os templos estavam lotados de turistas por toda parte e isso incomoda e atrapalha um pouco. A noite de Chiang Mai é bem movimentada. Com a cidade cheia de turistas ainda por causa dos festivais, os bares e restaurantes estavam lotados. Fomos no Rasta Café Chiang Mai localizado na rua Loikroh ao lado da ponte sobre o rio Ping. O Bar tinha uma ótima vibe, tocava ska, reggae, reggae tailandês entre outros, só a cerveja que era mais cara neste local, mas mesmo assim ficamos um tempo e tomamos uma bela e gelada Chang. Como estávamos próximos ao Rio Ping, nós aproveitamos e voltamos para o Regina Garden Guesthouse & Restaurant para finalizar nossa noite ao lado do rio Ping e com uma bela lua cheia. Como já havíamos reservado nosso tour em um santuário de elefantes, o Dumbo Elephant Spa, tínhamos que dormir cedo para descansar, pois na manhã seguinte uma van nos pegaria no hostel para nos levar ao local. Retornamos ao hostel então, deixamos nossas mochilas já arrumadas e fomos dormir pois o próximo destino seria um dos mais aguardados do mochilão, o santuário dos elefantes. 22º Dia: Chiang Mai - 25/11/18 - Chiang Mai - Dumbo Elephant Spa (((((Continua no próximo post)))) Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/
  12. @Fran tucci Oi Fran... Nós saímos de Guarulhos (São Paulo) x Madrid (Espanha) (3hrs) X Benjing (China) (3hrs) x Banguecoque (Tailândia) e a volta foi da mesma forma, saímos de Banguecoque x Benjing x Madrid x Guarulhos. Geralmente a passagem fica sim mais barata retornando da mesma forma da ida, mas isso não é uma regra, terão retornos que serão feitos por outras cidades com o mesmo valor. Mas se vc comprar a ida e depois comprar a volta, eu acredito que ficará mais caro sim. Da uma pesquisada e faça as simulações pra ver se compensa. blza.
  13. @casal100 então... o camboja e o myanmar eu ficaria 3 4 dias... já daria pra ver quase tudo... ja a Tailândia, Nepal e Índia precisam de um pouco mais de tempo pela complexidade dos lugares.
  14. @casal100 Poxa vida, fiquei emocionado lendo isso! Que bom que aproveitou as dicas e que deram certo pra ele... É o mínimo que eu posso fazer pela plataforma, pois quando estava fazendo a minha pesquisa para ir pra Ásia, o Mochileiros.com me ajudou muito com diversas dicas, então eu me sinto na obrigação de colocar tudo que eu faço relatado para incentivar e ajudar outras pessoas. Vocês vão fazer a viagem dos sonhos na Tailândia... a moeda deles o Baht é muito desvalorizada, então preparem - se para se sentirem milionários ahuhaahuahua. Vá e passe mais tempo nos países, eu irei voltar talvez ano que vem, quero ficar mais tempo pra conhecer realmente os costumes do povo. Mas por enquanto são planos! Qualquer dúvida so chamar que ajudo vcs ok. Gratidão!
  15. @Jucelio Paez Landim Ohhhh Jucelio... Subimos juntos uma parte do Chacaltaya... me recordo sim de você! Lembro que vocÊ voltou e nós continuamos. A guia era sim uma mulher e passava uma espécie de protetor no rosto que mais parecia uma massa corrida huahauhuahu Satisfação te encontrar aqui no relato...acompanhe os próximos posts que estou chegando na parte do Chacaltaya logo logo... forte abraço! Gratidão.
  16. @leandroalvez Eae Leandro... que bom q leu o relato... obrigado! Cara não passe vontade não! A maioria das praias tem placas informando que é propriedade particular, mas acampamos assim mesmo... Como esta em baixa temporada as praias ficam desertas, quase ninguém passa por la. Os bares não ficam abertos e não fica ninguém na praia. Acampe um pouco mocozado, escondido que rola sim... nos acampamos na areia da praia mesmo e não aconteceu nada... hauahuhauah.... Gratidão!
  17. @Fran tucci Que bom que esta gostando... muito obrigado... Então, tem caiaque e tem os tours com barcos pra la tbm, mas vá de caiaque, é muito melhor, cansa um pouco mas a visão é incrível, não é perigoso, super seguro, passe bastante protetor e faça Nui Beach e Monkey Beach que vc vai gostar muito desse rolÊ. Tem astante gente que vai de caiaque, você pode esperar alguém e ir junto, vi pessoas fazendo isso. Nui Bay foi a praia mais linda que eu vi em toda minha trip pela Ásia... ja Monkey Beach é bem interessante pelo macaquinhos mesmo e suas águas cristalinas... cuidado com a mochila e alimento perto desses animais, eles são agressivos quando veem comida. olha, só vai, vc vai curtir muito... yeahhhhhhhhhhhh Gratidão!
  18. @Márcio/Sp Verdade! Conversando com os locais, eles dizem que nem eles morando a vida toda la, não conseguem conhecer tudo... tem muita praia linda naquele lugar!
  19. 7º Dia: Isla Del Sol - 01/01/2019 - Isla Del Sol - Templo do Sol Acordamos tarde, afinal era o primeiro dia do ano de 2019, merecíamos uma boa noite de sono ahuahauha. Tiramos o dia para conhecer o Templo do Sol e o lado la ilha que ainda não tínhamos ido. Fizemos uma trilha de poucos minutos até um pico alto que tem um grande espantalho. Ficamos um tempo contemplando este lado da ilha. Bem abaixo conseguimos ver o Templo do Sol, saímos cortando as trilhas e chegamos na entrada que dava acesso ao templo. O lugar é considerado muito sagrado mesmo antes dos Incas. Muito antes também o Lago Titicaca era considerado sagrado pelos povos pré-colombianos. As lendas incas, por sinal, dizem que a civilização surgiu na ilha. Inti, o deus Sol, ficou decepcionado ao olhar para a terra e ver que os homens viviam de forma selvagem, sem organização. Assim, deu vida a Manco Capac e Mama Ocllo, os dois primeiros incas, cuja responsabilidade foi ensinar aos homens os princípios da agricultura, artesanato e da religião. Se é verdade ou não, parte da história deu origem da civilização e está contada na Roca Sagrada, no Templo del Sol e vários outros sítios preservados ao longo Do Willka Thaki, a estrada construída pelos incas que une o norte ao sul da ilha. Seguimos a trilha de volta pela parte de baixo passando por alguns restaurantes e muitos locais vendendo seus artesanatos. Almoçamos e logo depois fomos em uma outra praia fazendo a mesma trilha da primeira porém seguindo pela esquerda na bifurcação que tem antes de chegar nelas. Como ainda não tínhamos conseguido pegar um dia legal pra ver o famoso por do sol visto da ilha, neste dia o sol deu o ar da graça e nos presenteou com um belo entardecer visto do Mirador Cerro Queñuani. Chegando no mirador tivemos a oportunidade de participar da Cerimônia do Condor para retirar as más energias do ano que se passou. Foi muito interessante. Fechamos nosso dia com chave de ouro. Um belo por do sol iniciou nossa última noite na Isla del Sol. Na manhã seguinte retornaremos a La Paz para conhecer alguns lugares que não tivemos tempo de conhecer quando passamos pela capital boliviana pois estávamos com pouco tempo. 8º Dia: La Paz - 02/01/2019 - Isla Del Sol x Copacabana x La Paz - Pub (((((Continua no próximo post)))) Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/ (...)
  20. 20º Dia: Chiang Mai - 23/11/18 - Chiang Mai (Festival das Lanternas e dos barquinhos - Loi Krathong e Yee Peng) - Hostel ฿450,00 Baht - Lanternas e Krathong ฿30,00 baht Assim que chegamos em Chiang Mai, fomos logo abordados na estação de trem por diversos serviços de táxi. Escolhemos o mais barato que nos levou em alguns minutos para o nosso hostel. Ficamos hospedados no Hostel Bann Elephant Home 2 Loikroh e pagamos ฿450,00 baht por 3 dias em um quarto compartilhado com oito camas/beliche, banheiro compartilhado, ar condicionado e café da manhã incluso. O hostel fica muito bem localizado perto de restaurantes, mercados, farmácias e oferece também serviços de lavanderia, táxi, tours e restaurante, todos pagos a parte. Nos acomodamos, tomamos um belo e merecido banho e fomos explorar a cidade de Chiang Mai, que estava em festa e cheia de turistas por causa dos famosos festivais que ainda estavam acontecendo na cidade, o Loi Krathong que é o festival das balsas flutuantes, onde diversas pessoas se reúnem nas proximidades dos lagos, rios e canais para lançarem os "Krathongs" junto com aqueles que amam. Os "Krathongs" são balsas circulares fabricadas com troncos de bananeira, decoradas com flores, velas e incensos. Acredita - se que se um "krathong" de um casal flutuar lado a lado após serem lançados no rio, os mesmos terão um futuro feliz juntos. O outro festival que acontece nos mesmos dias coincidindo com o Loy Krathong é o Yee Peng, que é o famoso festival das lanternas ou luzes onde diversas pessoas se reúnem para lançarem lanternas de papel pelo céu criando um maravilhoso show de luzes. O festival é celebrado anualmente em toda a Tailândia principalmente nas cidades de Chiang Mai e Ayutthaya, acontecendo na noite de lua cheia do duodécimo mês do calendário lunar tradicional tailandês, que no calendário ocidental se coincide, normalmente, com o mês de Novembro. Andamos por algum tempo conhecendo a cidade que estava toda enfeitada e se preparando para o último dia do festival. Encontramos um lugar muito bacana chamado Regina Garden Guesthouse & Restaurant que fica localizado às margens do Rio Ping e próximo da Ponte Thanon Charoem Mueang. Ficamos a tarde toda neste agradável lugar aconchegante tomando algumas cervejas geladas e comendo os mais variados típicos pratos tailandeses. Valeu muito a pena! Retornamos ao hostel para nos arrumar para o grande momento do dia, os festivais. Saímos por volta das 20:00pm e a avenida principal Charoen Muang já estava abarrotada de gente. Ficamos do lado esquerdo da ponte Thanon Charoem Mueang em um gramado onde se tem uma ótima vista do rio e do céu. Compramos nossas lanternas com alguns vendedores que circulavam pelas pessoas por ฿30,00 baht fizemos nossos pedidos e agradecimentos e soltamos nossas lanternas no céu iluminado com tantas outras. Foi um momento muito especial e aguardado da viagem. Foi fantástico! Retornamos ao hostel depois de um dia incrível. O festival superou nossas expectativas. Foi fantástico ver todas aquelas lanternas brilhando no céu e o Rio Ping cheio de balsas iluminadas flutuando. Foi lindo! Recomendo muito esse rolê. 21º Dia: Chiang Mai - 24/11/18 - Chiang Mai - Templos (((((Continua no próximo post)))) Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/ (...)
  21. 19º Dia: Banguecoque - 22/11/18 - Hanói x Banguecoque x Chiang Mai (Festival das Lanternas - Loi Krathong e Yee Peng) - Empresa VietJet R$368,00 - Trem ฿771,00 Baht - Guarda-volume ฿100,00 Baht - Café da manhã ฿100,00 Acordamos por volta das 6:00am e como já tínhamos feito o check-out antes, só entregamos as chaves na recepção e partimos de táxi que já estava nos esperando para o Aeroporto Noibai Airport de Hanói. Embarcamos às 9:15am pela empresa VietJet Air e pagamos R$368,00 reais com chegada por volta das 11:00am no Aeroporto Don Mueang em Banguecoque. Do aeroporto seguimos direto para a Estação de Trem Hua Lamphong onde mais uma integrante do time que tinha vindo de Madrid na Espanha nos aguardava. Logo após o reencontro fomos comprar nossas passagens de trem para Chiang Mai por ฿771,00 baht para uma viagem noturna, com assentos que transformam em camas, banheiro, cozinha comunitária e com duração de aproximadamente 13 horas rumo a Chiang Mai, agora no norte da Tailândia. Como tínhamos muito tempo ainda na capital tailandesa, pagamos um guarda volume na estação Hua Lamphong por ฿100baht e seguimos de tuctuc para o gigantesco shopping MBK Center ou Mahboonkrong para passar o dia. O complexo contém oito andarem e cerca de duas mil lojas, departamentos, restaurantes, pontos de atendimento etc. O local é realmente gigantesco! Retornamos à estação de trem para embarcarmos para Chiang Mai pois já estava acontecendo o festival das luzes a 2 dias e chegaríamos para o último dia do festival. Pegamos nossas mochilas no guarda-volumes do terminal e embarcamos no trem #13 às 19:35pm. No meio da viagem foi oferecido o café da manhã por ฿100,00 baht que foi servido por volta das 8:00am da manhã. A viagem foi tranquila e engraçada. Durante o percurso o trem parou em algumas estações e algumas pessoas bem diferentes para nós ocidentais entraram no trem rsss. Foi uma grande experiência viajar de trem pela Tailândia, recomendo muito esta viagem. Apesar do tempo não ter ajudado muito, e a chuva não ter dado tréguas neste dia durante a viagem, logo de manhã quando clareou o dia vimos que estávamos passando por belas paisagens durante o percurso. Vimos muito verde, enormes campos de arroz e muitas matas aparentemente intocadas ainda pelo homem. Chegamos em Chiang Mai por volta de 9:00am e fomos direto para o hostel que já tínhamos reservado pelo aplicativo Agoda.com. 20º Dia: Chiang Mai - 23/11/18 - Chiang Mai (Festival das Lanternas - Loi Krathong e Yee Peng) (((((Continua no próximo post)))) Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/ (...)
  22. 6º Dia: Isla Del Sol - 31/12/2018 - Isla Del Sol - Réveillon Acordamos por volta das 10:00am da manhã com um dia sensacional, sol regalado no céu, iluminando o grande Titicaca e a Isla de la Luna a nossa frente, nos mostrando a verdadeira beleza do lugar, tomamos um café reforçado e partimos junto com o pessoal de Campinas que conhecemos no hostel para conhecer o Mirador Palla Khasa que fica no ponto mais alto da ilha dando uma vista fantástica de 360º. Para chegar ao mirador caminhamos do hostel sentido a Vila dos Yumani e dali já dava pra ver o mirador e ai foi só caminhar em sua direção. No caminho passamos por diversos restaurantes e pousadas com vista do Lago Titicaca e passamos também pelas inúmeras plantações de batata vendo o dia a dia dos moradores no cultivo, até que chegamos no lado mais alto da ilha, onde existe uma casa de pedra que se tem a visão mais alta e ampla da Isla del Sol e é onde fica o mirador Palla Khasa. Retornamos à vila e entramos em um dos restaurantes para almoçar com uma bela vista do Lago Titicaca. Almoço barato e muito farto. Valeu muito a pena! Após o banquete descemos sentido a uma das praias do lago Titicaca para tentar entrar nas suas águas geladas hauahauhau. Fizemos uma caminhada de aproximadamente 20 minutos e chegamos nas águas geladas do Titicaca. Ficamos por algumas horas contemplando e nos encorajando a entrar no ago. Quando finalmente encontrei coragem para entrar nas águas geladas do Titicaca, um senhor saiu de uma das casas à beira do lago e começou a retirar muito bravamente todas as pessoas de dentro d'água afirmando motivos religiosos. Não entendemos muito bem o motivo, mas o senhor ficou muito bravo com todos que estavam nas águas do Titicaca e mandou que todos se retirassem de dentro da água imediatamente. Não havendo outra saída, nos retiramos das águas e ficamos sentados na beira do lago. Retornamos ao hostel e descansamos um pouco pois o dia tinha sido um pouco corrido e o mau da altitude nos pegou de jeito. Saímos um pouco mais tarde para jantar e compramos uma garrafa de vinho para assistir a queima de fogos da virada do ano. O réveillon na Isla del Sol quase todos os restaurantes oferecem pacotes com ceia e bebidas á vontade por preços variados. Em torno de R$50,00 reais por pessoa. Quando fomos fazer a trilha do Mirador Palla Khasa passamos por alguns restaurantes e encontramos diversos valores mas não fechamos nenhum. Já á noite ficamos sabendo que pelo baixo número de turistas os preços caíram ainda mais, porém resolvemos ficar no próprio hostel contemplando a queima de fogos tanto do lado boliviano quanto do lado peruano visto da ilha. Feliz Ano Novo, feliz 2019! 7º Dia: Isla Del Sol - 01/01/2019 - Isla Del Sol - Templo do Sol (((((Continua no próximo post)))) Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/ (...)
  23. Muito bom o relato... parabéns... Fiz uma trilha que vai para o Alto dos Brejos dia 14 de Junho no parque de Itatiaia... conheci essa travessia por locais. Trilha de aproximadamente uns 20 km cortando os vales e os brejos até chegar em um ranchinho com água potável que desce dos brejos, onde acampamos. Lindo por do sol visto das montanhas. Uma trilha que vale a pena conhecer, o local é maravilhoso... parabéns pela travessia!
×
×
  • Criar Novo...