Ir para conteúdo

MarcosJ70

Membros
  • Total de itens

    154
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

7 Neutra

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Olá Amarildo! Não sei te dizer se há pousadas em Barra do Cahy. Na nossa programação a ideia era mesmo acampar, pois o lugar é lindo.
  2. Boa noite amigos! Fiz "recentemente" [fim de 2013 e início de 2014] algo um pouco parecido. Segue o link do meu relato: trekking-do-descobrimento-com-fotos-dez-2013-e-jan-2014-t91575.html Sds. Marcos.
  3. Olá Pedro! Acredito que ele faça sim apenas com vc. Claro que vai sair um pouco caro para vc, já que não vai ter ninguém para dividir os custos. De qualquer forma, quem sabe já não tem alguém com ele nesta data. A minha cam é a NIKON D7000, que é quase profissional. Gosto muito! Se eu não estou enganado, nas casas onde dormimos há energia de geradores até certo horário da noite. Um abraço e boa viagem. Marcos.
  4. Olá Garance! O novo telefone de Joel é 98 8881-6538. Não deixe de fazer este trekking. É mesmo fantástico! Boa viagem! Marcos.
  5. Olá Carol! Fico sempre muito contente quando um relato que eu fiz serve de apoio para outras pessoas. Quanto as suas dúvidas, seguem as respostas: Perguntas [desmembrei]: 1- Vocês tiveram que carregar toda a água que consumiam no trajeto? RESPOSTA: Sim. 2 litros por pessoa, no minimo. Eu penso que precisaria de ao menos uns 3 litros de água para uma caminhada de 8 horas sob sol forte, mas isso tornaria a mochila muito pesada. Vi que você não experimentou a água das lagoas, mas o guia bebia dela? RESPOSTA: o guia bebia sim. Aliás, pelo que eu já li, todos bebem, mas não quisemos arriscar. Existe a possibilidade de tomar/comprar água em algum povoado no trajeto, antes das paradas? RESPOSTA: Não, pois os únicos lugares com a presença de nativos são os oásis, nos quais comemos e dormimos. Sendo assim, deve-se levar água suficiente para aguentar chegar ao destino final do dia. 2- Li um relato em que a garota recomendava usar tênis para evitar o aparecimento de bolhas na sola dos pés. Você teve problemas com isso usando sua papete? Usou meia para evitar a fricção da pele com a areia? RESPOSTA: não aconselho usar tênis, pois a todo instante vc terá de atravessar lagoas. O revezamento que fizemos, ora com a papete, ora descalço, considerei perfeito.Dê preferência aos modelos com mais abertura na frente para que a areia que entrar saia com mais facilidade 3- A areia a partir da Lagoa Verde é fácil de andar? Ou afunda muito? RESPOSTA: muito boa. Não afundava. Espero ter ajudado. Um abraço e boa viagem. Marcos. PS.: se vc for contratar o Joel, em algum lugar deste post uma colega postou o novo telefone dele.
  6. Olá Tatá! Segue o link do relato de Alter do Chão e Região: alter-do-chao-e-reg-rios-tapajos-e-arapiuns-monte-alegre-e-cidade-dos-deuses-alenquer-t70684.html De Santarém para Salvador, só mesmo de avião, eu acho.. rsrsrsr Um abraço e uma ótima viagem. Marcos.
  7. Olá Monty Lima!! Fico muito feliz quando o meu relato serve de apoio para as pessoas. Um abraço e uma ótima viagem! Marcos.
  8. Parabéns pela pernada, Brufavaro!! A Ilha Grande é mesmo espetacular. Sds. Marcos.
  9. Blz Rodrigo! É o seguinte: quase sempre procuro fazer os meus trekkings com guias. Tenho algumas limitações psicológicas e não curto ficar perdido..rsrsrsrs. Curto caminhar com calma, fotografar bastante e me envolver espiritualmente com tudo que vou conhecendo. Vejo com total naturalidade a escolha de cada um, se com guia ou não. Com o uso da tecnologia, acredito que não terás problemas nenhum. Quanto à reserva na casa dos nativos, vou ficar te devendo. De qualquer forma, acredito que chegando ao local vc vai encontrar um lugar pra dormir. Quando fui, mesmo sendo alta temporada, não havia mais ninguém para dividir o espaço comigo na primeira noite. Boa sorte!! Marcos. Boa sorte!
  10. Olá Munique! Moro em Salvador há quase 18 anos. Fui adotado por esta cidade e aqui aprendi a amá-la. Isto mesmo: amar esta cidade com todos os seus problemas. Salvador é assim mesmo. Não é amor à primeira vista. É sempre polêmica para o público que a conhece. Quando aqui cheguei foi bastante difícil me adaptar aos costumes locais, principalmente em relação à gastronomia e ao comportamento das pessoas. Hoje, não perco um caruru, uma maniçoba, um bom acarajé, vatapá, abará etc... Conheci pessoas fantásticas e me sinto membro da família de cada uma delas. Por ser uma cidade muito diferente das convencionais, o público mais conservador vai se chocar sempre. Não estou dizendo que você seja conservadora. Percebi que não é pelo seu texto que, por sinal, está muito bem escrito. Concluí, com o passar dos anos, que quando peso o lado bom e o lado ruim da cidade, o lado positivo pesa mais. Pesa mais porque aprendi a enxergar a dinâmica da cidade por vários ângulos, nunca de forma isolada. Procurei entender o porquê de algumas coisas e, para uma parte delas, confesso, ainda não encontrei as respostas [rsrsrrs]. Estou ainda na busca. Salvador é uma cidade imensa, na qual estão presentes todos os problemas graves das grandes cidades latino-americanas: trânsito caótico, violência, falta de infraestrutura etc. Comer bem ou achar algo ruim ou bom é sempre relativo. Eu mesmo adoro um bom sorvete de mangaba e acho a Sorveteria da Ribeira muito melhor que o da Cubana; o acarajé de várias baianas não muito conhecidas melhor que o da Dinha e da Cira, e por aí vai.... O turista cria, quase sempre influenciado pela mídia, no seu mundo imaginário, uma Salvador onde só existem casarões antigos, praias e festas todos os dias, onde as pessoas são felizes durante as 24 horas do dia. Claro que não é assim. Salvador cresceu de forma desordenada e, hoje, vem tentando, a passos lentos, mudar este cenário. Salvador não é igual o ano todo. Dias de chuvas são um verdadeiro desafio para quem vive e para quem a conhece. Tudo muda, até mesmo o humor das pessoas. Como em todo lugar no mundo, visitar um centro urbano ou paraísos naturais, a melhor época do ano faz toda a diferença, e Salvador não é diferente. Para quem gosta de agitação, o verão é a melhor época para curtir a cidade. As opções são variadas para todos os gostos e bolsos. Quanto ao que fazer de interessante, algumas dicas foram dadas por outros colegas locais. O que você registrou me pareceu uma tortura [rsrsrsr]. No terceiro dia de tantas decepções num lugar eu já teria me picado, como dizem os soteropolitanos. De qualquer forma, valeu a sua insistência por mais alguns dias na cidade na esperança de encerrar o dia e dizer: finalmente o dia foi massa!!! Se um dia você voltar para conhecer algo genuíno, interessante e emocionante, programe para estar aqui no dia 2 de fevereiro para participar da grande homenagem que é feita a Yemanjá, principalmente entre as 4h da manhã e o meio-dia, no Rio Vermelho. Neste dia, desça até a areia da praia e dedique umas duas horas para sentir de perto a emoção de estar ali com todas aquelas pessoas. Por ser verão também, apostarei que, quando encerrar cada dia seu aqui, você vai dizer: o dia foi massa!!! Volte. Um abraço. Marcos.
  11. Olá Let! Não se esqueça que em dezembro é época de seca, o que pode diminuir o encanto do lugar. Um abraço e boa viagem. Marcos.
  12. Olá Lamy, que bom que tudo deu certo! O lugar é mesmo indescritível. Muito obrigado por nos fornecer o novo contato de Joel. Um abraço. Marcos.
  13. Olá Grécia! Vejo que vc tem pouco tempo. A sua chegada no dia 13/06 às 12h em São Luis vai te permitir que chegue em Barreirinhas, na melhor das hipóteses, no fim da tarde.Ou seja, este dia está perdido. No último dia, 16/06, vc tem de pegar o voo em São Luis às 13h, o que traz como consequência sair muito cedo de Barreirinhas ou de Santo Amaro [depende do seu destino] e correndo o risco de perder o voo. Ou seja, este dia está perdido. Sendo assim, sobram apenas 2 dias [14/06 e 15/06] para fazer a travessia. Este tempo não é suficiente para fazer a travessia e usufruir de tudo que ela tem para oferecer. Se vc for tentar fazer a travessia ou parte dela em 2 dias vai ser muito cansativo e estressante, o que não é o objetivo deste trekking e eu não recomendo. Sugestão: I. use estes 2 dias para fazer os passeios clássicos em Barreirinhas. Os famosos bate e volta. Há lugares lindos para serem conhecidos. Leia o que eu fiz antes do trekking no meu relato. Foi lindo também. Há outras opções de passeios. Um abraço. Marcos
  14. Muito triste tudo isso. É uma vergonha! No fim do ano passado, quando eu fiz o Trekking do Descobrimento, confesso que tive um pouco de medo, mas, graças a Deus, deu tudo certo. Sds. Marcos.
×
×
  • Criar Novo...