Ir para conteúdo

tati viajante

Membros
  • Total de itens

    14
  • Registro em

  • Última visita

Posts postados por tati viajante

  1. Roteiro um tanto quanto impossível. O ideal é pegar Bolívia, norte do Chile e sul do Peru, que dá pra fazer com essa grana tranquilamente em mais ou menos 30 dias.

    E numa trip futura pegar Argentina/Patagônia, e talvez o Uruguai. Fazer tudo, só se vc tiver pelo menos dois meses e meio, e quase o dobro desse valor aí.

    Boa sorte!

  2. *Para informações sobre o lugar, mais fotos e vídeo, acesse o blog, por aqui demora muito :( (http://www.sementesnamochila.blogspot.com.br)

     

     

    No feriado do dia 07 de Setembro, combinei com uma galera mineira de conhecer Furnas, ficarmos num camping e fazermos rapel por lá. Combinei com mais três amigos, dividimos a gasolina e encontramos o pessoal lá.

     

    Primeiro dia (sexta feira, 07 de setembro):

    Saímos na sexta, no dia 07 de Setembro, pela manhã, e chegamos lá de tardezinha já, pois fizemos várias paradas. O sol na estrada estava escaldante, então foi realmente cansativo. Chegamos, montamos a barraca, e o pessoal que tinha chegado na quinta a noite estava voltando de um rapel numa das cachoeiras, e o lugar é realmente muito lindo. A noite um churrasco, uma roda e um lual sobre as estrelas , tocando um som num violão (os mineiros tocam muuuuito). A lua estava linda, e o típico céu brilhante de Minas que NÃO EXISTE em São Paulo.

     

    Adoradores da lua...

    20121024065707.jpg

     

    Segundo dia (Sábado, 08 de Setembro):

    No município de Capitólio (município onde a hidrelétrica está localizada) existem lindíssimas piscinas naturais, de água verdinha e transparente, e saímos depois do café pra fazer uma trilha por elas. Levamos coisas pra comer e passamos o dia curtindo a natureza, parando pelos locais, nadando, etc. A maioria das trilhas tinha que passar por dentro das piscinas naturais andando ou a nado pela água geladassa, mas como o dia estava quente, foi uma delícia!

    O dia que eu quase morri afogada: Numa das piscinas naturais que paramos, resolvemos tirar umas fotos embaixo da água. Eu não nado bem, apenas “me viro”, aí atravessei o laguinho a nado e perguntei se onde eles estavam dava pé. Mas quando tentei colocar o pé no chão, nao dava, tinha um buracão bem embaixo de mim! Comecei a afundar, olhei pra cima e vi a claridade do dia sumindo, sumindo na superfície... Sabe aquela história de ver sua vida passando em segundos na sua frente? Eu realmente vi isso, vi cenas da minha infância que não tinha mais nenhuma lembrança. Vi uma cena de quando eu devia ter uns dois anos de idade e estava num rodeio com meu pai e os touros se soltaram e as pessoas começaram a correr e meu pai começou a correr também comigo no ombro e meu irmão no braço. Me vi na escola no meu primeiro dia de aula, vi as tias da creche me fazendo comer umas verduras, revi cenas de quando eu era casada (hilario rs) coisas muuuuito antigas mesmo! Quando voltei liguei pro meu pai e perguntei dessa cena do rodeio, e ele disse que isso aconteceu. Surreal. Mas aí alguém me puxou pra cima e ficou tudo bem. Ufa! Tirei a foto e saí rapidinho com medo de cair no buraco de novo rs.

     

    20121024070344.jpg

    Lavando a alma:

    20121024070530.JPG

     

     

    A noite, macarronada e outro lual, e quase fomos expulsos do camping por causa do barulho. Vieram dizer que ou parávamos ou era pra nos retirarmos. Aí procuramos um lugar bem afastado pra continuar, tudo escuro, ligamos as lanternas e continuamos a cantar. Tem que ter pique!

    Momentos felizesantes da ameaça de expulsão :(

    20121024070201.jpg

     

    Terceiro dia (Domingo, 09 de Setembro)

    O dia do rapel: fomos até uma fenda que tinha numa rocha com uma altura de uns 70 metros. Aí depois de descer um pouco as rochas acabavam e a descida era livre, e aparecia a vista magnífica da represa de Furnas, com uma cachoeira LINDA no fundo (a cachoeira que o pessoal fez rapel na sexta, mas não fiz pq chegamos muito tarde). Eu nunca tinha feito rapel, e confesso que na hora que botei as pernas no paredão rochoso pra começar a descer pensei em desistir, com medo da corda soltar e cair de uma vez, mas é pq era a primeira vez, e tinha que descer sozinha. Depois que peguei o jeito de ir soltando a corda aos poucos pra descer, foi tranqüilo. Pretendo fazer outras vezes. Voltamos pro camping de barco, pq o lugar só tinha acesso pra entrar e sair de barco, e como entramos por cima descendo os cânions de rapel tivemos que voltar de barco.

    Chegando no camping, foi desmontar a barraca, refazer a mochila e voltar Pra Sp. Buááááá. Deprê pós viagem, fazer o quê?

     

    20121024070909.jpg

     

    Lugar feio, não?

    20121024071036.JPG

     

    20121024071147.jpg

     

    O rapel que eu nao fiz na sexta, porque cheguei tarde (só pra ficar na vontade...)

    20121024071332.jpg

  3. 20121015233657.jpg

     

    Estou sem palavras para detalhar o que foi esse festival. Mas mesmo sem palavras, o jeito é buscar do fundo da indignação e poder ao menos me pronunciar a respeito do ocorrido.

    Quando alguém diz que “a propaganda é a alma do negócio” ela provavelmente sabe do que está falando. Porque realmente É! A propaganda desse festival foi marcante pelas redes sociais, era impossível não ficar com vontade de ir. Covers de artistas fodásticos como The Doors, Janis Joplin, Jimi Hendrix, Dj´s e Reggae, inclusive com artistas da própria cidade, como Ventania e Força da Paz. Fotos incríveis compartilhadas todos os dias. Três palcos de 500m pra rock, reggae e música eletrônica, certamente na intenção de atingir todas as tribos, e claro, mais gente.

     

    Me juntei a uma excursão que saiu de Sp e fui. Chegando na cidade já começou a palhaçada: vários ônibus parados porque alguém disse que não dava pra passar pois estava atolando, ou deslizando, ou sei lá o quê. Para ir era preciso pegar um dos ônibus da cidade, e pagar a quantia módica de R$10,00, que subiu pra R$15,00 e depois pra R$25,00. Se não passava ônibus, porque só o ônibus da cidade passava? Cheiro de armação. Galera do ônibus convenceu nosso motorista a ir, e ele foi. Claro que não houve problema. Alguns moradores da cidade aproveitaram o momento pra extorquir dinheiro dos desinformados. O trânsito perto do local estava grande, pessoas, carros, motos, vans, peruas, e demoramos pra chegar.

     

    O kilo de alimento que anunciaram no site e no convite nem foi cobrado, e quando alguém dizia que havia trazido eles apontavam um canto e mandavam deixar ali mesmo. O sol era intenso, tão intenso que me deixou com a marca do óculos e o nariz ardendo num período de apenas uma hora de exposição, que foi enquanto eu montava a barraca. O camping era no meio de um pasto, tentei escolher uma parte onde tinha menos cocô de gado, pois estava cheio de esterco por todos os lados, além de ter uma rede elétrica passando por cima, o que causou queda de raios no meio do camping. Sendo um pasto, inevitável encontrar carrapatos, e foi o que aconteceu. Tirei vários da minha coxa, da minha barriga, do meu braço. Estou coçando até agora.

    Depois que montei a barraca, saí pra dar uma olhada, e parecia que eu estava no meio de uma obra inacabada: apenas cinco banheiros químicos e alguns banheiros feitos de tapume, aquela madeira de construção. Além de precários, eram insuficientes para todo mundo, e na primeira noite já estavam sem condições de uso. Perguntei onde era a área de banho, e um cara que aparentemente cuidava da organização me disse que “ainda estão montando”. Na entrada, uma das organizadoras da excursão que eu estava foi barrada porque levava uma sacolinha com coisas pra comer. Queriam que consumíssemos no restaurante de lá, óbvio. Mas não barraram pessoas entrando com caixas de cerveja, garrafas com bebida alcoolica e coolers térmicos, o que não faz sentido, já que as bebidas também seriam vendidas no local. Fui no restaurante pra tentar comer e só de olhar desisti: um monte de gente comendo em pé, mais um monte de gente sentado em poucas mesinhas, um outro tanto esperando pra comer e apenas um garçom anotando os pedidos. Sorte que eu tinha passado no mercado e levado um monte de coisas de comer na mochila, senão tinha passado fome, pois o restaurante JAMAIS conseguiria servir as 6000 pessoas que estavam no lugar.

    As tendas ainda estavam inacabadas, nem de longe se pareciam com o que havia sido anunciado e o único palco mais ou menos pronto que tocou um pouco de música caiu depois de um tempo.

     

    E aí veio o pior: a tempestade. A chuva durou umas duas horas e foi tão forte que inundou tudo, levou um monte de barracas embora e raios caíam no meio do camping, as pessoas saíram correndo, mas NÃO HAVIA ABRIGO. Um carioca morreu atingido por um raio, e mais três pessoas que estavam com ele se feriram. A única ambulância do local levou os feridos para o hospital de Três Corações, e o resto da festa ficou sem socorro caso acontecesse mais alguma coisa. Minha barraca ficou toda alagada, quando entrei minhas coisas nadavam na água, molhou tudo e fiquei sem roupa pra trocar, assim como a maioria das pessoas que estavam ali. A chuva forte fez com que todos ficassem ilhados, não havia como sair do local pois a estrada estava atolando, e a maioria dos ônibus haviam ficado na cidade por causa do tal boato de que “não dava pra passar”. Então nem dava pra voltar. Fomos todos obrigados a passar a noite de maneira precária. Uma das tendas que devia ter som virou um dormitório, a galera dormiu embaixo e mais um monte de gente ficou sentado na grama molhada esperando o dia clarear pra tentar ir embora. Durante a madrugada não havia o que comer, o restaurante fechou e as poucas barracas que serviam comida não tinha mais comida. Consegui comprar um pedaço de pizza no cone por R$10,00, superfaturaram o preço das poucas coisas que tinham.

     

    A aparelhagem de som queimou por conta da chuva, então NÃO TEVE SOM! Se o festival prometia ser algo parecido com Woodstock, conseguiu: assim como em Woodstock, os banheiros não eram suficientes, não havia lugar para banho, não havia estrutura, não havia comida e muita gente entrou sem pagar. A diferença é que em Woodstock TEVE SOM, e as pessoas estavam ali para isso, então o resto seria contornável. Depois da chuva, as únicas pessoas que cuidavam do evento, os seguranças da portaria, simplesmente DESAPARECERAM! A polícia disse que o evento não podia continuar e todos se mandaram sem dar sequer uma satisfação. Não havia ninguém que pudesse orientar, nos mandar ir embora ou fornecer alguma informação. E o local não tinha sinal de celular nenhum para pedir algum socorro caso fosse necessário.

    Durante a madrugada, todo mundo molhado e precisando se esquentar, começaram a saquear os bares e caminhões de bebida. Apareceu um cara correndo do nada com uma serra elétrica(cena de filme de terror) pra tentar espantar as pessoas que estavam saqueando, e depois saiu correndo no meio da multidão agitando a serra elétrica LIGADA para todos os lados, uma cena de filme de terror.

    Para dormir um pouco, joguei a água da barraca pra fora torcendo com as minhas próprias roupas, virei a parte plástica do colchão de ar pra cima pra enxugar e dormi ali mesmo, e em volta tudo ensopado, cheio de água e pingando. Parecia que eu estava no meio de uma enchente.

     

    Pela manhã, abri a porta da barraca e a cena era de um campo de guerra: todo mundo levantando, desmontando as coisas e carregando as tralhas molhadas, um monte de lixo, barracas destruídas, mochilas abandonadas e os sobreviventes se erguendo e arrumando as bagagens pra fugir dali. Alguns DJ´s que estavam presentes, mas não eram do evento, montaram uma gambiarra com o celular e caixas de som e fizeram um som, mas algo totalmente informal. Mas ninguém mais estava no pique de curtir a música.

    Todo mundo foi embora pra cidade e estava tudo lotado, não havia mais acomodação. Alguns amigos conseguiram alugar uma casa e passamos a noite lá, tive que comprar roupas pra poder trocar por conta da mochila molhada. Várias pessoas dormiram dentro do ônibus mesmo.

    O bom é que brasileiro sempre consegue tirar o bom de tudo. Botaram os carros de som na praça de São Thomé e fizeram a rave ali mesmo durante a noite inteira, fomos curtir um rock num dos bares de lá, visitamos as cachoeiras. Apesar de todo esse perrengue, não vi uma briga sequer, não vi nenhuma notícia de assalto e não vi ninguém se estressar. Mas uma garota perdeu a bolsa E ROUBARAM A ÁRVORE QUE EU HAVIA LEVADO PRA PLANTAR! Fiquei chateada.

     

    Quando voltávamos do festival, havia um carro pendurado numa ponte estreita e o motorista não quis passar com medo de não ter espaço, aí esperamos um tempão o dono aparecer e nada. Pessoal pegou o violão, começou a tocar ali mesmo na rua, passou um carro equipado, abriu o porta malas, ligou o som e a galera se divertiu. Depois se juntaram pra tirar o carro, um cara numa troller tinha uma corda e guinchou o carro enquanto os meninos ajudavam a erguer a traseira pra não cair no rio. Brasileiro é sempre unido, principalmente nas piores situações.

    A empresa que fez o evento, se é que existe uma, pois quem estava organizando deixou claro que nunca havia feito algo do tipo, deveria no mínimo ressarcir o dinheiro, pois não foi um festival barato, e mesmo que a chuva não tivesse caído, não haveria muita coisa: nem comida, nem banheiros, nem chuveiros, nem as três tendas prometidas, nem o som, pois os artistas NÃO FORAM! E eles lucraram cerca de R$700.000,00 com a venda de ingressos, tiraram o site do ar e simplesmente foram embora quando a polícia apareceu e disse que não havia estrutura pra suportar a quantidade de gente e mandou parar o “festival”. Segundo o portal G1 o evento não tinha alvará de funcionamento, mesmo o lugar tendo sido trocado por proibição do IBAMA.

     

     

    A estrutura era essa aí que vcs tão vendo: As casinhas rosa são os banheiros (e os piquetes com os que nao foram concluídos), as azuis vendiam uns lanchinhos e espetinhos superfaturados, a tenda branca serviu de dormitório depois que a chuva destruiu tudo. E tinha mais uma tenda que tocou música eletrônica por pouco tempo, até que a chuva queimasse os equipamentos de som (eles deviam ter técnicos e estar preparados pra casos como esse)

    20121015232303.JPG

     

    A tenda que virou dormitório dos desabrigados (já não tinha música mesmo)

    20121015232424.jpg

     

     

    Levantando acampamento pela manhã pra ir embora, pq nao tinha condições de ficar ali (e sem som, que era o objetivo, muito menos).

    20121015232530.JPG

     

     

    Antes de ir embora, em meio ao "campo de guerra", com a árvore que eu levei pra plantar e que foi roubada. Eu estava em dívida com São Thomé, pois havia visitado a cidade em Maio e nao plantei nada (o meu projeto Sementes na Mochila ainda nao estava em execução), e não consegui plantar de novo porque sumiram com a minha árvore num momento de descuido.

    20121015232721.JPG

     

    A festa rolou na praça da cidade mesmo. Brasileiro sempre sabe tirar o melhor de tudo!

    20121015232820.JPG

     

    Quando a realidade bateu à porta, o fantástico mundo prometido ficou só na imaginação, e virou mais uma história pra contar. Essa foto do Alex demonstra toda a indignação de quem criou expectativas e saiu frustrado e sentindo-se enganado:

    20121015233042.jpg

     

    Para ver mais fotos e alguns vídeos, acesse o blog: http://www.sementesnamochila.blogspot.com.br

  4. Não tive como não rir desse relato imbecil. A pessoa só ficou UM DIA e foi embora, nem se hospedou e diz que é precário. comeu UMA VEZ em um só lugar e diz que a comida é ruim (provavelmente pediu o prato mais barato e escolheu o restaurante mais barato). Detalhe: reclamando de borrachudos numa praia!! Passa o feriado no shopping, ué!

    Já fui algumas vezes pra lá, e AMO aquele lugar, exatamente por sua atmosfera de vila, praias desertas e clima de sossego e paz.

     

    Mas minha principal pergunta é: o que essa pessoa está fazendo num fórum para Mochileiros, pessoas que buscam o contato com a natureza, a paz de espírito e estão fugindo dessa tal "infraestrutura" que só atrai gente idiota? Sinto muito, mas estão no lugar errado. Vão com Deus (e já vão tarde!!). A opinião de vcs em nada nos acrescenta!!

    [Conteúdo editado]

  5. Olá, amigos mochileiros.

     

    Vou fazer meu primeiro mochilão em Julho pela America do Sul (Chile, Bolívia e Peru). Preciso comprar minha primeira mochila, mas nao tenho muita noção de marcas, tamanhos, nada... Como nao consigo carregar muito peso, e perguntando por aí cheguei à conclusão que uma mala de rodinhas é inviável, gostaria de comprar uma mochila com rodinhas. Assim, uso ela como mochila, mas quando nao aguentar mais o peso ou o local for favorável, arrasto ela com as rodinhas.

     

    Só achei esses dois modelos: Um Azteq e outro Tryon.

    Esse da Azteq(http://www.kanui.com.br/Mochila--Azteq-Navigator-63-3878.html), eles nao informam a capacidade, mas creio que esse 63 na frente signifique Litros, já que possuem um modelo igual mas 33, que imagino que seja 33L. Achei que as alças nao são confortáveis, são finas, nao possuem estofamento nem aquela faixa que une as alças pelo peito. Tb acho 63L muita coisa, mas 33 tb é pouco, queria algo em torno de 45/50L. Outra vantagem desse modelo é que ele vem com uma mochila de ataque acoplada pra usar separada, achei uma boa.

     

    Esse da Tryon (http://www.arcoeflecha.com.br/p-6163-Mochila-Roller-Try-On.html) eles nao informam a capacidade, mas está na categoria "entre 36 e 60L", entao acredito que seja de capacidade razoável, além das alças serem um pouco mais largas e me parecer que possui a faixa no peito. Também possui mais bolsos externos, mas achei o formato dela muito largo, será que fica confortável no corpo?

     

    O que vcs, que têm mais experiencia com mochilas e mochilões rs (já que eu nao sei naaada rs) têm a me orientar?

    Além disso, gostaria de experimentá-las, alguém sabe me dizer onde posso comprar essas marcas em Sp?

    Achei a diferença de valores entre elas muito significativa, a Tryon é 148,oo (muito barata em relação ao que tenho visto por aí), e a Azteq 425,00. Será que a qualidade de uma é muito inferior à outra?

    Alguém indica outra marca ou modelo de mochilas com rodinhas que eu nao encontrei? ::mmm:

×
×
  • Criar Novo...