Ir para conteúdo

Elias D. Teixeira

Membros
  • Total de itens

    29
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre Elias D. Teixeira

  • Data de Nascimento 15-03-1967

Outras informações

  1. Moniiques, Contando com a passagem de avião eu gastei no total US$1.500,00 e a duração total da viagem foi de 16 dias, mas neste valor estão incluídas várias compras: tênis (vários pares), calças, agasalhos, lembranças, etc. Quando viajei meu objetivo principal era descansar e as compras ficaram em segundo plano, mas até hoje é difícil ter um dia em que não utilizo alguma coisa que comprei lá. Sempre estou com uma coisa ou outra que comprei lá. Isso é bom, porque os produtos são bons (são todos importados mas com um preço bem melhor do que os que existem aqui) e também porque termino me lembrando de alguma coisa que aconteceu. É legal. Resumindo, a Bolívia também é uma boa opção de realizar compras. Lógicamente que se o objetivo é somente este, existem outros lugares, mas eu considero um lugar agradável. Os preços de hospedagem, refeição e passeios é bastante acessível lá. Acredito que com uns US$50,00 por dia se faz uma excelente viagem. Um abraço, Elias
  2. Eu fui no mês de março e foi muito bom. Choveu muito pouco: 2 dias durante os 15 dias de viagem e praticamente isso não me atrapalhou. Com relação ao Salar de Uyuni as águas estavam relativamente altas e não foi possível visitar uma ilha (que é descrita em outros relatos). Se você procurar por fotos do Salar, verá algumas em que não há água e outras em que há (como as minhas). Lá sempre é frio, mas existem épocas mais frias em que o Salar está seco. Em junho, nos dias 22 ou 23, ocorre uma festa em Tihuanaco que comemora o solstício de inverno (que na verdade comemora o início do ano no hemisfério sul). É uma festa muito comentada. Algo que dá para perceber por outros relatos é que nos meses de férias (dezembro, janeiro, fevereiro e julho) existem mais turistas e isso exige alguns cuidados como comprar passagens antecipadas (principalmente do trem que leva ao Salar), mas o pessoal sempre consegue outras opções. Um abraço, Elias
  3. Daniel, Com relação à bagagem na viagem de trem, eu despachei minha mochila maior. Eu sempre viajo com duas, uma menor onde geralmente coloco uma muda de roupas, máquina fotografica, alguma comida, etc, mas a maior eu sempre despacho e não houve problema em nenhum de meus deslocamentos pela Bolívia. A mochila é despachada um pouco antes do embarque e depois você só irá revê-la em uma determinada sala da estação de seu desembarque. Como disse não aconteceu nada, mas sempre ficamos meio ressabiados porque no trem até existe um comprovante (então é melhor) mas em algumas viagens de ônibus isso não existia. No entanto eu sempre faço de tal forma que mesmo que se perca a mochila maior "não seja o fim do mundo". Com relação às tomadas, como sou técnico em eletrônica, sempre levo uns fios para fazer uma "gambiarra" se for necessário (que utilizei na Argentina) mas na Bolívia as tomadas são as mesmas que ainda tenho em casa (as antigas) então não há com o que se preocupar. Com relação às fotos, não são proibidas, nem há nada de errado com elas, é só que gosto de boas fotos e as vezes quero "capturar o momento" sem interferir e quando se aponta a máquina para alguém eles sempre interrompem o que estão fazendo, ou olham para você, ou algo assim, então eu só utilizei de um artifício em minha câmera que faz parecer que não a estou utilizando. Existem pessoas que cobram pelas fotos, dessas eu simplesmente não tiro, porque simplesmente ao lado dele geralmente existem outras pessoas que não se importam com isso e as fotos ficarão tão boas quanto. Na excursão de 3 dias nas proximidades de Uyuni, havia como carregar a bateria da máquina. Na primeira noite existia energia elétrica normal, na segunda utilizaram um gerador a gasolina por algumas horas, mas eu não usei nenhuma das vezes e minha bateria aguentou (apesar de ter chegado no limite). E olha que lá eu liguei e desliguei a máquina várias vezes e é um local em que não se economizam fotos. Eu ainda tinha cheques de viagem que sobraram de uma viagem em 2005, então eu os utilizei (com medo de que eles desaparecessem da face da Terra) e também dólares. Hoje existem várias facilidades, mas eu acho que estou ficando velho. Acredito que devem existir formas mais cômodas, fáceis e seguras, mas acredito que levar dólares dá um pouco de trabalho aqui, mas lá é certamente mais fácil, além do mais não desejo procurar onde existe caixa eletrônico para fazer saques, também ouvi relatos de problemas e custos adicionais. Quando viajo estou em férias e desejo sossego, acredito que nas próximas férias, em que precise, levarei dólares e um cartão de crédito internacional (mas só para emergências). Só fiz seguro saúde na minha primeira viagem internacional e isso já faz muito tempo. Podem ocorrer problemas, mas acredito que quando se adota um pouco de moderação (principalmente com a comida) as possibilidades de problemas são bastante reduzidas. Lembre-se também de que turismo é uma industria e um turista passando por problemas médicos em um país (qualquer que seja) e sem atendimento não é uma boa noticia, então creio que seremos atendidos em outros países (em caso de real necessidade). Um abraço, Elias
  4. Carol, Minha viagem durou 15 dias. Pedrada, A foto é do Titicaca sim. Um abraço a vocês, Elias
  5. Mendes, Eu só possuo uma bateria, mas na visita ao salar, nos quais fiquei 3 dias sem recarregar a bateria, ela aguentou (porque só a utilizei durante o dia e foi por um triz), mas sempre é bom fazer como você e levar uma de reserva. Com relação à tomadas elétricas eu sempre fico esperto porque já tive problemas em várias viagens, mas no caso da Bolívia não foi necessário me utilizar de "recursos técnicos" (como sou da área de eletrônica, costumo levar fios e isolante para fazer "gambiarras", se necessário). Engraçado que nem me lembro das tomadas (como não deram problema, foram apagadas de minha memória), mas o carregador de minha máquina possui pinos chatos e não houve nenhum problema. Se não me engano eles utilizam o mesmo padrão brasileiro (o antigo). Boa viagem!!! Elias
  6. [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110722235202.jpg 500 365.53030303 Legenda da Foto]Ops... Cuidado com máquinas penduradas no pescoço, costumam estar desligadas, mas podem não estar.[/picturethis]
  7. Mendes, Eu emburreci porque não lembro direito como carregar uma foto na mensagem, mas segue uma foto da HX1 com o visor na posição "engana povo". Afinal as maquinas costumam estar desligadas, mas nem todas estão e com esta é possível tirar uma foto de uma maneira não convencional. Pensei que havia informado sobre os hotéis em La Paz, mas ao reler meu relato notei que bobeei neste aspecto. O hotel não é tão importante, mas eu considero fundamental estar próximo à calle Sagarnaga e Illampu (é esse o nome correto). Neste local existem diversas lojas, casas de câmbio, locutórios / lan houses, restaurantes e é lotado de turistas o que torna a região segura (pelo menos me senti assim lá). Eu saía para almoçar, jantar, comprar, visitas ao centro, etc, sempre a pé, até as 22:00 sem nenhum problema. Há os mais destemidos que circulam a qualquer hora, mas sabe como é... estamos na América Latina, eu não faço isso em minha cidade, quanto mais em outro país. Eu paguei antecipadamente 2 dias no Hotel Sagarnaga aqui no Brasil a R$40,00 a diária, lá eu paguei o equivalente a uns R$38,00 por mais uma diária. Acidentalmente descobri que o preço do Hotel Milton (que fica perto porque as ruas se cruzam) era de R$20,00. Quando retornei a La Paz fiquei hospedado no Milton, que considero um pouco melhor. Os dois são bem simples, algo como 2 ou 3 estrelas, mas possuem TV a cabo, café da manhã (uma boa oportunidade de mascar folhas de coca) e WI FI. Descobri o Hotel Milton "acidentalmente" porque eu ia sair de La Paz pela manhã e precisava comprar um protetor solar, fui procurar uma farmácia, mas todas estavam fechadas, o único tipo de estabelecimento que estava aberto eram os hotéis e para "não perder a viagem" perguntei o preço, e sabe como é... não há simpatia que justifique uma diferença de preços tão grande. Com relação ao protetor solar FPS 50 eu acredito que isso seja um bom aprendizado: ele custava R$32,00 em SP (no Carrefour) lá na Bolivia custava R$14,00. É importante dizer que era exatamente o mesmo SUNDONW FPS 50 (hecho en Brasil). Então amigos não se deixem iludir pelo "dia sem imposto" em que os comerciantes (e industriais) promovem um auê para dizer que sem imposto de 40% tudo seria melhor, que isso é a doença de nosso pais e blá, blá, blá. A verdade é que a margem de lucro deles é astronômica. Que tal criarmos um dia sem lucros abusivos???? Um abraço, Elias
  8. Mendes, Com relação às fotos, eu realmente gosto muito de fotografar e comprei uma Sony HX1 que possui um recurso que qualquer um que goste de fotografar não dispensaria: é que o display dela "vira" e é possível tirar fotos com a máquina bem acima ou bem abaixo do rosto. O que eu fazia era pendurar a máquina no pescoço (como todo mundo faz quando não está utilizando a máquina), mas a minha estava ligada e discretamente eu fazia as fotos. Com relação à hospedagem em La Paz fiquei no Hotel Sagarnaga e no Milton, ambos estão na mesma região que é excelente porque são lotadas de turistas e assim fica mais fácil não ser notado na multidão. Eles ficam na calle Sagarnaga e na Llampu (ou Illhampu, não me recordo, embora seja fácil verificar no Google maps). Se fizer a reserva no Brasil, só reserve um ou dois dias (por comodidade) porque lá é mais barato. Não faça como eu que paguei lá o mesmo preço daqui. Eles são muito simpáticos, mas verifique outros hoteis similares para saber se vc está pagando o preço de mercado. Em relação aos hoteis em Copacabana e Uyuni são bem simples e sinceramente não me lembro dos nomes, mas tenho certeza que será fácil encontrar hospedagem. Um abraço, Elias
  9. André, Como disse a viagem de La Paz a Uyuni não é muito confortável (mas já viajei em condições bem piores no Brasil), mas eu voltaria hoje sem nenhum problema, é muito bonito e interessante. Acredito que com onibus deve ser bem melhor. Com relação à volta de Uyuni para La Paz, compre a passagem antes de fazer o passeio de 3 dias e você estará garantido. A viagem, na verdade, é bem tranquila. Só não é aconselhável para patricinhas e gente desse tipo, para outras pessoas é normal. Um abraço, Elias
  10. Viagem de ônibus à Buenos Aires e Bariloche

    Nice, Existe gosto para tudo. Eu (ao contrário de várias pessoas) sempre digo que quando voltar à Argentina, será de ônibus. Hoje em dia não fica muito mais barato do ir de avião, mas ainda gosto da sensação de ir "assistindo a paisagem pela janela". Eu iria mesmo com minha família. Um abraço, Elias
  11. Viagem de ônibus à Buenos Aires e Bariloche

    Eu fiz essa viagem em 2006, mas acredito que o mais fácil seja entrar em contato com o guichê da Crucero del Norte aqui na rodoviária do Tiete, deve ser possível comprar passagens para os trechos que estao dentro da Argentina, mas acredito que (talvez) os preços sejam maiores aqui, mas serve pelo menos como um indicador. Quando viajei o preço desta passagem era menos da metade do trecho São Paulo a Buenos Aires (que hoje deve estar em torno de uns R$260). Um abraço, Elias
  12. Viagem de ônibus à Buenos Aires e Bariloche

    [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110409144044.jpg 500 375 Legenda da Foto]Em frente à entrada da trilha para o Refúgio Frey. Até hoje não sei como fui capaz de passar em frente à essa entrada e não ver as placas de indicação. Realmente o papo com minhas maravilhosas amigas argentinas devia estar muito bom.[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110409144423.jpg 500 375 Legenda da Foto]Esse é o final da trilha, já bem próximo do Refúgio Frey.[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110409144618.jpg 500 375 Legenda da Foto]Picos próximos ao Refúgio Frey.[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110409144744.jpg 500 375 Legenda da Foto]Ponte na trilha.[/picturethis]
  13. Viagem de ônibus à Buenos Aires e Bariloche

    [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110409143448.jpg 500 375 Legenda da Foto]Igreja em Bariloche.[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110409143554.jpg 500 375 Legenda da Foto]Lago Nahuel Huapi visto de um dos teleféricos do circuito Chico.[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110409143830.jpg 500 375 Legenda da Foto]Centro Cívico Bariloche.[/picturethis]
  14. Viagem de ônibus à Buenos Aires e Bariloche

    [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110409142626.jpg 500 375 Legenda da Foto]No Zoo de Buenos Aires é possível alimentar os animais, com comida apropriada que é vendida nas ruas internas.[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110409142920.jpg 375 500 Legenda da Foto]É uma proximidade muito boa para fotografias.[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110409143132.jpg 375 500 Legenda da Foto]Cada um com suas preferências.[/picturethis]
  15. Viagem de ônibus à Buenos Aires e Bariloche

    [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110409142236.jpg 500 375 Legenda da Foto]Buenos Aires[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110409142414.jpg 500 375 Legenda da Foto]Flor, no caminho para o Zoo[/picturethis]
×