Ir para conteúdo

rotaviva

Membros
  • Total de itens

    12
  • Registro em

  • Última visita

Conquistas de rotaviva

Novo Membro

Novo Membro (1/14)

0

Reputação

  1. Dexter, você foi no inverno para as Dolomitas? dirigiu por lá? Pode contar?
  2. rotaviva

    Arequipa

    Glaucia Vou estar em Arequipa 29/03 a 01/04. Termino minha viagem dia 21/04 saindo de cusco. Quem sabe nos encontramos. Vou fazer o trekking de 2d. no colca e vi que tem 1 que na volta, vc ja vai para Puno direto. Ou tem 1 ônibus de Puno para Chivay. Dai vc dorme ali vê o voo do condor e na volta fica em Arequipa depois.
  3. Avião até La Paz, fazer os passeios de lá e voltar de avião. Chacaltaya e vale da lua. Tihuanaco se quiser ou Coroico. Ou tentar ir um dia até Copacabana e voltar.
  4. Vc já comprou passagem para sta cruz? eu resolvi ir pelo peru. Acho 3 dias muito pouco para Cusco. meia e tenis. Roupas que aguentem frio ou compra lá. dinheiro não sei dizer. Veja o que o pessoal diz. Chuto U$800. Não sei.
  5. Oi gente. Vou viajar dia 29/03 sabado e volto 21/04 feriado na segunda com minha filha. São 18 dias úteis. Comprei uma passagem diferente e fiz um roteiro pensando nela depois de revirar essas bagunças de voos pelos 3 países. Tentei por santa Cruz mas achei que não ia valer a pena e não conseguiria ver tudo no tempo que tenho. Optei por começar e terminar pelo Peru. aéreo 3 trechos SP- Arequipa 29/03, Puno-Cusco 16/04, Cusco -SP 21/04 - U$552. terrestre - de Arequipa para Arica, Iquique, Sao pedro do Atacama, Uyuni, Oruro, La paz, Ilha do Sol, Puno, fazendo praticamente 1 círculo. Tinha optado por ficar algumas horas em Lima para conhecer mas me disseram que não vale a pena. Vou ver agora os detalhes da parte terrestre direito e que dias e passeios e de repente, nos encontramos.
  6. Também estou pensando em ir. Devemos nos encontrar por lá.
  7. vc precisa procurar Paraty. Não sei se por Angra de BH e de Paraty para Trindade. De lá é sair por Paraty para o RJ. Vc vai estar lá no carnaval?
  8. Eu estive lá ano passado num hotel mas tem hostel sim. Você deve ficar no centro e subir a pé o vulcão mais perto. E também caminhar pela orla até o fim da trilha que cai numa caverna onde você vê o mar. Isso sem pagar. Mas almoço ou jantar era de U$10 a U$15 os mais baratos. Precisa pegar passeio para os moais, praia (única do outro lado da ilha). É quase um passeio em volta da ilha. Chuto U$ 80. Esse precisa fazer. Qualquer outro passeio sai mais de U$50 por pessoa. E alguns você faz andando a pé. A ilha é cara. Se fizer sol, vc bebe muito e tudo é caro. Não perca o show a noite. Eu paguei uns U$40 ou U$60 bem caro mas conheci um bocado da cultura e valeu a comida, a história e o show. Tem outros só com show de danças típicas.
  9. Relato de viagem – Morro de São Paulo - 29/05/13 a 02/06/13 Aprendi as dicas. Deve-se levar roupas leves, chinelo, pouca coisa. Se tiver um calçado para andar na água, nos corais, é bom. Levei uma mochila pequena de rodinhas e uma bolsa de praia com outra pequenina para sair à noite, que coubesse a câmera. Leve um bocado de dinheiro, mas tente pagar tudo que for possível no cartão. Gasta-se muito e fácil. Tem alguns caixas eletrônicos mas não confie muito nisso. Em dinheiro, gastei R$200,00. O resto no cartão. Precisa chorar para pagar pousadas, passeios, tudo. É um lugar caro e eu fui na baixa temporada. O ideal no mínimo, é ter 5 dias inteiros. 1 p/ ida, outro para volta e pelo menos 3 inteiros na ilha. 29/05 – saí de casa em SP, tomei ônibus e metrô até Metrô Tatuapé. 1h. R$ 3,20+R$1,65 (com cartão). Ônibus do metrô Tatuapé para aeroporto de Guarulhos: numero 257 – aeroporto bus service. Leva mais ou menos 1h. – R$4,60. Menos de R$10,00 no total. Sair cedo + 1 hora antes do voo. Cheguei quase 1h da manhã do dia 30/05. Decidi dormir no aeroporto mesmo para ir de ônibus até o lugar da saída da lancha direta para Morro. 30/05 - Acordei as 5:30h, tomei um café no aeroporto e fui pegar o ônibus das 6h. É um ônibus vermelho para Praça da Sé. Leva 1h (sem trânsito). O comum sai R$2,80. Desce no ponto final, anda 1 quarteirão a direita e procura a descida do elevador Lacerda na praça. R$0,15. Anda em frente mais 1 quarteirão atrás do Mercado Modelo. A primeira lancha direto para Morro sai detrás do Mercado Modelo as 8:30h pela Ilha Bela turismo. Reservei antes. Se for ficar pouco tempo deve procurar esta alternativa, mesmo sendo mais cara. R$ 75,56. Troquei de roupa colocando biquíni, shorts, camiseta e chinelo. Bom passar protetor solar, usar óculos ou boné. 2h30 de viagem. Tome dramin 1/2 h antes. Viagem cansativa e com sol, chegamos em Morro as 11h, depois da saída de todos os passeios. Então seu dia é livre. Veja horários antes. Não tem barco direto à tarde, depois das 15h. Planeje ou vá por Valença. 7h ou mais de viagem, mais barata e tranquila para quem tem problemas com enjoo no barco. Se você pega taxi para o Mercado modelo, sai uns R$100,00 do aeroporto. Se está sozinho e com pressa, às vezes compensa ir de avião que sai direto do aeroporto por uns R$250,00. Paga-se R$15,00 de taxa de preservação na entrada da ilha. Guarde para mostrar na volta dos passeios. Pode contratar carregador ou levar a pé sua bagagem. Tem uma subida muito inclinada por 100m logo na chegada do cais. Pense onde vai ficar e olhe um mapa antes. Não é tão fácil transportar de lancha ou catamarã uma mala grande de rodinhas e nem nas subidas e descidas ou lugares com escadas e até areia. O melhor é uma mochila pequena. Após a subida, tem a praça e logo a direita mais uns 100m, o hostal Che lagarto, onde fiquei. Um albergue bom, com ar condicionado, TV e internet. Café da manhã incluso. R$ 110,00 os 3 dias, antecipado para 1 pessoa. Deixei a mochila guardada e fui passear nas praias a pé para conhecer. Fui passear na primeira, segunda, terceira praia, entrando no mar, fotografando e conhecendo. Bem legais e bonitas. Andei a quarta praia inteira e cheguei até a quinta, praia do encanto. Mas essa não achei demais, não. Na começo da quarta praia estão as piscinas naturais formadas por corais e quando a maré está baixa, dá para ver os peixinhos. Leve snorkel ou alugue nos passeios (se a maré estiver baixa de manhã). Ao chegar na quinta praia, almocei uma lagosta grelhada com batatas e outros acompanhamentos numa barraca. Praticamente, gasta-se de R$40,00 a R$50,00 por pessoa o almoço nas praias, nos passeios, com alguma bebida. No centro, consegue-se achar por valor menor, dependendo do lugar. No mínimo, comendo por R$ 15,00, sem bebida ou ainda dá para se virar com tapioca, acarajé, um sanduba. Acabei voltando até a terceira praia de charrete com 2 moças que conheci. Deixe esse dia para andar pois com os passeios, vc não conhece as praias do Morro. Fui jantar na vila e passear na segunda praia onde fica mais agitado e esperei o luau depois das 0h. 31/05 – Levantei cedo, tomei café e fui comprar o passeio de volta a ilha por Boipeba e o de Gamboa. Comprei na Ilha Bela turismo. Depois de chorar bastante, paguei R$80,00 pelos 2. Neste dia, o de volta a ilha. Ele sai em lancha as 9h do cais ou 9h30 da segunda praia. Pergunte antes do passeio sobre a maré estar baixa, pois eles param nas piscinas naturais melhores com a lancha logo de manhã. Se estiver alta como quando estive lá, nem alugue snorkel pois não verá nada. O passeio sai e depois de parar em 2 piscinas naturais, longe das praias, para em Boipeba na praia de Cueira. Comi lá um camarão no côco, muito bom e depois fizemos um passeio pelas praias de Tassimirim até Boca da Barra. Muito lindas as praias. Navegamos pelo rio do inferno, paramos para comer ostra e fomos até Cairú. Não tem nada. Voltamos já no por do sol. Esse passeio deve ser muito bonito com a maré baixa. Se tiver o vip, acho que deve valer mais a pena. Chegamos e havia festa do por do sol no hotel Portaló bem encostado no cais. Era só entrar e consumir algo e aproveitar da vista, da música maravilhosa, das luzes, do ambiente super gostoso e até da piscina. Lindo demais. Fantástico. Fui encontrar depois minha amiga no bar do hotel Passargada, a caminho do farol, que também tem 1 vista do por do sol muito boa. Tomei banho, fui jantar na vila e toda noite na segunda praia, aproveitava das barracas de bebidas e experimentava as caipirinhas diferentes com frutas maravilhosas. Havia vários restaurantes com músicas ao vivo e até pequenos shows. A passarela era o ponto do encontro. 01/06 – O passeio do dia era no Pirata do Morro. Uma escuna para ir até Gamboa. Começava na terceira praia as 10h30 e eu sempre aproveitava para fotografar as praias antes. De novo, como a maré estava alta, não paramos nas piscinas ali da frente. Fomos ao banho de argila. Uma experiência muito divertida. Depois de ficar horrível com direito a foto coberta de argila, entramos no mar e a pele ficou tão sedosa e macia, que valeu a pena. Fomos até o cais e o garçom veio anotar os pedidos de cada um. Continuamos até a ponta do Curral e o banco de areia no meio do mar. Este dia começou com chuvisco, parou, abriu sol e ficaram revezando. Nesta hora de sol, aproveitamos o lugar bem gostoso. Voltamos para almoçar e garanti uma moqueca deliciosa. Esse passeio acabou mais cedo. Corri para o hotel tomar banho, para pegar o último por do sol na Toca do Morcego onde teria uma festa mesmo. Como faltava pouco tempo, aproveitei para subir até o farol, ver a tirolesa, o mirante, e desci para a Toca. R$25,00 para entrar na balada. Mudaram o jeito do local normalmente e com muitas nuvens no céu, o por do sol ficou bem prejudicado. Em seguida, choveu mais forte e todos se abrigaram na parte fechada da Toca e ali já tivemos a nossa balada. Bem mais tarde saí e jantei uma massa muito boa com filé em frente o hotel Passárgada. Fui até a segunda praia e mais uma caipirinha. Voltei para dormir. 02/06 – Por ter que sair as 11h do albergue, não dava para fazer nenhum passeio grande. Comprei antecipadamente a volta de Morro de catamarã direto para Salvador as 11h30. R$75,56 Meu voo era as 18:30h e estava tranquila. Resolvi ir a pé até Gamboa, ver a vista e fotografar logo depois do café as 8h. O tempo bem incerto. Com a maré alta não é bom fazer isso. Tentei e aproveitei a maior parte do caminho pelas praias, mas no fim desisti, pois estava me molhando até a cintura. O tempo mudou e durante a volta despencou uma chuva. Voltei ensopada, tomei banho e me arrumei para viajar. Resolvi descer antes de cair mais chuva. Aproveitei para despedir da minha amiga e fomos até o forte. Dali, voltei para o cais, já na hora de embarcar. A cada saída pelo cais paga-se uma taxa de R$0,62. Haja moedas. Tomei dramin ½ hora antes. Voltamos e chegamos as 14h. Muito balanço, mas muito mesmo e eu fui uma das 10 pessoas entre quase 200 que não vomitaram. Quero deixar dicas sobre isso, em seguida. É muito duro ter uma viagem fantástica e na volta se acabar fisicamente. Fica uma impressão horrível, eu imagino. Chegando ao cais de Salvador, subi o elevador Lacerda e andei um quarteirão de volta a direita para a Praça da Sé, e tomei o ônibus de volta ao aeroporto. Foi outro ônibus, mas ele passava lá. Antes de entrar no aeroporto, comi um acarajé, troquei de roupa, preparando-me para o embarque. Em S. Paulo, tomei o mesmo ônibus que fui, para o metro Tatuapé, voltei de metrô e com mais 2 ônibus, cheguei em casa. Sobre os enjoos no catamarã ou barcos grandes. Para Morro de S. Paulo, tem outro caminho onde você perde umas 7h30 em média, mas é bem mais tranquilo. De qualquer maneira, todos dizem que o pior é sempre à volta. Faça essa opção, se não tem certeza de que aguenta. Prepare-se para ver os voos e ter mais tempo livre. Veja os horários dos barcos de Salvador ou Valença, pois pode perder 1 dia a mais, por terem terminado Tome dramin 1/2h antes. Mas se você já pegou um barco, navio ou catamarã, pense como um marinheiro. Como ele faz? Ele é obrigado a trabalhar com todas as ondulações. Aprende a não enjoar, indo no sabor das ondas. Tem a música que diz: “É no balanço das ondas que eu vou...” Se vc tentar ficar parado, deitado e não sentir é pior. Tente ficar em pé e se segurar e dance com o movimento, ou tente andar num corredor, tentando ter equilíbrio. Quanto mais andar como bêbado, menos chance de cair. Se ficar sentado, acompanhe as ondulações. Procure lugar aberto. Distraia seu olhar na linha do horizonte. Respire fundo e volte a se concentrar num exercício físico, numa dança, numa caminhada. Não leia, nem escreva. O trabalho mental de concentração no esforço físico ajuda a não enjoar. Enquanto você ajuda alguém, sua preocupação faz com que você se vire fisicamente para continuar o que está fazendo. Pense no marinheiro. Em vez de ir contra o movimento, em vez de fechar os olhos e tentar não sentir, sinta. Dance, faça algum esforço com o balanço das ondas. Caminhe, faça exercícios. Fique em pé se segurando, se agache mantendo o equilíbrio. Experimente. Gastos: Depósitos antecipados: 75,56 do catamarã na volta do feriado, 110,00 do albergue Cheque:39,00 almoço. No cartão: 9,50 café no aeroporto, 75,56 da lancha para ir, 29,00 jantar, 80,00 – 2 passeios, 45,00 almoço, 23,00 jantar, 40,00 almoço, 25,00 festa na Toca do Morcego, 16,00 caipiroska na Toca, 46,00 jantar. Total: 613,62 + 200,00 em dinheiro = 813,62 fora o aéreo (paguei com milhas + taxas de embarque)
  10. Relato de viagem – Rota das emoções 17/06 a 26/06/11 18/06 – sábado Cheguei em S. Luis as 2h da manhã. Fui de taxi R$30,00 para o albergue e custamos muito a achar no meio do centro histórico. Solar das pedras. Não é bom chegar de madrugada sem reserva. Pelas festas na rua nos fins de semana eles fecham a porta. Não é seguro. Acabei indo até a pousada colonial R$85,00 com muito choro e dormi pouco. Levantei cedo e fui para o cais pegar o catamarã para Alcantara R$10,00. Acabei pegando o guia pois todos ali iam com ele. É importante ter um guia para conhecer as ruínas com a história senão não faz sentido. Foi R$20,00 a van, o guia e o bote para levar na praia no fim do passeio. Fizemos boas fotos, almoçamos lá. Quase todos almoços e jantares em torno de R$20,00 mais bebidas. Fomos até a praia e voltamos de catamarã por R$12,00 pois agora chegamos na praia e precisava da Kombi para nos devolver onde saímos. Vimos a praia e a lagoa. Fui até o palácio dos leões, e andei procurando outra pousada para sair de madrugada para Santo Amaro. Consegui a Cantaria por R$30,00. É muito difícil uma farmácia e comprar cartões telefonicos. Nada funciona. Isso porque era dia de festa de S. João já. Consegui por milagre e liguei para a van da Joaninha. Com tudo combinado e confirmado para depois das 2h da manhã. Encontrei o lugar da festa e fui jantar num bar em frente ao movimento. Vi tambor de crioula, desfile dos bois, outras danças, rodei o lugar, aproveitei da festa mas fui dormir cedo. 19/06 – domingo Como ninguém me chamou, as 5h desci e aguardei. Tentamos ligar e nada.Espera e espera. As 7h, me disseram para ir embora de ônibus. Tinha levado o cano da Joaninha. Fui a pé até o terminal e de lá peguei o ônibus para rodoviária. Comprei passagem das 9h, R$21,00. Tomei café com bolo, R$3,00 e cheguei em Sangue depois das 12h. Precisa avisar motorista, senão te levam até Barreirinhas. Sangue tem uma casa com varanda no meio da estrada, que vende salgados de pacotinho apenas e é um ponto de parada das toyotas ou 4x4 que vão para Santo Amaro. Não tem mais acordo com a Cia de ônibus Cisne Branco, só com as vans, que partem as 7h ou 17h. Não tem carona de domingo e esperei até as 17h sem almoçar, só petiscando. Fui muito picada pelos piuns, que nem ligam muito para repelente. Leve antialérgico se for alérgico. Não vá sem ligar e se programar com a pousada. Finalmente as 17h partimos R$15,00 e leva em torno de 3h até Santo Amaro num areião bravo ou atravessando lagoas enormes pelo caminho depois da chuva forte, como foi o meu caso. Pensei que íamos perder o carro na água, várias vezes. Faltando 15 min. Para chegar, quebrou o carro e aguardamos 1h até vir outro. Um céu fantástico. Eu estava num fim de mundo mas o céu era muito lindo. Foi um dia terrível e perdi um dia de viagem só para chegar onde queria. Isso acontece, neste lugar. Cheguei as 21:30h e a Marineide da pousada São José, R$30,00 (com choro), foi muito legal, me recebeu e ainda me levou para jantar na pousada pontual. Depois dormir. 20/06 - segunda Só tinha uma garota do RJ e eu. Aguardamos chegar mais 3 de BH para um passeio até Betânia, R$200,00 o carro, R$40,00 para cada uma. Combine o preço direito pois eles mudam. Saímos depois das 10h. Lindo andar nas dunas de 4x4. Vento e sol, areias, dunas, lagoas maravilhosas, paradas para fotos e banho. Andamos um pouco e atravessamos um rio para chegar em Betânia e almoçarmos. Banho enquanto preparavam almoço. Rede para descansar depois. Voltamos e ficamos numa lagoa aproveitando a tarde e fomos ver a lagoa do espelho e o por do sol. A noite, chegaram mais 2 garotas. Jantamos o camarão da malásia (precisa comer isto aqui), R$25,00 + bebidas. Dormir. 21/06 – terça Finalmente em 7, todas queriam um passeio até Queimada dos Britos. Lugar fantástico e não deixe de ir se for a Santo Amaro. É meio caminho até Atins pelo parque. Como só eu queria ir e dormir em Atins hoje, não deu. P/ Atins, carro R$650,00 levando até 10 pessoas. Queimada dos Britos, R$350,00. Em 7, R$50,00 para cada. Não perca os passeios em Santo Amaro. Mas não vá sozinho sem avisar e saber ou terá de pagar o carro. Daí todos desistem e perdem o melhor dos lençois. Foi um dia no paraíso. Passamos pela lagoa da Gaivota, Emendadas e outras mil. Fotos, banho, dunas como no deserto, muita areia, sol maravilhoso, animais no parque, sobe e desce de carro, experiência imperdível e sem palavras para poder explicar o que sentimos. Almoçamos num oásis, como uma vila “indígena” no meio do deserto. Não dá para acreditar naquele modo de vida. Simples de tudo. Passeamos pelas lagoas e dunas até avistar o mar bem ao longe, enquanto algumas garotas tiravam a soneca da tarde nas redes. Voltamos e nos banhamos numa lagoa belíssima apelidada de virgem e depois de mais um tempo fomos ao grande por do sol na lagoa da gaivota. Foi um final de tarde encantador. Beleza, silencio, amplitude, meditação, sentimentos grandiosos. Jantamos todos na pontual. Combinamos sair de madrugada para Barreirinhas. 22/06 quarta Marineide nos acordou as 3h. 3:30h saímos com a Toyota de linha, R$15,00. Paramos no caminho para café com bolo R$2,00 e chegamos as 6:30h mais ou menos. Acabamos indo de Toyota até Barreirinhas, R$5,00 e levamos mais de 1h. Fomos até a pousada onde 2 garotas iam ficar no dia seguinte, deixar suas coisas. Fomos em busca da voadeira pelo Rio Preguiças. Acabamos dividindo o grupo das 7. Fui com as 4 em uma e ficou R$50,00 para cada uma. Precisa combinar antes dele ir até Atins. A maioria só faz até Caburé e depois precisa pagar bem mais R$30,00 para um barco te levar até Atins. Fechamos uma voadeira para ficar conosco onde queríamos mais tempo. Um passeio bem legal, aprendendo sobre o mangue, vendo as bordas do rio, parando em Vassouras para fotos dos macaquinhos e outros animais, pássaros, subir a duna e pegar uma lagoa. Fomos até o farol de Mandacarú. Suba os degraus que a vista é linda. Paramos na quase foz do rio em Caburé onde finalmente chegamos a praia. Almoçamos lá r$ 25,00 mais bebidas. Tem um bar na praia que acho talvez melhor e mais barato. Caburé tem umas 3 pousadas sem luz para curtir 1 dia perdido na natureza. De lá a voadeira nos levou até Atins. Você chega na praia e precisa subir uma duna e andar um pouco até o vilarejo. As meninas desceram para um passeio e um banho no igarapé enquanto eu desci com a mochila para procurar pousada. A “Filhos do Vento” fechou e fiquei na “Irmão”, nova e boa. R$35,00. Com as outras 2 garotas que ficaram lá também e 1 casal fizemos o passeio do por do sol para ver a revoada dos guarás (pássaros vermelhos). R$50,00 o barco motorizado, rabeta, R$10,00 para cada um. Só vimos de longe alguns guarás mas pegamos um por do sol magnífico neste lugar. Voltamos a noite e o vilarejo sem luz, mostrou um céu bordado de brilhantes estrelas, tão fantástico que a luz era bobagem. Conversamos todos no escuro e combinamos ir jantar na Luzia, o restaurante famoso no canto dos Atins, 6 km dali. O carro cobrou R$60,00. Consegui 6 pessoas mas virou R$15,00 por pessoa. Como tudo por ali. Restaurante da Luzia – especialidade: camarão grelhado ou peixe com molho de camarão, o melhor. Peixe grelhado ruim. Sem gosto e sal. R$25,00 + bebidas. 23/06 - Quinta Do pessoal, só eu tinha resolvido fazer o passeio da lagoa verde. Foi combinado lagoa verde, cachoeira e Canto do Atins, praia, por R$50,00 por pessoa. Na hora de sair, mudaram o preço e disseram que como só eu iria, precisava ser R$100,00. Discuti e estava desistindo quando o casal do RJ resolveu ir junto, mais para me ajudar. Nos avisaram que iríamos andar 45 min. a pé para chegar na lagoa pois o carro não entra no parque. Também ficou combinado ontem que ele me traria antes quando o pessoal fosse almoçar pois não podia perder os barcos, antes das 14h para ir embora. O carro nos levou até Canto dos Atins para o casal reservar o almoço. O restaurante era longe da praia. Continuamos pela praia e pelo areião. Atolamos, continuamos depois de um tempo e finalmente paramos no meio do nada entre a praia e o deserto de dunas. A praia era comprida e muito suja com tudo que o mar jogava de volta na areia. Garrafas, redes, restos de planta trazida pela correnteza com águas escuras e ondas. Muito vento. Dali começamos a andar. Em direção as dunas, por 1 h. Ninguém nos avisou que seria assim. O sol forte, precisava de proteção o tempo todo e água mas sem carregar nada de peso. Sobe e desce dunas como no deserto, sem parar e sem ninguém falar do preparo físico. Decididamente não é para qualquer um. Finalmente depois da subida enorme na duna, avistamos uma lagoa grande, azul pois é profunda com um pedaço apenas verde claro. Cai como praia de tombo e precisa saber nadar. Tinham 3 adolescentes nativos nos acompanhando e eles com algo de isopor se divertiram imediatamente. Com o calor intenso, nos banhamos naquela água deliciosa por bastante tempo. Transparente, agradável. Um lugar muito lindo mesmo. Ainda mais depois de tudo que andamos. Não era como imaginávamos apesar de estarmos no meio do nada sem estrutura nenhuma e sem sermos avisados disso exatamente. Voltamos andando mais 50 min. Agora pelos córregos em volta das dunas, andando no plano. Ao chegar no carro, o jovem motorista não queria ir até a cachoeira pois não tinha sido pago para isso. Insistimos e ele acabou indo de má vontade e bem devagar. Quando eu fiquei com medo de chegar tarde e ía desistir, ele andou rápido e chegamos logo. Era um riacho que vinha pela praia e um pouco antes de desaguar no mar, havia umas pedras na praia e a água caía de 1m. de altura, no máximo. Aproveitamos a água quente estranha no sol do meio dia, e em seguida voltamos para o restaurante. Ao deixar o casal, pedi para me levar de volta, o motorista se recusou. Discutimos feio mas o Irmão me vendeu uma coisa e combinou outra com o César, o motorista. Perdi e tive que esperar o casal almoçar. Não podia comer pois não tinha comida preparada para mim e não ia dar tempo de mandar fazer. Dancei de todas maneiras e cheguei tarde para tomar banho e sair da pousada. Corri para a praia as 15h mas os barcos chegam das 13h as 14:30h mais ou menos. Fiquei 30 min. E ninguém apareceu. Acabei pedindo a uma rabeta que passava e levava um casal para me levar até Caburé onde eles iam e paguei R$30,00. Demorou uns 45 min. E consegui fotografar melhor os guarás, os pássaros vermelhos. Dali, corri para pegar um quadriciclo e consegui por milagre o último do dia que ainda estava indo embora. Tudo só funciona no horário do almoço onde os barcos param. Chorei e ele me levou até Paulino Neves por R$50,00 pelas praias e por terra com minha mochila. Foi diferente e divertido. De lá, que me garantiram que tinha ônibus e carros em qualquer horário mas não era assim. Consegui um mototaxi por R$30,00 para chegar a Tutóia. Andar por mais de 1h na moto de mochila pela estrada depois de um dia de sol, areia e vento, cansa. Chegamos depois das 18h e não havia mais nada para Parnaíba. Ele me deixou numa pousada ao lado da rodoviária, R$20,00 que estava aumentando e peguei um quarto novo mas sem tela na janela. Tomei sopa R$5,00 achando que era “leve” mas foi de macarrão, carne e frango, bem forte. Saí para ver o centrinho que tinha festa de S. João e em todas as casas tinha uma fogueira. Fui até a praia com outro mototaxi por R$5,00 para ver o movimento mas descobri que não tem nada acontecendo na praia. Tudo deserto e escuro. Conheci o pequeno cais no rio, de onde saem barcos de pesca e os que vão para o Delta. Ninguém por ali falava ou sabia sobre isso. Fiquei vendo as apresentações de dança mas fui dormir cedo novamente. A dona da pousada conseguiu um lugar no taxi que ia para Parnaíba em 1:30h. por R$20,00 quando a passagem era R$17,00 de ônibus levando 3h. Precisava acordar as 5h. 24/06 - sexta-feira Fui de taxi com mais 3 pessoas e as 7h já estávamos chegando lá. Consegui na agencia comprar um lugar para o passeio pelo Delta e sai do porto dos tatus, 15 km dali. R$50,00. Peguei carona. Passeio num barco grande lento com 3 paradas e pouca coisa para se ver. Muita música, forró, vimos os mangues e os caranguejos, a foz do rio no mar , tomamos banho e almoçamos, paramos depois numa duna com lagoa e serviram caranguejada. Foi diferente mas deixou a desejar. Nada dos guarás. As 15h estávamos de volta. Peguei carona para conhecer a praia do sal, e no fim da tarde me deixaram na rodoviária para ir a Camocim + ou-R$20,00. Cheguei a noite para jantar e dormir na Pousada Luziânia – R$22,00. 25/06 –sabado Logo cedo fui até a balsa para dividir o buggi até Jeri passeando em todos locais. Ninguém aparecia e no fim consegui carona na caçamba de um 4x4 de um casal que pegou um guia. Eu paguei R$20,00 para o guia. Ele levava nos lugares legais para fotos, dunas, pela praia até a duna do funil onde escorreguei sentada num skate na duna quase vertical e enorme chegando na beira da lagoaR$5,00. Bem bacana. Em seguida fomos a lagoa de Tatajuba com seus muitos quiosques na beira dágua para petiscar na frente das redes dentro dágua para se refrescar. Ali aproveitei para fazer uma tirolesa na lagoa enquanto eles faziam camarão e lagosta para nós. Andei de bote pela lagoa bebendo caipirinha e aproveitando a vida boa. R$7,50. Me presentearam com o almoço... Continuamos mais a frente até atravessar outra balsa e logo paramos para ver o cavalo-marinho. Entramos num bote pelo rio e depois de alguns minutos o guia recolhe com uma bacia um cavalo marinho para vermos. Devolve e nos mostra no meio do mangue, onde vivem. R$10,00. Voltamos a praia e seguimos em frente até avistar uma duna enorme e ao lado o vilarejo de Jericoacoara. Logo que chegamos procurei pousada Jericó – R$50,00 e em seguida fui procurar fazer passeios. Consegui uma moto por R$60,00 e saímos em seguida para conhecer a pedra furada e as lagoas. Vimos tudo mas o sol acabou se pondo um pouco antes de chegarmos as dunas. Vimos no caminho mas fiquei na praia para ver o começo do anoitecer. Tomei banho, fui comprar a volta para Fortaleza e foi bem complicado. Não tinha mais ônibus (sempre compre ida e volta se for de Fortaleza). Para ir de buggi ou 4x4 pela estrada R$100,00 por pessoa. Para ir pelas praias, precisa pagar o carro para 4 pessoas, um 4x4 por R$900,00 a R$1200,00. Nunca tem gente para dividir. Acabei encontrando vans que vão de Jijoca para Fortaleza a tarde. Um 4x4 te leva a lagoa do paraíso para se banhar até 12h, almoçar ali, tomar banho e se trocar para seguir até Jijoca e com a Van para me deixar no aeroporto. R$65,00. Valeu a pena. Jantei no Bistrogonof e comi uma lasanha de carne ao vinho fantástica e bebi uma batida de cajá R$23,00. Muito bom mesmo. Fui passear, ainda consegui pegar o forró e fui dormir. 26/06 – domingo Levantei mais tarde, tomei café e com tudo pronto fui a lagoa, almocei e fui embora de van para Fortaleza. Chega mais ou menos 19h no aeroporto. De lá peguei o avião para chegar em SP de madrugada no dia mais frio do ano. Apesar de corrido e eu não recomendar assim, foi maravilhoso. Não perca Lençóis e vá ficar uns dias em Jeri. Rosana
  11. Juçara Acabei de vir de lá. o que vi para uma pessoa: albergue solar das pedras - R$25,00 pousada colonial - R$95,00 pousada cantaria - R$30,00. Rosana
×
×
  • Criar Novo...