Ir para conteúdo

Fernando Mello

Membros
  • Total de itens

    246
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que Fernando Mello postou

  1. DIA 15/04 - SAÍDA PARA BRUXELAS: Era domingo mas mesmo assim acordamos por volta de 08:30h. Descemos para nosso café por volta das 09:00h. Depois saímos e fizemos nosso check-out. Tudo Certo. Pegamos o metrô bem em frente ao Hotel. Descemos na estação Gare Du Nord. A estação do metrô é embaixo desta estação de trem. Basta seguir as indicações que a gente acha direitinho. Chegamos na estação por volta de 10:30h. Achamos um lugar para nos sentar. Sai para dar uma voltinha e conhecer melhor a estação: Estava muito frio na estação. Interessante que existe uns aquecedores elétricos que ficam ligados e as pessoas chegam e ficam paradas ao lado deles para se aquecerem. É uma ótima idéia. :'> Nosso trem era às 11:25h. Compramos o bilhete com antecedência. Quanto mais cedo você compra mais chance de pegar preços promocionais. Compramos pelo site: http://www.thalys.com/fr/en/?time=1295711286 Pagamos 29,00 euros por pessoa. Na hora marcada fomos para o nosso trem. Junto conosco foi uma multidão de pessoas. O importante é conseguir um lugar para a mala... tude certo, lugar garantido e agora era só mesmo curtir a viagem. Em uma determinada hora passa o fiscal para conferir o seu bilhete. Tudo certo Chegamos a Bruxelas por volta de 12:40h. o Trem para na estação Gare Du Midi. Você tem que descer nesta estação. Comprei um mapa por 0,50 euros. preferimos pegar um taxi. Sei que existe o trem que se pode pegar até a estação central, mas mesmo assim fomos de taxi. Na Bélgica, ao contrário da França, os motoristas falam Inglês. Pagamos 14,50 euros até nosso hotel. Nós ficamos no Hotel Scandic. Este Hotel é pertinho da estação central e portanto perto de tudo. A temperatura estava em 9 graus. Estava um frio na cidade Chegamos ao hotel e fizemos nosso check-in. Os quartos seriam liberados por volta de 14:30h. Como era 13:15 resolvemos ir comer algo. Deixamos as malas no guarda-malas e fomos. Fomos andando em direção ao Boulevard Anspach. Achamos uma Pizza Hut e foi lá que entramos. Pedimos Pizzas, lazanhas, Sopas, vinho, suco e refri. Esta Pizza Hut é na Place de la Bourse. Tudo ficou por 50,65 euros, para os 4. Saímos de lá e vimos bem em frente a praça uma manifestação: Era alguma coisa a ver com a Síria e a OTAN, cuja a sede é em Bruxelas. Bom, passamos e fomos de volta ao Hotel. Chegamos lá nossos quartos já estavam prontos. O Hotel é muito bom. Pagamos 190,00 euros pelos 2 dias com o café da manhã incluso. Ele é muito bem localizado. A moça da recepção pediu o cartão de crédito para fazer uma "reserva antecipada"de 50,00 euros para gastos extras, já que nós já tinhamos pago com antecedência o Hotel. Sem problemas. Eu me lembro que no ano passado em Amsterdam também fizeram isto. Ficamos no quarto 116. O quarto tem um espaço bom. A cama é larga e confortável. A impressão do Hotel foi muito boa. Descansamos um pouco e fomosparaa rua. SAímos e fomos na Catedral da Cidade que fica bem pertinho do Hotel: Estava acontecendo uma celebração. Saimos de lá e passamos pela Galerie Royales (É tudo caro). De lá fomos a Grand Place: Existe uma rua perto da grand Place que é famosa por passar turistas para trás. É a Rue de Bourchers. Dizem que a comida de lá não é boa e os restaurantes te "carregam ' literalmente para dentro sem nenhuma cerimônia, parece uma pescaria de turistas distraídos. Não caia nesta. nós passamos lá e podemos comprovar isto. Da grand Place fomos ver o tal manequim que está fazendo xixi... No caminho pausa para as guloseimas da cidade: Logo a frente o manequim.. É tão pequeno Seguimos até a grand Sablon. Seguimos andando até a Place Royale.Viramos a direita e estávamos em frente ao Palácio Real (Palais Royal). Depois entramos no Parc de Bruxelles. Estava com pouco gente. Nào sei se porque era Domingo, e saimos em frente ao Palácio da Nação. Seguimos pela Rue de la Loi, Rue des Colonies até chegarmos na estação Central. Entramos na estação. A estação é também muito bela. Já era 19:30h. Fomos ver se encontrávamos os tickets para Brugge. Existe os painéis interativos que você pode pesquisar os intinerários e horários dos trens: Tentamos comprar na máquina,mas ela não aceitou o cartão VTM. Fomos no guichê que estava vazio e compramos os bilhetes para o dia seguinte. Pagamos 27,00 euros Ida-e-volta por pessoa. Os bilhetes não tem horários. Podem ser usados livremente. Por isto é bom verificar no totem os horários do trem. Saímos de lá e fomos comer algo ali perto mesmo. Entramos num café: Pedimos capuccino, chocolate, croissant e muffin. Para o casal ficou em 11,60 euros. Saimos de lá por volta de 20:10. Estava muito gelada a cidade. REsolvemos voltar para o Hotel.
  2. DIA 14/04 - SÁBADO - DAYTRIP A VERNON, GIVERNY E JARDINS DE MONET: Acordamos por volta de 08:30h. Descemos, tomamos nosso café. Depois saímos para o nosso daytrip. Nosso destino a cidade (ou village) de Giverny. Fomos para a estação de Gare Saint Lazare, de onde saem os trens para a cidade. A estação do metrô de Saint Lazare é muito grande e você deve seguir as indicações para chegar a estação dos trens, que fica na superfície. Fomos as máquinas comprar os bilhetes porém elas não aceitam o cartão que não tem chip. Como nosso VTM não tem, tivemos que entrar na fila para comprar o bilhete no guichê. A fila estava grande e andando devagar. Você deve comprar a passagem para Vernon. O próximo trem era às 10:20h. Estávamos só olhando no relógio, pois a fila não andava. consegui chegar no guichê às 10:15h. Pedi os 4 bilhetes para a cidade. O atendente muito educadamente ainda foi me explicar que eu não precisava validar o bilhete de ida, pois ele já o estava carimbando, porém que deveria validar o bilhete de volta na máquina na plataforma. Eu olhando para ele e para o relógio e pensando, não vai dar tempo de pegar o trem. Quando finalmente ele me entregou os bilhetes e o troco saí correndo e fomos para a plataforma onde já estava o trem. Olha foi no sufoco mesmo pois assim que entramos e ainda ajudamos uma senhora a entrar com o carrinho de seu bebê o trem foi fechando as portas e partiu. Pagamos 26,60 euros para a ida-e-volta, por pessoa. Você não marca o horário de volta, mas é legal você pegar um folheto com esta informação, pois assim você pode se programar. O trem estava cheio. Esta pessoa que ajudamos a entrar no trem com um criança era uma brasileira, filha de chileno com brasileira, que morava na França a uns 2 anos. Morava em Vernon. Fomos conversando durante todo o trajeto. A viagem dura aproximadamente 1 hora. Durante o trajeto passaram os fiscais para verificarem os bilhetes. Tudo em ordem. Detalhe. o trem tem 2 classes e segundo a brasileira que estava conversando conosco, eles olham isto também, ou seja, se você está na classe certa. Descemos na estação de Vernon. Saímos e logo ao lado da estação você pega o ônibus para Giverny: O bilhete de ônibus custa 6,50 euros ida-e-volta. Você compra na hora de entrar no ônibus. Detalhe interessante: Não precisa sair correndo desesperadamente para pegar o ônibus. Normalmente tem uns 3 lá esperando os passageiros do trem . Falo isto porque vi gente fazendo isto. O ônibus não é muito confortável, apesar de ser "de viagem". A viagem até Giverny duram menos que 15 minutos. O ônibus para em um estacionamento perto do início da village de Giverny. Seguimos em direção a rue Claude Monet, por sinal a principal da Village. Paramos antes em um pequeno restaurante para comermos algo. Comemos paninis,sopa e bebemos refri. tudo a 10,50 euros. Detalhe: Não compre água nestes locais, deixe para comprar dentro dos jardins. Paguei 2,00 euros fora. Lá dentro, na máquina custou 1,00 euro. Entramos na filinha pra comprar os ingressos. pagamos 9,00 euros por pessoa. Logo na entrada, a gente passa pela lojinha com vários suvenis. Passamos direto e fomos conhecer lá fora mesmo. Perto dali já vemos a casa onde viveu Claude Monet: Fiquei imaginando. Com aquela beleza toda, até eu pintava quandros bonitos. O lugar é de uma tranquilidade que inspira qualquer pessoa: Esta região da França, conhecida com Normandia, sofreu muita destruição com a 2a. Grande Guerra. Estes jardins também foram alvo dos ataques e foram reconstruídos após o fim do conflito: Você segue o caminho, passa por baixo da rodovia que separa as duas partes do jardim e tem acesso ao lado onde está a ponte japonesa que inspirou mais de um dos seus famosos quadros: Realmente a gente passa o tempo neste lugar, sem se preocupar com nada, apenas apreciando as belezas. Paramos um pouco para o descanso: Depois de vermos tudo, saímos de lá e fomos andar pela Village de Giverny. Ainda tinha o Museu imprecionista, que ficava fora dos jardins. Não entramos. Chegamos a uma pequena igreja, onde esta enterrado o corpo de Claude Monet. A igreja é simples porém bonita. Fomos voltando para o estacionamento. Queríamos pegar o ônibus para Vernon às 16:00H. Esperamos um pouquinho e logo o ônibus chegou. Rapidinho estávamos novamente em Vernon. Descemos na estação do trem. Como o trem era às 17:55h, fomos conhecer a cidade e aproveitamos para comermos algo. Comemos Mufin, chocolate, capuccino e croissants. Tudo por 10,15 euros para o casal. Andamos mais um pouco, compramos umas coisinhas e depois voltamos para a estação de trem: Já era 17:30h. Validamos, conforme ressaltado pelo bilheteiro em Paris, nossos bilhetes nesta maquininha ai: A plataforma estava cheia. Preste atenção no trem e no horário, pois passam outros trens que não seguem para Paris. Quando o trem chegou foi um alvoroço só. o trem já estava quase cheiio e foi difícil achar lugar. Eu mesmo vim em pé, cochilando e me segurando para não cair. Num via a hora de chegar em Paris. Descemos em Saint Lazare. Fomos para a estação do metrô e compramos mais bilhetes. Pegamos o metrô para a Champs-Elysée. Descemos em George V (estação na Avenida Champs-Elysée). Fomos caminhando e observando o enorme movimento de gente pela avenida. Andamos até o arco do TRiunfo. TEm loja para todos os gostos e preços. Da outra vez que fomos em Paris não havíamos andado nesta parte da avenida, descemos direto na estação do metrô no arco do Triunfo. Mas nem tudo é beleza. Há pessoas pedindo por esmolas nesta avenida também: Fomos voltando até a estação do metrô novamente, já era 20:30h. Pegamos o metrô e descemos perto de nosso hotel. Fomos a um restaurante McDonalds e resolvemos comer lá. A 1a. vez nesta viagem (a outra foi para tomar café). Paguei 7,55 euros por 2 sanduiches, fritas e refri. Voltamos para o hotel. O dia foi cansativo. No outro dia íamos para Bruxelas e tinhamos que arrumar as malas.
  3. DIA 13/04 - PARIS Acordamos um pouco mais tarde. Descemos para o café por volta de 9;00h. O café da manhã estava muito bom. Saímos do hotel por volta de 10;15h. pegamos o metro ali mesmo em frente ao hotel e descemos na estação Jussieu. Estávamos indo ao "Jardin des Plantes". Este local faz parte de nosso "roteiro alternativo de Paris". O Jardin des Plantes é um Jardim Botânico aberto ao público gratuitamente. Fica perto do Rio Sena e da Gare D'Austerlitz. Junto ao Jardim estão também um Museu de história Natural, Museu de Mineralogia e Geologia e também um zoológico, com várias espécies de pequeno porte. Começamos nossa vista pela parte gratuita onde estão os jardins. Depois resolvemos passar um pouco na área do zoo. Para entrar ai temos que pagar 10,00 euros por pessoa. É interessante visitar esta parte do parque pois existem 'varios animais que não vimos por aqui. Depois de andar um pouco fomos a parte das serpentes: De la ja quase saindo encontramos os flamincos. Eles fazem muito barulho: Depois saimos da 'area do zoo e fomos em direção ao centro do parque. É um local muito bonito com belos jardins. Passamos pela ala de geologia e botânica: e seguimos em direção a saída: De onde podemos ver a exposição na Galeria da Evolução. Não entramos: Na sáida, já nos encontramos em frente ao quarteirão onde se localiza a Mesquita Muçulmana. Atrás da mesquita tem um restaurante com doces, comidas tipicas. Entramos lá. Não estava cheio, compramos um doce que não entendi de que era , por 2,00 euros. O chá que eles servem lá também é cobrado. Falo isto pois eles vem te oferecendo na mesa, você pega e eles ficam esperando você pagar. Depois saimos em fomos para a entrada da Mesquita. O complexo da mesquita ocupa um quarteirão. Fiquei sabendo que foi a primeira mesquita construída na França. A visita pode ser aos pátios do seu interior, a sala de oraçãoe a biblioteca. Custa 3,00 euros por pessoa e está aberta a esta visitação todos os dias, EXCETO às sextas-feiras. Acreditem, estávamos lá para a visita e que dia era: Sexta feira. Não podemos nem tirar fotos da entrada. Era dia de oração e estavam chegando muitas pessoas em seus trajes. Infelizmente teve que ficar para outra vez. Erro nosso, pois estávamos com esta informação. Voltamos a Rue Linne e entramos em um pequeno restaurante, porém muito movimentado e cheio de estudantes. Pensamos, deve ser bom e barato. Comemos Paninis e bebemos refrigerantes: 9,30 euros para os quatro. Achei barato :'> Saimos de lá e subimos em direção a Rue Mouffetard, antiga rua de comércio de Paris. Compramos algumas coisinhas por lá. Subimos mais um pouco até a Praça Monge: Depois pegamos a Rue du Cardinal Lemoine e depois a Fosses St. Bernard. Ao final desta tem o prédio do instituto da Cultura Árabe. Entramos nele: É um prédio com uma arquitetura muito interessante. Subimos até o 9o. andar. lá tem um restaurante muito chique (que nem entramos) e um terraço, de onde podemos ter uma bela vista da cidade. Depois de conehecemos o lugar descemos e fomos margeando o Rio Sena. Fomos seguindo em direção a Ponte Neuf. Por onde andamos iamos apreciando ãs margens do rio as belezas da cidade, como a Igreja de Notre Dame. É incrível poder andar bem pertinho do rio: Fomos assim até a ponte Neuf. Subimos e atravessamos a ponte em direção ao Museu do Louvre. Entramos a esquerda na Rue de Rivoli. Entramos em um McDonalds. Tomamos café lá. Pagamos 9,20 euros para o casal. Saímos de lá e fomos ao Museu do Louvre. Na sexta-feira o museu fica aberto até 21:30h. tinha uma fila grande para entrar mas que estava andando rápido. Já era por volta de 18:30h. Quando chegamos no saguão para comprar o ticket fomos direto nas máquinas: Pagamos 10,00 euros por pessoa. Comprei com meu cartão VTM, sem problemas. Eu acho super barato, pelo que o museu oferece. Desta vez fomos na ala Egipcia. São muitas obras de arte para a gente apreciar. O museu em si já é uma obra de arte, na parte arquitetônica. Depois de andarmos por esta ala fiquei sozinho. Minha esposa, minha cunhada e o marida resolveram sair, pois já estavam cansados. Fui para a ala greco-romana. Outras belezas a parte: Depois de ver tudo nesta ala, claro que de uma forma rápida, fui para conhecer a pirâmide invertida: Sai do museu por volta de 20:50h e o sol estava se pondo. Bela Imagem do Arc du Carrousel, em frente ao Louvre; Depois encontrei o pessoal lá fora e resolvemos comer algo perto do nosso hotel mesmo. Pegamos o metro L1 e L8. Fomos em uma pizzaria ao lado de nosso hotel. Pagamos 37,50 euros por 2 pizzas, agua mineral e vinho, isto para os 4. Voltamos para o hotel por volta das 22':00h. Hora do descanso.
  4. Oi Patty, Obrigado pelo comentário. Estou escrevendo sobre Paris. Logo postarei mais um dia. Acompanhe ! Fernando.
  5. DIA 12/04 - SAÍDA PARA PARIS: Bom era o dia de nós darmos adeus a Barcelona. Acordamos bem cedo, pois o táxi estava marcado para às 08:00h. Arrumamos tudo e descemos. Pontualmente às 08:00h, o táxi parou na porta do hotel. Já tinhamos avisado com antecipação que precisava de um táxi que coubesse 4 malas. Sem problemas veio um táxi enorme, que cabia até mais. Fizemos nosso check-out no hotel e fomos embora para o aeroporto. Volto a dizer que tem um trem para o aeroporto. Porém o acesso no metrô tem muitas escadas e a gente já estava cansado. Como estávamos em 4 o táxi até que não ficava tão mais caro. Pagamos 43,00 euros no táxi: 32,00 da corrida+ 4,00 das bagagens + 7,00 para pegar no hotel. O trânsito estava bem carregado até o aeroporto, mas chegamos cedo. Identificamos qual era o nosso terminal (T1) e descemos lá. É importante saber ao corretamente o seu terminal pois o outro, o T2, fica distante e não sei como é a interligação entre eles. Fizemos o check-in na Vueling e passamos para a sala de embarque: Como já disse antes, compramos as passagens ainda no Brasil. Pagamos 99,48 euros para o casal, incluido as bagagens e a escolha do assento no avião. Passamos pelo raio X e detector de metais sem problemas. Na sala de embarque é que fomos tomar nosso café da manhã. Pagamos 24,05 euros para o casal (carinho) , mas não havia outra opção. Fomos para perto do nosso portão de embarque e aguardamos o nosso voo, que era às 10:20h. Voo tranquilho sem problemas e graças a Deus sem turbulências. Normal !! :'> Não compramos nada dentro do avião, pois já estávamos bem cheios. Descemos em Orly, no mesmo aeroporto que estivemos no ano passado. Bom aqui vou falar um pouco sobre esta opção de voltarmos a Paris: No ano passado a gente conheceu os principais pontos turisticos da cidade. Queríamos voltar para conhecer mais. Paris, na minha opnião, não é uma cidade para se ir apenas 1 vez. Queríamos voltar ao Louvre, pois apenas 3 ou 4 horas não se vê nada. Não tinhamos ido ao Moulin Rouge. Também resolvemos fazer um turismo, tipo alternativo, ou seja, ver aquilo que não é muito explorado na cidade. Também queríamos ir aos Jardins de Monet. Portanto esse roteiro não servirá para quem nunca foi a Paris. Se é a sua 1a. vez, é melhor ler o meu relato feito no ano passado, pois nele estão contemplados os principais pontos turísticos da cidade. (veja link do relato no rodapé, na assinatura). Nosso roterio foi montado em cima do roteiro do site, conexão Paris. Chegar no aeroporto de Orly pela 2a. vez é bem melhor do que a 1a. vez. A gente fica mais seguro. Fomos pegar nossas bagagens. Passamos no balcão de informaões turísticas para uma dúvida e logo fomos para o ponto de táxi. Lembro que o Aeroporto de Orly está na Zona 4 de Paris. É ligado a linha do RER pelo Orlyval (monotrilho). Existe também o Orlybus. VEja no site: http://parisbytrain.com/ Vale lembrar que a maioria dos taxista não falam inglês. Como eu já estou arranhando um pouco do francês resolvi por em prática a lingua e treinar. Nada mal mesmo, arrumamos o taxi e consegui explicar o taxista o nosso hotel. O tempo estava meio nublado e até caiu uma chuva fina durante o trajeto até o nosso hotel. Pagamos 35,70 euros pelo taxi, no taximetro. Ano passado pagamos muito mais caro. Nós ficamos no Hotel Tourisme, o mesmo que ficamos ano passado. O Hotel é em frente a estação do Metrô La Motte Piquet-grenelle. Pagamos 311,90 euros por 3 diárias incluído o café da manhã. Os quartos eram os quartos simples. Ano passado pagamos pelo quarto superior. Chegamos na recepção e a moça conferiu tudo e disse que havia 1 quarto já liberado e o outro demoraria 1 hora. sem problemas, fomos para o quarto para deixarmos as malas e procurarmos algo para comer pois já era 13:30h. Porém o quarto era muito apertado. Na verdade a gente sabia que o quarto era menor do que o que ficamos no ano passado. Voltamos na recepção e pedimos para ver se não havia a possibilidade de nós trocarmos de quarto, por um quarto sem carpete pois tinhamos alergia . A moça disse que todos os quartos para os quais nós pagamos tinham carpete. Dissemos que no ano anterior tinhamos ficado lá e que nosso quarto era sem carpete e muito maior. Acho que ela viu nosso cadastro lá e viu que realemente tinhamos estado lá. Lembrou-nos que os quartos eram melhores mais eram mais caros. Mesmo assim ela chamou o gerente e falou com ele que queríamos trocar de quarto e que já tinhamos estado lá. Ele olhou para nós e permitiu a ela nos colocar nos quartos superiores sem nenhum acréscimo na diária Blz. Subimos e pegamos nossos quartos. Minha cunhada ficou no mesmo quarto que nós háviamos ficado ano passado (412) e nós no 404: Comemos no quarto mesmo uns sanduiches que tínhamos comprado no aeroporto de Barcelona. Dava para enganar a fome. Saímos depois e fomos pegar o metrô. Compramos o "carnê" com 10 passes. Na verdade vêm os 10 bilhetes. Fomos em direção ao Moulin Rouge. Descemos na estação Blanche que está em frente ao Mouli Rouge. Tiramos as fotos. Tinha muita gente lá na porta. os ingressos para os shows estava mais de 100,00 euros . Pode até ser bom, mas é muito caro !! De lá fomos subindo a pé pelo bairro de Absses e Montmatre. Subimos a rua Lepic. Passamos pelo café onde foi filmado parte do filme de Amelie Poulin Tinha um monte de gente que assim como nós entrava e só tirava foto... Subimos mais um pouco e achamos um restaurante muito charmoso, onde entramos para comer: Pedimos pasta, nhoque e vinho para beber. CAda prato era 9,00 euros: Só não entendi o que era o "creminho" marron nas bordas do prato. Mesmo assim comemos e bebemos. Estava bom. Saímos de lá e fomos seguindo pelo bairro até alcançarmos a Igreja de Sacre-Coeur. Muita gente na porta. Subimos pelas escadas. Mas quem quiser pode usar o funiculare que fica ao lado esquerdo da igreja. Paga-se com o ticket do metrô, ou com o cartão Paris Visit. Fique esperto com o monte de gente que vem para o seu lado tentando prender uma "tal fitinha"em seu braço. No ano passado fui abordado, mas reagi negativamente a aobrdagem. Subimos e como estava esfriando demais entramos na igreja para descansar um pouco e ficarmos no quentinho . VAle a pena visitar esta Igreja. É realemente muito bonita. Pena que não se pode tirar fotos dentro dela. Detalhe: Não se pode entrar com roupas curtas. Ficamo os fiscais dentro da igreja e poe você para fora educadamente . Saímos de lá e fomos a praça du tertre, onde estão vários artistas fazendo suas obras ali mesmo. Vale a pena conferir. Fomos descendo a Rue Norvains e chegamos a place Marcel Aymé e verá uma escultura saindo da parede. É uma de suas obras: Continuamos descendo pelo bairro explorando as suas vias: Fomos em direção a Rue des Saules, onde tem uma plantação de uvas. Ali ainda tiram uvas para se fazer artesanalmente vinhos que são vendidos bem caros. Dizem que são ótimos. É um dos charmos do bairro de Montmatre: Fomos voltando a parte principal do Bairro e passamos por este outro Moulin: Existe muita beleza neste bairro: Voltamos para a estaçãp Blanche. antes porém paramos em um café. Tomamos capuccino, chocolate e comemos croissants. tudo por 9,00 euros para o casal. Ainda entramos num carrefour e compramos algumas coisinhas para levarmos na mochila. Vale a pena. Pegamos o metrô e fomos em direção ao trocadero. É impossível vir a Paris e não ir dar uma expiadinha na torre Eiffel. A vista do Trocadero é muito privilegiada. Havia muita gente lá e o frio só aumentava a medida que a noite caía. Já eram 20:40h quando chegamos lá e ficamos mais ou menos até 21:40. Encontramos ainda um casa de Gaúchos e ficamos conversando. Saímos do Trocadero, atravessamos o rio Sena. Passamos por baixo da torre Eiffel e seguimos no campo de marte. Apesar do frio tinha bastante gente la'. Seguimos para nosso hotel. Estávamos cansados.
  6. DIA 11/04 - DAY TRIP A GIRONA Dia de fazermos outro daytrip, agora a Girona. Acordamos cedo, por volta de 07:50h. Saimos e fomos tomar nosso café no restaurante perto do Hotel, o Sabinus. Pagamos 8,80 euros para 2 pessoas. Comemos 2 capuccino, 2 croissants e 2 muphins. Já era quase 9:00h quando pegamos o metrô e fomos para a estação Barcelona-Sants. A estação é muito grande. Fomos a uma das muitas máquinas espalhadas na estação e compramos os bilhetes: Compramos o bilhete de ida-volta. A ida era em um trem regional, mais lento um pouco, e a volta no trem avant, um pouco mais veloz. Pagamos 7,40 ida e 9,90 volta por pessoa. Compramos a ida para as 11:16h, pois o primeiro trem às 10:16h já não tinha mais bilhetes. Como já eram 09:50h ficamos por ali mesmo esperando o trem e observando o lugar e as pessoas. vimos esta senhora da foto ai, sozinha fazendo seu passeio de mochila. Que legal . Quero chegar a idade dela com muita disposição para seguir fazendo meus passeios.. quase no nosso horário observamos que no painel da estação as informações sobre o nosso trem não batiam com o que estava sendo informado no painel. Nosso trem era às 11:16, para Girona de nr. 15831, conforme constava no bilhete. Mas no painel marcava Cerbere, 15830. Fui ao balcão e descobri que era aquele trem mesmo. Bom sendo assim na hora certa nos dirigimos para o local do embarque, passamos pela catraca e descemos e embarcamos no trem. Pegamos um lugar para nós quatro e fomos nós Viagem transquilha. O dia estava maravilhoso, com sol e sem previsão de chuvas. Deu para ir apreciando a bela vista daquela região. Chegamos a estação de Girona por volta de 12:50h Saímos e já tinhamos levado um mapa do google-maps de onde localizada o restaurante Frescco. Fomos lá para almoçar primeiro: Pagamos os 9,95 euros por pessoa para o buffet livre, como nos demais fresccos que já passamos. Saímos de lá e fomos na oficina de turismo pegar logo o nosso mapa da cidade: Girona é uma das últimas cidade na região da Catalúnia, antes da divisa com o sul da França. É uma cidade tranquilha, apesar de grande. Seu grnade patrimônio é a catedral de Girona. Seguimos em direção a Pl. Catalunya. Esta praça fica sobre o rio. é muito bela e florida. Passamos pela ponte de pedra, outro patrimônio da cidade de Girona: Detalhe a ser observado, que apesar o rio cortar a cidade e estar bem junto as casas e prédios, a gente não vê nada de garrafas plásticas no rio, sujeira e coisas assim. Pelo contrário, havia muitos peixes enormes neste rio. Uma beleza no meio da cidade. Da ponte podemos observar a enorme catedral da cidade: Passamos também pela ponte de Les Peixateries Velles, construída pela companhia de engenharia de G. Eiffel. A partir daí subimos pelo bairro Call, conhecido com o bairro dos Judeus. seguimos subindo até alcançarmos a catedrral" A Catedral está na parte mais alta da cidade e possui uma torre muito alta. Não entramos. Seguimos em direção aos jardins da Francesa, por onde tivemos acesso as ruinas das muralhas e ao passeig arqueologic. Podemos caminhar em parte das muralhas. Depois descemos e fomos em direção as ruinas de um banho árabe. Pagamos 2,00 euros por pessoa para entrarmos: Havia uma pessoa explicando como funcionava. Tinha o local para se trocar, os banhos mornos, quente e frio. Também explicava como eles mantinham a temperatura da água. Saimos de lá depois de vermos tudo. fomos em direção a Ig. Sant Feliu, que estava fechada: fomos voltando e tomamos um café num pequeno restaurante, sentados na praça mesmo. Pagamos 4,50 euros. Descansamos um pouco por ali. Fomos voltando mas antes passamos por uma pequena escultura presa a um poste, mas no alto. ao lado do poste tinha uma escada de uns 3 degraus. As pessoas chegavam, subiam na escada e passavam a mão nesta escultura. Até agora não descobri o que se tratava e qual o motivo deste "ritual" Fomos voltando em direção a Rambla de libertat. Paramos, compramos algumas coisinhas por ali mesmo. A via é muito bonita e as árvores estavam ganhando o brilho da primavera: Já era 17:15 quando começamos a voltar para a estação: Nosso trem era às 17:47h. Chegamos a estação e subimos para a plataforma. Não tinha roleta (catraca). Lá em cima perguntei uma senhora se era necessário validar o bilhete. Ela disse que sim. Desci com os bilhetes e validei na máquina laranja que havia perto das escadas: Desta vez tive que validar o bilhete da formalização (o da volta). Não havia muitas pessoas por lá: O trem veio até vazio. Este era mais confortável que o da ida. Descemos em Barcelona na estação Passeig Grácia. Saimos e logo perto da estação entramos no Caffe Fiorino. Comemos croissant, crujicocas 9este tipo de pizza, donut, muffin e bebemos chocolate, coca-cola e suco. Tudo ficou em 32,45 euros para 4 pessoas: Saimos de lá e fomos tirar fotos da casa Batllô: Esta casa ficou famosa por ter sido reformada por Gaudi. A entrada para visitar a casa era 18,35 euros por pessoa. Um pouco caro, não! Só vimos por fora mesmo. SEguimos depois das fotos até a pl. Catalúnya e seguimos a esquerda em entido ao arco do triunfo de Barcelona, no parque de la Ciutadela. Já estava anoitecendo. Não se compara ao arco do triunfo da França. De lá seguimos a pé para nosso hotel. Já era 21:00h quando chegamos. Vimos na recepção para que eles pedissem um taxi para nós irmos no dia seguinte para o aeroporto. preferimos ir de taxi, pois para irmos de trem teríamos que pegar o metrô até Barcelona-Sants e lá pegarmos o trem. Tinha muitas escadas nas estações do metrô (observamos antes). Assim ficou marcado nosso taxi para o dia seguinte, às 8:00 h. Subimos e fomos arrumar nossas coisa.
  7. DIA 10/04 - DAY TRIP A MONTSERRAT: Acordamos mais cedo do que os demais dias. Às 07:30h. Era terça-feira e a rotina na cidade de Barcelona tinha voltado após o longo feriado da Semana Santa. Isto para a tristeza de minha cunhada. Como disse no início do relato sobre o hotel, os quartos da frente não têm uma vedação boa do ruído da rua. O barulho incomoda. O trânsito na cidade é realmente bem "carregado". Mas mesmo assim é muito melhor do que o das nossas capitais. Saimos e fomos tomar nosso café no mesmo local do dia anterior. Pagamos 23,30 euros para o café dos 4. Saímos e fomos ao metrô. Era o dia que programamos para ir a Montserrat. O mosteiro fica perto de Barcelona. Descemos na estação Pl. Espanya. Fomos pegar o trem cuja linha é o R5. A estação e junto a estação do metrô. É bem sinalizada e fácil de achar. Compramos o bilhete na máquina da FGC Ferrocarrils. Quando você vai comprar você já deve definir de qual forma pretende chegar ao Mosteiro. Se você quiser ir de teleférico, você tem que descer na estação "Aeri de Montserrat". Se você quiser subir ao Mosteiro pelo trem elétrico local (cremalera), você tem que descer na estação "Monistrol de Montserrat". Seja qual for a sua opção compre os bilhetes combinados, ou seja, trem de Barcelona + Aeri (teleférico) ou trem de Barcelona + Cremallera (trem elétrico local). Ainda existe lá no local 2 funiculares, que vão te levar a pontos diferentes das Montanhas. Caso queira pode ainda comprar o combinado com os 4 passes incluídos. Você terá descontos. Só que caso você queira fazer tudo, vá bem cedo, para que dê tempo, pois será necessário andar. Segue o site da FGC: http://www.fgc.es/eng/index.asp Nós optamos pelo passe combinado: Trem Barcelona + Aeri (teleférico). Depois que vimos as fotos do passeio de teleférico, descidimos que este seria nosso trajeto. Ao comprar seu bilhete preste atenção em qual via o trem irá parar e principalmente o horário. Pagamos 18,20 euros ida/volta por pessoa no bilhete combinado. Tudo certo, fomos para a plataforma. Achamos a via 4 e ficamos esperando o trem. Esta estação é final de linha, ou seja, os trens saem de lá. Na mesma linha segume outros trens que vão para destinos diferentes. Portanto fique esperto !! :'> Enquanto esperávamos ficamos ali observando as pessoas : Uma coisa que fiz e que achei legal, foi baixar o APPS da FGC para o meu celular. Nele tem as informações de horários. Nosso trem chegou. Parou e ficamos esperando nosso horário. É este ai, o R5: Detalhe interessante que o seu bilhete não tem horário, ou seja você pode ir a qualquer hora e voltar também. A viagem dura aproximadamente 1h20min. O trem para em várias estações durante o percurso. Descemos na estação Aeri de Montserrat. Logo que a gente desce já se vê o teleférico, cuja estação de embarque é praticamente junto a estação do trem. Quando a gente vê o "teleférico"dá um frio na barriga. Mas vamos lá. Só deixaram embarcar 25 pessoas de cada vez. Entramos todos juntos e lá fomos nós. A viagem até o topo da Montanha dura uns 5 minutos. O tempo lá em cima estava nubladíssimo, com uma névoa encobrindo tudo. A gente pensa assim. Se cair, não sobra nada... Bom, vencido esta etapa, descemos sãos e a salvo, na estação do Mosteiro. Estava muito frio, devido a altitude e também a névoa. A gente se agasalhou bem, luvas, cachicol, gorro. Estava gelado e não se enxergava nada. Legal você pegar na estação os horários de volta do teleférico e também do trem. Assim você se programa para o retorno. Detalhe: Lembre-se que o teleférico tem limite de pessoas e sendo assim você poderá ficar esperando mais do que imagina. Saimos da estação e fomos subindo, margeando a linha da Cremallera: A gente chega rapidinho a estação da cremallera e junto a ela a praça principal do Mosteiro: Fomos nas informações turisticas pegamos um pequeno mapa do local. De lá fomos no restaurante que tem lá. Muito grande e tinha bastante gente almoçando. Fomos almoçar também. Comemos frango, batata fritas, macarrão e bebemos vinho. Tudo por 16,15 euros para 2 pessoas. O bom que o ambiente estava quentinho... e a comida estava boa e bem temperada. O Mosteiro de Montserrat é um mosteiro beneditino, onde se encontra a Imagem da Virgem Nossa Senhora do Monte Serrado. O 1o. mosteiro foi feito na idade média, no local onde encontraram a Imagem. Depois foi reconstruido no século XIX. Depois do almoço fomos lá na Igreja conhecer o local. A Igreja já é bonita por fora. Por dentro tem belíssimos vitrais e também sua arquitetura. Há muitas excursões de peregrinos para o local, mas nada que fique tumultuado. Pelo contrário, estava até trnaquilho. A Imagem da Virgem, fica em um local altrás do altar da Igreja, no alto, que quem quiser pode ter acesso. Tem uma fila pela direita da igreja, por onde os peregrinos vão um-a-um até a virgem. Um detalhe: Existe um coral que canta na igreja todos os dias, porém estavam de férias....pena!!! Saímos de lá e para nossa surpresa o tempo se abriu. Ai podemos ver melhor a grandiosidade do local e suas belezas junto as montanhas de pedras: Descobrimos que junto ao Mosteiro tem hotel. Para quem quiser passar uns dias lá. Uma parte do local, como a praça estavam em reformas, mas nada que tirasse a beleza do lugar. Fomos explorando melhor o lugar e vendo as paisagens. Este aí e o trem Cremallera que te leva da estação Monistrol de Montserrat até o monastério: Este é o funicular que te leva a uma visita para uma capela e uma vista muito bonita, porém tem que andar: O teleférico, chegando ao Mosteiro: e o funicluar de San Joan, que te leva a parte mais acima do mosteiro: Andamos mais um pouco para conhecer o restante do complexo. De onde também pode-se avistar belas paisagens: O lugar é realmente muito bonito. Ainda tem esculturas e obras de arquitetura para ajudar a embelezar mais ainda. Lá de cima avista-se o vilarejo de Montserrat: Depois voltamos e fomos fazer o passeio no funiculare de San Joan: Pagamos 8,00 euros por pessoas ida-e-volta. Ele te leva a parte mais alta do local. Lá também tem trilhas que te levam o outros mirantes, que disseram serem bem bonitos. Porém depois que chegamos lá em cima, começou a chover forte e não ficamos muito tempo lá. A vista lá de cima é ainda muito mais bonita. Você pode ver todo o complexo do mosteiro; Voltamos então para a estação e descemos no funiculare: Como o tempo já tinha "virado" para chuva, resolvemos ir embora. Já era 16:50h e tinha um trem às 17:48h. Como ainda tínhamos que descer de teleférico, fomos para a estação pegá-lo. Conosco na fila esperando o teleférico já tinha 25 pessoas e éramos os últimos da fila, que logo foi crescendo a medida que a chuva caia fina lá fora. Descemos sem problemas. Como já disse a estação do teleférico é junto a estação do trem e de fácil acesso. só seguir as placas: Ficamos lá sentados esperando, eram 17:20h e o trem para Barcelona era só as 17:48h. Rapidinho foi chegando mais gente, vindo do outro bondinho do teleférico e a estaçào ficou mais cheia ainda: Por volta de 17:30h o sistema de som anuncia a chegada de um trem, que iria até uma estação, que não me lembro mais, porém no meio do caminho. O trem para e lá vai um monte de gente entrando nele. Eta pvo que não presta atenção No painel lateral do trem ainda indicava a sua parada, no meio do caminho. Foi preciso a gente gritar "no Barcelona" para que o povo saísse correndo do trem,, Uns minutinhos antes do horário, aí sim foi anunciado a chegada do trem para a Pl. Espanya.(Barcelona), linha R5. Portanto fique esperto e observe bem o indicado no painel do trem e avisado no sistema de som. A viagem de volta a Barcelona foi tranquilha. Descemos na estação Pl. de Espanya. Já era 19:10h. Fomos no Shopping Arena e comemos Pizza, pois a fome já tinha chegado. Pagamos 26,00 euros. Ficamos por ali mesmo. Por volta de 20:45h voltamos para o nosso hotel de metrô. O dia foi muito bom também.
  8. DIA 09/04 - BARCELONA: Neste dia acordamos bem mais tarde. Por volta de 9:30h. Era feriado na cidade, em continuação a semana santa. Saímos e fomos tomar nosso café. Já era em torno de 10:00h. Tomamos café no restaurante bem perto do hotel mesmo. Café Sabinus. Pagamos 26,55 euros para 4 pessoas. Café, Chocolate, suco, croissants, bolo. De lá fomos a estação do Metrô e descemos na Pl. de Espanya (onde estivemos na noite anterior). Íamos visitar a Arena Olimpica e Montjuic. A estação do metrô na pl. Espanya tem acesso direto ao Shopping Arenas. Saímos lá dentro e fomos conehcer um pouco deste espaço. Tinha uma loja do Time de futebol do Barcelona. Cheio de gente comprando coisas (por sinal muito caras) principalmente camisas do Messi(oficiais). Não me lembro o preço, mas era bem caro. Tô fora. Do terraço do shopping podemos ver melhor os arredores da cidade e a Plaza de Espanya: As duas torres, que se assemelham ao campanário de Veneza; O prédio principal (Palau 1) do Palácio de congressos de Barcelona (Centro de convenções): Saimos de lá e fomos em direção a MontJuic. Seguindo em direção as fontes a gente vê ao alto o Palácio Nacional de Montjuic: Passamos pelas fontes, e chegamos a parte um pouco mais alta, de onde já temos uma vista da cidade de Barcelona: O interessante que você pode subir até o acesso ao Palácio por escadas rolantes que ficam ao lado direito do palácio: Ajudam bastante. :'> Mais acima, já de frente ao Palácio de Montejuic podemos descansar e apreciar a cidade: O Palácio de Montjuic funciona hoje o MNAC - Museu Nacional de Arte Conteporânea (Não entramos). Os ingressos custam 10,00 euros. Após uma descansada nas pernas seguimos e fomos em direção Arena Olimpica. Passamos pelos Jardins de Joan Maragall. Chegamos a Arena Olímpica. Lá está a Torre de Montjuic: A Arena Olimpica estava bem vazia. Havia alguns turistas assim como nós por lá, mas não eram muitos. Parece que o local é pouco utilizado. Mesmo o Ginásio, que pareceu ser muito grande, não era muito utilizado e estava fechado para visitação. Subimos e fomos até o estádio olimpico. Este estava aberto e estava bem mais movimentado do que perto do ginásio: Segundo consta, de vez em quando tem algum evento esportivo nele. Mas deve ser mesmo muito sub-utilizado. Lá dentro tem também um restaurante. Aproveitamos para almoçar, pois já estava passando da hora. Pagamos 9,85 euros (por pessoa) por um prato com batatas fritas, um pedaço enorme de frango assado, tomates e coca-cola. Deu para encher bem, pois o frango era enorme. Ssaímos de lá e passamos perto do museu do esporte (não compensava entrar). Seguimos pela av. Miramar até alcaçarmos o teleférico de Montjuic, que leva ao Castelo de Montjuic. Entramos na fila e comrpamos na máquina o ticket para o teleférico. Fácil e sem problemas: 9,60 euros por pessoa, ida/volta. O passeio é rapidinho. O teleférico tem 1 primeira parada no Mirador de l'Alcalde (onde não descemos) e também de onde você tem acesso a pé até o outro teleférico que te leva a praia da Barceloneta. Seguimos até a 2 e ultima parada, que é no castelo de Montjuïc. Você tem uma bela vista da parte do porto da cidade de Barcelona: Fomos entrando no castelo. Não cobra-se ingresso. Lá de cima, temos uma vista geral da cidade, das montanhas até o mar. Conhecemos o lugar. Ficamos lá um tempo bom. Lá em cima tem restaurante que servem várias coisas. Depois voltamos para o teleférico e descemos até a av. Miramar v=novamente, observando tudo. Chegamos na estação e fomos pegar o funiculare. O acesso é na mesma estação e pode ser feito com o bilhete do metrô. O funicular nos deixa na estação do metrô Paral-lel. Seguimos no metrô até a estação ciutadela-vila Olimpica, pois estávamos indo no porto Olimpico. Ficamos ali um tempo e depois caminhamos pela praia da Barceloneta: Pausa para conferir a temperatura da água; A orla da praia tem bastante restaurantes (por sinal muitos sofisticados) e estava bem movimentada, apesar de já estarmos no final do dia (por volta das 19:00h). Ficamos ali mesmo por um bom tempo, até o sol se por. Fomos a um restaurante perto da estação do metrô. Lá comemos Macarrão a bolonheza, pizza e tomamos refri; 14,15 euros para 2 pessoas. Já estava quase escurecendo quando voltamos para o nosso hotel.
  9. DIA 08/04 - BARCELONA - DOMINGO DE PÁSCOA: Acordamos por volta de 07:40h. Arrumamos e saímos. Iriamos na Igreja da Sagrada Família. Fomos a caminho da igreja e encontramos um local para tomar o café, pois o restaurante perto do hotel ainda não tinha aberto. Tomamos café, capuccino, suco, croissant e bolo. Ficou em 14,00 euros para duas pessoas. Nosso hotel era umas 10 quadras da igreja, portanto fomos a pé mesmo. Barcelona é plana e fácil de andar. Chegamos na igreja por volta de 08:40h. Como já ttínhamos comprado os ingressos antecipadamente pela internet, ficamos em uma fila, não muito grande, para entrar. Havia outra fila, muito maior, para quem estava sem o ingresso. Sugiro comprar pela internet, para evitar o transtorno da fila. Por fora já podemos admirar a grandiosidade da Igreja. Apesar das gruas que fazem parte do cenário da igreja. a gente fica muito admirado com o que vê: A igreja da Sagrada Família começou a ser construída em 1882. Quando Guaudi assumiu a obra ele mudou o projeto, baseando-se em formas da natureza. Ela tem 3 fachadas, A da natividade, construída primeiro. A fachada da paixão e a fachada da Glória (inacabada). Abaixo a fachada da paixão e a filinha de gente para entrar: São muitos detalhes que a gente vê na fachada. Entramos na igreja às 9:00h, horário de abertura. Realmente é indescritível a beleza desta igreja. Existe um elevador que dá acesso a uma das torres, porém como estava com vento muito forte, não estava liberado o acesso a esta parte. Quem quiser pode adquirir o audioguide. No interior da igreja existe um local onde passa-se um video com explicações sobre as imagens das laterais, ou seja, sobre a paixão e nascimento. Este vídeo pode ser visto nas laterais do altar da igreja. Segundo informação obtida junto a um dos muitos "funcionários" que lá dentro ficam, na parte principal da igreja tem 1 celebração por mês, o que ocorreu no domingo de ramos. No seu subsolo existe uma "capela", se é que se pode chamar assim, onde também celebram. Neste dia, estava ocorrendo a celebração lá. O Acesso é feito por outra parte. Também em seu subsolo existe um museu com peças, maquetes (várias) dos projetos da igreja e muito mais. O acesso é livre. Também tem a parte que conta como Guadi se inspirou na natureza para desenhar as linhas da Igreja. O acesso a esta parte fica pelo fachada da natividade. É muito interessante. Como já disse, fica difícil expressar a beleza que a gente vê na igreja. Quem for a Barcelona, tem que obrigatoriamente visitar esta Igreja. A igreja estava cheia, muitas pessoas visitando e tirando suas fotos. Ficamos ali até praticamente 12:15h. Saímos de lá e fomos procurar o almoço. Fomos ao Frescco, que fica na Au claris. Chegamos lá praticamente na hora de sua abertura, 12:30h. Incrível !!! Como era dia festivo, o almoço saiu por 11,95 euros por pessoa. Muito bom. Diferente dos outros dias, tinha carne de ternera (carneiro). Após o almoço, fomos em direção a Paseig Grácia. Lá íamos pegar o ônibus para irmos ao Parque Guell. Nas paradas dos ônibus você encontra a indicação do intinerário do ônibus e também quanto tempo falta para que ele chegue. Muito bom !!! :'> Nós pegamos o nr. 24. Pode-se ir de metrô também, mas neste caso você tem que descer na estação Lesseps e terminar o trajeto a pé, numa subida . Optamos pelo ônibus mesmo, que deixa na porta do parque. No ônibus usa-se o mesmo cartão que libera as catracas no metrô. Não se esqueça de validá-lo nas máquinas dentro do ônibus. E não ande sem o bilhete. Olhe o valor da multa ai, bem grande estampada dentro do ônibus : Dentro do ônibus existe a indicação de qual é a próxima parada e se na próxima parada existe conexão com outros meios de transportes como metrô e trem. Coisa chique . Não dá para errar, é so prestar a atenção no painel que fica na parte da frente do ônibus. Mesmo assim vimos um casal de Japoneses, que com certeza estavam indo para o mesmo local, eram turistas, assim como 90% das pessoas dentro do ônibus. Não sei porque eles cismaram que já estavam na porta do parque. Acho que viram umas arvores e deduziram que já era o parque Guell. Desceram e ficaram olhando de um lado para o outro, como ninguém mais desceu, acho que perceberam, pela expressão na cara deles, que tinham descido no local errado. . Perceberam tarde demais, o ônibus fechou as portas e bau-bau...eles ficaram lá.. Não custa perguntar gente !!! Descemos na entrada do parque na carretera Carmell. Quase todo mundo desceu lá. O parque é gratuíto. O dia estava perfeito. Sol e céu claro e limpo. O Parque Guell é um enorme parque urbano, com vários elementos arquitetônicos. foi também concebido por Gaudi, que morou lá em uma casa que funciona desde 1963 como a Casa-Museu Gaudí, cujo acervo inclui objetos pessoais e obras de Gaudí e de alguns dos seus colaboradores. O Parque está situado na parte alta da cidade de Barcelona, de onde tem-se uma vista espetacular da cidade. Avista-se a torre Agbar: A Igreja da Sagrada familia: O parque é muito grande e vale a pena andar pela mata e conchecê-lo. São muitos detalhes, de arquitetura, colunas, figuras cobertas por mosaicos, etc: Muitas pessoas circulavam por ali. Uma mistura de raças e línguas: Lá dentro você tem boa infraestrutura, como banheiros e venda de alimentos e bebidas. O réptil coberto com os mosaicos: A casa onde Gaudi Morou: Saimos de lá pela sáida e Olot. Descemos até a Trav. de Dalt e fomos em direção a estação do metrô Lesseps. No caminho paramos em um restaurante para comermos algo. Já era por volta de 20:00h. Tomamos café, capuccino e comemos tortas: Tudo ficou em 20,95 euros para 4 pessoas. Caminhamos até o metrô. Pegamos o metrô e descemos na plaza de espanha. Fomos ver o espetáculo das fontes mágicas de Mont Juic, que fica ali perto. Nesta Praça existem duas torres que lembram (e muito) a torre do campanário da praça de San Marco, em Veneza (Itália). Seguimos subindo em direção as fontes, pois o nosso horário já estava apertado. De longe já avistávamos o espetáculo: A noite já chegava e o frio vinha junto com ela: O local é muito bonito. Ali ao lado funciona um centro de convenções da cidade de Barcelona. As fontes de Montjuic, funcionam até as 21:00h. Combinam os movimentos das águas junto com o son de músicas clássicas. É um belo espetáculo. Como já chegamos em cima da hora, assitimos só um pouco, pois logo terminou. Andamos po ali um pouquinho para conhecer o espaço. Depois voltamos até a plaza da Espanya e fomos no shopping que lá existe. Era uma antiga arena de touros, que foi toda reformada e transformada em Shopping. Entramos e fomos procurar algo para comermos. Subimos no terraço do shopping. Temos uma bela vista desta parte da cidade a moite e da pl. de Espanya: Saimos da lá e voltamos para o metro em direção a nosso hotel. Já era mais de 22:00h. O dia foi muito bom.
  10. DIA 07/04 - SAÍDA PARA BARCELONA. Acordamos mais cedo que o habitual. Levantamos por volta das 07:40h. Descemos para tomar nosso café. Tudo pronto, malas arrumadas saímos para a estação Atocha-Renfe. Pegamos o metrô mesmo pois a estação era bem ao lado do hotel e não era necessário mudar de linha. A estação de metrô é praticamente junto com a estação de trem, na verdade é uma estação interligada. Fácil mesmo. Chegamos na estaçãp por volta de 09:40h. Como já disse anteriormente, compramos nossa passagem antecipadamente pela internet, direto no site da RENFE. Pagamos 45,80 euros por pessoa. Era um preço promocional web e compramos logo no dia que foi disponibilizada a venda para o dia da viagem, ou seja, 07/04. Existem vários horários do trem, mas nem todos têm promoção. Demos sorte pois o horário do trem nos proporcionava chegar em Barcelona a tempo de aproveitar o dia lá. Para esta viagem tivemos que passar pelo sistema de segurança (raio x) que fica na "planta 1" da estação. O embarque se dá na planta baixa. O trem AVE, alta velocidade, é muito confortável. Realmente os espanhóis devem se orgulhar deste sistema. Entre os trens de ata velocidade que viajei (Itália e França) o espanhol é o melhor. Nosso trem saiu pontualmente às 10:30h. Na verdade o sistema de transporte por trens na Espanha é muito bom, seja por alta velocidade ou não. O interessante que pudemos observar é que mesmo com esta grave crise, há investimentos sendo feito. A gente pode observar ao longo das linhas férreas, novas construções, ampliação de linhas e criação de outros ramais de alta velocidade. O trem chega rapidamente a sua velocidade elevada. O trem faz uma parada de uns 5 minutos em Zaragoza. Deu pra descer rapidinho do trem e obsevar a bela estação ferroviária. O dia estava muito bonito e a medida que a gente se aproximava de Barcelona, mais limpo ia ficando o céu. Chegamos a estação Barcelona-Sants às 13:15 h. Tudo certo. Pegamos as malas e fomos a informações turísticas pegar mapas da cidade. Nesta região da Espanha, fala-se o Catalão, lingua derivada do latim assim como o Espanhol e o Português. Porém é comum você encontrar as placas escritas em catalão e espanhol. O catalão lembra mais o francês, na minha opinião. Pegamos um taxi até o nosso hotel. Pagamos 14,00 euros pela corrida. Não era muito perto da estação. Nós ficamos no Hotel The Praktik. É um hotel bem localizado, bem perto da estação Girona do Metrô. A recepção era simples. O hotel não dispoe de café da manhã próprio. Tem máquina que vende água na recepção. Tem uma área externa para descanso e uma área comum no 1o.andar, com computador disponível para acesso a internet. Oferece internet gratuíta nos quartos. Achei que as fotos deles no site passaram por uma bela maquiagem no fotoshop. Nosso quarto foi o 503, que era nos fundos do hotel. O quarto era de um tamanho bom, com banheiro grande e arrumado. O quarto que minha cunhada ficou foi no 1o. andar e de frente para a rua. Como era sábado o barulho era menor porém na 3a feira após o feriado da semana santa que se estendeu até 2a. feira o barulho incomodou, pois a janela não veda o suficiente. Portanto se você tem sono leve não fique nos quartos da frente. Nós ficamos 5 dias na cidade de Barcelona. Pagamos por este hotel 442,80 Euros para o casal, sem café da manhã. O café pode até ser adquirido quando você faz a reserva, porém é em um pequeno restaurante perto do hotel. Nós preferimos não reservar. Quando você fica por mais de 3 diárias no hotel você também tem o direito a 1 cartão de transporte para 10 viagens (ônibus ou metrô). Não esqueça de pedir o seu, pois o recepcionista não vai te lembrar distro. Pedimos é claro o nosso cartão de transporte. Após nós arrumarmos as coisas no quarto saímos para o almoço. O dia estava maravilhoso, céu claro, com sol, mas nada de muito calor. :'> Fomos no restaurante Frescco. Em Barcelona esta rede está presente também. Tinha um restaurante a umas 6 quadras do hotel. Fácil de achar. Como era sábado o preço foi de 11,95 euros por pessoa. (Sopa, muita salada, pratos quentes, carne, sobremesa e refri, tudo incluido). Buffet Livre :'> . Saimos o Frescco e fomos em direção a Paseig Gràcia (uma avenida larga e bem movimentada que dá acesso as Ramblas e a parte antiga da cidade). A avenida tem belas lojas e fontes: Descemos esta via até a Plaza Catalúnya. É uma bela praça que estava cheia de gente. Vale a pena sentar-se ali e observar as pessoas. É gente de todo o tipo, falando várias linguas. Nós ficamos ali um bom tempo observando tudo. Seguimos pela La Rambla, estávamos indo em sentido do Mercado. Passamos pela Igreja de belém e fomos em direção ao Mercado de La Boqueria. O mercado estava lotado de gente. Vende lá frutas, verduras, e muita coisa mais. Encontramos até uma venda com frutas do Brasil. Você ainda pode degustar o suco na hora. Como já era mais tarde o preço estava na promoção. Andamos mais um pouco por esta parte da cidade. De lá voltamos um pouco e fomos até a catedral da cidade. Igreja antiga, que tem a arquitetura similar a muitas outras que vimos na Espanha (estilo gótico). Nós estávamos no horário da entrada livre, gratuíta. Como é no mesmo estilo das demais que já tínhamos visto, confesso que não ficamos muito tempo por lá. Ela também estava em reforma, pois apresentava problema com infiltrações. Ao lado direito da Igreja (olhando-a de frente) existe um pequeno arco gótico. Fomos lá conferir: Seguimos em frente por esta via e saimos na Praça onde está o ayuntamiento de Barcelona, prédio onde está o "governo' local. De lá seguimos até a Ig. de Santa Maria Del Mar, que fica ali perto. É também em estilo gótico. Esta não se paga para entrar. Seguimos pela Paseig de Isabelle II. E fomos em direção a capitania de Barcelona. O sol já estava se pondo e o ambiente ficou muito bom para tirarmos fotos do local. Andamos um pouco por ali para conehcer a região. Depois seguimos até a estação do Metrô Barceloneta. Descemos na estação Girona. Compramos mais 1 ticket de 10 passes: 9,85 euros. Compra-se nas máquinas na estação. É fácil. Fomos comer algo ali perto do hotel mesmo. Fomos a um restaurante que vende comida árabe e italiana. Pedimos lazanha, fritas, pizza, sopa. bebemos cerveja e refri. A conta ficou em 30,90 euros para 4 pessoas. Detalhe interessante. Estava passando o jogo do Barcelona x Zaragoza, que acontecia na cidade de Zaragoza pelo campeonato Espanhol. O Barcelona vencia o jogo por 2 x 1 quando foi marcado um pênalti. Messi fez o gol e pasmem, a única manifestação que vi de comemoração do gol foi nossa :'> . Os demais que eram torcedores do Barça, se limitaram a dar umas batidinhas de mão. Depois outro gol do Barça e a mesma coisa. Eta povo frio para comemorar. E olha que nos certificamos com o garçom que todos estavam torcendo para o Barça. Saímos de lá já por volta de 22:30h. Voltamos para o hotel. O dia foi muito bom e o tempo esteve ótimo .
  11. DIA 06/04 - SEGÓVIA - SEXTA FEIRA DA PAIXÃO Bom, era o último dia nosso em Madri e fomos fazer o Day-trip a Segóvia, cidade próxima da Madri. Acordamos por volta das 9:00h, tomamos o café e fomos para o Metrô. Resolvemos pegar o trem para Segóvia na Estação Chamartin. Queríamos pegar o trem Avant para Segóvia. Era um pouco mais caro e a viagem é mais rápida, por volta de 30 minutos. porém não tinha mais passagem. Sendo assim compramos o bilhete para o trem "cercanias". Estes trens cercanias são como trens suburbanos, porém não se compara aos nossos trens de subúrbio. O bilhete custou 6,10 euros/ida e 6,10 euros/volta por pessoa. Detalhe interessante: a máquina imprime 2 bilhetes (preste atenção: um vem escrito I/V Regional com o horário da ida e o outro Formaliz I/V com o horário da volta) Mais adiante eu explico como descobri a diferença entre eles. Nosso horário era as 12:16h. O trem passa por Chamartin, ou seja ele vem de uma região fora de Madri, passa pela cidade e continua para outra região fora de Madri. Como já eram 11:20h, resolvemos ficar por lá mesmo e esperar nosso horário apreciando o lugar. O painel da estação informa a chegada do trem uns 3 minutos antes dele chegar e em qual via (plataforma) ele estará. Lá fomos nós e uma galera junto. Tinha muita gente. O trem já havia passado na estação atocha-Renfe e portanto já tinha muita gente dentro, mas ainda havia lugares vagos. Como não tem lugar marcado, tratamos logo de marcar o nosso. Em nenhum momento foi pedido o bilhete do trem e não há máquinas para validação destes bilhetes. O trem encheu e foi gente em pé. A viagem dura cerca de 1h:45min. Dentro do trem, bem depois que saimos de Madri passa o fiscal, confere o seu bilhete e com uma maquininha fura o bilhete (valida). Depois de já termos andado bastante, começamos a perceber algo diferente para nós lá fora. Havia nevado na região: O tempo mudou completamente, estávamos entrando em uma região montanhosa. No banco ao nosso lado havia 4 americanos, jovens adolescentes, que eu fiquei com dó. 1 dos rapazes estava de bermuda. Uma moça de sandália de dedo e apenas com roupas leves e 1 agasalho. Dentro do trem, assim como nós, muitos estavam admirados. Em Madri estava um pouco frio, perto de 13 graus. Ali, havia nevado. O restante da viagem foi alternado entre chuva fina e neve. Nós ficamos admirados. Ainda bem que tinhamos carregado luvas, capa de chuva, gorro e cachicol. Quando já estávamos chegando em Segóvia, voltamos a presenciar a neve caindo. Quando chegamos a estação, estava muito frio Fomos nos arrumar no banheiro, vestir mais blusas, pois além de frio estava realmente nevando. Nevando pouco, mais nevando. Em frente a estação de trem, tem um ponto de ônibus. ficamos lá esperando o ônibus. Pagamos 0,95 euros por pessoa (tem acréscimo de 0,08 euros pois era Feriado). O ônibus nos deixou na praça do aqueoduto após uma pequena viagem de uns 10 minutos, porém num ambiente quentinho. Quando descemos do ônibus o frio estava cortante. Olha descemos do ônibus e corremos para procurar um lugar para entrar. Felizmente neste lugar tinha alguns restaurantes. Entramos correndo em uma pizzaria bem perto de onde descemos. Pagamos 10,90 euros por pessoa por 1 pizza e 1 coca-cola. ficamos lá, comemos devagar até que o tempo melhorasse um pouco lá fora. Depois do nosso lanche saimos de lá e pudemos observar melhor o aqueoduto. O Aqueoduto de Segóvia foi construido por Imperadores Romanos, durante os séculos I e II. Ainda está lá inteiro. Felizmente a neve tinha parado de cair, porém o frio continuava Fomos a oficina de turismo para pegarmos um mapa da cidade e informações dos lugares a serem vistos. A moça foi muito educada e marcou no mapa os pontos imperdíveis da cidade e fez um pequeno roteiro para a visita. Saimos de lá e fomos em direção a Plaza Mayor. Apesar da temperatura 3,5 graus, a sensação térmica com certeza era de bem menos. Quando chegamos a Plaza Mayor o tempo virou novamente. Começou a nevar e o frio pegou Colocamos nossas capas de chuvas, pois os flocos estavam molhando nossas roupas e claro, fomos tirar fotos na rua, afinal de contas eu nunca tinha passado por esta situação. Gente, esta nova investida de neve animou o povo. Assim como nós muita gente foi tirar fotos. E olha que vimos os americanos que estavam no trem, e pasmem, queriam comer a neve.. O frio estava demais e fomos correndo para a Catedral. Neste sábado o ingresso era gratuito. O preço normal da entrada era 3,00 euros por pessoa. É a Catedral de Santa Maria de Segóvia. Lá dentro estava até quentinho, graça a Deus. ficamos lá e podemos observar os carros adornados para a Semana Santa. Depois de um tempo saimos da Catedral e como o tempo havia melhorado pudemos tirar fotos da fachada da Catedral. Seguimos em direção ao alcazar de Segóvia. Os jardins em frente ao Castelo estavam ainda com a Neve. O palácio de Segóvia foi constrído sobre a pedra, sobre um penhasco rochoso. A entrada ao pal;acio custa 4,50 euros por pessoa e a visita a torre 2,00 euros por pessoa. detalhe: o alto da torre é alcançado após subir 157 degraus. Compramos apenas a entrada no Palácio. Lá dentro é muito bonito, você pode visitar as sala da chaminé, do trono, sala do rei e outros ambientes. Quando saímos ao fundo do castelo, o sol já havia aparecido. Pudemos ainda observar com mais detalhes as montanhas cobertas de neve ali perto. Os jardins do quintal do palácio: Depois de tudo visto, saimos do palácio e fomos voltando para a Plaza Mayor. Seguimos até a plaza do aqueoduto. Lá pegamos o ônibus novamente 0,95 euros por pessoa, que nos deixou em frente a estação de trem. Procuramos algum lugar aberto para comprar alguma coisa, mas estava tudo fechado. Vale ressaltar que o trem Renfe-Avant, que faz a viagem mais rápida para Madri não para nesta estação. Ali para apenas o "cercanias". O trem já estava lá. Abrimos a porta e entramos, pois do lado de fora começava a esfriar novamente. O trem saiu as 18:55h. No caminho pudemos observar novamente as montanhas cobertas de neve. A temperatura dentro do trem estava agradável, porém fora estava com certeza gelado: Quando o fiscal veio verificar os bilhetes, tirei o bilhete da volta. Entreguei para ele. Ele rapidamente me devolveu os bilhetes dizendo que não eram aqueles. Como? pensei, eles eram os bilhetes da volta, tinha até o horário nele. ele se virou para verificar de outras pessoas. Enquanto isto rapidamente comecei a procurar os bilhetes da Ida. Felizmente não havia jogado eles fora. Peguei os bilhetes da ida e entreguei para ele. Ah, disse ele, estes sim são os bilhetes, os outros são apenas uma formalização. Validou os bilhetes com a maquinha e me devolveu: Bom, portanto nunca joguem fora os bilhetes até vocês terem certeza, mas certeza mesmo, que não vão precisar mais deles. continuamos a viagem de volta tranquilhos. Chegamos a Madri por volta 20:35h. Descemos em Chamartin. Pegamos o metro. Descemos perto do hotel, deixamos nossas coisas lá. Saímos e fomos comer algo mais leve. Comemos lá perto do hotel mesmo, café, chocolate e croissant. 10,10 euros para 2 pessoas. voltamos para o Hotel pois já era quase 22:00 horas e ainda íamos arrumar as malas. Próximo destino: Barcelona.
  12. DIA 05/04 - MADRI Acordamos por volta de 9:00 horas. Descemos para o nosso café. O dia estava horr'vel. Frio e chuvoso lá fora. Bom fazer o quê né. Vamos encarar a rua assim mesmo, afinal não fomos até lá para ficarmos dentro de hotel, certo. Pegamos nossos apetrechos para chuva (capa e sombrihas) e fomos nós. Saímos por volta de 10:40h do hotel. Nosso destino era o templo de Debod. O templo fica junto ao Parque de La montaña. Este templo foi um presente do Egito à Espanha. Foi transportado para a Espanha em 1968 e aberto do público em 1972. Possui um lago (tanque) junto ao templo para simbolizar o rio que ficava junto ao templo no Egito. Apesar da chuva que caia fina mas constante, havia muitas pessoas visitando o local. A entrada do templo é gratuíta e controlada em função do número de pessoas lá dentro. Dentro do templo existe explicação e peças arqueológicas da época. Vale a pena ver, para quem gosta deste tipo de atração. Depois de visitarmos o templo, saimos e fomos no mirante atrás do templo. Chuva marcando presença. Deu até para ensaiar um dançando na chuva: Descemos e fomos até a Plaza de España. Felizmente a chuva parou. Pausa para descansar as pernas: Na praça tem um monumento ao escritor Miguel Cervantes, através de seu principal personagem, Dom Quixote. A praça é muito bonita e bem conservada. Encontramos 2 brasileiras nesta praça. Saimos de lá depois de batermos papo e fomos em direção a praça da Ópera. Lá perto tem um restaurante fresco, já era quase 13:00h e resolvemos almoçar. Passamos na Praça onde está a fachada oriental do Teatro Real de Madrid, uma bela construção: Era feriado (dia festivo) na Espanha portanto nosso almoço sairia por 11,95 euros por pessoa, no fresco. O local já estava cheio, mas foi fácil arrumar lugar. Após o almoço saimos de lá e fomos em direção a praça do Sol. Interessante é encontrar figuras dos mais variados tipos pelas ruas de Madri, tentando, a qualquer custo conquistar a atenção de turistas e com isto ganhar uns "euros". Este sujeito aí, confesso, chamava a atençã: Não consegui ver qual era o truque dele. Tinha gente que se aproximava a passava até a mão embaixo dele. Fomos seguindo, passamos pela praça do Sol e compramos alguns presentes por ali mesmo. Continuamos e fomos novamente a praça Mayor: O tempo deu uma firmada e até o sol apareceu. Seguimos agora em direção ao Palácio Real de Madri. Passamos pela fachada oeste do Teatro Real: Neste teatro Real, apresentam-se grandes obras, óperas. As fotos de seu interior revelam um belo lugar. Em frente tem uma praça que separa o teatro do Palácio Real. O palácio Real é aberto as visitações. Pela Calle Baillen entram as pessoas que tem o Madri Card. (não era nosso caso). fomos para fila, por sinal grande, na plaza de Almeria. O ingresso custava 10,00 euros por pessoa. Quando estava chegando nossa vez de comprar o ticket e entrar, descobrimos que a entrada é gratuíta para estrangeiros (com o passaporte em mãos) a partir da 17:00h. Como era 16:15, saímos da fila e resolvemos voltar ali neste hprário, assim poderíamos entrar e ainda economizar estes 20,00 euros (por casal). Para passar o tempo fomos conhecer os jardins do palácio que ficam do outro lado de onde estávamos. São bonitos e bem cuidados os jardins. O Jardim é Chamado de "Jardins de Sabatini". Fachada norte do Palácio Real, vista dos Jardins de Sabatini. Voltamos a entrada do palácio e novamente entramos na fila. Desta vez ela começou a andar mais rápido, até porque começou a chover novamente. Entramos gratuitamente no Palácio. Lá dentro você passa pelos detectores de metal e raio "x". Quando você vai visitar a parte interna, onde estão os grandes salões, você deve deixar seus pertences em um "consigna"ou guarda volumes. Para fexhar você coloca uma moeda de 1 euro no local indicado. Lembre-se que esta moeda poderá ser retirada por você na hora que você pegar seus pertences novamente. Não é permitido fotografar dentro deste palácio, infelizmente. Isto de fotografar é levado a sério. Vimos uma moça, que falava espanhol, tirando foto e um segurança do palácio também viu. Ele imediatamente a abordou e pediu para que ela apagasse as fotos . Ela começou a gritar para que ele tirasse as mãos dela, foi um "barraco só" na mesma hora chegaram mais seguranças e levaram a moça. Nós estávamos perto e assistimos tudo. Nem me arrisquei com fotos. O Palácio é a residência oficial da realeza, quando estão em Madri, acho que por isto, é muito bem cuidado. Eu achei muito mais bonito que o Palácio de Versailhes (na França). Saimos de lá e a chuva estava caindo fraca. Fomos em direção ao Nemrut, na praça de Ópera. Comemos pizza, refri e kebap. 14,00 euros para 2 pessoas. Quando saímos de lá já era mais de 21:00h. Fomos ao metrô, pegamos em direção ao hotel. Hora de descançar.
  13. Oi Benevolo e Cláudia, Obrigado pelos elogios. Claudia, vou-lhe enviar a planilha pelo e-mail, conforme você me solicitou, tão logo eu chegue em casa, pois a mesma está em outro computador. Até mais, Fernando Mello
  14. DIA 04/04 - DAY TRIP -> TOLEDO Acordamos por volta das 08:30h. Tomamos nosso café. Saímos em direção ao metro Bilbao (ao lado do hotel ). compramos o ticket para 10 viagens, por 9,90 euros. Este ticket não é pessoal, ou seja, pode ser usado por mais de 1 pessoa. Compramos diretamente nas máquinas, sem problemas pois é fácil de usar. Se não estou enganado, não vi também bilheteria, ou seja, tinha que ser na máquina mesmo. Pegamos o metrô e descemos na estação Atocha Renfe, que fica na mesma linha. Como já havia dito, a Estação Atocha é muito grande e muito movimentada. A estação do metrô já é praticamente dentro da estação dos trens. Fomos comprar os bilhetes para o trem de Toledo. pegamos uma senha e aguardamos sermos chamados.Ao retirar a senha você tem a opção de viagem no mesmo dia ou a senha para viagem em outro dia. Estava demorando e fomos tentar comprar na máquina, porém ela não aceitou o cartão VTM e não aceitava dinheiro (pelo menos a máquina que estávamos). Voltamos para a sala e logo chamou a nossa senha. O bilhete Ida e volta custou 19,10 euros por pessoa. Só tinha passagem para às 12:20h. Marcamos o retorno para 19:25h. Compre sempre Ida-e-volta, pois com certeza os bilhetes se esgotarão e você pode ficar na mão. Como ainda eram 10:20 resolvemos sair da estação e andar um pouco pela redondeza. Achamos este monumento ai, ao lado da estação que não me lembro a que se referia: Começouuma chuva fina e voltamos para a estação. É muito bonita, parece que foi reformada completamente recentemente, acredito que depois do atentado de 11/03/2003. Na área onde provavelmente paravam os trens antigamente, foi feito um grande jardim (in door), e com um laguinho artificial. Bom, perto do nosso horário descemos para a plataforma. O trem saiu pontualmente às 12:20. O trem é muito confortável e estava cheio, porém não vi ninguém em pé. Enquanto o trem se afastava de Madri a chuva fina ia ficando para trás, Graças a Deus !!! Nossa viagem não durou mais que 35 minutos até Toledo. A estação de trem, em estilo antigo, porém toda conservada tem um charme especial. Enquanto as "menimas" aguardam a fila do banheiro, como sempre banheiro de mulher demora mais, fui a Oficina de turismo que tem na estação é peguei um mapa da cidade e informei-me sobre a forma de chegar ao centro. A estação está praticamente fora da cidade. Porém você pode ir de ônibus ou táxi até o centro. O ônibus vai deixá-lo ao lada da praça central de Zocodover. Nós pegamos um táxi que cobrou 3,85 euros até a praça de Zocodover. Se não estou enganado o ônibus custava 1,50 euro. Já estávamos com fome e almoçamos ali mesmo na praça. Tem alguns restaurantes. Comemos 3 pizzas, 1 Lazanha de vegetais, sucos, refri e Cerveja. Tudo ficou em 60,80 euros para 4 pessoas. Estava frio na cidade, porém não chovia. Passamos pelo Museu de SAnta Cruz, porém não entramos. Passamos pelo Alcazar de Toledo onde hoje funciona o Museu do Exército, que também não entramos, pois estava fechado. Fomos em direção a Praza Mayor: Passamos e fomos para a Catedral Primada. É uma catedral de estilo gótico mas que tem também algumas combinações da arte mudejár. Para entrar paga-se 7,00 euros por pessoa. Tem uma parte pequena que se tem acesso livre. O ingresso compra-se em uma loja em frente a igreja, porém do outro lado da rua. É muito bonita de se admirar. A fachada principal tem três portas: De lá seguimos até passamos pelo Monasterio de San Juan de los Reyes. e seguimos até a puerta Del Cambrón Estávamos saindo da área cercada pelas muralhas De onde estávamos podíamos avista a Rio Tejo: Seguimos pelo lado de fora das muralhas. fomos descendo a rua, sempre ao lado das muralhas: Interessanto que perto da Puerta del Afonso VI tem escadas rolantes, que facilitam o acesso a parte alta, por aquelas pessoas que vem a pé do terminal rodoviário, ou dos locais onde se deixam os veiculos. Passamos ainda por fora das muralhas pela puerta Del Afonso VI: e continuamos agora subindo a rua até alcançarmos a Puerta de Bisagra. Passamos por esta porta e voltamos para a parte da cidade cercada pelas muralhas. Paramos para comer algo em um café. Pagamos 12,50 euros por suco, água, e café com acompanhamento. Subimos até alcançarmos a Puerta del Sol Continuamos subindo até chegarmos no Ël miradero" (Palacio de congressos de Toledo). De lá tem-se uma vista espetacular da parte externa da cidade. Também da parte mais moderna da cidade de toledo: e por último avistamos a Puerta de Alcantara, que dava acesso ao Alcazar: Comtinuamos até chegarmos novamente na Plaza de Zocodover, no centro da cidade. Compramos algumas coisas por lá. pegamos um taxi para a estação de trem. Pagamos 4,15 euros. um detalhe que percebi. A estação rodoviária também fica fora da cidade, porém mais perto do que a de trem. Existe ônibus que faz a ligação Madri-Toledo, e com certeza e mais barato que o trem. Chegamos a estação e já estava cheia de gente. Nosso trem já estava na plataforma: Havia um aviso no guiche de venda de bilhetes que não havia mais bilhetes para Madri, portanto vale o aviso de comprar a volta junto com a Ida. Saimos de lá às 19:25h. Chegamos a Madri por volta de 20:00 h. Pegamos o Metrô e descemos em Gran Via. trocamos de linha e descemos perto do retaurante Frescco. Compramos sopa (creme) 3,00 euros cada e levamos para o nosso hotel. Já era praticamente 21:00h. Hora de comer e descansar. O dia foi muito bom, o passeio foi super legal.
  15. DIA 03/04 - MADRI Acordamos mais tarde um pouco, já eram 09:00h. Tomamos nosso café. O dia estava um pouco nublado e um friozinho normal. Saímos em direção a Plaza de Cólon. Fomos pela Cale Sagasta até alcançarmos a praça. Legal na praça tem tem um prédio do tipo "torre gêmeas": De lá seguimos pelo "paseo de Ricoletos". A via tem uma calçada muito larga, toda arborizada, como um boulervar, com fontes. seguimos pela via até a plaza de Cibeles. Nesta praça está o Palácio de la Comunicationes, antigo prédio dos correios da cidade. O prédio foi todo reformado recentemente e abriga agora um Centro Cultural com exposiçòes. Tem um mirador, no último andar, que se pode acessar por elevador ou escadas. Dentro do prédio é realmente muito belo. De fora a gente não imagina a sua grandiosidade. Para se ter acesso ao mirador, tem que pegar os ingressos no andar térreo. São gratuítos, o motivo dos ingressos é o número limite de pessoas que podem subir de cada vez. Pleo que li lá o último horário de visita é as 13:00h. Depois retorna as 16:30h. A vista lá de cima é fabulosa. pode-se avistar longe. Saímos de lá e fomos em direção a porta de Alcalá, que fica pertinho dali. A porta de Alcalá situa-se na plaza de la independência, era uma das portas de entrada da cidade. Foi construída em 1778. Aproveitamos a bondade de um turista e fizemos uma foto todos juntos. A fome bateu, já era umas 13:30h. Olhamos em nosso mapa um Restaurante Frescco mais perto. Pronto, localizado !! fomos para lá em busca de nosso almoço. No caminho pode-se observar as belezas da arquitetura da cidade. O frescco ficava na Cabalero de Garcia, 8, perto da estação Gran Via do Metrô. Achamos facilmente o local. Como não era final de semana nem feriado (dia festivo), pagamos 9,95 euros por pessoa, com direito a todo o buffet, como já expliquei anteriormente. enquanto estávamos almoçando começou a chover. Esperamos a chuva passar. Logo saimos e fomos em direção ao Museu do prado e Jardim Botânico da cidade. A cidade de uma forma geral tem muitas praças e jardins: Passamos pelo museu do Prado: e seguimos até o jardim Botânico. Pagamos 3,00 euros por pessoa para entrar. Uma parte do jardim tem flores, todas abertas e bonitas. A outra estão espécie das hortaliças. Caminhamos lá dentro, fomo as estufas. É interessante para quem curte plantas. Saimos de lá e seguimos para o parque del buen Retiro, que fica logo atrás. É umparque muito grande. as pessoas caminham, correm por lá. Tem o palácio de Cristal, o Palácio Velazquez e o monumento a Afonso XII. fomos a lanchonete que tem lá dentro e comemos bolos e tomamos café. 6,00 euros para duas pessoas. Estava com muita gente andandos nos barcos. É um local agradável de se ficar. De lá seguimos e saimos por outra portaria: Já estávamos novamente na praça de la independencia. Compramos umas pipocas, uma tal de palomita. Só consegui comer 1. Horrível Passamos pela Biblioteca Nacional Espanhola, entramos na portaria porém não exploramos.. Fomos voltando em direção ao hotel. Estava frio e já era 20:00h ou mais. Passamos no Frescco novamente e compramos o creme (sopa) para levar. eles disponibilizam o pote para viagem. Pagamos 3,00 euros por pessoa. Levamos para o hotel. Já estávamos cansados e resolvemos não sair mais, pois no outro dia iríamos a Toledo em um Day-trip.
  16. Oi JRBalta (não consegui achar seu nome completo !!!) Legal que você curitu e aproveitou as dicas que passamos no 1º relato. Realmente estivemos em Lisboa de 17/04 a 19/04. Obrigado pelo comentário. Vou aguardar o seu relato também . Por agora estou concentrado, no pouco tempo que estou tendo, para relatar esta 2a. viagem. Ainda falta muito para terminar, mas com paciência chegamos lá. Abraços. Fernando
  17. DIA 02/04 - GRANADA -> MADRI Acordamos cedo, tomamos nosso café. Pedimos na recepção para chamarem um taxi. Saimos do hotel e andamos uns 20 metros até o local de espera para o taxi. Logo ele chegou. O dia estava nublado e frio também. O taxi foi ateé rápido. Pagamos 9,70 euros pela corrida. Nosso trem era às 9:10. Esperamos um pouco e logo anunciaram que estava aberto o embarque. tinha uma fila não muito longa. Verificaram as passagens e embarcamos. Nós compramos esta passagem com antecedência, pela internet, no site da Renfe, conforme já relatei. Pagamos 26,85 euros por pessoa. O trem era mais antigo do que o trem Sevilha-Granada, porém bem confortável. Viajamos os 4 juntos. Este trem tinha o vagão com lanchonete, onde pode-se comprar bebidas e comidas. A viagem foi bem tranquilha. belas paisagens. O trem chegou a Madri às 13:30h. Descemos na Estação Atocha Renfe. É um estação muito grande, que recebe trens regionais (cercanias) e trens de outras cidades distantes. Um parada para ir ao banheiro: Passamos no posto de informações que tem na estação para nos informar sobre o metrô, pagamos o mapa da cidade. Resolvemos pegar um taxi, pois vimos que de metrô íamos gastar quase a mesma coisa. Achamos o ponto de taxi, beleza. Nada de correria. Até o hotel pagamos 9,00 euros + 3,00 euros pelo embarque na estação. Pelo que nos informou esta taxa é de 5,00 euros se você pegar o taxi no aeroporto. Nós ficamos no Hotel Ibis Maravilhas. O hotel é quase pertinho da estação do metrô Bilbao. Nós pagamos 483,20 euros por 5 diárias, já incluído o café da manhã. O padrão do hotel é o mesmo dos demais Ibis. O ponto ruim é que não disponibilizam internet gratis nem na recepção, como nos demais IBIS. Eles cobram 5,00 euros por 24 horas. Caro heim O quarto segue o padrão da rede, ficamos no 211: Banheiro pequeno, porém funcional: Após tudo nos quartos saímos para procurar nosso almoço. Minha esposa já tinha pesquisado a respeito da rede (franquia) de restaruantes Frescco: http://www.frescco.com/ O bom é que o buffet é livre e você escolhe o vai comer, claro dentro das opções do dia. em geral você tem dois tipos de sopas (ou cremes), salada com muita variedade, batatas e outras coisas, pratos quentes que podem incluir pizza, paela e carnes também. Ainda tem a bebidas junto (menos cerveja) sobremesa e café. Tudo isto a 9,95 euros por pessoa. Nos dias festivos e finais de semana é 11,95 euros. Você ainda pode repetir a vontade. Minha esposa já tinha um mapa com a localização dos "Frescco" em Madri. O mais próximo de nós era o na Calle Sagasta, 30. Fomos lá então. Rapidniho chegamos lá. Fomos ao atendente nos informar direito como funcionava, para não darmos mancada. O cara era um Cubano muito gentil e logo ao perceber que éramos brasileiros, ficou a vontade para brincar a respeito de futebol. Comemos tranquilhamente. como disse para cada um pagamos 9,95 euros. Saímos de lá por volta das 16:00h. O comércio ainda estava praticamente fechado. Aos poucos iam voltando da "siesta" ou "sesta". Normalmente fecham tudo por umas 3 horas. Queria isto aqui também no Brasil :'> Descemos até a praça do Sol ou Porta do Sol. A praça estava cheia de gente. Há pessoas de todos os tipos por ali. A pessoas fantasiadas de tudo; Mickey, Mine, Bob Esponja, Homem Aranha e outras coisas mais. Todos esperando turistas para tirarem fotos e ganharem uns trocadinhos. Cuidado com as carteiras !!! A praça e ampla e ainda tem estação do metrô por baixo. De lá seguimos até a Plaza Mayor, que fica a poucos metros dali. A Plaza Mayor é uma praça retangular, cercada por prédios (tudo igual) e com 9 entradas. No térreo destes prédios existem restaurantes. Ela lembra a Place des Vosges em Paris. Estava também cheia de turistas e algumas figuras pitorescas, assim como na "Sol". Ficamos um tempo aproveitando o solzinho e vendo os detalhes do lugar e das pessoas que ali passavam: De lá seguimos até a porta de Toledo. No caminho passamos pela Igreja de S. Isidro, antiga catedral da cidade de Madri que estava fechada. Chegamos a porta de Toledo. é o 3o. monumento com este nome em Madri. Foi erguido durante ao Reinaldo de Fernando VII. Tem uma inscrição na parte superior: "A Fernando VII el Deseado, padre de la patria, restituido a sus pueblos, exterminada la usurpación francesa, el Ayuntamiento de Madrid consagró este monumento de fidelidad, de triunfo, de alegría. Año de MDCCCXXVII." Bom de lá seguimos em direção a catedral da cidade. Subimos pela Gran Via de San Francisco. A Catedral de la Almudema é ao lado do Palácio Real. É muito bonita por dentro e também muito grande. Tem um órgão de tubos enorme dentro dela. Tem uma entrada para a frente do Palácio Real: Ao lado está Palácio Real, denominado Palácio do Oriente. É a residência oficial do Rei da Espanha, mas ele não fica neste palácio. Usa-o para eventos oficiais. Não entramos, pois já eram 19:50h e não dava mais tempo. De lá fomos ao Mercado de São Miguel, junto a Plaza de San Miguel, já a caminho de nosso hotel. É um mercado que tem de tudo, frutas, comidas típicas, bebidas, frutos do mar. Não é muito grande, mas é muito organizado e limpo. Voc6e tem que comer em pé. Fomos subindo em direção ao hotel. Paramos em um restaurante. Comemos Pizzas e bebmos refri. Ficou em 31,90 euros. Quando saimos começou a chover e a esfriou. Já era 21:00h. Pegamos um taxi e voltamos para o hotel. Pagamos 7,45 euros. Hora de descansar.
  18. DIA 01/04 - GRANADA - DOMINGO DE RAMOS Acordamos por volta das 08:00h. Descemos, tomamos nosso café. Após os preparos fomos para o nosso banho Árabe. Para este progama você tem que levar roupa de banho. Nós já havíamos reservado no dia anterior. Fomos ao HAMMAM, que fica na Cale Santa Ana, 16, perto da Igreja de Santa Ana. Do hotel até lá foi uma caminhada de uns 15 minutos. O dia estava um pouco nublado. Nosso ho'raio era às 10:00h. Você chega, confirma sua reserva. Você recebe toalha e dois plásticos para colocar nos pés (nos sapatos) para entrar nos vestiários. A partir da entrada para os vestiários já não é permitido fotografar. Nos vestiários você tem um armário, com fechadura eletrônica, onde você cria a senha. Neste armário, que não é muito grande, você deve colocar seus pertences. tudo é muito limpo. Nos vestiários tem duchas e banheiro que podem ser usados. Um detalhe: Os vestiários são separados (claro) !!! Dos vestiários você tem acesso aos banhos. As pessoas que pagaram para ter uma sessão de massagens recebem uma senha. Lá dentro existem 3 banhos. Um frio (frio mesmo), um temperado (morno) , foi o que achei melhor :'> e um quente. Há também uma sauna a vapor. Você tem a sua disposição chá a vontade. O ambiente é muito legal. É altamente relaxante !! A gente pode ficar 1h e 1/2. Eu consegui umas fotos do lugar, na internet, este ai é o banho quente: Ainda tem um som ambiente que faz com a gente relaxe mais ainda. Ao terminar nosso horáio, um pessoa passa com um sininho na mão. que pena, mas acabou !! Voltamos aos vestiários, tomamos uma ducha e nos arrumamos. Depois deste banho altamente relaxante, fomos continuar nossa jornada. De lá atravessamos a ponte e seguimos subindo ao lado do Rio Darro, pela Carrera Del Darro. Estamos indo em direção ao Bairro de Albacin. pode acreditar mas o rio é limpo, mesmo com estas casas literalmente "grudadas" nele. Estava ocorrendo uma procissão em direção a Igreja de San Pedro y San Pablo. tinha muita gente seguindo e a rua ficou tumultuada, já que nosso caminho passava bem em frente a esta Igreja. Passamos pela Igreja e fomos seguindo. O local é realmente muito bomito, tem muito verde: Ai você chega a Plaza de los tristes. Não sei por que este nome, pois a praça é realmente muito bonita e muito arborizada. Os restaurantes disponibilizam mesas na praça. Continuamos até a ponte chico e subimos a Cuesta del chapiz. fomos subindo em direção a Igreja de San Nicolas onde existe o mirador de San Nicolas. A praça estava cheia e foi difícial conseguir bater fotos sem que alguém atrapalhace. De lá a gente consegue avistar todo o complexo de Alhambra e também a cidade de Granada. Ve-se as torres e os palácios de Alhambra. Nesta praça ficam muitas pessoas artesãs, que estão lá para vender seus produtos. tem gente de todo o estilo. Foi o primeiro lugar que encontramos produtos artesanais sendo vendidos assim, na rua, o que é comum aqui no Brasil. Legal também que de lá a gente avista a Sierra Nevada. Pelo menos de longe deu pra ver o motivo que ela tem este nome. Para quem tiver afim, existem passeios que te levam lá. Até taxistas também fazem este roteiro. Nós não fizemos. A fome já tinha chegado. Ficamos um pouco mais ali na praça. Depois fomos a um restaurante ali mesmo com o nome de El Mirador. Comemos revolto de bacalhau, bacalhau dourado, salada, Boquerones (acho que eram anchovas fritas), bebemos suco, refri e cerveja. tudo ficou em 55,50 euros para 4 pessoas. Após o merecido almoço fomos andar pelas ruas do Bairro de Albacin. é um bairro antigo com casas super bonitas, cheias de arabescos e sacadas decoradas com vasos e azulejos: Tem também vários restaurantes com vários menus: O bairro é cheio de ruelas, becos, subidas e descidas. Prepare-se para caminhar. Depois de explorar bem o bairro de albacin resolvemos ir ao bairro de Sacramonte, que fica ao lado. é um bairro conhecido pelos ciganos de Granada e por ter casas e bares nas cavernas (dentro das rochas). As cavernas são casas comuns no bairro de Sacramonte. As cavernas são diferentes umas das outras e pintadas normalmente com tinta branca ou "cal". Neste bairro também tem algumas tabernas onde acontecem os chows de Flamenco. Andamos até mesmo por lá. Voltamos pelo caminho de sacramonte e bem no final desta rua na esquina com a cuesta del Chapiz achamos uma "teteria" ou casa de chá. O estilo do local nos chamou a atenção e entramos para conhecer. Estava vazio, apenas umas 2 pessoas. O ambiente é muito interessante, todo decorado. Como já estávamos com fome novamente aproveitamos para comer (Crepes) e beber, claro que foi chá. Pagamos 16,00 euros para os 4. O legal mesmo foi o amiente. Saímos de lá e voltamos a pé a margem do rio Darro. quando estávamos chegando a Igreja de San Pedro e San Pablo, ouvimos já o movimento da procissão. Como já disse a semana santa nesta parte da Espanha é muito tradicional. As comemorações são muito frequentadas pela população e vem bastante turistas para presenciar tudo. Nós estávamos ali mesmo de gaiato, pois nem sabia desta tradição do povo Andaluz. Entào fomos correndo observar tudo. Nesta Igreja estava sainda um andor, onde em cima estava uma passagem da vida de Jesus. O andor que é muito grande e com certeza muito pesado, é carregado por muitos jovens. A procissão sai da Igreja e vai em direção ao centro da cidade, onde passa pelo local onde outras procissões também vão passar. Imagine um sambódromo aqui no Brasil, é igual, só que no lugar de passar escola de samba passa as procissões. Olha o andor. As imagens são em tamanho natural. Esperamos a procissão passar e descemos também. Paramos em um restaurante árabe Nemrut Kebab. Comemos 2 Pizzas e 2 Kebab e refri. Pagamos 24,50 euros para os 4 pessoas. Fomos ainda em direção ao hotel e podemos ver outra procissão chegando, da mesma forma, com muita gente caracterizada, um andor, só que com outra parte da passagem de Jesus.
  19. Gente, Obrigado Marcelo. Realmente a praça de Espanha, em Sevilha é muito bonita. o lugar ao redor também, tem um parque que não me lembro mais o nome. Fica para a próxima. Na quinta feira agora vou postar mais uma etapa do relato. Só estou tendo tempo de escrever aos finais de senana. Fernando
  20. DIA 31/03 - GRANADA - DIA DE VISITAR ALHAMBRA Acordamos cedo, por volta das 08:00h. Descemos para o café da manhã. Saímos e tomamos um taxi, que foi pedido pelo hotel. Apesar de parecer perto, para se chegar até lá é necessário subir e subir. O taxi cobrou 7,90 euros. Como já tinhamos o ingresso em mãos o taxista nos deixou na porta da justiça. Como disse anteriormente, vale a pena comprar eo ingresso com antecedência pela internet e trocar nos ServiCaixas (terminais). Cada ingresso custou 14,30 euros. Um detalhe importe. Quando for imprimir seu ingresso nos terminais, observe que o mesmo tem que ter o código de barras, pois é por ele que você é liberado para o acesso. Estou falando isto, que parece óbvio, mas na fila que estávamos para entrar no Paláio Nazaries, o sujeito de nossa frente estava com a família e um dos ingressos não saiu o código de barras. Ele teve que voltar e resolver este problema. Observe que você ao comprar o ingresso o mesmo tem um horário de visita. O nosso era de 08:30h às 14:00h e você deve escolher o horário de visitar o palácio Nazaries. nós escolhemos às 10:00h. Após às 14:00h você tem acesso apenas as áreas onde não é necessário mostrar o ingresso. Nós já chegamos lá faltavam ainda uns 20 minutos para às 10:00h. Entramos na fila do Palácio Nazaries para esperar. O dia estava mais nublado e um pouco frio. No horário certo entramos. O Palácio Nazáries e sem dúvida, uma das construções de maior beleza e riqueza dentro do complexo de Alhambra. A arquitetura e ornamentações Moura, que ainda teve influência Cristã, no que resultou na chamada arquitetura Mudejar, um gênero típico da herança Moura na região da Andaluzia. Cada lugar mais bonito e rico em detalhes. Este aí é o Pátio de Arrayares: A medida que íamos andando dentro do palácio enontrávamos mais e mais lugares bonitos e belas paisagens: Chegamos ao pátio dos leões. Estava em reforma. Depois de tudo saimos e fomos em direção ao Palácio Yusuf III. Já estávamos nos jardins. Aproveitamos um pouco para descansar e apreciar a paisagem. Antes de continuarmos, voltei a portaria e peguei um mapa do local. Sem mapa fica difícil identificar os lugares. Saímos de lá e fomos em direção a Gneralife, que fica do outro lado. Para se ter acesso passa-se por uma ponte de pedra. Generalife foi uma casa de descanso construida para os reis Mouros de Granada, onde se destacam os charmosos jardins e pátios. Os jardins são realmente maravilhosos. Cheios de fontes. Como estávamos um pouco mais acima, pode-se avistar melhor todo o complexo. Pode-se avistar também toda a cidade de granada ao fundo. Continuamos até chegar ao pátio de La Acequia. O difícil é você conseguir tirar uma foto sem que saia alguém atrapalhando a paisagem. Depois de visitarmos o Generalife, fomos em direção a portaria principal, onde havia indicação de lanchonete. Nesta portaria é onde estão as máquinas ServiCaixa para a troca dos ingressos comprados na internet. Compramos pizza, bocadillos, refrigerante, cerveja e fruta (salada de fruta). Tudo ficou em 30,80 euros para 4 pessoas. Saimos dali e fomos procurar um lugar para sentar. Já era mais de 13:30h. O sol tinha dado as caras. Depois do lanche seguimos descendo em direção ao paláciode Carlos V. Depois de andarmos por lá fomos em direção a Alcazaba. De alcazaba, com suas torres era feita a segurança da fortaleza. Era também onde vivia aelite militar. De suas torres é possível avistar a cidade de Granada. Não podemos entrar. Esquecmos do horario, já eram 14:30h e nossos ingressos não permitiam entrar até às 15:10h. que pena!!! Voltamos em direção a entrada, por onde chegamos. Sendo assim resolvemos que iríamos até o hotel, pegar roupas de banho e irmos para um "banho árabe". Pegamos um taxi até o hotel 5,00 euros. Detalhe: o ônibus custava 1,20 euro. No hotel, pegamos a roupa de banho (suga) e a esposa o biquini e fomos em direção ao Banho Ärabe. Nós fomos em um que era perto da Igreja Santa Ana, na Cale de Santa Ana, 16. Era 23,00 euros por pessoa, somente o banho com duração de 1h30min. Problema: Não tinha vaga mais naquele dia. De novo. Bom, então reservamos para o outro dia. O pagamento é feito na reserva. Se você quiser pode incluir massagem, aí fica mais caro. Como não teve jeito, saímos dali e fomos caminhando naquela região, onde tinha bastante comercio ainda aberto. Foi bom, porque podemos apreciar mais um pouco as belezas da cidae. Resolvemos seguir em direção ao rio; Pausa para o descanso, pois já estávamos começando a ficar cansados. A cidade tem muitas praças e calçadas largas onde se pode caminhar facilmente. Nada como sentar e apreciar as belezas da cidade. continuamos em direção ao Rio. Quando lá chegamos estava acontecendo um evento para a promoção ou seria a inclusão de pessoas com necessidades especiais. Teve até um ensaio de samba, pode. Chegamos as margens do rio e caminhamos por ali. Depois voltamos para o hotel, Tomamos banho e já estava noite. Descemos e comemos ali perto mesmo, em um restaurante, La Chicotá. Comemos creme (sopa) e batatas rechedas, bebemos refri. Tudo por 16,50 euros para o casal. Voltamos para o hotel e fomos descansar. Já era mais de 22:00h.
  21. Dia 30/03 - SAÍDA PARA GRANADA Decidimos acordar mais tarde, afinal de contas andamos o bastante no dia anterior. Levantamos por volta das 9:00h. Arrumamos as malas e descemos para o café da manhã. Depois fizemos nosso check-out, pagamos o hotel e os cafés da manhã. Logo na frente do hotel tinha um ponto de taxi. Arrumamos um grande que coubesse nossas 4 malas e fomos para a estação ferroviária Sevilha Santa Justa. A estação não é muito longe, porém desta vez pegamos um taxitas "normal". Pela corrida pagamos 8,90 euros. Bela estação !! . Parece uma construção recente. Ampla e moderna. Ficamos esperando, pois nosso trem era as 11:50h. Nós compramos nossas passagem antecipadamente pela internet, conforme já havia relatado anteriormente. A passagem custou 24,80 euros por pessoa. Não é necessário trocar ou validar o bilhete da internet. Detalhe interessante que os trens não atrasam e você deve embarcar até 1 minuto antes da partida do trem. Descemos para a plataforma tão logo chamaram para o embarque. O trem é o MD-Média distância, que segundo informações pode chegar a 200 km/h. O trem tem espaço para as bagagens perto das portas e também em cima, no bagageiro. Detalhe interessante que percebi neste trem. Tem espaço para cadeirante com acesso por porta especial e banheiro preparado também para pessoas com cadeiras de rodas, muito legal. Pontualmente partimos. Quando compramos as passagens já marcamos os lugares. Marcamos os 4 lugares juntos, nos assentos que tem uma mesa entre eles. Durante a viagem passamos por vários locais bonitos, mas o que mais se via no caminho eram olivais. Eu aproveitei a jornada para começar a digitar dados desta viagem, para que pudesse repassar aqui. Chegamos a Granada por volta de 14:50h. O trem não atrasa mesmo!!! :'> Saímos da estação em Granada e pegamos um taxi para o nosso hotel. Era uma motorista. Muito educada, ela foi nos dando detalhes da cidade, principalmente de Alhambra onde poderíamos pegar o ônibus para lá, quanto custava e também sobre os festejos da Semana Santa, que começariam no domingo próximo. Assim como em Sevilha, a Semana Santa também é muito tradicional em Granada. Gente o taxi da mulher tinha até teto solar que ela fez questão de abrir. A corrida ficou em 8,00 euros. Deixamos por 10,00 euros pela sua educação e dicas. Nós ficamos hospedados no hotel Best Western Daurio II. Reservamos e pagamos antecipadamente. Para 3 diárias pagamos 231,33 euros, com café da manhã incluído. A localização do hotel é muito boa. Perto de tudo. Dava até para ir a pé para Alhambra, o problema era só a subida até lá. Nosso quarto foi o 221. O quarto era muito bom. Amplo, com uma cama muito boa, mesa e frigobar. O banheiro também grande, nada apertado. A janela de nosso quarto dava para um "calçadão" onde tem vários bares e restaurantes. As portas que davam acesso as sacadas (2) vedaram muito bem o barulho da rua. Confesso que não me incomodou para dormir. O hotel tem duas entradas, uma para o calçadão que mostro na foto acima e outra para outro calçadão, que fica atrás. Depois de tudo acertado, perguntamos na recepção onde teria uma máquina de ServiCaixa para trocar nossos bilhetes para Alhambra. A recepcionista nos disse que era perto da loja El Corte Inglês. Saímos para procurar o tal ServiCaixa e já fomos apreciando a cidade. É uma bela cidade: Depois de muito procurar achamos a máquina, porém não conseguimos trocar. Quando se compra o ingresso de Alhambra pela internet você tem que trocar pelo ingresso definitivo em um dos terminais ServiCaixa. Sabíamos que na portaria principal de Alhambra tem esta máquina, mas já tínhamos lido que a fila para esta troca fica muito grande e queríamos evitar isto. Bom como não conseguimos saímos e fomos almoçar, afinal de contas já era 15:40 h e estávamos com fome. Comemos macarrão, peixe (bacalhau) saladas, bebemos suco e também cerveja. tudo ficou em 25,50 euros. Saímos e fomos em direção a catedral da cidade. No caminho passamos pelo centro comercial onde tem vários produtos árabes. mercado de Alcaiceria Andamos um pouco por lá e fomos a Catedral. A entrada para visitação fica na Gran Via de Colon. Paga-se 4,00 euros por pessoa. Entramos. A catedral é muito bonita, você recebe um mapinha com algumas explicações. Um detalhe que percebi, na verdade senti. A catedral estava gelada. Muito mais frio que lá fora. Detalhe para o grande órgão que fica no centro da catedral e para o livros enormes de cantos escritos em latim que ficam atrás do altar principal da igreja. De lá fomos subindo em direção a Alhambra. Queríamos ver a cidade do alto. No caminho vimos uma máquina da ServiCaixa. Resolvemos tentar trocar os ingressos novamente. E conseguimos !!1 Pegamos os 4 ingressos na máquina, já os definitivos. Quando eu for falar de Alhambra vou postar mais informações sobre os ingressos e os horários. Continuamos a andar e paramos em um restaurante vegetariano. Lá minha esposa comeu uma sopa (creme), e nós tomamos sucos. ficou em 10,50 euros. De lá andamos mais um pouco e achamos umas pizzas em pedaços, por 1,50 euros cada. Não deu para resistir. Subimos até a Igreja de San Cecílio, onde estava acontecendo celebração. Não entramos, apenas tiramos fotos já no pôr do sol. Subimos mais um pouco de onde conseguimos avistar as muralhas de Alhambra. Já estava escuro e já era quase 21:30h quando resolvemos voltar para o nosso hotel.
  22. Dia 29/03 - RONDA Acordamos por volta das 08:00h. Era o dia de visitarmos Ronda. Também era o dia marcado para a Greve Geral na Espanha. Esperamos encontrar pelo menos tranquilidade em nossa jornada do dia. O dia amanhecia na cidade. O sol já anunciava um belo dia. Tomamos nosso café da manhã e logo saímos para a Estação Rodoviária. Apesar do sol, fazia um pouco de frio, mais do que no dia anterior. Fomos a pé, em uma caminhada de aproximadamente uns 15 minutos. Havia um policiamento na rua, diferente dos dias anteriores e algumas pessoas distribuiam panfletos. Não vimos nada mais de anormal em nosso caminho até a Estação. Nossa viagem estava marcada para as 10:00h. Nosso ônibus já estava parado no terminal. Diferentemente dos trens europeus, que são bem confortáveis, pelo menos nos que andei nesta viagem e na anterior, os ônibus são bem apertados. Mal cabia minhas pernas. Também não tem banheiro. Tudo bem, a viagem seria de aproximadamnte 2 horas, nada que a gente não suporte. Um detalhe interessante. Nós compramos a passagem de ida-e-volta. No entanto ele não marca o seu horário de volta. Também não tem lugar marcado. Segundo a atendente da empresa a gente deveria trocar o bilhete, pegando o definitivo da volta, no guichê na cidade de Ronda. Beleza ! A viagem foi tranquilha, belíssimas paisagens, estrada muito boa e bem sinalizada. Chegamos a cidade, faltava 10 minutos para o meio dia. Fomos ao guiche trocar a passagem para garantir a volta. Nada disso!!! Só se pode marcar a volta uns 15 minutos antes do horário do ônibus. Tudo bem. Vimos o horário da volta. Pegamos um mapa da cidade e saimos. A cidade de Ronda fica em uma região muito alta, motivo pelo qual fazia bastante frio na cidade. Um vento gelado, apesar do Sol. Fomos em direção a praça de toros. Uns 8 minutos de caminhada. O ingresso para a praça de toros custava 6,00 euros por pessoa. A praça de toros da cidade de Ronda é uma das mais antigas da Espanha e uma das maiores também. Lá dentro além da praça central, onde efetivamente ocorriam as touradas, tem um museu com fotos e objetos antigos, vestimentas dos toureros. Muito interessante. De lá fomos ao Paseo de Blas Infante, bem ao lado. De lá tem-se uma bela vista das montanhas: É um mirante, de lá se avista o outro lado da cidade, na verdade, a parte mais antiga da cidade que fica do outro lado do precipício conhecido como "el Tajo de Ronda". Na verdade a cidade é dividida por um precipício enorme. Existem 3 pontes que fazem a ligação entre a parte antiga e a parte nova. A puente nova, é uma construção muito bela: Acho que tem uns 50 metros de altura ou mais. Interessante é como eles construíram casas e até hotéis bem ao lado deste penhasco: Atravessamos a ponte e descemos em direção a casa Del Rey Moro. De lá podemos avistar as pontes Da puerta de Filipe V e a puente Viejo. Subimos novamente e fomos a Iglesia de Santa Maria la Mayor. A igreja estava em reformas. Voltamos a rua principal e fomos procurar algo para comer. Achamos um restaurante, de nome Armiñan. Muito simpático o pessoal. Bom atendimento e boa prosa. Comemos Paella, espaguetii, salada e pães. bebemos cerveja, sucos. Para 4 pessoas ficou em 50,50 euros. Eu preferi uma Paella de vegetais. Bom, depois do merecido almoço fomos caminhando em direção a Puerta de Almocábar. Subimos na muralha, que não é muito alta, mas de lá se enxerga melhor a parte de "fora" da cidade (que está depois das muralhas). Comçamos a voltar seguindo um caminho de trilhas (terra) que vai margeando as muralhas até que alcançamos os antigos banhos árabes. Os banhos árabes paga-se para conhecer. Resolvemos não entrar. Começamos a subir novamente em direção a ponte Nueva. Passamos pela ponte e fomos em direção a estação. Já estava ficando mais frio. Tomamos café e comemos umas tortas doce numa cafeteria bem ao lado da Rodoviária. Tudo, para 2 pessoas ficou em 16,70 euros. Voltamos para a estação rodoviária. O próximo ônibus era 18:00h. Esperamos um pouco até ele chegar. Só após o ônibus chegar e que podemos trocar nosso bilhete de retorno comprado em Sevilha pelo bilhete definitivo. O ônibus veio praticamente vazio. Estava nós 4, um casal jovem de chineses e mais umas duas pessoas. Bom, ao contrário da ida, a volta não foi tão tarnquilha. Tanto eu quanto minha esposa ficamos "enjoados" dentro do ônibus. É muita curva na estrada. Tivemos que até pedir ao motorista para que ligasse o ar-condicionado. Já chegando em Sevilha, a estrada mais reta, começamos a melhorar. Nada que um Sal de frutas não soluciona também. Quando chegamos em Sevilha, já era 19:40h, descemos na estação e na saída vimos uns policiais. Perguntamos se estava tudo certo, tudo normal. Tranquilho !! Nada de anormal na cidade. Parece que a greve teve mesmo grande volume em Madri e Barcelona. Fomos em direçào ao bairro de Santa Cruz, ao lado do Real Alcazar. É um bairro muito interessante com ruelas apertadas, que te levam a pequenas praças, onde se pode encontrar sempre bares e retaurantes. De lá caminhamos até chegarmos a torre la Giralda, que fica atrás da catedral da cidade. Já era quase 21:00 h quando fomos procurar o bar "la Carboneria", que segundo a gente se informou tem show Flamenco de graça. Depois de muito andar e perguntar as pessoas conseguimos encontrar o local. Segundo nossa informação eles abrem o bar as 21:00 h. Nós chegamos lá por volta de 21:15. Era perto, porém nós custamos a encontrar. Assim como nós havia umas pessoas esperando que o bar abrisse. Nada, o bar não abriu. Uma das pessoas que estava esperando era um rapaz de Madri, que já tinha morado em Porto Alegre. Conversamos com ele um pouco e no final todos resolvemos ir embora. Lembramos que por conta da Greve Geral, com certeza não ia abrir. Tivemos que pedir ajuda a duas moças para nos ajudar a achar a praça da torre la Giralda novamente. O meu mapa tinha letras muito pequenas e não estávamos enxergando, já que já tinha anoitecido . Bem Perto da praça, fomos no bar toro-toro. Lá comemos as Tapas e bebidas por 17,60 euros. Voltamos para o hotel. o dia foi cansativo, porém muito bom.
×
×
  • Criar Novo...